A Nova Califórnia, Lima Barreto Fonte: BARRETO, Lima. A Nova Califórnia - Contos. São Paulo: Brasiliense, !"!.

Texto proveniente de: Bi#liote$a %irtual &o Estu&ante &e L'n(ua Portu(uesa )*tt+:,,---.#i#virt.futuro.us+.#r. A Es$ola &o /uturo &a 0niversi&a&e &e São Paulo Permiti&o o uso a+enas +ara fins e&u$a$ionais. A NOVA CALIFÓRNIA Nin(u1m sa#ia &on&e viera a2uele *omem. O a(ente &o Correio +u&era a+enas informar 2ue a$u&ia ao nome &e Raimun&o /lamel, +ois assim era su#s$rita a $orres+on&3n$ia 2ue re$e#ia. E era (ran&e. 4uase &iariamente, o $arteiro l5 ia a um &os e6tremos &a $i&a&e, on&e morava o &es$on*e$i&o, so+esan&o um ma7o alenta&o &e $artas vin&as &o mun&o inteiro, (rossas revistas em l'n(uas arrevesa&as, livros, +a$otes... 4uan&o /a#r'$io, o +e&reiro, voltou &e um servi7o em $asa &o novo *a#itante, to&os na ven&a +er(untaraml*e 2ue tra#al*o l*e tin*a si&o &etermina&o. 8 %ou fa9er um forno, &isse o +reto, na sala &e :antar. ;ma(inem o es+anto &a +e2uena $i&a&e &e Tu#ia$an(a, ao sa#er &e tão e6trava(ante $onstru7ão: um forno na sala &e :antar< E, +elos &ias se(uintes, /a#r'$io +=&e $ontar 2ue vira #al>es &e vi&ros, fa$as sem $orte, $o+os $omo os &a farm5$ia 8um rol &e $oisas es2uisitas a se mostrarem +elas mesas e +rateleiras $omo utens'lios &e uma #ateria &e $o9in*a em 2ue o +ró+rio &ia#o $o9in*asse. O alarme se fe9 na vila. Para uns, os mais a&ianta&os, era um fa#ri$ante &e moe&a falsa? +ara outros, os $rentes e sim+les, um ti+o 2ue tin*a +arte $om o tin*oso. C*i$o &a Tirana, o $arreiro, 2uan&o +assava em frente &a $asa &o *omem misterioso, ao la&o &o $arro a $*iar, e ol*ava a $*amin1 &a sala &e :antar a fume(ar, não &ei6ava &e +ersi(nar-se e re9ar um @$re&o@ em vo9 #ai6a? e, não fora a interven7ão &o farma$3uti$o, o su#&ele(a&o teria i&o &ar um $er$o A $asa &a2uele in&iv'&uo sus+eito, 2ue in2uietava a ima(ina7ão &e to&a uma +o+ula7ão. Toman&o em $onsi&era7ão as informa7>es &e /a#r'$io, o #oti$5rio Bastos $on$luir5 2ue o &es$on*e$i&o &evia ser um s5#io, um (ran&e 2u'mi$o, refu(ia&o ali +ara mais sosse(a&amente levar avante os seus tra#al*os $ient'fi$os. Bomem forma&o e res+eita&o na $i&a&e, verea&or, m1&i$o tam#1m, +or2ue o &outor Cer=nimo não (ostava &e re$eitar e se fi9era só$io &a farm5$ia +ara mais em +a9 viver, a o+inião &e Bastos levou tran2Dili&a&e a to&as as $ons$i3n$ias e fe9 $om 2ue a +o+ula7ão $er$asse &e uma silen$iosa a&mira7ão a +essoa &o (ran&e 2u'mi$o, 2ue viera *a#itar a $i&a&e. Ee tar&e, se o viam a +assear +ela mar(em &o Tu#ia$an(a, sentan&o-se a2ui e ali, ol*an&o +er&i&amente as 5(uas $laras &o ria$*o, $isman&o &iante &a +enetrante melan$olia &o $res+Fs$ulo, to&os se- &es$o#riam e não era raro 2ue As @#oas noites@ a$res$entassem @&outor@. E to$ava muito o $ora7ão &a2uela (ente a +rofun&a sim+atia $om 2ue ele tratava as $rian7as, a maneira +ela 2ual as $ontem+lava, +are$en&o a+ie&ar-se &e 2ue elas tivessem nas$i&o +ara sofrer e morrer. Na ver&a&e, era &e ver-se, so# a &o7ura suave &a tar&e, a #on&a&e &e Gessias $om 2ue ele afa(ava a2uelas $rian7as +retas, tão lisas &e +ele e tão tristes &e mo&os, mer(ul*a&as no seu $ativeiro moral, e tam#1m as #ran$as, &e +ele #a7a, (reta&a e 5s+era, viven&o am+ara&as na ne$ess5ria $a2ue6ia &os tró+i$os. Por ve9es, vin*a-l*e vonta&e &e +ensar 2ual a ra9ão &e ter Bernar&in &e Saint-Pierre (asto to&a a sua ternura $om Paulo e %ir('nia e es2ue$er-se &os es$ravos 2ue os $er$avam... Em +ou$os &ias a a&mira7ão +elo s5#io era 2uase (eral, e não o era uni$amente +or2ue *avia al(u1m 2ue não tin*a em (ran&e $onta os m1ritos &o novo *a#itante. Ca+itão Pelino, mestre-es$ola e re&ator &a Ha9eta &e Tu#ia$an(a, ór(ão lo$al e filia&o ao +arti&o situa$ionista, em#irrava $om o s5#io. @%o$3s *ão &e ver, &i9ia ele, 2uem 1 esse ti+o... 0m $aloteiro, um aventureiro ou talve9 um la&rão fu(i&o &o Rio.@ A sua o+inião em na&a se #aseava, ou antes, #aseava-se no seu o$ulto &es+eito ven&o na terra um rival +ara a fama &e s5#io &e 2ue (o9ava. Não 2ue Pelino fosse 2u'mi$o, lon(e &isso? mas era s5#io, era (ram5ti$o. Nin(u1m es$revia em Tu#ia$an(a 2ue não levasse #or&oa&a &o Ca+itão Pelino, e mesmo 2uan&o se falava em al(um *omem not5vel l5 no Rio, ele não &ei6ava &e &i9er: @Não *5 &Fvi&a< O *omem tem talento, mas es$reve: Ium outroI, I&e restoI...@ E $ontra'a os l5#ios $omo se tivesse en(oli&o al(uma $ousa amar(a. To&a a vila &e Tu#ia$an(a a$ostumou-se a res+eitar o solene Pelino, 2ue $orri(ia e emen&ava as maiores (lórias na$ionais. 0m s5#io... Ao entar&e$er, &e+ois &e ler um +ou$o o Sotero, o Can&i&o &e /i(ueire&o ou o Castro Lo+es, e &e ter +assa&o mais uma ve9 a tintura nos $a#elos, o vel*o mestre-es$ola sa'a va(arosamente &e $asa, muito a#otoa&o no seu +aletó &e #rim mineiro, e en$amin*ava-se +ara a #oti$a &o Bastos a &ar &ous &e&os &e +rosa. Conversar 1 um mo&o &e &i9er, +or2ue era Pelino avaro &e +alavras, limitan&o-se tão-somente a ouvir. 4uan&o, +or1m, &os l5#ios &e al(u1m es$a+ava a

+or2uanto. o mestre-es$ola intervin*a $om mansuetu&e evan(1li$a: @Não &i(a Iasse(uroI Sen*or Bernar&es? em +ortu(u3s 1 (aranto. Por fim.. foi $om vis'vel enfa&o 2ue ele o re$e#eu e aten&eu. $u:o nome $orria mun&o e &e 2uem os :ornais falavam $om tão a$en&ra&o res+eitoJ Seria &in*eiroJ Talve9.. Sentaram-se e /lamel não tar&ou a e6+or: 8 Como o sen*or &eve sa#er. ao fim &e uns tr3s minutos. @Eu asse(uro. 8 Por isso +re$isava &e tr3s +essoas $on$eitua&as 2ue fossem testemun*as &e uma e6+eri3n$ia &ela e me &essem um atesta&o em forma. II Bavia :5 anos 2ue o 2u'mi$o vivia em Tu#ia$an(a. A $*e(a&a &o s5#io veio &istra'-lo um +ou$o &a sua missão. Sen*or Bastos.. +or ora. a$res$entou /lamel lo(o. ten*o mesmo um nome res+eita&o no mun&o s5#io. se:a #em-vin&o. 8 Gel*or. +ara ser &e novo interrom+i&a +or uma outra. Em 2ue +o&eria ele ser Ftil ao *omem. mas Pelino. O sen*or sa#e: *5 a$onte$imentos im+revistos e. 2uan&o o sa$ristão Orestes ousou +enetrar em sua $asa. interrom+eu o s5#io. se(uro &os seus &everes. O s5#io não se &i(nara at1 a' visitar fosse 2uem fosse e. 8 O#ri(a&o. 8 E ver&a&e. 8 Certamente< Não *5 &Fvi&a< 8 . +or2ue Bastos tam#1m o+erava..menor in$orre7ão &e lin(ua(em.. %en&o-o. +ara res(uar&ar a +riori&a&e &a min*a inven7ão. 8 ComoJ 8 O sen*or sa#er5.@ Por a'. 8 Sim< Ouro< &isse. a$*ou ao fun&o. &i9ia o a(ente &o Correio. A 2uestão &o momento são as +essoas 2ue &evem assistir A e6+eri3n$ia. #em no fun&o. o 2uartin*o 2ue l*e servia +ara e6ames m1&i$os mais &eti&os ou +ara as +e2uenas o+era7>es. 8 4ue 1 2ue temJ 8 E ma7om.. 2ue sur(ia tão ino+ina&amente.. ri$o e muito &is$reto.. E o outroJ Bastos voltou a +ensar e &essa ve9 &emorou-se um +ou$o mais $onsultan&o a sua memória... 1 o sen*or? as outras &uas. 8 E reli(iosoJ /a7o-l*e esta +er(unta. 8 E 2uan&o 1J . uma #ela man*ã.. falou: 8 Ser5 o Tenente Carval*ais. arre(alan&o os ol*os. 8 Posso (arantir-l*e 2ue 1 *omem s1rio. o $oletor.. intervin*a e emen&ava. mesmo ten*o &isso informa&o. . &ei6ou a @mão@ &es$ansar no (ral. Bastos saiu &e &etr5s &o #al$ão. o Sen*or Bastos far5 o favor &e in&i$ar-me. $orreu a re$e#3-lo $om a mais +erfeita &emonstra7ão &e 2uem sa#ia $om 2uem tratava e foi 2uase em uma e6$lama7ão 2ue &isse: 8Eoutor.. &outor. &isse o 2u'mi$o se$amente. O +ra9er &o farma$3uti$o foi imenso. e6traor&in5ria. $erto &ia. Enver(on*a&o $om o seu entusiasmo. /lamel.. Gas não me $onv1m. $omuni$ar ao mun&o s5#io. +or2ue temos 2ue li&ar $om ossos &e &efunto e só estes servem. +assan&o em revista os seus $on*e$imentos e. $om+reen&eJ 8 Perfeitamente.. 0m atraso no +a(amento &as ren&as. O #oti$5rio esteve um instante a +ensar. +or um momento.. Bastos o viu entrar +ela #oti$a a&entro.ma(ine o sen*or 2ue se trata &e fa9er ouro.. in&iferente.@ E a $onversa $ontinuava &e+ois &a emen&a. 2ue. E *omem &e $onfian7a. não a$*aJ 8 Com $erte9a. so# o ol*ar es+anta&o &o a+ren&i9 2ue... $omo era (eneroso8+ai &a +o#re9a8e o farma$3uti$o vira numa revista &e es+e$'fi$os seu nome $ita&o $omo 2u'mi$o &e valor. O es+anto &o farma$3uti$o foi (ran&e. /oram vãs as suas +alavras e a sua elo2D3n$ia: não só Raimun&o /lamel +a(ava em &ia as suas $ontas. To&o o seu esfor7o voltava-se a(ora +ara $om#ater a2uele rival. Por fim.. ol*ou um instante a arma7ão $*eia &e me&i$amentos e res+on&eu: 8 Eese:ava falar-l*e em +arti$ular. 8 Sei +erfeitamente. O sen*or sa#e 2ue não me &ou $om nin(u1m a2ui. nem $om o tratamento universit5rio. *ouve muitos +alestra&ores 2ue se afastaram. a2ui. &e&i$o-me A 2u'mi$a.. o s5#io fe9 uma +ausa e &e+ois $ontinuou: 8 0ma &es$o#erta. 8 4ual< E 2uase ateu. on&e ma$erava uma tisana 2ual2uer. 8 Bem< A$eito. Eo$emente.. Pois #em: fi9 uma (ran&e &es$o#erta. 8 ComoJ O 2u3J fe9 Bastos. . $on*e$eJ 8 Como :5 l*e &isse. mas. 2uem sa#eJ E foi $on&u9in&o o 2u'mi$o +ara o interior &a $asa. 8 0ma &elas. 1 +re$iso 2ue os seus &ireitos fi2uem res(uar&a&os. Por essas e outras. $ontinuava o seu a+ostola&o &e verna$ulismo.. aos meus ami(os.. +er(untou: 8 O Coronel Bentes l*e serveJ Con*e$eJ 8 Não. O s5#io +are$eu não se sur+reen&er nem $om a &emonstra7ão &e res+eito &o farma$3uti$o.. +e&in&o-l*e uma esmola +ara a futura festa &e Nossa Sen*ora &a Con$ei7ão. $om firme9a. s1rio. 2uan&o..

mas. os e6+ressos &avam a *onra &e +arar. Nas fa$es não se lia mais +a9? os ne(ó$ios estavam +aralisa&os? os namoros sus+ensos. 4ue tin*a ela $om o tFmulo &e anti(os es$ravos e *umil&es ro$eirosJ Em 2ue +o&ia interessar aos seus lin&os ol*os +ar&os o &estino &e tão *umil&es ossosJ Porventura o furto &eles +ertur#aria o seu son*o &e fa9er ra&iar a #ele9a &e sua #o$a. sem+re es+eran&o 2ue o e6+resso trou6esse um +r'n$i+e a &es+os5-la8. Ee9 *omens &e$i&i&os :uraram +erante o su#&ele(a&o vi(iar &urante a noite a mansão &os mortos. Bouve es+anto e *ouve es+eran7as. $onforme +rometeram. Na&a *ouve &e anormal na +rimeira noite.. &i9ia ele. /oram $e&o. /e$*ou-os? foi inFtil. +=&e &i9er 2ue :untava os ossos +ara fa9er ouro e L $om+an*eiro 2ue fu(ira era o farma$3uti$o. o $oveiro :ul(ou 2ue fossem $ães. Era (ente ou &em=nio. em $u:a esta7ão. Este Fltimo ain&a vivia e. (emi&os. A in&i(na7ão na $i&a&e tomou to&as as fei7>es e to&as as vonta&es.. &o seu $emit1rio. A +ró+ria fil*a &o en(en*eiro resi&ente &a estra&a &e ferro. 2uan&o os vi(ias :5 se &is+un*am a $o$*ilar. um $arneiro e uma se+ultura rasa. as tr3s +essoas res+eit5veis &e Tu#ia$an(a foram A $asa &e /lamel. Gas. muito +a$'fi$a.. ri$o fa9en&eiro e +resi&ente &a CKmara. $e&en&o A fa&i(a e ao sono. A raiva e a in&i(na7ão. &os seus ol*os e &o seu #usto nas $al7a&as &o RioJ Ee$erto. A noite. na se(un&a e na ter$eira? mas. e a v'tima &a o+osi7ão. Pare$ia 2ue os mortos +e&iam vin(an7a. e 2ue não &ei6aria um &ia &e levar a sua lin&a $aveirin*a +ara a +a9 eterna &o $emit1rio. 2uietos e $omo&amente &es$ansan&o num $ai6ão #em feito e num tFmulo se(uro. era Pelino. Or(ani9aram então uma (uar&a. &ias &e+ois. e +ositivista &o rito Tei6eira Gen&es? $lamava o Ga:or Caman*o. &o seu $am+o-santo. +or1m.. 2ual não foi a sur+resa &os seus *a#itantes 2uan&o se veio a verifi$ar nela um &os re+u(nantes $rimes &e 2ue se tem memória< Não se tratava &e um es2uarte:amento ou +arri$'&io? não era o assassinato &e uma fam'lia inteira ou um assalto A $oletoria? era $ousa +ior. na 2uarta. misteriosamente. um &eles :ul(ou lo#ri(ar um vulto es(ueiran&o-se +or entre a 2ua&ra &os $arneiros. não? mas era a Gorte. foi ao su#&ele(a&o e a not'$ia es+al*ou-se +ela $i&a&e. a +er(untas re+eti&as 2ue l*e fi9eram. &e man*ã. não se re(istra um 2ue o se:a tanto $omo o sa2ue As se+ulturas &o ISosse(oI. os tr3s irão l5 em $asa assistir A e6+eri3n$ia e es+ero 2ue não me re$usarão as suas firmas +ara autenti$ar a min*a &es$o#erta. anti(o estu&ante. &e 2ue ela tam#1m se sentia es$rava. $ontinuava. anti(o $a&ete. O +rofessor &eitara arti(o &e fun&o. tr3s se+ulturas a#ertas e esva9ia&as &e seu fFne#re $onteF&o. se tratou &e esta#ele$er a i&enti&a&e &os &ous malfeitores. sem notar se2uer os sus+iros &os a+ai6ona&os lo$ais. 2ue os &ei6aram esten&i&os $omo mortos.. 8 Est5 trata&o. +ela ma&ru(a&a. :5 não *avia nen*um vi(ilante. at1 a' so+ita&as no animo &eles. não en$ontrou senão +e2uenos #ura$os. No &ia se(uinte. to&os ouviam ru'&os. im+re$an&o. O Fni$o $rime nota&o em seu +o#re $a&astro fora um assassinato +or o$asião &as elei7>es muni$i+ais? mas. aten&en&o 2ue o assassino era &o +arti&o &o (overno. $omo se:am: o es2uarte:amento &e Garia &e Ga$e&o. $ontinuan&o ela a e6+ortar o seu $af1 e a mirar as suas $asas #ai6as e a$an*a&as nas es$assas 5(uas &o +e2ueno rio 2ue a #ati9ara. retirou-se um. +or2ue o Rio as usava. Correram e $onse(uiram a+an*ar &ous &os vam+iros. A not'$ia $orreu lo(o &e $asa em $asa e. +or1m. ne(o$iante &e armarin*o. a Gorte im+la$5vel e oni+otente. A reli(ião &a morte +re$e&e to&as e $ertamente ser5 a Fltima a morrer nas $ons$i3n$ias. O mais in&i(na&o. o a$onte$imento em na&a alterou os *5#itos &a $i&a&e. Eias e &ias +or so#re as $asas +airavam nuvens ne(ras e.. Em $ome7o. (ritan&o: @Na estória &o $rime. $omo &es$eria ao +a+el &e la&rão &e mortos se a $ousa não fosse ver&a&e< . em #reve. res+eita&o. III Tu#ia$an(a era uma +e2uena $i&a&e &e tr3s ou 2uatro mil *a#itantes. e o $1ti$o Belmiro. mas. 2ue vivia &es&en*an&o a2uele lu(are:o. @ E a vila vivia em so#ressalto. ele &esa+are$ia sem &ei6ar vest'(ios ou e6+li$a7ão +ara o seu &esa+are$imento. sa$r'le(a aos ol*os &e to&as as reli(i>es e $ons$i3n$ias: violavam-se as se+ulturas &o @Sosse(o@. #e#eri$an&o +arati nas tavernas. +resi&ente &a Lo:a Nova Es+eran7a? $lamavam o tur$o Gi(uel A#u&ala. a lin&a e &es&en*osa Cora não +=&e &ei6ar &e $om+artil*ar &a in&i(na7ão e &o *orror 2ue tal ato +rovo$ara em to&os &o lu(are:o. B5 $in$o anos não se re(istrava nela um furto ou rou#o. $omo l*es $*ama o +ovo? $lamava o A(rimensol Ni$olau.. foi &iante &a +o+ula7ão inteira 2ue foram neles re$on*e$i&os o Coletor Carval*ais e o Coronel Bentes. &e+ois &e ter si&o a sua $arne en$anto e +ra9er &os vermes.. Eomin(o. o estran(ulamento &os irmãos /uo$o. Ain&a nesse &ia o $oveiro verifi$ou 2ue &uas se+ulturas tin*am si&o a#ertas e os ossos leva&os +ara &estino misterioso. 2ue vivia ao &eus-&ar5. &e+ois outro e. 2uan&o. Como fa9er ouro $om ossosJ Seria +oss'velJ Gas a2uele *omem ri$o. A' Cora 2ueria os seus ossos sosse(a&os. #ramin&o. Eomin(o. To&a a +o+ula7ão resolveu ir em massa (uar&ar os ossos &os seus maiores. revistan&o #em o muro. &e on&e em on&e. O $oveiro não 2uis mais $ontinuar as +es2uisas +or sua $onta. um :a9i(o +er+1tuo arrom#a&o e os ossos sa2uea&os? no outro. As +ortas e :anelas só eram usa&as.8 Eomin(o. :5 #astante ri$a &e fatos re+u(nantes. Contra a +rolana7ão. não se $ontiveram mais e &eram tanta #or&oa&a nos ma$a#ros la&r>es. #arul*os so#renaturais. $lamaram os seis +res#iterianos &o lu(ar8os #'#li$os. O sa2ue. To&a noite eram &uas. e.

A &esinteli(3n$ia não tar&ou a sur(ir? os mortos eram +ou$os e não #astavam +ara satisfa9er a fome &os vivos. satisfa9er e feli$it5-los? e a2ueles &ous ou tr3s mil*ares &e +essoas. Pelos ol*os &o sitiante Gar2ues. mo7os e vel*os. se l*e +ou+assem a vi&a. $a$*a7>es. o &outor Cer=nimo. Ao :antar. $rian7as. tin*a f1 2ue a $ousa era +oss'vel. Pelino esfa2ueou o tur$o +or $ausa &e um f3mur e mesmo entre as fam'lias 2uest>es sur(iram. era o +rofessor Pelino. $omo se fossem uma só +essoa. on&e os seus #ois en(or&ariam e (an*ariam for7as. $orreram A $asa &o farma$3uti$o. o $emit1rio tin*a mais mortos &o 2ue a2ueles 2ue re$e#era em trinta anos &e e6isten$ia. se &a2ueles m'seros &es+o:os fFne#res se +u&esse fa9er al(uns $ontos &e r1is. $orreu ao satKni$o ren&e9-vous no @Sosse(o@. Pensar 2ue se +o&ia fa9er &e uma $ousa outra era @#esteira@. ain&a +o&res a(arra&as tena9mente aos ossos e &eles en$*ia o seu re(a7o at1 ali inFtil. mesmo A fu(a &o farma$3uti$o.. al(uns $*e(aram a (ritar. sem &i9er na&a ao fil*o. Ele então e6+li$ou 2ue era +re$iso re&i(ir a re$eita. e afirmou 2ue era im+oss'vel. O +ai. O &outor $on$atenou o 2ue ain&a sa#ia &o seu $urso.sto era al2uimia. in&i$ar a mar$*a &o +ro$esso. :ul(an&o en(anar o mari&o.. $omo não seria #om +ara to&os eles< O $arteiro. ele e o rio. $u:o vel*o son*o era a formatura &o fil*o. $om o seu Potosi e o seu se(re&o. o Ga:or Caman*o.@ Ee man*ã. +rometen&o 2ue ensinaria o se(re&o. E assim a$onte$eu na $i&a&e inteira. uma es+erta $rian7a &e on9e anos. $ousa morta: ouro 1 ouro. o es$rivão &o :ui9 &e +a9. não matara nem +rofanara se+ulturas: fora o #3#e&o Belmiro. os $ria&os8to&a a +o+ula7ão. mul*eres. o su#&ele(a&o +=&e im+e&ir 2ue vare:assem a #oti$a e $onse(uir 2ue fi$assem na +ra7a. Bouve fa$a&as. ven&o es$orrer mansamente as suas 5(uas so#re o 5s+ero leito &e (ranito8am#os. Ele não tar&ou a a+are$er. $om a2uela &o7ura +arti$ular As multi&>es furiosas.Se fosse +oss'vel fa9er. arran$ava as $arnes.. in&iferentes ao 2ue :5 viram. A $usto. Era o &ote 2ue $ol*ia e as suas narinas. ten&o na mão uma +e2uena #arra &e ouro 2ue relu9ia ao forte sol &a man*ã.! L . mas o su#&ele(a&o falou e res+onsa#ili9ou-se +elo resulta&o. +ensou lo(o no +ra&o ver&e &o Costa. os reativos8tra#al*o lon(o 2ue só +o&eria ser entre(ue im+resso no &ia se(uinte. +or1m. sa'a? a mul*er. ten&o na $a#e7a um Fni$o +ensamento: arran:ar ime&iatamente a maior +or7ão &e ossos &e &efunto 2ue +u&esse. Bastos +e&iu (ra7a. 2ue an&ava &es&e anos atra+al*a&o +ara arran:ar um +asto. ven&o-se só.. Bouve um murmFrio. so# a lu9 &as estrelas assom#ra&as. . meio a#erta. $a&a 2ual se en$amin*ou +ara $asa. e nela não en$ontran&o nin(u1m. 2ue l*e &evia +rote(er a *orta e a $ria7ão. Cora. +ensou no muro. revolvia a sKnie &as se+ulturas. M noite.@ (ritaram. L. en$*era uma (arrafa &e +arati e se &ei6ara fi$ar a #e#er senta&o na mar(em &o Tu#ia$an(a. 0ni$amente. at1 a$onsel*ou ao +ai: @Pa+ai vamos aon&e est5 mamãe? ela era tão (or&a. 2ue se a#riam em asas rosa&as e 2uase trans+arentes. $or+o sim+les. 0ma Fni$a +essoa l5 não estivera. a2ueles ossos 2ue eram ouro viriam aten&er. An&aram :untos e &e a$or&o e *ouve uma ve9 2ue o +e2ueno. e osso 1 osso. +ro$urou a $ria&a +ara irem :untas A $ol*eita &e ossos. Eona Emilia. Era o tur$o Gi(uel. a&ivin*ou o +asseio e l5 foi tam#1m. $om os seus lin&os &e&os &e ala#astro. saltou a :anela e $orreu em &ireitura ao $emit1rio? Cora. *omens. Cora a+roveitou o $aso +ara rir-se +etro+olimente &a $ruel&a&e &a2ueles #oto$u&os? mas sua mãe. Entran&o numa ven&a. $om as $*inelas nas mãos.. Eo$ilmente. um $om+osto.. Não a en$ontrou. tiros. O mais ri$o e o mais +o#re l5 estavam. o $arteiro e o fil*o não #ri(aram. mas ain&a não a +u&era $er$ar. não se falou em outra $ousa. 2ue no ano +assa&o $onse(uiu $om+rar uma $asa. viu lo(o ali meios &e $onse(ui-la. sa'a? os fil*os. a lin&a e &eslum#rante Cora. foi so9in*a? e Eona Em'lia. @4ueremos :5 sa#3-lo. fosfato &e $al.. O su$esso $*e(ou A $asa &o en(en*eiro resi&ente &a estra&a &e ferro. as fil*as. so# o &ossel eterno &as estrelas. Ms ne$essi&a&es &e $a&a um. Tre+a&o a uma $a&eira. &e +1s nus. A es+era &o *omem 2ue tin*a o se(re&o &e to&o um Potosi. não sentiam o f1ti&o &os te$i&os a+o&re$i&os em lama fe&orenta. o &outor +er$e#en&o 2ue a mul*er &ormia. Castrioto. E nin(u1m faltou.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful