You are on page 1of 5

Guia de Avaliação Psicológica

RELATÓRIO

Como elaborar um relatório?
• • • • • • • • • Identificação da queixa/motivo; Identificação do pedido e seu autor; Contextualização do pedido; Identificação e caracterização do sujeito; Identificação do período em que decorreu a avaliação; Instrumentos utilizados na avaliação (nem sempre pertinente) Caracterização do comportamento do sujeito em contexto avaliativo; Apresentação dos resultados Recomendações/ Indicações terapêuticas/ Proposta de Intervenção

Rui Manuel Carreteiro

125

Guia de Avaliação Psicológica Notas Importantes: • • Linguagem simples e adaptada ao receptor. pode ser necessário redigir mais do que um relatório. Para um mesmo caso/ processo de avaliação. Rui Manuel Carreteiro 126 . • Evitar afirmações categóricas: dizer “os resultados pararem sugerir que…” em vez de “os resultados diagnosticam” • Não apresentar somente os valores numéricos mas contextualizá-los de acordo com as problemáticas e vivências da pessoa avaliada.

o *** apresenta excelentes capacidades cognitivas. inclusivamente indicando com frequência que não conseguia realizar algumas tarefas com o mero intuito de evitar o contacto com as mesmas. Rui Manuel Carreteiro 127 . pouca motivação e fraca cooperação durante todo o processo de Avaliação. não acreditando nele próprio. tendo o *** manifestado alguma instabilidade. complementado pelo desenho e entrevista). Do ponto de vista grafo-perceptivo e no que concerne à coordenação visuo-motora o *** obteve igualmente resultados acima da média esperada para a sua faixa etária. encontrandose aproximadamente ao nível do percentil 75.Guia de Avaliação Psicológica RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA (Exemplo) Durante o mês de *** de ***. grafo-perceptivo (Bender-Santucci) e estruturação de personalidade (CAT-a. O *** parece apresentar maiores dificuldades nas tarefas de cálculo e de memória auditiva imediata (cujos resultados se situam ora na média ou ligeiramente abaixo desta). A observação realizada incidiu essencialmente sobre o funcionamento intelectual (WISC). de natureza manipulativa (QIr=132). Média=100 e Dp=15). com um nível intelectual superior à média esperada para a sua faixa etária (QI=132. O padrão de desempenho observado permite afirmar que o *** desiste das tarefas com muita facilidade. para efeitos de Avaliação Psicológica. O pedido é solicitado por *** fundamentando-se em ***. quando comparados com os conteúdos mais pragmáticos. ainda que ambos os resultados se encontrem acima da média esperada para a faixa etária. recebeu-se em consulta de Psicologia Clínica o menino *** de *** anos de idade. Do ponto de vista intelectual. com uma diferença altamente significativa. Os resultados obtidos sugerem uma maior facilidade para os conteúdos de natureza verbal (QIv=137).

Este tipo de comportamentos e atitudes não deverão ser confundidos com o abatimento ou falta de auto-estima que. pondera-se o risco do *** desencadear de condutas de cariz psicopático sobretudo aquando da entrada na adolescência. Do ponto de vista psicopatológico. o *** revela alguma “marotice” e sobretudo irreverência. desautorizando com frequência as figuras parentais.). Quando o *** se depara com obstáculos que impedem as suas pretensões ou quando é contrariado. embora seja igualmente uma realidade na maioria dos casos. destaca-se o facto de que os resultados poderiam ainda ter sido melhores não fosse a fraca colaboração motivação e as próprias características da personalidade do ***. Recomenda-se pois que sempre que se observe esta situação. jogos. típica dos estados limite. no que concerne ao ***. Sugere-se um maior controlo e autoridade por parte dos pais. No que concerne à personalidade. gerando-se assim uma situação de pseudo-falta de auto-estima e auto-confiança. com principal destaque nos de carácter mais material (brinquedos. que deverão evitar satisfazer todos os desejos do ***. o comportamento da criança seja interpretado. A utilização de castigos poderá ser ponderada com vista à adopção de uma conduta mais equilibrada e respeitosa por parte da criança.Guia de Avaliação Psicológica Em todas estas tarefas cognitivas. etc. revela um comportamento de carácter histriónico que deve ser interpretado como uma nítida tentativa de manipulação e obtenção dos seus desejos. face a quem dirige alguma agressividade e manifesta uma proximidade excessiva. Na maior parte das ocasiões em que a criança afirma não conseguir realizar uma tarefa está geralmente a evitar confrontar-se com uma situação que lhe exigiria algum trabalho e dedicação. razão pela qual se solicita uma atenção muito especial e um papel particularmente activo e de maior autoridade por parte dos pais. tende a surgir mascarada. Parece ser uma criança muito centrada nos bens materiais e revelando uma grande dificuldade em adiar a gratificação ou lidar com a frustração. Rui Manuel Carreteiro 128 . realçando a sua desnecessidade e ineficácia.

local.Guia de Avaliação Psicológica Recomenda-se ainda a realização de um acompanhamento psicológico com vista a abordar e trabalhar os aspectos supramencionados evitando sobretudo a evolução de risco apontada. dia de mês de ano Assinatura do Psicólogo Carimbo do Psicólogo Nº Carteira Profissional Numerar e rubricar todas as páginas Rui Manuel Carreteiro 129 .