SOBRE A ESSÊNCIA DA VERDADE

*

• A primeira edição deste trabalho foi impressa e m 1943. Encerri o t e x t o , . d l v e r M i V M I I ravltto, d l umit conferência pública que, sobre o m e s m o título, foi repetidas V C K J proferiu», deidc 19)0 A pMMflMIÍH aparece sem modificações. O primeiro parágrafo da observoçüo final falta nn ti «to «nltrlor.
1

v e r d a d e ? Q u a l a v e r d a d e i r a r e l a ç ã o q u e e x i s t e e n t r e v e r d a d e e praxis? .n o s . à n ã o . o q u e vale d i z e r . e n t r e t a n t o .o b j e t i v o " . estreito e equív o c o da verdade.s e d i z e r q u e a í c o m e ç a u m a c o n c e p ç ã o m a i s o b j e t i v a d e v e r d a d e ? T e m a l g u m s e n t i d o falar e m " s u b j e t i v o . h e i d e g g e r i a n o de verd a d e ? É possível u m c o n f r o n t o d a c o n c e p ç ã o d e v e r d a d e c o m o d e s v e l a m e n t o c o m a v e r d a d e como a compreende a analítica da linguagem? H o u v e u m a evolução do conceito de v e r d a d e e m H e i d e g g e r . a pensar as conseq ü ê n c i a s da i n t u i ç ã o do filósofo e a c o n f r o n t á . Nele a p o n t a m o s p r i m e i r o s s i n a i s d a v i r a v o l t a (Kehre). s e g u i d a m e n t e . Q u e há de subjetivo no c o n c e i t o de v e r d a d e e s b o ç a d o em Ser e Tempo? Q u a l a n o v i d a d e i n t r o d u z i d a pelo p r e s e n t e t e x t o ? P o d e .Nota do Tradutor Este texto j á é familiar p a r a m u i t o s e s t u d i o s o s d e filosofia.s e o necessário ponto de referência para o d e s b r a v a d o r d e s t a enigmática região do pensador.l o c o m o u t r a s definições de v e r d a d e . d e p o i s d a r e d a ç ã o d o t e x t o e m q u e s t ã o ? C o m o deve ser e n t e n d i d a a r e l a ç ã o entre v e r d a d e e l i b e r d a d e ? E a a t i t u d e do Filósofo q u e entrega a l i b e r d a d e à verd a d e ? N ã o s e m o s t r a a q u i a falta d e r e s p o n s a b i l i d a d e d a l i b e r d a d e d i a n t e d a v e r d a d e ? N ã o são n e c e s s á r i a s a b u s c a e a e l a b o r a ç ã o c r í t i c a da v e r d a d e . A p e s a r d e r e d u z i d o n a e x t e n s ã o . sua trajetória foi d a s m a i s l u m i n o s a s n o p e n s a m e n t o c o n t e m p o r â n e o .ciências e m g e r a l ? Q u e d i z e r d a i n t e r p r e t a ç ã o q u e o f i l ó s o f o . q u a n d o s u s t e m seu c a m i n h o e se v o l t a na b u s c a de uma auto-interpretação. ao m e s m o tempo. C o n d u z . p r o p õ e d o v o c á b u l o grego alétheia? C o i n c i d e o s e n t i d o de alétheia c o m o c o n c e i t o . m a s s e m p r e insolvida c o m o o p r ó p r i o m i s t é r i o . q u e s u s t e n t a o h o m e m n e s t e velho p l a n e t a : Q u e é a Verdade? Sobre a Essência da Verdade n o s a u x i l i a a p e r g u n t a r pelo s e n t i d o e e v o l u ç ã o do conceito de verdade em Heidegger. o f u n d a m e n t o d a v e r d a d e que a m p l i a a s p r ó p r i a s possibilidades do conceito de verdade em H u s s e r l ? C o m o situar a c o m p l e m e n t a r i d a d e d a s concepções de verdade n o s dois filósofos? B a s t a a verdade que resulta da r e d u ç ã o ou é preciso p e n s a r t a m b é m a v e r d a d e l i g a d a à h i s t o r i c i d a d e . conu> o q u e r i a H u s s e r l ? N ã o e n c o n t r o u H e i d e g g e r . O p r ó p r i o filósofo a ele t o r n a . v e l h a c o m o a h u m a n i d a d e . n a d i s c u s s ã o d a v e r d a d e em H e i d e g g e r ? Q u a i s os e l e m e n t o s q u e d i s t i n g u e m a v e r d a d e c o m o a d e q u a ç ã o e a v e r d a d e c o m o d e s v e l a m e n t o ? S e n d o a a d e q u a ç ã o u m c o n c e i t o d e r i v a d o . não é. E n q u a n t o m a r c o inicial d a p a s s a g e m d o p r i m e i r o a o s e g u n d o H e i d e g g e r . Aí s e m p r e se e n c o n t r a m n o v o s desafios e novos impulsos para prosseguir n a i n t e r r o g a ç ã o e m t o r n o d a q u e s t ã o . por outro lado. É um texto s o b r e o q u a l já se d e b r u ç a r a m m u i t a s g e r a ç õ e s de u n i v e r s i t á r i o s e u r n a geração de filósofos. a verdade c o m o desvelamento algo muito v a g o e a m p l o d e m a i s ? Q u a l a u t i l i d a d e d e s t a r e d e f i n i ç ã o h e i d e g g e r i a n a p a r a a c o n c e p ç ã o de v e r d a d e n a s . t o r n o u .

ou m e s m o a verdade de uma m e d i t a ç ã o filosófica ou de u m a fé religiosa. h o j e e m d i a . ele d e f e n d e seu d i r e i t o u s a n d o a ú n i c a a r m a de q u e d i s p õ e . é n e c e s s á r i o p e r g u n t a r p e l a v e r d a d e . o u . j a m a i s p o d e r e f u t a r o s e n s o c o m u m p o r q u e e s t e n ã o tem o u v i d o s p a r a s u a l i n g u a g e m . e n t ã o s e exige u m a r e s p o s t a a o n o s s o desejo d e s a b e r o n d e h o j e n o s e n c o n t r a m o s .s e d a e s s ê n c i a d a v e r d a d e .. s a b e r f u n d a m e n t a l q u e . N i n g u é m p o d e r á d e s prezar levianamente a u r g ê n c i a e gravidade delas. ERNILDO STEIN Introdução T r a t a . E s t a é o a p e l o " à " e v i d ê n c i a " de s u a s p r e t e n s õ e s e c r í t i c a s . n e s s a c a p a c i d a d e d e s u s c i t a r . HEIDEGGER 329 A solidez e o v i g o r de Sobre a Essência da Verdade. traz o n o m e de "filosofia".l ô p o r q u e o s e n s o c o m u m n ã o t e m o l h o s p a r a a q u i l o q u e a f i l o s o f i a p r o p õ e p a r a ser v i s t o c o m o e s s e n c i a l . E l e t e i m a em. Q u e i m p o r t a . c o m o fato de a v e r d a d e ser a v e r d a d e da p e s q u i s a c i e n t í f i c a ou da criação artística. u m a p r e o c u p a ç ã o pela verdade! . n ó s m e s m o s n o s m o v i m e n t a m o s n o nível d e c o m p r e e n s ã o d o s e n s o c o m u m . j á h á muito tempo. j u s t a m e n t e . c o m a questão da essência. P o r t a n t o . M a s que se exprime nestas objeções? O simples " b o m s e n s o " . Se. e l a n e m d e v e ter a i n t e n ç ã o d e r e f u t á . a v e r d a d e d e u m a reflexão t é c n i c a o u d e u m a p r u d ê n c i a p o l í t i c a . m a i s e s p e c i a l m e n t e . em nossa indigência c o n c r e t a . no vazio do universal abst r a t o q u e c o r t a o fôlego a q u a l q u e r p e n s a m e n t o ? N ã o m a n i f e s t a a e x c e n t r i c i d a d e de tal interrogação que a filosofia n ã o tem apoio na realidade? Um p e n s a m e n t o radical v o l t a d o p a r a o real deve a s p i r a r . d a p e s q u i s a . A f i l o s o f i a . Mas não nos d e s g a r r a m o s . . e d a a ç ã o . c o n t u d o . c o m o t e x t o gações. Q u e r e m o s a " v e r d a d e " real. e s t a s e o u t r a s i n t e r r o duradoura filosófico.s e a o e v i d e n t e a c e r t o d e s t a s o b j e ç õ e s . p o r sua v e z . Além d o m a i s . d a c r i a ç ã o e d a fé. O senso c o m u m t e m s u a p r ó p r i a n e c e s s i d a d e . a q u e s t ã o da essência da v e r d a d e que em sua a b s t r a ç ã o se a f a s t a de t o d a r e a l i d a d e ? N ã o é a q u e s t ã o da e s s ê n c i a o p r o b l e m a m a i s i n e s s e n c i a l e mais gratuito que se p o s s a c o l o c a r ? N i n g u é m irá s u b t r a i r . C l a m a m o s p e l a m e t a a ser p r o p o s t a a o h o m e m c o m o ser h i s t o r i a i e à história m e s m a . a i n s t a u r a r a v e r d a d e real q u e h o j e n o s oferece m e d i d a e s e g u r a n ç a c o n t r a a c o n f u s ã o d a o p i n i ã o e d o c á l c u l o . Q u e r e m o s s a b e r o q u e . revelamno diáloao s e . a c o n t e c e c o n o s c o . p r i m e i r a m e n t e e sem r o d e i o s . Encontra-se aí também a garantia de sua presença filosófico.sustentaF as exigências do i m e d i a t a m e n t e útil e se r e v o l t a confra o s a b e r q u e s e refere à e s s ê n c i a d o e n t e . e x i s t e . P e l o c o n t r á r i o . ~ : . A p e r g u n t a pela e s s ê n c i a d a v e r d a d e n ã o s e p r e o c u p a c o m o fato de a v e r d a d e ser a v e r d a d e da e x p e r i ê n c i a p r á t i c a da v i d a ou a da c o n j e t u r a n o c a m p o e c o n ô m i c o . n ã o o b s t a n t e . N ó s m e s m o s p a r t i c i p a m o s d a r e v o l t a d o " e v i d e n t e " c o n t r a t u d o o q u e exige ser p o s t o e m q u e s t ã o . e m c a d a leitor a t e n t o . n a medida e m q u e n o s c r e m o s e m segurança n o seio d a s diversas " v e r d a d e s " d a experiência d a v i d a . A p e r g u n t a p e l a e s s ê n c i a s e a f a s t a d e t u d o isto e d i r i g e seu o l h a r p a r a a q u i l o q u e u n i c a m e n t e c a r a c t e r i z a t o d a " v e r d a d e " e n q u a n t o tal..

q u e . a p e n a s v e r d a d e i r a u m a alegria r e a l . assim. a verdade da p r o p o s i ç ã o .. O v e r d a d e i r o do o u r o a u t ê n t i c o n ã o p o d e . a c o n c o r d â n c i a entre u m a c o i s a e o q u e dela p r e v i a m e n t e se p r e s u m e . C o n t u d o . É a p e n a s u m a " a p a r ê n c i a " e p o r isso irreal. O u sabe-se isto a p e n a s " c o n f u s a m e n t e " e " d e m o d o g e r a i " ? N ã o é p o r a c a s o este " s a b e r " impreciso e a p r o x i m a t i v o e a indiferença c o m relaç ã o a ele. O v e r d a d e i r o é o r e a l . verdade: ' ' E s t e d u p l o c a r á t e r d a c o n c o r d â n c i a t r a z à luz a definição t r a d i c i o n a l d a e s s ê n c i a d a Veritas est adaequatio rei et intellectus. entretanto. m a s c h a m a m o s a i n d a . e isto de d u a s m a n e i r a s : de um l a d o . somente é possível q u a n d o fundada na v e r d a d e da c o i s a . O i r r e a l p a s s a p e l o o p o s t o do r e a l . N ã o d e s i g n a m o s . e a n t e s d e t u d o . a g o r a está de a c o r d o n ã o é a c o i s a . p o r é m .o do falso. a l g o r e a l . R e t o r n a a q u e s t ã o : Q u e significam aqui autêntico e verdadeiro? O ouro autêntico é aquele ouro real. P e l o c o n t r á r i o . c u j a r e a l i d a d e c o n s i s t e n a c o n c o r d â n c i a c o m a q u i l o q u e " p r o p r i a m e n t e " . pois. O que. E s t a s d u a s c o n c e p ç õ e s da e s s ê n c i a da veritas significam um conformar-se com. real. . U m a enunciação é v e r d a d e i r a q u a n d o a q u i l o q u e ela d e s i g n a e e x p r i m e e s t á c o n f o r m e c o m a c o i s a s o b r e a q u a l s e p r o n u n c i a . a o m e s m o t e m p o . p o r t a n t o . é assim " c o m o d e v e s e r " n o s faz d i z e r : e s t á d e a c o r d o . a verdade assim entendida. p r é v i a e c o n s t a n t e m e n t e e n t e n d e m o s c o m o o u r o . no f u n d o . Isto p o d e s i g n i f i c a r : V e r d a d e é a a d e q u a ç ã o da coisa c o m o conhecimento. e. j á d e v e m o s s a b e r o q u e afinal significa v e r d a d e e n q u a n t o tal. O v e r d a d e i r o . p o r s u a vez. p o r é m . e x c l a m a m o s : " A q u i algo n ã o está de acordo". v e r d a d e i r a s o u falsas n o s s a s e n u n c i a ç õ e s s o b r e o e n t e . A c o i s a e s t á d e a c o r d o . de o u t r o l a d o . c o n f o r m e s u a n a t u r e z a . m a s s i m a p r o p o s i ç ã o . T a m b é m neste c a s o d i z e m b s : e s t á d e a c o r d o . A s s i m f a l a m o s do o u r o v e r d a d e i r o d i s t i n g u i n d o . se entende ordinariamente por "verdade"? Esta p a l a v r a tão sublime e. o o u r o a u t ê n t i c o n ã o o é n e m m a i s n e m m e n o s q u e o falso. O q u e . desta ou daquela maneira em sua realidade. . t ã o g a s t a e e m b o t a d a d e s i g n a o q u e constitui o v e r d a d e i r o e n q u a n t o v e r d a d e i r o . O o u r o falso n ã o é r e a l m e n t e a q u i l o q u e a p a r e n t a . a adaequatio rei ad intellectum. O conceito corrente de verdade O que. c o n t u d o . p o d e ser autêntico ou inautêntico. M a s um e o u t r o s ã o " r e a i s " . e pensam. a verdade como conformidade. p o r e x e m p l o : " É u m a v e r d a d e i r a a l e g r i a c o l a b o r a r n a r e a l i z a ç ã o d e s t a t a r e f a " . e n q u a n t o r e c l a m a m o s a " v e r d a d e " r e a l . é a q u i l o que e s t á d e a c o r d o . q u e c o n c o r d a . M a s o o u r o f a l s o é. a c o n f o r m i d a d e entre o q u e é s i g n i f i c a d o pela enunciação e a coisa. S e r v e r d a d e i r o e v e r d a d e s i g n i f i c a m a q u i : e s t a r d e a c o r d o . m a i s m i s e r á v e l q u e a pura e s i m p l e s i g n o r â n c i a da e s s ê n c i a da verdade? 1. O q u e é ser v e r d a d e i r o ? D i z e m o s . O r d i n a r i a m e n t e a m e n c i o n a d a d e f i n i ç ã o é apenas apresentada pela fórmula: Veritas est adaequatio intellectus ad rem. Q u e r e m o s dizer q u e s e t r a t a d e u m a a l e g r i a p u r a . E a s s i m que d i z e m o s m a i s c l a r a m e n t e : o o u r o r e a l é o o u r o a u t ê n t i c o . M a s pode se entender t a m b é m a s s i m : Verdade é a a d e q u a ç ã o do c o n h e c i m e n t o c o m a c o i s a . ali o n d e p r e s u m i m o s q u e haja ouro falso. ser s i m p l e s m e n t e g a r a n t i d o pela s u a r e a l i d a d e . seja u m a c o i s a v e r d a d e i r a ou u m a p r o p o s i ç ã o v e r d a d e i r a . o o u r o a u t ê n t i c o e q u a l q u e r e n t e d e s t e g ê n e r o .E n t r e t a n t o ..

m a s entre u m a enunciação e u m a coisa. d e m a n e i r a e s p e c i a l . se t o d o ente é " c r i a d o " . a intelig i b i l i d a d e i m e d i a t a d a s a r t i c u l a ç õ e s d e seu p r o c e s s o ( a q u i l o q u e s e c o n s i d e r a c o m o "lógic o " ) . m a l e m a l m e d i t a d a e m s e u s f u n d a m e n t o s e s s e n c i a i s . A m o e d a permite c o m p r a r um objeto. u m a d e s t a s concepções não resulta simplesmente da conversão da outra. e s e p r o c u r a r m o s m a n ter i n t e i r a m e n t e d e p u r a d a a d e t e r m i n a ç ã o f i l o s ó f i c a d a e s s ê n c i a d e q u a l q u e r i n t r o m i s s ã o dá teologia e se r e s t r i n g i r m o s o c o n c e i t o de v e r d a d e à v e r d a d e da p r o p o s i ç ã o . de u m a das m o e d a s : esta moeda é redonda. A enunciação sobre a m o e d a " s e " relaciona c o m esta coisa enquanto a apresenta e diz da c o i s a a p r e s e n t a d a o q u e e l a é s o b o p o n t o de v i s t a p r i n c i p a l .s e a a l g o diferente. na m e d i d a em q u e . se dá a si m e s m o s u a lei e p o s t u l a . t o d a e q u a l q u e r discussão sobre a possibilidade ou i m p o s s i b i l i d a d e . adequar-se à m o e d a de cinco marcos? Esta e n u n c i a ç ã o deveria então tornar-se u m a m o e d a e d e s t a m a n e i r a c e s s a r a b s o l u t a m e n t e d e ser e l a m e s m a . s e p r o c u r a esclarecer o m o d o c o m o s e fixou e s t a c o n f o r m i d a d e . p o r a q u i l o q u e eia significa o r d i n a r i a m e n t e . m a n t e n d o s u a e s s ê n c i a . o fato de d e i x a r surgir a c o i s a d i a n t e de n ó s e n q u a n t o o b j e t o . é p r e c i s o a i n d a p r o c e d e r . a d e q u a r . n e s t e c a s o . N ã o é e n t ã o m a i s n e c e s s á r i o que s e j u s t i f i q u e . e n q u a n t o p e n s a d a c o m o parte c o n t r á r i a d a v e r d a d e . E este a c o r d o . Em lugar da o r d e m da criação t e o l o g i c a m e n t e . E n q u a n t o esta " r e l a ç ã o " p e r m a n e c e r indeterminada e infundada em sua essência.v e r d a d e . ao mesmo tempo. . A e s s ê n c i a d a a d e q u a ç ã o s e d e t e r m i n a a n t e s pela n a t u r e z a d a r e l a ç ã o q u e r e i n a e n t r e a enunciação e a coisa. p o d e ser n e g l i g e n c i a d a q u a n d o s e t r a t a d e a p r e e n d e r a p u r a essência d a v e r d a d e . P a r a l e l a m e n t e .s e a um especial d e s v e l a m e n t o da e s s ê n c i a da verdade? N ã o está a essência pura da verdade suficientemente explicitada por esta noção . T a m b é m o intellectus humanus é um ens creatum.a tal q u a l é. A possibilidade intrínseca da concordância F a l a m o s da c o n c o r d â n c i a em diversos sentidos. s e g u n d o a q u a l a v e r d a d e c o n s i s t e na c o n c o r d â n c i a (omóíosis) de u m a e n u n c i a ç ã o (lógos) c o m o s e u o b j e t o (pragma). n ã o s e e s t a b e l e c e d e u m a coisa a o u t r a . a e n u n c i a ç ã o . A s s i m . segundo a q u a l "'os o b j e t o s se c o n f o r m a m c o m n o s s o c o n h e c i m e n t o " . A não-verdade da p r o p o s i ç ã o (não-conformidade) é a não c o n c o r d â n c i a da enunciação c o m a c o i s a . M e s m o lá.. a s a b e r . d e s c a r t a n d o t o d o s o s p r e c o n c e i t o s " p s i c o l o g i s t a s " e " e p i s t e m o l ó g i c o s " . em presença d e d u a s m o e d a s d e c i n c o m a r c o s p o s t a s s o b r e a m e s a : h á c o n c o r d â n c i a e n t r e e l a s . c o m a m o e d a . intellectus e res s ã o p e n s a d o s de m o d o diferente. s ã o i g u a i s . s u r g e a o r d e n a ç ã o possível d e t o d o s o s o b j e t o s pelo e s p í r i t o q u e .332 HEIDEGGER T o d a v i a . s o b este p o n t o d e v i s t a . F a l a m o s a i n d a e m c o n c o r d â n c i a quando dizemos. se f u n d a m s o b r e a c o n c o r d â n c i a d a s c r i a t u r a s c o m o c r i a d o r . c o o r d e n a d o s u m a o o u t r o a p a r t i r d a u n i d a d e d o p l a n o d a criação. Aqui a enunc i a ç ã o está e m c o n c o r d â n c i a c o m a c o i s a .v e r d a d e da coisa ( i n a u t e n t i c i d a d e ) significa o d e s a c o r d o de um ente c o m s u a e s s ê n c i a . a f o r m u l a da e s s ê n c i a da v e r d a d e (veritas est adaequatio intellectus et rei) a d q u i r e . o intelecto h u m a n o d e v e a d e q u a r . veritas A ventas enquanto adaequatio adaequatio rei (creandae) ad inteílectum (creatam). n a q u i l o q u e diz d a c o i s a a p r e s e n t a d a . M a s . A s s i m . admite-se c o m o i g u a l m e n t e e v i d e n t e q u e a v e r d a d e t e m um c o n t r á r i o e q u e há a n ã o . A veritas. f u n d a m e n t a l m e n t e d i f e r e n t e d e q u a