1

Metodologia Científica
Unidade 2 - Conhecimento e ciência
Objetivos: Situar o conhecimento cientifico como próprio da natureza humana Conceituar informaç o! conhecimento e saber "dentificar os diferentes tipos de conhecimento "dentificar a funç o da ci#ncia na sociedade "dentificar a import$ncia da relaç o teoria%pr&tica ' primeira unidade abordou o ato de estudar para a construç o do conhecimento (ue deve levar a uma metodologia própria) *oi apresentado formas de estudar e melhor aproveitamento na vida universit&ria) +studar constrói conhecimento na &rea de formaç o do universit&rio para contribuir para a sociedade (ue necessita de soluç,es de seus problemas) -ara avançar no entendimento da construç o do trabalho cientifico! . preciso relacionar conhecimento cientifico / ci#ncia) 0esta unidade ser& visto o conceito de conhecimento cientifico e sua diferença de outras formas de conhecimento e a import$ncia da ci#ncia na construç o de uma sociedade mais justa e democr&tica) Natureza humana: conhecimento e saber O conhecimento faz parte da natureza humana! e sua e1ist#ncia reporta aos tempos pr.%históricos (uando o homem! na busca de entender o universo! adere ao culto da natureza como forma de conhecimento) Segundo 2arros 34556! p) 768! o homem passa da .poca primitiva para a antiguidade (uando substitui as 9e1plicaç,es mitológicas dadas ao universo: pelas 9e1plicaç,es religiosas:) ' busca de respostas aos fen;menos cotidianos continua! e as e1plicaç,es religiosas parecem n o dar mais conta na busca da verdade) ' religi o .! ent o! substituída pela filosofia % caminho da raz o < e! assim! a raz o entendida como relaç o entre causa e efeito! busca a construç o de procedimentos racionais (ue cheguem ao verdadeiro conhecimento) O (ue . o conhecimento= O conhecimento! segundo 2arros 34556! p) 7>8 9pode ser definido como a manifestaç o de consci#ncia de conhecer): -ara o autor! o conhecimento e1iste (uando o sujeito vive uma determinada situaç o e a e1plica) ? possível definir o conhecimento como um saber ad(uirido por meio de e1peri#ncias! investigaç,es! capacitaç,es e observaç,es) O ato de conhecer! como uma atividade racional do homem! envolve sentir e perceber) 'ssim! o homem utiliza%se dos seus sentidos e da sua percepç o para aprend#%lo) @ale lembrar (ue o conhecimento n o . eterno! sua validade varia de acordo com a criaç o de novas intercone1,es 3novos conhecimentos8 e acomodaç o das novas informaç,es nos canais sensoriais) -elos sentidos! o homem apreende a realidade! como por e1emplo! a temperatura! o odor! o paladar o som! as cores etc) O homem conhece a realidade factual! o (ue . denominado como conhecimento sensorial) +sse conhecimento . comum entre seres humanos e animais! e . obtido a partir de nossas e1peri#ncias sensitivas e fisiológicas)

1

4 -ela percepç o! o homem apreende relaç.poca da colheita! e o tipo de solo ade(uado para diferentes culturas) H um e1emplo de conhecimento empírico acumulado pelo homem! em sua interaç o com a natureza) Outros e1emplos: % uma chave emperrando na fechadura e! de tanto e1perimentar abrir a porta! acaba por descobrir 3conhecer8 um jeito de girar a chave sem emperrarJ 4 .m conhecido como empírico! senso comum ou vulgar8 ? o conhecimento obtido ao acaso! após inFmeras tentativas! ou seja! .es gerais sobre a realidade) 0a construç o da ci#ncia! h& (ue se percorrer uma metodologia própria e seu produto deve ser analisado segundo par$metros claramente definidos) Eual deve ser a origem do conhecimento= ' raz o ou as e1peri#ncias sensoriais= Tipos de conhecimento: teológico. din$mico e inacabado! pois h& sempre uma refle1 o (ue conduz a (uestionamentos e nova posiç o .m de conhecer os objetos de seus sentidos! conhece suas causas e efeitos) ' ci#ncia começa pela observaç o do objeto e termina pela e1plicaç o da sua causa) 'ssim! h& uma continuidade entre a observaç o dos objetos pelos sentidos e a elaboraç o do conhecimento intelectual! (ue usa a intelig#ncia do homem como meio de construir o conhecimento cientifico) +ste conhecimento .m foi visto (ue a universidade teve um importante papel (uando conseguiu 9fazer o pensamento sair dos dogmas da revelaç o divina e descobrir a possibilidade da certeza das descobertas científicas) ' dFvida passa a ser o fundamento da mudança! e a ci#ncia! a base do novo conhecimento): Gaí dizer (ue o homem .es e modos acríticos de perceber a realidade) Im lavrador! mesmo iletrado! sabe o momento o momento certo da semeadura! a .e um pensamento! uma lógica) -ara Auiz 31BC48 o conhecimento intelectual n o se restringe a aprender os objetos por meio dos sentidos somente! ele 9atinge o real por dentro:) 3p)B58 'inda para o mesmo autor! o conhecimento científico pertence ao g#nero do conhecimento intelectual onde o homem! al.s do tempo do agir e do pensar! o homem vai conhecendo o mundo em (ue vive: os fen.es etc) +sta categoria . próprio da ci#ncia) Damb.es! relaç.es n o planejadas) ? o conhecimento do dia a dia e (ue se obt.es! generalizaç. um ser de cultura (ue acompanha o desenvolvimento da sociedade) ? um ser histórico) 'o construir sua historicidade atrav. o conhecimento ad(uirido por meio de aç.es entre os objetos! elabora an&lises! compara! abstrai! generaliza etc) ? o (ue Auiz 31BC4! p B18 chama de 9conhecimento intelectual): +sse conhecimento opera sobre as imagens sensoriais! ultrapassa%as e constrói o (ue se chama de conceitos! definiç.menos agem sobre seus sentidos e ele tamb. e1clusivamente do ser humano) Drata%se de um raciocínio mais elaborado do (ue a mera comunicaç o entre o corpo e ambiente) '(ui j& se pressup. empírico e cientifico *oi verificado (ue o conhecimento pode ser sensorial e intelectual! e (ue o intelectual . filosófico.m age sobre os fatos usando sua intelig#ncia! ad(uirindo uma e1peri#ncia pluridimensional do universo) Mas ser& o conhecimento científico o Fnico verdadeiro= -ara responder a esse (uestionamento! ser o estudados os diferentes tipos de conhecimento: ! " Conhecimento sensí#el < 3tamb.m pela e1peri#ncia cotidiana) ? um modo espont$neo e pr.%critico de conhecer) H construído de opini. formulada) ? um desfio constante pata o homem (uestionar sua realidade e desenvolver um processo cientifico em busca da verdade) ' ci#ncia! produto do conhecimento científico! procura chegar a conclus.

ril e distante de id.menos gerais do universo! ultrapassando os limites da ci#ncia) O filósofo (uestiona o mundo com a finalidade de compreend#%lo! fornecendo pressupostos e princípios orientadores das aç. divina ou crença religiosa) 'póia%se em doutrinas (ue cont.es devem ser simplesmente aceitas como verdade) ? obra do criador divino) ' ades o das pessoas passa a ser uma to de f. tamb.m denominado 9religioso:! .es humanas) Gaí ser um conhecimento (ue emerge das e1peri#ncias vividas (ue s o racionalmente correlacionadas) -rocura dar sentido / vida! recorrendo unicamente / raz o humana) Gesse modo! o conhecimento filosófico! como revela 2arros 34556! p) >18! n o . a ponte entre o animal e o al.esJ . fundamental .es) -ortanto! . falível e ine1ato 2 " Conhecimento filosófico " ? fruto do raciocínio e da refle1 o (ue o homem faz sobre a e1peri#ncia vital derivando diferentes interpretaç.m do dado vivido) % " Superficial: ret. um e1emplo desse conhecimento: 9o homem . um e1emplo desse tipo de conhecimento) O conhecimento teológico independe da religi o (ue o sujeito adote) O (ue .menos! gerando conceitos subjetivs) 2usca dar sentido aos fen.m: 9penso! logo e1isto): ( " Conhecimento teológico < Damb.m%homem): ' de Gescartes! tamb. um 9castelo abstrato! est.m%se / apar#ncia do objeto! sem a an&lise de suas causas e conse(L#ncias) Marconi 34515! p) MB8 ressalta frases (ue indicam este tipo de conhecimento: 9por(ue vi:! 9por(ue senti:! 9por(ue disseram:! 9por(ue todo mundo diz:! 9por(ue sempre foi assim: etc) C " Subjetivo: fruto da organizaç o individual e particular dos objetos e1postos no mundoJ o sujeito constrói este conhecimento n o só por viv#ncia própria mas tamb.ticas):! como pensam muitas pessoas) O conhecimento filosófico procura conhecer o ser e o n o se! o bem e o mal! sempre inserido em um conte1to histórico) +st& presente na política)! na educaç o! na engenharia! na medicina! em um jogo de futebol etc) ' frase de *riedrich 0ietzsche .es! preconceitos! ilus. (ue e1ista um Geus e (ue o conhecimento tome como principio a revelaç o) 7 . a apreens o das informaç. o conhecimento revelado pela f.es do aspecto e1terno do objetoJ . fruto do raciocínio e da refle1 o humana) ? o conhecimento especulativo sobre fen.m foi curado por um milagre: .es e pai1.dios caseiros indicados pelas vovós) 2arros 34556! p)K58 relaciona algumas características do conhecimento sensível: $ " sensitivo: .m transmitido como verdade e recebido de modo acrítico) O conhecimento sensível n o . submetido a uma verificaç o planejada! pois parece ser sempre incontest&vel) +! assim! sugere continuidade de (ue j& foi estabelecido e uma conformidade diante dos fatos presentes no cotidiano: .m por ouvir falar) & " 'ssistem&tico: n o possui uma metodologia de construç o! acontece ao acaso! diante dos fatos cotidianos) ' " Crítico: trata%se de um conhecimento carregado de projeç.7 % as crendices (ue passam de geraç o para geraç o! as lendas e os rem.m proposiç.ias difíceis e herm.es valorativas e (ue! portanto! s o infalíveis e indiscutíveis) 0 o pode! por sua origem! ser confirmado ou negado) Suas proposiç. (ue vai! em conse(L#ncia! depender de sua formaç o moral e das suas crenças) 9'creditar (ue algu. a sua apar#ncia diante de nós) 0 o ocorre nenhuma interpretaç o al.

ias 3teoria8! e n o por conhecimentos dispersos e descone1os) C " +1ato: novas proposiç. analíticoJ re(uer e1atid o e clarezaJ .menos! como os e1plica) S o características do conhecimento cientifico: $ " Aacional: utiliza o raciocínio analítico! lógico e sint.es (ue se ligam aos problemas enunciados nos novos por (u#s= -ara (uem= Como conhecer= +m (ue local conhecer= + como e onde as coisas sucedem= Observa%se (ue tais (uest.tico! despojando de impactos emocionais) Drata%se de racionalizaç o do conhecimento) 'bandona a improvisaç o e cede lugar / sistematizaç o e coordenaç o volunt&ria e metódica do raciocínio! da observaç o! da conclus o e das aplicaç. comunic&velJ .m%se aos fatosJ transcende aos fatosJ .menos n o só como aparecem para o sujeito como tamb.es aferidas frente aos fatos) % " Sistem&tico: um saber ordenado logicamente! formado por um sistema de id. suficiente para responder /s indagaç.es e o desenvolvimento das t.cie da outra) +m dado momento da vida! o sistema de crenças transmitidas por nossos antepassados j& n o .m com suas causas e conse(L#ncias) Caracteriza%se pela forma de analisar! e1plicar! justificar! induzir! aplicar leis e predizer com segurança eventos futuros) O conhecimento científico n o só apreende os objetos! fatos e fen. necess&rio ir mais al.es acabam por caracterizar uma aç o metodológica (ue norteia o conhecimento científico) Gesta forma! nasceu o conhecimento científico! (ue procura sempre uma apro1imaç o com a lógica e com o racional) O conhecimento científico surge (uando passamos a observar de maneira mais metódica os fen.es 3hipóteses8 (ue n o podem ser comprovadas n o pertencem ao $mbito da ci#ncia) ' origem do conhecimento científico est& nos procedimentos de verificaç o baseados na Metodologia Cientifica) -or e1emplo: saber (ue determinada planta necessita de uma (uantidade 9N: de &gua e (ue! se n o a receber de forma natural! deve ser irrigada! pode ser um conhecimento verdadeiro e comprov&vel! mas! nem por isso! cientifico) -ara (ue isso ocorra! .K ) " Conhecimento cientifico < Como as e1plicaç.es m&gicas n o bastavam pata compreender os fen. e1plicativoJ pode fazer prediç. Ftil) '(ui cabe uma observaç o: foi da construç o do conhecimento cientifico (ue a ci#ncia se constituiu) Oeituras complementares: Marconi! M) de ') e OaPatos! +) < *undamentos da metodologia cientifica) S o -aulo: 'tlas! 4515) K .menos (ue nos circundam e dos (uais fazemos parte) ' partir daí! surge o pes(uisador e suas tarefas) 0esse momento o individuo inicia um percurso de busca /s respostas para as (uest.m: conhecer a natureza dos vegetais! sua composiç o! seu ciclo de desenvolvimento e as particularidades (ue distinguem uma esp.cnicas podem reformular o acervo das teorias atuais) & " @erific&vel: as afirmaç.esJ . abertoJ .es para as pr&ticas sociais) -ode%se! ent o! dizer (ue o conhecimento cientifico . verific&velJ depende de investigaç o metódicaJ busca e aplica leisJ . racional e objetivoJ at.es%problema (ue passa a identificar) Seu objetivo passa a ser! de certa forma! interferir na realidade ou conte1to em (ue esta inserido) + faz isso n o apenas por(ue assim deseja! mas! principalmente! pelo fato de estar construindo ou ajudando a construir novos caminhos e soluç.menos! os seres humanos finalmente evoluíram para a busca de respostas por meio de caminhos (ue pudessem ser comprovados) O conhecimento científico atinge os fen.

correto= Sempre haver& o grupo de adeptos e o de n o adeptos) S o diferentes formas de olhar a ci#ncia e o mundo) +m uma breve apresentaç o! ser& e1posto algumas correntes importantes (ue vai ajudar a entender melhor esta (uest o: a* +ositi#ismo: o pai desta corrente foi 'ugusto Comte! e afirmava (ue só temos possibilidade de conhecer o objeto concreto! o dado sensível) Doda a metafísica .m de utilizar a observaç o e a e1perimentaç o): -odemos resumir dizendo (ue ci#ncia . especulaç o inFtil) Só podemos ter conhecimento do fen. salgada) O (ue! no entanto! pode estar certo ou errado .m tem de um fato! supondo! por e1emplo! (ue a &gua do mar era doce! (uando! realmente .! obtido por meio dos sentidos do ser humano) % M .todo positivista a todas as ci#ncias) Comte formulou a lei dos tr#s estados: 1 % estado teológico: . falso nem verdadeiro: ele . o conhecimento ou a interpretaç o (ue algu. o ponto de partida e o mais primitivo de entender as coisasJ como por e1emplo! a criaç o de entes sobrenaturais como o Geus do fogo! da &gua etc)Jonde as manifestaç. simplesmente o (ue .es acerca do mundo) -or e1emplo! fazer pes(uisas com animais! sacrificando%os! .M 2arros! ') Q) da Silveira e Oehfeld! 0) ') de Souza) *undamentos de metodologia cientifica) 7 ed) S o -aulo: -earson -rentice Rall! 4556) Características da Ciência 0o ato de investigar e refletir sobre o mundo dos objetos! ou seja! construir o conhecimento cientifico! o homem d& novos significados e mais pró1imos da verdade do (ue a simples apar#ncia) Se o conhecimento cientifico constitui a ci#ncia! o (ue .m partir de diferentes concepç.es permite perceber (ue! em algumas delas! chega a haver contradiç.todos rigorosos! capazes de controlar os fen.menos e fatos estudados) *i1a esse conhecimento aos objetos empíricos! al.menos! os (uais denominamos leis) +stas seriam formuladas com a aplicaç o do m.m com base na observaç o e na e1peri#ncia) Aesumindo! podemos dizer (ue o positivismo admite como principal fonte de conhecimento a e1peri#ncia ou os dados sensíveis! isto .meno e n o de suas causas e suas conse(L#nciasJ somente conhecemos o fen.es pessoais) 'lguns pes(uisadores s o bem pragm&ticos en(uanto outros nem tantoJ podem tamb. o conhecimento da realidade empírica! segundo uma metodologia ou um sistema! de forma a permitir a verificaç o do (ue est& sendo averiguado) 90a ci#ncia um fato n o .es) + por (ue isso= 'o propor uma investigaç o! o pes(uisador pode traçar diferentes caminhos! com base n o só no modo de olhar o objeto a ser estudado como por (uest.meno e as relaç.es naturais teriam seus deuses e! nesse estado! impera a magia) 4 % O estado metafísico: caracterizado pela especulaç o e argumentaç o! h& uma substituiç o dos entes sobrenaturais do 1S estado por entes abstratos! valoriza%se a alma! a imobilidade do homem etc) 7 < O estado científico 3ou positivo8: o homem renuncia aos entes (uer sobrenaturais (uer abstratos! e assume a atitude cientifica perante o mundoJ assim! o conhecimento cientifico se obt. salgada): 3Audio! 1BC>8 -ara 2arros 34556! p >68! a ci#ncia tem como 9objetivo conhecer e interpretar a realidade! intervindo nela e tendo como diretriz problemas formulados (ue sustentem regras e aç.es da ci#ncia) Segundo 2arros 34556! p) KB8 9a ci#ncia . concebida por alguns estudiosos como um conjunto de conhecimentos (ue se d& pela utilizaç o ade(uada de m.es ade(uadas / constituiç o do conhecimento como a possibilidade de intervenç o do homem sobre sua realidade: conhecer para entender e conhecer pata intervir) Como e1emplo! podemos citar os estudos sobre determinadas doenças e a busca de fabricaç o de vacinas para aplicaç o nas pessoas e controle de doenças) ' diversidade de definiç. falso ou verdadeiro o fato de (ue a &gua do mar . ci#ncia= R& diversas definiç.es entre fen.) 0 o tem sentido! por e1emplo! dizer (ue .

a cientifica) 'ssim! h& uma cone1 o estabelecida entre a acumulaç o de dados (uantitativos e (ualitativos obtidos do fen. a maior do (ue a soma das partes) O todo e as partes se influenciam e se determinam reciprocamente) Como e1emplo! podemos citar a introduç o da inform&tica na sociedade) 's mudanças em todos os sistemas 3econ.meno tal como se mostra) ' investigaç o fenomenológica busca a consci#ncia do sujeito! formulada com base em suas e1pectativas internas) O m. /trauss! autor de antropologia estruturalJ /aussure! interessado na infraestutura da língua! ou seja! na(uilo (ue . derivado do grego hólos! (ue significa 9todo! completo! inteiro:) Surge da dificuldade de entender o mundo segundo as concepç. o estudo da(uilo (ue mostra) ' fenomenologia tem como objeto de estudo o fen. importante destacar algumas características da ci#ncia: ! " racional " significa (ue a raz o .es e as funç.poca! (uis (ue a filosofia tivesse bases de uma ci#ncia rigorosa) Mas como fazer isso se as coisas do mundo real mudam tanto= Se o m.es sistem&ticas) Os fen.todo científico estabelece uma verdade provisoriamente! a filosofia! n o) -ara isso! deveria seguir outro caminho! observando os objetos como se mostrando ao sujeito e estudar os objetos em sua ess#ncia! em seus verdadeiros significados) ' fenomenologia husseriliana visa a encontrar as leis da consci#ncia intencional! uma vez (ue n o h& consci#ncia (ue n o esteja em ato! dirigida a um objeto) -or sua vez! o objeto só e1iste apropriado por uma consci#ncia) Sujeito e objeto constituem duas partes de uma mesma realidade) e* 2odelo holístico: o holismo . a base da ci#ncia em detrimento do uso da emoç o ou da realidade emírica) *az%se uso do raciocínio de analise! de síntese! seguindo um lógica retratada em uma metodologia própria (ue .s de uma metodologia própria! descrever os fatos e relacionar as semelhanças e diferenças! identificando uma relaç o interna de tal forma (ue n o podem ser percebidos isoladamente! mas apenas em relaç o aos seus pares antag.nicos) Considerando as inFmeras estruturas! tais como a cultura! a linguagem! a educaç o! a religi o! a economia etc! percebe%se a multiplicidade de an&lise (ue podem ser feitas) 'ssim! o estruturalismo consiste em construir modelos e1plicativos de realidade) +sta corrente tem como principais representantes: Claude .> b* 'struturalismo: consiste em um m. considerado o pai da fenomenologia) Contrariando as tend#ncias intelectuais da .! deslocam%se das manifestaç.todo de analise da sociedade! em grande escala! e1aminando as relaç.-#.ias emanadas pelos homens nos debates sobre um mesmo tema) Aepresentantes desta corrente: Mar1! Regel! +ngels e outros) d* 1enomenologia: esta corrente tem origem na palavra grega phainesthal (ue significa 9a(uilo (ue mostra: e logos! (ue significa estudo) +nt o! fenomenologia .es ate ent o vigentes na . um sistema abstrato em (ue os elementos s o interdependentes e (ue permite! atrav.poca! cuja característica principal era a fragmentaç o! o (ue dificultava o entendimento dos problemas mundiais) Segundo Capra 34555! p) 478! os problemas dever ser entendidos em conjunto! isto .mico! financeiro! educacional! cultural! social e outros8 s o r&pidas e visíveis por todos) + (uanto mais mudanças s o feitas nos diferentes sistemas! mais mudanças s o e1igidas na inform&tica) "ndependente das correntes e1postas . mostrado e busca esclarecer o (ue esta velado! sem (ual(uer interfer#ncia e (ual(uer regra de observaç o) +dmund Russerl .meno ou do objeto de estudo) > .es de cada estrutura) Cada estrutura . comum a todos os falantesJ 0oland %arthes! estuda as narrativas escritas! faladas! interpretadas e outras! analisando suas características e as funç. a arte do di&logo) ? um modo e construir o conhecimento por meio da refle1 o! isto .tica n o e1plica e n o apresenta modelo de interpretaç o) 'penas usa como instrumento orientador o confronto de id.es pessoais pata um (uadro amplo dos macrosistemas) c* &ial-tica: .todo fenomenológico parte do estudo do (ue .menos lingLísticos s o impessoais! isto .! 9s o problemas sist#micos! o (ue significa (ue est o interligados e s o interdependentes): Gaí a dificuldade de seguirmos uma metodologia (ue v# o mundo de modo fragmentado) O modelo holístico sugere uma abordagem sist#mica! onde a uni o das partes forma um todo (ue .! atuando como uma consci#ncia crítica sobre o mundo e todo o conhecimento acumulado) Aessalta%se (ue a dial.

ia para algu.es imediatas pela objetividade e pela mensuraç o dos dados (ualitativos e (uantitativos) "sto nos possibilita concluir (ue a ci#ncia deve estar constantemente em processo de (uestionamento de suas construç.es da universidade .menos! mas o conhecimento construído) "ndaga o conhecimento (ue temos das enchentes causadas por tsunamis) 4 " .analítica " para construir a ci#ncia . preciso abordar o conceito e a diferença entre conhecimento e informaç o) 'inda h& muita confus o a respeito desses conceitos! fato (ue . uma informaç o se conhecemos o emissor 3ou sabemos algo sobre ele8! se lemos a mensagem e se ela faz sentido para nós) 0o entanto! ter& informaç o n o . necess&rio estabelecer procedimentos de observaç o! de decomposiç o! enfim! de estudo das partes na busca de e1plicar o objeto de estudo) 5 " e6ige in#estiga78o " a construç o do conhecimento cientifico e1ige uma metodologia / base de indagaç.es podem construir somente dados para alguns e informaç.es para outros! por(ue a informaç o depende do receptor) -or e1emplo! (uando ligamos um computador e recebemos uma mensagem! ela .6 2 " coerente " a ci#ncia procura uma ligaç o entre as id.tica n o cumpre sua finalidade) =mplica7>es do conhecimento cientifico para o aluno uni#ersit<rio O conhecimento cientifico produz ci#ncia) Como foi dito na unidade "! uma das funç. o bastante para (ue se possa dizer (ue conhecemos algo) -ara 2arros 34556! p) >78! 9 a informaç o só tem sentido (uando est& integrada a alguma conte1tualizaç o))) o individuo raramente busca a informaç o por si mesma): 6 . agora) Eual a atitude esperada do aluno universit&rio diante da ci#ncia= 'ntes de continuar este estudo! . " de#e ser comunic<#el " as descobertas cientificas devem ser comunicadas a toda a sociedade) -ara isso! deve haver canais apropriados 3D@! radio! revista cientifica! internet! etc8 e devem ser escritas em linguagem clara e compreensível a (ual(uer cidad o com compet#ncia na leitura) Ima descoberta cientifica apresentada em uma linguagem herm. uma se(L#ncia de símbolos (uantific&veis): 3Setzer! p) 518) Os dados s o representaç. agravado por autores (ue usam esses termos como sin. transmitir o conhecimento acumulado! ou seja! a ci#ncia elaborada at.es! onde a aç o de refle1 o e de reconstruç o estejam presentes) ( " representa a realidade " a ci#ncia representa a realiade (uando seus conceitos! regras e leis nos ensinam como . o mundo) Euando a teoria nos permite entender a vida humana! ela cumpre sua finalidade) -or e1emplo! a ci#ncia aplicada tem mudado nossa civilizaç o) ' descoberta de uma nova vacina faz com (ue muitas pessoas n o adoeçam! melhorando a (ualidade e prolongando a vida) ) " busca 3uestionar " a ci#ncia (uestiona n o só os fen. uma se(L#ncia de dados (ue diz ou transmite uma id.es de um objeto ou um fen.nimos) ' titulo de e1emplo! o conceito de G'GO: 9dado .ias e o objeto de conhecimento) O espírito científico estabelece esta ligaç o com a realidade procurando desvel&%la! substituindo as impress.es! de busca e de descobertas) R& (ue se definir o (ue conhecer 3o problema8! definir em (uanto tempo e em (ue lugar acontecer& a pes(uisa e (ue dados ser o necess&rios para serem coletados e assim! atingir uma possível soluç o para o problema) 9 " agrupa ob:etos " o cientista classifica e coloca em evid#ncia objetos comuns / mesma realidade) .m) @eja (ue algumas informaç.meno) S o e1emplo de dados: imagens! te1tos! som! animaç o etc) ' informa78o .

sobre o SIS 3Sistema Fnico de SaFde8! (ue ele n o funciona etc))) Ser& toda a rede ou alguns lugares= O processo de investigaç o seria o mesmo (ue o anterior) +m síntese! o aluno universit&rio deve cultivar o espírito crítico! procurando e1ercit&%lo sempre (ue possível) 0 o se nasce com esta compet#ncia! mas sim com a possibilidade para) 2 " 'spírito de confian7a na ciência: +sta habilidade precisa ser construída e trabalhada! principalmente durante o tempo de estudo na universidade) -or outro lado! ningu. o indicio da desorganizaç o mental! da superficialidade irrespons&vel (ue conduz ao ceticismo! nasce do nada e n o conduz a coisa alguma): ? muito comum termos em trabalho de universit&rios (ue os políticos s o corruptos) @ale perguntar: Dodos os políticos! sem e1ceç o! s o corruptos= Como se sabe= -or informaç.meno em si) -or outro lado! o espírito de crítica .m disse etc) +m outro e1tremo encontra%se os (ue descartam (ual(uer validade para a ci#ncia: 9? muito teórico e o (ue resolve .s de uma an&lise crítica (ue tem por finalidade! no seu retorno a pr&tica! esclarec#%la e aperfeiço&%la): +nt o! a teoria tem íntima relaç o coma pr&tica de onde se origina) -r&tica! 9a repetiç o de e1peri#ncias em determinado setor! levando ao desenvolvimento da capacidade de e1ecutar uma tarefa com precis o! significando um saber objetivo e traduzido em aç o): 3Aezende! 1B6B p)4M8 -ara @az(uez 31B66 p) 45>8 9a teoria em si n o transforma o mundo) -ode contribuir para sua transformaç o! mas para isso tem (ue sair de si mesma! e tem (ue ser assimilada pelos (ue v o ocasionar com seus atos reais! efetivos! tal transformaç o): C .es fragmentadas= -ara (ue a afirmativa em (uest o pudesse ser uma verdade! seria necess&rio realizar uma investigaç o e1austiva! ou seja! (ue abrangesse todos os políticos! (ue seguisse uma metodologia própria de construç o do conhecimento científico e concluir (ue todos os políticos apresentam algum sinal de corrupç o) -ara isso! o termo corrupç o deve ser definido corretamente! pois tem diferentes sentidos para as pessoas) Outro e1emplo . a atitude anticientífica! n o conduz a coisa alguma e! como diz Auiz 31BCM! p) 14C8! 9.C O conhecimento . a pr&tica): 'mbas posiç.m ao fazer uso dela para a elaboraç o dos trabalhos em sala de aula) -ara tanto! relacione esses aspectos com o seu cotidiano e o mundo de estudoTtrabalho) ! " 'spírito crítico: Auiz 31BCM! p)14C8 estabelece a distinç o entre Uespírito críticoV e Uespírito de críticaV) O espírito crítico busca a verdade! demonstra descontentamento com a situaç o do cotidiano e procura investigar o fen.es! de relacion&%las! tornando%as significantes para si) Ser& abordado a seguir tr#s aspectos da ci#ncia (ue devem ser cultivados por todos os estudantes! n o so ao conhecer a ci#ncia! como tamb.es s o e1tremamente anticientíficas e demonstram total desconhecimento da funç o da ci#ncia assim como de sua construç o) Como j& se viu anteriormente! a ci#ncia tem origem na construç o do conhecimento cientifico! obtido por meio de uma metodologia própria (ue liga o mundo vivido e o mundo imagin&rio) ' ci#ncia constitui a teoria) -ara Aezende 31B6B! p)4M8 teoria significa 9 um conjunto de conhecimento n o id#nticos nem totalmente distintos da pr&tica! mas proveniente desta atrav.m cria confiança na(uilo (ue n o v# raz o para tal) 'lgumas pessoas confiam com acomodaç o do pensamento! sem (uestionar se devem ou n o acreditar ou acreditam por (ue algu. organizado em estruturas mentais por meio das (uais um sujeito assimila a informaç o) 9Conhecer: . um ato de interpretaç o individual! uma apropriaç o do objeto da informaç o pelas estruturas mentais de cada sujeito) 's estruturas mentais s o as ferramentas do sujeito (ue permite a construç o do conhecimento usando sua capacidade de sentir 3conhecimento sensível8) Ge interpretar as informaç.

cnica .es concretas com base na intelig#ncia humana) +spírito indagador: Segundo Auiz 31BC4! p) 1758! o cientista v# a ci#ncia en(uanto um percurso (ue deve ser a toda hora (uestionado) Giz (ue o cientista deve 9duvidar com sabedoria: e buscar sempre aprofundar as respostas j& obtidas) Cita Gescartes 3apud Auiz! 1BC4! p) 175! ao escrever= 90 o aceitar nada como verdadeiro sem saber evidentemente (ue o .es para suas desconfianças) 0 o .m para faz#%lo refletir sobre h&bitos (ue surgem como se(L#ncia da falta desta virtude) -ata 2arros 34556! p) C48 9o trabalho de pes(uisa re(uer imaginaç o criadora! iniciativa! persist#ncia! originalidade e dedicaç o do pes(uisador): Oembra ainda (ue o aluno comprometido com sua formaç o acad#mica vai! aos poucos! desenvolvendo habilidades e se desenvolvendo com pes(uisa sem grandes dificuldades) Sobre este desenvolvimento com a pes(uisa! 2arros 34556! p) C78 apresenta um problemas (ue! embora antigo na historia da sociedade mundial! tem sido impulsionado por fatores da ci#ncia moderna (ue facilitam a sua pr&tica: a desonestidade científica B . o indagar pelo indagar! mas indagar diante das duvidas) +sta virtude! como chama Auiz 31BC48! n o tem receitas de aç o) +la se faz na constante refle1 o do agir e do pensar) Mas se o aluno n o tem e1peri#ncia em pes(uisa! como cultivar essa virtude= 0a realidade! o aluno est& mais pró1imo do (ue se imagina) Gesde sua alfabetizaç o! escutou o professor dizer: 9vamos fazer uma pes(uisa sobre objetos (ue começam com a letra 2=: Muitas vezes os adultos (ue conviviam com voc#! respondiam e voc# apenas copiava a resposta) Onde ficou a aprendizagem do espírito indagador= Q& mais velho! o professor pedia uma pes(uisa sobre poluiç o das &guas) Eual a indagaç o feita ou (ue responder= Se voc# n o sabia o (ue responder! tudo o (ue lia devia ser importante) + a cópia era a saída) +! mais uma vez! o espírito indagador n o estava presente) +! assim! a pes(uisa da escola virava uma 9copia e cola:! sem nenhum compromisso com a construç o do seu conhecimento) '(ui! o objetivo .cnica) -ara 2arros 34556! p)>18 a t.cnicas reproduzidas por indicaç o de algu.cnico! ter aç. conhecimento cientifico e a import$ncia de sua busca) 0a universidade! a indagaç o deve estar presente em todos os momentos de estudo do aluno! n o só para desmistificar a sua dificuldade! como geralmente acontece! como tamb.): +ste item est& relacionado com o primeiro 3espírito critico5 e nele busca aprofundamento) 'o indagar sobre algo usando o espírito critico! o pes(uisador busca raz. a 9intervenç o sobre o objeto para atingir resultados pr&ticos compatíveis com as e1ig#ncias situacionais de mudanças): +sse autor classifica a t.m) % " cientifica: tem fundamentaç o em teorias e leis sistematizadas) Euem utiliza tem e1plicaç.cnicas para agir no mundo do trabalho ou mesmo no seu cotidiano! vale a pena refletir sobre) ' sociedade muitas vezes valoriza mais a pr&tica! e este pensamento acaba tendo adeptos no meio universit&rio) ? necess&rio valorizar o suporte t.cnica guarda uma relaç o de encadeamento com a ci#ncia e visa uma aplicaç o na pr&tica) Se voc# est& em busca apenas de t.es advindas da ci#ncia sobre a realidade e pode criar e modificar os planos de aç o) +1: um engenheiro pode construir um modelo de carro! e um mec$nico pode consertar o mesmo carro seguindo os procedimentos estabelecidos pelo engenheiro) +nt o! a t.B Como medicaç o entre a teoria e a pr&tica esta a t. mostrar o (ue .cnica como: $ " comum: relaciona%se com a atividade cotidiana) ? o saber fazer (ue se aprende por erros e acertos! sem preocupaç o com causa e conse(L#ncias! apenas s o t.

honesta na família e desonesta no trabalho) ' honestidade esta sempre acompanhada de uma serie de outras características) 0a aus#ncia destas! a honestidade tamb. o país (uem sai perdendo) 's pes(uisas devem ser respeitadas e valorizadas em (ual(uer inst$ncia! desde as pes(uisas mais elaboradas ate as feitas por iniciantes) + a .es de dólares pela ci#ncia! o e1ponencial prestigio dos cientistas e a forma espetacular ou sensacionalista de divulgaç o na mídia de fatos científicos! est o abalando os bons propósitos da ci#ncia): Cita a press o (ue os pes(uisadores recebem no interior das universidades para produzir e publicar trabalhos com relatos de pes(uisas! financiamento de pes(uisas e ambiç.m percebemos a valorizaç o de instituiç.15 Segundo 'zevedo 3455>! p)7>8 9fatos como a mobilizaç o de milh.s de jornais= Q& ouviu falar de pes(uisas cujos fins justificam os meios= O (ue podemos fazer na universidade para desestimular esses comportamentos= -ara cultivar o espírito cientifico! n o basta ter determinados comportamentos! .tico junto com seus pares) @oc# j& tece oportunidade de conviver com pessoas anti.es deturpando%as! a omiss o de resultados! a construç o de pes(uisas priorizando os fins! e outras) Damb. o produto da aç o do sujeito sobre uma situaç o e a respectiva e1plicaç oJ • O ato de conhecer . uma atividade racional (ue envolve os sentidos e a percepç o do sujeitoJ • Os canais sensoriais est o relacionados /s e1peri#ncias sensitivas 3vis o! audiç o! olfato! paladar e tato8 e! por estes canais percebemos a realidade factual ou os fatosJ • O conhecimento n o . preciso desenvolver um conjunto de virtudes (ue se encontram relacionadas) Ima pessoa n o .es pessoais) ' desonestidade cientifica abarca a falsificaç o de currículos! o pl&gio eletr. o conhecimento da realidade empírica e (ue segue uma metodologia cientificaJ 15 .m n o esta presente) Se voc# (uer aproveitar a vida universit&ria! cultive o espírito cientifico e certamente seu desempenho presente e futuro o ajudar& na vida profissional) 0esumo da unidade: • O conhecimento .es (ue v o sendo construídasJ • -ela percepç o! o homem apreende relaç.es entre os objetos! elabora an&lises! compara! abstrai! generaliza etcJ pela percepç o! o sujeito elabora o conhecimento intelectualJ • ' continuidade de observaç o do sujeito pelos sentidos e a elaboraç o do conhecimento intelectual! o sujeito constrói o conhecimento cientificoJ • ' ci#ncia! produto do conhecimento científico! re(uer o uso de uma metodologia própriaJ • R& diferentes tipos de conhecimento: sensorial! religioso! filosófico e cientifico) • ' ci#ncia .es consideradas pelo nome em detrimento de outras (ue buscam construir seu caminho) +mbora e1istam fatores impulsionadores das desonestidades! n o podemos dei1ar (ue contamine o ato de pes(uisar! pois .nico! o uso de informaç. eterno! ou seja! varia de acordo com as novas pes(uisas e novas cone1. a metodologia usada e os resultados obtidos) Eual(uer trabalho elaborado na universidade deve seguir os par$metros da originalidade na escrita! na citaç o respons&vel de autores! na apresentaç o de par&frases com atenç o /s normas! enfim! o estudante deve abdicar do pl&gio! da costura de te1tos de v&rios autores! da conclus o apressada e sem lógica! das palavras sem significado! enfim! de erros (ue! construídos no passado! se perpetuam no presente agravados pela moral do 9vale tudo:) Como dito anteriormente! o estudante universit&rio deve desenvolver a habilidade do espírito indagador com compromisso e responsabilidade e discutir a import$ncia do comportamento .tica n o pode dei1ar de perpassar todo o processo! desde a concepç o da pes(uisa at.ticas= Q& soube de algum comportamento deste tipo atrav.

11 • • • • • ' construç o do conhecimento científico! (ue constitui a ci#ncia! . uma se(L#ncia de dados (ue formam um sentido para (uem a recebe! e assim! a recepç o de uma informaç o . analítico! re(uer e1atid o e clareza! . a informaç o assimilada e interpretada pelo sujeito (ue se utiliza das suas estruturas mentaisJ Os estudantes universit&rios devem cultivar o espírito critico! o espírito de confiança e o espírito indagador) 11 .tica! fenomenológica e o modelo holísticoJ O conhecimento cientifico . comunic&vel e depende de investigaç o metódicaJ "nformaç o . pessoalJ o conhecimento . racional e coerenteJ representa a realidade buscando (uestion&% la! . vista de diferentes modos! de acordo com a corrente filosófica adotada pelo pes(uisadorJ *oram abordadas algumas correntes: positivismo! estruturalismo! dial.