PREPARANDO-SE PARA O III MIL e a de prova

NIO

10. Mediunidade natural

FRATERNIDADE RAMATÍS DE CURITIBA
CURSO "PREPARANDO-SE PARA O TERCEIRO MILÊNIO" 1º módulo: Introdução ao estudo das obras de Ramatís

A MEDIUNIDADE NATURAL E A DE PROVA
O médium natural é aquele cuja faculdade é aquisição decorrente de sua maturidade espiritual; já o médium de "prova" é agraciado imaturamente com a faculdade mediúnica, destinada a lhe proporcionar o resgate de suas próprias dívidas cármicas. O médium natural assemelha-se ao músico ou pintor já nascido com o "dom" espontâneo para exercer sua arte, à qual ele se entrega com facilidade e prazer. Já o médium de prova compara-se ao aluno que está sendo obrigado a estudar uma ciência ou arte para a qual ainda não apresenta qualidades espontâneas; então, precisa esforçar-se heroicamente para consegui-las, sob um longo treino, exercido entre vacilações, malogros e decepções. Quando se distingue o médium natural do médium de prova, deseja-se apenas destacar aquele que é um instrumento espontâneo e superior da realidade espiritual, daquele que renasce na Terra onerado por uma obrigação de ordem cármica. Enquanto o médium em prova assemelha-se à lâmpada de vidro colorido, que dá a luz que ele filtra com a cor de que também é constituída, o médium natural lembra um foco luminoso cristalino, que irradia sempre a luz em sua pureza original. O médium natural, o instintivo puro, que já possui o tesouro espiritual da intuição angélica, é aquele que mais recebe por mérito de sua maturidade e a "quem muito se pedirá", mas ao médium de prova, embora seja pobre espiritualmente, "maiores contas lhe serão tomadas", pois também "mais coisas lhe são conferidas" no serviço mediúnico, para ressarcir os seus pecados pregressos. O que o médium natural alcança por via intuitiva, como decorrência espontânea de sua própria sutilidade psíquica, e sem necessidade de quaisquer esforços ou adaptações fora do tempo, o médium de prova, sem a linhagem superior para se situar espontaneamente nas faixas vibratórias das esferas crísticas, vê-se obrigado ao desenvolvimento espinhoso, graduando-se através de treino exaustivo com os desencarnados imperfeitos, enfrentando as mais desanimadoras decepções psíquicas. Em face de a mediunidade ser manifestação natural do próprio espírito do homem, devese considerar, sem qualquer exceção, que todas as criaturas são médiuns, porque transmitem para o ambiente da matéria os mais variados tons de seu espírito, assim como o homem sempre influencia os seus demais companheiros pelos seus pensamentos, atos e sentimentos. Há homens que, devido ao seu espírito prenhe de otimismo, incessantemente afeito ao Bem, são médiuns da alegria, da esperança, do ânimo e da confiança, sempre convictos dos elevados objetivos espirituais da vida humana. .1 m dulo: Introdu  ̄o ao estudo das obras de Ramat■s

PREPARANDO-SE PARA O III MIL e a de prova

NIO

10. Mediunidade natural

Outros, pessimistas inveterados, vertem constantemente de sua intimidade psíquica o mau humor que tolda o azul do céu mais puro da jovialidade alheia, e se transformam indesejavelmente nos médiuns da melancolia, da tristeza, da descrença, da aflição e do desânimo. A mente do homem encarnado é o campo que reflete a sua vida interior, assim como transfere para o mundo exterior tanto o seu comportamento anímico quanto os pensamentos dos espíritos encarnados ou desencarnados dos mais variados matizes, que o influenciam em suas relações cotidianas.

Não há duvida, pois, de que todas as criaturas são médiuns, pois a mediunidade não é faculdade adstrita somente a alguns seres, ou exclusivamente aos espíritas, mas todos os homens, como espíritos encarnados na matéria, são intermediários das boas ou más inspirações do Além. É evidente, entretanto, que a faculdade mediúnica se manifesta de conformidade com o entendimento e o progresso espiritual de cada criatura. Em geral, as criaturas humanas ignoram ou não a sua faculdade mediúnica, porquanto, sendo esta fruto da sensibilidade psíquica, nem todos têm noção de quando participam dos fenômenos do mundo oculto, e assim, os confundem facilmente, tomando-os como se fossem manifestações comuns da vida física. Mesmo os homens que se dizem ateus, ou são descrentes da imortalidade da sua própria alma, nem por isso estão isentos da mediunidade, pois eles também podem ser instrumentos inconscientes de inúmeras ações, fenômenos e inspirações dos desencarnados. 1. MEDIUNIDADE NATURAL Os médiuns naturais são aqueles que já gozam de sensibilidade psíquica avançada, cuja mediunidade é fruto exclusivo do seu aprimoramento espiritual. São espíritos que já atingiram um alto nível moral e que, portanto, integraram-se à vida psíquica superior e que, quando encarnados, são mais sensíveis aos fenômenos do mundo oculto, embora isto não aconteça de modo ostensivo, mas apenas através da intuição pura. A sua faculdade mediúnica é o sagrado coroamento do seu próprio aperfeiçoamento espiritual, em vez de uma "concessão extemporânea". São criaturas que se transformaram em centros receptivos das manifestações incomuns que transcendem os sentidos físicos; sua alta sensibilidade, fruto de avançado grau espiritual, afina-se incessantemente com os valores psíquicos do melhor quilate, .1 m dulo: Introdu  ̄o ao estudo das obras de Ramat■s

PREPARANDO-SE PARA O III MIL NIO 10. Mediunidade natural e a de prova facultando-lhes não só o conhecimento instantâneo dos acontecimentos presentes, como ainda as revelações mais importantes do futuro. O abençoado dom da Intuição Pura foi a faculdade iniciática que serviu para que grandes espíritos que passaram pelo mundo terreno, como Buda e Jesus, entre outros, liderassem admiráveis transformações no espírito do homem. Eles tanto aferiram os fenômenos imediatos do mundo invisível, como ainda descortinaram amplamente a síntese dos acontecimentos futuros mais importantes da Terra. O médium espontâneo e natural, em conseqüência da graduação moral e grau superior do seu espírito, dispensa qualquer treinamento ou intervenção técnica para relacionar-se com o mundo oculto, pois o consegue unicamente através de sua alta sensibilidade intuitiva. Embora a maior parte dos médiuns naturais não guarde a consciência nítida e completa de grande parte dos acontecimentos sublimes de que são intermediários, eles se constituem nas antenas vivas avançadas que, sob a inspiração dos espíritos angélicos, fluem para a superfície da matéria as mais confortadoras esperanças e as mais importantes revelações. Instrumentos exclusivos do Bem, eles distribuem orientações benfeitoras, advertências justas e incentivam todos os bons propósitos de vida. No âmago de suas almas, a "Voz Silenciosa" do Senhor os anima, orienta e revela sua obra, tal como faz a todos os seres; no entanto, só os puros intuitivos é que realmente O sentem em sua plenitude divina. Embora esses seres não necessitem participar obrigatoriamente, e a horas certas, dos serviços mediúnicos tradicionais e oficializados na matéria, pois a sua natureza elevada os dispensa do peculiar desenvolvimento torturado da maioria dos médiuns em prova, e sob a atuação dos espíritos imperfeitos, eles são sempre os melhores intérpretes da verdadeira vida imortal. Eles focalizam, numa visão global e fecunda, todas as manifestações gloriosas e concernentes à Criação, que restitui à humanidade as parcelas de fé destruídas pelos maus escritores, filósofos ou líderes religiosos ignorantes.
1.1 MÉDIUM INTUITIVO NATURAL

A mediunidade "natural", faculdade espontânea e intrínseca do espírito já sublimado, isto é, uma decorrência ou corolário do seu próprio grau espiritual, manifesta-se-lhe geralmente pela via intuitiva. Aquele que usufrui da Intuição Pura, como percepção angélica, fruto abençoado de milênios de sacrifícios, renúncias e renovação moral na escalonada espiritual, apresenta as seguintes características:

põe-se facilmente em contato com a Consciência Crística do Criador, pois já vive em sua intimidade o estado de paz e euforia das almas santificadas;

• não está sujeito a sofrer alterações que o contradigam espiritualmente na sua faixa vibratória já alcançada;

.1

m dulo: Introdu  ̄o ao estudo das obras de Ramat■s

PREPARANDO-SE PARA O III MIL NIO 10. Mediunidade natural e a de prova • é imune às influências menos dignas, pois não vibra com as modulações inferiores dos vícios, das paixões ou das seduções da matéria;

não se dessintoniza com o Comando Angélico do orbe; sua alma filtra os pensamentos e as revelações angélicas, assim como a lâmina diamantífera fulge à luz suave do Sol, sem se ofuscar o seu brilho natural; não exige que os altos dignatários da Vida Oculta desçam vibratoriamente até sua organização humana para efetuar o serviço mediúnico, uma vez que ele se encontra ligado permanentemente à fonte angélica e representa na Terra o seu prolongamento vivo; nunca apresenta contradições em sua mediunidade, a qual é somente a emanação de sua própria graduação espiritual, dado que não há retrogradação na intimidade do espírito; a faculdade mediúnica é intrínseca à sua própria índole superior, não podendo poluir-se com as imperfeições do meio em que vive, porque não há decadência em seu nível superior já consolidado; não pode causar nenhuma decepção às almas que o inspiram pela "via interior" e o induzem a elevar o seu padrão espiritual do mundo físico, não estando, portanto, sujeito às frustrações muito comuns no intercâmbio mediúnico dos espíritos benfeitores para com a Terra, como costuma acontecer com os médiuns "de prova". jamais precisa ser atuado para agir corretamente, uma vez que permanece continuamente ligado ao pensamento crístico da vida sublime e, em qualquer momento, constitui-se na sentinela avançada do Alto sobre a Terra; quando pensa, deseja e age, ainda reproduz vivamente o alto grau da mensagem angélica porque, sendo íntegro no trato evangélico com todos os seres, em seus atos reflete sempre a vontade definitiva do Criador!

Assim o foram Francisco de Assis, Antônio de Pádua, Krishna, Tereza de Jesus (Tereza d'Ávila), Pitágoras, Buda, Jesus de Nazaré, e muitos outros anônimos que o mundo desconhece, pela sua grande renúncia e humildade! O médium natural é o cidadão sideral que desceu de sua moradia sublime, mas sem se desligar do Plano Divino, cuja mente vibra sempre à distância de qualquer pensamento ou resíduo moral menos digno.

2. A MEDIUNIDADE DE PROVA Os Mentores Siderais, apiedados dos espíritos demasiadamente onerados em seu fardo cármico para o futuro, lhes oferecem no Espaço oportunidade de reajuste mais breve para alcançarem a ventura mais cedo.

.1

m dulo: Introdu  ̄o ao estudo das obras de Ramat■s

PREPARANDO-SE PARA O III MIL e a de prova

NIO

10. Mediunidade natural

O médium de prova renasce na matéria já comprometido com a obrigação de um trabalho constante a favor da idéia da imortalidade da alma, inclusive o dever de melhorar a sua própria graduação espiritual. Através de processos magnéticos especiais, os técnicos do Astral hipersensibilizam o perispírito daqueles que precisam encarnar com a obrigação de trabalhar, pelo serviço da mediunidade, a favor do próximo, e também empreender a sua própria recuperação espiritual. No Além existem departamentos técnicos especializados, que ajudam os espíritos a acelerar determinados centros energéticos e vitais (chacras) do seu perispírito, despertando-lhes provisoriamente a sensibilidade psíquica para a maior receptividade dos fenômenos do mundo oculto, enquanto se encontram encarnados. Assim, sua mediunidade é faculdade transitória, concedida a título de "empréstimo" pelo Alto; no entanto, ela é faca de dois gumes, pois exige severa postura moral no mundo, porque tanto situa o seu portador em contato com os espíritos benfeitores, como também o coloca facilmente na faixa vibratória sombria das entidades do astral inferior. Embora a faculdade mediúnica pareça a alguns um privilégio extemporâneo, contrariando o conceito de Justiça e Sabedoria Divinas, essa "concessão" prematura ao espírito faltoso implica justamente em sua maior responsabilidade e laborioso trabalho espiritual. A graça "fora de tempo" do mandato mediúnico de prova, portanto, não exime a alma de preocupações e dos obstáculos futuros de sua evolução espiritual; constitui somente o "empréstimo" que lhe permite ressarcir-se de suas tolices e insânias cometidas no passado, compensando o tempo perdido com um serviço extraordinário. Malgrado a mediunidade fenomênica impressione profundamente os sentidos físicos dos encarnados, na profundidade da estrutura espiritual do médium de "prova" quase sempre ainda não se consideram o caráter moral superior, a renúncia angélica, o desapego às ilusões da vida física, ou a capacidade heróica para o cumprimento do mandato redentor.
2.1 MÉDIUM DE PROVA

O médium de prova é o homem diretamente comprometido com a Direção Espiritual do planeta para realizar um serviço definido junto à humanidade, e também em favor de sua própria renovação moral superior. O médium de prova é apenas o instrumento convocado para o serviço compulsório de favorecimento ao próximo ou o transmissor da realidade imortal; mas acima de tudo é o devedor interessado em reduzir o seu débito cármico para com o planeta que o serviu desinteressadamente.

.1

m dulo: Introdu  ̄o ao estudo das obras de Ramat■s

PREPARANDO-SE PARA O III MIL NIO 10. Mediunidade natural e a de prova Visto não poder eximir-se de sua obrigação pré-encarnatória, que assumiu no Espaço, o médium de prova deve apurar o seu caráter, controlar suas emoções e aprimorar o seu intelecto no contato incessante com os valores preciosos da espiritualidade. Em conseqüência, não é de muita importância a preocupação de se distinguir os médiuns comprometidos particularmente com espíritos sublimes, destinados a exercer trabalhos incomuns do mundo físico e que se ligam a severos compromissos com o Alto, daqueles que só resgatam o seu fardo cármico no serviço mediúnico. Mesmo reconhecendo que os médiuns, em geral, oferecem tão diversas condições morais e variam tanto em sua capacidade intelectual, o mais certo e proveitoso é que todos os médiuns cultuem dignamente a vida humana e renunciem em definitivo às ilusões do mundo, protegendo-se assim contra as perfídias do astral inferior e credenciando-se eletivamente para cumprir na íntegra qualquer mandato sob o comando das falanges angélicas! Ainda quanto à distinção existente entre os homens que são médiuns necessitados do desenvolvimento mediúnico junto à mesa espírita e aqueles que, embora médiuns, como são todos os homens, podem dispensar tal desenvolvimento, deve-se considerar que os "médiuns oficiais" na Terra são justamente os que reencarnam comprometidos com serviços obrigatórios na seara espiritista. Estes requerem um desempenho incessante de sua atividade incomum, porquanto necessitam com maior urgência compensar os prejuízos causados a outrem e também acelerar a sua própria recuperação espiritual. Destacando-se dos demais homens, pois gozam de faculdade mediúnica mais acentuada, relacionam-se mais direta e rapidamente com os desencarnados. Conforme seus pensamentos, sua conduta e objetivos na vida, sem dúvida atraem os espíritos da freqüência vibratória sideral que, de conformidade com sua contextura espiritual, passam a influenciar para o bem ou para o mal as pessoas com as quais entram em contato. Mas, justamente porque são raros os médiuns missionários ou de Intuição Pura, também são poucos aqueles que alcançam o auge abençoado do serviço mediúnico sem a preliminar do desenvolvimento torturado. Há médiuns nos quais eclodem ainda os resíduos das velhas paixões que já os conturbaram no passado; os seus pensamentos, palavras e sentimentos são alvo de ataque dos desencarnados, que tudo fazem para impedir o êxito do serviço mediúnico na seara espírita. Eles tentam faze-los buscar o desenvolvimento de sua mediunidade à parte de qualquer disciplina ou proteção doutrinária; exploram-lhes o amor próprio e a vaidade, afastando-os dos ambientes onde criaturas experimentadas poderiam ajuda-los na imunização contra o astral inferior. É a fase torturada e contraditória, eivada de dúvidas e de esperanças, quando o homem sente o despertar de sua faculdade mediúnica, mas infelizmente ainda não possui a força moral, a mente desenvolvida e os sentimentos equilibrados, que deveriam .1 m dulo: Introdu  ̄o ao estudo das obras de Ramat■s

PREPARANDO-SE PARA O III MIL NIO 10. Mediunidade natural e a de prova sintonizar imediatamente com as almas benfeitoras, à medida que se abrem as portas de acesso ao mundo invisível. Às vezes, muito tarde é que o médium compreende a natureza e os objetivos do seu exercício mediúnico obrigatório, pois, malgrado ter enfrentado sacrifícios severos, só então comprova que tudo era feito exclusivamente em seu próprio bem! Então, como um semeador incondicional dos ensinamentos elevados do Alto, tanto precisa imunizar-se contra as críticas alheias, como se impermeabilizar contra as lisonjas ou evidências perigosas à vaidade personalista da vida humana. As suas dores, ingratidões e injustiças são menos importantes do que as desventuras do próximo; as suas próprias opiniões não podem provocar qualquer conflito ou hostilidade alheia contra a doutrina espírita, que o acolhe e beneficia para usufruir o ensejo de renovação espiritual. Os demais homens, embora médiuns em potencial, serão unicamente responsáveis pelos seus atos e por aquilo que possa influir nos seus familiares; mas os médiuns já consagrados ou admitidos como trabalhadores ativos no serviço mediúnico organizado da seara espírita, representam no mundo profano uma idéia espiritual elevada, que não pode nem deve ser tisnada pelos seus interesses pessoais ou caprichos vaidosos.
2.2 O DUPLO ETÉRICO EM FACE DA MEDIUNIDADE DE PROVA

Os médiuns "de prova", isto é, aqueles que se encarnam na Terra com a obrigação principal de cumprirem o serviço mediúnico, especialmente os médiuns de fenômenos físicos que elaboram e consomem ectoplasma, já nascem com certo desvio na
linha magnética vertical dos pólos positivo e negativo do seu perispírito, devido a uma intervenção deliberada que os técnicos siderais processam nele antes de se encarnarem.

.1

m dulo: Introdu  ̄o ao estudo das obras de Ramat■s

PREPARANDO-SE PARA O III MIL e a de prova

NIO

10. Mediunidade natural

Os médiuns de prova, principalmente os de fenômenos físicos, apresentam desviada para a esquerda de seu corpo, em diagonal, a linha magnética perpendicular que desce do alto da cabeça, passa pelo umbigo e cruza entre os seus pés, atravessando assim a zona do baço. O perispírito, com esse desvio magnético inclinado alguns graus à sua esquerda, cuja linha, que deveria cruzar-lhe os supercílios, atravessa-lhe o olho esquerdo, .1 m dulo: Introdu  ̄o ao estudo das obras de Ramat■s

PREPARANDO-SE PARA O III MIL NIO 10. Mediunidade natural e a de prova fincando-lhe entre os pés, termina por também modelar no útero feminino, durante a gestação do corpo físico, um duplo-etérico com esse mesmo desvio à esquerda. Portanto durante o nascimento e o crescimento do homem com a prova de mediunidade, também se modela o seu duplo-etérico obedecendo à mesma inclinação da
linha magnética do perispírito, que fica assim algo deslocado à altura do baço físico e do chacra esplênico, facilitando-lhe o transe mediúnico do modo mais freqüente.

Dessa forma, em obediência às linhas de forças que lhe determinam o desvio à
esquerda de seu corpo físico, o duplo etérico se transforma em janela viva constantemente aberta para o mundo oculto, pondo o homem em contato mais íntimo com os fenômenos extraterrenos, o que lhe confere a condição de um médium, ou seja, aquele indivíduo que pressente e ausculta a vida invisível mediante fenômenos incomuns ("médium de prova").

No entanto, a dupla inclinação do perispírito e do duplo etérico, que faculta a mediunidade de efeitos
físicos, a psicografia mecânica ou a incorporação completa, nada tem a haver com as faculdades espirituais inatas no homem superior, como o poder da Intuição Pura ou a Clarividência Espiritual, cujas qualidades sublimes dependem fundamentalmente da formação moral e do grau sidéreo da alma ("médium natural"),em vez de uma simples intervenção técnica extemporânea.

Os médiuns, em geral, são mais sensíveis que o homem comum, pois se mostram nervosos e doentios, facilmente afetados pelos fenômenos materiais do meio onde vivem, e pelas reações morais, emotivas e mentais dos demais seres que os cercam no mundo. Eles vivem superexcitados pelas preocupações mais comuns, enquanto as coisas mais simples se avolumam e os afligem, devido a sua mente hipersensível e ao
contato mais freqüente do seu duplo etérico com o mundo oculto.

O desvio parcial do duplo etérico e do perispírito, que é bem mais acentuado nos
médiuns de efeitos físicos do que nos outros medianeiros, é responsável por mantê-los em sintonia freqüente com a humanidade desencarnada e por fazê-los sofrer a influência dos sentimentos e das emoções boas ou más, projetadas do plano astral pelos espíritos desencarnados.

Essa porta etérica aberta para o Além, devido ao desvio da linha perispiritual magnética, torna o médium de prova um ser hipersensível em contato mais demorado com os
fenômenos do mundo oculto, mas lhe é também, uma faca de dois gumes, pois poderá arriscá-lo ao fracasso espiritual na vida física por imprudência, caso falseie em seus costumes, se devote às paixões violentas e cultive vícios degradantes.

Portanto, os médiuns de prova necessitam de constante vigilância de seus atos no mundo físico, pois
as entidades malfeitoras do Invisível os espreitam a todo o momento através desta porta psíquica vulnerável.

Raros médiuns de fenômenos físicos puderam atingir o final de sua existência terrena de modo lisonjeiro, pois, em geral, os maquiavélicos das sombras conseguiram perturbar-lhes o mandato sideral, explorando-lhes o orgulho, a vaidade, a cupidez, despertando-lhes interesses mercenários na especulação censurável de sua mediunidade. Infelizmente os médiuns de prova são criaturas que vivem a atual existência humana onerados por grandes responsabilidades ou delitos do passado e por isso, em face de qualquer descuido ou invigilância espiritual, eles se tornam vulneráveis às investidas perniciosas do mundo invisível, pois os de efeitos físicos, com raras exceções e devido à expulsão violenta do seu duplo etérico, entram em transe à semelhança de
ataques epilépticos ou dos viciados em entorpecentes.

.1

m dulo: Introdu  ̄o ao estudo das obras de Ramat■s

PREPARANDO-SE PARA O III MIL e a de prova

NIO

10. Mediunidade natural

O médium deve observar uma vigilância constante nas suas emoções, pensamentos e atos, sendo aconselhado que fuja das paixões e dos vícios lesivos, caso deseje resistir à vontade subvertida, as desmedidas ambições e aos projetos sinistros dos espíritos malévolos e mistificadores. Quando o médium de prova faz uso indiscriminado de anestésicos, entorpecentes, fumo, álcool e carne, essas substâncias tóxicas expulsam com violência do duplo etérico do
corpo físico; se ele se entrega desbragadamente às paixões violentas, aos vícios e aos prazeres condenáveis, então se isola imprudentemente dos próprios guias responsáveis pela sua segurança mediúnica no mundo terreno.

Somente as criaturas de elevada estrutura espiritual, durante a sua existência heróica, mostram-se médiuns poderosos, e se colocam em freqüente contato com as entidades desencarnadas, sem correrem o risco de serem vítimas do poderio e da fascinação das Trevas. Os médiuns regrados, serviçais e magnânimos, alcançam o seu transe mediúnico sob a assistência dos espíritos técnicos benfeitores que os protegem a partir do mundo oculto e os livram das interferências nocivas e conseqüências espirituais. Sob esse controle espiritual amigo, o médium afasta ou retoma o seu duplo-etérico sem o desperdício inútil de energias, uma vez que fica amparado contra a investida do astral inferior, protegendo-se, dessa forma, contra a infiltração de microorganismos perigosos à sua contextura etéreo-física (seu duplo etérico) e de uma desvitalização que lhe abale a saúde física.
2.3 PERCALÇOS NO EXERCÍCIO DA MEDIUNIDADE DE PROVA

O aguçamento imaturo, muitas vezes leva o espírito em prova a desenganos, malogros e rebeldias, tal qual o jogador de xadrez que, após muitos lances frustrados, vacila em mover no tabuleiro a peça de menor importância. Tratando-se de faculdade prematura e ainda provisória, que exige árduo e sacrificial exercício no seio das atividades terrenas, o médium sem a acuidade espiritual espontânea, que orienta facilmente o indivíduo entre os problemas confusos da vida, quase sempre só conclui o seu programa mediúnico depois de muitos tropeços verificados nos atalhos falsos, que são trilhados à guisa de caminho certo. Só a perseverança, o bom ânimo, a tenacidade, o estudo incessante, o combate impiedoso contra as paixões da animalidade inferior e a integração definitiva ao Evangelho de Cristo é que, realmente, podem assegurar o êxito mediúnico.

3. CONVERSÃO DA MEDIUNIDADE DE PROVA EM MEDIUNIDADE NATURAL

.1

m dulo: Introdu  ̄o ao estudo das obras de Ramat■s

PREPARANDO-SE PARA O III MIL NIO 10. Mediunidade natural e a de prova Embora seja agraciado prematuramente com um sentido psíquico mais avançado e ao qual ainda não fazia jus, o médium sinceramente devotado à sua definitiva recuperação espiritual no serviço mediúnico sacrificial poderá transformar em uma faculdade "natural" aquilo que lhe era somente uma faculdade de "prova". Evidentemente, isso é difícil, mas não impossível, pois alguns raros médiuns lograram alcançar a graça da faculdade mediúnica natural, pela graça da faculdade de prova. Não é impossível que o médium de prova, integrado absolutamente no serviço mediúnico sob a égide de Jesus, venha a depurar-se de tal modo que, ao desencarnar, já esteja gozando, em grande parte, da sublime mediunidade natural, que é na realidade a verdadeira mediunidade espiritual. No entanto, é necessário compreender que não existe uma linha demarcatória específica entre a mediunidade de prova e a mediunidade natural, pois, sendo o médium um espírito encarnado, há momentos em que, por força de alguma virtude já bastante desenvolvida, ele também logra ser o instrumento excelso da revelação superior, do mesmo modo como alguns homens experimentam, parcialmente e de modo fugaz, o inefável estado de espírito que é o êxtase.
Fontes bibliográficas:

1. Mediunismo - Maes, Hercílio. Obra mediúnica ditada pelo espírito Ramatís. 5ª ed. Rio de Janeiro, RJ. Ed. Freitas Bastos, 1987, 244p. 2. Elucidações do Além - Maes, Hercílio. Obra mediúnica ditada pelo espírito Ramatís. 6ª ed. Rio de Janeiro, RJ. Ed. Freitas Bastos, 1991.

.1

m dulo: Introdu  ̄o ao estudo das obras de Ramat■s

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful