You are on page 1of 7

Universidade do Grande Rio Campus I: Duque de Caxias Curso de farmácia

_______________________________________________ _______________________________________________ _______________________________________________ _______________________________________________

Relatório de imunologia Tipagem sanguínea

Duque de Caxias 2013

Duque de Caxias 2013 . relatar a aula prática da disciplina de imunologia com o tema de Tipagem sanguínea realizada com os professores Fábio Câmara e Luciene.Universidade do Grande Rio _______________________________________________ _______________________________________________ _______________________________________________ _______________________________________________ Este trabalho tem como objetivo.

Sumário 1. Materiais utilizados 3. Introdução 2. Conclusões 5. Procedimentos 4. Bibliografia .

anti-A. Materiais utilizados         Centrífuga sorológica de mesa Estante porta tubos Banho Maria 37ºC Micropipetas: 50 µl. 2.B. Determinar o Fator Rh: Na determinação do tipo Rho (D). O princípio básico do teste é a reação dos anticorpos monoclonais da classe IGM com o antígeno presente na superfície da hemácia. Caso haja necessidade será feita a pesquisa de subgrupos de A e AB. enquanto a reversa pesquisa seus anticorpos correspondentes no soro. é o único onde anticorpos estarão certamente presentes no soro de indivíduos que não possuam os antígenos correspondentes. Soro anti-D .B não é necessária. usando antissoros. Tubos de hemólise 120x100 mm e 150x100 mm. O sistema ABO primeiro sistema de grupo sanguíneo descoberto. a utilização do soro anti-A. É o sistema mais importante para a prática transfusional.1. 100 µl e 1000 ul. Caso seja utilizado antisoros MONOCLONAIS. é obrigatório o uso do soro anti-D e do controle Rh do mesmo fabricante e marca do soro Anti-D em uso. anti-B. Introdução Determinar o Grupo ABO: A tipagem sangüínea direta pesquisa a presença de antígenos ABO nas hemácias teste e a reversa seus anticorpos correspondentes utilizando hemácias conhecidas A1 e B. A classificação direta pesquisa a presença dos antígenos ABO nas hemácias testes. utilizando hemácias comerciais. Soro mono ou policlonais anti-A. este último pela possibilidade da presença de auto-anticorpos e /ou proteínas séricas anormais.

homogeneizar.3. 13) colocar os três tubos na centrífuga e dar uma rodada apenas para sedimentar o material.retirar o tubo da centrífuga utilizando uma pinça. 4) repetir o processo de centrifugação do item 2. . 12) colocar 2 gotas da solução anti-D no tubo D. Exemplo: solução anti-A (A). 6) retirar o soro com o pipetador e descartar. homogeneizar. homogeneizar. 8) retirar três gotas dessa solução e colocar uma gota em cada tubo de ensaio. homogeneizar. 9) marcar com canetinha cada tubo com a letra da solução que será utilizada em cada um. . . 11) colocar 2 gotas da solução anti-B no tubo B. 3) iniciar o processo de lavagem das hemácias: . 14) após retirar o tubo de ensaio da centrífuga observa-se um botão de hemácia no fundo do tubo de ensaio. se continuar aglutinado é positivo. 7) retirar uma gota de sangue do tubo. anti-B (B) e anti-D (D). homogeneizar.se as hemácias se dissolverem significa que é negativo.retirar o plasma do tubo utilizando o pipetador e descartá-los.5 rpm na centrífuga. . 5) repetir o processo de lavagem das hemácias do item 3. .marcar no tubo onde está a borda do plasma. 10) colocar 2 gotas da solução anti-A no tubo A. com canetinha.acrescentar soro fisiológico ao tubo com sangue (hemácias) até a marca da canetinha utilizando seringa descartável (a quantidade será a mesma de plasma e de soro fisiológico). colocar em outro tubo de ensaio e acrescentar 9 gotas de soro fisiológico fazendo o chamado ‘solução de água de carne’. 15) iniciar o processo de análise do tipo sanguíneo que consiste em tentar homogeneizar as hemácias. Procedimentos Tipagem sanguínea 1) Coletar o sangue em tubo ou gel 2) centrifugar o material para separar o plasma das hemácias por 15 minutos a 2.

. Interpretação e Conclusões 1ª: Primeira amostra .Tubo D: aglutinou.Tubo D: aglutinou.Tubo D: aglutinou.Tubo A: aglutinou.4.Tubo A: não aglutinou. Resultado: A-positivo (A+) . . . . Resultado: A-positivo (A+) 3ª: Terceira amostra: .Tubo B: não aglutinou.Tubo A: aglutinou.Tubo B: não aglutinou.Tubo D: aglutinou. Resultado: O-positivo (O+) 4ª: Quarta amostra: . Resultado: O-positivo (O+) 2ª: Segunda amostra: . .Tubo B: não aglutinou. .Tubo B: não aglutinou. .Tubo A: não aglutinou. .

ar/wiener/catalogo/archivos/6396_vdrl_po. American Society for Microbiology. 1999. Bioclin.. Washington. 2 páginas.E.M..pdf.wienerlab. A. Local: http://www.com.com. 2007. Manual of clinical microbiology.pdf. 7th ed. H. Tenover. 2) Murray. Local: http://www.F. 3) Abo-rh pronto para uso. P.R..5. 6 páginas. blog catálogo. C.br/ sitebioclin/wordpress/wp. and Yolken. J. Pfaller.content/uploads/ arquivos/ instrucoes/ INSTRUCOES_VDRL. Bibliografia 1) Abo-Rh.. .R.bioclin. DC. Baron. 2007.