P. 1
Viagen Ao Rio Amazonas e Rio Negro Wallace

Viagen Ao Rio Amazonas e Rio Negro Wallace

|Views: 56|Likes:
Published by Anderson Mello

More info:

Published by: Anderson Mello on Oct 16, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/29/2013

pdf

text

original

Sections

  • 14 Alfred Russel Wallace
  • 16 Alfred Russel Wallace
  • 18 Alfred Russel Wallace
  • 20 Alfred Russel Wallace
  • 22 Alfred Russel Wallace
  • 24 Alfred Russel Wallace
  • 26 Alfred Russel Wallace
  • 28 Alfred Russel Wallace
  • 30 Alfred Russel Wallace
  • 32 Alfred Russel Wallace
  • 36 Alfred Russel Wallace
  • 38 Alfred Russel Wallace
  • 40 Alfred Russel Wallace
  • 42 Alfred Russel Wallace
  • 44 Alfred Russel Wallace
  • 46 Alfred Russel Wallace
  • 48 Alfred Russel Wallace
  • 50 Alfred Russel Wallace
  • 54 Alfred Russel Wallace
  • 56 Alfred Russel Wallace
  • 58 Alfred Russel Wallace
  • 60 Alfred Russel Wallace
  • 62 Alfred Russel Wallace
  • 64 Alfred Russel Wallace
  • 66 Alfred Russel Wallace
  • 68 Alfred Russel Wallace
  • 70 Alfred Russel Wallace
  • 72 Alfred Russel Wallace
  • 74 Alfred Russel Wallace
  • 76 Alfred Russel Wallace
  • 78 Alfred Russel Wallace
  • 80 Alfred Russel Wallace
  • 82 Alfred Russel Wallace
  • 84 Alfred Russel Wallace
  • 86 Alfred Russel Wallace
  • 88 Alfred Russel Wallace
  • 90 Alfred Russel Wallace
  • 92 Alfred Russel Wallace
  • 94 Alfred Russel Wallace
  • 96 Alfred Russel Wallace
  • 98 Alfred Russel Wallace
  • 100 Alfred Russel Wallace
  • 102 Alfred Russel Wallace
  • 104 Alfred Russel Wallace
  • 106 Alfred Russel Wallace
  • 108 Alfred Russel Wallace
  • 110 Alfred Russel Wallace
  • 112 Alfred Russel Wallace
  • 114 Alfred Russel Wallace
  • 116 Alfred Russel Wallace
  • 118 Alfred Russel Wallace
  • 120 Alfred Russel Wallace
  • 122 Alfred Russel Wallace
  • 124 Alfred Russel Wallace
  • 126 Alfred Russel Wallace
  • 128 Alfred Russel Wallace
  • 130 Alfred Russel Wallace
  • 132 Alfred Russel Wallace
  • 134 Alfred Russel Wallace
  • 136 Alfred Russel Wallace
  • 138 Alfred Russel Wallace
  • 140 Alfred Russel Wallace
  • 142 Alfred Russel Wallace
  • 144 Alfred Russel Wallace
  • 146 Alfred Russel Wallace
  • 148 Alfred Russel Wallace
  • 150 Alfred Russel Wallace
  • 152 Alfred Russel Wallace
  • 154 Alfred Russel Wallace
  • 156 Alfred Russel Wallace
  • 158 Alfred Russel Wallace
  • 160 Alfred Russel Wallace
  • 162 Alfred Russel Wallace
  • 164 Alfred Russel Wallace
  • 166 Alfred Russel Wallace
  • 168 Alfred Russel Wallace
  • 170 Alfred Russel Wallace
  • 172 Alfred Russel Wallace
  • 174 Alfred Russel Wallace
  • 176 Alfred Russel Wallace
  • 180 Alfred Russel Wallace
  • 182 Alfred Russel Wallace
  • 184 Alfred Russel Wallace
  • 186 Alfred Russel Wallace
  • 188 Alfred Russel Wallace
  • 190 Alfred Russel Wallace
  • 192 Alfred Russel Wallace
  • 194 Alfred Russel Wallace
  • 196 Alfred Russel Wallace
  • 198 Alfred Russel Wallace
  • 200 Alfred Russel Wallace
  • 202 Alfred Russel Wallace
  • 204 Alfred Russel Wallace
  • 206 Alfred Russel Wallace
  • 208 Alfred Russel Wallace
  • 210 Alfred Russel Wallace
  • 212 Alfred Russel Wallace
  • 214 Alfred Russel Wallace
  • 216 Alfred Russel Wallace
  • 218 Alfred Russel Wallace
  • 220 Alfred Russel Wallace
  • 222 Alfred Russel Wallace
  • 224 Alfred Russel Wallace
  • 226 Alfred Russel Wallace
  • 228 Alfred Russel Wallace
  • 230 Alfred Russel Wallace
  • 232 Alfred Russel Wallace
  • 234 Alfred Russel Wallace
  • 236 Alfred Russel Wallace
  • 238 Alfred Russel Wallace
  • 240 Alfred Russel Wallace
  • 242 Alfred Russel Wallace
  • 244 Alfred Russel Wallace
  • 246 Alfred Russel Wallace
  • 250 Alfred Russel Wallace
  • 252 Alfred Russel Wallace
  • 254 Alfred Russel Wallace
  • 256 Alfred Russel Wallace
  • 258 Alfred Russel Wallace
  • 260 Alfred Russel Wallace
  • 262 Alfred Russel Wallace
  • 264 Alfred Russel Wallace
  • 266 Alfred Russel Wallace
  • 268 Alfred Russel Wallace
  • 270 Alfred Russel Wallace
  • 272 Alfred Russel Wallace
  • 274 Alfred Russel Wallace
  • 276 Alfred Russel Wallace
  • 278 Alfred Russel Wallace
  • 280 Alfred Russel Wallace
  • 282 Alfred Russel Wallace
  • 284 Alfred Russel Wallace
  • 286 Alfred Russel Wallace
  • 288 Alfred Russel Wallace
  • 290 Alfred Russel Wallace
  • 292 Alfred Russel Wallace
  • 294 Alfred Russel Wallace
  • 298 Alfred Russel Wallace
  • 300 Alfred Russel Wallace
  • 302 Alfred Russel Wallace
  • 304 Alfred Russel Wallace
  • 306 Alfred Russel Wallace
  • 308 Alfred Russel Wallace
  • 310 Alfred Russel Wallace
  • 312 Alfred Russel Wallace
  • 314 Alfred Russel Wallace
  • 316 Alfred Russel Wallace
  • 318 Alfred Russel Wallace
  • 320 Alfred Russel Wallace
  • 322 Alfred Russel Wallace
  • 324 Alfred Russel Wallace
  • 326 Alfred Russel Wallace
  • 328 Alfred Russel Wallace
  • 330 Alfred Russel Wallace
  • 332 Alfred Russel Wallace
  • 334 Alfred Russel Wallace
  • 336 Alfred Russel Wallace
  • 338 Alfred Russel Wallace
  • 340 Alfred Russel Wallace
  • 342 Alfred Russel Wallace
  • 344 Alfred Russel Wallace
  • 346 Alfred Russel Wallace
  • 348 Alfred Russel Wallace
  • 350 Alfred Russel Wallace
  • 352 Alfred Russel Wallace
  • 354 Alfred Russel Wallace
  • 356 Alfred Russel Wallace
  • 358 Alfred Russel Wallace
  • 360 Alfred Russel Wallace
  • 362 Alfred Russel Wallace
  • 364 Alfred Russel Wallace
  • 366 Alfred Russel Wallace
  • 368 Alfred Russel Wallace
  • 370 Alfred Russel Wallace
  • 372 Alfred Russel Wallace
  • 374 Alfred Russel Wallace
  • 376 Alfred Russel Wallace
  • 378 Alfred Russel Wallace
  • 380 Alfred Russel Wallace
  • 382 Alfred Russel Wallace
  • 384 Alfred Russel Wallace
  • 386 Alfred Russel Wallace
  • 388 Alfred Russel Wallace
  • 390 Alfred Russel Wallace
  • 392 Alfred Russel Wallace
  • 394 Alfred Russel Wallace
  • 398 Alfred Russel Wallace
  • 400 Alfred Russel Wallace
  • 402 Alfred Russel Wallace
  • 404 Alfred Russel Wallace
  • 406 Alfred Russel Wallace
  • 408 Alfred Russel Wallace
  • 410 Alfred Russel Wallace
  • 412 Alfred Russel Wallace
  • 414 Alfred Russel Wallace
  • 416 Alfred Russel Wallace
  • 418 Alfred Russel Wallace
  • 420 Alfred Russel Wallace
  • 422 Alfred Russel Wallace
  • 424 Alfred Russel Wallace
  • 428 Alfred Russel Wallace
  • 430 Alfred Russel Wallace
  • 432 Alfred Russel Wallace
  • 434 Alfred Russel Wallace
  • 436 Alfred Russel Wallace
  • 438 Alfred Russel Wallace
  • 440 Alfred Russel Wallace
  • 442 Alfred Russel Wallace
  • 444 Alfred Russel Wallace
  • 446 Alfred Russel Wallace
  • 448 Alfred Russel Wallace
  • 450 Alfred Russel Wallace
  • 452 Alfred Russel Wallace
  • 454 Alfred Russel Wallace
  • 456 Alfred Russel Wallace
  • 460 Alfred Russel Wallace
  • 462 Alfred Russel Wallace
  • 464 Alfred Russel Wallace
  • 466 Alfred Russel Wallace
  • 468 Alfred Russel Wallace
  • 470 Alfred Russel Wallace
  • 472 Alfred Russel Wallace
  • 474 Alfred Russel Wallace
  • 476 Alfred Russel Wallace
  • 478 Alfred Russel Wallace
  • 480 Alfred Russel Wallace
  • 482 Alfred Russel Wallace
  • 484 Alfred Russel Wallace
  • 486 Alfred Russel Wallace
  • 488 Alfred Russel Wallace
  • 490 Alfred Russel Wallace
  • 492 Alfred Russel Wallace
  • 494 Alfred Russel Wallace
  • 496 Alfred Russel Wallace
  • 498 Alfred Russel Wallace
  • 500 Alfred Russel Wallace
  • 502 Alfred Russel Wallace
  • 504 Alfred Russel Wallace
  • 506 Alfred Russel Wallace
  • 508 Alfred Russel Wallace
  • 510 Alfred Russel Wallace
  • 512 Alfred Russel Wallace
  • 514 Alfred Russel Wallace
  • 516 Alfred Russel Wallace
  • 518 Alfred Russel Wallace
  • 520 Alfred Russel Wallace
  • 522 Alfred Russel Wallace
  • 526 Alfred Russel Wallace
  • 530 Alfred Russel Wallace
  • 534 Alfred Russel Wallace
  • 536 Alfred Russel Wallace
  • 538 Alfred Russel Wallace
  • 540 Alfred Russel Wallace
  • 542 Alfred Russel Wallace
  • 544 Alfred Russel Wallace
  • 546 Alfred Russel Wallace
  • 548 Alfred Russel Wallace
  • 550 Alfred Russel Wallace
  • 552 Alfred Russel Wallace
  • 554 Alfred Russel Wallace
  • 556 Alfred Russel Wallace
  • 558 Alfred Russel Wallace
  • 560 Alfred Russel Wallace
  • 562 Alfred Russel Wallace
  • 564 Alfred Russel Wallace
  • 566 Alfred Russel Wallace
  • 568 Alfred Russel Wallace
  • 570 Alfred Russel Wallace
  • 572 Alfred Russel Wallace
  • 576 Alfred Russel Wallace
  • 578 Alfred Russel Wallace
  • 580 Alfred Russel Wallace
  • 582 Alfred Russel Wallace
  • 584 Alfred Russel Wallace
  • 586 Alfred Russel Wallace
  • 588 Alfred Russel Wallace
  • 590 Alfred Russel Wallace
  • 592 Alfred Russel Wallace
  • 594 Alfred Russel Wallace
  • 596 Alfred Russel Wallace
  • 598 Alfred Russel Wallace
  • 600 Alfred Russel Wallace
  • 602 Alfred Russel Wallace
  • 604 Alfred Russel Wallace
  • 608 Alfred Russel Wallace
  • 612 Alfred Russel Wallace
  • 614 Alfred Russel Wallace
  • 616 Alfred Russel Wallace
  • 618 Alfred Russel Wallace
  • 620 Alfred Russel Wallace
  • 622 Alfred Russel Wallace
  • 624 Alfred Russel Wallace
  • 626 Alfred Russel Wallace

Conselho E ditorial

Edições Eletrônicas

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

Alfred Russel Wallace

Biblioteca Básica

Classicos da Política

Brasil 500 anos

Memória Brasileira

O Brasil Visto por Estrangeiros

Para visualizar esta obra é necessário o acrobat reader 4.0.

Se você nâo possui esta versão instalada em seu computador,

clique aqui, para fazer o download.

Sumário

Barco - Óleo sobre tela de Nilda Silva, 1,00m x 1,33m, 1981, acervo do Senado Federal.

Página anterior

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

VIAGENS PELO AMAZONAS E RIO NEGRO

Mesa Diretora
Biênio 2003/2004

Senador José Sarney Presidente Senador Paulo Paim 1º Vice-Presidente Senador Romeu Tuma 1º Secretário Senador Heráclito Fortes 3º Secretário Senador Eduardo Siqueira Campos 2º Vice-Presidente Senador Alberto Silva 2º Secretário Senador Sérgio Zambiasi 4º Secretário

Suplentes de Secretário Senador João Alberto Souza Senador Geraldo Mesquita Júnior Senadora Serys Slhessarenko Senador Marcelo Crivella

Conselho Editorial
Senador José Sarney Presidente Joaquim Campelo Marques Vice-Presidente

Conselheiros Carlos Henrique Cardim João Almino Carlyle Coutinho Madruga Raimundo Pontes Cunha Neto

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Edições do Senado Federal – Vol. 17

VIAGENS PELO AMAZONAS E RIO NEGRO
Alfred Russel Wallace

Notas de Basílio de Magalhães

Brasília – 2004

EDIÇÕES DO SENADO FEDERAL Vol. 17 O Conselho Editorial do Senado Federal, criado pela Mesa Diretora em 31 de janeiro de 1997, buscará editar, sempre, obras de valor histórico e cultural e de importância relevante para a compreensão da história política, econômica e social do Brasil e reflexão sobre os destinos do país.

Projeto gráfico: Achilles Milan Neto © Senado Federal, 2004 Congresso Nacional Praça dos Três Poderes s/nº – CEP 70165-900 – Brasília – DF CEDIT@senado.gov.br http://www.senado.gov.br/web/conselho/conselho.htm

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Wallace, Alfred Russel, 1823-1913. Viagens pelo Amazonas e Rio Negro / Alfred Russel Wallace ; notas de Basílio de Magalhães. -- Brasília : Senado Federal, Conselho Editorial, 2004. 630 p. -- (Edições do Senado Federal ; v. 17) 1. Brasil, descrição. 2. Vale amazônico, descrição. 3. Rio Negro, descrição. 4. Índios, Vale amazônico. I. Título. II. Série. CDD 918.11

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Sumário
Alfred Russel Wallace – (Algumas notas sobre a sua vida, bibliografia e contribuição para a teoria do transformismo) – por Basílio de Magalhães pág. 13 Prefácio do autor à 1ª edição pág. 31 Prefácio do autor à 2ª edição pág. 33
CAPÍTULO I

Belém do Pará Chegada a Belém do Pará – Aspectos das cidades e seus arredores – Os seus habitantes e seus costumes – Vegetação – Plantas sensitivas – Sáurios – Formigas e outros insetos – Pássaros – Clima – Alimentação dos habitantes pág. 35
CAPÍTULO II

Pará Festas – Padrões monetários português e brasileiro – Sítio do Sr. Borlaz – Excursão aos engenhos – Floresta virgem – Plantas e insetos – Árvore-vaca – Engenho de serra e máquina de beneficiar arroz – Caripé ou árvore para cerâmica – Seringueiras – Flores e árvores em florescências – Formigas saúvas, vespas e bichos-de-pé – Passeio por água a Maguari – Macacos – O comandante de Laranjeiras – Morcegos-vampiros – Comércio de madeiras – Boa constrictor – Preguiças pág. 53

CAPÍTULO III

O Tocantins Canoa, provisões e tripulação – Rio Moju – Igarapé-Mirim – Cametá – O Sr. Gomes e a sua propriedade – Procurando recursos para o jantar – Jambuaçu – Polidez epistolar – Baião e seus habitantes – Um enxame de vespas – Penetrando as zonas rochosas – A mutuca – Dificuldade para arranjar homens – Uma aldeia sem casas – Apanhando um jacaré – Caçando patos – Aroiás e as cachoeiras – Concerto noturno – Araras azuis – Ovos de tartaruga – Um pequeno acidente – Possibilidades da região – Regresso a Belém do Pará pág. 87
CAPÍTULO IV

Mexiana e Marajó Visita a Olaria – Hábitos das aves – Excursão a Mexiana – Chegada – Pássaros – Descrição da ilha – Sua população – Os escravos, seu tratamento e seus costumes – Excursão ao lago – Um bonito rio – Peixes e aves do lago – Caçada de jacarés – Ruídos curiosos – Abundância de vida animal – O regresso – Carne de jaguar – Visita a Juncal, em Marajó – Embarque de gado – Ilha das Flechas pág. 121
CAPÍTULO V

Rios Guamá e Capim Luís, o caçador a serviço de Natterer – Pássaros e insetos – Preparativos para uma excursão – Primeiros sinais da pororoca – São-Domingos – O Sr. Calixto – Escravos e escravatura – Anedota – Canavial – Excursão à floresta – Explicação da pororoca – Regresso a Belém do Pará – Arapongas e papagaios verde-amarelos pág. 153
CAPÍTULO VI

Santarém e Monte-Alegre Deixando Belém do Pará – Entrando no Amazonas – Seus aspectos característicos – Chegada a Santarém – A cidade e seus habitantes – Viagem a Monte-Alegre – Praga de mosquitos e meios de combatê-los

– Excursão às serras – Uma fazenda de criação de gado – Rochas, inscrições e grutas – A vitória-régia – Roças de mandioca – Uma festa – Regresso a Santarém – Belos insetos – Curiosos fenômenos de maré – Partida de Santarém – Óbidos – Vila-Nova – Um padre bondoso – Serpa – Dia de Natal no Amazonas pág. 179
CAPÍTULO VII

Barra do Rio Negro e o Solimões Aspectos do rio Negro – A cidade da Barra – Seus habitantes e comércio local – Excursão pelo rio Negro acima – A língua geral – O “gaviãode-penacho” – Modo de vida dos índios – Regresso a Barra – Estrangeiros na cidade – Excursão ao Solimões – O igapó – Manaqueri – Vida de campo – Araçaris de cristas aneladas – Urubus e onças – Cultura e preparo de tabaco – O peixe-boi – O Sr. Brandão – Uma pescaria com o Sr. Henrique – Cartas da Inglaterra pág. 213
CAPÍTULO VIII

Alto Rio Negro Deixando Barra, em demanda do alto rio Negro – A canoa e seu carregamento – Grande largura do rio – Carvoeiro e Barcelos – Rochas graníticas – Castanheiro – Um velho polido – São-José – Uma nova linguagem – As cachoeiras – São-Gabriel – Nossa Senhora da Guia – o Sr. L. e sua família – Excursão ao rio Cobati – Uma aldeia indígena – A serra – “Galos-da-Serra” – Volta a Guia – Frei José dos Santos-Inocentes pág. 249
CAPÍTULO IX

Javita Partidas de Guia – Marabitanas – Serra de Cucuí – Entrando no território de Venezuela – São-Carlos – Passando o Caciquiare – Antônio Dias – Índios construtores de barcos – Trabalhos de penas – Maroa e Pimichim – Uma onça preta – Serpentes venenosas

– Pescando – A caminho de Javita – Demora ali – Índios construtores de estradas – Língua e costumes – Descrição de Javita – Fuga dos índios – Coleções feitas em Javita – Regresso a Tomo – Um tumulto doméstico – Marabitanas e seus habitantes – Alcançando Guia pág. 297
CAPÍTULO X

Subindo, pela primeira vez, o rio Uaupés Forte correnteza – Uma taba indígena – Os seus moradores – Uma festa – Pinturas e ornatos – Doenças – São-Jerônimo – Passando as cachoeiras – Juarité – O tuxaua Calixto – Curiosa palmeira – Pássaros – Provisões barata – Comendo formigas – Vermes terrestres – Uma grande dança – Ornatos de penas – A “dança-da-cobra” – O capi – Um enorme cigarro – Ananá-rapicôma – Peixes – Bichos-de-pé – Descendo as cachoeiras – Caçando pássaros – Orquídeas – Os piuns – Comendo terra – Um envenenamento – Volta a Guia – Manuel Joaquim – Demoras enervantes pág. 345
CAPÍTULO XI

No rio Negro Dificuldades para a partida – Descendo as cachoeiras – Pescando um jacaré – Papagaios mansos – Quinze dias em Barra – Diplomacia de frei José – Salgando um peixe-boi – Tempestade no rio – Veracidade brasileira – Uanauaca – Possibilidades da região – Uma cobra enorme –- São-Gabriel – São-Joaquim – Acessos de febre pág. 397
CAPÍTULO XII

As cachoeiras do Uaupés Partida para o Uaupés – São Jerônimo e Jauarité – Numerosas cachoeiras – Alcançando Caruru – Acesso difícil – Maloca pintada – “Música-do-diabo” – Outras quedas mais – O ucuqui – Rochas curiosas – Alcançando Uarucapuri – Índios cobeús – Alcançando

Mucura – A casa de um índio e sua família – Altitude acima do nível do mar – O tenente Jesuino – Voltando a Uarucapuri – Aprisionando índios – Viagem até Juaurité – Corrigindo um engano da data – Parada em São-Jerônimo pág. 427
CAPÍTULO XIII

De São-Jerônimo para baixo Descendo o rio Negro – Chegada a Barra – Obtenção de passaporte – Administração da cidade – As transações de portugueses e de brasileiros – Sistema de crédito – Comércio – A imoralidade e suas causas – Partida de Barra – Lenda da morte – Belém do Pará – A febre amarela – Partida para a Inglaterra – Incêndio do navio – Dez dias em botes – Livres de apuros – Ventos contrários – Falta de provisões – Tempestade no Canal – Chegada a Deal pág. 459
CAPÍTULO XIV

Geografia física, geologia e clima do vale do Amazonas pág. 501
CAPÍTULO XV

Vegetação do vale do Amazonas pág. 533
CAPÍTULO XVI

Observações sobre a zoologia do vale do Amazonas pág. 547
CAPÍTULO XVII

Aborígines do vale do Amazonas pág. 575
APÊNDICE

Sobre as inscrições do Amazonas pág. 625

Sumário

Estampa I

Próxima página

andou por vários pontos da Inglaterra e do País-de-Gales. .) em Usk. localidade de Monmouthshire. . Página anterior N ASCEU Alfred Russel Wallace a 8 de janeiro de 1823. . . bibliografia e contribuição para a teoria do transformismo. . . . Em 1840. . . achando-se ao sul do País-de-Gales. . . . . . . Alfred Russel Wallace (Algumas notas sobre a sua vida. . com o que não somente adquiriu certos conhecimentos de agricultura. . Tendo passado a residir com um irmão mais velho – arquiteto que também se fizera fiscal de impostos –.Sumário . Foi educado na Escola de Hertford. . . . mas também se inteirou das condições sociais e econômicas a que estavam então sujeitas as classes trabalhadoras das terras britânicas. . . . . .

14 Alfred Russel Wallace começou a estudar a história natural. entomologista de renome. Pelo navio que lhe trouxera esse prestimoso auxiliar. cada um deles tomou rumo diverso. pelo rio Tocantins. pelo que propôs ele a Bates organizarem uma expedição ao Amazonas. na qual. feitas até aquela data.000 espécies zoológicas. despachou Wallace para a Inglaterra as coleções de peixes e insetos. pudessem também reunir fatos. e que. feitas. Os dois naturalistas iniciaram juntos as suas excursões de estudos. tornando a avistar-se em Barra do Rio Negro. Em começos de julho de 1849. sobretudo. Colecionou naquela vasta e diviciosa região cerca de 15. Transferindo-se em 1844 para Leicester. onde lecionou num colégio público. isto é.000. das quais pelo menos 8. num pequeno navio. os dois cientistas novamente se separaram. não mais se encontrando em território brasileiro. 1 Os dois amigos separaram-se sem o menor desentendimento pessoal. a 26 de maio. ao passo que Bates cogitava exclusivamente da entomologia. nas circunvizinhanças de Belém do Pará. segundo a sua própria asserção. Apaixonou-se desde logo por esses assuntos. Em 1849. As relações entre ambos continuaram cordiais. como se infere do que se lê à pág. ali nascido e residente. . ao mesmo tempo que lia relatos de viagens. onde estiveram juntos de fevereiro a março de 1850. e apenas porque Wallace queria. 266 dos “Travels” de Wallace. Não tardou a tornar-se presa do ardente desejo de visitar as regiões tropicais. além de fazerem coleções de tudo quanto interessasse à história natural. depois. por ele denominada “o paraíso do naturalista”. eram novas para a ciência. alcançando a foz do Amazonas cerca de um mês mais tarde. a fim de estudar-lhes a fauna e a flora. Sobre essa matéria já haviam conversado bastante e dela haviam também tratado em sua freqüente correspondência. colher fatos de toda espécie que interessassem ao estudo da origem e evolução dos seres vivos. numa das suas cartas ao amigo) de resolver o problema da origem das espécies”. a fim de ajudar este em seus trabalhos científicos. Resolvida a expedição.1 Bates resolveu efetuar sozinho a exploração do resto da bacia amazônica. partiram de Liverpool. Ali. e ali permaneceu até 1859. relacionou-se imediatamente com Henry Walter Bates (1825-1892). a princípio. a 27 de abril de 1848. e. chegou a Belém o irmão mais moço de Wallace. “com o fito (assim se exprimia ele.

que o conduziu até ao porto de Deal. foi tudo quanto se salvou do intenso e arriscado esforço do grande cultor da ciência. em 1863. a Indo-Malásia e a Austro-Malásia. A sua preocupação máxima era sempre a solução do problema da origem das espécies. feita por ele próprio. e que foi muito bem recebido pelo aplauso dos competentes. em dois volumes subordinados ao título de The naturalist on the river Amazon. a 12 de julho de 1852. Wallace escapou de morrer e sofreu considerável prejuízo. e ele pensava que só a exuberância de vida da zona tórrida lhe permitiria elementos que o levassem a bom caminho. Isso. Essa obra é a que ora se entrega ao público. e ele mesmo andou dez dias à mercê das ondas. Sumatra. Aru. Visitou todas as principais ilhas do vasto perímetro malaio: Bornéu. Leia-se. qual a da linha – que se tornou geralmente conhecida por “linha de Wallace” – que dividiu o arquipélago malaio em duas partes. até ser tomado. também deu a lume o resultado das suas explorações. Molucas (com razão chamadas outrora “ilhas de Maluco”). não o impediu de pensar desde logo em outra viagem científica a uma nova região tropical – a do Arquipélago Malaio ou Insulíndia. dos seus sofrimentos e prejuízos. Tendo chegado a Singapura. em 1º do outubro de 1852. a bordo de outro veleiro.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 15 acrescidas de um caixote enviado em agosto de 1850 (como consta do final do capítulo VII). pegou fogo em pleno mar. ainda lhe deve a geografia uma contribuição não despicienda. felizmente. reunindo depois todos os dados e observações num livro. devendo-se-lhe também a outra divisória entre a Malásia e a Papuásia. curtindo fome e sede. obra da qual existem muitas edições. Além dos materiais que ali colheu para tantos e tão interessantes trabalhos de biologia. perdendo-se os animais e as plantas que o sábio inglês havia colecionado na região amazônica. O navio em que ele embarcara. Ke e Nova-Guiné. a contristadora narração. Foi também dali que dirigiu a . Wallace encarregou-se de explorar outra zona – a do rio Negro e a do alto Orenoco –. a 6 de agosto. Timor. entretanto. na parte final do capítulo XIII. Celebes. Java. vestida para a nossa língua. em julho de 1854. durante a viagem de regresso para a Inglaterra. aparecido em 1853. deixou-se ficar naquelas regiões do extremo-oriente até ao começo de 1862. Bates.

notadamente as que endereçou a Flaeckel e Darwin. em linhas gerais. or the preservation of favored races in the struggle for life”. por quem quer se haja aprazido com citações de estrangeirismos. respeitado anatomista. em seu trabalho “Elementos de biologia” (Rio. pelas quais chegaram ambos a estabelecer a teoria da evolução biológica. que nos últimos anos se referiram ao ‘darwinismo’. Contribuiu ele consideravelmente para a nova doutrina evolucionista não só confirmando a “lei de recapitulação embriológica”. não só lhe granjearam o mais alto conceito por parte do respeitado biologista alemão. por Darwin. enviadas da nossa pátria a alguns dos mais reputados sábios da Europa. . o ‘mimetismo mülleriano’ que é o mimetismo circular. há o exaustivo e documentado trabalho de Alfred Moeller Iena. que é todo o capítulo XIII “págs. merecem citados os Drs. Como ainda completando a teoria do ‘mimetismo’ já exposta. mas formulada por Haeckel sob a forma de que “a ontogênese repete a filogênese” (ou “lei biogenética fundamental”). que ficou batizado com o seu nome. a qual se tornou a pedra fundamental do “transformismo”. com o título seguinte: “Origin of species means of natural selection. Tão sensacional foi o êxito desse livro. 40-58 e 65-66. 1938). Ei-lo. um dos mais eficientes propagadores da doutrina do transformismo. ao mesmo tempo que a do seu preclaro amigo. 1929). 1921. 134-142” do seu precioso volume (merecedor de maior divulgação entre os nossos professores de Ciências). “Glória sem rumor” (Rio. É tão interessante o assunto. analisando-o em linhas gerais e elevadas. 1911).. Dos nossos mais competentes compatrícios. como também deram ensejo a que o autor da “Origin of species” o consagrasse com o epíteto de “príncipe dos observadores”. e. desde os últimos quarenta anos do século XIX para cá. Wallace e Bates. 1931). Mereceu Darwin a admiração das mais conceituadas mentalidades contemporâneas. lida na Linnean Society a 1º de julho de 1858. e Pedro A. que vale a pena ficar esclarecido pelo depoimento do próprio Wallace. foi dada à estampa em 1859. entre as quais as de Herbert Spencer e Thomas Huxley (l825-1895). intitulado “The wonderful century”. em nossa língua. As suas cartas. Sabe-se também que o “darwinismo” teve no Brasil um operoso e fecundo colaborador. mediante o novo tipo. que foi Fritz Müller (1822-1897). traduzido bem ao pé da letra: 2 A obra de Charles Robert Darwin (1809-1882). este às págs. dois opúsculos sobremaneira interessantes: o de Roquette-Pinto. que a expressão “struggle for life” passou a ser corriqueiramente matraqueada em todo o mundo culto. Ferreira da Silva.16 Alfred Russel Wallace Darwin2 a comunicação. Para informações mais amplas sobre a biobibliografia do insigne cientista tudesco. Rodolfo Paula Lopes. tendo sido este último. no seu “Preciso de Sociologia” (Rio. em 4 vols. “Fritz Müller” (Rio. contendo dados então novos para a ciência. e o de J. Pinto (com o pseudônimo de Paulo Augusto). migrado para Santa Catarina onde dorme o sono derradeiro. atribuída ao francês Serres. por isso mesmo também chamado “darwinismo”. sepultado em Blumenau.

“Lehrbuch der Naturphilosophie” (em 3 vols. em 1799. a qual eles indubitavelmente acreditavam ter ocorrido. foi um precursor do evolucionismo. R. portanto. o insigne cientista respondera ao terrível corso que “não tinha tido necessidade de mais essa hipótese”. générale et particulière” (publicada de 1749 a 1789. a “Phytologia. várias alusões e sugestões. que foi quando Laplace6 expôs o seu ponto de vista sobre a evolução do universo astral e dos 3 Buffon (1707-1788).5 assinalando a evolução do mundo orgânico. A hipótese das nebulosas ou hipótese cosmogônica de Laplace (1749-1827) foi lançada em sua “Exposition du système du monde” (1796). como se vê principalmente pelas idéias que expendeu no tomo V. através da luta pela existência. deveria ter citado outro notável alemão que foi também um dos pioneiros da lei de seleção natural: Lorenz Ockenfuss. em 1794-1796.. em que descantou os amores das plantas. em 32 vols. talvez. 3 vols. or the philosophy of agriculture and gardening”. or the laws of organic life”.. “um caso de atavismo intelectual” (Nota de Basílio de Magalhães). por meio da mais especial do desenvolvimento do mundo orgânico. em sua monumental “Histoire naturelle.. Conta-se que. A obra de fôlego de Laplace foi a “Mécanique céleste” (publicada de 1802 a 1805 e de 1823 a 1825). a seleção natural. por Buffon. 1843) e “Allgemeine Naturgeschichte für alle Stände” (em 7 vols. A. e seu imprescindível corolário. a “Zoonomia. Além de um poema.). e. Erasmo Darwin4 e pelo poeta Goethe.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 17 “EVOLUÇÃO E SELEÇÃO NATURAL Chegamos agora ao assunto que. Wallace. tendo sido vertida para o inglês por Nathaniel Bowditch (Nota de Basílio de Magalhães). além do grande poeta.3 pelo Dr. nenhuma exposição da teoria aparecera até ao princípio da centúria atual. no conceito vulgar. pode ser considerado como a maior conquista científica do século XIX: o estabelecimento da teoria geral da evolução. ponderando-lhe um dia Napoleão Bonaparte que em dita monografia não se lhe deparara nem uma vez o nome de Deus. 1833-1845). Com efeito. Goethe (1749-1832). 4 5 6 . no século anterior. por sua verdadeira importância. Foi quem fez entrar no domínio científico a origem vertebral dos ossos cranianos (Nota de Basílio de Magalhães). O criador da teoria do transformismo foi. pressentiu o transformismo. Erasmus Darwin (1731-1802) era avô de Charles Darwin. nos quais deixou patente a infixidez das espécies: “Lehrbuch der Naturgeschichte” (em. afirmando que a flor é a folha modificada. publicou. Lourenço Ocken (como passou a ser conhecido) desenvolveu todo um sistema biológico em grande número de livros. Não obstante haverem sido formuladas. 1813-1827). e. consagrado às “Époques de la nature” (Nota de Basílio de Magalhães).

pelo menos. dificilmente sentida. e só são invariáveis temporariamente” (Nota de Basílio de Magalhães).18 Alfred Russel Wallace sistemas solar e planetário. preocupava sempre os pensadores mais saturados de estudos filosóficos. em sua grande maioria. que ele arrolara. se não completamente. apesar de que os naturalistas e homens de ciência. Durante a primeira metade do presente século – pelo fato de se haverem tornado então. publicou Lamarck a Filosofia zoológica. impossível o imaginar-se-lhes o surto na face da terra. acessíveis aos colecionadores ingleses o Brasil. pela mesma época. como também porque as causas. que o número. que por toda parte se nos antolham no seio da natureza. Essa teoria. de naturalistas ficou completamente ocupado em descrever as novas espécies e esforçando-se por descobrir métodos certos de classificação. não pareciam idôneas a produzir as maravilhosas adaptações. 7 A “Philosophie zoologique” de Lamarck (1744-1829). granjeou poucos adeptos entre os naturalistas. pela primeira vez. mas as espécies têm entre si uma constância relativa. com a qual criou ele o “lamarckismo”. e de que nós precisaríamos de gastar. se conservavam absolutamente fiéis ao dogma de que cada espécie de animal ou planta era uma criação distinta. O problema da evolução. e havia uma impressão geral de que a esse tempo. antes que adquiríssemos qualquer decisivo clarão sobre a origem dos seres vivos. Aí foi que chegou ele à seguinte conclusão: “A natureza não nos oferece. então. relativamente pequeno. pedra basilar do “transformismo” foi dada a lume em 1809. A necessidade de qualquer teoria geral de como as espécies vêm à existência era. porém. era insolúvel o problema. entre os corpos vivos. descrevendo e classificando. . a África meridional e a Austrália –. todavia. outros cem anos colecionando. senão indivíduos que se sucedem uns aos outros. e. admitindo-se a produção de tais seres como totalmente desconhecida. com a sua célebre hipótese das nebulosas.7 contendo uma exaustiva exposição da sua teoria do desenvolvimento progressivo dos animais e das plantas. e quase. não somente porque Lamarck se antecipara ao seu tempo. os tesouros dos três reinos da natureza foram entornados sobre nós tão rapidamente.

com muita habilidade literária e conhecimento científico. O livro era o que agora qualificaríamos de moderado ao extremo. Como 8 Robert Chambers (1802-1871) era escocês e deixou diversos trabalhos. demorando-se sobre aquelas feições que pareciam indicar um processo natural de produção.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 19 As vagas idéias daqueles que estudavam propiciamente a evolução foram primeiramente expostas. entretanto. aparecido em 1844. . já depois do falecimento de Chambers (Nota de Basílio de Magalhães). e ficou patente como muito melhor concordava ele com os vários fenômenos da natureza e com a distribuição geográfica dos animais e das plantas. através de graus de organização. quinze anos mais tarde. Depois de descrever as peculiaridades das espécies vegetais e animais inferiores. A racionalidade desse ponto de vista consolidou-se no restante do trabalho. adotou a hipótese das nebulosas e esboçou a história geológica do planeta humano. a esse aspecto. Vestiges of the natural history of creation. pelo falecido Robert Chambers. expôs o autor. no seu volume anônimo. com muita cautela. resultante de um impulso que foi comunicado às formas de vida.8 Passou ele em revista os sistemas astral e solar. em forma sistemática. Sério e até religioso no tom. que. mediante processos ordinários de geração. mas meramente um argumento em favor da racionalidade do fato do desenvolvimento progressivo de uma espécie para outra. promovendo-se em linhas definitivas. e terminando nas plantas e animais superiores. reconhecendo progressões contínuas das formas de vida inferiores às superiores. se desencadeou sobre o trabalho de Darwin. encontrou. exatamente a mesma tempestade de oposição e de abusiva indignação. isto é. Infere-se desse breve esboço que não houve qualquer tentativa do mostrar como ou por que as várias espécies de animais e plantas adquiriram os seus caracteres peculiares. e calculado. Publicado anonimamente em 1844. em oposição a uma origem por criação particular. só se lhe descobriu a autoria em 1884. “Vestiges of the natural history of creation”. para desarmar a censura dos teólogos mais ortodoxos. da que a idéia da criação especial de cada espécie distinta. por geração. a doutrina do desenvolvimento progressivo. dos quais o de maior erudição foi o citado acima por Wallace.

Além de alguns outros trabalhos sobre a especialidade que herdara do pai. Friedrich Wilhelm Herschel (1738-1822). É certo que aquela obra prestou um grande serviço. preparando-os. não obstante a perspectiva de que a mudança se efetuava. filho do célebre astrônomo alemão. por oposta aos ensinamentos. qual o de familiarizar os seus numerosos leitores com a idéia da evolução. . assim. mas de acordo com leis conhecidas e métodos normais de reprodução. naturalizado inglês. por defender este uma tão grande heresia científica. quer da ciência. cumpre notar que um homem tão eminente. e. foi também cientista de nomeada. considerei o mencionado livro como perfeitamente satisfatório e como marcando o primeiro passo em direção a uma teoria mais completa e explicativa. apresentada depois por Darwin. quanto.20 Alfred Russel Wallace ilustração de qual era o estado dos mais altos espíritos a esse tempo. Os Vestiges de Chambers tiveram um sucesso tão auspicioso. deixou um interessante “Study of natural philosophy” (1830) e “Familiar letters on scientific subjects” (1866) (Nota de Basílio de Magalhães).000 exemplares tinham sido já vendidos. como sabemos. Bem me lembro da sensação causada pelo aparecimento dos Vestiges e do ardoroso prazer com que li essa obra. a teoria do desenvolvimento das espécies. Herbert Spencer 9 Sir John Frederick William Herschel (1792-1871). muitos naturalistas exprimiram a sua crença no desenvolvimento progressivo das formas orgânicas. considerado como uma heresia. qual sir John Herschel. de sorte que cerca de 24. a seu turno. em Londres. a Origin of specie de Darwin. a qual era quase universalmente condenada. isto é. Embora verificasse que Chambers realmente não oferecia nenhuma explanação do processo da transformação das espécies. falou com veemência contra o referido livro de Chambers. por volta do 1860. havia ele chegado à décima primeira tiragem. Quatro edições daquele livro foram esgotadas nos primeiros sete meses. Durante os quinze anos subseqüentes à publicação dos Vestiges. para a teoria mais completa e eficiente. não através de qualquer meio imaginável. quer da religião.9 numa reunião de sábios. Causa-nos hoje maior espanto o ter sido esse primeiro passo. em 1852. mais tarde.

seu contemporâneo. e mostrei como muitas peculiaridades nas afinidades. a sucessão e a distribuição das formas de vida. de que “cada espécie vem à luz em coincidência. ninguém tinha ainda exposto as várias razões de evidência. Esforcei-me por fazer isso num artigo. da distribuição geográfica e da sucessão geológica. é que deve o evolucionismo e sua mais intensiva e extensa divulgação no mundo cultural (Nota de Basílio de Magalhães). deduzi deles a lei. em conexão com ela. nenhuma luz me veio sobre isso até três anos mais tarde (fevereiro de 1858) por circunstâncias um tanto 10 Herbert Spencer (1820-1903). Confiando principalmente nos fatos. e. quanto temporal. . estreitamente aliadas”. Ernst Haeckel (1834-1919). à qual não se opunha nenhum fato importante. eu não tinha ainda a concepção do como ou por que cada nova forma tinha vindo à existência com todas as belas adaptações à sua feição especial de vida. entretanto. que levou a convicção a todos os leitores despreocupados. A esse tempo. eram explicadas por essa hipótese.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 21 estampou um ensaio. passou a ser chamado depois “evolucionismo”. que o tornavam quase uma certeza. A primeira notícia dessa descoberta só se deu em 1858. Os escritos de Herbert Spencer. e. criou o sistema a que ele próprio deu a denominação de “filosofia sintética”. por haver recebido a influência da teoria da evolução biológica. já se baseavam na teoria da evolução. foram notadamente os seguintes: “Social statics” (1851). talvez. bem conhecidos. fazendo-o com tanta habilidade e força de lógica. o sistematizador da descendência das espécies. mas nenhum desses escritores sugeriu qualquer teoria definitiva de como se operava atualmente a transformação das espécies. “The factors of organic evolution” (reimpresso em 1887) e os “Principles of psychology” (1855). tanto espacial. capacitei-me de que o desenvolvimento das espécies se realizava por meio dos processos ordinários de reprodução. um dos mais fecundos e reputados pensadores do século próximo findo. o qual foi inserto. Desde que li os Vestiges. com espécies preexistentes. aparecidos cerca de quatro anos antes da “Origin of species” de Darwin. mas. malgrado achar-se isso largamente admitido. que. posso abalançar-me.10 no qual comparou as teorias da criação e do desenvolvimento dos seres vivos. que o conduziram à mesma luminosa senda onde se encontrou com Darwin e Wallace. o qual. nos Annals of Natural History. apesar do assunto estar sendo continuamente ponderado. a fornecer uns poucos informes pessoais. A Herbert Spencer e ao alemão. em setembro do mesmo ano. escrito em Sarawack no mês de fevereiro de 1855. ou generalização.

granjeou extraordinária fama. removidos pelos ditos reveses. em todo o mundo culto. págs. deviam ser. um número igual ao aumento inteiro. isto é. não só com a confissão de Darwin. enquanto as víveres somente cresciam em progressão aritmética. Tanto ele. Por ocasião de um desses acessos. de que os indivíduos. e ver-se-á a segurança com que o nosso eminente compatrício analisou o importante problema científico. com o pseudônimo de Paulo Augusto. cada ano. A hipótese do Malthus foi objeto de crítica por parte de alguns notáveis cientistas brasileiros. tentando demonstrar a hiperdemia do ecúmeno. durante os acessos sucessivos de frio e calor. claro era que tais reveses. por ele recebida. considerando as variações. e. como eles aumentam muito mais rapidamente do que o homem. a qual me prostrava por várias horas. Lançou-a anonimamente em seu trabalho “An essay on the principle of population as its affects the facture improvements of society”. para iluminar-se-lhe a concepção definitiva do princípio da evolução biológica e seleção natural. quando eu novamente meditava no problema da origem das espécies. aplicado aos seres vivos inferiores”. Pinto (este. Confronte-se semeIhante asserto. nas Molucas. Pinto. inferiores àqueles que lhes sobreviviam. cataclismos etc. deviam ser muito mais poderosos. que tais reveses deviam também influir nos animais e diminuir-lhes o número. como resultante de uma progressão geométrica. de Malthus. Eu morava. em seu “Preciso de sociologia”.11 e nos “reveses positivos”.. então. Francisco Campos e Pedro A. como sejam os Drs. Eugênio de Barros Raja Gabaglia. com a sua hipótese sobre o crescimento excessivo da população do mundo. Francisco Campos afirma que o darwinismo “não é mais do que o maltusianismo. 60-67) criticaram as idéias errôneas do célebre escritor britânico (Nota de Basílio de Magalhães). publicado sem nome do autor em 1798. então. e estava sofrendo do um ataque grave de febre intermitente. mas também com o depoimento de Wallace.22 Alfred Russel Wallace pessoais. desde que havia de ser cortado por eles. todos os dias. tirou em 1803 uma edição aumentada e melhorada do seu referido livro. na totalidade. guerra. Escandinávia e Rússia. alguma coisa levou-me a pensar no Essay on population (o qual eu lera dez anos antes). epidemias. quanto Pedro A. que continuamente ocorrem em cada geração nova de ani11 Thomas Robert Malthus (1766-1834). cujo número sempre é quase ou absolutamente estacionário. fome. Em sua tese “Economia política – A doutrina da população” (Rio. Enquanto vagamente pensava eu como era que isso atingiria a qualquer espécie. . pastor protestante. – aos quais atribuía ele se conservarem mais ou menos estacionárias todas as populações selvagens. em Ternate. sobre a influência da leitura do ensaio de Malthus. eis que me iluminou subitamente a idéia a sobrevivência dos mais capazes. Ocorreu-me. Depois de uma viagem de estudos pela França. no caso daqueles. 1916). Então.

porém. Darwin. achar-se empenhado num estudo. Nessa mesma noite. tinha eu elaborado os pontos principais da teoria. até que aparecesse o grande livro de Darwin. em carta. a qual havia terminado com todas as minúcias. sir WiIliam Jackson Hooker (1785-1865). acrescentando o seguinte: “Meu trabalho não fixará ou estabelecerá coisa alguma. à qual se refere Wallace algumas linhas abaixo. nas duas noites seguintes. Podemos calcular algum tanto melhor a grandeza e a perfeição do livro de Darwin. considerando a profunda mudança da opinião pública educada. dada a conhecer ao mundo. foi um dos que mais propiciaram o surto do transformismo (Nota de Basílio de Magalhães). por conseguinte. e enviei os dois escritos.12 Contava eu que ela fosse para este tão nova. Tendo corrigido a arbitrária noção da antiguidade do mundo e estabelecido a teoria das “causas atuais”. em julho do mesmo ano (1858). assinalador da época. Mereceu ela. Wallace). quanto o era para mim próprio. antes que surgisse tal obra. tendo mostrado o respetivo manuscrito a sir Charles Lyell13 e a sir Joseph Hooker14 e. 1830-1833). ou da sobrevivência dos mais capazes. R. a minha monografia e suficientes extratos da de Darwin foram lidos em sessão da Linnean Society. 14 Sir Joseph Dalton Hooker (1817-1911). é a intitulada “Principles of geology” (em 3 vols. e as mudanças de clima.. a qual ele rapidamente e permanentemente causou. deixou uma excelente classificação sistemática das plantas (Nota de Basílio de Magalhães). em virtude de recomendação desses sábios. pelo correio imediato. eu dei-lhe redação definitiva. 13 Sir Charles Lyell (1797-1875) era escocês. foi. e inimigos sempre em aumento. pouca atenção. – o método integral de modificação específica tornou-se nítido para mim. patenteia-o o fato 12 Esses dois escritos foram reimpressos em meu trabalho “Natural selection and tropical nature” (Nota de A. nas duas horas do meu acesso. nos fins do ano seguinte. destinado a mostrar de que maneira as espécies e variedades diferem umas das outras. surpreendido. porque Darwin me havia informado.” Fiquei. filho de outro afamado fitologista inglês. de alimentação. pela primeira vez. O que era essa opinião culta. que foi quando a teoria da seleção natural. e isso muito antes (em 1844). ao Sr. A sua grande obra. e. quando soube que ele tinha realmente chegado à mesma teoria que a minha.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 23 mais ou plantas. lancei num papel o esboço da minha descoberta. .

pelos processos ordinários de multiplicação e variação. e descreu totalmente da possibilidade de virem elas a ser estabelecidas. por si mesmas. Era tão velho o costume de considerar as espécies vivas como criações particulares. e nenhum escritor. O que era uma grande heresia para sir John Herschel. quem quer que ousasse confessar ter levantado o véu do que era tido em conta do maior e mais indecifrável dos segredos da natureza. o que era o mistério dos mistérios até à data em que apareceu o livro de Darwin. tinham sido capazes de produzir qualquer impressão nela. este último sábio havia até declarado. entretanto. não o fenômeno da evolução – o qual todo o mundo admite –. para um leitor das obras deste. estabeleceu tão firmemente a doutrina do desenvolvimento progressivo das espécies. que os fenômenos geológicos eram “fatais à teoria do desenvolvimento progressivo”. que passara a ser encarado não somente como presunçoso. sem dúvida.24 Alfred Russel Wallace de que nem Lamarck. tornou-se agora conhecimento comum a qualquer inteligente menino de escola e a quem quer que leia ainda os jornais. ou precisam ainda ser . mesmo de medíocre destaque. haverá que declare não acreditar nela. corroborado pelos que lhe sucederam. nem o autor dos Vestiges. presentemente. um só que eu saiba. nos dias que correm? A evolução é agora universalmente aceita. A verdadeira idéia do desenvolvimento progressivo das espécies em outras espécies era tida como uma heresia por homens de cérebros tão elevados e liberais. A única coisa discutida hoje em dia é. mas. creio eu. nas primeiras edições da sua grande obra. em 1845. o estado da opinião literária e científica educada. Isto. tuas também como um indivíduo quase ímpio. para explicar. como um princípio demonstrado. mas meramente se as causas alegadas por Darwin são suficientes. O mundo científico e literário. como sir John Herschel e sir Charles Lyell. o evoluir das espécies. O livro deste. e o estabelecimento da teoria da origem das espécies por meio da seleção natural é exclusivamente da autoria de Darwin. que. é devido em parte ao colossal trabalho de Herbert Spencer. ou não. dez para a de Darwin. Qual é. provavelmente. há. uníssono. e a maneira do seu surto como o mistério dos mistérios. há apenas um naturalista vivo que a põe em dúvida. opôs-se violentamente a tais teorias.

que. embora ainda controvertida nos dias que correm. estabeleceu “a descontinuidade do átomo e a descontinuidade das variações na forma viva”. 1853).). foi o holandês Hugo de Vries (l848-l929). os quais se vinculam ao relevante descobrimento de Darwin e Wallace. id. há um interessante opúsculo do nosso ilustre compatriota. num assunto de tão árdua dificuldade e vasta complexidade. last but not least. Sobre isso. Bruno Lobo. 3 – “On the law that has regulated the introduction of new species” (“Annals and Magazine of Natural History”. que criou a lei chamada da “mendelismo”. veio a constituir-se um dos mais esclarecidos defensores do transformismo (leia-se a introdução do seu mencionado livro. com o seu magnífico trabalho “Les colonies animales et la formation des organismes” (Paris. Edmond Perrier (1844-1921). “Mendelism” (Cambridge. de acordo com as suas próprias declarações. cuja teoria. 2 – “Palm-trees of the Amazon” (ib. Bettany à 2ª edição (1889) da obra agora trasladada a português: 1 – “Travels on the Amazon and rio Negro” (Londres. O segundo foi o naturalista francês.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 25 suplementadas por outras causas. Gregório Mendel (1822-1884). 15 Vem a ponto citarmos aqui três nomes de raro fulgor nas altas esferas da ciência. T.. sob o título “Jubileu de Hugo de Vries” (Rio. a qual. 1918) (Nota de Basílio de Magalhães). conhecidas ou ignoradas. com catálogos que manuseei e com a “Biographical introduction” de G. de setembro de 1855). chamada das “mutações repentinas”. o prof. botânico erudito. em tão curto espaço de tempo. 1881). Uma vez aceita a descoberta de Mendel. 1-30). o darwinismo sofrerá profundo golpe. serviu de natural complemento à lei do transformismo. nunca se viu produzida antes. 1911. não obstante haver sido esta centúria muito enriquecida por grandes descobertas em cada uma das especialidades didáticas da física. Ela não somente eleva o nome de Darwin ao nível do de Newton. como também o trabalho daquele será sempre considerado um dos maiores. organizada por mim. págs. * * * Eis a bibliografia (quiçá incompleta) de Wallace. n. se não o verdadeiramente maior. cumpre ler o substancioso trabalho de Punnett. . Sobre o abalizado cientista neerlandês.15 Decerto tão completa mudança da opinião educada. O primeiro foi um frade alemão. O último. dentre as produções científicas do século XIX.). 3ª ed.

1886). 7 – “On miracles and modern spiritualism” (Londres.. fevereiro de 1858).. with other essays” (ibi. de Londres.. Entre os dois sábios ingleses. 20 – “Australasia” (ib. 1875).An essay ou the depression of trade” (ib. 11 – “Land nationalization – Its necessity and its aims” (ib. 10 – “Island life” (ib. 2 vols.26 Alfred Russel Wallace 4 – “On the tendency of varieties to depart indetinitely from the original type” (Ternate. 5 – “The Malay Archipelago” (Londres. 9 – “Natural selection and tropical nature” (ib. 1890). Como Darwin soubesse da infecção palúdica sofrida por Wallace em Ternate. 19 – “Tropical nature. 13 – “Forty-five years of registration statistics” (ib. pela leitura das respectivas comunicações. 8 – “The geographical distribution of animals” (ib.. 1872). 1878). 1885). de Candolle (Paris. 1880).. 1885). 18 – “The wonderful century – Its successes and its failures” (ib. longe de haver qualquer baixo sentimento de invejosa competição.... donde viera a pequena memória. a 1º de julho de 1858. 14 – “Romanes versus Darwin: an episode in the history of evolution theory” (ib.. – Foram traduzidas por L. 1882). 1896). 6 – “Contributions to the theory of natural selection” (Londres. efetuada perante a Linnean Society. 1899).. 17 – “The problem of utility: are scientific characters always generally useful?” (ib. 1871). 16 – “Divergent evolution through cumulative segregation” (ib.. 1869). 15 – “Darwinism: an exposition of the theory of natural selection. as relações se tornaram cada vez mais amistosas. 1889). with some of its applications” (ib.). 12 – “Dad times . É fora de dúvida que a lei do transformismo foi divulgada simultaneamente por Darwin e Wallace.). 1876). coincidente com a do autor da Origin ..

O homem. muito embora o enorme desenvolvimento deste quanto ao cérebro e à mentalidade. que queriam aplicar aos males da sua pátria o velho sistema estra- . e. T. eis como aquele escrevia a este: – “Desejo-vos. Deus bem sabe que vós muito amplamente a mereceis” (25 de janeiro de 1859). quando aplicada à espécie humana. com que o primeiro tão expressivamente reconheceu os méritos e a modéstia do segundo: – “Vós sois o único homem. ao mesmo tempo. que aceitava a lei do transformismo para todos os seres vivos. saúde e pleno êxito em todas as vossas pesquisas. Bettany explica essa divergência de vistas pela circunstância. todavia. a qual não deve ser posta em olvido: é a sua influente cooperação. se um zelo e energia admiráveis merecem recompensa. seguida pouco depois pela Fabian Society. era um caso especial da criação. em confronto com os outros animais superiores. a que este havia chegado. o qual persistentemente faz injustiça a si mesmo. A crise econômica e industrial já havia feito aparecer na Inglaterra a Federação Social Democrática. depois de acentuado materialismo. no seu pensar. que até hoje tenho conhecido. Darwin não achou motivo algum para que a referida lei se não aplicasse ao homem. porém. G. muito de coração. Quem mais exaltou os trabalhos de Darwin foi Wallace. agindo espontaneamente por meio de leis naturais e universais. confessada pelo próprio Wallace. Wallace. fundada por Hyndman (discípulo de Karl Marx) em 1880. em 1881. teórica e prática. a célebre lei do transformismo. uma obra de Deus. um ponto capital de divergência. chegou à conclusão de que “uma força superior.” Tendo ambos descoberto. tendo em consideração o sistema nervoso. dos macacos superiores. houve. guiou o desenvolvimento da espécie humana para uma direção definida e para um destino especial”.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 27 of species. em seu trabalho “On miracles and modern spiritualism”. Há ainda uma feição especial do primoroso talento de Wallace. É o que respeita aos limites da seleção natural. planejada por um pugilo de jovens intelectuais. da firme crença teológica. a capacidade intelectual e sobretudo o senso moral do anthropopithecus erectus. ao contrário de Darwin. o que também contribuiu para pôr em destaque os seus próprios. e nunca pede justiça. Assim. entre os dois. na agitação social que culminou em toda a Grã-Bretanha no derradeiro quartel do século XIX. sem exceção alguma – Wallace não admitia que o homo sapiens proviesse diretamente do antropóide. Isso lhe valeu o seguinte juízo. isto é.

o imortal patriarca da nossa independência em sua “Representação à Assembléia Geral Constituinte e ativa do Brasil sobre a escravatura” (Paris. Para enfrentar a crise agrária.28 Alfred Russel Wallace tégico de Fabius Cunctator. 1825). o autor da frase espetacular “La propriété c’est un vol!” já havia sugerido. Wallace. uma terceira edição da sua obra acima referida.” . tendo sido votadas com esse objetivo diversas leis. cuja obra-prima. aos grandes empréstimos feitos por ela a outras nações. os prosélitos ingleses do escritor socialista norte-americano Henry George. o resgate das terras de lavoura em proveito dos trabalhadores rurais. no mesmo ano. a partir de 1885. 1882). dando a lume. que concentrava enormes fortunas em limitado número de mãos. a fim de serem vendidos em pequenos lotes aos trabalhadores do campo. às excessivas despesas provocadas pelas guerras anteriores. no qual sugeriu a nacionalização da propriedade das casas de morada. em seu gritante opúsculo “Qu’est-ce que la propriété?” (1862). quando Chamberlain lembrou ao parlamento a urgente necessidade de se adquirirem os vastos latifúndios dos landlords. em 1880. quando afirmou (pág. em 1885. isto é. juntou-lhe um desenvolvido apêndice. por meio de um novo livro. finalmente. como que influenciado pelas idéias geniais de Augusto Comte. E. em 1887. atribuiu a crise comercial. como fundando. “Progress and poverty” (publicada em 1879). causara forte impressão nos cérebros anglo-saxões. Escusado é referir que Alfred Russel Wallace se tornou um nome respeitado na Inglaterra e no resto do mundo culto. havia posto em foco função social da propriedade. entenderam de instalar uma Liga para a restituição da terra. e ao despovoamento dos distritos rurais. 21): “A propriedade foi sancionada para bem de todos. pouco depois. muitos anos antes dele.16 Levando mais longe o seu ponto de vista sobre assuntos de tão vital importância para a prosperidade pacífica da sua pátria. não só editando o seu trabalho “Land nationalization – Its necessity and its aims” (Londres. vendo-se ele constantemente solicitado a colaborar em revistas e congressos de ciên16 Cumpre notar que Pierre-Joseph Proudhon (1809-1865). que assoberbava então a Grã-Bretanha. E. Foi aí que interveio então Wallace. “Bad times”. ao aumento da especulação. a contemporização. 1891 e 1893. a Liga para e nacionalização da terra. e presidida por ele próprio. a seu turno. A sua autoridade e os seus impressionantes argumentos devem ter contribuído bastante para o novo caminho pelo qual logo depois enveredou a política britânica.

em tudo quanto concerne à imensa e opulentíssima bacia do nosso rio-mar. a Royal Society. não só como galardão das suas contribuições. por ocasião do congresso científico da British Association. Assim é que a mais notável associação britânica de alta cultura. “em reconhecimento da quantidade e qualidade da sua obra científica”. E. prestando aos homens de cultura um penhorante serviço. foi ele distinguido com o alto posto de presidente da Secção de Biologia. concedeu-lhe a Universidade de Dublin o título de doutor honoris causa. vai constituir um valioso adminículo à riqueza entesourada por aqueles dois inesquecíveis sábios tudescos. * * * No ano há pouco findo. Logo depois. Aplaudindo. que foi a tradução da obra monumental de Spix e Martius sobre as suas viagens científicas em nossa pátria. como principalmente por motivo dos seus escritos sobre a origem das espécies. a declaração de “Nota do autor”. teóricas e práticas. concedeu-lhe. “Travels on the Amazon and rio Negro”. reunido em Glasgow. WaIlace. muito de coração. em 1868. A sua capacidade de trabalho e o valor dos seus escritos não ficaram sem reconhecimento. finalmente. que a vernaculização do livro de Alfred Russel Wallace. nem despremiados. agora. em 1882. posso dizer. Revisor (quase único) e anotador da dita tradução – o que me permitiu adquirir nova e não pequena soma de conhecimentos sobre o Brasil e tornar-me ainda mais fervoroso admirador do grande Martius –. concedeu-lhe o governo britânico a pensão de £ 200 anuais. comemorou o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro o seu centenário.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 29 cias naturais. Em 1876. ao meu prezado amigo Dr. R. Orlando Torres a sua meritória iniciativa de tornar acessível aos que não manejam o inglês a obra de Wallace sobre o Brasil. Já vimos que também foi o aclamado presidente da sua Land Nationalization Society. Em 1881. em prol da zoologia. a medalha régia. a Societé de Géographie de Paris também lhe concedia a medalha de ouro. para deixar também expresso aqui o meu sincero desejo de ver em breve trasladados à nossa língua os dois excelentes 17 Como atingem a quase 180 as notas que não são da A. entre parênteses. em 1870. .17– quero servir-me da feliz oportunidade. traz cada uma das seis deste.

março de 1939. consagrado a múltiplos aspectos da nossa privilegiada e esplendorosa terra.30 Alfred Russel Wallace volumes de Richard F. Rio. um dos melhores trabalhos de amestrada pena alienígena. 1869). Burton. “The highlands of the Brazil” (Londres. BASÍLIO DE MAGALHÃES .

. . para o fim exclusivo de reunir coleções de história natural. onde reina um sertão constante”. . . . os vínculos que me prendiam ao lar. . . . Minha atenção voltou-se desde logo para o Pará e o Amazonas. uma excursão à bacia do nosso rio-mar. Edwards. . O título completo da obra do norte-americano Wiliam H. . . . . tanto animal como vegetal. para contemplar a exuberância de vida. . including a residence at Pará” (Londres. . todas as maravilhas que tanto me deliciavam. . e ver. foram os motivos que me induziram a romper a trama de meus negócios. por eu haver lido um livro de Edwards. . . que realizou. não só em razão da facilidade de seu acesso. e partir para “alguma terra bem distante. . . com os meus próprios olhos. é o seguinte: “A voyage up the river Amazon. mas também pelo pouco que era conhecida aquela região. 1847) (Nota de Basílio de Magalhães). . de fevereiro a outubro de 1846. intitulado A voyage up the Amazon* e para lá decidi partir. Propus-me fazer a viagem a minha própria custa. . quando eu lia as descrições feitas pelos viajantes que as contemplaram. que dizem existir ali. Prefácio do Autor à 1ª Edição O * ARDENTE desejo de visitar uma região tropical. . . em confronto com outras da América do Sul. .Sumário .

resolvi continuar firmemente no objetivo em que me embrenhara. possa ser tomada em consideração. em que eu vinha de volta para casa. Em conclusão: tenho certeza de que a grande perda de materiais. ante os belos e curiosos aspectos que continuamente se me deparavam. teria eu feito um trabalho separado sobre a história física do Amazonas. por ocasião do incêndio do navio. excitando ainda mais o prazer e o desejo de percorrer de novo os selvagens e luxuriantes cenários. Londres. Com as notas fragmentárias e outros papéis. que sofri. tão pouco e tão pequeno em relação ao que era de esperar-se de uma residência de quatro anos em tão interessante e tão pouco conhecida região. feitas durante dois anos. dos trópicos. para explicar as lacunas e imperfeições da presente narrativa. bem como a maior parte das minhas coleções e esquemas. das quais. realizando assim o meu desejado propósito. foram tais. se eu houvesse salvado todos os materiais que ali colhi.32 Alfred Russel Wallace Consegui levar avante a minha idéia. escrevi a parte intermediária e os quatro últimos capítulos sobre a história natural da região e sobre as suas tribos de índios. A primeira e a última parte do livro. bem como a deficiência e esterilidade da outra parte do meu trabalho. perderam-se. que eu. ALFRED RUSSEL WALLACE . Todas as outras notas. e o profundo interesse que despertavam em mim para o seu estudo. habitadas por várias raças do gênero humano. aquelas remotas paragens. que eu ainda pude salvar. conforme era minha intenção. com poucas alterações. os quais sem dúvida seriam devidamente apreciados pelos viajantes e naturalistas. dali por diante. foram extraídas do meu diário de viagem. fiz uma narrativa das minhas excursões e das impressões que recebi então. que então experimentei. porém. Nas páginas que se seguem. palpitantes de vida. E os deleites. outubro de 1853.

. . . pondo em dúvida a procedência asiática dos árias. A PRESENTE edição é . em 1851. . filólogo. G. etnólogo e físico. . outubro de 1889. M. Prefácio do Autor à 2ª Edição reimpressão do trabalho original. . . . .”). os quais julgamos dispensáveis para os leitores em geral. . que há ainda a notar-se. . . e muitos vocábulos ingleses substituem os termos locais. . lucubrou as “Remarks on the vocabularies” (as quais saíram com o seu nome. . D. Parksurne (Dorset). Além de dois outros trabalhos sobre a lingüística ameríndia. . . Latham. uma . médico. A única omissão. . . bem como os comentários do Dr. ALFRED RUSSEL WALLACE * Robert Gordon Latham (1812–1888). . “R. . que enriqueceram a editio-princeps (págs. Poucas notas mais foram-lhe acrescidas. mas foi cuidadosamente revista. em sua essência. . é a dos vocabulários dos índios. . 525-541) da obra de Wallace (Nota de Basílio de Magalhães). corrigindo-se muitas expressões verbais. todavia. que servem para dar melhor idéia dos aspectos do Amazonas. que muito livremente foram empregados na primeira edição. . acrescentaram algumas estampas.* Os editores. . chamou a atenção do mundo científico. Latham sobre os mesmos.Sumário .

Sumário Estampa II Próxima página .

Sumário . . . na manhã de 26 de maio de 1848 foi que ancoramos em frente ao braço sul do rio Amazonas. . Ancoramos novamente na madrugada de 28. e deste se distingue tão-somente pela calma e descolorido das águas. entrou a bordo de nosso navio um prático. Capítulo I Belém do Pará CHEGADA A BELÉM DO PARÁ – ASPECTO DA CIDADE E DE SEUS ARREDORES – OS HABITANTES E SEUS COSTUMES – VEGETAÇÃO – PLANTAS SENSITIVAS – SÁURIOS – FORMIGAS E OUTROS INSETOS – PÁSSAROS – CLIMA – ALIMENTAÇÃO DOS HABITANTES C Página anterior OM 29 dias de rápida viagem. . . . . navegamos rio acima. as plagas sul-americanas. desde Liverpool. . . seguinte. . tendo assim ensejo de contemplar. e. com vento favorável. . pela primeira vez. . . na manhã. . . À tarde. . . . . o qual penetra no Atlântico cerca de dez milhas. . . . . As praias do norte estavam invisíveis e as do sul achavam-se distantes de 10 a 12 milhas. . .

36

Alfred Russel Wallace

Daí a pouco, num céu sem nuvens, surgia o sol, e avistamos, então, cercada de densa floresta, a cidade do Pará,18 com suas bananeiras e palmeiras, que se destacavam magnificamente, oferecendo aos nossos olhares um espetáculo duplamente belo, já pelo tom alegre da paisagem, já pela presença daqueles luxuriantes espécimes dos países tropicais, na sua esplêndida pompa nativa, os quais tantas vezes tivemos ocasião de admirar nas estufas de Kew e de Chatsworth. Canoas, tripuladas por negros e índios, cruzavam as águas. Urubus voavam lá no alto, ou, então, indolentemente, caminhavam na praia. Em bandos numerosos, as andorinhas passavam voando, ou iam pousar nos telhados das casas e das igrejas. Tudo isso, enquanto aguardávamos a visita dos oficiais da Alfândega e até que fosse permitido o nosso desembarque, servia para prender-nos a atenção. A cidade do Pará conta cerca de 15.000 habitantes,19 e sua área, relativamente, não é muito grande. Contudo, é a maior cidade do maior rio do globo, o Amazonas, sendo a capital de uma província, cuja superfície iguala à de toda a Europa ocidental. É a residência de um presidente nomeado pelo imperador do Brasil, e também sede de um bispado, cuja diocese se estende duas mil milhas para o interior de um território, povoado por inúmeras tribos selvagens, ainda não convertida ao cristianismo. A província do Pará está situada no extremo Norte do Brasil, e, conquanto já, pelas suas condições naturais, a parte mais rica do vasto império, é entretanto, a menos conhecida, e, presentemente, tem pouca importância comercial. O aspecto da cidade, vista do rio, que é o melhor ponto de observação, não é mais estranho que o de Calais ou de Boulogne.
18 O autor escreve sempre “Pará”, em vez de “Belém do Pará”; algumas vezes, quando puder haver dúvida sobre se se trata da capital ou da província, faremos a necessária modificação no referido topônimo. 19 A cidade de Belém do Pará, segundo as últimas estatísticas, conta presentemente uma população de 503.000 almas.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

37

As casas, em geral, são pintadas de branco, destacando-se dentre elas algumas igrejas e vários edifícios públicos notáveis, com as suas altas torres e cúpulas. O vigor da vegetação evidencia-se por toda parte. As platibandas e cornijas das casas revestem-se de pequenas plantas, e nos altos das paredes e nichos das igrejas vêem-se musgos, relvas e mesmo arbustos ou árvores de pequeno porte. Para cima, para baixo e para além da cidade, tanto quanto a vista pode alcançar, estende-se a floresta virgem. Em todas as ilhotas do rio, vêem-se árvores até à beira da água, e as pequenas praias, agora atingidas pela cheia, são cobertas de arbustos ou árvores baixas, cujas grimpas estão apenas acima da superfície das águas. O aspecto geral da vegetação pouco difere do da Europa, excetuando-se as palmeiras, de abundante folhagem, e que ostentam graciosas formas. Todavia, em nosso espírito, já prefigurando as admiráveis cenas que dentro em pouco deveríamos contemplar nos seus mais íntimos recessos, aguardávamos, ansiosos, a necessária liberdade, para melhor explorá-las. Ao desembarcar logo nos dirigimos para a casa do Sr. Müller, consignatário de nosso navio, por quem fomos bondosamente recebidos e que imediatamente nos convidou para hóspedes de sua casa, até que pudéssemos instalar-nos em casa própria, como julgávamos mesmo mais conveniente. Fomos apresentados aos ingleses e americanos ali residentes, os quais são em pequeno número, mas dedicando-se todos ao comércio. Durante os quatro primeiros dias da nossa estada na cidade, empregamos o tempo em passeios pelos seus arredores, apresentamos nossos passaportes e obtivemos a necessária licença de residência. E, assim nos íamos familiarizando com a vegetação, com os costumes do povo, ao mesmo tempo que diligenciávamos arranjar uma casa com as necessárias e adequadas acomodações para os nossos propósitos. Verificando, entretanto, que isso não poderia ser conseguido assim tão de pronto, transferimos a nossa residência provisória para

38

Alfred Russel Wallace

uma “rocinha” ou casa de campo, de propriedade do Sr. Müller, situada a cerca de meia milha da cidade, gentilmente posta à disposição, até que, com mais vagar, pudéssemos encontrar outra mais próxima. Não há aqui camas, nem colchões, usando-se em seu lugar as redes, trançadas de fio de algodão, que oferecem bom cômodo para se dormir e que são mesmo muito convenientes, por causa da sua portabilidade. As redes, algumas cadeiras, constituem todo o nosso mobiliário mais indispensável. Contratamos logo, para o serviço de cozinha e outros mistéres caseiros, um negro velho, de nome Isidoro,20 com a ajuda do qual iniciamos os arranjos da casa, a aprendizagem da língua portuguesa e as primeiras explorações dos produtos naturais da região. Minhas anteriores excursões haviam-se limitado à Inglaterra e a um curto passeio pelo continente europeu, de sorte que tudo aqui para mim deveria ter o encanto de perfeita novidade. Eu nunca tive, entretanto, tão grande e tão completo desapontamento. A temperatura não era tão ardente, os costumes do povo não eram lá tão esquisitos, nem mesmo a vegetação era tão espantosa, como eu havia imaginado e conjeturado durante o tédio de uma viagem marítima. É este o caso que geralmente sucede, ainda que se trate de um simples exame de um determinado objeto. Uma paisagem, quando observada de um determinado ponto, poderá dificilmente ser sobrepujada, ao passo que, de outros muitos, não causará impressão alguma, mesmo ao mais esperto observador. É o efeito geral que faz logo grande impressão e prende toda a atenção: as belezas estão todas diante de vós, não carecem de ser procuradas. Com um distrito ou um país, o caso é muito diferente.
20 No original, acha-se o nome na forma feminina; trata-se, porém, de um homem, como se verifica pelos pronomes masculinos, que lhe aplica o autor. Por isso, aqui e alhures, corrigimos sempre para Isidoro.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

39

Há objetos de particular interesse, que devem ser procurados, observados e apreciados em seguida. Os encantos de um distrito aumentam à proporção que várias partes vêm surgindo, sucessivamente, em proporção também com a nossa educação, com os nossos hábitos, para podermos compreendê-los e admirá-los. Este é, particularmente, o caso dos países tropicais. Sem dúvida que algumas destas regiões poderão de pronto impressionar, como inteiramente inigualadas; mas, na maioria dos casos, somente depois que umas tantas particularidades, tais como os costumes do povo, as curiosas formas de vegetação e a novidade do mundo animal, apresentando-se por si mesmas, num determinado encadeamento, permitem que fixemos em nosso espírito uma impressão definitiva. E assim, por vezes, acontece, quando certos viajantes, que amontoam em uma descrição todas as maravilhas, que eles levaram semanas e meses a observar, causam uma falsa impressão ao leitor, fazendo este experimentar muito desapontamento, quando visita o local. Como testemunho do que isso possa significar, cumpre-me logo referir que, durante a primeira semana de nossa residência no Pará, embora constantemente embrenhado nas florestas de seus arredores, eu não vi sequer um beija-flor, um papagaio ou um macaco. No entanto, como eu depois verifiquei, os beija-flores, os papagaios e os macacos são muito numerosos ali. É preciso procurá-los, e, para isso, uma certa soma de familiaridade é necessária, para conhecer os seus habitats, bem como alguma prática para descobri-los na floresta, quando às vezes os pressentimos muito próximos. Por isso mesmo, a este respeito, o Pará está inteiramente livre de imputações que a respeito dele poderíamos formular. Cada dia que se passa, algo de novo se nos apresenta para nossa admiração, e podemos esperar outras surpresas, mais como o invariável acompanhamento de luxuriante território situado a um grau do Equador. Ainda agora, enquanto estou a escrever, aproveitando os últimos vislumbres do crepúsculo, o morcego-vampiro está voando em

40

Alfred Russel Wallace

redor do meu quarto, ora pousando nos caibros do telhado (as casas aqui não têm forro), ora passando perto de meus ouvidos, e a produzir com as asas um ruído espectral. A cidade espalha-se sobre uma planície muito extensa. As igrejas e os edifícios públicos são vistosos; mas os estragos, causados pelas intempéries, e alguns retoques extravagantes, que neles têm sido feitos, muito os têm prejudicado, afeiando-os. Vêem-se migalhas de jardim e terrenos baldios entre as casas, separados por cercas de madeira já apodrecida, os quais estão tomados por verdadeiros capinzais, vendo-se também, de permeio, algumas bananeiras. Para um europeu, isso causará estranheza e parecerá até feio. As ruas e praças públicas são pitorescas, quer por causa das bonitas casas e igrejas que as contornam, quer por causa das elegantes palmeiras, que, juntamente com as bananeiras, se encontram por toda parte. Assim, elas mais parecem casas de campo do que mesmo vivendas de uma grande cidade. Alguns caminhos estendem-se em várias direções, através de uma intrincada vegetação de cássias, arbustos de convolvuláceas, e as lindas Asclepias curassavica, de bonitas flores, cor de laranja – plantas essas que aqui tomam o lugar dos caniços, baldanas e urtigas da Inglaterra. A artéria principal é a “Rua dos Mercadores” onde se encontram quase todas as boas lojas da cidade. As casas, na sua maioria, só têm um pavimento, e as lojas, com todas as suas portas sempre abertas na frente, são conservadas limpas e esmeradamente arrumadas, tendo de preferência um variado sortimento de mercadorias. Aqui se encontram, de quando em quando, trechos de calçada, de poucas jardas de extensão, porém tão poucos, que servem apenas para tornar a vossa caminhada sobre ásperas pedras, ou profunda areia, mais desagradável por comparação. As outras ruas são todas muito estreitas.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

41

Em algumas delas existe calçamento, consistindo apenas em pedras toscas, restos de antiga pavimentação, que nunca foi reparada, ou então areia movediça ou lamaçais. As casas são irregulares e baixas, e, na sua maior parte, de alicerces construídos com uma pedra ferruginosa,21 muito comum nos arredores da cidade, e paredes emboçadas. As janelas não têm vidraças e, em lugar destas na parte mais baixa, são tapadas com um engradado de pano, suspenso na parte de cima, de modo que o fundo é móvel, e pode-se obter um rápido golpe de vista para os lados, numa e noutra direção, por detrás dos quais vimos, muitas vezes, surgirem uns olhos negros, que resplandeciam, quando passávamos. As cores amarela e azul são geralmente empregadas na decoração das pilastras, portas e janelas das casas e das igrejas, sendo estas construídas obedecendo a um adulterado e pitoresco estilo italiano. O edifício, onde agora estão instalados o Quartel e a Alfândega, e que primitivamente foi um convento, é muito vistoso e amplo. Adiante das atuais ruas da cidade, existe uma grande porção de terreno, cortado de estradas e de travessas, que se cruzam umas com as outras em ângulos retos. Nos espaços por elas formados estão as “rocinhas” ou casas de campo, havendo uma, duas ou mais, em cada quarteirão. São de um só pavimento, dispondo de várias salas e quartos, todos muito espaçosos, e uma grande varanda, que é utilizada como sala de jantar e é o cômodo mais apropriado para descanso ou para trabalho. Os terrenos ou quintais contíguos são brejos, capinzais ou pomares. Em alguns, há pequenos jardins, malcuidados, onde se vêem plantas e flores européias, em vez das ornamentais e magníficas produções da região, sendo aquelas as preferidas.
21 Deve ser a pedra vulgarmente conhecida pelos nomes indígenas de “tapiocanga ou tapanhunacanga”. Este último vocábulo, conforme Teodoro Sampaio, “O tupi na geografia nacional”, pág. 269, quer dizer “cabeça de negro”.

42

Alfred Russel Wallace

A impressão geral da cidade, para uma pessoa recém-chegada da Inglaterra, não poderá ser lá muito favorável. Vê-se tanta falta de asseio e de ordem, uma aparência tal de descuido, de relaxamento, de negligência e de desânimo, que logo de princípio notamos que parecem torná-la uma cidade absolutamente intolerável. Esta impressão, porém, logo desaparece, e verifica-se que algumas destas particularidades são decorrentes do clima. Os quartos espaçosos e altos, com poucos móveis, tendo cada um meia dúzia de portas e janelas, a princípio poderão parecer pouco confortáveis, porém são muito bem apropriados a um clima tropical. Quartos com tapetes, cortinas e almofadas seriam aqui intoleráveis. Os habitantes do Pará apresentam a mais variada e a mais curiosa mistura de raças. Vêem-se o inglês, de faces coradas, parecendo tão bem adaptado como nos climas frios de sua terra natal, o americano pálido, o português trigueiro, os brasileiros corpulentos, os sorridentes negros, os índios indolentes, de corpo em geral bem conformado, e entre estes umas cem sombras e misturas, que exigem vista esperta para as diferençar. Os habitantes brancos trajam-se geralmente com muito esmero, usando vestuários de fino e alvo linho, conservando-os sempre muito limpos. Alguns usam casacas pretas e gravatas e, quando assim trajados, com o termômetro a 85 ou 90 graus, à sombra, parecem incomodamente vestidos. O vestuário dos homens, se negros ou índios, consiste simplesmente em um par de calças de tecido branco ou listrado, ao qual, às vezes, acrescentam uma camisa do mesmo tecido. As mulheres e moças, nos dias de mais pompa, costumam trajar de preferência vestidos brancos, o que produz um agradável efeito, pelo contraste de suas peles pardas ou de um negro lustroso.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

43

Nestas ocasiões é que um estrangeiro fica deveras espantado ao observar que as jóias e colares, usados por estas mulheres, muitas das quais são simples escravas, são de puro ouro maciço. Desde a completa nudez, que é a condição geral de toda a população de cor, de 8 a 10 anos, vêem-se crianças em todas as escalas de vestuário. Os índios, recém-chegados do interior, parecem ser muito dóceis e pacíficos, e, por causa dos furos das orelhas bastante largos, podendo-se passar através deles grossas cordas, pelas suas maneiras e pela peculiar rusticidade com que contemplam tudo em derredor, distinguem-se dentre a multidão de mestiços, habitantes regulares da cidade. Eu disse anteriormente que as produções naturais dos trópicos a princípio não corresponderam à minha expectativa. Isto em parte é devido às narrações feitas por viajantes devaneadores, fantasistas, que, descrevendo somente as suas belezas, a sua pompa, a sua magnificência, quase fazem uma pessoa acreditar que nada de um caráter diferente possa mesmo existir sob o sol dos trópicos. A nossa chegada ao Pará, coincidindo com o fim da estação chuvosa, pode em parte explicar também por que a princípio não vimos a vegetação no seu máximo esplendor. A beleza das palmáceas só por alto pode ser descrita. Elas são essencialmente característica dos trópicos. De formas elegantes e variadas, e de linda folhagem, com os seus frutos tão úteis ao homem, despertam logo, não só aos naturalistas, mas também a todos aqueles que estão familiarizados com as descrições dos países tropicais, onde elas se encontram, um extraordinário e infalível interesse. O resto da vegetação era rigorosamente o que eu esperava. Vêem-se em profusão as trepadeiras e suas lindíssimas flores, mas muitos lugares há também tomados por tantas ervas daninhas, que, pelo seu aspecto, muito se parecem com as do nosso próprio clima. Poucas árvores da floresta estavam agora em florescência, e, pela maior parte, nada havia de particular no seu aspecto. O observador atento percebe, entretanto, numerosas formas tropicais na estrutura dos caules, na forma e disposição das folhas, não

44

Alfred Russel Wallace

obstante a maior parte delas serem muitíssimo parecidas com os nossos próprios carvalhos, olmeiros e faias. Estas observações aplicam-se somente às imediatas vizinhanças da cidade, onde a primitiva vegetação foi toda devastada, existindo agora a de um segundo crescimento.22 Prosseguindo-se umas poucas milhas para fora da cidade e penetrando-se de fato na floresta, que a cerca por todos os lados, contempla-se então outra cena, muitíssimo diferente. Árvores de extraordinária altura erguem-se por toda parte. A sua folhagem varia em cor, desde o claro mas esbelto ao escuro mas carregado. As parasitas e trepadeiras, de grandes folhas luzentes, pregam-se-lhes os caules, elevando-se até aos mais altos galhos, enquanto outras, de enormes hastes, pendem, como cordas e cabos, de suas grimpas. Frutos e sementes, curiosíssimos, espalham-se pelo solo, e muito há para prender a atenção e causar espanto a qualquer amante da natureza. A par disso, mesmo ali, alguma coisa há que falta e que esperávamos encontrar: as magníficas orquídeas, tão apreciadas na Europa, que julgávamos fossem encontradas abundantemente nas florestas tropicais, não se vêem, a não ser umas poucas espécies de flores de um amarelo baço e pardo e muito mirradas.23 A maior parte das parasitas, que cobrem com o seu manto verde os troncos de todas as árvores mais velhas ou das que se acham tombadas no solo, de um caráter inteiramente diverso, são fetos, Tillandsias, e as espécies Pothos e Caladium, plantas essas muito parecidas com o lírio da Etiópia, comumente cultivado em nossos lares. Entre os arbustos das cercanias da cidade, que logo atraem a nossa atenção, figuram vários Solanum, a que pertence a nossa batata.
22 O autor quer referir-se às capoeiras, que substituem a primitiva vegetação. 23 De todos os países do mundo, é o Brasil o que possui maior número de orquídeas. O número das espécies brasileiras é de 1.060.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

45

Uma destas atinge a uma altura de 8 a 10 pés, com grandes folhas velosas e de lindas flores, cor de púrpura, maiores do que as da batata, tendo espinhos, tanto nos caules, quanto nas folhas. Outras espécies têm flores muito alvas, e uma destas bastante se parece com a nossa dulcamara (Solanum dulcamara). Muitas lindas convolvuláceas trepam e estendem-se sobre as sebes de madeira, bem como muitas lindas bignônias, ostentando as suas flores amarelas, cor de laranja ou púrpura, em forma de trombeta. As mais admiráveis de todas, porém, são as flores-da-paixão, que são abundantemente encontradas à ourela das florestas, de variegadas cores, purpúrea, escarlate ou rosa-pálida. Algumas das de cor purpúrea têm um esquisito aroma e todas produzem um fruto agradável e muito apreciado: – a granadilha das Índias Ocidentais. Além dessas, há numerosas outras, de vistosas flores e outras muitas menos notáveis. As papilionáceas, ou ervilhas, são comuns. As cássias são muito numerosas, algumas das quais meros arbustos, outras lindas árvores, tendo bonitas flores amarelas. As mimosas, curiosas plantas sensitivas, cuidadas com tanto interesse em nossas estufas, são tão comuns, como o nosso joio, da beira das nossas estradas. A maior parte delas são adornadas de flores globulares, alvas e purpurinas. Algumas são muito sensitivas, bastando uma pessoa tocá-las levemente, para causar-lhes o fechamento ou a queda de muitas das folhas. Para outras, é necessário um toque mais pesado, a fim de que elas exibam então as curiosas propriedades, enquanto algumas, por sua vez, dificilmente dão sinais de sensibilidade, mesmo rudemente tratadas. Todas elas são providas de espinhos mais ou menos aguçados, que devem em parte corresponder ao propósito de defender as suas delicadas estruturas dos numerosos choques que de algum modo possam receber.

46

Alfred Russel Wallace

Nos arredores da cidade, as laranjeiras dão-lhe um interessante aspecto, e tão numerosas, que os seus deliciosos frutos são sempre abundantes e baratos. Nas estradas públicas, alinham-se elas em extensas filas, e todo quintal é bem provido delas, de sorte que o seu custo é quase só trabalho de colher e levar para vender. A manga também é muito abundante, e em algumas das avenidas da cidade as mangueiras são plantadas alternadamente com as mangabeiras, ou árvores de algodão-seda, que atingem a grande porte, mas são de folhas decíduas de modo que não servem para fazer sombra, como outras árvores de folhagem sempre verde. Em todas as beiras de estradas, bosques, ou mato de segundo crescimento, vêem-se cafeeiros, geralmente carregados de flores ou de frutos, ou de ambos, algumas vezes; tal é, porém, a falta de braços aqui, ou a indolência do povo, que deles só se colhe uma pequena parte para o consumo particular, enquanto a cidade é abastecida com o café procedente de outras regiões do Brasil. Voltando a nossa atenção para o mundo animal, o que logo nos atrai a curiosidade são os sáurios. Eles são encontrados por toda parte. Na cidade, vemo-los correr ao longo dos muros e sebes, ou aquecendo-se ao sol nos esteios das cercas, ou então subindo pelas goteiras das casas mais baixas. Em todos os jardins, quintais, estradas e lugares de solo arenoso, eles correm, quando passamos. Ora eles se rojam ao redor dos troncos das árvores, aguardando a nossa passagem e ocultando-se cautelosamente das nossas vistas, como fazem os nossos esquilos em idênticas circunstâncias, ora sobem por uma cerca ou muro tão serena e tão seguramente, como se estivessem pisando terreno plano. Alguns são de cor de cobre, escura, outros têm o dorso dos mais brilhantes e sedosos, azul e verde, e outros assinalados com manchas e listras amarelas e pardas. Neste solo arenoso sob os ardentes raios solares, eles parecem gozar todos os momentos de sua existência, aquecendo-se ao sol

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

47

na mais indolente satisfação, e, daí, desabalam numa carreira, como se a emanação solar lhes houvesse despertado vivacidade e vigor às suas friorentas constituições. Bem diferentes do homem, os pequenos sáurios. Não podendo elevar o corpo acima do solo e arrastando os seus longos apêndices como um estorvo, estes curiosos seres, como que estrangeiros de um clima mais propício, transportam as suas caudas erguidas para o ar, e galopam com as suas quatro pernas, com muito mais liberdade e força muscular do que qualquer outro quadrúpede de sangue quente. Pegar estes espertos seres, não é lá tarefa muito fácil, e todas as nossas tentativas para isso ficaram malogradas. Uns negrinhos e uns indiozinhos, com os seus arcos e flechas, caçaram alguns deles, e, assim, conseguimos alguns espécimens. Em seguida aos sáurios, as formigas não podem deixar de ser referidas. Elas vos assaltam com a aparição de quaisquer fragmentos de papel, folhas secas ou penas. São dotadas de poderosos membros de locomoção, e, em procissões, entregam-se a difíceis operações de engenharia estendendo-se em longas filas pelas estradas. As flores, que colheis, o os frutos, que apanhais, estão quase sempre cobertos por elas, e em seguida espalham-se pelas vossas mãos em enxames, que vos obrigam a deixar a vossa presa precipitadamente. À hora das refeições, trepam e caminham sobre a toalha da mesa, sobre os pratos e açucareiros, porém em menor número, não sendo tão sério obstáculo para perturbar-vos durante a vossa refeição. Nesta situação e em muitas outras, vós as encontrareis, e em cada ocasião é uma espécie distinta. Muitas árvores há que têm formigas que lhes são peculiares. Os seus ninhos ou casas são encontrados nos galhos das árvores, formando enormes massas escuras. Nas estradas, nos bosques, nos jardins, encontram-se, às vezes, as de uma espécie gigante, que costumam vagar isoladamente ou aos pares, medindo cerca de uma polegada e meia de comprimento, enquanto algumas espécies domésticas são de tamanho tão diminuto,

Bates capturamos para cima de 150 espécies. mas. que colhemos. Estas espécies parecem inesgotáveis. Elas são grandes inimigas de qualquer substância animal em decomposição. e provavelmente mais da metade das que existem no País estão ainda por descobrir. ora sob a brilhante claridade. e que ao longo dos caminhos das florestas. verificamos ser necessário colocar as caixas presas ao teto da varanda. Entre as espécies menores. não eram tão abundantes em indivíduos.48 Alfred Russel Wallace que é preciso ter caixas com tampas respectivas muito bem adaptadas para se poder preservá-las dos seus ataques. havia oito espécies do notável gênero Papílio e três Morphos. ou borboletas. se bem que o número de espécies fosse muito grande. eu e o Sr. os rhinóceros. que é muito amargo. principalmente insetos e pequenos pássaros. ou escaravelhos-arlequins. embebemos os cordéis no referido óleo e assim ficamos livres das incursões delas. as afugentava. Em cerca de três semanas. Nenhuma das ordens de insetos era tão numerosa como eu esperava. ou inseto rezador. constituem um dos mais admiráveis espetáculos. Não vimos ainda nenhum dos notáveis e grandes insetos da América do Sul. como nos informassem que o óleo de andiroba. Tendo a princípio empregado o meu tempo principalmente na coleta de insetos. mesmo assim. e já haviam destruído em poucas horas lindos insetos de nossa colheita. ora sob densa sombra. Mesmo estas. quando as pilhamos nesse trabalho de destruição. Para secar os espécimens de insetos. como eu supunha. posso agora dizer alguma coisa a respeito de outras famílias desta numerosa classe. e . o bizarro colorido e a variedade de suas listras são admiráveis. com exceção da diurna Lepidoptera. Daí por diante. Entre estas. de um azul metálico. em cujo território somente são elas encontradas. algumas desceram pelo cordel e nelas penetraram. que são as primeiras a ser notadas pelos viajantes da América do Sul. porém encontramos numerosos exemplares do gigante Mantia. que o mundo dos insetos pode apresentar. voando preguiçosamente. lindas borboletas.

em forma de bolsa. e os pássaros. “bête rouge” de Caiena. Mas isso são ninharias. e. chamadas 24 É a nossa “paineira”. com poucas exceções. e não eram lá tão notáveis. ficando estes suspensos das extremidades dos galhos das árvores. a comum tanagra de bico de prata (Rhamphocoelus jacamar). Os mosquitos nas partes baixas da cidade e a bordo. é muito irritante. é comumente encontrado nas relvas. e possui extraordinária facilidade para imitar o canto de outras aves. Este pássaro tem um canto muito variado. e. como as das nossas aranhas domésticas. com as suas vivas cores pretas e amarelas. e que dizem ser muito venenosas. de notas muito claras. O pássaro mais comum nos arredores da cidade é o guache amarelo (Cassicus ictenorotus). ou aranha pegadora de pássaros. são muito incômodos. com as quais logo nos acostumamos. a princípio vimos poucos. por vezes. Os escaravelhos e moscas eram geralmente raros. de plumagem de cores muito vivas e que constrói os seus ninhos em colônia. De pássaros. entrando ou saindo. produzem um lindo efeito.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 49 também algumas das grandes Mygale. porém as abelhas e vespas eram comumente encontradas. algumas tanagras de plumagem de um azul-pálido. voando em torno. Chorizia sp. e dificilmente poderá supor-se que trópicos houvessem de passar sem elas. . quase como seda. mas de uma fortíssima textura.. alcançando as pernas. quase invisível a olho nu. valendo-lhe isso o nome de “pássaro poliglota” da América do Sul. O carrapato. sendo algumas grandes e bonitas. de tamanho diminuto. Além destes. mas nos lugares mais altos e nos subúrbios não aparecem. uma minúscula espécie vermelha. que são aqui impropriamente chamadas “tarântulas”. da família das bombáceas. Uma árvore. Vimos uma no seu ninho. fica cheia de seus ninhos.24 tendo o seu esconderijo formado de teias. Outras espécies vivem em cavidades do solo. em uma árvore de algodão-seda.

À tarde. e os tiranos. O clima. e aprazível brisa. As tardes e as manhãs são agradáveis e frescas. Na floresta. que purificam e refrescam a atmosfera. e. ao escurecer. Acrescentaremos ainda algumas palavras a respeito da alimentação do povo. e outro com igual e notável clareza. tem sido delicioso. As reses procedem das fazendas de criação. e os brasileiros.50 Alfred Russel Wallace aqui “sayis”. quanto até aqui temos experimentado. no dia seguinte. até 9 ou 10 horas da noite. O termômetro não se elevou acima de 87º à tarde. ficam defronte a palestrar. deixando-se o sangue correr sobre a carne. e são abertas a machado e a cutelo. recusam alimento e perdem a maior parte da gordura. de onde são trazidas em canoas. Um fica a dizer “peito ferido”. como as suas vozes se alternam. o pássaro assim chamado na América do Norte. que ficam voando e soltando os seus curiosos e melancólicos cantos. apanhadores de moscas. trava-se então um interessante e monótono diálogo entre eles. A carne de vaca constitui o principal alimento. São abatidas logo. sem qualquer manto na cabeça. à tarde. de peito amarelo. para o consumo diário. chegando ao seu destino em deploráveis condições. cada nota sucessiva. aparecem os caça-insetos. com a cabeça descoberta e em mangas de camisa. são os únicos pássaros que mais se vêem nos subúrbios do Pará. justamente como o “whip-poorwill’. em suas “rocinhas”. até às oito horas. em trajes leves. constantemente ouvimos os curiosos ruídos tuuu-tuu-tu-tu-t dos pica-paus. sem nenhuma observância dos preceitos de higiene. e temos geralmente uma chuva. . Nas noites de luar. como as sucessivas percussões de malho sobre bigorna. de que tanto receamos e consideramos muito perigosos. Durante a viagem. fica perguntando “Quem é?. as senhoras passeiam pelas ruas e subúrbios. sitas alguns dias de viagem rio acima. e nunca desceu a menos de 74º durante a noite. inteiramente despreocupados das frescas brisas noturnas e do orvalho das trópicos.

quando. além dos pratos do trivial. nada tínhamos de que nos queixar. E. A nossa alimentação habitual compreendia: café. com o bom apetite que sempre tínhamos. guisados e cozidos. de carne de vaca. farinha. tal qual a carne de cavalo. constituem os principais alimentos da maior parte da população branca da cidade. carne de vaca. cerca das seis horas da manhã. Isto. da qual se faz também a tapioca. não deixa de causar repugnância. Quando misturada com água. A farinha tem o aspecto de ervilhas do campo. A carne de porco só aparece aos sábados. quando é levada para algum canil. laranjas e açaí (vinho tirado do coco de uma palmeira). As bananas e laranjas eram para nós uma verdadeira delícia. porém é um alimento muito nutritivo. Isidoro era um ótimo cozinheiro. vêem-se numerosas carroças seguindo em diferentes direções pela cidade. para uma pessoa de estômago delicado. constituem o principal alimento dos índios e dos negros. arroz. o arroz. porém é um alimento muito caro. e outros produtos importados do estrangeiro. tem-se o peixe. pão.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 51 Diariamente. A população branca da cidade geralmente faz uso de manteiga irlandesa ou americana. no tocante ao nosso passadio. com um pouco de peixe salgado. A farinha. manteiga. para fazer a distribuição da carne aos açougues. o que é feito em peças. abóboras. E isto. o peixe salgado e as frutas. senão a carne de vaca. . pimenta. devido aos nossos exercícios com caminhadas pela floresta. forma-se um caldo glutinoso. O pão é feito de farinha de trigo importada dos Estados Unidos. bananas e laranjas. Talvez seja mais parecida mesmo com serragem de madeira. Ele fazia toda sorte de assados. chá. bananas. ao sentar-se à mesa outra coisa ali não vê. A farinha prepara-se da raiz da mandioca ou cassava. Algumas vezes.

Estampa III .

durando cada uma nove dias. . . A primeira realizou-se na catedral e a última em uma das igrejas dos subúrbios. . . . como elas se denominam aqui. . BORLAZ – EXCURSÃO AOS ENGENHOS – FLORESTA VIRGEM – PLANTAS E INSETOS – ÁRVORE-VACA – ENGENHO DE SERRA E MÁQUINAS DE BENEFICIAR ARROZ – CARIPÉ OU ÁRVORE PARA CERÂMICA – SERINGUEIRAS – FLORES E ÁRVORES EM FLORESCÊNCIA – FORMIGAS SAÚVAS.Sumário . realizaram-se várias comemorações religiosas ou “festas”. . . . . . . . . . . . . . . Eram as festas do Espírito Santo e da Trindade. . . . . VESPAS E BICHOS-DE-PÉ – PASSEIO POR ÁGUA A MAGUARI – MACACOS – O COMANDANTE DE LARANJEIRAS – MORCEGOS-VAMPIROS – COMÉRCIO DE MADEIRAS – BOA CONSTRICTOR – PREGUIÇAS U NS QUINZE DIAS após nossa chegada ao Pará. Capítulo II Pará FESTAS – PADRÕES MONETÁRIOS PORTUGUÊS E BRASILEIRO – SÍTIO DO SR. .

ele. a maneira de se realizarem. Realizam-se procissões pomposas. perguntando eu a um negro por que razão haviam pela manhã dado tantos tiros. Certa feita. . de ouro maciço. No último dia. Os foguetes são uma parte essencial das cerimônias.54 Alfred Russel Wallace Algumas costumam ser celebradas com mais pompa. mas dispendioso. que eram disparados desde a madrugada até à noite. com os seus ricos colares e brincos. bolos e frutas. trajando roupas brancas e com ares da mais completa satisfação. Alguns negrinhos ficam vendendo “doces”. A igreja conserva-se aberta. sendo considerado como que um ato religioso. findas estas cerimônias. não variando. queima-se grande quantidade de fogos de artifício. Tivemos isso tudo durante quinze dias e. me respondeu: – “Por Deus”. todas as noites. há que enumerar ainda os tiros de espingarda. os quais são fornecidos por pessoas eleitas ou que voluntariamente aceitam o cargo de “juiz da festa”. além desses divertimentos. nas quais conduzem santos e crucifixos. Negros e índios. no começo e no fim das festas. os fiéis beijam as imagens e as relíquias. e o povo. não obstante esse desperdício e o gasto dos fogos de artifício. para fazer barulho e mesmo distúrbios. ainda se diverte soltando grande quantidade de foguetes. porém. – cargo esse considerado uma alta distinção. comparecem em multidão. celebrando-se ali os ofícios religiosos. de garrucha e de canhão. Além desses. soltam-se foguetes e queimam-se fogos de artifício todas as noites. olhando para o céu e com ares muito graves. barulho e fogos de artifício. Em frente à igreja. maior graça e maior realce à solenidade. com a sua presença. entretanto. e. Três coisas são essencialmente do agrado do povo brasileiro: música. que emprestam. e bem assim as mulheres. Saem à rua as procissões. durante o dia. vêem-se os representantes das classes mais elevadas e os estrangeiros.

porque a pataca não é um valor integrante do mil réis (três patacas e dois vin- . cerca de milha e meia ao sul da cidade. O real é a unidade-padrão. como. Já estamos agora compreendendo melhor a língua portuguesa. onde pudéssemos instalar-nos mais à vontade. com boas localidades para coleta de plantas e para captura de pássaros e insetos. Todavia. Isidoro instalou-se em um rancho velho de paredes barreadas. porém. conseguimos. Nós a alugamos pelo preço de 25$000 por mês (2 libras e 5 shillings). assim como moedas de prata e cobre. rodeada por uma varanda. defronte justamente de uma bonita capelinha. seria muito simples o seu emprego. concordamos com o preço. Era situada em Nazaré. que também entram nas contas. No quintal havia laranjeiras. que nos proporcionava um agradável passeio. o que é relativamente muito caro para o Pará. do qual tomou posse para as suas operações culinárias. cujo sistema monetário é aliás esquisito e confuso. tendo menos dificuldade para explicar e exprimir os nossos desejos. com quatro cômodos. Nós trabalhávamos e tomávamos as nossas refeições na varanda e raramente íamos aos cômodos internos. gastamos algum tempo para familiarizar-nos com a moeda portuguesa. isto é. e este último serve como unidade em todas as transações. a pataca (que vale 320 réis).Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 55 Depois de muitas indagações. tais como o vintém (moeda que vale vinte réis). De conformidade com o sistema decimal. por detrás da qual fica a floresta. se não fosse complicado por outros padrões. quase sempre causando grande confusão. a não ser para dormir. Compõe-se de notas de papel. porém o “mil-réis” é o valor da menor nota de moeda-papel. arranjar uma casa. cafezal. a moeda brasileira. A casa era de um só pavimento. não encontrássemos outra mais conveniente. mandiocal. principalmente para um principiante. afinal. e o cruzado que vale 400 réis. e muitas árvores frutíferas da floresta.

Além disso. a moeda de dois vinténs passou a valer quatro vinténs. As moedas ficaram. e deveriam ter sido imediatamente fundidas. e isso devido provavelmente à depreciação do papel e a sua inconvertibilidade cunhada. desde aí. tendo sido diminuídas em tamanho as novas cunhagens. passando então a ter um valor duplo. em vez disso. mas. levantou-se tal confusão. .56 Alfred Russel Wallace téns fazem um mil réis). Duas moedas podem ter o mesmo tamanho. situada nas proximidades de Belém do Pará Um vintém carimbado passou a ter o valor de dois vinténs. em conseqüência da depreciação. com um valor nominal menor do que o valor real. que é moeda corrente aqui. o mil réis valia primitivamente 5 shillings e 7 pences e agora o seu valor varia de 2 shillings e 1 penny para 2 shillings e 4 pences. vale seis patacas. foram apenas carimbadas. Em seguida. meia pataca (160 réis) passou a valer 320 réis. que o tamanho de uma moeda não poderia servir mais de índice do seu valor. para aumentar o seu valor. porém uma delas pode ter o valor duplo da outra. o que não é bem a metade daquele valor. e o dólar espanhol. Estampa IV – Capela de Nazaré.

chegamos até a casa de campo de um francês. e que trouxe em uma folha. o marajá (Bactris marajá). quando marchou ao nosso encontro. O meriti (Mauritia flexuosa). mas um tanto ácido. de uma feita. que corresponde ao “Ain’t it though?” dos nossos escolares. Quando falava a respeito desse incidente. Parece provável. ele não tem dúvida alguma. e outra espécie. e isto torna a contagem de uma soma grande um trabalho fastidioso. como são aqui vulgarmente denominados todos os insetos. uma milha abaixo do Pará. Um destes era enorme aranha cabeluda. mais débil. que exerce as funções de cônsul suíço no Pará. indicando-nos o caminho melhor e mais acessíveis para a floresta. e que produz um fruto de agradável sabor. O chefe deles. por intermédio das quais pode causar uma ferida venenosa. os quais cuidavam de plantações de café. répteis e animais pequenos. De boa vontade. um negro alto e robusto. estavam morando três negros. e daí nos levou a percorrer os arredores da sua propriedade. pegou e nos trouxe vários insetos. . veio falando em inglês. disse que o “bicho” era “muito mau”.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 57 É preciso um exame atento de cada moeda. que tal inseto não é em vão armado de tão poderosas presas. e que exige não só muita prática. Daí nos contou que. o Sr. linda palmeira com folhas em forma de leque. mas também muita atenção. quanto a isso. de nome Vicente. Borlaz. de caule todo cheio de espinhos. Muito para nossa surpresa. uma Mygale. de mandioca e de árvores frutíferas. tinha grande fama. e afirmando categoricamente que. fora picado por um desses insetos e ficara passando mal durante algum tempo. que ele cuidadosa e habilmente tirou do esconderijo no solo. A vegetação ali. de pequeno porte. nas margens do rio. Em uma das excursões exploradoras que fizemos. concluindo a sua história com um expressivo ui! ui! ui!. era muito pomposa. como caçador de bichos. Nas cercanias de minha casa. por isso mesmo. eram vistos freqüentemente.

ali voltamos. Borlaz. e bem assim de muitas árvores e arbustos isolados. sem sairmos do lugar. Em nosso regresso à casa do Sr. apanhamos alguns bonitos insetos. Umas estavam ainda entregues à tarefa de desmembramento. repetidas vezes. Os úmidos bosques. Umas já haviam separado as asas de cerca de 12 insetos. Debaixo dos seus sombrios recessos. Como exemplo da voracidade das formigas. que me custou meio dia de traba- . Borlaz. na varanda durante meia hora. A sua casa estava situada em um delicioso local. e ser muito difícil capturá-las. de trinta pés de altura.58 Alfred Russel Wallace Uma moita de cactos. uma espécie de anonas. enquanto outras se haviam intrometido nas partes mais gordas. Nas suas idas e vindas. eram encontradas pousando nas folhas. que se parece em gosto às castanhas espanholas. e bananas secas ao sol. uma agradável fruta-pão. e ganhei com isso útil experiência. Embora muito ariscas. eram tão produtivos para as nossas colheitas. ao voltar para abri-las e colocar outra captura. depois disso. em que estive de palestra. Tive grande dificuldade para fazê-las abandonar as suas presas. em frente às ilhas do rio. que. As lindas borboletas. e sempre procurando a mesma folha. de aspecto verdadeiramente tropical. mas fora plantada ali. aproveitando as bondosas atenções do Sr. seco e saudável. este ofereceu-nos excelentes biribás. sempre que nos sentíamos dispostos. crescia perto da casa. local esse bastante alto. fiquei horrorizado ao verificar que estavam enxameadas de umas pequenas formigas vermelhas. por sua vez muito parecidas com figos. posso ainda referir que. de polpa como que leitosa e de sabor um pouco ácido. ao longo da margem do rio. Os matos estavam cheios de curiosas bromeliáceas e aruns. cinco espécimens foram apanhados. que estavam sendo carregados para diferentes direções das caixas. voltavam à mesma árvore. tendo deixado no chão as minhas caixas de coleções. de asas azul-laranja (Epicalia ancea). e ali estavam fazendo o seu delicioso repasto.

as enormes lianas. como se fosse uma cabana. e todas projetando-se a uma distância tal do tronco. eram os seus principais característicos. há sobra bastante para um confortável cômodo. como se fosse para suster aqueles gigantes da floresta. que algo denunciavam de sua aproximação. e são mais características e mais admiráveis. Na madrugada de 23 de junho. as raízes formam um verdadeiro arcabouço. como fantásticas serpentes de bote pronto para apanhar a presa. Upton. Acolá. o que logo reconhecemos pelo alto porte das árvores e mais profundas sombras. a altura de 40 ou 50 pés. mais dilatado que alto. entrelaçando-se em espiral. Leavens. A uma distância de cerca de duas milhas da cidade. tendo cada uma dessas raízes de seis polegadas a um pé de diâmetro. formam um perfeito e vivo cabo. como as escoras de um mastro. . enquanto em outras elas se projetam a um altura de 20 a 30 pés. às quais dava eu grande estima. ambos norte-americanos. várias espécies há que têm raízes salientes ao redor de suas bases. que tem. das quais algumas ainda se ramificam em mais duas ou três. Entre as árvores. no tronco. em volta uns dos outros. entre as quais a de algumas esplêndidas Epicalias.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 59 lho de capturas. o Sr. Em algumas. que. Ali. as quais os ocultam de nossas vistas. erguendo-se a uma distância de oito a dez pés da base e alcançando de 4 a 5 pés de altura. sem um galho e perfeitamente retilíneos. Elas formam perfeitas e vivas cercas de madeira em torno do tronco. e de seu encarregado. O elevado número e variedade de árvores de alto porte. a convite de seu proprietário. no espaço por elas formado. como se fossem as costelas do caule. que por eles se estendem obliquamente. a um tempo. começamos a penetrar na floresta virgem. que se cobrem de pequenas trepadeiras e parasitas. outras vezes enrolando-se-lhes pelos troncos. com os seus troncos elevando-se freqüentemente de 60 a 80 pés de altura. dois ou três. fomos fazer um passeio até às máquinas de beneficiar arroz de Maguari. o Sr. por sua vez. outros formam um emaranhado de festões. os cipós.

e.60 Alfred Russel Wallace Dessas raízes tiram-se diversos pedaços para manufatura de remos e outros empregos mais. como as nossas Hymenophilas. Olhando-se para cima. e fetos de enormes folhas. e. semelhantes a ananases. e em alguns lugares essas fendas as atravessam para o outro lado. por sua vez. Entre essas parasitas. até atingirem aos seus derradeiros galhos. sobre estas. deles dependentes. com um caule retilíneo. com as suas folhas verde-escuras. de diâmetro uniforme. caule acima. quanto as mais gigantescas da floresta. como se fossem estreitas janelas ou seteiras de uma torre. os grandes aruns. Outras árvores por sua vez. à numerosa família das Leguminosas. aprumam-se elas tão alto. são como que formadas de delgados caules. é este um dos admiráveis característicos das florestas tropicais. com as suas folhagens curiosamente espalhadas. Outra forma curiosíssima apresentam aquelas que têm raízes salientes e elevando-se acima do solo. bem como as trepadeiras que se espalham por sobre eles. muitas vezes. crescendo conjuntamente. em forma de dardo e com os seus frutos como pimentas. mais parasitas ainda. e. Os troncos de todas essas árvores. Vêem-se assim parasitas sobre parasitas. ao passo que as Cecropias. sendo a sua madeira geralmente muito leve e macia. Elas são profundamente sulcadas e fendidas de cima abaixo. encontram-se ali. em grande variedade. de distância em distância crescem ao longo dos seus troncos. fetos rasteiros e espécies delicadas. suportam também uma infinidade de outras. com suas . Todavia. de miúdos e rasteiros musgos e Hepáticas. as folhas deles cobrem-se. como estas mesmas. Muitas das gigantescas árvores da floresta têm folhas tão delicadas. pertencendo. já repetidas vezes referido por Humboldt. Tillândsias e outras bromeliáceas. como as trementes Mimosas. formando arcadas com altura bastante para um homem caminhar por baixo. nos lugares mais sombrios. parecendo apoiadas por inúmeras pernas. em violento contraste com o céu claro.

algumas pequenas orquídeas. No solo jazem. de cor violeta. inúmeros e variados frutos: – acham-se ali. curiosamente misturadas e entrelaçadas. As flores eram raras e esparsas. proporcionam bastante variedade. para assegurar-nos que de todo não estavam faltando ali. E a intensa luz solar. e. com as suas luzentes folhas ovais.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 61 enormes folhas palmadas. e as Clusias. nozes de vários tamanhos e formas. muito brilhante por baixo das asas. imensas frutas-pães. pertencem a famílias e grupos que não são cantores. O nosso maior tesouro foi uma borboleta. e as enormes cabaças das árvores-potes. como pintassilgo. tornou em vão todos os nossos esforços para apoderar-nos dela. proporcional ao brilho de sua plumagem. tudo banhando. as folhas caídas e mortas. os troncos e galhos apodrecidos. Nós não estamos de acordo com a generalizada crença de que os pássaros dos trópicos têm uma deficiência de canto. mas quase todos eram novidades para nós. com o seu vôo ondulante e ziguezagueante. por cima das suas copas. quando íamos passando. aqui e ali um arbusto fluorescente. no mais. A maior parte das aves dos trópicos. crença essa que deverá ser modificada. Encontramos poucos insetos. a Haetera esmeralda. e cem outras formas intermédias. que freqüentemente passava por nós. As ervas e relvas consistiam principalmente em fetos. de cor azul. . apodrecendo. que têm tampas como os utensílios de que derivam os seus nomes. minúsculas trepadeiras. ervas rasteiras. Scitamineas. pela primeira vez. aumenta a grandeza e a solenidade do cenário. enquanto as mais densas sombras reinam por baixo. foi tudo que vimos ao lado do caminho. e de pássaros apenas alguns poucos. – que só agora. favas de uma jarda de comprimento. se bem que ouvíssemos a bulha destes últimos. vimos e capturamos. enquanto os nossos pássaros de plumagem mais colorida. de brilhante plumagem. mas a gigantesca Morphos. ornada de lindos padrões. o canário. Apanhamos muitos outros insetos raros. Não vimos nenhum quadrúpede. ocupavam a maior parte da superfície do solo.

Após a refeição. fomos percorrer o terreiro de madeiras e as casas das máquinas. e a maneira de aplicar água é bem diferente da que geralmente se vê na Inglaterra. pois as curiosas e interessantes observações. que matou e embalsamou de maneira raramente igualada. pela primeira vez. Quando alcançamos os moinhos. que é um perito construtor de engenhos. havendo aqui também pequenos pássaros. num trajeto de apenas 12 milhas. sobre as caçambas de uma roda de 22 polegadas de diâmetro. O de serra foi instalado. nos obrigaram a demorar seis horas. no fundo. Um dos destinados ao arroz funciona a vapor e os outros dois são movidos a água. é conduzida por um bicame inclinado. a água em vez de ser aplicada como em uma roda de cima. no silêncio da floresta. Os interessantes gorjeios de muitos deles prestam-se facilmente. onde se armazena a água para a movimentação dos maquinismos. graças à nossa fantasia. que assim gira com grande velocidade e põe em movimento por intermédio de uma manivela e de uma haste de co- . Leavens. pelo Sr. que é obtida por intermédio de uma barragem. nos seus habitats. Com uma queda de cerca de 10 pés de altura. O Sr. a qual represa a água de dois ou três córregos. que prontamente nos arranjou um lauto almoço. tendo tido então ensejo de ver. Fomos bondosamente recebidos pelo Sr. verificamos que já era uma hora da tarde. os papagaios e tucanos. Há ali três engenhos: um de serra e dois para arroz. Leavens tem muitos espécimens. há pouco. produzem efeito encantador. Leavens. formando um extenso açude.62 Alfred Russel Wallace não são menos canoros. e um pássaro soltou três ou quatro doces e queixosas notas. Eles freqüentam de preferência certas árvores. para formar verdadeiras frases e. indo cair. que atraíram muito a nossa atenção. que igualmente assim o são. É do gênero comumente usado nos Estados Unidos. que fizemos ao longo do caminho. Ouvimos uns cantos parecidos com os do nosso melro e com o do pintaroxo.

tanto em vigas. A água é desviada da roda principal e encaminha-se para outro bicame. tendo o seu conjunto menor numero de peças intermediárias. que suporta a tora e a leva para a frente. ambos usados como medicamentos. faz referências a essa árvore-leiteira. tendo-nos dado o Sr. achras ou excelsa) de “vaca-vegetal”. deixando à margem a seringueira. principalmente no Brasil central. e esta. I. que se lhe deparou ali: o leite de amapá e o leite de cuaxinguba (esta da família das moráceas). no vol. 128-130. foi uma partida de grandes toras de maçaranduba ou árvore-leiteira. funciona pela maneira usual. na extremidade do eixo da qual existe outra roda dentada. e outras mais macias e menos duráveis.25 A carreta.26 que se achavam ali. expressão correspondente à popular de “árvore-vaca”: e.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 63 nexão. 26 Nos dois volumes de seu trabalho “À margem da visita pastoral” (Belém do Pará. a carreta. o breu (látex tirado da árvore do mesmo nome). o leite de molangó (ou mangaba). volta com grande rapidez ao ponto de partida. um dos luminares do episcopado brasileiro. mas o processo para fazê-la voltar ao ponto de partida é engenhoso. II. Leavens explicações sobre os variados empregos das mesmas. solta. de que há mais de uma espécie. e finalmente. 25 Esses tipos de rodas são empregados até hoje. então. o leite de sorveira (uma apocínea). com que se fabrica o visgo destinado a apanhar passarinhos. . semelhantes ao carvalho. 1933-1934). a serra. servindo o denominado breu branco para calafetar embarcações. bem como a outras. contudo. dá um golpe duplo a cada revolução da roda. por sua vez. por conseguinte. tendo poucos reparos a fazer-se. à pág. A despesa com a construção de uma roda de movimento lento fica. no vol. movendo-se. que. cujo látex é empregado na Amazônia para diversos misteres. que serve para colar papel. como em tábuas. dispensando-se todos os dispositivos para o aumento da velocidade necessária às serras. Assim. por intermédio de uma alavanca. a qual. Vimos ali diferentes peças de madeira já beneficiada. 48. denomina a maçaranduba (que é a Mimusops elata. muito menos sujeito a desarranjos e. o leite de pocoró. Antônio de Almeida Lustosa. O que mais nos interessou. por essa maneira. para engenhos de serra. D. que serve de cola para louça. às págs. da maneira mais simples. tão interessante para o nosso folclore. bastante reduzida. Algumas são muito duras e resistentes. indo atuar contra uma roda. trata do “variado leite vegetal”. contra a serra.

assinalados com entalhes. em toda a extensão. tem estado constantemente em uso. há um mês. e. no terreiro. de tudo isso. Como prova de sua habilidade neste ramo. por ele feito. que corria em grande quantidade. logo após ter sido extraída da árvore-vaca. Leavens que dele já havia feito um creme. com um machado. O leite é empregado também como cola. A sua madeira é muito dura. em grande quantidade. sem qualquer outro preparo. São do tamanho de uma pequena maçã. que ele uniu com cola fresca. Fez ele vários entalhes na casca. diluído em água. Informou-nos o Sr. É uma das árvores mais nobres e mais esbeltas da mata. mais ou menos. a enorme altura. o que é mais curioso é o leite que dela se extrai. feitos para o propósito de se lhes extrair o leite. parece que melhora as qualidades deste último. ao almoço. Leavens mostrou-nos um violino. é também muito bom. quando se lhe corta a casca. No café. O leite foi recolhido em uma vasilha. muito durável. que são muito saborosos. estava tão perfeita. embora tivesse uma cor muito escura. o Sr. Comem-se os seus frutos. como quando ainda nova. coado e trazido à mesa. de gosto agradável. O instrumento foi confeccionado há dois anos. sendo a sua polpa muito suculenta. e própria para trabalhos expostos às intempéries.64 Alfred Russel Wallace Nos caminhos. que dizem ser tão durável e fixa. com um caule retilíneo. e a sua junta. O Sr. sendo a respectiva caixa formada por duas peças. Mas. Misturado com chá. como a que os carpinteiros empregam. Leavens mandou um homem furar algumas toras. no dia seguinte. brotando logo a rica seiva. à hora do chá. ficando com aspecto e gosto de creme gordo. ao longo da floresta. elevando-se. Ele tem a consistência de creme magro e apenas por seu sabor peculiar é que se pôde distinguir do genuíno leite de vaca. já havíamos reparado em alguns de tais troncos. de fina grã. . das que se achavam depositadas ali.

entre duas tábuas. e passa finalmente entre escovas cobertas de pêlo de carneiro. que o limpam completamente. Não há cuidado algum na escolha das sementes. para as pedras assentes sobre fortes barras de ferro. mas. devido à falta de capricho com que é cultivado.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 65 Como o leite endurece. o seu emprego como cola não tem tido grande aplicação. As duas superfícies quase se tocam. Contudo. visitamos em seguida os engenhos para arroz e tivemos ocasião de verificar o processo pelo qual o arroz é extraído da casca. para tirar-se o pó remanescente. porque. tornando-o apto para ser posto no mercado. tornando-se muito duro e ligeiramente elástico. uma grande quantidade quebra-se nesta operação. O grão passa primeiramente entre duas mós. mas somente para quebrar e extrair a sua casca externa. O arroz do Pará é muito bom. para separar-se o pó. de modo que o arroz é forçado a passar através dos espaços das barras. que tiram o resto da casca. quando exposto ao ar. Várias são as operações para se conseguir isso. raramente é igual à amostra daquele. de modo que o arroz é em seguida sacudido sobre peneiras de diferentes graus de finura. uma certa porção é cortada ainda verde. não como se fosse para moer farinha. bem como os fragmentos do arroz quebrado. polindo o grão. e tampouco no preparo do solo. Na ocasião das colheitas. e não tendo a propriedade de ser diluído em água quente. por simples atrito. de forma e tamanho semelhantes. sendo igual em qualidade ao de Carolina. o arroz é novamente abanado. havendo falta de braços para apanhá-lo prontamente. de três oitavos de polegada de comprido. Daí é levado. muito semelhante à guta-percha. Em seguida. que o espaço pelas mesmas formado é apenas o bastante para um grão de arroz ser empurrado e passar entre elas. . tão unidas umas com as outras. Depois de deixar o terreiro das madeiras.

(a) O seu nome científico é Pitangus sulfuratus. que se come com farinha. nos tempos da conquista. partido em pedaços e misturado com vinagre. não havendo qualquer outra coisa que se lhe possa comparar. cozido ou assado ligeiramente. sendo muito parecido com couro de boi picado e assado em bolos. L. quando se come. Nas regiões mais remotas do interior. Assim.27 e tucanos de bicos desmesurados.” . cebola e 27 “Bem-te-vi” (“eu bem te vi”). pimenta. sendo as maiores safras produto dos índios e dos pequenos lavradores. em sua “Rondônia” (pág. Ouviam-se por vezes os seus peculiaríssimos e rangentes piados.66 Alfred Russel Wallace quando está maduro. voando para o seu repasto matinal. os papa-insetos “bem-te-vis”. Pela manhã. à primeira vista. é muitas vezes a única coisa que se pode obter. Por essa razão. Entretanto. de modo que cuidamos logo de fazer uso dele. Em caminho. pirarucu e ovos. raramente é cultivado em grande escala. Porque foi pelo seu canto. parece que não se pode comê-lo. que se tornou conhecida no país dos guaranis a chegada dos homens brancos de Espanha. rede para apanhar insetos e sacolas. o seu nome indígena é pitogue. O pirarucu é um peixe seco. diziam os índios. vimos os pernaltas jacarés à beira do rio. que as trazem para os engenhos. azeite. espingarda ao ombro. Não conseguimos atirar nesse dia mas voltamos com ótimo apetite para o nosso café. leite de maçaranduba. Leavens. após um refrescante banho de orvalho no arrozal. e sendo o arroz um cereal que rapidamente se desprende do cacho. para nos acostumarmos de uma vez. 74): “Em Mato Grosso. tudo isso indicando claramente que já estávamos nas solidões plenas das vastas florestas da América tropical. constituindo o alimento principal de população nativa. era chamado pitagáa (estrangeiro). evita-se-lhe assim o desperdício. porque o canto do pássaro imita esta frase (Nota do autor) (a). fizemos uma excursão à floresta. de quando em quando as ruidosas pancadas dos bicos dos pica-paus e o extraordinário barulho feito pelos urros dos macacos. – Eis o que dele nos conta Roquete-Pinto. em companhia do Sr.

Nessas ocasiões. consistindo somente em um par de calças. Numa bela manhã. perguntamos a Isidoro se ele a conhecia e onde seria encontrada. demos-lhe ordem para que pegasse o seu machado e fosse conosco à procura do “caripé”. dentre as quais se destaca a árvore-leiteira. quando discorria sobre assuntos de que estávamos na mais completa ignorância. Era de temperamento um tanto taciturno. Depois do almoço. como criado ao serviço de dois cavalheiros estrangeiros. chapéu. saímos. após frugal almoço. neste esplêndido clima. na primeira oportunidade. Todavia. cuja casca serve para o fabrico de potes do país. sapatos e tudo mais. ora entregue a ocupações domésticas. Alcançamos Nazaré com a caixa cheia de insetos e a cabeça cheia de muitas coisas interessantes que havíamos visto. exceto quando tínhamos demasiada dificuldade para compreender o que ele queria explicar. Respondeu-me que a conhecia muito bem. já havia trabalhado muito na floresta. estava bem familiarizado com as várias árvores. O nosso velho guia. sabia dizer-lhes os nomes e conhecia todas as suas propriedades e empregos. carregamos o nosso velho negro (que veio conosco para mostrar o caminho) com planta que havíamos apanhado para as nossas coleções e um cesto para guardar tudo que encontrássemos de interessante pelo caminho. pois aqui. capaz de suprir-nos de útil alimento. no seu habitual traje caseiro. assim prolixo. gesticulava veementemente executando uma mímica de uma minudência bem digna de grande auditório. Desejando obter espécimes de uma árvore chamada “caripé”. e dispusemo-nos a voltar para casa. mas só seria encontrada muito longe. era ao mesmo tempo de . Ele. na floresta. e nós. em manga de camisa. então. se dispensam camisa. que é como que uma nova e curiosa fonte. com a promessa de fazer ali outra visita mais demorada. com os nossos aparelhos de caça ao ombro. é um suculento prato para uma pessoa que tenha bom apetite e também bom estômago.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 67 farinha.

como se fosse uma moita de caules. Não só essa. O seu método de ensino era por intermédio de uma série de acenos para as árvores. – “Esta (dizia ele) é uma ocoóba. de modo que tivemos de contentar-nos com a amostra somente de sua madeira e de sua casca. mas muitas outras árvores. mas era uma árvore tenra. madeira dura e boa para tudo. . que serve para dor de garganta” (o que ele explicava. veio o próprio “caripé”.” Em seguida. interrompê-lo com ulteriores perguntas. como não entendêssemos o que isto significava em português. Esta árvore tem aqui o nome de nowara. parecendo que falava mais para elas do que para nós mesmos. ele imitou o gesto de remar canoa). O nome desta árvore é pootiéka. com profundos sulcos. indicando a madeira que faz o carvão para fundir o ferro e o machado que ele sustinha nas mãos). que corria livremente da incisão que lhe fez na casca). tinham sinais das incisões feitas por inúmeros pacientes.” – “Esta (e apontava para uma curiosa árvore. remédio muito bom. Dela se faz o melhor carvão para forjas (o que ele explicava. Ela cresce à beira dos brejos ou terrenos úmidos.68 Alfred Russel Wallace grande utilidade para nós. atinge a enormes alturas. que houvessem crescido conjuntamente) é madeira boa para manufatura de remos (e. Era preciso nessas ocasiões. sem fruto e sem flores. alvitre que púnhamos em prática para tal propósito. que estávamos muito desejosos de tudo aprender.” – “Esta (disse ele. enormemente longos. Aqui a palmeira açaí. – “Esta (dizia ele. tendo alguns espécimens 80 pés de comprimento. imitando o ato de fazer gargarejos e mostrando-nos uma seiva aquosa. e chama-se quarooba. enquanto por elas ia passando. que delas tiraram a seiva medicinal. com um estípite liso. apontando para uma árvore de alto porte e de caule retilíneo) é boa madeira para construção de casas e para forros. tão comum nos arredores da cidade. de quatro polegadas somente de diâmetro. mostrando-nos uma gigantesca árvore da floresta) serve para lenha e para fazer carvão.

no topo da qual se abre a sua enorme copa. também cresce aqui. Mas é o nosso palmito. crescem-lhes em torno. Embora o seu caule seja perfeitamente liso. Aqui. Constitui ele um saboroso alimento. antes de alcançar o chão. Inúmeras árvores tenras. Isidoro cortou uma palmeira de açaí. porém. da qual são uma cópia fiel. A mais admirável e mais curiosa de todas. de densa folhagem. cada uma mantendo-se sobre as suas raízes pela mesma maneira que a árvore principal. de sabor um tanto adocicado. aqui denominado palmeto. constituem excelente alimento. acima do solo e as que morrem são sucessivamente substituídas por outras novas. algumas vezes. de caule delgado. 28 Assim está no original. em miniatura. uma bonita espécie. de um pé de altura. é a “paxiúba”. tendo cada uma menos de uma polegada de diâmetro. com os troncos perfeitamente retilíneos. e desta sorte a árvore toda é sustentada pelas suas três ou quatro raízes principais. as raízes. que lhe cresce sobre a cabeça. uma palmeira de caule perfeitamente liso. Uma palmeira de caule cheio de espinhos e de folhas em forma de leque. que vimos nos engenhos de arroz. As folhas não desenvolvidas do broto desta palmeira. As raízes principais. entretanto. que vão brotando mais acima. todos cheios de espinhos. menores.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 69 Umas. são cobertas de grandes tubérculos. fortes. com eles recurvados e com a folhagem em coroa pendente. em outras três ou mais raízes. e outras. com elegante copa de folhas largas e curiosamente partidas. retilíneas. A sua principal singularidade é que as raízes estão. subdividem-se ainda. algumas vezes tão acima da superfície do solo. pela maior parte.28 e provavelmente muito parecido com a palmeira-couve das Índias ocidentais. a fim de trazer um palmito para o nosso jantar. cresce também a “inajá”. são muito bonitas. bem como de muitas outras espécies. .

e elas. entrelaçando-se na mais surpreendente. enquanto a estação seca avança. quando saímos de casa. uma fogueira. não só pela beleza da folhagem. à beira da qual estavam Isidoro e Vicente. Voltamos então para o interior da casa. Muitas vezes. cortamos um pedaço de casca. se bem que elegante confusão. muito verdes. sendo acesas em sinal de respeito a alguns dos santos mais ilustres. Arremetemo-nos para ela. são tidas como coisa muito importante. vimos arder. que ainda restam da estação passada. viam-se inúmeras outras. As gloriosas constelações do sul. substituem as murchas. até alcançar a cidade. ao longo da estrada. juntamente com os foguetes e procissões.70 Alfred Russel Wallace Quando estávamos para regressar e na ocasião em que reparávamos mais demoradamente numa das árvores que se achavam em nossa frente. de cor amarela. em frente à nossa morada. e no dia seguinte verificamos que era de fato a genuína borracha. machado em punho. sendo dia santificado. aos quais nos juntamos. possuindo todos os seus característicos. mas também pela das suas flores. vêem-se duas ou três lianas sobre uma árvore ou arbusto. estavam intensamente a brilhar. melhora de aspecto. bem satisfeitos deveras com tudo que tínhamos visto. ao que presumimos. 4 de julho – A vegetação. com as suas coroas de nebulosas. ali perto. no caminho. pareceu-nos que íamos ter a surpresa de ver a seringueira ou árvore-da-borracha. As trepadeiras. agora. enquanto a pouco e pouco se ia amortecendo o brilho das fogueiras. e tivemos a satisfação de ver logo a sua extraordinária seiva a escorrer ao longo do tronco. Guardamos um pouco desse precioso leite. As árvores estão continuamente soltando brotos e flores. na caixa que comigo trazia. . tornam-se notáveis. Enfileiradas. em particular. Tais fogueiras. constituem a maior parte do culto religioso daqui. lá no céu. As folhas novas. Ao anoitecer. em busca das nossas redes.

transformando-se então em novo caule. em grande profusão. e. se elas estão muito altas. torna-se impossível isso. Quando atingem a regular desenvolvimento. Vê-se comumente uma notável Clusia. tornam raiz prontamente em qualquer substância vegetal ou no próprio esterco dos pássaros. As de flores-trombetas. Uma. de grandes folhas luzentes e flores de um fortíssimo e flagrante odor. de um escarlate vivo e brilhante. de flores alvas e amarelas. de formas variadíssimas. o qual possa existir ali. Em Nazaré. Algumas lianas. Entre as que não estão agora em florescência. de cor purpúrea ou amarela. Ela desenvolve-se não só como árvore de alto porte. Algumas são arbustos: outras. Os pássaros comem-lhe os frutos e são eles que lhe transportam as sementes para as forquilhas das mais altas árvores. é a mais extraordinária dentre as extraordinárias trepadeiras da floresta. vêem-se mais freqüentemente as bauhínias. de folhas muito espessas. em busca do solo. subindo às grimpas das mais altas árvores e em seguida pendendo de seus galhos em gigantescos festões de muitos pés de comprimento.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 71 É dificílimo decidir a que espécie de planta as diferentes flores pertencem. são as mais vistosas. sobre a qual se vêem três ou qua- . com os seus enormes caules achatados e lenhosos. enviam para baixo os seus longos rebentos. onde eles criam raízes e desenvolvem-se. As suas espécies são numerosíssimas. abrindo em lindas espigas as suas flores. Vêem-se delicadas convolvuláceas. delicadas trepadeiras. Os seus grandes e alvos frutos são denominados “cebola-brava” pelos nativos. ao que parece. mas também como parasita de quase todas as árvores da floresta. enrolando-se uns com os outros ou entrando e saindo da mais singular maneira. onde. necessitando de mais alimento do que possa ser obtido ali. ao lado da estrada. sobem à grimpa das mais altas árvores. há uma. porém. em cuja forquilha cresce uma grande palmeira “mucujá”.

Em muitas dessas árvores. e toda assinalada com lindas listas pretas. Era pequena e não era lá muito pintada. ainda tenras. quando sabem que desejais comprá-las. por experiência própria. É que tais flores somente se abrem por cima da enorme cúpula de verdura. Poucas árvores da floresta estão agora em florescência. Mas tudo isso está fora do alcance do curioso e extasiado naturalista. deslizando-se suavemente em um balão sobre a sua ondulante e florida superfície. senão jogá-la fora e nada obter. Talvez. já sabendo. É um espetáculo verdadeiramente magnífico o contemplar-se uma grande árvore. e que sem dúvida têm ou terão orquídeas e fetos. vermelhas e amarelas. exposta aos raios solares. só se encontra uma única flor. o homem teve a frieza de pedir-me 2$000 (ou 4 shillings e 6 pences) por ela. o que não é muito agradável. que vão encontrando pelo caminho eles as trazem. de cerca de uma jarda de comprimento. Tal privilégio. contudo. Uma jararaca. a maneira pródiga pela qual os estrangeiros compram tais raridades. também a desenvolver-se ali. não tendo ele outra coisa a fazer. está reservado aos viajantes de eras vindouras.72 Alfred Russel Wallace tro clúsias. no quintal de nossa casa. que dizem ser uma das mais perigosas serpentes do Brasil. o que recusei. que se cobre de flores em profusão. . apenas poderão ser vistas e devidamente reparadas. e todas as coisas. Um ou dois pences bastam para pagar esses bichos que para os nativos não têm valor algum pois que não se esforçam por fazer jus a tão exagerada recompensa. trouxeram-me também uma bonita cobra-coral. encontram-se comumente cobras. no mínimo a uma altura de 80 ou 100 pés. Em compensação. Neste tempo. em sua glória e esplendor plenos. Estas florestas. foi morta por um negro.

da noite para o dia. Eles ainda acreditam que se uma delas for partida em dois pedaços e estes atirados a algumas jardas de distância um do outro. Tais aterros são. em longas fileiras. convertendo-se em outro animal inteiro. debaixo de um cafeeiro do nosso quintal. Vêem-se pelas estradas. o que me assustou bastante. por 10 a 15 de largura. e por baixo do qual ficam completamente ocultas. por elas cortada tão certo.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 73 Eu quase pisei uma. é aproximadamente do tamanho das nossas maiores espécies inglesas. de uma cor vermelho-clara. destacam-se uns grandes montes de terra e de areia. É também muito sabido que. a formiga dos bosques. parecendo os aterros de uma direta é “Pará and Peru Ralway Company”. Causa grandes danos às árvores tenras despojando-as das folhas. . como se fosse com uma tesoura. umas folhas verdes movendo-se precipitadamente. esbarrando-se umas com as outras. de cerca de dez pés de comprimento. porém é armado de garras muito mais poderosas. verifica-se logo que é tudo devido à indústria de um inseto nativo: a muito temível formiga saúva. nessa região plana). São as saúvas. dificilmente se distingue a cabeça da cauda. Entre as curiosidades. o mesmo lhe sucedendo. ao invés de serem feitos pelos trabalhadores de uma estrada de ferro. outras vezes estendendo-se de través. mas. que ali houvesse iniciado os seus serviços de terraplenagem. que se encontram na floresta. de 30 a 40 pés de comprimento. nas cobras de duas cabeças. Este inseto. fazendo com que o pedestre neles suba e deles desça (o que é agradável divertimento. cada uma carregando um pedaço de folha. que se vêem algumas vezes ao lado das estradas. em virtude de ser esta embotada. É sabido que esta espécie não tem presas venenosas. mas os negros dizem que é muito perigosa e que a sua mordedura não tem cura. A laranjeira é muito sujeita a seus ataques. voltam a juntar-se. por vezes. Apanhei também uma pequena amphisbena. a julgar pela maneira com que sorrateiramente tratou de escapulir-se.

que as formigas o alcancem. donde surgem. Algumas têm somente duas ou três celas e outras grande número delas. quando tentávamos segurá-las para as nossas coleções. e podem distender bastante o corpo. Outras espécies constroem as suas casas nas cavidades das árvores ou nas raízes destas. quando alguém se lhes aproxima das casas. As maiores espécies de vespas têm ferrões muito longos. Não se conhecem meios para destruí-las. como se poderá inferir da grande quantidade de terra que removem. semelhante ao papel. com uma única abertura. enquanto outras têm visíveis todas as suas celas. de formato achatado. contudo. que é inútil plantar-se o que quer que seja. que. Por isso mesmo. e o seu número é imenso. as árvores tenras são plantadas no centro de um vaso de barro. feitas de um material tão duro como o papelão. Nas florestas. as casas de muitas espécies de vespas e de abelhas. precipitadamente como se dali fossem tocadas a pancadas.74 Alfred Russel Wallace No nosso quintal. nas altas árvores. muito freqüentemente. As picadas desses insetos são muito dolorosas. para atacar o descuidado intruso. com as quais. por precaução. Geralmente as suas casas se prendem ao dorso das folhas. que se enche de água. que são enormes casas. dali saem voando. não quisemos intrometer-nos. no solo. do formato de um anel. . enquanto as espécies solitárias fazem pequenos buracos nas estradas ou furam as paredes barreadas das casas. São feitas de uma substância delicada. Algumas espécies são tão bravas. Alguns quintais são tão infestados por elas. encontram-se também. Algumas delas são pequenas. cilíndricas. Outras há. que são bastante largas e oferecem bom amparo. assim. fomos muitas vezes picados por elas. especialmente à das palmeiras novas de “tucumá”. cercando o caule em toda a roda e evitando-se.

que nos fez. que era excessivo. que penetra na pele dos dedos dos pés. e. fomos para bordo de uma canoa. desenvolve-se ali. onde se distingue o inseto. e o respeitável inseto não é tão importuno como os mosquitos. Fizemos a viagem em uma “montaria” ou pequena canoa. Logo após a extração. facilmente pode ser extraído. como éramos ao todo cinco pessoas. Eu mesmo quis extraí-lo. usada pelos índios. . e mostrando-o a Isidoro. não estando ainda acostumado. que lançava âncoras. causa ligeira irritação na pele. e. disse-me ele que era um “bicho-de-pé”. porém. afinal. A canoa ficara somente duas polegadas fora da água. e. pode ocasionar uma ferida perigosa. devido ao peso. porém.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 75 Eu fui um pouco importunado por outro inseto nosso inimigo. sendo encontrado nessa ocasião. não consegui tirá-lo inteiro. até tornar-se do tamanho de um grão de ervilha. às cinco horas da manhã. como uma mancha preta. fiquei um tanto nervoso. com os negros que eram os seus remadores. encontramos um navio. o célebre “bicho-de-pé”. para esperar pela maré. até atingir a tamanho regular. de lá trazendo arroz e madeiras e levando no seu retorno tudo que é preciso ali. pondo um pouco de rapé na cavidade. é bastante doloroso conseguir-se tirá-lo. consegue-se extraí-lo. Assim é que. não senti mais nada. Este inseto é uma pequena pulga. se essa operação for retardada. a sua primeira visita. que faz regularmente a carreira para os engenhos. Deixamos Belém do Pará cerca das nove horas da noite. se ele se desenvolve ali. e. Com cuidado e atenção. Quando penetra. ou mesmo como as nossas moscas domésticas. ficando no meio de um saco de ovos. Tendo feito os arranjos para outra e mais demorada visita a Maguari com as nossas redes. laços e malas. notando um dia certo calombinho num lado de meu pé. e dispus-me a fazer a operação com uma agulha. com a maré favorável.

o que fazíamos com uma cuia. Além dessas. e. Em alguns. de quando em quando. era mais largo que o Tâmisa. isso não foi lá muito agradável mas. vêem-se os frutos germinando na árvore. em uma cabana. Em certos lugares. em promiscuidade com as palmeiras açaí e miriti e outras mais. depois de algumas milhas. o rio tornava-se cada vez mais estreito. vestem-se de densas florestas. que já estavam tendo câimbras. O pitoresco e a nova aparência das margens do rio. Enquanto íamos avançando. A canoa. devido ao excesso de peso. saltamos em terra. a fim de formarem outras raízes para a própria árvore. junto à qual havia uma árvore povoada de ninhos suspensos do guache amarelo e de inúmeros pássaros. nós nos acostumamos. para estirar nossas pernas. ostentando aspectos curiosos. confiantes em alcançar o termo da nossa viagem. entretanto. sendo necessário. com as melhores probabilidades possíveis. cerca das sete horas. até alcançar a água. nada houve que temer. quando o sol se ergueu. por toda parte. que ininterruptamente entravam nos mesmos e deles saíam. embora fosse um insignificante tributário do Amazonas. .76 Alfred Russel Wallace Um movimento qualquer de um dos companheiros seria o bastante para nos pôr em sérias dificuldades. fazia muita água. Contudo. enquanto as flores-da-paixão e as convolvuláceas pendem os seus festões até ao nível da água. As suas margens. A princípio. O rio. vêem-se numerosos “mangues”. ser a mesma retirada. atraíam toda a nossa atenção. durante todo o tempo da nossa navegação. com as suas raízes descendo dos galhos. na verdade. da qual pendem os seus rebentos até à água. erguem-se grandes árvores da floresta. e prosseguimos favoravelmente a nossa viagem.

sendo o resto da tarde aproveitado para preparar e secar as nossas presas. a fim de mostrar-nos as melhores árvores. nos acompanhava. à procura de insetos e de plantas. Isso.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 77 Com uma hora mais. fazíamos quase sempre outro passeio. 29 Assim está no original. durante a nossa estada nos engenhos. Pouco adiante. quando. em muitas ocasiões. de uma ou duas horas. depois de uma volta repentina. para almoçar. caminhos e lagoas dos arredores. . partíamos. talvez porque o autor se haja esquecido do nome do oficial. hora em que ia tomar banho na bica do engenho quem o desejasse.29 comandante do distrito. avistamos enfim os engenhos. porém. O Sr. voltávamos. onde a caça grande e os pássaros se alimentam. de montaria. Ali. só voltando muito tarde.. Leavens e um bom almoço compensaram bem as nossas quatro horas de aperto na montaria e deram-nos ânimo para uma exploração aos bosques. Algumas vezes. sendo ali a residência do Sr. Depois do jantar. Os tucanos e papagaios eram abundantes. ou. para palestrar. e daí de novo partíamos. só se fez nas minhas primeiras excursões à floresta. Depois disso. na extensão de uma ou duas milhas. geralmente com as nossas espingardas. à noite. até a hora do jantar. então. e as bonitas araras azuis e vermelhas eram também muitas vezes encontradas. O que fazíamos diariamente. onde havia algumas moradas. que se encontram ali. um bonito sítio. que corta a floresta. que é a ocasião mais favorável para caçar. C. passamos por Laranjeiras. ganhamos um estreito igarapé. para a floresta. muito cedo ainda. uma recepção cordialíssima do Sr. Às oito horas. era como se segue: Nós nos levantávamos às cinco e meia da manhã. Leavens. inventávamos uma descida pelo igarapé. quando eu tinha ainda a minha curiosidade insatisfeita e voltada para os estranhos pássaros e outros animais.

Certa manhã. como se um homem estivesse caminhando cautelosamente por ali. para a sua desdita. a toda pressa. porém julgou mais seguro bater em retirada. percebi um movimento por entre as folhas e ramos. ao longo das árvores. Parecia estar tão espantado. No dia seguinte. pulando de galho em galho. desaparecendo nas profundezas das floresta. O resto do bando pôs-se logo em fuga. Eu esperava ver. que estava a olhar-me cá embaixo. Ocultamo-nos debaixo de algumas árvores. percebi que os ruídos provinham dos galhos de cima.78 Alfred Russel Wallace Os beija-flores passavam como dardos. um deles chegou demasiado perto de nós. quase no mesmo lugar. quando saltavam por três as árvores. Leavens. Mas a minha maior satisfação. Os pica-paus e cétias. entretanto. muitas cotingas. Vislumbramo-los logo após. cujas asas fazem forte ruído. esperando que eles se aprumassem. foi o meu primeiro encontro com os macacos. Desejei. ter a boa sorte de poder observá-lo mais demoradamente. Passavam de uma árvore para outra com a maior facilidade. quando eu vagava sozinho pela floresta. ouvimos. Vêem-se. Afinal. um barulho semelhante. quanto eu mesmo. pois o Sr. com as espingardas engatilhadas e levantadas. Leavens o visou bem. Parece impossível que tal ruído possa ser feito por um pássaro tão pequeno. e. surgir ali algum índio caçador. tornando-se desde logo evidente que um numeroso bando de macacos vinha chegando ali. e ele veio abaixo. de um momento para outro. vi então um grande macaco. O pobre animal não caíra morto. com penas vermelhas na cabeça e pufos no pescoço. naquele momento. . para lá voltando os meus olhos. corriam para cima dos troncos. tendo saído com o Sr. de vários tamanhos e cores. Repentinamente.

que estava em florescência. como se estivessem fazendo acenos. que lhe envolve toda a semente. Outra boa iguaria é a cotia ou “agouti”. Viam-se movendo. Às margens do igarapé achavam-se cobertas de uma espécie de ingá. algum tanto seca e sem gosto. As andorinhas e os alciões voavam adiante de nós como também o fazia o belo “pavio” (Eurypygia helias). mas com membros muito mais longos. que eu muito desejava possuir. Tendo muitas vezes ouvido falar que a carne de macaco é muito boa. Não é tão boa quanto a carne de galinha. no interior dela. onde o cortei e mandei fritar para o almoço. farinácea. como que implorando proteção. em uma “montaria”. em seu “palácio” de pau-a-pique e de paredes de barro. fomos cordialmente recebidos e tratados pelo comandante. parecia quase uma criança. Este último. sendo algum tanto parecida com a carne de coelho. numerosos caranguejos. entretanto.30 30 Deve ser o “jatobá” ou “jataí” (Hymenea courbaril. fomos fazer uma visita ao comandante de Laranjeiras. colheu alguns punhados de bonitas flores. contudo. Alguns tinham um aspecto verdadeiramente grotesco. uma substância amarela. sem que se perceba. stigonocarpa ou stilbocarpa). com as suas enormes garras erguidas. Lá um dia. Ele ofereceu-nos vinho e bananas. A manhã estava muito bonita. Depois disso. Em Laranjeiras. que ele partiu com um martelo. sendo. Havia. o seu inocente modo de olhar e as suas delicadas mãos. . A sua carne é muito estimada para a mesa. por entre as raízes dos mangues. qualquer gosto esquisito ou muito pronunciado. eu o levei para casa. mostrou-nos uma enorme fava. porém. animalzinho cujo tamanho fica entre o do porquinho de guiné e o da lebre.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 79 Com os seus gritos. prudentemente saía do alcance de tiro. de casca muito grossa. B. e do qual o Sr.

e outras como “remédios” para diversas doenças. pois dela se extrai. O seu sabor é um tanto adocicado. Durante a nossa palestra. em grande quantidade. tendo eu então apanhado alguns muito bonitos. de arranjar-nos um lote delas. pois pagaríamos à razão de um penny cada uma. a dita substância. mostrando-nos outras árvores. ele nunca fez. Pelo seu forte cheiro. freqüentemente nos perguntava qual era o significado de tal ou qual palavra em americano (assim se denomina . Isso. ali muito comum. pode vir ainda a tornar-se de grande utilidade em outros empregos. de boa vontade e muito atenciosamente dispôs-se ele a acompanhar-nos. e muitos ninhos do guache amarelo. achei a notícia de que em Laranjeiras ele obtivera algumas conchas. Nos terrenos em redor da casa. C. entretida com o nosso muito escasso vocabulário português. muito parecido com o da cânfora. Chegamos logo a uma alta árvore. entretanto. debaixo da qual encontramos muitos frutos semelhantes àquele. Lendo o livro do Sr. via-se uma árvore de fruta-pão. algumas úteis. devendo ser enviadas ao Sr. Encarregamos a um seu filho.80 Alfred Russel Wallace Os índios comem-na e apreciam-na muito. Leavens. Uma dessas árvores. entre o da cânfora e o da terebentina. quando misturada com óleo. dois ou três toleráveis espécimens. O idoso cavalheiro levou-nos dali ao longo de vários caminhos. nos engenhos. menino de onze para doze anos. Falei a este respeito com o Sr. produz uma substancia de forte odor. com os seus enormes frutos. Edwards. que parece ser pássaro amigo das vizinhanças das casas. de uma caixa que se achava ali perto. Viam-se também alguns algodoeiros e uma bonita castanheira ou árvore das nozes do Brasil. C. e este tirou prontamente. que serve para o pixamento de botes. Essa árvore denomina-se “pixe-branco” ou “abeto”. Ao manifestarmos o desejo de ir à floresta. o Sr. como material para vigas.

vendo-se grandes manchas de sangue coagulado. e muito se divertiu à custa dos absurdos e incompreendidos termos. Isso foi para ele um completo clímax de absurdos. E até nos fez repetir várias vezes o caso. O aspecto. pôde-se em parte obstar o sangüinívoro apetite dos morcegos. que lhe havia corrido do lombo e dos quartos. Com semelhante precaução. Entre outros. era pior do que a realidade. onde esteve muito tempo lidando com o comércio de madeiras. Leavens é natural do Canadá.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 81 aqui a língua inglesa). tão alto quanto ele nos pôde gritar. tivemos oportunidade de observar os efeitos do morcego-vampiro. o pobre animal apresentava o mais lastimável aspecto. Quando já estávamos remando para o meio do rio e lhe dizíamos nosso “adeus”. que o Sr. . em outras partes do corpo. a despeito dessa providência.31 o qual havia sugado um potro. por nós usados na conversação comum. erroneamente chamado “vampiro”. Para prevenir novos ataques. palavra que em português significa “boi”. O perigo maior está em se repetirem todas as noites os ataques. 31 É um morcego sugador de sangue (Phyllostoma sp. tempo que riu à bandeira despregada. pois o morcego tem a habilidade de fazer a sugação sem causar dor. pois os morcegos do gênero vampyrus são frugívoros (Nota do autor). nós lhe dissemos que a um “rapaz” chamamos em americano “boy”. O Sr. e o cavalo. ainda foram as seguintes: – “Como se chama rapaz?” Um ou dois dias antes de deixarmos os engenhos. o pobre animal fora de novo sugado na noite seguinte. arrisco-o eu a dizer. até que a perda de sangue se torne séria. Na primeira manhã. porquanto. Leavens havia acabado de comprar. esfregam-se umas pimentas vermelhas nas partes atingidas e em todos os lugares próximos. como um paciente sob a ação do clorofórmio. nada ficará sentindo. a fim de que não se esquecesse de tão bom gracejo.). as suas últimas palavras. após a chegada. contudo. mas não de todo. do qual tem grande prática.

não deixa de ser estranhável que a maior parte das nossas madeiras sejam importadas de países onde a navegação é interrompida quase sempre durante a metade do ano pela congelação e onde os rios são a todo tempo obstruídos por cachoeiras. . muito aromático. É madeira que pode ser mais ou menos tão facilmente trabalhada como o pinho. por um preço menor do que qualquer pinho branco. é um território onde os rios têm navegação franca o ano todo. é igual ao jacarandá. Assim. que não seja aqui encontrada. encontrando-se madeiras de lei em tão inexauríveis quantidades e de uma variedade tal. em qualquer quadra do ano. e. Outrossim. procedente do Canadá. Por outro lado.82 Alfred Russel Wallace A possibilidade de obter-se um regular fornecimento de madeiras do Amazonas foi muitas vezes assunto das nossas palestras. com centenas e mesmo milhares de milhas não obstruídas pelos rápidos e cachoeiras.000 quilômetros. e onde raramente ocorrem. muitas das quais são de tão pobres qualidades. Desta sorte. 33 É o nosso Cedrela brasiliensis. sendo também de muitos milhares de quilômetros a extensão francamente navegável dos seus tributários. que somente têm emprego por serem muito baratas. Na verdade. não haverá nenhum propósito para o qual a madeira possa ter aplicação.32 As margens de todos esses rios são cobertas de densa mata virgem.33 que dizem ser encontrado abundantemente em determinadas localidades. o vale do Amazonas. ao menos para um determinado fim. há ainda a considerar a pouca variedade das madeiras dessa procedência. tempestades violentas. é madeira que pode vantajosamente ser empregada para portas e todos os acabamentos internos das casas. o que torna a descida das jangadas um negócio muito arriscado. que. por si só. 32 O Amazonas é francamente navegável num percurso de mais de 4. ao que parece. com os seus inúmeros tributários. além de sujeitos a fortes tempestades. poderá ser exportado para a Inglaterra. tendo as vantagens acima referidas. por exemplo. o cedro. em aspecto. tem agradável odor.

que assim se me oferece. afinal. da qual era costume. que desciam os rios para negociar os seus produtos. numa canoa. que estava correndo o risco de paralisar-se. até que. chegou a ponto de ameaçar seriamente o comércio da província. agora decretada (em conseqüência de repetidas queixas das autoridades locais e mesmo ameaça de outra revolução). O Sr. até então. com o propósito de fazer investigações de história natural naquele quase desconhecido distrito. aqui. para os seus encaixotamentos. Ele está muito empenhado em fazer uma excursão para examiná-lo e estudar as possibilidades de trazê-lo em jangadas de madeira para o Pará. com o seu machado. o primeiro dos grandes tributários do Amazonas meridional. eram violentamente seqüestrados e coagidos a servir como soldados. enquanto os tesouros desse grande e fértil país estão ainda intactos. obterem-se quase todos os recrutas destinados ao Exército brasileiro. O governo imperial havia baixado ultimamente um decreto. Alguns navios haviam chegado dos Estados Unidos e do Rio de Janeiro. Durante séculos. proíbe-se na província do Pará. o madeireiro. o temor tomado pelos nativos.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 83 Devido à falta de um regular fornecimento. os negociantes. por espaço de quinze anos. tem sido o pioneiro da civilização. decidi acompanhá-lo nessa sua excursão. Ficou resolvido partirmos dentro de poucas semanas. entretanto. A isto é que se chamava “alistamento voluntário”. Assim se procedeu durante muitos anos. nos sombrios recessos das florestas do Canadá. As nossas bagagens e coleções vieram por água. . de cuja aplicação era lícito esperar-se um grande benefício para o comércio e para a tranqüilidade da província do Pará. que desciam para o Pará. regressamos a pé para Belém do Pará. Leavens foi informado de que o cedro se encontra no Tocantins. Pela lei. Após uma permanência de cerca de quinze dias nos engenhos. Os índios. o tal “alistamento voluntário”. são obrigados a importar pinho dos Estados Unidos. Aproveitando a oportunidade.

e que o álcool é vendido em todos os cantos. concordamos em adquiri-la por 2$000 (ou 4 shillings e 6 pences). ali a deixou para nós a examinarmos. fazendo ruidosas expirações. só isso diz tudo do bom natural e das disposições pacíficas da província. como a calma e o espírito ordeiro da cidade e dos seus arredores. quando sai de uma caldeira de alta pressão da locomotiva da Great Western. como o vapor. 3 de agosto – Tivemos nova inquilina em nossa varanda. Há menos conflitos. do que em qualquer cidade da Inglaterra de igual população. ao que parece. de índios. por intermédio do qual ficava presa a uma comprida vara. que se compõe de escravos.84 Alfred Russel Wallace Graças a essa providência. fazendo a cobra cerca de quatro e meia inspirações por minuto. que poderiam irromper por aquele motivo. na sua maior parte. abria a boca com um suspeito bocejo e levantava a ponta da cauda. de brasileiros. ela começou logo a recuperar o tempo perdido. soprando com violência. parecia dificilmente poder respirar. que lhe tolhia a liberdade dos movimentos. cerca de três dias. e era muito grossa. quando nos lembramos de que a população paraense é constituída. tanto como a coxa de um homem. O homem. a dois pences o quartilho. E. nessa situação. e fiz o seu vendedor passá-la para uma gaiola. . ficamos livres de quaisquer perturbações. na pessoa de uma bonita e ainda nova boa constrictor. que a havia apanhado na floresta. de gente ineducada. brigas ou mesmo casos de embriaguez. que ficava dobrada como um gancho. O seu comprimento era de cerca de dez pés. Nada me impressionou tanto aqui. que fora preparada com um caixote. Isso continuou assim por algumas horas. e. nas ruas tanto de dia como de noite. de portugueses e de estrangeiros. Na sua jaula. tendo umas barras de madeira no topo. Não se vê ninguém carregando facas ou outras armas. Algumas vezes. Depois de algumas entabulações. Ficou a contorcer-se ao longo de seus obstáculos. Estava ela com um apertado laço em volta do pescoço.

por vezes. foi uma “preguiça” nova. Outro animal. que lhe demos. que manteve. mesmo bem perto da cidade. porém são consideradas inofensivas. Depois. Para apanhá-las. com as costas voltadas para baixo. e uma cabeça. e de pequeno porte. tranqüilo e inofensivo. os pássaros. donde se dependurava. Dormia sempre com as costas dependuradas para baixo e a cabeça entre as patas dianteiras. que se submetia a toda espécie de exame. com a face de um aspecto quase humano. tem um pêlo grosseiro. aperta-se-lhes a cabeça com uma vara de forquilha na ponta. redonda e pequena. tanto como um macaco.34 da qual comia. Arrastava-se dificilmente ao longo do chão.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 85 Em seguida. enlaça-se e prende-se a cabeça à vara. de um cinzento pálido. Dizem que os ratos são o seu alimento favorito. com toda a precaução. um menino índio que se havia engajado para o nosso serviço trouxera viva da floresta. muito interessante. que Antônio. sem manifestar desprazer. Por essa maneira. foram recusados. mesmo quando vivos. caiu em quietação. numa cadeira. um pouco do galho que lhe fornecíamos. porém esses não os podíamos obter. na qual se enrolam imediatamente. Ela não é maior do que um coelho. também chamada “árvore-da-preguiça”. Tais serpentes são comumente encontradas. senão um gemido tristonho. Era um animal pequeno. . pois então se tornava irritadiça. a não ser quando provocada. O seu alimento predileto é a folha da Cecropia peltata. 34 É o nome científico da embaúba (imbaúba ou ambaíba). mas com expressão muito sombria e melancólica. pode-se facilmente transportá-las para casa. parecendo sossegada em casa. Embora ela já estivesse sem alimento havia mais de uma semana.

Próxima página . e devemos partir dentro de uma semana.300 espécies de insetos. dos quais mais de 400 eram borboletas. sendo de cor branca acinzentada.35 O Sr. Em dois meses justos.000 espécies de lepidópteros. O maior lepidóptero do mundo é brasileiro e chama-se “imperador” (Thysania agrippina). Só o Amazonas conta 7. Estamos agora ocupados em empacotar a nossa primeira coleção de insetos.Sumário 86 Alfred Russel Wallace Após permanecer conosco três dias. para aquele novo e inexplorado sertão.000 espécies. com muito prazer. Dificilmente aceitava o alimento que lhe dávamos. a fim de mandá-la para a Inglaterra. fazendo ao todo 1.000 são da América. 35 Segundo o professor Magalhães Correia. 450 escaravelhos e 400 de outras ordens. no quintal. Já tenho as minhas vistas voltadas. Leavens decidiu fazer a sua excursão ao Tocantins. existem 60. Chega a ter 34 centímetros de envergadura. esperando sem dúvida alcançar a floresta. para onde se transportara. fomos encontrá-la morta. dos quais 30. colhemos o elevado número de 553 espécies de lepidópteros. e parece que morreu de fome.

. . . .Sumário . . . . de tábuas toscamente aparelhadas. O Sr. . ou coberta. mas mesmo assim bem adequada para a nossa viagem. das que comumente são feitas aqui. . Para isso. GOMES E A SUA PROPRIEDADE – PROCURANDO RECURSOS PARA O JANTAR – JAMBUAÇU – POLIDEZ EPISTOLAR – BAIÃO E SEUS HABITANTES – UM ENXAME DE VESPAS – PENETRANDO A ZONA ROCHOSA – A MUTUCA – DIFICULDADE PARA ARRANJAR HOMENS – UMA ALDEIA SEM CASAS – APANHANDO UM JACARÉ – CAÇANDO PATOS – AROIÁS E AS CACHOEIRAS – CONCERTO NOTURNO – ARARAS AZUIS – OVOS DE TARTARUGA – UM PEQUENO ACIDENTE – POSSIBILIDADES DA REGIÃO – REGRESSO À REGIÃO DO PARÁ TARDE de 26 de agosto. feita de folhas de palPágina anterior À . Leavens havia-se encarregado de todos os preparativos para a viagem. . . . . . em demanda do Tocantins. . PROVISÕES E TRIPULAÇÃO – RIO MOJU – IGARAPÉ-MIRIM – CAMETÁ – O SR. . alugou uma canoa. . . . . . . deixamos Belém do Pará. . . Capítulo III O Tocantins CANOA. tendo uma tolda.

porém mais baixa. Alexandre. poderíamos arranjar uns dois ou três. e tinha um comprimento de 24 pés por 8 de largura. munições e caixas para guardar as coleções que fizéssemos. como cozinheiro. que formava a nossa cabine. onde os homens se aboletavam para remar. consistindo em farinha de mandioca. levávamos provisões para três meses. como estávamos confiantes em que mais adiante. Compunham a sua tripulação: o velho Isidoro. e outras providências. e na parte dianteira tendo uma outra igual. indo rio acima na mesma província. A canoa era provida de dois mastros com velas. e Antônio. arroz. que devem ser observadas. constituía uma boa carga para a nossa pequena embarcação. sob a qual foram guardadas e acomodadas as nossas provisões e bagagens. devia ser o nosso piloto. é muito complicado e difícil. os utensílios de cozinha e um saco de moedas de cobre.88 Alfred Russel Wallace meira. carne salgada e queijo. Sobre esta última. um na proa e outro na popa. não nos foi permitido deixar Belém sem os necessários passaportes e pagamentos de direitos alfandegários. Isso tudo. com as roupas. e. . os selos. biscoitos. que era apelidado de “Capitão”. se não quase impossível. as rubricas e contra-rubricas em diferentes repartições. Além das nossas espingardas. tão numerosas e tão demoradas são essas formalidades. para o nosso gasto propriamente. como se fôssemos embarcar em um navio de 200 toneladas. um índio dos engenhos. e onde às vezes tomávamos as nossas refeições. o menino anteriormente citado. Domingos. que já havia viajado rio acima e o conhecia bem. As fórmulas a preencher. açúcar. quanto dificultoso de realizar. Outro índio desertou na hora em que devíamos partir. quando o sol não nos incomodava muito ali. e que. na proa. para um estrangeiro levar a cabo. cachaça. iniciamos logo a nossa jornada. durante a viagem. a única moeda corrente no interior. Isso foi tão demorado. para os nossos homens. Em tão pequena embarcação. que estivesse de partida para o estrangeiro. por isso mesmo. café. chá. havia um convés tosco de tábuas de cedro. peixe.

achando-se a maré contra nós. alcançamos Jigheri. que tratam especialmente do cultivo da mandioca. passamos por Jaguari. na beira do rio. esta inicial representa aqui o nome de Bates. Logo após a saída da cidade. nas margens dos rios. Cerca das oito horas. provavelmente havíamos de desistir. em cujo curso deveríamos prosseguir. e dele não se isentam os próprios súditos brasileiros. em vista de tantos obstáculos. Quando o sol surgiu. até então. que ainda não havíamos visto no Pará. eu e o Sr. anoiteceu. . na província. Enquanto isso. palmeiras e laranjeiras. de nossa projetada viagem. o nosso jantar. e. e onde se viam inúmeros cacaueiros. fomos obrigados a ancorar e a pernoitar ali. então. tendo nós logo apanhado duas novas espécies de borboletas. pois que ele entra no rio Pará do lado do sul. onde fica a propriedade do Conde Brisson. e. cerca das duas horas da tarde. havendo ali 150 escravos.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 89 Mas aqui o regulamento é esse. que se ouvem quase sempre. Altas palmeiras erguem-se ali. No dia seguinte. B. com aquela manhã tão fresca e tão agradável. de manhã e à noite. levantamo-nos e verificamos. A manhã estava deliciosa. 36 Seguramente. Almoçamos a bordo. na praia. o espetáculo era realmente belo. que já estávamos nas alturas do rio Moju. cobertas de capinzal. Eles eram abundantemente encontrados ali. Ali paramos para esperar a maré e preparar. Se o Sr. com as margens do rio muito escarpadas. As saracuras e uma espécie de codornizes estavam entoando os seus melancólicos cantos. às cinco horas da manhã.36 saímos. um lindo lugar. mesmo em se tratando de comércio interno. procurando alguns insetos. Leavens não se houvesse encarregado desses arranjos.

amarrando a nossa canoa em uma das árvores da margem. pela manhã. Os índios prepararam-na para comer. achar tal diferença de insetos. quando ela estava atravessando o rio. formava um quadro indescritivelmente belo. naquele local. que já havíamos visto vivas lá em Belém. as casas dos negros rodeadas de mangueiras e laranjeiras. Às nove horas da manhã do dia 28. a eterna floresta. o cenário era de uma admirável beleza. as embarcações são sujeitas a fortes balanços e violentas tempestades. fomos obrigados a esperar pela sua passagem. correndo contra nós. ao pôr-do-sol. como consideram a sua carne um delicado manjar. verificando que de fato era muito macia e saborosa. O dito canal forma uma passagem interior. por que não haveria de suceder aqui? Tive ocasião de ver uma cobra muito comprida e delgada. Os nossos homens. entramos no Igarapé-Mirim. que é um canal de cerca de meia milha. Tendo isso. Viam-se grupos de elegantes palmeiras. . havendo também baixios rochosos. em algumas ocasiões. os quais oferecem perigo às pequenas canoas. enrodilhada entre alguns arbustos. que por ele fazem o comércio com Cametá. apanharam uma preguiça. lá no fundo. era de cerca de meia milha de largura. Sem que ela se movesse. fomos surpreendidos pela maré. que flui para o Tocantins. em tão curta distância. ligando o rio Moju com outro rio. e como as águas eram pouco profundas. o majestoso rio com as suas margens alcantiladas. Era ela diferente das outras. À tarde. enormes árvores de algodão-seda. e. mais ou menos em frente a Cametá. estendendo-se.90 Alfred Russel Wallace Nós não esperávamos. suavizado pelos pálidos clarões de um mágico crepúsculo de meia hora. onde. Mas se isso ocorre na Inglaterra. eu resolvi prová-la também. de uma cor pardo-escura. Quando íamos a meio caminho desse canal. mais segura do que a navegação pelo rio Pará. era muitíssimo difícil poder-se distingui-la do caule de uma trepadeira. que.

porque. que ali tem a largura de oito milhas. um objeto tal como uma peça para relógio. ao longo das praias. goma-laca e algodão. uma das principais cidades da província.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 91 Dentro em pouco. No dia 30. Uma vistosa árvore. prevíamos alguma demora nesse lugar. não encontrei ali. aqui. com os nossos próprios recursos e esforços. entretanto. conseguimos levá-la para uma pequena enseada. carregada de flores purpúreas. Por causa de nossos passaportes. cacau. Afinal. por vezes completamente murado de luxuriantes árvores e lindas trepadeiras. carregados de alvas flores e curiosos frutos. alcançamos o braço principal do Tocantins. cresciam em todas as margens alagadiças. O seu comércio consiste principalmente na exportação de castanhas. em direção a Cametá. A cidade tem um aspecto agradável. povoação onde há uma bonita igreja. atingindo a grande altura. rompeu-se o cabo por intermédio do qual a nossa embarcação estava atracada. por exemplo. manobrando habilmente a canoa. com inúmeras ilhas. e dali fomos levados para diversas direções. . atravessamos o rio. com sério risco de sermos violentamente atirados contra um baixio de pedra. que são colhidos em grandes quantidades nos distritos circunvizinhos. usual no Pará. Saindo do canal. alcançamos Santana. está situada à margem do rio. resolvemos continuar a nossa viagem. de que eu estava precisando. tendo o barranco deste 30 a 40 pés acima do nível das águas. do pitoresco estilo italiano. Felizmente. A palmeira miriti cobre por vezes. o que fizemos imediatamente. onde havia águas tranqüilas. É um pequeno empório comercial. logo ao clarear. cobertas de palmeiras. porém tal não se deu. e os grandes aruns aquáticos. extensos tratos de terras. navegamos ao longo de um rio sinuoso. não se encontrando ali nenhum oficial para examiná-los. Às cinco horas da manhã. era ali muito comum.

Depois de muitas indagações. Gomes (cerca de trinta milhas rio acima). no dia seguinte. sem dúvida. em companhia do qual percorremos a cidade e os seus arredores. o Sr. quando então. um negociante que já era conhecido do Sr. Perto de casa. encontramos. até ao dia seguinte. Le Roque partiu sozinho. Almoçamos com o Sr. devia estar metido em alguma taverna ou casa de bebida da cidade. é muito bonito. Le Roque. lá não se achava. até ao sítio do Sr. e tão longe quanto a vista pode alcançar. Em conseqüência de tal demora. caçando pássaros e preparando-os. um dos nossos homens. . e mandar-lhe recado. perdemos o vento. Depois disso. umas adiante das outras. que estava carregada de flores amarelas. ficaríamos pacientemente à sua espera. O Sr. pelo Sr. com as suas ilhas. durante o resto da viagem. sem dúvida. o rio. o Sr. já de volta. e. estando favorável a maré. resolvemos prosseguir sem ele. até quase à hora da maré acabar. para quem levávamos uma carta de apresentação. o que os pôs de mau humor. e era muito freqüentada pelos periquitos e beija-flores. e com quem pretendíamos arranjar alguns homens mais. à sua volta. em vão. No caminho. que ele ficará de arranjar-nos. Le Roque. esperando também pelos homens. Voltando para a nossa canoa. tendo-lhe nós prometido segui-lo. Todavia. Leavens. que era o seu piloto. tendo ele deixado na canoa as suas roupas e vários objetos.92 Alfred Russel Wallace Visto do barranco. havia uma enorme e bonita leguminosa. e em sua companhia permanecemos durante dois dias. Ali nós nos divertimos muito. Le Roque. e os nossos homens remanescentes tiveram de remar em todo o trajeto. o qual. em sua canoa. ao nosso encontro. de ofereceu-se ainda para acompanhar-nos. nunca mais o vimos. para que seguisse numa montaria. Gomes recebeu-nos bondosamente. haveríamos de encontrá-lo. logo que encontrássemos o nosso piloto. Se tivéssemos procedido de outro modo. Domingos.

olhando muito firme e que saiu a correr pela estrada. uma milha além da floresta. dela fez um bom repasto. deu-lhe com a cabeça em uma árvore. uma iguana. seguidamente. no alto da cabeça. exceto no Pará. porém não estavam servindo para coleções.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 93 Num igarapé. São do tamanho de uma galinha. encontramos algumas bonitas e novas Heliconias e Erycinidias. na mesma ocasião. e. havia numerosos “ciganos” (Opisthocomus cristatus). encontrei um indiozinho. ali mesmo. Na floresta. e. e peguei duas cicadas. Vivem em bando.37 que estavam pousadas no tronco de uma árvore. e o seu vôo é baixo e pesado. 37 São cigarras. matando-a e levando-a em seguida para casa. correndo. conhecidas cientificamente por Fidicinna manifera e Tympanoterpes gigas. e. de um golpe. alimentando-se de folhas e frutos dos grandes aruns. como são comumente encontrados em todos aqueles rios. pombos. encontrei os bicos-de-cera. com o papo erguido. segundo Barbosa Rodrigues (“Peranduba”). fazem um barulho ensurdecedor. Nos campos. acima. Estas últimas. com uma bonita crista móvel. 38 É um grande lagarto. Eu matei dois. Geralmente pousam no alto das árvores. há também a forma “senemúe”. é muito difícil poder-se descobri-las e capturá-las. com ambas as mãos. tucanos e papagaios de asas azuis e brancas. o Lacerta iguana. sem dúvida. chamado pelos nossos índios sinimbu ou senembi. de três pés de comprimento no mínimo. pássaros muito curiosos e interessantes. pegou-a pela cauda. e têm uma plumagem branca e cinza. se bem que ali fiquem o dia todo. No tupi amazônico. e. Não descem ao solo.38 O menino. Quando eu voltava para casa. nas árvores e arbustos das ribanceiras. anteriormente mencionados. quando são apanhadas. onde. . de dorso listado. foi com pouco pesar que os pus fora. a chiar.

era servido o jantar. ou suas filhas mais velhas. a dona da casa. no qual tínhamos arroz ou camarões ensopados. que consistia em carne de vaca. que é a manteiga. onde se recebem e se alojam os hóspedes e onde também todos os negócios são tratados. bolos de farinha e a algum tanto rara delícia. bolos de farinha. cortados em fatias e servidos em calda. Por intermédio desta última. principalmente abacaxis e laranjas. café. Nesse local.94 Alfred Russel Wallace Aqui. para trocar os pratos. Às três horas. em companhia do Sr. a casa do engenho de cana e do alambique. esta como substituta do pão. repousando sobre resistentes pilares. às 9 horas. logo que ficassem vazios. alcança-se a varanda. no fundo. estava constantemente entregue à tarefa de lavá-los. vai até alcançar. abrindo para a qual fica a sala. chá. e. As nossas refeições eram feitas na varanda. Completamente apartada deste prédio fica a casa onde residem a dona. terminando com uma sobremesa de frutas. tivemos oportunidade de observar alguma coisa a respeito da administração e dos costumes de uma fazenda ou casa de campo brasileira. o almoço. caça ou peixe fresco. Às seis horas da manhã. peixe seco com farinha de mandioca. as filhos e os servos. em frente ao prédio. por ter-se tornado muito preguiçoso e desobediente. pois uma rapariga. Os prédios locais estão situados uns quatro ou cinco pés acima do nível das mais altas marés. sendo feito o seu acesso pela varanda e ao longo de um passadiço de madeira de 40 a 50 pés de comprimento. o nosso menino Antônio foi dispensado. acima também do nível das marés. ficando unida a esta. nem uma vez ao menos. vinha o café. outra variedade de carne. limpos. Gomes. ali não comparecendo. Às oito horas da noite. Dois ou três negrinhos e indiozinhos ficavam próximos da mesa. como complemento. ali perto. feita de grossas peças de madeira. e eram substituídos por outros. uma escada de alguns degraus. Uma estiva. e voltou em compa- .

em uma “montaria”. as praias das suas margens. mas estávamos muito enganados. conseguindo comprar uma pequena tartaruga. que nos deu um excelente jantar. na sua maior parte de algumas milhas de comprimento. especialmente para pescar pirarucu. para irem até Baião. na qual os nossos índios deveriam voltar a uma casa situada em um igarapé próximo para vermos o que poderíamos comprar. Leavens. nada de seu poderia ser vendido. isso porque o seu senhor ali não se achava. Gomes nos cedeu. e. Dos homens que trazíamos. a só tempo. durante a sua ausência. deixamos Vista-Alegre na manhã do dia 2 de setembro. O rio apresentava o mesmo aspecto. O seguinte diálogo travou-se entre o Sr. Pensamos que tínhamos acertado bem com o lugar. com mais dois que o Sr. Como nós nada tivéssemos para comer ao jantar. . então? – Nada! – E ovos.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 95 nhia de um grupo de homens. ovelhas. que passou por ali a caminho do Amazonas. fui com o Sr. Havia ali muitas reses. Não obstante as nossas declarações de que nada tínhamos para comer. galinhas e patos. Leavens e uma negra. a senhora não terá alguns para nos vender? – Não! As galinhas não têm posto ovos. que nos recebeu e que foi a única pessoa que vimos ali: – A senhora tem frangos ou galinhas para nos vender? – Não! – Tem patos? – Não! – E alguma carne. Em outra casa. como mais abaixo. fomos obrigados a retroceder tão vazios como chegamos. semeado de inúmeras ilhas. só um foi que ficou. tem? – Não! – Que é que a senhora faz aí. fomos melhor sucedidos. nunca se podendo ver. e.

as quais tornam a nossa província uma terra clássica na história dos animais e das plantas.96 Alfred Russel Wallace Nós tínhamos de aportar a um sítio. de recomendá-los à amizade e proteção de VV. ao qual entregamos a carta de seu sócio em Belém do Pará.39 para quem levávamos uma carta. quando ali chegamos. SS. e muito especialmente para com aqueles que visitam o nosso país. 15 milhas abaixo de Baião. Leavens fomos então. eu desejo muito que possam alcançar de VV. pelo estreito igarapé. mas o correto é mesmo ilustres. Jambuaçu. E. eu não hesito em tomar a liberdade. neste ensejo que a excursão do Sr. de montaria. – Amigos e senhores. como tal carta é um interessante documento. Eu e o Sr. SS. com o proposto de nele fazer descobertas e estender a esfera dos seus conhecimentos. costumava passar algum tempo. que os ilustres (elites)40 viajantes empreendem. “Nesta laboriosa empresa. . tudo que os limitados recursos do lugar permitam não só para que se lhes removam quaisquer dificuldades que encontrem. tornando ainda mais escuro o canal. que põe à mostra a polidez portuguesa e está redigida em bom estilo. onde encontramos o Sr. José Antônio Correia Seixas & Cia. SS. cuja boca mesmo os nossos índios tiveram dificuldade para encontrar. corrigiremos sempre para Seixas. Charles Leavens e seus dois esforçados companheiros apresenta. SS. mas também que VV. aqui. onde os galhos das árvores quase esbarravam em nossas cabeças. 39 O autor escreve sempre Seixus. porquanto já era noite. faço da mesma. aqui e mais adiante. Seixas. a exemplo do que fizemos com Isidora. – Na certeza de que é sempre agradável a VV. 40 O autor põe entre parênteses e em itálico essa palavra. a sua literal transcrição: “Sr. Seixas. onde. Havia apenas umas poucas centenas de jardas até à casa. – Baião. onde o Sr. ter uma oportunidade de patentear os seus generosos e elevados sentimentos de hospitalidade com os estrangeiros em geral. na empresa científica que ora empreendem para o propósito de estudar as nossas produções naturais. A casa está situada no barranco de um estreito igarapé.

o autor grafa erradamente Correio. em lugar de Correia. conseguimos matar apertas duas a tiros. Na nossa montaria. .Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 97 possam tornar menos árduas as privações e trabalhos. onde se encontram as mais curiosas produções. sendo o barranco do rio muito escarpado ali. onde estavam voando muitas andorinhas e gaivotas. por isso. de montaria. ganhamos o alto. “Eu. com uns cem pés de altura. nos arbustos e árvores baixas. SS. fomos alcançar a outra canoa. até que ele regressasse. rogo a VV. Viam-se muitos alciões e umas andorinhas pequenas. dentro de dois ou três dias. Resolvemos prosseguir nossa viagem. Seixas nos disse que estava de saída para Baião. das quais. eu ia adiante. que necessariamente hão de passar. – Amigo servo obediente – João Augusto Correia. aqui denominados marinheiros. e. para homens como eles. com Alexandre. Pela manhã. após inúmeras tentativas infrutíferas. porquanto tínhamos de mandar voltar os homens que o Sr. cujo verdadeiro alimento é a história natural. e que nós lá poderíamos permanecer e alojar-nos em sua casa. Leavens e a seus companheiros. para atirarmos alguns pássaros. acima de tudo. quando esta já estava para ancorar em Baião. arranjar meios que disto os compensem. SS. a fim de partir com a maré próxima. será fácil a VV. – De VV. o Sr. SS. guaris). a povoação e a casa do Sr. estes últimos sempre encontrados próximos da água. inteiramente devotados à ciência. vendo-se logo. Seixas. Com umas 120 passadas irregulares. “E. dando-me assim mais uma prova de estima e de consideração. de penas vermelhas na cabeça (Tanagra. a fineza de satisfazer todos os meus desejos nas atenções que VV. SS. vindo com este aspecto desde umas poucas malhas para baixo. Desembarcamos em uma extensa praia arenosa. espero. remando. houverem por bem dispensar ao Sr. e fomos logo para a nossa canoa. Gomes nos cedera. e alguns lindos pássaros. tendo 41 Tanto aqui quanto mais acima. em um país como o nosso. de penas verdes no dorso. em terreno plano.”41 Após a leitura da carta.

Os pássaros eram toleravelmente encontrados. quer de uma plaina. quando se considera que uma coisa tal como uma serraria não existe nesta região. ficava quase sempre apinhada de meninos e de alguns homens. e daí. . um papagaio de penas vermelhas na cabeça e alguns bonitos pombos. particularmente alguma brancas e amarelas. a qual se fez debaixo de sol ardentíssimo. Não se vê na povoação uma casa sequer com assoalho de madeira. onde encontramos muitas borboletas algumas novas para nós. assim se fazem.42 cinza-escuro. tarefa esta um tanto penosa. A janela da casa. há cafezais e matos de segundo crescimento. que ainda não havíamos visto. as superfícies internas são acertadas com uma machadinha. Como a casa estivesse completamente vazia. no seu sentido longitudinal. o que não é para admirar. Eu ali matei um jacamar.98 Alfred Russel Wallace esta um cercado na frente e sendo toda caiada. fazendo-se de uma árvore apenas duas tábuas por essa maneira. Todos os assoalhos de tábuas de Cametá. ali nos instalamos. que ali permaneciam horas seguidas. Permanecemos em Baião alguns dias. nos terrenos altos e secos. Toda vez que viam um pássaro depenado repetiam e exclamavam: 42 Não há pássaro em nosso país com esse nome. em seguida. e ali tivemos vários e agradáveis passatempos. A machado. abre-se uma árvore pelo meio. Em toda a roda da povoação. e que dava para a rua. Deve ser jaçanã ou jacamim. e muitos mesmo de Belém do Pará. embora fosse de paredes barreadas e sem assoalho. acompanhando e observando as minhas operações. por algumas milhas de extensão. levando a maior parte da nossa bagagem da canoa para lá. das quais capturamos seis ou sete espécimes. em que estávamos hospedados. sem o emprego quer de uma serra. com a mais infatigável curiosidade. enquanto eu preparava os insetos ou depenava os pássaros.

não acreditando que os ingleses fossem tão tolos assim. de conformidade com o seu modo de pensar. fui inesperadamente atacado por um enxame de vespas das espécies menores. seria inútil procurá-los. correndo. a fim de evitar as suas inúmeras perguntas. picando-me brutalmente. o que só percebi. nada mais senti. A princípio. ao mesmo tempo. – Para mostrar – era a resposta quase sempre. perdi os meus óculos. Quanto às borboletas. em menos de uma hora. que se achava dependurada de uma folha. inadvertidamente esbarrei. E como eu estivesse fora do caminho.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 99 – Oh. ou que os horríveis insetos eram destinados a servir como remédios. Elas atacaram-me no rosto e no pescoço. quanto aos fins a que poderiam destinar-se aqueles bichos. quando me encontrava no mato. mesmo porque outras explicações não lhes seriam inteligíveis. E. para delas me livrar. um cochichava para outro: – Será que ele tira toda a carne? – Eu ainda não vi – respondia o outro: – Olha como ele faz os olhos de algodão! E travavam-se diálogos. depois que me achava a uma boa distancia do local. Julgamos de melhor alvitre concordar com eles. Um dia. Na minha pressa. não lamentei a minha perda. . à procura de insetos. que quisessem ver só umas poucas de peles de papagaio ou de pombos. Mas. mas. parecia que julgavam isto pouco satisfatório. uns diziam que eram para servir de modelo para novos padrões de tecidos e outros artigos mais. as ferroadas foram muito dolorosas. como eu tinha mais vidros sobressalentes. entretanto. em cuja casa. a paciência dos brancos! Em seguida.

e que. por causa da nossa vinda ao seu país. Quando o Sr. ficou deveras espantado. uma vez ou duas por dia. e. um menino de 6 ou 7 anos. não poderiam vingar. ou vazantes. por isso mesmo. que poderá servir para pintura de louça vidrada. onde eles ocorrem. para lhes comprar chá. Seu filho. retrucando-lhe dissemos que o clima é muito frio e que a mandioca e a seringueira. Os igarapés estão se tornando mais raros do que mais embaixo. Ele foi muito amável e muito prestativo para conosco. quis saber ainda o motivo por que não eram plantadas. especialmente para comprar borracha e cacau. que sabia falar o português fluentemente. pois que acreditava que lá fosse tudo uma manada de ilhas.100 Alfred Russel Wallace O solo aqui é de argila vermelha. Quando. ao mesmo tempo. tendo em alguns lugares uma cor muito brilhante. Outro inquiria se havia campos e se o povo cultiva mandioca e seringueira. . Os vizinhos. somos forçados a ir lá tão longe. Leavens. brincava em casa completamente nu. Ao ser-lhe dito que não havia nem uma coisa trem outra. no alto do barranco do rio. ali apareciam para ver o que os brancos estavam fazendo e também para palestrar. formam pequenos vales. tal qual o modo de julgar dos habitantes do Celeste Império. sentia ele. se lá fossem plantadas. o que faziam às mais das vezes com o Sr. insistiu para que tomássemos as nossas refeições em sua casa. admirando mesmo como é que o povo pode habitar um país onde essas coisas tão úteis e tão necessárias não possam ser cultivadas. como que uma espécie de superioridade sobre nós. pois ele presumia que lá pudessem ser cultivadas as seringueiras e assim obter-se o leite fresco para a manufatura de sapatos de borracha. Todavia. Um perguntava se na América (significando os Estados Unidos) havia terra firme. que imaginam que somos realmente uns pobres e miseráveis bárbaros. Seixas chegou.

As palmeiras eram menos abundantes do que mais embaixo. E. com vento favorável. . porém. as embarcações. Vênus e a lua brilhavam intensamente no céu. ancoramos em uma linda praia de areia. Conseguimos. Esse curioso peixe encontra-se no Alto-Tocantins. é bastante arremedar-se o choro de uma criança. Os mosquitos e moscas da praia. a soltar bufos. que estava coberta de uma espécie de cravo. porém. debaixo de uma enorme leguminosa. afinal. continuamos a nossa viagem satisfatoriamente. depois de termos passado quatro dias agradavelmente em Baião. Seixas. quando ouviu dizer que o nosso país é governado por uma mulher. principalmente nas proximidades das corredeiras e águas de forte correnteza. senão umas poucas horas. beirando a praia.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 101 O próprio Sr. aqui chamada camaleão. Viam-se no rio muitos porcos-marinhos. Para fazê-lo vir à superfície das águas. Em uma árvore. arranjar dois homens mais. de alvas flores e compridas vagens de cor verde-escura. muito parecidos com os verdelhões. A vegetação das margens. Leavens atirou e matou. em que o Sr. de quando em quando. lá não nos deixaram dormir. e dali prosseguimos a nossa viagem rio acima. 43 Trata-se do boto (Sotalia brasiliensis). perguntou se o governo da Inglaterra era constitucional e despótico.43 Encontravam-se ali uns bonitos pássaros. acompanham. vimos então uma iguana. tendo os nossos homens preparado carne para o seu jantar. em longos trechos. vindo à tona. tendo uma plumagem cor de ouro. À tarde. que é um brasileiro educado e comandante do distrito. O rio estava ficando mais estreito e tinha menos ilhas. Às nove horas da noite. estando o ar agradavelmente fresco voltamos para debaixo da nossa tolda. No dia seguinte. era igualmente luxuriante. Ele ficou muito admirado. assim. que é característico do Amazonas e do Tocantins. Íamos morosamente.

porém. Encontravam-se na praia. bonita ou grande. A um dos cantos da casa. Isso fez-me lembrar dos insetos que freqüentam semelhantes sítios na Inglaterra. servindo também para guardar as roupas e cereais fora do alcance das galinhas. que livremente passavam por baixo. a areia estava muito quente. continuamos viagem no dia 10. em grande número. À tarde. . cerca do meio-dia. pois unicamente elas é que o ocupavam. O chefe do grupo era um brasileiro. alcançamos uma casa de morada. na qual se subia por intermédio de profundos sulcos feitos em um esteio. e raramente encontrávamos insetos. uma fazenda de criação de gado. muito espertos. uns pequenos escaravelhos. sol a pino. Não encontrando o seu proprietário. esperando encontrá-lo mais acima. mandioca e muitas bananeiras. Estava ali. havia uma plataforma. até que ele voltasse. resolvemos esperar aquele dia. chegamos a Jutaí. Viam-se lá alguns homens. cacau. preparamos o nosso jantar. Atiramos em alguns pássaros e achamos algumas conchas. cor de cinza e com listas escuras. onde. na praia. onde pretendíamos arranjar mais homens. servindo estas de camas e cadeiras. cedo ainda. o que foi um verdadeiro festim para nós. e fazendo fogo ali. cultivando algodão. Como não chegasse o homem de que tínhamos precisão. A casa era uma simples choupana aberta. patos. fumo. estando estas nuas. entre os quais estavam armadas as suas redes. Passei ao longo de uma extensa praia de areia.102 Alfred Russel Wallace No dia 9. que havia descido das minas. em vez de escada. cerca de três pés de altura acima do solo. Isto parecia ser uma espécie de “boudoir” ou cômodo das mulheres. mulheres e crianças. nenhuma. leitões e cães. com uma cobertura de folhas de palmeira. suportada por esteios. Conseguimos adquirir um galão de delicioso leite fresco.

pela primeira vez. para examinar as rochas. em grande extensão. quando subíssemos o Tocantins. Havia ali também um conglomerado grosseiro. nunca havia passado mais de três dias sem chuva. são provavelmente as causas dessa grande diferença de clima em tão curta distância. As proximidades das grandes massas líquidas do Amazonas e do oceano. as quais. antes. O Sr. Cerca das 4 horas da tarde. avistamos os primeiros rochedos. Em Belém do Pará. contendo seixos esbranquiçados de quartzo. Leavens foi mais acima. onde pretendíamos arranjar mais homens. vendo ali. em alguns pontos. Ele disse que já fazia três meses que ali não chovia. ficando muito prejudicadas. para pernoitarmos. tendo o rio 4 ou 5 milhas de largura. e que as roças estavam. Ali permanecemos dois dias. Fiz um passeio ao longo da praia. já nos haviam dito que haveríamos de encontrar. enquanto nós caçávamos pássaros e procurávamos insetos e conchas. Prosseguindo a nossa viagem. Eu matei a tiros vários lindos pássaros. no leito do rio. nas proximidades da cidade. uma pequena aldeia. de que ele estava precisando.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 103 O Sr. muito ásperas. uma finíssima areia quartzosa. para ver uns cedros. cobertas de densas florestas. ainda passamos por inúmeras ilhas. de onde já nos achamos distantes umas 150 milhas. juntamente com as terras baixas. e. tendo uma cor escura. que se encontram quando se navega rio acima e que se projetavam. em conseqüência disso. alcançamos Patos. ali ancorando. as belas araras azuis. Uma milha adiante. com um aspecto vulcânico. como se fossem pequenas ilhas destacadas. vendo-se também grandes blocos ao longo das praias. a troco de fumo. verificando serem elas efetivamente de origem vulcânica. como escórias de uma fornalha de fundição de ferro. nas suas cavidades. no mínimo. por um igarapé. Leavens forneceu-lhe pólvora e chumbo. .

tendo-nos eles então respondido que não poderiam mais acompanhar-nos. e acrescentamos mais algumas ao nosso reduzido estoque. Leavens verificou que ali não se encontravam os cedros. os mais abundantes eram as borboletas amarelas. Até agora. muito nos incomodou. As conchas eram toleravelmente abundantes. em grande número. com os nossos próprios recursos. e dali. de cor amarela ou alaranjada. tendo dois homens de Patos prometido acompanhar-nos até as cachoeiras. desde ali. decidimos continuar a viagem no dia seguinte. com os modos mais tranqüilos possíveis. entretanto. e somente uma vez conseguimos fazer com que eles nos acompanhassem.104 Alfred Russel Wallace A sua plumagem. O povo dá-lhe o nome de “mutuca”. em seguida. levantam-se todas a um só tempo. e não nos foi possível encontrar o local de sua alimentação. esperamo-los até às oito horas. Assim. pois. sendo o seu bico esbranquiçado. pousando em nossas mãos e rosto. mandamos chamá-los. . Voam muito alto. depois de os havermos aguardado um dia. muito brilhante. uma pequena mosca de asas curiosamente listadas de branco e preto. mas. já havíamos perdido nove ou dez dias. regressar. e dizem que é um dos tormentos do interior. alcançar as cachoeiras. De insetos. esperando contudo. O Sr. por isso. que muitas vezes pousam na praia. A questão do cedro. subitamente. muito menos para cortar e tirar madeira. como se fosse a fisgada de uma agulha. como anil. ficou completamente de lado. Desde que deixamos Baião. Na manhã seguinte. não tendo ainda aparecido nenhum. à espera de homens. sendo em muitos outros lugares mais abundante do que aqui. é inteiramente azul. quando enxotadas. se não podíamos arranjar homens para trabalhar na canoa. senão a uma milha de distância da praia e. e. fomos afinal de contas obrigados a ir sem eles. depois. formando uma verdadeira nuvem flutuante. e. picando-nos com o seu ferrão.

durante cuja estação colhem seringa. por entre as quais as águas se rojam. enquanto todos pareciam gozar. deverão ser trazidos de Belém do Pará. caçam e pescam. este é apenas um acampamento de verão. numa extensão de cerca de um quarto de milha. através da floresta. – Que esplêndido local para um engenho de serra! – exclamou o Sr. sob algumas árvores. Todos tinham precisão de munição e de cachaça. Ali não havia palmeira ou quaisquer outras formas da admirável vegetação tropical. alcançamos Tronqueira. no inverno. estavam rolando e brincando nas areias da praia. com grande inclinação no leito da corrente. onde há um pequeno igarapé. Leavens os supriu. Leavens. de que o Sr. esse lugar permanece tomado pelas águas. enquanto as mulheres e alguns homens se balouçavam nas redes. na margem ocidental. entre os troncos e galhos das quais estenderam as suas redes. Às 10 horas da manhã. nuas. mandioca e milho. se eles resolverem voltar ou fugir. de que precisardes. até alcançar as cachoeiras de um igarapé. outros mais não se conseguem. lá a seu modo. Em camadas. Viam-se na praia as suas canoas alçadas. erguem-se ali rochas escuras. Todos os homens. Caminhamos cerca de uma milha. Havia várias famílias residindo ali. de solo limpo. . e no qual se encontram algumas cachoeiras. tendo apenas escolhido um agradável local. todavia. como costumam fazer. a troco de borracha. em massas irregularmente estratificadas. não arranjavam uma casa sequer onde ficar. plantam um pouco de algodão. as espingardas encostadas às árvores e grande panela de barro sobre o fogo. e. todas as delicias que um homem pode desejar. Numerosas crianças.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 105 Esta é uma das grandes dificuldades com que os viajantes sempre lutam aqui. e. Como. espumantes.

As solidões das florestas virgens são solenes e grandiosas. Seguimos dali para Panajá. meio virado sobre si mesmo. a não ser ao naturalista. Nas matas de um segundo crescimento. que nos extasiam deveras pelo seu aspecto verdadeiramente tropical. de troncos muito dilatados. que se acha fora da Europa. há espécies maiores de arbustos. embarcamos todos para ali fazer explorações e caçar pássaros. seguimos a pista de lindas cássias. . apontando as suas cabeças aqui e acolá acima da água. aqui. mas pouco depois surgiu na superfície das águas.106 Alfred Russel Wallace Os musgos e pequenas plantas nada tinham de particular. nos campos e em muitos outros lugares mais. onde havia uma casa de morada. atirei em alguns mochos. Os aruns. Aqui e acolá. Em alguns lugares. já desapareceram. então. viam-se alguns bizarros grupos de plantas cobertas de flores. ultrapassa a beleza dos nossos rios e o cenário dos nossos bosques. porém. De Brejão até aqui. que estavam voando e pousando sobre os rochedos da praia sob o intenso calor do sol. nada há que desperte a atenção de uma pessoa qualquer. O local era parecido com muitos que eu tenho visto em nossa pátria. e com eles os “ciganos”. em companhia de Alexandre e de nossos índios fui a uma lagoa. Em uma montaria. mas nada. que só podia transportar justamente duas pessoas. carregadas de flores. não é o caráter geral do cenário. ou. que se estendem ao longo das praias. uma enormíssima árvore. neste pais. formando freqüentemente uma barreira impenetrável. Antes de deixar Tronqueira. através de matas. Alexandre atirou num deles. Vimos inúmeros jacarés. distante meia milha. Na manhã seguinte. que desapareceu imediatamente. e com uma perna para o ar. e lá ficamos para passar a noite. tomada completamente por trepadeiras. Este. então ocupada por um grupo de apanhadores de borracha.

sem que eu o esperasse. Eu atirei num alcião. Leavens deveria prosseguir mais uma milha ou duas. quando – tim! bum! – ele revirou e mergulhou. atirou numa pequena codorniz. que eu me assustei e ia perdendo o equilíbrio. Eu estava tentando suspendê-lo por uma perna. enquanto o Sr. B. felizmente. tendo somente uma altura de três ou quatro pés. passando por baixo de nossa canoa. resolvemos ir também. desta vez. onde são eles quase sempre encontrados. quando dois dos nosso homens se propuseram a passar a montaria. ao lugar onde tínhamos embarcado. quando Alexandre. para apanhá-lo. a fim de matar patos em uma lagoa próxima. Ele de novo voltou à tona. silenciosos. nessa ocasião. e estava carregando de novo minha espingarda. ficando a arma. seguindo um trilho. fazendo em seguida cuidadosa limpeza e lubrificação. em seguida. Lamentei. que se encheu de água e quase soçobrou. caminhamos em seguida meia milha na areia da praia. na hora desse acidente. saímos em um campo aberto. prosseguimos umas quatro horas de viagem. tendo a canoa. e. para preparar o jantar e lá esperar por nós. porém disparou uma carga tão forte. espalhado. onde havia muitas relvas. Empreguei o resto da manhã no desmonte de seus fechos. Após essa marcha de uma milha na floresta. remamos em sua direção. Com vento favorável. como a água ali era pouco profunda. não aparecendo mais. os acompanhávamos. a perda de minha arma de fogo. dali voltando. nós o cutucamos com uma vara comprida. quase virado. deixei minha espingarda cair na água. tão perfeita como se fosse nova. vendo-se. e. Fomos até ao fim da lagoa. que era de cerca de uma milha de extensão. para verificar se estava de fato morto. depois disso. mas. Remamos cerca de meia milha para alcançar terra. e nós. trazida para esta viagem. Eu e o Sr. depois do que os nossos índios mergulharam na floresta. consegui pescá-la facilmente. ou assim fazia crer quando de novo mergulhou. rio acima. para me salvar. aqui e .Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 107 Julgando que estivesse bem morto.

muito selvagens e ariscos. que tivemos. que por vezes se tornava quase imperceptível para nós. suponho. Caminhamos cerca de uma milha. Fiz fogo. que logo voltaram. consegui aproximar-me bastante para alvejar a ave. vi um deles pousado no topo de um toco seco. ora passando por baixo destes. para negociar os patos. eu depenei os meus pássaros e saí em seguida. onde reside o Sr. Ela fora atingida na cabeça e voara. da mesma maneira que fazem as galinhas. grupos de árvores e de arbustos. até que. pedindo-lhe que fosse o nosso piloto até às cachoeiras. no meio dos quais se viam também lindíssimas flores. que logo vimos. alcançamos um tremedal extenso. mas a ave voou. Na lagoa. coberto de plantas aquáticas. patinhando na água e no barro. Joaquim. Dali voltamos. e eu pensei que ela sairia ilesa. tivemos de remar vigorosamente. de uma cor amarelo-clara. viam-se bonitos lírios. onde eu a fui colher. porém logo caiu na água. e algumas lindas ranunculáceas. para alcançar a outra canoa. a certa distância. entre árvores e arbustos imersos.108 Alfred Russel Wallace acolá. estavam longe do alcance de tiro. Não tendo outra coisa a fazer ali na praia. Dali ganhei terra firme e esperei pelos índios. com algumas moitas de arbustos e árvores de tronco enegrecido. em promiscuidade com as garças e outras aves aquáticas. que só fomos encontrar já em Jucaipuá. em seguida. ora rodeando os arbustos. que nos prendiam e nos puxavam. . e. e com quem já havíamos falado. sem dizer palavra. nós os seguimos. fazendo um longo passeio. mas de mãos vazias. Os patos. Após um bom jantar de tartaruga. e sentindo-as quentes e viscosas. tolhendo a nossa caminhada. ao longo de um trilho. pela praia. e. até aos joelhos. Os nossos índios. caminhando cautelosamente. imediatamente se foram afundando na água. já morta. afinal. num emaranhado de raízes de plantas aquáticas. quando são decapitadas. Após umas duas tentativas de alcançar boa distância para matá-los.

arenosa. situada no meio do rio. para passarmos a noite. O rio. Com duas horas mais de viagem.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 109 Havia ali uma bonita rocha cristalina. A água do rio estava perfeitamente transparente. Pela manhã. com caracteres circulares e curvas do feitio de anzol. alguns bonitos peixes. com algumas ilhas. que nenhum homem é capaz de ler. cuja carne é tão boa como a da tartaruga dos rios. mas em tal quantidade. dali partindo com dois homens e o Sr. cujos habitantes insistentemente nos pediram cachaça. sendo esta muito própria para construções. vendo-se ao fundo. e foi sede de uma vila de considerável importância. e passamos de armas e bagagens para a montaria. arrumamos as nossas redes e algumas provisões. e onde havia uma casa. os quais tanto podem ser um trabalho de arte. nadando. cada vez mais ficava cheio de rochedos e de redemoinhos. com ordem de ficarem ali até voltarmos. na qual dizem haver uma escrita. Os seus habitantes foram trucidados pelos índios. em leitos regularmente estratificados. passamos pela devastada povoação de Alcobaça. À noite. Via-se nele um bonito banco de areia. porém que hoje não tem qualquer sinal de habitação. saltamos em terra. Tivemos para o nosso jantar uma tartaruga terrestre. fazendo barulho qual o de chuva. onde antigamente havia um forte. Na manhã seguinte. que nos importunaram bastante. pequena ilha arenosa. . alcançamos a “Ilha-dos-Santos”. Joaquim. em grande quantidade. umas pequenas Ephemeras. rodeavam a nossa vela e caíam no papel. O rio tinha agora cerca de uma milha de largura. Cerca do meio-dia. Ali nos mostraram também uma pedra. o que tornava impossível continuar a viagem na canoa maior. listados de manchas de cores variegadas. enquanto outras penetravam no nosso cabelo ou desciam pelas nossas costas. como também da própria natureza. há cerca de cinqüenta anos. deixando Isidoro e outro homem tomando conta da canoa. mas muito poucas. e nunca mais se repovoou.

que é muito abrupta. uma casa. As canoas deste tipo são feitas cavando-se o tronco de uma árvore. a dona da casa trouxe uma bacia com água e uma alvíssima toalha para lavarmos as mãos – luxo este que de todo não esperávamos encontrar em uma casa desprovida de paredes e a tal distância da civilização. dando então. As rochas. e. e. o rio sobe de quinze a vinte pés acima de seu atual nível. Jantamos ali. que dão as nozes do Brasil. Depois do jantar. tendo a parte do fundo bem espessa. na outra margem há outro. alcançamos Aroiás. viam-se um mandiocal e um cafezal. . eram cada vez mais unidas. Havia. com inúmeras laranjeiras.110 Alfred Russel Wallace Com uma hora de viagem. fugindo assim de um pequeno salto. Ali. tivemos de saltar da montaria para que os homens a arrastassem sobre uma praia de pedra. no chapadão. fomos logo ver as cachoeiras. quando terminamos. confrontando com o qual. nesta parte. estando muitas delas carregadas de frutos. que fica situada uma milha abaixo das quedas. na margem oeste do rio. Dizem encontrar-se ouro em ambos. no alto do rio. Passamos pela barra de um igarapé. Às três horas da tarde. passagem para as grandes canoas. Na estação das águas. os barrancos do rio se despenham de uma altura de cerca de 30 pés. Grandes árvores de algodão-seda aparecem em intervalo. Passamos pela “Ilha-das-Pacas”. e freqüentemente arranhavam o fundo de nossa montaria. rochosa e inteiramente coberta de matas. Vêem-se também castanheiras. abaixo e acima da água. nas margens do rio. no seu leito. O rio aqui é todo cheio de ilhas rochosas e de baixios também rochosos. sobreerguendo as suas copas semiglobulares e dominando o resto da floresta. perto do rio. de sorte que não há perigo de se danificar com qualquer choque. lá bem no alto. e cobrem-se de espessas matas.

e todo cuidado é necessário. há ainda numerosos rápidos e quedas. a fim de evitar-se o perigo dos redemoinhos e dos rochedos. estende-se. As rochas. aproximadamente cerca de 4º na latitude sul. de origem vulcânica. e. do qual passamos bem próximo. tão longe quanto a vista pode alcançar. Pelas distâncias já vencidas. logo após acabando-se a floresta e entrando-se então nos ondulantes plainos abertos. despertou a nossa atenção. apresentando assim evidentes provas de violentas ações vulcânicas. começando dali por diante os elevados planaltos do Brasil Central. em estratos dobrados e confusos. de cerca de 12 graus erguendo-se entre elas as massas vulcânicas. e tem sido a causa de muitas canoas se perderem ali. fica escondido nas águas. o canal principal reduz-se para cerca de um quarto de milha de largura. onde o rio faz uma curva de considerável desenvolvimento. Para cima. numa região coberta de mato. inteiramente rochosas. em particular. pelo seu formato. ao que presumimos. estes rochedos são muito mais perigosos. Vêem-se ainda pequenas ilhas. parecendo montes de escória. tornando-se a correnteza das águas de uma força irresistível. um deles. .Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 111 O rio estava ainda com cerca de uma milha de largura. com aspecto mais selvagem e mais cheio de rochas do que dantes. em eras passadas. cheios de fendas e de buracos do mais curioso aspecto. que se acham submersos. De ambas as margens do rio. numa ininterrupta esteira de águas verdes escuras. emergem em várias direções. Perto das quedas. vêem-se enormes blocos de rocha. elevando-se acima das águas. arremetendo-se o rio de encontro aos rochedos e despejando-se em volumosas e espumantes torrentes. anteriormente referido. Quando o rio está cheio. formando-se mais abaixo redemoinhos e sorvedouros mais perigosos para a navegação das canoas do que mesmo as quedas. O grande bloco cúbico. em ligeiras ondulações de 400 a 500 pés. que é o de um cubo de 30 pés de face por 30 de alto. Junto às quedas. estes rápidos devem estar situados.

na subida. administramo-lhe então um ou dois cálices mais. tornando-se violento e exaltado. pois tivemos de remar e varejar. A maior parte dos “tapuios”.112 Alfred Russel Wallace Do ponto que alcançamos para diante. e lamentamos deveras não podermos prosseguir. de cerca de 12 pés quadrados. muito envergonhados. onde mais 6 ou 8 membros da família também se acomodaram para passar a noite. explorando ouro. quando descíamos os pequenos rápidos. Na manhã seguinte ele estava com ares muito tristes e muito acanhado. nos importunou bastante. Chegando ao referido local lá estava o nosso velho Isidoro. consideram a embriaguez um ato muito desonroso. a região torna-se muitíssimo interessante. Na verdade. Para acalmá-lo. ou índios semicivilizados. motivo por que seguimos imediata- . depois disso. em um rancho aberto. Encontramos. Após ter gratificado a nossa hospedeira com biscoitos. tomamos café. num dos igarapés já referidos. cerca de vinte milhas contra a forte correnteza das águas. que deviam ser para ela uma grande delícia. Na nossa volta para Aroiás. davam agudos gritos e cantavam da maneira mais desentoada e alta possível parecendo gozar com isso a maior satisfação. que logo produziram eficaz efeito sedativo. nos fundos da casa. para melhor explorá-la. em demanda da nossa canoa que alcançamos já cerca do meio-dia. que havia acabado de preparar um excelente guisado de tartaruga. depois. chá e açúcar. mas sem resultado. muito doente o homem que havíamos deixado em sua companhia. era tão impetuosa que era necessário o emprego de toda a sua força para remar e para manter-se a proa da canoa na direção de avante. prosseguimos viagem. o nosso piloto. entretanto. este dia fora para eles de pesada lida. Em Aroiás. Durante algum tempo. que em alguns lugares. caímos em nossas redes. e ficam. tendo no trajeto gasto uma hora. que havia bebido muita cachaça. ao qual rendemos ampla justiça. os nossos remeiros. e.

Come pintos e pequenos animais vivos. isto é. 44 Conforme um escrito. os quais fariam os mais estranhos e extraordinários ruídos. avistei um enorme Poligonum. Com certeza. O Bufo marinus atinge 22 centímetros de comprimento. do prof. Quando lá chegamos encontramos uma canoa. ou um ferreiro malhando com sua bigorna.44 Há três espécies. Enquanto caminhávamos pela praia. conhecida também pelas denominações de “sapo-boi”. meio dormindo. Um trem. que estava de saída para Baião. os ginobatráquios compõem-se de 23 famílias (das quais 14 são do Brasil). onde poderia ser-lhe administrado algum “remédio” pelas mulheres dali. As imitações eram tão perfeitas. que. Todas as noites enquanto estávamos na parte mais alta do rio. Vimos na praia muitas penas das araras azuis. que vimos. eis o com que isso mais exatamente parecia. correndo a uma certa distância. na qual ele logo seguiu viagem. tínhamos um concerto de sapos. pois que assim poderia chegar mais depressa a seus penates do que se ficasse ainda em nossa companhia. As outras não o faziam semelhante aos de nenhum outro animal que eu já houvesse ouvido antes. muito parecido com algumas espécies inglesas. . que se ouvem freqüentemente de uma vez. o que logo me fez lembrar de casa e de minhas coleções de botânica. chegando a medir 23 centímetros de comprimento. de folhas delgadas e de alvas flores. e ouvia uma dúzia deles como que me imaginava em casa escutando os familiares ruídos de um trem de ferro a aproximar-se. A espécie gigante é a intanha (Ceratophrys dorsata). É a maior das conhecidas no mundo. quando eu estava deitado em minha rede. meio acordado.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 113 mente para Jucaipuá. ao passo que nós não havíamos conseguido obter nenhum espécimen. Uma delas faz um ruído algum tanto parecido com aquele que só se pode esperar mesmo de um sapo. “rã-de-chifre” e “jia”. um triste e horrível coaxar. Magalhães Correia. com 48 gêneros e 189 espécies. ou um ferreiro a malhar em sua bigorna. alguém havia tirado a carne para comer.

no Tocantins. Juntai agora a todos estes graves ruídos a importuna zoada dos mosquitos bem perto de vós. porém ficou agarrado em uma árvore. Ali. onde havíamos passado a noite. de raízes arcobotantes que se estendiam cerca de vinte pés para fora do tronco. comprovando assim que esta esplêndida ave é comumente morta para servir de alimento. Vi. todavia não encontrei caça alguma. para tentar matar uns bonitos verdelhões. muito emaranhada de cipós e de espinhos. 45 Laburnum é o nome latino de uma planta européia vulgarmente conhecia por “abano-dos-Alpes”. Perto dali havia uma árvore coberta de flores amarelas. bem como uma “flor-da-paixão”. levando comigo Isidoro. prosseguimos viagem o resto do dia. Desse lugar até às cachoeiras nós as víamos diariamente. Na manhã do dia 19 em Panajá. o cricri dos grilos. encontrávamos as suas penas. mais viçosas do que o Laburnum45 e que tinha um aspecto realmente magnífico. À tarde. e tereis assim uma bonita e boa idéia do nosso concerto noturno. entretanto. tomei da minha espingarda e fui à floresta. uma enorme árvore de algodão-seda. . Leavens comprou aqui uma partida de borracha. No dia seguinte deixamos a terra das araras azuis sem ter conseguido sequer um só exemplar delas. O Sr.114 Alfred Russel Wallace Às vezes ouvíamos também os graves e soturnos urros dos “guaribas”. Daqui. passei para a montaria. Passamos por Patos à tardinha. Tive a sorte de matar um deles. sobre o rio. de plumagem amarela. que é muito comum ao longo de toda esta parte do rio. o crescente zumbido do canto das cigarras. Na praia. Fomos obrigados por isso mesmo a deixá-lo. Em quase todas as praias. pela manhã ou à tarde. voando alto. remando ou indo à vela. os cantos das saracuras e de muitos outros pássaros aquáticos. havia uma linda Oenothera amarela.

Tivemos assim uma colossal “omelette” para o jantar. era quase impossível poder-se caminhar sobre ela. mas pequeno. na fenda de uma árvore. Nós agora íamos muito vagarosamente. quando tal ave é tão fortemente adaptada para vôos longos? Ela parece com a rocha. como couro. de quando em quando param e cavam buracos na areia. Jantamos na praia. não há dúvida. enquanto desse lugar para cima são comumente encontradas. misturados com farinha. e capturamos algumas lindas papilios e duas ou mais três novas espécies de helicônias. foram à terra. A areia estava muito quente e. Os índios comem-nos também crus. São oleosos e muito moles. e tiveram sorte de encontrar 130 deles. . Os índios. depois de exprimido e coado. dela conseguindo tirar dois favos de mel. Alexandre achou uma colmeia de abelhas. que soprava águas acima.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 115 Alexandre teve a sorte de vê-las uma vez. para esfriá-los. próprio para procurar ovos de tartaruga. atirei e matei um lindo gavião. Quais poderão ser as causas que lhes delimitam tão exatamente o campo do vôo. ficando a canoa virada de bordo e de través no rio. mas a sua espingarda negou fogo. Tendo os nossos índios visto um lugar na praia. raramente são vistas. Na parte mais baixa do rio. e foram-se logo embora. e nunca abaixo de Baião. corresponde paralelamente certa mudança de frutos. de montaria. descalços como estávamos. com plumagens de listras muito bonitas. dos quais se alimentam elas. que. Os insetos eram ainda freqüentemente encontrados. enterrados na areia. e com esta. neles enfiando os pés. quando têm de atravessar extensas praias. ficou com aspecto viscoso e de sabor agridoce. por causa do vento. como sempre acontece nessa estação. Onde nós paramos para almoçar. de asas claras. onde havia muitas moitas de uma planta bastante parecida com a camomila.

e. foi a única parte em que pude pegar. e. fui vítima de um acidente. que são os destinados à venda. sítio do Sr. queimando-se cocos da palmeira “uricuri”. grudadas com pelotas de argila. para poder alcançá-la. de cera muito branca e pouco diferindo o seu mel do das nossas abelhas. que foram todos plantados. logo acima.000 cacaueiros. perto do pulso. no local do desembarcadouro. querendo atirar em alguns pássaros. Na manhã seguinte. foram derrubados as pequenas árvores e arbustos da floresta. da qual o cacau precisa.116 Alfred Russel Wallace O favo compunha-se de celas ovais. em grandes vasilhas univalves. bem como o seu tamanho. Pouco antes de deixar este lugar. puxei-a em minha direção pela boca do cano. que se desprende. ali. . e passando por debaixo de meu braço. como eu a puxasse em direção a mim. mas as seringueiras e outras grandes árvores foram deixadas para sombra. onde fomos bondosamente recebidos. O gatilho estava preso numa junta das tábuas. e. chegamos a Jambuaçu. por espaço de algumas milhas em roda da casa. já um pouco tarde. o qual. havendo cerca de 60. a poucas polegadas de meu corpo. Eu deixara a minha espingarda carregada no topo da canoa. Na noite seguinte. e transforma-se finalmente em borracha. de formato muito irregular. disparando a espingarda. Seixas. Toda a carga de chumbo me atingiu. cerca das nove horas. levando-me um pequeno pedaço de carne da parte inferior de minha mão. que poderia ter sido de sérias conseqüências. nessa ocasião. e em pedaços chatos. O leite serve para a fabricação de sapatos ou de botas. está transformada em plantação de cacau. que se espetam e se encostam ao tronco da árvore. por eu me achar nas pontas dos pés. fazendo-se uma pequena incisão na casca. caímos em nossas redes na varanda. moldados em barro. é enegrecido pela fumaça. Para formar esse cacaual. ali perto da casa. A floresta toda. saí a passeio para ver as suas lavouras. Endurece em poucas horas. aquele levantou-se e bateu no ouvido da peça. O leite da seringueira é colhido todas as manhãs.

onde havia um engenho de cana-de-açúcar. Alexandre teve a sorte de abater um deles. Um bando de aves semelhantes a pelicanos. Nessa hora. que nos havia tratado tão bondosamente. paramos para esperar a maré. vi um fio de sangue a correr. quer em Baião. Os pés são muito pequenos. apresentamos as nossas despedidas ao Sr. e. . estava pousado na praia. paramos em uma fazenda. enrolada num galho. e muito comprido.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 117 Felizmente. em uma ilha baixa. Voam em pequenos bandos. olhando para ela. como os dos verdadeiros pelicanos. em forma de fragata. para pegar qualquer peixe. que avistem perto da superfície das águas. O pescoço é paralelamente desnudo. sobre o rio. Seixas. e o bico é longo e recurvado na extremidade. mas não estava de mau gosto. Nada senti. sem resultado. No dia 25. na cabeça e no pescoço. onde se viam grandes lavouras de cacau e de seringa. não acertou em nenhuma das inúmeras pessoas que se achavam próximas de mim. porém. paramos. penas brancas: dizem ser o macho e a fêmea daquela mesma espécie. No dia 24. em um pouco de algodão. Media 7 pés de comprimento. e descem. para esperar pela maré. para ver se os caçava. Como eu nada tivesse ali para pôr na ferida. estando favorável a maré. após alguns tiros. de grandes bicos. como os dos palmípedes. com Alexandre. em uma casa situada numa ilha. Fui de montaria. e tendo o outro. de ponta a ponta das asas. A água do rio tornou-se turva. No dia 26. Voam sempre aos pares. Quando estávamos para chegar à praia. e onde vimos também uma árvore cheia de ninhos suspensos dos “japins” ou guaches amarelos. coberta de palmeiras e de mato. quer aqui. sendo um deles de plumagem inteiramente negra. então. durante alguns minutos. apenas a envolvi. que estava mesmo sobre as nossas cabeças. Cerca de meio-dia. vimos uma enorme serpente. apenas senti minha mão violentamente impedida e.

e que é. também.118 Alfred Russel Wallace Recuamos um pouco a canoa e o Sr. raspa-se e amassa-se com as mãos. na sua maior parte. em vez da cultivação regular do solo. ao longo da qual fizemos a nossa viagem de volta. e são mais ou menos do tamanho e do sabor de ameixa. Para isso. havendo. e a sua polpa. mas logo por baixo de sua epiderme está um duríssimo coco. numa temperatura que a mão possa suportar. pois fica muito parecido com o creme de noz. que se come com açúcar e farinha. muito delgada e pouco perceptível. anteriormente cultivados. durante uma hora. A margem ocidental do rio. No Pará. A curta distância da praia erguem-se. ficando com a consistência de um creme de bonita cor vermelha. Vêem-se algumas em bom estado de conservação. Com seu uso. até às margens do rio. Nos matos. o coco é posto de molho. com os lançantes dos terrenos fronteiros conservados limpos. é que é aproveitada. Os cocos crescem em grandes cachos. deve ser muito nutritivo. Algumas dessas moradas são toleravelmente tratadas. dos quais se faz uma bebida muito apreciada polo povo. para que a epiderme e juntamente a polpa se desprendam do coco. transformados em matagais e capinzais. . sem dúvida. sendo tudo depois espremido e coado. as habitações. Assim. de fato. torna-se muito agradável ao paladar. com bonitas listras oblíquas. colher cacau e apanhar castanhas. é mais cultivada do que o lado por onde subimos. que ficam situadas no alto do barranco. apanhamos cocos de açaí. durante todo o ano. amarelas e pretas. muitas casas e choupanas abandonadas. na grimpa da graciosa palmeira. Em seguida. à primeira vista. em água quente. onde ela quase sempre é vendida nas ruas. Ela era de cerca de 10 pés de comprimento. prefere-se mais fazer borracha. quando a ela nos acostumamos. com os terrenos em roda. Aqui. pois os seus frutos amadurecem em qualquer tempo. Leavens a matou. usa-se muito essa bebida. muito boa. e. de conformidade com a localidade. julga-se que esse fruto nada tem de aproveitável.

cabaças e vasilhas de barro da região. o algodoeiro. do arroz.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 119 Em todos os lugares. bananeiras e muitas outras mais. poderão desenvolver-se e prosperar com pouco cuidado. pode-se viver na abundância. da mandioca. pois toda essa região é cortada de igarapés e rios. A indolente disposição do povo e a falta de braços para a lavoura impedem o desenvolvimento e exploração de todas as possibilidades desta rica região. como nos ardentes meses de verão na Inglaterra. como aqui. onde se podem fazer abundantes colheitas e bem desenvolvida criação de aves domésticas. de cavalos. o cultivo de árvores frutíferas. como laranjeiras.” . sem ser necessária uma única e qualquer produção exótica. podem ser cultivados vantajosamente a cana-de-açúcar. e. poderá produzir muito mais todas as coisas necessárias à vida do que um bom trabalhador. uma casa de madeira. A cultura do milho. e podendo produzir-se igualmente os das melhores qualidades. por onde passamos. do café e do algodão. e onde se desconhecem umas com pequenas necessidades dos climas frios. de porcos. E quantas vantagens não resultam para uma região onde os trabalhos agrícolas não se interrompem durante o inverno. trabalhando três horas de manhã e outras tantas à tarde. por água. Tendo tudo isto com fartura. o cafeeiro e o arroz. e bem assim a criação de bois. para a exportação de todos os produtos da lavoura. com o mínimo de gastos com relação ao vestuário e mais outros confortos. em qualquer quantidade que se queira. mas repito: “Um homem pode trabalhar tão bem aqui. em nossa pátria. que são aqui inteiramente supérfluas! Com relação ao clima. enquanto não se estabelecer colônias de norte-americanos e de europeus. em doze horas de trabalho. Não há no mundo nenhuma outra região com capacidade para produzir tão abundante e tão variadamente tudo que se queira. A navegação é segura e ininterrupta. eu já disse o bastante. do açúcar. Todos os estabelecimentos agrícolas poderão assim ter transporte fácil.

muito para nossa surpresa. e chegamos bem a Belém do Pará.120 Alfred Russel Wallace Nada mais de importância ocorreu. . acompanhado de trovoadas. durante toda a nossa viagem. no dia 30 de setembro. cai um aguaceiro. Não tivemos um só dia de chuva. que aqui. entretanto. verificando. justamente cinco semanas depois da nossa partida. de 2 em 2 ou de 3 em 3 dias. como de costume.

. passei muito mal. . . ainda mesmo o de alfinetar um inseto. . . . . . 46 No original. . . a um estado miserável. minha mão . L OGO após nosso regresso a Belém do Pará. SEU TRATAMENTO E SEUS COSTUMES – EXCURSÃO AO LAGO – UM BONITO RIO – PEIXES E AVES DO LAGO – CAÇADA DE JACARÉS – RUÍDOS CURIOSOS – ABUNDÂNCIA DE VIDA ANIMAL – O REGRESSO – CARNE DE JAGUAR – VISITA A JUNCAL. Capítulo IV Mexiana e Marajó VISITA A OLARIA – HÁBITOS DAS AVES – EXCURSÃO A MEXIANA – CHEGADA – PÁSSAROS – DESCRIÇÃO DA ILHA – SUA POPULAÇÃO – OS ESCRAVOS. . . . . .46 EM MARAJÓ – EMBARQUE DE GADO – ILHA DAS FLECHAS ficou tão inchada. . . Durante esse lapso de tempo. cheguei. impossibilitado de fazer qualquer esforço. .Sumário . O autor também prefere a forma Frechas. . portanto. . . . que me vi obrigado a conservar o braço em uma tipóia e a procurar um médico. . sob os cuidados do qual fiquei por espaço de quinze dias. . encontra-se a esquisita grafia Jungcal.

atacam desapiedadamente o intruso. Em todos os trabalhos de história natural. a permissão do Sr. Geralmente. intimamente ligado àqueles outros. ficando numa situação muito difícil de dar-lhes tiros. pela qual se distinguem uns dos outros. com lindas listas brancas e pretas.. que se encontram ali. como em indivíduos. onde o Sr. onde é quase impossível vê-los. senão dali a algumas semanas. que. aos seus hábitos e às localidades onde são encontrados. encontramos constantemente referências à maravilhosa adaptação dos animais. esperando apanhar quaisquer pequenos insetos. Têm membros mais compridos e caudas muito curtas. que lhes venham ao alcance. sedosas e flutuantes. de preferência formigas. para visitar-lhe as fazendas de criação de gado. embora cada um tenha uma particularidade qualquer. que se caracterizam pela mesma tonalidade de canto descrente. resolvi então passar intervalo da espera em Olaria. uma excursão à grande ilha de Marajó. com os seus ferrões e garras. localizadas na referida ilha. entretanto. torna-se às vezes difícil apanhá-lo. caçando pássaros pequenos e estudando-lhes também os hábitos. trepados nas árvores. a não ser que se vá por baixo. de rastos. C. Destes. Os tordos constituem outro grupo. caminham mais no solo. com esse fim. sem que estes os reduzam a pedaços. para apanhar insetos. . ocupam-se nas mais intrincadas e impenetráveis moitas de arbustos. Quando se atira num deles. tendo obtido. o mais breve possível. até uma distância de duas jardas. Ali passei a maior parte do tempo. nenhuma canoa de saída para lá. tanto em espécies. a que já fiz alusão anteriormente. um súdito inglês. pois o solo quase sempre está enxameado de formigas. o que fazem de maneira muito parecida à das nossas aves domésticas. Borlaz bondosamente pôs a minha disposição um quarto em sua casa e um lugar a sua mesa. os que mais freqüentemente se encontram são os mochos.122 Alfred Russel Wallace Eu pretendia fazer. quanto aos seus alimentos. Ficam constantemente nas moitas. Estes pequenos e curiosos pássaros têm penas muito compridas. e são igual e comumente encontrados. Não havendo. para capturar algumas curiosas e raras aves aquáticas.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

123

Só agora é que os naturalistas estão começando a ir além disso, compreendendo que deve haver outro princípio que regule as formas infinitamente variadas da vida animal. Este reparo deve causar, de certo, alguma impressão, pois os numerosos pássaros e insetos de diferentes grupos, que rara ou dificilmente têm uma semelhança qualquer um com o outro, porém que, todavia, se alimentam pela mesma maneira e habitam as mesmas localidades, não poderiam ter sido tão diferentemente constituídos e adornados para aquele propósito somente. Os machos, as andorinhas, os tiranos apanhadores de moscas e os jacamares, nutrem-se das mesmas espécies de alimento, e pela mesma maneira os procuram. Todos capturam insetos, voando, e, no entanto, quão diferentes, tanto pela sua estrutura, como pelo seu aspecto, não são estes pássaros! As andorinhas, com as suas poderosas asas, são quase que exclusivamente habitantes do ar. Os mochos, aproximadamente seus aliados, mas de uma estrutura muito mais débil e de olhos grandemente desenvolvidos, são pássaros seminoturnos, voando algumas vezes, à tarde, em companhia das andorinhas, porém mais freqüentemente pousando no solo, para pegar a sua presa, o que fazem em vôos impetuosos, curtos, daí voltando ao mesmo local. Os “meirinhos”, apanhadores de moscas, têm as pernas fortes, mas são pássaros de asas curtas, podendo empoleirar-se em lugares altos, não tendo, porém, as mesmas facilidades de vôo como as andorinhas. Pousam freqüentemente numa árvore desnuda, seca, onde ficam a espreita de quaisquer insetos que venham ao alcance de seu rápido, mas curto abocanhar, e que seus largos bicos, num grande bocejo, lhes facilitam colher. Com os jacamares, o caso já não é o mesmo. Os seus bicos são largos e pontudos, – na verdade um frágil bico de caçador de peixes, – e, entretanto, tais aves têm hábitos semelhantes às precedentes.

124

Alfred Russel Wallace

Pousam nos ramos de árvores das clareiras da floresta, de onde se atiram em perseguição aos insetos, que apanham voando, voltando em seguida ao seu primitivo ponto de estacionamento, para devorá-los. Em seguida, vêm os trogônidas,47 com os seus resistentes bicos em forma de serra, e que têm hábitos semelhantes. E os pequeninos beija-flores, embora procurem geralmente alimentar-se dos insetos que encontram nas corolas das flores, muitas vezes o pegam também voando, como qualquer outro pássaro fissirostro. Que aves têm os seus bicos mais singularmente construídos do que as cegonhas, os colheireiros e as garças? No entanto, podem estar ao lado umas das outras, devorando o mesmo alimento, nas rechãs das praias. E, se lhes abrirmos os estômagos, encontraremos em todos eles os mesmos pequenos crustáceos, peixes e conchinhas, de que se alimentam. Entre os frugívoros encontram-se os pombos, os papagaios, os tucanos e as araras, famílias tão distintas e tão amplamente apartadas umas das outras, quanto é possível, – e que se vêm juntos, alimentando-se na mesma árvore. De resto, nas florestas da América do Sul, certos frutas são favoritos de quase todas as espécies de pássaros frugívoros. Alguns naturalistas têm afirmado que todo fruto selvagem serve de preferência como alimento de um determinado pássaro ou animal, e que as estruturais e variadas formas de seus bicos ou bocas devem ser adaptadas ao caráter especial dos alimentos que procuram. A tal respeito, há mais fantasia do que mesmo verdade. O número de frutos selvagens, que servem de alimento aos pássaros, é muito limitado, e vêem-se os das mais variadas estruturas e de qualquer tamanho procurando a mesma árvore, para alimentar-se. Vêem-se muito freqüentemente, agora, os insetos, encontrando-se diariamente novas espécies.
47 Trogônidas é vocábulo derivado do grego trôghein, “roer”. É denominação de uma família de aves trepadoras.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

125

As pequenas e admiráveis borboletas, de asas ornadas de ouro, e que luzem como metal, escondem-se sob as folhas das árvores ou expandem as asas ao sol da manhã, enquanto as maiores e mais majestosas voam negligentemente pelos sombrios caminhos da floresta. As escuras hesperídeas encontram-se freqüentemente, acontecendo por vezes que, dentre uma dúzia de espécies, capturadas num dia de excursão, somente duas são semelhantes. Afinal, a esperada canoa já estava pronta para partir. No dia 3 de novembro, deixamos Belém, em demanda da ilha de Mexiana, situada no braço principal do Amazonas, entre a grande ilha de Marajó e a praia setentrional. Descemos o rio Pará e contornamos a ponta oriental de Marajó, onde ficamos plenamente expostos ao oceano, e, embora a maior parte do tempo estivéssemos em água doce, sofri muitos enjôos durante a viagem, que durou quatro dias. A canoa, em que viajávamos, era empregada no transporte de gado, e, por isso, não tinha acomodações apropriadas para passageiros. Havia ali somente uma pequena cabine, com duas camas, de cinco pés de comprimento, que de todo não me serviram (eu tenho seis pés e duas polegadas de altura), tendo preferido acomodar-me no porão. A tripulação compunha-se de oito rapazes tapuios, de 15 a 20 anos de idade, que eram ótimos e ativos companheiros de viagem. Todos eles vestiam somente umas calças muito apertadas e uma camisa muito curta, deixando à mostra uma seis polegadas de pele vermelha, que aparecia por entre as duas peças do seu vestuário. As enxárcias da canoa eram somente simples escoras de cordas, sem quaisquer carlingas; trepavam por elas como macacos, firmando-se com os pés. A ilha de Mexiana tem cerca de 25 milhas de comprimento por 12 de largura, com um formato regularmente oval, e está situada exatamente no equador. Ela é absolutamente plana – e toda de campo ou solo aberto, com árvores e arbustos espalhados e um pouco de mato à beira da água. É afamada por causa de seus pássaros, jacarés e onças, e é aproveitada como fazenda de criação de gado pelo seu proprietário.

126

Alfred Russel Wallace

Os jacarés são encontrados em um lago, no centro da ilha, onde são mortos em grande número, especialmente para tirar-lhes a banha e dela fazer-se óleo. Fui acompanhado pelo Sr. Yates, um colecionador de orquídeas, que, após a demora de algumas semanas, regressou para Belém. Na nossa chegada ali, fomos recebidos pelo Sr. Leonardo, um alemão, a quem apresentamos a carta do Sr. C., que levávamos. Logo fomos guiados para os quartos, que nos haviam sido destinados na casa, a qual é espaçosa e tem um pavimento superior. Depois de retirada a nossa bagagem da praia e conduzida para lá, logo nos sentimos como que em casa mesmo. Em redor do edifício, viam-se muitas laranjeiras e mangueiras, e, mesmo em frente, uma fileira de choupanas, onde residem os vaqueiros, ou guardas do gado, os quais são, na sua maioria, negros e escravos. Para adiante, tão longe quanto a vista pode alcançar, extende-se um campo chato, onde se vêm pastando bois e cavalos. Falando a respeito das melhores localidades para capturar insetos e pássaros e fazer coleta de plantas, ficamos algum tanto sobressaltados, quando nos informaram que as onças ali eram muito numerosas e que, mesmo perto da casa, era perigoso andar só, ou sair desarmado. Verificamos, entretanto, que, recentemente, nenhuma das reses havia sido atacada pelos jacarés, embora estes “pobres” animais não sejam lá tão ativos. Alguns bonitos couros, que se achavam secando no terreiro, tendo ao lado as suas caveiras e os seus dentes, bem que o comprovavam. Nenhuma dúvida há de que o encontro com essas feras não deve ser lá coisa muito agradável, pois os seus dentes e as suas garras são bem adaptados para matar a qualquer animal que encontrem. Neste caso, pois, é melhor acautelar-se um pouco do que mesmo correr algum risco. Por isso, pus meia dúzia de balas em minha espingarda, para prevenir qualquer possível mau encontro. Viam-se alguns cavalos e reses em miserável estado, em conseqüência das feridas infligidas pelos morcegos, que lhes causam a perda

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

127

de muito sangue, e mesmo, algumas vezes, a morte, quando os ataques são sucessivos. O Sr. Leonardo informou-me de que, em alguns lugares da ilha, tais bichos são muito abundantes, e que ele costuma ter alguns homens empregados especialmente em caçá-los, matando-se nessas ocasiões muitos milhares. Há uma espécie maior, da cor de café torrado, a qual é provavelmente o Phyllostoma hastatum. Na manhã seguinte, após a minha chegada, tomei da espingarda e saí em passeio, para ver os melhores logradouros da ilha. Primeiro, fui a uma árvore muito próxima da casa, a qual o Sr. Leonardo me havia mostrado, e onde encontrei muitos beija-flores, que estavam voando em roda das folhas (ainda molhadas de sereno), parecendo que ali estavam a lavar-se e a refrescar-se com a humidade. São de cor azul ou verde, com uma cauda em formato de forquilha (Campylopterus hirundinaceus). Vagando pelo campo, encontrei muitos bem-te-vis, apanhadores de moscas, cucos e tanagras. Atirei também num bútio e num gavião preto, este diferente de qualquer outro que eu já houvesse visto no Pará. Os insetos eram raramente encontrados, talvez devido à secura da estação à ausência de florestas. Em vista disso, desde logo deixei de colecioná-los, para atender exclusivamente aos pássaros, que eram algum tanto mais abundantes, embora não fossem raros, nem muito notáveis. Em dez dias, obtive setenta espécimens, dentre os quais quatorze gaviões ou aves de rapina, várias espécies de garças, periquitos, pica-paus, e um tucano, das espécies maiores, de enorme bico amarelo (Ramphastos toco), que não são encontrados no Pará continental. Tendo feito algumas excursões de algumas milhas pelo interior da ilha e ao longo de seu litoral, fiquei tendo uma sofrível idéia de sua geografia. A ilha é, por toda parte, plana, sendo de muito poucos pés as suas maiores elevações.

128

Alfred Russel Wallace

Ao longo das praias, em muitos lugares, e extendendo-se ao longo das margens das enseadas, existe uma cinta de floresta, variando em média, na sua largura, de cem jardas a meia milha; vêem-se nela algumas palmeiras e altas árvores, moitas de bambus e trepadeiras, que tornam quase impossível poder-se atravessar de um lado para outro. Todo o interior da ilha é de campo ou de plainos abertos, cobertos por uma erva ruim, em alguns lugares juncados de palmeiras de copa redonda e de árvores baixas e galhudas, que suportam uma profusão de flores amarelas. Espalhados, aqui e acolá, com intervalos de poucas milhas, vêem-se grupos mais densos de árvores e de arbustos, sendo alguns muito exíguos, outros, porém, muito extensos, formando pequenas florestas. Estes são geralmente conhecidos como “ilhas”, e muitas delas têm nomes distintivos, como “Ilha-de-São-Pedro”, “Ilha-dos-Urubus”, etc. Na estação das chuvas, parece que uma grande parte da ilha é atingida pela águas, encontrando-se mortos caranguejos e conchas de água salgada, a uma boa distância, para dentro da ilha. Estes bosques ou arvoredos serão provavelmente ilhas, se bem que se não percebam, por se acharem pouco acima do nível geral. Um fenômeno, que se observa nas margens do Mississippi e de muitos outros rios, quando transbordam em suas margens, também ocorre aqui. A terra é mais alta nas proximidades do barranco e gradualmente cai para o interior, originando-se daí os depósitos dos sedimentos mais pesados, durante as inundações, à mais curta distância das margens, enquanto os materiais mais leves somente é que são levados para o interior, espalhando-se sobre uma área mais larga. O solo dos campos é muito desigual e, por isso mesmo, muito dificultoso para caminhar-se, sendo isto feito por intermédio de pequenos grupos de árvores ou pequenas iminências, sendo igualmente incômodo e fatigante, tanto para se andar em seus altos, como entre eles.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

129

Todos os troncos das palmeiras estavam cobertos de orquídeas, porém estas estavam sem folhas e sem flores, parecendo também que havia ali poucas espécies. Os terrenos alagadiços cobrem-se de arbustos das convolvuláceas, havendo, em outros lugares, vastas latadas de mimosas e de cássias, vendo-se entre elas as suas pequenas e delicadas flores. Os cucos, de cauda longa e com plumagem de cores muito vivas, estão continuamente voando de árvore em árvores, soltando os sem piados, não como os dos nossos cucos, mas muito semelhantes ao rangido de um eixo ferrujento; daí o nome de careru, muito bem aplicado, com que são conhecidos aqui. Encontram-se igualmente os cucos pretos, de bico pontudo, chamados anus. Vêem-se, pousando em quase todas as árvores, um falcão ou um bútio, de que há grande variedade. Em poucas semanas, obtive oito espécies diferentes. Uns lindos periquitos, de listas brancas e penas alaranjadas nas asas, e outros, com topete vermelho, eram ali muito abundantes. Eu muito me divertia, observando a rapidez com que trepavam nas árvores e como subitamente todos voam, quando são espantados. A cor de sua plumagem é muitíssimo parecida com a da folhagem, e, por vezes, torna-se impossível distingui-los. Podeis, às vezes, vê-los chegar à árvore, em numeroso bando, e então os ouvireis fazer barulho lá em cima: podeis ficar a procurá-los, até que se esgote a vossa paciência, quando, repentinamente, voam dali com um alarido de triunfo. Em seguida, nas moitas, viam-se bandos de bonitos verdelhões, de peito vermelho (Icterus militaris); estes, porém, não estavam infelizmente em boa plumagem, na ocasião de minha visita. O comum urubu preto vê-se voando bem alto, ou então pousado em alguma árvore seca. Grandes patos selvagens passam, fazendo um rangente ruído com suas asas, como se fosse máquina aérea, agitando o ar violentamente, para poderem suportar o pesado corpo, e oferecendo, assim, um no-

130

Alfred Russel Wallace

tável contraste com a grande cegonha da mata, que voa sem barulho e serena, em grupos de dez a doze. Nas ourelas da floresta e nas ilhas maiores, encontram-se as vezes onças pretas e pintadas, enquanto as pacas e cutias, tatus, veados e outras pequenas caças, são também comumente encontrados. A população total da ilha é de cerca de quarenta pessoas, das quais vinte são escravos e o restante se compõe de índios e de negros libertos, que desempenham várias funções na propriedade. Cuidam do gado bovino e dos cavalos, cujo número varia, e que foram muito mais numerosos há três ou quatro anos. Os cavalos foram quase todos exterminados por uma epizootia, que subitamente irrompeu ali. Havia agora cerca de 1500 cabeças de gado bovino, além de elevado número de reses selvagens, que ficam escondidas nas partes mais remotas da ilha, e 400 cavalos. Aos escravos e trabalhadores é permitido fazer farinha, cultivar todos os cereais e vegetais, para consumo próprio, fornecendo-se-lhes ainda pólvora e chumbo, para caçar, de mais que não passam mal de todo. Permite-se-lhes também fazer plantações de fumo, e a maior parte ganha dinheiro fazendo jacás, cestos e outros objetos, ou matando onças, cujo couro vale de 5 a 10 shillings. Além de cuidar do gado bovino e dos cavalos, têm eles ainda por obrigação construir casas e currais, caçar jacarés, para tirar-lhes a banha, e matar os morcegos, que causam grande dano ao gado, sugando-lhe o sangue, noites seguidas. Os morcegos moram nas cavidades das árvores, onde são mortos em considerável número, tendo-me informado o Sr. Leonardo que cerca de 7.000 foram mortos, nos últimos seis meses. – Dizem que milhares de reses foram mortas por eles em poucos anos. Os escravos mostram-se contentes, e como que felizes, se é que escravos isso podem ser.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

131

Todas as tardes ao pôr do sol, eles vêm dar “boa noite” ao Sr. Leonardo e a mim também sendo feita outra saudação semelhante, quando eles nos encontram pela manhã. Se um negro sai durante o dia, para ir a uma distância qualquer, despede-se de todos aqueles que vai encontrando, como se estivesse a despedir-se dos seus mais caros amigos, na véspera de uma longa viagem, contrastando assim com o apático índio, que raramente dá mostra de qualquer sentimento de pesar, ao partir, ou de prazer, no seu regresso. À noite, tocam música e cantam em suas casas. O seu instrumento é uma espécie de guitarra, por eles fabricada, da qual obtêm três ou quatro notas, que são repetidas horas seguidas, na mais enfadonha monotonia. A sua música juntam um canto improvisado, geralmente relatando alguns dos acontecimentos do dia. Os feitos dos “brancos” muitas vezes constituem considerável parte de tais descantes. Alguns deles cuidam da criação de aves e de patos, que vendem para comprar o que precisam. Outras vezes vão também pescar, para suprir a casa. E assim têm tudo. Aos sábados, reúnem-se de noite para serviço religioso, que se realiza em seu quarto adaptado para esse fim, com uma capela e um altar, decorado pomposamente com a imagem da Virgem e de seu Filho, além de muitos outros santos dourados e pintados com cores muito brilhantes. Algumas dessas imagens são da lavra do Sr. Leonardo, que é um excelente gravador-amador. Quando se acendem as velas e tudo está em ordem, o efeito é igual de muitas capelas das vilas e das cidades. Dois negros idosos dirigem a cerimônia, ajoelhados diante o altar. O resto ajoelha-se ou permanece de pé em roda da sala.

132

Alfred Russel Wallace

O que eles cantam, assim o acredito, é uma parte do serviço de vésperas ou ladainhas da Igreja Católica Romana. Todos os presentes acompanham a reza e respondem com muito fervor, embora não lhe compreenda as palavras. Domingo é o dia destinado para o trabalho em seus quintais, para caçar, ou então descansar, como preferirem. À tarde, por vezes, reúnem-se na varanda, para dançar. Isto se prolonga até tarde, quando não consome a noite inteira. Enquanto eu estava na ilha, uma criança de poucos meses da cidade deveria ser batizada. O batismo é considerado ali como uma das mais importantes cerimônias. Assim, o pai e a mais, com os avôs e as avós, saíram em uma canoa, para irem a Chaves, na ilha de Marajó o lugar mais próximo onde havia um sacerdote. Gastaram três dias nessa viagem. Na sua volta, trouxeram a notícia de que o padre estava doente, e não pôde, por isso, realizar-se a cerimônia. E, desta sorte, foram obrigados a trazer a pobre criança ainda pagã. De conformidade com as suas idéias se ela morresse, estaria na perdição eterna. Na mesma noite cantaram, durante umas três horas, sua música habitual, toda a história daquela jornada perdida. Eu assim presumo por ter apanhado algumas trechos, que eram aqui e acolá inteligíveis. Sobre cada fato, entoam um verso, que é várias vezes repetido. Assim, um deles repentinamente prorrompia: “O padre estava doente, e não podia vir.” “O padre estava doente, e não podia vir.” O coro então repetia: “O padre estava doente e não podia vir.” “O padre estava doente e não podia vir.”

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

133

Daí, durante algum tempo, só a música é que continuava, sem as vozes, dando tempo assim para que encontrassem outro fato e ficassem sobre o mesmo mais um verso. Afinal, lá um deles continuou o assunto: “Ele disse para voltarmos no dia seguinte, “Para vermos se ele estava melhor.” E daí o coro: “Ele disse para voltarmos ao dia seguinte, “Para vermos se ele estava melhor.” E, assim por diante, até ao fim da história, o que me causou impressão, como sendo provavelmente muito semelhante às tradicionais canções dos antigos bardos, que tornavam conhecidos por esse meio, interessantes fatos, os quais eram ao som de música de maneira entusiástica e bem apropriada. Em uma nação belicosa, o que logo era mais necessário relatar eram os feitos de guerreiros arrojados, a derrota do inimigo, cantar os troféus da vitória, com o propósito de elevar ao mais alto nível o entusiasmo do auditório. Algumas destas canções foram transmitidas de geração a geração, com a sua linguagem cada vez mais melhorada, reduzindo-se depois a escrita, e, por fim, juntando-se-lhe a rima. E assim, afinal, construía-se um poema regular. Tendo agora atingido ao máximo do rigor a estação seca e estando as águas do lago muito baixas, o administrador alemão informou-me que ia fazer uma excursão até lá, especialmente para matar jacarés. Resolvi acompanhá-lo. Por duas maneiras, pode-se chegar a tal local. Por terra, em uma linha mais ou menos reta, ou então, contornando o outro lado da ilha, em um bote, o daí subindo um rio, que dista umas poucas milhas do lago, e com o qual se comunica, no tempo das águas. A maré permitia-nos partir à meia-noite.

134

Alfred Russel Wallace Decidi ir de bote, julgando que assim poderia ver melhor a

ilha. O administrador deveria ir por terra, pela manhã. À meia-noite, levantei-me e logo fui para a canoa, com três negros. Acomodei-me nela da melhor maneira que me foi possível, para ver se passava por um sono, deitando-me sobre os cestos de farinha e de sal, de que estava atravancada a canoa. Tal embarcação era grande e tosca, armada de uma vela. Com a maré, fomos navegando favoravelmente. Ao amanhecer, ficamos algum tanto afastados de terra para dentro do rio, que se assemelhava ao oceano, por causa dos seus desagradáveis e fortes balanços, o que me obrigou a levantar-me muito lânguido e muito cansado do meu esconso leito. Cerca das dez horas, alcançamos a boca do igarapé, ou pequeno rio, pelo qual deveríamos entrar e subir. Fiquei, desde logo, muito contente de ter entrado em águas tranqüilas. Paramos, para almoçar, em um bonito lugar, debaixo de uma linda árvore, onde saboreei uma xícara de café com biscoitos, enquanto os homens se fartavam de peixe e de farinha. Dali prosseguimos rio acima, que era no seu começo aproximadamente de 200 jardas de largura, porém logo se reduziu para umas cinqüenta ou oitenta. Fiquei deveras encantado ante a beleza da vegetação. Esta ultrapassava tudo que eu até então tinha visto. A cada volta do rio, algo de novo se nos apresentava. Ora um enorme cedro, que pendia sobre as águas, ora uma enorme árvore de algodão-seda que se destacava, como um gigante, acima da floresta. Viam-se continuamente as esbeltas palmeiras açaís em vários grupos, muitas vezes erguendo os seus troncos uns cem pés para cima, ou se arqueavam então em graciosas curvas, quase encontrando as da margem oposta.

O encanto da paisagem ainda mais se realçava pelo rio. a procura de alimento. voando. vêm-se numerosos arbustos em florescência. tendo de 8 a 30 pés de comprimento e devendo pesar provavelmente uns dois. torna-se de parasitas de singulares formas e de belíssimas flores. Essas palmeiras cobrem-se de trepadeiras. As araras de plumagem de cor amarela e vermelha. enquanto os papagaios e periquitos. Dos galhos pensos sobre a água. por baixo dos seus emaranhados. Toda árvore morta ou semi-apodrecida.48 com os seus estípites retilíneos e cilíndricos. tendo intensas copas de folhas em forma de leque. “flores-da-paixão” ou begônias. ou saindo deles. e de onde pendem os seus gigantescos cachos de cocos. muriti e miriti. formando-se abrigos na floresta. Alguns desses cachos são maiores do que quaisquer outros que eu antes já houvesse visto. 48 O autor escreve muruti. não faltam ali animação e vida. por vezes completamente cercados de convolvuláceas. com os seus inúmeros rosários de enormes e compridos frutos. ora para um lado. passam continuamente. O espetáculo era na verdade imponente. ou três quintais. ora para outro. É a Mauritia vinifera de Martius. trazendo sempre à vista uma constante mutação de cenários. aqui e acolá. À beira da água. de menor porte o de caules de curiosas formas se entrelaçam os cipós.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 135 Comumente encontrávamos também a palmeira “muriti”. que sobem até alcançar as suas grimpas. lá bem no alto. fazendo grande alarido. semelhantes a colunas gregas. nos quais esses curiosos pássaros continuamente estavam entrando. Há as formas buriti (esta mais vulgar). vêm-se por vezes os bafouçantes ninhos de guaches (Cassicus icteronotus) de plumagem preta e amarela. onde soltam então as flores. . Para complemento. muito vivas. voam de árvores em árvore. enquanto nas palmeiras. todo cheio de curvas.

nas margens do rio. como estavam. Havia ali um recanto preferido pelas aves aquáticas. viam-se lindas borboletas. lhes chegávamos a vista. lá no alto. empregando para isso os nossos homens todos os seus esforços. quando estávamos para entrar em uma parte mais estreita do rio. Nas moitas de arbustos florescentes. E isto ia se repetindo assim. um jacaré. pousadas em alguma árvore seca. descobríamos diante de nós um bando das elegantes garças brancas. Íamos progredindo morosamente. antes de atingirmos ao ponto do nosso destino. O cenário tornou-se agora muito mais sombrio. porém. Por muitas horas. Ela vem justamente. dificilmente. Os homens remavam vigorosamente. inúmeras grus e garças fazem os seus ninhos em altíssimas árvores. da maré voltar contra nós. como que para nos privar de qualquer raio solar. conseguíamos arranjar passagem por baixo dos troncos caídos. Por vezes. nos lugares de lama. o que nos obrigava a sair da canoa e a fazê-la passar por cima. As cegonhas da floresta. ouvia-se um contínuo sussurro do bater de asas dessas ariscas aves pernaltas. lá em cima. Por vezes. enquanto cá mais em baixo era o local preferido pelos “bicos-de canoa” À nossa aproximação. aquecendo-se ao sol. A correnteza do rio cada vez se tornava mais forte contra nós.136 Alfred Russel Wallace A cada volta. . mal. continuamos assim a nossa jornada. que ficam atravessados de margem a margem. que voavam assustadas. procuravam outra volta. até considerável distância. Enormes árvores uniam. confortavelmente repousando. receosos. pendente sobre a água. As palmeiras entrelaçam-se e arqueiam-se em várias contorções. onde de novo as encontrávamos empoleiradas à nossa frente. as suas frondes. elas levantavam vôo.

devido ao rigor da estação calmosa. Após umas quatro ou cinco milhas de caminhada em tal solo. chegamos ao lado. Ao que parece. . com alguns negros e alguns cavalos para a condução das provisões que havíamos trazido. ficando depois endurecidos pelo excessivo calor do sol. pois muitas de suas folhas haviam caído ou estavam a desprender-se. As árvores. e as que ainda existiam nos galhos estavam amareladas e enrugadas. já se achavam à nossa espera o administrador. alcançamos afinal. Após umas duas horas de árduo e desagradável trabalho. o nosso desembarcadouro. que também tosta quase inteiramente a relva. Uma era de luxuriante verdura e outra de aspecto tão triste e tão estéril. quanto pode ser um triste e assolado pântano. passando para baixo ou para cima. que não era possível caminhar bem. trilhando extensa planície. nem sobre eles. vendo-se aqui e acolá uns caniços e plantas sensitivas espinhosas. porém não atenuavam o aspecto de geral secura daquele trecho.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 137 E. Maior não poderia ser o contraste das cenas. Saltamos logo e saímos a pé. no local onde havia uma choupana velha e abandonada. onde possam. Os alciões. com algumas lindas e minúsculas flores entre estas e aquelas. que lambem a terra entre as raízes dos tufos de relva. Era muito desagradável a caminhada naquele solo composto de numerosos e pequenos montículos. nem por entre eles. eram mais abundantes. em alguns lugares. a confusão atingia então o seu auge. na estação das águas. que era em alguns lugares completamente desnuda e em outros cerradamente de árvores baixas. à beira da água para apanhar a sua presa. em grande número. agora tisnado pelo ardente sol e que se cobre de tufos de uma erva feito arame. quando eu disparava algum tiro em alguma das grandes cegonhas da floresta. continuamente voavam. Ali. são originados pelas chuvas e pelas marés. quando já estava principiando a escurecer. tão unidos uns aos outros. como a em que agora estávamos entrando. que tínhamos acabado justamente de deixar. ou arremetendo-se das varas.

tendo carregado alguns peixes. que enxameiam nos arredores do lago. a qual não pode ser salgada. e de lindas manchas vermelhas. por isso mesmo. salgados e secados. no lago. Os jaguares andaram ali em roda durante a noite. que são apanhados. Essas “bagatelas” nem por isso perturbaram o nosso sono. de mais de uma polegada de diâmetro. Encontrei logo muitos deles. por sua vez. É um peixe muito saboroso. que eu agora experimentei pela primeira vez. pu-la ao ombro saí a fazer uma caçada de patos e outras aves aquáticas. para serem vendidos em Belém. davam rabanadas e soltavam bufos. consegui. para salgar e secar no dia seguinte. . para o mesmo propósito.138 Alfred Russel Wallace A única casa. vendo-se em roda dela numerosos e compridos espetos de madeira. em razão das fadigas do dia. e. Enquanto se aprontava o jantar. e a cauda de jacaré. Perto dali. sem paredes. Antes do romper do dia. era uma pequena choupana. que estavam sendo assados para o nosso jantar. peguei da espingarda. come-se fresca. que havia ali. matar uns sete ou oito. um esplêndido exemplar de cinco ou seis pés de comprimento. e. Os jacarés. com farinha e café. a uma vintena de jardas de nós. principalmente a carne da barriga. Via-se ali o pirarucu (Sudis gigas). uma noite ou duas antes. com enormes escamas. ardia uma grande fogueira. fomos apreciar alguns peixes. estando minha espingarda carregada de chumbo fino. com o primeiro tiro. enquanto os negros aproveitaram algumas árvores e arbustos vizinhos. não era de forma alguma para menosprezar-se. A sua carne. entramos em nossas redes e dormimos profundamente. No lago. que haviam sido apanhados e que jaziam no solo. sob o teto da qual armamos as nossas redes. que é a parte mais gorda e mais rica. com pedaços de carne e de peixe fresco ou da cauda de jacaré. há grande quantidade desses peixes. Logo depois. forneceu-nos excelente jantar.

Depois do primeiro tiro. onde outros os esperavam com arpões e laços. levando compridas varas. com as quais empurravam os animais para o lado. que. além de fornecer-nos magníficos espécimens para coleções. Encontram-se ali inúmeros peixes. Alguns negros entraram na água. a qual é excelente e foi por nós saboreada no almoço. Depois do almoço. De quando em quando. Vêem-se também. quer pela cauda. Estas. porém muito bonitas. cerradas moitas de ervas flutuantes e de lentilhas aquáticas. dos já referidos. outro laço era arremessado para prendê-lo. ainda aproveitamos como carne. acumulando-se em tão pequeno espaço. matá-las. e assim é facil- . ao que suponho. um laço era jogado sobre as cabeças dos jacarés. e os jacarés ficam tão apertados e unidos uns com os outros. que eu havia visto do outro lado. pois eu não pude aproximar-me bastante delas. É orlado de plantas e de arbustos próprios de terras úmidas. e estes. com penas brancas e de um verde metálico nas asas. os quais. por sua vez. coberto de água. de cerca de duas polegadas de comprimento. O que aqui tem o nome de “lago” é um longo e sinuoso trecho de terreno. o administrador iniciou a caçada de jacarés. de 30 a 50 jardas de largo e pouca profundidade. e daí saímos então à procura dos colhereiros de plumagem cor-de-rosa. para alcançá-las a tiros. ao que parece. elas tornaram-se muito ariscas. em grande número. vendo-se em alguns lugares. pois parece quase um mistério como esses enormes animais possam achar a sua subsistência. servem de alimento para os maiores. uns peixes pequenos. quer pela cabeça. se algum já tivesse sido arpoado. são provavelmente devorados pelos jacarés. não conseguindo.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 139 São aves pequenas. receberam de suas companheiras algum aviso. que é difícil ver-se um lugar qualquer. onde possam mover-se livremente. por maneira alguma. das garças brancas e das pernaltas tarambolas. ou.

acumulada em torno das entranhas. situado a curta distância. separa a cabeça do tronco. começa a perseguição a outro animal. com um golpe seguro corta-lhe a cauda. pela mesma forma. uns mortos. pelos esforços conjugados de dez ou de doze homens. ora andando . Depois de muitos deles já se acharem em terra.140 Alfred Russel Wallace mente puxado para a praia. sobre o pescoço. outros ainda morrendo. cuja carne é a preferida para se comer. de maneira horrivelmente arriscada. No dia seguinte. ora serpenteando por entre altas ervas. desfechando-lhe logo outro golpe. dentro de pouco tempo. couros esses tirados especialmente para tal propósito. o administrador e os seus homens foram dali para outro lago. onde tais bichos ainda são encontrados em maior número. com enormes e disformes cabeças e horríveis fiadas de longas e aguçadas presas. tornando completamente inútil a formidável defesa do bicho. para extrair-se-lhes a banha. Em seguida. Em seguida. e. Diverti-me muito com a minha espingarda. se assim for preciso. até ao escurecer. foram mortos ainda mais uns 20 ou 30. iniciou-se a extração da banha dos que foram mortos na véspera. foram em seguida abertos. no meio dos ferozes animais. e. alguns chegando mesmo a vinte. aqui chamada “jacaretinga”. para ter o animal preso em ambas as extremidades. e. fica reduzido a idênticas condições. para caçar as ariscas aves aquáticas. e os negros tinham então que patinhar na água. às vezes. que. sendo muito mais delicada do que a das espécies maiores. um negro. Outro laço ainda é jogado. Na ocasião de ser arrastado para fora da água. Há outra espécie menor. cautelosamente dele se aproxima. Este é assim deixado ali no chão. e que era retirada e colocada sobre os couros dos menores. em grande quantidade. Tinham aqueles bichos dez a dezoito pés de comprimento. já haviam matado cerca de 50. Após ter matado uns doze ou quinze jacarés. ou o arpão desprender-se. romper-se o laço. armado de machado. Acontecia.

Em compensação. extraindo-se uma grande posta de carne de cada lado. se encontra algum ao seu alcance. Em seguida. essa ave deu-me árduo trabalho para depená-la e repará-la. o que não gasta mais do que dois ou três dias. Outras mantas. faz-se o seu enfardamento em lotes de 100 libras cada um. e é posta. pé ante pé. vão sendo postas sobre aquela. que não é fácil limpá-la completamente. que recompensava a minha perseverança. colocadas no solo. algum jaguar. corta-se cada posta no sentido longitudinal. ou. . pelicanos azuis. abatendo. então. dando. Fiquei muito contente. ficando assim prontas para serem vendidas. pela primeira vez. bem como as pretas e grisalhas cegonhas. após o sal haver penetrado bastante nelas. salpica-e de sal. um estorninho de penas lustrosas. Em seguida. Tive oportunidade de ver a maneira por que se salgam e secam os peixes. ficam as mantas dependuradas em varas. de todos os quais obtive onze espécimens. Depois disso. patos de várias espécies. preferência a um peixe inteiro. durante a noite. os “bichos-de-canoa”. Daí. não consegui ficar ao alcance de matá-los. muitos verdelhões de plumagem preta e amarela. desdobrando-se em uma grande manta chata. Por vezes. onde encontrava um pica-pau ou uma arara. também as carrega. tão cheia de músculos. a fim de secar. Viam-se também grandes e pequenas garças brancas. sob uma tábua. Vêem-se ali os grandes tujujus (Micteria americana). As espinhas e as cabeças dos peixes fornecem aos urubus um fino repasto. uma bonita arara azul-amarela. São descamados parcialmente. no que gastei algumas horas. para ficarem expostas ao sol. porém. pois a sua cabeça é tão carnosa. ficando a espinha dorsal e a cabeça presas à pele.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 141 pelo campo. então. Embora eu caminhasse com toda a precaução possível. sucessivamente.

os mais extraordinários ruídos. seriam apenas um arremedo. e durante toda a noite. ouve-se outro ruído. Com o ininterrupto zumbido das asas. de penas brancas nas asas. O canto de uma rã merece um nome melhor: É um agradável assobio. cujos humorismos e caricaturas adquiriram celebridade em todo o mundo culto. incessantemente. Cem amoladores de facas. que se amontoam nas folhas das ervas. fazendo grande ruído com os seus mergulhos. 49 Punch é uma antiga e interessante revista londrina. começam. que não se pode descrevê-la. fazendo vergá-las com o seu peso. que se acham depositadas no solo para secar. cada posta fica enegrecida por milhares de moscas. Os ruídos da vida animal. As moscas. com agudos e penetrantes gritos. o dia todo. que são do tamanho de nozes. que não cessam o seu continuado zumbido. descrito pelo Punch. saltam sobre as águas. para dar idéia do barulho que fazem aquelas aves. Ao romper da alva. A confusão é tal. então.142 Alfred Russel Wallace Logo após a retalhação dos peixes. se fosse trazido para uma sociedade civilizada. como o rato que canta ou o ainda mais maravilhoso assobio de ostra. em plena atividade. esperam a essa hora. que. começam então o ataque às postas de peixes. Um pouco mais tarde. iniciam os seus ruídos matinais. pousando ou voando em roda das mantas. fica coberta de seus saquinhos de ovos. na verdade. Logo após o pôr do sol. Repentinamente. sem dúvida. haveria. . uns dez mil periquitos. Os “bicos-de-canoas” e as rãs juntam ao daqueles o seu horrível coaxar. as garças e os grus começam a soltar os seus grasnados. de encontrar tantos admiradores.49 Os jacarés e os peixes. Cada posta. nunca se interrompem aqui. dentro de poucas horas.

antes ainda de haver-se formado suficiente quantidade de terra firme. pois que consideráveis porções de terra já poderiam então existir. desta vez. de modo que tratamos de voltar para casa. a que já fiz referência. para poder observar o aspecto do solo no interior da ilha. Isso faz-nos chegar à conclusão de que a luxúria dos trópicos não é tão favorável ao desenvolvimento delas. tão pouco. como já foi observado pelo Sr. Os plainos povoam-se sempre mais densamente do que as florestas. em pouco dias. Ora. ao passo que nos rios Pará e Amazonas seria difícil conseguir-se matar tantos assim em um ano. que causasse a morte de todos esses jacarés. para suportar os quadrúpedes terrestres. tão altas e tão elevadas. suportar tanta vida animal. se por motivo de um cataclismo qualquer. são. parece que tais descrições dariam provas insuficientes. como hoje. é evidente que. comparadas à maneira como elas se acham distribuídas e disseminadas na floresta virgem. No dia seguinte. Darwin. carregou-se a canoa. pela manhã. O administrador informou-me que neste lago ele já havia matado. Resolvi. os numerosos restos dos répteis aquáticos parecem indicar que houvesse uma grande extensão de águas baixas para o seu habitat. e as zonas temperadas. cujos restos se encontram sempre em consideráveis strata. Os geólogos. Com dois negros. nem pode. baseando-se no número dos grandes répteis. que já estava para o regresso. ir por terra. para dali então partirmos no dia seguinte por uma estrada de . ao que parece. voltei para o rancho em ruínas. amontoando-se em tão restrito espaço. descrevem uma era em que o mundo inteiro deveria ter sido povoado por tais animais. melhor adaptadas do que os trópicos para suportar os grandes animais terrestres.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 143 E causa-me mesmo admiração esta abundância de vida animal. A gordura dos jacarés e uma grande quantidade de peixes já estavam prontas. cerca de mil jacarés. fossem os seus restos em seguida encontrados acumulados. como elas são no presente. de todas as espécies. não obstante.

ao longo de uma estrada. avançando. que estava sendo queimada. No dia seguinte. Em seguida. Em alguns lugares. Não se via.144 Alfred Russel Wallace cerca de dez ou doze milhas. em substituição das ervas e relvas secas. No nosso regresso à choupana. passamos por uma parte do campo. ao mesmo tempo. enquanto. de uma a outra ponta. depois. para passar mais uma noite no velho rancho de paredes barreadas. em outro local. que estava com um aspecto verdadeiramente desolador. as cinzas das numerosas mimosas. Queimam-se aqui. adiantando-se na direção de leste. agora. que são consumidas pelo fogo. Regressei por terra para a fazenda. todos os anos. de direções opostas. os campos. carregou-se a canoa para a viagem de volta. uma folha sequer das relvas que foram queimadas. Perto da cabana. Tudo se havia transformado ali em um imenso leito de compridas varas. era de completa tristeza e de absoluta esterilidade. em grandes leitos. pela manhã. que nos deu excelente jantar. . logo após as primeiras chuvas. A cena. O vento ajudava o fogo a avançar rapidamente na direção de oeste. e estas. as nossas redes. obrigava as crescidas e altas relvas a dobrar-se para o lado das chamas. Tive então ensejo de observar o curioso fenômeno do fogo. na quadra do verão. propositalmente. ao mesmo tempo. que se estende através do campo até à fazenda. iam. matei uma bonita garça branca. por sua vez. jazem. brota uma bonita pastagem. um jaguar havia surrupiado dali grande cesto de peixes. cheias de espinhos. milhas a fora. Pouco antes. Armamos ali. ainda que de modo mais brando. estendendo-se por todos os lados da ilha. em toda a roda.

As aves. nem tão pouco apressar a minha volta. todos estavam muitíssimo ocupados. e. Depois do regresso de minha excursão. Os gaviões e urubus estavam também ali. No dia seguinte. em numerosos bandos. eu saía diariamente. cobertos de árvores desfolhadas. como que parecendo que ia chover. Os tucanos. bem como os apanhadores de moscas. que se denominam “ilhas”.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 145 Em intervalos. após a caçada dos jacarés. em passeio pelo campo. papagaios. Ia-me esquecendo de referir que. vendo-se ali inúmeras tânagras e periquitos. eram principalmente tucanos. Por isso mesmo. com os seus enormes bicos vermelhos. C. chegamos à casa algum tanto cansados. em busca do seu repasto. Nesta quadra do ano. cotingas de penas vermelhas na cabeça. os pequenos pintassilgos. porém não é pior do que o do preparo do azeite de baleia. Soprava um vento forte. nunca ali cai chuva. para preparar o óleo que abastece as lamparinas de todas as casas da propriedade do Sr. iam passando. entretanto. gaviões. O cheiro que se desprende. é um tanto desagradável. Numerosos picanços trepavam por elas e trabalhavam diligentemente. mas muitíssimo satisfeitos com a excursão que acabávamos de fazer. aos grupos de três e quatro com seu vôo ondulante. com esse serviço. . à noite. como agradecimento por terem escapado ilesos das garras dos terríveis animais. ou. bútios. que eu comumente encontrava. As mangueiras estavam carregadas de frutos maduros. então. pelas moitas de árvores. porém. e que ficam nas margens dos córregos. derretendo a banha dos jacarés. Cedo ainda. os negros cantaram vários hinos. armado de espingarda. O céu estava nublado. não tive motivo para recear. que se deliciavam com as mangas. viam-se consideráveis tratos de terrenos.

por sua vez. comem-nas todos. Os bois. tivemos. logo de começo. Achei-a muito branca. as galinhas. Além da carne de vaca e de carneiro. As abelhas e vespas. Quando tais frutos caem da árvore. gostam delas demasiadamente. Em janeiro. etc. estão agora aparecendo. peixes. é inteiramente errônea. C. porém sem mau gosto algum. Este tempo passou agradavelmente. isto a julgar-se pela maneira com que toda a fruta logo se some. Nessa ocasião. mataram-se vários jaguares. os porcos. A relva logo começou a brotar verdejantemente. tivemos à mesa várias postas de carne de onça. comprava cada pele a 8 shillings. o Sr. Algumas borboletas e larvas começam então a aparecer. Parece também que não há nenhum animal que delas não goste. Várias aves aquáticas. apreciei-a muito. com alguns amigos. Vários negros foram caçar patos selvagens. – sinal de que o verão estava a terminar. e sua família. se tornam mais abundantes. C. era sempre abundante em nossa mesa a daquelas caças. todos se precipitam para apanhá-los. algumas chuvas. e. tatus. ao que parece. os carneiros. pois os negros. as ourelas da floresta estavam cobertas de flores da paixão de convolvuláceos e de muitas outras flores. Em Belém do Pará. pela primeira vez. A idéia comum de que a alimentação de um animal lhe determina a qualidade da carne. tive oportunidade de comer a manga. Logo após o Natal. as vacas. no momento de amadurecer. Certo dia. os patos. chegaram aqui. As nossas aves domésticas e leitões são . quase que não se pode comê-las. e o Sr. que eu ainda não tinha visto. de quando em quando.146 Alfred Russel Wallace Nessa ocasião. veados. para o propósito de passarem uma semana na ilha.

onde se viam pastando numerosas reses. Os peixes carnívoros não são menos saborosos do que alguns das espécies herbívoras. Ele devia ainda passar uma semana em outra sua fazenda. um grande tujuju se aproximava da casa. via-se patinhando. entre outros pássaros. para alcançá-lo. C. Uma pesada carga de chuva havia desabado. Dos veados. ao passo que os ratos e os esquilos. são em geral desprezados. A sua carne. Chegando ali. formando-se em alguns lugares pequenas poça de lama. na escuna do Sr. e nos serviu de residência. Nestas. . que se alimentam de vegetais. a vista estira-se tão longe quanto pode alcançar. Resolvi voltar para Belém em companhia do Sr. A curiosa alça passava voando. C. e os pássaros não eram lá de muito valor. para que alguns animais carnívoros não nos forneçam alimento útil e mais agradável ao paladar. Para aproveitar-se a sua carne. durou poucas horas. na ilha de Marajó. a roçar de leve a água com a ponta das asas. por causa da sua alimentação. Não há razão. mas ficava sempre fora do alcance de tiro.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 147 os bichos mais nojentos. e que ficava no trajeto da viagem. Embora eu me arrastasse. entretanto. Nos fundos da casa. tão altamente estimados em nossa pátria. De quando em quando. é necessário que esta seja cozida dentro de doze horas. ele sempre me percebia ainda com tempo para a sua própria segurança. que nos levou logo à sua fazenda chamada “Juncal”. enquanto permanecemos naquela fazenda. sobre um terreno perfeitamente plano ou de campo. instalamo-nos numa casa de paredes barreadas. pois entramos num rio. A viagem. de rojo. que ainda estava por acabar.. depois de morto o animal. é altamente estimada. é considerada a mais seca e a mais sem gosto das carnes que possa haver. por isso mesmo. um pequeno bando das elegantes pernaltas tarambolas (Himantopus). Raramente conseguia eu obter insetos.

que são atirados para pegar nos pés ou na cabeça. ao chegar a tarde. Isso era justamente na hora em que nós mais desejávamos gozar da fresca da tarde. ficando assim a descoberto a bonita simetria das linhas de seus corpos. nisso demonstrando eles grande habilidade. com uma certa cutilada. Os negros e mulatos. Ao longo das margens do rio. viam-se as moradas dos vaqueiros (ou guardas do gado). porém todos eles muito robustos. Um pouco adiante. O matador. rapazes. Para esse propósito. Para mim. que passa por baixo do queixo. foi esse um espetáculo bastante desagradável e brutal. parece que estimam bem tal modo de existência. jarreta o pobre animal. Vestem somente calça e colocam um gorro à cabeça. No campo. As pontas dos laços são firmemente sustentados pelos cavaleiros.148 Alfred Russel Wallace Em roda da casa. e. feitos de pau a pique e que servem para a apartação do gado. ficam os “currais”. eram. Levam ali uma vida em que se sucedem as alternativas de ociosidade ou de muito labor. ora forçando as reses a entrar no curral. quando alguma tinha de ser abatida. então. Mesmo assim. na sua maioria. . Divertimos-nos muito ali. havia numerosos brejos e estreitos fossos. assistindo às suas rudes lidas com o gado. salta do cavalo. em verdade. empregados na fazenda. o qual é preso por um cordel. onde vicejam numerosas. O seu trabalho efetua-se todo a cavalo. curiosas e lindas plantas aquáticas. muito nos importunavam com as suas ferroadas. Os mosquitos eram muito abundantes ali. viam-se capões de mato e moitas de bambus de compridas pontas. sentados na varanda. jogam dois laços. num golpe rápido. ora jogando nelas os laços.

para serem postas a bordo. Em numerosos bandos. e eu não desejo testemunhá-lo mais do que uma vez. A canoa para o transporte do gado estava ancorada a umas 20 jardas da praia. Encontravam-se ali poucos pássaros que merecessem tiros. É um espetáculo muitíssimo desagradável de assistir-se. então. tentavam segurar as reses jogando as pontas dos mesmos para prendê-las pelos chifres. que demarca o local. por fim. à espreita. por intermédio do qual se suspendem as reses. ficando atoladas no barro até à altura do joelho. Havia ali um estrado. bem perto dali. embarcamos de volta para Belém. No curral. corre os olhos em roda. penetrando até ao peito. que. Depois de passarmos uma semana em “Juncal”.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 149 A rês cai imediatamente no solo e em vão tenta levantar-se. têm bons lugares para fazer os ninhos. já começam a tirar-lhe o couro e a esquartejá-lo. As reses empregam todos os estratagemas para evitar semelhante aprisionamento. a faca é-lhes introduzida na garganta. viam-se umas vinte ou trinta reses bravias. que vão ter onde se acham as entranhas da rês. com outro golpe. aguardando o momento de se arremeterem ao festim. sacodem as cabeças e desembaraçam-se dos laços. e. que estavam a escoicear-se e a corcovear. o mês de junho. Depois. Ainda bem o animal não está morto. é quando chegam eles ali. Uma canoa para transporte de gado deveria acompanhar-nos. Ainda não era o tempo de chegada das cegonhas dos colheireiros. . manejando os laços. armado em declive. e algumas reses deveria também ser embarcadas a bordo de nossa escuna. sobre os seus impiedosos atacantes. Alguns homens. Os cães e os urubus ficam de lado. numa poça de sangue. antes que estes lhes apertem nos chifres.

Enrola-se-lhe em seguida uma forte corda nos chifres. entregava a ponta da corda aos homens de bordo. Eu admirava a rapidez com que um índio se precipitava na água. não parando. quer pela sua crescente fúria. Pulam para um lado. nem tanto se alarmam os vaqueiros. quer pela grande habilidade ou intrepidez dos vaqueiros. sendo a rês rebocada para um dos lados do navio. ou trepam nos paus dos currais. Por uma ou duas vezes. E recomeçam o ataque imediatamente. os movimentos da rês. debatendo-se irremediavelmente. quando erguida pelo pescoço. ao que parece. Dali é baixada para o porão. foi arremessado para perto da canoa. enquanto outros homens a ferroam e dão-lhe pancadas com compridas varas. Afinal. não sem ainda fazer algum distúrbio. foram assim postas a bordo todas as reses. montando em seguida no dorso do animal. que é trançado de couro. meia dúzia dos seus companheiros vem ajudá-lo a tirar a rês do curral e levá-la para dentro da água. o laço. E. para tirar o boné da cabeça. contra os homens. o vaqueiro consegue então cerrar a laçada nos chifres. . como faz uma gata. nem mesmo. Aí. nadando adiante da rês. então. Após algumas tentativas. A rês vai arrastada pelos fortes laços. onde logo depois se acomoda. por toda parte do curral. dão furiosas arremetidas. a rês vai arrastada ou empurrada para o rio e a ponta da corda é certamente arremessada na mesma hora para bordo da canoa. e vai seguindo atentamente com o olhar. ou. Caem ao solo. cada qual oferecendo algum interesse. que cavalgava em triunfo até a canoa. Com isso. Elas ficam irritadíssimas.150 Alfred Russel Wallace Cada homem tem toda a sua atenção fixa em um determinado animal. com toda a força. lesto. por intermédio da qual é suspensa para bordo. Uma após outra.

foi ele para bordo e comeu muito bem. estava no curral. O vaqueiro-chefe. como se nada lhe houvesse acontecido. Jantamos à sombra das árvores. tanto que dentro em pouco voltou ao curral. que reduziram a frangalhos as nossas velas. tivemos fortes ventos. com uma rapidez do relâmpago. usada pelos índios para fazer as suas setas. Na noite seguinte. Demoramos ali quase o dia todo. chamada “Ilha-das-Flechas”. embora estivéssemos a navegar em água doce. . para prestar-lhe a necessária assistência. O Sr. e eu não tardei a experimentar a desagradável sensação de enjôo. entretanto. aportamos a uma pequena ilha. Os outros homens. Alcançamos bem depressa o Amazonas. um robusto e esperto mulato. retiraram-no dali.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 151 Não se conseguiu embarcar todas as reses sem acidente. alguns anos atrás. imediatamente. Aparentemente morto. C. Fora ferido no peito. empurrando o gado para um canto do mesmo. quando um boi furioso investiu então contra ele. e. e que se encontram abundantemente ali. por uma cabeçada do animal. que nos atraíram a atenção. caiu de comprido no solo. Encontram-se também ali vários outros frutos curiosos e interessantes flores. porém os chifres não o atingiram. que têm na sua epiderme uma pequena pluma e existem ali em grande quantidade. Depois de embarcadas todas as reses. Começamos logo nossa viagem. Atualmente. percorremos os arredores e colhemos umas frutas silvestres. demonstrando que seu apetite nada havia sofrido com o acidente. Dizem que. já estão quase exterminados. e sua senhora acorreram à praia. No dia seguinte. a ilha era infestada por inúmeros porcos do mato. por causa da grande quantidade de uns caniços de espécie característica. jogou por terra.

de modo que passamos num momento de uma para outra espécie de águas. Elas misturam-se apenas um pouco. num pequeno trecho. Com dois dias mais. onde se nota uma súbita mudança no colorido das águas do Amazonas e do rio Pará. As águas do primeiro são de cor amarelada e doces. alcançamos Belém do Pará. . em sua junção.152 Alfred Russel Wallace No dia seguinte. passamos pela ponte ocidental da ilha de Marajó. ao passo que as do último são esverdeadas e salgadas.

comecei a trabalhar regularmente na floresta. Julgamos de bom alvitre corrigir. são as arapongas ou “pássaros-ferreiros”. . . . Os “pássaros-sinos”. . uma vez instalado. . . . . . pude dispensar o criado para este mister.Sumário . tanto quanto permitia o tempo inconstante. . . e ali. E U HAVIA ESCRITO ao Sr. Domingo e Calistro. CALIXTO – ESCRAVOS E ESCRAVATURA – ANEDOTA – CANAVIAL – EXCURSÃO À FLORESTA – EXPLICAÇÃO DA POROROCA – REGRESSO A BELÉM DO PARÁ – ARAPONGAS E PAPAGAIOS VERDE-AMARELOS50 jasse uma pequena casa em Nazaré. . assim. Miller. . . Um português idoso. . . . . 50 O autor grafa piroróco. que Walace assim denomina. fornecia-me alimentação. . que mantinha na casa próxima uma taberna. O CAÇADOR A SERVIÇO DE NATTERER – PÁSSAROS E INSETOS – PREPARATIVOS PARA UMA EXCURSÃO – PRIMEIROS SINAIS DA POROROCA – SÃO-DOMINGOS – O SR. . . . pedindo-lhe me arran- . aqui e alhures. . todos esses nomes. e. . Capítulo V Rios Guamá e Capim LUÍS.

a fim de comprar para si próprio um casal de escravos.154 Alfred Russel Wallace Os meninos da vizinhança logo souberam da minha chegada e que eu comprava todas as espécies de “bichos”. que me era trazida. etc. todas as vezes que trazia algum novo pássaro. menos inteligente. surucuas de peito vermelho. que tinha muita prática. era caçar. previdência esta de que o índio. para isso. Ele acompanhou o Sr. Luís era um ótimo caçador. Contratei-o a mil réis (2 shillings e 3 pences) por dia. Conhecia as moradas e hábitos de quase todos os pássaros e sabia imitar-lhes perfeitamente os piados e cantos. enquanto esteve com o Sr. tucanos. Em vista disso. entretanto. ajudar a depenar pássaros e a preparar outros animais. As cobras agora encontram-se mais freqüentemente. como sempre se refere a Natterer. . são mais raramente encontrados nesta quadra do ano. e alguma. Vagava pelas matas. Ele muito me diverte com as suas narrações de viagem em companha do “doutor”. de nome Luís. resolvi arranjar um caçador de pássaros. Natterer. ao voltar. desde a manhã até à noite. e. eu logo a preservava no álcool Os insetos. Natterer. raramente se convence. Disse-me que era muito bem tratado e ganhava uma pequena gratificação. Ele agora possui um pouco de terra e já economizou o bastante. durante o tempo em que esteve este no Brasil (dezessete anos). quando era ainda menino. pois fora comprado por ele no Rio de Janeiro. quase diariamente. inclusive a subsistência. Quando o Sr. Natterer deixou o Pará em 1835. Arranjou-me logo alguns bonitos cardiais palradores. Luís nasceu no Congo e é homem alto e robusto. contratei um negro. ia a grandes distâncias. trazia-me quase sempre lindos pássaros. deu-lhe a alforria. A sua única ocupação. e. a fim de atraí-los para perto de si e assim poder matá-los.

Eu quis ir em canoa de minha propriedade. não havia mesmo acomodação suficiente. da qual fiz parte do pagamento. pensando também que tal embarcação poderia servir-me depois na viagem ao Amazonas. fiz passeios nas lavouras de arroz de meu amigo Sr. Eu levava uma barrica de álcool. ou então um menino. além do Luís. para os quais. que entender-me com o senhor dele. por ocasião. por isso. a mãe tinha sangue negro. um tanto monótona no Pará. pareciam deliciar-se. resolvi fazer uma pequena excursão. nesta estação. raramente encontrados na cidade. para o fim de verificar isso de visu. e que já se havia acostumado a trazer-me insetos. das marés. à saída da floresta. adquirir uma. de um francês de Belém. A sua aparência era de índio. nela me acomodando com as provisões necessários para a viagem. Leavens. Vários rapazes de Belém estavam agora fazendo coleções e. Tendo ouvido falar muito a respeito da “pororoca”. e. como prova da imensa variedade e exuberância de vida dos insetos neste país. Como a canoa fosse pequena. que era um oficial. resolvi levar comigo apenas um piloto e mais outro homem. e nos dias chuvosos. na verdade. Encontrei logo um rapazote. quase sempre eu apanhava um ou dois espécimens. e fazer variação em minha vida. pois nunca encontrei mais nenhuma em qualquer outro lugar. pois assim poderia fazer paradas onde e quando me aprouvesse. para conservação de peixes. por isso. haveria também de participar-lhe do fado. onde ia vê-lo. e contratei-o à razão de 3$000 (cerca de 7 shillings) por mês. portanto. de muitos homens de equipagem. de resto. o filho. e ali obtive alguns curiosos insetos. assim sendo. . Por uma ou duas vezes. eu quase sempre encontrava uma espécie nova. que parecia convir-me. que morava perto de minha casa. Resolvi. e tudo mais necessário para colecionar e preparar pássaros e insetos. não necessitando. e era escrava. Tive. cor de esmeralda (Haetera esmeralda). em uma estreita vereda. embora pequenas. que ocorre no rio Guamá.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 155 As lindas e pequenas borboletas. em todas essas coleções.

até a maré voltar novamente. de fato. quando me foi entregue. depois de tudo pronto. partimos. saltávamos em terra. na parte mais baixa do seu curso. e já havia bebido tanta cachaça. e eu da minha rede de caçar inseto. tendo-nos ficado contrária a maré. mesmo assim. o que é muito necessário. uma pesada corrente de ferro. voltou a procurar-me. quando então. a cada passo que ele dava. então. para ajudar a carregar a canoa. as margens dele são onduladas. depois de ter gasto todo o dinheiro. para ir como meu piloto. Pediu-me adiantadamente alguns mil réis. quando ele então. em volta do corpo e das pernas. e aquilo deveria ser verdade. sem perturbação de vento. tornando-se daí por diante muito quieto e submisso. fui encontrá-lo em uma taberna a comer biscoitos e queijos com azeite. Luís. É este um bonito rio. e preparávamos o nosso jantar. para impedir-lhe a fuga. geralmente procurávamos ancorar perto de alguma casa. em virtude de me haver dito que conhecia o rio e tinha bastante prática de navegação. principalmente por ocasião das “pororocas”. . com a vazante. e já estando melhor da sua extravagância. para comprar roupa. fazíamos fogo debaixo de uma árvore. se eu viesse a ficar com ele. Achava-se oculta sob as suas vestes. O rapaz costumava trazer. até à noite. Afinal. Durante a baixa-mar ou vazante. Por esse motivo. prometendo-me ser fiel e diligente. ancoramos algumas milhas acima da barra do rio Guamá. que estava bastante intoxicado. Afinal. embrenhando-nos na floresta. com o qual muito se parecia. Ajustei também um espanhol. vendo-se pitorescas moradas e sítios. desagradavelmente. de cerca de meia milha de largura. como castigo. para passarmos a maior parte do tempo em pesquisas. remando tranqüilamente. quando dele precisei.156 Alfred Russel Wallace Diziam que o próprio dono do menino é que era o pai deste. vinagre e alho. mas retinia. tomava da espingarda. fui ainda obrigado a esperar até o dia seguinte. e. foi-lhe tirada a cadeia. Pouca distância acima da barra.

e não teríamos mais a sua repetição. havia uma ilha. contudo. correndo rapidamente rio acima e quebrando-se em espumas ao longo de todas as praias e baixios do rio. antigamente. A onda mais alta havia passado. eu empregava o tempo quase sempre depenando pássaros ou marcando insetos. instantaneamente e não gradualmente. Eu havia trazido uma carta de apresentação para um negociante brasileiro. Neste ponto. Pouco acima desse local. Aceitei-lhe o oferecimento. passando num instante. ali residente. à procura de insetos. Fiz varias excursões pelos arredores.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 157 Quando não continuávamos a viagem. . Ficamos ali parados. contudo. A maré. o que fazia às vezes até bem tarde da noite. embora nesta estação (maio) não tenham elas ainda tanta força. chegamos a São-Domingos. de preferência. dizendo-lhe que pretendia demorar ali apenas alguns dias. com velocidade muito grande. e. a “pororoca” começou. mas dizem que foi varrida completamente. irrompendo em forma de uma onda. mas continuando depois a avançar rio acima. é que. Luís ia diariamente à mata. após a leitura dela. ele prontamente pôs sua casa a minha disposição. não nos causou dano algum. A “pororoca” veio. Todavia. E. situada na barra dos rios Guamá e Capim. provocada pelas “pororocas”. ao voltar. pequena povoação. como geralmente é o caso. Na sua passagem. ela fez nossa canoa levantar-se. tal qual um rolante vagalhão do oceano o faria. sob a ação contínua da erosão. começou a subir. No dia seguinte. pretendíamos assistir ao fenômeno. Cerca de 30 milhas acima de Belém. subitamente. o qual ocorre por ocasião das marés mais altas. como estávamos em local onde as águas eram profundas. à espera do fenômeno. quase sempre me trazia alguns pássaros.

que se tornava mais aprazível. ao dizer-lhe eu os propósitos de minha visita. tendo entrado pela braço ocidental do rio Capim. carne de vaca. não tendo sido bem-sucedido nas capturas para as minhas coleções prossegui viagem rio acima. logo após deixarmos a povoação. e. as cabanas dos negros e dos índios em roda de suas propriedades. tudo melhor de aparência e gosto em confronto com qualquer das construções agora erigidas ali. até que a tempestade passasse. Depois disso. que se estabeleceram ali. no barranco do rio. Calixto. com bonitas capelinhas. para quem eu trazia também uma carta de apresentação. A nossa alimentação constava de peixes do rio. marrecos e arroz. os que moram longe das cidades nunca expendem maiores esforços ou fazem gastos. alcançamos “São-José”. A casa em que estávamos alojados. os caminhos eram agradáveis. . vendo-se lavouras de cana e de arroz e as casas construídas pelos primeiros portugueses. principalmente laranjas. e podíamos chegar até às roças de mandioca e de arroz. convidou-me logo para permanecer em sua companhia. Afinal. onde encontrávamos sempre deliciosas frutas. fazenda de propriedade do Sr. prosseguimos agradavelmente a nossa viagem. era pouco melhor do que uma choça. como os seus principais móveis. e tendo sido com alguma dificuldade que conseguimos arriar as velas e. em seguida prendê-la a um arbusto. Todavia. desabou forte e inesperado aguaceiro. Minha canoa era muito desobediente. para tornar mais confortáveis as suas casas. Mas. Ele recebeu-me cortesmente. ali. pois havia começado agora a estação seca. Após a estada. entrando água em grande quantidade em nossa embarcação. Era de paredes barreadas e tinha um banco e uma mesa muito tosca. neste país. cozida. que quase nos fez soçobrar.158 Alfred Russel Wallace Eles são pouco abundantes ali. uns dois ou três dias mais. notando a diferença que a região fazia no seu aspecto. e. de cerca de uma semana.

Contou-me ele que. em toda a extensão do edifício. e prometendo-me fazer tudo que estivesse ao seu alcance. Calixto possuía cerca de cinqüenta escravos. quando trabalham sós. realizava ele toda sorte de serviços: – tinha sapateiros. nos moinhos e a bordo das canoas. para o moinho que se via dali com a sua grande rodada de água e janelas de pedra. estava situado no centro ficando a um lado dele os armazéns e oficinas. alfaiates. pedreiros. Era um tipo robusto de homem. quer escravos. Ali mesmo.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 159 tanto tempo quanto eu entendesse. que são os melhores e as mais modernas construções que eu já vi nesta região Tudo era feito de pedra. e cerca de outros tantos índios. quando trabalham juntamente com os escravos. que têm horas certas para começar e deixar o serviço. e do outro lado a residência do proprietário. e é por essa forma que se consegue melhor e maior rendimento de trabalho dos últimos. O Sr. bem como a construção de grandes armazéns. dando. os escravos e os índios trabalham juntos. malas e caixas e vários utensílios de folhas-de-flandres e de cobre. de todas as idades. tendo-lhe custado vários milhares de libras todos estes melhoramentos. Havia uma galeria ou varanda ligando as duas alas do edifício no andar térreo. de preferência esta última. Os índios não se submetem bem à disciplina. que oferece maior margem para lucros. carpinteiros. e o moinho. de aspecto bem humorado e aparentando não ter mais que trinta anos de idade. ligado às outras construções por meio de arcos. alguns dos quais sabiam mesmo fabricar boas fechaduras para portas. Ele havia. concluído ali a instalação de um engenho para beneficiar arroz. ferreiros. que trabalhavam nas lavouras de cana e de arroz. para servir-me. pouco antes. do que por qualquer outro sistema. . construtores de canoas. Era tudo solidamente construído. eles se submetem a todas as exigências. porém. Ele fabricava açúcar e cachaça. quer índios. aos fundos. bem como tarefas marcadas para realizar. executando alegremente as mesmas obrigações. nos seus serviços.

fazendo ao mesmo tempo o sinal da cruz. que esteja na casa. diziam-lhe: “Sua bênção”. o que muito os alegra. tanto índias como escravas. de conformidade com a sua idade ou classe. para lhe dizerem “boa-noite” ou pedir-lhe a “bênção”. pela mesma maneira. senão como última punição por conduta incorrigivelmente má. Calixto me assegurou que ele compra escravos. com igual solenidade. As crianças de todas as idades. É essa a saudação habitual das crianças. Os escravos aqui são todos notadamente bem tratados. Ele fica comodamente sentado em uma cadeira. mas nunca vende nenhum. todos os trabalhadores sobem até onde está o Sr. na varanda. o mesmo fazendo invariavelmente com qualquer pessoa estranha. de pedir-lhes a bênção. outro necessita de um novo par de calças ou de uma camisa. e o Sr. um terceiro está de saída para o Pará. Calixto informou-me que ele nunca achou motivo para recusar. Os índios geralmente se contentavam em dizer-lhe “boa-noite”. ao se despedirem. então. “Para sempre”. Esses pedidos sempre são atendidos. que são por vezes festejados. ao pôr-do-sol. Todas as tardes eles lá se reúnem e fazem-lhe então vários pedidos: – um precisa de um pouco de café e de açúcar para a sua mulher. e cada um que passa faz-lhe a saudação. ou. mata-se um boi e distribui-se cachaça. Outros – e estes eram na maior parte os negros velhos – repetiam gravemente: “Louvado seja o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo!”. Eles têm descanso nos dias santos principais. e quer um mil reis para comprar alguma coisa. Os mais jovens e a maior parte das mulheres e crianças. porque os escravos . Calixto. O Sr. que está adoentada. aos quais ele replicava. o que tem um agradável efeito.160 Alfred Russel Wallace Todas as tardes. ao avistarem os pais pela manhã. nunca deixam. à noite. estendendo o braço. em canoa. ao que ele respondia: “Deus te abençoe”. e. nestas ocasiões.

por conseguinte. Todos os domingos. embora não trabalhem em tais dias. Todos parecem na verdade estimá-lo. com a promessa de um castigo muito maior também. Ele relatou-me o caso de um negrão. outro castigo. somente as que podiam exigir-se de qualquer dos bons trabalhadores da fazenda. Calixto. quase patriarcalmente. Ele não cumpriu o seu dever. a não ser quando gozam de permissão especial para se ausentarem. foi-lhes dada uma tarefa maior. por isso. somente por indolência. e aqueles que ficam em considerável falta. todos têm de guardar para o seu consumo uma certa quantidade. completou o trabalho com desembaraço. Tendo o escravo verificado que as promessas do Sr. e não voltar senão na segunda-feira. recebendo. foi-lhe marcada uma tarefa não difícil. Isso. nada lucraria em querer levar o seu plano mais longe. é também bastante severo para punir-lhes a indolência. uma pequena coça. é com o intuito apenas de prevenir as suas idas às plantações alheias. que havia comprado. dizendo que a tarefa era muito pesada em relação à sua capacidade física. após o trabalho do dia. com a promessa igualmente de uma coça maior. ao mesmo tempo que é benévolo para com eles. teriam assim ocasião e tempo bastante para ir muito longe. No dia seguinte.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 161 nunca fazem pedidos desarrazoados. mas. executava todas as tarefas. para roubar. eles têm obrigação de comparecer perante o seu senhor. No terceiro dia. da qual ele não se esforçou por dar conta. não os mereçam. se não se saísse bem dela. e que. e que era um vadio incorrigível. No primeiro dia. com o fim de praticar furtos. Calixto foram rigorosamente cumpridas. são punidos com uma sova moderada. não obstante ser forte e gozar boa saúde. e mais afastadas. e. Se pudessem sair aos sábados. à tarde. se ele não a concluísse. e recebeu. . por causa de má conduta. que eram. foi-lhe exigido o cumprimento de uma tarefa muito maior. afinal de contas. e ficar livres de qualquer suspeita. pela manhã e pela tarde. desde esse dia. Nas colheitas de arroz. informou-me o Sr. nem pedem favores quando. por isso mesmo. repetidas vezes.

e não pode. Isso. de forma alguma. Ele dá-lhes divertimentos. como se fossem verdadeiramente umas crianças.51 que excita as nossas faculdades morais. 51 Assim. de conformidade com as leis do país. como também na velhice. pela mesma forma. em que se tornam sujeitos a isso. Calixto trata realmente os seus escravos. folgas e castigos. como se eles fossem um grupo numeroso de crianças. como se fossem cidadãos livres. é que está no original. Nunca os pais se apartam dos filhos. podemos nós dizer que a escravidão é boa ou se justifica? Poder-se-á ter o direito de reter um certo número de nossos semelhantes num verdadeiro estado de infância adulta. Em conseqüência disso. .162 Alfred Russel Wallace O Sr. mesmo atendendo-se a este ponto de vista. de uma ocorrência rara. talvez a escravidão possa ser encarada sob o seu aspecto mais favorável e sob um mero ponto de vista físico. a “battle for life”. entre aspas. sendo assistidos. exceto somente nos casos especiais. com todo cuidado. é simplesmente um caso particular. de infância despreocupada? É a noção de responsabilidade e de dependência própria que caracteriza a virilidade e que inspira os maiores poderes e as maiores energias da nossa raça. do qual se poderia até dizer que mais vale ser escravo do que viver como viviam muitos homens livres. como seu aspecto mais favorável. Eles não têm preocupações e não passam nenhuma necessidade. Por aí. pelo que sabemos a respeito da natureza humana. É o combate pela existência. na verdade. E. eles ali são tão felizes. não só nos casos de doença. inspirando as latentes centelhas do gênio. não passa. nem de suas mulheres os maridos. e toma todas as precauções possíveis para livrá-los das doenças. ser a conseqüência forçada da escravidão. contudo. Mas.

quer a ventura de conhecer as maravilhas da natureza ou os triunfos da arte. que são atributos distintivos do homem. E. estão fora de seu alcance. senão o receio do castigo. . Nenhuma esperança tem de melhorar a sua condição. Quer a sua esperança de aumentar os seus conhecimentos. a fim de trabalhar para si próprio e da maneira que mais lhe aprouver? De resto. as suas graças e as suas belezas. é mais pernicioso do que as fortes bebedeiras. assim também possam os filantropos considerar que mesmo um bondoso senhor de escravos faz como que uma injúria à causa da liberdade. Não tem direitos de espécie alguma. sem a sua inocência. nada tem a esperar pelo seu futuro. em doses mais moderadas. ainda quando a sua escravidão seja o melhor que pode ser. os seus prazeres. Nada há para incentivá-lo a trabalhar. aos mais brilhantes aspectos. Ele não tem cuidados de prover o sustento de sua família. que não percebe coisa alguma além das meras necessidades físicas dos seus negros. quão degradante não é esse espetáculo! É esta afinal. certo está o levaria a revoltar-se contra as amarguras de sua vida. a virilidade. e. de aprovação. de que apenas ouve falar. aspectos semelhantes são refinados demais para um possuidor brasileiro de escravos. saber de deveres? Todos os seus desejos. portanto. nenhuma economia tem a fazer para a idade madura. o amor ao poder ou o desejo de fama. é que provocam os nobres feitos e põem em ação todas as nossas faculdades. que era prioridade de outrem e que nunca pode esperar ter liberdade. a sua parte intelectual. E assim sendo que poderá ele. de sua vontade. a situação do escravo. que são diárias. Não tem prazeres intelectuais. além do estreito círculo de suas obrigações. Quando as fraquezas e imbecilidades da infância permanecem. A infância é a parte animal da vida do homem. poderão existir para um ente. se houvesse recebido educação para experimentá-los. tal como os abstêmios afirmam que o uso da bebida.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 163 A esperança de lucro. Tudo que recebe é um favor.

unicamente para poder acompanhar-me em minhas excursões pela floresta. arroz. quase sempre. não encontrou à mesa coisa alguma de que pudesse servir-se conosco. entretanto. ao jantar. enquanto ele se demorou em nossa companhia. mantendo uma atitude polida e delicada. fazendo cobranças de dívidas. Bastava eu fazer uma simples menção de qualquer coisa de que se gostasse. e bem assim sobre os da minha propriamente. . desde que o animal não houvesse sido abatido segundo o costume judaico. Ele alterou a hora do jantar. e fazia todos os esforços possíveis para a minha comodidade. que havia trazido para o Sr. era eu imediatamente servido. que. ali apareceu um cavalheiro judeu que estava de viagem rio acima. ele não comia qualquer espécie de carne. como poucos eu tenho visto. muito bem. assados. havia uma variedade tal de peixes de escamas. com o maior respeito. e passando. ele se regalou deveras. ovos. são os que abrangem as melhores espécies que estes rios produzem. afinal. e. ensopados e fritos. O Sr. O Sr. Nos dias seguintes. que. os quais. De conformidade com os preceitos de sua religião. era muito bondoso e muito bem humorado. Ele deliciava-se em fazer-lhe perguntas a respeito dos rituais da religião hebraica. daí por diante. encontram um campo propício para as más paixões do homem e estão sempre prontos a produzir efeitos tão vis e tão degradantes. entretanto.164 Alfred Russel Wallace tornando o povo em geral incapaz de compreender os falsos princípios inerentes ao sistema. cozidos. Ao chegar. se estivesse ela ao seu alcance. nem mesmo a de qualquer peixe. na verdade. a não ser os de escama. verduras e legumes com tanta fartura. tendo sempre excelentes refeições. Calixto. Calixto. De uma feita. Calixto muito se divertia por causa dos escrúpulos do judeu. No primeiro dia. Demorou-se alguns dias conosco. fazendo mesmo os homens mais honestos envergonhar-se da desgraçada condição da natureza humana. fez entrega de uma carta de recomendação. fazia-o porém.

Levantando os olhos para cima. venha ver um homem que acaba de trazer notícias de nossa filhinha Maria. casado com uma bonita mulher. O negro. para esconder-se. das quais a seguinte é uma das que servem de amostra para pôr em foco a credulidade dos negros: “Era uma vez um negro. que se achava escondido lá em cima. Lá um dia. voltou inesperadamente.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 165 Depois. chegando a casa. o qual ficou bastante atônito. Em seguida recostou-se na rede. benzeu-se fazendo o sinal da cruz. trepando pelas traves. muito assustado. tendo o marido saído para caçar. ouvindo isso. então. tentou recolher a perna. em frente ao marido da negra. O marido. e de lá trago notícias de sua filhinha Maria. Contou-nos ele muitas anedotas. – Ó mulher! Ó mulher! – gritou o marido –. – Então. pôs a sua espingarda a um canto da sala e pediu à mulher que lhe trouxesse a comida. em torno dos mesmo assuntos. continuou: . Este. voltando-se para o visitante. porém o fez com tal infelicidade. caindo redondamente no chão. O visitante. destas pernas que eu estou vendo lá do alto! O outro preto. julgando que aquilo fosse alguma coisa de sobrenatural. e disse: – Livrai-me. fazia comentários a respeito da doutrina católica. ficando entre as tábuas e alguns cestos. sempre que se lhe oferecia ocasião. andava tentando a mulher do amigo. contudo. Outro negro. O marido. que perdeu o equilíbrio. perguntou-lhe então: De onde vem? – Eu estou acabando de chegar do céu. viu então uma perna aparecendo por entre os cestos. teve de subir precipitadamente para o teto da casa. respondeu-lhe o outro. que se achavam guardados ali. que estava armada ali na sala. o outro interessado aproveitou a oportunidade para fazer uma visita à negra. assim apanhado. Senhor.

166

Alfred Russel Wallace – E que é que estava fazendo minha filhinha, quando você á

deixou lá? – Oh! Ela estava assentada aos pés da Virgem, com uma coroa de ouro na cabeça, e estava fumando num cachimbo de ouro, que era de uma vara de comprimento. – E ela não mandou nenhum recado para nós? – Oh, sim! Mandou muitas lembranças e pediu que lhe enviasse duas libras de fumo de sua rocinha, porque, lá no céu, nunca tiveram fumo tão bom como o da roça de vocês. – Ó mulher! Ó mulher! – tornou a gritar o marido. Traze duas libras de fumo da nossa rocinha, para a nossa filhinha Maria, que está lá no céu e que diz que nunca teve um fumo que nem pela metade fosse tão bom como o nosso. A mulher, então, trouxe o fumo, que foi entregue ao visitante. Este estava para retirar-se, quando ainda lhe foi perguntado: – Há lá em cima muitos homens brancos? – Muito poucos – replicou ele. – Estão quase todos com o diabo, lá nas profundas do inferno. – Eu assim sempre pensei – concluiu o outro, aparentemente muito satisfeito. – Boa-noite!” O Sr. Calixto construiu uma bonita canoa, feita do tronco de uma árvore, sem um único prego, pois os seus bancos eram todos entalhados. É nela, quase sempre que vai a Belém, dali perto de 200 milhas. Com 12 bons remadores índios, bastante cachaça, e sem fazer paradas, alcança a cidade em 24 horas. Algumas vezes, fomos percorrer os seus canaviais, embarcados na dita canoa, tripulada por oito negrinhos e meninotes índios, remadores, os quais estavam sempre prontos para tal serviço. Nessas ocasiões eu sempre levava tanto a espingarda, quanto a rede para capturar insetos. Tive ocasião de atirar nalguns pássaros e apanhar alguns insetos, que ia encontrando, enquanto o Sr. Calixto, que estava sempre ao

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

167

meu lado, mandava os seus meninos subir as árvores, para colher os frutos das “flores-da-paixão”52 que pendiam dos galhos das árvores, como áureas maçãs, nas densas moitas das margens do rio. Este ano o seu canavial estava muito viçoso. Tinha o comprimento de milha e meia por um quarto de milha de largura. Cortam-no oito estradas, todas elas, de cada lado, plantadas de bananeiras e abacaxis. Informou-me que, quando esses frutos amadurecem (na quadra das cheias) os seus escravos e índios podem apanhá-los à vontade, e nunca conseguiram acabar com eles todos. – Mas, disse-me, não é tarefa muito trabalhosa plantá-lo assim, quando se faz a plantação do canavial. Eu sempre procedo assim (acrescentou ainda), porque gosto de ver tudo em abundância. Conjuntamente, era entretanto, além de sua bonita vista, uma amostra da superabundância produzida por um solo fértil, sob um sol tropical. Tendo eu dito que desejava muito obter uma coleção de peixes, os quais desejava conservar em álcool, ele mandou, imediatamente, alguns índios fazer represas53 nos igarapés, para envenenar a água enquanto outros iam pescar à noite, com linhas arcos e setas. E todos os peixes, então pescados, eram logo trazidos para mim, a fim de que eu escolhesse e separasse os que me conviessem. O resto era levado para a cozinha. A melhor maneira de apanhar peixes de várias espécies e em melhor variedade, era por meio de uma grande rede de arrasto, de 50 a 60 jardas de comprimento. Um dia, saímos em duas canoas, com uns 20 negros e índios, os quais nadavam com a rede, fazendo um círculo estendendo-a em seguida e arrastando-a para a praia.
52 Maracujás-açus (Passiflora alata ou quadrangularis). 53 Tais represas são conhecidas pelo nome túpico de cacuris, como se pode ver no “Glossário paraense” (pág. 17) de Chermont de Miranda.

168

Alfred Russel Wallace

Não tivemos muita sorte; mas, mesmo assim, conseguimos encher dois cestos, de meia fanga,54 onde se encontravam peixes de diversas espécies, uns grandes, outros menores, dos quais separei vários deles, para aumentar a minha coleção. O Sr. Calixto havia resolvido mandar alguns de seus índios a um pequeno rio, que corre dentro da mata, especialmente para pescar; iam também com o encargo de salgar e secar toda a carne de caça, e bem assim trazer vivas algumas tartarugas, as quais são abundantemente encontradas ali. Eu tinha grande interesse em obter um exemplar da espécie Tinamus ou perdiz brasileira, que é uma ave notável e bem desenvolvida, a qual se encontra nas florestas. Ainda não se me havia deparado nenhum espécimen, desde a ocasião em que vi, pela primeira vez, uma dessas aves, quando estava sendo depenada para ser posta na panela. Eu estava ansioso também por encontrar a arara verde-azulada; e, por esse motivo, ele bondosamente aquiesceu para que eu fosse em companhia de seus homens. Para esse fim, emprestou-me uma pequena canoa, e bem assim outro índio, para acompanhar-me, quando eu pretendesse voltar. Os outros índios lá deveriam demorar uns dois ou três meses. Tudo que os índios levavam, resumia-se em sal, pólvora e chumbo. O meu bondoso hospedeiro, entretanto mandou encher a minha canoa de frangos, ovos, bananas, abacaxis, cacau, etc., e assim fez para que eu fosse bem provido dessas coisas e nada me faltasse. Com dia e meio de jornada, rio acima, alcançamos a barra do estreito igarapé onde deveríamos penetrar, pelo qual em seguida, fomos subindo; paramos, porém, logo um pouco acima, na cabana de um conhecido de nossos homens, onde ficamos especialmente para pernoitar.
54 A fanga tem quatro alqueires, isto é, 160 litros; assim, um jacá de meia fanga corresponde a 80 litros.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

169

Na manhã seguinte, cedo ainda, prosseguimos viagem igarapé acima. Passamos pela última choupana que havia no trajeto, entrando finalmente na indômita e selvagem floresta virgem, que é inteiramente desabitada. O rio era estreito e muito sinuoso, correndo as suas águas com grande rapidez, principalmente nas curvas. Em alguns trechos, por vezes, estava ele obstruído por arbustos, encontrando-se também algumas árvores, que lhe haviam tombado no leito. Nesses sombrios recessos, raramente se encontra uma flor. As grandes borboletas (Morphos) de asas azuis de quando em quando passavam voando sobre o rio. Por vezes viam-se algumas também pousadas nas folhas das árvores das matas. Inúmeros alciões55 de penas verdes no dorso, fugiam precipitadamente para diante à nossa aproximação. À tarde, cedo ainda, paramos em um lugar limpo, à beira do rio, onde os caçadores já tinham costume de ficar. Ali armamos as nossas redes. Acendemos, em seguida, um bom fogo e preparamo-nos, então, para passar a noite ali. Após excelente jantar e delicioso café, deitei-me na rede. Assim deitado, eu contemplava, através do frondoso dossel, lá bem no alto, o céu semeado de estrelas, que brilhavam intensamente, e das quais dificilmente se distinguiam os pirilampos, que, por sua vez, voavam por entre a folhagem. São uma espécie de “Pyrophorus”, maiores do que quaisquer outros, que eu antes havia visto em Belém do Pará.
55 O “alcião”, a que se refere o autor, é o “martim-pescador” (Corylo amazonica), de que possui o nosso país cinco espécies, segundo afirma Goeldi, em As aves do Brasil, pág. 188.

170

Alfred Russel Wallace

Parece que são atraídos pelo fogo, para o qual vão convergindo em grande número. Movendo-se um desses insetos sobre as linhas de um jornal, pode-se ler com muita facilidade. Os índios distraíam-se, contando as suas aventuras de caçadas, as suas escápulas dos jacarés e das serpentes, ou, então, as vezes em que ficaram perdidos na floresta. Um deles contou que, certa feita esteve perdido por espaço de dez dias e, durante todo esse tempo nada havia comido, tão-somente porque não tinha farinha; e embora pudesse ter matado uma caça qualquer para comer-lhe a carne, ele assim não fez porque não podia comer sem farinha. Parece que ficou um tanto desconfiado de que eu o julgasse capaz de estar mentindo, não obstante haver eu, de fato, imaginado que, decorrida uma semana, ele haveria de vencer qualquer escrúpulo de tal jaez. No dia seguinte, os índios saíram para caçar, dizendo que haviam de regressar cedo ainda, para prosseguirmos a viagem. Enquanto eu os esperava, capturei alguns insetos, na mata. Naquelas sombrias florestas, entretanto, não havendo caminhos por onde eu pudesse andar com confiança, não fui bem-sucedido. À tarde, alguns índios regressaram, trazendo dois pássaros-trombetas (Psophia viridis)56 e um macaco, os quis eu logo preparei para as minhas coleções. Um dos índios de nosso grupo, entretanto, só chegou muito tarde. Em conseqüência de tal demora, não nos foi possível continuar a viagem, senão no dia seguinte. Nessa noite, não fomos tão felizes como na anterior. Justamente quando acabou de escurecer, logo começou a chover.
56 Esse “pássaro-trombeta” é o nosso jacamim, como se pode ver na citada obra de Goeldi, págs. 503-504.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

171

As nossas canoas estavam tão atravancadas de bagagens, as quais não podiam molhar-se, que pouco espaço e jeito sobravam para nos acomodarmos dentro delas. Empreguei todos os recursos para ajeitar-me da melhor maneira possível, ficando embolado não sei como e horrivelmente apertado, esperando que a chuva passasse logo. Mas assim não aconteceu. Estávamos dentro da canoa, sem ter ainda jantado. Comecei então a sentir fome. Estava escuro como breu, e quase de rastos, às apalpadelas, saí à procura de lenha. Com o auxílio de um índio, consegui acender fogo, tendo para isso ficado de cócoras com umas folhas de palmeira sobre a minha cabeça, as quais o índio segurava. Assim, consegui aquecer um pouco de carne de jacu (uma espécie de Penélope), que tinha sido cozida à tarde. Quando acabei, estava completamente encharcado. Mas procurar outras roupas, para trocar, não me era possível. Desse modo, tive que me enrolar como uma bola, e foi assim que consegui dormir, aliás muito bem, até o dia clarear, que foi justamente a hora em que a chuva passou. Bebendo logo uma xícara de café quente, senti-me de novo muito bem disposto. Resolvi não continuar mais a excursão. Entretanto, na nossa volta, grandes foram as dificuldades que encontramos pelo trajeto. Vários troncos de árvores haviam caído sobre o leito do rio, e foi um grande trabalho passar as canoas por cima deles. Afinal, encontramos um, sobre o qual a canoa não poderia passar, e, assim, tivemos de gastar mais de uma hora para cortá-lo com o machado, que já trazíamos para esse propósito. Cerca das três horas da tarde alcançamos um lugar onde podíamos passar a noite, e, como não desejávamos, de forma alguma, a

172

Alfred Russel Wallace

repetição do que havia sucedido na noite anterior, os índios trataram logo de fazer um rancho de abrigo, onde pudéssemos ficar. Eles tiveram que ir muito longe, a fim de arranjar os meios necessários para cobri-los, pois somente havia palmeiras dali a cerca de uma milha de distância, e foi preciso pô-las abaixo, para tirar-lhes as folhas. Entretanto, como houvéssemos tido o trabalho de arranjar o nosso rancho, tivemos em seguida bom tempo, durante os três dias que ali permanecemos, o que de todo não esperávamos que sucedesse. Enquanto nos demoramos ali, pouco êxito tivemos nos nossos principais objetivos. Os caçadores só mataram alguns veados, algumas aves e macacos. Embora houvesse entre eles alguns espécimens curiosos de pássaros pequenos, não fiquei nada satisfeito com o resultado da minha expedição. Assim, pois, passados os três dias, conforme já havíamos resolvido, voltamos então. O resto do grupo internou-se pela floresta, a fim de procurar outros lugares, mais apropriados para as suas caçadas. No segundo dia, alcançamos o rio franco. Muito me deliciei com a troca de ambiente, deixando a sombria e úmida floresta, de fronde muito escura e de folhas mortas, pela brilhante claridade do sol, o azul do céu, os gorjeios dos pássaros e as vistosas flores das margens. Passando por outra fazenda do Sr. Calixto, sita à margem oposta do rio, fomos à praia, para matar uns mochos, que ali estavam pousados, tendo a sorte de matar dois deles. Tratei logo de depená-los, na canoa mesmo, enquanto íamos em demanda de “São-José” Chegamos justamente à hora do jantar, e fomos cordialmente recebidos pelo Sr. Calixto. Após alguns dias de permanência ali, deixei, carregado de presente, aquele hospitaleiro teto.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

173

Ovos, tapioca, um leitão assado, abacaxis e doces, foram enviados para a minha canoa, à hora da minha partida. E assim, com muito pesar, despedi-me de meu bondoso hospedeiro. Tive ocasião de ver, pela segunda vez, a “pororoca”, quando eu de todo não imaginava encontrá-la. Havíamos aportado a uma fazenda de engenho de açúcar, a fim de esperar a maré, quando então o encarregado desse estabelecimento nos disse que havíamos feito muito bem em não prosseguir a nossa viagem, porquanto a “pororoca” estava para vir, de um momento para outro. Embora eu julgasse que isso não passasse de uma brincadeira, para nos atemorizar, achei mais acertado, em todo caso, seguir o seu conselho. E, enquanto esperávamos ali pela volta da maré, formou-se uma grande onda, que irrompeu subitamente, arremetendo-se violentamente por toda parte, tendo passado, com muita rapidez, justamente no lugar onde nossa canoa esteve a princípio atracada. A forte onda havia passado. As águas, em seguida, voltaram à sua tranqüilidade normal, porém estavam correndo com grande velocidade. Prosseguindo a nossa viagem, fomos então observando, por toda parte por onde passávamos, as devastações feitas pela “pororoca”. Viam-se alinhadas, ao longo de todas as praias das margens, as árvores que foram arrancadas, e bem assim as altas camadas de lama, nos lugares onde a terra fora varrida dos barrancos. No inverno, quando as contramarés são mais fortes e mais altas, a “pororoca” irrompe com uma força terrível. Nessas ocasiões, por vezes, afundam-se muitas embarcações, ou são reduzidas a cacos, quando descuidadamente deixadas nos lugares onde as águas são muito pouco profundas. As explicações ordinárias, dadas a respeito desse fenômeno, são evidentemente errôneas.

174

Alfred Russel Wallace

Não há nenhum encontro de águas doces e salgadas, nem tampouco o rio se estreita consideravelmente onde a “pororoca” tem o seu início. Eu colhi todas as informações possíveis a respeito da profundidade do rio e dos baixios que se lhe encontram no leito. Onde o fenômeno surge primeiramente, há um baixio, através do leito do rio, e este, mais abaixo, se estreita algum tanto. A maré avança pelo rio Pará acima com grande velocidade, e, ao entrar no rio Guamá, alcança então a parte mais estreita do canal. Ao alcançar esse trecho, a massa de água posta em movimento pela maré tenderá a tornar-se mais alta e a correr com muito mais rapidez. E daí, subitamente encontrando um baixio, forma-se então uma onda, da mesma maneira quando se atira uma grande pedra no fundo de um córrego cujas águas correm com grande velocidade, formando-se daí uma onda que se propaga em sua lisa superfície. A onda que se forma no rio será então tanto mais alta e mais forte quanto maior for a massa de água posta em movimento e propagar-se-á para cima sem se quebrar. Onde encontrar um baixio, quer no leito, quer nas margens do rio, ou ela se quebrará ou então, ao passar sobre o baixio, torna-se maior, e como o rio se estreita prosseguirá então o seu curso com maior rapidez. Quando as marés são baixas, levantam-se menos rapidamente e no começo de sua formação uma muito menor massa de água é que se põe em movimento. A profundidade da massa de água que se move, se é pequena, não entra em contato com o fundo do rio, quando passa sobre o baixio, e assim nenhuma onda se formará. E somente quando a massa de água em movimento, quando a maré se forma, é de suficiente profundidade, ao entrar em contato com o baixio, como se fosse esbarrada por um dique, levanta-se e forma-se então uma grande onda rolante. O diagrama adiante mostra, mais claramente, a maneira pela qual eu suponho que se forma a onda:

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro maré.

175

A linha AA representa o nível das águas, quando se forma a D é o fundo do rio. A linha BB é a profundidade em que a água se põe em movimento nas marés baixas, não chegando a alcançar, portanto, o fundo do rio, no baixio C, e não se formando, nessa ocasião uma rápida correnteza. CC é a profundidade em que a água é arrastada e posta em movimento, no começo das marés baixas, quando a massa de água entra então em contato com o fundo, e é impelida para cima, formando-se assim a onda que se propaga rio acima.

Diagrama da “pororoca” (pág. 90 do original)

Para que isto se realize, é necessário, portanto, que exista alguma conformação peculiar do fundo, e não simplesmente o estreitamento ou alargamento do rio, para que uma dada maré fluvial possa produzir a “pororoca”. Nos rios Moju e Acará,57 dizem que ocorre o mesmo fenômeno. Esses rios têm cursos paralelos, e, provavelmente, são atravessados pelo mesmo leito de rocha, devendo haver, portanto, baixios algum tanto semelhantes, em cada um deles. Pelo diagrama, vê-se bem facilmente por que se forma somente uma onda e não uma sucessão de ondas. Demais, passada a primeira onda, a água ergue-se tanto que fica limpa e clara, para cima do baixio, e não é mais perturbada por este.
57 No original, Acará.

176

Alfred Russel Wallace

Regressando a Belém do Pará, tornei a fixar minha residência em Nazaré. Na viagem, que ora acabo de empreender, verifiquei que minha canoa era demasiado insegura, e, além disso, pequena para a minha pretendida expedição ao alto Amazonas. Logo que ali cheguei, quis restituí-la ao proprietário, que me havia garantido que ela se prestava para tal excursão, sendo bastante segura e bem adaptada para esse propósito. Após muito trabalho e muita amolação, sem resultado, fui obrigado a perder as 10 libras, que já havia dado antecipadamente como parte do pagamento dela. Em começo de julho, meu irmão mais moço, H., havia chegado a Belém do Pará, especialmente para ajudar-me. Pela volta do navio, que o trouxera, despachei as minhas coleções de peixes e de insetos, aproveitando, assim, a boa oportunidade que tive, para semelhante providência. Lá um dia, tivemos a boa sorte de encontrar um pequeno bando dos belos e curiosos pássaros-sinos (Chasmorhyncus carunculatus).58 Estavam pousados em uma árvore muito alta e muito copada, e voaram, antes que pudéssemos chegar a ponto de alvejá-los a tiros. Embora esse local estivesse situado umas quatro milhas nas solidões plenas da mata, lá voltamos no dia seguinte, e tornamos a encontrá-los, alimentando-se na mesma árvore. Desta vez, entretanto, não tivemos melhor êxito do que o do dia anterior. No terceiro dia, lá voltamos de novo; porém, desde a última vez que os vimos, ali não voltaram mais. Esses pássaros têm uma plumagem de cor muito alva, são do tamanho de um pássaro preto e têm o bico largo. Alimentam-se de frutos da floresta.
58 Sobre esse Chasmorhyncus, que é a nossa araponga ou “pássaro-ferreiro”, veja-se o que diz Goeldi, ob. cit., págs. 340-342.

Sumário

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

177

No alto do bico, cresce um tubérculo carnoso, de umas duas ou três polegadas de comprimento, muito delgado, como um espinho, e que é escassamente adornado de diminutas penas. Esse tubérculo é muito mole e cai para os lados da cabeça do pássaro, não se esticando, qual um chifre, que é a maneira pela qual o vemos nos espécimens empalhados. Tal pássaro torna-se notável pelo seu estridente e grave canto, como se fosse um sino que estivesse a badalar. Solta o seu canto ao meio-dia, justamente quando a maior parte dos outros pássaros estão silenciosos. Na mesma árvore, uns poucos dias após, encontramos a alimentar-se alguns bonitos papagaios, de plumagem amarela. São chamados “papagaios” e são muito estimados, por causa das cores de sua plumagem, que são as da Bandeira brasileira, verde e amarela. Já há muito tempo que eu desejava encontrá-los. Fiquei, pois, muito satisfeito com esse encontro, e, mais ainda, por ter meu irmão conseguido matar um deles. É o Conurus Carolinae, descrito por Spix, no seu extenso trabalho sobre as aves do Brasil.59

59 A fauna brasileira possui 1.500 espécies de aves, que se distribuem em 23 grupos. E são em número de 870 as espécies de pássaros cantores.
Próxima página

. . .Sumário . . . . . . . a qual pretendíamos perlustrar. Pelas informações que obtivemos a respeito da região. . . . . Capítulo VI Santarém e Monte-Alegre DEIXANDO BELÉM DO PARÁ – ENTRANDO NO AMAZONAS – SEUS ASPECTOS CARACTERÍSTICOS – CHEGADA A SANTARÉM – A CIDADE E SEUS HABITANTES – VIAGEM A MONTE-ALEGRE – PRAGA DE MOSQUITOS E MEIO DE COMBATÊ-LOS – EXCURSÃO ÀS SERRAS – UMA FAZENDA DE CRIAÇÃO DE GADO – ROCHAS. . . . . INSCRIÇÕES E GRUTAS – A VITÓRIA-RÉGIA – ROÇAS DE MANDIOCA – UMA FESTA – REGRESSO A SANTARÉM – BELOS INSETOS – CURIOSOS FENÔMENOS DE MARÉ – PARTIDA DE SANTARÉM – ÓBIDOS – VILA-NOVA – UM PADRE BONDOSO – SERPA – DIA DE NATAL NO AMAZONAS Á HAVÍAMOS concluído todos os preparativos para a nossa viagem Amazonas acima. . . . . . resolvemos ir primeiramente até Santarém. . Página anterior J . .

durante a viagem. e logo verificamos que deixava gotejar muita água. e continuamos navegando. que são curiosamente pintados. bem como alguns livros. mas afinal. preparando-nos por essa maneira para seguir a nossa traça. já cruzávamos o pequeno mar. do melhor modo possível. deixamos Belém do Pará. e que é sede de considerável tráfico comercial Fomos forçados a esperar muito tempo.180 Alfred Russel Wallace uma cidade que fica situada cerca de 500 milhas rio acima. No começo de agosto. No dia seguinte. Tivemos de acomodar-nos em um cômodo apertado no porão. Dali partimos com vento favorável que logo nos levou para além das ilhas situadas no largo braço. tudo quanto nos era preciso. e. A tolda da canoa estava mal amanhada. potes e louças de barros. que deveria regressar vazia para Santarém. A canoa não era provida de amuradas. quem viaja. favoravelmente. que forma a comunicação entre os rios Pará e Amazonas. o que nos incomodou bastante. Paramos na pequena vila de Breves. tratamos logo de arranjar. No Amazonas. em frente à cidade. que tomamos emprestados de nossos amigos americanos e ingleses. formado em frente à barra do Tocantins. Levamos um bom “stock” de provisões. cujo comércio consiste principalmente na exportação de borracha. dispensando-se tal precaução nas tranqüilas águas do Amazonas. pois que molhava todas as nossas roupas e redes. . para matar o tempo. rio acima. para podermos contratar uma passagem. com alguma dificuldade. Desta sorte. que estava com forte cheiro de peixe salgado. nem por isso estes atenuavam aquele fortíssimo odor. até que ligamos de novo entre as suas ilhas ganhando depois um estreito canal. não pode ser exigente e não tem mesmo de incomodar-se com essas coisas. conseguimos obter um lugar em pequena canoa. embora ainda permanecessem ali alguns couros.

Os índios iam adiante. que. finalmente. combinando-se com vários outros tons. Com outros dois dias. e. de um verde. contra a correnteza das águas. e. até à volta da maré. de montaria. e esta se arrastava rio acima. um ignoto labirinto. que prendiam a uma arvore ou arbusto da margem do rio. para vender mais acima. muito forte. outras cor de ocre e outras ainda de uma cor de cobre. alguns dos índios da tripulação foram à terra. com uma corda comprida. e em seguida. exceto para os habitantes da região. e. a canoa era levada para diante outra vez. quando voltaram. o rio começou a alargar-se e as suas águas a correr para o Amazonas. quando não podíamos abrir caminho. estavam agora brotando. do formato de um pombo. vieram algum tanto embriagados. com muito maior refluxo. trazendo. porém. o que muito favorecia o prosseguimento da nossa viagem. voltando para a outra extremidade. para esperar a maré. era diferente: – as folhas. em seguida um vermelho muito vivo. por outra maneira. aqui. elas têm um tom avermelhado-claro. A causa. Depois. contudo.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 181 Enquanto nos demorávamos ali. produzem lindíssimo efeito. repetindo-se o mesmo processo. ao longo da praia. íamos subindo varejando. Dali. No seu primeiro rompimento. ficava eu encantadíssimo com o vivo colorido da folhagem. . onde esses artigos têm muita cotação. E por assim se fazia. Ao longo do canal. alcançamos propriamente o Amazonas. tínhamos que esperar pela maré. em vez de cair. que percorríamos. entramos nos estreitos canais que formam uma intrincada rede de águas. que os tentava toda a variedade das tintas outonias da Inglaterra. continuadamente. mais tarde. puxavam a canoa. Diariamente. prosseguindo a viagem. Algumas eram amarelas. em vez de correr para o rio Pará. para não ficar parados e adiantar um pouco a viagem. vários vasos de barros. se tornam verdes. Dez dias depois de deixarmos Belém. quando não havia vento.

em seu livro À margem da História (págs. nas praias. o que sobressalteia geralmente. cruzam o rio. neste gigantesco curso de água. fazendo grande alarido com os seus agudos gritos. em numerosos bando. 7-8 da 2ª ed. e. Durante toda a noite. vêm-se freqüentemente nos pântanos de suas margens. com referência a esse “pavor” de Wallace ante a maravilhosa imponência do Amazonas: “Ao revés da admiração ou do entusiasmo. vêm-se os caules e folhas esbranquiçados das Cecropias. é antes um desapontamento. diante do Amazonas. bem como os grandes e bonitos patos (chenolopex jubata) nadando em suas baías e enseadas. por seu hábito de pousarem enfileiradas sobre pedaços de madeira. Essas aves depositam os ovos em pequenas cavidades de areia. num misto de pavor e de respeito. 60 Eis um belo trecho de Euclides da Cunha. impedindo assim serem cozidos os ovos pelos ardentes raios solares. porém. ouvem-se-lhes os gritos. durante o dia constantemente nos prendem a atenção. Há muita animação. para humedecer o local onde fizeram a postura. também. As gaivotas e as andorinhas. talvez sejam os pássaros mais característicos do Amazonas. que lhes emprestam um curiosíssimo aspecto. Dizem os índios que. Em alguns lugares. quando está fazendo muito calor. indo rio abaixo muitas milhas. elas carregam água nos bicos. pois que se vêm mais freqüentemente e em grande número ali. de linda plumagem azul-amarela. ao lado umas das outras.). no desembocar do dédalo florido do Tajapuru. de uma dúzia a vinte. os retilíneos e escuros troncos de altíssimas árvores. aberto em cheio para o grande rio. com um aspecto tão grave e tão imóveis. e. que contemplamos a vastidão de águas deste majestoso e afamadíssimo rio.” . As garças.182 Alfred Russel Wallace 60 Foi com as mais vivas emoções de admiração. de várias espécies. e outras aves aquáticas. Todas as manhãs e todas as tardes. durante o dia. que formam uma viva muralha ao longo do rio. nas praias. as araras e os papagaios. em outros. como se estivessem indo para tratar de alguns negócio importante. onde depositam os ovos.

segundo acreditam. por ventura. por noite alta. a ser vítima do boto. a quem socorre e livra. que. preservativos excelentes contra as dores destes órgãos e contra os perigos da primeira dentição. ofereceu-se-me ocasião de observá-la em um rapaz. Paulico assegurou-me ter visto um trazer nos dentes uma faca. e. as quais. Entretanto. esta ainda existe. procurou assim encobrir uma falta. os jacarés. com o qual trava luta. ocupa largo espaço na sua imaginação. seu dentes. Eis como o descreve José Veríssimo. como a sereia antiga. quando este está. o tucuxi. Um indivíduo desta mesma família. trazendo objetos à flor da água. nem talvez a esta mesmo. 61 O boto (Sotalia brasiliensis) é um dos mais curiosos e característicos peixes do Amazonas. diziam ante o sujeito de que falo: “É a uiara. bastante amigo do homem. de ter o indivíduo acometido sido vítima da uiara. vinha às vezes. porque é um fato observado que na infância do mundo as crenças. ainda as que nos parecem mais grosseiras. Eis outras versões que obtive sobre o boto ou uiara: – Ele zomba da gente. e o nosso interior está cheio de contos maravilhosos sobre este animal. ao menos em algumas tribos. fora alta noite render finezas a uma rapariga. revestindo formas de um mancebo gentil. Segundo o mesmo Paulico. é a uiara”. e é originado. com a qual ela nasceu. 208-209): “O boto (Delphinus palliduu?). então. reveste igualmente as formas de mulher para seduzir os homens. vêm-se ali inúmeros mergulhões e fleOs porcos marinhos. e os que narravam o fato o faziam com a maior boa-fé. em que as mulheres se banhavam. o uiara do índio. há fileiras de montanhas baixas.” .Viagens pelo Amazonas e Rio Negro cheiros. e. qual o dela. não se deve. Desta crença no boto resulta uma enfermidade nervosa. bem como a região intermédia. O boto. que. se é homem. em sua “Revista Amazônica” (tomo I. até lhe tirar a presa. que se sucederam àquela. por vezes. ainda mais. são em parte desnudas e em parte coberta de relvas e capões de mato. não raro atribuindo a este D. que acomete homens e mulheres. até a margem. João Fluvial a gravidez de muitas. Os olhos deste animal são considerados preciosos amuletos para abrandar corações de amantes. nadam displicentemente ao longo do rio. para se apossarem destas. canta. o seu canto tem o dom de seduzir. por isso. O acesso nada tem de notável ou de particular. sob a dominação de uiara. ou. segundo eles. que arrasta consigo para a água. Seja como for. Esta crença. Ai da donzela que o ouve por noite de luar! Os índios criam que o boto se aproveitava das ocasiões. são perfeitamente sinceras. atraía sérios castigos. nem sem leviandade se pode acusar as gerações. até umas duzentas milhas de distância. partilhar a rede das virgens das florestas. Não há muito tempo que ouvi dizer de um boto que. 183 Além de tais pássaros. Em um dos meus passeios ao sertão. vem com todos os sintomas de um ataque de nervos. sob formas humanas. Na margem setentrional do Amazonas. por desgraça. e. estão constantemente soltando os seus bufos. para seduzi-las e gozá-las. conquanto algumas pessoas menos crédulas me observassem que era antes a aguardente a causa mais próxima daquilo. o último fato parece comprová-lo. Fazem também naufragar canoa em que há moças.61 aqui e acolá. que leva aos empurrões do focinho. que. é. é filha da imaginação da mulher. págs.

o que conseguiu. era a melhor que podíamos obter. terra a dentro.000 milhas de Santarém.000 milhas além. muito nos contentamos com essa mesma. descendo pelo meio do rio. por tanto tempo quanto desejássemos. Trazíamos carta de apresentação para o capitão Hislop. São denominadas “Serras de Paru” e terminam nas “Serras de Monte-Alegre”. após prolongada viagem de 28 dias. perto da pequena vila de Monte-Alegre. vendo-se. e hospitaleiramente nos convidou para tomarmos as nossas refeições à sua própria mesa. Depois dessas.000 pés de altura e avançam. não víamos habitação alguma ou sequer um ser humano. alguma casa de campo de brasileiros. era bastante forte e ajudava-nos a abrir caminho contra a correnteza. sem assoalho e sem forro. indo provavelmente ligar-se às montanhas das Guianas. . não se vêem dali do rio outras montanhas. alcançamos Santarém. ou. quase sempre sepultadas nas floresta. e já estava muito arruinada e muito empoeirada. um velho escocês ali estabelecido já há muitos anos. a choupana de um índio. enquanto outras vezes. por isso. Ele logo mandou um de seus empregados providenciar sobre o arranjo de uma casa. O vento. ou. Viam-se. um dia inteiro. Mesmo assim. quando era contrário. formam nítido e agradável contraste com as túrbidas águas do Amazonas. Não havia nada de conforto em nossa casa. no trajeto da viajem. aqui ou acolá. então. após algumas dificuldades. e lá de quando em quando uma embarcação maior. que era coberta de telhas e de paredes barreadas. tínhamos que proceder ao laborioso método de varejar. pescadores. então. cerca de 1. algumas vezes. muito azuis e muito transparentes. quando se alcançam as cadeias mais baixas dos Andes. em suas canoas.184 Alfred Russel Wallace Variam de 300 a 1. cujas águas. Afinal. na barra do rio Tapajós. a não ser 2. e. algumas vezes. anteriormente descrito. Passamos por algumas outras pequenas aldeias.

O comércio local consiste principalmente na exportação de castanhas. sem molhardes os pés ou o calçado. ali existindo uma fortaleza.62 industriosa tribo que habita o rio Tapajós. o que produz um agradável espetáculo. estes pastam à vontade nas ruas. não havendo ali veículos de roda e sim apenas alguns cavalos. não há desembarcadouro. de modo que dificilmente podeis alcançar terra. mas. vendo-se os linhos estendidos na areia quente. são pintados de um verde muito vivo. das janelas e das portas. logo adiante. onde se vêem espalhados cajueiros. A igreja. sendo as cargas descarregadas para as montarias. As praias estendem-se muitas milhas. na barra do Tapajós. há extensos campos arenosos. por isso. Os filhos dos índios e dos negros nadam como peixes. com as suas duas torre. rio abaixo. é um edifício bonito e notável. vêem-se ali inúmeros banhistas. com uma linda praia arenosa e uma pequena colina em uma de suas extremidades. peixe salgado. A cidade de Santarém está colocada em lindo local. de paredes de barro. em sua maioria. e é ali que se fazem todos os serviços de lavagem de roupa da localidade. para tomarmos as nossas refeições em sua casa. Durante todas as horas do dia. 62 No original. farinha. num declive. No porto. salsaparrilha (que é a melhor do Amazonas). alguns desnudos e outros cobertos de mato denso. . e os portais. mundrucus.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 185 Pretendíamos ir logo a Monte-Alegre. o que fazíamos apenas quanto ao jantar. mirtáceas e muitas outras árvores ou arbustos. aceitamos o bondoso convite de Hislop. uns morros baixos. que são cobertas de ervas e de relvas . arranjar o almoço e o chá para nós mesmos. com os nossos próprios meios. Nos fundos da cidade. situada dali a três dias de viagem. são pintadas de branco ou de amarelo. dominando as proximidades do Amazonas. havendo. para baixo ou para cima da cidade. sendo alguns desses artigos obtidos dos índios mundurucus. antes de nos fixarmos por algum tempo em Santarém. As casas são limpas e as ruas regulares. ou cais. e procurando. As casas.

que se encarrega da administração dos passaportes e dos serviços de vigilância etc. tomam rapé. alguns desses e alguns dos principais negociantes costumam reunir-se em frente à casa do capitão Hislop.. e são casados com mulheres brasileiras.186 Alfred Russel Wallace Há ali. que ali estão residindo desde muitos anos. empregados em qualquer serviço público. há ainda outros dois ingleses. e onde se sentam. que tem o encargo do forte e de uma dúzia ou duas de soldados. que superintende os índios. o vigário ou sacerdote. uma hora ou duas. sobre direito. o delegado de policia. fumam. donde se descortina o rio. no baixo Amazonas . falam sobre política. Além do capitão. que lhes são subordinados. muitas pessoas que passam uma vida completamente ociosa e estéril. À tarde. o juiz de direito ou juiz criminal e civil da comarca. O governo executivo local consiste em: o comandante militar. Estampa V – Fazenda de um brasileiro. e alguns outros funcionários. como no Pará. o comandante dos trabalhadores. amparadas exclusivamente pelo labor de uns poucos escravos que herdaram. que está localizada em aprazível ponto. geralmente.

onde apanhamos numerosas borboletas (Didonis Biblis). clara e fria. e. Eu já havia travado conhecimento. fizemos um passeio pelos cacauais. capturando insetos e examinando as novas fórmulas de vegetação. estava mesmo a convidar-nos para um banho refrescante. para o propósito de fazermos ali um agradável “piquenique”. tendo-o encontrado lá pela primeira vez. agora. quando já era noite. vendo-se grandes e antigas árvores e sombrios bosques. ainda me arranjou mais um. Fomos numa elegante canoa. e com esses homens saímos para a nossa viagem. O juiz. depois de esperar toda uma semana. O capitão Hislop foi comigo até a casa do comandante. que se vêem por toda parte. depois do que jantamos e voltamos para casa. que forma um pequeno lago. A água. eles nos convidaram para fazer um passeio a um bonito córrego. Ele não tinha homens para conduzir a canoa. com areia seca nas praias. e ofereceu-se ainda para me dar cartas de apresentação aos seus amigos dali. após a nossa chegada. as quais.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 187 Um dia ou dois. com vários índios e negros e muitas provisões. embora sejam das espécies comuns da América do Sul. ainda não tínhamos encontrado. paramos numa plantação de cacau. onde muito nos divertimos. tive que ir somente com dois homens. onde conseguimos adquirir excelente peixe fresco. atirando em pássaros. Na manhã seguinte. cavalheirescamente. com um belíssimo luar. e assim fizemos. contudo. e este prometeu arranjar-me três índios. uma milha ou duas abaixo da cidade. para eu viajar até Monte-Alegre. além da sua canoa. com o juiz de direito daqui. em Belém do Pará. O lugar era muito pitoresco. muito bondosamente me emprestou ele uma excelente canoa. Na primeira noite. não é coisa fácil de conseguir-se. mas isso. de modo que tive de arranjá-los por minha conta. quer em Santarém. quer em Belém do Pará. como sempre acontece. nem nunca mais as . Todavia.

quando já estávamos para alcançar a barra de um pequeno rio. que produziu forte agitação das águas e quase fez virar a nossa embarcação. da forma ramificada de candelabros. faz-se em uma ravina baixa. havendo pouca probabilidade. que corre de Monte-Alegre. devastados. cobertos de relhas e meio encapoeirados. sobreveio violenta e inesperada tempestade. Crescem em moitas enormes. antes das revoluções que causaram tantos danos à província. alcançando. com considerável perigo de vida. Após ter estado em luta algum tempo. revestidos de matos nos seus cumes. vi a linda Epicalia numilius somente duas vezes. após a navegação de duas horas num rio muito sinuoso. Como outro exemplo da curiosa distribuição desses insetos. durante os meus quatro anos de colecionador. quando o lugar era mais populoso e próspero. senão quando alcançamos Javita. tendo um aspecto muito pitoresco. que torna a caminhada um tanto penosa. na sua maior parte. tendo de 20 a 30 pés de altura. de uma linda cor amarela ou vermelha. uma em Belém outra em Javita. A própria vila forma um espaçoso quadrado no qual o que há de mais importante é o arcabouço de uma grande igreja. localidades estas situadas a 2. A vila de Monte-Alegre está situada num planalto. dando novo aspecto à paisagem. com grandes caules lenhosos. de pedras escuras. que verificamos depois serem de simples argila. O seu acesso. ali. ganhamos águas tranqüilas. perto das cabeceiras do rio Negro. Perto da vila. com grupos de árvores em intervalos. por isso mesmo. De cada lado. vê-se um cadeia de altos morros. de ser ela algum dia acabada. posso ainda referir que.000 milhas uma da outra. Os barrancos eram. abertos. À tarde. em outros mole e friável. que os homens não sabiam manejar bem. do rio até lá. distante cerca de um quarto de milha da flor da água. a vila de Monte-Alegre. .188 Alfred Russel Wallace vimos. em alguns lugares muito dura. vêem-se exemplares de enormes cactos. que foi começada há cerca de vinte anos. onde o caminho é coberto inteiramente de uma alta camada de areia movediça. tão grossos como o corpo de um homem.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 189 A atual igreja é um edifício baixo. como a maior parte das casas. planamente banhados pelo sol. coberto de folhas de palmeiras. se resume em dar umas duas ou três capinas. cobertas de uma polpa branca. Dentro delas. O fruto do cacaueiro é de uma forma oblonga. e parece que não prospera tão bem como quando à sombra da floresta parcialmente derrubada. E isto requer muita vigilância e muito cuidado. ficam as sementes. passa uma vida ociosa. a não ser capinzal e imundície. mas torna-se amarelo. tendo cerca de cinco polegadas de comprimento. como se fosse um celeiro. que é a maneira (como já havíamos visto) adotada no Tocantins. sendo somente posta ao sol. que tem agradável sabor subácido e. com listas escuras. Quando um índio consegue formar uma plantação de uns 2. do contrário. e contente. e colher e secar as sementes.000 pés de cacaueiros. para que não se molhe com a chuva ou com o orvalho. não se lhe lava a polpa. E cultivado aqui em terrenos limpos. As casas não têm jardins ou quintais limpos. ao longo das margens dos rios. quando raspadas e adoçadas com água. longitudinais. Tudo que ele tem a fazer. que se vêem por toda parte. e. No preparo do cacau. de que se cobre. quando amadurece. A casca externa. por intermédio de um curto e forte talo. crescendo no caule e galhos mais fortes. nada. que deslizam sobre roletes. que servem de curral para o gado. potes e gado. costuma-se secá-lo em grandes tabuleiros. É de cor verde. nunca porém nos galhos mais fracos ou tenros. Nas grandes plantações de cacau. que são as nozes de cacau. tendo alguma apenas uns cercados de paus roliços e podres. é. é dura e algum tanto consistente ou lenhosa. O cacau é plantado nas terras baixas. ele mofa e apodrece. de aspecto muito pobre. constituem uma bebida agradável e muito apreciada. O comércio deste lugar é o de cacau. de modo que podem ser . calma. por baixo das árvores somente. igualmente. para secar. na roda do ano.

eles afluíram em nuvens. ou à aproximação da chuva. e isso não demorou muito a ser verificado. de vários sucos vegetais. os lugares pantanosos que se estendem ao longo do Amazonas. os principais são os pirarucus. As tintas são preparadas pelas índias. A casa tinha duas salas e pequenos quartos de dormir. ou de terra amarela. Os desenhos são admiráveis. Trazíamos uma carta de apresentação para o Sr. para pescá-los. na frente. Fomos informados de que os mosquitos eram muito incômodo ali. As cabaças ou cuias são fabricadas ali em grandes quantidades. dispostos com muito gosto e muita regularidade. todas as noites. que era proprietário de pequena loja na vila de beira-Amazonas. incomodando-nos muitíssimo e obrigando-nos a procurar abrigo em nossos . na estação da seca. ou ficar durante muito tempo expostos a umidade. Logo após o crepúsculo. tintas essas tão fixas que os vasos podem molhar-se constantemente. ou pintadas e douradas com cores muito vivas. em todo o Amazonas. na estação seca. como os de Monte-Alegre. e são exportadas para Belém e para outros mercados do Amazonas. para a qual transportamos todas as nossas bagagens. além de grande varanda e de um pátio fechado. que se encontram em todos os lagos e dão bastante ocupação aos índios. Dos peixes. Nunez. onde as pastagens são fracas e poucas. um francês. O preço do cacau é de cerca de 3 shillings por arroba (32 libras de peso). existem vasos pintados e feitos com tanto gosto e tão rico colorido. As fazendas de criação de gado estão situadas na base das serras adjacentes. Em nenhum outro lugar. de Caiena. São caprichosamente acabadas e finamente polidas. São estanhadas com um escuro brilhante. sem se desbotarem. oferecem boas pastagens. Logo deu ele jeito de arranjar-nos uma casa desocupada. com alguns motivos de pássaros e de animais.190 Alfred Russel Wallace puxados facilmente para o interior de um rancho.

sendo aquele o único recurso que produz algum efeito mais eficaz para afugentá-los. verificamos que eles se tornaram mais atormentados do que nunca. tendo no alto outra pedra. apoian- . para enxotar a “praga”. a fim de fazer tanta fumaça. que haviam sido conservados fechados com antecedência. em uma das quais havia curiosa e interessante coluna de rocha. quanto fosse possível. que enchíamos de estrume. e de barrancos escarpados. Aqui. impossibilitando-nos de ficar assentados ou de escrever. num pote de barro. Pouco antes de escurecer. de árvores mais altas e mais espalhadas. em outros. aqui. em todas as casas e choupanas. como muito bem soem denominá-los.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 191 quartos de dormir. era como podíamos passar sossegados uma hora mais. tivemos um pouco de sossego. porém. especialmente para o dito propósito. do feitio de uma touca. e todas as tardes o mandávamos fazer uma boa provisão de tão útil quão necessário artigo. Verificamos que a região. À tarde. Ao longo das margens do rio. Havíamos arranjado um índio para os serviços de cozinha. acendíamos fogo. na varanda. Como há nas proximidades das cidades muitas reses. e com todo o cuidado. à porta dos nossos quartos. há lugares planos. ondulante. desprendendo cheiro algum tanto agradável. tal preciosidade é sempre muito procurada. todos. a qual fica a arder. toda gente costuma queimar bosta de vaca às portas das casas. enquanto a uma distância de dez ou doze milhas do rio ficam algumas bonitas elevações rochosas. mas eles logo acharam entradas pelas fendas e buracos das fechaduras. Ali. vendo-se alguns lugares cobertos de densas moitas de arbustos e. inconfortavelmente. depois do crepúsculo. durante algum tempo. Após a permanência de uns poucos dias ali. densamente cobertos de mato. é uma planície arenosa. vê-se uma panela de barro com bosta de vaca. e por essa maneira. andando em torno. fazendo-nos passar o resto da noite desassossegadamente.

situada no sopé da montanha. abundantemente. vêm-se numerosos lacrimais. pelas informações. O nosso melhor campo para coleta de insetos era nesses bosques sombrios. nestes lugares. .). Logo após deixarmos a vila. muito interessantes e admiráveis. encontrando-se também cajueiros. Desejávamos muito visitar as serras. abundam por toda parte. as quais cada dia se tornavam mais tentadoras e convidativas. depois. nos troncos de árvores. para chegar a uma fazenda de criação de gado. a canoa chegava a ficar excessivamente inclinada. porém. de que ali existem várias inscrições indígenas. onde crescem fetos. encontram-se também ananases. tivemos grande incômodo. e. com um bico comprido. alugamos uma pequena montaria do Sr. Nunez. a linda borboleta Calithea Leprieurii. pela primeira vez. Os cactos. Para esse propósito. à sombra. Ali também se encontrava muitos trogônidas e jacamarés e um curioso pássaro da ordem dos trepadores (Dendroncolaptes Sp. mais ainda se nos aguçava a curiosidade.192 Alfred Russel Wallace do-se sobre ela. de asas azuis. que se encontrava pousada nas folhas. Em estado nativo. fomos rapidamente impelidos para muito longe. cor de anil. formando-se às vezes enormes grupos. que brotam da úmida elevação. nos matos. esta feita de tiras da casca de uma enorme planta aquática. dos quais minava uma seiva esbranquiçada e resinosa. que se grupam em extensas fileiras. bem semelhante a uma pequena foice. Nos aclives rochosos dos barracos dos rios. que depois tivemos. com qualquer golpe de vento mais forte. sendo a vela muito pesada. Nesse trajeto. porquanto tínhamos de percorrer umas cinco ou seis milhas por água. A canoa era provida de um mastro e uma vela. sendo o conjunto algum tanto semelhante a um enorme cogumelo. porque. Encontramos. musgos e outras plantas rasteiras. já referidos. e que atingem a grande altura.

ficavam pousados sobre as árvores das margens. pois logo verificamos que o leito estava obstruído por plantas aquáticas. por isso. ganhamos uma parte mais estreita do rio. as relvas chegavam a cortar-nos as mãos. são muitíssimo espertas. Mesmo assim. Assim. na estação das chuvas. Os índios. Além disso. que se torna inútil toda e qualquer tentativa para capturá-las. com forquilhas nas extremidades. onde vicejam ervas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 193 Viam-se inúmeros mergulhões e flecheiros. as quais tão grossas e resistentes são. que tapam completamente o canal ficando mais altas do que a nossa cabeça. estendiam-se largos tratos de campos planos. com muita dificuldade. meio-terra. finalmente. formando extensos leitos flutuantes. várias vezes. a fazenda . que assim se ia deslocando lentamente. Tentamos atirar nalguns deles. foi-nos preciso recorrer aos remos. fomos impedidos de prosseguir. cortaram duas compridas varas. na água. Aqui e ali. Não tínhamos mais nenhum vento. Em seguida. nos leitos de plantas aquáticas e de altas relvas. o que por espaço de várias milhas foi assim. Caímos. que nadavam no rio. e. então saltando em terra. encontrávamos águas limpas. ou então. que servem de seguro apoio para esse propósito. em alguns trechos. puxávamos a canoa. mesmo feridas. deslisando sobre aqueles grandes leitos de ervas flutuantes. meio-água. podíamos de novo remar entre lindas Utricularias e Pontedérias. que ali crescem. onde as ervas flutuantes chegavam a obstruir completamente o leito do rio. mas sempre sem resultado. alcançamos. e. mergulham e nadam por baixo da superfície tão rapidamente. se transformam num verdadeiro lago. Após grande e penoso trabalho para abrir caminho. com o auxílio delas. Nas margens. e que. através das quais quase desesperávamos de poder abrir caminho. de trecho em trecho. e. pela qual fomos avançando. Essas aves. quando estas roçavam nelas. de novo.

Logo as portas tiveram de ser fechadas. e tivemos excelente jantar de tartaruga. que se estendem do Amazonas às serras. então. que havia sido trazida do Amazonas. tendo atirado em dois lindos periquitos. Em seguida. Tudo ali em roda era campo aberto. pouco antes. ficando uma panela de estrume a queimar-se fora e uma lamparina acesa no interior da casa. polvorinhos feitos de chifres e de formidáveis dimensões. Após o pôr-do-sol. para o qual levávamos uma carta de apresentação. Nos fundos dela. onde guardam provisões. sacos de couro. que estavam naquele momento saindo a cavalo para outra parte da fazenda. cercada de pau-a-pique. tendo ensejo. que crescem em todas as direções. e enormes estribos. e tornavam-se ainda muito mais pitorescos. ficamos sentados em frente à porta da casa. o jantar foi anunciado e nós então nos sentamos no chão. Algum tempo depois. fabricados de madeira. Dali voltamos para casa. interceptado por algumas moitas de cerrados e pitorescos tufos de cactos. onde fomos bondosamente recebidos pelo seu proprietário. espingardas de compridos canos. onde nos foi oferecido leite fresco. nos fundos. A casa estava situada próxima ao grande trato de terrenos pantanosos. de penas azuis e vermelhas nas asas. por serem mulatos bem escuros. estende-se o campo num terreno inclinado. eram umas figuras espantosas. Fizemos um passeio pelos arredores.194 Alfred Russel Wallace de criação de gado. para fechar o gado – estava situado perto da morada. tendo dois ou três cômodos e um alpendre aberto. em torno de uma esteira. e onde dormiam os índios. um pouco antes de escurecer. e com os seus compridos laços. bem distante dali. Era construída de barro. O curral – uma área quadrada. de observar os esquisitos apetrechos de alguns vaqueiros. . Com os seus rústicos e curiosos selins. em direção às serras. de uma das menores espécies que habitam a região. que servia de cozinha. os mosquitos começaram a afluir em nuvens.

de modo que agora estávamos mais apertados ainda. sobre isso. da maneira mais curiosa e arrojada. que fica por baixo da massa colunar. dali por diante. provisões suficientes. ao longo da margem de um pântano. que se ergue a prumo trinta ou quarenta pés. e. e bem assim um grande odre de borracha. como não sabíamos se teríamos de passar a noite lá. são muito usados pelos tropeiros e viajantes. . chegamos ao sopé de escarpado declive. que também transportam água potável em sacos de couro. sobre os blocos de pedra e suas inumeráveis fendas. para almoçar. ao qual qualquer outro é preferível. A casa. via-se justamente o curioso pilar. para o caso de assim ser preciso. embora ali dentro sentíssemos um pouco de calor. para a longa travessia dos sertões. que se achavam armadas por quase todos os cantos do quarto. e que agora estávamos dispostos a observar de perto. e. entretanto. que nos tornavam extremamente penosa aquela ascensão. pela manhã. As portas e janelas ficavam bem fechadas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 195 Em seguida. 63 Esse odre de borracha tem uma boquilha ou torneira. Vencida essa etapa. de fato. No Brasil central. alcançamos uma plataforma. No dia seguinte. de jeito a causar-nos medo. Um brasileiro nada pensa. e dali se inclina sobre o seu topo. e. A sua origem percebe-se claramente. que já havíamos lobrigado da vila. fomos para as nossas redes. fizemos os preparativos para a nossa expedição à montanha. até que chegamos a uma choupana abandonada. estava já bastante cheia de gente. onde paramos. onde se viam enormes blocos de pedra. não sofríamos tanto o incômodo dos mosquitos. arqueando-se. Lá bem no alto. pela qual se bebe a água. todos juntos. e entremeados de moitas de lírios comuns e de arbustos. onde se viam curiosas aves aquáticas. Após dificultoso e penosíssimo acesso. levávamos. prosseguimos por um caminho que se estendia através de matos. dispersos na maior confusão. desde antes de chegarmos ali. estando acostumados a dormir assim.63 para carregar água. em todas as direções. Caminhamos algumas milhas.

que se estende ao longo da base da serra. onde se encontram a caverna e as inscrições. na nossa subida. que podíamos andar com facilidade pelo alto da serra. Havíamos pensado. . tendo. porém. há um extrato de duríssima rocha cristalina. foram tão difíceis de vencer. era descer de novo para o outro lado da montanha. chegamos afinal cá abaixo. vimos. Não se via dali uma casa sequer. de forma oblonga ou cônica. Pelo seu aspecto. entretanto. no longínquo horizonte. ora dependurando-nos pelos galhos e raízes das árvores. os quais. e tem agora o mesmo diâmetro que teve primitivamente o pilar que a suporta. o solo uma cor amarelada. pela ação contínua das intempéries. via-se estirada. até atingir-lhe a ponta mais afastada. a fim de ganhar a planície arenosa. Fizemos rapidamente a nossa descida da serra. uma sucessão de montanhas mais baixas. que tem resistido à ação do sol e das intempéries.196 Alfred Russel Wallace O pilar é de uma rocha friável. No seu topo. que circundavam completamente a planície distante. O nosso único recurso. sobre o panorama que se descortinava dali – uma ondulante e imensa planície. lançamos ainda um olhar em torno. ganhando terreno plano. olhando assim de baixo para cima. lá bem do alto. se tivéssemos de andar algumas milhas sobre terreno assim acidentado. Muito maiores seriam estas dificuldades. de camadas horizontais. portanto. onde se podia caminhar à vontade. Somente agora. Ora serpenteando pelas fendas. tivemos desde logo uma impressão pouco favorável a respeito da fertilidade da região ou da beleza do cenário tropical. Antes de descermos. coberta de árvores e de arbustos. que o alto da serra é também cheio de numerosos e enormes blocos de pedra e da mesma ruim vegetação. e a vegetação uma cor parda. Adiante dessa planície. entretanto. que se estão gastando constantemente. Esta idéia foi logo posta à margem. ora rojando por baixo das rochas.

que produzem “cracks” verticais. Nessa ocasião. Caminhamos ao longo de um solo arenoso. porém que. têm o aspecto de enormes globos repousando sobre pedestais. Os índios. tais colunas aumentam ou diminuem de espessura. Viam-se também alguns trechos de terrenos cobertos de relvas. em todas as quais se percebia a ação da atmosfera sobre os diferentes strata de que elas se compõem. vimos. em direções contrárias. talhado desde o cume. e. demos logo com a vista no referido local. Chegando junto das palmeiras. A água do nosso odre já havia acabado e não sabíamos onde podíamos arranjar outra. então. junto à base das mais altas rochas. e. o que nos deu logo alguma esperança de conseguir o que pretendíamos. até embaixo. Gastamos aproximadamente meia hora para encher o odre. onde havia um grupo das palmeiras Mauritas. provavelmente. meio pantanoso. bem próximo de nós. pela ação do sol e das chuvas. na subida da montanha. todo o flanco da montanha. .Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 197 Vimos. resultantes de sucessivos abalos dos terremotos. ou. porquanto a estação seca estava agora no seu máximo de rigor. então. cabeças e corpos de enormes gigantes. de feição muito rude. que corria por entre as relvas. Conforme o grau de dureza das camadas. formando-se assim colunas completamente destacadas. o outro tufo verdejante de relvas e de arbustos. se lhes vão alargando então as fendas. que se alternam. então. Em alguns lugares. filtrando-se dele pequena quantidade de água. Caminhando mais uns poucos passos. que geralmente crescem em sítios úmidos. Não parecem ser prismáticas. em numerosas colunas. nela não se encontraria água. O calor era intensíssimo. sim. para matar a sede. informaram-nos que ali perto havia uma nascente. verificamos que o solo era úmido. um pouco adiante do local onde nos encontrávamos.

rudemente traçadas. aonde fora somente uma vez. Tais desenhos pareciam ser muito recentes. resolvi voltar para casa e arranjar outro guia melhor. não pôde encontrá-la. O tamanho da maior parte dessas figuras era de um a dois pés. Aproveitamos o ensejo para descansar e fazer a nossa merenda. . Elas foram executadas com tinta vermelha. Ninguém em sabia coisa alguma a respeito da antiguidade deles. e não estavam em forma alguma estragados pelas intempéries. a correr sob a sombra das árvores. para descobri-la. verificamos ter sido enganada a nossa vista. que em alguns lugares tem aquela cor. Para ali nos dirigimos. noutro dia. Há tempos já que ele havia estado na dita gruta. Consistiam em representações de várias figuras. Todas estavam regularmente dispostas sobre a rocha. pesquisando ali. em vários lugares. em traços que pareciam feitos esfregando-se pedaços de outra rocha. e outras. havia ainda algumas de formas as mais complicadas e fantásticas. em seguida. círculos e demais figuras geométricas. os quais. algumas representavam animais. e ficamos muito satisfeitos de encontrar um filete de água deliciosamente fresca e pura. Após várias tentativas inúteis. porém. agora. no qual havia algumas das inscrições que eu há muito desejava ver.198 Alfred Russel Wallace que se erguiam muito a pique. De volta. outras coisas semelhantes a utensílios domésticos. e. A tarde tornara-se úmida e fria. como jacarés e pássaros. Dali. fomos até ao local onde o nosso guia supunha que estava situada a caverna. passamos por um alto penhasco. pareciam ser aberturas. pois que ela fica escondida por entre confusos blocos de rochas. a uma altura de cerca de 10 pés acima do solo. e donde parecia que a fonte deveria manar.

pois estava muito cansado e com muita sede. como nos acontecera anteriormente. No dia seguinte. tendo sido necessário mandar um dos índios à procura de um velho. o Sr. Estavam elas dispostas numa rocha a pique. resolvi perseverar no meu propósito. e várias outras formas mais complicadas. Enquanto isso. para tentarmos descobrir as outras inscrições. Nunez resolveu ir conosco. não foi possível encontrar a caverna. com muita satisfação. Contudo. por sua vez. Assim. onde chegamos cerca das oito horas da noite. voltamos para casa.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 199 Como nada tínhamos com que nos agasalhar. e que conhecia a gruta. que sabiam de que maneira foram executados tais desenhos e para recordar a época da sua visita àquele local. por isso. se ficássemos ali para dormir. o que se conseguiu. e ali não se encontrara água. em algarismos nítidos e muito bem feitos. que morava dali a algumas milhas. Desta vez. muito cansados. Entre estes desenhos. Quase não tive ânimo de subir. que eu havia visto. fomos a cavalo. . caímos. viam-se duas datas. e estavam desenhadas a maior altura. com 3 ou 4 pés de altura. eram também completamente diferentes. assim. tendo vindo para vê-las. do ano de 1770. para ele próprio nos mostrar a caverna e algumas inscrições mais. então. Nunez nos fez andar ali por perto. e. após fatigante caminhada. que se erguia lá bem no alto de uns desfiladeiros alcantilados. Estas inscrições eram muito maiores do que as outras. fomos até ao local. Não tenho dúvida de que essas datas foram feitas por viajantes que por ali passaram e que desejaram comprovar. haveríamos de passar muito mal. consistindo principalmente em grandes círculos concêntricos. em nossas redes. que estavam situadas em outro ponto da serra. denominados pelos nativos de “sol” e de “lua”. porém. o Sr. Os desenhos. e.

há uma grande abóbada. Esta pedra. antes de mim mesmo. Tirei algumas cópias das inscrições deste lugar. é apenas uma porção de sólida rocha. Nos fundos. Na sua boca. que se comunicam com outras câmaras. na sua atual posição. que a atravessa de um lado para o outro da entrada. para admirar o malogro que tivemos para descobri-la. não havíamos trazido luz. enquanto desenhava com a outra. como se fosse um tosco e irregular pranchão. Ali chegando. que atingimos logo. antes de seguirmos em direção à caverna. há uma rude arcada. e ali o que há de mais curioso é uma delgada laje de rocha. e são geralmente mais conhecidas do que as outras. Estavam afastadas do caminho e. distinguindo-se perfeitamente a palma e os dedos. como.200 Alfred Russel Wallace Junto de alguns desses desenhos. tendo então apoiado uma das mãos na rocha. mais resistente do que o resto dos outros materiais que se achavam acima e abaixo. as quais são de grande tamanho. e que tem resistido à força que os desagregou. viam-se duas ou três impressões de mãos. verificamos que os nossos guias nos haviam precedido e estavam à nossa espera: eles nos levaram ao longo de um caminho escarpado. não nos foi possível explorá-las. que executou os desenhos. bem no alto. não haviam sido visitadas por qualquer viajante europeu. de 15 a 20 pés de altura. A entrada de tal caverna é tão bem dissimulada pelos arbustos e árvores. de fato. No interior da caverna. como se a pessoa. cerca de 15 pés acima do solo. porém. lambuzando esta com a cor vermelha. irregularmente arqueada. houvesse permanecido de pé sobre os ombros de uma outra. da mesma cor e da mesma tinta. vêem-se outras aberturas. nas anteriores tentativas. Em seguida. que não era. provavelmente. caminhamos um pouco para diante à procura de água. nada mais havia na cava. O solo é plano e arenoso. a não ser a rocha transversal à sua boca de entrada. e bem visíveis a considerável distância. não caiu ali. . De notável. pelo qual fomos subindo em demanda da gruta.

faz-lhe ainda uma rápida referência. Cantada em prosa e verso. ela já se tornou coisa relativamente muito vulgar na Inglaterra. incluir aqui. Nunez informara-me que esta era abundantemente encontrada perto de sua casa. Todavia. imponente nos aspectos que nos oferece durante o dia. rasga-se o cristal de onde emerge a estranha rainha ou estrela águas amazônicas. entretanto. em que a natureza luxuriante serve à nossa vista deslumbrada os prodígios de sua criação. mandou que um índio fosse buscar um espécimen. “No meio da profunda melancolia do verde. que estava com a flor meio aberta. tanto entre aqueles que a viram na pompa de suas alvas bandejas. como sobejos de um banquete de deuses. tão pródigo e imaginoso nas suas descrições. aqui. Na verdade. são essas ninfeáceas o grande ornamento que emerge naquelas águas longínquas. como nota esclarecedora. do seu esplendor tropical. por isso mesmo. nos seus arredores. Após alguma demora. que parecem ter ali ficado. nem tão pouco seja aquela ornamento tão comum dos rios tropicais. fez da dita flor. só de noite se completa o ciclo de sua força. muitas de nossas cavernas dos distritos calcários da Inglaterra são muito mais pitorescas e mais interessantes. ao capítulo XV. aberto no seio dos lagos amazônicos. estendendo à superfície imóvel as salvas. muito embora aquela seja muito maior do que esta. passou sobre a “vitória-régia” quase como “gato por brasas”. festejada por naturalistas e poetas. e chega a dizer o seguinte: “Eu não considero a flor da vitória-régia mais bela do que a nossa Nymphaea alba. Oswaldo Orico. “Constitui. afinal. Eu ouvira falar. não era de maneira alguma pujante. silenciosas.64 64 Wallace. como símbolo da força e da majestade da natureza. como entre os que apenas lhe adivinharam o diâmetro floral. Como. A folha era de cerca de 4 pés de diâmetro. a primorosa descrição que o membro da Academia Brasileira de Letras. e. Sr. e que. as imensas baixelas. Muito me regozijei de ter tido oportunidade de ver. a célebre planta. trouxe-nos o homem uma. data venia. geralmente. um dos mais belos espetáculos para os olhos. que se observa em todas as direções. e estava convencido de que deveria ser a vitória-régia. não é necessário que eu aqui a descreva. acordando ao luar e espre- . surpreender-se de longe.” Acho bastante oportuno. faço minha: “VITÓRIA-RÉGIA – As vitórias-régias sempre exerceram uma alta fascinação entre os nossos artistas. como esta última o é das nossas águas. no círculo daquelas águas paradas. encontrando-se poucas flores que mereçam alguma referência.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 201 A vegetação. O Sr. na manhã seguinte. acerca de uma planta que cresce nos brejos e terrenos pantanosos. muito cedo ainda. “Embora maravilhosa na sua compleição. Só à noite ela desabrocha inteiramente. no seu livro “Vocabulário de crendices amazônicas”.

sorrateira e macia. quando pôde. julgou alcançar a imagem fugitiva debruçada num lago. uma formosa índia teria querido. a flor se descolora e se acanha. se espreguiça. a verdade transparece na mudança. pela encosta dos montes. eterizar-se. o sangue das virgens se transformava em luz e o corpo se desmaterializava. para as piscinas ou lagos artificiais dos museus e jardins botânicos. perturba-se. mas a lua. lagos ou braços mais tranqüilos do rio. “Capricho ou herança biológica. a palma das folhas. que recorda uma história de amor. sonha. onde cisma. esperando o momento do contato. a flor que foi uma paixão distante e que. criou a estrela das águas. como é diferente e possante no seu clima a estranha ninfeácea. respirando inteiramente aquele ar selvagem. estabelecendo a correspondência exata entre o poder da monarquia britânica. então. e o reinado flutuante da soberana dos nelumbos. Nessa aspiração doentia. desnutrindo-lhe os pecíolos e sufocando a voluptuosa desproporção das bandejas. que Bompland e d’Orbigny batizaram em louvor da rainha Vitória. natural. plenamente expostos à guiçando todo o corpo a dona dos lagos. se estende e desabrocha. fazendo surgir nos lagos da planície o real nelumbo. também. “Uma noite. no leito do rio. A lua costumava. expande a salva de prata do seu corpo. então. a flor como que sofre e desmaia. e que Alfredo Ladislau nos transmite em uma de suas páginas. de Inglaterra. As folha alcançam um a dois metros de diâmetro e as flores despem os botões. “Vê-se. “Teria sido ainda no começo do mundo. Daí a explicação que se dá ao aparecimento dos régios.” . estirou-lhe. como se tivesse improvisado um leito para as suas próprias núpcias com o luar. Parece deliciar-se nas águas mansas. amorosamente reconhecida. dona dos segredos das águas e das plantas. seduzir e arrastar à perdição as virgens de sua escolha. correu todas as elevações. nenúfares. constrange-se. durante a victorian age. ganhando a forma de estrela e aumentando cada vez mais o harém celestial. para maior receptáculo dos afagos de sua luz. insinuava-se por escalvados e colinas e vinha oferecer afagos às cunhãs que se embalavam nas maqueiras. Entregou-se às águas iluminadas. “Depois. onde se sente estranha e inadaptável. Transportada ou transferida de seu habitat lógico. raramente.202 Alfred Russel Wallace Encontra-se ela em todos os distritos do Amazonas. apiedou-se daquela paixão sacrificada. aquelas águas veludosas do subosque. Atraída por esse racanto. E. no silêncio dos lagos. tão poderoso ornamento não deixaria de exercer sobre a imaginação dos nossos caboclos o prestígio de reminiscências lendárias. Parecia haver desaparecido para sempre. trocando a desenvoltura dos seus ímpetos sexuais pelo pudor do espaço e pelo escrúpulo do agasalho. porém. “Graças a isso é que. que lhes acaricia as sépalas. podemos admirar. crescendo nas enseadas. não podendo mais levá-la para o céu. “Esta é a lenda da vitória-régia de Lindley. parecendo que uma espécie de linfatismo lhe suga as antigas energias. hoje. vaporizando a carne aos beijos da lua. “Pode-se dizer da vitória-régia que ela é a condecoração selvagem das águas amazônicas. “Ao contacto da deusa hermafrodita. dilatando tão justo prêmio. “Descia. segundo a lenda. “Tão fascinante relíquia. no tempo da lua-homem.

Agora. e para lá nos dirigimos. a denominação exata da vitória-régia. é uapé-iapuna. Bras. Guardei a folha. não são muito compridas. Como desejávamos regressar naquele dia. nos deram excelente almoço. Tivemos que varejar outra vez. que trazíamos.158. Passando ao longo de uma praia arenosa os índios perceberam sinais de que poderiam encontrar ovos de tartaruga. logo começaram a cavar e remover a areia.65 pelos índios. pelo qual estávamos descendo. vol. Segundo o “Vocabulário” (“Rev. “forno de vapés”. havia uma velha árvore.”. “tracaxá”. para abrir caminho por sobre as ervas e relvas. que juntamente com o café. voltando dentro de pouco tempo com um chapéu cheio de ovos da pequena tartaruga chamada “tracajá”. farinha e carne. enquanto as águas sobem.66 Um pouco mais para baixo. por causa da semelhança de sua folha e pela sua grande concavidade com os fornos de barro que se usam para fazer farinha. para secar-lhe algumas porções. no tupi-amazônico. No original. Hist. assim. pág. Vapé é ali o nome vulgar da jaçanã (Parra jacana). Ela é denominada de Uaupé Japona (forno de jaçanã). fazendo fogo. E. as hastes de suas folhas e as pétalas de suas flores devem aumentar rapidamente de comprimento. ganhamos logo o rio largo. vicejando também nas lagoas e terrenos pantanosos das vazantes. Do Inst. pois. de 20 a 30 pés. Saltando em terra. que fazia sombra convidativa. as águas do rio sobem. 694) de Stradelli. ao que parece. Em seguida. Desta sorte. E Geogr. Em julho. “Uaupé Japona (the Jacana’s even)”.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 203 luz do sol. 65 No original. 66 . despedimo-nos do nosso bondoso hospedeiro. cozinhamos os ovos. entretanto. que obstruem o leito do pequeno rio. não foi tão tedioso para vencer como o fora por ocasião da nossa subida.

por isso mesmo. esperávamos encontrar muitos insetos. como de pássaros. muito baixo. que nós no Pará somente muito raramente encontrávamos. os únicos habitantes do lugar. de grande tamanho. com um espaço que era a conta somente para estendermos as nossas redes as nossas. encontramos muitos jacarés. redes de capturar insetos e algumas provisões. A nossa pequena cafeteira. . Comumente se nos deparavam os trogônidas e tânagaras. porém. decidimos tomar. que nadavam em todas as direções. dentro em pouco. Nos matos. dali distante algumas milhas. Fomos a pé. encontramos algumas raras espécies de borboletas. suprimos com essa infalível e refrescante bebida. que têm. E dentre essas capturamos uma nova espécie de Catagrama. Alvejamos alguns deles. não havendo ali. Chegando ao referido local. que era um pequeno rancho. nunca se aventuram até muito longe da praia. tanto de insetos. o maior cuidado. pelo receio. em direção ao interior. vimos-lhes os rastos na areia da praia. Após alguns dias de estada na vila. onde poucos dias antes nos havíamos banhado. quando vão banhar-se no rio. Tomamos logo conta do rancho. por falta da necessária precaução. Os nativos. resolvemos fazer uma excursão a uma roça de mandioca.204 Alfred Russel Wallace Prosseguindo a nossa viagem. igualmente. de ser atacados por esses animais. que eram pouco abundantes ali. coberto de folhas de palmeira. espingardas. onde há uma considerável extensão de terras de floresta. e onde. para passar lá uma semana. Em outro lugar. De então por diante. grande variedade. que é o café. levando as nossas maqueiras. Ali moravam uns quatro ou cinco negros. encontramos a única acomodação que ali havia. pois todos os anos algumas vidas se perdem ali. porém só conseguimos fazê-los mergulhar rapidamente para o fundo.

entretanto. que ficava pronto às sete horas. Logo após. que o impossibilitou completamente de locomover-se. etc. e nela. onde encontramos a nossa ocupada. em seguida. na qual pretendia voltar para Santarém. Logo que ali chegamos. que ficou logo muito inchada. Dávamos-lhe sempre dinheiro necessário para a compra diária de carne e de cereais. Ele era um exímio tocador de viola e julgou que seria desnecessário pedir permissão para se ausentar por uns dias. preparávamos as nossas redes. até Barra-do-Rio-Negro.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 205 Voltando à vila. trabalhando muito. arrumávamos as nossas caixas de coleções. As danças duraram a noite inteira e ainda se prolongaram durante todo o dia seguinte. Antes de deixarmos a povoação. realizaram-se danças. durante cerca de quinze dias. e seguidamente. celebrou-se ali uma festa. consegui comprar uma pequena canoa. estava situada num dos pontos mais afastados da cidade. Nós nos levantávamos às seis horas da manhã. que era o nosso cozinheiro. Os índios dos arredores estavam a chegar ali diariamente e eu comprei deles algumas bonitas cabaças pintadas. Enquanto assim fazíamos. . regressamos para Santarém. e com um pátio nos fundos. entramos em regular atividade. porém. pois o índio. A igreja foi ornamentada de folhagem e de flores. de dois cômodos. Em seguida. Nós mesmos tivemos que preparar as nossas refeições. Essa. a nossa velha cozinheira preparava-nos o almoço. e distribuíram-se doces a todos os visitantes. meu irmão sofreu a luxação de uma perna. Com alguma dificuldade. tomou também parte na festa. havendo muitas bebidas. Contratamos uma negra para cozinhar. não tardamos a arranjar outra. formando-se um abcesso para cima do joelho. Amazonas acima. de cuja manufatura este lugar tem boa fama. prosseguir viagem.

Em seguida. e que era muito adequado para as nossas coleções. naquela ocasião. nós nunca nos sentimos tão bem dispostos. Ao chegar a casa. para tomarmos um banho refrescante. marcávamos os insetos capturados. para baixo da cidade. Em Santarém. tomávamos chá. essa fruta. trocávamos de roupa. fazendo uma caminhada de cerca de três milhas. Spruce. peixe.206 Alfred Russel Wallace Às oito horas. não obstante o intenso calor. bem pouco tempo depois do nosso regresso de Monte-Alegre. abundantemente. mais tarde. que chegara de Belém do Pará. uma das mais estimadas e das mais formosas borboletas. gozando. o botânico. comíamos logo um melão-de-água. gozando a fresca da noite. então. 67 Melancia. encontram-se. a mais perfeita saúde. Recebíamos algumas visitas. àquela hora. ar puro e sempre comendo bem.67 que ficava guardado de propósito para a nossa volta. e. carne de vaca. O solo é seco e a água é muito limpa – um conjunto de vantagens que raramente se encontra nessa região. e das pequenas e curiosas ericinídeas. fazíamos ainda uma parada no Tapajós. era muito agradável e muito refrigerante. Até as duas ou três horas da tarde. Com os constantes e rigorosos exercícios que fazíamos diariamente. de cores muito vivas. No nosso regresso para casa. Há ali alguns prados pantanosos. saíamos para o campo. jantávamos. frutas. leite. muito mais parecidos com os da Europa do que com os que comumente se vêem perto do Equador nos quais encontrávamos pequenas e lindas Melastomas e outras flores. dentre os quais contávamos agora com a presença do Sr. íamos ver os nossos amigos brasileiros e ingleses. Era aquele o sítio preferido pela linda Callithea saphira. permanecíamos em grande atividade ali. até o local que havíamos encontrado. ou. e que eram encontradas em grande número. .

o qual estava na sua maior cheia. até muito acima de Santarém. resolvemos partir para o Rio Negro. O rio Tapajós estava agora muito baixo. encontramo-lo ainda a desembarcar as suas bagagens. e deu-nos uma carta para as autoridades locais. Nos fundos da cidade. todos os dias. logo que isso nos fosse possível. e a superfície de suas águas ficava em nível mais baixo do que o das águas do Amazonas. ficando apenas mansamente a levantar-se ou a abaixar-se. justamente uma semana antes de nós. nunca correm para cima. íamos fazer algumas visitas. vê-se o Tapajós correr para cima. de quando em quando. e eram tão inconvidativas o quanto se pode imaginar. e. que é freqüentemente vencida em um dia e uma noite. afinal. . que estava quase inteiramente apodrecido. convolvuláceas e begônias. Nossa canoa. no Amazonas. Já estávamos no mês de novembro. Desta sorte. São completamente estéreis. formadas de escórias. no Amazonas. muitas “flores-da-paixão”. enquanto. Após muitas delongas. A falta de vento foi a causa principal de seu retardamento. o comandante nos arranjou três índios. Spruce partira para Óbidos.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 207 Os caminhos e campos cobrem-se de florescentes mirtáceas. que deveriam ir conosco somente até Óbidos. afim de que estas nos arranjassem mais alguns homens. na qual o respectivo proprietário lhe oferecera uma passagem. A maré levanta-se. distantes uma ou duas milhas. numa grande canoa. quais. umas cem jardas fora de seu leito. e. as águas deste correm rapidamente para baixo. Melastomas muito crescidas. povoação situada a cerca de três dias de viagem Amazonas acima. tendo gasto dez dias em uma jornada. Um curioso fenômeno de maré verifica-se aqui. as suas águas. porém. tendo sido gasto um longo tempo para reparar-lhe o fundo. O Sr. como algumas chuvas começassem a cair e o tempo estivesse sombrio. ele nos disse que na noite anterior foi que pôde chegar ali. então. Quando ali chegamos. ficara pronta.

eram espécies de que já tínhamos obtido espécimens. Quando ali chegamos. e. descobrindo. como estivéssemos receosos de prosseguir viagem em tais condições. trataram de regressar. conseguimos partir com dois índios. na sua maioria. que ela estava fendida em vários lugares. íamos progredindo favoravelmente. O comandante mandou procurar outros a uma considerável distância da povoação. Em tais conjunturas. Como eram apenas dois os nossos remadores. e impelia-nos furiosamente para diante. fazia levantar altas ondas. por vezes. . e não nos foi possível conseguir outros.208 noite. a nossa canoa estava fazendo muita água. arrastamo-la para a praia. geralmente à noite. Cruzamos o rio várias vezes. O vento. a localidade mais próxima. não podíamos fazer muito nessa viagem. O capitão Hislop havia escrito a um de seus amigos. logo depois que descarregaram a canoa. onde encontrávamos muitos insetos. o proprietário da canoa não gostava de viajar à O desgraçado viajante que se aventure a navegar no Amazonas. então. que talvez não pudesse resistir. porém. desta sorte. Afinal. para alugar-nos uma casa desocupada. tem que acabar convencido de que deve submeter-se pacientemente a tais aborrecimentos. pois um deles precisava permanecer no leme da canoa. pois os índios. Alfred Russel Wallace Demais disso. Essa fora arranjada e tivemos que permanecer vários dias inteiramente sós. Tratamos logo de calafetá-la. Felizmente. cheguei a recear pela sorte de nossa apodrecida canoa. tivemos vento forte e constante. rio acima. Divertimo-nos na floresta. ali. tapando-lhe as fendas com algodão embebido em piche quente. viajando dia e noite. e distante de Óbidos cerca de quatro dias de viagem. os quais deveriam ir conosco somente até Vila-Nova.

inventando-as e resolvendo-as. Fomos bondosamente recebidos pelo sacerdote da vila. Ele conhecia bem o inglês. até que conseguíssemos arranjar os homens necessários para o prosseguimento da nossa viagem.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 209 Em quatro dias. à maneira portuguesa. mas talvez. . com inteira segurança. por ter conseguido tamanho êxito em nossa viagem. tendo feito tudo para que tivéssemos o máximo de conforto. o padre Torquato. Em sua casa. que não nos foi possível declinar das suas bondosas atenções para conosco. até que viesse a sua resposta. que ele resolveu muito bem. tendo sido companheiro de viagem do príncipe Adalberto da Prússia. Tal foi a sua insistência. Ele gostava muito de decifrar charadas. juntamente com os seus amigos. antes. que se achava na praia. Numa dessas ocasiões. alcançamos Vila-Nova. e que insistentemente nos convidou para ficarmos em sua casa. antes disso. que o príncipe houve por bem dispensar-lhe. que teve de repartir conosco. e fiquei muito contente. e haveria provavelmente de decorrer alguns dias. contudo. Mandaram-lhe um recado. Bem merece todos os encômios. Deliciei-me bastante. no alto Xingu. para um sítio seu. O comandante – para quem trazíamos cartas de apresentação e a quem íamos pedir que nos arranjasse mais homens – não se encontrava então na vila. ficando deveras contente. e cumulou-nos de gentilezas. Por esse motivo. com as quais imensamente se divertia. simplesmente em benefício nosso. propondo-lhe algumas das nossas mais comuns e mais conhecidas. O padre era um cavalheiro muito bem educado e muitíssimo atencioso. traduzi o antigo enigma da palavra “tobaco” – em português “tabaco” –. pois havia seguido. dispunha ele apenas de dois pequenos quartos. e lia muito. pudéssemos conseguir os homens de que estávamos precisando. teve ele que ficar desacomodado.

de verdadeira fúria. Declarou que voltaria do primeiro lugar a que eu tivesse de aportar e haveria de matar o homem que lhe dera as pancadas. jurando nessa ocasião que não haveria de seguir em minha companhia e haveria de vingar-se dos que o forçaram a entrar a bordo ali. e não aparecera nenhum homem para o prosseguimento da nossa viagem. amargamente. por isso mesmo. sem dúvida. não queria de maneira alguma seguir em minha companhia. e foi. De julho a outubro. com os que provavelmente o comandante haveria de mandar-me. Era cerca de meio-dia. porém. de nada valeu. um índio. Vila-Nova deve ser. eu não podia culpá-lo pelo seu procedimento. para demovê-lo de seus propósitos. À tarde. levado à força para bordo da nossa canoa. nem má vontade. entretanto. o padre então foi entender-se a esse respeito com um negociante. Queixou-se então. para o preparo do jantar. Tentei fazer tudo que era possível. ao entrar do sol. em troca dos mesmos. . Ele ficou num estado de terrível exaltação. oferecendo-lhe bom pagamento. manteve para comigo a atitude mais respeitosa possível. além de lhe dar boa comida e muita bebida. Um de tais homens. devendo ficar. Como eu estivesse muito ansioso por partir. foi somente à custa de muitas pancadas e até mesmo de ameaças de facão. a fim de que este me cedesse três dos seus homens. paramos. ótima localidade para um entomologista. Todavia. Isso. entretanto. com o intuito de acalmá-lo. na atual estação. quando partimos dali. quando foi posto a bordo da canoa.210 Alfred Russel Wallace Apanhei alguns bonitos insetos. assegurando-me que contra mim ele não tinha nenhuma prevenção. Havia já transcorrido uma semana. Quanto a isso. não obstante já ser demasiado tarde para isso. de que era tratado como um escravo. Tudo isso. na verdade. porquanto eu nada tinha que ver com o seu caso. embora ele continuasse em grande exaltação.

afim de substituir o que nos havia largado. e. Velejando de quando em quando. a noite toda. Através da floresta. com aquela importuna praga. ao longo das margens do rio. Como eu não podia seguir viagem com dois homens apenas. íamos seguindo vagarosamente. Logo após. mas geralmente remando. a bater constantemente em seus próprios corpos nus. enrolam-se completamente com os panos das velas. Noites e noites seguidas. eram para nós uma grande tortura. nem um momento sequer. a pé. Lugares há. mandei um destes. o mal acostumado índio fez a sua despedida. voltou para a vila. especialmente para arranjar mais outro. É um erro supor que os mosquitos não os picam. Não havia persuasão melhor para os nossos homens remarem com vontade do que a possibilidade de alcançar um desses lugares.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 211 Naquela hora. Cerca das dez horas. e que era quase incessante. Não podíamos fechar os olhos. Vós os percebeis. preferindo sofrer as angústias de uma minissufocação a sofrer as irritantes picadas dos mosquitos. bem cedo. o meu emissário estava de volta. de fato. o que prometera. pegando da sua trouxa de roupas. voltar à povoação. somente para se gozar o conforto de um sono tranqüilo até de manhã. Sofríamos muita importunação com a chuva que caía. onde tais insetos não aparecem. a fim de afugentar os atormentadores bichinhos. outrossim. antes da meia-noite. no dia seguinte. cumpriu. eles nos faziam ficar num estado de verdadeira irritação febril. Para deles se livrar. prosseguimos a nossa viagem. tendo trazido em sua companhia o homem de que precisávamos. . Os mosquitos. Os índios sofriam tanto quanto nós mesmos.

com um pouco de peixe. Ali compramos alguns ovos. haveriam de lembrar-se de nós. tendo chegado ali num dia de festa. O padre ia à frente. uma casa. fomos à casa da festa. e justamente na hora em que havia saído do templo uma procissão. para preparar com farinha o nosso pudim de Natal. à tarde. Em suas fartas e luxuosas mesas. À noite. foram-nos oferecidos vinhos e doces. 68 No original. presentearam-nos eles com um bom pedaço de peixe para o nosso jantar. Compramos café e um enorme cesto de bananas. “farinha pudding”. no dia de Natal.68 Assim. alcançamos a pequena vila de Serpa. nestas remotas paragens do alto Amazonas. Descobrimos. os nossos pensamentos voltaram-se então para o nosso distante e saudoso lar e para os nossos caros amigos. com certeza. contudo. enfeitadas de fitas e de flores. tivemos a nossa tolerável ceia de Natal. . iam dançando pelas ruas. Prosseguindo. a viagem. paramos. de boa vontade. Pretendíamos comprar alguns deles. da maneira mais burlesca possível.212 Alfred Russel Wallace Em fins de dezembro. porém não no-los quiseram vender. E. cujos moradores haviam pescado grande quantidade de peixes. deles tão distantes aqui. enquanto comíamos o grosseiro pudim. onde se estavam realizando as danças. Algumas mulheres e moças. então. no trajeto para a igreja. Lá. uma xícara de café e o bolo.

. . reparamos então na maravilhosa mudança da cor das águas. . . . . nós continuamos remando. . . . . . . . . . alcançamos a cidade da Barra. Na manhã seguinte. Na véspera (dia 30). tendo apanhado ali. . . alguns bonitos peixes. . Capítulo VII Barra-do-Rio-Negro e o Solimões ASPECTOS DO RIO NEGRO – A CIDADE DA BARRA – SEUS HABITANTES E COMÉRCIO LOCAL – EXCURSÃO PELO RIO NEGRO ACIMA – A LÍNGUA GERAL – O “GAVIÃO-DE-PENACHO” – MODO DE VIDA DOS ÍNDIOS – REGRESSO A BARRA – ESTRANGEIROS NA CIDADE – EXCURSÃO AO SOLIMÕES – O IGAPÓ – MANAQUERI – VIDA DE CAMPO – ABAÇARIS DE CRISTAS ANELADAS – URUBUS E ONÇAS – CULTURA E PREPARO DO TABACO – O PEIXE-BOI – O SR. . nos seus baixos. .Sumário . em redor de nós. . surpresos. HENRIQUE – CARTAS DA INGLATERRA N O DIA 31 de dezembro de 1849. até tarde da noite. apesar de já se haver sumido o sol no pardo Amazonas. BRANDÃO – UMA PESCARIA COM O SR. no rio Negro. quando alcançamos alguns rochedos na barra do rio Negro. . . . .

que ainda não tinha sido acabada de construir. convidando-nos ainda a tomar as nossas refeições à sua mesa. Quando o sol bate sobre elas. o efeito é muito bonito. Da “Barra”. como azeviche. são. As casas geralmente só têm um pavimento. na estação chuvosa. não têm. Henrique Antony. são cobertas de telha vermelha e assoalhadas com tijolos. ou antigo forte. principalmente à noite. – e um dos principais negociantes da cidade. no entanto. . o que fez com que. propriamente. nenhum calçamento. tinha um matiz de ouro. porém. cerca de doze milhas acima de sua junção com o Amazonas. as águas eram cor de tinta preta. A cidade da Barra-do-rio-Negro está situada na margem leste daquele rio. de sua propriedade. em qualquer direção que olhássemos. e bem merecendo. sendo este seu colorido perfeitamente perceptível. Trazíamos cartas de apresentação para o Sr. exceto onde a sua alva areia. só há. uns restos de muralhas e um monte de terra. nos sentíssemos como que em nossa própria casa. Prontamente pôs a nossa disposição dois cômodos de uma casa nova. muito pobres e bastante inferiores à de Santarém. e as portas e janelas. e é cortada por dois córregos. havendo. vista à profundidade de alguns pés. cujas águas. enquanto na parte mais profunda parece ser negra. A água. cerca de 30 pés acima do nível das mais altas cheias. sendo muito onduladas e cheias da buracos. Ele recebeu-nos com a mais cordial hospitalidade. por isso mesmo. presentemente. E está localizada em um terreno desigual repleto de ondulações. pois. sobre eles duas pontes de madeira. é de um pardo-claro. atingem a considerável altura. Há duas igrejas na cidade. o que torna a caminhada sobre os seus leitos muito desagradável. porém. As suas ruas são regularmente traçadas. quando examinada num copo.214 Alfred Russel Wallace Bem podíamos imaginar que estávamos no rio Stige. desde logo. têm as paredes pintadas de branco ou de amarelo. o seu nome de “rio Negro”. um súdito italiano ali estabelecido há muitos anos. pintadas de verde.

a farinha de trigo. e. Então. ao tempo das cheias. espelhos e outras bugigangas mais. não se pode obtê-los. indo uns às casas dos outros. Na verdade. que não seja a de beber e jogar em pequena escala. Os habitantes mais civilizados de Barra dedicam-se todos ao comércio. rio acima. vinho e outros gêneros de primeira necessidade. A sua distância de Belém do Pará é de cerca de 1. não havendo ali qualquer outra diversão. da qual se diga que seja de puro sangue europeu.000 milhas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 215 A população da cidade é de 5. Por conseguinte. dos quais a maior parte é constituída de índios e mestiços. aos domingos. colares. tendo como assunto . Por esse motivo.000 habitantes. exibindo lindos vestidos. tanto e tão completamente se têm os portugueses amalgamado com os índios. todos trajam as suas melhores roupas. é a ocasião própria para fazer visitas. principalmente. conforme é moda ali. para o comércio com as tribos indígenas. das quais a cidade é o quartel-mestre. Os homens. que é penteado cuidadosamente. provavelmente. gasta muitas vezes de dois a três meses. e as importações são tecidos europeus. ornam-no de flores e não o cobrem. gravata de cetim e finíssimos sapatos de pelica. para palestrar. se assim podemos considerar. por vezes. de inferior qualidade. nascida no lugar. não há ali uma única pessoa. quando chegam a faltar. A maior parte nunca abre um livro ou trata de empregar o seu tempo em qualquer outra ocupação intelectual. nos imundos armazéns. queijo. trajam nesse dia bonitos ternos escuros. nem escondem o rosto sob véus. salsaparrilha e peixe. chapéu de castor. pois não usam chapéus. o que disso se poderá inferir é que se atende mais ao luxo. e a viagem. Em geral. são sempre muito caros. que passam a semana inteira em mangas de camisa e de chinelos.000 a 6. O comércio local consiste principalmente na exportação de castanhas. confeccionados com gazes e musselinas francesas. têm elas bonito cabelo. As mulheres vestem-se elegantemente. cutelaria ordinária.

diariamente. E poucos são os sinais de vida nas suas escuras e plácidas águas. e raramente se lhe percebia qualquer correnteza no álveo. por isso. na minha própria canoa. Fui informado de que agora é o tempo mais próprio para encontrar-se o “gavião-de-penacho”. quando ocorre uma tempestade. Henrique. . Ali não se viam mais as ilhas de ervas flutuantes.216 Alfred Russel Wallace principal da conversação os escândalos. com as suas cargas de gaivotas. “umbrella-chatterer” e “umbrella-bird”. levantam-se nelas ondas muito mais altas e mais perigosas do que as do Amazonas. e este prontamente tomou a iniciativa de solicitar das autoridades que me fossem fornecidos os índios necessários para fazer tal viagem. O meu desejo de ir até lá. e. que se acumularam durante a semana. que deveria ir até uma fazenda situada em outra direção. logo verificamos que pouco poderíamos fazer ali. no que diz respeito a coleções de pássaros ou de insetos. E todavia. os quais dificilmente. aqui e alhures. Gastei três dias em minha viagem rio acima. Quando eles vieram.70 célebre gritador. Os sentimentos morais em Barra estão reduzidos ao mais baixo grau de decadência possível. a cerca de três dias de viagem águas acima. e que se acha. deixando ali meu irmão H. nem os troncos de árvores desarraigadas. comuniquei-o ao Sr. o que aconteceu uns três ou quatro dias após. seriam acreditados pelos habitantes dos piores bairros de São-Gil. No original. eu parti.69 A estação das águas já havia principiado. 69 70 “São-Gil” é o nome de uma espécie de “Suburra” de Londres. de plumagem bonita. Ouvem-se ali. e tive então oportunidade de observar a notável diferença entre o Negro e o Amazonas. mais do que em qualquer outra comunidade civilizada.. nas ilhas do rio Negro. freqüentemente. falatórios a respeito das mais respeitáveis famílias do lugar.

Balbino tivesse . formando inúmeras ilhas. ficando o rio então com uma largura total. onde reside o Sr. Balbino é conhecida geralmente pelo nome de “Sobrado”. em um longo trecho do seu curso. Durante o nosso trajeto. então. quis então saber das minhas pretensões. Balbino. vimos várias choupanas e uma aldeia bem bonita. as praias fronteiras de suas margens. a cena é em extremo sombria e triste. enormes baías. situada em lugar muito alto. ganhando-lhe a margem esquerda. exceto somente nos lugares mais a pique. Passamos por muitas praias arenosas e pedregosas. Umas poucas milhas para cima. são elas. levantando-se em altas e agitadas ondas. em muitos lugares. provavelmente. para galgá-la. subdivide-se em vários canais. conseguimos alcançar Castanheiro. Henrique depois me informou. parecendo tinta. entramos por entre as suas ilhas. A casa do Sr. há vários anos que se achava naquele estado. A escada. Afinal. e prometeu arranjar-me um bom caçador para matar pássaros e quaisquer outros animais que ou quisesse. e daí. de margens muito alcantiladas. mais escuras se tornam as suas águas. e para o qual eu levava carta de apresentação. todo coberto de relvas. tendo em frente um declive. alarga-se consideravelmente.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 217 Quando se formam negras nuvens. que se lhe quebram em espumas sobre a vastidão do leito. Está ela. não se vendo mais. por toda parte. Em Barra. como o Sr. ou casa de dois pavimentos. lá no alto. tendo uma luxuriante vegetação de arbustos e de árvores florestais. estava com falta de dois degraus. o rio tem cerca de milha e meia de largura. Depois de sua leitura. Cruzamo-lo onde ele tem de quatro a cinco milhas de largura. era necessário fazer-se um grande esforço muscular com as pernas. formando-se. que chegam a ter de oito a dez milhas de profundidade. contudo. Essa escada. que lhe servia de acesso. sendo nesse gênero uma das únicas que existem fora de Barra. desde então. Aí. Mais para cima. em péssimo estado de conservação. de não menos de vinte milhas. embora o Sr.

prevendo assim o caso de não ser possível encontrar-se uma pessoa para esses serviços. e onde a primitiva floresta fora abatida. e servindo de janela a outra. objeto algum. Contudo. desde logo. significa “caminho das canoas”. ficam embrenhadas na floresta. armando a minha rede. do referido cômodo. aqui. embora não estejam apartadas mais do que vinte jardas. Os demais falavam uma língua indígena. era um pequeno cômodo de chão muito escorrido. onde eu deveria ficar alojado. literalmente quer dizer “fogo branco”. A palavra igarapé. que morava perto. na barra de um córrego.218 Alfred Russel Wallace sempre um carpinteiro trabalhando a seu serviço. que eu achei a princípio muito difícil de assimilar. e então o acompanhamos até à sua casa. dei ordem para descarregar as bagagens. comigo ficando apenas um menino. duas das quais eram de folhas de palmeira. com três portas. devido à falta de livros adequados para o seu ensino. coar café e preparar o jantar. Um índio. que eu havia trazido em minha canoa. Somente um dos homens sabia falar o português. para acender fogo. em seguida. plantado de árvores frutíferas. chamada “língua geral”. Os índios regressaram à Barra. Ela estava situada cerca de meia milha rio acima. devido à grande inclinação do solo. e. especialmente para fazer canoas. aceitei desde logo o uso desse apartamento. que não tivesse uma larga base. de uma não se avista a vizinha. que eu devia ocupar. chegou logo após. em uma hora. que o Sr. Aos homens. estando todo o espaço. e. As casas. tomei posse. que as separa. A parte da casa. estando ali também residindo mais duas ou três famílias. “fumaça”. poderia parar sobre ela. mas. Não me tendo sido feita nenhuma outra oferta. colocar as duas tábuas que estavam faltando ali. que se aplica geralmente para a designação de rios pequenos. Tomei emprestada uma mesa. é uma língua muito simples e muito fácil de aprender. o qual poderia facilmente. Henrique me emprestou. para trabalhar. . Tabatinga.

são vulgarmente chamados inapacanim e urutaurana. muito nítidas. com um sombreado de tom azul muito lustroso. onde são encontrados os “gaviões-de-penacho”. com o seu auxílio.. Nos vocábulos que designam animais.71 À tarde. sabia falar o português e a língua geral. No dia seguinte. chegou o caçador que eu estava esperando. sucuruju. e que são recurvadas nas extremidades. que é do tamanho de um corvo. estava de volta. cit. a mesma vogal repete-se muitas vezes. chegando mesmo a alcançar a ponta do bico. em demanda das ilhas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 219 Muitas palavras soam como no grego. como se fossem sementes de dentes de leão. As suas penas têm aspecto de escamas. maracajá. apegaua. É aliado aos corvos. melhor. pertencentes à espécie Spizaëtus. Logo depois. As penas individuais ficam então eretas. tem uma plumagem também parecida com este. formando um hemisfério ou. com estes muito se parecendo. já depois do escurecer. ou podem levantar-se e espalhar-se em roda da cabeça. saiu ele em sua canoa. que é diferente do de todas as outras aves. produzindo um efeito bastante eufônico. “cobra não venenosa. pela estrutura do bico e dos pés. No alto da cabeça tem um penacho. “ave”. por exemplo: sapucaia. Assim. págs. tornando-se quais invisíveis. “papagaio”. temos as seguintes palavras: parauá. “gato do mato”. desse modo. que se achava em minha companhia. e. 71 Goeldi (ob.” O indiozinho. . eu podia arranjar-me muito bem. Este singular pássaro. “homem”. Essas plumas podem cair para trás. nas beiradas. tendo então trazido um bonito espécimen dessa ave. uma cúpula semi-elipsoidal. sendo o mesmo formado de plumas de mais de duas polegadas de comprimento. que cobre completamente a cabeça da ave. 53-54) informa que os nossos “gaviões-de-penacho”.

e só voltava às nove ou dez horas da noite. no peito. Esses pássaros habitam as ilhas matagosas do rio Negro e do Solimões. ao romper da madrugada. como são muito musculosas.220 Alfred Russel Wallace Além desse. não são derrubadas facilmente senão quando bastante feridas. de modo a torná-lo dificilmente visível. cit. Todavia. sendo ao mesmo tempo uma ave muito menor e muito menos formosa. Ficam empoleiradas nas árvores mais altas. e. Na fêmea. é uirá-membi. formando um largo feixe ou uma borla de plumas pendentes. de modo a ocultar quase toda a parte dianteira do corpo. muito forte. ou entumecê-lo. pág. 702). como se pode ver em Stradelli (ob. . de onde se espalha a borla de penas. sendo abundantemente coberto de penas de cores muito brilhantes. 72 O nome exato desse Cephalopterus ornatus. há ainda outro apêndice ornamental. de polegada e meia de comprimento. como o de um grave instrumento musical. nunca trouxe mais de dois de cada vez. cobre-se inteiramente de uma dura e espessa membrana muito gorda e muito cheia de músculos. Este tubérculo pode a ave também encolhê-lo contra o peito.. O caçador que eu havia contratado para caçá-las trabalhava perseverantemente. formado de um tubérculo carnoso. muito basto e muito duro. “pássaro-trombe72 ta”. porém são muitíssimo ariscas. que é bem difícil de extrair. Daí o seu nome indígena de ueramimbé. tanto o penacho como as plumas do pescoço são muito menos desenvolvidos. Todo o seu pescoço. o que é necessário fazer no preparo da pele. pois do contrário apodrece e as penas logo caem. que quer dizer “pássaro-flauta”. Essas aves encontram-se regularmente. e nunca aparecem em terra firme. geralmente um e algumas vezes nenhum. Alimentam-se de frutos e emitem um som profundo e rouco. que desce desde o pescoço. saía todos os dias.

parece que há semelhantes atrativos para muitas espécies de insetos. enquanto em qualquer partícula de matéria animal. são os únicos pássaros que se encontram nas ilhas. As grandes borboletas de asas azuis e algumas outras menores voam ao longo dos caminhos muitas milhas. Um pequeno e raro tucano (Pteroglossus Azarae). as nossas colheitas sempre rendiam algo. desviam-se para a floresta. Quando afugentadas. Nos caminhos em lugares abertos. de cauda pequena e cerdosa. no caminho. As que me foram trazidas estavam muito desfiguradas pelo sangue. a luz coada ou a sombra são propícias para determinadas e variadas espécies de plantas vicejarem. quase sempre. Outros procuram as flores. mas voltam de novo para o caminho.73 de uma espécie diferente da que se vê no Pará. onde há um caminho aberto na floresta. antes de cair no solo. falcões e perdizes brasileiras são as únicas aves que também se encontram. porém empoleiram-se nas árvores mais altas. 73 É o jacamim. Os insetos de maneira alguma são abundantes. e duas espécies de mutuns. Nesses lugares. . e quase fora do alcance de tiro. O bonito pássaro-trombeta (Phophia crepitans). aqui é abundantemente encontrado. havia notado que. é certo também achar-se um bom números de diferentes espécies de insetos. As arapongas. Os clarões da luz solar e as correntes de ar. Nas matas. que se encontram ali. de penas muito alvas. alguns papagaios. encontram-se nas terras firmes. quando soltam as suas flores. tendo sido atiradas umas quatro ou cinco vezes. estas atraem grande variedade de insetos. agindo livres na floresta. atraem alguns insetos.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 221 Os bonitos e raros manokins (cotingas). e.

e as crianças. nunca levava consigo qualquer outra coisa mais. do número e da extensão dos caminhos. procurando então descobrir o que é que eles comem em suas refeições. Afinal de contas. Os homens geralmente trajavam um par de calças. Pela manhã muito cedo. que serve somente como uma variante ao pão de mandioca. Vivem da maneira mais frugal possível. Quando voltava. à tarde. outra vez uma cuia de mingau de farinha ou de banana. após ter estado quatorze horas na canoa.74 Ao meio-dia. tem que ser repartido entre tantas pessoas.222 Alfred Russel Wallace Assim sendo. arranjam um pouco de peixe ou uma ave. Uma vez por semana. parecendo ficar deveras satisfeito somente com esse alimento. Meu caçador. Havia dois outros cômodos na casa onde eu estava alojado que eram habitados por três famílias. 74 Mingau é uma espécie de sopa que se prepara. muito calmamente o comia. comem um bolo de farinha seca ou um inhame assado. E daí. fui obrigado a chegar à conclusão de que as suas variadas preparações de mandioca e de água é que constituem. cada um come uma cuia de mingau. quer com farinha. quando lhe traziam uma cuia de mingau. porém. quando saía para o mato. apenas uma tanga. na floresta dependerão em grande parte os sucessos do entomologista. A princípio. e ali ficava a palestrar. Eu não podia imaginar que realmente nada mais do que isso tivessem para comer. as mulheres. mais ou menos. e. como se o seu sentido estivesse muito longe de pensar em comer. nada absolutamente. a não ser um saquinho de farinha seca. sentava-se em sua rede. que são chamadas pacovas (nota do autor). na verdade. quer com umas bananas muito grandes. fiquei deveras confundido com isso. o seu único alimento. . Isso. nesta parte da América do Sul.

A maior parte dos frutos silvestres. ele parecia ser tão vigoroso e tão resistente como o próprio John Bull. Outra hora. é que um estrangeiro poderá habituar-se a comê-los. quando ainda estão na idade de brincar com bonecas. cujo gosto amargo ficava mais de uma hora em minha boca. As suas casas estão constantemente carecendo de consertos. entretanto. e poucas são as suas roupas para lavar e remendar. ora lavrando madeira.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 223 Com isso só ficava pronto para partir de novo rumo da floresta antes do romper da manhã. eu pedia para prová-lo. . são de um sabor muito ácido ou muito amargo. que são os preferidos desta gente. que come diariamente suculenta carne de vaca ou de carneiro. ora aparelhando uma tábua. Só depois de algum tempo. Esta gente parece estar sempre muitíssimo ocupada. de quando em quando. têm potes para fabricar. para cobri-las. arcos. quando eu via alguma criança roendo um fruto qualquer. principalmente ao das crianças. As folhas. Por vezes. muito poucos dos seus serviços é que aparecem. para fazer as suas roças. que lhes absorvem todo o tempo. ora derrubando mato. eu verificava que o mesmo tinha um sabor muito parecido com o do áloes ou da quássia. As mulheres vão arrancar as raízes da mandioca ou de inhame. principalmente pelas mulheres e pelas crianças. quando não têm plantações ou colheitas a fazer. no dia seguinte. julgando que deveria ser doce ou agradável ao paladar. como o agrião. Alguns têm um gosto de abóbora. Contudo. para fazer canoas ou remos. e outros são tão picantes. para qualquer outro propósito. estão a fazer os seus cestos. Lá. Os homens estão sempre ocupados na floresta. têm que ser trazidas de grandes distâncias. Todavia. flechas ou quaisquer outras coisas.

durante dois dias. se tornara outra vez bastante esperta. comecei a fazer os preparativos para o meu regresso à Barra. porém. nada mais fazem do que produzir senão aquilo somente de que mais precisam. e caíra no solo estonteada. Na ocasião em que me fora trazida. por isso mesmo. não lhes permitindo quase nenhuma folga para fazer uma excursão em busca de uma caça qualquer. No último dia de minha estada ali. trouxe um bonito espécimen dessa ave. Ela fora ferida na cabeça. e. que é abundante nas florestas das redondezas. pela divisão do trabalho. na volta. porém. Eu a alimentava à força. Pusemo-la em seguida dentro de uma cesta de vime. E. como se ainda estivesse muito sã. pois as suas unhas eram muito compridas e aguçadas. e assim continuei fazendo. pouco adiante do olho. numa região onde o alimento pode obter-se quase de graça. com um grande desperdício de trabalho e de tempo. empurrando-lhe pela goela abaixo alguns pedaços de banana. poderia ser feito por 6 pence. em vez de ocupar-se com uma indústria qualquer e trocar os seus produtos pelas mercadorias de que tiver precisão. estava tão forte e tão brava. . Após a permanência de um mês. gasta ele toda a sua vida trabalhando para obter um escasso vestuário. vários dias ainda. todavia. que ainda se achava viva. mas vagarosamente. o meu caçador ainda saíra para caçar.224 Alfred Russel Wallace Com isso. tendo conseguido obter vinte e cinco espécimens do “gavião-de-penacho”. Um índio gasta uma semana inteirinha para abater uma árvore na floresta ou fabricar um objeto qualquer. logo depois. Disto resulta que cada um faz tudo que é preciso para si mesmo. com muito cuidado e muita dificuldade. o que. não quis aceitar alimento de espécie alguma. A conseqüência desse sistema é que o produto do seu trabalho de uma semana valerá apenas 6 pence.

era com dificuldade que podíamos conservar. verifiquei. Dias seguidos. fazíamos excursões à floresta. encontrei. a ave foi muito bem. que o chumbo lhe havia quebrado os ossos da cabeça. Quando a depenei. chovia incessantemente. Bates. um americano e outro irlandês. haviam chegado ali. morrendo imediatamente. Quando havia alguma estiada. umas frutas pequenas. as quais ela comeu avidamente. ali. havia um regular número de estrangeiros. Até à cidade. engolindo-as inteiras. Dois comerciantes do Amazonas. com um tempo tão inconveniente para viagens. como se estivesse perfeitamente sã. então. e o pouco que apanhávamos. Entretanto. estava ele sem vontade de partir para os territórios mais remotos. O Sr. Em Barra. E. Era de causar surpresa ter essa ave podido viver tão longo tempo. A atmosfera estava tão saturada de umidade. mas raramente conseguíamos encontrar qualquer coisa interessante. como eu próprio. qual o que agora estava fazendo. tendo sabor um tanto ácido. que alcançara a Barra poucos dias depois da minha partida. pude observar-lhe os hábitos e a maneira pela qual abria e fechava a bonita crista e as plumas do pescoço. que os insetos emboloravam. na margem do rio. as penas e os pêlos desprendiam-se e caíam das peles dos pássaros e dos outros animais. nessa ocasião.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 225 Em nosso regresso para a Barra. pôde viver somente mais uns quinze dias. Durante o tempo em que ela viveu. em Barra. tornando-as quase inúteis. tive algum tempo de folga. também ainda se achava ali. . e desse modo podíamos matar o tempo com um pouco de prosa. pois um dia caiu do poleiro em que se achava. Raro era o dia que se passava sem chuva. do tamanho de uma uva. A estação das águas já havia começado regularmente. mas. penetrando-lhe os miolos.

com explicações em espanhol e português. e. Em toda casa da Barra. um dos quais entendia um pouco de ciências naturais. quando muito bem entendia. como o único meio de lhe fornecer. como se fosse no seu próprio lar. pedindo. apalpava a cabeça de um português ou de um brasileiro. que gostava de fazer graças para os outros. e. Era um rapaz muito inteligente e bem humorado. Ele parecia ter extraordinária paixão por viagens. tudo que queria. um norte-americano. na qual escrevia algumas frases em inglês ou francês e também muito corretamente em espanhol. Havia ainda outro estrangeiro. a necessária soma de estímulos para a sua mente. pelo rio Branco. E todos três sabiam cantar muito bem. Por essa forma.” . Fora educado com Laura Bridgman. em seguida. ficava ele tão à vontade. Para isso. na mesma instituição. provavelmente. Era um rapaz muito alegre. que era surdo-mudo. que trazia tanto os brasileiros. para ser professor de surdos-mudos. como nós outros. com a sua mímica. escrevia sempre em sua ardósia: “Very fond of the ladies. e isso. A sua pretensão agora era seguir até Demerara. de Belém até Barra. através de seu único sentido. com as suas estranhas gesticulações. no Brasil. e de lá alcançar outra vez os Estados Unidos. Mantinha-se à custa da venda de um alfabeto para surdos-mudos. em constante alegria. Por essa maneira. Entrava ou saía. podia tornar conhecidos todos os seus desejos. de nome Baker.226 Alfred Russel Wallace Na cidade residiam também três alemães. Trazia sempre consigo uma ardósia. Arvorava-se em frenologista. contribuíam com algum divertimento. Já tinha viajado através do Peru e do Chile.

“mato cheio de água”. “mato rasteiro”). numa distância de cerca de 700 milhas. 75 O certo é igapó (de i. Havendo alguma probabilidade de melhorar o tempo. Contudo.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 227 É. o Sr. Pobre rapaz! Não veria mais nunca o seu torrão natal! Poucos meses depois. era geralmente estimado. mas abusava tanto que. no rio Branco de febre amarela. O rio. e. será lembrado pelo povo de Barra. A isto se dá o nome de gapó 75e constitui um dos mais singulares aspectos do Amazonas. quando o tédio então atingiu ao seu ponto máximo. quando isto era traduzido para a língua portuguesa. de umas dez a vinte milhas. e gapó. veio a falecer na Fortaleza de São-Joaquim. para cima de sua barra com o rio Negro). Hauxwell. que quer dizer. Não obstante todas estas distrações. Era um fumante inveterado e bebia muito vinho e outras bebidas alcoólicas. variando a sua largura. quase sempre provocava as mais francas gargalhadas de todos os que se achavam presentes e que diziam então: “É verdade”. Dois ou três meses assim se passaram. estava muito alto. na mais ociosa monotonia. chegava a ponto de fazer papel ridículo com as suas extravagâncias. ia-se escoando o tempo lenta e melancolicamente. sogro do meu bondoso hospedeiro. entre o rio Negro e o Amazonas. Brandão. “louco por mulheres”. podia reparar a desolação e morte que as incessantes chuvas pareciam produzir em toda a natureza animada. segundo se disse. de cada lado do rio. . Nada disso. “mato inundado”. logo depois. por muito tempo ainda. então. resolvi fazer uma excursão ao Solimões (como é denominado o Amazonas. por vezes. achavam-se cobertos pela águas. “água”. que se juntou ao nosso grupo. com manifestos sinais de espanto pela penetração de Baker. entretanto. portanto. especialmente para ir até à fazenda de criação do Sr. Estende-se ele desde um pouco acima de Santarém até aos confins do Peru. e grandes tratos das terras baixas. Ali chegara também.

durante o ano. de lagos e de pântanos. quando é tempo das águas. pequenas docas. Os índios. E. que se encontram em outros rincões. sem rastos. como se estivesse trilhando uma estrada bem batida. até que possam ganhar altura suficiente para permanecer acima do nível das mais altas águas. muitas espécies são peculiares aos igapós. pois que se alimentam dos frutos de árvores que só vicejam ali. embora fiquem no topo de caules de 40 pés de altura. de uma alta floresta virgem. para poder passar sob as folhas cheias de espinhos das palmeiras. se distingue de todas as outras. achar-se-á em torno um ilimitado deserto de águas. aliás. que ficam submersas por espaço de seis meses. parece provável que tal deve ser mesmo o caso. o índio encontra caminho pelas ligeiras indicações de ramos quebrados ou de arranhões nas cascas das árvores. esbarrando nos troncos das árvores. e. Tribos inteiras de índios. poder-se-á viajar através desta floresta.228 Alfred Russel Wallace De Santarém a Coari – esta última uma pequena cidade situada no Solimões –. como os purupuru e os muas. nas praias arenosas. por toda parte. na estação das águas. ocupando. E assim. qualquer pessoa pode seguir de canoa. Dias seguidos. Algumas espécies de macacos somente são vistas no tempo das águas. quando consideramos as extraordinárias condições sob as quais vivem estas plantas. sem entrar uma vez sequer no leito do rio principal. Poder-se-á passar através de rios. ou parando. . estão ao nível da superfície das águas. dias seguidos. habitam somente nos igapós. enquanto outras o são florestas virgens de terra firme. tudo coberto. Dos trogônidas. que cresce no igapó. tranqüilamente. que armam num instante. afirmam que toda árvore. Neste labirinto sem trilhos. Há animais que são característicos do igapó. porém. e morando em jangadas. cujas copas. O “gavião-de-penacho” encontra-se somente ali. bem como o manakin de cauda peluda. viaja. no tempo da seca.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 229 Passam em canoas a maior parte da existência. onde as árvores eram mais altas. Dentre elas. o farfalhar de ramos e folhas das árvores. ganhamos outra parte. E logo os descobrimos. atravessando o rio Negro. Por vezes. indicava que os macacos estavam bem perto de nós. mas. que ficam suspensas de árvores. de cujas folhas somente uns poucos de pés estavam acima da superfície das águas. Da cidade da Barra. apinhado de lírios e de outras belas plantas aquáticas. prosseguíamos por entre uma alameda de palmeiras baixas. ficávamos sob a intensa luz solar. soltando em bonitos cachos os seus frutos saborosos. logo que percebiam que os havíamos lobrigado. com as suas longas facas cortavam alguns cachos. via-se a palmeira marajá. Estes índios não cultivam cereais. e as Pontederias. porém sobre profundas águas. Mais adiante. Dali a pedaço. que apanham nos rios. Os índios. de pequenas hastes amarelas. enquanto íamos passando. entramos logo em um trato de terrenos dessa feição. em pulos rápidos. sobre nossas cabeças. Reina ali a mais profunda tristeza. Muitas árvores estavam florescendo. lá se iam embora. em um lago de ervas. com as suas lindas flores. de um azul muito vivo. Tivemos que forçar a passagem da nossa canoa por entre densas moitas de arbustos ou sob galhos dos mesmos. Os ramos mais baixos das árvores nivelam-se com a superfície das águas. tartarugas e peixes-bois. Mais adiante. vivendo exclusivamente de peixes. . espreitando-nos por entre a espessa folhagem. as Utriculárias. e suas curiosas folhas. que vicejam em grossos talos. dormindo em toscas redes.

das águas profundas. um bando de periquitos ou alguns papagaios. E percebíamos. Uns salpicos de água. Acolá. de jarda e meia de comprimento. dessa ave. “pompadour”.76 com as suas asas de delicadas e alvas penas e de plumagem cor de vinho. tenta apanhar um fruto.230 Alfred Russel Wallace Embrenhamo-nos. lá bem em cima. outra espécie deveras magnífica. e a linda e muitíssimo estimada pompadora. pág. onde pousa abrutalhadamente. de quatro polegadas de largura. amarelas. . cit. como se as suas pétalas fossem de ouro! Passamos bem perto dela. Um tucano estouvado faz balouçar o galho. voando.. Com os seus cachos de flores de cores muito vivas e muito brilhantes. entre dois troncos de árvores. que flutuam na água. na umbrosa floresta e fomos então deslizando por entre altíssimos troncos de árvores. vêem-se outras. como colunas. porém na sua maioria sobre musgos e cascas podres. e percebemos. Vê-se ali. 340) dá o nome científico. de novo. Que linda flor amarela é aquela que se vê acolá. Logo depois. Xipholena pompadora. escarlates. todavia. que é o nosso bacacu do rio Negro. dos frutos que estão a cair lá bem do alto. ainda. É um Oncidium. um trogônida. como que suspensa no ar. Mas Goeldi (ob. uma das tribos mais estimadas das orquídeas. fazendo extraordinária bulha. algumas vicejando em troncos apodrecidos. de plumagem de cores muito vivas. delatam que alguns pássaros estão a alimentar-se. de uma cor purpurina muito viva e da qual se evola deliciosíssimo aroma. mais outras aparecem. denominada pelos indígenas de “flor-de-Sant’Ana”. semelhante a um fio retilíneo. e daí em diante. então. 76 No original. a sua haste. tão distantes um do outro? Como ela brilha na obscuridade da floresta. e. todas ostentando flores alvas. que se sobreerguem. ela torna mais alegres estas florestas tristonhas.

para pernoitar. que se pudesse alcançar. Felizmente. ficando como que estupefatos como tão linda flor possa vicejar. fomos invadir uma grande colônia de incomodativas e picantes formigas que. não havia ali terra firme. somente por causa do nosso jantar. por estar engastalhado entre as ervas flutuantes de bem perto das margens. é uma das flores mais lindas desta região. assamos peixe e coamos café. Tivemos de permanecer ali mesmo. Afinal. e. independentemente de suas águas diferentemente coloridas. não estimando a presença e a proximidade do fogo. conseguimos acender fogo. Agora. que se achava flutuando. após termos remado oito horas seguidas. no igapó. enxamearam a nossa canoa. neste gênero. Sobre esse tronco. Que deslumbrante brilho era o do sol! Quão alegre era o rio. Sobreveio logo a noite. gravemente pousadas sobre eles! Estas e as embaúbas (Cecropia). dão ao Amazonas um aspecto inteiramente distinto do que se observa no rio Negro. E. ganhamos de novo as extensas águas do Solimões. assim “à toa”. com as suas cargas de gaivotas. assim. assim. por isso mesmo. E receávamos. nem tampouco preferindo ir para a água. com as suas folhas esbranquiçadas e muito espalhadas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 231 É uma espécie nova. espalhando-se por toda ela. até os próprios íncolas se permitem admirá-la. . com alguns gravetos. tais insetos. com as suas águas reluzentes! Que satisfação e quão agradável ver outra vez as suas ilhas de ervas flutuantes e os enormes troncos de árvores. encontramos um enorme tronco de árvore. de maneira bem desagradável. que talvez nos fosse forçoso passarmos somente a um mingau frio de farinha e água. ali. e. entretanto. fizeram-nos pagar um sério tributo. Por vezes. Mas. porém perfeitamente imóvel.

. na metade da qual estava instalado o engenho de cana. O solo a uma curta distância da margem do rio. A outra metade tinha paredes barreadas. pelo qual chegaremos a Manaqueri. que pastavam ali. e. qual o de escórias. passamos a noite inteira desassossegadamente. algumas vezes vítreo. Atormentados por eles. de cerca de um quarto de milha de largura. Galgando os rudes degraus do barranco. ergue-se num abrupto e rochoso penhasco. igapós e trechos de terras firmes e altas. até o dia amanhecer. coberta de folhas de palmeiras. E então imergimos outra vez no igarapé. na noite seguinte. cedo ainda. consiste em igarapés ou pequenos rios. achei-me de repente à ourela do chão de um prado relvoso. No dia seguinte. e às dez horas da manhã alcançamos. num estado quase febril. e. Viam-se algumas reses e alguns carneiros. no seu conjunto. felizmente. que se torna às vezes muitíssimo difícil dizer se uma porção qualquer é ilha ou não. no qual se viam espalhadas muitas mangueiras. Manaqueri. a barra de um pequeno rio. passando através de alguns pequenos lagos tão entulhados de ervas. uma cerrada moita de goiabeiras. tapadas com folhas de palmeira. mas tão confusamente espalhados e misturados. lá no fundo. penetramos de novo no igapó. Prosseguindo a nossa viagem alcançamos. A casa era uma enorme choupana. e ali. A fazenda está localizada na margem meridional do Solimões. e janelas pequenas. leitões e poldros. mais perto da casa. de madeira roliça. 30 ou 40 pés acima do nível das mais altas cheias. dentro em pouco.232 Alfred Russel Wallace Os mosquitos. poucos mosquitos tivemos a atormentar-nos. em torno da fazenda. mas bastante arruinadas. que a canoa mal podia mover-se. e era cercada. ao invés de paredes. O terreno. para passar sobre elas. tornaram conhecida a sua presença. finalmente. As rochas são de natureza vulcânica e têm um aspecto muito grosseiro. lagos. por paus-a-pique. a cerca de cem milhas acima da barra deste com o rio Negro.

nessa ocasião. De resto. destruindo o jardim e as árvores frutíferas. cargo esse que exerceu alguns anos. decentemente trajada. outrossim. onde permaneceram três dias. era só de terra batida. O que é fato é que. ali morava o Sr. fugindo ainda a tempo para a floresta. tendo à sua roda 77 O autor refere-se à “Cabanagem”.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 233 O assoalho. e ali permaneceu. todavia. que durou no Pará até 1837. em companhia de uma filha solteira. além de matar-lhe vários escravos e o gado. Desde algum tempo. cheio de altos e baixos. não pôde cuidar da reconstrução da casa. . porém muito desigual. E. sentar-se numa esteira. Brandão. achava-se na cidade. e ele não sentia mais o prazer e o entusiasmo de outros tempos. O Sr. um grupo de índios assaltou-lhe a propriedade. fora nomeado delegado de polícia. tanto se acostumou com as novas condições. que se prolongou por vários anos. há uns dez ou doze anos. Era para causar estranheza. e há pouco tinha justamente voltado a residir na fazenda. para pôr todas as coisas em ordem. em vez de ser de madeira. durante a revolução. Brandão. 77 E os malfeitores ter-lhe-iam matado também a esposa e os filhos. passando a milho e frutos silvestres. que eu ficara conhecendo em Barra. Sua esposa já era falecida. porém que no Amazonas (então simples comarca) se estendeu até 1840. em companhia de sua filha. enquanto durou a revolução. E. E também é muito provável que. se estes não tivessem tido aviso no momento. tem muito que fazer ali. no chão. por ter depois a família em sua companhia e em perfeita segurança. para bem zelar daquela sua propriedade. queimando a casa. ver-se uma moça. E muito contente ainda ficou. que chega a julgar inteiramente desnecessário fazer quaisquer despesas com a reconstrução da sua casa. assim. após ter morado ali tantos anos.

sentamo-nos para jantar. e fazendo. para caçar pássaros. Quase sempre. com frango. e que me recebeu muito cordialmente. Às 4 horas da tarde. para depenar pássaros. laranjas ad libitum. peixe-boi. Ao meio-dia. os quais são abundantemente encontrados ali. diariamente. à guisa de almoço. que era casada e se achava também ali.234 Alfred Russel Wallace meia dúzia de índias. Brandão. surgiu o Sr. Dele dá longa e completa descrição o competente Raimundo de Morais. favas. 78 É o Myletes bidens. que ficavam fazendo rendas e outros trabalhos de agulha. Nós nos levantávamos às 5½ da manhã. Quando não tinha esse serviço a fazer. Poucos dias depois. que se encontra nos lagos. chocolate. Logo após. pão de farinha de milho e. pág. variando. simultaneamente. jantávamos. tínhamos um prato de mingau de farinha ou. em “O meu dicionário de cousas da Amazônia”. 140. 78 Fiquei ali cerca de dois meses. ou comíamos frutas. depois. II. sendo o prato comum. usufruindo as delícias de uma regular vida de campo. Cerca do meio-dia. pontualmente. à tarde. arroz. o tambaqui. Chegando eu ali. chegou o caçador que eu contratara em Barra e que começou logo a desempenhar as suas funções. uma tolerável coleção de pássaros e de insetos. um deliciosíssimo peixe. que era a principal iguaria. pegava da espingarda e saía a passeio pelos arredores. de quando em quando. se algum me fora trazido na tarde anterior. então. e às 6 tomávamos uma xícara de café quente. com leite fresco. ela levantou-se e logo me apresentou sua irmã mais velha. que acabava de chegar de seu canavial. vol. tomávamos outra xícara de café com biscoitos. Às 7 ou 7½ da manhã. igarapés e igapós da bacia do nosso rio-mar. veado ou outra caça qualquer. então. . Eu me sentava. ele me trazia alguns pássaros ou macacos. que consistiu em tambaqui.

quando os porquinhos continuavam a sua caminhada. para comer-lhes o estrume. Os mais belos e mais raros são os araçaris de crista anelada cuja cabeça se cobre de pequenos anéis listrados e são de uma substância muito mais semelhante a espinhos de pontas metálicas do que mesmo a penas. durante uns pares de horas. por falta de carniça. tomávamos ainda uma sopa de peixe. porém. Três ou quatro urubus marchavam encostados aos calcanhares dos porquinhos. freqüentemente. que pulavam para fora do caminho. Era um espetáculo deveras divertido. no momento em que fosse lançado ao solo. Os araçaris ou pequenos tucanos de várias espécies. . eram obrigados a comer os frutos das palmeiras na floresta. Voltavam-se para trás. e recomeçavam a perseguição. e andavam algum tanto famintos. ou então voavam a uma curta distância. Pela manhã. porém só se vêem algumas semanas após o aparecimento das de outras espécies. são abundantemente encontradas ali. que pousavam em tais lugares. Quando não podiam encontrar qualquer outra coisa. encontrava algumas espécies raras de borboletas. e davam uma corrida. retomavam as suas posições. à guisa de ceia. Os leitões pareciam ficar muitíssimo incomodados com um procedimento tão insólito. por vezes. Afinal eu fui bem recompensado pela minha paciência. todas as manhãs. nas margens. Os comuns urubus pretos eram ali abundantes.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 235 Às 7 horas da noite. eu saía com a rede para capturar insetos. Essas aves. tendo conseguido vários espécimens. vê-los seguir de perto os leitões. onde as águas da vazante deixavam depositado o barro que transportam. para espantar os seus perseguidores. Próximo do rio. Logo após. se o pescador chegasse a tempo para isso. eram abundantemente encontrados ali. no momento em que estes se levantavam.

retiravam-se inteiramente satisfeitos de que aquilo era somente papel e nada do que quer que fosse para comer. e atirava-o ao chão.236 Alfred Russel Wallace Estou convencido de que os urubus. Desciam logo. todas as porcas retiram-se para a floresta. tal qual fazem as nossas gatas. descem na floresta. Não havia ali chiqueiros ou rancho de qualquer espécie para abrigo dos porcos. Escolhem sempre posições elevadas. voando a grande altura. Às vezes. e. mas após passarem sobre ele. de acordo com as repetidas observações que fiz a esse respeito. Enquanto eu depenava um pássaro. desde então. com os seus filhotes. e iam-se embora. caía ele num buraco. em vão a um pé de distância. evidentemente para ver que alimento podem descobrir. dentro em poucos dias. Algumas vezes. As marrãs haviam desaparecido desde alguns dias. procurando o local onde morreu. muito calmamente retornam aos lugares onde estavam pousados. quase que só da vista e não de todo do olfato. e. mas freqüentemente. então. aparecem. não podiam encontrá-lo. . ouviu-se o urro de uma onça. e isso antes de a carne putrefazer-se ou exalar qualquer mau cheiro. Nesse momento. ou entre as relvas. Brandão tinha duas marrãs muito gordas. e. dependem. despertando-lhes a atenção. Um pedaço de barbante ou um fragmento de papel no solo. No momento em que eu lhes atirava um pedaço de carne corriam para apanhá-lo. e já estava vencido o prazo em que deviam ter voltado. O Sr. ou foi abatida uma rês. receou-se que esta as houvesse comido. fá-los descer rapidamente e após verificarem o que é de fato. Em tais ocasiões. Viu-se o rasto deixado pelo jaguar. uma dúzia deles costumava ficar sempre atentamente a observar-me. a uma distância regular. ambas estavam amojando e deviam dar cria dentro de poucos dias. então depois de o procurarem. para procurarem alimento. eu enrolava um pedaço de carne semipútrida num pedaço de papel. bem perto da casa.

Pouco depois. mas o homem ficou tão assustado. A estação agora estava muito firme e seca. tão viçosas e frescas. a pouca distância da casa. quando chegamos ali. que estava andando em outros pontos da fazenda. O meu caçador. descobrindo-se então os restos de uma das marrãs num cerrado. As sementes plantam-se primeiramente muito unidas. E foi bem-sucedido no seu intento. ainda tivemos notícia da onça. ouviu-se o forte disparo de uma espingarda. Havia algum tempo que não caía nenhuma chuva. Acreditava-se que. que a alvejou a esmo. estavam começando a ficar com um colorido amarelo-pardo. por isso. Como havia no terreiro muitas reses. A colheita de fumo fora iniciada. Um dois ou três dias depois. como qualquer outra pessoa. em um rancho que ficava próximo do nosso. e onde morava um índio. Ficamos certos de que a fera fora morta. Na manhã seguinte. onde nos achávamos dormindo. Há índios que são tão covardes. . em frente da porta do rancho. e eu. por isso. tinha matado também uma vaca que havia desaparecido semanas antes. num pequeno trato do terreno. perdendo-se assim o tiro. em seguida. então. As laranjas já estavam bem maduras. pois matou-a com um certeiro tiro apenas. foi ficar em uma espera. uma noite. ouvimos de novo os urros do felino. tive oportunidade de observar o processo que se emprega em tal cultura. As pastagens.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 237 Fez-se. com o propósito de matá-la. uma cuidadosa batida pelos arredores. leitões e cães. que devia estar a umas cinqüenta jardas do rancho aberto. além da marrã. nós. não alarmamos. Na noite seguinte. soubemos que a fera havia passado à vista. Era uma onça das maiores.

todos os seus olhos e. removem-se as mudas. para outro local. Encarregam-se dessa tarefa velhos. mulheres e crianças –. Para isso. suportadas por esteios.238 Alfred Russel Wallace Em seguida. Isto se faz cedo. Essa lagarta. que se levantam de madrugada. ficando completamente crespas. por isso mesmo. que se faça a dita operação durante o dia. Para esse propósito. assim. percorrem eles. cortam-se. Quando as plantas vão chegando ao ponto de florescer. que chegam até à altura do teto da casa. Em poucos dias as folhas secam. então. Esse serviço é feito diariamente. uma parte do fumal. enrugam-se. porém. destaca-se a forte fibra mediana. constantemente. logo que as folhas atingirem ao seu completo desenvolvimento são apanhadas e recolhidas em cestos de taquara. onde são plantadas em fileiras. Dali. àquela tarefa. reúne-se a família toda – homens. justamente como fazemos em nossos canteiros de couve. quando não se toma a necessária precaução de fazer-lhe um cuidadoso expurgo. desde logo. amolecem. . mulheres e crianças. Separa-se logo uma certa porção das melhores folhas para a manufatura de cigarros. para evitar o calor que resseca demasiadamente as folhas. às 4 horas entregando-se todos. depois de bem madura. ainda tenras. tornando-as quebradiças. são levadas para casa. sendo necessário examinar folha por folha. o que não permite. até que tais insetos sejam exterminados completamente. costuma devorar a colheita toda. onde ficam expostas ao ar. Nos dias de muito calor. Com a humidade da noite. entretanto. e tornam-se de novo muito flácidas. estendidas em varas. O fumal é muito sujeito aos ataques de uma lagarta da espécie do inseto-esfinge. De cada folha. que chega mesmo a atingir a um grande tamanho.

de uma ponta à outra. enrolam-se de novo as cordas. porém. as cordas de fumo. a maior parte das folhas destina-se para o preparo do fumo de corda. e cada vez mais. é enrolado. assim. em delgadas lâminas. em camadas e em fileiras. e assim vai enrolando e apertando com toda a força. para a corda ficar bem arrochada. . e. dá as formas uarumã e arumã. em seguida. Para isso. Veja-se a sua obra. Se estiver tudo direito. sendo estas colocadas sobre uma mesa. enquanto a outra fica presa a um poste. capeado com casca muito lisa da uarumã79 (um caniço aquático). Depois. 79 No original. As cordas têm que ser apertadas por igual. ou quando está no ponto. o fumo. como eles dizem. então. já citada. os rolos. até que tenha cerca de uma polegada de diâmetro e de regular consistência. com o maior cuidado. o operador fica sentado no chão. a enrolá-las e torcê-las cuidadosamente. Daí por diante. apertando-se a pouco e pouco. 696. como os pedaços de alcaçus espanhol. Assim dispostas. “uarumá”.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 239 Geralmente. e fazem-se. escolhendo-se as que são um pouco mais espessas na sua parte mediana. de cerca de uma jarda de comprimento. de uma extremidade à outra. pode-se cortá-lo por igual. por uma das suas extremidades. diariamente. de duas ou quatro libras de peso cada um. abrem-se estes rolos e repete-se a mesma operação. segurando uma das pontas. do qual se fazem rolos. começa-se. está pronto para a venda. nessas condições. E. abrem-se e estendem-se estes rolos. Para isso separa-se e pesa-se a quantidade necessária de folhas. e pode ser então desfiado. à pág. Dali a alguns dias. quando o fumo fica curado. de “muito mel”. em cargas de uma arroba ou meia arroba (32 e 16 libras). Stradelli. a fim de verificar se não há alguma tendência para o fumo arder ou mofar. tanto quanto possível. para formar a corda. sem quebrar. que deve ficar bem apertada.

O seu comprimento era de cerca de seis pés e tinha perto de cinco pés de diâmetro. Derrete-se esta banha. O seu corpo é perfeitamente liso. o pescador trouxe-nos um bonito “peixe-boi”. tendo grandes manchas. Um dia. como para a iluminação. ficam as suas poderosas barbatanas.240 Alfred Russel Wallace O seu preço varia. muito separados uns dos outros. a fim de fazer-se óleo. na barriga. horizontal e semicircular. fazendo-se-lhes uma leve pressão. É particularmente abundante nos lagos desta parte do rio. em uma cauda achatada. deixam escorrer um filete de bonito leite. . Na cabeça. na sua parte mais larga. conforme a qualidade e conforme a procura. A cor é de um cinzento de chumbo. O espécime que fora capturado era uma fêmea. Justamente por baixo delas é que estão as mamas. O estrume assemelha-se ao de cavalo. nem tampouco se lhe distingue o pescoço. de uma cor esbranquiçada. as quais. A pele é geralmente de uma polegada de espessura. As orelhas são diminutas cavidades. de uma cor rosa-claro de mármore. Não há membros traseiros aparentes. tendo mandíbulas algum tanto semelhantes às do boi. uma das espécies de Manatus que habitam o Amazonas. e os olhos também são muito pequenos. e nas quais se lhe vêem as cerdas eriçadas e muito rijas. na parte frontal. de formato oval. e de um quarto de polegada no ventre. fica uma camada de banha. que é usado tanto para a cozinha. pouco a pouco. com cerca de uma polegada. e transforma-se. de 4 pence a 1 shilling por libra. Sobre o corpo. sem quaisquer protuberâncias ou desigualdades. vêem-se uns poucos de pêlos. de maior ou menor espessura. Por baixo da pele. no dorso. A cabeça não é muito grande e termina por uma boca bastante larga.

As suas vértebras estendem-se até muito perto da ponta da cauda. Os membros dianteiros. sendo algum tanto parecida com a carne de vaca e com a carne de porco. As fêmeas dão uma cria. com todas as falanges. O coração é do tamanho do de um carneiro. O peixe-boi alimenta-se das relvas das margens dos rios e dos lagos. de cada vez. e os seus ossos correspondem exatamente aos do braço de um homem. podendo encher-se de ar. que foi capturado agora. Os filhotes ficam-lhes encostados aos seios. . pelo contrário. Para capturar esses animais. dizem os seus caçadores. O seu crânio é grande e sólido. cumpre ter muita precaução e muito cuidado. por intermédio das pás da cauda das barbatanas. São mortos. batendo-se-lhe com um pedaço de pau nas ventas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 241 Os seus intestinos são muito volumosos. forneceu-nos pratos variados e serviu para uma agradável mudança do nosso constante regime de peixe. não tendo dentes anteriores nos maxilares. como uma bexiga. raramente duas. Não se vêem rudimentos dos seus membros posteriores. As suas barbatanas têm cerca de 2 pés de comprimento e 6 ou 7 polegadas de espessura: são muito porosas e esponjosas. durante o período da amamentação. Os peixes-boi são apanhados com arpão ou com uma forte rede. A carne é muito boa. Apesar de que os seus órgãos externos da vista e do ouvido sejam tão imperfeitos. dura e inflexível. são notavelmente agudos e penetrantes. e nada muito bem. mas metidas numa pele. são grandemente desenvolvidos. que se coloca nas estreitas entradas de um lago ou de um igarapé. onde nenhuma junta pode ter qualquer movimento. tendo mesmo os cinco dedos. E este espécime. tais sentidos. Cada animal fornece de 5 a 25 galões de óleo.

apresentando minhas despedidas ao meu bondoso hospedeiro. tão logo quanto me fosse possível. plantou laranjeiras. em Manaqueri. E. bem como pastagens para o gado. Logo após. segui viagem. casou: nesse novo estado. um verdadeiro brasileiro. próximo do rio principal. tamarindeiros. irromperam no país várias revoluções e distúrbios. aos quais sempre demonstrou constante bondade. que deveria trazer-me da Inglaterra cartas e várias encomendas. E. derrubou mato. devotou-se inteiramente. que estava de saída para aquela cidade. caso raro entre os portugueses. assim. à agricultura. eu estivesse ansioso por partir para o alto rio Negro. tornara-se. Logo a seguir. a fim de fixá-los também na fazenda. E assim ficou. carneiros. em pleno gozo de uma vida campesina. de coração.242 Alfred Russel Wallace Eu estava agora à espera da próxima chegada de uma canoa. Há cerca de vinte anos. Da beira de um lago. porcos e galinhas. logo após. ao mesmo tempo. e. exclusivamente. contudo. e. entretanto. Antes de prosseguir a minha narrativa. Ele próprio construiu a sua casa de morada. foram incitados a queimar-lhe a casa e destruir-lhe os bens. com a intenção de lá ficar morando toda a vida. tendo arranjado passagem numa canoa. Os índios de uma tribo que habitava perto de sua propriedade. arruando-as em magníficas e aprazíveis avenidas. dizer ainda algumas palavras a respeito deles. bem moço ainda. José Antônio Brandão veio de Portugal. desde então. embora houvesse aceitado a constituição do império e fosse. Fez também jardins. fixou-se em Manaqueri. objeto de suspeita e de perseguição por parte de muitos dos revolucionários mais violentos e mais exaltados. como. Ele – como todos os naturais de Portugal –. iniciou a criação de bois. trouxe vários índios. . O Sr. bem como os seus patrícios. mangueiras e muitas árvore frutíferas de outras espécies. quando sua família era ainda muito nova. devo. e situado a alguma distância dali. resolvi voltar para Barra. pois.

e seus filhos casaram-se. ficando assim impossibilitado de zelar da sua propriedade. deseja ardentemente ilustrar-se. porém não possuía quase livros. conseguiu adquirir muitos conhecimentos. transcorreram ainda muitos anos de franca anarquia. É um homem que se distingue notavelmente pela inteligência. a verdadeira sede de aprender. que já lia com facilidade. tendo verdadeira paixão pela leitura. por terem ainda em tempo fugido para a floresta. Por si mesmo. que reinaram no interior do país. além disso. onde a literatura anda de barato. algum tanto imbuído do preconceito francês. realmente. e discorre. ficando. bem como seus filhos. embora sem mapas. em conseqüência de desordens. mataram todos os rebanhos. Tem cerca de sessenta anos de idade. queimaram os paióis. vós que rolais em verdadeiros gozos intelectuais. por meio dessa língua. para torná-la ao primitivo estado de conforto. o veemente desejo. . a idéia do verdadeiro empenho para adquirir conhecimentos com dificuldades. então. Dessa sorte. Graças a um antigo tratado de geografia. pouco interesse teve. de “História Eclesiástica”. pode ele dizer-vos a largura ou superfície de todos os países da Europa e as principais particularidades a respeito de cada um. a qual não há fonte capaz de saciar. Sua mulher. mesmo assim. nessa terra de instituições mecânicas. Possuía vários volumes. Nesse ínterim. sobre os concílios e sobre a Reforma. em restaurar a sua fazenda. uns enormes in-quarto. Após esse acontecimento. onde fixara sua residência. conseguiram escapar da fúria das flechas assassinas. poucos tem aí. fora ele nomeado magistrado em Barra. Sua esposa havia falecido. com segurança e grandes minúcias. e.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 243 E os selvagens levaram isso a efeito cabalmente: destruíram todas as árvores frutíferas. e nunca viu um mapa! Pensai nisso. chegou a aprender o francês. porém. e. por memória extraordinária. é servido. trucidaram os escravos e negros.

próximas da cidade. nota-se algo de vigoroso. muitas vezes. foi de 70º. pois que tudo era proveniente de sua inspiração. tostadas pelo sol. O tempo estava lindíssimo. As águas do rio estavam baixando rapidamente. A temperatura mais baixa. Barra. E. A estação seca estava deveras quente. somente pelo desejo de adquirir conhecimentos. Às 2 horas da tarde. Na minha chegada à Barra. estavam completamente ressequidas. Por isso mesmo. ele encontrou. . à sombra. não fazem qualquer objeção. além de raros. como um livro proibido. Ele havia lido a “Bíblia” em português. todavia. fazia objeções aos pontos que julgava obscuros ou incríveis. As pastagens. eu estava ansiosamente aguardando a oportunidade de partir para mais remotos e mais promissores rincões. eram desinteressantes. ia abaixo de 75º. que eu observei. o termômetro alcançava 95º. ou que lhe pareciam capazes de uma simples interpretação. durante a noite. a confirmação dos dogmas da religião. ainda não havia aportado ali. como era de esperar-se. Os padres. por sua própria intuição.244 Alfred Russel Wallace Em sua conversação. de forte e de inédito. Na sua mente. foi de 96º. e. quanto a isso. e. A temperatura mais alta. de ser curioso e interessante ouvir as opiniões de um homem que aprendeu a ler na idade madura. por isso mesmo. as idéias não penetravam. é uma localidade muito pobre. a canoa. que eu registrei. Os insetos. à tarde. na qual fora educado desde a infância. para o aumento das minhas coleções. pois que à sua falta de conhecimentos corresponde uma prodigiosa fertilidade de idéias. assim. pela qual eu estava esperando. durante os meses de julho e agosto. contudo. Raramente choveu ali. Não deixa. pouco antes do nascer do sol. E várias semanas ainda se passaram assim.

que se tornavam mais pitorescas e mais selvagens pela sua solitude e pelos pálidos clarões prateados da lua por entre o solene silêncio da floresta.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 245 As praias e os bancos de areia do Amazonas estavam agora começando a aparecer. que iam como remadores. Cerca de meia-noite. cavados na areia. para pescar com uma grande rede de arrasto. além de uns oito ou dez índios. começaram. éramos um grupo de doze pessoas. então. outros. reunindo para isso um grupo de amigos. Um dia. alcançamos a barra do rio Negro. alcançamos um grande banco de areia. que os põem em pequenos buracos. que estava justamente começando a aparecer fora da água. enquanto íamos passando pelos estreitos canais e verdejantes ilhas da margem setentrional do rio. achando-se já alguns acima da água. mergulhões. Os constantes pulos dos peixes estavam a mostrar-nos que ali teríamos muito com que nos divertir. . As gaivotas. a procurar os ovos das pequenas tartarugas. patos e outras aves aquáticas saíam voando. fazendo um enorme alarido com os seus gritos agudos. Apontando ali. Henrique resolveu fazer uma excursão de pesca. O Sr. no Solimões. cantando. O luar estava lindíssimo. em uma canoa confortável. encontrando-se também alguns de maior tamanho. Henrique ordenou logo aos índios que lançassem a rede e a arrastassem. até chegar à margem. das gaivotas e de outras aves aquáticas. Partimos à tarde. nas fortes e túrbidas correntezas do Solimões. e penetramos. o Sr. Justamente antes do pôr-do-sol. De cada vez que se puxava a rede para a praia. chegava-se quase a encher um grande cesto de pequenos peixes. Alguns dos nossos companheiros logo arregaçaram as calças e foram vadeando através dos baixios. então. Alguns companheiros iam conversando. enquanto nós desembarcávamos. que eram em grande número.

sal e muita pimenta. que eu só pude fazer poucos. porém passando muito alto. e cozinhamos alguns peixes para comer – tal foi a nossa ceia ou almoço. que fazia parte do nosso grupo. que são peculiares ao Amazonas. por intermédio dos quais. Depois dessa matinal refeição. que ia voando só. ali. um pato. então. Tratei. até a hora de nosso regresso. pois eles se putrefazem dentro de poucas horas. podem causar um sério ferimento. deu um tiro extraordinário com o seu rifle. já nos estávamos sentindo algum tanto cansados. cheio de ar. nessa hora. enquanto outros saíram com as espingardas para matar alguns patos. produzindo um forte ruído. quando são pisados. então. cozidos e fritos.246 Alfred Russel Wallace Dentre os peixes menores. Como estivéssemos descalços. O que muito me interessou ali foi a grande variedade de espécies e as curiosas formas dos peixes. alguns companheiros foram outra vez pescar. semelhante ao estouro de um saco de papel. de fazer alguns esquemas dos peixes mais curiosos. Um cavalheiro. com uma bala. deixamos a pescaria e fomos tratar de conter. Acendemos o fogo. Cerca das 10 horas da manhã. precisávamos ter o maior cuidado possível. perfeitamente redonda. que se encontravam em cada cesto que enchíamos. Em nosso almoço tivemos peixes assados. Eu não podia conservar os peixes. arrebentam-se. encontravam-se alguns armados de espinhos. como melhor agradar. a qual fica parecendo uma bola. pois a claridade do dia. e. Em grande número. a uma longa distância. vinha apontando. mas eram tantos e o sol estava tão quente. para esse propósito. todos temperados com azeite. o sol havia saído. Umas duas ou três horas após. . quando batido. os quais entumecem a parte posterior do corpo. Já era dia. viam-se os peixes pequenos. vinagre. quando pisados por alguém. pois conseguiu abater.

então. tivemos. Lá de quando em quando. com as suas varas e linhas. No trajeto. Havia dois dias que estavam sem dormir. continuando. e fizeram. quando chegamos à Barra. que pesava 30 ou 40 libras. Um pescador. os índios deitaram-se na areia da praia. com muita satisfação procuramos logo as nossas redes. para aqueles que os preferissem. como estávamos. onde havia algumas praias pedregosas. algum deles era vencido pelo sono. Cansados. mas com o olhar atônito. pão. e. lá um dia. Às 5 horas da tarde. enfadonhamente. porém mal podiam conservar abertos os olhos. à custa dele. O Sr. aproveitou o momento para fazer-lhe cócegas na nuca. mecanicamente a remar. Afinal. Dali partimos. de regresso para casa. durante esse tempo. tornaram a pescar. alcançamos um ponto na barra do rio Negro. . Várias semanas mais passei ainda ali. ao sol. porém frouxamente. A maior parte dos companheiros. fez com que todos os outros dessem boas gargalhadas. ao meio-dia. Os índios remavam duro. Já era meia-noite. Enquanto almoçávamos. verificando que tinha estado a dormir. e foram bem-sucedidos.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 247 Havia também vinho. um duro trabalho. de tão sonolentos que estavam. Henrique comprou-o. conseguiu pescar um bonito pirarucu. notícia da nossa há longo tempo esperada canoa. Um dos seus companheiros. O índio despertou logo. Dali regressamos para casa. e ali passaram por uma curta madorna. a fim de ter alguma coisa da nossa excursão que valesse a pena mostrar. então. encontrando-se muitos peixes nos lugares onde a água estava empoçada. muitos dos nossos companheiros vinham dormitando. que ali também se achava. farinha e café.

e em perfeita ordem. porém.Sumário 248 Alfred Russel Wallace Um dos seus proprietários. Henrique. para principiar a minha viagem. durante a sua estada ali. Estive sentado até às 2 horas da manhã. e muitas delas datadas de mais de um ano. O primeiro. como companheiro para viagem. algumas vinte. Cerca das 6 horas da tarde. deveria seguir para a Inglaterra: e. a pedido do Sr. ou qualquer outro lugar. fiquei em condições de partir para uma viagem de umas 700 milhas. comprei ainda alguns objetos. recebi. comecei a responder às cartas mais importantes. já assado. Neill Bradley. dentro em seis meses. me mandara. ou juiz da comarca. achava-se na cidade um negociante do alto rio Negro. Depois. e depois. conceder-me uma passagem até acima das cachoeiras do rio Negro. antes. porém. Ele deveria partir. além disso. quando então me levantei. a que eu desejasse atingir. fui deitar-me. ao meio-dia. despachei um caixote para a Inglaterra. um maço de cartas vindas de Belém do Pará. informando-nos que dentro de dois dias ela haveria de chegar. da Califórnia e da Austrália. de que precisava para a viagem. lendo-as. arrumei as minhas malas. E assim tive uma boa matalotagem. estando tudo isso pronto. Dei instruções a meu irmão H. havia ali chegado com antecipação. até às 5 horas da manhã. Na tarde seguinte. O juiz de direito. consegui. um peru e um leitão. com grande atraso.. eu recebi ainda vivo. em uma montaria. a minha correspondência. da Inglaterra. donde. Próxima página . e. muito bondosamente. Em seguida. provavelmente para uma ausência de ano. um português. sobre o que haveria de fazer em Barra. no dia seguinte. de minha partida. chegou à Barra a esperada embarcação. Nessa ocasião. resolveu adiar a viagem até à chegada da canoa do Sr. geralmente estimado e tido em muito boa conta. dormir muito pouco. o outro.

que me despedi de Barra. de um belíssimo dia. cerca das 2 horas da tarde. . olhando para diante. . . . . . Página anterior F . de folhas de palmeiras e altura mediana. havia um tosco convés. A nossa canoa era de cerca de 35 pés de comprimento por 7 de largura. e que era coberto por uma tolda. Capítulo VIII Alto Rio Negro DEIXANDO BARRA. . Na sua parte de ré. . . . . sob o qual podíamos permanecer sentados ou deitar-nos confortavelmente. . . . . feito de troncos de paineiras. L. . EM DEMANDA DO ALTO RIO NEGRO – A CANOA E O SEU CARREGAMENTO – GRANDE LARGURA DO RIO – CARVOEIRO E BARCELOS – ROCHAS GRANÍTICAS – CASTANHEIRO – UM VELHO POLIDO – SÃO-JOSÉ – UMA NOVA LINGUAGEM – AS CACHOEIRAS – SÃO-GABRIEL – NOSSA SENHORA DA GUIA – O SR. tendo eu arranjado uma regular acomodação. que eu agora ia perlustrar. com boas esperanças e perspectivas de alcançar as remotas e pouco conhecidas regiões. . partidos ao meio. . . . . . . de teto semicircular. .Sumário . E SUA FAMÍLIA – EXCURSÃO AO RIO COBATI – UMA ALDEIA INDÍGENA – A SERRA – “GALOS-DA-SERRA” – VOLTA A GUIA – FREI JOSÉ DOS SANTOS-INOCENTES OI no último dia de agosto de 1850.

vinagre. que viu na pinacoteca da célebre National Gallery. e ali ficam os índios. milhares de anzóis. isqueiros e fuzis. As agulhas. biscoitos. tendo um semblante parecido algum tanto com o do “Senhor desterrado” da Galeria Nacional. tudo isso em quantidade suficiente para sustentar durante seis meses uma numerosa família. era um homem muito feio. à maneira de porta.250 Alfred Russel Wallace A parte que abria para avante era tapada também com folhas da palmeira. e tendo por cima da mesma outro convés. porém. de lenços azuis e vermelho. de Londres. colares em grande quantidade. e sustentado por paus roliços.80 80 Refere-se o autor a um quadro. e chá. grande quantidade de machados. quando estão remando as vogas. . como guardas. botões. que se encontrasse passando fome pelo caminho. facas. pólvora e chumbo. café. de tecidos de algodão estampado. para “remédio”. ou balsa. bem como um pouco de álcool. porém mais baixa.. linhas em carretéis e em novelos. pretas e brancas. João Antônio de Lima. não foram esquecidos. fitas. A canoa estava muito carregada. com contas azuis. para tempero de comidas e para as candeias. tendo. manteiga. etc. havia uma tolda semelhante àquela. cebolas e outras coisas mais. Na parte dianteira. Meu hospedeiro. que são feitas de enormes pás de remos colocadas nas extremidades de compridas peças de madeira roliça. colocados lateralmente. de estatura mediana. alho. e com sobra ainda para se atender às urgentes necessidades de qualquer viajante. açúcar. Viam-se ali diversos fardos de fazendas de algodão ordinário. azeite. a prumo. do país) e vinho. também em grande número. com padrões em listras ou em xadrez. para o consumo do próprio vendedor. pois transportava em seu bojo um variado sortimento dos artigos mais procurados pelos habitantes semicivilizados ou selvagens do alto rio Negro. formado igualmente como o de ré. canivetes. Havia também grande quantidade de cachaça (o rum. o Sr. de cores muito vivas. de cerca de três pés de largura. facões. ou de avante. uma saída. Isto se chama jangada. e espelhos pequenos. da canoa.

porém. que se prolongava ainda até às 8 ou 9 horas. porém. Algumas vezes. íamos à terra. e confortavelmente. enquanto outros companheiros lançavam os seus anzóis na água. . enquanto continuávamos a nossa viagem. e. destinados ao jantar. até às 4 ou 5 horas da manhã. Outras vezes. nos dias subseqüentes. que é a principal refeição para os índios. ou. mas muitos deliciosos. tratando-me com muita amabilidade. logo ao romper do dia. como verificamos. muito tratável. Nos dois primeiros dias de viagem não encontramos terra firme. em local onde pudéssemos amarrar a canoa e armar as nossas redes.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 251 Ele era. encontramos muitos lugares. porém ainda sobrava espaço bastante para sentar-nos ou descansarmos confortavelmente. quando de novo parávamos. amontoavam-se numerosas caixas e malas. parávamos para o almoço. de novo partirmos à meia-noite ou às 2 horas da madrugada. estando o rio com as suas margens inundadas. Para gozar a fresca da manhã e da tarde e também apreciar a perspectiva das escuras águas em torno de nós. contudo. isso variava. e logo pôs “às minhas ordens” a sua canoa e tudo que nela se continha. daí. então. possuindo a delicadeza característica de seus compatriotas. Às 10 ou 11 horas. no topo mesmo da tolda. À 6 horas. Geralmente. logo à entrada. na praia. quando podíamos encontrar um local conveniente. minhas e dele. para pescar peixes pequenos. para tomá-lo com biscoitos e um pouco de manteiga. parávamos em algum lugar mais limpo. ficávamos às vezes sentados sobre uma prancha. ainda. para caçar alguns mutuns ou lagartos. o que é um ótimo alimento. parando-se para dormir. Sob a nossa tolda. dormindo muito à vontade. em falta do leite. a fim de fazer excursões pela floresta. desembarcávamos e fazíamos o café. e este último quase sempre o saboreávamos sentados no topo da tolda. às 6 horas da tarde. para preparar o jantar e o café. onde podíamos aportar e acender fogo.

na pequena aldeia de Airão. é o maior peixe amazônico. à noite. que alcançamos com uma semana de viagem. 81 Piraíba é o piratinga pirá-aíba. as linhas eram então lançadas na água. havendo muitas outras entre estas e as praias marginais. e. E. pois chega a medir três metros de comprimento. e de novo se alarga dividindo-se em vários canais. 81 Um pouco acima de Barra. devidos à ação das águas. ficando reduzido a cerca de uma e meia milhas. que nos fornecia carne para o almoço e para o jantar. parecendo um verdadeiro mar. às margens. havíamos passado pelas pontas de uma rocha mole e arenosa. encontram-se alguns rochedos isolados. atingindo de 30 a 40 milhas. assim. sempre que viaja. de modo a ficar com uma largura de seis a oito milhas. As suas margens devem estar provavelmente afastadas de 19 a 25 milhas uma da outra. No segundo ou terceiro dia. as águas formam altas ondas. o rio espalha-se em grandes baías. éramos recompensados com uma bonita piraíba. Segundo assevera Raimundo Morais. conduz boas linhas e bons anzóis. Por espaço de várias centenas de milhas. depois dessas ilhas é que as suas margens podem ser vistas de uma vez. e. e. Um pouco antes. vimos as camadas de uma rocha arenosa. no dia seguinte. cheia de fendas e de fantásticos traços. quando está agitado. o que é muito perigoso para as embarcações pequenas. o rio de novo se estreita.252 Alfred Russel Wallace O Sr. encontramos alguns curiosos e extensos bancos de areia e de cascalho. por vezes. . de 20 ou 30 libras de peso. Mais para cima. após deixarmos a cidade de Barra. quando há muito vento. Um pouco acima deles. Algumas dessas ilhas têm grande extensão. que formam ilhas de todos os tamanhos. As iscas eram preparadas durante o dia. E. L. cujo nome científico é Bagrus reticulatus. na sua maior largura. mas de uma textura um tanto cristalina. nesses trechos. era um velho prático em viagens de canoa.

na manhã seguinte. o “capitão”. outra vez. alcançamos Carvoeiro. enquanto um pouco mais para diante. tratando-o de “desprezível”. de “indigno” e de “reles vilão português”. e em cuja casa ficamos hospedados. No dia seguinte. que nos recebeu e nos tratou muito bem. no dia em que aportamos. que saboreamos com garfos e facas de prata. desolada e semideserta aldeia. em uma pequena ilha. que se orgulha de nunca ter ficado embriagado. começou a ficar muito exaltado e disse muito mal dele. Ao jantar. um ferreiro e um brasileiro. Encontramos residindo ali somente duas famílias. tivemos tartarugas.. em frente à barra do rio Branco. em frente à barra do rio. L. ao qual este último deu detalhadas notícias da cidade. representando numerosos animais e figuras humanas. Vasconcelos. de que a sua língua tem copioso vocabulário. Em Pedreiro. ali correntes. jurando-lhe eterna amizade e muito lamentando também haver dado motivo ao “estrangeiro”. onde. de peixe. a rocha era perfeitamente cristalina. L. e. que foi estendida no chão. Vimos ali. bem humorado. etc. tivemos uma esteira. algumas curiosas inscrições indígenas. passamos por alguns curiosos rochedos de granito. suportou todos estes insultos com a maior calma. as suas duas margens podem ser vistas a um tempo. salsaparrilha. em casa de um amigo do Sr. pedindo-lhe desculpas pelo que havia feito. empregando ainda muitos outros epítetos de tal jaez. . porém. paramos para passar a noite. expressou o seu profundo arrependimento. L.. em Pedreiro. como são em geral todas as povoações do rio Negro. No dia seguinte. homem amável. então. ali presente.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 253 Mais acima. e. bem como informações sobre os preços.. para fazer mau juízo dele e de seus compatriotas. piaçaba. rudemente talhadas no granito. O Sr. À noite. que usa o título de “capitão”. como mesa. surge o legítimo granito. o capitão esteve bebendo com o seu velho amigo Sr.

De novo mergulhamos em um mar de ilhas e de canais. entretanto.82 que agora porém estava despovoada e quase deserta. Com poucos dias mais.254 Alfred Russel Wallace Prosseguindo a viagem. que levamos para a nossa canoa. entramos em um labirinto. Tudo agora era terreno de aluvião. restavam agora somente uns trilhos batidos. à qual também havia acontecido o mesmo. alcançamos Barcelos. somente por um momento. oito ou nove. onde pudéssemos preparar o nosso jantar. sua primeira capital foi Barcelos. transferida para a Barra-do-Rio-Negro (hoje Manaus) em 1791. Como já era muito tarde. ali. . vendo-se as laranjeiras e outras árvores frutíferas inteiramente tomadas pelas cássias e pelas enormes e crescidas ervas tropicais. Das antigas ruas. algum dinheiro. dias seguidos. dormindo sob o abrigo das árvores. e que. No dia seguinte. que se estiram entre elas. a qual continuou ininterrupta. formado por inúmeras e pequenas ilhas. afinal. viam-se. e que eram destinados à construção de alguns edifícios públicos. tivemos dificuldade para achar terra firme. L. L. quase perdemos o caminho. tendo então encontrado outra canoa. foi por isso que. através do matagal que ali crescia. paramos em uma ponta de terra firme para passar a noite. muitas vezes. retornou a Barcelos em l799. a qual foi em outros tempos a capital do Rio-Negro. Vimos as duas margens do rio. novamente. em grandes distâncias. que estavam inundadas. alcançamos a morada de um homem que devia ao Sr. tenha bastante conhecimento do rio. Embora o Sr. inúmeros blocos de mármore. nunca foram erigidos. que se elevam acima das águas. trazidos de Portugal. fixando-se definitivamente em Manaus de 1804 para cá. e que lho pagou em tartarugas. no horizonte longínquo. verificamos não passar de uma ilha bastante extensa. Atirados nas praias. das quais agora só se viam os tufos de arbustos. que. 82 Criada em 1757 a capitania de São-José-do-Rio-Negro. Assim foi que beiramos uma comprida praia.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 255 As casas que ainda existem. adoçado com melado. um imundo guardanapo servia de toalha de mesa. O almoço foi servido em um velho barracão. e penetramos.” . era. na sua maioria. Todavia. tivemos como bebida uma garrafa de cachaça. que tem a fama de ser rico. que era utilizado como depósito e estava atravancado de cabos. vendo-se lá uma ou outra mais cuidadosamente acabada e pintada de branco. cordas. de paredes barreadas. que levamos para as canoas. nas fortes e túrbidas correntezas do Solimões. porém que não passava de um grande avarento. Deu-nos café. deu-nos depois uma cesta de laranjas. bastante alegre e amável. Fomos à casa de um italiano. são. e insistiu para ficarmos e almoçarmos em sua companhia. Estampa VI – “Justamente antes do pôr-do-sol. então. contudo. Os garfos e colheres eram de prata. âncoras. arruinadas choupanas. tonéis e garrafões. e um duro mutum cozido foi o manjar que ele nos proporcionou. alcançamos a barra do rio Negro.

pela primeira vez. Muitas espécies têm tanta gordura. em uma pequena canoa. por todo o nosso trajeto. De manhã. sentíamo-la deliciosamente fresca. quer os de água salgada. como vem explicado no “Dicionário topográfico. e. a qual. a temperatura era de 75º. O Sr. e que é outra espécie de Mauritia. a tomar grande interesse. o que não sucedia na parte mais baixa do curso do rio. quer os de água doce. chamada Caboquena. então. O topônimo exato é Caboquena. Ao meio-dia ou à tarde. L. Muitos eram de agradável sabor. nós o comíamos com muito gosto. Os peixes estavam a tornar-se cada vez mais abundantes. que tornam a água. histórico. uma pequena e bonita palmeira. quando voltavam. a temperatura de 95º a 100º. em seguida. e a da água. Debaixo da tolda. descritivo da comarca do Alto-Amazonas” (págs. em que são cozidas um caldo grosso e agradável. não só pela beleza. . por causa do contraste com o aquecido ar ambiente. apareceu-nos. e. como se fosse uma delicada sopa. 75-76). de 85º. desde então. na mesma ocasião. às vezes de madrugada. a água estava com 86º. traziam o bastante para o almoço e para o jantar. dois homens. especialmente para pescar. mandava. às 10 horas. durante o dia. encontramos constantemente. percebendo-se que ela estava quente. geralmente. ultrapassando mesmo o de quaisquer outros que eu já havia comido na Inglaterra. quando misturado com um pouco de farinha e de pimenta.256 Alfred Russel Wallace Com um dia ou dois mais. eu fazia de todas elas cuidadosos desenhos e descrições. acusando o termômetro. Comecei. o calor era bastante intenso. e. e. 83 No original. aparecendo agora várias espécies. sempre que era possível. de Lourenço da Silva Araújo e Amazonas. que não havíamos visto ainda. “Cabuqueno”. como pela variedade das espécies. que crescia à beira da água. Nenhuma dota desse caldo perdíamos.83 Perto de Barcelos. rio acima. passamos por uma outra povoação decadente.

saindo das tocas. O pôr-do-sol. 83-a O autor grafou “trovado”. Um grande regalo deste rio é a ausência dos mosquitos. No dia 30 de setembro. porém que passavam dali a uma hora ou duas. com o seu pesado vôo. no mínimo quatro ou cinco vezes por semana. Quando. em vez de ser o prenúncio para desconforto e desassossego. as sombras da noite baixavam de cheio sobre nós. até que as gloriosas tintas do crepúsculo rapidamente se desvaneciam. surgindo em seguida. podíamos ficar sentados no topo da tolda. justamente um mês após termos deixado Barra. Nessa tranqüila hora da tarde. vinham para o rio caçar insetos. Alguns papagaios retardatários. assinalando com aspas esta nossa palavra. vimos outra vez a margem oposta do rio. à qual deu forma de substantivo masculino. preferia dormir ali mesmo. acompanhado de violentos pés de vento. do gênero mycetes. de fortes descargas elétricas e de chuvas. enquanto o Sr. em procura dos pousos. porém. atravessam o rio. cruzando-o onde ele tem a largura de quatro milhas. A essa hora. e muito nos divertíamos. bom tempo. ali saboreávamos uma boa xícara de café. para gozar da fresca e agradável brisa da tarde. L. eu me recolhia para debaixo da tolda. os mochos. ficando logo depois a atmosfera muito límpida e agradável. embrulhando-se apenas com um lençol.. afinal.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 257 Tínhamos. ao relento. quase sempre. todas as tardes. tínhamos uma trovoada83-a ou temporal que desabava repentinamente. a nossa maior delícia. algumas vezes. titilavam com intenso brilho sobre nós. As guaribas84 enchem o ar com os seus urros gemente e soturnos. . era a parte mais agradável do dia. e as estrelas. As pererecas começam então o seu monótono coaxar. É o Simia seniculus ou Simia Belzebuth. e. acompanhando-lhes as rápidas evoluções para capturar as suas presas. 84 Guariba é um macaco roncador.

alcançamos. foram escolhidos e separados. L. apenas um morador. cutelarias. fizemos uma parada de dois dias. abandonada a aldeia. porquanto ele estava ali sem essa preciosidade. João escolhesse o que mais lhe agradasse. fazendo passeios pela floresta. onde residia um mestiço brasileiro. português. Eram muito numerosas ali umas pequenas ilhas rochosas. Prosseguindo a viagem. conformando-se com todas as penas e . juntamente com tecidos de algodão. que arrastam a miserável existência. o rio torna-se muito pitoresco. havendo ali. no dia seguinte. alcançamos um sítio. dos quais encontrei muitas espécies novas. Ali. onde apanhei alguns insetos. para fazer passeios sobre alguma bonita e alcantilada mesa granítica.. vinhos e outras bebidas alcoólicas. enquanto uma boa parte da carga fora retirada da canoa. No dia 3 de outubro. e eu muito me regalava. de nome João Cordeiro. que era amigo e freguês do Sr. Santa Isabel. colares. na primeira oportunidade em que ele houvesse de mandar a canoa até a cidade. L.258 Alfred Russel Wallace No dia seguinte. quando podia saltar da canoa. com quem tomamos uma xícara de café. onde o capinzal e matagal estavam demasiadamente crescidos. para pronto pagamento ao Sr. Deste ponto em diante. para que o Sr. e raramente passávamos sem esse delicioso acepipe. João prometido arranjar bastante piaçaba. açúcar e manteiga. as vistosas gazes. adoçando-o contudo com o nosso próprio açúcar. onde se viam veios de quartzo dispostos em várias direções. Os peixes tornaram-se também mais abundantes. tendo o Sr. Diverti-me bastante. para fazermos as nossa refeições. Era um dos muitos dessa espécie de indivíduos decentes. alcançamos o trecho onde as rochas de granito começam a aparecer. onde encontrávamos sempre deliciosos lugares. Afinal. nessa ocasião. salsa e outros produtos mais. vendo-se freqüentemente bonitos leitos de granito.

de Pernambuco. já havia acumulado umas 5. a não ser que ele jogue ou beba. e. por essa forma. que ele julga melhor evitar. cit.000 libras esterlinas. 350-351. chegamos a Castanheiro.000 ou 6. das quais fiz um esquema. E isso tão somente porque não faz extravagâncias. Comercia com os índios. seria unicamente o resultado da mais íntima pobreza. ao invés dessa grafia do autor. e lá compra somente as mercadorias que sabe serem as mais vendáveis e que dão maiores lucros. mas com tendência a avareza. em uma rocha de granito. pois neste país nada há que seja custoso para um homem viver. ao invés de ser escravo dos negociantes de Barra e de Belém. 85 Araújo e Amazonas. e ele mesmo. No dia 11. podendo. O que fica dito serve bem para dar uma idéia das condições desta região. costume nessa região. é sempre senhor de si próprio. Assim. que era um dos mais ricos negociantes daquelas margens do rio. sabendo-se que. de resto. por ter tomado parte em revoluções. . em canoa de sua propriedade. Devia ele a sua riqueza principalmente ao ter-se sempre firmemente recusado a comprar mercadorias a crédito. embora este homem se distinga de todos os outros negociantes quais em tudo o favorecem. numa comunidade civilizada.85 morada de um brasileiro. que fora banido para o Rio Negro. Um pouco adiante. o que é. em casa de outro português. melhor ainda. e ali ficamos um dia. dá ao topônimo duas formas: Uananacoá e Uaranacoá. No dia 8. págs. Com o seu alto espírito econômico. ob. nem toma parte em pagadeiras. passamos por mais algumas curiosas inscrições indígenas. alcançamos Wanawcá. rapidamente.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 259 privações que um homem pode suportar. leva os produtos adquiridos destes últimos para Belém do Pará.. e a sua fortuna vai aumentando. ganhando cerca de cento por cento em todas as transações que faz. portanto. comprar as suas mercadorias por preços muito mais baratos e vendê-las pelos preços mais caros do mercado. o que. todavia raramente se fala dele.

e. barbaridades tais. Quando conversa com os amigos íntimos. e onde ficamos . tomando-lhes as mulheres e as filhas. como eu trazia uma carta de apresentação para ele. L. declarando que nada há que ele faça. mantendo conosco uma palestra muito sensata e de maneira fora do comum. que nos recebeu com muita amabilidade. nem remorsos de espécie alguma. que não seja para seu prazer e proveito próprios. são quase intransponíveis. Ali fizemos uma parada de dois dias. Demais disso. o Sr. além disso. as cachoeiras. sendo ele por sua vez amigo do Sr. nós ali aportamos. estando tudo arrumado. Ele não passa de um grande hipócrita e não tem escrúpulos. para prosseguir viagem em duas outras canoas menores. L. me perguntou. Ele havia assassinado índios. se eu não ficara surpreendido de ver aquele homem aparentemente tranqüilo.” No dia seguinte. Entretanto. exalta os crimes que tem praticado. capturando borboletas.260 Alfred Russel Wallace Eu já tinha ouvido contar as mais horríveis histórias a respeito dos crimes praticados por esse homem. que uma canoa maior não poderia vencê-la. durante essa parada. de várias e raras espécies. denominada São-José. Achei bastante que fazer. para procurá-lo. tendo o cabelo grisalho. prosseguimos a nossa rota. dali para cima. torna-se tão forte e tão rápida. E logo acrescentou: “Estes homens de fala mole são sempre os piores. especialmente para descarregar e carregar as canoas. que estavam excessivamente carregadas. polido e aparentemente muito sossegado. Quando dali partimos. que se encontram mais para cima. deu-nos um ótimo almoço. das quais encontrávamos muitas nos escaldantes rochedos da margem do rio.. e cometeu. Afinal. então. em duas canoas. pois a correnteza das águas. onde tivemos de deixar o nosso pequeno barco. Ele já estava algum tanto envelhecido. que são demasiado repugnantes para serem relatadas aqui. paramos em outra aldeia. porém era um homem tratável.

a cada uma de suas sílabas. L. passamos em seguida pela barra do pequeno rio Curicuriari. onde o Sr. na passagem da qual avistamos. O dito brasileiro sabia um bocadinho de música. que ali negociava. tivemos em nossa viagem outro atraso de cerca de meio dia. Com dois dias mais. Deixando esse lugar. arranjou. e distraiu-nos com alguns toques melódicos. me explicou que ele a havia aprendido quando. de acomodação muito melhor e mais conveniente para a viagem. ou. com muito menos espaço para a nossa acomodação. fica de todo ininteligível para uma pessoa que ainda não esteja acostumada. alcançamos a aldeia de São Pedro. que se elevam a cerca de 3. era um homem muito hospitaleiro e muito tratável. eram velhos camaradas. freqüentava a escola. quando se fala muito depressa. sendo formadas de regulares massas cônicas. e. começaram a falar uma língua que. se fosse em inglês. Passamos por vários pequenos rápidos. pois o Sr. em todas as palavras. E isso. contornando as pontas de rochedos que se elevavam acima da água. não pude entender. Assim. O proprietário da canoa era um brasileiro. outra canoa. L. durante a nossa palestra. em cuja casa passamos uma tarde agradável. ele dizia: “Vepenhapá capá”. Contudo. até transpor aqueles obstáculos. na outra canoa. a princípio. mas sempre começando pela letra p. comparado ao de que antes dispúnhamos. Dessa forma. e consistia ela em acrescentar-se. ainda jovem. por empréstimo. de granito. outra sílaba. as serras do mesmo nome. “Copo mepê heperepê”. Estas são as mais lindas serras que eu até então havia visto. onde os índios tinham de saltar e puxar a canoa. que é quase o único instrumento que se toca nesta parte do país. embora eu percebesse que era uma espécie de português. menino. logo descobri do que é que se tratava.000 pés de altura. que executou em uma guitarra.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 261 algum tanto apertados. Ele e o Sr. lá ao longe. . com esta rimando. L. para dizer “Venha cá” (come here).

para se poder vencer a correnteza. Todos esses picos sobrelevam-se abruptamente de um solo perfeitamente plano. nos quais reverberam os enormes veios e massa brancas de quartzo. chegamos a cachoeiras do rio Negro. vendo-se também numerosos precipícios desnudos. donde as águas se despenham furiosamente. formando-se picos que se cobrem de florestas em todas as partes alcantiladas. formam-se perigosíssimos rebojos e redemoinhos. em camadas e extensos leitos. Mais para baixo. e fomos ficar ao pé de uma grande queda. As águas correm ondeantes e céleres em torno das pontas de rochedos. então. por toda parte. para o meio do rio. Havíamos alcançado. finalmente. nenhum dos quais. havíamos passado por vários picos cônicos. fomos levados para águas tranqüilas. cobertos de neve. nos transportaram para baixo. no canal principal. com um percurso de cerca de uma milha. Partindo desse ponto. e não se ligam a qualquer cadeia de montanhas. espalham-se através de todo o álveo do rio. a outra margem. as águas se arremetem com terrífica violência. enquanto que. . cujas águas. repentinamente. espumantes. vindo a canoa a ficar no meio de um fervedouro de ondas. 19 de outubro. No mesmo dia. Daí. por entre as fendas. Nós todos saltamos para os rochedos da margem. dando-nos assim uma idéia do que deve ser o aspecto dos Andes. Precipitamo-nos. Mais para baixo. que se erguem ali. perto de Santa-Isabel. o leito do rio. Pequenas ilhas rochosas e enormes massas de rochedos desnudos. e precipitam-se rapidamente. Os rochedos. o começo dos rápidos. rapidamente.262 Alfred Russel Wallace A sua linha culminante é denteada. formando inúmeros redemoinhos. Torna-se necessário ali ganhar-se o outro lado. porém. efetivamente. começam a obstruir ali.000 pés de altura. sob a proteção de uma ilha. ultrapassara 1. alcançamos.

arrastado pelas águas. flutuando. não conseguiu melhor resultado. todos nus. da mesma sorte. vencendo-se assim. para prender-se nela o cabo de sirga. o rochedo. na rápida corrente. saltava. segurando-o com as mãos. galhardamente. uns dentro da água e outros em terra firme. Os índios. porém. acolá. com as calças enrodilhadas em torno da cintura.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 263 Os índios. um seu companheiro. nos arrastam e nos levam para cima. com os seus esforços bem conjugados. a nossa rota. com sua força irresistível. afinal. entretanto. fazia vários esforços para galgá-lo. dá-lhe uma demão. arrastaram e alçaram por cima a canoa. saltou na água. porém. mergulhou. . Após muitos e baldados esforços. o grande obstáculo que se nos antepunha. abruptamente. lesto. porém. e. nadou e conseguiu galgar o rochedo. porém. fora da água. Outras vezes. A proporção. Não tinha o cabo à mão. e todos os outros. onde foi recebido por entre a mofa e boas risadas dos companheiros. foi preciso alcançar uma ponta de rochedo. tínhamos que procurar o meio do rio. Por vezes. após umas duas ou três tentativas. que avançávamos. que dificilmente lhe permitiam a passagem. exausto. mergulhava e ganhava o fundo. mergulhavam e nadavam como peixes. até á canoa. caiu ele para trás. Um índio. Outras vezes. daí a pouco. sobre-erguida a pique. fomos vencendo. e esta. segurando todos um grosso cabo. alcançava. a canoa tinha que ser puxada e arrastada por entre estreitos canais. que se erguiam à nossa frente. o transportava rapidamente para baixo. e. prosseguimos. esbarramos seguidamente com outra dificuldade que. então. Ali. Isso feito. veio para baixo outra vez. Outro foi também tentar subir no rochedo. para evitar as intransponíveis massas de rochedo. todavia. de novo. O rochedo. erguia-se a pique. Outro índio. nadando e rastejando onde a correnteza era menos forte.

bem à nossa frente. assim. Ganhamos de novo. roda e desvia-se de um redemoinho. E seremos arrojados contra aquelas negras massas de rochedo. E temos de atravessá-las outra vez. para tentar alcançar um deles. formam redemoinhos de gigantes águas. Próximo de nós. com força” – grita-lhes o Sr. Lá. rapazes!” – exclama o Sr. Isso feito. e o nosso piloto acreditam que devemos encontrar uma passagem. pela altura da água. mesmo os que são encobertos pelas águas. contudo. Estamos a salvo. Temos que ir. e vai caindo rapidamente para baixo. L. está uma extensa massa de rochedos. como um engenho. L. as águas rolam ferventes e enfurecidas. o Sr.264 Alfred Russel Wallace Pouco adiante. fazendo as águas levantar-se e quebrar-se em espumas Vamos exatamente em sua direção. partimos. para acolá. Retrocedemos. em direção aquela ilhota. que se erguem à nossa frente. assim. então. pelo qual somos velozmente levados para baixo. Não se vê jeito algum para a passagem da canoa. pode ficar estacionária. Num instante. Estamos num forte rápido. rapazes. E. graças à manobra hábil e rápida. quando parecia estarmos no maior perigo. quer de outro. –“Remai. sob a proteção de um rochedo. vamos caindo docemente rio abaixo. – “Muito bem. bem no meio da forte correnteza. bem distante. porém. Os índios descansam um pouco. No momento justo. A canoa ali entra. que rodam velozmente. Todos os rochedos. quer de um lado. L. achamo-nos no seio de revoltas águas. . na sua passagem. a canoa. onde uma canoa. águas tranqüilas.

As águas reluziam e faiscavam. Não vejo de que jeito escaparemos. Após algumas horas de duríssimo trabalho. Para esse fim. finalmente. A maior parte dos principais rápidos e cachoeiras têm nomes. alcançamos. viajamos de maneira idêntica ao dia anterior. a almejada margem do rio. num ponto que talvez não esteja 50 jardas para cima do obstáculo. E. ziguezagueando. os índios levam-na até a ponta de cima da ilha. vamos prosseguindo. ao longo da parte mais pitoresca do rio. no seio de ferventes sorvedouros e de espumantes cachões. E. Instantaneamente. nessa dura peleja. beirando-a. e ilhas entrecortadas de mato. para as lutas e fadigas que ainda encontraremos no dia seguinte. Puxando a canoa. Alcançamos. afinal. Há os “Fornos”. No dia seguinte. de formas fantásticas. vamos prosseguindo o nosso caminho. Viam-se curiosos rochedos. Tudo isso era uma constante fonte de interesse e de gozo para o meu espírito. É necessário descansar bem os índios. cedo ainda. Pela manhã. Dali. E assim. vamos para outra ilha. o nosso desejado objetivo. alcançamos a aldeia de São Gabriel. “TabocaI” e muitos outros. paramos às 5 horas da tarde. O sol brilhava intensamente. dali. bem a salvo. até alcançar um bom local para pernoitarmos. caímos em um redemoinho. que nos obrigou a deixá-la. empregando o máximo dos seus esforços. Contornamo-la. . formado por uma enorme massa de rochas submersas. de novo.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 265 Os índios remam vigorosamente. seguimos para a frente. uma ilha rochosa. Achamo-nos.

. Um pouco além. como que fervendo. Ele era amigo do Sr. ainda nos convidou para almoçarmos em sua companhia. Logo nos ofereceu café e palestrou conosco. eu e o Sr. após o almoço em casa do comandante. no dia seguinte. L. Mais para baixo. fomos em demanda da casa do comandante. Puxamo-lá então no meio de espumantes águas. tendo no meio uma ilha. os rápidos são talvez mais numerosos do que para baixo. fomos até a casa de um velho negociante. com quem jantamos e passamos uma tarde agradável. Nesse local o rio é mais estreito. Dali. vestimo-nos de novo e ganhamos o barranco do rio. sobre as novidades do rio e da cidade. rodeando-lhe as ilhas e passando de rochedo em rochedo. português. para tão perto.266 Alfred Russel Wallace Ali estão as principais cachoeiras. descarregando a canoa completamente. que eu já havia encontrado em Barra. que chega até a margem. L. então. Pela colina. Por fim. e eu também lhe trazia uma carta de apresentação. ao longo de cada um dos quais rola uma tremenda torrente. pelo qual subimos. para se poder passar em frente do forte.. Somente podíamos passar ali. Para cima de São-Gabriel. durante umas duas horas. quanto possível da margem do rio. que o divide em dois canais. antes de partirmos rio acima. formam-se perigosos refluxos das contra-correntes e dos redemoinhos. Nós íamos ziguezagueando pelo leito do rio. Isso feito. rolando por cima de enormes diques naturais. É necessário obter permissão dessa autoridade. prosseguimos a nossa viagem. Na manhã seguinte. a água levanta-se. Fomos recebidos e tratados gentilmente. em um declive de rochas submersas. mais para baixo.

só para subir os rápidos. pertence a uma espécie muito elegante e bonita. e isso para vencer um percurso de cerca de trinta milhas. À noite. porém. O rio Negro. passamos pelo último rápido. L. no dia 22. Em alguns trechos. do qual há outro braço no rio Negro. estava calmo e plácido. gastamos quatro dias. Até então. Olhei-o com muito prazer. ouvi muitas vezes o Sr. que bondosamente nos convidou para permanecermos em sua companhia. No dia 24 de outubro. chega a ter duas ou três milhas. que descamba subitamente para o rio. Durante a viagem. até ao fim da nossa jornada. tive ocasião de ver o primeiro feto arborescente. e era de oito a dez pés de altura. As suas águas são mais escuras do que nunca. cedo alcançamos a pequena aldeia de Nossa-Senhora-da-Guia. para cima do Uaupés. é de cerca de uma milha. pela manhã.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 267 E tudo isso da maneira mais complicada possível. entramos então no grande e desconhecido rio Uaupés. Dali por diante. como o anúncio de um novo e interessante rincão. que lhe habitam as margens. Em um ponto. E. A aldeia está situada em terreno elevado. onde paramos para passar a noite. assim. O velho negociante há muitos anos já que fazia ali as suas transações e tinha bastante conhecimento com as numerosas tribos de índios não civilizados. tanto tempo quanto fosse do nosso agrado. eu ainda não havia encontrado nenhum exemplar. formando-se assim um delta em sua barra. L.. bens como com os numerosos rápidos e cachoeiras que lhe tornam a navegação tão perigosa quanto penosa. No dia seguinte. onde reside o Sr. falar algo a respeito desse rio. só teríamos águas mansas. dali para cima. A sua largura. Esse espécimen tinha um estema muito delgado. .

A pobre mulher. durante a viagem. coberto de vegetação rasteira. de cerca de trinta anos de idade. de ensinar-lhes o português. cobertas de folhas de palmeira.. tinha portas e janelas de madeira. L. a um estado miserável. providas de fechaduras. Para além delas. contou-me. baixo. quando estas se tornaram mais crescidas. em conseqüência disso. todavia. então. que a mãe de suas duas filhas mais velhas. resolveu pô-la fora de casa. duas meninas e um menino duns oito anos de idade. Guia foi. estira-se a floresta virgem. que quem assim não pensa não passa de um grande tolo. Há ainda mais umas duas casas nessas condições. L. O Sr. então. e era incapaz. de “paixão”. Para justificar as vantagens de não se prender ninguém por semelhante vínculo. Há ali algumas casas caiadas e outras com a cor natural da terra. está reduzida a uma grande decadência. Dirigindo-nos para a casa do Sr. conforme se expressou ele. constituída de duas filhas já moças. foi-nos apresentada como sendo a mãe de seus filhos menores. Presentemente.268 Alfred Russel Wallace Consiste ela numa fileira de choças barreadas. fui ali apresentado a sua família. e acrescentou. Em vista disso. ainda. Ema. A casa do Sr.. não podia educá-las com asseio. em um solo arenoso. substituindo-a. por outra mulher mais jovem e mais civilizada. florescente e limpa. outrossim. expande-se. me havia dito que não lhe agradava a idéia de casamento. de fato. Mais adiante. . E são assim as demais aldeias do rio Negro. morreu de tristeza. vistosa “mameluca” (mestiça). uma aldeia muito populosa. L. Outrora. estendem-se alguns trilhos.

porém. Não obstante tudo isso. cumprira o seu dever. mais tarde um pouco. As minhas bagagens foram logo levadas para lá. a crédito. foi varrida e preparada para a minha instalação. pois. estas não chegariam nunca a aprender o português”. L. saí a passear pelos arredores da aldeia. Uma casa pequena. Quando os filhos vieram pedir-lhe a bênção. situada justamente de fronte à morada dele. dali a algumas horas ou a alguns dias de viagem. ele tinha sido tratado por ela com toda a dedicação. e que se prolongou por uns oito meses. quanto mais tempo permanecesse em companhia de minhas filhas. ou então da chegada de algum negociante. Estes. parecia que ele julgava que. adquirem. Depois disso. e. Eles passam apenas algumas temporadas na aldeia. por ocasião das festas. mesmo assim. ali passei algum tempo. quer rio abaixo. . ou mesmo em alguns dos seus afluentes. em vez dos três meses passados. descansando. Viam-se ali umas doze casas. descarregou-se a canoa. e. têm os seus sítios. – conforme ele ainda se expressou. Tomamos café e. Nessas ocasiões. Armando em seguida a rede. pertencentes a índios. com a promessa de fazer o respectivo pagamento dali a algum tempo. assim sendo. ainda que não tenham dinheiro. trazem tudo que têm para vender ou para trocar. ou casas de campo. . Chegando a casa. que já era o tempo transcorrido pela sua ausência. e que se achava desocupada nessa ocasião. as mercadorias de que precisam. como agora. toda a família o recebeu e o cumprimentou da maneira mais fria e mais tímida possível. almoçamos. durante uma doença de que fora acometido. com o regresso do Sr.“ela era uma índia e só sabia falar a sua própria língua.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 269 Quando rapaz. quer rio acima. Depois disso. salvando-lhe ela assim a vida. foi como se eles se houvessem apartado dele na véspera. expulsando-a de casa.

L. 171. onde havia algumas árvores frutíferas. usavam a gravatána86 ou tubo de assopro. ainda que elas produzam apenas um pequeno ferimento. Na margem do rio. por intermédio do qual. especialmente para caçar pássaros. embora não fossem lá muito abundantes. ob. afim de matar alguns pássaros. eu saía pelos arredores da aldeia. soprando. os quais compunham a equipagem da canoa em que viajamos. cit. Fazem-no com tanta certeza. pois. mas o correto é zarabatana. Durante alguns dias. pôs a minha disposição dois índios. que conseguem matar. o Sr. a grande distância. realizando-se também danças. eles conseguem disparar pequenas setas. Mesmo defronte à casa em que estava morando. todos beberam a granel. que duravam de manhã até a noite. não estimavam devidamente esse trabalho. Pude matar alguns deles. em regozijo pelo regresso. II..270 Alfred Russel Wallace Chegaram à aldeia várias índias. encontravam-se às vezes algumas borboleta raras. um tubo de uns dez a quinze pés de comprimento. As setas que empregam são envenenadas. 86 Assim grafa o autor. como se fosse com uma espingarda. pássaros ou outra caça qualquer. esperando eu obter assim algum êxito. . vindos a chamado do Sr. Durante esse tempo. especialmente para caçar. Todavia. Para esse propósito. Veja-se o que diz a respeito dela Raimundo Morais. juntavam-se diariamente muitos tucanos e muitos outros bonitos pássaros. Assim. logo verifiquei que os índios. pág. Na floresta. mas com uma precisão e uma força tais. Alguns dias após a nossa chegada. L. isso é o bastante para fazer vir abaixo uma grande ave.. e que me davam alguma ocupação. os insetos raramente eram encontrados. que vieram cumprimentar os filhos ou maridos.

eu não podia vigiá-los. como isso. mais plausível e mais fácil dedicar-me às coleções de peixes. em alguns lugares.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 271 Freqüentemente. e. cit. eu as conservava em álcool. freqüentemente. pois. tinha eu muita satisfação. regressavam sem me trazer pássaro algum. Nas proximidades da aldeia. com isso. vol. pág. Fiquei muito aborrecido ali. Come-se-lhe a carne. A enguia elétrica87 é comum em todos os rios desta região. e de pouco valor. por isso mesmo. via-me obrigado a aceitar. envenena-se a água com a raiz chamada Tem o nome científico de Gymnotus electricus e o vulgar de poraquê. desculpando-se de que nada puderam encontrar. Desta sorte. veja-se Raimundo Morais. pois não se encontravam bons caminhos na floresta. como diziam sempre que tinham de ir a uma grande distância na floresta. onde se encontram muitos peixes. após um dia inteiro na floresta. o que eles me traziam. que se podia encontrar mesmo perto de uma choupana dos arredores da aldeia. “timbó”. de bom grado. nos rochedos. Quando as águas do rio vão baixando. ainda declarar-me muito contente. à procura dos melhores pássaros.. 148. pequeno. acrescia à minha coleção de desenhos de novas espécies. Algumas vezes. 87 88 88 Para apanhá-los. II. embora não seja muito apreciada. traziam apenas um pássaro qualquer. ob. Achei. formam-se vários poços. . Assim. sozinho. Pode-se apanhá-la com anzol ou com redes. eu não podia aventurar-me a andar pela floresta. Tenho boas razões para acreditar que eles passavam a maior parte do tempo nos sítios próximos da aldeia. Sobre esse Longocarpus. E. As espécies menores. E. pouco se conseguia fazer.

alcançamos a barra do pequeno rio Cobati (é o nome de um peixe). Levei muita munição. facas. num monte isolado. deixei Guia. 89 90 91 São os cacuris. canivetes. os peixes assim apanhados são muito bons somente quando ainda frescos. em sua companhia. transmudou-se o aspecto da região. os “galos-da-serra. e em cujo curso começamos então a nossa subida. quando regressasse. que tem ali cerca de meia milha de largura. que sabia falar português e que chegara ali. L. aqui e acolá. a que fizemos referência mais atrás.91 um bonito curso de água. emprestou-me uma pequena canoa. O Sr. o que não sucede. situado nas proximidades do seu curso. que deságua na margem meridional do Içana. . vindo de uma aldeia situada bem próxima do referido morro. etc. anzóis. uma grande caixa para guardar os pássaros. vendo-se apenas somente cerrados e arbustos. algumas colinas. viam-se as margens do rio vestidas de frondosa floresta virgem. apanhando-se. por esse processo. Até então. sal. resolvi empreender uma excursão até outro rio. e parece que é atingido pelas grandes cheias. O solo é perfeitamente plano.”90 Um índio. está grafado Isanna. de granito. Por volta do meio-dia. entramos no rio Içana. era arenosa e quase desnuda a terra. É o Rupicola crocea. espelhos. Todavia. Não havendo ali muito que fazer. quando são pescados com redes ou com anzóis. porque se putrefazem rapidamente. onde se encontram. um dos quais morava na dita aldeia. mas cobertas de árvores gigantescas. combinou comigo que me levaria. No original. então. Em seguida..89 com estacas fincadas através do leito. e eu levei os meus dois caçadores.272 Alfred Russel Wallace Nas barras dos riachos fazem-se barragens. sucedendo-se. Pouco abaixo da aldeia. para os índios. muitos peixes. Cedo ainda. que eram baixas. mais para cima. Em alguns trechos.

de variados tons verdes e com a sua folhagem luzidia. cerca do meio-dia. ergue-se a floresta virgem. na manhã seguinte. fincamos algumas estacas. Às vezes. No dia seguinte. paramos perto de um lago. não tinha mais do que 50 jardas de largura. À noite. íamos passar a menos de 50 jardas do ponto de onde havíamos partido. mas arenosa e desnuda. Pernoitamos ali. O pequeno rio. mas também muito enfadonho. Perto da margem do rio. todo cheio de voltas. Os rochedos cobrem-se de musgos. viam-se gigantescas árvores. A vegetação apresentava o mesmo caráter monótono e de absoluta aridez. . Viajamos o dia todo. À noite. Tivemos ali um ótimo jantar. as quais soltavam lá do alto os seus lindos pendões de flores. o rio começou a fazer mais voltas do que nunca. Afinal. muito enganoso e com uma forte correnteza. onde os índios apanharam alguns bonitos peixes. Do rio. a região subitamente mudou de aspecto. prosseguindo a viagem. Nas margens do rio. prosseguimos a jornada. o nosso avanço não só era difícil. em despenhadeiros cobertos de luxuriante vegetação. para armar as nossas redes. o qual conservava o mesmo desolador aspecto de antes. após uma hora de pesada remação. carregadas de características trepadeiras. Não se via nenhuma árvore. Ao romper do dia. ao longo de cujo curso íamos avançando. acompanhando as inúmeras voltas que faz o rio. a pouco e pouco. de qualquer tamanho que fosse. paramos em um trato de terra pouco extensa. Por essa maneira.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 273 As águas do rio estavam mais escuras do que tinta.

de assoalho de terra apisoada. todas mergulhadas na floresta. O meu guia levou-me para a casa dele. como que servindo de mesa. fui dar um curto passeio. e do outro lado armei. para ver os arredores da aldeia. porém nenhuma janela. todavia. alcançamos a aldeia. A maior parte das casas não têm paredes. bem como ao nosso espírito. por sua vez.274 Alfred Russel Wallace Isso tornava a paisagem em torno mais agradável à nossa vista. Próximo de uma das portas da sala. onde residem os índios. após o acabrunhamento e monotonia dos dias anteriores. viam-se muitas crianças completamente nuas. as quais estavam enegrecidas pela fumaça que se desprende do fogão. e que eram os meus constantes auxiliares. coloquei minha caixa de insetos. Via-se apenas um cômodo fechado também por uma cerca de folhas de palmeira. suportadas por esteios e cobertas de folhas de palmeira. e os pais. Os meninos índios. Depois. Nenhum deles sabia falar uma única palavra de português. sendo meras choupanas. Com meia hora mais. a minha rede. Alguns trilhos batidos ligavam umas às outras as diferentes choças. Nessas ocasiões. e que servia como quarto de dormir. Fui várias vezes fazer excursões pela floresta. eu ia sempre acompanhado de alguns meninotes índios. . não são lá muito tagarelas. A casa era coberta de folhas de palmeiras. então. e que se compunha de seis miseráveis choças. Nestas. Eu era assim forçado a fazer uso do meu reduzido “estoque” da língua geral. Esta compunha-se de dois cômodos. estavam também quase nus. de 10 a 16 anos de idade. Havia ali três portas.

De uma feita. Estes estemas são postos. era quase sempre por eles achado. têm elas medula mole. Meu companheiro separou algumas das mais retas. quando se extrai. que tem de 10 a 15 pés de altura. situado cerca de uma milha da aldeia. Ele fora ali com o fim de arranjar varas para o seu tubo de assopro. acompanhei o índio. Outros. antes que eu mesmo pudesse surpreendê-los. cuidadosamente a secar. O seu diâmetro varia de um dedo a duas polegadas. eles iam buscá-lo. . Viam-se ali numerosas palmeiras de pequeno porte. que. Faz-se-lhes a extração de miolo com uma vareta de madeira. Raramente o procuravam em vão.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro nicações. Aos saltos. Fomos a um local. iam-me apontando os pássaros ou animais. que ele escolheu das que pôde achar. gratanas. feita do cerne de outra palmeira. a meu lado. Por dentro. – depois do tiro. até a floresta. em cuja casa estava morando. Vêem-se-lhe exteriormente os gomos. como de maior diâmetro. 275 Poucos monossílabos. tanto das de menor. se acontecia cair em uma densa moita de cipós e de folhas mortas. que são perceptíveis. puxando-se o mesmo para diante e para trás. – como era quase sempre o caso. deixa no interior da vara uma cavidade muito certa e muito lisa. com os quais matavam passarinhos. A cavidade é raspada e polida com o feixe de raízes de um feto. Quando eu disparava a minha arma. porém. Ainda que fosse um minúsculo beija-flor. em razão das marcas deixadas pelas folhas caídas. onde eu quase desesperaria de procurá-lo. no espesso mato. correndo. entre as quais a Iriartea setigera. bastavam para as nossas comuDois deles levavam os seus tubos de assopro. ao longo do tubo. o pássaro voava ferido e ia cair bem longe. de Martius. silenciosamente. em seguida.

dentro do tubo. que é coberto de breu na parte inferior. tendo. e que fica situada dali a umas dez milhas. Estas setas são conduzidas num carcaz de taquara. Veja-se Raimundo Morais. a montanha a que já fiz referência. de modo que possa ser virado para baixo. feito do algodão da paineira (seda que cobre as sementes de uma Bombax) na outra extremidade. Em uma das extremidades. mas não apertadamente. 86.92 que são apontadas e untadas de veneno. E. II. no tempo das chuvas. para isso. Eu logo vim a saber que os “galos-da-serra”. ou ao rio. pois. do formato de um cone. . porém de dimensões tais.276 Alfred Russel Wallace Escolhem-se dois estemas. Assim. que impeça o deslizamento de um dentro do outro. e o tubo é apertado espiralmente com a casca de um cipó. O tubo de assopro ou gravatána é uma das principais armas ali. que o menor possa passar puxado por dentro do maior. para que não fique curva alguma. Estas setas têm um pequeno tufo cônico. vol. “Patawa (Oecnocarpus Batava)”. de que eu muito desejava obter espécimens e que foram o motivo principal da minha excursão até aqui. As setas fazem-se com o cerne da espinhosa palmeira patauá (Enocarpus Batava). prometido pagar-lhes bem cada “galo” que matassem e me trouxessem. de modo a caber exatamente. raramente. Todo índio tem uma. na floresta. com a intenção de lá demorar uns oito dias. não se encontram perto da aldeia. Faz-se assim. para se conservarem secas as setas. ob. muito lisa e de um negro brilhante. deixa de levá-la. 92 No original. e onde estes pássaros são abundantemente encontrados. pág. Mas o correto é patauá (Oenocarpus pataua). O ponto principal do seu ajuntamento é na serra de Cobati. quando vai à floresta. cit. Consegui persuadir quase todos os homens da aldeia a acompanhar-me nessa excursão. ajusta-se um bocal de madeira. fiz os preparativos para uma excursão à dita serra.

Além disso. o que raramente se vê nos cruzamentos de sua raça. de que a floresta haveria de fornecer-nos o mais que fosse preciso para o nosso alimento. chegamos a um local onde havia uma plantação de mandioca e onde havia também uma casa. . que era a última no trajeto para a serra. a pé. acredito que ela já tivesse mais de cem anos de idade. L. levavam ainda somente um pouco de sal. Desde o momento em que a vi. feito da polpa de umas bananas de casca verde. havia feito referência durante a nossa viagem. com uma índia. em Guia. confiantes. então. Pelas informações que colhi. pouca dúvida tive de que se tratava de uma pessoa a que o Sr. Pusemo-nos a caminho por uma estrada sofrível. Cada homem levava a sua gravatána. a seu respeito. Demoramo-nos algum tempo ali. Eu mesmo tive que reduzir a minha bagagem e as minhas provisões. tal mameluca era filha do célebre naturalista alemão. Nesse ínterim. Segundo o que ele me dissera. Tive. tomamos um cuia de “mingau”.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 277 Como o nosso caminho se estendia através da floresta e tínhamos que fazer o percurso de uma dez milhas. não podíamos conduzir muitas bagagens. bonita e muito esbelta. de tão velha que estava. arco. Com uma hora de marcha. setas. Via-a. ainda jovem. chegando até a dispensar a minha diária e única delícia do café. Tive ocasião de ver ali também uma “mameluca”. onde se confirmou plenamente a minha presunção. Reuniu-se ao nosso grupo mais um voluntário. ao todo. tinha o corpo qual uma só massa de unidas e profundas rugas. Éramos. ali. a surpresa de ver uma índia de cabeleira alvíssima e que. Natterer. Dr. como estávamos. com uns ares muito inteligentes e uma bonita expressão no rosto. treze homens. rede e alguma provisão de farinha. depois disso.

o caminho era mais ou menos tolerável. era casada com um índio. . A princípio. ora caminhávamos sobre um balouçante galho. apenas enegrecida e carbonizada. A parte restante permanece inteira. de quem já tinha alguns filhos. contudo. outra vez. Foi através de um tal campo ou roça que nós todos. também de mandioca. Nessas condições. todo cheio de voltas. Logo adiante. por ocasião da queima.278 Alfred Russel Wallace Ela deveria ter uns dezessete anos de idade. muitíssimo carregados. porém. em seguida. e tivemos de passar por cima deles. ora pisávamos sobre uma confusa massa de cinzas e de carvão. Era um bonito tipo de mulher. Ora subíamos no topo de um enorme tronco caído. O fogo. mas de maneira que os seus troncos caíam uns sobre os outros. Ali. Prosseguindo a marcha. entramos logo na floresta. Imaginei as árvores de uma floresta virgem. transformou-se num sinuoso e simples trilho de poucas polegadas de largura. e que se estendia por entre garranchentos cipós e sobre uma alta camada de estralantes folhas secas. planta-se a mandioca. Depois de ficarem assim a secar durante algum tempo. são em seguida queimadas. o caminho estava completamente obstruído por troncos de árvores. derrubadas todas. Poucas jornadas requerem mais igualdade de ânimo e perfeito equilíbrio do corpo do que uma como essa. Transposta a roça. como bem pudéssemos. às vezes não é suficiente. porém. de nobre raça. através de um mato derrubado do Amazonas. tivemos que fazer a nossa caminhada. sem qualquer outro preparo do solo. fomos sair em outra roça ainda nova. os ramos e galhos. e consome somente as folhas. oriundo do cruzamento do sangue alemão com o indígena. em todas as direções concebíveis.

levavam estas em pequenas trouxas. e bebemos então excelente e fresca água. por toda parte. para descansar. ou. que eram conduzidas ao alto da cabeça. gigantescas árvores. . chegamos a um córrego. que eu trazia à mão. de raízes arcobotantes. os aguçados e recurvados espinhos das trepadeiras obstinavam-se em agarrar-se-me às mangas da camisa. ou. me arrancavam alguns pedaços de roupa. com toda a prudência. com os pés descalços. obrigando-me. E eu ia patinhando por cima de tudo isso. então. poderão imaginar que a nossa caminhada na floresta haveria forçosamente de ser assaz agradável e pitoresca. em rumo da qual estávamos seguindo. grandes incômodos. se caminhássemos em terreno plano e limpo. então. que se elevam acima do solo. Ao longo do caminho. e que iam ficando para trás. erguendo-se na floresta. leitos de cascalho e de folhas apodrecidas. então. já um tanto gasta. que me fazia cair o chapéu. a fazer alto. para mim mesmo. alternando-se com os brejos. Olhando. de altíssimos e enormes troncos fendidos. calças e camisas. dependurados neles. muitas foram as importunações que ali sofremos. de cada lado do caminho. lendo essa narrativa. senão ruins conseqüências. Esbarrava nos ramos das árvores. Lá mais adiante. ou.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 279 Viam-se. curiosíssimas palmeiras e fetos esbeltos. Após umas quatro ou cinco horas de duras passadas. que não teriam sido desagradáveis. andávamos tropeçando e passando por cima das raízes das árvores. Tinha este as suas cabeceiras na serra. para poder desembaraçar-me deles. que eram abundantes ali. Todavia. me prendiam a espingarda. nenhuma dúvida tive da excelente demonstração da pouca valia. então. Ali paramos alguns instantes. de andar vestido em uma floresta. causando-me. assim. Os que haviam trazido roupa. Os índios iam quase todos completamente nus. Muitas pessoas.

Ali. Eu esperava que. enquanto iam continuar a perseguição ao bando de porcos. aparecessem as feras. dos quais logo apertaram os cordões. 93 O autor escreve “tyeassu”. Os índios. cessando. Iam pulando e saltando. vem a grafia tajaçu (Dicotyles labiatus). Contudo. enquanto alguns apanhavam os arcos. Ouvimos. qual o de grunidos. afinal. na floresta. Outros empunhavam enormes facas. permaneci. – “Tajaçu!” (“Porco montês”!)93 exclamaram eles. lá muito longe. aguardando ocasião para atirar em algum “porco”. Eles então confirmaram que era uma enorme manada de bonitos porcos-do-mato. Estes. na esperança de que a caça viesse a passar por perto de nós. ouvimos logo um ruído estranho. pois deles podia desgarrar-me e perder-me na floresta. lá bem adiante. de Martius. mais amortecido. mas no “Glossaria linguarum brasiliensium” (pág. que me puseram algum tanto aflito. os índios levantaram-se e desabalaram numa grande carreira. correndo com toda a animação. O ruído foi ficando cada vez mais longe. haviam conseguido escapulir-se.280 Alfred Russel Wallace Entrementes. daí a pedaço. . Tratei logo. os homens tinham voltado para dar ordens aos meninos a fim de me levarem para a serra. Fiquei com receio de seguir os índios. então. com alguns meninos. e embrenharam-se na floresta. Num átimo. Carreguei-a com uma bala e fiquei de sobre-aviso. que por ali aparecesse. 177). e ajuntavam os feixes de flechas. de um momento para outro. em direção ao ruído. portanto. uma violenta arremetida e um horrível bater de dentes. em vista disso. regressaram. de armar a minha espingarda. rumo do local de onde procedia o ruído. entretanto. na floresta.

penetraram por entre os fragmentos partidos de pedras. e dali.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 281 De acordo com essa combinação. distinguíamos a alguma distância. uma desnuda massa de granito. ora subindo ladeiras. do nosso grupo. passando ora sobre apodrecidos troncos de árvores caídas. num solo todo cheio de altos e baixos. apoiada somente em suas duas extremidades e formando uma bonita gruta. apareceram junto a nós. – de 20 a 30 pés de diâmetro. Eles o estavam trazendo dependurado aos ombros. procuraram então a beirada. . Por entre as copas das árvores. – que era semelhante a uma enorme mesa. porém. não estava vendo jeito algum de encontrar água ali por perto. em torno de toda a sua beirada. durante a nossa estada na floresta. Logo à sua entrada. por intermédio de uma vara comprida e forte. Parecia que o seu peso se concentrava mais para um lado do que para o outro. que jazem no solo. três dos índios. acurvados ao peso de um bonito porco-do-mato. prosseguimos o nosso caminho. não encontrando suficiente nutrição na pequena camada de terra do topo da mesa. “Ali”.” Eu. As raízes das árvores. entretanto. Afinal. que se eleva abruptamente da floresta. descendo verticalmente. alcançamos uma curiosa rocha. Passada. para penetrar mais. porém. muito irregular. ora descendo fundas grotas. sobre os pequenos suportes. contudo. – “deverá ser o nosso pouso. muito a pique. que fora morto por eles. a uma distância de um quarto ou milha. meia hora. a umas várias centenas de pés. O topo desta singular rocha era mais ou menos achatado e todo coberto de árvores da floresta. uma pessoa pode ficar folgadamente em pé. lá ao longe. formando-se assim uma série de colunas de diâmetros variados e que suportam a rocha. – disseram os meninos. Vinham com um andar gingado e ziguezagueante. Já tínhamos armado as nossas redes. a montanha. só se ficar deitada.

As raízes serviam mesmo de postes para armar as nossas redes. As raízes das árvores debruçavam-se sobre as beiradas do rochedo. as cerdas são muito mais grossas e mais compridas. muito próximo da serra. descendo até em baixo. então. se haviam enganado. Desempacotamos as bagagens e armamos então as maqueiras. para ser pelado e preparado para o nosso jantar. no seu dorso. na gruta formada por outro rochedo pendente. Para lá nos dirigimos e fomos. porém. do qual o nosso animal doméstico. o “pitiú” (em português. Sobre as nossas cabeças estava a floreta. que corria encachoeirado. dizem eles. De um pequeno orifício. O que os índios trataram logo de fazer foi proceder a extirpação dessa glândula. e próximo do qual havia também outro pouso. nos instalamos. dá uma fraca idéia. de fato. Era mais para diante. Dele se despende um fortíssimo odor. que corria próximo da ponta mais abaixo da caverna. situado no centro dessa glândula. “catinga”) ou cheiro ruim não permite que se lhe coma a carne. O porco-do-mato foi levado para o córrego. e formando uma espécie de biombo ou abrigo. Ali. . que é o que produz o fortíssimo e intolerável cheiro. Eles imediatamente a jogaram fora. então. desprende-se um líquido oleoso. que arrancaram com um pedaço de algumas polegadas de couro e de carne. Se não se fizer isso logo. separando assim a caverna. a respeito do local para o nosso pouso. parar perto de um córrego. É um animal que muito se parece com o nosso porco doméstico. característico de chiqueiro de porcos. pode convir-se. Acendeu-se logo o fogo.282 Alfred Russel Wallace Verifiquei que os meninos. Este estava ainda dali a alguma distância. Verifiquei que este forte cheiro provém de uma glândula situada a cerca de seis polegadas acima da base da cauda.

para enfumaçá-la. Jantamos então. lá mesmo acamparam para passar a noite. Eles ainda mataram mais três porcos. Nós nos repartimos em três grupos. contudo. preparamo-nos para o ataque aos “galos”. Logo após o nosso almoço. Por essa maneira. até onde fosse possível. em seguida. Esses índios não tinham arcos nem flechas. os índios. que estávamos esperando. quando preparávamos o almoço. ou estaleiro. e. passamos por sobre enormes blocos de pedra e através de sombrias lapas. . esperando que regressassem até ao escurecer. e. trazendo o produto da sua caçada. nas redes. envolvidas em folhas de palmeira. trazendo-as. sem sal. para serem cozinhados a fogo brando e lento. pusemos a carne no “moquém”. Mataram os porcos com tubos de assopro e pequenas setas envenenadas de 10 polegadas de comprimento. puseram na fumaça as melhores peças de carne. como eu já referi. formada pela base da própria serra. esquartejaram os animais. Os quartos e o entrecosto foram postos sobre o fogo. cada um seguindo direção diferente. E tudo isso ali estava disposto na mais extraordinária confusão. Anoiteceu. Partimos do alto da nossa caverna. O grupo. de que eu fazia parte. Apagamos o fogo. conservam-se muitas semanas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 283 O animal. até ficarem bem secos. depois de pelado. Atravessamos fundas e ásperas grotas. como já fosse um pouco tarde e estava muito distante. e alguns pedaços foram postos em um pote de barro. foi esquartejado. e caímos. em seguida. Na manhã seguinte. A maior parte dos índios do nosso grupo ainda não haviam chegado. deveria subir a serra. que era. Começamos logo a subir. não apareceram. chegaram.

porém não víamos pássaros. assim de perto. era na verdade um belíssimo pássaro. tocando delicadamente em meu braço. então o lindo pássaro. íamos arrastando-nos de rojo. Não longe.284 Alfred Russel Wallace Algumas vezes. percebendo-me. que brilhava como chamas de fogo. Os índios correram em direção em que havia caído. que variavam do tamanho de um carrinho de mão a uma casa. Fiz boa pontaria e consegui pô-lo abaixo. num solo formado de ponteagudas rochas salientes. a ave me foi entregue.” Após procurá-lo por alguns instantes. . então. um índio velho. ele. foi-me mostrado outro. De instante a instante. antes que eu tivesse tido tempo de atirar. tão rude e tão brutal. Depois de algum tempo. Eu não podia acreditar que o que a certa distância parecia coisa insignificante. Fiquei estarrecido de admiração pelo deslumbrante brilho de suas flácidas e lanosas penas. voou. Dali a alguns minutos. tínhamos que subir agarrando-nos as raízes das árvores ou aos grossos e pendentes cipós. numa funda grota. Dei um passo à frente. contudo. Quando estava justamente para disparar a arma. e levantei minha espingarda para alvejá-lo. para diante. Seguimos. Outras vezes. pousado em um lugar meio sombrio. pudesse. prestávamos toda a atenção aos ruídos. Com o corpo ainda quente. Desta vez tive melhor sorte. Não se lhe via mancha de sangue. Para apanhá-lo. foi necessário fazer uma volta considerável. todavia. para ficar em melhor posição. destacando-se pela sua plumagem. lobriguei. muito mole e muito flexível. ter um aspecto tão gigantesco. nem sequer uma de suas penas se quebrara ou ficara amarrotada. ornado de esvoaçante plumagem. por entre escarpados rochedos. para galgarmos um precipício. murmurou muito baixo: – “Galo.

e. que abriram nela fendas e grotas de 50 a 100 pés de profundidade. Como os meninos me informassem que conheciam o caminho para voltar para a gruta. ora subindo. Ficamos.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro aproximar. A espingarda. Quando era para subir por aqueles precipícios ou beirar lugares escarpados. Parecia que a montanha tinha sido cortada e entalhada por forças ciclópicas. 285 De maneira alguma. Deixaram em minha companhia dois meninos. fomos trepando pelas raízes e cipós que desciam a prumo das paredes. pois ali deveríamos ficar-lhes à espera. E fomos então descendo. qualquer espécimen empalhado pode-se-lhe Algum tempo após. era uma carga inconvenientíssima. formadas por enormes blocos de pedras. que muito me atrapalhava. Cobrando ânimo. a pique. que eu conduzia. que se amontoavam por cima de nossas cabeças. os índios resolveram fazer uma ascensão à serra. . Resolvi voltar. Eu. Afinal. não podia imaginar que ali pudessem existir tão ponteagudas rochas. depois disso. com horríveis precipícios de um e de outro lado. assim. ora rolando por precipícios. passamos por muitas cavernas. na verdade. Parecia já que não havia mais jeito algum de sairmos da montanha. não se tendo encontrado outros “galos”. ou então nos arrastávamos ao longo de estreitíssimas passagens. Iam subir por um local de dificílimo acesso. tinha eu que apoiá-la nas pedras. esperando por eles até cansar. de encontro as quais se embatia. o que lhe causava dano. sempre subindo ou descendo. ora passando por profundos abismos. eu decidi não mais esperar pelos índios. ora rodeando. Outras elevações erguiam-se diante de nós e outras fundas grotas tinham que ser vencidas. parece que havíamos chegado ao coração da montanha.

a pouco e pouco. e o que é mais admirável e mais surpreendente é que isso só se percebe quando se chega ao local. não é de todo exagerada. então. E a perspectiva. não era lá. conseguimos chegar ao local de onde havíamos partido. E assim se sucediam uns aos outros. Isto era tarefa bastante penosa e difícil. E. resolvi. só se viam mais precipícios e mais elevações. Contudo. assim. que se me deparava. de pronto. para diante. Parecia que aquilo não acabava mais. verdadeiramente. para atravessar perigosas elevações e arriscadas descidas de sombrios precipícios. tão aproximadamente quanto possível. Pelo esquema que acompanha esta descrição. Fizemos a descida em pouco tempo. E. fomos voltando. muito fatigado. Tornou-se. em intricadíssimo aranhol. apenas. Um dos meninos conduzia agora a minha espingarda. Era mesmo para desanimar. os outros índios. para regressarmos à gruta. de outra difícil ascensão. era necessário perseverar. muitíssimo evidente que os meninos tinham errado o caminho. por entre gigantescos blocos de pedra. vê-se um corte da montanha. então. agradável. . assim. retroceder. pois que.286 Alfred Russel Wallace Ali. vista a certa distância. que cobria por toda parte os rochedos. a serra parece. por maneira alguma. A curiosa e extraordinária disposição dos rochedos. como que parecidos com os dentes de uma serra. Dali. não se lobrigava mais jeito algum de romper para a frente. Após meia hora de penosa caminhada. Como melhor alvitre. voltamos pelo caminho certo. que os índios disseram ser o único para subir ou descer a montanha. portanto. que estavam à nossa espera. já encontramos. Eu já me sentia. Ali. Só se via a densa floresta.

Alcançando a caverna. estavam 13 índios nus. fomos tratar de fazer o jantar. Nenhum “galo” mais fora trazido nesse dia. Acendeu-se o fogo e a carne dos porcos foi posta a assar. como se faz o tecido de algodão. de um suave caimento. depenei imediatamente a minha presa. Em roda do fogo. dando a impressão de que foram formados pelo granito em estado plástico e que este foi elevado para cima. além das enormes grotas e espinhaços. . somente. coberta de mato e de altura pouco considerável. contra as suas duras massas angulares. antes que ficasse escuro. Esquema da serra Todavia. conforme mostra a gravura. depois. formando despenhadeiros a pique. que conversavam em uma língua desconhecida. Com eles eu passava o tempo a conversar. sabiam falar um pouco de português. profundos canais verticais. ou. Dois deles. então. a superfície dos precipícios é talhada da mais extraordinária maneira.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 287 uma lisa montanha. se o papel crescia em meu país e se nós lá temos mandioca e bananas. de bordas pontiagudas. na rocha lisa. E. respondendo-lhes várias perguntas que me faziam a respeito de onde vinha o ferro.

e do homem selvagem. arrebatou violentamente o cesto da boca do outro. há uma a respeito do tapir. sim. no lugar onde se acha. –. não podiam imaginar como esses homens podem viver em uma terra onde não há florestas. onde o joga. e como o sol e a lua voltam para os seus lugares outra vez. um grosseiro cesto de folhas. eles por sua vez. dos ferozes porcos selvagens. que eles me narraram. daí. mais ainda. após desaparecerem de nós. –. depois. outros me asseguraram não ser verdadeira. então.288 Alfred Russel Wallace Eles. prosseguindo a sua narração. ficavam muito espantados.” E o índio. Assim. porém que. – contavam-me eles. – “tem o esquisito capricho de soltar o seu estrume somente nos lugares onde existe água.“Dá-me então algumas – disse o primeiro. iam sucedendo outras perguntas mais. então. – “Frutas. “Que é que você tem aí nesse cesto? – perguntou-lhe o primeiro tapir. contavam as suas histórias de onças. . o demônio dos matos. quando ia levando à boca um cesto de folhas. dos pumas. “Se o animal não encontra água. nos córregos ou nos lugares onde há água. – respondeu o outro. e. que encontrou outro na floresta.“Eu não as posso dar – declarou o outro. que tem uma longa cauda e que se encontra lá bem no centro da floresta. com as minhas explicações. “O primeiro tapir. ao ouvir que em nosso país só há homens brancos. que não se possa deixar de percebê-lo na floresta. contou-me a seguinte história: “Era uma vez um tapir. E. então. “O tapir”. então. procurando eles saber de onde vêm o vento e a chuva. muito embora seja ele em pelotas grandes e tão abundantes. iam-me contando histórias interessantes. Eu tentava satisfazer-lhes todas as perguntas. e neste leva-o para o córrego mais próximo. “O seu estrume nunca se encontra na mata. E. do terrível curupira. faz. e. assim. Dentre estas.

assim conversando. E íamos todos deitar-nos. partimos para lá. encontramos alguns bonitos mutuns. vendo o seu conteúdo. reavivam o fogo e fazem mingau. Eu também saía e encontrava sempre distração na serra. Os índios. dispararam pela floresta a fora. Essa ave e um grande jacamar foram tudo que pudemos achar ali. percebíamos que o sono vinha chegando.” E. Ficou assentado transferir-nos para o outro lado da serra. À tarde. Consoante essa resolução. “E nunca mais se encontraram outra vez perto daquele lugar. os outros companheiros voltaram. trepados em altas árvores. Dali voltamos para a nossa caverna. ao abri-lo. e por isso se levantam. Os dois indiozinhos acompanhavam-me. resolvemos mudar o nosso acampamento para outro local. No dia seguinte. após algum tempo. durante toda a sua vida. por falta de café para beber. de madrugada sentem frio. com os seus corpos nus. como guias e como meus auxiliares. para se aquecerem. porém não foram bem sucedidos. Eu.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 289 “Entretanto. Consegui atirar num deles e matá-lo. Após andarmos um bom trecho. e onde diziam haver um lugar que era muito freqüentado pelos “galos”. não se tendo encontrado caça de espécie alguma. Depois. ambos muito envergonhados um do outro e voltando as caudas um para o outro. até que. em direções opostas. Nós nos levantávamos todos aos primeiros clarões do dia. a alguma distância dali. a fim de caçar. Trouxeram-me somente um “galo-da-serra”. . partiam todos para a floresta. não tinha outro remédio senão também tomar “mingau” (caldo de farinha). íamos passando as horas.

ou. e não levaria muito a acabar. que nos machucavam os pés. que eram muito mais cerrados do que na floresta. que são muito apreciadas pelos “galos” e outros pássaros mais. carregadas de umas frutinhas vermelhas. Havia um rancho pequeno. Havia ali muitas árvores. entrançado de cipós. A nossa provisão de farinha já estava bastante reduzida. chegamos ao lugar do nosso novo acampamento. Era uma agradável e extensa clareira. alternavam-se trechos de lama e de agudas pontas de quartzo. No caminho. como chamas ígneas. Afinal. dardejando a sua plumagem. onde eu poderia estender a minha rede. ouvíssemos o agudo pio de um “galo”. Ali. era muito mais agradável do que o nosso anterior acampamento da gruta. Todos imediatamente sentiram um estremecimento. Nós logo fizemos nele os necessários reparos e o cobrimos de folhas: foi o nosso quartel-mestre.290 Alfred Russel Wallace Se o nosso primeiro caminho foi bastante ruim. onde nos instalamos da melhor maneira possível. incontestavelmente. fora sede de um pequeno aldeamento indígena. a fim de buscar suficiente provisão. Assim. combinamos que a metade dos homens voltaria à aldeia. bem perto de nós. de uma espécie de Melastoma. porém que estava descoberto. este agora era simplesmente detestável. com bosques de árvores baixas em redor. o caminho estava atravancado de plantas de espinhos garranchentos. Demais. para podermos demorar-nos mais uma semana na serra. Não demorou muito tempo que. então. Estendia-se através de um terreno coberto de matos de segundo crescimento. . Noutros tempos. logo após a nossa chegada ali. que era completamente fechada pela alta e densa floresta e onde mal podiam penetrar os raios solares. e eu tive logo o prazer de avistar outra vez a linda ave por entre a folhagem. pois.

e. fui bem recompensado. pois pude matar um bonito “galo”. que haviam matado em um córrego próximo. Um deles. Os índios regalaram-se. trazendo-nos farinha. Este último. Na tarde seguinte. Dois ou três machos encontram-se e executam. pacientemente. uma espécie de dança. dois deles. o grupo. entretanto. tinha-se molhado de orvalho. contudo. de tanto eles os pisarem. tendo ficado à espera. Eles são apanhados em armadilhas. não tive estômago para su- . houve dias em que não matamos um pássaro sequer. mas esse animal. Nunca ouvi falar de qualquer outro pássaro. são lisos e limpos. Nunca se vêem. Com os macacos. na longa caminhada. nos lugares onde os machos se reúnem para dançar e cantar. que tinha ido à aldeia. acabaram-se-nos as provisões. Um dia. e o outro foi guardado pelo índio. sal e alguns mamões. Foram-me também trazidos. então. nesses sítios. ainda vivos. – o que era um bom começo para a nossa caçada. Deste modo. e outros.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 291 Minha espingarda. No último dia de estada em tal acampamento. que eram muito agradáveis e refrescantes. voltou. de uma vez. sob a copa de uma árvore frutífera e debaixo de ensopante chuva. comendo um jacarezinho. com vários sucessos. À tarde. e negou fogo. que o apanhara. lagartos e mutuns. que era demasidamente forte. Ali permanecemos mais quatro dias. com o seu caraterístico almíscar. poucas semanas depois morreu. de abundante caça. as fêmeas e os filhotes. que tenha hábito tão singular. além de um ou dois “galos”. vós podeis estar certos de apanhar somente os machos crescidos e de linda plumagem. tínhamos ótimos manjares. andando e pulando para cima e para baixo. dois lindos pássaros foram-me trazidos. saí sozinho. e. Estes lugares ficam nas rochas ou nas raízes das árvores. eu o matei e depenei logo.

poderia eu arranjar para seguir comigo nessa viagem. fui à floresta. Nessa aldeia. Eu estava aflito para partir. antes da volta do padre. Com doze caçadores. A floresta era sombria. que valesse a pena matar.292 Alfred Russel Wallace portá-lo. passei cerca de quinze dias mais. Ninguém. conclui o meu jantar apenas com um mingau. é muito raro na região do rio Negro. Além dessas aves. se não os índios. esperando paciente e ociosamente o tempo passar. após ter empurrado pela goela abaixo um pedaço da cauda. Matei um curioso corvo. . regressamos para a pequena aldeia. úmida e saliente. Tendo o padre que ir a Guia. de sorte que. como eu também. eu havia conseguido doze “galos-da-serra”. queriam voltar comigo. porém que não eram muito raros. então. em demanda do alto rio Negro na Venezuela. de plumagem escura. o qual. mas lá não encontrei pássaro algum. Os insetos eram igualmente raros. é que haveria de parar ali. já têm visto esse pássaro. os filhos. obtendo ainda alguns bonitos pássaros. quando nós chegamos ali. tão depressa quanto possível. os índios. como a morte. com a maior curiosidade. Contudo. somente quando voltasse. e fazer batizar. Dias seguidos. consegui também dois bonitos trigônidas. entretanto. durante nove dias na floresta. tive de ficar em Guia. verificamos que o padre havia partido para outras partes mais acima do rio. da espécie do de cabeça pelada (Gymnicphlous calvus). No dia seguinte. quase todos. para assistir à festa que ali devia realizar-se. Nenhum índio. bem que comum em Caiena. e fiz desenhos de muitos peixes curiosos. Ainda pelei uma cutia preta. de fato. alguns pequenos manakins de topete azul. alguns curiosos pássaros Barbados e uns tordos-formicários. dos quais dois atirados por mim próprio. Eles o observam. Por isso mesmo.

A respeito dos homens e das coisas.. gastou ainda uns pares de dias a descansar. precocemente envelhecido. L. um particular encanto em ouvir boas anedotas. acompanhadas de chuva.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 293 De quando em quando. Viera acompanhado do Sr. As suas mãos eram estropiadas e tinha o corpo todo ulcerado. Eram. em sua maioria. que se tornavam. Ele muito nos divertia com o seu inesgotável repertório de anedotas. porém. Todavia ainda se deliciava em recordar as proezas da mocidade. vem de transportado em uma rede. bastante gasto e esgotado em conseqüência de toda sorte de deboches. E. durante esses tristonhos dias e enfadonhas noites. de fato. numa linguagem tão original quanto expressiva e com tão divertidos arremedos de voz e de gestos. chegou o padre Frei José. As suas anedotas. quando contadas em uma língua estrangeira. já muitas vezes repetidas. magro. não tinha eu outro recurso. eram desagradavelmente picantes. Tenente Felisberto. em companhia do Sr. colheita de salsaparrilha ou corte da piaçaba. do Sr. tão habilmente contadas. comandante de Marabitanas. . e era tido como o mais original e mais divertido contador de anedotas da província do Pará. Frei José dos Santos-Inocentes era alto. se não ficar ouvindo as histórias. e quase todas as tardes havia trovoadas. irresistivelmente engraçadas. Sabia tudo que se passava na província do Pará. L. Há sempre. Da margem do rio para o alto do barranco. lá um dia. Antes de começar as suas operações eclesiásticas. ademais disso. Afinal. Eu ia quase sempre visitá-lo. tinha sempre algo de extravagante para contar-nos. chovia. ou a sua habitual conversação sobre compra e venda de algodão. pornográficas mesmo.

durante o dia. Em seguida. Tivemos início. que já o conhecia desde alguns anos. comparado a Frei José. e. no nariz. se. Há o da água. dos feitos deste em seu tempo. na cerimônia do batismo da Igreja Católica Romana. causa um prazer. que sempre teve grande respeito pela sua batina. entretanto. .294 Alfred Russel Wallace O chiste é. não contou uma só das anedotas duas vezes. e que são apropriados para causar impressão aos índios. ao há grupo dos recém-casados uma excelente prédica sobre a vida matrimonial e os deveres de cada um. as suas palavras fosse possível compreendê-las.. e nunca fez nada para desrespeitá-la. o da saliva. L. um interesse. na boca e no corpo. No dia seguinte. Ele dizia. por fim. E o conhecimento que adquiri dos vários termos e modismos. afinal. Havia ali umas 15 ou 20 crianças índias. o mais interessante do obscuro método de conseguir este intento. de modo a fazer os índios pensar que obtém alguma coisa muito boa. tendo tudo isso suficiente semelhança com as complicadas operações dos seus próprios pajés (“conjuradores”). era um inocente. Frei José. Foi soldado. inteiramente distintos da história propriamente dita. os batizados. Frei José fez. o que eles não entendiam bem. afinal. era sacerdote paroquiano. em troca dos shillings com que pagam essa cerimônia. E o Sr. Há sete ou oito ritos distintos. depois frade de um convento. aos que eram dirigidas. durante o tempo em que se demorou conosco. “Don Juan”. De sua vida no convento conta várias histórias. de todas as idades. o das cruzes nos olhos. disse-me que ainda não ouvira muitas das que foram agora contidas. cuja cerimônia muito se parece propriamente como do nosso. com orações de permeio. à operação. tais quais as que lemos em Chaucer. realizaram-se alguns casamentos. esparzida nos olhos. de uma vez. que deveriam submeter-se. e o da genuflexão. a qual poderia resultar num grande benefício e tem alto alcance. o dos santos-óleos. pois que falava em português. então. peculiares à linguagem.

pois. Não sejais. o Sr. Os dois únicos homens brancos. L.Sumário Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 295 Frei José não perdia nenhuma oportunidade para exortar vigorosamente os índios a casar e salvar as suas almas. tão loucos de ir para lá também. nem queriam casar. enquanto os pobres índios se entreolhavam muito espantados. as algibeiras da batina. além de mim mesmo. Estampa VII – Uma aldeia no rio Negro Próxima página . muito embora fossem ambos chefes de numerosas famílias. graças a isso. e o comandante deram gostosas gargalhadas. entretanto. Eles não eram casados. para não passar por cima disso sem um reparo qualquer. enchendo ele. eram. O padre. péssimos exemplos.” A essa altura da alocução. ali presentes. Eles irão todos para o purgatório. disse então: – “Nunca vos importeis com o que estes brancos fazem.

. comecei Página anterior . . depois que os visitantes partiram. . . . . . . de nome Augustinho. . . . . e comigo deveriam ir quatro índios. .Sumário . A FINAL. . . . Capítulo IX Javita PARTIDA DE GUIA – MARABITANAS – SERRA DE CUCUÍ – ENTRANDO NO TERRITÓRIO DA VENEZUELA – SÃO-CARLOS – PASSANDO O CACIQUIARE – ANTÔNIO DIAS – ÍNDIOS CONSTRUTORES DE BARCOS – TRABALHOS DE PENAS – MAROA E PIMICHIM – UMA ONÇA PRETA – SERPENTES VENENOSAS – PESCANDO – A CAMINHO DE JAVITA – DEMORA ALI – ÍNDIOS CONSTRUTORES DE ESTRADAS – LÍNGUA E COSTUMES – DESCRIÇÃO DE JAVITA – FUGA DOS ÍNDIOS – COLEÇÕES FEITAS EM JAVITA – REGRESSO A TOMO – UM TUMULTO DOMÉSTICO – MARABITANAS E SEUS HABITANTES – ALCANÇANDO GUIA94 a fazer os preparativos para a viagem aos territórios mais remotos. . 94 No original. L. dos quais somente um velho. . O Sr. . me emprestou uma canoa. . . sabia falar um pouco de português. os topônimos Cucuí e Caciquiare são respectivamente grafados Cocoí e Cassiquiare. . . .

298 Alfred Russel Wallace Eu levava comigo um relógio. . uma bússola. fiz nela um cuidadoso exame e descobri a causa da penetração da água. como uma espécie pequena. camisas. muito unidas e coloridas. foram colocadas sobre uma das juntas das tábuas. anzóis. A canoa havia sido calafetada pouco antes. A carga era bem pesada e estava sendo suportada por um pequeno estrado. era o chamado “peixe-borboleta”. remando rio acima. depois do que fiquei satisfeitíssimo. inadvertidamente. em conseqüência. Os meus homens levavam as suas gravatanas e aljavas de flechas envenenadas. aliada ao Centrarcus. Deles adquiri peixes em quantidade suficiente para o nosso jantar. Entre os ditos peixes. remos. deixamos Guia. e eu logo verifiquei que estava fazendo muita água. tendendo a separá-las e. tendo para isso previamente envenenado as águas de um igarapé próximo. bem como para o almoço do dia seguinte. verificando que a água entrava em quantidade muito menor. No dia 27 de janeiro de 1851. o que foi em boa ocasião. pois seus habitantes estavam acabando de regressar de uma pescaria. um par de calças. alcançamos a pequena povoação de Mabé. à tardinha. produzindo a entrada da água. À tardinha. quando paramos para o jantar. muito curiosa. isqueiros e redes. que compreendem toda a bagagem de um índio. caixas para guardar insetos e pássaros. de sorte que todo o peso das cargas se concentrava ali. colares. que descançava sobre escoras de paus roliços. fui obrigado a descarregar completamente a canoa e a recolocar as varas em melhor posição. por causa do extraordinário desenvolvimento das suas barbatanas e também de suas escamas. encruzados no fundo da canoa. um sextante. As extremidades das varas. morim e tecidos ordinários de algodão para os índios. o que me obrigou a esvaziá-la continuamente. No dia 28. achei vários exemplares que eu ainda não tinha visto antes. Eles haviam apanhado uma grande quantidade de peixe. espingarda e munição. Por esse motivo.

mas pouco extenso. seus habitantes. e passamos a noite. Na noite seguinte. fronteira fortificada do Brasil. atormentaram-nos bastante. como os que comumente se encontram nesta região.95 Consistem em picos de granito. no seu cume e nas partes menos alcantiladas. No dia seguinte. É uma rocha granítica. da floresta plana. Encontram-se ali apenas os restos de um parapeito de estacas de madeira e um diminuto destacamento. tranqüilamente. . de volume regular. muito alcantilada. 29. abaixo do nível das máximas cheias. é toda coberta de espessa mata. No dia 1º de fevereiro. e os índios. No dia 30. alcançamos Marabitanas. Ergue-se. de cerca de mil pés de altura. dada interparenteticamente pelo autor. Há muito pouco comércio rio acima. esculpidas na rocha. passamos junto à foz do rio Xié. o resto do dia. de novo paramos em uma praia rochosa. na direção rio acima em rumo setentrional. demoramo-nos apenas o tempo necessário para comprar algumas bananas. alcançamos a serra de Cucuí. pude então ver a minha velha amiga. a estrela 95 No original está grafado Pirapucó. O tempo agora estava muito bonito. numa linda praia pedregosa. Tendo aqui um horizonte límpido e claro. além de não ser ainda civilizados. patenteia que a forma exata é Pirapucu. e que eram em grande quantidade. mosquitos pequenos que dão picadas dolorosas. de águas muito claras. chegamos à vista da serra dos Cababuris e da extensa cadeia de montanhas chamadas Pirapucu (“peixe comprido”). Mas a própria significação. Aqui os piuns. Como o comandante não estivesse ali. que demarca os limites entre o Brasil e a Venezuela. que se sobrelevam isolados. abruptamente. são quase desconhecidos.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 299 No dia seguinte. tendo aproximadamente a forma de um fragmento de prisma quadrangular. cerca do meio-dia. e ela própria. onde encontramos algumas inscrições curiosas.

E. tive a agradável surpresa de ver ali um jovem português. Ele era muito esperto e trazia sempre o seu arco e flechas a tiracolo. Viam-se diariamente lindas praias pedregosas. agora. ao longo das quais eu muitas vezes passeava.96 Afinal. nos pronomes e nos adjetivos. convidei-o para me esperar e assim podermos ir juntos. atrapalhando-me sobremaneira. a familiarizar-me com a língua espanhola. e deveria para ali seguir dentro de um ou dois dias. preparava a seta e atirava nalgum luzidio “acará”. algumas palavras. um rapaz. e. são muito diferentes. os substantivos. mas também por causa do número de vocábulos novos. e eu. Ao saltar em terra. a principal aldeia venezuelana do rio Negro. com o seu arco e flechas. procurando matar peixes. que vinham logo de uma vez à minha imaginação. há cerca de cinqüenta anos. nessa ocasião. tanto na sua acentuação. chegamos a São-Carlos. na tarde de 4 de fevereiro. ou num “tucunaré” de cor prateada. nos verbos. Lutei com grande dificuldade para proferir. ia. Este foi o ponto mais remoto alcançado por Humboldt. estava entrando e palmilhando o território atingido por aquele ilustre viajante. 96 Destes peixes. Se bem que o espanhol seja uma língua muito parecida com a portuguesa. não só por causa de sua acentuação. Levou-me ele à casa do comissário a quem me apresentou. quando nos aproximávamos de algum baixio. entretanto. para Tomo. que eu já havia encontrado em Guia. Fui cavalheirescamente tratado pela dita autoridade.300 Alfred Russel Wallace polar. que sustentavam uma conversação variada sobre assuntos gerais. começando eu. o nome do primeiro está grafado “acarrá” no original. . enquanto Luís. quanto na sua pronúncia. e achei-me ali entre um grupo de homens malvestidos. desde então. como ele estava viajando rio acima. vindo de uma direção oposta. embora eu estivesse apenas a um grau e vinte minutos de latitude Norte.

Notei que o solo é ali muito arenoso e seco. em densas nuvens. encontrando-se poucos insetos. realizando-se vários ofícios religiosos. tomávamos as nossas refeições em casa do comissário. onde. Todas as manhãs. Logo após deixarmos a aldeia. ficamos livres. Passando-se a barra do Caciquiare. ganhando-se as cabeceiras do rio Negro. paramos em um aldeamento indígena. até abaixo de São-Carlos. No dia seguinte. passamos pela barra do Caciquiare. apreciava. A mesma coisa se verifica à tarde. afinal. A aldeia de São-Carlos compõe-se de uma praça e de algumas ruas paralelas. dessa praga. estava sendo agora ocupada pelo comissário. Ele é uma mistura de águas claras e negras. que são dirigidos pelo comissário e por alguns índios. a igreja permanece aberta. A casa principal. onde os padres costumam residir temporariamente. compramos um bonito “cabeçudo” ou tartaruga de cabeça grande. . tendo sempre o delicioso café. fiz um passeio pela floresta. chamada de Convento. singular curso de água que une o rio Negro com o Orenoco.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 301 Durante a nossa permanência ali. os sinos tocam para as matinas. a troco de um prato de sal. onde os mosquitos piuns. são muitíssimo abundantes. Aos domingos. entretanto. o qual deu para oito pessoas. que nos forneceu um excelente jantar. ao longo da estrada que vai para Solano. eles logo desaparecem. Todos os rapazes e moças reúnem-se. na igreja e cantam hinos. A praça é conservada limpa e bem capinada. próximo às cabeceiras de ambos. e. com o qual eu já me havia acostumado e muito. À tarde. então. de fato. uma vila à beira do Caciquiare. As casas são caiadas e a aldeia toda é conservada mais limpa do que as do Brasil.

e. O seu leito é todo cheio de rochedos. Encontrei-o ali em mangas de camisa e de calças. exceto um homem branco. O céu estava muito claro. uma aldeia situada na barra do rio do mesmo nome. Passamos por dois ou três “canos” ou canais. e estava tão raso. que se ligam ao Caciquiare. ocasião em que apenas pouco peixe e pouca caça podem ser obtidos. sequer. falando uma estranha mistura de português e espanhol. Saímos por aquela planície afora. Ao passar pela vila de São-Miguel. de quem eu muito já ouvira falar em Barra.302 Alfred Russel Wallace Até ao dia seguinte ainda não havia acabado. de nome Antônio Dias. embora uma largura de 18 polegadas fosse suficiente para isso. pois o rio estava muito baixo e ainda continuava a baixar. água bastante para a nossa canoa passar. em busca de uma solução qualquer. já desde três meses atrás. coberto de poeira. De fato. Não se encontrava ali. O tempo agora estava firme e fazia muito calor. para o qual muitos dos seus habitantes estavam indo agora. e muito suado. era apenas um leito de rocha. e arranjou-me a casa da nação ou “casa dos estran- . conseguimos puxar e arrastar a nossa canoa sobre os rochedos. que se tornava por vezes difícil encontrar passagem para as nossas canoas. ali. só depois de muito pesquisarmos. Ele recebeu-me bondosamente. contra o “tiempo del faminto” como é aqui denominada a estação das águas. onde o álveo do rio. quando vinha de ajudar os seus homens nos trabalhos de construção de canoas. em parte alguma. No dia 10 de fevereiro. podiam ser vistos de pronto os efeitos de tal estado de coisas. alcançamos Tomo. de uma milha de largura. essas dificuldades mais aumentaram. não tiveram uma chuva. e com muita dificuldade. especialmente a fim de fazer provisão de peixes e de cabeçudos. que ele estava dirigindo. português. E – coisa surpreendente para se relatar – informaram-nos que. Os seus habitantes são todos índios. até que chegamos a um lugar. o que contrastava notavelmente com as constantes chuvas de Guia.

todos esses estabelecimentos paralisaram a sua atividade. para uma capacidade de cerca de 200 toneladas. formam a estrutura de fortes vigas. e ajustam as grossas tábuas do assoalho. com a independência daquelas nações americanas. são construídas de 30 a 100 toneladas. elegantes e . Posteriormente. então. construindo. que não ficaria esquecida. em vários lugares. contudo. e ali são vendidas. Durante o tempo em que o Brasil e Venezuela estiveram sob os governos de Portugal e da Espanha. aprenderam a arte. para Barra ou para o Pará. que se prolongaram por muitos anos. somente os seus cascos são lesados para baixo. na sua maioria. somente. Como a maior parte dos homens brancos destas paragens ocupa-se ele exclusivamente da construção de grandes canoas e escunas para o comércio do rio Negro e do Amazonas. sob as ordens de arquitetos dos referidos países ibéricos. que foi logo varrida e preparada especialmente para acomodar-me por alguns dias. tendo assim suficiente profundidade. São construídos exclusivamente pelos índios. quando. estabeleceram-se várias oficinas para a construção dessas embarcações. geralmente com uma carga de piaçaba ou farinha. assim.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 303 geiros”. onde se podia encontrar madeira apropriada. sem obedecer a qualquer desenho. e isso somente se efetua no tempo das chuvas. porém. ocorrendo em seguida uma série de revoluções e de distúrbios. tanto as embarcações. com uma das maiores no seu estaleiro. Estava ele. e que foi transmitida assim aos seus filhos e aos seus patrícios. A olho e a mão. Os índios. navios esses destinados ao comércio da costa ou do interior. mera choupana de paredes barreadas. Logo que são acabadas. como as respectivas cargas. as águas do rio estão bastante altas. É para admirar como navios tão grandes quanto esse possam ser feitos por pessoas que ignoram completamente os princípios de arquitetura naval. Esses grandes navios têm de descer as cachoeiras do rio Negro. agora. que ali tinham sido empregados.

embora se encontrem ali madeiras apropriadas para a sua construção. e os pequenos negociantes anualmente compram pelo menos um desses navios. não duram mais do que 6 ou 8 anos – muitas vezes nem mais do que 2 ou 3. pois que são toscamente acabadas e raramente são construídas com as melhores madeiras. principalmente abeto. piaçaba e farinha. pondo-lhes à frente algum velho carpinteiro. de grandes navios para o seu transporte rio abaixo. Devido a essas circunstancias especiais. em seguida. como eles são denominados. machadinha e martelo. Como o valor desses produtos. em canoas muito pequenas. pode ser trazido. Muitos portugueses. Os produtos do alto rio Negro. reúnem meia dúzia de índios. não obstruídos pelos rápidos ou pelas cachoeiras. o povo demonstra um exemplo dos seus escrúpulos especiais. por isso mesmo. as grandes embarcações. no alto do rio Negro. Tiriquim. pois os navios maiores não podem subir as cachoeiras. São-Miguel. Eles são. Tomo e Maroa são habitadas quase que exclusivamente por esses especializados construtores de canoas. e que poderiam permanecer por espaço de 30 anos perfeitamente sãs dentro da água. de 100 ou mais toneladas. as ruas da aldeia estavam sendo capinadas. Tais embarcações. pois que estas dificilmente podem ser obtidas em suficiente quantidade. essas embarcações ficam muito baratas. que se constroem. em tempo médio. empregados na navegação do baixo Amazonas e de todos os seus tributários. Depois de prontas. que raramente ou nunca viram um navio.304 Alfred Russel Wallace bem-feitos navios. nunca mais voltam ali. senão durante a sua travessia para o Brasil. índio também. e as aldeias de São-Carlos. tecidos de algodão e outras mercadorias mais. e limpava-se o mato dos quintais. compram uma dúzia de machados e uns poucos milhares de pregos e. . há constante procura desses navios espanhóis. Nesses serviços. são mercadorias que fazem grandes volumes e necessitam. Enquanto me demorei em Tomo. por sua vez. zás! arvoram-se em construtores de navios. em ferro. utilizando ferramentas que não são mais do que machado. por essa razão.

É que ele mantinha ali uma espécie de harém. caprichosamente trançadas e pintadas de vivas cores. umas moitas circulares de ervas marcando os lugares onde se encontram aquelas impurezas. as curiosas e pequenas tânagras de sete cores. e sobre elas pregam-se ainda. parece ser mais uma superstição.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 305 Não se toca ali nos lugares onde havia estrume de cachorro ou restos de quaisquer pássaros ou répteis. o que faziam com grande habilidade. ficando. é que fazia todos os riscos e modelos. atacados de moléstia contagiosa. Antônio. então. As redes propriamente são feitas com cordões de finíssimas fibras de palmeira. Antônio Dias. é o mesmo que existe entre muitos animais. O próprio Sr. com relação à doença e à morte. verde. as quais ele empregava em trabalhos de penas. Os “galos-da-serra”. as alvas garças. em roda de tais imundícias. com o leite da “árvore-vaca”. e outras mais. . Eles limitam-se a capinar. porém. nos restos de quaisquer animais peçonhentos. não obstante a frouxidão dos sentimentos morais nesta região. uma filha desta e duas raparigas índias. ainda mesmo de longe. de ramagens e de flores. os dourados jacamares. os vistosos papagaios e outros pássaros mais. ainda demonstram a sua repugnância em tocar. que chegam mesmo. muitas vezes. forneciam-lhe um variado e farto sortimento de penas apropriadas à produção dos mais bizarros efeitos. gozava de uma fama não muito boa. As franjas têm cerca de um pé de largura e são trançadas de cordões do referido material. Isso. Esses trabalhos têm aplicação principalmente como guarnição ou franjas das redes. em parte. curiosas aplicações de penas. Essa espécie de sentimento. Por muitas outras maneiras. que possuía bom gosto para o desenho. por causa das suas tendências patriarcais. E esse preconceito é levado tão a sério. com graciosas malhas. os rosados colheiros. a desprezar os enfermos. que se compunha de uma mulher. com desenhos de estrelas. amarela. O Sr. os metálicos tragônidas. vermelha. com todo o cuidado. ao que parece.

306 Alfred Russel Wallace Nas melhores. pretendia comprar uma ubá adequada para o resto da viagem. também prossegui viagem. e tivemos grande dificuldade para vencê-lo. outra vez se tornou juncado de rochedos e de baixios. por onde a nossa canoa. À noite. artisticamente executados. e que estava trajado à moda. onde paramos. Muito perto da barra. para isso. eu não podia prosseguir viagem com a minha canoa. fomos subindo. onde eu. com as armas de Portugal e do Brasil. ob. bastante carregada. na minha pequena e balouçante canoa. Antônio e na sua canoa. que é feita de uma peça de madeira. em companhia do Sr. pág. havia um rochedo atravancando o canal. alcançamos a entrada do pequeno rio Pimichim. até uma boa distância. deixei Tomo. Cerca de uma milha acima de Maroa. vol. Em seguida. por volta das 3 horas da manhã. O Sr. tendo um comissário índio. de um negociante galego. mas ali não tivemos sorte bastante para apanhar. Sobre a ubá usada na bacia do nosso rio-mar. somente por índios. pelo qual. transposto esse obstáculo. para cima de Pimichim. Antônio informou-me que. que sabia ler e escrever. é de um efeito muito atraente e gracioso. em seguida. e levei dois índios. O Sr. cheios de caniços. em um campo formado de penas de garças. por empréstimo. põe o Sr. habitada. deveria eu comprar uma “ubá”97 índia. . a fim de poder resistir aos choques e à sua arrastação sobre os rochedos. devido às águas estarem muito baixas. Ali obtive. 158. Antônio voltou para Tomo. usando botas com correias e calças largas. e eu. Era uma grande aldeia. II. sequer. tivemos águas profundas. porém. alcançamos uma bonita praia arenosa. Antônio uns desenhos no centro. No dia 13. veja-se Raimundo Morais. uma aldeia situada poucas milhas para cima. um pequeno 97 No original “obá”. e esse conjunto. brancas como neve. na sua volta. então. cit. somente à custa de grandes esforços lentamente se ia deslocando. uma ubá. em demanda do Maroa. inteiriça. depois. e. para trazerem-na depois.

Embora ele tivesse alguns cafeeiros no quintal em roda de sua choupana. Nosso almoço. senão mingau de farinha e uma xícara de café. tínhamos que parar quase que de meia em meia hora. foi a repetição do que tivemos ao jantar. e convidei-o. . que de certo fora feito por algum viajante que por ali pernoitara. fui a uma das choupanas. alcançamos o porto de Pimichim. que de muito boa vontade me forneceu somente a única coisa que se podia comer e que havia na casa.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 307 peixe. então. o leito do rio era muito rochoso e muito escorregadio. com uma interminável sucessão de curvas e voltas bruscas. Afinal. a tomar uma xícara de café em minha companhia. Encontramos ali um tugúrio abandonado. armando a rede debaixo de um rancho de folhas de palmeira. no dia seguinte. um pedaço de peixe seco na fumaça. de sorte que nada mais tomamos. do qual só restava o telhado – “a casa dos viajantes”. que se comesse ao jantar. peixe esse que estava tão duro como tábua e tão flexível como couro. da qual tomamos posse para passar a noite. isso foi para ele um verdadeiro festim. descarregar a canoa parcialmente e arrastá-la. Em muitos lugares. viajando rio acima. sem portas. dormimos tranqüilamente. transformando-se num pequeno canal. que formavam pequenas cascatas. eu o dei aos índios. Depois. moço muito guapo e muito amável. Esse. que formava um verdadeiro fosso de 15 a 20 pés de profundidade. sobre algum empecilho. ali encontrando um desertor português. na véspera. em todos os sentidos dos quadrantes da bússola. Enquanto os índios descarregavam a canoa. a fim de arranjar provisões para o jantar. E. e que agora tem somente umas duas casas de morada. pois que já não tinha nenhum melado em casa. O rio ficava cada vez mais estreito. ou então era uma série de saltos. sobre o qual corria somente pouca água. que primitivamente foi uma aldeia. tarde da noite. em seguida.

308

Alfred Russel Wallace

Desse lugar parte uma estrada, que, transpondo o espigão, segue para o outro lado, para a outra vertente, estendendo-se por cerca de dez milhas, através da floresta, até Javita, uma aldeia situada no Temi, tributário do Atabapo, que, por sua vez, corre para o Orenoco. Verificando que ali nada podia encontrar para comer, não podendo, por isso mesmo, permanecer mais tempo em tal lugar, como eu a princípio pretendia, vi-me obrigado a tratar dos arranjos de minhas barragens, que deveriam ser levadas por terra para Javita. Resolvi fazer primeiramente um passeio até lá, no dia seguinte, a fim de ver se arranjava os homens necessários para esse serviço. À tarde, entretanto, pegando da espingarda, saí vagando ao longo da referida estrada, e dali, pouco adiante na floresta, atingindo ao lugar onde eu estava ansioso por chegar, fui bem recompensado, pois tive a sorte de esbarrar com um dos “lords” da terra, que eu, também há muito, estava desejoso de encontrar. Quando eu caminhava tranqüilamente por ali, avistei, de repente, um enorme animal, preto como azeviche que, saindo da floresta, ganhou a estrada, acerca de 20 jardas na minha frente; causou-me ele tanta surpresa, que a princípio não pude atinar com a espécie de animal que era. Como ele, porém, estivesse caminhando vagarosamente, pude distinguir-lhe perfeitamente o corpo e a longa e encurvada cauda, que vieram ficar-me bem à vista, no meio da estrada, verificando eu, nesse momento, que era uma bonita onça preta. Instintivamente levei a espingarda ao ombro, para fazer a pontaria; mas, nessa hora, lembrando-me de que os dois canos estavam carregados de chumbo miúdo, e, se eu disparasse algum tiro, só poderia exasperá-la, em vez de matá-la, permaneci silencioso e quedo, a observá-la. No meio da estrada, ela voltou a cabeça para o lado em que me achava, parou, e, por alguns instantes, ficou a contemplar-me, mas, tendo, ao que presumo, outros negócios mais importantes para tratar, sorrateiramente rompeu alguns passos mais pelo caminho, desaparecendo em seguida no mato, onde se afundou.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

309

Enquanto ela avançava, pude perceber a bulha dos pequenos animais e o bater de asas dos pássaros, que se achavam no solo, limpando assim o caminho para o seu respeitável inimigo passar. Esse encontro muito me agradou. De tão admirado e surpreso que fiquei, não cheguei a sentir medo. Tive, afinal, ensejo de ver bem de perto, em seu selvagem habitat, a variedade mais rara do mais forte e mais perigoso animal que habita as solidões do continente americano. Não querendo, de forma alguma, a repetição de um encontro igual, e como já estava perto de escurecer, julguei mais prudente voltar para a aldeia. Na manhã seguinte, mandei todos meus índios pescar, e saí caminhando ao longo da estrada de Javita, tendo chegado, nessa ocasião, até ao ponto da linha divisória das águas das Bacias do Amazonas e do Orenoco. A estrada é, geralmente falando, relativamente plana, consistindo numa série de pequenas, subidas e descidas, que se sucedem umas às outras, em parte alguma possivelmente não atingindo mais do que a 50 pés de elevação, e em alguns trechos atravessando pequenos brejos e terrenos alagadiços, ao longo dos quais correm numerosos filetes de água. Nessas travessias, há vários troncos de árvores, toscamente lavrados e ali estendidos de comprido, servindo de passagem ou de pequenas pontes, ao longo das quais caminham os pedestres. A estrada tem cerca de 20 ou 30 pés de largura, estendendo-se, mais ou menos numa linha reta, através da densa floresta. Ao lado do caminho, vêem-se numeroso espécimens da palmeira irajá (Maximiliana regia), da buriti (Mauritia aculea), de caules cheios de espinhos, que se vêem nos brejos ou terrenos alagadiços, e a curiosa piaçaba, da qual se extraem resistentes e grossas fibras, muito empregadas na manufatura de vassouras e de escovas, nesta região, para limpeza das ruas e mais outros serviços domésticos. Este é primeiro e quase o único ponto onde se pode ver essa curiosa palmeira, quando se segue por uma estrada ou se navega por um curso de água.

310

Alfred Russel Wallace

Desde a foz do Padauari (tributário do rio Negro), cerca de 500 milhas para cima de Barra, ela é encontrada em vários rios, mas nunca nas margens do rio principal. Uma grande parte da população do alto rio Negro corta e colhe as suas fibras, para exportação, e, por essa forma, fiquei então sabendo de todas as localidades onde ela é encontrada: são as dos rios Padauari, Jaá e Daraá, na margem setentrional do rio Negro, e as dos rios Marié e Xié, na margem meridional. Nos outros dois rios, o Maraviá e o Cababuris, da margem setentrional, não se vê um só exemplar dela, nem também nos rios Curicuriari, Uaupés e Içana, da margem meridional, não obstante correrem eles entre os rios Marié e Xié, onde ela é abundantemente encontrada. Em todo o território circunvizinho ao alto rio Negro, para cima de São-Carlos, bem como no do Atabapo e de seus tributários, ela é encontrada também abundantemente, e foi justamente em frente à aldeia de Tomo onde eu a vi pela primeira vez. Ela cresce em terrenos úmidos e é de cerca de 20 a 30 pés de altura, tendo folhas largas, pinuladas, muito lisas e muito brilhantes e regulares. O seu tronco cobre-se por inteiro de uma espessa vestidura de fibras, que dele pendem como grossos pêlos, e que brotam até junto da base das folhas, mas ficando aderidas ao caule. Homens, mulheres e crianças, em grupos numerosos, vão à floresta cortar-lhe as fibras. Em sua região nativa, elas são comuns e grandemente empregadas na manufatura de cordas e de cabos, para as canhas e embarcações do Amazonas. Humboldt faz alusão a essa planta, pelo seu nome vulgar venezuelano de chiquichiqui, mas ao que parece ele não a viu, embora houvesse passado ao longo dessa estrada. Creio ser ela uma das espécies de Leopoldinia, da qual duas ou três outras espécies se vêem no rio Negro, e que, como esta, somente são encontradas ali.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

311

Eu não pude vê-la, nem florescendo, nem frutificando, porém fiz um esquema do seu aspecto geral, denominando-a de Leopoldinia piaçaba,98 tirado do seu nome vulgar, assim conhecido, na maior parte da região do seu habitat. Quase no fim da estrada, cheguei a uma “roça”, ou campo limpo onde encontrei um alto e robusto índio, que ali estava trabalhando e plantando mandioca. Logo que me viu, veio dar-me os seus “buenos dias”, perguntou-se para onde eu ia e se eu precisava de alguma coisa para a aldeia, porquanto o comissário, nessa ocasião, lá não estava, e ele era o capitão. No melhor espanhol, que no momento arranjei, respondi-lhe como pude, tudo fazendo para que nos compreendêssemos muito bem um ao outro. Ele ficou um tanto espantado, quando eu lhe disse que pretendia passar uma temporada na aldeia, e parece que chegou mesmo a duvidar de minhas intenções. Eu, então, informei-lhe logo que era um “naturalista”, e ali pretendia ir com o intuito apenas de capturar e adquirir pássaros, insetos e alguns outros animais. E, depois dessas explicações, começou ele a entender-me melhor, prometendo mesmo, por fim, mandar-me, dali a dois dias, alguns homens, a fim de fazerem o transporte de todas as minhas bagagens para a aldeia. E, assim tendo combinado, voltei dali mesmo, sem ter chegado a Javita, que ainda estava distante cerca de uma milha. Na minha chegada a Pimichim, verifiquei que os meus índios pouco êxito tiveram na pescaria que haviam feito, pois somente três ou quatro pescas foram tudo que tivemos para o nosso jantar. Como nada tivéssemos que fazer no dia seguinte, ordenei-lhes que fossem bem cedo arrancar timbó, para envenenar a água de um riacho e assim termos peixes em maior quantidade.
98 Martius, que já a havia denominado Attiles funifero, deu também assento à designação científica, proposta por Wallace. Veja-se “Glossaria linguarum brasiliensiaum”, pág. 403.

312

Alfred Russel Wallace

Enquanto estavam fora, entregues a essa tarefa, resolvi fazer, para distrair-me, uns passeios pelos arredores da aldeia, e tive ensejo, então, de observar algumas de suas curiosidades, das quais tomei nota. Pregada sobre uma das goteiras da nossa choupana, via-se a cabeça seca de uma cobra, e devia ter sido morta uns poucos dias trás. Era uma jararaca, de uma das espécies de Craspedocephalus, que devia ser de um enorme tamanho, pois as suas venenosas presas, em número de quatro, tinham seguramente uma polegada de comprimento. Meu amigo, o desertor, informou-me, então, que ali havia muitas daquela espécie, as quais se encontram nas moitas de capim, próximas da casa, e que elas saem à noite. Por isso, era necessário, segundo ele me aconselhou, que eu tivesse muito cuidado, não só dentro de casa, como também fora dela, no quintal. A picada de uma cobra como esta seria morte certa. Em Tomo, encontrei e observei vestígios de uma rocha estratificada, que aparece perto da aldeia, sobreerguendo-se do solo. Ali surge o granito, numa laje achatada, que apresentava curioso aspecto, vendo-se embebidos nele fragmentos de outra rocha de formato pontiagudo, de arenito cristalino, em leitos estratificados, e bem assim de quartzo. Até acima de São-Carlos, registrei seguidamente o ponto de ebulição da água, com um termômetro de precisão, para o propósito de determinar as altitudes acima do nível do mar. Infelizmente, tal instrumento se quebrou, antes ainda de eu chegar ao ponto mais interessante para fazer tal observação, e que é o do divisor das águas das bacias do Amazonas e Orenoco. Estou, contudo inclinado a pensar que é muito exagerada a altitude, dada por Humboldt a São-Carlos. Ele próprio, quanto a isto, diz mesmo ter as suas dúvidas, porquanto o seu barômetro, tendo-se enchido de ar, foi por ele esvaziado e, em seguida, de novo tapado, porém antes de chegar à costa, onde tal instrumento deveria ser aferido, também se quebrou, tornando, assim, impossível fazer a comparação das suas observações, para as ulteriores e necessárias correções.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

313

Nessas circunstâncias, pois, penso que pouco valor poderão merecer as suas observações. Mesmo assim, atribui ele 812 pés à altitude de São-Carlos acima do nível do mar. Pelas minhas observações, contudo, há uma diferença de meio grau Fahrenheit na temperatura de ebulição da água entre Barra e São-Carlos, o que corresponde a uma altura de 250 pés, aos quais podemos acrescentar 50 pés mais para a altura do ponto em que tais observações foram efetuadas, em Barra, daí resultando, então, o total de 300 pés. Ora, a atitude de Barra, acima do nível do mar, acredito que não deve ultrapassar 100 pés, pois, tanto pelas minhas observações, como pelas do Sr. Spruce, com aneróide, sempre ficava em nível mais baixo do que o de Belém do Pará. Se a diferença de pressão atmosférica fosse devida unicamente à altitude, a coluna barométrica deveria conservar-se regularmente mais alta em Barra do que em Belém. Em vista disso, eu penso que São-Carlos não esteja a mais de 400 pés, ou, quando muito, aparentemente, a mais de 500 pés acima do nível do mar. Esta circunstância, por si só, comprova bem a impraticabilidade de tal instrumento para a determinação das altitudes de localidades situadas em pontos de pequena altitude e grandemente afastados uns dos outros. Deve haver, de resto, assim penso, independentemente da influência da altitude, outra causa que concorre para a variação da pressão média da atmosfera, no interior e nas costas da América do Sul. E, assim sendo, tornar-se-á um grande empecilho para serem obtidas, com a necessária precisão, as altitudes de localidades situadas no interior deste grande continente, em virtude das distâncias serem demasiado grandes e bem assim quase impenetráveis as florestas, para permitir o traçado de uma linha de nivelamento direto, através do seu território.

314

Alfred Russel Wallace

Quando os índios voltaram com as raízes de timbó, nós todos imediatamente começamos a quebrá-las e desfibrá-las, colocando-as para isso sobre a rocha e dando-lhes fortes pancadas com um pau. Em seguida, foram levadas e postas dentro de uma pequena 99 canoa, que enchemos de água e de barro. Tudo isso foi devidamente remexido e comprimido, até que o sumo se desprendesse bem. Isso feito, levamos então essa mistura para um riacho próximo, pouco acima do lugar onde estávamos. Aos punhados, e pouco a pouco, fomos jogando para dentro do riacho a mistura que havíamos preparado. E ali ficamos esperando o resultado. O veneno começou a produzir imediatamente os seus efeitos. Os peixes menores começaram logo a agitar-se, dando pulos para fora da água, e, daí, ficavam boiando, contorcendo-se e encurvando-se, enquanto outros boiavam, virados de lado ou de costas. Os índios entraram na água, com cestos, e iam apanhando todos os que já estavam nessas condições, ou, então, mergulhando e nadando, iam em busca de um maior, que às vezes surgia, estonteado, lá mais adiante. Por essa maneira, em duas horas, conseguiu-se encher um cesto, sendo a maior parte peixes pequenos, encontrando-os, porém, entre eles, muitas espécies curiosas, que eu ainda não havia visto. Inúmeros peixes foram levados pela correnteza, porque não havíamos feito um tapume para cercá-los, e, no dia seguinte, nos barrancos do rio, viam-se muitos outros jazendo ali e já a putrefazer-se. Tive, assim, muito o que fazer. Separei uma dúzia das mais novas e mais curiosas espécies, para desenhar e descrever, e dei a parte restante aos índios, a fim de limpar, pôr na água e prepará-los para o jantar, que esperávamos fosse melhor do que o que tínhamos tido nos dias anteriores.
99 Deve ser um cocho, que é feito pelo mesmo processo empregado na construção das pequenas canoas ou ubás dos índios.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

315

No dia seguinte, cedo, chegaram os carregadores, num grupo composto de um homem e oito ou dez mulheres e moças. De acordo com as cargas, foram estas distribuídas a cada um deles. As cargas compunham-se de um saco de sal, de cerca de 100 libras de peso, quatro cestos de farinha, além das caixas e malas, um odre de azeite, um garrafão de melado, um guarda-louça portátil e vários outros objetos. A maior parte desses objetos foram distribuídos em pesos proporcionais à força de cada um dos carregadores, e dois dos meus índios deveriam também acompanhá-los, voltando à noite, a fim de, no dia seguinte, partirem comigo para Javita. Até bem tarde, entretanto, não haviam ainda regressado; mas, por volta de meia-noite, chegaram, afinal, dizendo que não agüentaram a marcha dos outros índios até Javita, e, tendo escurecido, quando eles ainda estavam no meio da estrada, resolveram voltar, deixando as cargas no mato. Na manhã seguinte, tiveram de sair de novo, para completar a sua missão, e fui obrigado a esperar que eles voltassem, perdendo assim mais um dia com o transporte das minhas bagagens. Enquanto isso, fui à floresta, onde apanhei alguns insetos, porém eles ali não eram muito numerosos. No dia seguinte, não havendo nada para comer ao almoço, mandei, cedo ainda, que os índios fossem pescar, dando-lhes positivas instruções para que voltassem até às 10 horas, a fim de partirmos, em seguida, para Javita, e lá chegarmos ainda antes do escurecer. Mas só às 2 horas da tarde foi que conseguimos partir. Eu estava bem sobrecarregado de peso, pois ia conduzindo minha espingarda, munição, caixas de insetos etc. Pus-me logo à frente do grupo, com um indiozinho, que não compreendia uma só palavra de português. No meio do caminho, vi um bonito mutum, mas este achava-se um pouco retirado da estrada.

316

Alfred Russel Wallace

Aproximei-me dele, e como a minha espingarda estivesse carregada só de chumbo fino, atirei, mas não consegui derrubá-lo, conseguindo apenas feri-lo. Ainda o persegui e fiz mais outros disparos, porém sem resultado. E, como eu então notasse que repentinamente havia escurecido, resolvi deixá-lo ali. Tínhamos ainda algumas milhas para andar. O sol tinha-se posto, de modo que foi preciso apressarmos bem os nossos passos. O meu ajudante conservava-se sempre unido aos meus calcanhares. Nas travessias dos brejos e dos córregos, encontramos as primeiras dificuldades para acertar com o caminho, ao longo dos estreitos troncos, que serviam de pontes. Eu estava descalço e, a cada minuto, tropeçava nalgum toco eu nalguma pedra saliente; outras vezes, desviava-me para os lados da estrada, e ia pisando sobre coisas que pareciam querer arrancar-me os artelhos. Estava escuro como breu. Distinguiam-se, contudo, as pesadas nuvens que se estavam formando, vendo-as através das aberturas, no alto das arcadas formadas pelas frondes das árvores da floresta, mas o caminho por onde seguíamos ficava totalmente imperceptível. Eu sabia que os jaguares eram muito abundantes ali, e por sua vez, muito abundantes também as serpentes, e, desse modo, a cada passo, eu esperara sentir resvalar-se sob os meus pés o frio corpo de uma delas, ou, então, sentir enterradas em minhas pernas as suas mortíferas presas. Através da escuridão que reinava, eu olhava fixamente, esperando de um momento para outro esbarrar com os vivos e luzentes olhos azuis de um jaguar, ou, então, ouvir-lhe o forte e soturno urro nas solidões da floresta. Voltar ou ficar ali de qualquer maneira dava na mesma.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

317

Eu sabia, porém, que não devíamos estar ainda muito longe da aldeia, e, assim, insistimos para a frente, com a vaga confiança de que, depois de passado tudo isso, nada de desagradável haveria de acontecer, e que, no dia seguinte, eu somente teria que rir dos meus temores daquela noite. Todavia, as agudas presas da cabeça seca da cobra de Pimichim vinham de quando em quando à minha lembrança, bem como muitas das histórias da ferocidade e astúcia das onças, não havendo jeito algum de esquecer-me delas. Afinal, conseguimos chegar ao local da clareira ou derrubada, que eu havia alcançado dois dias antes, ficando assim sabedor de que tínhamos agora somente uma curta distância a vencer. Tínhamos, contudo, de atravessar ainda alguns córregos. E eis que, repentinamente, percebemos estar na água, que apenas sentíamos, e não podíamos ver, e ali tínhamos de procurar a estreita pinguela que cruzava o córrego. Na travessia das pontes, ignorávamos completamente a sua altura acima da água; e, para caminhar ao longo de um tronco de 4 polegadas de largura, em tais circunstâncias, era, na verdade, uma grande dificuldade. Para avançarmos, colocávamos um pé adiante do outro, equilibrando-nos firmemente, até que de novo sentíssemos que estávamos pisando em ponto firme. Por uma ou duas vezes, cheguei a perder o equilíbrio. Isto foi, felizmente, em local situado um pé ou dois acima do solo. Se fosse de uma altura de vinte pés, dava na mesma. Uns seis córregos e pinguelas nessas condições, tivemos nós que atravessá-los, além das várias subidas e descidas da estrada. Afinal, emergimos da sombria escuridão da floresta, saindo então em um espaço aberto. Nesse momento, vimos algumas luzes pestanejando lá ao longe, anunciando-nos, assim, que a aldeia já se achava perto e pouco adiante de nós.

318

Alfred Russel Wallace Com uma caminhada de um quarto de hora mais, nós a alcan-

çamos. Bati na primeira porta da primeira casa que encontramos, perguntando onde morava o comissário. Dali, fomos mandados para outra casa, situada do outro lado da praça; de lá, um velho nos levou à “casa da nação” (rancho com uma porta), onde estavam guardados todos os objetos que constituíam a minha bagagem. Perguntei-lhe se era possível arranjar alguma coisa para comer; deu-nos alguns ovos de tartaruga e um peixe salgado; e, em seguida, foi-se embora. Acendemos fogo, imediatamente, com algumas achas de lenha, que ali encontramos; assamos o peixe e fizemos uma sopa de ovos de tartaruga, que comemos com farinha. Armei a rede, deitando-me logo nela, e meu companheiro estendeu-se no solo, ao lado do fogo. Em seguida, dormi muito bem; e, durante a noite, nem sequer sonhei com as horríveis serpentes ou os terríveis jaguares. No dia seguinte, cedo ainda, procurei o comissário, pois o velho, que eu havia visto na véspera, era simplesmente um capitão. Encontrei-o em casa. O comissário era um índio que sabia ler e escrever; não diferia, entretanto, a qualquer outro respeito, dos outros índios do lugar. Os seus trajes eram apenas uma camisa e umas calças muito curtas; não estava calçado, nem de botina nem de botas. Informei-o logo dos motivos que ali me levavam e mostrei-lhe os meus passaportes brasileiros. Nessa oportunidade, pedi-lhe a casa do convento (uma casa que os padres outrora ocupavam, mas agora só servia para o alojamento temporário dos viajantes, que por ali passam). Após alguns momentos de hesitação, ele me entregou, afinal, a chave, e eu, dando-lhe, em seguida, “boa-tarde”, fui então tomar posse da casa.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro

319

Por volta do meio-dia, os índios, quase na véspera haviam partido comigo de Pimichim, chegaram ali. Ficaram de pouso na estrada, receosos, como estavam, da escuridão da noite. Mandei logo varrer a casa, e para lá transportei e acomodei todas as minhas bagagens. A casa tinha dois cômodos e uma pequena varanda, que ficava na parte dos fundos. No quarto maior, havia uma mesa, uma cadeira e um banco, e no menor, que estava vazio, armei a minha rede. Os meus carregadores também chegaram daí a pouco, e vieram logo receber o pagamento pelo transporte de minhas bagagens. Todos queriam receber sal; e, assim sendo, dei a cada um um prato de sal e alguns anzóis pelo transporte de pesada carga, num trajeto de dez milhas. Este é mais ou menos o costume de se lhes fazer o pagamento. Ali, atingiria eu ao ponto mais remoto na direção que desejava alcançar. Havia deixado os limites do vale do poderoso Amazonas e estava agora entrando nas cabeceiras de outros rios, cujas águas vão engrossar outro dos maiores cursos de água do globo – o Orenoco. Uma grande falta, que se fazia sentir em todas as outras partes da bacia do Amazonas, que eu havia percorrido, é suprida aqui: uma estrada através da floresta virgem, pela qual se tornam mais facilmente acessíveis os seus mais sombrios recessos, e, assim, mais seguramente poderia eu obter os curiosos insetos de tão remota região, bem como pássaros e outros animais que nela habitam. Eu estava resolvido a permanecer ali, no mínimo, um mês, firmemente decidido a trabalhar. Diariamente saía para esse propósito, percorrendo longos trechos da estrada. Dos índios, mandava eu alguns pescar no pequeno rio Temi, e outros, com as suas gravatanas, caçar as bonitas garças e mais outras aves, e bem assim os macacos e outros curiosos animais da mata virgem.

raramente chovendo durante toda essa quadra. pela manhã. no mínimo. ou estação chuvosa. além de uma considerável coleção de insetos de outras ordens. Javita havia gozado do mais esplêndido tempo do verão. dia e noite. que havíamos de ter bom tempo outra vez. Continuou a chover copiosamente. A umidade da atmosfera tornou. Isso. Três meses antes. Não obstante tudo isso. extremamente difícil e penosa a secagem e conservação das capturas que podíamos fazer. que o rio haveria de baixar. . acumular um considerável número de espécies. Estou certo de que. consegui. Ninguém ali me avisara que as estações. com perseverança. diferem tanto. em tão curtas distâncias. e uns poucos de raios solares. Javita deve ser uma ótima localidade para qualquer entomologista perseverante. que ainda não havia encontrado no baixo Amazonas e no rio Negro. no chuvoso rincão do rio Negro. eram muito mais raros do que dantes. Durante o tempo de minha permanência ali (40 dias). O inverno. seguiu-se tempo nublado e pluvioso. Eu havia desperdiçado todo esse bom tempo. não se deu. não tive boa sorte para isso pois que. e a conseqüência disso foi que cheguei a Javita justamente quando o verão estava acabando. Os insetos. O rio começou a subir rapidamente. desandou a chover: e. constituíam tudo com que éramos favorecidos. que me havia de ser tão favorável. consegui. e o meu maior prazer era que. na mesma noite em que alcancei a aldeia. contudo. com um céu claro. por sua vez.320 Alfred Russel Wallace Contudo. começou cedo este ano. que eram inteiramente desconhecidas para mim. conseqüentemente. Os índios constantemente me asseguravam: que era cedo ainda para o começo das chuvas do tempo. capturar 40 espécies de borboletas. e que o atual inverno não havia de durar mais de duas ou três semanas. dia após dia. quase diariamente. na estação seca. capturava algumas espécies novas.

Em alguns trechos da estrada. para importunar-nos. eu chegava a encontrá-las às dúzias. que eu logo pelei e empalhei. e quase sempre se encontrava numa espécie nova. provocavam-nos desagradabilíssima irritação. etc. trogônidas e serpentes. pois os índios já estavam com muita pressa para voltar e. de uma espécie rara e curiosa. Desta sorte. Os índios é que muito se divertiram com isso. tive ocasião de ver alguns agoutis (cutias). aos milhões. tornaram-se muito indolentes e não queriam mais sair para caçá-los. antes de escurecer. obtive também muitas espécies novas. poderia capturar uma dúzia ou vinte por dia. eu ficava exposto à vontade da praga dos mosquitos. apareciam ali. porquanto os meus índios saíam diariamente para pescar a fim de fazer a nossa provisão de boca. trouxeram-me um pequeno jacaré. em densas nuvens. Das espécies menores. Mospho Helenor. À tarde. via-me obrigado. Picando-nos o rosto. Nos meus passeios pela floresta. cheguei a formar uma boa coleção. nunca vi em tamanha abundância as enormes borboletas de asas azuis. geralmente. Morpho Menelaus. se eu quisesse. tendo numerosas escamas e uns tubérculos cônicos (Caiman gibbus). Um dia. Facilmente. pois uns seis deles assistiram atentamente à operação. a fazer logo os desenhos. para aproveitar a claridade do dia. . muitos macacos. todas as tardes. as orelhas e as mãos. De peixes.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 321 Como ali. Era com a maior dificuldade que eu desenhava ali. pousadas no solo ou nos ramos. tinha eu sempre alguns espécimens para desenhar e descrever. Quanto aos pássaros e mamíferos. eu não podia fazer muito. os quais. coatis. e. além disso. que eu conservava em álcool. ao lado do caminho. pois geralmente voltava às 3 ou 4 horas da tarde de minhas explorações pela floresta.

minhas mãos ficavam tão empoladas e tão vermelhas. banhando-as mais tarde em água fria. não puderam acompanhá-los. A aldeia de Javita é algum tanto espalhada. e. Os meus índios. eu era obrigado. com a maior facilidade. em cada estacionamento. que lhes pendem de varas colocadas sobre os ombros. quando da primeira vez saíram com os javitanos. e. chegam a fazer por dia duas viagens. a largar precipitadamente o lápis e a sacudir as mãos ao ar frio. O sol ia baixando rapidamente. algumas vezes dois deles juntos. Por vezes. ao longo da “estrada de Javita”. para descansar. porém. a parar no meio do caminho. inchando muito depois. A principal ocupação daqueles índios é cortar piaçaba nas florestas das proximidades. com menos fadiga de que qualquer outro homem não acostumado a este trabalho e fazendo uma viagem somente. transportando pesadas cargas. conforme relatei. em que me achava sentado. para a manufatura de cordas e de cabos. estando nisso muito práticos e bem acostumados. Ali não vi um branco. sendo todos índios de puro sangue. como uma lagosta cozida. .322 Alfred Russel Wallace Muitas vezes. até que pudesse concluí-la. Eles se encarregam também de fazer todos os carretos de mercadorias. e foram obrigados. após meia hora de repouso. ainda são elas bem mais preferíveis às dos piuns ou às das mutucas. elas. param somente duas vezes por alguns minutos apenas. todas as suas ruas muito bem dispostas e muito bem traçadas. Passam por sobre estreitas pinguelas. um mulato ou mestiço. partindo de Pimichim. levantando-me bruscamente da cadeira. Contudo. voltavam ao estado natural. desde meninos. dez milhas de cada vez. Era assim que eu podia obter um pouco de sossego. e eu tinha de voltar logo para a minha tarefa. Os de Javita vão ao longo da estrada numa espécie de trote. No que diz respeito às picadas desses insetos. A sua população é de cerca de 200 habitantes. sendo. cujos efeitos sentimos por muitos dias.

os homens saem de novo da aldeia. são dali arrastados por uns vinte ou trinta homens. A aldeia toda.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 323 Além desses serviços. a uma regular distância do local. Distribuem-se grupos. isto é. para fazer novas pontes ou consertar as que já se acham estragadas. removendo todas as folhas mortas e gravetos. As mulheres mais idosas. executam essa tarefa com muita facilidade e muito satisfatoriamente em dois dias. bastante pesado e penoso. . de enormes troncos. por essa maneira. limpar a metade do trecho de estrada. ou que se acham caídas sobre o leito da estrada. ao lado do caminho. Em seguida. Tal serviço é. esquadrejados e aplainados. e bem assim os arbustos e relvas. não é lá uma bagatela. Entretanto. Os homens abatem e cortam todas as árvores pendidas. têm que ser abatidas. que crescem ao longo e ao lado do caminho. em numerosos grupos. até ao local onde vão ser empregados. e os últimos uns feixes de varas. os primeiros carregando machados e foices. varrem cuidadosamente. estes últimos colocados por baixo dos troncos. de compridas varas e alguns tocos. vão todos. que servem de vassouras. na verdade. no topo e no pé. que lhes toca. cortando-lhes todos os galhos. todos os seus homens. mulheres e crianças saem para fazer esse serviço. duas vezes por ano. como roletes. e vão assim trabalhando. Pouco depois desse serviço. as moças e os rapazes arredam para fora do caminho todos os ramos cortados. de distância em distância. os troncos são lavrados a machados. até alcançar uns aos outros. até que fique tudo completamente desimpedido e perfeitamente limpo. Com o auxílio de cordas de cipós. Altas árvores. e que vai da aldeia até ao local onde existe ereto um cruzeiro. Em seguida. com as vassouras de varas aquele cisco. Tive ocasião de assistir a um desses trabalhos. Limpar uma estrada de cinco milhas de extensão. quando ainda me encontrava ali.

A aldeia é esmeradamente tratada. que servem sob as ordens do comissário. passando-a sobre o ombro esquerdo. . andam completamente nus. de se reunirem. de manhã e à tarde. mas o nosso “stock”de assuntos logo. na igreja. de tecido de algodão. com a maior alegria e bom humor. Nos domingos e dias de festa. os moços e as moças.324 Alfred Russel Wallace Em seguida. quando no trabalho. eu tratava uma ligeira palestra com o comissário. que é aplainada a machado. Eu quase não tinha com quem conversar. usam somente uma “tanga”. Ali existe o mesmo costume que em São-Carlos. mas deixando o braço direito completamente livre. e a estrada assim fica em completa e perfeita ordem. oito ou dez dessas pontes se fazem em poucos dias. Para isso. Além disso. o povo todo é convocado pelos “capitães”. As mulheres cobrem-se habitualmente com uma larga manta. fora daí. funcionários ou oficiais executivos. logo se exauria. sem qualquer espécie de pagamento pelo serviço mesmo e sem o próprio sustento dos índios. lavrando-se apenas a superfície superior. para cantar hinos religiosos. conserva-se sempre limpa e livre de matagais. são dispostos em lugar adequado para a travessia dos brejos e dos córregos. Faz-se semanalmente uma capina regular. Os homens de Javita. as mulheres trajam então uma espécie de túnica. Lá uma vez ou outra. ficando firmemente assentados e escorados. não tinha comigo livro algum. Esta manta cai frouxamente sobre o corpo. que enrolam sobre o corpo. para trazê-la constantemente limpa. Por essa maneira. E tudo isso se faz de boa vontade. e. Esses trabalhos são feitos por ordem do comissário-geral de São-Fernando. As tardes que passei ali eram muito monótonas e enfadonhas. para tornar mais segura a passagem.

Alguns deles. faz-se grande quantidade de xirac (o caxiri dos brasileiros). julgam que não podem dançar bem. A língua falada por aquela gente é chamada maniva ou baniva. os ornam de flores. em seu “Glossário paraense”. Os mais jovens. fala-se outra língua completamente diferente. 100 Sobre o caxiri. Acabado o xirac. . chegam a fazer tão grande quantidade de tal bebida. ou. pois. 230-231 e 261-262) dá as formas bare. maniva. então. Às vezes. em Tomo e Maroa. que antigamente moravam no convento. baniwa e barré. 113. principalmente os meninos e as meninas. porquanto. mas chamada também de baniva. no qual colocam fitas de cores vistosas. ao que parece. entretanto. têm perdido a cor local. cada aldeia tem a sua língua própria. o grupo folgozão logo se debanda. admitindo. comparecem esmeradamente vestidas. monótonas e características. a esse respeito. toleravelmente. Há ali um regular e variado número de danças. Martius (“Glossaria”. Nessas ocasiões. baniba. em São-Carlos. tendo aprendido esse idioma com os padres. sem essa bebida. as quais são acompanhadas de estranhas figurações e contorções do corpo. págs. Os homens e mulheres mais antigos da aldeia falam espanhol. As moças. compreendem um pouco do espanhol. a língua falada é a baré. porém. os rapazes e as moças. pude observar apenas alguns traços. que as danças podem. ao que parece. porém difere muito do baniva do rio Negro. um pouco mais para baixo. entretanto. fui assistir às suas festas. durar dois ou três dias. veja-se o que diz Chermont de Miranda. a de baniva para o vocabulário dos índios do rio Içana. geralmente. pág. então.101 Assim.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 325 Por uma ou duas vezes. Os seus números de danças têm um cunho perfeitamente nacional. e falam somente a língua nativa. com o seu cabelo cuidadosamente penteado e muito lustroso. não tiveram essa vantagem. 101 O autor grafa maniva. não sendo tão áspera e tão gutural quanto esta última.100 Todos bebem bastante e ficam muito alegres.

pois que assim eles poderiam compreender pouco. que ali são chamados racionales (“racionais”). para formar o rio Negro. numa linguagem mista. de uns monótonos versos soltos. misturados todos os seus engolfantes afluentes. do melhor alvitre fazer uso somente do espanhol. rio-rei. em 1853. empreguei o tempo de que dispunha escrevendo. E. ocultos e encobertos pelas sombrias e eternas selvas. Apertados e em estreitos leitos. que bem demonstram as minhas idéias e o meu estado de alma. Tal descrição não passa. porém melhor do que com um grande esforço de explicações. naquela ocasião. Que vão. tendo feito então uma descrição da aldeia e dos costumes dos seus habitantes. . e isso não está de inteiro acordo com os meus pontos de vista.326 Alfred Russel Wallace Lutei com grande dificuldade. Transcrevo-os aqui. afinal de contas. Em algumas das tardes tristes e enfadonhas que passei ali. podiam compreender muito bem a minha mistura de português e de espanhol. aumentando de volume. Outros. – Uns. de mistura com outra língua. para acrescer as ondas do túrbido Orenoco. Lá. para me fazer compreendido. por isso. Os homens brancos. entretanto. propriamente. quando os passei a limpo em Londres. rio-mar. não compreendiam os desvios do meu modo de falar. DESCRIÇÃO DE JAVITA Lá. Orgulhosamente vai ele. em lugar de um assunto mais sério e de mais profunda divagação. então dar batalha ao próprio oceano. num estado de verdadeira indignação contra a vida civilizada em geral. sim. e transmito-os tais quais os escrevi. os índios. nascem e correm os córregos. de maior curso. conhecendo pouco o espanhol. o que subiu de ponto em conseqüência da monotonia da minha situação ali. que vai desaguar No majestoso amazonas. onde. onde as águas se separam e vão formar os afluentes De dois dos mais poderosos rios do nosso globo. que eu agora provavelmente haveria de tomar. O rio. Julguei. todo semeado de ilhotas. a pouco e pouco.

Conjuntamente com inúmeras e desconhecidas árvores. Ali no dia seguinte. ao ver aquele agradável espetáculo. e pele vermelha. estira-se a sombria floresta. dirigidos pelos filhos de Castela. Ostentando a sua variadíssima e linda folhagem. E lá se vão para o trabalho. em tão remotas paragens. Como elas se parecem. sem nenhum aperto. De bonitas e bem arranjadas tranças. De um lado. ar puro. todos bem trajados se reúnem de novo. semi-selvagens. com muito gosto. na véspera de festas. semicivilizados. bem mais encantadoras são. um único homem branco. Em torno. De cabelo negro. Que eram largas calças e camisas de grosseiro algodão. com seus trajes simples. por toda parte. De outro lado. pelas suas graciosas formas. idolatrado. como lhes foi ensinado. alegres e contentes. e de cujos ombros Pendem. para pescar de arpão e anzol ou flechas. A sua aldeia e as suas casas estão sempre limpas. E também pela alimentação simples. sem faixas. por instantes. há uma aldeia indígena. A um formoso grupo de aldeãs inglesas! Todavia. Saudoso. esbeltas e majestosas palmeiras. Para varrê-la por dentro e também por fora. os quais dão tudo que a natureza pede Para modelar um corpo belo e sadio! Todos eles. Entre duas centenas. ao toque de sino. que leva uma vida simples e contente. Ou.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 327 Repelindo-o mesmo para fora dos seus domínios: Lá. Belos tipos de homens. Naquela manhã de festa. se não fora escura pele. É gente pacífica. Para orar ao seu deus. recordei-me do lar distante. seus lenços multicores. reúnem-se. Apelidadas todas por nomes estranhos a ouvidos ingleses. alinhavam-se as mulheres e as crianças. perpétua e ilimitada. Pelo seu livre crescimento. então. ajoelhavam-se o homens. . saem em canoa. banhos E exercícios diários. Erguem-se. E. porém. Ali demora. vão derrubar os gigantes das selvas. Todos. talvez. diariamente. Todos acorrem e reúnem-se em sua capelinha. de almas viventes. em derredor. Algumas têm laços de fita no cabelos.

verdes e largas folhas. É abundante ali a deliciosa laranja. cujas flexíveis e pendentes lianas Servem para prendê-los em massa firme e rija. totalmente virgem. E lá. enchendo os claros. E que têm somente nomes indígenas. Que se comem maduros e são bom alimento. arrancando raízes de mandioca. Com as fibras flexíveis das folhas de uma palmeira em leque. o caju agridoce E a mais graciosa das palmeiras. dela em torno. Suportando os enormes cachos de apetitoso fruto. Muitas outras espécies há que também estimam. nadando. naquele fértil solo. E. – Ou a grade e o ancinho não rasgaram nunca. Enquanto os homens andam entregues a essas tarefas. Cujas flores atraem lindíssimos beija-flores. se divertem. As moças. com muito trabalho. de paredes barreadas. espalhando as folhas de uma palmeira. Supremo o colmo.102 Carregam à cabeça.328 Alfred Russel Wallace Outras vezes. – Terra nutriz. do “País-de-Gales”. Assentadas e polidas com pura argila branca. por entre as casas. partem estreitas ruas. Das quais. Crescem e vicejam. em bonitos e bem-feitos cântaros. que o arado e o enxadão. . fabricam o seu pão. tais quais as raparigas câmbrias. Tudo é tirado da floresta. As casas são feitas de pau-a-pique. Encarregam-se também dos plantios. Onde todas as manhãs e todas as tardes tomam banho. Pendem vagens compridas do ingazeiro. como sereias. cujo nome latino é Câmbria. carregam-se de frutos. cestos e redes. a água de rio. Eles traçam as cordas para o fabrico de suas maqueiras. A sua aldeia é disposta com gosto. em cintilantes ondas. saem para colher os variados produtos da floresta. As bananeiras de enormes. Que as tornam impenetráveis às tormentas e chuvas do inverno. Com os quais fabricam os seus utensílios. As mulheres estão nas roças. ergue-se a capelinha. Nenhum prego ali há para prender as vigas e os caibros. com um arte simples: No meio de espaçosa praça. A goiaba suculenta. bem como a lima. 102 Isto é.

graças. então. perguntam logo pelo sal. como gritam. correm. em suas casas. por um cacho de bananas ou por uma ave. de cabeça descoberta. As crianças de menor idade andam completamente nuas. Os homens e os rapazes têm apertadas vestes de algodão. é dinheiro. E. gritam. A sua alimentação é simples: peixe e pão de mandioca. como nossos camponeses. diariamente. dançam sem a menor fadiga. horas seguidas. aqui. Por aipim. Em suas canoas. eles me trazem Bolos de mandioca. Ou como nadam e mergulham na veloz torrente! Ou. sob o sol a pino. E. eles falam muito. E a macia e lustrosa pele de um pardo-avermelhado! Dançando. um dia. bem conformados. em seus volteios. Fazem então as suas festas e também bebem muita cerveja (Cerveja feita da massa da mandioca fermentada). peixe ou bananas maduras. Com as suas gravatánas ou arco e flechas. Lá. então.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 329 Dos seus laços. Chamada por eles de xirac e por outros de caxiri. Com vários frutos e algumas caças da floresta. quando chegam. Tudo preparado com fortes. rapidamente deslizam. Porém de efeito e de sabor muito iguais aos da cerveja. Tolhidos e encerrados em roupas e botinas! . picantes e ardentes pimentas. para trocar Duas colheres das de chá por uma enorme cesta de cocos. cantam. cordas de arcos. E como giram. Pássaros ou insetos e ovos de aves ou de tartaruga. então. para matar os passarinhos. vigor e saúde. Que trazem o corpo e os pés apertados. como pulam. assim. Molho e muitos condimentos e bebidas diversas Fazem e preparam com o suco venenoso da mandioca E com mais uma luxúria estranha – que é o sal. Que os acompanham em suas monótonas e rudes cantigas. Quanto eu lastimo os rapazes ingleses. denuncia. Com os seus corpos esbeltos. Nessas ocasiões. Para a música eles têm pequenos tambores e bem-feitas gaitas. vão-se arrastando Furtivamente. para fisgar um peixe. O sal. Quanto eu me deliciava ao ver aquelas crianças nuas. ou. linhas e redes para apanhar peixes.

não matam. chamado “colete”. As grandes lutas de morte. O homem selvagem acima do civilizado. os corações empedernidos. A constante mutação de incidentes e de cenários. arruinada pelo luxo! Muito ainda lastimo as raparigas da Inglaterra. Todavia. os crimes. confinados em nossas grandes cidades. São uma raça pacífica. Enquanto apenas uns poucos é que gozam de graciosas dádivas? Pois não há por aí. E todas essas complicadas maldades e vilanias Dos homens ditos civilizados são aqui ignoradas. ao infinito. Com a cintura. ficam as frontes doloridas. É verdade que as misérias. o busto e os seus seios apertados Por aquele vil e torturante instrumento. os dedos dos pés ficam retorcidos. não penso em colocar. que os livros nos fornecem. Pobre gente enervada. Dos prazeres e conhecimentos. a digressão. Que a mente sã e bem cultivada desfruta. Fazendo-os terminar os dias na cela de um manicômio. infortúnios. . E. Ou desejar que retrogrademos e vivamos À maneira dos nossos antepassados. ao peso do chapéu.330 Alfred Russel Wallace Pelo uso do calçado. Todas essas coisas o selvagem não sabe. Mas tranqüilos podemos nós perguntar: pode a dura necessidade Forçar que essa grande felicidade deva coexistir Para sempre com a monstruosa massa de seres desgraçados? Devem muitos milhões sofrer essas misérias destruidoras. como alguns querem. não roubam. E. Os milhares de tormento que o ouro faz cair sobre nós. passam aqueles bons índios a sua vida simples. os deleites. As intensas agonias mentais e que arrastam Os homens para a sua própria destruição. Tudo isso os selvagens ignoram e não sofrem. Que nos fazem viver uma vida em cada ano. poucos crimes graves São conhecidos entre eles. antes da vinda de César. assim. as necessidades. os prazeres. tanto da natureza Como da arte. A apreciação das belezas. E daí os gozos. não goza. para obter os meios de vida. A pobreza.

de manhã até à noite. Estão só a indagar “como conseguir mais dinheiro?” Que sabem tais homens das alegrias e dos gozos intelectuais? Têm apenas uma alegria: o prazer de amontoar o ouro! Não encontram deleite nos admiráveis encantos da natureza. em pureza de intenções físicas e morais. Com a saúde no corpo e a paz na alma. quando me levantei. . A página ardente de um poeta ou de um historiador. Lá um dia. Do que os homens selvagens destas remotas regiões? Não há milhares de seres ansiosos por dinheiro. são uns tolos. Eu antes quisera ser um índio. mas sempre trabalhando na forma do costume. se ouvem falar a respeito de algum feito imortal. A única coisa de belo. e da noite à manhã. Eles não têm tempo a perder Com tais entretenimentos: “O tempo (dizem) é dinheiro. W. Ricos sem riqueza e felizes sem dinheiro! Javita. E cujos pensamentos. pela manhã. é o dinheiro. E. A. Os pensamentos dos grandes homens do passado nos livros antigos. o fogo estava apagado. E que nos fazem orgulhosos de termos tais semelhantes. Mais desprezível. Pescando.” E. Para eles não existem. assim. remando a minha canoa. Na varanda. Pois que é a vida sem o dinheiro adquirido?” De preferência a viver como um desses homens. Ou todas as maravilhas. que a ciência traz à luz. continuei mais algum tempo em Javita. não encontrei em casa nenhum dos índios que eu havia trazido. caçando. que vivem uma vida mais vil. Vendo meus filhos crescerem como as corças selvagens. Ou de uma ação que nos faça vir as lágrimas aos olhos. Eles dizem: “Os que fazem tais sacrifícios. março de 1851.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 331 Milhões de homens. e viver contente. De algum nobre sacrifício de energia ou de fortuna. paras eles. Para salvar um amigo ou uma reputação imaculada.

deixando que eu me arranjasse ali como muito bem pudesse e muito bem entendesse. E. cuja língua não entendiam. Acendi. Uns dias antes. Na verdade. Reparando melhor na casa. Assim procedendo. e seria. Tudo que lhes pertencia havia sido retirado da casa. a sua derradeira esperança. o que eles esperavam era que. entretanto. de fato. Até essa hora. panelas de barro e outros poucos objetos mais. ao que parece. forçado a voltar. verifiquei então que as suas redes. Isso. quando se acabasse o último cesto. pois. eu comprara outro cesto. nela conservando peixes e cobras. senão fugir. o fogo.332 Alfred Russel Wallace Julguei que houvessem saído para caçar ou para pescar. contudo. voar o mais depressa possível daquela terra estranha e do ainda mais estranho homem branco que empregava todo o seu tempo capturando insetos e desperdiçando boa cachaça. senão o de conformar-me com a nova situação. nem deles tivera eu a menor notícia. como era. o seu costume. eu havia já notado que andavam algum tanto desassossegados. . foi o motivo que decidiu. não mais se encontravam ali. a questão. tive logo de convencer-me de que não haviam feito outra coisa. Assim. de fato. No dia anterior ao de sua fuga. eu não pudesse adquirir nenhum mais na aldeia. pois. pois que assim viram perdido o seu último estímulo. entretanto. E foi o bastante. eles não estavam gostando de ficar no meio de gente estranha. que lhes constituíam toda a bagagem. para fazê-los sair. pois. o que realizaram durante a noite. perguntando-me seguidamente quando é que eu pretendia regressar. não tive outro remédio. por isso mesmo. consumindo grande quantidade. assim. e tratei de preparar o almoço. tendo deixado somente o que era meu. eu já havia observado também que andavam gastando farinha despropositadamente. facas. nenhum havia ainda aparecido. Nos últimos dias de sua estada.

e. “por amor de Dios”. fui até a choupana de um índio velho. O café. contudo. Eu não podia passar sem ele. tive. para apanhar e carregar água do rio e trazer-me também alguns feixes de lenha. tendo ainda muito pão de mandioca e bananas. já estava quase acabado. o qual sabia falar um pouco de espanhol. Arranjei. queijo. então. já se viam alguns grãos maduros. para me arranjar um pouco de café de sua pequenina lavoura. Ao chegar à aldeia. pu-la na algibeira e internei-me na floresta. dentro de um ou dois dias. Cerca das 10 horas. À tarde. insinuando. alguns meninos. O velho prometeu-me que ordenaria a sua filha que disso cuidasse logo-logo. assim. de lá só tendo voltado às 4 horas da tarde. onde passei o dia. Ao explicar-lhes as circunstâncias a que fui obrigado a sujeitar-me. Em vista disso. tive a sorte de comprar um excelente queijo venezuelano e alguma carne-seca. . quando me viram a cuidar do fogo e preparar o meu jantar. a grata satisfação de constatar que o café havia sido arranjado. poderia demorar-me mais algum tempo ainda ali e passando muito bem. depois de ter arrumado a casa. eu ia passando muito bem. recebi algumas de minhas costumárias visitas de índios. Desta sorte. E. Pouco tempo antes. pedi-lhe. logo disseram que os meus índios eram “mala gente”. ao mesmo tempo. E eu dificilmente toleraria a sua falta. fechei-a à chave (chave feita de madeira.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 333 Pegando a rede de apanhar inseto. Isso foi de manhã. tendo café. bananas assadas e pão de mandioca. Nos seus cafeeiros. Não deixaram de ficar algum tanto surpresos. então. por um índio). então. eu não teria mais nenhum. dirigi-me à floresta. que chegaram de improviso. e. pouco depois da saída do sol. que eles próprios nunca os julgaram de forma melhor.

Como eu pretendesse demorar mais uns quinze dias ainda na aldeia. chovia copiosa e incessantemente. e tem bonitas praias de areia. o qual entra no Orenoco. lavado. Meia hora depois. Mas (coisa incrível de dizer!) nenhuma delas quis aventurar-se a isso. posto ao sol para secar (a parte mais demorada da tarefa). bem como de alguns outros índios mais. entre esse rio e o Guaviare está o término da grande floresta do vale do Amazonas. Nas aldeias do rio Negro. a qualquer momento que desejasse. de que já havia subido o rio Muco. que descem das montanhas para o Orenoco. Informou-me. vindo de Medina. em frente a Medina. povoação que fica ao pé dos Andes. poderia eu. Havia chegado à aldeia um velho negociante índio. e. de manhã até à noite. uma região de campos abertos. como eu ainda nunca havia bebido.334 Alfred Russel Wallace Ele fora colhido. O tempo agora já não estava mais tão chuvoso. socado num pilão. Entretanto. Por seu intermédio. Dias antes. Algumas poucas horas de sol eram mesmo uma raridade. Assim sendo. O rio Muco não tem empecilhos para a sua navegação. pude saborear uma xícara de deliciosíssimo café. entendi que poderia persuadir alguma rapariga dali a fazer-me os serviços de cozinha. . principalmente no que diz respeito aos rios. Os insetos eram poucos e difíceis de capturar. descascado. eu me vi obrigado a cozinhar para mim mesmo e a ser o meu próprio criado para todo o resto do tempo de minha permanência em Javita. torrado. acima das cachoeiras de Maipures. e pelo mesmo havia atingido a um ponto situado 20 milhas para além das cachoeiras do rio Meta. Esse rio banha. em toda parte do seu curso. obtive interessantes informações relativas àquela região. por aquele único motivo. perto de Bogotá. arranjar logo meia dúzia delas. em seguida.

para receberem algum calor solar. eu encontrava. umas pequenas moscas neles pousariam e. Comecei agora a lamentar deveras. Todas as tardes. os destruiriam logo. seriam destruídos pelo mofo. pareciam ser muitíssimo abundantes aqui. feito mais. teria. era dependurá-los durante algum tempo. geralmente tão raros nos rincões florestais do Amazonas e do rio Negro. poderia ajuntar uma delicada e interessante coleção dessa classe de insetos. dando-lhes um anzol em troca de cada escaravelho. . Se eu houvesse chegado mais cedo. muitíssimo satisfeito pelo que conseguira. O único meio pelo qual eu podia obter algum resultado. traziam-me eles três ou quatro besouros. Eu recompensava a todos. assim. Se eu os secasse nas caixas. dentre os muitos insetos trazidos. não me era quase possível conservá-los. que eu conseguia apanhar. Tendo em conta os rigores da estação chuvosa. na verdade. Isso talvez seja devido à aproximação das divisas da gigantesca floresta amazônica com os plantios do Orenoco. algumas espécies curiosas e raras. agora é que os índios começaram a capturar os escaravelhos. Com muito pesar. pois. Estou cada vez mais convencido de que poderia ter aqui conseguido uma esplêndida coleção. se eu os deixasse expostos ao ar. sobre o fogo. e eu. todas as manhãs e todas as tardes. com os seus inúmeros ovos e larvas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 335 Mesmo esses poucos. e mais do que nunca. E. Esses coleópteros. quase sempre. a perda da estação seca. Entravam em minha choupana com os seus tesouros em gomos de bambu ou cuidadosamente envolvidos em folhas. mesmo assim eu havia feito bastante. e. comecei os preparativos para deixar a aldeia de Javita. Demais disso. e estava. por isso mesmo.

ainda não explorada devidamente. Desta sorte. estavam naquela ocasião reparando os trechos de estrada. via Angustura. E. colares e tecidos ordinários de algodão. poderia ser-me útil. Poder-se-á alcançá-la facilmente pelas Índias Ocidentais. serão o suficiente para cobrir todas as despesas. como todas as minhas coleções se perderam na minha viagem de volta para casa. pois que haveria de tornar mais agradável e mais distraída a minha permanência entre os selvagens. sendo que quatro deles deveriam acompanhar-me até lá. que é quando termina a dita estação. se aprontavam para voltar. e eu. tendo já concluído os seus serviços. são muitíssimo abundantes ali. durante a permanência de uns seis meses naquela região. Uma libra de anzóis e umas cinco de sal. e. em tal expedição. para fazermos uma excursão ao inexplorado Uaupés. por sua vez. Só os insetos compensarão bem os esforços de quem quer que assim fizer. caso houvesse de ficar só. O comissário índio dali havia dado ordem para que uns seis homens levassem todas as minhas bagagens para Tomo. deixei Javita. sem outra pessoa civilizada. que lhes tocam. e isso havia sido marcado para o mês de abril.336 Alfred Russel Wallace Eu havia combinado com o Sr. poderá gozar integralmente dos benefícios da estação. L. onde ainda se encontram muitas espécies novas e muito curiosas. O viajante deverá chegar ali em setembro. . No dia 31 de março. A sua companhia. não ficaria tão entediado. acima. quero ainda dizer algo a respeito de Javita. muito a meu pesar. terão ainda todas as vantagens da novidade. a qual recomendo aos naturalistas que desejarem encontrar uma boa localidade na América do Sul. e poderá permanecer até março. Tomo e Maroa. na sua quadra mais favorável. assim. entretanto. Os índios de São-Carlos. Os peixes. Antes de prosseguir a narrativa. e dali seguir pelos cursos do Orenoco e Atabapo. pois é quando tem começo a seca. morim.

que me foram trazidos cuidadosamente.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 337 Em vista disso. verifiquei que o rio apresentava um aspecto muitíssimo diferente do que eu havia observado quando por ali passara. alguns de1es combinaram seguir em minha companhia. Todavia. As águas estavam quase cobrindo o rancho. fiz o levantamento de umas trinta curvas. O rio estava bastante crescido. encontraram na floresta muitos escaravelhos-arlequins (Acrocinus longimanus). o que tornou quase impossível que pudéssemos olhar a frente. quando ainda nos seus serviços. a fim de levarem minha canoa para Pimichim. antes do tempo melhorar. ali chegando. A troco de cada um desses insetos. haveria de alugar outra canoa. dei-lhes cinco anzóis. eu havia mandado dois deles até Tomo. onde eu estivera instalado. Em seu lugar. Antes de meus homens fugirem. de sorte que assim se poderia transportá-la com mais facilidade. haviam trazido uma canoa pertencente a Antônio Dias. que havia passado pouco antes por Javita a caminho de São-Fernando. Descemos rapidamente pelo pequeno rio. que eu trazia. guardados em folhas. estavam todas inundadas. As suas margens. Vimos agora melhor o extraordinário número de voltas que ele faz. . Com a bússola e o compasso. quando houvesse de regressar. motivo por que eu pude assim dispensar de tal encargo os javitanos. baixou a noite. caindo-nos esta diretamente sobre o rosto. agora. Tais índios. Chegando a Pimichim. Desse modo. situado em local muito alto e para cima da margem rochosa. Entrementes sobreveio uma tremenda tempestade de vento e chuva. E. o qual. ficava distante do barranco do rio umas 40 jardas. eu não a encontrei. naquela ocasião.

por ele atravessada. Fiz vários passeios pelo campo. de volta. ou. Numa dessas excursões. antes para um rancho pouco melhor do que os que comumente se vêem por aqui. fizemos fogo e passamos regularmente a noite. tendo ocasião de chegar até a serra. de pequeno porte e da espécie que tem preta a plumagem da cabeça e a do corpo um lindo verde. Ali chegando. durante alguns dias. mandei chamar o Sr. muito parecida com a do rio Cobati. o levantamento das curvas e dobras do rio Pimichim ficará na obscuridade. Antônio Dias. sem a ter visto. Era noite. O bico é amarelo. fui forçado a esperar pelo regresso. a que fiz referência anteriormente. aljavas. e estas já haviam atingido a uns dois pés no casco. gravatanas. Domingos. o qual subi. em minha companhia. e com ele fiz um pequeno negócio. que. coberto de vegetação rala e baixa. E. muito vivo. arbustiva. naquela ocasião. quando alcançamos Maroa. alguns anzóis e morim. não encontrei o Sr. Na manhã seguinte. Assim. instalando-nos ali. Comprei um lote de cestos indígenas. dando-lhe. tendo-me divertido muito com a minha espingarda. A região. e penas de cor carmim nas asas. Quase íamos passando para baixo da aldeia. para colher amostras da rocha que o caracteriza. Fomos para “a casa da nação”. parece um trato de terreno plano e arenoso. porquanto ele me havia prometido mandar alguns de seus homens para Guia. segui para Tomo. Carlos Bueno (Carlos Bom).338 Alfred Russel Wallace Desta sorte. carcazes e veneno curari. se achava superintendendo o acabamento do grande navio. um índio “dandy” que ali desempenha as funções de comissário. Fiquei em casa do Sr. consegui matar um lindo papagaio. . que havia partido para São-Carlos. Após ter almoçado em sua companhia. Tal embarcação deveria ser lançada no rio com as águas altas.

principalmente. Estavam trajados de camisas e calças. à guisa de mantos. Como era de esperar. os índios fizeram uma festa. assim juntas como estavam. o seu aspecto tornava-se verdadeiramente singular e feroz. à banda. Sobre os ombros. A principal particularidade das danças é que os índios estavam trajados de vestes civilizadas de mistura com seus característicos ornatos indígenas. O Sr. dançando. Ela aproveitava-se de toda e qualquer oportunidade para maltratá-las. Antônio Dias estava custando a voltar. muito limpas. Antes que ele regressasse. A mulher mais velha. ocorreu no seu círculo doméstico um escândalo.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 339 Estas aves encontram-se somente nesta zona. Enquanto estive na aldeia. talvez mesmo em conseqüência da sua prolongada demora. Para esse fim. Para complemento. As danças duraram mais de trinta horas. tinha demasiado ciúme das outras raparigas índias. O efeito assim era realmente o mais extraordinário possível. flechas. tantas mulheres. do grupo dos que não são elétricos. de uma cor muito alva e também listradas. prepararam grande quantidade de “xirac”. dependuravam ainda as suas redes. . além desses trajos. Outros empunhavam lanças. de maneira muitíssimo original e ao mesmo tempo muito extravagante. todos tinham ainda os rostos pintados. Aos clarões do luar. estavam ornados de colares de contas e de plumas de variadas cores. Todos. entretanto. dentre os quais se destacavam duas espécies bem desenvolvidas de Gymnotus. não poderiam viver bem ali. e quase todos davam fortes pancadas no solo. Desenhei também alguns curiosos peixes. contudo. arcos e varapaus ornados de penas.

Isso foi. a qual lhe foi passada em volta do corpo. A maneira. é algum tanto singular. Para esse propósito. não obtiveram melhor resultado. se por acaso ele chegasse antes dela tornar a voltar. A rapariga fugira durante a noite. ficou estendido de costas no solo. ali na aldeia. todavia. logo após.340 Alfred Russel Wallace E. mandou retirar da capela a imagem de Santo Antônio de Tomo. Em conseqüência disso. . de maneira tão não muito delicada. um inesperado dénouement. Este santo. que causou um verdadeiro alvoroço. segundo se acredita. aumentando ainda mais os seus maus tratos. Domingos. para isso. tem o poder especial de fazer descobrir todas as coisas desaparecidas. Enviaram. Mesmo com o tempo nessas condições. que então reinava. de assegurar-se a sua influência. levando em seus braços uma criança de um ano apenas de idade. – procurou então desforrar-se. E. ainda um recurso: era o de apelar para os santos. a fim de obter a sua libertação. agora. uma das raparigas fugira. pela mesma forma. havia de fazer com que a ovelha desgarrada tornasse a voltar ao seu rebanho. e. durante a ausência do chefe – assim presumo. O Sr. que. para melhor vingar-se. mensageiros à sua procura. Restava. A fugitiva era uma das prediletas do Sr. A noite estava escuríssima e tempestuosa. em seguida. porém. seria certo que ele haveria de mostrar. não pôde ela ser encontrada. Antônio. fortemente atada. Acreditava aquela gente que o santo. o seu descontentamento. Sob o temporal. não obstante estas providências. isso não haveria de ser obstáculo para uma índia. o pobre santo fora amarrado com uma corda. apressadamente e muito aflitas. porém. saíram também em sua procura a mulher mais velha e sua filha.

de regresso de sua viagem. colares. segundo estou inclinado a pensar. a qual difere da das aldeias abaixo e acima. Antônio estava precisando. os quais ainda trouxeram uma pequena canoa. entretanto. assim. E assim se passaram ainda dois dias. Fizeram-se ainda outras pesquisas. e machados. De dia. subindo o rio. No trajeto da viagem. de que já fiz alusão anteriormente. ali chegou o próprio Sr. canivete. o qual. sem resultado algum.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 341 Assim estava sendo tratado o infortunado Santo Antônio de Tomo. porém que aqui valem cerca de dois shillings). assim. onde ficara aguardando a passagem do Sr. assim permaneceu estendido no solo. trabalhadas em penas de aves. na Inglaterra. Contratei cinco índios para acompanhar-me na viagem. rodando ao sabor da correnteza. ainda ganhou. a noite toda. E. E. quando. Decerto. de que o Sr. foi ela própria a primeira a contar a sua história. Esta havia-se escondido em um sítio. comprei duas lindas guarnições. não valerão mais do que dois pence a jarda. em dólares de prata. pouco distante da aldeia. Antônio. quando este por ali passou. na qual deveriam regressar e levar mercadorias. consegui dos índios de Tomo um vocabulário da sua língua. viajando favoravelmente. Antes de deixar Tomo. Antônio. sabão. à noite. trazendo em sua companhia a fugitiva. grossa pancadaria também. remávamos. O santo estava obstinado e nenhuma notícia se soube a respeito da fugitiva. alcançamos Marabitanas. Antes de partir. descíamos. afinal. havíamos pago os seus salários com tecidos ordinários de morim e algodão (os quais. além de umas pesadas descomposturas. o resto do harém. mas também sem resultado algum. tudo isso na mesma proporção. com três dias apenas. e. distância essa em que havíamos gasto nove dias. tão ignominiosamente. ao qual se juntou. . pagando por esses trabalhos três libras.

e poucos eram os pássaros que valessem a pena matar. continua a festa durante dois ou três dias mais. Tal bebida é obtida pela destilação da cana-de-açúcar e da mandioca. Os habitantes de Marabitanas são célebres pelas festas que fazem. todos bebendo aquele álcool. E. por essa forma. Não havia caminhos na floresta. quatro pessoas ficam constantemente andando em redor da sala. . Ninguém recusa beber. bebem cachaça pura. obtive apenas um bonito espécimen. deveis. Obtive alguns curiosos animais. De pássaros. os índios esvaziam um cálice. uma vez por ano. assim. pouco pude fazer. passam a noite toda. e ali aparece em bandos. Passam a vida gastando a metade do tempo com tais festas e a outra metade em prepará-las. E. Em todas as casas. para aumentar as minhas coleções. em seguida. Durante esse tempo. De um gole. Além disso. com uma garrafa e um cálice na mão. contudo. ficando em casa do comandante. em grande quantidade. beber uma série deles. já antes me havia convidado em Guia. consumiu-se um enorme barril. Numa dessas festas. Nessas condições. que se realizou quando eu ainda me encontrava ali. que têm o corpo cheio de compridos espinhos flutuantes. Este pássaro tem o nome de ciuci-uera (“pássaro estrela”). para esse propósito. E. de uma espécie que tem umas manchas brancas nas penas. quando esteve ali. onde se realizam as danças. desde o momento em que aceitais um cálice. os insetos eram raros. aliada aos estorninhos.342 Alfred Russel Wallace Ali demorei uma semana. que.

Nós não poderíamos partir dali. são dados em promessa a um determinado santo. vários donativos para a festa: um dá uma galinha. que me tratou com a maior bondade e a mais cativante hospitalidade. outro. quando eu ia comprar algumas provisões de que estava precisando. um grupo de 10 ou 12 habitantes sai em uma canoa. era provável que ela demorasse ainda mais de um mês em viagem. bandeiras e alguns instrumentos musicais. Ela já deveria estar de volta. dali a 50 milhas e até a 300 milhas. como era manejada por índios que não tinham o menor interesse em voltar mais depressa. foi que sucedeu. na verdade. fui obrigado a demorar longo tempo. a fim de partirmos para o rio Uaupés. ainda vivos. aonde aportam. algum dinheiro. alguns ovos. Sucedia muitas vezes. e Guia é uma localidade muito pobre. então. percorrendo os arredores e parando em todos os sítios e aldeamentos indígenas. . e isso por causa de uma canoa. e fazem-se. situados. prossegui viagem para Guia. mas. A estação estava muito chuvosa. e para tal propósito. ter respostas como esta: “Aquele leitão é de São João”. alguns animais. Em todas as casas. outro. pude fazer muito pouco. são muito bem recebidos. L. aonde cheguei em fins de abril. o Sr. Durante todo esse tempo. já pronto. e outro. E. entretanto. Tenente Antônio Felisberto Correia de Araújo. beija-se a imagem.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 343 Cerca de quinze dias antes de cada festa – a qual sempre se realiza por ocasião de um dia santo da Igreja Católica Romana –. Nessas ocasiões. um cacho de bananas. às vezes. ou “Aquelas galinhas são do Divino Espírito-Santo. Nessas excursões conduzem a imagem do santo. Os peixes constituíam o meu principal recurso. Com antecedência. assim.” Despedindo-me do comandante. enquanto tal canoa não voltasse. que tinha sido enviada até Barra e ainda não havia regressado. pois que ela só chegou em fins de maio. Ali chegando. e onde esperara encontrar o Sr.

Por essa maneira. . tinha eu quase sempre espécies novas. sendo o Brasil o país mais rico do mundo em peixes de água doce. O Amazonas. Estou plenamente convencido de que o número das espécies. assim. principalmente nas suas mais altas cabeceiras. Os rios europeus contam apenas 150 espécies. E. deverá ser imenso. tem a maior parte dos peixes que lhe são peculiares. só o Amazonas conta cerca de 2. L. consegui obter muitas espécies desconhecidas.344 Alfred Russel Wallace O Sr. entretanto. deve atingir a 500 ou 600. mandava um pescador diariamente sair. tendo. os que ainda não houvesse visto. o número de espécies distintas dos peixes. E outras espécies desconhecidas ainda ocorriam tão abundantemente. como se fossem de outra localidade. mais do que nunca. E ali.103 103 Segundo as nossas estatísticas. Desta sorte. até aqui. fiquei de fato impressionadíssimo com a extraordinária variedade e abundância de peixes que habitam estes rios. que habitam toda a bacia do Amazonas.000 espécies. Eu já havia. dentre os pescadores. figurado e descrito 160 espécies. somente do rio Negro e de seus tributários. para que eu escolhesse e colecionasse. que me eram trazidas. além dessas. visto muitas outras. somente do rio Negro. especialmente para pescar e a fim de termos a necessária provisão de peixes.

colares. . canivetes. . . a ambicionada canoa. cestos e ou- A FINAL. . . L. . . . com os quais ora íamos estreitar relações. . . . chegou. . O Sr. insetos. . e imediatamente começamos os preparativos para a nossa viagem. em nossa excursão. . Anzóis. peixes. desejava comprar farinha e salsaparrilha. pássaros e toda sorte de arcos. . porque correspondiam bem aos gostos dos adquirentes. . . .Sumário . . e eu. há longo tempo es- . zarabatanas. Capítulo X Subindo. . foram logo separados para os levarmos. . . . . pela primeira vez. flechas. o rio Uaupés FORTE CORRENTEZA – UMA TABA INDÍGENA – OS SEUS MORADORES – UMA FESTA – PINTURAS E ORNATOS – DOENÇAS – SÃO-JERÔNIMO – PASSANDO AS CACHOEIRAS – JAUARITÉ – O TUXAUA CALIXTO – CURIOSA PALMEIRA – PÁSSAROS – PROVISÕES BARATAS – COMENDO FORMIGAS – VERMES TERRESTRES – UMA GRANDE DANÇA – ORNATOS DE PENAS – A “DANÇA-DA-COBRA” – O CAPI – UM ENORME CIGARRO – ANANÁ-RAPICÔMA – PEIXES – BICHOS-DE-PÉ – DESCENDO AS CACHOEIRAS – CAÇANDO PÁSSAROS – ORQUÍDEAS – OS PIUNS – COMENDO TERRA – UM ENVENENAMENTO – VOLTA A GUIA – MANUEL JOAQUIM – DEMORAS ENERVANTES perada.

Outras.346 Alfred Russel Wallace tras curiosidades mais. ou entrando-nos sob as vestes e percorrendo todas as partes do corpo. não quiseram partir logo em outra viagem. Os que haviam chegado de Barra. e nós mesmos também ficávamos cobertos de picantes formigas. desde uma leve picada até uma aguda ferroada. não eram lá das mais agradáveis companhias. . a forte correnteza da caudal. e assim podíamos puxar e arrastar-nos a nós mesmos. onde começaram realmente as nossas dificuldades. que eram apenas dois remadores. e estava agora muito bonito. Por isso. Somente podíamos conseguir melhor resultado. que estavam nos ramos das árvores. e com mais vantagem. de umas cinqüenta espécies diferentes. para os débitos. cada qual produzindo o seu característico efeito. Às 6 horas da manhã do dia 3 de junho. Esperávamos arranjar outros. Na mesma tarde. com forquilhas nas pontas. que se alinham à margem do rio. nós os fazíamos trabalhar. logo que lhe entrássemos no álveo. cortamos compridas varas. agora. alcançando-nos o cabelo e a barba. segurando-nos aos arbustos. as águas corriam com violência tal. a qual se veste ali de uma vegetação mais ou menos florestada. partimos. O tempo havia clareado uns dias antes. feitas pelo indígenas. A princípio. a barra do referido rio. Iam conosco dois índios. porém a canoa se enchia. os mesmos que haviam fugido de Javita. algumas baías. mal davam conta de mover a canoa. prosseguimos águas acima. subindo. pois tínhamos de vencer. nas partes mais expostas. no Uaupés. nos favoreceram: mas. que os nossos homens. com a canoa. as quais nos ferroavam e mordiam. tivemos de proceder dessa maneira. ao longo de todos os trechos mais difíceis. alcançamos São Joaquim. e como ali não encontrássemos os homens de que precisávamos. como a das terras adjacentes. e que haviam recebido antecipamente os seus salários. No dia seguinte. Algumas vezes. onde havia contracorrentes. cipós e ramos das árvores. por milhas seguidas.

que ainda se conservam acima das águas. Os índios. E. várias vezes. 104 Há as formas sucuruju. Desta sorte. encontramos uma pequena sucuruju (Eunectes murinus). freqüentemente tínhamos de passar o dia todo só a farinha e água. Um dos índios. 476). que ficavam dissimuladas entre a folhagem. Não são só estes os inconvenientes que se podem esperar de uma viagem rio acima. assamos a sua carne para o jantar. Bem preparada. ou. a qualquer hora do dia ou da noite.104 de cerca de uma jarda de comprimento. em certa moita acima da água. nem a mais curta e mais popular. todavia. fazer os seus furiosos ataques aos intrusos. em qualquer deles. Provei um pedaço e achei a carne excessivamente dura e glutinosa. que costumam navegar nos rios. com os seus corpos nus. No dia seguinte. então. como esses pontos ficam às vezes muitos distantes uns dos outros. que alcançássemos. para fazer café e descansar um pouco. e muito sofreram com isso. à noite. sem dúvida. logo. que é sucuri. E tínhamos de contentar-nos com isso e julgar-nos ainda muito felizes. é onde se pode acender fogo. após vencer outras oito ou dez horas de pesada remação. não dá a mais longa. pág. porém frio. Todos esses pontos ou lugares de pouso são bem conhecidos dos viajantes ou dos comerciantes. empregada até em versos.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 347 Com os maribondos. não podiam oferecer tanta defesa contra aquelas ferroadas. foram eles as principais vítimas de tais ataques. flechou-a. esbarrando em suas casas. por isso mesmo. cit. quando se estava aquecendo ao sol. uma banana.. sucureju e sucuriú. e. somente em alguns pontos rochosos. que. parávamos. Estando o rio com as margens alagadas. e. que é sucuriúba. que se encontram em Martius (ob. com um pedaço de peixe assado. porém não tinha sabor desagradável. quando paramos. enquanto nós outros podíamos escapar melhor aos terríveis insetos. chegamos e encontrar-nos também algumas vezes. . deve ser. no tempo das enchentes. sabendo que somente alcançaríamos outro ponto. muito aceitável. vindo eles.

havia outras repartições. feitas de talos de palmeiras. carandaí. tendo uma só aba de telhado. lisas e redondas. de cada lado. que vive assim à maneira de uma comunidade patriarcal. que se ramifica da margem setentrional do rio. por fortes cipós. Ao fundo.105 que tem um formato de leque. Sobre essa famosa palmeira (Copernicia cerifera).348 Alfred Russel Wallace Em um sítio. em direção às paredes. No centro da casa. O seu arcabouço é solidamente armado de vigas descascadas. que se apóiam sobre paredes baixas. e suportam os caibros. compramos uma galinha. Todas estas vigas são firmemente travadas por outras vigas longitudinais e transversais. pág. caranaíba e carnaúba. há uma espécie de nave central. de cerca de 100 pés de comprimento por cerca de 40 de largura e 30 de altura. No dia 7. quase alcançando o chão. e é coberto de folhas de palmeira caraná. muito semelhantes. enormes frigideiras e vasilhas feitas de 105 Além dessa. Uma das suas extremidades era quadrada. a qual foi a primeira que encontramos. formada pelas duas carreiras das principais colunas que lhe suportam a cobertura. Todas as vigas e caibros são presos uns aos outros. aos biombos ou camarins das casas de estalagem ou dos teatros de Londres. “O tupi na geografia nacional”. penetramos em um estreito e tortuoso canal. A casa era uma grande e sólida construção. Ao lado das naves laterais vêem-se os fornos de farinha. Cerca de uma hora após. mais finos e mais curtos. tendo goteiras. com muita simetria. 210. havia outras carreiras de postes. no sentido longitudinal. que cozinhamos com arroz e nos deu excelente sopa. há as formas carandá. Cada uma destas repartições é um apartamento particular de uma determinada família. veja-se Teodoro Sampaio. alcançamos uma taba (“maloca”) ou alojamento de índios selvagens. os tipitis para espremer a mandioca. Entre elas e as paredes laterais. onde paramos. no seu arranjo. no topo. . e outra era circular.

afinal de contas e de fato. cobrem-se apenas com uma tanga. mal-e-mal. ou ala central. Nos compartimentos separados. armas de guerra e de caça e os ornatos. cestos. Na sua passagem.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 349 barro. enquanto a da extremidade circular é muito menor. cadeiras. que são pertencentes aos respectivos ocupantes. tendo. e. Um índio meio velho. deixa a fumaça uma camada lustrosa e preta como azeviche. reside o chefe ou cabeça da maloca. Os parentes mais afastados residem nos outros cômodos da vivenda. estando fora os demais moradores. As duas mulheres estavam completamente nuas. Essas portas constituem as duas únicas aberturas para a entrada do ar e da luz na casa toda. um rapaz e duas mulheres eram os únicos que. que se desprende dos numerosos fogões. À entrada dos “brancos”. vêem-se panelas menores. infiltrando-se lentalmente ali. fica com a sua passagem inteiramente livre. em toda a parte interna da cobertura. no momento. na presença dos mais legítimos representantes da floresta. ao longo de toda a casa. existe outra repartição ou área separada. Uma parte da aba do telhado é coberta. e forma um bonito e comprido salão. que é formada por uma balaustrada de uns cinco pés de altura. Ao penetrar na dita casa. situada sob a aba lateral da cobertura da casa. Nesta parte da casa. que servem para a fabricação do caxiri. potes de água. encontra saída. uma entrada. além desses. que se destaca um pouco do semicírculo. . porém. o qual vive em companhia de suas mulheres e de seus filhos. através das quais então a fumaça. redes. se achavam ali. O corredor. que ficam apenas dependuradas. entregues às suas ocupações. Na extremidade circular. é muito larga e muito alta. muitos outros objetos que parecem ser de uso comum. regozijei-me deveras por achar-me. de folhas da palmeira. A porta.

exceto as ligas. que é ornado de cada lado. há tão longo tempo. andando completamente nuas. Ante tal cena. cuidadosamente penteados. que mais notável ainda se torna pela ausência total. As orelhas são furadas e nessas cavidades introduzem uns pequenos pedaços de madeira ou sabugo de palha. as mulheres só as colocam em ocasiões tais. absoluta. adiante das orelhas. Os fios dessa trança estavam fortemente atados com uma comprida corda muito macia e muito flexível. da barba. abaixo do joelho. nessa ocasião. que lhes apertam os joelhos. estava ocupado. Trazem enterrado também. porém dali desapareceu. manufatura essa que é peculiar a esta região. de penas da cauda de tucano. O rapaz estava a balouçar-se displicentemente em uma rede. que lhes chega a uma jarda abaixo do pescoço. em suas extremidades. de bigode. que fica no seu baixo curso. ao alto da cabeça no cabelo. que rodeia a cintura. . fazendo uns cestos achatados. Usam o cabelo repartido ao meio. Fora daí.350 Alfred Russel Wallace Nesta parte do rio. e caído para a frente em uma longa trança. Os homens. é que apresentam o mais medito e singular aspecto. Uma pequena tira de “tururi” (a casca interna de uma árvore) passa-lhes por entre as pernas e é segura por um cordel. bem como de sobrancelhas. com que enlaçam com muito arroxo as pernas. e as ligas. muitíssimo diferente mesmo de todas as outras raças semicivilizadas. entretanto. O cabelo delas é pouco comprido e estavam desprovidas de quaisquer ornatos. entre as quais já tenho convivido. bastante fortes. foi como se eu houvesse sido repentinamente transportado para qualquer outro recanto do globo. Todo esse conjunto dá-lhes ao rosto um aspecto verdadeiramente efeminado. O índio mais velho. têm elas sempre boa provisão de tais artigos. feita de pêlo de macaco. um pente feito do cerne de uma palmeira e de taquara. constituem o seu único e simples vestuário. não as usam. logo após a nossa entrada. que são extirpados totalmente. Todavia.

Tive. Conseguimos comprar um pouco de peixe fresco a troco de alguns poucos anzóis. em uma incorreta língua geral. porém que era. Em cada uma das extremidades. armazenando-as no meio da ala central. é inserido um cordão. nos vários compartimentos da casa. são furadas. os fogões. com carne de peixe ou de caça para o jantar. lhe fez acerca dos demais habitantes da casa. respondendo às perguntas que o Sr. para conservá-las suspensas do pescoço. levamos as nossas maqueiras para a maloca. homens e mulheres. ensejo de ver alguns homens com o seu mais valioso. Puseram-se ao fogo as panelas. Esta língua é relativamente pouco conhecida neste rio. Acenderam-se logo. Ao escurecer. muitos índios. Parece inacreditável que eles possam fazer esses furos em tão dura substância. sem qualquer instrumento de ferro adequado para tal propósito. quartzo imperfeitamente cristalizado. . peixe que outro índio havia trazido. chegaram ali. de uma rocha esbranquiçada. realmente. então. resolvemos passar a noite ali. parecendo mármore. Depois de prepararmos o jantar e o café. porém. para nos acompanharem na viagem. L. continuou tranqüilamente entregue à sua tarefa. Como precisássemos arranjar um ou dois homens. para ali passarmos a noite. e. sendo somente sabida nas partes mais freqüentadas do seu baixo curso. um cilindro opaco.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 351 Ele. triturando-se a cavidade com finíssima areia e um pouco de água. trabalho esse que exige muita paciência. através desses furos. e fizeram-se bolos de mandioca. estimado e esquisito ornato. São polidas em roda e têm as extremidades achatadas. Essas pedras são de quatro a oito polegadas de comprimento e de cerca de uma polegada de diâmetro. Dizem os índios que conseguem isso por meio da ponta flexível do broto da bananeira do mato.

quando chega algum negociante de rio. que ainda lutam pela sua existência no rio Negro. Essa pedra. é necessário abrir-se o buraco longitudinalmente. Essas pedras são trazidas de uma grande distância. por isso mesmo. Dificílimo mesmo é conseguir-se adquiri-las dos chefes. um pente em troca de meia dúzia de anzóis. provavelmente de bem perto das cabeceiras do rio. entre os tupi-guaranis. na base dos Andes. não têm o menor escrúpulo de levar a cabo as suas ameaças. deverá consumir-se um tempo muito mais longo para furar-se a pedra que o tuxaua106 usa. vêm negociar por aqui. de uma extremidade à outra da pedra. duas existências. conforme eles mesmos dizem. tal operação ocupa. algumas vezes. 106 Tushaúa. Tuxaua ou morubixaba é o título do chefe temporal. muitíssimo estimadas e valiosas. de uma cor vermelha. Para esse propósito. . do rio Negro. e fica em sentido transversal sobre o peito. e algumas outras ninharias mais. em troca de um pequeno espelho. Segundo fui informado. por causa desse temor. Todavia. e raramente se pode induzir os seus proprietários a vendê-las ou a separar-se delas. porque. sob a ameaça de matá-los. no original. a acompanhá-los na viagem. os índios ficam receosos de serem compelidos a acompanhá-lo. e obrigam os índios. naquela noite. visto como estão seguramente cientes de que se acham fora do alcance mesmo de qualquer diminuta porção de lei e de justiça. escondem-se.352 Alfred Russel Wallace Eu não tenho dúvida alguma. Muitos indivíduos desclassificados e de péssimo caráter. Uma parte somente dos habitantes da maloca ali chegou. Elas são. e. rio acima. é de maior tamanho. como símbolo de sua autoridade. geralmente. Comprei ali uma clava de madeira duríssima. algumas vezes. de que esse trabalho leva alguns anos a ser feito. Tais indivíduos.

encontrei enrodilhada. Fora. cercados de índios nus. a seguir conosco rio acima. desprendendo-se destes uns fortes clarões. alcançamos Ananá-rapicôma (“dardo de abacaxi”) – a aldeia onde se estavam realizando as danças. que gostam de tratar e ter grande número dessas aves. em fortes bátegas. que iam refletir-se amortecidos no teto. . À tarde. e que ficavam acocorados em torno de seus fogões. E foi assim que deixamos Açaí-Paraná (“o rio Açaí’). teve a sorte de persuadir um índio. L. eu não podia deixar de admirar o elevado grau de sociabilidade e a boa ordem reinante entre numerosas famílias.107 de uma das espécies de que possuía dois exemplares ainda vivos. situada a cavaleiro de um estreito igarapé. caía à chuva. procuram imitar-lhes os costumes e. confortavelmente. consistindo em meia dúzia de casas e duas malocas. que vivem assim juntas. 107 Jibóia (Boa constricto ou Boa cenchria). assim. provavelmente ela havia caído dentro da canoa. Viam-se ali uma grande maloca e várias casas pequenas. domesticados por estes índios. viam-se muitos papagaios. Perto das casas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 353 Nós passamos a noite na maloca. em patriarcal harmonia. Os índios dessa aldeia. que se achavam a alguma distância da margem. o Sr. Duas mulheres somente é que ali ficaram. com algumas crianças. enegrecido pela fumaça. Ao levantar a esteira que cobria a nossa canoa. sobre a tampa de uma das minhas malas. No dia seguinte. onde havia caxiri e danças. Ao entrar na grande maloca deparou-se-me a mais extraordinária e mais original das cenas. Observando o que se passava na casa. uma pequena boa. araras e mutuns. em Guia. a fim de adquirir uma “saia para sua mulher. que já têm feito viagens com comerciantes do rio Negro. Na manhã seguinte. durante a nossa passagem por entre os arbustos da margem do rio. Os seus moradores tinham ido quase todos a outra aldeia vizinha. alcançamos outra aldeia. já se vão acostumando a morar em casas separadas.

predominando. as cores rubras e azuis. Os chefes e os principais homens já haviam tirado os seus adereços de penas.354 Alfred Russel Wallace Alguns 200 homens. esparramavam-se pela casa toda: uns estavam deitados em maqueiras. estas quase todas pintadas de amarelo. com fortes traços vermelhos. em regulares padrões romboidais ou triangulares. Todos os homens usam ligas. enquanto os rapazes e as moças continuavam dançando. Estavam quase todos nus e com o corpo pintado. em vários estilos. até abaixo das bochechas e do pescoço. O rosto era ornamentado de pinturas. tendo ainda sobrado algum caxiri. porém. estavam dançando ou tocavam pequenos tambores e flautas. e continuando. O furo da orelha era agora adornado com um pequeno tufo de penas alvas e felpudas. outros. sanguinário mesmo. porém ainda conservavam os penachos e outros ornatos de plumas. permaneciam em pé e andavam ou palestravam. de uma cor muito viva. mulheres e crianças. Alguns outros tinham ainda uns pingentes feitos de três pequenos cordões de sementes. aplicando-se ainda grande quantidade de tinta de cada lado das orelhas. A festa principal havia acabado naquela manhã. Os outros estavam também muito pintados. Outros. . de ambos os lados. Alguns. estavam agachados. de cócoras. entretanto. metidos na cavidade do lábio inferior. de traços feitos com tintas de cor vermelha. E essas pinturas davam-lhes um aspecto horrível. ou sentados em pequenas cadeiras pintadas. móveis esses manufaturados exclusivamente pelos habitantes deste rio. Todavia. preta e amarela. no solo. contudo. permaneciam ainda ali. Estes traziam o corpo todo pintado.

mas imitando a natureza. preso ao mesmo. no pescoço. Em roda do corpo. Em torno do pescoço ou sobre um dos ombros. que são furadas e unidas pelo meio. assim. que invariavelmente adorna com as cores mais vivas e os mais notáveis ornatos ao sexo masculino. que lhes prendem o cabelo. caem em feixes os pingentes de sementes. brancas e vermelhas. Do braço. feito de contas. muito brilhantes. . e que caem graciosamente para trás. em padrões diagonais. ou setas de guerra. trazem ainda os cachos de um curioso fruto. o costume dos países civilizados. todos trazem um penacho de plumas de tucano. a mais. amarelas e vermelhas. contrariando. além disso. viam-se grandes colares de muitas fileiras de contas. presos aos tornozelos. que relativamente poucos homens possuem. Os homens e rapazes têm todos os seus ornatos apropriados. de casca muito dura. por um cordel de algumas luzidias sementes pretas. O pente. a pintura do corpo nu era seu único ornato. Nas mãos. pente que os homens nunca dispensam. Na cabeça. Finalmente. Além desse avental. apenas um pequeno avental. freqüentemente alguns têm ainda pingentes feitos de alvas penas de garça. na cintura. bem como pedras brancas cilíndricas. presas por cordões de pêlo de macaco. quando estão dançando. ornamentados com penas de brilhantes cores. é ornamentado de plumas e. que dançavam. alguns sustêm o arco e um feixe de curabis. que são dispostas em um aro de palha entrançada. As pontas da corda de pêlo de macaco. Elas não trazem na cabeça ao menos um pente para prender o cabelo. tinham. de curioso formato. e que produzem um som rouco. vêem-se os seus mais curiosos ornatos.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 355 A maior parte das moças. os cinturões de dentes de onça. que trazem no cabelo. de cerca de 8 por 6 polegadas. trabalhadas com muito gosto. são ornamentadas de pequenas plumas.

fazendo. Fiquei observando tudo isso. com o corpo nu e pintado e com os seus curiosos ornatos e armas de guerra. as grandes cabaças de caxiri. de que estava precisando. De todos os lados. estava conversando com alguns índios. muito vivos e muito brilhantes. principalmente por causa de meus óculos. durante muito tempo. assim. rejubilando-me altamente pela oportunidade. uma cabaça pintada. constantemente estavam convergidos sobre a minha pessoa. Estava combinado com um deles para fazer uma viagem de vários dias em um tributário deste rio. quando chocalhada em intervalos regulares. o sussurro das conversações em uma língua estranha. produz um som rouco. um ruidoso acompanhamento aos demais ornatos dos pés e ao seu canto. ou lança. que tive. a qual. que os selvagens viam pela primeira vez e não podiam de todo compreender. de ver essa gente em um de seus mais interessantes e mais característicos festivais. o que muito a contentou. de madeira duríssima. de muitos dos quais já era conhecido. L. e presa a um cabo. executando as suas fantásticas danças. O singular e selvagem aspecto destes robustos índios. então. cheia de pedrinhas. Eu mesmo era objeto de grande curiosidade. uns cem pares de olhos. que são constantemente renovadas. que não se pode descrever com justeza. Uma índia velha trouxe-me três abacaxis. a principal insígnia do tuxaua ou chefe.356 Alfred Russel Wallace Outros têm um murucu. o ruído dos tambores e das flautas e de outros instrumentos. de formato oval. bem polida e envernizada. . feitos de caniço e de cascos de tartaruga. a fim de comprar salsaparrilha e farinha. dá apenas uma idéia muito fraca. pelos quais eu lhe dei meia dúzia de pequenos anzóis. ou. Tinha ele grande estima por esse ornato. a enorme e sombria casa enegrecida pela fumaça: – produzem uma sensação tal. a troco do qual eu lhe dei um machado e um facão. durante as danças. e da qual a vida de meia dúzia de índios. Consegui comprar um bem ornado muruçu. O Sr.

chegamos. após termos feito o pagamento dos objetos que havíamos adquirido. foi. e que passam de mão em mão nos seus festivais. na mesma tarde. na mesma ocasião. Deixando Ananá-rapicôma. de cerca de dois pés de comprimento cada uma. para tratar de acender o fogo. O Sr. com um índio. com arcos e flexas. antes de desaparecer completamente. ao Mandií-Paraná. vindo de algum lugar distante dali. vadeando-se através da floresta inundada. para fazer um “negócio” e comprar peixes para o nosso jantar. e. a qual. Permaneci. as mulheres e moças.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 357 Comprei também duas cigarreiras. até à maloca. finalmente. Tal pintura permanece uma semana ou 15 dias. trazendo lanças e escudos. devido à grande alta das águas do rio. Na manhã seguinte. Um pequeno grupo. estava fazendo a sua despedida.108 onde há também uma taba. 461. À frente da fila. que tivemos a tarde toda. Cada grupo. somente se fornece a bebida. A pintura do corpo é muito fixa e muito durável. ob. de propósito. somente poderia ser alcançada. tem obrigação de trazer um pouco de bolo de mandioca ou peixe. em seguida. para passar a noite. que dura enquanto há caxiri. fazendo como que uma resmungação a cada chefe de família. L. Ali permanecemos. para o seu próprio consumo durante o festival.. carregando os filhos e uns poucos de utensílios domésticos. 108 Rio do mandi. cit. Nesses festivais. os mais jovens. pág. ali. como se pode ver em Martius. . pois nunca passam sem banhar-se duas ou três vezes por dia. tornou uma tarefa algo um tanto difícil. cujo nome também se escreve mandii. peixe (Pimelodus maculatus). nas quais se colocam gigantescos cigarros. em imensa quantidade. Ficavam em fila. para tomar parte na festa. que a ensopante chuva. em roda da casa. porém. despedimo-nos do chefe. que haviam trazido. vinham os velhos.

para comprar do Sr. situada a cerca de uma milha abaixo da primeira e uma das mais perigosas cachoeiras do rio Uaupés. os índios todos vieram até à canoa. não podia comer ou beber quantidade alguma de qualquer coisa. três ou quatro vezes. seguidamente. trouxeram-me peixes. concorreu para agravar. que paguei também com semelhantes bugigangas. no seu regresso. que é a alva piraíba ou laulau. A diarréia. O pior de tudo é que eu sentia fome continuamente. atacado por uma forte disenteria e contínuas dores de estômago. tecidos para calças. assim o acredito. Entretanto. espelhos. era contínua. ao que parece. entre os quais achei duas espécies novas. Quando cheguei ali. por ter comido. alcançamos a aldeia de São-Jerônimo. a mais da conta. desenhando-os..358 Alfred Russel Wallace Na manhã seguinte. de qualquer espécie. sem outro alimento vegetal. sem que recebam primeiramente o pagamento. colares. Pus-me logo a trabalhar. forçosamente haveria de ficar bastante alarmado. o que durava muitas horas. sem que sentisse logo fortes dores no estômago e nos intestinos. Durante cinco dias. como soubesse que tal doença é uma das muitas de caráter fatal nos climas tropicais. resolvido a não perder oportunidade alguma de aumentar as minhas coleções. nem tinha eu remédios ou mesmo alimentação própria. o que a minha dieta de tapioca e de café. 12 de junho. os quais deveriam ser pagos em farinha. Veio-me isto. galinhas e outros artigos. Estes índios tão acostumados estão a receber tudo adiantadamente. com evacuações de catarro e de sangue. nos últimos dias. Fiquei a maior parte do tempo deitado em minha maqueira. etc. À tarde. que vós não podeis deles obter nada. o gordo e excelente peixe. a fim de servir de amostra. e algumas peneiras e isqueiros. embora eu não estivesse abatido. estive passando mal. todavia. Eu ali também dei ordem para me fazerem uma pequena canoa. outrossim. . No dia seguinte. os sintomas da moléstia agravaram-se algum tanto e. L.

Embora a atual queda seja insignificante. onde atravessamos o rio e fomos ficar. antes da independência do Brasil. na estação das águas. mais propriamente. onde as águas deste passam apertadas e espumantes. corre água. a fim de fazer compras de farinha. ou. o que mesmo assim seria com inauditas dificuldades. Não fora este desvio. seria impossível. ficou combinado subirmos juntos. onde a canoa teve que ser descarregada totalmente. Todas as cargas foram transportadas por terra. mas que. entre as suas ferventes e espumantes águas e gigantes redemoinhos. através da floresta. no verão. onde a violência da correnteza e as agitadas ondas da cachoeira lhe tornavam quase impossível. Subimos beirando a praia. em direção ao estreito canal do rio.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 359 A aldeia de São-Jerônimo não tem maloca alguma de índios e apenas conta poucas casas. fica completamente seco. havendo na outra margem terras altas também. que ali reside com sua mulher. Na manhã seguinte. . A canoa foi alçada. até bem perto da cachoeira. em um caminho ruim e sujo. casado. Dali penetramos em um pequeno igarapé. antes. então. partimos. O caminho terminava no estreito canal. levantando-se no ar uma neblina. A povoação está situada em bonito local. a passagem daquele rápido. Tem-se dali uma bonita vista para cima. através do qual. a passagem. Ela fora fundada pelos portugueses. por causa da violência da queda. Como ele estivesse também para subir o rio. Mora naquela povoação um “negociante” brasileiro. no alto do barranco do rio. ainda que fosse uma ubá pequena e vazia. que é de margem alcantilada e que ali tem cerca de meia milha de largura. na estação chuvosa. contornando-se uma ponta de rochedo. a violência das águas é inconcebível. por causa da velocidade da torrente.

as descargas e os transportes de cargas por terra. por intervalos. embrenhamo-nos na floresta. foi de considerável percurso. Em todas essas passagens. Estavam sendo ajudados. que ali estivessem ocorrendo. algum tempo depois. . em Londres. como se fossem causadas por explosões subaquosas. o rio passa constringido em um estreito desfiladeiro de uma garganta rochosa. tão aproximadamente quanto possível. E. enquanto a outra metade trabalhava com a canoa. por mais de uma dúzia de outros índios. assim. A última queda. Para cima da queda principal. onde a água era menos violenta. De novo. Na queda. o rio repentinamente se alarga em uma espécie de lago. Nada mais necessito dizer. para provar a impossibilidade de subir-se de canoa em semelhante canal. agora. As águas rolam como ondas do oceano. sucedendo-se outras passagens difíceis em vários outros lugares perigosos. mas é cheio de ilhas rochosas. que tem aproximadamente a largura do arco central da ponte de Londres. e. Na estação das águas. prosseguimos a viagem. Os índios. Talvez seja até menos largo. 40 ou 50 pés para cima. levantam-se e estouram. que vieram auxiliar o alçamento da canoa. que passamos. metade dos índios transportando as cargas. chegaram com a canoa. Mais adiante.360 Alfred Russel Wallace A largura média do rio pode ser comparada. repetiam-se os desembarques. esbarramos com uma grande dificuldade. por entre as quais se vê uma confusão de pequenas quedas e rápidos. entumecem. a três vezes a largura do Tâmisa. Há ali inúmeros redemoinhos que podem tragar grandes canoas. através dos baixios. torna-se ele muito profundo e de correnteza muita forte. idêntica à que já havíamos passado.

instalando-nos ali da maneira mais confortável que era possível. alcançamos outra aldeia. uma vez em cada 24 horas. alcançamos uma taba. uma rigorosa dieta. para reparar os estragos e rasgões das esteiras e toldas da canoa. ou. com abstinência completa de alimentos. À tarde. Fiquei muito satisfeito. pouco depois do meio-dia. a mais tediosa e mais desagradável possível. contração de jaguareté. continua a série de rápidos. Este é o segundo grande rápido do rio Uaupés. ou melhor. que ficava perto da praia. deixando tudo pronto. chamada Juquira-Pecôma ou “ponta de sal”. ob. como último recurso. limpamos a canoa e arranjamos de novo a carga. alcançamos. ao fato de ter feito. jauareté. melhor. Juquira-pecô ou Juquira-pecôma.109 onde paramos um dia. 110 uma aldeia situada pouco abaixo da cachoeira do mesmo Jauarité. para descansarmos dos trabalhos. é o nome típico da “onça”. quando ali cheguei. descarregamos a canoa.Veja-se Stradelli. regressarmos. 110 Jauarité. em seguida. nesta estação. Havíamos resolvido parar ali alguns dias. Limpamo-lo e tomamos logo posse dele. no tupi amazônico. por estar a sentir-me mais animado e com sensíveis melhoras no meu estado de saúde. Depois. As cargas foram todas transportadas para uma casa. Durante dois dias. um rancho. com forte correnteza. e por muitos dias de viagem. havia eu passado somente com uma pequena quantidade de caldo de farinha. Saindo de Juquira. até alcançar este lugar. nome. cit. assim o creio. a que estivemos expostos. . como dispúnhamos de muitos índios para nos ajudar. nesta paragem. onde paramos. 109 “Ponta de sal” deve ser. porquanto a cachoeira é muito perigosa para passar-se. Com dois dias mais de viagem. passamos por todos esses perigos sem novidade. feito especialmente para acomodação dos viajantes. e. Tendo ficado assim resolvido. o que torna a jornada. com um dia e meio de viagem.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 361 Contudo. Isso fora devido. para partirmos no dia seguinte. rio acima.

e que. pelo seu ar bondoso e maneiras algo um tanto delicadas e pacíficas. há ainda umas 12 outras casas. L. 75 de largo e cerca de 25 de alto. através da floresta. Naquela ocasião. já desde muitos anos. contudo. espalhavam-se inúmeras palmeiras pupunhas (Guilielma speciosa). Dizem que possui grandes riquezas em penas e dentes de onças. nele não se podia fiar e ninguém queria experimentá-lo. O Sr.. Em roda da aldeia. para fazer uma visita ao tuxaua. até a algumas roças de mandioca. em conjunto. produto de suas guerras aos macus e outras tribos de diversos tributários do rio Uaupés. fiquei também muito satisfeito por ver ali um caminho largo e bonito. que nos levou. Ele não gosta. formam uma pequena aldeia. quando chega o tempo. Além desta maloca. disse ser ele um dos maiores velhacos daquelas beiras de rio. Ele muito me agradou. de 150 pés de comprido. . que veste especialmente em honra dos visitantes brancos.362 Alfred Russel Wallace Subimos dali até à maloca. de mostrar esses objetos aos “brancos”. O seu teto e todo o seu vigamento superior estão pretos como azeviche. que são residências particulares. era um edifício imponente. Regozija-se muito com o seu nome de Calixto. pelo receio de ser obrigado a vendê-los. no gênero. porém. O tuxaua era um homem que parecia algo um tanto respeitável e trajava calças e camisas. os frutos estavam começando a amadurecer. enegrecidos pela fumaça que se desprende dos fogões. que recebem mercadorias adiantadamente. porquanto ele faz como os outros índios. Os seus frutos constituem uma importante parte da alimentação desta gente. Além da maloca. Esta maloca.

que eu raramente capturava em Javita. Um pássaro curioso. não foram bem sucedidos. que eu encontrara pela primeira vez em Juquira. com uma copa muito elegante. encontrei a singular palmeira. e do qual se lhe deriva o nome. e achei-a bastante promissora quanto a insetos. pois me traziam poucos peixes. e de bonitas folhas. depois de uma curta distância. de novo se contrai e continua cilíndrico até ao topo. Foi somente por encontrar-se grande número destas árvores. Após muito trabalho. todas. com este caráter mais ou menos palpável. de asas muito claras. eles. tendo em conta a estação atual. É a Iriartea ventricosa de Martius. nas palmeiras pupunhas. para explorar a mata. porém. atingindo ao duplo ou às vezes mais da sua primitiva grossura.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 363 Na manhã seguinte. chamado anambé. saí com a minha rede. Tentei arranjar alguns caçadores e pescadores. Ali também apanhei um espécimen de outra do mesmo gênero. matar um deles. É uma linda palmácea. cedo. de cinco ou seis pés de altura. chamada “paxiúba-barriguda”. Na base do caule. Uma Acroea. que se pode acreditar que isto não é uma circunstância acidental no indivíduo e. em bandos. verdadeiramente. perto de um riacho que atravessa o caminho. é que o seu estípite. Fiquei muitíssimo contente por encontrar a estimada borboleta de asas claras. lá de quando em quando. sim. porém. inteiramente nova para mim. um tanto retilínea. era também abundantemente encontrada ali. e. consegui. ali. afinal. voava. aliada à Esmeralda. alta. Mas o característico principal desta singular palmeira. e que são mais ou menos desenvolvidas em todas as espécies de palmeiras deste gênero. e. entumece repentinamente. um pouco para cima do meio. uma ave. tem ela verdadeiro cone de raízes aéreas. . Em uma grota. um característico da espécie.

Estampa VIII – Um córrego na floresta . que é uma espécie que muito se lhe assemelha. pelo seu modo de voar. e que é comum em todas as margens do rio Negro.364 Alfred Russel Wallace Este comprovou plenamente. porém nunca mais pude matar nenhum deles. conforme eu havia pensado. ser outra espécie inteiramente diversa do Gymnoderus nudicolis. Eu ainda os persegui muitas vezes.

É essa a mais fria das 24 horas do dia. indo às roças ou vindo delas. indo buscar água ou vindo de encher os potes. em perfeita liberdade. “nua e não envergonhada”. corriam e escondiam-se na mata. quando perto de suas casas. Foram amansados desde o ninho. sendo cada qual como Eva. quando o tempo não estava chuvoso. Algumas vezes. mutuns. ficavam meramente postadas ao lado do caminho. amansando aves e animais de várias espécies. a essa hora. Contudo.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 365 É que fazem apenas vôos curtos. na estrada. os anacás (Derotypus accipitrinus). Paramos ali uma semana e eu ia diariamente à mata. e voltam sempre para procurar alimento. viam-se muitos jacamins. Todos andavam e voavam ali por perto. todas se levantam e vão tomar banho no rio. até que eu passasse. eram completamente desembaraçadas. Os índios uaupés gostam muito de amansar pássaros. Outras vezes. Geralmente. ou de banhar-se no rio. que elas bem sabem ser bastante estranho para nós. Perto das casas. na sua maioria tinham corpos esbeltos. enquanto estavam naquele estado de nudez. como que envergonhadas e intimidadas de encontrar um homem “branco”. e são bem sucedidos nesse propósito. muito perto do rancho onde estávamos instalados. eu conseguia encontrar lá alguma coisa de interessante. e raramente ficam quietos um momento. e muitas delas eram na verdade bonitas. . grupos de mulheres e crianças. Antes do romper do dia. Bem que algumas fossem demasiadamente gordas. E. na aldeia. e bonitos papagaios. entretanto. em conseqüência dos pulos e mergulhos daquelas banhistas madrugadoras. quando estávamos a puxar o cobertor e a abrigar-nos debaixo dele. ouvíamos o barulho feito pelos espirros da água. Encontrava freqüentemente.

sal. os peixes. quando bem cozidas ou bem assadas. que. onde o seu custo fica pela metade por que são adquiridos em Barra. por isso mesmo.366 Alfred Russel Wallace Para elas. na mesma proporção. preferia o peixe a qualquer outra espécie de alimento. a gente nunca enjoa de peixe. E. e em melhores condições do que os de todos os rios adjacentes. De resto. sempre com um condimento qualquer ou molhos. custa cerca de três pence. o preço de uma galinha não excederá. Um cesto de farinha. Os peixes eram muito raros ali. . que pode dar muito bem para uma pessoa. as pacovas e outras coisas mais. pode-se obter o bastante com que passar. quando simplesmente cozidas sem nenhuma outra variação na arte culinária. cada uma. ou sem verduras. como um habitante daqui. são um tanto sem gosto. As galinhas custam-nos cerca de um penny. De fato. É tudo a mesma coisa. por exemplo. e geralmente são pagas em anzóis ou sal. Eu já me estava sentindo tão identificado com a vida desta parte do país. embora muito gostosas. Desta sorte. Elas nunca passam sem o banho matinal. as quais. e outros artigos que tais. nas cidades. elas constituem um alimento que não fica tão caro como as que se comem em casa. na verdade. devo mais uma vez repetir que acredito que há peixes aqui que são de fato melhores do que os de qualquer outra parte do mundo. Deste modo. pouco importa que chova ou que vente. em Belém. e fomos obrigados a passar quase que somente a galinhas. de meio penny. durante um mês. se uma pessoa comprar anzóis. Os índios desta região fazem o seu pão de mandioca por um processo muitíssimo diferente. com pouca despesa. E assim.

um bolo meio mole. . tal guloseima excessivamente ardente. e a que eles fazem destina-se exclusivamente à venda. A farinha. que comiam. então. isto era oferecido aos nossos homens. Os negociantes brancos deste rio muito o apreciam como alimento. e. que é a porção puramente glutinosa da raiz da mandioca. para fazer a farinha. granulado e de cor esbranquiçada. que se mistura com o pão. Reservam para o consumo próprio a tapioca. fazendo-se. para fazer-se um molho. juntamente com as pacovas. que a cidade da Barra depende. Estes índios raramente comem a farinha feita propriamente da mandioca. não têm carne de caça. deste refugo alimentar dos índios. Em vários lugares. Nas ocasiões em que há falta deste alimento. alguns milhares de alqueires desta farinha são aqui adquiridos e para lá enviados. ou. Todavia. que fica. misturam-na. de fato. Depois de algum tempo. a fim de fabricar o seu pão. que. é de inferior qualidade. O peixe constitui a principal alimentação destes índios. constituem uma parte importante da sua alimentação. preparam eles deliciosas bebidas. com a massa fresca da mandioca. com muito gosto. Anualmente. a tal estado de penúria está reduzida a agricultura no rio Negro. se torna um alimento muito agradável ao paladar. ferventa-se a pimenta. bacaba e patauá. Os inhames e as batatas doces são abundantes ali e muito apreciados. em grande parte. que se mistura com uma pequena quantidade da massa feita da raiz da mandioca. As grandes saúvas111 e as formigas brancas são uma verdadeira delícia para eles. nas ocasiões em que aparecem. assim. então. 111 São as tanajuras ou içás. a gente se acostuma com ele. e a sobra de massa. e torna-se um alimento muito pobre. por onde passamos. Dos cocos das palmeiras açaí. em grandes quantidades. bem como de muitas outras frutas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 367 A sua massa principal é de tapioca. assim preparada.

foram capinar em roda da maloca. com os seus cântaros. Ele aquiesceu prontamente. . tais vermes refugiam-se e alojam-se nas concavidades e ocos das folhas de uma espécie de Tillandsia. acumulando-se aos milhares. que moravam mais perto. destinado às suas festas. e. assim sendo. Quando essas terras são atingidas pelas águas. somente os moradores mais próximos da aldeia é que poderiam. ainda com tempo. que se realizam quase que seguidamente. Consome-se grande quantidade de raiz de mandioca para o fabrico de caxiri. que vivem nas terras baixas das margens do rio. buscar a água necessária à preparação do caxiri. então. Não é somente a fome que faz estes índios comer tais vermes. muito de madrugada. No dia seguinte. após essas providências para o preparo da bebida. são encontradas. especialmente a fim de dançarem para o estrangeiro ver. por vezes. Muitas vezes. vindo repetidas vezes ao rio. As mulheres traziam da floresta feixes de lenha seca. destinada às fogueiras. ser para isso convidados. Muito cedo ainda. na estação das águas. as moças estavam em grande atividade. como estávamos para partir dali a uns dois ou três dias. eles os cozinham com peixe. para preparar um prato apetitoso. comem as grandes minhocas.368 Alfred Russel Wallace E. que foi em seguida varrido. A grande casa também foi devidamente preparada borrificando-se água no solo. iniciaram-se. onde elas. pediu ao tuxaua para fazer caxiri e convidar seu amigos e vassalos. O prazo era demasiado curto e. os numerosos preparativos e providências para a realização da festa. o Sr. Como eu ainda não houvesse assistido às suas danças tradicionais. foi enviado um mensageiro a percorrer as casas dos índios. para avisá-los e pedir-lhes a honrosa presença. quando não há mesmo qualquer outra coisa. Mais tarde um pouco. L.

situado na extremidade circular da casa. para disporem. onde fomos polidamente recebidos pelo tuxaua. que parecia ser a cor predominante. então. saímos logo em demanda da casa grande. ou estavam arranjando algumas outras peças dos seus ornatos. Nas faces. Algumas ficavam de pé. de cor vermelha. Sem dúvida. As mulheres também se pintavam ou. as linhas e as tintas. fazendo desenhos. e ali fomos levados para o apartamento privado do chefe. . À tarde. como que dirigindo e dando ordens às hábeis artistas. Tais desenhos eram feitos em círculos e figuras curvilíneas. Principiando a escurecer. a fim de observar as danças. que estava trajado somente de calça e camisa. Havíamos propositalmente preparado o nosso jantar um tanto cedo. elas consideram tais pinturas como um trajo muito elegante.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 369 Os rapazes. um mensageiro veio avisar-nos de que as danças já se haviam iniciado e de que o tuxaua estava reclamando a nossa presença na maloca. justamente quando estávamos acabando de jantar. caprichosamente traçado nos quadris e nos seios. quando eu voltava da mata. com tintas de cores. de lindos padrões. De acordo com o atencioso convite. esparzem o sumo de uma fruta que escorre em filetes ao longo das costas. tingindo-as de um bonito purpúreo escuro. Após alguns momentos de palestra. ao seu gosto. Ele logo mandou que nos sentássemos nas maqueiras. em grupos esparsos. muito viva. ao seu agrado. enquanto outros já estavam com estes arranjos prontos. viam-se manchas redondas. preta e vermelha. encontrei ainda alguns deles fazendo as pinturas do corpo. Aquelas beldades pintadas ocupavam-se também de efetuar a mesma operação em seus maridos ou amantes. aqui e acolá. retirei-me dali. pintavam umas às outras. Por trás da cabeça e do pescoço. trançavam coroas de palha. enquanto outras estavam sentadas. por sobre o corpo.

formavam um semicírculo. compreendida pelas duas séries de colunas centrais. . Pela primeira vez. entretanto. na maior necessidade. é que se apartam deles. e. dispostas em fileiras regulares. coloridas por esse processo. Naquele momento. renovam-se lentamente e. E dizem que. Arrancam as que desejam pintar. como precisam de um grande número. a que lhe sucede vem com a mesma cor. Esse ornato consiste em uma coroa de penas amarelas e vermelhas. não se notando qualquer mistura de azul ou de verde. pela qual conseguem mudar as cores da plumagem de muitas aves. As outras penas que crescerem ali. dançavam uns quinze ou vinte homens de meia idade. As penas.112 ou adornos da cabeça. Tais penas. não ficam com as cores naturais da ave. ficarão com uma cor amarela ou alaranjada. na cicatriz ainda fresca. e firmemente presas a uma atadura bem forte e bem trançada. que eles têm na mais alta estimação. sem ser preciso renovar-se a operação. para fazer uma coroa. Cada um tinha a mão esquerda apoiada no ombro direito do vizinho e. vi então os seus acangatáras . Todos traziam os seus ornatos completos de penas. arrancada essa plumagem. como as do estado natural da ave.370 Alfred Russel Wallace Estavam elas sendo realizadas no corpo principal da maloca. Todas as penas desse ornato são tiradas do dorso das grandes araras vermelhas. em conjunto. em uma grande área. inoculam a secreção leitosa da pele de uma pequena rã ou mesmo de um sapo. vemos aí a razão por que os proprietários desses ornatos tão altamente os estimam e somente em último caso. 112 Também encontra a forma canitar. pois aqueles índios têm uma curiosa arte.

cuja natureza me deixou completamente embasbacado: – era parecido com um colar ou um aro. de cor branca. pág. custando um machado três ou quatro peças daquele ornato. o “gavião-real” (Morphnus harpya. que caem sobre o pescoço. vêem-se pequenas penas felpudas caídas e flutuando para baixo. muitíssimo curioso. Como essas aves são raras e dificilmente se criam as novas. alimentando essas nobres e esbeltas aves com galinha (consomem duas galinhas por dia). vê-se um bonito e largo penacho. de comprimento variável e consistindo em pequenas peças encurvadas. quase igualando em beleza às alvas plumas do avestruz. muitíssimo semelhantes a conchinhas ou a esmalte. relativamente. 113 Segundo se lê em Goeldi (ob. Em conjunto. colocado em torno da fronte. colares de alvas contas. somente para obter-lhes as penas. feito das alvas plumas das garças. cit. Dizem os índios que as adquirem dos selvagens do Japurá e de outras rios.. Alguns tinham. outro ornato. Nas orelhas. e que são muito caras. ligas e chocalhos dos tornozelos. 50). no alto da cabeça. Todos os que dançam trazem também a pedra cilíndrica. decoradas com pequenas penas. cinturões de dentes de onça. esses ornatos constituem um dos mais importantes e mais elegantes adornos da cabeça. é um dos que poucos homens podem possuir. além disso. com um delicado tom de rosa. Tais peças parece-me serem porções das bordas de uma grande concha cortada em pedaços de tamanhos e de formatos perfeitamente regulares. Das extremidades do pente pendem as cordas feitas de pêlos de macaco.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 371 Preso ao pente. felpudas e brancas como neve. Harpya destructor ou Thrasaëtus harpya) é também conhecido pelo nome típico de uraçu. esse ornato. e mais raramente das plumas tiradas por baixo das caudas dos “gaviões reais”. de grande tamanho.113 Estas últimas são grandes. Os índios conservam os “gaviões-reais” em grandes viveiros ou gaiolas abertas. .

As mulheres. durante uma ou duas voltas completas. até que chegue. constituem os seus únicos ornatos. em sua maioria. também estendidos. de tão polidos que estavam. A dança consistia simplesmente em uma série regular de passos para os lados. As demais estavam completamente nuas. sendo os braceletes. e que repetem em tom grave. uma volta completa. Cada um sustinha nas mãos uma lança. cingindo-os pela cintura. A pintura. fazendo como que um acompanhamento com os ornatos dos tornozelos. em alguns intervalos. que. tinham apenas uma “tanga”. colares e penachos inteiramente monopolizados pelos homens. todas deixam a roda e retiram-se para os bancos ou assentam-se no solo. Tais mulheres. Como essas mulheres são quase todas de pequena estatura. feito de contas. Elas conservam tal colocação. chocalhos de cabaças pintadas. os movimentos dos homens.372 Alfred Russel Wallace E isso justamente é que me fazia ficar em dúvida se seriam conchas ou se eram de fato feitas pelos índios. associam-se a eles indo cada uma ficar entre dois homens. que os figurantes executam. em um círculo. Algumas tinham como ornato uns grandes brincos de cobre. pareciam de ouro. Esses brincos e as ligas. de formato cilíndrico. a um dado sinal. sobre cada um dos quais coloca o braço. então. na roda. batem com os pés. 114 Os cateretês ou catiras do sertão muito se assemelham a essa dança. outra vez. isto é. fazendo. entretanto. . ou pequeno avental. não atrapalham. dos homens. os lugares anteriores. com a cabeça pendida para a frente. Simultaneamente. por baixo dos braços. um feixe de flechas ou. com os chocalhos. na dança. e ficando. pouco e pouco. por isso mesmo. ao seu canto. com que elas decoram o corpo. de poucas palavras.114 O efeito é verdadeiramente animado e marcial. o momento de serem chamadas a voltar a ocupar. Daí. tem um efeito interessante e dá-lhes quase a aparência de que estão vestidas.

Após outras aproximações. um grupo de meninos e de rapazes. que pode ser denominado a “dança-da-cobra”. A seguir. poderão talvez discordar de mim. a dançar. chegaram. de capim e de palha. com as cabeças das cobras. ficando assim muito parecida com um formidável réptil. erguendo a cabeça ou encurvando a cauda das cobras. ora as encolhiam. que não tinham os seus apetrechos completos de ornatos.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 373 E. entraram os rapazes e meninos. e tornaram a aproximar-se várias vezes ainda. E. se afastaram. indo um grupo para a esquerda e outro para a direita. na sala. de 30 a 40 pés de comprimento e de cerca de um pé de diâmetro. recordar ainda a minha opinião de que há mais imodéstia nos transparentes trajes cor de carne e nos ornatos de nossas atrizes do que na perfeita nudez destas filhas das selvas. com uma enorme cabeça de um feixe de folhas de embaúba (Cecropia). umboöba. as ondulações da serpente. porém. enroladas em cipós. e. afinal. 115 No original. como tal. Depois de várias evoluções. que estava dentro da maloca. que ainda não presenciaram tão estranhas cenas. porém dali de novo se afastam. porém. deram início a outro folguedo. de novo. O grupo. então. até muito perto da porta. muito viva. contudo. assim a encaram. Todavia. de cada vez iam-se aproximando lentamente da porta da casa. começaram. devo. muitos. . dançando. colocando as cobras sobre os ombros. Eles haviam feito duas enormes cobras artificiais. assim.115 cada uma delas pintada com uma cor vermelha. havia concluído as suas primeiras danças. as duas cobras sempre em paralelo uma com a outra. então. Imitavam. No espaço limpo do terreiro fronteiro à casa. a casa. ficando. ao que parece. de 12 a 15 cada um. com uma inesperada arremetida das cobras e. Dividiram-se em dois grupos separados. dançavam pela mesma maneira. Ora as esticavam.

ainda desta vez. de cada vez que reapareciam na sala. sem dúvida. as quais. fazem parte da etiqueta da distribuição da bebida. Alcançando a porta. Vinham um adiante do outro. distribuída pelo processo acima descrito. concluindo-se assim o folguedo. as duas ficavam completamente vazias. eles. Cada cabaça comporta. e. fazia-se copiosa distribuição de caxiri a todos os presentes. O interessante é que executava. ser muito grande. duas camadas. afinal. porém. Nesse momento. ao mesmo tempo. Em um minuto. . assim sendo. evidentemente.374 Alfred Russel Wallace Continuaram ainda os seus passos de avanço e de recuo. a quantidade de caxiri. e. Havia três homens constantemente ocupados em trazê-lo e distribuí-lo. Não foi. como que uma dança de carreirinhas curtas. Esta dança. Durante todo esse tempo. vieram a ficar face a face. ao que parece. uma espécie de zumbido. a fim de distribuir o caxiri das cabaças a quem quer que desejasse bebê-lo. se separavam para cada lado. foi que as cobras arremeteram uma contra a outra. então. com uma grande cabaça cheia de caxiri em cada mão. Somente depois de muitos outros recuos. avançando para o meio da sala. agradou muito a todos os espectadores. frente a frente um do outro. repetiam as mesmas peculiares formalidades. Os serventes voltavam de novo a enchê-las. Após mais umas duas voltas na sala. deverá. no mínimo. meio arcados para baixo. e fazendo um curioso ruído. aos quais se seguiram estirões com a cabeça e com a cauda. as duas cobras pareciam como que inclinadas a entrar em luta. tendo feito cada grupo um semicírculo. por causa do peso. ganharam então o terreiro da casa. até que.

Cada um. e. uma cuia. mas que. L. no Amazonas. 116 O capi ou yagé é uma liana das florestas do Amazonas. fornecedora de yagé ou caapi. “Existem outras espécies. em frente ao pote. “Ducke. e. ambos deram forte pancada nas cordas de seus arcos.116 a respeito do qual eu já tinha ouvido o Sr.. “J. “Já na dinastia dos incas se encontram provas provadas do culto do yagé. fornecedora da droga em apreço. 3 e 23. nos quais o yagé representava papel importante. recentemente.”: “O yagé. cada um fez uma cara muito feia.. cujo espécimen se encontra no herbário do Jardim Botânico. possivelmente nova. bateram com os pés no solo. que se aproximaram e procederam de maneira idêntica. conhecido tambem pelos nomes do caapi e ayahuasca. não pôde ser a espécie. é uma liana pertencente à família das malpighiáceas e geralmente admitida como sendo a Banisteria caapi. fazendo-as vibrar.” . colheu em Brasília (Acre) material de uma Banisteria. pegando a oferecida cuia. porém. em 1924. o velho permaneceu de cócoras. “É assim que Niedenzu admite a espécie Banisteria quitensis. Depois de pequena pausa. com um grande pote de barro. encheu de líquido duas pequenas cuias. Por ser excessivamente amarga aquela bebida. trazendo os seus arcos e flechas. Um índio velho avançou para o meio da sala. bebeu a dose que ela continha. usada naquela região como yagé. de Spruce. ficaram imóveis. Eis o que se lê em “O yagé”. dois índios avançaram em direção dele. Durante meio minuto talvez. Repentinamente. erguendo-se. agachando-se. pelo fato de não apresentar nem flores nem frutos. págs. Nied. Mama Ocilo era a deusa que oficiava nos ritos sagrados dos incas. foram procurar os seus assentos. em cada mão. Geraldo Kuhlmann. “Eles conheciam os efeitos de clarividência e telepatia da planta. “A planta que faz sonhar. em seguida. As pequenas cuias de novo se encheram e pela mesma forma foram apresentadas a dois outros índios. foi introduzido o capi . dizer algo. Em seguida. devidamente determinada. e que foi posto no chão. acaba de revelar mais uma espécie. que parecia pintado de pouco. Então. estendeu os braços. sacudiram as suas lanças. e começou a remexer o seu conteúdo.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 375 Em seguida. sustendo. e as suas lanças. e cujo emprego só era permitido aos padres oficiantes e aos velhos.

Empunhando as lanças. parecia ser de demasiado arrojo. naquela hora. tão pitoresca tão interessante cena. soltaram gritos e pularam selvagemente numa atitude guerreira e. no terreiro fronteiro à casa. eles se foram sucedendo uns aos outros. acendeu-se uma grande fogueira. como se quisessem matar um inimigo. fomos. correram em seguida pela casa. naquela ocasião. A maior parte recebe ruidosos e frenéticos aplausos por parte dos assistentes. Os meninos e rapazes divertiam-se ali. o que também é feito por vezes durante as danças. levantando-se vivos clarões. no meio da casa. em todas as variedades de posturas. entre homens. em seguida. continha. entretanto. assim ao vivo. furiosamente. seguramente 300 pessoas. tranqüilamente. Uns 50 tambores e flautas. estavam a ruflar e a tocar. no mínimo. dois de cada vez. antes de retirar-nos para a nossa casa. que não eram lá muito harmoniosos. quando as suas labaredas se erguiam bem alto. voltaram depois. que iluminavam os dançarinos. e os numerosos e estranhos grupos. Logo após o escurecer. ser um hábil pintor. divertimento esse que. bateram com os pés no chão. a ocupar os seus lugares. Tendo estado a observar tudo isso durante umas três horas. saltando sobre elas. acenderam-se também algumas fogueiras. mulheres e crianças. ficaram como que mais exaltados. Alguns. constantemente e desordenadamente. como os outros todos também o fizeram. com os seus corpos pintados e todos ornados de penas. A casa. E. tão singular. que se esparramavam pela sala. despedir-nos . para fixar numa tela. ao mesmo tempo. De quando em quando. numa confusão de ruídos. furiosamente. Mantinha-se na sala um contínuo murmúrio com o zum-zum das conversações.376 Alfred Russel Wallace E assim. com os seus corpos nus. Eu bem quisera. terrível. ela se reavivava. Fora.

numa espiral. enrolando-se. tirou dele algumas fumaças por nós ambos. Na manhã seguinte. de sorte que. pode ser fincada no solo. às escuras. A extremidade inferior do cabo da cigarreira é pontiaguda. O caxiri estava excesssivamente gostoso. para dormir. feito de uma folha larga. O dito cigarro foi oferecido a cada um de nós. é feito de fumo. se reduz a pó. nessas ocasiões. Entretanto. quando não está em uso. estavam fumando. que. então. para que tomássemos parte entre os que fumavam. ouvindo ali. às apalpadelas. com a qual é feito. como é um fumante inveterado. que foi quando os vários convivas tomaram o rumo de suas casas. de cerca de dois pés de comprimento. O cigarro tem oito ou dez polegadas de comprimento. de fumo também. como a forquilha de um trinchante de dois dentes. de maneira muito cerimoniosa.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 377 do taxaua.. pág. 622) dá a melhor forma purangaeté. Encontramo-lo rodeado de alguns visitantes. naquela hora. cit. o monótono murmúrio da cachoeira. quanto “muito bom” ou “excelente”. num cilindro. que a bebida estava purangaretê (“excelente”). L. expressão que tanto quer dizer “muito belo”. fomos descendo o áspero caminho em demanda de nossa casa. Esse cigarro é colocado numa enorme cigarreira. esvaziando a cuia que ela me ofereceu e dizendo-lhe. na margem do rio.117 Em seguida dissemos Eré (“adeus”). elas terminaram às 9 horas. O Sr. depois de seco. por uma de grossura. e. em verdade (muito embora a raiz da mandioca. . seja mascada por uma boa porção de índias velhas). e eu muito agradei à mulher do tuxaua. como o caxiri estava perto de acabar. então. porquanto eu não me estava sentindo muito disposto a permanecer com eles a noite toda. e.. as danças ainda prosseguiam. 117 Stradelli (ob. o que é levado a efeito.

essencialmente para entender-se com o Sr. Essas meninas são educadas até um certo grau de civilização (embora eu muito duvide que com isto fiquem em melhor situação. L. ou que não forem mortos. principalmente os naturais das margens dos rios aos índios que vivem nos igarapés. em certo ponto autoriza tal prática. Ele veiu agora. em conseqüência de uma forte descarga de chumbo B. sabendo de antemão. lhe tinha disparado. real ou imaginária. para vingar-se de qualquer injúria. justamente no momento em que aquele estava com o seu arco voltado e pronto para atirar-lhe uma flecha. para arranjar-lhe alguns meninos e meninas indígenas. Presentemente. chegou de volta do rio Apaporis. já havia tomado parte. O Sr. de fato. e escapara milagrosamente de ser atingido pelas lanças ou setas envenenadas dos índios. L. para tomar-lhes as armas de guerra e os ornatos de penas. esses índios matam a todos que encontram. várias vezes. perfeitamente. são muito bons amigos e negociam juntos. . em tais expedições. E daí. L. lhe havia mandado um recado. que por eles seriam assassinadas. todos os que puderem fugir. que reservam para suas mulheres. havia um índio com uma parte do pescoço e um dos ombros todos cheios de horríveis cicatrizes. Os “negociantes” e autoridades de Barra e de Belém encarregam sempre aos negociantes. É que os próprios índios fazem guerra uns aos outros. aos negociantes. A obtenção dos meninos índios consiste em fazer-se um ataque a alguma taba de outra nação e capturar. L. mais remotos. B. O governo. Em Ananá-rapicôma. a única maneira pela qual podem ser obtidos. por intermédio de seu filho (o qual tinha vindo conosco). de arranjar-lhes um menino ou menina. um índio de São-Jerônimo. os induz a poupar muitas. que o Sr. até aqui. então. O Sr. ou. Bernardo. excetuando somente algumas meninas ou moças. A esperança de vendê-las depois. então.378 Alfred Russel Wallace Durante as danças. sobre esse negócio. ou sejam mais felizes mesmo do que em suas florestas nativas). que comerciam nos rios com os índios.

– uma das quais era do delegado de polícia. à razão de 5 ou 6 anzóis em troca de cada um de tais objetos. que eles pegavam e ficavam admirando por uma ou duas horas. machados. mandiocas e outras coisas mais. jacamins e algumas aves mansas. espelhos. se houvesse oportunidade para tal. como o Sr. Adquirimos também galinhas. farpas para flechas. raramente assim fazem. pelas quais sempre esperavam receber uma gratificação qualquer.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 379 Algumas vezes. De acordo com os seus desejos. morim ou chita. facas. cada qual concernente a uma rapariga índia. havia recebido duas encomendas de Barra. e nós deveríamos ficar à sua espera em São-Jerônimo. tomava uma xícara de café. são maltratadas. algumas vezes. e. estas para ele pagar aos outros índios que fossem ajudá-lo na empresa. L. tecidos de algodão. canivetes. também por vezes vinham trazer-nos algumas pacovas. quase todos os habitantes da aldeia vieram visitar-nos. e. estava agora combinando com Bernardo a respeito de um ataque que este deveria levar a efeito. falando a respeito daquilo tudo na sua ininteligível algaravia. para ver o que havíamos trazido a fim de vender-lhes. O Sr. pedindo-nos. então. fazer um pouco de negócio. era um velho já experimentado em tais negócios. e. Sua mulher e aquelas de suas filhas. para o que ele forneceria pólvora e chumbo (pois aquele índio tinha uma espingarda). papagaios. que possuíam uma “saia”. bem como algumas mercadorias. L. esparramava-mos diante deles todo o nosso estoque de anzóis. . Compramos ali alguns tamboretes e alguns cestos. ele deveria voltar dentro de quinze dias. palestrava conosco um pouco. E. Logo que ali chegamos. ao mesmo tempo. embora sejam livres e possam deixar os seus senhores a qualquer momento que desejarem. O tuxaua vinha visitar-nos diariamente. porquanto foram tomadas ainda muito jovens. Quando muito. colares.

também nos apareceram em grande número. os ditos morcegos picaram o Sr. que eu já referi. eram algo um tanto melhores e mais esforçados. bem como o seu filhinho. para receber-nos. Logo após nos instalarmos ali. e poucos insetos pude apanhar ali. De todo. Em um lote de peixes pequenos. Dois dias após a dança. Os índios. ao meio-dia. que o tuxaua tinha preparado. . que. Alguns índios também foram picados. não era só isso o que ali nos havia de incomodar. Via-se somente uma picada no dedo grande do pé. encontrei sete espécies diferentes. passar outra semana. Pude obter muitos peixes novos e algumas lindas e pequenas tânagras. por ter agasalhado os meus pés sob o cobertor. L. e. felizmente. que é abundante em todas as casas de índios. – os “bichos-de-pé”. pois os morcegos. conforme havíamos resolvido. Os caminhos da mata não eram tão bons como os de Jauarité. contudo. porquanto eles nada vos trarão para vender. onde deveríamos. e traziam-nos sempre pássaros e peixes. pela manhã. alcançamos Juquira. como o menino ficasse desassossegado à noite. o tal morcego empregou todos os meios para produzir o sanguinário efeito. verificamos que estávamos expostos a uma praga. apresentava em ambas as pernas sinais de mordidelas. despedimo-nos de Jauarité. cinco das quais eram completamente novas para mim. e. Não havia ali uma casa adequada para a acomodação de viajantes e. tivemos que alojar-nos em uma choupana desabitada.380 Alfred Russel Wallace É necessário fazer-se esta exibição de mercadorias. de onde o sangue corria abundantemente. em todas as aldeias. sugadores de sangue. deles pude escapar. Logo na primeira noite. Eu. a não ser se souberem primeiro que vós tendes o de que precisam. em vista disso.. que me foram trazidos.

no chão. em dois ou três dias. estavam ali. verificando que a dita borboleta é aliada à Papilio toas. O Sr. L. qual se vê em Martius (ob. era muito abunÉ este um deliciosíssimo peixe. cit. e pousava no solo. Tivemos ali um ou dois dias de sol brilhante. 118 O autor escreve waracu. fazendo-os tão grandes. quase tão gostoso quanto o uaracu. provavelmente. pág. L. de dois fios. Ficaram muito satisfeitos com um pequeno prato de sal ou meia dúzia de anzóis.. como este. e eles. . Muitos índios da nação coveú. como pagamento.118 se não igual a este. Mandou aqueles e vários outros índios preparar alguns fios. nos lugares úmidos. graças ao qual uma linda Papilio veio até bem perto da casa onde estávamos. logo se sentaram à nossa frente. Eu já tinha visto a mesma espécie em Jauarité. produz uma bola de cordão de um quarto de libra de peso. e dos quais tecem bonitas redes. sendo preciso grande cuidado e delicado manejo para extraí-las. muito cheio de espinhas. que não é difícil passar por eles um pedaço de madeira da grossura de uma rolha. estavam pondo no fumeiro peixes e bolos de mandioca. Esse peixe é uma espécie da saborosa corimbatá (o Pacu argenteus de Spix). Cada índio. informando-nos. Eles distinguem-se dos outros índios pelos buracos das orelhas. então. muito parecidas com o linho). das do tipo comum. há de haver outra espécie. 381 Uma espécie de Chalceus. enrolando as fibras. fizeram um simétrico e forte cordel. porém não pude apanhar espécimen algum ali. comprou uma certa quantidade de caroá (fibras de uma espécie de Bromelia. o Sr. e. Quando entramos em casa deles. mas. que vivem nas mais altas cabeceiras dos rios. chamado jatuarana. mas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro dante ali. consegui capturar dois espécimens dela. os quais não perderam quaisquer dos seus primitivos hábitos em contato com os brancos. 484). as formas preferíveis são uaracu e varacu. ser este o geral costume dos índios de rio acima.

Como não havíamos encontrado índios. foi verdadeiramente martirizado pelos “bichos-de-pé”. e fazendo sempre uso de chinelas. rumo da aldeia. que mal podia andar. L. que nos ajudassem na passagem das cachoeiras. um passeio a esta parte do mundo. prosseguimos a viagem. que não passa de uma ninharia qualquer. alcançamos Urubuquara. que o medo dos “bichos-de-pé” não se justificava. Urubuquarra. quando estava em casa. pela manhã. e passe um mês na casa de um índio: há de desiludir-se cabalmente. ali chegou. que assim ainda pense. livrar-me deles muito bem. Eu. No dia seguinte. que fica pouco acima das quedas. O Sr.382 Alfred Russel Wallace Comprei uma das araras de penas pintadas de vermelho. faça. Que alguém. e poderá logo pensar. felizmente. o que o fez ficar com os pés tão cheios de buracos e de feridas. na floresta. O topônimo Urubuquara quer dizer “morada de urubus”. conforme anteriormente já descrevi. contudo. através da floresta. Quando uma pessoa apanha somente uns dois ou três bichos. e nós o tomamos para ajudar-nos a passar a cachoeira na manhã seguinte. Dali. parte uma estrada de cerca de três milhas de extensão. Freqüentemente. consegui. tal qual eu já havia experimentado em Cobati e Javita. então. e que as narrativas das suas perseguições são muito exageradas. tirava uma dúzia deles por dia. acredito que isto foi devido a ter eu passado a maior parte do tempo fora de casa. como eu mesmo supunha. achando mesmo pouco que fazer. 119 No original. . À tarde um filho de Bernardo. que havia regressado antes de nós. nós mesmos nos dispusemos ao trabalho de transportar parte das cargas. Em parte. isso não é nada em verdade. ao longo da referida estrada. lá uma vez por outra. entretanto. Após permanecermos ali seis dias. é coisa à toa. descendo para São-Jerônimo. com uma canoa carregada de farinha. raramente tendo que tirar mais do que dois ou três de cada vez.119 a maloca de Bernardo.

Chegando a São-Jerônimo. agora. macacos. por isso mesmo. A manhã estava linda. periquitos. através da floresta. onde seriam reduzidos a cacos. L. Cerca do meio-dia. Augustinho. quando se viram em liberdade. ainda trazíamos umas cem galinhas. Além disso. e. que faziam grande bulha. da qual tomamos posse e nela nos instalamos a fim de passar mais uns oito ou dez dias. a água era tão forte e tão violenta. à tarde. Os rápidos. contendo estas os insetos que eu havia colecionado e os meus desenhos de peixes – a perda dos quais teria sido irreparável para mim. antes de nós. L.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 383 O rio tinha crescido consideravelmente. Preferi ir por terra.. ficando elas muito satisfeitas. com os seus agudos gritos. . com um carregamento de 100 alqueires de farinha. redes.. estavam alcançando um ponto. e as águas. Havia ali uma boa casa para os viajantes (bem que sem portas). para a cachoeira. desabou uma tremenda tempestade de vento e chuva. que eles andaram muito perto de ser levados para baixo. então. e eu fiz uma caminhada agradável. em um longo trecho do caminho. em dois enormes jacás quadrados. o que não era lá muito agradável. tendo em alguns lugares fortes subidas e descidas. o jovem brasileiro de quem já fiz menção. que a travessia da cachoeira fora muito perigosa e todas as cargas tiveram que ser transportadas através da floresta. etc. tamboretes. peixe. embora a estrada fosse muito ruim. eram muito mais perigosos. cestos. completamente molhado. fiquei à espera do Sr. Abarrotamos logo a casa com as nossas cargas de farinha. levando minhas bagagens e duas pequenas malas. com água à altura do peito. Em alguns pontos. em casa do Sr. o qual havia voltado de Jauarité. o Sr. potes de barro. e uma grande coleção de papagaios. etc. nas travessias de grotas e de córregos. Informou-me ele. como há vários anos não se observava. ali chegou com a sua canoa. desde que o havíamos subido.

que nunca se vêem mais em baixo. O que acima de tudo. todas as noites. enquanto não fizesse uma tentativa mais para obtê-lo. da minha pretendida viagem aos Andes. quanto desconhecida. de fugir para a floresta. Do que vi neste rio. para proporcionar uma bonita coleção de pássaros e de animais vivos. a última Thule da maior parte dos negociantes destes rios. que lhes eram destinados para pouso. e com pouca probabilidade. nem satisfeito. porém. que. Foram criados desde muito novos.384 Alfred Russel Wallace Todos os pássaros ficaram também soltos e voavam pelos arredores da aldeia: porém voltavam sempre. não poderia mais ficar quieto. ficam muito mansos. As diferentes informações. de poder conhecer outra região tão interessante. de linda plumagem branca. que tive a esse respeito. tirados ainda dos ninhos e alguns mesmo desde o ovo. foi a informação de que se encontra ali uma bonita espécie de aves. por vezes. e mesmo alguns índios. e substituí-la por outra excursão ao alto Uaupés: no mínimo até alcançar a Cachoeira Jurupari (“demônio”). na presente oportunidade. para recompensar os meus esforços. mais me despertou e atraiu a atenção. os quais. Tínhamos nove lindos papagaios. a desistir. pouca dúvida tinha de que poderia obter outras espécies novas. procuravam por si mesmos os cestos. Ainda que eu não o encontrasse. não há nenhum outro lugar que se lhe compare. assim. de penas pretas na cabeça. induziu-me. após madura reflexão. da ordem dos célebres “gaviões-de-penacho”. Os jacamins e os mutuns andavam perto das casas dos índios e. e que fica daqui a ainda mais um mês de viagem rio acima. por isso mesmo. e. Vários negociantes já haviam ido até muito longe. . ficavam sumidos alguns dias. que tive. E isso. os quais me asseguraram que naqueles remotos rincões se encontram muitos pássaros e muitos animais. eram tão positivas. embora eu mesmo tivesse ainda alguma dúvida da existência de tal pássaro. à procura de alimento. aliado ao desejo.

de novo. apresenta notável contraste. pois não só em Barra. nem mesmo poderia fazer qualquer coisa. Todo esse material deveria ser encaixotado e despachado logo para a Inglaterra. pois. Os deliciosos frutos das palmeiras bacaba e patauá. Dizem que. as viagens tornam-se muito mais agradáveis. eu não poderia empreender a minha pretendida viagem a tão inóspita região. que. a qualquer hora que se queira. são mais facilmente encontrados.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 385 De tudo isso. o que era pior no caso é que ainda deveria ir primeiramente à Barra. Assim. de todas as espécies. Em tais ocasiões. dali para Belém e. Os peixes. Os meses de novembro. de lá poder . janeiro e fevereiro são os da quadra da “vasante” ou da baixa das águas. Entretanto. decerto. voltar. pois que. descer então para Barra. por isso. corria o risco de vê-lo destruído pelo mofo ou pelos insetos. se ainda permanecesse aqui. onde se pode comer e dormir à vontade. se não assim fazer. se eu assim não fizesse. por sua vez. Demais disso. passar ali esses quatro meses. tornam-se muito mais abundantes. artigos que eu somente poderia adquirir em Barra. seria ainda dali a uns dois ou três meses. A melhor ocasião para subir o rio. bordado por toda parte de lindas praias de pedra ou de areia. a qual deita os ovos em grande quantidade. dezembro. agora. nas praias de suas cabeceiras. estavam consideráveis lotes das minhas diversas coleções. sem os indispensáveis artigos destinados à troca com os índios. logo após. eu nada lucraria. como também em Guia. finalmente. Eu esperava. de resto. nessa ocasião já se acham maduros. Os pássaros e insetos. não é coisa lá muito agradável de fazer. O rio fica com outro aspecto. viagem de umas 150 milhas. O rio. totalmente diverso nos seus aspectos. e daí é que começa o verão. contudo. se encontra outra espécie de tartarugas. e. não tinha eu outro remédio. e de lá.

um ano e tanto antes do prazo fixado para isso. E. que eram inteiramente novas para mim. Só de nisto estar a refletir. com que eu agora estava projetando a minha volta para a Inglaterra. de que já estava há tão longo tempo ausente: – as campinas verdejantes. tendo incutido em minha mente mais essa viagem. poderia eu achar-me de novo no meio de tudo isso. E. que eu ainda tinha de fazer e suportar. com que prazer. Aliás. Os insetos não eram tão abundantes. vendo em torno os rostos familiares! Que delícia já me parecia o simples pão com manteiga! E. visto ser impossível mandá-los sem a minha vigilância e cuidados pessoais. levando as minhas numerosas e valiosas coleções de pássaros e de animais vivos. talvez. que resolvi mesmo apressar a minha volta para a Inglaterra. que estava custando a fazer o seu aparecimento. os jardins bem cuidados. principalmente. com que delícia eu já estava a pensar. assim dentro de um ano e tanto. quando ficasse sentado ao lado da lareira! Que satisfação haveria de ter. as enfadonhas horas de viagem. como em Jauarité. assim. os aborrecimentos e trabalhos das tediosas excursões. as estradas floridas. Nossa demora em São-Jerônimo teve de prolongar-se. nem mesmo nos primeiros anos em que estive perlustrando estas regiões tropicais. Foi por causa destes últimos. horas seguidas. em conseqüência da espera pela chegada de Bernardo. os bosques aprazíveis. em julho ou agosto. a metade da ansiedade. nos meus solitários passeios. trazia eu. Que visões haveria de ter. todas essas coisas que são aqui completamente desconhecidas. os pensamentos voltados para casa.386 Alfred Russel Wallace seguir para a Inglaterra. E nunca senti tanto. à hora do chá. sentado à mesa. assim. eu ainda encontrava alguma coisa de interessante em minhas excursões. . já desejava que se passassem logo os longos meses. nas doçuras do lar! Que verdadeiro paraíso era para mim o distante torrão natal! Como pensava nos múltiplos e singelos prazeres. pois consegui capturar duas lindas espécies de satíridas.

justamente à altura de meus olhos. o Brasil é o que possui o maior número de variedades de orquídeas. comecei. cabendo à América mais da metade. contudo. crescendo em grupos de oito a dez pés de altura. porém. que se conhecem. avistei cerca de 30 espécies diferentes. que tem vida muito curta. andando por ali.120 Eu nunca havia visto tantas espécies reunidas em uma só localidade. eram.060 é o número das espécies brasileiras. As flores. desde aí. pois ali encontrei muitas espécies de orquídeas. arenoso e estéril! Um ou dois dias depois.000 espécies conhecidas. na sua maioria. Em uma hora. a fim de mandá-las para a Inglaterra. Pelo seu bonito aspecto. de três polegadas de diâmetro. Quão esquisitamente bela era tal flor. Havia um viveiro completo de orquídeas. De todos os países do mundo. há cerca de 8. pois se abrem pela manhã e vivem somente um dia. mas uma era maior. naquele local selvagem. cujas flores nada se pareciam com as da maior parte desta família. poucos maiores do que musgos. através de campo aberto. ao encontrar inesperadamente uma flor magnífica que vicejava no caule de uma árvore apodrecida. do delicado pálido de palha ao amarelo vivo e forte da porção basal do labelo. De acordo com essa deliberação. fiquei verdadeiramente encantado. mas de arbustos. diariamente. deliciei-me deveras. a trazer para casa. deserto. porquanto de uma tão distante e tão inexplorada localidade era provável que muitas espécies fossem novas e desconhecidas. na cor. semiterrestre. encontrei ainda outra linda espécie. Poucas espécies. mas todas muito bonitas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 387 Em um estreito caminho. vários espécimens. 1. . havia ali em florescência. que se viam. resolvi colher algumas. e que fica a cerca de uma milha para além da aldeia. pequenas. aproximadamente redondas e variando. Era um cacho de cinco ou seis flores. Um dia. que eu acondicionava em cestos 120 Das orquídeas. Algumas eram simples e miúdas.

poder fazer uma coleção maior de tão belas e tão interessantes plantas que deverão chegar ao seu destino em uma boa estação do ano. outra praga. e. entretanto. nesta quadra do ano. estávamos toleravelmente livres dos “bichos-de-pé”. Agora. bem pior. entretanto. tínhamos quase todos os dias o bastante para o almoço e para o jantar. que se tornava quase impossível ficar-se sentado durante o dia. até ali. porquanto os seus tormentos eram contínuos: – em todas as partes do rio. como nas suas sedes habituais. em todos os lugares. colocando-os sobre suportes de madeira. O Sr. Assim sendo. porém. eram tão abundantes. Ali. a praga dos piuns. o que teria sido de grande utilidade para . e raro era o dia em que eu não tivesse algumas novas e curiosas espécies. era uma raridade aparecer. eles não eram conhecidos neste rio. o mais extraordinário é que. haveria eu de encontrar outras inteiramente novas. Os peixes das espécies menores destes rios constituem uma admirável variedade. nestas “altitudes”. mais ou menos. Em minha excursão próximo-futura. porém. e os índios unanimemente declaravam que o pium. contudo. e não prevendo que haveria de encontrar este flagelo.388 Alfred Russel Wallace de farinha. L. era de esperar que. Mesmo assim. e este também lhes poderia ser prejudicial. com algumas folhas de bananeira. Tendo já. as espécies encontradas são diferentes das que eu vi no rio Negro. nos anos anteriores. em grande proporção. até que me fosse possível despachá-los. espero. São-Jerônimo é uma localidade célebre pela abundância de peixes. em compensação. pois iam chegar à Inglaterra antes do inverno. por onde passamos. desde muito. para acrescer a minha coleção. são eles algo um tanto difíceis de pegar. tivemos que suportar. que ali afluíam em tão incontáveis miríades. deixado de fazer uso de calçado. para livrá-los do calor do sol. Eu estava algo um tanto duvidoso do êxito que poderia ter com essa iniciativa. De tudo isso. deixei de trazer um par de botas. Tivemos. nas partes mais remotas do rio.

Minhas mãos sofriam pela mesma forma. e que morreu em conseqüência do vício de comer terra. . então. trouxeram notícias das mortes que ocorreram na aldeia. produzidas pelos piuns. depois que dali havíamos partido. era envolver em panos as mãos e os pés. Daí o poderem os piuns aparecer-nos sorrateiramente. um indiozinho da casa do Sr. preso dentro de casa. quando muito inflamados. que tinham sido mandados à Guia com um carregamento de farinha. voltaram da viagem e. as quais depois tomavam uma cor vermelho-escura. porque estavam mais constantes em movimento. pois não passa através de qualquer coberta. Isso até constitui um mistério. por toda parte. quando depenava um pássaro ou desenhava um peixe. e que. para isso. principalmente por quem nunca o experimentou. Meus pés ficaram cobertos. por isso mesmo. porém não tanto.. em tão vasto número. Um único meio de obter um pouco de sossego durante o dia. às vezes lhes acarretam a morte. Cerca de uma semana após havermos chegado ali. não podíamos socorrer-nos desse expediente. que dentro de casa me faziam os piuns. pois tal insetos não penetravam em lugares escuros. O pium é diferente dos outros mosquitos. de pequenas manchas vermelhas. ficando. ainda mesmo que seja fina. dificilmente poderão ser imaginados. Empregaram-se todos os meios possíveis para curá-lo desse vício. Os índios conservam as casas fechadas. os tornozelos que eu sofria. L. alguns índios. Ele fora devidamente tratado e até mesmo castigado. Uma era a de José. que eu não posso bem explicar. hábito esse muito comum entre os índios e mestiços das casas dos brancos. Nessas condições.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 389 defender-me os pés e os tornozelos dos ataques. Não tendo portas a nossa casa.

então. sem essas formalidades. a fim de averiguar-se a autoria de tais crimes. e. do rosto e das pernas. após uns dois ou três dias. afinal. Parece que se verificam os mesmos efeitos no estômago e nos intestinos. Poucos dias depois de estarmos em São-Jerônimo. no qual foi posto sumo de uma raiz. encontrava bastante provisão nas paredes de barro da casa. e cuja morte imaginavam que fora em conseqüência de sortilégios. uma grande lamentação. queimaram-se-lhe a maqueira. e. e não mais se falou sobre tal assunto. a morrer. assim. putrefazem-se logo e. Envenenaram-no com caxiri. nos fundos da casa. que ficava. todavia. que o paciente passa na maior agonia. depois que saímos da aldeia. enterrou-se o velho. Não tendo havido tanto cuidado na sua vigilância. A língua e a garganta incham. e o atual assassínio fora provavelmente levado a efeito. nesse estado. irmã de um índio que morrera na aldeia pouco antes. de tão inchados. como vingança dessa suposta injúria. fez-se-lhe. para fazer os suspeitos responsáveis pagar esse homicídio. Não se sabia quem teria sido o autor de tal envenenamento. começam a cair aos pedaços. contudo. que era o “juiz-da-festa” de Santo Antônio.390 Alfred Russel Wallace Mesmo assim. A outra morte era a de um índio velho. morrera ali um rapaz. que produz a mais horrível intoxicação. Os sintomas provenientes desse hábito caracterizam-se pela inchação de todo o corpo. com certeza comeu demais a sua guloseima. Os seus amigos. a uma rapariga. talvez recorram aos mesmos meios. afinal. Afinal. Desconhecem-se aqui os meios para fazer um inquérito. vem. Em uma fogueira. mal podia caminhar. E. os arcos e as flechas. durante várias horas. quando não se lhe oferecia outra oportunidade. . junto ao cadáver. a morrer em conseqüência disso. e veio. Atribuía-se. a qual ocorreu logo depois que o deixamos.

onde ficaram escondidos. carregamos a nossa canoa. foram as de um “comedor-de-formiga”. 50 dias. e de um pequeno macaco. de volta para Guia. por isso. por outro rio diferente daquele em que o ataque deveria ser levado a efeito.121 de cauda preênsil. durante o tempo de minha permanência ali. continuou a sua deplorável e triste lamentação. tamanduá-í ou tamanduá-mirim (Myrmecophaga tetradactyla e didactyla). As únicas adições que fiz às minhas coleções. Não havendo. O que ocorreu de mais importante na aldeia foi a chegada de Manuel Joaquim. . suspeitos. e os índios consideraram mais seguro desviar-se de semelhante visita. entrando. agora. Esses seus movimentos foram julgados. descobrindo-lhe todos os movimentos. Bernardo fez. em nossa excursão. o qual nem mesmo chegou a levar a efeito. e o pequeno. outros motivos para prolongarmos mais a demora aqui. também chamado. em ser bem sucedido no próximo ataque a outro lugar. Após quinze dias de ansiosa espera. no Amazonas. de acredita que pode chegar inopinadamente. e marchando em seguida através da floresta. a que se refere o autor. cit. em seguida enterrado dentro da própria casa. sem dúvida. chamado jurupari-macaco (ou “macaco-de-demônio”). E fora mal sucedido no seu pretendido ataque aos índios. o corpo foi. do qual há duas espécies: o grande. tamanduá-colete. para isso. deixamos São-Jerônimo. pois estes tiveram notícia da aproximação dele. e. e. mais vulgarmente conhecido por tamanduá-bandeira e tamanduá-cavalo (Myrmecophaga jubata). onde chegamos no dia 24.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 391 De acordo com o generalizado costume destes índios. afinal.. contudo. ob. tamanduá-guaçu. Veja-se Martius. 478. que é uma espécie intimamente ligada a chamada iá. Ele está muito confiante. que habita o Solimões. tendo estado ausentes. é o nosso tamanduá. durante muitos dias ainda. vindo de Barra. vindo acompanhado de suas três mulheres e de um batalhão de filhos. A sua mãe. o seu aparecimento. retiraram-se ainda a tempo para a floresta. Ele havia tomado todas as precauções possíveis. pág. 121 O “comedor-de-formiga”. na manhã seguinte. pela manhã.

depois de tomar os depoimentos dos índios e do Sr. por ocasião do nosso regresso. fora banido para o rio Negro. L. nessa ocasião. para o comandante de Marabitanas. fora amigo do Sr. O povo de Guia falava que ele havia assassinado duas raparigas índias e cometera muitos outros crimes horríveis. que se achava em Guia. depois disso. Por estes e outros crimes. em grande triunfo. que morava em sua companhia. acabaram brigando.. mas. Apelou-se. não só por esse. porque não tinha soldados sob seu comando. há coisa de uns dois anos. L. quis mandá-lo preso para Barra. tentou incendiar-lhe a casa e também matar um soldado. Era um dos tipos de certa classe de homens brancos. deixou-o ir livremente em sua canoa acompanhado por dois soldados. E. isso. ultimamente. .392 Alfred Russel Wallace Manuel Joaquim era um mestiço brasileiro. Diziam que assassinara a mulher e que. um mulato velho. em vez de ser enforcado. tomando o partido deste. por isso mesmo. que era muito amigo do Sr. que residiu durante algum tempo em Guia. Em outros tempos. verificamos que Manuel Joaquim já havia voltado. não mandou prendê-lo e. como ele bem o merecia. L. Espancou a mulher índia. o subdelegado de polícia do distrito processou-o e. dando abraços e soltando foguetes. levando ainda uma carta de recomendação a seu favor. que se encontram no rio Negro. Tinha o costume de ameaçar e matar os índios.. fugira para a floresta. agora. sim. para tomar-lhes as mulheres e as filhas. entretanto. a autoridade não pôde conseguir. e. e esta. mas o comandante era “compadre” de Manuel Joaquim e. mas também por mais alguns outros crimes. onde esteve escondida vários dias. Este triste acontecimento ocorreu pouco antes de sairmos para o Uaupés. Fora primeiramente soldado e tomou parte em algumas das numerosas revoluções que ocorreram no Brasil. em todas as aldeias por onde passava.

então. lhe respondera que “não”. Todavia. cuja função é fazer cumprir a lei e fazer também com que todos os outros funcionários da justiça ou da polícia cumpram os seus deveres. cometera algumas faltas. Mas o melhor e o mais interessante de tudo isso é que existe em Barra. porém dali. deveria. – “como o Sr. que.” E teve assim esse desfecho a tentativa para punir-se um homem. pela sua pura ignorância. trazendo-me cartas e jornais de Barra. deixando de cumprir umas tantas formalidades no processo. não deu importância a esse processo. um oficial encarregado de prover a justiça. se verdadeiros.: – “E aconselho o Sr.. na comarca do Rio-Negro. voltou de novo. ao que Manuel Joaquim. então. de modo que nenhum criminoso possa escapar das penas da lei ou fazer-se uma injustiça. L. ao que parece. – “Pois bem”. chamado de “promotor público”. na qual este dizia que Manuel Joaquim se havia apresentado ali e que ele (o delegado) lhe tinha perguntado se ele ali fora como prisioneiro. do delegado de polícia de Barra. em minha projetada viagem à Barra. é tratar os seus caluniadores e intrigantes com desdém.” E escrevia. Tive ainda outra inesperada e inevitável demora. frustrar as altas finalidades do serviço da justiça. um ou dois dias depois. que possua amigos ou que tenha dinheiro. ao Sr. só pela metade dos crimes que lhe eram imputados. a fazer o mesmo. o melhor. de acordo com as leis do Brasil. ou. e bem assim em todas as outras cidades. que havia ido para tratar de negócios. então. – disse-lhe então o delegado. O pobre do subdelegado. ter sido enforcado. Veio também uma carta para o Sr. condenado a degredo por toda a vida. por desídia ou conivência de qualquer desses oficiais. L. . e essa foi a razão por que Manuel Joaquim tão facilmente e tão gloriosamente escapou de ser preso. nada é mais fácil para qualquer pessoa.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 393 Ele foi até Marabitanas. no caso.

L. não teve um homem. a fim de ir à Barra e de lá de novo voltar. eu a recebi. O Sr. que eu havia mandado fazer. E daí a dias. Os índios. retirando-se para os seus sítios. entretanto. quando voltei.394 Alfred Russel Wallace Uma canoa. quando. afinal de contas. Verifiquei. estava para ir a São-Joaquim. entretanto. dali a uma semana. Um dizia que a sua casa estava carecendo de urgentes consertos e deveria primeiramente cuidar disto. que trouxeram a canoa. L. pois uma canoa sem homens nada poderia adiantar-me. antes de poder ir comigo para Barra. que isto não era lá tão fácil assim. e não bastavam para descer com segurança as cachoeiras e rápidos. que com ele ficasse. veio a dar tudo na mesma. e. O comandante havia dado ordens aos dois índios. eles. entretanto. ali chegou um espanhol ou venezuelano. a fim de transportar as suas mercadorias e a sua família. eram poucos. e eu resolvi aproveitar o ensejo para escrever ao comandante. pedindo-lhe emprestada a sua igarité. ainda não se achava pronta. Entretanto. sequer. Ele devia voltar para Marabitanas. juntos. fomos para São-Joaquim. com capacidade suficiente para o transporte das minhas bagagens e das minhas coleções. Ele muito bondosamente me atendeu. para que me acompanhassem na viagem. não os encontrei ali. para quem eu apelava. para ver se poderia arranjar ali mais alguns homens. serviço este que não dá para mais do que dois dias de trabalho. pois todo índio. embora estivesse muito aflito para continuar a viagem. Como o Sr. haviam saído todos de Guia. Meus índios gastaram cerca de quinze dias fazendo as novas toldas para a canoa. Ele próprio teve que trazer para baixo a sua canoa. Poucos dias após. temendo a volta de Manuel Joaquim. com uma canoa para Manuel Joaquim. agora poderia partir logo. Eu estava pensando que. resolvi acompanhá-lo. na barra do Uaupés. outro dizia que estava com . tinha algum negócio seu para cuidar. e eu não sabia onde obter outra. onde ele pretendia ficar algum tempo. nos mais remotos igarapés e nas mais profundas e mais inacessíveis florestas.

fui obrigado a esperar um tempo mais longo e a experimentar o remédio brasileiro. e.Sumário Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 395 uma dança. receitado para todos esses contratempos e dissabores: a “paciência”. Próxima página . assim. depois que disso se desembaraçasse. E. é que haveria de servir-me. marcada para dali a uma ou duas semanas.

. foi necessário mandar outros quatro ajudá-lo. . . porque representa o som do u. . . partindo logo. para fazer a minha há longo tempo almejada viagem. pois. . . . 122 O autor escreve Wanawáca. Um dos índios. . por w. . além das bagagens. durante três dias. . a limpar a sua roça de mandioca. . .Sumário . . . . eu levava ainda uma certa quantidade de farinha de mandioca e várias outras mercadorias do Sr. A minha canoa estava excessivamente carregada. Capítulo XI No Rio Negro DIFICULDADES PARA A PARTIDA – DESCENDO AS CACHOEIRAS – PESCANDO UM JACARÉ – PAPAGAIOS MANSOS – QUINZE DIAS EM BARRA – DIPLOMACIA DE FREI JOSÉ – SALGANDO UM PEIXE-BOI – TEMPESTADE NO RIO – VERACIDADE BRASILEIRA – UANAUACA122 – POSSIBILIDADES DA REGIÃO – UMA COBRA ENORME – SÃO-GABRIEL – SÃO-JOAQUIM – ACESSOS DE FEBRE N Página anterior O DIA primeiro de setembro. . consegui contratar mais dois índios e um piloto. . . L. . . . após a demora de mais outra semana. . comumente. para eu poder persuadi-lo a seguir comigo. . .

o qual foi vencido galhardamente. sacudiram-na de maneira alarmante. e. . vêem-se-lhe as águas correndo rapidamente. às quatro horas da tarde. felizmente. e as águas. Contudo. na manhã seguinte. contemplando aquele tumulto de águas em movimento e em incessante conflito. a canoa se desviou da rota própria. para baixo de Camanaú. Olhando-se para o rio. e. quando vos achais no meio deles. pois. o que ele me pediu. em agitadas ondas. com toda a segurança. eu estava bastante receoso da passagem das quedas. causando-nos algum susto. rebojos e pequenos rochedos. a certa altura do canal. acolá. não eram muito perigosos. O próprio piloto. tendo carregado de novo a canoa. de muito boa vontade. aportamos ali. até chegarmos a São-Gabriel. que não conhecia bem o canal do rio. por sua vez.398 Alfred Russel Wallace Por isso mesmo. ali. em conseqüência de suas libações de caxiri. dizendo que a canoa estava superlotada. muito para minha satisfação. que não parecem tão formidáveis. Os rápidos. e. vistos assim a distância. Paguei-lhe. ficais verdadeiramente horrorizados. sem qualquer novidade. eu deveria arranjar outro piloto que o substituísse. Descarregamos uma parte do que levávamos. apresentamos nossas despedidas ao comandante. Consegui. e que. é de um caráter inteiramente diverso da de qualquer outra parte do mundo. Todavia. também se encontrava um tanto ou quanto receoso. nestas quedas. e sem mais ser necessário descarregá-la. e a canoa haveria de vencê-los em boas condições de segurança. A navegação. redemoinhos. quatro mil réis (cerca de 9 shillings). ficando muito satisfeito por me haver ele informado que. formando-se aqui. dali até Camanaú. na manhã seguinte. arranjar um bom piloto para levar-nos. as cachoeiras e rápidos não eram tão perigosos. dali para baixo. apenas para passar o estreito canal em frente à fortaleza. estando o rio muito cheio. mais se me aumentando o receio pelo fato de se achar ainda bastante embriagado o meu piloto. abaixo da cachoeira de São-Gabriel. já havíamos passado. isso não foi sem algum perigo. com duas horas de viagem.

L. e. ora é outra que emerge. reenchendo de cargas a canoa para a viagem até Barra. como se fossem causados por explosões. é necessário que tenha o piloto bastante conhecimento deles e o maior cuidado possível ao transpô-los. Quando o rio está baixo. Tendo passado esses perigosíssimos saltos. Imagino que. se as circunstâncias assim o exigirem –. nas vizinhanças dos arcos da “Velha-Ponte”.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 399 Turbilhonantes e ferventes redemoinhos. Tudo ali depende da habilidade do piloto. se vêem. Ora é uma corrente que cruza pela proa. pois. que ele avista adiante. chegamos agradavelmente a São-José. pela proa. e desvia-se sereno de todos estes perigos – ora ordenando a equipagem para remar duro. pela popa. bom conhecedor como é do rio. cruzando-se. de Londres. como para submergi-la. e eu prontamente me dispus a pelá-lo. enquanto do outro lado brotavam outras em direção contrária.. e destramente prepara a canoa para receber a impetuosa investida de correntes contrárias. que vai distinguindo. De um dos bordos da canoa. fazendo-nos quase ter vertigens. irrompem. ora para afrouxar. os pontos onde há rochedos submersos e perigosos rebojos e redemoinhos. para isso. onde fiquei um dia. que instantaneamente sobrevêm. em diagonal. gastando . não obstante a força das águas ser menor. por ocasião das marés mais fortes. fortes correntes puxavam-na para baixo. por intervalos. de uma das espécies menores. a fim de entregar ali uma parte das mercadorias do Sr. os rochedos submersos têm que ser evitados. Só depois de quase uma hora de duro trabalho foi que pude tirar a maior parte da carne da cauda. a descida dos rápidos oferece maiores perigos. que é considerada a melhor. perigos algo um tanto semelhantes. em menor escala. tivemos a sorte de pescar um bonito exemplar de jacaré. debatendo-se com outras contra-correntes. À tarde. prometendo tirar-lhe a carne a tempo ainda de ser preparado para o jantar. como uma espumante Scylla de um lado e uma girante Charybdis do outro. lá do fundo do rio.

Aportei ao sítio do Sr. e bem gordo.400 Alfred Russel Wallace ainda mais de outra hora para tirar a do tronco. e onde este. no dia seguinte. João Cordeiro. tendo ele próprio visto um. só as conseguimos cortar à custa de pesados golpes de martelo sobre uma faca. viajando. com quem já me havia uma vez encontrado em Guia. na minha viagem de volta. Tive ainda bastante trabalho. especialmente para pelar e preparar o esqueleto de um peixe-boi. Ao almoço. guardá-la durante muitos meses. à qual ficou preso por intermédio de um agudo e forte anzol. tendo de deixar para o dia seguinte. a limpeza da cabeça e das pernas. alcançamos o sítio do Sr. O anzol estava firmemente enterrado na parede do estômago do animal. conservada. Cordeiro. mas é preciso que o animal seja novo ainda. assim. As escamas da barriga. na minha opinião. aí parei para almoçar. para acabar de limpar-lhe a cabeça e os membros. tendo com ele combinado passar alguns dias em sua casa. para que a sua carne seja saborosa. Chagas. que um dos seus índios havia matado. que faz barra no rio Negro. havia tempo. comemos um pouco da carne do dito peixe. no rio Uaupés. todos os anos. pouco acima da casa de morada do Sr. que forneceram um bom suprimento de carne para o jantar dos meus índios. dele recebendo segura informação da existência. sendo bastante apreciada pelos índios e também por muitos brancos. de um “gavião-de-penacho” branco. que fora. subdelegado de polícia. O seu comprimento era aproximadamente de seis pés. fritando-se com a sua própria gordura e nesta ficando mergulhada dentro de grandes potes de barro. apanha grande número deles com rede e arpão. iscado com um peixe que ele engoliu. No dia 6. semelhante ao de goiaba ou qualquer outro fruto muito almiscarado. podendo-se. que ele prometeu arranjar-me. . Ele fora apanhado por uma das nossas linhas. A sua carne tem odor muito forte. Tais peixes são muito abundantes no rio Urubaxi. o que fiz na canoa. algo um tanto agradável.

onde se pudesse acender fogo. que era ainda nova para mim e que me deu uma tarde de trabalho para desenhar e descrever. em Barra. e que nos abasteceram de carne por alguns dias. dois pentes de 123 Assim está no original. as mais das vezes.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 401 Na minha despedida. e de peixes só obtive uma curiosa espécie. pela declaração de ser uma “barragem” para peixes. onde foi colocado. Eu não tinha caixa onde pô-lo. O Sr. por não se encontrar terra firme. malhada. tendo sido preciso prendê-lo em uma tábua e fazer uma coberta de folha de palmeira. outras vezes com sol. porém. para abrir os buracos e coser a pele. de cabeça vermelha. acabei de empalhar o meu jacaré. somente passando a papas de farinha e água. eu já estava tão bem acostumado. João convidou-me a visitar. Havia ali também cinco pequenas tartarugas. Nos diversos sítios aonde eu aportava. um ano antes. o seu escrivão. Lá um queria que eu lhe trouxesse um pote de óleo de tartaruga. Mas. apesar de todos estes inconvenientes em tal ocasião. Prossegui favoravelmente a viagem. para eu comer em viagem. Ali. em nota anterior. autorizando-me a tirar dali os que me conviessem. a quem eu já houvesse visto uma vez. o delegado de polícia queria que eu lhe trouxesse um casal de gatos. a sua “cacoarie”123 ou barragem para conservar peixes. nem mesmo havia espaço na canoa onde eu pudesse guardá-lo. pois quem quer que fosse. a que já nos referimos. algumas vezes com chuvas. quando descêssemos. tendo sido necessário pedir emprestada uma púa. num segundo encontro se considerava um velho amigo meu e queria gozar de privilégios como tal. Assim fiz. deve ser o cacuri. que servem toleravelmente para comer. para resguardá-lo da chuva. no topo da tolda. que já não me lembrava de mais nada daquilo que. algumas vezes recebia encomendas de compras. fora para mim uma grande e penosa provação. mandou-me ele ainda um prato de carne de lingüiças. outro pedia um garrafão de vinho. . mas.

que é ornada de bonitas penas. um dos quais devia ser um pente fino. Para todas essas encomendas. lindíssima ave. ficariam elas muito contentes e de mim os comprariam e mos pagariam.. quanto à índole. era pesado para locomover-se e muito irritável. Estes pássaros tinham uma notável diferença. não obstante isso. de penas pretas na cabeça e brancas no peito e. eram dois papagaios. nunca ficava quieta um momento sequer. estando sempre a andar pela canoa toda. dariam o seu equivalente em café. sem pedir diretamente. corrente no rio Negro. tanto que se dirigiam a mim. no peito e na barriga. pelo contrário. fumo ou outra mercadoria qualquer. me deram. Sobre essa ave. págs. Um deles era a pequena “Mariana”. à minha volta. se eu lhos trouxesse. tendo a cabeça e o dorso do pescoço cobertos de longas penas vermelhas. irrequieta e vivaz. queria uma viola. . ora entrando em qual124 Assim está no original. que eu lhos adquirisse. ob. Diversas outras pessoas – com as quais eu nunca havia falado. e outro ainda. quando está com fome. que me pagariam. mas todos prometiam que o dinheiro seria certo de receber. semelhante à do “gavião-real”. leia-se o que diz Goeldi. que ele sempre arrepia. outro indivíduo estava precisando de verrumas. a macaí dos índios. ou. cit. O seu nome ornitológico é Derotypus accipitrinus124 ou papagaio de cabeça açorina.402 Alfred Russel Wallace marfim. era tão buliçosa como uma macaca e tão travessa como uma gata. mas o correto é Deroptyus. O anacá tinha o feitio algo um tanto solene. e. então. um papagaio miúdo. era uma criatura pequena. formando-se uma longa e elegante crista. de um modo bem claro. eu não recebia um único vintém adiantado. no Amazonas. por vezes. tendo no pescoço e nas coxas penas vermelhas. a entender que estavam precisando muito de tais e tais objetos. de um azul muito vivo. enquanto a “Mariana”. 122-125. tratando-me pelo nome –. também chamada vanaquiá ou ía. insinuavam apenas que. bem conhecido delas. com lindas listas azuladas. O outro era um anacá. listadas de azul e de vermelho. que para mim eram uma constante fonte de distração. por sua vez. Os únicos animais vivos que eu trazia a bordo. mas já era.

O anacá mais sóbrio. e não sossegava. ela se demorava em vãs pesquisas. gulosamente. mas simplesmente para trepar em um arbusto ou em uma árvore. Ela subia na cafeteira. parando de quando em quando. inclinando-se-lhe à sua borda. Ela. não só ali bebia o café. ora mergulhando em todos os cestos. e ficavam pousados um ao lado do outro. procurando o seu companheiro emplumado. mas vivaz e alegre companheira. Não obstante os seus diferentes temperamentos. frutos de qualquer espécie. horas seguidas. Todas as vezes que aportávamos para preparar a comida. correndo o olhar em roda. enquanto não recebesse o seu quinhão. geralmente permanecia na canoa. em seguida. durante uns cinco minutos. e bebia-o. e ter prazer de ficar em uma posição mais elevada. procurava logo. não com o intuito de querer fugir. atraído pelos gritos e assobios de sua pequena. juntando-se a ela. sofregamente. a “Mariana” era sempre uma das primeiras a saltar em terra. trepar na beirada. mergulhava lá bem no fundo o bico. apressadamente. sempre imitando o seu bonito e claro assobio e fazendo-a corresponder com o seu.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 403 quer fenda ou abertura que encontrasse. Quando ela me via com a caneca de café na mão. eram grandes amigos. . que sorvia com a maior satisfação. vegetais. e vir comer peixe ou beber café. evidentemente. lá bem no alto. e. Bastava perceber que a comida já estava pronta. deixando somente aparecer a pequena cauda. Era uma ave que comia tudo quanto achasse: arroz. e provava de tudo que neles se continha. correndo em roda os olhos. ao mesmo tempo que. como para dizer: “Este café está muito bom”. tranqüilamente. para logo daí descer. e não o do açúcar. sem a menor cerimônia. peixe. carne. apreciava o verdadeiro sabor do café. panelas e potes. desse jeito. mas também lhe comia a borra. e apreciava o café tão bem quanto eu mesmo. até que. que descobria. farinha. assobiando. também se aventurava a sair de lá. com ares de muito entendida. e. Os meus tripulantes da canoa brincavam muito com ela.

se achava na cidade. trazida posteriormente. que pouca esperança havia de um restabelecimento. como um cão e uma gata. tendo sofrido um grande abalo moral. que vimos de longe. do meu correspondente. era de que o “Princesa-Vitória”. e que. mas já estava pesaroso de ter que me apartar delas. ora com as suas unhadas e bicadas. Eu tencionava levá-las de presente para dois amigos de Barra. se havia perdido ao entrar em Belém. permanência que eu desejava fosse tão breve quanto possível. Natterer. com um valioso carregamento. sem novidade. o Sr. A “Mariana”. exatamente quinze dias após ter deixado São-Joaquim. Estava ele numa casa que se tornou clássica para os naturalistas. Cartas datadas de três meses passados. logo terminava. a qual. O bondoso amigo arranjou-me gentilmente acomodação na sua residência para todo o tempo de minha permanência na cidade. ou brincando juntos. Spruce. Quando a canoa partiu dali. pareciam encantadoras. os sintomas da doença eram tão alarmantes. No dia 18 de setembro. sobretudo depois de haver-me acostumado com as casas de paredes barreadas e sepultas na floresta das aldeias do rio Negro. que estava atacado de febre amarela. Miller. davam-me informações da perigosa doença de meu irmão. ora saltando por cima dele. por falta de homens. ali estando detido. pois aí também residiu o Dr. tivera um ataque cerebral. o Sr. por vezes. o Sr. chegamos. . As suas alvas casas e a vista franca da cidade. contudo. estavam aguardando a minha chegada. Miller. cujo desfecho fora a morte. vindas de Belém. voltando ao seu primitivo estado de uma amizade quase fraternal.404 Alfred Russel Wallace coçando a cabeça um do outro. à cidade de Barra. Fiquei logo sabendo que meu amigo. Ruins notícias. trazendo a carta que me foi portadora de tão más notícias. A única informação a mais. que isso acabava degenerando em luta. exasperava tanto ao anacá. como sucedeu também comigo em Guia. em conseqüência desse desastre.

como haveria de ficar. estranhava eu que nenhum dos ingleses residentes em Belém me mandasse ao menos uma linha. Henrique ou a outro negociante. arranjar homens para a viagem. e justamente na hora de sair. Contudo. uma grande importunação. não se conseguia. para informar-me do falecimento de meu irmão. são obrigadas. a tal estado ficou reduzido esse lindo rincão! Quando eu estava para partir. Spruce. nós nos deliciávamos em agradável palestra. ora fazendo compras. nem por amizade. a recorrer. outro remédio não havia senão tirá-lo. Em conseqüência das desordens e devassidão dos brasileiros dali. como todo mundo faz aqui. Por outro lado. nem por dinheiro. Todas as tardes. pois o único carpinteiro que havia no lugar. Em Barra. implorar mesmo. o maior. o subdelegado mandou avisar-me que eu deveria munir-me de um passaporte. mas a minha canoa era demasiado pequena para nos acomodar a ambos. caso houvesse isso ocorrido. O Sr. e nos momentos de folga. para mim. ao Sr. Fiquei em Barra quinze dias. ora arranjando e encaixotando todas as minhas variadas coleções. freqüentemente. com as nossas bagagens todas. Eu mesmo tive que fazer e enfardar as caixas para os insetos. afinal de contas. havia saído para negociar nos rios. porquanto o escrivão não queria perder a sua paga de um “cruzado”. As próprias autoridades locais. porém muitíssimo ocupado durante todo esse tempo. quando precisam fazer alguma diligência. e os meus homens eram também insuficientes para a dele. carregada.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 405 De ninguém pude obter uma palavra sequer de informação a respeito de meu irmão. . ficando assim na maior ansiedade e incerteza sobre a sorte dele. muito desejava que pudéssemos juntos subir o rio. tanto quanto eu próprio. de que eu me havia completamente esquecido. tendo enchido a sua cabeça de que deveria dedicar-se ao comércio. e ali o mais raro dos prazeres.

e. Vejam-se-lhe as espécies em Martius. verifiquei que aquele meu cuidado fora inútil. pág. um pacu. O Sr. levando dois meninos e uma canoa para o regresso. e eu obtive cinco espécimens de um pequeno peixe. isto não passava de uma grande importunação e o Sr. Depois disso. Tivemos vento favorável. só por semelhante falta. é a pequena embarcação em que se navega a remo no Amazonas. que o subdelegado. Na manhã seguinte. Spruce encontrou novas e interessantes espécies de árvores e alguns arbustos em florescência. Chegando a um sítio onde eu havia deixado por precaução a minha montaria. devia eu ir primeiramente comprar o necessário (e a repartição não estava aberta). além disso. 466. Como tudo já estivesse a bordo da canoa e em condições de partir logo. II. vol. Sabendo. por alguns dias. para obter o passaporte. cit. despedimo-nos um do outro. cerca das 4 horas da tarde.125 que era uma espécie desconhecida ainda para mim e. segui o dito conselho e parti logo. 69). pág. assim nós ambos tivemos alguma coisa para fazer até à hora do jantar. Spruce voltou para Barra. armando as nossas redes da melhor maneira que nos foi possível.126quando desci o rio.. onde morava o escrivão. com três metros de comprido e um de boca. me mandaria. ob. O Sr. Henrique me aconselhou que seguisse viagem. para fazer uma pequena excursão. cit. 125 Pacu é o Myletes edulis. com receio de que fosse roubada em Barra. em seguida. não haveria de mandar à minha procura e fazer-me voltar.406 Alfred Russel Wallace Para esse propósito. . ir a outro bairro da cidade. e. Ali o Sr. passamos ali uma noite agradável. aportamos a uma praia arenosa. e eu prossegui viagem rio acima. sob o abrigo de alguns arbustos. segundo Raimundo Morais (ob.. que ele depois. que nos ajudou bastante na travessia das grandes baías acima de Barra. pois ela fora subtraída poucos dias antes. próximas da qual havia duas choupanas. Spruce também me acompanhou. 126 Montaria. por um índio do rio Branco. de lá.

senão tocar para diante. podendo prosseguir a sua viagem. então. relatando-me ele. do outro lado do rio. “O presidente mandara soldados em perseguição dos selvagens. em sua canoa. veio com muita violência. e dos quais parecia orgulhar-se muitíssimo. em particular. com o constante receio da sua submersão. e gastou-se muito dinheiro com pólvora e balas. uma anedota a respeito dos seus próprios recursos diplomáticos. “Quando eu estava na Bolívia (disse-me ele). levantando tremendas ondas. o que nos levaria a todos nós para o fundo. . Tivemos várias trovoadas. e. no caminho que vai para Santa-Cruz. para passar a noite. em uma das costumárias visitas pastorais e comerciais. assim. havia ali várias tribos de índios muito guerreiros. às quais prendemos a popa e a proa de nossa embarcação. de comprar outra montaria. até Pedreiro. Não tive outro remédio. o mais depressa possível. Uma delas. que ia para o Solimões. Paramos no mesmo lugar. esgotávamos a água. e para isso. que ia rio acima. encontrei-me com o frei José. devido estar minha canoa muito carregada. o índio tomou posse da que havia deixado ali. em alguma outra parte. A nossa palestra versou sobre a epidemia de bexigas que havia em Belém do Pará. que nos teria arrojado à praia e reduzido a nossa canoa a cacos. Na mesma tarde. A canoa ficou a balouçar e rodar mais de uma hora. que roubavam e assassinavam os viajantes. 127 No original. para defender-se.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 407 Um homem. “trovoados”. mas com muito pouco resultado. que era bastante espaçosa e cômoda. quis compeli-lo a ir também. porém. tomou-lhe a canoa. aplicados a um caso daquela terrível moléstia. de que se estava enchendo. enquanto nós. com o intuito. a toda pressa. e eu fiquei a conversar com ele. se não tivéssemos tido a felicidade de encontrar um bosquete de árvores no rio.127 que foram algo um tanto perigosas.

não se ouvia mais falar ali em depredações dos índios. Em Pedreiro. parei um dia para consertar as minhas espingardas. ao alcance dos índios. e pusemo-la mergulhada com o seu próprio óleo em um grande pote. fazer uns anzóis maiores. levado a efeito assim a sangue-frio. tínhamos sempre um excelente manjar. “As bexigas” (concluiu ele) fizeram o diabo entre eles.408 Alfred Russel Wallace “Na cidade. muito embora ele com isso mostrasse que teria encarado a sua realidade como uma ação muito louvável e muito meritória. estava grassando a epidemia de bexigas. naquela hora. o mais acertado seria justamente mandar pô-las à beira da estrada. estava ela muito gorda de modo que lhe fritamos toda a carne na própria banha. estando eu a conversar com S. As suas partes internas. Em Carvoeiro. naquela ocasião. porém. eu nada disse ao frade. morrerão como formigas. “Ele seguiu o meu conselho e. com o fim de evitar-se a propagação do mal. “Um dia. depois. todas as quais se podem comer juntamente com a carne aderente aos cascos superiores e inferiores. os quais se apossarão delas muito contentes e. . comprei duas bonitas tartarugas e permaneci ali meio dia. e alguns ovos (dos quais havia perto de 200) deram alimentação para toda a equipagem da canoa durante dois dias. sugeri-lhe então um meio muito mais barato e mais prático do que pólvora e balas. “Em vez de mandar queimar as roupas dos bexiguentos (disse-lhe eu). a fim de matar uma delas para comer.” Dificilmente pude conter uma explosão do meu horror ante tão calma narrativa de semelhante massacre. e a tolda (a qual os índios tinham arranjado muito mal em Barra) também recebeu reparos ali. Exa a respeito das depredações dos índios. a fim de conservá-la por bastante tempo. consolando-me com a idéia de que aquilo não passasse de mais um dos engenhosos produtos do fértil cérebro de frei José. Cozinhando a carne com arroz. e as roupas de todos os que morriam eram logo queimadas. para acabar com eles. quando não podíamos obter peixe. em poucos meses.

banhos e quinino três vezes por dia. Pela manhã. debaixo de um sol muito quente. de uma espécie das de cabeça chata. pois é impossível conseguir que os índios executem essas pequenas coisas com poucas explicações. É nessas ocasiões que se sente a falta de um amigo ou de um criado. e que. de um emético. Ali. fazendo ali uns arranjos. com quatro dias. logo depois de haver deixado esse serviço. não sabia de nada do que se passava. o que dá mais trabalho do que se a gente mesmo as fizesse. Vasconcelos deu-me ali uma tartaruga. pois eu. desde dois anos atrás. sendo preciso um grande esforço e paciência para ensinar-lhes o que devem fazer. tendo para isto tomado um purgativo: e. e. de outro purgativo. comecei a sentir-me muitíssimo abatido. somente a fraqueza que me ficou. . recordava a minha vida passada e os 128 No original. tive fortes sintomas de febre.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 409 O Sr. de lavagens intestinais. no dia seguinte. sentindo depois disso. bebendo abundantemente água com óleo de tartaruga. consegui dominar a febre. e febre muito violenta. Quando eu ainda estava na canoa. era por vezes com dificuldade que me dispunha a levantar-me para prepará-lo. já não me sentia muito bem. nas costas e nas pernas. Durante a minha doença. eu já havia começado um tratamento preventivo. comecei então a tomar boas doses de quinino. desapareceu completamente. durante dois dias e duas noites. esperando de um momento para outro um ataque das muito temíveis “sezões”128 que tornavam Carvoeiro uma localidade célebre. entretanto. Com o uso. Enquanto permaneci naquele estado apático. com um dia ou dois mais. “seizãos”. constantemente meio acordado. De tão fraco e abatido que estava. meio dormindo. que eu ainda não havia encontrado e que ele estava conservando viva em um pequeno tanque. tendo sido trazida do baixo Amazonas. mais ou menos. os índios saíam da canoa quando bem entendiam. com fortes dores na cabeça.

410 Alfred Russel Wallace meus projetos. não havia espaço bastante na canoa. que ainda me restava. tendo fortes crises de vômito e disenteria. esperando. Com o auxílio de uns poucos sudoríficos e purgativos. . e prossegui a minha derradeira viagem muito bem-disposto. bem que sem acidentes. com firme convicção. porém. e que se achava atacado de febre e passando muito mal. Com a volta da saúde. que juntamos. Nessas ocasiões. evitando bebidas frias. José de Azevedo. durante a febre. no dia 29 de outubro. e comprei uma grande caixa para pô-la. com um cordão muito apertado. Encontrei ali um velho amigo. até que. o meu doce lar! Eu. na mais negra incerteza. chegamos ao sítio do Sr. de acordo com as últimas notícias. que estava na Califórnia. já desde muitos dias. de quaisquer remédios. sem a companhia de um civilizado ou de um ajudante. meu único irmão sobrevivente. não estava ele fazendo uso. e que talvez também já podia ter sido vítima do cólera. fomos obrigados. por considerá-las muito prejudiciais e somente tomando caldos quentes. para adquirir o couro e o esqueleto de um peixe-boi. bebidas e banhos frios. Continuamos a nossa excursão. fiz um voto de nunca mais viajar em tão inóspitas e despovoadas regiões. o Sr. que nos havia visitado em Guia. teve ela que ficar dependurada por um dos pés. ao nosso estoque de mixira (como é chamada a carne conservada na gordura) para a viagem. absolutamente. e algumas doses de quinino. ali no rio Negro. porém. em viagem. nos intervalos dos acessos. ou cachaça e pimentas que são tidos em conta dos mais adequados meios de cura. esses sombrios pensamentos desapareceram completamente. progredindo morosamente. Assim. contudo. Como é de costume aqui. poder alcançar ainda o lar. o subdelegado. Eu pretendia descascar a tartaruga. onde eu pretendia permanecer alguns dias. a matá-la e a aproveitar-lhe a carne. na sorte de meu irmão Herbert. chegando a imaginar que estivesse tudo isso sentenciado talvez a findar-se. de modo que este começou a putrefazer-se. no meu íntimo. eu pensava. essa moléstia estava grassando por ali. pois. em seguida. João Cordeiro. de uma vez. como.

tendo 7 pés de comprimento e 5 de cincunsferência. Os pescadores que eu arranjara estavam tendo pouco êxito. esta guarnecida de curiosos apêndices lobulosos e carnosos. onde foi posto sobre uma cama feita de folhas de palmeira. cabeça larga e chata. Os índios iam diariamente pescar. contudo.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 411 obteve prontas melhoras. Afinal. que eu tinha de desenhar e descrever. porquanto muitas outras espécies novas e interessantes ainda serão encontradas. Passei ali uma semana inteira. tanto quanto toca aos mesmos. em um lago situado a alguma distância dali. preenchendo os intervalos de folga para ver o meu doente comer melancia e tomar café. por espaço de cinco dias. e. estava muito receoso de submeter-se ao tratamento que eu lhe recomendara. As ventas prolongam-se-lhe em tubo. antes. pelo qual eu estava ansiosamente esperando. dando ao conjunto do animal o mais singular aspecto. e eu ainda não havia conseguido obter espécimens deles. levando quase sempre as suas redes e. . mais ou menos bem-desenvolvido.129 Esta é uma grande tartaruga de rio com o casco todo cheio de tubérculos e sulcos. 129 É a Chelys fimbriata de Spix. não conseguiram apanhar nenhum peixe-boi. dois ou três homens começaram e tirar-lhe o couro. também. Era um macho. com uma rede. logo. o que consumia muito tempo de trabalho. desde longo tempo. Esta é uma excelente localidade para pegar peixe. quatro índios levaram-no para um rancho. muito para seu espanto porquanto ele. Com o auxílio de uma comprida vara e de cordas. tive muito que fazer. conseguiam pegar muitas espécies novas. de enorme pescoço. e. por essa maneira. Eu. pois descasquei uma pequena tartaruga e uma matamatá (Chelops matamata). e. uma das manhãs tive a sorte de ver o peixe-boi. Ele fora apanhado na noite anterior. teria eu estimado poder demorar-me aqui de um a dois meses.

para que se não perdesse ou fosse dali levado algum de seus ossos. com o máximo de cuidado e de atenção. Dividi o esqueleto em peças convenientes. onde deviam ficar durante toda a noite. que se incumbira de prepará-la para a minha viagem rio acima. Estes buracos eram em grande número. com o auxílio de dois índios. estava vazando por todos os lados. que são por eles pescados e tratados todos os anos. para uma completa salga. Durante todo esse tempo. quando então verifiquei que a salmoura. em seguida. No dia seguinte. e. polvilhando-os de sal pu-los. Os seus homens já estavam bem acostumados com esses serviços. tirei a medula espinhal e limpei cuidadosamente os restos de carne. o que fiz com pequenos pedaços de madeira. Depois desse serviço. juntamente com o couro. que fica por baixo daquele. João. mandei que os índios fossem preparar o jantar. e a qual deveria ser frita para preservar-se a carne. encarregando-me das barbatanas e da cabeça. tratei logo de tapá-los. A carne. Depois de tirado o couro. mas.412 Alfred Russel Wallace Eu mesmo os ajudei nessa operação. deixei-os comer carne à farta. depois de arranjar de novo o couro e os ossos. com a qual os índios não estão acostumados. à mão mesmo. em seguida. do lombo e dos lados da cauda. que nele se continha. dentro de um barril. onde é mister muita delicadeza. foi conduzida. bem como as principais peças de carne da barriga. que ainda ficaram nos ossos. . uma segunda operação foi executada para extrair-se a camada de banha. contando um regular “score” de peixe-bois. estando o seu casco cheio de buracos feitos por cupins. com algum trabalho. eu mesmo fui pregar a tampa do barril. eu próprio estive trabalhando na limpeza das barbatanas. para a casa do Sr. O fato foi em seguida tirado.

Nada conseguia aderir à superfície umedecida do barril. tivemos primeiro de secar a parte de cima do casco. e eu já estivesse quase desesperado de tanto trabalho. Estes últimos não puderam ser tapados pelo processo anteriormente empregado. afinal. porém. como. dessa sorte. tendo-se dissolvido nela. e. cobri-lo de piche. até que. quando já parecia que estava tudo pronto. e. com panos. e. em seguida. o líquido ainda logrou escapulir-se por uma dúzia de cavidades quase imperceptíveis. Passamos o dia todo ocupados com esse serviço. com água fervendo. na esperança de que. depois de um minucioso e atento exame. outros furos mais foram aparecendo. outra porção de líquido vasou-lhe então pelo topo. Nessa ocasião. outros buracos constantemente apareciam. Mesmo assim. a infiltração do sal ou o entumecimento da madeira os obturassem. por onde o líquido continuava a derramar-se. que estavam localizadas por baixo dos arcos do barril. deixei-os ficar assim mesmo. quase imperceptíveis. como a água já houvesse esfriado um pouco. Após grande trabalho. não obstante o nosso cuidadoso trabalho. não pude descobrir mais nenhum. e os buracos obstinadamente se recusavam a vedar-se. e depois cobrir tudo com uma camada de piche. quando foi preciso remover o barril. Todavia. assim sendo. . eram furos pequenos. e. pelos quais o líquido continuava a derramar-se. rolando-o. e. arranjei uma estopa feita de trapos para apertá-la sobre os arcos. e foi preciso tapar para mais de não sei quantas centenas de buracos. mediante o emprego de um funil. tratei de passá-la para o barril. depois. passar outra camada de piche sobre eles.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 413 Estivemos ocupados nessa tarefa durante algumas horas. Uma grande gamela de salmoura havia sido de novo preparada. uma boa quantidade de sal. em diversos lugares. decorrido algum espaço de tempo. o qual teve que ser também tratado de maneira idêntica à anteriormente descrita.

onde a acomodei. às 4 horas da manhã. quando consegui levar o barril lá para cima. soprando furiosamente e subitamente mudando de direção. já estando isso pronto. isto é. e. e.414 Alfred Russel Wallace Afinal. Um súbito pé-de-vento derribou-nos a vela de ré. João. Continuando viagem. rebocada pela popa. já havia escurecido. tornava muito incômoda a nossa situação. fomos colhidos inesperadamente e tivemos que experimentar uma daquelas tempestades. uma chuva muito fria e que. justamente quando estávamos em uma parte onde o rio era muito largo. . senão algumas tempestades de chuva e vento. arrancando os bancos desta e fazendo-a perder os remos. que ora retardavam. acompanhadas de trovoadas. De uma feita. Se a nossa pequena canoa não estivesse com a sua carga de sal e de ferragens bem lastreada. bem cedo. Além do peixe-boi. percorre todos os quadrantes da bússola. A nossa montaria. para partir no dia seguinte. E assim dei por encerrada a minha laboriosa tarefa de dois dias de desagradabilíssima peleja com o peixe-boi. quando ali estive anteriormente. tratei logo de levá-la para a canoa. para a casa do Sr. nada de particular ocorreu nela. e o vento. e foi com grande dificuldade que conseguimos de novo levantá-la. O Sr. deixei também ali uma caixa com quatro espécimens de tartaruga. João havia-se incumbido de preparar-me uma lata de carne e de lingüiças. porquanto eu já gastara ali uma semana do melhor tempo para a viagem. encheu-se de água. por isso mesmo. Algumas dessas tempestades costumam ter o caráter de verdadeiros furacões. vem bater violentamente contra a nossa canoa. A chuva caía direta e pesadamente contra nós. ora ajudavam o avanço da nossa canoa. que deveriam ficar conservadas na gordura do próprio peixe. levantando-se então enormes ondas que nos sacudiam violentamente. a cujos cuidados deveria ficar até à minha volta. teria certamente soçobrado ante a violência daqueles temporais. afundando-se. os quais eu havia empalhado.

em vez de acostumar-me. alcancei o sítio do Sr. para acautelar-se. pela proa. mesmo assim. encarando a situação por outra maneira. ficava mais receoso do que dantes. porém. . justamente na hora em que eu estava para partir. pulando imediatamente na água. Deu-me ele algumas cartas. No dia 12 de novembro. e. despejando a água que nos entrava na canoa. para eu levar rio acima. procuram algum abrigo seguro. assim não pensaram. onde parei para passar a noite. assim. que crescia na água. mergulhou em procura dela. onde esperam até que eles tenham passado. a cada um deles. Elas são muito freqüentes.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 415 Imediatamente ordenei que se lhe soltassem as amarras. tratando logo de prender a nossa canoa. com dificuldade. E o rio Negro tem esta desagradável notoriedade. conseguimos também chegar. a fim de colher salsa. a cada uma que sobrevinha. onde. e. a agitação das águas diminuiu bastante permitindo que continuássemos a viagem. no meio do rio. que rolavam furiosamente. É coisa comum ficarem as canoas em perigo. aos arbustos da praia e. Finalmente. Muitas pessoas nunca suspendem velas quando percebem sinais da aproximação desses temporais e. Chagas. lançando-lhe outra corda à popa. E. a São-Grabriel. distribuí uma boa dose de cachaça. conseguindo depois levá-la para a praia. esperamos que rompesse o dia. e um deles. eu. Em seguida. ou serem atiradas às praias. ele veio pedir-me o favor de dizer a quem quer que fosse que eu não o havia encontrado em seu sítio. a fim de evitar que o costado da nossa embarcação ficasse exposto às ondas. que havia saído para o “mato”. pela súbita formação e fúria das suas trovoadas. Os índios. julgando impossível poder salvá-la. prendemo-la também a uma árvore. e. Os nossos homens permaneceram em constante atividade. onde acabam reduzidas a cacos. sim. Essas tempestades são a única coisa que tornam ali desagradáveis as viagens fluviais.

ou leite azedo. em minha pátria. Chagas. alcançamos Uanauaca. verdadeiras delícias. Em vista disso. mas. que muito a meu pesar eu realmente não poderia nisso servi-lo. onde fica o sítio do Sr. que todos poderiam ter com fartura. assim. o indivíduo mentiroso é considerado tão ruim como o ladrão – ante o que me pareceu que ele ficou algo um tanto espantado. que estava acabando de chegar da escola. e que. tive o prazer de tomar excelente café com leite e “coalhada”. Manuel Jacinto. a fingida polidez.416 Alfred Russel Wallace Como eu com ele tivesse bastante confiança para tomar essa liberdade. logo aprenderia a mentir tão bem como os melhores mentirosos. raramente se encontram no rio Negro. para que este ouvisse o exemplo e aproveitasse a lição. e de comer abacaxis e pacovas com queijo. simplesmente porque eu não tinha o costume de mentir. Fiz-lhe então uma dissertação. por acaso. ele ainda insistiu no que pedira. João e o iria transmitindo a todos que fosse encontrando rio acima. mostrando com isso – assim o penso – que o povo aqui sabe perfeitamente o enorme prejuízo moral que resulta da prática daquele feio vício. dizendo-me que aquilo eu poderia experimentar com toda a segurança. Qualquer natural do país teria concordado com o pedido do Sr. o perjúrio. e. como uma prova do quanto os nossos antepassados detestavam a mentira. e se. eu logo seria apanhado e tido como mentiroso. Na manhã seguinte. solicitando uma mentira de todos eles em vez de ser a mentira do Sr. Retrucando-me. torna a mentira quase um mal necessário. então. acima de tudo. No almoço. com toda a franqueza. o que muito o edificou. no entanto. . declarei-lhe logo. mas pedindo-lhes declarassem que não fora ele que o havia dito. E tanto foi assim. ali parando para almoçar em sua companhia. como o hábito é constante e o costume generalizado. eu logo lhe expus que. sobre o falso testemunho e o pelourinho. e. e. que torna incapaz a quem quer que seja de negar com palavras qualquer coisa que se lhe pede. transmitisse o seu recado. assim. que ele chamou para junto de nós o seu filho (um menino de uns doze ou quatorze anos).

que é necessário nesta região. com isso. continuamente copiado e repetido de um para outro livro. então. o que tornará a sua completa remoção uma coisa muito fácil de conseguir-se. que são em seguida queimadas. se ele for cultivado e devidamente capinado. que nele ficam. o mais lindo dos que se encontram nestas beiras de rio. os troncos e coivaras. Quando eu considero a soma excessivamente pequena de trabalho. . e o que é mais importante ainda – em menos da metade do tempo que é necessário em nosso solo. em hortas. É um erro vulgaríssimo. um lindo campo de pastagem. mesmo que se tenha de tratá-la e capiná-la. há longo tempo fatigado com a eterna floresta. com as mais variadas produções. É verdade que o solo. Mas. logo que o campo florestal comece a brotar. Ali chegando. E isso simplesmente porque existe um pedaço aberto formado de relvas. afirmar que nos trópicos a exuberância da vegetação sobrepuja os esforços do homem. E. em torno da casa. com a metade do trabalho. e assim se poderá formar. em um ano se cobrirá de uma cerrada vegetação de arbustos. e eu asseguro. para converter a floresta virgem em verdejantes pradarias ou em férteis plantações. o nosso olhar. ficando entregue a si próprio. a fim de usufruir a região. vendo-se espalhadas algumas árvores frutíferas e da floresta. sem receio. abatendo-se simplesmente as árvores.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 417 O seu sítio é. eu poderia mostrar a todos os seus habitantes de que maneira logo se pode obter aqui um verdadeiro paraíso terrestre. debaixo de cuja sombra se avistam algumas reses e alguns carneiros. sente como que um agradabilíssimo alívio. pela maneira usada geralmente na região. em dois ou três anos estarão apodrecidos. uma vez rudemente limpo. jardins ou pomares. que se pode converter a “primitiva” floresta em ricas pastagens ou verdejantes pradarias. A natureza e o clima aqui são perfeitamente favoráveis ao trabalhador agrícola. Justamente o seu inverso é que é a verdade. quase chego a desejar vir para cá com meia dúzia de amigos dispostos para o trabalho. talvez. como jamais conceberam que possa existir.

é provável que o trabalho ou o resultado sejam altamente compensadores. e ninguém jamais lhes dá qualquer coisa para comer. e. sem dúvida alguma. Criam-se aves de todas as espécies. O milho e o arroz são mais ou menos tratados por essa maneira. que duas ou três famílias. Suponha-se ainda que possam acostumar-se com o pão de mandioca ou com farinha de milho. feijões e muitos outros legumes medram luxuriantemente. favas. se forem podadas. em cinco ou seis anos. e. poderão produzir abundantemente. não necessitando de outro qualquer cuidado intermediário. caprino e suíno podem criar-se em qualquer escala. que forem plantadas. empregado nos Estados Unidos para fazer açúcar de cana. esta crescerá sem dar trabalho algum. poderão. quando maduros estes frutos. O melado. pois. . Os gados vacum. em qualquer quantidade que se queira. não seja também aplicado aqui. E estão sempre bem gordos e bonitos. lanígero. o trabalho é somente colhê-los. alcançarão logo grande porte. As cebolas. se ambos estes processos forem aplicados. Agora eu afirmo. uma vez plantada a cana. e isso sem hesitar. nem nunca se aduba o solo. e muitas delas poderão dar os seus primeiros frutos em dois ou três anos. pode fabricar-se facilmente. produzir frutos de uma superior qualidade e em maior quantidade. e. As laranjeiras e outras árvores frutíferas nunca recebem aqui qualquer cuidado. Plantam-se aqui abacaxis. contando meia dúzia de homens e de rapazes diligentes e trabalhadores. E eu não sei porque o processo doméstico. em três anos poderão achar-se de posse de tudo quanto referi acima. Aqui nunca se revolve. melões e melancias. por sua vez. e que possam trazer como capital umas 50 libras em ferramentas agrícolas.418 Alfred Russel Wallace Quaisquer árvores frutíferas. O cafeeiro e o cacaueiro. com um mínimo de cuidado.

ou. enquanto os cocos de inúmeras palmeiras e outros frutos da floresta poderão fornecer deliciosíssimas bebidas. E eu imagino quanta beleza e quantas distrações não poderia assim ter a gente. então. livre de todos os cuidados dos negócios monetários e das importunações da civilização. Poderão ter com fartura carne de porco. aqui tão abundantes. ovos de tartaruga. as jacas e anonas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 419 Eles não terão necessidade. assim. E daí com o organismo bem nutrido. As laranjas e os limões. tanto os cultivados quanto os silvestres. fazem duvidar. – my loved. se não seria mais acerta130 “Ó Inglaterra. de vaca. com as quais qualquer pessoa logo se acostuma muito bem. por vezes. bem como frutos. os ananases ou abacaxis. que se poderia levar aqui. – Minha terra natal e terra bem querida!” . pelas quais subirão! Em toda a região do Amazonas. com sombrias alamedas. açúcar. jamais foram tentadas coisas como a limpeza e a cultura da terra. que bonitos jardins. leite e queijo. os melões e as melancias. meu coração é teu por toda a vida. os muros e paredes da casa. e colecionar assim as mais lindas espécies que se encontram nos seus arredores! Que bonitas trepadeiras. em grande abundância e de uma qualidade que em parte alguma do nosso solo podemos produzir. não se poderão fazer aqui! Quão fácil construir um viveiro natural de orquídeas. não poderão servir para cobrir as árvores. melado. deliciosíssimos peixes. de carneiro e de galinha. ovos. para abastecer-lhes as mesas. os figos e as uvas. tartarugas. carne de caça. para lhe compensar a existência na umbrosa monotonia das florestas! “England! My heart is truly thine. e também verduras e legumes não lhes hão de faltar. numa grande variedade. café e cacau. exceção apenas do que se refere a vestuário. são as frutas aqui mais comuns. my native earth!”130 Mas a simples idéia da boa existência. de comprar qualquer coisa mais. manteiga. à sombra de um grupo de árvores da floresta. os cajus e o mamões.

galinhas. que neste clima não passam de ninharias. aqui. aqui. café. é preciso ter alguma experiência e. deixamos este agradável lugar. a viagem rio acima. manteiga. por bons preços. Por volta do meio-dia. Este rincão é superior a qualquer outra parte do Amazonas e talvez mesmo a qualquer outra parte do Brasil. melado. que não têm tempo ou meios. e vir para cá. se podem ter aqui sem o flagelo dos insetos. assim sendo. algodão. atacado de febre.420 Alfred Russel Wallace do dizer-te adeus a ti. é tão ampla. Íamos vagarosamente. fora também atacado. milho. são produtos que se vendem sempre com a maior facilidade – pois a sua procura é invariavelmente maior do que a oferta – e. De fato. poucos dias depois. em toda a roda do ano. viver uma vida fácil e de abundância. São tão raros. mas também entre os negociantes. entretanto. como na própria Inglaterra. pois tem um excelente clima. que tudo que aparece encontra logo venda pronta. as quais vantagens. . Um dos meus melhores índios caiu doente. para eles próprios os produzirem. Há partes de rio Negro onde a tartaruga e o peixe-boi e toda a sorte de peixes são muito abundantes. Fumo. De resto. os produtos cultivados do solo. entretanto. não só na cidade da Barra. E são estes fatores que concorrem para a perene verdura. livre de prolongadas secas. Para se conseguir isso. ovos. afora a compra de tecidos e de outros pequenos extras. Outro índio. para se levar aqui uma vida doméstica simples. para sempre. queijo. azeite. bem como excelente clima. no rio Negro. vantagens estas pelas quais muitos suportam os “carapanãs” do Solimões. todos os demais produtos poderão ser cultivados aqui para se auferir deles um grande lucro. nem uma décima parte de tudo que foi referido é necessário. então. e estava sofrendo fortes acessos. prosseguindo. a variação das chuvas e da luz solar. peixe e óleos de todas as espécies. carne salgada. fazer a necessária diligência. muito próprio para os propósitos da agricultura. além disso.

fomos forçados a arrastar-nos rio acima. De uma feita. para a viagem toda. verifiquei. a fim de poder subir o rio Uaupés. arranjar um piloto e outro índio. Passei para ela as minhas bagagens. consegui. ainda tive a boa sorte de conseguir arranjar mais três. Após outra demora de um dia. e. por onde passávamos. Depois de umas três ou quatro horas. ansioso. a maior que eu até então havia visto. abaixo das cachoeiras. Desta sorte. Lima. da melhor maneira que pudéssemos. onde tínhamos parado àquela noite. Todos tinham uma desculpa qualquer. então. os quais deveriam ir comigo até São-Gabriel. comprei uma pequena canoa. encontrei dois índios. de capturá-la. uma enorme sucuruju. de ocupação ou de doença. que aceitaram a minha proposta e combinaram comigo acompanhar-me até São-Joaquim. de um negociante português. contudo. em lugar dos outros dois malandros que haviam fugido. fiz fogo. induzia-os eu a que deixassem as suas casas. com muita dificuldade e algum atraso. . que obstruem o leito do rio. enrodilhada na praia. encontramos. que haviam fugido do sítio. fazendo voltar a outra minha juntamente com a do Sr. Tendo mais outro dos meus índios também caído doente. para passar com segurança os numerosos rápidos e rochedos. com salários dobrados. para tirar-lhe o couro. éramos relativamente poucos homens. avisando aos índios que não a deixassem escapar. Nem mesmo oferecendo salários maiores. carreguei bem a minha espingarda. Na minha pressa. Dali a dois dias. Ali. Em Camanaú. como estava.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 421 Era em vão tentar conseguir homens para me ajudar no resto da viagem. em qualquer sítio ou aldeia. além do prazo que havíamos combinado para a espera deles. Estes índios haviam sido pagos antecipadamente.

cor de terra. Em vão gritei aos meus índios que a cercassem. barranco abaixo. Em São-Gabriel. e era tão grossa como minha coxa. esta. Evidentemente. em seguida. como atordoada pelo tiro. onde mergulhou em um lugar bastante fundo. Logo após uma ligeira melhora. dois de cada lado. porém. Ao deixar São-Gabriel. e assim procederam com relação a tudo mais. para dentro da água. que podiam encontrar ao seu alcance.422 Alfred Russel Wallace Durante algum tempo. quando se achava adormecida sobre um rochedo. que eu havia trazido especialmente para a conservação de peixes. era uma das mais venenosas serpentes da América do Sul: a surucucu (Lachesis mutus). tem dentes terríveis. começou a desenrolar-se. por isso mesmo. atravancado de árvores mortas. Os meus índios aproveitaram essa boa oportunidade. Quando cheguei a São-Joaquim. e quase não podia mover o corpo em terra. caí completamente prostrado pela febre. porém. ela estava bastante ferida. Dizem que a sua mordedura é incurável. dispensá-los. Tão perto quanto pude calcular. porém. tal cobra devia ter de 15 a 20 pés de comprimento. fiquei muito satisfeito por poder pagar-lhes os salários e. essa cobra é muito temida. O piloto. estava com muito medo de aproximar-se dela. para furtar-me uma regular quantidade de cachaça. o que lhe tornou impossível a captura. ficando com a cabeça pendida para baixo. em direção à água. Os homens. e lindamente malhado. Este ofídio é de uma cor parda. fora rudemente mordido por uma daquelas cobras. por isso mesmo. uns tempos antes. com grossas varas. em seguida. o que fez com que a cobra apressasse a sua descida. e. no barranco do rio. e. sofri outros acessos de febre. começaram logo a dar-lhes fortes pancadas. ela permanecera imóvel. . vi também outra cobra. ao invés de obedecer ao que eu lhes havia determinado.

Dali a mais uns poucos dias. . que era quem me atendia. Poucos dias depois disso. continuando a ter febre sempre. tais acessos foram diminuindo de intensidade. afinal. Daí por diante. porém. nesse estado permaneci até começo de fevereiro. comecei a sentir uma grande depressão. porquanto. eu não podia falar inteligivelmente. Na noite seguinte. Depois disso. de tão entorpecido e desalentado que estava. todo esse tempo.. De tão fraco que ficara. E. que durava desde o meio-dia até à noite. até que. fui de novo atacado por outros fortíssimos acessos. eu conseguia invariavelmente dormir bem. tinha eu fortíssima transpiração. transpirava profusamente e. e não tinha mesmo nem força para escrever. entretanto. completamente prostrado. depois da crise febril. um dia sim. entretanto. no dia imediato. sem ter obtido. A fraqueza e a febre.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 423 Poucos dias depois. E isto sempre sucedia em a noite em que sentia bastante febre. O Sr. Fiz uso de quinino diariamente. Estas freqüentes voltas dos acessos não foram de forma alguma agradáveis. a febre diminuiu de violência. e começaram a vir então diariamente. eu podia andar e sentia mesmo algum apetite. continuavam aumentando sempre mais. de dois em dois dias. os acessos da febre repetiram-se. todavia. ou para sequer me virar na rede. não foi o caso. aparentemente qualquer melhora. outra não. L. depois de uns quinze dias. então. caí outra vez. Nessas ocasiões. sobrevinha um sono tranqüilo. Afinal. nada podia comer. em minha rede. Tal. e pouca vontade de andar. que vinham regularmente. já não esperava mais que eu pudesse sobreviver. eu não podia nem dormir. contudo. e eu então julguei que já estava dominada. e eu fiquei sentindo muita extenuação e uma fraqueza excessiva.

Pouco tempo antes. resolvi. entrando na canoa. ia recuperando as minhas forças tão lentamente. fui até São-Gabriel. apoiado numa bengala. que era com dificuldade que podia ficar de pé ou caminhar ali em meu quarto. mesmo assim. porém. Para isso conseguir. tão logo conseguisse arranjar os homens necessários e a minha canoa ficasse pronta para essa nova expedição. foi diminuindo a sua intensidade. a febre desapareceu. especialmente para fazer uma visita ao Sr. havia de ser apoiado em dois paus. que ainda se encontrava ali. Embora me voltasse o apetite e eu já pudesse comer frugalmente. Já estava principiando a estação das águas. Daí a uma semana mais. Em São-Gabriel. Afinal. assim. Spruce. De lá voltei de novo para São-Joaquim. que me serviam como uma espécie de muletas. E. ele dali tinha vindo ver-me.424 Alfred Russel Wallace Dia a dia. e. eu já podia caminhar melhor. seguir para o alto Uaupés. Contudo. pude ir até ao barranco do rio. comprei vinho e biscoitos do comandante. .

no rio Negro .Estampa IX – Uma aldeia de índios.

A FINAL. que. . mas. . . mesmo assim. Capítulo XII As Cachoeiras do Uaupés PARTIDA PARA O UAUPÉS – SÃO-JERÔNIMO E JAUARITÉ – NUMEROSAS CACHOEIRAS – ALCANÇANDO CARURU – ACESSO DIFÍCIL – MALOCA PINTADA – “MÚSICA-DO-DIABO” – OUTRAS QUEDAS MAIS – O UCUQUI – ROCHAS CURIOSAS – ALCANÇANDO UARUCAPURI – ÍNDIOS COBEÚS – ALCANÇANDO MUCURA – A CASA DE UM ÍNDIO E SUA FAMÍLIA – ALTITUDE ACIMA DO NÍVEL DO MAR – O TENENTE JESUINO – VOLTANDO A UARUCAPURI – APRISIONANDO ÍNDIOS – VIAGEM ATÉ JAUARITÉ – CORRIGINDO UM ENGANO DE DATA – PARADA EM SÃO-JERÔNIMO três dias após minha chegada a São-Joaquim. resolvi fazer ainda esta viagem com o propósito exclusivo de adquirir mais alguns pássaros e animais vivos. de forma alguma. . . . Eu estava tão fraco e tão abatido. . eu me sentia tão bem ali. . . . parti em demanda do Uaupés. no dia 16 de fevereiro. . . como si estivesse em uma casa. . para levá-los em minha volta. . Como agora.Sumário . dois meses e vinte e . eu não queria retardar o meu regresso à pátria. . . . . . era com grande dificuldade. para entrar na canoa ou sair dela. . . . . .

enquanto eu mesmo deveria ficar ali até ao dia seguinte. e aquele era o dia em que eu esperava ter novo acesso. de ficar sem a sua companhia. Propus-lhe levar comigo seu rapaz Macu João – em lugar dele. que eram os homens da minha confiança. então. que o Sr. quando vinha ele do sítio para a aldeia. com ele. e eu tinha forte suspeita de que ele não passava de um refinado ladrão. especialmente para o fim de me levarem rio acima. O Antônio era um índio muito “ladino” (isto é. No dia seguinte. Encontrei-o. Aceita por ele a minha proposta. o meu primitivo piloto de Barra. L. Antônio. os quais sabiam falar o português. embora soubessem muito bem que eu havia marcado a minha partida justamente para o dia em que devia realizar-se ali uma festa de peixe e de caxiri. No dia 21. quando ele chegou. por isso mesmo. Augustinho. estive ocupado com o pagamento dos meus homens. chegou. e mandei chamar Bernardo. Na segunda-feira. chegamos a São-Jerônimo. À tarde. porém. à tarde. Três outros. um pequeno negociante. o qual estava muito bêbado. ficando assim pago o que ambos já me deviam. onde fui cordialmente recebido pelo Sr. e peremptoriamente se recusou a acompanhar-me. tendo um índio informado. com a obrigação de ir e voltar. Em sua companhia. Augustinho que ele se havia embriagado com a minha cachaça que os . ao Sr. como eles costumam dizer: sabia falar o português. não tive pesar algum. a não ser que eu esperasse por ele alguns dias mais. astuto). havia trazido de São-Jerônimo.428 Alfred Russel Wallace Tinha comigo sete índios uaupés. não segui. iniciei muito contente a minha viagem. não me apareceram. dei-lhe o encargo de levar a minha canoa para cima. para tomar conta da canoa e das mercadorias que se achavam nela. era um deles. vindo de cima. sábado. mandei os dois guardas. que já haviam recebido pagamento para a viagem. a fim de encarregá-lo de levar a minha canoa para cima das quedas e arranjar mais índios para a nossa viagem. pois na véspera a febre de novo me atacou.

fingindo ignorar o ocorrido. na verdade. Isto. Tais homens eram índios semicivilizados. Além disso. e eu ainda me encontrava muito fraco e febril. arrastou-se a canoa para cima das quedas. por isso. Comiam comigo. que vieram em minha companhia como caçadores e como intérpretes de outros índios. o que foi uma grande dificuldade. . pois os cintos haviam sido rompidos e de novo rudemente colocados a fogo com um tição em brasa. haviam aberto. foram muito fortes. Eu estava ansioso por passar logo a cachoeira. antes de deixar eu a vila. que só se venceu à custa de muito trabalho. sós. Tive de passar por cima de tudo isso. pois. e tive de procurar outros que os substituíssem. e. se eu procedesse de outra maneira. junto de um garrafão de cachaça. Depois disso. assim. reembarcamos. fui obrigado a pagar dois índios. pagando-lhes eu. conseguimos navegar desembaraçadamente em demanda de Jauarité. tendo pago à maior parte deles com machados. E. que resolveram não continuar mais a viagem. apenas um dia. quando tive de passar a cachoeira. salários maiores. As cargas da cauda foram tiradas e conduzidas através da floresta a uma considerável distância. tendo sido para eles assaz forte a tentação de ficar à vontade. que eu havia trazido. depois de pagos já de todos os seus salários. eles prontamente me deixariam ali. onde chegamos na manhã de 28. e eu é que ficaria impossibilitado de prosseguir a minha viagem. espelhos. em seguida. porém a sua travessia foi penosa e demorada. consegui arranjar dez remeiros mais para a minha canoa. Com o auxílio de Bernardo. canivetes e colares do meu sortimento. foi por mim averiguado no dia seguinte. com o encargo ainda de tomar conta das minhas mercadorias. Os meus acessos de febre. não ajudavam os outros índios a remar. e foi então que Bernardo friamente me informou que não podia ir além.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 429 homens. e aos quais havia encarregado de tomar conta da minha bagagem. e isso após haver recebido o pagamento integral para toda a viagem.

Ao partir. acrescida ainda de um canivete.430 Alfred Russel Wallace Um seu irmão – disse-me ele – iria em seu lugar. cit. que ora se vêem. que já era demasiado tarde. sem liquidar. que me pareceu ainda a melhor solução. ele se ocultara. é Iapuna. pág. atraso. sem ter necessidade de descarregar a canoa. se não agora. onde passámos a noite. na viagem. no dia anterior.. logo após. Todos os rochedos. são baixos. que João me pediu e eu lho dei. Conseguimos transpor todos esses rápidos. e. Para esse fim. acarretando-nos. na suposição de que. era uma bagatela. ele me pagaria a sua dívida. O rio estava a tornar-se cada vez mais cheio de rochedos. por isso. e em Japona outra. mas o de Uacará nos deu muito trabalho. A dívida de Antônio ficou. ficando então sabendo que ele já nos havia deixado na vila. por essa forma. durante a noite. Vi-me obrigado a aceitar esse alvitre. segundo Stradelli (ob. e ficam encobertos pelas águas. no rio Negro. enganado segunda vez. . mas a um grau tal. por ocasião das cheias. mas. passamos mais quatro quuedas: Uacu (nome de uma fruta). quando eu voltasse. verificamos que outro índio havia desaparecido. À tarde. poderia acompanhar-me. quando estávamos para partir. além disso. e não Japona. verifiquei que seu irmão estava disposto a acompanhar-me somente até à cachoeira de Jacaré. Eles nada me falaram a esse respeito. onde ele pretendera ficar. que mesmo a parte mais obstruída por eles. por esse meio. e seria de todo inútil tentar procurá-lo. dei por falta de João. enquanto inúmeros outros ainda permanecem abaixo do nível atual e contra eles continuamente a nossa canoa estava a embater. mais satisfeito. 131 O correto. 457). contando os guardas que ele dissera que havia combinado comigo ir só até ali.131 Em Uacará havia uma taba do mesmo nome. quando por ali passamos. Uacará (“garça”). Mucura (“gambá”) e Japona (“forno”). sendo eu. pois soubemos que havia voltado para a maloca de Uacará. Na manhã seguinte.

enquanto ele ali ficaria bem escondido. dando-lhes o aspecto de estraficados e como se houvessem tido arremessados verticalmente. são de granito. cedo ainda. em seguida. Passamos. 133 A grafia do autor. e particularmente perto da cachoeira de Umari. exceto quando o rio está muito baixo. Na passagem do último rápido. que foi quando alcançamos a cachoeira de Umari (nome de um fruto). as cachoeiras Irá (“mel”) e Bacaba (uma palmeira). Alcançamos. nesta cachoeira. pela tentação de um machado. que tive de pôr antes de partir. ali residente. para acompanhar-me na viagem. Tyeassu. encontrando-se em ambas curiosas inscrições sobre os rochedos. até ao meio-dia. como sucede agora. e contratei-lhe o filho. por isso mesmo. designativo de queixada (Dicotyles labiatus) no tupi amazônico. Ao jantar saboreamos um bonito tucunaré. não valendo a pena. cedo ainda. 1º de março – Passamos pela cachoeira do Macaco. para preparar e jantar o pernoitar ali. pela cachoeira de Taiaçu (“porco-do-mato”). a fim de evitar. tendo eu feito ali uma parada. também se aplica ao porco doméstico.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 431 Qualquer informação a seu respeito ser-nos-ia negada. possíveis avarias do fundo da 132 No original. Essas ocorrências não eram lá de bom augúrio para o começo da minha viagem. No resto do dia. em seguida. deixa bem claro que se trata do umari ou omari. fruto da Geoffroya spinosa.133 onde havia um sítio. e paramos em um rochedo. o que raramente pode conseguir-se. Alçamos a canoa para cima da queda. Oomarie. tivemos águas mansas. Era um dos que já haviam recebido pagamento integral. tiramos a quilha falsa. especialmente para tirar uma cópia delas. que um velho. de baixo para cima. completando-se assim o terceiro que saía a dever-me. eram cheios de veios paralelos. Taiaçu.132 e. mandar buscá-lo. semelhantes aos que já temos visto. . me vendeu. sem a descarregar. Os rochedos. tivemos um bom trecho de águas tranqüilas.

pág. As quedas não tinham mais do que três ou quatro pés de altura. antes de chegarmos a Caruru. muito mais ainda. Para isso. também chamado vulgarmente jaba. e. No dia seguinte. foi necessário tirar todas as cargas da canoa. “Camoá (?)”. Tamacuaré (lagarto).136 Jauti (tartaruga). Caméua ou cambéua é. finalmente. para estes propósito. Amana (chuva). paramos em uma praia arenosa. pelo seu primitivo proprietário. chegamos à cachoeira de Caruru (planta aquática). Caméua (?). tapamos cuidadosamente os buracos deixados pelos pregos. executar o necessário esforço para puxar a canoa. em conseqüência do seu arrastamento sobre os rochedos. no original: mas é Tamacuaré. descarregamos a canoa. e. Tatu. embora empregassem todos os seus esforços. depois de arrancada a referida quilha. Tentaram-no repetidas vezes. 392). 136 No original. não conseguiam suspender a pesada canoa para da escarpada e áspera subida do rochedo. alguma coisa parecida com o taracajá”. Na cachoeira de Arara. e. que tinham de permanecer na água até a altura do peito. Era para admirar como podiam eles ficar contra a correnteza e. disso se desobrigando doze índios. que foram logo firmemente obstruídos com pedaços de madeira. cada uma. “casta de tartaruga fluvial. cit. passamos sucessivamente pelas cachoeiras Arara-mirim (arara pequena). inutilmente. . deram-nos excessivo trabalho para vencer. na parte do centro. 135 Japu (no original. onde as águas se arremetiam furiosamente.432 Alfred Russel Wallace canoa. era com grande dificuldade que se conseguia. Os índios.134 Periquito. fez-se a passagem sobre os rochedos secos. 134 Tamaquerié. As cinco últimas. A passagem fazia-se pelo meio do rio. Arara. Japoó) é o nosso Ostinops cristatus. cerca das três horas da tarde. que era o único atalho por onde se podia passar. cujas tábuas estavam muito gastas e muito delgadas. rochedos. segundo Stradelli (ob. nome de um lagarto que serve de talismã ou puçanga entre os índios do Amazonas e que os selvagens do Uaupés também aplicam a uma constelação (a Cassipéia). Japú 135 (um pássaro).. mas puxar-se para cima uma canoa carregada contra as espumantes e encolerizadas águas de um rio grande e largo.

o que já tínhamos tentado. O rio. interrompidos por fendas ou degraus de dois a três pés de altura. pois. teríamos tido uma grande demora. mas os seus arqueamentos e voltas são tão numerosos. em alguns lugares. puxando a canoa junto à margem. conseguindo. entre numerosos rochedos e ilhas. descarregar-se a canoa e colocá-la sobre varas e ramos cortados. se eu arranjasse uns cipós compridos (que servem de verdadeiros cabos nestes rios). em uma direção contrária àquela que antes estavam seguindo. Para isso conseguir-se. do outro lado do rio. por vezes. O único caminho para vencê-la é arrastar-se a canoa sobre os rochedos secos da margem. que estão a considerável altura acima do nível das águas. em todos os seus rápidos e cachoeiras. A própria cachoeira de Caruru é maior do que qualquer outra. que até então havíamos visto – arremetendo-se as águas violentamente por entre enormes rochedos e despenhando-se. tem uma largura média de cerca de um terço de milha. foi necessário ainda mandar um mensageiro à aldeia. sendo muito escarpados. assim fizemos. ele próprio sugeriu que. com aquele destino. pode-se dizer. que se dispunham ao longo do trajeto em que era arrastada. o que era feito com cipós. de uma altura talvez de 15 a 20 pés.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 433 Nessa ocasião. para evitar-se que o seu fundo fosse danificado pelo atrito sobre a rocha. se eu houvesse mandado buscar recursos em Caruru. . por um velho que ali passava. que. e quase sempre neste lugares ele se espalha em tão fundas e largas baías. e. mas baldadamente. embora a custo de rudes esforços e muitas dificuldades. De acordo com as suas instruções. dividindo-se em numerosos canais. em sua canoa. Ele veio prontamente. com 11 índios. poderíamos obter melhor resultado. e imediatamente todos se puseram a empurrar e a puxar a canoa. estando eu já resolvido a mandar pedir auxílio em Caruru. o nosso almejado intento – muito para minha satisfação. a gente chega a pensar que as suas águas estão repentinamente fluindo para cima. especialmente para pedir ao tuxaua que viesse com os seus homens em nosso auxílio. Foi necessário. desde Jauarité. ali. em seguida.

e. o que obtive. brancos e pretos. a troco de um machado. resolvi ficar uns dois ou três dias. amarelos. onde não se consegue mesmo obter auxílio. só agora notando que esta canoa era muitíssimo pesada para eu poder seguir mais longe. para prevenir um possível dano. mais para cima. onde o tuxaua nos arranjou uma casa. que eu fiquei receoso de suceder algum acidente. com algumas ilhas bem grandes. etc. para trocar por anzóis e colares vermelhos. resolvi abrir negociações para a compra de uma ubá bem grande. e que são tão difíceis como a de Caruru. grosseiramente embutidas. feitos com riscos vermelhos. de pele escura. A parede da frente da maloca era toda pintada de círculos. das espécies pequenas. Fui forçado. devido à dificuldade de encontrar uma árvore de boa madeira e de suficiente grossura. antes de prosseguir. muito abundante ali. encontra-se uma série de curiosas inscrições. foi vencido. quase sempre nos . a contentar-me com duas estreitas tábuas. e dali então nos dirigimos para a aldeia. com os esforços conjugados de 25 homens. que eram os artigos mais cobiçados. para não ficar sujeito a maior delonga. Comprei alguns dos seus curiosos ornatos de penas. em minha viagem rio acima. a canoa somente se deslocava passo a passo e com muita dificuldade. Entretanto. uma camisa. bem como alguns outros peixes. do tuxaua. e dos quais eu tinha grande sortimento. dois facões e alguns colares. A canoa. para tirar a parte estragada e pôr em seu lugar outra tábua bastante forte. já estava tão estragada. Havia ali uma grande maloca e considerável número de casas. na descida das cachoeiras. em certa parte do fundo. O grande pacu. ao passo que. tem quase meia milha. contudo. Trouxeram-me considerável quantidade de peixe e de mandioca. calças. Os índios dali eram da tribo dos ananás.. das quais fiz um esquema.434 Alfred Russel Wallace Mesmo assim. Pouco abaixo da cachoeira. afinal de contas. o rio não tem mais do que 200 ou 300 jardas de largura. Nos rochedos do rio. da qual pudéssemos tirar uma tábua de 12 ou 14 polegadas de largura. Esse obstáculo. Demoramo-nos ali cinco dias.

feito também de folhas. quando assim acontece.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 435 eram trazidos em quantidade bastante para obstar que nos socorrêssemos das galinhas. Desde o momento em que começa a música. estiveram tocando uma sofrível melodia e acompanhando um ao outro muito corretamente. Todos tocavam os seus instrumentos ao mesmo tempo. e têm um bocal. em direção à aldeia. que cresce nos rochedos: experimentamo-la como salada e também cozida com peixe. porém agradável. os homens estavam a beber caxiri. por meio de envenenamento. E assim. onde encontrei dois velhos que estavam tocando os instrumentos maiores. naquela taba. ela é punida com a morte. pela primeira vez. a curiosa erva fluvial denominada caruru. movendo-os de maneira singular. mas demonstrava assim mais gosto pela música do que até então havia eu notado entre os silvícolas. movimentos esses acompanhados de correspondentes contorções do corpo. poderá permanecer ali. Uma tarde. enroladas em espiral. e. vindo do rio. que. com os quais faziam uma música selvagem. é muito gostosa. pela primeira vez. Tive ocasião de comer ali. a melodia era simples. cada um dos quais tocava um instrumento parecido com o fagote. e a execução de tal pena é. quando cozida. ou “música-do-diabo” dos índios. Traziam quatro pares. verticalmente ou para os lados. pois isso faz parte das estranhas superstições dos índios uaupés. Um pouco antes do escurecer. velha ou moça. geralmente. como que de trombones e de baixos. de qualquer maneira. de diferentes tamanhos. durante longo tempo. À noite. surgiram oito índios. dos ditos instrumentos. mulher alguma. . fui à maloca. Os ditos instrumentos são feitos de cascas de árvore. Também vi e ouvi. ouvimos um som. Algum tempo depois. muito se parece com espinafre. o jurupari. Considera-se tão perigoso ver a mulher um daqueles instrumentos. constituindo o conjunto um concerto tolerável. as quais os negociantes consideram o pior dos manjares que um homem pode ter para alimentar-se.

E dizem que os próprios pais têm sido os executores da morte de suas filhas ou os maridos os de suas próprias esposas. mas quando eu regressasse. Os homens. ansioso para comprar algum daqueles instrumentos. que haviam recebido pagamento antecipado. O lábio inferior é freqüentemente furado. é considerado por elas como uma grande beleza. Os índios aqui têm poucos traços distintivos dos de mais abaixo.436 Alfred Russel Wallace Ainda que os tenha visto acidentalmente. de resto. quando se dá tal caso. pela maior parte. Algumas mulheres e crianças usam duas ligas nas pernas. Isso. para evitar-se o perigo de serem vistos pelas mulheres. de sorte que a barriga da perna entumece extraordinariamente. aos quais tão curiosos costumes se ligam. e daí o motivo de usarem cabelo cortado curto. como. ambas muito apertadas. já foram até Barra-do-Rio-Negro. deixando-me ali sem nenhum remédio. porém. . As mulheres usam mais colares e pulseiras em torno do pescoço e do braços. pois que nada tinham com que pagar-me. estipulando. basta que se suspeite haja visto a mulher. que deveriam ser embarcados a alguma distância da aldeia. sendo ela inexoravelmente condenada à pena capital. este costume provavelmente deriva dos índios tucanos. Ele prometeu vender-nos. não se lhe concede mercê. Apoderaram-se de uma canoa e esconderam-se. Isso talvez seja devido também à influência do último tuxaua. e a “chance” (ou risco) de vir eu a achá-los em suas casas no meu regresso. Eu estava. nos abandonaram. dois dos nossos índios. para receber o ornato de três fileiras de colares brancos. as diferentes nações estão ali muito misturadas pelos mútuos casamentos. era nenhuma. durante a noite. e falei ao tuxaua a esse respeito. como fazem os cristãos. porém. Na manhã da véspera de nossa partida. porém. uma para cima do joelho e outra abaixo do tornozelo. acompanhando alguns negociantes. algum dos vedados instrumentos. que foi “um homem muito civilizado”. mesmo inadvertidamente.

tudo isso tem que ser amontoado às pressas e na maior confusão. Maniuara (formiga branca). que eram muito acidentados nas margens.. redes e muitos outros objetos. Tapiracanga (cabeça de anta). ob. As águas rugem furiosamente ali e precipitam-se de alcantilados rochedos de uma altura de cerca de 20 pés. Tapira-iuru (boca de anta) e Jacaré . na hora em que são de novo levados para a canoa. Disto. Denominam-se Peréua (ferida). não escapam. os bolos de farinha e as pacovas espalham-se pelo chão. sem demora. arrastá-la sobre os rochedos. e com elas se cobrem os gêneros que não podem molhar-se. mas de cor branca. 518). quando sobrevém subitamente um aguaceiro. cortam-se. no curso de uma viagem. Amana (chuva). De todas elas a mais alta é a última. algumas folhas de palmeiras. que se sucedem e ficam muito próximas umas das outras. respectivamente. “cabeça” e “boca”. partir. pág. afinal. gastando-se com isto muitas horas. Os cestos de farinha e de sal derramam-se. para ajudar-nos a passar várias cachoeiras. conforme esse mesmo escritor (pág. em seguida. . acanga e iuru (juru. o que muito nos desagradava. a fim de pegar peixes. e. que costuma ser posta nos igarapés. as malas. relativamente pequeno. Maniuara é uma espécie de saúva. Uacurau (mocho). qual se lê em Stradelli. cit. embora se tenha toda a precaução. 137 Damos as formas corretas. Carregar e descarregar a canoa três ou quatro vezes por dia. Maniwara. E. Tapiracunga e Tapira-eura. o que nos levou a corrigir as denominações dadas pelo autor às duas penúltimas cachoeiras. é grande aborrecimento. com a boca virada para a correnteza”. levando um suprimento. No tupi amazônico. acontece quebrarem-se as panelas. pois que eram atirados com toda a brutalidade para dentro da embarcação.137 Três dessas cachoeiras foram muito ruins de transpor. no nheengatu) significam. muitas vezes. Matapi (armadilha de pesca). a cachoeira do Jacaré. 513.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 437 Após uma demora de quatro dias. O uacuráua do tupi amazônico corresponde ao caprimúlgide que tem o nome de bacurau no tupi da costa. é “armadilha. em lugar das grafias erradas do original: Pirowa. de índios. porém. a qual constitui um dos petiscos dos selvagens do nosso rio-mar. tendo sido necessário descarregar totalmente a canoa e. conseguimos. Matapi.

tendo a mesma sorte os meus livros de notas e todos os meus papéis. que eu tinha de suportar com filosófica serenidade. 140 O autor preferiu o vocábulo nheengatu. as nossas provisões de farinha já se achavam bastante reduzidas. págs. pág. tendo passado somente por dois pequenos rápidos. os nossos índios tiveram de sujeitar-se a pequenas rações de beiju. 508-509. que estavam a secar. E tudo isso servia como excelente lição de paciência. Quando saímos de Caruru. exceto quando podiam ser arrumados com bastante aperto. No dia 9. Taiena. até de tarde. ob. de que trata Stredelli. 138 No original. conseguimos passar todas as cachoeiras já referidas.140 que haviam trazido para a viagem.. quando então passamos as cachoeiras Macucu (nome de uma árvore). como se pode ver em Stradelli. . Com um dia de viagem. ob. encontrando-se muitas dificuldades a vencer. embora o rio corresse em leito rochoso. quando eram transportados. estava na ocasião sem moradores. que eram guardados em malas e caixas.438 Alfred Russel Wallace Os pássaros ou insetos. caíam ou eram arrebatados pelo vento. À noite. Todas essas cachoeiras foram ruins de transpor. tivemos bom trecho de águas tranqüilas. beiju ou mbeju. então. que são mbeiú ou meiú.139 Ananás e Uacu (uma fruta). ou. e dali por diante. Os objetos. cit. aos do tupi amazônico. como não havia nenhum jeito para comprá-la. porém.. pois não vimos nenhum sítio habitado. cit. mas o correto é Tainha. 163. chamados Tainha (“criança)138 e Periquito. ou então se molhavam com a chuva. onde havia um pequeno rápido e uma casa: esta. dormimos em uma praia de pedra. se enrugavam ou machucavam. pela manhã. e. em conseqüência das sacudidelas que sofriam. 139 Árvore que dá tinta. deslocavam-se de seus lugares. No dia 8 navegamos em águas toleravelmente tranqüilas. alcançamos a cachoeira denominada Pacu. É o Ilex macucua.

pág. São necessários. até as calças e as camisas. para satisfazer os seus ardentes desejos de comê-los. onde tais frutas são muito abundantes. que por ali passava. comprei um cesto de ucuquis140-a e alguns peixes. 699). caem. tirada da de ucuki. o seu sumo perde esta propriedade. à tarde. atiraram-se à água. quando maduros. e. ficando aderida a um grande caroço. e nadando e mergulhando como lontras em direção à praia. então. cit. por causa de sua duríssirna casca. No dia seguinte. Deve ser o nosso caqui. que disso os preserva. . A sua polpa é muito doce. internaram-se na floresta. porém não se estragam logo. que envolve uma polpa delicada sendo esta muito doce. é de gosto muito agradável e altamente estimado no rio Negro. quando a gente come mais de duas ou três. e delas se faz. Eu. lá foram apanhar-lhe os frutos. mas em pequena quantidade. um mingau que. – “O ucuqui” – foi a resposta às minhas perguntas sobre a causa do seu súbito desaparecimento. ferventando-se as frutas. que tão fortemente agem sabre a mucosa da boca do homem civilizado. Os índios encheram com aqueles frutos alguns cestos. que é a adotada por Stradelli (ob. O ucuqui é um fruto grande.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 439 De um índio. logo após. A árvore é uma das mais altas da floresta e os seus frutos. todos inesperadamente.. Contudo. 140-a O autor escreve sempre ocoki. verifiquei que eles tinham visto um ucuquizeiro. tendo uma casca externa muito dura e muito grossa. dois salamins de frutas para se fazer uma pequena panela de mingau. de formato oval. do formato de uma pêra. no mínimo. os índios. misturando-se-lhes tapioca. logo que ganharam esta. de textura de madeira. 10. pois parece que a boca e a goela de um índio são invulneráveis aos efeitos de todas essas substâncias escarificantes. envolvendo-o inteiramente. mas a essa grafia preferimos a de ucuqui. mas é tão picante que chega a produzir feridas na boca e na garganta. trazendo-os e despejando-os em seguida na canoa.

141 No original. de jeito algum. areia e argila. com a sua superfície muito brilhante. que se cruzam uns com os outros. mas o correto é pinima. Algumas vezes. Tucunaré (um peixe). vêem-se enterrados fragmentos de uma rocha de finíssima grã. no meio daquelas águas espumantes. preenchidos por uma substância curiosa. essas rochas são tão partidas e fendidas verticalmente. Ela consiste em várias quedas distintas. pela manhã. de origem vulcânica. dessa maneira. que quer dizer “pintado”. Tucano. entre imensos blocos de rochedo. em três ou quatro ordens. durante cerca de uma hora. empurrando-a para um lado e para outro. são constantemente encontrados aqui. parecendo areia. que não conseguiam tirá-la dali. o mingau de ucuqui. bem perto da queda. em alguns lugares. de aparência melosa. completamente imobilizada. que se observam nas rochas do rio Negro. formam-se conglomerados de fragmentos derretidos. por três dias seguidos. mas sem resultado algum. tendo numerosos veios e canais. Os interstícios das massas arredondadas e angulares da rocha são. que exteriormente se assemelha ao piche. Eles bem que empregavam todos os seus esforços. a canoa ficou parada. cimentando-os diversamente. passamos pelas cachoeiras de Tapioca. . Em certo lugar. Os rochedos de Caruru têm um aspecto de escória. que parecem ter sido estratificadas e amontoadas ali. outras vezes. A primeira foi muito ruim e tão difícil quão perigosa para se passar. nome português dado ali ao dito peixe. não obstante todos os esforços empregados pelos índios. uma rocha lisa. Uaracu-pinimi. tivemos. As formas arredondadas e arranjos concêntricos. mas que consiste em escórias. como se o granito houvesse sido derretido. Uaracu-pinima (um peixe)141 e Taiaçu (“porco-do-mato”). Em alguns lugares.440 Alfred Russel Wallace Determinei que cada um deles me trouxesse um pequeno cesto e. No dia 10.

eu já tinha uma grande coleção de inscrições. dos quais fiz uma cópia. quando nós nos safamos daquela tenebrosa apertura. A esse tempo. e. como tinham uma linguagem comum. No dia 11. da desagradabilíssima situação em que nos encontrávamos. E foi provavelmente devido a um golpe de sorte que eles combinaram os seus esforços. acumulando-se na maior confusão. obedecendo a uma ordem determinada. os quais se amontoam uns sobre os outros. encontram-se sobre os rochedos numerosos desenhos ou inscrições. por esse modo. assim. livrando-nos. em seguida. ornados também de braceletes e de colares. tendo os buracos das orelhas tapados com um pedaço de madeira do tamanho de uma rolha comum. a tarefa do piloto uma dificuldade grande e pouco comum a ser vencida. alcançamos Uarucapuri. onde havia uma aldeia e várias malocas dc índios. Naquele salto. em que entramos. a primeira. de superfície muito clara e muito brilhante. por entre eles. na ponta da qual ficava colado um pedaço de porcelana. e. que alcançamos já bem de tardezinha. uma parte mais larga e mais alegre do rio. ganhando.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 441 Eu já estava começando a ficar desesperado. Havia ali cerca de 12 homens bastante robustos. Afinal de contas. Já estava justamente principiando a escurecer. mas a última. isso tornava impossível fazê-los agir de combinação. Todos os rochedos. a canoa se moveu para a frente. É que os índios eram de várias nações. receoso de não poder sair daquela difícil situação. O rio faz ali uma volta brusca e entra num canal muito estreito. antes de chegar a noite. são cobertos de vegetação. e isso parecendo ter sido realizado com um esforço menor do que o anteriormente empregado em vão. era respeitável. o rio se arremete espumante. era habitada por gente da nação cobeú. inesperadamente. com as pernas e os braços muito limpos e bem pintados. As três quedas seguintes eram pequenos rápidos. que é uma confusa massa de rochedos de todos os tamanhos e feitios. . tornando. que aparecem acima da marca deixada pelas mais altas enchentes.

o que conseguimos levar a efeito com grandes esforços. depois de minha doença.. o Sr. 559) o seguinte: “Parece ser considerada como a mãe do sono. consegui comprar dois ou três cestos de farinha. o murucututu é invocado para dar o seu sono às crianças que custam a dormir. a última das grandes quedas deste rio. Nas cantigas das amas indígenas. cuja parte derradeira estava.442 Alfred Russel Wallace Nessa ocasião. desabou um forte aguaceiro. interrompida em alguns lugares. cit. de 10 pés de altura. agora. Meu amigo.” . O piloto e seu filho resolveram deixar-nos ali. ficamos com seis remadores somente. situada abaixo da cachoeira de Jurupari que fica ainda muitos dias de viagem. enquanto estávamos passando por essa cachoeira. Na cachoeira de Uacuraua. Com alguma dificuldade. sendo este o primeiro peixe que comi. porém da aldeia quatro ou cinco homens mais nos acompanharam. tinham posto no chão. arrastá-la sobre os rochedos da margem da cachoeira. como de costume. Chagas. em seguida. Os índios. passamos pelas cachoeiras Cururu (“sapo”) e Murucututu (“coruja”).142 sendo ambas algo um tanto ruins para transpor. estava ali. Ainda não longe da aldeia. pág. Com ele almocei. confusamente. para ajudar-nos a passar as cachoeiras restantes. Logo após chegamos à de Uacuraua (um mocho). continuamos a viagem. assim. sendo. Foi necessário descarregar a canoa completamente e. Eu já andava ansioso por chegar ao fim da minha expedição. de sorte que foi necessário 142 Dessa pequena Strix amazônica diz Stradelli (ob. que já estavam também muito perto. e. o rio precipita-se de uma rocha quase vertical. porém. águas acima. depois. Cerca do meio-dia. saboreando uma excelente piraíba. combinamos com esses homens para que nos ajudassem a passar a canoa para cima das quedas. muito perto de vencer. todas as cargas que trazíamos. Para mais acrescer o nosso desconforto. fizemos um passeio pela aldeia. e.

Os Srs. para indagar se eles dispunham de alguma farinha e . e ali faziam comércio de salsaparrilha. Na manhã seguinte. felizmente. resolveu ele desistir de acompanhar-nos: desembarcou ali. Dali por diante. A única casa a mais. especialmente para obter alguns espécimens daquelas raridades. tendo recebido pelos seus serviços o respetivo pagamento em anzóis e farpas de ferro para flechas. e dele nunca mais tivemos notícia. regressando à sua aldeia. feita também inteiramente de “palha”. passamos por uma taba. Os índios de Uarucapuri deixaram-nos aqui. Como nós não desejávamos parar. Eu havia atingido agora a região das tartarugas pintadas e do “gavião-de-penacho” branco. Depois disso. Limpamos e varremos logo a parte da casa. até que passasse a chuva. Ucuqui (uma fruta) e Piranterá (um peixe). quinze dias. não serviam para a minha acomodação. À tarde. no mínimo. com os quais ficou deveras contente. Carregando de novo a canoa. dando-lhe eu em pagamento um canivete e um espelho. prosseguimos a viagem. Combinei com o proprietário desta última ceder-me metade dela. descarregamos as nossas bagagens.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 443 cobri-las. para ver ali os seus amigos. e as suas pequenas choupanas. a qual. instalando-nos ali da melhor maneira possível. demorar ali. Resolvi. onde um dos índios desejou ir à terra. mandei os meus guardas a uma taba onde se dizia haver muitos índios. estavam residindo. tivemos somente águas mansas. o que se fez desordenadamente. denominados Tatu. onde dois jovens brasileiros. e para lá as transportamos. que já desde muito tempo eu desejava adquirir. com esteiras e folhas de palmeiras. cedo ainda. era uma cubata de índios. foi uma das pouco demoradas. passando ainda três pequenos rápidos. que existia ali. Nicolau e Belarmino haviam saído de viagem. alcançamos Mucura. cobertas de folhas de palmeira. que deveríamos ocupar. que já havíamos encontrado mais abaixo.

participar-lhes que eu desejava comprar pássaros. antes de começar a minha viagem de volta. peixes ou outros animais. para . subindo um rio quase intransponível em virtude dos perigos e dificuldades de sua navegação. Eu já havia resolvido dar a minha expedição por finda aqui. muito alcantilados. uma viagem muito favorável. ao mesmo tempo. somente para ver a cachoeira de Jucupari – desperdiçando assim o pouco tempo de que dispunha para descansar. que se prendiam à canoa. e quase sempre com dificuldade e que conseguíamos passá-la para cima da margem da cachoeira. que foi preciso descarregar a canoa completamente e arrastá-la sobre os desnudos rochedos que eram. Entre grandes e pequenas. Algumas eram meros rápidos. ao invés de cordas. que pudessem arranjar-me. vieram. havíamos passado 50 cachoeiras. empregavam todos os seus esforços para fazê-la ganhar o alto da queda. eram tão altas e tão furiosas. Cerca de 18 eram ruins e perigosas. durante o dia. para cima dos quais passamos com o auxílio de longos cipós. e os meus índios. à tarde. Em Caruru. até agora. Todos os homens de lá estiveram fora. a troco de cada um ou dois desses artigos meus. tendo sido necessário descarregar a canoa parcialmente. para ver o “branco”. junto da margem do rio. outras eram furiosas cataratas. quando assim era possível. fazendo uma verdadeira investida aos meus anzóis e colares. recebia eu um dos seus. 24 homens com grande dificuldade puderam puxar a canoa descarregada sobre o rochedo. Trouxeram-me peixes. Cerca de 20 eram rápidos. por vezes. e. sem qualquer acidente de monta. em numeroso grupo. As outras 12. como já referi. algumas vezes com a ajuda de outros que arranjávamos. embora. conseguindo assim puxá-la com alguma dificuldade. e. porém. algumas destas quase a prumo. porquanto não achava mais plausível gastar ainda outra semana de viagem rio acima. entretanto.444 Alfred Russel Wallace de pacovas para vender-nos. pacovas. Havíamos feito. farinha e bolos de mandioca.

Os meus índios saíram para caçar e nada me trouxeram de volta a não ser um gavião comum. a casa encheu-se de gente. que. acompanhados das respectivas mulheres e filhos. ainda pude chegar. Chagas que havia um excelente caçador no Codiari. e haveríamos de ficar num grande aperto. assim se podia evitar que ela se danificasse. à tarde. À noite o pai e um irmão do índio. depois que assim fazia. com o propósito de contratá-lo para o meu serviço e também de comprar todos os pássaros e outros animais vivos que encontrasse por lá. mandei Filipe. empreguei o tempo disponível desenhando algumas novas espécies de peixes. rio que vem da direção setentrional e que faz barra pouco acima de Mucura. e. sobre os quais a canoa deslizava. a que. A velha vestia apenas uma saia ou “saiote”. parecia ficar tão envergonhada como uma mulher civilizada houvera de ficar se lhe fossem tiradas as vestes. só muito raramente.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 445 atenuar as asperezas deste. trazendo-me um “macaco barrigudo” (Lagothrix Humboldtii) e dois papagaios. e foi muito acertada essa resolução. com os meus seis índios e os dois caçadores. contudo. ali chegaram. Tendo-me informado o Sr. No dia seguinte já estava ele de volta. de quando em quando. alguns dos meus índios. que me foram trazidos na véspera. As mulheres do índio mais velho e dos dois filhos do mesmo estavam completamente nuas. de quem eu havia alugado a metade da casa. porém pareciam quase inconscientes disso. ir até lá. e não alcançaria a localidade. se arrastada sobre a rocha nua. . tal e tão poderoso é o efeito da educação e do hábito. se colocassem muitos ramos e ervas. eu teria de retroceder. Quase que diariamente tinha eu uma ou duas espécies novas de peixes para desenhar: de pássaros e insetos. Desse modo. procurava ajeitar melhor ao corpo. foram dormir em outro rancho e nós então nos acomodamos da melhor maneira possível. um dos meus guardas. mas. ao mesmo tempo. afinal. No dia seguinte. pois. do contrário. Essa foi a razão que me fez comprar uma pequena ubá do tuxaua. para poder continuar a minha viagem. 13.

ainda fora vista naquele cercado. depois disso. elas retiram-se para os lagos.446 Alfred Russel Wallace Naquele dia. sob a chefia de Sebastião. disseram-me que ele tinha uma “tartaruga pintada”. etc. No dia anterior. porém. o que muito desejava efetuar. espelhos. anzóis. porém que ele próprio desejava entregar-me. para desenhar e descrever. uma tartaruga fluvial da espécie referida. no dia em que para ali voltasse. ordenando-lhes que fossem até ao último sítio e comprassem tudo quanto “conviesse aos meus propósitos. sendo. Ele. e tudo adquirido muito caro. ao Codiari. regressaram. contando-me Sebastião que os seus companheiros não quiseram ir além. para comprar macacos. Quando aportei a Mucura. Como os meus índios nada estivessem fazendo aqui. não quis eu intrometer-me em tal negócio. papagaios ou qualquer outra coisa que fossem encontrando no trajeto. e. chegou o Sr. a julgar pela sobra dos artigos. agora. Perdi. Nicoláu. trouxe-me alguns papagaios e pequenas aves. e também alguma farinha de que eu não queria ficar privado outra vez. provavelmente. e farinha em tal quantidade. que ele levara para as compras.. Os meus índios tiveram ocasião de vê-la num “curral”. então. lamentei profundamente a falta de ins- . com colares. entretanto. Em vista disso. nessa ocasião. assim. a única oportunidade que tive para obter e. feito em um córrego que passava próximo da casa dele. Despachei-os com instruções para só demorar 5 ou 6 dias. Quando ele chegou. porém. com a qual ia presentear-me. numa parte do país aonde antes nenhum viajante europeu havia atingido. verificou-se que ela havia fugido. mandei três deles. que quase não podia caber na minha canoa. antes do retorno dele. raramente vistas e dificilmente podendo ser capturadas. arcos e penas de pássaros. não tendo passado do lugar onde Filipe já tinha estado. talvez. Dois dias depois. logo mandou buscá-la. O tempo da desova já havia passado. Estando eu.

de latitude e longitude. e outro menor. para ser determinado com a desejada precisão. dão uma soma aproximada de 250 pés. o ar contido naquele recipiente haveria de rarefazer-se. quer de um. Se a esse resultado adicionarmos mais 50 pés para a inclinação do rio entre as quedas. por que passamos. determinar-lhe com toda a precisão o peso. pois assim poderia eu ficar conhecendo a densidade do ar. não pude preencher a falta. seriam insuperáveis as dificuldades para fechar a botelha de ar. pois o meu termômetro de ponto de ebulição da água quebrou-se. O seu valor exato. acima do nível do mar. deduzir a altura a que a coluna barométrica deveria atingir. Para as duas últimas. quer de outro. muito a meu pesar. que eu também trazia. E. se eu empregasse o lacre ou piche. como eu acredito. teremos então 300 pés para a altura provável do ponto que alcancei. acarretando resultados bastante errôneos para tão delicada operação. com boas razões. não pude de forma alguma conseguir quaisquer determinações. teremos assim 800 pés para o limite provável da altitude. as alturas das quedas. Achar a altura acima da última grande queda e determinar o verdadeiro curso deste rio. . e. mesmo que a garrafa ficasse hermeticamente fechada. eu teria necessidade de empregar o fogo. perdeu-se em viagem. pensei em fechar uma garrafa cheia de ar. bem como da sua altitude acima do nível do mar. Pelas minhas observações. Mas também pensei que. Uma vez. bem como as suas cabeceiras.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 447 trumentos adequados para a determinação dos seus graus. conseqüentemente. no momento em que este fosse aplicado. e dela. do ponto a que eu pude atingir. Ora. que este último não está a mais de 500 pés acima do nível do mar. para. depois. contudo. entretanto. acima de Barra. além disso dar somente um resultado igual ao de uma simples observação barométrica. são tarefas que não compensam os perigos e as despesas da viagem. só se conseguirá com uma série de observações dos pontos de ebulição e das alturas barométricas. porque.

existem extensos “campos”. segundo as informações que obtive. em seguida. também se encontram lá. sem nenhum outro meio para fazer visadas de dois objetos muito diferentes em brilho. que os índios têm facas. a cerca de uma semana de viagem. não se encontra nenhuma outra queda. mas das espécies do rio Negro. e acredito. Tendo comigo somente um sextante portátil para trabalhos topográficos. que as suas águas são tão claras ou tão barrentas. a qual é mais alta do que qualquer outra das que ficam para cá. primeiro pela distância zenital. com muito boas razões. obtida por um fio a prumo e a imagem do sol formada por uma lente de cerca de 15 polegadas de foco. pássaros e peixes. Todas essas interessantes particularidades parecem comprovar que o rio tem as suas cabeceiras em grandes planos. ponchos e moedas espanholas. do que cá para baixo. como as do Solimões. e. tratei de obter somente a latitude tão precisamente quanto possível. que muitas árvores. e isso é assegurado pelos negociantes. O meu caçador e o Sr. lá. que a média de duas observações não tenha uma diferença de mais do que 2 ou 3 minutos da latitude verdadeira. mais para cima. Além dela. que se estendem até à base dos Andes. que eu obtive em uma noite calma. Este último rio. é muito menor e tem um curso muito mais curto. que têm viajado 10 ou 15 dias rio acima. Tomei todas as precauções possíveis para conseguir um resultado bastante seguro. e relatam ainda que. Minhas esperanças de obter pássaros raros e curiosos desvaneceram-se completamente. a cachoeira de Jurupari. ao meio-dia. Nicolau mataram alguns “gaviões-de-penacho”. e onde as cabeceiras do Guaviare estão locadas na maior parte dos mapas. pela altitude meridiana de uma estrela. caraterísticos do Solimões. Acrescentam eles que o rio ainda se conserva tão largo ou mais largo. por meio de reflexão em uma cuia de água.448 Alfred Russel Wallace Dizem encontrar-se acima daqui. onde se cria gado e os homens andam a cavalo. .

enquanto eu jazia quase morto em São-Joaquim. sem dúvida. de modo que estou inclinado a pensar que ele não passa de uma variedade branca. Outro pássaro do qual há longo tempo estava eu desejoso de obter espécimes. E. Comprei deles uns ornatos e tecidos característicos. eu obtive ainda mais quatro ou cinco espécimes. já havia passado. uma espécie de Cayanurus. compreendem toda a minha coleção de história natural. Como. duas ou três raras espécies de borboletas e cerca de uma dúzia de outras espécies desconhecidas de peixes. mais numerosos aqui. na sua maioria. que ali pude obter. contentei-me com o pouco que pude obter. que é o tempo das frutas. em parte. como sucede com os melros e pardais da minha pátria. pois os pássaros aqui são em grande variedade e são abundantemente encontrados. e tratei. Os índios daqui eram. e como acontece também aqui com os mutuns e os agutis. Obtive ainda mais um ou dois pássaros pequenos. outras diziam que só algumas vezes ou raramente o viam. não só deste último. dois meses atrás. as informações. foi devida à minha desastrada e desconhecida doença. Antes de meu regresso. da tribu dos cobeús. de completar a minha coleção de armas. esse período. na subida das quedas do rio. porém o tempo melhor para encontrá-los. durante. que eram de espécies que eu ainda não conhecia. como também de alguma das espécies mais comuns. Os peixes e tartarugas eram também abundantes. para adicioná-los à minha coleção. os quais têm penas pretas na cabeça. Esses pássaros. porém. foi morto aqui. eram muito contraditórias: muitas pessoas nada sabiam a respeito de tal pássaro. . “o anambé-de-catinga”. afinal. quando comecei a viagem. e pela primeira vez o vi. que constitui o mais curto verão desta zona. os insetos deveriam ser. Tal deficiência. não havia agora mais remédio. feita neste remoto e ainda não perlustrado rincão.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 449 Quanto ao “gavião-de-penacho” branco. utensílios e ornatos indígenas.

No mesmo dia. Quando eu estava justamente para fazer a minha viagem de retorno. requisitando-me. a dos carapanás. Como fosse muito incerto o tempo que poderiam demorar naquelas paragens. apesar de abundantes. o empréstimo de minha canoa. dali para baixo. depois de uma estada de 15 dias ali. dos quais pretendiam tomar um lote de mulheres. O dito tenente. eram muito perigosas. pois as quedas. Minha recusa peremptória. de resto. depois que eu já a havia comprado e pago e já ter tomado posse dela.450 Alfred Russel Wallace Também tirei proveito da visita que me fez um tuxaua ou chefe. ele teve a petulância de exigir que eu a restituísse ao tuxaua. . e as galinhas. fui obrigado a recusar-lhes a minha embarcação. para lá receberem patentes e presentes. os meus índios. Um índio. Dificilmente se encontrava nas aldeias um homem. recebi uma notificação do Sr. por haverem os Srs. embora eu mandasse ao rio. donde não pude prosseguir sem um piloto. Chagas. aqueles que delas estavam tomando conta não no-las queriam vender. Mesmo assim. A 25. alegando estarem ausentes os donos. a mandado deles. Jesuíno e Chagas conduzido todos rio acima. foi motivo bastante para o dito tenente se julgar ofendido. fora encarregado pelo novo governo do Rio Negro de levar todos os tuxauas ou chefes das margens dos rios Uaupés e Içana. muito desapontado com relação às coleções que havia feito naquela aldeia. um mestiço ignorante. deixei Mucura. para ajudá-los em um ataque que ia ser levado a efeito a uma tribo. obtendo um vocabulário do seu idioma. havia chegado à cachoeira de Caruru e desejou comprar a ubá do tuxaua. eu alcancei Uarucapuri. Também dificilmente se encontrava alguma coisa que servisse para comer. em nome do tenente Jesuino. não se pegava peixe algum. que conhecia bem a língua geral. até Barra. para poder comprá-la ou pedi-la emprestada. diariamente. para eles subirem o rio até muito acima.

mandei que Manuel entrasse no mato para cercá-lo. e não pude fazer excursões pela floresta. que eu esparramei defronte dele. e uma nova espécie de borboleta. Estando nós com duas canoas. onde o tuxaua nos cedeu a sua casa. como piloto. Ouvi dizer que aqui se encontra a linda Jacana 143 brônzea. saindo nós. eu muito sinceramente me associei à alegria deles.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 451 Afinal. não obstante as suas reviravoltas e mergulhos. enquanto permancíamos muito quietos na canoa. Eu estava ainda muito fraco. depois de caminhar pela praia algum tempo. fomos obrigados a esperar ali a obtenção de mais índios. para salgar e cozinhar a carne do veado. Chegamos bem a Caruru. . Em seguida descemos a queda. 143 É a Parra jacana. No dia 1º de abril. para o prosseguimento da nossa viagem. foi imediatamente abatido por uma pancada na cabeça sendo dali alçado para a canoa. logo. bela ave. ele entrou na água para atravessar o rio. Na manhã seguinte à da nossa partida. vimos um bonito veado em um banco de areia. Prosseguimos a viagem. passamos por uma série de cachoeiras. o pobre animal apenas veio à tona. consegui persuadir a seguir comigo. cujos nomes túpicos são jaçanã e piaçoca. mas os meus caçadores a procuraram baldadamente. que não resistiu à tentação dos canivetes. Dificilmente consegui colecionar alguma coisa mais naquele lugar. o filho do tuxaua. em perseguição dele. para escapar. quatro dias depois. estivemos parados duas horas. então. Na cachoeira Tapioca. varando a maior parte delas no meio de perigosos rochedos e rugidores vagalhões. e. regozijando-se pela certeza de terem carne para um ou dois dias. do gênero Callithea. e eu. colares e espelhos. do qual nos estávamos aproximando. sem qualquer acidente. de pescoço cor de topázio (Trochilus pyra). e os índios ficaram contentíssimos. a não ser um simples espécimen do belo e raro beija-flor.

que eram algo abundantes. No dia 4. na aldeia. passando melhor do que em Uarucapuri. que era muito variado. pegam a andar pelas casas dos índios. galinhas e peixes. e também impedir que fugissem. Pedi a Jesuino que me arranjasse alguns índios. mandei fazer duas toldas para as minhas canoas. e. Compareceram todos os habitantes. para tomarem banho. dos quais os restantes conseguiram escapar. e. o grupo assaltante teve somente a perda de um homem. Na luta que travaram. Pela manhã e à tarde. íamos. por vezes se perdem. O homem. sendo os restantes mulheres e crianças. assim. estava amarrado. Todas as minhas tentativas para arranjar índios foram infrutíferas. morreram sete homens e uma mulher. trazendo para mais de 30 prisioneiros. do lado dos índios. ou então recusavam alimento e acabavam morrendo. os Srs. à tarde. assim. tendo ele prometido atender-me. com uma verdadeira frota de canoas. A maior parte deles tinha de ficar em liberdade. . entre os quais apenas se contava um homem. que se reuniram na casa grande. bebeu-se grande quantidade de caxiri e de cachaça. e que eram agora 4 macacos. foram todos levados para o rio. ficavam constantemente querendo sair. À noite. e as mulheres e as crianças eram cuidadosamente vigiadas. que eles trouxeram. 12 papagaios e mais 6 ou 8 aves pequenas. em honra aos recém-chegados. Aproveitando a oportunidade desta parada. ou entram na mata. entretanto. e.452 Alfred Russel Wallace Além disso. cabia-me o tratamento dos pássaros e outros animais vivos que trazia. Davam-me trabalho constante. principalmente para obter-lhes alimento. se colocados em uma gaiola. Encontrávamos. Jesuino e Chagas chegaram ali. Quando ficam soltos.

ordenado a cinco índios que me levassem até Jauarité. porém que. por eles abandonado. tendo antes. que este. pois. porém. sabiam perfeitamente o que é que o Sr. logo após a sua saída. em companhia do pai. e. tendo ele negado que houvesse dito qualquer coisa ao meu piloto. Logo depois. muito para minha surpresa. entretanto. interpelei-o a respeito desse caso. Desta sorte. a perceber a sua intenção de retroceder. para arranjar-me como pudesse. assim. E. se eles ali me deixassem. e isso com o propósito de me deixarem em lugar onde eu não pudesse conseguir mais recurso algum. contudo. . sem me dizer palavra. com ele ralhando severamente. prometendo. dispararam imediatamente rio abaixo. Ali. fui entender-me com os índios. entretanto. que saíram comigo. eles saltaram para uma pequena ubá. alcancei Jesuino. ele recusou-se a dar-lhas. porém. a intimá-lo a permanecer em minha companhia ou a cumprir o seu trato comigo. mas recusando-se. Antes de partir. Embora os homens obedecessem imediatamente às suas ordens. dizendo que haviam recebido ordem para acompanhar-me somente até aquele lugar. comunicaram aos meus guardas o que estava acontecendo. porém. ali fiquei. consegui partir também. deram de remos para trás. Resolvi. e deram. eu não lhes daria um simples anzol se quer. e. então. então.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 453 Na manhã seguinte. se eles me acompanhassem até Jauarité. Cerca do meio-dia. interpelar Jesuino a esse respeito. pelo contrário. e tais ameaças fez ele ao meu pobre companheiro. Jesuino deixou Caruru. Jesuino queria. dele haviam recebido instruções para acompanhar-me somente até a uma certa distância da aldeia. dar-lhes pagamento que muito os contentaria. para que não me acompanhasse mais. Os índios. de novo. dizendo que os havia posto em minha canoa e que eu agora me arranjasse como bem entendesse. o seu primeiro ato foi o de intimidar o meu piloto. Os homens. De acordo com as suas alegações.

Felizmente. contando somente com os nossos próprios recursos. Em uma de tais casas. na passagem das cachoeiras. produziu o curioso efeito de empurrá-la para a parte da queda. encontrei foragido o meu piloto.454 Alfred Russel Wallace Em cada uma de minhas canoas. ela se desviou para o lado. que havia chegado poucas horas antes de nós. aventuramo-nos por ali abaixo. de São-Jerônimo. Na última cachoeira. e fi-lo entregar-me dois cestos de farinha. ficando assim bem vingado do estrangeiro. de virar e afundar-se. Nessa hora. são necessários seis ou oito bons remadores. que subia do fundo do rio. papagaios. Jesuino. bem virada para um dos lados. Meu amigo. prosseguir a viagem de qualquer maneira. tinha eu somente um homem e um rapaz. . correndo o risco. sem dúvida. eu me achava na canoa. Afinal. fazendo idéia de que possivelmente eu perderia as minhas canoas. Permanecer em tal situação seria de todo inútil. Justamente quando descíamos a cachoeira. com grande risco de vida. pelas casas que fui encontrando. presa por uma corda. onde permaneceu muito tempo. em um sítio que encontrei mais abaixo. arcos. por conta do pagamento que havia recebido antecipadamente para a viagem de Caruru até Jauarité. quase se perdeu uma das nossas canoas. para comprar galinhas. flechas e penas. se não minha própria vida. quando se fazia a sua descida pela cachoeira. E. já bem perto de Jauarité. que. o Sr. o que causou grande surpresa a Jesuino. logo após este. no caminho batido pelo Sr. À tarde. desta sorte. onde. para vará-los com segurança. e a água. resolvemos. com os quais teria de passar os rápidos. por isso. conseguimos safar-nos dali e alcançar a aldeia. que se atreveu a adquirir a canoa que ele teve vontade de comprar. Augustinho. Eu ia fazendo diversas paradas. achava-se ali também e eu passei uma tarde agradável em sua companhia. passamos por uma cachoeira muitíssimo perigosa. a todo momento. pude persuadir alguns índios a que me acompanhassem até Jauarité. muito haveria de regozijar-se com a nossa situação.

que havia chegado recentemente de São-Gabriel. para acertar. dos quais cada um tem então uma data diferente. Quando dois grupos. começam a fazer comparações baseadas nos dias santos passados. Como eu houvesse gasto três meses na minha expedição rio acima. a primeira pergunta. dos que descem aos do outro grupo é: – “Que dia os senhores têm?” Freqüentemente acontece que são três os grupos presentes. Augustinho. donde deveria trazer a data correta. Os índios. Como eles estivessem viajando havia já algum tempo. Agora. tive ocasião de verificar que havia uma divergência em nossa estimativa da data em que estávamos e. Isso. contudo. havia eu tomado nota somente de cinco dias. e. E. maior se tornou a nossa confusão. não obstante lhes faltar autoridade. em vez de seis. para isso fazem uns pequenos entalhes numa varinha. em véspera das férias. Todavia. Jesuino e Chagas divergiam de mim nesse importante assunto. para o propósito de porem termo à controvérsia. é coisa muito corriqueira nestes remotos rincões. verifiquei então que. chegam a encontrar-se. presumi que eles poderiam estar tão errados quanto eu próprio. No nosso caso. eu não podia de todo atinar por que maneira eu me haveria enganado. já se me ensejara verificar que os Srs. pelo Sr. pelas nossas contas. logo após as habituais saudações. como tomasse notas de viagem diariamente. outros tinham um dia ou dois mais de avanço. Quando estive na cachoeira de Caruru. a diferença era um dia da semana e da data do mês. tive de concordar com aqueles. contudo. Fazendo um minucioso exame nas notas de meu diário. costumam contar os dias com muita precisão. na minha primeira estada em Caruru. mesmo assim os índios estavam enganados.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 455 Com ele palestrando. desta sorte. pois enquanto alguns deles estavam de acordo comigo. em viagem. um subindo e outro descendo o rio. como fazem os meninos na escola. e. supus logo que o erro deveria ser de minha parte. entretanto. .

Mesmo nos lugares mais populosos onde todos os habitantes dependem do padre ou do comandante. em seu lugar. não achando pessoa alguma que quisesse acompanhar-me até Jauarité. têm-se verificado enganos dessa natureza. cit. ornatos de penas e pequenos potes. passamos pela cachoeira de Panoré. tendo estiado um pouco. tendo. e aportamos com toda a segurança. Alguns domingos e dias santos. . Naquele dia. Ao chegar à primeira queda. nesse sentido. a de Pinupinu.. seguir para São-Jerônimo. costumam errar dois ou três dias. sendo as segundas-feiras e outros dias comuns guardados como dias-santos. procedente de uma parte civilizada. que passam às vezes muitos meses sem ver uma pessoa qualquer.456 Alfred Russel Wallace Os negociantes residentes em aldeias indígenas. ob. E dali. na computação de datas. o que é um verdadeiro horror para todos os bons católicos. No dia seguinte. prosseguimos a viagem. Malgrado esse contratempo. comprando então do tuxaua mais alguns papagaios e periquitos. e. assim.144 ali somente encontramos um índio que aproveitamos para mandar até à aldeia. dei uma volta pela aldeia. eles não estavam dispostos a viajar e perdemos. resolvi. mesmo assim. começou uma chuva importuna. a fim de arranjar-nos ele alguns companheiros mais. Na manhã seguinte. porém. uma excelente oportunidade para o prosseguimento da viagem pois o dia estava muito bonito. pág 601) é o nome de uma urtiga muito comum no Amazonas. Por volta do meio-dia. não têm sido respeitados nos dias próprios. consoante já se esperava. tentado em vão arranjar índios para irem comigo até lá. os índios vieram. mesmo debaixo de chuva. 144 Pinu-pinu (veja-se Stradelli. à aldeia de São-Jerônimo. por vezes. sem nenhum incidente desagradável. e da qual se servem os índios do Uaupés para a cura de dores reumáticas.

apenas com os meus dois “guardas” e as duas canoas. e os dois meninos. sem ter-me arranjado ao menos um índio. da “casa-da nação” a qual não tinha portas. alternativamente. chegou ali. Próxima página . Os dois índios. agora. tentando assim induzir alguns deles a acompanhar-me. com boas maneiras. não obstante as promessas e ameaças que. “o juiz de paz”. inesperadamente. me perguntou quando era que eu pretendia prosseguir a viagem. o meu antigo piloto que me havia deixado em Jauarité e que estava. Na mesma tarde. Assim ficaria eu ali prisioneiro por muitos meses se não houvessem chegado. porém. Jesuino. fugiram. a todo índio que passava. Em vão mostrei machados. que o capitão Ricardo lhes desse ordens para me levarem até Barra. de descida para São-Joaquim. eu lhe fizera antes. colares. entregue ao meu destino. o tuxaua também seguiu para Barra. que tinham vindo de São-Joaquim. alguns índios resolveram acompanhar-me até Castanheiro. que trazia. espelhos e tecidos.Sumário Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 457 Ali desembarcamos e descarregamos as nossas canoas. ficando eu ali sozinho. partindo. o Sr. Desde logo fomos preparando o nosso espírito a fim de permanecermos serenamente ali aguardando oportunidade para descer o rio. resolveram deixar-me. contudo. que já havia falado ao tuxaua para arranjar-me os índios de que eu precisasse. Dali a dois dias. Após um entendimento entre eles. canivetes. logo que arranjássemos os homens necessários a esse fim. na manhã seguinte. e também Bernardo. então. e dizendo-me. Vitorino. o qual. onde eu esperava. que estavam comigo. tomando posse em seguida. o Sr. ali chegando.

. que ia encontrando no trajeto. .145 A esses anfíbios de dedos largos e pele de variegadas cores. . pacovas e papagaios. . Página anterior A FINAL. . . . traziam-nas e tratavam de cozinhá-las com entranhas e tudo. . . . . . devorando-as. para caçar rãs. . dão eles o nome de “juí”. 145 Esse vocábulo espanhol consta do original. . com muito “gusto”. . Os meus índios iam quase todas as madrugadas aos igapós. que apanhavam em grande número. . despedi-me de São-Jerônimo. em seguida. Parei em diversos lugares. . . . . com muita . enfiando-as num cipó. e. . . para o fim de comprar beiju. no dia 25 de abril de 1852. . . Capítulo XIII De São-Jerônimo para Baixo DESCENDO O RIO NEGRO – CHEGADA A BARRA – OBTENÇÃO DE PASSAPORTE – ADMINlSTRAÇÃO DA CIDADE – AS TRANSAÇÕES DE PORTUGUESES E DE BRASILEIROS – SISTEMA DE CRÉDITO – COMÉRCIO – A IMORALIDADE E SUAS CAUSAS – PARTIDA DE BARRA – LENDA DA MORTE – BELÉM DO PARÁ – A FEBRE AMARELA – PARTIDA PARA A INGLATERRA – INCÊNDIO DO NAVIO – DEZ DIAS EM BOTES – LIVRE DE APUROS – VENTOS CONTRÁRIOS – FALTA DE PROVISÕES – TEMPESTADE NO CANAL – CHEGADA A DEAL satisfação.Sumário .

alcançamos São-Joaquim. . como havia pouco espaço. destinadas aos meus pássaros. por ter igualmente caído no rio. que eu nela trazia. e. onde apresentei os meus cumprimentos ao novo comandante. A nossa canoa era demasiadamente pequena. os animais com e sem asas. como também em São-Joaquim. podendo eu assim ter assegurado o prosseguimento da minha viagem. na manhã seguinte. No dia seguinte. passei a noite em casa do Sr. o que até então fora para mim um problema de dificílima solução. embora eu fizesse todas as tentativas possíveis não consegui salvá-lo. como já havia sucedido com o outro.460 Alfred Russel Wallace No dia 26. muito me alegrou. Spruce. de cor escura. que eu havia deixado com o Sr. e. Vitorino. que haviam fugido da gaiola. Deixando São-Gabriel. Fiquei muito satisfeito por ter conseguido que o comandante mandasse em minha companhia um dos seus soldados. com quem então mantive uma curta palestra. alcancei a casa do Sr. Ele ficou completamente resfriado. No dia 23. também. a qual mesmo assim. sem mais delongas e sem receios. me davam grande trabalho e muito incômodo. Este. perdi muitos dos meus pássaros. o que faz o serviço do correio. dele comprando outro anacá por sete shillings. Não só aqui. tendo tido oportunidade de encontrar ali meu amigo o Dr. Lima. e ali eu fiquei muito contente. e de embarcar vários objetos. até Barra. matou e devorou dois. Um pequeno macaco. tendo caído na água. descemos para São-Gabriel. de quem comprei alguns papagaios de penas verdes e um belo anacá ou papagaio de penas listadas de vermelho no pescoço este último para substituir o que havia caído na água e se perdera na passagem da cachoeira de São-Gabriel. onde demorei um dia para o propósito de preparar algumas gaiolas. Um papagaio (espécimen raro) perdeu-se nas descidas das cachoeiras. Palheta. morreu de frio.

e eu poderia perder-me no trajeto e não chegar assim. o Sr. fui forçado a continuar a viagem rio abaixo. bem a pesar meu. Na manhã seguinte. com grande empenho. porém tudo em vão. um pouco de farinha. que era o de fazer o pretendido levantamento do rio. entretanto. cuja morada alcancei no dia seguinte. alcancei Castanheiro. seria muito temerário. pelo mesmo curso que eu já havia navegado três vezes. Todos eles me davam a resposta do costume: – “Não há gente nenhuma aqui. depois. que eu há muito desejava levar a efeito. onde desejava. à Barra. todas as minhas esperanças de realizar aquele meu projeto. e que (disse-me ele) conhecia muito bem a outra margem do rio. Sofri outros ataques de febre. . Todavia. sal e ovos de galinha-d’angola.” Assim. porquanto seguir um caminho diferente. tenente Ricardo. e também para o Sr. Na mesma noite. abraçou-me com muito afeto. resolvi apelar ainda para o subdelegado de polícia.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 461 No dia 2 de maio. arranjar um piloto para levar-me à outra margem do rio e lá fazer levantamentos topográficos. café. deixei Castanheiro. Ao partir. com vestígios evidentes de que estava desabitada já desde algumas semanas. vendendo-me. depois de ter almoçado em sua companhia. O Sr. Chagas. dentro de um mês. especialmente para medir a largura deste extraordinário curso de água. alcancei o sítio de meu velho amigo. por cuja casa eu deveria passar no dia seguinte. Tínhamos chuva constantemente. e dele obtive uma ordem para tomar comigo um homem. apresentando-me votos de boa viagem e desejando-me felicidade. que me fez almoçar em sua companhia. e passei muitos dias num grande abatimento. assim. Ricardo exerce aqui o cargo de “capitão dos trabalhadores”. com a esperança de conseguir o almejado intento. encontrei-a vazia. conforme era meu desejo. João Cordeiro. Ao chegar à referida casa. sem um piloto. perdendo eu.

na verdade. na sua própria banha. durante a chuva. fomos colhidos por um forte temporal. quase leitosas. À tarde. deixasse de pagar os referidos tributos por tudo que trouxesse a bordo de suas canoas. e ali sofri muitas importunações. alcancei Pedreiro. estava muito gorda e nós fritamos quase toda a sua carne. Na estação seca. passamos pela barra do rio Branco. mais cinco. e ali comprei uma tartaruga. onde ficamos ao sabor da . Morriam alguns dos meus animais quase diariamente. de um amarelo-claro de azeitona. um macaco. e. muito diferentes e muito mais claras do que as águas do Amazonas. para o resto da nossa viagem. além disso. alcancei Barcelos. em outro sítio. as suas águas são muito mais claras. abaixo da povoação. pude então observar a curiosa e esquisita cor de suas águas. Por vezes. em um sítio. Pela manhã. por não permitir o novo governo de Barra que quem quer que fosse que por ali passasse. que nos impeliu para o meio do rio. uma arara azul. A tudo isso acrescia a impossibilidade de cuidar de sua limpeza. era um grande trabalho. Era uma tartaruga muito grande. em seguida. comprei dois papagaios.462 Alfred Russel Wallace Para tratar de meus numerosos pássaros e outros animais. na manhã seguinte em Airão. pela primeira vez. que são. que foi posta. muito adequado. fazendo assim com que seu nome de “rio Branco” seja. um tucano e um pombo. cheguei mesmo a desejar nada mais ter que fazer com eles. devido à balbúrdia e atravancamento em que se achava a canoa. resolvi perseverar. tendo sido obrigado a dar uma relação de tudo que trazia em minha canoa. paramos a uma curta distância. No dia 11. À noite. Todavia. a fim de melhor preservá-la. tive ainda de pagar direitos. No dia 8. Para prepará-la. e à tarde. de fato. uma vez que já havia principiado aquele encargo. de chuva e vento. E.

No dia seguinte. uma boa oportunidade para obter um espécimen desta ave. consegui arranjar uma casa pequena. Henrique Antony. foram as duas únicas circunscrições políticas estabelecidas depois da independência do Brasil. assim. que era agora a capital da nova província do Amazonas. à tarde. Ela e a do Paraná. no dia 17. que perdera em 1827 a província Cisplatina. que o Sr. de parede barreada e coberta de folhas de palmeira. 147 A província do Amazonas foi criada pela Lei nº 582. tive ocasião de ver estendido no solo um lindo “gavião real”. deixou-o a decompor-se. Perdi. ali chegados em conseqüência da instalação do novo governo na cidade. de 5 de setembro de 1850. Ai purusu.147 Fui bondosamente recebido ali pelo meu bondoso amigo. Bagatta havia matado no dia anterior. Contudo. A nossa viagem. 146 No original. criada pela Lei nº 794. As chuvas estavam a tornar-se cada vez mais abundantes. de 29 de agosto de 1853. “pulo”. anexada em 1821. . Ali. Todas as noites. pois estavam quase todas ocupadas e os aluguéis eram caríssimos. alcançamos Aipurusá146 onde pude comprar algum peixe e milho. fiquei muito contente de alugá-la.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 463 ventania e das ondas. Mesmo assim. por um dia apenas. Sr. Isso tinha como principal causa o afluxo de numerosos adventícios e comerciantes. o que naquela ocasião era muito difícil de conseguir. alcançamos Barra-do-Rio-Negro. Levei o dia todo a procurar uma casa. Afinal. que eu tanto desejava e que nunca pude encontrar. Provavelmente é corruptela de puresaua. chovia copiosamente. sem podermos conseguir alcançar a praia. antes de conseguir uma passagem para Belém do Pará. assim. ia-se tornando muito monótona e desagradável. pois não sabia quanto tempo ainda haveria de permanecer em Barra. durante a estada já de quatro anos no país. durante longo tempo. e depois de ter-lhe tirado as penas das asas.

e constantemente as vigiava. queriam sempre sair para a rua. vi que era preciso ter muito cuidado com as minhas aves. e. por maneira alguma. perdi alguns dos melhores. assim. por baixo da unha. Os meus papagaios. alguns emplastros e cataplasmas. deixaram escapulir três dos meus melhores pássaros. andei mancando de um pé por causa de uma ferida inflamada do dedo grande do pé. jacarés empalhados. e fui. insetos. porém. reprimia a insistência dos meus pretensos fregueses. enquanto eu estava diligenciando arranjar uma casa. e assim tive de proceder até ao dia em que pude obter uma passagem para Belém. despachei os índios e dispus-me a esperar pacientemente pela oportunidade de partir.464 Alfred Russel Wallace No dia seguinte só pude desembarcar todas as minhas bagagens. até à noite para conseguir ter tudo isso na praia. que constantemente me procuravam. por esse modo. inclusive das peles de aves. em repouso. Eu mesmo fazia o tratamento dos animais de pêlo e das aves. o que me impedia de usar calçado. desde então. na qual os bichos haviam penetrado. Muito embora eu. Durante o curto tempo em que os índios estiveram descarregando as bagagens da canoa. Pondo. depois da abertura da alfândega às nove horas. e eu. . para lhes vender papagaios ou macacos. e tive ainda que pagar mais direitos de todas as bagagens que trazia. repetidas vezes. a fazer muitas caminhadas. muito especialmente dos quais eu tinha mais de 20. o dedo ficou muito inchado. por isso mesmo. No dia seguinte. Eu era também muitíssimo importunado por pessoas. isso. nos últimos dias de minha estada ali. restabelecer-me. lhes fizesse sentir que desejava mesmo comprar mais alguns. obrigado a permanecer em casa. que ficaram. E assim gastei o dia todo. Durante três semanas. consegui. entretanto. etc. para dar algumas providências. sem dúvida alguma seguramente escondidos nas casas dos vizinhos. Tendo sido forçado.

voltei ao gabinete do chefe de polícia. que foi assinado por dois escrivães pagando eu por isso 8 vinténs. encarregados do recebimento de rendas. concedido o passaporte. muito ocupado. . apresentei-me no gabinete do chefe de polícia para esse propósito. todavia já estava. A sua importância parecia provir apenas de suas bem lustrosas e bem luzidias botinas ou das enormes correntes de ouro de seus relógios. O chefe estava nesse momento. que devia ser selada em outra repartição situada em um distante bairro da cidade. Nessa ocasião pelo que de novo me informaram. então. uma vez despachado o mesmo. Como eu tivera precisão de tirar um passaporte. fora de questão.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 465 A cidade estava agora cheia de rapazes bem vestidos e janotas. sem que gastassem um tempo mais curto do que duas ou três horas. me fosse. deveria publicar o competente aviso nas gazetas locais. Muitos deles não sabiam escrever uma dúzia de palavras em uma fórmula já impressa. de fato. e. que eram os funcionários públicos. ali ainda me foi fornecida outra fórmula em branco. e cerca de uma semana depois voltei novamente à chefia de polícia. eu deveria apresentar um requerimento. agora. quando bem me aprouvesse. serviços esses que eles não tinham competência alguma para desempenhar. para que. e lá voltei no dia seguinte para entregá-lo. porém lá me informaram que eu deveria primeiramente tornar pública a minha intenção de partir. pagando eu outros 12 vinténs (6 pences) ficando assim em condições e completamente desembaraçado para deixar Barra. Tratei logo de arranjar o requerimento. para isso. Para lá me dirigi imediatamente e comprei o selo. Eu lá voltei no dia imediato e agora que a requisição já devia estar assinada. De posse desse documento. muito para minha surpresa. e. De acordo com essa informação assim fiz. o passaporte já estava extraído e mo entregaram. e somente poderia assinar a requisição depois que despachasse outros negócios. sem que cometessem erros ou então. Isso.

peixe. Tudo que ali existia consistia em: farinha. à custa de vogas colocadas nas proas das canoas. estava passando por um período de miséria extrema. procedente de Belém do Pará. e. Desde cinco meses. as minhas observações de modo algum se lhe apliquem. para poder ser vencida assim a forte correnteza do amazonas. Vários navios estavam de saída para Belém. Henrique me garantiu que me arranjaria um lugar. que eu quero referir-me tão-somente à província do Pará. desejo fazer algumas outras considerações mais. nem tampouco manteiga. vinagre e rapadura para adoçar o café. Biscoitos não se encontravam ali. capital da província e residência do presidente. e carne de tartaruga (esta quase sempre). e havia absoluta falta de quase todos os gêneros de primeira necessidade. queijo. Desta sorte. vi-me obrigado a esperar pacientemente pela minha condução em uma pequena canoa. que era impossível obter-se passagem. mas iam todos tão carregados. açúcar. Cumpre que se entenda. a viagem freqüentemente demora 70 dias a três meses. que vinha de Belém do Pará. carne de vaca (duas vezes por semana). conseqüentemente. no que diz respeito ao caráter e aos costumes dos habitantes deste maravilhoso país. bem como lugar para as bagagens. em qualquer deles. um mês antes. pois acho provável que. Antes de prosseguir a narração da minha viagem. A farinha de trigo há muito tempo que se havia acabado. para o resto do país. um navio.466 Alfred Russel Wallace A cidade da Barra. ali não chegava navio algum. que ora me ocorrem. que somente podia ser adquirida a retalho. e isso mesmo em quantidades mínimas. na qual o Sr. perto da Barra. quando o rio está cheio e os ventos são contrários. e tem de ser vencida quase sempre varejando. vinho. desde logo. tão dife- . não havia pão. que estava descendo o Solimões. Esta falta de gêneros era devida a ter-se perdido. Naquela época do ano. A cachaça (bebida alcoólica da região) já era tão pouca. Esta última era coisa rara e muito difícil de encontrar. carregado de provisões.

e onde a circulação das suas riquezas seja tão limitada e tão insignificante. Não há nenhuma outra região. Não há no mundo. no entanto. seja mais difícil e mais penoso do que aqui. das demais províncias do império. talvez. quer mantendo um grande tráfico comercial entre povos bárbaros ou ainda não civilizados.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 467 rente. que espalhou suas colônias por todas as partes do mundo. estes estão em completo abandono. em busca do comércio e em procura do ouro. – a nação que há poucos séculos teve a primazia em todas as grandes descobertas e esteve à frente de grandes empresas comerciais. nenhuma região que. Contudo. deve ser esta região. principalmente quando nos recordamos de que os habitantes brancos deste país são os filhos de Portugal e seus descendentes. entretanto. Nenhuma outra há onde as facilidades para as comunicações internas apresentem tantas possibilidades. demonstrando. e que são as mais conhecidas. tanto quanto eu mesmo pude observar. situadas mais ao sul. ofereça tantas vantagens e tantas possibilidades para a auferição de largos proventos com as explorações agrícolas. continuam demonstrando a mesma perseverança. o mais nobre e mais elevado espírito cavalheiresco. O português e seus descendentes. Ao par disso. onde se possa obter tamanha variedade de produtos naturais. pelas suas condições naturais. e. para a gente se deslocar de um ponto a outro. Nenhuma outra há que ofereça tantos requisitos naturais para um imenso intercâmbio com todo o mundo. e onde. em outros tempos. assim o presumo. aqui. e que. não se mudou o seu caráter nacional. a mesma tolerância a todas as fadigas e trabalhos. como esta. entretanto. todavia. e ainda os atira hoje às regiões mais remotas e mais incultas. que parece ser mesmo característico . o mesmo espírito aventureiro que os levou. por vários motivos. seja tão pouco aproveitada para esse fim. Isto não deixa de causar admiração. revelam tal descaso pelos trabalhos agrícolas e pelos ofícios mecânicos. pela suas arrojadas iniciativas. quer vencendo os perigos da navegação através de mares desconhecidos.

que habita a região. suas crenças e seus costumes” (“Rev. Quando as suas colônias floresciam por todos os recantos do mundo e que os seus navios. Com a sua aversão pela agricultura. o seu único recurso está no indígena. como ainda explica o sobredito escritor. em “As populações indígenas e mestiças da Amazônia – Sua linguagem. como fazem estes. como sejam os produtos naturais da região. do Inst. na esperança de alcançar a riqueza. cujo trabalho se resume em apanhá-los ou colhê-los. e Geogr. abasteciam a metade do globo civilizado. que estabeleceu uma constante e forte corrente comercial da América. sendo este pouco dado à agricultura. Turco. 311). também avessa à agricultura. em vez de carregá-las às costas. Por sua vez. a maior parte de sua população encontrava ocupação no comércio e na distribuição dessa riqueza. como se sabe. . tomo L. antes. “ao dono e à galeota”. ou. por um modo mais adequado aos seus gostos e às suas tendências. é a denominação gentílica que se dá erradamente ao sírio. Hist. pág. nem outro melhor do que o de mascates. carregados de especiarias. em todo o Brasil. Brasileiro”. tem no Amazonas o nome de “regatão”. e a população excedente. disso resulta que somente alguns poucos artigos de valor comercial. Esta corrente desviou-se agora para outros canais graças à energia das raças saxônicas. destinada ao comércio ambulante. o seu apaixonado gosto pelo comércio. dá-se ali. Assim é que encontramos a província do Pará infestada de comerciantes. o que dificilmente permite a qualquer deles fixar-se em um lugar qualquer e produzir alguma coisa para comerciar com outros. da Ásia e da África para as suas praias. a maior parte dos quais nem merecem tal nome. Raimundo Morais descreve-a em “O meu dicionário” (pág. veja-se também o que diz José Veríssimo. 115). não encontrando arrimo no diminuto comércio do país natal. Sobre o vocábulo “regatão”. é que vão constituir o seu principal comércio.148com a diferença apenas de que aqueles transportam as suas mercadorias em canoas. disso resultando ficarem reduzidos à mais triste condição de inferioridade na escala das nações. 148 A embarcação. em qualquer parte do mundo onde eles se encontrem.468 Alfred Russel Wallace da nacionalidade. já o foi do hebraico e do português”. acrescentando que ela é “propriedade hoje do turco. indiferentemente. emigra para o Brasil. limitando-se a produzir apenas o necessário para o seu sustento. O apelativo “regatão”.

para o comércio interno. e ali não encontram as invernadas. imprescindíveis à sua engorda. O mesmo acontece com relação às frutas. além de bastante difíceis de obter.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 469 Mas. e inúmeros artífices estão constantemente abandonando os seus ofícios e obtendo algumas mercadorias a crédito. são muito caros. e ninguém cuida disso. nenhuma outra região do mundo. custa 3 shillings e 6 pence. Não há assim penso. . para abastecer o mercado com esses artigos. salsaparrilha. aventurando-se pelo interior do país exclusivamente para negociar. embora possa ser conseguido muito facilmente. Os produtos de valor comercial da região são principalmente: o peixe seco e óleo do peixe-boi ou de ovos de tartaruga. O cafeeiro e a cana-de-açúcar podem desenvolver-se por toda parte. tão generalizado e tão inseguro sistema de crédito. o café e o açúcar têm de ser importados. de outras partes do Brasil. e vendê-las. vencendo grandes distâncias. e isso se deve exclusivamente à falta de pastagens nas vizinhanças das grandes cidades. no Pará. para isso. é necessário levar uma vida irregular e de aventuras. para o comércio de exportação. Há uma espécie de jogo de estímulo pelo comércio que suplanta todos os seguros proveitos do trabalho. onde prevaleça. e. A carne de gado por toda parte é ruim. goma-laca. preferindo eles acompanhar os hábitos do índio a dedicar os seus esforços aos tranqüilos e continuados trabalhos da agricultura. todavia. o trabalho é só de colhê-las quando maduras. e. quase que espontaneamente. como aqui. e o açúcar é ali tão caro como na Inglaterra: e tudo isso porque ninguém cuida de desenvolver a pequena lavoura. óleo de copaíba e cacau. As verduras e legumes são raros. excetuando-se as bananas e as laranjas que uma vez plantadas. piaçaba. para o consumo local. Uma galinha. para onde as reses são levadas. castanhas.

que mal vale 2 pence. dos quais os negociantes. roubos e depredações às propriedades alheias Para cobrir todos esses riscos de perdas. Eles não tomam em consideração que. então. eles têm de entregar estas mercadorias a crédito porque eles não trabalham. por exemplo. e o consumidor acaba pagando quase sempre. vendem-nas a crédito aos negociantes das cidades próximas. Estes. entregam as suas mercadorias aos índios semicivilizados. E tudo mais é assim em idêntica proporção. dos quais se possa dizer que dispõem de algum capital que seja seu. e consomem um tempo bastante longo. São ocorrências constantes os assaltos. devido à pobreza da região as transações têm de ser muito limitadas. em troca dos produtos naturais da região. Esta aparente margem para grandes lucros é que atrai os mecânicos e outros artífices para o comércio. contudo. para negociá-las com as tribos selvagens. por sua vez. quer o grande. em pequenas parcelas. E. 2 shillings por uma jarda de ordinário tecido de algodão. a outros negociantes que as aceitam.470 Alfred Russel Wallace Raramente aqui se encontram. Em cada fase desse sistema de crédito não há a mais leve segurança. quer o pequeno negociante. que comerciam nos rios compram também todas as mercadorias a crédito. que ainda estão para se colher na floresta ou nos lagos. Estes negociantes ambulantes. assim. Os negociantes do Pará têm os seus correspondentes no estrangeiro e destes obtêm as suas mercadorias a crédito Vendem-nas em seguida aos negociantes ou logistas de Belém do Pará. estes últimos negociantes vão ser pagos com a salsaparrilha ou com o óleo de peixe. não há garantia de espécie alguma. Aos índios. . os lucros têm de se elevar proporcionalmente em cada fase. senão quando são pagos com uma antecedência de seis meses. ou.

com a facilidade de crédito de que dispõe. tanto vinho. E. os respectivos juros. quanto eles queiram há assim pouca possibilidade de romper-se com esse hábito. creio eu. três outros grandes vícios. canoas e dívidas perdidas. no dobro daquela soma. Não é de admirar. que leva para a sua canoa e. a crédito. fraudes e vícios de toda sorte. parece ser ótimo negócio. Ora. quando chega ao fim da viagem. vender mercadorias por um preço duplo do que por elas se pagou. Um homem nunca pensaria em beber vinho. E isso não lhes permite desembaraçar-se facilmente de suas dívidas. as suas despesas com a família. Assim. porém. desde então. por vezes. não tomam em consideração também o enorme número de negociantes em relação ao dos compradores. se houvesse sempre de comprá-lo a dinheiro à vista. que esses homens. dos produtos obtidos em troca. não raro. o jogo e a mentira –. além de seu cortejo de velhacarias. já não tem mais uma gota. principalmente a um homem falto de recursos intelectuais. Por outro lado.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 471 Além disso. A vida de um negociante fluvial admite pouco gozo. portanto. Esse generalizado amor pelo comércio é que acarreta. a maior parte dos pequenos negociantes não conseguem desembaraçar-se de mais de umas cem libras de mercadorias por ano. ficam. na sua maioria. com os índios. à primeira vista. por isso. como nada lhe tenha custado e pouca estima dá a isso. Não é. quando podem comprar. aqui predominantes – a bebida. os vinhos e licores e as perdas que sempre ocorrem em todos os negócios que se fazem tão-somente à custa de crédito. sejam mais ou menos dados ao vício da bebida. . para admirar que quase todos fiquem em débito com os seus correspondentes. e. ou um meio muito fácil de ganhar dinheiro. vendê-los pelo duplo do seu custo. aos quais têm de pagar. adquire logo 30 ou 40 galões.

e nisso é impossível entrar. e numerosas pessoas passam o dia todo a beber. Eu por vezes. como justo meio a ser empregado para o fim exclusivo de embaraçar um comerciante novo ou arruinar um negociante rival. e todavia. Vícios de tal natureza a que mesmo em casa. que é também generalizadíssima. Entretanto. Não se perde oportunidade alguma para se pôr a interpretação mais baixa e mais vil sobre qualquer fala ou ato de um vizinho. como se fossem atos meritórios. em maior ou menor escala. assistindo duas pessoas a tratar de um negócio qualquer cada qual em mútua peleja esforçando-se por enganar ao outro. ingerindo um cálice em cada lugar onde param. sem mencionar fatos demasiado escabrosos. vendem-se bebidas alcoólicas em todas as lojas. para serem confiados ao papel. aos goles. os quais. descambam então. O jogo. em matéria de negócios. são aqui os assuntos banais da conversação comum. ainda mesmo que esta não possa servir para propósito algum. em intervalos maiores. Cada um sabia que as alegações eram perfeitamente falsas. E um elevado número de comerciantes. predominam todas as espécies da imoralidade mais franca. não chegam mesmo nem para uma terça parte deles. mas bebendo constantemente. na intimidade. não conseguindo fazer negócios. De fato. é coisa tão rara de se ver que ao que parece prevalece em tudo a mentira. é quase geral. nem sequer se alude. E assim. para a velhacaria. Nas palestras. Todos sabem perfeitamente da falsidade de tudo que é alegado. a verdade. e que atrai tantos indivíduos seguidamente para o comércio. muito me divertia. . E isso parece intimamente ligar-se àquela mesma ambição de ganhar dinheiro por uma via mais fácil do que com o trabalho. eram tidas como fato incontestável. a educação portuguesa não permite uma palavra ou um olhar de dúvida sobre a veracidade de tudo que se diz. na verdade.472 Alfred Russel Wallace Nas cidades do interior. e são exaltados. arruínam a saúde mais depressa do que com a embriaguez completa. aqui.

o clima tropical. tenho ainda em conta o singular estado de sua atual civilização. ou suaves caminhos. na estação seca. que desde a infância ele bem conhece. Aqui não se vêem os prados ornados de flores. Os crepúsculos. na estação das águas. não se têm as longas tardes de verão. se possa fazer um exercício saudável ou um passeio agradável. são brevíssimos. apresenta-lhe apenas a mesma monótona cena. mesmo nos intervalos das chuvas. oferece o mínimo de prazeres. como seus principais fatores. Aqui. a posição geográfica e as condições políticas da região. Não há estradas ou caminhos. nem as longas noites de inverno.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 473 Entre as causas que tendem a facilitar o desenvolvimento de tão espalhada imoralidade. para tentarem o amante da natureza. em relação de um clima temperado. aos quais os habitantes de uma zona temperada podem entregar-se quase que constantemente. na verdade. A própria natureza. à sombra de árvores. Aqui não se vê nenhuma estrada seca encascalhada. decorrendo apenas alguns momentos de intervalo entre os deslumbrantes clarões do sol poente e a mais negra escuridão da noite. podemos admitir e reconhecer. ao longo das quais uma pessoa possa caminhar com conforto e com prazer. os verdejantes campos de relvas. onde. para perder-se tempo. vestida de um eterno e quase imutável garbo de verdura. . O calor. e a umidade. talvez. o intercâmbio social e os encantos do lar. que inflamam os corações e fazem aproximar em doce convívio todos os membros de uma família. admirando as lentas e gloriosas mutações do sol poente. então. aumentando. no mais íntimo e mais estreito contato. no interior do país. as intrincadas clareiras. Aqui não se vêem uma campina ou estradas ao longo de áureos trigais ou por entre luxuriantes trevos. assim. de exercícios e de ocupações. aqui. Tudo aqui é floresta densa ou. impedem os exercícios e divertimentos ao ar livre. Para um nativo. que o levem para fora das vilas ou das cidades.

passou ele pela cidade da Barra. Vale a pena confrontar as suas considerações. de fiação. com hábeis artistas. “Assim. Em 17 de maio. se harmonizavam de modo impressionador..149 149 Nestas páginas. ‘assentando que a raiz dos vícios da terra é a preguiça’. “Tenreiro Aranha. que há muito.. porque a sociedade indisciplinada passa adiante das vistas surpreendidas do sábio. porém. bebedice e furto’. agitando idênticos desânimos. referindo-se a ‘manufaturas primorosas’. e. as telhas e alvenarias. – drinking. João de São José – seráfico voltaireano.. . alguma vez. e surgem de um doloroso tirocínio histórico. com o que sobre o mesmo assunto também escreveu o nosso grande Euclides da Cunha. resumiu os traços característicos dos habitantes deste modo desalentador: ‘Lascívia. os dizeres do arguto beneditino. a construção civil e naval. quiçá a sua história. ao pé da letra. e. abrem-se as páginas austeras de Russel Wallace. resume toda a vida amazônica. elas parecem traduzir. José Veríssimo. em que ‘o algodão. ou possantes embarcações. num relance. sobrando para a exportação. numa resenha retrospectiva. que ficaram nestas austeras páginas. que teve como seu primeiro presidente a João Batista de Figueiredo Tenreiro Aranha (1852-1853). que bem merecia ser aqui transcrito na íntegra): “Vai-se de um a outro século. num grande desapontamento. – ‘bebendo. que a ‘capitania estava reduzida à ultima ruína. que tinha no estilo lampejos da pena de Antônio Vieira –. na mesma dolorosíssima inconsciência da vida. dançando. e avaliareis o travamento de motivos físicos e morais. entibiam os caracteres. aquele extraordinário fr. que vem da ‘casa do paricá’ à ‘barraca’ dos seringueiros. de palhinha ou de penas. pouco após a instalação do governo da recém-criada província do Amazonas. em 1852. exatamente um século. fracionadas. assim. que dava para o consumo. Nestes livros se espalham.. as fábricas de anil.. zombando’ –. a uma indústria extinta. a mandioca e o café tiveram cultura tal. palácios. E lede Tenreiro Aranha. a buscar o período decantado. tecidos e redes de algodão. esse sistemático renunciar de escrúpulos e esse coração leve para o erro. diz-nos do extraordinário progresso que se perdera. perpetuamente desinfluídas pelo espetáculo de um presente lastimável. ali.’ “Recua-se. assumiu a sua direção. Wallace. e.474 Alfred Russel Wallace Tudo isso os habitantes de um clima tropical apenas por alto podem realizar. gambling e lying. fazendo aparecer templos. o capitão-general Furtado de Mendonça. Procura-se saber se tudo aquilo melhorou. à luz do relatório feito em 1752 por outro insigne governador. em “À margem da história”. observa-se. ao erigir-se a província do Amazonas. fixando os seus aspectos sociológicos. dezenas de outros. o anil. contraposto à ilusão de um passado grandioso. intitulado “Impressões gerais”. Compulsai os nossos velhos cronistas. págs. essa indiferença pecaminosa dos atributos superiores. 24-27 (no seu primeiro capítulo. com especialidade o imaginoso padre João Daniel. na inatural mesmice de renitentes tentativas abortadas. e vê-se que. As impressões dos mais lúcidos observadores não se alteram. Passam-se cem anos justos. no firmarem a mesma decadência das gentes singulares. Em 1762. o bispo do Grão-Pará. as cordoarias de piaçaba.. depois de resenhar os homens e as coisas. todas as cenas de um dos maiores dramas da impiedade na história. são seculares.’ Assim se desconchavam os pareceres. então. Ou.

a perder de vista pelos horizontes vazios. para reunir e pôr em ordem todas as minhas bagagens. “A adaptação exercita-se pelo nomadismo. e dei as necessárias providências. Um médico italiano – belíssimo talento –. e eu as havia deixado. Tratei logo de combinar o preço da minha passagem. sem dúvida. de um lento enfraquecer-se de todas as faculdades. transmudam-se no tempo. diante de transfigurações inopinadas. “Daí.. numa agitação tumultuária e estéril. nem a tensão superior da vontade nos atos que se alheiem dos impulsos meramente egoísticos. estirando-se. em grande parte. porventura secundário. intermitentemente. é uma adversária do homem. Diante do homem errante. como a tantos outros. sucede isto: o observador errante. sente.” Em resumo. que planeje submetê-la à estabilidade das culturas. mas apreciável.. acompanhada. o influxo.. esqueceu-lhe. o Dr.. na qual eu deveria fazer a viagem até Belém do Pará. e aos olhos do homem sedentário. umas seis das quais eram muito grandes. Henrique. sobresalteia-se. e as mesmas florestas e igapós. caraterizou as duas primeiras fases da influência climatérica sobre o forasteiro. Luigi Buscalione. No perpétuo banho de vapor. mas não a delicada vibração do espírito na dinâmica das idéias. a impressão de circular num itinerário fechado. o observador imóvel. ha três séculos. Não exagero. o que aí fica. neste apelar para o clássico conceito da influência climática. há o incoercível da fatalidade física. Aquela natureza soberana e brutal. “Mas. Tudo isso ainda estava em seu poder. que lhe estacione às margens. “Depois. onde se lhe deparam as mesmas praias ou barreiras ou ilhas. quase sempre afugentando-o e espavorindo-o. ao cabo de centenares de milhas. a natureza é estável. assaltando-o por vezes. a paralisia completa das gentes que ali vagam. Os cenários. depois. invariáveis no espaço. surpreende-o. e onde se agita a sociedade. da própria inconstância da base física. em pleno expandir das suas energias. que lhe percorre a bacia em busca de variados aspectos. e não as deixaram passar.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 475 Afinal. em geral. de que nos fala Bates. a começar pelas mais nobres. . a princípio sob a fama de uma superexcitação das funções psíquicas e sensuais. com o Sr. porque os grandes homens de Barra estavam receosos de que elas pudessem conter artigos de contrabando. um ano antes. a vida vegetativa sem riscos. chegou a canoa. No Amazonas. Tinha eu muitas maletas e malas de roupas. compreende-se. “A volubilidade do rio contagia o homem. aparece espantosamente revolta e volúvel. vale bem como advertência. e folgada. que por ali andou há pouco tempo.

Não contentes com isso. e. como se o grande objetivo do governo fosse unicamente transformar as suas ordens em importunações. por isso. Fiquei satisfeito. Presenteou-me com um curioso animal. em cuja praça. o qual. para exibir os nossos passaportes. porém fazendo previamente uma declaração de todo o seu conteúdo e pagando. na linha exata das divisas das províncias. tivemos de desembarcar. um pequeno direito. deixei a cidade de Barra. que eram 5 macacos. . dei por falta do meu tucano. restavam agora somente 34. depois de haver-me despedido dos amigos. começando a viagem muito desafortunadamente. do qual até então eu nunca ouvira falar. De uma centena de animais vivos. 2 araras. a cerca de meio-dia de viagem dali para baixo. por ocasião de nossa viagem rio acima. onde todos os navios são forçados a parar segunda vez. 20 papagaios e periquitos (de 12 espécies diferentes). devia ter-se afogado. tal como se estivéssemos entrando em um outro reino.476 Alfred Russel Wallace Eu agora poderia embarcá-las. Ao entrar a bordo da canoa. Eu tinha em grande estima aquele pássaro. nem mesmo fazer-se-lhe a mais leve referência. padre Torquato. que nos havia entretido e tratado tão hospitaleiramente. era muito manso. e eu tinha muita esperança de poder levá-lo vivo para a Inglaterra. No dia 10 de junho. por ter conseguido comprar em Vila-Nova manteiga e biscoitos. que eu havia comprado ou me foram dados de presente. Ele recebeu-me com muita bondade. escapuliu de bordo. Ali encontrei o bondoso sacerdote. ainda obrigam ali os viajantes a fazer nova exibição de tais documentos. alcançamos Vila-Nova. não tendo sido visto por ninguém. e muito lamentou que eu não pudesse demorar mais tempo em sua companhia. 5 pequenos pássaros. No dia 13. 1 faisão brasileiro (de listas brancas nas penas) e 1 tucano. Ele já estava bem crescido. tão dispendiosas quanto inúteis. que era a última da província. não tinha eu dúvida alguma.

que era um índio. era bastante forte. era o de encalharmos ou sermos violentamente impelidos contra a margem. exclamava: – “Oh! meu amigo! Estamos perdidos!” Em vão tentei confortá-lo. encalhados em um dos com- . se ela ao menos lhe salvasse a canoa. não havendo. Cerca de uma hora depois. demais disso. Os pés-de-vento. estendendo o braço para fora. passamos por Óbidos. verificou que estávamos. e. garantindo-lhe que o navio era novo e muito forte. sobre o costado. A nossa viagem. que nada se podia enxergar. O mestre da canoa. que impelia e sacudia a nossa canoa da maneira mais alarmante possível. Aparentemente. Na noite seguinte. No dia seguinte. não estava demasiadamente carregado. ficou bastante atemorizado. O proprietário da canoa. ia-se fazendo com grande rapidez. onde eu estava dormindo. a canoa parou. Não sabíamos se estávamos no meio do rio ou próximos de alguma praia. permanecendo. embora a noite estivesse escura como piche e o vento estivesse a soprar furiosamente. A correnteza do rio. a que nos achávamos expostos. de fato. abrindo a porta da pequena cabine. Fazia invocações à Virgem. embora o vento continuasse soprando com grande violência. por conseguinte. Estava tão escuro. nenhum perigo a temer. em seguida. pois. eram os mais violentos e os mais furiosos que tenho visto. perfeitamente imóvel. que se levantavam. assim.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 477 Era um “cachorro-do-mato” – um animal que muito se assemelha à nossa raposa –. O único perigo. tendo uma cauda espessa e grande inclinação para pegar galinhas. além de promessas de várias libras de cera. sem qualquer choque. era um animal muito manso e muito dócil. tivemos que afrontar uma tremenda tempestade. E daí. estando as águas agora no seu nível máximo. com a voz mais piedosa.

Ali também comprei laranjas. cuja casa era construída sobre pilares. que em muitos lugares se alinham nas margens do Amazonas. . Eu já estava bastante ansioso para terminá-la e desejava que isso fosse tão depressa. Comprei ali meia dúzia de bonitos vasos pintados. ali. Em seguida. que procedia de Belém. a centenas de jardas das praias. é atingida pelas marés. dormindo tranqüilamente. O Sr. quanto possível. Bates.478 Alfred Russel Wallace pactos e grandes leitos de ervas flutuantes. a quem eu muito desejava visitar e encontrar. penetramos nos estreitos canais. alcançamos a barra do Tapajós. tendo saído uma semana antes em uma excursão que fora fazer Tapajós acima. como estávamos. majestoso e túrbido Amazonas. com pleno conhecimento de que estávamos fora de qualquer perigo. Ali. No dia 19. vinagre. paramos em um sítio. que são vendidas à razão de seis por meio penny ou uma dúzia por um penny. pão e carne fresca. ali não se achava. Toda a região circunvizinha. Havia 50 dias que dali partira. biscoitos. despedindo-me. do inesquecível. Fiz um bom sortimento de açúcar. Lá encontrei apenas o velho capitão Hislop. No dia 18. descendo o rio. seguramente ancorados. uma pequena vila. Logo encontramos um navio. de cuja manufatura esta localidade é célebre. aportamos a Breves. esperamos pela manhã. portanto. cerca de meio-dia. em 5 dias. que formam a comunicação com o rio Pará. alcançamos Gurupá. tendo vencido uma distância muito mais curta do que a que já haviamos feito. fomos até Santarém. No dia 22. No dia seguinte. prosseguimos a viagem. assim. Numa montaria. para fazer ali algumas compras e também visitar os amigos. No dia seguinte. com lojas bem sortidas.

confrontando com a qual há uma grande baia – e tão ampla é ela. o que eu ainda deveria fazer. que as praias mais afastadas chegam a perder-se de vista. Para arranjar e embarcar a sua carga. em fazer alguns desenhos. a minha coleção. especialmente para o propósito de fazer tais amarrados. de que dispunha. tendo cerca de três e meio pés de comprimento por 5 ou 6 polegadas de diâmetro. bem como as raízes necessárias para a sua amarração. de uma planta trepadeira. . A sua carga é muito leve e por isso é necessário empacotar-se de um modo mais conveniente. empreguei o tempo. Estas raízes chegam a atingir a um comprimento de mais de cem pés. A salsaparrilha. são acondicionadas em feixes cilíndricos. já se achava ali depositada. para completar. os quais são cortados rente nas suas extremidades e são fortemente apertados de uma extremidade a outra com as raízes flexíveis de uma espécie de Pothos. como encomenda. Geralmente. alcançamos a barra do Tocantins. tal serviço haveria de gastar um dia. Os índios arrancam estas raízes e amarram-nas em feixes de vários comprimentos e vários volumes. Enquanto a tripulação da canoa estava entregue a essa tarefa. eram eles de algumas palmeiras. propriamente. fazem-se feixes de volumes e comprimentos uniformes. para o mercado do Belém. por essa forma. de 16 libras de peso cada um. que é aliada á nossa comum bryônia. que estava guardado ali. Para semelhantes arranjos foi que paramos ali. que cresce no topo das mais altas árvores.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 479 O mestre da canoa devia receber um lote de salsaparrilha. Delas se tiram as cascas externas. para a sua acomodação a bordo das canoas. Com dois dias de viagem. Para isso. A salsaparrilha é uma raiz cheia de espinhos.

com a maré da manhã. tive oportunidade de apanhar. eu. De Deus eu sou mandada para o mister que exerço. o que você acaba de dizer – replicou-lhe a Morte –. mas a isso que você me está pedindo. “Após a cerimônia e acabada a festa. – “Isso você consegue facilmente – replicou-lhe a mulher. que é a ocasião mais propicia para fazer aquela travessia. você poderá falar-lhe a respeito desse assunto. compadre. Enquanto me demorei ali. aliás. e. como há muita gente no mundo para você levar embora. ao que me parece. certamente. o resto do tempo a palestrar com o piloto. farei por você tudo que estiver ao meu alcance. residente naquelas paragens. muito vivas e inteligentes. decididamente. – “É muito certo. um piloto. talvez assim eu não tivesse tanto temor dela. A nossa conversação versou sobre a brevidade e incertezas de nossa vida. algumas conchas. quando recebo ordens para vir cá buscar alguém. a fatalidade da morte. a propósito do que a esposa do piloto ilustrou a palestra com a narrativa de uma história que. que você a convide para madrinha de nosso filho. a fim de partir no dia seguinte. e veio. Em todo caso. Basta. incumbe-se de guiar as embarcações dos que têm que navegar ali. eu me compro- . nos passeios que fiz ao longo da praia. não tenho remédio senão obedecer. e assim lhe disse: – “Comadre Morte. e em qualquer circunstância. qualquer que seja. sua mulher e suas duas filhas.480 Alfred Russel Wallace Devido à existência de alguns perigosos bancos de areia. chegada que seja a minha vez de pagar o seu tributo. – “Se eu pudesse arranjar um meio de fazer-me amigo da Morte – dizia o marido –. ela não se recusará a prestar-lhe um pequeno favor. que deve ser batizado na próxima semana. para tanto. Ali pernoitamos. entretendo. eu espero e desejo que você nunca venha buscar-me. e. Nessa ocasião. é uma variante da lenda dos “Três avisos”. depois. se não com terror. lamentando com profundo desgosto. entretanto. não posso atender. a Morte foi convidada. já se ia ela retirando. “De acordo com este alvitre. quando o homem se lhe aproximou. “Um homem e sua mulher estavam a conversar. moças. Fomos forçados a estacionar o resto do dia.

comadre! Em meu lugar. “A sua mulher. – “Sinto deveras – replicou-lhe a Morte. compadre! – disse ela. conforme eu antes lhe havia prometido. já não é possível. contando certo que. Seja mais complacente para comigo. comadre! – exclamou o homem – Você voltou muito depressa! Agora. coitado. posso assegurar-lhe que nenhuma esperança tenho de conseguir bom resultado. daquela vez. no entanto. o qual era o encarregado do serviço de cozinha. assim que foi chegando. agora. uma vez assim decretado. até que chegou. Estou certo de que. por fim. mesmo no caso de ser bem-sucedida em tal propósito. a dar-lhe um aviso. “Havia na casa um negro velho. a vez de vir fazer-lhe a Morte a visita fatal. em virtude de já ter recebido a ordem e ter que cumpri-la. De resto. e poucos são os que obtêm um aviso com prazo tão longo como o que eu acabo de conceder a você. justamente. não escaparia. “Fizeram com que o negro velho vestisse as roupas do seu senhor e mandaram-no. “Vários anos se passaram. dentro de poucos anos eu ficaria um homem bastante rico. – “Ah. lembrou-se de um estratagema. Vou tentar. em seguida. sem nenhuma dificuldade. Desde já. . você por essa forma. o que ainda for possível fazer em seu favor e. por aqui mesmo. que eu vou indo tão bem em meus negócios. ainda poderá dar-me um arranjo. mas. “O homem. porém. que decidiram logo pôr em prática. Até a volta! “Chegou finalmente o dia aprazado. você poderá levar qualquer outro homem. você só me verá daqui a oito dias. andava em grande sobressalto. – Aqui venho hoje para um negócio bem desagradável. para fora. contudo. a fim de que você assim disponha de algum tempo para se preparar. hoje aqui venho somente para lhe fazer este aviso. desde já. acho isto muito inconveniente. ninguém escapa de pagar este tributo.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 481 meto. de jeito algum. – “Boa-noite. Já recebi ordem para vir buscá-lo daqui a oito dias. Se você consentisse em deixar-me em paz. mas. com oito dias de antecedência.

e. á procura de seu marido... – Meu marido não estava mais contando com o seu regresso hoje. encaminhando-se pela casa adentro. em seu lugar vai este negro velho – disse a Morte. não tenho tempo a perder! retrucou-lhe a Morte. – Onde é que está meu compadre? Eu vim buscá-lo.. dê tempo de meu marido voltar. – “Assaz embaraçosa é a situação em que agora me encontro. foi à cidade tratar de negócios.. com o velho escravo. o seu dono. comadre! Descanse um bocado. porém.. “– Boa-noite.482 Alfred Russel Wallace “Por sua vez. eu não posso demorar-me. Deixe-me ver. então.. comadre! – disse ela... e considerando que seria melhor mostrar-se calma. acabando de preparar o jantar. “Na noite fatal. encontra-se somente um negro velho. a emoção. em direção à cozinha. – “Não. – “Ah. caindo logo ao chão. que está lá na cozinha. – “Pois bem. e seu marido. antes que a mulher pudesse proferir qualquer palavra. a Morte voltou. Quem é que está lá nos fundos da casa? “Antes esta pergunta. conforme havia prometido. muito amavelmente: – “Aqui em casa. fez-se tão parecido. até então. “Dominando. no mesmo instante já era cadáver.. quanto possível. já que o compadre não vem. – Sente-se. Decerto. tingindo o rosto de preto. respondeu. como eu estou presumindo. que a Morte logo dali partisse. comadre! – respondeu-lhe a mulher. extendeu o braço.Que descortesia! Deixar-me neste embaraço! Terei que levar comigo outra pessoa.. a mulher mais se alarmou. e ele hoje tem que ir mesmo comigo. em direção à cidade. lá encontrou aquele homem a fingir que se achava atentamente entregue aos cuidados do fogão. – disse a Morte – pois nunca supus que meu compadre viesse um dia a proceder assim comigo . – Talvez. Estou muito contrariada pelo incômodo que ele lhe está causando. Nesse caso. “E.” . pois ela supunha. Quem sabe? Poderá ir o negro velho! “E. assim. Levarei comigo outra qualquer pessoa. agora. só muito tarde da noite é que voltará para casa. – Tenho ainda que fazer hoje uma grande caminhada. em vista disso.

acenderem-se fogueiras e sobre elas saltar-se. no dia seguinte ao de São João. poderíamos admiti-lo como verdadeiro. triunfantemente me perguntou: – Há alguma coisa impossível para Deus? Ao mesmo tempo que assim me inquiria. com ares muito graves. pois que ela tinha tido uma demonstração ocular do mesmo. nunca de jeito algum é lograda. vi-me obrigado a renunciar à nossa palestra. – Foi no ano passado – disse-me ela –. à noite. Tanto uma como outra estavam com a barriga completamente chamuscada pelo fogo. contudo. Para este seu modo de pensar. perguntou-me então se eu sabia que os animais também saltam fogueiras. e não acreditasse nem em Deus. dali por diante. trouxe uma paca e uma cutia. e. e a morte. na volta para casa. Como estivéssemos conversando a esse respeito. Evidentemente. a esposa do piloto. nos informou que. fazia a observação de que eu talvez fosse um protestante. Meu filho havia saído para caçar. . a respeito do qual ela. havia sido a festa de São João. Cerca de dois dias antes. nem os médicos. onde é que elas teriam arranjado fogueira para saltar? – Oh! Deus arranja! – disse ela de pronto. – Mas – perguntei-lhe então –. nem na Virgem. a seguir. assegurando-lhe. a não ser que as acendam mãos humanas. Respondi-lhe imediatamente que não era ainda sabedor de tal fato. que é inevitável. – chegada que seja a vida humana a seu termo fatal. nem outros quaisquer. uma vez que eu assim a contraditasse.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 483 – Como o senhor vê – concluiu a mulher do piloto. então ela. A essa altura do nosso diálogo. poderão retê-la. ato este considerado pelo povo como uma importante cerimônia religiosa. Dando eu a entender que nem sempre se encontram fogueiras nas matas. sendo costume. elas haviam passado sobre uma fogueira o que deveria ter sido na noite anterior. que os protestantes geralmente crêem em Deus e vão à igreja. julguei que não valia a pena fazer qualquer objeção.

calçaram-se outras vias públicas. surto no porto. e estava. Desde que eu deixara a cidade. o que muito me contentou. a cidade era a mesma coisa. Nessa ocasião. até ao dia de minha partida. fiquei sabendo. O verão. e ainda estava atacando ali os recém-vindos. possivelmente dali a uma semana. disse-me ela ainda que disto não sabia e que sempre ouvira dizer justamente o contrário. O tempo agora estava lindo. A febre amarela. plantadas ao longo da estrada que segue para Nazaré e em derredor do largo do Palácio. que não tivesse no hospital uma considerável porção dos seus tripulantes. e a atmosfera era límpida e fresca. que estava no porto um navio. tanto quanto possível. Tudo isso fazia parecer impossível que pudesse abrigar-se ali o fatal miasma. havia ceifado milhares de vidas. por isso mesmo. ou estação seca. estava justamente principiando. construíram-se mais alguns prédios. alcançamos Belém do Pará. Afinal. C. onde fui bondosamente recebido por meu amigo. o qual deveria partir para Londres. de modo que julguei mais prudente guardar absoluto repouso. esta havia feito algum progresso. o Sr. eu havia sofrido vários acessos de febre. mais ou menos. . não podendo absolutamente fazer qualquer esforço. A outros aspectos. tentei fazer passeios pela floresta. no dia 2 de julho. mas esses exercícios geralmente me provocam um certo mal-estar e muitos arrepios. Abriram-se novas ruas e estradas. Raro era o navio. muito fraco ainda. o céu resplandecia. um ano antes. Na viagem rio abaixo. Por uma ou duas vezes. A vegetação mostrava-se luxuriantemente verde. contando-se muitos novos melhoramentos.484 Alfred Russel Wallace Replicando. Viam-se alamedas de amendoeiras e de outras árvores. que havia feito inúmeras vítimas. entulhando o cemitério de fúnebres cruzes.

piaçaba e óleo de copaíba. O gelo. Na troca de dinheiro inglês por moeda brasileira. de fato. quando no seu período crítico. embarcamo-nos. e saudando-me como a um velho conhecido. índias e negras. O preço das aves subira de 2 para 3 shillings e 6 pence. grande quantidade de sementes de cacau. e as frutas e verduras na mesma proporção. Ouvi contar vários casos a respeito de miraculosas curas de febre amarela. Contratei a minha passagem no brigue Helena. todo mundo andava ali a queixar-se de que o comércio estava muito ruim e de que os preços correntes não eram quase compensadores. bebendo uma garrafa de vinho. fazendo assim as nossas despedidas às alvas casas e ondulantes palmeiras de Belém do Pará. Malgrado isso. e o partido que os médicos depois tiraram disso. sob o comando do capitão John Turner. todas bem humoradas. A carga do nosso veleiro consistia em cerca de 120 toneladas de borracha. como um excelente tônico. de 235 toneladas. que era também o seu proprietário. comendo gelo. 12 de julho. Um havia-se curado. Uns dois dias após a nossa partida. vendendo frutas e doces. e era usado diariamente. as raparigas. o mercado continuava desabrigado. como um dos mais úteis preventivos. urucu. era adquirido com grande empenho. os estivadores negros com o seu canto grave e monótono. eu recebia agora dez por cento menos do que costumava receber nas anteriores transações. Na manhã de segunda-feira. outro salvou-se. viam-se ainda as mesmas carroças para o transporte de carne. chegando quase a pensar que estava condenado a morrer da terrível moléstia que havia roubado a vida a meu irmão e a tantos ou- .Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 485 Via-se ainda muita imundície espalhada por todos os cantos da cidade. por muitas pessoas. tive ainda um ligeiro ataque de febre.

já tínhamos alcançado a latitude setentrional de 30°30’52” de longitude ocidental. e. como melhor solução. que ficava por baixo do convés.486 Alfred Russel Wallace tros compatriotas mais. contudo. em curtíssimo espaço de tempo. abriram-se as escotilhas da popa. dirigimo-nos dali para o convés de avante. quando ali desceu o capitão Turner. ou pequeno porão. Durante três semanas. dali saiu também muita fumaça. e onde estavam guardadas todas as provisões de boca. enquanto outros se dirigiam para a cabine. começaram a atirar água ali. onde já encontraram tam- . que ora repousam perpetuamente em terra estranha. Ali. parecia não haver sinais de fogo. Em seguida. Os homens de bordo começaram logo a trabalhar na retirada de parte da carga dos porões. No momento. Sentia-me. verificando então que uma densa nuvem de fumaça estava a desprender-se do convés de proa. logo pude melhorar de saúde. estava eu lendo tranqüilamente em meu camarote. Abrindo-se-lhe imediatamente as escotilhas. e. entretanto. e. Prosseguindo a nossa inspeção. dizendo-me então: – Estou receoso de que o meu navio esteja a incendiar-se! Venha ver o que o senhor pensa a respeito disso! Fomos logo examinar o lazareto. que os homens não puderam permanecer no porão. para retirar mais carga. entretanto. ficando de pé outra vez. Naquela manhã. não encontraram qualquer sintoma da aproximação do foco. passava a maior parte do tempo em meu camarote. tivemos ventos muito brandos e bom tempo. a fumaça era muito mais densa. muito fraco e sofria muitos enjôos. após o almoço. Ali. Nesse trabalho. no dia 6 de agosto. por isso. com o uso de um pouco de calomelanos e de alguns aperitivos medicinais. Mas. tornou-se tão insuportável e tão sufocante.

continuando a irromper. afinal de contas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 487 bém muita fumaça. Fizeram-se várias tentativas para arrancar o tabique. tachas. assim. Vendo. bem como os paus. cordoalha. e. o capitão julgou mais prudente e mais acertado tratar da nossa própria segurança. sirgas. cabos de reboque. e gastou-se algum tempo para se conseguir removê-lo dali. Ordenou a toda a equipagem que arriasse imediatamente todos os botes e neles colocasse tantas provisões quantas fossem necessárias. Esse bote ficou suspenso sobre serviolas. etc. das escotilhas. Isso tomou algum tempo. foram retirados e levados para os botes. prevendo. na quadra de popa. a pouca possibilidade de extinguir-se o incêndio com os nossos próprios recursos. desarriou-se facilmente. em densos ralos. pregos. ferramentas de carpinteiro. que saía do lazareto. . através das juntas do tabique que a separava do porão. Todos a bordo estavam em grande atividade. Removeu-se a mesa da sala de jantar e tentou-se abrir um rombo no assoalho. o caso de ser preciso passarmos para os botes. Ninguém agora sabia onde se achavam os remos deles. Panos sobressalentes. pois a fumaça já era por demais sufocante. Ordenou-se ao cozinheiro para tapar as cavidades e fendas dos botes. que foi impossível levar isso a efeito.. e a fumaça se tornara tão insuportável. fios. Nenhum homem podia permanecer ali mais tempo do que o bastante para dar somente duas pancadas. que parecia estar localizado no ponto em que se achava guardado o óleo de copaíba. Havia que procurar também os remos. mas as tábuas eram demasiadamente grossas. a fim de tornar possível despejar-se água no foco do incêndio. agulhas para velas. Poucas provisões puderam ser retiradas das dispensas. O bote maior estava guardado na coberta. que deveriam servir de mastros e velas adequadas aos mesmos. Os toletes de pinho não se achavam no lugar próprio e não se conseguia encontrá-los. em seguida.

No convés. serviço esse que era feito por meio de baldes. Eu ainda desci à minha cabine. queijos. tomada pela fumaça. pelo receio de algum possível acidente. roupas brancas. barômetro. Na minha cama. molhando-se os livros. uniformes de piloto. confusamente. consegui subir para a coberta do convés. agarrando-me às paredes. um lote de carne de porco. motivo por que se encheram logo de água. que traziam em enormes sacos de lona. carne de porco. sextante.. misturados. que haviam sido jogados para dentro deles.488 Alfred Russel Wallace O capitão foi buscar o cronômetro. senti uma espécie de apatia para tratar de salvar o que quer que fosse. bússolas. calças. eu dificilmente podia atinar com o que devia fazer. com alguns desenhos de plantas e animais. onde se encontravam. etc. Foi preciso pôr dois homens em cada um dos botes. Não tive coragem de aventurar-me a descer lá pela segunda vez. mesmo porque. . que estava agora sufocantemente quente. caixas de carne em conserva. vinho e uma grande pipa de água. que eram dois barris de pão. para ver o que valia a pena salvar. depois de estar firmemente colocada no devido lugar. que continha algumas camisas e uns dois livros de notas. Os marinheiros reuniram as suas roupas. sapatos. vestes de couro envernizado. as peças de roupa. A pipa teve de ser baixada vazia para dentro de um dos botes. Na verdade. cobertores. e. etc. cobertores. com o que valesse a pena salvaguardar. começou-se a enchê-la de água. crua. cartas e livros de navegação. Tirei apenas o meu relógio e uma pequena caixa de folha-de-flandres. ficaram ainda as minhas roupas e um grande álbum de desenhos e esquemas. presuntos. Tendo ficado os botes longo tempo expostos ao sol tropical. Com dificuldade. os homens da tripulação estavam ainda ocupados com os botes. a fim de retirar a água que estava penetrando neles. no momento. estavam com a madeira bastante ressecada. e para estes estavam conduzindo as provisões.

Parecia que a água não diminuía. Um dos marinheiros estava tirando água com um balde. seríamos dali tocados pelo terrível elemento. de pinho. a restante tripulação foi de novo convocada para despejar água nos porões e nas cabines. com um copo. consumindo rapidamente a madeira seca. Estando eu ainda algum tanto enfraquecido. ao balouço e entumescimento do oceano. fazia o mesmo. de fato. que todas as nossas esperanças estavam perdidas e que. para ganhar o bote. o fogo brotou através do assoalho da cabine. porém não pude continuar. em grandes rolos. por causa da água salgada. . assistindo de bordo dos botes ao progresso do fogo. Dispus-me a auxiliá-los naquela tarefa. sucedeu. Já se percebiam. como se fosse uma grande caldeira. por meio de uma corda. Em menos de meia hora. alguns milhares de milhas para cada lado. Permanecemos junto à popa do navio. da qual se levantavam enormes labaredas. que se inchava e se erguia em altas ondas. todos molhados e que ali foram atirados na maior confusão. descia ou afastava. tendo sido ele próprio o último a deixar o navio. dentro de poucos minutos. que se achava ali a ferver. com o atrito da corda. dos quais se desprendia. devendo procurar refúgio em outro elemento não menos perigoso. Tive que descer pelo costado. o capitão ordenou que passássemos todos para os botes. ao qual estávamos ainda atracados. As chamas já haviam atingido as enxárcias e as velas. Afinal. O calor era ardentíssimo. desde logo. E assim. Desprendia-se dali um calor intensíssimo. meus dedos. e fui cair estendido entre um monte de objetos. ficaram feridos. fazendo pressentir que as chamas deveriam irromper dentro em pouco. no fundo do porão. Verificamos. que se erguia. as crepitações do óleo. que tornava mais intenso e mais pungente o ardor dos meus dedos escarificados. em redor de nós. espessa fumaça amarela. enquanto outro.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 489 Estando tudo isso pronto. no convés de vante.

vendo-se assim como rapidamente o fogo se ia alastrando. Numa imensa fogueira estavam transformados os conveses. As chamas. A maior parte dos meus papagaios. Não tendo mais nenhuma vela para equilibrá-lo. O mastro grande foi o primeiro a tombar no convés. Logo depois. estalando. retiraram-se para o corrimão. entretanto. permaneceu longo tempo a arder. em parte. a balancear. aos fortes balanços e inclinações do navio. empoleirados ali. afinal. e os baluartes. o navio principiou a revolver-se. chegou a sua vez. morreram queimados. ainda a queimar-se. após a queda de seu companheiro. O mastro de traquete entretanto. e alguns deles. Nessa situação. assistiam como que pasmados ao que estava sucedendo. atingiam à base do parapeito. Alguns deles. pondo-se ainda a salvo das chamas. onde avultavam armações. Fizemos algumas tentativas no sentido de passar alguns deles para bordo dos botes. não podendo por mais tempo sustentar-se sem as amarras. os aparelhos e velas de proa foram também atingidos. nenhuma tentativa fazendo para alcançar-nos. recuando. pois resistia. . a rodar. firme. iam caindo no meio do fogo. As labaredas iam lambendo os pontos mais altos.490 Alfred Russel Wallace O espetáculo era estupendo. mas parecia que eles. desafiando a nossa admiração. ou asfixiados pela fumaça. que estavam a bordo do navio. macacos e outros animais. não se sustendo de pé mais do que uma hora. que já estavam com o tempo contado. e as chamas irromperam das escotilhas. parecendo inteiramente inconscientes do triste fim que os aguardava. graças à carga de combustível. o nosso assombro. pelo porão de vante. dentro em pouco. partindo-se a cerca de 20 pés acima da base. de forma alguma. porém. já estavam sendo atingidos pelo fogo. ameaçando cair a bordo a todo momento. começaram a inclinar-se. e os seus mastros. já estando em parte queimado. queriam acautelar-se dos perigos que os ameaçavam.

assim. nada havíamos comido. nós nos íamos afastando dali e receamos perder de vista o navio. flutuando. por isso. Em seguida. as tábuas e os pedaços de madeira. que isso tornou a nossa situação muito perigosa. Só mais tarde. quando a temperatura começou a bailar. da qual se desprendia intenso calor. se rompeu pouco acima do lugar onde ele estava pousado e o fez cair na água. em virtude do ressecamento da madeira. perto de nós. porquanto tivemos muito que fazer. e. ficando nós. havia necessidade de se afastarem dali os nossos botes. . tornando-se mais fresca e mais agradável. finalmente. A pouco e pouco. onde ficou a flutuar. O navio. então. Os cabos. o tiramos. que tivesse a sorte de ser atraído pelos clarões do incêndio. tendo sido atingida pelo fogo. de uma ponta à outra. à mercê das ondas irrequietas. Desde manhã cedo. que impediram nos lembrássemos daquela necessidade. o sério risco de serem também atingidos pelo fogo. queimaram-se. caso entrassem em contato com aqueles paus em chamas. por intermédio dos quais estávamos ainda atracados ao navio. pois os rubros clarões do incêndio haviam de despertar a atenção de qualquer outra embarcação. de onde. a qual. de modo a não sermos encontrados por qualquer outro. cuidando de outras coisas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 491 Só um papagaio teve a sorte de escapar. Resolvemos permanecer perto dele. foi que sentíamos que já estávamos. E comemos então biscoitos com água. Mas eram tantos os pranchões. que ardiam. ainda mesmo que estivesse a navegar a uma considerável distância daquele ponto. estava ele trepado em uma das cordas do parapeito. Os mastros despedaçados e várias outras peças de madeira flutuavam perto do navio. de fato. com muito bom apetite. Sobreveio a noite. era uma só massa de fogo. começamos os preparativos para passar a primeira noite a bordo dos nossos botes. correndo os nossos botes.

os nossos botes. esperançosos e confiantes. então. agitando-se sem cessar sobre o oceano. o seu enorme bojo.492 Alfred Russel Wallace Por precaução. no mínimo. Do mesmo modo que nós. o navio. dali a 700 milhas. Os perigos da noite passaram. remando. nessa situação. Se. poderíamos fazer umas 100 milhas por dia. logo despertávamos. levantando-se e abaixando-se ou rodando. com o entumecimento do mar. por alguns instantes. se este não mudasse de direção. a realidade da situação em que nos achávamos. E. sendo levados para a frente por um vento favorável. Verificamos. porém conservando sempre de um quarto a meia milha de distância do navio. que tínhamos posto a bordo dos nossos botes. que o ponto mais próximo de terra. na véspera. para a determinação da nassa rota e para calcular também a distância a que nos achávamos das Bermudas. subindo ou abaixando-se. no imenso deserto de águas que se estendia em torno de nós. pois. que ainda estava a arder. impelidos por um brando vento de leste. estava. e calculamos que. então. nós nos descuidávamos e chegávamos mesmo a cochilar. adernava para o nosso lado e punha à mostra. Com os nossos corações cheios de esperança. então. então. tudo que também se achava a bordo dos nossos botes estava encharcado de água. Era um espetáculo deveras magnífico. assustados. e. nós nos íamos afastando a pouco e pouco. Recorremos aos papéis e lápis. de modo que. contudo. íamos. contemplando os rubros clarões que o nosso navio. ao sabor do movimento das ondas. lá se foram para a frente. ardendo. Assim distantes ainda. quando isso se fazia mister. tratamos logo de levantar os nossos pequenos mastros e esticar as velas. e. rompeu a manhã. deitava sobre nós. Era uma indomável e ardente fornalha. . Os conveses já estavam completamente queimados. e compreendíamos. dizendo adeus aos restos do navio. Afinal. transformado em uma só massa de fogo. dentro de sete dias. alcançaríamos o desejado porto. pouco podíamos repousar.

Viam-se também inúmeros peixes voadores. os contínuos borrifos do mar nos deixavam sempre bastante molhados. À noite. e. por isso. por isso. prendemos um cabo ao bote grande. pois nenhum fogo poderia arranjar-se para prepará-la. O dia estava lindo e quente. que flutuavam abundantemente perto de nós. . ou sargaços. embora nos houvéssemos adiantado pouco. que tínhamos a bordo dos nossos botes. porém. carne de porco. havíamos comido muito pouco. já tínhamos bom apetite. manhã. na verdade. desfraldadas em ambos as velas. Os marinheiros não sabiam que aves eram aquelas. biscoito. um bonito dia. Navegamos muito a par. No dia seguinte. grandes aves marinhas. Para bem observá-los. vinho e água. naquelas novas circunstâncias. e minhas mãos estavam excessivamente doloridas. voando por sobre as ondas. outra vez. dois “loucos”. eram ali abundantíssimas. em um pequeno bote. vendo-se ainda muitas algas marinhas. não nos afastássemos do mesmo. voaram perto de nós.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 493 Na noite anterior. desse modo. bastante quente. No dia 9. Embora crua. achamos que a carne não deveria ser menosprezada. 8. o céu estava bonito e limpo. para que ele nos rebocasse. e as algas flutuantes. em pleno Atlântico. pela. os sentia arder muito dolorosamente. e. À noite. enquanto outros percorriam imensas distâncias. de cor escura e de asas muito longas. Passamos uma tolerável noite. Eu já tinha as mãos e o rosto muito tostados pelo sol. e. estavam voando e fazendo alegre ruído com os seus chilreios. deitado de costas. fizemos uma sóbria e cordial refeição. Os botes ainda tinham que ser esvaziados constantemente. eu não poderia estar em melhor posição. Com presunto. Uns pequenos pássaros. como me encontrava. muito cedo ainda. tivemos. alguns dos quais chegaram a cair dentro dos nossos botes. Tive ocasião de ver a queda de vários meteoros. em bandos numerosos.

de modo que fomos obrigados a seguir aproximadamente rumo do norte. Viam-se agora menos algas marinhas. Ao meio-dia. Os nossos botes já não estavam mais fazendo tanta água. a nossa posição era de 31º59’ Norte por 57º22’ Oeste. . o vento ainda se nos conservou desfavorável. O dia 10 continuou borrascoso. pois todas as nossas roupas e velas estavam saturadas de sal. causando-nos. Pelo contrário. de alcançar as Bermudas. O tempo tornara-se algum tanto borrascoso. O bote grande passou hoje sobre águas verdes. ao norte delas. O dia 11 ainda continuou tempestuoso e bastante borrascoso. verdadeiro alarma. Passei toda aquela noite muito nervoso e incomodado. e o vento virou repentinamente para sudoeste. apesar de já estarmos cruzando o roteiro dos navios das Índias Ocidentais. por isso. assim. apreciei o espetáculo de mais algumas estrelas cadentes. dessa maneira. O mar levantava-se em grandes e altas ondas. muito grato nos teria sido escorrer alguma água fresca. tivemos alguns chuvisqueiros. Durante a noite. O vento soprou ainda mais na direção de oeste.494 Alfred Russel Wallace Ainda não avistáramos barco algum. Desta forma. já não podíamos mais seguir a rota para as Bermudas. A madeira dos nossos botes estava agora bastante entumecida e. faziam eles muito pouca água. estávamos sendo levados para outra direção. sinal evidente de que provavelmente deveriam existir ali alguns rochedos a uma profundidade moderada. e súbitos pés-de-vento freqüentemente faziam inclinar demais os nossos botes. o que foi para nós uma grande satisfação. Em seguida. Já estávamos quase saindo do roteiro dos navios e com muito pouca probabilidade. porém isso não nos era possível. No dia 12.

Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 495 Muitos delfins nadavam perto dos nossos botes: a cor deles. lindamente adornadas de uma espécie de touca. conseguimos enxugar nossas roupas e dormimos bem. havia uma semana. tivemos que impor-nos todos os meios para encurtar as rações de água. em movimentos rápidos. e víamos muitos furiosos e irritantes tentilhões ou filhotes da ave chamada “mãe-Carolina”. No dia 13. favorável. verde. No dia 15. todas. O mar estava cheio de pequenas medusas. algumas eram meras massas ovais ou esféricas. é esplêndida. antes que fosse demasiado tarde. O dia estava muito bonito. assim. Ardemos em crudelíssima sede o dia todo. como tivéssemos tido bom tempo. O calor estava fortíssimo e sofremos uma sede horrível. e. soprando exatamente do ponto que desejávamos alcançar. por isso. outras eram de cor parda. Durante o dia. porém. quando vistos na água. Já estávamos nos botes. O sol estava ardentíssimo. . denominadas pelos marinheiros “urtigas-marinhas” ou “gordura-de-baleia”. era-nos. O sol estava verdadeiramente escaldante. iam nadando. À noite. porém. o vento continuou na direção oeste. Inúmeros delfins e peixes “pilotos” vinham até bem perto dos botes. pois tem magníficos matizes metálicos. sobre a água. à custa de alternadas contrações e dilatações que faziam. azul e ouro. os quais voavam perto de nós. de variegados tons. o calor era opressivo e sofríamos sede fortíssima. Eu não me fartava de admirá-los. e quase não podíamos avançar. e não tínhamos o menor abrigo. O dia 14 decorreu calmo. soprou um vento muito brando. o vento de novo amainou. muito alvas. e nos encontrávamos somente a meio caminho das Bermudas. iam-se empurrando para diante. e tivemos outra calmaria.

remaram vigorosamente. e parecia que eu já me encontrava de posse de tudo isso. de alcançar as Bermudas. a qual sorviam a grandes goles. tivemos a já esquecida delícia de uma xícara de chá. ou. Estávamos salvos! Os homens. então. que ia a alguma distância à nossa frente. que vinha aproximadamente em nossa direção. Cerca das 5 horas da manhã. para o lado do navio. Tais pensamentos vinham-me em tropel. com todas as suas alegrias. beberam logo o resto da ração de água. Os nossos marujos logo acorreram às pipas de água. – Eles devem ter visto uma vela ou algum navio! – exclamou o capitão. O seu comandante recebeu-nos bondosamente a bordo. Às 7 horas. tomados da maior alegria. Nós também sofregamente nos juntamos a eles. mesmo quando ainda me encontrava no bote. que nos recolheu. Em seguida. era o Jordeson. tatajuba e outras madeiras. a qual foi das mais desassossegadas que tive. repentinamente virou de bordo. um navio. num misto de esperança e de temor. As saudades de casa. não pude dormir. vieram à minha lembrança.496 Alfred Russel Wallace Já estávamos quase desesperançados de ver algum navio. O navio. sob o comando do capitão Venables. com um carregamento de cedro. que estava rumando para Londres. assim. tive que passar em vigília aquela noite. quando entrei a bordo do navio. notamos que o bote grande. já estávamos atracados ao costado dele. E. distinguimos. eu quase não podia ficar em pé. e que deveria estar a umas cinco milhas de distância. Naquela noite. tomando dos remos. procedente de Cuba. . com pouca esperança de livrar-me dos perigos do mar. justamente quando tomávamos a nossa matinal refeição. então. Por ter estado tão longo tempo encolhido no bote. Correndo o olhar em roda. e. com a maior satisfação.

quanta distração. senão eu mesmo. quando eu pudesse contemplar as coleções que ali fizera! Quantos dias e mesmo semanas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 497 Fomos recolhidos na latitude de 32º48’ Norte e na longitude de 60º26’ Oeste. que ajuntava às minhas coleções! Quantas vezes. para ilustrar as desconhecidas e remotas terras que perlustrei. Estávamos ainda a uma distância de cerca de 200 milhas das Bermudas. não me havia arrastado até à floresta. quase morto de febre. fazendo os maiores sacrifícios e suportando todas as fadigas. que capturei. Com que prazer eu contemplara cada um dos raros e curiosos insetos. para fazer as minhas coleções. Durante alguns dias. absorvido unicamente pela apaixonada esperança de trazer para casa muitas coisas interessantes e lindas daquelas inóspitas regiões! Quão caras não seriam todas elas para mim. todavia. tudo se perdera! Já não tenho mais espécime algum. não havia eu gasto. onde era recompensado com a captura de mais alguns exemplares de bonitas e raras espécies desconhecidas! Quantos lugares. Íamo-nos arrastando a umas cinqüenta milhas diárias. não haveriam de dar-me ainda. que nenhum europeu havia ainda pisado. pelas recordações que haveriam de evocar. foi que comecei a sentir fundamente a grandeza da minha perda. e. não seriam trazidos à minha lembrança pelos pássaros e insetos raros. que ali contemplei! Convenci-me de que todos estes pesares agora eram inúteis. bem assim. nem mesmo para me trazerem recordações das terras selvagens. servindo ainda para comprovar que eu fora bem recompensado em todos os meus esforços! E quanta ocupação. que todos os perigos pareciam acabados. agora. tivemos bom tempo e ventos muito brandos. durante muitos anos! E. . Agora.

tão loucamente. As ondas encapeladas vinham quebrar-se no convés. O barômetro havia baixado. navegávamos. inundando todos os porões. tivemos forte temporal. Antes. Este meu desejo foi assim plenamente satisfeito. molhando-nos completamente. em substituição daquelas. umas quatro ou cinco foram reduzidas a frangalhos. À noite. O navio. por causa de tão fortes balanços. porém. arremetendo-se continuamente sobre o nosso navio. O velho navio rangia. O navio jogava e sacudia-se horrivelmente. há muito. subia e descia. No começo de setembro. causando-nos verdadeiro pânico. reconciliar-me com o novo estado de coisas. A certa hora. pois. o vento soprava fortemente. sacudia-se. o capitão começou a encurtá-las. tive ocasião de presenciar a queda de três trombas de água. No dia 22 de agosto. fiz todas as tentativas para pensar o menos possível em tudo que me sucedera. que receei mesmo que nos acontecesse algum desastre. Eu. e fossemos todos tragados pelas ondas. levantavam-se enormes vagalhões. Pela manhã. Muito tempo foi gasto para erguer outras devidamente arrumadas. com velas duplas no mastro de mezena. de conseguir o seu intento. por essa forma. Passamos a noite desassossegadamente. cerca de meia polegada. procurando. bruscamente. Um enorme vagalhão quebrou a escotilha da nossa cabina. À tarde. desejava assistir a uma tempestade em alto mar.498 Alfred Russel Wallace Assim. . O mar quebrava-se em espumas. O navio ia navegando com todas as suas velas estendidas. estava como um homem embriagado.

foi que o navio pôde ficar livre da água. só tivemos medíocres refeições. que não eram mais para se comer. socorridos por outro navio. não tivemos mais sopa. Fomos. estabelecer o regime de rações. Tivemos ocasião de apanhar vários delfins. Só às 12 horas do dia seguinte. assim. não há tanto que se lhes admirar nas cores. a nossa viagem ia-se prolongando cada vez mais. de estender outras velas e de reparar algumas já velhas. em seguida. daí para cá. Já estávamos com sensível falta de previsões de boca. O vento. Tínhamos seguidamente ventos contrários. Conseguimos obter algumas poucas provisões de um navio. Daí por diante. assim. que encontramos. nem queijo. em seguida. que encontramos em nossa rota. E isso fora devido ao elevado número de pessoas. esgotou-se a provisão de manteiga. Quando mortos. igualmente. para esgotar a água que invadia os porões. quando visto a nadar nas transparentes e azuladas águas do mar. que ficaram estragadas pela borrasca. de novo. Tivemos bom tempo outra vez. estavam acabadas. Foi necessário. O pão e a carne de porco já estavam quase no fim. e. Tivemos que suportar um novo temporal.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 499 As bombas estiveram funcionando a noite toda. A seguir. Já não tínhamos mais presunto. amainou. As ervilhas. E. . por isso mesmo. Elas não se comparam com as do peixe ainda vivo. Toda a equipagem ocupou-se. que se limitavam a biscoito e água. e tínhamos. de comer os biscoitos a seco. Comeu-se o último pedaço de carne de porco. que se encontravam a bordo. desde muitos dias.

mais uma vez. quando sobreveio violentíssima tempestade. que fica entre a Grã-Bretanha. que eram de muito maior resistência do que o nosso. o solo pátrio. soçobraram nesse dia. havendo escapado a tantos e tão continuados perigos. 80 dias de viagem. entrou um piloto. por termos conseguido um pouco de carne e algumas rapaduras. em francês. A bordo de nosso navio. no dia 10 de outubro. deram-lhe os geógrafos gauleses a denominação de “La Manche”. desde Belém do Pará até ali. Tendo aquele pequeno braço de mar. Grandes foram as perdas sofridas pela navegação. já havíamos alcançado o Ca150 nal. Traduzindo-a para o nosso substantivo “mancha”. Na noite de 29 de setembro. E assim. Próxima página . 150 “O Canal” (The Chanell). muito me alegrei de ter ainda podido pisar. Eu havia gasto. Alguns navios. em vez da “Canal da Manga”. a Bélgica e a França. Eu e o capitão Turner desembarcamos em Deal. tal palavra portuguesa tem como correspondente “tache” e não “manche”. é como denominam os ingleses o a que damos a errada expressão de “Canal da Mancha”. esquecemo-nos de que. tout court. a forma de “manga de vestido”. nessa ocasião.Sumário 500 Alfred Russel Wallace E ficamos muitíssimo contentes.

Sumário . da maneira mais completa. é. . transportado pelo Amazonas. para o oceano. não sofrem tanta evaporação. muito maior do que o de qualquer outro rio. em ambos os lados do equador. E isto não só no seu sentido absoluto. Página anterior A a) GEOGRAFIA FÍSICA BACIA do Amazonas ultrapassa. . de tudo que é necessário à vida. o seu território é inigualável no globo. . . . pois esta é quase toda coberta de densas florestas virgens. . e recebe sobre toda a sua superfície as mais abundantes chuvas. e apresenta-se à nossa observação como uma região natural. . Geologia e Clima do Vale do Amazonas a de qualquer outro rio do globo. por essa razão. . como quando caem nos ardentes plâinos do Orenoco ou nos descampados pampas do Prata. . que nelas penetram. . Deste admirável rincão passaremos. mas também possivelmente em relação à sua área. Ela está situada inteiramente nos trópicos. Pela riqueza das produções vegetais e geral fertilidade do solo. . . . O volume de água doce. . . capaz de sustentar. . . pela sua extensão. . . e as chuvas. . . . a descrever as suas principais particularidades físicas. . uma grande população. mais do que qualquer outra de igual extensão. podendo supri-la. em seguida. . . Capítulo XIV Geografia Física.

desde São-Petersburgo até Madrid. desde a sua foz no Atlântico. separado apenas por um degrau do Pacífico. que pudesse reivindicar o direito de ser considerado o formador do Amazonas. para formar um só. No ponto onde ele rompe a cadeia.151 entrando em conta a cabeceira mais extensa deste último. em linha reta. na direção geral de leste para oeste. merece tal título. Subindo-se o Amazonas. em vez de Ucayali. . é ele o que nasce mais a oeste. Acredita-se que. Isto é como se todos os rios. por sua vez. o mais afastado. da barra do Amazonas. na longitude de 78 graus Oeste. as águas de todos os rios que correm mais próximos do Pacífico. mas deve ser erro tipográfico. não tem absolutamente existência. é também. todo rio que flui das vertentes orientais dos Andes é um tributário do Amazonas. conforme presumo.740 milhas inglesas. Uaycali. a leste dos Andes. recebendo. num meridiano onde qualquer outro rio. Estas considerações. O Maranhão. por vários motivos. no lago Lauricocha. já é um rio volumoso e largo. 151 No original. pois acredito que não deve haver uma diferença de mais do que dez ou vinte milhas entre ele e o Ucaiáli. unissem todas as suas águas. ainda ele mantém esta colocação. De resto. acompanhando as principais curvas que ele faz e desprezando as suas voltas menores.502 Alfred Russel Wallace Desde a latitude de 4 graus Norte até à de 24 graus de latitude Sul. o seu curso é presentemente tão incerto. e percorre uma considerável distância no vale mais ocidental dos Andes. e volumoso rio. na longitude de 50 graus Oeste. que se considera geralmente como o principal formador do Amazonas. desde as suas cabeceiras. a sua extensão é de 2. Se se considera o atual comprimento do seu curso. decidem a questão quanto à prioridade de considerar-se o Maranhão como o verdadeiro formador do Amazonas. Dentre os grandes formadores do Amazonas. é ele o curso de água no qual se pode vencer a maior distância. que só os futuros levantamentos topográficos poderão aumentá-lo ou diminuí-lo consideravelmente. até à sua barra.

Os numerosos tributários do Amazonas. a sua extensão. Podem dividir-se em três grupos distintos: rios de águas esbranquiçadas ou claras. pelo caráter da vegetação de suas margens e pelos animais que nela habitam. Não posso admitir. A superfície total da bacia do Amazonas. pela cor das águas. que se conserva em solução nas suas águas.760. aplicando-se esta categoria a todos os que são de águas de um amarelo-claro.000 milhas quadradas inglesas ou 1. rios de águas azuladas e rios de águas escuras. nela podendo conter-se mesmo todo o nosso império das Índias. . no entanto. não depende exclusivamente das matérias terrosas em suspensão. Nos lagos e enseadas. Este seu colorido.330. começando daquele ponto para cima as águas claras do seu referido tributário. para cima da barra do Ucaiáli. entretanto. e dali tornam-se elas azuladas ou transparentes. que eu considero um rio distinto. Esses algarismos representam mais de um terço da área de toda a América do Sul. ao que parece. cobrindo os seus tributários. é de 2.270 milhas.050 milhas. onde as águas são tranqüilas e poderá.000 milhas quadradas náuticas. A Europa ocidental pode caber toda dentro de sua área. cor de azeitona. por isso mesmo. Esta circunstância tem sido tomada como prova de ser o Ucaiáli o principal formador do Amazonas. As águas do Amazonas continuam com a mesma cor. diferem notavelmente entre si. de leste a este. elas ainda conservam. sendo ainda igual a dois terços da superfície total da Europa. No seu curso principal.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 503 Em linha reta. mas talvez seja devido a alguma outra matéria corante. sem tocar os seus limites. depositar todos os seus sedimentos. um percurso de 1. o próprio Amazonas é um rio de águas claras. que isso possa ter alguma coisa com a questão. aquela sua cor característica. muitos dos quais podem comparar-se aos maiores e mais volumosos rios da Europa. não incluindo a do Tocantins. é de cerca de 2. de norte a sul.

por isso mesmo. restando-me pouca dúvida. que ocorrem em muitas partes também do Amazonas. se as águas claras entrarem em quantidade consideravelmente maior. para dar às suas águas aquela brancura característica. quase azeitonada. o resultado diferirá muito pouco. por isso mesmo. Na estação seca. muito mais do que o Amazonas. pode nascer num rincão rochoso e. com o Amazonas. ocasião essa em que as suas águas ficam com forte correnteza e transportam os detritos das aluviões de suas margens. se iguais quantidades de águas claras e turvas forem misturadas. pareceu-me como se uma determinada quantidade de greda estivesse em solução. pardo-escura. até que eu mesmo o visse. A diferença do colorido das águas dos rios. O Içá e o Japurá têm muita semelhança. tributário do rio Negro. em cor. . O rio Branco. perto das junções das duas formações. a mistura resultante ainda será turva. ao passar-lhe pela barra verifiquei que as suas águas eram de uma cor leitosa. Descendo o rio Negro. na estação das chuvas. em 1852. Os índios e comerciantes diziam-se sempre que ele era realmente branco. tendo uma cor de azeitona. Uma zona de terras rochosas ou arenosas terá sempre rios de águas claras e outra de terras argilosas ou de aluvião terá sempre rios de águas amarelas ou cor de azeitona. não poderia acreditar que merecesse tão bem aquele nome. que possam nele entrar. Os rios Madeira e Purus têm também águas esbranquiçadas. pela cor de suas águas. desde então. elas são transparentes. e. Um rio. e que concorrem. que as tem claras e azuladas. destas últimas.504 Alfred Russel Wallace É evidente que. é evidentemente devida à natureza da região que eles atravessam. da margem setentrional. atravessar uma bacia de terrenos de aluvião. e. onde as águas de resto deverão mudar de cor. porém. de haver em suas margens consideráveis leitos de pura argila. independentemente de quaisquer tributários. torna-se notável por causa da cor peculiar de suas águas. após algum trecho do seu curso.

têm águas muito escuras. cit. onde eles correm sobre alva areia. Os pequenos rios. Ele nasce na latitude de 2º e 30’ Norte. o Maravilha152 e alguns outros rios menores. É para cima do Madeira que se observa. o curioso fenômeno dos grandes rios de águas escuras. finalmente. Mais abaixo. e as suas águas. Assim também sucede com as do Xingu. O Tapajós. isso por causa da forte coloração de suas águas. contudo. que entra no Amazonas. pela primeira vez. são muito mais escuras do que na parte inferior de seu curso.. 89-90 e 196) prefere as formas Cauaburí e Marauiá. as quais. tornando-as túrbidas. que têm igualmente uma cor escura.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 505 Todos os rios que nascem nas montanhas do Brasil têm águas claras ou azuladas. nas suas cabeceiras. o Xingu e o Tapajós são os principais rios desta classe. parecem ser tão negras como tinta. nos trechos onde elas são profundas. Todos os tributários de suas cabeceiras. e. O Tocantins. e as suas águas são lindamente transparentes. lhe traz o rio Branco as suas águas de cor leitosa. . cerca de 300 milhas acima de Belém do Pará. A maré. formando um admirável contraste com as águas amareladas daquele. têm águas claras na sua barra. ajudam-no a diluí-las. págs. principalmente alguns dos de menor curso. que são de águas claras. o Cababuris. O rio Negro é o maior e mais notável de todos os rios desse grupo. então. O Caciquiare flui primeiramente com águas claras ou cor de azeitona parda. e. caraterizam-se também pelas suas águas. 152 Araújo e Amazonas (ob. que nascem no mesmo distrito e deságuam no Orenoco. por ele avança algumas milhas. rochas vulcânicas. dão a esta um matiz de ouro. no seu baixo curso. O Tocantins percorre.

Quando esses ribeirões se reúnem e se acumulam para formar um rio. Os seus habitantes disso tiram vantagem. pois dificilmente se encontram os importunos insetos nos rios de águas escuras. ribeirões e riachos são mais obstruídos pela folhagem morta e galhos podres das árvores. não se minam as partes moles de suas margens. há também alguns rios de águas escuras: o Coari. de terem rios da mesma região águas de diferentes cores. assim. se não concorrerem outras circunstâncias. escapando da praga dos mosquitos.506 Alfred Russel Wallace Não obstante tudo isso. penso eu. que neles caem. As causas do peculiar colorido das águas desses rios não são. Penso que isso deverá influir na anomalia. o Tefé. o Juruá e alguns outros mais. a cor de suas águas terá de modificar-se e predominará inteiramente a pardo-escura. pela sua decomposição. os córregos. Quer-me parecer que isso é devido à decomposição da folhagem. sobre leitos de claras rochas de granito. até à sua barra. tão notável ali. lhes dão as águas vários matizes escuros. acomodam-se sob tais aspectos. o rio Negro. em geral. ainda conserva tão escuras como tinta as suas águas. e. muito parecido com o das águas dos nossos pântanos ou águas de turfa. o Içana e vários outros rios menores têm suas cabeceiras e todos os seus cursos no seio de profundas florestas. É somente em águas pouco profundas que elas parecem ser mais claras do que mais para cima. que se observa. . raízes e outras substâncias de origem vegetal. para modificá-lo. Nas florestas virgens. Aqueles. tão obscuras. No Amazonas meridional. Correm. e as areias não se colorem com aquela genuína cor de ouro. eles de resto já têm um carregado matiz pardo-escuro. cujas cabeceiras são bem conhecidas. onde a maior parte desses rios têm as suas cabeceiras. Se as suas torrentes atravessarem um terreno de argila das aluviões. de modo que. o Atabapo. sendo as cidades de Coari e Ega lugares de refúgio para os viajantes do alto Amazonas. O rio Negro. e a velocidade de suas águas é pequena.

desde aquele ponto. e isso em virtude de algumas observações que fiz com um termô- . as cabeceiras mais remotas de todos os tributários. até à sua foz. Se tivéssemos com precisão a altura de Barra-do-Rio-Negro. tendo as cabeceiras nas vertentes dos Andes. sendo sua distância. em linha reta. pela cor de suas águas. estimar a sua altura provável em menos de 200 pés. que o seu caimento é somente de 5 ½ polegadas por milha. conhecendo-se o curso de um rio. relativamente pouco se elevam acima do nível do mar. é de 670 pés. percorrem extensos trechos de terrenos de aluvião. transportam grande quantidade de sedimento. excetuada uma pequena porção. podemos por conseguinte. podemos traçar. Se tomarmos. sendo a sua distância de cerca de 1. e. estou inclinado a pensar que é ainda bastante elevada. Na verdade. no lago Lauricocha. o seu caimento médio será de 8 polegadas por milha. cuja altitude. de cerca de 700 milhas. ao contrário. ao norte e ao sul. através da qual ele corre. Em Tomependa. não passará de mais de 2 ½ polegadas por milha. A verdadeira altitude de sua cabeceira. as várias peculiaridades da região. aos efeitos de fortes correntezas. que delimitam a bacia do Amazonas. em linha reta. encontraremos. e isso parece ser bem claro.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 507 O Içá. porém. Esta altura. Excetuando-se os cursos de água que nascem nos Andes. a sua altura em Tabatinga.400 milhas.000 milhas de sua distância. o Japurá e o alto Amazonas. Toda a sua bacia. ainda não foi determinada com a necessária precisão. calculou Humboldt a altitude provável de 1. por conseguinte. é uma planície de aspecto perfeitamente regular.320 pés acima do nível do mar. Deste modo. Ora. talvez nem mesmo mais do que 150 pés. Isso é tão aproximado quanto as 2. não duvidaríamos admitir que o seu caimento. com maiores velocidades. de acordo com Spix e Martius. muito mais sujeitas.

deverá. tem tão pouca queda. no mês de janeiro. a cidade de Barra estaria pouca coisa mais alta do que o nível do mar. consideravelmente mais alta do que o nível do mar. como para cima delas. numa extensão de várias milhas de seu curso. por conseguinte. Para a altitude da região nas proximidades das cabeceiras do rio Negro. não têm mais do que 50 pés. Humboldt é a nossa única autoridade. que. ele próprio alega que esta determinação talvez seja duvidosa. cuja altitude é de 670 pés. nos meses de maio e de agosto. para cima da foz. Eu posso. Todavia. acima de Barra. entretanto. não deverá ultrapassar 250 pés. 2º. Este. A distância. arriscar-me a pôr as minhas dúvidas também quanto àquele resultado. ou seja. na barra do Uaupés. no seu baixo curso. . As cachoeiras do rio Negro. cerca de 500 milhas para cima. e tanto para baixo. numa altitude de 600 pés. estas nele penetram pela sua barra e tornam-no como que um rio de águas estagnadas. de leitura de décimos do grau. Ora. de Barra-do-Rio-Negro a São-Carlos. ali. no máximo. pouco abaixo de São-Carlos. e em um outro ponto. Fixa ele o valor de 812 pés para a altitude de São-Carlos. Esse resultado é bastante apreciável. a temperatura do ponto de ebulição foi de 212. 4º. assim sendo. é muito mais forte do que no rio Negro. o rio não tem forte correnteza. é muito menor do que do mesmo ponto a Tabatinga. a não ser assim. e demonstra que o barômetro. pelo que presumo. As minhas observações. deram resultados bastante seguros. da temperatura da ebulição da água. Em Castanheiro. somadas todas as suas alturas. só por esta circunstância podemos situar São-Carlos em menor altitude do que Tabatinga.508 Alfred Russel Wallace metro de precisão. em Tabatinga. e. A correnteza das águas. embora com grande timidez. manter a altura de trinta polegadas. 212. quando o Amazonas começa a elevar o nível de suas águas. feitas quando excursionei no rio Negro. em linha reta. devido a um acidente ocorrido com o seu barômetro.

Martius calcula em 500. Num cálculo aproximado. o volume de água que passa em Óbidos. quando o Amazonas está no seu nível mais baixo. As informações. então.500. e achei que a sua velocidade é de quatro milhas por hora. Pelos trabalhos realizados por brasileiros da província do Pará. Quando o rio está cheio. Descendo em demanda do Pará.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 509 Como havíamos estimado esta última na altura de 200 pés. . teremos. acima do nível do mar. Demais disso. em vez de auxiliar-nos. Em Óbidos. ou cerca de três e meia milhas por hora. a canoa em que viajávamos não estava bem aparelhada de enxárcias. Se acrescermos de mais de sua metade o valor dado por Martius. e. porém de conformidade com observações feitas na estação seca. como valor médio do ano todo. haveria provavelmente de retardar-nos. rio acima.000 pés cúbicos.000 pés por segundo.970 braças. Isso está de perfeito acordo com os meus próprios cálculos. este resultado de forma alguma representa a sua velocidade no tempo das águas. por segundo. na estação das águas. Todavia. estabeleceu-se para velocidade média da correnteza do rio Madeira 2. A velocidade da correnteza das águas varia com as diferentes épocas do ano e com a largura do rio. são muito escassas. no mês de junho de 1852. como o vento soprasse diretamente. isso dará um volume de 1. verifiquei que muitas vezes navegávamos 5 milhas por hora. que ali caem anualmente. no mês de novembro. a altitude de São-Carlos torna-se assim em 450 pés. se supusermos que 72 polegadas ou 6 pés representem a altura das chuvas que caem anualmente sobre todo o vale do Amazonas. que temos a esse respeito. que a evaporação corresponde à metade da quantidade total de chuvas. deverá ser muito maior o seu volume. fiz uma observação em tal sentido. para calcularmos o valor da vazão no baixo Amazonas. resultado esse que eu presumo não estar longe da verdade. de cujo total uma parte deverá evaporar-se e outra parte irá escoar-se na foz do grande rio.

supor que em Óbidos onde a maré cessa de produzir os seus efeitos. Na ilha de Mexiana. as suas águas são sempre doces. pode ser explicado facilmente. não transportem nenhuma água salgada. Isso sucede até bem perto da foz do Amazonas. e sem que apareça água salgada nas margens. no entanto. ficando com um nível mais alto do que as do oceano. É fato também geralmente sabido que a maré avança rio adentro até Óbidos. até aonde a maré deixa de produzir seus efeitos. o rio está justamente ao nível do oceano. que o Amazonas invade o oceano com as suas águas doces até uma distância de 150 milhas da foz. porém a velocidade da sua correnteza força as suas águas a romper para diante. portanto. situada 500 milhas para cima da barra do Amazonas. Podemos. Fenômeno algo um tanto idêntico é o que se verifica na barra do rio Tapajós. como durante a baixante ou vazante – as suas águas conservam-se correndo rapidamente para baixo. de tal levantamento. as águas do Amazonas levantam-se apenas. que são a causa. as do rio deveriam ficar represadas. pois não é fácil compreender-se como as marés possam atingir a tal distância. todavia. e serve para provar também que o declive do rio. Não é fácil compreender-se como as águas podem levantar-se. aquela poderá correr no fundo do rio. não deve ser grande. e. O levantamento das águas a tão grande distância rio acima. e que parece plenamente comprovado. levantando-se as águas do oceano. ainda mesmo que seja difícil conceber-se como é que isto possa verificar-se em toda a sua extensão. nas suas mais altas marés. Mas o que parece também ser fato verificado é que nunca a maré corre de todo pelo rio acima. . Estas duas ocorrências parecem irreconciliáveis.510 Alfred Russel Wallace É fato freqüentemente referido. Sendo a água salgada mais pesada do que a água doce. e – tanto durante a preamar ou maré alta. De resto. enquanto as águas doces correm por cima. que já se acha exposta ao alto-mar. e pode-se bebê-las em toda a roda do ano. afinal.

e. sou decididamente de opinião que não é. Pelas observações que fiz. ficando em nível mais alto do que as do Tapajós. neste penetram e empurram-lhe as águas para trás. e estas correm com uma velocidade muito fraca.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 511 Ali. a verdadeira direção e velocidade da sua correnteza. o volume de águas fica bastante reduzido. Isto observa-se nos pequenos rios de perto do Pará. vemos então o Amazonas correr rapidamente para baixo. facilita na baixa-mar. em maré fluvial. O Amazonas. e por intermédio do qual se faz todo o comércio entre o Pará e o interior. assim. pelo contrário. Parece que é ainda uma questão muito discutida pelos geógrafos ser ou não o rio Pará um braço do Amazonas. retarda o começo do fluxo. é uma rede completa de canais. levanta-se consideravelmente. no fim da estação seca. e as suas águas. Acredito que seja simplesmente uma passagem ou volta do Tocantins e de numerosos outros rios menores. a nossa canoa somente podia abrir caminho. podemos então dizer qual o caminho que as águas procurarão estabelecer no Tajipuru. ao longo dos quais as marés penetram com os seus fluxos e refluxos. É coisa sabida que. enquanto houvesse correnteza contra nós. ao mesmo tempo que o Tapajós fica correndo para cima. Parece provável que nem uma gota de água do Amazonas procure caminho por esse canal do rio Pará. Assim. Na minha viagem de Belém do Pará para o Amazonas. à sua espera. O canal ou passagem do Tajipuru. a baixa-mar ou vazante continua mais tempo do que a maré alta. Por isso mesmo. porque a correnteza do rio necessariamente tem de ser vencida. independentemente das marés. com as suas marés. Sem dúvida que havíamos de ficar ansiosos por ver vencido o tempo das nossas forçadas e fastidiosas paradas. e fundo a minha opinião nos seguintes fatos. tínhamos sempre que demorar na praia. . por essa maneira. que se liga com o Amazonas. que. Tomando isso como guia. todavia. mascarando. quando a maré era favorável.

ali está a opor-se-lhe. Entretanto. provando também. 79 da 2. e prossegue ainda em todos os rios adjacentes. isto é. até um pouco acima de Belém do Pará. até às alturas da metade do canal de Tajipuru. em duas direções.512 Alfred Russel Wallace Até certo ponto. se houvesse qualquer correnteza permanente. que ela agora estava voltada em direção ao Amazonas. se a houver. nos rios Guamá e Moju. que ali fazem barra. em direção ao rio Pará. já o descrevi e tentei explicar em meu diário. haveria de dar-se o contrário. tivemos. dali por diante. as águas correm em direção ao Amazonas. Nas marés altas. apenas um curto tempo de espera pela volta da maré. encaro o Tajipuru como um canal formado pelos pequenos rios que entre o Tocantins e o Xingu vão fazer barra. depois que passamos tal ponto. Evidentemente. e várias outras correntes. e que correm ali através de uma região formada de baixios e de terrenos alagadiços. tínhamos sempre que esperar mais tempo do que o que gastávamos propriamente em viagem. de resto. em seguida. nas proximidades de Melgaço. O curioso fenômeno da “pororoca”.ª edição. na outra. A maré avança muito rapidamente pelo rio Pará acima. e dali a umas poucas milhas para baixo elas são inteiramente salgadas. fluindo do Amazonas. em direção a Belém. pois. através do canal de Tajipuru. Isto constitui outra prova de que uma pequena porção das águas do Amazonas. 153 O autor manda ver a pág. E esta permanência a nosso favor durante um tempo muito maior. em direção a Belém. 156 desta tradução. a qual corresponde à pág. .153 Os conhecimentos que temos dos verdadeiros cursos da maior parte dos tributários do Amazonas são ainda muito imperfeitos. provando assim que a correnteza ficava contra nós. onde havia uma curva no rio. não havendo por isso necessidade de voltar a este assunto. a um só tempo. Assim. por essa maneira. as águas tornam-se ali salobras. distribuindo-se. Numa.

deixa muito a desejar.000 milhas quadradas cada um. há dois tratos de território. o único somente que merece fé e que tem mais pretensões de precisão de detalhes. Purus. o seu curso geral está figurado com sofrível precisão. Espero ainda. bem como a maior parte dos meus papéis. as suas profundas baías. Em meu diário. perderam-se na minha viagem de volta para casa. A cópia de tal mapa. que são tão inexplorados ainda. pois não dá idéia alguma do rio. ou pelas informações da direção-geral dos seus cursos. em Santarém. do Pará até Óbidos. como eu anteriormente já referi. obter outra cópia de tal mapa. Xingu. entretanto. de cerca de 500. que é ali representado apenas por um canal. como o interior da África. Tapajós. a sua largura variável. Coari. Jutaí. Os outros grandes rios. porém os seus mapas são deficientíssimos. em tudo que diz respeito a detalhes. Entre o Tocantins e o Madeira e entre o Madeira e o Ucaiáli. expliquei os motivos que me obstaram de saltar na sua margem norte. Içá. bem que figurem todos em nossos mapas.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 513 A torrente principal está toleravelmente representada nos mapas. cujos cursos são em parte mais conhecidos. que é muito mais correto do que qualquer outro que eu até então havia visto. tanto no que diz respeito à direção-geral do seu curso. o manuscrito de um mapa do curso inferior do rio. Mesmo o serviço de levantamento topográfico francês. contudo. como também às suas curvas mais importantes. para o propósito de completar o levantamento topográfico que eu estava fazendo do seu curso. Tefé. O rio Madeira e o rio Negro são os dois únicos outros afluentes do Amazonas. aí são locados apenas por conjecturas. Todavia. Japurá e outros. Juruá. são quase que inteiramente desconhecidos. Obtive. . As suas numerosas ilhas e canais paralelos. Os seus detalhes. ou cerca de duas vezes o território da França. são muito incorretos. O rio Negro é um dos rios mais desconhecidos nos seus aspectos mais caraterísticos. os seus grandes lagos e enseadas.

percorrendo um trecho de rio. numa grande distância. a cerca de 1° de latitude norte e 70° de longitude oeste. ele tem de 20 a 30 milhas de largura. lá bem adiante. que é um afluente do Guaviare. Demais disso. . e depois até às proximidades de Santa-Isabel. cada vez mais. Na minha excursão pelo rio Uaupés acima. que não atravessa em seu trajeto nenhum outro rio. Em todo esse percurso.000 pés de altura. pois. que há campo na parte superior de seu curso. muito se parecendo. conclui-se que ali não pode existir o rio Negro. há um caminho através desses territórios. A serra de Tunuí. eu o atingi até bem perto da longitude de 72° oeste. Dizem os índios. de cerca de 2. Para cima dessa cachoeira. fica a cachoeira Jurupari. que é a última queda desse rio. atravessando uma região plana e de florestas e procurando. com o alto Amazonas. e. onde as suas águas são calmas. de um modo geral. essa serra compõe-se de um grupo de picos isolados de granito. deve ele chegar muito perto da base dos Andes. O rio vai para além deles ainda uma considerável distância. Ora. a direção de oeste do que mesmo para o rio Negro. quase sem correnteza. esta é de 15 a 20 milhas. Cinco dias ainda para além do ponto que eu alcancei. ali está figurada como uma cadeia de montanhas que atravessa todos esses rios. correndo através de florestas virgens. As cabeceiras dos rios Uaupés. Assim. ou cerca de 100 milhas para cima. Xié. em alguns lugares. situados na margem norte do rio Içana. pelo colorido delas e pelos aspectos da vegetação marginal. Estou convencido de que. os negociantes vão ainda uns doze dias de jornada. entretanto. em direção ao rio Inirizá. primeiramente entre Barra e a foz do rio Branco. Negro e Guaviare estão representadas nos mapas de um modo muitíssimo incorreto. conforme está figurado em nossos mapas.514 Alfred Russel Wallace Um dos seus mais notáveis aspectos é a extraordinária largura com que se expande.

senão em fevereiro ou março. Esta minha opinião é fortalecida por outras informações. A ocasião em que as águas começam a baixar fica perto de 21 de junho. fazendo este rio tornar-se como que um lago. Assim é que. ali. o rio não tem mais do que 100 jardas de largura. estão sujeitos a enchentes e à baixa das suas águas. que têm as suas cabeceiras em outras direções. quando se inicia justamente o bom tempo. de uns poucos dias mais. por isso. de quando em quando. . As águas do Amazonas. que obtive dos índios de Javita. começa a baixar de nível. como a maior parte dos rios tropicais. na estação seca. a fazê-lo correr para trás. então. O rio Uaupés. entretanto. é ainda um rio grande e largo. Onde a floresta termina. anualmente. para pescar. os quais. no ponto mais remoto alcançado pelos negociantes. possuem facas espanholas e outros artigos. nos meses de janeiro e fevereiro. Na torrente principal. as águas começam a subir em dezembro e janeiro. não se conhece bem o tempo da subida das águas. Daí. ou mesmo. sobem o rio Guaviare. tendo de um quarto a uma milha de largura. correm para dentro da barra do rio Negro. o rio Negro ainda está baixando. juntamente com o Amazonas. na parte superior do seu curso. em direção às suas cabeceiras. raramente. Nos afluentes. Informam ainda que esse rio é muito pequeno. demonstrando assim que eles têm comunicações com os habitantes da região situada a leste de Bogotá. quando as chuvas geralmente começam a cair. como o rio Negro. onde se encontram algumas montanhas. dessa data. bem como todos os seus tributários que descem dos Andes. Nesse rio. e continuam subindo até junho. O Amazonas e todos os seu tributários.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 515 Acrescentam ainda que os seus habitantes. desviando-se. quando o Amazonas está rapidamente subindo. as chuvas não começam a cair regularmente. quando o rio então começa a subir com grande rapidez e geralmente fica completamente cheio em junho. na parte mais alta da seu curso.

por entre estreitos canais interiores através de muitas milhas de densa floresta inundada. é também inundada até uma grande distância.000 milhas quadradas. O caminho estende-se através de lagos. que as águas do Amazonas alcançam por ocasião da cheia. então poderemos ter. . Essas terras inundadas denominam-se. elevando-se 50 pés. seguramente não é menos do que de quarenta pés. uma idéia da imensa quantidade de água que cai anualmente no vale do Amazonas. de 50 pés. uma só vez sequer. cujos troncos ficam todos os anos. com uma largura média de duas milhas. a fim de evitar a forte correnteza do rio principal. pois uma grande extensão de terra. por ocasião das cheias. Assim. uma canoa pode navegar sem penetrar. por vezes de ambos. sob a água. não foi ainda determinada com precisão. fora de seus leitos. se tomarmos em consideração a enorme superfície coberta pelas águas. Mas não é somente essa superfície do seu leito. no que já estão muito acostumados. Da barra do rio Tapajós ao rio Coari. constituindo um dos mais singulares aspectos do Amazonas. igapós. o Amazonas. no mínimo. só poderá ser feito com um nível de álcool. Esses tratos de terra inundados são todos cobertos de uma densa floresta virgem. a superfície total deverá ser de 20. no leito do Amazonas. os índios encontram caminhos para as suas canoas. todos os anos. Desse modo. a qual se eleva a 50 pés. estendem-se esses igapós em grandes porções também de todos os seus grandes tributários. de acordo com a linguagem da região. que se levanta. no Solimões. por outro ponto de vista. durante seis meses. atravessando-as de um rio para outro. às margens de todos esses rios. propriamente. Podemos representar o comprimento do Amazonas e de seus afluentes. o Purus e uns cem outros rios menores. até uma distância de 20 a 30 milhas.000 milhas. de fato. pois. de 10 a 40 pés de altura. por 10. e isso. e provavelmente alguns vezes. cruzando-se o rio Madeira. por ocasião das enchentes. de altas árvores. do rio principal. do leito.516 Alfred Russel Wallace A altura total. Nessas florestas inundadas. Por vezes de um lado só. Essa elevação.

que as suas secções naturais se tornam ativamente muito difíceis e raras. dizer a idade geológica. Não podemos. quanto ao estado em que o vale existiu. que são atingidos em toda a alta das águas. as marés diárias e quinzenais são muito mais sentidas nos seus efeitos do que a elevação e baixa das águas nas enchentes. é necessário dispor de muito mais tempo e proceder a maior número de pesquisas do que eu propriamente pude realizar. por isso mesmo. com as poucas e distantes observações que se fazem. porém tão baixos. A sua área é tão vasta e tão coberta de florestas. não se pode chegar a conclusões definidas e definitivas. Desta sorte. com esse intuito. as condições da sua vida vegetal. em um período qualquer. que avançam também até bem acima. na direção do seu curso superior.154 154 Os curiosos arenitos de Monte-Alegre foram os únicos que desde logo puderam ser determinados como pertencentes ao período cretáceo (Nota do autor). As terras pouco elevadas são completamente inundadas pelas marés baixas ou em todas as marés altas. a que pertence qualquer dos seus vários leitos de rochas. com que fosse lícito fazer uma conjectura. . que quase não se percebem ali. variando assim. é de notar que eu nunca pude encontrar ali quaisquer restos de fósseis – nem mesmo uma simples concha ou um fragmento de madeira. Em toda a região circunvizinha à barra do Amazonas. e nas proximidades das barras do Tocantins e do Xingu. sujeitando toda a sua vegetação a novas circunstâncias. Há ali consideráveis tratos de terra ainda cobertos de vegetação. há extensos tratos de terra.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 517 Tudo nessa região. que são assim anualmente cobertos pelas águas. ao redor da grande ilha de Marajó. ou quaisquer outros materiais. desde a barra do rio Negro até à boca do Içá. de novo. Mesmo perto das cabeceiras do rio Negro e no alto curso do Uaupés. Desde logo. de 15 em 15 dias. é uma imensa extensão de igapós. b) GEOLOGIA Para bem elucidar a geologia do vale do Amazonas.

plateaus. no alto rio Negro. Humboldt também o encontrou por toda a Venezuela e Nova Granada. no Rio da Prata e no Chile. . nessa grande formação. não só pelo seu aspecto. poucos materiais tive. por toda parte. É tudo plano. e eu. mas também pela sua vegetação caraterística. seguindo em direção ao Andes. no alto rio Negro. São muito numerosos. mais largamente espalhado do que em qualquer outra parte do nosso globo. ao passo que. Não há ali cadeias de montanhas ou mesmo planaltos155 ligeiramente elevados. tão diferentes daquelas.000 pés. é a quase perfeita planura de toda a região. Pelas formações graníticas. dando formação assim aos leitos de barro e de terra. o príncipe Adalberto da Prússia encontrou-o. que cobrem as formações graníticas e onde se encontram os leitos de areia. parece que esta rocha se espalha ali em imensas e ondulantes áreas. Ao que parece. estão as florestas mais abertas. O granito parece ser. no meio da formação granítica. exceto os abruptos picos que se sobrelevam subitamente da planície a uma altura de 100 a 3. Darwin e Gardner encontraram-no por toda parte do interior do Brasil. nas alcantiladas rochas. que pude ver.518 Alfred Russel Wallace As minhas notas e uma rica coleção de rochas do rio Negro perderam-se. na América do Sul. constitui ele a base de todas as montanhas do interior da Guiana. com que fazer as minhas fundamentações. que se encontram em várias e extensas áreas. então. as cavidades das quais se encheram com os depósitos das aluviões. Nesses lugares vicejam as florestas virgens. constituídas pelas caatingas. Eu mesmo o encontrei em todo o curso superior do rio Negro e pelo Uaupés acima. 155 No original. O que mais nos espanta. esses picos. Na sua excursão pelo Xingu.

000 pés. Mas a principal singularidade de todas é que elas não se erguem a pouco e pouco da região. de cerca de 1. as mais altas. que parecem ser algo um tanto mais extensas e formam mesmo alguma coisa mais parecida a uma ordem contínua de elevações. Ergue-se muito perto da margem meridional do rio.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 519 O primeiro deles é o que se denomina “Serra de Jacami”. outras de feitio de cúpulas. que se sobreerguem abruptamente a uma altura de cerca de 3. as montanhas de Tunuí constituem um grupo semelhante e isolado. no rio Uaupés. Encontram-se vários outros. situado um pouco acima de Santa Isabel. porém. Para cima do rio Içana. Consistem elas num grupo de três ou quatro montanhas. Levantam-se abruptamente. como se fossem troncos mortos de enormes e gigantescas árvores. Nos flancos dos seus cumes há imensos precipícios. Ocorrem ali enormes depressões e fendas. espalhados. mas o correto é pirapucu. “peixe comprido”. estão o Pirapucu156 e a serra do Cababuris. porém. todas.000 pés de elevação. a uma altura de cerca de 600 pés. há inúmeras elevações sendo algumas de conformação cônica. inteiramente distintas do perfil geral da região. que forma os limites entre a Brasil e a Venezuela. Perto das cachoeiras. que se espalham na maior confusão. Para diante. Pilares retilíneos de rocha erguem-se para cima das florestas que os cercam. as serras de Curicuriari são. O Cucuí é uma massa quadrangular ou cúbica. No Uaupés. como se fossem empurradas por alguma força isolada local. há pequenas iminências de granito. mas um tanto menos altos. “Pirapocó”. . 156 No original. conservando aquele mesmo caráter de elevações abruptas.

segundo as informações que pude obter. Constituem ambos um dos mais grandiosos aspectos físicos da terra – um extenso e ininterrupto planalto. aparentemente saindo através do granito e inclinando-se em um ângulo de 60º ou 70º sul-sudoeste (estampa X. contudo. e que são dobrados de maneira interessante e muito regularmente. sem paralelo. sem solução de continuidade –. que confina com um grande plano. de cores e texturas diferentes. um conglomerado de rochas graníticas exibe grande quantidade de veios de quartzo. b). curiosamente dobrados (estampa X. São comuns os veios de puro quartzo. Perto do mesmo lugar. Isso ocorre até nos próprios Andes. todavia. muito pouca mica. com quase igual caráter abrupto. ergue-se de um plano aparentemente nivelado. daquela alcantilada cadeia de montanhas. . e registrei minhas impressões em meu diário.520 Alfred Russel Wallace Subi a uma das menores dessas serras. Esta enorme e importante cadeia de montanhas. variando da espessura de uma linha a algumas polegadas de diâmetro. até quanto me foi praticável. 153 da 2ª edição. a qual corresponde à pág. Os Andes de Quito e o sudoeste do Amazonas assemelham-se a uma imensa plataforma rochosa. Justamente abaixo das cachoeiras do rio Negro é que se encontram as rochas de arenito. sendo encontrado em grandes lâminas. A direção deles é geralmente mais próxima de leste-oeste do que de norte-sul. c). As rochas de granito do rio Negro contêm em geral.157 O seu isolamento e o seu abrupto empurramento para cima não são. Em alguns lugares. e numerosos leitos de granito. esse mineral é abundante. o qual se estende com imperceptível e contínuo declive desde o oceano Atlântico até à sua base. 282 desta tradução. sendo alguns de tamanho muito grande. 157 O autor manda ver à pág.

.Estampa X – Rochas. veios de granito. etc.

encontram-se rochas em fragmentos irregulares. O granito muitas vezes encontra-se em uns arranjos de lâminas concêntricas. no Amazonas. na barra do Tapajós. na barra do Tapajós. são devidos. no rio Uaupés. contém o granito numerosos fragmentos de rochas estratificadas de um arenito mole. para cima de Baião. Em Pimichim. embutidos nele (estampa X. de argila e de escórias. existe uma pequena colina cônica. Ao examiná-la. inclinando-se de 70º em relação à vertical. a). pois os fragmentos de rocha parecem ter sido mergulhados nela. verifica-se que é um conglomerado de areia. Encontram-se. e os precipícios esbranquiçados e muito brilhantes. ou em porções. perto de Belém do Pará. de novo. com aspecto vítreo. grosseiras escórias vulcânicas. Tão distintamente assim. e. sendo algumas vezes ondeadas e enroladas. dos flancos dos desfiladeiros das serras. em Vila-Nova. Perto de São Gabriel e no Uaupés. não os vi em qualquer outra localidade. fora do solo (estampa XI. acima da Barra do rio Negro. numa área muito extensa. algumas vezes muito duras. A sua posição sugere logo a idéia de terem sido líquidas. no rio. encontram-se lindas rochas cristalinas e lindamente estratificadas. farináceas e partindo-se facilmente em pedaços. perto desse lugar. no alto Uaupés. b). Ao longo de todas as margens do rio. com os interstícios cheios de uma substância que se parece muito exatamente com o piche. perto das cabeceiras do rio Negro.522 Alfred Russel Wallace Em uma ilha. Bem para cima. há uma formação muito curiosa. no Tocantins. particularmente nas grandes massas do formato de cúpulas. não tenho disso dúvida alguma. à mesma causa. . outras vezes como que deterioradas. Ocorrem: em Caripé. encontram-se enormes blocos de puro quartzo. que tem o feitio de um cone de origem vulcânica. no leito do rio (estampa XI. a e c). Para além da cidade de Santarém.

que descrevi em meu diário. na margem setentrional do Amazonas. a tendência era para encherem e nivelarem as suas depressões mais profundas e mais irregulares. os grandes tratos de depósitos das aluviões. é que se vê ali o último estágio de um processo que se prolongou durante todo o período da elevação dos Andes e das montanhas do Brasil e da Guiana. Gardner no Maranhão e no Piauí. encontram-se lindas rochas cristalinas. assim. porém muito fendidas e fragmentadas verticalmente. Essas camadas são todas aproximadamente horizontais. Pelo Tocantins acima. acima do oceano. avistam-se rochas metamórficas e outras duras pedras cristalinas. ou mesmo à pavimentação. conglomerados de escórias vulcânicas e leitos de ardósia de fina grã. em vez das pedras agora importadas de Portugal para Belém do Pará. do Orenoco e do Prata deve ter sido parte do oceano. as quais desciam pelos flancos dessas montanhas. No começo desse período.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 523 As vizinhanças de Belém do Pará são constituídas por uma pedra grosseira. ferruginosa. no seu primeiro aparecimento) umas das outras. de cor vermelha ou amarela. produzida pelo exame da região. bem adaptadas às construções. camadas de arenito mole. a maior porção dos vales do Amazonas. Dos sedimentos que foram transportados para o mar pelas fortes e rápidas torrentes. e que ele considera pertencente à formação calcária. pela sua dureza desigual. um bonito arenito cristalizado. delas é que se têm originado as pedras suspensas e as curiosas cavernas. Nas quedas. estratificadas. A impressão geral. que provavelmente é a continuação das rochas encontradas pelo Sr. Alternam-se em camadas duras e moles e. encontra-se uma grande variedade de rochas: conglomerados ordinários de quartzo. formando-se. . que separava as ilhas agrupadas (das quais se formaram as terras elevadas. Nas serras de Monte-Alegre. que encontramos agora no meio dos terrenos graníticos. Muitas destas partem-se em lajes chatas.

Estampa XI – Formas das rochas de granito .

bem como as numerosas e pequenas elevações graníticas do Uaupés. desde então.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 525 Ao mesmo tempo. que os separam. é que os depósitos sedimentares. E foi ali. ficando cobertos e enchidos pelos depósitos sedimentares. se sobreerguem do plano rincão florestal. gradualmente enchendo aquela grande bacia. e a ação das 158 As cúpulas e pilares isolados de granito mostram que toda a sua área foi originariamente coberta de espessas rochas sedimentares. arremessando para o alto as serras de Curicuriari e Tunuí. os limites da bacia do Amazonas. foram. e formando-se. . O vale do Amazonas teria. naquela parte. ligando a Guiana e a Nova-Granada. pois lá onde as montanhas do Brasil e os desfiladeiros dos Andes bolivianos se prolongam para ligar-se umas aos outros. aquele espinhaço ligeiramente elevado. em muitos lugares. que forma a separação das águas das bacias do Orenoco e do Amazonas. assim. que primeiro apareceu a terra firme. aquele gradual e imperceptível caimento que existe sobre tão imensa área. as quais foram removidas pela desnudação (Nota do autor). fixando-se. as forças vulcânicas estiveram em atividade.158 No ponto onde as montanhas da Guiana mais se aproximam da cadeia dos Andes. parecem ter-se erguido primeiro acima das águas. então. como ilhas de um mar de verdura. então. A mesma coisa ocorre na parte meridional do continente. formado um grande golfo ou mar interior. Esta ação simultânea das forças aquosas e vulcânicas. dos terremotos e das correntes marinhas. pois que os desfiladeiros e vales. descendo da montanha. As torrentes. ao sul. que. foi que produziu aquela maravilhosa regularidade de superfície. como demonstram os picos isolados de granito. como que sacudindo para cima e nivelando a massa das matérias sedimentares. de cerca de 2.000 milhas de comprimento por 700 ou 800 de largura. espalharam-se por todos os lados. a ação dessas forças vulcânicas parece ter-se prolongado no intervalo que as separa. provavelmente. trazidas para a superfície crescente de terra firme.

com o tempo. teriam separado as torrentes tributárias. e. não podendo espalhar as águas sobre a região adjacente. e. com capacidade para conter as águas que nele se acumulam. No curso das idades. todavia. e aquelas terras devem. elevando-se gradualmente uns poucos de pés acima das águas. afinal. pois que com as suas inundações anuais se forma um depósito de sedimentos. gastará tempo muito longo. graças aos depósitos deixados sobre elas. subirá mais alto e fluirá mais rapidamente do que antes. assim. como os vemos agora. com os refluxos e correntezas das águas. e os numerosos e grandes lagos estão ficando obstruídos pelas plantas aquáticas e enchendo-se de sedimentos. talvez. se espalhará em uma região mais alta do que o nível das suas primitivas inundações. imensos tratos de terras inundadas estão a elevar-se perceptivelmente. E as mudanças. Isso. e. os bancos de areia. porquanto. até que novos terremotos a levantem gradualmente acima das águas. ao passo que as margens se elevam. ainda visíveis nas escórias do Tocantins e do Tapajós. pela ação do próprio rio. Esse processo continuou por séculos. durante esse tempo. e as destroçadas rochas de Monte-Alegre. estar sempre a elevar-se. assim. tornar-se-ão permanentemente altas e acima das maiores enchentes do rio. tendendo todas a fazer o nivelamento da sua vasta área. por isso mesmo. Formam-se novas ilhas anualmente no rio. o rio. formaram. o tempo em que os espinhaços primeiro se ergueram acima das águas e a relativa antiguidade das torrentes tributárias – não poderá ser determinada antes que a região tenha sido convenien- . contudo. isso ter-se-á produzido. a torrente cavará por si mesma um leito mais profundo e mais largo. os canais dos futuros rios. Os espinhaços. levantando-se daí. A grande extensão de terra plana das margens do rio ainda continuará a ser inundada. A história completa dessas transformações – os períodos de elevação e de repouso. constringido aquele mar interior até quase para dentro dos limites do território que constituem agora os igapós ou terras inundadas.526 Alfred Russel Wallace forças vulcânicas. tendo. ainda prosseguem.

que em geral desaba à tarde. Há notáveis desvios. acompanhado de pesado aguaceiro. decorre a estação da seca. Na maioria dos casos.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 527 temente explorada. A própria Belém do Pará. c) CLIMA O clima do vale do Amazonas torna-se notável pela uniformidade da temperatura e pela constância do suprimento de umidade. colhendo-se os restos orgânicos. lá pelas 4 horas. aliás. Durante toda a estação da seca. É esta a feição geral do clima em todo o curso médio do rio Amazonas e de suas imediatas circunvizinhanças. nunca se passa um intervalo de mais do que três dias. . há intervalos de tempo firme. como em alguns outros países tropicais. dessa rotina geral. e de janeiro a maio a estação das águas. Nenhuma dessas estações. sem dúvida. entretanto. há ali um período que corresponde a seis meses de estação de águas ou de chuvas e outros seis meses de estação de seca. e toda refrescada e tonificada a vida animal. e às 6 horas já passou outra vez. que. em algumas localidades. De junho a dezembro. deixando a atmosfera deliciosamente fresca e pura. quando muito. de uma semana. contudo. Durante a estação das águas. caem algumas chuvas. Ali. para dar-nos uma informação mais acurada a respeito do surto e do crescimento progressivo do Amazonas. que tornam o seu clima um dos mais agradáveis do mundo. sem um ligeiro temporal de trovoadas. de quando em quando. em novembro. Na estação da seca. principalmente por volta do dia de Todos-os-Santos. de manhãs muito claras e alguns dias de chuvas mansas. ou. as estações modificaram-se tanto. é um desses lugares excepcionais. bem como a sua vida vegetal. é tão rigorosa em seus efeitos. devem existir.

de Belém do Pará. a média e a mais baixa. em Londres . a mais alta. em quatro anos.Estampa XII – Diagrama da temperatura em Belém do Pará e Londres – As três curvas de cima representam as médias de temperatura. As duas curvas que se vêem na parte inferior representam as médias de temperatura mensal. a mais alta e a mais baixa.

que não se encontram iguais em nenhuma qualquer outra parte. em troca. mesmo quando chuvosos. poderia acreditar que fora impressionado pela novidade do clima tropical. na estação das águas. em um dia qualquer. na estação da seca. não cai nunca nenhuma chuva. nas ilhas de Mexiana e Marajó. É no território do rio Negro. não excede de 15º. provavelmente. Durante quatro anos. de 20º. um clima tão uniforme assim (veja-se diagrama. entretanto. na minha volta de uma excursão de três anos pelo alto Amazonas e pelo rio Negro. Geralmente. durante todo o rodar do ano. as estações são mais fortemente marcadas do que mesmo na parte superior do curso do Amazonas. Ali a uniformidade da estação tropical da seca quase chega a desaparecer. 75º é a temperatura mais baixa e 90º a mais alta. como em outras localidades. A amplitude máxima da variação. uma constante alternação de chuva e de dias de sol. que ali registrei. Na fronteira da Guiana. que eu haja percorrido. Alternam-se os dias de chuva e de sol brilhante. com as suas balsâmicas e suaves tardes. assim o presumo. havendo. a variação máxima termométrica. que se observa a mais curiosa anomalia que modifica as estações. em um dia. A estação das águas não tem tantos dias de tempestade. dando assim uma variação extrema de 25º. foram as de 95º e 70º. estampa XII)). Entretanto. e os dias são relativamente claros e alegres. . Ali. fiquei igualmente espantado com o admirável brilho e bem assim com a frescura da atmosfera em Belém. não passa. as temperaturas mais alta e mais baixa. durante quatro meses. e.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 529 Houvesse eu julgado do clima de Belém somente pela minha primeira residência de um ano ali. nem são tão nublados. Não existe na face da terra. as chuvas são quase que ininterruptas.

nas cabeceiras dos rios que subi. já dei as minhas razões. baixa rapidamente. mais ou menos em junho. feitas as necessárias correções. parece ser quase exatamente de 30 polegadas. estando circunscrita. perdi os meus termômetros. desde julho. e. Há ali um verão mais regular. Contudo. segundo as quais acredito que deve haver uma considerável diferença de pressão atmosférica no interior da região. pelos fins de maio. durante três anos. nos meses de dezembro. onde as montanhas de Pirapucu e Cucuí e a serra de Tunuí parece como que formar uma separação da zona da Venezuela. no mês de setembro. foi somente de 3 décimos de uma polegada (veja-se o diagrama. A temperatura das águas do rio Negro. A sua altura média. até julho. É aí que o rio. quando o verão amazônico está no apogeu. Daí começa a chover outra vez. e em março. eleva-se então de 20 pés. janeiro e fevereiro. quando principia a estação das águas no Amazonas. atinge ao seu máximo. e continua a subir lentamente. como sempre. que até então tinha estado a baixar lentamente. um pouco abaixo das quedas de São-Gabriel. A região de maior quantidade de chuva. eu teria feito uma série regular de observações. parece ser muito limitada. há ali geralmente um mês ou dois de lindo tempo firme e de sol ardente. começa a subir. começa a baixar novamente. e. de maior número de dias chuvosos. agosto e setembro. subitamente. . Em janeiro ou fevereiro. em Belém do Pará. daí.530 Alfred Russel Wallace Nos meses de junho. Infelizmente. estampa XIII). quando alcança o seu ponto máximo. a Marabitanas. A variação extrema do barômetro. se não fora essa circunstância. ou. geralmente. não varia mais do que 2º. nos confins do Brasil. seguidamente. julho. antes. temos ali somente uns poucos dias de sol. No começo de abril.

qualquer efeito mortal. muito atônitas. caiu no alto Amazonas. contudo. estavam brincando. que. qualquer diferença de temperatura. Essa notável ocorrência deu-se numa localidade situada somente 3º ao sul do Equador e cerca de 200 pés acima do nível do mar. uma substância que havia caído das nuvens. é o que deve ocorrer. A pessoa que me contou isso é um português. As crianças. possa ter. no alto Amazonas e no rio Negro. Tive informação segura a respeito de uma chuva de pedra que. que fosse digna de referência. de uma feita. que os habitantes lhe sentem demais os efeitos. Admitindo como verdadeiro esse fato. porquanto é difícil conceber que um abaixamento de 5º a 10º na temperatura. E o mais extraordinário de tudo isso é que dizem que os peixes chegam a morrer de frio nos rios.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 531 No mês de maio. quando muito. e que era. assim. muitíssimo fria. entretanto. no momento. dizem que anualmente há alguns dias de muito frio. asseguraram-me que o frio ali é algumas vezes tão rude. Muitas pessoas. . a qual lhes era inteiramente desconhecida. não posso explicá-lo. e essa informação merece absoluta confiança. por sua vez. Eu mesmo nunca notei. e levaram para os pais.

Estampa XIII – Diagrama das médias de pressão atmosférica e da queda das chuvas em Belém do Pará. em três anos .

. sem igual. onde poucos dias de jornada bastam para fazer-nos passar além dos rincões florestais. Em todo o seu território. . . . . . . Capítulo XV Vegetação do Vale do Amazonas qualquer que contenha em sua superfície tamanha riqueza florestal. entrando-se logo nos planos ressequidos ou nas serras rochosas do interior. . no Amazonas. Lá. excetuando-se algumas pequenas porções. pelo seu interior. sendo. . revelando-se. . pode a gente viajar semanas e até meses. . . . . É este o aspecto predominante do seu vasto território. a mais dilatada e mais selvagem. de parte alguma do globo uma região . . . . . como a do vale do Amazonas. . de pronto. .Sumário . em qualquer direção. . . É mais para o centro do seu território que se encontra o grosso dessa majestosa floresta. talvez. . que existe na superfície da terra. como região única. como em geral se supõe. N ÃO há. próximo às costas. e não no baixo Amazonas. . é ele coberto de densa e alta floresta primitiva. sem encontrar a raridade de uma jeira de terra desprovida de árvores. Lá não é como nas costas do Brasil meridional ou nas praias do Pacífico. ao mesmo tempo.

e parece que se estende até às serras de Curumani. com um percurso total de cerca de 2. e. isto é. depois. ela se estira. a leste de Cuzco e La Paz. na foz do Amazonas. até atingir à longitude de 56º oeste. mais ou menos perto do meio de seus cursos. alcançando.534 Alfred Russel Wallace Tirando-se uma linha imaginária. A ilha de Marajó. desde Pasco até Guancabamba. Ao longo dos Andes de Quito. a floresta estende-se somente sobre a porção oriental. na latitude de 18º. de norte a sul. começando a floresta propriamente na sua parte ocidental. estão situados campos abertos. na latitude de 7º norte. em seguida. no rio Banco. na longitude de 67º. alarga-se ela para oeste. rumo exatamente do poente. tanto para o norte como para o sul. entre os rios Huallaga e Maranhão. principiando nas vizinhanças de Moyobamba. ao qual acompanha até à sua foz no Atlântico. numa distância total de mais de 700 milhas. a largura da floresta. . e. dividindo-se em duas porções aproximadamente iguais. da barra do Parnaíba. Para as primeiras 1. De um ponto situado a cerca de 60 milhas a sudeste de Tabatinga. ela chega até aos desfiladeiros mais baixos a leste da cordilheira andina. ela irá alcançar os limites da grande floresta na longitude de 78º. em Santarém. Na região moderadamente elevada. e o Tocantins.000 milhas. 38º oeste. é de cerca de 400 milhas. a fim de juntar-se à região florestal de leste do Orenoco. desde a sua foz até defrontar Monte-Alegre. na longitude de 41º.100 milhas. traçando-se um círculo com o diâmetro de 1. e terá passado em seu centro. as margens do Orenoco. porém defronte da boca do Tapajós. Mais para diante. os desfiladeiros a nordeste dos Andes bolivianos. começa a floresta. toda a área nele compreendida será a das florestas virgens. atravessa os rios Tapajós e Xingu.600 milhas. para o sul. No braço setentrional do Amazonas. ela espalha-se pelos planos elevados dos desfiladeiros dos Andes bolivianos e passa um pouco a leste de Santa-Cruz-de-la-Sierra. 30’. não muito acima da sua confluência com o Araguaia. e daí pelas cabeceiras do rio Parnaíba. Daí. em direção a Guaiaquil. e. infletindo para nordeste. daí. tem na sua parte oriental planícies de pouca vegetação.

para cima da barra do Ucaiáli. todas elas. ocorre no Ucaiáli. ao sul do equador. reunidas. que eu mesmo fiz. são tão extensas. pois toda a zona a leste do Mississippi. onde há um trecho assinalado nos mapas como a região dos “Pampas del Sacramento”. de estepes e de desertos. tanto ao sul como a leste. são cercadas de espessa floresta. como também pelas inovações que obtive. situadas na sua costa ocidental e oriental. onde começamos esta descrição. As margens do Amazonas. atravessando as cabeceiras dos rios Guaviare e Uaupés. contrastando fortemente com o Velho Mundo. onde as estepes e desertos constituem na sua maior parte. por isso mesmo. de certo modo. alcança os Andes a leste de Pasco. e. porém. Os plainos abertos de Caguan supõem-se muito mais extensos do que realmente o são. ali não encontraram campos abertos. alguma aproximação. e eu determinei-lhes aproximadamente os limites. Somente na América do Norte é que há. . não só por observações. são uma pequena porção. podemos. e que é tido como de campos abertos. A África conta algumas zonas florestais extensas. cobertas de uma vegetação rala. Os limites da floresta amazônica. considerar o Novo Mundo como região preminentemente florestal. em minhas viagens até às cabeceiras do Uaupés. enquanto o resto da Ásia parece ser uma região de planícies. e os Srs. cheias de soluções de continuidade. bem como no interior. até aqui.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 535 A oeste desse rio. as feições mais caraterísticas. ela começa ao sul de Vichada. Em parte alguma do globo há florestas tão extensas e tão selvagens como estas. comparadas com a do Amazonas. próxima dos grandes lagos. são insignificantes. comparadas com elas. Isso. Smith e Lowe. outrossim. é ou foi um extenso e quase ininterrupto território florestal. não foram ainda demarcados com a necessária precisão. Deste rápido apanhado dos aspectos da terra. que atravessaram o pampa em dois pontos. nem mesmo as da Índia. As da Europa central.

bem familiarizado com a região. exceto em alguns casos. cobertos somente de árvore da mesma espécie – como se vêem aqui os pinheiros. inviolável e verdejante floresta. através de do todo o território adjacente.536 Alfred Russel Wallace Graças às suas observações. Um cavalheiro. correm através de densa floresta. dois indivíduos da mesma espécie. elas são igualmente raras. Em uma estrada de dez milhas de extensão. em muitos outros lugares. há somente dois espécimes da maçaranduba. bem como das cidades de Oropesa e Santa-Cruz. a oeste de Huallaga. a palmeira açaí (Euterpe edulis) é igualmente encontrada com abundância. ao norte do Cuzco. quaisquer terras abertas ali. . As florestas do Amazonas distinguem-se de quaisquer outras da maior parte de outras regiões. perto de Belém do Pará. bem como às do tenente Mawe. informou-me também que. ou árvore-leiteira. podeis penetrar nas florestas. Tigre. e. As mesmas espécies. e em Urubamba. de modo que nenhuma dúvida resta de que o território referido seja uma vasta. os carvalhos. perto de Uanta. podemos estender a zona florestal até às proximidades de Moyobamba. nem delas nunca tiveram notícia. que se estendem por todos os tributários do Madeira. informou-me que os rios Napo. natural de La Paz. Tschudi informa-nos que os rincões florestais começam em todos os desfiladeiros ao norte e a leste dos Andes do Peru. repetem-se apenas em intervalos distantes. Pastaza e outros adjacentes. as faias. através da floresta. e. Um nativo do Equador. – raramente se encontram ali. e até às montanhas a leste de Pasco e de Tarma. que se estende para cima de Baeza e Canelos e sobre todos os mais baixos desfiladeiros dos Andes. daquela cidade. logo após a travessia dos Andes bolivianos. que nelas se encontram. geralmente. pela imensa variedade de espécies. principalmente no que se refere às palmeiras. Ao invés de extensos tratos. Uma grande extensão das terras baixas e alagadiças da foz do Amazonas ocorre-se de palmeiras miritis (Mauritia flexuosa e vinifera). Negociantes do alto Purus e de todos os tributários a sudoeste do alto Amazonas nunca encontraram.

No Uaupés. Esta particularidade da sua distribuição. ela é também encontrada. eles são acabados com peças de meia dúzia de madeiras diferentes. pela maior parte na região circunvizinha às barras dos rios Negro e Madeira com o Amazonas. no alto rio Negro. Certas espécies de madeiras duras aplicam-se de preferência. ficam às vezes tão afastadas umas das outras. situadas mais próximas das povoações. de flores e de frutos amadurecidos. tendo encontrado apenas alguns espécimes ainda novos e nenhum de suficiente grossura para o desejado propósito. nem sempre da mesma cor ou do mesmo grau de dureza. As seringueiras e castanheiras não fazem exceção a essa regra. será por isso mesmo um grande obstáculo para a sua exportação em maior escala. quando estavam carregadas. A dificuldade. ainda não foi colhida ali. ou que têm propriedades medicinais. na maioria do casos. . mandei dois índios procurar na floresta a respectiva árvore. ao mesmo tempo. à construção de embarcações destinadas à navegação fluvial. mas. No mês de janeiro. colhendo-se os seus produtos em uma vasta área da região. porém de obter-se tabuado de uma só qualidade para tais barcos é tão grande. Essas árvores gastam mais de um ano para produzir e amadurecer os frutos. No alto Amazonas e no rio Negro. Algumas árvores frutíferas. de uma feita. até agora.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 537 Na estrada de Javita. O ponto principal da colheita da borracha é a região situada entre os rios Pará e Xingu. da Bertholletia excelsa. que. colhem-se principalmente no interior. é que suprem toda a população com as suas utilidades. tive ocasião de observar algumas dessas árvores. onde inúmeros lagos e rios oferecem acesso mais fácil. precisando de fazer uma tábua de determinada espécie de madeira. observei a mesma coisa. para a exploração e comércio de madeiras suscetíveis de qualquer emprego. As castanhas brasileiras. e por lá estiveram três dias. no Amazonas e no alto rio Negro. e tanto umas como os outros estavam caindo. que somente umas duas ou três. fora dali.

quando por acaso são atingidos. que são dali transportadas em cestos para as canoas. Perto dos grandes rios. Os seus frutos são aproximadamente de tamanho e peso de uma bala de canhão. logo após a queda. na região do Amazonas. e. bem mais para o interior. fazem estalar os galhos da própria árvore e os arbustos que se encontram em baixo. é a salsaparrilha. à sua abertura. empenhados em sua colheita. raiz da Smilax syphilitica e talvez de outras espécies suas aliadas. ao que parece. por fim. arrancando-se-lhes. da Venezuela à Bolívia e do baixo Amazonas ao Peru. e daí a sua denominação de “árvores potes”. Em seguida. desde botão. procedendo-se. São recolhidos em pequenos montes. Essa planta. . em seguida. Alguns frutos menores são chamados pelos nativos “cuias-de-macaco”. encontra-se em todo o território florestal do Amazonas. geralmente. devendo decorrer provavelmente um prazo de dezoito meses para que atinjam. nos barrancos dos córregos e ribeirões. as nozes triangulares. Algumas pessoas já têm sido mortas por eles. ao seu completo desenvolvimento. que é feita a machado.538 Alfred Russel Wallace Desta sorte. um dos produtos naturais de mais importância. ela não é encontrada. as flores só se transformarão em frutos no ano seguinte. sendo freqüentemente vítimas de acidentes desse gênero os índios. Os frutos são apanhados. os quais se partem estrepitosamente. que são providos de tampas do formato de potes e de copos. Na queda. Outras árvores da mesma família (Lecythidas) são ali muito abundantes e tornam-se notáveis por causa dos seus curiosos frutos. operação esta que exige alguma prática e muito cuidado. sim. em terrenos rochosos e secos. e caem com tremenda força de uma altura de cerca de 100 pés. em conseqüência do violentíssimo choque que recebem.

ou fava-de-Tonquim. Entre as árvores florestais do Amazonas. chamado andiroba. e é comumente empregada para pichar todas as embarcações maiores do país. comum no alto rio Negro. enquanto as fibras da casca interna das árvores. que cresce somente em um ou dois tributários do rio Negro. um grande número de favas. é tirada de uma árvore de pequeno porte. na sua maioria pelas tribos menos civilizadas. Uma casca. de cheiro característico de terebentina. um óleo amargo. ainda tenras. onde é muito empregado no preparo de tintas. parecendo. No baixo Amazonas. sendo dali exportado para a cidade da Barra. para calafetação de canoas. de três a quatro polegadas de largura. sendo por esse meio que se consegue promover com eles um comércio considerável. Alguns ingazeiros e vários outros gêneros. obtém-se de um fruto da floresta. estão entre as mais vistosas. sendo encontrado também perto de Santarém. assim. têm vagens de uma jarda de comprimento. desenvolvendo-se na extremidade de uma haste muito delgada e de três a cinco pés de comprimento. encontra-se no território compreendido pelos rios Negro e Japurá. Desta família. e comumente empregado em lamparinas. obtêm-se fazendo a incisão em uma árvore. é muito abundante no alto rio Negro. com forte cheiro de cânfora. as leguminosas são as mais ricas em espécies. seus aliados. chamado sassafraz pelos venezuelanos. Um óleo transparente. de um odor muito forte. chamada pelos portugueses “cravo-do-Maranhão”. que alguém houvesse propositadamente prendido ali em seus galhos. é abundantemente colhida no rio Negro e no Amazonas. algumas espécies produzem frutos curiosos. por longos cordéis. O cumaru. muito delgadas. . atraindo a atenção pelos seus curiosos frutos. muitas vezes de tamanho e comprimento extraordinários. enquanto outras são curtas. A noz-moscada.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 539 É colhida principalmente pelos índios. Uma resina esbranquiçada. produto da Nectandrum puchuri. As flores dessa família. no Amazonas. pelo seu vigoroso brilho. da Bertholletia excelsa são empregadas como estopa.

s. árvore não conhecida. Piaçaba. esta. Paina. por vezes. Em alguns trechos do meu diário. constituindo uma bebida agradável e medicinal. ob. Guaraná. fibras dos pecíolos de uma palmácea (a Leopoldinia n. preparado de um fruto. extraído de uma árvore da floresta. crajuru. O que abaixo se segue é uma lista dos principais produtos vegetais. Castanhas do Brasil. Canela. insistir nisso. como se lê à pág. sementes do Theobroma cacao e de outras espécies mais. entretanto. de uma árvore desconhecida. 159 Embora grafe puchury no nome científico. quero. de valor comercial.540 Alfred Russel Wallace As suas folhas pinuladas. têm igualmente um aspecto muito gracioso. que é ralado e misturado com água.). ou. Salsaparrilha. Puxuri. conforme a prosódia do tupi amazônico (veja-se Siradelli. fruto da Nectandrum puchuri. sementes da Dipterix odorata. Cumaru. 9 das “Sombras n’água” de Alberto Range!. ainda uma vez. das folhas da Bigno160 nia chica. 160 No original. casca de Canella alba. que aqueles que têm viajado e escrito sobre os países da zona intertrópica exageram o encanto e o esplendor tropicais. da Copaifera officinalis. sementes da Bertholletia excelsa. da seiva da Siphonia elastica. pág 398). deve ser também puxuri.. Cacau. . prefere o autor a forma puxiri para a denominação vulgar. um preparado de cor vermelha. Breu. cit. Cravo. Carajuru. mas o nome dado à Arrabidea chica é carajuru. com lindos recortes nas beiradas. raízes da Smilax syphilitica. procedentes das florestas amazônicas: Goma elástica. fazendo agora uma revisão mais calma de tudo que eu observei nos lugares que percorri. eu referi. Baunilha frutos de várias espécies de Vanilla.159 Óleo de sassafraz. de várias espécies de Bombax. Óleo de copaíba. caraiuru.

as lianas entrelaçando-se e retorcendo-se. As enormes árvores de raízes arcobotantes. enche o nosso espírito de admiração.Viagens pelo Amazonas e Rio Negro 541 Há. Eu nunca vi coisa mais linda do que a macieira em plena florescência. coberto de tojos e de giestas. em nossa pátria. tudo isso seduz a nossa atenção. que somente na floresta se ostentam nos galhos mais elevados. as palmeiras com os seus elegantes estípites. trepando uns sobre os outros para se exporem à luz brilhante do sol e ao ar fresco. aqui mesmo. e as trepadeiras. de todos os portes. de surpresa e de respeito. . quando se torna a ver o azul do céu ou a receber o ardor dos raios solares. ao par disso. nota-se que pouco de beleza e de vigor possuem o seu colorido. e para cada uma dessas cenas encontramos outra de igual beleza. sente-se um grande alívio. com as suas flores-purpurinas. soltando flores e frutos. as de troncos fendidos. É somente ao longo das margens dos rios e das estradas que se vêem todas as belezas da vegetação tropical. O castanheiro da Índia. no seu colorido. no flanco de uma colina. Reparai num canteiro de brincos-de-rainha e de margaridas. Vêem-se ali enormes leitos de relva. com o mesmo vigor. num monte cheio de urzes. mas. de fato. o lilás ou o laburno rivalizam com qualquer dos mais escolhidos arbustos ou árvores dos trópicos. de vivo colorido. grandeza e solenidade nas florestas tropicais. combinam os seus encantos. arbustos e árvores. Mas tudo ali é sombrio e solene. ou no azul-celeste de uma clareira da floresta. reparai bem nos mais formosos sítios onde as mais lindas flores dos trópicos expandem as suas pétalas. Todavia. com os seus festões carregados de flores. com o mesmo brilho. atapetada de jasmins silvestres: – tudo isso se prestará a uma comparação com qualquer cena dos trópicos. as de extraordinárias raízes aéreas. As suas flores. e a sua verdejante folhagem. cobrem por inteiro os lisos e desnudos troncos das árvores mortas