Correlação entre os conceitos básicos de Sigmund Freud, Erick Erickson e Jean Piaget sobre a Psicologia da Personalidade.

Segundo Freud, o consciente é somente uma pequena parte da mente, incluindo tudo do que estamos cientes num dado momento. O interesse de Freud era muito maior com relação às áreas da consciência menos expostas e exploradas, que ele denominava Pré-Consciente e Inconsciente. Já Erickson achava que personalidade se desenvolver da criança através do comportamento é de natureza psicossocial, integrando não apenas fatores pulsionais biológicos e inatos, como a libido, mas também fatores sociais, aprendidos em contextos histórico-culturais específicos. Desenvolvimento psicossocial é sinônimo de desenvolvimento da personalidade e decorre ao longo de oito estágios que, no seu conjunto, constituem o ciclo da vida. Cada estágio corresponde à formação de um aspecto particular da personalidade Partindo do princípio de que o comportamento do indivíduo é também fruto de motivos e processos inconscientes, e, como outras teorias, considerando a personalidade fruto da interação entre as características inatas do indivíduo e o seu ambiente, a Teoria Psicanalítica considera a sexualidade fundamentalmente importante na vida psíquica do ser humano. Na busca de subsídios para a explicação do comportamento do indivíduo, os teóricos têm encarado o ser humano por diferentes primas. Porém, a maioria das teorias passa por três visões de mundo e de humanidade que compreendem os seguintes modelos: Mecanicista, Organísmico e Psicanalítico. O modelo Mecanicista reduz todo comportamento a sequências mecânicas ou respostas condicionadas, refletindo a crença na possibilidade de manipulação do comportamento humano. Segundo essa teoria, a manipulação do ambiente pode mudar a maneira pela qual as pessoas se desenvolvem. No modelo Organísmico o interesse maior recai no processo e não no produto. As experiências não são vistas como causas básicas do desenvolvimento e sim como fatores que podem fazê-lo prosseguir mais rápida ou lentamente. E o modelo Psicanalítico sustenta que o homem é grandemente comandado pelo inconsciente, sendo que a consciência lógica e racional representa uma fina camada sobre um vasto domínio de forças instintivas e inconscientes. Como podemos perceber, existem várias maneiras de conceituar o desenvolvimento humano. Essas conceituações estão sempre de acordo com as diferentes perspectivas teóricas e o momento histórico em que surgiram. Porém, na medida em que, isoladamente, nenhum modelo teórico tem o poder de abranger profundamente todas as variáveis, antes de se chocarem, os mesmos se completam. Na intenção de possibilitar melhor visualização da complementação de idéias defendida no parágrafo anterior, correlacionamos no quadro abaixo os conceitos básicos dos representantes de duas das três correntes supracitadas. São eles: Sigmund Freud e Erick Erickson (modelo Psicanalítico) e Jean Piaget (modelo Organísmico). Sigmund Freud, Erick Erickson, Jean Piaget

Da região anal. Em cada fase. denominando-as 8 “idades evolutivas”. etc. o desenvolvimento da personalidade ocorre através de estágios. a tendência é expelir para fora tudo o que tem de ruim ou. Erick Erickson dividiu as fases do homem de acordo com o desenvolvimento psicossocial. Se não houver suficiente gratificação oral. que agridem o mundo cada vez que são produzidos. particularmente através da amamentação. e da dúvida quanto a si mesmo. A saúde mental de um indivíduo tem relação direta com o grau de sucesso que atinge ao atravessar esses estágios. A mãe é mais que um conceito. repercutindo em futuros comportamentos orais (fumar. da vergonha (primeira emoção que a criança apresenta). agarrar objetos e outras habilidades físicas são experiências fundamentais para a criança. se os mesmos gerarem angústia. Estágio Oral (0 a 10 anos): A fonte corporal das excitações pulsionais se dá predominantemente na zona bucal. reter e controlar seus produtos. cada elemento que produz é sentido como bom e valorizado. É a fase da mobilidade (primeiro momento de sua emancipação em relação aos pais). Aumenta a representação verbal. mas a fala é egocêntrica.Segundo a psicanálise Freudiana. pode também. Caminhar. é uma função. 2 Autonomia X Vergonha e Dúvida (Equivalente à fase anal de Freud): “Sou o que posso desejar livremente” Nesta fase. Não consegue argumentar. 3 Iniciativa X Culpa (Equivalente à fase fálica de Freud): “Eu posso imaginar o que serei” . uma determinada parte do corpo (zona erógena) fica mais sensível e carece de estimulação. quanto à firmeza e eficácia de seus educadores. o seu corpo e do meio em que vive gerando sentimento de maior autonomia. Quando a criança ama e sente que é amada pelos pais. As mesmas são ultrapassadas através das „crises vivenciais‟ que têm por fim o estabelecimento da identidade do ego. comer demais. Aos 3 focaliza a atenção sob um aspecto por vez. Se seus produtos são encarados como armas destrutivas.). o desenvolvimento se dá não só a partir do controle do esfíncter como a partir de todo o resto. 1 Confiança básica X Desconfiança (primeiro ano de vida): “Sou o que me é dado” Na relação com a mãe se estabelece um início de identidade do ego. alguma energia libidinal pode ficar fixada nesta fase.

Ainda não consegue discernir o certo do errado. Inferioridade (Equivalente à latência de Freud): “Sou o que posso aprender a Período da socialização fazer funcionar” Vai gradualmente. e em primeiro lugar a dopais. Concreto (7 a 10 ano) ponto de vista mas tem dificuldade em entender diferentes pontos de vista e chegar a uma conclusão. •Se a criança corresponde ao que lhe é exigido no processo de aprendizagem. seguindo regras simples como “pode” e “não pode”. das operações matemática gramaticais e. de identidade (Equivalente à adolescência): “Sou o que sou”. simultaneamente intenso contato múltiplo com obreais-concretos que funcionam como substitutivos dos objetos primários pai. irmãos. . É de resolver problemas concretos.. O sucesso desenvolve nela sentimentos de auto-estima e de competência (indústria). Não tem noção clara da realidade nem é capaz de ser coerente ou perceber contradições. Não entende regras complexas. fruto da repressão do Édiacaba sendo canalizada para desenvolvimento intelectual e sociacriança (sublimação). Período da Escolaridade aprendizado.Há um incremento da excitabilidade genital e um grande interesse pelas questões sexuais. o que leva à estruturação de sentimentos de moralidades opressores. ordenar objetos em sequência lógica e compreender o princípio de conversação. concentrando-se nas diferenças anatômicas. Por corresponder à fase edípica. Consegue se Concentrar na atividades e compreende regras sociais e de jogos. Tarefas múltiplas e de classificação. Uma critica deste período revolta juvenil contra a autoridade. (anos): amadurecimento que proporciona ao sujeito a possibilidade afetiva de concretizar sua sexualidade genital. assumindo característica capaz de assumir a condi adulto. culpa e ameaças são proeminentes. (Anos): sexual. 4ª Idade – 6 aos 12 anos Indústria versus Inferioridade •Na nossa cultura predominam as atividades escolares neste estádio. Questão base: sou bom ou mau? •Vertente positiva – capacidade para iniciar ações •Vertente negativa – sentimentos de culpabilização pelo que faz e pelo que pensa. incluindo a escola. Nesta faze absorver todas as habilidades e normas básicas da cultura. a sua curiosidade é estimulada bem como o desejo de aprender. mas é capaz de obedecer aos mais velhos. os sentimentos de rivalidade. etc.. ficando a sexualidade adormecida.

.•Se a criança se sente incapaz de atingir com sucesso as atividades escolares. sentimento de inferioridade. pode desenvolver um sentimento de inferioridade desinvestindo nas tarefas. Questão base: sou bem sucedido ou incompetente? •Vertente positiva: desenvolvimento do sentido de competência •Vertente negativa: falta do sentido de competência. quando os seus companheiros catinguem.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful