You are on page 1of 27

A RELIGIÃO

Os Gregos e os seus Deuses

Os Gregos tinham muitos mitos mas alguns deles eram só


deuses locais e que tinham pouca importância.
Os Gregos desenvolveram a linguagem, a filosofia e as artes
muito mais do que qualquer outra cultura do Mediterrâneo ou do
Médio Oriente. Escreviam histórias para se divertirem já em 750
a. C. Assim, criaram mitos muito complexos e, em algumas
histórias havia conspirações e intrigas sobre os vários deuses.
A civilização grega começou a ter grande importância a
partir de 1500 a. C.. Foi absorvendo outras mitologias que já
existiam, como certas crenças pagãs. Por exemplo, a grande
deusa- mãe Hera, era uma força muito importante na antiga
mitologia pagã ou pré- helénica. Os primeiros gregos não podiam
substituir Hera e, por isso, casaram-na com o deus do céu, Zeus
Os Gregos foram influenciados pelas mitologias mais
antigas que já existiam, como as Babilónicas e as Egípcias, por
volta de 330 a. C..
Tal como os Egípcios, os Gregos também tinham muitos
deuses que eram adorados só em determinados locais, mas
tinham muitas outras divindades e mitos que eram reconhecidos
para além da Grécia.
A influência do mar na mitologia Grega

Devido à situação geográfica da Grécia, o mar era


extremamente importante para o seu povo e muitos dos seus
mitos e lendas estão relacionados com as histórias do mar.
Como era um povo que vivia dos negócios por via marítima,
existem muitas histórias e lendas sobre viagens no mar e grandes
aventuras.
Como a Grécia se tornou numa província romana em 146 a.
C., a mitologia grega sobreviveu, mas foi totalmente absorvida
pela cultura romana.
O objectivo dos mitos

A maior parte dos mitos gregos tinham a ver com


acontecimentos da sua história antiga ou tentavam dar
explicação a acontecimentos naturais.
Ao contrário dos Egípcios, os Gregos não faziam ligação
entre o seu comportamento e a religião. Para eles, os deuses
eram bons ou maus e não obrigavam os humanos a comportarem-
se como eles queriam. No entanto, mais tarde a civilização grega
acreditava que após a morte haveria um julgamento do seu
comportamento durante a vida.
Os Gregos tinham muitos ritos religiosos, cerimónias e
festivais e em todas as casas havia um altar para os deuses
domésticos. No entanto, para os Gregos isto não tinha nenhuma
intenção moral, era só um recurso prático: se os deuses
estivessem contentes eles poderiam sorrir-lhes. Mas os humanos
nunca podiam provocar a ira dos deuses e demonstrarem pouco
respeito.
Alguns filósofos gregos pensavam que os mitos eram
histórias fictícias e que os deuses eram pessoas reais que tinham
sido divinizadas devido aos seus actos heróicos. Enquanto outros
povos ofereciam sacrifícios aos seus deuses, os Gregos
continuavam a pensar que os mitos eram histórias.
O mito da criação

Existem muitas histórias sobre a criação dos deuses e do


mundo mas nenhuma delas foi universalmente aceite. Mas a
história escrita pelo poeta Hesíodo, em 725 a C., foi a que teve
mais aceitação.
O mito da criação conta a história dos Gregos e das
culturas mais antigas que eles tinham conquistado juntamente
com os deuses mais primitivos.
No início existia apenas o Caos. Zeus é o supremo
governador dos deuses e ordena que o Olimpo, a montanha mais
alta do mundo, seja a sua casa.
Os deuses e as deusas

ZEUS – corresponde na mitologia romana a Júpiter

Era o deus do céu e tornou-se governador dos deuses após


ter derrotado o pai Cronos. Casou com a irmã Juno e fez a
partilha do universo com os seus irmãos: reservou para si o céu,
deu o império das águas a Neptuno e o império dos infernos a
Plutão. Zeus, como senhor absoluto, representa-se sentado sobre
uma águia, com um raio na mão.
AFRODITE – corresponde na mitologia romana a Vénus

Era a deusa do Amor e da Beleza.


Era filha do Céu e da Terra. Também se diz que era filha do Mar
e que Saturno preparou o seu nascimento, formando-a da espuma
das águas. Casou com Vulcano, mas não podendo suportá-lo por
ele ser tão feio, teve muitos amantes. Vénus presidia a todas as
festas de prazer e divertimento.
Representa-se geralmente com Cupido, seu filho, sobre um
coche puxado por pombos ou cisnes.
HERMES – corresponde na mitologia romana a Mercúrio

Era filho ilegítimo de Zeus. Era o mensageiro dos deuses e


portador de boa sorte. Foi também o deus do comércio e dos
ladrões, dos pastores e das fronteiras e o guardião dos túmulos.
Zeus pôs-lhe asas na cabeça e nos calcanhares, para poder
executar as suas ordens mais depressa. Era também grande
conhecedor de música. Foi ele quem roubou os rebanhos, as
armas e a lira de Apolo. Foi muito amado por Afrodite, de quem
teve Hermafrodite.
Tinha a função de conduzir os espíritos dos mortos até ao
mundo subterrâneo porque era o único capaz de encontrar o
caminho de volta.
Representa-se geralmente com um caduceu (vara de louro
com duas serpentes enroscadas) na mão e asas na cabeça e nos
calcanhares, em atitude de grande agilidade.
ATENA – corresponde na mitologia romana a Minerva

Era a deusa da guerra, das artes e da sabedoria. Diz-se que


teria saído da cabeça de Zeus completamente armada.
Atena representa-se com um capacete na cabeça, escudo no
braço e lança na mão, porque era a deusa da guerra, tendo junto
de si um mocho e vários instrumentos matemáticos, por ser
também deusa da sabedoria.
HÉLIOS – corresponde na mitologia romana a Apolo

Mais tarde Hélios foi substituído por Apolo. Era filho de


Zeus e irmão de Àrtemis, deusa da caça. Tinha por tarefa
principal conduzir o carro do Sol à volta do universo, puxado por
quatro cavalos. Era o deus da poesia, da música e das artes. Foi
expulso por Zeus do céu e tornou-se guardador de rebanhos, mas
Hermes roubou-os. Com o desgosto, afastou-se e foi tomar parte
na reconstrução das muralhas de Tróia.
HERA – corresponde na mitologia romana a Juno

Era esposa e irmã de Zeus, a rainha do Olimpo onde os reis


viviam e a deusa do casamento e da maternidade. Tinha muitos
ciúmes das amantes de Zeus e dos seus filhos ilegítimos.
Os poetas representam Hera num coche puxado por pavões,
com um pavão ao lado dela.
ARES – corresponde na mitologia romana a Marte

Era filho de Zeus e de Hera. Era o deus da guerra. Presidia


a todos os combates, mas representava os aspectos maus e
brutais.
Amou muito Afrodite.
Ares representa-se armado dos pés à cabeça, com um galo
junto de si.
HEFESTO – corresponde na mitologia romana a Vulcano

Era filho de Zeus e Hera e marido de Afrodite.


Era o deus dos trabalhos em metal e do fogo. Como era negro,
muito feio e ter nascido com as pernas deformadas, foi lançado
fora do céu.
Devido a ser feio, a mulher não o podia suportar e foi-lhe
infiel.
Hefesto representa-se geralmente acompanhado por
Afrodite.
POSÍDON – corresponde na mitologia romana a Neptuno

Era irmão de Zeus e o deus do mar.


Foi expulso do céu e, para viver, teve de tomar parte na
reconstrução das muralhas de Tróia.
Posídon representa-se sentado num coche em forma de
concha, puxado por dois cavalos marinhos e um tridente na mão.
HADES – corresponde na mitologia romana a Plutão

Era irmão de Zeus e Posídon. Quando Zeus fez a partilha do


Universo, deu a Hades o império dos infernos.
Era o deus do mundo subterrâneo. Não conseguia encontrar
mulher para casar porque era muito feio e negro.
Hades é representado com uma coroa de ébano na cabeça,
as chaves dos infernos na mão, num coche puxado por cavalos
negros.
DIONÍSIO – corresponde na mitologia romana a Baco

Era um deus muito antigo que foi adoptado pela mitologia


como filho de Zeus.
Era o deus do vinho e dos divertimentos e tinha um lado
perigoso e mau.
Quando chegou a homem, Dionísio conquistou as Índias e
passou depois para o Egipto, onde ensinou a agricultura aos
homens e começou a plantação da vinha.
Representa-se, geralmente, sobre um coche puxado por
tigres, linces ou panteras, por vezes com uma taça numa das
mãos.
PSIQUE

Era uma jovem grega de beleza rara, por quem Cupido se


apaixonou. Para a conquistar, prometeu-lhe felicidade eterna,
mas pôs uma condição: ela nunca poderia ver o rosto do seu
amado.
Mas Psique, cheia de curiosidade, viu-lhe o rosto. Cupido
fugiu e ela teve de suportar muitos sofrimentos impostos pela
mãe de Cupido. Mais tarde, foi tornada imortal pela mãe dele.
Psique representa-se em figura de jovem muito bela, com
asas de borboleta nos ombro
TESEU

Era filho de Egeu, rei de Ática.


Deu provas de grande valor, derrubou muitos monstros,
entre eles o Minotauro, que se alimentava de carne humana.
Teseu raptou muitas mulheres como Helena, Ariadne e
Fedra mas libertava-as quando elas queriam.
Teseu desceu aos infernos, ajudou Hécules a cumprir um
dos seus doze trabalhos (vencer as Amazonas).
Foi preso, recuperou a liberdade e os seus estados,
invadidos durante o seu cativeiro, expulsou os invasores, retomou
o trono e governou o seu povo em paz.
MINOTAURO

Era um monstro que se alimentava de carne humana, por


isso Minos, o rei de Creta o mandou prender no labirinto de
Creta.
Lutou com Teseu, foi derrotado e morreu.
O Minotauro é representado em figura robusta e
musculosa, com metade do corpo de homem e metade de touro,
ou então com corpo de homem e cabeça de touro.
AS AMAZONAS

Eram mulheres guerreiras da Capadócia. Não admitiam


homens na sua presença, mas recebiam um homem uma vez por
ano.
Matavam os filhos homens mas cuidavam com carinho das
filhas e ensinavam-lhes a arte da guerra.
Viviam em permanente estado de guerra e lutaram com
Hércules que as venceu. Deu a rainha a Teseu para que casasse
com ela e tiveram um filho chamado Hipólito.
ÍCARO

Era filho de Dédalo, artista de Atenas a quem ficou a


dever-se a construção do labirinto de Creta.
Minos mandou prender no próprio labirinto Ícaro e seu pai
que pensaram em fugir construindo asas de penas de ave coladas
com cera e ataram-nas ao corpo. O pai recomendou-lhe que não
voasse muito alto, mas o jovem quis voar muito alto para gozar a
liberdade, aproximou-se do sol e o calor derreteu a cera das
asas.
Vítima da sua grande ambição, Ícaro caiu no mar Egeu .
DÉDALO

Era um ilustre ateniense, muito habilidoso e perfeito como


artista, que fazia estátuas com movimento.
Matou um sobrinho, com invejo do seu talento e teve de se
refugiar em Creta, onde construiu um labirinto para, com o filho
escapar à justiça e à morte.
Quando o filho Ícaro caiu no mar com as asas derretidas,
Dédalo fugiu para a Sicília mas o rei mandou-o sufocar dentro de
uma estufa.
PROMETEU

Figura da mitologia grega, foi admitido no Olimpo por ter


ajudado Zeus, embora com pouco entusiasmo.
Foi sempre um defensor do género humano, deu o
conhecimento do fogo aos homens, ensinou-lhes a aritmética, o
alfabeto, a navegação, a medicina, o emprego dos metais, a
domesticação dos animais, a adivinhação do futuro pelo voo das
aves e pelas entranhas dos animas, deu-lhes o conhecimento do
tempo e o uso da razão em vez da força.
Zeus, insatisfeito com os poderes que Prometeu tinha
mandou o deus do fogo amarrá-lo com uma corrente de ferro a
um rochedo alto para um abutre lhe comer continuamente o
fígado, que renascia sempre.
Longos tempos passados, Zeus achou que o castigo era
suficiente e mandou Hércules e libertar Prometeu, que foi de
novo admitido no Olimpo.
A lenda de Prometeu despertou sempre o interesse de
escritores, poetas e artistas, que fizeram dela o assunto das
suas obras porque representa o sofrimento que a humanidade
está condenada a sofrer, mas que pode ser libertada.
HÉRCULES

Era filho de Zeus, a quem o pai prometeu um alto destino.


Ainda menino, Hércules deu prova da sua força e valentia.
Hera, a mulher de Zeus, indignada contra Hércules, que era
de uma amante do seu marido estava desejosa de se livrar do
herói; mandou o irmão de Hércules, que o odiava, a obrigá-lo a
realizar doze trabalhos difíceis e perigosos.
Os “Doze trabalhos de Hércules” eram:
- estrangular o leão de Nemeia
- capturar a corça de bronze
- matar as aves do lago Estinfalo
- matar a hidra de Lerna
- capturar vivo o javali de Erimanto
- matar Diomedes, rei da Trácia, que alimentava os seus cavalos
com carne humana
- vencer as Amazonas
- dominar Cérbero, o cão que guardava os infernos e libertar
Teseu
- matar o feroz touro de Creta
- limpar os estábulos do rei da Élida
- matar o gigante Gérion
- apanhar do jardim das Hespérides as maças de ouro.
Hércules levou a bom termo todas estas façanhas e ainda
outros trabalhos de igual perigo e dificuldade. Foram tantas as
suas acções que, depois da sua morte o incluíram no número dos
deuses.
Hércules representa-se na figura de um homem robusto e
musculoso, coberto com uma pele de leão e armado com uma maça
muito pesada.
CONCLUSÃO

A religião grega tinha muitos deuses, os gregos eram


politeístas. Tinham mitos muito complexos para explicar como se
formou o Mundo e como os seus deuses foram criados.
Para os gregos, o Mundo surgiu do Caos, que fez nascer a
Terra, a qual deu origem aos céus e ao mar.
Os deuses eram iguais aos homens, moravam no monte
Olimpo e praticavam acções como se fossem humanos. Podiam
intervir na vida dos humanos e faziam-no com muita frequência.
Ao contrário dos antigos egípcios, a religião grega não
obrigava as pessoas a agradarem aos deuses para obterem a
recompensa da vida eterna. Se ofendessem os deuses, podiam
ser castigados, mas não era preciso serem boas pessoas para
acreditarem nos seus deuses e receberem até favores.
Cada deus tinha as suas qualidades e era adorado no seu
templo. Os crentes davam ofertas e faziam sacrifícios com
animais para ganharem os favores dos deuses.
As cidades gregas tinham templos muito belos e bem
decorados.
BIBLIOGRAFIA

- COMO VIVIAM OS GREGOS, Didáctica Editora, Civilizações Antigas, John


Guy, 1998

- PÁGINAS DO TEMPO, Ed. Asa, História 7º Ano, Aníbal Barreira e Mendes


Moreira, 1998, 3ª Edição

- HISTÓRIA 7, Texto Editora, 7º Ano, Ana Rodrigues Oliveira, Francisco


Cantanhede, Isabel Catarino, Olávia Mendonça, Paula Torrão, 1ª edição, lisboa,
2002
PLANO DO TRABALHO
A RELIGIÃO

 Plano do Trabalho
 Os Gregos e os seus Deuses
 A influência do mar na mitologia Grega
 O objectivo dos mitos
 O mito da criação
 Os deuses e as deusas:
 Zeus
 Hera
 Afrodite
 Hélios
 Ares
 Hermes
 Hefesto
 Atena
 Posídon
 Hades
 Dionísio
 Psique
 As Amazonas
 Teseu
 Minotauro
 Dédalo
 Ícaro
 Hércules
 Prometeu
 Conclusão
 Bibliografia
HÉRCULES