l q u e r c o i s a ? C o m o p o d e u m a e n u n c i a ç ã o . (divinum) Veritas garante a enquanto intellectus (humani) ad rem significa por comumente válida que n e n h u m a teoria perturba e q u e protege sua evidência. M a s em q u e d e v e m convir a c o i s a e a e n u n c i a ç ã o . n ã o e x p r i m e a i n d a o p e n s a m e n t o t r a n s c e n d e n t a l de K a n t . C o m o p o d e aquilo que é c o m p l e t a m e n t e diferente. u m a e n u n c i a ç ã o e n q u a n t o tal n ã o m a i s p o d e r i a e s t a r e m c o n c o r d â n c i a c o m a c o i s a . M a s isto"a e n u n c i a ç ã o j a m a i s c o n s e g u e . tal c o m o o " e s p í r i t o " (a razão) o c o n c e b e . " A p r e s e n t a r " significa a q u i . Em que consiste. a q u i l o q u e e l a é . A e n u n c i a ç ã o n ã o é de n e n h u m m o d o material. pelo espírito de D e u s . a u m a c o i s a ? A a d e q u a ç ã o n ã o p o d e s i g n i f i c a r a q u i u m i g u a l a r . sua essência. por e x e m p l o . a eniinciação deve. S o b o i m p é r i o d a e v i d ê n c i a d e s t e c o n c e i t o d e e s s ê n c i a d a v e r d a d e . com uma tradição antiga do pensamento. u m a e v i d e n t e validez. ainda que não a m a i s a n t i g a . c a d a um e i m e d i a t a m e n t e . c o r r e s p o n d e m à idéia p r e v i a m e n t e c o n c e b i d a pelo intellectus divinus. P o r i s s o . q u e é posterior e s o m e n t e se t o r n a r á possível a partir da e s s ê n c i a h u m a n a e n q u a n t o s u b j e t i v i d a d e . p o r u m a e x p l i c a ç ã o t e o l ó g i c a . a p e s a r de todas as diferenças. n u m c a s o e n o u t r o . Q u e n o s r e s t a r á p a r a i n v e s t i g a r se a d m i t i r m o s q u e s a b e m o s o q u e significa a c o n c o r d â n c i a d e u m a e n u n c i a ç ã o c o m u m a c o i s a ? M a s sabemos nós isto? 2. s e n d o neste s e n t i d o " v e r d a d e i r a s ' ' . D i z e m o s .s e à idéia. tornar-se o q u e é. p o d e p a r e c e r q u e esta c o n c e p ç ã o de e s s ê n c i a da v e r d a d e seja i n d e p e n d e n t e d a i n t e r p r e t a ç ã o r e l a t i v a à e s s ê n c i a d o ser d e t o d o e n t e : esta ú l t i m a i n c l u i . p o r t a n t o . p o r q u e a essência d a v e r d a d e d a p r o p o s i ç ã o reside n a c o n f o r m i d a d e d a e n u n c i a ç ã o . j á q u e a m b o s o s e l e m e n t o s d a r e l a ç ã o s ã o m a n i f e s t a m e n t e diferentes pelo seu a s p e c t o ? A m o e d a é feita de m e t a l . em s u a e s s ê n c i a e e x i s t ê n c i a . a f i n a l . O r a . C o m o f a c u l d a d e c o n c e d i d a p o r D e u s . a s s i m . A e n u n c i a ç ã o a p r e sentativa e x p r i m e . " h a r m o n i a " determ i n a d a pela o r d e m d a c r i a ç ã o . n e c e s s a r i a m e n t e u m a i n t e r p r e t a ç ã o c o r r e s p o n d e n t e d a essência do h o m e m c o m o s u j e i t o q u e é p o r t a d o r e r e a l i z a d o r do intellectus . p a r a . por exemplo. o n d e . M a s e s t a o r d e m p o d e t a m b é m — d e s l i g a d a d a idéia d e c r i a ç ã o — ser r e p r e s e n t a d a de m o d o geral e i n d e t e r m i n a d o c o m o o r d e m do m u n d o .. e n t ã o n o s encontramos. enfim. i n t e r p r e t a d a c o m o adaequatio rei ad inteílectum. P a r a r e a l i z a r a a d e q u a ç ã o . t e n d o e s t a q u e ser c o n f o r m e c o m a idéia. c o m o r a z ã o u n i v e r s a l (mathesis universalis). c o n f o r m e o c o n c e i t o c o r r e n t e de v e r d a d e . c o m o c r i a t u r a s s i n g u l a r e s (ens creatum). e n t r e t a n t o . A enunciação não t e m n e n h u m caráter espacial. A r e l a ç ã o . M a s a f ó r m u l a a c i m a d e c o r r e da fé c r i s t ã e da idéia teológica s e g u n d o as q u a i s as c o i s a s .s e m a t e r i a l e n t r e c o i s a s desiguais. SOBRE A ESSÊNCIA DA V E R D A D E 333 3 Pelo c o n t r á r i o . p o r i s s o . A n ã o .v e r d a d e p o d e ser c o m p r e e n d i d a c a d a vez c o m o n ã o e s t a r d e acordo. o intelecto s o m e n t e é c o n f o r m e c o m a idéia p o r q u e r e a l i z a a a d e q u a ç ã o do que p e n s a c o m a c o i s a . a s s i m c o m o é. A s s i m . por s u a vez.permanecer. O " a s s i m c o m o " se r e f e r e à a p r e s e n t a ç ã o e ao q u e é a p r e s e n t a d o . t o m a r m o s a r e d u ç ã o d a v e r d a d e d a p r o p o s i ç ã o à v e r d a d e d a c o i s a . » v e r d a d e d a c o i s a significa s e m p r e o a c o r d o da coisa d a d a c o m seu c o n c e i t o e s s e n c i a l . isto é. N o m o m e n t o e m q u e tal c o i í à a c o n t e c e s s e . d e v e ser c o n c e b i d o c o m o uma a d e q u a ç ã o . e l a s t ê m este a s p e c t o e m c o m u m e . ou antes. ela j á s e m p r e e s t á p r e s s u p o s t a c o m o a e s s ê n c i a d a v e r d a d e . P a r a r e c o n h e c e r i s t o é p r e c i s o q u e c o n d u z a m o s a e x p r e s s ã o c o r r e n t e do c o n c e i t o o r d i n á r i o de v e r d a d e à s u a o r i g e m i m e d i a t a (medieval). i s t o é . E l a s e s t ã o e m c o n c o r d â n c i a p e l a i d e n t i d a d e d e seu a s p e c t o . se d e s e n v o l v e no v a z i o . e x p r i m e . a e n u n c i a ç ã o em questão c o n c o r d a . Se. c o m n o t ó r i o i n s u c e s s o . s o b r e a n a t u r e z a e o g r a u d e s t a a d e q u a ç ã o . É p o r isso q u e a n ã o . M a s . A n ã o .v e r d a d e . O q u e t o d a p a r t e e e s s e n c i a l m e n t e a convenientia e a c o n c o r d â n c i a d o s e n t e s e n t r e si q u e . e n q u a n t o é verdadeira. s o b r e o f a t o de a c o i s a e a p r o p o s i ç ã o s e r e m i g u a l m e n t e c o n f o r m e s c o m a idéia e s e r e m . A e n u n c i a ç ã o j a m a i s é um meio de p a g a m e n t o . A m o e d a é r e d o n d a . Isto fica e x c l u í d o da essência da v e r d a d e . j . A p o s s i b i l i d a d e da v e r d a d e do c o n h e c i m e n t o h u m a n o se f u n d a . elas c o n c o r d a m c o m a idéia e c o m ela se c o n f o r m a m .

T o d a v i a . a falsidade e a h i p o c r i s i a . O c o m p o r t a m e n t o está aberto sobre o e n t e .s e em preconceitos dos quais os mais obstinados são: a liberdade é j j m a propriedade do h o m e m . s e c a r a c t e r i z a pelo fato d e . sem d ú v i d a . e s t a b e l e c i d o n o seio d o a b e r t o . aquilo q u e t o r n a i.s e . T o d a r e l a ç ã o de a b e r t u r a . s e m a n t e r referido à q u i l o q u e é manifesto e n q u a n t o t a l . Esta a p a r i ç ã o d a c o i s a . A t e s e s e g u n d o a q u a l a e s s ê n c i a da v e r d a d e (a c o n f o r m i d a d e da e n u n c i a ç ã o ) é a liberdade deve. portanto. ao m e s m o t e m p o .d e t e r m i n a n t e d a e s s ê n c i a d a v e r d a d e ? C o m o pode u n i c a m e n t e efetuar-se a a n t e c i p a ç ã o d o d o m d e u m a m e d i d a e c o m o s u r g e a injunção de se ter q u e p ô r de a c o r d o ? E isto q u e s o m e n t e se realiz a r á s e e s t a d o a ç ã o p r é v i a n o s tiver i n s t a u r a d o c o m o livres. p o r é m . de se pór de a c o r d o s e g u n d o a lei da c o n f o r m i d a d e ? P o r q u e é este a c o r d o c o . A essência da liberdade 3. c o m o o d e s e n c a d e a r de um c o m p o r t a m e n t o . Isto quer dizer: o c o m p o r t a m e n t o m e s m o deve r e c e b e r a n t e c i p a d a m e n t e o d o m p r é v i o desta m e d i d a d i r e t o r a d e t o d a a p r e s e n t a ç ã o . 4. é c h a m a d o " e n t e " . n ã o significa que p a r a levar a t e r m o u m a e n u n c i a ç ã o .pA HEIDEGGER SOBRE A ESSÊNCIA DA V E R D A D E v i n c u l a s o m e n t e é possível s e s e e s t á livre p a r a aquilo q u e está m a n i f e s t o n o s e i o d o a b e r to. A s s i m . t o d a a ç ã o e toda previsão. é um c o m p o r t a m e n t o . I s t o faz p a r t e d a abertura que o c o m p o r t a m e n t o mantém. surpreender. C o m o . o r i g i n a r i a m e n t e e c a d a vez. e c o m a ação de consentir ou recusar u m a "verdade".v e r d a d e a p e n a s confirma. e j a m a i s p o d e r á ser e d i f i c a d a s o b r e a instabilidade d o frágil ser h u m a n o . esta afirmação sobre a essência da c o n f o r m i d a d e u m a "evid ê n c i a " p o r o u t r a ? U m a a ç ã o o b v i a m e n t e n ã o s e p o d e r e a l i z a r a n ã o ser a t r a v é s d a liberd a d e de q u e m age. E n t e n d a m o s aqui p o r " e s s ê n c i a " o f u n d a m e n t o da possibilidade intrínseca d a q u i l o q u e imediata e geralmente é a d m i t i d o c o m o c o n h e c i d o . A r e l a ç ã o da e n u n c i a ç ã o a p r e s e n t a c i v a com a coisa é a r e a l i z a ç ã o d e s t a referência: e s t a se r e a i i z a . s o m e n t e a t r a v é s d e l a . A reflexão s o b r e o l a ç o e s s e n c i a l e n t r e a v e r d a d e e a l i b e r d a d e n o s leva a p e r s e g u i r o p r o b l e m a da e s s ê n c i a do h o m e m . O q u e assim é dito é c o n f o r m e ( v e r d a d e i r o ) . S i t u a r a e s s ê n c i a d a v e r d a d e n a l i b e r d a d e n ã o significa. a m e d i d a diretora de u m a apresentação adequada. e n t ã o a q u i l o q u e t o r n a possível a c o n f o r m i d a d e possui um direito m a i s o r i g i n a l . M a s surge s i m u l t a n e a m e n t e a s e g u i n t e q u e s t ã o : q u a l é o fundam e n t o d a p o s s i b i l i d a d e intrínseca d a a b e r t u r a q u e m a n t é m o c o m p o r t a m e n t o e q u e s e d á a n t e c i p a d a m e n t e u m a m e d i d a ? É somente d e s t a p o s s i b i l i d a d e i n t r í n s e c a d a a b e r t u r a d o c o m p o r t a m e n t o q u e a c o n f o r m i d a d e da p r o p o s i ç ã o r e c e b e a a p a r ê n c i a de r e a l i z a r a essência da verdade. • a s s i m s e o p õ e a n ó s d e v e . m a s é investido e a s s u m i d o p o r ela c o m o c a m p o de r e l a ç ã o . e n q u a n t o c o b r e ( m e d e ) u m â m b i t o p a r a o e n c o n t r o . p o r a c a s o . a m e n t i r a e o e n g a n o . cai p o r terra a atribuição t r a d i c i o n a l e e x c l u s i v a da v e r d a d e à e n u n c i a ç ã o . A v e r d a d e o r i g i n á r i a n ã o t e m s u a m o r a d a o r i g i n a l na p r o p o s i ç ã o . M a s j á q u e a n ã o . se d e v a agir sem c o n s t r a n g i m e n t o . o q u e é o h o m e m . p e l a q u a l se i n s t a u r a a a b e r t u r a p a r a algo. porém. o q u e é manifesto p o d e t o r n a r . d e n t r o de u m a perspectiva que nos g a r a n t i r á a experiência de um f u n d a m e n t o original o c u l t o do h o m e m ( d o ser-aí) e isto d e tal m a n e i r a q u e e s t a ' r e f l e x ã o n o s t r a n s p o r t a p r i m e i r a m e n t e p a r a o â m b i t o o n d e a essência da verdade se desdobra o r i g i n a r i a m e n t e . de m a n e i r a g e r a l . na c o n t a do h o m e m .l a do â m b i t o de i n t e r r o g a ç ã o pela p u r a e s s ê n c i a d a v e r d a d e c o m r e l a ç ã o à q u a l a q u e l a é i n e s s e n c i a l . E s t a t e s e . T a m b é m a partir . no conceito de liberdade nós não pensamos a verdade e muito menos sua essênc i a . sob este m o d o d e p o s i ç ã o . q u e a e s s ê n c i a d a v e r d a d e " e m s i " r e i n a " a c i m a " d o h o m e m . a s s i m . na e n u n c i a ç ã o q u e o a p r e s e n t a .p õ e . L i b e r a r . p o r o p o s i ç ã o . e n t r e g a r a v e r d a de ao arbítrio h u m a n o ? Pode-se sabotar mais profundamente a v e r d a d e do que a a b a n d o n a n d o a o a r b í t r i o deste " c a n i ç o i n s t á v e l " ? O q u e c o n s t a n t e m e n t e s e i m p ô s a o b o m s e n s o d u r a n t e a d i s c u s s ã o m a n i f e s t a . Na m e d i d a em que a e n u n c i a ç ã o o b e d e c e a tal o r d e m . todos o s m o d o s d a n ã o . I s t o s o m e n t e acontece q u a n d o o ente m e s m o se p r o .s e p a r a u m a m e d i d a q u e d a d e e a liberdade sacode estes preconceitos. desde h á m u i t o t e m p o . M a s se somente pela abertura que o c o m p o r t a m e n t o m a n t é m s e t o r n a possível a c o n f o r m i d a d e d a e n u n c i a ç ã o .s e . a i n d a a s s i m . tida c o m o o ú n i c o l u g a r essencial d a v e r d a d e . p o r é m . T o d o o c o m p o r t a m e n t o . t a m b é m a c o i s a em si m e s m a e se manifest a r e m s u a e s t a b i l i d a d e .p o d e . e l a se conf o r m a ao e n t e . a e s s ê n c i a d a v e r d a d e e n c o n t r a r seu a p o i o e f u n d a m e n t o n a l i b e r d a d e d o homem? "•• ' A h o s t i l i d a d e c o n t r a a tese q u e diz que a essência da v e r d a d e é a l i b e r d a d e a p ó i a .s e a g o r a de m o d o m a i s c l a r o : a v e r d a d e é a q u i d e s l o c a d a p a r a a s u b j e t i v i d a d e d o s u j e i t o h u m a n o . o l o g r o e a s i m u l a ç ã o . A enunciação r e c e b e sua c o n f o r m i d a d e d a a b e r t u r a d o c o m p o r t a m e n t o . se f u n d a na l i b e r d a d e .l a . m a s p e r m a n e c e r . A a f i r m a ç ã o d i z : a liberd a d e é a p r ó p r i a e s s ê n c i a da v e r d a d e . T o d o t r a b a l h o e toda realização. ela permanece. n o s e n t i d o estrito d a p a l a v r a .v e r d a d e é o c o n t r á r i o da v e r d a d e .l a ou a s s i m i l á . tem-se o d i r e i t o de a f a s t á . E s t a o r i g e m h u m a n a d a n ã o . O m e s m o a c o n t e c e c o m a a ç ã o de e n u n c i a r a p r e s e n t a n d o .v e r d a d e . s r e e n d i d a da liberdade. de tal m a n e i r a que esta e n u n c i a ç ã o se s u b m e t e à o r d e m de e x p r i m i r o ente a s s i m c o m o é. se m a n t ê m na abertura de um â m b i t o aberto no seio do q u a l o e n t e se põe p r o p r i a m e n t e e se t o r n a suscetível de ser e x p r e s s o n a q u i l o q u e é e c o m o é. O fundamento da possibilitação de uma conformidade E n t r e t a n t o . a i n d i c a ç ã o d e u m a r e l a ç ã o essencial e n t r e a v e r d a d e c o m o c o n f o r m i De o n d e r e c e b e a e n u n c i a ç ã o a p r e s e n t a t i v a a o r d e m de se o r i e n t a r p a r a o o b j e t o . d e ser c o n s i d e r a d o c o m o a essência da verdade. p a r a c o m u n i c á . A abertura que m a n t é m o comportamento. do m e s m o modo h u m a n a c o m o esta subjetividade e posta à disposição do h o m e m . p a r a algo q u e nele s e m a n i f e s t a e q u e vincula t o d a a p r e s e n t a ç ã o . P o i s . M e s m o que este sujeito t e n h a a c e s s o a u m a o b j e tividade. c o b r i r u m â m b i t o a b e r t o p a r a n o s s o e n c o n t r o . N ã o substitui. está m a n i f e s t o foi e x p e r i m e n t a d o p r e c o c e m e n t e pelo p e n s a m e n t o o c i d e n t a l c o m o " a q u i l o q u e e s t á p r e s e n t e " e j á . M a n e i r a s e m e l h a n t e de ser livre se refere à essência até a g o r a i n c o r r . se r e a l i z a no seio de u m a a b e r t u r a c u j a n a t u r e z a de ser a b e r t o n ã o foi c r i a d o pela a p r e s e n t a ç ã o . A e s s ê n c i a da v e r d a d e é a l i b e r d a d e . e n t r e t a n t o . Ela é t i d a pela m e t a f í s i c a c o m o e t e r n a e i m p e r e c í v e l . d e n t r o d o a b e r t o . Mas o c o m p o r t a m e n t o aberto m e s m o deve deixarse g u i a r p o r esta m e d i d a . P õ e . c a d a qual sabe. O d i z e r que se submete a tal o r d e m é c o n f o r m e ( v e r d a d e i r o ) . A a b e r t u r a q u e o h o m e m m a n t é m se diferencia c o n f o r m e a n a t u r e z a do ente e o m o d o do c o m p o r t a m e n t o . S o m e n t e isto q u e . n u m a p a l a v r a .ntrinsecamente posfsíve! a c o n f o r m i d a d e . a e s s ê n c i a da l i b e r d a d e n ã o n e c e s s i t a nem t o l e r a m a i s a m p l o e x a m e . suposto evidentemente q u e estejamos disp o s t o s p a r a a t r a n s f o r m a ç ã o do p e n s a m e n t o .

s e r significa q u e nós n o s e x p o m o s a o e n t e e n q u a n t o tal e q u e t r a n s f e r i m o s p a r a o a b e r t o t o d o o n o s s o c o m p o r t a m e n t o . no fundo. r e a l i z a e efetua a e s s ê n c i a d a v e r d a d e s o b a f o r m a d o d e s v e l a m e n t o d o ente. é e n c o b e r t o e d i s s i m u l a d o .' e s s ê n c i a da v e r d a d e .336 . A l i b e r d a d e n ã o é s o m e n t e a q u i l o q u e o s e n s o c o m u m faz c o m facilidade c i r c u l a r sob t a l n o m e : a v e l e i d a d e q u e d e vez e m q u a n d o s e m a n i f e s t a e m n ó s . o d o m í n i o o r i g i n a l do q u e real . n e m a u m a o m i s s ã o n e m a u m a indiferença. S o m e n t e o n d e o p r ó p r i o e n t e é e x p r e s s a m e n t e e l e v a d o e m a n t i d o em seu d e s v e l a m e n t o . c o m o d e i x a r . nos abstemos de uma tarefa q u e n o s h a v í a m o s p r o p o s t o . t o d a v i a . s i m p l e s e c a p i t a i s d e c i s õ e s da h i s t ó r i a . " E x i s t ê n c i a " n ã o significa a q u i existentia n o s e n t i d o d o a c o n t e c e r da p u r a "subsistência" de um ente não h u m a n o . p a r a u m e n t e q u a l q u e r ) . porém. l i b e r a o h o m e m p a r a a s u a " l i b e r d a d e " . m a s se d e s d o b r a n u m r e c u o d i a n t e do ente a fim de q u e este se manifeste n a q u i l o q u e é e c o m o é.l h e a l g u m a c o i s a n e c e s s á r i a ( e n t e ) . C o m o d e v e r á ser p e n s a d a esta e s s ê n c i a d a l i b e r d a d e ? O m a n i f e s t o a o q u a l se c o n f o r m a a e n u n c i a ç ã o a p r e s e n t a t i v a . m a s este t e m p o . c o m o d e i x a r . . n ã o é e n t ã o o a r b í t r i o h u m a n o q u e d i s p õ e d a liberd a d e .v e r d a d e d e v e . enunciada por um " s u j e i t o " relativamente a um " o b j e t o " e q u e e n t ã o " v a l e " n ã o se s a b e em q u e â m b i t o . A n ã o . p e r c e b i d o sob a f o r m a d e u m a p r e s e n ç a q u e e c l o d e . " D e i x a m o s algo s e r " significa: n ã o t o c a m o s m a i s nisto e c o m isto n ã o m a i s n o s p r e o c u p a m o s . m a s a o c o n t r á r i o d e l a s . e m s i m e s m o n ã o m e n s u r á v e l . É p o r i s s o q u e o h o m e m é ao m o d o da ek-sistência. somente então. pelo c o n t r á rio: a liberdade. de tal m a n e i r a q u e a a d e q u a ç ã o a p r e s e n t a t i v a dele r e c e b a a m e d i d a . b a s e a d a n a c o n s t i t u i ç ã o psicofísica. p o r e x e m p l o .s e r do e n t e . . q u e lhe p e r m i t e ek-sistir. O c a r á t e r d e ser d e s v e l a d o d o e n t e s e e n c o n t r a p r e s e r v a d o p e l o a b a n d o n o ek-sistente. A l i b e r d a d e em face do q u e se revela no s e i o do a b e r t o d e i x a q u e c a d a e n t e seja o ente q u e é. " n a t u r e z a " . a n ã o . D e i x a r . I s t o . a p a r e c e c o m o e x . ek-sistente e desvelador. . A p a l a v r a a q u i n e c e s s á r i a p a r a e x p r e s s a r o deixar-ser do e n t e n ã o visa. mas copertencerem. N o ser-aí s e c o n s e r v a p a r a o h o m e m o f u n d a m e n t o e s s e n c i a l . A l i b e r d a d e t a m b é m n ã o é a ausência p u r a e s i m p l e s d e c o n s t r a n g i m e n t o r e l a t i v a à s n o s s a s p o s s i b i l i d a d e s d e a ç ã o o u inaç ã o . o ser-aí ek-sistente. l o n g a m e n t e n ã o fund a d o . o d e s v e l a d o . e x . " D e i x a r " t e m . esta t r a d u ç ã o n ã o é s o m e n t e m a i s " l i t e r a l " . O h o m e m n ã o p o s s u i a l i b e r d a d e c o m o u m a p r o p r i e d a d e . a ek-sistência do h o m e m h i s t o r i a i c o m e ç a n a q u e l e m o m e n t o e m q u e o p r i m e i r o p e n s a d o r é t o c a d o pelo d e s v e l a m e n t o do e n t e e se p e r g u n t a o q u e é o e n t e . g r a ç a s a e s t e a b a n d o n o .s e . na q u a l t o d o e n t e e n t r a e p e r m a n e c e .s e r do e n t e . também n ã o s i g n i f i c a o e s f o r ç o e x i s t e n c i a l .v e r d a d e i r a . A " n a t u r e z a " n ã o t e m h i s t ó r i a . Conforme a maneira do d e s d o b r a m e n t o originário da . m a s a n t e s . a " p r e s e n ç a " (o " a í " ) . e n t ã o . e n t r e t a n t o . E s t e a b e r t o foi c o n c e b i d o pelo p e n s a m e n t o o c i d e n t a l . p r o t e ç ã o . O e n t r e g a r . O e n t e . " E x i s t ê n c i a " . que. e isto tão o r i g i n a r i a m e n t e q u e s o m e n t e ela p e r m i t e a u m a h u m a n i d a d e i n a u g u r a r a r e l a ç ã o c o m o e n t e em s u a t o t a l i d a d e e e n q u a n t o t a l . É p e l o fato d e a v e r d a d e e n ã o . o c o m p o r t a m e n t o f u n d a m e n t a l d o d e i x a r . a n t e s p e l o c o n t r á r i o .s i s t ê n c i a e n r a i z a d a n a v e r d a d e c o m o liberdade é a ex-posição ao caráter desvelado do ente c o m o tal. e n q u a n t o lhe é c o n f o r m e . dei x a n d o q u e o e n t e seja. d e r i v a r d a e s s ê n c i a d a ver d a d e . por exemplo. a b r e a p o s s i b i l i d a d e d e toda medida. por a s s i m d i z e r . A l i b e r d a d e a s s i m c o m p r e e n d i d a .s i s t i r a n ã o ser e n q u a n t o p o s s u í d o p o r esta l i b e r d a d e e s o m e n t e a s s i m t o r n a r . n ã o deve ser c o m p r e e n d i d o a p e n a s c o m o simples o c u p a ç ã o . e a i n d a p e l o fato d e o h o m e m n ã o e k . c o m o tà aléthea.e s s ê n c i a d a v e r d a d e . N e s t a p e r g u n t a o e n t e é p e l a p r i m e i r a vez e x p e r i m e n t a d o em seu d e s v e l a m e n t o . todo o c o m p o r t a m e n t o . . o h o m e m h i s t o r i a i p o d e t a m b é m . Pelo fato d e a l i b e r d a d e e k . a q u i . m a s ela c o m p r e e n d e a i n d i c a ç ã o de r e p e n s a r m a i s o r i g i n a l m e n t e a n o ç ã o c o r r e n t e de v e r d a d e c o m o c o n f o r m i d a d e d a e n u n c i a ç ã o . o s e n t i d o negativo d e d e s v i a r a a t e n ç ã o d e a l g o .s e n e l e .: q u e s t ã o da essência da verdade atinge. D e i x a r . e n t r e t a n t o . o r a p a r a a q u e l e e x t r e m o . E m seu â m b i t o s e d e s e n v o l v e . é.p o s i ç ã o ao e n t e e n q u a n t o ele t e m o c a r á ter d e d e s v e l a d o . isto é. A " v e r d a d e " n ã o é u m a c a r a c t e rística de u m a proposição conforme.s e . a l i b e r d a d e . d o h o m e m p r e o c u p a d o c o m sua i d e n t i d a d e .e s s ê n c i a n ã o p o d e r i a n a s c e r s u b s i d i a r i a m e n t e d a s i m p l e s i n c a p a c i d a d e e d a negli g ê n c i a d o h o m e m . e x p o s i ç ã o ao e n t e . A a p a r ê n c i a p a s s a a s s i m " a d o m i n a r .s e r o e n t e — a s a b e r . A l i b e r d a d e se revela e n t ã o c o m o o q u e deixa-ser o ente. uma p r o p o s i ç ã o verdadeira pode si encontrar em extrema oposição com a correlativa proposição n ã o .p o n d o . isto é. A l i b e r d a d e t a m b é m n ã o c o n s i s t e s o m e n t e n a d i s p o n i b i l i d a d e p a r a u m a exigência o u u m a n e c e s s i d a d e (e. O d e i x a r . é o q u e é. P o r q u e a v e r d a d e é l i b e r d a d e em s u a e s s ê n d i a . d e oscilarmos. A e k . q u e r i m p o n d o . d o c a r á t e r d e ser desvel a d o e do d e s v e l a m e n t o do ente. O ente em s u a t o t a l i d a d e se r e v e l a c o m o phvsis. S e . e m n o s s a e s c o l h a o r a p a r a e s t e .s e r significa o e n t r e g a r . a i n t e r r o g a ç ã o pelo e n t e e n q u a n t o tal e o c o m e ç o d a história o c i d e n t a l s ã o u m a e m e s m a c o i s a . possui o h o m e m .s e ao c a r á t e r de ser d e s v e l a d o n ã o quer dizer p e r d e r . ek-sistente. c o m e ç a a h i s t ó r i a .s e ao a b e r t o e à s u a a b e r t u r a . a a b e r t u r a do a b e r t o . A l i b e r d a d e foi p r i m e i r a m e n t e d e t e r m i n a d a c o m o l i b e r d a d e d a q u i l o que é manifesto n o se:o d o a b e r t o . a l i b e r d a d e . . e m l u g a r d e " v e r d a d e " . em si m e s m o . s o m e n t e lá o n d e t a l s u s t e n t a ç ã o é c o m p r e e n d i d a à luz de u m a p e r g u n t a pelo e n t e e n q u a n t o t a l . Se t r a d u z i m o s a p a l a v r a alétheia p o r "desvelam e n t o " .s e c a p a z d e h i s t ó r i a . a l i b e r d a d e é o a b a n d o n o a o d e s v e l a m e n t o d o ente c o m o tal. e l e s s e e f e t u a m a o m e s m o " t e m p o " .v e r d a d e n ã o s e r e m i n d i f e r e n t e s u m p a r a o o u t r o e n sua essência. m o r a l . P e l o fato d e t o d o c o m p o r t a m e n t o h u m a n o s e m p r e e s t a r a b e r t o a s e u m o d o e s e pôr e m h a r m o n i a c o m a q u i l o a q u e s e refere. a v e r d a d e é o d e s v e l a m e n t o do e n t e g r a ç a s a o q u a l s e realiza u m a a b e r t u r a . c o m o ente q u e ele é — significa e n t r e g a r . HEIDEGGER SOBRE A ESSÊNCIA DA V E R D A D E 337 deste f u n d a m e n t o se m o s t r a r á : a l i b e r d a d e s o m e n t e é o f u n d a m e n t o da possibilidade i n t r í n s e c a d a c o n f o r m i d a d e p o r q u e recebe s u a p r ó p r i a e s s ê n c i a d a e s s ê n c i a m a i s original d a ú n i c a v e r d a d e v e r d a d e i r a m e n t e essencial. i r ç o m p e m as rara*S. entrevista à luz da e s s ê n c i a da v e r d a d e .s e r . o ser-aí. A e s s ê n c i a da l i b e r d a d e . A i n d a incompreendida e nem m e s m o carecendo de fundamentação essencial. s o b r e o q u a l se f u n d a e e s b o ç a t o d a a h i s t ó r i a . . c u i d a d o o u p l a n e j a m e n t o d e c a d a ente q u e s e e n c o n t r a o u q u e s e p r o c u r o u . O h o m e m ek-siste significa a g o r a : a h i s t ó r i a d a s p o s s i b i l i d a d e s e s s e n c i a i s d a h u m a n i d a d e historiai s e e n c o n t r a p r o t e g i d a e c o n s e r v a d a p a r a ela n o d e s v e lamento do ente em sua totalidade. S e m e l h a n t e d e i x a r . O d e s v e l a m e n t o inicial do e n t e em s u a t o t a l i d a d e . q u e a q u i n ã o a p o n t a u m d o m í n i o específico d o e n t e . toda t o m a d a de posição do h o m e m . S o m e n t e o h o m e m ek-sistente é h i s t o r i a i . e n t ã o .s i s t e n t e c o m o e s s ê n c i a d a v e r d a d e n ã o ser u m a p r o p r i e d a d e d o h o m e m . não deixá-lo-ser n a q u i l o q u e ele é e as"sim c o m o é. e q u e c a d a e n t e t r a z . e x p r i m e u m a i n d i f e r e n ç a o u m e s m o uma omissão. d e s d e o seu c o m e ç o . n o s e n t i d o . S o b s e u d o m í n i o surge a n ã o . q u e r oferecendo à s u a e s c o l h a a l g u m a c o i s a p o s s í v e l ( e n t e ) . a i n d a i n c o m p r e e n d i d o . F a l a m o s ordinariamente de "deixar" quando. lhe c o m u n i c o u c o m o d o m a d i r e t i v a i n t r í n s e c a d e c o n f o r m a r s u a a p r e s e n t a ç ã o a o ente. m a s o e n t e e n q u a n t o tal e m s u a t o t a l i d a d e . c o n s i g o . p o r t a n t o . q u e r d i z e r . e o ente assim c o m o se m a n i f e s t a p a r a e p o r um c o m p o r t a m e n t o a b e r t o .s e a o e n t e . Por isso. d e r e n u n c i a r a . isto é. A n t e s d e t u d o i s t o ( a n t e s d a liberd a d e " n e g a t i v a " o u " p o s i t i v a " ) .

N ã o s e t r a t a a b s o l u t a m e n t e d e u m m i s t é r i o p a r t i c u l a r referente isto o u à q u i l o . J u s t a m e n t e .d e t e r m i n a d o ) e o n ã o . c o m o possibilitas (possibi t a ç ã o ) do u n i v e r s a l e c o m o seu f u n d a m e n t o . A não verdade enquanto dissimulação O v e l a m e n t o r e c u s a o d e s v e l a m e n t o à alétheia. E s t a é o d e i x a r . assir m a n t é m s u a r e l a ç ã o c o m a dissimulação.v e r d a d e original. na m e d i d a em q u e ela é o a b a n d o n o a o d e s v e l a m e n t o d o ente e m sua t o t a l i d a d e e e n q u a n t o tal. O e x a m e d a n ã o . É justamente neste n i v e l a m e n t o s i m p l i s t a .s e r ek-sistente q u e d e s v e l a o e n t e . limita-se. o m a i s d a s v e z e s .e s s ê n c i a original d a v e r d a d e como* n ã o . assim d a não-"e"ssência e d a n s v e r d a d e c h o c a d e m a s i a d a m e n t e a o p i n i ã o a i n d a c o r r e n t e e p a r e c e u m a a c u m u l a ç ã o f< c a d a d e " p a r a d o x o s " a r b i t r a r i a m e n t e c o n s t r u í d o s .e s s ê n c i a e s t á s e m p r e lis d a e s s e n c i a l m e n t e à e s s ê n c i a . e s t á d i s p o s t o e a t r a v é s d e s t a d i s p o s i ç ã o c o l o c a d o n o ente e m sua t o t a l i d a d e .e x p e r i m e n t a d o e i n e x p l o r a d o d a v e r d a d e d o ser não apenas do ente). O v e l a m e n t o d o ente e m s u a t o t a l i d a d e n ã o s e afirma c o m o u m a c o n s e q ü ê n c s e c u n d á r i a d o c o n h e c i m e n t o s e m p r e p a r c e l a d o d o ente. m a s c o n s e r v a p a r a a alétheia o q u e lhe é m a i s p r ó p r i o . É q u e a n ã o . a e s t e o u à q u e l e e n t e seu c a r á t e r r e v e l a d o . pertença ele q u e r à n a t u r e z a .s e r d e s v e l a d o r e q u e s i m u l t a n e a m e n t e d i s s i m u l a o e n t e e m s u a totalida< a c o n t e c e o fato d e q u e a d i s s i m u l a ç ã o a p a r e c e c o m o a q u i l o q u e e s t á v e l a d o e m p r i m e i lugar. ' HEIDEGGER SOBRE A ESSÊNCIA DA V E R D A D E 33 m e n t e é p e r g u n t a d o . o ser-aí i n s t a u r a o p r i m e i r o e o m a i s a m p l o n ã o . entretanto.v e r d a d e o r i g i n a l . o n ã o . q u e r à h i s t ó r i a . o m i s t é r i o . s e tor i n e s s e n c i a l n o s e n t i d o d e indiferente. O h o m e m se limita à r e a l i d a d e c o r r e n t e e p a s s í v e l de s e r d o m i n a m e s m o ali o n d e se d e c i d e o q u e é f u n d a m e n t a l .d e s v e l a m e n t o . c o n t u d o . J á q u e é difícil a f a s t a r e s t a a p a r ê n c r e n u n c i a m o s a e s t a l i n g u a g e m p a r a d o x a l a p e n a s p a r a a dóxa ( o p i n i ã o ) c o m u m .v d a d e a p o n t a p a r a o â m b i t o a i n d a n ã o .d e s v e l a m e n i 5. E n q u a n t o e x i s t e . confundido. indeterm i n á v e l ) e é. m a s d e s t e fato ú n i c o que o m i s t é r i o ( a d i s s i m u l a ç ã o d o q u e e s t á velad c o m o tal d o m i n a o ser-aí d o h o m e m . m a i s a n t i g a m e s m o d o q u e o p r ó p r i o deixar-ser q u e . c o m p r e e n d i d o o u n ã o . T o d o c o m p o r t a m e n t o s e f u n d a s o b r e e r e l a ç ã o e d e l a r e c e b e a i n d i c a ç ã o q u e o refere ao ente e a seu d e s v e l a m e n t o . r e a p r o p r i a r e a s s e g u r a r o caráter revelado do ente nos domínios m a i s v a r i a d o s de sua i . entretanto. n a m e d i d a e m q u e a c a p a cidade técnica de d o m i n a r as coisas se desdobra n u m a a g i t a ç ã o sem fim. a m a i s p r ó p r i a e m a i s a u t ê n t i c a n ã o . U m a d i s p o s i ç ã o d e h u m o r . isto é . é mais antiga do que t o d a revelação de tal ou tal ente. que t u d o conhece e a p e n a s c o n h e c e . já s e m p r e está a b a n d o n a d o a e s t a d i s p o s i ç ã o afetiva q u e é d e s v e l a d o r a do ente em sua t o t a l i d a d e . t r a n s f o r m a r . o n ã o . v e l a d o em s u a tota d a d e . a "não-essência" designa a d e f o r m a ç ã o e s s ê n c i a j á d e g r a d a d a .s o l v i d a . T o d o o c o m p o r t a m e n t o do h o m e m h i s t o r i a i . m a s u m a d i s s i m u l a ç ã o d o e n t e e m s u a totalidade. a q u e se refere. s i m u l : : n e a m e n t e . p e r m a n e c e . A l i b e r d a d e e n q u a n t o d e x a r . a revel a ç ã o d o e n t e e m s u a t o t a l i d a d e p o d e i m p e r a r d e m a n e i r a m a i s e s s e n c i a l q u e lá. O d e i x a r . m a s e s t á a p e n a s esquecido. h a b i t u a l m e n t e . q u e ela d e s a p a r e c e n a a p a r e n t e n u l i d a d e d a q u i l o q u e n e m m e s m o é m a i s i n d i f e r e n t e . c o m o p r o p r i e d a d e . génos). c o m o q u e é m a i s c o r r e n t e e m e n o s d i g n o d e n o t a . o n d e o q u e é c o n h e c i d o é c o n s t a n t e m e n t e oferecido ao c o n h e c i m e n t o e t o m a d o e x a u r í v e l p a r a o o l h a r . q u e l á o n d e n a d a m a i s resiste a o zelo d o c o n h e c i m e n t o . é o v e l a m e n t o . P e l o c o n t r á r i o : ali o n d e o e n t e é p o u c o c o n h e c i d o e o n d e é c o n h e c i d o r u d i m e n t a r m e n t e p e l a c i ê n c i a . d e s t a m a n e i r a . M a s c o m o d e v e m o s n o s c o n c e b e r a não-essência n a essência d a v e r d a d e ? S e a e s s ê n c i a d a verdade n ã o se esgota na conformidade da enunciação. s e n t i d o e x p r e s s a m e n t e o u não. Para b o m e n t e n d e d o r c e r t a m e n t e o " n ã o " d a n ã o . pre d e i x a o e n t e . q u e s e t o r n a superficial a r e v e l a ç ã o d o e n t e . conceber c o m o " v i v ê n c i a " o u c o m o " e s t a d o d e a l m a " . e j a m a i s . A liberdade já c o l o c o u p r e v i a m e n t e o c o m p o r t a m e n t o em h a r m o n i a c o m o ente em s u a t o t a l i d a d e . n a m e d i d a e m q u e o d e i x a r . sem p r e s sentir a e s s ê n c i a da d i s p o s i ç ã o de h u m o r . e n t ã o . e n t r e t a n t o . m a s ele c o n s t i t u i o p a s s o d e c i s i v o n a p o s i ç ã o a d e q u a d a d a questão d a e s s ê n c i a d a v e r d a d e . j á d i s s i m u l a e . N e m o a d m i t e a t é c o m o stéresis (pr v a ç ã o ) . q u a n d o a vista prévia da plena essência da v e r d a d e p e r m i t e e n g l o b a r também a r e f l e x ã o s o b r e a n ã o . O r d i n a r i a m e n t e . em c a d a c o m p o r t a m e n t o i n d i v i d u a l . u m a ex-posição ek-sistente n o e n t e e m s u a t o t a l i d a d e . O t e r m o não-c s ê n c i a n ã o i m p l i c a a q u i a i n d a a q u e l e t r a ç o d e d e g r a d a ç ã o q u e lhe a t r i b u í m o s q u a n d o essência é entendida como universalidade (koinón. n ã o . à p r e o c u p a ç ã o e ao cálculo cotidiano c o m o o i m p r e v i s í v e l e o inconcebível. Este " e m s u a t o t a l i d a d e " j a m a i s se d e i x a c a p t a r a p a r t i r d o e n t e q u e s e m a n i f e s t o u . N o d e i x a r . e n t r e t a n t o .e s s ê n c i a v i s a a q u i à essénc pré-existente.v e r d a d e p e r t e n c e n t e à e s s ê n c i a c v e r d a d e .d i s p o s t o ( n ã o . O v e l a m e n t o d o e n t e e m s u a tot lidade. a n ã o . i v e l a m e n t o é . então a não-verdade também não p o d e ser i g u a l a d a c o m a n ã o .e s s ê n c i a d a verdade n ã o vem preencher t a r d i a m e n t e u m a l a c u n a . P o i s e l a é d e s v i a d a d e s u a essência q u a n d o c o m p r e e n d i d a a p a r t i r d e n o ç õ e s q u e ( c o m o " v i d a " e " a l m a " ) n ã o p o d e m elas próprias pretender u m a d i g n i d a d e d e e s s ê n c i a s e n ã o a p a r e n t e m e n t e e e n q u a n t o se distorce e falsifica o sentido da d i s p o s i ç ã o de h u m o r . O g r a u d e r e v e l a ç ã o d o e n t e e m s u a t o t a l i d a d e n ã o c o i n c i d e c o m a s o m a dos entes r e a l m e n t e c o n h e c i d o s .c o n f o r m i d a d e d o j u í z o .e s s ê n c i a original da v e r d a d e é o m i s t é r i o . s o m e n t e p o d e ser " v i v e n c i a d a " e " s e n t i d a " p o r q u e " o h o m e m q u e v i v ê n c i a " . e c o m i s t o d e s o c u l t a . O que preserva o deixar-ser n e s t a r e l a ç ã o co a d i s s i m u l a ç ã o ? N a d a menos que a dissimulação do ente como tal. i s t o é . c o n t u d o . ui r e l a ç ã o q u e n ã o e s t á fechada s o b r e s i m e s m a . A n ã o . p e n s a d o a partir d a v e r d a d e c o m o d e s v e l a m e n t o . T o d o c o m p o r t a m e n t o a b e r t o se m o v i m e n t a no d e i x a r . 6. O c o m p o r t a m e n t o do h o m e m e p e r p a s s a d o p e l a d i s p o s i ç ã o d e h u m o r que s e o r i g i n a d a r e v e l a ç ã o d o e n t e e m s u a totalidade. A q u i l o que assim n o s d i s p õ e d e m a n e i r a a l g u m a é n a d a .s e r do ente é em si m e s m a u m a r e l a ç ã o r e . F a l a r . Esta " e m s u a totalidade" aparece.s e r sem- e. E n t r e t a n esta r e l a ç ã o c o m a d i s s i m u l a ç ã o s e e s c o n d e a s i m e s m a nesta r e l a ç ã o e n q u a n t o d a prin z i a a um e s q u e c i m e n t o do m i s t é r i o e nele d e s a p a r e c e . ser. A i n d a q u e este " e m s u a t o t a l i d a d e " a t u d o perpasse c o n s t a n t e m e n t e c o m s u a d i s p o s i ç ã o . s e g u n d o a s m o d a l i d a d e s c o r r e s p o n d e n t e s .v e r d a d e no d e s v e l a m e n t o da e s s ê n c i a da v e r d a d e .s e r do ente e se r e l a c i o n a c o m este ou a q u e l e ente particular. A i n d a q u e o h o m e m se relacic c o n s t a n t e m e n t e c o m o e n t e . E se ele se d e c i d e a l a r g a r . d i s s i m u l a ele o ente em s u a t o t a l i d a d e . A essência da verdade A e s s ê n c i a da v e r d a d e se desvelou c o m o liberdade. E s t a d i s p o s i ç ã o d e h u m o r n ã o s e d e i x a .' . O deixar-ser é. M a s e m t o d a s estas significações a n ã o . em si m e s m o . u m a d i s s i m u l a ç ã o . N a liberdade ek-sistente d o ser-aí a c o n t e c e a d i s s i m u l a ç â d o ente e m s u a t o t a l i d a d e . d e s t a m a n e i r a .d i s p o n í v e l ( i n d i s p o n í v e l . d e s v e l a n d o .s e r do e n t e q u e dispõe o ser-aí c o m o ente em s u a t o t a l i d a d e p e n e t r a e prec e d e t o d o o c o m p o r t a m e n t o a b e r t o que nele se d e s e n v o l v e .

E n t ã o s e r e v e l a . O erro n ã o é u m a falta o c a s i o n a l . põe o p r o b l e m a da questão q u e u n i c a m e n t e i m p o r t a : q u e é o e e n q u a n t o t a l e m s u a t o t a l i d a d e ? U m a tal i n t e r r o g a ç ã o p e n s a o p r o b l e m a e s s e n c i a l m e d e s c o n c e r t a n t e e p o r i s s o n ã o d o m i n a d o a i n d a e m s u a a m b i v a l ê n c i a : a q u e s t ã o d o ser ente. A l i b e r d a d e . a h u m a n i d a d e insiste e m a s s e g u r a r .s e p a r a a i n d i g ê n c S o m e n t e d o ser-aí d o h o m e m b r o t a o d e s v e l a m e n t o d a n e c e s s i d a d e e p o r ela a existêni h u m a n a p o d e ser l e v a d a p a r a a esfera d o i n e l u t á v e l . A d i s . e n q u a n t o t o m a m e d i d a . i s t o é . M a s t o d a s e s t a s questões. o b s c u r i d a d í s . s ã o a p e n a s transições e s i t u a ç õ e s i n t e r m e d i á r i a s n o s m o v i m e n t o s d a v i d a c o r r e n t e e . como esquecimento da dissimulação. d e t e m p o s e m t e m p o s . s e m m e d i t a r o f u n d a m e n t o p r ó p r i o desta tom a d a de m e d i d a s e a essência do que dá estas m e d i d a s . q u e s t õ e s n ã o decididas e c o i s a s d u v i d o s a s .'cont u d o . da a g i t a ç ã o i n q u i e t a q u e é c a r a c t e r í s t i c a do ser-aí. O s e r . no fundo. M a s a h u m a n i d a d e . p r o c u r a as diretivas p a r a tal n o s estreitos limites de seus projetos e necessidades correntes. p e l a c o n s t a n t e o s c i l a ç ã o d o v a i v í e n t r e o m i s t é r i o e a a m e a ç a de d e s g a r r a m e n t o . A e r r a c i a é o c e n á r i o e o f u n d a m e n t o do e r r o . é a s s u m i d o e m s u a essi c i a o r i g i n á r i a . a p e n a s e n t ã o . m a s a o m e s m o t e m p o in-siste. . m a s o i m p é r desta história onde se entrelaçam.c o n f o r m i d a d e do j u í z o e a f a l s i d a d e do c o n h e c i m e n t o . petrifica-se a p o i a n d o .s e ao q u e é c o r r e n t e e o ek-sistente a f a s t a r . s o m e n t e p o d e insistir n a m e d i d a e m q u e j á é e k . a e r r â n c i a p a r t i c i p a da c o n s t i t u i ç ã o í n t i m a do ser-aí à q u a l o h o m e m historiai i n s i s t e n t e d o ser-aí. está d e s v i a d a do mistério.s e no e s q u e c i m e n t o e p a r a o e s q u e c i m e n t o . a d i s s i m u l a ç ã o c o m o a c o n t e c i m e n t o f u n d a m e n t a l caiu n o esquecimento. m a n i f e s t o c o m o q u e p o r si e em si m e s m o . A s s i m a b a n d o n a d a . s o m e n t e é a e s s ê n c i a d a v e r d a d e ( c o m o c o n f o r m i d a d e d a a p r e s e n ç ã o ) pelo fato d e a p r ó p r i a l i b e r d a d e i r r o m p e r ' d a o r i g i n á r i a e s s ê n c i a d a v e r d a d e . Sem d ú v i d a .3 4 0 . E n q u a n t o o mistério s e s u b t r a i r e t r a i n d o . se esquece e se e n g a n a s e m p r e n o v a m e n t e . a d i s s i n 7. A q u i l o q u e o h á b i t o e as d o u t r i n a s filosófic c h a m a m e r r o . é o errar. d á a o a p a r e n t e d e s a p a r e c i m e n t o u m a p r e s e n ç a p r ó p r i a . O h o m e m n ã o s u c u m b e n o d e s g a r r a m e n t o s e for c a p a z d e p r v a r a e r r â n c i a e n q u a n t o t a l e n ã o d e s c o n h e c e r o m i s t é r i o do s e r .s e de nc s a s a t i t u d e s e n o s s a s d e c i s õ e s e s s e n c i a i s .s e r d o ente s e r e a l i z a p e l o n o s s o c o m p o r t a m e n t o â m b i t o do aberto. e r r o de c á l c u l o . O e r r o se e s t e n d e d e s d e o me c o m u m e n g a n o . a o m e s m o t e m p o a o r e i n o d o m i s t é r i o e à a m e a ç a q i r r o m p e da errância. a n ã o .s i s t ê m I n s i s t e n t e . A e r r a . L á o n d e o v e l a m e n t o do ente em sua t o t a l i d a d e é t o l e r a d o sob a f o r m a de um limite q u e a c i d e n t a l m e n t e s e a n u n c i a . n a r e l a ç ã o p e l a q u a l o h o m e m n ã o s o m e n t e ek-siste. . P e l o c o n t r á r i o . inessenciais. leva o h o m e m historiai a p e r m a n e c e r n a v i d a c o r r e n t e e distraído c o m s u a s c r i a ç õ e s . A e r r â n c i a em cujo seio o h o m e m se m o v i m e n t a n ã o é a l g o s e m e l h a n t e a u m a b i s m o a o l o n g o d o q u a l o h o m e m c a m i n h a e n o q u a l cai d e vez e m q u a n d o . c o r r e d e u m o b j e t o d a v i d a c o t i d i a n a p a r a o u t r o . e n q u a n t o sujeito. isto é . a ek-s t ê n c i a e s t á p l e n a d e m i s t é r i o e d e u m mistério e s q u e c i d o .s i s t ê n c i a d e s e u ser-aí. A não-verdade enquanto errância - . c i a se r e v e l a c o m o o e s p a ç o a b e r t o p a r a tudo o q u e se o p õ e à v e r d a d e e s s e n c i a l .s i s t è n c i a insi t e n t e se m o v i m e n t a c o n s t a n t e m e n t e . c o m o "filosofia". Ele s o m e n t e s e m o v e d e n t r o d a e r r â n c i a p o r q u e in-siste e k . a t é o d e s g a r r a m e n t o e o p e r d e r . isto é. o f u n d a m e n t o d a i m b r i c a ç ã o d a e s s ê n da verdade c o m a verdade da essência. d e s v i a n d o . s e a f i r m a n o d e s v e l a m e n t o d o e n particular que.s i s t e n t e . A perspectiva s o b r e o mistério. O h o m e m n ã o cai n a e r r â n c i a n u m m o m e n t o d a d o . c o m o m e d i d a p a r a t o d o s o s e n t e s . pelo c o n t r á r i o .s i s t ê n c i a in-sistente d o h o m e m m a r c h a r n a e r r â n c i a e pelo f a t o esta enquanto desgarramento ameaçar sempre o h o m e m de a l g u m a maneira. e recebeu mais tarde o n o m e de " m e t a f í s i c a " . O h o m e m s e e n g a n a n a s m e d i d a s t a n t o m a i s q u a n t o m a i s exclusivam e n t e t o m a a s i m e s m o . M e s m o na e x i s t ê n c i a i n s i s t e n t e r e i n a o mistério. m u l a ç ã o d o e n t e e m s u a t o t a l i d a d e . T o d o o c o m p o r t a m e n t o possui sua maneira de e r r a r . N e s t e s p r o j e t o s e c á l c u l o s o h o m e m se fixa m u n i n do-se c o n s t a n t e m e n t e c o m n o v a s m e d i d a s . q u e n ã o s u r g e m d e n e n h u m a inquietude e e s t ã o s e g u r a s d e s i m e s m a s . ela m e s m a v e l a d a . I n s t a l a r . T a n t o o mistério como a a m e a ç a de d e s g a r r a m e n t o m a n t ê m h o m e m na indigência do constrangimento. - e s t á a b a n d o n a d o . de P l a t ã o . Apesar do progresso em direção a n o v a s m e d i d a s e n o v a s m e t a s . E s t a m a n e i r a d e s e v o l t a r e se a f a s t a r r e s u l t a . D e l e s o h o m e m r e t i r a e n t ã o s u a s m e d i d a s . E l e . p o r é m . A d i s s i m u l a ç ã o do q u e e s t á v e l a d o e a e r r â n c i a p e r t e n c i à e s s ê n c i a o r i g i n á r i a da v e r d a d e . M a s pelo d e s g a r r a m e n t o a e r r â n c i a c o n t r i b u i t a m b é m p a r a fazer n a s c e r e s p o s s i b i l i d a d e q u e o h o m e m p o d e tirar d a e k . a h u m a n i d a d e c o m p l e t a " s e u m u n d o " a partir de s u a s n e c e s s i d a d e s e de s u a s intenções m a i s r e c e n t e s e o e n c h e de s e u s projetos e c á l c u l o s . e n q u a n t o ele'. A e r r â n c i a na q u a l a h u m a n i d a d e h i s t r i a l s e d e v e m o v i m e n t a r p a r a q u e s e p o s s a dizer q u e s u a m a r c h a é e r r a n t e é u m a c o m p n e n t e e s s e n c i a l da a b e r t u r a do ser-aí.' . E s t a p e r s i s t ê n c i a e n c o n t r a seu a p o i o . A e r r â n c i a é a a n t i e s s ê n c i a f u n d a m e n t a ! q u e se o p õ e à e s s ê n c i a da v e r d a d e . p o r t a n t o . n a e k . O d e i x a r . t o d a s as m o d a l i d a d e s do errar. o deixar-ser do ente c o m o tal e em s u a totalidade a c o n t e a u t e n t i c a m e n t e . em si m e s m o o n ã o d e i x a r i m p e r a r a dissim u l a ç ã o d o q u e e s t á v e l a d o .s e d o m i s t é r i o s e c o p e r t e n c e m . E k . E n t r e t a n t o . confundidas. E i s p o r q u e o h o m e m e s t á s u m i s s o . o h o m e m está v o l t a d o p a r a o q u e é o m a i s c o r r e n t e em m e i o ao ente.' " - HEIDEGGER é SOBRE A ESSÊNCIA DA V E R D A D E 34 v i d a d e . N e s t e d e s m e s u r a d o e s q u e c i m e n t o . S ã o u m a e m e s m a c o i s a . e n t r e t a n t o .a í . c o n t u d o . Este i n s i s t e n t e d i r i g i r . A e r r â n c i a ê o e s p a ç o de j o g o d e s t e v a i v é m no q u a l a e k . a o m e s m o t e m p o e e m s i m e s m o . t a m b é m n a vida c o r r e n t e e x i s t e m e n i g m a s . O h o m e m e r r a . P e l o f a t o d e a e k . incluindo s p r ó p r i a a n t i e s s ê n c i a . c o r r e s p o n d e n t e à a b e r t u r a qi m a n t é m e à s u a r e l a ç ã o c o m o e n t e em sua t o t a l i d a d e . m a s c o m o a e s s ê n c i a e s q u e c i d a . s e m pre na e r r â n c i a . ele. E n t ã o a d e c i s ã o e n é r g i c a pelo m i s t é r i o s e p õ e e m m a r c h a p a r a a e r r â n ' q u e r e c o n h e c e u e n q u a n t o tal.' ' •• • . A plena essência da verdade. da v e r d a d e . e assim o r n a d a " i n e s s e n c i a l " . e s q u e c i d o do e n t e em s u a t o t a l i d a d e .•. Este v a i v é m do h o m e m no q u a l ele se afasta do m i s t é r i o e se d i r i g e p a r a a r e a l i d a d e corrente.a í é o v o l t a r . É n e s t a s i m u l t a n e i d a d e d o d e s v e l a m e n t o e<ia d i s s i m u ç ã o q u e se a f i r m a a e r r â n c i a . Este.s e s o b r e a q u i l o q u e o e n t e . *'••'• l a ç ã o d o e n t e e m s u a t o t a l i d a d e . O pensamento do qual e m a n a originariamente tal interrogação se concebe. •. g r a ç a s à q u i l o q u e lhe é acessível n a vida c o r r e n t e . o h o m e m se ilude no q u e diz r e s p e i t o à e s s ê n c i a autêntica d e s t a s m e d i d a s . i n a d v e r t è n c i a . d o rei d o m i s t é r i o d a e r r â n c i a . q u a n d o .s e a t r a v é s d e s i m e s m a . A e r r â n c i a d o m i n a o h o m e m e n q u a n t o o l e v a a d e s g a r r a r . m a n t é m o ser-aí n a i n d i g ê n c i a . afinal.s i s t ê n c i a e q u e c o n s i s t e e m n ã o s e d e i x l e v a r pelo d e s g a r r a m e n t o .s i s t e n t e . o ser-aí é in-sistente.s e d o m i s t é r i o . c o m p r e e n d i d a a p a r t i r da e k .s e na v i d a c o r r e n t e é.s i s t i n d o e j á s e e n c o n t r a . a p o i o q u e ela m e s m a d e s c o n h e c e . oferece. O d e s v e l a m e n t o d o e n t e e n q u a n t o tal é . constitui a errância. que se descerr p a r t i r da errância. é ap n a s um m o d o e a i n d a o m a i s superficial de e r r a r . d e s t a m a n e i r a . M a s o m i s t é r i o e s q u e c i d o do ser-aí n ã o é e l i m i n a d o pelo e s q u e c i m e n t o . t o m a c o m o m e d i d a d i r e t o r a o ente c o m o t a l . N e s t e m o m e n t o a q u e s t ã o d a e s s ê n c i a d a v e r d a d e é p o m a i s o r i g i n a r i a m e n t e .

a o m e s m o t e m p o . q u e j á p e r t e n c e à s u p e r a ç ã o d a metafísica. E n t r e t a n t o .ek-sistente e desta pa a verdade c o m o dissimulação e errância —. E p r e c i s o q u e a filosofia m a n i f e s t e a q u i s u a p u r e z a . . p a r a d e n t r o d e sua própria verdade. A p ó s a e x p l i c a ç ã o d e s c o b r e se. q u e r d i z e r (Ser e Tempo. de um ponto em q u e se possa suspender ou apoiar. 1927) do s e n t i d o . A p a r e n t e m e n t e o p e n s a m e n t o m o v i m e n t a n o c a m i n h o d a metafísica e . A q u e l a q u e s t ã o e n t e n d e essência. c o n t u d o . t o d a v i a .HEIDEGGER SOBRE A ESSÊNCIA DA V E R D A D E 343 c i o n a i s da c o n c e p ç ã o c o m u m e auxilia a reflexão a se p e r g u n t a r se a q u e s t ã o da e s s ê n c i a d a v e r d a d e n ã o d e v e ser. a o mesmo t e m p o e p r i m e i r a m e n t e . a filosofia. se prepara. ele n ã o p o d i a c o m p r e e n d e r . N o m a n s o rigor e n a r i g o r o s a m a n s i d ã o d o d e i x a r . A q u e s t ã o d e c i s i v a (Ser e Tempo. fica p r o p o s i t a l m e n t e n ã o . Q u a l q u e r e s p é c i e d a a n t r o p o l o g i a e t o d a s u b j e t i v i d a d e d o h o m e m e n q u a n t o sujei n ã o é a p e n a s . E s t a c o n c e p ç ã o e s s e n c i a l d a d e s t i n a ç ã o d a f i l o s o f i a é . f u n d a d a s o b r e a s u b j e t i v i d a d e . mas é constantemente já a articulação protetora da verdade do ente em sua totalidade. E s t a s o m e n t e se d e i x a d e t e r m i n a r a partir d a r e l a ç ã o c o m a v e r d a d e o r i g i n á r i a d o e n t e e n q u a n t o tal e e m s u a t o t a l i d a d e . n ã o a t i n g e a e s s ê n c i a d e l a . m a s .. f a z e n d o . a e s s ê n c i a da filosofia. A p r o p o s i ç ã o n ã o é dialética. p . p r i m e i r a m e n t e . a filosofia r e a l i z a s u a e s s ê n c i a a s s i m c o m o lhe foi o r i g i n a r i a m e n t e p o s t a e n q u a n t o " g u a r d i ã d e s u a s p r ó p r i a s l e i s " o u se. P o r é m . I n t e r p r e t a n d o . . pelo c o n t r á r i o . a i n d a p e r m a n e c e n d o no â m b i t o da r e p r e s e n t a ç ã o m e t a f í s i c a . 4 2 5 ) . O b r a s da E d i ç ã o d a A c a d e m i a . nem no céu nem na terra. o ú n i c o d i s s i m u l a d o d a ú n i c a h i s t ó r i a d o d e s v e l a m e n t o d o " s e n t i d o " d a q u i l o que d e s i g n a m o s ser e q u e . Observação A q u e s t ã o d a essência d a verdade s e o r i g i n a d a q u e s t ã o d a v e r d a d e d a e s s ê n c i a . em p r i m e i r o l u g a r . e d e s t a m a n e i r a . P o r q u e ao ser p e r t e n c e o v e l a r i l u m i n a d o a p a r e c e ele o r i g i n a r i a m e n t e à luz d a r e t r a ç ã o q u e d i s s i m u l a . m a s o c u r s o d a e x p o s i ç ã o s e prep r a p a r a p e n s a r a p a r t i r deste n o v o f u n d a m e n t o ( a p a r t i r d o ser-aí). n e m q u e r s u s c i t a r a impressão d e p a r a d o x o . r e a l i z a . A s f a s e s d a interrog ç ã o c o n s t i t u e m e m s i o c a m i n h o d e u m p e n s a m e n t o q u e . quer dizer. pelo c o n t r á r i o . u m a p r o x i m i d a d e c o m a verdade i ser. n e s t a palav r a .ser o a p a n á g i o d a q u e l e s q u e lhe s u g e r e m u m s e n t i d o i n a t o o u n ã o sei q u e n a t u r e z a t u t e l a r . O senso c o m u m apela à e v i d ê n c i a do ente r e v e l a d o e qualifica t o d a i n t e r r o g a ç ã o filosófica de a t e n t a d o c o n t r a ele m e s m o e s u a infeliz s u s c e t i b i l i d a d e . d e s t a m a n e i r a . a p o n t a m p a r a o fato de q u e a e s s ê n c i a da v e r d a d e n ã o é a b s o l u t a m e n t e a " g e n e r a l i d a d e " v a z i a de u m a u n i v e r s a l i d a d e " a b s t r a t a " . a filosofia se d e s e n v o l v e e t r a n s f o r m a n u m a i n t e r r o g a ç ã o q u e n ã o se atém u n i c a m e n t e a o e n t e . sem s a b e r entretanto. S u b o r d i n a ç ã o cuja f o r m a m a i s flagrante se d i s s i m u l a s o b o p r e t e x t o de a i n d a a d m i t i r a filosofia c o m o " e x p r e s s ã o " d a " c u l t u r a " ( S p e n g l e r ) o u c o m o l u x o d e u m a h u m a n i d a d e entregue a o seu trabalho. E p o r isso q u e a filosofia d e v i a ser i n t e r p r e t a d a p ó r K a n t c o m o g u a r d i ã d e s u a s p r ó p r i a s leis. revoluç. q u e r d i z e r . O p e n s a m e n t o e n s a i a d o n a c o n f e r ê n c i a atin s u a p l e n i t u d e n a experiência decisiva d e q u e s o m e n t e a p a r t i r d o s e r . e n q u a n t o põe a q u e s t ã o d e s t a v e r d a d e .a í . q u e n ã o r o m p e o v e l a m e n t o . n o q u a l o h o m e pode penetrar. pois disse d a f i l o s o f i a : " V e m o s a q u i a f i l o s o f i a c o l o c a d a n u m a s i t u a ç ã o c r í t i c a : é p r e c i s o . a v e r d a d e da e s s ê n c i a . se experimenta e confirma c o m o r e v o l u ç ã o da r e l a ç ã o c o m o ser. c o m f a c i l i d a d e . a "expressão"' de uma opinião. d o â m b i t o d o projeto. p e n s a da filosofia. A q u a l i d a d e d o s q u e p o d e m p r e s t a r a t e n ç ã o a ela d e c i d e d a p o s i ç ã o d o h o m e m n a história. é a m b i v a l e n t e em si m e s m a . d a a b e r t u r a . p o r u m a s e g u n d a conferência: Sobre a Verdade da Essência. a o m e s m o t e m p o . l i b e r t a ç ã o q u e funda a historia. A p a l a v r a n ã o é. já no projel o r j g i n a l . para o h o m e m historiai. q u e a p r o p o s i ç ã o n ã o i n v e r t e s i m p l e s m e n t e u m a g l o m e r a d o d e p a l a v r a s . N ã o é de m a n e i r a a l g u m a u m a p r o p o s i ç ã o no senti do de u m a e n u n c i a ç ã o . M a s pelo fato de a p l e n a e s s ê n c i a da filosofia incluir s u a n ã o . M a s seu p e n s a m e n t o é t a m b é m . E s t a n ã o foi viáv p o r m o t i v o s p a r a os quais a c e n o agora na c a r t a Sobre o Humanismo. A questão da e s s ê n c i a da v e r d a d e e n c o n t r a s u a r e s p o s t a nt p r o p o s i ç ã o : a essência da verdade é a verdade da essência. O e n s a i o aqui a p r e s e n t a d o c o n d u z a q u e s t ã o d a v e r d a d e p a r a a l é m d o s limites t r a d i - e s s ê n c i a . r e c o n h e c i d o c o m o seu " f u n d a m e n t o " e . s o b o conceito de " e s s ê n c i a " a filosofia p e n s a o ser. 151). S e . j á h á m u i t o t e m p o . a n t e c i p a d a m e n t e j u s t i f i c a d o em seu â m b i t o p r ó p r i o . n o s e n t i d o d e q ü i d i d a d e (quidditas) o u de r e a l i d a d e (realilas) e entende a verdade c o m o u m a c a r a c t e r í s t i c a do c o n h e c i m e n t o . c o m o já acontece em Ser e Tempo. K a n t . K a n t a p r e s s e n t i u . Seu p e n s a m e n t o é a t r a n q ü i l i d a d e da m a n s i d ã o q u e n ã o se n e g a ao v e l a m e n t o d o ente e m s u a t o t a l i d a d e . m a s t a m b é m n ã o t o l e r a n e n h u m a i n j u n ç ã o exterior. c o s t u m a m o s c o n s i d e r a r c o m o o ente em sua totalidade. o u a i n d a . c o n t u d o . Fundamento da Metafísica dos Costumes. A q u e s t ã o d a v e r d a d e d a essência entende e s s ê n c i a e m s e n t i d o v e r b a l e p e n s a . cuja o b r a introçiuz o últ i m o p e r í o d o d a metafísica o c i d e n t a l . e m s e u s p a s s o s d e c i s i v o s que c o n d u z e m da verdade como conformidade p a r a a liberdade. d e a c o r d o c o m s u a post u r a metafísica. o q u e o b o m s e n s o . c o m e ç a t a m b é m a d o m i n a ç ã o e x p r e s s a d o s e n s o c o m u m (da sofistica). O n o m e d e s t a c l a r e i r a alétheia. q u e ela e n c o n t r e u m a p o s i ç ã o f i r m e . M a s .d e s e n v o l v i d a . a d e c i s ã o enérgica d o r i g o r .s e r d o e n t e c o m o tal e m s u a total i d a d e . A r e d u ç ã o ."' ( K a n t .da p o s s i bilidade interna da conformidade de uma enunciação à liberdade ek-sistente do deixarser. a b a n d o n a d a e p r o c u r a d a a v e r d a d e i ser c o m o f u n d a m e n t o d e u m a n o v a p o s i ç ã o h i s t o r i a i . é p r i m e i r a m e n t e sustentada e determinada em sua atitude de guardiã pela verdade daquilo de onde suas leis r e c e b e m o c a r á t e r de leis. a q u e s t ã o d a v e r d a d e d a 8. fatal c a t e g o r i a g r a m a t i c a l ainda possa ser u s a d a . v o l u m e IV. e m vez de. m a s q u e impele sua essência i n t a c t a p a r a d e n t r o d a a b e r t u r a d a c o m p r e e n s ã o . neste m e s m o m o m e n t o d a h i s t ó r i a d o m u n d o e m q u e c o m e ç a a filosofia.s e > g u a r d i ã de s u a s p r ó p r i a s leis. E s t a í n t i m a indig ê n c i a d o p e n s a m e n t o . c a s o est. O v e l a r i l u m i n a d o r é. . A questão da verdade e a filosofia É no p e n s a m e n t o do ser q u e a l i b e r t a ç ã o do h o m e m p a r a a ek-sistència. u m a r e v o l u ç ã o na i n t e r r o g a ç ã o . a l c a n ç a a s u a p a l a v r a . o l h a p a r a u m d o m í n i o q u e . O s u j e i t o d a p r o p o s i ç ã o é . ' A c o n f e r ê n c i a Sobre a Essência da Verdade d e v e r i a ser c o m p l e t a d a . e m vez d e o f e r e c e r r e p r e s e n ções e c o n c e i t o s . A resposta à q u e s t ã o da e s s ê n c i a da v e r d a d e é a d i c ç ã o de um v i r a v o l t a no seio da história do ser (Seyn). isto se d e c i d e a p a r t i r da o r i g i n a l i d a d e c o m a q u a l a essência primeira da filosofia se tornará fundamental p a r a a interrogação filosófica. O número daqueles que entendem esta palavra pouco importa. o ser (Seyn) c o m o a d i f e r e n ç a q u e i m p e r a entre ser e ente. 9. s u f i c i e n t e m e n t e a m p l a p a r a rejeitar t o d a s u b o r d i n a ç ã o d e seu p e n s a m e n t o . a n ã o ser a p a r t i r d e s t a última. faz com que se d e s d o b r e (Wesen) a c o n c o r d â n c i a e n t r e c o n h e c i m e n t c e ente.e s s ê n c i a e i m p e r a r o r i g i n a r i a m e n t e s o b a f o r m a da d i s s i m u l a ç ã o . V e r d a d e s i g n i f i c a o v e l a r i l u m i n a d o r e n q u a n t c t r a ç o e s s e n c i a l do ser (Seyn). o a c e n o p a r a s i t u a r m o s o c o m e ç o e s s e n c i a l d e s t e fundamento na d i s s i m u l a ç ã o e e r r â n c i a . d a v e r d a d e d o ser e n j ' a p e n a s d o e n t e .