O RATINHO

RÓI-RÓI
Lenira Almeida Heck
(Júlia Vehuiah)
1ª edição
Lajeado, abril de 2010
A447r
Heck, Lenira Almeida
O Ratinho Rói-Rói / Lenira Almeida Heck - Lajeado: Ed. da Univates,
2010.
60 p.: il.
ISBN 978-85-98611-77-8

1. Literatura infanto-juvenil I.Título
CDU: 82-93(816.5)
Ficha catalográfica elaborada por Carla Barzotto CRB - 10/1922
Todos os textos são de exclusiva responsabilidade da autora.
Univates Editora
Coordenação e Revisão Final: Ivete Maria Hammes
Editoração: Bruno Henrique Braun, Marlon Alceu Cristófoli e Paulo Alexandre Fritsch
Capa: Marlon Alceu Cristófoli
Ilustrações: Adriana Schnorr Dessoy
Revisão Linguística: Veranice Zen

Avelino Talini, 171 - Bairro Universitário
Cx. Postal 155 - CEP 95900-000, Lajeado - RS, Brasil
Fone: (51) 3714-7024 - Fone/Fax: (51) 3714-7000
E-mail: editora@univates.br - http://www.univates.br/editora
Tiragem: 500 exemplares
Copyright: Lenira Almeida Heck (Júlia Vehuiah)
Rua General Flores da Cunha, 84/102 - Bairro Florestal - CEP 95900-000 - Lajeado/RS
E-mail: lenira@universo.univates.br - Fone: (51) 3714-2472, (51) 8406-9804
O RATINHO
RÓI-RÓI
D
E
S
E
N
H
O
S PARA
C
O
L
O
R
I
R
Dedico a
Dedicatória
Ricardo Piantá e Aline, que a chama mantenha-se
acesa por toda a vida
Ao Davi, pelo sucesso alcançado
A equipe da Editora, pela dedicação
A todos os meus amigos, pela convivência
A você, que fará da leitura um momento de êxtase.
Agradecimentos:
A Deus, por mais essa obra.
A Júlia, pela vida.
A Vehuiah, pela inspiração.
Era uma vez um
ratinho muito comilão
chamado Rói-Rói.
Ele morava com a família num pequeno bueiro.
Sua mãe, uma rata muito simpática chamada Zana,
tinha outros flhos, mas nenhum tão guloso quanto Rói-
Rói.
5
Certo dia D. Rata Zana
saiu à procura de novo
lugar para morar. Depois
de muito caminhar,
encontrou uma toca funda
e confortável que fcava
num pequeno jardim de
uma casa.
O lugar era ótimo. Na calçada havia duas lixeiras:
uma para lixo seco e outra para lixo orgânico - tudo
muito organizado.
6
De vez em quando alguns cachorros espalhavam o
lixo para tudo quanto era lado, deixando o local feio e
completamente sujo.
Próximo do jardim havia um bueiro que conduzia
à rede de esgoto. O lugar era ideal para os ratinhos
crescerem fortes e saudáveis. Era uma maravilha de
lugar.
7
D. Rata Zana, preocupada com a segurança dos
flhos, disse-lhes:
- Escutem com atenção! De hoje em diante vocês não
andarão na rua durante o dia. Esperarão anoitecer,
pois, se nos descobrirem, irão nos expulsar sem
piedade. Entenderam?
- Sim, mamãe! Gritaram todos.
Mas o que eles não sabiam era que naquele lugar
morava uma enorme gata cinza-malhada chamada Mini,
considerada o terror dos ratos e dos pássaros.
8
Depois do
aviso da mãe, os ratinhos
esperaram ansiosos o
anoitecer. Quando tudo
estava silêncioso, D. Rata
Zana e seus flhotes saíram à
procura de alimentos. Todos
pularam de alegria, pois
encontraram pedaços de queijo, restos de
toucinhos e outras delícias na lixeira. Eles
comeram tanto que parecia que iriam estourar.
Rói-Rói, o mais guloso de todos, quase
não conseguia caminhar.
9
A comida ali era tão boa que eles nem queriam
lembrar da época em que moravam no pequeno bueiro
mal-cheiroso e lá quase não tinham com o que se
alimentar. Como estavam felizes!
Mas certa noite apareceu a temível gata de bigodes
brancos e rabo tremulante.
10
Os ratos levaram o maior susto!
Foi um correndo pra cá, outro
correndo pra lá. Enfm, todos
conseguiram escapar!
Opa! Quase todos! Rói-Rói não
conseguiu fugir.
11
Para salvar Rói-Rói, D. Rata Zana avançou
corajosamente contra a enorme fera. Mas nada pôde
fazer, porque logo recebeu uma patada que a jogou
longe.
Em seguida, viu a gata sair em disparada levando a
caça entre os dentes.
12
Chegando na casa soltou
Rói-Rói e passou a se divertir.
Quanto mais ele corria, mais
ela o perseguia.
Lá pelas tantas Rói-Rói
implorou ao Deus dos animais
dizendo:
- Meu Deus! Salve-me das
garras do meu perseguidor.
Se me ajudar, prometo
que serei um bom rato:
não transmitirei doenças,
não morderei as pessoas, não
estragarei as feijoadas das
donas de casa e repartirei
com meus irmãos
todo o queijo que
encontrar.
13
Não demorou, a gata se desinteressou de brincar,
subiu no sofá e lá adormeceu.
O coração de Rói-Rói batia acelerado: Tum-tum,
tum-tum, tum-tum!
Ainda
assustado,
ele correu
para atrás
do armário.
14
Era madrugada quando Rói-Rói arriscou-se a sair do
seu esconderijo. Com muito cuidado, subiu na mesa e
comeu tudo o que encontrou. Enquanto a gata dormia,
Rói-Rói se divertia.
15
Quando já estava
amanhecendo, Rói-Rói lembrou
dos conselhos da D. Rata Zana e
foi correndo esconder-se atrás
do armário. Assim, durante
o dia, ele dormia e, à noite,
andava pela casa.
16
Uma noite, a dona da casa acordou e, ao acender
a luz, deparou-se com Rói-Rói em cima da mesa.
Assustados, Rói-Rói correu para atrás do armário e a
mulher saiu gritando apavorada!
- Um rato! Um raaaato! Um raaaato! Ploft. Caiu dura
a mulher.
Com o barulho, marido e flhos acordaram e lá estava
Dona Ana desmaiada. Abriram a porta para ventilar
o ambiente. O susto foi grande, mas nada de grave
aconteceu.
Naquele instante, Rói-Rói aproveitou para escapar.
17
Enquanto isso... Mini dormia sossegada.
No dia seguinte, lá estava Rói-
Rói belo e faceiro, porque
no meio da confusão
encontrou o caminho de
volta para casa.
Na toca, todos
festejaram a sua
volta. Rói-Rói viveu
muitos anos e gerou
muitos ratinhos, e
todos viveram felizes
para sempre.
18
Olá,
Sou a Lenira, mas muitos me conhecem
como Júlia Vehuiah. Sou professora,
graduada em Letras; faço palestras
e gosto muito de escrever e contar
histórias.
Em entrevistas, sempre me perguntam:
Onde você nasceu?
– Em São Félix/BA.
Quando?
– Em 20 de março de l954.
Onde mais você morou?
– Morei em Cachoeira/BA, e em
Salvador/BA
Onde você mora atualmente?
– Na Cidade de Lajeado/RS. Fica no Vale do Taquari.
Tem flhos?
– Sim. Sou casada e tenho dois flhos: Aline e Davi
Tem algum animal de estimação?
Sim, Mini, minha gata e Meg, cachorrinho da minha flha.
Quando criança, você gostava de ler?
– Sim. Desde que aprendi a ler, a leitura passou a fazer parte da
minha vida.
Você se considera boa escritora?
– Não sei. Mas tomara que eu não seja uma das piores.
Você gosta de escrever?
– Adoro. Para mim é prazeroso.
Você continua estudando, por quê?
– Porque além de manter o meu cérebro em atividade, o estudo é
fonte de energia para alcançarmos os nossos ideais.
Do que você mais gosta?
– De Deus, das pessoas, da natureza e dos animais
Desejo homenagear nossa ilustradora Adriana S. Dessoy por mais
este trabalho.
Meus amigos, é isso aí. Escrever este livro foi muito divertido.
Espero que vocês gostem!
abraços,
Outras obras da Autora:

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful