Português

Tipo de Exercício: Teste diagnóstico
Designação Módulo:
Turma: 59

Ano: 1

Ano Letivo: 2013/2014

N.º Módulo:
Curso: Técnico de Comércio
Data exercício:
17/09/2013

Formador:

Formando:

N.º

Classificaç
ão:

pontos, equivalem
a
Valores(extenso)

Ass. Formador(a):

Notação qualitativa

Ass. Formando:

Lê o texto atentamente e responde às questões com frases completas:
A MINHA OLYMPIA
1

Nem vale a pena falar de computadores e processadores de texto. Numa fase inicial, ainda me senti tentado
a comprar uma dessas maravilhas para mim, mas ouvi demasiadas histórias de terror em que uma pessoa
carregava no botão errado e eliminava um dia de trabalho — ou um mês de trabalho — e demasiados avisos

5

sobre súbitas falhas de energia, capazes de apagar todo um manuscrito em menos de meio segundo. Eu nunca
fui bom com máquinas e sabia que, se houvesse um botão errado para
carregar, acabaria por carregar nele.
De maneira que não mais larguei a minha velha máquina de escrever e os anos 80 passaram e deram lugar
aos anos 90. Um a um, todos os meus amigos mudaram para Macs e IBMs. Comecei a parecer um inimigo do

10

progresso, o último baluarte pagão num mundo de conversos digitais. Os meus amigos gozavam comigo por eu
resistir às novas tecnologias. Quando não me chamavam sovina, diziam que eu era um reacionário e teimoso
como um burro. Entrava-me por um ouvido, saía-me pelo outro. O que era bom para eles não era

15

necessariamente bom para mim, dizia eu. Por que raio é que eu havia de mudar se, como estava, me sentia
perfeitamente feliz?

18

Até então, não me sentira especialmente ligado à minha Olympia. A máquina era apenas uma ferramenta que
me permitia fazer o meu trabalho, mas, agora que se tornara uma espécie em perigo, um dos últimos artefactos
sobreviventes do homo scriptorus do século XX, começava a desenvolver uma certa afeição por ela. Dei-me
conta de que tínhamos o mesmo passado. Gostasse ou não, essa era a pura verdade. Com o passar do tempo,
acabei por compreender que tínhamos também o mesmo futuro.
Paul Auster, A história da minha máquina de escrever, Edições Asa

1

que razões o levavam a rejeitar as novas tecnologias? _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 3. Segundo os amigos. 1. O que motivou (e motiva). Essas histórias tiveram consequências na sua vida? Justifica a tua resposta. A relação do autor com a sua Olympia foi-se alterando com o tempo. segundo ele próprio. o que sentia por ela? _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 3. _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 2. Até há bem pouco tempo. 3.Grupo I – Interpretação 1. “…ouvi demasiadas histórias de terror…” (ll. “Olympia” era o nome de uma marca muito conhecida de máquinas de escrever.2. Explica porque considera o autor as histórias que ouviu sobre computadores “histórias de terror”. _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 1. 17). 2-3).1.1. Agora sente “uma certa afeição”(l. esta mudança sentimental? _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ 2 .2.

dizia eu. a frase ficou mais clara. ____________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ 4.1. portanto. todos os meus amigos mudaram para Macs e IBMs” (l. ____________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ 3.Grupo II – Funcionamento da Língua 1. Por que raio é que eu havia de mudar se. utilizando o discurso direto. 1. No texto entrecruzam-se registos diversos da língua. 8). c) Ao retira a expressão “Um a um” perde-se a noção de que a ação enunciada pelo verbo foi gradual e se prolongou ao longo do tempo.2. Transcreve uma frase em que se utilize um registo familiar.2. ____________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ 3 .1. um uso informal da língua. ____________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ 4. “O que era bom para eles não era necessariamente bom para mim. 2. Transcreve uma frase que sirva como exemplo de registo cuidado da língua. reescreve a frase. 8). “…todos os meus amigos mudaram para Macs e IBMs” (l. diziam que eu era um reacionário…” Sem lhe alterar significativamente o sentido. Identifica o sujeito de cada uma das frases. “Quando não me chamavam sovina. “Um a um. ____________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ 1. como estava. 4. em que haja. b) Ao reduzir-se o grupo do sujeito. substituindo a conjunção subordinativa temporal “quando” pela locução conjuncional coordenativa disjuntiva “ou…ou” (atenção às outras alterações que tens de introduzir). me sentia perfeitamente feliz?” Reescreve esta transcrição. Qual das afirmações que se seguem te parece mais correta? a) A mudança no grupo do sujeito não trouxe qualquer alteração se sentido à frase.

5. 3.2. 3. “Quando não me chamavam sovina. essas “histórias de terror”. o último baluarte pagão num mundo de conversos digitais. “Histórias de terror” porque é decerto arrepiante pensar que um simples botão carregado inadvertidamente pode eliminar.” 5. As opiniões dos amigos dividiam-se. A palavra formou-se pela contracção da preposição “em” com o pronome pessoal “ele”. o autor não tinha nenhum sentimento especial pela sua máquina de escrever. mas. 2. a utilizar a sua máquina de escrever como ferramenta de trabalho. a comprar um computador. perante.” 4.1.2. como estou. segundo outros essa rejeição era puro conservadorismo ou.1. Entrava-me por um ouvido. ou diziam que eu era um reaccionário.2. “Comecei a parecer um inimigo do progresso. acabarei (acabo) por carregar nele.1. Por que raio é que eu hei-de mudar se. 2. Via-a como uma simples “ferramenta de trabalho”. Autor e máquina estavam unidos por um tempo de extinção. acabava por carregar nele. Segundo uns o autor rejeitava as novas tecnologias porque não queria gastar dinheiro.2. O autor ainda se sentiu tentado. Na 1ª frase o sujeito é “Um a um. simplesmente.1. … quando há um botão errado para carregar.2. O facto de se ter apercebido que ambos tinham um passado comum e iriam ter o mesmo futuro. diziam que eu era um reaccionário e teimoso que nem um burro. (Teste e correção retirados do manual Plural 10. … quando havia um botão errado para carregar. … se houver um botão errado para carregar. várias horas de trabalho ou que uma falha de energia pode apagar subitamente um original concluído. A afirmação C. Ou me chamavam sovina. 1. me sinto perfeitamente feliz? 4.Bom Trabalho!  Proposta de correção II 1. teimosia. desistiu e continuou. 1. saía-me pelo outro. III 1. num segundo. Eu dizia(-lhes): — O que é bom para vocês não é necessariamente bom para mim. acabo por carregar nele. todos os meus amigos”. agora com convicção e em definitivo.1. da Lisboa Editora) A professora. 3. inicialmente. Até há bem pouco tempo. na segunda “todos os meus amigos”. 4 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful