Literatura portuguesa contemporánea: exposições

1. LUÍS MIGUEL NAVA – COMO ALGUÉM DISSE (1982) 1.1. Autor e obra: é autor de poesia e ensaio. Após a sua morte cria-se uma fundação com o seu nome. 1.2. Como alguém disse (1982): consta de 16 poemas mais 5 óleos de Manuel Cargaleiro, as suas caracteristicas principais são: a) Temas: mar, paisagem, partes do corpo. b) Forma: metáforas, mestura de prosa e poesia. 2. LIDIA JORGE – MARIDO E OUTROS CONTOS (1997) 2.1. Autora e obra: vive a guerra colonial em primeira pessoa (Angola, Moçambique). A sua obra é muito conhecida e traduzida, é fundamentalmente romancista. 2.2. Marido e outros contos (1997): são sete contos breves desde uma perspectiva feminina (malostratos, convenções sociais...) 3. ADÍLIA LOPES – UM JOGO BASTANTE PERIGOSO (1985) 3.1. Autora e obra: as suas obras são edições da autora, já que até a publicação das suas obras completas não consigue um grande reconhecimento. 3.2. Um jogo bastante perigoso (1985):  Temas: 1) Consciência de género: as protagonistas são figuras femininas cotiás que se revelam. 2) Consciência da identidade sexual (lésbica e católica). 3) Poesia metaliterária: o processo de escrever supõe uma luta na que só ao finalizar se está aliviada. Sabe da pouca acpetação dos leitores. 4) Diálogo com autores canónicos como Camões.  Outras características: repetições, rimas doadas nalgumas ocasões, ausência de metáforas.... 4. BERNARDO SANTARENO – OS MARGINAIS E A REVOLUÇÃO (1979) 4.1. Autor e obra: é um autor caracteriçado pelo intervencionismo social e político (liberdade, luta contra a opresão). 4.2. Os marginais e a revolução (1979): as personagens marginais são o objecto deste libro, como da sua obra em geral. Mistura tematica intimista e temática social. 5. BERNARDO SANTARENO – O JUDEU (1966) 5.1. O Judeu (1966): centra-se também numa persongem marginal como foi O Judeu (António José da Silva). É interessante a personagem do Cavaleiro de Oliveira, que põe em diálogo a época do Judeu com o século XX, mostrando-nos que tanto numa como noutra época há injustiças. 6. VERGÍLIO FERREIRA – MUDANÇA (1949) 6.1. Autor e obra: escreve ficção e ensaio. Está entre o Neo-realismo e o Existencialismo, é um autor e uma época de transição.

Introdução à Literatura Portuguesa 2006/2007 USC

Literatura portuguesa contemporánea: exposições

6.2. Mudança (1949): é uma obra que reflexa muito bem a transição para o Existencialismo (reflexões da personagem principal). 7. JOSÉ SARAMAGO – O EVANGELHO SEGUNDO JESÚS CRISTO (1991) 1. O evangelho segundo Jesús Cristo (1991): crítica a uma soa interpretação da religião, vista da figura de Jesús Cristo desde uma nova perspectiva, para o que usa uma linguagem moderna e uma inovação estilística. 8. VERGÍLIO ALBERTO FERREIRA –
CONSTANTES NA LITERATURA PORTUGUESA CONTEMPORÂNEA
2. 3. 4. 5. 6. 7. O papel da mulher como criadora. Mistura de temática intimista e social. Temática da identide sexual. Atitude crítica perante as versões oficiais da Igreja, atitude de insumisão. Novas estratégias discursivas. Trechos metaliterários (involucração do leitor).

Introdução à Literatura Portuguesa 2006/2007 USC

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful