MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO
PARTE I – PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ORÇAMENTÁRIOS
Aplicado à União, Estados, Distrito !d!ral ! M"nic#pios $%lido a partir do !&!rc#cio d! '()* Portaria Con+"nta STN,SO n- (','()' ./ !di0ão

Brasília 2012

Parte I 01.00.00 Procedimentos Contábeis Orçamentários
MINISTRO DE ESTADO DA FAZENDA Guido Mant !a SECRETÁRIO'E(EC)TI*O N $+on , n"i-u Ba".o+a Fi$&o SECRETÁRIO DO TESO)RO NACIONAL A"no ,u!o Au!u+tin Fi$&o S)BSECRETÁRIO DE CONTABILIDADE P2BLICA Gi$/an da Si$/a Danta+ COORDENADOR'GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS 6 FEDERAÇÃO Pau$o , n"i-u F i78 da Si$/a COORDENADORA DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS 6 FEDERAÇÃO S $ n P " + P " + Nun + GERENTE DE NORMAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS , "i. "to , n"i-u *i$ $a do Na+%i# nto E<)IPE T=CNICA Antonio Fi"#ino da Si$/a N to A"t&u" Lu%a+ Go"do d Sou+a B"uno Ra#o+ Man!ua$d , n"i-u F "" i"a Sou3a Ca"n i"o MINISTRA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Mi"ia# B $%&io" SECRETÁRIA'E(EC)TI*A E/a Ma"ia C $$a Da$ C&ia/on SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL C0$ia Co""1a SECRETÁRIOS'ADJ)NTOS DE ORÇAMENTO FEDERAL B"uno C0+a" G"o++i d Sou3a E$io#a" 4 +$ 5 A5" + da Fon+ %a Rio+ G o"! A$. "to d A!uia" Soa" + DIRETORES F $i9 Da"ui%& N to Jo+0 G "a$do F"an:a Dini3 Jo+0 Ro. "to d Mo"a + R !o Pai/a F "nand + Junio" Ma"%o+ d O$i/ i"a F "" i"a COORDENADOR'GERAL DE A*ALIAÇÃO DA RECEITA P2BLICA C$;udio (a/i " P " i"a COORDENADORA'GERAL DE NORMAS L>%ia , $ na Ca/a$%ant *a$/ "d COORDENADOR'GERAL DE A*ALIAÇÃO MACROECON?MICA G "a$do Ju$i@o J>nio" ASSESSOR DA SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL Jo+0 Ro. "to d Fa"ia COORDENADOR DE A*ALIAÇÃO DE RECEITAS )!o Ca"n i"o Cu"ado COORDENADORA DE EST)DOS FISCAIS M5%& $$ C $ +t Bati+ta d S; E<)IPE T=CNICA G$au. " Pi# nt $ d <u i"o3 Ma"%o AntAnio O$i/ i"a And"0 Santia!o , n"i-u + Mau"B%io B" da F $i9 Jo+0 Ca"do+o A/ 3ani Fa.io PiCano Pont + Lau"a Co"" a d Ba""o+ InCo"#a:D + – STNE Fon E FGHI JKHL'JMHH FaNE FGHI JKHL'HKOP Co"" io E$ t"Ani%oE %%onCQdCQ+tnRCa3 ndaQ!o/Q." P;!ina E$ t"Ani%aE SSSQt +ou"oQCa3 ndaQ!o/Q." P;!ina E$ t"Ani%aE SSSQt +ou"oQCa3 ndaQ!o/Q." InCo"#a:D + – SOFE Fon E FGHI LMLM'LLLM FaNE FGHI LMLM'LLJP Co"" io E$ t"Ani%oE +oCQ%o#uni%aR9$an 7a# ntoQ!o/Q." P;!ina E$ t"Ani%aE SSSQ9o"ta$+oCQ9$an 7a# ntoQ!o/Q." P;!ina E$ t"Ani%aE SSSQ9o"ta$+oCQ9$an 7a# ntoQ!o/Q."

2

Índice 01.00.00 PARTE 1 – PROCEDIMENTO CONT!"EI OR#AMENT!RIO .........................$
01.01.00 INTROD%#&O................................................................................................................................ ' 01.0$.00 PRINCÍPIO OR#AMENT!RIO ....................................................................................................... (
MHQMLQMH )NIDADE O) TOTALIDADE QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ G MHQMLQML )NI*ERSALIDADE QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ G MHQMLQMJ AN)ALIDADE O) PERIODICIDADE QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ G MHQMLQMK E(CL)SI*IDADE QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ G MHQMLQMO ORÇAMENTO BR)TO QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ T MHQMLQMG LEGALIDADE QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ T MHQMLQMT P)BLICIDADE QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ T MHQMLQMU TRANSPARVNCIA QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ T MHQMLQMP NÃO'*INC)LAÇÃO FNÃO'AFETAÇÃOI DA RECEITA DE IMPOSTOS QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ T

01.0).00 RECEITA OR#AMENT!RIA .............................................................................................................. *
MHQMJQMH CONCEITOQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ P MHQMJQML CLASSIFICAÇWES DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ HH 01.03.02.01 Classificação da receita orçamentária por natureza ............................................................................... 11 01.03.02.02 Origens e espécies de receita orçamentária corrente ............................................................................. 15 01.03.02.03 Origens e espécies de receita orçamentária de capital ........................................................................... 22 01.03.02.04 a!ela"resumo# origens e espécies de receitas orçamentárias ............................................................... 24 01.03.02.05 Classificação da receita para apuração do resultado primário ............................................................... 25 MHQMJQMJ RECON,ECIMENTO DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ LG 01.03.03.01 $elacionamento do regime orçamentário com o regime contá!il .......................................................... 2% 01.03.03.02 &tapas da receita orçamentária .............................................................................................................. 2' MHQMJQMK PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS REFERENTES 6 RECEITA ORÇAMENTÁRIA QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ JL 01.03.04.01 (eduç)es da receita orçamentária.......................................................................................................... 32 01.03.04.02 *mposto de $enda $etido na +onte ......................................................................................................... 3, 01.03.04.03 $edutor financeiro - +./ ........................................................................................................................ 3' 01.03.04.04 ransfer0ncias de recursos intergo1ernamentais .................................................................................... 41 01.03.04.05 $emuneração de dep2sitos !ancários ..................................................................................................... 43 01.03.04.03 $eceita orçamentária por !ai4a de d51ida ati1a inscrita ......................................................................... 44

01.0+.00 DE PE A OR#AMENT!RIA ........................................................................................................... +(
MHQMKQMH CONCEITOQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ KG MHQMKQML CLASSIFICAÇWES DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ KT 01.04.02.01 Classificação institucional........................................................................................................................ 4% 01.04.02.02 Classificação funcional ............................................................................................................................ 4, 01.04.02.03 Classificação por estrutura programática ............................................................................................... 4' 01.04.02.04 Classificação da despesa orçamentária por natureza ............................................................................. 51 01.04.02.05 Orientação para a classificação 6uanto 7 natureza da despesa ............................................................. %5 MHQMKQMJ CR=DITOS ORÇAMENTÁRIOS INICIAIS E ADICIONAIS QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ TU MHQMKQMK RECON,ECIMENTO DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ UM 01.04.04.01 $elacionamento do regime orçamentário com o regime contá!il .......................................................... ,1 01.04.04.02 &tapas da despesa orçamentária ............................................................................................................ ,% MHQMKQMO PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS REFERENTES 6 DESPESA ORÇAMENTÁRIA QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ PL 01.04.05.01 (81idas comuns referentes 7 classificação por natureza de despesa ..................................................... '2 01.04.05.02 Classificação orçamentária das transfer0ncias e delegaç)es de e4ecução orçamentária ...................... '% 01.04.05.03 Classificação orçamentária das mo1imentaç)es de recursos para instituiç)es go1ernamentais9 cons2rcios p8!licos e sua contratação direta............................................................................................................ 101 01.04.05.04 Classificação orçamentária das mo1imentaç)es de recursos para fins de aplicação em sa8de - :ei Complementar n; 141<2012 ...................................................................................................................................... 104 MHQMKQMG RESTOS A PAGAR QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ HMT MHQMKQMT DESPESAS DE E(ERCXCIOS ANTERIORESQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ HHM 3

...............................0'...00 ...........MHQMKQMU S)PRIMENTOS DE F)NDOS FREGIME DE ADIANTAMENTOI QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ HHM 01............................ONTE-DE TINA#&O DE REC%R O ........11' MHQMOQMH CONCEITO QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ HHO MHQMOQML MECANISMO DE )TILIZAÇÃO DA FONTEYDESTINAÇÃO DE REC)RSOS QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ HHG 4 ...............

como a distribuiç'o e destinaç'o da receita entre as es eras governamentais e o cumprimento dos limites legais para a reali&aç'o de despesas.unicipais! 2 importante destacar que o . Estaduais. mel%orar a qualidade e a consist-ncia das in ormaç(es prestadas a toda a sociedade.01. impostos pela 3ei Complementar n4 101. que continuam sendo a base normativa para a elaboraç'o e e. entendendo a receita orçamentária como o mecanismo de inanciamento do Estado. ou pela Portaria :nterministerial n4 19672001 e suas alteraç(es. este . de acordo com o art! 84 da 3ei de =esponsabilidade 0iscal.ecuç'o dos orçamentos nos tr-s níveis de governo! ) receita e a despesa orçamentárias assumem.ncia. de modo a permitir a evidenciaç'o e a consolidaç'o das contas p*blicas nacionais! Para cumprimento do ob$etivo de padroni&aç'o dos procedimentos. a arrecadaç'o # instrumento condicionante da e.ecuç'o das despesas. sendo considerada tamb#m a decorrente de operaç(es de cr#dito! )l#m disso. no que se re ere + receita e + despesa orçamentária. undamental import. de 5 de maio de 2000 < 3ei de =esponsabilidade 0iscal >3=0?! 2 relevante destacar que a relaç'o entre a receita e a despesa # undamental para o processo orçamentário. de modo a possibilitar o e.O/ n4 5271888. especialmente por interm#dio do =elat@rio =esumido de E. suas classi icaç(es. assim. por meio do estabelecimento de padr(es a serem observados pela )dministraç'o P*blica.anual procura descrever rotinas e servir como instrumento orientador para os procedimentos relacionados +s receitas e +s despesas orçamentárias! Busca. esta Parte subsidia a reali&aç'o de análises acerca da carga tributária suportada pelos diversos segmentos da sociedade. regras e procedimentos relativos aos atos e atos orçamentários e seu relacionamento com a contabilidade! "amb#m tem como ob$etivo a %armoni&aç'o. visto que a previs'o da receita dimensiona a capacidade governamental em i.01. pois contribui para a transpar-ncia das contas p*blicas e para o ornecimento de in ormaç(es de mel%or qualidade aos diversos usuários.ncia. destinaç(es e registros.anual n'o altera as regras orçamentárias i.ecuç'o orçamentária da despesa! O con%ecimento dos aspectos relacionados + receita e + despesa no . pela Portaria .00 INTROD%#&O Esta Parte. al#m de permitir a avaliaç'o da programaç'o da despesa p*blica e do equilíbrio iscal das contas p*blicas! 5 .mbito do setor p*blico. na )dministraç'o P*blica. bem como o e etivo controle social sobre as contas dos /overnos 0ederal. 1istrital e .ar a despesa. visa dar continuidade ao processo que busca reunir conceitos.adas pela 3ei n4 5!62071895. pois representam o montante que o Estado se apropria da sociedade por interm#dio da tributaç'o e a sua contrapartida aos cidad'os por meio da geraç'o de bens e serviços! "amb#m se torna importante em ace de situaç(es legais especí icas.ercício da cidadania no processo de iscali&aç'o da arrecadaç'o das receitas e da e. intitulada Procedimentos Contábeis Orçamentários. principalmente diante da 3ei de =esponsabilidade 0iscal. # de suma import.ecuç'o Orçamentária >==EO? e o =elat@rio de /est'o 0iscal >=/0?! 1essa orma.

ercício inanceiro orçamentárioE período de tempo ao qual a previs'o das receitas e a i.ecutivo. @rg'os.01. de orma literal. entidades.anual os princípios orçamentários cu$a e.unicípios < com a inalidade de se evitarem m*ltiplos orçamentos paralelos dentro da mesma pessoa política! 1essa orma. de 1895. e ici-ncia e transpar-ncia para os processos de elaboraç'o. in raconstitucionais e pela doutrina! Desse ínterim. de 1895. de 1895. em cada e. devem integrar um *nico documento legal dentro de cada es era ederativaE a 3ei Orçamentária )nual < 3O)1! 01. Estados.ecuç'o e controle do orçamento p*blico! Aálidos para os Poderes E.IDADE Previsto. como os seguintesE 01. de 1o de $aneiro a 61 de de&embro de cada ano! 01.IDADE Estabelecido.0$.unicípios < s'o estabelecidos e disciplinados por normas constitucionais. 1istrito 0ederal e .00 PRINCÍPIO OR#AMENT!RIO Os Princípios Orçamentários visam estabelecer regras norteadoras básicas. pelo caput do art! 2o da 3ei no 5!620. Estados. determina e. recepcionado e normati&ado pelo FGo do art! 19G da Constituiç'o 0ederal.ist-ncia de orçamento *nico para cada um dos entes ederados < Cni'o. todas as receitas previstas e despesas i. 1istrito 0ederal e .% I/IDADE Previsto no FIo do art! 19G da Constituiç'o 0ederal.ist-ncia e aplicaç'o derivem de normas $urídicas.01 %NIDADE O% TOTA.aç'o das despesas registradas na 3O) ir'o se re erir! Hegundo o art! 65 da 3ei no 5!620.adas.ercício inanceiro coincidirá com o ano civil.0) AN%A.0$. undos e undaç(es instituídas e mantidas pelo Poder P*blico! 01. determina que a 3O) de cada ente ederado deverá conter todas as receitas e despesas de todos os poderes.0$ %NI/ER A. a im de con erir racionalidade.IDADE O% PERIODICIDADE Estipulado.pressa. integram este . de orma e. o e. de orma e. pelo caput do art! 2o da 3ei no 5!620.0$.0$. ou se$a. 3egislativo e Budiciário de todos os entes ederativos < Cni'o. estabelece que a 3O) n'o conterá dispositivo estran%o + previs'o da receita e + i.aç'o da despesa! =essalvamJse dessa proibiç'o a 1 Cada Pessoa Política da 0ederaç'o elaborará a sua pr@pria 3O)! 6 .pressa.0+ E0C. pelo caput do art! 2o da 3ei no 5!620. delimita o e.ercício inanceiro. de 1895.0$. e.

no art! 6K. que determinam ao governo.pressamente autori&ar. obriga registraremJse receitas e despesas na 3O) pelo valor total e bruto. se subordina aos ditames da lei! ) Constituiç'o 0ederal de 18II. in ormaç(es sobre a arrecadaç'o da receita e a e.ecuç'o de suas despesas! 01.0$. ou se$a.$ 01. está previsto no caput do art! 6K da .0' OR#AMENTO "R%TO Previsto pelo art! 9o da 3ei no 5!620. in verbisE 7 .ETA#&O7 DA RECEITA DE IMPO TO O inciso :A do art! 19K da C07II veda vinculaç'o da receita de impostos a @rg'o. de 1895.agna Carta de 18II! Busti icaJse especialmente pelo ato de o orçamento ser i. por e.emploE divulgar o orçamento p*blico de orma ampla + sociedadeL publicar relat@rios sobre a e.ado em lei. estabelece os princípios da administraç'o p*blica. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão: I – o plano plurianual.0( . nos termos da lei! 01. 165. sendo esta a que autori&a aos Poderes a e.02 P%". estabelece a necessidade de ormali&aç'o legal das leis orçamentáriasE “Art.ceç(es estabelecidas pela pr@pria Constituiç'o 0ederal.0$.ecuç'o da despesa! 01.0$. dentre os quais o da legalidade e.03 TRAN PAR4NCIA )plicaJse tamb#m ao orçamento p*blico. pelas disposiç(es contidas nos arts! 5I.autori&aç'o para abertura de cr#dito suplementar e a contrataç'o de operaç(es de cr#dito.0$.A#&O 6N&O5A. II – as diretri es or!a"ent#rias. undo ou despesa.IDADE )presenta o mesmo undamento do princípio da legalidade aplicado + administraç'o p*blica.0* N&O5/INC%. no seu art! 19G.ICIDADE Princípio básico da atividade da )dministraç'o P*blica no regime democrático. 5IJ) e 58 da 3ei de =esponsabilidade 0iscal < 3=0. para qualquer pessoa. vedadas quaisquer deduç(es! 01. salvo e.E1A. segundo o qual cabe ao Poder P*blico a&er ou dei.0$. III – os or!a"entos anuais.ecuç'o orçamentária e a gest'o iscalL disponibili&ar.ar de a&er somente aquilo que a lei e.

pelos arts.515 e 6%.77II.para "anuten!ão e desenvolvi"ento do ensino e para reali a!ão de atividades da ad"inistra!ão tribut#ria.ressalvadas a reparti!ão do produto da arrecada!ão dos i"postos a /ue se re.150 e 151.e dos recursos de /ue trata" os arts. 15%.. '. 165. 16%.e II. .Ia e b..ere" os arts. 150 e 151.a destina!ão de recursos para as a!2es e servi!os p3blicos de sa3de.eradas pelos i"postos a /ue se re.$ As ressalvas são estabelecidas pela própria Constituição e estão relacionadas à repartição do produto da arrecadação dos impostos (Fundos de Participação dos Estados (FPE) e Fundos de Participação dos Municípios (FPM) e Fundos de Desenvolvimento das Regiões Norte (FNO).ão.para a presta!ão de .undo ou despesa. 8 . &ão vedados: '.( 4:.be" co"o o disposto no 4:o deste arti.previstas no art.o..arantia 8 Anião e para pa... 155 e 156. além do oferecimento de garantias às operações de crédito por antecipação de receitas.arantias 8s opera!2es de cr9dito por antecipa!ão de receita.e a presta!ão de .5>>6?. .co"o deter"inado.ere" os arts.<eda!ão dada pela E"enda =onstitucional no :5.respectiva"ente.a"ento de d9bitos para co" esta. 11045o.( I) * a vincula!ão de receita de i"postos a +r.de 11.o @ per"itida a vincula!ão de receitas pr+prias .arantia ou contra. Nordeste (FNE) e Centro-Oeste (FCO) à destinação de recursos para as áreas de saúde e educação.40o.“Art.IncluBdo pela E"enda =onstitucional no 6de 1116?.15.

constitui ato contábil permutativo.ra. quando representam apenas entradas compensat@rias! Em sentido estrito.$ Para ins contábeis.inclusive as provenientes de opera!2es de cr9dito.tEdas as receitas arrecadadas.icadas co"o receita or!a"ent#ria. registradas como receitas orçamentárias. quanto ao impacto na situaç'o líquida patrimonial. Pertence" ao exercBcio .0).( Art. ou ingressos e.al"ente e"penHadas..inanceiros . e representa o lu. 5%.sob as rubricas pr+prias. no momento do recon%ecimento do cr#dito.o 3nico.00 RECEITA OR#AMENT!RIA 01.o 6C desta lei serão classi.anual adota a de iniç'o de receita no sentido estrito! 1essa orma. 6C A Lei de Dr!a"entos co"preender# tEdas as receitas.ra. Par#. quando representam disponibilidades de recursos inanceiros para o erário.o as opera!2es de credito por antecipa!ão da receita. c%amamJse p*blicas apenas as receitas orçamentárias2! 2 Este . como # o caso das operaç(es de cr#dito! Em sentido amplo. '.0).as e"iss2es de papel*"oeda e outras entradas co"pensat+riasno ativo e passivo . a receita pode ser Me etivaN ou Mn'oJe etivaN! =eceita Orçamentária E etiva # aquela que. os ingressos de recursos inanceiros nos co res do Estado denominamJse receitas p*blicas. II * as despesas nGle le.ins deste arti. con$ugado com o art! GK. quando %ouver citaç'o ao termo M=eceita P*blicaN. Fão se considera" para os .01 CONCEITO O orçamento # um importante instrumento de plane$amento de qualquer entidade. <essalvado o disposto no par#.traorçamentários.inanceiro: I * as receitas nGle arrecadadas. implica re er-ncia +s M=eceitas OrçamentáriasN! 9 .inclusive as de opera!2es de cr9dito autori adas e" lei. por isso. 65. aumenta a situaç'o líquida patrimonial da entidade! Constitui ato contábil modi icativo aumentativo! =eceita Orçamentária D'o E etiva # aquela que n'o altera a situaç'o líquida patrimonial no momento do recon%ecimento do cr#dito e.ainda /ue não previstas no Dr!a"ento.o 3nico do arti.o previsto de ingressos e de aplicaç(es de recursos em determinado período! ) mat#ria pertinente + receita vem disciplinada no art! 64. e no art! 6G da 3ei n4 5!62071895E “Art. Art.01. se$a p*blica ou privada..

transitam pelo patrimOnio do Poder P*blico. e.INGRESSOS E(TRAORÇAMENTÁRIOS H'o recursos inanceiros de caráter temporário e n'o integram a 3ei Orçamentária )nual! O Estado stado # mero depositário desses recursos. a mera aus-ncia ormal do registro dessa previs'o.ceç'o +s operaç(es de cr#dito em geral! Classi icamJse se como M=eceita E. determinar classi icarJse icar como receita orçamentária rçamentária toda receita arrecadada que porventura represente ingressos inanceiros orçamentários.ceç'o ç'o + regra dessas operaç(es. que constituem passivos e. est'o previstas na 3ei Orçamentária )nual < 3O)! Desse conte. emiss'o de moeda e outras entradas compensat@rias no ativo e passivo inanceiros! RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS H'o disponibilidades de recursos inanceiros que ingressam durante o e. ianças. inclusive se provenientes de operaç(es de cr#dito. embora %a$a obrigatoriedade rigatoriedade de a 3O) registrar a previs'o de arrecadaç'o.to. por orça do princípio orçamentário da universalidade.igíveis e cu$as restituiç(es n'o se su$eitam + autori&aç'o legislativa! E. niversalidade. rçamentárias. via de regra. emiss(es de papel moeda e outras out entradas compensat@rias no ativo e passivo inanceiros! CuidadoE Operaç(es de Cr#dito. as a receitas orçamentárias s'o ontes de recursos utili&adas utili&ada pelo Estado em programas e aç(es cu$a inalidade precípua # atender +s necessidades p*blicas e demandas da sociedade! Essas receitas eitas pertencem ao Estado. via de regra.ecuç'o das políticas p*blicas. de 1895. no citado documento legal.traorçamentáriaN e n'o s'o item da M=eceita M=eceita OrçamentáriaN. aumentamJl%e aumentam o saldo inanceiro.emplosE dep@sitos em cauç'o. operaç(es de cr#dito por antecipaç'o de receita orçamentária o < )=O6.cetoE operaç(es de cr#dito por antecipaç'o de receita eceita < )=O5. classi icamJse icam se como =eceita Orçamentária! )qui se descreve sobre uma e. de 1895! 6 10 . por determinaç'o do Parágra o Pnico do art! 6o da 3ei no 5!620. n'o l%es retira o caráter de orçamentárias. %a$a vista o art! GK da 3ei no 5!620. intitulada )=O! >Aide Dota de =odap# no 5?! 5 Operaç(es de Cr#dito por )ntecipaç'o de =eceita Orçamentária < )=O s'o e. e.ercício orçamentário e constituem elemento novo para o patrimOnio p*blico! :nstrumento :nstrumento por meio do qual se viabili&a a e.

au eridas de orma impositiva. por isso.0). mencionados no art! 11 dessa lei. de rendas do patrimOnio mobiliário e imobiliário do Estado >receita de aluguel?. principalmente.A I. de preços p*blicos9.emplo. # normati&ado por meio de portaria da Hecretaria de Orçamento 0ederal < HO0. as receitas tributárias e as de contribuiç(es especiais! MHQMJQMLQMH CLASSIFICAÇÃO DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA POR NAT)REZA O F 14 do art! I4 da 3ei n4 5!62071895 de ine que os itens da discriminaç'o da receita. como.0$ C. no . )línea e HubalíneaE Por se tratar de uma classi icaç'o que associa a receita com a despesa. por e. ser'o identi icados por n*meros de c@digo decimal! ConvencionouJse denominar este c@digo de nature&a de receita! :mportante destacar que essa classi icaç'o # utili&ada por todos os entes da 0ederaç'o e visa identi icar a origem do recurso segundo o ato geradorE acontecimento real que ocasionou o ingresso da receita no co re p*blico! )ssim. esta classi icaç'o # ormada por um c@digo num#rico de I dígitos que subdivideJse em seis níveis < Categoria EconOmica. em Originárias e 1erivadas! Essa classi icaç'o possui uso acad-mico e n'o # normati&adaL portanto. quanto + proced-ncia.mbito da Cni'o.to orçamentário para as receitas p*blicasL por isso. segundo a doutrina. de prestaç'o de serviços comerciais e de venda de produtos industriais ou agropecuários! =eceitas p*blicas 1erivadas. seria a receita obtida pelo poder p*blico por meio da soberania estatal! 1ecorreriam de imposiç'o constitucional ou legalK e. a nature&a de receita # a menor c#lula de in ormaç'o no conte. =ubrica.ICA#8E DA RECEITA OR#AMENT!RIA O detal%amento das classi icaç(es orçamentárias da receita. seriam aquelas arrecadadas por meio da e. n'o # utili&ada como classi icador o icial da receita pelo Poder P*blico! =eceitas p*blicas Originárias. Esp#cie. Orçamento e /est'o! )s receitas orçamentárias s'o classi icadas segundo os seguintes crit#riosE 1! Dature&aL 2! 0onte71estinaç'o de =ecursosGL e 6! :ndicador de =esultado Primário! O" ER/A#&O9 ) doutrina classi ica as receitas p*blicas. cont#m todas as in ormaç(es necessárias para as devidas alocaç(es orçamentárias! ) im de possibilitar identi icaç'o detal%ada dos recursos que ingressam nos co res p*blicos.01. Origem.ploraç'o de atividades econOmicas pela )dministraç'o P*blica! =esultariam. o assunto será tratado em um capítulo pr@prio J 01!0G!00 0OD"E71EH":D)QRO 1E =ECC=HOH! 9 Preço p*blico e tari a s'o vocábulos sinOnimos! K Princípio da 3egalidade! G 11 .inist#rio do Plane$amento. @rg'o do . segundo a doutrina.

ercício inanceiro. aumentam as disponibilidades inanceiras do Estado. a classi icaç'o por nature&a # a de nível mais analítico da receitaL por isso. segundo esquema abai. de 1895. au. alocaJse a receita p*blica correspondente na nature&a de receita c@digo M1112!05!10N.MICA 1 2 =eceitas Correntes =eceitas de Capital HQ R % ita+ Co"" nt + =eceitas Orçamentárias Correntes s'o arrecadadas dentro do e.oE Categoria Econômica Origem Espécie Rubrica Alínea Subalínea C 1 O 1 E 1 R AA SS 2 04 10 Pessoas Físicas Impostos sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza Impostos sobre o Patrimônio e a Renda Impostos Receita Tributária Receita Corrente Como se depreende do nível de detal%amento apresentado.emplo.ilia na elaboraç'o de análises econOmicoJ inanceiras sobre a atuaç'o estatal! CATEGORIA ECON?MICA DA RECEITA O FF1o e 2o do art! 11 da 3ei no 5!620. por e. o imposto de renda pessoa ísica # recol%ido dos trabal%adores. classi icam as receitas orçamentárias em M=eceitas CorrentesN e M=eceitas de CapitalN! ) codi icaç'o correspondente seriaE C:DI1O CATE1ORIA ECON. com vistas a satis a&er inalidades p*blicas! 12 .C Categoria EconOmica O Origem E Esp#cie R =ubrica AA )línea Hubalínea Suando. em geral com e eito positivo sobre o PatrimOnio 3íquido e constituem instrumento para inanciar os ob$etivos de inidos nos programas e aç(es orçamentários.

=eceitas de Capital s'o as provenientes tanto da reali&aç'o de recursos inanceiros oriundos da constituiç'o de dívidas e da convers'o. a im de se evitar a dupla contagem dos valores inanceiros ob$eto de operaç(es :ntraorçamentárias na consolidaç'o das contas p*blicas. mas apenas movimentaç'o de receitas entre seus @rg'os! )s receitas intraorçamentárias s'o a contrapartida das despesas classi icadas na . n'o representam novas entradas de recursos nos co res p*blicos do ente. pelos c@digos K e I em suas categorias econOmicas! Essas classi icaç(es. 0undos e Entidades :ntegrantes do Orçamento 0iscal e do Orçamento da Heguridade HocialN que. de orma diversa das =eceitas Correntes. a Portaria :nterministerial H"D7HO0 n4 66I. com redaç'o dada pelo 1ecretoJ3ei no 1!868.ploraç'o do patrimOnio estatal >Patrimonial?L da e. segundo disposto pela Portaria que as criou.odalidade de )plicaç'o M81 < )plicaç'o 1ireta 1ecorrente de Operaç'o entre Trg'os. de 1895. de 20 de maio de 18I2. mas apenas especi icaç(es das Categorias EconOmicas M=eceita CorrenteN e M=eceita de CapitalN! ORIGEM DA RECEITA ) Origem # o detal%amento das Categorias EconOmicas M=eceitas CorrentesN e M=eceitas de CapitalN.ploraç'o de atividades econOmicas >)gropecuária. de 29 de abril de 2009. de 1895. quanto de recursos recebidos de outras pessoas de direito p*blico ou privado e destinados a atender despesas classi icáveis em 1espesas de Capital! O" ER/A#&O9 =eceitas de Operaç(es :ntraorçamentáriasE Operaç(es intraorçamentárias s'o aquelas reali&adas entre @rg'os e demais entidades da )dministraç'o P*blica integrantes do orçamento iscal e do orçamento da seguridade social do mesmo ente ederativoL por isso. a im de se atingirem as inalidades p*blicas! Por#m. :ndustrial e de Herviços?L de recursos inanceiros recebidos de outras pessoas de direito p*blico ou privado. demais receitas que n'o se enquadram nos itens anteriores >Outras =eceitas Correntes?! LQ R % ita+ d Ca9ita$ =eceitas Orçamentárias de Capital tamb#m aumentam as disponibilidades inanceiras do Estado e s'o instrumentos de inanciamento dos programas e aç(es orçamentários. as =eceitas de Capital em geral n'o provocam e eito sobre o PatrimOnio 3íquido! 1e acordo com o F2o do art! 11 da 3ei no 5!620. com vistas a identi icar a nature&a da proced-ncia das receitas no momento em que ingressam no Orçamento P*blico! 13 . devidamente identi icadas. n'o constituem novas categorias econOmicas de receita. incluiu as M=eceitas Correntes :ntraorçamentáriasN e M=eceitas de Capital :ntraorçamentáriasN. quando destinadas a atender despesas classi icáveis em 1espesas Correntes >"rans er-ncias Correntes?L por im. respectivamente. em esp#cie. representadas. classi icamJse como Correntes as receitas provenientes de tributosL de contribuiç(esL da e.1e acordo com o F1o do art! 11 da 3ei n4 5!620. de bens e direitos. possibilitam anulaç'o do e eito da dupla contagem na consolidaç'o das contas governamentais! 1essa orma.

Receitas de CAPITAL INTRAORÇAMENTÁRIAS Ingressos ExtraExtra-Orçamentários O detal%amento e conceito das origens das receitas orçamentárias constam em capítulo especí ico deste . s'oE RECEITA CORRENTE 1! =eceita "ributáriaI 2! =eceita de Contribuiç(es8 6! =eceita Patrimonial 5! =eceita )gropecuária G! =eceita :ndustrial 9! =eceita de Herviços K! "rans er-ncias Correntes 8! Outras =eceitas Correntes RECEITA DE CAPITA.r3stimos' +% Transfer1ncias de Ca.eraç)es de Cr3dito' (% lienaç4o de 5ens' *% morti6aç4o de Em.ital' e -% O&tras Receitas de Ca. a M=eceita de Contribuiç(esN # di erenciada da Origem M=eceita "ributáriaN! I 14 . a Origem M=eceita "ributáriaN engloba apenas as Esp#cies M:mpostosN.% !er/iços' 0% Transfer1ncias Correntes' e 2% O&tras Receitas Correntes% 7. de acordo com a 3ei no 5!620.asN e MContribuiç(es de . Receitas CORRENTES INTRAORÇAMENTÁRIAS Receitas Orçamentárias (Receitas Públicas) $% RECEIT ! CORRE"TE! Ingressos de Valores nos Cofres Públicos (% RECEIT ! de C PIT # $% O.asN e MContribuiç(es de . incorporandoJse Categoria EconOmica e OrigemE $% Trib&tária' (% Contrib&iç)es' *% Patrimonial' +% gro.emplo. 1! Operaç(es de Cr#dito 2! )lienaç'o de Bens 6! )morti&aç'o de Empr#stimos 5! "rans er-ncias de Capital G! Outras =eceitas de Capital Esquema da classi icaç'o das receitas p*blicas.ec&ária' -% Ind&strial' . M"a. M"a.ital 8.el%oriaN! Para e eitos de classi icaç'o orçamentária.Os c@digos da Origem para as receitas correntes e de capital.el%oriaN! 8 Para e eitos de Classi icaç'o Orçamentária. de 1895. dentro da Origem =eceita "ributária. identi icaJse as esp#cies M:mpostosN.anual! ESP=CIE 2 o nível de classi icaç'o vinculado + Origem que permite quali icar com maior detal%e o ato gerador das receitas! Por e.

ta.e" "oeda ou cuKo valor nela se possa expri"ir."ia "ributo # uma das origens da =eceita Corrente na classi icaç'o orçamentária por Categoria EconOmica! Suanto + proced-ncia. ao contrário de outros tipos de receita. a rubrica M:mpostos sobre o PatrimOnio e a =endaN corresponde ao detal%amento da Esp#cie M:mpostosN! ALXNEA ) alínea # o detal%amento da =ubrica e e.emplo. utili&ado quando %á necessidade de se detal%ar a )línea com maior especi icidade! Por e. :: e ::: do art! 15G da C07II tratam das esp#cies tributárias impostos. trataJse de receita derivada cu$a inalidade # obter recursos inanceiros para o Estado custear as atividades que l%e s'o correlatas! Hu$eitamJse aos princípios da reserva legal e da anterioridade da lei. detal%a a esp#cie. O art! 5o do C"D preceitua que a nature&a especí ica do tributo.R)BRICA )grega determinadas esp#cies de receitas cu$as características pr@prias se$am semel%antes entre siL dessa orma. por meio da especi icaç'o dos recursos inanceiros que l%e s'o correlatos! Por e.ceç(es! O art! 6o do C@digo "ributário Dacional < C"D de ine tributo da seguinte ormaE IJributo 9 toda presta!ão pecuni#ria co"puls+ria.instituBda e" lei e cobrada "ediante atividade ad"inistrativa plena"ente vinculadaI.ut. salvo e. a alínea M:mpostos sobre a =enda e Proventos de Sualquer Dature&aN corresponde ao detal%amento da =ubrica M:mpostos sobre o PatrimOnio e a =endaN! S)BALXNEA ) subalínea constitui o nível mais analítico da receita. sendo irrelevante para caracteri&áJloE : < a sua denominaç'oL e :: < a destinaç'o legal do produto de sua arrecadaç'o! O art! Go do C"D e os incisos :. a subalínea MPessoas 0ísicasN # detal%amento da )línea M:mpostos sobre a =enda e Proventos de Sualquer Dature&aN! MHQMJQMLQML ORIGENS E ESP=CIES DE RECEITA ORÇAMENTÁRIA CORRENTE HQ R % ita Co"" nt ' T"i.emplo.teriori&a o MnomeN da receita que receberá o registro pela entrada de recursos inanceiros! Por e.as e contribuiç(es de mel%oria! 15 . # determinada pelo ato gerador.emplo./ue não constitua san!ão de ato ilBcito.

8 orde".ceç(es. undo ou despesa! Os impostos est'o enumerados na Constituiç'o 0ederal.a está su$eita ao princípio constitucional da reserva legal e.uran!a.ato .iene. e etiva ou potencial. poder disciplinador. no caso dos impostos e. da compet-ncia residual prevista no art! 1G5. o qual n'o recebe contraprestaç'o direta ou imediata pelo pagamento! O art! 19K da Constituiç'o 0ederal proíbe.li"itando ou disciplinando direito. de serviço p*blico especí ico e divisível.traordinários de guerra prevista no inciso :: do mesmo artigo! TA(AS )s ta.interesse ou liberdade.aos costu"es.traordinária. pois as receitas au eridas por meio das ta. s'o esp#cies tributárias cu$a obrigaç'o tem por ato gerador uma situaç'o independente de qualquer atividade estatal especí ica relativa ao contribuinte. o e.$ Desse conte. esp#cie de tributo na classi icaç'o orçamentária da receita.ular do poder de polBcia.no O"bito de suas respectivas atribui!2es.ao exercBcio de atividades econE"icas dependentes de concessão ou autori a!ão do poder p3blico.etiva ou potencial. ta.pelos Estados. a vinculaç'o de receita de impostos a @rg'o.e. tamb#m.erador o exercBcio re. ressalvandoJse unicamente a possibilidade de utili&aç'o.ou a utili a!ão.prestado ao contribuinte ou posto 8 sua disposi!ão.as de 0iscali&aç'o10 e "a.as cobradas pela Cni'o.ercício do poder de polícia. e da compet-ncia e. :.8 disciplina da produ!ão e do "ercado.pelo Listrito Mederal ou pelos NunicBpios. como ato gerador.ico e divisBvel. pelos Estados.as s'o tributos vinculados porque o aspecto material do ato gerador # prestaç'o estatal especí ica diretamente re erida ao contribuinte.mbito das respectivas atribuiç(es. em orma de contraprestaç'o de serviços! Por#m.IMPOSTOS Os impostos. %%: As taxas cobradas pela Anião.de servi!o p3blico especB.re.8 tran/Pilidade p3blica ou ao respeito 8 propriedade e aos direitos individuais e coletivos.as de Herviço! aQ TaNa+ d Ci+%a$i3a:@o ou d 9od " d 9o$B%ia H'o de inidas em lei e t-m como ato gerador o e. s'o. prestado ao contribuinte ou posto a sua disposiç'o J art! KK do C"DE “Art. tendo.tG" co"o . por meio do qual o Estado interv#m em determinadas atividades. ou a utili&aç'o.as n'o se encontram a etas a determinada despesa. sob a @tica orçamentária. pela Cni'o.ato.8 Hi. salvo se a lei que instituiu o re erido tributo assim determinou! ) ta. no . podem ser tributos de arrecadaç'o n'oJvinculada.unicípios. segundo o art! 19 do C"D.ula a pr#tica de ato ou absten!ão de . pelo 1istrito 0ederal e pelos .$ 10 M"a.as de 0iscali&aç'oN tamb#m s'o c%amadas de M"a. salvo em algumas e.e" ra ão de interesse p3blico concernente 8 se.as de Poder de PolíciaN! 16 . com a inalidade de garantir a ordem e a segurança! ) de iniç'o de poder de polícia está disciplinada pelo art! KI do C"DE “=onsidera*se poder de polBcia atividade da ad"inistra!ão p3blica /ue.ercício regular do poder de polícia administrativa. classi icamJse emE "a.to.

contanto que %a$a ne.to.tendo co"o li"ite total a despesa reali ada e co"o li"ite individual o acr9sci"o de valor /ue da obra resultar para cada i"+vel bene.agna Carta estabelece competir e. em bene ício destes.no O"bito de suas respectivas atribui!2es. nesse tipo de serviço. sob ponto de vista material e ormal! Desse conte. Contribuiç(es s'o Origem da Categoria EconOmica =eceitas Correntes! O art! 158 da .Q TaNa+ d + "/i:o 9>. e o F1o do artigo em comento estabelece que Estados.ace ao custo de obras p3blicas de /ue decorra valori a!ão i"obili#ria.pelo Listrito Mederal e pelos NunicBpios. ou se$a.$ LQ R % ita Co"" nt ' Cont"i.prestados ao contribuinte.ui:D + Hegundo a classi icaç'o orçamentária. 1istrito 0ederal e . de regimes de previd-ncia de caráter contributivo e solidário! )s contribuiç(es classi icamJse nas seguintes esp#ciesE CONTRIB)IÇWES SOCIAIS Classi icada como esp#cie de Contribuiç'o. o serviço # p*blico quando estabelecido em lei e prestado pela )dministraç'o P*blica. n'o %á necessidade de o particular a&er uso do serviço.ou colocados 8 sua disposi!ão.9 instituBda para . sob regime de direito p*blico. # de verticalidade.unicípios poder'o instituir contribuiç'o.clusivamente + Cni'o instituir contribuiç(es sociais. de orma direta ou indireta! ) relaç'o $urídica. cobrada de seus servidores. como instrumento de atuaç'o nas respectivas áreas. por orça da 3ei n4 5!620795.iciado.a er . de intervenç'o no domínio econOmico e de interesse das categorias pro issionais ou econOmicas.$i%o H'o as que t-m como ato gerador a utili&aç'o de determinados serviços p*blicos. basta que o Poder P*blico coloque tal serviço + disposiç'o do contribuinte! CONTRIB)IÇÃO DE MEL. o Estado atua com supremacia sobre o particular! 2 receita derivada e os serviços t-m que ser especí icos e divisíveis! Con orme o art! KK do C"DE “Ds servi!os p3blicos tG" /ue ser especB.Estados. a Contribuiç'o Hocial # tributo vinculado a uma atividade Estatal que visa atender aos direitos sociais previstos na Constituiç'o 0ederal! PodeJse a irmar que as contribuiç(es sociais atendem a duas inalidades 17 .$ Para que a ta.ORIA 2 esp#cie de tributo na classi icaç'o da receita orçamentária e tem como ato gerador valori&aç'o imobiliária que decorra de obras p*blicas.a se$a cobrada..o causal entre a mel%oria %avida e a reali&aç'o da obra p*blica! 1e acordo com o art! I1 do C"DE “A contribui!ão de "elHoria cobrada pela Anião. para o custeio.icos e divisBveis.

HEHC e HED):! 2 preciso esclarecer que e. com inalidade quali icada em sede constitucional < intervenç'o no domínio econOmico < instituída mediante um motivo especí ico! Essa intervenç'o se dá pela iscali&aç'o e atividades de omento. por e. previd-ncia e assist-ncia social? e outros direitos sociais como.unicípios.ser# descontada e" . a seguridade social será inanciada por toda a sociedade. 10 e ..independente"ente da contribui!ão prevista e" lei.emplo de contribuiç'o de intervenç'o no domínio econOmico # o )dicional sobre "ari as de Passagens )#reas 1om#sticas..observado o se.issional. que Minstituiu o Plano de Custeio da Heguridade HocialN! CONTRIB)IÇWES DE INTER*ENÇÃO NO DOMXNIO ECON?MICO ) Contribuiç'o de :ntervenç'o no 1omínio EconOmico < C:1E # tributo classi icado no orçamento p*blico como uma esp#cie de contribuiç'o que atinge um determinado setor da economia. e. o que signi ica di&er que apenas poder'o ser cobradas noventa dias ap@s a publicaç'o da lei que as instituiu ou ma$orou! Obser<aç=o: Con orme disp(e o art! 18G da Constituiç'o. 0C @ livre a associa!ão pro.issional ou sindical.unicípios.emploE o salário educaç'o! ) compet-ncia para instituiç'o das contribuiç(es sociais # da Cni'o. de 25 de $ul%o de 1881. que s'o voltadas + suplementaç'o tari ária de lin%as a#reas regionais de passageiros. e de contribuiç(es sociais! Em complemento.para custeio do siste"a con.ederativo da representa!ão sindical respectiva. dos Estados. do 1istrito 0ederal e dos .olHa.ixar# a contribui!ão /ue. como por e. por e.iste uma di erença entre as contribuiç(es sindicais aludidas acima e as contribuiç(es con ederativas! Con orme esclarece o art! I4 da Constituiç'o 0ederalE “Art.emploE O)B. C=E). C=. mediante recursos da Cni'o. como.oria pro.pans'o da produç'o! E. de orma direta e indireta.e" se tratando de cate.ceto das contribuiç(es dos servidores estatutários dos Estados. a composiç'o das receitas que inanciam a Heguridade Hocial # discriminada nos arts! 11 e 2K da 3ei no I!212. desenvolvimento de pesquisas para crescimento do setor e o erecimento de lin%as de cr#dito para e. e assim por diante! Aisam tamb#m ao custeio dos serviços sociais autOnomos prestados no interesse das categorias.$ 18 . vinculando sua arrecadaç'o +s entidades que as instituíram! D'o transitam pelo Orçamento da Cni'o! Estas contribuiç(es s'o destinadas ao custeio das organi&aç(es de interesse de grupos pro issionais.uinte: . que s'o instituídas pelos mesmos! )s contribuiç(es sociais est'o su$eitas ao princípio da anterioridade nonagesimal.básicasE seguridade social >sa*de.? I) * a asse"bl9ia . como HEH:.o e m#dio potencial de trá ego! CONTRIB)IÇÃO DE INTERESSE DAS CATEGORIAS PROFISSIONAIS O) ECON?MICAS Esp#cie de contribuiç'o que se caracteri&a por atender a determinadas categorias pro issionais ou econOmicas.emplo.eral .. de bai.

prevista em lei.unicípios e 10. que acrescentou o art! 158J) + Constituiç'o 0ederal. de acordo com o disposto na legislaç'o vigente.emplo.o 3nico. Ds NunicBpios e o Listrito Mederal poderão instituir contribui!ão.)ssim. que integra a Categoria EconOmica M=eceitas CorrentesN! JQ R % ita Co"" nt ' Pat"i#onia$ H'o receitas provenientes da ruiç'o do patrimOnio de ente p*blico. visando a dar e icácia plena ao citado artigo 158J) da Constituiç'o da =ep*blica 0ederativa do Brasil! Hob a @tica da classi icaç'o orçamentária. possuindo assim nature&a de tributo! CONTRIB)IÇÃO DE IL)MINAÇÃO P2BLICA :nstituída pela Emenda Constitucional no 68. 15>. @ .ra. possui a inalidade de custear o serviço de iluminaç'o p*blica! ) compet-ncia para instituiç'o # dos .observado o disposto no art.ploraç'o! Elas t-m como inalidade recompor inanceiramente os pre$uí&os ou danos causados >e.na . de 18 de de&embro de 2002. que # a contribuiç'o sindical! ) primeira n'o # tributo. ainda.ternalidades negativas? pela atividade econOmica na e. %ídricos. bens mobiliários e imobiliários ou. de inidos no ordenamento $urídico! "ais compensaç(es s'o devidas + Cni'o. i.I . e uma outra contribuiç'o. aos Estados.ia el9trica.or"a das respectivas leis. e encontra sua regra matri& no art! 158 da Constituiç'o 0ederal. assim como proporcionar meio de remunerar o Estado pelos gan%os obtidos por essa atividade! 19 .unicípios. lorestais e outros.unicípios e do 1istrito 0ederal! IArt. concess(es e permiss(es.na . que # constituído por recursos minerais.para o custeio do servi!o de ilu"ina!ão p3blica. 1:1*A. como orma de participaç'o no resultado dessa e. trataJse de receitas originárias! Podemos citar como esp#cie de receita patrimonial as compensaç(es inanceiras.ada pela assembl#ia geral da categoria.acultada a cobran!a da contribui!ão a /ue se re. dentre outras! AQ Co#9 n+a:D + Finan% i"a+E ) receita de compensaç'o inanceira tem origem na e. a MContribuiç'o de :luminaç'o P*blicaN # Esp#cie da Origem MContribuiç(esN. a partir dessa autori&aç'o constitucional.atura de consu"o de ener. %á a previs'o constitucional de uma contribuiç'o con ederativa.ploraç'o do patrimOnio do Estado. Par#.ploraç'o desses bens. iniciaram a regulamentaç'o por 3ei Complementar. bens intangíveis e participaç(es societárias! H'o classi icadas no orçamento como receitas correntes e de nature&a patrimonial! Suanto + proced-ncia.I e III.ere o caput. pois será instituída pela assembl#ia geral e n'o por lei! ) segunda # instituída por lei. portanto compuls@ria. ao 1istrito 0ederal e aos . como por e.

constituindo outra origem especí ica na classi icaç'o orçamentária da receita! H'o receitas originárias. tais como a venda de produtosE agrícolas >gr'os. culturais.ia el9trica e de outros recursos "inerais no respectivo territ+rio.be" co"o a +r.plata."ia H'o receitas correntes. que poderá escol%er se 20 . constituindo. KQ R % ita Co"" nt ' A!"o9 %u.a e preço p*blico. porque estas.ins de ."ar territorial ou ona econE"ica exclusiva.a e Preço P*blicoE ) distinç'o entre ta. F14 da Constituiç'o 0ederalE “@ asse. por parte do ente p*blico. com o Estado atuando como empresário.era!ão de ener. con orme a irmado anteriormente.ou co"pensa!ão .1e acordo com o art! 20. matri&es etc!?L para re lorestamento e etc! OQ R % ita Co"" nt ' Indu+t"ia$ "rataJse de receitas correntes.ao Listrito Mederal e aos NunicBpios.participa!ão no resultado da explora!ão de petr+leo ou . em relaç'o + lei que a instituiuN! )ssim. tamb#m c%amado de tari a! E. tamb#m c%amado de tari a.or"a continental.ploraç'o econOmica.trativa mineralL da ind*stria de trans ormaç'oL da ind*stria de construç'oL e outras receitas industriais de utilidade p*blica! GQ R % ita Co"" nt ' S "/i:o+ H'o receitas correntes.ãos da ad"inistra!ão direta da Anião.urada.#s natural. etc! "ais serviços s'o remunerados mediante preço p*blico. s'o compuls@rias e t-m sua cobrança condicionada + pr#via autori&aç'o orçamentária. arma&enagem.inanceira por essa explora!ão$. tais comoE com#rcio.ercidas pelo ente p*blico! EncontramJse nessa classi icaç'o receitas provenientes de atividades econOmicas. em p# de igualdade como o particular! 1ecorrem da e. preço p*blico >ou tari a? decorre da utili&aç'o de serviços p*blicos acultativos >portanto. de orma direta ou por delegaç'o para concessionária ou permissionária. coloca + disposiç'o da populaç'o. serviços %ospitalares.aos Estados. de atividades agropecuárias. transporte.emplos de nature&as orçamentárias de receita dessa origem s'o os seguintesE Herviços ComerciaisL Herviços de "ransporteL Herviços Portuários etc!! O" ER/A#&O: 1istinç'o entre "a. cu$a classi icaç'o orçamentária constitui origem especí ica.nos ter"os da lei. tamb#m. abrangendo as receitas decorrentes das atividades econOmicas na prestaç'o de serviços por parte do ente p*blico. n'o compuls@rios? que a )dministraç'o P*blica. provenientes das atividades industriais e. comunicaç'o. serviços recreativos. uma origem de receita especí ica na classi icaç'o orçamentária! Suanto + proced-ncia. insumos etc!?L pecuários >s-mens. di erentemente daqueles. tecnologias. t#cnicas em inseminaç'o. trataJse de uma receita originária. está descrita na H*mula n4 G5G do Hupremo "ribunal 0ederalE MPreços de serviços p*blicos e ta. tais comoE da ind*stria e.de recursos HBdricos para .as n'o se con undem.

compuls@rio >por e. indeni&aç(es e restituiç(es. dentre outrasE 21 .a ou por preço p*blico! Como e. os serviços p*blicos.emplo. portanto. mas cu$a utili&aç'o se$a de uso obrigat@rio. s'o recursos inanceiros recebidos de outras pessoas de direito p*blico ou privado destinados a atender despesas de manutenç'o ou uncionamento relacionadas a uma inalidade p*blica especí ica. ou entre elas e organi&aç(es particulares. n'o teria nature&a obrigat@ria. podemos citar como e.emplos as seguintes esp#ciesE AQ T"an+C "1n%ia+ d Con/1nio+E =ecursos oriundos de conv-nios. podemos citar o caso do ornecimento de energia el#trica! Em localidades onde estes serviços orem colocados + disposiç'o do usuário. o serviço estatal o erecido pelo ente p*blico.os contrata ou n'o! H'o serviços prestados em decorr-ncia de uma relaç'o contratual regida pelo direito privado! ) ta. mas que n'o correspondam a uma contraprestaç'o direta em bens e serviços a quem e etuou a trans er-ncia! Das "rans er-ncias Correntes. pelo Estado. seria acultativo e. a lei n'o permite que se coloque um gerador de energia el#trica?. anterioridade. especí icos e divisíveis.emplos as seguintes esp#cies. R % ita Co"" nt – Out"a+ R % ita+ Co"" nt + Deste título.!!!?! Por outro lado. se a lei permite o uso de gerador pr@prio para obtenç'o de energia el#trica. a remuneraç'o destes serviços # eita mediante ta. ou por seus delegados. naquilo que n'o orem cobertos pelos impostos.a e so rerá as limitaç(es impostas pelos princípios gerais de tributaç'o >legalidade. inseremJse multas e $uros de mora. com inalidade especí ica.a decorre de lei e serve para custear. seria remunerado mediante preço p*blico! TQ R % ita Co"" nt – T"an+C "1n%ia+ Co"" nt + Da @tica orçamentária. para reali&aç'o de ob$etivos de interesse comum dos partícipes e destinados a custear despesas correntes! BQ T"an+C "1n%ia+ d P ++oa+E Compreendem as contribuiç(es e doaç(es que pessoas ísicas reali&em para a )dministraç'o P*blica! 8. receitas da dívida ativa e as outras receitas n'o classi icadas nas receitas correntes anteriores! Podemos citar como e. essenciais + soberania do Estado >a lei n'o autori&a que outros prestem alternativamente esses serviços?. prestados ou colocados + disposiç'o do contribuinte diretamente pelo Estado! O tema # regido pelas normas de direito p*blico! Uá casos em que n'o # simples estabelecer se um serviço # remunerado por ta.emplo. irmados entre entidades p*blicas de qualquer esp#cie.

atuali&aç(es monetárias. s'o ingressos inanceiros com origem especí ica na classi icaç'o orçamentária da receita proveniente da alienaç'o de bens m@veis ou im@veis de propriedade do ente p*blico! Dos termos do artigo 55 da 3ei de =esponsabilidade 0iscal < 3=0. de 1895. com validade de título e. de caráter n'o tributário.ecutivo! :sso con ere + certid'o da dívida ativa caráter líquido e certo. inscrita na orma da lei. as multas classi icamJse como Moutras receitas correntesN! Podem decorrer do descumprimento de preceitos especí icos previstos na legislaç'o pátria. ou de mora pelo n'o pagamento das obrigaç(es principais ou acess@rias nos pra&os previstos! RECEITAS DA DX*IDA ATI*A H'o os cr#ditos da 0a&enda P*blica. salvo as destinadas por lei aos regimes previdenciários geral e pr@prio dos servidores p*blicos! 22 .ternas! H'o esp#cies desse tipo de receitaE J Operaç(es de Cr#dito :nternas J Operaç(es de Cr#dito E. embora se admita prova em contrário! 1ívida ativa tributária # o cr#dito da 0a&enda P*blica proveniente da obrigaç'o legal relativa a tributos e respectivos adicionais.ternas LQ R % ita d Ca9ita$ – A$i na:@o d B n+ Origem de recursos da Categoria EconOmica M=eceitas de CapitalN. de nature&a tributária ou n'o tributária. para inanciar despesas correntes.igíveis em virtude do transcurso do pra&o para pagamento! Este cr#dito # cobrado por meio da emiss'o de certid'o de dívida ativa da 0a&enda P*blica da Cni'o. s'o recursos inanceiros oriundos da colocaç'o de títulos p*blicos ou da contrataç'o de empr#stimos obtidas $unto a entidades p*blicas ou privadas. e. cabendo sua imposiç'o ao respectivo @rg'o competente >poder de polícia?! Con orme prescreve o F54 do art! 11 da 3ei no 5!620.RECEITAS DE M)LTAS )s multas tamb#m s'o um tipo de receita p*blica. internas ou e. encargos e multas tributárias! 1ívida ativa n'o tributária corresponde aos demais cr#ditos da 0a&enda P*blica! )s receitas decorrentes de dívida ativa tributária ou n'o tributária devem ser classi icadas como Moutras receitas correntesN! MHQMJQMLQMJ ORIGENS E ESP=CIES DE RECEITA ORÇAMENTÁRIA DE CAPITAL HQ R % ita d Ca9ita$ – O9 "a:D + d C"0dito Origem de recursos da Categoria EconOmica M=eceitas de CapitalN. sempre. de pr#via cominaç'o em lei ou contrato. constituindoJse em ato de penalidade de nature&a pecuniária aplicado pela )dministraç'o P*bica aos administrados! 1ependem. # vedada a aplicaç'o da receita de capital decorrente da alienaç'o de bens e direitos que integrem o patrimOnio p*blico.

entretanto. por e.unicípios. a im de satis a&er inalidade p*blica especí icaL sem corresponder. a contraprestaç'o direta ao ente trans eridor! Os recursos da trans er-ncia icam vinculados + inalidade p*blica e n'o a pessoa! Podem ocorrer a nível intragovernamental >dentro do . s'o classi icados em M=eceitas Correntes 7 de Herviços 7 Herviços 0inanceirosN! KQ R % ita d Ca9ita$ – T"an+C "1n%ia+ d Ca9ita$ Da @tica orçamentária.JQ R % ita d Ca9ita$ – A#o"ti3a:@o d E#9"0+ti#o+ H'o ingressos inanceiros provenientes da amorti&aç'o de inanciamentos ou empr#stimos concedidos pelo ente p*blico em títulos e contratos! Da classi icaç'o orçamentária da receita s'o receitas de capital. os $uros recebidos. associados a esses empr#stimos.terior e de pessoas?! OQ R % ita d Ca9ita$ – Out"a+ R % ita+ d Ca9ita$ H'o classi icadas nessa origem as receitas de capital que n'o atendem +s especi icaç(es anterioresL ou se$aE na impossibilidade de serem classi icadas nas origens anteriores! 11 M:nvestimentosN e M:nvers(es 0inanceirasN s'o classi icaç(es da 1espesa de Capital! 23 .emplo?. s'o recursos inanceiros recebidos de outras pessoas de direito p*blico ou privado e destinados para atender despesas em investimentos ou invers(es inanceiras11. assim como recebidos de instituiç(es privadas >do e. origem especí ica Mamorti&aç'o de empr#stimos concedidosN e representam o retorno de recursos anteriormente emprestados pelo poder p*blico! Embora a amorti&aç'o de empr#stimos se$a origem da categoria econOmica M=eceitas de CapitalN. da Cni'o para Estados.mbito de um mesmo governo? ou intergovernamental >governos di erentes. do Estado para os .

ineral 2 < :nd*stria 1e "rans ormaç'o 6 < :nd*stria 1e Construç'o 8 < Outras 9 < HE=A:QOH 0 < Herviços K < "=)DH0E=XDC:)H CO==ED"EH 2 < :ntergovernamentais 6 < :nstituiç(es Privadas 5 < 1o E.MHQMJQMLQMK TABELA'RES)MOE ORIGENS E ESP=CIES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS 1 5 RECEITA CORRENTE 6cate>oria econ?mica7 1 < "=:BC"V=:) >origem? Nat@reAas de Receita 1 < :mpostos >esp#cie? 2 < "a.el%oria >esp#cie? 2 < COD"=:BC:QWEH 1e 1110!00!00 at# 1118!88!88 1e 1120!00!00 at# 1128!88!88 1e 1160!00!00 at# 1168!88!88 1e 1210!00!00 at# 1218!88!88 1e 1220!00!00 at# 1228!88!88 1e 1260!00!00 at# 1268!88!88 1e 1610!00!00 at# 1618!88!88 1e 1620!00!00 at# 1628!88!88 1e 1660!00!00 at# 1668!88!88 1e 1650!00!00 at# 1658!88!88 1e 16G0!00!00 at# 16G8!88!88 1e 1690!00!00 at# 1698!88!88 1e 1680!00!00 at# 1688!88!88 1e 1510!00!00 at# 1518!88!88 1e 1520!00!00 at# 1528!88!88 1e 1580!00!00 at# 1588!88!88 1e 1G10!00!00 at# 1G18!88!88 1e 1G20!00!00 at# 1G28!88!88 1e 1G60!00!00 at# 1G68!88!88 1e 1G80!00!00 at# 1G80!88!88 1e 1900!00!00 at# 1900!88!88 1e 1K20!00!00 at# 1K28!88!88 1e 1K60!00!00 at# 1K68!88!88 1e 1K50!00!00 at# 1K58!88!88 1e 1KG0!00!00 at# 1KG8!88!88 1e 1K90!00!00 at# 1K98!88!88 1e 1KK0!00!00 at# 1KK8!88!88 1e 1810!00!00 at# 1818!88!88 1e 1820!00!00 at# 1828!88!88 1e 1860!00!00 at# 1868!88!88 1e 1880!00!00 at# 1888!88!88 1 < Hociais 2 < EconOmicas 6 < :luminaç'o P*blica 6 < P)"=:.OD:)3 1 < :mobiliárias 2 < Aalores .ora 2 < :ndeni&aç(es e =estituiç(es 6 < 1ívida )tiva 8 < 1iversas 24 .obiliários 6 < Concess(es7Permiss(es 5 < Compensaç(es 0inanceiras G < E.as >esp#cie? 6 < Contribuiç(es 1e .terior G < 1e Pessoas 9 < Conv-nios K < Combate + 0ome 8 < OC"=)H CO==ED"EH 1 < .ultas e Buros de .ploraç'o de Bens P*blicos 9 < Cess'o de 1ireitos 8 < Outras 5 < )/=OPECCV=:) 1 < Produç'o Aegetal 2 < Produç'o )nimal 8 < Outras G < :D1CH"=:)3 1 < :nd*stria .

O=":Y)QRO 1E E. das concess(es. dos dividendos recebidos pela Cni'o.$ 5 RECEITA DE CAPITA.OH 0 < )morti&aç(es 5 < "=)DH0E=XDC:)H 1E C)P:")3 2 < :ntergovernamentais 6 < :nstituiç(es Privadas 5 < 1o E.P=2H":.terior G < 1e Pessoas 9 < 1e Outras :nstituiç(es P*blicas K < Conv-nios I < Combate + 0ome G < OC"=)H 1E C)P:")3 2 < :ntegrali&aç'o 1o Capital 1e 2G20!00!00 at# 2G28!88!88 6 < =esultado do BCB 1e 2G60!00!00 at# 2G68!88!88 5 < =emuneraç'o 1isponibilidades do "D 1e 2G50!00!00 at# 2G58!88!88 G < 1ívida )tiva da )mort! de Emp! e 0inanciamentos 1e 2GG0!00!00 at# 2GG0!88!88 9 < 1ívida )tiva da )lienaç'o de Estoques de Ca # 1e 2G90!00!00 at# 2G90!88!88 8 < Outras 1e 2G80!00!00 at# 2G88!88!88 MHQMJQMLQMO CLASSIFICAÇÃO DA RECEITA PARA AP)RAÇÃO DO RES)LTADO PRIMÁRIO Esta classi icaç'o orçamentária da receita n'o tem caráter obrigat@rio para todos os entes e oi instituída para a Cni'o com o ob$etivo de identi icar quais s'o as receitas e as despesas que comp(em o resultado primário do /overno 0ederal. das provenientes de doaç(es e conv-nios e outras tamb#m consideradas primárias! 25 . das contribuiç(es sociais. que # representado pela di erença entre as receitas primárias e as despesas primárias! )s receitas do /overno 0ederal podem ser divididas entre primárias e n'o primárias > inanceiras?! O primeiro grupo re ereJse predominantemente a receitas correntes e # composto daquelas que adv-m dos tributos. da cotaJparte das compensaç(es inanceiras. das decorrentes do pr@prio es orço de arrecadaç'o das unidades orçamentárias.@veis 2 < Bens :m@veis 6 < ). 6cate>oria econ?mica7 1 < OPE=)QWEH 1E C=21:"O >origem? Nat@reAas de Receita 1 < :nternas >esp#cie? 2 < E.ternas >esp#cie? 2 < )3:ED)QRO 1E BEDH 1e 2110!00!00 at# 2118!88!88 1e 2120!00!00 at# 2128!88!88 1e 2210!00!00 at# 2218!88!88 1e 2220!00!00 at# 2228!88!88 1e 2600!00!00 at# 2600!88!88 1e 2520!00!00 at# 2528!88!88 1e 2560!00!00 at# 2568!88!88 1e 2550!00!00 at# 2558!88!88 1e 25G0!00!00 at# 25G8!88!88 1e 2590!00!00 at# 2590!88!88 1e 25K0!00!00 at# 25K8!88!88 1e 25I0!00!00 at# 25I8!88!88 1 < Bens .

$unto ao setor privado interno e7ou e. os saldos dos cr#ditos adicionais trans eridos e as operaç(es de cr#ditos neles vinculadas! Portanto. con orme art! 6G da 3ei n4 5!62071895 e decorre do en oque orçamentário dessa 3ei.Bá as receitas n'o primárias > inanceiras? s'o aquelas que n'o contribuem para o resultado primário ou n'o alteram o endividamento líquido do /overno >setor p*blico n'o inanceiro? no e..!.ercício inanceiro correspondente. Controle da disponibilidade de recursos I!2!1!1!1!..!.ecuç'o do orçamento12E Código da Conta Título da Conta 9!2!1!1!.emplo..!. a aprovaç'o de um orçamento de uma determinada entidade p*blica e a arrecadaç'o de certa receita. tendo por ob$etivo evitar que a e.!.tinguem um direito.. da contrataç'o de operaç(es de cr#dito por organismos o iciais. trataJse de saldo inanceiro e n'o de nova receita a ser registrada! O superávit inanceiro pode ser utili&ado como onte para abertura de cr#ditos suplementares e especiaisL 12 Os lançamentos apresentados concentramJse em registros orçamentários e de controle! 26 .emplo?.terno... Previs'o inicial da receita 9!2!1!1!.!.!. uma ve& que criam uma obrigaç'o ou e.. das receitas de aplicaç(es inanceiras da Cni'o >$uros recebidos. =eceita a reali&ar 9!2!1!2!.!.. a título de e. alterando concomitantemente o ativo e o passivo inanceiros! H'o adquiridas $unto ao mercado inanceiro. os registros contábeis sob a @tica do Plano de Contas )plicado ao Hetor P*blico seriam os seguintesE =egistro da previs'o da receita no momento da aprovaç'o da 3ei OrçamentáriaE Código da Conta Título da Conta G!2!1!1!.!. por e. decorrentes da emiss'o de títulos.0) RECONBECIMENTO DA RECEITA OR#AMENT!RIA O recon%ecimento da receita orçamentária ocorre no momento da arrecadaç'o. con$ugandoJse. =eceita reali&ada Código da Conta Título da Conta K!2!1!1!. ainda.0)... 1isponibilidade por destinaç'o de recursos 1 C 1 C D'o devem ser recon%ecidos como receita orçamentária os recursos inanceiros oriundos deE a? Huperávit 0inanceiro < a di erença positiva entre o ativo inanceiro e o passivo inanceiro.!..!.!.ecuç'o das despesas orçamentárias ultrapasse a arrecadaç'o e etiva! ConsiderandoJse. =eceita a reali&ar 1 C =egistro da arrecadaç'o da receita durante a e.. ambos de nature&a inanceira. das privati&aç(es e outras! 01.

ercícios anteriores e n'o de uma nova receita a ser registrada! O cancelamento de restos a pagar n'o se con unde com o recebimento de recursos provenientes do ressarcimento ou da restituiç'o de despesas pagas em e. 65.$ Do entanto.o levantamento dos balanços gerais. As altera!2es da situa!ão lB/uida patri"onial.or"a a per"itire" o acompanhamento da execução orçamentária.constituirão ele"entos da conta patri"onial.( Art. trataJse de restabelecimento de saldo de disponibilidade comprometida.patri"onial e industrial..o conhecimento da composição patrimonial.inanceira.ercícios anteriores que devem ser recon%ecidos como receita orçamentária do e. 1>:. Ds servi!os de contabilidade serão or.o não consta no ori..ercícios anteriores. A contabilidade evidenciar# os ..e" os resultados da execu!ão or!a"ent#ria. de orma que atenda a todas as demandas de in ormaç(es da e.( Art. con orme disp(e o art! 6G da 3ei n4 5!62071895E “Art.b? Cancelamento de despesas inscritas em restos a pagar < consiste na bai. portanto. determina que as variaç(es patrimoniais devam ser evidenciadas. A Le"onstra!ão das Variações Patrimoniais evidenciará as alterações verificadas no patrimônio..( Art.inanceiro: I – as receitas nele arrecadadas. '. se$am elas independentes ou resultantes da e.ecuç'o orçamentária. '.. e indicar# o resultado patri"onial do exercBcio.ani ados de .al"ente e"penHadas. 1>>. resultantes ou independentes da execução orçamentária.ercício! MHQMJQMJQMH RELACIONAMENTO DO REGIME ORÇAMENTÁRIO COM O REGIME CONTÁBIL ) contabilidade aplicada ao setor p*blico mant#m um processo de registro apto para sustentar o dispositivo legal do regime da receita orçamentária.a análise e a interpretação dos resultados econômicos e financeiros. Pertence" ao exercBcio . '.a determinação dos custos dos servi!os industriais..$../ue abran. 01. II – as despesas nele le. 05.inal? 27 .( Art.Qri.ecuç'o orçamentária! “JBtulo I7 – La =ontabilidade '.atos li. originária de receitas arrecadadas em e.ados 8 ad"inistra!ão or!a"ent#ria. bem como as variações independentes dessa execução e as superveniências e insubsistGncias ativas e passivas.a da obrigaç'o constituída em e. %á de se destacar que o art! 6G se re ere ao regime orçamentário e n'o ao regime contábil >patrimonial? e a citada 3ei. ao abordar o tema M1a ContabilidadeN..

"io+ a " % .ercício. deveJse proceder + evidenciaç'o dos atos ligados + administraç'o inanceira e patrimonial. tempestivamente. de maneira que os atos modi icativos se$am levados + conta de resultado e que as in ormaç(es contábeis permitam o con%ecimento da composiç'o patrimonial e dos resultados econOmicos e inanceiros de determinado e. a legislaç'o que regulamenta o :mposto sobre a Propriedade Predial e "erritorial Crbana >:P"C? estabelece. podeJse proceder ao registro contábil do direito a receber em contrapartida de variaç'o patrimonial aumentativa.emplo.ut. o que representa o registro da variaç'o patrimonial aumentativa por compet-ncia! Por e." o 9at"i#Anio a " nda Esse registro provoca o aumento do ativo e do resultado do e. em unç'o do ato gerador. pois # por esse procedimento queE • • • • veri icaJse a ocorr-ncia do ato gerador da obrigaç'o correspondenteL determinaJse a mat#ria tributávelL calculaJse o montante do tributo devidoL e identi icaJse o su$eito passivo! Ocorrido o ato gerador. de modo geral.ercício! Desse sentido. inanceira e patrimonial. os atos ligados + administraç'o orçamentária. deve %aver o registro da variaç'o patrimonial aumentativa. no .ObservaJse que.ecuç'o orçamentária. observandoJse os princípios contábeis da compet-ncia e da oportunidade! O recon%ecimento do cr#dito apresenta como principal di iculdade a determinaç'o do momento de ocorr-ncia do ato gerador! Do entanto. " FPI C KQHQHQLQNQNNQNN I#9o+to+ +o.ecuç'o orçamentária. atendendo ao disposto nos arts! 100 e 105 da 3ei n4 5!62071895! Da arrecadaç'o.a do ativo registrado! CCdi>o da Conta D GQLQHQHQNQNNQNN C GQLQHQLQNQNNQNN TDt@Eo da Conta R % ita a " a$i3a" R % ita " a$i3ada 28 . os registros contábeis sob a @tica do Plano de Contas )plicado ao Hetor P*blico s'o os seguintesE 3ançamento no momento do ato gerador >dia 14 de $aneiro?E CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D HQHQLQLQNQNNQNN C"0dito+ t"i. com o ob$etivo de evidenciar o impacto no patrimOnio. gerando in ormaç(es que permitam o con%ecimento da composiç'o patrimonial e dos resultados econOmicos e inanceiros! Portanto. que o ato gerador deste tributo ocorrerá no dia 14 de $aneiro de cada ano! Desse momento. al#m do registro dos atos ligados + e. a contabilidade deve evidenciar. podeJse utili&ar o momento do lançamento como re er-ncia para o seu recon%ecimento.mbito da atividade tributária. independentemente da e. registraJse a receita orçamentária e procedeJse + bai.

da proKe!ão para os dois se.o : deste .e da "etodolo. em especial. embora arrecadadas.uintes 8/uele a /ue se re. 15. As previs2es de receita observarão as nor"as t9cnicas e le. podem n'o ter sido previstas! 29 ."io+ a " % .ílio de modelos estatísticos e matemáticos! ) busca deste modelo dependerá do comportamento da s#rie %ist@rica de arrecadaç'o e de in ormaç(es ornecidas pelos @rg'os orçamentários ou unidades arrecadadoras envolvidos no processo! ) previs'o de receitas # a etapa que antecede + i.isla!ão. Do . vale citar o art! 12 da re erida normaE Art.i$idad d " %u"+o+ Di+9oni. com o au.empli icativo.da varia!ão do Bndice de pre!os.aç'o do montante de despesas que ir'o constar nas leis de orçamento.erire". resultante de metodologias de pro$eç'o usualmente adotadas.eitos das altera!2es na le.ia de c#lculo e pre"issas utili adas.anual apresenta. 3ei de =esponsabilidade 0iscal J 3=0! Hobre o assunto.ut. " FPI MHQMJQMJQML ETAPAS DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA PLANEJAMENTO Compreende a previs'o de arrecadaç'o da receita orçamentária constante da 3ei Orçamentária )nual J 3O). al#m de ser base para se estimar as necessidades de inanciamento do governo! O )ne.ais. a metodologia de pro$eç'o de receitas orçamentárias busca assimilar o comportamento da arrecadaç'o de determinada receita em e. observada as disposiç(es constantes na 3ei de =esponsabilidade 0iscal >3=0?! HQ P" /i+@o ) previs'o implica plane$ar e estimar a arrecadaç'o das receitas orçamentárias que constar'o na proposta orçamentária16! :sso deverá ser reali&ado em con ormidade com as normas t#cnicas e legais correlatas e.mbito ederal.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ TDt@Eo da Conta CaiNa -ui/a$ nt + d %aiNa # #o da na%iona$ FFI C"0dito+ t"i.do cresci"ento econE"ico ou de /ual/uer outro .ator relevante e serão aco"panHadas de de"onstrativo de sua evolu!ão nos 3lti"os trGs anos.istem receitas que.considerarão os e. a im de pro$etáJla para o período seguinte.ercícios anteriores. a título e. algumas @rmulas de pro$eç'o e as correspondentes %ip@teses nas quais elas seriam utili&adas! 16 E.CCdi>o da Conta D TQLQHQHQNQNNQNN C UQLQHQHQHQNNQNN CCdi>o da Conta D HQHQHQHQHQNNQNN C HQHQLQLQNQNNQNN TDt@Eo da Conta Cont"o$ da di+9oni. com as disposiç(es constantes na 3ei Complementar no 10172000.

a seguir transcritoE Art. procedeJse ao registro contábil do cr#dito tributário em avor da a&enda p*blica em contrapartida a uma variaç'o patrimonial aumentativa! ObservaJse que. responsável pela administraç'o e controle da arrecadaç'o e programaç'o inanceira. a arrecadaç'o e o recol%imento! HQ Lan:a# nto O art! G6 da 3ei no 5!62071895.ra. s'o ob$eto de lançamento as rendas com vencimento determinado em lei. calcula o montante do tributo devido. 56. ta. de acordo com o art! G2 da 3ei no 5!62071895.to de constituiç'o do cr#dito tributário.vedada /ual/uer . a etapa de lançamento situaJse no conte. segundo o art. con orme determina o art! G9 da 3ei no 5!620. o que representa a adoção do regime de caixa para o ingresso das receitas públicas. D recolHi"ento de todas as receitas . de ine o lançamento como ato da repartiç'o competente. segundo o disposto nos arts! 152 a 1G0 do C"D.E(EC)ÇÃO ) reali&aç'o da receita se dá em tr-s estágiosE o lançamento.320.as e contribuiç(es de mel%oria! )l#m disso. identi ica o su$eito passivo e. 30 . ou se$a. 35 da Lei no 4. por meio dos agentes arrecadadores ou instituiç(es inanceiras autori&adas pelo ente! Vale destacar que. lançamento # o procedimento administrativo que veri ica a ocorr-ncia do ato gerador da obrigaç'o correspondente. de 2G de outubro de 1899 J C@digo "ributário Dacional >C"D?. que veri ica a proced-ncia do cr#dito iscal e a pessoa que l%e # devedora e inscreve o d#bito desta! Por sua ve&. de 1895. sendo o caso. aplicaJse a impostos. observandoJse o princípio da unidade de tesouraria ou de cai. pertencem ao exercício financeiro as receitas nele arrecadadas. para o art! 152 da 3ei no G!1K2."enta!ão para cria!ão de caixas especiais. determina a mat#ria tributável. JQ R %o$&i# nto 2 a trans er-ncia dos valores arrecadados + conta especí ica do "esouro. prop(e a aplicaç'o da penalidade cabível! Cma ve& ocorrido o ato gerador.ar*se*# e" estrita observOncia ao princBpio de unidade de tesouraria.a. de 17 de março de 1964. regulamento ou contrato! LQ A"" %ada:@o Corresponde + entrega dos recursos devidos ao "esouro pelos contribuintes ou devedores.

con orme lu. dependendo da sistemati&aç'o dos processos dos estágios da arrecadaç'o e do recol%imento. dever'o ser compatibili&adas as arrecadaç(es classi icadas com o recol%imento e etivado! Uá de se observar.ograma apresentado abai. n'o tendo.emplo. apresentaJse o caso da arrecadaç'o de receitas orçamentárias que n'o oram previstas. levandoJse em consideraç'o o modelo de orçamento e. que nem todas as etapas apresentadas ocorrem para todos os tipos de receitas orçamentárias! Como e."iaE )s etapas da receita orçamentária seguem a ordem de ocorr-ncia dos enOmenos econOmicos. contudo.C"ono$o!ia da+ ta9a+ da " % ita o":a# nt. algumas receitas orçamentárias n'o passam pelo estágio do lançamento. passado pela etapa da previs'o! 1a mesma orma. naturalmente. como # o caso de uma doaç'o em esp#cie recebida pelos entes p*blicos! Em termos didáticos. a ordem das etapas da =eceita P*blica Orçamentária # a seguinteE PREVISÃO LANÇAMENTO ARRECADAÇÃO RECOLHIMENTO METODOLOGIA CAIXAS BANCOS UNIDADE DE CAIXA CLASSIFICAÇÃO POR NATUREZA DA RECEITA DESTINAÇÃO 31 .o! Do momento da classi icaç'o da receita.istente no país e a tecnologia utili&ada! 1essa orma. a ordem sistemática iniciaJse com a previs'o e termina com o recol%imento.

"ia+ 1epois de recon%ecidas as receitas orçamentárias. portanto. de acordo com a legislaç'o em vigor! He %ouver parcelas a serem restituídas. possibilitando maior transpar-ncia das in ormaç(es relativas + receita bruta e líquida! O processo de restituiç'o consiste na devoluç'o total ou parcial de receitas orçamentárias que oram recol%idas a maior ou indevidamente. entre outrasE J =ecursos que o ente ten%a a compet-ncia de arrecadar.0). em unç'o de suas operaç(es econOmicas e sociais! HQ R +titui:D + d " % ita+ o":a# nt.ecuç'o! ) contabilidade utili&a conta redutora de receita orçamentária para evidenciar o lu. as quais. a legislaç'o ederal assim estabeleceE 32 . pois correspondem a recursos arrecadados que n'o pertencem + entidade p*blica e n'o s'o aplicáveis em programas e aç(es governamentais sob a responsabilidade do ente arrecadador.0+ PROCEDIMENTO CONT!"EI RE. de autori&aç'o orçamentária para a sua e. a receita corrente líquida icaria com um montante maior que o real. a trans er-ncia poderá ser registrada como deduç'o de receita ou como despesa orçamentária. devem ser devolvidas! D'o %á necessidade de autori&aç'o orçamentária para sua devoluç'o! Da Cni'o. em regra.o de recursos da receita orçamentária bruta at# a líquida. esses atos n'o devem ser tratados como despesa orçamentária.01. podem ocorrer atos supervenientes que ense$em a necessidade de restituiç(es. devendoJse registráJlos como deduç'o da receita orçamentária. mas que pertencem a outro ente.mbito da administraç'o p*blica. n'o necessitando.ncia aos princípios constitucionais da capacidade contributiva e da vedaç'o ao con isco.ERENTE F RECEITA OR#AMENT!RIA MHQMJQMKQMH DED)ÇWES DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA O crit#rio geral utili&ado para registro da receita orçamentária # o do ingresso de disponibilidades! Do . a deduç'o de receita orçamentária # utili&ada nas seguintes situaç(es. mas como deduç'o de receita orçamentária. pois n'o seria dedu&ido o e eito dessa arrecadaç'o impr@pria! Com o ob$etivo de proceder a uma padroni&aç'o contábil e dar maior transpar-ncia ao processo de restituiç'o de receitas. a restituiç'o # tratada como deduç'o de receita! He osse registrada como despesa orçamentária. de acordo com a lei vigente >se n'o %ouver a previs'o como despesa?L e J =estituiç'o de tributos recebidos a maior ou indevidamente! He a receita arrecadada possuir parcelas destinadas a outros entes >repartiç'o tributária?. em observ.

$ +ecreto n (. 1: – A restitui!ão de receitas or!a"ent#rias. 45C A restitui!ão de rendas extintas ser# e. com o ob$etivo de possibilitar uma correta consolidaç'o das contas p*blicas..pela autoridade co"petente.Bcio .a /ual. recomendaJse que a restituiç'o de receitas orçamentárias recebidas em qualquer e.etuada co" os recursos das dota!2es consi.( 4:C Para os e.Lei n !"#$%&'($)* “Art.ercício.nadas no Dr!a"ento da Lespesa da Anião.ercício em que oram recebidas trans er-ncias do conv-nio.inanceira de dese"bolso.a da respectiva i"portOncia e" docu"ento pr+prio. contratos e cong-neres.desde /ue não exista receita a anular.autori ar# a entre.tintas aquelas cu$o ato gerador da receita n'o representa mais situaç'o que gere arrecadaç(es para o ente! Do caso de devoluç'o de saldos de conv-nios.. deveJse contabili&ar como deduç'o de receita at# o limite de valor das trans er-ncias recebidas no e. 5C – A restitui!ão de receitas .o 3nico. Par#. 10 – A restitui!ão de /ual/uer receita da Anião.tintas no decorrer do e.e" despacHo expressoreconHecer# o direito credit+rio contra a Ma enda Facional e autori ar# a entre.descontada ou recolHida a "aior ser# e.o re.icos estabelecido na pro.iscaldedutBveis da arrecada!ão.etuados co"o anula!ão de receita.Bcio .pela autoridade incu"bida de pro"over a cobran!a ori."#-%&'(#$* “Art. deveJse adotar os seguintes procedimentosE 1? He a restituiç'o ocorrer no mesmo e.ra.in#ria.a tBtulo de incentivo ou bene.lei n '"-))&'(-(* “Art. deve ser utili&ado o mecanismo de deduç'o at# o montante de receita passível de compensaç'o! O valor que ultrapassar o saldo da receita a dedu&ir deve ser registrado como despesa! EntendeJse por rendas e.etuada "ediante anula!ão da respectiva receita.descontadas ou recolHidas a "aior.i"e cont#bil .desde /ue não exista receita a anular.ra"a!ão .ederais e o ressarci"ento e" esp9cie.o.$ +ecreto.serão e.nadas na Lei de Dr!a"ento ou e" cr9dito adicional.eitos deste arti.a da i"portOncia considerada indevida."ediante expresso reconHeci"ento do direito credit+rio contra a Ma enda Facional.ercício se$a eita por deduç'o da respectiva nature&a de receita orçamentária! Para as rendas e.iscal da receita ser# o de . contrato ou cong-nere.a /ualobservado o li"ite de sa/ues especB.e o ressarci"ento e" esp9cie a tBtulo de incentivo ou bene.etuados atrav9s de docu"ento pr+prio a ser instituBdo pelo Ninist9rio da Ma enda.ercícioL 33 .estão/ual/uer /ue seKa o ano da respectiva cobran!a.etuada co" os recursos das dota!2es consi.dedutBveis da arrecada!ão./ual/uer /ue tenHa sido o ano da respectiva cobran!aserão e. '.iscal. A restitui!ão de rendas extintas ser# e.$ Portanto."ediante anula!ão de receita.

00! Conv-nio7contrato 6E E.00! Contabili&aç'o como despesa orçamentária no valor de =[ 60.00.ercício em que n'o %ouve trans er-ncia do respectivo conv-nio7contrato.00L E. tipo de receita etc! ) correç'o desses dados deve ser eita mediante registro de deduç'o de receita e.00! Conv-nio7contrato 5E E.00 Conv-nio7contrato 2E E.00L restituiç'o a ser e etuadaE =[ G0.00L E.00! ) reti icaç'o consiste em corrigir dados in ormados erroneamente pelos contribuintes. ap@s isso.ercício.00. restituiç'o a ser e etuadaE =[ 60.00E Contabili&aç'o como deduç'o de receita.00L E. restituiç'o a ser e etuadaE =[ 20.00! Contabili&aç'o como deduç'o de receita.2? He o valor da restituiç'o ultrapassar o valor das trans er-ncias recebidas no e.00 e contabili&aç'o como despesa orçamentária no valor de =[ 10.ercício Z2 < receita =[ 50.emplosE Conv-nio7contrato 1E E.00! Contabili&aç'o como deduç'o de receita no valor de =[ 50. deveJse proceder ao lançamento correto! Do caso de lançamentos manuais em que ocorram erros de escrituraç'o do ente >n'o motivados por in ormaç(es incorretas dos contribuintes?.ercício Z1 < receita =[ 90. que geraram registros incorretos na contabilidade do @rg'o! E.ercício Z1 < receita =[ 100. no valor de =[ 20.emploE identi icaç'o do contribuinte. o montante que ultrapassar esse valor deve ser registrado como despesa orçamentária! 6? He a restituiç'o or eita em e. a correç'o deve ser eita por meio de estorno e novo lançamento correto! 34 .ercício Z2 < n'o %ouve receita! =estituiç'o a ser e etuadaE =[ 60.ercício Z2 < receita =[ 50. deve ser contabili&ada como despesa orçamentária! E. no valor de =[ 60.ercício Z1 < receita =[ 100.ercício Z1 < receita =[ 90.

erenciado. incluindo os recursos de terceiros! )p@s isso. e nesse caso o recebimento será integralmente computado como receita. ampliação da base de cálculo.e outros bene. ma7oração ou criação de tributo ou contribuição" 41C A ren3ncia co"preende anistia.uBdo+ a Do caso em que se con igure em orçamento apenas o valor pertencente ao ente arrecadador. alguns entes podem optar pela inclus'o dessa receita no orçamento.cr9dito presu"idoconcessão de isen!ão e" car#ter não . sem deduç(es! Do entanto.atender ao disposto na lei de diretri es or!a"ent#rias e a pelo "enos u"a das se. 35 . no per6odo mencionado no caput.LQ R %u"+o+ %u7a t"i.inanceiro no exercBcio e" /ue deva iniciar sua vi. a saberE “Art.Bcios /ue corresponda" a trata"ento di.altera!ão de alB/uota ou "odi. estes *ltimos ser'o registrados como deduç'o da receita e será recon%ecida uma obrigaç'o para com o Mbene iciárioN desses valores! ) adoç'o desse procedimento está undamentada no ato de que n'o %á necessidade de aprovaç'o parlamentar para trans er-ncia de recursos a outros entes que decorra da legislaç'o! )s trans er-ncias constitucionais ou legais constituem valores que n'o s'o passíveis de alocaç'o em despesas pelo ente p*blico arrecadador! )ssim. sendo e etuada uma despesa quando da entrega ao bene iciário! :mportante destacar que esses procedimentos s'o aplicáveis apenas para recursos que n'o pertençam ao ente arrecadador! JQ R n>n%ia d " % ita O art! 15 da 3ei Complementar n4 101700 < 3ei de =esponsabilidade 0iscal < trata especialmente da ren*ncia de receita. segundo o qual receitas e despesas devem ser incluídas no orçamento em sua totalidade.ica!ão de base de c#lculo /ue i"pli/ue redu!ão discri"inada de tributos ou contribui!2es. estabelecendo medidas a serem observadas pelos entes p*blicos que decidirem pela concess'o ou ampliaç'o de incentivo ou bene ício de nature&a tributária da qual decorra ren*ncia de receita.Bcio de nature a tribut#ria da /ual decorra ren3ncia de receita dever# estar aco"panHada de esti"ativa do i"pacto or!a"ent#rio*. e de 1ue não afetará as metas de resultados fiscais previstas no anexo pr3prio da lei de diretri4es orçamentárias5 // 0 estar acompanhada de medidas de compensação. por meio do aumento de receita. #a+ +@o at"i.uintes condi!2es: / 0 demonstração pelo proponente de 1ue a ren2ncia foi considerada na estimativa de receita da lei orçamentária. n'o %á desobedi-ncia ao princípio do orçamento bruto.Gncia e nos dois se. proveniente da elevação de al61uotas.subsBdio. deverá ser registrado o valor total arrecadado.uintes.re"issão.eral.uta:@o out"oF+I nt F+I a"" %ada:@o %o#9 t # a u# nt da F d "a:@o. 1: – A concessão ou a"plia!ão de incentivo ou bene. na forma do art" '%.

artigos 1K9 a 1K8! 15 1G 36 .H previsto na legislaç'o instituidora do tributo! ) isenç'oHU # a esp#cie mais usual de ren*ncia e de ineJse como a dispensa legal. cu$a incid-ncia tamb#m $á %avia ocorrido! ) remiss'o1G # o perd'o da dívida.or /uando i"ple"entadas as "edidas re. probabilidade de n'o receber. temJse queE ) anistia15 # o perd'o da multa. em d#bito para com a 0a&enda. n'o se considera ren*ncia de receita o cancelamento de d#bito cu$o montante se$a in erior ao dos respectivos custos de cobrança19! O cr#dito presumido # aquele que representa o montante do imposto cobrado na operaç'o anterior e ob$etiva neutrali&ar o e eito de recuperaç'o dos impostos n'o cumulativos.pressamente.cluir o cr#dito tributário na parte relativa + multa aplicada pelo su$eito ativo ao su$eito passivo.terior!17 "odavia.inal? Hobre as esp#cies de ren*ncia de receita. art! 1K2! 19 3=0. art! 15.o bene.II.eridas no "encionado inciso.empli icativo.Bcio s+ entrar# e" vi.“. pelo Estado. pelo qual o Estado se apropria do valor da isenç'o nas etapas subsequentes da circulaç'o da mercadoria! 2 o caso dos cr#ditos re erentes a mercadorias e serviços que ven%am a ser ob$eto de operaç(es e prestaç(es destinadas ao e. que se dá em determinadas circunst. que visa e.clus'o de quaisquer de seus elementos constitutivos! Pode ocorrer isoladamente ou associada a uma reduç'o de alíquota. F64! 1I C@digo "ributário Dacional. F64.ncias previstas na lei.ncia escusáveis do su$eito passivo. por in raç(es cometidas por este anteriormente + vig-ncia da lei que a concedeu! ) anistia n'o abrange o cr#dito tributário $á em cobrança. 156 da =onstitui!ão.erior ao dos respectivos custos de cobran!a.na . inconveni-ncia do processamento da cobrança dado o alto custo n'o compensável com a quantia em cobrança. 46C D disposto neste arti.or"a do seu 41R.I) e ) do art..o decorrer da condi!ão contida no inciso II. etc! D'o implica em perdoar a conduta ilícita. nem em perdoar a sanç'o aplicada ao contribuinte! Contudo. art! 20. II – ao cancela"ento de d9bito cuKo "ontante seKa in.ri.Bcio de /ue trata o caput deste arti. ::! 1K 3C IK789. al#m dos instrumentos mencionados e. erro ou ignor.os não consta" no ori. artigos 1I0 a 1I2! C@digo "ributário Dacional. situaç'o di ícil que torna impossível ao su$eito passivo solver o d#bito. equidade. quaisquer Moutros bene ícios que correspondam a tratamento di erenciadoN! C@digo "ributário Dacional.o não se aplica: I – 8s altera!2es das alB/uotas dos i"postos previstos nos incisos I. tais como valor diminuto da dívida. e. n'o # considerada ren*ncia de receita o cr#dito real ou tributário do :C.pressa na aplicaç'o de um percentual de reduç'o! O conceito de ren*ncia de receita da 3=0 # e.45C &e o ato de concessão ou a"plia!ão do incentivo ou bene. abarcando tamb#m. do d#bito tributário devido! ) modi icaç'o de base de cálculo que implique reduç'o discriminada de tributos ou contribuiç(es # o incentivo iscal por meio do qual a lei modi ica para menos sua base tributável pela e. concreti&ada na in raç'o penal.

deve ser eito um levantamento de toda a ren*ncia de receita e.MM D C Do momento da arrecadaç'oE CCdi>o da Conta GQLQHQHQNQNNQNN GQLQHQJQNQNNQNN GQLQHQLQNQNNQNN TDt@Eo da Conta R % ita a " a$i3a" [ D du:@o da " % ita " a$i3ada FIPT)I R % ita " a$i3ada /aEor 6RG7 RZ UMM.MM D D C ObsE ] 1eduç'o de ren*ncia de :P"C < =eti icadora da =eceita =eali&ada! CCdi>o da Conta TQLQHQHQNQNNQNN UQLQHQHQHQNNQNN TDt@Eo da Conta Cont"o$ da di+9oni.MM RZ LMM. ao diminuir a alíquota do :P"C. mas que n'o ingressam nos co res p*blicos por ren*ncia. no município.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ TQLQHQHQNQNNQNN Cont"o$ da di+9oni. " FPI 37 .MM /aEor 6RG7 RZ UMM.MM RZ LMM.MM RZ HMMM. poderá optar por uma das ormas de registro abai. em contrapartida com uma deduç'o de receita >conta redutora de receita?! E.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ /aEor 6RG7 RZ HMMM.MM RZ HQMMM.istente no ente! Contabilmente. o montante da ren*ncia será considerado no momento da elaboraç'o da 3O)! Ou se$a.00! Do momento do recon%ecimento do ato geradorE CCdi>o da Conta HQHQLQLQNQNNQNN KQHQHQLQNQNNQNN TDt@Eo da Conta C"0dito+ t"i.MM D C D C CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta UQLQHQHQHQNNQNN Di+9oni.ut.ist-ncia e o montante dos recursos que o ente tem a compet-ncia de arrecadar. a estimativa da receita orçamentária $á contemplou a ren*ncia! Do entanto.MM RZ UMM.i$idad d " %u"+o+ D C CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta HQHQHQHQHQNNQNN CaiNa -ui/a$ nt + d %aiNa # #o da na%iona$ FFI HQHQLQLQNQNNQNN C"0dito+ t"i.i$idad d " %u"+o+ Di+9oni. # utili&ada a metodologia da deduç'o de receita para evidenciar as ren*ncias! 1essa orma.oE =egistro.MM /aEor 6RG7 RZ LMM. deve %aver um registro contábil na nature&a de receita orçamentária ob$eto da ren*ncia." o 9at"i#Anio a " nda /aEor 6RG7 RZ UMM. :P"CE Hupon%a que um município. " FPI I#9o+to+ +o."io+ a " % . causou reduç'o de 20\ na sua receita arrecadada! Dessa situaç'o.emplo < 1iminuiç'o de alíquota do :mposto Predial "erritorial Crbano.ut. para demonstrar aos usuários da in ormaç'o contábil a e. da ren*ncia de receita no momento da arrecadaç'o! Aalor arrecadadoE =[ I00."io+ a " % .Em termos orçamentários. uma ve& utili&ada a primeira %ip@tese.MM RZ UMM.

=egistro da ren*ncia de receita em momento posterior ao de arrecadaç'o! Aalor arrecadado =[ I00,00! Do momento do recon%ecimento do ato geradorE CCdi>o da Conta D HQHQLQLQNQNNQNN C KQHQHQLQNQNNQNN Suando da arrecadaç'oE CCdi>o da Conta D GQLQHQHQNQNNQNN C GQLQHQLQNQNNQNN CCdi>o da Conta D TQLQHQHQNQNNQNN C UQLQHQHQHQNNQNN CCdi>o da Conta D HQHQHQHQHQNNQNN C HQHQLQLQNQNNQNN TDt@Eo da Conta R % ita a " a$i3a" R % ita " a$i3ada TDt@Eo da Conta Cont"o$ da di+9oni.i$idad d " %u"+o+ Di+9oni.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ /aEor 6RG7 RZ UMM,MM RZ UMM,MM /aEor 6RG7 RZ UMM,MM RZ UMM,MM TDt@Eo da Conta C"0dito+ T"i.ut;"io+ a " % . " FPI I#9o+to+ +o." o 9at"i#Anio a " nda /aEor 6RG7 RZ UMM,MM RZ UMM,MM

TDt@Eo da Conta /aEor 6RG7 CaiNa -ui/a$ nt + d %aiNa # #o da na%iona$ FFI RZ UMM,MM C"0dito+ t"i.ut;"io+ a " % . " RZ UMM,MM

3ançamento complementar para registrar a ren*ncia de receitaE CCdi>o da Conta D GQLQHQJQNQNNQNN C GQLQHQLQNQNNQNN TDt@Eo da Conta [ D du:@o da " % ita " a$i3ada FIPT)I R % ita " a$i3ada /aEor 6RG7 RZ LMM,MM RZ LMM,MM

MHQMJQMKQML IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE ) Constituiç'o 0ederal, nos arts! 1GK, inciso : e 1GI, inciso :, determina que pertençam aos Estados, 1istrito 0ederal e aos ,unicípios o imposto de renda e os proventos de qualquer nature&a, incidentes na onte, pagos por eles, suas autarquias e pelas undaç(es que instituírem e mantiverem! 1e acordo com a Portaria H"D n4 212, de 05 de $un%o de 2001, os valores descritos no parágra o anterior dever'o ser contabili&ados como receita tributária! Para isso, utili&aJse a nature&a de receita 1112!05!61 < M:mposto de =enda =etido nas 0ontes sobre os =endimentos do "rabal%oN! 1esse modo, a contabilidade espel%a o ato e etivamente ocorridoE mesmo correspondendo + arrecadaç'o de um tributo de compet-ncia da Cni'o, tais recursos n'o transitam por ela, icando diretamente com o ente arrecadador! 1esse modo, n'o %á de se alar em registro de uma receita de trans er-ncia nos Estados, 10 e ,unicípios, uma ve& que n'o ocorre a e etiva trans er-ncia do valor pela Cni'o!

38

MHQMJQMKQMJ RED)TOR FINANCEIRO – FPM O 0undo de Participaç'o dos ,unicípios >0P,? # trans er-ncia constitucional composta por 22,G\ da arrecadaç'o dos impostos sobre a renda e proventos de qualquer nature&a e sobre os produtos industriali&ados, de acordo com art! 1G8 da Constituiç'o 0ederal! ) 3ei Complementar n4 8178K, alterada pela 3ei Complementar n4 109701, estabelece que os coe icientes do 0P,, e.ceto para as capitais estaduais, ser'o calculados com base no n*mero de %abitantes de cada município e revistos anualmente! Entretanto, icam mantidos, a partir do e.ercício de 188I, os coe icientes do 0P, atribuídos, a partir de 188K, aos municípios que apresentaram reduç'o de seus coe icientes pela aplicaç'o do disposto no art! 14 da 3ei Complementar n4 8178K! Os gan%os adicionais em cada e.ercício decorrentes da manutenç'o dos coe icientes atribuídos em 188K t-m aplicaç'o de redutor inanceiro, o qual será redistribuído aos demais participantes do 0P,! O redutor inanceiro # entendido como valor resultado do percentual incidente sobre a di erença positiva apurada entre o valor do 0P,, utili&ando o coe iciente atribuído em 188K, e o valor caso osse utili&ado o coe iciente do ano de distribuiç'o do recurso! Para mel%or evidenciar os atos contábeis envolvidos, a receita de trans er-ncia do 0P, será contabili&ada pelo valor bruto e o redutor inanceiro será registrado como deduç'o da receita em quest'o, con orme e.emplo %ipot#tico abai.oE 1istribuiç'o de )rrecadaç'o 0ederalE 0P, < ,unicípio Z Data 10!01!200G ParceEa Parcela de :P: Parcela de := =edutor 3C 8178K
TOTAL:

/aEor Distrib@Ddo 9!000,00 160!000,00 60!000,00 106.000,00

C C 1 C

Contabili&aç'o no ,unicípio ZE CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta HQHQHQHQHQNNQNN CaiNa -ui/a$ nt + d %aiNa # #o da na%iona$ FFI KQOQLQNQNQNNQNN T"an+C "1n%ia+ Int "!o/ "na# ntai+ CCdi>o da Conta GQLQHQHQNQNNQNN GQLQHQJQNQNNQNN GQLQHQLQNQNNQNN TDt@Eo da Conta R % ita a " a$i3a" [ D du:@o da " % ita " a$i3ada FFPMI R % ita " a$i3ada /aEor 6RG7 RZ HMGQMMM,MM RZ HMGQMMM,MM /aEor 6RG7 RZ HMGQMMM,MM RZ JMQMMM,MM RZ HJGQMMM,MM

D C

D D C

Obs!E ] 1eduç'o de 0P, < =eti icadora da =eceita Orçamentária =eali&ada!

39

D C

CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta TQLQHQHQNQNNQNN Cont"o$ da di+9oni.i$idad d " %u"+o+ UQLQHQHQHQNNQNN Di+9oni.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+

/aEor 6RG7 RZ HMGQMMM,MM RZ HMGQMMM,MM

) parcela resultado da redistribuiç'o dos redutores inanceiros, denominada cota, deverá ser registrada contabilmente como receita de trans er-ncia da Cni'o, pois esse valor tamb#m oi considerado despesa de trans er-ncia na Cni'o, con orme e.emplo %ipot#tico abai.oE

1istribuiç'o de )rrecadaç'o 0ederal 0P, < ,unicípio ^ Data 10!01!200G ParceEa Parcela de :P: Parcela de := =edutor 3C 8178K
TOTAL:

/aEor Distrib@Ddo 9!000,00 C 160!000,00 C 60!000,00 C 166.000,00 C

Contabili&aç'o no ,unicípio ^ /aEor 6RG7 CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta CaiNa+ -ui/a$ nt + d %aiNa #o da na%iona$ HQHQHQHQHQNNQNN RZ HGGQMMM,MM FFI KQOQLQNQNQNNQNN T"an+C "1n%ia+ Int "!o/ "na# ntai+ RZ HGGQMMM,MM CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta GQLQHQHQNQNNQNN R % ita a " a$i3a" GQLQHQLQNQNNQNN R % ita " a$i3ada CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta TQLQHQHQNQNNQNN Cont"o$ da di+9oni.i$idad d " %u"+o+ UQLQHQHQHQNNQNN Di+9oni.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ /aEor 6RG7 RZ HGGQMMM,MM RZ HGGQMMM,MM /aEor 6RG7 RZ HGGQMMM,MM RZ HGGQMMM,MM

D C

D C

D C

Obs!E Caso o município possua conta de nível %ierárquico in erior, poderá registrar em separado a parcela do acr#scimo do 0P, < 3ei Complementar 817188K, desdobrando a conta em trans er-ncia do 0P, e Cota 3ei n4 817188K! Para os municípios que e etuaram registro contábil, de acordo com Portaria H"D n4 62K, de 2K de agosto de 2001, o passivo ou ativo registrado deverá ser bai.ado em contrapartida com a variaç'o aumentativa ou diminutiva respectivamente! Hendo o valor relevante, $usti icar mudança de procedimento em nota e.plicativa!

40

ist-ncia de dotaç'o especí ica que permita a trans er-ncia! Para contabili&aç'o no ente recebedor. a contabili&aç'o deve ser como despesa.ílio ou assist-ncia. au. sendo necessário %aver. como seu pr@prio nome indica. 0undo de Participaç'o dos Estados >0PE?.portadores >0PEZ? e outros! E. visto que n'o %á uma determinaç'o legal para a trans er-ncia. "rans er-ncias do 0D1E comoE )poio + )limentaç'o Escolar para Educaç'o Básica. essas trans er-ncias ocorrem entre es eras distintas de governo. ou decorrentes de determinaç'o constitucional ou legal! )inda sobre o conceito de trans er-ncia intergovernamental. nesse caso destinadas + cooperaç'o. Programa 1in%eiro 1ireto na Escola! O ente recebedor deve recon%ecer um direito a receber >ativo? no momento da arrecadaç'o pelo ente trans eridor em contrapartida de variaç'o patrimonial aumentativa. de acordo com o disposto no art! 2G da 3=0. portanto. n'o impactando o superávit inanceiro! 41 . ou MrecebedorN?! Podem ser voluntárias. e.emplos de trans er-ncias 3egaisE "rans er-ncias da 3ei Complementar n4 IK789 >3ei _andir?. # importante destacar que. n'o guardando relaç'o. )poio ao "ransporte Escolar para Educaç'o Básica. dependendo da orma como oi elaborado o orçamento do ente! Do entanto. correntes ou de capital. 0undo de Compensaç'o dos Estados E. com as operaç(es intraorçamentárias ocorridas no . trans er-nciasE a&Jse necessário distinguir os dois tipos de JQ T"an+C "1n%ia+ %on+titu%ionai+ $ !ai+ EnquadramJse nessas trans er-ncias aquelas que s'o arrecadadas por um ente. de um ente >c%amado Mtrans eridorN? a outro >c%amado Mbene iciárioN.?. mas devem ser trans eridas a outros entes por disposiç'o constitucional ou legal! E. em se tratando de trans er-ncias voluntárias.emplos de trans er-ncias constitucionaisE 0undo de Participaç'o dos . Programa Brasil )l abeti&ado.unicípios >0P.MHQMJQMKQMK TRANSFERVNCIAS DE REC)RSOS INTERGO*ERNAMENTAIS HQ Con% ito )s "rans er-ncias :ntergovernamentais compreendem a entrega de recursos.mbito do orçamento de cada ente! LQ R !i+t"o+ da+ t"an+C "1n%ia+ int "!o/ "na# ntai+ )s trans er-ncias intergovernamentais constitucionais ou legais podem ser contabili&adas pelo ente trans eridor como uma despesa ou como deduç'o de receita.

inanceiros. a regra para trans er-ncias voluntárias # o bene iciário n'o registrar o ativo relativo a essa trans er-ncia! )penas nos casos em que %ouver cláusula contratual garantindo a trans er-ncia de recursos ap@s o cumprimento de determinadas etapas do contrato. o ente recebedor deverá e etuar a bai. para o recon%ecimento contábil. 45C D Ativo Per"anente co"preender# os bens.a!ão dos entes recebedores de .( 41C D Ativo Minanceiro co"preender# os cr9ditos e valores reali #veis independente"ente de autori a!ão or!a"ent#ria e os valores nu"er#rios. deverá registrar um direito a receber no ativo! Desse caso n'o %á impacto no superávit inanceiro. pois ainda está pendente o registro da receita orçamentária para que esse recurso possa ser utili&ado. a título de cooperaç'o. o ente recebedor deve registrar a receita orçamentária apenas no momento da e etiva trans er-ncia inanceira."ia+ Con orme o art! 2G da 3ei Complementar n4 10172000. de 2001. pois..cuKa "obili a!ão ou aliena!ão dependa de autori a!ão le. que n'o decorra de determinaç'o constitucional. 65.para Estados. no momento em que $á tiver direito + parcela dos recursos e enquanto n'o ocorrer o e etivo recebimento a que tem direito.ao celebrare" co"pro"issos e" /ue HaKa a previsão de trans. entendeJse por trans er-ncia voluntária a entrega de recursos correntes ou de capital a outro ente da 0ederaç'o.ãos e as entidades da Ad"inistra!ão direta e indireta da Anião. que disp(eE “Art. Ds +r. au. n'o %á garantias reais da trans er-ncia! Por esse mesmo motivo.de seus or!a"entos.a do direito a receber >ativo? em contrapartida do ingresso no banco.islativa. a etando neste momento o superávit inanceiro! Himultaneamente.$ Do entanto.cr9ditos e valores. con orme o disposto no art! 6G da 3ei n4 10!1I0..ílio ou assist-ncia inanceira.istente no ente recebedor! KQ T"an+C "1n%ia+ /o$unt. 1>5. '.Do momento do ingresso e etivo do recurso.Listrito Mederal e NunicBpiosestabelecerão nos instru"entos pactuais a obri. deveJse registrar a receita orçamentária reali&ada em contrapartida da receita a reali&ar nas contas de controle da e. con orme de iniç(es constantes no art! 10G da 3ei n4 5!62071895E “Art.ecuç'o do orçamento! Esse procedimento evita a ormaç'o de um superávit inanceiro superior ao lastro inanceiro e.$ 42 . legal ou os destinados ao Histema Pnico de Ha*de! Em termos orçamentários. sendo uma trans er-ncia voluntária.a ere" incluir tais recursos nos seus respectivos or!a"entos.erGncias de recursos . a trans er-ncia voluntária da Cni'o para os demais entes deve estar prevista no orçamento do ente recebedor >convenente?. o ente bene iciário.

$i%o+ ) 3ei n4 11!10K. no caso de trans er-ncia dos . nas seguintes nature&asE 1K21!6K!00 < "rans er-ncias Correntes a Cons@rcios P*blicos. válida contabilmente para todos os entes da 0ederaç'o! MHQMJQMKQMO REM)NERAÇÃO DE DEP\SITOS BANCÁRIOS Do cálculo dos percentuais de aplicaç'o de determinados recursos vinculados. com vistas a e. no caso de trans er-ncia da Cni'oL 1K22!6K!00 < "rans er-ncias Correntes a Cons@rcios P*blicos. o cons@rcio deverá elaborar seu orçamento pr@prio! )demais. de 9 de abril de 200G. no caso de trans er-ncia dos .ecuç'o das receitas e despesas do cons@rcio p*blico deverá obedecer +s normas de direito inanceiro aplicáveis +s entidades p*blicas! Ou se$a. assim. e das demais normas aplicadas aos entes da 0ederaç'o! 1esse modo.ecuç'o da receita e da despesa do cons@rcio ser'o e etuados de acordo com a classi icaç'o constante da Portaria :nterministerial H"D7HO0 n` 19672001.OQ T"an+C "1n%ia+ a %on+8"%io+ 9>. os registros na e. possibilitaJse o aper eiçoamento do processo de consolidaç'o dos balanços e demais demonstraç(es contábeis. no caso de trans er-ncia da Cni'oL 2522!6K!00 < "rans er-ncias de Capital a Cons@rcios P*blicos.unicípios! ) classi icaç'o dos recursos trans eridos aos cons@rcios p*blicos como despesa pelo ente trans eridor e receita pelo cons@rcio p*blico $usti icaJse pelo ato de que.o a )ta n` 22 da Hess'o E. dever'o ser classi icados como receita orçamentária de trans er-ncia correspondente ao ente trans eridor. disp(e sobre normas gerais relativas + contrataç'o de cons@rcios p*blicos para a reali&aç'o de ob$etivos de interesse comum e estabelece que a e. a legislaç'o disp(e que se$am levados em consideraç'o os rendimentos dos seus dep@sitos bancários! Para tal.unicípios! 2521!6K!00 < "rans er-ncias de Capital a Cons@rcios P*blicos. # necessário que os registros contábeis permitam identi icar a vinculaç'o de cada dep@sito! Essa identi icaç'o poderá ser e etuada de duas ormasE a? Por meio do mecanismo da destinaç'o.traordinária do Plenário. no caso de trans er-ncia dos EstadosL 2526!6K!00 < "rans er-ncias de Capital a Cons@rcios P*blicos. no caso de trans er-ncia dos EstadosL 1K26!6K!00 < "rans er-ncias Correntes a Cons@rcios P*blicos. controlando as disponibilidades inanceiras por onte de recursosL ou b? Por meio do desdobramento da nature&a de receita 162G!00!00 < =emuneraç'o de 1ep@sitos Bancários! 43 . a classi icaç'o da receita e da despesa p*blica do cons@rcio deverá manter correspond-ncia com as dos entes consorciados! Do cons@rcio p*blico. de 12 de $un%o de 2006.cluir as operaç(es entre os consorciados e o cons@rcio p*blico da entidade contábil considerada! Essa oi a recomendaç'o do "ribunal de Contas da Cni'o apresentada no )ne.

mesmo que n'o ten%a %avido lu. sendo que o recebimento na orma de bens tamb#m poderá corresponder a uma receita orçamentária no momento do recebimento do bem. n'o # necessário desdobrar a nature&a da receita 162G!00!00 para se obter a in ormaç'o da remuneraç'o dos recursos vinculados.nea bai.ncia da legislaç'o quanto + destinaç'o dos recursos recebidos de dívida ativa! ObserveJse que.He o ente utili&a o mecanismo da destinaç'o de recursos.os do . mesmo que na orma de bens. e etuandoJse o registro da e. $uros e outros encargos! Seguem os registros contábeis da baixa por recebimento do principal no órgão competente para inscrição: CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D HQHQHQHQHQNNQNN CaiNa -ui/a$ nt + d %aiNa # #o da na%iona$ FFI C HQLQHQHQNQNNQNN C"0dito+ a $on!o 9"a3o FPI CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D GQLQHQHQNQNNQNN R % ita a " a$i3a" C GQLQHQLQNQNNQNN R % ita " a$i3ada 44 . destacandoJse o recebimento em esp#cie e o recebimento na orma de bens. a in ormaç'o da destinaç'o associada + nature&a de receita 162G!00!00 < =emuneraç'o de 1ep@sitos Bancários J possibilita a identi icaç'o da remuneraç'o dos diversos recursos vinculados.ecuç'o orçamentária da receita e da despesa decorrente desse procedimento. pela @tica orçamentária.ecuç'o orçamentária da despesa com a sua aquisiç'o. uma ve& que a conta de receita reali&ada estaria detal%ada por vinculaç'o! He o ente n'o utili&a o mecanismo da destinaç'o de recursos.o :A do Aolume )ne. tamb#m con%ecido como onte de recursos. a contabilidade deve evidenciar as di erentes vinculaç(es dessas remuneraç(es! ) orma de se evidenciar # de escol%a do ente p*blico! MHQMJQMKQMG RECEITA ORÇAMENTÁRIA POR BAI(A DE DX*IDA ATI*A INSCRITA O recebimento de dívida ativa corresponde a uma receita. sob a @tica patrimonial! )s ormas de recebimento da dívida ativa s'o de inidas em lei. se$a garantida! O registro das receitas orçamentárias oriundas do recebimento da dívida ativa deve ser discriminado em contas contábeis de acordo com a nature&a do cr#dito original! "amb#m devem ser classi icados em contas especí icas os recebimentos re erentes a multas. separados nas respectivas destinaç(es! Para esses entes. tanto pela ad$udicaç'o quanto pela daç'o em pagamento.C)HP! HalientaJse que se a legislaç'o obriga a vinculaç'o da remuneraç'o dos dep@sitos bancários a determinada inalidade.a contábil do cr#dito registrado anteriormente no ativo.o inanceiro! Esse procedimento permite a observ. mesmo que n'o se e etue a e. a&Jse necessário desdobrar a nature&a de receita 162G!00!00 < =emuneraç'o de 1ep@sitos Bancários! Para isso devem ser utili&adas as nature&as de receitas constantes do )ne. a administraç'o deve propiciar os meios para que a destinaç'o dos recursos recebidos em dívida ativa. com simult.

i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ 45 .CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D TQLQHQHQNQNNQNN Cont"o$ da di+9oni.i$idad d " %u"+o+ C UQLQHQHQHQNNQNN Di+9oni.

por e.al"ente e"penHadas.a a despesa p*blica autori&ada para um e.o de ingressos e aplicaç'o de recursos em determinado período! Para o setor p*blico.inanceiro: I * as receitas nGle arrecadadas. %á despesa de capital que # e etiva como. compreendendo determinadas saídas de numerários decorrentes de dep@sitos. que representam atos permutativos! ) despesa n'o e etiva normalmente se enquadra como despesa de capital! Entretanto. s'o tipi icados em orçamentários e e. p*blica ou privada. resgate de operaç(es de cr#dito por antecipaç'o de receita e recursos transit@rios! Para ins contábeis. as trans er-ncias de capital. II * as despesas nGle le. pagamentos de restos a pagar.ncia. reduz a situação líquida patrimonial da entidade. # de vital import. que causam variaç'o patrimonial diminutiva e. despesa orçamentária # toda transaç'o que depende de autori&aç'o legislativa. no momento da sua realização.00 DE PE A OR#AMENT!RIA 01. no momento de sua realização. a despesa orçamentária pode ser classi icada quanto ao impacto na situaç'o líquida patrimonial emE • • Despesa Orçamentária Efetiva .$ 1essa orma. na orma de consignaç'o de dotaç'o orçamentária. assim como os ingressos.emplo.traorçamentário # aquele que n'o consta na lei orçamentária anual.01 CONCEITO O orçamento # o instrumento de plane$amento de qualquer entidade. por isso. a despesa com a aquisiç'o de materiais para estoque e a despesa com adiantamentos.traorçamentários! Hegundo o art! 6G da 3ei n4 5!62071895E “Pertence" ao exercBcio . pois # a lei orçamentária que i. para ser e etivada! 1isp-ndio e.aquela que. Constitui fato contábil modificativo diminutivo.0+. Despesa Orçamentária Não Efetiva – aquela que.ercício inanceiro! ) despesa p*blica # o con$unto de disp-ndios reali&ados pelos entes p*blicos para o uncionamento e manutenç'o dos serviços p*blicos prestados + sociedade! Os disp-ndios. e representa o lu. Em geral.emplo. não reduz a situação líquida patrimonial da entidade e constitui fato contábil permutativo.0+.01. por e. a despesa orçamentária e etiva # despesa corrente! Entretanto. pode %aver despesa corrente n'o e etiva como. classi icamJse como despesa e etiva! 46 .

"ia do Go/ "no F d "a$E :R1&O LGMMM %NIDADE OR#AMENT!RIA LGLKL )ni/ "+idad F d "a$ d P "na#. por e.0$ C.01. por sua ve&. o c@digo da classi icaç'o institucional comp(eJse de cinco dígitos. MEncargos 0inanceiros da Cni'oN."io )nidad O":a# nt. M=e inanciamento da 1ívida P*blica . sendo de inida no conte."ia F d "a$ Mini+t0"io da Ju+ti:a JMHMP D C n+o"ia P>.emplo.0+. como ocorre. correspondem a agrupamentos de unidades orçamentárias! )s dotaç(es s'o consignadas +s unidades orçamentárias.$i%a JPLOM A!1n%ia Na%iona$ d T"an+9o"t + T "" +t" + – ANTT Mini+t0"io do+ T"an+9o"t + D 9a"ta# nto Na%iona$ d InC"a'E+t"utu"a JPLOL d T"an+9o"t + – DNIT JMMMM JPMMM Cabe ressaltar que uma unidade orçamentária n'o corresponde necessariamente a uma estrutura administrativa. sendo os dois primeiros reservados + identi icaç'o do @rg'o e os demais + unidade orçamentária! D'o %á ato que a estabeleça.obiliária 0ederalN e M=eserva de Conting-nciaN! 47 . com alguns undos especiais e com as unidades orçamentárias M"rans er-ncias a Estados.unicípiosN. 1istrito 0ederal e . responsáveis pela reali&aç'o das aç(es! Do caso do /overno 0ederal.u%o Mini+t0"io da LGLTT Funda:@o )ni/ "+idad F d "a$ d Ou"o Edu%a:@o P" to LGJLH E+%o$a A!"ot0%ni%a F d "a$ d Manau+ JMHMT D 9a"ta# nto d Po$B%ia Rodo/i.to da elaboraç'o da lei orçamentária anual ou da abertura de cr#dito especial! Órgão Orçamentário Unidade Orçamentária EN #9$o+ d \"!@o O":a# nt.A I.ICA#8E DA DE PE A OR#AMENT!RIA MHQMKQMLQMH CLASSIFICAÇÃO INSTIT)CIONAL ) classi icaç'o institucional re lete a estrutura de alocaç'o dos cr#ditos orçamentários e está estruturada em dois níveis %ierárquicosE @rg'o orçamentário e unidade orçamentária! Constitui unidade orçamentária o agrupamento de serviços subordinados ao mesmo @rg'o ou repartiç'o a que ser'o consignadas dotaç(es pr@prias >art! 15 da 3ei n4 5!62071895?! Os @rg'os orçamentários. MOperaç(es O iciais de Cr#ditoN.$i%a da )ni@o JMPHH Fundo Na%iona$ d S !u"an:a P>.

inciso :::.. por e. educaç'o... tais comoE dívidas. da 3ei Complementar n4 101.adas. sob coordenaç'o do @rg'o responsável pela sua destinaç'o. nas es eras legislativa.. buscando responder basicamente + indagaç'o Mem queN área de aç'o governamental a despesa será reali&ada! ) atual classi icaç'o uncional oi instituída pela Portaria n4 5271888. do ent'o . onde o M. guarda relaç'o com os respectivos .emplo.inist#rio do Orçamento e /est'o. uma agregaç'o neutra! Desse caso. n'o integrando o PP)! ) dotaç'o global denominada M=eserva de Conting-nciaN.N. dos Estados. que servem como agregador dos gastos p*blicos por área de aç'o governamental nas tr-s es eras de /overno! "rataJse de classi icaç'o de aplicaç'o comum e obrigat@ria. indeni&aç(es e outras a ins. de 2G de evereiro de 189K. que. portanto. e # composta de um rol de unç(es e sub unç(es pre i. será identi icada nos orçamentos de todas as es eras de /overno pelo c@digo M88!888!8888!. que podem ser tradu&idos como agregadores das diversas áreas de atuaç'o do setor p*blico. e. ressarcimentos. sa*de. de modo geral. na Cni'o. de esa...!.N representa a codi icaç'o da aç'o e o respectivo detal%amento! 48 . no que se re ere +s classi icaç(es por unç'o e sub unç'o e estrutura programática.mbito da Cni'o. no . a ser utili&ada como onte de recursos para abertura de cr#ditos adicionais e para o atendimento ao disposto no art! G4.MHQMKQMLQML CLASSIFICAÇÃO F)NCIONAL ) classi icaç'o uncional segrega as dotaç(es orçamentárias em unç(es e sub unç(es. o que permite a consolidaç'o nacional dos gastos do setor p*blico! ) classi icaç'o uncional # representada por cinco dígitos! Os dois primeiros re eremJse + unç'o. do 1istrito 0ederal e dos . na Cni'o.ecutiva e $udiciária! Função Subfunção HQ Fun:@o ) unç'o # representada pelos dois primeiros dígitos da classi icaç'o uncional e pode ser tradu&ida como o maior nível de agregaç'o das diversas áreas de atuaç'o do setor p*blico! ) unç'o quase sempre se relaciona com a miss'o institucional do @rg'o. as aç(es estar'o associadas aos programas do tipo aOperaç(es Especiaisa que constar'o apenas do orçamento. cultura.inist#rios! ) unç'o MEncargos EspeciaisN engloba as despesas orçamentárias em relaç'o +s quais n'o se pode associar um bem ou serviço a ser gerado no processo produtivo corrente. de 2000. permitida para a Cni'o no art! 81 do 1ecretoJ3ei n4 200.unicípios. representando. enquanto que os tr-s *ltimos dígitos representam a sub unç'o. ou em atos das demais es eras de /overno.

os Estados. a programaç'o de um @rg'o. dará origem + meta! )s in ormaç(es mais detal%adas sobre os programas da Cni'o constam no Plano Plurianual e podem ser visuali&ados no sítio bbb!plane$amento!gov!br! 49 .LQ Su.ceç'o + combinaç'o encontraJse na unç'o 2I < Encargos Especiais e suas sub unç(es típicas que s@ podem ser utili&adas con$ugadas! E. respeitados os conceitos e determinaç(es nela contidos! Ou se$a.O/ n4 5271888! 1eveJse adotar como unç'o aquela que # típica ou principal do @rg'o! )ssim. por interm#dio da agregaç'o de determinado subcon$unto de despesas e identi icaç'o da nature&a básica das aç(es que se aglutinam em torno das unç(es! )s sub unç(es podem ser combinadas com unç(es di erentes daquelas +s quais est'o relacionadas na Portaria . a partir dos quais s'o relacionadas +s aç(es sob a orma de atividades. pro$etos ou operaç(es especiais. mas cada um estabelecerá seus pr@prios programas e aç(es de acordo com a re erida Portaria! HQ P"o!"a#a Programa # o instrumento de organi&aç'o da atuaç'o governamental que articula um con$unto de aç(es que concorrem para a concreti&aç'o de um ob$etivo comum preestabelecido. quanti icado por sua unidade de medida. a Cni'o. suas estruturas de programas.emploE MinistHrio da Ed@caç=o F)NÇÃO HL S)BF)NÇÃO JGO Edu%a:@o Edu%a:@o InCanti$ MHQMKQMLQMJ CLASSIFICAÇÃO POR ESTR)T)RA PROGRAMÁTICA "oda aç'o do /overno está estruturada em programas orientados para a reali&aç'o dos ob$etivos estrat#gicos de inidos no Plano Plurianual >PP)? para o período de quatro anos! Con orme estabelecido no art! 64 da Portaria . especi icando os respectivos valores e metas e as unidades orçamentárias responsáveis pela reali&aç'o da aç'o! ) cada pro$eto ou atividade s@ poderá estar associado um produto. indicada pelos tr-s *ltimos dígitos da classi icaç'o uncional. em atos pr@prios.unicípios estabelecer'o. # classi icada em uma *nica unç'o. c@digos e identi icaç'o.Cun:@o ) sub unç'o. todos os entes devem ter seus trabal%os organi&ados por programas e aç(es. o 1istrito 0ederal e os . ao passo que a sub unç'o # escol%ida de acordo com a especi icidade de cada aç'o governamental! ) e.O/ n4 5271888. visando + soluç'o de um problema ou ao atendimento de determinada necessidade ou demanda da sociedade! O orçamento 0ederal está organi&ado em programas. representa um nível de agregaç'o imediatamente in erior + unç'o e deve evidenciar cada área da atuaç'o governamental. via de regra. que.

envolvendo um con$unto de operaç(es que se reali&am de modo contínuo e permanente. as atividades. das quais resulta um produto que concorre para a e. considerando a dimens'o do orçamento da Cni'o. o que se a& por interm#dio do Hubtítulo! O subtítulo permite maior controle governamental e social sobre a implantaç'o das políticas p*blicas adotadas. a 3ei de 1iretri&es Orçamentárias tem determinado a identi icaç'o da locali&aç'o do gasto.ílios.O/ n4 5271888 n'o estabelece crit#rios para a indicaç'o da locali&aç'o ísica das aç(es. dentre outros! )s aç(es.pans'o ou o aper eiçoamento da aç'o de /overno! E. todavia.emploE M:mplantaç'o da rede nacional de bancos de leite %umanoN! c? Operaç'o Especial 1espesas que n'o contribuem para a manutenç'o. limitadas no tempo. utili&ados especialmente para especi icar a locali&aç'o ísica da aç'o.onitoramento das Operadoras de Planos e Heguros Privados de )ssist-ncia + Ha*deN! b? Pro$eto 2 um instrumento de programaç'o utili&ado para alcançar o ob$etivo de um programa. pro$etos e operaç(es especiais s'o detal%adas em subtítulos. n'o podendo %aver. contribuiç(es e inanciamentos. das quais resulta um produto ou serviço necessário + manutenç'o da aç'o de /overno! E.tBtu$oYLo%a$i3ado" d !a+to ) Portaria . por conseguinte.LQ A:@o )s aç(es s'o operaç(es das quais resultam produtos >bens ou serviços?.pans'o ou aper eiçoamento das aç(es de governo. alteraç'o da inalidade da aç'o. e. no e. das quais n'o resulta um produto. os custos e os impactos da aç'o governamental! Do caso da Cni'o. pro$etos ou operaç(es especiais! a? )tividade 2 um instrumento de programaç'o utili&ado para alcançar o ob$etivo de um programa.terior. subvenç(es. au. na orma de subsídios. e n'o gera contraprestaç'o direta sob a orma de bens ou serviços! JQ Su. que contribuem para atender ao ob$etivo de um programa! :ncluemJse tamb#m no conceito de aç'o as trans er-ncias obrigat@rias ou voluntárias a outros entes da 0ederaç'o e a pessoas ísicas e $urídicas. 50 . al#m de evidenciar a ocali&aç'o. con orme suas características podem ser classi icadas como atividades. envolvendo um con$unto de operaç(es.emploE M0iscali&aç'o e . do produto e das metas estabelecidas! Aale ressaltar que o crit#rio para priori&aç'o da locali&aç'o ísica da aç'o em territ@rio # o da locali&aç'o dos bene iciados pela aç'o! ) locali&aç'o do gasto poderá ser de abrang-ncia nacional.

comp(eJse deE : < Categoria EconOmicaL :: < /rupo de Dature&a da 1espesaL e ::: < Elemento de 1espesa! ) nature&a da despesa será complementada pela in ormaç'o gerencial denominada Mmodalidade de aplicaç'oN. a meta será regionali&ada pela quantidade de crianças a serem vacinadas ou de vacinas empregadas em cada estado >locali&adores de gasto?. possibilitar a eliminaç'o da dupla contagem dos recursos trans eridos ou descentrali&ados! 51 .eta ísica # a quantidade de produto a ser o ertado por aç'o. segundo a sua nature&a. CO.mbito da mesma es era de /overno ou por outro ente da 0ederaç'o e suas respectivas entidades.por =egi'o >DO. precipuamente. e. num determinado período e instituída para cada ano! )s metas ísicas s'o indicadas em nível de subtítulo e agregadas segundo os respectivos pro$etos.emploE Do caso da vacinaç'o de crianças. atividades ou operaç(es especiais! =essalteJse que a territoriali&aç'o das metas ísicas # e.mbito nacional e a despesa paga de orma centrali&ada! :sso tamb#m ocorre com a distribuiç'o de livros didáticos! MHQMKQMLQMK CLASSIFICAÇÃO DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA POR NAT)REZA ) classi icaç'o da despesa orçamentária. H1. modalidade de aplicaç'o. seguridade e investimento?. por um crit#rio especí ico. se or o caso. área geográ ica ou bene iciário. grupo de nature&a de despesa. H3?. de orma regionali&ada. e ob$etiva. identi icador de uso e onte de recursos. ainda que a campan%a se$a de . por estado ou município ou.pressa nos locali&adores de gasto previamente de inidos para a aç'o! E. quando necessário! ) 31O da Cni'o veda que na especi icaç'o do subtítulo %a$a re er-ncia a mais de uma localidade. a qual tem por inalidade indicar se os recursos s'o aplicados diretamente por @rg'os ou entidades no . se determinados! Da Cni'o.cepcionalmente. sendo o produto e a unidade de medida os mesmos da aç'o orçamentária! KQ Co#9on nt + da 9"o!"a#a:@o CB+i%a . DE. o subtítulo representa o menor nível de categoria de programaç'o e será detal%ado por es era orçamentária > iscal. identi icador de resultado primário.

para a ormaç'o ou aquisiç'o de um bem de capital! 2 importante observar que as despesas orçamentárias de capital mant-m uma correlaç'o com o registro de incorporaç'o de ativo imobili&ado. na orma do )ne. atualmente consubstanciados na Portaria :nterministerial H"D7HO0 n4 19672001.ecuç'o orçamentária de todas as es eras de governo! O c@digo da nature&a de despesa orçamentária # composto por seis dígitos. e constantes deste . diretamente. intangível ou investimento >no caso dos grupos de nature&a da despesa 5 < investimentos e G < invers(es inanceiras? ou o registro de desincorporaç'o de um passivo >no caso do grupo de despesa 9 < amorti&aç'o da dívida?! DESPESAS CORRENTES DESPESAS DE CAPITAL 52 . con orme estabelece o parágra o *nico do art! I4 da Portaria :nterministerial H"D7HO0 n4 196. opcionalmente.anual! O con$unto de in ormaç(es que constitui a nature&a de despesa orçamentária orma um c@digo estruturado que agrega a categoria econOmica. diretamente. contemplando o desdobramento acultativo do elementoE ) classi icaç'o da =eserva de Conting-ncia bem como a =eserva do =egime Pr@prio de Previd-ncia Hocial. de 2001! CATEGORIA ECON?MICA ) despesa. por oito. # classi icada em duas categorias econOmicas.o :A daquela 3ei. desdobrado at# o nível de elemento ou.HQ E+t"utu"a da Natu" 3a da D +9 +a O":a# nt. o grupo. assim como a receita. para a ormaç'o ou aquisiç'o de um bem de capital! 1espesas de Capital Classi icamJse nessa categoria aquelas despesas que contribuem. com os seguintes c@digosE CATE1ORIA ECON."ia Os arts! 12 e 16 da 3ei n4 5!62071895.MICA ) + 1espesas Correntes Classi icamJse nessa categoria todas as despesas que n'o contribuem. tratam da classi icaç'o da despesa orçamentária por categoria econOmica e elementos! )ssim como na receita orçamentária. a modalidade de aplicaç'o e o elemento! Essa estrutura deve ser observada na e. ser'o identi icadas com o c@digo M8!8!88!88N. o art! I4 estabelece que os itens da discriminaç'o da despesa orçamentária mencionados no art! 16 ser'o identi icados por n*meros de c@digo decimal. quanto + nature&a da despesa orçamentária.

inclusive com a aquisiç'o de im@veis considerados necessários + reali&aç'o destas *ltimas. contribuiç(es.as e variáveis.tras e vantagens pessoais de qualquer nature&a. e com a aquisiç'o de instalaç(es.ternas contratadas. de 2000! 2 < Buros e Encargos da 1ívida 1espesas orçamentárias com o pagamento de $uros. unç(es ou empregos. bem como encargos sociais e contribuiç(es recol%idas pelo ente +s entidades de previd-ncia. civis. comiss(es e outros encargos de operaç(es de cr#dito internas e e. subvenç(es. al#m de outras despesas da categoria econOmica a1espesas Correntesa n'o classi icáveis nos demais grupos de nature&a de despesa! 5 < :nvestimentos 1espesas orçamentárias com so tbares e com o plane$amento e a e. i.ílioJtransporte. proventos da aposentadoria. militares e de membros de Poder. au. grati icaç(es. con orme estabelece o caput do art! 1I da 3ei Complementar no 101.GR)PO DE NAT)REZA DA DESPESA ' GND 2 um agregador de elementos de despesa com as mesmas características quanto ao ob$eto de gasto.ílioJalimentaç'o. relativas a mandatos eletivos. cargos. equipamentos e material permanente! 53 . re ormas e pens(es. bem como da dívida p*blica mobiliária! 6 < Outras 1espesas Correntes 1espesas orçamentárias com aquisiç'o de material de consumo. %oras e.ecuç'o de obras. au. inclusive adicionais. com quaisquer esp#cies remunerat@rias. subsídios. pagamento de diárias. con orme discriminado a seguirE 1R%PO DE NAT%REIA DA DE PE A 1 $ ) + ' ( PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS J)ROS E ENCARGOS DA DX*IDA O)TRAS DESPESAS CORRENTES IN*ESTIMENTOS IN*ERSWES FINANCEIRAS AMORTIZAÇÃO DA DX*IDA Especi icaç(esE 1 < Pessoal e Encargos Hociais 1espesas orçamentárias com pessoal ativo e inativo e pensionistas. tais como vencimentos e vantagens.

utili&ado nos arts! 19 e 21 da 3ei n4 5!62071895. e s'o registradas na modalidade de aplicaç'o constante da seguinte codi icaç'o atualE 54 . quando a operaç'o n'o importe aumento do capitalL e com a constituiç'o ou aumento do capital de empresas.terna. + "@o %$a++iCi%ada+. $á constituídas. contratual ou mobiliária! O. au.G < :nvers(es 0inanceiras 1espesas orçamentárias com a aquisiç'o de im@veis ou bens de capital $á em utili&aç'oL aquisiç'o de títulos representativos do capital de empresas ou entidades de qualquer esp#cie. in%$u+i/ a a. "tu"a d %"0dito+ adi%ionai+.ílios e contribuiç(es que atualmente s'o identi icados em nível de elementos na classi icaç'o da nature&a da despesa! D'o se con undem com as trans er-ncias de recursos inanceiros.mbito da mesma es era de /overno ou por outro ente da 0ederaç'o e suas respectivas entidades! :ndica se os recursos ser'o aplicados diretamente pela unidade detentora do cr#dito ou mediante trans er-ncia para entidades p*blicas ou privadas! ) modalidade tamb#m permite a eliminaç'o de dupla contagem no orçamento! ObservaJse que o termo Mtrans er-nciasN. d +tinada+ ao at ndi# nto d 9a++i/o+ %ontin! nt + out"o+ "i+%o+. al#m de outras despesas classi icáveis neste grupo! 9 < )morti&aç'o da 1ívida 1espesas orçamentárias com o pagamento e7ou re inanciamento do principal e da atuali&aç'o monetária ou cambial da dívida p*blica interna e e. representadas pelas modalidades de aplicaç'o. # %o#o / nto+ Ci+%ai+ i#9" /i+to+. compreende as subvenç(es.+ "/a:@oE A R + "/a d Contin!1n%ia a R + "/a do RPPS. %o# o %8di!o ]P]Q MODALIDADE DE APLICAÇÃO ) modalidade de aplicaç'o tem por inalidade indicar se os recursos s'o aplicados diretamente por @rg'os ou entidades no . . no -u + " C " ao !"u9o d natu" 3a d d +9 +a.

ICA#&O $0 $$ )0 )1 )$ )' TRANSFERVNCIAS 6 )NIÃO E(EC)ÇÃO ORÇAMENTÁRIA DELEGADA 6 )NIÃO TRANSFERVNCIAS A ESTADOS E AO DISTRITO FEDERAL TRANSFERVNCIAS A ESTADOS E AO DISTRITO FEDERAL ' F)NDO A F)NDO E(EC)ÇÃO ORÇAMENTÁRIA DELEGADA A ESTADOS E AO DISTRITO FEDERAL TRANSFERVNCIAS F)NDO A F)NDO AOS ESTADOS E AO DISTRITO FEDERAL 6 CONTA DE REC)RSOS DE <)E TRATAM OS ^^ H_ E L_ DO ARTQ LK DA LEI COMPLEMENTAR N_ HKH.MODA. DE LMHL TRANSFERVNCIAS F)NDO A F)NDO AOS ESTADOS E AO DISTRITO FEDERAL 6 CONTA DE REC)RSOS DE <)E TRATA O ARTQ LO DA LEI COMPLEMENTAR N_ HKH. DE LMHL TRANSFERVNCIAS A INSTIT)IÇWES M)LTIGO*ERNAMENTAIS 6 CONTA DE 2' REC)RSOS DE <)E TRATAM OS ^^ H_ E L_ DO ARTQ LK DA LEI COMPLEMENTAR N_ HKH. DE LMHL 55 .IDADE DE AP. DE LMHL TRANSFERVNCIAS A M)NICXPIOS TRANSFERVNCIAS A M)NICXPIOS ' F)NDO A F)NDO E(EC)ÇÃO ORÇAMENTÁRIA DELEGADA A M)NICXPIOS TRANSFERVNCIAS F)NDO A F)NDO AOS M)NICXPIOS 6 CONTA DE REC)RSOS DE <)E TRATAM OS ^^ H_ E L_ DO ARTQ LK DA LEI COMPLEMENTAR N_ HKH. DE LMHL TRANSFERVNCIAS F)NDO A F)NDO AOS M)NICXPIOS 6 CONTA DE REC)RSOS DE <)E TRATA O ARTQ LO DA LEI COMPLEMENTAR N_ HKH. DE LMHL TRANSFERVNCIAS A INSTIT)IÇWES PRI*ADAS SEM FINS L)CRATI*OS TRANSFERVNCIAS A INSTIT)IÇWES PRI*ADAS COM FINS L)CRATI*OS TRANSFERVNCIAS A INSTIT)IÇWES M)LTIGO*ERNAMENTAIS TRANSFERVNCIAS A CONS\RCIOS P2BLICOS MEDIANTE CONTRATO DE RATEIO )( +0 +1 +$ +' +( '0 (0 20 21 2$ E(EC)ÇÃO ORÇAMENTÁRIA DELEGADA A CONS\RCIOS P2BLICOS TRANSFERVNCIAS A CONS\RCIOS P2BLICOS MEDIANTE CONTRATO DE 2) RATEIO 6 CONTA DE REC)RSOS DE <)E TRATAM OS ^^ H_ E L_ DO ARTQ LK DA LEI COMPLEMENTAR N_ HKH. DE LMHL TRANSFERVNCIAS A CONS\RCIOS P2BLICOS MEDIANTE CONTRATO DE 2+ RATEIO 6 CONTA DE REC)RSOS DE <)E TRATA O ARTQ LO DA LEI COMPLEMENTAR N_ HKH.

2( 30 *0 *1 *) *+ *' *( ** M)LTIGO*ERNAMENTAIS 6 CONTA DE REC)RSOS DE <)E TRATA O ARTQ LO DA LEI COMPLEMENTAR N_ HKH. inclusive para suas entidades da administraç'o indireta! 22 < E. DE LMHL A DEFINIR TRANSFERVNCIAS A INSTIT)IÇWES Especi icaç(esE 20 < "rans er-ncias + Cni'o 1espesas orçamentárias reali&adas pelos Estados. F)NDOS E ENTIDADES INTEGRANTES DOS ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEG)RIDADE SOCIAL COM CONS\RCIO P2BLICO DO <)AL O ENTE NÃO PARTICIPE APLICAÇÃO DIRETA 6 CONTA DE REC)RSOS DE <)E TRATAM OS ^^ H_ E L_ DO ARTQ LK DA LEI COMPLEMENTAR N_ HKH. DE LMHL TRANSFERVNCIAS AO E(TERIOR APLICAÇWES DIRETAS APLICAÇÃO DIRETA DECORRENTE DE OPERAÇÃO ENTRE \RGÃOS.clusiva do delegante! 60 < "rans er-ncias a Estados e ao 1istrito 0ederal 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros da Cni'o ou dos .unicípios aos Estados e ao 1istrito 0ederal. .ecuç'o Orçamentária 1elegada + Cni'o 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros. inclusive para suas entidades da administraç'o indireta! 56 .unicípios ou pelo 1istrito 0ederal. F)NDOS E ENTIDADES INTEGRANTES DOS ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEG)RIDADE SOCIAL COM CONS\RCIO P2BLICO DO <)AL O ENTE PARTICIPEQ APLICAÇÃO DIRETA DECORRENTE DE OPERAÇÃO DE \RGÃOS. decorrentes de delegaç'o ou descentrali&aç'o + Cni'o para e.ecuç'o de aç(es de responsabilidade e. F)NDOS E ENTIDADES INTEGRANTES DOS ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEG)RIDADE SOCIAL APLICAÇÃO DIRETA DECORRENTE DE OPERAÇÃO DE \RGÃOS. DE LMHL APLICAÇÃO DIRETA 6 CONTA DE REC)RSOS DE <)E TRATA O ARTQ LO DA LEI COMPLEMENTAR N_ HKH. mediante trans er-ncia de recursos inanceiros + Cni'o.

ou de ser aplicada em e. decorrentes de delegaç'o ou descentrali&aç'o a .unicípios aos Estados e ao 1istrito 0ederal por interm#dio da modalidade undo a undo.unicípios.ecuç'o de aç(es de responsabilidade e. + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos. de 2012 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros da Cni'o ou dos . de 2012 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros da Cni'o ou dos . de 2012! 69 < "rans er-ncias 0undo a 0undo aos Estados e ao 1istrito 0ederal + conta de recursos de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151.ecuç'o de aç(es de responsabilidade e.ercícios anteriores.unicípios 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros da Cni'o ou dos Estados aos . decorrentes de delegaç'o ou descentrali&aç'o a Estados e ao 1istrito 0ederal para e.ecuç'o Orçamentária 1elegada a Estados e ao 1istrito 0ederal 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros.61 < "rans er-ncias a Estados e ao 1istrito 0ederal J 0undo a 0undo 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros da Cni'o ou dos .ecuç'o Orçamentária 1elegada a .unicípios aos Estados e ao 1istrito 0ederal por interm#dio da modalidade undo a undo! 62 < E. + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei. inclusive para suas entidades da administraç'o indireta! 51 < "rans er-ncias a .unicípios por interm#dio da modalidade undo a undo! 52 < E.clusiva do delegante! 57 . dos Estados ou do 1istrito 0ederal aos .unicípios 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros.clusiva do delegante! 6G < "rans er-ncias 0undo a 0undo aos Estados e ao 1istrito 0ederal + conta de recursos de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151. de 2012! 50 < "rans er-ncias a . de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151.unicípios J 0undo a 0undo 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros da Cni'o. de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151.unicípios aos Estados e ao 1istrito 0ederal por interm#dio da modalidade undo a undo.unicípios para e.

clusive as trans er-ncias relativas + modalidade de aplicaç'o K1 >"rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio?! K1 < "rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades criadas sob a orma de cons@rcios p*blicos nos termos da 3ei n4 11!10K. de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151. de 2012!! G0 < "rans er-ncias a :nstituiç(es Privadas sem 0ins 3ucrativos 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades sem ins lucrativos que n'o ten%am vínculo com a administraç'o p*blica! 90 < "rans er-ncias a :nstituiç(es Privadas com 0ins 3ucrativos 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades com ins lucrativos que n'o ten%am vínculo com a administraç'o p*blica! K0 < "rans er-ncias a :nstituiç(es .ultigovernamentais 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades criadas e mantidas por dois ou mais entes da 0ederaç'o ou por dois ou mais países. dos Estados ou do 1istrito 0ederal aos .unicípios por interm#dio da modalidade undo a undo. + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos.ecuç'o dos programas e aç(es dos respectivos entes consorciados. de 2012! 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros da Cni'o.ou de ser aplicada em e. + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei. ob$etivando a e. de 2012! 58 .5G < "rans er-ncias 0undo a 0undo aos . de 9 de abril de 200G. inclusive o Brasil. de 2012 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros da Cni'o.unicípios + conta de recursos de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151. dos Estados ou do 1istrito 0ederal aos .unicípios + conta de recursos de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151. mediante contrato de rateio. e.ercícios anteriores de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151.unicípios por interm#dio da modalidade undo a undo. observado o disposto no F 14 do art! 11 da Portaria H"D n4 K2. de 2012! 59 < "rans er-ncias 0undo a 0undo aos .

inclusive o Brasil. por meio de contrato de rateio. + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos. de 9 de abril de 200G. de 14 de evereiro de 2012! K5 < "rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio + conta de recursos de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151. e. e. de 2012 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades criadas sob a orma de cons@rcios p*blicos nos termos da 3ei n4 11!10K. de 2012?. de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151.ultigovernamentais + conta de recursos de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151. decorrentes de delegaç'o ou descentrali&aç'o a cons@rcios p*blicos para e. por meio de contrato de rateio.ercícios anteriores. observado o disposto no F 14 do art! 11 da Portaria H"D n4 K2.clusiva do delegante! K6 < "rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio + conta de recursos de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151. + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que 59 . de 2012! K9 < "rans er-ncias a :nstituiç(es . + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei. de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151.ultigovernamentais + conta de recursos de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151. de 16 de $aneiro de 2012.clusive as trans er-ncias relativas + modalidade de aplicaç'o K6 >"rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio + conta de recursos de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151. de que tratam FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar no 151. observado o disposto no F 14 do art! 11 da Portaria H"D n4 K2. de 2012 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades criadas sob a orma de cons@rcios p*blicos nos termos da 3ei n4 11!10K. inclusive o Brasil. de 2012 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades criadas e mantidas por dois ou mais entes da 0ederaç'o ou por dois ou mais países.K2 < E. + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos. de 2012. de 2012! KG < "rans er-ncias a :nstituiç(es . de 2012?. de 9 de abril de 200G.ou de ser aplicada em e.clusive as trans er-ncias relativas + modalidade de aplicaç'o K5 >"rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio + conta de recursos de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151.ecuç'o Orçamentária 1elegada a Cons@rcios P*blicos 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros. de 2012 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades criadas e mantidas por dois ou mais entes da 0ederaç'o ou por dois ou mais países.ecuç'o de aç(es de responsabilidade e.

undaç(es. quando o recebedor dos recursos or cons@rcio p*blico do qual o ente da 0ederaç'o n'o participe. delegaç(es ou descentrali&aç(es. de 2012! I0 < "rans er-ncias ao E. undaç(es. pagamento de impostos. quando o recebedor dos recursos tamb#m or @rg'o. bens e serviços. de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151. undaç(es. empresa estatal dependente ou outra entidade constante desses orçamentos. bens e serviços. 0undos e Entidades :ntegrantes dos Orçamentos 0iscal e da Heguridade Hocial com Cons@rcio P*blico do qual o Ente D'o Participe 1espesas orçamentárias de @rg'os. undo. autarquia. 0undos e Entidades :ntegrantes dos Orçamentos 0iscal e da Heguridade Hocial com Cons@rcio P*blico do qual o Ente Participe 1espesas orçamentárias de @rg'os. delegaç(es ou descentrali&aç(es. inclusive aqueles que ten%am sede ou recebam os recursos no Brasil! 80 < )plicaç(es 1iretas )plicaç'o direta. empresas estatais dependentes e outras entidades integrantes dos orçamentos iscal e da seguridade social decorrentes da aquisiç'o de materiais. autarquias. empresas estatais dependentes e outras entidades integrantes dos orçamentos iscal e da seguridade social decorrentes da aquisiç'o de materiais. quando o recebedor dos recursos or cons@rcio p*blico do qual o ente da 0ederaç'o participe. 0undos e Entidades :ntegrantes dos Orçamentos 0iscal e da Heguridade Hocial 1espesas orçamentárias de @rg'os.ercícios anteriores.ceto no caso de trans er-ncias. no . e.mbito da mesma es era de governo! 81 < )plicaç'o 1ireta 1ecorrente de Operaç'o entre Trg'os.as e contribuiç(es. bens e serviços. empresas estatais dependentes e outras entidades integrantes dos orçamentos iscal e da seguridade social decorrentes da aquisiç'o de materiais.terior 1espesas orçamentárias reali&adas mediante trans er-ncia de recursos inanceiros a @rg'os e entidades governamentais pertencentes a outros países. de 9 de abril de 200G! 85 < )plicaç'o 1ireta 1ecorrente de Operaç'o de Trg'os. al#m de outras operaç(es. e.mbito da mesma es era de /overno! 86 < )plicaç'o 1ireta 1ecorrente de Operaç'o de Trg'os. al#m de outras operaç(es.ceto no caso de trans er-ncias. undaç'o.ou de ser aplicada em e. ta. autarquias. a organismos internacionais e a undos instituídos por diversos países. no . undos. undos. dos cr#ditos a ela alocados ou oriundos de descentrali&aç'o de outras entidades integrantes ou n'o dos Orçamentos 0iscal ou da Heguridade Hocial. nos termos da 3ei n4 11!10K.dei. autarquias. al#m de outras operaç(es. pela unidade orçamentária. de 9 de abril de 200G! 60 . undos. nos termos da 3ei n4 11!10K.

$uros. + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos. equipamentos e material permanente.mbito da mesma es era de /overno.as. obras e instalaç(es. de 2012! 88 < ) 1e inir .mbito da mesma es era de /overno.ílios. pela unidade orçamentária. de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151.8G < )plicaç'o 1ireta + conta de recursos de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151. serviços de terceiros prestados sob qualquer orma.empli icativa! ) relaç'o dos elementos de despesa # apresentada a seguirE 61 . e. no . tais como vencimentos e vantagens i. de 2012! 89 < )plicaç'o 1ireta + conta de recursos de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151. vedada a e. au. diárias. sendo.ercícios anteriores. no .ecuç'o orçamentária enquanto n'o %ouver sua de iniç'o! ELEMENTO DE DESPESA "em por inalidade identi icar os ob$etos de gasto. + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei. dos cr#ditos a ela alocados ou oriundos de descentrali&aç'o de outras entidades integrantes ou n'o dos Orçamentos 0iscal ou da Heguridade Hocial.odalidade de utili&aç'o e.clusiva do Poder 3egislativo ou para classi icaç'o orçamentária da =eserva de Conting-ncia e da =eserva do =PPH. em alguns casos. de 2012! )plicaç'o direta. de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151. de 2012 )plicaç'o direta. material de consumo. pela unidade orçamentária.ou de ser aplicada em e. subvenç(es sociais. dos cr#ditos a ela alocados ou oriundos de descentrali&aç'o de outras entidades integrantes ou n'o dos Orçamentos 0iscal ou da Heguridade Hocial. amorti&aç'o e outros que a administraç'o p*blica utili&a para a consecuç'o de seus ins! ) descriç'o dos elementos pode n'o contemplar todas as despesas a eles inerentes.

"i!a:D + T"i.E." a DB/ida 9o" Cont"ato LJ Ju"o+. Ga"antia+."a JU A"" nda# nto M "%anti$ JP Out"o+ S "/i:o+ d T "% i"o+ – P ++oa Ju"Bdi%a KH Cont"i.i$i.ono Sa$a"ia$ HH * n%i# nto+ *anta! n+ FiNa+ – P ++oa$ Ci/i$ HL * n%i# nto+ *anta! n+ FiNa+ – P ++oa$ Mi$ita" HJ O."ia LO En%a"!o+ +o. R + "/a R #un "ada R Co"#a+ do+ Mi$ita" + MJ P n+D + do RPPS do Mi$ita" MK Cont"ata:@o 9o" T #9o D t "#inado MO Out"o+ B n CB%io+ P" /id n%i."ia LK Out"o+ En%a"!o+ +o.ui:D + KL AuNB$io+ KJ Su. Ci ntBCi%a+./ n:D + So%iai+ KO Su." O9 "a:D + d C"0dito 9o" Ant %i9a:@o da R % ita LG O./ i+ – P ++oa$ Ci/i$ HT Out"a+ D +9 +a+ *a"i. D +9o"ti/a+ Out"a+ JL Mat "ia$."ia+ Cont"i."a+ In+ta$a:D + 62 .i$i."ia LT En%a"!o+ 9 $a ."ia+ – Mi$ita" HG Out"a+ D +9 +a+ *a"i."-ui%o+ LP Di+t"i.uti/a+ KU Out"o+ AuNB$io+ Finan% i"o+ a P ++oa+ FB+i%a+ KP AuNB$io'T"an+9o"t OH O.ui:@o d R +u$tado d E#9" +a+ E+tatai+ D 9 nd nt + JM Mat "ia$ d Con+u#o JH P" #ia:D + Cu$tu"ai+."i!a:D + d %o"" nt + d Po$Bti%a Mon t.EMENTO DE DE PE A MH A9o+ ntado"ia+ do RPPS." a DB/ida 9o" Cont"ato LL Out"o+ En%a"!o+ +o.ui:@o G"atuita JJ Pa++a! n+ D +9 +a+ %o# Lo%o#o:@o JK Out"a+ D +9 +a+ d P ++oa$ d %o"" nt + d Cont"ato+ d T "% i"i3a:@o JO S "/i:o+ d Con+u$to"ia JG Out"o+ S "/i:o+ d T "% i"o+ – P ++oa FB+i%a JT Lo%a:@o d M@o'd 'O.on"a d A/ai+.ut./ i+ – P ++oa$ Mi$ita" HU AuNB$io Finan% i"o a E+tudant + HP AuNB$io'Fa"da# nto LM AuNB$io Finan% i"o a P +-ui+ado" + LH Ju"o+ +o.!io+ D +%onto+ da DB/ida Mo./ n:D + E%onA#i%a+ KG AuNB$io'A$i# nta:@o KT O."i!a:D + Pat"onai+ HK Di."ia+ – Ci/i$ HO Di."io+ do S "/ido" ou do Mi$ita" MG B n CB%io M n+a$ ao D Ci%i nt ao Ido+o MT Cont"i. B # ou S "/i:o 9a"a Di+t"i." a DB/ida Mo. A"tB+ti%a+.ui:@o a Entidad + F %&ada+ d P" /id1n%ia MU Out"o+ B n CB%io+ A++i+t n%iai+ do S "/ido" ou do Mi$ita" HM S !u"o D + #9" !o A. D +. S !u"o+ Si#i$a" + LU R #un "a:@o d Cota+ d Fundo+ Aut.

a$&i+ta+ Ind ni3a:@o 9 $a EN %u:@o d T"a."ia R +!atada Co"" :@o Mon t."ia R +!atado Co"" :@o Mon t.i$i. "tu"a do D0Ci%it Atua"ia$ do RPPS Co#9 n+a:D + ao RGPS A C$a++iCi%a" Especi icaç(esE 01 < )posentadorias do =PPH."ia R Cinan%iado P"in%i9a$ Co""i!ido da DB/ida Cont"atua$ R Cinan%iado Di+t"i.ia$ da DB/ida Mo. =eserva =emunerada e =e ormas dos .$i%o P"in%i9a$ da DB/ida Cont"atua$ R +!atado P"in%i9a$ da DB/ida Mo.OL OJ OK OO OG OT OU OP GH GL GJ GK GO GG GT TM TH TL TJ TK TO TG TT UH PH PL PJ PK PO PG PT PU PP E-ui9a# nto+ Mat "ia$ P "#an nt A9o+ ntado"ia+ do RGPS – Á" a Ru"a$ A9o+ ntado"ia+ do RGPS – Á" a )"."ia ou Ca#.a$&o+ d Ca#9o R ++a"%i# nto d D +9 +a+ d P ++oa$ R -ui+itado A9o"t 9a"a Co.i$i.ana P n+D + do RGPS – Á" a Ru"a$ P n+D + do RGPS – Á" a )".ia$ da DB/ida Cont"atua$ R +!atada Co"" :@o Mon t.ana P n+D + E+9 %iai+ A-ui+i:@o d I#8/ i+ A-ui+i:@o d P"oduto+ 9a"a R / nda A-ui+i:@o d TBtu$o+ d C"0dito A-ui+i:@o d TBtu$o+ R 9" + ntati/o+ d Ca9ita$ 7. Int !"a$i3ado Con+titui:@o ou Au# nto d Ca9ita$ d E#9" +a+ Con% ++@o d E#9"0+ti#o+ Finan%ia# nto+ D 98+ito+ Co#9u$+8"io+ Rat io 9 $a 9a"ti%i9a:@o # Con+8"%io P>."ia da DB/ida d O9 "a:D + d C"0dito 9o" Ant %i9a:@o da R % ita P"in%i9a$ Co""i!ido da DB/ida Mo.i$i. e de reserva remunerada e re ormas dos militares 63 ."ia ou Ca#.ana Out"o+ B n CB%io+ do RGPS – Á" a Ru"a$ Out"o+ B n CB%io+ do RGPS – Á" a )".ui:@o Con+titu%iona$ ou L !a$ d R % ita+ S nt n:a+ Judi%iai+ D +9 +a+ d EN "%B%io+ Ant "io" + Ind ni3a:D + R +titui:D + Ind ni3a:D + R +titui:D + T"a.ilitares 1espesas orçamentárias com pagamento de aposentadorias dos servidores inativos do =egime Pr@prio de Previd-ncia do Hervidor J =PPH.

ílioJcrec%e ou assist-ncia pr#Jescolar devido a dependente do servidor ou militar. quando a parturiente n'o or servidoraL au. para complementaç'o de aposentadoria! 0I < Outros Bene ícios )ssistenciais do Hervidor ou do . comprovadamente.Jservidor ou do e. re ormas e pens(es! 09 < Bene ício .uridade social.ensal ao 1e iciente e ao :doso 1espesas orçamentárias decorrentes do cumprimento do art! 206. e.ílioJreclus'o devido + amília do servidor ou do militar a astado por motivo de pris'o. que disp(eE “Art..cepcional interesse p*blico. as despesas com o uneral do e. ou a terceiro que custear. inclusive obrigaç(es patronais e outras despesas variáveis.arantia de u" sal#rio "Bni"o de bene.iciGncia e ao idoso /ue co"prove" não possuir "eios de prover a pr+pria "anuten!ão ou de tG*la provida por sua .ílioJ uneral devido + amília do servidor ou do militar alecido na atividade. inciso A. 5>6. da Constituiç'o 0ederal.$ 0K < Contribuiç'o a Entidades 0ec%adas de Previd-ncia 1espesas orçamentárias com os encargos da entidade patrocinadora no regime de previd-ncia ec%ada. ou do aposentado.ílioJnatalidade devido a servidora ou militar.. ou a cOn$uge ou compan%eiro servidor p*blico ou militar.e te" por obKetivos: '.a"Blia.or"e dispuser a lei.06 < Pens(es do =PPH e do . de acordo com legislaç'o especí ica de cada ente da 0ederaç'o.clusive aposentadoria.( ) – a .ílioJdoença! 10 < Heguro 1esemprego e )bono Halarial 1espesas orçamentárias com pagamento do seguroJdesemprego e do abono de que tratam o inciso :: do art! K4 e o F 64 do art! 268 da Constituiç'o 0ederal. A assistGncia social ser# prestada a /ue" dela necessitarindependente"ente de contribui!ão 8 se.JmilitarL au.con.Bcio "ensal 8 pessoa portadora de de. quando or o caso! 0G < Outros Bene ícios Previdenciários do Hervidor ou do .ilitar 1espesas orçamentárias com pagamento de pens(es civis do =PPH e dos militares! 05 < Contrataç'o por "empo 1eterminado 1espesas orçamentárias com a contrataç'o de pessoal por tempo determinado para atender a necessidade temporária de e. respectivamente! 64 . inclusive au. por motivo de nascimento de il%o. tais como au. e salárioJ amília. con orme regulamentoL e au.ilitar 1espesas orçamentárias com bene ícios previdenciários do servidor ou militar.ilitar 1espesas orçamentárias com bene ícios assistenciais.

inistro de Estado.ilitar 1espesas orçamentárias comE HoldoL /rati icaç'o de 3ocalidade EspecialL /rati icaç'o de =epresentaç'oL )dicional de "empo de HerviçoL )dicional de Uabilitaç'oL )dicional de Compensaç'o Org.ensalL 3icençaJPr-mio por assiduidadeL =etribuiç'o Básica >Aencimentos ou Halário no E.J d#cimos?L :ndeni&aç'o de Uabilitaç'o PolicialL )diantamento do 164 HalárioL 164 Halário ProporcionalL :ncentivo 0uncional J HanitaristaL )bono Provis@rioL MPr@JlaboreN de ProcuradoresL e outras despesas correlatas de caráter permanente! 12 < Aencimentos e Aantagens 0i. da Constituiç'o?L )dicionais de PericulosidadeL =epresentaç'o . de Hecretário de Estado e de . inciso ZA::.ncias =adioativasL /rati icaç'o pela C%e ia de 1epartamento.as < Pessoal Civil 1espesas orçamentárias comE AencimentoL Halário Pessoal PermanenteL Aencimento ou Halário de Cargos de Con iançaL HubsídiosL Aencimento de Pessoal em 1isponibilidade =emuneradaL /rati icaç(es. tais como 0undo de /arantia por "empo de Herviço e contribuiç(es para :nstitutos de Previd-ncia.agist#rio de l4 e 24 /raus?L /rati icaç'o de 0unç'oJ.terior?L 1i erenças :ndividuais PermanentesL Aantagens Pecuniárias de . previstas na estrutura remunerat@ria dos militares! 16 < Obrigaç(es Patronais 1espesas orçamentárias com encargos que a administraç'o tem pela sua condiç'o de empregadora.agist#rio HuperiorL /rati icaç'o de )tendimento e Uabilitaç'o PrevidenciáriosL /rati icaç'o Especial de 3ocalidadeL /rati icaç'o de 1esempen%o das )tividades =odoviáriasL /rati icaç'o da )tividade de 0iscali&aç'o do "rabal%oL /rati icaç'o de Engen%eiro )grOnomoL /rati icaç'o de DatalL /rati icaç'o de Estímulo + 0iscali&aç'o e )rrecadaç'o de Contribuiç(es e de "ributosL /rati icaç'o por Encargo de Curso ou de ConcursoL /rati icaç'o de Produtividade do EnsinoL /rati icaç'o de Uabilitaç'o Pro issionalL /rati icaç'o de )tividadeL /rati icaç'o de =epresentaç'o de /abineteL )dicional de :nsalubridadeL )dicional DoturnoL )dicional de 0#rias 176 >art! K4. inclusive a alíquota de contribuiç'o suplementar para cobertura do d# icit atuarial.clusivaL /rati icaç'o de =eg-ncia de ClasseL /rati icaç'o pela C%e ia ou Coordenaç'o de Curso de Vrea ou EquivalenteL /rati icaç'o por Produç'o HuplementarL /rati icaç'o por "rabal%o de =aios Z ou Hubst. de caráter permanente.nicaL )dicional .11 < Aencimentos e Aantagens 0i.as < Pessoal . bem como os encargos resultantes do pagamento com atraso das contribuiç(es de que trata este elemento de despesa! 65 . 1ivis'o ou EquivalenteL /rati icaç'o de 1ireç'o /eral ou 1ireç'o >.Jquintos e e. inativo e pensionistas.ilitarL )dicional de Perman-nciaL )dicional de 0#riasL )dicional DatalinoL e outras despesas correlatas.unicípioL 0#rias )ntecipadas de Pessoal PermanenteL )viso Pr#vio >cumprido?L 0#rias Aencidas e ProporcionaisL Parcela :ncorporada >e. tais comoE /rati icaç'o )dicional Pessoal 1isponívelL /rati icaç'o de :nteriori&aç'oL /rati icaç'o de 1edicaç'o E. e resultantes de pagamento de pessoal ativo.

tais comoE %oraJ e.ercício em caráter permanente! 1G < 1iárias < . individual ou coletivamente. e cu$o pagamento s@ se e etua em circunst. no desenvolvimento de pesquisas cientí icas e tecnol@gicas. e.ílioJ ardamento.ilitar 1espesas orçamentárias eventuais.ílioJ0ardamento 1espesas orçamentárias com o au. e concess'o de au. reali&adas por pessoas ísicas na condiç'o de estudante. nas suas mais diversas modalidades. decorrentes do pagamento de pessoal dos @rg'os e entidades da administraç'o direta e indireta! 1K < Outras 1espesas Aariáveis < Pessoal .ncias especí icas.15 < 1iárias < Civil 1espesas orçamentárias com cobertura de alimentaç'o.ílio 0inanceiro a Estudantes 1espesas orçamentárias com a$uda inanceira concedida pelo Estado a estudantes comprovadamente carentes. pousada e locomoç'o urbana. destinadas + indeni&aç'o das despesas de alimentaç'o e pousada! 19 < Outras 1espesas Aariáveis < Pessoal Civil 1espesas orçamentárias relacionadas +s atividades do cargo7emprego ou unç'o do servidor. de nature&a remunerat@ria.ceto aquelas classi icadas em elementos de despesas especí icos! 1I < )u.ílio 0inanceiro a Pesquisadores 1espesas Orçamentárias com apoio inanceiro concedido a pesquisadores. observado o disposto no art! 29 da 3ei Complementar n4 10172000! 18 < )u.ercício da atividade militar. do servidor p*blico estatutário ou celetista que se desloca de sua sede em ob$eto de serviço. entendido como sede o . pago diretamente ao servidor ou militar! 20 < )u. observado o disposto no art! 29 da 3ei Complementar n4 10172000! 21 < Buros sobre a 1ívida por Contrato 1espesas orçamentárias com $uros re erentes a operaç(es de cr#dito e etivamente contratadas! 66 .traL substituiç(esL e outras despesas da esp#cie. e.unicípio onde a repartiç'o estiver instalada e onde o servidor tiver e. em caráter eventual ou transit@rio.ílio para o desenvolvimento de estudos e pesquisas de nature&a cientí ica. devidas em virtude do e.ilitar 1espesas orçamentárias decorrentes do deslocamento do militar da sede de sua unidade por motivo de serviço.ceto na condiç'o de estudante.

22 < Outros Encargos sobre a 1ívida por Contrato 1espesas orçamentárias com outros encargos da dívida p*blica contratada.onetária 1espesas orçamentárias com a cobertura do resultado negativo do Banco Central do Brasil. inclusive a título de dividendos e participaç'o de empregados nos re eridos resultados! 60 < .aterial de Consumo 1espesas orçamentárias com álcool automotivoL gasolina automotivaL diesel automotivoL lubri icantes automotivosL combustível e lubri icantes de aviaç'oL gás engarra adoL outros combustíveis e lubri icantesL material biol@gico. Heguros e Himilares 1espesas orçamentárias que a administraç'o # compelida a reali&ar em decorr-ncia da %onra de avais. da Constituiç'o! 29 < Obrigaç(es decorrentes de Política . seguro. FI4.obiliária 1espesas orçamentárias com a remuneraç'o real devida pela aplicaç'o de capital de terceiros em títulos p*blicos! 25 < Outros Encargos sobre a 1ívida . nos termos da legislaç'o vigente! 2K < Encargos pela Uonra de )vais. corretagem. em ra&'o dos resultados positivos desses undos! 28 J 1istribuiç'o de =esultado de Empresas Estatais 1ependentes 1espesas orçamentárias com a distribuiç'o de resultado positivo de empresas estatais dependentes. garantias. armacol@gico e laboratorialL animais para estudo. ianças e similares concedidos! 2I < =emuneraç'o de Cotas de 0undos )utárquicos 1espesas orçamentárias com encargos decorrentes da remuneraç'o de cotas de undos autárquicos. seguros. tais comoE comiss'o. con orme art! 19G. imposto de renda e outros encargos! 26 < Buros.obiliária 1espesas orçamentárias com outros encargos da dívida mobiliária. pr-mios. tais comoE ta. inclusive os $uros decorrentes de operaç(es de cr#dito por antecipaç'o da receita. como autoridade monetária.as. + semel%ança de dividendos. /arantias. etc! 2G < Encargos sobre Operaç(es de Cr#dito por )ntecipaç'o da =eceita 1espesas orçamentárias com o pagamento de encargos da dívida p*blica. apurado em balanço. comiss(es bancárias. 1eságios e 1escontos da 1ívida . corte ou abateL alimentos para animaisL material de coudelaria ou de uso &oot#cnicoL sementes e mudas de plantasL g-neros de alimentaç'oL material de construç'o 67 .

artísticas. condecoraç(es. de acordo com o art! 1I. tro #us.para reparos em im@veisL material de manobra e patrul%amentoL material de proteç'o. )rtísticas. pedágios. medal%as. ta. tais comoE remuneraç'o de serviços de nature&a eventual. socorro e sobreviv-nciaL material de e.pedienteL material de cama e mesa. e produtos de %igieni&aç'oL material grá ico e de processamento de dadosL aquisiç'o de disqueteL material para esportes e divers(esL material para otogra ia e ilmagemL material para instalaç'o el#trica e eletrOnicaL material para manutenç'o. com aquisiç'o de passagens >a#reas. tecidos e aviamentosL material de acondicionamento e embalagemL suprimento de proteç'o ao vOoL suprimento de aviaç'oL sobressalentes de máquinas e motores de navios e esquadraL e. luviais ou marítimas?. locaç'o ou uso de veículos para transporte de pessoas e suas respectivas bagagens. l. reali&adas diretamente ou por meio de empresa contratada. ardamento. bem como com o pagamento de pr-mios em pec*nia. retamento.mulas e insígnias e outros materiais de uso n'o duradouro! 61 < Premiaç(es Culturais. bens ou serviços que possam ser distribuídos gratuitamente. %ospitalar e ambulatorialL material químicoL material para telecomunicaç(esL vestuário.plosivos e muniç(esL bandeiras. desportivas e outras! 66 < Passagens e 1espesas com 3ocomoç'o 1espesas orçamentárias. prestadoras de serviços nas áreas de consultorias t#cnicas ou auditorias inanceiras ou $urídicas. F14. e. 1esportivas e Outras 1espesas orçamentárias com a aquisiç'o de pr-mios. reposiç'o e aplicaç'oL material odontol@gico. g-neros alimentícios e outros materiais. seguros. inclusive decorrentes de sorteios lot#ricos! 62 < . medicamentos. bens ou serviços para distribuiç'o gratuita. prestado por pessoa ísica sem vínculo 68 . segurança. uni ormes.aterial. cientí icas. inclusive quando decorrentes de mudanças de domicílio no interesse da administraç'o! 65 < Outras 1espesas de Pessoal decorrentes de Contratos de "erceiri&aç'o 1espesas orçamentárias relativas + m'oJdeJobra constantes dos contratos de terceiri&aç'o. Cientí icas. de 2000. ou assemel%adas! 69 < Outros Herviços de "erceiros < Pessoa 0ísica 1espesas orçamentárias decorrentes de serviços prestados por pessoa ísica pagos diretamente a esta e n'o enquadrados nos elementos de despesa especí icos. computadas para ins de limites da despesa total com pessoal previstos no art! 18 dessa 3ei! 6G < Herviços de Consultoria 1espesas orçamentárias decorrentes de contratos com pessoas ísicas ou $urídicas. Bem ou Herviço para 1istribuiç'o /ratuita 1espesas orçamentárias com aquisiç'o de materiais. terrestres. copa e co&in%a. da 3ei Complementar n4 101. tais como livros didáticos.ceto se destinados a premiaç(es culturais. etc!.as de embarque.

ercantil 1espesas orçamentárias com contratos de arrendamento mercantil. respectivamente.. vigil.ílios 1espesas orçamentárias destinadas a atender a despesas de investimentos ou invers(es inanceiras de outras es eras de governo ou de entidades privadas sem ins lucrativos. correios.'oJdeJObra 1espesas orçamentárias com prestaç'o de serviços por pessoas $urídicas para @rg'os p*blicos. tais como limpe&a e %igiene. observado o disposto na legislaç'o vigente! 52 < )u. tele. observado.a e m@vel celularL e outros cong-neres. simp@sios. o disposto nos arts! 2G e 29 da 3ei Complementar n4 10172000! 56 < Hubvenç(es Hociais 1espesas orçamentárias para cobertura de despesas de instituiç(es privadas de caráter assistencial ou cultural. etc!?L retes e carretosL locaç'o de im@veis >inclusive despesas de condomínio e tributos + conta do locatário. sem inalidade lucrativa.ncia ostensiva e outros.clusive a indeni&aç'o a servidor?L %abilitaç'o de tele onia i. observado o disposto no art! 29 da 3=0! 69 .ceto os decorrentes de obrigaç'o patronal?L serviços de asseio e %igieneL serviços de divulgaç'o. com opç'o ou n'o de compra do bem de propriedade do arrendador! 68 < Outros Herviços de "erceiros < Pessoa Burídica 1espesas orçamentárias decorrentes da prestaç'o de serviços por pessoas $urídicas para @rg'os p*blicos. tais comoE assinaturas de $ornais e peri@dicosL tari as de energia el#trica. de acordo com os arts! 19. encadernaç'o e emolduramentoL serviços uneráriosL despesas com congressos. água e esgotoL serviços de comunicaç'o >tele one. bem como os encargos resultantes do pagamento com atraso das obrigaç(es n'o tributárias! 51 < Contribuiç(es 1espesas orçamentárias +s quais n'o correspondam contraprestaç'o direta em bens e serviços e n'o se$am reembolsáveis pelo recebedor.posiç(esL valeJre eiç'oL au.empregatícioL estagiários. parágra o *nico. nos casos em que o contrato especi ique o quantitativo ísico do pessoal a ser utili&ado! 6I < )rrendamento . e 1K da 3ei n4 5!62071895. impress'o. quando previstos no contrato de locaç'o?L locaç'o de equipamentos e materiais permanentesL so tbareL conservaç'o e adaptaç'o de bens im@veisL seguros em geral >e. gás. inclusive as destinadas a atender a despesas de manutenç'o de outras entidades de direito p*blico ou privado. con er-ncias ou e.ílioJcrec%e >e. monitores diretamente contratadosL grati icaç'o por encargo de curso ou de concursoL diárias a colaboradores eventuaisL locaç'o de im@veisL salário de internos nas penitenciáriasL e outras despesas pagas diretamente + pessoa ísica! 6K < 3ocaç'o de .

5G < Hubvenç(es EconOmicas 1espesas orçamentárias com o pagamento de subvenç(es econOmicas, a qualquer título, autori&adas em leis especí icas, tais comoE a$uda inanceira a entidades privadas com ins lucrativosL concess'o de boni icaç(es a produtores, distribuidores e vendedoresL cobertura, direta ou indireta, de parcela de encargos de empr#stimos e inanciamentos e dos custos de aquisiç'o, de produç'o, de escoamento, de distribuiç'o, de venda e de manutenç'o de bens, produtos e serviços em geralL e, ainda, outras operaç(es com características semel%antes! 59 < )u.ílioJ)limentaç'o 1espesas orçamentárias com au.ílioJalimentaç'o pagas em orma de pec*nia, de bil%ete ou de cart'o magn#tico, diretamente aos militares, servidores, estagiários ou empregados da )dministraç'o P*blica direta e indireta! 5K < Obrigaç(es "ributárias e Contributivas 1espesas orçamentárias decorrentes do pagamento de tributos e contribuiç(es sociais e econOmicas >:mposto de =enda, :C,H, :PA), :P"C, "a.a de 3impe&a P*blica, CO0:DH, P:H7P)HEP, etc!?, e.ceto as incidentes sobre a ol%a de salários, classi icadas como obrigaç(es patronais, bem como os encargos resultantes do pagamento com atraso das obrigaç(es de que trata este elemento de despesa! 5I < Outros )u.ílios 0inanceiros a Pessoas 0ísicas 1espesas orçamentárias com a concess'o de au.ílio inanceiro diretamente a pessoas ísicas, sob as mais diversas modalidades, tais como a$uda ou apoio inanceiro e subsídio ou complementaç'o na aquisiç'o de bens, n'o classi icados e.plícita ou implicitamente em outros elementos de despesa, observado o disposto no art! 29 da 3ei Complementar n4 10172000! 58 < )u.ílioJ"ransporte 1espesas orçamentárias com au.ílioJtransporte pagas em orma de pec*nia, de bil%ete ou de cart'o magn#tico, diretamente aos militares, servidores, estagiários ou empregados da )dministraç'o P*blica direta e indireta, destinado ao custeio parcial das despesas reali&adas com transporte coletivo municipal, intermunicipal ou interestadual nos deslocamentos de suas resid-ncias para os locais de trabal%o e viceJversa, ou trabal%oJ trabal%o nos casos de acumulaç'o lícita de cargos ou empregos! G1 < Obras e :nstalaç(es 1espesas com estudos e pro$etosL início, prosseguimento e conclus'o de obrasL pagamento de pessoal temporário n'o pertencente ao quadro da entidade e necessário + reali&aç'o das mesmasL pagamento de obras contratadasL instalaç(es que se$am incorporáveis ou inerentes ao im@vel, tais comoE elevadores, aparel%agem para ar condicionado central, etc!

70

G2 < Equipamentos e ,aterial Permanente 1espesas orçamentárias com aquisiç'o de aeronavesL aparel%os de mediç'oL aparel%os e equipamentos de comunicaç'oL aparel%os, equipamentos e utensílios m#dico, odontol@gico, laboratorial e %ospitalarL aparel%os e equipamentos para esporte e divers(esL aparel%os e utensílios dom#sticosL armamentosL coleç(es e materiais bibliográ icosL embarcaç(es, equipamentos de manobra e patrul%amentoL equipamentos de proteç'o, segurança, socorro e sobreviv-nciaL instrumentos musicais e artísticosL máquinas, aparel%os e equipamentos de uso industrialL máquinas, aparel%os e equipamentos grá icos e equipamentos diversosL máquinas, aparel%os e utensílios de escrit@rioL máquinas, erramentas e utensílios de o icinaL máquinas, tratores e equipamentos agrícolas, rodoviários e de movimentaç'o de cargaL mobiliário em geralL obras de arte e peças para museuL semoventesL veículos diversosL veículos erroviáriosL veículos rodoviáriosL outros materiais permanentes! G6 < )posentadorias do =/PH < Vrea =ural 1espesas orçamentárias com pagamento de aposentadorias dos segurados do plano de bene ícios do =egime /eral de Previd-ncia Hocial J =/PH, relativos + área rural! G5 < )posentadorias do =/PH < Vrea Crbana 1espesas orçamentárias com pagamento de aposentadorias dos segurados do plano de bene ícios do =egime /eral de Previd-ncia Hocial J =/PH, relativos + área urbana! GG < Pens(es do =/PH < Vrea =ural 1espesas orçamentárias com pagamento de pensionistas do plano de bene ícios do =egime /eral de Previd-ncia Hocial J =/PH, inclusive decorrentes de sentenças $udiciais, todas relativas + área rural! G9 < Pens(es do =/PH < Vrea Crbana 1espesas orçamentárias com pagamento de pensionistas do plano de bene ícios do =egime /eral de Previd-ncia Hocial J =/PH, inclusive decorrentes de sentenças $udiciais, todas relativas + área urbana! GK < Outros Bene ícios do =/PH < Vrea =ural 1espesas orçamentárias com bene ícios do =egime /eral de Previd-ncia Hocial < =/PH relativas + área rural, e.clusive aposentadoria e pens(es! GI < Outros Bene ícios do =/PH < Vrea Crbana 1espesas orçamentárias com bene ícios do =egime /eral de Previd-ncia Hocial < =/PH relativas + área urbana, e.clusive aposentadoria e pens(es!

71

G8 < Pens(es Especiais 1espesas orçamentárias com pagamento de pens(es especiais, inclusive as de caráter indeni&at@rio, concedidas por legislaç'o especí ica, n'o vinculadas a cargos p*blicos! 91< )quisiç'o de :m@veis 1espesas orçamentárias com a aquisiç'o de im@veis considerados necessários + reali&aç'o de obras ou para sua pronta utili&aç'o! 92 < )quisiç'o de Produtos para =evenda 1espesas orçamentárias com a aquisiç'o de bens destinados + venda utura! 96 < )quisiç'o de "ítulos de Cr#dito 1espesas orçamentárias com a aquisiç'o de títulos de cr#dito n'o representativos de quotas de capital de empresas! 95 < )quisiç'o de "ítulos =epresentativos de Capital $á :ntegrali&ado 1espesas orçamentárias com a aquisiç'o de aç(es ou quotas de qualquer tipo de sociedade, desde que tais títulos n'o representem constituiç'o ou aumento de capital! 9G < Constituiç'o ou )umento de Capital de Empresas 1espesas orçamentárias com a constituiç'o ou aumento de capital de empresas industriais, agrícolas, comerciais ou inanceiras, mediante subscriç'o de aç(es representativas do seu capital social! 99 < Concess'o de Empr#stimos e 0inanciamentos 1espesas orçamentárias com a concess'o de qualquer empr#stimo ou inanciamento, inclusive bolsas de estudo reembolsáveis! 9K < 1ep@sitos Compuls@rios 1espesas orçamentárias com dep@sitos compuls@rios e.igidos por legislaç'o especí ica, ou determinados por decis'o $udicial! K0 < =ateio pela participaç'o em Cons@rcio P*blico 1espesa orçamentária relativa ao rateio das despesas decorrentes da participaç'o do ente 0ederativo em Cons@rcio P*blico instituído nos termos da 3ei n4 11!10K, de 9 de )bril de 200G!

72

onetária da 1ívida de Operaç(es de Cr#dito por )ntecipaç'o de =eceita 1espesas orçamentárias com correç'o monetária da dívida decorrente de operaç'o de cr#dito por antecipaç'o de receita! K9 < Principal Corrigido da 1ívida . com recursos provenientes da emiss'o de novos títulos da dívida p*blica mobiliária! KK < Principal Corrigido da 1ívida Contratual =e inanciado 1espesas orçamentárias com o re inanciamento do principal da dívida p*blica contratual. interna e e. prevista na Constituiç'o ou em leis especí icas.terna! K2 < Principal da 1ívida . de contribuiç(es e de outras receitas vinculadas.K1 < Principal da 1ívida Contratual =esgatado 1espesas orçamentárias com a amorti&aç'o e etiva do principal da dívida p*blica contratual.terna.obiliária =esgatado 1espesas orçamentárias com a amorti&aç'o e etiva do valor nominal do título da dívida p*blica mobiliária. inclusive correç'o monetária ou cambial.terna.onetária ou Cambial da 1ívida . e etivamente amorti&ado! K5 < Correç'o .terna.obiliária =esgatada 1espesas orçamentárias decorrentes da atuali&aç'o do valor nominal do título da dívida p*blica mobiliária. cu$a compet-ncia de arrecadaç'o # do @rg'o trans eridor! 73 . interna e e. interna e e.terna! K6 < Correç'o . interna e e. e etivamente amorti&ado! KG < Correç'o . inclusive correç'o monetária ou cambial. com recursos provenientes da emiss'o de títulos da dívida p*blica mobiliária! I1 < 1istribuiç'o Constitucional ou 3egal de =eceitas 1espesas orçamentárias decorrentes da trans er-ncia a outras es eras de governo de receitas tributárias.obiliária =e inanciado 1espesas orçamentárias com o re inanciamento do principal da dívida p*blica mobiliária. interna e e.onetária ou Cambial da 1ívida Contratual =esgatada 1espesas orçamentárias decorrentes da atuali&aç'o do valor do principal da dívida contratual.

as 8 conta de dota!ão especB. e no art! KI do )to das 1isposiç(es Constitucionais "ransit@rias J)1C"L b? cumprimento de sentenças $udiciais.edidas CautelaresL e e? cumprimento de outras decis(es $udiciais! 82 < 1espesas de E. e restituiç(es. de empresas p*blicas e sociedades de economia mista.ica. podendo ser em decorr-ncia da participaç'o em programa de desligamento voluntário.iciente para atendG*las.clusive as trabal%istas.se"pre /ue possBvel. multas e contribuiç(es incidentes sobre os dep@sitos do 0undo de /arantia por "empo de Herviço etc!. nos termos do F64 do art! 100 da Constituiç'oL d? cumprimento de decis(es $udiciais. 6%.nava cr9dito pr+prio.discri"inada por ele"ento.andados de Hegurança e .be" co"o os <estos a Pa.nada no or!a"ento. e.obedecida. em cumprimento ao disposto no art! 100 e seus parágra os da Constituiç'o. que assim estabeleceE Art. transitadas em $ulgado. 86 < :ndeni&aç(es e =estituiç(es 1espesas orçamentárias com indeni&aç(es. devidas por @rg'os e entidades a qualquer título./ue não se tenHa" processado na 9poca pr+pria. bem como a restituiç'o de valores descontados indevidamente. inclusive #rias e avisoJ pr#vio indeni&ados. em unç'o da perda da condiç'o de servidor ou empregado. na orma de inida em lei.81 < Hentenças Budiciais 1espesas orçamentárias resultantes deE a? pagamento de precat@rios.para as /uais o or!a"ento respectivo consi. inclusive devoluç'o de receitas quando n'o or possível e etuar essa devoluç'o mediante a compensaç'o com a receita correspondente. quando n'o or possível e etuar essa restituiç'o mediante compensaç'o com a receita correspondente! 74 . pro eridas em . de pequeno valor. integrantes dos Orçamentos 0iscal e da Heguridade HocialL c? cumprimento de sentenças $udiciais. transitadas em $ulgado.ercícios )nteriores 1espesas orçamentárias com o cumprimento do disposto no art! 6K da 3ei n4 5!62071895.ica consi.co" saldo su. bem como outras despesas de nature&a indeni&at@ria n'o classi icadas em elementos de despesas especí icos! 85 < :ndeni&aç(es e =estituiç(es "rabal%istas 1espesas orçamentárias resultantes do pagamento e etuado a servidores p*blicos civis e empregados de entidades integrantes da administraç'o p*blica.poderão ser pa.a orde" cronol+.ar co" prescri!ão interro"pida e os co"pro"issos reconHecidos ap+s o encerra"ento do exercBcio correspondente. As despesas de exercBcios encerrados.

inspeç'o e iscali&aç'o de ronteiras internacionais! 89 < =essarcimento de 1espesas de Pessoal =equisitado 1espesas orçamentárias com ressarcimento das despesas reali&adas pelo @rg'o ou entidade de origem quando o servidor pertencer a outras es eras de governo ou a empresas estatais n'o dependentes e optar pela remuneraç'o do cargo e etivo. vedada a sua utili&aç'o na e. de 15 de de&embro de 2011.8G < :ndeni&aç'o pela E. tais como os de campan%a de combate e controle de endemiasL marcaç'o. para e. sem direito + percepç'o de diárias.ceto as decorrentes de alíquota de contribuiç'o suplementar! 8I < Compensaç(es ao =/PH 1espesas orçamentárias com compensaç'o ao 0undo do =egime /eral de Previd-ncia Hocial em virtude de desoneraç(es.ecuç'o orçamentária ica acultado por parte de cada ente o desdobramento dos elementos de despesa! MHQMKQMLQMO ORIENTAÇÃO PARA A CLASSIFICAÇÃO <)ANTO 6 NAT)REZA DA DESPESA Do processo de aquisiç'o de bens ou serviços por parte do ente da 0ederaç'o.ecuç'o orçamentária! DESDOBRAMENTO FAC)LTATI*O DO ELEMENTO DA DESPESA Con orme as necessidades de escrituraç'o contábil e controle da e. inspeç'o e manutenç'o de marcos decis@riosL topogra ia. pesquisa.ecuç'o de trabal%os de campo. que estabelece a necessidade de a Cni'o compensar o valor correspondente + estimativa de ren*ncia previdenciária decorrente dessa 3ei! 88 < ) Classi icar Elemento transit@rio que deverá ser utili&ado enquanto se aguarda a classi icaç'o em elemento especí ico. # necessário observar alguns passos para que se possa proceder + adequada classi icaç'o quanto + nature&a de despesa e garantir que a in ormaç'o contábil se$a idedigna! 75 .ecuç'o de "rabal%os de Campo 1espesas orçamentárias com indeni&aç(es devidas aos servidores que se a astarem de seu local de trabal%o. como a prevista no inciso :A do art! 84 da 3ei n4 12!G59. saneamento básico. con orme plano de amorti&aç'o estabelecido em lei do respectivo ente 0ederativo. e. nos termos das normas vigentes! 8K < )porte para Cobertura do 1# icit )tuarial do =PPH 1espesas orçamentárias com aportes peri@dicos destinados + cobertura do d# icit atuarial do =egime Pr@prio de Previd-ncia Hocial < =PPH.

como serviços de terceiros.aternidade e )u. pois se a& necessária a emiss'o de empen%o para suportar esse contrato! Extraor!a"ent#rios < s'o aqueles decorrentes deE :? Haídas compensat@rias no ativo e no passivo inanceiro < representam desembolsos de recursos de terceiros em poder do ente p*blico. tais comoE a? 1evoluç'o dos valores de terceiros >cauç(es7dep@sitos? < a cauç'o em din%eiro constitui uma garantia ornecida pelo contratado e tem como ob$etivo assegurar a e.a do passivo inanceiro em contrapartida a receita orçamentária! b? =ecol%imento de Consignaç(es7=etenç(es < s'o recol%imentos de valores anteriormente retidos na ol%a de salários de pessoal ou nos pagamentos de serviços de terceirosL c? Pagamento das operaç(es de cr#dito por antecipaç'o de receita orçamentária >)=O? < con orme determina a 3=0. ser'o ob$eto de compensaç'o ou restituiç'o! ::? Pagamento de restos a pagar < s'o as saídas para pagamentos de despesas empen%adas em e. as antecipaç(es de receitas orçamentárias para atender a insu ici-ncia de cai.a dever'o ser quitadas at# o dia 10 de de&embro de cada ano! "ais pagamentos n'o necessitam de autori&aç'o orçamentária para que se$am e etuadosL d? Pagamentos de HalárioJ0amília. ir para o pr@. HalárioJ. n'o %á registro de despesa orçamentária. por orça de lei.traorçamentário.ílioJDatalidade < os bene ícios da Previd-ncia Hocial adiantados pelo empregador. t-m nature&a e. para ressarcimento da )dministraç'o pelos valores das multas e indeni&aç(es a ela devidos. posteriormente.ercícios anteriores! He o desembolso # e. se o contratado cumpriu com todas as obrigaç(es.imo passo! 76 .ecuç'o do contrato celebrado com o poder p*blico! )o t#rmino do contrato.ecuç'o da garantia contratual.emplo de despesa de nature&a orçamentária a contrataç'o de bens e serviços para reali&aç'o de determinaç'o aç'o.traorçamentária e. mas uma desincorporaç'o de passivo ou uma apropriaç'o de ativo! He o desembolso # orçamentário.traorçamentário! Dr!a"ent#rios <! )s despesas de caráter orçamentário necessitam de recurso p*blico para sua reali&aç'o e constituem instrumento para alcançar os ins dos programas governamentais! 2 e.1º Passo – :denti icar se o registro do ato # de caráter orçamentário ou e. o valor será devolvido pela administraç'o p*blica! Caso %a$a e. será registrada a bai.

"io+ do S "/ido" ou do Mi$ita" HH – * n%i# nto+ *anta! n+ FiNa+ – P ++oa$ Ci/i$ HJ – O." a DB/ida 9o" Cont"ato LJ – Ju"o+."i!a:D + Pat"onai+ HG – Out"a+ D +9 +a+ *a"i. con orme conceitos dispostos no item 5!6!1!1 deste .EMENTO MH – A9o+ ntado"ia+ do RPPS.ecuç'o. as despesas de capital ense$am o registro de incorporaç'o de ativo imobili&ado. as =eservas do =PPH e de Conting-ncia ser'o identi icadas como grupo M8N. arJseJá a identi icaç'o do elemento de despesa.!io+ D +%onto+ da DB/Q Mo."ia 1 – PessoaE e Encar>os ociais $ – J@ros e Encar>os da DD<ida 77 ." a DB/ida Mo." a DB/ida 9o" Cont"ato LL – Out"o+ En%a"!o+ +o.emplos >n'o e. R + "/a R #un "ada R Co"#a+ do+ Mi$ita" + MJ – P n+D + do RPPS do Mi$ita" MK – Cont"ata:@o 9o" T #9o D t "#inado MO – Out"o+ B n CB%io+ P" /id n%i. o pr@. mediante os quais se dar'o e etivamente a despesa que será classi icada nos respectivos grupos! 4º Passo < Por im. intangível ou investimento >no caso dos grupos de despesa 5 < investimentos e G < invers(es inanceiras? ou o registro de desincorporaç'o de um passivo >no caso do grupo de despesa 9 < amorti&aç'o da dívida?! 3º Passo < Observada a categoria econOmica da despesa. o ob$eto im do gasto! Dormalmente.anual! 6 < 1espesas CorrentesL e 5 < 1espesas de Capital! Con orme $á mencionado."ia LK – Out"o+ En%a"!o+ +o. D +.i$i. os elementos de despesa guardam correlaç'o com os grupos.i$i.2º Passo < :denti icar a categoria econOmica da despesa orçamentária. con orme conceitos estabelecidos no item 5!6!1!2deste . servindo de onte para abertura de cr#ditos adicionais./ i+ – P ++oa$ Ci/i$ HT – Out"a+ D +9 +a+ *a"i. ou se$a./ i+ – P ++oa$ Mi$ita" LH – Ju"o+ +o. veri icando se # uma despesa corrente ou de capital.imo passo # veri icar o grupo de nature&a da despesa orçamentária. todavia n'o s'o passíveis de e.austivos?E 1R%PO E0EMP.O DE COM"INA#8E COM O E.anual! 1 < Pessoal e Encargos HociaisL 2 < Buros e Encargos da 1ívidaL 6 < Outras 1espesas CorrentesL 5 < :nvestimentosL G < :nvers(es 0inanceirasL e 9 < )morti&aç'o da 1ívida! Para e eito de classi icaç'o. mas n'o %á impedimento para que alguns elementos típicos de despesa corrente este$am relacionados a um grupo de despesa de capital! E.

1istrito 0ederal e . por categoria econOmica."a+ In+ta$a:D + OL – E-ui9a# nto+ Mat "ia$ P "#an nt GH – A-ui+i:@o d I#8/ i+ GH – A-ui+i:@o d I#8/ i+ GJ – A-ui+i:@o d TBtu$o+ d C"0dito GK – A-ui+Q TBtu$o+ R 9"Q Ca9ita$ 7. arJseJá. quanto + sua nature&a.as a!2es serão identi.ia$ da DB/ida Cont"atua$ R +!atada 01.un!2es.inanceira e o pro.inanceiras ( – AmortiAaç=o da DD<ida JM – Mat "ia$ d Con+u#o JL – Mat "ia$. passou a ser obrigat@ria a identi icaç'o.$ ) partir da ediç'o da Portaria . introdu&iu em seus dispositivos a necessidade de o orçamento evidenciar os programas de governo! “Art. constante dos orçamentos iscal.ra"a de trabalHo do .0+. da seguridade social e de investimento das empresas estatais n'o dependentes! O orçamento anual consignará import. programas.ncia para atender determinada despesa a im de e.) – O@tras DesKesas Correntes + – In<estimentos ' – In<ersLes .ncia # denominada de dotaç'o! Da lei orçamentária anual."a JU – A"" nda# nto M "%anti$ JP – Out"o+ S "/i:o+ d T "% i"o+ – P ++oa Ju"Bdi%a JM – Mat "ia$ d Con+u#o JJ – Pa++a! n+ D +9 +a+ %o# Lo%o#o:@o OH – O.$ 78 . a discriminaç'o da despesa. atividades e operaç(es especiaisE “Art. Estados.0) CRMDITO OR#AMENT!RIO INICIAI E ADICIONAI ) autori&aç'o legislativa para a reali&aç'o da despesa constitui cr#dito orçamentário.universalidade e anualidade.ra"as.proKetos. con orme estabelece o art! 94 da Portaria :nterministerial H"D7HO0 n4 19672001! ) 3ei n4 5!62071895. nas leis orçamentárias. sub unç(es.atividades e opera!2es especiais.pro. 5R.ui:@o G"atuita JJ – Pa++a! n+ D +9 +a+ %o# Lo%o#o:@o JO – S "/i:o+ d Con+u$to"ia JG – Out"o+ S "/i:o+ d T "% i"o+ – P ++oa FB+i%a JT – Lo%a:@o d M@o'd 'O. entendeJse aquele aprovado pela lei orçamentária anual.ecutar aç(es que l%e caiba reali&ar! "al import. pro$etos.O/ n4 5271888 aplicada + Cni'o. que poderá ser inicial ou adicional! Por cr#dito orçamentário inicial. A Lei do Dr!a"ento conter# a discri"ina!ão da receita e despesa de . B # ou S "/i:o 9a"a Di+t"i.i$i. grupo de nature&a de despesa e modalidade de aplicaç'o. Int !"a$i3ado TH – P"in%i9a$ da DB/ida Cont"atua$ R +!atado TL – P"in%i9a$ da DB/ida Mo."ia ou Ca#.sub.un!2es. das aç(es em termos de unç(es. no mínimo.or"a a evidenciar a polBtica econE"ico*.overnoobedecidos aos princBpios de unidade.unicípios.icadas e" ter"os de . :C Fas leis or!a"ent#rias e nos balan!os."ia R +!atado TJ – Co"" :@o Mon t. apesar de n'o instituir ormalmente o orçamentoJprograma.

atividades e operaç(es especiais. os destinados a re Orço de dotaç'o orçamentáriaL :: < especiais. o que poderia levar em alguns casos. sob o en oque de resultado. os destinados a despesas para as quais n'o %a$a dotaç'o orçamentária especí icaL ::: < e. sub unç(es. adicionandoJse + dotaç'o orçamentária que deva re orçar. os destinados a despesas urgentes e imprevistas. pela abertura de novos cr#ditos especiais e e. para os casos em que %a$a necessidade de autori&aç'o legislativa para os cr#ditos adicionais. evidenciaJse como a )dministraç'o P*blica está e etuando os gastos para atingir determinados ins! O orçamento anual pode ser alterado por meio de cr#ditos adicionais! Por cr#dito adicional. necessitando da e. uma alteraç'o orçamentária por meio de lei demandaria tempo e es orço de vários @rg'os. mas se o ob$etivo do gasto oi alcançado de modo e iciente! ObservaJse que a identi icaç'o. em caso de guerra.posiç'o $usti icada! Da Cni'o.ist-ncia de recursos disponíveis e precedida de e. no caso de omiss'o. pois e.traordinários. entendemJse as autori&aç(es de despesas n'o computadas ou insu icientemente dotadas na 3ei Orçamentária! Con orme o art! 51 da 3ei n4 5!62071895. dependendo de pr#via autori&aç'o legislativa. # consolidada a import. demonstrandoJse as despesas reali&adas + conta dos mesmos. pro$etos. pela regra prevista nos respectivos cr#ditos ou. estes s'o considerados autori&ados e abertos com a sanç'o e a publicaç'o da respectiva lei! 79 . e n'o necessariamente os itens de gastos! ) ideia # mostrar + populaç'o e ao legislativo o que será reali&ado em um determinado período. das unç(es. por meio de programas e aç(es e quanto eles ir'o custar + sociedade e n'o o de apresentar apenas ob$etos de gastos que isoladamente n'o garantem a transpar-ncia necessária! ) aprovaç'o e a alteraç'o da lei orçamentária elaborada at# o nível de elemento de despesa poderá ser mais burocrática e. a contrataç'o de um serviço mais caro! Do entanto. menos e iciente. enquanto que os cr#ditos especiais e e.ige es orços de plane$amento em um nível de detal%e que nem sempre será possível ser mantido! Por e. comoç'o intestina ou calamidade p*blica!N O cr#dito suplementar incorporaJse ao orçamento. em con$unto com a classi icaç'o do cr#dito orçamentário por categoria econOmica. consequentemente. entendeJse que o re orço de um cr#dito especial ou de um cr#dito e.traordinário deve darJse. nos arts! 52 e 56.emplo. se com pessoa ísica ou $urídica. por um preço in erior.ncia da elaboraç'o do orçamento por programa com a vis'o de que o legislativo aprova as aç(es de governo buscando a aplicaç'o e etiva do gasto. pouco deve interessar para a sociedade a orma em que oi contratado o serviço. programas. que os cr#ditos suplementares e especiais ser'o abertos por decreto do poder e. nas leis orçamentárias. se um ente tivesse no seu orçamento um gasto previsto no elemento 68 < Outros Herviços de "erceiros < Pessoa Burídica e pudesse reali&ar esse serviço com uma pessoa ísica. atende ao princípio da especi icaç'o! Por meio dessa classi icaç'o.1essa orma. os cr#ditos adicionais s'o classi icados emE M: < suplementares. grupo de nature&a de despesa e modalidade de aplicaç'o.traordinários! ) 3ei n4 5!62071895 determina.ecutivo.traordinários conservam sua especi icidade. separadamente! Desse sentido. respectivamente.

identi icador de uso >:C? e onte de recursos >0=? n'o s'o caracteri&adas como cr#ditos adicionais por n'o alterarem o valor das dotaç(es! Essas alteraç(es s'o denominadas Moutras alteraç(es orçamentáriasN e s'o reali&adas por meio de atos in ralegais. identi icador de resultado primário >=P?. visto que n'o %á e.ercício inanceiro correspondente! 01.ecutivo e submetido ao Congresso Dacional! ) vig-ncia dos cr#ditos adicionais restringeJse ao e.ercício inanceiro em que oram autori&ados. tais como modalidade de aplicaç'o. na ótica orçamentária. emenda ou re$eiç'o do pro$eto de lei orçamentária que icarem sem destinaç'o podem ser utili&ados como onte %ábil para abertura de cr#ditos especiais e suplementares.ecutivo e submetidos ao poder legislativo correspondente! Da Cni'o.cesso de arrecadaç'oL ::: < os resultantes de anulaç'o parcial ou total de dotaç(es orçamentárias ou de cr#ditos adicionais.0+.traordinários devem ser abertos por decreto do poder e. as alteraç(es dos atributos do cr#dito orçamentário. 80 . poderá ser utili&ada para abertura de cr#ditos adicionais. Constituiç'o 0ederal?! =essalteJse que. bem como eventos iscais imprevistos. F24. autori&ados em 3eiL :A < o produto de operaç(es de credito autori&adas.ecuç'o direta da reserva! O art! 55 da 3ei n4 5!62071895 regulamenta que os cr#ditos e. esse tipo de cr#dito # aberto por medida provis@ria do Poder E.ConsideramJse recursos disponíveis para ins de abertura de cr#ditos suplementares e especiais. situaç'o na qual a vig-ncia ica prorrogada at# o t#rmino do e. observadas as autori&aç(es constantes da 3ei de 1iretri&es Orçamentárias do e.320/1964 estabelece que pertencem ao exercício financeiro as despesas nele legalmente empenhadas: M)rt! 6G! Pertencem ao e. no FI4 do art! 199. estabelece que os recursos ob$eto de veto. abertos nos *ltimos quatro meses do e.ercício inanceiro subsequente >art! 19K. constantes da 3ei Orçamentária da Cni'o.0+ RECONBECIMENTO DA DE PE A OR#AMENT!RIA A Lei nº 4.ercício anteriorL :: < os provenientes de e.ercício inanceiroE c!!!d :: < as despesas nele legalmente empen%adas!N Observa-se que o ato da emissão do empenho.traordinários.ceto os cr#ditos especiais e e. con orme disposto no F14 do art! 56 da 3ei n4 5!62071895E M: < o superávit inanceiro apurado em balanço patrimonial do e.ercício inanceiro. mediante autori&aç'o legislativa! ) reserva de conting-ncia destinada ao atendimento de passivos contingentes e outros riscos. constitui a despesa orçamentária e o passivo financeiro para fins de cálculo do superávit financeiro.ecutivo reali&áJlas!N ) Constituiç'o 0ederal de 18II. em orma que $uridicamente possibilite ao poder e. na Cni'o. e. que poder'o ter seus saldos reabertos por instrumento legal apropriado.

a da disponibilidade por destinaç'o de recursos oi reali&ada no momento do empen%o.ercício inanceiro da emiss'o do empen%o e a receita orçamentária pela arrecadaç'o! 81 . con orme o F64 do art! 10G da 3ei n4 5!620795E “46C D Passivo Minanceiro co"preender# as dBvidas .i$idad 9o" d +tina:@o d #9 n&o Di+9oni. considerandoJse esse o momento da geraç'o do passivo inanceiro. são os seguintes: =o momento do empen>o da despesa orçamentária CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D GQLQLQHQHQNNQNN C"0dito di+9onB/ $ C GQLQLQHQJQMHQNN C"0dito #9 n&ado a $i-uida" CCdi>o da Conta D UQLQHQHQNQNNQNN C UQLQHQHQLQNNQNN CCdi>o da Conta D GQLQLQHQJQMHQNN C GQLQLQHQJQMLQNN TDt@Eo da Conta EN %u:@o da di+9oni. liquidaç'o e pagamento! MHQMKQMKQMH RELACIONAMENTO DO REGIME ORÇAMENTÁRIO COM O REGIME CONTÁBIL Do setor p*blico. o regime orçamentário recon%ece a despesa orçamentária no e.i$idad d " %u"+o+ Di+9oni.a"ento independa de autori a!ão or!a"ent#ria.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o TDt@Eo da Conta C"0dito #9 n&ado a $i-uida" C"0dito #9 n&ado # $i-uida:@o =o momento da li6uidação da despesa orçamentária CCdi>o da Conta D GQLQLQHQJQMLQNN C GQLQLQHQJQMJQNN CCdi>o da Conta D C UQLQHQHQLQNNQNN UQLQHQHQJQNNQNN TDt@Eo da Conta C"0dito #9 n&ado # $i-uida:@o C"0dito #9 n&ado $i-uidado a 9a!a" TDt@Eo da Conta Di+9oni. %á o controle da destinaç'o de recursos no momento da liquidaç'o! =essaltaJse que as despesas antecipadas seguem as mesmas etapas de e.i$idad 9o" d +tina:@o d $i-uida:@o nt"ada+ %o#9 n+at8"ia+ " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" ObservaJse que a bai. sob a ótica do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público.ecuç'o das outras despesas.$ Contudo.Os registros contábeis.undadas e outros pa. adicionalmente. ou se$aE empen%o.

A Le"onstra!ão das )aria!2es Patri"oniais evidenciar# as altera!2es veri.o conHeci"ento da co"posi!ão patri"onial.ecuç'o orçamentária.M)rt! 6G! Pertencem ao e. e.$ ObservaJse que.icadas no patri"Enio.inanceiros.ani ados de .a deter"ina!ão dos custos dos servi!os industriais.( Art.ecuç'o orçamentária! “JBtulo I7 – La =ontabilidade '. o art! 6G da 3ei n4 5!62071895 re ereJse ao regime orçamentário e n'o ao regime contábil >patrimonial? aplicável ao setor p*blico para recon%ecimento de ativos e passivos! 1essa orma. observando os princípios contábeis da compet-ncia e da oportunidade. A contabilidade evidenciar# os ..ercício inanceiroE : < as receitas nele arrecadadasL :: < as despesas nele legalmente empen%adas!N ) Contabilidade )plicada ao Hetor P*blico. e n'o quando os recursos inanceiros s'o recebidos ou pagos! )ssim...( Art. con orme tratado na Parte :: deste . obedece aos princípios de contabilidade! 1essa orma. '. 100 e 105.or"a a per"itire" o aco"panHa"ento da execu!ão or!a"ent#ria.ados 8 ad"inistra!ão or!a"ent#ria.igeJse evidenciar os atos ligados + e. al#m do registro dos atos ligados + e. determina que as variaç(es patrimoniais devam ser evidenciadas.ecuç'o inanceira e patrimonial./ue abran.erais.atos li. 05. 1>>.be" co"o as varia!2es independentes dessa execu!ão e as superveniGncias e insubsistGncias ativas e passivas.inanceira.( Art. a 3ei n4 5!62071895. se$am elas independentes ou resultantes da e...patri"onial e industrial.ercício! Portanto...a an#lise e a interpreta!ão dos resultados econE"icos e . nos arts! IG.constituirão ele"entos da conta patri"onial.o levanta"ento dos balan!os . Ds servi!os de contabilidade serão or. 1>:.anual! 82 . 01. '.( Art. assim como qualquer outro ramo da ci-ncia contábil. aplicaJse o princípio da compet-ncia em sua integralidade. deve %aver o registro da variaç'o patrimonial diminutiva em ra&'o do ato gerador. com o ob$etivo de evidenciar o impacto no patrimOnio..igindo que os atos modi icativos se$am levados + conta de resultado e que as in ormaç(es contábeis permitam o con%ecimento da composiç'o patrimonial e dos resultados econOmicos e inanceiros de determinado e. As altera!2es da situa!ão lB/uida patri"onial.e" os resultados da execu!ão or!a"ent#ria. os e eitos das transaç(es e outros eventos s'o recon%ecidos quando ocorrem. e. '. ou se$a.resultantes ou independentes da execu!ão or!a"ent#riae indicar# o resultado patri"onial do exercBcio. I8.

ist-ncia de tr-s tipos de relacionamento entre o segundo estágio da e.istente no passivo! Caso esse procedimento n'o se$a eito.i$idad d " %u"+o+ C UQLQHQHQLQNNQNN Di+9oni.erGncia do passivo patri"onial para o .igível! E.Para ins de contabilidade patrimonial. nos meses de novembro e de&embro! Apropria!ão "ensal . liquidaç'o e pagamento ocorrem. veri icaJse a e. o passivo inanceiro será contado duplamente."io FPI C LQHQHQHQNQNNQNN P ++oa$ a 9a!a" – HJ_ +a$. e o empen%o.ecuç'o da despesa orçamentária.li/uida!ão e trans. em geral.emplos a seguir."io FFI CCdi>o da Conta D GQLQLQHQJQMHQNN C GQLQLQHQJQMLQNN TDt@Eo da Conta C"0dito #9 n&ado a $i-uida" C"0dito #9 n&ado # $i-uida:@o 83 .ecuç'o Orçamentária nos meses do pagamentoE E"penHo. pois seu montante será considerado tanto na conta cr#dito empen%ado a liquidar quanto na conta de obrigaç'o anteriormente contabili&ada no passivo e.inanceiro: CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta C"0dito di+9onB/ $ D GQLQLQHQHQNNQNN C GQLQLQHQJQMHQNN C"0dito #9 n&ado a $i-uida" CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D UQLQHQHQNQNNQNN EN %u:@o da di+9oni.igível ocorre antes do empen%o e a conta cr#dito empen%ado em liquidaç'o # utili&ada para evitar que o passivo inanceiro se$a contabili&ado em duplicidade! O passivo inanceiro # calculado a partir das contas cr#dito empen%ado a liquidar e contas do passivo que representem obrigaç(es independentes de autori&aç'o orçamentária para serem reali&adas! )o se iniciar o processo de e. a conta cr#dito empen%ado a liquidar deve ser debitada em contrapartida da conta cr#dito empen%ado em liquidaç'o no montante correspondente + obrigaç'o $á e. re erente aos direitos do trabal%ador em decorr-ncia do m-s trabal%ado. o ato gerador da obrigaç'o e.ecuç'o da despesa orçamentária >liquidaç'o? e o recon%ecimento da variaç'o patrimonial diminutivaE a? )propriaç'o da variaç'o patrimonial diminutiva antes da liquidaç'oE Dos tr-s e.emplo 1E Do registro da apropriaç'o mensal para 164 salário.1S15 do 16C sal#rio?: CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta R #un "a:@o a 9 ++oa$ D JQHQHQNQNQNNQNN C LQHQHQHQNQNNQNN P ++oa$ a 9a!a" ' HJ_ +a$."io FPI E.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D LQHQHQHQNQNNQNN P ++oa$ a 9a!a" ' HJ_ +a$.

i$idad d " %u"+o+ C UQLQHQHQLQNNQNN Di+9oni.ti%a FPI Fo"n % do" + %onta+ a 9a!a" a %u"to 9"a3o FFI 84 ."io FFI D LQHQHQHQNQNNQNN C HQHQHQHQHQNNQNN CaiNa -ui/a$ nt + d %aiNa # #o da na%iona$ FFI CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta C"0dito #9 n&ado $i-uidado a 9a!a" D GQLQLQHQJQMJQNN C GQLQLQHQJQMKQNN C"0dito #9 n&ado 9a!o CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta Di+9oni. sem tempo %ábil para e.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" $i-uida:@o nt"ada+ %o#9 n+at8"ia+ Fo "o"ento do pa.CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta C"0dito #9 n&ado # $i-uida:@o D GQLQLQHQJQMLQNN C GQLQLQHQJQMJQNN C"0dito #9 n&ado $i-uidado a 9a!a" CCdi>o da Conta D UQLQHQHQLQNNQNN C UQLQHQHQJQNNQNN TDt@Eo da Conta Di+9oni.ecuç'o do segundo estágio da despesa orçamentária >liquidaç'o?! Fo "o"ento do e"penHo: CCdi>o da Conta D GQLQLQHQHQNNQNN C GQLQLQHQJQMHQNN TDt@Eo da Conta C"0dito di+9onB/ $ C"0dito #9 n&ado a $i-uida" CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D UQLQHQHQNQNNQNN EN %u:@o da di+9oni.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" $i-uida:@o D UQLQHQHQJQNNQNN nt"ada+ %o#9 n+at8"ia+ C UQLQHQHQKQNNQNN Di+9oni.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ uti$i3ada Exe"plo 5: =ecebimento de nota iscal re erente + compra de 100 computadores no dia 2I de de&embro.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o <ecebi"ento dos 1>> co"putadores no dia 50 de de e"bro: CCdi>o da Conta D HQLQJQHQNQNNQNN C LQHQJQNQNQNNQNN TDt@Eo da Conta B n+ #8/ i+ ' B n+ d inCo"#.a"ento: CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta P ++oa$ a 9a!a" – HJ_ +a$.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o Di+9oni.

em ra&'o da pro. de inido pela 3ei n4 5!62071895! b? )propriaç'o da variaç'o patrimonial diminutiva simultaneamente + liquidaç'o < Do ornecimento de prestaç'o de serviço de limpe&a e conservaç'oL Fo "o"ento do e"penHo: CCdi>o da Conta D GQLQLQHQHQNNQNN C GQLQLQHQJQMHQNN TDt@Eo da Conta C"0dito di+9onB/ $ C"0dito #9 n&ado a $i-uida" CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D UQLQHQHQNQNNQNN EN %u:@o da di+9oni.igível devida ao ornecedor! Em atendimento ao princípio contábil da oportunidade.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o <ecebi"ento da nota .i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o Di+9oni. gerando a necessidade da ase Mem liquidaç'oN para a correta apuraç'o do valor do passivo inanceiro para ins de cálculo do superávit inanceiro.ercício.emplo.iscal de servi!os e li/uida!ão: CCdi>o da Conta D JQJQLQNQNQNNQNN C LQHQJQNQNQNNQNN TDt@Eo da Conta *a"ia:@o 9at"i#onia$ di#inuti/a – + "/i:o+ Fo"n % do" + %onta+ a 9a!a" a %u"to 9"a3o FFI CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D GQLQLQHQJQMHQNN C"0dito #9 n&ado a $i-uida" C GQLQLQHQJQMJQNN C"0dito #9 n&ado $i-uidado a 9a!a" CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D UQLQHQHQLQNNQNN Di+9oni. a obrigaç'o e.CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D GQLQLQHQJQMHQNN C"0dito #9 n&ado a $i-uida" C GQLQLQHQJQMLQNN C"0dito #9 n&ado # $i-uida:@o Do recebimento da nota iscal re erente aos computadores. ocasionando a inscriç'o dessa despesa orçamentária em restos a pagar n'o processados! Aeri icaJse uma lacuna temporal entre o momento da entrega dos computadores e a liquidaç'o.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" $i-uida:@o C UQLQHQHQJQNNQNN nt"ada+ %o#9 n+at8"ia+ Fo "o"ento do pa.i$idad d " %u"+o+ C UQLQHQHQLQNNQNN Di+9oni.imidade do im do e.igível deve ser contabili&ada no momento da ocorr-ncia do ato gerador! Desse e.a"ento: CCdi>o da Conta D LQHQJQNQNQNNQNN C HQHQHQHQHQNNQNN TDt@Eo da Conta Fo"n % do" + %onta+ a 9a!a" a %u"to 9"a3oFFI CaiNa -ui/a$ nt + d %aiNa # #o da na%iona$ FFI 85 . sup(eJse que n'o %averá tempo %ábil para o t#rmino da ase de liquidaç'o. ocorre o ato gerador da obrigaç'o e.

i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o Di+9oni.CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D GQLQLQHQJQMJQNN C"0dito #9 n&ado $i-uidado C GQLQLQHQJQMKQNN C"0dito #9 n&ado 9a!o CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta Di+9oni.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ Di+9oni. no qual será recon%ecida a despesaL Fo "o"ento do e"penHo: CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D GQLQLQHQHQNNQNN C"0dito di+9onB/ $ C GQLQLQHQJQMHQNN C"0dito #9 n&ado a $i-uida" CCdi>o da Conta D UQLQHQHQHQNNQNN C UQLQHQHQLQNNQNN TDt@Eo da Conta Di+9oni.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ uti$i3ada c? )propriaç'o da variaç'o patrimonial diminutiva ap@s a liquidaç'o < Da aquisiç'o de material de consumo que será estocado em almo.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" $i-uida:@o nt"ada+ %o#9 n+at8"ia+ No momento do pagamento: CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D LQHQJQNQNQNNQNN Fo"n % do" + %onta+ a 9a!a" a %u"to 9"a3o FFI C HQHQHQHQHQNNQNN CaiNa -ui/a$ nt + d %aiNa # #o da na%iona$ FFI 86 .i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" $i-uida:@o D UQLQHQHQJQNNQNN nt"ada+ %o#9 n+at8"ia+ C UQLQHQHQKQNNQNN Di+9oni.ari ado para uso em momento posterior.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o Fo "o"ento da li/uida!ão e incorpora!ão ao esto/ue: CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D HQHQOQGQNQNNQNN E+to-u ' A$#oNa"iCado C LQHQJQNQNQNNQNN Fo"n % do" + %onta+ a 9a!a" a %u"to 9"a3o FFI CCdi>o da Conta D GQLQLQHQJQMHQNN C GQLQLQHQJQMJQNN CCdi>o da Conta D UQLQHQHQLQNNQNN C UQLQHQHQJQNNQNN TDt@Eo da Conta C"0dito #9 n&ado a $i-uida" C"0dito #9 n&ado $i-uidado a 9a!a" TDt@Eo da Conta Di+9oni.

aç'o da despesa orçamentária # concluído com a autori&aç'o dada pelo poder legislativo por meio da lei orçamentária anual.aç'o da despesa orçamentária insereJse no processo de plane$amento e compreende a adoç'o de medidas em direç'o a uma situaç'o ideali&ada. a 3ei de 1iretri&es Orçamentárias e a 3ei Orçamentária )nual! O processo da i. ressalvadas as eventuais aberturas de cr#ditos adicionais no decorrer da vig-ncia do orçamento! 87 . toda a análise para a ormulaç'o do plano e aç(es governamentais que serviram de base para a i. incluídos nas leis orçamentárias com base nas receitas previstas. a programaç'o orçamentária e inanceira.aç'o da despesa re ereJse aos limites de gastos.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ uti$i3ada Fo "o"ento do reconHeci"ento da varia!ão patri"onial di"inutiva por co"petGncia .i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" $i-uida:@o D UQLQHQHQJQNNQNN nt"ada+ %o#9 n+at8"ia+ C UQLQHQHQKQNNQNN Di+9oni. a descentrali&aç'o7movimentaç'o de cr#ditos.no "o"ento da saBda do esto/ue?: CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D JQJQHQHQHQNNQNN *a"ia:@o 9at"i#onia$ di#inuti/a – Con+u#o d #at "ia$ – CONSOLIDAÇÃO C HQHQOQGQNQNNQNN E+to-u + – A$#oNa"iCado FPI MHQMKQMKQML ETAPAS DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA PLANEJAMENTO ) etapa do plane$amento abrange. os instrumentos de plane$amento compreendem o Plano Plurianual.CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta C"0dito #9 n&ado $i-uidado a 9a!a" D GQLQLQHQJQMJQNN C GQLQLQHQJQMKQNN C"0dito #9 n&ado 9a!o CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta Di+9oni. a serem e etuados pelas entidades p*blicas! ) i. tendo em vista os recursos disponíveis e observando as diretri&es e prioridades traçadas pelo governo! Con orme art! 19G da Constituiç'o 0ederal de 18II.aç'o da despesa orçamentária. de modo geral. e o processo de licitaç'o e contrataç'o! HQ FiNa:@o da d +9 +a ) i.

a *nica di erença # que a e. disp(e queE M)rt! I4 "odo e qualquer cr#dito orçamentário deve ser consignado. porventura. a e. respeitadas ielmente a classi icaç'o uncional e a estrutura programática! Portanto. liquidaç'o e pagamento na unidade descentrali&adora do cr#dito orçamentário e inclus'o na receita e na despesa do ente recebedor dos recursosJob$eto da descentrali&aç'o. as dotaç(es ser'o empregadas obrigat@ria e integralmente na consecuç'o do ob$etivo previsto pelo programa de trabal%o pertinente. da Constituiç'o. diretamente. no todo ou em parte. ou se$a.ecuç'o de despesas mediante descentrali&aç'o a outro ente da 0ederaç'o processarJseJá de acordo com os mesmos procedimentos adotados para as trans er-ncias voluntárias. ocorrer entre unidades gestoras de @rg'os ou entidades de estrutura di erente. empen%o. tamb#m c%amada de provis'o! He. tamb#m denominada de destaque! Da descentrali&aç'o.ecutar a despesa orçamentária! )s descentrali&aç(es de cr#ditos orçamentários n'o se con undem com trans er-ncias e transposiç'o. mantidas as classi icaç(es institucional. uncional. inciso A:. desde que se mostre legal e tecnicamente possível! "endo em vista o disposto no art! 6G da 3ei n4 10!1I0. poisE − n'o modi icam a programaç'o ou o valor de suas dotaç(es orçamentárias >cr#ditos adicionais?L e − n'o alteram a unidade orçamentária >classi icaç'o institucional? detentora do cr#dito orçamentário aprovado na lei orçamentária ou em cr#ditos adicionais! Suando a descentrali&aç'o envolver unidades gestoras de um mesmo @rg'o temJse a descentrali&aç'o interna.terna. independentemente do grupo de nature&a de despesa em que or classi icado.LQ D +% nt"a$i3a:D + d %"0dito+ o":a# nt. a @rg'o ou entidade de outro ente da 0ederaç'o. de 11 de agosto de 2011 >3ei de 1iretri&es Orçamentárias para 2012?.ecuç'o de despesas da compet-ncia de @rg'os e unidades do ente da 0ederaç'o poderá ser descentrali&ada ou delegada.ecuç'o de aç(es pertencentes + unidade orçamentária descentrali&adora!N ) e. terJseJá uma descentrali&aç'o e. de 9 de evereiro de 2001. a descentrali&aç'o de cr#ditos orçamentários para e. programática e econOmica.terna dependerá de termo de cooperaç'o.ecuç'o da despesa orçamentária será reali&ada por outro @rg'o ou entidade! Para a Cni'o. icando vedada a celebraç'o de conv-nio para esse e eito! :mportante destacar que o art! I4 da 3ei n4 12!59G. para que outras unidades administrativas possam e. de acordo com o inciso ::: do F14 do art!14 do 1ecreto n4 9!1K07200K. vedandoJse a consignaç'o de cr#dito a título de trans er-ncia a unidades orçamentárias integrantes dos Orçamentos 0iscal e da Heguridade Hocial! F1 D'o caracteri&a in ring-ncia ao disposto no caput. a descentrali&aç'o de cr#dito e."io+ )s descentrali&aç(es de cr#ditos orçamentários ocorrem quando or e etuada movimentaç'o de parte do orçamento. + unidade orçamentária + qual pertencem as aç(es correspondentes. bem como + vedaç'o contida no art! 19K. identi icandoJse como recursos de conv-nios ou similares! 88 .

ra"a!ão .iliar a programaç'o orçamentária e inanceira nos arts I4 e 84E “Art. do $ulgamento ob$etivo e de outros que l%e s'o correlatos! ) Constituiç'o 0ederal de 18II estabelece a observ. Estados. da moralidade.=essalteJse que ao contrário das trans er-ncias voluntárias reali&adas aos demais entes da 0ederaç'o que./ue a reali a!ão da receita poder# não co"portar o cu"pri"ento das "etas de resultado pri"#rio ou no"inal estabelecidas no Anexo de Netas Miscais.. da probidade administrativa.( Art. as descentrali&aç(es de cr#ditos orçamentários devem ocorrer em pro$etos ou atividades! )ssim. :o.inanceira. da vinculaç'o ao instrumento convocat@rio.$ KQ P"o% ++o d $i%ita:@o %ont"ata:@o O processo de licitaç'o compreende um con$unto de procedimentos administrativos que ob$etivam adquirir materiais. observando os princípios da legalidade..nos trinta dias subse/uentes. nas trans er-ncias voluntárias devem ser utili&ados os elementos de despesas típicos destas.icado.inanceira e o crono. inciso ZZ:E 89 . etc! JQ P"o!"a#a:@o o":a# nt.ílios.se.o Poder Executivo estabelecer# a pro. da impessoalidade. enquanto nas descentrali&aç(es devem ser usados os elementos denominados típicos de gastos. da publicidade. visando ao a$uste da despesa i. da igualdade.os Poderes e o Ninist9rio P3blico pro"overão."ia Cinan% i"a ) programaç'o orçamentária e inanceira consiste na compatibili&aç'o do lu. com ob$etivo de atingir os resultados previstos na 31O e impedir a assunç'o de compromissos sem respaldo inanceiro. via de regra. situaç'o que implica em encargos elevados! ) 3=0 de iniu procedimentos para au.o dos recebimentos.por ato pr+prio e nos "ontantes necess#rios. 0C At9 trinta dias ap+s a publica!ão dos or!a"entos. devem ser classi icadas como operaç(es especiais. 68 < Outros Herviços de "erceiros J Pessoa Burídica.ada +s novas pro$eç(es de resultados e da arrecadaç'o! He %ouver rustraç'o da receita estimada no orçamento. alienar ou ceder bens a terceiros. 1C &e veri.li"ita!ão de e"penHo e "ovi"enta!ão . 1istrito 0ederal e . deverá ser estabelecida limitaç'o de empen%o e movimentaç'o inanceira.ra"a de execu!ão "ensal de dese"bolso.inal de u" bi"estre. tais como 60 < .ixados pela lei de diretri es or!a"ent#rias.o dos pagamentos com o lu. o que acarretaria uma busca de socorro no mercado inanceiro.ncia do processo de licitaç'o pela Cni'o. contratar obras e serviços. '. G1 < Obras e :nstalaç(es.aterial Permanente. bem como a&er concess(es de serviços p*blicos com as mel%ores condiç(es para o Estado. con orme disposto no art! 6K.aterial de Consumo. G2 < .unicípios. quais se$am 51 <Contribuiç(es e 52 < )u.ao .undo os crit9rios .nos ter"os e" /ue dispuser a lei de diretri es or!a"ent#rias e observado o disposto na alBnea c do inciso I do art.

as obras. tendo em vista o n*mero e. a especi icaç'o do credor e a import."oralidade.nos ter"os da leio /ual so"ente per"itir# as exi.icados na le.ica!ão t9cnica e econE"ica indispens#veis 8 .alidadei"pessoalidade..etivas da proposta.servi!os.uinte: '. o empen%o deverá ser anulado parcialmente! Herá anulado totalmente quando o ob$eto do contrato n'o tiver sido cumprido.a!2es. em tela com ormataç'o pr@pria e modelo o icial.isla!ão. # o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigaç'o de pagamento pendente ou n'o de implemento de condiç'o! Consiste na reserva de dotaç'o orçamentária para um im especí ico! O empen%o será ormali&ado mediante a emiss'o de um documento denominado MDota de Empen%oN.ao se.ualdade de condi!2es a todos os concorrentes.do Listrito Mederal e dos NunicBpios obedecer# aos princBpios de le.“Art. A ad"inistra!ão p3blica direta e indireta de /ual/uer dos Poderes da Aniãodos Estados.cessivo de credores >servidores?! Caso n'o se$a necessária a impress'o do documento MDota de Empen%oN.."antidas as condi!2es e.ure i.arantia do cu"pri"ento das obri. inclusive de publicidade.ecuç'o da despesa orçamentária se dá em tr-s estágios. 6%. do qual deve constar o nome do credor.ecuç'o orçamentária! Embora o art! 91 da 3ei n4 5!62071895 estabeleça a obrigatoriedade do nome do credor no documento Dota de Empen%o.iciGncia e. regulamenta o art! 6K.publicidade e e.ncia da despesa.“ ) 3ei n4 I!999.Gncias de /uali. ou ainda.co"pras e aliena!2es serão contratados "ediante processo de licita!ão p3blica /ue asse.ceda o montante da despesa reali&ada. de 21 de $un%o de 1886. segundo o art! GI da 3ei n4 5!62071895. da Constituiç'o 0ederal. compras. inciso ZZ:.co" cl#usulas /ue estabele!a" obri. em alguns casos. estabelecendo normas gerais sobre licitaç(es e contratos administrativos pertinentes a obras. como na 0ol%a de Pagamento. bem como os demais dados necessários ao controle da e. na orma prevista na 3ei n4 5!62071895E empen%o. o empen%o icará arquivado em banco de dados.( 77I – ressalvados os casos especi. o empen%o poderá ser re orçado! Caso o valor do empen%o e. a ser elaborado por cada ente da 0ederaç'o em atendimento +s suas peculiaridades! Suando o valor empen%ado or insu iciente para atender + despesa a ser reali&ada. tornaJse impraticável a emiss'o de um empen%o para cada credor.a"ento. serviços. alienaç(es e locaç(es! E(EC)ÇÃO ) e.ta"b9". liquidaç'o e pagamento! HQ E#9 n&o Empen%o.a!2es de pa. no caso de ter sido emitido incorretamente! 90 .

cu$o pagamento deva ocorrer de uma s@ ve&L − EstimativoE # o tipo de empen%o utili&ado para as despesas cu$o montante n'o se pode determinar previamente.orneci"ento ou co" servi!os prestados terão por base: F24 ) liquidaç'o da despesa por ornecimentos eitos ou serviços prestados terá por baseE : < o contrato.ata a pagarL ::: < a quem se deve pagar a import. aquisiç'o de combustíveis e lubri icantes e outrosL e − /lobalE # o tipo de empen%o utili&ado para despesas contratuais ou outras de valor determinado. os compromissos decorrentes de alugu#is! 2 recomendável constar no instrumento contratual o n*mero da nota de empen%o.ncia. %ip@tese em que o empen%o representa o pr@prio contrato! LQ Li-uida:@o Con orme disp(e o art! 96 da 3ei n4 5!62071895. a liquidaç'o consiste na veri icaç'o do direito adquirido pelo credor tendo por base os títulos e documentos comprobat@rios do respectivo cr#dito e tem por ob$etivo apurarE M)rt! 96! ) liquidaç'o da despesa consiste na veri icaç'o do direito adquirido pelo credor tendo por base os títulos e documentos comprobat@rios do respectivo cr#dito! F1` Essa veri icaç'o tem por im apurarE : < a origem e o ob$eto do que se deve pagarL :: < a import. determinando que a despesa liquidada se$a paga! 91 . tais como serviços de ornecimento de água e energia el#trica. a 3ei n4 I!99971886 admite a possibilidade de substituíJlo pela nota de empen%o de despesa.emplo.ncia e. su$eitas a parcelamento. para e.arado por autoridade competente.Os empen%os podem ser classi icados emE − OrdinárioE # o tipo de empen%o utili&ado para as despesas de valor i. visto que representa a garantia ao credor de que e. no art! 95. e s@ pode ser e etuado ap@s a regular liquidaç'o da despesa! ) 3ei n4 5!62071895. de ine ordem de pagamento como sendo o despac%o e. como. por e.tinguir a obrigaç'o! As despesas co" . ordens de pagamentos ou cr#dito em conta. a$uste ou acOrdo respectivoL :: < a nota de empen%oL ::: < os comprovantes da entrega de material ou da prestaç'o e etiva do serviço!N JQ Pa!a# nto O pagamento consiste na entrega de numerário ao credor por meio de c%eque nominativo.iste cr#dito orçamentário disponível e su iciente para atender a despesa ob$eto do contrato! Dos casos em que o instrumento de contrato # acultativo.o e previamente determinado.

o seu controle patrimonial deverá ser eito baseado na relaç'o custoJbene ício desse controle! 92 . e7ou tem uma durabilidade superior a dois anos! )l#m disso. em ra&'o de seu uso corrente. dos crit#rios a seguirE − Crit rio da !ura"ilidad# < He em uso normal perde ou tem redu&idas as suas condiç(es de uncionamento. s'o tratados procedimentos típicos da administraç'o p*blica que visam + padroni&aç'o da classi icaç'o das despesas por todas as es eras de governo. no pra&o má. perde normalmente sua identidade ísica e7ou tem sua utili&aç'o limitada a dois anosL . mel%oria ou adiç(es complementares de bens em utili&aç'o >sendo classi icado como 5!5!80!60?. e pelo menos um.aterial de consumo.metros que distinguem o material permanente do material de consumo! Cm material # considerado de consumo caso atenda um. n'o perde a sua identidade ísica.) ordem de pagamento s@ pode ser e.imo de dois anos$ − Crit rio da %ragilidad# – He sua estrutura or quebradiça. e n'o pode ser retirado sem pre$uí&o das características ísicas e uncionais do principal! Pode ser utili&ado para a constituiç'o de novos bens. en ati&ando determinadas situaç(es que geram mais d*vidas quanto + classi icaç'o por nature&a da despesa! MHQMKQMOQMH D2*IDAS COM)NS REFERENTES 6 CLASSIFICAÇÃO POR NAT)REZA DE DESPESA MATERIAL PERMANENTE ( MATERIAL DE CONS)MO EntendeJse como material de consumo e material permanenteE . aquele que.aterial permanente. aquele que. na classi icaç'o da despesa com aquisiç'o de material devem ser adotados alguns par. de ormável ou dani icável.ERENTE F DE PE A OR#AMENT!RIA Deste t@pico. caracteri&ando sua irrecuperabilidade e perda de sua identidade ou uncionalidade$ − Crit rio da P#r#&i"ilidad# – He está su$eito a modi icaç(es >químicas ou ísicas? ou se deteriora ou perde sua característica pelo uso normal$ − Crit rio da 'n&or(ora"ilidad# – He está destinado + incorporaç'o a outro bem.0' PROCEDIMENTO CONT!"EI RE.arada em documentos processados pelos serviços de contabilidade! 01. embora um bem ten%a sido adquirido como permanente. ou para a reposiç'o de peças para manutenç'o do seu uso normal que conten%am a mesma con iguraç'o >sendo classi icado como 6!6!80!60?L − Crit rio da Trans)or*a"ilidad# – He oi adquirido para im de trans ormaç'o! ObservaJse que. em ra&'o de seu uso corrente e da de iniç'o da 3ei n4 5!62071895.0+.

ados e" i"+veis e /ue possa" ser re"ovidos ou recuperados. o ente deverá registrar como material permanente e proceder + bai.-o # r#(aros correspondem +queles incorridos para manter ou recolocar os ativos em condiç(es normais de uso. quantidade utili&ada ou valor relevante. o controle patrimonial e o recon%ecimento do ativo seguem crit#rios distintos. a Constituiç'o 0ederal prev.persianas. aumenta o valor contábil do bem se o 93 .emplos de como proceder + análise da despesa. uma mel%oria pode envolver uma substituiç'o de partes do bem ou ser resultante de uma re orma signi icativa! )ssim.estrados.tais co"o: bio"bos. que mede apenas aspectos qualitativos e quantitativos.despesas co" "ateriais e"pre. perecibilidade. se um material de consumo or considerado como de uso duradouro.cortinas. como regra. sem condiç(es de uso! b? =lassi.ica!ão de despesa co" a/uisi!ão de placa de "e"+ria para substitui!ão e" u" co"putador co" "aior capacidade /ue a existente e a classi.ica!ão da despesa co" a/uisi!ão de u"a leitora de =L para ser instalada nu" =o"putador se" Anidade Leitora de =L: +astos d# *anut#n. o recon%ecimento do ativo compreende os bens e direitos que possam gerar bene ícios econOmicos ou potencial de serviço! ) seguir s'o apresentados alguns e. os controles devem ser simpli icados quando se apresentam como meramente ormais ou cu$o custo se$a evidentemente superior ao risco! 1esse modo. a im de veri icar se a classi icaç'o será em material permanente ou em material de consumoE a? =lassi. deve ser controlado de orma simpli icada. devido + durabilidade. do incremento em sua capacidade produtiva.o princípio da economicidade >art! K0?.postos >durabilidade. por meio de relaç'oJcarga. ou da diminuiç'o do custo operacional! 1esse modo. sem com isso aumentar sua capacidade de produç'o ou período de vida *til! Por sua ve&. tamb#m deverá ser controlado por meio de relaç'oJcarga. mas n'o precisam ser tombados! Do caso de despesas reali&adas em im@veis alugados.a quando entregar o im@vel. uma *#l. esses bens dever'o estar registrados contabilmente no patrimOnio da entidade! 1a mesma orma.ica!ão de pe!as não incorpor#veis a i"+veis .Desse sentido. incorporabilidade e trans ormabilidade?! /eralmente os itens elencados acima s'o considerados material permanente.divis+rias re"ovBveis. se um material or adquirido como permanente e icar comprovado que possui custo de controle superior ao seu bene ício.ins?: ) despesa com aquisiç'o de peças n'o incorporáveis a im@veis deve ser classi icada observando os crit#rios acima e. que se tradu& na relaç'o custoJbene ício! )ssim. devendo ser apreciados individualmente! ) classi icaç'o orçamentária obedecerá aos par. ragilidade. n'o %avendo necessidade de controle por meio de n*mero patrimonial! Do entanto. e incorporado ao patrimOnio da entidade! ) classi icaç'o orçamentária.tapetes e a.metros de distinç'o entre material permanente e de consumo! O controle patrimonial obedecerá ao princípio da racionali&aç'o do processo administrativo! Por sua ve&.oria ocorre em consequ-ncia do aumento de vida *til do bem do ativo. se os mesmos encontraremJse deteriorados.

para e. )I – textos derivados de livro ou ori.ital.r#.icHas ou . s'o agregadas ao valor contábil do bem! ) inclus'o da leitora de C1 na unidade tamb#m deve ser classi icada na categoria econOmica 5 < despesa de capital.tens'o. no grupo de nature&a de despesa 5 < MinvestimentosN e no elemento de despesa 60 < M.custo das novas peças or maior que o valor líquido contábil das peças substituídas! Caso contrário. )III – livros i"pressos no &iste"a Traille.e" volu"e cartonadoencadernado ou e" brocHura.aterial de ConsumoN.ico Os livros e demais materiais bibliográ icos apresentam características de material permanente >durabilidade superior a dois anos.e" /ual/uer . 5C =onsidera*se livro./#s &o*(l#*#ntar#s. &ão e/uiparados a livro: I – .colada ou costurada.Hist+ricos. %avendo apenas a manutenç'o regular do seu uncionamento.e" capas avulsas."apas e carto. a despesa orçamentária com a troca da placa de mem@ria de um computador para outra de maior capacidade deve ser classi icada na categoria econOmica 5 < Mdespesa de capitalN. deve ser classi icada na categoria econOmica 6 < Mdespesa correnteN. 94 .ra"peada."a.i"pressos e" papel ou e" "aterial si"ilar. n'o se destina a trans ormaç'o?! Por#m. o valor contábil n'o será alterado! Portanto. Par#. n'o # incorporável a outro bem. pois se trata de adiç'o complementar.recortar ou ar"ar. )II – livros e" "eio di. o livro n'o # considerado material permanente!N )s demais bibliotecas devem classi icar a despesa com aquisiç'o de material bibliográ ico como material permanente! “Art. novo componente n'o registrado no ativo imobili&ado! c? =lassi.n9tico e +tico. o art! 1I da 3ei n4 10!KG672006.pintar. n'o # quebradiço.or"ato e acaba"ento. etc.para uso exclusivo de pessoas co" de. e.aterial de ConsumoN! )s adi.eitos desta Lei.o 3nico.co" a utili a!ão de /ual/uer suporte..icos. n'o # perecível.publica!2es de /ual/uer nature a /ue represente" parte de livro.eo. no grupo da nature&a da despesa 6 < Moutras despesas correntesN e no elemento de despesa 60 < M. III – roteiros de leitura para controle e estudo de literatura ou de obras did#ticas.ra.inais.pans'o. por sua ve&.olHas.produ idos por editores. I) – #lbuns para colorir.não peri+dica. no grupo de nature&a de despesa 5 < MinvestimentosN e no elemento de despesa 60 < M. ) – atlas . n'o envolvem substituiç(es.anatE"icos.iciGncia visual. considera os livros adquiridos para bibliotecas p*blicas como material de consumo! M)rt! 1I! Com a inalidade de controlar os bens patrimoniais das bibliotecas p*blicas. II – "ateriais avulsos relacionados co" o livro.r#.a publica!ão de textos escritos e" . ou se$a.ascBculos.ica!ão de despesa co" a/uisi!ão de "aterial biblio."ediante contrato de edi!ão celebrado co" o autor.ra"as. mas aumentam o taman%o ísico do ativo por meio de e.aterial de ConsumoN! Observe que se a troca ocorrer por outro processador de mesma capacidade.

na nature&a da despesa 6!6!80!60.ica!ão de despesa co" servi!os de re"odela!ão. a despesa orçamentária # corrente! Caso as mel%orias decorrentes do serviço resultem em aumento signi icativo da vida *til do bem. a contabilidade deve procurar 95 . por simples relaç'oJcarga.canetas +pticas."entos da co"unidade. a despesa orçamentária # de capital."ento da co"unidade co" u" prop+sito especB. a despesa orçamentária s@ deverá ser classi icada como serviços de terceiros se o pr@prio @rg'o ou entidade ornecer a mat#riaJprima! Caso contrário.undir co" as bibliotecas destinadas a atender u" se.icos.eo. <=mara 0 >ribunal de <ontas da ?nião 0 ><?@ )ssim.r#. ou se$a.toUen e si"ilares.inido basica"ente e" ter"os .ceder os bene ícios que dele decorram! SER*IÇOS DE TERCEIROS ( MATERIAL DE CONS)MO Da classi icaç'o da despesa de material por encomenda.restaura!ão. 89c3rdão '''&%::$ 0 '.ica!ão de despesa co" a/uisi!ão de pen*drive.ico$. em se tratando de con ecç'o de material permanente.voltados essencial"ente 8 disse"ina!ão da leitura e H#bitos associados entre u" p3blico a"plo de.Tiblioteca P3blica 9 u"a unidade bibliotec#ria destinada indistinta"ente a todos os se.co" acervos de interesse . devendo ser considerado o princípio da racionali&aç'o do processo administrativo para a instituiç'o p*blica. n'o resultando em aumento relevante da vida *til do bem. ou no elemento de despesa 60. devem ser registradas em conta de ativo imobili&ado! d? =lassi. em virtude de diverg-ncias entre a adequada classi icaç'o da despesa orçamentária e o tipo do documento iscal emitido pela contratada >E. adquiridos como material de consumo. as bibliotecas p*blicas devem e etuar o controle patrimonial dos seus livros. de modo simpli icado via relaç'o do material >relaç'oJcarga? e7ou veri icaç'o peri@dica da quantidade de itens requisitados. Dota 0iscal de Aenda ao Consumidor etc!?! Desses casos.se" con. com veri icaç'o peri@dica das quantidades de itens requisitados.eral. deverá ser classi icada no elemento de despesa G2. Suando o serviço se destina a manter o bem em condiç(es normais de operaç'o. n'o sendo necessária a identi icaç'o do n*mero do registro patrimonial! Essas bibliotecas de inir'o instruç(es internas que estabelecer'o as regras e procedimentos de controles internos com base na legislaç'o pertinente! )s aquisiç(es que n'o se destinarem +s bibliotecas p*blicas dever'o manter os procedimentos de aquisiç'o e classi icaç'o na nature&a de despesa 5!5!80!G2 < .aterial Permanente < incorporando ao patrimOnio! Portanto. se material de consumo )lgumas ve&es ocorrem d*vidas. devendo o valor do gasto ser incorporado ao ativo! e? =lassi. o custo do controle n'o pode e. tendo em vista que s'o abarcadas pelo crit#rio da ragilidade! Os bens ser'o controlados como materiais de uso duradouro. ) aquisiç'o será classi icada como material de consumo."anuten!ão e outros.E Dota 0iscal de Herviço.

devidas por @rg'os e entidades a qualquer título.ercício. sem e. revis(es.emplo clássico dessa situaç'o # a contrataç'o de con ecç'o de placas de sinali&aç'o! Desse caso. tal despesa deverá ser considerada como obras e instalaç(es. seguindo. possibilitando o con%ecimento do ob$eto das despesas da entidade! Bá o uso dos elementos 82 e 86 s'o utili&ados eventualmente! 96 . portanto. pinturas. inclusive devoluç'o de receitas quando n'o or possível e etuar essa devoluç'o mediante a compensaç'o com a receita correspondente. 86 >:ndeni&aç(es e =estituiç(es? e.imindo a apuraç'o de responsabilidade pelo gestor.ercícios anteriores. consertos. recuperaç(es e adaptaç(es de biombos.bem in ormar. se or necessário para tanto. ainda.clusive as trabal%istas. divis@rias e lambrisL e J . o elemento pr@prio da despesa reali&ada! Hempre que o empen%o tratarJse de despesas cu$o ato gerador ocorreu em e. a despesa orçamentária deverá ser classi icada independentemente do tipo de documento iscal emitido pela contratada. n'o e. devendo ser classi icada como serviços de terceiros ou material mediante a veri icaç'o do ornecimento ou n'o da mat#riaJprima! Cm e. re ormas e adaptaç(es de bens im@veis sem que ocorra a ampliaç'o do im@velL J =eparos em instalaç(es el#tricas e %idráulicasL J =eparos. bem como outras despesas de nature&a indeni&at@ria n'o classi icadas em elementos de despesas especí icos! O elemento de despesa especí ico deve ser utili&ado na maioria das despesas cu$o ato gerador ten%a ocorrido no e.anutenç'o de elevadores. pois n'o %ouve ornecimento de mat#riaJprima! OBRAS E INSTALAÇWES ( SER*IÇOS DE TERCEIROS Her'o considerados serviços de terceiros as despesas comE J =eparos. despesas com investimento! DESPESA DE E(ERCXCIOS ANTERIORES N INDENIZAÇWES E RESTIT)IÇWES ( ELEMENTO PR\PRIO )lgumas situaç(es suscitam d*vidas quanto ao uso do elemento 82 >1espesa de E. e restituiç(es. a ess-ncia ao inv#s da orma e buscar a consecuç'o de seus ob$etivosE demonstrar o patrimOnio e controlar o orçamento! Portanto. limpe&a de ossa e a ins! Suando a despesa ocasionar a ampliaç'o relevante do potencial de geraç'o de bene ícios econOmicos uturos do im@vel. carpetes. se or o caso! O elemento 86 deve ser utili&ado para despesas orçamentárias com indeni&aç(es.ceç(es.ercícios )nteriores?. e. será emitida uma nota iscal de serviço e a despesa orçamentária será classi icada no elemento de despesa 60 < material de consumo. deveJse utili&ar o elemento 82.

para dar continuidade + viagem. por caracteri&ar uma despesa de e. para ins de pesquisa acad-mica. em Onibus de uma universidade! 1urante a viagem. reali&ada sem contrato. no elemento 68! D'o deve ser utili&ado. a entidade n'o renova em tempo o contrato e a empresa contratada mant#m a prestaç'o de serviços sem o suporte orçamentário! Homente em de&embro # reali&ado novo contrato.ercício seguinte + prestaç'o de serviços. # emitido um empen%o no elemento 86. # preciso detal%ar a situaç'o especí ica para que a classi icaç'o se$a determinada! 2 importante destacar que os arts! 2G e 29 da 3=0 estabelecem regras. o Onibus apresenta de eitos e a despesa para o seu conserto ultrapassa o valor concedido a título de suprimentos de undos! O motorista. por caracteri&arJ se uma indeni&aç'o! Cma entidade contrata uma prestaç'o de serviços de limpe&a para o período de $aneiro a outubro. paga com seu pr@prio recurso a di erença entre o valor total do conserto e o suprimento concedido! Dessa situaç'o. nesse caso. no elemento que retrate a prestaç'o de serviços. a entidade deve empen%ar a despesa relativa + prestaç'o de serviços em novembro. o elemento 86.ercício anterior! • • • MHQMKQMOQML CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA DAS TRANSFERVNCIAS E DELEGAÇWES DE E(EC)ÇÃO ORÇAMENTÁRIA )s duas ormas de movimentaç'o de recursos inanceiros entre entes da 0ederaç'o ou entre estes e entidades privadas ou cons@rcios p*blicos s'o as trans er-ncias propriamente ditas e as que se constituem delegaç(es de e. para trans er-ncias voluntárias >entre entes da 0ederaç'o? e destinaç'o de recursos para entidades privadas que devem ser observadas pelos re eridos entes trans eridores! O tratamento dado + movimentaç'o de recursos para cons@rcios p*blicos ou instituiç(es multigovernamentais. constatada a responsabilidade da pre eitura. respectivamente.ar de considerar os impactos legais. ao retornar a Cniversidade.emplos práticos para classi icaç'o nos elementos 82. a entidade deverá empen%ar a respectiva despesa no elemento 82. decorrente ou n'o de contrato de rateio. por meio de despesa orçamentária. empen%ando a respectiva despesa no elemento pr@prio 68 >serviços de terceiros < pessoa $urídica?! Em novembro.ecuç'o orçamentária! )lgumas ve&es ocorrem d*vidas quanto + classi icaç'o orçamentária dessas movimentaç(es nos entes trans eridores! Desses casos. um servidor percebe que n'o recebe o au.Heguem alguns e.oradores de uma comunidade solicitam diversas ve&es que a pre eitura corte uma árvore que está com sua estrutura ameaçada! )p@s dois meses da primeira solicitaç'o. ou se$a. que pede uma indeni&aç'o + pre eitura! Dessa situaç'o. utili&arJseJ á o elemento 82! Em $aneiro. pois a despesa está sendo paga diretamente + empresa contratada! Caso tal despesa ven%a a ser empen%ada no e. empen%ada no elemento 86! .ílio alimentaç'o por 10 meses e requere que a entidade reali&e o pagamento retroativo! Dessa situaç'o. # apresentado na seç'o seguinte! 97 . o gestor responsável deve restituir o servidor. regulari&ando a situaç'o! Hem dei. a pre eitura n'o atende a demanda da comunidade e a árvore cai em cima de um carro de um cidad'o. 86 e no elemento pr@prioE • Cma equipe de alunos e pro essores reali&a uma viagem.

ceto para os serviços essenciais de assist-ncia social. respectivamente.mbito 0ederal.ílios + 3ei de Orçamento e as contribuiç(es + 3ei Especial! ObservaJse tamb#m que. em . em seus FF 14 e 24. e. m#dica e educacionalL 5G J Hubvenç(es EconOmicas J utili&ado para trans er-ncias. o art! 96 do 1ecreto 86!IK2718I9 associa. geralmente as contribuiç(es s'o associadas a despesas correntes e os au. os au.mbito da 0ederaç'o. em .ílios J utili&ado para trans er-ncias de capital aos entes da 0ederaç'o e a entidades privadas sem ins lucrativosL 56 J Hubvenç(es Hociais J utili&ado para trans er-ncias +s entidades privadas sem ins lucrativos para os serviços essenciais de assist-ncia social.TRANSFERVNCIA ) designaç'o Mtrans er-nciaN. nos termos do art! 12 da 3ei no 5!62071895. corresponde + entrega de recursos inanceiros a outro ente da 0ederaç'o. a cons@rcios p*blicos ou a entidades privadas. a entidades privadas com ins lucrativosL I1 J 1istribuiç'o Constitucional ou 3egal de =eceitas J utili&ado para trans er-ncias aos entes da 0ederaç'o em decorr-ncia de determinaç'o da Constituiç'o ou estabelecida em lei! 2 importante destacar que. com e sem ins lucrativos. m#dica e educacionalL 52 J )u.unicípios J 0undo a 0undo er-ncias a :nstituiç(es Privadas sem 0ins 3ucrativos er-ncias a :nstituiç(es Privadas com 0ins 3ucrativos Essas modalidades de aplicaç'o devem ser associadas com os elementos de despesa que n'o representem contraprestaç'o direta em bens ou serviços! "ais elementos s'oE 51 J Contribuiç(es J utili&ado para trans er-ncias correntes e de capital aos entes da 0ederaç'o e a entidades privadas sem ins lucrativos.unicípios er-ncias a . que n'o corresponda contraprestaç'o direta em bens ou serviços ao trans eridor! Os bens ou serviços gerados ou adquiridos com a aplicaç'o desses recursos pertencem ou se incorporam ao patrimOnio do ente ou da entidade recebedora! )s modalidades de aplicaç'o utili&adas para a entrega de recursos inanceiros por meio de trans er-ncias s'oE 20 J "rans 60 J "rans 61 J "rans 50 J "rans 51 J "rans G0 J "rans 90 J "rans er-ncias + Cni'o er-ncias a Estados e ao 1istrito 0ederal er-ncias a Estados e ao 1istrito 0ederal J 0undo a 0undo er-ncias a .ílios a despesas de capital! 98 .clusivamente. e.

empli icativaE 60 J . entendeJse por delegaç'o a entrega de recursos inanceiros a outro ente da 0ederaç'o ou a cons@rcio p*blico para e. Bem ou Herviço para 1istribuiç'o /ratuita 66 J Passagens e 1espesas com 3ocomoç'o 65 J Outras 1espesas de Pessoal decorrentes de Contratos de "erceiri&aç'o 6G J Herviços de Consultoria 69 J Outros Herviços de "erceiros J Pessoa 0ísica 6K J 3ocaç'o de .ecuç'o de aç(es de responsabilidade ou compet-ncia do ente delegante! 1eve observar a legislaç'o pr@pria do ente e as designaç(es da 3ei de 1iretri&es Orçamentárias. em geral. )rtísticas.ecuta aç(es em nome do trans eridor! Os bens ou serviços gerados ou adquiridos com a aplicaç'o desses recursos pertencem ou se incorporam ao patrimOnio de quem os entrega.'oJdeJObra 6I J )rrendamento . uma delegaç'o > orma? pode ser materiali&ada por meio de um conv-nio >meio ou instrumento?! =essalteJse que.o. como os relacionados abai. s'oE 22 J E.ercantil 68 J Outros Herviços de "erceiros J Pessoa Burídica G1 J Obras e :nstalaç(es G2 J Equipamentos e . ou se$a.aterial Permanente 2 importante dissociar a orma de pactuaç'o da movimentaç'o de recursos do meio ou instrumento pelo qual ela se materiali&a! 1este modo.aterial.unicípios )s modalidades de aplicaç'o 22. subvenç(es >56 e 5G? ou distribuiç'o constitucional ou legal de receitas >I1?. em geral. as trans er-ncias. Com vistas a facilitar o entendimento sobre a forma de classificação orçamentária das entregas de recursos. do trans eridor! )s modalidades de aplicaç'o utili&adas para a entrega de recursos inanceiros por meio de delegaç'o orçamentária. de orma e. apresenta-se quadro esquemático a seguir. au. Cientí icas.DELEGAÇÃO Para ins deste t@pico.ecuç'o Orçamentária 1elegada a . materiali&andoJse em situaç(es em que o recebedor e. por meio de operaç(es especiais.aterial de Consumo 61 J Premiaç(es Culturais. devem ser reali&adas. em termos de aç'o orçamentária. enquanto as delegaç(es devem referir-se a projetos e atividades. nem todas as situações passíveis de ocorrência no setor público encontram-se nele contempladas.ecuç'o Orçamentária 1elegada + Cni'o 62 J E.ílios >52?. 62 e 52 n'o podem estar associadas com os elementos de despesa de contribuiç(es >51?.ist-ncia de contraprestaç'o direta em bens ou serviços! )s nature&as de despesas ormadas com tais modalidades de aplicaç'o dever'o conter os elementos de despesa especí icos >EE?.ecuç'o Orçamentária 1elegada a Estados e ao 1istrito 0ederal 52 J E. 99 . Destaca-se que. visto que os re eridos elementos pressup(em a ine. de que trata o art! 12 da 3ei no 5!62071895. 1esportivas e Outras 62 J . representativos de Mgastos e etivosN. aparte da grande utilidade prática do quadro.

100 .

ecuç'o de aç(es de compet-ncia ou responsabilidade do ente delegante >ente trans eridor?. 6 &onta d# r#&ursos r#)#r#nt#s 6 di)#r#n. respectivamente./#s # s#r1i.a (art#. correspondente ao rateio das despesas decorrentes da participaç'o do ente. de 2012 K5 "rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio + conta de recursos de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151.ICA#&O K0 "rans er-ncias a instituiç(es multigovernamentais IT%A#&O DE % O Ctili&ada para a #ntr#ga d# r#&ursos a &onsór&ios (0"li&os # institui.MHQMKQMOQMJ CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA DAS MO*IMENTAÇWES PARA M)LTIGO*ERNAMENTAIS.os (0"li&os d# sa0d# # (ost#rior*#nt# &an&#lados ou (r#s&ritos.clusivamente. de 2012! Ctili&ada.ecuç'o orçamentária delegada a cons@rcios p*blicos K6 "rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio + conta de recursos de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151.-o &o* as trans)#r5n&ias d#&orr#nt#s d# r#stos a (agar &an&#lados # d# &o*(l#*#nta.-o *íni*a #* a. de 2012! Ctili&ada para entrega de recursos aos &onsór&ios (0"li&os dos 2uais o #nt# trans)#ridor )a. no caso de d#l#ga. CONS\RCIOS P2BLICOS E S)A CONTRATAÇÃO DIRETA INSTIT)IÇWES )s instituiç(es multigovernamentais e os cons@rcios p*blicos recebem recursos por meio de e.ecuç'o orçamentária dos entes consorciados ou mesmo de entidades e. &orr#s(ond#nt# ao rat#io das d#s(#sas decorrentes da participaç'o do ente no respectivo cons@rcio.IDADE DE AP. e. de que trata o artigo n4 2G da 3ei Complementar n4 151.-o ou d# rat#io pela participaç'o do ente! Ctili&ada para #ntr#ga d# r#&ursos #4&lusi1a*#nt# aos &onsór&ios (0"li&os dos 2uais o #nt# trans)#ridor )a. # 2u# n-o guard# r#la. de 2012! K1 "rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio K2 E. con orme previsto no correspondente contrato de rateio.-o da e. de 2012 101 .-o *íni*a #* a. de que tratam os dos FF 14 e 24 do artigo n4 25 da 3ei Complementar n4 151. os entes a&em uso das modalidades de aplicaç'o apresentadas a seguir! MODA. se$a para instituiç'o multigovernamental ou para cons@rcio do qual participe como consorciado ou n'o! Ctili&ada para entrega de recursos aos &onsór&ios (0"li&os dos 2uais o #nt# trans)#ridor )a./#s # s#r1i.os (0"li&os d# sa0d# 2u# d#i4ou d# s#r a(li&ada #* #4#r&í&ios ant#rior#s./#s *ultigo1#rna*#ntais. 6 &onta d# r#&ursos r#)#r#nt#s aos r#stos a (agar &onsid#rados (ara )ins da a(li&a./#s *íni*as de que tratam. 2u# n-o s#3a d#&orr#nt# d# d#l#ga.ternas + sua composiç'o! Para tal. os artigos n4 25 e 2G da 3ei Complementar n4 151.a da a(li&a.a (art#. correspondente ao rateio das despesas decorrentes da participaç'o do ente.a (art#.-o d# a(li&a.

utili&ada quando da a(li&a.ultigovernamentais + conta de recursos de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151. para situaç(es relacionadas + trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades criadas e mantidas por dois ou mais entes da 0ederaç'o. de 16 de $aneiro de 2012! Corresponde a um desdobramento da modalidade de aplicaç'o 80. utili&ada quando da a(li&a./#s # s#r1i. undos e entidades integrantes dos orçamentos iscal e da seguridade social com cons@rcio p*blico do qual o ente participe )plicaç'o direta decorrente de operaç'o de @rg'os. de 2012 K9 "rans er-ncias a :nstituiç(es . de 2012 Ctili&ada. e. tais movimentaç(es ser'o classi icadas con orme o quadro a seguirE 102 .-o d# &onsór&io (0"li&o do 2ual o #nt# n-o (arti&i(#.os (0"li&os d# sa0d# 2u# d#i4ou d# s#r a(li&ada #* #4#r&í&ios ant#rior#s. de 2012?. + conta de r#&ursos r#)#r#nt#s 6 di)#r#n.KG "rans er-ncias a :nstituiç(es .-o *íni*a #* a. e.-o *íni*a #* a.a da a(li&a. para as trans er-ncias de recursos inanceiros a entidades criadas e mantidas por dois ou mais entes da 0ederaç'o.-o d# &onsór&io (0"li&o do 2ual o #nt# (arti&i(#. de que tratam o art! 2G da 3ei Complementar n4 151. de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151.os (0"li&os d# sa0d# # (ost#rior*#nt# &an&#lados ou (r#s&ritos. de 16 de $aneiro de 2012! Ctili&ada. de 2012?.-o dir#ta de recursos decorrentes de &ontrata.ultigovernamentais + conta de recursos de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151. deveJse levar em consideraç'o sua relaç'o com o ente! Com isso.clusive as trans er-ncias relativas + modalidade de aplicaç'o K5 >"rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio + conta de recursos de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151. #4&lusi1# as trans er-ncias relativas + modalidade de aplicaç'o K6 >"rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio + conta de recursos de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151. e.clusivamente.-o dir#ta de recursos decorrentes de &ontrata./#s # s#r1i. undos e entidades integrantes dos orçamentos iscal e da seguridade social com cons@rcio p*blico do qual o ente n'o participe 1esse modo.clusivamente. para e etuar a classi icaç'o orçamentária por nature&a da despesa dos recursos movimentados para os cons@rcios e a sua contrataç'o direta. con orme regramento legal >3ei n4 I!999786?! 86 85 )plicaç'o direta decorrente de operaç'o de @rg'os. con orme regramento legal >3ei n4 I!999786?! Corresponde a um desdobramento da modalidade de aplicaç'o 80. + conta de r#&ursos r#)#r#nt#s aos r#stos a (agar &onsid#rados (ara )ins da a(li&a.

as trans er-ncias decorrentes da cobertura de restos a pagar cancelados >modalidade de aplicaç'o KG? daquelas decorrentes da complementaç'o de aplicaç(es mínimas em sa*de re erentes ao e. a&Jse necessário identi icar inicialmente se a movimentaç'o de recursos se re ere a contrato de rateio por participaç'o em cons@rcio p*blico ou n'o! Hendo relativos a contrato de rateio. a classi icaç'o será composta pela modalidade de aplicaç'o K2 >E. G1 etc!?! 103 .)ssim.ercício anterior >modalidade de aplicaç'o K9?! Os demais aportes s'o classi icados na modalidade de aplicaç'o K0! Essas tr-s modalidades s'o associadas a elementos de contribuiç(es >51? ou au. nesse caso.ílios >52?! )inda nos casos em que n'o %a$a relaç'o com o contrato de rateio. con orme de iniç(es da 3ei Complementar n4 15172012.ecuç'o Orçamentária 1elegada a Cons@rcios P*blicos?. para a correta classi icaç'o orçamentária da entrega de recursos a cons@rcios p*blicos e instituiç(es multigovernamentais. separandoJse. aqueles relacionados aos restos a pagar cancelados >modalidade de aplicaç'o K6? dos recursos relacionados + complementaç'o de aplicaç(es mínimas em sa*de re erentes ao e. con$ugada com um elemento de despesa especí ico que represente gasto e etivo >60. %á de se observar se a situaç'o corresponde a uma trans er-ncia con orme disposiç(es dos arts! 25 e 2G da 3ei Complementar n4 15172012. %á de se observar se %á ou n'o delegaç'o ou descentrali&aç'o orçamentária! Uavendo. %á de ser observado se o recurso guarda relaç'o com os limites mínimos de sa*de. separandoJse. nesse caso.ercício anterior >modalidade de aplicaç'o K5?! Os demais aportes relativos a contrato de rateio ser'o classi icados na modalidade de aplicaç'o K1! =essaltaJse que todas essas modalidades de aportes de recursos s'o associadas ao elemento de despesa K0 >=ateio pela participaç'o em Cons@rcio P*blico?! D'o %avendo relaç'o com o contrato de rateio. 68.

5:. Para e. e II * as despesas e"penHadas e não li/uidadas.consolidadas no Mundo de &a3de. aplicada em ações e serviços p2blicos de sa2de. 55.inscritas e" <estos a Pa. que se encontravam computados nos limites mínimos de sa*de do e.ins do "Bni"o na . de 2012! )l#m disso. 5:.ra. que disp(e.o 3nico do art. a 3ei estabeleceu mecanismos de compensaç'o.iste a possibilidade do n'o cumprimento dos limites mínimos de aplicaç'o em sa*de por meio da n'o aplicaç'o tempestiva dos recursos destinados + sa*de! Desse sentido. con orme apresentado em seu art! 25.observado o disposto no inciso II do par#.. dos recursos m6nimos previstos nesta Lei =o"ple"entar dever#. deverá ser. necessariamente. tamb#m e. 16> da =onstitui!ão Mederal.ere esta Lei =o"ple"entar.ar at9 o li"ite das disponibilidades de caixa ao .ecuç'o da despesa orçamentária para apuraç'o do cumprimento destes limitesE Art. n'o ser'o utili&adas as modalidades de aplicaç'o M86N e M85N. Para e. Para evidenciar essas aplicaç(es. a& uso da e. %á a possibilidade de contrataç'o direta de cons@rcio p*blico. descritas na seç'o seguinte! MHQMKQMOQMK CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA DAS DESPESAS PARA FINS DE APLICAÇÃO EM SA2DE – LEI COMPLEMENTAR N_ HKHYLMHL ) 3ei Complementar n4 15172012.ercício de sua inscriç'o! )demais. em determinado exerc6cio.eito de c#lculo dos recursos "Bni"os a /ue se re. estabeleceu crit#rios para a evidenciaç'o da aplicaç'o mínima desses recursos! 1esse modo. de 2012. mas as M8GN e M89N.Por im.serão consideradas: I * as despesas li/uidadas e pa..eito de c#lculo dos recursos "Bni"os a /ue se re. dentre outros assuntos. e.considerados para . a& com que %a$a a possibilidade de cancelamento de restos a pagar. contudo.. particularmente dos n'o processados. o elemento de despesa a ser associado + modalidade de aplicaç'o deverá individuali&ar o ob$eto do gasto! Caso o cons@rcio p*blico se$a contratado + conta dos recursos de que trata os FF 14 e 24 do art! 25 e o art! 2G da 3ei Complementar n4 151.postos a seguirE Art. quando se re erir + aplicaç'o direta + conta dos recursos de que trata os FF 14 e 24 do art! 25 e o art! 2G da 3ei Complementar n4 151.as no exercBcio.inal do exercBcio. a&Jse uso das modalidades M8GN e M89N.? 4 1C 9 disponibilidade de caixa vinculada aos Aestos a Pagar.ere esta Lei =o"ple"entar. 89rt" %! da Lei <omplementar n '!'&%:'%@ "al crit#rio. sobre os valores mínimos a serem aplicados pelo setor p*blico em aç(es e serviços de sa*de. sem pre7u64o do montante m6nimo do exerc6cio de referência e das san!2es cabBveis.serão consideradas: . Art. pode ser necessária a utili&aç'o de modalidades de aplicaç'o especí icas relativas a trans er-ncias! "ais modalidades s'o apresentadas a seguirE 104 .ser acrescida ao montante m6nimo do exerc6cio subse1uente ao da apuração da diferença.or"a do inciso II do caput e posteriormente cancelados ou prescritos. Bventual diferença 1ue impli1ue o não atendimento. di erenciandoJse aqueles dos quais o ente participa >modalidade de aplicaç'o 86? daqueles dos quais o ente n'o participa >modalidade de aplicaç'o 85?! Em ambos os casos.

de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151.odalidade de aplicaç'o utili&ada.ou de ser aplicada em e.odalidade de aplicaç'o utili&ada.odalidade de aplicaç'o utili&ada.odalidade de aplicaç'o utili&ada.odalidade de aplicaç'o utili&ada.IDADE DE AP.unicípios por interm#dio da modalidade undo a undo. e. e. de 2012.unicípios aos Estados e ao 1istrito 0ederal por interm#dio da modalidade undo a undo.MODA. para trans er-ncia de recursos inanceiros da Cni'o ou dos .ercícios anteriores! "rans er-ncia undo a undo aos municípios + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos! IT%A#&O DE % O . de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151. para trans er-ncia de recursos inanceiros da Cni'o ou dos .clusivamente.clusivamente. de 9 de abril de 200G. de que tratam FF 1o e 2o do art! 25 da 3ei Complementar no 151. + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos. e. de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151.ercícios anteriores de que trata o art! 2G da 3ei Complementar no 151. + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos. de que trata o art! 2G da 3ei Complementar no 151. + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei.clusivamente.unicípios aos Estados e ao 1istrito 0ederal por interm#dio da modalidade undo a undo.clusivamente. de 1o de evereiro de 2012! . dos Estados ou do 1istrito 0ederal aos .ou de ser aplicada em e. para trans er-ncia de recursos inanceiros da Cni'o. e. + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei.ou de ser aplicada em e. dos Estados ou do 1istrito 0ederal aos . de 16 de $aneiro de 2012.ICA#&O "rans er-ncia undo a undo aos estados e ao distrito ederal + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos! "rans er-ncia undo a undo aos estados e ao distrito ederal + conta recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei. observado o disposto no F 1o do art! 11 da Portaria H"D no K2.clusivamente. de 9 de abril de 200G.ercícios anteriores. por meio de contrato de rateio. e.ercícios anteriores! TJ "rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio para ins da 3ei Complementar n4 15172012 < art! 25 TK "rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio para ins da 3ei Complementar n4 15172012 < art! 2G . de 2012! . de 2012!N . observado o disposto no F 1o do art! 11 da Portaria H"D no K2. para trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades criadas sob a orma de cons@rcios p*blicos nos termos da 3ei no 11!10K.unicípios por interm#dio da modalidade undo a undo.odalidade de aplicaç'o utili&ada. por meio de contrato de rateio.clusivamente. para trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades criadas sob a orma de cons@rcios p*blicos nos termos da 3ei no 11!10K. e.ercícios anteriores.ou de ser aplicada em e. de 2012! . de 2012! . + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos. + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei. para trans er-ncia de recursos inanceiros da Cni'o.ou de ser aplicada em e. de 2012! 105 JO JG KO KG "rans er-ncia undo a undo aos municípios + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei.

e. de 2012! .TO "rans er-ncias a instituiç(es multigovernamentais + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos! TG "rans er-ncias a instituiç(es multigovernamentais + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei. inclusive o Brasil. no .odalidade de aplicaç'o utili&ada.ercícios anteriores.mbito da mesma es era de governo. + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos. no . + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei.ercícios anteriores! PO )plicaç'o 1ireta + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos PG )plicaç'o 1ireta + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei.ercícios anteriores. inclusive o Brasil. e. dos cr#ditos a ela alocados ou oriundos de descentrali&aç'o de outras entidades integrantes ou n'o dos Orçamentos 0iscal ou da Heguridade Hocial. de 16 de $aneiro de 2012! Os cons@rcios p*blicos tamb#m podem utili&ar esta modalidade de aplicaç'o! 106 . de 2012?. de 16 de $aneiro de 2012! Os cons@rcios p*blicos tamb#m podem utili&ar esta modalidade de aplicaç'o! )plicaç'o direta. de 2012?.clusive as trans er-ncias relativas + modalidade de aplicaç'o K5 >"rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio + conta de recursos de que trata o art! 2G da 3ei Complementar no 151.clusivamente. de que trata o art! 2G da 3ei Complementar n4 151. de 2012! )plicaç'o direta. de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151.ou de ser aplicada em e.clusivamente. nos termos do art! 2G da 3ei Complementar n4 151. + conta de recursos re erentes + di erença da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de que dei.mbito da mesma es era de governo. nos termos dos FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151.ercícios anteriores .clusive as trans er-ncias relativas + modalidade de aplicaç'o K6 >"rans er-ncias a Cons@rcios P*blicos mediante contrato de rateio + conta de recursos de que tratam os FF 14 e 24 do art! 25 da 3ei Complementar n4 151. para trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades criadas e mantidas por dois ou mais entes da 0ederaç'o ou por dois ou mais países.ou de ser aplicada em e. pela unidade orçamentária.odalidade de aplicaç'o utili&ada. + conta de recursos re erentes aos restos a pagar considerados para ins da aplicaç'o mínima em aç(es e serviços p*blicos de sa*de e posteriormente cancelados ou prescritos.ou de ser aplicada em e. dos cr#ditos a ela alocados ou oriundos de descentrali&aç'o de outras entidades integrantes ou n'o dos Orçamentos 0iscal ou da Heguridade Hocial. para trans er-ncia de recursos inanceiros a entidades criadas e mantidas por dois ou mais entes da 0ederaç'o ou por dois ou mais países. e.ou de ser aplicada em e. pela unidade orçamentária. e.

as modalidades de aplicaç'o correspondentes ser'o as MKGN e MK9 K9N! Caso o cons@rcio p*blico se$a contratado diretamente. o qual utili&ará as modalidades de aplicaç'o M8GN e M89N.ecuç'o pelo cons@rcio p*blico.0+. caso se re ira a contrato de rateio! ! =essaltaJse =essalta que a apuraç'o do limite de sa*de em cons@rcios p*blicos desse tipo se dá na e. mas as M8GN e M89N! 01. as despesas orçamentárias empen%adas e n'o pagas ser'o inscritas em restos a pagar agar e constituir'o a dívida dívi lutuante! PodemJse se distinguir dois tipos de restos a pagarE os processados e os n'o processados! rocessados! Os restos a pagar processados rocessados s'o aqueles em que a despesa orçamentária percorreu os estágios de empen%o e liquidaç'o. restando pendente apenas o estágio do pagamento! Em geral. + conta dos recursos de que trata os FF 14 e 24 do art! 25 e o art! 2G da 3ei Complementar n4 15172012. quando or o caso! Caso as trans er-ncias a cons@rcios p*blicos ou instituiç(es multigovernamentais n'o se$am relativas a contrato de rateio. n'o ser'o utili&adas as modalidades de aplicaç'o M86N e M85N.) composiç'o das nature&as de despesa relativas a tais trans er-ncias # apresentada no quadro a seguirE O ente partícipe de um cons@rcio p*blico ormado + lu& da 3ei 11!10K7200G. quando da reposiç'o eposiç'o de restos a pagar cancelados ou prescritos ou da aplicaç'o adicional em aç(es aç( e serviços p*blicos de sa*de deverá utili&ar as modalidades de aplicaç'o MK6 K6N ou MK5N.0( RE TO A PA1AR Do im do e. aç'o.ercício. n'o 107 .

ercício inanceiro.podem ser cancelados. :5. ap@s.$ Portanto.ra.ercício. o saldo e.erido no art.o 3nico.ou /ue tenHa parcelas a serem pagas no exercBcio se. veri icamJse quais despesas devem ser inscritas em restos a pagar e anulamJse as demais para.ista a respectiva cobertura inanceira. veda contrair obrigaç'o no *ltimo ano do mandato do governante sem que e. veri icaJse se e. con orme disposto no seu art! 52E “Art. procedeJse da seguinte ormaE He o valor real a ser pago or superior ao valor inscrito.uinte sem 1ue ha7a suficiente disponibilidade de caixa para este efeito" Par#. a di erença deverá ser empen%ada a conta de despesas de e.ar at9 o .iste di erença entre o valor da despesa inscrita e o valor real a ser pagoL se e. observaJse que. Fa deter"ina!ão da disponibilidade de caixa serão considerados os encar. aquelas em que o serviço.ercícios anterioresL He o valor real or in erior ao valor inscrito. con orme estabelecido na 3=0! )ssim. ou se$a. 5>. @ vedado ao titular de Poder ou +r. eliminando desta orma as %eranças iscais.istente deverá ser cancelado! ) inscriç'o de restos a pagar deve observar as disponibilidades inanceiras e condiç(es de modo a prevenir riscos e corrigir desvios capa&es de a etar o equilíbrio das contas p*blicas. embora a 3ei de =esponsabilidade 0iscal n'o aborde o m#rito do que pode ou n'o ser inscrito em restos a pagar. obra ou material contratado ten%a sido prestado ou entregue e aceito pelo contratante! "amb#m ser'o inscritas as despesas n'o liquidadas quando o serviço ou material contratado ten%a sido prestado ou entregue e que se encontre.nos 3lti"os dois /uadri"estres do seu "andato.ercício! Do momento do pagamento de restos a pagar re erente + despesa empen%ada pelo valor estimado.istir di erença. no encerramento do e. inscrevemJse os restos a pagar n'o processados do e. tendo em vista que o ornecedor de bens7serviços cumpriu com a obrigaç'o de a&er e a )dministraç'o n'o poderá dei.ão re.contrair obrigação de despesa /ue não possa ser cumprida integralmente dentro dele.ercício inanceiro.inal do exercBcio.ar de cumprir com a obrigaç'o de pagar! Her'o inscritas em restos a pagar as despesas liquidadas e n'o pagas no e. ou se$a. # necessário que a inscriç'o de despesas orçamentárias em restos a pagar observe a legislaç'o pertinente! INSCRIÇÃO EM RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS ) norma estabelece que. em 61 de de&embro de cada e. em ase de veri icaç'o do direito adquirido pelo credor ou quando o pra&o para cumprimento da obrigaç'o assumida pelo credor estiver vigente! ) inscriç'o de despesa em restos a pagar n'o processados # procedida ap@s a anulaç'o dos empen%os que n'o podem ser inscritos em virtude de restriç'o em norma do ente.os e despesas co"pro"issadas a pa. a parcela da despesa orçamentária que se encontrar empen%ada mas ainda n'o oi paga será considerada restos a pagar! 108 .

a despesa que or empen%ada com base nesse cr#dito orçamentário tamb#m deverá pertencer ao e. portanto. mesmo n'o se tratando de uma obrigaç'o presente por alta do implemento de condiç'o! )ssim. para atendimento da 3ei n4 5!62071895. temJse um superávit inanceiro de [100. o total de restos a pagar inscrito será de [800. na situaç'o acima descrita. portanto. supon%a os seguintes atos a serem registrados na contabilidade de um determinado ente p*blicoE 1? =ecebimento de receitas tributárias no valor de [1000 unidades monetáriasL 2? Empen%o da despesa no valor de [800 unidades monetáriasL 6? 3iquidaç'o de despesa corrente no valor de [K00 unidades monetáriasL e 5? :nscriç'o de =estos a Pagar. que poderia ser ob$eto de abertura de cr#dito adicional no ano seguinte na orma prevista na lei! )ssim. a receita que permaneceu no cai. integrando o ativo inanceiro do ente p*blico no im do e. concomitantemente. sendo [K00 de =estos a Pagar Processado e [200 de =estos a Pagar D'o Processado >[800JK00?! O ingresso no cai.istindo. dentro do princípio orçamentário do equilíbrio.ercício! 3ogo. como a receita orçamentária que ampara o empen%o pertence ao e. deverá ser registrada tamb#m um passivo inanceiroL caso contrário o ente p*blico estará apresentando em seu balanço patrimonial.ercício $á oi arrecadada ou ainda será arrecadada no mesmo ano e estará disponível no cai. %avendo segregaç'o entre as liquidadas e n'o pagas e as n'o liquidadas! )ssim.a corresponderá a uma receita orçamentária! O empen%o da despesa # um ato que potencialmente poderá a etar o patrimOnio.aç'o da despesa orçamentária autori&ada pelo Poder 3egislativo. um superávit inanceiro >ativo inanceiro < passivo inanceiro? indevido.ercício. # necessário o recon%ecimento do passivo inanceiro. sob a @tica da 3ei n4 5!62071895. criando passivo inanceiro que comprometerá o ativo inanceiro. o patrimOnio so rerá alteraç'o qualitativa ou quantitativa! O recon%ecimento da despesa orçamentária ao longo do e. para a i. todas as despesas ser'o inscritas em restos a pagar.ercício e serviu de base. uma despesa empen%ada.ercício seguinte $á está comprometida com o empen%o que oi inscrito em restos a pagar e.a na abertura do e.O raciocínio implícito na lei # de que a receita orçamentária a ser utili&ada para pagamento da despesa empen%ada em determinado e.ercício! Hup(eJse que determinada receita ten%a sido arrecadada e permaneça no cai. n'o poderia ser utili&ada para abertura de novo cr#dito! 1essa orma.ercício! E.ercício deve ser reali&ado no momento do empen%o com a assunç'o de um passivo inanceiro orçamentário! 1essa orma.a do governo ainda neste e. sendo [K00 re erentes a restos a pagar processados >liquidados? e [200 >[800J[K00? re erentes a restos a pagar n'o processados >n'o liquidados?! 1esta maneira.a. diminuindo o valor do superávit inanceiro! )p@s o implemento de condiç'o e a veri icaç'o do direito adquirido pelo credor. que corresponde + di erença entre a receita arrecadada de [1000 e a despesa empen%ada de [800! 109 . ao im do e.

dentro do pra&o estabelecido. mas que. tiveram seus empen%os anulados ou cancelados! O art! 6K da 3ei n4 5!62071895 disp(e que as despesas de e. inscritas ao encerramento do e.ercícios anteriores +quele em que deva ocorrer o pagamento! D'o se con undem com restos a pagar. se oram.03 %PRIMENTO DE .ercício correspondente! 01. para maior transpar-ncia. o credor ten%a cumprido sua obrigaç'o! Os restos a pagar com prescriç'o interrompida s'o aqueles cancelados. sempre que possível.anual < 1emonstraç(es Contábeis )plicadas ao Hetor P*blico! 01.ercícios anteriores cabe + autoridade competente para empen%ar a despesa! )s despesas que n'o se ten%am processado na #poca pr@pria s'o aquelas cu$o empen%o ten%a sido considerado insubsistente e anulado no encerramento do e. no momento da concess'o. bem como os restos a pagar com prescriç'o interrompida e os compromissos recon%ecidos ap@s o encerramento do e. mas ainda vigente o direito do credor! Os compromissos recon%ecidos ap@s o encerramento do e.ercícios encerrados.%NDO 6RE1IME DE ADIANTAMENTO7 O suprimento de undos # caracteri&ado por ser um adiantamento de valores a um servidor para utura prestaç'o de contas! Esse adiantamento constitui despesa orçamentária. n'o representa uma despesa pelo en oque patrimonial. a ordem cronol@gica! O recon%ecimento da obrigaç'o de pagamento das despesas com e. com saldo su iciente para atend-Jlas. mas somente recon%ecido o direito do reclamante ap@s o encerramento do e.ercício s'o aqueles cu$a obrigaç'o de pagamento oi criada em virtude de lei. as despesas e.ecutadas devem ser segregadas emE a) 1espesas liquidadas. pois.ercício como restos a pagar n'o processados! O impacto da inscriç'o em restos a pagar no balanço patrimonial # abordado na Parte A deste . discriminada por elementos. consideradas aquelas em que %ouve a entrega do material ou serviço.ercício correspondente. tendo em vista que sequer oram empen%adas ou. poder'o ser pagos + conta de dotaç'o especí ica consignada no orçamento.)ssim. no orçamento vigente. obedecida. para conceder o recurso ao suprido # necessário percorrer os tr-s estágios da despesa orçamentáriaE empen%o.0+. nos termos do art! 96 da 3ei n4 5!62071895L e b) 1espesas n'o liquidadas. que n'o se ten%am processado na #poca pr@pria.ercício correspondente.0+. decorrentes de compromissos assumidos em e. liquidaç'o e pagamento! )pesar disso. ou se$a.adas. para as quais o orçamento respectivo consignava cr#dito pr@prio.02 DE PE A DE E0ERCÍCIO ANTERIORE H'o despesas i. n'o ocorre reduç'o no patrimOnio líquido! Da 110 .

i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ uti$i3ada 111 .i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" $i-uida:@o D UQLQHQHQJQNNQNN nt"ada+ %o#9 n+at8"ia+ C UQLQHQHQKQNNQNN Di+9oni."i!a:D + d %u"to 9"a3o – Su9"i# nto d Cundo+ FFI CaiNa -ui/a$ nt + d %aiNa # #o da na%iona$ FFI CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D GQLQLQHQJQMJQNN C"0dito #9 n&ado $i-uidado a 9a!a" C GQLQLQHQJQMKQNN C"0dito #9 n&ado 9a!o CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta Di+9oni.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" $i-uida:@o UQLQHQHQJQNNQNN nt"ada+ %o#9 n+at8"ia+ D C No"ento do pa. %á tamb#m a incorporaç'o de um ativo. ob$eto do gasto a ser e etuado pelo suprido.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o No"ento da li/uida!ão e reconHeci"ento do direito CCdi>o da Conta D HQHQJQHQNQNNQNN C LQHQUQPQNQNNQNN TDt@Eo da Conta Adianta# nto+ %on% dido+ a 9 ++oa$ a t "% i"o+ FPI Out"a+ O.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o Di+9oni.oE No"ento do e"penHo da despesa: CCdi>o da Conta D GQLQLQHQHQNNQNN C GQLQLQHQJQMHQNN TDt@Eo da Conta C"0dito di+9onB/ $ C"0dito #9 n&ado a $i-uida" CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D UQLQHQHQHQNNQNN Di+9oni. que representa o direito de receber um bem ou serviço.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ C UQLQHQHQLQNNQNN Di+9oni.a"ento ao suprido: CCdi>o da Conta D LQHQUQPQNQNNQNN C HQHQHQHQHQNNQNN TDt@Eo da Conta Out"a+ o. ao mesmo tempo em que ocorre o registro de um passivo.liquidaç'o da despesa orçamentária."i!a:D + d Cu"to P"a3o – Su9"i# nto d Cundo+ FFI CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D GQLQLQHQJQMHQNN C"0dito #9 n&ado a $i-uida" C GQLQLQHQJQMJQNN C"0dito #9 n&ado $i-uidado a 9a!a" CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta UQLQHQHQLQNNQNN Di+9oni. ou a devoluç'o do numerário adiantado! Os registros contábeis con orme o Plano de Contas )plicado ao Hetor P*blico apresentamJse abai.

tBtu$o+ . n+ Ato+ 9ot n%iai+ ati/o+ – EN %u:@o d " +9on+a.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ uti$i3ada D UQLQHQHQKQNNQNN Di+9oni. C TQHQHQHQNQNNQNN tBtu$o+ .i$idad + d t "% i"o+ 9o" UQHQHQHQNQNNQNN /a$o" +.ente suprido: CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta Ato+ 9ot n%iai+ ati/o+ –R +9on+a. n+ D C Presta!ão de contas do saldo utili ado CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D JQNQNQNQNQNNQNN *PD C HQHQJQHQNQNNQNN Adianta# nto+ %on% dido+ a 9 ++oa$ a t "% i"o+ FPI CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta Ato+ 9ot n%iai+ do ati/o – EN %u:@o d " +9on+a. tBtu$o+ TQHQHQHQNQNNQNN .istro da responsabilidade do a.i$idad + d t "% i"o+ 9o" /a$o" +. n+ Levolu!ão de valores não aplicados ."es"o exercBcio da concessão?: CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D HQHQHQHQHQNNQNN CaiNa -ui/a$ nt + # #o da na%iona$ FFI C HQHQJQHQNQNNQNN Adianta# nto+ %on% dido+ a 9 ++oa$ a t "% i"o+ FPI CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D GQLQLQHQJQMKQNN C"0dito #9 n&ado 9a!o C GQLQLQHQJQMJQNN C"0dito #9 n&ado $i-uidado CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta Di+9oni. tBtu$o+ . n+ Ato+ 9ot n%iai+ do ati/o – R +9on+a.<e.i$idad + d t "% i"o+ 9o" D UQHQHQHQNQNNQNN /a$o" +.i$idad + d t "% i"o+ 9o" /a$o" +.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" $i-uida:@o C UQLQHQHQJQNNQNN nt"ada+ %o#9 n+at8"ia+ CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D GQLQLQHQJQMJQNN C"0dito #9 n&ado $i-uidado a 9a!a" C GQLQLQHQJQMHQNN C"0dito #9 n&ado a $i-uida" CCdi>o da Conta D GQLQLQHQJQMHQNN C GQLQLQHQHQNNQNN TDt@Eo da Conta C"0dito #9 n&ado a $i-uida" C"0dito di+9onB/ $ 112 .

unicípios aplicáveis ao regime de adiantamento! Hegundo a 3ei n4 5!62071895. suprimento de undos consiste na entrega de numerário a servidor. n'o se pode e etuar adiantamento a servidor em alcance e nem a responsável por dois adiantamentos! Por servidor em alcance. n+ Levolu!ão de valores não aplicados . Estados.i$idad + d t "% i"o+ 9o" D UQHQHQHQNQNNQNN /a$o" +.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta Ato+ 9ot n%iai+ do ati/o – EN %u:@o d " +9on+a. tBtu$o+ . tBtu$o+ . 1istrito 0ederal e . entendeJse aquele que n'o e etuou. caso ten%a apresentado a prestaç'o de contas dos recursos. C TQHQHQHQNQNNQNN tBtu$o+ .CCdi>o da Conta D UQLQHQHQLQNNQNN C UQLQHQHQNQNNQNN TDt@Eo da Conta Di+9oni.exercBcio se. a mesma ten%a sido impugnada total ou parcialmente! 113 .i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o EN %u:@o da di+9oni.i$idad + d t "% i"o+ 9o" D UQHQHQHQNQNNQNN /a$o" +.ncia obrigat@ria para a Cni'o.i$idad + d t "% i"o+ 9o" /a$o" +. n+ Em suma. C TQHQHQHQNQNNQNN tBtu$o+ . para o im de reali&ar despesas que n'o possam subordinarJse ao processo normal de aplicaç'o! Os arts! 9I e 98 da 3ei n4 5!62071895 de inem e estabelecem regras gerais de observ. no pra&o.i$idad d " %u"+o+ C UQLQHQHQHQNNQNN Di+9oni. sempre precedida de empen%o na dotaç'o pr@pria. a comprovaç'o dos recursos recebidos ou que.i$idad d " %u"+o+ CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta Ato+ 9ot n%iai+ do ati/o – EN %u:@o d " +9on+a.i$idad + d t "% i"o+ 9o" /a$o" +. n+ Ato+ 9ot n%iai+ do ati/o – R +9on+a. n+ Ato+ 9ot n%iai+ do ati/o – R +9on+a.uinte ao da concessão?: CCdi>o da Conta D HQHQHQHQHQNNQNN C HQHQJQHQNQNNQNN CCdi>o da Conta D GQLQHQHQNQNNQNN C GQLQHQLQNQNNQNN TDt@Eo da Conta CaiNa -ui/a$ nt + d %aiNa #o da na%iona$ FFI Adianta# nto+ %on% dido+ a 9 ++oa$ a t "% i"o+ FPI TDt@Eo da Conta R % ita a " a$i3a" R % ita " a$i3ada CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D TQLQHQHQNQNNQNN Cont"o$ da di+9oni.

em cada caso. observando as peculiaridades de seu sistema de controle interno. de orma a garantir a correta aplicaç'o do din%eiro p*blico! 1estacamJse algumas regras estabelecidas para esse regimeE O suprimento de undos deve ser utili&ado nos seguintes casosE a? Para atender a despesas eventuais. assim entendidas aquelas cu$o valor. con orme se classi icar em regulamentoL e c? Para atender a despesas de pequeno vulto. n'o ultrapassar limite estabelecido em ato normativo pr@prio! D'o se concederá suprimento de undosE a? ) responsável por dois suprimentosL b? ) servidor que ten%a a seu cargo a guarda ou utili&aç'o do material a adquirir. salvo quando n'o %ouver na repartiç'o outro servidorL c? ) responsável por suprimento de undos que. esgotado o pra&o.Cada ente da 0ederaç'o deve regulamentar o seu regime de adiantamento.i$am pronto pagamentoL b? Suando a despesa deva ser eita em caráter sigiloso. que e. inclusive em viagem e com serviços especiais. n'o ten%a prestado contas de sua aplicaç'oL e d? ) servidor declarado em alcance! 114 .

@rg'os. em atendimento +s inalidades especí icas estabelecidas pela normaL 1estinaç'o Ordinária < # o processo de alocaç'o livre entre a origem e a aplicaç'o de recursos. 5>.ão.01 CONCEITO ) classi icaç'o orçamentária por ontes7destinaç(es de recursos tem como ob$etivo de identi icar as ontes de inanciamento dos gastos p*blicos! )s ontes7destinaç(es de recursos re*nem certas Dature&as de =eceita con orme regras previamente estabelecidas! Por meio do orçamento p*blico. Al9" de obedecer 8s de"ais nor"as de contabilidade p3blica.$ ) nature&a da receita orçamentária busca identi icar a origem do recurso segundo seu ato gerador! E.0'. a classi icaç'o por onte7destinaç'o de recursos identi ica se os recursos s'o vinculados ou n'o e. para atender a quaisquer inalidades! ) criaç'o de vinculaç(es para as receitas deve ser pautada em mandamentos legais que regulamentam a aplicaç'o de recursos.erce um duplo papel no processo orçamentário! Para a receita orçamentária. entidades e undos! Outro tipo de vinculaç'o # aquela derivada de conv-nios e contratos de empr#stimos e inanciamentos.ra. esse c@digo tem a inalidade de indicar a destinaç'o de recursos para a reali&aç'o de determinadas despesas orçamentárias! Para a despesa orçamentária.inalidade especB.0'. a necessidade de identi icar a destinaç'o dos recursos arrecadados! Para tanto. se$a para entes.icados e escriturados de .resso.ainda /ue e" exercBcio diverso da/uele e" /ue ocorrer o in.undo ou despesa obri. para controle das ontes inanciadoras da despesa orçamentária! 1esta orma.( Par#.. pode indicar a sua inalidade! ) destinaç'o pode ser classi icada emE - 1estinaç'o Ainculada < # o processo de vinculaç'o entre a origem e a aplicaç'o de recursos. ainda. cu$os recursos s'o obtidos com inalidade especí ica! 115 .ica serão utili ados exclusiva"ente para atender ao obKeto de sua vincula!ão.a escritura!ão das contas p3blicas observar# as se. no caso dos vinculados.$ “Art.iste. inciso : da mesma 3eiE “Art. mesmo c@digo utili&ado para controle das destinaç(es da receita orçamentária tamb#m # utili&ado na despesa.de "odo /ue os recursos vinculados a +r.at+ria .. este mecanismo contribui para o atendimento do parágra o *nico do art! I4 da 3=0 e o art! G0.uintes: I – a disponibilidade de caixa constar# de re. o c@digo de onte7destinaç'o de recursos e. essas ontes7destinaç(es s'o associadas a determinadas despesas de orma a evidenciar os meios para atingir os ob$etivos p*blicos! Como mecanismo integrador entre a receita e a despesa.01.i/ue" identi.istro pr+prio.al"ente vinculados a . identi ica a origem dos recursos que est'o sendo utili&ados! )ssim.ONTE-DE TINA#&O DE REC%R O 01. se$a para unç(es essenciais. Ds recursos le.. 0C '.or"a individuali ada.00 .o 3nico.

IIA#&O DA .a do cr#dito disponível con orme a onte7destinaç'o e deverá ser registrada a trans er-ncia da disponibilidade de recursos para a disponibilidade de recursos comprometida! Da saída desse recurso deverá ser adotado procedimento semel%ante. abai. deverá %aver a bai.ecuç'o orçamentária da despesa. incluindo o ingresso.0$ MECANI MO DE %TI.0'.o. al#m do registro da receita orçamentária e do respectivo ingresso dos recursos inanceiros.ecuç'o. com o registro de bai.ada por 0onte71estinaç'o de recursos! Da arrecadaç'o.aç'o da despesaE CCdi>o da Conta D OQLQLQHQHQNNQNN C GQLQLQHQHQNNQNN TDt@Eo da Conta Dota:@o ini%ia$ C"0dito di+9onB/ $ 116 . deverá ser lançado. o comprometimento e a saída dos recursos orçamentários! Do momento da contabili&aç'o do orçamento. deve ser registrado em contas orçamentárias o total da receita orçamentária prevista e da despesa orçamentária i. em contas de controle. o valor classi icado na onte7destinaç'o correspondente >disponibilidade a utili&ar?. esquema simpli icado de contabili&aç'oE 1! O":a# ntoE Previs'o da receitaE CCdi>o da Conta D OQLQHQHQNQNNQNN C GQLQHQHQNQNNQNN TDt@Eo da Conta P" /i+@o da " % ita R % ita a " a$i3a" 0i. no momento do empen%o. segue.a do saldo da conta de onte7destinaç'o comprometida e lançamento na de onte7destinaç'o utili&ada! Para mel%or compreens'o do procedimento apresentado.01. bem como o registro da reali&aç'o da receita orçamentária por onte7destinaç'o! Da e.ONTE-DE TINA#&O DE REC%R O O controle das disponibilidades inanceiras por onte7destinaç'o de recursos deve ser eito desde a elaboraç'o do orçamento at# a sua e.

i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ UQLQHQHQLQNNQNN Di+9oni.2! EN %u:@o O":a# nt."iaE Considerando o caso em que o ingresso do recurso inanceiro coincida com o ato gerador da receitaE CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta HQHQHQHQHQNNQNN CaiNa -ui/a$ nt + d %aiNa # #o da na%iona$FFI KQNQNQNQNQNNQNN *a"ia:@o 9at"i#onia$ au# ntati/a CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta GQLQHQHQNQNNQNN R % ita a " a$i3a" GQLQHQLQNQNNQNN R % ita " a$i3ada CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta TQLQHQHQNQNNQNN Cont"o$ da di+9oni.i$idad d " %u"+o+ UQLQHQHQHQNNQNN Di+9oni.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ D C D C D C Do empen%o da dotaç'o orçamentáriaE CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D GQLQLQHQHQNNQNN C"0dito di+9onB/ $ C GQLQLQHQJQMHQNN C"0dito #9 n&ado a $i-uida" CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta UQLQHQHQNQNNQNN Di+9oni.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" $i-uida:@o nt"ada+ %o#9 n+at8"ia+ D C CCdi>o da Conta D GQLQLQHQJQMHQNN C GQLQLQHQJQMJQNN CCdi>o da Conta D UQLQHQHQLQNNQNN C UQLQHQHQJQNNQNN 117 .i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o D C Considerando o caso em que a liquidaç'o da despesa orçamentária coincida com o ato gerador da despesaE CCdi>o da Conta JQNQNQNQNQNNQNN LQNQNQNQNQNNQNN TDt@Eo da Conta *a"ia:@o 9at"i#onia$ di#inuti/a Pa++i/o FFI TDt@Eo da Conta C"0dito #9 n&ado a $i-uida" C"0dito #9 n&ado $i-uidado a 9a!a" TDt@Eo da Conta Di+9oni.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" #9 n&o Di+9oni.

a conta Mdisponibilidade por destinaç'o de recursosN deverá ser creditada por ocasi'o da classi icaç'o da receita orçamentária e debitada pelo empen%o da despesa orçamentária! O saldo representará a disponibilidade inanceira para uma nova despesa! ) conta Mdisponibilidade por destinaç'o de recursos utili&adaN.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ uti$i3ada D UQLQHQHQKQNNQNN C TQLQHQHQHQNNQNN Cont"o$ da di+9oni. icando a onte7destinaç'o dos recursos evidenciada nos contasJ correntes! 118 .ecuç'o orçamentária.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ uti$i3ada Do encerramento do e. ou se$a.ercício inanceiroE CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta Di+9oni. por sua ve&. s'o necessárias apenas quatro contas contábeis para controle das ontes7destinaç(es. com o uso dos contasJcorrentes. para cada codi icaç'o de onte7destinaç'o criada pelo ente. %averá um detal%amento nessa conta! Com isso # possível identi icar.i$idad 9o" d +tina:@o d " %u"+o+ %o#9"o# tida 9o" $i-uida:@o D UQLQHQHQJQNNQNN nt"ada+ %o#9 n+at8"ia+ C UQLQHQHQKQNNQNN Di+9oni. o detal%amento das contas de Mdisponibilidade por destinaç'o de recursosN deve ser por contasJcorrentes. que identi icam a onte7destinaç'o do recurso! ) vantagem da utili&aç'o desse mecanismo consiste na simpli icaç'o do plano de contas. para cada onte7destinaç'o.ercício com seu saldo &erado! )s contas de Mdisponibilidades por destinaç'o de recursosN devem estar detal%adas por tipo de onte7destinaç'o. pois as disponibilidades de recursos estar'o controladas e detal%adas nas contas de controles credores! Da e. pois.Da saída do recurso inanceiroE CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D LQNQNQNQNQNNQNN Pa++i/o FFI C HQHQHQHQHQNNQNN CaiNa -ui/a$ nt + d %aiNa # #o da na%iona$ FFI CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta D GQLQLQHQJQMJQNN C"0dito #9 n&ado $i-uidado a 9a!a" C GQLQLQHQJQMKQNN C"0dito #9 n&ado 9a!o CCdi>o da Conta TDt@Eo da Conta Di+9oni. o saldo de recursos disponíveis para aplicaç'o em despesas! Esse detal%amento pode ser eito por meio do mecanismo de contasJcorrentes contábeis! Desse caso. deverá iniciar cada e. # possível saber a qualquer momento o quanto do total orçado $á oi reali&ado por onte7destinaç'o de recursos.i$idad d " %u"+o+ 1essa maneira.

istentes no ente.emploE I2111!.emplo de detal%amento por contaJcorrenteE 1isponibilidade por 1estinaç'o de =ecursos 0100000000 < =ecursos Ordinários 01eeeeeeee < =ecursos vinculados + sa*de 01ffffffff < =ecursos vinculados + Educaç'o =[ 1!000.00 =[ 500.E..!06 < =ecursos vinculados + Educaç'o =[ 1!000.00 ) conta M=eceita =eali&adaN interliga o controle orçamentário da previs'o com a e.. seria necessário desdobrar cada conta de Mdisponibilidade por destinaç'o de recursosN pela quantidade de ontes7destinaç(es e. o )ne. sugereJse que os valores se$am lançados em uma onte7destinaç'o transit@ria. por e. at# que se consiga proceder + correta classi icaç'o! Para acilitar a implantaç'o do mecanismo de onte7destinaç'o de recursos.C)HP apresenta um modelo de codi icaç'o da especi icaç'o de ontes7destinaç(es e seus detal%amentos! 119 .00 =[ 600..!01 < =ecursos Ordinários I2111!. no momento do recebimento.00 =[ 600.ecuç'o.00 Do caso da n'o utili&aç'o do mecanismo de contaJcorrente contábil.os do . devendo ser detal%ada por onte7destinaç'o de recursos! Caso o ente n'o ten%a mecanismos para identi icar. como.!02 < =ecursos vinculados + sa*de I2111!.. a onte7destinaç'o correspondente.o : do Aolume )ne.!00 < 1isponibilidade por 1estinaç'o >a utili&ar? I2111!.00 =[ 600.00 =[ 600.00 =[ 500.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful