QUEM TEM MEDO DE FEBRE?

Entrevista publicada pela revista Arte Médica, Ano III, No. 3, novembro de 2002, da Sociedade Brasileira de Médicos Antroposó icos !SBMA" A ebre é um dos sintomas mais re#$entes na in %ncia e uma das maiores causas de visitas ao consultório pedi&trico. Muitos pais e m'es icam apavorados #uando o term(metro come)a a subir... Ser& #ue é al*o *rave+ Ser& #ue esta ebre vai causar convuls'o+ ,uem nos responde estas per*untas é Samir -a.me, presidente da SBMA e médico antroposó ico com mais de #uin/e anos de e0peri1ncia 2 muitos deles dedicados 3 compreens'o do papel da ebre no e#uil4brio de nossos processos vitais. AM. 5omo voc1 encara a ebre .o6e+ Ela pode ser bené ica e ter uma un)'o espec4 ica para o ser .umano+ Samir. A ebre, em princ4pio, é sempre boa. Ela tem um papel undamental na din%mica do nosso sistema imunoló*ico, ativando a libera)'o de anticorpos e de outras subst%ncias de de esa #ue v'o permitir ao or*anismo lidar com poss4veis 7invasores8. 9o6e sabe:se #ue é esse mesmo calor #ue inibe o crescimento de bactérias e ani#uila os v4rus, ou se6a, o calor p;e tudo no lu*ar, renova o or*anismo. Isso 6& oi amplamente recon.ecido pela comunidade cient4 ica tradicional. A cultura do medo da ebre e a tend1ncia de combat1:la rapidamente instalaram:se em nossa sociedade nos <ltimos =0 anos em virtude de uma *rande estraté*ia de marketing da ind<stria armac1utica. 5onsidero esta tend1ncia muito nociva para a nossa sa<de. Em min.a opini'o, a ebre é um en(meno relacionado ao desenvolvimento da nossa individualidade. Essa é a *rande tare a da ebre na nossa vida. E n'o é 3 toa #ue a maioria dos episódios ebris ocorre do nascimento até os > anos. AM. Ent'o os médicos antroposó icos valori/am a ebre um pouco mais do #ue o a/em seus cole*as da alopatia, certo+ Samir. 5erto? @ara nós, ela representa a c.ance de desenvolvimento da verdadeira individualidade e liberdade em rela)'o aos condicionamentos *enéticos. ,uando as crian)as contraem as doen)as denominadas e0antem&ticas, ou se6a, #ue se mani estam por meio da pele, como o sarampo, a rubéola e outras 2 e #ue sempre s'o acompan.adas por ebre 2, é uma *rande oportunidade para o or*anismo in antil 7#uebrar8 e eliminar as prote4nas .erdadas, criando novas estruturas a partir de si mesmo. Na Europa, muitas m'es ainda cultivam a anti*a tradi)'o de levarem os il.os para visitar as outras crian)as com doen)as e0antem&ticas com o ob6etivo de proporcionar uma imuni/a)'o natural. Mas, .o6e em dia, ica cada ve/ mais di 4cil para esse pe#ueno ser usu ruir os bene 4cios #ue estas doen)as 7naturais8 podem l.e proporcionar. Ae um lado, temos as vacinas e de outro os antitérmicos... AM. B calor vivenciado através da ebre tem uma un)'o para nós+ Samir. Se*undo a Antroposo ia, nós, seres .umanos, temos um or*anismo com #uatro componentes b&sicos, #ue didaticamente c.amamos de 7corpos8C um corpo 4sico !terra", um corpo vital !&*ua", um corpo astral ou alma !ar" e um corpo espiritual ou individualidade ! o*o". ,uando se d& o aumento da temperatura, o #ue est& acontecendo num n4vel mais sutil, n'o mensur&vel por aparel.os, é #ue a individualidade !o corpo

sem comprometer o processo como um todo. ou se6am. !Fer receitas abai0o.a. 5omo lidar com a ansiedade dos pais+ Samir. Em se*uida.es ebris poder'o ter crises mesmo com ebres bai0as. no caso de a ec).a e irmemente enrolada com um 0ale de l'. estamos sempre lidando com a eternidade.es inais sobre a ebre+ Samir.or remédio é paci1ncia e conversa. mas da velocidade com #ue ela sobe.o de con#uistar o corpo. animais e minerais. AM.uais seriam suas considera). 3 base de plantas.ipertermia.uando lidamos com o ser . Muitas ve/es. por meio do calor. #ue é apenas um sintoma. o #ue n'o proporciona um des rutar das situa). -epito #ue a ebre é o remédio mais potente e s&bio #ue e0iste. #ue é seu elemento natural. tanto na medicina #uanto em outras &reas predomina o conceito de FAST !r&pido.es causadas pela ebre ocorrem em apenas 2D das crian)as e n'o dependem da temperatura #ue a ebre alcan)a.os. A compressa de lim'o na panturril. . mas sem nos es#uecermos de #ue estamos lidando com uma minoria. Na medicina Antroposó ica e0istem medicamentos naturais. @oucos pais sabem #ue as convuls. Gm lim'o é colocado numa vasil. Bs médicos devem tentar esta aborda*em com os pais. em in*l1s". Ac. E medo da convuls'o+ Samir. Nesta situa)'o. 9o6e em dia. Compressa com suco de limão A compressa de lim'o pode ser aplicada morna na panturril. E como voc1 orienta o tratamento da ebre+ Samir. Assim. B mel." AM. . mas 6& estamos avan)andoC os mais avan)ados tratamentos de tumores s'o eitos com .o undamental iniciarmos uma contracultura da ebre? Compressa com rodelas de limão 5orta:se um lim'o em rodelas. devendo ser encarada como uma *rande aliada do médico e do paciente. somos procurados por#ue os pais 6& n'o a*$entam mais dar tanto remédio #u4mico para seus il. a compressa com as rodelas de lim'o batidas é aplicada morna na panturril. #ue podem ser usados no tratamento das causas da ebre. AM. elas s'o colocadas entre as dobras de um pano e batidas para se e0trair o suco.es. est& atuando mais de perto. Fale alertar #ue numa crian)a bem nutrida os e eitos de uma ebre ser'o mais bem tolerados do #ue numa crian)a desnutrida. AM. A primeira preocupa)'o do médico é dia*nosticar e tratar a doen)a #ue provoca a ebre.umano. B si*ni icado do calor ainda é pouco e0plorado na Medicina. #uanto mais SLOW mel. as crian)as propensas a ter convuls.or o resultado e. H depois cortado e espremido debai0o . Aepois.espiritual ou 7Eu8" est& em seu camin. tudo deve ser e ocorrer de maneira r&pida.a com &*ua su iciente para cobri:lo.a costuma bai0ar a temperatura de E a 2 *raus.es do or*anismo. o uso antitérmico est& mais #ue 6usti icado. e a reclama)'o é sempre a mesmaC n'o icam bons nunca. resistindo 3 press'o.

a. espremendo:o depois com or)a.dI&*ua. ao redor da perna. preso com um pano maior e.o !pode ser um len)o" de modo #ue cubra o panturril. em se*uida. Mol.a:se o pano na &*ua com lim'o. Aobra:se um pano de al*od'o ou lin. com um pano de l' irmemente enrolado. sem pre*as. a/endo:se diversos cortes na casca para se obter bastante óleo etérico !sumo". . Ele é aplicado.