MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO
PARTE II – PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PATRIMONIAIS
Aplicado à União, Estados, Distrito !d!ral ! M"nic#pios
$%lido a partir do !&!rc#cio d! '()* Portaria STN n+ ,*-.'()'

/a !di0ão

Brasília 2012

Parte II

02.00.00 Procedimentos Contábeis Patrimoniais

MINISTRO DE ESTADO DA FAZENDA Guido Mantega SECRETÁRIO-EXECUTI O Ne!"on #en$i%ue Ba$&o"a Fi!'o SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONA( A$no #ugo Augu"tin Fi!'o SUBSECRETÁRIO DE CONTABI(IDADE P)B(ICA Gi!*an da Si!*a Danta" COORDENADOR-GERA( DE NORMAS DE CONTABI(IDADE AP(ICADAS + FEDERA,-O Pau!o #en$i%ue Fei./ da Si!*a COORDENADORA DE NORMAS DE CONTABI(IDADE AP(ICADAS + FEDERA,-O Se!ene Pe$e" Pe$e" Nune" GERENTE DE NORMAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS #e$i&e$to #en$i%ue i!e!a do Na"0i1ento E2UIPE T3CNICA Antonio Fi$1ino da Si!*a Neto A$t'u$ (u0a" Go$do de Sou"a B$uno Ra1o" Mangua!de #en$i%ue Fe$$ei$a Sou4a Ca$nei$o

In5o$1a67e" – STN8 Fone8 9:;< =>;?-=@;; FaA8 9:;< =>;?-;>BC Co$$eio E!et$Dni0o8 00on5Ed5E"tnF5a4endaEgo*E&$ PGgina E!et$Dni0a8 HHHEte"ou$oE5a4endaEgo*E&$

2

Índice 02.00.00 PARTE 2 – PROCEDIMENTOS CONTÁ EIS PATRIMONIAIS.............................2
02.0!.00 INTROD"#$O................................................................................................................................ % 02.02.00 PRINC&PIOS DE CONTA I'IDADE .................................................................................................... (
@?E@?E@; PRINCIPIO DA ENTIDADE EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE : @?E@?E@? PRINCIPIO DA CONTINUIDADE EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE : @?E@?E@= PRINCIPIO DA OPORTUNIDADE EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE J @?E@?E@> PRINCIPIO DO REGISTRO PE(O A(OR ORIGINA( EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE J @?E@?E@B PRINCIPIO DA COMPETKNCIA C @?E@?E@: PRINCIPIO DA PRUDKNCIAEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ;@

02.0).00 COMPOSI#$O DO PATRIM*NIO P+ 'ICO .................................................................................... !!
@?E@=E@; PATRIMLNIO P)B(ICO EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ;; @?E@=E@? ATI O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ;; @?E@=E@= PASSI OEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ;?
02.03.03.01 Relação entre passivo exigível e as etapas da execução orçamentária ...................................................................... 13

@?E@=E@> PATRIMLNIO (I2UIDOMSA(DO PATRIMONIA( EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ;:

02.0,.00 -ARIA#.ES PATRIMONIAIS ......................................................................................................... !/
@?E@>E@; 2UA(ITATI AS EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ;N @?E@>E@? 2UANTITATI AS 9RECEITA E DESPESA SOB ENFO2UE PATRIMONIA(< EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ?@ @?E@>E@= REA(IZA,-O DA ARIA,-O PATRIMONIA( EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ?C @?E@>E@> RESU(TADO PATRIMONIA( EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE =@

02.0%.00 MENS"RA#$O DE ATI-OS E PASSI-OS......................................................................................... )!
@?E@BE@; INTRODU,-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE =;
02.05.01.01 Procedimentos de adoção inicial ................................................................................................................................. 31

@?E@BE@? CONCEITOS EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE =? @?E@BE@= A A(IA,-O E MENSURA,-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE =?
02.05.03.01 Disponi ilidades .......................................................................................................................................................... 32 02.05.03.02 !r"ditos e # rigaç$es.................................................................................................................................................. 33 02.05.03.03 %sto&ues ...................................................................................................................................................................... 33

@?E@BE@> IN ESTIMENTOS PERMANENTES EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE =B
02.05.0'.01 ("todo Da %&uival)ncia Patrimonial .......................................................................................................................... 35 02.05.0'.02 ("todo Do !usto ........................................................................................................................................................ 35

@?E@BE@B IMOBI(IZADO EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE =: @?E@BE@: INTANGI E( EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE =:

02.0(.00 TRATAMENTO CONTÁ I' AP'ICÁ-E' AOS IMPOSTOS E CONTRI "I#.ES ...................................... )0
@?E@:E@; TRIBUTOS EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE =N @?E@:E@? E ENTO TRIBUTÁ E( OU FATO GERADOR EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE >; @?E@:E@= RECON#ECIMENTO DOS CR3DITOS DE IMPOSTOS E CONTRIBUI,OES EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE >? @?E@:E@> REPARTI,-O TRIBUTÁRIA EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE >? @?E@:E@B PASSI OS DE TRANSA,OES SEM CONTRAPRESTA,-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE >= @?E@:E@: MU(TAS EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE >= @?E@:E@J APUSTE DE PERDAS DE CR3DITOS DE IMPOSTOS E CONTRIBUI,OES EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE >> @?E@:E@N (AN,AMENTOS CONTÁBEIS EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE >>

02.0/.00 ATI-O IMO I'I1ADO ................................................................................................................... %0
@?E@JE@; CONCEITOS EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE B@ @?E@JE@? AP(ICA,-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE B? @?E@JE@= RECON#ECIMENTO EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE B? @?E@JE@> MENSURA,-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE B: =

... .....@E@: UTI(IZA.0'.@E@? DIFERENCIA..............02 Passivos !ontingentes ............-O DE CUSTOS EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE .01 !lassi/icação ........... 23 02..............................................00 REA-A'IA#$O4 RED"#$O AO -A'OR REC"PERÁ-E'4 DEPRECIA#$O4 AMORTI1A#$O E E5A"ST$O (3 @?E@CE@...................................................01..................................@@ @?E....... ................................. 3) @?E...................................3 02.......................@E@= RE(A....... 23 02..........10........E@.02............................................-O ENTRE PRO ISOES E OUTROS PASSI OS EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE C: @?E..........0*..0 02............E@? AMBIENTE DA INFORMA.....03 +tivos !ontingentes ................@....-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE JC 02....0' Recon1ecimento e mensuração de uma perda por irrecupera ilidade .00 ATI-O INTAN2&-E' ......................01 Provis$es ....01....-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE :C 02................03.............. 02..............02 Reavaliação do +tivo ...........@E@B MENSURA....0*..03..............................................!0...02 identi/icação de perda por irrecupera ilidade..........................................E@> TERMINO(OGIA EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ................03..........@N 4 .....0*...........0*.................. *0 02..............0*...03 (ensuração do valor recuperável do ativo .......................00 SISTEMA DE C"STOS ..@?E@JE@B DEPRECIA......................................................................0*... CONCEITO EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE :? @?E@NE@? AP(ICA....!0% @?E........................................................0'.............-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE :? @?E@NE@= PROCEDIMENTOS PARA IDENTIFICAR UM ATI O INTANGI E( EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE := @?E@NE@> RECON#ECIMENTO DO ATI O INTANGI E( EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE := @?E@NE@B MENSURA.......02..3 02................................01............................ *2 @?E.......0*...................-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE CN @?E.............-OEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE .............................-O AO A(OR RECUPERÁ E( EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE J? 02.................... ..-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE :J @?E@NE@: BAIXA EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE :N @?E@NE@J DI U(GA.............................................. 25 @?E@CE@> AMORTIZA... ..............02 ("todos de depreciação .....0*........................................03 Registro contá il da reavaliação de ativos ................................-O DA A A(IA.00.....................-O E EXAUST-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE BN @?E@JE@: BAIXA DO A(OR CONTÁBI( DE UM ITEM DO ATI O IMOBI(IZADOEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE BC @?E@JE@J DI U(GA...............-OQ AMORTIZA.ES4 PASSI-OS CONTIN2ENTES E ATI-OS CONTIN2ENTES ......................10.........................01 Reavaliação do +tivo .. ..................@E@J DI U(GA..........................................10.........ntangível ..........05 Divulgação ..............02....... (2 @?E@NE@.............03 +spectos práticos da depreciação .....................................02............E@B OPERACIONA(IDADE NO GO ERNO FEDERA( EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ...................@: @?E...........................................-O DE BENS P)B(ICOS EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE C@ @?E@CE@J RE(ATRRIO MENSA( DE BENS 9RMB< EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE C? 02.......................................................................................@E@> RECON#ECIMENTO EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE C: 02.....03............................@N @?E.................@E@..@J @?E..............................-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE N: @?E@CE@B EXAUST-OEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE NC @?E@CE@: ES2UEMA DE IMP(EMENTA...............0*..........-O ENTRE PRO ISOES E PASSI OS CONTINGENTES EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE C: @?E........................................... *.....................-O E DEPRECIA...-O DE CUSTOS EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE . ...........................................................00 PRO-IS.......01 3alor depreciável e período de depreciação..................................... ASPECTOS (EGAIS DO SISTEMA DE CUSTOS EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ..............E@= CARACTERISTICAS DA INFORMA........ REA A(IA...................@B @?E....... CONCEITOS EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE CB @?E...................0*..............!!..............................0'...-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE :N 02....0*.......2 @?E@CE@= DEPRECIA............... .......0 02............. 02..................................................................................-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ...................-O EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE BC 02..02..............................................................mo ili-ado.................1 02...................................................1 @?E@CE@? REDU.0 02.. ................

(usca. >esse aspecto. mensura#ão e evidencia#ão dos ativos e passivos e de suas varia#$es patrimoniais. Para cumprimento do ob&etivo de padroni"a#ão dos procedimentos. A compreensão da l?gica dos registros patrimoniais é determinante para o entendimento da forma#ão. esta Parte aborda a composi#ão. assim. B .0!. regras e procedimentos relativos aos atos e fatos patrimoniais e seu relacionamento com a Contabilidade Aplicada ao Setor Público. composi#ão e evolu#ão desse patrim.nio. /istrital e 'unicipal. 23.00 INTROD"#$O Esta Parte.nio público. suas classifica#$es. contribuindo para o processo de converg)ncia s normas internacionais. 0 atendimento do enfo%ue patrimonial da contabilidade compreende o registro e a evidencia#ão da composi#ão patrimonial do ente público 1arts. 566 e 567 da lei n8 7. respeitada a base legal nacional.9:6. destina#$es e registros. Estadual. Visa também !armoni"a#ão. >esse sentido. visa dar continuidade ao processo de reunião de conceitos. a estrutura#ão e as varia#$es %ue geram refle*os no patrim. no %ue se refere s varia#$es patrimoniais aumentativas e diminutivas. como o sistema de custos e refle*os da deprecia#ão. devem ser atendidos os princ+pios e normas contábeis voltados para o recon!ecimento. intitulada Procedimentos Contábeis Patrimoniais.54<7=.nio. por meio do estabelecimento de padr$es a serem observados pela Administra#ão Pública. a amorti"a#ão e a e*austão no patrim. a mensura#ão.02. mel!orar a %ualidade e a consist)ncia das informa#$es prestadas a toda a sociedade.nio dos -overnos . 24. para permitir a evidencia#ão e a consolida#ão das contas públicas nacionais. de modo a possibilitar o e*erc+cio da cidadania no controle do patrim. além de apresentar temas espec+ficos. este 'anual procura descrever rotinas e servir como instrumento orientador para a racionali"a#ão de aspectos e métodos patrimoniais relacionados s varia#$es patrimoniais públicas.ederal.

em opera$%o no !t!ro e" a men#!ra$%o e a apre#enta$%o do# componente# do patrimônio le&am em conta e#ta cinc!n#t@ncia.nio e a responsabili"a#ão pela obrigatoriedade da presta#ão de contas pelos agentes públicos.9> Sob a perspectiva do setor público. a continuidade está vinculada ao estrito cumprimento da destina#ão social do seu patrim. consoante o entendimento predominante nos universos cient+fico e profissional do pa+s..nico. A #oma o! a a-re-a$%o cont.-ra o . constituindo condi#ão de legitimidade das >ormas (rasileiras de Contabilidade.C n8 A36. ou se&a.02 PRINC&PIO DA CONTIN"IDADE “Art. O PAT/I01NIO pertence 2 ENTIDADE" ma# a recíproca n%o 3 &erdadeira. %ue representam a ess)ncia das doutrinas e teorias relativas a essa ci)ncia.5449=. a continuidade da entidade se dá en%uanto perdurar sua finalidade 1Ap)ndice DD @esolu#ão C.bil de patrimônio# a!tônomo# n%o re#!lta em no&a ENTIDADE" ma# n!ma !nidade de nat!re)a econômico4 cont. 8º 4 O Princípio da Contin!idade pre##!p?e (!e a Entidade contin!ar. Por con#e(!*ncia" ne#ta acep$%o" o patrimônio n%o #e con !nde com a(!ele# do# #e!# #+cio# o! propriet. 6 .C n8 A36.C=.nio a ele pertencente. @essaltaCse %ue a Contabilidade Aplicada ao Setor Público constitui ramo da ci)ncia contábil e deve observar os princ+pios de contabilidade. pela autonomia e responsabili"a#ão do patrim.02.rio#" no ca#o de #ociedade o! in#tit!i$%o.02. Essa resolu#ão consagra os princ+pios de contabilidade. é regulamentada pelo Consel!o .nio.02.A 5/e#ol!$%o C6C nº .C n8 A36. assim como a da despesa sob o enfo%ue patrimonial 1varia#ão patrimonial diminutiva=. por meio da @esolu#ão C. %ue são de observBncia obrigat?ria no e*erc+cio da profissão contábil. o princ+pio da entidade afirmaCse.“5/e#ol!$%o C6C nº 789:. Par.BCB:B9.bil.5449.00 PRINC&PIOS DE CONTA I'IDADE A contabili"a#ão da receita sob o enfo%ue patrimonial 1varia#ão patrimonial aumentativa=. para o ente público.0! PRINC&PIO DA ENTIDADE “Art.5449. A autonomia patrimonial tem origem na destina#ão social do patrim.ederal de Contabilidade 1C. 02. 4º O Princípio da ENTIDADE reconhece o Patrimônio como objeto da Contabilidade e a irma a a!tonomia patrimonial" a nece##idade da di erencia$%o de !m Patrimônio partic!lar no !ni&er#o do# patrimônio# e'i#tente#" independentemente de pertencer a !ma pe##oa" !m conj!nto de pe##oa#" !ma #ociedade o! in#tit!i$%o de (!al(!er nat!re)a o! inalidade" com o! #em in# l!crati&o#. 02.<<=> Segundo o Ap)ndice DD @esolu#ão C.02.

bil pode oca#ionar a perda de #!a rele&@ncia" por i##o 3 nece##.nio da entidade pública. E importante destacar %ue.bei#J J . observadas as >ormas (rasileiras de Contabilidade aplicadas ao Setor Público.nio.A 5/e#ol!$%o C6C nº . O# pa##i&o# #%o reconhecido# pelo# &alore# em cai'a o! e(!i&alente# de cai'a" n%o de#contado#" (!e #eriam nece##.rio# para li(!idar a obri-a$%o na data o! no período da# demon#tra$?e# cont. a contabilidade não pode se restringir ao registro dos fatos decorrentes da e*ecu#ão or#amentária. DE 4 O Princípio da Oport!nidade re ere4#e ao proce##o de men#!ra$%o e apre#enta$%o do# componente# patrimoniai# para prod!)ir in orma$?e# ínte-ra# e tempe#ti&a#. Essa situa#ão é verificada em fatos %ue não decorrem de previsão e e*ecu#ão do or#amento.9> Para o setor público. como. G..02. O# ati&o# #%o re-i#trado# pelo# &alore# pa-o# o! a #erem pa-o# em cai'a o! e(!i&alente# de cai'a o! pelo &alor j!#to do# rec!r#o# (!e #%o entre-!e# para ad(!iri4lo# na data da a(!i#i$%o.02. O# ati&o# #%o reconhecido# pelo# &alore# em cai'a o! e(!i&alente# de cai'a" o# (!ai# teriam de #er pa-o# #e e##e# ati&o# o! ati&o# e(!i&alente# o##em ad(!irido# na data o! no período da# demon#tra$?e# cont. PRINC&PIO DO RE2ISTRO PE'O -A'OR ORI2INA' FArt.0.-ra o .bei#. O# pa##i&o# #%o re-i#trado# pelo# &alore# do# rec!r#o# (!e oram recebido# em troca da obri-a$%o o!" em al-!ma# circ!n#t@ncia#" pelo# &alore# em cai'a o! e(!i&alente# de cai'a" o# (!ai# #er%o nece##.º A# #e-!inte# ba#e# de men#!ra$%o de&em #er !tili)ada# em -ra!# di#tinto# e combinada#" ao lon-o do tempo" de di erente# ormaH I I C!#to hi#t+rico. A integridade e a fidedignidade di"em respeito necessidade de as varia#$es serem recon!ecidas na sua totalidade. O# pa##i&o# #%o re-i#trado# pelo# &alore# do# rec!r#o# (!e oram recebido# em troca da obri-a$%o o!" em al-!ma# circ!n#t@ncia#" pelo# &alore# em cai'a o! e(!i&alente# de cai'a" o# (!ai# #er%o nece##. 02. independentemente do cumprimento das formalidades legais para sua ocorr)ncia.rio# para li(!idar o pa##i&o no c!r#o normal da# opera$?e#J a> C!#to corrente.rio# para li(!idar o pa##i&o no c!r#o normal da# opera$?e#J e II I Faria$%o do c!#to hi#t+rico. 7º 4 O Princípio do /e-i#tro pelo Falor Ori-inal determina (!e o# componente# do patrimônio de&em #er inicialmente re-i#trado# pelo# &alore# ori-inai# da# tran#a$?e#" e'pre##o# em moeda nacional.rio ponderar a rela$%o entre a oport!nidade e a con iabilidade da in orma$%o. devendo registrar tempestivamente todos os fatos %ue promovam altera#ão no patrim.5449=.02. Par. o princ+pio da oportunidade é base indispensável integridade e fidedignidade dos registros contábeis dos atos e dos fatos %ue afetam ou possam afetar o patrim. visando ao completo atendimento da ess)ncia sobre a forma 1Ap)ndice DD @esolu#ão C.BCB:B9. por e*emplo.nico.C n8 A36. A alta de inte-ridade e tempe#ti&idade na prod!$%o e na di&!l-a$%o da in orma$%o cont. para atender ao princ+pio da oportunidade. um inc)ndio ou outra catástrofe %ual%uer.0) PRINC&PIO DA OPORT"NIDADE “Art.

O# e eito# da altera$%o do poder a(!i#iti&o da moeda nacional de&em #er reconhecido# no# re-i#tro# cont. 8 .ria..BCB:B9.9> Sob a perspectiva do setor público.A 5/e#ol!$%o C6C nº . de maneira %ue o seu valor registrado não difira significativamente da%uele %ue possa ser determinado utili"andoCse os critérios pertinentes para cada elemento patrimonial na data de encerramento do balan#o patrimonial. ao longo do tempo.C n8 A36.&el. Para obedecer ao princ+pio. nos registros dos atos e fatos contábeis será considerado o valor original dos componentes patrimoniais %ue. valor de reali"a#ão.rio para li(!idar o pa##i&o no c!r#o normal da# opera$?e# da EntidadeJ d> Falor j!#to. valor presente do flu*o de benef+cio do ativo e valor &usto 1Ap)ndice DD @esolu#ão C. custo !ist?rico corrigido e custo correnteH ou valores de sa+da G a e*emplo de valor de li%uida#ão. é importante %ue os elementos patrimoniais se&am avaliados com suficiente regularidade. o registro pelo valor original corresponde ao valor resultante de consensos de mensura#ão com agentes internos ou e*ternos. O# ati&o# #%o mantido# pelo# &alore# em cai'a o! e(!i&alente# de cai'a" o# (!ai# poderiam #er obtido# pela &enda em !ma orma ordenada.rio at!ali)ar #!a e'pre##%o ormal em moeda nacional" a im de (!e permane$am #!b#tanti&amente correto# o# &alore# do# componente# patrimoniai# e" por con#e(!*ncia" o do Patrimônio Mí(!idoJ e III I a at!ali)a$%o monet. 0u se&a.bei# mediante o aj!#tamento da e'pre##%o ormal do# &alore# do# componente# patrimoniai#. não se confunde com o custo !ist?rico. O# ati&o# #%o mantido# pelo &alor pre#ente" de#contado do l!'o !t!ro de entrada lí(!ida de cai'a (!e #e e#pera #eja -erado pelo item no c!r#o normal da# opera$?e# da Entidade. com base em valores de entrada G a e*emplo de custo !ist?rico.ria n%o repre#enta no&a a&alia$%o" ma# t%o #omente o aj!#tamento do# &alore# ori-inai# para determinada data" mediante a aplica$%o de inde'adore# o! o!tro# elemento# apto# a trad!)ir a &aria$%o do poder a(!i#iti&o da moeda nacional em !m dado período. O# pa##i&o# #%o mantido# pelo# &alore# em cai'a e e(!i&alente# de cai'a" n%o de#contado#" (!e #e e#pera #eriam pa-o# para li(!idar a# corre#pondente# obri-a$?e# no c!r#o normal da# opera$?e# da EntidadeJ c> Falor pre#ente.b> Falor reali). GBº L%o re#!ltante# da ado$%o da at!ali)a$%o monet.riaH I I a moeda" embora aceita !ni&er#almente como medida de &alor" n%o repre#enta !nidade con#tante em termo# do poder a(!i#iti&oJ II I para (!e a a&alia$%o do patrimônio po##a manter o# &alore# da# tran#a$?e# ori-inai#" 3 nece##.5449=. K o &alor pelo (!al !m ati&o pode #er trocado" o! !m pa##i&o li(!idado" entre parte# conhecedora#" di#po#ta# a i##o" em !ma tran#a$%o #em a&orecimento#J e e> At!ali)a$%o monet. O# pa##i&o# #%o mantido# pelo &alor pre#ente" de#contado do l!'o !t!ro de #aída lí(!ida de cai'a (!e #e e#pera #eja nece##.

aplicandoCse integralmente ao Setor Público. =8.99. no momento da arrecada#ão.6A=.O Art.ria" inanceira" patrimonial e ind!#trial. conforme abai*oJ “Art. deve !aver o registro da receita sob o enfo%ue patrimonial 1varia#ão patrimonial aumentativa= em fun#ão do fato gerador.ria" bem como a# &aria$?e# independente# de##a e'ec!$%o e a# #!per&eni*ncia# e in#!b#i#t*ncia# ati&a# e pa##i&a#" con#tit!ir%o elemento# da conta patrimonial. independentemente do seu pagamento ou recebimento.9:6. . %ue instituiu um regime or#amentário misto no seu Art. em obedi)ncia aos princ+pios da compet)ncia e da oportunidade. o re#!ltado patrimonial do e'ercício..nico.9> 0 princ+pio da compet)ncia é a%uele %ue recon!ece as transa#$es e os eventos nos per+odos a %ue se referem.=B9:D4> Assim. demonstrando a visão C .555. com o ob&etivo de evidenciar o impacto dos fatos modificativos no patrim. e os seus efeitos devem ser evidenciados nas demonstra#$es contábeis do e*erc+cio financeiro com o %ual se relacionam. complementarmente ao registro or#amentário das receitas e das despesas públicas. a referida lei estabelece %ueJ “Art. O Princípio da Compet*ncia pre##!p?e a #im!ltaneidade da con ronta$%o de receita# e de de#pe#a# correlata#. 93. .02. 0s fatos %ue afetam o patrim.02. observaCse %ue. Pertencem ao e'ercício inanceiroH I I a # receita# nele arrecadada#J II I a# de#pe#a# nele le-almente empenhada#. em especial na Iei n8 7. a contabilidade aplicada ao setor público deve seguir o disposto nas normas de /ireito . deve !aver o registro em contas espec+ficas.micos e financeiros de determinado e*erc+cioJ “Art.C n8 5. o# ato# li-ado# 2 admini#tra$%o or$ament. no art.0% PRINC&PIO DA COMPET6NCIA “Art.A Ao mesmo tempo. N. além do registro dos fatos ligados e*ecu#ão or#amentária. A contabilidade e&idenciar.ria" e indicar. C<.nio. A# altera$?e# da #it!a$%o lí(!ida patrimonial" (!e abran-em o# re#!ltado# da e'ec!$%o or$ament.“ 5/e#ol!$%o C6C nº .. de maneira %ue os fatos modificativos se&am levados conta de resultado e %ue as informa#$es contábeis permitam o con!ecimento da composi#ão patrimonial e dos resultados econ. Par. <º O Princípio da Compet*ncia determina (!e o# e eito# da# tran#a$?e# e o!tro# e&ento# #ejam reconhecido# no# período# a (!e #e re erem" independentemente do recebimento o! pa-amento. Além dos princ+pios de contabilidade.nio público devem ser contabili"ados por compet)ncia.. Ainda. A Demon#tra$%o da# Faria$?e# Patrimoniai# e&idenciar.inanceiro.<7. e*igeCse a evidencia#ão dos fatos ligados e*ecu#ão financeira e patrimonial.BCB:B9.A Portanto. a# altera$?e# &eri icada# no patrimônio" re#!ltante# o! independente# da e'ec!$%o or$ament.94. 24.-ra o . 1@esolu#ão C.A 5Mei nº 4.

or#amentária e*igida no art. 93 da Iei n8 7.9:6;<7. Assim, é poss+vel compatibili"ar e evidenciar, de maneira !arm,nica, as varia#$es patrimoniais e a e*ecu#ão or#amentária ocorridas na entidade.

02.02.0( PRINC&PIO DA PR"D6NCIA
“Art. ;9. O Princípio da P/PDQNCIA determina a ado$%o do menor &alor para o# componente# do ATIFO e do maior para o# do PALLIFO" #empre (!e #e apre#entem alternati&a# i-!almente &,lida# para a (!anti ica$%o da# m!ta$?e# patrimoniai# (!e alterem o patrimônio lí(!ido. Par,-ra o .nico. O Princípio da Pr!d*ncia pre##!p?e o empre-o de certo -ra! de preca!$%o no e'ercício do# j!l-amento# nece##,rio# 2# e#timati&a# em certa# condi$?e# de incerte)a" no #entido de (!e ati&o# e receita# n%o #ejam #!pere#timado# e (!e pa##i&o# e de#pe#a# n%o #ejam #!be#timado#" atrib!indo maior con iabilidade ao proce##o de men#!ra$%o e apre#enta$%o do# componente# patrimoniai#.A 5/e#ol!$%o C6C nº ;.BCB:B9;9>

0 princ+pio da prud)ncia ad%uire relevBncia %uando são feitas estimativas, tais como os passivos contingentes %ue representam obriga#$es poss+veis, ou ativos contingentes %ue são poss+veis ativos, cu&a e*ist)ncia depende de fatores imprevis+veis, tais como resultados dos &ulgamentos de processos &udiciais. >esse caso, se e*istirem alternativas igualmente válidas para a %uantifica#ão do fato, será escol!ida a%uela %ue resultar no maior valor para o passivo e;ou o menor para o ativo.

10

02.0).00 COMPOSI#$O DO PATRIM*NIO P+ 'ICO
02.0).0! PATRIM*NIO P+ 'ICO Patrim,nio público é o con&unto de direitos e bens, tang+veis ou intang+veis, onerados ou não, ad%uiridos, formados, produ"idos, recebidos, mantidos ou utili"ados pelas entidades do setor público, %ue se&a portador e represente um flu*o de benef+cios, presente ou futuro, inerente presta#ão de servi#os públicos ou e*plora#ão econ,mica por entidades do setor público e suas obriga#$es. 0 patrim,nio público comp$eCse dos seguintes elementosJ 1. Ativo G compreende os recursos controlados pela entidade como resultado de eventos passados e do %ual se espera %ue resultem para a entidade benef+cios econ,micos futuros ou potencial de servi#osH 2. Passivo G compreende as obriga#$es presentes da entidade, derivadas de eventos passados, cu&os pagamentos se esperam %ue resultem para a entidade sa+das de recursos capa"es de gerar benef+cios econ,micos ou potencial de servi#os. 3. Patrimônio Líquido, Saldo Patrimonial ou Situação Líquida Patrimonial G é o valor residual dos ativos da entidade depois de dedu"idos todos seus passivos. A classifica#ão do ativo e do passivo considera a segrega#ão em FcirculanteK e Fnão circulanteK, com base em seus atributos de conversibilidade e e*igibilidade, conforme disposto na Iei n8 <.767;54A< e suas atuali"a#$es, bem como a >(CL 5<.< G /emonstra#$es Contábeis. As defini#$es de ativo e passivo identificam os seus aspectos essenciais, mas não tentam especificar os critérios %ue precisam ser atendidos para %ue possam ser recon!ecidos no balan#o patrimonial. Ao avaliar se um item se en%uadra na defini#ão de ativo, passivo ou patrim,nio l+%uido, deveCse atentar para a sua ess)ncia e realidade econ,mica e não apenas sua forma legal.

02.0).02 ATI-O Ativos são recursos controlados pela entidade como resultado de eventos passados e do %ual se espera %ue resultem para a entidade benef+cios econ,micos futuros ou potencial de servi#os. 0s ativos devem ser classificados como circulante %uando satisfi"erem a um dos seguintes critériosJ a= estiverem dispon+veis para reali"a#ão imediataH e

b= tiverem a e*pectativa de reali"a#ão até do"e meses ap?s a data das demonstra#$es contábeis.
;;

0s demais ativos devem ser classificados como não circulantes. >o (alan#o Patrimonial, a divisão em ativo financeiro e ativo não financeiro 1ativo permanente= tem base nos MM58 e :8 do art. 563 da Iei n8 7.9:6;54<7J
“G;º O Ati&o 6inanceiro compreender, o# cr3dito# e &alore# independentemente de a!tori)a$%o or$ament,ria e o# &alore# n!mer,rio#. reali),&ei#

GBº O Ati&o Permanente compreender, o# ben#" cr3dito# e &alore#" c!ja mobili)a$%o o! aliena$%o dependa de a!tori)a$%o le-i#lati&a.A

Nm ativo é recon!ecido no patrim,nio público %uando for provável %ue benef+cios futuros dele provenientes fluirão para a entidade e seu custo ou valor puder ser determinado em bases confiáveis. Lambém são recon!ecidos no ativo os dep?sitos caracteri"ados no art. 98 da Iei n8 7.9:6;54<7, como entradas compensat?rias no ativo e no passivo financeiro. 0s dep?sitos são representados por cau#$es em din!eiro para garantia de contratos, consigna#$es a pagar, reten#ão de obriga#$es de terceiros a recol!er e outros dep?sitos com finalidades especiais, como os para garantia de recursos.

02.0).0) PASSI-O Passivos são obriga#$es presentes da entidade, derivadas de eventos passados, cu&os pagamentos se esperam %ue resultem para a entidade sa+das de recursos capa"es de gerar benef+cios econ,micos ou potencial de servi#os. 0s passivos devem ser classificados como circulantes %uando corresponderem a valores e*ig+veis até do"e meses ap?s a data das demonstra#$es contábeis. 0s demais passivos devem ser classificados como não circulantes. >o (alan#o Patrimonial, a divisão em passivo financeiro e passivo não financeiro 1passivo permanente= baseiaCse nos MM98 e 78 do Art. 563 da Iei n8 7.9:6;54<7J
“G=º O Pa##i&o 6inanceiro compreender, a# dí&ida# !ndada# e o!tro# pa-amento# (!e independam de a!tori)a$%o or$ament,ria. G4º O Pa##i&o Permanente compreender, a# dí&ida# !ndada# e o!tra# (!e dependam de a!tori)a$%o le-i#lati&a para amorti)a$%o o! re#-ate.A

Nma caracter+stica essencial para a e*ist)ncia de um passivo é %ue a entidade ten!a uma obriga#ão presente. Nma obriga#ão é um dever ou responsabilidade de agir ou fa"er de uma certa maneira. As obriga#$es podem ser legalmente e*ig+veis em conse%u)ncia de um contrato ou de re%uisitos estatutários. Esse é normalmente o caso, por e*emplo, das contas a pagar por mercadorias e servi#os recebidos. Nm passivo é recon!ecido no balan#o patrimonial %uando for provável %ue uma sa+da de recursos envolvendo benef+cios econ,micos se&a e*igida em li%uida#ão de uma obriga#ão
12

no art.-O ENTRE PASSI O EXIGI E( E AS ETAPAS DA EXECU.= . 0s dep?sitos são representados por cau#$es em din!eiro para garantia de contratos. Ouando a lei utili"a a palavra Fobriga#ãoK. por uma condi#ão &á implementada. os dep?sitos caracteri"ados no art. Lambém são recon!ecidos no passivo. !averia duplicidade nesse cálculo. tal registro é importante para %ue não !a&a duplicidade no passivo financeiro utili"ado para fins de cálculo do superávit financeiro. consigna#$es a pagar.54<7. /o ponto de vista patrimonial. %ue representem obriga#$es independentes de autori"a#ão or#amentária para serem reali"adas.presente e o valor pelo %ual essa li%uida#ão se dará possa ser determinado em bases confiáveis. reten#ão de obriga#$es de terceiros a recol!er e outros dep?sitos com finalidades especiais. as obriga#$es em %ue o fato gerador não ten!a ocorrido 1por e*emplo. o empen!o de despesa é o ato emanado de autoridade competente %ue cria para o Estado obriga#ão de pagamento pendente ou não de implemento de condi#ão. pois uma obriga#ão patrimonial é caracteri"ada por um fato gerador &á ocorrido. Como o passivo financeiro é apurado pela soma da conta Fcrédito empen!ado a li%uidarK com as contas de passivo financeiro. A lei refereCse ao comprometimento de recurso financeiro da entidade governamental %ue fe" o empen!o.E Pa""i*o EAigS*e! X E1Ten'o Segundo a Iei n8 7. fonte da abertura de créditos adicionais nos e*erc+cios seguintes. obriga#$es decorrentes de pedidos de compra de produtos e mercadorias. ou entre o empen!o e a li%uida#ão.54<7 como entradas compensat?rias no ativo e no passivo financeiro. Ainda. pois seu montante seria considerado tanto em Fcrédito empen!ado a li%uidarK %uanto na obriga#ão anteriormente contabili"ada no passivo e*ig+vel. ou se&a. c!amada Fempen!o em li%uida#ãoK. ou. pois se caracteri"am como obriga#$es para com terceiros.-O OR. dos empen!os não li%uidados e %ue constitu+ram. ela não se refere obriga#ão patrimonial 1passivo e*ig+vel=.9:6. obriga#ão presente. é necessário o registro de uma etapa intermediária entre o empen!o e a li%uida#ão. ou se&a. 98 da Iei n8 7. ao longo e no final do e*erc+cio. @?E@=E@=E@. como os para garantia de recursos. ?E Pa""i*o EAigS*e! X E1 (i%uida6Uo Ouando o fato gerador do passivo e*ig+vel ocorrer antes do empen!o. 32.AMENTÁRIA . . mas ainda não recebidos= não são geralmente recon!ecidas como passivos nas demonstra#$es contábeis.9:6. RE(A. Essa etapa é necessária para a diferencia#ão. ou não. conforme a lei. uma obriga#ão financeira para fins de cálculo do superávit financeiro.

Em alguns casos.E?EAEAAEAA C7di8o da Conta D JE?E.E.E.E.E=E@.E. pode ser %ue ocorra uma lacuna temporal significativa entre a entrega do bem.E.o da Conta C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ C$Vdito e1Ten'ado e1 !i%uida6Uo .9:6. servi#o ou fonte de origem da%uele crédito e a efetiva li%uida#ão do crédito or#amentário. Como e*emplo da aplica#ão dos t?picos anteriores.eAte$no 9P< T9t:.E=E@.o da Conta C$Vdito di"TonS*e! C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ T9t:.EAEAAEAA C :E?E.EAA C :E?E?E.=E Pa""i*o EAigS*e! X (i%uida6Uo Pá a li%uida#ão. ou se&a. é a efetiva sa+da do recurso financeiro %ue ocasionará a bai*a de um passivo e*ig+vel e*istente.E?E?EAEAAEAA C7di8o da Conta D :E?E.o da Conta Cont$o!e da di"Toni&i!idade de $e0u$"o" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" >o empen!o da dota#ão or#amentáriaJ C7di8o da Conta D :E?E?E. segundo a Iei n8 7. etapa essa %ue evidencia a ocorr)ncia do fato gerador da varia#ão patrimonial diminutiva C VP/.o da Conta CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< E1T$V"ti1o" a 0u$to T$a4o .E.E. Contrata#ão da opera#ão de créditoJ C7di8o da Conta D .E=E@?EAA 14 T9t:.E.EAAEAA C :E?E?E.EAAEAA C ?E.EAA C7di8o da Conta D :E?E?E. >esses casos. e a não ocorr)ncia da li%uida#ão da despesa or#amentária.E.o da Conta Re0eita a $ea!i4a$ Re0eita $ea!i4ada T9t:. também é necessário o registro da etapa entre o empen!o e a li%uida#ão c!amada Fem li%uida#ãoK.54<7. consiste na verifica#ão do direito ad%uirido pelo credor tendo por base os t+tulos e documentos comprobat?rios do respectivo crédito.EAEAAEAA C NE?E. >E Pa""i*o EAigS*e! X Paga1ento 0 pagamento. última etapa da e*ecu#ão da despesa or#amentária. seguem os registros referentes a uma opera#ão de crédito.EAAEAA T9t:. com o surgimento de um passivo e*ig+vel. é a verifica#ão de um passivo e*ig+vel &á e*istente.

o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e ent$ada" 0o1Ten"at/$ia" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" uti!i4ada T9t:.E.o da Conta C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ C$Vdito e1Ten'ado Tago .E.o da Conta C$Vdito e1Ten'ado e1 !i%uida6Uo C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ T9t:.E.o da Conta E1T$V"ti1o" a 0u$to T$a4o .E=EAAEAA T9t:.E=E@=EAA C7di8o da Conta D NE?E.B .E?E?EAEAAEAA C ?E.E.E.E=E@=EAA C :E?E?E.E?E?EAEAAEAA C .E.E.E.eAte$no 9P< E1T$V"ti1o" a 0u$to T$a4o – eAte$no 9F< T9t:.eAte$no 9F< CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< T9t:.o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e ent$ada" 0o1Ten"at/$ia" Sa+da do recurso financeiroJ C7di8o da Conta D ?E.E=E@>EAA T9t:.E=E@?EAA C :E?E?E.E=EAAEAA C NE?E.E>EAAEAA C7di8o da Conta D :E?E?E.E.C7di8o da Conta D ?E.EAAEAA C7di8o da Conta D NE?E.E.E.E?EAAEAA C NE?E.E?EAAEAA >a li%uida#ãoJ C7di8o da Conta D :E?E?E.o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o T9t:.E?E?EAEAAEAA C7di8o da Conta D NE?E.EAAEAA C NE?E.o da Conta E1T$V"ti1o" a 0u$to T$a4o .

reservas de lucros.nio I+%uido. Ouando o valor do passivo for maior %ue o valor do ativo.02.nio I+%uido. >o Patrim.0.Saldo Patrimonial representa o valor residual dos ativos da entidade depois de dedu"idos todos seus passivos.nio. resultados acumulados e outros desdobramentos do saldo patrimonial.nio I+%uidoJ patrim. a&ustes de avalia#ão patrimonial. reservas de capital. a#$es em tesouraria.0). o resultado é denominado passivo a descoberto. Dntegram o Patrim. deve ser evidenciado o resultado do per+odo segregado dos resultados acumulados de per+odos anteriores. 16 .capital social. PATRIM*NIO '&<"IDO=SA'DO PATRIMONIA' 0 Patrim.

02.0,.00 -ARIA#.ES PATRIMONIAIS
As varia#$es patrimoniais são transa#$es %ue resultam em altera#$es nos elementos patrimoniais da entidade do setor público, mesmo em caráter compensat?rio, afetando, ou não, o seu resultado. Assim, todas as altera#$es ocorridas no patrim,nio são denominadas Varia#$es Patrimoniais e podem ser classificadas emJ C OuantitativasH C OualitativasH As varia#$es patrimoniais %uantitativas decorrem de transa#$es %ue aumentam ou diminuem o patrim,nio l+%uido, subdividindoCse emJ C Varia#$es patrimoniais aumentativas G %uando aumentam o patrim,nio l+%uido 1receita sob o enfo%ue patrimonial=H C Varia#$es patrimoniais diminutivas G %uando diminuem o patrim,nio l+%uido 1despesa sob o enfo%ue patrimonial=. /e acordo com a @esolu#ão do Consel!o .ederal de Contabilidade n8 5.5:5, de :2 de mar#o de :662, %ue disp$e sobre a estrutura conceitual para a elabora#ão e apresenta#ão das demonstra#$es contábeis, receitas são aumentos nos benef+cios econ,micos durante o per+odo contábil sob a forma de entrada de recursos ou aumento de ativos ou diminui#ão de passivos, %ue resultem em aumento do patrim,nio l+%uido e %ue não se&am provenientes de aporte dos proprietários da entidade e as despesas são decréscimos nos benef+cios econ,micos durante o per+odo contábil sob a forma de sa+da de recursos ou redu#ão de ativos ou incremento em passivos, %ue resultem em decréscimo do patrim,nio l+%uido e %ue não se&am provenientes de distribui#ão aos proprietários da entidade. Para fins deste 'anual, a receita sob o enfo%ue patrimonial será denominada de varia#ão patrimonial aumentativa e a despesa sob o enfo%ue patrimonial será denominada de varia#ão patrimonial diminutiva. Ambas não devem ser confundidas com a receita e a despesa or#amentária, %ue são abordadas na Parte D deste 'anual. As varia#$es patrimoniais %ualitativas alteram a composi#ão dos elementos patrimoniais sem afetar o patrim,nio l+%uido, determinando modifica#$es apenas na composi#ão espec+fica dos elementos patrimoniais. E*istem varia#$es %ue, simultaneamente, alteram a composi#ão %ualitativa e a e*pressão %uantitativa dos elementos patrimoniais e são con!ecidas como varia#$es mistas ou compostas.

;J

/essa maneira, as varia#$es patrimoniais podem ser representadas pela figura a seguirJ

02.0,.0! <"A'ITATI-AS ;E Con0eito Varia#$es patrimoniais %ualitativas são a%uelas em %ue ocorrem permuta#$es de mesmo valor dos elementos do Patrim,nio, ou se&a, as altera#$es do Patrim,nio %ue não alteram o valor do Patrim,nio I+%uido. Como e*emplos t)mCse a compra de ve+culo e a contrata#ão de opera#$es de crédito, %ue são varia#$es patrimoniais %ualitativas, pois o %ue acontece, no primeiro e*emplo, é a troca 1permuta= de uma obriga#ão de pagar por ve+culo e, no segundo e*emplo, é a entrada de cai*a, advinda do empréstimo, em contrapartida a um registro de uma obriga#ão de devolu#ão do empréstimo.

?E Re0on'e0i1ento 0s e*emplos do item anterior são assim contabili"adosJ a= A%uisi#ão de um ve+culo 1empen!o, recebimento de nota fiscal e li%uida#ão= Empen!oJ C7di8o da Conta D :E?E?E;E;EAAEAA C :E?E?E;E=E@;EAA C7di8o da Conta D NE?E;E;E;EAAEAA C NE?E;E;E?EAAEAA
18

T9t:;o da Conta C$Vdito di"TonS*e! C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ T9t:;o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o

@ecebimento de ve+culo 1e nota fiscal=J C7di8o da Conta D ;E?E=E;EAEAAEAA C ?E;E=E;EAEAAEAA C7di8o da Conta D :E?E?E;E=E@;EAA C :E?E?E;E=E@?EAA Ii%uida#ãoJ C7di8o da Conta D :E?E?E;E=E@?EAA C :E?E?E;E=E@=EAA C7di8o da Conta D NE?E;E;E?EAAEAA C NE?E;E;E=EAAEAA T9t:;o da Conta C$Vdito e1Ten'ado e1 !i%uida6Uo C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ T9t:;o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e ent$ada" 0o1Ten"at/$ia" T9t:;o da Conta Ben" 1/*ei" 9P< Fo$ne0edo$e" e 0onta" a Taga" na0ionai" a 0u$to T$a4o 9F< T9t:;o da Conta C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ C$Vdito e1Ten'ado e1 !i%uida6Uo
a$ia6Uo Tat$i1onia! %ua!itati*a

b= Contrata#ão da opera#ão de créditoJ C7di8o da Conta D ;E;E;E;E;EAAEAA C ?E;E?E=EAEAAEAA C7di8o da Conta D :E?E;E;EAEAAEAA C :E?E;E?EAEAAEAA C7di8o da Conta D JE?E;E;EAEAAEAA C NE?E;E;E;EAAEAA T9t:;o da Conta CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< Finan0ia1ento" a 0u$to T$a4o - inte$no 9P< T9t:;o da Conta Re0eita a $ea!i4a$ Re0eita $ea!i4ada T9t:;o da Conta Cont$o!e da di"Toni&i!idade de $e0u$"o" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o"

a$ia6Uo Tat$i1onia! %ua!itati*a

;C

C Empresariais G Lratam de venda de bens e servi#os. b= Ouanto depend)ncia da e*ecu#ão or#amentáriaJ C Varia#ão patrimonial aumentativa resultante da e*ecu#ão or#amentária G são receitas or#amentárias efetivas arrecadadas.nio l+%uido.02. E*emploJ incorpora#ão de bens 1doa#$es recebidas=. C Varia#ão patrimonial aumentativa independente da e*ecu#ão or#amentária G são fatos %ue resultam em aumento do patrim. C . entre outras. independentemente de recebimento. C Lransfer)ncias G Dncluem doa#$es.02 <"ANTITATI-AS >RECEITA E DESPESA SO EN?O<"E PATRIMONIA'@ .nio l+%uido.. %ue ocorrem independentemente da e*ecu#ão or#amentária. independentemente do pagamento. A varia#ão patrimonial diminutiva pode ser classificadaJ a= Ouanto entidade %ue apropria a despesaJ C Varia#ão patrimonial diminutiva pública G a%uela efetuada por entidade pública. %ue resultam em aumento do patrim. a varia#ão patrimonial diminutiva deve ser registrada no momento da ocorr)ncia do seu fato gerador. dividendos. de propriedade do ente. C 0utras Varia#$es Aumentativas G 0utras varia#$es patrimoniais aumentativas não classificadas nos grupos anteriores Analogamente. subs+dios.E Con0eito Segundo os princ+pios contábeis. C Varia#ão patrimonial aumentativa privada G a%uela auferida por entidade privada.inanceiras G Versam sobre receitas de &uros. au*+lios.0. c= /e acordo com as caracter+sticas e peculiaridades das entidadesJ C -overnamentais G Abrangem tributos e contribui#$es. E*emploJ receita de tributos. a varia#ão patrimonial aumentativa deve ser registrada no momento da ocorr)ncia do seu fato gerador. A varia#ão patrimonial aumentativa pode ser classificadaJ a= Ouanto entidade %ue apropria a varia#ão patrimonial aumentativaJ C Varia#ão patrimonial aumentativa pública G a%uela auferida por entidade pública. subven#$es. transfer)ncias intergovernamentais e intragovernamentais recebidas. 20 . descontos obtidos etc.

C Lransfer)ncias G Dncluem doa#$es. etc. b= Ouanto depend)ncia da e*ecu#ão or#amentáriaJ C Varia#ão patrimonial diminutiva resultante da e*ecu#ão or#amentária G a%uela %ue depende de autori"a#ão or#amentária para acontecer. E*emploJ despesa com salário. despesa com servi#o. C Nso de (ens e Servi#os G Consistem de servi#os.C Varia#ão patrimonial diminutiva privada G a%uela efetuada pela entidade privada. ?E Re0on'e0i1ento A contabilidade aplicada ao setor público é um dos ramos da ci)ncia contábil. ?. entre outros. c= Ouanto s a#$es e*ecutadas pelo setor públicoJ C Pessoal G Lrata da remunera#ão de pessoal do governo e seus encargos. 0 mapeamento dos elementos patrimoniais e das transa#$es t+picas de governo serve de ponto de partida conceitual para a constru#ão da estrutura fundamental do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público. subven#$es. E*emploJ constitui#ão de provisão. como %ual%uer ramo dessa ci)ncia. C (enef+cios Sociais G Caracteri"ados em geral por espécies de transfer)ncias com o ob&etivo de proteger a popula#ão ou segmentos dela contra certos riscos sociais. . C 0pera#$es . descontos concedidos. C 0utras Varia#$es /iminutivas G 0utras varia#$es patrimoniais diminutivas não classificadas nos grupos anteriores. subs+dios. etc.inanceiras G Lratam de despesas com &uros. /entro das fun#$es t+picas de governo. C Varia#ão patrimonial diminutiva independente da e*ecu#ão or#amentária G a%uela %ue independe de autori"a#ão or#amentária para acontecer. transfer)ncias intergovernamentais e intragovernamentais concedidas. deve observar os princ+pios de contabilidade da compet)ncia e oportunidade. etc. essas a#$es se materiali"am na contrapresta#ão de bens e servi#os comunidade em algumas situa#$es a pre#os subsidiados e distribuem renda e ri%ue"a por meio de transfer)ncias e concessão de benef+cios sociais. insumos e matériasCprimas empregados na produ#ão de bens e servi#os acrescidos de mercadorias compradas para revenda menos a varia#ão l+%uida de inventários de produtos em elabora#ão. bens acabados e mercadoria para revenda. além dos demais princ+pios. despesa com deprecia#ão. e. au*+lios.

C<. . A contabilidade e&idenciar.54<7 e no art. atendeCse ao disposto nos arts. a varia#ão patrimonial diminutiva deve ser registrada no momento da ocorr)ncia do seu fato gerador. além de obedecerCse aos princ+pios de contabilidade. segundo os princ+pios contábeis.li#e e a interpreta$%o do# re#!ltado# econômico# e inanceiro#. Assim.ria" e indicar.blica" a e#crit!ra$%o da# conta# p. .A 5Mei 4. o re#!ltado patrimonial do e'ercício.nio l+%uido do e*erc+cio e dos tr)s anteriores. Art.iscais demonstre a real evolu#ão do patrim. A Demon#tra$%o da# Faria$?e# Patrimoniai# e&idenciar. A# altera$?e# da #it!a$%o lí(!ida patrimonial" (!e abran-em o# re#!ltado# da e'ec!$%o or$ament.nio e das suas muta#$es devem ocorrer de imediato e com a e*tensão correta. Procedendo assim. O# #er&i$o# de contabilidade #er%o or-ani)ado# de orma a permitirem o acompanhamento da e'ec!$%o or$ament. a varia#ão patrimonial aumentativa deve ser registrada no momento da ocorr)ncia do seu fato gerador.. transcritos abai*oJ “Art. independentemente das causas %ue as originaram. Art.ria" bem como a# &aria$?e# independente# de##a e'ec!$%o e a# #!per&eni*ncia# e in#!b#i#t*ncia ati&a# e pa##i&a#" con#tit!ir%o elemento# da conta patrimonial.94. também determina %ue o Ane*o de 'etas .. 23. independentemente de recebimento. a# altera$?e# &eri icada# no patrimônio" re#!ltante# o! independente# da e'ec!$%o or$ament. Al3m de obedecer 2# demai# norma# de contabilidade p.=B9:.0 princ+pio da compet)ncia estabelece %ue as receitas e despesas deverão ser inclu+das na apura#ão do resultado do per+odo em %ue ocorrerem. o# ato# li-ado# 2 admini#tra$%o or$ament. a# #e-!inte#H N. 89.9.:99> A I@. independentemente do pagamento e da e*ecu#ão or#amentária. Para %ue essa informa#ão se&a útil e confiável.99.A 5Mei de /e#pon#abilidade 6i#cal I Mei Complementar .ter complementar" o re#!ltado do# l!'o# inanceiro# pelo re-ime de cai'a.ria" o conhecimento da compo#i$%o patrimonial" a determina$%o do# c!#to# do# #er&i$o# ind!#triai#" o le&antamento do# balan$o# -erai#" a an. analogamente. 36. e.blica# ob#er&ar. C8.O II I a de#pe#a e a a##!n$%o de compromi##o #er%o re-i#trada# #e-!ndo o re-ime de compet*ncia" ap!rando4#e" em car. 566 e 567 da Iei 7. DD da I@. e o princ+pio da oportunidade disp$e %ue os registros no patrim. 22 .. independentemente do recebimento ou pagamento. 24. também é necessário %ue os lan#amentos observem os princ+pios de contabilidade. Art.9:6.<D4> “Art.ria" inanceira" patrimonial e ind!#trial.

depois ou no momento da li%uida#ão da despesa or#amentária. deve ser efetuado o seguinte registro contábilJ C7di8o da Conta / . . 0 recon!ecimento da varia#ão patrimonial pode ocorrer em tr)s momentosJ para a varia#ão patrimonial aumentativa.E.ria# atender. %uando ocorrer a arrecada#ão.. A legisla#ão %ue regulamenta o Dmposto sobre a Propriedade Predial e Lerritorial Nrbana G DPLN estabelece.“Art. >esse momento.E.EAAEAA C . antes.E.E..E.D8 da Con#tit!i$%o eH N.E?E?EAEAAEAA T9t:.O III 4 e&ol!$%o do patrimônio lí(!ido" tamb3m no# . %ue acontecerá futuramente. A lei de diretri)e# or$ament. %ue o fato gerador deste tributo ocorrerá no dia 58 de &aneiro de cada ano. 4o. conforme os e*emplos abai*oJ E*emplo 5J recon!ecimento da varia#ão patrimonial aumentativa antes da ocorr)ncia da arrecada#ão da receita or#amentária.E." aindaH N. Assim. registraCse a débito o recon!ecimento do direito e a crédito uma varia#ão patrimonial aumentativa no momento do fato gerador e não no momento da arrecada#ão.o da Conta C$Vdito" t$i&utG$io" a $e0e&e$ 9P< I1To"to" "o&$e Tat$i1Dnio e a $enda a$ia6Uo Tat$i1onia! %uantitati*a >esse caso.ltimo# tr*# e'ercício#" de#tacando a ori-em e a aplica$%o do# rec!r#o# obtido# com a aliena$%o de ati&o#JA A falta de registro de direitos e obriga#$es oriundas de varia#$es patrimoniais %uantitativas e %ualitativas &á incorridas resultará em demonstra#$es incompat+veis com as normas de contabilidade. serão feitos os seguintes registros contábeisJ C7di8o da Conta D .O GBo O Ane'o conter.o da Conta CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< C$Vdito" t$i&utG$io" a $e0e&e$ 9P< a$ia6Uo Tat$i1onia! %ua!itati*a ?= .. o di#po#to no GBo do art. de modo geral. depois ou no momento da arrecada#ão da receita or#amentária e para a varia#ão patrimonial diminutiva.E?EAEAAEAA T9t:.E?E?EAEAAEAA C >E..E. antes.

EAEAAEAA C :E?E.E. Ouando ocorrer o recebimento antecipado de valores provenientes da venda a termo de servi#os.E?EAEAAEAA C7di8o da Conta D JE?E. a receita or#amentária é registrada antes da ocorr)ncia do fato gerador.o da Conta a$ia6Uo Tat$i1onia! au1entati*a 9 PA< di5e$ida 9P< a!o$ &$uto de eAT!o$a6Uo de &en" e di$eito" e T$e"ta6Uo de "e$*i6o" a$ia6Uo Tat$i1onia! %uantitati*a 24 . E*emplo :J recon!ecimento da varia#ão patrimonial aumentativa ap?s a ocorr)ncia da arrecada#ão da receita or#amentária. a varia#ão patrimonial aumentativa ocorre em momento posterior arrecada#ão da receita or#amentária.EAEAAEAA C7di8o da Conta D :E?E.E.o da Conta Re0eita a $ea!i4a$ Re0eita $ea!i4ada T9t:.o da Conta Cont$o!e da di"Toni&i!idade de $e0u$"o" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" >esses lan#amentos.EAAEAA T9t:.EAAEAA C ?E?ECE. o efeito real desses dois lan#amentos é uma varia#ão patrimonial %ualitativa.EAEAAEAA C NE?E. constituindo uma varia#ão patrimonial %ualitativa.E.E.o da Conta CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< a$ia6Uo Tat$i1onia! au1entati*a 9 PA< di5e$ida 9P< T9t:.EAAEAA T9t:.o da Conta Cont$o!e da di"Toni&i!idade de $e0u$"o" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" a$ia6Uo Tat$i1onia! %ua!itati*a Ouando o servi#o for prestado.EAEAAEAA T9t:.E.EAEAAEAA C >E=E=E.E.E.EAEAAEAA C :E?E.E. causando impacto no resultado da entidade públicaJ C7di8o da Conta D ?E?ECE. pois se registra a entrada antecipada dos valores em contrapartida obriga#ão assumida pela entidade em prestar o servi#oJ C7di8o da Conta D .E.E. ou se&a.EAEAAEAA C NE?E. >ovamente. o %ue acontece patrimonialmente é a troca de um direito por cai*a. ocorrerá o fato gerador da varia#ão patrimonial aumentativa.E.C7di8o da Conta D :E?E.E?EAEAAEAA C7di8o da Conta D JE?E.o da Conta Re0eita a $ea!i4a$ Re0eita $ea!i4ada T9t:.E.

!averá o registro da despesa or#amentária.E.EAAEAA C :E?E?E.o da Conta Re0eita a $ea!i4a$ Re0eita $ea!i4ada T9t:. 0 59Q salário.E.E.E.o da Conta Re1une$a6Uo a Te""oa! ati*o 0i*i! – a&$angido" Te!o RPPS Pe""oa! a Taga$ – . li%uida#ão e pagamento da despesa or#amentária s? acontecerá no m)s do pagamentoJ C7di8o da Conta / =E.o da Conta C$Vdito di"TonS*e! C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ ?B . então.EAEAAEAA C :E?E. Ouando ocorrer o recebimento de valores provenientes da venda de servi#os concomitantemente com a presta#ão do servi#o.o da Conta CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< a!o$ &$uto de eAT!o$a6Uo de &en" e di$eito" e T$e"ta6Uo de "e$*i6o" T9t:.E. a receita or#amentária é contabili"ada &unto com a ocorr)ncia do fato geradorJ C7di8o da Conta D .E.E=E@.E.E.EAAEAA C >E=E=E.E. >o empen!o da dota#ão or#amentáriaJ C7di8o da Conta D :E?E?E. ou se&a. deve ser recon!ecido a cada m)s trabal!ado. a ser pago no final do ano.EAEAAEAA C ?E.E. uma varia#ão patrimonial diminutiva deve ser recon!ecida mensalmente.EAEAAEAA C7di8o da Conta D :E?E.EAEAAEAA C NE?E.E.E.=W "a!G$io 9P< a$ia6Uo Tat$i1onia! %uantitati*a >o m)s do pagamento.E*emplo 9J recon!ecimento da varia#ão patrimonial aumentativa &unto com a ocorr)ncia da arrecada#ão da receita or#amentária.EAAEAA T9t:. mas o empen!o.o da Conta Cont$o!e da di"Toni&i!idade de $e0u$"o" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" a$ia6Uo Tat$i1onia! %uantitati*a E*emplo 7J recon!ecimento da varia#ão patrimonial diminutiva antes da ocorr)ncia da li%uida#ão da despesa or#amentária.EAA T9t:.EAAEAA T9t:.E.E.E?EAEAAEAA C7di8o da Conta D JE?E.

E.E.o da Conta C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ C$Vdito e1Ten'ado Tago Caso o crédito or#amentário conste em or#amento de e*erc+cio posterior ocorr)ncia do fato gerador da obriga#ão.o da Conta Pe""oa! a Taga$ – .E.EAAEAA C . 9A da Iei n8 7. deverá ser utili"ada nature"a de despesa com elemento 4: G /espesas de E*erc+cios Anteriores.E.E>EAAEAA T9t:.EAAEAA >a li%uida#ãoJ C7di8o da Conta D :E?E?E.9:6.=W "a!G$io 9F< CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< T9t:.E=E@>EAA T9t:. n8 5<9.o da Conta C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ C$Vdito e1Ten'ado e1 !i%uida6Uo T9t:. em cumprimento Portaria Dnterministerial SL>.E.S0.E.E.E=E@=EAA C :E?E?E.E.54<7.E=E@=EAA C7di8o da Conta D NE?E.E.=W "a!G$io 9F< T9t:.E.E.E=EAAEAA C NE?E.E.E.o da Conta Pe""oa! a Taga$ – .E.EAAEAA C7di8o da Conta D NE?E.o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o T9t:.E=E@.EAA C :E?E?E.E.E.65 e ao art.E.=W "a!G$io 9P< Pe""oa! a Taga$ – .E?EAAEAA C NE?E.EAAEAA C NE?E.E=E@?EAA C7di8o da Conta D ?E.E.o da Conta C$Vdito e1Ten'ado e1 !i%uida6Uo C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ T9t:.EAAEAA C ?E.E=EAAEAA T9t:.E=E@?EAA C :E?E?E.C7di8o da Conta D NE?E.o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e ent$ada" 0o1Ten"at/$ia" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" uti!i4ada C7di8o da Conta D :E?E?E. %ue disp$eJ 26 .o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e ent$ada" 0o1Ten"at/$ia" Sa+da do recurso financeiroJ C7di8o da Conta D ?E.E.E?EAAEAA C7di8o da Conta D :E?E?E.E.

EAAEAA C NE?E.EAAEAA C :E?E?E.E. A# de#pe#a# de e'ercício# encerrado#" para o# (!ai# o or$amento re#pecti&o con#i-na&a cr3dito pr+prio" com #aldo #! iciente para atend*4la#" (!e n%o #e tenham proce##ado# na 3poca pr+pria" bem como o# /e#to# a Pa-ar com pre#cri$%o interrompida e o# compromi##o# reconhecido# ap+# o encerramento do e'ercício corre#pondente" poder%o #er pa-o# 2 conta de dota$%o e#pecí ica con#i-nada no or$amento" di#criminada por elemento" obedecida" #empre (!e po##í&el" a ordem cronol+-ica. li%uidada e paga no ato da concessão e s? com a presta#ão de contas do suprido é %ue !á o efetivo registro da varia#ão patrimonial diminutiva.EAAEAA C NE?E.E=E. =7.“Art.o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e ent$ada" 0o1Ten"at/$ia" T9t:.EAEAAEAA C ?E.A E*emplo 3J recon!ecimento da varia#ão patrimonial diminutiva ap?s a li%uida#ão da despesa or#amentária.EAA C :E?E?E.o da Conta Adianta1ento" 0on0edido" a Te""oa! e a te$0ei$o" 9P< SuT$i1ento de 5undo" a Taga$ 9F< T9t:.E=E@=EAA C7di8o da Conta D NE?E.o da Conta C$Vdito di"TonS*e! C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ T9t:.E.ENECEAEAAEAA T9t:.E. a despesa or#amentária é empen!ada.E.E=E@.E.E. Ouando !á uma concessão de suprimento de fundos.E.E.o da Conta C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ T9t:.EAA C7di8o da Conta D NE?E.o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o ?J . >o empen!o da dota#ão or#amentáriaJ C7di8o da Conta D :E?E?E.E=EAAEAA C7di8o da Conta D .E?EAAEAA >a li%uida#ãoJ C7di8o da Conta D :E?E?E.E=E@.

EAAEAA C :E?E?E.EAAEAA C NE?E.E?EAAEAA T9t:.E=E@. Ouando ocorrer li%uida#ão da despesa or#amentária concomitantemente com a presta#ão do servi#o.E.E.E>EAAEAA C7di8o da Conta D :E?E?E.E.o da Conta C$Vdito di"TonS*e! C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ T9t:.o da Conta C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ .ENECEAEAAEAA C .E=E@=EAA C :E?E?E.E.E.o da Conta SuT$i1ento de 5undo" a Taga$ 9F< CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< T9t:.E=EAAEAA C NE?E.E.EAEAAEAA T9t:.E.EAA C :E?E?E.o da Conta C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ C$Vdito e1Ten'ado Tago E*emplo <J recon!ecimento da varia#ão patrimonial diminutiva &unto com a li%uida#ão da despesa or#amentária. a despesa or#amentária e o fato gerador da varia#ão patrimonial diminutiva são contabili"ados &untosJ >o empen!o da dota#ão or#amentáriaJ C7di8o da Conta / :E?E?E.o da Conta a$ia6Uo Pat$i1onia! Di1inuti*a Adianta1ento" 0on0edido" a Te""oa! e a te$0ei$o" 9P< a$ia6Uo Tat$i1onia! %uantitati*a T9t:.Sa+da do recurso financeiroJ C7di8o da Conta D ?E.E.o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e ent$ada" 0o1Ten"at/$ia" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" uti!i4ada T9t:.E=E@>EAA >a presta#ão de contasJ C7di8o da Conta / =EAEAEAEAEAAEAA C .E=E@.E=E.E.EAEAAEAA C7di8o da Conta D NE?E.E.o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o Ii%uida#ão e recon!ecimento da varia#ão patrimonial diminutivaJ C7di8o da Conta D :E?E?E.EAA C7di8o da Conta / NE?E.E=E@=EAA 28 T9t:.

o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e ent$ada" 0o1Ten"at/$ia" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" uti!i4ada D C D C 02.pela geração natural de novos ativos independentemente da intervenção de terceiros.o da Conta a$ia6Uo Pat$i1onia! Di1inuti*a De1ai" o&$iga67e" a 0u$to T$a4o 9F< a$ia6Uo Tat$i1onia! %uantitati*a Sa+da do recurso financeiroJ C7di8o da Conta ?E.o da Conta De1ai" o&$iga67e" a 0u$to T$a4o 9F< CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< T9t:.E=E@>EAA C7di8o da Conta D NE?E.E. III .A ?C . qualquer que seja o motivo.ENEAEAEAAEAA T9t:.C7di8o da Conta D NE?E. consideraCse reali"ada a varia#ão patrimonial aumentativaJ “I 4 na# tran#a$?e# com contrib!inte# e terceiro#" (!ando e#te# e et!arem o pa-amento o! a##!mirem compromi##o irme de e eti&.E.4lo" (!er pela ocorr*ncia de !m ato -erador de nat!re)a trib!t.o da Conta C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ C$Vdito e1Ten'ado Tago T9t:.E.E.E=EAAEAA C NE?E.E.ENEAEAEAAEAA .quando da extinção.E. sem o desaparecimento concomitante de um ativo de valor igual ou maior.0) REA'I1A#$O DA -ARIA#$O PATRIMONIA' Conforme enunciado pelo princ+pio da compet)ncia.” /a mesma forma.E. de um passivo. consideraCse incorrida a varia#ão patrimonial diminutivaJ “I 4 (!ando dei'ar de e'i#tir o corre#pondente &alor ati&o" por tran# er*ncia de #!a propriedade para terceiroJ II 4 pela dimin!i$%o o! e'tin$%o do &alor econômico de !m ati&oJ III 4 pelo #!r-imento de !m pa##i&o" #em o corre#pondente ati&o.EAAEAA C7di8o da Conta :E?E?E. parcial ou total.ria" in&e#tid!ra na propriedade de ben# anteriormente pertencente# 2 entidade" o! r!i$%o de #er&i$o# por e#ta pre#tado#J II .E=E@=EAA :E?E?E.E>EAAEAA T9t:..o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e ent$ada" 0o1Ten"at/$ia" T9t:.no recebimento efetivo de doações e subvenções.E.0.E?EAAEAA C NE?E.E=EAAEAA C7di8o da Conta D =EAEAEAEAEAAEAA C ?E. IV .

. RES"'TADO PATRIMONIA' 0 resultado patrimonial corresponde diferen#a entre o valor total das varia#$es patrimoniais aumentativas e o valor total das varia#$es patrimoniais diminutivas de um dado per+odo.0. di"Cse %ue o resultado patrimonial foi superavitário ou %ue !ouve um superávit patrimonial. di"Cse %ue o resultado patrimonial foi deficitário ou %ue !ouve um déficit patrimonial.02. Caso o total das varia#$es patrimoniais aumentativas se&am superiores ao total das varia#$es patrimoniais diminutivas.0. Caso contrário. 30 .

ap?s isto. 0 ?rgão ou entidade deve recon!ecer os efeitos do recon!ecimento inicial dos ativos como a&uste de e*erc+cios anteriores no per+odo em %ue é recon!ecido pela primeira ve" de acordo com as novas normas contábeis para.00 MENS"RA#$O DE ATI-OS E PASSI-OS 02. a e*ecu#ão or#amentária e financeira e os atos administrativos %ue provo%uem efeitos de caráter econ. imobili"ados e intang+veis devem ser mensurados inicialmente pelo custo ou valor &usto. /essa forma. independentemente do momento da e*ecu#ão or#amentária. considerando as rela#$es &ur+dicas. . PROCEDIMENTOS DE ADO.0%.nio da entidade devem ser mensurados ou avaliados monetariamente e registrados pela contabilidade. nos conflitos entre elas. 0 recon!ecimento de a&ustes decorrentes de omiss$es e erros de registros ocorridos em anos anteriores ou de mudan#as de critérios contábeis deve ser reali"ado conta do patrim. pelos respectivos fatos geradores. o or#amento. /e acordo com o princ+pio da oportunidade. @?E@BE@. a ess)ncia sobre a forma.-O INICIA( E importante destacar %ue o ?rgão ou entidade inicialmente devem reali"ar a&ustes para %ue o balan#o patrimonial reflita a realidade dos seus elementos patrimoniais. por e*emplo.micas e patrimoniais. 0s registros contábeis das transa#$es das entidades do setor público devem ser efetuados. mesmo na !ip?tese de e*istir ra"oável certe"a de sua ocorr)ncia. portanto. adotar os procedimentos de mensura#ão descritos neste cap+tulo.E@. devem ser efetuados. 0s registros da entidade. adotandoCse.nio l+%uido e evidenciado em notas e*plicativas. os esto%ues.nio das entidades do setor público. as transa#$es no setor público devem ser recon!ecidas e registradas integralmente no momento em %ue ocorrerem.0%.02. desde %ue estimáveis tecnicamente. posteriormente.0! INTROD"#$O 'ensura#ão é o processo %ue consiste em determinar os valores pelos %uais os elementos das demonstra#$es contábeis devem ser recon!ecidos e apresentados nas demonstra#$es contábeis. 0 patrim. recon!ecidos.mico e financeiro no patrim. =. 0s registros contábeis devem ser reali"ados e os seus efeitos evidenciados nas demonstra#$es contábeis dos per+odos com os %uais se relacionam. econ. procedimentos de mensura#ão ap?s o recon!ecimento inicial 1como a deprecia#ão para o caso do ativo imobili"ado=. prevalecendo. A entidade do setor público deve aplicar métodos de mensura#ão ou avalia#ão dos ativos e dos passivos %ue possibilitem o recon!ecimento dos gan!os e das perdas patrimoniais.

sem a dedu#ão da correspondente deprecia#ão. %ensuração a constata#ão de valor monetário para itens do ativo e do passivo decorrente da aplica#ão de procedimentos técnicos suportados em análises %ualitativas e %uantitativas.02.ruto cont'.il o valor do bem registrado na contabilidade. ou o valor %ue a entidade do setor público espera recuperar pelo uso futuro desse ativo nas suas opera#$es. &eavaliação a ado#ão do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo. ta*a de cBmbio vigente na data do (alan#o Patrimonial. 02. a evidencia#ão dos atos e dos fatos administrativos. com ra"oabilidade. amorti"a#ão ou e*austão acumulada. feita a conversão.0%.02 CONCEITOS Avaliação patrimonial a atribui#ão de valor monetário a itens do ativo e do passivo decorrentes de &ulgamento fundamentado em consenso entre as partes e %ue tradu"a. *alor de aquisição a soma do pre#o de compra de um bem com os gastos suportados direta ou indiretamente para colocáClo em condi#ão de uso. 32 .0%. o %ue for maior. em determinada data. &edução ao valor recuper'vel (impairment) E a redu#ão nos benef+cios econ. *alor . *alor reali-'vel líquido a %uantia %ue a entidade do setor público espera obter com a aliena#ão ou a utili"a#ão de itens de inventário %uando dedu"idos os gastos estimados para seu acabamento. *alor recuper'vel o valor de mercado de um ativo menos o custo para a sua aliena#ão. DISPONIBI(IDADES As disponibilidades são mensuradas ou avaliadas pelo valor original.0) A-A'IA#$O E MENS"RA#$O A avalia#ão e a mensura#ão dos elementos patrimoniais nas entidades do setor público obedecem aos critérios descritos a seguirJ @?E@BE@=E@. dedu"ido da correspondente deprecia#ão. aliena#ão ou utili"a#ão. !n"lu#ncia si$ni"icativa o poder de uma entidade do setor público participar nas decis$es de pol+ticas financeiras e operacionais de outra entidade %ue dela receba recursos financeiros a %ual%uer t+tulo ou %ue represente participa#ão acionária. *alor +usto (fair value) o valor pelo %ual um ativo pode ser intercambiado ou um passivo pode ser li%uidado entre partes interessadas %ue atuam em condi#$es independentes e isentas ou con!ecedoras do mercado.il o valor do bem registrado na contabilidade. em uma determinada data.micos futuros ou no potencial de servi#os de um ativo. amorti"a#ão ou e*austão acumulada. sem controlar de forma individual ou con&unta essas pol+ticas. %uando em moeda estrangeira. %ue reflete um decl+nio na sua utilidade além do recon!ecimento sistemático por meio da deprecia#ão. *alor líquido cont'.

conversão e outros custos incorridos referentes ao deslocamento. As atuali"a#$es e os a&ustes apurados são contabili"ados em contas de resultado. @?E@BE@=E@= ESTO2UES 0s esto%ues são ativosJ C >a forma de materiais ou suprimentos a serem usados no processo de produ#ãoH C >a forma de materiais ou suprimentos a serem usados ou distribu+dos na presta#ão de servi#osH C 'antidos para a venda ou distribui#ão no curso normal das opera#$esH C Nsados no curso normal das opera#$es. ta*a de cBmbio vigente na data do (alan#o Patrimonial. os t+tulos de créditos e as obriga#$es são mensurados ou avaliados pelo valor original. @?E@BE@=E@? CR3DITOS E OBRIGA. 0s direitos. 0s esto%ues são mensurados ou avaliados com base no valor de a%uisi#ão. atuali"adas até a data do (alan#o Patrimonial. os t+tulos de crédito e as obriga#$es prefi*adas são a&ustados a valor presente. As atuali"a#$es apuradas são contabili"adas em contas de resultado. a %ual será redu"ida ou anulada %uando dei*arem de e*istir os motivos %ue a originaram. custos de transporte e outros.OES 0s direitos. 0s custos posteriores de arma"enagem ou entrega ao cliente não devem ser absorvidos pelos esto%ues. 0s riscos de recebimento de direitos são recon!ecidos em conta de a&uste. As provis$es são constitu+das com base em estimativas pelos prováveis valores de reali"a#ão para os ativos e de recon!ecimento para os passivos. == . 0s custos de esto%ues devem abranger todos os custos de compra.produ#ão. como impostos não recuperáveis.constru#ão ou valor reali"ável l+%uido. %uando em moeda estrangeira. os t+tulos de crédito e as obriga#$es p?sCfi*adas são a&ustados considerandoCse todos os encargos incorridos até a data de encerramento do balan#o. dos dois o menor.As aplica#$es financeiras de li%uide" imediata são mensuradas ou avaliadas pelo valor original. 0s direitos. feita a conversão. referente ao processo de produ#ão.

0 custo dos esto%ues pode não ser recuperável se estes estiverem danificados. Pelo método do custo médio ponderado. por isso. 56< da Iei 7. %uando atendidas as seguintes condi#$esJ 1a= %ue a atividade se&a primáriaH 1b= %ue o custo de produ#ão se&a de dif+cil determina#ão ou %ue acarrete gastos e*cessivos. %uando !ouver deteriora#ão f+sica parcial. A prática de redu"ir o custo dos esto%ues para o valor reali"ável l+%uido é consistente com o ponto de vista de %ue os ativos não devem ser mensurados em e*cesso pelos futuros benef+cios econ. art. o %ue depende das circunstBncias da entidade. A média pode ser determinada através de uma base peri?dica ou medida %ue cada entrega adicional se&a recebida. 34 . deve ser utili"ado o valor reali"ável l+%uido. mão de obra ou de outros custos de produ#ãoH C Custos de arma"enamento.0s gastos de distribui#ão. troca. pelo valor reali"ável l+%uido. o custo de cada item é determinado a partir da média ponderada do custo de itens semel!antes no come#o de um per+odo. As diferen#as de valor de esto%ues %ue forem conse%u)ncias das situa#$es descritas acima devem ser refletidas em contas de resultado. 0s descontos comerciais. e do custo de itens semel!antes comprados ou produ"idos durante o per+odo. 0 método para mensura#ão e avalia#ão das sa+das dos esto%ues é o custo médio ponderado.9:6. distribui#ão ou uso. 0s res+duos e os refugos também devem ser mensurados. bem como outros fatores análogos. 0s esto%ues de animais e de produtos agr+colas e e*trativos são mensurados ou avaliados pelo valor &usto menos os custos estimados de venda. conforme o inciso DDD.micos ou servi#os em potencial a serem reali"ados pela sua venda. não devem ser recon!ecidos como varia#ão patrimonial aumentativa. de administra#ão geral e financeiros são considerados como varia#$es patrimoniais diminutivas do per+odo em %ue ocorrerem e não como custo dos esto%ues. na falta de critério mais ade%uado.54<7. Assim. caso se tornem total ou parcialmente obsoletos ou se os seus pre#os de venda diminu+rem. obsolesc)ncia. E*emplos de despesas e*clu+das do valor do esto%ue e recon!ecidos como varia#$es patrimoniais diminutivas do per+odo em %ue são obtidosJ C Ouantias anormais de materiais desperdi#ados. abatimentos e outros itens semel!antes são dedu"idos na determina#ão do custo de a%uisi#ão e. a menos %ue se&am necessários no processo de produ#ão antes de uma nova fase de produ#ãoH C /espesas gerais administrativas %ue não contribuam para colocar os esto%ues no seu local e na sua condi#ão atualH C Custos de vendas.

As distribui#$es provenientes de rendimentos sobre investimentos do ativo permanente são recon!ecidas como receita patrimonial.Ouando os bens forem distribu+dos gratuitamente ou a ta*as não de mercado. Pelo método da e%uival)ncia patrimonial. Lambém são considerados investimentos permanentes os ativos denominados propriedades para investimento. conforme a Lei nº 11.941/2009. l+%uidos dos efeitos fiscais.ou gan!o de capital. os esto%ues serão valorados a custo ou valor de reposi#ão. do montante referido no inciso D. dos lucros não reali"ados nas opera#$es intercompan!ias. @?E@BE@>E@? M3TODO DO CUSTO As demais participa#$es devem ser mensuradas ou avaliadas de acordo com o custo de a%uisi#ão.nio l+%uido da investida do valor do adiantamento para aumento de capital concedido a essaH e DD C subtra#ão. 0 método da e%uival)ncia patrimonial será utili"ado para os investimentos em coligadas ou em controladas e em outras sociedades %ue fa#am parte de um mesmo grupo ou este&am sob controle comum5. =B . o investimento é registrado no ativo permanente a pre#o de custo.0%.nio I+%uido da investida aumente ou diminua em contrapartida conta de resultado. mantidos com fins de renda e.0. A entidade investidora somente recon!ece o rendimento na medida em %ue receber as distribui#$es de lucros do item investido. Pelo método do custo. o investimento é inicialmente registrado a pre#o de custo e o valor contábil é aumentado ou redu"ido conforme o Patrim. o menor dos dois. IN-ESTIMENTOS PERMANENTES @?E@BE@>E@. desde %ue não usadosJ 1 Procedimento usado pelas Sociedades Anônimas. como terrenos ou edif+cios. 0 valor do investimento permanente avaliado pelo método da e%uival)ncia patrimonial será obtido mediante o seguinte cálculoJ D C aplica#ão do percentual de participa#ão no capital social sobre o resultado da subtra#ão do patrim. 0s a&ustes apurados são contabili"ados em contas de resultado. 02. M3TODO DA E2UI A(KNCIA PATRIMONIA( As participa#$es em empresas e em cons?rcios públicos ou públicoCprivados em %ue a administra#ão ten!a influ)ncia significativa devem ser mensuradas ou avaliadas pelo método da e%uival)ncia patrimonial.

0s gastos posteriores a%uisi#ão ou ao registro de elemento do ativo imobili"ado devem ser incorporados ao valor desse ativo %uando !ouver possibilidade de gera#ão de benef+cios econ. sendo %ue deverá ser considerado o valor resultante da avalia#ão obtida com base em procedimento técnico ou valor patrimonial definido nos termos da doa#ão. Ouando os elementos do ativo imobili"ado tiverem vida útil econ. devem ser registrados pelo valor &usto na data de sua a%uisi#ão. 02. Ouando se tratar de ativos do imobili"ado obtidos a t+tulo gratuito.0( INTAN2&-E' 0s direitos %ue ten!am por ob&eto bens incorp?reos destinados manuten#ão da atividade pública ou e*ercidos com essa finalidade são mensurados ou avaliados com base no valor de a%uisi#ão ou de produ#ão. ficam su&eitos a deprecia#ão. a entidade detentora do ativo deve optar entre valoráClo pelo modelo do custo ou da reavalia#ão. 02. 0 modelo da reavalia#ão consiste no valor &usto su&eito reavalia#ão peri?dica menos a deprecia#ão acumulada e as perdas acumuladas por imparidade.C na produ#ão ou suprimento de bens e servi#os ou para prop?sitos administrativosH ou C como venda no curso ordinário das opera#$es. Ap?s o recon!ecimento inicial. bem como a eventual impossibilidade de sua valora#ão. o valor a atribuir deve ser o valor contábil l+%uido constante nos registros da entidade de origem. 36 . sem pre&u+"o das e*ce#$es e*pressamente consignadas.0% IMO I'I1ADO 0 ativo imobili"ado é recon!ecido inicialmente com base no valor de a%uisi#ão.micos futuros ou potenciais de servi#os. /eve ser evidenciado em notas e*plicativas o critério de mensura#ão ou avalia#ão dos ativos do imobili"ado obtidos a t+tulo gratuito.0%. 0 modelo do custo consiste no valor de a%uisi#ão. amorti"a#ão ou e*austão sistemática durante esse per+odo. produ#ão ou constru#ão menos a deprecia#ão acumulada e as perdas acumuladas por imparidade.mica limitada. este deve ser evidenciado em notas e*plicativas. dedu"ido do saldo da respectiva conta de amorti"a#ão acumulada e do montante acumulado de %uais%uer perdas do valor %ue !a&am sofrido ao longo de sua vida útil por redu#ão ao valor recuperável 1impairment=.0%. devidamente &ustificada. Oual%uer outro gasto %ue não gere benef+cios futuros deve ser recon!ecido como despesa do per+odo em %ue se&a incorrido. Em caso de diverg)ncia deste critério com o fi*ado no instrumento de autori"a#ão da transfer)ncia. produ#ão ou constru#ão. >o caso de transfer)ncias de ativos.

micos futuros esperados atribu+veis ao ativo serão gerados em favor da entidadeH e C o custo do ativo possa ser mensurado com seguran#a. 0s gastos posteriores a%uisi#ão ou ao registro de elemento do ativo intang+vel devem ser incorporados ao valor desse ativo %uando !ouver possibilidade de gera#ão de benef+cios econ.micos futuros ou potenciais de servi#os.Nm ativo intang+vel deve ser recon!ecido somente %uandoJ C for provável %ue os benef+cios econ. 0 ágio derivado da e*pectativa de rentabilidade futura 1-oodRill= gerado internamente não deve ser recon!ecido como ativo. 0 critério de mensura#ão ou avalia#ão dos ativos intang+veis obtidos a t+tulo gratuito e a eventual impossibilidade de sua valora#ão devem ser evidenciados em notas e*plicativas. Oual%uer outro gasto deve ser recon!ecido como despesa do per+odo em %ue ten!a incorrido. =J .

mas tal pagamento não se apro*ima do valor &usto dos recursos recebidos.ES As receitas sem contrapresta#ão comp$em a maioria das varia#$es patrimoniais aumentativas para a maior parte das entidades do setor público. sem receber valor apro*imadamente igual de modo direto em troca. transa#ão com contrapresta#ão é a%uela em %ue a entidade recebe ativos ou servi#os ou tem passivos e*tintos e entrega valor apro*imadamente igual 1prioritariamente sob a forma de din!eiro.0(. os impostos satisfa"em a defini#ão de Ftransa#ão sem contrapresta#ãoK por%ue o contribuinte transfere recursos ao governo. São separadas emJ 1a= impostos e contribui#$esH e 1b= transfer)ncias. reali"aCse uma avalia#ão profissional. En%uanto o contribuinte pode se beneficiar de uma variedade de pol+ticas sociais estabelecidas pelo governo. Por e*emplo. 02. a transa#ão é tratada como uma transa#ão sem contrapresta#ão. Embora o governo tributante forne#a uma variedade de servi#os públicos aos contribuintes. >estes casos a entidade determina se !á uma combina#ão de transa#$es com contrapresta#ão e sem contrapresta#ão. servi#os ou uso de ativos= a outra entidade na troca. E*iste outro grupo de transa#$es sem contrapresta#ão nas %uais a entidade pode fornecer algum pagamento diretamente em troca dos recursos recebidos. Assim. 0s tributos são definidos como benef+cios econ. de acordo com as leis ou 38 . ele não o fa" em retribui#ão ao pagamento dos impostos. sendo cada componente recon!ecido separadamente. os contribuintes pagam impostos por%ue a lei tributária assim determina.02. uma avalia#ão da ess)ncia da transa#ão determinará se são transa#$es com contrapresta#ão ou sem contrapresta#ão.micos compulsoriamente pagos ou a pagar s entidades do setor público. Por seu turno. estas não são fornecidas diretamente em troca como compensa#ão pelo pagamento dos tributos.00 TRATAMENTO CONTÁ I' AP'ICÁ-E' AOS IMPOSTOS E CONTRI "I#. >estes casos. As transa#$es sem contrapresta#ão são caracteri"adas %uando uma entidade recebe recursos sem nada entregar. bens. ao determinar se uma transa#ão possui componentes com contrapresta#ão e sem contrapresta#ão identificáveis. ou entregando um valor irris?rio em troca.0! TRI "TOS 0s tributos são a maior fonte de varia#ão patrimonial aumentativa de muitos governos e de outras entidades do setor público. Ouando não for poss+vel distinguir componentes com contrapresta#ão e sem contrapresta#ão em separado. E*istem também transa#$es adicionais nas %uais não fica claro imediatamente se são transa#$es com contrapresta#ão ou sem contrapresta#ão. Assim.0(.

%ue não constitua san#ão de ato il+cito. A obri-a$%o trib!t.º A obri-a$%o principal #!r-e com a ocorr*ncia do ato -erador" tem por objeto o pa-amento de trib!to o! penalidade pec!ni. A lei n. .<8" GDº" relati&amente 2# contrib!i$?e# a (!e al!de o di#po#iti&o. de forma e*clusiva. aos Estados.A =C .48. . . de interven#ão no dom+nio econ.4D" III" e .=.A >estes termos. sem pre&u+"o da respectiva legisla#ão complementar.89" I e III" e #em prej!í)o do pre&i#to no art. Compete e'cl!#i&amente 2 Pni%o in#tit!ir contrib!i$?e# #ociai#" de inter&en$%o no domínio econômico e de intere##e da# cate-oria# pro i##ionai# o! econômica#" como in#tr!mento de #!a at!a$%o na# re#pecti&a# . con!ecida como C?digo Lributário >acional 1CL>=..5A:.rea#" ob#er&ado o di#po#to no# art#.ederal e aos 'unic+pios a compet)ncia para instituir alguns tributosJ “Art.ederal de 5422 atribuiu Nnião.ria 3 principal o! ace##+ria. As leis e os regulamentos tributários podem variar significativamente de &urisdi#ão para &urisdi#ão. isto é.Q 3. a compet)ncia para instituir as contribui#$es sociais. institu+da em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculadaK. A Constitui#ão . ap?s a institui#ão do tributo por lei.ria e e'tin-!e4#e j!ntamente com o cr3dito dela decorrente.regulamentos estabelecidos para fornecer receita ao governo. “Art.ederal e aos 'unic+pios. ao /istrito .54<<.4<. A Pni%o" o# E#tado#" o Di#trito 6ederal e o# 0!nicípio# poder%o in#tit!ir o# #e-!inte# trib!to#H I 4 impo#to#J II 4 ta'a#" em ra)%o do e'ercício do poder de polícia o! pela !tili)a$%o" e eti&a o! potencial" de #er&i$o# p. .micasJ “Art. As leis e os regulamentos tributários estabelecem o direito de um governo arrecadar o tributo. em moeda ou cu&o valor nela se possa e*primir. 98 do CL> Ftributo é toda presta#ão pecuniária compuls?ria. G. e*ceto multas ou outras penalidades impostas em caso de infra#$es legais.A A Constitui#ão conferiu Nnião.mico e de interesse das categorias profissionais ou econ. /e acordo com o art. aos Estados.blica#. supletiva ou regulamentar. . identificam a base pela %ual o tributo é calculado e estabelecem procedimentos para administrar o tributo. na ocorr)ncia do fato gerador.blico# e#pecí ico# e di&i#í&ei#" pre#tado# ao contrib!inte o! po#to# a #!a di#po#i$%oJ III 4 contrib!i$%o de melhoria" decorrente de obra# p. mas possuem um número de caracter+sticas comuns. os procedimentos para calcular o tributo a receber e assegurar %ue o pagamento se&a recebido. versa sobre o Sistema Lributário >acional e estabelece normas gerais de direito tributário aplicáveis Nnião. ao /istrito . o CL> menciona o surgimento da obriga#ão tributária principal a ser cumprida pelo contribuinte perante os entes públicos.

G=º A obri-a$%o ace##+ria" pelo #imple# ato da #!a inob#er&@ncia" con&erte4#e em obri-a$%o principal relati&amente 2 penalidade pec!ni. 57: do CL> C o lan#amento.ria e tem por objeto a# pre#ta$?e#" po#iti&a# o! ne-ati&a#" nela pre&i#ta# no intere##e da arrecada$%o o! da i#cali)a$%o do# trib!to#. 8B. 0 contribuinte geralmente fornece detal!es e evid)ncias do n+vel de atividade su&eita tributa#ão e o montante de tributos a receber pelo governo é calculado. de Ouais%uer (ens e /ireitosH e Dmposto sobre Lransmissão de (ens Dm?veis por Ato 0neroso RDnter VivosR. a obriga#ão tributária principal gera o crédito tributário para o ente público. e*plica a obriga#ão acess?ria da seguinte formaJ “GBº A obri-a$%o ace##+ria decorre da le-i#la$%o trib!t. As modalidades de lan#amento estão previstas nos arts. 0 CL>.&ei# 2 #!a e eti&a$%o. O lan$amento da receita" o ato da reparti$%o competente" (!e &eri ica a proced*ncia do cr3dito i#cal e a pe##oa (!e lhe 3 de&edora e in#cre&e o d3bito de#ta. 57A a 536 do CL>.<7J “Art. Segundo a Iei n. em seu art. 0 crédito tributário decorre da obriga#ão principal e tem a mesma nature"a desta.9:6. Segundo o CL> nesse casoJ “Art. E constitu+do por meio do procedimento previsto no art. As leis e os regulamentos tributários fre%uentemente e*igem %ue os contribuintes enviem declara#$es peri?dicas ag)ncia governamental %ue administra um tributo em particular. 559. Art.4B.A 0 C?digo Lributário >acional e*plicaJ “Art.Q 7.A 1b= /e of+cioJ %uando é efetuado diretamente pela autoridade administrativa 1nos casos previstos no CL>. O lan$amento 3 e et!ado com ba#e na declara$%o do #!jeito pa##i&o o! de terceiro" (!ando !m o! o!tro" na orma da le-i#la$%o trib!t.A Nm e*emplo de obriga#ão acess?ria são as várias declara#$es %ue os contribuintes são obrigados a preenc!er para prestar informa#$es ao ente público. Compete pri&ati&amente 2 a!toridade admini#trati&a con#tit!ir o cr3dito trib!t. São divididas nas tr)s listadas a seguirJ 1a= Por declara#ão.ria" pre#ta 2 a!toridade admini#trati&a in orma$?e# #obre mat3ria de ato" indi#pen#.A Para fins de registro contábil. Pá a obriga#ão acess?ria é a%uela cu&o ob&eto é %ual%uer presta#ão não pecuniária.Assim. . E*emplosJ impostos sobre a propriedade de ve+culos 40 . 574.&el" calc!lar o montante do trib!to de&ido" identi icar o #!jeito pa##i&o e" #endo ca#o" propor a aplica$%o da penalidade cabí&el. de acordo com a modalidade do lan#amento tributário de cada um.ria. os tributos %ue podem ser com ou sem contrapresta#ão devem ser analisados individualmente. 8=. . D a DS=.rio pelo lan$amento" a##im entendido o procedimento admini#trati&o tendente a &eri icar a ocorr*ncia do ato -erador da obri-a$%o corre#pondente" determinar a mat3ria trib!t.47. L%o objeto de lan$amento o# impo#to# direto# e (!ai#(!er o!tra# renda# com &encimento determinado em lei" re-!lamento o! contrato. E*emplosJ Dmposto sobre Lransmissão Causa 'ortis e por /oa#ão. art.

02 E-ENTO TRI "TÁ-E' O" ?ATO 2ERADOR Evento tributável é o evento %ue. A menos %ue se&a especificado de outro modo em leis ou regulamentos. nos lan#amentos de of+cio. a compra ou a venda de produtos e servi#os tributáveis durante o per+odo tributávelH 1d= Para os tributos alfandegários. o movimento de bens ou servi#os tributáveis através das fronteiras alfandegáriasH 1e= Para os tributos sobre as !eran#as. durante o per+odo de tributa#ãoH 1b= Para o tributo sobre o valor adicionado. o recebimento de renda tributável pelo contribuinte.automotivos e sobre a propriedade territorial urbana. o evento tributável éJ 1a= Para o tributo sobre a renda. respectivamente dos Estados e dos 'unic+pios. Para fa"er surgir a obriga#ão principal. o fato gerador da obriga#ão principal é a situa#ão definida em lei como necessária e suficiente sua ocorr)ncia. por declara#ão e por !omologa#ão. por determina#ão do governo. é necessário %ue ocorra o fato gerador definido em lei. 02. E*emplosJ Dmposto sobre 0pera#$es relativas Circula#ão de 'ercadorias e Presta#ão de Servi#os de Lransporte Dnterestadual e Dntermunicipal e de Comunica#ão e Dmposto sobre Produtos Dndustriali"ados. O lan$amento por homolo-a$%o" (!e ocorre (!anto ao# trib!to# c!ja le-i#la$%o atrib!a ao #!jeito pa##i&o o de&er de antecipar o pa-amento #em pr3&io e'ame da a!toridade admini#trati&a" opera4#e pelo ato em (!e a re erida a!toridade" tomando conhecimento da ati&idade a##im e'ercida pelo obri-ado" e'pre##amente a homolo-a. é necessária a integra#ão do setor de arrecada#ão com o setor de contabilidade. . Segundo o CL>J “Art. . Lambém con!ecido como fato gerador. poder legislativo ou outra autoridade. a reali"a#ão de atividade tributável pelo contribuinte durante o per+odo tributávelH 1c= Para o tributo sobre bens e servi#os.0(. a morte de uma pessoa %ue possui propriedades tributáveisH >. 1c= Por !omologa#ão. 557 do CL>. será su&eito a cobran#a de impostos 1ou %ual%uer outra forma de tributo=.89. /e acordo com o te*to do art. A entidade deve analisar a lei tributária de sua pr?pria &urisdi#ão para determinar %ual é o fato gerador 1ou evento tributário= para cada um dos vários tributos arrecadados. de compet)ncia.A Para o recon!ecimento tempestivo e confiável dos créditos. de modo a se con!ecer o flu*o das informa#$es para detec#ão dos momentos %ue ense&am o registro contábil.

Nma entrada de recursos de uma transa#ão sem contrapresta#ão %ue se en%uadre na defini#ão de um ativo deve ser recon!ecida como um ativo %uando. ap?s a ocorr)ncia do lan#amento do tributo. Adicionalmente. a passagem da data na %ual o tributo é lan#ado. 02. neles compreendidos adicionais e acréscimos relativos a impostos.0.ES Nma entidade recon!ecerá um ativo oriundo de uma transa#ão sem contrapresta#ão %uando gan!a o controle de recursos %ue se en%uadram na defini#ão de um ativo e satisfa"em os critérios de recon!ecimento. &ustificaCse o registro da provisão para reparti#ão tributária. Assim. ao /istrito . >esse caso. 0 art.0(. se o tributo é lan#ado periodicamente. >o momento do recon!ecimento do crédito tributário. 42 . ou do per+odo %ue o tributo é lan#ado. A Constitui#ão . REPARTI#$O TRI "TÁRIA 0 fato do ente da .1f= Para os tributos sobre propriedades.0) RECONAECIMENTO DOS CRBDITOS DE IMPOSTOS E CONTRI "I#. aos Estados. e somente %uandoJ 1a= se&a provável %ue os benef+cios econ. 02.ederal e aos 'unic+pios. !á um registro no passivo de provisão para reparti#ão tributária de créditos e uma varia#ão patrimonial diminutiva pela parcela do recurso a transferir ao ente recebedor. &á %ue !á incerte"a %uanto ao valor %ue deverá ser transferido. pode !aver incerte"a sobre o montante a ser transferido. no entanto. inscrito em d+vida ativa. nesta se#ão.edera#ão criar e legislar sobre o imposto não significa. 0 cálculo da provisão para reparti#ão tributária será efetuado com base nos créditos de impostos e contribui#$es ainda não arrecadados su&eitos reparti#ão. portanto. dedu"idos do respectivo a&uste para perdas. %ue ficará com a totalidade da sua arrecada#ão. 5<6 veda a reten#ão ou %ual%uer restri#ão entrega e ao emprego dos recursos atribu+dos. E importante ressaltar %ue o registro da provisão para reparti#ão tributária somente pode ocorrer %uando for poss+vel a reali"a#ão de uma estimativa confiável do valor da obriga#ão. Nm ativo ad%uirido por meio de uma transa#ão sem contrapresta#ão deverá ser inicialmente mesurado pelo seu valor &usto da data de a%uisi#ão.ederal de 5422 define na Se#ão VD 1/a @eparti#ão das @eceitas Lributárias= os casos %ue ense&am as transfer)ncias.micos futuros e o potencial de servi#os associados com o ativo fluam para a entidadeH 1b= o valor &usto do ativo pode ser mensurado de maneira confiável. devido ao fato de %ue esse tributo pode não ser arrecadado e. deverá ser registrado um ativo 1créditos a receber= contra uma varia#ão patrimonial aumentativa pelo registro da arrecada#ão bruta.0(.

Em tais circunstBncias. 02. um passivo referente ao montante e%uivalente %uele do recebimento antecipado é recon!ecido até %ue o evento tributável ocorra. diferentes de outros recebimentos antecipados. das e*ig)ncias de leis ou regulamentos. Ouando o evento tributável ocorre. anteriormente registrado em contas a receber. o passivo é bai*ado e a varia#ão patrimonial aumentativa é recon!ecida. Em algumas &urisdi#$es. As multas normalmente e*igem %ue uma entidade transfira um montante fi*o de din!eiro para o governo e não imp$em ao governo %uais%uer obriga#$es %ue possam ser recon!ecidas como >= . o indiv+duo terá normalmente a c!ance de pagar a multa ou de se defender perante um tribunal. um passivo é recon!ecido até %ue o evento tributável ocorra.0( M"'TAS 'ultas são benef+cios econ.micos ou potencial de servi#o recebidos ou a receber por uma entidade do setor público. Se uma entidade recebe recursos antes da e*ist)ncia de um acordo obrigat?rio de transfer)ncia. é bai*ada a provisão contra o passivo registrado em conta de tributos a transferir. apesar de a entidade &á ter recebido uma entrada de recursos. se for o caso. Somente nesse momento. 02. a transfer)ncia poderá ser reali"ada por meio de despesa ou como dedu#ão de receita. em conse%T)ncia da viola#ão. >esses casos. Ouando um réu fa" um acordo com um promotor de &usti#a %ue determina o pagamento de uma penalidade em substitui#ão ao &ulgamento. 0s recebimentos antecipados relativos a tributos não são. recon!ece um passivo pelo recebimento antecipado até o momento em %ue o acordo se torne vinculativo.0(.0(. o ente da .edera#ão recebedor terá condi#$es de recon!ecer a varia#ão patrimonial aumentativa e o ativo 1créditos a receber=.ES SEM CONTRAPRESTA#$O >o curso normal das opera#$es. em ess)ncia.meno sempre como varia#ão patrimonial diminutiva.0% PASSI-OS DE TRANSA#. Assim. contra o montante do recurso %ue ingressou no cai*a do ente. conforme determinado por um tribunal ou outra entidade com capacidade impositiva legal. Ainda nesse momento. as respectivas contas devem registrar o fen. @essalteCse %ue. de um indiv+duo ou de outra entidade.Somente na arrecada#ão do tributo ocorrerá a bai*a do ativo. por um indiv+duo ou por outra entidade. os recursos de tributos recebidos antes da ocorr)ncia do fato gerador são recon!ecidos como um ativo e um passivo 1recebimentos antecipados= por%ue o evento %ue origina o direito da entidade aos tributos não ocorreu e o critério para o recon!ecimento da varia#ão patrimonial aumentativa tributária não foi satisfeito. /este modo. o pagamento é recon!ecido como uma multa. os oficiais aplicadores da lei det)m a capacidade de aplicar multas nos indiv+duos considerados transgressores da lei. /o ponto de vista patrimonial. uma entidade pode receber recursos antes da ocorr)ncia de um evento tributável. estritamente do ponto de vista or#amentário.

E?E?EAEAAEAA C$Vdito" t$i&utG$io" a $e0e&e$ 9P< RX . as multas são recon!ecidas como %uando o valor a receber se encai*a na defini#ão de um ativo e satisfa" o critério para o recon!ecimento como um ativo.E.EAEAAEAA Di"t$i&ui6Uo Con"tE ou (ega! de Re0eita" C ?E.E. deste 'anual.0/ AC"STE DE PERDAS DE CRBDITOS DE IMPOSTOS E CONTRI "I#.or >RD@ RX .0(.ES /everá ser constitu+do a&uste de perdas de créditos relativos a impostos e contribui#$es.E@@@Q@@ -a.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ 44 .EAEAAEAA Re0eita a $ea!i4a$ C :E?E.00 'AN#AMENTOS CONTÁ EIS 0s registros contábeis são os seguintesJ (AN. /este modo.AMENTOS CONTÁBEIS NO ENTE ARRECADADOR Pelo recon!ecimento do crédito tributário C7di8o da Conta T9t:. 0 percentual de a&uste para redu#ão dos créditos de impostos e contribui#$es vencidos porém não inscritos em d+vida ativa pode ser o mesmo do a&uste para perdas de d+vida ativa.E@@@Q@@ -a. 02.E@@@Q@@ RX .or >RD@ D .EBEAEAEAAEAA O&$iga6Uo de $eTa$ti6Uo a out$o" ente" C7di8o da Conta T9t:. registro contábil e acompan!amento é do ?rgão competente pela gestão em cada esfera de governo.E?E?EAEAAEAA C >EAEAEAEAEAAEAA PA C7di8o da Conta T9t:.0(.E.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a.or >RD@ RX .passivo. 02.E.E@@@Q@@ C .E.o da Conta D =EBE?E.o da Conta D :E?E.o da Conta -a.E@@@Q@@ RX . cu&a responsabilidade pelo cálculo.E@@@Q@@ C7di8o da Conta T9t:.o da Conta D ?E.E?EAEAAEAA Re0eita $ea!i4ada -a. cu&as metodologias constam da Parte DDD G Procedimentos Contábeis Espec+ficos.E.o da Conta C$Vdito" t$i&utG$io" a $e0e&e$ 9P< D .EAEAAEAA CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< RX .EJEBEAEAAEAA P$o*i"Uo Ta$a $eTa$ti6Uo de 0$Vdito" C ?E.EJEBEAEAAEAA P$o*i"Uo Ta$a $eTa$ti6Uo de 0$Vdito" 9P< Pela arrecada#ão C7di8o da Conta T9t:.

E=EAAEAA 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e ent$ada" 0o1Ten"at/$ia" C NE?E.C7di8o da Conta T9t:.E.or >RD@ RX .E=E@.EAAEAA C$Vdito di"TonS*e! C :E?E?E.E.EAA C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ C :E?E?E.o da Conta D :E?E?E.EAA C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ C7di8o da Conta T9t:.o da Conta Cont$o!e da di"Toni&i!idade de $e0u$"o" D JE?E.E=EAAEAA 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e 0o1Ten"at/$ia" -a.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a.E@@@Q@@ -a.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ >B .EAEAAEAA CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< C7di8o da Conta T9t:.E=E@=EAA C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ C :E?E?E.o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" D NE?E.EAAEAA Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de C NE?E.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a.E.E.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a.EAEAAEAA C NE?E.E?EAAEAA 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de C NE?E.EAAEAA Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" Pela transfer)ncia 1caso se&a feita por despesa or#amentária= C7di8o da Conta T9t:.E.or >RD@ RX ?B@Q@@ $e0u$"o" ent$ada" RX ?B@Q@@ C7di8o da Conta T9t:.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a.E.o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" D NE?E.o da Conta D :E?E?E.E>EAAEAA Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" uti!i4ada -a.o da Conta Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" D NE?E.E=E@=EAA C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ C7di8o da Conta T9t:.or >RD@ RX ?B@Q@@ $e0u$"o" RX ?B@Q@@ -a.E.E.E.o da Conta D ?E.E=E@>EAA C$Vdito e1Ten'ado Tago C7di8o da Conta T9t:.E.E@@@Q@@ RX .E=E@.E.EBEAEAEAAEAA O&$iga67e" de $eTa$ti6Uo a out$o" ente" C .E.o da Conta D :E?E?E.E.E.E?EAAEAA 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o C7di8o da Conta T9t:.

-O TRIBUTÁRIA< Pela arrecada#ão no ente transferidor C7di8o da Conta T9t:.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ 0bserva#ão 5J 0s registros das transa#$es acima foram reali"ados considerando %ue a totalidade das receitas lan#adas foram arrecadadas. tais créditos deverão sofrer a&uste de perdas 1ver item 6:.E. 46 .o da Conta D JE?E.E?EBEAEAAEAA C$Vdito" de t$an"5e$Yn0ia" a $e0e&e$ 9P< / T$an"5e$Yn0ia" inte$go*e$na1entai" C >EBE?EAEAEAAEAA Pela arrecada#ão da transfer)ncia no ente beneficiário C7di8o da Conta T9t:.E. C Saldo inicial de a&uste para perdas de DC'S 16.6<. 0bserva#ão :J Caso !a&a receitas lan#adas e não arrecadadas. em um estado 1em @U mil=.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a.E?E?EAEAAEAA C$Vdito" de t$an"5e$Yn0ia" a $e0e&e$ 9P< C7di8o da Conta T9t:.E.26 * :66.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a.66.EAEAAEAA Cont$o!e da di"Toni&i!idade de $e0u$"o" C NE?E. C Coeficiente de a&uste para perdas de DC'S decorrente de modelo estat+stico baseado em série !ist?rica. Como e*emplo. >esse caso.o da Conta D .AMENTOS CONTÁBEIS NO ENTE BENEFICIÁRIO DE TRANSFERKNCIA CONSTITUCIONA( 9REPARTI. temCse os seguintes dados referentes ao m)s de &aneiro de :655.66=J @U 5<6.o da Conta D :E?E.(AN.E.E.26. de maneira confiável.EAAEAA Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" -a. C Coeficiente de reparti#ão tributária estabelecido em leiJ 6. C Saldo inicial de créditos de DC'SJ @U :66.EAEAAEAA CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< C .66. C @eceitas de DC'S arrecadadas no m)sJ @U 5666.66.o da Conta . o lan#amento contábil da varia#ão patrimonial aumentativa 1VPA= será reali"ado diretamente no cai*a e o a&uste no saldo dos créditos tributários a receber será reali"ado periodicamente também em contrapartida de VPA. /essa maneira.E?EAEAAEAA Re0eita $ea!i4ada C7di8o da Conta T9t:.E.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a. o cálculo do passivo de provisão para reparti#ão de créditos deverá ocorrer com base nos créditos dedu"idos do a&uste de perdas. C Saldo final de créditos de DC'SJ @U 366.6A=.EAEAAEAA Re0eita a $ea!i4a$ C :E?E. poderá ser reali"ado um a&uste peri?dico no montante dessa conta.66. >os casos em %ue não é poss+vel proceder bai*a diretamente na conta de créditos tributários a receber no momento da arrecada#ão.E. estabelecido para o ano de :655J 6.E.E.:3.

o da Conta D :E?E?E. os registros contábeis para esses casos são os seguintesJ (AN.66.E=E@=EAA C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ -a.EAAEAA Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" RX ?B@Q@@ Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" C NE?E.66.E@@@Q@@ RX .E.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ C7di8o da Conta T9t:.66.E=E@.EAA C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ C :E?E?E. Assim.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a.E@@@Q@@ RX .66.66.EAAEAA T9t:.E. C Saldo inicial de créditos l+%uidos de DC'SJ @U 76.E@@@Q@@ -a.E?EAEAAEAA C7di8o da Conta D JE?E.EAEAAEAA C ?E.66=J @U 766.E@@@Q@@ RX .66=J @U :3.C Saldo final de a&uste para perdas de DC'S 16.E.EAEAAEAA C NE?E.E=E@.E.E.66=J @U 56.o da Conta D :E?E?E.:3 * @U 566.or >RD@ RX .o da Conta Di"t$i&ui6Uo Con"tE ou (ega! de Re0eita" O&$iga6Uo de $eTa$ti6Uo a out$o" ente" T9t:.E@@@Q@@ Pela transfer)ncia 1caso se&a feita por despesa or#amentária= C7di8o da Conta T9t:.:3 * @U 76. C Saldo inicial de provisão para reparti#ão tributária 16.E.o da Conta Cont$o!e da di"Toni&i!idade de $e0u$"o" Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" -a.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a.E?EAAEAA RX ?B@Q@@ 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o >J .E.EBEAEAEAAEAA C7di8o da Conta D :E?E.EAA C$Vdito e1Ten'ado a !i%uida$ C7di8o da Conta T9t:.or >RD@ RX .o da Conta -a.E@@@Q@@ -a.E.E.26 * 366.EAEAAEAA C >EAEAEAEAEAAEAA C7di8o da Conta D =EBE?E.AMENTOS CONTÁBEIS NO ENTE ARRECADADOR Pela arrecada#ão G lan#amentos diários C7di8o da Conta D .or >RD@ RX .E.E. C Saldo final de provisão para reparti#ão tributária 16. C Saldo final de créditos l+%uidos de DC'SJ @U 566.EAAEAA C$Vdito di"TonS*e! C :E?E?E.o da Conta Re0eita a $ea!i4a$ Re0eita $ea!i4ada T9t:.EAEAAEAA C :E?E.o da Conta CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< PA T9t:.or >RD@ D NE?E.

E.or >RD@ Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" RX ?B@Q@@ D NE?E.E>EAEAAEAA PD – A.EAEAAEAA CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! 9F< C7di8o da Conta T9t:.65.E.E.o da Conta D :E?E?E.EBEAEAEAAEAA O&$iga67e" de $eTa$ti6Uo a out$o" ente" C .BQ@@ -a.65.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ C7di8o da Conta T9t:.E.EAEAAEAA P$o*i"Uo Ta$a $eTa$ti6Uo de 0$Vdito" a 0u$to T$a4o C ?E.E.E.E>EAAEAA Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" uti!i4ada RX ?B@Q@@ Pela atuali"a#ão dos créditos no dia 95.or >RD@ RX .E=EAAEAA RX ?B@Q@@ 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e ent$ada" 0o1Ten"at/$ia" C7di8o da Conta T9t:.u"te de Te$da" do" 0$Vdito" t$i&utG$io" a $e0e&e$ no dia =..E?EAAEAA RX ?B@Q@@ 0o1T$o1etida To$ e1Ten'o Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" C NE?E.E=EAAEAA 0o1T$o1etida To$ !i%uida6Uo e ent$ada" 0o1Ten"at/$ia" C NE?E.E.C7di8o da Conta T9t:.o da Conta D =E:E.E?E?EAEAAEAA C >EAEAEAEAEAAEAA PA Pe!o a.o da Conta D ?E.8 C7di8o da Conta T9t:.or >RD@ RX =@@Q@@ RX =@@Q@@ 48 .u"te de Te$da" de 0$Vdito" a 0u$to T$a4o Pelo a&uste da provisão para reparti#ão tributária no dia 95.BQ@@ RX .or >RD@ Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" D NE?E.:655 C7di8o da Conta T9t:.u"te Ta$a Te$da" de 0$Vdito" C .M@.M?@.E=E@=EAA C$Vdito e1Ten'ado !i%uidado a Taga$ C :E?E?E.o da Conta C$Vdito" t$i&utG$io" a $e0e&e$ 9P< D .E.:655J C7di8o da Conta T9t:.E?ECEAEAAEAA A.or >RD@ RX ?>@Q@@ RX ?>@Q@@ -a.EJEBEAEAAEAA -a.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a.E.o da Conta -a.o da Conta -a.E=E@>EAA C$Vdito e1Ten'ado Tago -a.o da Conta Di"t$i&ui6Uo Con"tE ou (ega! de Re0eita" / =EBE?E.

o da Conta D :E?E.EAEAAEAA Re0eita a $ea!i4a$ C :E?E.:.3.E.EAAEAA Di"Toni&i!idade To$ de"tina6Uo de $e0u$"o" -a.AMENTOS NO ENTE BENEFICIÁRIO Pela arrecada#ão no ente transferidor .or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a.** C 7.E.*.EAEAAEAA 9F< C .**./di$o da .E.E.onta Créditos de transfer)ncias a receber 1P= Lransfer)ncias intergovernamentais *alor (&1) @U :36.*.E.E.:.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ -a.**.EAEAAEAA C NE?E.E?EBEAEAAEAA C$Vdito" de t$an"5e$Yn0ia" a $e0e&e$ 9P< C7di8o da Conta T9t:.3.E.o da Conta Cont$o!e da di"Toni&i!idade de $e0u$"o" D JE?E.onta / 5.66 >C .*.o da Conta CaiAa e e%ui*a!ente" de 0aiAa e1 1oeda na0iona! D .5.E?EAEAAEAA Re0eita $ea!i4ada C7di8o da Conta T9t:.66 @U :36.** Pela transfer)ncia C7di8o da Conta T9t:.E.(AN.or >RD@ RX ?B@Q@@ RX ?B@Q@@ 0ítulo da .

e%uipamentos.0/. glebas. inclusive os de suas autar%uias e funda#$es públicas. para a produ#ão de outros bens ou servi#os.nio das pessoas &ur+dicas de direito público. tais como edif+cios ou terrenos. arma"éns.00 ATI-O IMO I'I1ADO 0 ob&etivo deste cap+tulo é estabelecer os tratamentos contábeis para o ativo imobili"ado das entidades do setor público.0! CONCEITOS Ativo !mo. bens destinados a reforma agrária. aparel!os. c= 2ens de uso comum do povo pode ser entendido como os de dom+nio público. b= 2ens dominiais compreende os bens %ue constituem o patrim. glebas. São e*emplos de bens m?veis as má%uinas. dentre outros. terrenos. de forma %ue os usuários das demonstra#$es contábeis possam analisar informa#$es consistentes acerca deste item do ativo não circulante. %ue t)m e*ist)ncia material e %ue podem ser transportados por movimento pr?prio ou removidos por for#a al!eia sem altera#ão da substBncia ou da destina#ão econ. obras em andamento. 02. benfeitoria em propriedade de terceiros.ili-ado C é o item tangível %ue é mantido para o uso na produ#ão ou fornecimento de bens ou servi#os. ainda não conclu+dos. riscos e controle desses bens. fa"endas. servi#os topográficos etc=. casas. dentre outros. edif+cios. 2ens !m/veis C compreende o valor dos bens vinculados ao terreno %ue não podem ser retirados sem destrui#ão ou dano. educacionais e de comunica#ão. comerciais. viadutos. não dispondo a lei em contrário. E*emplosJ obras em andamento. como apartamentos.02. bens de informática 1e%uipamentos de processamento de dados e de tecnologia da informa#ão=. estudos e pro&etos 1%ue englobem limpe"a do terreno. os bens pertencentes s pessoas &ur+dicas de direito público a %ue se ten!a dado estrutura de direito privado. São e*emplos deste tipo de bem os im?veis residenciais. ou para fins administrativos. m?veis e utens+lios. aeroportos. !otéis dentre outros. a%uartelamento. !ospitais. bens m?veis em andamento. aeroportos. destinados a servi#o ou estabelecimento da administra#ão federal. a#udes. 50 . estadual ou municipal. dentre outros. de cada uma dessas entidades. ferramentas. ve+culos. como im?veis residenciais. 0s bens im?veis classificamCse emJ a= 2ens de uso especial compreende os bens. !ospitais. 2ens %/veis C compreende o valor da a%uisi#ão ou incorpora#ão de bens corp?reos.0/. d= 2ens im/veis em andamento compreende os valores de bens im?veis em andamento. lo&as. constru+dos ou não por pessoas &ur+dicas de direito público. museus.micoCsocial. como ob&eto de direito pessoal. inclusive os decorrentes de opera#$es %ue transfiram para a entidade os benef+cios. ou real. terrenos. terrenos. materiais culturais. Compreende ainda. bens im?veis a alienar dentre outros. pontes.

ou um passivo li%uidado em uma transa#ão em %ue não !á favorecidos e em %ue as partes este&am informadas e dispostas a transacionar. %ue reflete um decl+nio na sua utilidade além do recon!ecimento sistemático por meio da deprecia#ão. estimado com base nos flu*os de cai*a ou potencial de servi#os futuros tra"idos a valor presente por meio de ta*a de desconto 1valor em uso=. dentre outros bens. B. decorrente da sua e*plora#ão.usto do ativo C é o montante gasto ou o valor necessário para ad%uirir um ativo na data da sua a%uisi#ão ou constru#ão. im?veis em poder de terceiros. *alor recuper'vel C é o valor de venda de um ativo menos o custo para a sua aliena#ão 1pre#o l+%uido de venda=. E*emploJ bens im?veis locados para terceiros. ou outra base %ue substitua o custo. com e*ist)ncia ou e*erc+cio de dura#ão limitada. %ue é evidenciado como um único item para fins de divulga#ão nas demonstra#$es contábeis. ou bens aplicados nessa e*plora#ão. menos as despesas estimadas de venda. *alor depreci'vel C é o custo de um ativo. Ativos $eradores de cai6a C são a%ueles mantidos com o ob&etivo principal de gerar retorno comercial. 3epreciação C é a aloca#ão sistemática do valor depreciável de um ativo ao longo de sua vida útil. ou o valor %ue a entidade do setor público espera recuperar pelo uso futuro desse ativo nas suas opera#$es.ens im/veis compreende os demais bens im?veis não classificados anteriormente. .e= 3emais . de direitos cu&o ob&eto se&am recursos minerais ou florestais. o %ue o for maior. *alor líquido de venda C é o valor a ser obtido pela venda de um ativo em transa#$es em bases comutativas. inclusive ativos intang+veis. *alor líquido cont'.ili-ado C representa um agrupamento de ativos de nature"a ou fun#ão similares nas opera#$es da entidade. &edução ao valor recuper'vel (impairment) 4 é a redu#ão nos benef+cios econ. entre partes con!ecedoras e interessadas. menos o seu valor residual.il 4 é o valor pelo %ual um ativo é contabili"ado ap?s a dedu#ão de %ual%uer deprecia#ão acumulada e das perdas acumuladas por redu#ão ao valor recuperável. 56austão C corresponde perda do valor.micos futuros ou no potencial de servi#os de um ativo. Amorti-ação 4 é a redu#ão do valor aplicado na a%uisi#ão de direitos de propriedade e %uais%uer outros. *alor +usto C é o valor pelo %ual um ativo poderia ser negociado. .lasse de ativo imo. . ou cu&o ob&eto se&am bens de utili"a#ão por pra"o legal ou contratualmente limitado.

0) RECONAECIMENTO . fa"Cse necessário o recon!ecimento do bem como ativo.0/. a condi#ão esperada e o tempo de uso esperados para o fim de sua vida útil. Perda por redução ao valor recuper'vel de um ativo não $erador de cai6a C é o %uanto o valor contábil e*cede seu montante recuperável na forma de presta#ão de servi#os públicos.E P$in0STio ge$a! do $e0on'e0i1ento A entidade deverá aplicar o princ+pio geral de recon!ecimento para todos os ativos imobili"ados no momento em %ue os custos são incorridos.nio cultural %ue possuem potencial de servi#os além de seu valor cultural como. e desta forma não se&am registradas varia#$es patrimoniais diminutivas além das realmente incorridas. caso o ativo &á tivesse a idade. incluindo os custos iniciais e os subse%Tentes. 52 . Contudo.0/.Ativos não $eradores de cai6a C são a%ueles mantidos com o ob&etivo de presta#ão de servi#os públicos. gás natural e recursos não regenerativos semel!antes. *alor residual de um ativo C é o valor estimado %ue a entidade obteria com a venda do ativo. um prédio !ist?rico usado como escrit?rio. %uando o item do ativo estiver em condi#$es de uso. Ao final de cada e*erc+cio financeiro a entidade deve reali"ar a revisão da vida útil e do valor residual do item do ativo. por e*emplo. 02.licos C é o maior valor entre o valor &usto de um ativo não gerador de cai*a menos os custos de venda e seu valor em uso. sendo seu valor determinado antes do in+cio da deprecia#ão. 0 cálculo do valor residual é feito por estimativa. Assim. aplicaCse aos ativos imobili"ados usados para desenvolver ou manter os ativos descritos acima. Antes de efetuar a avalia#ão ou mensura#ão de ativos. *alor recuper'vel na "orma de prestação de serviços p7. e os demais ativos não mantidos com o ob&etivo de gerar retorno comercial. amorti"a#ão e e*austão deve ser feita mensalmente. com e*ce#ão dos ativos biol?gicos. *ida 7til C é o per+odo durante o %ual a entidade espera utili"ar o ativo.02 AP'ICA#$O 0s procedimentos deste 'anual aplicamCse a ativo imobili"ado. 0s procedimentos de recon!ecimento e mensura#ão de ativos imobili"ados devem ser aplicados também para bens do patrim. direitos minerais e reservas minerais tais como petr?leo. 02. A apura#ão da deprecia#ão. produtos agr+colas. Ao fim da deprecia#ão o valor l+%uido contábil deve ser igual ao valor residual. 0 valor residual é determinado para %ue a deprecia#ão não se&a incidente em cem por cento do valor do bem. ou número de unidade de produ#ão ou de unidades semel!antes %ue a entidade espera obter pela utili"a#ão do ativo. o valor residual seria o valor de mercado depois de efetuada toda a deprecia#ão.

Partes sobressalentes principais e e%uipamentos em espera se %ualificam como ativo imobili"ado %uando a entidade espera usáClos durante mais de um per+odo. ?E C$itV$io do *a!o$ do 0on. Partindo dessa premissa. >E. Lambém são recon!ecidos como ativo imobili"ado as pe#as sobressalentes e e%uipamentos para manuten#ão usados somente em cone*ão com um item do imobili"ado. os mesmos deverão ser partes de um sistema ou de uma rede. sendo %ue deverá ser considerado o valor resultante da avalia#ão obtida com base em procedimentos técnicos ou valor patrimonial definido nos termos da doa#ão. é necessário e*ercer &ulgamento em rela#ão ao recon!ecimento das circunstBncias espec+ficas da entidade. Para serem classificados como ativos de infraestrutura. é recon!ecido inicialmente com base no &alor de a(!i#i$%o" prod!$%o o! con#tr!$%o. Ao aplicar o crit3rio do &alor do conj!nto. >E Ben" de U"o Co1u1 do Po*o 0s bens de uso comum do povo podem ser encontrados em duas classes de ativosJ ativos de infraestrutura e bens do patrim.0 ativo imobili"ado. periféricos de computadores e pe%uenos itens de e%uipamentos. o item do imobili"ado deve ter uma base monetária confiável. 0 custo de um item do imobili"ado deve ser recon!ecido como ativo sempre %ue for provável %ue benef+cios econ. Aplicando o crit3rio do &alor do conj!nto" a entidade avalia todos os seus custos de ativos imobili"ados no momento em %ue eles são incorridos.E Ati*o" de In5$ae"t$utu$a Ativos de infraestrutura são ativos %ue normalmente podem ser conservados por um número significativamente maior de anos do %ue a maioria dos bens de capital.micos futuros ou potencial de servi#os associados ao item fluirão para a entidadeH e se o custo ou valor &usto do item puder ser men#!rado com #e-!ran$a.unto Pode ser apropriado agregar itens individualmente insignificantes. =E Ati*o" i1o&i!i4ado" o&tido" a tStu!o g$atuito Ouando se tratar de ativos imobili"ados obtidos a t+tulo gratuito. Esses custos incluem custos incorridos inicialmente para ad%uirir ou construir um item do ativo imobili"ado e os custos incorridos posteriormente para renováClos e substituir suas partes. estes devem ser registrados pelo &alor j!#to na data de sua a%uisi#ão. incluindo os gastos adicionais ou complementares. B= . tais como livros de biblioteca.nio cultural.

pontes. E*emplos desses ativos incluem redes rodoviárias. áreas de conserva#ão e reservas naturais. menos a deprecia#ão acumulada calculada com base neste custo para refletir o potencial de servi#o &á consumido ou esgotado do ativo. 0 recon!ecimento e a mensura#ão dos ativos de infraestrutura seguem a mesma base utili"ada para os demais ativos imobili"ados. Estes ativos são raramente mantidos para gerar entradas de cai*a e pode !aver obstáculos legais ou sociais para usáClos em tais prop?sitos. em atendimento s novas práticas contábeis. cal#adas. Em diversos casos. Este custo é depreciado para refletir o ativo na sua condi#ão de usado. Certas caracter+sticas são geralmente apresentadas por bens do patrim. esse custo de reposi#ão depreciado pode ser estabelecido com refer)ncia ao pre#o de compra dos componentes usados para produ"ir um ativo similar. 0 custo de reposi#ão depreciado é mensurado como a reprodu#ão ou o custo de reposi#ão do ativo. >E?E Ben" do Pat$i1Dnio Cu!tu$a! Ativos descritos como bens do patrim. Em rela#ão deprecia#ão dos ativos de infraestrutura. cultural ou ambiental. sistemas de esgoto. E*emplos incluem monumentos e prédios !ist?ricos. rede de comunica#ão. o %ue for mais bai*o. dentre outros. estruturas. pode ser necessário %ue se deprecie separadamente a pavimenta#ão. não !avendo nen!uma evid)ncia dispon+vel para determinar o valor de mercado pelo fato de sua nature"a especiali"ada. recomendaCse %ue cada componente de um item com custo significativo em rela#ão ao custo total do item se&a depreciado separadamente. /eveCse analisar ainda se um componente considerado significativo tem a vida útil e o método de deprecia#ão %ue se&am os mesmos de outros componentes significativos do mesmo item. meiosCfios e canais.nio cultural 1apesar de não serem e*clusivas de tais ativos=J 54 . /essa forma. Para os casos de recon!ecimento inicial. deveCse determinar a condi#ão e estado f+sico desses bens. pois nesse caso. cal#ad$es. para %ue se possa aplicar um percentual como fator de deprecia#ão de per+odos anteriores a fim de se refletir seu valor &usto. s+tios ar%ueol?gicos. 0 custo de reposi#ão de um ativo é o custo para repor seu potencial de servi#o bruto. Nm ativo pode ser reposto por meio da reprodu#ão do ativo e*istente ou por meio da reposi#ão do potencial de servi#o bruto.nio cultural são assim c!amados devido a sua significBncia !ist?rica. para se determinar o valor desses ativos. cal#adas. esses componentes podem ser agrupados no cálculo da deprecia#ão. para a&ustes ou reclassifica#$es. Por e*emplo. com semel!ante potencial de servi#os remanescentes. pontes e ilumina#ão de um sistema de rodovias. sistemas de abastecimento de água e energia.especiali"ados por nature"a e não possu+rem usos alternativos. o valor &usto pode ser estimado usandoCse o custo de reposi#ão depreciado.

a entidade não reconhece no valor contábil de um item do ativo imobili"ado os custos da manutenção periódica do item 1por e*emploJ custos de mãoCdeC obra. Além disso. ambiental. Assim. Porém. os gastos posteriores a%uisi#ão ou ao registro de elemento do ativo imobili"ado devem ser incorporados ao valor desse ativo %uando !ouver possibilidade de gera#ão de benef+cios econ. tais como petr?leo. BE Cu"to" "u&"e%uente" 0 custo de um item do imobili"ado deve ser recon!ecido como ativo sempre %ue for provável %ue benef+cios econ.1a= 0 seu valor cultural. caso se&am registrados pelo ente.micos futuros ou potenciais de servi#os. 1b= 1c= 1d= 0 recon!ecimento e a mensura#ão desses ativos são facultativos e podem seguir bases outras %ue não as utili"adas para os ativos imobili"ados. produtos consum+veis=. devem ser evidenciados conforme as normas apresentadas neste 'anual.micos futuros ou potencial de servi#os associados ao item fluirão para a entidadeH e se o custo ou valor &usto do item puder ser mensurado com seguran#a. a %ual em alguns casos podem ser centenas de anos. esses custos são reconhecidos no resultado do exercício %uando incorridos. o valor contábil das pe#as %ue são substitu+das deve ser bai*ado. ou se&a. em base monetária confiável. @essaltaCse %ue alguns recursos minerais e florestais. Assim. educacional e !ist?rico provavelmente não é refletido totalmente no valor financeiro puramente baseado no pre#o de mercadoH As obriga#$es legais ou estatutárias podem impor proibi#$es ou restri#$es severas na aliena#ão por vendaH São geralmente insubstitu+veis e seus valores podem aumentar através do tempo mesmo se sua condi#ão f+sica se deteriorarH Pode ser dif+cil estimar sua vida útil. são de dif+cil mensura#ão e ainda carecem de normati"a#ão espec+fica. gás natural e recursos não regenerativos semel!antes. sempre %ue !ouver uma mel!oria ou adi#ão complementar significativa no bem e se o custo puder ser mensurado com seguran#a. A finalidade desses gastos é reparo e manuten#ão de item do ativo imobili"ado. BB . A entidade deve reconhecer no valor contábil de um item do ativo imobili"ado o custo da reposi#ão de parte desse item %uando o custo é incorrido. Portanto.

como é o caso de terrenos recebidos por um particular sem pagamento ou com pagamento simb?lico. acrescido de impostos de importa#ão e tributos não recuperáveis sobre a compra. Em caso de diverg)ncia deste critério com o fi*ado no instrumento de autori"a#ão da transfer)ncia. Oual%uer outro gasto %ue não gere benef+cios futuros deve ser recon!ecido como varia#ão patrimonial diminutiva do per+odo em %ue se&a incorrido. imobili"ados e intang+veis devem ser mensurados inicialmente pelo custo ou valor &usto. desenvolver estacionamentos. ap?s isto. por e*emplo. recon!ecido como ativo imobili"ado. a entidade poderáJ 1a= /epreciar a parte complementar do bem ora ad%uirida. 0s elementos do custo de um ativo imobili"ado compreendemJ D. o mesmo deve ser evidenciado em notas e*plicativas. /essa forma.>esse caso. Ouais%uer custos diretamente atribu+veis para colocar o ativo no local e condi#ão necessários para o mesmo ser capa" de funcionar da forma pretendida pela administra#ãoH 56 . por e*emplo. seu custo deve ser mensurado pelo seu valor &usto na data da a%uisi#ão. para se reali"ar a deprecia#ão do bem com o valor a&ustado ap?s a ativa#ão dos custos com mel!orias e adi#$es complementares.0. depois de dedu"idos os descontos comerciais e abatimentosH DD. 02. 0 ?rgão ou entidade deve recon!ecer os efeitos do recon!ecimento inicial dos ativos como a&uste de e*erc+cios anteriores no per+odo em %ue é recon!ecido pela primeira ve" de acordo com as novas normas contábeis para. deve ser mensurado no recon!ecimento pelo seu custo.. os esto%ues. posteriormente. Ouando ad%uirido por meio de uma transa#ão #em contrapre#ta$%o. Seu pre#o de a%uisi#ão. separadamenteH ou 1b= Estabelecer novo critério de deprecia#ão do bem %ue recebeu a mel!oria ou a adi#ão complementar. adotar os procedimentos de mensura#ão descritos nesse cap+tulo. procedimentos de mensura#ão ap?s o recon!ecimento inicial 1como a deprecia#ão para o caso do ativo imobili"ado=.0/. para possibilitar ao governo local. MENS"RA#$O Antes de iniciar os procedimentos usuais de mensura#ão descritos nesta se#ão. adotandoCse. estradas etc. é importante destacar %ue o ?rgão ou entidade inicialmente devem reali"ar a&ustes para %ue o balan#o patrimonial reflita a realidade dos seus elementos patrimoniais. Nm item do ativo. :E T$an"5e$Yn0ia de ati*o" >o caso de transfer)ncias de ativos. o valor a atribuir deve ser o valor contábil l+%uido constante dos registros da entidade de origem.

como. Se o pra"o de pagamento e*cede os pra"os normais de crédito. . o seu valor &usto s? pode ser mensurado com seguran#a seJ a= a variabilidade da fai*a de estimativas de valor &usto ra"oável não for significativa para tal ativoH ou BJ .E Men"u$a6Uo ini0ia! do 0u"to Para a mensura#ão inicial do custo de um item de ativo imobili"ado pode !aver duas alternativasJ a do preço à vista ou a do seu valor justo na data do recon!ecimento %uando um ativo é ad%uirido por meio de uma transa#ão sem contrapresta#ão. deve ser mensurado pelo valor &usto a não ser %ueJ a= a opera#ão de permuta não ten!a nature"a comercialH ou b= o valor &usto do ativo recebido e do ativo cedido não possam ser mensurados com seguran#a. os custos incorridos no uso ou na transfer)ncia ou reinstala#ão de um item não são inclu+dos no seu valor contábil.rio. Ouando o ativo imobili"ado for ad%uirido por meio de permuta por ativo n%o monet. Por outro lado. 0 recon!ecimento dos custos no valor contábil de um item do ativo imobili"ado cessa %uando o item está no local e nas condi#$es operacionais pretendidas pela administra#ão. não se consideram custo de um item do ativo imobili"ado os administrativos e outros custos indiretos. a diferen#a entre o pre#o e%uivalente vista e o total dos pagamentos deve ser recon!ecida como varia#ão patrimonial diminutiva com &uros durante o per+odo do crédito. Portanto. Assim. o ativo ad%uirido é mensurado dessa forma mesmo %ue a entidade não consiga dar bai*a imediata ao ativo cedido. os custos incorridos durante o per+odo em %ue o ativo ainda não está sendo utili"ado ou está sendo operado a uma capacidade inferior sua capacidade total. seu custo é determinado pelo valor contábil do ativo cedido. Se o ativo ad%uirido não for mensurável ao valor &usto. por e*emplo.PodeCse citar alguns e*emplos de custos diretamente atribu+veisJ a= custos de pessoal decorrentes diretamente da constru#ão ou a%uisi#ão de item do ativo imobili"adoH b= custos de prepara#ão do localH c= custos de frete e manuseio 1para recebimento e instala#ão=H e d= !onorários profissionais. Caso não e*istam transa#$es de mercado comparáveis de um ativo. ou combina#ão de ativos monetários e não monetários.

motores de ve+culos e diversos outros tipos de instala#$es e e%uipamentos. a entidade deve mensurar esses itens escol!endo ou o modelo de custo menos a deprecia#ão e redu#ão ao valor recuperável acumuladas ou o modelo de reavalia#ão menos a deprecia#ão e redu#ão ao valor recuperável acumuladas subse%uentes. 02. A deprecia#ão é feita para elementos patrimoniais tang+veis e tem múltiplas causas da redu#ão do valor C o uso. de forma %ue se inicia a partir do momento em %ue o item do ativo se tornar dispon+vel para uso. a a#ão da nature"a e obsolesc)ncia. pode ser estimado tendo como refer)ncia o valor de mercado de terreno com caracter+sticas e topologia semel!antes em uma locali"a#ão semel!ante em %ue !a&a evid)ncias de mercado dispon+veis. edifica#$es não especiali"adas. a entidade pode precisar estimar o valor &usto usando. ficam su&eitos a depreciação.b= as probabilidades de várias estimativas. Caso não !a&a evid)ncias baseadas no mercado para atribui#ão do valor &usto. 0 valor &usto de terrenos e edif+cios é normalmente determinado com base no mercado. 0 custo de reposi#ão depreciado de um item do ativo imobili"ado pode ser estabelecido com refer)ncia ao pre#o de mercado de compra dos componentes usados para produ"ir o ativo ou um +ndice de pre#o para ativos iguais ou semel!antes baseados no pre#o de per+odos passados. o custo de reposi#ão. o valor &usto será prontamente determinável com refer)ncia a pre#os cotados em mercado ativo e l+%uido. pra"o legal ou contratualmente limitado. o custo de reposi#ão depreciado. Por e*emplo. pre#os correntes de mercado podem normalmente ser obtidos para terrenos.0% DEPRECIA#$O4 AMORTI1A#$O E E5A"ST$O Ouando os elementos do ativo imobili"ado tiverem vida útil econ. amorti"a#ão e e*austão t)m como caracter+stica fundamental a redu#ão do valor do bem. o valor &usto do item pode ser estabelecido com refer)ncia a outros itens com caracter+sticas semel!antes. em circunstBncias e locais semel!antes. Caso não !a&a nen!uma evid)ncia dispon+vel para determinar o valor de mercado em um mercado ativo de um item de terrenos e edif+cios. devendo aplicar a pol+tica adotada para toda uma classe de ativos imobili"ados. o custo de restaura#ão ou a abordagem de unidades de servi#o. por e*emplo. a e*austão é reali"ada para elementos de recursos naturais 58 . Por e*emplo. Por fim. A causa %ue influencia a redu#ão do valor é a e*ist)ncia ou e*erc+cio de dura#ão limitada. dentro dessa fai*a. 0s institutos da deprecia#ão. puderem ser ra"oavelmente avaliadas e utili"adas na mensura#ão. A amorti"a#ão é reali"ada para elementos patrimoniais de direitos de propriedades e bens intang+veis.0/. Para diversos ativos.mica limitada. o valor &usto de um terreno desocupado do governo %ue ten!a sido mantido por um per+odo em %ue poucas transforma#$es ten!am ocorrido. amorti-ação ou e6austão sistemática durante esse per+odo. pelo fato da nature"a especiali"ada do item do ativo imobili"ado. ?E Men"u$a6Uo aT/" o $e0on'e0i1ento Ap?s o recon!ecimento inicial do ativo imobili"ado e intang+vel com base neste 'anual.

os gan!os ou perdas decorrentes desta bai*a devem ser recon!ecidos no resultado patrimonial. softVares e os recursos minerais. 02.0/ DI-"'2A#$O @ecomendaCse divulgar. Por ra"$es semel!antes.esgotáveis e a principal causa da redu#ão do valor é a e*plora#ão. se !ouver. e o valor contábil do item. amorti"a#ão e e*austão. respectivamente. A sele#ão do método de deprecia#ão e a estimativa da vida útil dos ativos são %uest$es de &ulgamento. E*emplos de elementos do patrim.nio l+%uidoH V= Perdas por desvalori"a#ão de ativos.nio %ue sofrem a deprecia#ão. a divulga#ão dos métodos adotados e das estimativas das vidas úteis ou das ta*as de deprecia#ão fornece aos usuários das demonstra#$es contábeis informa#ão %ue l!es permite revisar as pol+ticas selecionadas pela administra#ão e facilita compara#$es com outras entidades.micos futuros ou potencial de servi#os com a sua utili"a#ão ou aliena#ão. para cada grupo de ativo imobili"ado recon!ecida nas demonstra#$es contábeisJ 5= 0s critérios de mensura#ão utili"ados para determinar o valor contábil brutoH := 0s métodos de deprecia#ão utili"adosH 9= As vidas úteis ou ta*as de deprecia#ão utili"adasH 7= 0 valor contábil bruto e a deprecia#ão acumulada 1mais as perdas por redu#ão ao valor recuperável acumuladas= no in+cio e no final do per+odoH e 3= A concilia#ão do valor contábil no in+cio e no final do per+odo demonstrandoJ D= Adi#$esH DD= (ai*asH DDD= A%uisi#$es por meio de combina#$es de neg?ciosH DV= Aumentos ou redu#$es decorrentes de reavalia#$es e perda por redu#ão ao valor recuperável de ativos recon!ecida ou revertida diretamente no patrim. recon!ecidas no resultadoH VDD= /eprecia#$es. 02. Por isso.0( AI5A DO -A'OR CONTÁ I' DE "M ITEM DO ATI-O IMO I'I1ADO A bai*a do valor contábil de um item do ativo imobili"ado deve ocorrer por sua aliena#ão ou %uando não !á e*pectativa de benef+cios econ. recon!ecidas no resultadoH VD= @eversão das perdas por desvalori"a#ão de ativos. é necessário divulgarJ BC .0/. Ouando o item é bai*ado. são ve+culos.0/. 0s gan!os ou perdas decorrentes da bai*a de um item do ativo imobili"ado devem ser determinados pela diferen#a entre o valor l+%uido da aliena#ão.

Para ativos imobili"ados. tal divulga#ão pode resultar de mudan#as de estimativas relativas aJ a= Valores residuaisH b= Custos estimados de desmontagem. durante o per+odoH e b= A deprecia#ão acumulada no final do per+odo. %uer se&a recon!ecida no resultado. @ecomendaCse %ue a entidade divulgue a nature"a e o efeito de uma mudan#a de estimativa contábil %ue ten!a impacto no per+odo corrente ou %ue se&a esperada por afetar per+odos subse%Tentes. 60 . 0s usuários das demonstra#$es contábeis também podem entender %ue as informa#$es seguintes são relevantes para as suas necessidadesJ a= 0 valor contábil do ativo imobili"ado %ue este&a temporariamente ociosoH b= 0 valor contábil bruto de %ual%uer ativo imobili"ado totalmente depreciado %ue ainda este&a em opera#ãoH c= 0 valor contábil de ativos imobili"ados retirados de uso ativoH e d= 0 valor &usto do ativo imobili"ado %uando este for materialmente diferente do valor contábil apurado pelo método do custo. %uer como parte do custo de outros ativos. recomendaCse a seguinte divulga#ãoJ a= A data efetiva da reavalia#ãoH b= 0 responsável ou os responsáveis 1no caso de uma e%uipe interna de servidores=H 1a e%uipe responsável pelo controle patrimonial da entidade pode ser competente para efetuar a reavalia#ão=H c= 0s métodos e premissas significativos aplicados estimativa do valor &usto dos itensH d= Se o valor &usto dos itens foi determinado diretamente a partir de pre#os observáveis em mercado ativo ou baseado em transa#$es de mercado recentes reali"adas sem favorecimento entre as partes ou se foi estimado usando outras técnicas de avalia#ão. Caso um grupo do ativo imobili"ado se&a contabili"ado a valores reavaliados.a= A deprecia#ão. remo#ão ou restaura#ão de itens do ativo imobili"adoH c= Vidas úteisH e d= 'étodos de deprecia#ão.

. a mensura#ão ocorre pelo valor &usto do item da data de a%uisi#ão.A entidade %ue implantar os procedimentos pela primeira ve" deve recon!ecer inicialmente o ativo imobili"ado pelo custo ou valor &usto. :. Para itens do ativo imobili"ado %ue foram ad%uiridos gratuitamente ou por um valor simb?lico.

patentes. gás natural e outros recursos nãoCrenováveis similaresH d= Ativo intang+vel ad%uirido em combina#ão de neg?cioH e= Wgio pago por e*pectativa de rentabilidade futura 1-oodRill o! !ndo de comercio> decorrente da combina#ão de neg?cio. gás e dep?sito minerais de indústrias e*trativas ou no caso de contratos de seguros. 02.0! CONCEITO Ativo intang+vel é um ativo não monetário.00. identificável. %ue não deve ser recon!ecidoH f= /ireitos e poderes conferidos pela legisla#ão.02.00 ATI-O INTAN2&-E' 0 ob&etivo deste cap+tulo é estabelecer os tratamentos contábeis para o ativo intang+vel das entidades do setor público. petr?leo.menos tais como gastos com propaganda. marcas. tais como e*plora#ão ou o desenvolvimento e a e*tra#ão de petr?leo.00. 62 . 0s procedimentos descritos também não se aplicam aJ a= Ativos financeirosH b= @econ!ecimento e mensura#ão do direito de e*plora#ão e avalia#ão de ativosH c= -astos com o desenvolvimento e a e*tra#ão de recursos minerais.micos futuros ou servi#os potenciais.nio cultural intang+vel. treinamento. 0s procedimentos não devem ser aplicados para determinadas atividades ou transa#$es %ue são e*tremamente especiali"adas e dão origem a %uest$es contábeis %ue re%uerem tratamento diferenciado. in+cio das opera#$es 1préCoperacionais= e atividades de pes%uisa e desenvolvimento.00. sem substBncia f+sica.02 AP'ICA#$O A entidade deve aplicar os procedimentos deste cap+tulo para ativo intang+vel e ao efetuar análise de fen. constitui#ão ou por meios e%uivalentesH g= Ativos fiscais diferidosH != Custos de a%uisi#ão diferidos e ativos intang+veis resultantes dos direitos contratuais de seguradora segundo contratos de seguroH e i= Patrim. 02. controlado pela entidade e gerador de benef+cios econ. de forma %ue os usuários das demonstra#$es contábeis possam analisar informa#$es consistentes acerca deste item do ativo não circulante.

a não ser %ue este&a protegido por direitos legais.00.micos futuros esperados e servi#o potencial atribu+veis ao ativo serão gerados em favor da entidadeH e .micos futuros ou servi#os potenciais gerados pelo recurso sub&acente e de restringir o acesso de terceiros a esses benef+cios ou servi#os. transferido. ou se&a.micos futuros ou servi#o potencial utili"ando premissas ra"oáveis e comprováveis %ue representem a mel!or estimativa := . independentemente de tais direitos serem transfer+veis ou separáveis da entidade ou de outros direitos e obriga#$es. 0 ágio derivado da e*pectativa de rentabilidade futura 1-oodRill= gerado internamente não deve ser recon!ecido como ativo. a imposi#ão legal de um direito não é uma condi#ão imprescind+vel para o controle.micos futuros ou servi#os potenciais. 02. os intang+veis não dei*am de ser ativos simplesmente por%ue não possuem esta caracter+stica. licenciado. Controlar um ativo significa di"er %ue a entidade detém o poder de obter benef+cios econ. %uandoJ . puder ser separado da entidade e vendido. Nm ativo intang+vel satisfa" o critério de identifica#ão %uandoJ a= . 0 controle da entidade sobre os eventuais benef+cios econ. o gasto incorrido na sua a%uisi#ão ou gera#ão interna dever ser recon!ecido como varia#ão patrimonial diminutiva.micos futuros ou servi#os potenciais gerados pelo pessoal especiali"ado e pelo treinamento é insuficiente para %ue se en%uadrem na defini#ão de ativo intang+vel.o custo ou valor &usto do ativo possa ser mensurado com seguran#a. ativo ou passivo relacionado. individualmente ou &unto com um contrato.for provável %ue os benef+cios econ. Assim.or separável. independente da inten#ão de uso pela entidadeH ou b= @esultar de compromissos obrigat?rios 1incluindo direitos contratuais ou outros direitos legais=. A aus)ncia de direitos legais dificulta a comprova#ão do controle. alugado ou trocado. 0 recon!ecimento de um item como ativo intang+vel e*ige %ue a entidade demonstre %ue ele atendaJ a= A defini#ão de ativo intang+velH e b= 0s critérios de recon!ecimento.micos futuros ou servi#os potenciais de outra forma. >o entanto. visto %ue a entidade pode controlar benef+cios econ.02.0) PROCEDIMENTOS PARA IDENTI?ICAR "M ATI-O INTAN2&-E' Nm ativo en%uadraCse na condi#ão de ativo intang+vel %uando pode ser identificável. RECONAECIMENTO DO ATI-O INTAN2&-E' A substBncia f+sica não é a caracter+stica fundamental de um ativo.00. Caso estas caracter+sticas não se&am atendidas.0. controlado e gerador benef+cios econ. bem como o talento gerencial ou técnico espec+fico. A entidade deve avaliar a probabilidade de gera#ão dos benef+cios econ. ou se&a.

flu+rem a seu favor. 0 custo de ativo intang+vel ad%uirido separadamente incluiJ a= seu pre#o de compra. São e*emplos de custos diretamente atribu+veisJ custos de pessoal incorridos diretamente para %ue o ativo fi%ue em condi#$es operacionais 1de uso ou funcionamento=H !onorários profissionais diretamente relacionados para %ue o ativo fi%ue em condi#$es operacionaisH e custos com testes para verificar se o ativo está funcionando ade%uadamente. ele deve ser tratado como ativo intang+vel. Alguns ativos intang+veis podem estar contidos em elementos %ue possuem substBncia f+sica.micos futuros ou servi#os potenciais esperados. ap?s dedu"idos os descontos comerciais e abatimentosH e b= %ual%uer custo diretamente atribu+vel prepara#ão do ativo para a finalidade proposta. o pre#o %ue a entidade paga para ad%uirir separadamente um ativo intang+vel reflete sua e*pectativa sobre a probabilidade de os benef+cios econ. um softVare de uma má%uinaCferramenta controlada por computador %ue não funciona sem esse softVare espec+fico é parte integrante do referido e%uipamento.micas %ue e*istirão durante a vida útil do ativo. 0 recon!ecimento inicial de um ativo intang+vel pode ocorrer de tr)s formasJ D= A%uisi#ão separadaH DD= -era#ão internaH e DDD= A%uisi#ão por meio de transa#$es sem contrapresta#ão. a entidade avalia %ual elemento é mais significativo. como no caso de softVare ou no de licen#a ou patente. Ouando o softVare não é parte integrante do respectivo !ardVare. devendo ser tratado como ativo imobili"ado. acrescido de impostos de importa#ão e impostos não recuperáveis sobre a compra. São e*emplos de gastos %ue não fa"em parte do custo de ativo intang+velJ 64 gastos incorridos na introdu#ão de novo produto ou servi#o 1incluindo propaganda e atividades promocionais=H gastos da transfer)ncia das atividades para novo local 1incluindo custos de treinamento=H e gastos administrativos e outros indiretos. Por e*emplo. 0 mesmo se aplica ao sistema operacional de um computador.E A%ui"i6Uo "eTa$ada >ormalmente. . .da administra#ão em rela#ão ao con&unto de condi#$es econ. incorporados no ativo. Para saber se um ativo %ue contém elementos intang+veis e tang+veis deve ser tratado como ativo imobili"ado ou como ativo intang+vel.

os gastos incorridos no uso ou na transfer)ncia ou reinstala#ão de ativo intang+vel não são inclu+dos no seu valor contábil. /esenvolvimento é a aplica#ão dos resultados da pes%uisa ou de outros con!ecimentos em um plano ou pro&eto visando produ#ão de materiais. a entidade não está apta a demonstrar a e*ist)ncia de ativo intang+vel %ue gerará prováveis benef+cios econ. os gastos incorridos durante o per+odo em %ue um ativo capa" de operar nas condi#$es operacionais pretendidas pela administra#ão não é utili"ado. A. a entidade deve aplicar os re%uisitos e orienta#$es a seguir. antes do in+cio da sua produ#ão comercial ou do seu uso. tais gastos são recon!ecidos como varia#ão patrimonial diminutiva %uando incorridos. classificar a gera#ão do ativo emJ Fa"e de Pe"%ui"a Ge$ado" Inte$na1ente Fa"e de de"en*o!*i1ento Caso a entidade não consiga diferenciar a fase de pes%uisa da fase de desenvolvimento de pro&eto interno de cria#ão de ativo intang+vel. além de atender s e*ig)ncias gerais de recon!ecimento e mensura#ão inicial de ativo intang+vel. processos. como. Para o recon!ecimento de ativo intang+vel gerado internamente. ?ase de EesF:isa >en!um ativo intang+vel resultante de pes%uisa deve ser recon!ecido. 0s gastos com pes%uisa devem ser recon!ecidos como varia#ão patrimonial diminutiva %uando incorridos.micos futuros ou servi#os potenciais. Portanto. por e*emplo. o gasto com o pro&eto deve ser tratado como incorrido apenas na fase de pes%uisa. /urante a fase de pes%uisa. produtos. dispositivos. sistemas ou servi#os novos ou substancialmente aprimorados. Portanto. ?E Ge$a6Uo Inte$na 0s gastos relativos a pro&eto de pes%uisa ou desenvolvimento em andamento. antes. devendo. São e*emplos de atividades de pes%uisaJ :B .0 recon!ecimento dos custos no valor contábil de ativo intang+vel cessa %uando esse ativo está nas condi#$es operacionais pretendidas pela administra#ão. ad%uiridos em separado e recon!ecidos como ativo intang+vel ou incorridos ap?s a a%uisi#ão desse pro&eto devem ser contabili"ados de acordo com a fase de pes%uisa ou de desenvolvimento. Pes%uisa é a investiga#ão original e plane&ada reali"ada com a e*pectativa de ad%uirir novo con!ecimento e entendimento cient+fico ou técnico.

dispositivos. avalia#ão e sele#ão final das aplica#$es dos resultados de pes%uisa ou outros con!ecimentosH (usca de alternativas para materiais.micos futuros ou servi#os potenciais. dispositivos. a sua utilidadeH e= /isponibilidade de recursos técnicos. avalia#ão e sele#ão final de alternativas poss+veis para materiais. sistemas e servi#os novos ou aperfei#oadosH e Custos relacionados Reb#ite# e desenvolvimento de softVares. desde %ue &á não este&a em escala economicamente viável para produ#ão comercial ou fornecimento de servi#osH e Pro&eto. dispositivos. produtos.ormula#ão.- Atividades destinadas obten#ão de novo con!ecimentoH (usca. financeiros e outros recursos ade%uados para concluir seu desenvolvimento e usar ou vender o ativo intang+velH e f= capacidade de mensurar com seguran#a os gastos atribu+veis ao ativo intang+vel durante seu desenvolvimento.Gimento São e*emplos de atividades de desenvolvimentoJ Pro&eto.orma como o ativo intang+vel deve gerar benef+cios econ. não devem ser recon!ecidos como ativos intang+veis. t+tulos de publica#$es. sistemas ou servi#os novos ou aperfei#oados. direitos sobre fol!a de pagamento e outros itens de nature"a similar. 'arcas. moldes e matri"es %ue envolvam nova tecnologiaH Pro&eto. gerados internamente. processos. Entre outros aspectos. constru#ão e teste da alternativa escol!ida de materiais. . constru#ão e opera#ão de fábricaCpiloto. sistemas ou servi#osH e . constru#ão e teste de prot?tipos e modelos préCprodu#ão ou préCutili"a#ãoH Pro&eto de ferramentas. produtos. Nm ativo intang+vel resultante de desenvolvimento deve ser recon!ecido somente se a entidade puder demonstrar todos os aspectos a seguirJ a= Viabilidade técnica para concluir o ativo intang+vel de forma %ue ele se&a disponibili"ado para uso ou vendaH b= Dnten#ão de concluir o ativo intang+vel e de usáClo ou vend)CloH c= Capacidade para usar ou vender o ativo intang+velH d= . produtos. listas de usuários de um servi#o. caso este se destine ao uso interno. a entidade deve demonstrar a e*ist)ncia de mercado para os produtos do ativo intang+vel ou para o pr?prio ativo intang+vel ou. pro&eto. processos. gabaritos. 66 . processos. ?ase de desenGo.

0s custos incorridos %ue se&am diretamente atribu+dos prepara#ão do ativo para o uso pretendido devem ser acrescidos ao valor de registro inicial. /essa forma.C. 0s gastos subse%uentes de pro&eto de pes%uisa e desenvolvimento em andamento.00. como direito de aterrissagem em aeroporto. um ativo intang+vel deve ser mensurado ao custo. os esto%ues. procedimentos de mensura#ão ap?s o recon!ecimento inicial 1como a deprecia#ão para o caso do ativo imobili"ado=. 02. etc. por e*emplo. =E A%ui"i6Uo To$ 1eio de t$an"a67e" "e1 0ont$aT$e"ta6Uo Nm ativo intang+vel pode ser ad%uirido por meio de transa#$es sem contrapresta#ão. ad%uiridos separadamente e recon!ecidos como ativo intang+vel. adicionados ao valor contábil do pro&eto de pes%uisa ou desenvolvimento em andamento ad%uirido. Dsso pode ocorrer %uando outra entidade do setor público transfere ativos intang+veis a outra entidade em uma transa#ão sem contra presta#ão. menos a eventual amorti"a#ão acumulada e a perda por irrecuperabilidade ou reavalia#ão. 8erado internamente 0 custo de ativo intang+vel gerado internamente %ue se %ualifica para o recon!ecimento contábil se restringe soma dos gastos incorridos a partir da data em %ue o ativo intang+vel atende os critérios de recon!ecimento.0% MENS"RA#$O Nm ativo intang+vel deve ser recon!ecido inicialmente ao custo. Ap?s o seu recon!ecimento inicial. é importante destacar %ue o ?rgão ou entidade inicialmente devem reali"ar a&ustes para %ue o balan#o patrimonial reflita a realidade dos seus elementos patrimoniais. adotandoCse. Como &á descrito anteriormente. %uando aplicável. devem ser recon!ecidos da seguinte formaJ a= -astos de pes%uisa G como varia#ão patrimonial diminutiva %uando incorridosH b= -astos de desenvolvimento %ue não atendem aos critérios de recon!ecimento como ativo intang+vel como varia#ão patrimonial diminutiva %uando incorridosH e c= -astos de desenvolvimento em conformidade com referidos critérios de recon!ecimento. licen#as para opera#ão de esta#$es de rádio ou de televisão. imobili"ados e intang+veis devem ser mensurados inicialmente pelo custo ou valor &usto. >ão é permitida a reintegra#ão de gastos anteriormente recon!ecidos como varia#ão patrimonial diminutiva. 0 ?rgão ou entidade deve recon!ecer os efeitos do recon!ecimento inicial dos :J . C:sto de atiGo intan89Ge. posteriormente.

adotar os procedimentos de mensura#ão descritos nesse cap+tulo. fa"endo a distin#ão entre ativos intang+veis gerados internamente e outros ativos intang+veisJ a= Com vida útil indefinida ou definida e.micos futuros ou servi#os potenciais com a sua utili"a#ão ou aliena#ão. os pra"os de vida útil ou as ta*as de amorti"a#ão utili"adasH b= 0s métodos de amorti"a#ão utili"ados para ativos intang+veis com vida útil definidaH c= 0 valor contábil bruto e eventual amorti"a#ão acumulada 1mais as perdas acumuladas no valor recuperável= no in+cio e no final do per+odoH e d= A concilia#ão do valor contábil no in+cio e no final do per+odo.ativos como a&uste de e*erc+cios anteriores no per+odo em %ue é recon!ecido pela primeira ve" de acordo com as novas normas contábeis para.0/ DI-"'2A#$O @ecomendaCse a entidade divulgar as seguintes informa#$es para cada classe de ativos intang+veis.00. 02.00.0( AI5A 0 ativo intang+vel deve ser bai*adoJ a= Por ocasião de sua aliena#ãoH ou b= Ouando não !á e*pectativa de benef+cios econ. se !ouver. 68 . 0s gan!os ou perdas decorrentes da bai*a de ativo intang+vel devem ser determinados pela diferen#a ente o valor l+%uido da aliena#ão. e o valor contábil do ativo. se definida. A importBncia a receber pela aliena#ão deve ser recon!ecida inicialmente pelo seu valor &usto. 02. ap?s isto.

caso a entidade adote esse método de mensura#ão ap?s o recon!ecimento inicial de uma classe de ativo imobili"ado ou intang+vel. A defini#ão da data de corte. bem como a composi#ão da comissão de servidores responsável pela reali"a#ão dos trabal!os &unto ao setor de patrim.03. Esse primeiro a&uste a valor &usto não se trata de reavalia#ão nem redu#ão a valor recuperável.0! REA-A'IA#$O /iversos fatores podem fa"er com %ue o valor contábil de um ativo não corresponda ao seu valor &usto. Lais reavalia#$es fre%uentes são desnecessárias para itens do ativo %ue não sofrem mudan#as significativas no valor &usto. /eveCse ressaltar a importBncia da defini#ão de uma data de corte.64. Consistem em a&uste de e*erc+cios anteriores. e não deve ser registrado como tal. com base em um cronograma estabelecido pelo ente. 0 registro contábil e as notas e*plicativas referentes a esse procedimento encontramCse no item 6:.00 REA-A'IA#$O4 RED"#$O AO -A'OR REC"PERÁ-E'4 DEPRECIA#$O4 AMORTI1A#$O E E5A"ST$O 0s procedimentos descritos nesse t?pico s? deverão ser reali"ados ap?s a&uste a valor &usto no ativo imobili"ado e intang+vel. A fre%u)ncia com %ue as reavalia#$es são reali"adas depende das mudan#as dos valores &ustos dos itens do ativo %ue serão reavaliados. Ouando o valor &usto de um ativo difere materialmente do seu valor contábil registrado. devendo aplicar a pol+tica adotada para toda uma classe de ativos imobili"ados ou intang+veis. :C .03. sem passar por um a&uste.6<. 02. 0s itens do ativo %ue sofrerem mudan#as significativas no valor &usto necessitam de reavalia#ão anual. Ap?s o recon!ecimento inicial do ativo imobili"ado e intang+vel com base neste 'anual. pode ser necessário reavaliar o item apenas a cada %uatro anos.02. devendo o gestor responsável efetiváClas de acordo com sua realidade. nem a&ustadas as valori"a#$es e desvalori"a#$es ocorridas no valor dos bens. e*igeCse nova reavalia#ão. a entidade deve mensurar as classes %ue o comp$em escol!endo ou o modelo de custo menos a deprecia#ão e redu#ão ao valor recuperável acumuladas ou o modelo de reavalia#ão menos a deprecia#ão e redu#ão ao valor recuperável acumuladas subse%uentes. &á %ue até a presente data não era reali"ada a devida deprecia#ão. Em ve" disso. As empresas estatais dependentes seguem normas espec+ficas %uanto reavalia#ão.nio. Assim. é necessário %ue de tempos em tempos esses bens passem por um processo visando ade%uar o seu valor contábil. é um ato discricionário de cada ente. %ue visa separar os bens %ue serão ob&etos de a&uste em seu valor contábil e os bens %ue poderão ser depreciados diretamente. reali"ado no momento da ado#ão das novas normas contábeis.

é necessário %ue todo o classe. 0utra possibilidade é considerar como valor de reposi#ão o custo de constru#ão de um ativo semel!ante com similar potencial de servi#o. %uando um item do ativo imobili"ado é reavaliado.E@. Caso o valor de reposi#ão ten!a como refer)ncia a compra de um bem. A reavalia#ão pode ser reali"ada através da elabora#ão de um laudo técnico por perito ou entidade especiali"ada. 0 laudo técnico ou relat?rio de avalia#ão conterá ao menos.grupo de contas do ativo imobili"ado %ual pertence esse ativo se&a reavaliado. a deprecia#ão acumulada na data da reavalia#ão deve ser eliminada contra o valor contábil bruto do ativo. 0 valor do a&uste decorrente da atuali"a#ão ou da elimina#ão da deprecia#ão acumulada fa" parte do aumento ou da diminui#ão no valor contábil registrado.-O DO ATI O IMOBI(IZADO A entidade deve observar %ue. São e*emplos de classe de contas individuaisJ a= terrenosH b= edif+cios operacionaisH c= estradasH d= ma%uinárioH e= redes de transmissão de energia elétricaH f= naviosH g= aeronavesH != e%uipamentos militares especiaisH i= ve+culos a motorH &= m?veis e utens+liosH X= e%uipamentos de escrit?rioH l= plataformas de petr?leo. Classe de contas do ativo imobili"ado é um agrupamento de ativos de nature"a e uso semel!antes nas opera#$es da entidade. ou ainda através de relat?rio de avalia#ão reali"ado por uma comissão de servidores. 0s itens da classe de contas do ativo imobili"ado são reavaliados simultaneamente para %ue se&a evitada a reavalia#ão seletiva de ativos e a divulga#ão de montantes nas demonstra#$es contábeis %ue se&am uma combina#ão de valores em datas diferentes. esse bem deverá ter as mesmas caracter+sticas e o mesmo estado f+sico do bem ob&eto da reavalia#ão. E importante salientar %ue se um item do ativo imobili"ado for reavaliado. a estimativa do valor &usto pode ser reali"ada utili"andoCse o valor de reposi#ão do bem devidamente depreciado. >a reavalia#ão de bens im?veis espec+ficos. atuali"andoCse o seu valor l+%uido pelo valor reavaliado.@?E@CE@. as seguintes informa#$esJ a= documenta#ão com a descri#ão detal!ada referente a cada bem %ue este&a sendo avaliadoH b= a identifica#ão contábil do bemH 70 . REA A(IA.

Se um ativo intang+vel for reavaliado. Dsso pode ense&ar aumentos ou diminui#$es de valores contábeis de ativos. um ativo intang+vel pode ser apresentado pelo seu valor reavaliado. cabe ressaltar %ue.-O DO ATI O INTANGI E( Ap?s o seu recon!ecimento inicial. Caso se&a imposs+vel estabelecer o valor de mercado do ativo. atuali"andoCse o valor l+%uido pelo seu valor reavaliado. @?E@CE@.c= %uais foram os critérios utili"ados para avalia#ão do bem e sua respectiva fundamenta#ãoH d= vida útil remanescente do bem. este somente pode ser mensurado pelo custo menos a amorti"a#ão acumulada e a perda por irrecuperabilidade. a amorti"a#ão ou a e*austãoH e= data de avalia#ãoH e f= a identifica#ão do responsável pela reavalia#ão. se !á necessidade de se proceder reavalia#ão de todos os itens da mesma classe. E*emplos de fontes de informa#$es para a avalia#ão do valor de um bem podem ser o valor do metro %uadrado do im?vel em determinada região. ou a tabela .-O DE ATI OS Dnicialmente. @?E@CE@. J. podeCse definiClo com base em parBmetros de refer)ncia %ue considerem bens com caracter+sticas. a amorti"a#ão acumulada na data da reavalia#ão deve ser eliminada contra o valor contábil bruto do ativo. correspondente ao seu valor &usto data da reavalia#ão menos %ual%uer amorti"a#ão acumulada. &á %ue o método tem por principal refer)ncia o valor de mercado.E@? REA A(IA. 0u se&a. circunstBncias e locali"a#$es assemel!adas.DPE no caso dos ve+culos. 0 valor &usto deve ser apurado em rela#ão a um mercado ativo. deveCse avaliar. Caso um ativo intang+vel em uma classe de ativos intang+veis não possa ser reavaliado por%ue não e*iste mercado ativo para ele. . na data das demonstra#$es contábeis. 0 método de reavalia#ão não permiteJ a= a reavalia#ão de ativos intang+veis %ue não ten!am sido previamente recon!ecidos como ativosH b= o recon!ecimento inicial de ativos intang+veis a valores diferentes do custo. uma ve" adotado o método da reavalia#ão. para %ue se&am estabelecidos os critérios de deprecia#ão.E@= REGISTRO CONTÁBI( DA REA A(IA. a mesma não pode ser reali"ada de forma seletiva.

dentro da classe. é poss+vel a cria#ão de uma reserva de reavalia#ão no patrim. poderão.A contabili"a#ão dos aumentos referentes reavalia#ão de ativos vai depender do n+vel de controle %ue cada ente possui sobre seu patrim. Porém. esse aumento deveJ 1a= ser creditado diretamente conta de reserva de reavalia#ão. >ote %ue a e*ecu#ão de um teste de imparidade deve 72 . por outro lado. em %ue !á um controle patrimonial avan#ado. >esse caso. Caso o valor contábil de um ativo imobili"ado ou intang+vel apresente valor acima da %uantia %ue será recuperada através do uso ou da venda desse ativo. o valor contábil de uma classe do ativo diminuir em virtude de reavalia#ão. Se. Porém. essa diminui#ão deve ser recon!ecida no resultado do per+odo. >os casos em %ue o ente recon!eceu o aumento relativo reavalia#ão dos seus ativos diretamente em conta de resultado. 02. não !averá registros posteriores. Em alguns casos.02 RED"#$O AO -A'OR REC"PERÁ-E' A entidade deve avaliar se !á alguma indica#ão de %ue um ativo imobili"ado ou intang+vel possa ter sofrido perda por irrecuperabilidade.03. em outros casos. é poss+vel afirmar %ue esse ativo está em imparidade 1impairment>. >o entanto. recon!ecer os aumentos ou diminui#$es relativos reavalia#ão de seus ativos no resultado patrimonial do per+odo. 0 valor da reserva de reavalia#ão a ser bai*ado é a diferen#a entre a deprecia#ão baseada no valor contábil reavaliado do ativo e a deprecia#ão %ue teria sido recon!ecida com base no custo !ist?rico original do ativo. se !ouver saldo de reserva de reavalia#ão. se o valor contábil de uma classe do ativo aumentar em virtude de reavalia#ão. a diminui#ão do ativo deve ser debitada diretamente reserva de reavalia#ão até o limite de %ual%uer saldo e*istente na reserva de reavalia#ão referente %uela classe de ativo. 1b= Pelo uso. prevista nas normas internacionais de contabilidade do setor público. porém não devem ser contrapostas com ativos de classes diferentes. 0s aumentos ou diminui#$es relativos reavalia#ão de ativos individuais dentro de uma classe do ativo imobili"ado devem ser contrapostas umas com as outras. ou 1b= ser creditado diretamente conta de resultado do per+odo. Assim. em %ue os entes não possuam um sistema de controle patrimonial adaptado para o registro da reserva de reavalia#ão. parte da reserva é transferida en%uanto o ativo é usado pela entidade. o aumento deve ser recon!ecido no resultado do per+odo %uando se tratar da reversão de decréscimo por reavalia#ão do mesmo ativo anteriormente recon!ecido no resultado. 0s entes %ue recon!ecerem a reavalia#ão de seus ativos em conta de reserva no patrim.nio l+%uido. facultativamente.nio l+%uido deverão bai*ar a reserva de reavalia#ãoJ 1a= Pela bai*a ou aliena#ão do ativo.nio.

os ativos devem ser evidenciados nas demonstra#$es contábeis de forma a refletir os flu*os futuros %ue a entidade espera obter em virtude de possuir tal ativo. Assim. portanto. Se o valor recuperável for menor %ue o valor l+%uido contábil. @edu#ão ao valor recuperável pode ser entendida como uma perda dos futuros benef+cios econ. Além disso. reflete um decl+nio na utilidade de um ativo para a entidade %ue o controla. este deverá ser a&ustado. uso. Assim. A maioria dos ativos mantidos por entidades do setor público são ativos nãoCgeradores de cai*a. Caso isso aconte#a. a redu#ão ao valor recuperável é um instrumento utili"ado para ade%uar o valor contábil dos ativos sua real capacidade de retorno econ. @?E@CE@?E@? IDENTIFICA.micos ou do potencial de servi#os de um ativo. devido nature"a especiali"ada desta instala#ão e de sua locali"a#ão. A redu#ão ao valor recuperável não deve ser confundida com a deprecia#ão. ocorrerá uma perda por redu#ão ao valor recuperável do ativo %ue reflete. a#ão da nature"a ou obsolesc)ncia. inicialmente.-O DE PERDA POR IRRECUPERABI(IDADE A entidade deve avaliar se !á %ual%uer indica#ão de %ue um ativo possa ter o seu valor redu"ido ao valor recuperável. uma entidade pode ter uma instala#ão de arma"enamento para fins militares %ue &á não é mais utili"ada.mico.-O A redu#ão ao valor recuperável pode ser aplicada para ativo gerador de cai*a 1a%uele mantido com o ob&etivo principal de gerar retorno comercial=. pois tem pouca ou nen!uma utilidade na contribui#ão para %ue ela atin&a seus ob&etivos. @?E@CE@?E@. direcionadas contabili"a#ão de redu#ão ao valor recuperável desses ativos. Esta é entendida como o decl+nio gradual do potencial de gera#ão de servi#os por ativos de longa dura#ão. deverá estimar o valor da perda por meio de testes de recuperabilidade. é improvável %ue possa ser arrendada ou vendida e. /estarte. Por e*emplo. portanto. 0s ativos J= . bem como a ativo nãoCgerador de cai*a 1a%uele mantido com o ob&etivo principal de prestar servi#os=. além da deprecia#ão. sendo o seu valor em uso provavelmente maior do %ue seu valor &usto menos os custos de aliena#ão. as orienta#$es contidas neste 'anual são. sem possibilidade de reversão desta perda em um futuro pr?*imo. Ouando o valor contábil for superior ao valor recuperável. a perda do potencial de benef+cios de um ativo motivada pelo desgaste. ou se&a. /esta forma.considerar primeiramente a utilidade do ativo. C(ASSIFICA. Pá o impairment é a desvalori"a#ão de um ativo %uando seu valor contábil e*cede seu valor recuperável. um decl+nio na utilidade de um ativo para a entidade %ue o controla. a entidade é incapa" de gerar flu*os de cai*a por meio de arrendamento ou de venda do ativo. pois a maioria dos ativos do setor público é mantida continuamente para fornecer servi#os ou bens públicos. 0 ativo é considerado como tendo sofrido perda por irrecuperabilidade por%ue não é mais capa" de prover entidade com potencial de servi#os. conforme mencionado.

os seguintes fatoresJ FONTES EXTERNAS DE INFORMA.metros. uma escola fec!ada por causa da falta de demanda de servi#os escolares resultante do deslocamento da popula#ão a outras áreas. uma lin!a ferroviária foi fec!ada devido falta de interesse na mesma 1por e*emplo. a entidade deve considerar.766 estudantes C a entidade teria ad%uirido uma instala#ão menor se o número de matriculas tivesse sido previsto para ser de 536 estudantes. uma escola pro&etada para 5. a popula#ão em uma área rural se deslocou substancialmente para a cidade devido aos anos sucessivos de seca e a%uelas %ue permaneceram usam o servi#o de .-O a= Cessa#ão total ou parcial das demandas ou necessidade dos servi#os fornecidos pelo bem.366 estudantes conta atualmente com a matr+cula de 536 estudantes C a escola não pode ser fec!ada por%ue a mais pr?*ima fica a 566 %uil. c= 'udan#as significativas. o valor de mercado desse bem caiu significativamente. Ambiente Lecnol?gicoJ A utilidade do servi#o de um ativo pode ser redu"ida se a tecnologia avan#ou para produ"ir alternativas %ue proporcionam um servi#o mel!or ou mais eficiente. E*emploJ e%uipamento de diagn?stico médico %ue raramente ou nunca é usado por%ue uma má%uina mais nova %ue possui uma tecnologia mais avan#ada fornece resultados mais e*atos.nibus %ue é mais barato=. legal ou de pol+tica de governo no %ual a entidade opera. de longo pra"o. E*emplosJ D. >ão está antecipado o fato de %ue esta tend)ncia demográfica %ue afeta a demanda dos servi#os escolares será revertida no futuro pr?*imoH DD. A entidade determina %ue a demanda diminuiu e o valor de servi#o recuperável da escola deve ser comparado com o seu valor contábilH e DDD. mais do %ue seria esperado pela passagem do tempo ou uso normal. A entidade não prev) o aumento de matr+culas de estudantes. b= Para os casos em %ue !a&a um mercado ativo e o bem não puder mais ser utili"ado. com efeito adverso para a entidade ocorreram ou estão para ocorrer no ambiente tecnol?gico. Assim. 74 . ao avaliar se !á alguma indica#ão de %ue um ativo possa ter sofrido perda por irrecuperabilidade. >o momento do estabelecimento da escola. no m+nimo. o registro de matr+culas era de 5.intang+veis com vida útil indefinida e os ainda não dispon+veis para uso também devem ser testados.

E*emplo disso é um main rame. um edif+cio fec!ado devido a defici)ncias estruturaisH e DDD. e%uipamentos danificados e %ue &á não podem ser consertados por não ser economicamente viável. Por e*emplo. ou %ue devem ocorrer em futuro pr?*imo. ou antes de estar apto para operar. %ue indi%ue %ue o desempen!o dos servi#os de um ativo é ou será pior do %ue o esperado. b= 'udan#as significativas de longo pra"o. ou planos para aliena#ão de um ativo antes da data anteriormente esperada. pouco utili"ado por%ue muitas de suas aplica#$es foram convertidas ou desenvolvidas para opera#ão em servidores ou plataformas para microcomputadorH DD. %ue ocorrem durante o per+odo. E*emplosJ D. E*emploJ uma esta#ão de tratamento de água %ue não pode ser usada por%ue não se encai*a nos novos padr$es ambientais.Ambiente legal ou de pol+tica de governoJ 0 potencial de servi#o de um ativo pode ser redu"ido em conse%u)ncia de uma mudan#a em uma lei ou em um regulamento. um edif+cio danificado por um inc)ndio. Assim. um prédio escolar %ue não está sendo usado para fins educacionaisH e DDD. 0s relat?rios internos podem indicar %ue um ativo não está e*ecutando como esperado. sendo seu custo de ade%ua#ão superior ao valor recuperável. FONTES INTERNAS DE INFORMA.micos futuros. E*emploJ a constru#ão foi desativada devido identifica#ão de uma descoberta ar%uel?gica ou devido a fatores ambientaisH e c= Evid)ncia dispon+vel. proveniente de relat?rio interno. um relat?rio interno da secretaria de saúde sobre opera#$es de uma cl+nica rural pode indicar %ue uma má%uina de raioC* usada pela cl+nica sofreu perda por irrecuperabilidade por%ue o custo de manter a má%uina e*cedeu significativamente a%uele inclu+do no or#amento original.-O a= Evid)ncia de danos f+sicos no ativo. uma decisão de desativar a constru#ão do ativo antes da sua conclusão. com efeito adverso sobre a entidade. o ativo pode ter sofrido perda por irrecuperabilidade. inunda#ão ou outros fatoresH DD. a e*ist)ncia de planos de descontinuidade ou reestrutura#ão da opera#ão a %ual um ativo pertence. um ativo %ue não vai ser terminado não pode proporcionar o servi#o pretendido. E*emplosJ D. JB . na medida ou maneira em %ue um ativo é ou será usado. Essas mudan#as incluem o ativo %ue dei*a de gerar benef+cios econ. se um ativo não está sendo usado da mesma maneira %ue era %uando foi originalmente colocado em opera#ão ou a sua vida útil prevista é mais curta do %ue a originalmente estimada.

E importante destacar %ue a e*ecu#ão de um teste de imparidade não deve considerar como parBmetro único o valor de mercado. impostos. deveCse dedu"ir as despesas de venda. podendo a entidade identificar outros fatores de %ue um ativo pode ter sofrido perda por irrecuperabilidade. podendo ter como contrapartida diretamente o bem ou uma conta retificadora. E*emplos dessas despesas são as despesas legais. essas e*pectativas podem mudar e as avalia#$es reali"adas pela entidade em cada data de apresenta#ão das demonstra#$es contábeis devem refletiClas. a varia#ão patrimonial diminutiva de deprecia#ão. @?E@CE@?E@> RECON#ECIMENTO E MENSURA. /epois do recon!ecimento de uma perda por irrecuperabilidade.-O DE UMA PERDA POR IRRECUPERABI(IDADE A perda por irrecuperabilidade do ativo deve ser recon!ecida no resultado patrimonial. sendo o seu valor em uso provavelmente maior do %ue seu valor &usto menos os custos de aliena#ão. @?E@CE@?E@= MENSURA.Estes fatores não são e*austivos. Para determinar o valor &usto menos os custos de aliena#ão. 0 pre#o de mercado mais ade%uado é normalmente o pre#o atual de cota#ão. e*ceto as %ue &á foram recon!ecidas como passivo. a entidade precisa avaliar as mudan#as no potencial de servi#os sobre o longo pra"o. %uando o valor estimado da perda for maior do %ue o valor contábil do ativo ao %ual se relaciona. A aplica#ão da perda por irrecuperabilidade pode indicar %ue a vida útil remanescente. o pre#o da transa#ão mais recente pode oferecer uma base a partir da %ual se estimam o valor &usto menos os custos de aliena#ão. e*igindo %ue determine o seu valor de servi#o recuperável. e*istindo um con!ecimento amplo e disposi#ão por parte dos envolvidos no neg?cio. Entretanto. Caso o pre#o atual não este&a dispon+vel. 0 valor &usto é o valor pelo %ual o ativo pode ser trocado. mas também o valor em uso do ativo. a entidade pode ter %ue recon!ecer um passivo. Ao avaliar se !ouve ou não uma perda por irrecuperabilidade. amorti"a#ão ou e*austão do ativo deve ser a&ustada em per+odos 76 . despesas de remo#ão do ativo e despesas diretas incrementais para dei*ar o ativo em condi#ão de venda. o método de deprecia#ão 1amorti"a#ão= ou o valor residual do ativo necessitem ser revisados. >o entanto. Dsto enfati"a %ue as mudan#as estão sendo consideradas dentro do conte*to antecipado do uso do ativo no longo pra"o. em uma transa#ão sem favorecimentos. pois a maioria dos ativos do setor público é mantida continuamente para fornecer servi#os ou bens públicos.-O DO A(OR RECUPERÁ E( DO ATI O Valor recuperável é o maior valor entre o valor &usto menos os custos de aliena#ão de um ativo e o seu valor em uso.

RE ERS-O DE UMA PERDA POR IRRECUPERABI(IDADE A entidade deve avaliar na data de encerramento das demonstra#$es contábeis se !á alguma indica#ão. no c= ambiente tecnol?gico.-O8 a= o ressurgimento da demanda ou da necessidade de servi#os fornecidos pelo ativoH b= a ocorr)ncia. em uma base sistemática sobre sua vida útil remanescente. as seguintes informa#$esJ a= documenta#ão com descri#ão detal!ada de cada bem avaliadoH b= a identifica#ão contábil do bemH c= critérios utili"ados para avalia#ão e sua respectiva fundamenta#ãoH d= vida útil remanescente do bemH e= data de avalia#ãoH e f) a identifica#ão do responsável pelo teste de recuperabilidade. Estas mudan#as incluem os custos incorridos durante o per+odo para mel!orar ou aumentar o desempen!o de um ativo ou para reestruturar a opera#ão %ual este ativo está relacionadoH JJ . ou ainda através de relat?rio de avalia#ão reali"ado por uma comissão de servidores.-O8 a= a ocorr)ncia. de mudan#as significativas de longo pra"o. FONTES INTERNAS DE INFORMA. durante o per+odo ou em futuro pr?*imo. A redu#ão ao valor recuperável pode ser reali"ada através da elabora#ão de um laudo técnico por perito ou entidade especiali"ada. menos seu valor residual. FONTES EXTERNAS DE INFORMA. legal ou pol+tico no %ual a entidade opera. com efeito favorável sobre a entidade. de %ue uma perda por irrecuperabilidade recon!ecida em anos anteriores deva ser redu"ida ou eliminada. 0 laudo técnico ou relat?rio de avalia#ão conterá ao menos. de mudan#as significativas de longo pra"o. durante o per+odo ou em futuro pr?*imo. 0 registro será a reversão de uma perda por irrecuperabilidade. com efeito favorável sobre a entidade.futuros para alocar o valor contábil revisado do ativo. na medida %ue o ativo é usado ou previsto de ser usado. se !ouver. com base nas fontes e*ternas e internas de informa#ão.

/epois %ue a reversão da perda por irrecuperabilidade é recon!ecida. uma mudan#a na estimativa dos componentes do valor &usto menos os custos de aliena#ão.-O @ecomendaCse entidade evidenciar as seguintes informa#$es para cada classe de ativosJ a= o valor das perdas por irrecuperabilidade recon!ecidas no resultado durante o per+odoH e b= o valor das revers$es de perdas por irrecuperabilidade recon!ecidas no resultado do per+odo. A entidade deve identificar a mudan#a nas estimativas %ue causou o aumento no valor de servi#o recuperável. e*igindo %ue a entidade determine por estimativa novamente o valor de servi#o recuperável do ativo. em base sistemática sobre sua vida útil remanescente.b= uma decisão para recome#ar a constru#ão do ativo %ue foi previamente interrompida antes da conclusão. desde a data em %ue a entidade recon!eceu a última perda por irrecuperabilidade para este ativo. uma mudan#a na estimativa dos componentes do valor em usoH b= se o valor de servi#o recuperável foi baseado no valor &usto menos os custos de aliena#ão. 78 . ou antes de estar em capacidade de operarH c= e*iste evid)ncia nos relat?rios internos %ue indica %ue o desempen!o do ativo é ou será mel!or do %ue o esperado. Seguem alguns e*emplos de mudan#as nas estimativasJ a= se o valor de servi#o recuperável foi baseado no valor em uso. Estes fatores não são e*austivos. seu valor residual. se&a pelo seu uso ou pela sua venda. A reversão da perda por irrecuperabilidade de um ativo deve ser recon!ecida diretamente no resultado. @?E@CE@?E@B DI U(GA. caso nen!uma perda por irrecuperabilidade tivesse sido recon!ecida em anos anteriores. 0 aumento do valor contábil de um ativo atribu+vel reversão de perda por irrecuperabilidade não deve e*ceder o valor contábil %ue teria sido determinado 1l+%uido de deprecia#ão ou amorti"a#ão=. a varia#ão patrimonial diminutiva de deprecia#ão ou amorti"a#ão para o ativo deve ser a&ustada em per+odos futuros para alocar o valor contábil revisado do ativo menos. se aplicável. podendo a entidade identificar outras indica#$es de uma reversão de uma perda por irrecuperabilidade. A reversão reflete um aumento no valor recuperável estimado para um ativo.

a partir do momento em %ue o item do ativo se tornar dispon+vel para uso. através da deprecia#ão. A manuten#ão ade%uada desses ativos não interfere na aplica#ão da deprecia#ão. Para efetuarCse a deprecia#ão é necessário %ue a base monetária inicial se&a confiável. Assim. ou se&a.A entidade deve evidenciar as seguintes informa#$es para cada perda por irrecuperabilidade ou reversão recon!ecida durante o per+odoJ a= 0s eventos e as circunstBncias %ue levaram ao recon!ecimento ou reversão da perda por irrecuperabilidadeH b= 0 valor da perda por irrecuperabilidade recon!ecida ou revertidaH c= A nature"a do ativoH d= 0 segmento ao %ual o ativo pertenceH e= Se o valor recuperável do ativo é seu valor &usto menos os custos de aliena#ão ou seu valor em usoH f= Se o valor recuperável for determinado pelo valor &usto menos os custos de aliena#ão 1o valor foi determinado por refer)ncia a um mercado ativo=H g) Se o valor recuperável for determinado pelo valor em uso. atendendo o princ+pio da compet)ncia. 02.03. A JC . %uando está no local e em condi#ão de funcionamento na forma pretendida pela administra#ão. Em fun#ão desses fatores. a varia#ão patrimonial diminutiva de deprecia#ão pode ser "ero en%uanto não !ouver produ#ão.0) DEPRECIA#$O A deprecia#ão é o decl+nio do potencial de gera#ão de servi#os por ativos de longa dura#ão. o valor registrado deve espel!ar o valor &usto. Por outro lado. se o método de deprecia#ão for o de unidades produ"idas. fa"Cse necessária a devida apropria#ão do consumo desses ativos ao resultado do per+odo. é importante verificar %ue o recon!ecimento da deprecia#ão encontraCse vinculado identifica#ão das circunstBncias %ue determinem o seu registro. ocasionada pelos seguintes fatoresJ a= /eteriora#ão f+sicaH b= /esgastes com usoH e c= 0bsolesc)ncia. 0s ativos imobili"ados estão su&eitos deprecia#ão no decorrer da sua vida útil. de forma %ue esse valor se&a recon!ecido no resultado do ente através de uma varia#ão patrimonial diminutiva. A apura#ão da deprecia#ão deve ser feita mensalmente. ou se&a.

um ve+culo.deprecia#ão cessa %uando o ativo é bai*ado. acompan!ada de uma análise técnica %ue defina o seu tempo de vida útil restante. de acordo com as caracter+sticas particulares da utili"a#ão desses bens pelo ente. por e*emplo. Lodos os fatores considerados para a determina#ão do tempo de vida útil do bem devem estar documentados. Assim. pelo uso ou nãoH b= gera#ão de benef+cios futurosH c= limites legais e contratuais sobre o uso ou a e*plora#ão do ativoH e d= obsolesc)ncia tecnol?gica. d= A pol+tica de gestão de ativos da entidade. Por e*emplo. >esse momento. bem como as normas ou laudos técnicos.mica do item do ativo é definida conforme alguns fatoresJ a= desgaste f+sico. deveCse verificarJ a= 0 tempo pelo %ual o ativo manterá a sua capacidade para gerar benef+cios futuros para o ente. b= 0s aspectos técnicos referentes ao desgaste f+sico e a obsolesc)ncia do bem. indicando os parBmetros e +ndices %ue ten!am sido utili"ados. ou na falta deste. igual a "ero. Ao reali"ar a estimativa do tempo de vida útil de um determinado ativo.micos futuros ou potencial de servi#os incorporados no ativo. seu valor contábil será igual ao seu valor residual. fa"endo com %ue a vida útil de um ativo possa ser menor do %ue a sua vida econ. A vida útil é definida em termos da utilidade esperada do ativo para a entidade. 80 . Assim.mica. alguns itens do ativo não deverão ser depreciados. as tabelas de deprecia#ão contendo o tempo de vida útil e os valores residuais a serem aplicadas pelos entes deverão ser estabelecidas pelo pr?prio. não cessa %uando o ativo se torna ocioso ou é retirado de uso. ao considerar a aliena#ão de ativos ap?s um per+odo determinado ou ap?s o consumo de uma propor#ão espec+fica de benef+cios econ. A estimativa da vida útil econ. Entretanto. A deprecia#ão cessará %uando do término do seu per+odo de vida útil. c= 0 tempo de vida útil de um bem %ue possui a sua utili"a#ão ou e*plora#ão limitada temporalmente por lei e contrato não pode ser superior a esse pra"o. o bem somente poderá ser depreciado se !ouver uma reavalia#ão. A estimativa da vida útil do ativo deve ser feita com base na e*peri)ncia da entidade com ativos semel!antes. A partir desse momento. a utili"a#ão ininterrupta do bem pode abreviar a sua vida útil. poderá ser depreciado em per+odo menor ou maior. devido s caracter+sticas do uso desse bem. Como e*emplos de bens %ue não se encontram su&eitos deprecia#ão t)mCse os terrenos e os bens de nature"a cultural. Em fun#ão de suas caracter+sticas.

sendo poss+vel %ue determinados bens se&am depreciados a ta*as diferentes. como as pedreiras e os locais usados como aterro. também deprecia separadamente o remanescente do item. o ve+culo ainda pode ter condi#$es de ser utili"ado. podeCse iniciar um novo per+odo de deprecia#ão.micos futuros ou potenciais de servi#os incorporados no ativo são absorvidos para a produ#ão de outros ativos. devendo também essa particularidade ser evidenciada em notas e*plicativas. portanto. Se a entidade possui e*pectativas diferentes para essas partes. A varia#ão patrimonial diminutiva de deprecia#ão de cada per+odo deve ser recon!ecida no resultado patrimonial em contrapartida a uma conta retificadora do ativo. Y medida %ue a entidade deprecia separadamente alguns componentes de um item do ativo imobili"ado. devendo ser inclu+da no seu valor contábil. devendo ser feita uma reavalia#ão do bem. 0s edif+cios t)m vida útil limitada e por isso são ativos depreciáveis.Ao final do per+odo de vida útil. os terrenos t)m vida útil ilimitada e. Entretanto. transportar servidores para um determinado lugar= pode não ter a mesma vida útil da%uele utili"ado pela ronda policial. Por e*emplo. técnicas de apro*ima#ão podem ser necessárias para depreciar o remanescente de forma %ue represente fidedignamente o padrão de consumo e. Esse remanescente consiste em componentes de um item %ue não são individualmente significativos. baseado em dados técnicos. não são depreciados. a deprecia#ão de ativos imobili"ados usados para atividades de desenvolvimento pode ser inclu+da no custo de um ativo intang+vel. A entidade aloca o valor inicialmente recon!ecido de um item do ativo imobili"ado aos componentes significativos desse item e os deprecia separadamente. Nm componente significativo de um item do ativo imobili"ado pode ter a vida útil e o método de deprecia#ão %ue se&am os mesmos %ue a vida útil e o método de deprecia#ão de outro componente significativo do mesmo item. Esses componentes podem ser agrupados no cálculo da deprecia#ão. os benef+cios econ. atribuindo a ele um novo valor. o %ue ocasiona vida útil diferenciada. se&am pr?prios ou su&eitos a um arrendamento financeiro. 0 aumento de valor de um terreno no %ual um edif+cio este&a constru+do não afeta a determina#ão do montante depreciável do edif+cio. N. por ve"es. Por e*emplo.ou a vida útil desses componentes. Com algumas e*ce#$es. a entidade deve utili"ar o pra"o de vida útil e as ta*as anuais de deprecia#ão conforme as peculiaridades de sua gestão. >ão é necessário %ue o ente possua uma tabela única de deprecia#ão. pois a %uilometragem entre os dois ve+culos será muito diferente. /eve ser depreciado separadamente cada componente de um item do ativo imobili"ado com custo significativo em rela#ão ao custo total do item. em fun#ão de suas caracter+sticas. /essa forma. >esses casos. A partir da+. . Lerrenos e edif+cios são ativos separáveis e são contabili"ados separadamente. a deprecia#ão fa" parte do custo de outro ativo. Por e*emplo. um ve+culo utili"ado %ue se destina apenas a servi#os burocráticos 1levar correspond)ncias. pode ser apropriado depreciar separadamente a estrutura de uma aeronave e os motores da aeronave. caso o valor residual não reflita o valor &usto. mesmo %uando se&am ad%uiridos con&untamente.

Amortização e Exaustão Reflexos Patrimoniais Impacto no Resultado Decréscimo patrimonial Conta redutora de ativo no Balanço Patrimonial Efeitos na /emonstra#ão das Varia#$es PatrimoniaisJ Demonstração das Variações Patrimoniais Variação Patrimonial Aumentativa Variação Patrimonial Diminutiva Decréscimo Patrimonial Depreciação Resultado Patrimonial Efeitos no (alan#o PatrimonialJ Balanço Patrimonial Ativo Ativo Imobilizado (Depreciação acumulada) Patrimônio Líquido Passivo 82 .0bservaCse os seguinte efeitos nas demonstra#$esJ Depreciação.

00 0 método da soma dos d+gitos resulta em uma ta*a decrescente durante a vida útil. sendo determinado ap?s a dedu#ão de seu valor residual.000.66H foi determinado o valor residual de @U <66. CASO PRÁTICO Nma entidade pretende reali"ar a deprecia#ão de um bem utili"ando o método das cotas constantes. o da soma dos d+gitos e o de unidades produ"idas. >a prática.000.00 1.200.00 1.00 1. Esse é o método mais ade%uado para itens do imobili"ado tais como ve+culos. @?E@CE@=E@? M3TODOS DE DEPRECIA.00 400.00 Depreciação Acumulada R$ 400.<66.micos futuros ou potencial de servi#os do ativo devem ser consumidos pela entidade. Vários métodos de deprecia#ão podem ser utili"ados para alocar de forma sistemática o valor depreciável de um ativo ao longo da sua vida útil. 0 valor bruto contábil é @U :.00 1.00 Valor Líquido Contábil R$ 2. 0 método das cotas constantes utili"aCse de ta*a de deprecia#ão constante durante a vida útil do ativo. assim. A tabela abai*o demonstra os cálculosJ ANO 1 2 3 4 5 Depreciação R$ 400. Por %uest$es didáticas a deprecia#ão será calculada anualmente.-O 0 método de deprecia#ão deve refletir o padrão em %ue os benef+cios econ. 0 valor bruto contábil é @U :.<66. CASO PRÁTICO Nma entidade pretende reali"ar a deprecia#ão de um bem utili"ando o método da soma dos d+gitos.00 2. observaCse %ue o valor residual de um ativo é usualmente insignificante e imaterial na determina#ão do valor depreciável. a ta*a de deprecia#ão ao ano é de :6Z.66. >ão é e*igido %ue todos os bens se&am avaliados pelo mesmo método.200.66H foi determinado o valor residual de @U <66.00 600. A vida útil do bem é de cinco anos.66 e N= .400.00 400. /entre os métodos.00 400. conforme a pol+tica da entidade. A(OR DEPRECIÁ E( E PERIODO DE DEPRECIA.666.@?E@CE@=E@.600. caso o seu valor residual não se altere.66 e valor depreciável de @U :.00 1.-O 0 valor depreciável de um ativo deve ser alocado de forma sistemática ao longo da sua vida útil estimada.00 Valor residual = 600.800.00 800.00 400. destacaCse o da lin!a reta 1ou cotas constantes=.

67 1/15*2000.666 unidades.00 = 666.00 200.200.666.00 1. A tabela abai*o demonstra os cálculosJ ANO 1 2 3 4 5 Depreciação R$ 5/15*2000.66 e valor depreciável de @U :.200.400.400.000.00 1. assim.00 600.00 800.000. a deprecia#ão será calculada anualmente.00 1. a ta*a de deprecia#ão ao ano é de :6Z.000.00 84 .00 2.800.00 733.00 Valor residual = 600. a deprecia#ão será calculada anualmente.33 Depreciação Acumulada R$ 666.00 200.00 1.00 1.00 400.00 1.67 2.00 1.00 1.00 Valor residual = 600.33 3/15*2000.00 1.00 2.00 800.00 Valor Líquido Contábil R$ 2.00 200.00 = 266.400.866.600.00 = 533.67 1. 0 valor bruto contábil é @U :.33 1.666. CASO PRÁTICO Nma entidade pretende reali"ar a deprecia#ão de um bem utili"ando o método das unidades produ"idas.00 1.200.66H foi determinado o valor residual de @U <66.66.00 200.<66.000.00 1.00 200. sendo 366 unidades ao ano.00 200.00 2.00 Valor Líquido Contábil R$ 1933.200. a ta*a de deprecia#ão ao ano é de 56Z.00 1.000. conforme a pol+tica da entidade.33 600.00 200. assim.00 0 método das unidades produ"idas resulta em uma ta*a baseada no uso ou produ#ão esperados. A tabela abai*o demonstra os cálculosJ ANO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Depreciação R$ 200.67 4/15*2000.600.00 200.00 Depreciação Acumulada R$ 200.800. conforme a pol+tica da entidade.000.600.66. A vida útil do bem é de cinco anos.00 2/15*2000.400.00 = 400. Por %uest$es didáticas.valor depreciável de @U :.00 1. A vida útil do bem é determinada pela capacidade de produ#ão. Por %uest$es didáticas. A vida útil do bem é determinada pela capacidade de produ#ão %ue é igual a 3.00 = 133.00 600.00 200.

@?E@CE@=E@= ASPECTOS PRÁTICOS DA DEPRECIA. >esse caso. come#ará a depreciar os bens &á usados. poderia ser definido como fra#ão m+nima de deprecia#ão o per+odo de 56 dias. será depreciado em uma fun#ão de :<. um bem dispon+vel no dia 3. >esse caso. ap?s a&ustar seu patrim.96 da ta*a de deprecia#ão mensal. Embora o lan#amento contábil possa ser reali"ado pelo valor total da classe dos bens depreciados ao %ual a%uele item se refere. Lambém é poss+vel %ue se&a definida uma fra#ão do m)s para servir como refer)ncia. somente a parcela correspondente a constru#ão deve ser depreciada. podem também ser usadas nos casos em %ue o ente. Com rela#ão aos bens %ue entrem em condi#$es de uso no decorrer do m)s.nio a valor &usto. em virtude da possibilidade de !aver bens similares com ta*as de deprecia#ão diferentes e bens totalmente depreciados. não !avendo para os bens da entidade. b= A ta*a de deprecia#ão do m)s pode ser a&ustada proCrata em rela#ão a %uantidade de dias corridos a partir da data %ue o bem se tornou dispon+vel para uso.96 da ta*a de deprecia#ão mensal. nas letras 1a=. o controle patrimonial deverá ocorrer separadamente. para os bens usados e para os bens ad%uiridos na condi#ão de novos. Caso o bem a ser depreciado &á ten!a sido usado anteriormente sua posse pela Administra#ão Pública. ou produ"idos. podeCse estabelecer como novo pra"o de vida útil para o bemJ a= 'etade do tempo de vida útil dessa classe de bensH b= @esultado de uma avalia#ão técnica %ue defina o tempo de vida útil pelo %ual o bem ainda poderá gerar benef+cios para o enteH e c= @estante do tempo de vida útil do bem. &á %ue possuirão vida útil diferenciadas. Lambém deveCse verificar %ue. NB . o mesmo bem. As op#$es apresentadas acima. e*istem duas alternativas para a reali"a#ão da deprecia#ão desse m)sJ a= A deprecia#ão iniciaCse no m)s seguinte coloca#ão do bem em condi#$es de uso. levando em considera#ão a primeira instala#ão desse bem. constru+dos. não se depreciando o terreno. seria depreciado em uma fun#ão de :6. item a item. >esse caso. 1b= e 1c=. Como e*emplo desse segundo caso. no caso dos im?veis.-O A deprecia#ão deverá ser reali"ada mensalmente em %uotas %ue representam um duodécimo da ta*a de deprecia#ão anual do bem. deprecia#ão em fra#ão menor %ue um m)s. é importante notar %ue o cálculo do valor a depreciar deve ser identificado individualmente.

não e*iste um limite previs+vel para o per+odo durante o %ual o ativo deverá gerar flu*os de cai*a l+%uidos positivos. A vida útil de um ativo intang+vel deve levar em considera#ão apenas a manuten#ão futura e*igida para mant)Clo no n+vel de desempen!o avaliado no momento da estimativa da sua vida útil e capacidade de inten#ão da entidade para atingir tal n+vel. com base na análise de todos os fatores relevantes.-O DA IDA )TI( A entidade deve classificar a vida útil do ativo intang+vel em definida e indefinida.03. De5inida ida Zti! Inde5inida Se a vida útil for definida. comercial ou de outro tipoH d= a estabilidade do setor em %ue o ativo opera e as mudan#as na demanda de mercado para produtos ou servi#os gerados pelo ativoH e= o n+vel dos gastos de manuten#ão re%uerido para obter os benef+cios econ. a entidade deve avaliar também a dura#ão e o volume de produ#ão ou outros fatores semel!antes %ue formam essa vida útil. FATORES PARA DETERMINA. utili"ados de maneira semel!anteH c= obsolesc)ncia técnica. 0 termo FindefinidaK não significa FinfinitaK. ou fornecer servi#os para a entidade. A entidade deve atribuir vida útil indefinida a um ativo intang+vel %uando. tais como datas de vencimento dos arrendamentos.loca#$es relacionadosH e g= se a vida útil do ativo depende da vida útil de outros ativos da entidade. tecnol?gica.micos futuros ou servi#os potenciais do ativo e a capacidade de inten#ão da entidade para atingir tal n+velH f= o per+odo de controle sobre o ativo e os limites legais ou contratuais para a sua utili"a#ão.-O DA IDA )TI( A entidade deve considerar os seguintes fatores na determina#ão da vida útil de um ativo intang+velJ a= a utili"a#ão prevista de um ativo pela entidade e se o ativo pode ser gerenciado eficientemente por outra e%uipe da administra#ãoH b= os ciclos de vida t+picos dos produtos do ativo e as informa#$es públicas sobre estimativas de vida útil de ativos semel!antes. AMORTI1A#$O DETERMINA.0. 0s softVares e outros ativos 86 .02.

é provável %ue sua vida útil se&a curta. de %ue os acordos obrigat?rios 1direitos contratuais ou outros direitos legais= serão renovados.micos futuros ou servi#os. dentre outros.micos. pol+ticos. o %ue ocorrer primeiro. %uando comparado aos benef+cios econ. 0s fatores econ. indica %ue a entidade está apta a renovar os acordos obrigat?rios 1direitos contratuais ou outros direitos legais= sem custo significativoJ a= e*istem evid)ncias. %uando estiver totalmente amorti"ado ou na data em %ue ele é bai*ado. NJ . Se a renova#ão depender de autori"a#ão de terceiros. possivelmente com base na e*peri)ncia. 0s fatores a seguir. sociais e legais influenciando a vida útil de ativo intang+vel. a vida útil do ativo intang+vel s? deve incluir o pra"o de renova#ão se e*istirem evid)ncias %ue suportem a renova#ão pela entidade sem custo significativo. Para tanto.micos futuros ou servi#os potenciais %ue se esperam fluir para a entidade a partir dessa renova#ão. podendo ser menor dependendo do per+odo durante o %ual a entidade espera utili"ar o ativo.-O DE ATI O INTANGI E( 9COM IDA )TI( DEFINIDA< A amorti"a#ão de ativos intang+veis com vida útil definida deve ser iniciada a partir do momento em %ue o ativo estiver dispon+vel para uso. em ess)ncia. o custo de Frenova#ãoK deve representar.micos futuros ou servi#os potenciais esperados. Caso esse custo se&a significativo. A vida útil a ser considerada deve ser o menor dos per+odos determinados por esses fatores. contra uma conta retificadora do ativo. en%uanto os fatores legais podem restringir o per+odo durante o %ual a entidade controla o acesso a esses benef+cios ou servi#os. a entidade deve considerar o !ist?rico de altera#$es tecnol?gicas.intang+veis estão su&eitos obsolesc)ncia tecnol?gica. Caso os acordos obrigat?rios se&am outorgados por um pra"o limitado renovável. AMORTIZA. o custo de a%uisi#ão de um novo ativo intang+vel na data da renova#ão. pol+ticos e sociais determinam o per+odo durante o %ual a entidade receberá benef+cios econ. A vida útil de um ativo intang+vel resultante de acordos obrigat?rios 1direitos contratuais ou outros direitos legais= não deve e*ceder a vig)ncia desses direitos.micos. A amorti"a#ão para cada per+odo deve ser recon!ecida no resultado. A amorti"a#ão deve cessar na data em %ue o ativo é classificado como mantido para venda. Podem e*istir fatores econ. Assim. devem ser inclu+das evid)ncias de %ue essa autori"a#ão será concedidaH b= e*istem evid)ncias de %ue %uais%uer condi#$es necessárias para obter a renova#ão serão cumpridasH e c= o custo de renova#ão para a entidade não é significativo se comparado aos benef+cios econ.

88 .micos futuros ou servi#os potenciais incorporados no ativo são absorvidos para a produ#ão de outros ativos. o valor residual possa ser determinado em rela#ão a esse mercadoH e ii. >o entanto. o método de amorti"a#ão deve ser alterado para refletir essa mudan#a. a amorti"a#ão fa" parte do custo de outro ativo.-O 0 método de amorti"a#ão deve refletir o padrão em %ue os benef+cios econ.micos futuros ou servi#os potenciais. >esses casos. Lais mudan#as devem ser consideradas como mudan#as nas estimativas.M3TODOS DE AMORTIZA. deve ser utili"ado o método linear. o pra"o de amorti"a#ão deve ser devidamente alterado. Por e*emplo. Se não for poss+vel determinar. destacaCse o da lin!a reta 1ou cotas constantes=. Nm valor residual diferente de "ero implica %ue a entidade espera a aliena#ão do ativo intang+vel antes do final de sua vida econ. RE IS-O DO PERIODO E DO M3TODO 0 per+odo e o método de amorti"a#ão de ativo intang+vel com vida útil definida devem ser revisados pelo menos ao final de cada e*erc+cio. A amorti"a#ão deve normalmente ser recon!ecida no resultado. /entre os métodos. a amorti"a#ão de ativos intang+veis utili"ados em processo de produ#ão fa" parte do valor contábil dos esto%ues. devendo ser inclu+da no seu valor contábil. com seguran#a.-O DO A(OR RESIDUA( /eveCse presumir %ue o valor residual de ativo intang+vel com vida útil definida é "ero. Vários métodos de amorti"a#ão podem ser utili"ados para alocar de forma sistemática o valor amorti"ável de um ativo ao longo da sua vida útil.mica. 0 valor amorti"ável de ativo com vida útil definida é determinado ap?s a dedu#ão de seu valor residual. por ve"es os benef+cios econ. Caso a vida útil prevista do ativo se&a diferente de estimativas anteriores. e*ceto %uandoJ a= !a&a compromisso de terceiro para comprar o ativo ao final da sua vida útilH ou b= e*ista mercado ativo para ele eJ i.micos futuros ou potencial de servi#os do ativo são esperados a serem consumidos pela entidade. o da soma dos d+gitos e o de unidades produ"idas. Se !ouver altera#ão no padrão de consumo previsto dos benef+cios econ.micos futuros ou servi#os potenciais atrelados ao ativo. se&a provável %ue esse mercado continuará a e*istir ao final da vida útil do ativo. o padrão de consumo previsto pela entidade dos benef+cios econ. DETERMINA.

02. uma floresta mantida com fins de comerciali"a#ão de madeira.666 toneladas.666. ou a%ueles ainda não dispon+veis para o uso. NC . 366.66 [ 26.666 t [ 2Z E*austão [ 2Z de 5. Caso contrário.aproveitamento do ativo em %uestão. 0 cálculo da e*austão da &a"ida nesse per+odo seráJ 76.aproveitamento reali"ado em cada per+odo devem estar bem documentadas.666. comparando o valor recuperável com o seu valor contábil sempre %ue e*istam ind+cios de %ue ativo intang+vel pode ter perdido valor. /essa forma.666.666. Para esse fim. a e*austão permitirá ao ente %ue o custo do ativo se&a distribu+do durante o per+odo de e*tra#ão. pois a e*austão se dará proporcionalmente %uantidade produ"ida pelo ativo. bem como os relativos a e*tra#ão.03. de forma a embasar ade%uadamente o registro contábil. registrada contabilmente pelo ente em 5.ATI O INTANGI E( COM IDA )TI( INDEFINIDA 0 ativo intang+vel com vida útil indefinida não deve ser amorti"ado.666 toneladas. ao invés da deprecia#ão. Lais bens são a%ueles e*plorados através da e*tra#ão ou aproveitamento mineral ou florestal.666. no caso abai*oJ a= &a"ida com capacidade de produ#ão de 366. é necessário %ue !a&a uma análise técnica da capacidade de e*tra#ão. A entidade deve testar a perda de valor dos ativos intang+veis com vida útil indefinida. Por e*emplo. por e*emplo.666 t . b= e*tra#ão reali"ada no m)s de 76. a mudan#a na avalia#ão de vida útil de indefinida para definida deve ser contabili"ada como mudan#a de estimativa contábil. RE IS-O DA IDA )TI( A vida útil de um ativo intang+vel %ue não é amorti"ado deve ser revisada periodicamente para determinar se eventos e circunstBncias continuam a consubstanciar a avalia#ão de vida útil indefinida.aproveitamento.aproveitamento.0% E5A"ST$O /eterminados bens encontrados no ativo imobili"ado estarão su&eitos e*austão.66 Lodas as opera#$es reali"adas referentes a capacidade de e*tra#ão.66.

/essa forma.02.0( ES<"EMA DE IMP'EMENTA#$O DA A-A'IA#$O E DEPRECIA#$O DE ENS P+ 'ICOS A Administra#ão Pública. de uma forma geral. amorti"a#ão e e*austão pelo ente.amorti"a#ão. segue um es%uema para a introdu#ão das práticas de avalia#ão e deprecia#ão. não tem aplicado os critérios de recon!ecimento e mensura#ão dos ativos imobili"ado e intang+vel conforme descrito neste 'anual. a introdu#ão de uma data de corte fa"Cse necessária para identificar o in+cio da ado#ão dos procedimentos de deprecia#ão. 90 .e*austão. Assim.03.

.C.

or resid:a. é apresentado o seguinte modeloJ DESCRI#$O=<"ANTIDADE DO ITEMI Data em F:e o item Loi disEonibi.or .9F:ido contábi. 92 . do mPs >LRaSbScT dTe@ Data de aF:isiJKo -a.iaJK o no mPs >b@ \Para fins de cálculo da deprecia#ão. A t+tulo de sugestão.9F:ido inicia.02.or rec:EeráGe.or contábi. do mPs >a@ C:sto s:bseF:ent e adiciona. amorti"a#ão ou e*austão. as reavalia#$es. no mPs DeEreciaJKo 4 amortiMaJKo o: eNa:stKo no mPs -a. deprecia#ão. no mPs >c@ >d@ >e@ AQ:ste a Ga. amorti"a#ão ou e*austão. para apurar o valor l+%uido contábil. ReaGa.0/ RE'ATHRIO MENSA' DE ENS >RM @ 0 relat?rio mensal de bens 1@'(= deverá levar em considera#ão. reavalia#ão ou a&uste a valor recuperável. a&ustes a valor recuperável. deve ser considerada a data em %ue o bem estiver dispon+vel para o uso ou a data a partir da %ual ocorreu seu último a&uste. Lina. . %ue ocasionou a ado#ão de um novo per+odo de deprecia#ão.03.or de entrada -a. amorti"a#ão e e*austão.iMado Eara :so o: do in9cio do noGo Eer9odo de deEreciaJKo4 amortiMaJKo o: eNa:stKoO -a.

%ue não ten!am valor de venda.amorti"a#ão.PASSOSI 18 4 @eali"ar uma verifica#ão no inventário 1imobili"ado e intang+vel= da entidade no setor de patrim.e*austão no ente 1data de corte=. a amorti"a#ão e a e*austão acumuladas no in+cio e no fim do per+odoH 1c= as mudan#as nas estimativas em rela#ão a valores residuais.= deverão ser bai*ados como perda diretamente em conta de resultado 1VP/=. ser implantados os procedimentos de deprecia#ão.5&. 38 4 Se o ativo foi ad%uirido antes do ano da implanta#ão da deprecia#ão. o teste de impairment. Para estes bens.amorti"a#ão.nio da entidade acima ou abai*o do valor &usto 1VP= G se o ativo estiver registrado abai*o do valor &usto.nio do enteJ >E 7 135P&5. >E 9 1A9:S05 35 5. etc. 0s bens %ue não este&am sendo utili"ados. considerando as condi#$es operacionais de cada ?rgão e entidade. deveCse reali"ar um a&uste a maior.Í. C= . inutili"ado.!<S A=05&!<&5S= G 1a= data de corte adotada pelo enteH 1b= per+odo inicial e final em %ue a comissão reali"ou o estudo para o cálculo do a&usteH 1c= montante total do impacto diminutivo causado no patrim. em virtude de serem inserv+veis 1obsoleto. analisar se o valor contábil 1VC= do bem está registrado no patrim.amorti"a#ão. a vida útil econ. método e ta*a utili"ados. caso o valor contábil do bem divir&a de maneira relevante do valor &usto. para cada classe de imobili"ado.nio do ente de acordo com a respectiva desvalori"a#ão estimadaH 1d= se foi ou não utili"ado avaliador independente.!<S A=05&!<&5S= C 1a= data de corte adotada pelo enteH 1b= per+odo inicial e final em %ue a comissão reali"ou o estudo para o cálculo do a&usteH 1c= montante total do impacto aumentativo causado no patrim.Í. amorti"a#ão e e*austão. em nota e*plicativaJ 1a= o método utili"ado. ele &á deve ser depreciado sem %ue se&a necessário reali"ar uma avalia#ão de seu valor &usto. os procedimentos de avalia#ão e deprecia#ão. para ap?s isto. 28 4 Analisar a data de a%uisi#ão do bem G se foi ad%uirido no ano de in+cio da implanta#ão da deprecia#ão.e*austão podem ser feito por etapas. %uebrado.!A>?<= C As demonstra#$es contábeis devem divulgar.J o a&uste de e*erc+cios anteriores.mica e a ta*a utili"adaH 1b= o valor contábil bruto e a deprecia#ão. a reavalia#ão de ativos e a deprecia#ão. Caso contrário 1valor contábil acima do valor &usto= o bem deve sofrer a&uste a menor. Para per+odos ap?s a reali"a#ão dos a&ustes no patrim.e*austão devem ser seguidos de notas e*plicativas 1>E=.amorti"a#ão.e*austão no ente. e para %ual ativo 1e= base de mercado usada por classe de ativo. de modo a separar as perdas.nio do ente de acordo com a respectiva valori"a#ão estimadaH 1d= se foi ou não utili"ado avaliador independente. o seu valor deverá ser a&ustado. <"ADRO DE NOTAS E5P'ICATI-ASI InLormaJUes a serem eGidenciadas >E 5 1P5&3A= G 1a= os eventos e as circunstBncias %ue levaram ao recon!ecimento da inservibilidade do bemH >E : 1A9:S05 35 5.nio. e para %ual ativo 1e= base de mercado usada por classe de ativo. Assim.mica. 0(S. vida útil econ.5&.

a1s= ta*a 1s= de desconto usada1s= na estimativa atual e na estimativa anteriorH 1f= para um ativo individual. a base usada para determinar o valor l+%uido de venda 1por e*emploJ se o valor foi determinado por refer)ncia a um mercado ativo=H 1e= se o valor recuperável for o valor em uso. o valor contábil %ue teria sido recon!ecido se os ativos tivessem sido contabili"ados de acordo com o método de custoH 94 . a nature"a do ativoH >E < 1&5A*AL!A>?<= G 1a= a data efetiva da reavalia#ãoH 1b= se foi ou não utili"ado avaliador independenteH 1c= os métodos e premissas significativos aplicados estimativa do valor &usto dos itensH 1d= se o valor &usto dos itens foi determinado diretamente a partir de pre#os observáveis em mercado ativo ou baseado em transa#$es de mercado reali"adas sem favorecimento entre as partes ou se foi estimado usando outras técnicas de avalia#ãoH 1e= para cada classe de ativo imobili"ado reavaliado.>E 3 1!%PA!&%5=0= G 1a= os eventos e as circunstBncias %ue levaram ao recon!ecimento ou reversão da perda por desvalori"a#ãoH 1b= o valor da perda por desvalori"a#ão recon!ecida ou revertidaH 1c= se o valor recuperável é seu valor l+%uido de venda ou seu valor em usoH 1d= se o valor recuperável for o valor l+%uido de venda 1valor de venda menos despesas diretas e incrementais necessárias venda=.

!á diferen#a entre provis$es e passivos contingentes.02. pois a%uelas. e %ue se espera %ue resulte em uma sa+da de flu*o de recursos relacionados a benef+cios econ. Assim.0! CONCEITOS Provis@es são obriga#$es e*istentes da entidade provenientes de eventos passados. por seu turno. 0s passivos contingentes. cumulativamente.00 PRO-IS. devem está vinculados ao conceito de passivo. CB . podem serJ a= Nma obriga#ão poss+vel %ue resulta de eventos passados e cu&a e*ist)ncia será confirmada apenas pela ocorr)ncia ou não de um ou mais eventos futuros incertos não totalmente sob controle da entidadeH ou b= Nma obriga#ão presente %ue resulta de eventos passados. o ob&etivo deste cap+tulo é de definir provis$es.ES4 PASSI-OS CONTIN2ENTES E ATI-OS CONTIN2ENTES As provis$es.!0.!0. com a caracter+stica de terem algum grau de incerte"a %uanto a valor e data prevista de pagamento. 02. mensuradas e evidenciadas. aos seguintes re%uisitosJ a= A entidade tem uma obriga#ão legal ou não formali"ada presente como conse%T)ncia de um evento passadoH b= E provável a sa+da de recursos para li%uidar a obriga#ãoH e c= Pode ser feita estimativa confiável do montante da obriga#ão. devem ser tratados como passivos contingentes. identificando as circunstBncias cu&as provis$es devem ser recon!ecidas. Nma provisão s? deve ser recon!ecida se atender. passivos contingentes e ativos contingentes são as obriga#$es indefinidas e incertas. Ativo contingente é um ativo poss+vel %ue resulta de eventos passados e cu&a e*ist)ncia será confirmada apenas pela ocorr)ncia ou não de um ou mais eventos futuros incertos %ue não estão totalmente sob controle da entidade. para o seu recon!ecimento. Caso não atendam aos critérios necessários para o seu recon!ecimento. mas %ue não é recon!ecida por%ueJ 5= >ão é provável %ue uma sa+da de recursos %ue incorporam benef+cios econ. passivos contingentes e ativos contingentes. as %uais t)m suporte documental %ue dei*am incerte"as %uanto a valor e data prevista de pagamento. Assim.micos ou potencial de servi#os.micos ou potencial de servi#os se&a e*igida para li%uidar a obriga#ãoH ou := 0 valor da obriga#ão não pode ser mensurado com suficiente confiabilidade.

incluindo %uantias devidas aos empregados como.02. Por outro ladoJ a= Contas a pagar são passivos a pagar por conta de bens ou servi#os fornecidos ou recebidos e %ue ten!am sido faturados ou formalmente acordados com o fornecedorH e b= Apropria#$es por compet)ncia são passivos a pagar por mercadorias ou servi#os recebidos ou fornecidos. Assim.ES E PASSI-OS CONTIN2ENTES Em sentido geral. RECONAECIMENTO @?E. PRO ISOES Nma provisão deve ser recon!ecida %uandoJ a= Nma entidade tem uma obriga#ão presente 1legal ou não formali"ada= como resultado de evento passadoH b= Se&a provável %ue será necessária uma sa+da de recursos %ue incorporam benef+cios econ. 02.!0. embora algumas ve"es se&a necessário estimar o valor. >esses casos.02 DI?ERENCIA#$O ENTRE PRO-IS.0.!0. Adicionalmente. faturados ou acordados formalmente com o fornecedor. mas %ue não foram pagos. o termo passivo contingente é usado para passivos %ue não satisfa#am os critérios de recon!ecimento. é mais provável %ue e*iste uma obriga#ão presente na data do balan#o.ES E O"TROS PASSI-OS As provis$es podem ser diferenciadas de outros passivos como contas a pagar e passivos derivados de apropria#$es por compet)ncia por%ue e*iste uma incerte"a sobre a periodicidade ou %uantia dos futuros disp)ndios e*igida na li%uida#ão. se essas condi#$es não forem satisfeitas. %uantias relativas ao pagamento acumulado de férias. 96 . .@E@>E@. utili"amos o termo FcontingenteK para passivos ou ativos %ue não se&am recon!ecidos por%ue a sua e*ist)ncia somente será confirmada pela ocorr)ncia ou não de um ou mais eventos futuros incertos %ue não estão completamente dentro do controle da entidade.!0. Porém.E O&$iga6Uo P$e"ente Algumas ve"es não é claro se e*iste ou não uma obriga#ão presente. presumeCse %ue um evento passado dá origem a uma obriga#ão presente se. nen!uma provisão deve ser recon!ecida. por e*emplo. levando em conta toda evid)ncia dispon+vel. 02.0) RE'A#$O ENTRE PRO-IS. todas as provis$es são contingentes por%ue são incertas %uanto ao seu pra"o ou valor.micos ou potencial de servi#os para li%uidar a obriga#ãoH e c= Possa ser feita uma estimativa confiável do valor da obriga#ão.

São e*emplos de tais obriga#$es as penalidades provenientes de danos ambientais impostos entidade pela legisla#ão. @?E. a entidade divulga o passivo contingente. uma provisão é recon!ecida nas demonstra#$es contábeis do CJ .>a maioria dos casos será claro se um evento passado deu origem a uma obriga#ão presente. Esse é o caso somenteJ D= Ouando a li%uida#ão da obriga#ão pode ser imposta legalmenteH ou DD= >o caso de uma obriga#ão não formali"ada. Com base em tal evid)nciaJ a= Ouando for mais provável %ue a obriga#ão e*ista na data reportada. a entidade recon!ece a provisão 1se encai*ar no critério de recon!ecimento=H b= Ouando é provável %ue a obriga#ão não e*ista na data do balan#o. %uando o evento 1%ue pode ser uma a#ão da entidade= cria e*pectativas válidas em terceiros de %ue a entidade cumprirá a obriga#ão. é necessário %ue a entidade não ten!a %ual%uer alternativa realista senão li%uidar a obriga#ão criada pelo evento. a opinião de peritos.E? E*ento Pa""ado Para ser considerado um evento %ue cria obriga#ão. A evid)ncia considerada inclui %ual%uer evid)ncia adicional proporcionada por eventos ap?s a data do balan#o 1eventos subse%Tentes=. Lal obriga#ão levaria a uma sa+da de recursos independentemente das a#$es futuras da%uela entidade. Somente as obriga#$es %ue surgem de eventos passados e %ue e*istem independentemente das a#$es futuras da entidade são recon!ecidas como provis$es. inclu+da. pode ser contestado se certos eventos ocorreram ou se estes eventos resultaram em uma obriga#ão presente. em uma a#ão &udicial. 0s únicos passivos recon!ecidos no balan#o da entidade são os %ue &á e*istem na data do balan#o. Assim. As demonstra#$es contábeis tratam da posi#ão patrimonial da entidade no final do per+odo de apresenta#ão dos relat?rios financeiros e não com sua poss+vel posi#ão no futuro. Se for provável %ue a sa+da de recursos com benef+cios econ. Passivos contingentes podem se desenvolver de maneira não esperada.micos ou potencial de servi#os se tornou ou não provável. por e*emplo. >esse caso. a menos %ue a possibilidade de uma sa+da de recursos com benef+cios econ. a entidade determina se uma obriga#ão presente e*iste na data do balan#o ao considerar toda a evid)ncia dispon+vel. por e*emplo. Assim.micos ou potencial de servi#os for remota.micos ou potencial de servi#os é necessária para um item previamente tratado como um passivo contingente. são avaliados continuadamente para determinar se uma sa+da de recursos com benef+cios econ. . Em outros casos.@E@>E@? PASSI OS CONTINGENTES A entidade não deve recon!ecer um passivo contingente. nen!uma provisão é recon!ecida para custos %ue incorrerão no futuro.

0% MENS"RA#$O . uma entidade do setor público pode ter infringido uma lei ambiental sem estar claro se algum dano foi causado ao ambiente.@E@>E@= ATI OS CONTINGENTES A entidade não deve recon!ecer um ativo contingente. sem recon!ecimento no balan#o patrimonial.per+odo no %ual a altera#ão na probabilidade ocorre 1e*ceto em raras circunstBncias %uando uma estimativa precisa não pode ser feita=. >este momento. Ativos contingentes geralmente surgem de eventos não plane&ados ou não esperados %ue não este&am totalmente sob controle da entidade e %ue dão origem possibilidade de um ingresso de recursos sob a forma de benef+cios econ. Ouando for claro %ue o dano foi causado e a repara#ão é necessária. As estimativas do resultado e do efeito financeiro são determinadas pela administra#ão da entidade. As evid)ncias consideradas devem incluir toda evid)ncia adicional fornecida por eventos ap?s a data do balan#o. :6 por cento terá pe%uenos 98 . complementada pela e*peri)ncia de transa#$es similares e.micos futuros fluirão para a entidade. >o entanto. Se grandes defeitos foram detectados. uma ve" %ue pode resultar no recon!ecimento do gan!o %ue pode não c!egar a ser reali"ado. 0 e%uipamento é fornecido com garantia onde os centros médicos e !ospitais são cobertos por custos de reparos de %uais%uer defeitos %ue se tornam aparentes dentro dos primeiros seis meses ap?s a compra. os custos de reparo seriam de @U 5 mil!ão. para o pr?*imo ano. em alguns casos. As e*peri)ncias do laborat?rio e futuras e*pectativas indicam %ue. %uando a reali"a#ão do gan!o é praticamente certa. ativos contingentes não são recon!ecidos. tal fato é tratado como passivo contingente. Nm e*emplo é uma reivindica#ão %ue uma entidade busca através de processos legais onde o resultado é incerto ou a gera#ão interna de ativo intang+vel sem comprova#ão de %ue benef+cios econ. Se pe%uenos defeitos são detectados em todos os e%uipamentos. relat?rios de peritos independentes. Assim. Por e*emploJ Nm laborat?rio médico do governo fornece #canner# de ultraCsom para centros médicos e !ospitais de propriedade pública e privada através de uma base de recupera#ão total de custos. 02. então o respectivo ativo não é contingente e seu recon!ecimento é apropriado. A mel!or estimativa dos disp)ndios necessários para li%uidar a obriga#ão presente é o valor %ue uma entidade pagaria para li%uidar a obriga#ão na data do balan#o ou para transferiCla a um terceiro nesse momento.E Me!'o$ e"ti1ati*a 0 valor recon!ecido como provisão deve ser a mel!or estimativa dos disp)ndios necessários para li%uidar a obriga#ão presente na data da apresenta#ão das demonstra#$es contábeis. @?E.micos é agora provável. os custos de reparo seriam de @U 7 mil!$es. A3 por cento do e%uipamento não será defeituoso. a entidade recon!ece uma provisão por%ue a sa+da de benef+cios econ. Por e*emplo.!0.micos ou potencial presta#ão de servi#os entidade.

AAA 1:6Z de @U 5 mil!ão= ] 2AA. 0s eventos futuros podem ser particularmente importantes para a mensura#ão das provis$es. o valor da provisão deve ser o valor presente dos desembolsos %ue se espera %ue se&am e*igidos para li%uidar a obriga#ão. certas obriga#$es podem conter +ndices ligados para compensar efeitos da infla#ão ou outras altera#$es espec+ficas de pre#o.AAA 13Z de @U 7 mil!$es= [ @U BAA. 0 valor esperado do custo de reparos é deJ A. Por e*emplo. >o entanto. Assim. A ta*a de desconto deve ser a ta*a antes dos impostos %ue reflita as atuais avalia#$es de mercado %uanto ao valor do din!eiro no tempo e os riscos espec+ficos para o passivo. A variedade de circunstBncias %ue surgem nas práticas torna imposs+vel especificar um evento único %ue CC . o laborat?rio avalia a probabilidade de uma sa+da de flu*os para as obriga#$es de garantia como um todo. 0s efeitos de uma nova legisla#ão %ue podem afetar a %uantia de uma obriga#ão e*istente de um governo ou de uma entidade pública são levados em considera#ão ao se mensurar a%uela obriga#ão %uando evid)ncia ob&etiva suficiente de %ue a promulga#ão da lei é praticamente certa. >a e*ist)ncia de evid)ncia suficiente de prováveis ta*as de infla#ão.defeitos e 3Z terá grandes defeitos. a%uele resultado não é deliberadamente tratado como sendo mais provável do %ue a situa#ão real+stica do caso. se os custos pro&etados de certo resultado adverso forem estimados com prud)ncia. isto deve ser refletido na %uantia da provisão. /eveCse evitar a&ustes duplos de riscos e incerte"as com conse%uente superavalia#ão da provisão. E necessário ter cuidado ao reali"ar &ulgamentos em condi#ão de incerte"a para %ue ativos não se&am superestimados e passivos não são subestimados.AAA ?E Ri"0o" e In0e$te4a" 0s riscos e incerte"as %ue inevitavelmente e*istem em torno de muitos eventos e circunstBncias devem ser levadas em considera#ão para se alcan#ar a mel!or estimativa da provisão. a incerte"a não &ustifica a cria#ão de provis$es e*cessivas ou uma superavalia#ão deliberada de passivos. >E E*ento" Futu$o" 0s eventos futuros %ue possam afetar o valor necessário para li%uidar a obriga#ão devem ser refletidos no valor da provisão %uando !ouver evid)ncia ob&etiva suficiente de %ue eles ocorrerão. 0 risco descreve a variabilidade de resultado.AA 1A3Z de "ero= ] 2AA. Por e*emplo. A ta*a de desconto não deve refletir os riscos relativamente aos %uais as estimativas de flu*os de cai*a futuros ten!am sido a&ustadas. Nm a&uste de risco pode aumentar o valor pelo %ual o passivo é mensurado. =E a!o$ P$e"ente Ouando o efeito do valor do din!eiro no tempo é material.

micos ou potencial de servi#os é necessária para li%uidar a obriga#ão. 02. Em muitos casos. a entidade permanece responsável por todo o valor em %uestão. o valor contábil da provisão aumenta a cada per+odo para refletir a passagem do tempo. de modo %ue a entidade teria %ue li%uidar o valor total se o terceiro não pagar por %ual%uer ra"ão. cláusulas indeni"adoras ou garantias de fornecedor=. o reembolso deve ser recon!ecido %uando. 0 reembolso deve ser tratado como um ativo separado. A outra parte pode reembolsar valores pagos pela entidade ou pagar as %uantias diretamente.proporciona evid)ncia ob&etiva e suficiente em todo caso. 0 valor recon!ecido para o reembolso não deve e*ceder o valor da provisão. Ouando se espera %ue alguns ou todos os desembolsos necessários para li%uidar uma provisão são reembolsáveis por outra parte. uma provisão é recon!ecida pelo valor total da responsabilidade e um ativo separado para o reembolso previsto é recon!ecido %uando é absolutamente certo %ue o reembolso será recebido se a entidade li%uidar a obriga#ão. Se &á não for mais provável %ue uma sa+da de recursos com benef+cios econ. a varia#ão patrimonial diminutiva relativa provisão pode ser apresentada l+%uida do valor recon!ecido de reembolso. porém.!0. Assim. for praticamente certo %ue será recebido se a entidade li%uidar a obriga#ão. 100 . a provisão deve ser revertida. somente as varia#$es patrimoniais diminutivas relativas provisão são a&ustadas contra a mesma. Esse aumento deve ser recon!ecido como varia#ão patrimonial diminutiva financeira. :E A!te$a67e" na" P$o*i"7e" As provis$es devem ser reavaliadas em cada data do balan#o e devem ser a&ustadas para refletir a mel!or estimativa corrente. Além disso. >a demonstra#ão das varia#$es patrimoniais. Evid)ncia é necessária de %ual legisla#ão será usada e se será ou não promulgada e implementada no devido curso. @econ!ecer uma varia#ão patrimonial diminutiva contra uma provisão %ue foi originalmente recon!ecida para outra finalidade esconderia o impacto de dois eventos diferentes. >essa situa#ão. a entidade pode esperar %ue outra parte pague parte ou todo do disp)ndio necessário para li%uidar uma provisão 1por e*emplo. e somente %uando. BE Ree1&o!"o" Algumas ve"es.0( "TI'I1A#$O Nma provisão deve ser usada somente para as varia#$es patrimoniais diminutivas das %uais a provisão foi recon!ecida originalmente. não e*iste evid)ncia ob&etiva suficiente até %ue a nova legisla#ão se&a promulgada. Ouando for utili"ado o desconto a valor presente. na maioria dos casos. através de contratos de seguro.

a entidade deve divulgarJ a= 0 valor contábil no in+cio e no final do per+odoH b= Provis$es complementares feitas no per+odo.!0. . uma breve descri#ão da nature"a do passivo contingente e. incluindo aumentos nas provis$es e*istentesH c= Valores utili"ados 1isto é. para cada classe de passivo contingente na data do balan#o.@. obtidas e cobradas contra a provisão= durante o per+odoH e d= Valores não utili"ados durante o per+odo.0/ DI-"'2A#$O Para cada classe de provisão.02. @ecomendaCse a entidade divulgar as seguintes informa#$es para cada classe de provis$esJ a= Nma breve descri#ão da nature"a da obriga#ão e o cronograma previsto de %ual%uer sa+da resultante de benef+cios econ. onde praticávelJ a= Nma estimativa de seu efeito financeiroH b= Nma indica#ão das incerte"as em rela#ão %uantia ou periodicidade da sa+daH e c= A possibilidade de algum reembolso. a entidade deve divulgar. A menos %ue a possibilidade de %ual%uer sa+da para a li%uida#ão for remota. .micos ou potencial de servi#osH b= Nma indica#ão das incerte"as sobre o valor ou o cronograma dessas sa+dasH e c= A %uantia de algum reembolso esperado. indicando a %uantia de %ual%uer ativo %ue ten!a sido recon!ecido por conta desse reembolso esperado.

mas provavelmente não ir'. não D prov'vel de serviços D certa. . provisão D 5videnciação da provisão D necess'ria.ene"ícios econômicos "uturos ou potencial de serviços na liquidação de a) uma o. não D ?E Ati*o" Contingente" Cuando.ene"ícios A entrada de . Evidencia#$es são Evidencia#$es são necessárias.-O A finalidade da sumari"a#ão é situar o leitor com rela#ão s principais e*ig)ncias deste 'anual no %ue se refere a provis$es. e6ista um possível ativo cu+a e6ist#ncia ser' con"irmada somente pela ocorr#ncia ou não de um ou v'rios eventos "uturos incertos que não são totalmente controlados pela entidade.ri$ação ou uma o.ri$ação presenteH ou . E' uma o. E' uma possível o. A entrada de . A evidenciação necess'ria.ri$ação presente que provavelmente e6i$e uma saída de recursos.ri$ação presente cu+a pro. 102 . Há uma possível o.a.ri$ação cu+a e6ist#ncia se+a con"irmada somente pela ocorr#ncia ou não ocorr#ncia de um ou v'rios eventos "uturos incertos que não são totalmente controlados pela entidade.) uma possível o.ene"ícios A entrada de econômico ou potencial econômicos ou o . deve ser recon!ecido. =enFuma reconFecida. 0 ativo não é >en!um ativo é >en!um ativo é contingente. passivos e ativos contingentes. possa e6istir uma saída de recursos incorporando . A Provisão D reconFecida. 5videnciaç@es do passivo contin$ente são necess'rias.SUMARIZA. recon!ecido. e6i$ir uma saída de recursos. recon!ecido. em conseqG#ncia de eventos passados. =enFuma provisão D reconFecida.ilidade de saída de recursos D remota. em consequ#ncia de eventos passados.ene"ícios econômicos de serviços D prov'vel.E P$o*i"7e" e Pa""i*o" Contingente" Cuando. necessárias. acontecer.ri$ação ou uma o.ri$ação presente que possa. potencial de serviços ou o potencial de mas não D certa. portanto.

. 0 reembolso é evidenciado &unto %uantia recon!ecida do mesmo.ri$ação da quantia prevista a ser permanece com a entidade e D reem.olso não D certo se a entidade rece.@= . 0 reembolso é recon!ecido como ativo espec+fico no balan#o patrimonial e pode ser 0 reembolso previsto não é recon!ecido compensado contra a varia#ão como um ativo.olsada permanece com a entidade certo que o reem.=E Ree1&o!"o Cuando se espera que o todo ou parte do desem.ri$ação pela quantia prevista a ser reem. A %uantia recon!ecida do reembolso previsto não pode e*ceder o passivo. A o.ido se a entidade liquidar a liquidar a provisão.olso e6i$ido para se liquidar uma provisão se+a reem.olsada pela outra parte.olso ser' e o reem. patrimonial diminutiva.olsada A o. 0 reembolso previsto é evidenciado. provisão.

é mais provável do %ue uma obriga#ão presente não e*ista na data do balan#o. >estes casos. Início Não Obrigação presente como resultado de um evento de obrigação Possível obrigação Não "im "im Não Provável saída? Remota? "im "im Não Não raro! Estimativa confiável? "im Provisionar Evidenciar o passivo contingente Nada a fazer 104 .0bserve %ue.ÁR ORE DE DECIS-O A finalidade da árvore de decisão é resumir as e*ig)ncias principais de recon!ecimento das normas para provis$es e passivos contingentes. levando em considera#ão toda a evid)ncia dispon+vel. um evento passado é responsável pela origem de uma obriga#ão presente se. não é clara a e*ist)ncia de uma obriga#ão atual. em alguns casos.

blica o! a!t.A Ddentificando a importBncia da informa#ão de custos para o processo de tomada de decisão e a mel!oria do processo de avalia#ão da gestão pública. A obten#ão de informa#$es %ue subsidiem o processo de tomada de decisão pelos gestores é uma preocupa#ão tanto das empresas %uanto das institui#$es públicas. 36 determinou a implementa#ão do sistema de custos como ferramenta de acompan!amento e avalia#ãoJ .00 SISTEMA DE C"STOS A mel!oria do processo de acco!ntabilitS pelo setor público leva necessariamente ao avan#o das ferramentas disposi#ão dos gestores dos recursos públicos.0! ASPECTOS 'E2AIS DO SISTEMA DE C"STOS A necessidade de informa#ão de custos é e*plicitada pela Iei n8 7. contribuindo para otimi"ar as a#$es do Estado. As pes%uisas no mundo relacionadas gestão de custos aplicada ao setor público ainda são incipientes %uando comparadas a outras lin!as. “Art.:666 1I@.= no parágrafo 98 do art.!!.54<A determina %ueJ “Art. sendo obtida por meio da aplica#ão de modelo comum na obten#ão da informa#ão. como os de abastecimento e esgoto. Assim.!!.9:6. Em todo o mundo. 7<. o /ecretoCIei n8 :66. a Iei Complementar n8 565. <<. o lucro é a principal medida de desempen!o.r(!ica" manter%o contabilidade e#pecial para determina$%o do# c!#to#" in-re##o# e re#!ltado#" #em prej!í)o da e#crit!ra$%o patrimonial e inanceiro com!m. en%uanto nas institui#$es públicas é o custo.A >esta mesma lin!a de racioc+nio voltada mel!oria do processo de tomada de decisão no setor público. ao materiali"ar o processo de acco!ntabilitS. mel!ora a transpar)ncia. ao mesmo tempo em %ue a mel!ora o processo de tomada de decisão.02.@B .54<7 resultante da mudan#a no processo de financiamento de alguns servi#os. ap!rar o# c!#to# do# #er&i$o# de orma a e&idenciar o# re#!ltado# da -e#t%o. >as empresas. O# #er&i$o# p. A busca de efici)ncia nos gastos do setor público deve ser direcionada para aumentar a capacidade de gerenciar os recursos disposi#ão das entidades do setor público.blico# ind!#triai#" ainda (!e n%o or-ani)ado# como empre#a p. A caracter+stica mais relevante da informa#ão de custos é comparabilidade. A contabilidade de&er. A informa#ão de custos no setor público. o tema tem despertado cada ve" mais o interesse dos pes%uisadores na maioria dos pa+ses. 02. au*iliando o processo de tomada de decisão. pois possibilita %ue o con&unto da sociedade entenda com maior clare"a a utili"a#ão dos recursos públicos. o setor público vem tendo um papel preponderante na estabilidade econ. necessitando %ue fosse con!ecido o valor do custo. sendo ator relevante na condu#ão de pol+ticas públicas %ue influenciam a economia.mica. %ue dei*avam de ser cobertos pelos tributos e migravam para ser financiados por um valor pago pelo usuário.

8..rio. #i#tema de c!#to# (!e permita a a&alia$%o e o acompanhamento da -e#t%o or$ament.ria" inanceira e patrimonial. o di#po#to no GBº do art.. contabilidade e controle interno do -overno ..blico incl!em o# -o&erno# nacionai#" o# -o&erno# re-ionai# 5por e'emplo" e#tad!al" territorial>" -o&erno# locai# 5por e'emplo" m!nicípio#> e entidade# (!e o# comp?em 5por e'emplo" departamento#" a-*ncia#" con#elho#" comi##?e#>" #al&o indica$%o em contr.> G Bº A# di#po#i$?e# de#ta Mei Complementar obri-am a Pni%o" o# E#tado#" o Di#trito 6ederal e o# 0!nicípio#.> F 4 o# c!#to# do# pro-rama# e da# !nidade# da Admini#tra$%o P. 78.!!.blica manter.edera#ão Dnternacional dos ContadoresCD. or#amento. 4º A lei de diretri)e# or$ament. G =º Na# re er*ncia#H I 4 2 Pni%o" ao# E#tado#" ao Di#trito 6ederal e ao# 0!nicípio#" e#t%o compreendido#H a> o Poder E'ec!ti&o" o Poder Me-i#lati&o" ne#te abran-ido# o# Trib!nai# de Conta#" o Poder T!dici. define o seguinte Bmbito de aplica#ãoJ “Art.02 AM IENTE DA IN?ORMA#$O DE C"STOS A I@. %ue organi"a e disciplina os sistemas de plane&amento.blicoJ b> a# re#pecti&a# admini#tra$?e# direta#" !ndo#" a!tar(!ia#" !nda$?e# e empre#a# e#tatai# dependente#J II 4 a E#tado# entende4#e con#iderado o Di#trito 6ederalJ III 4 a Trib!nai# de Conta# e#t%o incl!ído#H Trib!nal de Conta# da Pni%o" Trib!nal de Conta# do E#tado e" (!ando ho!&er" Trib!nal de Conta# do# 0!nicípio# e Trib!nal de Conta# do 0!nicípio.526.ria# atender. .A Por sua ve".. institui#ão responsável pelas normas internacionais de contabilidade aplicadas ao setor públicoCDPSAS define setor público da seguinte formaJ “Entidade# do #etor p. determina %ue o sistema de contabilidade deve evidenciar a informa#ão de custos dos programas e das unidades da Administra#ãoJ “Art. O Li#tema de Contabilidade 6ederal tem por inalidade re-i#trar o# ato# e ato# relacionado# com a admini#tra$%o or$ament.A 106 . também atribui Iei de /iretri"es 0r#amentárias 1I/0=..D8 da Con#tit!i$%o eH I 4 di#por.ederal. a fun#ão de dispor sobre o controle de custos e avalia#ão dos resultados dos programas financiados pelo or#amentoJ “Art. administra#ão.ria" inanceira e patrimonial da Pni%o e e&idenciarH 5.AC. a .:665. .. no inciso D do art. ao estabelecer as normas de finan#as públicas voltadas para a responsabilidade fiscal.A A I@.. .“G=º A Admini#tra$%o P.blica 6ederalJA 02. tamb3m #obreH .A A Iei n8 56.rio e o 0ini#t3rio P.º 5. e> norma# relati&a# ao controle de c!#to# e 2 a&alia$%o do# re#!ltado# do# pro-rama# inanciado# com rec!r#o# do# or$amento#.

55J “. podendo ser mensurada por meio de a&ustes nas informa#$es or#amentárias.55 trata do sistema de custos no setor público. Conforme a legisla#ão define. respeitando as caracter+sticas peculiares relacionadas universalidade na presta#ão do servi#o e obrigatoriedade do fornecimento.:=. a informa#ão de custos deve subsidiar os gestores tendo como ob&eto de custo os programas e as unidades da Administra#ão. 0 item 5: define especificamente o subsistema de custos da seguinte formaJ “L!b#i#tema de C!#to# I coleta" proce##a e ap!ra" por meio de #i#tema pr+prio" o# c!#to# da -e#t%o de política# p.0) CARACTER&STICAS DA IN?ORMA#$O DE C"STOS A >orma (rasileira de Contabilidade Aplicada ao Setor Público n8 5<.02.B.nio e sistemas contábeis.. propondo %ue a informa#ão de custos deve ser gerada por sistema informati"ado pro&etado especificamente para tal fim.A A >(C L 5<. é obrigat?ria sua apura#ão com base no regime de compet)ncia. A defini#ão correta destes elementos é condi#ão primordial para a gera#ão de informa#ão de custos comparável e de %ualidade. independentemente de contrapartidas.. . 'odelo de mensura#ão e 'étodo de custeio. apresenta os subsistemas de informa#$es contábeis para as entidades públicas.!!. O# atrib!to# da in orma$%o de c!#to# #%oH 5. A comparabilidade é condi#ão essencial para subsidio do processo de tomada de decisão pelos gestores e acompan!amento da informa#ão de custos pelos ?rgãos de controle..> 5-> comparabilidade I entende4#e a (!alidade (!e a in orma$%o de&e ter de re-i#trar a# opera$?e# e acontecimento# de orma con#i#tente e !ni orme" a im de con#e-!ir comparabilidade entre a# di#tinta# in#tit!i$?e# com caracterí#tica# #imilare#. ^ Sistema de custeioJ modelo de mensura#ão das informa#$es de custosH ^ 'étodo de custeioJ método de apropria#ão de custos e está associado ao processo de identifica#ão e associa#ão do custo ao ob&eto de custeio.@J . c!#to# da# !nidade# cont. corresponde ao or#amento. 0 sistema de informa#ão de custos deve ser apoiado em tr)s elementos essenciaisJ Sistema de acumula#ão. A forma t+pica de aloca#ão de recursos para a presta#ão de servi#os públicos. otimi)a$%o do# rec!r#o# p.bei#.blico#J e =.blica#" -erando relat+rio# (!e #!b#idiam a admini#tra$%o com in orma$?e# #obreH . sendo mencionada pela >(C L 5<. c!#to# do# pro-rama#" do# projeto# e da# ati&idade# de#en&ol&ida#J B. %ue trata de patrim. Estes elementos podem ser assim definidosJ ^ Sistema de acumula#ãoJ forma com %ue os valores de custos são acumulados respeitado o flu*o f+sico operacional do processo produtivo.: 1>(C L 5<. K !ndamental (!e o c!#to #eja men#!rado pelo me#mo crit3rio no tempo e" (!ando or m!dada" e#ta in orma$%o de&e con#tar em nota e'plicati&aJ Para %ue a informa#ão de custos se&a gerada.

ederal na implanta#ão de sistema de custos utili"a para a mensura#ão da variável financeira os registros da e*ecu#ão or#amentária da despesa. conforme modelo te?rico de a&ustes voltados contabilidade de custos aplicada ao setor públicoH := E*clusão de informa#$es não aderentes ao regime de compet)ncia.0 sistema de informa#ão de custo deverá atender a legisla#ão aplicável. Lais a&ustes contábeis devem ser reali"ados em duas etapasJ 5= A&uste inicial. é importante %ue os benef+cios propiciados pelas informa#$es superem seus custos de obten#ão.+eto de custoJ é a unidade para a %ual se dese&a mensurar os custos. os custos por programa e unidade administrativa.ederal se enga&ou em implantar um sistema de custos %ue permita a mel!oria do processo de tomada de decisão e aplica#ão dos recursos nos programas do governo.mico 1/@E=. As informa#$es de custos podem subsidiar a elabora#ão da /emonstra#ão do @esultado Econ.!!. reali"ando a&ustes por meio de acréscimos ou e*clus$es de dados. A e*peri)ncia do -overno . !avendo a necessidade da reali"a#ão de a&ustes para %ue a informa#ão inicial se apro*ime da informa#ão de custos %ue deve obedecer ao regime de compet)ncia. TERMINO'O2IA <.526.!!.ustoJ é o consumo de recursosH !nvestimentoJ é o gasto ativado em fun#ão de sua vida útil ou de benef+cios atribu+veis a per+odos futurosH 02. o -overno . no seu Bmbito de aplica#ão. %ue consiste na identifica#ão e carregamento de informa#$es baseadas em registros contábeis %ue tra"em a informa#ão or#amentária e não or#amentária. 02. podendo ter como refer)ncia o %ue disciplina a Iei n8 56.0.olsoJ corresponde ao pagamentoH .0% OPERACIONA'IDADE NO 2O-ERNO ?EDERA' Para aprimoramento do controle da a#ão governamental com enfo%ue dirigido a resultados. imediato ou não. Como re%uisito necessário ao desenvolvimento do sistema de informa#$es custos. 108 . IastoJ a%uisi#ão de bem ou servi#o %ue implica em sacrif+cio financeiro. no m+nimo.:665 no sentido de gerar relat?rios %ue mensurem. para a entidadeH 3esem. especialmente a I@.

/espesa Dncorrida de Adiantamentos . . Amorti"a#ão= 1 [ = /espesa 0r#amentária A&ustada 1 ] = A&ustes Patrimoniais 1Consumo de Esto%ue . partindoCse da informa#ão da e*ecu#ão or#amentária são reali"ados a&ustes com ob&etivo de apro*imáCla do regime de compet)ncia. /eprecia#ão .inanceiras . E*austão= 1 [ = /espesa or#amentária a&ustada ao regime de compet)ncia 1ap?s a&ustes patrimoniais= Com a implanta#ão do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público 1PCASP= e a separa#ão entre a informa#ão or#amentária e a patrimonial. Dnvestimentos .@C . Amorti"a#ão .orma#ão de esto%ues ./esta forma. Dnvers$es . os dados necessários apura#ão de custos incluirão os registros patrimoniais. podendo ser desnecessária a reali"a#ão de alguns a&ustes apresentados no es%uema anterior. concessão de adiantamentos . conforme o modelo apresentado a seguirJ !n"ormação inicial /espesa 0r#amentária E*ecutada 1despesa li%uidada ] inscri#ão de @estos a Pagar >ão Processados= A+ustesJ 1 ] = Dnclus$es [ @estos a Pagar li%uidados no e*erc+cio 1 C = E*clus$es [ /espesa E*ecutada por inscri#ão de @estos a Pagar >ão Processados 1e*ceto a%ueles para os %uais o fato gerador &á ten!a ocorrido= ] /espesas de E*erc+cios Anteriores ] /espesas nãoCefetivas 1.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful