You are on page 1of 964

I

ACTAS DEL XVIII SEMINARIO ACADÉMICO APEC
2013








DESAFIOS CONTEMPORÁNEOS:
CIÉNCIAS, CULTURAS Y TECNOLOGÍAS EM TIEMPOS DE CRISIS



ISBN – 10 – 84-695-8012-4
ISBN – 13 – 978-84-695-8012-7
Nº. REGISTRO: 201348356

Arte Gráfica: Sérgio André Rossi
Diagramadora: Rani Bortolotti
Primeira Edición – Julio 2013
Nota de los esditores: Esta publicación fue producida a partir de contribuciones
individuales de los autores. Los editores no se hacen responsables directa o implícitamente
por las opiniones expresas y no tiene ninguna responsabilidad por cualquier error u
omisión que pueda haber sido cometida.


Asociación de Investigadores y Estudiantes Brasileños en Cataluña
www.apecbcn.org
apecbcn@gmail.com
Passeig de Gracia, 41 – 3C
08007 Barcelona catalunha Espanha

II



Comité Organizador:
Coordinación del seminario y edición de las actas:
Katucha Rodrigues Bento y Melissa Lima Caminha
Coordinación mesas redondas:
Katucha Rodrigues Bento, Maria Carvalho Dantas y Melissa Lima Caminha
Coordinación GTs y posteres:
Anna Brasó i Rius, Elka Hostensky, Katucha Bento, Melissa Caminha y Oriana Gontiès
Colaboradores:
Emanuela Gouveia
Fabiana Paulino
Francisco Monticelli
Mayra Alfay
Gabriela Lima
Rafaela Diógenes
Marcela Montalvão
Meclycia Shamara

Comité Científico:
Agda Aquino
Alvaro Ferreira
Amauri Carlos
André Munhóz de Argollo Ferrão
Andréa Cesco
Audrey Kavaguchi De Grandis
Bernardo Arantes do Nascimento Teixeira
Bruno Fuser
Cristina Souza da Rosa
Denise Cogo
Denise de La Corte Bacci
Douglas Domingues
Edumar Ramos Cabral Coelho
Elizabete Sanches Rocha
Gabriela Dourado Nunes de Lima
Gilvan Ventura Silva
Inês Assunção de Castro Teixeira
Isabel Travancas
Jauri dos Santos Sá
José Arimatés de Oliveira
José Batista
Julia Petrus
Julio Rozas



Kennedy Piau
Leonardo Cavalcanti da Silva
Liliane Dutra Brignol
Louisianny Guerra da Rocha
Marcos Rodrigues Amorim Afonso
Maria Badet Souza
Maria Carvalho Dantas
Maria Regina Ferreira da Costa
Markus Muller
Marlova Aseff
Miriam Hermi Zaar
Myrian Salas Mellado
Natasha Queiroz Lino
Paulo Edgar R. Resende
Paulo Edi Rivero Martins
Raimir Holanda Filho
Rhoden Melo
Rogério Goulart da Silva
Rosália Gouvéia Filizola
Sandra Saura
Telma Corrêa da Nobrega Queiroz
Virginia Luzón
III



Agradecimientos:
Esta publicación, así como la celebración del XVIII Seminario APEC 2013, ha sido posible
gracias a las contribuciones y ayuda de todas las personas e instituciones que ayudaron
esta realización, promoviendo encuentros e ideas. Agradecemos especialmente toda la
comisión organizadora, todos los ponentes y participantes que hicieron posibles el
seminario de forma voluntaria.
Apoyo Institucional:
Generalitat de Catalunya – Departament de Benestar Social i Família
PREFACIO
La Direcció General per a la Immigració del Departament de Benestar Social i Família de la
Generalitat de Catalunya acoge el XVIII SEMINARI ACADÈMICO organizado por la
Asociación de investigadores y estudiantes brasileros en Cataluña (APEC), con la
instanció de ofrecer un espacio de encuentro para el debate sobre ciencia, cultura i
tecnología en tiempos de crisis. Importante remarcar el hecho que muchos jóvenes
continúan escogiendo Catalunya como destino para su desarrollo académico y profesional,
y que buena parte de estos estudiantes deciden alargar su estada en Catalunya o
permanecer permanentemente. Todo ello nos hace pensar en Cataluña como una tierra de
oportunidades en el ámbito académico y de investigación, hecho que enriquece la cultura
de este país y genera sinergias y visiones compartidas entre los diferentes grupos de
interés. En este sentido, las relaciones Brasil-Cataluña en el ámbito estudiantil merecen
siempre una atención especial.
Los retos de la edición de este año son ciertamente ambiciosos por el que supone analizar
la situación de crisis actual, que afecta de manera global a nuestra sociedad, y hacer
propuestas concretas para mejorar la vida de las personas, independientemente de su
origen o país de residencia. Más que nunca las administraciones públicas tenemos que
estar alerta y escuchar con atención las ideas provenientes de seminarios como el que
organiza el APEC, para intentar avanzar juntos hacia un mundo más justo y solidario.
Deseamos que los encuentros sean un espacio abierto que favorezca el debate sobre los
diferentes temas programados y que posteriormente podamos hacer la difusión necesaria
a través de todos los canales disponibles, tanto públicos como privados, para que las
conclusiones lleguen al mayor número de personas posibles.
Xavier Bosch

IV




APEC
La Asociación de Investigadores y Estudiantes Brasileños en Cataluña (APEC) es una
organización no gubernamental, democrática y sin fines lucrativos que cuenta con veintiún
años de historia. Esta historia ha sido escrita por voluntarios de todo Brasil y compañeros
catalanes y españoles. Su finalidad principal es la de facilitar la integración y el desarrollo
académico y personal de los estudiantes brasileños en Cataluña.
La comunidad apecana realiza reuniones ordinarias mensuales para promover actividades,
encuentros, discutir cuestiones administrativas y planear el seminario académico anual, el
cual celebra este año la XVIIIª edición. La gestión 2012/2013 también promovió dos
actividades regulares mensuales con el fin de crear una agenda de encuentros periódicos
entre APEC y el entorno, para así fortalecer y potenciar redes, seguir creciendo, dándose a
conocer y conociendo.
Entendemos que la academia se hace dentro de una diversidad que extrapola los ámbitos
del laboratorio, biblioteca y áreas afines conocidas por el trabajo intelectual. Buscamos
promover lazos entre diversos actores sociales y legitimar centros culturales, bares,
instituciones educativas y de actividades lúdicas como locales para promover nuevos
conocimientos e intercambios de saberes. Por este motivo, fue importante llegar al
encuentro de nuevos públicos y lugares en los cuales el investigador encuentra o busca los
temas que quiere estudiar, así como también la manera como estos necesitan ser
analizados.
Una de nuestras prioridades principales ha sido la de promover los lazos entre actores
sociales y legitimar los locales que han acogido las actividades que hemos realizado, ya
sean estos centros culturales, instituciones educativas y de actividades lúdicas,
restaurantes o bares. Así hemos podido promover nuevos conocimientos desde el
intercambio de saberes. Ha sido imprescindible, pues, llegar al encuentro de nuevos
públicos y lugares en los cuales el investigador busca o encuentra sus tesis de estudio.
Entre les actividades mensuales que hemos promovido se encuentra el “Sarau” Contando
y Cantando la Relación Brasil & Cataluña. Este espacio se convirtió, poco a poco, en punto
de encuentro desde el que los participantes pudieron encontrar un eco de su espiritualidad
en la de otros, tejiendo así redes de interculturalidad y compromiso mutuo desde la música,
la literatura y el teatro. Los Saraus se han transformado en un espacio de encuentro,
musical, de performance y literario de vinculación de APEC con su entorno más inmediato.
También hemos estado realizando mensualmente el “Botequim Acadêmico”, donde los
estudiantes e investigadores han presentado y debatido sus estudios en el ambiente
informal de un bar (“boteco”). Otra novedad de la gestión 2012/2013 ha sido la creación del
Grupo de Trabajo de Activismo y Ciudadanía, responsable por las mesas redondas del
Seminario, la promoción de debates en el proyecto del Botequim Académico y movilización
de la comunidad apecana en las manifestaciones populares que se dieron en 2012 y 2013
en Brasil y Cataluña.
V



El equipo directivo de 2012/2013 también inauguró, en marzo de 2013, la nueva página
web de APEC, dinamizando informaciones administrativas, académicas y culturales. Contó
con miles de visitas en apenas cinco meses de su creación, convirtiéndose en una fuerte
herramienta para la divulgación de las actividades de la asociación y de las novedades de
la comunidad brasileña en Cataluña.
Es con mucho placer y satisfacción que presentamos APEC y el XVIII Seminario
Académico “Desafíos Contemporáneos: Ciencias, Culturas y Tecnologías en Tiempos de
Crisis”, del mismo modo que animamos a toda la comunidad a participar de las actividades
promovidas por APEC.


Katucha Rodrigues Bento
Presidente


Melissa Lima Caminha
Secretaria

Anna Brasó i Rius
Tesorera


Executiva APEC – Gestión 2012/2013
www.apecbcn.org / apecbcn@yahoo.com

VI




PRESENTACIÓN
El XVIII Seminario Académico APEC 2013 - Desafíos Contemporáneos: Ciencias, Culturas
y Tecnologías en Tiempos de Crisis busca abordar una temática compleja, relacionada a
todos los ámbitos de nuestras vidas. Creemos que la actual crisis, que hoy es afrontada
por varios pueblos y países alrededor del mundo, no se trata sólo de una crisis económica,
es también una crisis de los modos de vida, del conocimiento, de las políticas, culturas,
creencias y sociedades que construimos en nuestro hacer y pensar como sociedades
capitalistas que articulan el consumo desenfrenado y de todas formas de explotación. Pero
también creemos que a partir de estas crisis contemporáneas, está siendo posible el
surgimiento de nuevas ideas, nuevos afectos, nuevas culturas, nuevas tecnologías y
formas sociales alternativas, pensamientos revolucionarios y potencialmente subversivos
del “status quo”. Futuros posibles alternativos a las realidades que vivimos hoy es lo que
buscamos debatir y reflexionar a través de esta temática.
El nuevo Grupo de Trabajo (GT) de Activismo y Ciudadanía de APEC, preocupado en
tratar de las crisis en su dimensión cultural y política, ha elaborado mesas y ponenci as
relacionadas a la praxis ciudadana y su importancia para la construcción de democracias
participativas, economías alternativas y mundos sostenibles.
La mesa inaugural “Desafíos Contemporáneos: Por una academia politizada” reúne, por
primera vez en la historia de APEC, representantes de varias asociaciones de estudiantes
de Brasil en Europa: Cataluña, Francia, Portugal y Reino Unido. Con esta mesa
reforzamos la preocupación de APEC en debatir el compromiso político, la responsabilidad
y la ética en el asociacionismo y movimiento de estudiantes, sugiriendo como debate la
politización de la academia. Una academia en la que el cuerpo docente, los investigadores
y los estudiantes puedan transformar conocimiento en saber, dentro, a través y más allá de
los muros de la universidad.
Coincidiendo con las protestas masivas en Brasil, la mesa sobre “Movimientos
Ciudadanos, Democracia participativa y Estado del bienestar: Perspectivas en Brasil,
España y Cataluña” fomenta el debate y la reflexión crítica sobre nuestra participación y
responsabilidad como ciudadanos, bien como estrategias de movilización y lucha en pro de
nuestros derechos civiles y humanos. La mesa invita a la reflexión del concepto y práctica
democrática, debatiendo sobre el poder de la ciudadanía y su responsabilidad en la
construcción de modos económicos alternativos, formas sociales creativas, solidarias y
efectivamente democráticas.
El veterano GT de Género de APEC, por su vez, teniendo en cuenta la importancia sobre
las políticas de representación y construcción del género, trae a debate el cuerpo en su
dimensión humana y pos humana. La mesa redonda “Cuerpos, Sexualidades y Afectos: La
Cuestión del Género en la Contemporaneidad”, trae a debate cuerpos engendrados y
queerizados, y reflexiona sobre los cuerpos en construcción y por la creación de nuevos
afectos y relaciones. También problematiza las categorías de la sexualidad y sus
VII



representaciones en la sociedad. Cuerpos en lucha por el respeto de la diversidad y
pluralidad tan necesarias para la creación de sociedades más justas.
Dando continuidad al debate sobre la crisis, la mesa “Desafíos de la Cooperación
Internacional en Tiempos de Crisis” tratará temas como ONGs, cooperativismo, comercio
justo y mercados locales, sostenibilidad, capital social, economías alternativas, principios y
estrategias de colaboración, desafíos de los procesos de desarrollo locales, redes sociales,
indignación ciudadana, entre otros pertinentes a la creación de otro concepto del mundo,
de la globalización, de las culturas y de las nuevas formas de economía.
Ya las aportaciones de las áreas de ciencias y tecnologías están visiblemente ampliadas
este año, debido a las contribuciones de los estudiantes brasileños provenientes del
programa de becas del gobierno federal brasileño, “Ciências sem Fronteiras”. Nuestro
incentivo a la participación de estudiantes de grado provenientes de este programa, bien
como las ponencias sobre tecnologías aéreas, biotecnología, y salud ha buscado reforzar
el carácter interdisciplinario que APEC promueve en sus encuentros.
El XVIII Seminario Académico APEC 2013 intenta construir un encuentro marcado por la
diversidad e interdisciplinariedad tan necesarias para repensar de forma compleja los
desafíos contemporáneos de los mundos, culturas y tecnologías que construimos en
nuestro vivir. Todo esto teniendo en cuenta también la importancia de las artes y de la
cultura del aspecto lúdico y estético, muchas veces olvidados en los contextos
estrictamente teóricos e intelectuales, de forma que la comunidad académica de Brasil se
vuelva cada vez más politizada y crítica, sin olvidar la poesía.

Katucha Rodrigues Bento Melissa Lima Caminha



VIII




Programación de mesas redondas y ponencias
MESA REDONDA "DESAFÍOS CONTEMPORÁNEOS: POR UNA ACADEMIA
POLITIZADA"

MODERADOR: Flávio Carvalho. Presidente de la Asociación Amigos de Brasil en
Barcelona, Coordinador del Colectivo Brasil Cataluña, Sociólogo por la Universidad Federal
de Pernambuco, invitado por la Organización Internacional para las Migraciones (de la
ONU) para ayudar en la construcción de la política pública brasileña para las migraciones,
basada en la defensa de los derechos humanos de todos los migrantes.

PONENTES:
Ana Luiza Bachmann Schogor. Graduación en Zootécnica, especializada en agro
negocios (UFPR), Máster en "Ciência Animal e Pastagens" de São Paulo (USP-ESALQ).
Actualmente realiza el Post-doctorado en el Institute of Biological Environmental an Rural
Sciences (IBERS) - Aberystwyth University, Wales, UK. Directora de proyectos de la
Asociación de Brasileños Estudiantes de Postgrado en el Reino Unido (ABEP UK).
Assis Anderson Ribeiro da Silva. Graduación en Ciencias de la Naturaleza y
Matemáticas por la Universidad de la Integración Internacional de la Lusofonia. Intercambio
de estudiantes Programa Licenciaturas Internacionales, Universidad de Coimbra.
Secretario de la Asociación de Investigadores y Estudiantes Brasileños en Coimbra (APEB
Coimbra).
Katucha Bento. Graduación en Sociología y Política por la Escuela de Sociología y
Política de São Paulo, Master en Sociología por la Universidad de Barcelona, Investigadora
en la Universidad Autónoma de Barcelona, Universidad Pompeu Fabra y University of
Cambridge. Presidenta de la Asociación de Investigadores y Estudiantes Brasileños en
Cataluña (APEC).
Vinícius Kauê Ferreira. Master en Antropología Social per l’Ecole des Hautes Etudes en
Sciences Sociales (EHESS), filiada al Centre d’Estudes de l’Inde et de l’Asie du Sud
(CEIAS) dónde desarrolla una investigación sobre la historia de la Antropología en la India.
Graduado en Ciencias Sociales por la Universidade Federal de Santa Catarina. Afiliado al
Núcleo de Identidades de Género y Subjetividades (NIGS). Presidente de la Asociación de
los Estudiantes Brasileños en Francia (APEB)

MESA REDONDA "MOVIMIENTOS CIUDADANOS, DEMOCRACIA PARTICIPATIVA Y
El ESTADO DEL BIENESTAR: PERSPECTIVAS DESDE BRASIL, ESPAÑA Y
CATALUÑA".

IX



MODERADORA: Maria Carvalho Dantas. Graduación en Derecho por la Universidad
Federal de Sergipe, Doctorado en Filosofía Jurídica, Moral y Política por la Universitat de
Barcelona, Especialización en Derecho Medio Ambiental por la Universitat de Barcelona,
Formación Superior en Finanzas por la Universitat Oberta de Catalunya, Formación en
Riesgos Financieros por la IOE, Traductora e Intérprete jurídica. Ejerció de Comisaria de
Policía Civil SSP-SE (Brasil).
PONENTES:
S.O.S. Racisme. Sra. Jose Peñin, responsable de comunicación i portavoz:
Democracia, Cooperación i Racismo. Democracia, Cooperación y Racismo. Es una
asociación que desde el 1989 trabaja en la defensa de los Derechos Humanos desde la
acción antirracista. Entienden el racismo y la xenofobia como un ataque a los Derechos
Humanos y por lo tanto luchan para erradicarlos en todos los estratos y ámbitos de la
sociedad. Reivindican la igualdad de derechos y oportunidades para todas las personas
que comparten y conforman una misma sociedad, como un factor indispensable por
universalizar el concepto de ciudadanía.
Oriol Amorós: El Estado del Bienestar. Ingeniero Técnico Agrícola por la Escola
Superior de Agricultura de Barcelona de la Universitat Politècnica de Catalunya. Posgrado
en Economía Agraria Europea por la Universitat de Lleida. Fue Secretario para la
Inmigración del Gobierno de la Generalitat de Cataluña de 2006 a 2010. Vicesecretario
general de Comunicación y Estrategia d’ERC y portavoz adjunto del Grupo Parlamentario
de Esquerra Republicana al Parlamento de Cataluña, miembro de varias Comisiones de la
Cámara.

Pere Pugès: Movimientos Ciudadanos y Democracia Participativa. Dirección de
empresas cooperativas por ESADE. En el año 2009 fue uno de los cuatro impulsores del
primer núcleo que organizó la Conferencia Nacional para el Estado propio, de la que nació
el proceso constituyente de la Asamblea Nacional Catalana. Actualmente, es el
responsable de Relaciones Externas e Institucionales del Secretariado Nacional de la ANC
y, como tal, miembro de su Comité Ejecutivo.
Movimiento 15m: precedentes históricos, conquistas y desafíos actuales. Movimiento
social y popular, que surgió después de la manifestación del 15 de Mayo en España. No
tiene representación partidaria ni asociativa. Les une el malestar por la precariedad de la
vida, por las desigualdades, pero sobre todo les une una vocación de cambio. Afirman
existir porque quieren una nueva sociedad, que dé prioridad a la vida por encima de los
intereses económicos y políticos.
Movimento Dia do Basta: El Despertar de la Ciudadanía en Brasil. Movimiento social,
pacífico y sin fines lucrativos, que promueve una serie de iniciativas para combatir la
corrupción y promover la participación social y política en el Brasil, el rescate de la ética y
la moral del Legislativo, del Ejecutivo y del Judicial, en todos los niveles de gobierno, ya
sea nacional, estatal o municipal. Uno de sus principales acontecimientos es la Marcha
Nacional de Lucha contra la Corrupción y de la educación.

X




MESA REDONDA "CUERPOS, SEXUALIDADES Y AFECTOS: LA CUESTIÓN DEL
GÉNERO EN LA CONTEMPORANEIDAD"

MODERADORA: Maria Badet. Periodista Posgraduada en Imágenes y Culturas
Mediáticas por la Univeridade Ferderal de Minas Gerais y Doctora en Comunicación
Audiovisual y Publicidad por la Universitat Autònoma de Barcelona. Experta en inmigración
brasileña, medios de comunicación y análisis desde la perspectiva de género. Actualmente
es investigadora del Centro de Estudios Olímpicos de la Universitat Autònoma de
Barcelona y miembro del Consejo de Ciudadanía de Brasil en la Jurisdicción del Consulado
de Brasil en Barcelona.

PONENTES
Aina Pérez: Las representaciones lésbicas en la literatura contemporánea. Licenciada
en Filología Hispánica (Premio Extraordinario de Licenciatura, UB) y Master en Literatura
Comparada: Estudios Literarios y Culturales (UAB). Su área de investigación versa en
torno la autoría y el género. Es educadora, imparte cursos de formación en materia de
género y sexualidad. Coordinadora del dossier “Saberes e poderes do corpo” (revista
Interfaces, UFRJ).

Gerard Coll-Planas: Las contribuciones i debates de la Teoría Queer. Doctor en
Sociología por la Universitat Autònoma de Barcelona y profesor de la Universitat de Vic.
Miembro del grupo de investigación “Estudios de género: traducción, literatura, historia i
comunicación”. Estudia temas de políticas de igualdad, género e migraciones,
transexualidad, cuerpo, teoría queer.

Meri Torres: Las representaciones de género, sexualidades i etnias del sujeto.
Profesora de la Universitat Autònoma de Barcelona en la área de Teoría de la Literatura i
Literatura Comparada. Sus principales líneas de investigación son sobre géneros
autobiográficos, la epístola, los estudios culturales; estudios de género i sexualidad,
estudios del cuerpo. Coordinadora del proyecto de investigación “Cos i textualitat/Cuerpo y
textualidad).

Oscar Guasch: Construcciones posibles de masculinidad como formas de romper
con las referencias heterosexuales. Doctor en Antropología Social, profesor a la
Universitat de Barcelona. Su actividad investigadora se centra en la Sexualidad, el cuerpo,
el SIDA, la salud, la homofobia, en la perspectiva de género aplicada a los hombres, y en
el trabajo sexual masculino, economía informal. Coordina la Red Interdisciplinaria de
Investigación sobre Sexualidad, Sociedad y Salud.

XI




MESA REDONDA "LA COOPERACIÓN INTERNACIONAL EN TIEMPOS DE CRISIS"

MODERADORA: Maria Carvalho Dantas. Graduación en Derecho por la Universidad
Federal de Sergipe, Doctorado en Filosofía Jurídica, Moral y Política por la Universitat de
Barcelona, Especialización en Derecho Medio Ambiental por la Universitat de Barcelona,
Formación Superior en Finanzas por la Universitat Oberta de Catalunya, Formación en
Riesgos Financieros por la IOE, Traductora e Intérprete jurídica. Ejerció de Comisaria de
Policía Civil SSP-SE (Brasil).

PONENTES:
Augusto de Franco: El despertar de la ciudadanía en Brasil, el desarrollo local, el
capital social, la democracia e las redes sociales. Escritor y consultor. Creador dels
netwavers de la Escola de Redes. Autor de libros y textos sobre el desarrollo local, capital
social, democracia i redes sociales. Coordinó la plenaria final de la I Conferencia Nacional
de Seguridad Alimentaria y Secretariado Ejecutivo Nacional de Acción de Ciudadanía
contra el hambre, la miseria y por la vida (Campanha do Betinho).
Andrea Costafreda. La agenda del Desarrollo del post-2015 a la luz de los cambios
en el mapa de la pobreza, la emergencia de nuevos actores y los desafíos de acción
colectiva global. ¿Ventana de oportunidad o "business as usual"?. Investigadora y
consultora en cooperación internacional, gobernabilidad democrática y eficacia de las
ayudas. Docente en distintas universidades (UOC, UAB). Publicaciones sobre: el impacto
de los procesos de democratización y las instituciones políticas sobre el desarrollo, y sobre
cooperación descentralizada. Investigadora asociada del CIDOB. Profesora asociada del
IBEI. Actualmente coordina la Colección de Estudios Sociales de la Fundació la Caixa..
Flávio Carvalho: Asociacionismo Migrante y Participación Transnacional: Alianzas
Estratégicas por un derecho a una Ciudadanía Universal. Presidente de la Asociación
de Amigos del Brasil en Barcelona, coordinador del Colectivo Brasil Cataluña, Sociólogo
por la Universidade Federal de Pernambuco, invitado por la Organización Internacional por
las Migraciones (ONU) para ayudar a la construcción de la política pública brasileña por las
migraciones basada en la defensa de los derechos humanos de todos los migrantes.
José Ramón Giménez: ONGs, mercados locales, burbuja inmobiliaria, la indignación.
Es documentalista, ambientalista y periodista durante 25 años a Televisión Española –
TVE. Reportajes sobre el medio ambiente y cooperación internacional del programa “El
escarabajo Verde”. Director del documental “Amazonia, masato o petróleo” y “El mundo del
Darma”. Coordina la campaña “Indígenas cuando la tierra camina”, ONG Liga de los
Derechos de los Pueblos. Dirige vídeos centrados en el tercer sector de la Asociación
Loopa Media. Colaborador de la red social BarcelonActua, de la Fundación Bosch y
Cardellach y de varias campañas sobre medio ambiente.

XII



PONENCIA "INNOVACIONES EN EL MUNDO TECNOLÓGICO Y LAS POSIBILIDADES
DE LA CIENCIA CONTEMPORÁNEA"
Ponent: Professor Sérgio Ruiz
Sergio Ruiz se graduó en Administración y dirección de empresas y en Ingeniería Técnica
de las Telecomunicaciones, especialidad en Telemática, y actualmente se encuentra en el
proceso de finalizar el doctorado en Telecomunicaciones e Ingeniería de Sistemas, en la
Universitat Autònoma de Barcelona. Su principal ámbito de investigación se ha centrado en
la gestión y planificación estratégica de los flujos de tráfico y trayectorias 4D por la mayor
capacidad, eficiencia y seguridad del espacio aéreo, así como en el desarrollo de
herramientas automáticas de apoyo a la toma de decisiones para el Control de Tráfico
Aéreo (planificación táctica), y ha producido 5 publicaciones por revistas JCR de primero
cuartil (2 pendientes de publicación), ha participado en más de 10 congresos y workshops
durante los 4 años de trabajo con la tesis doctoral. Ha obtenido el Best Papel Award por su
participación a Internacional Conference donde Research in Air Transportation (ICRAT) del
2010, y el premio SESAR Young Scientist Award 2012 que le fue otorgado por el SEASAR
Scientific Committe (EUROCONTROL) por la relevancia, la madurez y la originalidad en
sus contribuciones dentro del programa SESAR por la modernización tecnológica del Cielo
Único Europeo.
XIII




XVIII SEMINARI ACADÈMIC APEC

















DESAFIAMENTS CONTEMPORANIS:
CIÈNCIES, CULTURES I TECNOLOGIES EM TEMPS DE CRISI























Associació d'Investigadors i Estudiants Brasilers a Catalunya

www.apecbcn.org
XIV



Comitè Organitzador
Coordinació del seminari i edició d’actes:
Katucha Rodrigues Bento y Melissa Lima Caminha
Coordinació taules rodones:
Katucha Rodrigues Bento, Maria Carvalho Dantas y Melissa Lima Caminha
Coordinació GTs i posters:
Anna Brasó i Rius, Elka Hostensky, Katucha Bento, Melissa Caminha y Oriana Gontiès
Colaboradors:
Emanuela Gouveia
Fabiana Paulino
Francisco Monticelli
Mayra Alfay
Gabriela Lima
Rafaela Diógenes
Marcela Montalvão
Meclycia Shamara

Comitè Científic
Agda Aquino
Alvaro Ferreira
Amauri Carlos
André Munhóz de Argollo Ferrão
Andréa Cesco
Audrey Kavaguchi De Grandis
Bernardo Arantes do Nascimento Teixeira
Bruno Fuser
Cristina Souza da Rosa
Denise Cogo
Denise de La Corte Bacci
Douglas Domingues
Edumar Ramos Cabral Coelho
Elizabete Sanches Rocha
Gabriela Dourado Nunes de Lima
Gilvan Ventura Silva
Inês Assunção de Castro Teixeira
Isabel Travancas
Jauri dos Santos Sá
José Arimatés de Oliveira
José Batista
Julia Petrus
Julio Rozas
Kennedy Piau
Leonardo Cavalcanti da Silva
Liliane Dutra Brignol
Louisianny Guerra da Rocha
Marcos Rodrigues Amorim Afonso
Maria Badet Souza
Maria Carvalho Dantas
Maria Regina Ferreira da Costa
Markus Muller
Marlova Aseff
Miriam Hermi Zaar
Myrian Salas Mellado
Natasha Queiroz Lino
Paulo Edgar R. Resende
Paulo Edi Rivero Martins
Raimir Holanda Filho
Rhoden Melo
Rogério Goulart da Silva
Rosália Gouvéia Filizola
Sandra Saura
Telma Corrêa da Nobrega Queiroz
Virginia Luzón


XV

Agraïments
Aquesta publicació, així com la celebració del XVIII Seminari APEC 2013, ha estat
possible gràcies a les contribucions i ajuda de totes persones i institucions que van
ajudar aquesta realització, promovent trobades i idees. Agraïm especialment a tota
la comissió organitzadora, tots els ponents i participants que de forma voluntària van
fer possible el seminari,
Suport institucional
Generalitat de Catalunya – Departament de Benestar Social i Família

PREFACI
La Direcció General per a la Immigració del Departament de Benestar Social i
Família de la Generalitat de Catalunya acull el XVIII SEMINARI ACADÈMIC
organitzat per l’Associació d’investigadors i estudiants brasilers a Catalunya
(APEC), amb la intenció d’oferir un espai de trobada per al debat sobre ciència,
cultura i tecnologia en temps de crisi. Cal remarcar el fet que molts joves segueixin
escollint Catalunya com a destí per al seu desenvolupament acadèmic i professional
i que bona part d’aquests estudiants decideixin allargar la seva estada a Catalunya o
romandre-hi permanentment. Tot plegat ens fa pensar en Catalunya com una terra
d’oportunitats en l’àmbit acadèmic i de recerca, fet que enriqueix la cultura d’aquest
país i genera sinergies i visions compartides entre els diferents grups d’interès. En
aquest sentit, les relacions Brasil-Catalunya en l’àmbit estudiantil mereixen sempre
una atenció especial.
Els reptes de l’edició d’enguany són certament ambiciosos pel que suposa anali tzar
la situació de crisi actual, que afecta de manera global a la nostra societat, i fer
propostes concretes per millorar la vida de les persones, independentment del seu
origen o país de residència. Més que mai les administracions públiques hem d’estar
alerta i escoltar amb atenció les idees provinents de seminaris com el que organitza
l’APEC, per intentar avançar junts cap a un món més just i solidari.
Desitgem que les trobades siguin un espai obert que afavoreixi el debat sobre els
diferents temes programats i que posteriorment puguem fer la difusió necessària a
través de tots els canals disponibles, tant públics com privats, perquè les conclusions
arribin al major nombre de persones possibles.
Xavier Bosch

XVI




APEC
L'Associació d'Investigadors i Estudiants Brasilers a Catalunya (APEC) és una
organització no governamental democràtica i sense afany de lucre que compta amb
vint-i-un anys d'història. Aquesta història ha estat escrita per voluntaris de tot Brasil i
companys catalans i espanyols. La seva finalitat principal és la de facilitar la
integració i el desenvolupament acadèmic i personal dels estudiants brasilers a
Catalunya.
La comunitat apecana realitza reunions mensuals ordinàries per tal de promoure
activitats, trobades, discutir qüestions administratives i planejar el seminari acadèmic
anual, el qual arriba enguany a la seva XVIII edició. La gestió 2012/2013 també ha
promogut dues activitats regulars mensuals, per tal de crear una agenda de trobades
periòdiques entre APEC i l’entorn, i així seguir enfortint i potenciant xarxes, per tal de
seguir creixent donant-se a conèixer i coneixent.
Entenem que l'acadèmia es fa dins d'una diversitat que extrapola els àmbits del
laboratori, biblioteca i àrees afins conegudes pel treball intel·lectual. Més que això,
busquem promoure lligams entre diversos actors socials i legitimar locals com a
centres culturals, bars, institucions educatives i d'activitats lúdiques com locals per
promoure nous coneixements i intercanvis de sabers. Per aquest motiu ha estat
important arribar a la trobada de nous públics i nous llocs en els quals l'investigador
troba o busca els temes que vol estudiar, així com també la manera com aquests
necessiten ser analitzats.
Una de les nostres prioritats principals ha estat la de promoure els llaços entre actors
socials i legitimar els locals han acollit les activitats que hem estat realitzant, ja siguin
centres culturals, institucions educatives i d’activitats lúdiques, restaurants o bars.
Així hem pogut promoure nous coneixements des de l’intercanvi de coneixements i
sabers. Ha estat imprescindible, doncs potenciar la trobada amb nous públics i llocs,
en els quals l’investigador busca o troba les tesis d’estudi.
Entre les activitats mensuals que hem estat promocionant, hi trobem el “Sarau”
Contant i cantant la relació Brasil & Catalunya. Aquest espai ha esdevingut, de mica
en mica, un punt de trobada des del qual els participants han pogut trobar un eco de
la seva espiritualitat en la dels altres teixint així xarxes d’interculturalitat i compromís
mutu des de la música, la literatura i el teatre. També han potenciat la vinculació
d’APEC amb el seu entorn més immediat.
L'altra activitat mensual és el "Botequim Acadêmico", per la qual cosa estudiants i
investigadors presenten i debaten els seus estudis en l'ambient informal del bar
("Boteco"). Una altra novetat de la gestió 2012/2013 ha estat la creació del Grup de
Treball de Activisme i Ciutadania, responsable per les taules rodones del seminari,
promoció de debats en el projecte del “Botequim Acadêmico” i mobilització de la
XVII



comunitat apecana en les manifestacions populars que es van donar en 2012 i 2013
al Brasil i Catalunya.
L'equip directiu de 2012/2013 també va inaugurar, al març de 2013, la nova pàgina
web de l'APEC, dinamitzant informacions administratives, acadèmiques i culturals.
Comptant amb milers de visites en només cinc mesos de la seva creació, la nova
web es va tornar en una forta eina en la divulgació de les activitats de l'associació i
de les novetats de la comunitat brasilera a Catalunya.
És amb molt de goig i plena satisfacció que presentem l'APEC i el XVIII Seminari
Acadèmic "Desafiaments Contemporanis: Ciències, Cultures i Tecnologies en Temps
de Crisi". Animem tota comunitat a participar de les activitats promogudes per APEC.

PRESENTACIÓ
El XVIII Seminari Acadèmic APEC 2013 - Desafiaments Contemporanis: Ciències,
Cultures i Tecnologies en Temps de Crisi busca abordar una temàtica complexa,
relacionada a tots els àmbits de les nostres vides. Creiem que l'actual crisi que avui
afronten diversos pobles i diversos països arreu del món no es tracta només d'una
crisi económica, es tracta d'una crisi de les formes de vida, del coneixement, de les
polítiques, cultures, creences i societats que construïm al nostre fer i pensar com
societats capitalistes que articulen el consum desenfrenat i de totes formes
d'explotació.
Però també creiem que, a partir d'aquestes crisis contemporànies, està sent possible
l'emergència de noves idees, nous afectes, noves cultures, noves tecnologies i
formes socials alternatives, pensaments revolucionaris i potencialment subversius
del "status quo". Futurs possibles alternatius a les realitats que vivim avui és el que
busquem debatre i reflexionar a través d'aquesta temàtica.
El nou Grup de Treball (GT) de Activisme i Ciutadania de l'APEC, preocupat en
tractar de les crisis en la seva dimensió cultural i política, ha elaborat taules i
ponències relacionades a la praxi ciutadana i la seva importància per a la
construcció de democràcies participatives, economies alternatives i mons
sostenibles.
La taula inaugural "Desafiaments Contemporanis: Per una Acadèmia polititzada"
reuneix, per la primera vegada en la història de l'APEC, representants de diverses
associacions estudiantils brasileres a Europa: Catalunya, França, Portugal i Regne
Unit. Amb aquesta taula reforcem la preocupació de l'APEC a debatre el compromís
polític, la responsabilitat i l'ètica en l'associacionisme i moviment estudiantil, portant a
debat la politització de l'acadèmia. Una acadèmia en què professorat, investigadors i
estudiants puguin transformar coneixement en saber, dins, a través i més enllà dels
murs de la universitat.
Coincidint amb les protestes massives al Brasil, la taula sobre "Moviments
Ciutadans, Democràcia Participativa i Estat del Benestar: Perspectives a Brasil,
XVIII



Espanya i Catalunya" fomenta el debat i la reflexió crítica sobre la nostra participació
i responsabilitat com a ciutadans, bé com a estratègies de mobilització i lluita en pro
dels nostres drets civils i humans. La taula convida a la reflexió del concepte i
pràctica democràtica, debatent sobre el poder de la ciutadania i la seva
responsabilitat en la construcció de maneres econòmiques alternatives, formes
socials creatives, solidàries i efectivament democràtiques.
El veterà GT de Gènere de l'APEC, per la seva vegada, tenint en compte la
importància sobre les polítiques de representació i construcció del gènere, porta a
debat el cos en la seva dimensió humana i post humana. La taula rodona "Cossos,
Sexualitats i Afectes: La Qüestió del Gènere a la Contemporaneïtat", porta a debat
cossos engendrats i queeritzats, i reflexiona sobre els cossos en construcció i per la
creació de nous afectes i relacions. També problematitza les categories de la
sexualitat i les seves representacions en la societat. Cossos en lluita pel respecte de
la diversitat i pluralitat tan necessàries per a la creació de societats més justes.
Donant continuïtat al debat sobre la crisi, la taula "Desafiaments de la Cooperació
Internacional en Temps de Crisi" tractarà temes com ONGs, cooperativisme, comerç
just i mercats locals, sostenibilitat, capital social, economies alternatives, principis i
estratègies de col·laboració, desafiaments dels processos de desenvolupament
locals, xarxes socials, indignació ciutadana, entre d'altres pertinents a la creació
d’altre concepte del món, de la globalització, de les cultures i de les noves formes
d’economia.
Ja les aportacions de les àrees de ciències i tecnologies estan visiblement ampliades
enguany, a causa de les contribucions dels estudiants brasilers provinents del
programa de beques del govern federal brasiler, "Ciências sem Fronteiras". El nostre
incentiu a la participació d'estudiants de grau provinents d'aquest programa, bé com
les ponències sobre tecnologies aèries, biotecnologia, i salut ha buscat reforçar el
caràcter interdisciplinari que APEC promou en les seves trobades.
El XVIII Seminari Acadèmic APEC 2013 intenta construir una trobada marcat per la
diversitat i interdisciplinarietat tant necessàries per repensar de manera complexa els
desafiaments contemporanis dels móns, cultures i tecnologies que construïm al
nostre viure. Tot això, tenint en compte també la importància de les arts i de la
cultura, de l'aspecte lúdic i estètic, moltes vegades oblidades en els contextos
estrictament teòrics i intel·lectuals per tal que la comunitat acadèmica del Brasil es
torni cada vegada més polititzada i crítica sense oblidar la poesia.

Katucha Rodrigues Bento Melissa Lima Caminha


XIX




Programació de taules rodones i ponències
TAULA RODONA "DESAFIAMENTS CONTEMPORANIS: PER UNA ACADÈMIA
POLITITZADA"

MODERADOR: Flávio Carvalho. President de l’Associació Amics del Brasil a
Barcelona, Coordinador del Col·lectiu Brasil Catalunya, Sociòleg per la Universidade
Federal de Pernambuco, convidat per l’Organització Internacional per les Migracions
(de l’ONU) per ajudar en la construcció de la política pública brasilera per les
migracions basada en la defensa dels drets humans de tots els emigrants.

PONENTS:
Ana Luiza Bachmann Schogor. Graduació en Zootècnica. Especialitzada en
Agronegòcis (UFPR), màster en “Ciência Animal e Pastagens” de São Paulo (USP-
ESALQ). Actualment està realitzant el Post-doctorat a l’Institute of Biological
Environmental an Rural Sciences (IBERS)- Aberystwyth University, Wales, UK.
Directora de projectes de l’Associació de Brasilers Estudiants de Postgrau al Regne
Unit –ABEP UK).
Assis Anderson Ribeiro da Silva. Graduació en Ciències de la Naturalesa i
Matemàtiques (Universitat de la Integració Internacional de la Lusofonia). Intercanvi
d’estudiants Programa Llicenciatures Internacionals, Universitat de Coimbra.
Secretari de l’Associació d’Investigadors i Estudiants Brasilers a Coimbra –APEB
Coimbra.
Katucha Bento. Graduació en Sociologia i Política per l’Escola de Sociologia i
Política de São Paulo. Màster en Sociologia per la Universitat de Barcelona.
Investigadora a la Universitat Autònoma de Barcelona, Universitat Pompeu Fabra i
University of Cambridge. Presidenta de l’Associació d’Investigadors i Estudiants
Brasilers a Catalunya –APEC.
Vinícius Kauê Ferreira. Màster en Antropologia Social per l’Ecole des Hautes
Etudes en Sciences Sociales (EHESS), filiat al Centre d’Estudes de l’Inde et de
l’Asie du Sud (CEIAS) on desenvolupa una investigació sobre la historia de
l’Antropologia a la Índia. Graduat en Ciències Socials per la Universitat Federal de
Santa Catarina. Afiliat al Nucli d’Identitats de Gènere i Subjectivitats (NIGS).
Actualment és president de l’Associació dels Estudiants Brasilers a França (APEB)

XX




TAULA RODONA "MOVIMENTS CIUTADANS, DEMOCRÀCIA PARTICIPATIVA I
L’ESTAT DEL BENESTAR: PERSPECTIVES DES DEL BRASIL, ESPANYA I
CATALUNYA".

MODERADORA: Maria Carvalho Dantas. Graduació en Dret por la Universidad
Federal de Sergipe, Doctorat en Filosofia Jurídica, Moral i Política per la Universitat
de Barcelona, Especialització en Dret Medi Ambiental per la Universitat de
Barcelona, Formació Superior en Finances per la Universitat Oberta de Catalunya,
Formació en Riscs Financers per la IOE, Traductora i Intèrpret jurídica. Va exercir de
Comissària de Policia Civil SSP-SE (Brasil).
PONENTS:
S.O.S. Racisme. Sra. Jose Peñin, responsable de Comunicació i portaveu:
Democràcia, Cooperació i Racisme. és una associació que des del 1989 treballa
en la defensa dels Drets Humans des de l’acció antiracista. Entenen el racisme i la
xenofòbia com un atac als Drets Humans i per tant lluiten per eradicar-los en tots els
estrats i tots els àmbits de la societat. Reivindiquen la igualtat de drets i oportunitats
per a totes les persones que comparteixen i conformen una mateixa societat, com un
factor indispensable per universalitzar el concepte de ciutadania.
Oriol Amorós: Estat del Benestar. Enginyer Tècnic Agrícola per l'Escola Superior
d'Agricultura de Barcelona de la Universitat Politècnica de Catalunya. Postgrau
Economia Agrària Europea per la Universitat de Lleida. Va ser Secretari per la
Immigració del Govern de la Generalitat de Catalunya de 2006 a 2010. Vicesecretari
general de Comunicació i Estratègia d’ERC, portaveu adjunt del Grup Parlamentari
d'Esquerra Republicana al Parlament de Catalunya i membre de vàries Comissions
de la Cambra.

Pere Pugès: Moviments Ciutadans i Democràcia Participativa. Direcció
d’empreses cooperatives per l’ESADE. L’any 2009 va ser un dels quatre impulsors
del primer nucli de persones que va organitzar la Conferència Nacional per l’Estat
propi (30 d’abril de 2011), de la que en va sortir el procés constituent de l’Assemblea
Nacional Catalana (10 de març de 2012). Actualment, és el responsable de
Relacions Externes i Institucionals del Secretariat Nacional de l’ANC i, com a tal,
membre del seu Comitè Executiu.
Moviment 15m: precedents històrics, conquestes i desafiaments actuals.
Moviment social i popular, que va sorgir després de la manifestació del 15 de Maig a
Espanya. No té representació partidària ni associativa. Els uneix el malestar per
unes vides precàries per les desigualtats, però sobretot els uneix una vocació de
canvi. Afirmen existir perquè volen una nova societat que doni prioritat a la vida per
sobre del interessos econòmics i polítics.

XXI



Moviment Dia do Basta: El Despertar de la Ciutadania en Brasil. Moviment
social, pacífic i sense fins de lucre, que promou una sèrie d'iniciatives per combatre
la corrupció i promoure la participació social i política al Brasil, el rescat de l'ètica i la
moral del Legislatiu, de l’Executiu i del Judicial, en tots els nivells de govern, ja sigui
nacional, estatal o municipal. Un dels seus principals esdeveniments és la Marxa
Nacional de Lluita contra la Corrupció i de l'educació.

TAULA RODONA "COSSOS, SEXUALITATS I AFECTES: LA QÜESTIÓ DEL
GÈNERE A LA CONTEMPORANEÏTAT"

MODERADORA: Maria Badet. Periodista Postgraduada en Imatges i Cultures
Mediàtiques per la Univeridade Ferderal de Minas Gerais i Doctora en Comunicació
Audiovisual i Publicitat per la Universitat Autònoma de Barcelona. Experta en
immigració brasilera, mitjans de comunicació i anàlisi des de la perspectiva de
gènere. Actualment és investigadora del Centre d’Estudis Olímpics de la Universitat
Autònoma de Barcelona i membre del Consell de Ciutadania de Brasil a la
Jurisdicció del Consolat de Brasil a Barcelona.

PONENTS
Aina Pérez: Les representacions lèsbiques en la literatura contemporània.
Llicenciada en Filologia Hispànica (Premi Extraordinari de Llicenciatura, UB) i Màster
en Literatura Comparada: Estudis Literaris i Culturals (UAB). La seva àrea
d’investigació versa entorn l’autoria i el gènere. És educadora, imparteix cursos de
formació en matèria de gènere i sexualitat. Coordinadora del dossier “Saberes e
poderes do corpo” (revista Interfaces, UFRJ)


Gerard Coll-Planas: Les contribucions i debats de la Teoria Queer. Doctor en
Sociologia per la Universitat Autònoma de Barcelona i professor de la Universitat de
Vic. Membre del grup d’investigació “Estudis de gènere: traducció, literatura, historia
i comunicació”. Estudia temes de polítiques d’igualtat, gènere i migracions,
transsexualitat, cos, teoría queer.

Meri Torres: Les representacions de gènere, sexualitats i ètnies del subjecte.
Professora de la Universitat Autònoma de Barcelona en la àrea de Teoria de la
Literatura i Literatura Comparada. Les seves principals línies d’investigació són
sobre gèneres autobiogràfics, l’epístola, els estudis culturals; estudis de gènere i
sexualitat, estudis del cos. És la coordinadora del projecte d’investigació “Cos i
textualitat/Cuerpo y textualidad).

XXII



Oscar Guasch: Construccions possibles de masculinitat com a formes de
trencar com referències heterosexuals. Doctor en Antropologia Social, professor a
la Universitat de Barcelona. La seva activitat investigadora es centra en la Sexualitat,
el cos, la sida, la salut, l’homofòbia, en la perspectiva de gènere aplicada als homes,
i en el treball sexual masculí, economia informal. Coordina la Xarxa Interdisciplinària
de Recerca en Sexualitat, Societat i Salut

TAULA RODONA "LA COOPERACIÓ INTERNACIONAL EN TEMPS DE CRISI"
MODERADORA: Maria Carvalho Dantas. Graduació en Dret por la Universidad
Federal de Sergipe, Doctorat en Filosofia Jurídica, Moral i Política per la Universitat
de Barcelona, Especialització en Dret Medi Ambiental per la Universitat de
Barcelona, Formació Superior en Finances per la Universitat Oberta de Catalunya,
Formació en Riscs Financers per la IOE, Traductora i Intèrpret jurídica. Va exercir de
Comissària de Policia Civil SSP-SE (Brasil).

PONENTES:
Augusto de Franco: El Despertament de la Ciutadania a Brasil,
Desenvolupament Local, Capital Social, Democràcia i Xarxes Socials. Escriptor i
consultar. Creador d’un dels netwavers de la Escola de Redes. Autor de llibres i
textos sobre el desenvolupament local, capital social, democràcia i xarxes socials.
Va coordinar la plenària final de la I Conferència Nacional de Seguretat Alimentària i
Secretariat Executiu Nacional d’Acció de Ciutadania contra la fam, la misèria i per la
vida (Campanha do Betinho).
Andrea Costafreda. L'agenda del Desenvolupament del post-2015 a la llum dels
canvis al mapa de la pobresa, l'emergència de nous actors i els desafiaments
d'acció col • lectiva global. ¿Finestra d'oportunitat o "business as usual"?.
Investigadora i consultora en cooperació internacional, governabilitat democràtica i
eficàcia de les ajudes. Docent en diferents universitats (UOC, UAB). Publicacions
sobre: l'impacte dels processos de democratització i les institucions polítiques sobre
el desenvolupament, i sobre cooperació descentralitzada. Investigadora associada
del CIDOB. Professora associada de l'IBEI. Actualment coordina la Col•lecció
d'Estudis Socials de la Fundació la Caixa.
Flávio Carvalho: Associacionisme Migrant i Participació Transnacional:
Aliances Estratègiques per un dret a una Ciutadania Universal. :
Associacionisme Mirant i Participació Transnacional: Aliances Estratègiques per un
Dret a la Ciutadania Universal. President de l’Associació d’Amics del Brasil a
Barcelona. Coordinador del Col·lectiu Brasil Catalunya, Sociòleg per la Universiade
Federal de Pernambuco, convidat per l’Organització Internacional per les Migracions
(de la ONU) per ajudar a la construcció de la política pública brasilera per les
migracions basada en la defensa dels drets humans de tots els migrants.
José Ramón Giménez: ONGs, mercats locals, bombolla immobiliària, la
indignació. És documentalista, ambientalista i periodista durant 25 anys a Televisió
XXIII



Espanyola – TVE). Reportatges de medi ambient i cooperació internacional del
programa “El escarabajo Verde”. Director del documental “Amazonia, masato o
petróleo” y “El mundo del Darma”. Coordina la campanya “Indígenes qual la terra
camina”, ONG Lliga dels Drets dels Pobles. Dirigeix vídeos centrats en el tercer
sector de l’Associació Loopa Media. Col·laborador de la xarxa social BarcelonActua,
de la Fundació Bosch i Cardellach i de diverses campanyes sobre medi ambient.

PONÈNCIA "INNOVACIONS EN EL MÓN TECNOLÒGIC I LES POSSIBILITATS
DE LA CIÈNCIA CONTEMPORÀNIA"

Ponent: Professor Sérgio Ruiz
Sergio Ruiz es va graduar en Administració i Direcció d’Empreses i en Enginyeria
Tècnica de les Telecomunicacions, especialitat en Telemàtica, i actualment es troba
en el procés de finalitzar el doctorat en Telecomunicacions i Enginyeria de Sistemes,
a la Universitat Autònoma de Barcelona. El seu principal àmbit d’investigació s’ha
centrat en la gestió i la planificació estratègica dels fluxos de tràfic i trajectòries 4D
per la major capacitat, eficiència i seguretat de l’espai aeri, així com en el
desenvolupament d’eines automàtiques de suport a la presa de decisions per al
Control de Tràfic Aeri (planificació tàctica), i ha produït 5 publicacions per revistes
JCR de primer cuartil (2 pendents de publicació), ha participat en més de 10
congressos i workshops durant els 4 anys de treball amb la tesi doctoral. Ha obtingut
el Best Paper Award per la seva participació a Internacional Conference on
Research in Air Transportation (ICRAT) del 2010, i el premi SESAR Young Scientist
Award 2012 que li va ser atorgat pel SEASAR Scientific Committe
(EUROCONTROL) per la rellevància, la maduresa i l’originalitat en les seves
contribucions dins del programa SESAR per la modernització tecnològica del Cel
Únic Europeu.

XXIV




Grupos de Trabalho (GT)


GT01 – Agrotecnologia
GT02 – Ciências de Materiais e Processos Químicos
GT03 – Tecnologias e Processos Digitais
GT04 – Comunicação e Informação: Novas propostas e conexões
GT05 – Educação e Sociedade
GT06 – Arte, Literatura e História: Diálogos e releituras no contexto contemporâneo
GT07 – Trabalho, Pobreza, Estado e Desenvolvimento
GT08 – Percepções e performances de Gênero e Sexualidade
GT09 – Direitos, Imigração e Cidadania Participativa
GT10 – Avaliação e Promoção da Saúde

XXV




TRABALHOS APRESENTADOS NOS GT


GT01 – Agrotecnologia

Eficacia de las diferentes herramientas disponibles para diagnósticar infecciones de
estructuras sinoviales en el caballo ............................................................................... 773
Filipe Simeão Fröhlich Klug
María Martin-Cuervo
Rafael Barrera Chacón


GT02 – Ciências de Materiais
e Processos Químicos

Aplicaciones de compuestos carbonosos en el medioambiente: funcionalización de
nanotubos de carbón por adsorción de metales y su utilización................................. 209
Jéssyca Mariana de Oliveira

Influência do tratamento térmico na cor da madeira de Eucalyptus grandis W.Hill ex
Maiden .............................................................................................................................. 897
Carolina Gomes de Oliveira Griebeler

Otimização do processo de pré-tratamento ácido do bagaço de sorgo sacarino
(Shorgum bicolor (L.) Moench) para produção de bioetanol ........................................ 261
Rayane Kunert Langbehn
Alexandre Soares dos Santos

Síntese e caracterização de óxidos ternários nanoestruturados puro e dopados com
európio ............................................................................................................................. 138
Maiko Souza Feitosa
Dhiego Maradona Arruda Coelho
Francisco das Chagas Dantas De Lemos

Verificação da atividade antibacteriana dos óleos voláteis e extratos de plantas
medicinais utilizadas no tratamento de inflamações e infecções na comunidade de
Três Lagoas-Bahia ........................................................................................................... 672
XXVI



Floricéa Magalhães Araújo
Laís Moreira de Oliveira
Marjorie Carla dos Santos Macedo Dantas


GT03 – Tecnologias e Processos Digitais

Aplicação de análise e modelagem multidimensional para o monitoramento de
resíduos sólidos industriais ........................................................................................... 505
Ana Regina Sales de Carvalho
Edson Patrício da Silva
Thiago A. M. N. Viana
Renata L. M. E. Rego

Design de Interação ......................................................................................................... 803
Clebeson Canuto dos Santos
Rafaela de Almeida Santos

Híbridos, diagramas, algoritmos: un resumen de los procesos digitales de trabajo en
la concepción del proyecto de arquitectura .................................................................. 219
Geraldo Benicio da Fonseca

Realidade Aumentada Aplicada no Ensino de Arquitetura de Computadores ..... 157
Edson Patrício da Silva
Ana Regina Sales de Carvalho
Cleyton Mário de Oliveira Rodrigues


GT04 – Comunicação e Informação:
Novas propostas e conexões

As estratégias discursivas e dialógicas de uma rede social: o caso do sucesso do
Facebook no Brasil .......................................................................................................... 482
Patrícia Margarida Faria s Coelho
Marcos Rogério Martins Costa

Crime e Media: A violência no Brasil massificada no exterior por meio de telejornais
brasileiros. O caso da TV Record ................................................................................... 463
XXVII



Rogério Paiva Pinto

O Facebook e a estruturação da Esfera Pública no meio digital .................................. 734
Thiago Melo

Website: Música Eletroacústica ...................................................................................... 392
Gustavo Oenning
Bianca Pomini Milléo
José Humberto Boguszewski


GT05 – Educação e Sociedade

Conflito Ambiental no Contexto Escolar: discursos e práticas docentes ................... 553
Angélica Cosenza
Isabel Martins

Da pesquisa a prática docente: narrando experiências sobre a internacionalização do
ensino superior ................................................................................................................ 111
Lilian Ucker Perotto

Museu Paraense Emilio Goeldi: um patrimônio entre a educação, a ciência e o lazer
.......................................................................................................................................... 718
Yara Felicidade de Souza Reis

O brincar e a cultura infantil como patrimônio cultural imaterial. Projeto Brasileirinhos,
Barcelona ......................................................................................................................... 854
Marina Simone Dias

Paulo Freire e a Educação do Homem para Liberdade ................................................. 875
Ulisses Santos do Nascimento
Márjorie Carla dos santos Macedo Dantas
Maiko Sousa Feitosa

Percepções dos alunos e professores do curso técnico em Agropecuária acerca da
interdisciplinaridade na Educação Profissional ............................................................ 881
Anelise Levay Murari
Lilian Reiche Levay
XXVIII



Marcelle Moreira Peres

Práticas de Avaliação Formativa: prespectivas de professores do 2º ciclo básico em
Braga – Portugal .............................................................................................................. 597
Karla Haydê Oliveira da Fonseca

Reflexões sobre “meio expressivo”no ensino da arte contemporânea......................... 58
Helga Correa

Uma experiência brasileira de apoio à inclusão escolar no formato de ensino
colaborativo (co-ensino) ................................................................................................. 241
Carla Ariela Rios Vilaronga
Ana Paula Zerbato
Enicéia Gonçalves Mendes

Cinema Documentário e Formação de Professores.........................................928
Cristiano José Rodrigues


GT06 – Arte, Literatura e História:
Diálogos e releituras no contexto contemporâneo

A Categoria de Resistência no Imaginário de Artistas de Fortaleza ............................ 837
David Limaverde

A leitura dos clássicos, uma possibilidade biblioterapêutica: por um viver melhor .. 618
Karla Haydê Oliveira da Fonseca

Aristóteles no mundo árabe: um recurso teórico para a construção de uma filosofia
prática ............................................................................................................................... 825
Francisca Galiléia Pereira da Silva

Black-Tie Acessível ......................................................................................................... 632
Jariane Vailati
Patricia Vicente Ribeiro

El teatro contemporáneo: su propuesta, su espacio. Paralelismos entre Teatre Lliure
(Catalunya) y Grupo Galpão (Brasil). .............................................................................. 422
XXIX



Marina Simone Dias

Experiências, relações e subjetividades nas práticas de cozinhas ............................. 572
Juzelia de Moraes Silveira

Slow Fashion – Bases Conceituais para o Design de Moda Sustentável .................... 294
Josiany Oenning
Manuela Neves
Bianca Pomini Milléo

Sobre estar à espreita e ser catadora de imagens: reflexões em torno ao percurso
investigativo ..................................................................................................................... 585
Aline Nunes da Rosa


GT07 – Trabalho, Pobreza, Estado e Desenvolvimento

A produção do espaço e as desigualdades socioespaciais na morfologia das cidades
.......................................................................................................................................... 280
Altemar Amaral Rocha

Analise sobre a decadência da pesca em Ourinhos – SP: Os impactos de uma
pequena central hidrelétrica na vida de pescadores artesanais .................................. 522
Sarah Cledia Malta Ferreira
Guilerme Debeus Costa e Souza

Cartografias do crime: Um estudo sobre os Camelôs na cidade do Rio de Janeiro à luz
da Teoria do Ator-Rede ................................................................................................... 684
Thaísa Duarte Ferreira

Cooperação intermunicipal em áreas não metropolitanas ............................................. 91
Angela Maria Endlich

Imagem e música: relações e formas de resistência em uma produção artística
contemporânea ................................................................................................................ 183
Leonardo Luigi Perotto

La Intervención Comunitaria según las ONG de Cataluña ........................................... 443
XXX



Márcia Skibick
Veronica Ximenes
Gabriela Luna Lara

Política criminal de drogas en Brasil: la urgencia de una quiebra de paradigma ..... 320
Thereza Cristina Coitinho das Neves

Recursos e estratégias familiares no enfrentamento das situações de pobreza ..... 402
Luciene Rodrigues
Casimiro Balsa
Maria Elizete Gonçalves

Juventude e trabalho no brasil contemporâneo..............................................929
Ivanete Modesto do Amaral
Maria Cristina Alves Maneschy


GT08 – Percepções e performances de
Gênero e Sexualidade

O mal estar atual e os efeitos na subjetividade das mulheres vítimas de violência de
gênero............................................................................................................................... 790
Valéria Ferreira Jorge

Theoretical Dimensions of Intersectionality: Gender, Race, Sexuality and Nationality
.......................................................................................................................................... 340
Katucha Rodrigues Bento

Female Clowns: A Search for a Theoretical, Artistic and Social Cartography of
Women as Comic Subjects…………………………………………………………..912
Melissa Lima Caminha



XXXI



GT09 – Direitos, Imigração e Cidadania Participativa

Cidades de/para consumo e sujeitos/embates invisíveis: Rio de Janeiro e Barcelona
.......................................................................................................................................... 701
Letícia Giannella

“Desenvolvimentos” no Aurá: atores, projetos e racionalidades em confronto numa
área de proteção ambiental em Belém (PA) ..................................................................... 34
Vanusa Carla Pereira Santos
Maria José da Silva Aquino Teisserenc

Importância do método cartográfico para integrar os estudos de psicologia aos temas
de estudos urbanos ......................................................................................................... 647
Marcela Montalvão Teti

Los brasileños y el sueño europeo: un estudio sobre la calidad de vida y la realidad de
los profesionales del sexo brasileños en España ......................................................... 754
Geovane Francisco de Souza

Manual escolar: um objeto de estudo possível para as Relações Internacionais..... 372
Vítor Lopes Andrade

O dano moral coletivo como instrumento viabilizador do desenvolvimento humano 351
Fernando de Paula Batista Mello

O interacionismo simbólico e as instituições policiais: a construção das imagens do
BOPE do Rio de Janeiro .................................................................................................. 536
Jacqueline Carvalho da Silva

Os direitos dos povos indígenas: Teoria, realidade e prática. O caso de Fortaleza –
Brasil................................................................................................................................. 124
Daniel Valério Martins


XXXII



GT10 – Avaliação e Promoção da Saúde

Alterações do Perfil de Desenvolvimento dos Padrões Motores Locomotores e de
Controle de Objetos Decorrentes da Obesidade ........................................................... 170
Talissa Carine Rosa
Cláudio Marcelo Tkac
Rafael Kanitz Braga

Biomarcadores para Doença de Alzheimer: a influência do uso de antidepressivos na
expressão dos níveis plaquetários de ADAM10 .............................................................. 70
Otávio Augusto Fernandes Marques Bianco
Patricia Regina Manzine
Márcia Regina Cominetti

Perfil Sócio-Demográfico E Epidemiológico De Idosos Participantes De Práticas
Corporais: Um Olhar Qualitativo .................................................................................... 307
Braulio Nogueira de Oliveira
Francisco das Chagas Vasconcelos de Souza Neto
Wellington Gomes Feitosa


33

XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








“DESENVOLVIMENTOS” NO AURÁ:
ATORES, PROJETOS E RACIONALIDADES EM
CONFRONTO NUMA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL
EM BELÉM (PA)



Vanusa Carla Pereira Santos
Maria José da Silva Aquino Teisserenc
Universidade Federal do Pará – UFPA



2013
34



“Desenvolvimentos” no Aurá: atores, projetos e
racionalidades em confronto numa área de proteção
ambiental em Belém (PA)

Vanusa Carla Pereira Santos
Mestre
Universidade Federal do Pará – UFPA
Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais – PPGCS
Instituto de Ciências Sociais Aplicadas – ICSA – Faculdade de Economia
Universidade Federal do Pará – UFPA – Brasil
vanusasantos18@yahoo.com.br

Maria José da Silva Aquino Teisserenc
Doutora
Universidade Federal do Pará – UFPA
Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais – PPGCS
Instituto de Filosofia e Ciêcias Humanas – IFCH- Faculdade de Sociologia
Universidade Federal do Pará – UFPA - Brasil
mjaq@uol.com.br

Resumo
Neste artigo é discutido o território do Aurá, situado em Belém (PA), seus atores,
relações e conflitos sociais, ambientais e econômicos, representados pelos
catadores de lixo, o Governo Municipal e Estadual, e a Conestoga-Rovers, empresa
que queima o gás metano, produzido pela decomposição dos resíduos. O desafio é
compreender como esses atores se reapropriam socialmente da natureza, uma
racionalidade ambiental no sentido apresentado por Leff (2002), ou seja,
ultrapassando-se o domínio da lógica do mercado. A metodologia utilizada são
entrevistas e questionários utilizados para a coleta de dados nos meses de julho a
setembro de 2012 junto aos atores envolvidos na questão. Como resultados
preliminares temos a irregularidade do Aurá, que funciona sem licenciamento
ambiental, as condições inadequadas dos catadores e moradores das redondezas, e
a empresa Conestoga que negocia os créditos de carbono pela queima do gás
metano. Logo, é constatada uma desarticulação entre políticas sociais, ambientais e
econômicas.
Palavras-chave: Ação pública, racionalidade ambiental, sustentabilidade,
tratamento do lixo, mecanismo de desenvolvimento limpo.

Abstract
35



The article discusses the territory of Aurá, located in Belém (PA), its actors, relations
and social conflict, environmental and economic aspects, represented by the
garbage collectors, the Municipal Government and State and Conestoga-Rovers, a
company that burns gas methane produced by decomposition of the waste. The
challenge is to understand how these actors reappropriate socially Nature, an
environmental rationality in the sense presented by Leff (2002), ie, exceeding the
mastery of the logic of the market. The methodology used interviews and
questionnaires are used to collect data from July to September 2012 the
stakeholders involved in the issue. As preliminary results we irregularity Aurá that
works without licensing, the poor conditions of nearby residents and scavengers, and
Conestoga company that trades carbon credits by burning methane gas. It is
therefore found a disconnect between social, environmental and economic.

Keywords: Public action, environmental rationality, sustainability, waste treatment,
clean development mechanism.

1 Introdução
O território em construção, na área de proteção ambiental – APA de Belém,
o Aterro do Aurá é uma região composta por atores, relações e conflitos com
demandas econômicas, sociais e ambientais, no território que se configura nesta
localidade.
Vários atores convivem nessa região, com interesses diversos e papeis
diferenciados. Algumas comunidades se constituíram de forma desordenada no
entorno do Aterro do Aurá e este fato provocou diversos problemas. A Prefeitura
Municipal de Belém (PMB), em convênio com empresas estrangeiras, implementou
uma fábrica que visa a queima do gás metano oriundo dos resíduos ali depositados
e futuramente pretendem produzir biogás e esta produção recebe créditos de
carbono em contrapartida a diminuição de emissão de gases na atmosfera, de
acordo com o Protocolo de Kyoto e o uso do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo
(MDL).
O Aterro do Aurá é gerenciado pela Secretaria de Saneamento (SESAN –
PMB), porém como o mesmo se localiza dentro da APA de Belém, que é gerenciada
pelo governo estadual, tudo que for feito nesta área precisa do aval do mesmo,
36



inclusive a licença ambiental que o lixão não tem desde 2007, pelo mesmo estar fora
das condições ambientais necessárias a um aterro sanitário, sendo o mesmo hoje
considerado um lixão a céu aberto.
A PMB tem um projeto social de coleta seletiva com os catadores do Aurá,
vinculados ao DRES e a SESAN, que faz parte da Rede Recicla Pará, oriundo do
Movimento de Catadores do Brasil, além deste projeto social outras cooperativas de
catadores também fazem parte dessa rede. Tem também outra rede que engloba as
cooperativas que não fazem parte da Recicla Pará, que é a Central de Cooperativa
do Estado do Pará - CENTPARA, vinculada a Organização das Cooperativas do
Brasil - OCB. As associações/cooperativas de catadores que existem em Belém,
Ananindeua e outros municípios no interior do Estado, que estão vinculados a essas
redes, recebem financiamento do governo do Estado, através da Secretaria de
Estado de Assistência Social (SEAS), que tem um projeto na Diretoria de Segurança
Alimentar e Nutricional (DISAN), onde um dos itens financiados são os resíduos
sólidos.
Dessas relações entre esses atores envolvidos nessa questão do Aterro do
Aurá, com interesses diversos, que geram conflitos, surge a necessidade de
investigar, analisar e compreender a economia oriunda do lixo, sua dinâmica
econômica e socioambiental no Aterro do Aurá e seu entorno e a tentativa de tornar
esta área uma região regida pelo desenvolvimento sustentável, com uma
racionalidade ambiental, de acordo com as ideias defendidas por Leff (2002).

2 Problema da Pesquisa e o Objetivo
O problema da pesquisa envolve quatro questionamentos básicos: 1) Qual o
significado atribuído pelos diferentes atores a este território, conhecido por Aurá? 2)
Como vem sendo construídas e traduzidas em ações públicas as relações entre o
Estado, os atores sociais e o mercado considerando demandas de ordem social e de
ordem ambiental? 3) Como as agências públicas têm contribuído com suas gestões
para a constituição do Aurá enquanto território de proteção ambiental, tanto quanto
em atrativo para iniciativas econômicas como a degradante catação do lixo e, ao
mesmo tempo, para uma iniciativa empresarial correspondente ao MDL? 4) Como
esses interesses econômicos se apresentam face às referências e imperativos de
ordem ambiental e social considerados sustentáveis?
37



O objetivo é compreender como diferentes atores e interesses, se
reapropriam socialmente da natureza constituindo, desenvolvendo, um território de
ação tanto pública quanto privada, no qual uma “economia do lixo” marcaria, por um
lado, com sua presença a sustentabilidade, por outro, ameaçaria esta mesma
sustentabilidade, uma vez orientadas para o mercado e a envolver dinâmicas sociais
e ambientais consideradas excludentes e de risco. Como, nessas condições, as
ações que constituem este território se distanciam e se aproximam de uma
racionalidade ambiental no sentido apresentado por Leff (2002).

3 Metodologia
A pesquisa foi realizada junto às secretarias que estão envolvidas na
questão dos resíduos sólidos e com o meio ambiente, como a SEMA, SEMMA,
DIAP, SESAN, SEAS, além do MPE, IEC, a empresa CRAWORLD Conestoga –
Rovers, as comunidades que vivem no entorno do Aurá e a COSANPA.
Os métodos da pesquisa basearam-se em entrevistas e questionários
estruturados que constituíram os instrumentos utilizados para a coleta de dados nos
meses de julho a setembro de 2012 junto a pessoas e agências públicas e privadas
envolvidas na constituição do território do Aurá. Além do diálogo com estudos
anteriores desenvolvidos tendo como referência o mencionado território e os
documentos oficiais disponibilizados pelas agências públicas envolvidas no
processo, como secretarias, empresas, cooperativas e associações, centros de
coleta seletiva do lixo da prefeitura, o Ministério Público.

4 De Destino do Lixo a Oportunidades de Negócios: aterro do Aurá e a APA de
Belém - PA
O aterro do Aurá foi implantado pela necessidade de se ter um local para
armazenamento do lixo coletado na RMB. Assim, no ano de 1989 a região do
Aurá foi estudada por uma equipe de governo municipal e empresas consultoras
contratadas, que após análise técnica, aprovaram o terreno situado no Aurá como
sendo favorável à implantação da atividade de deposi ção de lixo urbano, pois se
38



tratava de uma antiga área de lavra de minério de emprego imediato na
construção civil
1
.
Apesar do Aurá estar localizado nas proximidades do Rio Aurá e Rio
Guamá, este foi o melhor local, pois sendo Belém uma cidade rodeada de rios por
quase todos os lados, escolher um local para fazer um aterro sanitário torna-se
um problema para evitar a contaminação do lençol freático da área. Um dos
pontos positivos para a escolha da área foi o fato do terreno no local ser do tipo
argiloso, o que dificulta a propagação do chorume para as áreas do entorno do
aterro. Logo, mesmo não sendo um local perfeito para a construção de um aterro
sanitário, a região do Aurá foi o local mais apropriado e não muito distante de
Belém e das cidades vizinhas (RMB), que utilizam o mesmo para depósito de
seus resíduos sólidos, para a construção de um aterro sanitário. Desta forma, em
31/12/1989, a Prefeitura Municipal de Belém, adquiriu a área do Aurá com
1.000.000 m
2
, situada sobre uma jazida de material laterítico empregado em obra
de pavimentação.
Em maio de 1993 foi criada a Área de Proteção Ambiental de Belém
(APA-Belém) e respectivo Parque Ambiental do Utinga com objetivo de preservar
a qualidade da água dos mananciais que abastecem parte da região
metropolitana de Belém (lagos Bolonha e Água Preta). Com isto, há uma maior
preocupação com a possível poluição destes pelo chorume gerado no lixão e seu
grau de contaminação influenciando a qualidade da água desses mananciais. Por
esse motivo, a área do aterro do Aurá também foi agregada a APA – Belém, para
que o mesmo fosse fiscalizado de perto, para que não houvesse a possibilidade
de contaminação dos mananciais de Belém (SEMA, 2012). Sendo assim, a área
denominada “Aterro do Aurá” está localizada dentro de uma Unidade de
Conservação Estadual, criada pelo Decreto nº 1.551, de 03 de maio de 1993, o
qual “Dispõe sobre a implantação da Área de Proteção Ambiental dos Mananciais
de Abastecimento de Água de Belém - APA Belém”, onde, entre outros objetivos,
diz que deve ser assegurada a potabilidade da água dos mananciais, através da
restauração e da manutenção da qualidade ambiental dos lagos Água Preta e
Bolonha, do rio Aurá e respectivas bacias hidrográficas; ordenar com base em

1
Esse tipo de terreno (lavra de minério) é apropriado para fazer aterro sanitário, pois o material
laterítico empregado em obra de pavimentação serve como impermeabilizante, isolando o resíduo do
contato direto com o solo.
39



critérios urbanísticos e ecológicos o uso do solo; promover o saneamento
ambiental e a urbanização das áreas ocupadas, prevendo inclusive, o emprego de
tecnologias alternativas de tratamento de esgoto; promover a recuperação das
áreas degradadas, incluindo o seu reflorestamento; possibilitar o adequado
tratamento e reciclagem os resíduos sólidos, dos efluentes industriais e dos
resíduos oleosos.

4.1 Situação Atual do Aterro do Aurá
O Aterro do Aurá localiza-se a 19 quilômetros (km) do centro da cidade de
Belém, Pará. O local todo abrange uma área de 120 hectares (ha) e o tamanho da
área de aterro de resíduos do local é de cerca de 30 hectares. O Aterro localiza-se
dentro da Área de Proteção Ambiental – APA de Belém, que também abrange o
Parque Ambiental do Utinga e diversas comunidades em seu entorno, logo as ações
feitas no Aterro do Aurá influenciam e são influenciadas por todos esses atores que
compõem esta região.
Este Aterro do Aurá recebeu resíduos sólidos e não perigosos municipais,
industriais, comerciais, institucionais e alguns resíduos agrícolas durante
aproximadamente 21 anos, e esse resíduo serve como fonte de renda para os
catadores que sobrevivem da sua comercialização. Alguns destes catadores são
organizados em grupos, cooperativas, outros trabalham independentes, mas todos
têm o lixo como sua fonte de renda, de subsistência, como um bem econômico,
como valor de troca. Atualmente, a coleta de resíduos sólidos em Belém atinge mais
de 95% dos domicílios
2
. Todo o material coletado é destinado ao Aterro do Aurá, que
recebe também o lixo gerado no município de Ananindeua, totalizando 1.200
toneladas diárias de resíduos. Do total coletado, 58% é lixo orgânico, um potencial
que pode ser revertido em recursos financeiros para o município, possibilitando
investimentos em políticas ambientais e em projetos direcionados aos catadores,
segundo informações da Secretaria de Saneamento do município de Belém –
SESAN
Os catadores preferem recolher papelão, plástico, papel e isopor na cidade e
os que trabalham dentro do aterro vendem esse material fora do aterro. As


2
Informações da Secretaria Municipal de Saneamento do Município de Belém – PA – SESAN,
obtidas através de entrevistas.
40



comunidades que vivem neste entorno cresceram de forma desordenada e
invadiram a área do cinturão verde
3
, como também o volume de lixo jogado no lixão
aumentou muito e também invadiu a área do cinturão verde, destruindo parte dessa
reserva florestal que serve de proteção as comunidades, pois separa o aterro das
comunidades.
O Instituto Evandro Chagas (IEC) apresentou um relatório intitulado “Análise
dos Fatores de Risco Socioambientais e Epidemiológico na Área de Influência do
Aterro Sanitário do Aurá
4
”, em dezembro de 2010, onde o mesmo concluiu, após
analisar a água dos poços utilizados por várias comunidades no entorno do Aurá,
que foi observado a presença de contaminação microbiológica na área do lixão,
indicando uma contaminação dos compartimentos ambientais estudados,
contribuindo para um agravamento na degradação ambiental e um decréscimo na
qualidade de vida dos moradores das comunidades localizadas próximas ao aterro
do Aurá.
A Comunidade de Santana do Aurá, localizada no entorno do aterro do Aurá,
fez uma denúncia no Ministério Público do Estado (MPE – PA) de uma possível
poluição ambiental na comunidade oriunda do lixão, que estaria contaminando o
lençol freático e, consequentemente, os poços utilizado pelos moradores das
comunidades da área em questão. O MPE –PA pediu a SEMA-PA que se
pronunciasse sobre o assunto. A SEMA respondeu através das observações obtidas
“in loco” de acordo com o relatório de fiscalização no. 091/2007. Nesta fiscalização
diversas irregularidades foram verificadas e a conclusão foi que não existia mais um
aterro sanitário, mas sim um “lixão a céu aberto”. Alguns poços estavam a
aproximadamente 30 metros do “lixão”, como o poço é do tipo amazonas
5
,
consequentemente recebe influencia direta do lençol freáti co que está contaminado
pelo lixão. De acordo com os moradores da área, quando ocorrem grandes chuvas
a água dos poços fica com um odor fétido e coloração escura, tornando-se imprópria
para o consumo, porém como os moradores não têm outra alternativa de

3
Cinturão verde: é uma reserva florestal que serve de isolante natural para separar uma área de
outra.
4
Este estudo foi realizado pelo Instituto Evandro Chagas devido às várias denúncias junto ao
Ministério Público do Estado, feitas pelas comunidades que vivem no entorno do Aurá, denunciando a
contaminação do lençol freático que levou a contaminação da água dos poços utilizados pelas
mesmas.
5
Poço do tipo amazonas: a água utilizada é do primeiro lençol com profundidade de aproximadamente
4 metros.
41



abastecimento de água eles continuam usando esta água contaminada, o que traz
inúmeras doenças na população ( Relatório IEC – SAMAM 000/2010).
Por todos estes motivos e pelo fato de que a o aterro do Aurá está localizado
dentro de uma APA e no ano anterior (02/08/2006 a 01/08/2007), a SEMA já tinha
concedido uma autorização de funcionamento que é improrrogável e a SESAN havia
se comprometido a fazer os ajustes solicitados pela SEMA via Termo de Ajuste de
Conduta (TAC), que não foi cumprido, e foi autuada pela SEMA ( auto de infração),
logo diante de todos estes fatos a SEMA não concedeu a licença ambiental ao aterro
do Aurá e desde 2007 o mesmo tem funcionado de forma irregular. Assim, depois
de vários processo de pedido de funcionamento, todos indeferidos, em 14/04/2012 a
SESAN apresentou mais um processo agora pedindo o encerramento do Aurá em 3
anos (até 2015), onde propõe fazer adequações nas células 9 e 10 (células onde
atualmente está sendo depositado o lixo da RMB) e também construir um novo
aterro de acordo com as normas ambientais. As células 9 e 10 seriam
descaracterizadas como depósito de lixo e seria feita a descontaminação da área
(MPE - PA, 2012).
Recentemente (julho 2012), a SEMA fez uma nova vistoria no aterro do Aurá
e a situação não mudou, o local continua um lixão a céu aberto, sem tratamento
específico para os resíduos sólidos ali depositados, que não passam
consequentemente por nenhum tipo de tratamento. No local há mais de 1000
catadores trabalhando, pessoas em condições sub-humanas, catadores de várias
faixas etárias, pois se encontra desde crianças a idosos, que ficam a mercê dos
traficantes que dominam o lixão numa forma de poder paralelo, com leis próprias,
tráfico de drogas, prostituição e toda espécie de criminalidade que se esconde no
local. Os catadores se alimentam no próprio lixão e os vendedores ambulantes
montam as suas barracas com os “comida/lanche” em cima do lixão, sem as
mínimas condições de higiene.
As condições ambientais e técnicas também não melhoraram e o chorume
pode ser visto correndo em valas, a céu aberto, em direção ao igarapé do Aurá que
desemboca no rio Guamá que por sua vez é usado para a complementação do nível
da água dos lagos Bolonha e Àgua Preta que abastecem Belém. Os canais para
drenagem da água das chuvas e de chorume (que se misturam) e muitas vezes
encontram-se sem a manutenção adequada, com lixo prejudicando o fluxo nos
42



mesmos. Logo, a contaminação ambiental na região do entorno do aterro do Aurá é
uma realidade irrefutável.
Segundo a Lei Federal 12.305/2010, que institui a Política Nacional de
Resíduos Sólidos, a partir de 2014 não poderá mais existir lixão a céu aberto, como
atualmente é o Aurá. Todos os atuais lixões devem acabar ou se tornar um aterro
sanitário controlado de acordo com as regras ambientais. Consequentemente, as
prefeituras terão que mudar a forma com que lidam com a questão do lixo e instituir
o programa de coleta seletiva e reciclagem. Atualmente, somente 12% dos
municípios brasileiros possuem coleta seletiva, mas este quadro deverá se modificar
e a coleta seletiva deverá fazer parte da vida cotidiana de todas as cidades
brasileira, inclusive a RMB.
Segundo esta lei as prefeituras devem fornecer a infraestrutura necessária
para o programa de reciclagem, ou seja, construir galpões de coleta, áreas de
triagem, instalação de pontos de coleta voluntária, usina de compostagem,
construção de aterros sanitários, capacitar os catadores através de programas de
inclusão social. O prazo para a elaboração dos Planos de Gerenciamento de
Resíduos Sólidos - PGRS foi até agosto de 2012, onde a destinação,
reaproveitamento, tratamento e eliminação do lixo orgânico e inorgânico têm que
estar definida. A proposta é só enviar aos aterros sanitários o lixo que não pode ser
reutilizado, desta forma se eliminaria o catador dos lixões.
A responsabilidade dos resíduos sólidos é dos municípios, sendo que, os
governos estadual e federal podem colaborar com as prefeituras. O problema é que
as prefeituras geralmente não possuem recursos para cumprir o que manda esta
nova lei, sendo assim, algumas alternativas surgem para solucionar este impasse
financeiro como a PPP
6
. Neste sistema os empresários financiariam os
investimentos e no futuro as prefeituras reembolsariam este investimento. Aqui em
Belém a PMB pretende utilizar esta alternativa, inclusive já tem alguns investidores
em vista. Nesse processo, a concessão dos serviços de coleta e destinação dos
resíduos sólidos seria de responsabilidade das empresas investidoras e a PMB
ficaria responsável pela fiscalização dos serviços (SESAN - PMB, 2012).
Outra forma de viabilizar os serviços seria através do consórcio, porém este
método é mais adequado para municípios menores, com população até 100 mil

6
PPP: Parceria Público-Privada.
43



habitantes e que não tenham aterro sanitário, assim os municípios nessa situação se
reuniriam e montariam um consórcio para construir um aterro sanitário. Mesmo
sendo uma cidade com quase 2 milhões de habitantes, a PMB também pretende
utilizar este recurso, pois o lixo depositado no aterro do Aurá não é apenas do
município de Belém, mas também Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara
e até Santa Izabel, sendo assim, é possível fazer um projeto conjunto com as
prefeituras destes municípios que pertencem a RMB, logo seria um projeto
metropolitano.
O município de Belém já definiu seu PGRS em agosto/2012 e no mesmo
consta o fechamento do Aurá, com o devido tratamento de finalização para o atual
lixão e a construção do Aurá 2, 3 e 4. O projeto já foi aprovado e o processo de
licitação para o inicio da obra já está em andamento (SESAN – PMB, 2012).
4.2 O Processos de Ocupação Desenfreada no Entorno do Aterro do Aurá e na
APA de Belém – PA
O entorno do aterro do Aurá e a APA de Belém foram tomados por um
processo de ocupação desenfreada de diversas comunidades, algumas têm uma
relação de dependência financeira direta com os resíduos sólido, dependendo dele
para sua sobrevivência. Outras não, mas todas sofrem os efeitos do lixo por estarem
próximas ao aterro.
Como a ocupação
7
é um processo sem planejamento os problemas
aparecem a todo o momento. O Ministério da Saúde recomenda que nenhuma
atividade seja realizada pelo menos a uns 500 metros de distância de um aterro
sanitário controlado, em relação ao Aurá que hoje é considerado um lixão a céu
aberto, a situação torna-se muito mais grave quando pessoas passam a viver em
seu entorno, ou seja, elas terão que conviver com o odor que emana do lixão, a
presença de moscas e urubus e a contaminação do lençol freático. E como se trata
de comunidades irregulares, na maior parte das vezes a prefeitura nem sabe da sua
existência, sendo assim, não são oferecidos os serviços básicos como água
encanada e energia elétrica.
Nesse sentido, se encontram várias comunidades no entorno do Aurá como:
Abacatal, Bom Jesus, Santana do Aurá, Jardim das Oliveiras, Nova Vida e muitas
outras. Todas as comunidades utilizam a água de poços artesianos e o IEC coletou

7
Ocupação: os assentamentos humanos, a posse, a ocupação.
44



material de todas elas, por amostragem, para fazer análises microbiológicas. Em
todos os pontos de amostragem os valores de PH estavam em desacordo à faixa
recomendada para a água de consumo humano, de acordo com o que é
recomendado pelo Ministério da Saúde. Também apresentaram coliformes fecais,
caracterizando condições impróprias para o consumo. Sendo que as comunidades
Santana do Aurá e Nova Vida como estão mais próximas ao lixão foram onde os
poços estavam mais contaminados. O problema é que os poços estão fora dos
padrões bacteriológico de potabilidade, pois como os mesmos são do tipo poços
amazônicos onde a maioria dos poços são escavados manualmente, apresentando
resultados negativos, sem critérios técnicos e condições mínimas de higiene, com
pouca profundidade e sem proteção adequada.
Foi observada também uma contaminação microbiológica na área do aterro
do Aurá, indicando uma contaminação dos compartimentos ambientais estudados,
contribuindo para um agravamento na degradação ambiental e um decréscimo na
qualidade de vida dos moradores das comunidades localizadas no entorno do aterro
do Aurá.
O IEC sugeriu que os poços fossem fechados e que a COSANPA passasse
a fornecer água às comunidades. A Cosanpa ao ser consultado sobre o assunto
disse que até poderia fazer isso, porém não recomendaria este procedimento, pois o
problema maior é que estas comunidades estão em lugar inapropriado, o Lixão, e
que no momento em que o município providenciar água encanada para essas
comunidades isto seria um incentivo para que outras comunidades surgissem nessa
área e a população já existente aumentasse e isso só agravaria o problema ao invés
de resolver. Sendo assim, a comunidade Santana do Aurá será remanejando para
um local distante do aterro do Aurá.

5 Trabalho de Campo – Entrevistas com os Atores Envolvidos com o Aterro do
Aurá
A pesquisa de campo foi um trabalho árduo e enriquecedor, pois só a partir
dela que o “território do Aurá” começou verdadeiramente a tomar forma. Foram três
meses de pesquisa a diversos órgãos governamentais, cooperativas e associações
de resíduos sólidos, técnicos de diversas áreas, a APA de Belém e o Parque
Ambiental de Belém – Parque do Utinga, os mananciais de Belém (lagos Bolonha e
45



Água Preta), o aterro do Aurá, a usina de queima de CH
4
(gás metano) – Conestoga
Rovers, e alguns catadores. As informações a seguir foram retiradas dos
questionários aplicados nos meses de julho, agosto e setembro de 2012, em visitas
técnicas realizadas aos locais abaixo relacionados:
5.1 Secretaria de Saneamento- SESAN, da PMB – PA
A entrevista com o engenheiro Sanitarista Sr. Eduirbe Castro de Araújo se
concentrou principalmente sobre o PGRS da RMB, que é a proposta para fazer as
adequações no Aurá e trasformá-lo num aterro sanitário de acordo com as regras
ambientais que são uma exigência do governo federal até 2014. Segundo o Sr.
Eduirbe o PGRS está pronto e pretende fechar o Aurá I, dentro da conformidade da
legislação, ou seja, fazer o tratamento necessário de compactação, asfaltamento e
em seguida plantar grama, ao mesmo tempo irá construir o Aurá II, III e IV. Em 19
setembro 2012 houve uma reunião com as propostas de licitação através da PPP,
onde ao SESAN-PMB entrou com o terreno de depósito de lixo, na região do Aurá e
as empresas privadas interessadas em investir no tratamento do resíduo sólido
participaram da licitação e quem ganhou a licitação assinou um contrato de parceria
com a SESAN – PMB, representando toda a área da RMB. O Aurá II terá
capacidade de utilização de 5 anos e o Aurá III e IV terão utilidade por 20 anos. A
empresa privada que ganhou a licitação fará os investimentos e o gerenciamento do
Aterro Sanitário e a SESAN-PMB, fará a fiscalização e receberá os royalties do
empreendimento.
O dinheiro dos royalties recebidos pela PMB pela captação do gás metano,
feito pela Conestoga – Rovers está depositado em juízo (parado), numa conta da
PMB e deverá ser aplicado na construção do Aurá II, III e IV, além das adequações
no Aurá I. A intenção é resolver todos os problemas sociais existentes no Aurá,
através das adequações necessárias para que o lixão se transforme num aterro
sanitário em conformidade com as leis ambientais.
A PMB tem um projeto social com os catadores do Aurá, que é o Projeto de
Coleta Seletiva da SESAN, que funciona fora do aterro do Aurá, com a sede no
Centro de Coleta Seletiva no Canal São Joaquim que fica atrás da Facepa. Para que
o Aurá se transforme num aterro sanitário um dos elementos fundamentais é que
não tenha catador dentro do lixão, a coleta seletiva deverá ser realizada antes dos
resíduos chegarem ao depósito final no Aurá. Esse projeto têm como objetivos
46



principais a inclusão social e geração de renda aos catadores do lixão do Aurá. O
objetivo maior é retirar os catadores do lixão e implantar a coleta seletiva só levando
para o lixão o material que não poderá ser reaproveitado, reciclado. Atualmente este
projeto tem 50 catadores, mas o objetivo é que até dezembro de 2012 este número
chegue a 200. Atualmente existem, no Aterro do Aurá, duas comunidades bem
próximas ao lixão, a Nova Vida e a Santana do Aurá. Existem outras comunidades
no entorno, mas que não sofrem influência tão direta quanto estas duas que ficam a
uns 100 metros do lixão.
Em relação ao chorume produzido no aterro do Aurá o Sr. Eduirbe disse
que, o chorume é tratado nos três lagos de tratamento existentes no Aterro, são três
lagos de decantação, retenção do chorume. O tratamento é natural, através da
vegetação e do próprio terreno. Também é usado coco como uma forma de acelerar
este tratamento. Existem também as barreiras naturais da vegetação, o coco que é
colocado no mesmo para fazer a filtragem mais rapidamente e o terreno argiloso que
também dificulta que aja contaminação. A captação do gás metano, pelo projeto de
queima de gás da Conestoga, também trata o chorume e o que é direcionado aos
lagos já não está tão contaminado. Mesmo nos período de muita chuva o chorume
fica controlado, ou seja, sem contaminar os rios e lagos das proximidades, até porque
a direção que o chorume corre é contrária a direção dos rios e lagos, logo seria muito
difícil que esse chorume fosse na direção contrária. Também pelo fato do chorume
ser tratado o Aterro pode ser considerado um aterro com funcionamento controlado,
além do tratamento que é feito nas células. Atualmente têm 3 células sendo usadas, a
número 8 recebe entulho ( restos da construção civil) e a 9 e 10 recebem lixo orgânico
e lixo em geral, é onde ocorre a catação. As outras células, de 1 a 7, já estão
compactadas e preparadas até o asfalto, só falta plantar grama para finalizar a
recuperação total, de acordo com os padrões ambientais. O processo é feito da
seguinte forma: joga-se o lixo, uma camada de terra, ocorre a compactação,
cobertura. Também com a coleta do gás metano e recirculação do chorume.
Em relação a contaminação do lençol freático da Aurá, segundo o que
atestou o IEC, segundo a legislação ambiental e o Ministério da Saúde não deve
haver nenhuma atividade no entorno do lixão pelo menos a 500 metros de
distância, o que tem ocorrido é uma grande quantidade de invasões no entorno do
Aurá e essas comunidades vivem de forma desordenada e fazem poços de forma
47



irregular (principalmente os poções tipo amazônico), sem a mínima técnica
necessária de proteção, daí porque ocorre a contaminação, afinal o lixão e seu
entorno não é um lugar adequado para a população viver. O Aterro do Aurá tem em
torno de 20 anos e é um aterro controlado e se for adequado aos tratamentos
ambientais necessários poderá operar por pelo menos mais 20 anos. Esse Aterro
atende aos municípios de Belém, Ananindeua, Marituba, Benfica, Santa Bárbara,
Santa Izabel e até Castanhal, que deposita os restos de fossa na área adequada
para a secagem da mesma.
Um dos problemas no aterro do Aurá é que o mesmo não tem uma cerca
que o separe das comunidades, mas originalmente existia uma cerca de arame
farpado que circundava o aterro, porém desde que os resíduos se popularizaram
como um bem econômico que houve uma invasão de catadores ao local e a primeira
coisa que eles fizeram foi derrubar a cerca e vender o arame farpado. Porém, com a
implantação do PGRS uma das primeiras medidas será a adequação do aterro, com
a construção de um muro bem alto e resistente que afaste os catadores do local e
traga mais segurança para a área. Com esse galpão de coleta seletiva da
SESAN/PMB, que já está pronto no canal do jacaré, o catadores terão as condições
para se tornarem cooperados, ou seja, treinamento e infraestrutura de trabalho.
Atualmente existem 780 catadores cadastrados na PMB, esse foi o último
levantamento feito pela SESAN. Eles não estão cooperados por problemas de
divergências entre os próprios catadores, pois os mesmos têm muita dificuldade em
trabalhar com regras, horários, divisão de custos e renda.
Em relação aos traficantes que circulam pelo Aterro o Sr. Eduirbe disse que
realmente há a presença de traficante no lixão e entre eles existem leis próprias, não
só em relação aos traficantes, mas ao próprio catador, que domina a dinâmica do
local. Há uma espécie de monopólio da área. Segundo o Sr. Eduirbe para que o
aterro do Aurá se torne um aterro sanitário de acordo com a legislação ambiental o
PGRS, recém-aprovado, vai fazer os ajustamentos necessários para que o Aurá seja
um aterro sanitário com todas as normas necessárias e cumprindo as exigências
ambientais. Através destas adequações com o Plano Diretor, o Aurá terá condições
de pedir licença ambiental para a SEMA-PA, pois o mesmo está funcionando sem
licença desde 2007.
48



A SESAN/PMB contratou a empresa de engenharia FRAL Consultoria LTDA,
para fazer o PGRS para a RMB
8
e o projeto foi entregue em novembro de 2011 e
aprovado em agosto de 2012. Segundo a FRAL, o PGRS “se constituiu num
documento integrante do sistema de gestão ambiental, baseado nos princípios da
não geração e da minimização da geração de resíduos, que aponta e descreve as
ações relativas ao seu manejo, contemplando os aspectos referentes à minimização
na geração, segregação, acondicionamento, identificação, coleta e transporte
interno, armazenamento temporário, tratamento interno, armazenamento externo,
coleta e transporte externo, tratamento externo e disposição final”.
Sendo assim, o PGRS busca minimizar a geração de resíduos na fonte,
adequar a segregação na origem, controlar e reduzir riscos ao meio ambiente e
assegurar o correto manuseio e disposição final, em conformidade com a legislação
e normas vigentes, tornando-se um importante instrumento de sistema de gestão,
contribuindo para o atendimento à legislação vigente, garantia de proteção à saúde
pública e a qualidade do meio ambiente.
5.2 Secretaria de meio Ambiente do Estado do Pará – SEMA – PA
A Sra. Patrícia Cabral, sanitarista da diretoria de licenciamento de atividades
poluidoras da SEMA, afirma que a SEMA não possui participação no projeto de
produção de biogás no aterro sanitário do Aurá. O projeto não possui licenciamento
da SEMA para funcionar, apesar de estar localizado dentro de uma APA, de
responsabilidade dessa secretaria. A SEMA foi somente visitada pelos
responsáveis do projeto e convidada a assistir a palestra de apresentação do
mesmo. Segundo ela, atualmente a SEMA não possui um documento oficial que
aborde o uso de MDL no estado do Pará. A secretaria está elaborando o Plano
Estadual de Resíduos Sólidos, nesse documento constará o posicionamento do
Estado sobre o tema.
Segundo o Sr. Luiz Flávio Bezerra, engenheiro Sanitarista e coordenador
de Licenciamento Ambiental da SEMA, é de competência do Estado licenciar o
Aterro Sanitário do Aurá e tudo que se localiza dentro deste, por estar localizado
dentro de uma unidade de conservação estadual – (APA do Utinga), Ele afirma que
uma empresa estrangeira Conestoga-Rovers (canadense) esteve na SEMA, então

8
A RMB é composta por 5 municípios : Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides e Santa Bárbara, e
totaliza 1.794.981 habitantes, sendo que a maioria da população reside em zonas urbanas. Apenas o
Município de Belém possui 1.393.399 habitantes (Censo 2010/IBGE).
49



SECTAM, buscando o licenciamento da atividade de "captação de gases" nesse
aterro e, com isso, "ganhar" créditos de "captura de carbono" para os fins a que se
destina. E Ainda informou que depois de alguns anos esteve na SEMA uma
comissão de Vereadores da Câmara Municipal de Belém para saber como havia
sido o processo de licenciamento dessa atividade na SEMA, sendo que o projeto já
estava funcionando e licenciada pelo próprio município, ou seja, pela SEMMA, ou
seja houve um "auto licenciamento". Os fatos foram relatados à Direção superior
da SEMA. Segundo Patrícia, devido ao não licenciamento por parte da SEMA, a
Prefeitura foi multada e denunciada ao ministério público estadual. O processo está
em andamento.
O Sr. Francisco Quaresma, biólogo que trabalha na SEMA, disse que
atualmente, estão sendo realizados os estudos preliminares para elaboração do
Plano Estadual de Resíduos Sólidos, o qual deverá contemplar entre outras coisas
a utilização do MDL, a ser aplicado no Estado do Pará. Em relação ao chorume
gerado no aterro do Aurá o Sr. Francisco disse que, alguns estudos realizados na
área atestam que, geologicamente, a contaminação subterrânea pelo chorume não
pode alcançar esses mananciais, contudo não havia informações quanto à
metodologia aplicada para obtenção desses resultados. No entanto, na atual
situação na qual se encontra o complexo, quanto ao licenciamento ambiental, será
solicitada a apresentação e/ou a realização de todos os estudos necessários que
possam contribuir com a análise técnica do processo atualmente em andamento
nesta Secretaria, bem como com as seguintes que ocorrerem. Em relação a
denominação do Aurá ele disse que a parte do Aurá em pleno funcionamento
(célula de descarga) pode ser considerada como lixão, por não se enquadrar aos
padrões exigíveis para um aterro sanitário (separação de chorume e águas
pluviais; estação de tratamento de chorume, poços de monitoramento,
infraestrutura adequada de cada célula, triagem, etc.), não se esquecendo de que
outra parte (antiga) foi um aterro funcional e que várias células foram fechadas
(encerradas). Há um processo de licenciamento ambiental, em análise, protocolado
nesta Secretaria, em 2012, no qual, dentre outras coisas, a PMB objetiva realizar
as adequações necessárias para operação o empreendimento dentro dos padrões
de engenharia exigíveis para um Aterro Sanitário.
50



Atualmente há um processo de licenciamento ambiental (11186/2012) para
regularização das operações para adequar o aterro aos padrões aceitáveis para
funcionamento durante os 3 anos seguinte, sendo, nesse período, executada a
implantação de um novo aterro sanitário, ao lado do atual, conforme consta no
processo anteriormente citado e mencionado em reunião ocorrida entre técnicos
desta SEMA/PA e representantes da SESAN/Belém. Ressalta-se que, para esse
novo aterro ainda não há processo protocolado nesta Secretaria.

5.3 Visita ao Aterro Sanitário do Aurá
a) Gerenciamento do Aterro
O aterro do Aurá é gerenciado pelo Sr. Cláudio, que respondeu algumas
questões sobre o funcionamento do local. Ele Iniciou a relato falando que o PGRS já
estava pronto e publicado e que em breve haveria licitações para que o mesmo
entrasse em execução, pois funcionaria no formato PPP e as empresas privadas
concorreriam para fazer essa parceria. Em relação a projetos sociai s no Aurá o Sr.
Cláudio disse que a PMB tem um projeto de coleta seletiva que existe desde janeiro
de 2012, com sede no Centro de Coleta Seletiva no Canal São Joaquim. O Sr.
Cláudio informou que só existem duas comunidades que vivem no entorno do Aterro
que são: a Nova Vida e a Santana do Aurá e ficam a 100 metros de distância do
lixão.
Sobre o chorume gerado no lixão o Sr. Cláudio relatou que o mesmo é
tratado nos três lagos de tratamento existentes no Aterro, são três lagos de
decantação, retenção do chorume. O tratamento é natural, através da vegetação e
do próprio terreno. Também é usado o coco como uma forma de acelerar este
tratamento e o terreno argiloso que também dificulta a contaminação. Mesmo nos
período de muita chuva o chorume fica controlado, ou seja, sem contaminar os rios e
lagos das proximidades, até porque a direção que o chorume corre é contrária a
direção dos rios e lagos, logo seria muito difícil que este chorume fosse na direção
contrária. Quanto à contaminação do lençol freático do Aurá, que contaminou os
poços artesianos das comunidades do entorno do Aurá, segundo um estudo recente
do IEC, o Sr. Cláudio disse que, segundo a legislação ambiental e o Ministério da
Saúde não deve haver nenhuma atividade no entorno do lixão pelo menos a 500
metros de distância, o que tem ocorrido é uma grande quantidade de invasões no
51



entorno do Aurá e essas comunidades vivem de forma desordenada e fazem poços
de forma irregular (principalmente os poções tipo amazônico), sem a mínima técnica
necessária de proteção, daí porque ocorre a contaminação, afinal o lixão e seu
entorno não é um lugar adequado para a população viver.
O Sr. Cláudio considera o Aurá um aterro sanitário com funcionamento
controlado, pois é feito tratamento nas células, ou seja, atualmente têm 3 células
sendo usadas, a número 8 recebe entulho
9
e a número 9 e 10 recebem lixo orgânico
e lixo em geral, é onde ocorre a catação. As outras células, de 1 a 7, já estão
compactadas e preparadas até o asfalto, só falta plantar grama para finalizar a
recuperação total, de acordo com os padrões ambientais. Logo, o tratamento do lixo
no Aurá ocorre da seguinte forma: joga-se o lixo, uma camada de terra, ocorre a
compactação, cobertura. Também com a coleta do gás metano e recirculação do
chorume. Em relação às adequações para que o aterro do Aurá se trasforme num
aterro sanitário o Sr. Cláudio disse que, o PGRS, da PMB, vai fazer os ajustamentos
necessários para que o Aurá seja um aterro sanitário com todas as normas
necessárias e cumprindo as exigências ambientais. E que, com essas adequações,
o aterro do Aurá terá condições de pedir a licença ambiental para a SEMA-PA, pois
o mesmo está sem licença ambiental desde 2007.
Em relação a falta de um muro que circunde o aterro o Sr. Cláudio disse que
originalmente existia uma cerca de arame farpado que circundava o aterro, porém
desde que os resíduos se popularizaram como um bem econômico que houve uma
invasão de catadores ao local e a primeira coisa que eles fizeram foi derrubar a
cerca e vender o arame farpado. O PGRS tem como uma das primeiras medidas de
adequação do aterro a construção de um muro bem alto e resistente que afaste os
catadores do local e traga mais segurança para a área. Para levar os catadores para
fora do lixão o Sr. Cláudio disse que a infraestrutura de trabalho é fundamental, além
das condições para que os catadores se tornem cooperados.
b) Conestoga Rovers Associates - CRAWORLD
A usina de queima de biogás (CH4) Conestoga Rovers Associates, empresa
canadense que se instalou em Belém com financiamento americano, está
localizada dentro do Aterro do Aurá desde 2006 (etapa construtiva) e 2007 (start
up), com contrato de duração de 10 anos, ou seja, até 2017. Durante a visita ao

9
Entulho: restos da construção civil
52



projeto, num primeiro momento, foi realizado o conhecimento da usina e suas
instalações. Na usina há uma área onde está localizado o sistema de sopradores
que produz o vácuo que suga o gás das células através das tubulações. Junto a
este abrigo existe um painel digital e uma antena que respectivamente, monitora e
controla a quantidade de LFG enviado a unidade de queima (flare) e enviada essa
informação em tempo real para a sede da empresa em São Paulo. Toda a
tecnologia empregada e a maioria dos equipamentos usados são importados dos
EUA e consequentemente, toda a assistência técnica é feita pela própria empresa.
O total de créditos de carbono gerados nesta operação será contabilizado somente
após uma verificação (auditoria) executada por uma empresa qualificada pela
ONU. Após esta etapa de verificação o relatório será submetido à aprovação da
ONU e então os créditos estarão liberados para a comercialização no mercado
verde (créditos de carbono) e de lá os valores são direcionados para a sede da
empresa em New York.
A conestoga Rovers recebeu o licenciamento de funcionamento para a
queima do gás pela SEMMA-PA, PMB. Porém isso traz um problema jurídico, pois
apesar do Aterro do Aurá ser gerenciado pela SESAN – PMB, o fato do mesmo
estar localizado dentro de uma APA, que é de responsabilidade do Estado, através
da SEMA – PA, configura a necessidade do licenciamento de funcionamento da
SEMA. Quando questionado sobre a possibilidade de produção do biogás, que
consta no projeto inicial o Sr. Andrés disse que devidos a vários problemas no
Aterro do Aurá os planos foram modificados, pois não está sendo economicamente
viável, de acordo com o que foi planejado inicialmente. Se o Aurá se tornar um
aterro sanitário nos moldes exigidos, ou seja, com as células sendo tratadas
diariamente, com planejamento e gerenciamento organizado, talvez a Conestoga
pense em investir na produção do biogás. Atualmente existem muitos problemas
operacionais que dificultam o trabalho da captação de gás e o gerenciamento do
projeto.
5.4 Programas Sociais : associações e cooperativas de catadores
Os programas sociais de coleta seletiva e associações de catadores da RMB
se organizam em redes, sendo que existem duas redes, uma gerenciada pela
SESAN/PMB, que é a Rede Recicla Pará associada ao Movimento dos Catadores
53



do Brasil e a Central de Cooperativas do Estado do Pará, associada a Organização
das Cooperativas do Brasil – OCB, representada pelo Sr. Jonas.
a) Rede Recicla Pará – SESAN/PMB
Esse projeto foi criado em janeiro de 2012 e é financiado pela PMB –
SESAN. Tem como principais objetivos a inclusão social e a geração de renda aos
catadores do aterro do Aurá. O objetivo maior é retirar os catadores do lixão e
implantar a coleta seletiva só levando para o aterro o material que não poderá ser
reaproveitado, reciclado. As atividades desenvolvidas no projeto são a coleta porta a
porta, a triagem e enfardamento da matéria-prima até o atravessador (aparista)
10
. A
Rede Recicla Pará é licenciada pela SEMA – PA e SEMMA – PMB. Até agora foram
obtidos alguns resultados, como a melhoria da qualidade de vida dos catadores e
aumento de renda, hoje em torno de R$ 480,00 por mês. O objetivo é que a renda
mensal para cada catador seja em torno de um salário mínimo e que cada um possa
pagar seus encargos com o INSS. Todos os associados ao projeto viviam no Aurá
ou no seu entorno. Após o projeto a vida de todos os catadores melhorou.
Segundo o Sr. Marcelo, atualmente existem 800 catadores cadastrados,
porém existem outros não cadastrados, ao todo deve ter entre 1000 a 1200
catadores no lixão do Aurá. Há uma grande dificuldade em convencer os catadores
a trabalharem como cooperados, pois eles estão habituados a fazer seu próprio
horário, ter suas próprias regras e não gostam de ter obrigações a cumprir, seguir
regras. Com este novo galpão que a SESAN inaugurou no Canal São Joaquim
haverá espaço para um número bem maior de cooperados. O objetivo é que até o
final do ano (dezembro de 2012) tenha pelo menos 200 cooperado, hoje há 50
cooperados. A PMB diz que esse projeto já melhorou a vida de todos e a perspectiva
é que ainda será melhor daqui pra frente.
b) Organização das Cooperativas do Brasil – OCB
Várias cooperativas fazem parte da OCB, porém aqui mencionaremos duas:
a CONCAVES e a COOTPA. A CONCAVES foi criada em 2004 e foi legalizada em
2005. Recebe uma ajuda da Secretaria de Assistência Social – SEAS. Recebeu um
caminhão, uma balança e equipamentos de proteção. O objetivo dessa associação é
a implantação da coleta seletiva no bairro da Terra Firme (Belém-PA). A principal
atividade desenvolvida pela CONCAVES é a coleta seletiva de lixo seco, porta a

10
Aparista: o pessoal que faz o aparamento do material que será a indústria para reciclar.
54



porta, com divulgação boca a boca. Os associados são os moradores da Terra
Firme e catadores de rua. Atualmente têm 30 famílias cooperadas na CONCAVES e
todas já eram catadores de rua antes de se tornarem cooperados. Para os
cooperados a CONCAVES melhorou a vida de todos os cooperados. Hoje cada um
recebe em torno de R$ 300,00 por mês, livre de todas as despesas.
A COOTPA foi criada em 19/05/2001. Antes funcionava no aterro do Aurá. A
SEAS também apoia esta cooperativa, através de fornecimento de material de
trabalhou (um caminhão de transporte, balança...), mas os próprios catadores se
mantêm com seu trabalho. O objetivo maior da cooperativa é unir os catadores
através de uma autogestão. Tirar os catadores do lixão, orientar a coleta seletiva
para o grupo de associados. A COOTPA faz a coleta seletiva porta a porta em águas
Lindas, Cidade Nova, Júlia Seffer e Águas Brancas. Também recebem resíduos de
um Condominio em Batista Campos e alguns órgãos federias como Caixa
Econômica, Ministério da Fazenda, Banco Central , Banco da Amazônia e UFPA.
Participam da COOTPA 20 famílias de catadores vindos do lixão do Aurá e também
das ruas. A COOTPA tem licenciamento fornecido pela SEAS em 2008, quando foi
feito o cadastramento naquela Secretaria.

6 Análise dos Resultados
O Projeto do Aterro Sanitário do Aurá contribui muito pouco com o setor
enérgico da RMB, pois a usina não é de geração de energia, é somente de captação
e queima de LFG e repasse de recursos para a PMB, de parte dos RCEs
negociados. A PMB recebe royalties a partir queima do gás metano no Aterro
Sanitário do Aurá, havendo assim um retorno real para o município, não só em
relação ao meio ambiente propriamente dito, pelo fato de reduzir a emissão e GEE
na atmosfera, o mau cheiro e o chorume, evitando a contaminação do solo como
também para o desenvolvimento municipal, financeiro e bem-estar coletivo.
Em relação as comunidades que vivem no entorno do Aurá , são três os
principais problemas enfrentados na área: o mau cheiro que vem de lá,
principalmente depois que ocorre chuva; a contaminação do lençol freático que
abastece os poços artesianos e amazonas pelo chorume produzido pelo Aterro; e o
terceiro é a inexistência de um muro na frente do aterro (entrada principal). Com
isso, não há um controle da entrada e saída de pessoas pela parte de trás do Aterro.
55



Isso contribui muito ao grande tráfico de drogas que existe lá, prostituição e toda
espécie de crime praticado lá. A falta de um limite ajuda os assaltantes a fugirem
para o aterro quando cometem crimes no bairro.
O PGRS tem o desafio de transformar o lixão do Aurá num aterro sanitário e
já se comprometeu a fazer isso. Para alcançar tal objetivo o PGRS pretende fechar o
AuráI e criar o Aurá II, III e IV, de acordo com as normas ambientais e com isto
conseguir a licença ambiental de funcionamento junto a SEMA. Atualmente já existe
um processo de licenciamento ambiental (11186/2012) na SEMA-PA, pela
SESAN/PMB para regularização das operações de adequação do aterro aos
padrões aceitáveis de um aterro sanitário.
Os programas sociais, tanto da PMB, Rede Recicla Pará, quanto da OCB são
propostas fundamentais que contribuem para a construção de um aterro sanitário de
acordo de acordo com a legislação ambiental.

7 Comentários Finais
No Brasil, a produção de energia tem sido a maior responsável para o
aumento do efeito estufa, contribuindo com mais da metade de CO
2
que é lançado
na atmosfera. Os aterros contribuem por grande parte destas emissões sendo que o
problema se agrava pelo fato de que o metano emitido pelos gases dos aterros
sanitários é 21 vezes mais prejudicial se comparado ao dióxido de carbono. Além
disso, tem-se a formação do chorume, que é altamente poluidor. Diante desta
realidade, a queima do gás metano no Aurá é uma alternativa que colabora para
amenizar este quadro. Além de render créditos para serem comercializados no
mercado de carbono. Para os aterros sanitários, as vantagens estão na redução do
mau cheiro e melhora na qualidade do ar no ambiente e nas imediações.
Com o PGRS será possível um gerenciamento adequado ao novo aterro
sanitário. O sistema de cooperativas e associações para a reciclagem é outro item
importante para uma adequada viabilização do novo aterro do Aurá e para a
população que vive da economia do lixo e também reside na área do Aurá. Neste
sentido seria possível estimar uma atividade neste território caminhando no sentido
de uma racionalidade ambiental, nos moldes de Leff (2002).

Referências Bibliográficas
56



ACSERALD, H. (2004). As praticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais.
Rio de Janeiro : Relume Dumara : Fundaçao Heinrich Böll.
BAHIA, Vânia Eunice; Estudo hidrogeológico da área localizada entre o depósito de
lixo metropolitano de Belém (Aurá) e Lago Água Preta. 117f. Mestrado (Pós-
graduação em Geologia e Geoquímica). Universidade Federal do Pará. Belém-PA,
2003.
BORDALO, C. A. L. (2006). O desafio das águas numa metrópole amazônida:
uma reflexão das políticas de proteção dos mananciais da Região
Metropolitana de Belém – PA (1984-2004). Núcleo de Altos Estudos Amazônicos.
Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido.
369p. (Tese de Doutorado).
LASCOUMES , P. et Galès, Patrick Le , Introduction : l'action Publique saisie par
ses Instruments, Presses de Sciences Po | Académique, 2005
http://www.cairn.info/gouverner-par-les-instruments---page-11.htm.
LEFF, Enrique. Epistemologia Ambiental. Ed. Cortez - SP, 2002.
LEFF, Enrique. Racionalidade Ambiental – A Reapropriação Social da Natureza.
Ed. Civilização Brasileira – RJ, 2006.
ROCHA G., TEISSERENC, P. e MAGALHAES S., (2009), Território de
Desenvolvimento e Ações Públicas. Belém (PA) : EDUFPA. 318 p.
TEISSERENC, P., Ambientalização e Territorialização: situando o debate no
contexto da Amazônia brasileira, Revista Antropolítica, Niterói, n. 29, p. 153-179,
2., 2010.
TEISSERENC, P., ROCHA, G. e MAGALHAES S. B. (2008), Coletividades Locais
e
ZANETTI, Luciano; CANDIOTTO, Pessoa; SANTOS, Roseli Alves
dos.“Experiências geográficas em torno de uma abordagem territorial”. In:
SAQUET, Marcos Aurélio; SPOSITO, Eliseu Saveiro. Territórios e
Territorialidades. Teorias, processos e conflitos, São Paulo: Expressão Popular,
2009.
57




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








REFLEXÕES SOBRE “MEIO EXPRESSIVO”
NO ENSINO DA ARTE CONTEMPORÂNEA





Profa. Dra. Helga Correa
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)



2013
58



Reflexões sobre “meio expressivo”no ensino da arte
contemporânea


Helga Correa
Doutora
Universidade Federal de Santa Maria
Programa de Pós Graduação em Artes Visuais
Departamento de Artes Visuais
CAL/UFSM/RS - Brasil
helgacor@gmail.com


Resumo
Este artigo propõe a reflexão das noções ainda vigentes do professor especialista no
âmbito do ensino da arte atual. A partir de um estudo biográfi co-narrativo realizado
com profissionais que atuam como docentes em diferentes níveis de ensino na área
gráfica na cidade de Barcelona /Espanha, e objetivando dar visibilidade a
constituição de identidades profissionais de docentes na área das artes visuai s, o
estudo deixou evidente a continuidade do direcionamento do ensino da gravura
ainda voltado à práxis na área gráfica. O trabalho aponta para a necessidade do
contínuo questionamento sobre as relações estabelecidas entre meio expressivo nas
estruturas de ensino em artes visuais na sociedade contemporânea
Palavras-chave: ensino, gravura, arte contemporânea.

Abstract
This article proposes a reflection of the still prevailing notions of specialist teachers in
the teaching of contemporary art. From a narrative-biographical study conducted with
professionals who work as teachers at different levels of education in the graphic
area in Barcelona / Spain, and aiming to make visible formation of professional
identities of teachers in the area of visual arts, the study had apparent continuity of
the direction of teaching printmaking yet returned to practice in the graphic area. The
study points to the need for continuous questioning of the relations between the
structures expressive medium education in visual arts in contemporary society
Keywords: teaching, engraving, contemporary art.

59




As relações entre arte gráfica e arte contemporânea
Neste artigo proponho a discussão reflexiva sobre as relações estabelecidas entre o
ensino da gravura e a produção artística contemporânea.
Como há muito vem apontando CAUQUELIN (2005) a partir de embreantes como
Duchamp e Warhol, a arte com valores “puramente estéticos”, com a marca de uma
presença inventiva, de uma atividade criadora do artista exilado, recusado e
contestador, foi posta em crise. Redimensionada e exposta como um elemento a
mais dentro de um sistema mercantil, a arte revela hoje sua articulação com a era da
comunicação.
As relações da arte e do artista com a sociedade também mudaram, pois a própria
sociedade mudou. Vivemos hoje em um tempo marcado pela resolução digital, por
mudanças nos modos de produção e sistemas políticos, os quais repercutem nos
modos de pensar, agir, produzir e reproduzir conhecimento, o que evidentemente se
reflete na produção artística. Ou seja, nesse processo dinâmico de transformações,
onde não temos certezas e sim uma relativização de valores, um contínuo
movimento de idéias, sistemas, tecnologias, a arte também adquiriu novas feições.
Não é possível hoje traçarmos uma única definição ou dogmas para abranger toda a
sua extensão. A arte atual é híbrida, plural; diversas são suas tendências e
“escolas”, assim como são os meios e as relações estabelecidas entre eles.
Nesta ampliação do espectro da produção artística, em termos de migrações de
linguagens, de transferências, heterogeneidades / sincronias; como também em
relação aos processos e propósitos destas representações, a gravura tem
colaborado ativamente, e a experiência de gravar vem sendo um importante nexo,
colaborando com muitos dos fenômenos discursivos atuais.
MORO (1998, p.21) em uma análise sobre o tema diz:
… comprobamos, entre otras cuestiones, cómo en el arte contemporáneo
se vienen manejando conceptos formativos como el de reiteración de la
imagen, secuencialidad, fragmentación, acumulación, módulo,
superposición icónica, interferencia icónica o apropiación, todos ellos
presentes (aunque en algunos casos de forma latente) en la práctica
habitual en grabado y estampación hace siglos, hasta el punto de que son
parte de su idiosincrasia y fecundo potencial creativo. De modo paralelo, el
arte de fin de siglo más vinculado a la provocación y la concienciación
social, está utilizando profusamente temas y motivos que, por su carácter
otrora culturalmente marginales, como pueden ser el más directo erotismo,
lo escatológico, la sátira social y política, etc., han pertenecido durante
siglos casi con exclusividad al grabado en su indignidad de “arte menor”.
60



De fato a gravura vem sendo um dos meios expressivos das artes visuais que tem
colaborado para a formulação de diferentes narrativas ao longo de séculos de
transformações no âmbito das artes visuais. Não obstante, assim como em outras
esferas das artes, também entre os gravadores as posições defendidas são
distintas. Para alguns as pesquisas gráficas são formuladas e fundadas a partir da
tradição da gravura. Sua poética se apóia nos procedimentos técnicos tradicionais
da gravura e nos elementos formais da linguagem artística, estabelecendo-se
mediante imersão e aprofundamento no interior do atelier.
Para estes artistas há uma estreita inter-relação entre os processos de constituição
e impressão da obra gráfica, a experiência de gravar e reproduzir são quase
simultâneas, revelando-se indissociáveis numa elaboração na qual há um
envolvimento entre artista, tempo e matéria.
Já para outros gravadores o universo da gravura alargou-se e com isto fez-se
necessário o uso de outros meios artísticos para que sua poética amplie a reflexão
do fazer artístico contemporâneo.
Para estes a gravura pode ser utilizada como ponto de partida para o
desenvolvimento de todo um processo, resguardando (ou não) antigas técnicas e
procedimentos gráficos. Alguns incorporam imagens produzidas por outras
linguagens, novos equipamentos e novas tecnologias e em alguns casos, a própria
questão da percepção visual se vê ampliada, e novas formulações envolvendo o
corpo e a estreita participação dos espectadores, são elaboradas.
Considerando as produções artísticas atuais, percebe-se que a produção gráfica
acompanha esta dinâmica em uma pluralidade de manifestações, nas quais muitos
artistas prescindem de conceitos como a bidimensionalidade, a multiplicidade, o
binômio matriz-estampa, historicamente associadas a sua prática.
Também novos métodos de reprodução da imagem e a própria “virtualização” do
espaço visual provocam os artistas a repensar e rever os propósitos e o alcance da
obra de arte em um contexto onde a multiplicidade, a velocidade e a efemeridade da
obra são tão contundentes quanto instigantes.
Segundo BLAS (2006, p.7)
Los conceptos convencionales referidos a los géneros artísticos están
siendo radicalmente cuestionados. Su evidente incapacidad de adecuación
se ha visto agravada por la expansión tecnológica y la globalización de la
información. Por lo que respecta al arte gráfico, en muchas de sus
manifestaciones ha dejado de existir como tal, al menos en su
caracterización tópica. En confrontación con esos parámetros, las nuevas
61



categorías de productos gráficos son el resultado de procesos colectivos y
contienen valores potenciales de tridimensionalidad, versatilidad de los
soportes, negación del principio de multiplicidad indefinición del concepto de
matriz. Sólo coyunturalmente tales productos podrían ser considerados
estampas, pero esencialmente transcienden ese significado.
Conceitos básicos da obra gráfica como autoria, assinatura, numeração e domínio
técnico, assim como sua própria denominação de “gráfica” estão desestabilizados. A
renovação nos conceitos de matriz, a expansão do conceito bidimensional do
suporte, a mestiçagem e heterogeneidade de linguagens são fundamentais para
ampliar as possibilidades de expressão através da arte.
Nesta articulação o conceito de artista gráfico também se alarga já que este usa de
referenciais da atividade gráfica, apropria-se de conceitos e elaborações
provenientes desta e de outras áreas para tecer novas reflexões sobre as relações
que estabelecemos com o mundo contemporâneo.
Editores, artistas e coletivos de arte mostram produções e projetos que abordam,
sob diferentes ângulos, o tema da edição e da multiplicidade em arte.
Grupos como o inglês The Invisible Arts Club, o italiano Payshay Fraysko, ou o
canadense Single Room Occupancy funcionam deliberadamente fora do sistema
convencional de arte reelaborando as relações e a ideia de um trabalho coletivo
viabilizado através do múltiplo.
A relação com a cultura digital dá mostras de uma nova abertura e da evolução do
espaço gráfico dentro de um contexto binário de apresentação da imagem, no qual a
noção de matriz e estampa se convertem e se redefinem em um novo espaço
multidimensional. Nessa “virtualização” da construção da imagem há uma
desmaterialização não apenas do processo de “escrever”, de gravar, mas também
do processo de estampar.
Estas diferentes posturas evidenciam o quanto nestas discussões entre estabilidade/
instabilidade, efêmero/ permanente, alargamento/ tradição, estão refletidos os
impactos da época em que vivemos. Um período onde as narrativas mesmo sem
uma linearidade apresentam diferentes significados, mostrando os distintos
desdobramentos entre a arte e o mundo atual; o que desvela entre outras coisas a
estreita inter-relação entre a produção de conhecimento e as interações entre o
sujeito e sociedade.
Ou seja, a arte mistura cada vez mais questões artísticas, estéticas e conceituais
aos meandros do cotidiano. Deste modo, estando simultaneamente correlacionada
62



ao sistema político, econômico e social, a identidade do artista interage ativamente
com este sistema, não ficando a sua margem, mas explicitando-o e estruturando
novas relações.

As relações entre identidade profissional/ arte e ensino
Pese a realidade de tais considerações, que mostram as hibridizações de
linguagens e o campo estendido em que se encontra a arte atual, quando nos
centramos no ensino da gravura o contexto parece um tanto distinto.
Em recente investigação ao analisar a constituição de identidades profissionais de
artistas catalães ligados a diferentes níveis de ensino na área
11
, pude perceber que
uma das características em comum, que se constituiu como uma marca identitária
destes sujeitos entrevistados foi o fato da identidade profissional e o direcionamento
do ensino em arte estar fortemente correlacionado a noção de “meio expressivo”
neste caso, o meio gráfico.
Naturalmente estas formas sociais de identificação profissional se apresentam
plurais, em muitas combinações, entremeadas de diferentes concepções e valores
daquele contexto. Distintas posições tanto de arte quanto de ensino se misturam, e
sob diferentes aspectos constituem e dão continuidade as crenças sobre a arte.
Entre estas concepções a noção de especialização em determinados meios
expressivos, assim como a identificação destes profissionais ao grupo de “artistas
gráficos” ou “professores de gravura” ainda se mostrou preponderante.
Ou melhor, há um aspecto identitário, com o qual os sujeitos mantêm relação em
comum que é a ênfase em um ensino pautado na especialização no meio gráfico.
Seja pela preponderância do ensino de técnicas, do uso de materiais e elementos
advindos exclusivamente do universo gráfico, seja pelas reflexões em torno dos
eixos históricos que constituíram novos procedimentos gráficos; as relações da
gravura com a arte se mostraram circunscritas a um trabalho baseado na prática
experimental centrada no artista, que se vê como um conaisseur na área.
Mesmo considerando as ênfases diferenciadas, ênfases que permitem maior
amplitude de investigação ou que se centram na ortodoxia da gravura, o fato é que a
partir do estudo realizado, foi possível observar que o ensino tem se centrado na

11
Tese de Doutorado A Constituiçao de Identidades Profissionais: Narrativas Biográficas no Ensino
em Artes (Helga Correa sob orientação Prof. Dr. Fernando Hernández – Universidade de Barcelona,
2012)
63



valorização da materialidade e dos processos constitutivos da obra gráfica, ambos
em correlação com os aspectos técnicos de transformação da matéria.
Tal investigação me levou a questionar as distintas posições tanto de arte
quanto de ensino que se misturam, e que sob diferentes aspectos constituem e dão
continuidade ao ensino em artes no Brasil.
Evidentemente que tais condutas profissionais tem sido orientadas por conjunções
históricas, as quais remontam suas origens formativas nos sistemas de ensino das
Academias de Belas Artes do século XIX com adaptações advindas dos conceitos
de renovação da arte e adequação as necessidades da sociedade industrial
procedentes dos objetivos modernistas da escola Bauhaus no século XX.
Neste contexto, o ensino da gravura transitou ora entre as artes aplicadas, ora entre
as artes plásticas, como consequência os profissionais que atuam na área
construíram uma identidade profissional, que configura-se em um grupo que também
constituiu um universo particular dentro das artes visuais. Exemplo disto são as
inúmeras publicações, bienais, mostras especializadas que enfatizam as
particularidades deste “meio expressivo”, estabelecendo uma relação de
interdependência entre meio expressivo artístico e identidade profissional.
No contexto investigado ficou patente que a estrutura curricular dos Cursos e
Escolas de Arte da cidade de Barcelona na Espanha, continua mantendo uma
orientação que privilegia a práxis artística, a divisão e hierarquia de meios, e a
segmentação entre teoria e prática.
Mas como situa PRADA (2003, p.2):
De hecho, la investigación en técnicas y destrezas procedimentales, o en
los elementos fenomenológicos y procesuales de la experiencia creativa,
esfuerzo máximo y orientación prioritaria en muchas de las directrices
metodológicas en educación artística universitaria, pierde hoy la relevancia
con las que contó años atrás, siendo reclamado el tiempo de sus esfuerzos
menos imprescindibles por las pretensiones investigadoras de la impureza
contextual de la actuación artística y de sus impregnaciones semióticas,
políticas y sociales.
É certo que existem domínios e especialidades que perfazem o percurso de
formação do artista, e a gravura é um deles.
É fato que a tradição da gravura dá continuidade a um legado histórico importante,
que preserva e dá sentido as produções que se desenrolaram ao longo do
desenvolvimento artístico até os dias de hoje. Negar o exercício da gravura
tradicional seria negar uma parte importante de seu passado. Um passado através
64



do qual compreendemos o presente e de onde é possível estabelecer, ao longo do
tempo e das circunstancias, suas relações com a arte como um todo.
Entretanto, em um mundo saturado de imagens múltiplas, nas quais a tecnologia da
reprodução da imagem redimensionou a escala da produção visual é quase
paradoxal que a própria gráfica continue circunscrita a uma dinâmica que delimita
seu espaço de atuação.
Atualmente ela compõe um campo de experimentação em aberto, onde se utilizam
meios gráficos de maneira heterodoxa, com mistura de técnicas, combinação de
recursos, aproximação com outras fronteiras e meios. Na verdade são exatamente
estas as características da investigação em artes no sentido mais amplo.
Nos objetivos do ensino em arte se necessita cada vez mais de uma tomada de
consciência da influencia dos sistemas de exposição e comercialização que incidem
sobre a produção em arte. É necessário repensar-se as relações da dependência do
contexto institucional e do discurso histórico por ele determinado e neste sentido, as
segmentações entre meios e as contradições entre teoria e prática precisam ser
revisadas, pois a arte é uma incessante produção de formas e pensamentos.
Estas estruturas de ensino que segmentam práxis em diferentes meios expressivos
e reflexão teórica, que dividem e hierarquizam investigação em arte de investigação
em ensino da arte, dificultam pensar de forma global e política a posição do artista
na sociedade. Esta herança moderna que considera que a responsabilidade do
ensino nas escolas de artes está focalizada em ensinar a ver, a desenvolver
técnicas e potencialidades para criar, sem centrar-se na importante e vital formação
de gerar consciências críticas, parece estabelecer uma desconexão entre a
realidade social e os jovens artistas em formação de hoje.
BECKER (1995) opina que, em geral, as escolas de arte contribuem para a
constituição e perpetuação de um comportamento “de alienação” dos artistas no que
se refere à integração de uma pratica reflexiva e comprometida no interior da
sociedade a qual estão vinculados.
A gênese deste problema estaria na equivocada concepção do artista autônomo,
produzindo no interior de seu estúdio e distante do debate político-social. Essa
escusa que se embasa no mito do artista romântico e alienado, dá margem à
conservação de um papel pouco substancial e ativo dos artistas enquanto
potencializadores de uma reflexão frente às relações humanas com e na sociedade.
65



Diante desse quadro, reelaborar as práticas profissionais pressupõe um desafio
frente às próprias constituições onde atuam artistas e professores. Este quadro é
ainda mais complexo na medida em que esta reelaboração implica em rever o papel
social destes agentes e seu vínculo com o mundo do trabalho.
Se a produção de arte está cada vez mais hibridizada, relacionada ao processo, a
práticas sociais e em redes buscando estabelecer novas relações com a sociedade,
a cada dia mais complexa; se a finalidade do ensino em artes no mundo
contemporâneo mais que trazer conteúdos e técnicas seria a de promover os
debates, os insights, gerar o movimento do saber (seja ele mental, sensorial,
ideológico); se, vivemos em um período de mudanças tecnológicas e sócio-culturais
que vem afetando os modos de ver, e produzir imagens, parece imprescindível que
os estudantes reflitam sobre as inúmeras relações estabelecidas entre ensino, meios
expressivos, obra, espectadores, mas não de forma isolada e sim relacionando tais
produções a uma dinâmica e a um contexto social mais amplo.
A amplitude de tais reflexões propiciaria a visibilidade das relações estabelecidas
entre a produção em arte e os mecanismos de poder na qual está imersa. Esta
reflexão possibilitaria a aproximação entre história individual e social dos envolvidos,
ampliando as conexões com o fazer e pensar arte. Tais mudanças, entretanto,
exigem diálogo e supõem o rompimento com a noção do artista individualista, e do
professor especialista.

Considerações Finais
Evidentemente que atuando em instituições de ensino formal ou não-formal, os
contextos sociais aos quais as artes gráficas se conectam também tem seus
objetivos e uma dinâmica própria que refletem representações sociais, políticas e
culturais de um determinado tempo.
Parece óbvio dizer que a arte e seu ensino estão implicados dentro do sistema sócio
cultural e político vigente, entretanto salientar como essas sofisticadas estruturas
estão intimamente relacionadas a concretas motivações (que movem os sistemas,
alimentam o mercado de arte, legitimam ideologias e modos de atuação social)
sugere um questionamento sobre os valores e conceitos acerca da arte que seguem
sendo transmitidos, bem como sua inserção e repercussão em termos sociais.
66



Se cada vez mais se enfatiza a necessidade do ensino em arte explicitar os
mecanismos sociais que a animam, aclarando sua própria dinâmica. Se é notória a
importância de se buscar diferentes modos que sejam capazes de sensibilizar,
mobilizar reflexões e manifestar preocupações sobre a nova realidade que vivemos,
também é notório que o ensino pautado na noção de pertencimento específico a
determinados meios expressivos artísticos que se configuram em grupos, solicita
necessária e urgente revisão.
Se trabalhar com o ensino em arte é estabelecer um encontro contínuo e reflexivo
com o mundo, o grupo caracterizado por identidades de artistas “gravadores”, ou
“professores de gravura” também merece ser revisado.
Não se trata de descartar as formas anteriores de produção em arte, pois o
seccionamento traria consigo novamente a mesma lógica. Trata-se sim de mostrar
que existem diferentes “modelos de artistas”, em “diferentes culturas”. Trata-se de
permitir maior abrangência de interpretações, que naturalmente se opõem a posição
limitadora e hierárquica em que estabelece o que é ou o que não é arte segundo
critérios modernos.
Romper com a noção de “meio” no ensino da arte não significa atribuir um novo
dogma à produção em artes, mas sim possibilitar a ampliação do espectro reflexivo
das produções em arte que comportam manifestações advindas do plano gráfico.
Trata-se sim de resgatar a liberdade implícita nos processos criativos, e de se rever
como se efetivam de fato essas dimensões no processo formativo em artes visuais.
Efetivamente esta não é uma tarefa fácil, especialmente dada interdependência
existente entre mercado, instituições e financiadoras e formações profissionais.
Naturalmente surgem inquietações e questionamentos sobre como dar continuidade
a própria prática profissional. Especialmente em como propiciar um espaço a partir
da especificidade da proposta gráfica, capaz de articular o debate de idéias, de
ampliar as reflexões acerca da multiplicidade e da difusão da imagem no mundo
contemporâneo. Para tanto é necessário contornar estruturas e dinâmicas que
restringem a crítica e a construção de um debate inovador através da arte,
transcender o legitimado dentro do instituído e construir algo novo.
Este novo e incerto processo formativo supõe dificuldades, pois mesmo atuando
segundo determinadas concepções, os sujeitos continuam subordinados a
estruturas de ensino da arte, que ante as complexas relações estabelecidas entre a
67



arte e a sociedade atual, também se vêem diante da necessária reflexão e
reformulação em torno à formação artística.
Estes são desafios que interconectam a atividade artística e a docente, que se vêem
associados a perfis identitários em permanente movimento de revisão e
reelaboração.
São instancias únicas, com desdobramentos igualmente imprevisíveis, mas
necessários e relevantes neste processo que envolve uma reflexão crítica em torno
ao ensino em artes.
Pois a produção de conhecimento surge num cruzamento de experiências, deve
envolver diferentes áreas que sejam capazes de gerar novas associações e
compreensões da realidade social na qual estamos inseridos. Isto pode resultar em
formulações mais complexas, que estabeleçam novos nexos e que suscitem um
amplo leque de metodologias. Apenas assim diferentes maneiras de pensar o
mundo podem dar corpo à produção artística, alargando os tradicionais modos de
conhecer e produzir arte.

Referencias Bibliográficas
BECKER, C. in GABLIK, S. Conversations Before the End of Time. Londres,
England: Thames e Hudson, 1995.
BLAS, J. ¿Arte Gráfico? La Crisis de una categoría. Revista Grabado y Edición. v.
I, n. 1. Madrid, España: 2006.
BONET, J. La gráfica: algunas pistas españolas. In: INGRAFICA, Catálogo do
Primer Festival Internacional de Grabado Contemporáneo. Ciudad de Cuenca,
España: Editora Associación Hablar em Arte. 2008.
CAUQUELIN, A. Teorias da arte. São Paulo, Brasil: Martins Fontes Editora Ltda.,
2005.
_______ Arte contemporânea, uma introdução. São Paulo, Brasil: Martins Fontes
Editora Ltda., 2005.
MORO, J. Un ensayo sobre grabado (A finales del siglo XX). Santander, España:
Creática Ediciones, 1998.
MUÑIZ, G. Costume Jewelry that Scratches the Skin. Revista Grabado y Edición.
Año VI, n. 27. Madrid, España: 2011.
PRADA, J. (2003) La enseñanza del arte y la universidad.
[http//www.2-red.net/juanmartinprada/textsjmp/laensenanza.pdf] acessado em
31.12.2009.
68



RAMON, J. El grabado actual: entre la artesanía y la guetonización. INGRAFICA,
Catálogo do Segundo Festival Internacional de Arte Contemporâneo. Ciudad de
Cuenca, España: Editora Associación Hablar em Arte. 2009.
_______ Reflexiones: los procesos de la gráfica en el arte digital. In: SOLER, A;
CASTRO, K. Impresión piezoeléctrica_la estampa_inyectada_ [algunas reflexiones
en torno a la gráfica digital]. Vigo, España: Grupo de Investigación DX5, 2007.

69




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








BIOMARCADORES PARA DOENÇA DE ALZHEIMER: A
INFLUÊNCIA DO USO DE ANTIDEPRESSIVOS NA
EXPRESSÃO DOS NÍVEIS PLAQUETÁRIOS DE ADAM10




Otávio Augusto Fernandes Marques Bianco
Patricia Regina Manzine
Marcia Regina Cominetti
Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

2013
70



Biomarcadores para Doença de Alzheimer: a influência do
uso de antidepressivos na expressão dos níveis
plaquetários de ADAM10

Otávio Augusto Fernandes Marques Bianco
Graduando em Gerontologia
Departamento de Gerontologia
Universidade Federal de São Carlos - Brasil
otavioafmb@gmail.com

Patricia Regina Manzine
Mestre em Enfermagem
Doutoranda em Ciências Fisiológicas
Departamento de Ciências Fisiológicas
Universidade Federal de São Carlos - Brasil
patricia_manzine@yahoo.com.br

Márcia Regina Cominetti
Doutora em Ciências – Área de concentração: Fisiologia
Departamento de Gerontologia
Universidade Federal de São - Brasil
mcominettil@ufscar.br


Resumo
A doença de Alzheimer (DA) é a causa mais comum de demência em
pessoas com mais de 65 anos de idade. Nas ultimas décadas, a DA saiu da
escuridão de uma doença rara para ser considerada como o principal problema de
saúde pública a nível mundial. Em unanimidade se sabe que, a menos que a doença
possa ser efetivamente tratada ou prevenida os números aumentarão
significativamente, dado o fenômeno de envelhecimento populacional presente
atualmente no mundo. Neste contexto tornam-se necessárias pesquisas que
possam auxiliar a entender o processo patológico para assim poder diagnosticá-lo
precocemente. Nosso grupo de pesquisa vem se dedicando ao estudo de
biomarcadores sanguíneos para a DA e demonstrou recentemente que a o-
secretase, está diminuída em idosos com DA, comparado a controles saudáveis. A
depressão (e consequentemente o tratamento antidepressivo) é uma morbidade que
apresenta prevalência de 40% em pacientes com DA. Desta forma, o objetivo desta
pesquisa é investigar se em idosos que fazem uso de medicação para depressão
existe alguma alteração da expressão da ADAM10. Foram avaliados 55 idosos,
71



sendo 30 com DA e 25 sujeitos controle saudáveis pareados por sexo, idade e
escolaridade. Também foi aplicado o instrumento CDR (Clinical Dementia Rating)
para classificar os idosos nos distintos níveis de comprometimento cognitivo. Foram
recolhidas amostras de sangue de todos os participantes e separadas as plaquetas,
as quais foram submetidas a SDS-PAGE e Western Blotting, para verificação dos
níveis proteicos de ADAM10 e β-actina, a qual foi utilizada como controle endógeno.
Os dados obtidos foram correlacionados por métodos estatísticos e apresentados
em gráficos e tabelas. Os valores de expressão da ADAM10 de cada sujeito e a
informação sobre o uso de medicação antidepressiva foram analisados.
Considerando todos os sujeitos do estudo (n=55) observou-se que 8 idosos faziam o
uso da medicação antidepressiva e 47 idosos não utilizavam tal medicação.
Considerando apenas os idosos com DA, 6 deles faziam uso de medicação
antidepressiva, ao passo que 24 idosos não utilizavam a medicação. O tipo mais
comum de antidepressivo utilizado foram os inibidores seletivos da receptação de
serotonina. Como resultado, observou-se que não existe correlação entre o uso de
medicação antidepressiva e a expressão da ADAM10 plaquetária utilizando o teste
de Mann-Whitney (p = 0,42). Desta forma, os resultados indicam que na amostra
estudada não existe correlação entre o uso de medicação antidepressiva e os níveis
plaquetários de expressão da ADAM10, demonstrando o grande potencial deste
biomarcador periférico para ser utilizado na população idosa. Estudos com um
número maior de sujeitos devem ser realizados de modo a aprimorar a qualidade
dos resultados.

Resumen
La enfermedad de Alzheimer (EA) es la causa más común de demencia en
personas con más de 65 años de edad. En las últimas décadas, la EA dejó de ser
una enfermedad rara para ser considerada como el principal problema de salud
pública a nivel mundial. De forma unánime se sabe que, a menos que la enfermedad
pueda ser efectivamente tratada o prevenida los cifras van a aumentar
significativamente, por el fenómeno del envejecimiento poblacional presente
actualmente en el mundo. En este contexto se tornan necesarias investigaciones
que puedan ayudar a entender el proceso patológico para poder entonces
diagnosticarlo precozmente. Nuestro grupo de investigación se dedica al estudio de
72



biomarcadores sanguíneos para la EA y hemos demostrado recientemente que la α-
secretasa ADAM10 plaquetaria está disminuída en ancianos con EA, en
comparación a controles saludables. La depresión (y consecuentemente el
tratamiento antidepresivo) es una morbilidad que presenta una prevalencia del 40%
en pacientes con DA. Así, el objetivo del presente estudio es investigar si en
ancianos que hacen uso de medicación para la depresión existe alguna alteración de
la expresión de la ADAM 10. Fueron evaluados 55 ancianos, siendo 30 con EA y 25
sujetos control saludables emparejados por sexo, edad y escolaridad. También fue
aplicado el instrumento CDR (Clinical Dementia Rating) para clasificar a los ancianos
en los distintos niveles de comprometimiento cognitivo. Fueron tomadas muestras de
sangre a todos los participantes y separadas las plaquetas, que fueron sometidas a
SDS-PAGE y Western Blotting, para la verificación de los niveles proteicos de ADAM
10 y β-actina, que fue utilizada en el control endógeno. Los datos obtenidos fueron
correlacionados por métodos estadísticos y presentados en gráficos y tablas. Los
valores de expresión de la ADAM10 de cada sujeto y la información sobre el uso de
la medicación antidepresiva fueron analizados. Considerando a todos los sujetos del
estudio (n=55) se observó que 8 ancianos hacían uso de la medicación
antidepresiva y 47 ancianos no utilizaban la medicación. Considerando sólo los
ancianos con EA, 6 de ellos hacían uso de la medicación
antidepresiva, mientras que 24 ancianos no la utilizaban. El tipo más común de
antidepresivo utilizado fueron los inhibidores selectivos de la recaptación de
serotonina. Como resultado, se observa que no existe correlación entre el uso de
medicación antidepresiva y la expresión de la ADAM10 plaquetaria utilizando el test
de Mann-Whitney (p=0,42). De esta forma, los resultados indican que en la muestra
estudiada no existe correlación entre el uso de medicación antidepresiva y los
niveles plaquetarios de expresión de la ADAM10, demostrando así el gran potencial
de este biomarcador periférico para ser utilizado en la población anciana. Estudios
con un número mayor de sujetos deben ser realizados con objeto de mejorar la
calidad de los resultados.

1 Introdução
1.1 Doença de Alzheimer
73



A doença de Alzheimer (DA) é a causa mais comum de demência em
pessoas com mais de 65 anos de idade tanto no Brasil como no mundo [1]. As
estimativas epidemiológicas atuais da DA nos Estados Unidos apresentam números
diferentes, que variam de 2,4 a 4,5 milhões de pessoas acometidas pela doença,
dependendo de como ela é medida. A unanimidade é de que, a menos que a
doença possa ser efetivamente tratada ou prevenida, os números irão aumentar
significativamente, dado o fenômeno de envelhecimento populacional presente
atualmente no mundo [1]. No Brasil, a perspectiva é que, em 2025, o país seja o 6°
do mundo em número de idosos [2-4]. Para a detecção precoce de demência
recomenda-se o diagnóstico de Comprometimento Cognitivo Leve (CCL) [5-6]. O
CCL do tipo amnésico refere-se à zona de transição entre o envelhecimento normal
e os estágios mais iniciais da DA. A taxa de conversão para DA é de
aproximadamente 10 a 15% ao ano, representando um subgrupo com risco elevado
de desenvolver esta síndrome demencial [5-6].
Portadores de DA apresentam processos metabólicos alterados em seus
neurônios. Tais alterações metabólicas levam às deficiências que por fim causam a
morte neuronal, com consequentes perdas de memória, mudanças de
personalidade, dificuldades para a realização das atividades da vida diária (AVDs),
entre outros sinais e sintomas [1]. As placas neuríticas senis ou placas amilóides e
os emaranhados neurofibrilares são marcos patológicos da doença, juntamente com
a perda progressiva de neurônios no cérebro. Em algumas áreas cerebrais, a perda
neuronal pode chegar a 90% [7-8]. As placas amilóides se encontram nos espaços
entre as células nervosas e consistem de grandes depósitos do peptídeo β-amilóide
(βA). A proteína precursora amilóide (APP) é um elemento chave na cascata
amilóide. A APP é clivada seqüencialmente por β-secretases e γ-secretases para
gerar o βA. A formação do βA (via amiloidogênica) é prevenida pelas α-secretases
(via não amiloidogênica), as quais têm sido identificadas como ADAM9, 10 [9-11].
Os detalhes da formação das placas amilóides serão pormenorizados no item 2.3.
1.2 Depressão
Depressão é uma doença neuropsiquiátrica caracterizada por alterar os
estados de emoção, percepção, pensamento e comportamento do indivíduo,
levando ao sofrimento social, psicológico e físico [12]. É interessante ressaltar que a
depressão é diferente dos sentimentos de tristeza, uma vez que a depressão, além
74



dos sentimentos de tristeza, também possui alterações psicomotoras, vegetativas e
cognitivas. Estima-se que cerca de 20% da população mundial sofre de transtornos
depressivos [13].
A teoria das monoaminas propõe que a depressão é causada por uma
deficiência na produção das aminas biogênicas, Noradrenalina (NE), Dopamina (DP)
e Serotonina (5HT) [14]. Essa teoria impulsionou o desenvolvimento dos
antidepressivos, que foram divididos em três classes de acordo com sua
farmacodinâmica: Antidepressivos Tricíclicos e Tetracíclicos (ADT), Inibidores da
MAO (IMAO), e Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina (ISRS). Os ADTs
agem bloqueando a recaptação de noradrenalina e serotonina e atuam bloqueando
os receptores pós-sinápticos muscarínicos (colinérgicos), histaminérgicos de tipo 1,
α2 e βadrenérgicos e serotonérgicos diversos. Os inibidores da MAO agem inibindo
a monoamioxidase, enzima relacionada ao metabolismo de serotonina,
noradrenalina e em parte da dopamina. Os ISRS inibem a recaptação da serotonina,
sendo os mais utilizados em vista de possuir poucos efeitos colaterais [15-17]. Os
sintomas da depressão costumam desaparecer após duas semanas de tratamento,
mas este é mantido por cerca de 12 meses para evitar a reincidência da patologia.
1.3 ADAMs
O termo ADAM é usado para descrever a presença de domínios desintegrina
e metalopeptidase (A Disintegrin And Metallopeptidase). As ADAMs entretanto, são
proteínas multi-modulares (Figura 1) e há evidências de que cada um de seus
domínios tenha um papel funcional, e não apenas estrutural, em pelo menos uma
das ADAMs identificadas até o momento [18-27]. Muitas ADAMs são proteínas
transmembrana do tipo I e se ancoram devido à presença do domínio
transmembrana próximo a região C-terminal (Figura 2). Algumas ADAMs, entretanto,
apresentam também uma forma alternativa solúvel e secretada gerada por splicing
alternativo. Como exemplos destas ADAMs temos a 11, 12, 17 e 28 [28-30]. As
primeiras ADAMs descobertas estavam envolvidas em processos reprodutivos,
particularmente a espermatogênese e a fusão óvulo-espermatozóide [19, 31-34].
Porém, outros membros desta família de proteínas apresentam funções importantes
em processos fisiológicos e no desenvolvimento tais como clivagem de
ectodomínios, fusão de mioblastos, migração, proliferação e sobrevivência celular,
entre outros processos [19, 35].
75





Figura 1 – Diagrama esquemático da estrutura das classes das ADAMs (A Disintegrin And Metalloprotease).
Extraído de [35].

Após a remoção do pró-domínio (Figura 2, em verde) por outras proteases ou
por auto-ativação, o domínio metalopeptidase torna-se ativo. Os outros domínios
são: metalopeptidase ou catalítico (em branco), domínios desintegrina e rico em
cisteína (em rosa), domínio transmembrana (em preto) e domínio citoplasmático (em
amarelo).


Figura 2 – Estrutura em domínios de proteínas da família das ADAMs e sua inserção na membrana celular.
Extraído de [20].

As ADAMs são membros da superfamília das proteases dependentes de zinco, que
por sua vez, é dividida de acordo com a estrutura primária de seus sítios catalíticos e
inclui os subgrupos das gluzincinas, metzincinas, inuzincinas, carboxipeptidades e
DD carboxipeptidases [36]. As ADAMs pertencem ao subgrupo das metzincinas, o
qual é também dividido em serralisinas, astacinas, matrixinas e adamalisinas. As
matrixinas são as metalopeptidases de matriz ou MMPs, as quais são proteases
76



responsáveis pela degradação e remodelamento da MEC (matriz extracelular) e
possuem importantes funções no desenvolvimento, cicatrização de ferimentos e em
doenças como artrite reumatóide e câncer [37-38]. As ADAMs também são
chamadas de MDCs (Metalloprotease/Disintegrin/Cystein-rich) e recebem, seguido
ao nome, um número que representa a ordem de sua descoberta. Em humanos,
foram identificados até o presente momento cerca de 19 genes que codificam para
ADAMs (vide Tabela 1). As ADAMs são encontradas também em outras espécies,
incluindo C. elegans, Drosophila e Xenopus, mas não estão presentes em E. coli, S.
cerevisiae, ou em plantas [38].
A região N-terminal das ADAMs possui uma sequência sinal que direciona
para a via secretória e um pró-domínio que possui função na maturação, pois sua
presença mantém o domínio metalopeptidase inativo. A ativação do domínio
metalopeptidase se dá pelo mecanismo de cystein-switch [39], no qual um resíduo
conservado de cisteína, presente no pró-domínio, coordena o íon zinco (Zn
2+
) do
sítio ativo e o mantém inativo. Após a remoção do pró-domínio e a conseqüente
liberação do sítio ativo, o domínio metalopeptidase torna-se ativo e é capaz de
realizar suas funções catalíticas. Outra suposta função do pró-domínio seria o de
chaperona, ou seja, o pró-domínio poderia servir para fornecer estruturalmente a
configuração apropriada para a proteína como um todo ou especificamente para o
domínio metalopeptidase [38]. O domínio metalopeptidase é responsável pelo
processamento hidrolítico dos substratos nas ADAMs. Ele possui um sítio ativo que
contém um íon Zn
2+
e moléculas de água, os quais são necessários para o
mecanismo catalítico.

ADAM Nome comum Função provável Expressão
ADAM2 Fertilina-|, PH-30| Ligação/fusão
espermatozóide/óvulo
Testículo
ADAM7 EAP1 Epidídimo
ADAM8 MS2, CD156 Granulócitos/
Monócitos
ADAM9 Meltrin-¸, MDC9 Migração celular, clivagem de
ectodomínios
Células somáticas
ADAM10 Kuz, MADM, SUP-17 Clivagem de ectodomínios,
destino celular
Células somáticas
ADAM11 MDC Repressor tumoral Cérebro
ADAM12 Meltrin-o Clivagem de ectodomínios,
Fusão de mioblastos
Células somáticas
ADAM15 Metagirdin, MDC15 Ligação célula-célula Células somáticas
ADAM17 TACE Clivagem de ectodomínios Células somáticas
ADAM18 tMDCIII Testículo
77



ADAM19 Meltrin-|, MADDAM Clivagem de ectodomínios,
Desenv. Células dendríticas
Células somáticas
ADAM20 Testículo
ADAM21 Testículo
ADAM22 MDC2 Cérebro
ADAM23 MDC3 Adesão Celular, Desenv. Neural Cérebro
ADAM28 MDC-L Vigilância imune Epidídimo, pulmão,
linfócitos
ADAM29 Testículo
ADAM30 Testículo
ADAM33 Ligada geneticamente com
asma
Células somáticas
*Extraído e modificado de [38].
Tabela 1 – ADAMs humanas*

1.4 ADAMs e Doença de Alzheimer
Nos últimos anos, vários trabalhos avançaram no entendimento da estrutura e
função das proteínas da família das ADAMs, especialmente aqueles relacionados ao
domínio metalopeptidase destas moléculas. Sabe-se que a TACE (TNFo
Converting Enzyme) ou ADAM17 [28, 40] e as ADAMs 9 e 10 [27, 41-42] são
responsáveis pela clivagem do TNFo, o qual é uma citocina e como tal, possui
importantes funções no desenvolvimento e em processos inflamatórios, além de
serem recrutadas em resposta a infecções por microorganismos ou a estados
patológicos como artrite reumatóide e câncer. A ADAM17, através de seu domínio
metalopeptidase, também participa da liberação por clivagem de várias outras
proteínas ancoradas à membrana celular, incluindo TGFo, receptores de TNF p55 e
p75, receptor de interleucina-1 tipo II, VCAM, fractalcinas e proteína amilóide
precursora (APP) [43-45]. As ADAMs 9, 10 e 17 também mostram atividade de o-
secretase [46-47].
Conforme já citado anteriormente, o βA compreende um fragmento
proteolítico da proteína precursora amilóide (APP), e é liberado da APP por
clivagens seqüenciais via | e ¸-secretases (Figura 3). Contudo, a rota predominante
de processamento da APP consiste de clivagens sucessivas por o e ¸-secretases.
As o-secretases atacam a APP dentro de uma sequência do βA e, portanto, evitam a
formação deste componente neurotóxico [36]. Após a clivagem por o-secretases, a
região N-terminal solúvel da APP, a qual possui propriedades neuroprotetoras, é
liberada. Em pacientes de DA, ocorre uma diminuição do processamento de APP via
o-secretases [48].
78



Desta forma, estratégias para aumentar a atividade o-secretase poderão ser
empregadas nestes pacientes [36]. A Figura 4 mostra a formação das placas
amilóides, a partir da APP.










Figura 3 – Clivagem da APP por o e |-secretases. Extraído de [9].

A APP é clivada sequencialmente por β-secretases e γ-secretases para gerar o
peptídeo β-amilóide. A formação do βA (via amiloidogênica) é prevenida pelas α-
secretases (via não amiloidogênica), as quais têm sido identificadas como ADAM9,
10 e 17 [48].

Figura 4 – Formação das placas |-amilóides a partir da proteína precursora amilóide (APP). Extraído
de [1].

79



A BACE1 (Beta-site APP cleaving enzime) é a |-secretase que cliva a APP [9,
48-50] e algumas ADAMs demonstram atividade de o-secretase, tais como as
ADAM9, 10 e 17 [46]. Além destas proteínas, outras metalopeptidases de membrana
também podem estar envolvidas na clivagem do APP, porém estas ainda não foram
identificadas até o momento [36]. Um estudo pioneiro com pacientes portadores de
DA mostrou a expressão de ADAM10 em plaquetas. Tal estudo também demonstrou
que sua expressão é significativamente diminuída em plaquetas de pacientes com
DA, quando comparado aos controles [48].
A DA e desordens relacionadas (demências) são o principal problema de saúde
pública pelo número de casos na população em geral, pelas projeções para o futuro
e pelas consequências destas doenças [51-52]. Estima-se que atualmente cerca de
24 milhões de pessoas no mundo apresentem doenças relacionadas à demência,
sendo este número projetado para dobrar a cada 20 anos. Cerca de 60% dos
pacientes com demência vivem em países em desenvolvimento e esta proporção
subirá para 70% no ano de 2040. Portanto, estas doenças representam o principal
desafio na área da saúde pública como consequência do rápido crescimento da
média de idade em países em desenvolvimento. Este desafio deve ser confrontado
com o desenvolvimento de estratégias preventivas contra a progressão da demência
e da DA, com a manutenção de estilos de vida que possam prevenir ou retardar o
surgimento e a progressão destas patologias [53-56].
Dados atuais de países em desenvolvimento sugerem que a prevalência de
demência relacionada à idade em pacientes com 65 anos de idade seja alta, (5%)
em países asiáticos e latino-americanos, mas baixa (1-3%) na Índia e África. Os
custos para o tratamento de doenças relacionadas à demência estão estimados em
73 bilhões de dólares anuais nestas regiões [57].
Até o presente momento, não existe uma cura para a DA e os sinais e
sintomas iniciais da doença não se manifestam clinicamente, além de não haver um
método clínico definido para determinar como os pacientes progridem a partir de
desordens cognitivas suaves para DA associada à demência, além de que os
sintomas iniciais são comumente confundidos com aqueles relacionados ao próprio
envelhecimento, não necessariamente associados a doenças [58-59]. Mesmo com o
progresso da doença, o diagnóstico correto ocorre somente com 65 a 90% de
80



precisão, sendo que o diagnóstico definitivo DA somente pode ser realizado por
autopsia [8].
O diagnóstico por imagem na DA é realizado por três diferentes técnicas:
tomografia de emissão de pósitrons (PET), tomografia computadorizada por emissão
de fótons (SPECT) e ressonância magnética (MRI) [60]. Estas técnicas se baseiam
na medida dos danos neurológicos já existentes, portanto, são ineficientes para
detectar sintomas iniciais da doença. Desta forma, a eficiência destas técnicas de
detecção seria muito maior se seu uso estivesse associado aos níveis de
biomarcadores, o que poderia convergir em um diagnóstico mais preciso e barato,
uma vez que os testes de imagen atuais com marcadores moleculares são caros e
podem apresentar falhas . Neste sentido, há uma demanda urgente no
desenvolvimento de biomarcadores para o diagnóstico precoce da DA [58, 61-63].
As necessidades de assistência contínua ao enfermo com DA originam gastos
importantes e relevantes para a família, pois atualmente é inexistente um sistema de
atenção à saúde que prevê uma oferta suficiente de serviços necessários para uma
população de síndromes demenciais com crescimento ascendente. Como a DA
representa uma das principais causas de acometimento da quali dade de vida do
idoso e de seus familiares, e os cuidados que requer oneram tanto as famílias
quanto o governo, há grande interesse e dispêndio na promoção de pesquisas e
programas de cuidados ao idoso demenciado.
Para que um biomarcador possa ter validade e seu uso possa ser satisfatório
na detecção da doença torna-se necessário pesquisar os fatores que possam
influenciar em sua expressão, fato reforçado pelos estudos anteriore que colocaram
o uso de antidepressivos como fator de exclusão. Assim pesquisar a influência do
uso de medicamentos antidepressivos nos níveis de expressão da proteína ADAM10
é importante para estabelecer critérios primordiais para o desenvolvimento dos
métodos de utilização deste biomarcador na detecção precoce da Doença de
Alzheimer em idosos.

2 Materiais e Métodos
2.1 Participantes
Foram sujeitos desta pesquisa 55 idosos usuários de dois serviços de saúde
do município de São Carlos, serviços de referência e contra-referência em
81



demência: USE e as USFs, sem comprometimentos graves de linguagem ou
compreensão.
Grupo 1. Idosos cadastrados na Unidade Saúde Escola - UFSCar e no serviço
público Unidade de Saúde da Família do município de São Carlos com diagnóstico
de DA de acordo com o critério NINCDS-ADRDA [64] (identificados através do CDR
com classificações 1, 2 e 3), que utilizavamantidepressivos.
Grupo 2. Idosos cadastrados na Unidade Saúde Escola – UFSCar e no serviço
público Unidade de Saúde da Família do município de São Carlos com diagnóstico
de DA de acordo com o critério NINCDS-ADRDA [64] (identificados através do CDR
com classificações 1, 2 e 3), que não utilizavam antidepressivos.
2.2 Aplicação do Clinical Dementia Rating (CDR)
Todos os sujeitos da pesquisa foram submetidos à aplicação individual e
domiciliar do CDR, um instrumento de rastreamento e diagnóstico de deterioração
cognitiva, utilizado internacionalmente, que fornece informações sobre diferentes
dimensões cognitivas. Sinaliza se é provável que haja alguma alteração cognitiva e
em que área ocorre. Envolve categorias de respostas verbais e não verbais, medindo
os seguintes aspectos cognitivos: Memória, Orientação, Julgamento e Solução de
Problemas, Relações Comunitárias, Lar e Passatempos, e Cuidados Pessoais. O
teste é composto por 6 categorias, com classificação de 0 (sem demência), 0,5
(demência questionável), 1 (Demência Leve), 2 (Demência Moderada) e 3 (Demência
Grave). O desempenho do paciente é comparado com o seu passado, possibilitando
prever o avanço da demência e também sua aplicação nas mais diversas etnias.
2.3 Análise Estatística
Os sujeitos de pesquisa foram separados em dois grupos sendo um com 30 sujeitos
com DA e e 25 sujeitos controle saudáveis. Esses dois grupos foram pareados de
acordo com sexo, idade, escolaridade. Os dados obtidos foram submetidos ao teste
de regressão linear, uma vez que os testes de correlação não podem calcular
variáveis qualitativas (uso/não uso de medicação antidepressiva).
2.4 SDS-PAGE e Western Blotting
As proteínas plaquetárias foram resolvidas através de SDS-PAGE (15%) e em
seguida transferidas para membranas de nitrocelulose em tampão contendo Tris-HCl
(25mM), glicina (92mM) e metanol (20%) em pH 8,3 a 230mA (mili -Ampéres) por 2h
e 30min. Após bloqueio com leite desnatado, a membrana foi incubada com
82



diferentes anticorpos: anti-ADAM10 C-terminal (1:2000); anti-actina (Sigma-Aldrich;
1:3000). Os anticorpos citados representam os anticorpos primários e foram
incubados com a membrana de nitrocelulose por 2h em temperatura ambiente, com
leve agitação. Anticorpos secundários conjugados com peroxidase foram usados
para a revelação das membranas, juntamente com o kit de quimioluminescência
SuperSignal® West Pico Chemiluminescent (Pierce).

3 Resultados Parciais
Até o momento foram coletadas amostras de sangue de 55 idosos do
município de São Carlos, sendo 30 com DA e 25 sem DA, 47 não utilizavam
medicação antidepressiva e 8 faziam uso de medicação. Dos que faziam uso de
medicação 6 apresentavam DA e 2 não possuíam a doença.
O p-valor do teste de regressão linear para as variáveis “uso de medicação
antidepressiva” vs. “Expressão de ADAM10” foi de::0,65. A tabela 2 descreve os
valores obtidos no teste de regressão linear.

Goodness of Fit
r² 0,003817
P value 0,6541
Deviation from zero? Not Significant
Slope 0.06644 ± 0.1474
X-intercept when Y=0.0 -1,717
Tabela 2 – Resultados da regressão linear

O valor de Slope representa o impacto da característica de tomar ou não
antidepressivo sobre os níveis plaquetários da ADAM10. Como dito anteriormente,
de todos os sujeitos do estudo até agora (n=55) 47 não tomam medicação
antidepressivas e 8 fazem uso da medicação. A tabela 3 abaixo mostra os valores
referentes à expressão da ADAM10 plaquetária em cada situação

Não
usam
Usam
Medicação
Number of values 47 8

Minimum 0,0778 0,1451
25% Percentile 0,2064 0,2192
83



Median 0,4210 0,5588
75% Percentile 0,6336 0,7173
Maximum 1,363 1,074

Mean 0,4635 0,5210
Std. Deviation 0,3359 0,3157
Std. Error 0,04900 0,1116

Lower 95% CI of mean 0,3649 0,2570
Upper 95% CI of mean 0,5622 0,7849

Sum 21,79 4,168
Tabela 3 – Valores de ADAM10 entre os sujeitos de pesquisa

Considerando apenas os sujeitos com DA (n=30) que utilizam ou não a
medicação antidepressiva, observa-se que 24 idosos não usam a medicação e
apenas 6 fazem uso. A tabela 4 apresenta os mesmo cálculos realizados na tabela
anterior considerando apenas sujeitos com DA

Não
usam
Usam
Medicação
Number of values 24 6

Minimum 0,0778 0,1451
25% Percentile 0,1461 0,1974
Median 0,2108 0,3649
75% Percentile 0,4220 0,6672
Maximum 0,8289 0,7423

Mean 0,2884 0,4124
Std. Deviation 0,1952 0,2497
Std. Error 0,03984 0,1020

Lower 95% CI of mean 0,2060 0,1503
Upper 95% CI of mean 0,3708 0,6744

Sum 6,922 2,474
Tabela 4 – Valores de ADAM10 de sujeitos com DA

84



Foi aplicado o teste de Mann-Whitney para verificar se as diferenças dos
valores de ADAM10 são estatisticamente significantes, observa-se um valor de P de
0,42, indicando que não existe relação entre as variáveis. A tabela 5 apresenta tais
resultados.

Table Analyzed Data 1
Column A Não usam
vs vs
Column C Usam Medicação

Mann Whitney test
P value 0,4239
Exact or approximate P value? Gaussian Approximation
P value summary ns
Are medians signif. different? (P < 0.05) No
One- or two-tailed P value? Two-tailed
Sum of ranks in column A,C 1282 , 258
Mann-Whitney U 154,0
Tabela 5 – Teste de Mann-Whitney para sujeitos com DA que usam e não usam
medicação antidepressiva


4 Discussão dos dados
Com base nos valores apresentados no teste de regressão linear se prova
que não existe relação entre o uso de antidepressivos e a expressão de ADAM10
(p= 0,65). O valor de Slope encontrado no teste de regressão linear indicaria, caso
houvesse relação entre as variáveis qualitativas, um aumento de 0,06644 nos níveis
de ADAM10.
Considerando apenas as médias apresentadas nas tabelas 3 e 4 percebe-se
uma maior expressão de ADAM10 nos indivíduos que fazem uso de medicação
antidepressiva, entretanto o resultado no teste de Mann-Whitney comprovou que
não existe diferença estatística comparando-se sujeitos que não fazem uso de
medicação (p=r 0,42).

Considerações Finais
85



Com base nas informações levantadas até o momento pode-se concluir que a
medicação antidepressiva não interfere nos níveis de expressão da ADAM10
palquetária. Entretanto, este é um estudo em andamento, que necessita uma um
número maior de sujeitos para que apresente relevância estatística. Outros estudos
devem ser conduzidos, no intuito de verificar se algum tipo de medicação
comumente utilizada por idosos teria efeitos na expressão da ADAM10.

Referências Bibliográficas

1. Roggers, A.B. (2008) Alzheimer's disease: unraveling the mistery. 43.
2. Lopes, M.A. and C.M. Bottino, [Prevalence of dementia in several regions of
the world: analysis of epidemiologic studies from 1994 to 2000]. Arq
Neuropsiquiatr, 2002. 60(1): p. 61-9.
3. Bottino, C.M., et al., [Cognitive rehabilitation in Alzheimer's disease patients:
multidisciplinary team report]. Arq Neuropsiquiatr, 2002. 60(1): p. 70-9.
4. Chaves, M.L., et al., Incidence of mild cognitive impairment and Alzheimer
disease in Southern Brazil. J Geriatr Psychiatry Neurol, 2009. 22(3): p. 181-7.
5. Petersen, R.C., et al., Current concepts in mild cognitive impairment. Arch
Neurol, 2001. 58(12): p. 1985-92.
6. Petersen, R.C., et al., Practice parameter: early detection of dementia: mild
cognitive impairment (an evidence-based review). Report of the Quality
Standards Subcommittee of the American Academy of Neurology. Neurology,
2001. 56(9): p. 1133-42.
7. Bussiere, T., et al., Progressive degeneration of nonphosphorylated
neurofilament protein-enriched pyramidal neurons predicts cognitive
impairment in Alzheimer's disease: stereologic analysis of prefrontal cortex
area 9. J Comp Neurol, 2003. 463(3): p. 281-302.
8. Qin, W., et al., S100A7, a novel Alzheimer's disease biomarker with non-
amyloidogenic alpha-secretase activity acts via selective promotion of ADAM-
10. PLoS One, 2009. 4(1): p. e4183.
9. Cole, S.L. and R. Vassar, The Basic Biology of BACE1: A Key Therapeutic
Target for Alzheimer's Disease. Curr Genomics, 2007. 8(8): p. 509-30.
10. Cole, S.L. and R. Vassar, The Alzheimer's disease beta-secretase enzyme,
BACE1. Mol Neurodegener, 2007. 2: p. 22.
11. Cole, S.L. and R. Vassar, BACE1 structure and function in health and
Alzheimer's disease. Curr Alzheimer Res, 2008. 5(2): p. 100-20.
12. Practice guideline for the treatment of patients with major depressive disorder
(revision). American Psychiatric Association. Am J Psychiatry, 2000. 157(4
Suppl): p. 1-45.
86



13. Rubio, J.M., et al., Epidemiology of chronic and nonchronic major depressive
disorder: results from the national epidemiologic survey on alcohol and related
conditions. Depress Anxiety, 2011. 28(8): p. 622-31.
14. Willner, P., Animal models of depression: an overview. Pharmacol Ther, 1990.
45(3): p. 425-55.
15. Gillman, P.K., Tricyclic antidepressant pharmacology and therapeutic drug
interactions updated. Br J Pharmacol, 2007. 151(6): p. 737-48.
16. Blier, P., The pharmacology of putative early-onset antidepressant strategies.
Eur Neuropsychopharmacol, 2003. 13(2): p. 57-66.
17. Sjoqvist, F. and L. Bertilsson, Clinical pharmacology of antidepressant drugs:
pharmacogenetics. Adv Biochem Psychopharmacol, 1984. 39: p. 359-72.
18. Blobel, C.P. and J.M. White, Structure, function and evolutionary relationship
of proteins containing a disintegrin domain. Curr Opin Cell Biol, 1992. 4(5): p.
760-5.
19. White, J.M., ADAMs: modulators of cell-cell and cell-matrix interactions. Curr
Opin Cell Biol, 2003. 15(5): p. 598-606.
20. Moss, M.L. and M.H. Lambert, Shedding of membrane proteins by ADAM
family proteases. Essays Biochem, 2002. 38: p. 141-53.
21. Yuan, R., P. Primakoff, and D.G. Myles, A role for the disintegrin domain of
cyritestin, a sperm surface protein belonging to the ADAM family, in mouse
sperm-egg plasma membrane adhesion and fusion. J Cell Biol, 1997. 137(1):
p. 105-12.
22. Loechel, F., et al., Human ADAM 12 (meltrin alpha) is an active
metalloprotease. J Biol Chem, 1998. 273(27): p. 16993-7.
23. Loechel, F. and U.M. Wewer, Activation of ADAM 12 protease by copper.
FEBS Lett, 2001. 506(1): p. 65-8.
24. Zhang, X.P., et al., Specific interaction of the recombinant disintegrin-like
domain of MDC-15 (metargidin, ADAM-15) with integrin alphavbeta3. J Biol
Chem, 1998. 273(13): p. 7345-50.
25. Iba, K., et al., The cysteine-rich domain of human ADAM 12 supports cell
adhesion through syndecans and triggers signaling events that lead to beta1
integrin-dependent cell spreading. J Cell Biol, 2000. 149(5): p. 1143-56.
26. Iba, K., et al., Cysteine-rich domain of human ADAM 12 (meltrin alpha)
supports tumor cell adhesion. Am J Pathol, 1999. 154(5): p. 1489-501.
27. Roghani, M., et al., Metalloprotease-disintegrin MDC9: intracellular maturation
and catalytic activity. J Biol Chem, 1999. 274(6): p. 3531-40.
28. Cerretti, D.P., et al., Isolation of two novel metalloproteinase-disintegrin
(ADAM) cDNAs that show testis-specific gene expression. Biochem Biophys
Res Commun, 1999. 263(3): p. 810-5.
29. Emi, M., et al., A novel metalloprotease/disintegrin-like gene at 17q21.3 is
somatically rearranged in two primary breast cancers. Nat Genet, 1993. 5(2):
p. 151-7.
87



30. Gilpin, B.J., et al., A novel, secreted form of human ADAM 12 (meltrin alpha)
provokes myogenesis in vivo. J Biol Chem, 1998. 273(1): p. 157-66.
31. Myles, D.G., et al., Identification of a binding site in the disintegrin domain of
fertilin required for sperm-egg fusion. Proc Natl Acad Sci U S A, 1994. 91(10):
p. 4195-8.
32. Wolfsberg, T.G., et al., ADAM, a novel family of membrane proteins containing
A Disintegrin And Metalloprotease domain: multipotential functions in cell-cell
and cell-matrix interactions. J Cell Biol, 1995. 131(2): p. 275-8.
33. Wolfsberg, T.G., et al., ADAM, a widely distributed and developmentally
regulated gene family encoding membrane proteins with a disintegrin and
metalloprotease domain. Dev Biol, 1995. 169(1): p. 378-83.
34. Wolfsberg, T.G. and J.M. White, ADAMs in fertilization and development. Dev
Biol, 1996. 180(2): p. 389-401.
35. Fox, J.W. and S.M. Serrano, Structural considerations of the snake venom
metalloproteinases, key members of the M12 reprolysin family of
metalloproteinases. Toxicon, 2005. 45(8): p. 969-85.
36. Hooper, N.M. and A.J. Turner, The search for alpha-secretase and its potential
as a therapeutic approach to Alzheimer s disease. Curr Med Chem, 2002.
9(11): p. 1107-19.
37. Chang, C. and Z. Werb, The many faces of metalloproteases: cell growth,
invasion, angiogenesis and metastasis. Trends Cell Biol, 2001. 11(11): p. S37-
43.
38. Seals, D.F. and S.A. Courtneidge, The ADAMs family of metalloproteases:
multidomain proteins with multiple functions. Genes Dev, 2003. 17(1): p. 7-30.
39. Van Wart, H.E. and H. Birkedal-Hansen, The cysteine switch: a principle of
regulation of metalloproteinase activity with potential applicability to the entire
matrix metalloproteinase gene family. Proc Natl Acad Sci U S A, 1990. 87(14):
p. 5578-82.
40. Rosendahl, M.S., et al., Identification and characterization of a pro-tumor
necrosis factor-alpha-processing enzyme from the ADAM family of zinc
metalloproteases. J Biol Chem, 1997. 272(39): p. 24588-93.
41. Lunn, C.A., et al., Purification of ADAM 10 from bovine spleen as a TNFalpha
convertase. FEBS Lett, 1997. 400(3): p. 333-5.
42. Amour, A., et al., The in vitro activity of ADAM-10 is inhibited by TIMP-1 and
TIMP-3. FEBS Lett, 2000. 473(3): p. 275-9.
43. Black, R.A., et al., A metalloproteinase disintegrin that releases tumour-
necrosis factor-alpha from cells. Nature, 1997. 385(6618): p. 729-33.
44. Buxbaum, J.D., et al., Evidence that tumor necrosis factor alpha converting
enzyme is involved in regulated alpha-secretase cleavage of the Alzheimer
amyloid protein precursor. J Biol Chem, 1998. 273(43): p. 27765-7.
45. Buxbaum, J.D., et al., Alzheimer amyloid protein precursor in the rat
hippocampus: transport and processing through the perforant path. J
Neurosci, 1998. 18(23): p. 9629-37.
88



46. Asai, M., et al., Putative function of ADAM9, ADAM10, and ADAM17 as APP
alpha-secretase. Biochem Biophys Res Commun, 2003. 301(1): p. 231-5.
47. Deuss, M., K. Reiss, and D. Hartmann, Part-time alpha-secretases: the
functional biology of ADAM 9, 10 and 17. Curr Alzheimer Res, 2008. 5(2): p.
187-201.
48. Colciaghi, F., et al., Platelet APP, ADAM 10 and BACE alterations in the early
stages of Alzheimer disease. Neurology, 2004. 62(3): p. 498-501.
49. Dingwall, C., Spotlight on BACE: the secretases as targets for treatment in
Alzheimer disease. J Clin Invest, 2001. 108(9): p. 1243-6.
50. Gatta, L.B., et al., Levels of beta-secretase BACE and alpha-secretase
ADAM10 mRNAs in Alzheimer hippocampus. Neuroreport, 2002. 13(16): p.
2031-3.
51. Zigman, W., et al., The epidemiology of Alzheimer disease in intellectual
disability: results and recommendations from an international conference. J
Intellect Disabil Res, 1997. 41 ( Pt 1): p. 76-80.
52. Helmer, C., F. Pasquier, and J.F. Dartigues, [Epidemiology of Alzheimer
disease and related disorders]. Med Sci (Paris), 2006. 22(3): p. 288-96.
53. Qiu, C., et al., Heart failure and risk of dementia and Alzheimer disease: a
population-based cohort study. Arch Intern Med, 2006. 166(9): p. 1003-8.
54. Qiu, C., et al., Pulse pressure and risk of Alzheimer disease in persons aged
75 years and older: a community-based, longitudinal study. Stroke, 2003.
34(3): p. 594-9.
55. Qiu, C.X., B. Winblad, and L. Fratiglioni, [Risk factors for dementia and
Alzheimer' s disease-findings from a community-based cohort study in
Stockholm, Sweden]. Zhonghua Liu Xing Bing Xue Za Zhi, 2005. 26(11): p.
882-7.
56. Qiu, Z., et al., Elevation of LDL receptor-related protein levels via ligand
interactions in Alzheimer disease and in vitro. J Neuropathol Exp Neurol,
2001. 60(5): p. 430-40.
57. Kalaria, R.N., et al., Alzheimer's disease and vascular dementia in developing
countries: prevalence, management, and risk factors. Lancet Neurol, 2008.
7(9): p. 812-26.
58. Takeuchi, M., et al., Diagnostic utility of serum or cerebrospinal fluid levels of
toxic advanced glycation end-products (TAGE) in early detection of
Alzheimer's disease. Med Hypotheses, 2007. 69(6): p. 1358-66.
59. Ward, M., Biomarkers for Alzheimer's disease. Expert Rev Mol Diagn, 2007.
7(5): p. 635-46.
60. Ibanez, V. and M.P. Deiber, Functional imaging in mild cognitive impairment
and early Alzheimer's disease: is it pertinent? Front Neurol Neurosci, 2009.
24: p. 30-8.
61. Takeuchi, M., et al., Involvement of advanced glycation end-products (AGEs)
in Alzheimer's disease. Curr Alzheimer Res, 2004. 1(1): p. 39-46.
89



62. Takeuchi, M. and S. Yamagishi, Possible involvement of advanced glycation
end-products (AGEs) in the pathogenesis of Alzheimer's disease. Curr Pharm
Des, 2008. 14(10): p. 973-8.
63. Takeuchi, M. and S. Yamagishi, Involvement of toxic AGEs (TAGE) in the
pathogenesis of diabetic vascular complications and Alzheimer's disease. J
Alzheimers Dis, 2009. 16(4): p. 845-58.
64. McKhann, G.M., et al., The diagnosis of dementia due to Alzheimer's disease:
recommendations from the National Institute on Aging-Alzheimer's Association
workgroups on diagnostic guidelines for Alzheimer's disease. Alzheimers
Dement, 2011. 7(3): p. 263-9.
65. Brasil, Conselho Nacional de Saúde. Comitê Nacional de Ética em Pesquisa
com Seres Humanos. Resolução 196, 1997.


90




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








COOPERAÇÃO INTERMUNICIPAL EM ÁREAS NÃO
METROPOLITANAS







Angela Maria Endlich
Universidade Estadual de Maringá (UEM)



2013

91



Cooperação intermunicipal em áreas não metropolitanas


Angela Maria Endlich
Doutorado
Universidade Estadual de Maringá
Universidade de Barcelona – Faculdade de Geografia e História
Bolsista CNPq/Brasil
amendlich@hotmail.com


Resumo
Trabalho vinculado a projeto de pós-doutorado, em fase inicial, mas com tema já
desenvolvido desde o doutorado. A pesquisa volta-se à temática da cooperação
intermunicipal, tendo em vista as ausências ou deficiências no suprimento de
equipamentos e serviços públicos entre municípios não metropolitanos. Tomamos
por referência as experiências espanholas, especialmente as Mancomunidades, pois
tem ampla difusão na Espanha, onde existem organizações supramunicipais para
uma infinidade de objetivos. A motivação, contudo, ancora-se na realidade que
temos trabalhado na região Noroeste do Paraná. O objetivo de aprofundar os
conhecimentos acerca dessas cooperações está relacionado a contribuir no âmbito
da realidade brasileira com uma análise acerca desse tipo de associação que visa
somar demandas e recursos para melhorar os serviços e equipamentos para a
população de áreas não-metropolitanas. A partir da realidade regional, constatamos
que o desafio de uma gestão baseada em entes locais complexos não é um
imperativo exclusivo de áreas metropolitanas ou seus aglomerados como
normalmente se anuncia. A realidade socioespacial atual exige que também áreas
não-metropolitanas desenvolvam formas de gestão compartilhada entre diversos
municípios. No Brasil, a figura supramunicipal mais apoiada é a Região
Metropolitana. Talvez a escassez de experiências supramunicipais explique as
razões de tantas reivindicações por parte dos municípios para fazerem parte de
regiões metropolitanas no Brasil, ainda que em áreas profundamente marcadas por
dinâmicas caracteristicamente não-metropolitanas (ENDLICH, 2010). Assim, a
verdadeira necessidade pode ser a de viabilizar e incrementar alternativas
institucionais supramunicipais, com apoio financeiro e político, tendo em vista o
fornecimento de equipamentos e serviços públicos. Esta tem aparecido como um
92



imperativo cada vez maior, por várias razões: a diminuição da população em alguns
municípios que, sozinhos, não compõem demanda suficiente para a manutenção de
alguns serviços e equipamentos; o custo da manutenção de instalações, do quadro
de pessoal, entre outras despesas e, por fim, deve-se lembrar da crescente
responsabilidade que tem sido atribuída aos municípios.
Palavras-chave: Cooperação intermunicipal, supramunicipalidade, pequenas
cidades, escala local e município.

Resumen
Trabajo vinculado al proyecto postdoctoral en etapa inicial, pero el tema ya lo hemos
desarrollado desde el doctorado. La investigación de la cooperación inter-municipal,
considera la ausencia o deficiencias en el suministro de instalaciones y servicios
públicos entre los municipios no metropolitanos. Tomamos como referencia la
experiencia española, especialmente las mancomunidades, ya que tiene amplia
difusión en España, donde hay organizaciones supranacionales para una multitud de
propósitos. La motivación, sin embargo, está anclada en la realidad que hemos
estado trabajando en el noroeste de Paraná. El objetivo de profundizar el
conocimiento de este tipo de cooperación se relaciona a posteriormente contribuir
dentro de la realidad brasileña con una revisión de este tipo de asociación que tiene
como objetivo agregar demandas y los recursos para mejorar los servicios e
instalaciones para la población de las zonas no metropolitanas. A partir de la
realidad regional, encontramos que el reto de la gestión compleja basada en los
locales no es un imperativo apenas de áreas metropolitanas o sus agrupaciones
como suele anunciar. La actual realidad socio-espacial también requiere que en las
áreas no metropolitanas puedan se desarrollar formas de gestión compartida entre
varios municipios. En Brasil, la figura supramunicipal que recibe más grande apoyo
es la Región Metropolitana. Quizá la falta de otras experiencias supramunicipales
expliquen las razones por las que muchas demandas por parte de los municipios
para ser parte de las Regiones Metropolitanas de Brasil, incluso en zonas
profundamente marcadas por la dinámica característica de lo no metropolitano
(ENDLICH, 2010). Así que la verdadera necesidad puede ser la de facilitar y
potenciar las alternativas institucionales supramunicipales, con el apoyo financiero y
político, en vista de la provisión de instalaciones y servicios públicos. Esto se ha
93



presentado como un imperativo creciente por varias razones: la reducción de la
población en algunos municipios que por sí solos no constituyen suficiente demanda
para mantener algunos servicios y equipos, el costo de mantenimiento de las
instalaciones, el personal, entre otros gastos, y, por último, hay que recordar la
responsabilidad cada vez más grande que se ha asignado a los municipios.
Palabras clave: Cooperación intermunicipal, supramunicipalidad, ciudades
pequeñas, escala local y municipio.

Introdução
A proposta do projeto de pesquisa em que este texto está baseado foi
motivada por constatações resultantes de estudos anteriores acerca das pequenas
cidades, em especial aquelas situadas em áreas não-metropolitanas, como diversas
localidades da região Noroeste do Paraná. Temos como objetivo avançar no
entendimento das possibilidades de melhorar a condição de vida da população por
meio das cooperações intermunicipais. A partir da realidade regional constatamos
que o desafio de uma gestão baseada em entes locais complexos não é um
imperativo exclusivo de áreas metropolitanas ou aglomerações urbanas como
normalmente se anuncia. Entendemos como desafios contemporâneos viabilizar o
suprimento de serviços e equipamentos em áreas não-metropolitanas.
Adotamos a figura supramunicipal da mancomunidade, bastante difundida na
Espanha, como referência concreta de experiência de cooperação intermunicipal. O
conhecimento que temos até o momento dessas instituições está baseado em
leituras e levantamentos de informações e dados secundários. Vamos prosseguir
com esses procedimentos, porém pretendemos, por meio de visitas e entrevistas a
algumas mancomunidades selecionadas, verificar seu funcionamento concreto, se
existem dificuldades e obstáculos que se apresentam no cotidiano dessas entidades,
bem como aspectos positivos que podem ser sublinhados. Com base também nas
visitas, pretendemos examinar a distribuição espacial dos serviços e equipamentos
resultantes das cooperações intermunicipais.
Essa proposta de trabalho, em desenvolvimento durante o estágio de pós-
doutorado na Espanha, consiste em uma etapa. Posteriormente, pretendemos
retomar os estudos das cooperações intermunicipais no Brasil e, especialmente, no
Estado do Paraná, como parte da nossa atuação como docente junto ao Programa
94



de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Maringá, na linha de
pesquisa denominada “Produção do espaço e dinâmicas territoriais” e com o projeto
institucional ao qual se vinculam orientandos de mestrado e doutorado: “Dinâmicas e
desafios de espaços não metropolitanos: municípios com pequenas localidades
urbanas”. Portanto, embora seja uma pesquisa a ser realizada em outro país, a
preocupação que a motiva e justifica é a realidade brasileira, em específico a da
região de estudo já mencionada.
Neste trabalho apresentamos três pontos de reflexão: em primeiro lugar
apresentamos a região noroeste do Paraná como recorte inspirador, mediante as
dinâmicas socioespaciais, para a proposição dessa temática de estudo. Em segundo
lugar sinalizamos alguns elementos para o debate acerca da cooperação
intermunicipal no Brasil e, por fim, abordamos as mancomunidades espanholas.

Noroeste do Paraná – transformações socioespaciais e o desafio do
suprimento de serviços e equipamentos
A região Noroeste do Paraná caracteriza-se por uma densa rede de
localidades, decorrente da sua formação socioespacial baseada na atuação de
empresas colonizadoras, ancorada no prestígio que a cafeicultura tinha com os
agricultores que foram estimulados a adquirir pequenos estabelecimentos
agropecuários. A estrutura fundiária baseada nesses pequenos estabelecimentos e
o uso intenso de trabalho para os cultivos existentes principalmente entre as
décadas de 1940 e 1960 acarretavam para a região alta densidade demográfica. As
várias pequenas localidades tinham o papel de suprir as necessidades básicas e
imediatas de consumo e prestação de serviços para essa densa população. Ou seja,
funcionavam como localidades centrais.
Desde então, muito se modificou na região. As transformações econômicas
que inviabilizaram significativa parte dos estabelecimentos agropecuários bem como
a substituição de cultivos baseados em uso intensivo de trabalho provocaram
intensa mobilidade espacial da população. Parte dela foi absorvida pelos pequenos
ou médios núcleos urbanos regionais. Contudo, as pequenas localidades ainda que
tenham crescido territorialmente pela chegada de novos citadinos oriundos do
campo que não mais os absorvia, tiveram perda de centralidade. A diminuição da
95



densidade demográfica existente na região afetou diretamente os papéis dos
núcleos menores como localidades centrais.
A perda de centralidade tornou-se mais acentuada com os acessos facilitados
aos núcleos regionais. Esses, ao contrário dos pequenos núcleos urbanos, tiveram
seus papéis ampliados. Ainda que localidades como Londrina e Maringá já tenham
sido criadas para o suprimento de consumo e serviços mais complexos, os
processos vivenciados na região provocaram um reforço ainda maior a esses papéis
e a centralidade dessas áreas.
Como resultado, a região possui amplo conjunto de municípios, polarizados
por pequenas localidades urbanas, que apresentam constante perda de população
total. Do ponto de vista econômico, em geral, são localidades cujas atividades na
sede municipal ou no entorno são pouco absorvedoras de mão de obra,
especialmente no que se refere a oportunidades de trabalho com níveis salariais
maiores. Embora áreas aparentemente inexpressivas e em processo de
esvaziamento, elas prosseguem como espaços concretos e cotidianos de parte
significativa da sociedade e, como tais, devem ser reconhecidos. Os serviços e
equipamentos mínimos precisam estar onde os homens estão assentados, ainda
que com baixa densidade populacional. Como sinalizara Rochefort (1998), é preciso
uma visão prospectiva, já que as redes, e em especial a rede urbana, são dinâmicas
e afetadas quando desaparecem os fatores que estiveram na origem da sua criação.
Elas parecem inadequadas ou inadaptadas em relação às necessidades atuais. Por
isso, o pesquisador propõe que devem existir ações para uma reorganização
deliberada da rede urbana. Nas palavras dele, trata-se de uma opção entre “(...)
mais uma vez por deixar as coisas seguirem o seu curso e corrigir seus efeitos mais
desastrosos, ou se julga que é tempo de agir de antemão, ‘pensar’ o espaço onde
queremos viver amanhã (ROCHEFORT, 1998, p. 27)”.
No caso das localidades regionais, elas perderam não só população, mas aos
poucos foram ficando ausentes ou insuficientes os serviços e equipamentos
diversos. Podemos afirmar que, de forma geral, minam as atividades terciárias tanto
públicas quanto privadas. Contudo, uma vez mais lembramos Rochefort (1998), pois
se o terciário privado opera pela lógica econômica, o terciário público não pode ter
essa mesma motivação e deve ter uma distribuição socioespacial mais equitativa.
Viabilizar serviços e equipamentos em áreas de esvaziamento pode ser parte de
96



uma política territorial com o objetivo de conter concentrações cada vez maiores da
população, bem como de evitar que o próprio declínio demográfico dessas áreas
fique cada vez mais acentuado.
Por isso, a detecção das ausências ou insuficiências de equipamentos e
serviços públicos remete-nos ao debate sobre as articulações entre municípios, com
o escopo de somar esforços no sentido de viabilizá-los, já que de maneira isolada
torna-se, senão impossível, dificultoso suprir determinadas necessidades nesses
espaços. Trata-se não apenas de somar recursos, mas também a demanda, para
com isso evitar a construção de estruturas obsoletas ou com percentual de uso
muito pequeno. Por isso, reiteramos que entes locais complexos formam parte das
necessidades atuais de gestão política, tanto em áreas metropolitanas como em
áreas não metropolitanas.

Cooperações Intermunicipais no Brasil
No Brasil, experiências de cooperação intermunicipal estão avançando, mas
ainda muito aquém do necessário e do que seria possível. Do mesmo modo, são
restritas as pesquisas sobre o tema da cooperação intermunicipal. Por isso, ao
tomarmos conhecimento de experiências dessa natureza na Espanha,
especialmente as mancomunidades e sua ampla difusão, iniciamos um estudo sobre
elas que estamos aprofundando nessa nova etapa da vida acadêmica. Nesse texto
elas serão contempladas no próximo item.
Como já assinalamos antes, a realidade socioespacial atual exige que se
desenvolvam formas de gestão compartilhada entre diversos tipos de municípios. No
Brasil, a figura supramunicipal mais apoiada é a Região Metropolitana. É provável
que a escassez de experiências supramunicipais fora das áreas metropolitanas
explique as razões das várias reivindicações por parte dos municípios para fazerem
parte de regiões metropolitanas no Brasil, ainda que em áreas profundamente
marcadas por dinâmicas caracteristicamente não-metropolitanas (ENDLICH, 2010).
Entendemos como dinâmicas não-metropolitanas aquelas referentes a áreas
que não se encontram polarizadas por uma grande ou média cidade, já que nesses
casos tem-se o processo de aglomeração urbana que se assemelha às dinâmicas
metropolitanas. Longe dessas áreas, encontram-se espaços que poderíamos
97



considerar como regidos por um processo de acumulação capitali sta baseado na
dispersão.
Tanto Harvey (1982) quanto Santos (1979) expõem que o espaço é produzido
de acordo com um jogo dialético, entre forças de concentração e dispersão
geográfica das atividades econômicas. É comum que a dinâmica capitalista nessas
áreas, ao invés de gerar concentração demográfica, provoque o contrário, ou seja, o
esvaziamento. O campo transformou-se principalmente em local de trabalho com
uma agricultura produtora de commodities e completamente vinculada a lógica
industrial. Ainda assim, não se trata de um esvaziamento total, pois conserva parte
da população frequentemente assentada em pequenas localidades e utilizada como
mão de obra em atividades que demandam uso intensivo de trabalho, principalmente
em atividades agroindustriais. Este é o caso da região em estudo. Por isso, termos
que podem substituir a referência ao não metropolitano seriam espaços dispersos ou
difusos, sendo a difusão ou dispersão referente tanto ao capital como a população.
Portanto, os processos vivenciados nessas áreas não dizem respeito à ausência ou
presença insuficiente do capital. Ao contrário, sua presença intensa tem provocado
muitas mudanças nesses espaços vinculados de forma específica a divisão espacial
do trabalho.
Firkowski (2011) ao desenvolver seus trabalhos na perspectiva metropolitana
apresenta preocupações em comum com as assinaladas nesse trabalho. Ela mostra
que tramitam no legislativo do Estado do Paraná quatorze propostas distintas para
formação de Regiões Metropolitanas, abrangendo aproximadamente metade dos
municípios do Estado, liderados pelos seguintes municípios: Cascavel, Foz do
Iguaçu, Campo Mourão, Cornélio Procópio, Francisco Beltrão, Irati, Pato Branco,
Toledo, Guarapuava, Ponta Grossa, Umuarama, Paranavaí e Apucarana, além da
região metropolitana da Fronteira, composta por municípios lindeiros à fronteira do
Brasil com o Paraguai e a Argentina (Figura 1).
Cada proposta envolve um grande rol de municípios, como o caso de Campo
Mourão que teria, se aprovada a lei, uma região metropolitana com 25 municípios,
Paranavaí com 28 municípios, Apucarana com 23 municípios e Cascavel com 28
municípios. Seguramente esses municípios não possuem articulações ou dinâmicas
próprias de áreas metropolitanas e nem de aglomerados urbanos. Grande parte
deles vivenciam o processo de declínio demográfico já mencionado.
98



A leitura de alguns projetos de lei que propõem a institucionalização dessas
Regiões Metropolitanas e o texto da referida autora mostram que são recorrentes
expressões que destacam a necessidade de oferecer conjuntamente serviços.
Mencionam objetivos quanto ao desenvolvimento econômico e social, saneamento
básico, abastecimento de água, esgoto, limpeza, transportes e sistema viário,
aproveitamento de recursos hídricos, controle de poluição ambi ental etc. Portanto,
parece que o elemento motivador das proposições é a constituição de uma gestão
intermediária entre a unidade da federação e os municípios, que ela considera como
um recorte regional que permitiria aos municípios estabelecer uma dinâmica, na qual
todos possam interagir e ganhar em conjunto (FIRKOWSKI, 2011, p.8). Ao concluir o
trabalho ela referenda essa ideia e destaca que a ausência tanto de uma política
nacional de âmbito metropolitano quanto de uma política regional bem definida tem
induzido à criação de regiões metropolitanas como única perspectiva da proposição
de ações integradas e que extrapolem os interesses de um único município. Deste
modo, reiteramos que a falta de opções em cooperações intermunicipais
apropriadas para áreas não-metropolitanas tem provocado a constituição de regiões
metropolitanas ou demandado reivindicação para a sua formação onde não existem
processos que possam assim ser considerados.
99




Figura 1 – Estado do Paraná. Proposições de Regiões Metropolitanas pelo Legislativo, 1998-2011.
Extraída de: Firkowski, 2011, p.7.
Assim, a verdadeira necessidade parece ser a de viabilizar e incrementar
alternativas institucionais supramunicipais, com apoio financeiro e político, tendo em
vista o fornecimento de equipamentos e serviços públicos. Estas tem aparecido
como um imperativo cada vez maior para áreas não-metropolitanas, por várias
razões: a diminuição da população em alguns municípios que, sozinhos, não
compõem demanda suficiente para a manutenção de alguns serviços e
equipamentos; o custo da manutenção de instalações, do quadro de pessoal, entre
outras despesas e, por fim, deve-se lembrar da crescente responsabilidade que tem
100



sido atribuída aos municípios. Tanto é assim, que a propagação dos consórcios
intermunicipais no Brasil ocorreu recentemente, a partir das últimas políticas de
descentralização administrativa.
Além das Regiões Metropolitanas, as principais experiências supramunicipais
brasileiras são os consórcios intermunicipais, em especial para serviços de saúde de
complexidade média. Como a saúde pública tornou-se responsabilidade dos
municípios, formaram-se cooperações para suprir serviços médicos um pouco mais
complexos do que o atendimento primário feito por unidades básicas de saúde.
Iniciativas de consórcios têm aparecido também para outros objetivos.
Em pesquisa a documentos jurídicos, encontra-se a Lei 11.107/2005, que
dispõe sobre normas gerais de contratação de consórcios públicos e o Decreto
6.017/2007 que regulamenta a lei anteriormente citada e dispõe sobre normas gerais
de contratação de consórcios públicos. Este último documento considera o
consórcio público como pessoa jurídica, formada exclusivamente por entes da
federação para estabelecer relações de cooperação federativa, inclusive a
realização de objetivos de interesse comum, constituída como associação pública,
com personalidade jurídica de direito público e natureza autárquica, ou como pessoa
jurídica de direito privado sem fins econômicos.
Posteriormente, o documento dispõe sobre áreas e entes que podem ser
envolvidos nos consórcios, etapas de formalização dos compromissos,
planejamento, gestão, objetivos, etc. Essa regulamentação atual expressa
demandas que vem sendo evidenciadas por entes da federação e seus gestores
quanto às questões pertinentes a gestão compartilhada.



As Mancomunidades Espanholas
No âmbito das Ciências Sociais e Humanas do Brasil sempre encontramos a
recomendação de que é preciso muita cautela para não buscar modelos em países
considerados desenvolvidos. Tendo presente esse cuidado, mas ao mesmo tempo
entendendo a necessidade de intercâmbio de ideias e experiências é que nos
propomos ao aprofundamento do conhecimento das vivências supramunicipais
espanholas, em especial as mancomunidades.
101



Embora existam outras figuras supramunicipais na Espanha, a mais difundida
é a mancomunidade. Em uma definição básica, elas consistem em um agrupamento
de municípios para a realização de objetivos comuns. Elas são voluntárias e
compostas por personalidades jurídicas homogêneas, que são os municípios. Os
participantes comprometem recursos e outros esforços em projetos que seriam
desvantajosos ou inviáveis de serem realizados isoladamente. Não é preciso
continuidade territorial entre os municípios que decidem formar uma
mancomunidade, desde que os objetivos não a exijam. Martin Mateo (1970, p. 160)
define-as como associações de municípios para realização de determinados fins,
articulando assim a cooperação de várias prefeituras para resolver suas limitações
com a realização de obras e prestação de serviços.
Não há regularidade na organização das mancomunidades, já que decorrem
de iniciativas voluntárias e manifestam pluralidade em relação aos objetivos e
número de participantes. Existem mancomunidades com objetivos exclusivos e
outras com diversos objetivos. Algumas surgem com objetivos únicos e com o tempo
são ampliados. Também é frequente que um município esteja em mais que uma,
procurando atender diferentes finalidades.
Tomando por referência levantamentos que realizamos anteriormente
(ENDLICH, 2007), pareceu-nos surpreendente a diversidade de objetivos para os
quais se constituem as mancomunidades: fomento ao desenvolvimento econômico e
ao turismo; atividades de formação, culturais e recreativas, construção e melhora de
infraestruturas; parques de máquinas conjuntos; abastecimento e conservação de
água; esgoto; limpeza viária, tratamento de resíduos sólidos; informação ao
consumidor; serviços técnicos urbanísticos, jurídicos, gestão de tributos, serviço
social, promoção de emprego, assistência a terceira idade e pessoas com
necessidades especiais, entre outros.
São várias as possibilidades de cooperação. Por isso, nossa motivação em
sinalizarmos essa forma de encaminhar a resolução de problemas com o suprimento
de equipamentos e serviços em áreas não metropolitanas como uma possibilidade
de política territorial e social para espaços em processo de declínio demográfico.
Atualmente, de acordo com base dados de registros de entidades locais do
Ministério de Hacienda y Administraciones Públicas (MPT) da Espanha são 988
mancomunidades. Elaboramos um levantamento de todas elas por comunidades
102



autônomas e províncias, com respectivas denominações, número de municípios que
fazem parte e objetivos que possuem. Como são numerosas, esse levantamento
ficou bastante extenso (80 páginas), o que torna inviável sua apresentação completa
nesse trabalho. Por isso, adotamos dois procedimentos: apresentar parte do
levantamento e, com essa finalidade, selecionamos o que diz respeito à Catalúnia e
inserimos como apêndice. O segundo procedimento foi o de resumir (Quadro 1)
parte dos dados referentes ao número de mancomunidades por comunidade
autônoma juntamente com um gráfico (Figura 2) para facilitar a visualização dos
dados quanto à distribuição das mancomunidades pelo território espanhol.

Comunidade Autônoma No. Mancomunidades
Andalucia 87
Aragon 49
Asturias 19
Canárias 18
Cantábria 22
Castilla la Mancha 116
Castilla y Léon 248
Cataluña 78
Comunidade Valenciana 62
Extremadura 66
Galícia 24
Islas Baleares 7
La Rioja 30
Madrid 53
Murcia 8
Navarra 62
País Vasco 39
Total 988
Quadro 1 - Espanha. Mancomunidades por Comunidades Autônomas, 2013.
Fonte: Ministério de Hacienda y Administraciones Públicas. Elaboração própria.

103




Figura 2 – Espanha/Comunidades Autônomas. Número de mancomunidades, 2013
.
Como pode-se observar, elas se distribuem de forma bastante diferenciada
dentro do território Espanhol, concentradas especialmente em Castilla y León e
Castilla la Mancha. Cada comunidade autônoma apresenta uma regulamentação
própria para as mancomunidades.
No levantamento em apêndice poderão ser visualizadas de forma mais
concreta informações mencionadas anteriormente quanto à diversidade de objetivos
para as quais os municípios cooperam. Do mesmo modo, é possível apreender a
oscilação do número de municípios que participam de cada mancomunidade e como
é variável o número de objetivos de cada uma.
Muito recentemente começou na Espanha um debate sobre reforma da
administração local. As mancomunidades serão avaliadas quanto a sua eficiência,
principalmente fiscal, a partir da qual se decidirá sobre a permanência delas ou não.
Com esse processo, evidencia-se que ao pensar obstáculos e possibilidades
relativos às mancomunidades, é preciso considerar as relações de poder
interescalares, em especial, o peso das decisões que vem de escalas mais amplas,
como o Estado nacional e suas estratégias centralizadoras.

Considerações finais
É comum que municípios polarizados por pequenas localidades urbanas no
Brasil sejam carentes de uma série de serviços e equipamentos. Muitos não
possuem serviços de segurança, ensino secundário e/ou de formação profissional,
dificuldades para criar um sistema adequado de tratamento de resíduos sólidos,
104



oferecer atividades para terceira idade, população com necessidades especiais,
entre outros tantos desafios. Por isso, ressaltamos a necessidade de estimular a
cooperação intermunicipal com o intuito de viabilizar de forma racional os serviços e
equipamentos para a população.
Para áreas não metropolitanas a cooperação além de somar recursos, soma
também demandas para que não se criem estruturas caras e obsoletas. A difusão de
figuras supramunicipais contemplaria as necessidades que atualmente são
assinaladas nas justificativas para a criação de regiões metropolitanas onde não
existem processos e nem atributos que possam ser assim compreendidos.
Finalizamos lembrando que as cooperações intermunicipais nas suas
diversas formas, como qualquer instrumento, terão seus resultados de acordo com
agentes envolvidos, suas intenções, o alcance de suas ações, e da maneira de
conduzir sua implantação. Por si só não opera milagres, é apenas uma ideia a ser
cuidada, constantemente avaliada, para que possa atingir os fins estipulados. Pode
ser tanto um fórum político a mais para o exercício da democracia, como também
poderá se converter em mais uma instância de apropriação de poder e, neste caso,
os objetivos serão dificilmente alcançados.

Referências Bibliográficas
ENDLICH, Angela Maria. Gestão territorial compartilhada em espaços não-
metropolitanos. (2007) Em: Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y
Ciencias Sociales. [En línea]. Barcelona: Universidad de Barcelona, vol. XI, nº 245.
<http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-24564.htm>
___. Espaços não-metropolitanos, o suprimento de serviços e equipamentos
públicos e a supramunicipalidade (2010). Em: Scripta Nova. Revista Electrónica de
Geografía y Ciencias Sociales. [En línea]. Barcelona: Universidad de Barcelona,
vol. XIV, nº 331 <http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-331/sn-331-59.htm>.
FIRKOWSKI, O. Região Metropolitana no Brasil: assim é se lhe parece... (2011).
Anais I Seurb (Simpósio de Estudos Urbanos). Fecilcam: Campo Mourão, 2011, 13p.
HARVEY, D. Crises in the space economy of capitalism: the dialetic of imperialism
(1982). In: ______. The limits to capital. Oxford: Basil Blackwell, p.413-430.
MARTIN MATEO, R. Los consorcios locales. (1970) Madrid: Instituto de Estudios de
Administración Local, 160 p. (Manuales Prácticos).
ROCHEFORT, M. Redes e Sistemas: ensinando sobre o urbano e a região (1998). São
Paulo: Hucitec, 174p.
SANTOS, M. Espaço e sociedade (1979). Petrópolis: Vozes,152 p.
105



Apêndice: Mancomunidades na Comunidade Autônoma da Catalunia (total – 78 mancomunidades)
Província de Barcelona – 34 mancomunidades
Mancomunidades № mun. Objetivos
Mancomunidad Intermunicipal "Ripoll-Riu Sec" 5 Matadouros, tratamento de resíduos sólidos, proteção ambiental, urbanismo
e transporte público.
Mancomunidad Intermunicipal Aguilar de Segarra, Fonollosa y Rajadell 3 Recolhida e tratamento de resíduos sólidos.
Mancomunidad Intermunicipal Cerdanyola-Ripollet 3 Esgoto, conservação de vias públicas, serviços de manutenção, segurança
cidadã e iluminação pública.
Mancomunidad Intermunicipal de Arenys de Mar-Arenys de Munt 2 Esgoto
Mancomunidad Intermunicipal de Cornellà de Llobregat, Esplugues de
Llobregat, Sant Joan Despí y Sant Just Desvern
4 Obras de infraestrutura.
Mancomunidad Intermunicipal de Martorelles y Santa Maria de
Martorelles
2 Serviços funerários.
Mancomunidad Intermunicipal Voluntaria Segarrenca 7 Serviços educativos, esportes, recolhida e tratamento de resíduos sólidos,
tratamento de águas residuais, conservação de vias públicas, transporte
público, serviços de manutenção, ambulâncias e serviços funerários.
Mancomunidad para la Atención de los Minusválidos Psíquicos de
la Comarca del Anoia*
19 Assistência a pessoas com problemas mentais.
Mancomunitat "La Gavarresa" 2 Limpeza.
Mancomunitat d'Aigües de Merlès 6 Abastecimento de água.
Mancomunitat d'infraestructura sanitària de l'Alt Maresme-Sector III-
Litoral Nord
3 Tratamento de águas residuais.
Mancomunitat de Abrera,Esparreguera, Martorell, Olesa de Montserrat,
Pallejà, Sant Andreu de la Barca i Torrelles de Llobregat
6 Tratamento de residuos sólidos.
Mancomunitat de l'Alt Maresme per a la gestió de residus sòlids urbans
i del medi ambient
4 Recolhida e tratamento de resíduos sólidos e proteção ambiental.
Mancomunitat de Municipis de la Comarca d'Osona 11 Matadouros.
Mancomunitat de Municipis del Bages per al Sanejament 14 Tratamento de águas residuais.
Mancomunitat de Municipis del Galzeran 7 Fomento de atividades econômicas, atividades culturais, esportes, limpeza,
proteção ambiental, urbanismo, conservação de vias públicas, transporte
público, proteção civil, segurança cidadã, serviços técnicos administrativos,
meios de comunicação social, serviços sociais e promoção de emprego.
Mancomunitat de Serveis Oristà-Sant Feliu Sasserra 2 Limpeza.
Mancomunitat del Bisaura i Alt Lluçanès 5 Assistência a terceira idade.
Mancomunitat dels Municipis de Premià de Dalt, Premià de Mar i
Vilassar de Dalt per a la prestació del servei de deixaleria
3 Recolhida e tratamento de resíduos sólidos.
Mancomunitat Intermunicipal "Escola Comarcal d'Arts i Oficis del 2 Serviços educativos.
106



Berguedà"
Mancomunitat Intermunicipal d'abastament d'aigua de l'Alt Maresme 6 Abastecimento de água.
Mancomunitat Intermunicipal de Boixadors 3 Meios de comunicação social.
Mancomunitat Intermunicipal de La Beguda Alta 3 Serviços educativos, recolhida e tratamento de resíduos sólidos,
abastecimento de água, esgoto, conservação de vias públicas, iluminação
pública e assistência sanitária.
Mancomunitat Intermunicipal de la Conca d'Òdena 8 Fomento de atividades econômicas, recolhida e tratamento de resíduos
sólidos, urbanismo, transporte público, meios de comunicação social,
serviços sociais e promoção social.
Mancomunitat Intermunicipal de La Vall del Tenes 4 Serviços educativos.
Mancomunitat Intermunicipal de Santa Perpètua de Mogoda i La
Llagosta
2 Serviços funerários.
Mancomunitat Intermunicipal de Serveis d'Alella, El Masnou i Teià 3 Tratamento de resíduos sólidos.
Mancomunitat Intermunicipal del Cardener 3 Fomento de atividades econômicas, recolhida e tratamento de resíduos
sólidos, limpeza, proteção ambiental, serviços de manutenção, recolhida de
animais e promoção de emprego.
Mancomunitat Intermunicipal del Penedès i Garraf 33 Fomento de atividades econômicas e turismo, mercados, serviços
educativos, esportes, recolhida e tratamento de resíduos sólidos, proteção
ambiental, abastecimento de água, tratamento de águas residuais,
urbanismo, serviços de manutenção, serviços técnicos jurídicos,
informáticos, assistência a pessoas com necessidades especiais e
assistência social.
Mancomunitat Intermunicipal per l'abastament d'aigua procedent de la
planta d'Abrera als municipis de Collbató, Esparreguera i Els Hostalets
de Pierola
3 Abastecimento de água.
Mancomunitat Intermunicipal Voluntària "La Plana" 11 Recolgida e tratamento de resíduos sólidos, limpeza, mecanização
administrativa contábil, serviços funerários e assistência social.
Mancomunitat Intermunicipal Voluntària dels Municipis de Navès,
Montmajor, Viver i Serrateix,Montclar i l'Espunyola, per a la prestació
conjunta del servei d'abastament d'aigua en alta
4 Abastecimento de água.
Mancomunitat Municipal "Can Sellarès" 2 Atividades culturais e esportes.
Mancomunitat per l'atenció i l'assistència als minusvàlids psíquics de la
Comarca del Garraf
7 Assistência a portadores de necessidades especiais.

Província de Girona – 20 mancomunidades
Mancomunidad Intermunicipal Voluntaria del Ripollès 6 Fomento de atividades econômicas e turismo, aproveitamentos florestais,
matadouros, atividades culturais, serviços educativos, esportes, recolhida e
tratamento de resíduos sólidos, proteção ambiental, urbanismo,
107



conservação de vias públicas, transporte público, serviços de manutenção,
prevenção e extinção de incêndios, segurança cidadã, creche rural,serviços
técnicos jurídicos, meios de comunicação social, assistência sanitária,
serviços funerários e assistência social.
Mancomunitat de la Vall de Llémena 4 Fomento de atividades econômicas e turismo, atividades culturais, serviços
educativos, proteção do patrimônio histórico artístico, esportes, proteção
ambiental, conservação de vias públicas, obras de infraestrutura, transporte
público, segurança cidadã, meios de comunicação social, prestação de
serviços delegados, assistência sanitária e serviços sociais.
Mancomunitat de Municipis "Comunitat Turística de la Costa Brava" 24 Fomento do turismo.
Mancomunitat de Municipis de Palamós, Calonge i Vall-llobrega 3 Fomento do turismo, esportes e transporte público.
Mancomunitat del servei de control de mosquits a la badia de Roses i el
Baix Ter
7 Luta contra pragas.
Mancomunitat Intermunicipal "Toribi Duran" 11 Assistência a terceira idade.
Mancomunitat Intermunicipal d'Aigües de Garriguella, Vilajuïga, Pau i
Palau-saverdera
4 Abastecimento de água.
Mancomunitat Intermunicipal d'Aigües i Serveis del Baix Empordà 4 Limpeza, abastecimento de água e esgoto.
Mancomunitat Intermunicipal de l'Alt Empordà 24 Matadouros.
Mancomunitat Intermunicipal de La Cerdanya 11 Matadouros e esportes.
Mancomunitat Intermunicipal de la Conca de l'Onyar 2 Abastecimento de água e tratamento de águas residuais.
Mancomunitat Intermunicipal de la Vall de Camprodon 6 Fomento de atividades econômicas e turismo, matadouros, atividades
culturais, esportes, recolhida e tratamento de resíduos sólidos, proteção
ambiental, conservação de vias públicas, transporte público, serviços
técnicos urbanísticos, assistência sanitária e serviços funerários.
Mancomunitat Intermunicipal dels Ajuntaments de Palafrugell, Begur,
Pals, Regencós i Torrent
5 Recolhida e tratamento de resíduos sólidos e abastecimento de água.
Mancomunitat Intermunicipal dels Municipis de Foixà, Parlavà, Rupià i
Ultramort
4 Abastecimento de água.
Mancomunitat Intermunicipal per a fins d'instrucció i cultura d'Alp, Das,
Fontanals de Cerdanya i Urús
4 Atividades culturais, serviços educativos e esportes.
Mancomunitat Intermunicipal per a l'Eliminació de Residus 6 Tratamento de resíduos sólidos.
Mancomunitat Intermunicipal Voluntària "Les Guilleries" 4 Fomento de atividades econômicas e turismo, aproveitamentos florestais,
matadouros, atividades culturais, serviços educativos, esportes, recolhida e
tratamento de resíduos sólidos, proteção ambiental, urbanismo,
conservação de vias públicas, obras de infraestrutura, transporte público,
prevenção e extinção de incêndios, serviços técnicos urbanísticos e meios
de comunicação social, assistência sanitária e assistência social.
Mancomunitat Intermunicipal Voluntària "Verge dels Socors" 3 Serviços educativos e creches.
108



Mancomunitat Intermunicipal Voluntária del Gironès 13 Matadouros, tratamento de resíduos sólidos, abastecimento de água,
tratamento de águas residuais e assistência sanitária.
Mancomunitat Urbanística Girona-Vilablareix 2 Fomento a atividades econômicas e urbanismo.

Província de Lleida – 11 mancomunidades
Mancomunidad de Municipios para la promoción de las pistas de
esquí nórdico
4 Esportes.
Mancomunidad para abastecimiento de agua potable a la Comarca de
Las Garrigas
24 Abastecimento de água.
Mancomunitat d'abastament d'aigua del Solsonès 9 Abastecimento de água.
Mancomunitat d'Aigües de la Noguera Alta 3 Abastecimento de água.
Mancomunitat de Municipis de Les Valls d'Àneu 4 Fomento de atividades econômicas e turismo, atividades culturais e
recreativa, proteção do patrimônio histórico artístico, esportes, recolhida e
tratamento de resíduos sólidos, limpeza, proteção ambiental, abastecimento
de água, urbanismo, parque de máquinas, conservação de vias públicas,
transporte público, prevenção e extinção de incêndios, proteção civil, creche
rural, serviços técnicos urbanísticos, jurídicos, administrativos, meios de
comunicação social, assistência sanitária, recolhida de animais, serviços
sociais e promoção do emprego.
Mancomunitat de Municipis per la Música a les Garrigues 3 Atividades culturais.
Mancomunitat de recollida d'escombraries de L'Urgellet 5 Recolhida e tratamento de resíduos sólidos.
Mancomunitat de Serveis del Mig Segre 5 Recolhida e tratamento de residuos sólidos urbanos, abastecimento de água
e serviços funerários.
Mancomunitat Intermunicipal del Camí Natural de la Noguera Baixa 5 Atividades culturais e recreativas, fomento do turismo e esportes.
Mancomunitat Intermunicipal Mollerussa-El Palau d'Anglesola 2 Abastecimento de água.
Mancomunitat Intermunicipal per a la Potabilització de les Aigües de
Barbens, Castellnou de Seana, Ivars d´Urgell i Vila-sana
4 Abastecimento de água.

Província de Tarragona – 13 mancomunidades
Mancomunidad de la Taula del Sénia 19 Fomento de atividades econômicas e turismo, atividades culturais, serviços
educativos, proteção do patrimônio histórico artístico, recolhida e tratamento
de resíduos sólidos, proteção ambiental, conservação de vias públicas,
obras de infraestrutura, proteção civil e assistência sanitária.
Mancomunidad Intermunicipal sobre el sector territorial de la pista de
pruebas de vehículos "L'Albornar"
3 Administração de bens urbanos e gestão de tributos.
Mancomunitat "Abocador Baix Ebre" 11 Tratamento de residuos sólidos.
Mancomunitat "Deltatres" 3 Abastecimento de água.
109



Mancomunitat "Serveis Abocador Baix Camp" 13 Tratamento de residuos sólidos.
Mancomunitat "Serveis mancomunats d'incineració de residus urbans" 7 Tratamento de residuos sólidos.
Mancomunitat d'Iniciatives pel Desenvolupament Integral del Territori
(MIDIT)
3 Fomento de atividades econômicas e turismo, aproveitamentos florestais e
serviços sociais.
Mancomunitat de Municipis Tortosa-Roquetes (M.T.R.) 2 Fomento de atividades econômicas e turismo.
Mancomunitat del Parc Natural de la Serra de Montsant 9 Fomento do turismo.
Mancomunitat Gestora dels Recursos Hídrics 2 Abastecimento de água.
Mancomunitat Intermunicipal del Priorat d'Escaladei D.O. 9 Fomento de atividades econômicas, turismo e urbanismo.
Mancomunitat Sarral-Rocafort de Queralt 2 Prevenção e extinção de incêndios.
Mancomunitat Topograpo 4 Abastecimento de água.
Fonte: Ministério de Hacienda y Administraciones Públicas (MPT)/Espanha

* Mancomunidades em negrito – selecionadas para visitas e entrevistas. Observamos que do levantamento utilizado no projeto
original para pós-doutorado e o atual levantamento atualizado observamos que já aconteceram mudanças entre as
mancomunidades selecionadas: duas não aparecem mais no levantamento e uma parece ter alterado o objetivo.

110



XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








DA PESQUISA A PRÁTICA DOCENTE:
NARRANDO EXPERIÊNCIAS SOBRE A
INTERNACIONALIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR







Lilian Ucker Perotto
Universidade de Barcelona (UB) – Espanha
Universidade Federal de Goiás (UFG) – Brasil


2013
111



Da pesquisa a prática docente: narrando experiências
sobre a internacionalização do ensino superior

Lilian Ucker Perotto
Mestre em Cultura Visual
Universidade de Barcelona – UB (Espanha)
Universidade Federal de Goiás – UFG (Brasil)
lilianucker@gmail.com

Resumo
A internacionalização das universidades não é um fenômeno novo, mas sim a
dimensão que este fenômeno tem adquirido nos últimos anos. Uma primeira
explicação está relacionada ao próprio aumento da mobilidade estudantil e por isso
vem ganhando destaque na agenda das universidades no mundo. Neste artigo
compartilharei uma parte da investigação de doutorado que venho desenvolvendo
na Universidade de Barcelona e que tem como tema relatos biográficos de
estudantes brasileiros em processo de doutoramento. Para este trabalho apresento
uma parte da narrativa do referencial teórico em que o objetivo é discutir minha
relação com o tema da investigação e as distintas posições que durante o processo
fui assumindo, problematizando com isso a questão da internacionalização do
ensino superior e o modo como vem sendo discutido tal tema no âmbito brasileiro.
Palavras-chave: internacionalização do ensino superior, pesquisa narrativa e pratica
docente.

Resumem
La internacionalización de las universidades no es un fenómeno nuevo, pero sí lo es
la dimensión que este fenómeno ha adquirido en los últimos años. Una primera
explicación está relacionada al propio aumento de la movilidad estudiantil y por eso
viene ganando destaque en la agenda de las universidades en el mundo. En este
artículo compartiré una parte de la investigación de doctorado que vengo
desarrollando en la Universidad de Barcelona y que tiene como tema los relatos
biográficos de estudiantes brasileños en proceso de doctoramiento. Presentaré una
parte de la narrativa del referencial teórico en que el objetivo es discutir mi relación
con el tema de la investigación y las distintas posiciones que durante el proceso fui
asumiendo, problematizando con eso la cuestión de la internacionalización de la
112



enseñanza superior y el modo como viene siendo discutido tal tema en el contexto
brasileño.
Palabras clave: internacionalización de la enseñanza superior, investigación
narrativa y práctica docente.

Recuerdo perfectamente el día que llegué en Barcelona para hacer el
doctorado en la Universidad de Barcelona. Era un 18 de octubre de 2006, el cielo
gris de la tarde acompañado de una fina lluvia que se diluía junto a un clima típico de
invierno, marcaba una nueva etapa en mi vida: finalmente el sueño de vivir en otro
país se iba a realizar. Hablar del primer día en el nuevo hábitat, me trae cierta
melancolía.
La imagen que me viene a la cabeza de aquel momento fue, que al coger mis
maletas y salir por la puerta de desembarque, observé las personas aguardando sus
seres queridos; emocionados y abrazándose me di cuenta que estaba
completamente sola, que no había nadie esperándome. La sensación de sentirme
sola en aquel momento me hacía pensar también en “la incertidumbre respecto al
futuro, la fragilidad de la posición social y la inseguridad”, elementos que en general
forman parte de la vida “en el mundo de la modernidad liquida” (Bauman, 2006:30).
Novoa explica que nos encontramos en la actualidad en una época caracterizada
por la toma “de conciencia de nuestras limitaciones para interpretar y encontrarle
sentido a las complejidades del mundo. Sabemos que necesitamos plantearnos
nuevas preguntas, buscar significados diferentes, imaginar otras historias” (2003:61).
En esto sentido, estar aquí traía la búsqueda de nuevos significados y aprendizajes
en mi vida, pero también la incertidumbre del futuro.
Instalada en Goiania durante 3 años y adaptada con un nuevo ritmo de la vida
de la ciudad, el deseo de cambiar otra vez volvía más fuerte aquellas relaciones
personales y profesionales establecidas en el espacio. Los primeros días en tierras
catalanes fueron momentos vividos con mucha ansiedad, dejando de lado la euforia
que acostumbra a estar presente los momentos iniciales. Cuando miraba hacia atrás
y recordaba todo aquello que había dejado, llegaba la inquietud. Mi pensamiento a
toda hora hacia comparaciones del tipo: antes tenía, ahora no. Pensaba: tenía una
casa, y ahora buscaba piso para compartir, tenía un trabajo, y ahora no tenía ni idea
cómo iba a sustentarme.
113



Todos estos hechos, me hacían a toda hora preguntarme: ¿Qué hago aquí? ,
¿Estoy segura de las decisiones que estoy tomando en mi vida?
La llegada en Barcelona, los trabajos informales en la búsqueda de una
situación financiera estable, encuentro de nuevos amigos, el grupo de compañeros
del doctorado, una nueva casa, el cambio de moneda, el movimiento de la ciudad, el
convivir con las lenguas habladas, la domesticación de espacios públicos y
turísticos, la universidad como espacio de nuevas conquistas y muchos otros
acontecimientos fueron motivos que me llevaron a re-pensar mi identidad, en la
importancia de hablar de nuestros procesos de enculturación (Hellstén, 2007) y en
las maneras como absorbemos el nuevo sistema cultural cuando llegamos a un país
distinto. Reconoci en las palabras de Suominen que “to move to a new country and
continent marked the official beginning of research journey into complex layers of
identity and self-perception” (2006:149).
Neste artigo apresentarei uma parte da investigação de doutorado que
desenvolvo no programa de pós-graduação em Arte e Educação, da qual venho
refletindo sobre os trânsitos e deslocamentos de identidade de estudantes
brasileiros em processo de doutoramento em Barcelona, vivida por um conjunto de 9
estudantes de doutorado (6 mulheres e 3 homens entre 28 a 46 anos de idade
quando entrevistados em 2009). Para isso, tenho tentado refletir sobre as
consequências do fenômeno da internacionalização do ensino superior e da
necessidade de se pensar numa pedagogia internacional na intenção de
“reconfigurar práticas, metodologias, discursos, reflexão, avaliação, inovação e
oferta de qualidade de ensino e aprendizagem em e para contextos internacionais”
(Hellstén e Reid, 2008:3).
Parto da ideia como explica Connelly e Clandinin que “a razão principal para o
uso da narrativa na investigação educativa é que os seres humanos somos
organismos contadores de histórias, organismos que, individual e socialmente
vivemos vidas relatadas” (1995:11). O estudo e uso da narrativa na investigação de
doutorado que venho desenvolvendo, no qual me proponho a compartilhar neste
texto, me permite adentrar não só na forma como os sujeitos/estudantes
experimentam o mundo e a forma de ser e estar no mundo, mas principalmente na
maneira como vou e estou construindo a história desta tese e minha relação com o
tema escolhido.
114



Com o propósito de compreender “o mundo complexo da experiência vivida
desde o ponto de vista de quem a vive” (Schwandt 1994:118), neste caso, a dos
estudantes brasileiros, é que venho trabalhando o marco da investigação a partir de
minhas experiências não só como estudante estrangeira, mas também como
professora de uma instituição de ensino superior brasileira.
Mais do que recontar minhas experiências e histórias, o objetivo de trabalhar
sob esta perspectiva é que se “produza um delicado giro mental [também] no
pesquisador” e no marco da investigação, isto é, que se possa estabelecer e
reajustar “os horizontes temporais, sociais e culturais” do tema pesquisado (Connelly
e Clandinin, 1995:22), e tornar-se um “veículo de emancipação na medida em que
promove novas formas de compreender nossa [minha] subjetividade” (Hernández e
Rifá, 2011:29).
Para este trabalho apresento uma parte da narrativa do referencial teórico em
que o objetivo é discutir minha relação com o tema da investigação e as distintas
posições que durante o processo fui assumindo, problematizando com isso a
questão da internacionalização do ensino superior e o modo como vem sendo
discutido tal tema no âmbito brasileiro.
No penséis que al leer mi texto que me estoy equivocando con los idiomas. Mi
experiencia en Barcelona, y así la relación con la tesis es una relación construida a
partir de 4 idiomas: el portugués, el castellano, el catalán y el inglés. Como explica
uno de los sujetos de la investigación “a gente demora mais aqui (Barcelona) pra
fazer um trabalho, porque tinham os livros em inglês, aí o professor falando em
catalão, tu escrevendo espanhol, e tua língua materna é o português [...]”.
A decisão de escrever uma tese e também este artigo intercalando os idiomas
traspassa por uma série de questões e uma delas o posicionamento epistemológico
que assumi na investigação. Quando comecei a escritura do projeto de tese, tive a
oportunidade de escolher entre escrever em português ou castelhano. Aos poucos
comecei a perceber o entrosamento com o novo idioma: as anotações que
acompanhavam os textos das disciplinas de doutorado, os emails enviados a
familiares e amigos e mais tarde em 2009, durante a realização das entrevistas com
os sujeitos da investigação, quando eles inconscientemente trocavam palavras entre
os dois idiomas, utilizando em seu vocabulário expressões do castelhano ou do
catalão. A decisão de utilizar ambos os idiomas surgiu também de uma necessidade
115



de misturar-me com os hábitos, valores, crenças, com os modos de ver, ser e estar
das pessoas do lugar e assim deixar de ser menos estrangeiro.
Além disso, participar de um curso de
doutorado cujo título “Arte Visuais e educação: um enfoque construccionista” me faz
questionar meu papel como investigadora e a relação com o tema investigado.
Neste sentido, assumir um posicionamento construccionista (Gergen, 2006) significa
rejeitar a ideia de que existe uma verdade objetiva esperando ser descoberta e que
a verdade, o significado, irá emergir a partir de nossa interação com a realidade e
neste caso da relação com o investigado.

A internacionalização do ensino superior e minha relação com o tema
Até retornar ao Brasil em 2009 para tomar posse como professora de uma
universidade pública minha experiência com o tema da tese deslocava-se entre duas
posições: a de estudante estrangeira em Barcelona e a de pesquisadora, que
investiga 9 relatos biográficos de estudantes brasileiros sobre sua experiência como
estudante estrangeiro.
Atualmente quando trato de pensar na internacionalização do ensino superior
meu olhar se volta também para a prática docente. Apesar da minha atividade
docente na Universidade Federal de Goiás se concentrar na formação de arte-
educadores e na maior parte do tempo nos cursos à distância, tenho participado de
discussões e formei parte de uma comissão que estava estruturando um projeto
para uma licenciatura internacional. Ação esta que me aproximou das discussões da
tese e contribuiu para que meu olhar vá além da experiência como estudante e
pesquisadora.
O tema “internacionalização da educação superior” não é novo, mas a
dimensão que certo fenômeno tem provocado nas instituições pode-se dizer que é
recente. Uma primeira explicação para o fenômeno está relacionada ao próprio
aumento da mobilidade estudantil internacional, que segundo dados da Unesco no
ano de 2006 existiam 2.652.068 alunos de terceiro grau estudando fora de seus
países de origem.
Tal fenômeno tem provocado discussões sobre o papel que assume hoje a
instituição de ensino superior e quais as consequências para o sistema educativo.
Além de funcionar como uma “pieza clave del sistema educativo, entendido como
116



sistema cultural” e também como “depositarias de imaginários culturales, tradiciones
e ideales de distintos ciclos históricos” (Carli, 2006:30), a instituição de ensino
superior vai ser reconhecida como organização social ou ainda como uma
organização prestadora de serviços (Chauí, 2003). Vivemos o momento de
passagem de uma educação como bem público para uma educação cuja demanda
se dirige a uma educação como mercadoria.
Apesar do caráter internacional das universidades estarem presentes desde a
Idade Média com a criação das primeiras instituições, e por considerar o
conhecimento como um bem universal, tendo como característica intrínseca ser
internacional (Lima e Contel, 2011), é a partir das últimas décadas que percebemos
o interesse em investimentos em relação a este novo mercado que começa a
movimentar milhões de dólares em todo mundo, tornando-se para alguns países,
como os Estados Unidos, um grande negócio (Altbach, 2004). Só neste país os
estudantes estrangeiros contribuem com aproximadamente 12 milhões de dólares
por ano.
Nesse contexto surge então o modelo chamado de "capitalismo acadêmico"
em que pesquisadores e administradores universitários passam a ser induzidos a
participar de ambientes competitivos para captação de recursos públicos e privados,
direcionando seus projetos segundo os interesses do mercado (Slaughter & Lesile,
apud Krawczyk, 2008). Iniciam-se parcerias entre empresa-universidade e Estado e
a internacionalização do ensino superior começa abrir espaços para novos atores e
novas práticas ou novos provedores. Sauvé (citado por Lima e Contel, 2011)
classifica os atores ou provedores de serviços neste contexto em cinco categorias: o
primeiro refere-se ao treinamento corporativo que geralmente constituem-se em
braços das corporações transnacionais, em segundo as instituições voltadas para o
lucro que também utilizam os princípios corporativos ou desenvolvem produtos
educacionais para a venda, as Universidades virtuais que oferecem serviços
universitários a partir da utilização das tecnologias da informação, os setores
voltados para o lucro de universidades tradicionais que participam da competição
com instituições virtuais e por último as parcerias entre instituições públicas e
privadas. Conforme Altbach e Knight (2006:1), as atividades universitárias
internacionais “se expandiram dramaticamente em termos de escopo, volume e
complexidade”, criando com isso novas formas de prestação de serviço e também
117



da compreensão de tal fenômeno. Para trabalhar o tema da internacionalização sob
o viés da mobilidade, Manolita Correia Lima e Fabio Betioli Contel apresentam uma
tabela bastante esclarecedora sobre as principais formas de internacionalização da
educação superior segundo o GATS (General Agreement on Trade and Services):

Classificação segundo o
GATS
Tipo de mobilidade
Geográfica
Exemplos

Consumo de serviço no
exterior

Migração de estudantes
Cursos de Língua fora do
país de origem.
Cursos de graduação e pós-
graduação.
Prestação do serviço no
exterior
Migração de acadêmicos
(professores e técnicos)
Presença de pessoas físicas
de um país para a execução
do serviço em outro território
Oferta trans-fronteiriça do
serviço (Cross-border supply)
Mobilidade de programas de
ensino
Educação à distância e
sistemas de avaliação
Presença comercial Mobilidade da Instituição
prestadora
Instalação de campi; (branch-
campus) Joint-ventures com
instituições locais.
Figura 1 - as principais formas de internacionalização da educação superior

No Brasil este tema tem sido recorrente não só pelo Governo Federal, mas
também pela mídia que tem investido no assunto da mobilidade. O governo tem
implementado ações concretas “para imprimir um caráter mais ativo à política de
internacionalização da educação no país” (Lima e Contel, 2011:218), podendo
destacar três ações efetivas: a inclusão das línguas estrangeiras no currículo do
ensino fundamental e médio, a contratação de professores estrangeiros com o
status de professor visitante e ainda a criação de 3 universidades públicas federais,
de caráter supranacional onde defendem a inclusão social por meio de uma
“cooperação solidária”. A Universidade Federal da Integração Latino-Americana
(UNILA), Universidade Federal de Integração Luso-Afrobrasileira (UNILAB) e a
Universidade Federal da Integração da Amazônia Continental (UNIAM) defendem
um caráter contra- hegemônico e se voltam para as necessidades de países com
origem colonial (Contel e Lima, 2011).
Podemos observar conforme Lima e Contel no livro - Internacionalização da
Educação Superior – Nações ativas, nações passivas e a geopolítica do
conhecimento – dois tipos de internacionalização: a lucrativa e a internacionalização
118



cooperativa, esta última está cada vez mais distante da agenda dos países que
protagonizam a internacionalização, porque se orientam cada vez mais por
motivações mercantis, na direção de um capitalismo acadêmico. Conforme Lima e
Contel (2011:19) pode-se dizer que o “atual quadro de internacionalização da
educação se molda em função do comportamento de cada nação”.
O Brasil destaca-se por uma internacionalização cooperativa, mas ainda
bastante tímida se comparada a países mais desenvolvidos e até mesmo aos países
latino-americanos. A inauguração da política de cooperação internacional no Brasil
ocorre por volta dos anos de 1920-1930 (Lima e Contel, 2011). Mas é com o
crescimento das pós-graduações no país na década de 60 e com a criação de
órgãos como CNPq e Capes que irão financiar a pesquisa cientifica que poderemos
perceber de fato a interferência da internacionalização no sistema de ensino
brasileiro.
Apesar das múltiplas formas e consequências deste evento, é importante
destacar que este projeto tem seu foco na internacionalização da mobilidade
estudantil e que conforme a tabela anteriormente citada, segundo o GATS, os
sujeitos desta investigação se situam tanto a um consumo do serviço no exterior, por
não possuir vínculo a uma instituição de ensino brasileiro quando iniciaram seu
doutorado e ainda como prestação de serviço no exterior, pelo vínculo a agencias
financiadoras de bolsas, exigindo que o mesmo retorne ao país quando finali zada a
tese doutoral. Esse novo paradigma começa a criar não somente um mercado
educacional, mas também cidadãos de todo mundo com novos conhecimentos,
novas habilidades e atitudes que lhes permitam atuar de maneira eficaz num meio
global, internacional e multicultural. Formar estudantes estrangeiros, conforme Lima
e Contel,
“...seja na graduação ou na pós-graduação, nos países de centro, auxilia
também no processo de expansão dos laços econômicos, desses com os
países de origem dos estudantes estrangeiros; boa parte destes estudantes,
na volta a sua terra natal…se tornam uma espécies de embaixadores dos
interesses da nações que os abrigaram, por carregar um conteúdo de
valores, comportamentos e atitudes políticas adquiridas no período de
estudos no exterior”…(2011:83)

Quando defini o tema desta investigação, não só desconhecia a dimensão do
fenômeno como também não tinha consciência de qual poderia ser minha
contribuição. Quando decidimos por um programa de pós-graduação no Brasil e
119



ainda se temos vínculo com alguma instituição costuma-se escolher um tema que
venha de encontro com nossas indagações e práticas docentes para que se possa
não só desenvolver a pesquisa dentro de tal espaço institucional, mas também
seguir desenvolvendo-a depois de concluída. No meu caso, quando optei por
estudar neste programa de pós-graduação e iniciei meus estudos na Universidade
de Barcelona não possuía vínculo nem com agencias financiadoras de bolsas
brasileiras, nem com instituições públicas federais, ou seja, naquele momento meu
projeto não precisava estar relacionado com preocupações ou problemáticas que
envolviam minha prática docente. Por um lado, essa tal liberdade, me possibilitou
investir num tema que vinha de encontro num primeiro momento, das minhas
inquietações pessoais como estudante estrangeira, e por outro lado, quando retornei
me tornei consciente que era um tema emergente no Brasil, apesar de encontrar
muitas publicações sobre o assunto.
Durante estes três anos desde que retornei ao Brasil tenho me surpreendido
com ações dentro da universidade em relação à internacionalização do ensino
superior e que tem contribuído para o tema desta tese que está em fase de
conclusão. Minha primeira surpresa ao assumir minha função como docente na
Universidade Federal de Goiás foi presenciar numa reunião de candidatura a reitor
que uma das metas, se caso fosse releito, seria pensar na internacionalização do
ensino superior dedicando especial atenção às práticas internacionalizadoras.
Durante minha estadia em Barcelona, no período 2006-2009, tentava manter-me
informada sobre os acontecimentos, noticias e fatos em gerais sobre o Brasil, mas
ao regressar tive a real dimensão da importância do tema que tinha escolhido para
trabalhar na tese doutoral. Em julho de 2011 o governo brasileiro lançou o programa
“Ciências sem Fronteiras” que tem como objetivo incentivar bolsas e projetos
científicos no exterior, aumentando com isso o número de pesquisadores e
estudantes em outros países, além de promover a inserção internacional das
instituições brasileiras. A meta do governo é liberar 75.000 bolsas até 2014 e as
convocatórias estão abertas para alunos que desejam cursar tanto a graduação
como a pós-graduação. Se olharmos estatisticamente dados referentes à concessão
de bolsas no Brasil para estudar no exterior perceberemos um avanço significativo.
No ano de 1998, foram liberados 1.877 para estudar no exterior enquanto em 2011
120



conforme o site da Capes, totalizaram-se 6.361 bolsas que incluem da graduação
sandwich ao professor visitante.
Como podemos perceber as ações internacionalizadoras propostas pelo atual
governo brasileiro ainda são tímidas se comparadas a outras nações, mas vem de
encontro com a atual cena contemporânea do ensino superior mundial que tem
exigido novas práticas e ações sobre o tema.
Nesta tese não tenho a intenção de legitimar ações ou estratégias que são
desenvolvidas em relação à internacionalização em Barcelona, nem mesmo, refletir
sobre os conhecimentos construídos pelos estudantes de um possível encontro
colonial, onde os estudantes sejam vistos ou denominados como sujeitos
colonizados. Como explica Mello (2011:16) “a Europa, por certo, não é o espelho ou
matriz fenomenológica dos destinos do mundo, nem a América Latina ou o Brasil
são apenas reflexos ou borrão do que lá sucede”. Neste sentido, utilizo-me da ideia
central que propõe ou questiona Catherine Walsh (2012:58) em seu texto de
construir ou promover outras ciências sociais/culturais, para que não se
“reproduzcan la subalternización de subjetividades y de saberes, ni el eurocentrismo,
el colonialismo (...)”. Para isso, sería importante levar em consideração que a
“producción del saber tiene consecuencias políticas” (2012:68), e que ao “poner en
cuestión y tensión los significados matenidos y reproduci dos por las universidades
en general” poderíamos criar novos espaços de debates, não para pensar as
posições subordinadas de quem fala e de quem escuta, mas para interrogar que
lugar é este em que produzimos certos conhecimentos ou ainda considerar que
podemos aprender do outro sem estabelecer uma relação de subordinação. Seria
importante levar em consideração também que em decorrência de um
desenvolvimento tardio da educação superior no Brasil se exigirá conforme Speller
(2011:10) “um maior conhecimento de sua internacionalização a luz de experiências
de outros países”. Fruto das reflexões realizadas durante seu pós-doutorado na
Espanha realizado entre 2009-2010, Alex Fiúza Mello no livro ‘Globalização,
sociedade do conhecimento e educação superior – os sinais de Bolonha e os
desafios do Brasil e da America latina’ apresenta a partir de um estudo do qual
nomeia como tipológico elementos para repensar os desafios da educação superior
brasileira a partir das mudanças em curso no sistema de educação superior
europeu, mais especificamente advindas da entrada em vigor do Plano de Bolonha.
121



Mello (2011:16) acredita que as transformações atualmente em curso na Europa
“podem estar antecipando o que teremos de enfrentar amanha (ou tão longe), como
nação e como região” e por isso, parte da ideia que “a compreensão da
singularidade supõe o exercício da comparação”.
Neste contexto de mudanças e desafios do sistema brasileiro em relação à
internacionalização é que me encontro com muitas expectativas e desejos que o
presente trabalho no futuro possa contribuir não só para construir práticas mais
conscientes e problematizadoras, mas que a chamada internacionalização do ensino
superior possa ser pensada a partir das experiências de quem vive diretamente o
fenômeno, dos estudantes estrangeiros.

Referencias bibliográficas
BAUMAN, Zigmunt (2006). Confianza y temor en la ciudad - vivir con extranjeros.
Barcelona: Arcadia.
CARLI, Sandra (2006). Figuras de amistad en tiempos de crisis. La universidad
pública y la sociabilidad estudiantil. En Frigerio, Graciela y Diker, Gabriela (eds).
Educar: figuras y efectos del amor. Buenos Aires: Del Estante Editorial.
CHAUÍ, M. (2003). A Universidade publica sobre nova perspectiva. Revista Brasileira
de Educação, n. 24, p. 5-15, set/dezembro.
CONTRERAS, José & PEREZ DE LARA, Nuria. Investigar la experiencia educativa.
Madrid; Ediciones Morata, 2010.
CONNELLY, F. Michael y CLANDININ, D. Jean (1995), “Relatos de experiencia e
investigación narrativa”, en Larrosa, J. y otros, Déjame que te cuente. Ensayos sobre
narrativa y educación. Barcelona: Laertes.
HELLSTÉN, Meeri (2007). Internacional student transition: focusing on researching
international pedagogy for educational sustainability. Tem Internacional Educational
Journal: comparative perspectivas, vol.8, No3, p. 79-89.
HERNÁNDEZ, Fernando & RIFÁ, Montserrat. Investigación autobiográfica y cambio
social. Barcelona: Octaedro, 2011.
LIMA, M. & CONTEL, F (2011). Internacionalização da Educação Superior: nações
ativas, nações passivas e a geopolítica do conhecimento. São Paulo: Alameda.
MELLO, A. (2011). Globalização, sociedade do conhecimento e educação superior –
os sinais de Bolonha e os desafios do Brasil e da America Latina. Brasília: Editora
Universidade de Brasília.
PRESCOTT, Anne & HELLSTÉN; Meeri (2005). Hanging Together Even with Non-
Native Speakears: the internacional student transition experience. En: Ninnes, Peter
& Hellstén; Meeri (Ed). Internationalizing Higher Education : Critical Explorations of
Pedagogy And Policy.
122



SUOMINEN, Annina (2006). Writing with photographs writing self: using artsitic
methods in the investigation. Internacional Journal of Educacional through art, 2 (2),
pp 139-156.

123




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha







OS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS:
TEORIA, REALIDADE E PRÁTICA.
O CASO DE FORTALEZA – BRASIL




Daniel Valério Martins
Universidad de Salamanca (USAL)




2013
124



Os direitos dos povos indígenas: Teoria, realidade e
prática. O caso de Fortaleza – Brasil

Daniel Valério Martins
Mestre em Antropologia
Universidad de Salamanca
Programa de Doutorado em Estudos Latino americanos
Universidad de Salamanca- Espanha
jjfadelino@hotmail.com

Resumo
A partir do final da década de 70 ocorre um ressurgir de comunidades indígenas no
Brasil, como resultado das políticas indigenistas que começam a dar voz e vez a
essas comunidades antes esquecidas e caladas pela população não-indígena e
entidades governamentais que não viam interesses nessas minorias étnicas. Nos
últimos 40 anos os povos indígenas da região metropolitana de Fortaleza-Brasil vem
lutando na busca pela aplicabilidade do que está estabelecido por lei quanto a seus
direitos, na tentativa de fazer diminuir a distância entre teoria e realidade, pontos a
serem discutidos nesse artigo.
Palavras-chave: Direitos; Indígenas; Teoria e realidade

Resumem
Desde finales de los años 70 hay un resurgimiento de comunidades indígenas en el
Brasil, como resultado de las políticas indígenas que empiezan a dar voz a estas
comunidades una vez olvidadas y silenciadas por la población no indígena y
entidades gubernamentales que vieron intereses en esas minorías étnicas. Durante
los últimos 40 años, los pueblos indígenas de la región metropolitana de Fortaleza,
Brasil han estado luchando en la búsqueda de la aplicabilidad de lo establecido por
la ley en cuanto a sus derechos, en un intento de estrechar la brecha entre la teoría
y la realidad discutida en este artículo.
Palabras – clave: Derechos; Indígenas; teoría y realidad

Introdução
Ha quase 40 anos a política indigenista vem ganhando destaque com a luta que
esses povos indigenas e tribais não somente do Brasil, mas de todo mundo vêm
enfrentando frente as entidades governamentais em busca de seus
125



reconhecimentos como comunidades distintas e respeito que até então não foram
assegurados mesmo que estabelecidos por lei.
Entre os direitos a serem almejados encontramos nessa luta a busca por
elementos fundamentais as suas existências e manutenção de suas culturas como:
a terra, a saúde e educação. Elementos esses, que comparados nessa pesquisa
mostram a incapacidade e desrespeito dos orgãos governamentais brasileiros na
execuçao e prática do que está estabelecido pelo Estatuto do Indio de 1973, da
convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho de 1989 e da Declaração
das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas de 2007.
Ocorre assim um ressurgir de comunidades indígenas na década de 80, na
realialidade brasileira na busca do cumprimento e aplicabilidade das referi das leis na
demarcação e posse permanente de seus territórios; na busca por um
desenvolvimento; bem estar comunitário e reafirmação identitária, base para a
implementação de todos os outros direitos básicos e o respeito perante a chamada
“comunhão nacional”, em relação aos seus bens materiais e imateriais.
Por tanto, nesse artigo vamos mostrar um estudo do que esta estipulado nas
leis citadas anteriormente com o que esses povos indígenas possuem em concreto,
ou seja, a discrepância entre teoria, prática e realidade, para servir de reflexão,
mobilidade e respeito sobre essas comunidades, tomando por base exemplos da
realidade do Nodeste brasileiro, em específico, casos das comunidades indígenas
da região metropolitana de Fortaleza, que formam parte do Projeto MISI-PITAKAJÁ
12

objeto de estudo dessa investigação, fazendo uso de um trabalho etnográfico, com
entrevistas semi-estruturadas, questionarios aplicados a professores, alunos e
representantes das comunidades citadas anteriormente.

1 Estatuto do Indio de 1973 - teoria, pratica e realidade
Apesar do carater de integração do indígena à comunhão nacional como meio de
levar o mesmo a um grau de “evoluido” e desenvolvido, o Estatuto do indio de 1973,
nesses quase 40 anos não conseguiu por em prática o que está estabelecido em
vários de seus artigos sobre os direitos basicos desses povos.
No que se refere a questão territorial explicito em seu 2º Art. Já viamos claro o
direito desses povos sobre o usufruto de suas terras quando menciona:

12
Magistério Intercultural Superior Indígena das comunidades Pitaguary, Tapeba, Kanindé, Jenipapo-
Kanindé e Anacé. Desenvolvido pela Universidade Federal do Ceará desde o ano de 2010.
126



Art 2º cumpre a União, aos Estados e aos municipios, bem como
aos orgãos das respectivas administrações indiretas nos limites de sua
comparência, para a proteção das comunidades indígenas e a
preservação de seus direitos;
IX – Garantir aos índios e comunidades indígenas, nos termos de
Constituição, a posse permanente das terras que habitam, reconhecendo-
lhes o direito ao usufruto exclusivo das riquezas naturais e de todas
utilidades naquelas terras existentes.(Lei nº 6.001- de 19 de dezembro de
1973).
Realidade essa não vista somente o oposto pela comunidade dos Guarani
Kayowa, sendo o exemplo exposto pela midia e redes sociais em 2012, mas
também por várias comunidades indígenas de todo o Brasil e inclusive as
comunidades que fazem parte do objeto de pesquisa desse artigo.
No caso específico da comunidade Anacé, o Governo do Estado do Ceará,
anunciou no dia 5 de setembro de 1995 o início das obras do emprendimento
portuário do Pecém em pleno território indígena obrigando aproximadamente 100
familias Anacé a deixar seu território tradicional agrupados em assentamentos
criados pelo Estado. História repetida dos Jesuítas quando agrupavam comunidades
distintas nos chamados aldeamentos.
Outro caso semelhante ocorreu com a comunidade Jenipapo-Kanindé quando
esses travaram luta contra a empresa Ypioca que explorava terras indígenas no
plantio de cana - de - açucar para a fabricação da cachaça.
Caso também vivenciado pela comunidade Pitaguary com a CHESF
(Companhia Hidrelétrica do São Francisco) com a construção de uma linha de
transmissão energética que passa por dentro de seus territórios e a autorização do
governo na instalação de mais uma pedreira (extração de pedras em larga escala),
em terrras Pitaguary.
Outro exemplo é o da luta dos Tapeba, com grandes proprietários que sempre
exploraram suas terras e que ainda lutam pela demarcação, pois trata-se de terras
produtivas na localidade da Caucaia, região metropolitana de Fortaleza, tornando
dificil a identificação e delimitação das mesmas.
O que podemos ver em realidade que nesses ultimos 40 anos não foram
ainda contempladas por totalidade a delimitação, demarcação e posse definitiva das
127



terras por esse povos indígenas por travarem suas lutas contra ricos empresários,
proprietários de terras e as próprias entidades governamentais que supostamente
teriam que dar o apoio necessário a essas comunidades descumpindo o que
tambem está estabelecido no seu artigo 17, 18 e 19 que mencionam:
Art. 17. Reputam-se terras:
I – as terras ocupadas ou habitadas pelos silvícolas, a que se
referem os artigos 4º, IV e 198, da Contituição;
II – As áreas reservadas de que trata o Capítulo III deste Título;
III – As terras de domínio das comunidades indígenas ou de
silvícolas.
Art. 18. As terras indígenas não poderão ser objeto de
arrendamento ou de qualquer ato de negócio jurídico que restrinja o pleno
exercício da posse direta pela comunidade indígena ou pelos silvícolas.
& 1º Nessas áreas, é vedada a qualquer pessoa estranha aos
grupos tribais ou comunidades indígenas a prática da caça, pesca ou
coleta de frutos, assim como de atividade agropecuária ou extrativa.
Art. 19. As terras indígenas, por iniciativa e sob orientação do orgão
federal de assistência ao indio, serão administrativamente demarcadas,
de acordo com o processo estabelecido em decreto do Poder executivo.
(Lei nº 6.001- de 19 de dezembro de 1973).
Por essas razões do não cumprimento do que estava estabelecido por lei, a
questão indígena foi dando uma maior atenção a questão territorial e os demais
tópicos como : cultura, saúde e educação ficaram em segundo plano, pois a terra é a
base de sustentação das comunidades indígenas, sem a posse das mesmas não se
justificaria a luta pelo fortalecimento e desenvolvimento dessas comunidades.
Em relação a cultura e educação indígena também encontramos em vários
artigos da referida lei, um apoio teórico não aplicado em sua plenitude durante esses
40 anos de lutas travadas, mesmo sabendo que as atenções estiveram voltadas
para a questão territorial durante muitos anos. Entre os artigos do Estatuto do indio
de 1973 destacamos:
Art. 47. É assegurado o respeito ao patrimônio cultural das
comunidades indígenas, seus valores artísticos e meios de expressão.
128



Art. 49. A alfabetização dos indios far-se-à na lingua do grupo a que
pertençam, e em português, salguardando o uso da primeira.
Art. 51. A assistência aos menores, para fins educacionais, será
prestada, quanto possível, sem afastá-los do convivio familiar ou tribal.
Vemos assim que apesar da busca por seus territórios, seus patrimonios
culturais, educação bilingue, alfabetização e assitência aos menores também
possuiam uma conotação de importancia no Estatuto do Índio de 1973, em teoria
porque em realidade não é bem o que vem ocorrendo atualmente ao observarmos
alguns exemplos de descasos à educação indígena.
Um exemplo desse descaso ocorre na comunidade Tapeba na Escola de
Ensino Fundamental e Médio Diferenciada da Ponte, pois quando foi entrevistada a
professora indígena Sheila Soares de 27 anos, ex-aluna da Escola Diferenciada
Indios Tapeba e atualmente cursando Magistério Indígena impartido pela SEDUC,
vimos de perto problemas evidenciados como por exemplo: a evasão escolar, falta
de material didático, falta de merenda escolar, o desestímulo por parte da professora
com todos esses problemas enfrentados e as más condições físicas e estruturais
que se encontra a escola e que funciona atualmente com 26 alunos, sendo 20
alunos do turno da manhã e 6 alunos do turno da tarde.
Quando indagada sobre o que seria necessário para desenvolver a
comunidade Tapeba, a professora Sheila Soares disse que o acompanhamento dos
orgãos governamentais é importante mas deveria ocorrer com mais frequência e que
pretende cursar uma pós-graduação em Gestão Escolar para tentar mudar a
situação que se encontra a Escola em que trabalha.
Outro exemplo é o caso da comunidade Jenipapo-Kanindé, pois somente no
ano de 2009, ou seja, 36 anos depois da elaboração do Estatuto do Indio foi criada
a Escola Diferenciada Jenipapo-Kanindé, e em contrario do que estabelece o Artigo
51 do Estatuto, citado anteriormente, os alunos são afastados do convívio da
comunidade para estudar em comunidades vizinhas por falta de professores.

2 Convenção 169 da o.i.t de 1989- teoria, prática e realidade
Na Constituição de 1988, o Brasil deixa de lado a visão ou paradigma
assimilacionista, abordando uma visão pluralista não compatível com o Estatuto do
Indio, de 1973 quando na referida Constituição inovada com a Convenção 169 de
129



1989 da OIT, menciona que “ os povos indígenas e tribais podem falar por sí
mesmos e têm o direito de participar no processo de tomada de decisões que lhes
dizem respeito”, fazendo vir à tona o sujeito indígena que passaria a lutar por seus
direitos territoriais e resgate cultural também reforçados e estabelecidos pela
Convenção 169 da OIT, de 1989, aderida por 17 países incluso Brasil onde diz:

Os Governos deverão: Reconhecer , quando for o caso, a relação especial
que têm os povos indígenas e tribais com suas terras; reconhecer os
direitos de propriedade e de posse das terras que tradicionalmente ocupam;
identificar as terras dos povos indígenas e tribais e proteger seus direitos de
propriedade e de posse; proteger os direitos dos povos indígenas e tribais
sobre os recursos naturais de suas terras e territórios, inclusive seu direito
de participar da utilização, administração e conservação desses recursos.
(Convenção 169 da OIT, de 1989).

Como iriam ser postos em prática tais direitos sem uma preparação
educacional para esses povos?como poderiam reinvindicar esses direitos sem um
estudo e leitura prévios dos mesmos para um trabalho de conscientização e luta
para tal implementação? Vendo assim, e buscando no resultado da Convenção 169
da OIT de 1989, no que diz respeito a educação, observa-se a criação de programas
governamentais baseados nas necessidades dos povos indígenas, claro no seguinte
paragrafo;
Os governos deverão:- desenvolver programas especiais de formação, caso
necessário, baseado nas necessidades concretas dos povos indígenas e
tribais;- desenvolver e aplicar, em cooperação com os povos indígenas e
tribais, programas de educação e serviços adequados a suas necessidades,
com pleno respeito a suas tradições, cultura e história;- reconhecer o direito
dos povos indígenas e tribais de criar suas próprias instituições e meios de
educação, desde que satisfaçam as normas mínimas estabelecidas,- tomar
medidas para que os povos indígenas e tribais tenham a oportunidade de
dominar a lingua nacional ou uma das linguas oficiais do país, assim como
preservar e promover o desenvolvimento e a prática das linguas dos povos
indígenas e tribais;- adotar medidas adequadas, pelos meios de
comunicação de massas e nas linguas dos povos indígenas e tribais, para
lhes dar a conhecer seus direitos e obrigações. (Convenção 169 da OIT,
1989).

Assim, vemos que o programa de expansão da Educação Multicultural
Diferenciada Indígena que se extende ao Ceará em 1998 para garantir o processo
de multiculturalidade seria um fator positivo, mas já possuia raízes na Constituição
de 1988 e na Conveção 169 da OIT de 1989, chegando tarde devido as lutas que
esses povos estavam travando por questões territoriais.
130



Observando as disposições específicas em relação as Terras Indígenas (T.I),
territórios ocupados ou utilizados de alguma maneira pelas comunidades indígenas,
a Convenção 169 da O.I.T. de 1989 surgiria no intuito de reforçar e tentar aplicar o
que o Estatuto do Índio de 1973 não havia conseguido, ou seja 16 anos depois de
elaborado o Estatuto do Índio, a temática sobre seus territórios não havia sido
resolvida.
Como citado anteriormente nas mesmas disposições sobre esses territórios
explica que, os governos deverão reconhecer a relação especial dos povos
indígenas com suas terras e ao mesmo tempo reconhecer os direitos de
propriedade, posse e uso das terras que ocupam sendo identificadas, demarcadas e
protegidas e garantir que esses povos não sejam removidos e caso sejam, que
recebam uma indenização justa.
Situação não vivida pela comunidade Anacé, quando os mesmos foram
assentados em territórios não indígenas (tradicional) recebendo por parte do
governo uma indenização “justa”, por parte da entidade governamental e
vergonhosa por parte de ambientalistas e indigenistas, pois o Estado avaliou e
pagou a indenização das árvores: CARNAUBEIRA 0,30 centavos; MANGUEIRA 15
reais; COQUEIRO E CAJUEIRO 30 reais. Árvores que passaram várias gerações
alimentando a comunidade Anacé, sendo avaliadas por menos do valor da produção
de uma safra ou colheita.
Também não vivida pela comunidade Jenipapo-Kanindé, pois a mesma
espera receber as terras ocupadas pela empresa Ypioca, que passaram anos
explorando e que por direito os Jenipapo-Kanindé, deveriam receber as terras como
eram antes ou uma indenização justa como se prevê na lei.
Observada também na comunidade Pitaguary, quando recentemente foi
aprovado pelo governo a instalação de uma pedreira em terras indígenas.
Situações que passam a ser vividas por várias comunidades indígenas
brasileiras, que não vêem asseguradas seus direitos, mesmo que estabelecidos por
lei há mais de 40 anos.
Sobre a questão cultural e educacional Indígena, bem enfatiza a Convenção
169 da OIT sobre a temática da educação quando menciona que:
Em relação a planos e programas de desenvolvimento que os afetem, os
povos indígenas deverão participar de sua formulação, execução e
avaliação. Ademais, planos de desenvolvimento econômico que envolvam
áreas ocupadas por comunidades indígenas e tribais deverão ser
131



concebidos com vista, entre outras coisas, à melhoria das condições de
vida, geração de oportunidades de emprego e conquistas educacionais.

Assim vemos que a Conveção 169 da OIT de 1989, deixa aberto novos
caminhos de lutas e mobilizações , para que os povos indígenas passem a
pressionar as entidades governamentais na implementação dos seus direitos
assegurados por lei, passando a não dar enfoque somente a questão territorial e sim
também a questão educacional vista como meio de promover e difundir a luta por
seus interesses.

3 Declaração das Nações Unidas sobre os povos indígenas de 2007: teoria,
prática e realidade
No ano de 2006 é aprovada a Declaração da Nações Unidas sobre os Direitos
dos Povos Indígenas composta por 46 artigos, deixando clara a visão multicultural e
de respeito mútuo entre as diferenças, promovendo a interculturalidade, ou seja,
uma interação cultural, garantindo direitos aos povos indígenas, sendo por primeira
vez reconhecidos os direitos a coletividade indígena além dos direitos humanos e
universais partilhado com os outros cidadãos.
No que refere á identidade indígena a referida Declaração deixa claro que os
povos indígenas têm o ditreito a autodeterminação, que seria o primeiro passo a vir
a tona o índio como sujeito ativo em sua comunidade e na sociedade de um modo
geral, o Artigo 3 da Declaração das Naçoes Unidas explica;
“Os povos indígenas têm direito a autodeterminação. Em virtude desse direito
detreminam livremente sua condição política e buscam livremente seu
desenvolvimento econômico, social e cultural”. (Artigo 3 da Declaração das Naçoes
Unidas).
Observamos que essa autodeterminação garatinda pela ONU, iria fortalecer
internamente cada comunidade indígena de acordo com sua realidade, garantindo o
desenvolvimento do processo de regaste cultural, não se tratando de um processo
de descolonização, mas sim de um processo de autonomia comunitária indígena e
liberdade nas tomadas de decisões internas. O Artigo 4 da Declaração das Nações
Unidas sobre os povos Indígenas deixa clara essa visão quando diz;
“Os povos indígenas no exercício do seu direito à autodeterminação, têm
direito à autonomia ou ao autogoverno nas questões relacionadas a seus assuntos
132



internos e locais, assim como a disporem dos meios para financiar suas funções
autônomas”.
No que se refere ao resgate cultural propriamente dito, a Declaração das
Naçoes Unidas sobre os direitos dos povos indígenas no seu artigo 11. 1 diz ;
Os povos indígenas têm o direito de praticar e revitalizar suas tradições e
costumes culturais, isso inclui o direito de manter, proteger e desenvolver as
manifestações passadas, presentes e futuras de suas culturas, tais como
sítios arqueológicos e históricos, utensilios, desenhos, cerimônias,
tecnologias, artes visuais e interpretativas e literaturas.

Em realidade, não se vê o respeito devido a esses povos em relação a seus
costumes, tradições e práticas de manifestações religiosas, pois a base para a
contemplação desse respeito, seria a posse definitiva e o respeito aos territórios
indígenas, que para eles é o que existe entre seus valores mais sagrados. E que
apesar de algumas dessas comunidades estarem vivendo em território entendido
como indígena, sofrem um descaso descomunal por parte do governo. Situação
essa que podemos citar como exemplo a comunidade Tapeba (ver anexo), que é
considerada por muitos como mais uma das “ favelas” sem as mínimas condições
de saneamento que circundam a região metropolitana de Fortaleza.
O que não se vê em acordo com o artigo 21 da Declaração das Nações
Unidas de 2007, quando menciona que:
1. Os povos indígenas têm o direito, sem qualquer discriminação,à
melhora de suas condições econômicas e sociais, especialmente nas
áreas da educação, emprego, capacitação e reconversão profissionais,
habitação, saneamento, saúde e seguridade social.
2. Os estados adotarão medidas eficazes e, quando couber, medidas
especiais para assegurar a melhora continua das condições econômicas
e sociais dos porvos indígenas.
No que se trata das terras e territórios indígenas propriamente ditos, os artigos
25 e 26 da supracitada Declaração das Nações Unidas, mostra exatamente o
contrário do que se vê na realidade cotidiana desses povos indígenas, que ainda
não possuem a proteção devida por parte do Estado, claro quando nos citados
artigos mencionam que:
Artigo 25. Os povos indígenas têm o direito de manter e de
fortalecer sua própria relação espiritual com as terras , territórios, águas,
mares costeiros e outros recursos que tradicionalmente ocupem e
133



utilizem, e de assumir as responsabilidades que a esse respeito incorrem
em relação às gerações futuras.
Artigo 26.
1. os povos indígenas têm direito às terras, territórios e recursos
que possuem e ocupam tradicionalmente ou que tenham de outra forma
utilizado ou adquirido.
2.os povos indígenas têm o direito de possuir, utilizar, desenvolver
e controlar as terras, territórios e recursos que possuem em razão da
propriedade tradiciona ou de outra forma tradicional de ocupação ou de
utilização, assim como aqueles que de outra forma tenham adquirido.
3.Os Estados assegurarão reconhecimento e proteção jurídicos a
essas terras, territórios e recursos.Tal reconhecimento respeitará
adequadamente os costumes, as tradições e os regimes de posse da
terra dos povos indígenas a que se refiram.
Em relação a temática da educação no seu Artigo 14 a Declaração das
Nações Unidas estabelece os direitos a uma educação eficaz e bilingue, infelizmente
ainda não contemplada por algumas comunidades, mas já iniciadas por outras
mesmo possuindo condições um tanto quanto precárias.
Vemos pela fotografia da escola Tapeba de ensino fundamental que a
situação encontrada (situação fisica e de descaso) na realidade foge radicalmente
do que se estabelece no Artigo 14 quando menciona:

2. Os indígenas, em particular as crianças, têm o direito a todos os
níveis e formas de educação do Estado, sem discriminação.
3. Os Estados adotarão medidas eficazes, junto com os povos
indígenas, em particular as crianças, inclusive as que vivem fora de suas
comunidades, tenham acesso, quando possível, à educação em sua
própria cultura e em seu próprio idioma.

Considerações finais
Para uma melhor compreensão do que foi estabelecido por lei e do que realmente
as comunidades indígenas do nordeste brasileiro possuem em concreto, nesse
trabalho, foram destacados os exemplos dos povos PITAKAJÁ.
134



São cinco etnias que formam essa comunidade:Pitaguary, Tapeba, Kanindé,
Jenipapo-Kanindé e Anacé. Foram Abordandos também a situação econômica em
que se encontram essas etnias, e suas lutas e conquistas em meio aos problemas
evidenciados de terras, territórios e educação.

Conclusão
O ressurgir das comunidades indígenas na década de 80, na realidade brasileira,
deixa claro que basicamente buscavam e buscam o cumprimento e aplicabilidade
das referidas leis na demarcação e posse permanente de seus territórios que seria o
primeiro passo para o desenvolvimento, bem estar comunitário, reafirmação
identitária, e fortalecimento das mesmas com uma rede de informações e educação
em seus idiomas de origem, base para a implementação de todos os outros direitos
básicos que até então não foram respeitados pela chamada “comunhão nacional” ao
usufruto desses bens materiais e imateriais, deixando clara a discrepância entre
teoria, prática e realidade.
Apesar da busca pelos territórios indígenas, o direito a educação bilíngüe e a,
cultura de um modo geral também possuíam uma conotação de importância no
Estatuto do Índio de 1973, ou seja, já há 40 anos e ainda não contemplada, quando
observados os vários descasos à educação indígena apresentados nesse texto.

Referências bibliográficas
ARDOINO, Jacques (1998). Abordagem multirreferencial das situações educativas e
formativas. São Carlos: UFScar.
BOAS, Franz (1964). Cuestiones Fundamentales de Antropologia Cultural. Buenos
Aires : Ediciones Solar.
BRASIL, Lei nº 9.394/1996:( 20 de dezembro de 1996)Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Nacional. Brasília.
BRASIL. Constituição Federal. Senado Federal, 1988. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm, acesso
em: 29/05/2013.
BRASIL. Estatuto do Índio, Lei nº 6001, de 19 de Dezembro de 1973. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6001.htm. Acesso em: 03/03/2013.
BRASIL. Estatuto do Índio Decreto 1775/96, Disponível em:
http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/109874/lei-de-terras-indigenas-decreto-1775-
96. Acesso em: 03/03/2013.
135



BRASIL. Estatuto do Índio, Portaria 14/96. Disponível em:
http://6ccr.pgr.mpf.gov.br/legislacao/legislacaodocs/demarcacao/portaria_funai_14.p
df. Acesso em: 03/03/2013.
BRASIL. Ministério da Justiça. Portaria n.º 184 no Diário Oficial da União (DOU) nº
39, de 24 de fevereiro de 2011. Disponível em
http:/www.funaiceara.blogspot.com/2011/…/promessa-foi-cumprida.html, acesso em
29/5/2013.
CANDAU,V.M.(2008).Direitos Humanos, educação e interculturalidade: as tensões
entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro v. 13,
n.37, p 45-56.
GARCIA, Canclini Néstor (1989). Culturas Híbridas estratégias para entrar y salir de
la modernidad. Miguel Hidalgo, México: Editorial Grijalbo.
GARCÍA, Verónica Tejerina (2011). Diversidad Cultural, educación intercultural y
currículo. , Interculturalidad, Educación y Plurilinguismo en America Latina. Madrid:
Pirámide.
GERVÁS, Jesus M. Aparicio (2011). Interculturalidad, Educación y Plurilinguismo en
America Latina. Madrid: Pirámide.
GOFFMAN, Erving (1978). Estigma: notas sobre a manipulação de identidade
deteriorada. Rio de Janeiro : Zahar.
GOMES, Laurentino(2010). 1808: Livros D´Hoje. Alfragide.
GRUPIONI, Luis Donisete Benzi (2006). Formação de professores indígenas:
repensando trajetórias. Ministério da Educação. Brasília.
GRUPIONI, Luis Donisete Benzi (2006). Educação escolar Indígena: a trajetória no
governo Federal. Brasília: Ministério da Educação.
JARY, David e JARY, Julia (1991). El Diccionario de Sociología de HarperCollins:
Editor HarperPerennial.
KYMLICKA, Will (1996). Ciudadanía Multicural. Barcelona: PAIDÓS.
LEAL, Barros Tito (2011). Imanência Indígena. Fortaleza: Conselho Editorial da
colecção Nossa Cultura, Governo do Estado do Ceará.
MEAD, Margaret (1980). Cultura y compromiso (2ªed.).Barcelona: Editoral Gediza.
MELIÁ, Bartolomeu (1979). Educação indígena e alfabetização. São Paulo: Loyola.
MOREIRA, A.F.B. A recente produção de pesquisa cientifica sobre curriculo e
multiculturalismo no Brasil(1995-2000): avanços, desafios e tensões. Revista
Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n18, p.61-85, set/dez.2001.
MOREIRA, A.F.B.;CANDAU,V.M. Educação escolar e cultura(s): construindo
caminhos.Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n23, p.156-168,2003.
NIMENDAJU,Curt (1981). O mapa etno histórico de Curt Nimendaju. Fundação
Nacional Pró-Memória/IBGE. Rio de Janeiro.
NIMENDAJU, Curt (1987). As lendas de criação de destruição do mundo como
fundamentos da religião dos Apapocúva-Guarani. São Paulo: Hucitec – Edusp.
PALITOT, Estevão Martins (2009). Na mata do sabiá- contribuições sobre a
presença indígena no Ceará. Fortaleza: Governo do Estado do Ceará.
136



RATTS, Alex (2009). Boletim Raízes, Fortaleza-CE, Ano 6, nº.22, outubro/dezembro,
1997,p.7. in Alex Ratts.
SADER, Eder (1988). Quando novos personagens entram em cena. Rio de Janeiro:
Paz e terra.
SCHADEN, Egon (1974). Aspectos Fundamentais da Cultura Guarani. São Paulo,
EPU/Edusp 3ª ed.
VIEIRA, João paulo; GOMES, Alexandre e MUNIZ, Juliana (2007). Povos Indígenas
no Ceará: Organização memória e luta. Fortaleza: Memorial da Cultura cearense, do
Centro Dragão do Mar de arte e cultura.

137




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha







SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE ÓXIDOS TERNÁRIOS
NANOESTRUTURADOS PURO E DOPADOS COM EURÓPIO




Maiko Sousa Feitosa
Dhiego Maradona Arruda Coelho
Francisco das Chagas Dantas de Lemos
Universidade Federal do Tocantins (UFT)



2013
138



Síntese e caracterização de óxidos ternários
nanoestruturados puro e dopados com európio

Maiko Souza Feitosa
Graduando
Colegiado de Licenciatura em Química
Universidade Federal do Tocantins – UFT – Brasil
Bolsista do Programa Ciências sem Fronteiras na Universidade de Jaén/
Espanha
maikocaio@hotmail.com

Dhiego Maradona Arruda Coelho
Graduando
Colegiado de Licenciatura em Química
Universidade Federal do Tocantins – UFT – Brasil
dhiegouft.edu@hotmail.com

Francisco das Chagas Dantas De Lemos
Doutor em Química Inorgânica
Colegiado de Licenciatura em Química
Universidade Federal do Tocantins – UFT – Brasil
fralem@uft.edu.br

Resumo
O estudo da produção e caracterização de materiais nanoestruturados tem sido um
dos temas mais atraentes da pesquisa fundamental e tecnológica nos últimos anos
devido às possibilidades de melhoria das diversas propriedades que esses materiais
podem ter quando comparados aos materiais obtidos pelos processos convencionais
vem crescendo, assim, o interesse nas sínteses de óxidos ternários, com aplicação
na indústria de materiais cerâmicos, eletroeletrônicos, na área de ferroeletricidade e
microeletrônicos como micro capacitores, chips, dentre outras. Eles vêm sendo
estudados por apresentarem características de um semicondutor do tipo n, o que
induz em aplicá-lo na produção de filmes finos. Também apresentam alta constante
dielétrica, boa capacitância na voltagem aplicada, apresentam atividades catalíticas
e podem ser utilizados como sensor. Quando dopados com terras raras são
potencialmente capazes de serem utilizados em dispositivos fotônicos. Para este
trabalho foram obtidos pós de titanatos de estrôncios puro (ST) e dopados com
európio (STEu) a 1, 3 e 5 % para fins de estudos de comparação de suas
respectivas propriedades. Na parte teórica do trabalho foram realizados cálculos do
fator de tolerância (t) proposto por Goldschmidt para perovskitas cúbicas, utilizando
139



os valores dos raios iônicos de Shannon e Prewitt para nortear à rota de síntese.
Para a obtenção do pós de ST e STEu utilizamos o método do dos precursores
poliméricos, uma variação do método sol gel proposto por Pechini. Os materiais
obtidos foram tratados a 700 ºC e caracterizados utilizando as técnicas de difração
de raios X (DRX), Microscopia eletrônica de Varredura (MEV), Espectroscopia de
emissão e UV-visível. A partir dos resultados teóricos conclui-se que os valores
estão na faixa permitida por Goldschmidt para perovskitas cúbicas e na parte
experimental a utilização do método Pechini, possibilitou a obtenção de resinas com
aspecto homogêneo, sugerindo coerência na rota utilizada. A partir dos dados de
emissão do ST puro e dopados, pode-se afirmar que os materiais dopados são
fortes candidatos a serem utilizados em dispositivos fotônicos.
Palavra chaves: Perovskitas; Titanato de Estrôncio; Método Pechini.

Abstract
The study of the production and characterization of nanostructured materials has
been one of the most attractive themes of fundamental and technological research in
recent years due the possibilities of improvement of various properties of these
materials when compared to materials obtained by conventional processes, thus, the
interest in the synthesis of ternary oxides with application in the industry of ceramics
materials, electronics, ferroelectricity and microelectronics as microcapacitors, chips,
among others has grown. The inherent characteristics of n-type semiconductor of
these materials lead to the study of their application in thin films production. Besides
that, they also have a high dielectric constant, good capacitance on applied voltage,
catalytic activities and can be used as sensor. When doped with rare earths, their
properties enable their use in photonic devices. In this work, we obtained strontium
titanates powders of pure (ST) and doped with europium (STEu) at 1, 3 and 5%
aiming to compare their properties. In order to determine the tolerance factor (t) we
performed calculations based on Goldschmidt for cubic perovskites proposition, using
the ionic radii values of Shannon and Prewitt to guide the synthesis route. The ST
and STEu powders were obtained by the polymeric precursors method, a variation of
the sol-gel method proposed by Pechini. After, the materials obtained were treated at
700 °C and characterized using X-ray diffraction (XRD), Scanning Electron
Microscopy (SEM), Emission Spectroscopy and UV-visible techniques. The tolerance
140



factor values found here are between the ranges permitted by Goldschmidt for cubic
perovskites. The Pechini method applied here allowed us to obtain homogeneous
resins, suggesting consistency in the synthesis route used. From the data of pure
and doped ST emission, we can affirm that the doped materials are strong
candidates to be used in photonic devices.
Keywords: Perovskites; Strontiun titanates; Pechini method.

1 Introdução
O presente trabalho faz parte de uma pesquisa desenvolvida na iniciação científica
realizada na Universidade Federal do Tocantins (UFT) – Brasil – Campus de
Araguaína com a colaboração da Universidade Jaume I – Castellon de La Plana –
Espanha, Universidade Estadual Paulista (UNESP) – Araraquara e o Centro
Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC) –
Universidade Federal de São Carlos - São Paulo - Brasil.
Nos últimos anos vem crescendo o interesse nas sínteses de óxidos de cátions
mistos, com aplicação em indústrias de cerâmico eletroeletrônicos, na área de
ferroeletricidade e microeletrônicos como micro capacitores, chips, dentre outras
(BEDNORZ e MULLER, 1984; MCKEE et al., 2001; SIRENKO et al., 2000; VENDIK
e ZUBKO, 1997; H.-C. LI et al. 1998; DOI e HINATSU, 2009; DWIVEDI e RANDALL,
2011; MAEKAWA et al., 2009; ULÍN et al., 2010).
As perovskitas chegam a ter atividades comparáveis às dos metais nobres (TEJUCA
et al., 1989). Entre as perovskitas de lantânio, a manganita é a única rica em
oxigênio (MISUSAKI et al., 2000). Por outro lado, as manganitas podem tornar-se
deficientes em oxigênio pela introdução de outro átomo no sítio catiônico B, como é
o caso do ferro (KINDERMANN et al., 1996). O efeito da substituição parcial dos
cátions A, geralmente um metal terra rara, com elementos que apresentam estados
de valência diferente de +3, tem sido frequentemente estudado (ISUPROVA et al.,
2001; INABA et al., 2001), enquanto que o efeito da substituição de cátions do tipo B
e sua aplicação na combustão catalítica têm despertado menos o interesse nas
pesquisas (ROJAS et al., 1990).
O titanato de estrôncio, SrTiO
3
(ST), vem sendo muito estudado por apresentar
característica de um semicondutor do tipo n, o que induz em aplicá-lo na produção
de filmes finos. Também apresenta alta constante dielétrica, boa capacitância na
141



voltagem aplicada (OKHAY et al., 2007), apresenta atividades catalíticas (HENRICH,
1985; GUO et al., 2003), pode ser utilizado como sensor (HU et al., 2004), quando
dopado com terras raras é potencialmente capaz de ser utilizado em dispositivos
fotônicos (YAMAMOTO, et al., 2002; LEMOS et al., 2008).
Pesquisas sobre o ST têm sido desenvolvidas por várias décadas tanto pela
aplicação tecnológica como pelas propriedades fundamentais. Muitos substituintes
tanto do estrôncio como do titânio no ST, tais como metais de terras raras e Mn,
respectivamente, produzem maior eficiência nas propriedades ópticas (RICOTE et
al., 1996; KNOTT et al., 1995). O ST tem propriedades ópticas interessantes e
complexas quando dopado com terras raras. No ST, o Er
3+
e o Yb
3+
substituem o
Sr
2+
como doadores dopantes e requerem compensação de carga (balanço
carga/massa).

2 Métodos
Em relação à parte teórica, parte inicial do nosso trabalho, foi investigada a
influência da substituição do átomo do sítio A por átomos de terras raras na estrutura
das perovskitas utilizando-se o fator de tolerância de Goldschmidt (t) (Eq. 1)
(Goldschmidt, 1926), objetivando a obtenção experimental em uma segunda fase do
trabalho. Para a determinação de t foram usados os valores dos raios iônicos de
Shannon e Prewitt (SHANNON e PREWITT, 1969) e a partir desses valores,
determinamos se a estrutura é distorcida ou não para definimos uma melhor rota de
síntese dos materiais na segunda fase.
(Eq. 1)
São muitos os métodos de obtenção de óxidos ternários, entre eles podemos citar o
método convencional de reação no estado sólido, também conhecido como mistura
de óxidos, a coprecipitação, a síntese hidrotérmica e o método sol gel. Para a
obtenção dos óxidos ternários utilizamos o método dos precursores poliméricos,
uma variação do método sol gel proposto por Pechini (PECHINI, 1967), por
entender-se tratar de um método que possibilita um melhor controle da
estequiometria da reação.


142





3 Resultados
Inicialmente foram realizados os cálculos de t para o ST puro e dopados com
európio utilizando os raios iônicos de Shannon-Prewitt dispostos na tabela 01, cujos
valores obtidos são apresentados na tabela 02.

Compostos Dopagens Fator de tolerância (t)
ST 0% 1.0000

STEu
1% 1.0012
3% 1.0007
5% 0.9998
Tabela 01 – Raios iônicos em picômentro (pm)







Tabela 02 - Fator de tolerância “t” calculado para os compostos sintetizados

A partir dos valores da tolerância calculados espera-se que, tanto os compostos ST
puro como dopados sejam cúbicos, segundo Goldschmidt (faixa entre 0,8 – 1,0).
Para Bharathy e Loye, 2008, uma estrutura cúbica de perovskita do tipo ABO
3
é
ideal quando o cátion A está localizado em um sítio de coordenação 12 e o cátion B
Íons Raio (pm)
Ti
+4
74,5
Sr
+2
158
O
-2
126
Eu
+3
149
143



está em um sítio de coordenação. Esta formação ocorre quando a razão dos raios
de A e B estão dentro de um valor específico. Se o cátion A é pequeno, em relação
a B e O, a estrutura distorce por um processo que envolve uma combinação de
inclinação e rotação do octaedro BO
6
, havendo a perda da simetria cúbica. Para
estes autores os valores de t ~ 1 (0,98–1,07), a estrutura da perovskita é esperada
ser cúbica, enquanto que para os valores de t na faixa 0,97–0,99 ocorre distorção
levando a uma estrutura tetragonal. No nosso trabalho, para os materiais dopados,
utilizamos como r
A
a média dos raios iônicos do estrôncio e do európio.
Para a obtenção dos compostos utilizamos, como reagentes de partida, acetato de
estrôncio, isopropóxido de titânio, acetato de európio (III), ácido cítrico e etileno
glicol. Foram feitos cálculos estequiométricos de forma que os materiais obtidos
obedeçam a relação A
1-3x/2
Eu
x
BO
3
. Nesta fase foram realizados alguns ensaios
visando uma melhor rota de síntese visto que o isopropóxido de titânio hidrolisa
muito fácil. Observamos que tanto a adição de metanol quanto a de solução aquosa
de ácido cítrico ao isopropóxido, proporcionou uma redução na hidrólise e a
produção de uma solução homogênea, no entanto a solubilização do isopropóxido
com metanol foi mais demorada e optamos pela rota de síntese utilizando a solução
de ácido cítrico. Desta forma, após a dissolução do isopropóxido, foram adicionadas
as soluções de estrôncio (para o ST puro) e, para os ST dopados, a de acetato de
európio que foram calculados obedecendo a uma relação molar de 1:3 metal/ácido
cítrico. A mistura reacional, tanto para o ST puro como para os dopados, foi mantida
sob agitação e aquecimento com a temperatura aproximadamente 80 ºC até atingir a
metade do volume inicial, aproximadamente 10 mL, seguindo-se da adição de
etileno glicol, em uma razão mássica de 60/40 em relação à quantidade total de
ácido cítrico, para que ocorresse uma reação de esterificação. A polimerização
promovida pelo aquecimento da mistura resultou em uma solução homogênea,
sugerindo que os cátions metálicos estão uniformemente distribuídos na matriz
orgânica. As soluções poliméricas foram posteriormente pré-calcinadas a 300
o
C por
duas horas, obtendo-se materiais carbonizados. Estes materiais resultantes foram
desagregados, utilizando-se almofariz, armazenados, tratados a 700
o
C e
reservados para serem analisados.
144



Para caracterizar os materiais obtidos a 700
o
C, foram utilizadas as técnicas de
difração de raios X (DRX), Microscopia eletrônica de Varredura (MEV),
Espectroscopia de emissão e UV-visível.
3.1Difração de raios X (DRX)
Para uma verificação da formação da fase e da influência do európio na obtenção da
fase dos pós de ST, os materiais obtidos e tratatos a 700
o
C, foram submetidos à
difração de raios X, em um difratômetro Siemens D5000, com radiação Cu Ko e um
monocromador de grafite. A faixa de 2u utilizada foi de 20 a 75 º.
A Figura 01 apresenta o padrão de DRX para o pó de ST puro de acordo com o
Inorganic Centre Structure Database (ICSD códigos 23076 e 201256), onde se
observa os principais picos de difração para a estrutura perovskita cúbica e na figura
02 são apresentadas os padrões de difração para os pós obtidos de ST puro e
dopados a 700
o
C.

Figura 01 – Padrão DRX com planos de difração para o ST
145




Figura 02 – Padrões DRX do ST dopado com európio obtidos a 700
o
C por 2 horas.
A partir da análise dos difratogramas apresentados na figura 02, pode-se observar
que os padrões de DRX para os pós de ST dopados com európio estão de acordo
com o padrão de perovskita cúbica apresentado na figura 01, não apresentam fases
intermediárias sendo, portanto, monofásico e também apresentam estrutura cúbica
como previsto pelo estudo teórico.
3.2 Microscopia eletrônica de varredura (MEV)
A caracterização microestrutural do material foi analisada por microscopia eletrônica
de varredura (MEV) obtidas através de um módulo Zeiss DSM940A.
Nas figuras de 03 a 06 são apresentadas as micrografias de MEV dos pós de ST
puros e dopados com Európio. Nas micrografias a e b pode-se observar um aspecto
geral e nas micrografias c e d um aspecto de uma região específica das amostras
dos materiais obtidos a 700
o
C por 2 horas.

146





Figura 03 – Micrografias do ST puro obtidos a 700
o
C por 2 horas: (a) e (b) aspecto geral; (c) e (d)
região específica.
(a)
(b)
(c) (d)
147






Figura 04 – Micrografias do ST dopado 1% de európio obtidos a 700
o
C por 2 horas: (a) e (b) aspecto
geral; (c) e (d) região específica.


Figura 05 – Micrografias do ST dopado 3% de európio obtidos a 700
o
C por 2 horas: (a) e (b) aspecto
geral; (c) e (d) região específica.
(a) (b)
(c) (d)
(a) (b)
(c)
(d)
148





Figura 06 – Micrografias do ST dopado 5 % de európio obtidos a 700
o
C por 2 horas: (a) e (b)
aspecto geral; (c) e (d) região específica.

A partir das micrografias apresentadas nas figuras de 03 a 06, pode-se observar que
as amostras são cristalinas, como analisado por DRX. Em todas as amostras
observou-se que são formadas por partículas de dimensão manométrica que se
pode ver nas micrografias de regiões específicas. Nas micrografias de aspecto geral
pode-se perceber a presença de pequenos cristalitos e também de aglomerados,
portanto não apresenta uma morfologia uniforme, possivelmente devido às
partículas serem muito finas e formarem aglomerados, que muitas vezes podem ser
minimizados com o aumento do tempo de tratamento térmico. Ainda observando as
micrografias de regiões específicas, nota-se que os materiais são porosos.
3.3 Espectroscopia de emissão
Os espectros de emissão foram obtidos em um Espectrofluorímetro Modelo
Fluorolog-3 FL3-222 da Horiba Jobin Yvon, utilizando monocromadores com grades
duplas, lâmpada contínua de xenônio de 450 W, lâmpada pulsada de xenônio de 25
W, detectores do tipo fotomultiplicadora (PMT) modelo R 928 P da Spex no UV-
visível e de germânio: modelo EQ 817 L da North Coast Scientific Corp no
infravermelho.
(a) (b)
(c) (d)
149



Em anos recentes foram muitas as investigações da fotoluminescência (FL) de
materiais incluindo lantanídeos que têm orbitais 4f incompletos como aplicativos
para dispositivos ópticos. Óxidos com uma lacuna de banda larga têm sido
amplamente considerados como fase mãe dos materiais, que podem ser utilizados
como dispositivos optoeletrônico e monitor de tela plana para substituir as
substâncias fosforescentes de sulfetos tradicionais. Devido o ST não mostrar
nenhuma transição de fase à temperatura ambiente e por apresentar uma banda
larga (E
g
= 3,2 eV) na região UV, a fabricação e propriedades ópticas do ST
dopando com terras raras estão sendo cada vez mais estudados (FUJISHIRO et al.,
2011).
Nas figuras 07 a 08 estão dispostos os espectros de emissão para os compostos de
ST puro e dopados. Para efeito de comparação se apresenta o espectro de emissão
do ST puro obtido pelo grupo apresentado na figura 07.
500 550 600 650 700 750
0
200
400
600

I
n
t
e
n
s
i
d
a
d
e

(
C
P
S
)
Comprimento de onda(nm)

Figura 07 – Espectro de emissão para o ST puro obtido a 700
o
C por 2 horas.

A partir da análise do espectro de emissão para o ST puro apresentado na figura 07,
pode-se observar que o ST puro não emite no visível. O ST no estado amorfo
apresenta alta emissão no visível, mas o início da cristalização diminui a desordem
do material eliminando os defeitos e, consequentemente, provoca um descréscimo
na emissão fotoluminescente e aumento do gap (GONÇALVES et al., 2004). Neste
trabalho a diminuição da emissão é atribuída, possivelmente, a diminuição dos
defeitos visto que está cristalino, como apresentado na discussão de DRX, e por
possuir a energia entre a banda de valência e de condução deverá ser elevada.

150




Figura 08 – Espectro de emissão para o ST dopados obtidos a 700
o
C por 2 horas.

Os espectros de emissão dos compostos dopados, apresentados na figura 08, são
semelhantes e apresentam cinco bandas de emissão em aproximadamente 580,
592, 617, 685 e 702 nm, respectivamente na região do amarelo, do laranja e
vermelho do espectro eletromagnético visível, com intensidades maiores para as
bandas em 592, 617 e 702 para a dopagem de 1 e 3 %, enquanto para a dopagem
com 5 % observou-se apenas duas bandas forte referentes as bandas 592 e 617.
3.4 Espectroscopia na região do UV-Visível
Os espectros na região do UV-visível foram obtidos por intermédio de um
espectrofotômetro CARRY, modelo 5G da Varian, no modo de reflectância difusa na
faixa de 300 a 800 nm.
O desenvolvimento de materiais semicondutores com propriedades ópticas ativas,
tais como fotoluminescência (FL), eletroluminescência (EL) e propriedades ópticas
não-lineares, pode levar ao desenvolvimento de novos dispositivos que apresentem
melhor desempenho. Semicondutores amorfos podem substituir semicondutores
monocristalinos em uma série de aplicações. Semicondutores de banda larga (3,0 -
151



4,0 eV) do tipo ATiO
3
, para A= Ca, Sr, Ba, Pb apresentam forte FL na região do
visível, quando este composto está no estado amorfo. Dentro desta classe de
compostos, o ST, na sua forma cristalina, apresenta um comportamento
semicondutor e quando na forma pura é excitado pela radiação acima do seu
intervalo de banda de energia, o “gap”, que geralmente varia de 3,2 a 3.4 eV. É um
dos óxidos mais importantes, devido às suas propriedades únicas e multifuncionais.
O estudo deste material tem-se intensificado devido às suas potenciais aplicações
tecnológicas (ORHAN et al., 2004). Também possui propriedades eletrônicas
atrativas, pois com uma pequena quantidade de dopagem de elétrons, passa de
isolante para condutor e mostra supercondutividade a temperaturas baixas
(YAMADA e KANEMITSU, 2012).
Neste trabalho os cálculos do gap ótico foram realizados utilizando a equação de
Wood-Tauc (WOOD e TAUC, 1972) a qual relaciona a energia do gap ótico (E
g
opt
), o
coeficiente de absorção (α) e a energia do fóton (hv) da seguinte forma:
hvα · (hv - E
g
opt
)
2
(Eq. 2)
Sendo h a constante de Planck, v a frequência da onda eletromagnética, E
g
opt
a
energia do gap ótico, α o coeficiente de absorção o qual foi determinado pelo modelo
desenvolvido por Kubelka-Munk (KUBELKA et al., 1994).
Nas figuras 09 e 10 encontram-se dispostos os espectros de transmissão e os
gráficos do cálculo do gap, respectivamente.

Figura 09 – Transmitância do ST puro e dopados com de Eu obtidos a 700
o
C por 2 horas.
152




(a) (b) (c)
Figura 10 – Gráficos do cálculo do gap para os pós de ST dopados com európio: (a) 1 %; (b) 3 % e
(c) 5 % obtidos a 700
o
C por 2 horas.

Compostos Gap (eV)
ST (obtido pelo grupo) 3,2
STEu 1% 3,17
STEu 3% 3,08
STEu 5% 3,07
Tabela 03 – Gaps óticos para o ST puro e dopados com európio

Analisando os valores obtidos da tabela 04, notou-se uma tendência na diminuição
do gap com o aumento da dopagem para os materiais obtidos.

4 Conclusão
Concluímos neste trabalho que o estudo teórico para titanatos de estrôncio,
utilizando o parâmetro de Goldschmidt para perovskitas cúbicas, descreve
satisfatoriamente esses materiais. Ainda, que o resultado teórico incluindo a
compensação carga/massa, nos proporcionou a facilidade da obtenção tanto do ST
puro como os dopados e que as fases dos materiais foram obtidas a temperaturas
relativamente baixas.
A parte experimental utilizando o método Pechini, possibilitou o controle da
estequiometria e a obtenção de resinas com aspecto homogêneo, sem precipitação,
sugerindo coerência na rota adotada e utilizada.
Devido os pós de ST dopados apresentarem emissão na região do visível, pode-se
concluir, também, que estes materiais são fortes candidatos a serem utilizados em
dispositivos fotônicos.


153



Referências bibliográficas
BEDNORZ, G. e MULLER, K. A. (1984). Sr
1-x
Ca
x
TiO
3
: An XY Quantum Ferroelectric
with Transition to Randomness, Phys. Rev. Lett., 52, p. 2289-2292.
Bharathy, M e Loye, H.-C. Zur (2008). Crystal growth and structural investigation of
A
2
BReO
6
(A = Sr,Ba; B = Li,Na), Journal of Solid State Chemistry, 181, p. 2789–
2795.
DOI, Y.; HARADA, Y. e HINATSU, Y. (2009). Crystal structures and magnetic
properties of fluorite-related oxides Ln
3
NbO
7
(Ln=lanthanides), Journal of Solid State
Chemistry, 182, p. 709-715.
DWIVEDI, A. e RANDALL, C. A. (2011). Morphotropic phase boundary in high
temperature ferroelectric xBi(Zn
1/2
Ti
1/2
)O
3
− yPbZrO
3
− zPbTiO
3
perovskite ternary
solid solution, Mater. Letters, 65, p. 1308-1311.
FUJISHIRO, F.; ARAKAWA, T. e HASHIMOTO, T. (2011). Substitution site and
photoluminescence spectra of Eu
3+
-substituted SrTiO
3
prepared by Pechini method,
Mater. Letters, 65, p. 1819-1821.
Goldschmidt,V.M. (1926) Geochemische Verteilungsgesetze der Elementer V11,
Naturvidenskaplig Klasse, Oslo. Apud Bharathy, M e Loye, H.-C. Zur (2008). Crystal
growth and structural investigation of A
2
BReO
6
(A = Sr,Ba; B = Li,Na), Journal of
Solid State Chemistry, 181, p. 2789–2795.
GONÇALVES, R. F.; CARREÑO, N. L. V; ESCOTE, M. T.; LOPES, K. P.;
VALENTINI, A., LEITE, E. R.; LONGO, E. (2004). Fotoluminescência e adsorção de
CO
2
em nanopartículas de CaTiO
3
dopadas com lantânio, Quimica Nova, 27, p.
862-865.
GUO, J.; LOU, H.; ZHU, Y. e ZHENG, X. (2003). La-based perovskite precursors
preparation and its catalytic activity for CO
2
reforming of CH
4
, Mater. Lett., 57, p.
4450-4455.
HENRICH, V. E. (1985). The surfaces of metal oxides, Rep. Prog. Phys., 48, p. 1481-
1541.
HU, Y.; TAN, O.K.; CAO, W. and ZHU, W. (2004). A low temperature nano-structured
SrTiO
3
thick film oxygen gas sensor, Ceram. Int., 30, p. 1819-1822.
INABA, H.; HAYASASHI, H. e SUZUKI, M. (2001). Structural phase transition of
perovskite oxides LaMO
3
and La
0.9
Sr
0.1
MO
3
with different size of B-site ions, Solid
State Ionics, 144, p. 99-108.
ISUPROVA, L. A.; TSYBULYA, S. V.; KRYUKOYA, G. N.; ALIKINA, G. M.;
BOLDYREVA, N. N.; YAKOVLEVA, I. S.; IVANOV, V. P. e SADYKOV, V. A. (2001).
Real structure and catalytic activity of La
1−x
Ca
x
MnO
3+δ
perovskites, Solid State
Ionics, 141, p. 417-425.
KINDERMANN, L.; DAS, D.; NICKEL, H. e HILPERT, K. (1996). Chemical
compatibility of the LaFeO
3
base perovskites (La
0.6
Sr
0.4
)
z
Fe
0.8
M
0.2
O
3 − δ
(z = 1, 0.9; M
= Cr, Mn, Co, Ni) with yttria stabilized zirconia, Solids State Ionics, 89, p. 215-220.
KNOTT, L. J; COCKROFT, N. J. e WRIGHT, J. C. (1995). Site-selective
spectroscopy of erbium-doped SrTiO
3
, Sr
2
TiO
4
, and Sr
3
Ti
2
O
7
, Phys. Rev, B [51], p.
5649-5659.
154



KUBELKA, P.; MUNK, F. Z. (1931). Techinal physics 12, 593. Apud NIELS, P.;
RYDE e EGON M. (1994). Color effects of uniform colloidal particles of different
morphologies packed into films, Applied Optics, 33, p. 7275-7281.
LEMOS, F. C. D.; Silva, J. E. C.; MELO, D. M. A.; CÂMARA, M. S. C.; LIMA, P. S. e
CARNEIRO, C. E. J. (2008). Green and red up-conversion emissions of Er
3+
/Yb
3+
-
codoped SrTiO
3
powder prepared by polymeric precursor method method, Inorg.
Mater., 44, p. 866-869.
LI, H. –C.; Si, W. e WEST, A.D. (1998). Thickness dependence of dielectric loss in
SrTiO
3
thin films, Appl. Phys. Lett., 73, p. 464-467.
MAEKAWA, H.; KAWATA, K.; PING XIONG, Y.; SAKAI, N. e YOKOKAWA, H.
(2009). Quantification of local oxygen defects around Yttrium ions for yttria-doped
ceria–zirconia ternary system, Solid State Ionics, 180, p. 314-319.
MCKEE, R.A.; WALKER, F. J. e CHISHOLM, M. F. (2001). Physical Structure and
Inversion Charge at a Semiconductor Interface with a Crystalline Oxide, Science,
293, p. 468-471.
MISUSAKI, J.; TAKAI, N.; YONEMURA, H.; MINAMIUE, Y.; TAGAWA, H.; DOKIYA,
T.; INABA, M.; NARAYA, H.; SASAMOTO, K. e HASHIMOTO, T. (2000). Oxygen
nonstoichiometry and defect equilibrium in the perovskite-type oxides
La
1−x
Sr
x
MnO
3+d
, Solid State Ionics, 129, p. 163-177.
OKHAY, O.; WU, A.; VILARINHO, P.M.; REANEY, I.M.; RAMOS, A.R.L.; ALVES, E.;
PETZELT, J. e POKORNY, J. (2007). Microstructural studies and electrical properties
of Mg-doped SrTiO
3
thin films, Acta Mater., 55, p. 4947-4954.
ORHAN, E.; PONTES, F. M.; PINHEIRO, C. D.; BOSCHI ,T. M.; LEITE, E. R.;
PIZANI, P. S.; BELTRAN, A.; ANDRES, J.; VARELA, J. A. e LONGO, E. (2004).
Origin of photoluminescence in SrTiO
3
: a combined experimental and theoretical
study, J. of Solid State Chemistry, 177, p. 3879-3885.
PECHINI, M. P. (1967). U. S. Patent N
o
3330697, July 11.
RICOTE, J.; ALEMANY, C.; PARDO, L. e MILLAR, C. E. (1996). Microstructure-
properties relationships in samarium modified lead titanate piezoceramics II.
Dielectric, piezoelectric and mechanical properties, Acta Mater., 44 [3], p. 1169-1179.
ROJAS, M. L.; FIERRO, J. L. G.; TEJUCA, L. G. e BELL, A. T. (1990). Preparation
and characterization of LaMn
1−x
CU
x
O
3+λ
perovskite oxides, J. Catal., 124, p. 41-51.
SHANNON, R. D e PREWITT, C. T. (1969). Effective ionic radii in oxides and
fluorides , Acta Cryst., B25, p. 925-945.
SIRENKO, A. A.; BERNHARD, C.; GOINIK, A.; CLARK, A. M. e HAO, J. H. (2000).
Soft-mode hardening in SrTiO
3
thin films , Nature, 404, p. 373-376.
TEJUCA, L. G.; FIERRO, J. L. G. e TASCON, J. M. D. (1989). Structure and
Reactivity of Perovskite-Type Oxides, Adv. Catal., 36, p. 237-328.
ULÍN, C. A.; DE LOS REYES, J. A.; ESCOBAR, J.; BARRERA, M. C. e CORTÉS-
JACOME, M. A. (2010). Mesoporous (ZrO
2
–TiO
2
)/Al
2
O
3
ternary carriers as
hydrodesulfurization catalysts support, J. Physics and Chemistry of Solids, 71, p.
1004-1012.
155



VENDIK, O. G. e ZUBKO, S. P. (1997). Modeling the dielectric response of incipient
ferroelectrics, Appl. Phys. Lett., 82, p. 4475-4484.
WOOD, D. L. e TAUC, J. (1972). Weak Absorption Tails in Amorphous
Semiconductors, Physical Review B, 5, p. 3144-3151.
YAMADA, Y. e KANEMITSU, Y. (2012). Band-edge luminescence from SrTiO
3
: No
polaron effect, Thin Solid Films, 520, p. 3843-3846.
YAMAMOTO, H.; OKAMOTO, S. e KOBAYASHI, H. (2002). Luminescence of rare-
earth ions in perovskite-type oxides: from basic research to applications, J. of
Luminescence, 100, p. 325-332.

156




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








REALIDADE AUMENTADA APLICADA NO ENSINO DE
ARQUITETURA DE COMPUTADORES



Edson Patrício da Silva
Ana Regina Sales de Carvalho
Cleyton Mário de Oliveira Rodrigues
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de
Pernambuco (IFPE)


2013
157



Realidade Aumentada Aplicada no Ensino de Arquitetura
de Computadores
Edson Patrício da Silva
Graduando em Análise e Desenvolvimento de Sistemas
IFPE/CSIN
Bolsista CNPQ - Brasil
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Brasil
edsonpatric@gmail.com

Ana Regina Sales de Carvalho
Graduada em Análise e Desenvolvimento de Sistemas
IFPE/CSIN
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Brasil
anarc@gmail.com

Cleyton Mário de Oliveira Rodrigues
Doutorando em Ciência da Computação
UFPE/CIN
Professor substituto IFPE
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Brasil
cleyton@ifpe.edu.br

Resumo
A interação e combinação do mundo virtual com o mundo real proporcionam as
pessoas um fascínio incrível, a inserção de objetos virtuais em senários reais, nos
conduz a pensamentos futurísticos, imaginemos uma junção sendo realizada de
forma simples e prática utilizando apenas um Computador, um Webcam e um
Software, tudo isto em tempo real. Assim, apresenta-se a realidade aumentada (RA).
Nos sistemas de realidade aumentada as etapas de: busca, captura e inserções são
consideradas pontos chave para o estudo desta tecnologia, tudo isto, agregado à
visão computacional. Atualmente, a RA pode ser aplicada em diversas áreas das
quais, podemos destacar a educação. Proporcionando as pessoas um ambiente
agradável e interativo para aplicação das práticas do conhecimento, possibilitando
assim que, os alunos possam interagir com as aulas de maneira ativa, passando a
ter uma visão crítica mais precisa e refinada, onde antes não conseguiam enxergar
ou possuíam alguma dificuldade. Deste modo, este trabalho se propõe aplicar a
realidade aumentada para o ensino da disciplina de Arquitetura de Computadores. A
disciplina em questão está associada a uma série de comportamentos funcionais de
um sistema computacional, do ponto de vista do programador e da sua organi zação
estrutural interna. O presente trabalho busca minimizar o alto nível de complexidade
158



da disciplina ao projetar partes destes sistemas computacionais, Objetiva-se com
esta iniciativa proporcionar um nível mais elevado de abstração durante o
aprendizado, proporcionando ao aluno uma visão realista e interativa do conteúdo
abordado em sala de aula. Na elaboração deste trabalho, foi utilizado um exemplo
básico abordado no ensino de disciplina de arquitetura de computadores que é o
modelo da arquitetura de Von Neumann, de forma que os alunos tenham uma noção
mais segura e precisa do modelo arquitetônico e organizacional de Neumann,
demonstrando com isso, a importância da realidade aumentada na educação e
áreas correlatas no ensino e aprendizado das teorias computacionais.
Palavras–chave: Arquitetura de Computadores, Realidade Aumentada.

Abstract
The combination and interaction of the virtual world with the real world provide
people a fascination amazing, the insertion of virtual objects in real senarios, leads to
thoughts futuristic, imagine a junction being held in a simple and practical using just a
computer a Webcam and software, all in real time. Thus, we present the augmented
reality (AR). In augmented reality systems steps: search, capture and insertions are
considered key points for the study of this technology, all this added to the computer
vision. Currently, the RA can be applied in various areas of which we can highlight
education. Giving people a pleasant and interactive application of knowledge
practices, thus enabling the students to interact with the lessons actively, going to
have a critical view more refined and precise, where before they could see or had
some difficulty . Thus, this paper proposes to apply augmented reality to teach the
discipline of Computer Architecture. The subject in question is associated with a
series of performances of a computer system, from the point of view of the
programmer and their internal structural organization. This work seeks to minimize
the level of complexity of the discipline when designing parts of these computing
systems, objective with this initiative to provide a higher level of abstraction during
learning, providing the student with a realistic and interactive content covered in room
class. In preparing this report, we used a basic example discussed in teaching the
discipline of computer architecture that is the model of Von Neumann architecture, so
that students have a safer and more precise notion of the architectural model and
159



organizational Neumann, demonstrating with it, the importance of augmented reality
in education and related areas in the teaching and learning of computational theories.
Keywords: Computer Architecture, Augmented Reality.

1 Introdução
Os ambientes educativos devem oferecer condições favoráveis à elaboração,
criação e interação entre as pessoas, comportando-se como um espaço agradável e
permitindo aplicações, práticas e a relação do conhecimento com experiências,
necessidade e realidade do aluno. Possibilitando assim, a construção do
conhecimento através da reflexão, da crítica, da identificação e da busca de
resoluções dos problemas, propiciando situações que determinem o desafio, um
importante papel na formação de atitudes (VALENTE, 2001).
Os sistemas de realidade aumentada (RA) permitem que o usuário decida
sobre os ambientes, compondo cenas com imagens de objetos tridimensionais
geradas por computador misturadas com imagens reais, aumentando as
informações do cenário e oferecendo condições para a imersão no ambiente criado.
A principal característica destes ambientes é que as informações do mundo real são
utilizadas para criar um cenário incrementado com elementos gerados por
computador (DAINESE, 2003). A realidade aumentada faz a combinação do mundo
real com objetos virtuais produzidos por computador, gerando um único ambiente
que pode ser visualizado através de um monitor ou de algum dispositivo especial.
Isso em tempo real.
A realidade aumentada pode ser aplicada em diversas áreas como jogos e
entretenimento, visualização de dados multidimensionais, treinamentos na área de
manutenção de aviões e turbinas, treinamento na medicina, montagem imobiliária,
projetos de arquitetura e paisagismo e na área da educação. Sendo que, na área de
educação três características são responsáveis por tornar as situações de
intervenção educacionais interessante: curiosidade, fantasia e desafio. Através dos
ambientes de realidade aumentada, é possível proporcionar ao usuário (alunos)
situações lúdicas, tornando as atividades mais motivadoras. Deve-se destacar a
importância das relações sociais para o aluno garantir seu envolvimento com
situações novas, considerando aquelas vividas anteriormente. Assim, ele poderá
160



construir o novo, através do fazer, motivado pelo envolvimento afetivo (CARDOSO,
2004).
O ensino da Arquitetura de computadores trata do comportamento funcional de
um sistema computacional, do ponto de vista do programador e da organização da
estrutura interna que não é visível para o programador (MURDOCCA, 1999).
Algumas interações realizadas entre o software e hardware dificultam o aprendizado
devido a alguns níveis de abstração. A utilização do princípio de realidade
aumentada, para a visualização dessas interações em objetos tridimensionais, torna-
se de certa forma, uma maneira prática e motivadora para assimilação do conteúdo
ministrado durante o ensino. Para a demonstração dessa aplicação será utilizada a
arquitetura de Von Neumann, Figura 1, considerada hoje arquitetura clássica, de
computadores digitais com programa, armazenamento na própria memória e,
portanto, passível de auto modificação e de geração por outros programas
(KOWALTOWSKI, 2012).
A arquitetura proposta por Von Neumann reúne os seguintes componentes:
memória, unidade aritmética e lógica (ALU),
unidade central de processamento (CPU),
composta por diversos registradores e unidade de
controle (CU), cuja função é a buscar um
programa na memória, instrução por instrução, e
executá-lo sobre os dados de entrada.







Figura 1- Arquitetura de Von Neumann (Wikipédia, 2012)


Na área de educação a realidade aumentada vem sendo utilizada em livros de
histórias infantis ou didáticos, a exemplo da proposta de (CARDOSO, 2004). "O
aprendizado de Mecânica Quântica utilizando realidade aumentada (RA) e o
161



computador". Como foi dito anteriormente o uso da realidade aumentada mostra-se
útil nos métodos de aprendizagem em diversas áreas. Neste artigo, em particular,
buscamos facilitar o aprendizado do correto funcionamento do modelo de arquitetura
proposto por Von Neumann para os alunos e proporcionar também uma visão
comparativa sobre algumas possibilidades arquiteturais que ainda são um dos
principais problemas encontrados no ensino de arquitetura de computadores. Tornar
o conteúdo atrativo visualmente é um grande desafio enfrentado por professores da
área, visto que os modelos apresentam vários barramentos, caixas com letras
pequenas, tornando-os um assunto de difícil entendimento através de uma simples
leitura.
O objetivo deste artigo é demonstrar como pode ser utilizada a tecnologia de
realidade aumentada no ensino de arquitetura de computadores, proporcionando a
visualização de objetos em 3D das estruturas de hardware, e principalmente das
interações realizadas entre o software e o hardware, utilizando a ferramenta
ARToolKit. Esses objetos simularão o funcionamento do modelo de arquitetura
criado por Von Neumann, servindo como ferramenta para prover uma maior
motivação e interesse por parte dos alunos, em participar, das aulas de arquitetura
de computadores.
Este artigo está organizado da seguinte forma. Na seção 2 será apresentado o
material e métodos aplicados para o desenvolvimento do trabalho, que envolve
deste a utilização do software ARToolKit criação de marcadores, criação de objetos
virtuais e a associação entre os mesmos. Na seção 3 os resultados e discursões e
por fim, na seção 4 a conclusão e trabalhos futuros.

2 Material e Métodos
Este trabalho utiliza o ArtoolKit em uma versão simplificada, responsável pela
criação do ambiente de RA. Além do editor profissional de programação em VRML o
VRMLPAD versão 2.0, no qual se trabalhou o algoritmo responsável pela criação do
objeto em 3D e o plug-in Cortona3D Viewer encarregado da visualização e
manipulação do objeto. Como resultado obteve-se um marcador, o qual apresentado
a um computador com webcam, e o Artoolkit instalado é possível visualizar o modelo
da arquitetura de Von Neumann em 3D e interagir com o modelo de Neumann. As
subseções abaixo descrevem os passos tomados para execução deste trabalho.
162



2.1 Utilizando o Artoolkit
O ARTooKit é um software desenvolvido na linguagem C que permite a criação de
aplicações em realidade aumentada. É uma ferramenta livre, de uso não comercial,
sendo distribuída “open-soure” sob licença GPL (Licença Publica Geral) garantido
que seja gratuita e livre, podendo seu código fonte ser alterado. Seu funcionamento
é baseado na utilização de técnicas de visão computacional para calcular o ponto
real da câmara em relação a um marcador no mundo real, da seguinte forma: a
câmera captura através de um marcador no mundo real, sendo a imagem capturada
e transformada em uma imagem binária baseada no valor do limite de intensidade,
para cada quadro, o desenho padrão é capturado e comparado com um gabarito
pré-treinado.
Com o tamanho do quadrado conhecido e a orientação padrão encontrada,
calculamos a posição real da câmara em relação à posição real do marcador. Uma
matriz 3x4 conterá as coordenadas reais da câmara em relação ao marcador. Esta
matriz é usada para calcular a posição das coordenadas da câmara virtual.
Se as coordenadas virtuais e reais da câmara forem iguais, o modelo de
computação gráfica pode ser desenhado precisamente sobre o marcador real. A API
(Aplication Programming Interface) OpenGL é usada
para calcular as coordenadas virtuais da
câmara e desenhar as imagens virtuais (CARDOSO,
2004).
Na prática a execução do software é
bastante simples, pois a biblioteca possui algumas
imagens virtuais já cadastradas e relacionadas a
um tipo de marcador definido, como apresentada
na Figura 2. Para realizar o processamento dessas imagens digitais, basta
descompactar o arquivo e executar a aplicação simpleVRML.exe seguindo os
passos descritos em (KIRNER, 2007).






163






Figura 2- Placas
marcadoras iniciais (ce-placa e te-furado)

Durante a execução da aplicação simpleVRML.exe, basta disponibilizar um
marcador no campo de visão do webcam, desta forma será projetada um objeto
sobre o marcador, deve levar em consideração em não obstruir o marcador ou parte
dele apareça inteiro no vídeo. Na Figura 3 mostra algumas visões da janela de
visualização, utilizando as placas marcadoras iniciais (ce-placas e te-furado).













Figura 3- Aparecimento dos objetos virtuais sobre as placas


2.2 Criação do objeto virtual Von Neumann
As imagens apresentadas pelo sistema ArtooKit, após a leitura do marcador,
possui a extensão *vrml (Virtual Reality Modelling Language) que representam a
164



criação de objetos em 3D. Assim, para a criação de um objeto virtual que
representasse a arquitetura de Von Neumann utilizou-se o editor profissional de
programação em VRML o VRMLPAD versão 2.0.
Sendo assim, programou-se na linguagem VRML97 responsável pela criação
do objeto em 3D, e para a visualização do objeto criado foi utilizado o plug-in
Cortona 3D Viewer, cujo resultado é demonstrado na Figura 4 que se segue.










Figura 4- Visualização da Arquitetura de Von Neumann pelo Cortona 3D

Concluída a etapa de criação do objeto, Seu código deve ser copiado para o
arquivo.wrml para a pasta do Artoolkit, para iniciar a etapa de cadastramento de um
novo marcador para a exibição do modelo criado.
2.3 Cadastro de um novo marcador
O processo de
cadastramento
um novo marcador, dar-
se inicio criado um
símbolo na parte central do
marcador que de
preferência possua formas
assimétricas,
como mostrado na
figura 5.


165






Figura 5 – Gerando uma nova placa-arq

Definido o marcador, basta executar o programa mk-patt.exe, e informar o
nome do arquivo de parâmetro de câmara. Em seguida, enquadrar a câmara de
vídeo, e apontar o marcador diretamente para a câmara, até o surgimento de bordas
vermelhas e verdes. Como demostra a Figura 6. Assim, são mapeadas as
coordenadas corretas da posição placa e cadastrando o nome da mesma. Desta
forma a placa estará cadastrada.













Figura 6– Registrando a
nova placa
Pra finalizar, o
arquivo cadastrado
deve ser copiado
para pasta Data,
e realizada a
edição do arquivo
vml- data,
definindo assim, os parâmetros referentes à nova placa antes de ser utilizado.
2.4 Associação da placa com o objeto virtual
166



A associação da placa com o objeto virtual é realizado mediante a criação de um
arquivo com extensão .dat que pode ser escrito em um editor de texto obedecendo a
seguinte estrutura:
wrl/Nome do objeto.wrl #objeto virtual associado à placa
0.0 0.0 0.0 #Translation - x,y,z from center of tracking pattern
90.0 1.0 0.0 0.0 # Rotation angle + axis, eg 90.0 1.0 0.0 0.025 25 25 |escala.
Este arquivo criado deve ser salvo, com o nome associado na linha VRML. Desta
forma é possível certificar de que o objeto virtual está realmente associ ado ao
marcador.

3 Resultados e discussão
O processo de execução do objeto criado é dado da mesma forma como descrito
anteriormente, passando pelas etapas de busca, realizado durante a captura pela
câmara da imagem do marcador. Rastreamento dado quando o marcador é
encontrado, o programa passa a rastreando sua posição e orientação em relação ao
ponto de fuga da câmara, por fim, inserção do objeto virtual, que neste caso trata-se
da arquitetura de Von Neumann sobre o marcador, como demostra a Figura 7.









Figura 7 – Representação do modelo da arquitetura de Von Neumann

O resultado obtido foi a representação em objeto virtual da Arquitetura de Von
Neumann, utilizando apenas um software em sua versão simplificada, um webcam,
e um computador, tendo como base apenas a utilização de um marcador com um
símbolo central. Enumeras visualizações tridimensionais poderão ser realizada
sendo baseadas na tecnologia de realidade aumenta (RA), não requerendo
treinamento por parte dos usuários para sua manipulação, visto que utiliza
dispositivos básicos do dia a dia.
167




4 Conclusões e trabalhos futuros
A construção do conhecimento parte da reflexão, da crítica, da identificação e
da busca de resoluções, pode ser proporcionada ao aluno em um ambiente
agradável despertando no mesmo, situações lúdicas e tornando as atividades mais
motivadoras durante o ensino. Diante dessa base e pela abordagem de outros
exemplos descritos neste artigo, foi abordada a possibilidade da utilização de
objetos virtuais para o ensino da Arquitetura de Computadores, representado pela
criação em realidade aumentada (RA) do modelo da Arquitetura de Von Neumann. A
partir dessa constatação, o presente trabalho visa facilitar o entendimento do modelo
de Neumann através de ambientes em 2D e 3D, que torna simples a visualização de
informações saindo de um objeto como por exemplo um barramento ou ULA,
facilitando o entendimento dos alunos de cursos da Ciência da Computação e
similares.
Diante do que foi relatado, poderão ser criadas inúmeras visualizações
tridimensionais, voltada para as interações de hardware e software proporcionando
de maneira prática e interativa o ensino da disciplina de arquitetura de
computadores, no Instituto federal de Pernambuco - IFPE. Desta forma o projeto
será aplicado com umas das ferramentas para lecionar a referida disciplina neste
semestre e será levantado o feedback tanto por parte do professor quanto por parte
dos alunos, em relação da aplicação da realizada aumentada no ensino, além
auxiliar na busca de melhorias para o ensino.

Referências bibliográficas
AZUMA, R. T. e. A. Recent advances in augmented reality, IEEE Computer
Graphics and Applications 21,n 6 (2001) 34-47.
CARDOSO, L. J. A. Artoolkit aspectos técnicos e aplicações educacionais,
Realidade Virtual: Uma Abordagem Prática. 2004
CONSULARO, L.A.; CALONEGO Jr, N.; DAINESE, C.A.; GARBIN, T. R.;KIRNER,
C.; TRINDADE, J.; FIOLHAIS, C. - ARToolKit: Aspectos Técnicos e Aplicações
Educacionais. In: CARDOSO, A.; LAMOUNIER Jr, E. editores. Realidade Virtual:
Uma Abordagem Prática. Livro dos Minicursos do SVR2004, SBC, São Paulo, 2004,
p. 141-183. Disponível em: http://www.ckirner.com/download/capitulos/ARToolKit-
CAP6-2004.pdf (acesso em 16/07/2012)
168



DAINESE,G. T. e. K. C., C.A., Sistema de realidade aumentada para o
desenvolvimento da Criança surda, VI Symposium on Virtual Reality,Ribeirão
Preto - SP. SBC (2003) 273-281.
KIRNER,C. Instruções para instalação, configuração e execução do artoolkit -
versão 2.65, usando a aplicação "simplevrml". 2007
KOWALTOWSKI,T. Von neumann: suas contribuições à computação, Disponível
em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-
40141996000100022 acesso em:16/05/2012.
MURDOCCA,V. H. Miles. Introdução arquitetura de computadores capitulo I,
http://www.inf.pucminas.br/professores/marciocampos/murdocca-pca/parte1.pdf.
1999.
VALENTE,J. Aprendendo para a vida: o uso da informática na educação
especial .in valente, j.a.aprendendo para a vida: os computadores na sala de aula.,
APPLE, C. FireWire (2001) 29-42.
WIKIPÉDIA, Arquitetura de von neumann, Enciclopédia Livre, (2012).

169




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha







ALTERAÇÕES DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO DOS
PADRÕES MOTORES LOCOMOTORES E DE CONTROLE
DE OBJETOS DECORRENTES DA OBESIDADE




Talissa Carine Rosa
Cláudio Marcelo Tkac
Rafael Kanitz Braga
Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)


2013
170



Alterações do Perfil de Desenvolvimento dos Padrões
Motores Locomotores e de Controle de Objetos
Decorrentes da Obesidade
Talissa Carine Rosa
Graduanda-Educação Física
Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
Bolsista do CNPQ- Programa Ciência sem Fronteiras- Graduação Sanduiche
Faculdad de Ciencias de la Actividad Fisica y del Deporte (INEF-UPM)
lissa.rosa@hotmail.com

Cláudio Marcelo Tkac
Mestre
Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
claudio.tkac@gmail.com

Rafael Kanitz Braga
Mestre
Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
rafael.braga@pucpr.br

Resumo
O processo de crescimento está influenciado por fatores intrínsecos
(genéticos) e extrínsecos (ambientais), que atuam acelerando ou retardando esse
processo. Pode-se destacar, nos fatores extrínsecos, que a alta taxa de utilização da
tecnologia (videogames, smartfones, etc) em detrimento de atividades físicas tem
gerado um novo cenário composto por crianças cada vez mais inativas, com déficits
motores e excesso de peso. Estudar esse fenômeno promove uma reflexão e serve
como um instrumento para superar um dos grandes desafios presentes na
sociedade contemporânea, a obesidade infantil. Dentre muitos dos fatores que
possam ser afetados por essa epidemia, destaca-se o desenvolvimento dos padrões
motores de locomoção e de controle de objetos, além de outras doenças não
transmissíveis causadas pela obesidade. Estudos que determinem as taxas de
crescimento em peso, estatura e idade são extremamente relevantes, pois podem
apresentar o quanto uma determinada população se afasta da curva de P50
(mediana) indicando seu estado nutricional, podendo assim causar distúrbios em
outras áreas do desenvolvimento humano. Esse estudo tem como objetivo Identificar
as alterações do perfil de desenvolvimento dos padrões motores locomotores e de
controle de objetos decorrentes da obesidade. Foram avaliados 540 escolares, com
idade entre 11 a 14 anos, de forma aleatória, sendo que 66 foram classificados
171



como obesos. Estes estudantes apresentaram um distanciamento do critério de
classificação da OMS, para estado nutricional (escore Z acima de +2) Como
tratamento estatístico foi utilizada a estatística descritiva com utilização de média e
desvio padrão e também o teste de correlação de spearman assumindo nível de
significância em 0,05. Todos os procedimentos foram realizados com o software
PASW 18.0. Os resultados indicaram que a média de idade cronológica dos sujeitos
foi de 140,22 meses (±6,88), a idade motora dos padrões locomotores foi de 94,20
meses (±30,32) e dos padrões de controle de objetos foi de 104,09 meses (±25,45).
A média de atraso na idade dos padrões de locomoção foi de 43,04 meses (±19,06)
e o atraso do desenvolvimento dos padrões de controle de objetos foi de 35, 67
meses (±13,45). O escore bruto dos padrões de locomoção foi de 39,43(±6,07) e de
controle de objetos 41,07(±5,98). Na correlação entre o peso (Kg) e o escore bruto
locomotor, foi identificada uma correlação inversamente proporcional co R=- 0,305
(p=0,039) e, entre peso e escore bruto de controle de objetos também foi identificada
uma correlação inversamente proporcional (R= -0,314/p=0,034), indicando que
quanto maior o peso menos é o desenvolvimento dos padrões motores. Pode-se
concluir que a obesidade afeta o desenvolvimento dos padrões motores, tanto
locomotores quanto de controle de objetos, sendo que os padrões de locomoção são
mais afetados, devido à dificuldade de transporte do corpo durante as atividades que
envolvam qualquer tipo de locomoção.
Palavras-chave: padrões de locomoção; padrões de controle de objetos; estado
nutricional.

Abstract
The growth process is influenced by intrinsic FACTORS (genetic) and extrinsic
(environmental), which act by accelerating or delaying this process. Can stand out in
the extrinsic factors, the high rate of use of technology (video games, samatrfones,
etc.) to the detriment of physical activities has generated a new scenario composed
of children increasingly inactive with motor deficits and overweight. Studying this
phenomenon promotes a reflection and serves as an instrument to overcome one of
the major challenges in today's society, childhood obesity. Among the many factors
that may be affected by this epidemic, we emphasize the development of motor
patterns of locomotion and object control, and other noncommunicable diseases
172



caused by obesity. Studies that can determine the rates of growth in weight, height
and age are extremely relevant because they may present the how much a certain
population moves away from the curve P50 (median) indicating their nutritional
condition, and thus can cause disturbances in other areas of human development.
This study aims to identify the changes of the developmental profile of the motor
locomotor and object control patterns arising from obesity. 540 students, aged 11-14
years, were evaluated and 66 were classified as obese. These students had a
distancing of the classification criteria of the WHO, to nutritional status (Z scores
above +2). As statistical treatment was used descriptive statistics with mean and
standard deviation and also the Spearman correlation test assuming a significance
level of 0.05. All procedures were done with the SPSS 18.0 software. The results
indicated that the mean of chronological age of the adolecents was 140.22 months (±
6.88), motor age of locomotor patterns was 94.20 months (± 30.32) and patterns of
control objects was of 104.09 months (± 25.45). The average delay in the age of
locomotion patterns was 43.04 months (±19.06) and the delay of development of
object control patterns was 35, 67 months (± 13.45). The raw score patterns of
locomotion was 39.43 (± 6.07) and control objects 41,07 (± 5,98). The correlation
between weight (kg) and gross locomotor score, was identified an inversely
proportional correlation with R = - 0.305 (p = 0.039) and between weight and raw
score of object control, also identified an inversely proportional correlation (R = -
0,314 / p = 0.034), which suggests that the larger weight is less the development of
the motor patterns. It may be concluded that obesity affects the development of the
motor patterns, both locomotor as control objects, and patterns of locomotion are
most affected, due to the difficulty of transporting the body during activities involving
any type of locomotion.
Keywords: patterns of locomotion; patterns of control objects; nutritional state.

Introdução
Todo ser humano nasce com um potencial genético de crescimento que
poderá ou não ser alcançado, dependendo das condições de vida a que esteja
exposto desde a concepção até a idade adulta. Portanto, o processo de crescimento
está influenciado por fatores intrínsecos (genéticos) e extrínsecos (ambientais),
dentre os quais destaca-se a alimentação, a saúde, a higiene, a habitação e os
173



cuidados gerais com a criança, que atuam acelerando ou retardando esse processo
(ROMANI; LIRA, 2004).
Neste sentido, a necessidade de estudos procurando envolver levantamentos
populacionais tem sido cada vez maior nas últimas décadas, principalmente no que
se refere ao crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes. Tal
propósito fundamenta-se no estabelecimento de indicadores referenciais que
possam contribuir para a monitoração do nível de saúde e qualidade de vida de um
segmento populacional (PIRES; LOPES, 2004).
Assim, todas as comunidades, (escolas, creches, família e serviços de saúde)
que estão ligadas com o ser humano em crescimento, devem ter interesse em
realizar avaliações periódicas, que resultarão em indicadores que possam contribuir
com a avaliação e planejamento visando a um crescimento saudável. Dentro do
âmbito escolar, a Educação Física está presente para que possa haver esse
monitoramento, direcionado para uma melhor qualidade de vida adulta (PIRES;
LOPES, 2004).
Em relação à estatura, durante o primeiro ano de vida, a velocidade de
crescimento em estatura é maior, há um rápido aumento até os 3 anos de idade,
diminuindo na idade infantil de forma íngreme, alcançando valores relativamente
estáveis aos 6 anos de idade, havendo um novo aumento por volta dos 10-12 anos
nas meninas e 13-14 anos nos meninos (ROGOL ET AL., 2000), sendo que, para
Ronque (2003) as diferenças entre os gêneros somente tornam-se mais
significativas a partir do início da puberdade.
Já o peso corporal, ou massa corporal, apresenta uma tendência de aumento
lento durante todas as fases do crescimento infantil e adolescente, havendo uma
breve desaceleração no início da adolescência. Este fato pode ser constatado ao se
observarem as curvas de velocidade de crescimento que representam uma razão
entre idade e kg, ou seja, apresenta um diagnóstico de quantos quilos se pode
ganhar em um ano (Kg/ano) (MALINA; BOUCHARD; BAR-OR, 2009).
O aumento excessivo de peso ou de gordura corporal no decorrer do
crescimento infantil é considerado o inicio da obesidade, a qual é uma doença
prejudicial á saúde. A obesidade como um excesso de gordura corporal relacionado
à massa magra com proporção relativa de peso maior que a desejável para a altura
174



é uma condição de etiologia multifatorial, cujo desenvolvimento sofre influência de
fatores biológicos, psicológicos e socioeconômicos (OLIVEIRA ET AL., 2003).
A obesidade infantil apresenta caráter epidêmico e prevalência crescente, nos
países desenvolvidos e em desenvolvimento, que tenta ser explicada, pelos
sociólogos e nutrólogos, por fatores nutricionais inadequados conseqüentes da
chamada transição nutricional caracterizada por um aumento exagerado do
consumo de alimentos ricos em gordura e com alto valor calórico, associados a
excessivo sedentarismo condicionado por redução na prática de atividade física e
incremento de hábitos que não geram gasto calórico com assistir à TV, uso de
vídeogames e computadores, entre outros; enfim, por importante mudança no estilo
de vida, determinada por fatores culturais, sociais e econômicos (OLIVEIRA ET AL.,
2003).
A obesidade infantil está relacionada a várias complicações, como também a
uma maior taxa de mortalidade. E, quanto mais tempo o indivíduo se mantém obeso,
maior é a chance das complicações ocorrerem e maior é a probabilidade de ele ser
um obeso adulto (FONSECA, 1998).
A abordagem e o entendimento da obesidade na infância requerem
conhecimentos profundos e cuidados especiais, pois intervenções realizadas de
forma inconsequente podem trazer prejuízos, muitas vezes, irreversíveis à saúde
dessas crianças, tanto em nível do seu crescimento e desenvolvimento, quanto em
nível psicológico (RODRIGUES, 1998).
As consequências das alterações metabólicas que ocorrem nesta patologia
podem ser muito extensas e intensas, além de muito variadas, atingindo
praticamente todos os sistemas orgânicos. Todavia, podem ser reversíveis desde
que se consiga redução de peso e desde que as estruturas orgânicas acometidas
não tenham sofrido danos anatômicos irreparáveis. (SOARES; PETROSKI, 2003)
Geralmente, a criança obesa é pouco hábil no esporte. Este é o reflexo de
uma das complicações da doença. O desenvolvimento dos padrões motores da
criança, tanto de deslocamento quanto de controle de objeto, também é afetado.
Muitos estudos já têm sido conduzidos no sentido de identificar o perfil de
crescimento de crianças e jovens um deles é do SEIDELL, 2003, que relaciona a
questão do crescimento com o desempenho motor.
175



Estudar esse fenômeno promove uma reflexão e serve como um instrumento
para superar um dos grandes desafios presentes na sociedade contemporânea, a
obesidade infantil.

Desenvolvimento do Texto
Metodologia
Esta pesquisa é do tipo descritivo- correlacional, que de acordo com Thomas,
Nelson e Silverman (2012), as pesquisas descritivas preocupam-se com o status da
população. Estas são realizadas por meio de obtenção de declarações,
questionários e levantamento de dados populacionais; neste caso, o estado
nutricional dos sujeitos avaliados. E correlacional devido à relação entre o estado de
obesidade com os padrões motores. Participaram deste estudo 540 jovens com
idade entre 11 a 14 anos. Os sujeitos foram escolhidos de modo aleatório, sendo
que 66 foram identificados em estado nutricional obeso (12, 22%). Para estabelecer
a classificação de estado nutricional dos participantes do estudo, foram utilizados os
critérios estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS), descritas no
software WHO ANTRO PLUSS. O estabelecimento dos critérios classificatórios
surge do cálculo de relação do índice de massa corporal (IMC) percentilar (IMC x
IDADE x PESO). O software faz a conversão dos valores de peso (Kg) e estatura
(cm) em percentis e escore Z. O nível de desempenho motor foi avaliado por meio
da bateria testes Test of Gross Motor Development – Second Edition (TGMD-2),
proposta por Ulrich (2000). Os dados do TGMD-2 foram tabulados por meio do
software Easy TGMD-2, desenvolvido por Souza (2008). Para a análise dos
resultados, primeiramente verificaram-se os pressupostos estatísticos que
determinam o uso da estatística paramétrica, a saber: tamanho da amostra e índice
de normalidade. A análise dos resultados foi realizada por meio da estatística
descritiva simples, teste de hipóteses de Spearman e regressão linear, adotando
como índice de significância p<=0,05. Todos os procedimentos foram realizados
com o software PASW 18.0.

Resultados e Discussão
Na comparação entre sexos, pode-se perceber (tabela 1) que há uma breve
prevalência de obesidade nos sujeitos do sexo masculino em relação aos do sexo
176



feminino, fenômeno, também, encontrado em estudo realizado por Berleze, Haeffner
e Valentini (2007). Já em relação às variáveis de desempenho dos padrões motores
locomotores e de controle de objetos, verifica-se que, em todas as variáveis, os
sujeitos do sexo feminino apresentaram melhores resultados, apesar de que as
diferenças não são estatisticamente significativas.
177




VARIÁVEIS SEXO N MÉDIA DP
ESCORE BRUTO LOCOMOTOR MASCULINO 34 39,25 6,333
FEMININO 32 39,64 7,228
IDADE LOCOMOTORA MASCULINO 34 93,04 29,492
FEMININO 32 95,45 31,852
ATRASO NOS PADRÕES LOCOMOTORES MASCULINO 34 45,50 36,259
FEMININO 32 40,36 39,904
ESCORE BRUTO DE CONTROLE DE
OBJETOS.
MASCULINO 34 40,88 6,237
FEMININO 32 41,27 5,832
IDADE DE CONTROLE DE OBJETOS MASCULINO 34 102,75 27,542
FEMININO 32 105,55 23,525
ATRASO NOS PADRÕES DE CONTROLE DE
OBJETOS
MASCULINO 34 38,25 28,745
FEMININO 32 32,86 25,278
Tabela 1 – estatística descritiva para as variáveis de desenvolvimento motor (sexo)

De um modo geral, pode-se perceber que, em relação ao desenvolvimento
dos padrões motores, aparentemente a obesidade tem afetado mais o
desenvolvimento dos padrões motores dos sujeitos do sexo masculino. Esse
resultado contraria alguns resultados de pesquisas que apontam resultados
melhores para os sujeitos do sexo masculino (BERLEZE; HAEFFNER; VALENTINI,
2007; MACHADO; CAMPOS; DA SILVA, 2002).

VARIÁVEIS FREQUÊNCIA %
FRACO 11 23,9
MUITO FRACO 1 2,2
NA MEDIA 9 19,6
ABAIXO DA MÉDIA 22 47,8
MUITO SUPERIOR 3 6,5
Tabela 2 - Avaliação de desempenho dos padrões locomotores

Em relação à classificação dos padrões motores de locomoção pode-se
verificar (Tabela 2) que somente 26,1% dos sujeitos avaliados encontram-se nas
178



melhores classificações (na média e muito superior), mas 73,9% encontram-se nas
classificações mais baixas. Este resultado reforça a premissa de que a obesidade
compromete os padrões de locomoção de crianças e jovens e de acordo com
Machado, Campos e Da Silva (2002) a obesidade interfere no comportamento motor
de crianças, podendo não desenvolver as habilidades motoras básicas.

VARIÁVEIS FREQUÊNCIA %
FRACO 9 19,6
MUITO FRACO 1 2,2
NA MEDIA 4 8,7
ABAIXO DA MÉDIA 23 50,0
MUITO SUPERIOR 5 10,9
SUPERIOR 4 8,7
Tabela 3 - Avaliação de desempenho dos padrões de controle de objetos

Comparando os resultados obtidos nos testes de controle de objetos com os
de locomoção (Tabela 3) há uma pequena diferença verificada, em que existe um
aumento do percentual de sujeitos nas melhores classificações (28,3%) e 71,7% nas
classificações mais baixas. Apesar de haver um pequeno aumento no desempenho
dos padrões de controle de objetos, ainda existe um grande déficit no
desenvolvimento motor dos sujeitos avaliados, fato que está associado à obesidade,
pois como expõem Berleze, Haeffner e Valentini (2007), as crianças que foram
identificadas com peso corporal maior do que o esperado pela sua altura e idade, a
velocidade de progresso da maturação motora foi afetada, refletindo, então, no
atraso do desenvolvimento motor das crianças obesas.
VARIÁVEIS FREQUÊNCIA %
FRACO 10 21,7
MUITO FRACO 4 8,7
NA MEDIA 7 15,2
ABAIXO DA MÉDIA 18 39,1
MUITO SUPERIOR 6 13,0
SUPERIOR 1 2,2
Tabela 4 - Avaliação de desempenho dos padrões motores
179



Na avaliação dos dois blocos de movimentos, locomotores e de controle de
objetos, pode-se visualizar que os resultados estão, na sua maioria (69,6%), nas
classificações que indicam um nível de desenvolvimento motor precário e somente
30,4% dos sujeitos encontram-se em níveis de desenvolvimento motor adequado.
Estes resultados apontam para uma tendência da sociedade que é a
inatividade física e especialmente em crianças obesas, pois, de acordo com Pinho e
Petroski (1999), crianças com sobrepeso e obesidade apresentam como
característica primária a inatividade física.
Foi identificada uma correlação inversamente proporcional (R=-
0,305/p=0,039) e entre peso e escore bruto de controle de objetos. Também foi
identificada uma correlação inversamente proporcional (R= -0,314/p=0,034),
indicando que quanto maior o peso menos é o desenvolvimento dos padrões
motores.
O teste de regressão linear apresentou uma associação de 45% (R
ajustado=0,045) entre as variáveis independentes peso e IMC com o escore bruto
dos padrões locomotores e de 39% (R ajustado=0,039) na associação entre as
mesmas variáveis independentes com o escore bruto de controle de objetos.
Com base nestes resultados pode-se verificar que o peso e o IMC afetaram
mais os padrões de locomoção do que os de controle de objetos, fato já esperado
para crianças obesas, pois para poder deslocar o corpo, crianças obesas tendem a
adaptar os movimentos devido a uma série de adaptações biomecânicas, como
explicado por Viunisk (1999), que enfatiza que crianças com excesso de peso
corporal costumam apresentar pés planos e alterações nas curvaturas dos joelhos,
pernas e tornozelos, levando a um deslocamento do centro da gravidade dificultando
os movimentos e certa dificuldade em realizar movimentos que tenham tempo de
voo.

Considerações Finais
O cenário nacional brasileiro apresenta um desafio importante no sentido de
minimizar os efeitos danosos da obesidade infantil, pois atualmente o índice de
prevalência de 29% de crianças em estado nutricional de obesidade é extremamente
preocupante, que juntamente com os graus de sobrepeso e obesidade acentuada
somam mais de 35% da população infantil. Além do impacto na saúde pública, a
obesidade infantil está associada à inatividade física, que por sua vez acaba inibindo
180



crianças de se engajar em atividades motoras simples ou complexas. Este
afastamento de atividades físicas tem causado um novo perfil de desenvolvimento
motor de crianças e jovens, como detectado nesta pesquisa, em que todos os
sujeitos apresentaram déficits motores significativos, principalmente nos padrões de
locomoção, pois a criança tem que adaptar seu comportamento motor para poder
carregar seu excesso de peso.

Referências bibliográficas
BERLEZE, A.; HAEFFNER, L. S. B.; VALENTINI, N. C. Desempenho motor de
crianças obesas: uma investigação do processo e produto de habilidades motoras
fundamentais. Rev. Bras.Cineantropom. Desempenho Hum. v9(2), 2007.
FONSECA Vania de Matos, Rosely Sichieri e Glória Valéria da Veiga. Fatores
associados à obesidade em adolescentes* Rev. Saúde Pública, 32 (6): 541-9, 1998
MACHADO, H. S.; CAMPO, W.; DA SILVA, S. G. Relação entre composição corporal
e performance de padrões motores fundamentais em escolares. Atividade física e
saúde. 2002; v1, n7.
MALINA, R. M.; BOUCHARD, C.; BAR-OR, O. Crescimento, maturação e atividade
física. São Paulo: Phorte, 2009.
OLIVEIRA AMA, Cerqueira EMM, Souza JS, Oliveira AC. Sobrepeso e obesidade
infantil: Influência dos fatores biológicos e ambientais em Feira de Santana, BA. Arq
Bras Endocrinol Metab. 2003;47/2:144-50.
PINHO, R. A.; PETROSKI, E. L. Adiposidade corporal e nível de atividade física em
adolescentes. Rev. Bras.Cineantropom. Desempenho Hum. v1,n1, 1999.
RODRIGUES, Lúcia Gomes. Obesidade Infantil: Assosciação de Risco para
Doenças Cardiovasculares. Dissertação de mestrado. Rio de janeiro: Pós-graduação
em Saúde da Criança/ Instituto Fernandes Figueira (IFF/ FIO CRUZ) n193, 1998.
SEIDELL, J.C. A Atual Epidemia de Obesidade. In: BOUCHARD, C. Atividade física
e obesidade. São Paulo: Editora Manole Ltda, 2003. p. 23-33.
SERDULA MK, Ivery D, Coates RJ, Freedman DS, Williamson DF,Byers T. Do obese
children become obese adults? A review ofthe literature. Prev Med. 1993;22(2):167-
77.
SOARES, Ludmila Dalben. PETROSKI, Edio Luiz. Prevalencia, Fatores etiológicos e
tratamento da obesidade infantil. Revista Brasileira de Cineantropometria
&Desempenho Humano, v.5, n.1, p.63-74.
VIUNISK, N. Obesidade infantil: um guia prático para profissionais da saúde. Rio de
Janeiro: EPUB, 1999.
ROGOL, AD, Clark PA, Roemmich JN. Growth and pubertal development in children
and adolescents: effects of diet and physical activity. Am J Clin Nutr 2000;72(2):521-
528.
ROMANI, A. S, Lira PIC. Fatores determinantes do crescimento infantil. Rev Bras
Saude Mater Infant. 2004;4(1):15-23.
181



RONQUE ERV. Crescimento físico e aptidão física relacionada à saúde em
escolares de alto nível socioeconômico. Dissertação de Mestrado – Faculdade de
Educação Física. Campinas (SP):Universidade Estadual de Campinas; 2003.
PIRES M. C: LOPRES A. S. Crescimento físico e características sócio-demográficas
em escolares no Munucípio de Florianópolis SC, Brasil. Revista Brasileira de
Cineantropometria &Desempenho Humano. Volume 6 – Número 2 – p. 17-26 – 2004


182




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








IMAGEM E MÚSICA: RELAÇÕES E FORMAS DE
RESISTÊNCIA EM UMA PRODUÇÃO ARTÍSTICA
CONTEMPORÂNEA





Leonardo Luigi Perotto
Universidad de Barcelona (UB)


2013
183



Imagem e música: relações e formas de resistência em
uma produção artística contemporânea

Leonardo Luigi Perotto
Facultat de Belles Arts/doctorat em Arts i Educació
Universidad de Barcelona/Espanha
leoperotto@gmail.com

Resumo
O presente artigo é uma reflexão sobre a arte como produção intelectual que atua
em limites subjetivos e dá voz a condicionantes que vão além da subjetividade do
próprio artista, mas que evidenciam dilemas e problemáticas consubstanciais que
afetam a índole criativa. Partindo disso, discuto sobre as formas de representação
entre música e imagem e seus entrecruzes em uma obra artística chamada “Centro
Metropolitano”, na atitude política contida neste intercambio intertextual de
concepções artísticas e nas condicionantes sociais e culturais que se configuram a
partir disso.
Palavras-chave: artes, música, imagem, política, cultura, criação artística.

Abstract
El presente artículo es una reflexión sobre el arte como producción intelectual que
actúa en límites subjetivos y da voz a condicionantes que van además de la
subjetividad del propio artista, pero que evidencian dilemas y problemáticas
consubstanciáis que afectan la índole creativa. Partiendo de eso, discutiré las formas
de representación entre música e imagen y sus entrecruces en una obra artística
llamada “Centro Metropolitano”, en la actitud política contenida en este intercambio
intertextual de concepciones artísticas y en las condicionantes sociales y culturales
que se configuran a partir de eso.
Palabras clave: artes, música, imagen, política, cultura, creación artística.

Atualmente, imagem e música estão cada vez mais associados com
processos tanto artísticos quanto publicitários, se inserem no cotidiano dos
indivíduos e das instituições como uma forma de potencializar a assimilação
sensorial do homem em determinados procedimentos ou na criação de certos
objetos. Surge entre música e imagem categorias de associação, onde as mesmas
184



expressam condicionantes sobre a música relacionada à apropriação de um produto
sonoro com a finalidade de absorver pares e, consequentemente, sua circulação
enquanto um bem de consumo; a música, por sua vez, evoca situações ou relações
dos processos cotidianos das pessoas, que muitas vezes as associam a imagens ou
figuras que em dados momentos de suas vidas estiveram presentes, podendo
também suceder-se o contrário – a música assimilando os pares e as imagens
evocando situações.
Segundo Ariza (2008), a abertura para novas formas generativas de
expressão do som e das artes plásticas acaba introduzindo um conceito de mistura,
fusão, hibridação, onde as artes são intermediadas em uma esfera global e, na qual,
as denominações se encontram muito disseminadas. Aliando esta premissa com a
crescente qualidade e inserção dos aparatos tecnológicos, há uma convergência nas
produções artísticas que solicitam outros tipos de posturas nos artistas
contemporâneos, não só referente ao uso desses novos aparatos, mas ao tocante
as novas formas de representação de nossas experiências culturais e sociais por
meio da arte (Iazzetta, 2009).
Pensando na arte como uma forma social de configurar e representar nossas
experiências (Eisner, 2011), estes tipos de processos de criação, associação e de
assimilação sugerem uma continuidade quanto a perpetuação destas experiências e
dos conhecimentos adquiridos via representações simbólicas de nossa sociedade.
No entanto, podem existir diferentes intenções neste tipo de associação, que muitas
vezes vão mais para lá dos caminhos artísticos para se converterem em artefatos
sociais, publicitários e/ou ideológicos, carregando veladamente pressupostos
políticos e de visualidades/sonoridades escondidas que se relacionam com outros
contextos sociais e culturais. A atitude frente a estas mudanças pressupõem formas
de resistência/parcialidade ou de posturas politicas especificas que representam
maneiras de ser e estar no mundo conforme o olhar particular de cada sujeito –
neste caso dos artistas.
Partindo disso, este artigo tem a intenção de evidenciar o debate sobre estas
relações partindo dos entrecruzamentos entre imagem e música durante um
processo artístico que idealizei entre 2011/2012, chamado “Centro Metropolitano”.
Partindo de uma metodologia narrativa e autobiográfica e dial ogando com teóricos
da cultura visual, das artes e da música, pretendo debater como a questão imagética
185



interferiu na parte sonora e vice-versa durante o desenvolvimento do processo
artístico; das convenções sociais e políticas implicadas neste âmbito; de como tais
processos se sucederam; de como estes processos, em uma visão maior, se tecem
e modificam-se constantemente no contexto da indústria cultural; como as
condicionantes de mercado afetam o imaginário dos indivíduos e fortalecem seus
laços; como este mercado atua no agenciamento dos músicos e artistas visuais
conectando-os a determinados segmentos; e de como cada vez mais estas áreas,
em um âmbito independente e fora da indústria cultural, se dissolvem e se
encontram em convergências artísticas como forma de resistência política.

Ponto de partida: configurando o processo a partir de minha experiência
Sou professor de música e, junto a prática docente, atuo como concertista
tanto de grupos de música de câmara quanto em recitais solo. Durante alguns anos
venho questionando minhas práticas enquanto artista e professor, repensando
criticamente como ambas as atividades atuam nas conjecturas sociais e culturais em
que trabalho. Após minha experiência pessoal durante o processo artístico do
“Centro Metropolitano” comecei a refletir sobre outras possibilidades e novos
propósitos no ensino da música e na prática musical, partindo da ideia da arte não
apenas como um objeto estético, mas também como artefato cultural.
Este processo artístico partia desta composição musical, escrita por mim para
um grupo de música de câmara e que, no decorrer das atividades, foi se
transformando em outra proposta. A princípio era para ser, assim como tantas
outras, mais uma obra musical a ser gravada e divulgada por meio de um concerto,
no caso o de lançamento do próprio álbum. Durante o processo, antes de seguir tais
prerrogativas e enquanto escrevia a música reestudando princípios canônicos da
composição musical, fui descobrindo que a mesma não daria certo sem o diálogo e
sem o movimento com e entre outros tipos de atividades artísticas. A própria música
foi me mostrando isso, que havia outros caminhos diferentes quanto a sua
realização e que não funcionaria se eu não tentasse percorrê-los – mesmo
buscando relações que se encontravam em pontos cegos ou distantes de minhas
referencias profissionais e pessoais. Esta produção artística se transformou em
outro tipo de ação – um concerto performático – que se sustentava através de um
processo criativo colaborativo e que mesclava conceitos das artes visuais e das
186



cênicas, indo mais além do que eu concebia até então, me induzindo a ter outras
atitudes enquanto músico/artista. Através desta experiência comecei a rever as
escolhas e caminhos que percorri durante a minha formação, questionando-me e
forçando-me a repensar temas ligados as artes, nas suas formas de representação,
a intertextualidade entre as áreas e da sua validade não só estética, mas no seu
papel social e político e, de certa forma, no seu conceito enquanto resistência.
Um dos pontos importantes no começo deste projeto foram às associações
que realizei entre imagem e música desde o início da composição, de como este
intercambio sonoro e visual foi se agregando ao discurso musical e, posteriormente,
ao desenvolvimento visual do álbum. Neste momento, percebi a importância de
rever na minha formação a influencia das imagens e dos diferentes espaços sonoros
que tive contato ao longo da vida, de como estas referencias faziam alusão a
situações e circunstâncias sociais em que encontrava-me inserido.
Por isso falarei da importância das imagens e da música no meu
desenvolvimento enquanto ator social, e de como estas duas categorias artísticas
foram construindo e articulando meus discursos de ser e de estar nos meus meios
sociais e culturais. Falo a partir de uma perspectiva autobiográfica e narrativa, onde
relato minhas experiências desde mim e teço relações e conversações com
acontecimentos que surgiram no desenvolvimento desse projeto artístico,
compartilhando minhas experimentações criativas (dentro do conceito de
experiência de John Dewey). Sigo este direcionamento porque – parafraseando o
que nos diz Estrella de Diego (2011) - olhar-se é estar no relato, é fazer parte do
relato, é estar iniciando um exercício em que eu, enquanto sujeito, olho e me
percebo dentro de diferentes situações.
Acredito que esta forma de abordagem permita-me expor de maneira mais
ampla como me coloco frente a dimensão social dos conteúdos artísticos, pensando
na arte não só como um processo intelectual e subjetivo do modo de ver e estar no
mundo por parte de um individuo, mas também como uma vasta gama de
representações e expressões comunicativas que formam um discurso frente a
realidade em que vivemos (Goodman, 2010:53-87). Eu, enquanto músico e artista,
percebo como é necessário discutir tais assuntos, já que estamos expostos as
diversas fricções e sendo afetados pelas constantes e inconstantes emergências
sociais e culturais. A arte em seus diferentes níveis, seja ela figurativa ou conceitual,
187



midiática ou engajada, invariavelmente está relacionada com o entorno cotidiano de
quem a produz, e dependendo de olhar de quem a lê podemos ter diversos pontos
de vistas críticos sobre o nosso próprio entorno, em uma cadeia constante.
Durante a aprendizagem artística, segundo Atkinson (2011), é necessário
pensar nos espaços de ensino e de aprendizagem da arte como formas críticas e de
articulação de ideias, como pressupostos de resistência e de constante renovação
frente as condicionantes sociais que nos cercam. Estendendo essa concepção para
os modos de se fazer e de ler a produção artística contemporânea, acredito ser
importante criar pontos de intersecção entre o que se produz e o que se lê no intuito
de gerar novos atritos relevantes, que tornam o debate sobre a produção artística
uma forma de rever as ações que acontecem a nossa volta e que, de qualquer
maneira, também se tornem um ponto de resistência.

Imagem e música
Minha relação com a música se iniciou ainda quando era criança, por meio da
escuta de discos de cantores populares brasileiros e bandas de rock, e mais
timidamente, aos discos de música erudita e de big-bands que eram divulgados na
mídia como música orquestrada ou romântica e que meus pais escutavam em
determinados momentos. Neste período dois artistas em especial me chamavam
muita à atenção: o grupo norte-americano Kiss e o cantor brasileiro Roberto Carlos.
Ambos os discos me sugeriam diferentes experiências estéticas, pois para mim – na
época com apenas 05 anos – estes álbuns eram enigmáticos não só pela música,
mas pelo visual imagético de suas capas e pelas suas propostas estéticas que
figuravam na minha cabeça de forma subjetiva. Os primeiros eram uma espécie de
deuses-monstros que por um acaso faziam música, empunhavam guitarras elétricas
e cantavam ao microfone de um modo diferente, o que lhes garantia um status
subversivo e ao mesmo tempo encantador, além do fato de suas identidades serem
secretas – o que os elevava ao patamar quase mítico de super-heróis. Já o outro
artista entoava baladas de rock e músicas românticas que – apesar de não
compreender as letras por causa da tenra idade – me envolviam de alguma forma,
principalmente pela figura do próprio cantor. As capas dos álbuns auxiliavam neste
sentido, me conectando de alguma forma com as músicas – todos os discos da
carreira de Roberto Carlos, até os dias de hoje, não possuem outra referencia visual
188



a não ser ele mesmo, compactuando uma imagem de rapaz solitário, que canta a
vida e aos amores perdidos, especiais e impossíveis.
Claro que estas sensações que sentia não eram gratuitas, pois a relação
entre as imagens das capas dos álbuns na intenção de ressaltar e evocar certos
sentimentos era intencional, pois fortalecia e aproximava o artista com os atores
sociais evocando sentidos e permanecendo em nosso imaginário, uma
conectividade potencializada pela própria musica e vice-versa. As imagens não
sugerem algo, mas nos impelem a incorporá-las em nosso imaginário e armazená-
las em nosso arcabouço de imagens através de nossa prática visual , no ato de
“visualizar” o artista e pensá-los na maneira que melhor nos corresponde
(Hernandez, 2005; Mirzoeff, 2003). Para mim, denotar que o grupo Kiss era uma
espécie de turma de super-heróis ou que o cantor Roberto Carlos era um jovem
apaixonado fazia parte da evocação que eu criava das imagens, mas antes de tudo
eu também me “visualizava” nestes artistas e criava os meus movimentos e
intenções. Logicamente, tampouco percebia que esse tipo de conexão entre imagem
e música fortalecia as condicionantes dos produtos de marketing construídos de
uma forma propositada, vinculada com diferentes níveis de condicionantes
expressivas, já que “a reificación de los signos, en cualquiera de sus
manifestaciones, demanda en su desarrollo una lectura ajustada del sentido social
predominante, es decir, una lectura intencional, orientada desde la producción, que
permita un funcionamiento referencial estable y vinculante” (Martín, 2010:116). A
produção em massa de bens artísticos permite que determinados objetos se tornem
contingentes, conectando vários estímulos visuais e sonoros em sua construção a
partir de sua função econômica.


Fig. 01 – Capa do álbum “Love Gun” (1977), do grupo norte americano Kiss.
189





Fig. 02 - Capa de dois álbuns de Roberto Carlos (de 1968 e 1973, respectivamente).

Mesmo que nas capas de álbuns permaneçam intrínsecas as questões
econômicas e de delimitação de rótulos quanto ao estilo musical (tópico que falarei
mais adiante), é necessário ressaltar o fato que sempre houve uma intenção do
homem em dar forma à música, no sentido de potencializar seu efeito, seja por meio
de cores, linhas e das sensações imagéticas. A questão é que imagem e som (base
primordial da música) são produções sensoriais que possuem fatores muito
semelhantes, principalmente quanto a sua morfologia e por isso são tão próximos:
ambos são fenômenos de transporte de energia que se propagam por meio de
ondas (Macedo, 2009). Há diferenças entre os meios de propagação e nos tipos de
onda, mas de qualquer forma, nos termos físicos e matemáticos, ambas são ondas e
possuem relações, movimentando os nossos sentidos quando estamos expostos a
elas. Se estivermos com um grupo de pessoas em uma mesma sala e em contato
com uma mesma onda - que seja imagética ou sonora, por exemplo - tenderemos a
percebê-la de uma forma homogênea na intenção de senti-la, pois somos envolvidos
por ela. A diferença reside no valor subjetivo dessa experiência que é algo que
pertence apenas ao próprio individuo que a sente. Ou seja, todos nós podemos
perceber a mesma sensação quando expostos a ela, mas o valor afetivo dessa ação
será sempre diferente, pois está com e no individuo. Como sugere Arlindo Machado
(apud Conter, 2011:50), devemos entender como funciona a nossa
estereopercepção
13
em função disso.

13
Para Machado, a estereopercepção seria a compreensão de como funciona a estereofonia e a
estereoscopia, que são as sínteses operadas pelo cérebro das informações diferenciadas e
percebidas pelos nossos ouvidos e olhos, respectivamente (Conter, 2012, p.50-51).
190



Em prol disso é que geralmente recorremos a diferentes representações
imagéticas para tentarmos explicar o que experimentamos musicalmente,
representações estas que nos aproximam da expressão musical. Assim tecemos
relações entre música com imagens de objetos, cores e formas como uma tentativa
de nos orientarmos em função da realidade expressiva que a música evoca. Isso
acaba nos direcionando para outra questão que é a representação visual que nós
damos a música no nosso cotidiano. Até porque, geralmente, não falamos que
vamos a uma sala de concertos ouvir um recital, mas sim para assistir a um recital.
Essas pequenas digressões cotidianas acontecem de forma ininterrupta, pois
são constantes e fortemente ligadas ao nosso imaginário sócio-cultural, pois quando
construímos uma “imagem da música” estamos criando uma representação visual do
objeto musical que, in loco, não existe. O que costumamos chamar de objeto
musical não é algo físico, mas algo sensorial que está presente nos nossos sentidos,
no ato de o percebermos em nossa escuta e termos discernimento sobre ele. Para
Cook (2012:83-114) há uma grande quantidade de signos e figuras que nos
remetem a música, mas que na verdade são sugestões imagéticas que fazem parte
de nosso cotidiano para designar e aproximar nosso olhar do que seria a música
visivelmente. As formas de escrever música - o que chamamos de notação musical –
são um bom exemplo, pois são modos representativos, colocamos no papel o que
percebemos auditivamente, ou seja, representamos a música como uma forma
imagética e a partir disso, tentamos recriá-la.
Há diversos tipos de notação com regras e simbologias específicas, todas
com a intenção de indicar por meio de uma dada representação imagética como o
instrumentista pode ou deve recriar um determinado tipo de música. Por isso
dissemos que uma partitura musical é uma produção visual simbólica, onde
“utilizam-se signos em lugar dos objetos, ideias ou conceitos as quais o pensamento
se refere, e aplicando-se determinadas regras a esses signos, podem-se obter
resultados acerca dos objetos, ideias ou conceitos” (Fortes, 2009:10). Ou seja,
aplica-se um sistema simbólico à um conceito para que possamos nos aproximar o
máximo possível de sua própria ideia, neste caso a música. Como nos diz Stephen
Davies (2001:100), “a score is a musical notation the main purpose of which is to
serve a work prescription”
14
, assim a intenção de uma partitura, a priori, é nos

14
“uma partitura é uma notação musical que possui como principal objetivo servir a uma receita de trabalho” – tradução livre.
191



aproximar do conceito musical que se esconde por trás destes signos, e fazê-la
existir. Em outros termos, “a criação musical está profundamente relacionada ao
processo de construção de significado baseado em signos culturalmente aceitos”
(Mukuna, 2008:17), e essa é praticamente a premissa básica para o estudo da
semiologia em música. Ou seja, estudamos como os processos simbólicos da
música se desenvolvem, se projetam, de como os percebemos, como nos
relacionamos com eles e tudo mais que isso acarreta em nosso relacionamento com
a música.
Entretanto, mesmo que saibamos que a notação musical - conforme a
tradição ocidental - tenha se desenvolvido apoiada em conceitos matemáticos e
físicos tendo como base o reconhecimento científico, sabemos que estas notações,
para uma pessoa leiga em música, nada mais são do que imagens que a remetem à
música, um tipo de sistema simbólico que a conecta a outros tipos de conceito do
que é música. Associamos a imagem as nossas referencias e experiências
pessoais, salientando a nossa relação subjetiva de afetos com a música mais do que
qualquer outra coisa, sem ao menos conhecer as regras desse sistema simbólico
propriamente dito (fig.03). Esta associação não se limita apenas a figura da notação
musical, mas também se estende a outras imagens que nos induzem a pensar na e
sobre a música (fig.04). A imagem dos instrumentos musicais, dos seus intérpretes,
dos seus gestos, das suas roupas, das suas cores, das suas formas são fatores
importantes, persuasivos e possuem um simbolismo subjetivo imperante no
imaginário das pessoas (fig.05). O músico transita pela notação musical porque
conhece as regras deste sistema simbólico, mas para o leigo há outro tipo de
sistema que está conectado a ideia de visualidade que o próprio faz da música, não
havendo regras implícitas, mas sim inferências conforme as suas próprias
aproximações sociais e culturais e que de alguma forma o vinculam a música.
Indo para além dos compositores, interpretes e ouvintes – as imagens são tão
musicais quanto à representatividade da notação, adentram-se aos planos macros e
micros dos relacionamentos sociais quando estão associados, potencializando-se.
Ou seja, essas visualidades possuem tanta ou mais importância que a própria
notação musical, se configurando até mais representativas quanto ela própria.

192




Fig. 03 – Notação tradicional da musical ocidental - gradação de notas musicais.

Fig. 04 – Partitura criada pela artista Sara Lambranho
15
– “Réquiem”.


Fig. 05 – Marilyn Manson, Lady Gaga e Ozzy Osbourne.
Estas aberturas e abrangências sobre a representação musical que se vão
tecendo nas relações cotidianas estendem-se as áreas artísticas, modificam toda

15
Mais informações em: < http://www.saralambranho.com.br/>.
193



uma cadeia de afetos entre a música e seus atores e tem a sua gênese na produção
massiva dos conteúdos artísticos, principalmente a partir do séc. XX, com o advento
dos aparatos tecnológicos de reprodução. Estes mecanismos lançam uma mudança
conceitual sobre as formas de trabalho dos músicos, permitem que novas
possibilidades de intercâmbio entre as áreas artísticas se entrelacem, o que já é um
indicativo de outros redirecionamentos frente ao que chamamos de arte. É como nos
diz Walter Benjamin (1985:165-196), a reprodução técnica da arte não só permite
sua reprodução em larga escala, mas também se incorpora nessa produção como
um procedimento artístico. Essa premissa indica condicionantes que antes não eram
imaginadas, pois produz diferenças sensíveis no papel do artista e no público
enquanto consumidor, além de levar em conta que o próprio ato do fazer artístico se
torna uma produção que, para além das questões estéticas, possui um forte cunho
comercial. Como diz Iazzetta (2012:14):
Essa profusão do repertório a que se tem acesso e que ajudou a afastar o
ouvinte da prática musical é sustentada pelos meios de difusão. Depois do
fonógrafo, e de seus sucessores como o gramofone, o rádio tornou-se o
elemento central da difusão musical a partir da década de 1920. A
possibilidade de difusão em massa, simultânea e a longas distâncias, fez
com que o rádio se consolidasse como meio essencial de distribuição
musical. Ele foi o ambiente formador dos ouvintes mais significativo até pelo
menos a década de 1990 quando o surgimento de novas formas de difusão,
agora digitais, diminuiu o impacto de sua influência na formação da cultura
musical. Em sintonia com o rádio formou-se não apenas uma poderosa
indústria fonográfica, mas uma complexa cultura fonográfica que tem
balizado toda produção musical nos últimos cem anos. É por meio dessa
cultura que se decidem valores de mercado para artistas, se delineiam
nichos e gêneros musicais e se desenham modismos determinando o que
está dentro e o que está fora do circuito de consumo.

A cultura fonográfica que o autor se refere se dirige as questões principais
dos processos de registro, de reprodução e de difusões culturais, entretanto não se
refere a esta cultura como um dos tipos de produção cultural que está associada a
uma máquina maior de produção subjetiva de afetos. A indústria fonográfica está
atrelada, antes de qualquer coisa, a uma grande indústria cultural que em seu cerne
alicerça todos os âmbitos das demais indústrias de entretenimento (cinema, música,
teatro, artes visuais, etc.). Ou seja, há um somatório de intenções massivas nas
produções artísticas das várias esferas que nos cerceiam, transformando nossos
vínculos com a arte por meio da valoração dos seus fatores, através de um mútuo
engajamento. Essas associações estão intrínsecas na construção de produtos que
tendem a estimular os sentidos das pessoas de uma forma global, provendo as
194



fantasias e os desejos, fabricando subjetividades, criando novas rotas de afetos,
estimulando ações em função do artefato de arte fabricado. Os apelos midiáticos
atualmente potencializam o que chamamos de produto artístico no seu sentido de
abrangência, fazendo-o com que ele atue em todo um nicho cultural.
Há um fio condutor que apresenta esta condição e aponta, de certa maneira,
para as diferenças modernas e pós-modernas que transformaram a produção da
arte e, consequentemente, as formas de percebê-la. Logicamente há uma premissa
positiva e negativa dentro deste contexto: se na modernidade a transitoriedade e a
reprodutibilidade podem ser benéficas enquanto marco de uma produção cultural
massiva que vai em direção a democratização da cultura, poderiam também ser
facilmente subvertidas e levadas a um âmbito de doutrinação política, podendo gerar
um estado fascista, por exemplo. Nos dias de hoje, essa subversão está enraizada
na “formação de juízos estéticos mediante um sistema organizado de produção e de
consumo mediado por divisões de trabalho, exercícios promocionais e arranjos de
marketing sofisticados”, sendo que “o sistema inteiro é dominado pela circulação de
capital (com frequência multinacional)” (Harvey, 2009:311-313).
Mesmo que existam diferentes lados da mesma moeda, o fato reside que, em
escala mundial, essa produção em massa faz com que reinventemos nossas
relações com arte, seja subjetivamente, economicamente ou criticamente. Isto está
relacionado com a forma que a indústria cultural trabalha, pois vai intercalando
varias frentes e promovendo novas demandas, uma grande máquina produtiva que
atua no controle social e nas instâncias psíquicas, definindo nossas (e novas)
formas de perceber o mundo (Guatarri; Rolnik; 2011:35). Essa regra não é apenas
válida para quem consome, mas também para quem produz arte – somos
praticamente engolidos por essa máquina produtiva e já não sabemos direito onde é
o nosso lugar nesse círculo.
Há por trás de toda essa disseminação artística novos pressupostos que põe
em prova a versatilidade dos artistas e, principalmente, dos músicos. Sobretudo,
para estes últimos, no que toca o seu poder de assimilação e síntese em se
locomover entre novos lugares e, especialmente, saber dialogar sem perder suas
intenções artísticas. Podemos pensar na frase que encontramos em alguns textos
que falam sobre música e nos seus meios de reprodução a partir do séc. XX: se
antes tínhamos que nos locomover a uma sala de concertos para ouvirmos um
195



pouco de música, com o advento do rádio e a indústria fonográfica modifica-se esse
modus operandi, entretanto, custa falarmos que, junto a isso, a representação visual
e a postura do músico também se transformou conforme a sua inserção no meio
sócio-cultural, assim como sua própria performatividade. Mesmo teóricos como
Nicolas Cook (2012:81-82) perguntam-se, se nos dias de hoje com tanta austeridade
pública, se a eloquência dos músicos de smoking das grandes orquestras não seria
uma imagem um pouco extravagante perto da plasticidade dos músicos que
pertencem a cena da música pop, ou seja, as transformações vão mais além do que
apenas o espaço alicerçado pela música como produção artística que por si só já se
basta.
O mesmo acontece com as estratégias que criamos enquanto receptores, no
intuito de escutar e olhar a música, compreender os gestos, o ritual que há por
detrás disso tudo e empreender caminhos para somá-las aos nossos próprios
contextos. As palavras “ouvintes” ou “receptores”, nesta conjuntura, já não soam tão
apropriadas porque, por meio dos novos avanços tecnológicos e da cibercultura
(Levy, 1999), aliadas a consubstancial mudança nas esferas sociais em função
dessas novas representações comunicativas e informacionais (Santaella, 2003),
podemos ter outras posturas e intervir de diferentes formas quanto a produção de
arte na atualidade
16
. Somos uma espécie de observadores mutantes que, conforme
nossa criatividade ou capacidade inventiva/interativa, nos é permitido circular pelos
diferentes níveis dessa cadeia de produção, alterando-a. Claro que essa mudança
na “dança das cadeiras” pressupõe, antes de qualquer coisa, uma mudança quanto
a ruptura nas formas de produção em massa e de como isso se intercala com a
nossa realidade atual, junto das questões relacionadas a subjetividade coletiva.
Trocando em miúdos - estamos no meio do fogo cruzado, e a produção de
subjetividades e de diferentes afetos é muito abrangente, já que a demanda
informativa permite-nos estar sempre conectados. O que era local e permanente
passa a ser global e instável, a velocidade e o estreitamento do tempo assume outra
condição, a memória coletiva se volta para as coisas do agora porque logo se torna
passado, há uma grande busca por novas demandas e as sensações do presente
tendem a nos direcionar para “o que vem depois”. Há uma mão de via dupla na
atualidade, que a cada dia fazem surgir novos caminhos e outros modos operativos -

16
Vídeos como “Amateur” de Lasse Gjertsen é um bom exemplo desse tipo de atitude. Link em:
<http://www.youtube.com/watch?v=JzqumbhfxRo>.
196



a produção de arte na época da informação passa a ser um potencializador em
comum para todos os lados.

Produção musical e visualidades
Levo em consideração todos estes pontos anteriores sobre visualidade e
música porque acredito serem representativos dos vários caminhos que escolhi e
possuem uma importância relevante nos meus estados de criação, ou nos meus
períodos de pré-criação artística. Nasci no final da década de 1970 e pude vivenciar
a ascensão do videoclipe e o lançamento do compact disc, por exemplo, assim
como o surgimento dos primeiros computadores de uso pessoal. Esse período
também marca o aparecimento de nichos culturais e subculturas que seriam
chamadas de “tribos”, coletivos de indivíduos que se encontravam por meio das
trocas e conjunções identitárias, possuindo processos de demarcação de territórios
simbólicos que eram explícitos e/ou implícitos (Maffessoli, 2006:101-142). A música,
enquanto um fenômeno artístico de massa possui em seu entorno vários pontos de
fecundo encontro social, principalmente por meio das tribos. Há um processo de
organização desses pequenos grupos que se iniciou na década de 1950 e foi
dinamizada principalmente na década de 1980, por causa da aglomeração de
produtos midiáticos que uniam música e visualidades, somando-se a moda e a
atitude tomada por seus participantes – muito em função do que os artistas
vinculados a determinados estilos de estética midiática difundiam. Como diz José
Jorge de Carvalho (1999:21), “um punk, por exemplo, não apenas escuta e consome
música punk, mas é alguém que lê revistas e jornais especializados no seu mundo,
além de comprar roupas, adornos e uma gama de objetos manufaturados segundo o
simbolismo cultural punk”, ou seja, é a premissa do encontro dos pares, da
sociabilidade e da comunhão de ideias em comum que se fazem presentes na
construção de um estilo de vida cotidiana. Estes estilos de vida possuem estéticas
muito próprias e que se modificam com o passar do tempo, por questões
econômicas ou de gostos pessoais.
Encontrava-me inserido nestes trânsitos de tribos porque não era apenas uma
questão de música, mas de vários fatores que iam se somando e moldando uma
estética peculiar das coisas. Há um apelo de entrecruzamentos, um trânsito entre
diferentes sistemas semióticos. Filmes, performances audiovisuais ou eventos
197



sonoros “são formalizações intersemióticas”, que para a sua realização se apontam
em direção a correspondência com outros códigos, mantêm uma tensão e um
deslocamento de símbolos expressivos e culturais em relação ora de
complementaridade, ora de diálogo (Moran, 2006:02). Por isso este vínculo
relacional com os objetos artísticos produzidos é muito forte, pois não era apenas
em detrimento dos sons que gira a atenção, mas também com a imagem associada
ao movimento cultural, da paleta gestual e tudo que se encontra no “pacote”, desde
os filmes e toda a produção estética correspondente. Estes princípios moldam outras
formas de perceber e de sentir o produto musical, essa combinação faz com que
surja também um diálogo de trabalho entre músicos e outros artistas, assim como a
criação de outros cargos profissionais vinculados, de alguma forma, a este ciclo.
Dessa forma há, nestes ambientes, a introdução de artistas que se
especializam na criação da “embalagem” desses produtos massivos, auxiliando na
determinação dos pequenos nichos e de certos apontamentos sobre o estilo
musical. Criam-se espécies de “caixas” onde podemos ter artistas diversificados,
mas que possuam semelhanças suficientes para determinar uma unicidade quanto
seu estilo, estilo esse que cria também regras quanto as visualidades produzidas,
nos gestos interpostos, na colocação desse produto junto ao mercado. Aos poucos
surge também uma preocupação quanto ao que estes pequenos grupos querem ou
sugerem, eles não só apenas consomem mas também estipulam demandas,
apontamentos comuns que são feitos pelo coletivo direcionando o próprio estilo
demarcado. Não é apenas a indústria cultural que delimita os padrões, mas o
coletivo começa a sugerir normas e ajustes, regras em que a indústria também se
adapta e se fortalece (Coelho, 1980).
As formações das tribos em torno desses produtos fazem que, de alguma
maneira, o individuo se perpetue nele - a subjetividade e o desejo interagindo com o
material físico que emana afetos. Estes pequenos grupos proporcionam gestos
maiores, sugestionam e solicitam sinais que indicam uma cumplicidade coletiva, indo
desde o jeito de se vestir, de falar, de se movimentar. Cria-se uma prática social em
comum, um nicho cultural onde as pessoas se reconhecem na semelhança entre
eles, na interação entre eles. Este seria uma constante segundo o conceito de
sujeito sociológico que, como nos diz Stuart Hall (2006:10-18), o individuo apresenta
um núcleo interior, um “eu real”, mas que, no entanto, é constantemente formado e
198



modificado por meio da interação e do diálogo com os “mundos exteriores” – os
produtos artísticos de massa, a partir da década de 1960, tendem a funcionar como
artefatos sociais que proporcionam este diálogo. Há diversos artistas que se
predispuseram a trabalhar nestes nichos, desenvolvendo produtos com
características que levavam em conta as questões comerciais, mas que possuíam
derivantes estéticos distintos e de fontes diferentes, de outras atitudes culturais e
políticas.
O artista alemão Klaus Voormann
17
, por exemplo, ficaria conhecido por ter
concebido a capa do álbum “Revolver” de 1966, tornando seu trabalho uma espécie
de fetiche visual que além de simbolizar um dos álbuns de rock mais bem sucedidos
do séc. XX, também representava os quatro integrantes do grupo indo de encontro a
uma fase mais psicodélica, de liberdade e contestação, na mudança de “bons
garotos” para uma condição mais adulta, relacionada com o já citado período contra-
cultural da década de 1960. Esse disco apresenta uma clara preocupação da banda
em relação a sua visualidade junto a um determinado grupo social emergente – os
jovens que neste momento passavam a ser, além de novos potenciais compradores
de álbuns, a célula social que reivindicava mudanças. Em termos musicais há
referências a musica oriental com o acréscimo de sonoridades típicas e texturas
peculiares, como a inclusão da cítara, além de experimentações sonoras realizadas
por meio de edições de estúdio. Posteriormente, em 1967, lançam o disco “Sgt.
Pepper’s Lonely Hearts Club Band” que apresenta uma das capas de álbuns pop
mais singulares, onde os próprios músicos se reinventam assumindo alter-egos
militares e apresentando uma imensa colagem de personagens populares do
período em questão. A ideia da capa partia do grupo, mas a intervenção e os
apontamentos feitos pelo fotógrafo Michael Cooper e pelo artista visual Peter Blake
são primordiais para que a arte da capa realmente acontecesse. Além disso,
seguindo o que já vinha sendo feito no álbum “Revolver”, engendravam articulações
musicais dentro de uma premissa pop, mas que continham variantes vanguardistas,
além de estarem em um grande processo de descoberta das novas possibilidades
que o estúdio gerava, principalmente quanto às novas técnicas e maneiras de se
manipular a gravação musical
18
, descontruindo e gerando novos conhecimentos.

17
Maiores informações em < http://www.voormann.com/>.
18
Falo aqui conforme o ponto de vista da música pop, porque muitas experiências em estúdio já haviam sido feitas por
compositores como Pierre Schaffer ou Karlheinz Stockhausen. A questão é que são pontos estéticos diferentes, havendo na
primeira uma indústria operando comercialmente.
199



O que quis demonstrar até aqui é que essa relação entre artista e empresas
culturais estimulou o desenvolvimento da cultura de massa, em um sentido de
transformar o produto artístico em culto e celebração e, com isso, estipular outras
variantes quanto os tipos de relacionamentos entre produto/artista. Esse tipo de
relacionamento foi somando-se e intercalando-se a diferentes tipos de empresas
culturais, que além de solidifica-las em um grande conglomerado cultural foram
desenvolvendo maneiras e estratégias na produção de artefatos estéticos em função
de um produto em comum. Além disso, o surgimento das tribos indica que essas
produções possuem um mercado específico, pessoas que se encontram e se
identificam pelo artista e o objeto artístico que ele produz, assim como tudo que está
junto – trocam-se centenas de afetos a partir disso. Em meados da década de 1990
essas questões começam a ter modificações pelo advento cada vez maior da
tecnologia aliada a comunicação no meio cotidiano, quando os indivíduos comuns
começam a ter acesso a dispositivos tecnológicos e iniciam uma transformação do
seu papel neste meio. Agora espaços que se encontravam restritos apenas aos
artistas especializados são compartilhados e até mesmo invertidos – se dá
possibilidade para que qualquer indivíduo possa produzir artefatos artísticos com
uma qualidade técnica no mínimo razoável (isso não quer dizer – necessariamente –
que tenham algum conteúdo expressivo mais aprofundado sobre um determinado
tema).
Atualmente há diversos tipos de interação entre individuo/objeto
artístico/artista que a cada dia vão se modificando, apresentando novas propostas e
outras estratégias. As identidades de quem está envolvido neste mei o flutuam por
entre milhares de símbolos e códigos, criando novas relações. Como nos diz Levy
(1999:135-142) uma das características constantes na atualidade é “a participação
nas obras daqueles que a provam, interpretam, exploram ou leem”, não se tratando
apenas de uma participação na construção de sentido, mas da atuação também na
obra, ou seja, de uma espécie de coautoria. O individuo não é somente consumidor,
mas é também um ator atuante neste processo. Esse novo fator muda vários
conceitos quanto a autenticidade, produção, questões estéticas e, principalmente,
quanto a identidade. É o caso do tecnobrega, gênero difundido no Brasil e nascido
no Estado do Pará. A difusão desse estilo musical se alicerçou em um novo tipo de
mercado que não se enquadra nos padrões tradicionais, pois muitas vezes os
200



próprios artistas do tecnobrega são seus próprios consumidores, se autoproduzindo
e dando continuidade a um mercado em ascensão. Os artistas deste nicho possuem
estúdios pessoais e difundem suas músicas através do comercio informal. Seus
produtos não possuem registros já que a preocupação com direitos autorais não é
importante, pois sua forma de sustento se dá através de shows, ou seja, quanto
maior a divulgação mais eventos haverá. Com isso, não há intermediários e quebra-
se com certas burocracias legais alicerçadas nas leis de direito do autor, permitindo
maior flexibilidade quanto a gestão de sua própria carreira (Castro; Lemos, 2008:40-
56).
O fato é que as tecnologias se refletem na multiplicidade de trabalhos que
surgem, desde trabalhos que são vinculados a campanhas publicitarias, de artistas
amadores a artistas socialmente engajados, tudo isso se encontra misturado a
inventividade efervescente dos atores sociais que circulam nestes certames. Neste
período de grande demanda informacional tais características se tornam mais
fluentes, mais líquidas (utilizando um termo de Bauman), e a transitoriedade
transforma a produção artística em um projeto de informação, que muitas vezes
possui um apelo menos estético e mais publicitário (e também as vezes ao
contrario). Essa transitoriedade líquida é determinante na produção artística atual,
pois estabelece novas trocas e analogias em diferentes nichos culturais: podem
estar na televisão, nos outdoors de led, no celular, nos tablets e em qualquer objeto
que possa levar essas informações para mais além. Essa grande revolução no meio
artístico acontece mediante o intercambio entre imagem e música. As estratégias
podem mudar com o passar dos tempos, com as trocas e evoluções tecnológicas,
mas uma constante que permanece é o amplo lugar que imagem e música possuem
neste meio.
Esse vários relatos e histórias interpelados até aqui são fatores
predominantes na premissa da montagem do “Centro Metropolitano”, principalmente
em relação às características imagéticas do álbum, pois parto do principio que a
imagem também sugestiona a música e vice-versa (fig. 06 e 07). Refiro que, a
imagem como portadora de afetos também solicita, infere ou se associa a um tipo
específico de música, isso não é delegada apenas a música, mas é uma “mão de via
dupla”. Enquanto criança a minha percepção junto a artistas do mundo pop circulava
em torno das minhas fantasias em relação a imagem criada a cerca dos próprios
201



artistas. A música me dava suporte para imaginar-me “voando” dentro dos mundos
que eram criados pelas capas dos álbuns a partir da música desses artistas, o
mesmo ao contrário.


Fig. 06 – Capa do álbum “Centro Metropolitano”.


Fig. 07 – Contracapa do álbum “Centro Metropolitano”.

Não fujo a essa regra, volta e meia trago estas constantes conscientemente
ou subjetivamente para aquilo que quero representar ou debater. O encontro da
música com as visualidades é um fator preponderante neste sentido, e no caso do
202



“Centro Metropolitano”, a produção de imagens acaba tendo um valor intrínseco.
Lógico que não consigo quebrar com certos vínculos com o objeto artístico, me
sentia compilado ao objeto pelo fato do prazer que tinha quando era criança, o
prazer relacionado a possuir um álbum em minhas mãos. Há um fetiche, algo de
egoísta e de empoderamento quando possuímos um disco do seu artista preferido
em mãos, isso está intrínseco quando se manipula um álbum, coloca-o no disc-
player ou toca-discos (caso for vinil), senta-se na poltrona e escuta-o com cuidado, e
ai está pronto o ritual – uma self-performance criada para além das salas de
concerto. Há uma questão de performatividade inerente nesta ação (Madrid, 2008;
Cano, 2011). Com o advento da internet não há um objeto, mas arquivos que você
pode movimentar através da tela. Não há mais um prazer tátil, um afeto relacionado
ao toque, você apenas sabe que os possui na memória do computador e que sua
materialidade se resume ao pulsar de botões; para piorar, se algo acontecer com o
computador você pode simplesmente perder toda sua coleção de MP3, por exemplo.
A criação imagética do “Centro Metropolitano”, do álbum em si, passava por
estas questões, pois eu queria que houvesse essa sensação resgatada e que o
objeto – nesse caso o álbum físico – emanasse sensações. Claro que eu tive uma
liberdade maior para determinar por onde queria que a criação imagética do álbum
seguisse, por eu ser o próprio gestor do projeto e por se tratar de um álbum
independente. Como disse anteriormente, o vinculo com instituições privadas
estabelece primeiramente uma relação comercial que tem como fim uma produção
estética direcionada a um mercado específico, um meio de encontrar as suas “tribos”
e gerar dividendos. O interessante de se autogerir é não precisar se preocupar com
essa dinâmica, apesar dela ser importante em alguns aspectos.
Interessante desta relação entre imagem e música é que apresenta um pouco
como fui engendrando meus passos durante a experiência de criação da
composição, pois intuitivamente buscava relações entre música e imagens sem me
dar conta que buscava tal relação. Essas questões também são importantes para
definir um pouco o direcionamento e as pesquisas realizadas a respeito dos centros
urbanos, da urbanidade e seus problemas, criando uma composição a partir dessas
ideias, para depois ir me direcionando para o encontro de outras (fig. 08). Como
dizia Marcel Duchamp, quem cria o som é também o criador do espaço, ou seja,
cria-se um espaço gerado pelo som, um espaço sonoro que possuirá um espaço
203



físico (Ariza, 2008:36). Partindo dessa ideia, a intenção musical era sugerir espaços
já existentes por meio dos sons, ou indicar sonoridades que trouxessem a tona
lembranças a quem a escutasse.


Fig. 09 – Ilustração interna do álbum “Centro Metropolitano”, criada pelo artista Cláudio Montanari.

Durante esse processo criava música que, em minha intenção,
representassem visualidades que poderiam descrever auditivamente situações em
cidades e centro metropolitanos que de alguma forma vivenciei, situações que me
eram incomodas ou que me faziam refletir. Era justamente isso, criar espaços
imaginários que evocassem sensações diferentes, trazendo o ouvinte para dentro
disso, onde suas próprias relações com o seu meio poderiam ser reconhecidas na
música. Essas imagens não eram estritamente racionais e hoje, me colocando
distante e olhando de fora, percebo que o aspecto íntimo e criativo era um misto de
sensações: diferentes sons dos lugares que vivi ou senti em algum momento, visões
urbanas que presenciei, amizades que fiz, incômodos e situações - urbanidade ao
limite a partir de fatos cotidianos, e essa era a condição que deveria existir na
composição.
No intento disso, pensando também nas imagens como composição da
atmosfera musical, iniciei essa experiência visuais durante a confecção do álbum.
204



Fui me aprofundando cada vez mais a respeito do tema que queria trabalhar e
intuitivamente buscando imagens que estavam em sintonia com o que pesquisava e
com a minha intenção artística. Também me retroalimentava dessas ideias na
intenção de complementar a composição, me contaminando com tais conceitos.
Assim convidei três artistas para me ajudar nessa questão: um designer, um
fotógrafo e um artista visual
19
que me deram suporte para desenvolver o álbum e
que depois, no dia do lançamento do mesmo, fariam uma exposição com obras
criadas a partir da composição musical.
Durante os processos compositivos, várias coisas foram se integrando a
construção da obra, ao mesmo tempo em que iam se vislumbrando como novos
acontecimentos referentes a construção do urbano junto a música. Pensando nesta
perspectiva, passei a me inteirar sobre os acontecimentos que não se solidificavam
enquanto música no seu conceito mais tradicional, mas pensava nos sons que me
estipulavam referencias imagéticas, como paisagens sonoras dos territórios
urbanos. A cultura sonora dos territórios urbanos é muito vasta e compactuo das
ideias de Brandon Labelle (2010), quando este sugere que há tantos afetos dentro
de um som que podem coexistir diversas historias dentro dele. Ou seja, os sons
cotidianos não são apenas produções sonoras vazias, mas elas estão embutidas e
cheias de sentido quando percebidas como uma produção sensorial comum a todos
– como o próprio Labelle sugere: “seu som é o meu som e seu som”, e isso se
acrescenta também as imagens.
A minha experiência com ruídos e outros tipos de sonoridades percebidos
enquanto artefatos artísticos estavam atrelados às experiências sonoras que eram
concebidas pela música concreta e eletroacústica, mas não conseguia vislumbrar o
ruído como um artefato sonoro produtor de afetos, que por si só já contêm diversas
informações e, dependendo de como são manejado, podem se tornar outro tipo de
objeto sonoro, como uma escultura, por exemplo. Essa questão foi determinante
para escolher - além de compor música dentro de um cerne tradicional para um
grupo de instrumentos - de incorporar ruídos e outros fatores produtores de afetos,
que se intercambiassem junto a música e trabalhassem como pontes discursivas.
Além disso, a propriedade do som de produzir afetos e sentidos muito
diversificados, tanto de graciosidade quanto de dominação e medo (Goodman,

19
Roberto Giovannetti Paim, Gustavo Sá e Cláudio Montanari, respectivamente.
205



2010), às vezes podem ser mais efetivos no intuito que almejam do que a música
como fator único. De certa forma, estas características estão diluídas nas musicas
que escutamos hoje em dia, como ritmos peculiares de determinados estilos
musicais ou de certas propriedades sonoras que estimulam nosso cérebro/corpo de
tal forma a vibrarmos com eles. O fato é que a intercalação do ruído e de sons não
controlados a música é uma prática que se reflete continuadamente, perpassando
outros sentidos subjetivos dentro da sua própria construção imaginaria sonora.
Partindo desses pressupostos iniciei uma serie de gravações de situações
cotidianas, armazenando diversas informações sonoras no intuito de formar uma
áudio biblioteca para criar situações sonoras. Assim cada movimento musical do
Centro Metropolitano possui uma criação sonora peculiar conforme aquilo que
pretende aludir, tentando construir pontes sonoras entre a música e as situações
cotidianas, suas imagens e acontecimentos.

Conclusões a não conclusões
Quando falamos em resistência geralmente pensamos, antes de tudo, em
oposição a uma determinada coisa ou situação, atribuindo diferentes valores que
divergem de algo que já está dado ou considerado como aceito. Criar formas de
resistência é uma forma de articular discursos que rompem com o que está dado,
seja de forma oculta ou subvertendo fórmulas já consagradas, socialmente ou
culturalmente aceitas (Scott, 2000). Criar espaços de resistência é estimular o
debate, criar lugares para reflexão, é compreender como se desenvolvem situações
que se estendem ao largo dos acontecimentos sociais e culturais e ver e rever nosso
papel neste meio. Suscitar lugares constantes de reflexão sobre a realidade,
aprimorar a crítica sobre o que fazemos, sobre o que está acontecendo, como isso
nos afeta e de como podemos trabalhar para mudar e transformas as coisas.
No caso da criação do “Centro Metropolitano”, a intenção não era de estipular
um olhar hipotético sobre os acontecimentos urbanos, mas visualizar diferentes
fricções e agregar debates ao tema em questão, notando relações que podem ser
retratadas, percebidas e discutidas a partir de um tipo específico de narrativa “torta”
ou subjetiva - neste caso artística - assumindo um propósito visual e musical para o
intento. As formas de resistência engendradas a partir das imagens e da musica se
configuram a partir do processo e das relações criativas que foram tecidas, e
206



também fazem referencia a tipos de criação não subservientes as formas
engendradas pela indústria cultural, mas utilizando de alguns recursos já
consagrados de forma subvertida. Tenta-se pensar a produção artística enquanto
uma proposta de espaço para a discussão crítica, sua reflexão sobre o social e nas
consequências disso.

Referencias Bibliográficas
ARIZA, Javier (2008). Las imágenes del sonido: una lectura plurisensorial en el arte
del siglo XX. Albacete: Universidad de Castilla-La Mancha.
ATKINSON, Dennis (2011). Art, equality and learning: pedagogies against the state.
Rotterdam: Sense publishers.
BAUMAN, Zygmunt (2003). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar.
BENJAMIN, Walter (1987). Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e
história da cultura. São Paulo: Editora brasiliense.
CANO, R. L. (2011). Música, mente y cuerpo. De la semiótica de la representación a
una semiótica de la performativa. Em: Marita Fornaro (ed.). De cerca, de lejos.
Miradas actuales en Musicología de/sobre América Latina. Montevideo: Universidad
de la República, Comisión Sectorial de Educación Permanente /Escuela
Universitaria de Música (en prensa).
CARVALHO, J. J. (1999). Transformações da sensibilidade musical contemporânea.
Em: Série Antropologia, nº266. Brasília: DAN-UnB.
Em: <http://www.ccs.ufsc.br/~geny/musics/_transformacoes.pdf>.
CASTRO, Oona; LEMOS, Ronaldo (2008). Tecnobrega: o Pará reinventando o
negócio da música. Rio de Janeiro: Aeroplano.
COELHO, Teixeira (1980). O que é indústria cultural. São Paulo: ed. Brasiliense.
CONTER, Marcelo Bergamin (2012). Imagem-música em vídeos para a web.
Dissertação de mestrado. Porto Alegre: UFRGS.
COOK, Nicolas (2012). De Madonna al canto gregoriano: una muy breve
introducción a la música. Madrid: Alianza Editorial.
DAVIES, Stephen (2001). Musical Works & Performances: a philosophical
exploration. New York: Oxford university press.
DEWEY, John (2008). El arte como experiencia. Barcelona: Paidós.
DIEGO, Estrella (2011). No soy yo: autobiografía, performance y los nuevos
espectadores. Madrid: Siruela.
EISNER, Elliot W. (2011). El ojo ilustrado: indagación cualitativa y mejora de la
práctica educativa. Barcelona: Paidós.
FORTES, Fabricio Pires (2009). Pensamento simbólico e notação musical.
Dissertação de mestrado. Santa Maria: UFSM.
207



GOODMAN, Nelson (2010). Los lenguajes del arte: una aproximación a la teoría de
los símbolos. Madrid: 2010.
GOODMAN, Steve (2010). Sonic Warfare: sound, affect, and the ecology of fear.
Massachusetts: MIT press.
GUATARRI, Félix; ROLNIK, Suely (2011). Micropolítica: cartografias do desejo.
Petrópolis: Ed. Vozes.
HALL, Stuart (2006). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro:
DP&A.
HARVEY, David (2009). A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola.
HÉRNANDEZ, Fernando (2005). De qué hablamos cuando hablamos de cultura
visual? Em: Educação e Realidade, vol. 30(2), pág. 9-34.
IAZZETTA, F. (2012). Da escuta mediada à escuta criativa. Em Contemporânea:
comunicação e cultura. Vol.10 (01). Salvador: UFBA.
IAZZETTA, Fernando (2009). Música e mediação tecnológica. São Paulo: ed.
Perspectiva.
LABELLE, Brandon (2010). Acoustic territories: sound culture and everyday life.
Nova York: Continuum books.
LEVY, Pierre (1999). Cibercultura. São Paulo: Ed. 34.
MACEDO, André Rangel (2009). Espectros audível e visível – proposta de
correspondência. Em: < http://3kta.net/colmus/Cor_Musica_Andre_Rangel.pdf/>.
MADRID, A. L. (2009). Por qué música y estudios de performance? Por qué ahora?
In: Revista Transcultural de Música, nº13.
Em: <http://www.sibetrans.com/trans/a2/por-que-musica-y-estudios-de-performance-
por-que-ahora-una-introduccion-al-dossier>.
MAFFESOLI, M (2006). O tempo das tribos: o declínio do individualismo. São Paulo:
Forense Universitária.
MARTÍN, Jesus Baca (2010). Espacios sonoros: la dimensión social de la
comunicación acústica. Sevilha: ArCiBel editores.
MIRZOEFF, Nicolas (2003). Una introducción a la cultura visual. Barcelona: Paidós.
MORAN, Patrícia (2006). Poéticas das correspondências. Em: 15º Encontro Anual
da COMPÓS - Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em
Comunicação. Bauru: UNESP.
MUKUNA, Kazadi Wa (2008). Sobre a busca da verdade na etnomusicologia. In:
REVISTA USP, n.77, p. 12-23, São Paulo: USP.
SANTAELLA, Lúcia (2003). Culturas e artes do pós-humano: Da cultura das mídias
à cibercultura. São Paulo: Ed. Paulus.
SCOTT, James C. (2000). Los dominados y el arte de la resistencia: discursos
ocultos. México: ediciones ERA.
208




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha







APLICACIONES DE COMPUESTOS CARBONOSOS EN EL
MEDIOAMBIENTE: FUNCIONALIZACIÓN DE NANOTUBOS
DE CARBÓN POR ADSORCIÓN DE METALES Y SU
UTILIZACIÓN



Jéssyca Mariana de Oliveira
Maria Dolores López de la Torre
Universidad de Jaén (UJAEN)



2013
209



Aplicaciones de compuestos carbonosos en el
medioambiente: funcionalización de nanotubos de carbón
por adsorción de metales y su utilización

Jéssyca Mariana de Oliveira
Bacharelado em Química Tecnológica com ênfase ambiental
UTFPR
Programa de graduação/Departamento de química orgânica y inorgânica
UJAEN-Espanha
jessyca.213@gamail.com
Maria Dolores López de la Torre
Doctora en Química. Profesora Titular de Universidad.
Universidad de Jaén.
Departamento de química orgânica y inorgânica
UJAEN-Espanha
mdlopez@ujaen.es

Resumo
La preocupación pública por el medio ambiente y la legislación exigen hoy en
día un mejor control ambiental. Es por ello, que se están implantando políticas de
prevención de polución ambiental. Paralelamente, han surgido nuevos conceptos
como desarrollo sostenible y Química Verde. Dentro de esta filosofía, donde más
ampliamente se está trabajando es en los campos de disolventes y de catálisis. En
el primero, se trabaja en la búsqueda de disolventes alternativos que sustituyan o
reduzcan a los que son contaminantes. En el campo de los catalizadores se busca
que sean selectivos, que permitan reducir la cantidad de subproductos y mejorar la
eficiencia de los procesos. Se pretende también que esos catalizadores sean
reutilizables, de modo que favorezca los procesos de separación y se reduzcan al
mínimo los residuos procedentes del mismo. El campo de la catálisis abarca tanto la
prevención de la contaminación mediante la elaboración de nuevas rutas catalíticas
más limpias como su eliminación.
En general, existe cierta tendencia a heterogeneizar los catalizadores
homogéneos. Se trata de combinar las ventajas de la catálisis homogénea (elevada
velocidad y selectividad) con la facilidad de recuperación y reciclado de los
catalizadores heterogéneos.
210



Son muchos los ejemplos de catalizadores heterogéneos que se emplean
actualmente, entre ellos los que se han sintetizado a partir de materiales carbonosos
con o sin metales en su superficie son una gran promesa.
La principal aplicación del paladio es su uso como catalizador, principalmente
en reacciones de hidrogenación/deshidrogenación y de acoplamiento para formar
enlaces C-C. Esta ampliación de la actividad del paladio como catalizador en
reacciones de acoplamiento en química orgánica ha producido una revolución en
síntesis orgánica. La química fina, especialmente la industria farmacéutica, se han
interesado ampliamente por la reacción de acoplamiento catalizada por paladio
desde su descubrimiento.
Con esta filosofía, dentro de la línea de investigación de catálisis están siendo
desarrollados estudios para emplear nanotubos de carbono funcionalizados con
paladio adsorbido en reacciones de catálisis. La funcionalización de nanotubos de
carbón mediante la adsorción de receptores moleculares, proporciona una ruta
adecuada para la retención de iones metálicos sobre los mismos, obteniéndose de
este modo materiales que, en el caso de que el ión presente actividad catalítica,
pueden ser usados como catalizadores heterogéneos. En el presente trabajo, se ha
preparado el material híbrido receptor/MWNT, mediante adsorción del receptor N-2-
(4-amino-1,6-dihidro-1-metil-5-nitroso-6-oxopirimidinil)-tris-(2-aminoetil)amina (que
de ahora en adelante se abreviará como R) sobre nanotubos de carbón (MWNTs).
Con el material obtenido se procedió a su aplicación en la reacciones de
hidrogenación de n-octeno, y en reacciones de acoplamiento de Sonogashira.

Abstract
Public concern for the environment and legislation now require better
environmental control. Therefore, policies that are being implemented to prevent
environmental pollution. In parallel, there have been new concepts such as
sustainable development and green chemistry. Within this philosophy, where more
widely is being worked in the fields of solvents and catalysis.. In the fi rst, we work on
finding alternative solvents to replace or reduce those who are polluting. In the field
of catalysts which are selective sought that can reduce the amount of byproducts and
improve process efficiency. It is also intended that these catalysts are reusable, so as
to promote the separation processes and minimize waste from it. The field of
211



catalysis covers both pollution prevention through the development of new catalytic
routes cleaner as their elimination. In general, there is a tendency heterogeneizar
homogeneous catalysts. It is to combine the advantages of homogeneous catalysis
(high speed and selectivity) with the ease of recovery and recycling of the
heterogeneous catalysts. There are many examples of heterogeneous catalysts
currently used, including those that have been synthesized from carbonaceous
materials with or without metals in the surface great promise. The main application of
palladium is used as catalyst, especially in reactions hydrogenation /
dehydrogenation and coupling to form bonds. This extension of the activity of
palladium as a catalyst in coupling reactions in organic chemistry has been a
revolution in organic synthesis. Fine chemicals, especially the pharmaceutical
industry has been interested widely coupling reaction catalysed by palladium since its
discovery. With this philosophy in line catalysis research studies are being developed
for using functionalized carbon nanotubes with adsorbed palladium catalysis
reactions. The functionalization of carbon nanotubes by adsorbing molecular
receptors provides a suitable route for the retention of metal ions on the same, thus
obtaining materials that, in the case of the ion present catalytic activity, can be used
as catalysts heterogeneous. In this work, was prepared hybrid material receiver /
MWNT by adsorption of the receptor N-2-(4-amino-1,6-dihydro-1-methyl-5-nitroso-6-
oxopirimidinil)-tris-( 2-aminoethyl) amine (which from now on abbreviated as R) on
carbon nanotubes (MWNTs). With the material obtained proceeded to its application
to hydrogenation reactions of n-octene, and Sonogashira coupling reactions

PREPARACIÓN DE 4-AMINO-1,6-DIHIDRO-1-METIL-2-METOXI-5-NNITROSO-6-
OXOPIRIMIDINA
El compuesto 4-amino-1,6-dihidro-1-metil-2-metoxi-5-nitroso-6-oxopirimidina,
precursor del receptor R, se ha preparado en tres pasos, siguiendo el método
experimental descrito en bibliografía.

Preparación de 4-amino-1,6-dihidro-2-metoxi-6-oxopirimidina
El compuesto se obtiene según el esquema:
212




Figura 1:Preparación de hidrocloruro de metilsourea

Se prepara una disolución de hidrocloruro de metilisourea disolviendo 57,09g
de cloruro de hidrógeno (que se obtiene generando una corriente de este gas) en
300 ml de metanol. A esta disolución se añaden 569 ml de metanol y 47,89g de
cianamida y dejamos reposar la disolución a temperatura ambiente durante dos días.
Se disuelven 26,20g de sodio en 229 ml de metanol (con lo que se genera
metóxido sódico) y después de enfriar, se agrega sobre una disolución que contiene
126,99g de hidrocloruro de metilisourea. Se filtra a vacío el cloruro sódico formado.
Sobre el filtrado se añade una disolución de metóxido sódico que contiene 26,20g de
sodio en 229mL de metanol y, a continuación, 128,71g de cianoacetato de etilo.
Todo el conjunto se mantiene a reflujo durante tres horas (en la última hora se puede
recuperar metanol mediante destilación simple). La disolución obtenida se lleva a
sequedad por evaporación a presión reducida y el residuo obtenido se disuelve en
agua caliente y se neutraliza con ácido acético.
N
O
O
CH
3
+
N O
CH
3
O
NH
N
-
H
+
N O
CH
3
O
N
NH
2
NH
N H O
CH
3
-

Figura 2: Preparación de 4-amino-1,6-dihidro-2-metoxi-6-oxopirimidina


Rendimiento: 82,84%
213



Al final de la reacción se obtuvieron 142,80g de 4-amino -1,6-dihidro-2-metoxi-
6-oxopirimidina (compuesto A).

Preparación de 4-amino-1,6-dihidro-1-metil-2-metoxi-6-oxopirimidina
En este proceso se introduce un grupo metilo en el átomo N1 del anillo
pirimidínico del compuesto A obtenido en la etapa anterior.
N
N
O
CH
3
O
NH
2 N
N
O
CH
3
NH
2
O
C H
3

Figura 3: Preparación de 4-amino-1,6-dihidro-1-metil-2-metoxi-6-oxopirimidina

Se prepara una disolución de hidróxido sódico 1N (16g de NaOH en 400 ml
de agua), se enfría y se añaden 60 g del producto A. La disolución resultante se
introduce rápidamente en un baño de hielo y se le adiciona poco a poco y con
agitación continua 60,54g de sulfato de dimetilo. Una vez añadido todo el sulfato de
dimetilo se mantiene la agitación en baño de hielo durante tres o cuatro horas. Al
finalizar dicho período aparece un precipitado del producto que se desea obtener.
Se sabe que la densidad del sufato de metilo es 1,33 g/ml, por tanto serán
necesarios necesarios 45,52ml.
Al final de la reacción se obtuvieron 27,31 g de pirimidina metilada
(compuesto B). A partir de la estequiometria de la reacción, se determina que la
masa teórica obtenida debería ser de 53,35g, por lo tanto se puede calcular el
rendimiento de la reacción de metilación.


Preparación de 4-amino-1,6-dihidro-1-metil-2-metoxi-5-nitroso-6-oxopririmidina
En esta fase introducimos un grupo nitroso en el carbono en posición 5 del
compuesto B, según el esquema:
N
N
O
CH
3
NH
2
O
C H
3
N
N
O
CH
3
C H
3
O O
N
NH
2

Figura 4: Preparación de 4-amino-1,6-dihidro-1-metil-2-metoxi-5-nitroso-6-oxopririmidina
214




Se disuelven 17,23g de B en 222.2 ml de agua caliente, se añaden 8,90g de
nitrito sódico y 16,67 mL de ácido acético glacial (este último se añade poco a poco
en pequeñas porciones) y se agita la muestra durante unos minutos. Se deja enfriar
a temperatura ambiente con lo que precipita el compuesto nitrosado (compuesto C).
Se filtra a vacío y, finalmente, se lava el precipitado con agua fría.
Se obtuvieron 20,43g de pirimidina nitrosada. De acuerdo con la
estequiometria de la reacción, la masa teórica obtenida debería haber sido 24,50g,
por lo tanto se puede calcular el rendimiento.



PREPARACIÓN DEL MATERIAL HÍBRIDO R/MWNT

El material híbrido R/MWNT se ha preparado mediante adsorción del receptor
R sobre MWNT. Para ello, se puso en contacto 1 litro de disolución 0,8742 mmol/L
de R, de masa molar igual 351 g/mol, pH 5, con 1,50 g de MWNT. La ecuación a
seguir muestra la masa teórica de receptor a ser pesada para obtenerse una
disolución 0,8742 mmol/L.



Las masas realmente pesada fue de 0.32438g de TREN y 1,5002 g de
nanotubo.
La mezcla se mantuvo en agitación durante 48h, en una incubadora orbital
Sartorious Certomat IS, a 25ºC. Tras este periodo, se separó el sólido de la
disolución mediante filtración a vacío, se lavó con agua y se dejó secar en
desecador, provisto de silica gel.
La cantidad de receptor R adsorbida sobre MWNT resultó ser de 0,6339 mmol
de R/g de MWNT. Dicha cantidad se calculó por diferencia entre la concentración
inicial y final de disolución de R. Estas concentraciones fueran determinadas por
espectroscopia a λ 303 nm, aplicando la Ley de Lambert-Beer, previamente se
215



realizó a dilución de la muestra de 1ml de hasta 25ml, utilizando para ello un
espectrofotómetro Perkin-Elmer, Lambda 25. Para calcular las concentraciones se
utilizó la ecuación de recta patrón a seguir:

M1 M2 M3
1°medida 0,3962 0,4068 0,4104
2°medida 0,3970 0,4068 0,4102
Media 0,4046
Concentración (mmol/L) 1,5482
Tabla 1: medidas de absorbancia y valores de las concentraciones antes de la
adsorción del receptor

M1 M2 M3
1°medida 0,1535 0,1598 0,1663
2°medida 0,1533 0,1593 0,1663
Media 0,1597
Concentración (mmol/L) 0,5972
Tabla 2: medidas de absorbancia y valores de las concentraciones después de la
adsorción del receptor

A partir de estos datos se determina que la cantidad adsorbida en 1, 5002g de
nanotubos fue 0,09509 mmol y por tanto, se adsorbieron 0,6339 mmol de R/ gramo
de nanotubo de carbón.

Referências bibliográficas
A.A. Namedov, N.A. Kotov, M. Prato, D.M. Guldi, J.P. Wicksted, A. Hirsch Nat.
Mater., 1,190, 2002. 2
A. Marchal, M. Melguizo, M. Nogueras, A. Sánchez, J. N. Low; Synlett, 255-258,
2002. 16
A. Quesada, A. Marchal, M. Melguizo, J. N. Low, C. Glidewell; Acta Cryst., B60, 76-
89, 2004. 17
A. Liberti y T.S. Ligth. Journal of Chemical Education, 39, 236-239, 1962.
Caio A. E. Barata, Marcos V. Petri, Fernando P. Bellini, Pedro H. C. Camargo,
Síntese de nanotubos de Prata-Ouro, Prata-Paládio e Prata-Platina, 2012.
C.Q. Sun, H.L. Bai, B.K. Tay, S. Li, E.Y. Jiang J. Phys. Chem., 107, 7544, 2003.
D.A. Skoog, J. J. Leary, Análisis Instrumental, volumen 1, McGraw-Hill, 1984
Farias Martina, Martinelli Márcia, Epoxidação do óleo de soja com o sistema
catalítico (MoO2(acac)2/TBHP em (BMIM)(PF6), vol35, 2012.
216



F. Cataldo Fullerenes, Nanotubes, Carbon Nanostruct., 10, 293, 2002.
Fernandes S. Jandilson, Catalisadores de paládio suportado em carvão ativado para
produção de biocombustíveis, 2011.
Figueiredo, J. L.; Ribeiro, F. R. Catálise heterogênea, Fundação Calouste
Gulbenkian, Lisboa, 1987.
F.J. Rossotti, H. Rossotti, The determination of stability constants. McGraw-Hill, New
York, 1961.
Flavia Martins da Silva, Paulo Sérgio Bergo de Lacerda e Joel Jones Junior,
desenvolvimento sustentável e química verde, Vol. 28, 2005.
Guldi,D.M. and Martin,N.(Ed.) Carbon nanotubes and related structures Wiley-VCH
2010.
G. Biedermann, L. G. Sillen. Arkiv. Kemi., 5, 425-440, 1953
G. Gran. Analyst, 77, 661-671, 1952.
J. García-Martín, R. López-Garzón, M.L. Godino-Salido, M. D. Gutiérrez-Valero, P.
Arranz-Mascarós, R. Cuesta-Martos, F. Carrasco-Marín. Langmuir, 21, 6908-6914,
2005.
J. García-Martín, R. López-Garzón, M.L. Godino-Salido, R. Cuesta-Martos, M.D.
Gutiérrez-Valero, P. Arranz-Mascarós, Helen Stoeckli-Evans. Eur. J. Inorg. Chem.,
3093-3103, 2005.
J. García-Martín, M.L. Godino-Salido, R. López-Garzón, M. D. Guitérrez-Valero, P.
Arranz-Mascarós, H. Stoeckli-Evans. Eur. J. Inorg. Chem., 1095-1106, 2008.
J.N. Low, M. D. López, P. Arranz Mascarós, J. Cobo Domingo, M. L. Godino, R.
López arzón, M. D. Gutíerrez, M. Melguizo, G. Ferguson and C. Glidewell. ; Acta
Cryst., B56, 882-892, 2000.
L. Alderighi, P. Gans, A. Ienco, D. Peters, A. Sabatini, A. Vacca. Coord. Chem. Rev.,
184, 311-318, 1999
Luciana A. Farias; Déborah I. T. Fávaro, Vinte anos de química verde: conquistas e
desafíos, vol.34, 2011.
Maria do Carmo Rangel; Marly Fernandes Araújo Carvalho, Impacto dos
catalisadores automotivos no controle da qualidade do ar, vol.26, 2003.
Maria do Carmo Rangel; Marly Fernandes Araújo Carvalho, Impacto dos
catalisadores automotivos no controle da qualidade do ar,vol.26 , 2003.
M.C. Román-Martínez, J.A. Díaz-Auñón, P.C. L’Argentière, C. Salinas-Martínez de
Lecea. Catal. Lett., 77, 2001.
M.D. Gutérrez-Valero, M.L. Godino-Salido, P. Arranz-Mascarós, R. López-Garzón, R.
Cuesta-Martos, J. García-Martín. Langmuir, 23, 5995-6003, 2007.
M.D. Gutiérrez-Valero, P. Arranz-Mascarós, A. Peñas-Sanjuán, M. L. Godino-Salido,
R. López-Garzón, A. Santiago-Medina, M. Melguizo-Guijarro, M. Pérez-Mendoza, F.
J. López-Garzón, María Domingo-García. Materials Chemistry and Physics 134, 608
– 615, 2012.
M. Engelman. Chem. Ber. 42, 177, 1909.
217



M.L. Godino-Salido, R. López-Garzón, P. Arranz-Mascarós, M.D. Gutiérrez-Valero,
A. Santiago-Medina, J. García-Martín. Polyhedron, 28, 3781-3787, 2009.
M. Melguizo, A. Marchal, M. Nogueras, A. Sánchez, J. N. Low; J. Heterocycl. Chem.
39, 97-103, (2002); b) A. Marchal, M. Melguizo, M. Nogueras, A. Sánchez, J. N. Low;
Synlett, 255-258, 2002.
M.S. Dresselhaus, H. Dai Advances in carbón nanotubes. MRS Bull., 29 (4), 2004.
New Pasat, Ver. 2.00, Massimo Fontanelli, Departamento de Química, Universidad
de Florencia, 1995.
P. Gans, A. Sabatini, A. Vacca. Talanta, 43, 1739-1753, 1996; HYPERQUAD 2006,
Protonic Software, 2006.
P.M. Ajayan Chem. Rev., 99 (7), 1787, 1999. 6
P. Schifani, C. Barbero,H. J. Salavagione, G. M. Morales, Síntesis de nanoparticulas
soportadas sobre nanotubos de carbón soluble, 2008.
Rachel Bulcão
,
Lucas Santa Maria, Mariele Charão, Angela Moro, Miguel Roehrs,
Solange Cristina Garcia, Renata Pereira Limberger, Quantificação simultânea de
indicadores biológicos de exposição a solventes orgânicos por cromatografia líquida
de alta eficiencia, vol.31, 2008.
Rocha C. Maria da Graça, A combustão catalítica do metano: estudo estatístico do
efeito das variáveis de preparação e pré-tratamento de catalisadores de paládio
suportado sobre a atividade catalítica, vol.24, 2001.
Roseno C. T. Karina,estudos dos catalizadosres paládio/zirconia sulfatada na
reduçao NOx com metano e etanol, 2008.
S. Iijima, Nature, 354, 56, 1991. 7
S. Iijima, T. Ichihashi, Nature 1993, 363, 603; D. S. Bethune, C. H. Kiang, M. S.
DeVries, G. Gorman, R. Savoy, R. Beyers, Nature 363, 605, 1993. 8
Silva M. Flavia e Jones Jr Joel, Reação orgánica em meio aquoso, vol.24, 2001.
V.B. Vadlokar, G.L. Tembe, M. Ravindranathan, R.N. Ram, H.S. Rama. Journal of
Molecular Catalysis A: chemical, 2, 02,

47, 2003.
218




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








HÍBRIDOS, DIAGRAMAS, ALGORITMOS: UN RESUMEN DE
LOS PROCESOS DIGITALES DE TRABAJO EN LA
CONCEPCIÓN DEL PROYECTO DE ARQUITECTURA




Geraldo Benicio da Fonseca
Universitat Politècnica de Catalunya
ETSAB/UPC


2013
219



Híbridos, diagramas, algoritmos: un resumen de los
procesos digitales de trabajo en la concepción del
proyecto de arquitectura

Geraldo Benicio da Fonseca
Mestre em Arquitetura, doutorando
Depto. EGA I, ETSAB
Doutorado em Comunicação visual em arquitetura e design
UPC, España
Ge. Benicio@gmail.com

Resumen
El artículo registra el uso de los recursos tecnológicos digitales en la representación
gráfica arquitectónica. Enseguida, analiza los distintos usos creativos de la
informática gráfica en la fase de concepción arquitectónica, hasta la fecha apenas
estudiados de un modo sistemático. Desde la óptica profesional, observa la
diversidad de maneras cómo los arquitectos incorporan las nuevas tecnologías y
recursos representativos en su praxis cotidiana, y apunta a posibles avances en la
actividad proyectual.
Palabras-clave: representación, proyecto, arquitectura, tecnología, digital.

Abstract
The article discloses the use of digital technology resources on architectural
representation. Then, discusses various creative uses of computer graphics in the
architectural design phase, so far hardly studied in a systematic way. From the
professional perspective, notes the diversity of ways how architects incorporate new
technologies and representative resources in their daily practice, and points to
possible advances in the project activity.
Keywords: architectural project, representation, architecture, technology, digital.

Introducción
La discusión en torno a los métodos de proyecto tiene ya una larga historia. Sin
buscar por sus orígenes, en mitad de los años sesenta encontramos a autores como
Christopher Alexander, que conformaron una “tradición metodológica” relevante a la
crítica y la práctica arquitectónica. Otros extienden la vida de esta tradición
metodológica hasta casi los orígenes del Movimiento Moderno, del cual sería una de
220



sus vertientes constitutivas” (VELÁZQUEZ, ECHEVARRÍA, 2008). Esta posición
teórica considera la actividad creativa como parte de un grupo de conocimientos
atentos a una sucesión lógica de etapas de análisis y síntesis. Así, la “metodología
del proyecto” acabó vista como parte del paradigma analógico de concepción
arquitectónica predominante en el occidente hasta los setenta.
Las condiciones actuales de producción de la arquitectura han puesto en
cuestión a esta idea, tan cara a profesionales formados en esta “tradición
metodológica” perteneciente al siglo XX. Los arquitectos contemporáneos
encuentran límites en la linealidad implícita en la sucesión idea-partido-proyecto,
incapaz de dar cuenta de la complejidad de los fenómenos arquitectónicos, o de
las incertidumbres de un proceso de diseño: tanto el acto de proyectar como el uso
posterior de lo proyectado son justamente procesos, y no actos que puedan
prefigurarse de antemano. Ya no se trata de elaborar metodologías universales,
pretendidamente capaces de ser utilizadas casi sin alteraciones en una diversidad
de ocasiones, sino de la creación de procesos particulares; la posición que se ha
firmado considera que proyectar es, ante todo, inventar procedimientos.
En el largo espectro de los software útiles a la arquitectura, los que se han
visto con más frecuencia en la concepción del proyecto son los programas de
manipulación de superficies de curvatura continua y de transformación secuencial de
formas (algoritmos genéticos, autómatas celulares etc.), los sistemas digitales de
generación de alternativas relacionales (los algoritmos de ordenación formal y
funcional, las máquinas de proyectar o los diagramas digitales), los programas de
manipulación de imágenes y de creación de gráficos, los modeladores digitales que
estudian, simulan y animan el objeto arquitectónico, y los programas dedicados a la
gestión de la información y de la comunicación.
221




Uso de la representación gráfica digital en la fase de concepción del proyecto
de arquitectura
Proceso Características Base de
trabajo
Ejemplos
Recursos
digitales
como
fundamentos
del proceso
de
concepción.



















Recursos
digitales
como
soportes del
proceso de
concepción.
a) Generación
del concepto
Diagramas,
algoritmos,
superposición
de vectores,
Datascapes.
Software
manipula
variables y
crea
alternativas
conceptuales.
No.mad,
MVRDV,
UN Studio.
b) Máquinas de
proyectar
Urbanismo
interactivo.
Software
manipula
variables y
crea
alternativas
formales.
MVRDV,
ONL, Kees
Christiaanse.
c) Generación
de la forma
Morphing,
Folding,
Algoritmos, uso
de modelo
digital en la
concepción.
un software de
generación y
manipulación
formal.
FOA,
OCEAN,
FORM,
Zaha Hadid.
d) Proyecto
como
hipermedia
Acumulación,
superposición,
yuxtaposición,
de la
información,
videojuegos
un modelo
digital
interactivo (el
fundamento
teórico es la
complejidad).
MVRDV,
TU Wien,
Asymptote.
e) Tele-
proyecto
El proyecto es
gestionado a
distancia y en
tiempo real.
la
comunicación
por redes (la
Internet es el
paradigma).
UN Studio,
FOA, ONL,
West 8,
OCEAN.
f) Evaluación
de
comportamiento
Simulaciones de
consumo
energético,
insolación, o
esfuerzo
estructural.
Un modelo
digital del
objeto
arquitectónico.
CAD, BIM,
Revit.
ABB
Arkitekten,
Cloud9,
AL_A,
Future
Systems
OCEAN.
g) Hibridación
analógico-
digital
Vectorización,
rasterización,
escaneo,
mezcla,
collage digital.
una imagen
raster o un
archivo CAD
West 8,
XGDA,
No.mad,
Scape,
Frank Gehry,
Taller Bofill.

222



Cuadro 01: los principales grupos de procesos digitales usados en la generación de soluciones
arquitectónicas, ordenados según un gradiente de uso más o menos intenso de la representación
gráfica digital en la fase de concepción del proyecto de arquitectura.

Hasta el presente no se ha logrado un abordaje teórico que unifique el uso de
todos estos recursos infográficos, de generalización relativamente reciente en la
arquitectura. Asimismo, y más allá del uso común de la plataforma CAD, la
observación de un amplio rango de iniciativas encontró similitudes en su inspiración
conceptual, en los procesos de trabajo y en recursos gráficos utilizados en el
momento de la concepción de la idea: casi todos se basan en herramientas
informáticas, y tienen lugar a partir de la lectura de los datos disponibles,
revalorados en cuanto información capaz de influir en el proyecto. La organización
de esta información se vale de criterios que estimulan la aparición de nuevas
relaciones entre esos datos, nuevas lecturas del cuadro general (es decir, del
problema arquitectónico) y nuevas líneas de acción, que resultan en más
alternativas proyectuales.
Similitudes y tendencias en la praxis del proyecto arquitectónico digital
condujeron a categorías para ordenar los diversos procesos digitales generativos de
soluciones arquitectónicas desde el punto de vista específico de su utilidad en la
fase de concepción del proyecto: la “hibridación analógico-digital”, la “fabricación
digital”, la “evaluación de comportamiento”, el “tele-proyecto”, la “generación de la
forma”, el “proyecto como hipermidia”, la “generación del concepto” y las “máquinas
de proyectar”. El Cuadro 01 propone la ordenación de estas categorías desde un
gradiente de responsabilidad creciente, donde el componente digital asume una
participación cada vez más activa en la fase de ideación arquitectónica.

La “generación del concepto”
Por esta expresión se entienden las estrategias que utilizan recursos gráficos
digitales, no para manejar las formas arquitectónicas, sino para manipular los
conceptos que anteceden y fundamentan las operaciones formales, planteando las
condiciones bajo las cuales existirán las formas arquitectónicas.
La herramienta más usual de esos procedimientos es el diagrama:
representación gráfica de un proceso dinámico sintetizado mediante comprensión,
abstracción y simulación, pero también una máquina de acción (generativa, sintética,
productiva). Un ejemplo del uso de diagramas en la elaboración del concepto
223



arquitectónico es encontrado en los “modelos” del UN Studio. Su líder Ben van
Berkel enfatizó la naturaleza estratégica de estos elementos, concebidos como
mapas de relaciones dinámicas, precediendo y orientando el proceso de búsqueda
de la forma. Los “modelos” más divulgados por UN Studio son la “botella de Klein”, el
diagrama en “V” y la estrategia llamada “blob-to-box”. El modelo en “V”, fundado en
una operación de tipo “path”, considera la deformación continua de un elemento
estructural integrado por dos diagonales apoyadas en el mismo punto base. Tendría
origen en proyectos de la década de 1990, pero es visible en estructuras del
Complejo Arnhem Centraal. El modelo de la botella de Klein representa la intención
de trabajar una forma que se pliega sobre si misma de modo a que la superficie
interior y la exterior se mezclan. Fue usado como referencia en el altillo del mismo
Arnhem Centraal o en el pabellón “Living Tomorrow” (Ámsterdam, 2000-2003), cuya
forma sí que es una metáfora evidente de una botella de Klein. El diagrama l lamado
“blob-to-box” consiste en la deformación intencional del contenedor mediante el
morphing: la transformación de una forma más “regular” en otra más curvilínea o
compleja corresponde a la transformación conceptual y funcional. El “blob-to-box”
apareció por primera vez en el proyecto para el Puente Príncipe Claus (Utrecht,
1998-2003)
20
.
El ejemplo que mejor describe el uso de recursos digitales en la “generación
del concepto” es el proceso de “vectorización” de la realidad propuesto por Eduardo
Arroyo, que consiste en el uso extensivo de diagramas, algoritmos y otras técnicas
digitales para interpretar la influencia del contexto y las relaciones entre las partes
que integran el cometido arquitectónico. Se trata de transformar estas influencias en
vectores de fuerzas, en zonas de inclusión o de exclusión, en áreas de predominio
de uno u otro condicionante. Enseguida se procede al registro gráfico de estas
influencias, generando una serie de diagramas o mapas de las influencias. Su
aplicación genera las formas arquitectónicas, que pueden o no mantener algo de la
configuración de los gráficos utilizados.
Otra posibilidad es el “paisaje de datos”, técnica proyectual que intenta revelar
teorías, ideologías o paradigmas que quedan por detrás del proceso de diseño.
Estas limitaciones están “escondidas” por todos los parámetros y condicionantes

20
Sin embargo, el resultado de la aplicación de estos modelos o diagramas en diversas obras recientes acerca el
UN Studio a otros estudios de arquitectura que prefieren estrategias como el morphing y el path, ya descritas en
la “generación de la forma”, y que atienden a intenciones más bien formalistas. Cf. VAN BERKEL, 2006:270.
224



establecidos a priori para el análisis y la propuesta de soluciones. Pero al enfocar la
representación y el uso más “objetivo” de los datos del problema, los datascapes
intentan subvertir esta situación, demostrando las limitaciones. Esto haría posible su
discusión, así como la proposición de soluciones proyectuales inesperadas.

Las “máquinas de proyectar”
La idea de una máquina de proyectar combina la cibernética y otras ramas del
conocimiento para desarrollar un mecanismo digital que articule gran cantidad de
datos desde parámetros operativos. Éstos, al ponerse acción, generarían opciones
proyectuales, enseguida seleccionadas por el arquitecto. Una serie de iniciativas -de
las cuales la más conocida es, otra vez, la “superficie de datos” o “paisaje de datos”
que el estudio holandés MVRDV ha difundido- intentan explorar el potencial ofrecido
por los recientes desarrollos tecnológicos para manipular un conjunto de datos lo
bastante amplio para simular escenarios de desarrollo de toda una región.
Esta proposición, en realidad heredera de las primeras relaciones entre la
cibernética y la arquitectura, remonta a los años 1950. El acercamiento fue notado
por investigadores como John MacHale y Nicholas Negroponte, y por arquitectos
como Buckminter Fuller, Yona Friedman, Konstantinos Doxiadis, Christopher
Alexander o, más reciente, Peter Eisenman
21
. Los resultados de sus experimentos
fueron desiguales, desde esquemas funcionales pueriles hasta métodos de
generación formal sofisticados, pero que raramente llegaron a la práctica.
Sólo en este milenio ha sido posible observar cambios consistentes en el
tema. La condición favorable que supone la disponibilidad de hardware, software y
telecomunicaciones, aliada a un ambiente social complejo, que ensalza lo técnico a
la vez que desconfía de lo político, generó la expectativa por sistemas más
accesibles y mejor integrados. De ahí el retorno de la idea de una máquina de
planeamiento interactivo que, desde la cibernética, sea capaz de avanzar más allá
de los hipertextos y de la generación de superficies, para desarrollar y elegir
alternativas proyectuales. Del MVRDV provienen las iniciativas más divulgadas: sus
“paisajes de datos” son representaciones visuales de las fuerzas que influyen en la

21
Peter Eisenman propuso determinar algunos parámetros y dejar al ordenador la tarea de calcular diversas
síntesis volumétricas y geométricas, que el arquitecto después seleccionaría para su trabajo. Cf. la entrevista en
LIU, 2001:18.
225



concepción de sus proyectos. Superpuestas, estas influencias generan gráficos
complejos, utilizados como punto de partida para la definición formal.
Otra innovación del MVRDV es su “Functionmixer”, un programa que
manipula datos y variables (las demandas de los usuarios, el dimensionamiento de
los espacios y la cantidad de unidades a ser proyectadas) para proponer
disposiciones espaciales urbanas que serán examinadas, seleccionadas y re-
trabajadas por los arquitectos
22
. Proceso similar fue utilizado en la concepción de
algunos de sus proyectos arquitectónicos, como las viviendas Silodam (Ámsterdam,
1995-2002), donde la ordenación de los espacios fue determinada por un programa
estadístico. Otras máquinas de proyectar propuestas por el MVRDV son el
Regionmaker o el Spacefighter (2006-2007), que se presenta como un videojuego.
Muchos ejemplos provienen del ámbito universitario: desarrollado por la ETH
Zurich, el Kaisersrot (2000) analiza demandas urbanas, la infraestructura disponible,
el potencial constructivo y factores ambientales de parcelas urbanizables.
Enseguida, el programa crea y desplaza volúmenes para optimizar las variables
urbanísticas del espacio disponible (VON BORRIES, 2007:364-365); la Bauhaus
Dessau, que propuso una serie de programas que interpretaron de modo estadístico
las necesidades y rutinas diarias de los usuarios, para enseguida proponer
“unidades” (soluciones funcionales y espaciales a las demandas identificadas) y
modos de ordenación de éstas, aplicadas a una parcela urbanizable de Sydney,
Australia (SONNABEND, 2003:98-120, passim); la facultad de arquitectura del MIT
que, asociada a la revista holandesa Volumen, diseñó un programa teórico que
propone un nuevo orden social y urbano; y el ya citado
ARCHITECTURE_ENGINE_1.0, desarrollado por la AT Wien, que permite al
arquitecto tanto diseñar como si participara de un “videojuego” como manipular las
“reglas” del mismo, modificando la apariencia del entorno y el comportamiento de los
objetos.
Experimentos como éstos, mismo limitados por su carácter académico,
acercaron la arquitectura a las tecnologías que usan gran cantidad de datos para
articular conocimientos y acciones de diseño. En su máximo potencial, una máquina
de proyectar sería como un “espejo del mundo”: un instrumento urbanístico siempre

22
KOLAREVIC, 2003:21-22; MARQUEZ CECILIA, LEVENE, 2003; MONTANER, 2008:167.
226



en uso y siempre en actualización; cada vez más cabal a la vez que perpetuamente
incompleto.

La “generación de la forma”
El mito de la tecnología digital como un “Prometeo” liberador de la forma
arquitectónica es parte importante del ideario arquitectónico contemporáneo, y está
presente en la tendencia a identificar la innovación con la tecnología, o en intentos
de justificar estas opciones como parte de la herencia del Movimiento Moderno. Una
de sus facetas más evidentes es la considerable atención que reciben todos los
procesos destinados al diseño de superficies (la “piel” o forma continente), a menudo
tomadas como principales responsables de la generación de la forma arquitectónica.
Las estrategias de diseño del contenedor consisten en técnicas digitales hechas por
intermedio de operaciones parametrizadas como el morphing, el folding, el lofting, el
path, la morfogénesis o el uso de algoritmos genéticos, que siguen el concepto de
“flujo continuo” para curvar, distorsionar o combinar formas y superficies mediante
desplazamientos en el espacio y/o en el tiempo. Todos estos procesos de
generación formal presentan funciones generativas, transformadoras, combinatorias
y/o randómicas, aptas a gestionar alternativas formales de modo interactivo y auto-
organizado; y comparten una insistencia en la exploración de geometrías no-
euclidianas, además de una reiterada atención a la complejidad.
Desde las primeros experimentos en el MediaLab del MIT en los años 1970, y
en el estudio Unit 11 de la AA de Londres en los años 1980 (FRAZER, 1995), fue
desarrollada una impresionante diversidad de operaciones digitales de generación
de superficies y volúmenes. A partir de los primeros años noventa (cuando
condiciones tecnológicas favorables permitieron nuevas posibilidades creativas en el
proyecto digital), el diseño del contenedor ha dominado la investigación del
modelado tridimensional y del rendering de las superficies complejas, sus materiales
y texturas. Desarrollada en la esfera académica, supuso un relevante medio de
experimentación formal para las primeras generaciones de profesionales “digitales”.
En la actual diversificación de procesos de generación formal merece
mención el test de la forma arquitectónica por medio de la fabricación digital. Se trata
de procesos de producción de prototipos (modelos en escala, de carácter único) que
no son manuales ni simplemente mecánicos. O sea: más que automáticos, son
227



controlados por un ordenador. Los dos métodos fundamentales para obtener formas
tridimensionales por medio de la fabricación digital son: producción adictiva (el
proceso más conocido es el de las impresoras 3D); y producción sustractiva (CNC´s,
cortadoras a laser o a jato de agua, fresas).
Si en su origen estos procesos se destinaban a la creación de piezas
preliminares usadas en el test de formas para la producción industrial, hoy día se
usan como un proceso más de fabricación, como en la creación de piezas dentales.
Están ya extendidas a la arquitectura, siendo usuales tanto en estudios como en
escuelas. Usada como proceso auxiliar de la concepción arquitectónica, en general
produce un modelo de edificio en escala reducida, que sirve para la evaluación de la
forma tridimensional deseada. La fabricación digital de esta clase de modelos
preliminares se suele llamar prototipado rápido (en inglés, Rapid Prototyping o
Rapidtooling).
Uno de los primeros ejemplos de la manipulación digital de la forma
continente y que resultó en un edificio construido es, de nuevo, el proyecto del FOA
para la terminal marítima de Yokohama, que partió de superficies que se plegaban y
se interpenetraban, aludiendo a propiedades topológicas del espacio (FOA, 2002).
Pero los procesos de exploración formal siguen fascinando a arquitectos como Lina
Jamelle, Ali Rahim, Greg Lynn, Karl S. Chu, Dennis Dollens, Alberto Estévez y John
Frazer, o a grupos como dECOi, NOX, ONL y

KOL/MAC LLC. También Achim
Menges y Michael Hensel, del OCEAN, trabajan en esta línea, proponiendo edificios
que se inspiran en formas encontradas en la naturaleza, como el movimiento espiral
del caparazón de los moluscos, los arrecifes coralinos o las ramas de un árbol.

El proyecto como hipermedia”
El ser humano contemporáneo percibe su entorno como una realidad complexa,
integrada por una multitud de fenómenos interdependientes. Su relación con este
entorno “hipermidiatizado” ocurriría mediada por los sentidos y, también, por
“extensiones” digitales, que le permitirían ampliar su capacidad de percepción y
reacción. Esto condujo a la idea de los recursos digitales como mediadores entre los
sujetos y el mundo de las ideas y del conocimiento, y a la noción, cada vez más
228



aceptada, de que la informática y la comunicación en red ayudan a transformar las
relaciones entre tiempo, espacio, sujetos y objetos
23
.
Uno de estos “mediadores digitales” sería la hipermedia: un espacio virtual
multidimensional, continuo y entrelazado por hipervínculos que almacenan y
conectan la información disponible, de modo a soportar un “modo de pensar”
contemporáneo y más complexo sobre los fenómenos. Así, la hipermedia permitiría
la disponibilidad inmediata de informaciones acerca del proyecto arquitectónico,
ordenadas en estructuras constituidas por diversos niveles (capas) superpuestos e
interconectados. La reconocida flexibilidad en el proceso de “navegación” de las
hipermedias abre una serie de posibilidades a la profesión, como por ejemplo la
individuación del acceso al proyecto; esto implica que, desde un mismo grupo de
datos, es posible obtener distintos resultados proyectuales. Un proyecto
arquitectónico registrado en hipermedia es valorado por su complejidad, por su
capacidad de agregar y relacionar la máxima cantidad de información sobre el
edificio, y por la posibilidad de atestiguar la totalidad de su proceso de concepción.
Adelantada por Bernard Tschumi, la posibilidad del registro gráfico de la obra
arquitectónica en forma de hipermedia está presente en la literatura experta desde
los años 1990 (CHIARELLA, 2009; SAINZ, VALDERRAMA, 1992:159-161). Sus
antecedentes serían, en el aspecto conceptual, las iniciativas de superación del
paradigma de la perspectiva cónica llevadas a cabo principalmente en el último
cuarto del siglo XX; y en lo técnico, el uso del lenguaje por capas. Los “layers” son
parte esencial de plataformas CAD y de diversos programas gráficos como el
Photoshop, donde ordenan la información y gestionan los cambios. Sin embargo, la
visualización simultánea de contenidos en varias capas depende tanto de los
recursos de visualización ofrecidos por cada software (transparencias, códigos de
colores, símbolos etc.) como de la capacidad de interpretación del usuario. Por esto,
en los programas CAD el lenguaje por capas evolucionó hacia aplicaciones donde
cada capa corresponde a un determinado grupo de informaciones, y el conjunto de
capas permite la visualización simultánea de todas las partes del modelo
arquitectónico en proyecto.

23
Entre otros, Pierre Levy discutió la naturaleza “hipertextual” de los procesos socio-técnicos y su relación con
los ambientes computacionales: “Na medida em que cada conexão suplementar, cada nova camada de programa
transforma o funcionamento e o significado do conjunto, o computador emprega a estrutura de um hipertexto...”.
Cf. LÉVY, 1999.
229



Uno de los primeros intentos de proyecto arquitectónico que explorara el
territorio de la hipermedia fue transPORTs2001: concebido por Marcos Novak, Kas
Oosterhuis y la artista Ilena Lénard para ciudades portuarias como Rotterdam,
consistía en arquitecturas flotantes aptas a transformar-se a partir de la interacción
entre usuarios y ambiente. También las investigaciones de FOA, UN Studio,
MVRDV, Reiser+Umemoto o del Form de Greg Lynn, si bien difieren en los detalles,
tendrían en común la atención a estos procesos de híper-indexación” (KIPNIS in
FOA, 2000:08) que intentan descripciones más eficaces del objeto arquitectónico
considerado.
Como ejemplo de una estructura hiperindexada, el Asymptote concibió el
3DTF (3-D virtual trading floor): la visualización tridimensional y dinámica de un
espacio virtual interactivo en el que se localizan, se observan y se manipulan datos
bancarios, financieros y bursátiles, índices, gráficos, noticias y vídeos en directo.
Parte de esta información es presentada en tiempo real en paneles panorámicos
periféricos al ambiente, y otra está condensada en mostradores cilíndricos giratorios,
"flotando" en un “ambiente arquitectónico” virtual. Éste es a su vez soportado por su
base material, el Advanced Trading Floor, proyectado por Asymptote para la gestión
de mercados bursátiles de la Bolsa de Valores Virtual de New York (NYSE)
(RASHID, COUTURE, 2002).
Otra posibilidad es modelar objetos que contengan información coordinada y
coherente en todos los niveles de complejidad que corresponden al cometido de un
edifico a ser construido. Esto significa que cada nivel permite acceso a otros, y que
cada objeto que integra el proyecto está compuesto por informaciones de sus
propias partes. De este modo sería posible “navegar” por todo el proyecto,
recolectando informaciones acerca de cada objeto, componente o proceso
constructivo al que sea necesario conocer con más detalles. Los “modelos
integrales” del edificio (GONZÁLEZ GARCÍA, 2002:253; SAINZ, VALDERRAMA,
1992:151-153) y la tecnología BIM caminan en este sentido, al adoptar bases de
datos dinámicas que permiten consulta, transferencia, actualización y gestión
individualizada o colectiva y simultánea por parte de diversos usuarios” (COLOMA
PICÓ, 2011:iii,458).
Existen otras iniciativas que conectan la arquitectura y el urbanismo a las
hipermedias. Por ejemplo, el 798 Multiplayer Design Game fue un experimento de
230



proyecto colectivo, interactivo y a distancia promovido por la TU Delft en el 2006.
Utilizó una plataforma multiusuario para proyectar viviendas en una parcela
urbanizable del “sector 798” de Beijing, China (VON BORRIES, 2007:358-361).
También merecen mención los “scenario games” (videojuegos que buscan la
sensibilización del usuario a algún tema urbano). Así son The Monkey Wrench
Conspiracy (desarrollado alrededor del 2001 para entrenar ingenieros en el manejo
de un software CAD 3D)
24
; el Polyopoly (del 2006, herramienta de consulta
inmobiliaria inspirado en el Monopoly) (LONG, 2008:022); el dinamarqués The
Harbour Game (2003, que estudió el uso del muelle de la ciudad de Aarhus); el
inglés PlastiCity (2004, ambientado en Bradford); el neerlandés SubCity (2004,
experimento de reproducción virtual del ambiente de la ciudad de Essen) (VON
BORRIES, 2007: 388,370,392); y el austríaco ARCHITECTURE_ENGINE (2005).
Por su estructura y por su modo de operación, estos videojuegos podrían ser
considerados muestras de la aplicación de hipertextos en la arquitectura. No
obstante, a excepción del ARCHITECTURE_ENGINE y del 798 Multiplayer Design
Game, su finalidad específica no es la creación arquitectónica, sino actuar como
estimuladores a la sensibilización del usuario al ambiente urbano, y al análisis de
sus problemas.

El “tele-proyecto”
Por “tele-proyecto” se entienden las iniciativas que usan las tecnologías de
telecomunicación para acelerar el contacto entre los grupos involucrados en la
consecución del proyecto arquitectónico. La idea de la comunicación en la sociedad
contemporánea ha evolucionado desde una concepción “en línea” (originada en
núcleos productores, pasando por unidades de producción jerárquicamente
inferiores y destinada a un público consumidor, pasivo y anónimo), hacia la
formación de redes informacionales multidireccionales donde todos los usuarios son
potencialmente responsables del contenido comunicado. En este contexto más
colectivo y dominado por la Internet, y en el que la transferencia de datos ocurre con
calidad, cuantidad y velocidad crecientes, se torna esencial compartir información.
Una de las consecuencias de la efectiva interacción a distancia es la
“pulverización” de los equipos de proyecto –tanto los de arquitectura como los

24
Cf.: http://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20-%20Ch1-Digital%20Game-Based%20Learning.pdf
(acceso dec 2012).
231



dedicados a las diversas especialidades de la ingeniería- que ya no necesitan
convivir físicamente para interactuar de modo efectivo. Este tipo de proceso
“multiusuario” y “rizomático” afectó a toda la logística del negocio de la arquitectura
(más interconectadas, auto-organizadas y dispersas, las nuevas estructuras de
trabajo se reorganizan, ocupan menos espacio, cambian prioridades a la hora de
elegir un sitio donde ubicar el despacho, etc.). Enseguida, ha empezado a cambiar la
manera cómo se administra la construcción. El reto sería el reconocimiento de
problemas de las obras y la toma de decisiones en tiempo real, con evidentes
ventajas logísticas.
Si en los ochenta las redes locales aceleraron la comunicación entre
ordenadores cercanos unos a los otros, a partir de los noventa la Internet se tornó la
mejor alternativa para hacerlo entre despachos lejanos. Restaba el problema de
gestionar de modo coherente el proceso y los documentos de proyecto. Todavía en
1995, el FOA tuvo de afrontar esta cuestión, al ganar importante concurso de
proyectos en Japón. Si bien la sede del estudio era en Londres, la mayor parte del
proyecto fue diseñado en una sucursal de Tokio, y los detalles constructivos se
proyectaron en el estudio provisional que se abrió en Yokohama, justo al lado de la
obra. Desde éste se siguió el proceso constructivo, proyectando nuevas soluciones
en función de la evolución de los trabajos. Se constató así la posibilidad de cambiar
el proyecto a medida que se construía, a la distancia y en tiempo real. En ese nuevo
marco, más colectivo y descentralizado, fue esencial el desarrollo de sistemas de
gestión de la comunicación. Y Internet, el grande responsable de la agilidad
encontrada.
Las soluciones encontradas por FOA empalmaron con experiencias de otros
grupos de arquitectos con actuación internacional como MVRDV, SOM, OMA, West
8 o UN Studio
25
. Al mismo tiempo, aparecieron organizaciones más informales y
rizomáticas: el holandés ONL (liderado por Kas Oosterhuis), el OCEAN (que desde
1994 congrega arquitectos de diversos países) y el Servo (formado en 1999 y activo
entre Zúrich, Stockholm, Los Ángeles y New York) coinciden en procesos colectivos
de trabajo y en el uso cada vez más intenso de la conexión a distancia. Otro ejemplo

25
Estas organizaciones a menudo colaboran con técnicos que operan desde localidades lejanas, o instalan
subsidiarios donde sea necesario. OMA, SOM, West 8 y UN Studio tienen sucursales en otros países; No.mad ya
ha tenido otras tres sedes antes de la actual en Madrid; y MVRDV mantiene una estructura de trabajo dividida en
grupos operacionales.
232



podría ser el United Architects, organización multidisciplinar que se estructuró en red
para competir en concursos internacionales de arquitectura.
En obras recientes, la complejidad de la forma, los plazos del contrato y el
control de variables de proyecto indujeron el desarrollo de un nuevo tipo de modelo
3D: el “modelo madre”, un archivo de todos los datos del modelo tridimensional del
edificio. El control de los parámetros geométricos y un cuidadoso mantenimiento de
los datos del “modelo madre” por despachos expertos en la gestión de información
técnica (como Arup o designtoproduction) aseguran la actualización de la
información en todos los frentes de trabajo, la relación constante entre los
profesionales y la gestión a distancia y en tiempo real tanto del proyecto como de la
construcción.
Inicialmente limitado a proyectos de gran envergadura, el concepto derivó en
la plataforma BIM (del término en inglés Building Information Modelling). Esta
tecnología, al parecer en expansión, permite el uso de un único modelo 3D
responsable de la gestión y preservación de todos los datos del edificio en proyecto.
El Autodesk REVIT Architecture, el Graphisoft ARCHICAD y otros modelos BIM
adoptan un formato conocido como “intercambiador”: se trata de una base de datos
dinámica e interactiva, que soporta la gestión colectiva de la información (COLOMA
PICÓ, 2011:458), apto a ordenar los datos de modo coherente y automático,
reduciendo la necesidad de control humano en el chequeo de las modificaciones.

La “evaluación de comportamiento”
En este grupo de procesos, la representación gráfica digital colabora para simular el
comportamiento del edificio en proyecto (en general, se usa un modelo 3D) bajo
diversos criterios (insolación, ventilación, consumo de energía, desempeño termo-
acústico, comportamiento de la estructura y de los componentes bajo esfuerzos de
cargas, torsiones o viento, etc.). Uno de los ejemplos más divulgados de estos
procesos de feed-back entre la visualización e interpretación del comportamiento del
edificio, la concepción arquitectónica, y el desarrollo del proyecto es el London City
Hall (1998-2002), del despacho Foster and Partners: su formato resulta de una serie
233



de ensayos motivados por la intención de realizar una construcción con coste
energético optimizado
26
.
El grupo Coop Himmel(b)lau utilizó un diseño multi-paramétrico para estudiar
el comportamiento del sistema estructural del BMW Delivery Center en Munique
(2001-2008) (HENSEL, MENGES, 2008:22); proyecto reciente donde la evaluación
de comportamiento fue decisiva en el resultado final, también es ejemplo de trabajo
participativo y a la distancia.
Software de simulación también fueron utilizados en los cálculos
estructurales, en el análisis de desempeño térmico y en la simulación del equilibrio
entre luz artificial y natural en los ambientes de exhibición del Museo Mercedes Benz
(Stuttgart, Alemania, 2001-05). Los resultados orientaron la densidad de la trama de
texturas de sombra a ser aplicadas por serigrafía en los cristales exteriores para
garantir conforto térmico, o la intensidad de iluminación interna en los espacios de
exhibición.
Sin embargo, las herramientas digitales de análisis, visualización e
interpretación de la performance técnica están ya difundidas: otros estudios como
OCEAN, Future Systems, AL_A y ABB Architekten ya cuentan con obras
construidas.
Ejemplo más reciente y cercano es el Media-ICT en Barcelona, un edificio
concebido para ser sostenible desde el punto de vista energético, y donde la
componente tecnológica es clave en el resultado construido, así como en el proceso
de proyecto. En su proyecto, el equipo Cloud 9 usó diversos programas (Rhyno,
3DMax, 3DArchitect, AutoCAD 3D etc.) para estudiar el comportamiento de la
estructura y de los soportes y sistemas automáticos de control de la insolación,
ventilación y calentamiento de las fachadas (RUIZ-GELI, 2011:42).

La “hibridación analógico-digital”
La hibridación se presenta como un conjunto muy heterogéneo y diversificado de
procesos y herramientas gráficas que parten siempre de una información no-digital.
En este proceso, las herramientas digitales son auxiliares de la concepción
tradicional o “analógica”, en una convergencia entre procesos de trabajo que supone
la preservación de parte de la experiencia analógica anterior, aliada a la adición

26
Una descripción adecuada de los diversos procesos de análisis de performance puede ser encontrada en
KOLAREVIC, 2003:24-26, y KOLAREVIC, MALKAWI, 2004.
234



progresiva de innovaciones técnicas específicamente digitales desde una óptica
todavía tradicional. Esta convergencia es experimentada como una “mezcla” entre
procesos, o como una “migración” desde una plataforma tradicional hacia otra digital.
A pesar de los avances en la tecnología gráfica, hasta los años 1980 los
dibujos arquitectónicos eran mayoritariamente hechos a mano alzada. A partir de
esta década, la arquitectura pasó a utilizar programas de tratamiento de imágenes y
de diseño gráfico, combinándoles con los modeladores tridimensionales. A principios
de los 1990, la difusión del CAD, la disponibilidad de programas gráficos versátiles y
la oferta de periféricos estimularon experimentos de hibridación: aparecen dibujos de
presentación con perspectivas hechas desde modelos CAD 3D, mezcladas a
archivos CAD 2D y a fotografías, croquis y otros dibujos manuales “escaneados”.
Todo esto, “acabado” mediante el Photoshop u otro software de tratamiento de
imágenes, y enseguida “montado” en formatos de presentación (usando por ejempl o
el CorelDRAW, entonces uno de los programas de más éxito).
Encontramos hibridaciones vinculadas a tres objetivos distintos: en la
ilustración de propuestas cuyo reto es la máxima similitud con la realidad visual; en
propuestas de carácter más conceptual, donde el elemento gráfico deja evidente el
distinto origen de las partes del dibujo; y para tornar información en “contenido
inteligente”, o sea, en datos adecuados a la manipulación por ordenadores.
La información no-digital utilizada por los arquitectos viene de maquetas,
fotos, mapas, diagramas, dibujos, trozos de imágenes (que son usadas como
texturas), etc. Los dos procedimientos fundamentales de digitalización (captura y
tratamiento de contenidos analógicos para su posterior incorporación a archivos
digitales) se conocen por “vectorización” y “rasterización”. Los gráficos vectoriales o
modelos geométricos son los que se representan por medio de "trazos", es decir, por
primitivas geométricas definidas desde puntos (rectas, curvas, polígonos, curvas de
Bézier, etc.). En contraste, se encuentran los gráficos rasterizados formados por una
retícula de pixels (como los bitmap). El modo más simple de entender estos
procesos es agruparlos según el campo al que están enfocados:
- Artísticos: uso de información analógica (fotografías, dibujos) insertada en
archivos digitales tipo “raster”; su énfasis en la reproducción de color y
tonalidad;
235



- Orientados a GIS: se trata en general de información a nivel urbanístico
(mapas, curvas de nível, fotografías aéreas, etc.), en la que hay que coordinar
información de texto con información gráfica (tanto vectorial como tipo
“raster”);
- Orientados a CAD/CAM: la información es convertida a formatos vectoriales
en los que es esencial el reconocimiento de las distintas entidades de dibujo y
de texto, para su uso en archivos de dibujo;
- Orientados al modelo: agrega los procesos de digitalización de maquetas y su
transformación en mapas o nubes de puntos para su utilización en archivos
3D.
Destacable en la hibridación es que muchos procesos y programas ahora
mismo en uso entre los arquitectos no han tenido origen en demandas específicas
de la profesión, sino que desde finales de los años 1980 han migrado de otras ramas
del diseño; como la industria metalmecánica (Modelshop o CATIA, desarrollado para
el diseño de aeronaves), los videojuegos (Virtools, Unit 3D), o el Processing
concebido para crear productos web. Otros ejemplos de migración tecnológica
serían el uso de un software de animación de cine como el Maya en el modelado del
proyecto arquitectónico, o el test de modelos arquitectónicos digitales en programas
que simulan el efecto aerodinámico, desarrollados para el diseño de vehículos.
El uso más difundido de estas “perversiones de los medios” entre los
arquitectos está en las presentaciones de proyectos; en especial las hechas para
concursos. En este particular, la mayoría de las técnicas se dedican a objetivos
“artísticos”, afines al diseño gráfico y a la ilustración, como el dibujo vectorial
(CorelDRAW, Adobe Illustrator, Macromedia Freehand o Inkscape), o el acabado
digital de imágenes desde software gráficos como el Photoshop o el Macromedia
Fireworks.
No obstante, la hibridación gráfico-digital que ha recibido más atención por
parte de los medios es la digitalización de formas complejas, proceso que depende
de equipos que identifican puntos clave de una forma tridimensional (en general una
maqueta), y forman una “nube de puntos” que la describe, trasladada a un modelo
3D. Lo que hace de la digitalización tridimensional una herramienta de hibridación es
que se origina de un objeto “hecho a mano” y, por lo tanto, es una práctica digital
que se origina de una concepción analógica. El escáner tridimensional de maquetas
236



de trabajo ha sido extensamente utilizado en los despachos de Peter Eisenman,
Zaha Hadid, Ben van Berkel (VAN BERKEL, 2006:70-75) y Frank Gehry
27
.
A pesar de la diversificación y de la singularidad de los procesos híbridos, se
observa el progresivo abandono de las técnicas de presentación fundadas en el
dibujo manual, acompañada por la manipulación de información cuyo origen es,
cada vez más, digital. Asimismo, se observa la supervivencia, sino de las prácticas,
al menos de conceptos analógicos en el seno de la nueva realidad digital.


Consideraciones finales
El conjunto de procesos proyectuales y herramientas gráficas utilizadas por los
arquitectos contemporáneos es significativamente variado, reflejando la diversidad y
el dinamismo de los recursos informáticos disponibles. La concepción del proyecto
arquitectónico por recursos digitales acompaña esta evolución: último bastión de la
praxis arquitectónica a afrontar el tránsito desde el paradigma analógico (basado en
el dibujo y en las maquetas), hacia el digital, atestigua la pluralidad tecnológica que
hoy caracteriza la profesión. Cada estudio de arquitectura desarrolla soluciones
personalizadas, fundadas en su experiencia anterior, en su conocimiento de las
herramientas gráficas y en su posibilidad de acceder a hardware adecuado. En esta
transición se observaron dos grupos mayoritarios: uno, de estudios liderados por
arquitectos menos dispuestos al manejo de nuevas herramientas, y donde éstas
acaban en manos del equipo más joven (caso de Frank Gehry o de Ricardo Bofill); y
otro, donde profesionales buscaron sus propios modos de profundizar en las nuevas
tecnologías. Las trayectorias de estudios como No.mad, MVRDV, West 8, NMDA o
UN Studio ejemplifican este segundo segmento.
Asimismo, aspectos comunes a ambos grupos permitieron su análisis y
ordenación. Convergen, por ejemplo, en los fundamentos teóricos que justifican su
praxis: desde una reacción común al Movimiento Moderno, se acercaron a las
neovanguardias, a la vez que investigaron la amplia gama de posibilidades abiertas
por las diversas vertientes “posmodernas”. En lo conceptual, sus procedimientos
proyectuales se presentan como intentos de superación de la metodología definida
como “clásica”, asociada al paradigma analógico de concepción arquitectónica

27
El proceso utilizado en el estudio de Gehry fue descrito por KOLAREVIC, 2003:103-120, passim;
FRIEDMAN, SORKIN, 1999; y JANMOHADED, GLYMPH, 2004.
237



predominante en el corpus del conocimiento arquitectónico occidental hasta los
setenta.
Sus procesos de gestación proyectual arrancan de una peculiar e
intencionada lectura de los datos disponibles, que son objeto de una revaloración en
cuanto información capaz de influir en el proceso de proyecto. En su organización,
se valen de criterios que estimulan la aparición de nuevas relaciones entre esos
datos, nuevas lecturas del cuadro general (es decir, del problema arquitectónico) y
nuevas líneas de acción proyectual, y que resultan en más alternativas proyectuales.
Casi todas estas prácticas se basan en herramientas informáticas que aceleran el
proceso de diseño; en consecuencia, exploran un abanico más amplio de
posibilidades de proyecto. También la adopción de modelos conceptuales más
abiertos y más cercanos a la experiencia de los usuarios intenta potenciar la
creatividad y la iniciativa, lo que acelera su difusión. En algunas de estas alternativas
(como los diagramas, los algoritmos o las “máquinas de proyectar”) las herramientas
creativas son desarrolladas directamente por los arquitectos o con su estrecha
colaboración. En otras (como los programas de manipulación de superficies, la
“evaluación de comportamiento” o el “tele-proyecto”), la iniciativa no pertenece a los
arquitectos, sino que éstos se apropian de tecnologías disponibles para sus
propósitos. Esto sí, al hacerlo descubren nuevas posibilidades para su uso, lo que se
presenta también como auténtica creatividad.
El campo del software de diseño vive cambios continuos e imparables, lo que
resulta en amplia oferta de recursos tecnológicos a la disposición de la arquitectura.
Sí la mayoría de éstos resulta de intensa competencia entre desarrolladores,
también es un hecho que se notan cada vez más las iniciativas individuales llevadas
a cabo por arquitectos que son, a la vez, programadores. El escenario parece cada
vez más distante del que se veía más probable hasta los años 1990, donde la
hegemonía de unos pocos fabricantes de software CAD parecía inevitable.
Lo importante a destacar de estas experiencias es su capaci dad para
estimular la comunicación y la participación colectiva. El trabajo de la inteligencia
distribuida es insuperable: al actuar como un grupo creador, los arquitectos
reflexionan acerca del potencial generado por la colectividad. De ahí la posibilidad
de romper con la idea, tan arraigada en la cultura arquitectónica –en particular de las
238



Américas- del arquitecto como el creador y único responsable del edificio: un
verdadero demiurgo.
En el 2004, la presentación de un proyecto de arquitectura en “realidad virtual”
(RV) hecha por Tadao Ando (LIU, 2004:7) acercó la profesión a los procesos que
utilizan la conexión a distancia y las estructuras hiperindexadas: ya es posible
trabajar inmerso en entornos virtuales dedicados a crear ambientes y edificios,
cambiándolos en tiempo real. Estamos ya lejos de la noción, tan cara a los
arquitectos de siglos anteriores, del dibujo como síntesis de la verdad constructiva.
Un proyecto arquitectónico ya no puede ser considerado como mera representación
del edificio, sino como un repositorio –incompleto y transitorio- del conjunto de
códigos digitales que traducen lo que en dado momento se conoce de la totalidad de
su apariencia, estructura interna, contenido y uso.

Referências bibliográficas
CHIARELLA, Mauro (2009). UNFOLDING ARCHITECTURE. Representation and
Ideation Laboratory (analog and digital media). Barcelona: UPC, Dep. EGA I (tese).
COLOMA PICÓ, Eloi (2011). Tecnologia BIM per al disseny arquitectònic. Tesis
doctoral. Barcelona: UPC, Dep. EGA I (tese).
FOREIGN OFFICE ARCHITECTS (FOA) (2002). The Yokohama project: FOA.
Barcelona: Actar.
FRAZER, John (1995). An evolutionary architecture. London: AA. Col. Themes VII.
FRIEDMAN, M., SORK, M. (1999). Gehry talks: Architecture & Process. N. York:
Rizolli.
GONZÁLEZ GARCÍA, Augusto (2002). La infodidática y las asignaturas gráficas –
reflexiones... In: Actas del VIII Congreso de EGA (2000). Barcelona: UPC, Dep. EGA
I.
HENSEL, Michael, MENGES, Achim (2008). Versatility and vicissitude: performance
in morpho-ecological design. London: Wiley. Architectural Design, v.78, n.2.
JANMOHADED, H., GLYMPH, Jim (2004). Confluences: The Design and Realization
of Frank Gehry´s Walt Disney Concert Hall. Los Angeles: Gehry Technologies.
KIPNIS, Jeffrey in: FOREIGN OFFICE ARCHITECTS (2000). FOA. Foreign Office
Architects. 2G, n
o
16. Barcelona: G. Gili.
KOLAREVIC, Branko (2003). Architecture in the Digital Age. Design and
Manufacturing. New York: Spon Press.
KOLAREVIC, Branko, MALKAWI, Ali (2004). Performative architecture: beyond
instrumentality. New York: Spon Press.
LEVENE, Richard (ed) y MARQUEZ CECILIA, Fernando (2003). In: EL CROQUIS
86+111 (ed. conjunta). MVRDV 1991-2002. Madrid: El Croquis Editorial.
239



LÉVY, Pierre (1999). As tecnologias da Inteligência. En: Cibercultura. São Paulo: Ed.
34.
LIU, Yu-Tung (2004). Defining Digital Architecture – 2003, Far East International
Digital Architectural Design Award. Basel: Birkhäuser.
LONG, K. (2008). Jóvenes arquitectos. Nuevas voces de la arquitectura. Barcelona:
Blume.
MONTANER, J. M. (2008). Sistemas arquitectónicos contemporáneos. Barcelona: G.
Gili.
RASHID, Hani, COUTURE, Lise Anne (2002). Asymptote-Flux. New York: Phaidon.
RUIZ-GELI, Enric (2011). Media-ICT. Barcelona: Actar.
SAINZ, Jorge, y VALDERRAMA, Fernando. Infografía y Arquitectura. Dibujo y
proyecto asistidos por ordenador. Madrid: Ed. Nerea.
SONNABEND, Regina (2003). Serve city. Interactive urbanism. Berlin: jovis.
VAN BERKEL, Ben, BOS, Caroline (2006). Buy me a Mercedes-Benz. The book of
the museum. Barcelona: Actar.
VELÁZQUEZ, Raúl (coord.). ECHEVARRÍA, Luciana (2008). Procedimientos
proyectuales. Montevideo: FAU, UROU. En:
https://sites.google.com/site/cursoopcionaldiagramas/Home.
VON BORRIES, Friedrich et al. (2007). Space time play: computer games,
architecture and urbanism: the next level. Basel: Birkhäuser.

240




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








UMA EXPERIÊNCIA BRASILEIRA DE APOIO À INCLUSÃO
ESCOLAR NO FORMATO DE ENSINO COLABORATIVO
(CO-ENSINO)




Carla Ariela Rios Vilaronga
Ana Paula Zerbato
Enicéia Gonçalves Mendes
Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)


2013

241



Uma experiência brasileira de apoio à inclusão escolar no
formato de ensino colaborativo (co-ensino)

Carla Ariela Rios Vilaronga
Doutoranda do PPGEES, UFSCar e Pedagoga da Licenciatura em Educação
Especial- UFSCar- Brasil (crios@ufscar.br)

Ana Paula Zerbato
Mestranda PPGEES - UFSCar e Professora de Educação Especial da Rede
Municipal de Ensino de São Carlos- Brasil (ana_pz@yahoo.com.br)

Enicéia Gonçalves Mendes
Doutora em Psicologia IP-USP, Orientadora do Programa de Pós-Graduação em
Educação Especial – UFSCar- Brasil (egmendes@ufscar.br)

Resumo
O principal objetivo deste estudo é compor uma proposta de formação de
professores para o modelo de ensino de educação especial colaborativa, com foco
na inclusão escolar de alunos com deficiência. Avaliando tanto a formação proposta
como as oportunidades deste modelo de trabalho na rede regular de ensino de São
Carlos. Considerando os resultados obtidos, podemos oferecer cursos de
capacitação com foco no modelo de aprendizagem colaborativa na escola regular.
Esperamos que este estudo proporcione uma análise e reflexão sobre a proposta de
"inclusão", bem como o trabalho realizado entre professores da sala comum e
professores especializados em educação especial.
Palavras chave: ensino colaborativo; educação especial; inclusão escolar.

El principal objetivo de este estudio es el de componer una propuesta de formación
del profesorado para el modelo de enseñanza de educación especial colaborativa,
centrado en la inclusión escolar de los estudiantes con discapacidades. Se pueden
evaluar tanto la formación propuesta y las oportunidades de empleo de este modelo
en el sistema escolar regular de São Carlos- São Paulo- Brasil. Considerando los
resultados obtenidos, podemos proponer cursos de capacitación con un enfoque en
el modelo de enseñanza colaborativa en la escuela regular. Esperamos que este
estudio proporcione un análisis y reflexión sobre la propuesta de "inclusión" con
frecuencia en las escuelas regulares, así como la relación de trabajo de los maestros
regulares con profesores especializados en la educación especial.
Palabra chave: enseñanza colaborativa, inclusión escolar; educación especial.
242




Introdução
O debate acerca da inclusão escolar é assunto recorrente no Brasil,
principalmente pelo aumento de alunos com deficiência matriculados nas escolas
regulares. Entretanto, estudos nacionais indicam a falta de aspectos básicos na
escola regular para garantir não somente a matrícula do aluno com deficiência, mas
a permanência e o aprendizado desse aluno nas classes comuns.
No Brasil, durante a década de 1950, a carência de serviços para educação
de pessoas com deficiência originaram movimentos comunitários que culminaram
com a implantação de redes de escolas especiais privadas filantrópicas, para
aqueles que sempre estiveram excluídos das escolas comuns (JANNUZZI, 2004).
Foi apenas na década de 1970 que surgiu uma resposta mais contundente do poder
público a esta questão (FERREIRA, 1994; MAZZOTTA, 1994; JANNUZZI, 2004),
avanço possível em decorrência da ampliação do acesso à escola para a população
em geral e da consequente implantação das classes especiais nas escolas básicas
públicas (FERREIRA, 1994).
O início da institucionalização da Educação Especial coincidiu com o auge da
integração escolar, que tivemos como proposta educacional no Brasil por cerca de
30 anos. No final dos anos 1990, essa política apontava como principal impacto o
fortalecimento do processo de exclusão de crianças consideradas indesejadas na
escola pública, que eram encaminhadas para as classes especiais nas escolas
públicas, ou para escolas especiais, notadamente as privadas e filantrópicas
(BUENO, 1993).
A Constituição Federal (1988), e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Nacional (Lei nº. 9.394/96), estabeleceram a educação como direito de todos,
enfatizando que as pessoas com necessidades educacionais especiais deveriam ser
matriculadas “preferencialmente na rede regular de ensino”, garantindo no corpo do
documento o atendimento educacional especializado a esses estudantes. A
legislação indicou, porém não definiu a obrigatoriedade da matrícula nas escolas
regulares.
Na "Conferência Mundial de Educação para Todos" (1990), em Jomtien na
Tailândia, o Brasil aderiu às metas fixadas na Conferência para o sistema
educacional, incluindo a necessidade de melhorar a educação de crianças e jovens
243



com necessidades educativas especiais. Porém, foi mesmo depois da "Conferência
Mundial sobre Necessidades Educacionais Especiais: Acesso e Qualidade" (1994),
promovida pelo governo da Espanha e pela UNESCO, que resultou na deflagração
da Declaração de Salamanca (BRASIL, 1994), que as teorias e práticas, sobre
inclusão escolar, começaram a ser discutidas no país.
No final da década de 1990 a questão da “educação inclusiva” se tornou
ponto de discussão obrigatório de reuniões científicas e documentos políticos, e seu
maior impacto recaiu sobre a área de Educação Especial. Com o avanço do debate
sobre a inclusão escolar, vários sistemas públicos começaram a anunciar políticas
educacionais, redes públicas começaram a manifestar vontade política e passaram a
aceitar sistematicamente a matrícula de alunos com necessidades educacionais
especiais nas escolas comuns.
Porém, faltam indicadores para monitorar o processo. Os que acenam com
estatísticas promissoras muitas vezes não possuem dados confiáveis, ou não
complementam seus estudos com descrições de quem é esse alunado e de como
está sua situação educacional. Especificamente, se eles estão tendo acesso ao
currículo, se estão socializando na direção desejável, e se são socialmente aceitos
na escola (CAPELLINI, 2001; SANTOS, 2002; ROSA, 2003; GONÇALVES, 2005).
Com base na perspectiva do contexto brasileiro da educação especial na
perspectiva da educação inclusiva, pensar na formação específica do professor de
educação especial é adentrar no debate sobre formação docente e nas políticas que
permeiam as propostas de profissionalização do setor.
Uma das perspectivas de formação necessária, a nosso ver, se refere ao
trabalho baseado no Ensino Colaborativo, também conhecido como co-ensino entre
professores de educação especial e da sala regular. Essa atuação faz parte da
proposta de alguns países para a inclusão escolar de alunos com deficiência, sendo
apontado como um dos mais relevantes. No Brasil esse modelo não é conhecido
e/ou realizado pela maioria dos municípios, sendo utilizado apenas em casos
pontuais e experimentais. Nessa direção, o objetivo principal deste estudo consistiu
em compor uma proposta de formação de professores de educação especial para o
Ensino Colaborativo, tendo como foco a inclusão escolar de alunos com deficiência.

A proposta de ensino colaborativo (co-ensino)
244



O desafio da política de inclusão escolar reside, portanto, em como melhorar
a qualidade do ensino na classe comum para alunos com necessidades educativas
especiais e promover formação permanente, tanto para professores de ensino
comum quanto especial. E estes desafios, infelizmente, a atual proposta política de
inclusão escolar do Ministério de Educação não chega a enfrentar.
A literatura científica de países mais experientes em práticas de inclusão
escolar tem apontado o trabalho colaborativo no contexto escolar como uma
estratégia em ascensão, tanto para solucionar problemas relacionados ao processo
de ensino e aprendizagem de alunos com necessidades educacionais especiais,
como para promover o desenvolvimento pessoal e profissional dos educadores. De
fato, a adesão à filosofia de escolarizar todos os estudantes na mesma sala de aula
tem resultado num grande estímulo à colaboração, com os profissionais das duas
áreas buscando unir seus conhecimentos profissionais, perspectivas e habilidades
para enfrentar o desafio imposto ao ensino em classes heterogêneas.
E no tocante especificamente às metas da inclusão escolar, especialistas,
professores de educação especial e da educação comum estão tendo que aprender
a trabalhar juntos para assegurar que todos os estudantes com necessidades
educacionais especiais alcancem melhores desempenhos.
O ensino colaborativo ou co-ensino é uma das propostas da educação
inclusiva, no qual um professor comum e um professor especializado dividem a
responsabilidade de planejar, instruir e avaliar o ensino dado a um grupo
heterogêneo de estudantes. Emergiu como uma alternativa aos modelos de sala de
recursos, classes especiais ou escolas especiais, especificamente para responder
às demandas das práticas de inclusão escolar de estudantes com necessidades
educacionais especiais, pois uma vez que o aluno deve ser inserido numa classe
comum, todos os recursos dos quais ele pode se beneficiar têm que ir junto com ele
para o contexto de sala de aula, incluindo entre eles o professor especializado.
Assim, o termo “Ensino Colaborativo” é definido como uma parceria entre os
professores do ensino regular e especial, desde que os dois professores se
responsabilizem e compartilhem o planejamento, a execução e a avaliação de um
grupo heterogêneo de estudantes, dos quais alguns possuem necessidades
educacionais especiais (COOK e FRIEND, 1993).
245



Alguns autores como Friend e Hurley-Chamberlain (2007), destacam a
importância de se conhecer o que não faz parte do modelo de co-ensino a fim de se
esclarecer seus atributos. Nesse sentido, ensino colaborativo ou co-ensino não
acontece em uma sala de aula comum onde um professor age como o “principal”
enquanto que o outro atua como “ajudante”; e muito menos quando a atividade com
o aluno com necessidades educacionais especiais é ensinada pelo professor de
educação especial no canto de uma sala de aula da escola regular, enquanto o
professor do ensino comum se dedica ao restante da classe.
Os primeiros estudos sobre co-ensino ou ensino colaborativo no Brasil
começaram a ser realizados pelos integrantes do “Grupo de Pesquisas sobre
Formação de Recursos Humanos e Ensino em Educação Especial”, o GP-
FOREESP, na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), e emergiram da
constatação de que o professor de classe comum tendia a modificar pouco sua
prática, em termo de arranjos, de procedimentos instrucionais, atividades, formas de
avaliação e adequação do conteúdo de modo que a participação e a aprendizagem
de alunos com necessidades educacionais especiais em classe comum ficava
comprometida (MENDES, 2008).
O trabalho baseado no Ensino Colaborativo, conforme conceituado na
literatura aqui descrita, não é ainda reconhecido e/ou realizado no Brasil pela
maioria dos municípios, sendo uma proposta apenas em casos pontuais e
experimentais. Isso porque esta forma de prestação de serviços não é
fundamentada na legislação oficial que rege os serviços de apoio à escolarização de
alunos com necessidades educacionais especiais em escolar comuns do ensino
regular.
No Programa de Pós-Graduação em Educação Especial (PPGEEs) da
UFSCar, a disciplina “Tópicos de Pesquisa em Educação Especial: Inclusão Escolar
e Ensino Colaborativo”, ministrada desde 2005, e a disciplina de “Ensino
Colaborativo” ofertada aos alunos do curso de Licenciatura em Educação Especial
desde 2010, têm buscado discutir sobre o Co-ensino como alternativa de prestação
de serviços em contexto inclusivo.
Concluindo, podemos dizer que a literatura científica relacionada ao co-
ensino, apesar de promissora, evidencia a necessidade de mais estudos sobre a
colaboração entre o professor regular e o de educação especial nas escolas Trata-
246



se de um tema novo, ainda pouco pesquisado do ponto de vista da implementação,
sendo que em nosso país, estudos sobre a temática ainda são escassos
considerando as potencialidades desta estratégia para solução de algumas das
dificuldades vivenciadas pelos alunos com Necessidades Educacionais Especiais no
cotidiano das escolas, e este trabalho deixa aqui mais esse desafio para os
pesquisadores brasileiros.

Opções metodológicas e procedimentos de investigação
O presente estudo é baseado na modalidade de pesquisa-ação colaborativa.
Esse tipo de pesquisa vem sendo muito utilizado no âmbito da educação, atendendo
à demanda crescente para que a pesquisa acadêmica seja mais útil e prática. Na
pesquisa-ação, o pesquisador leva ideias de práticas ao campo de pesquisa para
causar algum impacto sobre o ambiente e os participantes sobre os quais coletou os
dados (BRANTINGLER et al, 2005) e busca-se explanar e diagnosticar uma situação
ou um problema prático que se quer melhorar ou resolver (PEREIRA, 1998), planejar
uma ação e observar esse processo de mudança, refletir sobre esses processos,
possibilitando um novo replanejamento (KEMMIS; WILKINSON, 2008). Esta
abordagem foi escolhida para este estudo, pois, ao mesmo tempo em que atende à
necessidade de intervenção, produz conhecimento científico na área de formação de
formação de professores de educação especial.
Mizukami et al. (1996) apontam que uma importante característica da
pesquisa colaborativa é a de potencializar a melhora do desenvolvimento
profissional por meio de oportunidades de reflexão sobre práticas, críticas
partilhadas e mudanças apoiadas. Na investigação colaborativa, procura-se
progredir através da prática conjunta dos atores da população estudada e do
pesquisador, ao invés de produzir conhecimentos somente teóricos. A parceria é
essencial ao processo da pesquisa-ação, pois se entende que os atores
interessados só resolverão seus problemas se aceitarem construir uma parceria.
O trabalho de campo é submetido a análises constantes. O material revisto a
cada dado coletado, a fim de aprimorar as questões previamente definidas. Esses
dados foram organizados e, a partir disto, analisados, tendo por subsídio os estudos
teóricos e metodológicos realizados ao longo de todo o período da investigação. A
análise será contínua, de modo não linear, mas constante, procurando “identificar
247



dimensões, categorias, tendências, padrões, relações, desvendando-lhes o
significado” (ALVES - MAZZOTTI; GEWANDSZNAJDER, 1998).
Partindo do objetivo proposto e da metodologia selecionada para a pesquisa,
o trabalho realizado teve etapas:
 Etapa Preliminar: condução dos procedimentos éticos
 Etapa I: Fase de diagnóstico inicial
 Etapa II: Desenvolvimento do Programa de Formação
 Etapa III: Implementação do Programa de Formação
 Etapa IV: Avaliação do programa de formação e formação dos sujeitos como
multiplicadores

Local
O estudo foi realizado no município de São Carlos, interior de São Paulo. São
Carlos (1.137,303 km²) é um municio localizado na região Centro-Leste do Estado
de São Paulo, a uma distância de 230 quilômetros da capital. Em relação as
matrículas de alunos com Necessidades Educacionais Especiais (NEE), no
município havia um total de 1.720 matrículas, das quais 973 alunos do sexo
masculino e 747 de alunos do sexo feminino. INEP (2011) Considerando-se a
modalidade de ensino tinha-se um total de 1.025 alunos no ensino regular, 430 na
Educação Especial em caráter substitutivo (escola especial) e 43 em Ensino de
Jovens e Adultos.

Participantes
Os participantes diretos da pesquisa nessa etapa foram:
- dois professores de educação especial contratados para trabalhar
exclusivamente com “ensino colaborativo” na rede municipal (caráter
temporário);
- dois professores de educação especial contratados para trabalhar nas salas
de recursos multifuncionais, mas possuem carga horária para o trabalho com
“ensino colaborativo” ; (1 caráter temporário e 1 efetivo).
- dois professoras de educação especial lotadas na secretaria municipal de
educação (1 caráter temporário e 1 efetivo).
Com participantes indiretos:
248



- seis professores da sala regular (três educação infantil; dois Ensino
Fundamental – Anos Iniciais; um Ensino Fundamental – Anos Finais).
- quatro alunos com necessidades educacionais especiais.
249



Equipamentos:
Para coleta de dados, foi utilizado um gravador digital para registrar as
reuniões de formação, de avaliação e demais atividades com os sujeitos da
pesquisa.

Caracterização da educação especial no município de São Carlos-SP
O município de São Carlos disponibiliza aos estudantes, dentre os
serviços de educação especial, a sala de recursos multifuncional, o ensino
domiciliar ou hospitalar quando necessário. Existe o suporte também no
modelo de “Itinerância”, apesar de não ser esse o termo utilizado no município,
que
acontece por meio da atuação dos professores da educação infantil
das salas de recursos. Como não têm em todas as unidades, eles
acabam atuando na região, mas não é aquele serviço de itinerância
que a gente conhece que o professor vai uma vez por mês, ele
atende a demanda como se fosse o horário dele normal, duas, três
vezes na semana. (CDEE-SC).

A sala de recursos multifuncional é o serviço mais utilizado no município,
segundo a CDEE-SC, “por ser o maior e ter em maior quantidade, 17 salas, 30
profissionais. Por ser a política atual, é o serviço que a gente tem mais a
oferecer”.
Dentre os serviços específicos que não são financiados pelo MEC, mas
identificada como demanda pelo município, o ensino colaborativo, como projeto
piloto, “começou a partir de uma proposta da UFSCar que é vinculada a uma
disciplina oferecida pelo Programa de pós-graduação em Educação Especial e
também no curso de Psicologia como matéria optativa e agora na licenciatura
em Educação Especial” (CDEE-SC). A experiência positiva de trabalho entre
universidade e escola se deu por meio de estagiários que tinham como foco o
trabalho com o professor da sala comum, tendo sempre um aluno alvo com
necessidades educativas especiais para planejar, propor e trabalhar
conjuntamente o processo educacional.
No ensino colaborativo havia três professores contratados
especificamente para esse fim no início do ano e no final de 2011 quatro
profissionais, atuando em quatro unidades escolares. Cada um deles atua com
aproximadamente sete alunos.
250



O contexto relatado do município mostra o inicio de um trabalho do
professor de educação especial na perspectiva do co-ensino, porém, cita que,
acontece ainda de maneira experimental. São Carlos tem seguido a politica
nacional no que se refere a educação especial, no entanto, como aponta a
entrevistada, tal politica não prioriza financiamento para esse modelo de
serviço da educação especial.
A pesquisa aqui relatada teve origem de uma demanda da divisão de
educação especial, da Secretaria de Educação do município de São Carlos. A
responsável pelo setor no ano de 2011, entrou em contato com a Profa. Dra.
Enicéia Mendes no inicio do decorrente ano relatando que a intervenção
realizada pela universidade e a disciplina da graduação e pós graduação
“Ensino Colaborativo” havia registrado sucessos no que tange o processo de
educacional dos alunos com deficiência matriculados nas escolas comuns.

Iniciando a discussão sobre co-ensino: discutindo o conceito de co-
ensino e suas possibilidades
Durante a terceira reunião de formação, iniciou-se a discussão de
conceitos sobre o modelo de trabalho em formato de co-ensino, segundo
diferentes autores. Essa discussão suscitou a reflexão sobre outros modelos de
trabalho presentes na escola, quando se refere à educação do aluno com
necessidades educacionais especiais.
Os professores relataram sobre a contratação de assistentes para sala
de aula, em um município vizinho, após os pais entrarem na justiça.
Questionaram a formação do funcionário, que poderia possuir apenas nível
médio. Trouxeram a questão para a realidade do município “tem algumas
situações que vai demandar esse tipo de profissional (...) tem crianças que
precisam de apoio na questão de locomoção, uso do banheiro, aí está sendo
pensada a criação de um agente educacional/educação especial.” (Larissa-
10/09/2011).
Em relação à aproximação entre professor do ensino regular e da
educação especial, a participante Sofia contesta “Eu acho que nas EMEBs é
mais difícil isso ocorrer, como até a Cecília mencionou algumas experiências,
mas na CEMEI não, acho que na CEMEI é um pouco mais aberto para você
estar trabalhando junto.” (10/09/2011). Em contraponto Cecília, ao refletir sobre
251



momentos de planejamento relata que conseguiram na escola de ensino
fundamental II um momento de planejamento no HTPC.
A participante Eduarda cita em uma proposta em que acredita ser
possível trabalhar efetivamente em formato de co-ensino

[...] quando a gente falou aqui do planejamento, compartilhar
planejamento, dedicação, avaliação, eu sei que é complicado, mas eu
fico pensando que se você tivesse todo dia acompanhando, sendo
mesmo todo dia esse professor, talvez isso fosse mais fácil acontecer
(10/09/2011).

Na discussão inicial sobre as responsabilidades do educador, provocada
pelo primeiro texto, os professores relatam como é a prática deles em sala de
aula e a relação com o professor da sala comum:

Eu percebo assim na sala de 1º ao 5º ano, sem querer, estou lá com
o aluno, mas aí de repente um aluno precisa de ajuda, aí o outro vem
pede, então você acaba ajudando outras crianças também, então
acho que isso vai acontecendo. (Evelin- 10/09/2011).

Sobre este aspecto, Benício e Larissa mencionam:

Quando chega na parte de conteúdo por exemplo, às vezes, ele se
afasta muito no caso da deficiência mental e não dá para você ter
esse, porque a classe está lá na frente. (...) quando ele está no A,
classe está lá no B, uma 3ª série é assim, não dá, não tem, o
professor está indo embora e você está ficando mesmo. (Benício-
10/09/2011).

Por isso que eu acho importante haver um planejamento, saber o que
o professor vai trabalhar, para que quando você for montar uma
atividade com esse aluno, desse professor, seja baseado no
conteúdo, na temática, somente uma adaptação de atividade. (...)
Porque senão fica aquele ensino paralelo, você está lá trabalhando
com o aluno e a sala está deslanchando. (Larissa- 10/09/2011).

Em meio à discussão sobre a realidade da sala de aula, o assunto do
que é o profissional de educação especial na escola e o que ele representa
entrou no debate em falas como “[...] já me perguntaram se eu era o pai dele”
(Benício- 10/09/2011); “[...] eu recebi uma pergunta bárbara esses dias, da
coordenadora da escola, ela virou para mim: qual sua formação mesmo é
psicologia, você faz terapia? Gente, eu estou na escola há quase um ano.”
(Cecília- 10/09/2011); “Gente eu não sei se já aconteceu com vocês, de
252



professor chegar muito bravo com o aluno e chegar na sua sala e falar assim:
aí tia só você vai dar um jeito nele, deixa ele um pouco aí com você.” (Marisol-
10/09/2011).
Quando se iniciou a discussão sobre os fatores importantes para o
sucesso do ensino colaborativo, um dos professores falou “[...] entrega isso lá
na escola” (referindo-se ao texto), seguido dos seguintes comentários
enquanto se lia o primeiro tópicos elencado pelos autores “ [...] tempo de
planejamento comum”. Foi questionado se os participantes acreditavam ser
necessário tempo diário para planejamento e a resposta foi “Acho que se
tivesse o semanal já ajudaria bastante”. Nesse questionamento conversaram
sobre o tempo de planejamento que já existe, nos HTPCs “[...] se o semanal
funcionasse já estaria de bom tamanho” e sobre a ajuda do semanário,
entregue como planejamento no início de cada semana em algumas escolas. O
professor Benício relata que nas escolas que ele trabalha esse planejamento
existe, tanto do professor da sala comum em relação a sala toda como dele em
relação ao aluno alvo, mas que um não tem contato com o material do outro.
Quando a discussão teve como foco as adaptações e mudanças no
cotidiano da sala de aula para o sucesso do ensino colaborativo, os
professores relataram que na maioria dos casos as “adaptações” são
realizadas pelos professores da sala comum de ensino fundamental I
especialmente nas aulas de português e matemática.
Quando foi proposto o diálogo sobre os desafios do ensino colaborativo
e a necessidade de arriscar-se em novas atitudes e novas propostas, os
cursistas pontuaram:

E foi o que eu falei para o “E”, que a gente combinasse esse
momento de planejamento, mas só que não existe receita, não
adianta hoje aprender essa atividade e ele querer dar para todos os
alunos com deficiência que aparecer na frente dele. (Cecilia-
10/09/2011)

E aquela questão que a gente fala: ah eu não sou especializada para
trabalhar com aquele aluno, gente, mas a gente tem que arriscar,
hoje eu trago uma atividade, não dá certo, então vou tentar outra,
então, acho que tinha que perder esse medo de tentar. (Larissa-
10/09/2011)

No que se refere a definição de papéis e responsabilidades entre o
professor de educação especial e de ensino regular, a cursista Sofi a comenta
253



sobre o dilema enfrentado na escola com os alunos com NEE’s, onde a figura
do professor de educação especial é atua diretamente.

Eu acho que isso é um ponto chave, quando o professor, ele começar
a entender, do regular que o aluno não é meu porque eu sou da
educação especial, ele é da escola, esse ano ele está com a Cecília,
mas ano que vem ele vai estar com a Marisol, não é isso, ele é da
escola, todo mundo é responsável, ele não é o meu aluno, ele é o
nosso aluno, eu acho que isso já vai ser um grande passo, aí depois
para você chegar nesse professor vai ser mais fácil, para ele mudar
as condutas dele. (10/09/2011).

Quando os professores entendem que são responsáveis por todos os
alunos, as atividades podem ser planejadas em conjunto, com a adaptação
específica para o aluno com NEE’s. Se a atividade for idealizada para o aluno
alvo sem base nas atividades da sala, necessariamente vai acontecer uma
aula paralela dentro do mesmo espaço físico, o que pode dificultar o
aprendizado do aluno. Por exemplo, imagine o professor explicando para sala
o ciclo da água e o professor de educação especial trabalhando com uma
atividade sobre alimentação. Em alguns momentos, quando se trabalha com o
conteúdo específico, é mais válido que o professor do ensino regular fique com
o aluno alvo e o professor de educação especial auxiliando os outros, do que
estar na sala sentado ao lado da criança/ adolescente.
Quando a discussão se restringiu ao professor da sala comum, alguns
comportamentos foram explicitados, tais como:

Ela fica com eles, ela brinca com eles no parque, ela vê os
brinquedos que eles levaram para escola, às vezes ela põe a
cadeirinha ali fora e fica corrigindo o caderno da semana. (...) Então
eu tenho um aluno para atender o “G” e às vezes eu fico junto ali
vendo. (Marisol- 10/09/2011).

Pela pontuação das professoras, se percebe que em muitos casos
existe um distanciamento inicial entre o professor de educação especial e da
sala comum. Porém, a mudança para o trabalho colaborativo é uma mudança
cultural, “um trabalho de formiguinha”. (Sofia). Sobre a relação entre professor
regular e especialista, Benício coloca que “pode ser facilitado após se perceber
que o professor especialista não está lá para “vigiar” e sim para auxiliar a
pensar em estratégias de ensino para o aluno alvo” (10/09/2011).
254



Em referência ao suporte administrativo da escola para o trabalho em
formato de colaboração, os professores analisam que alguns profissionais não
compreendem ao certo, qual é a função do professor de educação especial na
escola. Especificamente, no que se refere ao trabalho desse profissional com o
professor da sala comum, Cecília relata:

Aconteceu uma coisa muito engraçada comigo ano passado, gente
eu queria morrer no começo depois eu dei até risada. A vice –
diretora, ela chegava na escola e falava assim: “eu não te vejo aqui
porque eu vou na sala a porta da sua sala está trancada, onde você
está ficando?” Falei: “não, na minha sala eu não estava, estava na
sala do professor, vamos lá perguntar para ele”. Aí ela falou: “não, eu
não vou perguntar, mas você não está ficando na sua sala”. Eu falei:
“gente, eu não estou, mas estou na sala do professor”. Então, mas foi
muito engraçado, até ela entender que tal horário, mas isso porque
eu tinha dado meu horário para ela e tinha falado: “está aqui o
horário, tal lugar eu estou em tal”, exatamente, antes de começar a
fazer isso. (Cecília- 10/09/2011)

A discussão direta relacionada ao texto foi encerrada e iniciou-se a
reflexão sobre os casos selecionados para análise, que será discutido em
momento posterior.

Objetivos de trabalho com o professor de sala comum
Um dos temas discutidos com os sujeitos diretos da pesquisa foi o
objetivo de trabalho deles com o professor da sala comum
28
, Para o qual teriam
como meta propor e analisar no decorrer da formação. Poderiam ser metas que
focassem a comunicação entre eles, a assertividade, adequação dos estilos de
trabalho, como se aproximar do professor, o conhecimento mútuo, etc.
Eduarda, para iniciar a discussão da temática, relata que:
[...] tem professor que quer, tem professor que não pode nem ver. La
no “J” pelo menos a tarde, que se eu tivesse que entrar em todas as
salas eu não teria problema. De manha eu não sei tanto, que eu não
tenho contato com as professoras da manhã, mas a tarde acho que
qualquer sala que eu entrasse elas não reclamariam. (Eduarda-
24/09/2011)

Com a finalidade de aprofundar o assunto, foi proposta a discussão
sobre os professores que estão disponíveis para receber o professor de
educação especial na sala: será que o simples fato de abrir a porta retrata a

28
Com base no texto elaborado “Metas e objetivos: professor de educação especial X
professor do ensino regular”.
255



abertura do professor para a realização de um trabalho conjunto? Entende-se
que ele pode não permitir o planejamento das atividades em conjunto, que se
proponha algo novo para a sala, continuar pensando na sala de aula com a
concepção de um professor que atua sozinho. Marisol relata ter esse problema
com o “M”, que é baixa-visão,

[...] de sexta feira eu faço trabalho colaborativo, é pra eu fazer
trabalho colaborativo, mas ou ele falta ou é recreação. Mas eu não
gosto de tirar ele da recreação, porque ele está tão bem ali brincando,
eu não tenho como tirar ele dali pra fazer alguma coisa, e a
professora também deixa eles, então eu fico observando. (....) então,
não está sendo feito praticamente nada com o “M” (...) é difícil no
parque, porque ele está brincando com os amiguinhos dele, esta se
divertindo e eu vou lá. (Marisol- 24/09/2011)

A ideia de ensino colaborativo tem como pressuposto que se trabalhe
com os alunos em sala, adequando as atividades para que todos os alunos
tenham acesso e possam participar. Pode-se, ao invés de tirar o aluno do
parque, mas trabalhar com objetivos de aprendizagem para o parque, como
por exemplo, identifica-se que “M” tem dificuldade de subir no trepa-trepa,
então qual é a proposta de atividade que pode ser realizada para ter acesso ao
brinquedo? É possível realizar a atividade pensando no trabalho com toda sala,
pode-se propor uma brincadeira que se consiga trabalhar com todos os alunos,
uma brincadeira de subir no brinquedo como macacos, algo lúdico, iniciando
por uma história e ensinando para toda sala como eles devem fazer para usar
o brinquedo. Respaldando todos os alunos, propondo uma atividade para a
sala toda, com a adequação necessária para o aluno “M”, com baixa visão. A
atividade proposta pode auxiliar outros alunos, pois existem alunos sem baixa
visão, mas com problemas de coordenação motora, medo de subir ou da altura
do brinquedo.
De qualquer maneira, para propor a atividade de forma colaborativa, é
necessária uma aproximação do professor da sala, onde ambos vão observar
as dificuldades do aluno, planejar e realizar a atividade em conjunto, avaliar
conjuntamente a proposta, etc.
O planejamento, a realização e a avaliação conjunta das atividades têm
sua importância destacada a seguir:

256



Porque senão você vai chegando e impondo as coisas né, porque se
você chega impondo as coisas pro professor não vai gerar confiança
e trava mesmo, e você não consegue chegar no aluno. (Sofia-
24/09/2011).

Quando se impõe atividades para serem feitas, corre-se o risco do
professor da sala comum acreditar que a responsabilidade pelo aluno com
NEE’s é exclusiva do professor de educação especial. É preciso pensar que o
caminho da aprendizagem daquele aluno pode já ter sido entendido pelo
professor da sala comum e perceber que nem sempre o profissional
especializado conseguirá ter “soluções” de ensino para todos os alunos com
quem atua.

Em relação a minha aluna, que ela ta no terceiro ano, tem que passar
o conteúdo e eu tento ver com o que ele tá preocupado. Entendeu
enquanto minha aluna DI tá aprendendo a escrever, aprendendo a
juntar as letras, então como ele vai conciliar isso? Por ela nesse
contexto escolar, por ela também nesse conteúdo. (...) Isso, porque o
que ele tá passando é muito diferente do que ela tá vivendo. Nesse
ponto ela tá na meta pra mim, isso é um desafio. (Benicio-
24/09/2011)

Pelo mesmo motivo que o Benicio falou, são diferentes visões de
trabalho. Porque ela ta acostumada com esse ritmo de trabalhar a
sala com os outros alunos, e minha aluna tá lá. Aí as vezes ela chega
com uma atividade diferenciada pra aluna, atividade solta. (...) A
avaliação esta lá, eu não posso dar diferenciada porque a escola, o
sistema não autoriza. Porque ela está no terceiro ano então, tem que
dar atividades do terceiro ano. Ai eu penso, porque não dar uma
avaliação que ela possa fazer pra que eu tenha o mínimo pra ela ser
aprovada. Porque se forem avaliar pela prova. (Eduarda-
24/09/2011).

Eduarda comenta que para que haja conhecimento do professor e de
sua proposta de trabalho é necessário tempo de planejamento e no entanto
menciona que “[...] tempo junto é meio difícil. Por conta dos horários
complicados dela, que os horários que ela tem disponível são os da educação
física,” (Eduarda- 24/09/2011). A discussão iniciou-se sobre como se poderia
propor, planejar, pensar junto sem o tempo físico na escola para o
planejamento. “então não precisa marcar uma reunião, é isso que você está
falando?” (Eduarda- 24/09/2011). Algumas sugestões foram elencadas de
forma coletiva pelo grupo, tais como: ter um caderno em comum ou usar a
internet para registrar o que acontece na sala, dúvidas, ideias, etc.

257



Acho que o caderninho funciona, comigo sempre funcionou. Então
assim, um caderninho de recados mesmo. (...) Eu acho que nesse
caderninho você consegue trocar muita coisa, porque ali na verdade
vocês vão se comunicar. Porque às vezes você não tem esse tempo
com a professora, e você deixa anotado tipo, olha eu vou me
comunicar com você, vou deixar esse caderninho sempre aqui e
quando você puder dá uma olhadinha, comigo sempre funcionou.
(Marisol- 24/09/2011).

Foi questionado aos professores se era possível transformar o caderno
de comunicação em uma ferramenta de planejamento, para o trabalho
conjunto. Cecilia disse “[...] eu acho que não. Porque tem coisas que são
sistematizadas, tem coisas que você tem que elaborar junto.” (24/09/2011).
Algumas sugestões foram dadas de como se poderia usar esse material
para o planejamento, uma situação foi simulada para se pensar na questão:
“[...] vai ter uma atividade, o professor foi lá e pensou no formato de prova. Ele
vai lá e grampeia no caderno com um recado. Vocês olham o material e
pensam que o formato não se adequa, por exemplo, porque ele não tem
coordenação motora pra trabalhar com ‘ligue os pontos’. Então vocês vão lá e
falam: olha eu vou estar com você nessa hora da prova, então pensei que
podíamos fazer x, y e z. Ou pode usar o caderninho e dizer ‘tive uma ideia,
pensei que a gente pode dividir a sala em dupla e trabalhar isso com os alunos,
eles vão se auxiliar, eles vão trabalhar um como tutor do outro.” (Pesquisadora
- 24/09/2011)
Os sujeitos relatam que o professor da sala comum, em sua maioria,
não se responsabiliza pelo aluno, a ponto de ter esse tipo de atitude “a aluna é
sua sim, então o professor já pega e fala que não é ele que tem que dar
papinha, que é você quem precisa dar” (Marisol- 24/09/2011).

Considerações
Especificamente no caso da escola brasileira seria utópico pensar em
política de inclusão escolar, dado que isso envolve a colocação de alunos com
Necessidades Educacionais Especiais em escolas cujos desempenhos
acadêmicos estão entre os piores do planeta. Os alunos podem ter acesso
garantido à escola, mas, assim como os demais, não poderão ter acesso ao
conhecimento sem que haja uma melhoria da qualidade do ensino. É por isso
que para se discutir inclusão escolar é preciso pensar antes de tudo em como
melhorar a escola e o ensino para todos os alunos.
258



Enquanto se tiver ensino de baixa qualidade nas escolas comuns todo e
qualquer AEE extraclasse, como é o caso dos serviços prestados em salas de
recursos e nas instituições especializadas, assumirá caráter remediativo e será
insuficiente para responder tanto às necessidades educacionais comuns,
quanto especiais dos alunos que requerem educação diferenciada.
Pode- se dizer que a literatura científica relacionada ao co-ensino,
apesar de promissora evidencia ainda a necessidade de mais estudos sobre a
colaboração entre o professor regular e o de educação especial nas escolas,
bem como a preparação efetiva (Formação inicial e continuada) dos
profissionais que atuam em Educação Especial. Como uma das conquistas
dessas reflexões realizadas durante o curso, o trabalho em formato de ensi no
colaborativo, que era uma proposta ainda não fortalecida no município de São
Carlos foi elaborada e aprovada pelo grupo de professores para compor o
Plano Municipal de Educação, o qual tem validade de 10 anos. Processo que
tem como perspectiva mobilizar o debate e futuras formações com novos
grupos de professores, neste município.
A discussão durante o curso propiciou a abertura para análise e
reflexões sobre as propostas de inclusão presentes nas escolas de ensino
comum, assim como, contribuiu para maior clareza dos papéis e
responsabilidades do professor de ensino comum e professor especialista,
quando utilizada a estratégia de co-ensino para a melhoria do trabalho
educativo dentro da perspectiva da Educação Inclusiva.

Referências Bibliográficas
BRASIL. MEC. SEESP. Política Nacional de Educação Especial. Brasília, 1994.
BUENO, J.G.O. Educação especial brasileira integração/segregação do
aluno diferente. São Paulo – SP, EDUC/PUSP, 1993.
CAPELLINI, V. L. M. F. A inclusão de alunos com necessidades educacionais
especiais em classes comuns: avaliação do rendimento acadêmico.
Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São Carlos. 2001.
COOK, L.; FRIEND, M. Co-teaching: Guidelines for creating effective practices.
Focus on Exceptional Children, v. 28, n.3, p. 1-16. 1993.
FERREIRA, J. R. A exclusão da diferença: a educação do portador de
deficiência. 2ª edição. Piracicaba – SP, Ed. UNIMEP. 1994.
FRIEND, M.; HURLEY-CHAMBERLAIN, D. Is co-teaching effective? CEC
Today. Retrieved January 10, 2007.
259



GONÇALVES, A.K.S..Estratégias pedagógicas inclusivas para crianças com
paralisia cerebral na perspectiva na educação infantil. Dissertação de
Mestrado. Universidade Federal de São Carlos. 2005.
MAZZOTTA, M.J.S. Políticas de educação especial no Brasil: da assistência
aos deficientes à educação escolar. Tese de Livre-Docência. Faculdade de
Educação. Universidade de São Paulo. 1994.
MENDES, E. G. Inclusão escolar com colaboração: unindo conhecimentos,
perspectivas e habilidades profissionais In: Políticas e práticas educacionais
inclusivas.1 ed.Natal : Editora da UFRN, 2008, v.1, p. 19-51.
PEREIRA, E. M. A. Professor como pesquisador: o enfoque da pesquisa-ação
na prática docente. In: GERALDI, C. M. G.; FIORENTINI, D.; PEREIRA, E. M.
A. (Org). Cartografias do trabalho docente. Campinas: Mercado das Letras,
1998.
ROSA, L.C.S. Formação continuada de atendentes para inclusão de crianças
com necessidades educacionais especiais em creches. Dissertação de
Mestrado. São Carlos: UFSCar.2003.
SANTOS, N.A.S. A perspectiva da inclusão escolar na educação infantil de Juiz
de Fora. 2002. Dissertação Mestrado. Universidade Federal de São Carlos,
São Carlos, 2002.
WORLD CONFERENCE ON EDUCATION FOR ALL (WCEFA). Declaração
Mundial sobre Educação para Todos. In: Conferência Mundial sobre Educação
para Todos: Satisfação das Necessidades Básicas de Aprendizagem.
Documento Eletrônico. Jomtien: mar./1990. Disponível em: <
http://www.cenpec.org.br/modules/editor/arquivos/c94a305f-e1c8-9f11.pdf >.
Acesso em: 30 junho de 2008.


260




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha







OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE PRÉ-TRATAMENTO
ÁCIDO DO BAGAÇO DE SORGO SACARINO (Shorgum
bicolor (L.) Moench) PARA PRODUÇÃO DE
BIOETANOL



Rayane Kunert Langbehn
Ramon Geraldo Campos Silva, Lílian de Araújo Pantoja,
Alexandre Soares dos Santos.
Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e
Mucuri (UFVJM)

2013
261



Otimização do processo de pré-tratamento ácido do
bagaço de sorgo sacarino (Shorgum bicolor (L.)
Moench) para produção de bioetanol

Rayane Kunert Langbehn
Graduanda em Engenharia Química
Instituto de Ciência e Tecnologia
Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Brasil
rayanekl@yahoo.com.br

Alexandre Soares dos Santos
Pós-Doutor
Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde
Programa de Pós-Graduação em Biocombustíveis
Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Brasil
alexandre.soares@ufvjm.edu.br

Resumo
O sorgo sacarino (Shorgum bicolor (L.) Moench) é uma planta C4 que
apresenta altos teores de açúcares fermentescíveis em seus colmos, possui
ciclos de produção de 120 a 130 dias e sua cultura pode ser completamente
mecanizada e implantada na entressafra da cana-de-açúcar. O bagaço de
sorgo sacarino, resíduo resultante da remoção do caldo da planta, pode por
sua vez tornar-se uma biomassa potencial para a produção de etanol de
segunda geração. Deste modo, este trabalho objetivou caracterizar a fração de
carboidratos do bagaço de três variedades de sorgo sacarino e avaliar o
processo de pré-tratamento ácido para a produção de etanol de 2ª geração. As
variedades de sorgo estudadas foram a BRS 506, CMSX 634 e CMSX 642,
todas cedidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, unidade
Milho e Sorgo, localizada em Sete Lagoas, Minas Gerais. A caracterização
química envolveu a quantificação dos teores de umidade, lipídeos, proteínas,
cinzas, amido, açúcares solúveis totais (AST), celulose, hemicelulose e lignina.
Dentre os resultados obtidos destacam-se os valores médios para AST,
celulose, hemicelulose e lignina de 11,92%, 28,85%, 20,25% e 6,51%,
respectivamente. O pré-tratamento do bagaço de sorgo sacarino foi realizado
com uma solução de ácido sulfúrico diluído a pressão de 1 atm e 121°C, em
autoclave. Para avaliação e otimização foi utilizado um planejamento
experimental do tipo delineamento composto central rotacional (DCCR) gerado
262



pelo software Statistica 8.0, no qual foi observado o efeito da razão sólido-
líquido (S/L), da concentração de H
2
SO
4
e do tempo de hidrólise sobre o
processo de liberação de açúcares redutores, cujo maior valor foi igual a
43,3%. O estudo mostrou que a otimização do processo se deu em razões S/L
próximas a 17% e concentração de H
2
SO
4
igual a 4%. A reprodução da
condição ótima de pré-tratamento utilizando o tempo de reação de 30 minutos
resultou na desconstrução de 81,9% da hemicelulose e 68% do amido
presentes no bagaço, e a quantidade de lignina e celulose não foram alteradas.
O uso da celulose presente no bagaço de sorgo sacarino admite uma produção
estimada de até 180 L de etanol por tonelada. Já o aproveitamento das frações
de hemicelulose e amido juntas poderiam produzir cerca de 64 L do álcool por
tonelada.
Palavra-chave: etanol de segunda geração, pré-tratamento, otimização, sorgo
sacarino, bagaço.

Abstract
The sweet sorghum (Shorgum bicolor (L.) Moench) is a C4 plant that shows
high levels of fermentable sugars in their stalks, has a rapid growing cycle of
120-130 days, a completely mechanized crop and can be carried out during the
sugarcane’s offseason. The sweet sorghum bagasse, the dry residue left after
the juice is extracted from the stalks, may become a potential biomass for the
production of second generation ethanol. Therefore, this study aimed to
characterize the carbohydrate fraction of three varieties of sweet sorghum
bagasse and evaluate the process of acid pretreatment for second generation
ethanol production. The sorghum varieties studied were BRS 506, CMSX 634
and CMSX 642, all donated by the EMBRAPA Maize and Sorghum, located in
Sete Lagoas, Minas Gerais. The chemical characterization measured the
content of moisture, lipid, protein, ash, starch, total soluble sugars (TSA),
cellulose, hemicellulose and lignin. Among the results, it is posible to highlight
the average values of TSA, cellulose, hemicellulose and lignin 11.92%, 28.85%,
20.25% and 6.51%, respectively. Pretreatment of sweet sorghum bagasse was
carried out with a dilute sulfuric acid solution in an autoclave under pressure of
1 atm and 121 ° C. For evaluation and optimization was used a Central
Composite Design (CCD) generated by the software Statistica 8.0, whereupon
263



was studied the effect of solid-liquid ratio (S/L), the concentration of H
2
SO
4
and
hydrolysis time over the hydrolisys, whose highest value was equal to 43.3%.
The study showed that the optimization process has taken place with S/L ratio
near 17% and H
2
SO
4
concentration equal to 4%. Reproduction of optimum
condition pretreatment using the reaction time of 30 minutes resulted in the
hemicellulose’s deconstruction of 81.9% and 68% of starch’s hydrolisys, but the
amount of lignin and cellulose were not changed. The use of cellulose present
in sweet sorghum bagasse admits an estimated production of 180 L of ethanol
per ton and can be improved with the use of hemicellulose and starch’s
fractions, that together, could produce about 64 L of ethanol per ton.
Keywords: second generation ethanol, pretreatment, optimization, sweet
sorghum, bagasse.

Introdução
O sorgo sacarino (Shorgum bicolor (L.) Moench) é uma planta forrageira
de aproximadamente 4 m de altura, com colmos suculentos e doces, que
apresenta reprodução por sementes e ciclo vegetativo relativamente curto de
120 dias (FAO, 2013). Além disso, é uma espécie de metabolismo C4 o que lhe
proporciona altas taxas fotossintéticas e tolerância a estresses ambientais
como o excesso ou déficit de umidade no solo. Como consequência, seu
cultivo pode ser realizado em uma ampla faixa de condições de solo como
hidromórficos, latossolos e aluviais (EMBRAPA, 2010).
Pertencente à mesma família da cana-de-açúcar, a Graminae, o sorgo
sacarino apresenta algumas características em comum com a cana, sendo o
acúmulo de açúcares no colmo e a produção de bagaço as mais importantes
do ponto de vista da indústria sucroalcooleira. Em relação ao teor de açúcares
redutores totais (ART) as duas culturas não apresentam diferenças
significativas, de modo que os valores para o sorgo são de aproximadamente
30% e para a cana 33% (dados expressos em matéria seca) (TEXEIRA, 1997).
Entretanto a vantagem do sorgo sobre a cana-de-açúcar reside no curto ciclo
reprodutivo – permitindo seu plantio nos períodos de entressafra da cana – e
na produção de grãos, que são utilizados para alimentação de animais.
Em termos globais, o sorgo é o quinto cereal mais importante do mundo
e é a base alimentar de mais de 500 milhões de pessoas em mais de 30
264



países. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e
Alimentação (FAO), somente no ano de 2011 foram produzidos mais 54 bilhões
de toneladas de sorgo, dos quais 1,9 bilhões de toneladas são referentes à
produção brasileira e representam 3,5% da produção mundial.
No Brasil, o principal destino para o sorgo é a produção de ração animal,
no entanto, desde o fim da década de 70, parte da sua produção vem sendo
direcionada à fabricação de etanol de 1ª geração como fonte alternativa de
açúcares fermentescíveis durante os períodos de entressafra da cana-de-
açúcar. De acordo com dados disponibilizados pela Embrapa (DURÃES, 2011)
um hectare cultivado de maneira adequada com variedades selecionadas pode
produzir de 70 a 80 toneladas de matéria verde e a partir do caldo extraído dos
colmos é possível alcançar um rendimento de 3.000 L de etanol/ha.
Com a busca por fontes energéticas limpas e renováveis, vem sendo
desenvolvida uma nova rota para produção de etanol baseada na fermentação
de resíduos agroindustriais lignocelulósicos que são ricos em celulose e
hemicelulose dos quais se obtém o etanol conhecido como bioetanol de
segunda geração. A dificuldade do processo se encontra na complexidade
estrutural destes materiais tornando-os pouco suscetíveis ao ataque das
enzimas que degradam a celulose para a obtenção dos monômeros de glicose.
Deste modo, o estudo e desenvolvimento de pré-tratamentos que sejam
capazes de abrir as fibras lignocelulósicas permitindo que a celulose esteja
mais disponível para a sacarificação enzimática é uma etapa crucial para a
produção do bioetanol de 2ª geração.
A grande diversidade de matérias primas naturais e residuais existentes
no Brasil é um dos principais fatores que viabilizariam a produção do bioetanol
de segunda geração. O bagaço de sorgo, obtido após a extração do caldo dos
colmos da planta, pode tornar-se uma biomassa com elevado potencial para
produção de bioetanol lignocelulósico, o que contribuirá para o atendimento
das demandas do mercado de biocombustíveis.

Objetivos
Este trabalho objetivou caracterizar a fração de carboidratos do bagaço
de três variedades de sorgo sacarino e avaliar o processo de pré-tratamento
ácido para a produção de etanol de segunda geração através do estudo dos
265



fatores razão sólido-líquido, tempo e concentração de ácido sulfúrico sobre as
condições do pré-tratamento do bagaço.

Metodologia
Matéria-prima
Para desenvolver o presente trabalho, foram utilizados os bagaços de
três variedades de sorgo sacarino (Shorgum L. moelich) – BRS 506, CMSX 634
e CMSX 642 – cedidos pela Embrapa Milho e Sorgo, localizada em Sete
Lagoas, no Estado de Minas Gerais, Brasil.
Após o recebimento, o material foi seco em estufa a 60ºC durante 48
horas e em seguida triturado e peneirado em malha de 0,5 mm para obtenção
de amostras homogêneas e de baixa granulometria usadas nos ensaios
analíticos e otimização de processo.
Caracterização química
O bagaço das três variedades de sorgo sacarino foi caracterizado
quanto ao teor de umidade, cinzas, lipídeos, proteínas, celulose, hemicelulose,
lignina, açúcares solúveis totais e amido. Todas as determinações foram
realizadas em triplicata.
Para determinar o teor de umidade, cinzas e lipídeos do bagaço foram
utilizadas as metodologias determinadas pelas Normas do Instituto Adolfo Lutz
(2008). A análise do teor de proteínas foi realizada de acordo com a
Association of Official Analytical Chemists (AOAC, 1996).
Para quantificar os componentes da fibra celular (celulose, hemicelulose
e lignina) foram realizadas as análises de Fibra em Detergente Neutro (FDN) e
Fibra em Detergente Ácido (FDA) de acordo com os métodos propostos por
Van Soest (1963; 1964; 1968).
As frações de açúcares solúveis totais (AST) e de amido foram
determinadas pelo método colorimétrico descrito por McCready (1950).
Pré-tratamento ácido
Para o pré-tratamento do bagaço de sorgo sacarino foi utilizada uma
solução de ácido sulfúrico diluída a pressão de 1 atm e 121°C, em autoclave. A
escolha da matéria-prima foi realizada de modo aleatório, sendo utilizada a
variedade BRS 506.
266



Com o objetivo de alcançar resultados otimizados foi realizado um
planejamento experimental do tipo delineamento composto central rotacional
(DCCR) estabelecendo como fatores do processo a concentração de ácido (%),
razão sólido/líquido (S/L) (%) e tempo (minutos). As condições estudadas
foram geradas utilizando o software STATISTICA Versão 8.0 sendo
estabelecidos dois níveis para cada fator e foram obtidos ao final um total de
18 ensaios, com 4 pontos centrais e 6 axiais, como mostra a Tabela 1.
Ensaio H
2
SO
4
(%)
Razão S/L
(%)
Tempo (min)
1 2,00 10,00 20,00
2 2,00 10,00 80,00
3 2,00 25,00 20,00
4 2,00 25,00 80,00
5 6,00 10,00 20,00
6 6,00 10,00 80,00
7 6,00 25,00 20,00
8 6,00 25,00 80,00
9 1,17 17,50 50,00
10 6,83 17,50 50,00
11 4,00 6,89 50,00
12 4,00 28,11 50,00
13 4,00 17,50 7,57
14 4,00 17,50 92,43
15(C) 4,00 17,50 50,00
16(C) 4,00 17,50 50,00
17(C) 4,00 17,50 50,00
18(C) 4,00 17,50 50,00
Tabela 1: Planejamento experimental para o pré-tratamento da biomassa

Como variáveis de resposta do processo foram escolhidos os percentuais de
açúcares redutores (AR) e de glicose removidos do bagaço, realizadas com
base nas metodologias pré-estabelecidas por Miller (1959) e por Lloyd e
Whelan (1969), respectivamente. A partir dos resultados obtidos e com auxílio
267



do software STATISTICA Versão 8.0 foram gerados gráficos de superfície
resposta e gráficos de Pareto que permitiram avaliar o grau de significância dos
efeitos das variáveis pesquisadas – concentração de ácido, razão S/L e tempo
– e escolher os pontos ótimos de acordo com o teor de açúcares liberados no
processo hidrolítico.
Pré-tratamento semi-preparativo
Estabelecida a condição ótima do pré-tratamento, esta foi reproduzida
utilizando 35,00 g de matéria-prima e em duplicata. Após o pré-tratamento o
hidrolisado foi filtrado a vácuo e armazenado. Foram retiradas alíquotas do
hidrolisado para realizar as determinações das concentrações de AR,
compostos fenólicos (SINGLETON; ROSSI, 1965) e glicose.
O resíduo sólido do pré-tratamento foi lavado com água destilada até
atingir pH neutro, seco em estufa a 60°C por 24 horas, pesado e armazenado
em condições ambientes. Pequenas quantidades de amostras foram retiradas
para as análises de AST, amido, proteína, FDA e FDN. Também foram
extraídas alíquotas da água proveniente da lavagem do resíduo sólido e
realizadas as análises de AR, compostos fenólicos e glicose, para cálculo de
balanço de massas.

Resultados e Discussão
Caracterização química
Os resultados obtidos com a caracterização química dos bagaços das
três variedades de sorgo sacarino estão apresentados na Tabela 2.

Variedade BRS 506 CMSX 634 CMSX 642
Parâmetros
Média
(%) DP (%)
Média
(%) DP (%) Média (%) DP (%)
Umidade 8,41 0,13 10,66 0,32 10,43 0,47
Lipídeos 2,65 0,18 2,76 0,28 4,19 0,23
Cinzas 2,40 0,08 1,65 0,48 1,57 0,02
Proteínas
Totais
2,43 0,16 3,42 0,03 3,10 0,04
Amido 3,66 0,17 2,74 0,20 4,64 0,40
AST 12,55 0,67 11,51 0,96 11,71 0,39
268



Celulose 28,96 0,53 27,82 0,55 29,78 0,11
Hemicelulose 17,70 1,38 21,64 0,18 21,41 0,45
Lignina 7,26 0,28 6,33 0,49 5,93 0,17
DP: Desvio Padrão; AST: Açúcares Solúveis Totais
Tabela 2: Caracterização química dos bagaços secos de sorgo sacarino

Com base nos dados apresentados na Tabela 2 é possível perceber que
a composição percentual dos bagaços não apresenta diferença significativa
entre as variedades estudas. Além disso, a grande fração de carboidratos
encontrada no bagaço (64,4%, em média) indica que o mesmo apresenta um
elevado potencial para ser inserido na cadeia produtiva do bioetanol de
segunda geração.
O percentual de celulose permite supor que, se o processo de pré-
tratamento apresentar eficácia máxima, assim como as etapas posteriores de
sacarificação enzimática e fermentação, a produção de etanol a partir do
bagaço das variedades BRS506, CMSX634 e CMSX642 será respectivamente
de 185,1, 177,8 e 190,4 L de etanol por tonelada de bagaço seco de sorgo
sacarino. Esta produção ainda pode aumentar se também for considerada a
fração de hemicelulose presente no bagaço, alcançando um rendimento teórico
máximo de 327,1 L de etanol por tonelada de bagaço seco. Estas perspectivas
mostram o alto potencial do bagaço de sorgo sacarino para produção de
bioetanol, que fica ainda mais evidenciado quando é levado em conta a
produção de bagaço. De acordo com os dados disponibilizados pela Embrapa
(2012), o plantio de sorgo pode gerar de 15 a 20 t de bagaço úmido por
hectare, o que levaria a uma produção adicional de até 1.665 L de etanol por
hectare de sorgo sacarino plantado.
Pré-tratamento
O pré-tratamento realizado de acordo com as condições estabelecidas
no planejamento experimental gerou os resultados apresentados na Tabela 3.

Ensaio H
2
SO
4
(%) Razão S/L(%) Tempo (min.) AR (%) Glicose (%)
1 2,00 10,00 20,00 34,23 8,26
2 2,00 10,00 80,00 31,18 9,59
3 2,00 25,00 20,00 30,68 6,99
269



4 2,00 25,00 80,00 28,40 8,04
5 6,00 10,00 20,00 31,22 9,01
6 6,00 10,00 80,00 31,19 9,71
7 6,00 25,00 20,00 29,04 10,82
8 6,00 25,00 80,00 32,48 9,97
9 1,17 17,50 50,00 32,76 8,25
10 6,83 17,50 50,00 33,21 10,68
11 4,00 6,89 50,00 31,71 10,33
12 4,00 28,10 50,00 27,46 7,76
13 4,00 17,50 7,57 43,26 10,68
14 4,00 17,50 92,43 42,12 12,11
15(C) 4,00 17,50 50,00 38,30 9,87
16(C) 4,00 17,50 50,00 38,17 10,10
17(C) 4,00 17,50 50,00 38,25 10,18
18(C) 4,00 17,50 50,00 38,10 10,06
Tabela 3: Resultados das análises de AR e Glicose para o pré-tratamento com
ácido diluído
Sabe-se que a melhor condição para realizar o pré-tratamento é aquela
que apresenta a maior liberação de açúcares redutores, uma vez que a mesma
indica a degradação da hemicelulose, um dos componentes que dificultam o
ataque das enzimas à celulose. No entanto também devem ser levadas em
consideração as condições empregadas em cada ensaio. Foi realizada uma
pré-seleção dos ensaios que obtiveram os melhores resultados para o pré-
tratamento e assim foram escolhidas as condições 10, 13, 14 e a condição de
ponto central (ensaios 15 a 18).
A condição de pré-tratamento 10 está entre as que apresentaram a
maior porcentagem de açúcares redutores liberados, no entanto, esta não é
uma condição viável, pois a concentração de ácido sulfúrico no hidrolisado é
alta tornando o risco de degradação da celulose maior.
O ensaio 13 possui uma peculiaridade muito interessante quando
comparado aos demais. Ele indicou a maior remoção de açúcares redutores e
concomitante a isso utilizou o menor tempo de autoclave. No entanto, o ensaio
14 também apresenta uma alta remoção de açúcares redutores fazendo uso de
270



um tempo de autoclave muito superior. Isto pode acontecer, pois o maior tempo
de contato do bagaço com a solução de ácido diluído em altas pressões leva à
maior degradação de hemicelulose e também de celulose, que é indicada pela
maior porcentagem de glicose encontrada neste ponto.
Os ensaios 15 a 18 foram realizados sob as mesmas condições de pré-
tratamento e assim esperava-se que as análises de AR e glicose
apresentassem valores semelhantes em todos os ensaios. A média de AR
obtida para esta condição foi de 38,2 % e para glicose foi igual a 10,1 %. As
condições empregadas correspondem às médias de cada fator do pré-
tratamento configurando-se como as melhores em termos de eficiência do
processo.
Pelos dados apresentados foi possível destacar a melhor condição para
realizar o pré-tratamento semi-preparativo, como sendo a do ponto central. No
entanto para avaliações mais precisas, cada uma das variáveis de resposta
foram analisadas separadamente em relação aos fatores estabelecidos
inicialmente – razão S/L, concentração de ácido diluído e tempo – utilizando
para isso um tratamento estatístico realizado pelo software STATISTICA 8.0.
AR
A análise estatística da influência dos fatores do pré-tratamento sobre a
análise de AR, gerou um modelo de ajuste cujo R² foi igual a 0,9645.
Através do gráfico de Pareto apresentado na Figura 1 foi possível avaliar
o grau de importância dos fatores pesquisados com relação à concentração de
AR no material hidrolisado.

271




Figura 1: Gráfico de Pareto dos efeitos padronizados estimados para a liberação de AR durante o
pré-tratamento do bagaço de sorgo sacarino BRS 506

Pelo gráfico de Pareto, observa-se um efeito negativo significativo, tanto
linear quanto quadrático, da razão S/L provavelmente associado à dificuldade
de transferência de calor e massa em concentrações muito altas de sólido. De
modo semelhante, também foi evidenciado um efeito quadrático negativo e
significativo da concentração de ácido, indicando possivelmente a degradação
dos açúcares a partir de concentrações maiores de ácido.
Para o fator tempo, observou-se uma influência quadrática positiva
sobre a análise de AR, mostrando que a liberação dos açúcares redutores
aumenta com o tempo. No entanto deve-se atentar para a degradação da
celulose, o que pode aumentar o teor destes açúcares, em especial, a glicose.
Também foi observado que a ação conjugada do tempo e da concentração de
ácido (1Lby3L) apresentou um efeito linear positivo significativo.
Os gráficos de superfície resposta mostrados na Figura 2 permitem a
análise combinada dos fatores do pré-tratamento sobre a liberação de AR. Eles
mostram a presença de otimização do processo para condições de trabalho
próximas às do ponto central, ou seja, concentração de ácido próximo a 4,0% e
razão S/L de 17,5%. Apesar dos gráficos não mostrarem a otimização em
relação ao tempo de autoclave (devido à presença de um ponto de sela), é
272



possível destacar como o melhor tempo de trabalho o de 50 minutos, pois é
inviável trabalhar nas extremidades.




Figura 2: Gráfico de superfície resposta dos efeitos dos fatores do pré-tratamento para a
porcentagem de AR: (A) razão S/L combinada com concentração de ácido; (B) tempo combinado
com concentração de ácido; (C) tempo combinado com razão S/L.

Glicose
A análise estatística da influência dos fatores do pré-tratamento sobre a
liberação de glicose, gerou um modelo de ajuste cujo R² foi igual a 0,8748.
A análise do efeito dos fatores do pré-tratamento para a concentração
de glicose a partir do gráfico de Pareto (Figura 3) indicou um efeito linear
positivo e significativo para a concentração de ácido sulfúrico, no entanto deve-
se atentar para a degradação dos açúcares em concentrações muito altas de
ácido e para o aumento dos custos na etapa de neutralização. Em
contrapartida, a razão S/L apresentou efeito quadrático negativo e significativo,
(A)
(B)
(C)
273



o que pode ser justificado pela dificuldade da transferência de calor e massa na
presença de uma grande quantidade de sólido comparada ao líquido. O efeito
linear positivo dos fatores combinados, ácido e razão S/L (1Lby2L), mostra que
a associação destes foi favorável para a liberação de glicose, e
consequentemente, para o pré-tratamento do bagaço.


Figura 3: Gráfico de Pareto dos efeitos estabilizados para glicose no pré-tratamento do bagaço de
sorgo sacarino BRS 506

Através dos gráficos de superfície resposta apresentados na Figura 4,
pode-se observar que houve otimização do pré-tratamento no que diz respeito
à razão S/L e à concentração de ácido, que apresentaram seus ótimos próximo
à condição de ponto central. Em contrapartida, o tempo não foi uma variável
significante para a análise.
Com base nos resultados obtidos na caracterização química (item 4.1)
pode-se pressupor que grande parte da glicose liberada corresponde à fração
de hemicelulose e amido presentes no bagaço de sorgo sacarino.

274






Figura 4: Gráfico de superfície resposta dos efeitos dos fatores do pré-tratamento para a
porcentagem de glicose: (A) razão S/L combinada com concentração de ácido; (B) tempo
combinado com concentração de ácido; (C) tempo combinado com razão S/L.

Pré-tratamento semi-preparativo
Os resultados preliminares obtidos com o planejamento experimental do
tipo delineamento composto central rotacional (DCCR) geraram a condição de
trabalho próxima à do ponto central para a realização das próximas etapas.
Esta condição compreende o uso de uma razão S/L de 20%, concentração de
ácido sulfúrico de 4% e tempo de 30 minutos. A mesma foi escolhida por estar
entre aquelas com maior concentração de AR e por empregar condições
amenas no processo.
Após pré-tratamento na condição destacada como ótima, resíduo sólido
obtido foi seco e pesado, alcançando um valor médio de 15,7 g, o que
(B)
(C)
(A)
275



representa uma hidrólise de 55,1% do material inicial. A caracterização química
das frações de carboidratos presentes no resíduo está mostrada na Tabela 4.

Antes do pré-tratamento Após o pré-tratamento
% g % g
Celulose 28,96 ± 0,57 10,14 66,96 ± 1,03 10,53
Hemicelulose 17,70 ± 1,76 6,20 3,20 ± 1,30 0,50
Lignina 7,26 ± 0,28 2,54 20,79 ± 0,47 3,27
AST 12,55 ± 0,67 4,39 0,51 ± 0,07 0,08
Amido 3,66 ± 0,92 1,28 1,17 ± 0,09 0,18
Tabela 4: Comparação das frações de carboidratos entre o bagaço de sorgo
sacarino BRS 506 íntegro e o resíduo sólido pré-tratado

Os resultados acima mostram a degradação quase completa das
frações de hemicelulose e amido durante o pré-tratamento sendo reduzidas em
81,92 e 68,03% comparados com o valor inicial. As condições empregadas no
pré-tratamento também se mostraram eficazes em relação à fração celulósica
do bagaço, não apresentando degradação da mesma como era esperado. No
entanto a lignina praticamente não apresentou degradação o que pode se
tornar um fator limitante para a etapa de sacarificação enzimática já que a
celulose não foi totalmente desimpedida.
Quanto ao hidrolisado obtido no pré-tratamento, foram recolhidos em
média 67 mL. Após a primeira lavagem com 100 mL de água destilada foram
retirados 97,5 mL e após a segunda lavagem com 100 mL de água, 88,5 mL.
Através da caracterização química destas três amostras, foram obtidos os
resultados apresentados na tabela 5.

Hidrolisado Lavagem 1 Lavagem 2 TOTAL
AR (%) 22,67 13,86 3,47 40,00
Glicose (%) 8,32 7,02 2,26 17,60
Compostos Fenólicos
(%)
0,30 0,22 0,12 0,64
Tabela 5: Caracterização química do hidrolisado do pré-tratamento de bagaço
de sorgo sacarino BRS 506

276



As baixas concentrações de compostos fenólicos encontradas no
hidrolisado estão de acordo com o resultado encontrado pela análise de FDA
para o teor de lignina no resíduo sólido pois segundo Klock (2005), parte da
lignina é degradada a compostos fenólicos quando é submetida à hidrólise
ácida sob aquecimento. No entanto, a fração da lignina solúvel em ácido é
mínima quando comparada a quantidade total de lignina, o que explica a baixa
degradação da lignina após o pré-tratamento ácido do bagaço. Vale ressaltar
ainda que os compostos fenólicos atuam como inibidores do processo, uma
vez que são tóxicos para os microrganismos fermentativos e inibidores das
enzimas utilizadas no processo de sacarificação (CHANG, 2000; SILVA et al.,
2010).

Conclusão
Através da caracterização química, foi possível perceber que as três
variedades de sorgo sacarino não apresentam discrepâncias significativas
quanto à sua composição apresentando, em média, 64,6% de carboidratos.
Uma vez que estes compostos podem ser convertidos a açúcares
fermentescíveis, o bagaço se mostrou um material com grande potencial para a
produção de etanol de segunda geração.
O pré-tratamento ácido alcançou os resultados esperados para as
frações de hemicelulose e amido realizando a retirada quase que completa
destes componentes. Do mesmo modo, a não degradação da celulose foi um
fator positivo para o processo. No entanto, a permanência da lignina no
material pré-tratado, mostrou a necessidade de um novo tipo de tratamento
com o intuito de retirar toda a lignina e assim deixar a celulose totalmente
desimpedida para as etapas de sacarificação e fermentação.

Considerações Finais
Após concluída a etapa de pré-tratamento do bagaço de sorgo sacarino,
é necessário que o resíduo sólido produzido seja submetido à sacarificação
enzimática para liberar os monômeros de glicose que constituem as fibras
celulósicas e em seguida iniciar a fermentação alcoólica com a levedura
Saccharomyces cereviseae.
277



A fração representativa de hemicelulose no bagaço torna interessante o
uso da mesma para a obtenção de etanol. No entanto, a hidrólise da
hemicelulose libera principalmente pentoses que não são fermentadas por S.
cerevisiae, mas que podem ser fermentadas a etanol por outros
microorganismos.

Referências Bibliográficas
ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS. (1995) Official
methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists. Arlington:
A.O.A.C.
CHANG, V. S.; HOLTZAPPLE, M. T. (2000) Lime pretreatment of crop residues
bagasse and wheat straw. Em Applied Biochemistry and Biotechnology, 86, 5-
37.
DURÃES, F. O. M. (2011) Sorgo sacarino: Desenvolvimento de tecnologia
agronômica. Em Agroenergia em revista, 2 (3), 7.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA).
(2012) BRS 506: O sorgo sacarino mais plantado e testado no Brasil. Cartilha
Informativa.
FOODS AND AGRIGULTURE ORGANIZATION (FAO). Faostat. Disponível em:
< http://faostat3.fao.org>
FOODS AND AGRIGULTURE ORGANIZATION (FAO). Sorghum bicolor (L.)
Moench. Disponível em: <
http://www.fao.org/ag/agp/agpc/doc/gbase/data/pf000319.htm >. Acessado em
01 de maio de 2013.
INSTITUTO ADOLFO LUTZ. (2008) Métodos químicos e físicos para análise de
alimentos, 4. ed. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz.
KLOCK, U.; MUÑIZ, G. I. B.; HERNANDEZ, J. A.; ANDRADE, A. S. (2005)
Química da Madeira. 3. ed. Curitiba: Universidade Federal do Paraná.
LLOYD, J.B.; WHELAN, W.J. (1969) An improved method for enzymic
determination of glucose in the presence of maltose. Em Analytical
Biochemistry, 30, 467-470.
MCCREADY, R. M.; GUGGOLZ, J.; SILVIERA, V.; OWENS, H. S. (1950)
Determination of Starch and Amylose in Vegetables. Em Analytical Chemistry,
22, 156-158.
MILLER, G. L. (1959) Use of Dinitrosalicylic Acid Reagent for Determination of
Reducing Sugar. Em Analytical Chemistry, 31 (3), 426-428.
SINGLETON, V. L.; ROSSI J. A. (1965) Colorimetric of total phenolics with
phosphomolybdic-phosphotungstic acid reagents. Em American Journal of
Enology and Viticulture, 16 (3), 144-146.
SILVA, M. G. E.; SILVA Jr, J. L.; PINTO Jr, C. R. T. (2010) Produção de etanol
de segunda geração: uma revisão. Em Pensamento Plural: Revista Científica
da UNIFEI, 4 (2), 59-61.
278



TEIXEIRA, C. G.; JARDINE J. G.; BEISMAN, D. A. (1997) Utilização do sorgo
sacarino como matéria-prima complementar à cana-de-açúcar para obtenção
de etanol em microdestilaria. Em Ciência e Tecnologia dos Alimentos, 17(3),
248-251.
VAN SOEST, P. J. (1963) Use of detergents in the analysis of fibrous feeds II. A
rapid method of the determination of fiber and lignin. Journal of the Association
of Official Analytical Chemists, 26 (5), 829-835.
VAN SOEST, P. J. (1964) Symposium on nutrition and forage and pastures:
New chemical procedures for evaluating forages. Journal of Animal Science, 23
(3), 838-845.
VAN SOEST, P. J. (1968) Determination of lignin and cellulose in acid
detergent fiber with permanganate. Journal of the Association of Official
Analytical Chemists, 51, p. 780-785, 1968.

279




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E AS DESIGUALDADES
SOCIOESPACIAIS NA MORFOLOGIA DAS CIDADES





Altemar Amaral Rocha
Universidade de Barcelona (UB)



2013
280



A produção do espaço e as desigualdades
socioespaciais na morfologia das cidades

Altemar Amaral Rocha
UESB/UNEB
Doutorando em geografia pela Universidade de Barcelona – UB
altemarrocha@gmail.com

RESUMO
O estudo da morfologia das cidades e suas formas são movidos pela lógica da
representação do espaço urbano. O que pretende aqui é produzir uma
contribuição à discussão da modernidade do pensamento geográfico à luz do
momento de crise e ruptura do paradigma vigente e, fomentar a discussão de
uma ciência concreta, que se materializa num espaço concreto. Assim, a
análise da(s) forma(s) urbana(s), parte do principio da produção e reprodução
do espaço no capitalismo, levando-se em consideração as desigualdades
socioespaciais materializadas no território da cidade. Portanto, o estudo do
desenvolvimento da noção de espaço ou das inúmeras noções que interferem
na representação do espaço deve ser compreendidas por diferentes pontos de
vista. Os objetivos deste trabalho estão voltados para o desenvolvimento de
uma abordagem teórica sobre o processo de urbanização, levando-se em
consideração, a produção do espaço urbano, e o estudo das formas que são
integrantes da configuração territorial e da espacialidade das cidades no Brasil
e no mundo. A pesquisa em questão enfoca os processos de planificação
territorial e as transformações socioespaciais da cidade de Vitória da
Conquista-Ba, levando se em conta a abordagem da forma urbana e seus
processos de produção na tentativa de elucidar os problemas decorrentes da
expansão capitalista sobre o solo urbano evidenciando assim as desigualdades
resultantes desse processo expansionista do capital sobre a cidade.
Palavras chave: Forma urbana, produção do espaço, morfologia das cidades;
desigualdades socioespaciais.

ABSTRACT
The study of the morphology of cities and their shapes are moved by the logic
of representation of urban space. What you want here is to produce a
contribution to the discussion of modernity of geographical thought in the light of
281



the moment of crisis and rupture of the present paradigm and foster discussion
of a concrete science that is embodied in a concrete space. Thus, the analysis
of (s) form (s) urban (s), part of the principle of production and reproduction of
space in capitalism, taking into account the sociospatial inequalities
materialized within the city. Therefore, the study of the development of the
notion of space or the various notions that interfere with the representation of
space - should be understood by different points of view. The objectives of this
work are focused on the development of a theoretical approach to the process
of urbanization, taking into account the production of urban space, and the
study of shapes that are members of the territorial configuration and spatiality of
cities in Brazil and world. The research question focuses on the processes of
territorial planning and sociospatial transformations in Vitória da Conquista-Ba,
taking into account the approach of urban form and their production processes
to elucidate the problems arising from capitalist expansion on the ground thus
highlighting urban inequalities resulting from this expansion process of capital
over the city.
Keywords: Urban form, space production, morphology of cities, sociospatial
inequalities.

Introdução
Na tentativa de construir um marco teórico, a partir dos quais serão
analisadas a territorialidade, a urbanização, as cidades e a produção do
espaço urbano, que foi elaborada uma discussão sobre esses conceitos, sobre
a qual não se tem pretensão de que seja exaustiva nem completa, mas que
fundamente o desenvolvimento subsequente do pensamento.
São discutidos nesta análise os processos espaciais de segregação, o
território e a territorialidade, envolvendo, toda a lógica de produção do espaço
urbano. A definição da problemática espacial nos remete ao sentido lato da
urbanização enquanto processo. No período atual, há uma preocupação em
se relacionar território e territorialidade, e suas vertentes do desenvolvimento e
desigualdades com um enfoque maior para estudos urbanos. Por outro lado,
não há como compreender se o vetor que comandam a urbanização e as
formas como ela se materializa nas cidades, sem levar em consideração o
conceito de produção do espaço, em seu sentido mais amplo.
282






A Territorialidade e Território na Produção do Espaço Urbano
Cotidianamente, confunde-se território e espaço, território e
territorialidade. Na geografia, essa questão também ainda não está totalmente
clara. Para Milton Santos (2001), o território é a uma extensão apropriada e
usada, já a territorialidade seria o ato de pertencer àquilo que nos pertence, ou
seja, uma preocupação com o destino dentro da própria área de vivencia e
reprodução.
O espaço para (Santos 2008), seria um conjunto de objetos e de
relações que se realizam com estes objetos. Neste contexto, o espaço é o
resultado da ação dos homens sobre o próprio espaço, entrelaçado pelas
“forças produtivas e pelos meios de produção” Harvey (2005), nessa relação
espaço e sociedade, surge a produção de uma organização espacial que é
moldada pelas ações do modo de produção capitalista.
Assim, as relações espaciais, se expressam pela territorialidade. Tal
territorialidade apresenta dimensões sociais primordiais, que são
materializadas pelos elementos espaciais essenciais ao processo de produção
do espaço geográfico e, por conseguinte do espaço urbano, pois o “espaço
geográfico é sempre o domínio do concreto e do especifico” (HARVEY 2005 P.
145.).
Todavia, as dimensões sociais do território, materializam a sua
territorialidade pelo viés político, econômico e cultural. No Brasil, essa condição
de territorialidade tem seus primórdios com a inserção do País no modo de
produção capitalista, marcada pelo nascimento de uma dinâmica de
reprodução e ampliação do capital, essa inserção, condicionou uma divisão
interna do trabalho pela diversificação da produção agrícola, pela expansão
indústria manufatureira e fabril, aliada a uma economia mercantil, consolidando
uma acumulação primitiva do capital.
Neste contexto As desigualdades sociais já se acentuam no País, pois
com o fim da escravatura no final do século XIX e com a inserção do Brasil no
modo de produção capitalista, o processo de urbanização ganha força, no
primeiro momento, absorvendo boa parte dos negros recém libertos; essa
283



condição pode ser explicada com o surgimento das primeiras favelas do
Território brasileiro no Rio de Janeiro com as favelas do Morro da Providencia e
Santo Antônio, em Santos-SP, Salvador e Recife com as autoconstruções
subnormais, e no Belenzinho - São Paulo com os aglomerados de ex-escravos
nos finais do século XIX. Num segundo momento como absorção de mão de
obra fabril, sobretudo de imigrantes europeus e japoneses no inicio do Século
XX, expandindo sobremaneira o espaço urbano da cidade de São Paulo e Rio
de Janeiro.
Os elementos espaciais da territorialidade urbana materializam-se num
primeiro momento, de forma horizontal com um maior dimensionamento das
áreas na superfície do solo urbano, Baudrillard (1993), e em um segundo
momento, com a verticalização e hierarquização dos fluxos Guattari (1985) e
Santos (2008).
A territorialização das formas urbanas ganham dimensões correlatas
pela disseminação de paisagens cada vez mais semelhantes nas áreas de
moradias populares segregadas pela dimensão da forma Lojkine (1997),
singularizada pelo aspecto de cada lugar e materializada no contexto da
produção do espaço urbano. O espaço nessa lógica é a diferenciação dessas
formas Lefebvre (1995).
A territorialidade nos dizeres de Haesbaert (1995) configura-se por
tendências gerais de diferencialidade das formas espaciais ao passo que se
desterritorializa pela mobilidade das forças produtivas e pela perda de
identidade na medida em que mundializa-se as relações sociais e econômicas
de cada lugar Giddens (1991).
Na produção do espaço urbano, e reprodução espacial, reflete dilemas
territoriais tais como a segregação sócio-espacial, com isso, a instabilidade das
instituições sociais. Para Carlos o processo de reprodução do espaço nas
cidades:

Apresenta como tendência a destruição dos referenciais urbanos;
isso porque a busca do incessantemente novo, como imagem do
progresso e do moderno, transforma a cidade num instantâneo, que
novas formas urbanas se constroem, sobre outras, com profundas
transformações na morfologia, revelando uma paisagem em
constante transformação. Nesse contexto, as praticas urbanas são
invalidas/paralisadas ou mesmo cooptadas por relações conflituosas
que geram, contraditoriamente, estranhamento e identidade, como
284



decorrência da destruição dos referenciais individuais e coletivos que
produzem a fragmentação do espaço (realizando plenamente a
propriedade privada do solo urbano) e com ele, da identidade,
enquanto perda da memória social, uma vez que os elementos
conhecidos e reconhecidos, impressos na paisagem da cidade, se
esfumam no processo de construção de novas formas urbanas.
(CARLOS 2004, p. 9).

O processo de transformação do espaço urbano gera conflitos pautados
na desigualdade social na medida em que nem todos os ocupantes da cidade
são reconhecidos como atores da produção e reprodução espacial, pois
sempre que ocorre algum ordenamento territorial, os habitantes são
considerados como usuários dos serviços e equipamentos urbanos, mas nunca
é concebida a sua cidadania pela participação enquanto ator do processo.
Nesse contexto a cidadania é formalizada pelo ato do consumo do
espaço e pelo uso do solo e equipamentos públicos enquanto habitante do
lugar, Harvey (2009), afirma que o direito a cidade deve ser um direito em que
satisfaça as necessidades humanas e não apenas as necessidades do
consumo, pois na medida em que aumenta o consumo no espaço urbano a
cidade passa a ser cada vez mais cara em todos os aspectos, circulação,
moradia, etc., distanciando a população de baixa renda do processo produtivo.
No caso do Brasil, essa condição social leva ao surgimento das favelas e
guetos urbanizados, mas não incorporados ao espaço urbano formal.
Na produção de espaço, a territorialidade se expressa geralmente pela
base jurídica e formal que define as regras e normas aplicáveis ao território
como um todo. Para Capel (2002), a produção do espaço urbano é o resultado
das práticas dos agentes que atuam dentro da base do modo de produção
capitalista utilizando os mecanismos legais a sua disposição ou realizando
suas praticas de ocupação e uso à margem da lei e posteriormente legaliza
suas ações do mesmo modo ocorrem às invasões de áreas urbanas pelos
chamados sem teto, ou sem moradia que erguem na sombra das edificações já
legalizadas, os barracos que posteriormente, transformam-se nas chamadas
favela estes por sua vez atuam à margem da lei e dificilmente tem os seus
direitos atendidos pela base legal que fornece a chamada identidade territorial
formal no espaço urbano para o autor:

285



En una sociedad capitalista, la ciudad y el espacio en general, no
pertenecen a sus habitantes y no son modelados en función de sus
intereses, sino de acuerdo con los intereses, a veces contradictorios,
de una serie de agentes. En esencia estos agentes son: los
propietarios de los medios de producción; los propietarios del suelo;
los promotores inmobiliarios y las empresas de la construcción; y, por
último, los organismos públicos, agentes y árbitros a la vez en el
proceso de producción del espacio urbano – agentes en cuanto que
realizan operaciones concretas que contribuyen a modelar la ciudad,
y árbitros en cuanto que intervienen en los conflictos surgidos entre
los otros agentes contribuyendo a superar sus contradicciones.
(Capel, 1983 p.95).

Desse modo, há que observar que a produção do espaço urbano não só
materializa as desigualdades sociais, como também as reproduz (MARICATO,
2002). No Brasil, a questão da habitação emerge na pauta das discussões e
nas lutas de classe, sobretudo a dos trabalhadores urbanos que buscam uma
moradia e acabam por ocupar áreas tais como fundo de pântanos, planícies de
inundação, margens de rios e córregos, encostas dos morros entre outros. Mas
tudo isso é apenas uma das facetas da segregação urbana, pois o padrão de
moradia, (sobretudo as moradias das áreas de ocupação) reflete um processo
de segregação e discriminação no espaço urbano advindo de fatores
econômicos sociais e culturais, tais como a renda familiar, as políticas
educacionais, as políticas habitacionais a especulação imobiliária entre outros.

Segregação e desigualdades socioespaciais na morfologia das cidades
O estudo sobre a estrutura urbana e suas formas ainda carece de uma
consistência maior já que na maioria das vezes, estuda-se a hierarquia, as
redes, os aspectos econômicos, mas o estudo da forma urbana e suas
desigualdades socioespaciais, estão ao meu ver mais concentrados em alguns
institutos de pesquisa e não conseguem alcançar uma grande parcela de
pesquisadores e interessados no estudo dessa questão.
Do ponto de vista da estrutura, a segregação espacial é a mais evidente
no processo de urbanização, sobretudo no Brasil, constata-se que o ato de
morar na cidade, revela o modo como o processo de segregação é
materializado no espaço urbano, impondo uma condição em que a morfologia
socioespacial passa a ser cada vez mais segmentada. Para Carlos:

A segregação é a negação do urbano e da vida urbana. Seu
fundamento é a existência da propriedade privada da do solo urbano,
286



que diferencia o acesso do cidadão a moradia, produzindo a
fragmentação dos elementos da pratica sócio-espacial urbana
separando os lugares da vida, enquanto elementos autônomos: neste
nível a existência da propriedade privada da terra realiza
desigualdades que esta na base do desenvolvimento da sociedade
capitalista. (CARLOS 2004, p. 141).

Já Lojkine (1997), aponta que a segregação socioespacial, se manifesta
de forma mais visível quando a renda fundiária urbana afasta uma grande
parcela da sociedade do “direito à cidade” isto é em obter moradia, já que o
preço do solo urbano faz com determinados lugares do espaço urbano, passe
a ter uma valoração acima do que normalmente as pessoas de baixa renda
estão habilitadas a pagar.
Para Soja (1993). O Estado é o responsável por essa valoração
especulativa na medida em legitima todas as ações do setor imobiliário,
atribuindo por meio de legislação regulatória uma serie de medidas como os
planos de revalorização das áreas urbanas degradadas, e de regulamentação
do uso do solo e dos espaços públicos, tudo isso, amplia a mais valia dos
capitais imobiliários dessas áreas e, por conseguinte, o capital como um todo.
Essa percepção nos leva a acreditar que o processo de urbanização,
cria uma matriz espacial multiestratificada Soja (1993). Tal matriz é composta
por relações espaciais nodais, relações de poder, relações de dominação e
subordinação. Essas relações transformam o território, numa configuração de
novas territorialidades, consolidando uma dinâmica espacial cada fez mais
estratificada, na medida em que uma grande parcela da sociedade não tem
acesso aos mínimos requisitos sociais da vida contemporânea.
Botelho (2007), afirma que a urbanização acompanha a lógica de
acumulação do capital por meio da reprodução dos mecanismos de
estruturação da produção industrial. Já Lefebvre (2006), entende que a
sociedade industrial transformou-se em urbana na medida em que o urbano
passou a ser o indutor das relações de produção e de sua própria reprodução.
Essa reprodução é marcada pela desigualdade das relações estabelecidas no
direito à cidade, ou seja, no direito a vida urbana com as condições de
moradia, condições de transporte, condições de uso dos equipamentos
públicos entre outros.
287



O fato possuir nas cidades, sobretudo nas grandes cidades zonas
especificas para cada função, nos leva a acreditar que existe uma segregação
pela implementação dessas estruturas urbanas. Lojkine (1997) aponta algumas
formas de segregação neste contexto; entre elas o autor destaca a oposição
entre o centro e a periferia, a separação de zonas de moradia classe alta e
classe popular, a segregação pelo uso dos transportes coletivos e demais bens
públicos como creche, escolas etc.

A lógica da fragmentação territorial no espaço urbano das cidades
brasileiras
No Brasil, o processo de urbanização segue a lógica do capitalismo
mundial, com a consolidação da espacialidade urbana, chegando a um
percentual de 84,35% das pessoas morando em cidades (IBGE, 2010). De
acordo com o censo de 2010, 54,73% da população Brasileira reside em
cidades acima de 100 mil habitantes. Isso não quer dizer que o direito a cidade
já é uma realidade para todos os habitantes.
A realidade das médias e grandes cidades brasileiras, sobretudo as
áreas metropolitanas do país, é repleta de desigualdades segundo dados do
IBGE no ano 2000 o Brasil possuía 16.433 favelas, com um crescimento anual
de 3% ao ano, seguindo a projeção em 2010 temos cerca de 22.000 favelas.
Essa previsão já é confirmada na cidade de São Paulo e no Rio de Janeiro que
possui um banco de dados municipal para monitoramento das favelas.
Em São Paulo, no ano 2000, de acordo com o IBGE, existiam 612
favelas. No ano de 2009, a (SEHAB-SP) registrou 1636 favelas. Já na cidade
do Rio de Janeiro, conforme dados do IBGE, no ano 2000 a cidade possuía
513 favelas em 2010, esse numero já ultrapassou 980 favelas. Em Salvador a
terceira maior cidade do País, não existe um cadastro oficial de favelas, mas
conforme a CODESAL (2010), o número de áreas de risco na cidade é de 540
pontos de riscos, isso nos dá uma idéia do numero de favelas em Salvador, já
que as áreas de risco referem-se às ocupações por moradias irregulares em
encostas e ou áreas de inundação.
Do ponto de vista da morfologia urbana as favelas refletem uma
condição de segregação residencial que remonta ao inicio da urbanização
brasileira já que em todas as grandes cidades do país as favelas sempre
288



estiveram presentes em sua formação territorial como é o caso da Favela do
morro da Babilônia no Rio de Janeiro, que teve sua origem por volta de 1907.
No mesmo período, a Prefeitura do Rio havia baixado um decreto municipal
que proibia a construção e ou permanência de moradores nos cortiços da
cidade isso fez com que as encostas dos morros se transformassem em um
novo lugar de moradia para uma grande parcela da sociedade carioca.
O que se observa no Rio de Janeiro é uma tendência da organização
socioespacial do território expressar diferenças étnicas, socioeconômicas e
culturais formando unidades de vizinhança que agrupam domicílios com
características particulares.
A intensidade desse processo de diferenciação intraurbana é marcada
pelas altas taxas de concentração habitacional nas favelas, formando grandes
aglomerados nas encostas como é o caso do morro da Babilônia e mais outras
centenas de ocupações nos diferentes pontos de espacialização da cidade. No
Rio de Janeiro, a morfologia urbana segue um padrão de rupturas marcado
pelas irregularidades e deficiências das construções das casas ao passo que
na porção formal do território, a morfologia segue a lógica do ordenamento
territorial e com isso uma hipervaloração dos espaços de moradia e dos
espaços de usos coletivos como é o caso da praia de Copacabana,
transformando se em espaços de consumo e por consequência espaços de
segregação.
Em São Paulo essa hipervaloração do espaço também pode ser
verificada com a análise das desigualdades socioespaciais entre diferentes
espaços da cidade uma analogia pode ser feita entre o Bairro Morumbi e a
Favela Paraisópolis. Enquanto o Bairro Morumbi representa um dos mais altos
níveis de valorização imobiliária, as moradias da Favela Paraisópolis não
representam atratividades para o circuito produtivo (do ponto de vista formal),
mas com o processo de reestruturação espacial da favela começa a ser
cobiçada por inúmeros mecanismos de valorização. Ela aparece enquanto
resistência a tendência da sobreposição do valor-de-troca sobre o valor-de-
uso. Além desse exemplo citado, pode ser observado em São Paulo uma
discrepância em diferentes zonas e territórios da cidade são mais de 900
289



pontos de ocupação irregular de terreno onde cada vez mais as pessoas
excluídas do processo produtivo se aglomera em moradias subnormais
-
Em Salvador-BA as desigualdades sócioespaciais também são marcantes em
todos os cantos da cidade uma dessas marcas da cidade é disparidade entre
bairros de classe alta e ocupações (favelas) que formam espaços unívocos,
mas ao mesmo tempo segregado, ocupando a mesma porção territorial com
territorialidades distintas.
Calabar em Salvador, Morro da Babilônia no Rio de Janeiro e
Paraisópolis em São Paulo são exemplos da situação habitacional no Brasil,
que possui uma maior concentração urbana nas regiões metropolitanas onde a
morfologia urbana é marcada pelas desigualdades socioespaciais com um
crescimento da população favelada a cada ano, os filhos saem da casa dos
pais para ir morar em outro barraco, em outra invasão e as famílias não
conseguem sair do ciclo da submoradia.
Segundo Maricato (2002), 80% dos moradores de favelas no Brasil,
estão nas regiões metropolitanas. Isso evidencia toda a contradição existente
no processo produção do espaço urbano, pois o desenvolvimento industrial e
econômico do país é maior justamente nessas regiões e na medida em que
ocorre o crescimento econômico inversamente ocorre o aumento das
desigualdades sociais, sobretudo quanto ao aspecto da moradia. Esses
processos de desigualdades no Brasil são gerados por processos macro-
sociais e espaciais onde as organizações sociais dos territórios das metrópoles
passaram pela experiência da industrialização acelerada e ao mesmo tempo
não houve planejamento, tão pouco políticas territoriais que freassem a lógica
da concentração da renda em detrimento da favelização das moradias de
grande parcela da população.
Constata-se que a morfologia socioespacial das cidades brasileiras é
marcada por padrões e graus de segregação residencial semelhantes,
moldados pelos processos de mobilidade sociais ascendentes e descendentes,
evidenciando contradições e dificultando a interpretação de novas tendências
de organização do espaço social das metrópoles decorrentes das macrotrans-
formações no tempo e no espaço.

-
termo utilizado pelo IBGE para designar as ocupações e ou moradias em favelas em todo o
Brasil.
290



No caso das cidades médias essa tendência de desigualdades
sócioespaciais também é verificada, pois na medida em que a cidade expande-
se, aumenta a percepção das desigualdades sócioespaciais. Sposito (2003)
afirma que o destaque às especificidades das formas de produção, consumo e
apropriação do espaço em cidades médias deve ser objeto de estudo, em
função da necessidade de se conhecer melhor a realidade urbana dessas
cidades confrontando as com a realidade metropolitana.
A análise da estruturação ou reestruturação das cidades médias em
contraposição às regiões metropolitanas a meu ver ocorre pelas diferenças
estruturais que existe nas formas de produção do espaço urbano, para Sposito
(2004), as relações entre os interesses fundiários e imobiliários permeadas
pela atuação do poder público têm orientado no âmbito de nossa formação
socioespacial, as ações que geram a (re) produção ampliada do espaço
urbano.
No caso de Vitória da Conquista-BA, essa reprodução ampliada do
capital, pode ser facilmente detectada, uma forma de verificar tais
desigualdades socioespaciais é a lógica de distribuição da renda. Conforme
dados do IPEA,(2003), a cidade de Vitória da Conquista possuía 60,89% da
população economicamente ativa com rendimentos de até 1 salário mínimo,
em 2009, este índice foi de 59% o que evidencia uma alta taxa de
concentração da renda e uma retroalimentação da pobreza que incidem
diretamente na morfologia urbana da cidade.

Considerações
Neste trabalho permeou o empenho em constatar tipos de segregação
residencial das cidades brasileiras, sobretudo os tipos de segregação cuja
dinâmica territorial tem efeitos sobre a convivência social e pode col ocar
bloqueios à construção de projetos coletivos no plano das cidades e da
sociedade.
Nesse sentido, o ponto de partida foi a territorialidade das desigualdades
marcam profundamente a morfologia urbana das metrópoles e demais cidades
do Brasil, o que importa nessa análise é a forma como se materializa os
diversos tipos de segregação que cerceia uma grande parcela da sociedade
brasileira, resultando em novas características da pobreza relacionadas com o
291



impacto da crise do mundo do trabalho sobre os segmentos com baixa
qualificação profissional, incidindo na lógica da produção do espaço urbano.

Referências bibliográficas
ATLAS do Desenvolvimento Humano do Brasil. IPEA (2003) Brasília: [Em
Línea] PNUD; IPEA; Fundação João Pinheiro, (2003). Disponível em:
<http://www.pnud.org.br>. Acesso em: 03/04/2007.
BAUDRILLARD, J. (1993) A sombra das maiorias silenciosas. O fim do social e
o surgimento das massas. São Paulo: Edusp.
BOTELHO, A. (2007). O urbano em fragmentos: a produção do espaço e da
moradia pelas praticas do setor imobiliário. São Paulo: Annablume.
CAPEL, H. (1983). Capitalismo y morfología urbana en España. Barcelona: Los
Libros de la frontera.
CAPEL, H. (2002). La morfología de las ciudades. I Sociedad, cultura y paisaje
urbano. Barcelona: Ediciones del Serbal.
CARLOS, A.F. A. (2004). O espaço urbano. São Paulo: Contexto.
GUIDDENS, A. (1991). As conseqüências da modernidade. São Paulo: Editora
Unesp.
GUATTARI, F. (1985) Espaço e poder: a criação de territórios na cidade. In:
Espaço & Debates (São Paulo) Ano V, N° 16.
HAESBAERT, R. (1995). Desterritorialização: entre as redes e os aglomerados
de exclusão. IN: Castro I.E. de, Gomes P.C.C. & Corrêa, R.L. Geografia
Conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
HARVEY, D. (1992). A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola.
______. (2005). A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume.
______. (2009) O direito a cidade. Trad. Fernando Alves Gomes In: Fórum
Social Mundial-Tenda Reforma urbana, Belém (2009). Actionaid [Em línea] Rio
de Janeiro: FSM/FNRU2009. Disponível em:
<http://www.actionaid.org.br/Portals/0/Docs/ David_harvey_conferencia.pdf> .
LEFEBVRE, H. (1995). Lógica formal / lógica dialética. São Paulo: Civilização
brasileira.
______.(2006). O Direito à Cidade. Trad. Rubens Eduardo Frias. São Paulo:
Centauro.
LOJKINE, J. (1997). O Estado capitalista e a questão urbana. São Paulo:
Martins Fontes.
MARICATO, E. (2002). Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana.
Petrópolis: Ed. Vozes.
SANTOS, M. & Silveira, M.L. (2001). O Brasil: Território e Sociedade no Inicio
do Século XXI, Rio de Janeiro: Record.
SANTOS, M. (2008) Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: 6ª Ed.
Edusp
292



SOJA, E. W. (1993). Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na
teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
SPÓSITO, M. E. B. (2003). O embate entre as questões ambientais e sociais
no urbano. IN: Dilemas urbanos: novas abordagens sobre a cidade. São
Paulo: Contexto,
SPOSITO, M. E. B. (2004). O Chão em pedaços: urbanização, economia e
cidades no Estado de São Paulo. Tese (Livre Docência em Geografia) –
Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista,
Presidente Prudente. UNESP, 508 p.


293




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha







SLOW FASHION – BASES CONCEITUAIS PARA O
DESIGN DE MODA SUSTENTÁVEL



Josiany Oenning
Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)
Manuela Neves
Universidade do Minho (UM)
Bianca Pomini Milléo
Universidade do Minho (UM)


2013
294



Slow Fashion – Bases Conceituais para o Design de
Moda Sustentável

Josiany Oenning
Mestre
Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Tecnologia em Design de Moda
Brasil
josianyo@utfpr.edu.br

Manuela Neves
Doutora
Universidade do Minho
Departamento de Engenharia Têxtil
Portugal
mneves@det.uminho.pt

Bianca Pomini Milléo
Mestranda
Programa Moda e Comunicação/ Departamento de Engenharia Têxtil
Universidade do Minho/ Portugal
bia_mill@hotmail.com

Resumo
O movimento Slow Fashion tem sido reconhecido como uma avenida para se
alcançar a sustentabilidade na indústria da moda. Ele encoraja a utilização de
um tempo alargado para se garantir uma produção responsável, que
acrescenta valor à roupa por meio de um design de qualidade, e incentiva a
conexão entre o meio ambiente e o fabricante de vestuário. Essas ações
representam oportunidades para o desenvolvimento de mudanças no âmbito
global da moda, a fim de fortalecer este movimento. Dentro desta realidade,
entende-se que o Slow Fashion, que tem por premissa buscar a qualidade em
detrimento quantidade, pode retirar a pressão do tempo. Para entender as
contribuições que este movimento propõe, se faz necessário elucidar os
conceitos apontados pelo Slow Fashion e entender o planejamento e as
intervenções sustentáveis possíveis no âmbito do processo de design de
moda.
Palavras-chave: Slow Fashion, Sustentabilidade, Design de moda.

Abstract
295



The Slow Fashion movement has been recognized as a path toward
sustainability in the fashion industry. It encourages to take more time while
manufacturing a product, aiming to guarantee a responsible production. This
extended design process adds value to the garments and allows a connection
between the producer and the environment. This represents an economic
changing point where the Slow Fashion can drop the production time pressure
and increase the quality of the garments. To understand the purposes and
contributions of this movement it is necessary to elucidate the Slow Fashion
concepts and possible sustainable interventions in the design fashion methods.
Keywords: Slow Fashion, Sustainability, Fashion Designer

Sustentabilidade e os três pilares
Empresas que trabalham a sustentabilidade na sua organização,
apresentam características específicas e essenciais que se definem pela
eficiência em termos econômicos e pela utilização de estratégias que as
colocam no mercado competitivo sincronizando sua capacidade ambiental e de
recursos por ela utilizados, bem como promoção da inclusão social de seus
trabalhadores e de minorias.
Para Cavalcante & Preto & Pereira et. al. (2012), a sustentabilidade
trabalha, estrategicamente, na preservação do ambiente, da cultura e da
dignidade social das gerações. A manutenção e consecução da
sustentabilidade dependem do alinhamento dos três pilares do
desenvolvimento sustentável - o ambiental, o social e o econômico - atrelados
às discussões sobre novas formas de consumo e sobre os desafios culturais a
serem superados para que se possa garantir melhor qualidade de vida a todos.
Dentro da dimensão social, há a preocupação com a equidade e com a
participação de toda a comunidade, ou seja, de todos os grupos sociais, na
construção e manutenção do equilíbrio do sistema, sem exclusão social,
pobreza e desemprego, de modo que sejam compartilhados direitos e
responsabilidades. A dimensão ambiental compreende a preocupação com o
uso dos recursos naturais, impactos ambientais, poluição do ar, solo e água e
conservação dos mesmos. A dimensão econômica compreende: geração de
riqueza para a sociedade, eficiência econômica e obtenção de lucros e
296



vantagens competitivas no mercado em que atuam (Lorenzetti & Cruz & Ricioli
2008, Barbieri & Freitas Gouveia de Vasconcelos et. al. 2010).


Design e Sustentabilidade: o termo “Slow” em evidência
As atividades de design ligadas à sustentabilidade estão em evidência,
pois as empresas que trabalham com produtos industriais já não negligenciam
o entendimento de que o conjunto de aspectos que envolvem a concepção, a
produção, a comercialização e o descarte de um produto provocam impactos
no meio ambiente.
Segundo Manzini e Vezzoli (2008), requisitos ambientais devem ser
considerados desde o início do desenvolvimento de novos produtos, pois a
previsão de problemas, de soluções e de benefícios é altamente efi caz, nesta
fase, pois redunda em minimização de custos.
Dentro das grandes áreas que unem os conceitos de design e
sustentabilidade, vários termos e denominações são utilizados para
caracterizar produtos. Faz-se necessário, então, distinguir esses conceitos a
fim de delimitá-los de modo a promover um entendimento exato dos mesmos e
a melhor aplicação de cada um.
Para que o design sustentável aconteça, é necessária a criação de
novas ferramentas e estratégias que incluam aspectos sociais, culturais e
ambientais, além do econômico. Segundo Strauss & Fuad-Luke (2008), desde
os anos de 1990, os campos do design de produto e arquitetura têm praticado
análises voluntárias dos impactos ambientais, trazendo à tona termos como
eco design, design para o meio ambiente e design para sustentabilidade.
Entretanto, estas ainda não são práticas generalizadas e nem garantem uma
mudança de comportamento do consumidor que traga a sustentabilidade na
sua totalidade. O Slow Design surgiu neste contexto e trouxe uma abordagem
de retardamento de metabolismos, tanto de pessoas como de fontes e fluxos, o
que gerou mudanças de comportamento com impactos positivos e estimulou
práticas de design que apresentam novas soluções.
O termo Slow Design refere-se a um tipo de processo de projeto que se
fundamenta em três aspectos: o individual, o sociocultural e o do bem-estar
ambiental. Esse tipo de processo estimula a diminuição do metabolismo do
297



projeto, dando, assim, uma visão a longo prazo, pois prevê taxas de produção
e consumo mais lentas e menores, ou seja, oferece novos cenários para que
os projetos sejam mais duráveis e deem espaço para aspectos emocionais,
mentais e espirituais, de modo a celebrar a diversidade cultural. Como
consequência, os resultados do Slow Design incentivam a redução da
produção econômica e industrial, diminuem o consumo, atendem as
necessidades humanas e equilibram o local-global e o social-meio ambiente
(Fuad-Luke 2004).
O termo “slow” já está sendo adotado nos projetos de design, sempre
que a prioridade, além dos aspectos sociais e ambientais, está ligada ao
metabolismo do projeto e a busca pela qualidade essencial. Sendo assim,
destaca-se na Tabela 1 a evolução do design inserido aos conceitos de
sustentabilidade, indicado pelo eco design, passando pelo design sustentável e
atualmente sendo consolidado o Slow Design.
Eco Design

Design Sustentável


Slow Design

 Uso de produtos de
baixo impacto
ambiental
 Eficiência energética
 Qualidade e
durabilidade
 Reaproveitamento e
reutilização
 Satisfação das
necessidades
humanas e bem
estar social,
 Produtos
economicamente
viáveis
 Ecologicamente
correto
 Socialmente
equitativo.
 Três pilares com a
diminuição do
metabolismo do
projeto,
 Visão a longo prazo,
 Taxas de produção
e consumo menores
 Co-produção
Tabela 1: Abordagens evolutivas do design na sustentabilidade (Fonte própria)
Essas ações evolutivas entre design e sustentabilidade, ajudam no
entendimento do Slow Fashion, um movimento que busca reconectar os
produtos de moda aos conceitos de um design mais saudável em todo o seu
processo de produção. Essa abordagem abarca todo o ciclo de vida do
produto, manutenção, troca e remanufatura, e objetiva aperfeiçoar o produto ou
serviço com base na redução de resíduos no fim de sua vida útil (Costa Junior
& Pereira et. al. 2010).
298




Slow Fashion
A indústria do consumo é resultado de toda uma configuração da
sociedade moderna, que se baseia em ciclos rápidos e constantes de
produção, estribados em paradigmas econômicos que se fundamentam,
exclusivamente, no lucro. Produção e consumo rápido conduzem,
inevitavelmente, à redução sistemática de recursos e ao aumento de resíduos,
o que diminui a capacidade da terra de se regenerar em seu ritmo natural.
Essa é a maior das justificativas para que a aproximação desse movimento
“lento” seja visto como um processo revolucionário no mundo contemporâneo,
pois ele encoraja a produção responsável, que acrescenta valor à roupa por
meio de um design autoral e de qualidade, e incentiva a contemplação da
conexão entre o meio ambiente e o fabricante de vestuário (Cataldi & Dickson
& Grover 2010).
O movimento Slow Fashion iniciou-se em 2007, pela pesquisadora Kate
Fletcher, que comparou a indústria da moda eco/sustentável/ética com o
movimento pioneiro Slow Food, pois ambos partilham muitas características.
Segundo a própria fundadora do movimento, o Slow Fashion:

Representa uma visão diferente, que especifica um conjunto distinto
de atividades de moda dentro dos limites biofísicos. A moda lenta
requer infraestrutura modificada e uma produção reduzida de
produtos. [...] Representa uma flagrante ruptura com práticas atuais
do setor e com valores e objetivos da moda rápida (baseada no
crescimento). É uma visão dentro da indústria da moda construída a
partir de premissas fundamentais distintas (Fletcher & Grose,
2011:128).

Segundo Fletcher (2008), o Slow Fashion combina os conceitos de
natureza, cultura e contemporaneidade com o objetivo de disseminar uma nova
postura em relação ao processo de produção e consumo de moda, para que se
possa viver melhor hoje e no futuro.
Para Flower (2008), o Slow Fashion é um movimento que se
fundamenta em valores de qualidade, consciência e pensamento a longo
prazo. Além disso, apresenta-se como uma nova abordagem de mercado, pois
valoriza os agricultores que produzem a matéria-prima para o vestuário e a
compra de roupas diretamente das pessoas que as produzem, o que significa
299



menores quantidades de peças no guarda roupa e maior qualidade das
mesmas, que são feitas à mão ou personalizadas, refletindo a individualidade.
Cada roupa tem a sua própria história, o que aumenta seu apreço por parte
dos consumidores. A partir do momento em que o conceito “Slow” passar a ser
utilizado pela indústria, será possível desenvolver um ritmo saudável de
produção, então o meio ambiente e as pessoas poderão coexistir de forma
mais saudável.
Segundo Johansson (2010), o Slow Fashion desafia o consumidor a
fortalecer suas conexões com a roupa e seus produtores, ao incluir valores
relativos à comunidade, à sustentabilidade, à diversidade e desencadear uma
reação contra o consumismo, pois os países desenvolvidos consomem à custa
dos países em desenvolvimento. Clark, (2007) afirma que a expressão Slow
Fashion é usada para designar moda sustentável, soluções e estratégias de
concepção, produção, consumo, utilização e reutilização, pois diz respeito a
uma forma mais sustentável e ética de estar na moda.
Sabe-se que o vestuário produzido pelo Slow Fashion tem um preço
mais elevado, porém, Fletcher (2007) acredita que as pessoas irão comprar
menos produtos, pois seus valores são mais elevados. O projeto permite uma
rica interação entre designer e fabricante; fabricante e vestuário; vestuário e
usuário. Assim, um forte laço de relações é formado e este vai muito além da
cadeia de fabricação de vestuário.
Todas essas definições convergem termos cruciais para uma correta
denominação e entendimento do movimento Slow Fashion. Ainda não se tem
uma pesquisa formalizada que determina uma metodologia completa para se
aplicar e desenvolver produtos de moda que abarcam todas as características
do movimento. Porém muitos caminhos são apresentados, e as empresas
podem optar por características principais que queria trabalham. Sendo assim,
por meio de questões chaves identificadas dentro do movimento, buscou-se
esquematizar essas características pautadas em quatro princípios ou eixos
fundamentais, que embasam as suas ações.

Slow Fashion: Eixos sistemáticos sustentáveis
O Slow Fashion é um movimento que se apresenta fundamentado na
sustentabilidade para desenvolvimento de produtos de moda, por meio do
300



envolvimento dos dois universos que afetam e são afetados por esta cadeia
produtiva: o meio ambiente e o meio social. Neste contexto, depois de elucidar
as questões conceituais, criou-se uma tabela (2) com as palavras-chave do
movimento interligadas com cada eixo sustentável que se insere:



Eixos
sistemáticos
da
sustentabilid
a-
de
ECOLOGICA-
MENTE
CORRETO
CULTURAL-
MENTE
ACEITO
ECONOMICA-
MENTE VIÁVEL
SOLCIAL-
MENTE
JUSTO

Palavras-
Chave do
Slow
Fashion
Matéria-prima

Recuperação da
herança cultural
Lucros
Comércio
justo
Uso de recursos
naturais com
critério
Valorização do
trabalho
artesanal
Estratégias
econômicas
sustentáveis
Certificação
de trabalho
digno

Desperdício


Trabalho
manual

Pequena escala
produtiva
Geração de
renda para
comunidades

Gestão de
Resíduos

Co- produção Durabilidade
Bem estar do
trabalhador

Fibras orgânicas,
renováveis,
biodegradáveis,
Recicladas
Design
colaborativo
Uso de mão de
obra local e
materiais locais
Salários
Dignos
301



Diminuição da
Poluição
Satisfação
emocional
Descarte mínimo

Cooperati-
vismo

Minimizar etapas
no processo
Valores
simbólicos
Qualidade
superior
Diversidade
local
Tabela 2: Eixos sistemáticos sustentáveis conceituados por palavras chaves do
Slow Fashion (Fonte Própria)

Diante dessas informações, pode-se entender a complexidade, por parte
das empresas, em aplicar todos essas possibilidades em um só negócio. A
tabela 2 demonstra, por meio de palavras-chave, uma visão bastante completa
sobre o movimento, e é fácil saber as empresas não possuem condições para
alcançar a sustentabilidade no seu termo absoluto, em propostas bem
intencionadas. Essa definição dificulta e inibe o debate, que, muitas vezes,
acaba por se encerrar, pois nem sempre é fácil definir se algo é ou não
sustentável, quando se deveria fazer, exatamente, o contrário, ou seja,
debater.
Em design, tentar definir algo como cem por cento sustentável parece
ser uma tarefa quase impossível, porque as exigências do cotidiano do design
de produto, comercialmente orientado, tornam difícil imaginar que alguma coisa
que foi fabricada pode ser, verdadeiramente, boa em termos ambientais, pois
as ações necessárias para que um produto seja produzido e comercializado
incluem procedimentos que desapontam esta meta, tais como: extração de
recursos, produção, transporte, uso, descarte e reciclagem (Chapman & Gant,
2007).
Entretanto, o que se deve ter em mente é que este é o objetivo final do
designer, que, para realizar tal tarefa de forma mais eficiente, deve considerar
graus de sustentabilidade. Nesse sentido, Chapman & Gant (2007) sugerem
perguntas que podem ajudar no processo evolutivo do trabalho, tornando o
processo inclusivo e mensurável:
 Quão sustentável é?
302



 Como sustentável poderia ser isso?
 Como se pode torná-lo mais sustentável?
Essas questões permitem que cada projeto seja analisado, em sua
complexidade e diversidade, de modo a propiciar o planejamento e o
desenvolvimento de abordagens criativas relativas à sustentabilidade. O design
sustentável requer aprofundamento, pois precisa ir além de soluções imediatas,
e deve ser desenvolvido com o rigor esperado em qualquer instância, de modo
a tornar a prática um padrão que transcende a forma atual (Chapman & Gant,
2007).
Empresas industriais, que pretendem atuar em modelos inovadores,
necessitam de um foco muito especial, voltados para oportunidades de
mercado. Este deve estar bem delimitado através das questões básicas de
projeto para atender satisfações e necessidades do consumidor. Podem ser
definidas como, qual o produto é intencionado pelo consumidor; quais são os
limites de preços a serem praticados; local e situação de compra; divulgar o
negócio para consumidores em potencial, mostrando seus desejos e
necessidades sendo atendidos (Araújo 1996).
No Brasil e Portugal, empresas podem ser facilmente identificadas
dentro do segmento “moda sustentável”, pois produzem e divulgam produtos
com características ecológicas.
Como exemplo, pode-se citar, no Brasil, a marca Movin, criada em 2011,
localizado no Rio de Janeiro. É destinada ao público jovem, que tem por
características a reflexão sobre assuntos ligados ao comportamento de
consumo e à preservação do planeta. Dentre as escolhas que denotam
sustentabilidade na marca, estão os materiais de fabricação de origem
orgânica, como o algodão, o bambu e os corantes naturais. Entre os
reciclados, a Movin utiliza o algodão, a malha PET e a papelaria, além disso,
reutiliza materiais funcionais descartados, como retraços de materiais de
estofados automotivos para a fabricação de acessórios. Exemplos desse
trabalho são observados na figura 1, bem como a campanha da coleção verão
2012/2013. Segundo o proprietário Pedro Ruffeir, a Movin encaixa-se no
conceito Slow Fashion, pois, além de utilizar materiais de baixo impacto
ambiental, trabalha com uma criação atemporal, que possibilita o uso
prolongado das peças, tanto no aspecto estético quanto de qualidade.
303




Figura 1: Looks femininos e masculinos feitos em algodão orgânico (Coleção
Movin Verão 2012/2013)
Em Portugal, a marca Best Sunday Dress voltada para o mercado
feminino, tem como premissa fundamental a sofisticação sustentável tanto na
estética dos produtos quanto na confecção. A empresa teve início em 2010 e,
desde então, oferece peças com qualidade superior sem a utilização de
materiais e processos de produção nocivos ao ambiente. Paula Marques, a
proprietária da marca e designer das coleções, trabalha com fibras orgânicas
têxteis, como o algodão orgânico, lãs naturais e fios de bambu, que são
aconchegantes ao toque, e com o tingimento com corantes naturais. Suas
coleções são limitadas e as peças desenvolvidas são versáteis, pois se
adaptam a várias situações e estações, além disso, podem ser usadas de
maneira conjugada devido à simplicidade das linhas e formas. A coleção verão
2012 apresentada pela Best Sunday Dress foi intitulada “Mineral Blooms” (fig.
2):


Figura 2: Coleção Mineral Blooms (Best Sunday Dress 2012)
304



Diante desses e outros exemplos, percebeu-se que existe um interesse
grande, por parte dos empresários em oferecer produtos destinados ao
mercado sustentável, com características de desenvolvimento e produção bem
enquadradas ao movimento Slow Fashion, que flagra o interesse de um publico
ativo e engajado nas questões ambientais e sociais.

Considerações Finais
A sustentabilidade na moda é um grande desafio, tendo em vista as
práticas de mercado que impulsionam o consumo, principalmente, no contexto
de uma economia acelerada. Hoje, se faz necessário redesenhar as atuais
práticas insustentáveis, incluindo a indústria da moda. Esta mudança, se
alcançada, provavelmente, resultará em um retorno gradual ao equilíbrio, onde
o comportamento da sociedade não estará em conflito com os interesses
ambientais e, assim, não comprometerá a saúde do povo e do planeta. Essa é
a maior das justificativas para que a aproximação do “Slow Fashion”, esse
movimento “lento”, seja visto como um processo revolucionário no mundo
contemporâneo, pois ele encoraja a produção responsável, que acrescenta
valor à roupa por meio de um design autoral e de qualidade, e incentiva a
contemplação da conexão entre o meio ambiente e o fabricante de vestuário.
Tendo em vista a dimensão de possibilidades de atuação por parte das
empresas dentro do movimento Slow Fashion e os exemplos de marcas que
atuam estrategicamente no mercado, promovendo a sustentabilidade como
conceito principal do seu produto, acredita-se que de fato, o mercado está
aberto a essas possibilidades. Oferece suporte para que as empresas possam
oferecer produtos de moda de qualidade, ecológicos e que venham carregados
de valores culturais e éticos, gerando o desenvolvimento sustentável no setor.

Referências bibliográficas
ARAÚJO, M. D., (1996). Tecnologia do Vestuário. Lisboa, Fundação Calouste
Gulbenkian.
CATALDI, C. DICKSON, M. GROVER, C., (2010). Slow Fashion: Tailoring a
Strategic Indrusty Approach towards Sustentability. Thesis of Master of
Strategic Leadership towards Sustainability, Blekinge Institute of Technology,
Sweden.
305



CAVALCANTE, A. L. B. PRETO, S. C. S. PEREIRA, FIGUEIREDO, L. F. G.,
(2012). Design para a Sustentabilidade – um conceito interdisciplinar em
construção. Projética Revista Científica de Design, volume 3, número 1, p. 252-
263, Universidade Estadual de Londrina, Brasil.
CHAPMAN, J. AND GANT, N., (2007). Designers, Visionaries + Other Stories.
USA, Eathscan.
CLARK, H., (2007). Fashion and cultural practices – a model for creating
sustainable design? Icograda Education Network Conference 2007. La Habana,
Cuba.
COSTA JUNIOR, J. PEREIRA, J. V. I. ZACAR, C. H. ENRICONI, A. GOMES,
N. S. SANTOS, A., (2010) Sistema Produto+Serviço para o cozinhar
sustentável: Estudo de Caso Projeto Monno. Projética Revista Científica de
Design, volume 1, número 1, p. 146-161, Universidade Estadual de Londrina,
Brasil.
FLETCHER, K. GROSE, L., (2011). A Moda & Sustentabilidade: Design para
mudança. São Paulo, SENAC.
FLETCHER, K., (2008). Sustainable Fashion and Textiles: Design Journeys.
London, Earth Scan.
FLOWER, G., (2008), Sustainable Appeal. Disponível em:
http://www.alive.com/articles/view/22524/sustainable_appeal. Acessado em 10
de outubro de 2011.
FUAD-LUKE, A., (2004). Slow Design: A paradigm for living sustainably?
Disponível em:http://www.slowlab.net/resource_list.html. Acessado em 5 de
agosto de 2011.
JOHANSSON, E., (2010). Slow Fashion – the answer for a sustainable fashion
industry? Degree of Master in Applied Textile Management. The Swedish
School of Textiles.
LORENZETTI, D. H. CRUZ, R. M. RICIOLI, S., (2008). Estratégia empresarial e
sustentabilidade: um modelo integrador. Revista da Pós Graduação – UNIFIEO
Volume 1, p. 36-57. Osasco, Brasil.
MANZINI, E. VEZZOLI, C., (2008). O Desenvolvimento de Produtos
Sustentáveis. São Paulo, EDUSP.
STRAUSS, C. FUAD-LUKE, A., 2008. The Slow Design Principles: a new
interrogative and reflexive tool for design research and practice. In: Changing
the Change, Turin, Italy.

306




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha






PERFIL SÓCIO-DEMOGRÁFICO E EPIDEMIOLÓGICO
DE IDOSOS PARTICIPANTES DE PRÁTICAS
CORPORAIS: UM OLHAR QUALITATIVO


Braulio Nogueira de Oliveira
Francisco das Chagas Vasconcelos de Souza Neto
Wellington Gomes Feitosa
Universidade Estadual do Ceará (UECE)
Universidade Politécnica de Madrid (UPM)
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e
Tecnológico (CNPQ)


2013
307



Perfil Sócio-Demográfico E Epidemiológico De Idosos
Participantes De Práticas Corporais: Um Olhar
Qualitativo

Braulio Nogueira de Oliveira
Especialista em Saúde do Idoso
Universidade Estadual do Ceará – Brasil
E-mail: brauliono08@hotmail.com

Francisco das Chagas Vasconcelos de Souza Neto
Discente do curso de Educação Física
Universidade Estadual do Ceará – Brasil
Universidade Politécnica de Madri – Espanha
E-mail: vasconcelos.18@gmail.com

Wellington Gomes Feitosa
Mestre em Ciências do Desporto - Universidade de Trás-os-Montes e
Alto Douro
Docente da Universidade Estadual do Ceará - Brasil
E-mail: wellington.feitosa@uece.br

Resumo
O objetivo do presente estudo foi conhecer o nível de autoconhecimento do
perfil socio-demográfico e epidemiológico das pessoas idosas que participam
de práticas corporais acompanhadas por trabalhadores em saúde do Sistema
Único de Saúde. O estudo caracteriza-se como sendo descritivo e exploratório,
com abordagem qualitativa. Foram realizadas entrevistas com 14 (quatorze)
idosos, pertencentes a 2 (dois) grupos em de práticas corporais mediado por
profissionais do NASF (Núcleo de Apoio a Equipe de Saúde da Família) em
Fortaleza, Ceará, Brasil. Todos os sujeitos deveriam ter idade igual ou superior
a 60 anos e que participassem das atividades desenvolvidas pelo NASF há
pelo menos 3 meses. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevistas, entre
os meses de outubro de 2011 a janeiro de 2012. Os dados foram transcritos
manualmente, organizados e analisados em categorias advindas das respostas
dos sujeitos, utilizamos a técnica de análise de conteúdo temática à luz de
Bardin. No que concerne o perfil sociodemografico, os idosos participantes das
atividades propostas pela equipe do NASF incluem relativo predomínio do
gênero feminino, baixo índice de escolaridade e de rendimentos mensais. O
perfil epidemiológico foi identificado alta incidência de hipertensão arterial e
diabetes melitus, tendo algumas referências de outras patologias como
308



osteoporose, gastrite, distúrbios na tireoide, Parkinson, e Depressão. O
conhecimento do perfil sociodemografico e epidemiológico é importante para
direcionar a intervenção dos profissionais que trabalham com esse grupo e
para a elaboração de políticas públicas de promoção da saúde mais eficientes
voltadas para pessoas idosas.
Palavras-chave: Atividade física. Saúde do Idoso. Saúde pública.

Resumen
El objetivo del estudio fue determinar el nivel de perfil socio demográfico y
epidemiológico de las personas mayores que participan en las prácticas
motrices acompañados por trabajadores del ámbito de la salud en el Sistema
Nacional de Salud. Este estudio se caracteriza por tener un enfoque
descriptivo, exploratorio, y cualitativo. Se realizaron entrevistas a catorce (14)
personas mayores, pertenecientes a dos (2) grupos de prácticas motrices
mediadas por profesionales de la NASF (Núcleo de Apoyo Familiar de Salud)
en Fortaleza, Ceará, Brasil. Todos los sujetos que participaron en el estudio
eran mayores de 60 años y debían llevar al menos 3 meses participando en las
actividades desarrolladas por el NASF. Los datos fueron recogidos a través de
entrevistas, entre los meses de octubre 2011 y enero 2012. Los datos se
transcribieron manualmente, fueron analizados y organizados en categorías
según las respuestas de los sujetos, se utilizó la técnica de análisis del
contenido temático a la luz de Bardin. A cerca del perfil socio demográfico, las
personas participantes en las actividades propuestas por el equipo del NASF,
son en su mayoría de sexo femenino, tienen bajo nivel de escolarización y bajo
nivel de ingresos mensual. En el perfil epidemiológico, se identificó alta
incidencia de hipertensión y diabetes mellitus, asociadas con patologías como
la osteoporosis, gastritis, trastornos de la tiroides, Parkinson y depresión. El
conocimiento del perfil epidemiológico y socio demográficos es muy importante
para dirigir la intervención de los profesionales que trabajan con este grupo y
para la elaboración de las políticas públicas más efectivas para la promoción
de la salud de las personas mayores.
Palabras clave: Actividad física. Salude de las personas mayores. Salud
pública.

309



Introdução
Nos últimos anos, ocorreram modificações significativas nas condições
socioeconômicas e de saúde da população mundial e, consequentemente, na
estrutura demográfica, acarretando um crescimento expressivo da população
idosa
1
. Segundo dados de 2005 do Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE), o Brasil possuía quase 26 mil pessoas com idade igual ou
superior a 100 anos, o que equivale a 8,6% da população total. Além disso,
estima-se que em 2025 o número de indivíduos idosos no Brasil chegará a 32
milhões de pessoas, equivalente a 14% da população brasileira
2
.
O crescimento acelerado da população idosa traz uma série de questões
cruciais para a sociedade. Além dos problemas próprios do fenômeno
epidemiológico, também é preciso levar em conta a conjuntura nacional de
acentuada desigualdade social, de pobreza e de fragilidade de instituições de
apoio
3
.
O envelhecimento populacional poderá ser um problema, caso não
sejam criados e executados programas e políticas que promovam o
envelhecimento digno e sustentável
4
. Nesse sentido, destaca-se a Política
Nacional de Promoção da Saúde, com intento de promover a qualidade de vida
e reduzir vulnerabilidade e riscos à saúde relacionados aos seus determinantes
e condicionantes.
O Estatuto do Idoso (2003) preconiza entre outros o direito a educação,
cultura, esporte, lazer, diversões, espetáculos, e serviços que respeitem as
questões pertinentes a idade do idoso. Além disso, a Política Nacional do Idoso
pressupõe várias oportunidades e facilidades para a preservação de sua saúde
física e mental, bem como o aperfeiçoamento moral, intelectual, espiritual e
social do geronte
6
.
Decerto, as práticas corporais constituem espaços privilegiados no
sentido de contribuir para várias dessas demandas, visto que a construção de
vínculos e outros aspectos subjetivos proporcionam melhorias nos
determinantes sociais do idoso. No entanto, para que esses intentos se
consolidem, torna-se necessário relativo autoconhecimento por parte do idoso,
além do conhecimento dos próprios trabalhadores em saúde acerca do perfil
desses idosos.
310



Diante disso, buscamos investigar através desse estudo o nível de
autoconhecimento do perfil socio-demográfico e epidemiológico das pessoas
idosas que participam de práticas corporais acompanhadas por trabalhadores
em saúde do Sistema Único de Saúde.

Metodologia
O presente estudo caracteriza-se como sendo descritivo e exploratório,
com abordagem qualitativa.
Na pesquisa qualitativa, o conhecimento é originário de informações de
pessoas diretamente vinculadas com a experiência estudada, portanto não
podem ser controladas e generalizadas. No entanto, por serem experiências
verdadeiras de pessoas, não podem ser suspeitas e tidas como não-verdades.
Os dados, por sua vez, não são coisas isoladas, acontecimentos fixos,
percepções puras e definidas, de modo que todos os acontecimentos em um
contexto são igualmente importantes, como a constância das manifestações, a
sua ocasionalidade, a frequência, a interrupção, a fala e o silêncio
7
.
O modelo descritivo tem por objetivo principal a descrição das
características de determinada população ou fenômeno, ou estabelecimento
entre determinadas variáveis
8
.
Foram realizadas entrevistas com 14 (quatorze) idosos, pertencentes a
2 (dois) grupos em de práticas corporais mediado por profissionais do NASF
em Fortaleza/CE. Todos os sujeitos deveriam ter idade igual ou superior a 60
anos e que participassem das atividades desenvolvidas pelo NASF há pelo
menos 3 meses. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevistas, entre os
meses de outubro de 2011 a janeiro de 2012.
Para registrar as entrevistas foi utilizado um gravador, que permitiu a
certeza da reprodução fiel e a íntegra das falas dos sujeitos, evitando riscos de
interpretações equivocadas. Possibilitou, ainda, que o investigador fique atento
a fala do entrevistado
7
.
Os dados foram transcritos manualmente, organizados e analisados em
categorias advindas das respostas dos sujeitos, através da técnica de análise
de conteúdo temática à luz da Bardin.
A análise de conteúdo é um conjunto de técnicas de análise de
comunicação que permitem a inferência de conhecimentos relativos às
311



condições de produção/recepção destas mensagens visando, através de
procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das
mensagens, a obter indicadores sejam eles quantitativos ou não
9
.
Com a intenção de preservar a identidade dos sujeitos, as sua falas
ficaram representadas de forma numérica.
No momento da coleta de dados o pesquisador leu o termo de
consentimento livre e esclarecido na íntegra, toda etapa de coleta de dados
ocorreu com base na Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde que
norteia as pesquisas que envolvem seres humanos. O projeto foi analisado e
aprovado pelo Sistema Municipal de Saúde Escola de Fortaleza/CE, bem como
pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UECE, tendo o parecer favorável para
aplicação da pesquisa (processo n. 11222606-0).

Resultados e discussão
Aspectos Sócio Demográficos
A média de idade entre os dois grupos pesquisados foi de 70 anos.
Tendo em vista que a expectativa de vida média do brasileiro gira em torno de
73,1 anos, e dos cearenses, 71 anos, sendo destes 66,8 anos para o do sexo
masculino e 75,4 anos para o sexo feminino
10
, a média de idade do grupo
ainda se encontra abaixo da média da expectativa de vida da população local.
Houve, inclusive, uma idosa que relatou não saber a própria idade:
“Rapaz, deixa eu ver. Eu nasci em trinta e dois. Oitenta e
pouco, né?” (I4)
Doze de um total de quatorze idosos pesquisados eram mulheres. Em
estudo realizado por
11
, ao avaliar as questões de gênero, não foram
encontradas diferenças significativas em relação à auto avaliação da condição
de saúde, todavia, as mulheres apresentaram mais desvantagens em relação à
declaração de doenças. Desse modo, é fato a existência de importantes
diferenças de gênero inerentes a cada família, devendo, estas, interferir de
maneira direta nas políticas públicas voltadas para a saúde do idoso
11
.
Não houve uma homogeneidade em se tratando do rendimento
mensal. Embora não tenhamos a pretensão de comparar os dois grupos, a
discrepância entre os grupos está implícita nos dados coletados. No grupo 1,
temos em média 1,45 salários mínimos por família, já no grupo 2, essa média
312



sobe para 2,5 salários mínimos. Talvez, e meramente supondo, tal renda esteja
atrelada as questões de moradia, pelo grupo 1 estar em um local mais
periférico e em uma área considerada de maior risco em relação ao grupo 2.
Vale ressaltar, que embora haja diferenças de rendimentos mensais, foram
encontrados relativa congruência nas demais respostas, o que mostra não
haver relação entre as condições econômicas e a percepção das contribuições
da Educação Física nas práticas grupais.
Ao serem questionados a respeito do grau de escolaridade, percebeu-
se que, de uma maneira geral, os idosos pesquisados permeiam um baixo grau
de escolaridade, segundo eles, pela própria cultura da época:
“Estudei até o quinto ano. De primeira, os estudos era
diferente de hoje né, agente aprendia a ler e escrever e
pronto né! Terminava. Sei, pouco mas sei”. (I3)
Em se tratando da educação, houve relativa melhora nos últimos anos
no Brasil, passando, em termos de percentual, de 55,8% em 1991 para 64,8%
em 2000, embora tenham sidos considerados como alfabetizados, todos
aqueles que se consideram capazes de ler e escrever um bilhete simples
12
.
Nesse sentido, embora possuidores de baixo grau de escolaridade,
praticamente todos os idosos pesquisados são considerados alfabetizados,
tendo apenas um relato referente à não saber ler e escrever.
Notou-se ainda, que as políticas públicas de educação para todos,
atingem os idosos analisados, embora muito timidamente, como percebemos
no seguinte relato:
“Sei ler e escrever. Estudei até a oitava e ainda estudo à
noite.” (I6)
Ao questionarmos a respeito da situação de moradia e em relação da
independência nas atividades rotineiras, ou da necessidade de um cuidador,
houve significante prevalência da independência dos idosos, como se pode
perceber nos seguintes relatos:
“Por hora eu moro só! Até agora eu não preciso de ajuda
não, tudo eu faço só. Agora eu tenho uma neta que
dorme comigo”. (I5)
313



“Moro com a minha família, com os meus filhos. Aliais,
com meus filhos não, com o meu filho, que os outros são
casados. Faço tudo só.” (I14)
Em estudo realizado em Pelotas-RS, com intuito de estimar a
prevalência de o cuidado domiciliar a idosos e identificar fatores associados,
percebe-se que de um total de 598 idosos, há alta prevalência de cuidado
domiciliar (40,5%), sendo atrelada a esse fato a incapacidade funcional para
atividades instrumentais da vida diária, além da baixa escolaridade
13
. Fatos
como esse elucidam e devem nortear o planejamento de ações de saúde a
serem desenvolvidas para o idoso e aos seus familiares e podem ser
possibilitadas pela equipe multiprofissional.
Nosso estudo diverge da realidade identificada em Pelotas-RS. Tal
independência percebida nos relatos pode ser justificada para além dos
aspectos positivos propiciados pela prática de atividade física, sendo essas
facilitadas não somente pelos PEF, mas sim pelo cuidado integral pela equipe
multiprofissional que acompanha tais grupos.
A efetivação do princípio da integralidade pressupõe o entendimento do
sujeito em sua realidade de fato, levando em consideração as relações
familiares, meio ambiente e a sociedade no qual se está inserido. Desse modo,
torna-se necessário o empoderamento, por parte dos trabalhadores em saúde,
do contexto histórico, social e político relacionado aos usuários
14
.
Além disso, o envelhecimento saudável depende da interação entre
saúde física e mental, incluindo independência nas atividades de vida diária,
integração social, suporte familiar e independência econômica. Embora não em
níveis totalmente satisfatórios, os idosos pesquisados, em sua maioria, são
contemplados com todos esses requisitos. Reiteramos a carência por
melhorias, principalmente em se tratando da independência econômica
15
.
Embora em menor escala, encontramos relatos voltados para a
necessidade de algum tipo de auxílio, como podemos ver a seguir:
“Eu preciso de ajuda agora, assim agora pra andar, pra vir
pra cá, por que eu tenho problema de artrose, nos dois
joelhos, e a minha família e meu médico diz que eu não
ande só, por que se eu cair, não andar com documento,
aí é perigoso.” (I3)
314



“Moro com uma pessoa que me ajuda demais.” (I4)
Um estudo realizado por Rosa em 2003 analisou a partir da avaliação
subjetiva de saúde, os fatores econômicos e demográficos associados à
capacidade funcional dos idosos. A partir dos seus achados, dentre outros
fatores associados as avaliações consideradas de dependência
moderada/grave, foram encontrados o analfabetismo, não ser proprietário da
moradia, não visitar amigos, ter avaliação pessimista da saúde ao se comparar
com seus pares. Alguns desses determinantes devem ser contemplados nos
processos de cuidado a serem desenvolvidos pela equipe multiprofissional do
NASF, pois de fato, podem ser melhorados
16
.
Em geral, assim como o estudo realizado em 2008 por Gomes e
Duarte
17
, o perfil dos grupos de idosos analisados permeia a baixa
participação do homem nas atividades desenvolvidas, um baixo índice de
escolarização, embora não se possa considerar de analfabetismo, além de
uma baixa condição econômica.
Perfil epidemiológico
As doenças crônicas também exercem relevante influência na
capacidade funcional dos idosos. Alguns estudos mostram a influência de
algumas doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos, nesse caso, a
doença pulmonar, a artropatia, a hipertensão arterial e a doença cardíaca
promoveram significativa interferência negativa nas atividades de vida diária,
bem como nas atividades instrumentais de vida diária.
No presente estudo, percebemos significante prevalência de doenças
crônicas nos grupos estudados, dentre elas, as principais identificadas foram
hipertensão arterial, diabetes melitus e osteoporose. Além disso, o uso
frequente ou crônico de medicamentos foi notado, como podemos averiguar
nas falas a seguir:
“Eu tomo, pra pressão. Eu tenho pressão alta. Olha aqui
como foi que deu hoje, 17 por 10. Basta eu me aperrear
pra ir pra qualquer lugar que eu tenho pressão alta,
colesterol. Mas eu faço dieta um pouquinho na minhas
comidas né? Eu não como tudo, nem como salgado, faço
tudo por onde ser mais insosso né, por que basta assim,
315



dizer que vou pra algum lugar que a pressão sobe. É
assim, tipo nervosismo.” (I9)
Em 2005 evidenciaram a prevalência no uso de medicamentos
voltados para doenças crônico-degenerativas, sendo a amostra composta por
52 idosos pertencentes de um grupo formado por enfermeiras, com intento de
facilitar as ações de educação em saúde para essa faixa etária. No estudo em
questão, 63,4% usam medicamentos para hipertensão arterial, 23% para
diabetes mellitus e 13,6% para ambas as doenças. Percebemos, desse modo,
uma realidade semelhante em Fortaleza/CE. Vale ressaltar a ausência de PEF
em espaços em que sua inserção provavelmente seria relevante, por serem
patologias diretamente influenciadas pela sua atuação
19
.
Como podemos averiguar nas falas a seguir, além das duas doenças
crônicas mais citadas, foram relatadas outras patologias, com alguns idosos,
inclusive, enfatizando o cuidado ampliado pelos profissionais do NASF,
pressupondo, nesse sentido, algumas peculiaridades inerentes a cada idoso,
carecem além do atestado pelo médico permissional para atividade física, que
seja feita uma anamnese ampla a ser realizada com cada geronte, a luz do
diagnóstico das reais necessidades de cada idoso, não os expondo a riscos
evitáveis.
“Tomo para hipertireoidismo, para pressão e para gastrite.
Sem falar no resto.” (I1)
“Tomo! Tomo remédio pra parkinson, tomo remédio para
diabetes e tomo remédio para hipertensão.” (I7)
“Tomo remédio anti-depressivo, tomo diazepan, tomo
remédio pra diabetes e pra pressão alta.” (I10)
“Tomo, remédio só cálcio. Tenho osteoporose.” (I5)
“Tomo, para pressão, diabetes e tireóide.” (I6)
“Só tomo remédio para osteoporose.” (I14)
Tais resultados sugerem certo grau de autoconhecimento, no que se
refere aos seus níveis de saúde, sendo, possivelmente, repercussão do
trabalho desenvolvido pelos profissionais dos NASF, bem como pelos demais
profissionais da ESF, tendo em vista os próprios níveis de escolaridade dos
pesquisados.
316



Como podemos perceber no relato supracitado (I10), bem como pela
própria observação sistemática das práticas, os problemas de saúde mental,
inclusive a depressão se faz muito presente na rotina dos idosos.
A prática adequada de atividade física contribui no sentido de amenizar
o sofrimento psíquico do idoso deprimido, além da promoção de envolvimento
psicossocial e elevação da autoestima. Propõe inclusive, a implementação de
políticas públicas das administrações municipais voltadas para inclusão de
exercícios físicos nos Grupos de Terceira Idade
20
.

Considerações Finais
Os idosos participantes das atividades propostas pela equipe do NASF
possuem um perfil semelhante ao de outros estudos encontrados na literatura.
De modo geral, tais características incluem relativo predomínio do gênero
feminino, baixo índice de escolaridade e de rendimentos mensais. Foram
encontrados, inclusive, relatos justificando a baixa escolaridade pela própria
cultura existente em sua juventude, evidenciando a necessidade do surgimento
de novas políticas públicas e da própria atuação dos trabalhadores em saúde
em detrimento de propiciar mudanças atreladas a esses determinantes sociais
e consolidação da política nacional de “educação para todos”.
Em se tratando do perfil epidemiológico, foi identificado alta incidência
de hipertensão arterial e diabetes melitus, tendo algumas referências de outras
patologias como osteoporose, gastrite, distúrbios na tireóide, Parkinson, e
Depressão, evidenciando a necessidade da inserção de outras categorias
profissionais nas atividades desenvolvidas no grupo.
Possivelmente, o nível de independência em relação às atividades de
vida diária e as atividades instrumentais de vida diária seja justificado pela
conscientização identificada. Não obstante, sabemos das influências positivas
da atividade física/ práticas corporais em grupo, tanto no que se refere à
capacidade funcional, quanto aos relativos às questões psicossociais.

Referencias Bibliográficas
1. CARVALHO FILHO ET, PAPALÉO NETTO M. Geriatria: fundamentos,
clínica e terapêutica. 2ª ed. São Paulo: Atheneu; 2006.
317



2. IBGE. Censo demográfico 2000. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/>.
Acesso em: 28 set. 2005.
3. UCHÔA E. Contribuições da antropologia para uma abordagem das
questões relativas à saúde do idoso. Cad Saúde Pública 2003; 19:849-53.
4. LEBRÃO, M. L.; DUARTE, Y. A. O. SABE – Saúde, bem estar e
envelhecimento – o projeto SABE no município de São Paulo: uma
abordagem inicial. Organização Pan – Americana de Saúde, 2003. 255 p.
5. BRASIL, LEI 8.842, Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso, cria
Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. DEZEMBRO DE
2010.
6. LEOPARDI, M. T. Metodologia da pesquisa na saúde. 2. ed. rev. atual.
Florianópolis: UFSC, 2002
7. GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas,
2002.
8. BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, Lda, 1977. 229 p.
9. IBGE, Instituto, Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese dos
indicadores sociais: Uma análise das condições de vida. Rio de Janeiro,
2010. Disponível em:
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicador
esminimos/sinteseindicsociais2010/SIS_2010.pdf. Acesso em 06/11/2011.
10. ROMERO, D. E. Diferenciais de gênero no impacto do arranjo familiar no
status de saúde dos idosos brasileiros. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de
Janeiro, v. 7, n. 4, p. 777-794, 2002.
11. IBGE, Instituto, Brasileiro de Geografia e Estatística. Perfil dos idosos
Residentes em domicílios. Rio de Janeiro, 2000. Disponível em:
www.ibge.gov.br. Acesso 06/11/2011
12. DUCA, G. F. D.; THUMÉ, E.; HALLAL, P. C. Prevalência e fatores
associados ao cuidado domiciliar a idosos. Rev Saude Publica, v. 45, n. 1,
p.113-20, 2011.
13. MACHADO, M. F. A. S., et. al. Integralidade, formação de saúde, educação
em saúde e as propostas do SUS - uma revisão conceitual. Ciência &
Saúde Coletiva, v. 12, n. 2, p. 335-342, 2007.
14. MOTTA, L. B.; AGUIAR, A. C. Novas competências profissionais em saúde
e o envelhecimento populacional brasileiro: integralidade,
interdisciplinaridade e intersetorialidade. Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, n.
2, p. 363-372, 2007.
15. ROSA, T. E. C., et. al. Fatores determinantes da capacidade funcional entre
idosos. Rev Saúde Pública. São Paulo, v. 37, n.1, p. 40-8, 2003.
16. GOMES, M. A.; DUARTE, M. F. S. Efetividade de uma intervenção de
atividade física em adultos atendidos pela Estratégia Saúde da Família:
Programa Ação e Saúde Floripa – Brasil. Revista Brasileira de Atividade
Física & Saúde, Florianópolis, v. 13, n.1, p. 44-56, 2008.
318



17. ALVES, L. C., et. al. A influência das doenças crônicas na capacidade
funcional dos idosos do Município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde
Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 8, p. 1924-1930, 2007.
18. STELLA, F. et. al. Depressão no Idoso: Diagnóstico, Tratamento e
Benefícios da Atividade Física. Motriz, Rio Claro, v.8, n.3, p. 91-98, 2002.

319




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








POLÍTICA CRIMINAL DE DROGAS EN BRASIL: LA
URGENCIA DE UNA QUIEBRA DE PARADIGMA





Thereza Cristina Coitinho das Neves
Universidad de Salamanca



2013
320



Política criminal de drogas en Brasil: la urgencia de
una quiebra de paradigma

Thereza Cristina Coitinho das Neves
Máster en Derecho Penal
Doctoranda en Derecho Penal
Universidad de Salamanca, España
thereza@usal.es

Resumen
La política criminal de drogas brasileña es fundada en un prohibicionismo penal
estricto, adecuándose a la estrategia de “guerra a las drogas”, iniciada en los
EEUU. No obstante, no se ha logrado disminuir la criminalidad relacionada a
los delitos de drogas, tanto en relación al uso, cuanto al tráfico, siendo este
último uno de los delitos más encarceladores de Brasil. De esa manera, se
procura, en ese pequeño artículo, enseñar las distintas formas que el mercado
negro de sustancias ilícitas afecta a la sociedad, bien como el real perfil de los
narcotraficantes detenidos en aquél país, llegándose a la conclusión de la
urgencia de una quiebra total de paradigma en la política de drogas brasileña.
La reducción de daños, tanto del uso de estas sustancias, cuanto de la propia
política adoptada, librándose de la “fantasía de la solución penal” y
centrándose en políticas públicas en los diversos campos sociales, parece un
primer paso para efectuar dicho cambio.
Palabras-clave: Política Criminal; Drogas; Brasil; Control Penal; Reducción de
Daños.

Resumo
A política criminal de drogas brasileira é fundada em um proibicionismo penal
estrito, adequando-se à estratégia da “guerra às drogas”, iniciada nos EUA.
Não obstante, não se logrou diminuir a criminalidad relacionada aos delitos de
drogas, tanto em relação ao uso, quando ao tráfico, sendo este último um dos
delitos mais encarceradores do Brasil. Dessa forma, busca-se, nesse pequeno
artigo, mostrar as distintas maneiras que o mercado negro das substâncias
ilícitas afeta à sociedade, bem como real o perfil dos traficantes detidos
naquele país, chegando-se à conclusão da urgência de uma quebra total de
paradigma na política de drogas brasileira. A redução de danos, tanto do uso
321



dessas substâncias, quanto da própria política adotada, livrando-se da
“fantasia da solução penal” e centrando-se em políticas públicas nos diversos
campos sociais, parece um primeiro passo para efetuar essa mudança.
Palavas-chave: Política Criminal; Drogas; Brasil; Controle Penal; Redução de
Danos.

Introducción
Actualmente, la política criminal de drogas brasileña es fundada en una
verdadera “guerra contra las drogas”, conocida como la estrategia de War On
Drugs liderada por el gobierno de los Estados Unidos. Dicha política es
orientada a la persecución beligerante de la producción, comercio y consumo
de ciertas sustancias psicoactivas, que son consideradas ilícitas, con el fin de
obstar su adquisición por parte de la sociedad.
No obstante, tal política criminal, adoptada largamente en muchos
países de la actualidad, se muestra completamente inefectiva; la droga es de
fácil acceso y los delitos de la categoría aumentan a cada día – tanto los
vinculados al tráfico cuanto al uso. La problemática de las drogas es hoy
considerada por muchos como una especie de epidemia social; son numerosos
sus consumidores y sus mercados sólo crecen o en máximo alcanzan a la
estabilidad.
En Brasil, específicamente, la cuestión es bastante grave. Allí se ha
creado una poderosa criminalidad organizada en el entorno del mercado ilícito,
teniendo las drogas y su comercio papel preponderante en sectores de las
periferias urbanas, conocidos popularmente por “favelas”, donde se encuentran
gran parte de las “bocas de fumo”, es decir, los lugares donde se vende la
droga. En ese país, los narcotraficantes ejercen dominio no sólo sobre la
mercadoría, sino sobre todo el funcionamiento de la comunidad ahí
establecida, restando al gobierno legalmente instituido apenas perfilar
negociaciones con ellos. Todo parece distorsionado en esa realidad, incluso la
idea de Estado ensimisma.
En vista de tal panorama, en la primera parte del trabajo se va abordar la
política criminal de drogas en Brasil y su correlación con la situación actual, el
altísimo nivel de población carcelaria por los delitos de drogas, bien como el
real perfil del traficante de drogas brasileño y su falsa correspondencia con el
322



estereotipo mediático que influencia al sentido común de la sociedad. La idea
es enseñar algunos de los daños causados por el modelo prohibicionista, para
fundamentar la necesidad del cambio de dicha política. Para tanto, se va a
utilizar de datos estadísticos oficiales del International Centre for Prisonal
Studies, de informes de la ONU, además de un estudio del Ministerio de
Justicia de Brasil realizado en 2006 intitulado “Tráfico de Drogas e
Constituição”.
Después de analizar dichos datos, bien como las injusticias y violaciones
de derechos humanos operadas por la Ley de Drogas brasileña, se defiende
que, para que la política de drogas adoptada por el país sea realmente eficaz,
debe fundarse en una total quiebra de paradigma. Inicialmente, la alternativa
visualizada es la adopción de la estrategia de reducción de daños, tanto del
uso de las drogas propiamente dichas, cuanto de la propia política, a fin de
manejarse dicha práctica social de manera más eficaz y humana, sin perder de
vista su complejidad.

La política criminal de drogas en Brasil
Brasil adopta una política de drogas de tolerancia cero (prohibicionismo
estricto), con la criminalización de la tenencia para consumo propi o y previsión
de fuerte represión penal para el tráfico ilícito de estupefacientes. El
instrumento legislativo a concretizarla es la Ley 11.343/2006, también conocida
como “Ley de Drogas” o “Ley Antidrogas”.
Ley de Drogas brasileña
Tal diploma legislativo establece, según su preámbulo, el Sistema
Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas – SISNAD, medidas para prevenir
el abuso de drogas, atención y reinserción social de los usuarios y los adictos,
las normas para la represión de la producción no autorizada y el tráfico de
drogas ilícitas, además de también definir los delitos e imponer otras medidas.
Los principales cambios con respecto a los estatutos anteriores son el
ablandamiento de la pena de la posesión de drogas para consumo propio y el
aumento de la pena del tráfico de drogas, previendo aún para este último un
tratamiento más duro, ya que prohíbe expresamente que su pena de prisión
323



sea sustituida por penas restrictivas de derechos
29
, siendo además un delito no
susceptible de libertad condicional, gracia, indulto y amnistía, por ser
equiparado a los llamados “crímenes hediondos” (Ley n. 8.072/90)
30
, de
conformidad con el art. 5, XLIII, de la Constitución Federal.
Con la nueva ley, fueron separados en polos todavía más extremos el
usuario (encarado como dependiente) y el traficante (visto como criminoso),
según el típico maniqueísmo del modelo “médico-jurídico”. Se ha intentado
camuflar la manifiesta violación a la proporcionalidad y a los derechos humanos
por la ley, a través del ablandamiento de la respuesta del Estado respecto al
consumo personal de drogas.
Contrariamente al discurso de muchos agentes estatales, la Ley de
Drogas 11.343/2006 no ha aportado ningún avance en el campo del consumo.
En lugar de seguir la tendencia de descriminalización del uso personal
adoptada en países como Portugal, Suiza, Holanda y Australia, que asistieron
a una reducción significativa de delitos relacionados, ha establecido medidas
como: advertencia sobre los efectos de las drogas; prestación de servicios a la
comunidad; y medida educativa de comparecer en un programa o curso
educativo. Según Isaac Sabbá Guimaraes:

No hubo la descriminalización de las conductas relacionadas con el
uso, pero tampoco ninguna evolución significativa ha ocurrido en el
campo de la prevención penal, salvo la inclusión de un tertium genus
de penas, de carácter dudoso, y con efectos – que ya podemos
prever – simbólicos. Si, por un lado, el legislador penal ha dejado de
enfrentar la descriminalización de las conductas relacionadas con el
uso de drogas, por otro, ha dejado de establecer una política criminal
seria en el sentido de la prevención penal (Guimarães, 2007,
traducción libre).


29
Las penas restrictivas de derechos están previstas en el art. 43 del Código Penal brasileño, y
consisten en: I – prestación pecuniaria; II – pérdida de bienes y valores; III – prestación de
servicio a la comunidad o a entidades públicas; IV – interdicción temporaria de derechos; V –
limitación de fin de semana. El juez convierte a la pena privativa de libertad en una o más
restrictivas de derechos, cuando se trata de un delito imprudente, o un delito doloso apenado
en el máximo con 4 años, sin que en su cometimiento tenga habido violencia o grave amenaza.
30
“Delitos hediondos” son los citados por la Ley n. 8.072/90 del Senado brasileño, como lo los
más graves y que, por lo tanto, exigen un tratamiento más duro. Son ejemplos de delitos
hediondos: homicidio, extorsión cualificada y falsificación de productos terapéuticos o
medicinales.
324



Siendo así, se ha innovado muy poco, teniendo en cuenta que,
independientemente de haber ocurrido una “desprisionalización”
31
del uso de
drogas, se mantuvo la lógica prohibicionista desde antes acogida por la política
brasileña.
Para el tráfico de drogas, la pena anteriormente prevista de tres a quince
años de prisión, con el pago de cincuenta a trecientos sesenta días-multa, se
convirtió en pena de cinco a quince años de prisión, con el pago de quinientos
a mil y quinientos días-multa. La pena mínima se incrementó en dos años, y la
multa mínima diaria es ahora mayor que el número máximo de días-multa
antes previstos.
Utilizándose del binomio "usuario-paciente (trate 'adecuadamente') y el
traficante-criminoso (puna 'severamente')" (Weigert, 2010: 2), y además de
suprimir las garantías constitucionales del autor del tráfico de narcóticos – el
verdadero enemigo del Estado – se mantuvo la eliminación de la condición de
sujeto humano que no tiene la libertad de elección para consumir o no la droga,
encaminándole, todavía, al tratamiento obligatorio
32
, violando el respeto a su
voluntad, y por fin disminuyéndose las posibilidades de políticas reduccionistas
eficaces en Brasil.
En esta ocasión, hay que señalar las grandes injusticias que se hacen,
en la práctica de la justicia criminal, en el momento de encuadrar la conducta
practicada en el tipo penal, una vez que se torna obscuro diferenciar la
tenencia de la droga para su propio uso, y su posesión para pasarla adelante,
traficarla. Las consecuencias de esa distinción son cruciales, ya que, como se
ha visto, las penas previstas para cada una de las conductas son muy
diferentes.
La ley brasileña trae la solución de atentarse para la cantidad de drogas
incautadas, entre otros criterios, como: local y condiciones en que se ha

31
Paulo Queiroz explica que no ocurrió la descriminalización del consumo de drogas, sino una
"despenalización", porque la conducta criminal sigue siendo criminosa, habiendo un cambio
sólo en términos de su sentencia, en sentido de no caber más la prisión por este delito. Sin
embargo, se cree, en el presente trabajo, que es más apropiado hablar de "desprisionalización"
como Mariana Weigert, o "descarcelización", una expresión utilizada por Salo de Carvalho, ya
que las sanciones no fueron suprimidas, sólo hubo una sustitución, siendo las medidas
previstas también consideradas penas. (BIZZOTO, QUEIROZ y RODRIGUES, 2010: p. 43-45).
32
Una vez siendo el tratamiento coercitivo, la Justicia Terapéutica irá siempre obstaculizarlas
iniciativas reduccionistas, aunque esto se establezca como una alternativa al Procedimiento
Penal convencional. En este sentido,Marianade AssisBrasil yWeigert. (WEIGERT, 2010: 04).
325



desarrollado la acción, circunstancias sociales y personales, bien como la
conducta y antecedentes del infractor; para, a partir de ahí, inferirse el dolo del
agente (si era de consumir o de comercializar la droga).
Sin embargo, los criterios utilizados por el legislador son altamente
subjetivos, lo que abre espacio para una posible discrecionalidad del juez,
fiscal, e incluso de la autoridad policial, una vez que va a depender del
encuadramiento legal que haga, y puede, en principio, llevar a la cárcel un
sujeto usuario de drogas, por entender que él no tenía la droga para consumo
personal, sino para practicar el tráfico.
De esta forma, la ley no busca los necesarios parámetros y lo ideal sería
que lo hiciera. La subjetividad judicial resta aumentada y la jurisprudencia
queda encargada de los contornos de la pequeña cantidad. Resáltese que para
cada tipo de droga deberá ser establecido un criterio diferente para la
afirmación de la pequeña cantidad. (Bizotto, Queiroz e Rodrigues, 2010: 83)
El esqueleto legislativo puede ser sintetizado por: el aumento sustancial
de la pena privativa de libertad para el "traficante de drogas", la creación de
nuevos delitos, la limitación de derechos constitucionales y, por último, la
consecuente violación implícita o explícita a la Constitución Federal,
evidenciándose aspectos bélicos del Derecho Penal y Procesal Penal.
Ocurre, por lo tanto, un refuerzo de la prohibición inaugurada por la
anterior “Ley de Tóxicos”, de modo que el discurso diferenciador establecido
viene ganando cada vez más espacio, "en lugar de proyectos alternativos
(orientados a la descriminalización) moldeados a partir de la política pública de
reducción de daños" (Carvalho, 2010: 68).
Como ya se podría esperar, dichos esfuerzos prohibicionistas no
lograron disminuir el consumo de drogas, mucho menos la criminalidad
relacionada, habiendo, como se verá en adelante, un alto índice de población
carcelaria por tales delitos.
No obstante, los últimos proyectos de ley que visan a reformar la referida
ley de drogas continúan con propuestas de mayor rigor penal, en el
contramano del mundo, incluso de los propios Estados Unidos, que acaban de
legalizar la marihuana en diversos estados, para uso medicinal y también
326



recreativo.
33
El Proyecto de Ley 7.663/10, propuesto por el diputado Osmar
Terra, no prevé la descriminalización del uso de psicoactivos, sino la
internación forzada de usuarios de “crack”,
34
bien como el aumento de la pena
mínima para el narcotráfico.
35

Mientras se clama por más dosis del mismo remedio (guerra a las
drogas), quien sale más perjudicado es la propia sociedad, que convive en
medio a una situación insostenible marcada por el mercado negro de la droga y
los quieren lucrar con ello, en un escenario de violencia e inseguridad.
Un breve resumen del panorama actual y la actuación policial
Las “bocas de fumo”, normalmente localizadas en “favelas” de barrios
pobres, son constantemente frecuentadas por gente de todas las clases
económicas, que ahí van en busca de las más variadas drogas, cuya venta es
monopolizada por muchos que viven en tales comunidades: gente pobre, sin
acceso a la educación y con pocas oportunidades de trabajo – miembros-clave
del mercado negro de la droga.
Por un lado, los consumidores se ven obligados a adentrar en un
espacio bastante conflictivo, con continuas ocupaciones policiales,
sometiéndose a muchos peligros, a fin de adquirir la droga. Por otro, el
mercado ilícito propicia la perpetuación del vínculo entre pobreza y
criminalidad, una vez que muchos adictos acaban por vender la droga para
sustentar el propio vicio,
36
además de que los traficantes de los niveles más
bajos de la jerarquía ven en tal negocio una rápida vía para solucionar sus
problemas económicos.
En cuanto a la actuación de la Policía en el combate de los delitos de
drogas, hay que decir que, desde finales de 2008, ha tenido espacio una

33
En 17 Estados americanos ya es legalizada la marihuana medicinal, y la recreativa también
viene siendo legalizada en muchos de ellos (Disponible en:
<http://internacional.elpais.com/internacional/2012/11/07/actualidad/1352270099_497515.html>
. Acceso en 01/06/2013).
34
Medida paliativa considerada más bien como una “higienización social” de los excluidos y
marginalizados “crackeros”, sin ninguna base científica, conforme comenta Salo de Carvalho
en <http://antiblogdecriminologia.blogspot.com.br/2013/04/osmar-terra-e-marco-feliciano.html>.
.
35
Más informaciones sobre la tramitación del PL 7.663/2010 en:
<http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=483808>.
Acceso en 01/06/2013.
36
Vera Malaguti Batista resalta que la droga es utilizada como conforto para los jóvenes
“excluidos” de la sociedad neoliberal, y la necesidad de mantener tal vicio aliada a la ya
existente criminalización, garante la introducción de este joven en el universo del delito.
(Malaguti Batista, 2003: 35).
327



acción novedosa – la implementación de “Unidades de Policía Pacificadora”
(UPP), en algunas favelas de la ciudad de Rio de Janeiro. Se trata de una
iniciativa del gobierno, con vistas a “reconquistar” los territorios que están
básicamente en las manos de criminales, por cuenta del narcotráfico. La idea
es restituir la paz a los barrios de guerra, a través de ocupaciones policiales y
expulsión de narcotraficantes de estos locales. Dicha acción ha tenido algunos
resultados positivos para los “lugares pacificados”, sin embargo, al ser más
bien una solución paliativa, lo que acaba ocurriendo es una migración de los
traficantes de drogas a otros barrios, siendo muy difícil conseguir una solución
uniforme.
Conforme explica Uprimny (2006: 87), cuando son desarticuladas ciertas
organizaciones criminales, los precios de la droga aumentan, estimulando el
mercado y dinamizando otras organizaciones. Al final, ocurre “el llamado efecto
`globo´ (balloom effect): una represión eficaz en una región simplemente
desplaza la producción y el tráfico a otra zona, siempre y cuando la demanda
se mantenga dinámica”.
Además, se da el fracaso de las acciones policiales pues, como bien ha
resaltado Hulsman (1987), es una gran injusticia delegar la tarea de acabar con
el narcotráfico a la policía, que tiene una capacidad disminuida en la materia,
una vez que la droga y su problemática envuelven complejos contextos y
consecuentemente exigen complejas respuestas. Esto ocasiona, además de la
falta de creencia en ella por parte de la sociedad, una mayor posibilidad de
actuaciones ilegales y corruptas. Y no es otra la situación actualmente
existente en dicho país – una policía en gran parte corrupta y con acciones
truculentas cuando se trata del combate al tráfico de drogas,
37
bien como una
sociedad cada vez más temerosa.
Así, la política brasileña en relación a las drogas se encuentra en un
escenario de peligro y criminalidad, además de los otros varios problemas
derivados de la estrategia adoptada, como la marginalización de los usuarios,
el prejuicio diseminado, la criminalización de sectores vulnerables de la
población, la corrupción, el blanqueo de capitales y otros delitos subsidiarios,

37
La corrupción y la violencia utilizada por la Policía en sus “acciones de combate al
narcotráfico” fueron bien ilustradas por las películas brasileñas internacionalmente conocidas
“Tropa de Elite” (2007) y en especial “Tropa de Elite 2: o inimigo agora é outro” (2010).
328



bien como el descrédito de las instituciones estatales (en especial la policía y la
sobrecargada justicia criminal) y la restricción de programas médicos y sociales
de prevención. La sociedad, como un todo, es quien sufre los perniciosos
efectos de la táctica de “guerra contra las drogas”, que al contrario de controlar
el fenómeno, sólo genera más violencia.
Aunque no se logra controlar el uso y la venta en el mercado negro de la
droga, dicho sistema encarcela a mucha gente. En ese punto, es imperioso
abordar quienes y cuantos forman esa población carcelaria, para discutirse la
eficacia y adecuación de la actual política criminal, bien como sus impactos
sociales.
La población carcelaria correlacionada
No hay que perder de vista que al hablar del tráfico de drogas se está a
referir al delito más cometido y encarcelador de Brasil, luego atrás de los
delitos contra el patrimonio. Tal panorama revela su estrecha relación con la
realidad socio-económica de ese país, fomentada, muchas veces, por intereses
políticos.
Según la última relatoría del DEPEN (Departamento Penitenciario
Nacional), de diciembre de 2010, de la totalidad de casi 500.000 presos en
Brasil (cuarto país de mayor población carcelaria en el mundo, conforme los
datos del International Centre for Prisonal Studies (2012), 106.000 son sólo los
relacionados a delitos de drogas.
Además, entre fines de 2007 y fines de 2010, se observa que aumentó
la incidencia en eses delitos en 62%, mientras que en relación a otros delitos,
solo subió 8% (BBC, 2012). Ese parece un claro efecto de la Nueva Ley de
Drogas promulgada en 2006, que aunque tenga parecido ser más liberal que la
anterior, dejando de prever la pena de prisión para los usuarios, conforme se
ha visto, en mucho ha incrementado su represión a los narcóticos, aumentando
absurdamente la pena de los traficantes y restringiéndoles garantías
constitucionales. Por otro lado, hay que reiterar que tal ley no dispone de
mecanismos eficaces para guiar la distinción entre el usuario y el
narcotraficante, siendo común, como se ha visto, sujetos que son meros
usuarios ser encuadrados en el delito de tráfico ilícito de drogas y, de esta
manera, encarcelados.
329



Como se sabe, el problema de la masificación y sobrepoblación en las
prisiones genera niveles de hacinamiento que no permiten un digno tratamiento
penitenciario; sino por el contrario graves cuestiones sanitarias y gran ineficacia
en sus fines preventivos especiales, tanto el negativo (para que el preso al salir
de la cárcel no cometa más delitos), cuanto el positivo (de resocialización)
38
.
La cuestión es bastante grave y los constantes fallos de una política
estrictamente represiva, que se utiliza de la vía penal como la principal
respuesta, sólo demuestran la necesidad de abrir los ojos a una nueva
estrategia, que contemple las peculiaridades de la problemática. Se trata de
una práctica social y “su estudio exige dominar unas lógicas muy diferentes, a
la vez económicas y culturales” (Coppel, 1994: 19).
Lo que se puede ver es que la “guerra contra las drogas”, con sus típicas
puniciones inadecuadas y desmesuradas, sólo fomenta la criminalidad, que
tiene causas bastante profundas. De esta forma, a fin de lograr algún control de
dicha práctica social, bien como una sustancial disminución de la criminalidad
relacionada, es necesario proceder a un análisis del perfil de los autores de
esos delitos, para atingir un programa político-criminal más adecuado, y por lo
tanto, supuestamente más eficaz.
El perfil del narcotraficante brasileño
Según alerta Luciana Boiteux, “es necesario estudiar quiénes son estos
jóvenes; no se les está dando la opción de una pena alternativa o una vía para
que se reinserten en el mercado laboral, sino que por el contrario, salen de la
cárcel con un postgrado en criminalidad y totalmente estigmatizados” (Boiteux,
2009, traducción libre).
Conforme estudio financiado por el Ministerio de la Justicia de Brasil, en
el año de 2009, el estereotipo del traficante de drogas que suele tener la
opinión pública, de ser criminoso contumaz, ser miembro de organización

38
“Según la concepción sociológico-democrática de tratamiento, los fines que le corresponden
se centran en conseguir que el penado, al salir de una prisión, lleve una vida sin delitos”, es
decir, existe un “programa mínimo de resocialización” en los fines del tratamiento penitenciario
(BERDUGO GÓMEZ DE LA TORRE, 2010). Sin embargo, los altos niveles de hacinamiento
constituyen gran obstáculo para atingirse el objetivo perseguido, una vez que la prisión se torna
un ambiente de suciedad, sin los mínimos recursos para promoverse una vida digna, de modo
a no contribuir con la resocialización de nadie. Con referencia a la situación brasileña: “De um
modo geral, a pena prisional tem produzido muito mais um efeito punitivo, no sentido de
destruição da integridade do indivíduo condenado, devido às péssimas condições e
inadequações do tratamento dado aos presos, que correcional visando reconciliar a sua
relação com o corpo social mais amplo” (COUTO MARINHO y REIS SOUZA: 26).
330



criminal compleja, de poseer comportamiento violento y practicar
frecuentemente otros delitos, está en gran parte equivocado.
De acuerdo con la investigación, la gran mayoría de los casos recogidos
demuestra la simple práctica de una de las conductas-núcleo enumeradas por
el delito, sin ninguna causa de aumento de pena, y todavía menos la
configuración de concurso material de crímenes:

“El estereotipo mediático del traficante de drogas, una figura clave de
la bandera de la guerra contra el tráfico, está representada por una
minoría del universo de los sujetos criminalizados. Como demostrado
empíricamente, la mayor parte de la representación son los
delincuentes sin antecedentes penales, que no están en affectio
societatis con otros individuos específicos para practicar el arte de la
ofensa del artículo 33, sin haber cualquier concurso material. […]En
menos de 20% de los casos, existe concurso material entre el tráfico
de drogas y la asociación para el tráfico y, en menor medida, hay
concurso material del tráfico con otros delitos. Queda desmitificado,
por lo tanto, el atributo de la conducta violenta, direccionada a la
criminalidad, prevaleciendo entre los sujetos criminalizados la figura
de un traficante de drogas individual y ocasional” (Ministerio da
Justiça do Brasil, 2009: pp. 124.125, traducción libre).

Aún, según ese estudio, 66,4% de los aprendidos por tráfico de drogas
no tienen antecedentes penales; 91,9% son capturados en flagrancia; 60,8%
actúan solos, es decir, independiente de grupos delincuenciales; 14,1%
portaban armas cuando detenidos y 83,9% son hombres. Además, se ha
verificado que 58% de los capturados por ese delito son sentenciados a penas
de cinco años (pena mínima en razón de ser pequeños traficantes) y que, en
muchos casos, la pena máxima se aplica más por prejuicio de los jueces que
por motivos justificados. Al establecerse en el expediente criminal, por ejemplo,
que el capturado vive en una favela, el investigado es automáticamente
estigmatizado y se presume su envolvimiento con grupos criminales que actúan
en el sector.
Al analizar estos datos, se puede concluir que, en realidad, al contrario
del sentido común, prevalece entre los sujetos criminalizados la figura de un
traficante de drogas individual y ocasional. Conforme señala Almiro Sena, la
gran mayoría de los sujetos captados por el sistema es compuesta de personas
jóvenes, pobres, negras y con poca educación, quedando gran parte de “los
poderosos” libres de la represión penal. Esto por las siguientes razones:
En primer lugar, porque él (narcotraficante poderoso) no es alcanzado
por la policía porque, obviamente, no vive en los suburbios y no actúa
331



en “bocas de fumo”. En segundo lugar, porque en casos raros en que
la policía puede, a través de la interceptación telefónica con
autorización judicial, o de la investigación financiera, o de la prisión en
flagrante delito, o a través de prueba lícita, llegar al distribuidor
mediano o grande, en el curso del proceso penal, una red de
influencia compuesta por los socialmente importantes aseguran que
él, si condenado en primera instancia, nunca llegue a cumplir la pena,
así como los medios de comunicación se olvidan, o peor aún, se
encargan de dar una apariencia de inocente en frente a la opinión
pública (Sena, 2009:122, traducción libre).

En la práctica, el traficante de drogas vende un producto teóricamente
prohibido, pero que “alcanza poco la represión, puesto que ésta no consigue
interceptar más que aproximadamente del 5% al 10% de las transacciones”,
siendo poco útil encarcelar los traficantes pequeños, que siempre serán
remplazados, contribuyendo, además, a la dinamización del mercado. Como
bien explica Choiseul-Praslin, “hacer desaparecer los `patos cojos´ y los
monopolios siempre ha contribuido a dinamizar los mercados suscitando
empresas cada vez más eficaces” (De Choiseul-Praslin, 1994: 25 y 33).
Se ve, por lo tanto, que el sistema penal es totalmente selectivo, y que la
política de “guerra contra las drogas” mueve cuestiones no sólo sociales, sino
también políticas y económicas, de manera que se puede decir que hoy existe
un sistema prohibicionista fracasado, que además de generar consecuencias
maléficas a la sociedad, no logra dar una respuesta eficaz a la problemática.
Por todo lo que se ha comentado, es innegable la urgencia de una
política de drogas alternativa en Brasil, que lleve en cuenta el consumo de
sustancias psicoactivas como una cuestión socio-cultural y que por veces
necesita de atención médico-sanitaria, bien como que estudie una mejor
respuesta a ser dada a los traficantes pequeños – gran mayoría de los
individuos criminalizados.

En busca de una política criminal alternativa: reducción de daños
En vista del verdadero fracaso de la estrategia de combate a las drogas
adoptada actualmente por Brasil y la mayoría de los países del mundo, se
busca que sea implementada una nueva política criminal en ese ámbito. Es
importante poner de relieve que dicha política tiene que ser realmente
alternativa, es decir, no debe incurrir en los mismos equívocos de la estrategia
a ser sustituida, sino caminar en sentido diverso. Se trata de una verdadera
332



quiebra de paradigma, imprescindible para romper el actual escenario brasileño
de peligro y criminalidad, descrito anteriormente.
Como se sabe, la injerencia penal tiene papel preponderante en el
prohibicionismo y eso debe ser la primera cuestión a ser cambiada en una
política alternativa, una vez que, como se ha visto, la ilegalidad de las drogas
trae más maleficios que beneficios. La “guerra contra las drogas” es bastante
costosa, no sólo por el dinero que mueve, como principalmente por los
impactos sociales causados – a ejemplo de la criminalidad subsidiaria y de la
alta población carcelaria formada por traficantes “individuales” y “ocasionales”.
Acaba que el usuario, para el cual deberían ser direccionadas fuertes
políticas de salud, es tratado como delincuente, y al final el sistema penal sólo
logra captar los “traficantes pequeños”, que son fácilmente remplazados por
otros. De esta manera, se trata de una política que no respeta las libertades
individuales, y que tampoco es eficaz.
Delante de ese escenario, uno de los primeros pasos a ser adoptados
por Brasil parece ser la descriminalización de la posesión de drogas para
consumo propio. Muchos países ya siguen desde hace algunas décadas la
tendencia de descriminalización y asistieron a una reducción significativa de
delitos relacionados, a ejemplo de España, Portugal, Italia, Holanda y Suiza.
En Portugal, donde se ha descriminalizado el uso de todas las drogas en
el afán de aproximar el consumidor del sistema de tratamiento, implementando
sanciones puramente administrativas, se han logrado efectos bastantes
positivos, a través de una triangulación entre terapia individual, seguimiento y
reuniones colectivas, registrando el país, a pesar de la crisis económica actual,
un descenso en varios tipos de delitos. Además, el consumo de sustancias
ilícitas entre jóvenes se redujo del 10,8% al 8,6% entre 2001 y 2007, bien como
el nivel de contagio de VIH por el uso de drogas inyectables, que en 2000
constituían un 52%, y en 2009 se resumía al 16%, a través del reparto de
jeringas y agujas limpias, agua destilada, gasa y preservativos a los usuarios
de heroína (Queiroz, 2012).
La política adoptada por ese y otros países europeos es denominada
“reducción de daños”. El objetivo es reducir el daño tanto del abuso de
sustancias psicotrópicas, cuanto de las propias políticas de control (Uprimny,
2006: 87).
333



Tal estrategia toma en cuenta dos premisas esenciales. La primera es
la de que existen (y siempre existirán) usuarios (dependientes o no) que, sea
por el motivo que fuere, no abandonarán a las drogas. Optan por el consumo y
así permanecerán, razón por la cual tacharles de delincuentes o enfermos en
lugar de meros consumidores significa frenar el movimiento en el sentido de
respetar a sus derechos en cuanto ciudadanos. En segundo lugar, se cree que
los daños causados por el uso de estupefacientes no advienen sólo de sus
propiedades intrínsecas, sino principalmente de su ilegalidad (Weigert, 2010:
116).
En vista de tales premisas, son implementadas algunas estrategias,
como despenalizar de facto la producción minorista y el consumo de las drogas
suaves (como la marihuana) y evitar la criminalización de drogas duras (como
la heroína), según el modelo más conocido, adoptado por Holanda. En ese
contexto, son ofertados programas de apoyo a los toxicómanos, con
distribución gratuita de jeringas (a fin de evitar la propagación del VIH);
suministro de fármacos sustitutivos (como la metadona en el caso de la
heroína, para evitar la síndrome de abstinencia); ayuda profesional voluntaria
para el drogadicto cuando lo desee, además del desarrollo de programas
comunitarios para integrar socialmente al consumidor (Uprimny, 2006: 87).
Esas y muchas otras acciones son llevadas a cabo en vista del objetivo
de minimizar a los daños advenidos del uso de drogas, tratándose de romper
con la “fantasía de la solución penal”, es decir; se reconoce que ni todo puede
ser solucionado a través de la represión penal, habiendo que lanzar mano de
estrategias originadas de otras ramas del conocimiento, que estudien el
fenómeno de manera más profunda. Se toma en cuenta la complejidad de la
problemática y la necesidad de actuarse de manera interdisciplinar (con
médicos, psicólogos y asistentes sociales; además de la influencia de políticas
públicas preventivas de la criminalidad).
Si se admite que existen diversas personas que toman drogas y no
dejarán de hacerlo, lo que parece más obvio es actuar en el sentido de
reducirse los daños o riesgos asociados a tal comportamiento. El uso de
drogas, antes que todo, es una cuestión de salud pública, siendo la represión
penal en ese sector contraproducente incluso para la seguridad social.
334



Algunas acciones de reducción de daños en la problemática de las
drogas han sido aceptadas por muchos gobiernos y también por la comunidad
internacional e incluso por organismos de Naciones Unidas. En el año 2006,
había más de 65 países con algún tipo de programa de distribución de jeringas,
y alrededor de 60 con algún tipo de tratamiento de sustitución con sustancias
semejantes. El enfoque es apoyado actualmente por la mayoría de los países
de la Unión Europea y Australia y está creciendo también en países orientales.
Se intenta un enfoque global, y mucho trabajo todavía hay que ser hecho en
los países de África, Centroamérica y Sudamérica (Gerry V. Stimson, 2008).
En Brasil, algunas prácticas reductoras de daños ya vienen siendo
realizadas, pero apenas en relación a los efectos de las drogas propiamente
dichas, y no cuanto a los efectos dañinos de la política prohibicionista
ensimisma. El problema, en estos casos, es que, además de no se promover
cambios efectivos en el modelo político-criminal, las acciones de asistencia
sanitaria a los usuarios quedan limitadas, ya que muchos no piden la ayuda de
que necesitan por miedo de responder a un proceso penal, una vez que sus
conductas son legalmente prohibidas. Es decir, las personas que usan drogas
ilegales todavía suelen estar marginadas y estigmatizadas en los países que
adoptan la reducción de daños solamente bajo la perspectiva médica.
Por otro lado, el ministro Vanucchi destacó el consenso que ya existe
entre el Ministerio de la Justicia, el Ministerio de Salud y la Secretaría de
Derechos Humanos sobre la importancia de abordar nacionalmente el tema
como un asunto de salud pública (y no apenas de seguridad pública), dentro de
la estrategia de reducción de daños (Domínguez, 2009).
Incluso, en un Congreso ocurrido en Rio, organizado por Viva Rio y la
Universidade Federal do Rio de Janeiro en el año de 2009, denominado
“Política de Drogas: avanços e retrocessos” se llegó a establecer algunos
principios y directrices a ser encaminados al Consejo de Política de Drogas
brasileño.
Son los principios: a) tener una visión sistémica de la política de drogas
(una visión que aborde el fenómeno desde una perspectiva interdisciplinaria y
bajo la cual los sectores de salud, educación, justicia y policía participen de su
implementación de manera articulada); b) el respeto y la promoción de
derechos humanos; y c) la promoción de prácticas y experiencias (sacar el
335



debate del ámbito puramente especulativo y llevarlo a un terreno más
informado y racional).
Las directrices consistirían en: a) valorizar saberes locales en la
construcción de las políticas sobre drogas; b) capacitar y cualificar
profesionales que trabajan con las drogas; c) respetar la diversidad cultural; d)
promover un debate amplio en la sociedad; e) desmilitarizar las acciones y
metodologías; f) ampliar las posibilidades de penas alternativas y de libertad
condicional, reduciendo las opciones de prisión (a fin de posibilitar la
reinserción social del infractor); g) ampliar las estrategias de reducción de
daños; h) crear organismos que fomenten la investigación del problema y la
reinserción social de los dependientes.
Hay que poner de relieve que tal conjunto de principios y directrices han
sido formulados por expertos sobre el tema, los cuales convergen, en su gran
mayoría, a respecto de la necesidad de una total reformulación de la política de
drogas actualmente adoptada en Brasil. Aún, es importante frisar las crecientes
movilizaciones sociales en ese sentido, a ejemplo de las “Marchas da
Maconha” (manifestaciones populares constantemente realizadas en el país a
favor de la legalización de la marijuana), bien como la campaña organizada por
la ONG Viva Rio “É preciso mudar” (que tiene por objetivo divulgar a la
población las frecuentes injusticias cometidas por jueces al aplicar la obscura
legislación de drogas, a partir de las cuales muchos usuarios son mandados a
la cárcel como si fueran narcotraficantes).
En consonancia con dichas recomendaciones, se entiende que una
alternativa viable y respetadora de los derechos humanos es aplicar la
reducción de daños gradualmente, junto con una serie de medidas que
objetiven la reinserción social de los autores de los delitos de drogas, hasta
que se alcance una política de descriminalización, manteniéndose, al final,
programas de reducción de daños apenas en el ámbito de la salud. Para tanto,
es necesario promoverse una reforma total en la ley, adecuándose las penas
previstas a las diferentes conductas del tráfico de drogas, tomándose en
consideración los pequeños traficantes, que constituyen la gran mayoría de los
sujetos criminalizados, en homenaje al principio de la proporcionalidad.
Aún, es relevante procederse a una “desmilitarización” de la política,
sustituyéndose el combate bélico contra las drogas (a través de la policía y del
336



sistema de justicia criminal) por una política en pro de la salud, trabajo y
educación.
Así, hay que incentivar y financiar políticas públicas de prevención a la
criminalidad, mejorándose la oferta de trabajo y estudio, a fin de que los
individuos tengan más calidad de vida y no recurran al narcotráfico para
mantenerse. La realización de los derechos fundamentales, y en específico los
sociales
39
, es fundamental es ese punto. Además, es imprescindible llevar en
cuenta la realidad cultural (inherencia del uso de drogas a la existencia
humana, bien como tradiciones e rituales con determinadas drogas), para
formularse una política criminal adecuada.
Es forzoso reconocer que las drogas ejercen importante papel en el
escenario económico, político y social, siendo urgente la necesidad de abrir los
ojos a una nueva política criminal de drogas en Brasil.

Consideraciones Finales
La política criminal de drogas adoptada por Brasil, fundada en la
estrategia de War on Drugs, se demuestra completamente fracasada.
En el contramano de la tendencia mundial de descriminalización del uso,
la Ley de Drogas brasileña no ha dejado de considerar como delito la tenencia
de drogas ilícitas para consumo propio, aunque le haya atribuido penas más
blandas. Cuanto al narcotráfico, impone penas cada vez más rigurosas, bien
como quita garantías procesales.
La droga ilícita, únicamente accesible a través del mercado negro, ha
causado un poder paralelo al estatal, con nefastas consecuencias,
especialmente en Brasil, donde hay que adentrar en espacios de violencia e
inseguridad para obtenerlas. La policía, a su turno, enfrenta un imposible papel
de contener todo ese descontrol generado por la ilicitud de un producto para el
cual siempre habrá demanda.
La población carcelaria ha aumentado vertiginosamente con esa política,
en especial con el endurecimiento del tratamiento penal de los traficantes, bien

39
Salud, educación, trabajo, alimentación, recreación, seguridad, entre otros, conforme el
artículo 6º de la Constitución Federal brasileña: “Art. 6º São direitos sociais a educação, a
saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a
proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta
Constituição”. (BRASIL (1988). Constituição Federal. DF: Senado).
337



como en razón de no haber criterios claros para distinguirse quien quiere usar
de quien quiere comercializar la droga. El resultado es que los que son
realmente captados por el sistema son los traficantes individuales y
ocasionales, generalmente jóvenes negros y pobres, con poca educación,
conforme los datos de investigaciones citadas a lo largo del texto.
Así, vemos que muchos problemas son generados en razón de dicha
política, como una fuerte criminalidad subsidiaria, alto nivel de hacinamiento en
las prisiones, estigmatización del usuario y restricción de garantías
constitucionales y de programas médicos y preventivos.
No obstante se emplee una política estricta de control, se ve que la
criminalidad no ha disminuido y tampoco el consumo, alcanzando la respuesta
penal, como se ha dicho, apenas a los traficantes de pequeñas cantidades,
siendo totalmente ineficaz para la dimensión de la problemática.
Por lo tanto, es imprescindible buscarse una política criminal basada en
una total quiebra de paradigma, a fin de que ella sea realmente eficaz.
Reducción de daños del uso de drogas, desmilitarización de la política,
descriminalización (a priori) del consumo, penas más adecuadas a la gravedad
de la conducta (considerándose los traficantes pequeños), bien como fuertes
políticas públicas en el ámbito de la salud, educación y trabajo parecen ser
estrategias iniciales bastante pertinentes para lograr algún control de esa
práctica social.

Referências Bibliográficas
BERDUGO GÓMEZ DE LA TORRE, Ignacio (Coord.) (2010). Lecciones y
materiales para el estudio del Derecho Penal, tomo IV: Derecho Penitenciario.
Madrid: Iustel.
BIZZOTO, Alexandre; QUEIROZ, Paulo e RODRIGUES, Andreia de Brito
(2010). Comentários Críticos à Lei de Drogas. Rio de Janeiro: Lumen Juris.
BOITEUX, Luciana apud DOMÍNGUEZ, Andrea. Propostas para enfrentar a
questão das drogas. Disponible en: < http://www.comunidadesegura.org/pt-
br/node/42855/73163>. Acceso en 28/04/2012.
BRASIL (1940). Código Penal. Brasília, DF: Senado.
BRASIL (1988). Constituição Federal. DF: Senado.
BRASIL (2006). Lei 11.343/2006. Brasília, DF: Senado.
338



CARVALHO, Salo de (2010). A Política Criminal de Drogas no Brasil: Estudo
Criminológico e Dogmático da Lei 11.343/06. 5.ed. Amp. e Atual. Rio de
Janeiro: Lumen Juris.
COPPEL, ANNE (1994). Droga y sociabilidades cotidianas en los barrios In
LABROUSSE, Alain; WALLON, Alain (Dir.). El planeta de las drogas. Bilbao:
Ediciones Mensajero.
COUTO MARINHO, Marco Antônio; REIS SOUZA, Roberto Sávio (2012). Uma
proposta analítica sobre a expansão do sistema prisional no Brasil e seus
rumos para o século XXI. In METROPOLIS, n. 09, jun. 2012, ISSN 2177-2312,
p. 26.
DE CHOISEUL-PRASLIN, Charles-Henri (1994). “La microeconomía de la
droga”. In LABROUSSE, Alain; WALLON, Alain (Dir.). El planeta de las drogas.
Bilbao: Ediciones Mensajero.
DOMÍNGUEZ, Andrea. Propostas para enfrentar a questão das drogas.
Disponible en: < http://www.comunidadesegura.org/pt-br/node/42855/73163>.
Acceso en: 01/05/2012.
GERRY V. STIMSON. La Reducción de Daños: Hacia un enfoque global.
Disponible en: <
http://www.lasdrogas.info/index.php?op=InfoOpinion&idOpinion=251 >. Acceso
en: 17/08/2012.
GUIMARÃES, Isaac Sabbá (2007). A nova orientação político-criminal para o
crime do uso de drogas. In Revista CEJ, Brasília, Ano XI, n. 37, pp. 44-47.
HULSMAN, Louk (1987). Consecuencias negativas de la penalización de
drogas. In La política de las drogas, fuente de colonización y represión.
NUEVO FORO PENAL, n. 35 (enero-marzo).
INTERNATIONAL CENTRE FOR PRISONAL STUDIES. Disponible en: <
http://www.prisonstudies.org/info/worldbrief/wpb_stats.php?area=all&category=
wb_poptotal>. Acceso en: 05/08/2012.
KARAM. Maria Lúcia (1993). De Crimes, Penas e Fantasias. Niterói: Luam.
MALAGUTI BATISTA, Vera (2003). Difíceis ganhos fáceis: drogas e juventude
pobre no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Revan.
MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DO BRASIL – Secretaria de Assuntos Legislativos –
SAL (2009). Tráfico de Drogas e Constituição: Um estudo jurídico-social do tipo
do art. 33 da Lei de Drogas diante dos princípios constitucionais-penais. Rio de
Janeiro/Brasília: Universidade Federal do Rio de Janeiro/Universidade de
Brasília.
WEIGERT, Mariana de Assis Brasil e (2010). Uso de Drogas e Sistema Penal:
Entre o Proibicionismo e a Redução de Danos. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

339




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








THEORETICAL DIMENSIONS OF INTERSECTIONALITY:
GENDER, RACE, SEXUALITY AND NATIONALITY






Katucha Rodrigues Bento
Universidade de Barcelona (UB)


2013
340



Theoretical Dimensions of Intersectionality: Gender,
Race, Sexuality and Nationality
40


Katucha Rodrigues Bento
MsC in Sociology
University of Barcelona (UB)
Faculty of Economics and Business
Department of Sociology and Organizations Analysis
Department of Sociological Theory, Philosophy of Law and Methodology of the
Social Sciences
katucha.bento@gmail.com

Abstract
The present sociological essay focuses on the theoretical dimensions of studies
on the construction of self and differences, in order to interpret the social
problem delimitated by whiteness. The bibliographical research has helped me
to explore the historical subjects and sociability rooted in references of
colonialism, in a sense to understand how markers of differentiation and
privilege are produced. Firstly I will present the construction of self and the
other with the aim of understanding the social patterns that colonization has
established in western societies as a mental and physical way of sustaining the
human experience of relating to one another. Then, the study will discuss
dimensions of race, gender, sexuality and nationality as the fundamental
intersectionality for focusing on the construction of "selves" and the “other”. This
article provokes the debate on whiteness, in order to unveil its heteronormative,
white supremacist and sexist markers through the bibliographical studies. The
objective is to enable a discussion on social differences.
Key words: whiteness, colonialism, womanism, intersectionality, construction of
self and the other.

Resumo
O presente ensaio sociológico incide sobre as dimensões teóricas dos estudos
sobre a construção de si e das diferenças, a fim de interpretar o problema
social delimitado pela branquidade. A pesquisa bibliográfica me ajudou a

40
This article is the result of a part of the MSc dissertation, presented in the University of
Barcelona (UB), called: “Desire, Difference and Whiteness: Women’s Construction of Self and
Other Women”. In this research, I studied the discursive dimensions of white lesbian Spaniards
who live in Barcelona, in order to interpret the social problem delimitated by whiteness.
341



explorar os sujeitos históricos e sociabilidades enraizadas em referências do
colonialismo, no sentido de entender como marcadores de diferenças e
privilégio são produzidos. Em primeiro lugar vou apresentar a construção de si
e do outr@s com o objetivo de compreender os padrões sociais que a
colonização estabeleceu nas sociedades ocidentais como uma forma mental e
física de sustentar a experiência humana de se relacionar com o outro. Em
seguida, o estudo irá discutir as dimensões de raça, gênero, sexualidade e
nacionalidade como a interseccionalidade fundamental para focar-se na
construção de "si" e de "outr@s". Este artigo provoca o debate sobre a
branquidade, a fim de desvendar a sua heteronormativa, supremacia branca e
marcadores sexistas através dos estudos bibliográficos. O objetivo é permitir
uma discussão sobre as diferenças sociais.
Palavras-chave: branquidade, colonialismo, womanism, interseccionalidade,
construção de si e de outr@.

The construction of self and the other
"Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios, nem o lábio amargo.
Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração que nem se mostra.
Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
Em que espelho ficou perdida a minha face?"
(Cecília Meireles. Poema: Retrato, 1996)

The tendencies that construct the subject’s reality are a production of a visual
metaphor. The construction of the self and the other is a composition of the
spatial and temporal world, a dialectic relation between body and the world
(Fanon, 1986). The range of meaning that creates the image of self and the
other works like a mirror: the reflection is illusory and has emotional value.
Grasping the cultural mechanism of differentiation makes the markers present
on the body appear, and that is why the colonial discourse is important to
standardize what is “normal” or “beautiful”, among other categories in society.
What is present on the body shows historical and economical realities and that
is what is produced on the image.
342



Along with Lacan and Sartre, Frantz Fanon highlights that this is part of a
“tyranny of the look” (Nuttall, 2004): the projection of an image that is
internalized and accepted by one person, through the eyes and perceptions of
another person. That means that the cycle of oppressor and oppressed is
continuous. Inspired by Sarah Nuttall’s article “Subjectivities of Whiteness”
(2004), I will problematize the self and the other using the phrase “the eye and
the I”. The eye, the instrument women use to see the external world and how
the “eye” sees the other with interpretations, ideas, preconceptions and
curiosity. At the same time, the “eye” constructs the idea of “I” (who am I, as a
person?); and “I” about the other (who is the other, as a person?). This phrase
may be used in studies to understand the perception of self and other and the
impacts on their reflections and sociability. In this way, the research may help
us to understand possible social antagonisms created by the determination of
whiteness, its norms and perceptions.
European colonialism left indelible marks on the forms of socialization in
Western society
41
. The foundation idea of exploring lands developed a racist
and sexist “ambivalence”, defining marginal or central, oppressor or oppressed,
as a discursive and psych strategy, originated by the discriminatory power of
colonialism (Bhabha, 1998). Bhabha insists that the relation between colonizer
and colonized are not homogeneous or equal, the colonized becomes the
colonizer’s fantasy and desire subject. Aspects that involve directly to a
dialectical construction of discourse –set on a dimension of power and
domination –and the articulation of markers of difference –inscribed by a
stereotyped body.
Through the understanding of this colonial discourse, it is possible to
introduce the debate about markers of differentiation in Western society. The
discrimination
42
of the body established patterns of race, gender and sexuality

41
Western or West are understood in this paper as categories of dominative relationship to
power, colonial expansion, belonging to land appropriation and establishment of hierarchies of
race, cultures founded by the European colonialism. More than geographical points (West, east,
North and South), this term provides a framework to analyze racism and sexism in the current
(post-colonial) society.
42
The term discrimination is used here as a possible metaphor of its meaning: the act of
discriminate, differentiate, distinguish; and also the impact of the colonial discourse to
343



in order to form norms. In this context, “whiteness” became a field of
investigation to embrace markers of differentiation; and race, gender, sexuality,
geographic origins, religiosity are “normalized” by the respecti ve categories of
white, male, heterosexual, Western European, and Christian. To study
whiteness, is to make visible the pillar structure, once not considered in studies
on race and analyzed only as human and normal. Men not being “gendered”,
white not being “raced” and heterosexual not being “sexualized” are spheres
with the intrinsic connection with the relations for domination.
In this frame, whiteness becomes an invisible factor; it is the norm, and
anything other than whiteness falls into the domain of “visible”, “different”, “the
other”. Establishing whiteness as ordinary is concurrent with unspectacular,
plain, normal in contrast with non-white, which is peculiar, marked, different
(Dyer, 1997). White is the racial being unexamined, not investigated, not seen.
This marker of differentiation in terms of biology (informed by the body) and
being (the subjectivity to discover the different) is the veil that divides people
from being human and being raced. According to DuBois (1999), this “shadow
of the veil” is what thwarts non-white people from enjoying civil rights in the
context of United States of America, and it is still what prevents such group of
people of having a voice and rights.
Alice Walker’s (1984) concept and understanding of womanism is the
theoretical pillar to explore the social experiences lived by the women and to
understand what the “subjects of differentiation” are
43
. Womanism “faces a
challenge of how to simultaneously maintain group solidarity and recognize
heterogeneity” (Mazurek, 2009). This reference forms the matrix: race, class,
gender, ethnicity, religion, sexuality, geographical origin and age for this

“discriminate” that generated the favoritism, unequal treatment, intolerance or hatred between
different nations, races, sexual orientations and cultures. It is a ironic way to explain situations
of “discrimination” are understood as a mere ‘misunderstanding’, one of the reasons why so
many governments do not see racism, homophobia, xenophobia, religious intolerance, etc. as a
crime.
43
In the book “In Search of Our Mothers' Gardens: Womanist Prose”, Alice Walker presents a
definition of “Womanism”. It is very complex term, denoting a position of intersectionality in
which maintains the word man in the middle to identify them as integral part of the women’s
reality. The term demonstrates the importance of tolerant attitudes among sexes and races
(Torfs, 2007-2008). In my opinion, it is also a form to criticize the feminism that did not blend
with other identities of other women and excluded the relevance of the (social, sexual, affective
etc) relation with other men.
344



research approach. It also helps to explore systems of oppression, axes of
inequalities and forms of domination that assign everyone a place in social
relations (whiteness) that shapes their construction of self and the other, in a
way that is “inseparable from other facets of daily life” (Frankenberg, 1993).
This study shares with feminist and anti-racist writers the process of
investigating markers of differentiation with intellectual rigor, and the
commitment to putting an end to all forms of racism, sexism and homophobia.

Dimensions of Intersectionality
“Individuals who fight for the eradication of sexism without supporting
struggles to end racism or classism undermine their own efforts”.
bell hooks (2000: 40)

Along with the problem of white invisibility to put markers of differentiation into
social hierarchies, the national superiority is determinant to problematize and
question their references of what an ideal woman could be. Such invisibility of
race and geographical origin suggests that “white” was not a “racialised” group,
and being European or Anglo Saxon legitimate a presumed power/dominance
impact on references of beauty, intelligence, development and supremacy
making social experience become a social problem. In this case, national
identities also implies on the language spoken and, sometimes, the religiosity,
permeating the racial and national identity of white people.
The symbolic forces of class are also important to determine social
status, established and outsiders. By social class, I have a Marxist
understanding, based on Erik Olin Wright’s perspective that class has a
structural part of society, in relation to each other in a contradictory way and the
income will identify in the social class. The social classes are established by a
capitalist way of organizing the economy, based on the class relations and
economic coordination, which promote a systematic and pervasive impact on
income inequality. Therefore, it will produce an impact on social inequality in
general (Wright, 1974; 2010).
Considering social class in this discussion is elemental to the
construction of colonial discourses –an important reason to ‘break new ground’
in search of richness– and reproducing a social establishment based on
capitalist values. According to bell hooks, a class analysis and critique of
345



sexism unites the struggles for liberation of all oppressed people. Therefore, the
importance that an upper-class people give to having a relationship enforces
the dominant class in the capitalist reality. It constructs a mechanism of social
relations associated with “different characteristics of age, color, class, gender
attributes, and the way of dressing, classifying sexuality and constituting
partnerships” (Fachinni 2008: 111). These factors also define a person’s place
on a lower hierarchical level.
Firstly, the reproduction of a popular strengthening of the triumph of a
capital accumulation that promotes social inequality (based on income and poor
income distribution). Secondly, the embodiment of “social class gaps” in social
relations obstructs the realization of social justice. To overthrow such concepts
that permeate the construction of the “other” and forms of establishing
relationships, hooks suggests a “more sophisticated vision of what it means to
have a radical political consciousness”. I believe that with such consciousness,
it will be possible to understand the strategical axis (race, class, religion, etc.)
that maintains whiteness and the privileges of the white supremacy.
The white perspective (usually not investigated, not an object of study)
remains a factor to be unveiled. Invisible markers are inserted into and interact
with their perspectives of self. In Ruth Frankenberg’s (1993) study on white
women, the interviewees do not consider themselves interested in racial order
in regard of their appearance. In this sense, race is not an isolated aspect. It is
dangerous and perverse to think that discrimination is part of people’s
imagination, and society would be doomed to fail trying to reach social equality.
This is the reason why the colonial discourse prevails, constructing non-white
bodies as exotic. Civilization, beauty, normality are white. Hence, the physical
and symbolical aspects of the “other” in daily life are based on the privilege of
being white.
Conversely, while there is an invisible veil around their racial privilege,
there is an invisibility issue among sexuality, mostly among women, which is not
a social privilege. As stated by Juan Vicente Aliaga (2010) in his article about
sexual diversity, the homosexual movement gained lesbian participation long
after gays (men); transgendered people and transvestites. Women were (are)
invisible as homosexuals, passing along as good friends (woman-woman) in
case they were walking hand in hand or renting an apartment together without
346



the curiosity and distrust that two men were seen doing the same things. The
social and political impact of being invisible, in this case, is not considering the
lesbian as a subject within self-representation, sexual practices and
performances.

Conclusions
“I want something else;
a different system
entirely.
One not seen
on this earth
for thousands of years. If ever.
Democratic Womanism.
Notice how this word has “man” right in the middle of it?
That’s one reason I like it. He is right there, front and center. But he is
surrounded”.
Alice Walker. Poetry: “Democratic Womanism” (2012).

Elias and Scotson (2000) inspire this research to suggest ways to
analyze, criticize, and reformulate issues about social discrimination, social
exclusion, and social violence. It is essential to pull together authors and
experiences of sociological, political, philosophical, and anthropological
importance to refine new ways to “do” sociology. This term [do sociology] I lend
from Florestan Fernandes, a remarkable Brazilian sociologist, to steer
Sociology as knowledge in continuous transformation. The continuous
transformation of Sociology is connected with the dynamic of social structures.
No category used in this research was conceived as static.
Social reality is dynamic, it is in constant change, and the subject’s new
‘reading of the world’ (Paulo Freire, 1994) is engaged with old happenings: new
thoughts and old happenings are together as unfinished matters. This is the
reason I link colonialism with whiteness, patriarchy with womanism, sexism with
the movement for equal rights and sexual freedom. Attention to local details as
patterns of immigration, national identity and belonging are a vital source in
discussions on social injustice and discrimination. Arcadi Oliveres (2011)
suggests alternatives to develop a “new world”, and warns that contemporary
security and economic proposals (mostly in Europe) are unnecessary,
protecting nothing other than social inequalities and undermining freedoms. In
347



this regard, it will be more possible to overthrow whiteness and hegemonic
identities, than to support social injustice.

Bibliography
Ahmad, A. (2002). Linhagens do presente: ensaios. São Paulo: Boitempo.
Aliaga, J. V. (2010). ¿Peligrosos y normales? Sobre la situación de la España
democrática respecto de la diversidad sexual. In: H. Costa et al. (Org.),
Retratos do Brasil homossexual : fronteiras, subjetividades e desejos. São
Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.
Appadurai, A. (1994). Disjuncture and Difference in the Global Cultural
Economy. In: P. Williams & L. Chrisman (Ed.), Colonial Discourse and Post-
Colonial Theory: a Reader. Columbia: Columbia University Press.
Becker, H. S. (1966). Outsiders: studies in the sociology of deviance. New York:
Free Press.
Becker, H. S. (1998). Tricks of the Trade: How to Think About Your Research
While You're Doing It. Chicago: University of Chicago Press.
Becker, H. S. (2007). Telling about society. Chicago: University of Chicago
Press.
Bento, K. (2006) Balada de Branco e Balada de Preto: Atualização da
Democracia Racial nas festas de samba em São Paulo? Graduate Coursework
for the Foundation School of Sociology and Politics of São Paulo, São Paulo,
Brazil.
Bento, K. (2012). Está na cor da pele?: Uma discussão sobre raça em
Barcelona. Seminário Acadêmico APEC 2012: Entre o Atlântico e o
Mediterrâneo: 20 Anos de Intercâmbio e Saberes, Barcelona, España.
Avaliable at: < http://www.apecbcn.org/seminario/seminarios-anteriores/>.
Access on: 14 June 2013.
Bhabha, H. (1983). The other question: the Stereotype and Colonial Discourse.
Screen, 24(6), 18-36.
Bhabha, H. (1990). DissemiNation: time, narrative, and the margins of the
modern nation. In: H. Bhabha (Ed.), Nation and Narration. London: Routledge.
Bhabha, H. (1998). O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG.
Brah, A. (1996). Cartographies of diaspora: contesting identities. London:
Routledge.
Butler, S. (2008). Mirrors of Privilege: Making Whiteness Visible. Documentary
(video).
Collins, P. H. (2000). Black feminist thought: knowledge, consciousness, and
the politics of empowerment. New York: Routledge.
Van Dijik, T. A. (2003). Racismo y discurso de las élites. Barcelona: Gedisa.
Douglas, M. (1988). Purity and Danger: an analysis of the concepts of pollution
and taboo. London: Ark Paperbacks.
348



DuBois, W. E. B. (1999). As almas da gente Negra. Rio de Janeiro: Lacerda.
Dyer, R. (1997). White. London: Routledge.
Elias, N. & Scotson, J. L. (2000). Os estabelecidos e os outsiders: sociologia
das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar.
Facchini, R. (2008). Entre umas e outras: mulheres; (homo)sexualidades e
diferenças na cidade de São Paulo. Doctoral Thesis. Universidade Estadual de
Campinas, Campinas, Brasil.
Fanon, F. (1965). Los Condenados de la Tierra. México: Fondo de Cultura
Económica.
Fanon, F. (1986). Black Skin, White Mask. London: Pluto Press.
Fanon, F. (1970). ¡Escucha Blanco! Barcelona: Nova Terra.
Foucault, M. (1998). História da Sexualidade 1: a vontade de saber. Rio de
Janeiro: Edições Graal.
França, I. L. (2006). ’Cada macaco no seu galho’?: arranjos de poder, políticas
identitárias e segmentação de mercado no movimento homossexual. Revista
Brasileira de Ciências Sociais, 21(60).
Frankenberg, R. (1993). White Women, Race Matters: The Social Construction
of Whiteness. London: Routledge.
Frankenberg, R. (1996). When we are capable of stopping, we Begin to see:
being white, seeing whiteness. In: B. Thompson & S. Tyagi (Org.), Names we
call home. New York: Routledge.
Frankenberg, R. (2004). A miragem de uma branquidade não-marcada. In: V.
Ware (Org.), Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de
Janeiro: Garamond.
Freire, P. (1999). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática
educativa. São Paulo: Paz e Terra.
Freire, P. (2000). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Guasch, O. (2000b) La crisis de la Heterosexualidad. Barcelona: Laertes.
Hancock, C. (2011). Gender, Sexual Identities and Spatial Justice. Justice
Spatiale, 3, march 2011. Available at: <http://www.jssj.org/archives/03/>.
Access on: 14 June 2013.
Hooks, B. (2000). Feminist Theory: From Margin to Center. Cambridge: South
End Press.
Ifekwunigwe, J. (2012). Cuando habla el espejo: La poética y la problemática
de la construcción de identidad para las métisse de Bristol. In: M. Jabardo
(Ed.), Feminismos negros: una antología. Madrid: Traficantes de Sueños.
Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos. São Paulo: Ed. 34.
Marthoz, J. P. (2012). Corresponsals de les migracions: La cobertura
nformativa d’un fet global. Barcelona: Pollen.
Meireles, C. (1996). Melhores Poemas. São Paulo: Ed. Global.
349



McIntosh, P. (1998). White Privilege and Male Privilege: A Personal Account of
Coming to See Correspondences through Work in Women’s Studies. In:
Wellesley College Center for Research on Women Working Papers Series 189.
Moutinho, L. (2006). Negociando com a adversidade: reflexões sobre “raça”,
(homos)sexualidade e desigualdade social no Rio de Janeiro. Revista de
Estudos Feministas, 14(1), 103-116. Available at:
<http://socialsciences.scielo.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
026X2006000200005&lng=en&nrm=iso>. Access on: 14 June 2013.
Nutall, S. (2004). Subjetividades da branquidade. In. V. Ware (Org.).
Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond.
Oliveres, A. (2011). Un altre món. Barcelona: Angle.
Organización Mundial para las Migraciones (2012). Impactos de la crisis sobre
la población inmigrante. Available at:
<http://www.colectivoioe.org/uploads/0bae582aa3b0842a9eaf50cde16f4f97d95
27bcb.pdf>. Access on: 10 May 2012.
Pedro de Prieto, J. (2005). Diversidad y derechos culturales. Encuentro para la
Promoción y Difusión del Patrimonio Inmaterial de los Países Andinos,
Medellín, Colombia, 6.
Platero, R. (Lucas) & Guzman, P. (2012). Passing, enmascaramiento y
estrategias identitarias: diversidades funcionales y sexulaidades no-normativas.
In: R. (Lucas) Platero (Org.) Intersecciones: cuerpos y sexualidades en la
encrucijada. Barcelona: Bellaterra.
Ricoeur, P. (1967). The Symbolism of Evil. Boston: Beacon Press.
Stolke, V. (2006). A new world engendered: intersections: the making of the
iberian transatlantic empires- XVI to XIX centuries. Revista de Estudos
Feministas, 14(1), 15-42. Available at:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
026X2006000100003&lng=en&nrm=iso>. Access on: 14 May 2012.
Tree, M. (2010). Negre de merde: El racism explicat als blancs. Barcelona:
L’aquer.
Walker, A. (1984). In search o four mothers’ gardens: Womanist prose. San
Diego: Harcourt Brace Jovanovich.
Walker, A. (2012). Democratic Womanism. In: Alice Walker: the ofifcial website.
Available at: <http://alicewalkersgarden.com/2012/10/article-i-will-not-vote-for-
evil-i-want-a-different-system/>. Access on: 17 June 2012.
Ware, V. (Org.). (2004). Branquidade: identidade branca e multiculturalismo.
Rio de Janeiro: Garamond.
Williams, T. (2004) The N Word. Documentary (video).
Young, R. J. C. (2005). Desejo Colonial. São Paulo: Perspectiva.
Stolcke, V. Sexo está para gênero, assim como raça para etnicidade?. Revista
Estudos Afro-Asiáticos, 20, 101-119.

350




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








O DANO MORAL COLETIVO COMO INSTRUMENTO
VIABILIZADOR DO DESENVOLVIMENTO HUMANO





Fernando de Paula Batista Mello
Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra
(FDUC)


2013
351



O dano moral coletivo como instrumento viabilizador
do desenvolvimento humano

Fernando de Paula Batista Mello
Doutorando em Ciências Jurídico-Civilística: menção em Direito Civil
Mestre em Ciências Jurídico-Civilística: menção em Direito Civil
Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Portugal
fernandobatistamello@gmail.com

Resumo
A chamada “nova” sociedade é caracterizada pelas incessantes massificações
sociais, oriundas das diversas manifestações coletivas (grupos; categorias;
classes; comunidades), as quais, ao menos reflexamente, buscam o
desenvolvimento do próprio homem. Por este motivo, a lesão aos interesses de
massa não pode ficar sem reparação. Nesse sentido, consagra-se o “dano
moral coletivo” como uma ampliação da teoria do “dano moral individual”, na
medida em que se concede à coletividade, ente despersonalizado, a
possibilidade de ser titular de direitos, dos quais se extrai, à semelhança do
que ocorre nas relações individuais, um conteúdo valorativo imaterial.

Abstract
The so-called "new" society is characterized by incessant social massifications,
arising from diverse collective manifestations (groups, categories, classes,
communities), which, at least by reflex, seek the development of the man
himself. For this reason, the injury to the mass interests cannot remain without
restitution. Therefore, it configures “collective moral damage”, as an extension
of the "individual moral damage" theory. It grants to the collectivity,
depersonalized entity, the possibility to be a holder of rights, of whom is
extracted, the same way as occurs in the individual relations, an immaterial
valorative content.

Introdução
O presente trabalho pretende discutir o denominado dano moral coletivo,
instituto desenvolvido pelos tribunais brasileiros (embora presente em outros
352



ordenamentos
44
) com o objetivo de proteger os direitos coletivos e difusos
disponíveis nas mais diversas áreas, v. g., meio ambiente, consumidor, ordem
e urbanismo, etc.
Busca-se, assim, ultrapassar a tradicional concepção de que o dano,
para a responsabilidade civil, deva ser sofrido de forma individual, já que, no
dano moral coletivo, ele será suportado pela coletividade. A ideia de proteção
dos valores morais destes entes, revestido por um património imaterial,
sustentará o escopo primordial para justificar tais indenizações.
A responsabilidade civil assume, pois, atualmente, um papel implexo,
que é determinado pelo próprio avanço da sociedade e cujas mudanças
reconfiguram inteiramente as relações interpessoais, o que corrobora, de fato,
que elas sejam cada vez mais impessoais. Com o passar do tempo, os
chamados conflitos sociais também evoluem, deixando de atingir somente a
esfera do indivíduo para alcançar grupos sociais (v. g., danos ao consumidor)
ou mesmo toda uma comunidade (v. g., danos ambientais). Em um quadro
como esse, cabe ao Direito, bem como ao Poder Público, realizar e adotar as
medidas e mudanças necessárias ao resguardo dos direitos dos indivíduos (em
seu viés singular ou coletivo).
Dessa forma, torna-se habitual a discussão em torno do papel da
responsabilidade civil perante essas novas mudanças oriundas das relações
sociais. É diante desse cenário que sobressai o discurso relativamente ao dano
moral coletivo, já que este instituto protegerá uma parcela de direitos que
compõe uma “nova categoria”, a categoria dos direitos ou interesses sociais.
Pelo exposto, a responsabilidade civil apresenta-se como o ramo
adequado para proteger os direitos transindividuais (metaindividuais), uma vez
que essa garantia relaciona-se com o próprio desenvolvimento humano.

1 A estrutura do termo “interesse”
Em sentido usual, comum, diz-se que interesse é simplesmente a ideia
de vantagem preexistente no liame psicológico que subsiste entre o sujeito e
determinada coisa ou bem, de natureza material ou imaterial (LEONEL, 2013:
p. 84).O titular desse tipo de interesse apenas deseja/aspira, sem poder, no

44
Vide ordenamento jurídico argentino. Ver: LORENZETTI, Ricardo Luís. Daño moral colectivo:
su reconocimiento jurisprudencial. J.A., Buenos Aires, set. 1997.
353



entanto, exigir ou opor tal expectativa em face de terceiros (MANCUSO,1989:
p. 166). Por isso, são chamados de interesse simples ou de fato, na medida em
que os bens do agente carecem de proteção específica pelo ordenamento (de
minimis non curat praetor) (LEONEL, 2013: p. 85).
Por outro lado, a palavra interesse, numa acepção técnica, compreende-
se numa designação plurívoca presente nos mais diversos ramos do
conhecimento (v. g., enfoque econômico; social; jurídico), o que impõe ao
intérprete, em termos conceituais, a visualização das circunstâncias concretas
para que possa qualificá-la – em certos casos, por exemplo, o interesse público
poderá ser visto pela ótica política ou jurídica.
Na ótica jurídica, que importa para o presente trabalho, interesse é a
intimidade de relações entre a pessoa e a coisa, na medida em que a primeira
tem sobre a segunda poderes, direitos, vantagens, faculdades ou
prerrogativas. Daí, reconhece-se que o interesse será extraído dessa situação
jurídica, pois cada movimento ou alteração aplicado às coisas provoca uma
percussão ou repercussão naqueles mesmos poderes, direitos, vantagens,
faculdades ou prerrogativas (DE PLÁCIDO E SILVA, 1998: p. 442).
Depreende-se, assim, que o interesse jurídico, por definição, tem seu
valor inscrito na norma (SILVA, 2002: p. 25), se diferenciando dos interesses
(lato sensu) que, ao contrário, detêm um conteúdo axiológico amplo e variável
– “expandem-se livremente, comunicam-se, entrechocam-se, assimilam-se,
repelem-se, porque estão situados em um outro plano, o plano fático”
(MANCUSO, 2011: p. 24).
A abordagem dos interesses, na seara jurídica, sugere profundas
divagações por eles apresentarem variada gama (v. g., interesse processual;
interesse social; interesse “geral”; interesse público), de sorte que, nos limites
deste estudo, não se afigura possível o exame acurado de todas as espécies.
Portanto, se resume, neste momento, ao estudo dos interesses coletivos ou
transindividuais (supra ou metaindividuais), pois deles se decompõem os
subtipos: interesse difuso; coletivo (stricto sensu) e individual homogêneo.
1.1 Dos interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos
Os interesses ou direitos coletivos, reconhecidos na Europa, por via de
regra, como direitos de terceira geração (dimensão), são decorrentes de
movimentos sociais, realizados por mulheres e negros – e, em menor escala,
354



ambientalistas e consumeristas, que surgiram a partir da transição da década
de 1950 para a de 1960 (BESSA, 2006: p. 79). Caracterizam-se por serem
interesses que se situam na contraface da mesma moeda em que se
encontram os interesses individuais.
Note-se que os interesses coletivos não devem ser identificados como
pertencentes à categoria dos interesses públicos sob o ponto de vista da
Administração, tampouco dos interesses privados. Portanto, incluem-se em um
tertium genus, ou seja, uma terceira categoria de interesses – originada das
incessantes relações na sociedade moderna –, que são inerentes a toda
comunidade, e, por isso, têm uma conotação pública ou social (são os
chamados interesses sociais). Os interesses metaindividuais constituem mais
um exemplo da insuficiência de argumentos que mantém o reconhecimento de
uma dicotomia “público-privado”.
Jacques Chevallier (1981: p. 900) destaca que, à medida que se tornou
mais fluida a fronteira entre o “público” e o “privado”, abriu-se a zona
necessária para que os interesses supraindividuais se desenvolvessem. O
reflexo dessa expansão tornou imprescindível a precisa definição de seus
subtipos – interesse difuso; coletivo (stricto sensu) e individual homogêneo –, a
fim de evitar confusões conceituais inicialmente reinantes. É nesse sentido
que, há algum tempo, se diferenciam os interesses difusos dos coletivos (stricto
sensu).
Por difusos se entende os interesses que se referem a grupos menos
determinados de pessoas, entre as quais inexiste um vínculo jurídico, ou seja,
uma relação jurídica base (MAZZILLI, 1991: p. 49). É dizer-se: os interesses
difusos, por serem transindividuais, possuem objetos indivisíveis (aspecto
objetivo) entre os membros da coletividade, comuns a titulares indetermináveis
que se encontram unidos em razão de uma situação de fato (aspecto subjetivo)
(BENJAMIN et al, 2013: p. 478). “A referibilidade [sic] do interesse difuso não é
ao indivíduo especificamente considerado, mas o é enquanto membro da
comunidade, como seu integrante” (LEONEL, 2013: p. 93).
Os interesses coletivos (stricto sensu), por sua vez, são os
transindividuais – portanto, também possuem bens jurídicos indivisíveis –, que
atingem um número determinável de pessoas, ou seja, um grupo, categoria ou
355



classe de pessoas ligadas entre si ou com a parte contrária por uma relação
jurídica base.
Assim, a distinção fundamental fica por conta de que, nos “difusos”, por
se referirem a meras situações de fato, aquelas notas se revelam absolutas
(indeterminação do sujeito), enquanto nos “coletivos em sentido estrito” elas se
relativizam, porque os sujeitos, por estarem ligados a uma relação jurídica
base, já comportam certa visualização ao interior de determinados segmentos
da sociedade (v. g., associações de classes; relações entre consumidores e
uma mesma empresa telefônica) (MANCUSO, 1997: pp. 39-40).
Quanto aos interesses individuais homogêneos, da denominação já se
depreende que a sua essência é “individual”, ou seja, que não são coletivos
originariamente. Tais diretos são considerados “coletivos” por circunstâncias
externas, contingenciais ou episódicas para fins processuais (MANCUSO,
1997: p. 40). Trata-se de interesses de grupos, categorias ou classes de
pessoas determináveis que compartilham pretensões comuns (v. g., prejuízos
divisíveis surgidos numa origem comum). Portanto, o interesse individual
homogêneo concerne a um único fato gerador de diversas pretensões
indenizatórias.
Assim, o processo judicial irá decorrer mediante duas fases: a inicial,
intentada pelo legitimado coletivo – busca-se o reconhecimento e a declaração
do dever de indenizar – e a segunda, que será o momento da habilitação dos
beneficiados na ação – ocorrerá a liquidação da sentença para que eles
possam executar a dívida reconhecida no âmbito coletivo.
Dessa forma, nada impedirá que o lesado postule demanda individual
com vista, exemplificativamente, à obtenção de indenização de cunho pessoal
pelos danos sofridos. Nessa senda, a opção pela via coletiva decorre da
conveniência da aplicação destas técnicas de tutela coletiva aos interessados.
(LEONEL, 2013: p. 100).
Diante do exposto, numa palavra, ressalta-se que os interesses “difusos”
e os “coletivos em sentido estrito” são essencialmente coletivos, ao passo que
os “individuais homogêneos” recebem tratamento processual coletivo por
deterem uma origem comum (MANCUSO, 1997: p. 40).

356



2 Do individual ao coletivo: o “dano moral” e o seu entrelaçamento com o
“dano moral coletivo” – premissas fundamentais à definição deste último
Preceituou-se, no Direito romano, a máxima do alterum non laedere
como forma de preservar os bens e os direitos que a cada um são conferidos;
dessa regra interpreta-se, a contrario sensu, que aquele que lesionar o outro
arcará com a reparação do dano causado. Portanto, diz-se, modernamente,
que esta reparação poderá recair, “de acordo com o critério de reflexos na
esfera jurídica atingida” (BITTAR, 1994: p. 46), em danos patrimoniais ou não
patrimoniais (danos morais) que serão oriundos, respectivamente, da violação
de um dever jurídico obrigacional, derivado de um contrato (CAVALIERI FILHO,
2005: p. 38), ou da lesão a uma regra geral do Direito voltada para a proteção
das pessoas (MONTEIRO, 1983: p. 8).
No que concerne ao fulcro do presente ensaio, isto é, aos danos morais,
tem-se debatido, exaustivamente, entre os estudiosos e aplicadores do Direito,
a dimensão e a amplitude dos elementos que compõem o seu objeto, e,
consequentemente, justificam a sua reparação. É notória a ausência de uma
uniformidade acerca do conceito de dano moral, o que conduz a uma
pluralidade de conceitos (v. g., dano moral como dor ou alteração negativa;
conceito negativo ou excludente; dano moral como lesão a determinada
categoria de direitos) que, não poucas vezes, pecam pela falta de uma efetiva
individualização do objeto a ser estudado por este dano.
No entanto, ao mesmo tempo, não se pode descaracterizar o ponto em
comum, identificado nos mais variados conceitos, que se toca na proteção dos
elementos essenciais reconhecidos como pertencentes à veia afetiva (ou
sentimental), intelectual (de percepção e de entendimento) e valorativa
(individual e social) da personalidade. Por outras palavras, pretende-se, com o
dano moral, tutelar os atributos de cunho axiológico responsáveis por conceder
ao indivíduo a sua essencialidade, seja na esfera pessoal, seja social (BITTAR,
1994: p. 46). Logo, o dano moral é resultado dos ataques contra os valores
ligados à pessoa do lesado, em seu aspecto físico, moral ou psíquico.
Nesse contexto, torna-se claro que o dano moral se refere ao homem, à
pessoa física, ao indivíduo, pois somente ele será portador de um vultus
singular e único. De outra forma, porém, tem-se entendido que tal conceito,
visando reflexamente a proteção do próprio homem, deve ser alargado, em
357



virtude da nova fase que o Direito atravessa, que, para Carlos Alberto Bittar
(1994: p. 46), é sintetizada pela designação “socialização”.
A doutrina clássica do Direito, por muito tempo, assentou sobre as
premissas individuais, para a qual apenas o sujeito, pessoa natural ou jurídica,
pode ser titular de direitos e obrigações – a coletividade, nessa perspectiva,
não poderá praticar atos jurídicos e ser titular de interesses juridicamente
protegidos. É cediço que o caráter individual dos direitos tem raízes liberais,
construídas com o propósito de afastar os exageros praticados pelo Estado. No
entanto, “[c]iente de que entre o liberalismo e estatização existe um grande
universo de possibilidades, o Direito vem cada vez mais reconhecendo o
caráter coletivo de muitos fenômenos sociais” (Ministra Relatora Nancy
Andrighi. Recurso Especial 636.021/RJ 3.ª Turma. Data do Julgamento
02.10.2008). O efeito natural deste fenômeno (“socialização”) conduz o Direito
(inclua-se aí o Direito Civil) à supremacia do coletivo sobre o individual
(BITTAR, 1994: p. 47). – por isso, já que o individuo é um ser gregário por
natureza, tornam-se cada vez mais importantes a função social (da
propriedade/do contrato/da empresa); a eticidade, lealdade e boa-fé objetiva
nos contratos; a cooperação processual (partes, juiz e terceiros); dentre outros.
Portanto, constata-se que, modernamente, o legislador brasileiro rompeu
com a tradição jurídica clássica, segundo a qual somente os indivíduos podem
ser titulares de interesses juridicamente tutelados, a partir do momento em que
concedeu “direitos cujo sujeito é uma coletividade difusa, indetermi nada, que
não goza de personalidade jurídica e cuja pretensão só pode ser satisfeita
quando deduzida em juízo por representantes adequados” (Ministra Relatora
Nancy Andrighi. Recurso Especial 636.021/RJ 3.ª Turma. Data do Julgamento
02.10.2008).
Ainda, nesse sentido, ressalta Canotilho:
entram aqui em crise as teorias tradicionais da legitimidade baseadas
no ‘interesse directo e pessoal’ ou na ‘protecção da norma’ (segundo
a qual só existiria um direito accionável quando houvesse normas
que, pelo menos, pudessem ser entendidas como protectoras
também de interesses individuais (CANOTILHO, 2007: p. 697).

Como não poderia deixar de ser, a partir do estabelecimento dessas
premissas que denotam incontestavelmente a existência dos interesses
coletivos e difusos, essa “nova” fase diretamente atingiu a responsabilidade
358



civil, uma vez que a sua esfera de atuação estendeu-se para os danos (ao
menos materiais) ocasionados aos interesses transindividuais. “[S]ignifica […] a
superação de uma concepção meramente privatística da responsabilidade civil
por uma nova concepção de instituto de natureza colectiva, de consequências
extensas e profundas” (MARTINS, 1999: p. 119). Naturalmente, ao mesmo
tempo, têm-se sentido tais reflexos na teoria do dano moral, dando origem ao
que se denomina de dano moral coletivo.
Nesse ponto nodal, vislumbra-se a ideia de comunidade ou coletividade
como uma aglomeração de indivíduos que se encontram em determinado
território e se unem por um fato comum ou, ainda, um grupo localizado em
determinado espaço, cujos membros cooperam entre si incentivados por
melhores resultados econômicos (v. g., sindicatos) ou pautando-se em valores
éticos/humanos (v. g., família, entidades sociais) (BITTAR, 1994: p. 47).
Não há dúvida de que, da concepção de comunidade, exsurjam vigas
fundamentadas para a sua edificação, a saber, os valores; resultam eles,
desse modo, da expansão dos valores dos indivíduos que compõe a
coletividade. É dizer-se: cada indivíduo possui a sua carga valorativa, mas,
também, à coletividade, por ser formada pelo conjunto de indivíduos,
corresponde uma dimensão axiológica (BITTAR, 1994: p. 47).
Note-se que a ampliação dos valores à coletividade não se confunde
com aqueles que são atribuídos aos integrantes da comunidade quando
individualmente considerados. Não se trata, portanto, da identificação dos
interesses coletivos como simples soma de interesses individuais (MANCUSO,
1997: pp.167-168).
Os valores coletivos, pois, dizem respeito à comunidade como um
todo, independentemente de suas partes. Trata-se, destarte, de
valores do corpo, valores esses que não se confundem com os de
cada pessoa, de cada célula, de cada elemento da coletividade”
(BITTAR, 1994: p. 48).

Daí que, com essa acepção, exemplificativamente, possa se vislumbrar
a violação da honra individual, bem como coletiva, ao se pensar que a
comunidade goza de respeito e reputação – aliás, a coletividade é um
agrupamento de pessoas e, portanto, de núcleo de valores.
Assim, quer-se, com a supracitada explanação, justificar a existência de
um patrimônio moral da comunidade ou coletividade, comum a uma pluralidade
359



indeterminada ou determinável de pessoas e, por esse motivo, não
comportando uma
decomposição num feixe de interesses individuais que se
justapusessem como entidades singulares, embora análogas. Há, por
assim dizer, uma comunhão indivisível de que participam todos os
possíveis interessados, sem que se possa discernir, sequer
idealmente, onde acaba a ‘quota’ de um e onde começa a de outro.
Por isso mesmo, instaura-se entre os destinos dos interessados tão
firme união, que a satisfação de um só implica de modo necessário a
satisfação de todas; e, reciprocamente, a lesão de um só constitui,
ipso facto, lesão da inteira coletividade (MOREIRA, 1984. pp. 195-
196).

O dano moral, dessa forma, é entendido de maneira mais ampla, como
lesão extrapatrimonial (ou não patrimonial). Logo, segundo Agostim Alvim
(1965: p. 215), com apoio em Gabba, dano moral é aquele “dano que foi
causado injustamente a outrem, que não atinja ou diminua o seu patrimônio”, e,
por isso, “o dano moral há der ser não patrimonial. Aquele que for patrimonial,
[sic] não é moral”. Mais sucintamente, o dano moral deve ser visto como “lesão
a um bem não suscetível de avaliação em dinheiro” (Ministra Relatora Nancy
Andrighi. Recurso Especial 636.021/RJ 3.ª Turma. Data do Julgamento
02.10.2008).
Diante do exposto, é evidente a impropriedade da nomenclatura “dano
moral coletivo” por associar esse dano transindividual com as lesões de
natureza moral, exclusivas dos interesses individuais. O “dano moral”, nessa
linha, não se confunde com o “dano não patrimonial”, embora, por vezes, as
expressões sejam tomadas no mesmo sentido
45
; assim, pugna-se em prol da
alteração terminológica que prevalece na matéria, sugerindo o uso da
designação dano não patrimonial transindividual
46
.
Por esse motivo, o dano moral coletivo (rectius: dano não patrimonial
transindividual) não afasta, em tese, o reconhecimento do dano moral em cada
hipótese concreta. Como bem reconhece Gabriel A. Stiglitz (1996: p. 72)
O dano coletivo não resulta da simples soma de uma série de
menoscabos individuais. Tem uma entidade grupal autônoma, na

45
Quando se trata de interesses individuais, não haverá grandes problemas à utilização de
uma ou outra designação, “dano moral” ou “dano não patrimonial”; por isso, destaca Antunes
Varela que dano moral é a nomenclatura dada, usualmente, ao dano não patrimonial (VARELA,
João de Matos Antunes, 2000: p. 601).
46
O presente trabalho, ainda que haja razões que contraindiquem o uso da designação “dano
moral coletivo”, insistirá nessa opção, por mera questão didática.
360



medida que afeta simultânea e coincidentemente a comunidade que
foi vitima indiscriminada da lesão (tradução livre).

Daí que, exemplificativamente, poderá o Ministério Público requerer a
condenação por danos morais coletivos de determinada empresa de televisão
que transmita novela imprópria para o público vespertino (em sua maioria
crianças), desrespeitando a classificação etária. A suposta condenação da
emissora de televisão pela violação de uma integridade moral coletiva não
obstará que, individualmente, aquele(s) que se sentir(em) lesado(s) na sua
integridade físico-psíquica requeira(m) a reparação de tais danos: se uma
pluralidade de sujeitos tem os seus bens pessoais lesados, provenientes de
uma origem em comum, haverá um conjunto de danos morais individuais cuja
tutela poderá ser coletiva, uma vez que se trata de interesses individuais
homogêneos (Ministra Relatora Nancy Andrighi. Recurso Especial 636.021/RJ
3.ª Turma. Data do Julgamento 02.10.2008).
É salutar destacar que, diferentemente do que ocorre com as relações
individuais (ou mesmo individuais homogêneas), em que a reparação dos
danos deve ser revertida em favor de cada um dos lesados, nos danos
coletivos, pela indivisibilidade do objeto, não se beneficiará este ou aquele,
mas, sim, um Fundo (nos termos do que ocorre no ordenamento jurídico
brasileiro, artigo 13 da Lei 7.347/85), que destinará o dinheiro em favor da
própria coletividade, v. g., Fundo da Infância e da Adolescência.
Com efeito, diante das premissas estabelecidas, quais sejam, a
salvaguarda, pelo Direito, dos interesses transindividuais e a ressarcibilidade
do dano não patrimonial, ergue-se a teoria que defende que a lesão de um
bem coletivo (lato sensu), não econômico, deva resultar no dever de reparar.
Logo,
“[n]em só o indivíduo identificável pode ser titular de interesses
juridicamente tuteláveis [… ;] reconhece[-se] a existência de
interesses difusos de valor inestimável economicamente e que, se
lesados, devem naturalmente ser reparados” (Ministra Relatora
Nancy Andrighi. Recurso Especial 636.021/RJ 3.ª Turma. Data do
Julgamento 02.10.2008).

3 Do dano moral coletivo: a sua definição doutrinária e a
(des)necessidade do “abalo” da coletividade
361



O cabimento da responsabilidade civil pelos danos morais, de fato,
hodiernamente, vislumbra-se pacificado na doutrina e jurisprudência nos
principais ordenamentos que compõem o sistema romano-germânico. No
entanto, ao mesmo tempo, muito se discute quanto à possibilidade da extensão
da reparação moral a outros (v. g., pessoa jurídica) que não as pessoas físicas.
Da mesma forma, o reconhecimento do dano moral coletivo, seja pela
doutrina, seja pela jurisprudência, é algo controvertido – na verdade, em alguns
ordenamentos não se encontram vozes a favor ou contrárias a esta figura. Tal
fato, se justifica, não só pela estreita ligação que a doutrina, dos mais
diferentes ordenamentos, impõe ao “dano moral” como dano aos interesses
individuais, mas também, principalmente, pelo fato da tutela dos interesses
transindividuais corresponder a um fenômeno relativamente recente.
No entanto, o tema já teria sido levantado na doutrina francesa, nas
lições de Planiol e Ripert, em 1946 (p. 899), ao sugerirem que “o dano coletivo
pode ser entendido como aquele que sofre uma coletividade, sem o sofrer seus
membros, senão como tais e indiretamente”. No mesmo sentido, os irmãos
Mazeaud (1947: p. 721) reconheceram a possibilidade de um prejuízo coletivo,
admitindo, v. g., que “o sindicato profissional pode agir para buscar reparação
de um prejuízo que não lhe foi pessoalmente causado, ou que não é causado
somente a si a seus membros, mas sim à profissão que representa”.
Com efeito, com base no que foi analisado, preliminarmente, cumpre
dizer que, para se aceitar a reparabilidade do dano moral coletivo (ou difuso),
faz-se necessário admitir a existência de um patrimônio moral transindividual.
Trata-se do reconhecimento de que a “coletividade” é ente que, embora
despersonalizado, possui valores morais e um patrimônio ideal que merece
proteção (RAMOS, 1998: p. 81).
Nessa senda, busca-se a ampliação do conceito de dano moral,
deixando este de se restringir à alteração de um estado anímico, ou seja, a
equivaler à “dor psíquica” (dor física, tristeza, angústias, vergonha,
humilhação), – inerente às pessoas físicas – para, também, refletir o dever de
reparar quaisquer danos extrapatrimoniais (ou, não patrimoniais) de natureza
coletiva, com o fim de corresponder “ao anseio justo, legítimo e necessário
apresentado pela sociedade de nossos dias” (MEDEIROS, 2004: p. 134).
362



Não se pode olvidar que é no seio da própria concepção de sociedade
que se concentram os interesses coletivos – não acidentalmente chamados de
interesses sociais. Logo, numa modesta e simplista construção, diz-se que os
indivíduos se subsumem à coletividade, já que esta integram. O resultado
natural desta fórmula é que a proteção aos interesses transindividuais abrange,
ao menos reflexamente, o indivíduo na sua condição de membro da própria
comunidade. Daí, origina-se a importância desses interesses, que, conquanto
autônomos dos interesses pessoais, merecem a efetiva tutela jurídica que lhes
é despendida.
Em verdade, não se pode descurar o conteúdo axiológico presente nos
mais diversos exemplos de interesses coletivos ou difusos (v. g., a violação à
ofensa, à honra, à dignidade, à história, à boa reputação de uma comunidade
de índios). Quer-se, nessa senda, a identificação de um patrimônio moral à
coletividade, que, uma vez atingido, enseja a sua reparação.
Portanto, com supedâneo nos ensinamentos de Carlos Alberto Bittar
(1994: p. 50),
dano moral coletivo é a injusta lesão da esfera moral de uma dada
comunidade, ou seja, é a violação antijurídica de um determinado
círculo de valores coletivos. Quando se fala em dano moral coletivo,
está-se fazendo menção ao fato de que o patrimônio valorativo de
uma certa comunidade (maior ou menor), idealmente considerado, foi
agredido de maneira absolutamente injustificável do ponto de vista
jurídico: quer isso dizer, em última instância, que se feriu a própria
cultura, em seu aspecto imaterial.

Já quanto ao “abalo” coletivo, em termos jurídicos, se quer identificar a
(des)necessidade da comprovação do efetivo prejuízo causado a coletividade.
A questão que se coloca é a de saber se o dano propriamente dito (v. g. prova
objetiva de que a respeitabilidade social foi perdida; a comprovação probatória
que a imagem, a história, a cultura ou honra da comunidade foi efetivamente
abalada) deverá ser comprovado, ou por outro lado, o que importará para o
dever de reparar é a ocorrência da atividade lesiva (v. g. a simples violação à
honra, à imagem, à história e cultura daqueles indivíduos).
Para o fiel entendimento da supracitada discussão, neste momento,
cumpre destacar a diferença existente entre a lesão (atividade lesiva) e o dano
propriamente dito. Sabe-se, tradicionalmente, que o dano é o resultado
provocado pela lesão a algum direito ou bem; por esse ponto de vista, a
363



atividade lesiva, impõe-se como mero antecedente causal, já que o que será
indenizável é a consequência danosa. Todavia, modernamente, há quem
defenda que, diante do dano não patrimonial, deve-se fazer uma releitura em
torno da atividade lesiva do responsável, uma vez que, v. g., a ofensa à honra
em si, independentemente do prejuízo emocional que essa ofensa tenha
causado no espírito do ofendido, bastará para que surja o dever de indenizar
(ANDRADE, 2009: p. 40).
Assim, defende-se que o pressuposto dano, na responsabilidade civil
não patrimonial, encontrar-se-ia situado na própria atividade lesiva, ocorrendo
uma espécie de dano normativo, o qual não necessariamente resultará em
uma alteração do estado anímico do lesado e será exposto a parti r da conduta
lesiva a uma classe especial de direitos (ANDRADE, 2009: p. 42) – é dizer-se:
o dano moral coletivo se concentra na violação do patrimônio moral da
coletividade (protegido pelas regras que tutelam os interesses difusos ou
coletivos), dispensando, neste contexto, a comprovação do efetivo prejuízo do
“abalo” da coletividade. Trata-se da consagração do chamado dano in re ipsa
(“do próprio fato”)
47
.
É com base nessa doutrina – do dano como atividade lesiva – que boa
parte dos estudiosos assenta o seu posicionamento sobre o dano moral
coletivo. Para eles, o dano propriamente dito deverá ser presumido, “devendo-
se responsabilizar o agente pelo simples fato da violação (damnum in re ipsa)”
(BITTAR, 1994: p. 50). A essa corrente, ainda, alinha-se o posicionamento de
André de Carvalho Ramos (1998: p. 84), que, invocando as lições do próprio
Bittar, conclui que os danos morais coletivos gozam de presunção absoluta, o
que deve ser comprovado é a existência uma situação fática que,
presumidamente, seja passível de causar o dano à coletividade
48
.
Por outro lado, mesmo que minoritariamente, ecoam vozes no sentido
de negar a possibilidade da presunção do dano moral coletivo. Com isso, quer-
se que o ferimento do interesse moral coletivo seja configurado na medida em
que se constate “o abalo, a repulsa, a indignação ou mesmo a diminuição da

47
O STJ já reconheceu que o dano moral é presumido, dentre outros, nos seguintes casos: a)
negativação indevida do nome; b) atraso de voos (Overbooking); c) responsabilidade bancária;
e) danos não patrimoniais à pessoa jurídica; f) emissão de diploma sem reconhecimento.
48
“[A] dor psíquica ou, de modo mais genérico, a afetação da integridade psicofísica da pessoa
ou da coletividade não é pressuposto para caracterização do dano moral coletivo” (RAMOS,
1998: p. 84).
364



estima, infligidos e apreendidos em dimensão coletiva (por todos os membros),
entre outros efeitos lesivos” (MEDEIROS, 2004: pp. 136-137).
Esse posicionamento foi sublinhado pelo Superior Tribunal de Justiça
brasileiro – contudo, não se pode atestar ser esta a posição predominante
naquela colenda corte –, em decisão prolatada pelo Ministro Relator Luiz Fux,
a qual negou provimento ao recurso interposto pelo Ministério Publico do Ri o
Grande do Sul, sob o fundamento que ele não conseguiu comprovar que
ausência de licitação dá ré (Município de Uruguaiana) gerou abalo à
coletividade
49
.
Independentemente de qual corrente se adotar, o que se pode verificar é
que, para se fazer jus ao dano moral coletivo, deve ser constatado um dano
grave no patrimônio imaterial da coletividade, ao ponto que se mereça a tutela
do direito
50
, ou seja, “é imperioso que se apresente o dano como injusto e de
real significância, usurpando a esfera jurídica de proteção à coletividade, em
detrimento dos valores (interesses) fundamentais do seu acervo” (MEDEIROS,
2004: pp. 136-137).

4 Previsão legal no direito brasileiro e os principais casos
jurisprudenciais
É cediço que o tema em análise conjuga diversas discussões, contrárias
e favoráveis, acerca da possibilidade de sua concessão. No entanto, é bem
verdade que, da análise do próprio sistema normativo brasileiro, torna-se claro
que o dano moral coletivo encontra-se expressamente consagrado nesse
ordenamento (BESSA, 2006: p. 84).
Preliminarmente, cumpre averiguar que o artigo 5º, inciso V, da
Constituição Federal, para a concretização do dano moral, não restringe a
violação à esfera individual do individuo, o que impossibilitará a alegação de
que as disposições a serem expostas padecem de inconstitucionalidade.
Assim, em temos de legislação ordinária, contempla-se, inicialmente, o
disposto no artigo 6º da legislação consumerista, que enumera, dentre outros

49
Recurso Especial nº 821.891/RS. Ministro Relator Luiz Fux. Data do Julgamento 12.05.2008.
50
“Quando se fala em dano moral coletivo, está-se fazendo menção ao fato de que o
patrimônio valorativo de uma certa comunidade foi atingido de maneira absolutamente
injustificável do ponto de vista jurídico”. Recurso Especial 821.891/RS. Ministro Relator Luiz
Fux. Data do Julgamento 12.05.2008.
365



direitos básicos do consumidor, a possibilidade de reparação por danos
patrimoniais e morais provenientes de lesões individuais ou transindividuais
(difusos, coletivos), in verbis:
Art. 6º São direitos básicos do consumidor: (...) VI – a efetiva
proteção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais,
coletivos e difusos; (...) VII – o acesso aos órgãos judiciários e
administrativos, com vistas à prevenção ou reparação de danos
patrimonias e morais, individuais, coletivos e difusos. (grifou-se).

Nesse mesmo sentido, o legislador ainda prescreve, no artigo 81 (norma
de caráter processual), que “[a] defesa dos interesses e direitos dos
consumidores e das vítimas poderá ser exercida em juízo individualmente, ou a
título coletivo” (grifou-se).
Porém, o dano moral coletivo fica mais evidenciado pela leitura do artigo
1º da Lei nº 7.347/85 (Ação Civil Popular), uma vez que o artigo 88 da Lei nº
8.884/94 deu nova redação ao artigo 1º da referida lei, dispondo,
expressamente, ser possível a reparação por danos morais e patrimoniais
causados a qualquer espécie de direito difuso ou coletivo (inciso IV ao artigo 1º
da Lei 7.347/85).
Portanto, além da condenação pelos danos materiais causados ao
consumidor, ao meio ambiente ou a qualquer outro interesse coletivo, caberá a
responsabilização do agressor pelo dano moral decorrente da violação de tais
direitos. O legislador almejou, com isso, “por inexistir no campo material […]
uma teoria própria e sedimentada dos direitos metaindividuais”, estender o
instituto do dano moral – até então, intrínseco ao interesse individual – aos
interesses transindividuais, considerando o seu caráter não patrimonial e
inerente valor social (BESSA, 2006: pp. 78-79 e 84).
Com relação ao reconhecimento do dano moral coletivo em juízo, ainda
hoje há grande controvérsia, já que a própria jurisprudência do Superior
Tribunal de Justiça é oscilante, ora admitindo, ora negando a possibilidade da
sua configuração.
Aqueles que negam a possibilidade da configuração do dano moral
coletivo (ministro Francisco Falcão
51
, ministro Teori Albino Zavasck
52
– hoje

51
Recurso Especial 598281/MG, 1.ª Turma. Data do julgamento 01.06.2006.
52
Recurso Especial 971844/RS, 1.ª Turma. Data do julgamento 03.12.2009.
366



compõe o Supremo Tribunal Federal – e ministro Hamilton Carvalhido
53
)
baseiam-se, dentre outros argumentos, na vinculação do dano moral aos
interesses individuais.
Em 2006, por exemplo, um caso que se referia a dano ambiental
cometido pelo município de Uberlândia (MG) por uma empresa imobiliária,
durante a implantação de um loteamento, entendeu o ministro relator Teori
Albino Zavascki que
[n]ão existe ‘dano moral ao meio ambiente’. Muito menos ofensa
moral aos mares, rios, à Mata Atlântica ou mesmo agressão moral a
uma coletividade ou a um grupo de pessoas não identificadas. A
ofensa moral sempre se dirige à pessoa enquanto portadora de
individualidade própria; de um vultus singular e único” (grifou-se)
(REsp nº 598.281).

No entanto, a partir de 2009, diversas decisões admitindo a ocorrência
do dano moral coletivo foram verificadas (ministra Eliana Calmon
54
, ministro
Benedito Gonçalves
55
, ministra Nancy Andrighi
56
, ministro Luiz Fux
57

atualmente ministro do Supremo Tribunal Federal), sob o argumento de que,
uma vez atingindo valores e interesses fundamentais de um grupo, não há
como negar o interesse da coletividade à defesa do seu patrimônio imaterial.
Assim, v. g., ressaltou a ministra Eliana Calmon ser “evidente que uma
coletividade pode sofrer ofensa à honra, à sua dignidade, à sua boa reputação,
à sua história, costumes e tradições” (Recurso Especial 1057274/RS, 2.ª
Turma. Data do julgamento 02.04.2009).
O principal precedente a favor da matéria foi formulado em 2007, pela
Ministra Nancy Andrighi; o julgamento, emblemático, contou com uma intensa
manifestação pública, ficando conhecido como “caso da pílula da farinha”.
Trata-se de ação proposta pela Fundação de Proteção e Defesa do
Consumidor (PROCON/SP) e o Estado de São Paulo contra a SCHERING do
Brasil, requerendo a condenação desta última (laboratório farmacêutico) ao
pagamento de danos morais coletivos no valor de R$ 1 milhão, em decorrência
da colocação no mercado do anticoncepcional Microvlar sem o princípio ativo,

53
Agravo Regimental no Recurso Especial 1109905/PR, 1.ª Turma. Data do julgamento
22.06.2010.
54
Recurso Especial 1057274/RS, 2.ª Turma. Data do julgamento 02.04.2009.
55
Recurso Especial 1029927/PB, 1.ª Turma. Data do julgamento 02.04.2009.
56
Recurso Especial 821891/RS. 1.ª Turma. Data do Julgamento 12.05.2008.
57
Recurso Especial 598281/MG 1.ª Turma. Data do Julgamento 02.06.2006.
367



o que ocasionou a gravidez de um número não identificado de consumidoras. A
empresa supracitada, logo em primeira instância, por meio da competente ação
civil pública, foi condenada ao pagamento dos danos morais coletivos em
virtude de seu ato ilícito ter afrontado diversos direitos básicos do consumidor,
tais quais, a segurança e o direito de informação que estes possuem. Portanto,
desse ato ensejaria o direito à compensação pelos danos morais sofridos
(artigo 6º, inciso VII, combinado com o artigo 81, ambos do Código de Defesa
do Consumidor). Os danos morais causados à coletividade foram confirmados
em sede recursal, tanto através de Apelação Cível, bem como, por
unanimidade, no Recurso Especial nº 866.636/SP.

5 Considerações finais
Pode se observar, inicialmente, com o presente trabalho, que os
interesses ou direitos coletivos (lato sensu) são decorrente de movimento
sociais que surgiram a partir da década de 50 para 60. Trata-se de interesses
que não se enquadram nos ramos tradicionais do direito (público e privado),
sendo, por isso, reconhecidos como um tertium genus, por sua vez
denominado interesses sociais. É nesse sentido que, com o desenvovimento
normativo destes interesses transindividuais, identificou-se, na doutrina, a
necessidade de uma repartição desta estrutura, o que resultou na origem de
seus subtipos: interesse difuso; coletivo (stricto sensu) e individual homogêneo.
Consolidada a estrutura dos interesses coletivos, argumentou-se
largamente em torno do dano moral coletivo. Assim, reconheceu-se o
pioneirismo do direito brasileiro em dispor sobre a matéria no artigo 1º da Lei nº
7.347/85 – embora tenha sido objeto de deliberação por autores franceses e,
também, contemplado pelo ordenamento jurídico argentino. Em termos
conceituais, diz-se que os danos morais coletivos são todas as lesões à esfera
moral de uma comunidade – aglomeração de indivíduos que se encontram em
determinado território e se unam por um fato comum ou por interesses de
cunho cooperativo ou econômico –, ou seja, é a violação ilícita de determinado
círculo de valores coletivos.
Nesse sentido, conclui-se que o dano moral coletivo não se confunde
com o dano moral individual. Diferenciam-se, dentre outros motivos, pelo fato
do dano moral coletivo configurar-se a partir de uma lesão a valores da
368



coletividade que não se confunde com aquelas violações aos direitos pessoais
dos integrantes da comunidade, quando individualmente considerados (dano
moral individual). É dizer-se: cada indivíduo possui a sua carga valorativa, mas,
também, à coletividade, por ser formada pelo conjunto de indivíduos,
corresponde uma dimensão axiológica. Por este motivo, pugna-se em prol da
alteração terminológica que prevalece na matéria, sugerindo o uso da
designação dano não patrimonial transindividual.
Quanto ao “abalo” coletivo, conclui-se que ele não será conditio sine qua
non para que nasça o dever de reparar. O que importará para que surja a
obrigação de indenizar é a ocorrência da atividade lesiva (v. g. a simples
violação à honra, à imagem, à história e à cultura daqueles indivíduos). O dano
moral coletivo se concentra na violação do patrimônio moral da coletividade
(protegido pelas regras que tutelam os interesses difusos ou coletivos),
dispensando, neste contexto, a comprovação do efetivo prejuízo do “abalo”
daquela (dano in re ipsa).
O dano moral coletivo apresentará uma dupla função: compensatória
para a coletividade e punitiva para o ofensor. Assim, será fundamental que o
direcionamento da parcela pecuniária reverta, mesmo que indiretamente, em
benefício da própria coletividade. Por esse motivo, vislumbra-se a importância
de um Fundo ao qual se destinem essas verbas para melhorias ou
conservação do interesse lesado.
Conclui-se, pois, pelo relevante papel exercido pelo dano moral coletivo
no processo de desenvolvimento humano, uma vez que ao se salvaguardar
interesses (valores) de uma comunidade, se tutelará o próprio homem em seu
viés coletivo.

Referências Bibliografia
ALVIM, Agostinho. Inexecução das Obrigações e suas Conseqüências. Rio de
Janeiro: Ed. Jurídica e Universitária, 1965.
ANDRADE, André Gustavo. Dano moral e indenização punitiva. 2ª ed. Rio de
Janeiro: Lumen Juris, 2009.
BENJAMIN, Antonio Herman V.; MARQUES, Claudia Lima; BESSA; Leonardo
Roscoe. Manual de direito do consumidor. 5ª ed. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 2013.
369



BESSA, Leonardo Roscoe. “Dano moral coletivo”. Revista dos Tribunais:
Revista de Direito do Consumidor. v. 59. pp. 78-102. Jul. 2006.
BITTAR, Carlos Alberto. “Do dano moral coletivo no atual contexto jurídico
brasileiro”. Revista dos Tribunais: Revista do Direito do Consumidor, vol. 12, p.
44-62, out. 1994.
CANOTILHO, J. J. Gomes. Constituição da República Portuguesa anotada.
Artigos 1º a 107º. v. 1. 4ª. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 2007.
CAVALIERI FILHO, Sergio. Programa de Responsabilidade Civil. 6ª. ed. São
Paulo: Malheiros, 2005. p. 38.
CHEVALLIER, Jacques. L’association entre le public et le privé. Revue du droit
public, n.º 4, p. 900. 1981.
DE PLÁCIDO E SILVA. Vocabulário jurídico. 15ª. ed. Atual. Nagib Slaibi Filho e
Gerardo Magela Alves. Rio de Janeiro: Forense.
LEONEL, Ricardo de Barros. Manual do Processo Coletivo. 3ª ed. São Paulo:
Revista dos Tribunais, 2013.
MANCUSO, Rodolfo de Camargo. “Interesses Difusos: Conceito e Colocação
no quadro geral dos ‘interesses’”. Revista dos Tribunais: revista de Processo, v.
55, p. 165-179, jul. 1989.
_______. “Interesses Difusos e Coletivos”. Revista dos Tribunais: revista de
Direito do Consumidor, v. 22, pp. 36-53, abr. 1997.
_______. Interesses difusos: conceito e legitimação para agir. 7ª ed. São
Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.
MARTINS, António Payan. Class Actions em Portugal ? Para uma análise da
Lei n.º 83/95, de 31 de Agosto Lei de Participação Procedimental e de Acção
Popular. Lisboa: Cosmo, 1999.
MAZEAUD, Henri; MAZEAUD, Leon. Traité Théorique et Pratique de la
Responsabilité Civile. v. II. Paris: Recueil Sirey, 1947.
MAZZILLI, Hugo Nigro. “Interesses coletivos e difusos”. Revista dos Tribunais,
v. 668, pp. 47-59, jun. 1991.
MEDEIROS, Xisto Tiago de. Dano moral coletivo. São Paulo: LTr, 2004.
MIRANDA, Marcos Paulo de Souza. “Configuração e indenizabilidade de danos
morais coletivos decorrentes de lesões a bens integrantes do patrimônio
cultural brasileiro” Revista dos Tribunais: Revista de Direito Ambiental, vol. 54,
pp. 229-246, abr. 2009.
MOREIRA, José Carlos Barbosa. "Tutela Jurisdicional dos Interesses Coletivos
ou Difusos", in: Temas de Direito Processual (Terceira Série). São Paulo:
Saraiva, 1984.
MONTEIRO, Jorge Sinde. Estudos sobre a Responsabilidade civil. I e II.
Coimbra: Editora Coimbra, 1983.
PLANIOL, Marcel; RIPERT, Georges. Tratado Practico de Derecho Civil. (trad.
Mario Diaz Cruz) Havana: Cultural S.A., 1946.
370



RAMOS, André de Carvalho. “A ação civil pública e o dano moral coletivo”.
Revista dos Tribunais: Revista de Direito do Consumidor, v. 25, pp. 80-88, jan.
1998.
SILVA, F. Nicolau Santos. Os interesses supra-individuais e a legitimidade
processual activa. Lisboa: Quid Juris? D. L., 2002.
STIGLITZ, Gabriel A. “Dano Moral Individyal y Coletivo. Revista dos Tribunais:
Revista de Direito do Consumidor, nº. 19, pp. 68-74. jul-set, 1996.
VARELA, João de Matos Antunes. Das Obrigações em Geral. 10ª ed. v. I.
Coimbra: Almedina, 2000.


371




XVIII Seminário Acadêmico da APEC
02 a 04 de julho de 2013, Barcelona, Espanha








MANUAL ESCOLAR: UM OBJETO DE ESTUDO
POSSÍVEL PARA AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS





Vítor Lopes Andrade
Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita
Filho” (UNESP)


2013
372



Manual escolar: um objeto de estudo possível para as
Relações Internacionais
Vítor Lopes Andrade
Graduando em Relações Internacionais
Bolsista FAPESP
UNESP – Brasil
vitorlandrade@yahoo.com.br

Resumo
O objetivo desse trabalho é argumentar que o manual escolar, principal
instrumento utilizado na educação formal dos dias de hoje, pode ser estudado
a partir do prisma de análise das Relações Internacionais. O construtivismo
será apresentado como possibilidade teórica para se atingir tal objetivo.
Palavras-chave: manual escolar, Relações Internacionais, construtivismo.

Abstract
The objective of this paper is arguing that the manuals used in the schools may
be studied by the International Relations area. Constructivism is presented as a
theoretical possibility to achieve this goal.
Keywords: textbook, International Relations, constructivism.

Introdução
Os estudos sobre cultura e ideologia no campo científico das Relações
Internacionais foram, durante muito tempo, marginalizados e considerados
como não tendo relevância. Esse posicionamento vem a se alterar, entretanto,
com o chamado “Terceiro Debate” das RI, no qual surgem as teorias pós-
positivistas a lutar pelo seu espaço na disciplina, elegendo outros objetos –
além daqueles restritos ao âmbito do político, do econômico e do jurídico –
como sendo passíveis de análise nos fenômenos internacionais.
Surge a possibilidade, portanto, de se estudar os manuais escolares no
âmbito das Relações Internacionais, uma vez que esses livros são o
instrumento mais utilizado na educação formal nos dias de hoje. Sendo a
escola um local privilegiado de socialização dos indivíduos, é de se esperar
que ela seja estudada também pelos acadêmicos da área de Relações
Internacionais, para além daqueles ligados aos campos da História, da
Pedagogia, da Sociologia, etc.
373



A importância da escola está no fato de que ela pode criar, nos alunos,
visões de mundo, ou cosmovisões. De acordo com Martins: “[as cosmovisões]
estão inseridas no simbolismo de uma cultura e influenciam profundamente os
modos de pensar e de falar” (2007, p. 15). E esse papel de criar imaginários é
feito, nas escolas, essencialmente pelos manuais didáticos. Assim, no que se
refere especificamente às relações internacionais, os manuais podem criar ou
reproduzir representações do exterior: valorações positivas de países tidos
como desenvolvidos, depreciação de certos hábitos culturais não ocidentais,
etc, o que influenciará a visão de mundo que os alunos terão acerca do cenário
internacional.
Dentre as teorias pós-positivistas das Relações Internacionais, o
construtivismo deve ser destacado ao se estudar os manuais escolares, uma
vez que essa teoria afirma que a realidade é uma construção social e não um
dado empírico, predeterminado. Nesse contexto, a abordagem de Friedrich
Kratochwil é, em especial, interessante, já que o autor evidencia o papel da
linguagem nessa construção social acerca da realidade: “o mundo é construído
pelos discursos que utilizamos para nos referirmos a ele” (KRATOCHWIL,
1995, apud CAMARGO, 2009, p. 26).

O desenvolvimento histórico da disciplina de Relações Internacionais e o
papel da cultura
A área acadêmica das Relações Internacionais é recente na história
mundial, em especial quando comparada a outros campos do conhecimento,
como, por exemplo, o Direito
58
. Seu aparecimento remonta aos anos
imediatamente seguintes à Primeira Guerra Mundial, em universidades do
Reino Unido, apesar de as relações internacionais entendidas como contato
entre diferentes grupos socialmente organizados serem, obviamente, bem mais
antigas (SEITENFUS, 2004, p. xxv).
Conforme mostram Nogueira e Messari (2005), o modo convencional de
se apresentar a evolução da disciplina de Relações Internacionais é através de
três grandes debates. O primeiro deles foi de caráter ontológico, isto é,
discutia-se sobre o que deveria ser estudado por essa área. Assim, de um lado

58
Sombra Saraiva denomina as Relações Internacionais como “recente matéria acadêmica
marcada por crescente relevância no Brasil e no mundo” (SARAIVA, 2007, p. 1)
374



estavam os liberais, que defendiam o estudo de como tornar o mundo mais
pacífico, ou seja, de como deveria ser o mundo. Em contraposição a este
grupo estavam os realistas, preocupados, essencialmente, em como os
Estados poderiam garantir sua sobrevivência em um sistema internacional
anárquico, sem um poder central. Estes, portanto, acreditavam ser necessário
o estudo de como a política realmente é, ao invés de centrar suas reflexões na
preocupação normativa dos liberais. Com o advento da Segunda Guerra
Mundial, em que a lógica da sobrevivência dos Estados se fazia necessária, os
realistas acabaram sendo considerados os vencedores deste primeiro
enfrentamento na disciplina.
O segundo grande debate se caracterizou por ser de caráter
metodológico, e não ontológico como o primeiro: agora a questão não era mais
o que se estudar nas Relações Internacionais, e sim como estudar. Essa
discussão se inseriu no contexto da revolução behaviorista, que acometia as
Ciências Sociais em geral. Assim, os behavioristas (ou realistas científicos)
criticavam os tradicionalistas (isto é, os realistas clássicos), pela falta de rigor
metodológico de seus trabalhos.
Por fim, o último debate surge a partir de um artigo publicado por Yosef
Lapid
59
, em 1989, em que o próprio autor aponta para a existência de um
terceiro debate nas Relações Internacionais (NOGUEIRA e MESSARI, 2005, p.
7)
60
. Para Lapid trata-se, mais uma vez, de uma questão ontológica, como a
primeira que havia ocorrido. Agora, no entanto, as partes envolvidas são
outras: de um lado, os positivistas, isto é, os realistas e liberais (e seus
herdeiros neorrealistas e neoliberais); de outro, os chamados pós-positivistas,
com novas abordagens e temáticas para as Relações Internacionais e com um
posicionamento crítico em relação aos positivistas.
Levando-se em consideração esses três debates – que, conforme já foi
sinalizado, caracterizam a maneira convencional de se expor a evolução
histórica da disciplina de Relações Internacionais – dois pontos devem ser
levantados.

59
Doutor em Ciência Política pela Columbia University (1981) é professor da New Mexico State
University desde 2001.
60
O artigo mencionado é: LAPID, Y. “The Third Debate: On the Prospects of International
Theory in a Post-Positivist Era”. International Studies Quarterly, v. 33, n. 3, p. 235-254, 1989.
375



O primeiro ponto é que, ao se analisar esses debates, percebe-se a
predominância que as teorias realista e liberal (e suas versões reformuladas,
ou seja, teoria neorrealista e o neoliberalismo), em especial a primeira,
historicamente tiveram na disciplina Relações Internacionais. Essa constatação
se faz importante e necessária, pois evidencia que devido a essa
predominância de uma abordagem teórica – o realismo – no desenvolvimento
histórico das Relações Internacionais, algumas temáticas foram eleitas como
sendo “legítimas” das RI, enquanto outras não foram, durante muito tempo,
entendidas como relevantes para este campo de estudos. Assim, analisar o
comportamento dos Estados, considerados como os únicos atores das
relações internacionais (isto é, sem se analisar a importância da mídia, de
organizações não governamentais, de instituições religiosas, etc, como outros
relevantes atores internacionais), em um sistema internacional anárquico, ou
seja, sem um poder central e caracterizado pelo conflito, foi tido como um tema
de high politics pelos realistas clássicos. Ao mesmo tempo, estudar a temática
cultural dentro das Relações Internacionais foi, por um longo período,
considerado desnecessário ou mesmo irrelevante pelo mainstream dessa área
acadêmica.
Theories of international relations have traditionally found culture a
difficult concept to deal with. Recently, however, it appears as if there
is a “return” of culture in international relations. But if “questions of
culture and identity have been always part and parcel of our analysis
of the social world”, as Friedrich Kratochwil suggests, this raises
questions not only about the meaning and potential of their explicit
“return(s)” to the discipline of international relations but also previous
periods of “amnesia”. (JAHN, 2004, p. 27)

Daí surge o segundo ponto, que é justamente a importância, dentro dos
três debates, do último deles: “Podemos falar no Terceiro Debate como uma
sequência de movimentos de questionamento e crítica às teorias estabelecidas
na área, com o intuito de abrir campo para novas perspectivas” (NOGUEIRA e
MESSARI, 2005, p. 14). Esta última discussão reflete, portanto, a reivindicação,
por parte das teorias pós-positivistas, quais sejam, o construtivismo, o pós-
modernismo, o pós-colonialismo, entre outras, da relevância de se estudarem
outros temas nas Relações Internacionais, ou seja, da inclusão de outros
assuntos na agenda das RI, como a identidade, o feminismo, o pós-
colonialismo, a cultura:
376



Qualquer observador menos desatento terá notado as crescentes
críticas às explicações das relações internacionais sustentadas
exclusivamente no papel da economia, da política e do jurídico. As
relações internacionais passaram a inscrever-se no movimento mais
amplo da cultura, dos valores, das identidades, da dimensão
ecológica e de tantos outros fatores que não vinham sendo
considerados até décadas recentes. (SARAIVA, 2007, p. 2).

Das novas temáticas incluídas no âmbito da área acadêmica das
Relações Internacionais, a que será ressaltada, neste artigo, é a cultura, já que
o objetivo é mostrar que os manuais escolares podem criar e/ou reproduzir
representações do exterior – valorações positivas de países tidos como
desenvolvidos, depreciação de certos hábitos culturais não ocidentais, etc – o
que influenciará a visão de mundo que os alunos terão acerca do cenário
internacional.
A importância de se estudar cultura nas Relações Internacionais está no
fato de que ela pode ser considerada como um assento de poder, como
evidencia Estevão Martins, em seu livro “Cultura e Poder” (MARTINS, 2007).
Para esse autor, as ideias são a força motriz do processo cultural, sendo que
esse processo fornece consistência, ou resistência, à afirmação dos indivíduos
e dos grupos na realidade histórica das sociedades (2007, p. 7). São as ideias
– ou seja, o conjunto de convicções, opiniões, motivos, etc, ao qual se
denomina ideias – que pautam as ações e influenciam o agir humano, seja
individual, seja coletivo: “A articulação do plano das ideias, formador do campo
cultural, com o da ação, estruturador do exercício do poder, medeia as relações
pessoais ou sociais, sempre que elas afetam o cotidiano de cada um, seja ele
indivíduo, grupo ou comunidade” (MARTINS, 2007, p. 8).
Portanto, as ideias se referem ao universo das possibilidades de agir.
Essas possibilidades, por sua vez, estão inseridas no simbolismo de cada
cultura, influenciando, profundamente, os modos de pensar. Assim, para
Martins, a essência do poder da cultura está na força que as ideias,
influenciadoras do agir humano, possuem:
As ideias são, assim, um fator cultural de poder enquanto
cosmovisões, crenças consolidadas e atuantes, preferências
motivadoras e opiniões mobilizadoras. Elas provocam impacto sobre
a ação dos indivíduos e de grupos sobre políticas e seus
fundamentos, ao influenciá-las como diretrizes de comportamento e
como plano de mediação de divergências e conflitos. (MARTINS,
2007, p. 23).

377



Na evolução histórica da disciplina de Relações Internacionais,
entretanto, como já foi afirmado, a cultura não possuiu um lugar privilegiado
nas análises. Isso não significa, no entanto, que a cultura não tenha sido usada
para fins políticos: “Ela nunca foi, realmente, posta de lado, porque se trata de
uma importante ferramenta para o poder político. Não revelar este poder,
todavia, torná-lo invisível, não significa que não tenha sido explorado com
grande êxito” (ROCHA, 2009, p. 231). Um exemplo de como a cultura pode ser
utilizada para objetivos políticos, de acordo com Depkat (2004), é visto no
imperialismo estadunidense:
Defining culture as products of art in the broadest sense can lead to
debates about cultural imperialism and the attempts of one nation to
impose its cultural goods as well as its ideology and way of life on
another country. This becomes particularly obvious in the numerous
studies on the role of U.S. cultural diplomacy after 1945 and its effect
on the minds of people abroad. Scholars writing in the early postwar
period deplored the absence of an aggressive U.S. cultural foreign
policy. But more recent studies have retraced a deliberate effort on
the part of American policymakers to spread American culture in
Europe to secure the American influence, manipulate consumers
abroad, and expand the national market. (DEPKAT, 2004, p. 178-
179).

Beate Jahn (2004) argumenta que essa “amnésia” acerca da cultura nas
teorias hegemônicas de Relações Internacionais não significa que a temática
esteja ausente na área, mas sim que ela foi posta em uma posição de
invisibilidade. Isso aconteceu devido ao fato de a cultura constituir o “Outro” ao
conceito central no qual a disciplina foi construída: o Estado de Natureza
(JAHN, 2004, p. 28).
Os autores clássicos (como Hobbes, Rousseau
61
, que são a base das
teorias dominantes de Relações Internacionais) escreveram suas teses tendo
como premissa um suposto Estado de Natureza empírico, fundamentados, em
grande parte, pelo contato estabelecido entre europeus e povos pré-
colombianos na “descoberta” do chamado Novo Mundo.
Uma das primeiras questões que surge para os europeus durante esse
contato é sobre a natureza dos índios: eles eram humanos? De fato, em seu
texto “Ler a diferença” (2000), Edward Lopes mostra que o primeiro olhar que

61
O filósofo inglês Thomas Hobbes e o filósofo suíço Jean-Jacques Rousseau foram,
juntamente com o também filósofo inglês John Locke, os três principais “contratualistas”.
Apesar das especificidades da teoria de cada um dos três, todos postulam que a passagem do
Estado de Natureza para a sociedade organizada havia sido através de um contrato social, isto
é, um acordo entre a população e o soberano.
378



os europeus dirigiram aos nativos da América foi um olhar de estranhamento,
ou seja, privilegiou-se o que era visto de diferente, de estranho, de exótico
naqueles seres que habitavam as “novas” terras: “o recém-chegado não
enxergou à primeira vista nos objetos daqui parcialidades iguais aos objetos-
tipo de lá; ele enxergou, apenas, parcialidades diferentes” (LOPES, 2000, p.
14). A questão, portanto, é “ler a diferença”, como coloca Lopes (2000); e vai
ser em relação ao corpo do Outro, do índio, em que essa diferença será
primeiramente vista.
“São diferenças que se infiltram desde o início por toda a parte onde
venham a se confrontar o nu e o vestido” (LOPES, 2000, p. 17). De fato, como
mostra Todorov: “A primeira referência aos índios é significativa: ‘Então viram
gentes nuas...’. É bastante revelador que a primeira característica desta gente
que chama a atenção de Colombo seja a falta de vestimenta – que, por sua
vez, são símbolos de cultura” (TODOROV, 2003, p. 48). Uma vez que estavam
desprovidos de roupas, Colombo vai constatar que os índios também não
possuíam cultura: não havia costumes, ritos nem religião. Todorov (2003, p. 49)
evidencia que essa associação era lógica para um indivíduo como Colombo,
cujo pensamento se fazia dentro da Igreja Católica e para quem, portanto, os
humanos passaram a se vestir quando foram expulsos do Paraíso. Nesse
sentido, Lopes postula que a falta de roupas leva à ideia de “inocência” dos
índios (2000, p. 18).
Apesar da ausência de roupas que, ao ver dos conquistadores
europeus, significava também a falta de cultura, os índios foram considerados
como sendo seres humanos para que um dos objetivos principais da Conquista
fosse atingido: a cristianização dos nativos. No entanto, considerá-los seres
humanos, para que pudessem ser cristianizados, não resolvia outra questão
que se colocava para os europeus: se eram também humanos, por que eram
tão diferentes dos povos da Europa? Por que “não possuíam cultura”?
The Spaniards thus made an ontological assumption – all human
beings had to have reason – on the basis of their religious belief. In
the state of nature, all human beings were universally endowed with
the potential for reason. But this potential needed to be developed
and, thus, cultural differences could be explained […]. (JAHN, 2004,
p. 29).

379



Portanto, a “solução” encontrada pelos espanhóis foi considerar que os
índios pertenciam ao Estado de Natureza, no qual apesar de serem dotados de
potencial de razão (e, por isso, considerados seres humanos, como os
europeus), precisavam ainda desenvolver esse potencial (e, devido a isso,
eram tão diferentes dos europeus, isto é, “não possuíam cultura”). Essa
arquitetura teórica trouxe duas consequências, de acordo com Jahn (2004): a
primeira foi a crença de que os ameríndios representavam historicamente o
Estado de Natureza, o que foi a base para o desenvolvimento do pensamento
social como sendo “ciência natural”, ao invés de construções teóricas; a
segunda é que o conceito de Estado de Natureza introduziu uma história da
humanidade de forma linear (os ameríndios representavam o mais baixo
estágio na escala temporal do desenvolvimento humano), ou seja, a ideia de
evolucionismo cultural unilinear, defendida, na Antropologia, por Edward Tylor.
Essa linearidade, em que os europeus ocupavam o lugar mais elevado, levou à
legitimação de objetivos políticos, a partir do suposto Estado de Natureza
empírico: a justificação de que o Estado e a propriedade privada estavam de
acordo com a lei natural da História.
It is the substantive content of this concept of the state of nature – the
identification of nature, reason, and morality – which constituted the
social sciences originally as “natural sciences”. Any social theory,
then, as for instance, traditional international relations theory, which
uses the concept of the state of nature in an unreflected way, is drawn
into this internal logic: a logic in which the particular definition of the
contents of the state of nature will be read back into “reality” and
presented as “naturally” constituting certain ethico-political goals
(JAHN, 2004, p. 31)

Para Jahn (2004, p. 31), portanto, a alegação de que certos conceitos
(como o Estado de Natureza) são considerados como evidências empíricas, ao
invés de construções culturais, constitui o poder da cultura nas Relações
Internacionais:
For what we find there is that the assumption of a universal state of
nature identified with reason and morality was not derived from
empirical evidence; on the contrary, it was culturally peculiar concept
derived from religious belief, and only subsequently read back into
Amerindian societies. (JAHN, 2004, p. 31).

Percebe-se, assim, como uma construção social acerca do suposto
Estado de Natureza empírico constitui-se em poder, já que justificou, por
exemplo, o programa de colonização nas Américas. É nesse sentido que se
380



evidencia como a cultura – isto é, as concepções simbólicas que são criadas e
compartilhadas por indivíduos – deve ser entendida em termos de poder, como
afirma Martins (2007).
Um autor importante nas Relações Internacionais a falar da cultura,
especificamente do componente cultural do poder, é o estadunidense Joseph
Nye Jr
62
. Em 2002, Nye – influenciado pelos ataques terroristas de 11 de
setembro de 2001 – publica o livro “O paradoxo do poder americano: por que a
única superpotência do mundo não pode prosseguir isolada”. De acordo com o
autor, os ataques foram um alerta para os EUA: evidenciaram que este país,
apesar de seu papel hegemônico no cenário mundial, não é invulnerável, como
até então se podia pensar. Tendo, portanto, esse contexto histórico, Joseph
Nye irá defender que seu país necessita aumentar o uso do soft power para
que sua hegemonia não seja abalada.
O soft power, ou poder brando, é a força de atração ideológica e cultural
que um Estado, ou uma organização, possui. É o poder de cooptação, a
capacidade de sedução e atração, diferentemente do hard power, ou poder
bruto, que é o poderio militar, de coação. Nas palavras do próprio Nye, é
conseguir fazer com que os outros façam o que você quer que seja feito: “Se
eu conseguir levá-lo a querer fazer o que eu quero, não precisarei obrigá-lo a
fazer o que você não quer. Se os Estados Unidos representarem valores que
os outros queiram adotar, a liderança nos custará menos” (2002, p. 37).
Portanto, o poder brando age em um nível ideológico, fazendo com que os
valores sejam compartilhados, de uma forma que, muitas vezes, não se
questione ou se reflita sobre este compartilhamento.
É necessário salientar que o objetivo de Joseph Nye é mostrar o que
deve ser feito para que a supremacia estadunidense não seja abalada, para
que este Estado-nação não entre em declínio; ele está preocupado com o
futuro dos Estados Unidos da América. A importância do conceito de soft power
está, então, não exatamente no objetivo que ele cunha em seu texto – ou seja,
como os EUA devem agir para manter sua posição hegemônica –, mas por ser
de alguém do mainstream das Relações Internacionais, que concebe o poder

62
Joseph Nye é reconhecido acadêmico da área de Relações Internacionais, sendo,
juntamente com Robert Keohane, responsável pela teoria da interdependência complexa. Além
disso, Nye também ocupou cargos em órgãos estatais norte-americanos, como na Secretary of
Defense for International Security Affairs, por exemplo.
381



não somente como força bruta, militar, mas também como uma relevante
variável suave, cultural. Ou seja, Nye evidencia como a cultura, isto é, a
atração ideológica e cultural, pode ser um eficaz instrumento de poder no
âmbito das Relações Internacionais: “Em resumo, a universalidade da cultura
de um país e sua capacidade de estabelecer um conjunto de normas e
instituições favoráveis que governem setores de atividade internacional são
fontes decisivas de poder” (NYE JR, 2002, p. 39).
Uma constatação importante acerca do poder brando é que ele pode ser
propagado pelo Estado, mas não se restringe somente a essa fonte de
propagação: “hoje em dia, as empresas americanas populares e os grupos não
governamentais desenvolvem o seu próprio poder brando, que pode coincidir
ou colidir com as metas externas da política oficial” (NYE JR, 2002, p. 40).
Percebe-se, portanto, que o conceito de Nye é caro a esse trabalho uma vez
que os manuais escolares – assim como filmes, músicas, seriados de televisão,
etc – podem ser entendidos como instrumentos de soft power se for constatado
que levam a um compartilhamento de valores.

Ideologia e escola
Atualmente, os livros didáticos estão presentes em quase todas as
escolas, sejam elas públicas ou privadas. Portanto, os manuais escolares são o
instrumento mais utilizado na educação formal nos dias de hoje.
De acordo com Martins (2007, p. 45-46), o Estado é uma entidade que
possui papel dominante na conformação do perfil cultural, isto é, a cultura é
enquadrada pela moldura institucional do Estado. E é por meio dos sistemas
de educação e de comunicação de massa que o Estado busca legitimar seu
poder, conformando o modo de pensar de seus cidadãos (2007, p. 47).
A constatação de Martins não é pioneira, como se sabe. Sob a égide do
pensamento marxista, Althusser (2001) teoriza sobre os Aparelhos Ideológicos
do Estado (AIE), que são os responsáveis, de acordo com o autor, pela
reprodução das relações de produção capitalistas, agindo predominantemente
através da ideologia. Os AIE seriam as diferentes igrejas e religiões, a escola, a
família, o aparato jurídico de um país, etc, em oposição aos ARE, Aparelhos
Repressores do Estado, que agem primordialmente através da violência, como
o exército, a polícia, etc.
382



Para Althusser, a escola é o AIE que assume uma posição dominante.
Isso acontece devido a dois fatores: o primeiro é que nenhum outro AIE possui
tantos anos de frequência obrigatória, como a escola, em que os alunos são
obrigados a irem pelo menos cinco vezes por semana, onde permanecem por
cerca de cinco horas diárias. O segundo fator é a suposta neutralidade
ideológica da escola, difundida pela ideologia burguesa: “[...] uma ideologia que
representa a escola como neutra, desprovida de ideologia (uma vez que é
leiga) [...]” (ALTHUSSER, 2001, p. 80). Portanto, a escola é um local de
fundamental importância na formação dos indivíduos e no processo de
constituição das identidades: “Ora, a educação [...] representa o fator principal
do processo subjetivo de constituição da identidade referida historicamente e
sustentada ao longo e para além do tempo” (MARTINS, 2007, p. 30).
Os manuais escolares, por sua vez, são uma fonte rica de pesquisa
acadêmica, já que eles podem, através de seus textos, criar, nos alunos, visões
de mundo, ou cosmovisões de acordo com a categorização de Martins: “[as
cosmovisões] estão inseridas no simbolismo de uma cultura e influenciam
profundamente os modos de pensar e de falar” (MARTINS, 2007, p. 15). Desse
modo, no que se refere especificamente às relações internacionais, os manuais
podem criar ou reproduzir representações do exterior: valorações positivas de
países tidos como desenvolvidos, depreciação de certos hábitos cultu