You are on page 1of 5

Guia de Avaliação Psicológica

ANÁLISE DO CASO DE UMA JOVEM
Maria – 14 anos – 4º Ano Escolaridade

65

64

37

33

30

15

14

12

10

Dados Gerais:
Vive com a mãe adoptiva, desde os 4 anos, altura em que foi adoptada por este agregado. Segundo a história que se sabe na clínica, esta senhora tem por hábito adoptar várias crianças, já que recebe um subsídio de adopção por cada uma, e depois tenta internar várias das crianças adoptadas na casa pia, com o diagnóstico debilidade mental. Parece ser novamente o caso, pois pede uma avaliação psicológica da Maria, a fim de poder interná-la. A Maria frequenta a 4ª mas segundo o que apurei junto da própria, não frequenta a escola (razão por explorar). A Maria está medicada com Diplexil e Seroxat. Tem sido acompanhada desde os 4 anos, altura em que terá sido abandonada pelos pais biológicos. Segundo carta eu traz, foi a uma primeira consulta por sugestão de uma doente psicótica – história por apurar... Segundo a mesma carta, foi-lhe diagnosticada uma oligofrenia. Nunca foi realizada nenhuma avaliação ao nível do QI. São referidas queixas de agressividade, dificuldade em controlar os impulsos. È ainda referida uma alteração do comportamento e o facto de ser muito difícil de aturar.

Rui Manuel Carreteiro

144

pelo que gostava que lhe fizessem a laqueação das trompas. Refere ainda que a Maria é muito mentirosa. Traz carta da Dra. foi observada a Maria. Os próprios irmãos na Maria não a reconhecem como irmã. ao esposo e à filha (casada) no ano passado. mais um filho adoptado a quem se juntou a Maria mais dois irmãos. RELATÓRIO: Nos meses de Janeiro e Fevereiro de 2002. Y. a ama não sabe nada sobre a Maria. “Tem a 4ª Classe por favor”. “só quando não pode mesmo fugir é que admite”. Anteriormente já tinham a tutoria provisória. Preocupa-se se a ama já tomou os medicamentos. A tutora tem 3 filhos dela. Rui Manuel Carreteiro 145 . Por vezes a Maria é muito meiga. X que refere diagnóstico de oligofrenia pela Dra. O pedido de avaliação psicológica é formulado pelo médico de família.Guia de Avaliação Psicológica Consulta com a tutora Até aos 4 anos. pela mãe.. mas a Maria não é reconhecida como irmã. A tutoria da Maria foi entregue pelo tribunal à ama. Já nesta idade a mãe se referiu à Maria como sendo muito má. com 14 anos de idade. pois foi nessa idade que ela lhe foi entregue. Segundo a tutora pegava nos eixos dos carrinhos e queria pô-los nos ouvidos dos irmãos para os matar.... apesar de ser do mesmo sangue. Os filhos do casal já estão casados/juntos pelo que agora tem só as 4 crianças em casa. A ama diz que se a Maria andasse sozinha já tinha filhos. Reconhecem com irmãos as outras crianças que a ama tem.

A globalidade dos resultados situam-se abaixo da média para a sua faixa etária. evidenciando um discurso pobre (por vezes com dificuldade em encontrar a palavra certa) e lentificado. Teste de Bender Rui Manuel Carreteiro 146 . que beneficia as provas de natureza verbal quando comparadas com as de realização. mas evidenciou em todas as sessões alguma sonolência e por vezes apatia.Guia de Avaliação Psicológica A Maria apresenta estatura física à adequada idade. excepto a prova complementar de realização – labirintos –. sobretudo na primeira sessão. Os resultados relativamente homogéneos (QIv: 72. ocorreram na prova de aritmética (parte verbal). sugestiva de mau aproveitamento escolar e dificuldade em focalizar a atenção o que (corrobora a informação prestada pela tutora. como seja a aritmética e os cubos. Os resultados mais elevados. registaram-se na prova de compreensão (parte de verbal) sugerindo algum entendimento das normas sociais (o que contudo não condiz com a sua conduta tal como é referida pela tutora) e na prova de completamento de gravuras (parte de realização) o que sugere alguma disponibilidade para a aprendizagem e concentração (algo que contrasta também com o quadro clínico que evidenciou ao longo de toda a avaliação). segundo a qual ela não sabe realizar nem as operações de cálculo mais básicas) e nos cubos (parte de realização). verifica-se um decréscimo no desempenho ao longo das sessões que poderá ajudar a explicar a distribuição dos resultados mais elevados e mais baixos. havendo mesmo sub-testes que se situam no resultado normalizado 1. descuido e dificuldade de verificação do comportamento. sugestiva de pouco empenho nas tarefas. Mostrou-se cooperante durante a aplicação de todas as provas. QIr: 63) com uma diferença de –9 pontos (QIv-Qir= 9. Numa análise dos resultados em que se considere a ordem de aplicação dos subtestes durante as duas sessões. tendo os resultados revelado uma deficiência mental ligeira (QI de 63). o mesmo não acontecendo a nível cognitivo. p<0. Os resultados mais baixos. WISC-R: Foram aplicadas todas as sub-escalas.15).

Considera-se pertinente a análise e acompanhamento médico do diagnóstico que refere uma oligofrenia. De um ponto de vista qualitativo. Desenho da Família Foi pedido á Maria para desenhar uma família inventada. referindo que gostava de ser a filha mais velha do casal. acompanhado do respectivo questionamento. necessitando sempre de uma protecção particular por parte meio. Este resultado corrobora o baixo nível intelectual apresentado na WISC. preferencialmente no seio de uma instituição adequada. Através de uma análise qualitativa. não obstante da ausência de alguns caracteres sexuais secundários. Para além destas dificuldades o protocolo apresenta uma rotação. conjuntamente com o diagnóstico prévio de oligofrenia poderá aconselhar observação médica. que poderá ser sugestiva de lesão cerebral. que as possibilidades de autonomia social são reduzidas. revelando uma grande imaturidade grafo-perceptiva. a (auto)-imagem feminina é apresentada como dotada com alguma sensualidade. o que. Desenho da Figura Humana Foi pedido à Maria que desenhasse uma pessoa. De acordo com os resultados (43) e de um ponto de vista quantitativo. já que a filha mais nova é descrita como “a menos feliz” – própria expressão facial desenhada nesta figura expressa o sentimento de tristeza. Reconhece-se todavia. A figura materna é descrita coo a “mais feliz”. com 14 anos de idade apresenta uma cotação típica de uma criança de 6 anos.Guia de Avaliação Psicológica O protocolo da Maria.. tendo se realizado a cotação segundo o os 51 itens propostos por Goodenough. Rui Manuel Carreteiro 147 . findo o desenhar. Orientação Terapêutica: Revela-se necessário promover a aquisição de competências básicas. como seja o peito. o desenho está adequado à idade. poderá referir-se alguma desvalorização face à figura masculina que é sempre alvo de menor investimento. a fim de permitir alguma a autonomização da Maria.

de preferência num contexto institucional. que salvaguarde todas as insuficiências apresentadas.Guia de Avaliação Psicológica Do ponto de vista psicológico. Rui Manuel Carreteiro 148 . auxiliada e controlada. a Jovem deverá ser sempre acompanhada.