As armas do futuro

http://sucessoalheio.wordpress.com/. A postagem é de 22/08/2013. Acesso em 25/08/2013.
Texto retirado de
WALTERBENJAMIN tradução NÉLIOSCHNEIDER

RESUMO Em texto de 1925, inédito em português, Walter Benjamin fala de armas químicas, como o g s lacrimogêneo, e pre!ê sua !ulgari"a#$o% Editado pelo jornal &'ossisc(e )eitung* sem sua assinatura, o artigo foi catalogado pelo fil+sofo entre suas o,ras pu,licadas e sair no Brasil no li!ro &- .apitalismo como /eligi$o*, da Boitempo% 0 1s designa#2es anteriores1 ser$o t$o populares na pr+xima guerra quanto &trinc(eira*, &su,marino*, &Berta 3orda*2 e &tanque* foram na passada% 4ara os !oc ,ulos químicos difíceis de pronunciar ser$o adotadas em poucos dias c5modas a,re!ia#2es% E essas express2es, promo!idas em poucas (oras a uma atualidade jamais imaginada, superar$o em popularidade o !oca,ul rio de todos os relat+rios dos fronts escritos de 1916 a 1917% Elas di"em respeito a cada pessoa diretamente% 1 guerra !indoura ter um front espectral% 8m front que ser deslocado fantasmagoricamente ora para esta, ora para aquela metr+pole, para suas ruas, diante da porta de cada uma de suas casas% 1demais, essa guerra, a guerra do g s que !em dos ares, representar um risco literalmente &de tirar o f5lego*, em que esse termo assumir um sentido até agora descon(ecido% 4orque sua peculiaridade estratégica mais incisi!a reside nisto9 ser a forma mais pura e radical de guerra ofensi!a% :$o ( defesa eficiente contra os ataques com g s pelo ar% 1té mesmo as medidas pri!adas de prote#$o, as m scaras antig s, fal(am na maioria dos casos% 4or conseguinte, o ritmo do conflito ,élico !indouro ser ditado pela tentati!a n$o s+ de defender;se mas tam,ém de suplantar os terrores pro!ocados pelo inimigo por terrores de" !e"es maiores% Em consequência, é irrele!ante quando te+ricos mais ,em intencionados acenam com a perspecti!a &(umana* do g s lacrimogêneo, e até procuram criar simpatia pela guerra com o g s, comparando;a com a guerra aérea com materiais explosi!os%
Cloroacetofenona difenilamina cloroarsina e sulfeto de dicloroetila s!o os nomes dos compostos "u#micos usados como armas$ eles integra%am o su&t#tulo original do artigo de 'en(amin da# a men)!o *s +designa),es anteriores-. 2 +.ic/e 'erta- em alem!o era o apelido de um morteiro de 02 cent#metros desen%ol%ido pela firma alem! 1rupp para a 2rimeira 3uerra 4undial. 56.7.8
1

naturalmente P no m ximo . como da in!en#$o de um receptor ac?stico muito sensí!el.se sa.afada que ( anos est sendo executada nos la. espal(a.orat+rios químicos e técnicos s+ c(ega aos ou!idos do p?.e.se falar da in!en#$o de uma aerona!e silenciosa% 1lguns fatos que o correspondente de guerra norte.em. dependendo da altitude de !oo.licamente n$o se con(ece nen(um% I que a &ou!erture* a.centro de Eondres. j te!e certa import=ncia nos ataques com g s da ?ltima guerra% :$o ( meio confi !el que permita perce. o seguinte9 a finalidade ?ltima das a#2es da frota aérea de!e ser destruir a !ontade de resistência inimiga% 1lguns poucos &raids* @ataquesA de!em infundir na popula#$o dos centros inimigos um terror inconsciente tal que malogre qualquer apelo B organi"a#$o da resistência% . o &mais (umano* dos no!os recursos que. como moti!o para o ataque com g s <cuja import=ncia crescente j foi ensinada pela guerra passada>.ril(ando.re a &aplica. a uma altitude de 5%HHH metros.endo de coisas.a o ronco de uma (élice% .onsiderando que so.se so.elo e radiante céu prima!eril um c(eiro parecido com o das !ioletas% Dsso dura alguns minutos% Eogo em seguida. co.re quatro mil(as quadradas inglesas% 4ara se tornar ina. o ar se tornar sufocante% Fuem n$o lograr escapar da sua esfera de a#$o nos minutos seguintes n$o conseguir mais recon(ecer nada.ilidade* do parque aeron utico francês na guerra s$o ilustrati!os% 1 Lran#a possui (oje pelo menos 2%5HH aerona!es no ser!i#o ati!o B pa"M ( mais na reser!a% 1 tonelagem total das for#as aéreas francesas. essa rea exige a aplica#$o de 12H toneladas de sulfeto de dicloroetila. sede de todos os institutos !itais do Dmpério Brit=nico. o . perder momentaneamente a !is$o% E.sucedido na fuga ou se nen(um transporte o recol(er. mas in!isí!el e inaudí!el. morrer sufocado% Gudo isso poder suceder um dia sem que se !eja no céu qualquer aerona!e nem se perce. o g s mostarda% . quando colocam de antem$o e em primeiro plano.-utros j têm a !is$o mais agu#ada.ertK* so.re esse territ+rio podem !oar ao mesmo tempo P dentro da mesma camada atmosférica. capa" de registrar o ronco de (élices a grandes dist=ncias% E alguns meses depois ou!e.céu poder estar claro e o sol . como se sa. g s lacrimogêneo.lico em forma de disson=ncias isoladas% Esporadicamente fica.it !el por ! rios meses. paira um esquadr$o aéreo respingando cloroacetofenona. comporta entre NHH e O%HHH toneladas% J(ep(erd p2e Eondres como al!o% . se ainda n$o for .americano William 3% J(ep(erd di!ulga no &Ei.er a presen#a dos esquadr2es entre cinco e seis quil5metros acima da superfície da Gerra% 1o menos pu.terror de!e ser algo similar B psicose% 8ma imagem que nada tem das utopias de Wells e C?lio 'erne9 nas ruas de Berlim.

a!i2es.re as guas% .ase dos esquadr2es aeron uticos fosse con(ecida dos com. cada pisada no solo.g s mostarda corr+i a carne e.ase de arsênico que penetra imediatamente no sangue. durante meses.arreiras de g s mostarda ou ent$o de difenilamina cloroarsina% Tentro dessas . produ" queimaduras cuja cura demanda três meses% Esse g s permanece !irulento durante meses em o. um dos fundamentos mais s+lidos do direito dos po!os% 1 leSisita é um !eneno B . cada um deles carregando pelo menos 25H quilos. que mudam constantemente sua locali"a#$o so.ase de modo algum precisa situar.atentes% :$o é esse o caso% 4ois essa . essa guerra s+ terminaria num .ater ap+s dois minutos% INÉRCIA .om o que se parecem os gases !enenosos.se em terra% Em algum lugar do oceano. cada ma#aneta de porta e cada faca de p$o ainda podem pro!ocar a morte% .lem tico dessas exposi#2es é que a fantasia (umana se recusa a acompan( . a exemplo de muitos outros gases !enenosos.arreiras tudo perece e nada consegue passar por elas% Tesse modo.25H a!iadores.ita tudo o que atinge% Turante meses todas as reas atingidas por .ordagem de J(ep(erd P ter parado de . campos podem ser preparados de tal forma que.jetos que entraram em contato com ele% :as regi2es que alguma !e" foram al!o de um ataque com g s mostarda. as aerona!es podem al#ar !oo de na!ios porta. nen(uma !ida animal ou !egetal é capa" de medrar neles% :em é preciso di"er que.las. cai por terra a diferencia#$o entre popula#$o ci!il e popula#$o com.on(ecemos 1R até agora. e que esse esquadr$o despeje uma tonelada por minuto. dos quais o g s mostarda e a leSisita s$o os mais importantes% 1s m scaras antigases n$o oferecem prote#$o contra eles% .aspecto pro. torna todos os !í!eres incomestí!eis e en!enena a gua% -s estrategistas imaginam assim a utili"a#$o desse recurso9 certos distritos taticamente importantes de!em ser cercados com . no caso da guerra com g s. e justamente a monstruosidade do destino amea#ador se torna um pretexto para a inércia mental% Jua tentati!a de con!encimento sempre resulta em que uma guerra dessas ou é de todo &impossí!el* ou seria de extrema . quando n$o acarreta diretamente a morte. meses depois. casas. matando de forma irremedi !el e s?.re!e instante se a respecti!a .re!idade% :a !erdade.g s mostarda.rit=nico P sempre de acordo com a a.atente e. o cora#$o do império mundial . desse modo. cuja aplica#$o pressup2e a suspens$o de todos os mo!imentos (umanosQ . cidades.

52. pesado.lica do ?nico pro. que protegem quando muito de . NÉLIO SCHNEIDER . tra"em a morte certa no caso de ataques com g s. filósofo e crítico literário alemão.omitê .aixos% -ra. foram questionados ridículos requisitos militares n$o tem s+ um aspecto desagrad !el mas so.entral da Eiga das :a#2es instituiu uma . autor de “A Obra de Arte na Era de sua Reprodutibilidade Técnica”.as explosi!as. tradutor do alemão especialista na área de ciências humanas.e. na execu#$o do Gratado de 'ersal(es pela 1leman(a.lemas de armamentismo e desarmamento cuja rele!=ncia se desfa" no ar frente aos fatos referentes aos preparati!os para a guerra química% 1 persistência com que.om.retudo algo de sumamente perigoso% 4orque ela des!ia a aten#$o p?.ataques com esse g s ficam empestadas de cad !eres% :aturalmente n$o existe prote#$o contra ele em tais regi2es9 por2es su.terr=neos. . o . “O Capitalismo como Religião”. como se sa. tende para os lugares mais .omiss$o para o Estudo da 3uerra Fuímica e Bacteriol+gica% Tessa comiss$o participaram autoridades internacionais% Jeu relat+rio n$o foi tratado com a de!ida considera#$o% 1 grande política ainda priori"a pro. porque o g s. assina a versão em português de novo livro de ensaios de Walter Benjamin. a sair pela Boitempo.lema atual do militarismo internacional% WALTERBENJAMIN(1892-1940).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful