SOUL REBEL 1º TEMPORADA POR: SCARLATH KIMBERLY MASCARENHAS

Sinopse: Eles possuem uma Alma Rebelde! Ela é possessiva ele é maldoso; Ela é sedutora ele é manipulador; Ela é carinhosa ele é ninfomaníaco; Ela é romântica ele é frio; Ela é sincera ele é calculista; Ela precisa dele e ele não vive sem ela. Eles são opostos um ao outro, aprenderam isso tudo com a vida, aprenderam com os erros que não são mais erros e sim lições. "Não é possível você mudar o que já aconteceu, mas é possível você se mudar aos pouco por alguém."

*-*

Capítulo 1 - Welcome to my life!
– Corre Cassy Corre! – Claire gritava desesperada e corria na minha frente, mas eu já não conseguia mais correr estava no meu limite, estava completamente sem folego. – Corre... Quem mandou você jogar vodka pura no rosto do Bieber? Você é louca! – ela parou caindo na gargalhada e apoiando as mãos no joelho lembrando o porquê estávamos correndo feito loucas, um cara que se acha o fodão porque pra mim ele não é nada tentou me agarrar e eu joguei vodka pura na cara dele. – Ele tentou me agarrar e se aproveitar de mim! – disse me explicando e sentando no chão não dava pra correr e rir ao mesmo tempo, minha barriga doía muito de tanto correr e rir. – Idai? – ela disse ainda rindo muito. – Sua louca ele é o Justin Drew Bieber, o maior ladrão de bancos de Atlanta. Ele pode tudo. – Não mesmo! Não comigo. – falei nervosa, e a olhando séria. – Ata! Você viu o armário que os seguranças dele são? Pensa se eles resolvem vir atrás da gente ele não iria só te agarrar como fazer picadinho de você e de mim! Revirei os olhos sem dar importância e ela me fuzilou. – Foda-se quem ele é! Ninguém toca em mim a força! – Desculpa ae, PURITANA! – ela caiu na gargalhada de novo, Claire era minha melhor amiga e a gente só aprontava, fazíamos de tudo para estar perto do perigo. Éramos as adolescentes mais problemáticas de Atlanta. Pulamos o muro do convento colégio onde estávamos internadas e sem fazer nenhum barulho, já estava clareando acho que era umas 06h00minh. Estávamos fudidas

se fossemos pegas ali àquela hora da noite e com aquelas roupas que a freiras condenam e fala que são coisas do mundo. Éramos experientes em fugir do convento para ir curtir a noite em lugares perigosos em boates e pegas lugares que só frequenta a bandidagem de Atlanta para mim e para ela isso era a nossa diversão adorávamos nos meter em encrencas era o tipo de adrenalina perfeita para nós, mas todo cuidado era pouco se fossemos pegas novamente iriamos ser expulsas... Nossa nem quero pensar. Já estava a mais de sete anos trancafiada naquele convento, não saia de lá nem em época de festas nunca fiz uma visita para ninguém à única pessoa que me visitava era minha mãe e quando ela podia. Fui internada aqui quando tinha apenas nove anos, depois de muitos anos aguentado os surtos e os temperamentos repentinos que a droga causava nela, ela resolveu me internar e me manter longe era o único jeito que ela tinha de me proteger dela mesma. Meu pai abandonou minha mãe quando descobriu que ela estava grávida, desde então eu fui como um carma na vida dela, minha mãe nunca aguentou o peso de ter uma filha enquanto era jovem e ter que me criar sozinha sem contar que ela virou uma viciada e fazia de tudo para manter o vicio dela, muitas vezes ela chegou a dizer que eu tinha acabado com a vida dela havia vezes em que ela surtava e descontava tudo em mim, fui crescendo e os momentos de lucidez dela foram se tornando raros e cada vez eu ficava mais indefesa e vulnerável a ela. Um dia ela chegou em casa me obrigou a arrumar as minhas coisas ela estava decidida a me internar, eu chorei, esperneei mas não adiantou porque fazem sete anos que estou internada aqui e só vejo minha mãe de vez em quando. – Cassidy. – bateram na porta e eu pulei com o susto que tomei, tinha acabado de chegar e pular a janela do meu quarto mais um pouco me pegam no flagra. Respirei fundo e olhei no relógio, ainda não estava no horário da nossa refeição. – Pode entrar irmã Charllote! – entrei no banheiro e coloquei o uniforme de pressa enquanto ela me esperava joguei a roupa que fui pra festa dentro do armário do banheiro. – Tudo bem? – balancei a cabeça positivamente saindo do banheiro um pouco desconfiada será que ela sabia de algo? Ela sorriu para mim. – A madre que falar com você. – Comigo? – cai sentada na cama, eles só podiam ter descoberto o que eu e Claire tinha feito, nos ferramos o castigo iria ser grande dessa vez a madre não perdoaria, minhas mãos começaram a soar antes mesmo de falar com a madre já estava em choque. – Sim, menina se arruma de pressa, vamos. – ela deu uns tapinhas em minhas costas me colocando de pé.

Coloquei meus sapatos e arrumei meu cabelo rápido o prendendo em um rabo de cavalo passei um pouco de pó que tinha escondido no fundo da minha gaveta para disfarça as olheiras que estavam surgindo, já estava pronta, fui andando até a sala da madre em passos curtos, pois não sabia que desculpa dar pelas minhas travessuras não vi a Claire ela já devia estar na sala tomando bronca e me esperando para darem a nossa sentença, já não era a primeira vez que tinham nos pego, mas dessa vez a gente nem tinha vacilado não entendi como elas descobriram, e se ela tivesse descoberto mesmo a gente iria estar literalmente ferradas. – Licença Madre! – disse entrando na sala dela e notando que a Claire não estava lá era só eu e ela. Será que aquela vaca me traiu e colocou a culpa só em mim? Deixei a porta um pouco aberta qualquer coisa eu corria. –Cassidy! – ela disse feliz a me ver, aquele sorriso podia ser de... Há te peguei menina! Ou, De que jeito você prefere morrer em fujona? Nossa eu estava quase tremendo. – A senhora mandou me chamar? – disse com a voz de anjo que eu tenho quando sei que estou encrencada. – Mandei! Sente-se aqui Cassidy. – ela apontou uma cadeira em frente sua mesa, dei um sorriso amarelo e me sentei. – Querida tenho um assunto, um pouco chato para tratar com você. – odeio quando as pessoas fazem rodeios quando vão me contar as coisas pode dar à bronca e o castigo de uma vez madre eu sei que errei, gosto de coisas diretas sem rodeios, me mexi desconfortável na cadeira e ela percebeu. Estremeci um pouco. – Pode falar Madre! – Primeiro de tudo eu queria dizer que você não está sozinha. – aquele papo já estava ficando estranho de verdade, fui ali pra tomar um esporro e ela vem fala que eu não estava sozinha? – Você não está sozinha e o que precisar estaremos aqui. – Ta bom, mas Madre já está ficando estranho este assunto. Eu sei que eu errei pode falar. – eu já não conseguia mais entender onde ela queria chegar será que ela iria me expulsar pra falar desse jeito só podia ser isso mesmo. – Tudo bem vamos sem enrolação... – ela respirou fundo e continuou. – Querida. – ela disse carinhosa, mas um pouco afoita. – Sua mãe... Sua mãe faleceu ontem à noite. –

foi um choque para eu ouvir aquilo meu corpo ficou estático fiquei parecendo pedra nem uma reação nem uma lágrima nem nada eu não tive reação para aquilo nem para nada. –Cassidy... Não precisa se desesperar meu bem. – ela levantou tentando me abraçar sendo carinhosa eu sabia que ela me odiava por todas as travessuras e o meu jeito de ser, fugi do abraço dela explodindo ali mesmo, não pude controlar minhas emoções que eram involuntárias sentia varias coisas ao mesmo tempo. – CALMA? – gritei, fazendo-a arregalar os olhos. – A senhora quer que eu tenha calma? A única pessoa que eu tinha no mundo foi embora... E a senhora me pede calma? – as lágrimas surgiram rolando no meu rosto e foi impossível de controla-las, eu me sentia mais só do que antes por que agora era pra valer. – Não... Não Cassidy você não está sozinha! – ela tentou reverter à situação, mas eu estava irreversível e descontrolada de tanto chorar. – Eu estou sozinha! – disse com os meus soluços. – Aliás, eu sempre estive só que agora é bem pior porque eu sei que ela não está mais aqui. – dizia as palavras com ódio, não podia ser verdade aquilo. – A gente conseguiu localizar uma tia sua... E ela está vindo te buscar. Você vai poder passar um tempo com ela para se recuperar dessa dor querida. – aquela é a noticia que eu sempre sonhei em escutar, mas naquele momento eu nem conseguia ficar contente. – È para ficar feliz Madre? – perguntei sendo irônica enxugando as lágrimas que ainda insistiam em cair, estava mal e triste mesmo minha mãe sendo quem ela era, eu a tinha, mas agora eu realmente não tinha ninguém, porque ela tinha partido de vez. –Cassidy, não se torture por causa das rasteiras que a vida lhe dá. Deus está com você e ele vai curar isso e te dar forças para levantar! – ela acariciou-me rosto em um gesto carinhoso e secou minhas lágrimas falar de Deus pra mim? Minha vida era uma merda e ela dizia isso, eu queria mesmo era que tudo o mundo fosse pra puta que pariu já estava cassada de sofrer. – Agora arrume suas coisas que sua tia Pattie está vindo lhe buscar. Esse era o nome dela Pattie? Minha mãe nunca havia me falado dela, ela nunca falava de parentes ou algo assim aquela vadia viciada tinha me poupado de tudo até do direito de ter uma vida normal e agora ela morre me deixando sozinha? Mas ela sempre foi uma mãe de merda mesmo, não sabia quem essa tal de Pattie era, e nem me lembro de

ter conhecido ela. Arrumei minhas coisas nem era tantas coisas assim o difícil mesmo foi me despedir da Claire chorei muito. Fui para a sala da Madre e ela já estava lá a minha espera. – Está é nossa menina. – a madre me puxou para perto dela colocando o braço em volta do meu pescoço super falsa ela, quem vê pensa que ela é uma velhinha carinhosa e que me trata muito bem hoje é exceção porque ela está com pena de mim porque minha mãe morreu aquela ali não me engana não eu sabia muito bem quem ela era. Estava com o rosto ainda um pouco inchado dei um sorriso sem muito animo. – Oi sou Pattie Mallete. – ela estendeu a mão me cumprimentando, bonita ela e muito simpática com aquele sorriso lindo. – Sou Cassidy! – disse em um sussurro bem fraco – Está preparada para ir embora? ...Acho que você vai gostar de ficar um tempo comigo. – dei um sorriso pouco feliz. – Cassidy se precisar me liga. – não ela não quis falar isso pra mim, com certeza isso era pra Pattie a Madre já me conhecia e sabia que eu dava trabalho aquilo foi um alerta e uma indireta gigante para a Pattie. – Pode deixar Madre. Tinha apenas nove anos desde a primeira vez que cruzei aquela porta e hoje tenho 16 e estou indo embora, por causa da morte da minha mãe teve que acontecer uma coisa ruim na minha vida para me tirarem daqui. Pattie era agradável e muito simpática me fez rir várias vezes durante o caminho me fazendo esquecer o real motivo da minha tristeza, o carro era super confortável, um carrão não entendendo muito de marca nem dessas coisas, mas pelo que vi parecia caro e novo e de luxo. A casa então nem se fala era um sonho parecia o convento de tão grande dava pra se perder ali dentro, mas a única coisa estranha era vários homens se movimentando pela casa eram muitos homens que cercavam a casa. – Quem são eles? – apontei para um dos homens parado próximo a nós enquanto ela parava o carro. – Seguranças do Justin! – Justin? – esse nome não era estranho.

– Meu filho. – ela sorriu – Você tem quantos filhos? – perguntei curiosa. – Só o Justin mesmo, ele é meu bebezão de vinte aninhos... – E porque precisa de tanto seguranças? – estávamos tirando as malas do carro e eu importunando, mas sou curiosa. – O trabalho exige proteção. – ela disse sem dar mais assuntos. – Ei você! – ela chamou um dos homens que se aproximou. – Leve as malas dela pro quarto que eu pedi para prepararem. – o homem pegou minhas malas e mais que depressa fez o que Pattie mandou. – Quer conhecer a casa ou prefere tomar um banho primeiro? – Vamos ver a casa depois tomo banho... Entramos e fomos para a Sala, àquela sala dava uns quatro quarto meu do convento e mais a sala da madre era realmente gigante uma puta mansão aquela casa, juro que demoramos uma meia hora para conhecer a casa toda até cansei. Chegamos em um lugar da casa e Pattie disse para sermos rápidas naquela parte para que o Justin o filho dela, não nos vice ali, era um escritório e do lado uma sala com uma cadeira e tudo era espelhado. – Aqui é o escritório... – ela apontou pra uma sala. – Mas é só do uso do Justin porque o de uso da casa é lá dentro. – dei um sorriso e ela continuou. – Essa sala você nunca vai precisar. – ela riu e fechou a porta. – Então não preciso nem dizer para que serve e aqui... – ela trombou em um garoto lindo, se eu pudesse descrever o tanto que ele mexeu com a minha cabeça quando os nossos olhares se cruzaram, foi em apenas um olhar que fiquei daquele jeito aqueles olhos misteriosos me chamavam a atenção, eu senti as coisas mais loucas que eu já tinha sentindo na vida desejo, fogo, excitação, vontade, senti a garganta queimar nunca tinha sentindo aquilo antes nunca tinha sido assim nunca fiquei tão entregue para alguém como naquele momento, ele me pirou facilmente apenas com o olhar, mas reparando bem ele era igual o filho da puta que tentou me agarrar à força na boate ontem à noite, o boné estava na frente fazendo sombra e com a aba baixa então confundia um pouco, mas era muito igual. – Filho? – Pattie disse um pouco assustada, pois ele tinha surgido do nada.

– O Mãe caralho! Olha pra onde anda. – ele disse mudando o foco do olhar notando que Pattie estava ali, ele era estupido e tratou a mãe muito mal. – Pensei que você não estaria em casa, a está hora. – È houve um imprevisto. – ele rodou o boné pra trás me dando a visão completa do seu rosto e deixando brotar uma cara de ódio em sua face ao me reconhecer, filho da puta, era ele mesmo que tentou me agarrar ontem à noite fiquei olhando ele com ódio, desgraçado! – PORQUE ESSA VADIA TA AQUI NA MINHA CASA? – ele gritou furioso fazendo Pattie se assustar e ela gaguejou um pouco, pois não estava entendendo nada parecia que ela tinha medo dele. – È... È a Filha... Daquela minha amiga a Charllote... Se lembra de que falei dela? Qual o problema com ela Justin? – ela fez meu estomago revirar fiquei com medo dele contar onde eu estava e o que aconteceu ontem a noite se ele falace eu iria me fuder. – O problema? Olha o que essa vagabunda fez no meu olho. – ele disse ríspido aproximando o olho perto da mãe mostrando que estava todo vermelho e irritado por causa da vodka que eu joguei nele, mas pera ai vagabunda? Desde quando ele tinha essa intimidade pra falar comigo assim? – OU! – gritei ofendida. – Você nem me conhece fala direito comigo! – levantei e a pontei o dedo na cara dele. – Abaixa o dedo se não você vai perder ele. – ele disse como um rosnado. –GENTE! – Pattie gritou e entrou no meio incrédula. – Parem com isso! Justin meu filho, esta è a Cassidy, acho que você está confundindo ela com outra pessoa. – NÃO MÂE! – ele gritou. – Eu sei muito bem quem é essa Vadia, e eu não a quero aqui! – ele sai nervoso chutando tudo que tinha pela frente, perdi o controle literalmente senti meu rosto pegando fogo minha vontade era de voar no pescoço daquele merda. – Desculpa Cassy, mas é que o Jus... – Não Pattie! Eu que não fico aqui mais nem um minuto! – sai dali correndo não sabia onde era a saída rodei um tempo naquele jardim gigante, mas tudo bem eu achava, eu não iria deixar um filho da puta como ele me humilhar e nem fala comigo daquele jeito

eu não tinha pedido nada pra ele, eu me virava sozinha, mas ali no mesmo lugar que ele eu não ficava. CONTINUA...

*-*

Capítulo 2 - Em Pânico.
Sai daquela casa correndo soltando fogo e muito puta. Cansei depois de um bom tempo correndo, já tinha andado uns quatro quarteirões e quando cheguei ao quinto começou a cair um temporal, fiquei extremamente encharcada e com muito mais ódio. Justin Drew Bieber, quem ele pensa que é? Coitado! O que ele acha? Que eu sou que nem aquelas puta que saem com ele? Que só faltam arrancar a pouca roupa que tem pra conseguir a atenção dele? Eu não sou assim não meu bem, já não gostava muito dele antes de conhecê-lo e agora que eu conheço eu tenho raiva e muito ódio dele. Nem sabia para onde estava indo, as ruas daquele lugar eram extremamente desertas e com aqueles casarões ficavam cada vez mais sinistro e medonho de andar ali. Tinha que dar um jeito de voltar para o convento, mas eu não sabia nem onde estava e nem como chegar lá. – Ei menina! – um carro surgiu do meu lado no meio daquele temporal e o cara que estava no volante estava a fim de falar comigo, mas naquela chuva? só pode ser louco. Apertei os passos tentando o ignora-lo, mas não podia deixar de notar os olhares maliciosos que ele me lançava, só o que me faltava ser atacado por aquele velho babão no meio da chuva. Andava de pressa quase correndo e ele continuava me seguindo. Olhei para trás e quando o vi descer do carro e começa a andar em minha direção não pensei duas vezes e comecei a correr e ele começou a correr também. Dobrei a esquina com toda a velocidade que tinha, mas ele conseguia ser mais rápido que eu, e já estava se aproximando, fiquei em desespero mesmo sabendo que deveria manter a calma em horas como essa. Ele me alcanço e me agarrou, puxando pelos cabelos que ficarão embolados nas mãos dele me levando para bem junto do corpo dele, tentava me imobilizar, mas a tentativas eram inúteis eu me debatia enquanto ele tentava, ele me virou com força tentando me beijar, mas eu fui mais rápida e dei uma joelhada com toda a minha força no saco dele fazendo com que ele me soltasse e se curvasse de dor, tive tempo e tentei correr, mas ele se recuperou rápido e voltou tentando me atacar. Podia notar a fúria dele

no olhar, ele me derrubou no chão me fazendo bater as costas com força e tirando um canivete me amedrontando. – Vem aqui franguinha quero experimentar algo novo! – ele falou com uma voz nojenta e encostou o canivete no meu pescoço tentando me intimidar. Em um lance o empurrei com força o fazendo dar uma leve desequilibrada, pra me estuprar ele iria ter que me matar por que viva eu não deixaria. – Ta assustada? Calma meu bem vou cuida de você com muito carinho. – nojento você não vai tocar em mim dei um soco no rosto dele com toda a minha força. – Vagabunda! – ele me retribuiu um tapa forte na cara fazendo um estralo alto, senti o sangue escorre para o meu queixo o anel dele tinha cortado o canto da minha boca. – Solta! Me solta! Seu velho babão. – tá ele não era tão velho assim, mas era babão, não estava dando muito certo eu me debater e tentar me soltar dele então comecei a gritar. – Socorro, Socorro, Socorro. – gritava desesperada e sentia minha garganta secar de tanto que berrava. – Olha a chuva que está caindo! Acha que alguém vai te ouvir? – ele disse rindo malignamente. – Descanse essa voz para gemermos junto meu bem! – Seu podre, lixo! Me solta. – ele sentou em cima das minhas pernas as prendendo em baixo dele, mas mesmo assim eu ainda encontrava oportunidades para socar ele no peito com força. Quando ele rasgou minha blusa foi a primeira vez que senti medo naquela situação, ele tentou tirar meu sutiã, mas eu me debatia o atrapalhando, lutaria até o fim, mas me estuprar ele não iria. – Para quieta sua puta! – ele bateu com a parte de trás do canivete na minha cabeça e cortou meu supercílio. Ele desistiu de abrir meu sutiã e partiu para tirar o meu short quando dois tiros para o alto nos surpreenderam. – Solta ela filho da puta! – Justin estava parado com uma pistola cromada na mão apontando na nossa direção. – Ela é minha namorada, não se intromete moleque. – ele disse com a maior cara de pau, tentava me soltar, mas ele ainda me prendia com força. Justin disparou mais um tiro só que dessa vez perto da gente, fechei meus olhos com força. – Não brinca comigo não Zé ruela. – ele gritou e o cara percebeu que ele não

estava de brincadeira e afrouxou um pouco as pernas e eu pude correr indo para trás do Justin; – Tem medo de morrer? – Justin deum um sorriso maldoso e foi pra perto do cara. – Morrer? Por causa dessa Vadia? Minha vida vale muito mais que isso cara! – Você tem medo de morrer? – Justin refez a pergunta só que dessa vez irritado mudando seu tom de voz de irônico para agressivo. – Qual é cara vai me matar por causa dela? – ele dizia com voz de piedade, mas pela cara do Justin ele não estava nem ai. – Me tirou do sério. – ele deu uma rasteira o fazendo cair de quatro no chão depois ele puxou o cabelo dele até que ele ficasse de joelho e com a cabeça em pé. – Reza! – o cara já estava em prantos e implorando para não perde a vida e o que Justin mandava ele obedecia então ele começou a sussurrar isso que parecia. – Eu quero ouvir você rezando alto Porra! – Justin bateu a arma na cabeça dele o fazendo chorar mais. – Cassidy entra no carro! – ele gritou ordenando apontando o carro com a arma e eu entrei no carro sem hesitar. Entrei no carro que estava um pouco perto de onde estávamos e depois de um tempo escutando os gemidos daquele cara sendo surrado pelo Justin ouvi dois tiros e depois o silêncio tomou conta só ouvia as batidas do meu coração que eram altos e aceleradas. Justin abriu a porta do carro me fazendo pular de susto, arregalei os olhos e não estava bem, ele me ignorou entrando no carro e pegou sua blusa de frio no banco de trás do carro. – Veste isso. – ele me entregou, notei que estava sem camiseta e senti minhas bochechas corarem. O telefone dele tocou e ele ficou falando não sei com quem estava realmente passando mal. De repente os meus olhos começaram a embaraçar eu fui ficando tonta, não conseguia respirar. – Justin. – sussurrei o fazendo dar uma pausa na ligação e prestar a atenção em mim, me sentia fora da realidade, comecei a ficar com pavor daquele estado eu não sabia onde iria parar e o que estava acontecendo... – Justin me ajuda. – tentava puxar o ar, mas não conseguia, era uma sensação horrível, minhas pernas tremiam, eu

e estava me divertindo por dentro. – Ela é minha namorada. Pov. mas isso jaja iria passar. ela levantou correndo e ficou atrás de mim se protegendo ué a cadê a boazona? – Tem medo de morrer? – Morrer? Por causa dessa Vadia? Minha vida vale muito mais que isso cara! – ele ainda estava arrogante e topetudo. – Reza! – falei bem próximo do ouvido dele enquanto ele chorava. Dei dois tiros pro alto acabando com a festa do tiozinho que parecia não foder uma mina há uns cinco anos. – Justin. – tiozinho safado fiquei com vontade de rir. – Não brinca comigo não Zé ruela. mas me mantive sério não poderia perder o controle da situação. dei mais um tiro agora bem perto deles. meu coração batia forte e eu ficava cada vez mais tonta e ia perdendo os sentidos. não se intromete cara.o tiozinho já estava todo mijado nem tinha feito nada direito. o cara começou a chorar feito marica e eu me divertia por dentro. – e realmente ele tinha me tirado do sério dei uma rasteira nele o fazendo cair e depois o coloquei de joelho. – Você tem medo de morrer? – eu estava começando a perder a linha com ele. – Solta ela filho da puta! – acabei com a festa dele mesmo e ainda comecei a meter o louco. Justin O meu orgulho gritava pedindo para que eu deixasse aquela vadia ali e que ela fosse estuprada por aquele necessitado.. – Cassidy? Cassidy você está passando mal? – ele perguntou mudando sua voz para preocupado.. – sussurrei antes de perde os sentidos e desmaiar. mas se eu fizesse aquilo minha mãe não me perdoaria nunca. ele só faltou chegar com os olhos na testa de tão arregalado que ficou. – Qual é cara vai me matar por causa dela? . queria me diverti mais então decidi aterroriza mais. ele iria morrer mesmo o que custava eu me divertir um .não conseguia engolir. – sentia cheiro de medo tanto dele quanto dela. – Me tirou do sério.

fui para o carro. – Que foi Justin? – ela veio da cozinha de encontro comigo. – Justin me ajuda. – Cassidy? – perguntei assustado. peguei uma blusa no banco de trás e dei pra ela vestir. tinha que ligar pro Brian avisar que não precisava mais de procurar aquela vadiazinha louca porque eu já tinha achado. e não obtive resposta. ela estava com todo aqueles peitões de fora e que peitos em juro que me perderia ali fácil. CHAMA UM MÉDICO.pouquinho. os lábios dela não tinha cor nenhuma. – Ah Meu Deus! – ela gritou quando viu Cassidy em meus braços sangrando. – Cassidy? – a chacoalhei. Surrei o cara feito condenado ele implorou pra não morrer. abri a porta do carro e Cassidy se assustou entrei ocupando o meu lugar no carro enquanto ela continuava parada me olhando toda molhada e com a testa e o canto da boca sangrando. dei uma pausa no que estava falando com Brian e a encarei. – MÂE! MÃE!. – Eu quero ouvir você rezando alto Porra! – dei uma coronhada não tão forte o fazendo chorar mais. . estava falando com o Brian quando ela me interrompeu. Tinha cansado da brincadeirinha e já estava na hora da boneca ir pro carro. – Cassidy você está passando mal? – ela não respondeu apenas foi fechando os olhos lentamente e caiu para o lado tombando em cima de mim. – O que aconteceu com ela? – Não sei ela desmaio. – Cassidy? – ela estava desmaiada. – Justin. então a ajeitei no banco e dirigi em alta velocidade até chegar em casa. Depois de ter batido muito nele e deixado a cara dele disco figurada dei dois tiro certeiro na cabeça dele sem dó e nem piedade. – ela sussurrou.. mas e dai? A menina também implorou para que ele não a estuprasse e se eu não tivesse aparecido era isso que ele faria. Eu estava ensopado aquela chuva do inferno não ajudava muito. Não esperei ninguém me ajudar quando parei em casa saltei do carro a peguei nos braço e entrei gritando minha mãe. do nada. e pedir que ele mandasse alguém para limpar aquela sujeira toda. – Cassidy entra no carro! – ela nem retrucou nem nada me deu as costas e foi pro carro. – ela estava pálida feito papel..

toma um banho quente. e eu fiz o que ela mandou. – A razão mais comum para isso costuma ser um impacto emocional muito forte. mas ela ainda não tinha voltado ao consciente. – Hum? – Vai trocar esta roupa molhada. – Pega cobertor para aquecer o corpo dela enquanto eu ligo pro médico. – droga olha o que aquele filho da puta fez com a menina.. não podia mais fazer nada só espera ela acordar e minha mãe estava muito preocupada então fiquei com ela depois de colocar Cassidy na cama. e o desmaio é uma reação natural do organismo para situações como esta! – contei o que aconteceu para minha mãe e o médico. – Mas o que ela tem? É grave? – minha mãe estava muito preocupada. – balancei a cabeça e sai do quarto fui tomar um banho ainda estava todo molhado. ela vai acorda. – Fizeram bem em aquecer o corpo dela – o médico começou a examinar ela. minha mãe tirou a roupa dela e limpou o machucado e a enrolou bem com as mantas. mas se demorar muito vai ter que levar ela para o hospital. à uma hora dessas ele deve ta dando oi ao diabo. Brian um dos meus homens entrou na sala acompanhado pelo médico que agilizou o serviço quando viu que Cassidy estava desacordada. . – subi correndo peguei duas mantas e desci. – Mas você vai ficar sozinha? – Se eu precisar eu te chamo. – fiquei parado ali de braços cruzados. – Justin! – minha mãe me tirou dos meus pensamentos. em pânico.– Põe ela aqui! – minha mãe apontou para o sofá. CONTINUA. – Mas é perigoso doutor? – Sim e não! Como já disse foi desta maneira que o corpo dela reagiu a uma emoção muito grande..Me tratando como filha. o médico morava a uma quadra da gente e ele chegou lá em segundos. – Ela está em estado de choque. *-* Capítulo 3 . ela conferiu os batimentos e estavam fracos.

– È. – Trouxe o médico pra te examinar. Dei um sorriso falso. – Deve ser porque você acordou agora. nossa que sorriso. – Minha cabeça ta doendo. . – Minha cabeça ainda dói. – ela saiu do quarto com pressa me deixando sozinha. – Caissy? – Pattie estava sentada na ponta da cama me olhando. – È deve ser! – respondi com o mesmo tom que ele. comecei a rir como ele era safado. – Caissy? – Pattie entrou no quarto. – Parece que a mocinha já esta bem melhor. eu já disse como esse cara é seco? Nossa puta que pariu. – ele ficou um pouco sem graça ao entrar no quarto e me encontrar acordada. – Nada! – ele respondeu depois de um tempo e deu um sorriso bem de safado balançou a cabeça e saiu do quarto rindo. Minha cabeça doía muito tive um pouco de dificuldade para abrir os olhos por que a luz do quarto era forte. olhei pra baixo e a coberta tinha deixado meus peitos de fora e eu nem tinha notado. – Ah querida que bom que você acordou! – Pattie deu um grito alegre causando uma pequena pontada na minha cabeça. Arrumei-me na cama um pouco tonta ficando meio sentada. Cassidy. –Porque você gritou mãe? Aconteceu algu.. – ele disse depois de fazer uma checagem dos meus pés à cabeça. – Ai que bom que só passou de um susto! – Pattie disse muito feliz.. mas ele é um cachorro por isso que ele estava me olhando com aquela cara. eu não curto médicos principalmente por saber que eles possuem uma agulha pontuda e dolorida. Esse bocó vai ficar parado ai me olhando com essa cara? Aff que saco – Que foi? – perguntei o tirando do transi. – resmunguei. – ele disse seco... – Ah você já acordou. ou porque a cortou.POV. mas Cassidy você não pode ficar passando estes tipos de emoções. como esse cara é perfeito mesmo odiando ele não posso deixar de admitir ele é gato pra caralho. nossa minha cabeça estava explodindo dei uma espiada em baixo da coberta e eu estava só de calcinha e sutiã. – Vou chamar o doutor para avisar que você acordou. – me assustei quando Justin entrou no quarto sem camisa só de bermuda nossa o delícia.

deixei a água cair durante um bom tempo no meu corpo para relaxar.. peguei a sopa e comecei a tomar. e ela riu. – levantei da cama deixando o prato de lado e rodopiando. – Caissy. – Sopa? – fiz uma cara de nojo. – Pattie. não iria sair do quarto.. já volto para fazer outro curativo nessa testa. – dei de ombro e Pattie riu. – Pattie saiu fechando a porta levantei da cama com calma me despir e entrei em baixo do chuveiro fiquei com preguiça de esperar a banheira encher. – falei irônica e eles riram. – ela me fez rir. Já estou pronta pra outra. – Tenho sim Pattie. banheiro grande nossa imenso dava pra se perder naquela luxuria toda. mas era só pra dormir mesmo. – Preferia um lanche gigante com um molho duplo.. – Mas você precisa de proteína e nessa sopa tem tudo o que você precisa! – Eu como. – Nem pensar. Gostaria tanto que você ficasse comigo um tempo sua mãe deve estar muito feliz por nós duas estarmos juntas. mas preferia a segunda opção. mas depois ri e ela riu junto. Tomei um banho bem demorado lavei meu cabelo que estava um nojo por causa do sangue. – Porque Caissy?. – Trouxe uma sopa bem quentinha pra você. .– E nem pretendo mais. tem certeza que você já está melhor? – ela pegou o kit de primeiros socorros e fez outro curativo na minha testa coisa pequena. – Toma um banho que eu vou mandar preparar alguma coisa pra você comer. – disse passando a língua na boca e sentindo o gosto do lanche. Quero que você me leve para o convento de volta! – disse séria fazendo ela me olhar com cara de interrogação. Estava secando meu cabelo com a toalha quando Pattie entrou com uma bandeja trazendo uma sopa.. eu não estou pronta pra outro susto deste. Sai do banheiro e me troquei nem roupa direito eu tinha como tinha que ficar usando aqueles uniformes horríveis minhas roupas normais eram bem poucas e algumas eu e Claire tínhamos roubado para sair então não era apropriadas para usar em casa. peguei uma camiseta gigante que tinha na minha mala e rasguei a gola deixando ela caída no ombro esquerdo ficou como um vestidinho super mini curto.

seu pai ficou com medo porque .. – Aonde você conheceu minha mãe? – perguntei voltando a sentar na cama ela demorou um pouco pra responder. quem me ajudou muito foi a sua mãe.. A gente se conheceu no tempo de escola e não nos desgrudamos mais. – Sabe. A sua mãe era um pouco louca.. Éramos como irmãs. era muito cedo pra eu estar casada e minha mãe não me ajudou em nada.. para ele era só uma aventura passageira fora do casamento. E não me zangue. Sua mãe se privou muito depois da gravidez. – ela fez um biquinho de brava me fazendo rir.. – ela tentou-me convencer.. Esse assunto já está resolvido. – O meu pai não me quis né? – ela me olhou estreita e depois riu. – Mas nada você fica e pronto. mas para ela era a vida dela. Sua mãe. me ajudou muito quando eu casei com o pai do Justin.. – È por causa do Justin? – ela riu. ela não conseguia aceitar o peso de ser mãe jovem e ainda te criar você sozinha sem o apoio de ninguém. sua mãe não aceitou isso disse que a filha dela precisava de um pai não de dinheiro. já falei com ele... porque ela não aceitava o meu casamento e nem o Jeremy como genro. – O Justin tem a personalidade forte eu sei. -. – Mas. ela não soube lidar com a situação e se afastou de tudo e de todos.. Só que ela engravidou ele se prontificou a pagar pensão e dar dinheiro para te criar. – Fomos amigas na adolescência.. mas não largaria a mulher dele para viver com a sua mãe e nem queria que você soubesse da existência dele. mas a sua mãe não desistiu ela insistiu tanto atentou tanto que seu pai caiu em tentação e começou a ter um caso com ela.– Eu não me dou com o seu filho e eu não quero constrangimentos para você. – E porque eu nunca te conheci antes? – Depois que sua mãe ficou grávida ela se afastou de mim. seu pai era casado e ela era perdidamente apaixonada por ele no começo ele não queria nada com ela por ela ser nova e ele casado. mas garanto que vocês vão se acostumar um com outro com o tempo. – Mas Pattie não nos demos bem..

*-* Capítulo 4 .. – Eu vou deixar você dormir. acabei de saber da minha vida inteira coisas que eu tentei descobrir durante anos ela me contou em segundos. escutei passos no corredor e corri pra porta para ver quem era. – È né. – Caissy vamos esquecer isso.. ela sempre tentou te poupar de ter a vida que ela teve.sua mãe passou a ameaçar ele então ele sumiu do mapa. no impulso e nem pensei. – Ela tentava te proteger ao máximo. . secou minhas lágrimas e depois as dela. ela já estava perdida nas drogas e não tinha mais condições de te criar. Mas Caissy isso não importa mais já foi. – ela esfregou as mãos nas minhas pernas. estava amando minha vida de rainha com a Pattie me bajulando. Querida! – Minha mãe nunca me contava nada.. Fiquei muito sem graça por ele ter me visto. – sussurrei e deixei uma lágrima cair. – ri pelo nariz. não fazia bem ficar remoendo o passado sorri e ela sorriu para mim. Por mais que sua mãe era louca fazia loucuras. – ela se afastou depois de um tempo me abraçando. CONTINUA.. pensei em tudo o que aconteceu hoje e chorei um pouco.. – ela me deu um beijo melado na minha bochecha e depois saiu apagando a luz e levando a bandeja. – Eu também. – Eu sinto falta dela. com medo do que sua mãe podia fazer com o casamento dele.Prazeres! Virei-me várias vezes na cama de um lado pro outro até de ponta cabeça com as pernas para cima fiquei. por isso não foi à mãe presente que ela deveria ser. – Ainda estou sentindo uma leve dor de cabeça. Ela realmente estava me tratando como filha. mas depois me recompus. Abri a porta do quarto com muito cuidado tentando não ser notada. já estava de madrugada e eu não conseguia dormir de jeito nenhum. – bingo. – disse nervosa saindo do quarto.. mas nada de mais.. – ela sorriu e me abraçou chorando comigo. Mais já vou avisando amanhã vou te paparicar muito.. Escovei os dentes e lavei o rosto e voltei a deitar. mas fez barulho e o Justin parou me olhando. – Oi.

– Obrigada por me salvar daquele homem..Ele deu um sorriso falso e não respondeu nada. – dei de ombros. mas minha situação estava incontrolável. – Valeu pela blusa. Deitei na cama ainda sem acreditar que eu tinha feito aquilo. – nossa que merda era essa que eu estava fazendo? Senti minhas mãos soando e eu ficando nervosa cada vez mais. qual é Caissy e o ódio? Chacoalhei a cabeça na tentativa de esquecer aquilo. – È. ele me olhou encontrando o meu olhar fazendo uma cara de safado. – o chamei fazendo ele se virar para mim. ai que vergonha desculpa mais que esfarrapada nem eu sabia o que eu estava fazendo ali. levantei e fiquei andando de um lado pro outro no quarto sentia meu corpo pulsar eu estava pegando fogo. não é possível que aquele panaca tinha feito isso comigo. Voltei para o quarto me sentindo uma idiota nossa como eu sou ridícula tudo isso para falar com ele? Nossa que mico Cassidy. – Justin. puta que pariu Cassidy Anderson ta querendo fuder com a sua vida è? – È..Só isso? – ele perguntou indiferente e depois começou a encarar minhas pernas me fazendo corar afinal eu estava com um super mini vestido que eu mesma fiz. mas foi em vão. dei um sorriso malicioso de lado peguei a blusa e não pensei duas vezes fui para o quarto dele essa era minha desculpa para ir até lá. prendi os cabelos em coque frouxo para me livrar do calor. – È. ele tinha deixado a porta um pouco aberta. entrei com tudo sem ao menos pedir licença. pelo que me lembro aquele era o quarto dele. – ele ficou um tempo me secando e depois entro na ultima porta do corredor deixando ela semi-serrada. – Você veio até aqui só me trazer a minha blusa? – ele disse com um sorriso malicioso na cara e se levantando vindo até mim. mas não dava era mais forte que eu. – joguei a blusa em cima dele que estava deitado com os braços abetos todo esparramado na cama. na .. – gaguejei nervosa.. Não gosto de ficar com as coisas dos outros. Bati o olho na blusa que estava pendurada na cadeira que era dele que me deu quando eu estava só de sutiã no carro. Não bati na porta. – ele falou entre dentes . mas estava afobada e com muito calor não sei de onde estava vindo aquilo tudo. – Tudo bem. virou as costas e continuou até o final do corredor.

Caissy – È verdade está tarde e. mas agora eu iria deixar ela tão louca que nem teria tempo pra isto. – Shiiu. – Mas eu deixo você ficar comigo esta noite. – tinha ficado louca e completamente excitada com o jeito que ele tinha me pegado e jogado na cama. e foi ela quem procurou.. ela estava ali todinha para mim com aquela desculpa que foi no meu quarto só levar a minha blusa e eu não perderia a oportunidade de foder com ela.. não queria que ele parasse. de ter minhas mãos tocando o corpo dela eu queria ela pra mim eu queria dominar aquele corpo. mas isso não era certo. – Boa noite! – já estava saindo do quarto e decepcionada por não ter rolado nada porque eu estava com uma vontade incontrolável de beijar a boca dele. – ele colocou o dedo na minha boca me fazendo silenciar. POV. Não acha? – ele falou bem perto do meu ouvido fazendo com que o meu corpo inteiro se arrepiasse. – ele se levantou vindo até mim e disse no meu ouvido com uma voz sexy. e depois me jogou na cama selvagemente. – Ta cedo para dormir. começou a me dar toques mais que provocantes. o calor do corpo espetacular que ela tinha. dos seios. quando ele me segurou abraçando por trás. mas fugi ficando de pé tentando me fazer de difícil e brincando com ele..verdade eu sabia. sentia uma vontade louca de ter a boca dela envolvida na minha. queria sentir o gosto da nuca. Justin. ah mais não iria mesmo. Dei um sorriso safado em forma de sinal verde e em segundo as mãos dele percorria por todo o meu corpo fazendo o meu raciocínio sumir a falta de folego começava a aparecer. eu queria ela em cima de mim enlouquecida de tanto prazer que eu daria a ela.. mas ah sei lá. fiquei parada o olhando e sem assunto. Ela me recusou uma vez na boate. A minha cama não é aqui. ele começou a beijar meu pescoço com ferocidade.. – Jus. – falei com uma voz fraca e falhada minha respiração estava ofegante. do pescoço. Justin Eu não iria perder a oportunidade de ficar com ela. POV. ele encontrou os meus lábios e me beijo com intensidade com força era um beijo proibido e um pouco violento à única coisa que fez ele para de me beijar foi à falta de ar. Era absurda a excitação que ela me dava em apenas um olhar era sexy e um pouco vulgar. da boca.. A mão dele percorreu o meu corpo inteiro e depois ele arrancou a minha blusa em um só movimento e jogou em algum lugar do quarto senti vergonha nenhum homem nunca tinha tocado o meu .

sabe? Como assim sabe? Ah que vergonha. tirei o pau dele pra fora da cueca e apertei. Troquei de posição e sem tirar o meu foco do olhar dele fui descendo até sua cueca. estava tão perdida que nem vi a hora que ele tirou o shorts. ele desceu a mão arrancando minha calcinha e começou a me estimular.. tirei a camiseta dele e depois ele me jogou na cama novamente descendo suas mãos até as minhas coxas e apertando com força me fazendo arfa eu já estava dominada. estava muito apreensiva. Justin O corpo dela era lindo um verdadeiro milagre. – Eu sei. Eu nunca tinha pegado naquilo não sabia nem como fazia sexo. A inocência que ela tinha era visível. ele deu meio que um pulo acho que eu o machuquei quando eu apertei. – Acho que não vou me arrepender! – dei de ombros e depois ri para descontrair. Suas mãos foram rápidas e tiraram o meu sutiã e cuidadosamente ele acaricio meus seios. quando toquei nela já sabia que ela era virgem. Ele parou me olhou e riu. mas tinha que contar que era virgem. pela delicadeza . – Sou virgem! – disse de pressa e sem enrolação o empurrei e me levantei encarando a expressão dele ao saber que eu era virgem. bem mais fácil. – ele deu um sorriso mais pervertido que eu já tinha visto abriu à gaveta do lado da cama pegou uma camisinha e colocou do lado da cama e mordendo os lábios inferiores voltou a me atacar. não sabia o que fazer até que a mão dele ficou por cima da minha fazendo movimento de vai e vem guiando o que eu deveria fazer. nesse momento ele me tocava com carinho suas mãos eram delicadas ao me tocar parecia que ele tinha certo cuidado comigo. entrelacei meus dedos no cabelo dele e sem se me controlar sussurrava o nome dele enquanto aquelas sensações tomavam conta de mim. uma perfeita obra de arte. sentia o meu corpo se arrepiar em pequenos choque de energia. não conseguia não deixar que as mãos dele não me tocasse. Nossos olhares permaneceram fixos um no outro. Aquela situação estava além do meu controle além do meu eu. Caímos juntos na cama aconchegando nossos corpos em uma perfeita sincronia eu ficando por baixo e ele por cima eu gostava daquela sensação de ficar sem controle nenhum sobre mim mesma. até que nossos lábios se encontraram em um beijo de pura cobiça e violento. – Você pode me odiar amanhã cedo! Mas eu não estou nem ai. para recuperar o folego ele começou a dar pequenas mordidas suaves em minha boca me deixando louca. POV. Afundei minhas unhas nas costas dele e percebi que ele só estava de cueca e o volume que o membro dele fazia já era visível.corpo antes e nem me visto nua. ele parou tudo e ficou me olhando com uma cara interrogativa depois que disse aquilo. – ele sorriu. que eu era inexperiente que aquilo era especial pra mim..

do toque e o jeito que ela ficou quando tirei a blusa dela. chupando seus seios seu pescoço. Ele era demais me levou a loucura. sua respiração era ofegante em meio de pequenos gemidos chamando pelo meu nome. *-* . POV. no começou ela ficou tensa. mas depois aumentei o ritmo. então penetrei um dedo a fazendo dar um impulso para cima é ela realmente era virgem. tapei a boca dela para que minha mãe não escutasse. Ela rolou na cama ficando por cima de mim sentou no meu pau e começou a cavalgar de forma extraordinária. mas ela me deixou louco e isso já não era mais uma coisa que eu podia controlar. depois de segundos senti meu gozo sair a fazendo cair ao meu lado na cama com a respiração ainda muito forte. depois foi se aliviando. Ele estava de barriga pra cima encarando o teto enquanto eu estava deitada de lado olhando para ele e notando toda a perfeição que ele tinha. apenas um toque e já sentia o corpo dela todo arrepiado. comecei um vai e vem ritmado e devagar.. não sei se devia tirar a inocência daquela menina. Cassidy Cobri meu corpo com o lençol e ele vestiu uma cueca boxer preta. a senti molhada e vai ver foi por isso que ela arregalou os olhos ela gozou já não me aguentava mais meu pau já estava latejando. Arrepiava-se apenas com o meu toque em sua pele. Ela me apertou forte ficando um pouco tremula chegou ao seu ápice. mas depois foi se aliviando e nossos corpos se mexiam ritmados. – È você também não foi de se jogar fora! – virei para o outro canto ficando de costas para ele. quando percebi que ela estava bem mais relaxada coloquei a camisinha abri as pernas dela e posicionando meu pau na entradinha da buceta dela penetrei-a bem devagar fazendo a gritar quando sentiu meu membro dentro dela rompendo seu hímen . Podia escutar a respiração dele e a minha que era ofegante sendo o único barulho do quarto. mas não deixava de ser um cafajeste filho da puta. começamos a nos sentir um no outro tinha encaixado tudo perfeito tínhamos um equilíbrio perfeito adorava o jeito que ela pulava em mim. – Até que para uma virgem você não foi nada mal. CONTINUA.. – ele quebrou o silêncio. comecei a roçar o meu pau na coxa dela e fui subindo lentamente senti seu corpo ficar mole e ela me olhou com os olhos arregalados quis rir pela cara que ela fez ela tinha uma cara tão inocente. comecei a me movimentar ao mesmo tempo.

– Acho melhor você ir embora. me enrolei no lençol e fui bem devagar para o meu quarto. Ele me olhou fixamente por um tempo com a cara fechada e depois disse. peguei um copo de suco e fui me sentar no jardim. fiquei com vontade de conhecê-lo eu não queria ficar sozinha. – me aproximei de onde ele estava sentado. mas é com a pessoa que foi feito sabia que ele era um filho da puta e nunca me daria valor. ele não da valor pra mulher nenhuma conheço um monte de menininhas que são iludidas com ele. eu não posso esperar nada dele porque sei que pra ele aquilo não passou só de sexo. ele estava com um braço e uma perna em cima de mim. Deitei na cama e peguei no sono novamente e só acordei três horas da tarde nossa eu apaguei e tinha dormido muito. estava com vergonha o que eu faria quando encontrasse com ele? Acho que ele vai continuar sendo o mesmo idiota então vou agir como se nada tivesse acontecido. Tomei um banho. e ele tinha cara de mal. não que tenha sido ruim e nem nada. Tinha um homem lá. – Sou Brian.. Você dormiu com ele está noite né? – ainda me perguntava como ele sabia? Não conseguia nem responder. mas foi a minha primeira vez por mais que eu não quero sentir nada não posso negar que teve um sentimento diferente a final ele foi o primeiro homem que me tocou. mas mesmo assim me entreguei pra ele. e nesse momento me arrependia até o ultimo fio de cabelo pelo o que tinha feito.Capítulo 5 . me arrumei para descer. – Sou Cassidy. – Dormiu com o Drew esta noite? – Hãn? – falei surpresa e assustada como ele sabia? O Justin já estava me difamando rápido ele não? – È.Me sentindo uma vadia. o tirei de cima de mim com cuidado para que ele não acordasse e ele se esparramou na cama quando eu levantei. se pudesse voltar atrás não faria isto de jeito nenhum. – ele pegou em minha mão. Peguei no sono e acordei com dor. o Bieber sempre deixa . Abri a porta do quarto lentamente e depois passei de pressa pelo corredor cheguei à cozinha e não tinha ninguém parecia que a casa estava vazia. – Oi. Levantei.. – Oi. mas acho que ele não era segurança porque estava muito relaxado para trabalhar pro Justin. – estendi a mão para ele sendo uma menina angelical. e ele não está nem ai pra elas.

e com aquele cara de mal ficava mais gato ainda. – Hum... – Não sou prostituta.. só você olhar na sua. – Então você é prima do Bieber? – ele disse com o cenho franzido. mas eu ainda continuava admirar ele porque ele era muito bonito. mas ele era um puta gato. – não estava entendo mais nada ele estava achando que eu era puta? – Não. – Você não tem cara de quem quer ser freira. Trabalho com ele. Justin? – me senti um pouco desconfortável ao falar o nome dele. – Hum. – Você veio de onde? – Convent School... Se ele chegar em casa e você ainda estiver aqui ele não vai gostar. – Convento? – ele perguntou ainda sem acreditar. – Sou sobrinha da Pattie. – Mas não vou ser freira. – nem tinha reparado direito. – O que? – ele disse incrédulo. mas muito mesmo. – ela se considerava irmã da minha mãe então não fazia mal eu me apresentar assim. Não. – eu ri pela cara que ele fez.. – È.. .. – Estava aqui resolvendo uns negócios quando o médico chegou. – ele disse como se fosse obvio. Como você sabe? – me sentei do lado dele. – Então era você que precisou de um médico ontem? – Foi sim. – Estou sim.o dinheiro na bolsa. – Trabalha pro. – eu não consegui segurar a risada. – Sou sobrinha da Pattie. – disse chorando de rir.. só estava internada lá. – comecei a rir sem parar e ele me olhando sem entender. mas dele eu não sou nada. – ele riu com satisfação. – ele me olhou com cara de interrogação. – È sou sobrinha da Pattie. Você está melhor? Dei um sorriso.. estava era boba de ver como ele era bonito. – Não trabalho para ele. – então ele era ladrão também.

– Pode me chamar de Caissy. ou melhor.a voz arrogante do Justin me interrompeu. Sorri pelo nariz e disse: . – Mas e você veio de ond.. a gente se vê por ai. E você? – Cansada. – Caissy? – ela chamou minha atenção – Oi Pattie! – Tudo bem dorminhoca? – ela riu. – ele disse mais aliviado.. Fiquei mais um tempo sentada ali no jardim suspirando com toda a beleza que o Brian tinha até que Pattie apareceu. – Não. – Brian... – Pattie administrava o dinheiro do Justin. – sorri quando ele se virou olhando. mal sabe ela que tinha dormido tudo aquilo pelo trabalho que o filho dela tinha me dado. – Por quê? – Trabalho e mais trabalho. – Ei Brian! . – Chega ai. ela lavava os dinheiros dos roubos que ele fazia usando o nome dela. me virei e conferi que era ele mesmo senti minha barriga gelar ao olhar para ele. – Já comeu alguma coisa? – Ainda não. e quando tem são só as amigas pagante do Bieber. estremeci ao lembrar as melhores sensações que passei com ele.. – ele me deu um sorriso lindo balançou a cabeça e saiu indo de encontro com o Justin.. – Ta né. – ele deu um beijo no meu rosto e já estava indo em direção ao Justin quando eu o gritei. – ele estava parado na porta chamando pelo Brian. – ri do jeito dele tentando se explicar... estou correndo desde a hora que levantei. . É porque é difícil ter mulher nessa casa. – Vou ter que ir lá Cassidy.To bem sim. – ele começou a rir e balançou a cabeça.– Ah. – Devo ter cara de prostituta você me confundiu até com uma.

– Senhorita Pattie. Ele o Chaz o Chris e o Ryan. – Não. Estava quase terminando meu lanche quando o Justin entrou na cozinha fiquei sem reação continuei comendo o meu lanche sem dizer nada reagi normal como se ele fosse . – Ta bom. mas não sabia que iria ter tantas coisas para fazer. – Tudo bem. Mas você vai ter oportunidade de conhecer aqueles palhaços – ela me serviu um lanche natural... Pattie pode ir eu vou ficar bem. já vou.. – Pattie. – menti eu estava interessada em saber qual era a relação deles – Ele é um bom garoto. Por quê? – Nada é que eu conheci o Brian. Eles apenas se suportam. – Eles estão viajando. mas hoje. – ela riu – Não conheci os outros ainda.– Vamos então fazer um lanche eu estou morrendo de fome. – um dos homens que cercava a casa entrou na cozinha. – dei um sorriso tranquilizador para ela que me deu um beijo na testa e pegou a bolsa e saiu.. – Mesmo? – Mesmo. hoje. – ela pegou minha mão e fomos para a cozinha sentei no banco e me debrucei no balcão enquanto ela fazia tudo. me perdoe tenho umas coisas para fazer... me perdoe de verdade não queria te deixar sozinha tinha prometido te paparicar o dia todo.. È? – Antigamente eu poderia dizer que eles eram amigos. – ele balançou a cabeça e depois se retirou. – Caissy. – ela disse e negou com a cabeça – Mas então o que ele... O Brian e o Justin são amigos? – não vou negar que eu fiquei a fim dele e pegaria muito mal eu ficar com os dois porque eles são amigos né. seu carro já está pronto.. tenho eles como filhos que eu adotei para mim.

mas a raiva que eu estava daquele idiota superava. – Alô? – Alô. Olhei bem feio pra ele e disse.. – Aconteceu alguma coisa com a Cassidy? – ela já tinha mudado o tom de voz dela. Sai do banho bem mais calma me troquei. mas eu queria um cara legal que eu confiasse e não me arrependesse depois. Tudo bem? É a madre! – até parece que eu não conheço a voz daquela velha chata. mas não. Um maldito deslize que nunca mais irá acontecer– dei um sorriso falso e sai nervosa da cozinha esbarrei nele com tudo e depois fui para o meu quarto. chorei de raiva não sei se era raiva de mim ou mais raiva dele. bem que a Claire disse eu sou uma puta irrustida e agora eu vejo ele é um lixo. Ele pegou um suco na geladeira e tomou. . Boa tarde aqui é a Pattie Mallete tia da Cassidy Anderson.. O Telefone tocou um pouco depois a madre atendeu.. ele tinha passado por mim e nem tinha dado oi. me senti uma puta barata. – Oi senhora Pattie. – affe como ele era filho da puta e o que me deixava com mais raiva era que eu tinha aberto as pernas pra aquele viado. a primeira vez que sinto um desejinho bobo e incontrolável eu abro as pernas pra aquele arrombado. Fiquei treinando imitar a voz da Pattie iria dar uma desculpa de que faria uma festa para mim e que precisava da ajuda de Claire me passando pela Pattie. cacete aquela velha estava mesmo esperando eu aprontar com a Pattie né. – a voz estava perfeita dava para acreditar que era a Pattie fácil. Sempre quis me preservar e me guardar para um homem descente não precisava ser depois do casamento.um nada. levantei do balcão e quando estava colocando o meu prato na pia ele deu um tapa na minha bunda e deu uma risada safada. Tirei minha roupa entrei no banheiro e deixei a água cair no meu corpo. eu chorei. mas não te dou este tipo de intimidade! – Jura? – ele fez uma cara de sínico. queria conversa com a Claire se eu ligasse no convento e falace que era eu eles não me deixaria falar com ela.. – Desculpa. – Não era isso que parecia quando você gemia meu nome louca de prazer ontem à noite. não era eu que iria puxar papo e ser simpática só porque ele tinha me comido na noite anterior. –Aquilo foi um deslize. derramei algumas lágrimas quando pensava na minha mãe me dava um aperto no coração.

– Ataaa! Mas fala ae. – Tudo bem vou mandar chamar aguarde um minutinho. – Não sou mais virgem. –SUA SAFADA! – ela gritou. – Alô? – Oi sua VACA! – Ân? Quem está falando? – Sou eu sua safada! A Caissy.. está tudo bem. – Esperou ficar longe de mim para liberar a tcheca. – Claro que não. – Ué. mas se não é isso o que foi ruim então? . È que eu gostaria de falar com a Claire Gates a amiga da Caissy. – Ai sua burra se eu falace que era eu a Madre não deixaria você falar comigo. – Fala baixo Claire! – Relaxa a madre não está aqui. ela é separada. – Então o que foi? Respirei fundo e falei sem enrolação.... Depois de um cinco minutos Claire atendeu.. ele não broxo.. – Uè.– Não madre. o que você quer? – Eu to mal amiga? – Por quê? Estão te explorando ai? – Antes fosse.. Caissy está sendo uma ótima garota.. A não ele é marido da sua tia? – Claire! – gritei com nojo. – foi mais fácil do que eu pensava. nem é marido da Pattie. Mas me conta com quem foi? – Essa é a pior parte. – Por quê? Ele broxo?. Mas falaram que sua tia queria falar comigo.

– Você deu pro Justin. – Foi com o filho dela.. – Claire ele me trata mal... ele me desvirtuou. – Ai amiga essa é a pior parte. ele não é homem pra romance. – Eu percebi. Porque agora além dele te beijar ele já te fudeu também.... – Ai Claire nem eu sei se estou sentindo isso. – Caissy te conheço há anos e sei que você está apaixonada por ele. – Ah.. Foi perfeito eu nunca senti uma coisa tão boa. Eu estou me sentindo um lixo amiga. – Nossa! Aquele cú doce que você fez quando ele tentou te beijar não valeu de nada. – O Drew Bieber? – Você conhece algum outro? – Filha da puta! Não acredito que você deu pra ele... Mas eu não quero romance! Ele podia me tratar um pouquinho melhor né. mas agora ele me tratando que nem puta barata. – O que? – ela gritou – È isso mesmo que você ouviu.... Adorava a sinceridade dela. – Claire isso não tem graça! – Claro que tem! – ela caiu na gargalhada. Justin Bieber. mas eu conheço muito bem esse assunto e sei. é normal ter um sentimento pelo cara da primeira vez. – Você deu pro gostoso do Drew Bieber e está se sentindo um lixo? Vai tomar no cú Caissy. mas o pior é ficar na mesma casa que ele. mas amiga desencana ele não presta. – Não!.Fiz um silêncio e depois falei de uma vez. . – Ta. – Nem eu.

Pulei na cama rindo muito se lembrando dela chamando o Justin de “Putão” ela era a pessoa mais louca do mundo. Ria alto. sim! – Então ta bom amiga. mas então está tudo combinado neha? – A Madre está ai né? – ela tinha mudado o assunto à madre devia estar do lado dela. apaguei a luz liguei o som no ultimo a porta estava encostada sem ser fechada com chave fechei meu olhos e comecei a dançar.Say hello to the girl that I am! Estava precisando de um agito ficaria um tempo na casa da Pattie e acho que não iria poder ir pra noite. quiiridaaaa. Rápido ele não? Então ele está a fim? Ele não estava me tratando que nem puta então eu seria uma puta. decidi liberar um pouco extravasar. eu vou ter que desligar porque já está na hora da nossa refeição. Tchau beijos – Tchau. dançava sem parar estava liberando as minhas energias ali mesmo no quarto. Ele estava com uma blusa de botão e eu estourei todos até tirar a blusa dele senti o sorriso que ele tinha no rosto. Pattie não estava em casa mesmo.. então estava gostando daquilo? . – Dona Pattie. CONTINUA.– Relaxa logo menos você vai voltar e vamos pra ativa juntas e você vai esquecer esse putão rapidinho. mas uma puta que deixaria ele louco.. o joguei com força e brutalidade em cima da cama. me virei e comecei a rebolar de costa no pau dele sentindo o volume que ia se criando cutucando minha bunda. – Sim. e fugir sozinha pra ir dança não tem graça.. engatinhei de quatro até ele.. Deixei as batida da música me levar. quando senti umas mãos agarrarem minha cintura estava escuro mas quando me virei senti o cheiro dele e que era inconfundível era o Justin. ela me deixava tão pra cima. *-* Capítulo 6 . sentei em cima do pau dele com força e comecei a rebolar provocando-o estava me divertindo cada vez que sentia seu pau pulsando em baixo de mim. Liguei o rádio e estava tocando “On the Floor”. Era muito bom falar com aquela doida nossa me fazia um bem tão grande. Trocou a música e começou a tocar “Till the world ends”.

as mãos dele começaram a se mexer percorrendo o meu corpo. mas estava não iria me entregar. minha vontade era quebrar a cara dela por ter feito aquilo e ainda ter tirado uma com a . – dei de ombros a final como o Brian disse ele tinha amigas pagantes. – Não te perguntei nada! – ele continuou me olhando – Você vai me deixar assim? – ele apontou pro pau dele que estava quase rasgando as calças de tão duro. . eu sentia o membro dele em baixo de mim quase entrando em erupção. FORA DO QUARTO AGORA! – Eu estou na minha casa. – ele continuou com aquela cara de cachorro pidão sentado na minha cama me olhando..Tudo bem! Vou dar um tempo pra você se recompor enquanto tomo água. percebi que já era hora de parar mordi os lábios dele com força fazendo ele me soltar e levar as mãos na boca dele que estava sangrando. cheguei à cozinha e me matei de tanto rir quando lembrava a cara dele quando eu disse que não faria nada.. – O que? – ele disse com a maior cara de bocó...Comecei beijando a barriga dele e fui subindo devagar até chegar à boca dele. – abri a porta e apontei para que ele saísse.. Aquela vadia iria me pagar caro por ter feito aquilo e me deixado daquele jeito. – ele estava arrogante. – Tudo bem você não entende de um jeito delicado vou tentar de outro. Posso imaginar o quanto isso é constrangedor para um homem. – sai do quarto com um sorriso de vitória no rosto estava me sentindo. – ele se sentou na cama enquanto eu acendia a luz e desligava o som.. comecei a dar um beijo devagar e cheio de gracinhas até que as mãos dele se entrelaçaram impacientes nos meus cabelos e segurando minha cabeça com força me puxou para um beijo violento e voraz. – E porque você acha que eu quero comer você? – Desculpa. e cada vez mais ele me beijava com desejo estava me controlando até o ultimo era difícil. – Acabou a festa. POV Justin. – Todo homem sabe se aliviar tanto com as mãos ou com uma puta. – Sua louca. mas não estou disponível.

– Me chamou? – falei com voz de sínica e de inocente. Não tinha o que fazer e nem pra onde correr. – soquei o peito dele e tentei correr. quase me escondi. . – Não perguntei nada.minha cara. – ele correu atrás de mim enquanto eu corria em círculos no balcão fugindo dele. – Você não vai me deixar assim mesmo! Ele estava em uma ponta do balcão e eu na outra pronta pra correr. mas ele colocou as mãos no balcão me prendendo em seus braços e prensando o seu corpo contra o meu. Mas isso não iria ficar assim mesmo. – parei enquanto ele tinha parado descansando. eu iria achar aquela vaca. ela tinha me assanhado e sem sexo eu não iria ficar. – E agora? Quem não está disponível? – ele dizia rindo e com um olhar de luxuria e maldade. – Eu vou é me aliviar é com você mesmo. Estremeci ao escutar o berro e a fúria que o Justin gritou o meu nome. – Sai da minha frente Justin! – falei com a voz fraca e quase não saiu nada. Ele balançou a cabeça negativamente e explodiu. a ia – CASSIDY! POV Cassidy.. mas fiquei intacta na cozinha quando ele entrou com um olhar de raiva e fúria. parecendo gato e rato. – ele me surpreendeu pulando em cima do balcão e caindo na minha frente sem me dar espaço para fuga. Sai do quarto na fúria se ela não fez por bem iria fazer por mal. – Vai falar que você não quer? – ele começou a chupar meu pescoço distribuindo beijos e chupões com rapidez. mas eu não queria me entregar e nem podia. – CASSIDY. – Eu sei que você fica molhadinha só com o meu toque Cassidy. – Já disse não estou disponível.. estava ficando excitada com a respiração dele e o jeito que me olhava e me prensava contra o balcão. – gritei nervoso enquanto descia as escadas e não obtive resposta. – Sai Justin. – Já disse se alivia com as mãos ou chama uma puta.

– Disse para me solta! – a mão dele jorrava sangue e eu estava indiferente. – ele pegou outro pano porque o primeiro estava completamente encharcado de sangue... – Vou ligar pra sua mãe. quando passei a mão no balcão e achei uma faca. mas não iria o deixar sangrando daquele jeito sem ajudar e me sentir culpada depois. se não vou quebrar tua cara. o que Pattie iria pensar de mim? Além de furar o filho dela eu não o ajudei. Subi correndo e entrei no banheiro do quarto da Pattie peguei a maleta de primeiro socorros que ela usou no meu curativo e desci correndo até a cozinha. – falei arrependida quando vi aquele monte de sangue eu tinha machucado ele pra valer. ele estava quase tirando a minha blusa. Podia quebrar minha cara como ele tinha dito. quase tendo os meus seios pra ele. – Você me furou. . – A jura?. Só faz uma coisa desaparece da minha frente. Nem percebi.. – Me deixa ajudar você. – ele estava com ódio. – Sai daqui – ele falou entre dentes e pegou um pano na gaveta tentando estancar o sangue que não parava de sair e estava pingando. Ele olhava incrédulo. – Não! – ele gritou. – Você está sangrando de mais... – Só estava me defendendo. – FILHA DA PUTA! – ele gritou me soltando na hora.– Pa-Para. – Sai daqui! – ele me empurrou de perto dele. – levantei as mãos pra cima me rendendo e me explicando. – ele ainda não acreditava no que eu tinha feito.. – Não quero sua ajuda. peguei a faca com muita dificuldade e enterrei na mão dele sem dó nem piedade a furando.. – tentei falar com a voz fraca quando a mão dele entrou em baixo da minha saia apertando as minhas coxas me fazendo arrepiar todo o meu corpo ao sentir o toque dele na minha pele.. – Tem certeza que você quer que eu pare? – ele sussurrou no meu ouvido com aquela voz sexy e grossa podia sentir a seu sorriso de vitória.

– Cala boca! E me deixa cuidar disso. lindinho não. . ele ficava mais lindo do que já era irritado. – Eae! – Brian surgiu na cozinha me fazendo levar um pequeno susto... – A propina já foi paga. – Ei Drew. só atacar. MINA. Abri a boca para responder. mas limpinho não precisaria tomar ponto foi um corte. – Pronto! Acho que ficou bom – sorri soltando a mão dele que ainda estava com a cara fechada. – Trabalho. queria mostrar para o Bieber que eu tinha intimidade com ele. Não dá pra fazer isto sozinho. – Não temos nem Ryan. pois tinha apertado bem em cima do corte. – Me cortei. EU JÁ MANDEI VOCÊ SAIR DE PERTO DE MIM. Limpei o sangue que estava em excesso ele virou o rosto para o lado pressionando os lábios um no outro aquilo ardia. iria limpar com álcool... mas iria arder muito então limpei com iodo mesmo. na verdade não tinha. – ele disse arrogante. ele puxou de volta e puxei de novo o fazendo fazer uma careta. mas eu o ignorei. – O que você está fazendo aqui uma hora dessas Brian? – perguntei toda animada e com voz de oferecida. pois o corte estava aberto. mas iria tentar passar essa imagem. – Não vai me agradecer não? – disse com um sorriso sarcástico na cara para vê-lo irritado. nem Chris e nem Chaz. – puxei a mão dele pra perto de mim. mas o Justin foi mais rápido que eu. – ele gritou furioso colocando a mão que estava boa na cabeça mostrando impaciência e raiva. Deixei o machucado lindinho. – Vai pra puta que te pariu! – ele rosnou abrindo a geladeira e pagando um copo de água. – Justin tinha uma arrogância quando se referia ao Brian tanto um quanto o outro. mas não foi tão fundo tinha umas faixas na maleta então eu enrolei na mão dele para que não pegasse bactéria no machucado. – ele chamou quando Justin já estava saindo da cozinha. – ele disse pouco animado.– MINA. – Brian! – gritei animada ao vê-lo e senti Justin me fuzilar. – O que aconteceu aqui? – ele franziu o cenho vendo toda aquela bagunça de sangue.

Caissy? – ele destacou o meu nome. – ele levantou se arrumando.. mas não fazia nada e nem me comportava como uma santa. – Foi o Justin quem fez. – Ata. –Que? – Não aprendeu a rezar no convento não. pois estava me chamando do jeito que pedi. – mal sabe ele o que eu sou e faço. – Que coisa feia! – ele me olhou com cara de reprovação. CONTINUA. estava literalmente boiando. – Claro que aprendi. – Você acha que sou uma santa? Eu só fui internada no convento. – Pattie não vai gostar de ver esta bagunça na cozinha dela.. – sorri sem graça enquanto ele ia em direção à porta.– Consegui falar com eles está noite. – Já rezou para dormir irmã? – Brian pegou uma maçã e sentou no balcão.. È que uma amiga vai me visitar. ele deu de ombros e depois saiu. Justin balançou a cabeça e saiu fora. – ele disse com o sorriso de orelha a orelha. – ri das gracinhas dele. – não estava entendo nada do assunto. – falei ofendida. – Mora longe? – Não muito. e ele olhou o relógio.. – disse rindo. E amanhã cedo eles já cruzam a fronteira com todo o material que precisamos. mas não rezo para dormir. – Nem eu. *-* . – Quem pode te salva é só Deus. – Hey! – olhei para ele quando ele me chamou. ri comigo mesma. – Que decepção! Achei que você poderia me salvar dos meus pecados. Ele que limpe! – Tenho certeza que ele não vai mover nem um musculo do corpo dele para limpar isto aqui... – Tenho que ir.

. desci de pijama mesmo estava com uns shortinhos e blusinha apertada com um monte de moranguinhos tinha aquele pijama há uns dois anos minha mãe tinha me dado de natal e eu o guardava com muito carinho só usava de vez em quando. aqueles gritos estavam entrando na minha cabeça e quase a explodindo. mas deixa pra amanhã. nunca tinha os visto antes os únicos que conhecia ali era o Justin e o Brian que me deu um sorriso lindo . – ela me beijou na testa. aquilo me deu uma ótima sensação de crueldade. escovei os dentes e fiz uma trança deixando-a de lado. acho que estou apaixo. não consigo ser normal. Subi para o meu quarto depois de recolher os panos sujos de sangue não limpei o chão só recolhi os panos e guardei a maleta de primeiro socorros. como ele conseguiu? Como ele conseguiu me domar assim tão fácil? Ele tem todas as características para que eu o odeie. A sala estava cheia de moleques gritando e rindo muito alto. se antes ele já me odiava imagina agora? pode multiplicar por três que a raiva dele deve estar nesse nível. Acordei com uma gritaria do caramba. vai que ele faz alguma coisa comigo só por vingança. Vesti meu pijama e me deitei.. – gritei um pouco sonolenta. Já era quase 00h00min não me encontrei mais com o Justin ele tinha sumido naquela casa gigante ou ele estava no quarto porque a porta estava fechada.Capítulo 7 . nem a vi sair do quarto. já sei que ele é ruim e bem frio e não posso me esquecer que ele já matou uma pessoa perto de mim então não posso ficar bobeando com ele. Comprei umas coisinhas pra você. pois tudo nele me atrai tudo relacionado a ele é totalmente intenso para mim eu perco o controle quando estou perto dele. – Entra. – Vim só te dar um beijo de Boa noite. – Caissy? – Pattie entrou no quarto delicadamente nas pontas dos pés. mas eu não consigo desde a primeira vez que fui tocada por ele não consigo mais controlar os meus desejos que se tornam insano quando ele está por perto. E agora? Agora eu só tinha aumentado à raiva que ele tinha de mim. – sussurrei enquanto o sono tomava conta de mim. lembrei-me de eu furando a mão dele foi tão engraçado onde eu estava com a cabeça pra fazer aquilo? Ri sozinha. Agora eu tinha era que ser esperta não podia bobear com ele não. – Boa noite. Bateram na porta.Ele já teve um coração Sim.

– Falta o Brian. – Pattie surgiu na sala tentando me cobrir com as mãos dela. e ela me puxou pela mão me levando junto para o quarto dela. – Ei. senti minhas bochechas corarem por ser o centro das atenções quando apareci. – menti. Está é a Caissy.Brian veio até mim e me deu um abraço me tirando do chão. – Quem é esta gostosa? – agora senti minhas bochechas pegando fogo. Eu ainda estava sentindo uma puta raiva por aquela cachorra ter me furado estava estressado com ela. quando minha mãe a levou para a cozinha me senti um pouco mais aliviado.. e Chaz. ei. – Chris disse não me deixando esquecer aquele cara.. – ele disse entre dentes e com o jeito amargo e arrogante que só ele tem. – Porque quero mostrar a planta do prédio para vocês. vi que Justin estava me encarando com ódio acho que ele ainda não tinha digerido a minha brincadeira com a faquinha. só queria manter eles o mais longe possível dela. – ela apontou um a um.. – Por quê? – Chaz perguntou. Cris. – E meninos.quando me viu todo mundo ficou em silêncio quando me viram.. POV Justin Precisava aparecer vestida daquele jeito? E ainda por cima na frente dos caras? Fiquei um pouco nervoso quando os vi a olhando como se fossem devora-la. – Brian podia vir aqui um pouquinho?– Pattie pediu e ele balançou a cabeça que sim. ei. . – Ela é minha sobrinha. – Bom dia Caissy. – Onde conseguiu essa delícia Brian? – um outro pergunto enquanto Justin me fuzilava. – ela ficou na minha frente tapando o meu corpo da visão dos garotos. Caissy este é Ryan. – Aê Drew! Ta bem de prima em cara! – Chaz acho que esse era o nome dele disse dando um tapa na cabeça do Justin fazendo ele o olhar com olhos semi serrado e com raiva pelo tapa. – Ela não é minha prima. . – Essa daqui não é para o bico de vocês não. – Porra! – um loirinho gritou. ei. – Vamos pro escritório? – falei mandão e um pouco nervoso.

– Ta com ciúmes. – To com ciúmes de ninguém não. Só fiz uma pergunta. – dei um soco na mesa com a mão machucada e senti os nervos ficarem elétricos me dando um pequeno choque. Cara ela ta afim do Brian vocês não viram? – Ahh Bieber vai me dizer que toda essa raivinha é pelo Brian? – eles não paravam de rir e já estava me irritando. Adoro dar presentes e ainda mais quando gostam. – ela tinha comprado um monte de roupas para mim. Ocupei minha cadeira e eles se acomodaram em algumas cadeiras e um sofá que tinha ali.. – tinha de tudo era muita roupa. – Mano se eu te contar você vai ficar pior que a gente. eu tinha gostado. – a abracei. – Ryan levantou as mãos pra cima. – Calma ae meu irmão. Comprovado. . – O que foi? – Brian perguntou confuso.– Ele deve estar ocupado com a CAISSY. – Que bom que você gostou.. – Todos caíram na risada com a piadinha do Chris. POV Caissy – Pattie são lindas eu amei todas.. – Obrigada. – Só fico triste de ter que ir pro Canadá assim correndo e te deixar. Brian entrou na sala os fazendo rir mais e se contorcerem de tanto rir. então vamos fazer essa merda sem patifaria. – Bieber é impressão minha ou você está com ciúmes da sua prima? – Ryan começou a encher o saco.. – Cala boca porra! A gente veio aqui pra trabalho. – Ryan destacou o nome dela sendo irônico. – Ela não é minha prima porra.. mas nada que um toque não ficasse do jeito que eu gosto. – Dá pra ir logo? – levantei nervosos e sai sentindo eles me seguirem. – eles fizeram silêncio e eu abri o cofre tirando a planta e mostrando o que iriamos fazer.. comportadas. – Ryan levantou colocando um braço em volta do Brian.

– Cadê o Justin? – Quando sai ele estava no escritório. E se precisar de alguma coisa qualquer coisa só você falar com o Brian ou me ligar.. também quero ir levar Pattie no aeroporto. – Sua mãe precisa mais de você do que eu neste momento Pattie. deve estar por lá ainda. – ela me deu um beijo melado na bochecha. e sei também que ele é difícil de lidar. . – Estou pronta já. mas sei também que você é só uma menina pra ficar com esse monte de homens aqui em casa. – sai pulando do quarto deixando Brian lá. – eu não quero voltar pra aquele lugar nem tão cedo. principalmente se eu ficar sozinha com ele. isso gera muita burocracia para sair do país. eu não tenho sua guarda e nem sou responsável legal por você. Você já pediu para o Brian me ajudar quando eu precisar tenho 16 anos posso me virar. Ela me abraçou. – Não quero te mandar de volta pro convento agora. mas Caissy não aceita provocações nem nada do tipo que vier dele. – Você é a filha que eu não tive. – ela sorriu terminando de fechar a mala. Você está se adaptando tão bem aqui. – ela nos fez rir e saiu. – dizia enquanto ela começava a arrumar as malas e muito preocupada por me deixar sozinha. ele disse que voltaria para levar Pattie ao aeroporto depois da reunião com os meninos e voltou. Ela iria ter que ir pro Canadá porque a mãe dela sofre de Alzheimer e tinha piorado o seu estado e parece que houve uns problemas por lá. aqui por mais que tinha o chato do Justin eu me sentia livre. – Eae Pattie? – Brian apareceu na porta do quarto. – Mas o problema é a guarda. – Vou tomar banho. – Relaxa eu me entendo com o Justin! – sorri e ela me retribuiu.. – Me deixa dar tchau pra aquele coração de pedra se não nem isso ele faz. – Você sabe que se eu pudesse eu levava você né? – balancei a cabeça que sim e ela continuou. – Não precisa pensar nisso.– Pattie pode ir tranquila e despreocupada. – Sei que você e o Justin estão em um período de adaptação. – ela estava tão afoita. juro que vai ficar tudo bem.

POV Justin Caralho quatro batidas na porta será que não entende que eu não quero atender? – Quem é? – Justin? – minha mãe perguntou. – Quer ir? – Não dá Chaz e Ryan jaja volta aqui para terminarmos de pegar os matérias para nos prepararmos. Por quê? – Nada. – Eu já estou indo. – Mãe o santo da velha é forte. – fiz um carinho na cabeça dela. Agora! – ela mudou a voz dela de fofinha e chorosa pra mandona.. – Quem vai te levar? – Brian e Caissy. ela vai ficar bem. . – Promete pra mim que vai cuidar da Caissy enquanto estiver fora? – ela se afastou e me encarou dentro dos olhos. – Mãe? – Promete. Justin Drew Bieber.. que estava pousada no meu peito enquanto derramava as lágrimas molhando minha camiseta. – ela riu e me deu um beijo na bochecha. – Pra que? – Abre logo Justin. – ela me abraçou. – Que é? – Abre aqui. – Tenho medo de perder sua vó filho. – bufei e depois abri a porta – Fala mãe! – ela estava parada me olhando com os olhos brilhando parecia que ali iria brotar uma lágrima. a qual é mãe? Vai chorar na minha frente? Ta de sacanagem com a minha cara. – Ta mãe eu vou cuidar daquele demônio.

ela nunca gostou do que eu fazia.. Ual eu nem estava acreditando que só ficaria eu e o Justin naquela casa gigante. – ela me abraçou forte e depois de um beijo no Brian. – Não deixa nenhum daqueles machos chegarem perto dela. mas ela só tem 16 anos Brian... – não precisa de me queimar assim né Pattie. POV Caissy – Caissy? – Brian bateu na porta eu já estava quase pronta. e falar um monte de coisas fiquei até com um pouco de sono. Vai logo você vai perder seu voo. tem todo esse corpão esse jeitão de mulher. – Brian estou confiando em você viu. mas hoje já ta de boa ela até me ajuda às vezes. – voltei a sentar na minha mesa. ela estava tão triste em me deixar. – Ata.. – Às vezes sinto uma inveja da sua educação. depois ela de uma lista de recomendações para o Brian antes de embarcar que garanto que ele não lembrava mais nem da metade no meio do caminho. meu só vai ficar eu e ele ta entendendo? vou aprontar muito. independente da hora.. – abri a porta fazendo ele me dar um sorriso Entramos no carro e Pattie desembestou a chorar. – Caissy Pattie pediu para você se apressar. Tenho um orgulho porque você realmente aprendeu tudo o que eu te ensinei. eu deveria sentir medo mas o meu extinto safada ta bem maior que o medo.– No dia do roubo tente manter a Caissy fora de casa e fora disso não quero ela envolvida nisso tudo ela é muito nova. – Caissy o que precisar me liga. Ela é só uma menina. Ficamos esperando a Pattie embarca. – ela reforçou o que já tinha falado umas dez vezes. Ela riu pelo nariz e me mirou. – ela disse sendo irônica sorri para ela e ela saiu fechando a porta e me deixando sozinho de novo. Ficamos olhando ela ir para o portão de embarque ela foi se derretendo de tanto chorar.. mas ela teve que aceitar para viver perto de mim ela teve que se submeter a isto e também porque hoje vivemos disso no começo foi difícil domar a fera. – minha mãe disse um pouco nervosa em falar aquelas palavras. – Agora eu que mando! – Brian passou um braço no meu pescoço me abraçando. – Pode deixar Pattie vou ser à sombra da Caissy. – Pronto. Chegamos ao aeroporto e esperamos ela fazer o check in e um monte de coisas chatas de aeroporto. – Ta ta mãe. Em mim não? .

. mas para mim não era tão natural assim. – Hum. Acho que ele e os garotos foram ver uns hacker.. Não mandar em mim. não brinca com fogo. – fomos caminhando até o carro. Tenho uns assuntos pra resolver ainda. O que aconteceu entre você e o Justin? – perguntei um pouco acanhada.. Bem inteligentes vocês. não ouviu? – Não ela disse pra você me ajudar. – Você vai ter que dormir em casa também? – Não... – me afundei no sofá toda esparramada.– Pattie deixou você na minha responsabilidade... – Menina. . – ele me olhou com cara feia – Sonha! Não é só porque você tem cara de mau que me amedronta. – AH! – Porque você quer que eu durma lá? – Não era só pra saber! – desci do carro quando ele parou em frente de casa. já que estávamos falando do Bieber iria saber mais sobre ele.. – ele se mexeu no sofá e ficou um silêncio. – Brian. – ele falava de roubo de hacker com uma naturalidade.. – Brian onde será que o Justin tá? – Sei lá. – E eu com isso? – Agora você tem que fazer tudo o que eu quero. – Brian se jogou no sofá me fazendo rir. Entramos e não encontramos com o Justin acho que ele ainda não tinha chegado em casa. – Hacker pra que? – Precisamos que os hackers entrem no sistema da polícia desligue a segurança do banco e mantenha todos os policiais longes. – Vamos lá Caissy eu que mando agora..

O Justin a deixou fazer essa loucura. nunca tivemos um pai então eu era o homem da casa.. Eles começaram a se envolver escondido de mim. mas éramos bons tinha acabado de conhecer o Justin e os moleques. mas eu já não tinha mais nada a ver com a vida dela ela já nem morava mais em casa. – dei de ombros. Ela era só uma menina inocente não merecia isso. – Mas ele não obrigou sua irmã a fazer nada. Não sei onde minha irmã e minha mãe estão e nem se eu soubesse não deixaria voltar pra vida que tinha ao lado dele. ela era jovem gostava de estudar não tinha nada ver com a nossa vida e eu faria de tudo para mantê-la longe de tudo isso. um dia eles estavam chegando em casa e tiveram o carro metralhado Alexia tomou um tiro e ficou mal.– Porque você quer saber? – Só por curiosidade mesmo. Ela fez porque ela quis. – Não ela fez porque começou a viver com o inconsequente do Bieber. Ele quebrou o silêncio e começou a falar.. – Éramos novos no que fazíamos. Alexia começou a se envolver com drogas e queria muito entrar na Máfia para roubarmos juntos. mentira eu queria mesmo era saber qual o problema dos dois o que tinha acontecido de verdade. todo mundo sabia menos eu. eu era contra não deixaria que ela fizesse isso.. mas ele não aceita isso. mas a verdade é que Alexia não queria mais viver com ele e tinha medo do que ele acharia disso e foi embora tentando se proteger.... só que ele acha que tudo isso é minha culpa que eu a fiz ir embora.. Alexia estava muito mal minha mãe decidiu tirar ela de Atlanta e afasta-la do Bieber ela também já não aguentava mais a vida que estava vivendo e quis ir embora. – Eu nunca entendi o amor deles. mas depois fomos criando habilidades e nos tornamos cada vez melhor nesse ramo. Só que ela era folgada e mexia com as pessoas erradas ela tinha um rei na barriga.. – Mas ele a amava também.... – Vai me contar? – insisti e ele abaixou os olhos e ficou encarando o chão. ela não sabia nada da vida e aprendeu da pior forma.. – Mas ela foi embora e ele não foi atrás dela? . um dia eu peguei os dois juntos e ai o namoro deles não era mais sigilo para ninguém. Justin me acusou dizendo que aquilo foi a mando meu mas eu nunca mandaria matar ele sabendo que a minha irmã o amava e sempre estava ao lado dele. O Bieber começou a frequentar mais a minha casa e conheceu minha irmã... A nossa Máfia era perfeita o começo foi difícil pelas dificuldades.

ele ainda achava que a irmã dele estava certa. – ele falou um pouco ríspido. e nem um dos dois pode abandonar a máfia. . – Ual! – falei surpreendida. – Vou indo nessa. Não acaba assim não é tão fácil seguir em frente. seguido a vida dele em frente e não ficar remoendo uma coisa que já passou.. – Se era amor mesmo como você disse. – Quem diria o Justin amando alguém. – me sentei em cima das minhas pernas trocando de posição. Ele balançou a cabeça acho que ele não gostou do que eu falei. – Ih Caissy! – ele riu. Chaz e Ryan fez a gente fazer um acordo. – Ela foi viver a vida dela.. E o que ele fez não tem explicação. – Agora eu entendo porque ele é assim.. – ele deu um beijo no meu rosto. – Você já está brisando. – ele balançou a cabeça e foi embora. acho que isso é sono. ele procurou de mais só que nunca achou. Mas Chris.. Ele devia ter feito o mesmo.. – Percebi.... Várias vezes ele se armou tentando me matar.– Foi.. – Ele estava destruindo a vida da minha irmã. – Você é muito nova pra entender tudo isso. – Alexia também amava muito ele. – dei a língua e ele ficou de pé.. – Passa aqui amanhã? – Sim. – Mas aconteceu tudo isso e vocês ainda trabalham juntos? – Ele me jurou inúmeras vezes de morte. – Para entender de amor não importa a idade... a gente tinha que travar essa rixa se não os dois iria pro saco e se acontecesse alguma coisa com qualquer um o outro seria o primeiro suspeito. Ele colocou Atlanta de cabeça pra baixo. – senti uma saliva amarga não gostei muito da história do Justin gostar de outra mulher. Não é a toa que ela foi embora.

– Estava ocupado. Bateram na porta. Mas era tudo muito chato ficava a maior parte do tempo sozinha.. Pattie no começo me ligava sempre. o Brian sempre vinha no final de tarde e ficava um bom tempo comigo. às vezes dava sorte em encontrar ele em casa ou no corredor em outras ocasiões ia dormir e ela ainda não tinha nem chegado. mas dava pra escutar a fúria que ele estava em falar com alguém no telefone. – Ciumenta eu sou homem tenho necessidades. – Justin estava na cozinha. mas ultimamente eu estou subindo pelas paredes.Porque você foi fuçar a minha vida? Os dias foram passando e o meu contato com o Justin era mínimo. Desci correndo e encontrei Brian na sala me esperando. sentei na cama e fiquei pensando em tudo o que o Brian contou. – dei um abraço nele. *-* Capítulo 8 . – Vou. CONTINUA. – escutei a voz rouca e ríspida do Justin. só falávamos o essencial e ainda tinha dia que eu nem via ele. Ele riu e pegou o meu nariz como um gancho nos dedos. mas depois foi relaxando um pouco. . – Quem é? – O seu amigo está te esperando lá em baixo. – nossa nem me fale em necessidades eu nunca tinha sentido isso antes. – Vai sair hoje? – perguntei isso porque um dia desses ele me trocou pra sair com uma vadia. mas arranjei um tempinho pra vir aqui. – Já não estou valendo mais nada mesmo né? – Por quê? – Já é a segunda vez que você me deixa pra sair com suas amigas pagantes..Subi correndo tirei minha roupa e entrei no banho. foi um banho rápido só para liberar o calor do meu corpo depois. – Achei que você nem ia vim hoje.

O que esse cuzão quer agora? – Não sei. Era o Justin e Ryan colocando algumas caixas no escritório. Agora os pensamentos sobre o Justin vinham em minha cabeça como assombração era impossível que aquele ogro que eu conheço tenha amado tanto uma pessoa do jeito que ele amou Alexia como Brian me disse nunca esquecia essa história. – È.. Fizeram barulho na andar de baixo e eu corri para a ponta da escada para ver o que era. – falei irônica e ele riu. – Nossa como você reclama... – Você está vendo que eu tento dar uma escapadinha pra te ver.– E eu com isso? – falei emburrada. Mas parece perseguição quando eu chego aqui aparece um monte de coisa pra eu fazer. Já estava me sentindo no convento nunca saio daqui desse jeito eu vou mofar. – Que bom né. – Mas nada. . – Princesa eu vou lá. – ele revirou os olhos me deu um beijo e foi embora. – Agora? – o Brian falou desanimado. – ele foi pro escritório com toda aquela arrogância que ele tinha.. – Ah prometo que amanhã eu vou levar você pra dar uma volta. – Já fiz muito em te avisar. Amanhã você tem obrigação de vir aqui e me levar pra sair. – Ual só porque você é um cara muito ocupado. – Justin saiu da cozinha. Voltei pro meu quarto aquilo lá parecia uma jaula não aguentava mais ficar o dia todo ali dentro. fiquei um bom tempo deitada na cama sem nada pra fazer só pensando nele e nele. – Eu já fiz a minha parte.. só isso que eu sabia pensar já estava agoniante principalmente em saber que o coração dele já estava ocupado. Mas.. – ele fez cosquinhas em mim e eu me retorci. nele. – Brian. – Justin disse ríspido. voltei para o meu quarto e me esparramei na cama. – Chaz quer que você encontre com ele no galpão. Dei a língua pra ele e me sentei em outro sofá longe dele.

ele estava na mesa dele com o olhar fixo em uma foto me cortou o coração ver aquilo. – Também.. Ele me olhou estreito. Justin atendeu pegou e pagou a pizza depois a troce pra mim na cozinha.. Fiquei olhando.Desci para tomar água e a casa estava um silêncio. Coloquei uma coca pra gelar. a porta do escritório estava fechada. Não se eu iria tomar agora. Eu estava sentada em cima das minhas pernas entediada com aquele filme e da falta de papo com ele. mas eu sabia que ele estava lá dentro. . – dei de ombros e falei desanimada não estava nem um pouco a fim de retrucar.. – ele disse guardando a foto na gaveta e me encarando.. mas não tirei meus olhos do filme por vergonha não conseguir olhar pra cara dele. – Justin. caminhei devagar até o escritório dele e fiquei um tempo parada na porta estava criando coragem e pensando em algo para falar até que abri a porta. – Você toma coca? – Tomo.. e depois escutei a companhia tocar. – Ta né. Estava passando “Efeito Borboleta” filme velho pra caramba. – Só como de mussarela. fiquei sem jeito e nem consegui falar nada. Vou pedir pizza. – Você perguntou se eu tomo coca. Você quer? – pensei rápido. – ele sentou no sofá e colocou a pizza na mesinha. Tenho certeza que quem estava naquela foto era Alexia.. – Ele abriu a geladeira procurando outra coisa. – To com fome. – Fala Cassidy. – sorri saindo e indo até o telefone para ligar pra uma pizzaria. tipo. – o chamei... – Uè você não vai tomar coca? – ele estava enchendo um copo com gelo. o que ele estava fazendo? Ele bateu a mão no sofá e disse: – Senta ae. Fiquei o olhando até que ele me notou. comi minha pizza em silêncio. Enquanto estava no telefone ele passou por mim e foi para a sala de TV. Ele pegou a pizza e o copo que ele lotou de gelo encheu com alguma bebida estranha e levou tudo para a sala o segui porque ele tinha levado a pizza inteira.

Você não gosta do Brian? – falei com medo da resposta dele. Olhei para ele e ele estava prestando a atenção no filme e ignorando totalmente a minha pergunta sem dizer nada.. fura minha mão e pior está se oferecendo pra um cara na minha casa e me fazendo ter que ver a cara dele todos os dias. EU VOU TER QUE FICAR ESSE TEMPO TODO SOZINHO COM VOCÊ TE ATURANDO E ATURANDO O SEU AMIGUINHO FREQUENTANDO A MINHA CASA POR SUA CULPA. Fiquei possessa. apoiou os cotovelos no joelho e esfregou o rosto nas mãos. transa comigo em uma noite e no outro dia não me conhece mais. – Eu estou assistindo o filme. ..... e desliguei a TV. já me fez matar um cara. – OLHA AQUI MENINA. – O meu problema com você?. a final ele era um cavalo e eu já sabia do ódio de um pelo outro.. Peguei o controle levantei.. – O que fiz de tão grave pra você ter esse ódio todo de mim hein? – perguntei com a voz baixa e com medo do que ele responderia. – Eu te fiz uma pergunta. tudo bem que ele é mal educado que trata as pessoas mal porque esse é o jeito dele. – ele disse ríspido com o rosto escondido entre os dedos. – disse sendo chata e notando a fúria dele começar... – Meu qual é o seu problema comigo? – perguntei séria e sincera.. – falei nervosa. – Garanto que é bem mais que isso. È. – eu engoli seco escutando ele gritar comigo.– Que? – ele disse seco.. – È. ENTÃO POR QUE VOCÊ NÃO FAZ ASSIM. – E eu te fiz uma pergunta. – Você já jogou vodka pura na minha cara. São tantos.. Ele ficou de pé na minha frente e com uma cara nada boa começou a gritar. mas poxa precisava ser assim já estou cansada disso. Ele riu sínico me deixando irritada. – È como eu pensei isso é pessoal. Ele respirou fundo.. FICA NA SUA QUE EU FICO NA MINHA..

mas se oferecendo pra ele.. – Não quero te xingar nem falar nada pra você já disse que isso não importa pra mim. – Ele só é meu amigo.. . – Quer me xingar também?. claro que não. – Então você anda cuidando da minha vida? – fiquei em silêncio só encarando ele no fundo dos olhos. – Quem mandou você ir cuidar da minha vida? – ele disse saindo de vez do sério me empurrando com força fazendo meu corpo chocar contra a parede.– O Brian? – gritei sem acreditar.. tudo bem que o Brian era lindo. – Jus-Justin. – Não importa! Mas eu sei que você a amou. Isso não importa pra mim. Vai lá essa sua chance vai. até você volta de onde veio. – senti uma lágrima cair.. Para! – Porque você foi fuçar na minha vida? Porque você falou nela.. Para. – Não perguntei o que ele é seu. – ele estava começando a me ofender.. Então não fala merda. – Para.. – Ual! Mais alguma coisa? – falei irônica. – Qual é Justin eu sei que no lugar dessa pedra que você chama de coração tem uma coisa bem melhor. e que você era bem diferente do que é agora. pegou o copo dele e atacou na parede. Não sabe nada de mim.... – despejei sem pensar. – gritei com ódio. – Eu sei da Alexia... ele só era meu amigo. eu tinha piorado tudo agora. Só quero que você fique de boa sem encher o meu saco.. ele começou a segurar o meu pescoço apertando com ódio e me deixando sem ar. – Você não me conhece. agora eu realmente estava assustada ele tinha mudado completamente a expressão dele me causando medo.. – ele deu um soco na parede bem do meu lado e me soltou. Ele travou ficou me olhando sem expressão... – Quem te contou isso? – ele disse ainda seco e sem vida no olhar. – Quem disse que eu não te conheço? – falei desafiadora.

Estava deitada quando ele subiu em cima de mim. Ele me empurrou com brutalidade me jogando no chão caindo por cima de mim. sentia o membro dele me invadindo cada vez mais e aquilo era muito bom. Tirei a camiseta dele e cravei minhas unhas nas costas dele. comecei dando pequenas lambidas e depois suguei o pau dele com vontade.. – Vai Caissy para de frescura. – ele falou com uma voz desanimada. ele sentou no sofá e escondeu o rosto nas mãos. ajoelhei-me na frente dele e ergui o rosto dele o obrigando a me olhar. Troquei de posição com ele tirando a calça e a cueca ele me olhou e mordeu os lábios. suas mãos estavam entrelaçadas em meus cabelos e ele voltou a me beijar. – Justin me perdoa. mas me aproximei. minhas mãos arranhavam as costas enquanto ele sugava a minha boca. –tentei tirar ele de cima de mim. – Vai sem. – Justin. suas entocadas eram lentas e depois foram acelerando. – Me perdoa? – mexia os lábios sem deixar sair qualquer tipo de som. gemia baixo. não queria te deixar assim! . Revirei os olhos e deitei do lado dele..– Não fiz por mal. desceu as mãos em poucos segundos o senti rasgando a minha roupa. – falei com a voz tremula o choro estava preso na minha garganta. – ele me encarou. não acredito que ele não anda com camisinha na carteira. – ele começou a beijar meu pescoço. – Justin não. – Lá em cima. – ele riu e começou do ritmo que tínhamos parado. passei as costas das mãos involuntariamente no rosto dele e depois encostei meus lábios devagar dando um beijo calmo e tranquilo. trocamos de posição preferia ficar em cima. – falei com a voz um pouco falha perto do ouvido dele. Parei de chupa-lo e subi até ele. Sentei no pau dele bem lentamente o fazendo . – Cadê a camisinha. mas ele resistiu... Subi em cima dele acelerando o beijo e ficando quase sem folego. – dei um beijo rápido na boca dele – Eu sei. Suas mãos desceram e começaram a acariciar meus seios enquanto eu desci as mãos pelo abdômen desnudo dele chegando até as calças e a desabotoava com dificuldade. – ele continuou me encarando nos olhos sem dizer nada.. mas diferente. mas o que eu queria mesmo que ele me fudesse já estava sentido a minha vagina contrair. – me aproximei com medo. Ele me penetrou devagar e com cuidado. – Você não vale nada.ele continuou com as mãos no rosto sem nem me olhar. aquilo era nojento..

sentei e comecei a rebolar as mãos dele me ajudavam para ser mais rápido. As mãos dele brincavam com o meu cabelo que estava esticado nas minhas costas. – Eu vim de um convento palhaço.. .. Ele sorriu de lado. – Ai! – ele passou a mão onde eu tinha batido. Ele tinha me chamado de louca? Foi isso mesmo? – Você falou o que? – Perguntei se não te ensinaram a não bater nos outros no manicômio. Sem me tratar mal.. – Convencido. – Você gosta de mim do jeito que eu sou. Encontrei o olhar dele e senti meu coração acelerar pelo jeito que ele estava me olhando. cai por cima dele cansada. achando graça por eu ficar brava.. até que senti minhas pernas tremulas tinha gozado depois de segundo senti o liquido dele me invadir. – Assim fofo.. Manicômio é onde fica os loucos e convento é uma escola preparatória para freiras. lembrei-me do meu coração acelerando e senti-o acelerando de novo. – Claro que não Mané. – Você podia ser sempre assim né? – o tirei dos pensamentos dele – Assim como? – ele falou confuso. – dei um tapa estralado no peito dele. foi ficando mais gostoso. – Justin? – dei outro tapa nele. Ele tinha superado a primeira vez. – Caissy lá no manicômio de onde você veio não te ensinaram a não agredir as pessoas? – Que – sentei no chão encarando ele incrédula. Seria muito ruim perde uma mulher boa de cama como você pra Deus. Estávamos deitados no meio da sala de TV e eu estava por cima dele. – Você ia ser freira? – Não! – Ainda bem. – Tanto faz é tudo a mesma coisa.ficar impaciente.. tinha sentido uma coisa diferente principalmente quando o vi me olhando.

– Ele não é meu pretendente! – falei autoritária e brava.. – Ta com medo do seu pretendente saber que você deu pra mim. – Quem foi que disse que eu sou sua? – Seus olhos. Estamos só de roupa intima deitados no meio da sala. Pode explodir o mundo lá fora. – revirei os olhos como ele era bobo. – fiquei chocada pelo o jeito que ele se referiu. Eu já vou.. algumas coisas não mudavam mesmo. – Idai? – E se chegar alguém? – Tipo quem? – Ah sei lá.... – Aonde você vai? – Tomar banho.. mas enquanto ela transar comigo dessa maneira não vai ter importância nenhuma.. – dei a língua e subi.. – ele me beijou. Afastei do beijo. – ele ficou de pé com um sorriso safado no rosto ele estava lindo com aquela cueca boxer preta..Válvula de escape POV Justin. – Porque nesse momento você é minha. *-* Capítulo 9 . CONTINUA. Tudo isso só aumenta a minha vontade sobre ela. – Vou tomar banho! – Vai lá jaja eu vou.. ele riu e me deu um beijo rápido.– Trouxa! – me levantei com preguiça. – Eu não quero saber o que ele é seu. estou . – Não te convidei! – Já disse. O Brian pode chegar ai a qualquer momento.

O sorriso dela não se compara a nada do que eu já tenha visto na vida. Ele abriu os olhos e ficou me olhando sem responder.fissurado com o jeito que essa menina sabe me dar prazer. Tenho uma amiga que me ensinou muitas coisas. – Como você fazia para fugir do convento? – Hã?... – Que? – ele disse ainda com os olhos fechados. ai a gente fugíamos juntas. Não tenho palavras pra explicar o quanto sou tarado por ela. – Vou.. se ele soubesse como eu fico com vergonha quando ele fica me olhando com essa cara e sem dizer nada. Sorri baixo em vê-lo dormindo ali com aquela carinha de anjo. mas esqueço de tudo quando ela fica em cima de mim louca de prazer louca de vontade. Posso sentir raiva dela em alguns momentos. Só não sabia que você era freira. – Justin! – o chacoalhei de novo. Gaguejei um pouco. vontade de acabar com ela em outros. Queria ser o vicio dele da mesma forma que ele é para mim. – o chacoalhei devagar. sou completamente pirado e sem vergonha quando estou perto dela por mais que tente me controlar ela tem o dom do descontrole. . luxuria e inocência que só ela tem. È você vai ficar ai? – os cabelos dele estavam molhados ele já tinha tomado banho em outro banheiro. – ele riu pelo nariz e me puxou para os braços dele me fazendo repousar a cabeça no peito dele. Justin estava esparramado na minha cama. Troquei de roupa e decidi acorda-lo.. – Justin. POV Cassidy Liguei o chuveiro e deixei a água cair no meu corpo levando embora todo o suor que ele tinha. fiquei um bom tempo observando ele e rindo baixo sozinha. tomei um banho demorado e quando sai..... o quanto fico louco quando ela me olha dentro dos olhos com aquele olhar de pura malicia. ela conhecia tudo eu só a acompanhava. – È. Eu vou ficar aqui sim. Porque você quer saber? – Já tinha te visto nos rachas e nas festas antes. Adorava o jeito descompensado que o meu coração ficava depois de uma transa perfeita com ele.. – Justin! – quebrei o silêncio. ela não se compara a nada que eu já tenha visto. – Eu não sou freira..

coloquei minha calcinha e meu sutiã de volta e deitei em cima dele acabei adormecendo em cima dele mesmo. – Se for. Segurei o rosto dele e o beijei até nossa respiração voltar ao normal.. ele trocou de posição tomando o controle da relação de novo. Me penetrou lentamente e depois foi aumentando o ritmo. Acordei me espreguiçando na cama. enquanto as mãos dele brincavam percorrendo o meu corpo.. – Nada. me xingou disse que nunca ficaria comigo. E hoje a gente ta aqui. – disse rindo e apertei minhas mãos no cabelo dele trazendo a boca dele para mim novamente. – brinquei o fazendo rir. Sem parar de nos beijar a mão dele começou a ser ágil em baixo de mim e tirou minha roupa me deixando só de calcinha e sutiã. Troquei de posição subindo em cima dele. Soltei uma risada sentindo cocegas com o toque dele. gemi o nome dele alto sentido minha vagina se contrair e sendo seguida pela liquido dele dentro de mim. – como ele era besta. fiquei encarando e admirando os olhos convidativos que ele tinha aqueles olhos mel que me chamavam a atenção aquele mistério que ele tinha. sua boca desceu para o meu pescoço e começou a depositar beijos e fracas mordidas tomando o meu pescoço para ele enquanto desamarrava o calção dele e depois o tirei com os pés tendo a visão de uma linda boxer vermelha. nossos olhos se comunicavam entre si e o único som era os nossos gemidos. minhas mãos passeou pela barriga dele o arranhando lentamente enquanto ele começava a chupar os meus seios e foi descendo até que sua boca parou em minha virilha me dando pequenas mordiscadas ele me vez um oral me levando ao céu e depois foi minha vez. passei as mãos e notei que o Justin não estava mais lá.. Fui para o banheiro escovei os dentes e arrumei o meu cabelo que estava . – O que foi? – ele parou e perguntou.– Sabe o engraçado disso tudo? – O que? – Aquele dia na boate você jogou vodka no meu rosto. já tinha gozado duas vezes e estava sentindo o meu terceiro orgasmo chegar. – Acho que isso é destino. Minhas mãos foram direto para nuca dele e eu intensifiquei o beijo. – ele subiu em cima de mim procurando minha boca selando um beijo. Dei um sorriso bobo por causa de meus pensamentos e o beijei lentamente. To começando a gostar do meu destino..

me virei ficando de joelho no sofá comecei a beijar ele que estava em pé atrás do sofá. – Brian. eles o seguiu Brian era o último. – como ele era convencido. Eles estão brincando só de degustação de beijo. – È verdade isso mesmo? Vocês estão se pegando? – Chris perguntou incrédulo. – Cala boca Chaz. – Ta tudo lá no escritório. – Não. mas ele continuou andando sem nem olhar para trás. – Porque eu estaria pensando em você? – disse sem olhar para trás. – SABIA! – a voz do Chaz interrompeu nosso beijo senti meu coração disparar.medonho tinha deitado com ele molhado e sem pentear. – Porque você já não vive mais sem mim. eu estava com muita vergonha muita mesmo.. Chaz. – Brian. – Porque vocês não avisaram que estavam vindo pra cá? – Justin disse um pouco nervoso e acabando com as piadinhas. fiquei lembrando de tudo. – o chamei de novo dessa vez ele se virou me olhando com ódio.. mas não encontrei o Justin também nem procurei muito. Ele deitou minha cabeça pra trás me beijou e disse. mas o olhar do Brian me deixava bem pior ele me olhava sem expressão e com desprezo.. – Eles nem são irmãos para ter incesto. Não. – Cara a gente nem ia vim pra cá todo mundo ia direto pro galpão. Mas você e o Ryan trouxeram os equipamentos pra cá então a gente veio buscar. a cada pergunta eu ficava com mais vergonha. tomei café e sentei no sofá. – minha bochecha estava roxa de tanta vergonha. – Brian. – Chaz disse e todos caíram na risada menos eu e Justin que não tínhamos explicação para aquilo e Brian que não tinha expressão em seu rosto.. Chris e inclusive Brian que estava com uma cara nada boa.. – Justin me deu um olhar de conforto antes de guiar os moleques até o escritório. – Ryan deu um tapa na cabeça dele. – Sabia que iria rola um incesto. O que você tem? . – Pensando em mim? – a voz do Justin me surpreendeu atrás de mim.. – Chris disse se explicando. Vesti uma roupa e desci com muita preguiça. – chamei. só vocês pegarem. Olhei pra trás notando todos os meninos na sala Ryan.

eu não vou ser que nem a sua irmã. Seja feliz com esse babaca... – Ai Cassy. .. – Brian. – Solta Ryan.. Mas agora eu to vendo que você é tão fraca quanto as outras e não tem nada a ver com o que eu pensava que você era.Ele riu com muita falsidade. Diferente dela eu não sou influenciável. já nasci vacinada contra esse tipo de homem. – ele disse seco e ríspido. – Eu também achava isso antes. mas dois homens juntos e enfurecidos nunca é paril pra uma mulher.... – Ah não né. – tentei separar os dois que estavam rolando no chão aos socos. Chaz e Chris vieram correndo e separaram os dois que ainda lutavam tentando se pegar. – ele praticamente cuspiu as palavras em cima de mim com muito ódio e doeu ouvir aquilo. fúria e desprezo fazendo meu coração se espedaçar em ver ele falar comigo daquele jeito. – Eu não tenho nada Cassidy. – Não tenho que ter raiva porque eu não tenho motivo pra isso. – Justin para.. Depois Chaz consegui arrastar ele pra fora. Mas estou vendo que você é mais uma que caiu fácil no papo dele. – Eu não cai no papo dele. – falei nervosa Ele se aproximou de mim com muito mais ódio e apontou o dedo no meu rosto. Se você conseguir.. – Brian? Qual é? Eu sei muito bem quem é o Justin e eu posso lhe dar com ele... Ryan... Foi bem pior você caiu na cama dele. Solta Porra! – Justin gritava enfurecido com o canto da boca sangrando tentando se soltar para pegar o Brian que estava sendo segurado por Chaz e com o supercílio escorrendo sangue. – Brian disse com raiva. – Você nunca mais abra a boca pra falar da minha irmã! – Brian! – Justin nos surpreendeu no corredor.. E você? – Você está com raiva pelo o que viu? – Não. ódio. – Você está ficando louco cara? – Justin deu um soco nele e eles começaram uma briga.

– Não quero ajuda. – falei nervosa. – não obtive resposta e nem um tipo de reação. Chaz tinha ido junto com o Brian ele estava irreversível. –coloquei a mão nele. – disse quando Ryan ameaçou a segui-lo. A porta estava meio aberta então eu entrei.. – Deixa que eu cuido dele Ryan. – Não quer ajuda por quê? – falei nervosa – Porque eu não quero Caralho. Peguei a maleta de primeiros socorros e fui para o quarto dele. – ele disse seco. Vai ajudar o Brian tenho certeza que a cara dele está precisando de mais cuidados do que a minha.. – Caralho eu já estou de saco cheio da briga de vocês dois. – Dá pra você parar. – Vocês dois estão querendo ir pro saco? É Caralho? – Você viu o que ele fez? Ele estava quase batendo na Caissy! – Justin estava irreconhecível o ódio tinha tomado ele. – Que foi agora? Vai defender ele? – Para de ser idiota. Deixa-me limpar esse machucado. – Me deixa sozinho Caissy. Meu coração estava partido pelo o que o Brian tinha feito e falado nunca imaginaria ele fazendo isso. . mas ele tirou minha mão dele nervoso. – E eu já estou de saco cheio desse cara! – Justin esbarrou em Ryan e subiu. a imagem que eu tinha dele era tão diferente do que ele tinha me mostrado. – falei com sinceridade. – Justin. joguei a maleta na cama. Chris e Ryan foram embora.– Drew Porra! – Ryan soltou Justin nervoso... ele estava sentado na cama com os cotovelos apoiados nos joelhos e a cabeça escondida nas mãos. subi para ver como Justin estava. – Eu só quero te ajudar. não é possível que só aquilo tivesse feito ele ficar daquele jeito. Não estou defendendo ninguém só disse que não precisava de tudo isso. – Não precisava de nada disso. – Justin. – ele disse irônico.

– Eu já não disse pra você não falar nela? – ele disse bravo..... eu já não aguento mais esse cara na minha vida! – sorri pelo nariz incrédula e constatando os fatos e vendo o estado que ele estava e nada daquilo era por minha culpa eu só fui uma válvula de escape para os dois se pegarem.– Precisava sim. e tudo o que tínhamos feito. O telefone da cozinha tocou e eu atendi. Papo ridículo de que só foi pra cima do Brian por minha causa. – Você não foi pra cima do Brian porque ele me ameaçou.. – Quem está falando? – tentei força a minha voz que estava uma merda. – sai do quarto dele e bati a porta... – Caissy. Porque você não se conforma que ela te deixou? – falei com ódio. – uma voz sussurrou. – falei assustada.. – Alô? – minha voz estava um pouco falha eu tinha chorado muito... – falei enojada pelo o que ele tinha feito. CONTINUA. *-* Capítulo 10 . Você foi pra cima dele por causa da Alexia. Tranquei-me no quarto e fiquei lá o resto do dia sem sair de lá de dentro fiquei chorando em lembrar o estado que ele estava por causa dela. – Caissy sou eu Claire. – ele explodiu nervoso.. não estava a fim de comer nada..Crazy Já era quase 10h00minh da noite quando e eu resolvi sair do quarto.. ele aproveitou a situação pra descontar o ódio pela Alexia e foi pra cima do Brian. Na cozinha tomei um copo de leite.. Desci pelas escadas de trás para não encontrar com o Justin. CALA BOCA.. – Relaxa Justin. Porque você ainda a ama. – Claire. – Porque você não quer que eu não fale nela?. Vou deixar você com seus pensamentos na Alexia.. – CALA A BOCA CAISSY. como ela conseguiu me ligar? . eu vi mesmo. Doía só de ver ele assim por causa dela e saber que não tem espaço para mim. meu rosto estava irreconhecível de tanto que estava inchado por eu ter chorado o dia inteiro. você só me usou como desculpa. Não vou mais te incomodar.

. Peguei um. – lembrei-me do que ele tinha feito. isso não é para mim.. – Chris disse bem mais desconfiado. – Ele deve ter ido espairecer um pouco. Desci para sala e me surpreendi ao encontrar Chris e Chaz lá. – Ta louco Chaz? Com o tanto de inimigo que o Bieber tem ele não é cara de que sai para por ai para espairecer. Até de mais. – Claire não tem como eu sair daqui. – Amiga tenta. – menti nem sabia onde ele estava. – Chaz disse Chris parecia ser mais tímido não era de falar muito.. – Viemos ver como o Drew está depois da confusão. – Ele já está bem sim. sobretudo da Pattie para esconder a minha roupa e a maquiagem não estava tão forte deu pra esconder a minha cara de choro. – os dois falaram em um coral. – Não está em casa? – Chris fez uma cara de que não estava entendendo nada. – a ligação caiu.. tchau. então decidi me arrumar chega de ficar chorando feito uma garotinha melancólica que foi magoada. – ela ainda sussurrava. Bem que eu queria mesmo ir ao pega... Vou desligar entrei escondido na sala da madre. – Oi Cassidy. – Caissy sempre tem uma possibilidade. E não tem como eu ir.. – Estão fazendo o que aqui há essa hora? – comecei a puxar assunto para depois convence-los a me levar na rua Alabama. .– Caissy amiga hoje tem um pega pra a gente ir. – falei desanimada. eu vou é me divertir e procurar um jeito pra sair. voltei pro meu quarto e fiquei imaginando o quanto iria ser da hora se eu conseguisse fugir eu realmente iria me divertir e esquecer de todos os meus problemas. – falei contente em vê-los e já com um plano em mente. – fiz uma de desentendida. – Claire não dá. mas não teria quem me levar e nem como ir eu não sei nem como ir pra lá.. – Eu dormi a tarde toda e até agora eu não vi ele não. – OI. A galera vai se encontra 00h30minh entre as ruas Alabama e Peachtree. – Mas acho que ele não está em casa não.

– Será que vocês podem me dar uma carona? – Pra onde você vai uma hora dessas? – Chaz perguntou curioso.. – Meninos. Não sou mulher do Bieber... . – Acho melhor não! – Chris ainda resmungava. – Chaz disse mais Chris discordou.. – Vamos nessa cara? – Chris perguntou esse moleque tinha uma cara amarrada. – Só sei que não sei onde ele está e nem imagino.. – Claro que não tem.. – Acho melhor não. – È meninos. Como vocês estão aqui pensei que não teria problema em pedir uma carona. – Muita intimidade com a mulher do Bieber pro meu gosto. mas Chaz o ignorou e entramos no carro. – puxei um papo para descontrair. mas Chris continuo quieto com seus pensamentos. – Se é por uma boa causa a gente deixa você lá sim Cassidy. puta merda como esse cara era chato. Porque você não pediu pro Bieber te levar? – Chris perguntou me fazendo pensar rápido. – Podem me chamar de Caissy prefiro assim.. não podia perder a única chance que eu tinha pra sair. – dei de ombros. – chamei quando eles estavam saindo. boa garota estava amando esse começo de noite que eu estava tendo.– Ah sei lá.. nossa e ainda com o nome das freiras.. – È. que maldade. – Tudo bem Cassidy! – Chaz disse simpático. – Vai ter uma missa da novena das freiras na Igreja central. – Chris disse. – Porque eu não sei onde ele está e. E o pessoal do convento vai me encontrar na Rua Alabama. – menti com a cara mais descarada. mas Chris entortou o nariz. pior que o Justin e o Brian não é atoa que eles andavam juntos. Vamos Cassidy! – Chaz realmente era muito simpático eu gostava dele.. – falei com a voz mais angelical que eu tinha. Vibrava em silêncio. Sou só sobrinha da Pattie. – eles ficaram em silêncio...

– Claire. – Claire! – gritei outra vez. Você conseguiu! – ela pulava e gritava loucamente já estava um pouquinho alterada.. O Duke vai dar uma carona pra gente até lá. Depois que deu ficou mais gostosa ainda. – Nossa eu estou linda? Olha você sua safada. – Chaz disse depois de um tempo. – Porque você está indo pra uma missa de salto? – Chris perguntou desconfiado. – Vai ser na estrada das minas. que certeza que encontraria com Claire. – gritei. Decidi então subir na picape do carro para falar com ela. Fiquei bem mais aliviada quando vi o carro deles sumindo na esquina.. o meu sangue pulsava não via a hora de cair na noite. – ela pegou uma garrafa de vodka da mão de um menino e serviu ela e eu. – dei uma piscadinha fazendo Chaz rir. tirei o. – Aonde vai ser o pega? – ela olhou no relógio e pulou da picape e me puxou.. mas foi em vão porque ela estava realmente curtindo o momento. È essa daqui Caissy. – ela bateu na minha bunda e caímos na risada.. Você que está linda.. Muito obrigada meninos – desci do carro. – Somos praticantes da palavra. – Você conseguiu vim amiga. – ela gritou histericamente e me abraçou. – Claire – segurei-a a fazendo me olhar. – Quem é Duke? . Ela estava linda mesmo devia ter pegado isso de alguém.. – Você está linda! – gritei a música realmente estava alta então para ela me escutar só assim. olhei no relógio e já era 00:15h apertei um pouco os passos.– Se for a Rua Alabama que estou pensando.. Não foi difícil de encontrar a Claire a final ela era a única louca que estava dançando em cima de uma picape amarela aquele carro parecia um trator de tão grande e Claire se requebrava em cima dele feito louca. – Caissy. sobretudo e joguei em uma lata de lixo depois dava um jeito de conseguir outro para Pattie. mas não perdemos a essência da delicadeza da mulher... Agora era só ir até o cruzamento da Rua Alabama com a Peachtree. Quando cheguei ao cruzamento das ruas e vi todo mundo.. mas ela não escutou a música estava muito alta. – Ah então deve ser aqui mesmo. Olha essas roupas que linda. Cada vez que seguia em frente podia escutar o agito da galera e a música cada vez mais alta.

– Se não incomodar. – um loiro forte abraçou Claire por trás enquanto ela dançava. estamos esperando os caras confirma que a barra está limpa e sem policias e já vamos. Entramos no carro do Duke e fomos com ele e o pessoal todo nos seguindo até a estrada das minas. Vou sim. – Claire.. a gente sabia ser sexy e provocante.. – ela me puxou pra pista e começamos a dançar. – Já era pro racha estar começando. Dei um sorriso um pouco fofo. Pensa se a moda pega? O povo fica por ai me chamando de mulher do Bieber estranho. – Duke nos puxou da rodinha de homens que tinha formado em volta de nós. – Ainda! Porque logo menos vocês vão estar juntinhos. – Quem é essa ai? – ele perguntou me comendo com os olhos. – ela levantou a minha mão que nem jurado de luta livre. – Mulher do Bieber? – ele fez uma cara de impressionado. – Nunca vai ser um incomodo ter a mulher do Bieber no meu carro. – Essa é a mulher do Bieber. . – Oi meu amor. – Então vamos dançar Caissy. Em matéria de dança eu e Claire dominávamos.. – eu revirei os olhos. Os homens estavam indo a loucura e eu e ela adorávamos aquela sensação de sermos desejadas. – Claro que não. – ela virou beijando ele.. – ela deu de ombros e começou a dançar.– Um carinha ai que eu estou pegando. – ela me olhou com os olhinhos brilhando. – Claire já está na hora do pega. – Já é 00h40minh e porque essas bagaça ainda estão aqui? – Claire perguntou impaciente. – Oi lindo. Não sou nada dele. – Claire disse bêbada juntando as mãos como se fosse eu e o Justin se beijando. – Você também vai no meu carro? – Duke perguntou enconchando a Claire que não parava quieta. – Calma gatinha.

. Não nasci grudado com eles. – Na picape? – perguntei confusa. ele era um tremendo baba ovo. Covarde? Eu sou mesmo não sei lhe dar com os problemas sem me esconder atrás da droga. – Qual é Bieber não ta mais reconhecendo sua mulher? – Minha mulher? – perguntei confuso. – È cara. as mulheres estavam sendo cobiçada pelos caras que estavam em volta delas. A música começou de novo e as pessoas começaram a se movimentar para dançar só que eu e Claire já estávamos dançando há muito tempo não tínhamos parado um minuto. – ela me puxou e começamos a dançar em cima da picape. mas nem estava a fim daquelas sujas. – ele estava me olhando estranho. Fiquei sabendo de um pega que ia ter na estrada das minas e passei por lá. ela ficou o dia todo trancada no quarto nem passei por lá não estava com saco pra aguentar frescurite de mulher. meu alvo era outro.. – falei entre os dentes e sentei em cima do capô do meu carro observando o movimento. . – Eae. Sem conta que eu acho que a Caissy teve uma crise de ciúmes. – È vem logo. – E essas vadia dançando ali em cima da picape? – perguntei interessado. – Só de bobeira? E os cara onde tá? – Não sei.. – Cassy vamos subir na picape do Duke? – ela gritou no meu ouvido. – o cumprimentei. Um carro vermelho todo equipado que ganhou a corrida. – Ae Drew! – o otário do Duke se aproximou de mim quando eu desci do carro. aquilo rendia muito dinheiro se eu soubesse dirigir participaria daquilo fácil. POV Justin Já tinha cheirado tudo o que eu tive direito nem sentia mais o meu nariz. não era muito com a cara daquele cara não. Não estava nem um pouco cansada e também nem lembrava de nada Claire tinha me feito esquecer tudo.. Umas cachorras começaram a se aproximar pra tentar ficar comigo. Sai de casa estava muito irritado por não ter acabado com a vida Brian.Convidaram eu e a Claire pra dar a largada e nós aceitamos.

mas era em vão porque ele estava concentrado no volante dirigindo a 200kh e me ignorando completamente. CONTINUA.. mas quando pensei que não o encontraria nem tão cedo. *-* Capítulo 11 . – Eu não estou com você. – ele ordenou. – acelerei o carro e sai cantando pneu.. – sussurrei ao notar que era Caissy que estava rebolando feito vagabunda ali naquela picape. Até que ele me pegou com força pelo braço e me arrastou pra dentro de casa. – Eu já falei que eu odeio você? – Não mais que eu. – Eu não quero ir embora. – Você está me machucando seu idiota. Não sou nada sua então. Bufei.Levantei me aproximando das meninas para saber quem elas eram a droga dificultava a minha visão e eu tinha que chegar perto para saber quem era. Será que dá pra destravar essa porra dessa porta pra eu descer? – ela estava histérica e com raiva. – Eu decido se você está ou não comigo. ele me aparece do nada surtado me arrastando pelo braço até o carro dele. – Você não é nada meu pra me tratar desce jeito. . – Me solta! – ela tentou se soltar só que eu estava enfurecido e com sangue nos olhos.. – gritei e ele me jogou com força no sofá. mas eu continuei sentada no banco do carro com os braços cruzados e cara fechada fazendo birra fingindo que nem estava o escutando.Brigas no meio da madrugada. POV Caissy Com está noite linda lá fora estava a fim de me divertir e ficar longe daquela praga do Justin. – Filha da puta. – ela tentou se soltar enquanto eu a enfiava no carro a força e pegava o meu lugar no lado do motorista.. Mas quando eu vi quem era eu surtei. as minhas tentativas de tentar ficar na festa foram em vão porque chegamos em casa. já tinha perdido muito tempo com ele e precisava que minha mente se ocupasse com outra coisa a não ser ele. – Desce. – ele disse entre os dentes. As minas estavam dançando muito e por mim até rolava uma noite com elas rebolando daquele jeito em cima de mim. – gritava enfurecida. Não pensei duas vezes a arrastei dali de cima pelo braço.

– gritei e ele riu da minha cara. Tirei a maquiagem muito revoltada quem ele pensava que era pra fazer aquilo? Aquele filho da puta me tirou do sério. Não mesmo. – E você acha que eu estava na festa pra que? – Já passou da hora de criança ir pra cama. – Não! Eu não estou preocupado com você. Sabia que ali a oferta de drogas é bem maior do que em qualquer farmácia? – Ual! Você está preocupado comigo então. – Mina porque você não cala a boca e vai sossegar esse seu facho? – ele falou grosso. – aquilo me fez sentir culpa pela Pattie.. Seu imbecil ODEIO VOCÊ GAROTO ODEIO. Vou lembrar muito bem disso quando estiver prestes a fazer uma merda com você. – Até aprece que você se importa com alguém. Subi as escadas e bati a porta do quarto atrás de mim me tranquei lá dentro com muito ódio daquele filho da puta.. – Você estava em um lugar perigoso.. fiquei puta e ataquei um sapato nele não acertou porque ele desviou. nossa coitada da garganta dele aquilo ainda estava quente.– Que bom.. mas se não fosse isso iria acerta em cheio na cara dele. então se você me odeia tanto assim porque não me deixa voltar pra onde eu estava me divertindo e sem ver essa sua cara nojenta. – ele foi até o barzinho que tinha na sala e encheu um copo com whisky e virou de uma vez só. – Você é chato e eu odeio você. – Obrigada pela a informação. Deitei na cama nervosa não consegui nem dar tchau pra Claire. Só que se alguma coisa acontecer com você.. coloquei minha cabeça no travesseiro e pressionei minha cabeça soltando um grito abafado ai que ódio daquele cara. – Não me importo mesmo não. Acendi a luz estava muito irritada não iria conseguir dormir enquanto não me acalmasse. andei de um lado para o outro eu estava me controlando pra não descer lá em . Escuta o que eu estou falando isso não vai ficar assim.. – Você acabou com a minha noite acabou com tudo. minha mãe vai ter que se explicar com a polícia e eu não estou nem um pouco a fim de ficar perto dos tiras.

– estava sem folego. abri a porta da varanda e fui atacada. que você quer? – Justin. – ele estava quase fechando a porta quando eu o impedi a empurrando de novo. Um inseto entrou voando descontroladamente no quarto eu tenho pavor de qualquer tipo de bicho tenho fobia entro em desespero sai correndo direto pro quarto Justin. Tira de lá vai. – eu esmurrava a porta do quarto dele descontrolada. Ele bufou. Daqui a pouco ele sai... – Ele não estava aqui dentro. – È impossível ter qualquer tipo de bicho aqui. – Então deixa a porta aberta que depois ele sai.. ABRE LOGO A PORRA DA PORTA. Ele voltou. – Justin tem um bicho no meu quarto. – falei nervosa. – ele me olhou feio e bufou depois foi pro meu quarto. – Pronto já tirei o inseto indefeso do seu quarto.baixo e esfaquear aquele viado. – Justin tira aquilo de lá. – O que. – gritei nervosa lembrando daquele bicho asqueroso voando descontroladamente no quarto. Ele abriu a porta despois de um tempão que eu estava batendo e com uma cara de tédio disse. A casa é dedetizada todo mês. – Eu tenho nojo. – Cassidy é só um bichinho ele não vai te fazer mal nenhum. – JUSTIN.. – Ah não! – falei ainda com medo. – ele falou com um tom sarcástico. pode voltar pra lá agora. Sentei na cama dele e fiquei esperando ele voltar. – Tudo bem então.. mas nem um sinal do filho da puta. ele entrou quando eu abri as portas da varanda. medo e não gosto de bichinhos não vou ficar esperando ele sair de lá. – JUSTIN ABRE A PORTA.. como era bom sentir o cheiro daquele palhaço.. – E eu com isso? – Tira aquela porra de lá. – falei manhosa e batendo o pé.. . – continuei socando a porta estava com muito medo. Mas sai do meu quarto.

– O que foi agora caralho? – ele já estava muito impaciente. – Você está louco? Eu não volto pra dormir naquele quarto nem que me paguem. – Não eu estou a fim de dormi aqui. com a cama e o quarto dele só pra mim acho que ele foi se acalmar porque pela cara que ele estava. mas eu não deixei novamente. – Vai dormir em outro lugar aqui não. eu deixo. Ele deu um soco na parede furioso. você consegue me tirar do sério. Então baixa a bola ai. na ni na não. . Ele saiu do quarto super nervoso me deixando lá sozinha. não era legal ficar sentindo o cheiro do Justin sem ter ele na cama. – coloquei a mão não peito dele o empurrando. decidi ir atrás dele. – Você não está pensando em dormir aqui? – ele fez uma cara estranha. – Eu disse que não vou dormir no quarto lá. – A vai pra puta que pariu e para de encher meu saco.– Não! Não saio daqui de jeito nenhum. – Ta bom pode deitar ai. – estava rindo por dentro por ver ele naquele estado. – Cassidy já tirei a merda do bicho de lá como você pediu agora para de empatar e vai dormir. – Tudo bem tem oito quartos nessa casa. – Humhum. mas também não disse que vou dormir com você. – Na. – Tudo bem. – cruzei os braços brava e o impedi de deitar na cama. faltava pouco pra dar um soco. Rolei na cama várias vezes. – ele foi deitar. – eu iria provocar ele.. mas se você ficar aqui vou te atormentar a noite toda. dar o troco por ele não ter me deixado ficar na festa. Ele bufou.. – ele veio subindo na cama. – Mano como você é chata. mas eu o impedi. – Aqui é minha cama e eu estou no meu quarto. hoje ele iria me matar. escolha um e se acomode. – balancei a cabeça.

nem nos outros quartos e nem no da Pattie. você é realmente chata. – menti descaradamente. – dei de ombros. – Cassidy vai dormir. . – Eu vou. – Aquilo não é festa pra você. – Eu já te falei que você é chata? – Já. Agora você que só transou comigo algumas vezes e acha que manda em algo? – Vamos acabar com esse papo. – ele disse se referindo a mim como se eu fosse uma criancinha. – Bem que você podia ficar lá né? – o que eu estava fazendo? Uma hora eu mando ele me deixar sozinha outra hora eu peço pra que ele fique comigo depois eu reclamo do jeito dele. Porque isso está enchendo o meu saco. – Justin. Cheguei ao escritório e ele estava lá fazendo uma coisa estranha tinha um pouco de pó branco na mesa e ele estava bem concentrado arrumando o pó em fileirinhas. sempre.. – E eu com isso? – ele falo sendo bruto. – Justin.. – reforcei bem a lembrança que eu estava na minha curtindo a festa e ele que me trouce pra casa. Isso já está ficando chato. mas. – ele disse bravo. – o fiz erguer os olhos e me olhar feio. Eu quero dormir com você. Ninguém tem culpa do seu jeito amargo.. – Eu sempre fui à festa daquele jeito. Suma daqui. – Eu estou com medo de ficar lá em cima sozinha..... e ninguém nunca me impediu de nada. – Talvez se você tivesse me deixado ficar naquela festa eu não estaria aqui enchendo o seu saco e nem sendo chata. desci procurando por ele nas pontas dos pés e sem fazer barulho claro. – Para de agir como se não se importasse com o mundo.. – falei sendo manhosa e fazendo um pouco de charme para convencê-lo.. Sabe o que é – entrei delicadamente no escritório e um pouco receosa.Olhei no meu quarto e ele não estava... – ele disse mostrando que estava se controlando. – E cara eu reforço..

Pela forma que ele me olhou senti que ele perderia a cabeça em segundos. e levei um tapa estralado no rosto. – Porque o Brian é bem mais homem que você. E eu garanto que ele deixaria eu me divertir naquela festa.– Belo discurso. – Me ofendeu. Ta agora ele tinha me impressionado e ele estava realmente nervoso. Porque o Brian é muito homem. – Eu poderia estar me divertindo muito agora. – ele guardo o que estava fazendo na gaveta e ficou sentado na mesa dele com aquela cara dele de merda. Voei em cima dele tentando dar tapa e soco.. – Agora já pode ir dormir. Queria o Brian aqui para.. – Pena que o Brian não está aqui né. Dei um olhar sínico e uma risada safada que para um bom entendedor aquilo bastava mais é claro que eu nunca fiz nada com o Brian nem se eu o quisesse. mas alguma coisa eu ia revidar... – Você está louco? – gritei chocada com o que ele tinha feito. – Hã? Como assim você e o Brian já.. .. – falei o provocando. mas se você quer atinge o Justin o único alvo a fazer isso é só o Brian. – Que foi? – falei com uma voz fazendo parecer tudo normal e ele me lançou um olhar de fúria.. não era pra tanto. o que eu conseguisse era lucro. Mas você ainda continua enchendo o meu saco.... – Você deu pro Brian? – È foi difícil.? Gostei da brincadeira e do jeito que ele tinha ficado pela minha insinuação de que entre mim e o Brian tinha rolado algo. ele me trata que nem uma piveta nunca vai querer me comer. disso eu tenho certeza. Ele não deixou terminar de falar. senti minha bochecha formiga e os vergões da mão dele no meu rosto se criarem. – Como é que Cassidy? – ele jogou a mesa no chão com tudo que tinha em cima. – fiz uma cara de triste. Só que ele foi mais forte e me jogou no sofá. – não sei por que falei aquilo. – Não ia deixá-la ali. – ele disse irônico. – Não sei se vou conseguir dormir.

– falei provocando mais uma vez pela cara que ele fez. ele me cercou e eu não tinha pra onde fugir..– Não acredito que aquele filho da puta teve coragem de tocar em você. lutava contra isso só que ele estava usando a força. – tentei fugir quando ele começou a passar as mãos brutamente sobre o meu corpo. começou a desabotoar o cinto aquilo estava me dando um certo medo. ele não parou. eu ia ser quebrada ao meio. – eu desdenhei. pois era o primeiro quarto do corredor estava com muito medo daquele Justin. . Ele estava em cima de mim e eu não acreditava que ele iria fazer aquilo não daquele jeito. – disse sendo irônica. fui tentar correr e acabei caindo no chão. – Não acredito nisso. – Justin para de me olhar assim. Eu tinha tirado ele do sério eu tinha procurado e agora eu iria ter. ele pegou o telefone e atendeu fui salva pelo gongo. ele me pegou e arrastou pelas pernas pra junto dele e na força abriu minhas pernas com muita brutalidade enquanto eu berrava para que ele não fizesse isso. – Idai? A idade não altera nada.. mas quando ele leu mãe no visor. – ele disse muito nervoso. – Olha quem fala. eu socava o peito dele com força. ele pressionou a mão com força na minha boca para que eu não fizesse barulho as pernas dele ainda faziam força em cima de mim me prendendo não pensei duas vezes dei um soco com força no saco dele e quando ele afrouxou as pernas pela dor que estava sentindo eu sai correndo e me tranquei no quarto da Pattie.. Até que o telefone tocou. Você está me assustando. – Então você vai sossegar. mas ele estava irredutível eu realmente tinha cutucado a onça com vara curta. Você só tem 16 anos. – Eu tenho 20 anos o Brian já tem quase 25. ele trucidou a minha roupa rasgou tudo até me deixa só de calcinha e sutiã eu estava com medo não conhecia aquele Justin que estava fazendo aquilo.. – Você me tirou daquela festa e pensando bem o único que consegue sossegar meu facho é só o Brian mesmo. – ele esfregou as mãos no cabelo. – dei dois passos para trás para fugir dele. tá a brincadeira não estava mais tendo graça. O meu coração estava acelerado e eu já não conhecia mais o Justin que estava lá em baixo. – Você quer sossegar o facho né? – ele veio em minha direção com uma cara de mau e com os olhos cheio de ódio. mas a parede atrás de mim me impediu de continuar. ele realmente estava bravo.

– ele disse mantendo um tom de voz frio. Justin tinha passado dos limites e na mesma casa que ele eu não ficava não depois do que ele tinha feito. – Aonde você pensa que vai? – ele disse ríspido. mas eu ignorei. mas só depois de muito tempo ele atendeu. – senti meus olhos se apertarem e destaquei a palavra “vou”. me arrumei e arrumei minha mala. as roupas tinham se multiplicado desde que cheguei aqui. – Brian? – falei ainda receosa. – Ah. e ainda por cima pra casa do Brian. se ele soubesse o que o Justin fez os dois dessa vez se matariam. – Te buscar pra que? – ele perguntou inexpressivo e com uma voz de sono. depois desligou o telefone. Passei pelo corredor com muito medo de encontrar com o Justin. – Quem disse? – Eu disse Porra. mas você não vai mesmo. . – Em quanto tempo você chega aqui? – mudei de assunto não querendo criar mais confusão do que já tinha. mas só ouvia o som da respiração rápida e superficial dele. entrei no meu quarto e fiz tudo com a porta trancada. – Vem me buscar? – rompi o silêncio. Nem a minha mãe nunca relou em mim e ele acha que é quem pra vir da tapa na minha cara? Desci as escadas com dificuldade minha mala estava pesada.Do telefone do quarto da Pattie liguei várias vezes para o Brian. – Daqui uma hora eu estou ai. Fui surpreendida pelo Justin que veio de encontro comigo saindo do escritório. – ele riu sarcasticamente e tentou tirar a mala da minha mão. –Estou falando com você Cassidy. – Não? Quem vai me impedir? – falei desafiadora. – ele segurou meu braço com força fazendo com que eu o fuzilasse. mostrando que nada me impediria de ir. – ele disse com um tom de voz incrédulo e sombrio. – ele gritou. – Eu vou pra casa do Brian. – Você não vai sair daqui.

ele era tão bruto com as palavras que conseguia me ferir. – Minha mãe não vai gostar de saber disso. Ele limpou o rosto e soltou uma risada sombria.. – respondi no mesmo tom que ele. – a expressão dele mudou completamente dei um tranco no braço fazendo ele me soltar peguei minha mala e sai. – Olha aqui filho da puta. – O Brian você vai ficar parado ai? – ele estava parado lá com cara de bocó e nem teve reação. – Não aconteceu nada? Então porque você me ligou a essa hora para eu vir te buscar? – Já disse não aconteceu nada. – O que aconteceu? – ele disse seco. – Nada. – Então pra que essa mala ai? – ele disse notando a minha mala.– Você não manda em nada. andei aquele jardim todo com aquela mala pesada na mão e esperei o Brian no portão não fiquei lá dentro não queria mais ver a cara daquele idiota. foi o único recurso que eu encontrei a casa dele. – Tudo bem pode ir. . recorro a você. – falei com voz de anjo. – dei um sorriso. Ele desceu do carro com uma cara de que não estava entendendo nada por eu estar ali com aquela mala e àquela hora. Você não tem o direito de falar assim comigo seu nojento. – Vou pra sua casa.. ele não gostou muito de saber que estamos comendo a mesma garota. – cuspi na cara dele. e ele me olhou torto. – coloquei minha mala no banco de trás e entrei no banco da frente. Acho que você está louquinha para abrir as pernas para o Brian a final. – Ela também não vai gostar de saber que você encostou suas mãos em mim. Depois de uns dez minutos lá parada o carro do Brian cruzou a esquina em alta velocidade e depois deu uma freada brusca quando parou. – Minha casa? – È o que eu faço quando me meto em confusão. Abracei meus cotovelos e não parava de pensar no que aquele idiota tinha dito.

. sendo mulher dele. – Brian. – Não quero te poupar de nada Caissy. O apartamento dele era gigante. – poxa sentimento de irmão? Magoou agora não rolava mesmo nada com ele... – Se eu pudesse não deixava nem isso acontecer. . Mais uma vez o Bieber está levando alguém de mim.Ele entrou no carro em silêncio. – dei um tapa no braço dele.. mas depois me fez uma pergunta quebrando o silêncio que estava dentro do carro.. mas é que eu tenho sentimento de irmão por você e o que eu não consegui fazer com a Alexia quero ser diferente com você. Ele entrou no estacionamento de um condomínio depois desceu do carro e abriu a porta para que eu descesse.. Estou falando que você está transando com ele. – passei a mão carinhosamente no ombro dele. – Brigando no meio da madrugada? – E tem hora para brigas agora? – Não. ele estava sendo tão sincero. – Uma briga boba com o Justin. – dei de ombros. e a vista que tinha nossa era tudo muito lindo. – Não acredito que você está com aquele trocha. – Não estou falando nesse sentido. – Ah desculpa. nos conhecíamos há pouco tempo. e eu amei o quarto que ele me deixou ficar. Só foram alguns beijos. – ele disse ainda com a voz brava. o Brian era uma delas. – O que aconteceu? Você ainda não me contou. – Você também é um troxa e eu estou com você agora.. Dá pra contar no dedo às pessoas que tentaram cuidar de mim nesse mundo. – Não estou com ele Brian e muito menos sendo mulher dele. – Grosso. briga boba nada aquele troxa tinha passado dos limites. mas para ligar para os outros tem.. mas ele já era um grande amigo ele se preocupava de verdade comigo. Mas parece que a história está se repetindo de novo. mas você não pode me poupar de tudo.

– Ai seu estupido.– Nossa esse apartamento todo só para você? – falei ainda sem acreditar que ele morava ali sozinho. desde o nosso primeiro momento. mas dói saber que uma pessoa que nem esta mais presente tem muito mais importância do que você. Então acho que é só para mim. Joguei-me naquela cama gigante. A raiva começava a passar e eu começava a sentir falta dele. mas não acertou porque ele desviou. mas fui tomada por pensamentos mais maldosos. Fechei os olhos com força para tirar aquilo da mente. queria fechar os olhos e esquecer esse dia queria apagar da minha mente tudo o que aconteceu hoje. o que ele tinha feito rodeava a minha mente como uma assombração. olhava o teto fixamente tomada pelos meus pensamentos. pra falar a verdade à intrusa sou eu. Eu ainda não tinha parado para ver a proporção da coisa. queria acorda amanhã na cama com ele do meu lado e sorrir por ele estar lá. ela já tinha ido embora já tinha sumido da vida dele há tanto tempo.. queria pensar naquilo como.. Sou uma boba mesmo né? Como eu deixei a situação chegar a esse estágio? Será que quando a gente se beija ele está fingindo tudo? Eu estou iludida com uma coisa que eu sei que nunca vai dar certo eu estou me machucando cada vez mais porque eu não posso controlar o que eu sinto eu queria ter esse controle mas eu já perdi ele desde o primeiro beijo. não sou do tipo ciumenta. mas não foi só uma briga ele me machucou. Essa era mais uma questão para que eu me sentisse mal. – Está vendo mais alguém aqui?. O que eu quero dele? Que ele goste de mim? Que ele a esqueça? Acho que isso está fora de cogitação eu que surgi de paraquedas na história dos dois. *-* Capítulo 12 . meus olhos ardiam com as lágrimas que rolavam no meu rosto. Alexia. é isso não é legal. – taquei o meu sapato nele. foi só uma briga. mas se nós continuássemos com isso eu iria sofrer muito mais do que estou sofrendo agora. – ele saiu e foi para o quarto dele já estava tarde e eu tinha acordado ele no meio da madrugada só pra me buscar. minha mente girava mais rápido que um carretel de linha se desenrolando. CONTINUA.Você nunca se arrependeu em relação a mim . e não era a mesma coisa que na casa do Justin eu já estava acostumada com o meu quarto na casa dele já estava acostumada a saber que ele estava no quarto ao lado bem pertinho de mim. aquilo tudo estava errado... – Caissy eu vou estar aqui no meu quarto é o do lado se precisar só chamar.

– Essa hora já era pra estarmos almoçando. pousei minha cabeça no travesseiro me encolhendo. o que tinha acontecido na noite passada não tinha sido um sonho. – Prova primeiro não confio em você. não poderia ficar presa àquela cama e ficar remoendo uma merda de uma paixonite de adolescente eu era mais forte que isso. para de palhaçada. Você realmente me pegou. – Ta Brian levanta dai. Mas estava errada. Levantei-me indo ao banheiro fiz minha higiene meu rosto estava inchado pelo choro da noite passada e o de agora de manhã fiz um coque no cabelo e desci procurando a cozinha sendo guiada por um cheiro de panquecas delicioso. – Que Droga Caissy.Abri os olhos na expectativa de que tudo aquilo não passava de um sonho. – Você dorme muito. soltei um suspiro longo e sofrido. não merecia nem uma gota do meu choro. – Ai meu coração. – E você é chato. – dei a língua. Eu tinha que parar com aquilo Justin não merecia. agarrei o travesseiro com mais força e soluçava deixando minhas lágrimas humedecerem aquela fronha branca. sequei os olhos. Escutei um barulho vindo de lá de baixo. – o fiz provar a panqueca antes de comer. – ele me serviu com a panqueca. – ele apontou o meu prato. Me sentei na cama encostando minha cabeça rente a cabeceira e me recuperando do meu estado de fossa. respirei fundo duas vezes e na terceira decidi sanar o choro. embora soubesse que era por uma razão errada que aquelas lágrimas rolavam eu não conseguia as controlar. o silêncio ao meu redor era insuportável. Relaxei meu corpo na cama e puxei um dos travesseiros para junto de mim. . é já estava adorando morar com o Brian. o Justin tinha sim feito aquilo comigo e eu estava no quarto da casa do Brian em meio aos soluços e lágrimas que estavam sendo derramadas por culpa daquele idiota. o encontrei na cozinha pilotando o fogão. – ele se jogou no chão fingindo um ataque. – Mas eu sou diferente então vamos tomar café. – Cheguei antes de você colocar o veneno na comida. – Vai esfriar sua panqueca. – sentei-me à mesa linda de café da manhã que ele tinha preparado. tinha sido verdade. – comecei a comer e ele se levantou rindo. eu tinha que manda ele se ferrar e esquecer ele.

– Você também! – dei um sorriso artificial o fazendo rir. – Tudo bem. – ele mudou de assunto. – Tem certeza? – ele perguntou preocupado. Hoje eu tenho muitas coisas pra fazer. – Caissy eu não posso ficar com você. confusa.. já não bastava ficar o dia inteiro sozinha na casa do Justin ter que ficar aqui também ninguém merece. – levantei correndo e o abracei por trás o impedindo de sair. Não gosto de compartilhar minhas fraquezas não gosto de me abrir assim com as pessoas o meu orgulho sempre fala mais alto do que qualquer coisa. Deixa eu ir com você? – Não! Ta ficando louca? – Ué por quê? Juro que vou me comportar e não vou te incomodar. – Então. – A não.. – sorri forçadamente.. ..– Estou vendo uma cara de choro? – ele disse e eu abaixei o olhar. – engrossei a voz para parecer homem.. por mais que eu e ele somos amigos não eu não contaria para ele o que eu estava sentindo. – Quer me contar o que você tem? – ele se juntou a mim na mesa – Não. Não é nada. – ele se levantou pegando a arma dele que estava na sala. – Você dificultou minha vida agora. Nada do que valha a pena. – respondi. – falei manhosa. – Eu? por quê? – Como minhas convidadas vão vir aqui sendo que agora você está aqui em casa. – ele parecia triste com esse fato. – Não quero ficar aqui sozinha. – Tenho que ir pro galpão.. odiaria ver surgi uma cara de pena no rosto dele em relação a mim. Você nem vai notar que eu estou junto. – Caissy não! Aquilo não é lugar para menina.. – Já ouviu falar de um lugar chamado motel? – falei o fazendo rir.. – Garota você é muito folgada. – Tenho. Prazer sou Beaver. não Brian.

está ai uma ótima pergunta.. .. – sorri com vergonha.È longe? – perguntei ligando o som. Subi correndo e tomei um banho rápido e me arrumei rápido pois Brian estava realmente com pressa. ta bom. – Ta bom. – o fiz rir. – Bieber? – Porque acha que estou pensando nele? – é como ele sabia disso? – Sei lá. – Também você dirige feito louco. Ou você gosta ou não gosta. – eu revirei os olhos. Você sorri feito boba apaixonada. – Vai Brian deixa. – disse entrando no carro quando ele destravou o alarme. – ele disse já sendo vencido pela minha chatice. – Não sei.. – ele saiu da garagem cantando pneu. – Como assim vai adiantar oque? . – estávamos no elevador e ele não parava de falar um monte de coisas acho que ele já estava se arrependendo de me levar. – implorei mais um pouquinho. –Claro que não. – Caissy vira um tumulo quando chegar ao galpão. – Você está gostando dele? – ele me fez silenciar. você prometeu não atrapalhar então não atrapalhe.. – Ta bom Brian eu prometo.. – E vai adiantar o que se eu gostar? – dei de ombro. não quero ouvir nada. – ele não conseguiu segurar o riso.– Como você é besta. – Nada.. – Não muito. e isso me fez sorrir sozinha lembrando do Justin outro louco no volante. – Não tem como não saber isso Caissy. Rapidinho a gente chega lá. – Do que você está rindo? – ele perguntou percebendo que eu pensava em algo além da nossa conversa.

. o lugar era deserto ali só tinha aquele galpão e muito mato em volta. – dei de ombros. – Chegamos. aquilo era literalmente o fim do mundo. – Isso não passa de uma aventura. – Esse lugar é muito escondido mesmo. – Quem ta com você Brian? – Ryan surgiu de uma sala e perguntou notando algo atrás de Brian e eu sai sem graça de trás dele revelando que quem estava ali era eu. que a Caissy está fazendo aqui? – Chaz perguntou confuso. – Talvez você esteja enganada sobre isso. mas eu não era forte coisa nenhuma aquilo me machucava. – Cara o Bieber vai te matar.– Todo mundo sabe que o coração dele só tem espaço para uma pessoa. . – disse querendo mostrar que era forte e ele fez um silêncio. – Ela insistiu pra vir. – O que. – ele sorriu fraco. – Não vou me machucar. – Brian entrou no galpão e eu estava escondida nas atrás dele. – Chris colocou as mãos na cabeça com medo. – Eae galera. Não tem engano eu sei muito bem o que vejo nos olhos dele quando ela é citada. parando o carro do lado de um galpão. – ele mudou de assunto. – Não queria que você se machucasse.. – desci do carro e fiquei observando tudo o que tinha ali. – Brian disse inofensivo. – È vocês realmente estão se escondendo. – Esse era o intuito não ser achados. – Os caras vão me matar por você estar aqui. – ele voltou a prestar a atenção no caminho e ficou em silêncio. – ele disse com um tom arrependido depois pegou minha mão e saiu resmungando. Então se eu gosto ou não isso não vai fazer diferença. E você sabe muito bem quem. – Não. – Fala ae Brian. – Chris e Chaz falaram juntos.

. – Eu? Por quê? – Cara a gente teve que mandar a Mitsubishi eclipse. e Brian tomou a frente.– Gente. – Chris disse. o Justin não tem nada a ver com a minha vida. Eles balançaram a cabeça negativamente e ficaram com uma cara de que aquilo ia dar merda. – Queria ganhar 500 paus.. – Na casa do Brian? Ta fazendo o que lá mulher? – Chaz era o mais engraçado e o mais cagão eles tinha medo do Justin. – E o Bieber achou o que disso? – Chris perguntou sério. mas eu observava o que eles falavam. O galpão era literalmente extraordinário. Eu estou na casa do Brian e eu quis vir com ele para não ficar sozinha lá e o Justin não tem nada a ver com isso. . Fiquei sem graça não sabia o que responder eu não contaria o verdadeiro motivo por estar na casa do Brian. Peguei o Celular do Brian e fiquei jogando. Já estou até vendo a confusão quando ele chegar.. – Eu a convidei pra passar um tempo comigo. – Chaz disse lançando uma aposta. – Eu aposto 500 pau que ele não concordou com isso.. Mas ninguém vai apostar? – Chaz disse com um tom triste. – Ryan disse voltando ao que ele estava fazendo. para fazer um checape na coitada. – Vocês estão parecendo uns maricas cagando de medo dele. – falei quebrando o meu silêncio. – Já disse ele não tem nada a ver com a minha vida então não tem que achar nada. – Eu não vou apostar nada. achei que era um galpão simples cheio de coisa velha onde eles faziam as coisas dele como eu costumo ver em filmes. – me joguei em um sofá preto que tinha ali. – Brian na boa você é o maior barbeiro. mas não era um lugar cheio de computadores o negócio era todo equipado cheio de coisas diferente até carros tinha por ali e os meninos trabalhavam seriamente naquilo. – falei sendo um pouco rude.

mas estava prestando a atenção em tudo o que eles estavam falando.800 RPM e atinge a velocidade máxima de 296 km/h. 544 Cavalos de potencia em 6. – Chaz disse ainda boquiaberto.3 segundos.2 segundos. estava jogando o meu jogo quieta. Eu preciso de um carro desse meu irmão. – Chaz disse. estava toda equipada. – Ryan desenrolou um pôster de um carro laranja lindo. Sistema de óxido Nitroso de oxido de 100 Cavalos.. – Isso mesmo e essa belezinha aqui tem. – Um Toyota Supra turbo? – Brian. – Brian disse se gabando. – Bieber também destrói com os carros que ele manda equipar. – Eu sou piloto de fuga. – Chris eu e você vamos juntos na simulação. – Não sei ainda. – Ual. – Por quê? – Chris disse confuso. – Ryan concordou. . vocês têm é inveja. Conversor de pressão de veio HKS. – Brian disse quase tendo um ataque. – Ryan disse decepcionado. – Definitivamente você não sabe dirigir Brian. – Essa porra está todo equipado. Mas ele estava equipando um Honda S200 da ultima vez que falamos sobre os carros da fuga. – Porque você não quer que vá eu e o Bieber né? – Brian disse como se fosse obvio. – E falando nisso qual é o próximo carro? – Ah papai esse é comigo eu que escolhi. – E sem conta que ele atinge 0-60 km em 4. – Qual será o carro que o Bieber vai dar fuga dessa vez? – Chris perguntou.. Chaz e Chris falaram juntos e surpresos. – È. E 0-100 km em 9.– Eu ainda não consigo acreditar que você bateu aquela nave.

– Eu disse que ia dar merda. ta bom. Ele tirou os óculos e fez uma cara nada boa quando me viu. – Vocês são uns criminosos com muita tecnologia sabia? – disse e eles riram. – retruquei – Ah vai. o que eu queria mesmo era impedir o maior número de briga possível entre os dois. – O Justin! – gritei e tomei a frente não deixando Brian responder se não iria começar outra briga. – Você vai embora comigo nem que eu tenha que te arrastar. – ele disse com ódio. senti o meu sangue gelar e as batidas do meu coração aumentarem em vê-lo ali. – ele pegou no meu braço o apertando forte e tentando me arrastar. – Para de ser ridículo eu estou aqui por que eu quero e você não tem nada a ver com isso. – Chaz soltou essa. mas os garotos o impediram. notei Brian vindo pra cima dele. – Eu vou com você. – O filho da puta o que a Cassidy está fazendo aqui? – ele me ignorou e fuzilou o Brian. ai como ele estava lindo com aquela roupa. – disse no mesmo tom que ele. – A gente faz uma simulação do roubo em um prédio com a mesma estrutura que o banco antes de atacar. – eu me rendi. para não gerar uma confusão pior. Escutei a porta batendo e quando todos nós olhamos era o Justin. – O que você está fazendo aqui? – ele estava com aquele olhar de fúria e mostrava muita irritação em sua voz. – Ta bom. . – Eu estou aqui conversando não está vendo? – Conversando? – ele disse mudando o tom da sua voz para agressivo. – E você é muito curiosa. Ele me deu uma olhada. eu tinha prometido ficar quieta. – dei a língua pro Brian.– Simulação pra que Brian? – me intrometi na conversa já tinha cansado daquele jogo bobo. – Não lembro quando foi que eu comecei a dar satisfação da minha vida para você. – Eu quero você fora daqui agora. – Eu não vou fazer isso só porque você mandou.

. – Cara qual é a sua? – falei nervosa. – O que eu sou pra você? – alterei a voz e ele ficou em silêncio. Deixei os meninos lá dentro acalmando o Brian e sai pra fora do galpão com o Justin. – Qual é a minha? Eu que te pergunto isso Caralho. – lancei um olhar de conforto para o Brian que estava quase voando em cima do Justin. – Meu você me bateu coisa que nem a minha própria mãe fez.. que você gosta de outra e quando transa comigo tudo não passa de prazer e diversão. a saber. Estamos brigando feito um casal e nem temos nada.mas não é porque você mandou e sim para evitar confusões. – Não sei como você está se sentindo. e garanto que o que eu tinha para aprender. Porque mesmo você não a tendo. Tem certeza que o patético sou eu? Você acha que eu estou me sentindo como em saber isso? – gritávamos feitos loucos. mas eu estava desmoronando por dentro. Mas não é nada comparado. E agora você vem querer me dar ordens? O que você tem na cabeça? – Vai ver que é por isso que você é assim nunca tomou uns bons tapas para aprender. –Pode falar não passo de mais um sexo fácil na sua vida não é? – Você está ficando maluca. – Patético? Cassidy você dorme comigo em uma noite e na outra revela que transa com o Brian. – Cassidy.. sempre vai pertencer a ela. . – falei com a voz firme sem mostrar nem um tom de fraqueza em minha voz. – ele murmurou. – balancei a cabeça indignada o repugnando. – Eae como foi à noite na casa do Brian? Deu muito prazer pra ele? Ou ele não conseguiu fazer você gemer como eu consigo? – ele mudou de assunto e começou a me insultar. – Não sou saco de pancada.. Escorei o meu corpo em um dos carro que tinha parado ali. – Olha como você é patético. já aprendi com a vida e não há lição melhor que essa.

– Então me ensina como eu tenho que ser. – ele disse com uma cara de anjinho que fiquei com vontade de rir. mas isso não justifica o que ele fez. Ele deu um sorriso de canto e me puxou pelo cós da caça me levando pra junto dele. – Você não sabe mesmo controlar esse seu jeito né. eu fui um grande imbecil. E sua única preocupação é que eu estou transando com o seu inimigo. Eu nos vejo juntos e penso em algo a mais. – Não faça eu me arrepender disso. – Me desculpa. – o que eu tinha falado não valeu de nada porque lá estava ele de novo agindo por impulso tentando me beijar. . – disse séria baixando um pouco a guarda e olhando no fundo dos olhos dele. È verdade não sou santa. – ele tentou me dar um beijo. Dei um sorriso. – Não sei ele é homem e você já provou para mim que não é santa. – E está? – ele ergueu a sobrancelha. mas para você isso não é nada. – Você tem que controlar mais esse seu jeito impulsivo. – Você acha mesmo que o Brian teria coragem de ter alguma coisa comigo? – perguntei ficando séria novamente.Desculpa. Eu tinha um pouco de culpa no que ele fez a final eu que provoquei tudo falando aquele monte de merda. – falei com a voz fraca e já perdendo o controle sobre minhas ações. Porque não é simples assim nem sempre desculpa vai consertar as merdas que você faz e fala. Eu ri sendo irônica. mas depois ele voltou e disse: . – Se você tem algum tipo de consideração por mim se controla porque se não você vai me perder.– È talvez esse seja o erro. – foi um sussurro muito baixo que quase nem ouvi. Ele deu dois passos saindo achei que ele iria me deixar falando. – ele ficou parado me olhando sem expressão e nem reação. – Independente de ele ser homem ou não ele me respeita e me trata como irmã. mas eu virei o rosto. mas também não sou nenhuma vadia porque o único homem que eu transei em toda a minha vida foi só você. E eu estou me arrependendo amargamente disso porque você mesmo está me provando que é um grande imbecil e que eu fui uma idiota em ter me deitado com você.

– Não. Mas não estou fazendo isso porque você quer isso é pela a sua mãe porque ela me deixou na sua casa e não quero a preocupar com nada. – ele me deu um selinho e depois entrou no carro e foi embora. para. não faz sentido você ficar na casa do Brian. Vamos voltar lá pra dentro.. Ele revirou os olhos. – afastei o beijo. – Eu sei. para. – ele disse olhando nos meus olhos e sendo muito convincente. . – Você não vai ficar na casa do Brian.. – ele segurou meu rosto e começamos a nos beijar. – Para. – Volta pra casa. Seu lugar é lá em casa. – Não quero você aqui nesse lugar. – Podemos ir pra um se você quiser. – Justin. – ele sorriu.. vontade e desejo. – Você não tem que querer nada. A minha mãe te deixou lá em casa.. – O que foi? – ele disse confuso. já estava quase sem a blusa. Você vem comigo ou eu te busco depois? – Agora eu estou na casa do Brian. – Não eu não quero ficar aqui vou resolver minhas coisas longe daqui. Já estava me esquecendo de onde estávamos e o que tinha acontecido. – Caissy para com isso. – retruquei.– Você nunca se arrependeu em relação a mim. – Ta vou conversa com o Brian e depois ele me deixa lá.. – Não estamos em um lugar adequado. – o empurrei para ter o controle sobre mim novamente. aqui não é lugar para você. – ele me agarrou de novo sorrindo.. Um beijo de saudade. – Já disse que você não manda na minha vida. – Manda o Brian te levar embora.

– Eu odeio dizer isso.. – falei sem graça. – È isso mesmo.Acho que irmãos não ficam tão próximos assim. – Vejo que ele te levou no papo facinho. mas se esse for o motivo ele tem razão. – Independente do motivo homem que é homem nunca pode falar assim com a sua mulher. – Brian disse sendo um pouco rude. – eu ri pelo fato da opinião dele ter mudado bem rapidinho.. Mesmo? E se ele achasse que a sua mulher está transando com o seu inimigo? – O que?. mas eu não conseguia ficar sem ele era uma necessidade louca e compulsiva de ficar com ele parecia que ele tinha mais controle sobre do que eu mesma. mas não conseguir me controlar.. outra vez. – acho que ele nunca seria capaz de me fazer esse pedido. – Já se acertou com o seu namorado? – ele disse ríspido. fui uma idiota eu sei. agora mais que tudo eu vou estar do seu lado. CONTINUA..Voltei pra dentro do galpão com um sorriso bobo no rosto Justin não merecia eu sei. mas ele era irresistível sei também que desculpa não conserta nada do que ele fez. – Oi. por isso ele falou daquele jeito. – Ele acha que a gente? – ele fez uma cara de chocado.. Me deparei com o Brian encostado em uma mesa com os polegares dentro do bolso da calça e não estava com uma cara nada boa. – Brian. *-* Capítulo 13 . .ele gritou. – Ele não é o meu namorado. Não é só porque eu estou com o Justin que eu vou deixar de escutar você. – Cassidy você viu o jeito que aquele cara te tratou aqui dentro? Tem certeza que é isso mesmo que você quer? – Brian eu fiz um mal entendido. – È.. – dei de ombros.

– ele riu pelo meu jeito de falar. Se quiser pode vazar... e eu dei um abraço apertado ele. POV Justin. – Você vai fazer um jantar divino pra mim hoje né? – Caralho você não vai embora? – Brian. Mas eu não vou cair . sempre transei me diverti sem me a pegar a mulher nenhuma. – Firmeza. fazer coisas que eu desconheço. minha cabeça estava a mil. e de novo apareceu outra mulher surpreendente e da mesma forma que mexe comigo. – Aff. Já tive uma mulher linda. mas Cassidy consegue me deixar fora do eixo ela consegue me deixar com a porra da minha cabeça virada. Já tinha passado por uns dois sinais vermelhos. Aquela baixinha marrenta mexeu comigo desde aquela noite na boate. Coração eu já não tinha desde que Alexia foi embora. – Aff o que? – falei brava. só aparece mais cedo pra simulação amanhã. Caralho. e me fazer. – ele queria me dispensar não estava nem ai para o que a Pattie pensava. – O Ryan vai precisar de mim ainda hoje? – Não Brian. – Eu que não estou gostando de você saindo com essas piranhas. sensual e atraente e ela fudeu com a minha vida. – Já tinha até uma amiga lá pra levar depois que você fosse embora. Ele levantou da mesa e olhou fustigando o relógio. que me deixa louco. que ferra com os meus pensamentos. Ela conseguiu me fazer pedir desculpa para ela eu nunca pedi desculpa para ninguém essa palavra eu desconhecia do meu vocabulário. – dei um tapa nele.Ele balançou a cabeça. Que mulher é essa? E o que estava acontecendo comigo? Quanto mais eu fujo dela mais ela me chama a atenção e revira minhas fantasias. – Eu vou só depois que você fizer uma comida divina para mim. – Pensando bem acho que vou dormir na sua casa de novo. – Caissy a Pattie não vai gostar disso. – Brian pegou minha mão e fomos para o carro.

Recebi uma proposta de um esquema novo com um tal de James J. – desliguei o telefone e pisei mais um pouco no acelerador. – falei um pouco sério. – comecei a andar e ele me seguiu. – um cara fumando um charuto e segurando um taco de sinuca veio na minha direção. – Justin Bieber. – Estou muito contente em saber que você me deu uma oportunidade para ouvir minha proposta. Deixei minha arma carregada e a coloquei na cintura. – Fica na minha cola. . mas decidir escutar o que ele tem pra me dizer. – Ele está comigo. Desci do carro indo de encontro com o Jason. observei todo o território antes de ser apresentado ao tal James J. – falei arrogante. Disquei o número do Jason. – o cara saiu andando na frente e eu o segui. e fica bem atento a qualquer movimento desses caras. iria precisar de um serviço dele. – Chegaram dois carros há dez minutos. Entrei naquele lugar velho e que estava com um cheiro nada bom e dei de cara com um homem bem grandão. – Já estou chegando. Vai ser só sexo e pronto. ele era o chefe da segurança da minha casa e sempre fazia uns serviços extras quando eu precisava. Vi o carro do Jason parado e encostei o meu logo atrás. Nunca ouvi falar dele. – Fala JB. O negão me olhou de cima em baixo depois entortou o nariz ao ver Jason se aproximar.porque mulher comigo não tem vez elas são apenas uma tentação e eu não caio mais. – Já chegaram? – balancei a cabeça apontando o cassino abandonado. Era uma sala com várias mesas de jogo e havia alguns homens jogando sinuca no fundo da sala. – Quero falar com o James. – Onde você está? – Já estou aqui aonde você mandou eu te esperar. – Por aqui. Eu tinha combinado de encontrar com ele no cassino abandonado.

– Fala logo. e eu sou responsável por ele. – falei nervoso e já logo peguei minha arma e apontei pro filho da puta. mas preciso de alguém mais poderoso como você para consegui por essa carga para dentro. Todo mundo que trabalhava para o Marcony era marcado com uma tatuagem em forma de uma caveira pegando fogo. – falei sem ao menos pensar na proposta dele. mas eu não nasci pra ser peão de ninguém eu só sou patrão. eu não tenho muito tempo. o sonho dele era eu trabalhando para ele e sendo um dos homens dele. Filho da puta ele trabalhava para o Marcony. estamos falando de milhões. – Calma Bieber. – Os meus negócios não era droga e nem armas.Olhei para ele sem muita paciência aquele lugar fedia e eu não tinha gostado da cara dele. – disse sendo seco. – Falei arrogante. – Então você trabalha pro Marcony filho da puta? – falei nervoso e pelo canto do olho pude ver Jason com a mão na arama dele. Eu não arriscaria a minha pele com os tira para colocar armamento no território de Atlanta. Eu não costumo me sujar com pouco. ele sempre quis minha cabeça sempre tentou um jeito de me ter nas mãos dele. – Tem um carregamento de armas chegando a Atlanta. – Não. – Marcony? – ele olhou para o braço e percebeu que tinha deixado a tatuagem de fora. jurei pra mim mesmo que armas e drogas nunca seriam os meus negócios. – Bem que falaram que você e sua turma não aceita qualquer tipo de proposta. – A gente não costuma se sujar com tão pouco. – Não mesmo da ultima vez que fiquei responsável por uma carga de droga quase tive o meu rosto estampados nos jornais. – Bieber. achava isso perigoso e muito baixo todo mundo que se envolvia nisso afundava. – Fala logo o que você quer. – È o Marcony. . Marcony é o cara que me odeia. – Dinheiro não é tudo. – ele ia tocar meu ombro quando eu me esquivei o fazendo recuar com o olhar feio que eu lancei para ele não gostando da atitude que ele fez. O carregamento que está chegando vale muito e você vai perder isso? Respirei fundo. Senti uns dez canos sendo engatilhado na minha direção. ele deu um passo para trás e em um relance eu vi a tatuagem que ele escondia em baixo da manga da camiseta.

– gritei e puxei James pra perto de mim. E você foi como muitos que já tentaram isso falhou na missão. – Vão querer mesmo que eu mate ele? – enterrei mais a arma na cabeça dele e destravei o gatilho. – Vai Justin. POV Caissy. – Jason gritou atrás de mim para os capangas do James. mas até hoje ele não conseguiu isso. Fui entrando em algumas ruas e depois vi o carro do Jason me seguir. – E você é muito curiosa. Entrei no carro e sai dali o mais rápido possível. o fazendo de escudo no meu corpo e colocando a arma na cabeça dele. – Você é chato! – encostei-me no banco e cruzei os braço. – O Marcony vai atrás de você se me matar. mas se colocaram ele aqui para fazer negócios comigo é que ele era um bom soldado para o Marcony. James não era tão importante porque atrás dele deveria ter gente muito mais importante até chegar ao Marcony. – Diria que muito tempo. – Jason Abriu a porta e me deu passagem para passar com o infeliz. – Só porque ali tem camisinhas e uma arma? Acha que eu nunca vi isso na minha vida? . E tenho certeza que não gostariam de ver ele morto. – Para de mexer ai Caissy. – Brian abriu a porta do carro me assustando e eu fechei o porta luvas sem graça. – ele disse quando chegamos ao meu carro. – Você merece ir para o inferno seu bosta. Sai de dentro da sala e estava saindo com o James sendo o meu escudo. – arrastei o James até chegar ao meu carro. e eu continuei com aquele verme na minha mira.– Abaixem as armas. – Bala! – gritei ao achar uma bala no porta luvas do carro do Brian eu estava esperando ele no carro enquanto ele estava comprando umas coisinhas no supermercado. – Vamos logo seu verme. – Você sabe há quanto anos o Marcony tenta me pegar? – perguntei e ele me olhou com olhar de medo. E o que você merece agora? – fiz um silêncio e a cara de piedade já surgia no rosto dele. – dei um tiro a queima roupa na testa dele e ele caiu duro no chão. eu vou explodi com a cabeça dele. – Se não abaixarem a arma. Ainda estava com a arma apontada na cabeça dele. aquilo foi uma armadilha do Marcony para me pegar.

– Que horror. – Eu ainda não entendi pra que vocês precisam de tanta segurança. foi bem mais rápido do que quando fomos acho que é porque eu já o conhecia. – fiquei gelada e com medo só de pensar em alguém tentando matar o Justin. . – Na casa do Justin não tem isso. – O Brian o que esse botão faz? – perguntei e apertei. “Ativando o modo de segurança. – falei surpresa. estava fuçando nas coisas da sala. Me joguei no sofá da casa dele quando chegamos fiz do mesmo jeito que ele fazia na casa da Pattie. – Caissy tira o pé do sofá. Mas o Justin consegue ganhar. – Lá tem um desses? – perguntei surpresa nunca tinha visto um desses na casa do Justin – Tem um desse bem mais potente e sem contar os seguranças que são muito bem treinados para fazer a segurança daquilo tudo. o maior gangster dos Estados unidos daria tudo para quem conseguir a cabeça dele. – me sentei triste no sofá por não ter um botão desses na casa do Justin. – Muita gente quer manda o seu namoradinho pro saco. – Na casa da Pattie pode e aqui não? Ele foi pra cozinha e começou a preparar o jantar que eu pedi. – achei aquilo muito foda.. – Ahh.– Caissy me poupe dos detalhes. E quem conseguir a cabeça dele vai ser um grande prêmio – ele disse com ódio até me senti mal de o ver falando daquele jeito. – Tem muita gente que quer nos matar. – O sistema de segurança da casa do Justin não chega nem aos pés desse daqui.” – Cacete a sua casa fala. – Caissy para de mexer nas coisas. – Ta bom. – virei para a janela e fiquei olhando o caminho. – ele veio e desativou o modo de segurança. – falei chocada..

– Você é fraca para isso.– Já terminou de fazer o jantar? – mudei de assunto. Ele me serviu. – Pelo cheiro parece que você mandou bem. – eu estava quase caindo da cadeira. – Esqueci que a idade mínima para beber é 21. Voltei e ele já tinha feito tudo à mesa estava linda e o cheiro da comida estava muito bom. – ele riu. – ele me xingou. mas já bebi coisa bem pior. – Nossa acho que eu não consigo mais andar. – Claro que está bom. – Não. – Fala sério eu mereço muitos elogios. – disse tentando me concentrar nas palavras. – Vou lavar a mão. ta ótimo. – eu estava zonza com algumas taças de vinho... Experimentei a comida e fiz uma cara feia fingindo estar ruim. – Gordinha é a sua mãe. – ele puxou a cadeira e eu sentei. – Que foi não ficou bom? – ele perguntou preocupado. – Eu só estou um pouco tonta. E começamos a comer. – dei a língua e fui lavar a mão. Comecei a rir pela cara que ele fez. . – Eu sempre mando bem Caissy. – Idiota. – ele começou a rir feito bobo eu já estava enrolando um pouco a língua.. Só falta colocar a mesa.. – Mostrei o dedo do meio para ele. Lancei lhe um olhar ferino. – Você anda muito convencido. – Sou muito forte. – levantei o dedo indicador brava. – Vai lá criança. – já. – Gordinha eu não consigo te levar no colo não.

ainda bem que o Brian não estava dando confiança continuou me levando pro quarto. nossas respirações estavam bem próximas eu podia até sentir o vapor quente que vinha da boca dele. – ele me colocou de pé. – cai de bunda no chão o fazendo rir. – Eu vou dormi vou ficar quietinha. não. – Vai dormi menina. ele tinha ficado muito sem graça com o que tinha acontecido. Mas só se você deitar aqui comigo. Uhull. Maldita hora que eu deixei você beber. – neguei com a cabeça.. – tentei ser séria. – tentei ficar em pé de novo. Eu quero gritar. – nem conseguia controlar o que eu falava saia tudo enrolado. Cai deitada e comecei a rir. – Uii. – disse séria. – só até eu dormi? . – Opa. não. – Nem fudendo que vou dormi com você. – È realmente você não está bem. – Você não está muito bem... Senti a boca dele bem próxima da minha. Ele foi mais rápido e me segurou. – ele disse me segurando forte. – comecei a rir sem parar da cara dele não conseguia parar de rir.– Ouu não mexe com a velha não. – Deita ai Caissy. – Ah não. – disse levantando rápido da mesa e ficando tonta quase caindo.. – O seu estado? – Olha aqui eu estou muito bem. – ele agarrou minhas pernas e me jogou na cama. – fui tentar andar. – bati na cama para que ele deitasse do meu lado. – Ta parei. Joguei minha cabeça pra trás e não parava de rir. – Brian? – falei brava. – Brian tenho que ir. – Quem disse. não. – Acho que irmãos não ficam tão próximo assim. – Acho melhor você dormir aqui. mas ele me impediu. – ri sem graça e me afastei. – Brian. Ele revirou os olhos. Aquele homem me deixa louca. Para de ser chata. – O Bieber não vai gostar e eu já estou sentindo falta dele por que.

era só ele pegar a mala mesmo. – Eu liguei na casa dele e avisei que você não estava em condições de ir pra casa. – Ta bom. – Então vou pegar meu celular lá em cima e a gente já vai. – Agora ele vai me matar! – falei um pouco exaltada e cai afundando minha cara em uma das almofadas do sofá. – O que você não pede sorrindo que eu não faço chorando? Dei um sorriso e ele tirou a camiseta. – ele riu. Ele deitou de um lado da cama e eu pulei no peito dele me aconchegando. – Vai querer ir agora ou vai tomar café? – Não meu estomago ta um lixo não consigo comer nada. Me troquei e tive que secar meus cabelos na toalha não suportaria o barulho do secador. – Ta mal maninha? – ele abriu a porta do carro para mim e eu entrei. só tinha colocado algumas coisas pra fora. Brian trás a minha mala? – falei com a voz fofinha. Depois de um tempo ele desceu com a minha mala. O que eu tinha? Boa pergunta minha cabeça doía muito para lembrar. mas eu tinha arrumado tudo antes de descer. meu estomago revirou que nem pipoca na panela Brian morava no 11ª andar e para mim aquilo demorou uma eternidade passamos por um espelho no estacionamento e minha boca estava branca. . – ele zombou rindo e eu mostrei o dedo do meio. mas desligou assim que me viu descer. mesmo um pouco alterada senti minhas bochechas corarem ele tinha um físico lindo e super bem malhado ele lembrava muito aquele ator o Chad Murray principalmente quando ele era novinho. Desci e Brian estava na sala no telefone. – O Justin vai me matar disse para ele que voltaria ontem pra casa.Ele balançou a cabeça decepcionado. a cara de mal e o jeito do cabelo lembrava muito o Brian.. Abri o olho com muita dificuldade e uma puta dor de cabeça me atingiu. – O que? – gritei. tomei um banho demorei um tempo em baixo do chuveiro lavei meus cabelos e depois sai. – Ai está a nossa bêbeda. Pegamos o elevador e aquilo me fez mais mal ainda. fui sentindo minhas pálpebras pesarem e acabei pegando no sono.. Nem tinha desfeito a mala quando cheguei aqui.

– È não estou muito legal não. – falei não gostando muito daquilo. . – Pra que isso? – Tem o meu outro numero ai. – Brian. – ele disse me fazendo olhar nos olhos dele.. – hesitei em pegar o celular. – ele acelerou o carro e fomos para a casa do Justin. – È isso que os irmãos mais velhos fazem tem que proteger a caçula. – Desculpa pela vergonha de ontem. sorri e peguei os óculos escuro dele enquanto ele engatava o carro e saímos. – balancei a cabeça. – Come logo. – Isso acontece. Você entendeu? – Sim senhor Brian. – Não consigo comer nada.. – peguei o celular forçada.. Vou pegar um café e uns Donuts para você. – Toma isso. – Caissy você não vai ficar sem comer. – sorri sem graça. Mordi um pedaço de Donuts. – Caissy eu quero te proteger e sempre estar por perto. – Caissy pega logo. – Olha só. – Não Brian. – revirei os olhos. – ele riu. – ele já estava no drive thru do Starbucks. Qualquer coisa me liga. Já aprendi a não deixar crianças beberem. mas somo irmão de alma e eu já estava começando a sentir isso. não somos irmãos de sangue. – Vou passar no Starbucks. – ri com muita falsidade e mostrei o dedo para ele... – Se precisar me liga. – bati continência e ele riu. – ele me entregou o celular dele. meu estomago não estava bem para aceitar aquilo. Brian dirigia feito louco em vinte minutos chegamos à casa do Justin.. – disse quando ele me entregou o que tinha comprado. – disse quando ele sentou no lugar dele no banco do passageiro. – Brian não precisa disso. – Brian eu vou vomitar no seu carro.

. Tem algum problema nisso? – Que? – perguntei sem entender. – dei um beijo no rosto dele e ele riu enquanto eu saia do carro. trouce ela para me ajudar porque preciso sair mais cedo hoje. – Guadalupe começou. Ele me deixou no portão da mansão e não entrou o sol estava super forte. eu já estava me preparando para voar em cima dela. Vou ficar com os seus óculos. não consegui falar minha garganta secou e eu estava com os olhos queimando de ódio.. E as palavras continuaram presas na minha garganta. Nanely. – nossa eu sou uma neurótica que vergonha tinha pensado um monte de merda. . Meus olhos se encheram de ódio. Tentei falar duas vezes. que é isso aqui? – falei nervosa e um pouco prepotente parecia até com o Justin quando se referia aos criados. Senti o meu rosto pegando fogo e as minhas bochechas já ardiam só faltava a fumaça sair pelo ouvido. era mexicana e ás vezes se se enrolava para falar. Não que ela estivesse nua.– Tchau seu chato. Nesse momento eu queria ser uma Jaguatirica soltar aquele rugido e voar em cima daquela safada e fincar as unhas na cara dela e destroçar aquilo que ela chama de rosto. pois minhas mãos estavam ocupadas com o café enrolei para tomar eu entrei correndo procurando o Justin e encontrei uma mulher quase nua na sala a minha boca se abriu e as palavras não saíram. mas era só a neta da Guadalupe. – Eu vou ter que ir ao médico e trouxe Nanely para me ajudar a agilizar o serviço. A menina se assustou do jeito que eu falei e ficou me olhando com uma cara de assustada. – Mas o que. Era uma velha rabugenta e fazia o serviço dela calada.Mente poluída. Credo. ela não gostava muito de conversar. que mente podre a minha. Na hora a minha dor foi pro espaço à raiva foi tanta em ver aquela prostituta que passou rapidinho. – Senhorita Cassidy. pedi para que um dos seguranças levasse a minha mala. – Senhorita Cassidy? – a empregada veio da cozinha me surpreendendo ela nunca falava comigo só o essencial. CONTINUA. *-* Capítulo 14 . mas as palavras me sumiram. – Esta é minha neta. mas a roupa que ela vestia era apenas um acessório. Fiquei sem graça por ter pensado que o Justin já tinha trazido uma vagabunda pra cá eu já ia arranjar um confusão.

ele estava esparramado na cama de bruços e vestindo só uma boxer rocha ele dormia feito um anjinho e eu pensando merda do coitado. Não tem problema nenhum. fechei a porta sem fazer barulho. – Ah. Subi as escadas nas pontas dos pés e caminhei lentamente até o quarto do Justin. – Você sabe se o Justin ta em casa? – ela negou com a cabeça. Tirei os óculos e deixei jogado em cima do sofá. – Por isso estava passando mal? – ele perguntou curioso. – Então porque demorou tanto? – ele me puxou para um beijo rápido fazendo eu me deitar sobre o peito dele. – falei sem graça notando certa maldade na voz dela em relação ao Justin. – Tem algum problema? – ela refez a pergunta. estava no piso de cima e a porta do quarto dele estava fechada. – ele coçou os olhos despertando e trocando de posição ficando de barriga para cima. – Acho que ele ainda não acordou. – ela me deu um sorriso.– Senhorita Cassidy? – Guadalupe me tirou do transi estralando o dedo na frente do meu rosto. – eu me sentei do lado dele na cama. essa era minha resposta eu não era a dona da casa. Ele sorriu. – Achei que demoraria mais. mordi os lábios inferiores e caminhei lentamente em cima da cama. mas e dai? Ela perguntou pra mim ué. Ele se mexeu e depois abriu apenas um olho me olhando. – balancei a cabeça fugindo dos meus pensamentos. – Coloquei o café na cozinha tirei os sapatos jogando em algum canto da sala. chegando à região do pescoço. – falei sem medo a final ele já sabia. – Obrigada por me avisar. Porque o Brian disse que já tinha ligado para ele. nem sabia mais onde tinha colocado o celular que o Brian havia me dado eu não gosto muito dessas coisas não me ligo muito nisso. – Oi. . – a neta da Guadalupe se intrometeu sendo um pouco oferecida. – Acho que não conseguiria ficar mais nem um minuto longe disso aqui. Dei uma risada safada e passei uma perna por cima dele e depois sentei bem em cima do pau dele. diria que foi um encaixe por cima da roupa perfeito. – Claro que não tem Guadalupe. comecei a subir até a boca o beijando lentamente. – Não. – rebolei fraco em cima dele e ele soltou um riso fraco. A porta não estava trancada então entrei sem fazer barulho. – Bebi um pouquinho a mais ontem.

mais é que não vai dar. me afogando com o chuveiro não estava esperando por aquilo. – Justin. Me levantei da cama e entrei no banheiro. estávamos conversando enquanto ele tomava banho me encostei-me à parede entediada. não precisava ter contado o motivo. – Porque eu vim correndo para fica com você. – ele estava tomando banho e eu não hesitei em me aproxima mais dele. – Acho que já são quase 11h00minh.– Ãn? – falei confusa. Ele estava tirando o shampoo do cabelo e eu brisando quando ele me surpreendeu me puxando para debaixo do chuveiro me deixando ensopada. é! – sorri e dei um selinho nele. – Você se mete em muita confusão. – O Ryan está me esperando. – Porque não? – ele gritou já ligando o chuveiro. – Que horas são? – ele tentou enxergar o relógio. Fiz um biquinho novamente. – Ah. – ele bufou com impaciência. – Não acredito. que Justin tinha muitos inimigos. – ele se livrou de mim entrando no banheiro para um banho.. – Não as confusões se metem comigo. – err Caissy. – revirei os olhos. combinei encontrar com ele há uma hora. – Vai me deixar? – fiz biquinho e ele riu o desfazendo com um selinho. – Que foi? – falei triste.. Tenho que resolver uns negócios ai porque tem uns caras na minha cola. – Brian ligou aqui tarde da noite e disse que você dormiria por lá porque estava passando muito mal. – Justin isso não é legal. – gritei e ele riu. e você vai me deixar aqui? – não pude deixar de olhar o negócio extraordinário dele. mas tenho que ir. – falei lembrando o que o Brian havia me contado. . – gritei. – Se pudesse ficava. – Não queria.

– Me deu um ótimo motivo pra voltar pra casa com pressa. – ele me deu um selinho pegou uma toalha e saiu do banheiro. Comecei a rir sem parar e ele não se segurou e riu também. mas não conseguiu. Puxei o folego. Foi uma rapidinha acho que duraram uns 20 minutos. mas deu pra dar uma saciada. – Caissy já passou. – falei procurando algo para vestir. – ele disse bagunçando o penteado ridículo que tinha feito e já vestido. mas quem disse que não podemos aproveitar? – ele me prensou na parede e começou a me beijar. – ele disse sendo irônico. senti ele me penetrar e soltei um gemido baixo. – O que você quer ai? – Uma roupa ué. Fiquei ali por um tempo deixando a água cair sobre o meu corpo. nossa línguas estavam entrelaçadas e água caia sobre nós. Ele tinha repartido o cabelo ao meio e parecia que uma vaca tinha lambido. enquanto eu não parava com o meu ataque de risos. – Você está ridículo. depois ele saiu de mim por completo me deixando um pouco saciada e com as pernas bambas. se virou e foi termina de se vestir.– Eu vou dar uma saidinha. Peguei uma camiseta de botão e uma boxer branca. Ele colocou uma mão na parede diminuindo os seus movimentos e eu pude sentir aquele prazer bom. uma camiseta preta e uma jaqueta linda por cima. – O que acha do meu cabelo assim? – ele se virou para mim mostrando o que tinha feito no cabelo. Terminei de tomar meu banho me enrolei em uma toalha e sai do banheiro. Tinha colocado uma calça preta. – Eu gostei. – falei entre as risadas. – ele tentou segurar o riso. . a blusa dele virou um vestido pra mim sorri me olhando no espelho e sai do closet. as entocadas começaram a acelerar e os meus gemidos aumentaram um pouco e ele acelerou mais o ritmo. ergui as mãos e ele tirou minha blusa depois tirou minha calça junto com a minha calcinha. Escutei o barulho do secador no banheiro. – Nossa ficou muito bom em você. E entrei no closet dele.

. – Ela trousse a neta dela? – ele disse com um tom de muito interesse. – Não vou demorar muito. Posso encontrar gatinhas na rua.. – fui um pouco ríspida. – ele falou bem baixinho no pé do meu ouvido. – Ela não é tão boa quanto você. Parei no segundo andar da escada. – me lembrei de que tinha que avisa-lo. – Acho que isso não é da sua conta.. – as mãos dos Justin me abraçaram por trás. – Você é pior que mulher se arrumando. – ele pressionou a boca na minha me dando um selinho demorado e depois saiu. ta lá em baixo quase nua. Demora um ano. . mas cara ela estava se oferecendo para o Justin e tenho certeza que ela já foi pra cama dele. Desci e a neta dela estava lá em baixo. – ela disse com uma voz de piranha barata e mascando um chiclete de uma forma vulgar. – Safado então quer dizer que você e ela. mas pelo cheiro do perfume. o segurança colocou lá. – Ta bom. – Suas coisas estão no seu quarto. ela estava com aqueles peito pulando pra fora da blusa. – abri a porta e sai do quarto não só pelo interesse dele.. ele tinha acabado de passar perfume e eu sou um pouco alérgica quando o perfume esta forte.Mostrei a língua e peguei uma escova passando em meus cabelos molhados. – Justin! – ela disse com um tom de voz feliz e oferecida ao nota-lo. – ele deu um sorriso forçado e balançou a cabeça em um cumprimento. Ela precisa sair mais cedo hoje. – Nanely. – ele estava parado em frete ao espelho ainda arrumando o cabelo. – Estão de rolo? – Nanely perguntou com aquela voz irritante dela. – ele me virou rápido e me interrompeu com um sorriso sapeca e selou os lábios nos meus fazendo com que eu me calasse. Ele riu. – Tenho que ficar bonito né. – revirei os olhos e soltei um espirro. ainda na sala com a bunda arrebitada para cima tirando o pó dos moveis. – Trousse. – Guadalupe trousse a neta dela para ajuda-la.

– De novo sozinha nessa casa. – ela me deu um sorriso e soltou as coisas em suas mãos e me abraçou.– Não vai durar muito. CONTINUA. – Ele é o Justin desde que venho aqui nunca vi ele amarrado com mulher nenhuma. – falei ainda chocada. e eu virei às costas e fui novamente para o quarto do Justin.. Fiquei andando pela casa e mais uma vez me encontrei entediada e sem nada pra fazer. – Que saudade. aquela casa era gigante e não tinha nada para fazer cheia de seguranças. – Não quero saber o que ele faz depois. – ela fez uma cara de triste. – Ahh. não sabia o que responder eu não sabia o que falar não sabia se falava a verdade ou inventava uma desculpa. – Porque você está vestida com a roupa do Justin? – fudeu. E você é mais uma que está na cama dele hoje e amanhã ele vai te esquecer como ele sempre faz. Desci com a minha roupa e coloquei na lavanderia. em todos os quartos tinha um sistema que era só colocar a roupa no cesto e já ia direto para lavanderia é na casa do Justin tinha umas coisas meio loucas. Estava indo tirar a roupa dele e colocar uma minha e mais confortável quando escutei a porta lá em baixo bater. Enquanto eu vagabundava pela casa Guadalupe já tinha limpado o meu quarto e o do Justin. – ela ficou me olhando com cara de bunda. mas eu me sentia sozinha.. ainda bem que a Guadalupe estava dando uma geral pela casa toda. o quarto dele estava uma verdadeira bagunça. – Pattie? – falei chocada. O importante é agora e pode deixar que eu vou aproveitar muito esse tempo em que EU vou estar na cama dele. – Caissy. Desci correndo para ver quem era. – Você não avisou que estava voltando. – Minha irmã resolveu ficar esse final de semana com a mamãe e me dar uma folga. Recolhi a minha roupa molhada que estava no banheiro dele. e me deparei com a Pattie na minha frente com as mãos cheia de sacolas e malas. – Caissy. – pensei alto. Mas eu não quis deixar a roupa molhada com as secas.. .. – ela franziu o cenho. – minha boca abriu por livre espontânea vontade.

.. – ela pegou as coisas dela e foi subindo as escadas e eu a ajudei.. – Caralho! Porque ta me ligando? – Justin disse com uma voz arrogante acho que ele achou que era o Brian. – E você disse o que? – Nada. – Justin! Sou eu a Caissy.. até que ele atendeu... – ele fez uma pausa e eu só escutava a respiração leviana dele do outro lado.. – Tudo bem eu sei que as roupas do Justin são tentadoras. .*-* Capítulo 15 . Ele me deu esse celular para quando precisar ligar pra ele. – Esse cara não se toca mesmo né.. mas não sabia o que falar. – Justin cala a boca e me escuta. Mas ela nem desconfiou que a gente tivesse algo. Fucei um pouco a agenda e encontrei o número liguei e tocou várias vezes. Puta que pariu obrigada Deus por me ajudar obrigada mesmo por me tirar dessa. – escutei ele bufar. – Fala Caissy. A sua mãe voltou.. Eu não sabia o número do Justin.. – Tudo bem Caissy eu não conto para ele. – Vou dar um pulinho no meu quarto e já volto. – Justin. – ela riu e revirou os olhos. – ele disse em um tom recuperando a paciência. – Não. – a deixei no quarto dela e andei de pressa até o meu. – Não Pattie. – Eu entendo coisa de jovem..Hate That I Love You. mas com certeza no celular que o Brian me deu tinha o número. – Caissy? Porque você está com o celular do Brian? Você está com ele? – a voz dele já tinha se alterado. – Voltou? – È ela voltou e me pegou vestida com a sua roupa. – tentei argumenta..

– falei chocada. Foi o que eu fiz troquei de roupa e voltei para o quarto ao lado. Quando eu chegar em casa eu falo com ela. – Você tá achando que eu sou algum tipo de namoradinho de colégio? – Não. – ela disse notando a minha chegada ao quarto. a gente descobriu agora. dei um sorriso sem graça eu não estava me sentindo nem um pouco a vontade com ela. as pessoas os lugares.. – ela fez uma carinha triste. Não vou te obrigar a nada quando você decidir você conta pra dona Pattie. – eu falei nervosa e ele fez uma pausa. Tinha dia que eu acordava de manhã e encontrava os sapatinhos dela dentro da geladeira. – ele disse tudo isso com um tom nervoso e depois desligou na minha cara. – Nossa eu fico quebrada toda vez que viajo. eu ainda tinha que enfrentar a Pattie no outro quarto então tinha que me recompor trocar de roupa e fingir que nada estava acontecendo. quicou duas vezes e depois caiu no chão. por quê? – Eu não vou esconder de ninguém que eu estou ficando com você. Eu não vou me sentir bem em contar isso para ela agora. – Não Caissy..– Se foi só isso então ta bom. – Faz tempo que ela tem essa doença? – Não muito. mas fazia um tempo que ela esquecia as coisas. – Nossa. Respirei fundo. – E sua mãe melhorou? – comecei a ajudar ela para ver se distraia um pouco a mente. – Ta bom Cassidy eu estou ocupado e sem tempo. – Eu não quero que ela saiba. – Estupido! – gritei e taquei o telefone em cima da cama. Quer dizer. Ela estava tirando as coisas da mala. mas eu não vou deixar você contar. – falei nervosa. – Mas sabe uma coisa que me deixava boquiaberta? – O que? .. – Ah. – A situação dela está cada vez pior. – Não..

– ela disse toda contente. Meu deus esse final de semana não vai ser nada fácil. ela iria fazer comida chinesa. eu aqui tentando arranjar um jeito pra ela saber a verdade entre mim e o Justin e ela vem com esse encontro arranjado. – Eu até trouxe um vestido novo para você. – Mas eai me conta como foram esses dias em que eu fiquei fora? – gelei senti um arrepio começar desde o começo da espinha até os fios de cabelos. – Ah. – nós rimos juntas. – tentava de qualquer jeito finalizar aquele assunto sem me complicar. – ela deu um grito alegre. – gaguejei. – não eu realmente não tinha coragem de contar pra ela o que realmente estava rolando entre mim e ele. – ela disse pendurando a última roupa no closet. – Pattie eu não estou precisando de um encontro arranjado. – Amanhã eu convidei uma amiga para almoçar conosco. – Foi bom. – Não! Ele foi apenas o Justin. – Tyler? Para mim isso é nome de nerds. – Ai amanhã. fazer não ela iria comprar pré-preparada. Eu até deixaria se ele tivesse um pouco mais de paciência. Ela tem um filho da mesma idade que você e ela vai trazer ele para que vocês possam se conhecer. mas como eu conheço a peça esse não é o forte do meu filho. – tentei ser o mais empolgante possível. – Não. – Vestido? – tá. – dei um sorriso sem graça. Isso deve ser chato né? – droga... Ela sempre pergunta dele. esse jantar tem mais intenções do que eu pensava. não é um encontro arranjado.– Do Justin ela não esquece. – Você sabe como ele é né. E também é pelo fato de que você está há tanto tempo sem ter contato com uma pessoa da mesma idade que você. mas eu quero que você esteja linda para quando o Tyler chegar. – Muito legal! Mas a melhor parte é. – Que legal. Ai meu deus cadê o Justin? Já eram quase . e a cada pergunta dessas eu sentia eu me complicando cada vez mais. – È coisa simples. – O Justin não perturbou você não né? – ela perguntou preocupada. – falei tentando ser o mais gentil possível e sem graça. Descemos para a cozinha e Pattie não parava de falar no almoço. Mas é que o filho dela é tão lindo Caissy acho que você vai gostar. – È eu sei. tem vezes que ela fala que vai vir pra cá para ficar uns dias com ele. foi normal.

– por mais que eu tentasse não mostrar interesse isso era impossível. ele só é meu amigo. – tá. – ela foi para a cozinha e eu a acompanhei. – Deve ser. – Não sei se é coisa minha. – È. mas o que será que ele tinha falado? – Hum. isso eu já sabia. – tentei não fingir interesse. o nervosismo era muito e eu já pensava em milhares de desculpa para me explicar para a Pattie. O telefone dela tocou e ela abriu um sorriso para mim.10h00minh da noite e ele ainda não tinha chego. Desgraçado ele não podia fazer isso comigo não pelo telefone. . – Não sei como ele sabe que eu voltei. mas tinha que pensar em algo rápido e convincente. Tudo que desrespeitava o Justin eu ficava muito interessada em saber. Eu o vi hoje cedo. – Mas e ai o que ele queria. mas o Justin é muito burro mesmo. – Ele queria avisar que não vai dormir em casa.. minhas mãos soavam frio e os meus pés batiam ritmada mente no chão. – Nossa. Pattie voltou para a cozinha sorrindo – Era o Justin. – Neném! – ela sacudiu o telefone e se retirou para atender o Justin. Eu estava cada vez mais perdida sozinha com a mãe dele. – acho que aquilo foi um pensamento alto. Eu não estava preparada para aquilo. Adotou-me até como irmã acredita? – Irmã? – ela franziu o cenho. – eu engasguei com a minha saliva. – ela deu de ombros.. mas o Brian te olha de um jeito diferente. – eu dei de ombros. – Não acho que é coisa sua. – Ta bem. agora que você falou do Brian e de irmã já faz quase dois anos que a Alexia foi embora. Comecei a suar frio pensa se ele decide contar para a mãe dele. – Acho que os seguranças deve ter contado para ele. – E o Brian? – ela me tirou do transi. Estranho eu nem contei pra ele.

– Caissy? Você está bem nunca te vi nervosa desse jeito. mas agora eu já nem ligo mais. – Vou lá em cima e já volto.. mas eu neguei. – Quer pipoca? – ela me ofereceu. eu nem estava prestando muito a atenção. – nem dei tempo pra que ela respondesse. – Com certeza vai pra uma dessas boates que ele costuma ir com os meninos.. deitei ao lado dela.– Não vai dormi em casa? – engasguei dessa de novo e dessa vez foi bem pior que Pattie até notou. subi as escadas de dois em dois e cheguei soltando fogo no quarto peguei o telefone e eu ia ligar para o filho da puta e fala pouca e boas para ele. Ela deu uma pausa. Nossa eu estava ridiculamente tomada pelo ciúme. A raiva estava consumindo minha alma e eu juro se ele aparecesse aqui agora eu voaria no pescoço dele e não há santo que me tiraria de cima dele. Durma bem Princesa. – balancei a cabeça e dei um sorriso fraco para me livrar daquele humor. mas a minha mente estava a mil por causa do Justin. – Não acredito. A voz rouca dele não negava que aquilo era uma mentira. Caissy. Mas ele era um desgraçado esperou a mãe dele voltar para me dar um perdido. eu apertei o botão para escutar. E eu já comecei a surtar. – Pattie estava no quarto dela deitada na cama assistindo TV. E eu não vou deixar a mãe dele saber de nada. Hoje eu não vou pra casa. Ele só vai chegar amanhã se não emendar também né.. ele foi curti a noite. O filme foi ficando chato. – meu rosto estava pegando fogo. – To bem sim Pattie. – Filho da puta! – falei alto e Pattie me olhou com os olhos estreitos. – Ah mais eu não vou me ferrar sozinha mesmo. – falei nervosa e transparecendo isso para ela. – Ah já estou até acostumada antes eu ficava preocupada. . mas tinha uma mensagem do desgraçado na caixa postal. Aconteceram umas coisinhas por aqui e eu não vou poder aparecer por ai. Se você quiser contar para minha mãe eu te dou todo o apoio. ela não vai nem sonhar o que aconteceu aqui nessa casa. E acabei pegando no sono ali na cama da Pattie..

não tinha nem idéia do que fazer no cabelo. perambulei um pouco pelo quarto tentando pensar o que fazer no cabelo. Em cima da cadeira da penteadeira tinha um vestido tomara que caia com uns babadinhos de renda rodado e um bilhete com uma caligrafia linda. – Pronto. – Pattie estava elétrica. Bufei nervosa. já está tudo pronto.Acordei com o sol batendo no meu rosto. Bjos Pattie. decidir deixar o cabelo solto. – Só falta eu soltar os cabelos e.. – dei um sorriso tentando ser convincente. “Fui buscar a minha amiga para o Almoço. Coloquei o vestido e ficou lindo em mim um pouco curto. mas fiz um coque em quanto me maquiava para as pontas poderem cachear. – ela sussurrou para mim enquanto descíamos as escadas. não estava com paciência para um almoço e ainda mais quando tinha segundas intenções. E eu bem desanimada para a ocasião. mas ficou lindo.. – Você está linda! – Obrigada. – dei um sorriso não muito contente. – Já está pronta? – ela disse alegre. e meu cabelo estava um pouco embolado passei à mão nele para conter o volume. – soltei os cabelos e as pontas caíram onduladas do jeito que eu queria. Quero ver você bem linda. mas já estou quase pronta. – Eles já chegaram. – entortei a boca em um movimento triste. mas ela não estava mais ao meu lado. Hoje é sábado. . – Caissy? – Pattie bateu na porta e depois entrou. – O Justin não apareceu mesmo? – perguntei ignorando o que ela tinha dito. – E aquele lá não vai aparecer nem tão cedo. Depois de muito tempo pensando. Levantei. a cama estava impecável o quarto estava arrumado e não havia nenhum indicio de que ele tinha dormido em casa. – È estou um pouco enrolada com o cabelo. Tomei um banho de banheira para relaxar. mas os pensamentos no Justin me tomavam e eu não conseguia pensar em nada.” Revirei os olhos peguei o vestido e estava indo para o meu quarto quando parei para dar uma olhadinha no quarto do Justin. – Tyler é vergonhoso. tinha dormido na cama da Pattie.

. – Oi. – Tyler vamos dar uma volta no jardim? – interrompi a Pattie não podia ficar paciente com aquele assunto rolando na mesa. – Olha ele cresceu e muito. – Ele não namora? – meu coração acelerou. – Este aqui é o Tyler. – Está é a Caissy...Chegamos à sala de jantar onde esperávamos pela a gente. e tá eu me enganei com o tal Tyler ele não era do tipo nerds.. Sei que filhos não ficam para sempre em baixo da saia da mãe. mas eu ainda preferia o meu Justin e em segundo o Brian. mas o Justin supera tudo. – Isso é complicado. enquanto todo mundo elogiava a comida da Pattie eu queria subir me trancar lá em cima e criar forças para quando o Bieber chegar acabar com a vida dele. – Melissa perguntou e Pattie bufou. Certeza que ele era um jogador de futebol do colégio apostaria até que a posição dele era quarterback pelo tamanho dos braços. – Você tem quantos anos? – perguntei e ele nem ligou . E eu retribuí com um sorriso forçado me sentando a mesa. – Pattie me apresentou e como de costume minhas bochechas coraram. Pattie e Melissa conversavam e riam juntas. – a amiga da Pattie estendeu a mão e eu a cumprimentei sendo educada. Eu não comi quase nada mexi um pouco na comida para dar uma disfarçada. mas eu e Tyler estávamos em silêncio. sinto como se ele fosse um monte de areia escapando pelo os meus dedos e eu não posso fazer nada. E eu perdi completamente o poder que tinha sobre ele. – Tudo bem Caissy? Meu nome é Melissa. Ele entortou o nariz e depois com um olhar ferino que a mãe dele deu para ele. – Melissa fez uma cara triste. – E o Justin Pattie? Ele deve ter crescido muito a última vez que eu o vi ele era um menino. eu percebia os olhares dele examinando cada parte da sala de jantar. Mas não podia. me acompanhou até o Jardim. Agora eu prestaria a atenção porque esse assunto me interessava. –disse sem graça. tinha que ser educada com a visita. – Ele amava uma menina ai que o deixou não mão. Mas agora ele é de todo mundo virou um mulherengo de marca maior. – aquilo foi um desabafo. – ela apontou para o garoto que nem se deu o trabalho de levantar para me cumprimentar só balançou a cabeça em um cumprimento.

Ele estava com óculos escuros no rosto para cobrir a cara de ressaca que ele estava. E te ensinar muitas coisas. Não de pivetes. – ele coçou o peito tentando ser sexy. – pisquei e fiz um gesto com a mão insinuando que o pau dele era pequeno de mais para mim. Voltei correndo até o Tyler e sem pensar duas vezes dei um beijo nele. sabia muito bem que o Justin estava vendo aquela cena porque ele estava vindo à nossa direção quando eu voltei correndo para beijar o Tyler.continuou caminhando lentamente do meu lado. – dei uma pausa. E quando ergui a cabeça eu vi o Justin parando o carro. Eu parei na hora e fiquei olhando ele incrédula. não acredito que tinha ouvido aquilo. e então era assim? Ele me trataria assim? Dei um sorriso maldoso e um pensamento perverso me tomou. aquilo confirmava que ele tinha passado a noite na gadanha. mas para mim parecia mais um otário tentando me pegar. moleque mimado esse viu. – Estuda aonde? – tentei mais uma vez e a tentativa foi em vão ele continuou calado com cara de bunda. È agora que eu vou dar o troco nesse desgraçado. Tyler apertou mais a minha cintura e me beijou com mais força e sua mão boba começou a rolar no meu corpo. Estava com os olhos aberto nem o beijo daquele troglodita era bom. fui seguindo em direção a casa. – E eu acho que você não seria bom o suficiente para me ensinar nada. – me virei deixando ele no jardim com cara de decepcionado ele achou que eu era uma bobinha e que me comeria fácil. coitado. – Eu pago bem e posso tirar sua virgindade. Se é que você me entende. – Porque você quer saber? – perguntei confusa com o cenho franzido e indignada com a pergunta. esse idiota acha que é quem? – Não garoto para sua decepção não sou virgem. eu gosto de pessoas experientes. – Tenho. – eu ri sarcástica. – Sua boca está suja de batom. – O que é? – Tyler perguntou com um tom arrogante. – ele informou Tyler que fez uma cara de confuso não estava entendendo nada. Até que ele foi arrancado de perto de mim com força Justin tinha puxado ele pela camiseta. . – Você é virgem? – o imbecil quebrou o silêncio me fazendo essa pergunta. Ele fez uma cara de surpreso com a minha resposta. – Tem certeza que não quer experimentar.

mas no fundo aquele Tyler bem que merecia aquilo. ele era um completo idiota. – Não. Eu só quero ir embora. – Justin o que você está fazendo? – berrei para ele. – Olha o Justin ai! – Pattie tentou reverter à situação. Acho que ele está passando mal.. . – Aconteceu alguma coisa Tyler? – Melissa disse preocupada. e Tyler já tinha deixado o desespero tomar conta do seu rosto. – Vocês são pirados! – Tyler saiu andando de pressa para dentro da casa e eu tentei o acompanhar. pude ver os olhos do Tyler se esbugalharem. – Ta ficando louco? – Você fica quietinha que depois a gente conversa. – Caissy o que aconteceu? – Pattie encostou perto de mim e disse em um tom em que só eu e ela ouvíamos. Eu cheguei logo atrás dele e elas não estavam entendendo nada.. mas. – Mãe agora! – ele queria ir embora de qualquer jeito. – Melissa.. – ele passou o cano da arma no rosto do Tyler e eu o vi tremer na base. – Mãe vamos embora agora! – Tyler disse ríspido surpreendendo Pattie e Melissa que conversavam no sofá. – Nunca mais coloca as suas mãos na Caissy. que foi isso? Ta ficando maluco cara? Não viu que eu e a mina estávamos curtindo aqui não? – Tyler começou a se criar pra cima do Justin e eu vi que pela cara dele a situação não iria fica nada boa.. – Pattie chamou a atenção de Melissa que sussurrava algo com Tyler. – Justin tirou a arma da cintura e a destravou. – Justin me entre olhou do outro lado da sala. e ele lançou um olhar perdido para o Justin que cruzava a porta. – Acho melhor você calar sua boquinha antes que eu decida estourar os seus miolos.. – Não sei.– O que. – Filho. – ele me lançou um olhar fulminante. – Olha aqui. – Justin disse olhando para o Tyler com uma voz ameaçadora..

– Eu odeio você seu viado! – eu socava o peito dele com toda a minha força. – falei nervosa. Eu queria matar o Justin.. – Eu aqui falando há meia hora com você e você não está me ouvindo? – Não. – ele deu um sorriso safado e eu fiquei mais puta e voei em cima dele socando o peito dele. – Já ta pilhada de novo? – Pilhada? Você não viu nada eu to com vontade de matar você. Pisquei os olhos duas vezes voltando ao normal. joga água quente nele. – Tchau Justin. Na minha mente passava várias coisas. – Adoro quando você fica assim. Acabei me deixando presa em minhas fantasias e esqueci-me do real. – Pattie me desculpa. – Me matar? – ele franziu o cenho. – Tchau Caissy.– Oi.. – Eu nunca mais volto aqui. como: Sobe lá e da outra facada nele Caissy. – Eu que ia matar o seu novo amiguinho. quebra o carro dele. Tyler já tinha ido esperar lá fora. mas parecia que aquilo não atingia nem um pouco ele. Ele sorriu e balançou a cabeça segurando os meus braços.Tyler. mas ele me deu uma rasteira e eu cai no chão e ele sentou . – Eu não ouço você seu cafajeste. – Tudo bem Melissa minha casa sempre estará aberta para você.disse entre dentes. – Melissa disse sem graça olhando para o Justin e ele fez um cumprimento apenas balançando a cabeça. .. outro dia eu volto com mais calma. – Aquilo não foi nada perto do que você deve ter feito essa noite. – Eu não fiz nada essa noite. mas eu vou ir embora. – falei entre os dentes e vi um sorriso surgi no rosto dele. – Pattie pegou as chaves do carro na mesinha e saiu. Toda enciumada! – ele riu e eu tentei me debater para me livrar dos braços dele. – ela beijou minha bochecha e me deu um abraço. – ela acenou e ele deu um sorriso e depois subiu. – Caissy eu vou levar eles não demoro tá. – Cassidy? – ele estava parado na minha frente me chamando.

estava muito nervosa. – Cadê o Justin? – ela disse ofegante. Eu peguei ele. – Aconteceu alguma coisa? – ela foi em direção à cozinha atrás do Justin e eu a segui.em cima de mim controlando o peso para não me machucar e estava com aquela cara de satisfação. Eu fiquei ajudando ela a colocar as coisas na mala tivemos que ser rápidas. – Justin entrou no quarto. ele me beijava com tanto desejo. – O que aconteceu mãe? – ela a seguiu enquanto ela subia as escadas correndo. Ele me chateia e eu fico puta. – Você ainda não contou pra ela? – ele perguntou incrédulo. ele prensou meus pulsos no chão e depois deitou em cima de mim selando nossos lábios. – Ta na cozinha. . – Mãe tem um voo que vai sair 06h30minh. – falei me recompondo. – Agora! – ela gritou. – Justin não deu mais uma palavra desceu para o escritório e foi fazer o que a Pattie mandou. mas sentia que ele tinha acabado com os meus lábios e estavam começando a inchar. mas eu lutava em baixo dele para que me soltasse e o meu ódio ficava cada vez maior. E Ele se divertia com aquilo. as mãos dele foram para baixo do meu vestido e ele já estava se empolgando quando escutei um barulho de carro no jardim. Eu não resisti por muito tempo e liberei a passagem da minha boca e começamos a nos beijar. – Sua vó piorou. eu fechei a boca e não abri. – falei assustada. – Sai de perto de mim. – eu gritava. eu o empurrei com força para que saísse de cima de mim. Escutei a porta abrindo e Pattie a cruzou desesperada. – Claro que não. – me sentei no sofá para a situação parecer normal. – A sua mãe chegou. – ele a olhou assustada. – Não acredito. – Justin compra uma passagem pra qualquer voo que vá para o Canadá. o sentia pedindo passagem para um beijo. – O que foi louca? – ele perguntou confuso ainda no chão. – ele bufou e foi para a cozinha. mas quando os lábios dele encosta-se aos meus eu esqueço tudo e parece que o que ele fez já não importa mais.

– Então não dormiu em casa por quê? – Estava fazendo uma correria com o Ryan. – Tudo bem Pattie. – de novo outra vez despedidas.. fazia tempo que eu não fazia isso. . – dei um sorriso decidir não ir ao aeroporto ela estava realmente com pressa. O negócio parecia ser grave. – Me leva no aero porto. – Estava? – ela perguntou esperando que eu respondesse que não. – E mulher agora chama negócios? – Não estava com mulher nenhuma não. – Vamos ué! – Justin pegou a mala dela e saiu na frente enquanto ela me recomendava um monte de coisas. *-* Capítulo 16 .. Mas eu não estava fazendo isso mesmo. não acredito. – Caissy se cuida querida! – ela me deu um beijo.. – Você não estava por ai procurando a Alexia? – ela franziu o cenho e eu me calei porque aquilo era uma coisa que eu costumava fazer.Meu vício. A irmã dela tinha ligado para ela e disse que a mãe delas tinha piorado e pediu para ela voltar com urgência.. CONTINUA. Escutei o carro do Justin catar pneu no jardim e depois um silêncio apareceu. acho que desde que a Caissy chegou eu nunca mais tive tempo para ir atrás da Alexia.– Tudo bem pode ser. Ela me deu um beijo no rosto. POV Justin – Onde você passou a noite? – minha mãe me perguntou enquanto esperávamos o voo dela. Subi tomei um banho depois coloquei o meu pijama de moranguinho e desci me joguei no sofá ficando esparramada lá ia ficar esperando o Justin ali mesmo. – Pattie estava desesperada. – Negócios! – cruzei os braços e ela apertou os olhos para me olhar. – Caissy se cuida eu prometo que dessa vez não demoro.

– E porque você não está andando com os seguranças? – minha mãe já estava se alterando. E isso que me preocupa você se garante de mais. – Se cuida Justin! – ela me deu um abraço apertado. Dei risada. – Mãe. não sabe. – E cuida da Caissy. – Cuida lá da tua velha. minha mãe temia tudo. – vi uma lágrima escorrer no rosto dela. . mas eu não sabia o que dar pra ela esse negócio de dar presente pra mulher é uma coisa complicada. – Porque eu não preciso disso. e não estava atrás da Alexia? Porque passou a noite fora então? – ela perguntou confusa. Não sei o que seria de mim se acontece alguma coisa com vocês. Filho para com isso cada vez mais isso fica perigoso. ela não suportaria que alguma coisa acontecesse comigo. Ao invés de ir pra casa decidir ir comprar um negócio para a Caissy. – E achou? – ela perguntou preocupada.. Eu não poderia explicar o que aconteceu na noite passada não queria ela envolvida em nada das minhas coisas. – dei um beijo na testa dela e limpei as lágrimas que ainda rolavam no rosto dela. – Não. e não demora ta.– Claro que não ta louca? – Se não foi mulheres.. – Não. – Não vai acontecer nada. – Posso te ajudar? – uma loira linda se aproximou. Já era para eu estar em casa há muito tempo. – Se cuida. Eu sei me proteger! – ela me olhou feio. – Aquela marrenta sabe se cuidar muito bem mãe. – Mãe. – minha mãe me deu outro beijo e depois embarcou. – Metralharam o carro do Ryan enquanto estávamos pagando umas propinas. Agora que eu estou dentro não tem mais como recuar. por favor. – eu a puxei para perto de mim.... E a gente passou a noite inteira procurando quem foi. – anunciaram o voo dela..

– Ela é meu sexo fixo.. Ela é delicadinha e vergonhosa.. – Pode sim. . – ela já tinha mudado completamente a feição dela. – Então já sei o que você pode dar para ela. – aquele era bonito e eu já não aguentava mais ficar ali dentro daquela joalheria escolhendo alguma coisa pra ela. – ela caminhou até um dos balcões da loja. ri fraco em vela dormindo toda jogada no sofá. o que a Caissy era minha? Nem eu sabia. e sem a Caissy. – Então você tem que dar uma coisa que a agrade e chame a atenção. – Não. E essa é uma peça exclusiva só existe ela. adoro mulheres principalmente quando se aproximam na intenção de me ajudar. Não. – È um colar de 24 quilates. – ela me olhou espantada. – Vai esse mesmo. Dirigi a 150 km/h estava com pressa de chegar em casa. – falei baixo. – Quantos anos ela tem? – 16. – Ela é sua namorada? Irmã? Amiga? Amante? – è ela era tudo isso misturado não tinha um nome especifico para o que ela era.. – È esse é mais a cara dela. não é muito a cara dela chamar a atenção. quando abri a porta Cassidy estava dormindo no sofá. – disse quando ela me mostrou um colar bem mais parecido com o gosto da Caissy. – È então acho que esse colar é muito de mulher pra ela. não aguentava mais ficar na rua eu tinha ficado o dia todo fora. acho que foi pela a idade que a Caissy tinha.Dei um sorriso. – O que ela é sua? – ela me surpreendeu. Preciso dar um presente pra uma menina.. dois corações entrelaçado. ouro puro. Cheguei em casa e nem estacionei o carro direito deixei ele aberto no meio do jardim. – Quantos? – 16. – Acho que esse pode servir.

– Para. – a chacoalhei. – O Caissy caralho. – Me deixa dormir. – Ân? Quem falou que eu estou com sono? – safada quando ficou sabendo que eu tinha algo pra ela. – Que surpresa? – Acho melhor você ir dormi amanhã quando você estiver sem sono à gente conversa sobre isso. – sai em direção as escadas. mas ele continuou com aquela cara de paisagem. – falei sem paciência e ela abriu os olhos assustada.– Cassidy. – implorei. – Cheguei. – Que foi? – ela perguntou com voz de sono. – dei um sorriso e ela me olhou com uma cara nada boa. – Eu vou é cata você se continuar ai me enchendo. – Então você vai ficar sem sua surpresa. Desci e pedi uma pizza de mussarela para ele. – ela tentou voltar a dormir. despertou rapidinho. Pede alguma coisa pra gente comer. Ai não tem nada do que eu não tenho visto. – O Caissy sai fora to tomando banho. – Ah você me acordou pra isso? – ela se virou voltando a fechar os olhos. e ela se virou no sofá. – Já fez minha comida? . desisto. – Vou tomar banho.. – Cassidy sua dorminhoca acorda. não conseguia comer nada. Depois de um tempo Justin desceu só de bermuda e sem camisa. – Ah vai te cata. – Justin! Não acredito que você vai me deixar curiosa. – O que? Justin volta aqui. – ela deu um pulo se levantando e vindo atrás de mim enquanto eu estava indo pro meu quarto. meu estomago nesses últimos dias não estava muito bom. POV Caissy – Justin me fala vai.. – entrei no banheiro enquanto ele estava se despindo. – bufei e sai do banheiro. ele realmente sabe me deixar curiosa.

– O Caissy aproveita que tem um segurança na porta e pega uma sacola que eu esqueci lá no meu carro. – Nossa. . ainda não esqueci que você sumiu a noite toda. Era um colar com dois corações entrelaçados dei um grito espontâneo porque aquilo era lindo... Mostrei o dedo e ele me puxou caindo no sofá em cima de mim e colando os nossos corpos. quando estava voltando que vi que era de uma joalheria. – ele me olhou sério. por quê? Tem presente melhor? – Aff. Minhas empregadas não são tão gostosas assim. que é lindo Caissy? – Esse colar. – È. Ah eu adorei. – Era eu ué. – Não. – ele revirou os olhos e eu dei um sorriso e fui até a porta pegar a pizza. – Esse colar não era para você. Coloquei a pizza na cozinha para ele. Peguei a sacola e nem tinha me ligado. – Ah você? – fiz uma cara de descrente. – Você não ganha nada enquanto não falar o que você tinha pra mim. nem pra isso você presta. – O que. mas eu decidir fazer um charme. – Para. – entrei correndo e ele estava na cozinha comendo. – sentei no outro sofá longe dele. – dei vários beijinhos no rosto dele. – Não? – perguntei nervosa e sem graça. – Caissy.. – E eu não sabia que você era interesseira.. – me afastei.– Olha a minha cara de quem sabe fazer alguma coisa na cozinha. – Ah pronto você realmente está me achando com cara de empregada. – Interesseira não! Mas você tem que me recompensar pela noite passada. Ele começou a me beijar. – revirei os olhos peguei a chave do carro e fui buscar a sacola que ele pediu. – Justin que lindo. minha curiosidade foi maior que eu e não consegui me conter e abri a sacola para ver o que era e. – Eu esperava mais de você...

– Justin esse aqui não. – To muito cansado. Posso até fazer um stripe. – Depois eu compro outro pra você Caissy. – dei um selinho nele. – Gostou? – Amei. – neguei não o deixando rasgar o meu pijama.. cachorro – dei um monte de tapa no braço dele. Ele pegou o colar e eu ergui o cabelo depois que ele colocou beijou o meu pescoço e me virou pra ele. Ele me levou no colo até a sala e depois me jogou no sofá. As mãos dele começaram a rasgar a minha roupa. deixa que eu tiro.– Esse colar era pra minha. Puxei ele pela mão o colocando de pé depois pulei no colo dele entrelaçando as minhas pernas na cintura dele comecei a distribuir beijos pelo pescoço enquanto senti-o enterrando as mãos na minha bunda. – estendi o colar para que ele colocasse no meu pescoço. – ele me olhou com aquela cara de safado que eu adoro. – joguei a ultima peça da minha roupa na cara dele e ficando só de calcinha e sutiã. – ele veio pra cima de mim com impaciência e eu fugi ficando em cima do sofá. – ele se esquivou dos meus tapas e um sorriso voltou a surgi no meu rosto. fiquei olhando para ele e mordi os lábios inferiores queria ver ele me enlouquecendo. – Você nunca tira a minha roupa você rasga ela todinha. Ele subiu em cima de mim e eu senti quando minhas unhas passearam pela barriga dele deixando marcas profundas. . – ri safada e ele balançou a cabeça e um sorriso malicioso começou a aparecer no rosto dele. – ele disse impaciente. – Pra sua. – dei vários selinhos nele. – Caissy isso é mais legal quando eu tiro a sua roupa. – Então pode recuperar suas energias.. – Como você é bobo. – Não.. O que? Seu safado. – Esse é especial. – Põem em mim. – ele jogou a cabeça pra trás e eu beijei pescoço dele. mas eu levantei correndo.. – Minha nada Caissy estava brincando é para você mesmo.

POV Caissy È o cheiro. o beijo. ela sabe me tirar da razão. é engraçado o jeito que ela é tímida às vezes ela parece ser tão direta tão certa e objetiva. estava tudo revirado tudo ao avesso aquilo que fazíamos não era certo. – ele disse com uma voz rouca e baixa. ela iria surtar mesmo e me achar uma puta ela me da abrigo me . intenso. POV Justin Caissy estava com um fogo que não era dela. abria as pernas dela e comecei a brincar com ela. mas tem hora que ela mostra para mim o quanto é frágil e inocente. Mordia seu pescoço enquanto ela arranhava a minha nuca. fui descendo até chegar às pernas. – ele voltou a me agarrar depois me deitou no sofá subindo em cima de mim novamente. Tirei o sutiã com uma mão e joguei em algum lugar da sala.– Esse é o espirito da coisa. Levantei um pouco o corpo tendo a visão do rosto dele. – Quando a minha mãe souber o que estamos fazendo ela vai pirar. mas eu não sabia mais me controlar e o pior eu gostava daquilo. sabia que não era certo. – Eu estou quebrado. o abraço. a proteção que eu sinto quando estou ao lado dele. o calor do corpo dele aquecendo o meu. não sei o que vai acontecer daqui pra frente eu não sei o que se passa na mente dele. tudo isso é impossível de explicar é o impossível decifrar o jeito descompensado que o meu coração fica quando estou junto dele. Ele tinha se superado a verdade é que ele era bom nisso. – ele me tirou de meus pensamentos. Segurei-a pela cintura e a puxei contra o meu corpo. Sempre que eu o olhava. Eu deslizava minha mão no peito dele descendo e subindo. desorientado parece que ela me consome enquanto me da às melhores sensações. segurei os cabelos dela e mordi beijei chupei aqueles peitos gostosos. enquanto eu estava com a cabeça enterrada no peito dele escutando a respiração gostosa e ofegante que ele estava depois de termos chegado ao ápice juntos. ele estava brincando com o meu cabelo. Ela arfava e segurava os gemidos. mas eu sei que ele está preenchendo todo o espaço que tem na minha. cada vez mais eu queria o cheiro dele impregnado em mim. eu sabia e tinha certeza que cada vez mais eu queria ele junto de mim. mas é impossível eu não consigo negar que estou viciada nesse cara. Eu tento traspor as palavras fugir disso tento não querer sentir. ela me confunde me deixa impulsivo. estávamos outra vez deitados no meio da sala.

– Amanhã. – ele se dirigiu para a escada subindo. – ele disse sério. – Será que entrou alguém aqui? – perguntei confusa – Sem os seguranças ver?. hoje. Você vai ficar comigo né? Ele balançou a cabeça e me deu um beijo rápido. – Você que sabe. eu iria ter que ficar sozinha de novo.. . voltei a deitar nos braços dele. – Mas vamos esconder enquanto a gente puder. – Não. Soltei um riso baixo com a reação do corpo dele ao meu toque. tudo lá para me proteger. – ele disse mostrando que isso estava fora de cogitação.. – Para Caissy. Ou melhor. – O que foi isso? – falei assustada. – Porque não? Não vai acontecer nada comigo Justin tem você os meninos. – Não sei! – ele abriu a gaveta de uma mesinha que ficava encostada na parede da sala pegou uma arma e engatilhou. – Então eu vou pro galpão com você.. – ele disse ríspido. Não queria nem ver a confusão que isso iria dar. Transando com o filho dela. – pedi com sinceridade. – Não posso.trata bem e como eu a retribuo? Simples. e tinha pegado no sono me aconcheguei nos braços dele e acabei pegando no sono também.. – ele deu de ombros sendo indiferente. Comecei a passar o dedo no abdômen dele fazendo com que ele se arrepiasse. Difícil. Ou arranjar outro jeito para sair daqui. – Caissy não. – Não quero que você conte pra ela. Do nada um barulho de vidro quebrando e porta batendo no andar de cima fez com que a gente acordasse. – Por quê? Uma hora ela vai ter que saber. Olhei para ele. E eu nem atrapalho. eu olhei pro Justin assustada e ele se levantou e vestiu a bermuda porque estava só de boxer e eu de calcinha e sutiã.

. – ele falou com uma voz bem séria e depois subiu..O perigo está me rondando. As cortinas balançavam e voava para dentro do quarto com o vento forte que soprava lá fora.. ele estava medindo bem as palavras.. – Vou ver o que aconteceu. A porta da varanda do meu quarto tinha sido arrombada e os cacos de vidro estavam espalhados pelo chão.– Aonde você vai? – perguntei com medo e assustada eu sou muito bundona. – falei um pouco nervoso. *-* Capítulo 17 . – disse com autoridade e arrogante. – disse constatando os fatos.. – Impossível. – Não acredito que minha equipe falhou desse jeito. Jason entrou no quarto com um olhar de curiosidade e olhando aquilo tudo confuso. – disse ele. – Ta me chamando de mentiroso agora. porra? – falei nervoso pela incompetência daqueles idiotas. – Eu estava lá em baixo quando escutei um barulho aqui em cima. Subi e encontrei a porta da varanda arrombada e o vidro quebrado. Se veste os seguranças estão entrando. . – falei nervoso e Jason não tirava o olhar da arma que estava em minhas mãos. mas é que é difícil de acreditar. Porque se alguém tivesse realmente entrado ali a culpa era deles. – Deve ter outra explicação isso é impossível. CONTINUA. porque os seguranças estavam espalhados pelo jardim e não notaram nada de estranho. impossível isso acontecer. – Mas é possível alguém ter entrado com a ajuda dos seus homens. Meu coração estava disparado porque ao que tudo indicava alguém havia entrando ali. – Não.. Não tem como uma pessoa entrar aqui sem ser vista. – A minha equipe é 100% Justin. – Alguém entrou aqui. – Nem eu acredito que vocês são tão incompetentes. POV Justin Não havia ninguém lá em cima.

Guardei a arma de volta na gaveta e fui ver onde a Caissy estava.– Não perguntei se sua equipe é 100%. – ela apertou os olhos e se afastou me olhando com os olhos cerrados. – O que aconteceu? – ela perguntou se aconchegando nos meus braços. quando cheguei perto dela. – Aonde você vai? – Ajudar os seguranças a fazer o trabalho deles. – ele me olhou com os olhos arregalados. Encontrei-a na cozinha. – ele abaixou o olhar com medo de me encarar. – ela arque-o as sobrancelhas com um ar autoritário. – tomei um copo de suco para refrescar a garganta. – ela falou gesticulando o dedo de forma mandona me fazendo rir e depois sumiu na porta da cozinha. – eu medi as palavras que seriam ditas não queria assustar ela dizendo que alguém entrou na casa enquanto dormíamos.. – Cassidy.. tenho quase certeza de que quem entrou no seu quarto foi uma mulher. – falei com uma voz ameaçadora. porque comigo ela falhou. – Então agora você concorda que alguém entrou aqui? – Me desculpa por ter te contrariado. Deixei-o no quarto examinando o local e desci.. – ok. Ela revirou os olhos. – Nada de mais. Abri a geladeira e Jason surgiu. – Só estão fazendo a segurança da casa. – Eu não menti. – Justin. – ela falou sarcástica. Eu quero no saco quem entrou aqui e quero o filho da puta que ajudou degolado. eles estão fazendo a segurança da casa. – Não gosto de mentiras. – Aquele monte de segurança subiu lá pra cima e não foi nada de mais? – ela gesticulou com o dedo.. – ela se afastou. . – Não esconda as coisas de mim Bieber.

– Um homem não usaria este tecido e nem seria tão delicado ao rasga-lo. – Não sabemos se o intuito era te matar. – Ah então você tem outra hipótese? – falei irônico.. – sai indo até o escritório não queria que a Cassidy escutasse aquilo. – Eu contratei você para fazer a minha segurança e vocês falham comigo? Eu poderia nesse exato momento mete bala na testa de cada um. teria feito isso porque entrou sem ser notada e te matar seria muito fácil. – Não. – Justin a gente vai descobrir quem foi que entrou aqui. – Justin a gente vai descobrir quem foi. e era uma mulher. porque eu já estou ficando impaciente com essa história e com a sua equipe. mas o intuito não era te matar. mas eu quero quem entrou aqui apagado. – ele arregalou os olhos assustado. pois sua presença não foi notada. eu não sei como isso aconteceu.. – Vem pra cá. – Não sei do que estão atrás. – Então se fossem te matar. – Realmente entrou alguém aqui. Eu vou trazer o traíra e quem entrou aqui. To começando a achar que vocês tem que ir pro saco.– Como você sabe que foi uma mulher? – fechei a geladeira e fui até ele. – Jason disse ele estava mais perdido do que cego em tiroteio. – Você tem noção que a sua equipe falhou e à uma hora dessas eu poderia estar morto? – bati a mão na mesa e falei nervoso... Tranquei a porta e sentei na minha mesa. – Jason voltou a afirma.. . – Tem muita gente querendo me matar. – È bom mesmo. – ele me mostrou que tinha nas mãos um pedaço de pano rendado e uma faca. – Não vai precisar disso. e você ainda acha que invadiram a minha casa no intuito de que? – Você deu falta de alguma coisa? – Não. – respondi frio..

– Eae Drew. – Mano entraram na minha casa. – O que? – ele gritou despertando. – Não acredito que os seus homens falharam. Marcony. Isso é perigoso. – Falhou. – Liga para eles e manda ir pro galpão. È numa dessas que tu morre. – Entraram nessa porra aqui. – Eu sei. A minha cabeça trabalhava de forma rápida fazendo uma listagem de todos os meus inimigos que teriam coragem de fazer uma ação como essa. È você tem que tomar cuidado com essas porra ai meu irmão. eu estava preocupado.... – ele atendeu com voz de sono. O pior é que eu acho que tem um filho da puta no meio deles me traindo... – Ela já voltou. – A sua segurança falhou? Será que foi a mesma pessoa que metralhou o carro? – Não sei. o pior é que a Caissy já estava aqui em casa. Mas os filhos da puta aqui nem viram quando entraram. – Ae Drew vê essa história direito velho. Liguei para o Ryan. – Ela não estava na casa do Brian? – ele perguntou confuso. como todo ser humano é capaz de pressentir perigo. . – nem dei tempo para ele responder e desliguei o telefone. Eu me encontrava nesta situação o perigo estava me rondando.. Quero todo mundo no galpão daqui a duas horas. o cara é o maior magnata da cidade.– Acho bom. Ninguém tinha coragem e nem cacife para bancar alguém para me afrontar assim a não ser o. – O Brian e o Chris estão em uma simulação... – ele saiu de pressa fechando a porta. – Vish. é claro que as armas dele não ficavam a mostra o cara sabia jogar sujo.. – È eu sei..

Por um momento não sinto nada. Abri a porta bem devagar e Justin estava sentado na mesa dele fumando e olhando fixo pela janela. não estava com uma cara nada boa.. Sempre tão seguro de si. – Justin. os pensamentos estavam longe. e cada vez eu tinha mais certeza que o Justin estava me escondendo algo. Meu cérebro me mandava recuar. – o homem disse e se retirou.. – Está no escritório com o Jason. pronto para explodir.. Fechei a porta atrás de mim com cuidado. agora eu me encontrava sentado no meu escritório tentando achar um jeito de combater o filho da puta do Marcony. pela vontade. Sinto como se houvesse um abismo fervendo de desejo. Eu escutava os passos fortes daqueles homens de um lado para o outro no corredor. mas eles não costumavam ficar lá dentro. cada pequena palavra. tão impiedoso. Justin Bieber. POV Caissy Eu me encontrava dentro da banheira a cabeça encostada na borda com a espuma tocando o meu pescoço em pequenas ondinhas que tinha se criado por causa de meus movimentos. mas eu tinha que acabar com o cretino ou ele acabaria comigo. pequenas atitudes. Aquilo já estava virando uma situação agonizante para mim. só que ninguém me falava nada. Eu estou apaixonada por esse homem. Tenho uma dependência afetiva por ele e isso está se tornando uma doença para mim.. – chamei. Ele virou a cabeça lentamente me olhando. e ele ainda continuava longe. Tudo isso engloba um único querer que eu me recuso a aceitar.O frio na espinha me subiu. Peguei uma toalha e me enrolei saindo do banho. – perguntei enquanto fechava a porta do quarto para um dos homens que estava parado no corredor. – Justin! – desta vez gritei. mas a cada hora isso muda e eu tenho sentimentos momentâneos. queimando dentro de mim. ele já estava jogando sujo queria minha cabeça de qualquer jeito ele estava desesperado para me ver morto nada e nem ninguém iria tão longe ao ponto de invadir minha casam ele estava disposto a acabar comigo. Sinto como se cada terminação nervosa do meu corpo fosse eletrificada pelo tesão. não que não fosse normal aquele monte de homens naquela casa. pequenos toques. tragou o cigarro com um longo intervalo e depois . – Cadê o Justin. Coloquei uma roupa leve e penteei o cabelo e sai do quarto. Ele deve esta ocupado. Justin estava me escondendo alguma coisa. a casa estava cheia de seguranças. tenho necessidade psíquica de estar com ele. enrolei mais um pouco lá em cima e depois desci.

– ele disse seco. quando bateram na porta. Soltei um riso baixo. – Tem certeza que não aconteceu nada? – perguntei com uma voz fofinha.apagou no cinzeiro que tinha em cima da mesa. O corpo dele se aproximava mais e mais de mim sendo completamente intimidador e eu já suava frio. – Você deveria ter medo de mim. – ele olhou confuso e disse com um tom de voz diferente. – passei meus braços em volta do pescoço dele trazendo a boca para bem próximo da minha. as minhas pernas entrelaçaram na cintura dele. enquanto inspirava profundamente o ar. bem ao lado dos braços dele cruzando as pernas de forma sexy e deixando a altura dos olhos dele. ele riu. – Eu não tenho medo de nada. – Fala anjo. – ele disse com um tom ameaçador e me puxou. – Porra! – ele disse esbarrando os lábios nos meus. – minhas mãos o trouxeram para bem perto de mim e nos beijamos violentamente. Virei o rosto minimamente para o lado. . – È mesmo? – ele estava tão próximo da minha boca que sentia a respiração dele cruzando com a minha. senti as mãos fortes dele subirem lentamente pelas minhas coxas me fazendo arrepiar entraram por de baixo do pano mole da minha camiseta passando pela minha barriga e por cima do meu sutiã apertaram o meu peito. Me aproximei e me sentei em cima da mesa. – Nada do que você possa resolver. – falei em um sussurro. – Depende em que parte você pretende me ajudar. – Então não terá medo se eu resolver castiga-la por ser tão ousada? – ele indagou ainda me olhando fixo dentro dos olhos e um sorriso sacana começou a se criar no canto da boca dele. Ele riu sem vida e me puxou com mais força me fazendo arfar. – Tem certeza? – mudei o meu tom de fofo para sexy e provocante. – ele começou. Ele deu um sorriso malicioso. apoiou os antebraços no vidro fumê de sua mesa e soltou a fumaça que prendia. – Acho que você tem que se empenhar mais nessa função. Ele levantou da cadeira ficando em minha frente abrindo as minhas pernas e se posicionando no meio delas. Os lábios dele me sugavam. – Não.

– sussurrei ofegante. ele me fuzilou. – Entraram aqui. mas quando olhei o vidro da porta da varanda estava quebrado. – Não faz diferença. – a cara dele não era nada satisfatória quando voltou para dentro do escritório. – Eu não vou ficar aqui sozinha com esse monte de homens dentro de casa. – o segui enquanto ele ia para o quarto dele. – ele deu de ombros. – Esses seguranças já estão me irritando. mas não disse nada abriu a porta e saiu do escritório. – falei brava. – Tenho que ir para o galpão. – ele se afastou indo em direção à porta. – Justin surgiu me dando um susto me fazendo cair vergonhosamente de bunda no chão. Me joguei na cama e fiquei deitada fitando o chão e pensando em uma forma de converse ele a me levar. . – ele falou sendo paciente demais.– Abre a porta Bieber. E eu sei que aconteceu alguma coisa que você não quer me contar. – dei um pulinho da mesa ficando de pé. – Justin eu não quero ficar aqui. – ele disse frio enquanto passava uma toalha no corpo e outra estava pendurada em sua cintura. – O que aconteceu aqui? – eu perguntei ainda sentada no chão. Que porra era aquela? O que tinha acontecido ali? Me agachei perto da porta e fiquei ali olhando aquilo tentando entender o que tinha acontecido. virei minha cabeça o acompanhando com o olhar. – Curiosidade mata Caissy. – Eu não vou ficar aqui. – Eles lá fora. – O que. Ele me olhou fixo por um tempo e depois entrou no banheiro do quarto dele. Ele fechou os olhos momentaneamente bufou e passou uma das mãos no rosto. Nem tinha visto. ou aqui dentro. Descruzei as pernas relaxando na mesa e balançando os pés com impaciência quando ele saiu encostando a porta para que eu não ouvisse a conversa. que é caralho? – ele disse com a cara totalmente fechada e a voz com sinal de arrogância. – Justin? – bateram de novo na porta. – Justin eu to falando com você. – Não dá pra você ir Caissy.

– Tinha você e eles aqui e não hesitaram em entrar. – Coloca pra mim. a minha roupa estava meio dark.. . estavam ele os seguranças em casa e mesmo assim entraram. o que eu tinha dito fazia um pouco de sentido... não queria ir de sapatilha coloquei uma bota preta de cano curto e com um salto moderado. – Vamos? – ele encostou-se à porta me olhando. – ele estava se trocando. Não confio. Nisso eu não mentia quem me garantia que nada poderia acontecer comigo. mas o vento estava gelado. Estava passando um pouco de maquiagem quando Justin entrou no quarto. – ele disse não muito convencido daquilo.. Vamos Caissy. – ele estava secando o cabelo na toalha. E você quer me deixar aqui ainda! Agora que eu não fico mesmo. . – entreguei o colar para ele e ele colocou no meu pescoço. – Safado. Os seguranças estão aqui e nada vai acontecer. – Caissy não tem nada a ver. Ele pegou minha mão e descemos de mãos dadas. decidir deixar solto porque estava bem comprido e os cachos nas pontas tinham ficado bonitos. puxei as mangas da jaqueta deixando uma parte dos meus braços de fora.. – levantei do chão e sentei na cama cruzando os braços brava. Peguei minha jaqueta não estava tão frio. Soltei o meu cabelo e as pontas se enrolaram antes estava preso em um coque. Fui para o meu quarto e coloquei uma calça preta bem colada que deixava as curvas do meu corpo bem salientes troquei a blusa por uma regata branca. Me virei dando um sorriso e um beijo rápido.. Ele revirou os olhos e bufou. – Quem me garante? – perguntei desafiadora. – ele foi grosso e arrogante depois fomos para o carro. – È.– Por isso os seguranças então aqui dentro? – perguntei caindo a ficha. Ele me retribuiu com um sorriso safado. – Sabia que você não iria me deixar aqui sozinha. – Eu estou saindo e quando voltar quero uma boa noticia. seus olhos estavam fixos no meu decote. A casa ainda estava cheia de seguranças e Justin parou para falar com um dos seguranças. – Ahh.Ta. – pulei da cama feliz e encostei nossos lábios de forma rápida e depois sai contente do quarto dele. – dei um tapa fraco no braço dele.

– Hoje eu tenho muita coisa pra fazer. – Não estou não.. – Atende logo. – Ei Drew para de mentir para mim cara. – Você vai ficar o dia todo enfurnado naquele galpão? – perguntei com esperança que ele me dissesse que não. – falei como os caras costumavam chamar ele o fazendo rir.. Eu atendi. – Não por quê? – senti que aquilo era mentira. – Estão juntos? – Juntos? – perguntei assustada.Os raios solares eram fortes para àquela hora da manhã. – Atende é minha mãe... – ele me passou o celular. – Quem ta falando? – Pattie disse com uma voz brava. O telefone dele começou a tocar. – Seus olhos não dizem isso.. – ele riu. . – Você está preocupado? – perguntei enquanto ele dirigia com os olhos um pouco preocupados e focados no volante.. – Sou eu Pattie a.. – ele passou a mão carinhosamente na minha perna. Caissy. – Falou como Ryan agora. – Alo? – falei com voz de desconfiada.. – O que eu vou falar? È o seu celular. – Caissy? O que você está fazendo com o celular do Justin? – Ele está dirigindo e pediu para eu atender.

tchau.. Isso que dar fazer coisas errada você acaba se entregando em algumas situações. . Tinham acontecido várias coisas. – Hum. já tinha entendido outra coisa. o quadro dela está estável. – Pattie ele mandou outro. – Vou manter sim meu amor. nenhum problema né? Fiz um breve silêncio. – Está tudo bem né Caissy? – Sim Pattie. Cuida do Justin viu. mas eu não contaria para ela não pelo telefone. – mal sabe ela o quanto estamos nos entendendo. – Justin parou o carro em frente ao galpão. – falei sem graça enquanto o Justin ria baixo. – precisava de algo rápido. agora. – falei sem graça. – Sua mãe está bem? – È. – falei e ele nem disse nada. – Então tá bom Tchau beijos Caissy se cuida.. olhei para ele que estava relaxado no banco com as mãos pra cima em baixo da cabeça.. – È Pattie estamos nos entendendo. – O que foi? – Nada... – ele passou a língua molhando os lábios involuntariamente.. beijos. – Você também se cuida.– È para onde estão indo? – como eu sou burra. – mentira ele nem tinha falado nada. – Sua mãe te mandou um beijo. Que bom que estão se dando bem. Fiquei feliz em saber que estão se entendendo. – Me mantenha sempre informada. – Manda um beijo para o Justin. – Ah. Está tudo bem sim. – menti. Justin sussurrou baixo casa do Ryan e eu disse. – Não aconteceu nada. – Não Pattie não teve nenhum problema. – Vou cuidar sim. – Casa do Ryan. – desliguei o telefone e ele estava me olhando com aquela cara.

– soltei o cinto passei por sobre a marcha e subi em seu colo. – ele me virou pressionando os nossos corpos. Eu quero um beijo descente. – ele veio rindo e eu fugi entramos brincando no galpão e demos de cara com o Brian com uma cara nada boa. – Eu nunca iria deixar acontecer nada com ela. – Brian gritava enquanto os meninos o afastavam para outro lugar. – dei um beijo no rosto dele.– Me deu uma vontade de ficar aqui e. os lábios esbarrando nos meus ao falar. que sacana me atiça e depois para. . – Abri a porta e sai do carro. – Cassidy volta aqui. – Me dá um beijo.. – Ryan e Chaz surgiram e seguraram o Brian eu entrei na frente do Justin tentando evitar que ele fosse pra cima do Brian. Agarrei o pescoço dele e dei um beijo calmo. estava posicionada e com as mãos no peito dele para que não saísse dali e a confusão ficasse pior. . – Se tivesse acontecido alguma coisa com ela eu ia te matar Bieber. – Para com isso mano. Não acredito que ela correu perigo por sua culpa. – È verdade. Ele apertou a minha cintura contra o corpo dele. Estava caminhando até o galpão quando as mãos dele me seguraram pela cintura.. – Eu estava de boa na minha e esse vacilão vem me atormentar. – ele falou com os olhos soltando faísca de tanto ódio. – Para Justin. – Ahh. – Vamos parar por aqui. As mãos dele já estavam nas minhas costas por dentro da minha blusa quando ele me afastou.. Ele se afastou um pouco.. – Já te dei um beijo. – pedi com calma. – murmurou ele. – Os caras já devem estar me esperando. – Brian! – eu gritei assustada. – Eu não acredito que entraram na sua casa com a Caissy lá. e eu me aconcheguei mais. – Ele atacou o Justin e o segurou pelo colarinho da camiseta.. To louca pra ver o Brian. – eu me soltei e entrei correndo no galpão. – Justin gritou. – dei um sorriso amarelo.. – Oi Brian.

– Eu sei..Segurei o rosto dele o obrigando a olhar nos meus olhos. – È você e o Justin tem que parar com isso. mas. Eles estavam tentando parecer que tudo estava normal. – Drew os meninos já estão aqui o que você queria falar? – Ryan voltou acompanhado de Chris Brian não estava com eles tinha ficado lá fora. – È. então não ia acontecer nada comigo. – Calado. Ele fechou os olhos na tentativa de se acalmar bufou alto e eu o abracei.. Ele estava do lado de fora do galpão encostado no carro dele com uma cara de bravo. – Cara você come de mais. para. – Muito bonito em senhor Brian. – Justin e Ryan entraram em uma sala e eu fui ver onde o Brian estava. – me aproximei dele. – Por favor. mas antes eu preciso falar em particular com você Ryan. Vai me dar desfalque essa história. Não gosto disso. – ele falou nervoso.. Ele riu e me puxou para um abraço. – Brian eu não corri perigo.. – dei um tapa nele.. – Caissy foi ele que começou. – falei baixo e controlando o choro. – Não quero mais ver vocês dois brigando. por favor. mas eu não me controlei quando fiquei sabendo que você correu perigo. – Desculpa Caissy. eu ficava assustada os dois parecia estarem em uma batalha e eles se transformavam surgia um ódio que me dava medo. – Eu sei. para. – ele abaixou o olhar. mas é que eu não consegui me controlar. – Já eu falo com todo mundo. só vou aceitar suas desculpas quando fizer outro jantar divino para mim. . não queria te deixar brava. – Desculpa maninha. de se pegarem toda vez. Eu estava com o Justin e você mesmo disse que o sistema de segurança da casa dele é bom. Por mim.. – ele começou a rir. – falei brava.

estava todo mundo ocupado eu também queria ficar ocupada. – Já disse ninguém manda em mim. – Você não consegue deixar de ser babaca nem por um minuto? – Estou brincando chatinha. – Ganhei do Justin ontem à noite. – Estou fazendo um sistema de segurança parecido com o do banco. – falei palavra por palavra gesticulando a cabeça e ele riu.– O que você está fazendo aqui? – ele me perguntou e eu olhei sem entender. – È ele está fazendo um bom negócio. – ele não parou de rir. – Por quê? – Acho que o Bieber e nem o Brian vão gostar disso. – falei empolga. – Ual.. – Vamos entrar. – Chaz o que você está fazendo? – perguntei tentando parecer inocente.. – ele abraçou minha cintura. – ele falou meio com medo e sem tirar os olhos do computador. então eu fui encher o saco do Chaz. – ele beijou meu rosto. – Posso te ajudar? – queria fazer alguma coisa. – Acho melhor não. – minha boca abriu espontaneamente. – Colar bonito. Justin e Ryan ainda estavam trancados naquela sala. – Isso parece ser legal. Ele me olhou e deu um sorriso bonito. – ele me puxou e voltamos para dentro do galpão. . – Está me chamando de mercadoria? – Jamais. Brian sentou em um computador e me esqueceu. Fiquei impressionada com a inteligência dele. – O que? – È o seu namorado não tinha falado que não queria você aqui.

– Como assim você quer descobri a senha de um banco? – falei chocada. E outra o Brian está prestando atenção no computador e o Justin está trancado com o Ryan naquela sala. – Como se isso fosse fácil.– Nenhum dos dois não tem nada a ver com a minha vida. Pode ser.. eles nem vão ver. – falei o alertando que eu não tinha a mesma mente de gênio que ele.. bala. – Tudo bem. – achei aquilo surreal. Comecei a digitar várias coisas bobas. Vai tentando várias coisas que você acha que pode ser uma senha para um cofre. Dois meses talvez. – ele puxou uma cadeira e eu sentei e comecei a abrir o sistema. – E agora Chaz? – falei depois de tudo aberto. tipo rosa.. só que o programa estava pedindo uma senha. – Se eles brigarem a culpa vai ser sua.. – Você pediu pra ajudar então. – Há quanto tempo você está tentando fazer isso? – Não sei.... – e eu ainda tentei é claro que aquela não era a senha. – Mas como assim? – Ah sei lá..O que eu tenho que fazer? – Primeiro abre o sistema nesse computador. Cofre? – Essa é muito obvio. – ele começou a ficar concentrado e eu fiquei quieta. . – Cara isso é impossível. Mas tenta ué.. – È eu tenho que saber a senha do cofre. È isso o que a gente tem que descobrir a senha. Mas aquilo era ridículo ninguém protegeria um cofre com aquilo só eu.. – È. senha de trás pra frente. senha. – dei um sorriso. – Também achava quando fiz isso pela primeira vez. se tivesse um claro. ..... – Ta bom.

Era muito obvio pra uma senha de banco. – Chaz não parava de gritar ele estava muito feliz. – Vem! – eu puxei ele pela camiseta para que ele viesse.. mas EUA? Não. – falei ainda com medo de mim. – Ela conseguiu. Arregalei os olhos e não acreditei mentira eu não tinha acertado aquilo. – eu o chacoalhei com pressa para que ele vice aquilo. Então pensei em Estados unidos da América. o dinheiro do banco iria para onde? Cofres públicos. a senha tinha que ser uma coisa obvio. – Como você fez isso Caissy? – ele disse depois de ter confirmado que era verdade. – ele nem me deu confiança e a contagem no computador continuou. – Chaz eu acho que eu encontrei. – Chaz é sério. Então pensei em Secretária pública dos Estados Unidos da América.. – Caissy tenho certeza que você não achou. Pensei em EUA. muito fácil. – Que foi Chaz? Vai explodi? – perguntei assustada com a reação dele.. nem eu sabia que tinha aquela inteligência. e o computador começou a ficar louco e apareceu uma mensagem iniciando sistema. – Ela conseguiu o que Chaz? – Brian e Chris se aproximaram para ver o que estava acontecendo. – Ela conseguiu mano. mas que ninguém imaginaria.Comecei a pensar em coisas grandes. quase apaguei aquela senha de tão ridícula. . – ele gritou vibrando. – é verdade eu não sabia como tinha feito aquilo. mas depois de segundos ele voltou correndo e ficou olhando com uma cara de espanto para o computador. – Chris e Brian me olharam espantados. – Mentira! – Brian se aproximou do computador não acreditando. mas também estava errada. e começou uma contagem regressiva desde o 30. Ele revirou os olhos deu uma olhadinha rápida e voltou para o computador dele. – Ela conseguiu porra. inteligência nada aquilo tinha passado de sorte. Conseguiu achar a senha. mas sem querer eu apertei o enter. muita sorte. – Não sei. então eu tinha que imaginar uma senha que tivesse há ver com isso.

– Eu não quero mais ver a Caissy mexendo com isso. – dei um tranco no meu braço o soltando. – Não sou sua mulher Bieber.. – Justin não foi culpa deles. – Eu disse que isso daqui não é lugar pra você. Ele não respondeu nada. – Você é um idiota Bieber.. – Eu sei muito bem onde é ou não lugar para mim. Vocês estão me ouvindo? – ele me ignorou e começou a falar bravo com os garotos. – CALA A BOCA! – ele gritou comigo e os meninos abaixaram a cabeça... – gritei enfurecida.. – A Caissy mano ela é de mais. – Eu já disse que a culpa não foi deles foi minha.. – O que aconteceu? – A voz do Ryan nos interrompeu.. – Não. Eu devia ter te deixado em casa. – Justin disse nervoso e um silêncio pairou. – Justin para com isso cara. . – Mulher minha não meche com isso. – falei brava com o rotulo. – Chaz tentou se explicar. Ela conseguiu achar a senha. – Eu não acredito que vocês envolveram a Cassidy nisso. – na hora vi o Brian fazer uma cara de deboche... Chris estava que nem eles irradiante. – Brian me pegou no colo me girando. – Não você é muito menina pra saber o que é bom ou não pra você. – Não acredito Ryan fez o mesmo que o Brian. Quando já estava fora do galpão ele veio atrás de mim e segurou meu pulso com força. – Me solta. – ele gritou me assustando. – Eu não quero você envolvida nisso. Sua mulher é de mais ela conseguiu fazer uma coisa que eu estava tentando fazer há meses.– Eu tenho orgulho de você garota.. – falei e sai dali nervosa. Eu quis ajudar.

. – ele disse no mesmo tom que o meu. estava engatinhando com cuidado em cima do telhado de forma que não fosse notada . forcei minha visão para enxergar o que era aquilo e sim tinha uma pessoa lá em cima eu não sabia quem era. – Você acha que eles não têm mais o que fazer? Eles não podem ficar atendendo aos seus caprichos. não pensei duas vezes abri a porta do carro e sai correndo. ele sempre é um idiota. – Cara se a Caissy não fosse sua mulher eu juro que eu ia dar um beijo bem gostoso nela.. – senti orgulho em saber aquilo. Ou eu ficava ali ou eu avisava os meninos. quando estava me aproximando ele desativou o alarme para que eu entrasse.. Porque além dela ser gostosa ela é inteligente.. o Justin tinha sido um idiota.. – gritei. Mas eu sempre fui sozinha e garanto que eu não fui mimadinha como você e de uma coisa eu sei não é você que vai me dizer o que é bom ou não para mim. Apoiei os pés no porta luvas e fiquei chocalhando-o conforme a batida da música. *-* Capítulo 18 . – Não dá pra te levar pra casa agora. foi um grito agudo e fez eco no meio daquele lugar esquisito não sei por que fiz isso. Chamei a atenção completamente para mim e aquela pessoa começou a atirar contra mim enquanto eu corria em direção ao galpão.. Liguei o som no ultimo volume para ver se o tempo passava mais rápido. – Justin.– Eu posso ser menina Justin. Ele me fuzilou com fúria no olhar. – Pede para um dos meninos me levar. toc que o meu sapato fazia fui para o carro. – dei as costas e sai batendo o pé escutando o toc. – Tudo bem eu espero no carro. CONTINUA. ou melhor.. Ryan e Chris de boa e o Chaz? È ele sempre tem que falar uma merda. Nem olhei para trás entrei no carro e depois travei a porta ficando ali dentro.Não faz isso comigo POV Justin Voltei para o galpão e os caras ainda estavam em silêncio Brian me olhava feio. Eu vi um reflexo se mexendo no telhado do galpão. mas parecia querer algo ali dentro. – Eu quero ir pra casa.

– Chris quase tomou um tiro. – Calma gente. – Droga! Cassidy. – Eu só pensei alto. Filho da puta. – Conseguimos fazer tudo em oito minutos e ainda sobrou tempo. Chris e Brian tinha ido a um prédio parecido com o do Banco e feito uma simulação do roubo no local. – Justin! – ela gritou como se estivesse correndo perigo. – ele levantou as mãos pra cima... eu me senti vulnerável eu me senti quebrando em vê-la ali.. – Os próximos a ir à simulação sou eu e você Ryan. – Ryan disse e Chaz olhava com cara de assustado.. – Chris como foi à simulação? – mudei de assunto. mas agora mexer com Bieber é pedir pra ir pro saco. A vi correndo em nossa direção no meio de um monte de tiros que estava sendo disparado do telhado contra ela. Mexer com Brian é pedir um tiro. a Caissy já conseguiu. – ele disse. não poderia pensar em algo acontecendo com a Cassidy eu já tinha passado por aquilo uma vez e seria duro se acontece tudo de novo. Senti aquilo de novo. – Você ta pedindo pra morrer Chaz. – Brian começou a falar. Mais respeito com ela. – Só que o negócio está perigoso. quando escutei os tiros e vi Caissy correndo eu tive a mesma sensação de quando a Alexia tomou um tiro o meu sangue gelou e meu coração acelerou.– Ta ficando louco? O. – Chris disse preocupado. mas agora só precisamos se preocupar com o treinamento porque a senha. – A gente precisa de muito mais cuidado e muito mais treinamento se não. – Chaz disse ainda feliz com o ocorrido. vamos dançar. logo após escutamos tiros. – È. Ela não é pro seu bico. – Precisamos de mais.. – Brian reforçou. – falei e Ryan balançou a cabeça assentindo que sim. Um grito da Cassidy interrompeu o que Ryan iria falar. – È. mas não saberia o que fazer se eu a perdesse sei que o mundo não é bom e é injusto já tomei uma rasteira uma vez. . Até esse momento eu não sabia o que eu realmente sentia por ela tinha dúvidas.. – peguei minha arma e sai correndo do galpão sendo seguido por Brian. mais respeito com ela.

Voltamos para o galpão e Chaz e Chris saíram para continuar a procura. dei um chute em um caixote que estava perto de mim e saiu girando. ele cambaleou alguns passos para o lado mas depois voltou a correr e sumiu no meio da mata. a pessoa não estava na minha mira o tiro só foi pra intimidar. – Ryan corre. – a chacoalhei devagar e ela me olhava com os olhos parados como se estivesse sem vida. larguei a arma em cima da mesa e fui para perto dela. para tentar alcançar o desgraçado. – falei sério e notando que Cassidy estava muito quieta. Cassidy correu bem mais quando nos viu. Não desmaia. – Brian descruzou os braços dela. . ela estava assustada com a respiração ofegante e chorava muito. a arma ainda estava em minhas mãos. – Eu vou matar esse filho da puta. quando em um relance vi uma pessoa passar correndo no meio das arvores. – Cassidy. – Ela foi atingida? – Não sei. começamos a seguir eu estava na fúria para matar aquele filho da puta. Ela lutava para continuar acordada. sua respiração começou a ficar forte a cor da pele dela foi sumindo.. a pessoa tinha muita velocidade e vantagem na nossa frente percebi que não a alcaçaria fácil disparei um tiro e foi certeiro na perna do filho da puta. – Brian gritou percebendo que ela estava desmaiando. – nem olhei para ver se tinha acontecido algo com ela sai correndo no meio do mato. – Caissy você foi ferida? – Brian perguntou. – De quem é esse sangue aqui? – Chaz apareceu na porta mostrando que havia um rastro de sangue no chão. – Caissy? – Brian perguntou e já podia ver o quanto os lábios dela estavam ficando brancos. . Ryan e Chris vieram comigo. – Foi na perna. – Cassidy olha pra mim.. – Você viu onde o tiro acertou? – Ryan perguntou. – gritei. – gritei. mas não obteve resposta.– Cassidy! – gritei e dei um tiro para o alto. Caissy estava sentada no sofá abraçando os braços e Brian estava ao lado dela. – Ela está entrando em pânico. Ela chegou perto de nós e abraçou o Brian. a testa dela brilhava estava soando.Eu vou matar esse Zé ruela agora virou questão de honra. já tinha visto ela naquele estado uma vez. – falei nervoso. – Você tomou um tiro? – ele perguntou com uma voz assustada.

– Um médico porra. – Justin. – O sangue está esfriando por isso ela está sentindo dor. – Justin. mas eu estava tão desnorteado que ele pegou a Caissy de meus braços e colocou na maca. de uma sala surgiram dois enfermeiros com uma maca. – Caissy parecia estar delirando de tanta dor. enquanto o banco de trás do carro formava uma poça de sangue.. mas Brian estava com dificuldade para tirar a jaqueta. Justin. – Justin não é assim cara. – Você vai levar ela no hospital e falar o que? Qual o motivo que ela levou um tiro? – Ela ta sentindo dor você não está vendo? – gritei e ele ficou me olhando sem dizer nada. – Ta doendo muito. desci correndo e peguei-a no colo. – o cara pediu. – Brian estava tentando olhar o braço dela. – Eu não vou ficar esperando para saber o que ela tem. Brian ta doendo muito. enquanto eu estava desesperado a Caissy não estava muito bem.– Brian. A boca dela estava branca feito papel.. Sai do galpão andando rápido com ela em meus braços.. – Brian falou nervoso. Ela precisa de um médico. e eu fui andando pro hospital adentro em busca de ajuda. destravei a porta de trás do carro e coloquei-a no banco. – Põe ela aqui senhor. – Não sei se foi de raspão ou se ela levou um tiro mesmo. Brian tentava tirar a jaqueta que ela estava não sabíamos onde tinha sido o tiro.. – ela disse começando a chorar e se retorce no sofá. – Eu vou com você Drew. Ryan voltou correndo lá pra fora para estacionar o carro em algum lugar. – Ela foi atingida? – Chaz perguntou preocupado. – as mãos dela se apertaram no meu pescoço. – ela gritava em desespero... Vi a entrada do hospital e acelerei o carro e depois freei bruscamente parando em frente à entrada. – Ryan entrou no banco do carona e acelerei até o hospital mais próximo. – Ryan entrou gritando. . Todos no hospital nos olhavam assustados. – o afastei de perto dela e peguei Caissy em meus braços.

. mas foda-se só sairia dali quando visse a Cassidy. – Pode deixar Justin vou ligar pro Chaz pegar na sua casa. mas eu fingi que não ouvi. – ele entregou pro Ryan eu não estava com cabeça para fazer ficha nenhuma. – Como ela está? – ele perguntou. – Ei Drew! – Ryan fez com que eu olhasse para ele. aonde eu iria arrumar os documentos dela estava tudo em casa. incomodado com aquele silêncio e cheiro de hospital. – um segurança me cercou. – Ela entrou lá pra dentro. Relaxa cara. Dei um soco na parede o desespero estava me consumindo. – Justin. – Cadê os meninos? Porque o Chaz não veio? – Ryan perguntou. Mas eu não consegui ficar ali pra mim não dava. . Nem deve ter sido nada de tão grave. os dois conversavam. – Ae Drew vou fazer a ficha. Sentei em uma cadeira e repousei os cotovelos no joelha e afundei meu rosto nas mãos. – joguei a cabeça pra trás. mas eu nem respondi. – O que o senhor é da moça? – eu não sabia o que responder eu estava perdido.. – Aonde você vai mano? – ele ficou gritando. – Ficaram no galpão. – Ryan disse. Depois de uns vinte minutos Brian cruzou a porta do hospital com alguns papeis na mão. – Foi só um tiro no braço.– Senhor! – uma senhora me abordou. – Senhor. Justin? – Ryan gritou. – Ryan tomou a frente e depois saiu fazendo uma ligação. – Senhor não é permitido a sua entrada aqui. Estava parado no mesmo lugar que estive há dois anos. – Aqui está os documentos. – Ryan disse me tirando do transi. mas eu me mantinha em silêncio. a mesma sala de espera o mesmo cheiro a mesma tortura. O Chaz foi atrás de rastro do filho da puta.– já não estava me aguentando mais. Levantei e fui em direção à porta onde tinham levado ela. Escutei um monte de vozes dizendo que eu não poderia estar ali. – Precisamos dos documentos dela. A senhora voltou para a recepção e eu fiquei lá naquela sala de espera. – ele passou a mão no meu ombro.

– Foi mal por hoje no galpão. Caissy estava com um sorriso fraco no rosto. – Justin. – Senhor não é. Peguei nas mãos dela as minhas estavam tão suadas. . – Foda-se. parecia que ela ainda sentia dor. Ela estava deitada em uma sala na minha frente só que o babaca do segurança estava interrompendo minha passagem. – ela falou com um tom alterado. escutar a voz dela foi um alivio pro meu coração. – Tudo bem. mas eu ignorei. – falei em quase um rosnado. – Eu quero ver a Cassidy. estava com uma agulha ficada no braço e tomando soro. – Senhor eu vou pedir gentilmente para que saia daqui.– Foda-se. – Caissy. – Sai da minha frente ou eu vou estourar seus miolos.. – ela falou com a voz fraca. Eu ri pelo nariz. – falei entre dentes.. – ela fez um biquinho e falou com a voz fraca. – O que você está fazendo aqui? Não escutou que é proibida a sua entrada aqui? – ela disse com um tom arrogante. apontou a jaqueta que estava em cima de uma cadeira e toda picotada.. – Você está preocupada com a jaqueta? – Ela era linda. – encostei-me à cama onde ela estava. – Senhor é o caralho eu mandei sair da minha frente. – Olha o que aconteceu com a minha jaqueta. – ela ficou me olhando fixo e em silêncio.. – o grandão disse. – o empurrei com brutalidade o tirando da minha frente. – escutei a voz dela e meus olhos se encheram de esperança. – Cadê o Brian? – Ta lá fora. – gritei e ele me olhou feio... Eu não sairia daqui sem antes ver você. – Senhor. – por isso ela estava me tratando daquele jeito essa mina é rancorosa.

ele sempre tinha aquela cara de indiferente que não ligava pra ninguém. – ele olhou para o Justin.. – ela deu de ombros. – um médico entrou na sala e Caissy sorriu sem graça com o comentário dele e eu o olhei feio.. Justin ficou em silêncio. – E o senhor. . Se eu não estivesse um pouco dopada de remédios diria que aquele médico estava me cantando. Tem que tomar mais cuidado quando forem brincar com essas coisas. – ele entregou pro Justin. – meus olhos se encheram de luz e eu dei um sorriso irradiante acho que ele percebeu porque eu vi um sorriso brotar no canto da boca dele. – Pode deixar doutor eu vou ter. falei que não precisava que tudo não passou de descuido. sorri sem graça e o Justin o fuzilou. POV Caissy A cara do Justin estava me surpreendendo ele estava muito preocupado nunca tinha visto ele assim nunca mesmo. Quando ele pegou na minha mão eu pude notar o quanto a dele estava soada. – A bala queimou o couro da jaqueta e queimou a pele do meu braço por isso senti tanta dor. Um policial já tinha feito um interrogatório para saber o que tinha acontecido e se eu queria prestar queixa. – Sou namorado dela sim. – Sou.– Ainda bem que só perdeu a jaqueta. mas o Justin não pegou na mão dele apenas deu um sorriso forçado. – o médico voltou. – Bem mocinha isso só passou de um susto. – Acabando esse soro aqui você já pode ir para casa mocinha. – falei calmo e ela me olhou fixo nos olhos. – Parabéns sua namorada é muito linda. – ele estendeu a mão. – Essa é a paciente mais bonita que eu já vi. – È o que da nossa princesa? Namorado? – meu coração acelerou se eu pudesse tapava o ouvido para não ouvir aquela resposta. – Essa é a paciente mais bonita que eu já vi. – Cuida desse ferimento direito se não pode inflamar. – tinha dito que praticava tiro ao alvo quando ele me perguntou o que aconteceu. E a receita está aqui. – Nem foi um tiro de verdade pegou bem de raspão. mas depois falou. – ele respondeu fraco. – falei com calma mesmo tomando soro meu braço ainda doía. – Você me deu um susto.

– Não é o cheiro desse lugar nojento. .. – a voz dele queria me passar uma mensagem que eu deveria contar era um tom meio ameaçador. – Você contou pra ela? – a minha voz saiu pateticamente tremula. – ele disse e eu me assustei. – Justin resmungou. – Eu estou ficando enjoada. – Justin apareceu na porta sorrindo. – Vou lá à recepção. – dei um sorriso e ele me deu um beijo demorado e depois saiu. – Voltei.. – Acho melhor não falar isso não. – falei colocando a língua pra fora eu estava mesmo enjoada com aquilo. – Justin. A cada gotinha daquele negócio eu ficava mais agoniada não acabava nunca. – ele falou sendo frio e depois saiu da sala. – O soro acabou. – Não. – comecei e procurando as palavras certas para falar aquilo. – Realmente acabou o soro. Ele me olhou um bom tempo sem expressão e sem falar nada. – Por isso que eu não atendi você decide se conta ou não. Eu já estou bem e ela só vai se preocupar a toa. – a voz dela era tão engraçada. ele já estava impaciente de esconder tudo da mãe dele. mas eu não contaria assim ainda não estava preparada. senti o meu coração acelerar e o seco ser engolido violentamente pela minha garganta. – ele riu. Eu odeio hospital. – Ta bom. – Minha mãe já me ligou cinco vezes. – disse com um tom risonho.. – È o medicamento. – Já acabou o soro senhorita Anderson? – a enfermeira disse com uma voz fanha e abaixando os óculos deixando eles apoiado no nariz para observar o soro.– Tudo bem doutor. – ele fez uma pausa. Quando foi chegando ao final pareceu que demorou bem mais. – Coitado. – ele saiu e eu e Justin ficamos sozinhos na sala.. – mostrei a língua e ele riu. – Velho tarado. vou chamar a enfermeira. Porque você é menor e o negócio é complicado.

– Passou a dor? – Passou. – Depois eu compro outra. – È. – A minha jaqueta? – ele falou incrédulo. – A senhorita perdeu uma jaqueta muito bonita. os brutamontes rasgaram a minha jaqueta para tirar do meu braço. ao invés de eu virar o rosto enquanto ela tirava a agulha da minha veia eu fiquei olhando. – Já é minha. um frio na barriga e o gelar na espinha. Ela começou a tirar a agulha do meu braço e doeu um pouquinho.– Graças a Deus. – Minha jaqueta não. – Caissy. não! . – brinquei. – Nada disso. Fiz um biquinho. – Por quê? – ele perguntou confuso. – não estava doendo como antes. – Olha o que aconteceu com a minha. – Se eu puder tirar esse negócio do meu braço estou se não. senti um gosto amargo na boca. – ele deu um beijo na minha cabeça. – ele abriu a porta para que eu passasse e encontramos Ryan e Brian sentados em umas cadeiras. – Brian levantou com uma cara de alivio. Eu quero essa. – estávamos passando em frente a uma lata de lixo e eu aproveitei e joguei a jaqueta no lixo. – falei baixo. – dei de ombros. – ela jogou a agulha no lixo e pegou a minha jaqueta para me entregar os trapos que tinham sobrado. – Eu quero uma jaqueta nova. mas com o silêncio que o hospital estava eles escutaram. – Você está melhor? – Depende. Estava com um no braço direito e outro no esquerdo onde tinha tomado a injeção. Justin tirou a jaqueta dele e com cuidado colocou em cima dos meus ombros entrelaçou os dedos nos meus com cuidado e andamos de vagar pelo corredor. – È. – falei com a voz um pouco vacilante e me recuperando daquele mal estar. – ele falou com egoísmo. Justin estava parado na porta olhando e sem dizer nada. mas de vez em quando sentia umas pontadas.

Because of you And it's all because of you Never get enough She's the sweetest drug She's the sweetest drug ♫ – Não sabia que você cantava.. – Machucou? Ai meu deus desculpa. – ele me deu o sorriso mais lindo que tinha. Entramos e depois de um tempo Ryan entrou atrás de nó Brian ficou esperando no carro. – Justin voltou a pegar na minha mão. – ele começou a falar com o Ryan e já sentia o meu braço latejar. – Firmeza. – Ai Caissy. – Ai cara vamos te escoltar até sua casa. preocupada com você. olhei para ele e sorri. Esse cara quase surto aqui fora. Ele cantarolou o fim da música olhando em meus olhos e eu ri sentindo minhas bochechas corarem.– Boba. . – Ryan falou vindo atrás da gente. – À noite eu quero todo mundo aqui tenho uma coisa importante pra falar. – Ryan falou passando a mão nas costas do Justin e eu sorri sem graça. – ele me abraçou rindo. Coloquei o cinto com dificuldade ele ocupou o lugar dele. Já estávamos em casa o caminho foi bem rápido. – Vamos embora. – Tem muita coisa que você não sabe sobre mim. comecei a cantarolar a música baixinho. – Brian meu braço! – gritei e ele se afastou todo preocupado. – falei com um tom risonho. Minha mão estava repousada na minha coxa quando a dele tocou a minha e levei um pequeno susto.. – Justin bateu na mão dele e depois abriu a porta para eu entrar no carro. – comecei a rir adorava ver ele assim todo preocupadinho. O rádio e estava tocando “Because of you”.

– olhei para os lados fingindo procurar alguém. – ele comprimiu os lábios minimamente e disse olhando dentro dos meus olhos. – Pera ai que eu já te mostro. não queria sentir dor. Depois de um tempo escutei a voz do Justin. – falei baixo. Fui trocar de roupa. – Como você se sente em saber que é causador do meu prazer extremo? – perguntei com uma voz sexy e minhas unhas passaram arranhando bem devagar o abdômen dele. As mãos dele foram direto à minha bunda e a apertou com força. Muito bem. O meu deus isso é muito para Caissy aqui. – Sua louca. – ele riu e caiu do meu lado na cama. Mordi os lábios inferiores e ele riu. – Ai. Deitei na cama e fechei os olhos respirando fundo e sentindo toda a essência daquele quarto. – Tenho uma surpresa na minha cama? Abri os olhos e sorri. – ele tirou a calça e a blusa ficando só de boxer preta. O sangue corria rápido em minhas veias os meus batimentos estavam tão fortes que eu acho que o Justin . – Está me intimidando? – falei rindo. Ele me deitou sobre o corpo dele levando minha boca até ele. Tirei minha roupa e joguei em algum lugar do quarto coloquei uma camiseta dele que estava em cima da cadeira o perfume dele estava forte na camiseta e eu aspirei o cheiro dele para dentro de mim e depois sorri sozinha. – passei as pernas na cintura e fiz ele cair em cima de mim. O meu braço deu uma pontada. Subi peguei dois analgésicos no quarto da Pattie e tomei. – Eu me sinto bem. mas não no meu quarto fui para o do Justin... – dei um selinho nele e um sorriso para o Ryan. Minha pele estava quente muito quente. – Bom mesmo. – Eu louca? – sentei em cima dele. – Não – ele disse confuso. senti o hálito quente que ele tinha soltei um sorriso baixo e em um vacilo eu o beijei.– Vou subir. – Humhum. – ele disse com um sorriso safado no rosto. – Tem? Aonde que eu não estou vendo. Senti uma eletricidade passar por mim e meu corpo se arrepiou o olhar dele era penetrante.

o olhos dele semicerraram e eu ouviu um suspiro de satisfação. Ele me penetrou com um dedo e eu dei um pequeno pulo pra cima. passaram pelas costas. como me deixava alucinado com aquilo. a maneira como ele me acariciava me deixava louca. distribuindo beijos por minha garganta. Os meus músculos estavam rijos. posicionei o pau dele para entrar em mim e sentei lentamente. aquilo me fez ofegar e morder o lábio inferior. O ápice estava próximo. Pressionei as pontas dos dedos no peito dele e aquela sensação de descontrole estava começando a me tomar.estava sentindo. nossas respirações se misturavam. nossas respirações estavam . Ele me deitou com cuidado em cima da cama e ficou por cima de mim tirando a camiseta com cuidado. Via o membro dele pulsar sobre o tecido negro da boxer. a melhor coisa que eu já experimentei não havia como compara-la com qualquer outra pessoa ou ocasião. Era indescritível a forma como ela me envolvia e umedecia o meu membro. POV Caissy. – Goza pra mim. Os pelos do meu corpo estavam eriçados quando ele falou bem perto do meu ouvido. tamanho era o prazer que sentíamos. A minha pele parecia queimar. – aquela voz rouca me fez delirar. Senti quando os dedos dele tocaram as tiras da minha calcinha de algodão e a tirou jogando em algum lugar do quarto. ele esperou um pouco para que eu me acostumasse com a espessura avantajada que o pau dele tinha depois introduziu o seu pau completamente dentro de mim. Ele estava tão cuidadosos não estávamos apenas fazendo sexo àquilo era diferente eu via no olhar dele. pela minha cintura. O polegar dele foi de encontro ao meu ponto de prazer e massageou-o em movimentos circulares. deixei escapar um gemido baixo pelos meus lábios enquanto as mãos dele entravam percorrendo lentamente o meu corpo me fazendo arrepiar. As mãos dele deslizaram pela minha barriga lisa. O corpo dela estava completamente entregue ao meu. Meu coração disparou quando senti a cabeça do pau dele posicionada na minha virilha. A boca dele vagava sem destino. movia o meu quadril circularmente contra o membro dele. chupando o pescoço e fazendo uma trilha com a língua até o lóbulo. ela era. mordendo a pele. não pude conter os gemidos baixos. Me encontrei com uma pequena dor quando ele me penetrou mas isso não importava a sensação de ser penetrada por ele era inexplicável. Ela conseguia de alguma forma me tirar completamente do sério fazer com que a sanidade escapasse entre os meus dedos. o jeito que me tocava tudo era diferente. Estava tomada por ele. de longe. Troquei de posição ficando em cima dele. chegavam a doer. Sentia-o pulsando dentro de mim. eu notava a malicia transbordando no olhar dele. POV Justin.

só um 38 tem um projétil assim. – Deita aqui. Deita. Deitei na cama e me aconcheguei nos travesseiros dele. – Justin disse nervoso e um silêncio pairou na sala – Há uma semana o cara armou uma armadilha para mim no cassino abandonada não deu certo o que ele tentou e agora ele está tentando me pegar de qualquer jeito. – A arma que atingiu a Caissy era um calibre 38. – Brian disse. Tem alguém mais esperto que a gente nessa parada. Tateei o outro lado da cama a procura de Justin. – Só pode ser o Marcony. – Também. e as gotículas escorriam pelas costas dele.. mas ele não estava ali. O cara é o maior magnata do país. O próximo banco tem bastante fundos dele. O ápice chegou primeiro para mim. me levantei com dificuldade ainda um pouco sonolenta. puxei os braços automaticamente e sentindo um formigamento tomar conta do ferimento. – Chris disse entrando no assunto. – parei na ponta da escada quando escutei o Brian falar. Abri a porta e escutei as vozes dos meninos lá em baixo. – Tem grande probabilidade de ser ele sim.. – Você não tem idéia de como é estra dentro de você. Ele estava tão cansado quanto eu minhas pernas estavam tremulas. coloquei uma roupa adequada e fui andando lentamente pelo corredor.6mm. – bati ao lado da cama para que ele deitasse. – Ryan disse nervoso. – Esse projétil tem 9. os fios do meu cabelo estavam grudados na testa. . As minhas pálpebras estavam pesadas. – fiquei travada na escada sem ser notado por eles só escutando o que eles diziam. enquanto as mãos dele começaram a massagear a minha cabeça lentamente me dando sono. – A gente ta vacilando muito. – To cansada. – falei enquanto ele enrolava uma faixa no meu braço. Ele pode ter descoberto o nosso esquema. Sentia o meu corpo esfriar. Não conseguia forma uma frase coerente. tive que fazer outro curativo esperei o Justin sair do banheiro para me ajudar.descompensadas. – Não seria muito viável. Me levantei com dificuldade e tomei um banho. – ele disse com um tom risonho... – ele sussurrou com a voz cansada. Ele riu e deitou e eu me aconcheguei no peito pelado dele. – Mano eu ainda não me conformo que metralharam o meu carro.. se fosse ele. gemi alto e depois senti o líquido dele dentro de mim.. a escuridão já tinha invadido o quarto.

mas ninguém sabe da existência do galpão. .– Ele não quer só acabar com o nosso esquema. depois foi para sua casa à pessoa foi lá e não achou então ela foi para o galpão por que é lá que ele está. – Justin gritou nervoso e se alterando.. – O mapa do prédio estava com o Ryan. então era fácil surpreende-lo e mata-lo. – Brian disse com o olhar voltado para mim. A mesma pessoa que metralhou o carro entrou na minha casa e agora tentou pegar todos nós juntos no galpão. – Eu não posso afirma isso. Nunca tivemos trairagem entre nós. Estamos falando de agora. – E porque não Brian? – Chaz perguntou.. – Brian falou nervoso. – Chaz disse constando os fatos e fiz o mínimo de barulho possível para não ser notada não estava entendendo nada. – Brian explicou sua idéia. – Ou descobriram a gente. Porque em todas as vezes que aconteceu alguma coisa você estava envolvido. – Estamos falando em hipóteses. – Ryan disse. – Justin disse com um tom frio e os meninos se calaram. – Ryan disse. – Brian deu de ombros. – O mapa? – Ryan e Justin falaram juntos.. – Ou o mapa. todos estavam muitos nervosos. Ninguém sabe que é lá que planejamos os roubos. Ou tem um traíra no meio de nós... – Ryan disse confuso. – Você acha que se fossem matar ele não já teriam matado? Ninguém notou que entraram na casa dele.. mas com um de nós também. – Ainda continuo com a hipótese que tem alguém tentando matar o Justin. – Ai você já está pegando pesado Justin. – Tem alguém cassando você Justin. – Esqueceram que o Bieber já traiu minha confiança quando se envolveu com a minha irmã? – Esquece o passado. – Ryan disse e eu senti meu corpo pesar e estremecer. – O Marcony não trabalha com muitos homens em uma missão só.

– Você só pode esta ficando louco... – Só você? – Já que é o mapa que estão querendo. não faz isso. Você sabe muito bem.. Você não pode arriscar sua vida assim.Eu amo você. *-* Capítulo 19 ... – Cara você não tem treinamento nenhum. não ele não podia fazer isso não poderia colocar a vida dele em risco senti as lágrimas quente rolarem no meu rosto e eu desci fazendo eles me notarem. – Por favor. – Justin falava quase cuspindo as palavras. que quem tem que entrar no prédio é nós três..– Ainda quero saber como aquela pessoa nos achou aqui.. – Drew isso é uma missão suicida. Todos me olhavam sem dizer nada inclusive o Justin que me encarava sem vida no olhar do outro lado da sala. Esse é o único jeito de não perdemos tudo. – Não dá pra fazer o negócio só eu e o Chris. . – juntei as mãos em forma de suplico e um soluço alto me escapou. – Ryan disse inconformado. – Brian disse nervoso. – Chris e Brian já tem um treinamento e. você não tem nenhum treinamento você não fez nenhuma simulação nem sabe como é o prédio. Vamos ser mais rápido vamos fazer o roubo hoje. Assim se realmente existir um traíra não vai ter tempo entregar o nosso esquema. – falei com a voz tremula e assustada. Isso já basta. – È hoje. – Justin não faz isso. Você não pode arriscar sua vida assim cara. você ta ligado que pode morrer? – quando escutei isso senti o meu corpo pesar e minha cabeça ir pro espaço mil veze e voltar.. Eu pelo menos só vou dirigir o caminhão e trazer o dinheiro para cá... – Hoje? – Ryan disse assustado. – Não.. – Eu vou entrar no prédio. mas você faz o trabalho sujo você entra no prédio.. – Claro que não cara. – Ryan caminhou nervoso não aceitando a idéia. – Ryan contestava essa idéia.

– Justin. Então. – Justin não faz isso. Mas to pouco me fudendo. abaixei a cabeça é eles iriam faze isso. – falei com um soluço e ele me deu um beijo na testa. – Eu não concordo com isso. sei lá porque o meu curativo estava com sangue ia ter que trocar. A sala estava em silêncio só tinha a minha presença e a dele os meninos tinham deixado nós as sós. atiraram na Caissy vocês . – Não! Você não pode fazer isso. por favor.. – atravessei a sala e choquei meu corpo contra o dele o abraçando.. os meninos estavam calados e as estão esperando algo pior? – balancei a cabeça indignada. – Se for por esse lado por mim tudo bem. vamos fazer essa porra logo ou vocês estão esperando acontecer algo pior? – ele me ignorou completamente. – Vou trocar. – Já invadiram a minha casa. – Mas se vocês vão entrar nessa não vou deixar vocês sozinhos. – Então eu to dentro.– Eu sei muito bem o que pode acontecer comigo. – Chaz concordou ele estava em silêncio junto com o Chris. – Só que dessa vez é perigoso e você sabe disso. lágrimas rolavam descontroladas pelo meu rosto. – os meninos meio que vibraram com a resposta do Brian. – gritei em meios aos soluços. – Seu braço ta sangrando. – Chris disse e todos ficaram esperando a resposta do Brian. olhei no fundo dos olhos dele e ele me deu aquele olhar de piedade. Meus pensamentos gritavam para o Brian não concordar. – Antecipando o roubo ou deixando para data certa a gente corre risco do mesmo jeito. já fiz isso outras vezes e não aconteceu nada. ele já iria fazer isso e com consentimento seria ainda pior. – Ryan concordou e eu me senti mais vulnerável. – Não vai acontecer nada. – No perigo eu vivo desde que entrei nisso. – ele limpou minhas lágrimas com as costas das mãos. – Brian disse. – Eu também. – ele ergueu o meu rosto me fazendo olhar dentro dos olhos dele. – sussurrei com os olhos marejados de água. mas depois tomaram partido das coisas. – ele sussurrou no meu ouvido. as palavras me sumiram não conseguia mais argumentar. estou pouco me fudendo para mim porque essa é a melhor saída. – Caissy.

Encontrei o Justin no escritório a casa já estava vazia novamente os meninos já tinham ido embora. peguei uma roupa coisa básica só o salto que estava um pouco extravagante. coloquei um pano na boca para segurar o grito e a dor. – Ué você nunca foi a um. – dei de ombros. – Vem aqui. Ri pelo nariz. Bufei não estava com paciência para nada. – ele colocou a arma em cima da mesa de vidro fumê onde tinha mais duas do mesmo porte. que não precisa da ajuda de ninguém que já fez isso várias vezes. mas eu coloquei muito álcool pra desinfetar e não sangrar mais aquilo foi à dor do cão. – Não vai acontecer nada comigo. mas parece que ele não se importava nem um pouco continuou indiferente. me levantei com preguiça meu corpo estava . – Não adianta falar nada que você não vai mudar sua opinião então. Sei que ele sabe se cuidar. Fazer aquele curativo doeu pra caralho. – ele estava de costas carregando uma arma. – Vou te levar em um motel. eu não vou ficar aqui chorando. – falei segurando o choro. mas sentiu minha presença quando eu entrei e me joguei no sofá. – E se acontecer alguma coisa com você hoje? – entrei nesse assunto. – ele respondeu sendo frio. Ele me lançou um olhar misterioso. – Talvez seja por isso que eu estou vivo até hoje. – ele estava parado atrás da mesa. – ele disse rindo. – me calei para segurar o choro. – Tenho uma festinha pra gente depois que eu voltar.Sentei na beira da cama e afundei meus punhos fechado no coxão. mas agora é diferente porque ele está indo com a cara e a coragem. – Então vou te mostrar qual é a diferença. – Você se garante de mais. – Qual a diferença em fazer sexo em casa ou em um motel? – estava muito desanimada. – Não fica assim Anjo. Apoiei meus pés na mesinha de centro. não enrolei faixa nem nada fiz um curativo pequeno. Deixei os meus cabelos soltos assim iria fazer sombra nos olhos e esconder os olhos inchados. – Onde? – tentei ser o mais alegre possível no tom da minha voz. Não.

– Uma hora você vai precisar. – ele falou em um tom mandão e novamente mirei a janela. – ele falou no rádio e depois colocou em cima da mesa. – ele ordenou e eu fiz descarreguei o revolver na janela. – Ae Drew já estamos todos aqui cadê você cara? – Justin pegou rádio e apertou um botão. – Mira em um foco. – sussurrei com a voz fraca. – Nunca desconte o ódio que tem enquanto atira. minhas mãos estavam na arma e as dele por cima me guiando. – ele carregou a arma que eu usei. Ele estava me ensinando a atirar. respirei fundo e mirei a janela. Soltei o ar de forma exagerada. – ele me estendeu a arma e os meus olhos arregalaram ele estava louco? – Pra que isso? – perguntei assustada. – Justin acho melhor não. – Defesa. – Essa daqui é sua. – Tem certeza que é lá que você quer acertar? – ele falou bem perto do meu ouvido. – Talvez eu esteja fazendo isso e me arrependa depois.pesado. – Já estamos indo. . Eu só estava observando. – Atira. ele pegou uma roupa preta uma mala e uns equipamentos tudo isso foi colocado na mala. ele apertou o botão colocando umas senhas e abriu a porta de uma sala. – Estamos? – falei confusa. – Descarrega o revolver. mas não saia nada. e guiando minhas mãos às posicionaram no revolver até soei frio nunca me imaginei segurando uma arma. sempre mantenha a calma. – Eu não preciso de uma arma. isso é uma coisa louca meus olhos ficaram pretos e quando eu vi eu apertava o gatilho. – De novo. – ele disse firme. – ele pegou uma arma em cima da mesa e engatilhou. – ele pegou a arma das minhas mãos. – Então atira. Tinha um rádio em cima da mesa e ele bipou e depois escutamos a voz do Ryan. – Você vai ter que ficar no galpão com o Chaz. e eu balancei a cabeça dizendo que sim. – ele tirou o quadro da parede e apertou um botão e a estante andou para o lado o que é isso mansão Adams? Atrás da estante tinha acho que uma sala secreta. – minhas mãos tremeram um pouco e eu atirei o barulho e o impacto é impressionante eu não acetei onde queria. Justin se afastou de mim. – ele me puxou pra perto dele. e acertei.

– Brian disse o Justin não me olhava o olhar dele fugia de mim toda vez que eu o olhava. – Não fica assim. meu braço começou a latejar. – Vai ficar assim então. – ele disse cortando o assunto e fechando tudo e o escritório voltou a ser o que era nunca imaginei ter aquela sala ali se me contassem eu não acreditaria. a blusa era de mangas compridas estavam de luvas e tinham um capuz na mão. Ele colocou a mala no banco de trás do carro e eu sentei no meu lugar e coloquei o sinto.– Pra que isso? – perguntei curiosa. – ele me puxou para um abraço. – Cuida dele para mim não deixa nada acontecer com ele. – Humhum. – pensei alto. mas estava escutando tudo. ele vai estar com um rastreador e você . Pensamento positivo garota. Ele estava no fundo do galpão passando um fio no seu corpo acho que era uma escuta o Ryan estava ajudando ele. – me afastei um pouco para olhar o seu rosto. – ficamos em silêncio. Chaz você vai ficar aqui com a Caissy e vai mandar instruções pela escuta para o Justin sobre o prédio. aquele lá não quebra. – ele me fez soltar um sorriso fraco. – Vou precisar disso tudo. – Caissy o Bieber é o vaso mais ruim que já vi na vida. – E eu tenho que ficar como? – falei cabisbaixa – Você tem que ser confiante. Justin entrou em uma sala com aquela mala e o Brian veio pra perto de mim. – Justin. – ele disse e eu cruzei os braços abraçando os meus cotovelos. Me perdi nos pensamentos e quando vi já estávamos no galpão. – Você fez o curativo? – Justin acelerava e o ponteiro subia. Entrei no galpão e o Chris e o Brian estavam vestido com uma roupa toda preta. Brian e Chris entram no prédio. Justin pegou a mala e saiu na frente e eu fui atrás. – Devia ter tomado outro remédio. – Ryan se aproximou e todos se juntaram em volta da mesa para escutar as instruções eu estava um pouco longe. – Quase. – Já está na hora? – perguntei quando o Justin saiu da sala vestido igual ao Chris e o Brian. – Brian. Respirei fundo e segui-o enquanto se dirigia até o carro.

eu agarrei o pescoço dele com força. Os carros de fuga estarão na rua principal cada um já sabem o seu. – Boa sorte. – Vocês três já sabem a senha. . . – Chris colocou o seu capuz e saiu do galpão sendo seguido pelo Ryan e o Brian. *-* Capítulo 20 . depois que pegarem todo o dinheiro do cofre voltem pelo mesmo lugar que foram e lance os malotes ao norte do prédio eu vou estar lá com o caminhão de lixo para recolher tudo. Quando ele terminou de dizer todo mundo começou a se agilizar a minha barriga começoua a revirar estava quase tremendo. Ele me mostrou o sorriso mais lindo que ele tinha e me deu um selinho demorado. ele riu balançou a cabeça e depois sumiu na porta todo vestido de preto com um capuz que cobria quase todo o seu rosto. – Se o bocó ali não der conta da sua segurança. Temos duas horas e meia para estarmos todos aqui. – ele falou pra mim em um tom que só eu pude ouvir. – Pode contar no relógio que daqui a duas horas eu volto para você. – Vai se ferrar Bieber eu posso muito bem cuidar da sua mulher. Não sabia se veria ele de novo a final como Ryan disse aquilo era uma missão suicida. – sussurrei no ouvido dele. – o Chaz sentou no computador arrumando os equipamentos.eleme entregou a arma e eu coloquei em cima da mesa. CONTINUA. Depois nos encontramos aqui.. – Justin veio até mim. – ele se soltou de mim colocou o capuz e eu só tinha a visão dos olhos e da boca linda dele.vai falar cada passo que ele tiver que dar. – Caissy. – Eu amo você. – Não demora. não sabia se ia ter ele de volta comigo. – Vai ser rapidinho..Eu amo você. – mexi a boca sem deixar sair nem um som. – Boa sorte para vocês. aquilo era de mais eu estava com muito medo do que poderia acontecer. – Ryan dava as ordens e eles iam concordando. – Brian colocou o Capuz deixando de fora só os olhos e a boca. mete bala em tudo o que você achar ameaçador. – Chaz balançou a cabeça concordando e entendendo tudo o que tinha que fazer.

– Não vai acontecer nada. – Já invadiram a minha casa.– Eu sei muito bem o que pode acontecer comigo. – ele sussurrou no meu ouvido. A sala estava em silêncio só tinha a minha presença e a dele os meninos tinham deixado nós as sós. ele já iria fazer isso e com consentimento seria ainda pior. – Vou trocar. vamos fazer essa porra logo ou vocês estão esperando acontecer algo pior? – ele me ignorou completamente. – Chaz concordou ele estava em silêncio junto com o Chris.. estou pouco me fudendo para mim porque essa é a melhor saída. já fiz isso outras vezes e não aconteceu nada. – Se for por esse lado por mim tudo bem. Meus pensamentos gritavam para o Brian não concordar. – Eu não concordo com isso. abaixei a cabeça é eles iriam faze isso. – ele ergueu o meu rosto me fazendo olhar dentro dos olhos dele. – Não! Você não pode fazer isso. as palavras me sumiram não conseguia mais argumentar. – Mas se vocês vão entrar nessa não vou deixar vocês sozinhos. – Então eu to dentro. por favor. – Eu também. – gritei em meios aos soluços. mas depois tomaram partido das coisas.. – Antecipando o roubo ou deixando para data certa a gente corre risco do mesmo jeito. – atravessei a sala e choquei meu corpo contra o dele o abraçando. – Chris disse e todos ficaram esperando a resposta do Brian. – Brian disse. os meninos estavam calados e as estão esperando algo pior? – balancei a cabeça indignada. Mas to pouco me fudendo. – Ryan concordou e eu me senti mais vulnerável. – sussurrei com os olhos marejados de água. – No perigo eu vivo desde que entrei nisso. atiraram na Caissy vocês . – Justin não faz isso. – Seu braço ta sangrando. Então. sei lá porque o meu curativo estava com sangue ia ter que trocar. – Justin. – Só que dessa vez é perigoso e você sabe disso. – os meninos meio que vibraram com a resposta do Brian. – ele limpou minhas lágrimas com as costas das mãos. olhei no fundo dos olhos dele e ele me deu aquele olhar de piedade. lágrimas rolavam descontroladas pelo meu rosto. – falei com um soluço e ele me deu um beijo na testa. – Caissy.

– Onde? – tentei ser o mais alegre possível no tom da minha voz. – Qual a diferença em fazer sexo em casa ou em um motel? – estava muito desanimada. – falei segurando o choro. – me calei para segurar o choro. coloquei um pano na boca para segurar o grito e a dor. mas parece que ele não se importava nem um pouco continuou indiferente. – Não adianta falar nada que você não vai mudar sua opinião então. – ele disse rindo. Ele me lançou um olhar misterioso. me levantei com preguiça meu corpo estava . Apoiei meus pés na mesinha de centro. – Você se garante de mais. – dei de ombros. peguei uma roupa coisa básica só o salto que estava um pouco extravagante. – Não vai acontecer nada comigo. Sei que ele sabe se cuidar.Sentei na beira da cama e afundei meus punhos fechado no coxão. Encontrei o Justin no escritório a casa já estava vazia novamente os meninos já tinham ido embora. – Então vou te mostrar qual é a diferença. – Vem aqui. não enrolei faixa nem nada fiz um curativo pequeno. – ele respondeu sendo frio. Ri pelo nariz. – ele colocou a arma em cima da mesa de vidro fumê onde tinha mais duas do mesmo porte. Bufei não estava com paciência para nada. eu não vou ficar aqui chorando. – Não fica assim Anjo. mas agora é diferente porque ele está indo com a cara e a coragem. mas sentiu minha presença quando eu entrei e me joguei no sofá. Deixei os meus cabelos soltos assim iria fazer sombra nos olhos e esconder os olhos inchados. – Vou te levar em um motel. – E se acontecer alguma coisa com você hoje? – entrei nesse assunto. – Tenho uma festinha pra gente depois que eu voltar. – ele estava parado atrás da mesa. – Ué você nunca foi a um. mas eu coloquei muito álcool pra desinfetar e não sangrar mais aquilo foi à dor do cão. – ele estava de costas carregando uma arma. Não. – Talvez seja por isso que eu estou vivo até hoje. que não precisa da ajuda de ninguém que já fez isso várias vezes. Fazer aquele curativo doeu pra caralho.

– Ae Drew já estamos todos aqui cadê você cara? – Justin pegou rádio e apertou um botão. – Defesa. – Eu não preciso de uma arma. Justin se afastou de mim. – Mira em um foco. Eu só estava observando.pesado. – Atira. – sussurrei com a voz fraca. – Uma hora você vai precisar. – ele pegou uma arma em cima da mesa e engatilhou. – ele disse firme. sempre mantenha a calma. – Tem certeza que é lá que você quer acertar? – ele falou bem perto do meu ouvido. Tinha um rádio em cima da mesa e ele bipou e depois escutamos a voz do Ryan. – ele falou em um tom mandão e novamente mirei a janela. – Então atira. – ele falou no rádio e depois colocou em cima da mesa. – Estamos? – falei confusa. – Nunca desconte o ódio que tem enquanto atira. – ele pegou a arma das minhas mãos. Soltei o ar de forma exagerada. e guiando minhas mãos às posicionaram no revolver até soei frio nunca me imaginei segurando uma arma. mas não saia nada. – De novo. e eu balancei a cabeça dizendo que sim. – Já estamos indo. – ele tirou o quadro da parede e apertou um botão e a estante andou para o lado o que é isso mansão Adams? Atrás da estante tinha acho que uma sala secreta. ele pegou uma roupa preta uma mala e uns equipamentos tudo isso foi colocado na mala. – Descarrega o revolver. – ele carregou a arma que eu usei. – ele me estendeu a arma e os meus olhos arregalaram ele estava louco? – Pra que isso? – perguntei assustada. – Justin acho melhor não. – ele me puxou pra perto dele. Ele estava me ensinando a atirar. – Talvez eu esteja fazendo isso e me arrependa depois. isso é uma coisa louca meus olhos ficaram pretos e quando eu vi eu apertava o gatilho. – minhas mãos tremeram um pouco e eu atirei o barulho e o impacto é impressionante eu não acetei onde queria. . e acertei. respirei fundo e mirei a janela. minhas mãos estavam na arma e as dele por cima me guiando. – Você vai ter que ficar no galpão com o Chaz. – ele ordenou e eu fiz descarreguei o revolver na janela. ele apertou o botão colocando umas senhas e abriu a porta de uma sala. – Essa daqui é sua.

meu braço começou a latejar. – Cuida dele para mim não deixa nada acontecer com ele.– Pra que isso? – perguntei curiosa. – ele me puxou para um abraço. – Justin. Ele estava no fundo do galpão passando um fio no seu corpo acho que era uma escuta o Ryan estava ajudando ele. Entrei no galpão e o Chris e o Brian estavam vestido com uma roupa toda preta. – pensei alto. ele vai estar com um rastreador e você . – ele disse cortando o assunto e fechando tudo e o escritório voltou a ser o que era nunca imaginei ter aquela sala ali se me contassem eu não acreditaria. Justin pegou a mala e saiu na frente e eu fui atrás. Justin entrou em uma sala com aquela mala e o Brian veio pra perto de mim. – Humhum. – Devia ter tomado outro remédio. – ele disse e eu cruzei os braços abraçando os meus cotovelos. Me perdi nos pensamentos e quando vi já estávamos no galpão. Pensamento positivo garota. – Você fez o curativo? – Justin acelerava e o ponteiro subia. – ele me fez soltar um sorriso fraco. – Já está na hora? – perguntei quando o Justin saiu da sala vestido igual ao Chris e o Brian. – ficamos em silêncio. – Ryan se aproximou e todos se juntaram em volta da mesa para escutar as instruções eu estava um pouco longe. Chaz você vai ficar aqui com a Caissy e vai mandar instruções pela escuta para o Justin sobre o prédio. Brian e Chris entram no prédio. – Caissy o Bieber é o vaso mais ruim que já vi na vida. mas estava escutando tudo. – Brian. – Não fica assim. – Brian disse o Justin não me olhava o olhar dele fugia de mim toda vez que eu o olhava. Respirei fundo e segui-o enquanto se dirigia até o carro. – Quase. Ele colocou a mala no banco de trás do carro e eu sentei no meu lugar e coloquei o sinto. – me afastei um pouco para olhar o seu rosto. aquele lá não quebra. – Vai ficar assim então. – E eu tenho que ficar como? – falei cabisbaixa – Você tem que ser confiante. a blusa era de mangas compridas estavam de luvas e tinham um capuz na mão. – Vou precisar disso tudo.

– sussurrei no ouvido dele. Ele me mostrou o sorriso mais lindo que ele tinha e me deu um selinho demorado. CONTINUA.eleme entregou a arma e eu coloquei em cima da mesa. – Chaz balançou a cabeça concordando e entendendo tudo o que tinha que fazer. – mexi a boca sem deixar sair nem um som. mete bala em tudo o que você achar ameaçador. – Brian colocou o Capuz deixando de fora só os olhos e a boca. – Pode contar no relógio que daqui a duas horas eu volto para você. – Justin veio até mim. – Boa sorte. – Boa sorte para vocês. – Caissy. mas eu Amo. depois que pegarem todo o dinheiro do cofre voltem pelo mesmo lugar que foram e lance os malotes ao norte do prédio eu vou estar lá com o caminhão de lixo para recolher tudo.vai falar cada passo que ele tiver que dar. – ele se soltou de mim colocou o capuz e eu só tinha a visão dos olhos e da boca linda dele.Do meu jeito. não sabia se ia ter ele de volta comigo. – Não demora. Quando ele terminou de dizer todo mundo começou a se agilizar a minha barriga começoua a revirar estava quase tremendo. Temos duas horas e meia para estarmos todos aqui. – Vai se ferrar Bieber eu posso muito bem cuidar da sua mulher. – Ryan dava as ordens e eles iam concordando. .. eu agarrei o pescoço dele com força. – Vocês três já sabem a senha. – o Chaz sentou no computador arrumando os equipamentos. – Se o bocó ali não der conta da sua segurança. Depois nos encontramos aqui. – Vai ser rapidinho. Não sabia se veria ele de novo a final como Ryan disse aquilo era uma missão suicida. *-* Capítulo 21 . – Eu amo você. Os carros de fuga estarão na rua principal cada um já sabem o seu. . – Chris colocou o seu capuz e saiu do galpão sendo seguido pelo Ryan e o Brian. ele riu balançou a cabeça e depois sumiu na porta todo vestido de preto com um capuz que cobria quase todo o seu rosto.. aquilo era de mais eu estava com muito medo do que poderia acontecer. – ele falou pra mim em um tom que só eu pude ouvir.

– Chris respondeu pela sua escuta. Brian Jogou a corda e estávamos só esperando o comando do Ryan para começarmos tudo. – Ryan ordenou e entre olhamos por um instantes e depois Chris desceu na frente. – fizemos o que ele mandou. – Nesse corredor tem três seguranças deixe que o Brian cuida deles. Não fomos notados. Chris estava agachado olhando a movimentação lá de baixo. Quando chegamos todos no topo do prédio do banco Chaz começou a dar as instruções. – É isso ai cara! Somos uma equipe e estamos aqui pra isso. – Fala Ryan.Vão para o ponto amarelo indicado no chão na frente da porta. . . – Olhamos em volta procurando a porta. O banco que iriamos assaltar desta vez não é simplesmente um banco é o lugar onde as pessoas mais ricas de Atlanta confiam para guarda os seus pertences de maior valor. Fomos para o alto do prédio. – Brian saiu na frente com cuidado e eu e Chris seguimos na direção do cofre. você e o Chris segue para o cofre. – falei pela escuta e tive o olhar dos dois em minha direção. pois foi muito fácil usar o elevador de serviços que não era muito frequentando. – Ai tem uma porta que dá acesso para dentro do prédio. – Chris digitou o código e a porta abriu. – depois de um tempo Brian chegou segurando uma chapa onde continha as digitais do guarda. Nos comunicaríamos todos por uma escuta ligados um a um. espera um pouco que o Brian vai vir com as digitais do guarda. – respondemos juntos. qualquer erro o alarme dispara. digitei a senha e logo em seguida ele encostou a chapa para as digitais serem reconhecidas. Meu coração batia mais rápido tínhamos que esperar a luz em cima da porta ficar verde e depois o cofre abriria. – Estão me ouvindo? – Ryan disse com alguns chiados.POV Justin. Entramos pelos fundos de um hotel que tinha de frente para o banco. – Agora digitem o código para a porta abrir. – Justin seja delicado para digitar. Chegamos ao cofre e tinha uma porta enorme pela espessura e tamanho aquilo tinha blindagem qualquer toque errado o alarme dispararia. De lá desceríamos de rapel até o prédio do banco. mas se ficasse vermelho estávamos ferrados íamos ter que arrombar e e depois fugir de lá com muita pressa. – Obrigada por se arriscarem. – Já podem descer para o prédio do banco.

. o som as vezes incomodava o meu ouvido pois o meu ponto estava com o volume um pouco alto. ..disse fazendo minha parte. Brian e Chris estavam conversando e eu estava longe estava pensando em dar um jeito de entrar naquele lugar. Marcony Salvatore. – Você. – Que porra de DST o que.Cinco segundos depois a luz ficou verde e a porta automática se abriu. .. recusando mulher? . . . Quando estava voltando para o cofre encontrei Brian e Chris arrastando os malotes. Cala a boca e faz o teu serviço. Acho que aquilo foi um aviso bati o olho no cofre e estava escrito. – Faltam cinco minutos para trocar os seguranças. Senti uma coisa estranha atrás de mim e me virei. Você tá com DST. tenho que pegar um negócio..Chris disse. .Chris disse zombando.Brian respondeu concentrado. tinha várias barras de ouro. . – Vai indo na frente.falei cortando o assunto. nem todo o dinheiro do mundo compraria a minha felicidade em roubar aquele cofre. – Tá louco Bieber? Faltam dois minutos pra casa cair nessa porra e você começa a brisar? – Chris falou nervoso... – Ahhh mentira! Mentira que eu estou ouvindo isso. Cada um pegou um malote e foi enchendo até não caber mais dinheiro. O dinheiro estava no fundo do cofre. mas também tinha que roubar o cofre do Marcony. Como é o nome mesmo? . .falei sério. – Ai mano quando a gente sair daqui vamos pra aquela boate nova que abriu. . – Ryan nos avisou pela escuta e eles começaram a agilizar.È Amor. ele tinha um cartão aquilo servia para abrir todo tipo de porta existente no prédio era como se fosse uma chave mestra. è amor.eles cairam na risada. mas o nosso negócio era grana. – Eu tenho outras coisas para fazer. Comecei a ficar atordoado tinha que sair dali. Sai andando no corredor e fui até o segurança que estava sedado.Vai chover ou. .Chris perguntou indignado. Dei um sorriso malicioso. só queríamos a grana. . vocês precisam sair dai. – Pay luxury Bitch. agora.Chris dizia e Brian continuava calado fazendo o que ele tinha pra fazer.Eu vou sair com a Caissy.. se liga rapaz. por mais que estivesse levando uma boa quantia de dinheiro nada seria comparado a roubar o cofre do Marcony. – Eu só tenho uma comemoração melhor para ir.

Quando abriu quase cai pra trás. Mudei o meu caminho e segui a placa. – falei um pouco ofegante. Eles arremessaram os malotes como o combinado. tinha a sensação que estava esmagando os coitados a cada . quando escutei vozes nos degraus abaixo comecei a subir as escadas de dois em dois. – Ryan gritou pela escuta. quando tentei voltar para o cofre.eles perguntaram assim que apareci saindo da porta. Olhei no relógio e faltavam 30 segundos não estava nem na metade do caminho. A porta apitou e eu gelei. – ele falou nervoso. Brian jogou a corda e eu fui o ultimo a descer. Estava soando frio em estar com aquilo na minha mão. – Saiam daí. Terraço. – me livrei dele e escutei o Chris resmungar. Já fazia quase uma hora desde que saíram para fazer essa loucura. Se aquele cartão não abrisse o cofre eu iria colocar todo o esquema a perder. porque vão acionar os alarmes já. levaria aquilo comigo. – Depois eu conto. – O que é isso? . os meninos surtariam. POV Caissy.– Cara tá ficando louco? – Brian segurou meu braço. Fechei o olho e passei o cartão na porta para que abrisse deus sempre esteve comigo não seria agora que me abandonaria. Vi uma placa indicando. já. – falei e um silêncio pairou. Entrei no cofre faltava 1 minuto e meio para trocar os seguranças. saímos correndo e cada um pegou seu carro. subi as escadas com pressa e sem fazer barulho. Vamos vazar daqui. – Chris gritou e eu via o carro dele lá na frente. entrei no cofre e vi umas das coisas mais valiosas peguei e sai voando dali. – Eu encontro vocês no galpão. Desligue minha escuta e o meu rastreador. saída de emergência. – Brian falou nervoso. – Cara você sempre tem que dar dessas. – Quero ver quem vai me pegar. mas eu não arremessei o que tinha pegado no cofre do Marcony. – Volta pro terraço com o Chris que eu já vou. quando estávamos dando a volta no prédio para ir para rua principal e pegarmos os carro escutamos uma sirene. eu já nem sentia mais os meus pés. mas eu tinha que fazer uma coisa mais importante. – Vamos vazar dessa porra. haviam disparado o alarme do banco. Brian e Chris já estavam desesperados a minha espera.

– falei deixando as lágrimas rolarem. – Chaz? – gritei. – Eles saíram? – Chaz perguntou para alguém na escuta com voz mais tranquilizada. por favor. estava impaciente e Chaz estava concentrado nos aparelhos. – Faltam dois minutos para trocarem de seguranças e o Justin ainda não foi para o terraço. Olhava o rastreador do Justin se movimentar na tela do computador e aquilo me deixava mais nervosa. Soltei o ar me aliviando por saber que eles já estavam fora do prédio. eu rezava baixo enquanto minhas mãos tremiam. – E agora? – gritei nervosa. lançava olhares preocupados para o Chaz enquanto ele me retribuía com olhares de conforto. minhas mãos soava frio não conseguia ficar quieta já tinha rezado tudo quanto é oração que eu conhecia eu temia muito pelo pior. – O Brian e o Chris já estão no terraço e o que o Justin ainda está fazendo lá dentro? – Chaz falava nervoso. e pior ele não podia fazer nada. pois estava longe. mas aquela sensação de desespero me levava cada vez mais. Fiquei um bom tempo fazendo aquilo até que me assustei com o grito do Chaz. me sentia tremula meus ossos pesavam como ferro.passo preocupado que dava. – Calma! – ele tentou me tranquilizar. – ordenei um pouco nervosa e ele me olhou sendo frio. o Justin estava despreparado fazendo uma coisa perigosa. não deixa nada acontecer com ele. Quase 00h00minh e nada deles. – O que foi? – perguntei preocupada e ele não me respondeu. –Droga! – Chaz gritou e eu corri pra perto dele. – Ryan manda eles saírem do prédio. Meu deus traz o Justin são e salvo para mim. . – ele falou nervoso e preocupado. A cara dele não estava nada boa. tentava me controlar. agora! – Chaz disse e eu me senti um pouco melhor em saber que ele tinha entrado em contato com alguém. Andava no galpão de um lado para o outro. – Me fala o que está acontecendo agora. – Ai meu deus. parecia que o tic-tac do relógio estava dentro da minha cabeça me torturando. – Justin? Justin? Está me ouvindo? – Chaz colocou um fone no ouvido e tentava a qualquer custo se comunicar com a escuta do Justin.

– Chaz dizia com um tom preocupante. . . – Chaz! – falei nervosa e restos das palavras ficaram presas em minha garganta. – Chaz falou nervoso. – Ele só pode estar querendo me matar do coração. pois não conseguir dizer mais nada e os soluços tomaram conta de mim. – Ele desligou o rastreador. – O que foi Chaz? – perguntei preocupada. – Volta pra cá vocês. – Caissy calma. – ele fez uma cara de preocupado e suas mãos corriam no teclado com velocidade. Era o Ryan. – Chaz o Justin é irresponsável ele gosta de brincar com a vida dele e não se importa em brincar com a dos outros também. – Como assim ele desviou a rota? – ah meu Deus o que o Justin estava fazendo? Chaz dizia muito nervoso. senti um tremor passar por todo o meu corpo.– O Justin está ficando louco? – meu coração voltou a disparar e não consegui nem perguntar o que aconteceu. – Como assim perdeu o contato? – perguntei histérica. – ele batia os dedos de forma nervosa no teclado. – Justin desviou a rota ninguém sabe pra onde ele foi. – Chaz disse desesperado tentando voltar o sistema. Chaz levantou e me abraçou e gritos começaram a vir da escuta. – Droga. – ele fez silêncio e eu criei coragem para perguntar. – Pegaram. – peguei meu celular e tentei várias vezes o número dele. – falei nervosa e com as lágrimas rolando. – Caissy calma você ficar assim não vai adiantar nada. – Mas perdi o contato com o rastreador do Justin. Um turbilhão de coisas começaram a passar por minha cabeça e eu estava perdida no meio das lágrimas agora meu desespero e minha preocupação eram bem maiores do que antes. – não ele não iria ficar bem. – ataquei o celular no sofá fazendo Chaz desviar sua atenção do computador para mim.Ryan não posso monitorar ele. – Eles já pegaram os carros? – perguntei a Chaz depois de um tempo. mas todas caíram na caixa postal. perdi o contato com o rastreador. Não podemos ficar dando bobeira com esses carros na rua. – ele falou tentando ser um pouco sereno. – Fala Ryan. ele vai ficar bem. – Chaz se afastou de mim e voltou para o computador.

Meu coração ficou na mão fui atrás de Chaz. – Que ele desviou a rota já sabíamos. . – ele se levantou do lugar dele e vindo até mim. – falei baixo e me livrei dos braços dele. – Ryan entrou em contato comigo assim que notou que os únicos carros na estrada eram o de vocês. – Chaz disse derrotado. – Tomara. – Não acredito. mas ele sabe o que faz. –O Justin ainda não chegou? . ele veio até mim tirou o capuz e me abraçou. – Mas tinha que ser. – reconheci a voz de Brian. – sussurrei em prantos. – Chaz disse derrotado. mas quando foi que ele desligou o rastreador? – Chris perguntou nervoso. Ele tinha que fazer uma merda. mas pude constatar que não era quando ele tirou o capuz. – Pouquinho.– Ei. mas pelo porte não pareciam nem um pouco com ele. não sabia se um deles era o Justin. – O Bieber é louco. Havia dois deles e estavam encapuzados. Estava sentada no sofá com a cabeça deitada no ombro de Chaz não havia mais o que fazer agora era só esperar eles voltarem para o galpão. – Deve ser eles. não era ele! – Brian falava nervoso. Ainda chorava em silêncio quando escutamos barulho de carros acelerando do lado de fora. – Chorou muito? – ele falou perto do meu ouvido continuando com o abraço e com um tom brincalhão. – Brian gritou e chutou o pó que tinha no chão.Chris perguntou depois de notar que ele não estava por ali. Ele foi se livrar do caminhão e já deve estar voltando. se não. – Caissy. – Ele desviou a rota e eu perdi o contato com o rastreador dele. me revelando que era apenas o Chris. – Chaz se levantou com pressa e saiu em minha frente. – Assim que entraram nos carros. – disse Chaz. – E o Ryan? – Chris perguntou. Meu coração pulava parecia que sairia pela boca. Ainda tinha esperanças que o outro fosse o Justin.

afinal ele e Justin tinham mais intimidade. – Aposto que depois da adrenalina que ele passou deve estar por ai em alguma boate com algumas vadias se gabando e falando o quanto ele foi foda no roubo. mas isso é bem típico dele. – Ele pegou mais alguma coisa no cofre antes de sairmos do banco. pois a mesma preocupação dele fazia parte da minha. Ele viu que eu estava realmente preocupada quando saiu daqui. – Ele não disse nada. – Claro que não aconteceu nada. – Brian falou nervoso. O Justin não seria capaz de fazer isso. – Pegou mais o que? – Ryan perguntou. – Ele disse alguma coisa pra você? – Chaz perguntou pro Ryan. – Ryan disse constatando os fatos. É o Bieber ele sempre quer se achar o de mais. . – Brian me feriu com aquelas palavras será que ele estava mesmo fazendo isso? – Brian? – gritei. Faróis iluminaram mais onde estávamos e Ryan estacionou o carro e desceu segurando três malas pretas.– Será que aconteceu alguma coisa com o Justin? – Chris perguntou preocupado e eu senti meu coração apertar mais. – Será? – ele perguntou sendo desafiador. – falei nervosa. – Não aconteceu nada. – Caissy me desculpa. – Brian gritou. – Acho que ele não me deixaria preocupada assim. – Aconteceu alguma coisa. – ele disse ríspido. Não deu para ver estava enrolado e guardado dentro de um suporte preto. – Chris falou e abaixou o olhar. – Não sei. – O Justin já voltou? – Não. – Só pode ter acontecido alguma coisa. – Ryan disse novamente e eu fiquei mais nervosa. porque ele não estava cooperando. –sussurrei preocupada.

Não era possível que ele tinha feito isso comigo ele não seria tão frio assim em me deixar ali preocupada do jeito que eu estava. meu coração pulsava forte. As lágrimas agora rolaram e eu não tive como segurar. – Acho que quando eu sai daqui eu me esqueci de dizer uma coisa pra você. Ele ficava acelerando o carro e eu soltei uma risada que julgaria que foi um pouco engraçada. corei. Não acreditava no que tinha ouvido despois de tanto tempo imaginando ele dizer aquilo para mim. – Pode. onde tinha uma rosa. – Justin... Foi . aquele era o Justin mesmo? Ele voltou a me olhar nos olhos. estava chorando em silêncio.. naquele instante o mundo parou. pois o farol estava alto.– Eu confio nele. – balancei a cabeça sorrindo. não estava entendendo nada. Ele se afastou um pouco de mim e ficou me olhando fixo nos olhos. – Posso pedir uma coisa? – ele falou com um tom sério e sem desviar o olhar de mim. mas não sabia como. mas eu amo. de fazer isso e muito mais. Meu amor. – dei um beijo rápido nele eu ainda estava com um sorriso enorme no rosto. – ele disse seco e entrou no galpão nervoso. Depois ele deu um sorriso lindo e disse. peguei a rosa um pouco envergonhada e com o cenho franzido. Parecia que ele queria me dizer algo. – Faço sim. – Onde você estava? Porque demorou? – falei nervosa e sentindo um grande alivio ao o abraçar. – cuspi as palavras. – ele me deu um selinho rápido e tirou de trás das costas a mão que escondia. – Eu também amo você Caissy. – fiquei estática e sem reação. Não precisei nem de olhar para saber que era ele. Porque o Justin que eu conheço não se preocupa com ninguém e ele seria capaz sim. Os meninos entraram no galpão. Do meu jeito. – Me faz feliz? Me faz me sentir o melhor homem desse mundo? – eu ri e joguei minha cabeça pra trás. – Então não estamos falando da mesma pessoa Caissy. Já estava me dirigindo para dentro do galpão. – pulei no pescoço dele. quando escutei o ranger do motor de um carro. Senti um sorriso em meu rosto e me virei piscando os olhos com dificuldade.. mas eu fiquei ali pedindo para alguém dos céus me trazerem ele de volta. Sai andando em direção ao carro e parei quando ele desceu sorrindo. Ele respirou fundo e ficou me olhando até achar as palavras certas para me dizer algo.

e me beijou interferindo o meu sorriso.. . – Eae Ryan hoje é cinco mulheres pra cada dois homens? – Brian perguntou. – Ai não fala assim que eu fico com vergonha. gritos e aplausos eram os moleques dei uma risada fraca interferindo o beijo olhando de canto de olho a bagunça que eles faziam vendo eu e Justin se beijar. – Brian falou se exibindo. Demoro contar essa grana ai? – ele gritou e os meninos riram. Era muito dinheiro. Sentei no sofá ainda admirando a rosa que tinha ganhado. – Vai na frente. – Ai seus Zé ruelas. – Gostoso do jeito que eu sou. – Ae Bieber! Você está apixonado! – Chaz e os outros meninos gritavam assoviavam e eu fiquei com vergonha. Percebi que eles fariam isso mesmo quando o Brian abriu o primeiro malote colocou várias pilhas em cima da balança.. nunca tinha visto aquilo na minha vida antes. – Se você der conta de tudo isso. aquilo me fez rir. Dou conta de tudo isso e muito mais. pois eu intensifiquei o beijo como respostas e uma das mãos dele desceu puxando mais minha cintura contra o corpo dele.. – Eu tenho uma surpresa para vocês. Os meninos brincavam e contavam as notas. foi um beijo calmo. na verdade eu ria de tudo que eles faziam e falavam eu ainda estava nas nuvens. Escutamos assovios. – Ryan zombou. – Justin entrou no galpão. – Eu também amo muito você. – Chaz estava com um pouco de dinheiro abanando o rosto. As mãos dele tocaram meu rosto delicadamente e eu dei um sorriso tímido ele colocou uma mecha do meu cabelo para trás. me beijou calmamente. que logo se tornou um beijo urgente. – ele piscou para mim e eu entrei primeiro no galpão. – Nossa meus olhos estão doendo de ver tanta nota.realmente surpreendente aquilo não podia ser real. Os meninos colocaram uma balança em cima da mesa era isso mesmo ele iriam pesar o dinheiro? Franzi o cenho. Caímos na risada. senti a língua quente dele pela minha boca e me entreguei. – Ryan afinou a voz imitando uma mulher fresca e com um bolo de dinheiro fez um leque para esconder o rosto. Justin me ergueu e me deu outro beijo.. – eu o enchi de beijo e ele me colocou no chão.

Parecia suporte de luneta. – Brian começou.– O que. – Cara esse Bieber é o maior porra louca que eu já vi na vida. – Ai Chaz conta pra gente quanto vale isso ai. – Cara eu ainda não acredito que você. – De onde você pegou isso? – Ryan perguntou assustado. – O filho da puta do Marcony investe o dinheiro em alguns quadros. mas não terminou a frase. mas ali não tinha uma luneta. – É isso ai. Ele estava segurando um suporte. – Tá louco cara? – Chris gritou. – Pela a minha pesquisa isso daqui vale 250 milhões cada uma. – Chaz disse para o Justin e eu pude ver o brilho de seus olhos em ver aquilo. – Porque no cofre aberto só tinha dinheiro. . – Morrer por quê? Ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão. Em leilão baixo. Ele viu o nome e foi para o computador depois de um tempo ele voltou.. que você fez desta vez seu louco? Além de fugir da rota para ir buscar uma rosa para a namorada? – Ryan perguntou e o Justin deu um sorriso sapeca para mim. – ele rolou o papel esticando o na mesa. – Do cofre de quem? – Brian perguntou.. – Justin deu de ombros. – Brian falou. Eu roubei as obras de arte que estavam com aquele magnata filho da puta. – ele disse sorrindo. – Chaz disse um pouco estagnado pela quantidade de dinheiro. – Mano você quer morrer? – Chaz disse um pouco alterado. – Ryan disse sorrindo e levantando o papel eram duas obras de arte. era um papel enrolado de longe parecia uma cartolina. Justin deu outro sorriso lindo. – Do cofre ué. e Chaz levantou verificando a assinatura do autor. – Justin disse indiferente. – Você é louco cara. – Eu peguei isso do cofre do Marcony.

– Justin disse e eu senti minhas bochechas corarem quando os meninos me olharam. aquilo era muito dinheiro. mas o que me deixa louco de verdade é quando você fala com essa vozinha de santa irrustida. Ele mordeu meu lóbulo e eu senti meu corpo arrepiar. os meninos estava entretidos e não olhavam muito para lá. – Vamos logo. – Brian voltou a pegar as notas. – Brian disse e todos olharam para ele. – Ryan abraçou o Justin bagunçando o cabelo dele e todos eles vibravam. – Eu gosto dos seus olhos. – Vai. – O que? – perguntei e mordi o lábio de baixo dele e soltei lentamente. porque eu vou namorar um pouquinho. – Cara eu vou comprar a minha mansão no caribe agora. Procurei a boca dele e a beijei com violência e desejo.. – dei uma gargalhada não tão alta. – Com isso daqui meu amigo. pegou em minha mão e fomos para o fundo do galpão. – Vou sentir falta dessas maquinas. – Chaz olhou triste para os computadores. – Chris disse feliz e os meninos riram. Isso se vendermos as obras em um preço baixo. – Tô ansiosa! – falei com um tom sexy o fazendo sorrir. – Vai ficar 100 milhões pra cada um fora o dinheiro que ainda nem pesamos. ele sugava os meus lábios da mesma forma. vai chega de Vadiagem vamos tirar essa grana daqui e explodir com esse galpão. – Justin balançou as obras.– Você Drew. – Vocês contam a grana e separam minha parte. Você é o cara.. E sem contar que vamos ter que sumir por um tempo ou acha que o Marcony vai deixar isso barato. – Cara acharam a gente aqui. Ele veio até mim sorrindo e me colocou de pé. – Explodir o galpão? – Ryan perguntou confuso. – meu deus quanta ostentação. não tem nem mais como ficar aqui. vai. – Ainda não esqueci que vou te levar em um motel. – Sabe o que eu mais gosto em você? – ele parou me olhando nos olhos. – ele disse nos intervalos que beijava meu pescoço. Senti quando os dedos dele tocaram .

– Pra onde vamos amanhã? – ele disse sério e olhando para mim agora. – Desde quando você tem irmãos? – perguntei ainda sem acreditar. E ele sorriu. – Acho que eles já estão acabando. São só filhos do meu pai. – passei meus braços em volta do pescoço dele. se era isso que ele queria eu iria. Justin acompanhou meu olhar virando a cabeça e olhando os meninos. – Quero ir embora logo. – Nunca me falou deles. – Pra onde você quer ir? – perguntei. – Até o papa pode saber da gente que eu não vou ligar. Nem sabia que ele tinha irmãos. – Pra casa? – perguntei confusa. – Você vai conhecer meu pai e meus irmãos.a minha cintura por de baixo da blusa. – ele mordeu os lábios e fez uma cara de cachorro sem dono. Mas ali não era lugar para aquilo. – Estava pensando em ir ver minha vó. Respirei fundo. – Vamos ué! – falei sorrindo. as mãos dele foram subindo lentamente até os meus seios. – interrompi o beijo. – O que. – ele disse feliz. – Tenho dois. – Justin aqui não. que tem ela? – Você quer que ela saiba da gente? – sorri pelo nariz e dei um selinho nele. – Justin. – Eu não posso ficar em Atlanta. – vi os meninos pesarem a ultima pilha de dinheiro. – Mas e minha mãe? – ele tocou nesse assunto pela primeira vez sem querer me obrigar a nada. . – tirei a mão dele de dentro da minha blusa.

embrulhando. – E seu pai? Você não fala muito dele. E ela deu um sorriso bem aberto. Logo agora que o Justin . CONTINUA. Justin pegou em minha mão e caminhamos mais para perto dos meninos. A porta do galpão se abriu e eles já estavam preparados para atirar. A pessoa ainda estava de cacete. depois ele virou para os meninos que estavam estáticos no galpão. Justin colocou o corpo na frente do meu me protegendo. Do nada escutamos uma moto acelerar do lado de fora.. – completou. – Brian gritou. parecia que ele iria desmoronar. Justin deu um passo para trás e passou um braço em volta do meu pescoço e depois ficou paralisado.É com você que eu estou Meu coração estava apertado.. Escutei quando Brian e Ryan engatilharam a arma juntos. Não queria que o dia da celebração se tornasse o dia da tortura. – Um casal. Realmente estava pedindo para levar um tiro. Os meninos abaixaram a arma na hora. mordi meu lábio inferior. Três segundos depois a pessoa fez o que Brian mandou. meu estômago. – notei que a voz dele não era a mesma. Quando vi aqueles cabelos loiros caírem para fora do capacete gelei. – Tira o Capacete e deixe as mãos onde eu possa ver. – ele disse com uma voz misteriosa. Ele passou a mão na cintura e estava desarmado. – Isso vai mudar quando eu voltar no Canadá. ele estava inquieto por estar desarmado. Ele me abraçou.– Já disse você ainda não sabe muitas coisas sobre mim. Mas todos estavam sem reação não acreditando no que estavam vendo. estremeci! Os braços do Justin me apertaram. Justin parou o beijo e me olhou assustado. havia dentro de mim uma confusão interna impossível de explicar. – Eles ainda são crianças. não daquele jeito. *-* Capítulo 22 . mas aquilo seria mais doloroso do que eu imaginava. Pude ver aqueles cabelos loiros voarem no vento me afrontando. – dei um sorriso. – Como é o nome deles? – Jazmyn e Jaxon. Dei um beijo calmo nele e ele me retribuiu e começou a brincar com a minha boca. Fomos pegos de surpresa nunca na minha vida eu iria imaginar encontrar com ela.

medo por perder a vida que eu estava tendo. – ela gritava feliz e aquele parecia mais um dos meus sonhos. – ela respondeu sem muito animo. mas nesse momento eu queria só uma mulher do meu lado. Senti as coisas piorarem quando Alexia se. Pisquei os olhos com força não eu não estava sonhando ela estava ali. na época eu era egoísta não aceitava ficar longe dela. – Justin. – Brian gritou e se deslocou com velocidade de onde ele estava. não foi fácil para eu a ver entrar pela porta e tirar aquele capacete depois de tudo o que aconteceu. não queria sentir aquilo. – Alexia? – Chris disse incrédulo. a Caissy.me passava confiança sobre o que ele dizia. Caissy deu uma leve afastada. e sim eu teria que ser mais forte e não demonstrar que eles me perturbavam. Estava atordoado. parecia que tinha uma caixa de som controlando as batidas dentro de mim. Medo por ter aquela vida de volta. . Não queria demonstrar emoção. logo agora que os olhos dele me mostravam que eu realmente era importante. e enfiei a cabeça no ombro dela sentindo o cheiro doce e sutil que os cabelos dela tinham. – Como você está gostosa. – demorei um pouco para responder. – Brian. mas era impossível. A Alexia marcou muito a minha vida. mas hoje eu tenho alguém que me faz melhor. alguém que faz as pequenas coisas se tornarem grandiosas para mim. Senti minha cabeça latejar. – Humhum. É normal que minha mente fosse tomada por pensamento terríveis e cruéis. – ele a abraçou e a ergueu. Me senti abalado por ter a pessoa que eu mais amei de volta e sentir medo. mas agora eu já não queria mais isso. POV Justin Sempre soube que ela voltaria pra casa. Por mais que ela quisesse o melhor para ela. – Alexia. Senti o corpo da Caissy enrijecer em baixo do meu braço. E a abraçou a erguendo. – a Caissy me tirou dos devaneios. – Justin você está bem? – Tô. – E você está bem? – perguntei. mas de uma coisa eu sei não vou errar é a Caissy que eu quero. Mas meu coração estava disparado e minha boca estava seca. Cada vez que ouvia o nome dela sentia uma dor rachar meu cérebro. O meu passado já tinha morrido. –Caralho! – Chaz falou surpreso.

mas eu não estava disposta a entregar tudo de bandeja para ela. Mas é claro que eu não estava bem. – Tô bem. – Estava com saudade de você também. – Você e o Justin estão juntos há quanto tempo? – ela perguntou forçando simpatia. – ela sorriu sem graça. – Oi. Ela foi sim um grande amor pra ele. mas pra mim não mudaria nada. – quebrei o silêncio. – Caissy respondeu com um sorriso lindo no rosto. . – Oi Alexia. pois eu sempre vou amar ele. – respondi ainda muito estagnado e me afastei do abraço. – dei um sorriso amarelo. o olhar não era mais o mesmo. – um silêncio pairou e ela ficou me encarando– Essa é a Cassidy. – Oi Justin. só estava a observar aquilo tudo. Em outros tempos daria o mundo para ver aquele sorriso de volta. – ela se precipitou e me abraçou. – Oi.– Que saudade de vocês. E a Alexia sentado no sofá ao meu lado começou a puxar assunto. – ela falou simpática e beijou o rosto dela. Isso poderia ser notado só em olha-la no jeito de se vestir. Olhei para Caissy e ela estava serena não tinha expressão no rosto. – ela veio na minha direção sorrindo. – Como você está? – ela estava diferente. Não sei como seria a nossa relação. – Minha namorada. – Já faz um tempinho. não vou deixar que duvidas e incertezas atrapalhe o que eu sinto por ele e nem o que ele sente por mim. Na noite em que ele diz que me ama por um acaso a Alexia o amor de perdição dele volta. – trouxe a Caissy para perto de mim. Será que tem alguém contra mim lá em cima? Vou ser forte como sempre fui em toda minha vida. – Já terminaram de contar essa porra? – fugi da conversa indo para a mesa onde estava o dinheiro POV Caissy. Ela olhou a Caissy por um tempo sem dizer nada. mas agora eu só queria estar longe daquilo tudo. Os meninos se divertiam contando o dinheiro e estava parada com os braços cruzados encostada no sofá viajando.

– Mas agora. – Eu deveria ter chagado mais cedo. – Estava com tanta saudade disso aqui. – ela acompanhou o meu olhar quando o Justin me mandou um beijo ele estava ajudando os meninos. . Namoro arranjado para amenizar o sofrimento do Justin? – olhei para ela com uma expressão bem sínica. – Hum.– Se conheceram aonde? – ela estava tentando puxar assunto. – respondi sem assunto. Dei um sorriso.. – Mas acho que eu cumpri o meu dever. – ela respondeu com tanta seriedade. – Hum. – Porque não voltou antes? – Tinha coisas importantes para fazer. – Na casa dele. – ela disse como um aviso e depois saiu indo até os meninos sem me dar tempo para resposta. mas eu não me sentia tão confortável em falar do meu relacionamento logo com ela. Ter a vida dela de volta? Franzi o cenho tentando entender se era isso mesmo o que ela quis dizer.. – bufei e falei pensando um pouco alto. – Voltei para ter a minha vida de volta. – ela molhou os lábios e se levantou parando em minha frente de forma que só eu via o que ela fazia. – dei de ombro dando um sorriso falso. – Contando as verdinhas. É a minha convivência com ela não seria nada boa. – Na casa dele? – ela arqueou as sobrancelhas. – Sou sobrinha de consideração da Pattie. – ela disse mudando de assunto e examinando o galpão. – Ai meu deus. – Não acredito acabaram de fazer outro roubo? – ela falou empolgada. – Chris disse feliz.. – a voz tinha mudado de angelical para um tom ameaçador. – Agora eu já voltei.. – Eae o que você estão fazendo? – Alexia falou se juntando aos meninos. – É pode ser. Ela me fuzilou e sutilmente estávamos trocando farpas.

– Justin já estava guardando o dinheiro na mala dele. – Ô Chris cadê o isqueiro? – Brian perguntou e Chris jogou o isqueiro para ele. – Pode dividir três pilhas para cada um que vai dar aproximadamente 32. E depois de um tempo uma chama subiu e a garrafa tinha explodido. . – Isso pode colocar os federais na nossa cola. Quando o Justin saiu do galpão com a jaqueta na mão dei um sorriso e ele veio até mim. Justin começou a fazer a mesma coisa que o Brian. – Caissy vem cá! – ele falou já pronto pra colocar fogo na garrafa. eles planejaram os primeiros roubos ali. – Eu não peguei isso para vender em leilão baixo. Eu estava com o corpo escorado no capô da Ranger Rover mexendo no celular. – ele pegou a mala e saiu do galpão. Todos olhavam as primeiras chamas se espalharem ali. – Depois vamos vender em leilão alto. – Demoro! – Ryan separou as pilhas dele. Brian abriu a garrafa e enrolou um papel colocando na boca da garrafa.– Aqui tem cerca de 164. – Justin cortou o que Alexia dizia. pois foram descobertos e ali já não era tão seguro quanto antes. – Acende. – E as obras Justin? – Deixa com o Chaz. Chris e Brian já tinham trocado de roupa estávamos todos do lado de fora do galpão só esperando o Justin.7 milhões de dollars. Ele arremessou a garrafa dentro do galpão.94 milhões pra cada um. – ele me entregou o isqueiro. Depois ele acendeu a ponta do papel que em segundos a chama se espalhou. – ele falou sério. Brian estava com uma garrafa de bebida na mão quando o Justin saiu com outra de dentro do carro e uma folha na mão. – Segura pra mim? – ele me entregou a jaqueta e foi pegar algo dentro do carro. mas agora teriam que achar outro lugar. – Leilão alto? Isso é perigoso Justin. Coloquei a jaqueta dele em cima do carro e o celular no bolso e me aproximei dele. vou vender em leilão alto. Colocaram os carros que usaram no roubo dentro do galpão iriam queimar tudo para não sobrar provas e nem vestígios. – Chris falou.

– E é com você que eu estou! – o braço dele ainda estava em volta do meu pescoço quando ele arremessou a garrafa incendiando outra parte do galpão. Justin estava de pé atrás de mim encostado em um corrimão com uma das mãos na minha cintura e a outra segurando o seu copo. Os carros dos meninos estavam indo na frente e eu e Justin logo atrás. e eu e Justin nos viramos para ver o que ele queria.Demorei um pouco para entender. mas acendi a garrafa. – Vou comprar o meu jatinho agora. As chamas do galpão estavam crescendo. os meninos estavam bebendo. – Ryan disse e eu notei o Brian com o pensamento longe. – Ryan chamou nossa atenção. – dei de ombros pra mim não fazia diferença. mas era tudo moderado. A casa do Ryan para a surpresa de todos nós era outra mansão diferente da casa do Justin não era cheia de seguranças. – Ae casal. – Eu amo você! – ele me deu um beijo rápido e passou a mão livre em volta do meu pescoço. meu corpo estava relaxado escorado no dele. – Justin deu a volta e entrou no carro e depois eu entrei. – Tô pensando seriamente em mudar de casa. Vi o fogo começar a pegar no papel. – Demoro ir lá pra casa? – Justin voltou a me olhar e nossos narizes se esbarraram. –Você vai fazer o que com o seu dinheiro? . mas eu permaneci só tomando coca. A moto da Alexia passou por nós. Dei um pequeno pulo de susto e o Justin riu. tinha alguns. – Quer ir? – ele falou em um sussurro. – Você que sabe. Acho que aquilo foi um jeito dele me dizer que para não ficar insegura em relação à Alexia. – E você Brian? – chamei a atenção dele. e uma explosão nos assustou. Abracei-o com força e escutei os batimentos do coração dele. o fogo devia ter chegado a algum carro. – Chaz disse feliz. – Ae Ryan a gente vai sim. e nossa ela corria feito louca. Estávamos do lado de fora da casa na área externa da piscina. Ele me puxou pra perto dele e segurou a garrafa um pouco longe de nossos corpos.

– Chaz disse abrindo uma cerveja e enchendo o copo do Chris. – Chaz chamou o Justin. – Justin. – E a sogrinha? – todos viraram a cabeça no mesmo minuto olhando ela incrédulos. – O que a vovó tem? – ela estava era a fim de puxar mais assunto isso sim. – Também senti muito sua falta Alexia. Sei que já tinha implicância e ciúmes dela bem antes de conhecer. – Alzheimer. – Alexia estava sentada em uma cadeira próximo a mim e eu Justin. – Alexia chamou e eu senti meu corpo enrijecer. – Chaz traz outra cerveja pra mim? . – a voz dele parecia não ter muito animo em responder ela. – Eu estava com tanta saudade de vocês. E eu conhecia bem aquela voz de quando ele não queria assunto. Todos estavam conversando enquanto ele mordia a maçã do meu rosto. – ele abraçou a Alexia de forma carinhosa e eu senti uma eletricidade de ciúmes passar sobre mim. Ele me virou para ele e eu sorri. ele abriu um pouco as pernas e eu me encaixei no meio delas ficando ainda encostada nele. – Digo a Pattie. O engraçado era ver o Justin ele estava sendo tão indiferente. ela sorriu mandando um beijo para ele. – Mas o que eu quero agora é curtir um tempo com a minha irmãzinha. mas só isso. – Ela está no Canadá. agora eu teria que dividir o meu lugar com ela? Eu era a única garota no meio deles antes. parecia que não estava nem ai com a presença dela vi os dois trocando algumas palavras. – ele se levantou ficando mais próximo da alexia. – não sei o que é. – Preciso fazer uma visitinha agora que eu voltei. Eu entortei um pouco o nariz. – ele foi seco e grosso novamente. ele estava distante. só que de frente. mas o meu santo não bateu com o dela.Justin pediu outra cerveja cortando completamente o assunto com ela. – ele disse ainda brincando com o meu rosto – Ae JB. mas o jeito dela não me convenceu muito. – Meu deus! – ela falou chocada. cuidando da minha vó. depois se aproximou e encheu o copo dele.– Ainda não sei. – ela sorriu sem graça. – Eu queria estar em casa. muito distante dela. . – Como ela está? – Tá bem! – Justin foi seco não demostrando nenhum tipo de emoção.

– Você ainda quer ir pra um motel? – ele perguntou sorrindo. – Ainda tenho todos os meus sentindos. né? – ele meteu a mão na minha bunda e a apertou com força. – falei para ele que já estava no terceiro copo porque o primeiro foi de Whisky. – Ryan disse e fugiu do Brian fazendo todos rirem. me atiça e foge. – Lógico! – dei um beijo rápido nele. – Ryan onde é o banheiro? – Alexia falou alto chamando a atenção e por força do hábito eu virei para olhar o que estava acontecendo. – Brian deu um soco de leve no braço do Ryan. – Pode ser amanhã? – ele perguntou. Furão. – Mas não quer dizer que só porque não vamos para um motel que você não pode me recompensar em casa. – Você me assanhou. – Tudo bem? – Tô. Pode usar o do meu quarto. – Vamos embora? .– Valeu. – Sim senhora. – ele riu. Não estou a fim de morrer antes de conhecer um motel. – Justin? – chamei o tirando do transi. – ele falou esbarrando os lábios nos meus. – Eu não sei dirigir. – Olha a brincadeira com a minha irmã. – Só subir as escadas é a terceira porta a direita. Parei e fiquei olhando para ele. – ele balançou a cabeça e me deu um selinho. – De amanhã não passa. Mas agora a curiosidade está falando bem mais alto. – ele falou em um tom brincalhão. – Você é um safado! – selei nossos lábios com força. não tinha vontade em conhecer. – Nós somos safados. – gesticulei com o dedo e ele me beijou e puxou meu lábio inferior. menos o Justin que estava sério e com o olhar perdido. – Ryan sorriu safado. – ele sorriu me fazendo sorrir também. – Cara sua irmã tá uma gostosa. – ele falou pro Chaz que saiu com o resto da cerveja na mão. – Espero.

Achei a terceira porta a direita e entrei. – Se você não cuidar disso vai inflamar. – dei outro beijo nele. – Mas você está fazendo o curativo errado. mas se você continuar fazendo isso vai inflamar. – me encostei-me à porta observando o que ela fazia. – Ah! – ela me olhou assustada. Queimei na moto. – me aproximei dela. – Nossa.. – ele bateu na minha bunda e eu olhei feio para ele. mas não. me esqueci que o escapamento estava quente. – Por um acaso você é médica? – ela disse se alterando. – Ryan colocou a mão no meu ombro e o Justin olhou feio. – sussurrei. – me senti sem graça com o comentário. Ele sorriu. Onde é o banheiro mesmo? – É hoje. é hoje que as mulheres do Drew querem fazer festa no meu quarto. – Todo cheio de graça. – Obrigada pela dica. – Não foi nada.. – escutei a voz brava do Justin e depois risadas. E vai ficar nojento – falei me defendendo no mesmo tom que ela. – Tomou um tiro? – ela perguntou mudando de assunto e olhando o meu machucado. – Meu amor. – Preciso fazer xixi antes. Mas foi feio em. – Não. – Justin disse e deu um gole na cerveja. revirei os olhos e continuei subindo as escadas. – Ryan. – falei inocente. Quem tinha contado isso pra ela? . Achei aquilo nojento ela estava com uma ferida na perna e nem colocou nada para proteger. – ela piscou e cobriu o machucado com a calça. – Eu espero que você não tenha mandado a Caissy para o seu quarto. – É só subir as escadas é a terceira porta a direita.. – Para com isso. – É. ela estava com uma maleta de primeiros socorros em cima da cama com a calça dobrada até o joelho e limpando um machucado que parecia ser recente.– Vamos. Pensei que a Alexia já tinha descido. mas estava tampado não dava para saber que eu tinha tomado um tiro de raspão. E ela se assustou com a minha presença. – dei um sorriso e fui seguindo as instruções dele.. – Tá bom.

– falei entre o beijo. – comecei a rir ele tinha tocado um ponto que fazia cocegas. – Justin! – falei enquanto mordia os lábios dele delicadamente. – É. – ela começou a guardar as coisas que estava usando.. – Como você sabe? – perguntei sem entender. – Hum. – me fiz de desentendida.Franzi o cenho e não entendi. –Que foi? – ele perguntou com uma voz de inocente como se não tivesse feito nada. – Justin. entrelacei minhas pernas na cintura dele. – Hum. – Hum. – não me lembro em que hora eles falaram isso. Abracei ele e nossos lábios se sugavam com ferocidade.. – Vamos embora. Ele me deu impulso e o meu corpo saiu do chão. – Caissy? – ele chamou e eu me recompus. Me dando um beijo. – As mãos dele passaram na minha cintura e depois pararam na minha bunda. – Para! – o afastei definitivamente. mas tudo bem. Ele deus uns dois passos parando bem em frente à porta do quarto do Ryan. – ele disse descendo para o meu pescoço. . mas ele ainda continuava brincando com o meu pescoço. – Ta me chamando. de raspão. Quando escutei a voz do Justin no corredor. – ele resmungou. – Caissy? – ele fez uma carinha triste e eu desci do colo dele. – Estava arrumando a minha maquiagem. – Já devem estar sentindo a minha falta. – Justin para. – Nossa que demora. – apareci no corredor. Fiquei parada ainda tentando entender o que foi aquilo. – respondi confusa. – tentei afasta-lo. – ela disse sorrindo e depois saiu do quarto. – Os meninos estavam contando. – Tomei. apertou minha bunda e colou nossos corpos. – ela gaguejou.

– falei o lembrando de que não estávamos em um lugar apropriado. – Lava a sua boca para falar da Caissy.. – Larguei a mão dele e fui para a parte externa da casa e ele foi para o carro. – Vou dar tchau para os meninos. – ele bufou – Vamos embora logo antes que. – ele balançou a cabeça sorrindo e não terminou a frase. – ela disse com um sorriso safado no rosto e eu fiquei sem reação. – Por isso que digo que temos que transar aqui. – Pelo menos o Brian. – ele disse tentando me convencer. – Alexia parou em minha frente. . – parei abrindo a porta do carro e ela entrou na minha frente de novo. – Nada disso. – Gostei disso. Senti minhas bochechas corarem e ele sorriu safado. – parei o beijo. Estava indo para o carro quando senti mãos agarrarem meu rosto e taparem meus olhos. – ele me deu outro beijo e depois mordicou minha bochecha. – A gente está na casa do Ryan. – Vamos embora. – Não Caissy. – Amor? – ele perguntou com aquele sorriso lindo no rosto me deixando mais sem graça. – Acho que você errou. – O que você quer? – falei nervoso.– Amor.. – Caissy? Já deu tempo de dar tchau para todo mundo? – perguntei confuso. – Oi. a gente está na casa do Ryan. Um silêncio pairou e depois eu escutei uma voz que eu desejaria nunca mais escutar. você vê esses panacas direto. – Tá bom. – ele me olhou estreito e eu fiquei sem graça. – disse enquanto descíamos as escadas. Nunca tinha o chamado daquele jeito. – voltou a me beijar. Porque aquela vagabunda não desgruda de você nem um minuto. Ah não. POV Justin... – Só assim pra gente ter privacidade e ficar sozinhos.

– ela me abraçou e eu pude sentir o cheiro tentador dos cabelos dela. Vi a fúria chegar ao rosto dela.– Ual. e você também pode. Porra Justin. Mas tanto eu quanto você sabemos que isso é impossível. mas que merda você está fazendo? Vai cair no papo dela? Minha mente lutava contra aquele beijo.. Eu sei que você ainda me ama. – ela falava descontrolada e aquelas palavras me atormentavam. aquilo era um sentimento abominável. Amor? O que eu sentia por você não era amor. – O que. – falei tentando me livrar dela. Você me ama e está usando aquela pobre garota para me substituir. – Não acredito que você está me rejeitando. Eu quero mudar. – tentei entrar no carro e ela me impediu mais uma vez e aquilo já estava me irritando. aquilo fazia mal para mim e para você. – falei com toda a sinceridade do mundo. – Alexia para. mas uma parte de mim queria aquilo. que você quer Alexia? – perguntei sem paciência quando ela me impediu de entrar novamente no carro.. – ela disse sarcástica. – limpei a boca com as costas da mão. –Jus eu estava com tanta saudade. mas eu estraguei tudo. sinto muito. mas ela lutou contra isso. – Alexia me solta.. – Eu sei que você também sentiu minha falta.. – ela começou a passar a mão pelo meu corpo sendo um pouco provocante. – tentei me livrar dos braços dela. – Pois é. – Não chega perto de mim. – Você nunca fez mal para mim. – Ah Justin. Eu sei que você quer. – ela juntou nossos corpos. – Me solta! – a empurrei quebrando o beijo e ela ficou me olhando sem entender. – Eu sei muito bem da sua loucura e a sua fascinação por mim. . – Você não sabe o que está falando. não minta para você mesmo. mas eu a empurrei sendo um pouco rude. – Fiz. – Você sabe que eu fico muito excitada quando você fica agressivo. E eu fui perdendo a noção até que me beijou. Você podia ter uma vida diferente. – ela disse incrédula.

E nessa vida que eu estou vivendo só tem espaço para uma mulher. Você partiu você desejou ficar longe de mim você deixou tudo para trás. eu aprendi a parar de correr atrás de você. – Eu tô com a Caissy. – Eu não morri. POV Caissy.– Eu não quero mudar! – ela falou nervosa. – Como você pode dizer isso? Depois de coisas lindas que vivemos. A nossa história já morreu. Foi e não voltou.. Vai Brian. – eu e os meninos gritávamos em couro enquanto o Brian virava um copo gigante cheio de bebidas misturadas. – gritei e ele matou a bebida e depois bateu o copo na mesa fazendo eu e os meninos vibrarem. Vai Brian. o que eu vivo com ela está me tornando uma pessoa melhor. Ela gargalhou com maldade. a Caissy. A nossa história não acabou. – destaquei o nome da Caissy mostrando o quanto ela era importante para mim. agora que eu voltei. O que eu sinto por ela está me fazendo cada vez melhor. mas agora isso já está bem mais claro para mim. Eu sei o que eu quero e sei com quem eu vou ficar. Espero que você seja feliz. as coisas são bem diferentes. – Vamos ver se é isso mesmo ou se você só está fugindo de mim. – Vai Brian.. tô feliz. porque nós já não temos mais futuro juntos. E agora não tem mais volta. – ela saiu nervosa e voltou para dentro da casa. Vai Brian. – Eu ainda vou ser a Alexia de dois anos atrás e eu quero o que é meu de volta. – Para mim não vai mudar em nada. – O meu tempo não passou. – Isso você podia dizer enquanto eu estava fora. porque eu estou sendo. Eu vou ter você de volta! – O seu tempo já passou. – Para mim a nossa história já acabou desde que você foi embora. Infelizmente a nossa realidade é essa. – Vai Brian. Hoje eu não quero mais eu aprendi a parar de ir atrás de você. Eu só não conseguia aceitar. E você mais do que ninguém sabe disso. não vou desistir tão fácil de você. – Você se foi. . para não se magoar de novo. você decidiu ter liberdade. – Você decidiu voar.

. queria ver ele soltinho. – Tchau meninos. – Vou ir lá. você é de mais. – encostei-me à porta do carro tentando assustar o Justin que estava com a cabeça deitada no volante. – Não sabia que tínhamos uma irmã bastarda. – Boo. – O Bieber está fugindo de festa? Ual Caissy você está mudando o garoto. Dei um sorriso gostando do que ele tinha dito. – Também te adoro Brian. – Percebi que muitas coisas mudaram com a minha ausência. a gente se adotou. – dei um sorriso forçado e desci do colo do Brian. – distribui vários beijos melecando o rosto dele. Ele levantou a cabeça e eu notei que ele tinha alguma coisa. – Brian passou a mão no meu pescoço me abraçando. – Ele está cansado. – Chaz gritou de algum lugar que eu não o via. – Ryan e Chris falaram em um coral. Meu amor. – Acho que você está se enganando. – dei um beijo no rosto dele e ele me abraçou forte. – É Ale. Esse negócio é só entre mim e o Brian. – Maninho? – escutei a voz da Alexia em um tom irônico atrás de nós. queria ver o Brian bêbedo. – Tchau Caissy. – Vou nessa Brian. – me soltei dos braços de urso dele. – Te adoro pequena.. – ela saiu e pegou uma cerveja. Revirei os olhos e sai rindo.Essa brincadeira só começou por minha causa eu tinha apostado um negócio e ele perdeu então mandei fazer isso.. – ela disse dando uma leve alfinetada. – Já? Cansou de comemorar? – Justin quer ir embora. – Você é o foda maninho. – Tchau Caissy. – Quem é o foda agora? – Brian bateu no peito e eu pulei no colo dele. – ele entortou o nariz.

. Acendi as luzes e ela entrou no apartamento analisando tudo com muita curiosidade e surpresa com o que via. Abri a porta de casa e Alexia estava logo atrás de mim. – Você não estava aprontando em Miami. Continua.Sexy love. – O que aconteceu? – dei a volta e ocupei o meu lugar no carro. . – ela puxou um banco do balcão e sentou e ficou fazendo linha imaginarias no vaso que tinha ali em cima. porque a final minha mãe não voltava porque tinha sofrido de mais nessa cidade por causa dela. – E você está morando onde? – Hotel. – Como conseguiu a moto? – perguntei muito desconfiado.. e aquela moto não era nada barata. – Brian.. Sorri pelo nariz. – Você está morando muito bem. – ela deu de ombros e eu fui para a cozinha e ela me acompanhou.apenas com o olhar que ele me deu sabia que tinha acontecido algo. POV Brian. estou limpa já faz um bom tempo. – ela deu um giro lento e pequeno na sala. ela estava com uma Kawasaki ninja 600r. – Depende do que você julga aprontar. – Não veio junto por quê? – perguntei desconfiado. estava? – essa era a segunda pergunta que queria fazer para ela depois que a vi. – Ela ficou em Miami. – ela disse com cautela. – Mamãe não volta pra Atlanta nem pintada de ouro. – ela disse com deboche. – Estou limpa. – ela me olhou séria. *-* Capítulo 23 . Preciso de um banho. – ela falou com um tom espantada.. – Drogas? – sugeri. – ele engatou o carro e saímos dali. – Mamãe ficou onde? – perguntei e vi o corpo dela estremecer e uma cara de preocupação surgir. – Juro Brian. – Nada. E a encarei não acreditando.

– Quem disse? – ela arqueou uma sobrancelha. – falei sério. Percebi que ela procurava as palavras certas para me convencer que voltou de boa. – Voltou pra que? – essa era a ultima pergunta do meu questionário. – Alexia. o que você e o Justin tinham já acabou há muito tempo. – Então se você voltou vai ter que aprender a respeitar ela. . – Como se ela fosse da minha família. – A gente é irmão de alma e isso é muito além da amizade. Ela riu achando graça. – O que? – ela falou incrédula. Mas eu e Caissy temos algo muito além que amizade. – ela falou serena. mas era a mais importante. – Você também está atraído pela piveta? – Claro que não.– Jogo. – Anda apostando? – bati as mãos no balcão e ela se assustou.. – Voltei por que. – Não viaja. mas eu conhecia a Alexia como a palma da minha mão e sabia que no mínimo as coisas devem ter ficado feia pro lado dela em Miami. tá louca? – tentei concerta o que eu disse. – ela tentou explicar. E eu voltei para ter ele de volta. – alertei.. – Mas joguei umas três vezes e depois troquei o prêmiopela moto. – Na boa você leva esse negócio de irmandade a sério? – ela perguntou ainda risonha. – ela riu sombria. Não.. minha irmã era uma pirada. – Aqui não é mais o seu lugar. – Vocês dois não nasceram para viver juntos.. – falei com cuidado procurando as palavras certas. – O meu lugar sempre vai ser aqui e ao lado do Justin. – ela falou um pouco arrogante. porque quem está com o Justin é ela. – Conheceu a Cassidy? – tentei lembrar que tinha outras pessoas na parada e ela me fuzilou.. Deixei uma coisa importante pra trás.. – Vai ficar do meu lado ou do dela? – Meu sangue é você. – Sempre. – falei com calma.

Fui para a varanda. – Não aprontei nada. mas a confiança era pouca. Alexia estava revoltada e isso ela deixava transparecer em cada palavra que dizia. ele estava sentado na cama assistindo o noticiário que dizia: “E nesta noite fomos pegos de surpresa com a ação de bandidos ao banco de Atlanta.– Ainda bem que não é! – Pretende ficar aqui por quanto tempo? – Tempo indeterminado. Minha mãe nunca a deixaria voltar pra ficar. – a puxei para um abraço. – Odeio essa falta de confiança. Seja feliz vivendo o presente. Quando entrei no quarto do Justin. – Você sabe que vou descobri. com a maquiagem preta forte para destacar os olhos. Tomei banho no banheiro do Justin e passei de toalha indo para o meu quarto trocar de roupa quando ele assobiou me fazendo rir. Já não era mais a minha menininha. – Então não tente ser feliz dependendo do passado. – Você procurou por isso. Demorei um pouco escovando os cabelos. Ela saiu andando pra sala e foi pra varanda. senti meu braço latejar quando terminei. o roubo foi feito no silêncio e a policia só descobriu quando um guarda que . POV Caissy. – Vai continuar mentindo ou vai me contar o que. Um pouco antes da troca de seguranças três pessoas encapuzadas conseguiram entrar no banco e levar uma boa quantia em dinheiro. Teria muitos problemas com ela e isso só estava começando. – ela falou nervosa. – ela disse assim que notou minha presença. – a alertei. Voltei pra ficar! – matei a charada. – Só quero ser feliz de novo. – falei sério. Coloquei uma blusinha apertada e uma calcinha que parecia um shortinhos. – ela tentou me convencer. que você aprontou em Miami? – falei com paciência. já não era mais a garotinha que se sentava à mesa de casa e fazia todos sorrirem sendo angelical. com aquelas roupas pretas mostrando o quanto ela estava rebelde. Não tivemos reféns e nem negociação. Respirei fundo por mais que tinha ficado feliz em vê-la sabia que a Alexia aprontava de mais e isso me preocupava tanto. ela tinha aprontado em Miami. Aquela mulher.

O corpo dele me prensou contra a parede deixando minha respiração ofegante.. entre tantas outros caras que poderiam me dar uma trajetória mais fácil. – O roubo foi feito com perfeição. agora era. – Que foi? – tentei parecer inocente sem deixar de sorrir. Nossos corpos se tocavam com prazer. Carinho e malicias. – Tá fraco ainda. “provocou agora aguenta”. – Somos profissionais. mas desta vez o sentimento falava mais alto. – provoquei querendo algo mais quente. Parece que esses bandidos sempre estão a um passo a frente do que imaginamos. que poderiam me fazer mulher . – Sou profissional no que você quiser. mordi os lábios inferiores e ele riu.estava entrando para cumprir sua jornada de trabalho achou os amigos sedados e acionou o alarme. mãos e pernas. mas a cara dele não era mais. minha excitação aumentava a cada vez mais que via o volume que tinha naquela cueca boxer rocha. e eu sorri maliciosamente enquanto ele beijava meu pescoço. nossos olhos se cruzaram e as mãos dele entravam em baixo da minha blusa para me livrar dela. Em outras coisas também? – mordi o lábio inferior e enrolei uma mecha de cabelo no dedo. – Você é profissional só em assalto a bancos ou. – ele disse um pouco convencido e eu ri. aquele cuidado espontâneo. eu ali parada vendo o noticiário com o bandido na minha frente. já sentia minha pele queimar em baixo do toque dele. ele se deitou com cuidado em cima de mim e eu adorava aquilo. A verdade é que o meu coração escolheu ele. Irônico isso. – Ual. Quando as mãos dele chegaram junto de mim. Ele se afastou um pouco e me olhou com as sobrancelhas arqueadas e um sorriso safado no rosto. braços e toques. O Cofre do bilionário Marcony foi violado e levaram alguns pertences valiosos junto com o dinheiro. Nossos lábios se selaram em um beijo quente e ansioso. A policia não tem nenhuma pista de quem possa ser essas pessoas. Sentia o meu corpo se arrepiar a cada vez que a boca dele passeava por ele. – ele levantou vindo até mim. provocando ele. – falei impressionada. nosso corpo se envolvia em uma perfeita sincronia.. “vamos fazer sexo Caissy”. pois o roubo foi feito com perfeição e muito cuidado para não deixar qualquer tipo de provas.” Eu desliguei a TV. Ele tirou a camiseta e lançou em algum lugar do quarto. Justin teve facilidade em me levar pra cama.

E o propósito do destino? Não interessa quando estou com ele. por nós. Sentia a parte da frente do meu cabelo molhada. meu desejo adolescente. em mínimas palavras as coisas são resumidas assim e foi isso que aconteceu comigo. Minha atração camuflada. me torturando. – ele deu uma espiada em baixo da cueca e eu ri. . Coloquei a camiseta dele que estava pendurada na cadeira. Minha vida tinha mudado completamente da água pro vinho. minha paixão. Ainda estava sorrindo feito idiota na frente do espelho quando Justin gritou. Aquilo era intenso. – Vem cá! – ele gritou. Olhei-me no espelho e sorri ao olhar o meu reflexo lavei meu rosto e a nuca que estava pegando fogo com tanto calor.de outras formas. enquanto olhava o Justin deitado de bruço na cama com algumas gotas de suor nas costas. Vesti minha calcinha e o sutiã e fui até o banheiro. paixão desenfreada que está se tornando em um amor absurdo. – zombei e ele se sentou no meio da cama. – Porque eu acho que o colega aqui de baixo consegue ficar de pé rapidinho. Há um tempo atrás estava trancafiada dentro de um convento me perguntando onde estava minha felicidade? Hoje eu estou aqui vivendo a felicidade. Insaciável eu me tornei depois que conheci o Justin. Ele se posicionou entre minhas pernas e eu soltei um gemido baixo quando ele começou a brincar comigo. Aproximei-me e sentei no colo dele com envolvendo as pernas em volta da cintura dele. Sentei no membro dele e praticava movimentos devagar com as mãos dele na minha cintura. – Que foi? – Vai outra? – ele perguntou fazendo um sorriso safado. Estava tendo a maior sensação de conforto do mundo. Sei que preciso lutar muito por ele. – Caissy. Sem paciência troquei de posição e passei a ter controle da situação por alguns instantes. – levei um leve susto. Sai do banheiro para ver o que ele queria e ele ainda estava jogado na cama preguiçosamente. – Tem certeza? – ele perguntou. minha convivência. Justin não é o tipo de cara que gosta muito de ser dominado. ele foi o escolhido. – Você não está aguentando nem ficar de pé. ele voltou a ter o controle de tudo novamente e sem brincadeiras e torturas começou a entocar de forma rápida e prazerosa.

– Tem certeza? – ele me apertou com força contra o corpo dele e fazendo eu me encaixar de um jeito prazeroso em cima do membro dele por cima da calcinha. – Mas você adora a besta aqui. – ele disse rindo querendo provocar a final eu tinha perdido. – me sentei de novo no colo dele e dei um beijo rápido. – Você bem que podia ter me deixado ganhar.– Não queria judiar. Quando cheguei à cozinha ele já estava sentado no balcão me olhando sério. – Você vai comer o que eu fizer! – ele ergueu a sobrancelha e ficou me olhando com um sorriso debochado. que é? – falei ainda rindo muito. – falei tentando parecer triste. Enchi o meu copo com refrigerante não sabia o que o Justin iria beber então não coloquei nada pra ele. Já estava na ponta da escada quando o escutei descendendo pela escada de trás. O telefone começou a tocar. – Quem chegar à cozinha por ultimo faz o lanche. mas no pique que eu estou seu amigo não aguenta. . Dei um sorriso malicioso e me soltei dele ficando de pé. Fiquei fazendo o lanche. que trapaceiro! Até parei de correr ele já tinha ganhado. – eu gargalhei alto caído pra trás mas com as pernas ainda em volta da cintura dele. – Quero lanche de com sabor de picanha e duplo cheddar. – Eu estou morrendo de fome. – ele disse e nos encaramos parecia que ele sabia o que eu estava pensando e eu sabia o que ele iria fazer. – Achou mesmo que ia ganhar de mim. não olhei nem pra trás o Justin era bem mais rápido que eu. mas eu estava ocupada.. – Como é que. – Tá com fome? – ele perguntou e eu balancei a cabeça. ele pegou o telefone e saiu pra lá par atender. Na verdade eu só tinha que esquentar porque era de microondas. Os lanches já estavam prontos quando ele voltou. – ele perguntou debochando.. – Corta essa. – gritei e pulei da cama saindo correndo pelo corredor indo em direção para a cozinha. – ele disse rindo. E o cavalheirismo? – perguntei me fazendo de vitima. – Você é muito besta. – Acho que você não deveria duvidar da capacidade do Bieber de baixo.

– Contou do roubo pra ela? – Na verdade ela já sabia. – Coca. só ligou pra saber se estávamos bem.perguntei confusa. – Fazendo o que. – Já sabia? – perguntei confusa. – a mulher disse e eu conhecia aquela voz. – Mas já? – Não quero ficar em Atlanta. –sai andando na frente e ele veio atrás de mim. – Minha mãe. agora quatro? – ele perguntou confuso. – Vamos dormir vai. Comi meu lanche todo e tomei mais uns quatro copos de coca enquanto o Justin ficava falando besteira me fazendo rir. – Eu estava com vontade ué! – Vontade é você tomar um e pronto. . você já falou de mais. – ele disse me fazendo rir. – Caissy se você fizer xixi na minha cama. sai procurando ele pela casa quando estava descendo as escadas tinha uma mulher sentada de costa para mim no sofá. – Não acredito que você está fazendo isso comigo. – Avisei que vamos pra lá amanhã. te acordo na porrada.– Vai beber o que? – perguntei quando ele colocou o telefone de volta na base. – Ela viu pela TV. – Quem era? – perguntei curiosa. – ele disse com um tom preocupante. Levantei e não encontrei o Justin na cama. – ele olhou pro meu copo. E eu peguei um copo pra ele.

– ele abraçou minha mãe. – o homem disse e eu voltei correndo pro quarto chorando. Justin não estava mais do meu lado ele já tinha levantado.– Como você pode estar se deitando com esse homem minha filha? – a mulher se virou mostrando que era minha mãe. uma angustia começou a tomar conta de mim porque eu não sabia o que estava acontecendo. e ser confortada com ela me dizendo que tudo não passou de um pesadelo. Me troquei e desci encontrando Nanely e Guadalupe na cozinha.. – Como você pode fazer isso comigo Caissy? – ela começou a chorar e eu não estava entendendo nada. – Mãe? – perguntei confusa. – O que você está fazendo aqui? – perguntei nervosa o repugnando. – Justin. – minha mãe dizia em meio aos soluços. – Mãe do que você está falando? – perguntei preocupada e ela começou a se descontrolar chorando muito. – aquele homem que tentou me estuprar naquele dia horrível em que vim pra casa do Justin surgiu saindo da cozinha. – Sua mãe está decepcionada com você garota. Minha respiração estava ofegante e eu não entendi aquele sonho. e nesse momento daria tudo para te um abraço dela. agora sirvo de consolo para ela. – Isso traidora. – Justin. – Mãe? – falei não acreditando. – acordei soando e gritando. algumas lágrimas caíram junto com a água no meu rosto.. Dei dois passos para trás subindo dois degraus da escada. – Caissy você está me apunhalando pelas costas. E eu não estava entendendo nada. Fui para o meu quarto e tomei um banho. pois não estava entendendo o que ela e ele estavam fazendo ali. – Eu estou no mesmo time que sua mãe. Justin. Justin. Aquela manhã estava começando triste estava me sentindo carente e uma tristeza estava tomando conta de mim. sentar no colo dela. Senti uma lágrima cair pela primeira vez tinha lembrado da minha mãe. – gritei procurando a ajuda dele. .

Liguei duas vezes e foi direto pra caixa postal. – Não. E já faz um tempinho. – senti um ódio por lembrar da Alexia. – cumprimentei as duas.– Bom dia. – Faz uma vitamina de morango pra mim? Ela sorriu. – Mas a loira voltou né? – Que loira? – perguntei confusa. – Pouquinho. Tentei ligar mais umas vezes para o Justin. – ela disse pensando em algo. Nanely era abusada. – Isso mesmo se ele não estivesse dominado o seu prazo acabaria em duas semanas. – Voltou sim. – Guadalupe disse. Ele disse que iriamos viajar hoje e some assim? Vai entender. – Você dominou o patrão mesmo. – voltei no meu quarto para pegar meu celular. – Guadalupe. aquela garota me irritava. – afirmei. Quando desci minha vitamina já estava pronta. – falei com vergonha. mas só caia na caixa postal. – dei de ombro. agradeci e fui tomar sentada em uma cadeira de frente pra piscina. mas Nanely fingiu não me ver. – ela riu com maldade. – A não? Estão juntos há quanto tempo? – eu parei analisando a pergunta. – Está preocupada? – Nanely se sentou na cadeira ao lado me dando um leve susto. – Ele não falou pra onde ia? – mudei de assunto. que você tem a ver com isso? . – Mas o que. – A irmã do gostoso do Brian. – Guadalupe disse com aquele sotaque engraçado dela. não gostava de pedir as coisas para ela. queria saber onde o Justin estava. – O Justin saiu? – perguntei e vi um sorriso malvado no rosto de Nanely. – ela se esticou na cadeira. – Saiu sim. – Não dominei ninguém. – Bom dia senhorita Cassidy. – Faço sim menina Caissy. senhorita Cassidy. em garota.

– Mas é que estava perto do escritório quando escutei o Justin discutindo com ela no telefone e depois. – Limpa aqui ó. – falei impaciente. – falei nervosa. – O branquela cadê a minha grana? – entrei no quarto e ela não calava a porra da boca. – ela estendeu a mão. mas eu não consegui dizer nada. – ela fez mistério. E eu sem reação. Nanely me olhava esperando reação. – ela disse com veneno. o sinal de ciúmes estava se manifestando dentro de mim. – Depois ele se rendeu e disse que ia encontrar com ela. *-* Capítulo 24 . Aquilo realmente tinha me incomodado. Peguei o dinheiro na caixinha e me aproximei daquela cobra. Podia sentir meu sangue ferver a cabeça apertar. Engoli seco Nanely me olhava de um jeito estranho ela estava com cara de arrependimento. – Depois pego no quarto. como se ela se preocupasse realmente comigo. – Tu tá bem? Balancei a cabeça saindo dos devaneios. E o pior eu não sabia nem onde ele tinha ido. – ela riu alto com falsidade depois bateu a porta. mas ela já estava com isso em mente para soltar o veneno dela. – Tô bem Nanely! – falei um pouco seca. tudo bem que eu que forcei ela me contar o que tinha ouvido.. – 20 dólares. – Ô Nanely. – Tá louca? – ela falou assustada. Taquei o dinheiro nela. – chamei enquanto ela estava saindo do quarto. – apontei o canto da boca.. – Depois o que Nanely. Minha mente fantasiava vários momentos dos dois. – ela me chacoalhou. fala logo.. ela me olhou com aquela cara de vagabunda barata. – Ô branquinha. – Meu coração gelou. – E minha grana? – sai andando e ela veio atrás de mim.O Jogo começou. mas não hesitou em pegar o dinheiro e sair do quarto. Senti a minha veia do pescoço latejar. .– Nada. –O seu veneno tá escorrendo.. CONTINUA.

O elevador parou no 11ª andar. – Me envolvi em uma briga. coloquei e voltei a sentar na beira da piscina e deixando as lágrimas caírem de forma descontroladas. – Luigi estava de olho na minha moto. POV Justin Estava subindo o elevador do AP do Brian. – respirei fundo para parar de rir. apertei a campainha e Brian abriu a porta com cara de preocupado. Estava indo comprar dois carros novos quando a Alexia me ligou me enchendo o saco pedindo para eu vir pra cá. que você aprontou dessa vez? – perguntei sem paciência me sentando ao sofá de frente pra ela. – O que é isso? – perguntei assustado. eu estava na sinuca ele chegou e me propôs uma partida valendo a moto se ele ganhasse e eu pedi 100 mil se eu ganhasse. – Brian começou a rir. Bati o olho nos óculos em que eu tinha pegado do Brian. – Olha aqui. mas que você se deu mal eu também estou vendo. – Que você se envolveu em uma briga eu estou vendo. – O que. – ela tirou os óculos mostrando que os olhos dela estavam todo roxo. – Você veio aqui pra me ajudar ou pra tirar uma com a minha cara? – ela levantou nervosa e eu comecei a controlar o riso. – ela levantou nervosa. . – Cadê a louca da tua irmã? – perguntei nervoso e fui entrando não era nem para eu estar ali. Fiquei puta e fui pra cima dele e os seguranças dele terminaram de fazer o serviço sujo pra ele.. – ela disse com arrogância.O que será que ele foi fazer com ela? Minha cabeça explodia só de pensar que eles podiam. – Recebi uma visitinha do seu parceiro Luigi. – Brian disse com ironia. – Tá bom. Alexia estava sentada no sofá de óculos escuro no rosto. – O que aconteceu? Ela começou a andar nervosa de um lado para o outro. – Bom dia pra você também. Estava tão sensibilizada qualquer coisa era motivo de choro.. Ganhei dele no jogo várias vezes e quando eu fui cobrar o que era meu ele mandou por na conta do Marcony.

– comandei com a cabeça para que ela me seguisse. O cara saiu e foi chamar o Luigi. – ela pegou os óculos e me seguiu. – Eu não quero sentar. – Você fugiu do hospital e agora está nessa paranoia que vai matar o cara. você está com duas costelas trincadas. – Ai senhor. – A Alexia não vai sair de casa. – Eu quero matar aquele filho da puta. ele perdeu a noção do perigo mexer com gente minha. – Alexia ficou parada atrás de mim de Braços cruzado. mas eu não vou ficar me sujando assim posso até dar um corretivo nele. Então ela sabe como você é estourado e ela chamou você pra fazer isso. – ela gritou nervosa. – Brian disse preocupado. – Vai logo Alexia. – me dirigi até a porta quando Brian vetou está hipótese. mas matar é muito.– Alexia senta aê. – Não dá ousadia pra Alexia ela vai te levar pro buraco cara. Na verdade eu sei. – Patrão pediu pra tu entrar. – Já vou chamar senhor Bieber. – Você fugiu do hospital? – perguntei chocado. Eu não sei nem porque ela te chamou.. – Cadê teu patrão? – perguntei pra um verme que estava sentado fazendo a segurança da boca. – Não! – Brian gritou. A quebrada do Luigi é cheio de nóia o cara não tem controle da situação. – o cara voltou. . – Eu sei me cuidar! – abri a porta.. – Fugi. – Brian se aproximou de mim. – falei nervoso e Brian me recriminou com o olhar. Ela sentou no banco do carona e eu sai da garagem cantando pneu. – ela falou entre dentes. Fiquei furioso como o filho da puta do Luigi fez isso. ela queria que eu fosse matar o cara. – ela rangia os dentes de tanto ódio. Mas às vezes eu o ajudo colocando carga pra dentro de Atlanta. – E ela fez bem. – Vamos lá na quebrada dele.

Ele ainda não tinha reconhecido a Alexia. – A loirinha da noite passada? – ele perguntou com deboche. – Paga o dinheiro dela. – ele disse tentando se explicar. – Lembra-se dela? – perguntei o fazendo repara-la. Eu mandei pagar o dinheiro dela porra. – 100 mil. – A que devo a honra da sua presença aqui na minha humilde residência? – ele perguntou tragando a fumaça de um charuto que estava fumando. – ela disse tirando os óculos. – Pode falar.Entrei na sala e ele estava pagando de pá sentado na cadeira e ao lado tinha umas vagabundas se beijando no sofá. – Tô sem dinheiro no caixa. se eu tirar 100 mil vai me desfalcar. – 11h00minh da manhã e você me fala que tá sem dinheiro no caixa? Tem certeza que você quer me enrola com essa mentira barata? – comecei a coagir ele. – gritei perdendo a pouca paciência que tinha e pela cara de prazer da Alexia ela estava adorando aquilo. Ele pensou um pouco depois disse. – Ai tem 100 mil? . – Cara isso vai quebrar minhas pernas. – Não perguntei o que você tem pra fazer. – ele me olhou confuso. – Justin eu tenho que pagar um carreto hoje. – Paga o dinheiro dela. – Anda dando corretivo em mulheres agora? – A loirinha ai é folgada Bieber. – Quanto ele te deve? – perguntei pra ela. – falei nervoso e ele me olhou assustado. depois deu ordens para as meninas saírem. – Não me ouviu? – gritei. – ele fechou a porta. – ele mentiu. – Tira as vagabunda daqui porque o papo é só eu e você. – ele abriu o cofre e pegou dois bolos de dinheiro e colocou no envelope. que me olhou com sorriso de vitória.

Tinha desligado e eu nem tinha visto. Peguei meu celular. – O Luigi já é um homem morto. – Chega! – afastei ela dele. tem carregamento novo e dinheiro. Quero que ele seja pego em flagrante. Disquei o número do Jason o chefe da segurança da minha casa. – Não sabe se virar sozinha né cadela. ela devia estar preocupada não falei pra ela que iria sair. – ele falou pra ela e eu nem precisei fazer nada. – ele falou entre os dentes. – Vamos embora. pois ele estava curvado de dor.– Tem. – ela o puxou pelo cabelo o fazendo ficar na altura dela. – Quero que você dê um jeito da policia pegar os esquemas do Luigi. – JB? – Jason preciso dos seus serviços. Cinco ligações da Caissy. – Não. – Mas você não tem um acordo com o cara? – ele perguntou confuso. – ela deu outro chute nele e eu tive que intervir porque chute no pau é covardia. Ele tá na boca dele. – Você não vai matar ele? – ela perguntou incrédula. – Se não tem dinheiro. . O telefone dele era rápido dois toques e ele atendeu. – Pode falar chefe. – falei entrando no carro. – Então porque não me deixa voltar lá e matar ele? – Vai lá. – ela falava enquanto caminhávamos até o carro. – só faltava ele implorar. não joga! – ele entregou o dinheiro pra Alexia. – Mano isso vai acabar comigo. Quero ver como vai fugir dos homens dele depois. – Sei me defender sozinha sim. ela deu uma bica nas bolas dele que eu senti até uma dor alheia. – Em outros tempos você tinha colocado o crânio dele pra fora. – Diferente de você que manda os seus colegas pra fazer o seu trabalho. – ela ficou pensativa. – abri a porta.

– De volta ao lar! – ela disse quando parei o carro. Meu telefone tocou mais uma vez era a Caissy de novo. – Eu? Provocar alguém? – ela falou com ironia se fazendo de inocente. – Eu sei muito bem o que acontece com ele na cadeia! Quero que você faça isso ainda hoje e de preferência agora. – ela passou a mão no meu braço se aproximando. – Somos frios. – Vai me deixar aonde? – ela perguntou e apoiou uma das pernas em cima do porta luvas.– Tô quebrando ele agora. – Pega leve com as suas provocações. – ela já estava bem próxima da minha boca para me beijar. POV Caissy . – Tô indo pra casa já. – Dois criminosos juntos. – ela já estava bem perto. calculistas e nos completamos. – ela disse com satisfação. daqui a pouco o Brian vai ter que ir pra lá. – ela sorriu gostando daquilo. não atendi já estava indo pra casa. – Ta vendo Justin a gente é melhor assim. – Vamos pra casa. – Mas se o cara for pra cadeia ele morre. melhor do que ver ele morto pelas suas mãos. – Assim como? – perguntei confuso. – ela disse com uma voz provocante e ficamos em silêncio até chegar em casa. mas meu telefone começou a tocar e eu cai em si e a afastei de mim. – falei assim que desci do carro. –ele disse não entendo. – desliguei o telefone. – Você não muda né? – Nunca. Sai andando na frente e ela me seguiu. – Sua gatinha tá ligando e você não vai atender? – ela disse com deboche. – E as costelas não vai ao médico? – Meu médico é Whisky puro. – Ual.

que nem pra mãe dele que é importante ele não dá satisfação imagina pra mim. – procurei a calma onde não existia para responder ele. Depois de um tempo senti uma presença perto de mim. Fiquei em silêncio aquilo tinha me ofendido. – Vai dar crise de ciúmes agora? – ele perguntou mudando o tom.Da piscina dava para ver o portão principal e eu pude ver quando o portão abriu e o carro dele entrou. – ele tentou se explicar. eu só podia estar de TPM qualquer coisa me faria chorar hoje se fosse isso. – Caissy? – ele deu um tapa na minha perna chamando minha atenção. – Eu não vi que o celular desligou. Senti um frio na barriga. – Não é crise de ciúmes Justin. Continuei sentada cadeira. mas tudo mudou quando vi Alexia descer do carro. . Meu coração disparou minhas mãos começaram a dar choque. – Vai me ignorar? – E eu tenho motivos? – me arrumei sentando com as pernas cruzadas na cadeira. sem sair do lugar eles entraram em casa e eu continuei lá. – ele falou nervoso. então quer dizer que eu não sou nada. – falei nervosa tirando os óculos para encarar ele no olho. – Pelo menos ligar e falar onde você está não custava nada. – Você está atrapalhando meu sol. Mas fiquei quieta. ele sentou nos pés da cadeira e colocou a mão na minha coxa. estava com os olhos fechado e com os óculos no rosto. mas você acha que eu iria me sentir como quando acordo descubro que você foi se encontrar com a sua ex. – ele se explicou. – Caissy eu fui resolver uns negócios. – segurei o choro que estava preso na minha garganta. – Sentiu minha falta? – senti o ódio subir desde o dedão do pé até a ponta do ultimo fio de cabelo. mas pelo perfume sabia que era o Justin. – Não sabia que a Alexia fazia parte dos seus negócios. né? – Eu não dou satisfação nem pra minha mãe. você não atende a droga do telefone e pra finalizar vocês chegam juntos.

Eu me comprometi com você e eu não vou te machucar. – não segurei por muito tempo as lágrimas rolaram. Eu quero confiar em você eu quero que você confie em mim. – Eu não te avisei porque você estava dormindo. – Eu não queria Justin. – Você gosta de mim de verdade? – aquilo fazia importância naquele momento. e parece que eu estou procurando me machucar com essa história. mas eu também quero confiança porque pra mim isso é a coisa mais importante. Já disse é com você que eu estou. – Não tenho nada com ela. – ele foi um pouco grosso e eu fiquei olhando sem dizer nada. Sabia que aquela conversa não chegaria a lugar nenhum o que ele tinha pra me falar era só isso.. mas eu devo ser insegura em relação à Alexia? – Claro que não. – ele pressionou os lábios nos meus. Mas para de falar comigo como se eu estivesse te usando porque isso não está acontecendo. – Alexia se meteu em uma briga e eu fui ajudar. E alexia é uma coisa que você vai ter que suportar. .. sei que ainda tem sentimento por ela dentro dele. – mais cedo ou mais tarde a gente ia ter que por as cartas na mesa e conversa sobre aquilo. – Se você sentir algo por ela. mas ele está tentando fugir disso. – O que eu tive com ela foi muito forte eu sei que isso deixa qualquer um louco. não quero que você fiquei assim. – ele me puxou secando as minhas lágrimas bobas. – ele disse sério. Preferi mudar de assunto aquela conversa não chegaria a lugar nenhum.– Se for assim eu não quero. – Acho que isso não é preciso nem dizer. – Gosto. eu fiz mal pra ela e se a gente continua junto às coisas só vão piorar. – ele respondeu sem dar mais assunto. Eu estou 100% com você. Não quero sempre que você sair ficar pensando o que você e ela podem estar fazendo. não quero regras. – O que ela está fazendo aqui? – limpei o rosto e estava bem perto do dele. Não quero mentiras. eu não quero me envolver mais do que já me envolvi e pior eu não quero me machucar. ou se já estiver rolando alguma coisa entre vocês. – Você nunca me disse que ela fazia parte dos esquemas. Me fala. Mais Caissy isso passou eu estou vivendo uma vida nova. E não tem o que fazer. Para com isso vai. por mais que eu não queria lute contra isso ela faz parte dos esquemas. Eu quero que isso seja legal tanto pra mim quanto pra você. – Eu não estou confuso eu sei o que eu quero.

– O Brian ué. – Ele e os meninos vão vim aqui pra gente arrumar as coisas do leilão das obras. – Que xodó? – perguntei confusa. – Chegaram. – ele levantou me olhando e eu comecei a rir. Empurrei-o com toda a minha força o fazendo cair no chão. . – Hum. – O que? – ele fingiu que não ouviu. – Se a gente termina tudo hoje da pra pegar um jatinho de madrugada. – Nossa como você está chatinha. – Já faz um tempo.– O seu xodó vai vim pra cá. – E a viagem? – perguntei enquanto ele tirava a camisa. – Justin. – ele disse indiferente. ou ir manhã cedo. – Caralho. Brian e Ryan. – Ah. – ele corrigiu. –ele levantou e deitou por cima de mim e me beijou. – Acordou agora? – ele perguntou deitando a cabeça nas minhas pernas. – falei procurando o ar. – Não. – O que ele vai vim fazer aqui? – Eles. – sorri. – ele virou de lado e mordeu minha coxa. – Hum. – gritei interrompendo o beijo quando ele soltou o peso em cima de mim me dando o troco pelo chupão. Comecei a brincar com ele e sentia quando os cantos da boca dele se abriam em um sorriso. – lembrei do meu pesadelo. – Ta pesado. – dei um tapa no braço dele. – Justin se espreguiçou e já estava voltando pra dentro de casa quando eu grite. Chupei o pescoço dele e ficou uma marca roxa. – Justin tá pesado. O portão abriu de novo e três carros entraram Chris.

– Querido. Por cobiçarem algo que é meu. – sorri com falsidade. – Posso chorar já. – Alexia e Nanely. Entramos de mãos dadas comportados. Tudo bem que a casa não era minha também. – Ryan disse indo até o bar e enchendo um copo pra ele. – Chris disse sentado no outro sofá. – Alexia pulou na frente como se a casa fosse dela. – Cadê o Chaz? – Justin perguntou. Brian sentou no sofá e eu me sentei ao lado dele me aconchegando nos braços dele. – Alexia bateu palma sendo sarcástica. – corri e abracei-o com força. – Não! – eu fiz ela me olhar. – Liguei na casa dele antes de sair e ele falou que já estava vindo. Levantei e fui até a cozinha Guadalupe já estava se arrumando para ir embora e Nanely espiava os meninos na sala. – Quero uma cerveja. – ele me tirou do chão. –sussurrei no ouvido dele e entreguei a camiseta o fazendo rir. – ele virou a cabeça levemente para me olhar. – Menina Cassidy já estou indo. – Eu pego. mas eu não me contive quando vi o sorriso lindo que o Brian deu ao me ver. – Não. – Eae pequena. mas ela era rabugenta não sorria muito. – Eu pego! – dei um sorriso amarelo. Peguei duas cerveja e uma coca. tem duas tigresas soltas dentro de casa. ou tem mais drama? – Quer abraço também? – Brian me soltou e abriu os braços pra ela. – Tudo bem Guadalupe. – Poderia vestir a camiseta. mas quem estava aqui por enquanto era eu. – Guadalupe disse. – Brian. – Enche o meu também. – Tigresas? – ele perguntou confuso. – E como eu sou uma leoa não quero ter que acabar com elas. – Que cena comovente. . por favor. – sorri. não gosto de muito afeto. – Alexia esticou a mão para que ele enchesse o dela.

– Em grupo ou individual? – Chris perguntou e ela pensou um pouco.– Nanely. – Então tá vamos fazer um Strip poker. Todos estavam impacientes já faziam um bom tempo que estávamos esperando o Chaz. – Eu. – Vai um poker? – Alexia saiu do escritório embaralhando umas cartas.. Entreguei a cerveja pro Chris e ofereci a outra pro Brian. mas ele não quis. Meu shorts tinha dobrado um pouco e eu percebi o olhar malicioso dele nas minhas pernas. – Alexia sugeriu. – disse mostrando que era um jogo sem maldades. Coloquei a cerveja na mão do Justin aquele ali não recusava nada. – Vamos em grupo. – E ai Justin. – Você tá até com um chupão no pescocinho. – Nanely não queria muito ir embora pela cara dela dei um tchauzinho para as duas e voltei pra sala ela saiam pela porta de trás. – Eu topo. a Caissy é bem selvagem. Senti um ciúmes pelo jeito que ela dividiu os grupos. Voltei pra sala e os meninos estavam rindo de alguma coisa que Alexia disse. e nada dele. Justin estava no telefone tentando falar com o Chaz. – Nossa Drew. – adorei ver ele me defendendo daquele jeito. – ela bateu as cartas na mesa. principalmente quando vi a cara de merda da Alexia. E eu senti minha bochecha pegar fogo parecia que eu nem estava ali pelo jeito que falavam de mim. – ela disse brava. mas Brian e Justin contestaram. Abri a coca para tomar e notei o Ryan me olhando.. – forcei o meu melhor sorriso. Justin e Ryan contra Cassidy. Isso não importa porque ninguém aqui nessa sala ficará com ela. – Só pra distrair a mente. sem apostas? – Ryan disse não gostando. Brian e Chris. – ela disse sorrindo. . – A só poker. Justin já tinha ligado várias vezes no celular dele e nada. – Vamos menina. Voltei a sentar do lado do Brian um pouco sem graça. – Se ela é ou não.. né? – Ryan disse assim que Justin voltou pra junto de nós. – todo mundo começou a rir e eu fiquei sem graça. A Cassidy é tão boa assim na cama? – Alexia disse provocando..

– todo mundo olhando a gente discutir e ele com aquela cara de que queria me matar. – Por que. P-Porque é um strip. – Alexia disse rindo sendo convencida. acha que eu vou sorrir em ver esses animais te desejando? – Relaxa. – Por isso mesmo. – Ah blusa Cassidy. – Quem é meu grupo mesmo? –ele disse e me fuzilou. – ele disse sendo grosso. mas no poker stirp todo mundo tem que estar com a mesma quantidade de roupas. – ele gaguejou. – Só vai ser um jogo. – ordenei e Alexia começou a distribuir as cartas. O jogo ficou sério e então começou a provocação.. – ele disse em tom ameaçador e Alexia parou. – Justin acho melhor você cuidar do seu jogo. – Justin disse me deixando nervosa. POV Justin Se ela queria me provocar conseguiu! Alexia ainda ajudava muito a me deixar com mais raiva. – Idaí? – ele ficou me olhando incrédulo. – E porque eu não brinco? – falei um pouco arrogante.. – Distribua as cartas! – ordenei de novo quando Alexia parou olhando pro Justin. não quero te ver de cueca no meio da sala. Normalmente quando se joga poker todo mundo começa com o mesmo valor em caixa. Quando eu a vi tirando a blusa e os olhos do Ryan a comendo. – ela sorriu.– Isso não é legal quando sua irmã está jogando. – Você não vai participar. – Brian disse com nojo. – Brian dessa sala eu sei que você vai ser o único que não vai me desejar. Alexia sorriu. – Caissy. – Ué. – Alexia disse sorrindo com maldade e me olhando esperando uma reação minha.. – Brian e Ryan riram. E ao invés de apostarmos fichas. – Distribua as cartas. apostamos as peças de roupas. – o sorriso dela foi direcionado pro Justin. – A Caissy não brinca. – Ninguém manda em mim! Se eu quiser participar nada vai me impedir porque eu sou dona de mim mesma. Quis . levantamos e fomos andando até a mesa de poker no escritório do Justin..

E agora além de Ryan Brian olhava ela com outros olhos. – Deixa eu ver quem eu quero que tire a blusa. isso corre em um ritmo frenético que não acompanha fica pra trás. Onde você estava antes mesmo? – Ryan perguntou e eu o fuzilei. mas na boa prefiro ver os peitos da Alexia no sutiã do que ver o Justin e o Ryan sem camisa. – Agora a brincadeira está ficando boa. . – sorri e passei a língua nos lábios como se estivesse com vontade de cair de boca naquilo. sentia a pele dela passando calor pra minha e aquilo estava me deixando de pau duro. A cada vez que ela me olhava via o ódio estampado na cara dela. – Quero que a Cassidy tire o shorts. mas Alexia e eu sabíamos todas as jogadas quando eles pensavam em acabar o jogo já estávamos a um passo a frente finalizando a jogada. – Alexia fez todo um joguinho até tirar completamente a blusa mostrando aqueles peitos escondido em um sutiã super provocante que te convidavam ao pecado. – Ual Cassidy. – Você está dando muitos blefes Cassidy. – falei e Caissy me fuzilou. Cassidy me fuzilou e eu vi as maçãs do rosto dela vermelhas. – Alexia disse com maldade.explodir e meter a mão na cara dele. – Próxima rodada. – Não tenho culpa se vocês não sabem acompanhar o jogo. – Alexia jogou as cartas na mesa mostrando que tinha ganhado mais uma vez. Alexia estava escorada em mim fazendo o jogo dela. O jogo corria em silêncio Cassidy e Brian eram bons. – Brian disse e eu e Alexia nos entre olhamos. – Cassidy jogou as cartas para Alexia embaralhar e ela mostrava um pouco de raiva no tom de voz. – Vão me desculpar. O jogo prosseguiu e Chris tinha ganhado a segunda partida e foi à vez dele de escolher alguém do nosso grupo para tirar a blusa. vocês dois não valem nada estão roubando! – Brian disse nervoso ele sempre perdia a linha quando estava perdendo. – Vocês estão roubando. – Chris disse pensando um pouco. mas era só um jogo eu tinha que me segurar por mais que fosse difícil eu tinha que me segurar. – já jogamos poker antes. se ganhavam era pura sorte.

– Não se lembra de mim? – a voz já começava a ficar mais conhecida e quem estava falando era o. – Sede essa vez pra mim te ajudei com dois valetes. – Marcony era esperto ele já sabia que foi eu que roubei os quadros dele. Fui para o fundo da sala para escutar melhor porque a cada hora o Ryan dava um grito inesperado ele já estava ficando bêbado. – falei nervoso. – Ah tu tá curtindo ver peitoral de macho agora? – Ryan perguntou ainda rindo muito.– Não. – Cala tua boca e faz a porra do jogo. – Marcony? – A cada dia mais esperto. – Eu separo as cartas. – Chaz é você? – Boa noite Drew Bieber. – rebati. – Sim. – ele fez um silêncio. mas nada. – Já nasci esperto. – Tá bom. Quando estava bem na minha vez de jogar meu telefone começou a tocar estava em cima do sofá não iria atender se o Chaz não estivesse na rua. – Está cuidando das minhas raridades? – ele se referiu as obras. – aquela voz parecia conhecida. – Alô? – o telefone ficou mudo. – interrompi. – Brian sem camisa.. . – Acho isso muito bom. mas eu não escutava com frequência por isso não consegui reconhecer. – ela me cedeu à vez do pedido. mas como ele ainda não tinha chegado eu fui obrigado. – Chris tomou a frente e separou as cartas. – falei e Chris e Ryan caíram na risada. e eu sentia o maior prazer do mundo em confirmar aquilo pra ele. muito bem. – ele disse com ironia. O número era desconhecido.. dividindo pra todo mundo. – Alexia me olhou com cara de triste ela estava se divertindo tanto com aquela situação constrangedora. – Quem tá falando? – tentei buscar na memória uma voz parecida com aquela.

ninguém estava entendendo nada.. – Chaz foi baleado. *-* Capítulo 25 . CONTINUA. – Isso é muito bom porque. – ele deu uma gargalhada. – ele deu o relatório do estado do Chaz. – Que bom. E ele deu uma pausa. deu entrada no hospital de Atlanta às 07h15minh da noite baleado e inconsciente. – Vai mesmo porque eu não parei por aqui. Justin estava pálido e com os lábios brancos ele disse que Chaz foi baleado. a conta do seu amigo está muito grande no hospital à uma hora dessas. O jogo começou Bieber e eu estou correndo para a linha de chegada. – Hospital? – perguntei confuso. – ele falou e eu ri. – a ligação foi finalizada e eu só ouvia o tu. não entendi muito bem o que ele quis dizer com aquilo ele estava tão agitado procurando a chave do carro. Ataquei o celular na parede com ódio. – Chaz Somers. peguei minha camiseta e comecei a procurar a chave do carro. Chaz tinha tomado um tiro por minha culpa. – falei rangendo os dentes. – não entendi o que ele quis dizer. – Isso vai ter volta. – O que você fez com ele seu filho da puta? – gritei nervoso.– Não quero que as vendas por um preço baixo.Mad Love POV Caissy. – ele disse com ironia e rindo. – Justin aconteceu alguma coisa? – Ryan perguntou preocupado. . Todos me olhavam assustado. – Sou ganancioso não gosto de coisas pequenas. – Ele escutou o eco da minha quadrada e se assustou. Ele quis dizer que atirou no Chaz.. o seu amigo será o primeiro de muitos a sua volta até chegar a você. tu. do telefone e meu coração disparado.

com Ryan tentando segurar ele. O Chaz tá no hospital. Sabia coisas mínimas sobre esse Marcony coisas que escutava eles falando. – Os meninos ficaram desesperados. – Não adianta você sai sozinho daqui tentando ajudar o Chaz.. – Um irmão meu está baleado no hospital precisando de mim. foi ele. mas desta vez a coisa parecia ser séria. – Justin. – Quem era no telefone? – Chris perguntou nervoso. Não deixaram ele sair de jeito nenhum.. – essa era a preocupação dos meninos e o Justin não entendia. ele não estava nem ai só queria ir até o hospital. Mas eu não ficaria ali parada de braços cruzados como ela. – Não tem como chamar o Jason. – Ele foi fazer um serviço pro Justin. – Eu tenho que ir ver como meu amigo tá. Os meninos se entre olharam ele afirmava isso com uma convicção. Quando desci Ryan estava com tentando acalmar o Justin que estava impossível. – pedi com pressa pro Brian a final ele era o chefe da segurança e o braço direito do Justin. Justin. – Alexia entrou na frente.. Foi ele. . – ele colocou as mãos na cabeça.. mas não adiantava nada Justin estava irreversível.– Justin.. – gritei o fazendo olhar dentro dos meus olhos. – Ryan falava. – me posicionei na frente dele. – Calma Drew a gente vai junto pro hospital cara. Me solta Caralho! – Justin estava tão nervoso que Ryan não estava dando conta de segurar. – Me solta cara. Você vai sair por ai desprotegido quem acertou ele vai que quer pegar você também. – Manda chamar o Jason. Subi correndo coloquei outra roupa para ir junto pro hospital com eles. – Foi o Marcony. – ela me informou. – ele tentou sair. – O que aconteceu? – ele estava com o olhar tão perdido tão desesperado. pois ele estava muito nervoso não falava nada com nada e queria sair de qualquer jeito sozinho para ir pro hospital. – ele falava nervoso.. ele estava encostado na parede. Me aproximei para acalmar ele. – ele falou com voz de desespero colocando as mãos na cabeça. Brian me mandou trocar de roupa. – O filho da puta do Marcony. mas os meninos não deixaram no estado que ele estava só iria piorar as coisas. – O Chaz.

Estava com a cabeça deitada no ombro do Justin e ele estava pensativo e bem longe. mas depois cedeu quando viu que eu não mudaria de ideia e ele só sairia dali se o segurança dirigisse o carro. Os seguranças desceram do carro e checaram o local foi um custo pro Justin ficar dentro do carro até eles falarem que poderíamos sair sem problemas. – ele balançou a cabeça positivamente. – passei o dedo carinhosamente no rosto dele. E eu voltei correndo pra dentro de casa. – Vocês vão ficar me olhando ou vamos para o hospital ver o estado do Chaz? Brian foi com Alexia no carro dele.Sai andando nervosa até o jardim a procura de qualquer segurança que eu encontrasse. ninguém entendendo nada. – fiz todo mundo me olhar. – chamei e o cara se assustou. Os carros pararam em frente ao hospital e eu podia ver os olhares das pessoas assustados nos olhando. Coloquei um segurança pra dirigir ele não estava bem ele relutou muito. – Vou ali à recepção saber sobre o Chaz. . – Ele vai ficar bem. Justin estava impaciente. deixando um em casa. Nosso carro estava no meio da escolta. entramos no hospital com vários olhares voltado para nós. – ele me olhou sério. Descemos do carro e tinha três seguranças na nossa cola. Então prepara quatro carros que vamos sair. Não deixei Justin dirigir. Mas ele estava sem vida no olhar e muito preocupado. E ele sorriu fazendo esforço. Alexia estava abraçada ao Justin que estava com o olhar perdido aproveitadora. quem usa mais é a mãe dele. – O Chaz é forte! – eu reforcei. Chris e Ryan foram em um carro só. – Quantos carros? – ele perguntou e eu nem tinha noção disso. – ele disse confuso. – Eu preparei uma escolta. todo mundo curioso. – Quantos carros ele usa quando precisa de escolta? – ele me olhou pensou um pouco depois disse. – Tudo bem. – Ei você. – Brian saiu e foi até a recepção. – O Justin precisa de escolta até o hospital de Atlanta. – Ele quase nunca precisa de escolta. – Quatro.

– Ah Justin. – Sou eu. Justin me olhou enquanto abraçava-a e eu podia ver o seu olhar de culpa. – ela estava com os olhos marejados. Brian e Ryan fizeram a mesma coisa cumprimentaram a família eu sorri quando eles me olharam. acho que aquela era mãe do Chaz. – Justin saiu indo em direção ao quarto em que Chaz estava. e os médicos estão esperando ele reagir às próximas horas são cruciais. eu ia decapita aquele filho da puta. – Ele está bem? – Justin perguntou ainda muito impaciente. Justin comprimento o pai dele que tinha um semblante bem preocupado. – um alivio tomou conta da sala. ele saiu andando na frente e a gente o acompanhou. Passamos a noite inteira no hospital. Entrei no quarto e meu Brother estava naquela cama por minha culpa. – Tudo bem. – o médico chamou e todos ficaram de pé. – Justin Bieber? – o médico perguntou e Justin se prontificou na frente dele. – O Chaz está reagindo bem aos medicamentos e ele acabou de acordar. respirando dentro de uma mascara de oxigênio. menos Alexia que continuou sentada a cara dela de tédio não negava que ela não queria estar ali. Aquele Marcony ia pagar. – Chaz precisa falar com você. tinha um pessoal que fazia parte da família do Chaz. – uma mulher o abraçou. me senti mal por ele estar naquela situação. – Chaz Somers. – Chaz falou com dificuldade. . – Sua namorada? – a moça perguntou curiosa e o Justin balançou a cabeça positivamente. Estava pendurada no braço do Justin quando saímos do elevador. Vou pedir para que não o deixe fazer muito esforço e não demore mais que cinco minutos.– O Chaz acabou de sair da cirurgia agora já está no quarto com a família dele. POV Justin. – Brian voltou nos dando noticia. – Ele saiu da cirurgia quase agora. – Eae irmão. vamos subir. quase 10h00minh um dos médicos apareceu para dar notícias sobre o estado do Chaz.

– Olha o que aquele filho da puta fez com você Chaz. – ele disse dando intervalos para respirar. Eu só fazia o seviço bruto. Você vai saber o que fazer. Mas agora não é hora pra vingança. – As obras estão na minha casa você sabe a combinação do cofre. – Você tem que se preocupa em vender as obras. – ele respirou fundo. – Eu não vou ficar aqui. – Justin não tem como devolver e nem pedi desculpas. fazer alguma coisa comigo. – atropelei as palavras e ele me olhou recriminando o que eu disse. – as coisas tinham mudado de rumo. o nosso nerds era o Chaz ele que sabia sempre o que fazer. – Coloco seu dinheiro aonde? – Mando alguém vim pegar. Convença Brian.. Vende as obras e vaza desta cidade. – ele disse deixando seu estado um pouco pior. – falei nervoso. – E pra quem eu vou vender aquilo? – perguntei confuso. – E-Eu também sei quem foi Drew. – aquilo eram obras caras e se eu fosse vender não pediria um preço baixo só pra me livrar do sufoco. – Você tem uma boa lábia e é muito inteligente.. – ele estava com muita dificuldade pra falar. Data do nosso primeiro roubo. esperava o Marcony vim atrás de mim. – Cara você tá ficando louco? – perguntei incrédulo.– Eu sei quem foi e eu vou vingar. Não mexer com os meus amigos. – ele tentou sorrir. Chris e Ryan a saírem daqui porque o negócio está pegando fogo e o Marcony vai pegar um por um. Minha mãe vai providencia a minha transferência pra outro lugar. – Você é capaz! – Você vai pra onde? – Quando eu estiver bem te mando notícias. – Chaz eu não tenho cabeça pra isso agora. Faça o Leilão o mais rápido possível. – ele debochou. – E principalmente você.. – Não é tão fácil assim.. Olha a sua situação cara. – Não podemos ficar com essas obras. . – ele vacilou um pouco ao falar a ultima frase.

– ela se aproximou com aquele olhar preocupado. – Fala meu filho. mas só a parte em fugir que eu mudaria agora mais que nunca eu quero pegar o Marcony. com expectativa. – Brian leva a Caissy pra casa? – perguntei e ela me olhou confusa. – Conversei um pouco com ele e ele vai ficar bem. Era mais fácil ele contar pra ela. – Justin faça o que eu falei. você precisa de descanso! – comecei a pensar em tudo o que Chaz disse e ele estava certo.. como o Chaz está? – a mãe dele implorava por informação. – Não Caissy eu não vou ir fazer nada de errado. Chaz não estava tão mal ele agora estava se recuperando e certeza que ficaria bem. – Ele está bem. – um médico entrou na sala e eu finalizei o assunto. – Tenho umas coisas pra fazer. Então eu iria fazer isso.– Eu top pouco me fudendo. – todos se aliviaram.. Quando sai da sala todos me olhavam.. – Será que eu posso entrar? – a mãe dele perguntou. – Você não vai pra casa.. – Eai Justin como ele está? – Ryan perguntou. Já estava saindo da sala quando Chaz disse. para mim o jogo também começou. – Por hoje chega. – não queria falar da transferência de hospital assim ali na frente de todo mundo.. tinha mais gente da família dele além dos pais. por favor. – ela deixou uma lágrima cair e não terminou a frase. – Chaz e todos os outros me conheciam como ninguém só que agora já era tarde de mais. Nada de mudar o plano. – A senhora precisa entrar! Chaz tem um assunto importante pra tratar com a senhora. . – passei a mão carinhosamente no rosto dela que se enrijeceu.. – Justin não vai me dizer que você. – Senhor Somers. a minha mente já pensava em várias formas que eu poderia matar o Marcony. – era torturante a ver chorando e ainda mais quando estava preocupada depois da minha mãe Cassidy era a segunda pessoa que eu odiava ver chorando.

Brian parou. – Um cara atirou no seu amigo essa noite e ele podia ter morrido. Ele ficou conversando com ela eu me encostei-me ao carro esperando por ele. – disse saltando do carro.– Então volta pra casa comigo. – O que você tem de tão importante pra fazer? Será que não dá pra você sossegar um pouco e ir pra casa? – Cassidy eu preciso fazer isso. – Tudo bem! – ela sorriu e me interrompeu. POV Caissy. – Pode ir. Não dei um pio o caminho todo. – Pô meu. Melhor assim nervosa do jeito que eu estava à presença dela não ajudaria em nada. Ela fechou os olhos deixando duas lágrimas descerem de seus olhos. – ela secou os olhos e eu me senti mal por ter falado com ela daquele jeito. – Você nunca entende nada. mas eu continuei indo até o Carro não estava a fim de ouvir a voz daquela piranha. ele entrou e os seguranças que fizeram nossa escolta na ida entraram logo atrás. Se eu tô falando que tenho uma porra de um negócio pra resolver e porque eu tenho que ir. – respirei fundo procurando as palavras certas. . – Vamos? – Brian assentiu com a cabeça e ela saiu sem ao menos me dar tchau. – ela bufou nervosa. – Obrigada Brian. Brian também não tentou puxar papo.. – Brian. – Brian. – ela disse indiferente. – gritei e senti olhares em volta de nós. – Ela disse que vai voltar com o Ryan. – Alexia gritou enquanto estávamos indo até o carro. – ele destravou o carro e eu entrei. – Não. – Não sei por que ainda me preocupo. – ela chamou e Brian olhou.. – ela falou nervosa atropelando as palavras. – Eu preciso fazer um negócio anjo. – Vou avisar pro Brian que vou com você – não tive nem tempo de responder e ela saiu andando atrás do Brian. – A Alexia não vai? – perguntei quando ele veio até o carro e ela voltou pra dentro do hospital. – Quer que eu vá com você? – Alexia se aproximou. vale. Brian não me deixou no portão. – perdi o controle e falei sendo um pouco agressivo.

– Vou Brian. Comecei a ficar entediada. mas eu tinha que comer estava o dia todo sem comer. Quando terminei o banho coloquei um roupão para ir escolher uma roupa. pois as lágrimas em meus olhos não se cansam de cair e eu não sei nem o motivo pelo qual as derrubo. Peguei uma maçã meu estômago renegou aquilo só quando olhei. Queria fica com o cheiro dele em mim. aborrecimentos e muitas vezes tristezas. – ele desceu do carro e o contornou até mim. – o assegurei. – ele me abraçou. medo. Depois pro quarto pensei que o muralha me seguiria até dentro do quarto. Esse era diferente não tinha cara de mau nem de poste ambulante ele parecia ser legal. O vento lá fora soprava de maneira assustadora o dia estava horrível chuva a todo o momento. Lembrei quando ele me pediu pra fazer ele feliz. . insegurança. Tenho medo de perder o Justin. eu preciso acreditar mais. mas eu não estava sozinha a casa estava cheio de seguranças muralha que podiam me defender. vesti uma calcinha e coloquei uma blusa de moletom do Justin. Minha vida está parecendo vendaval. – Se cuida. Eu preciso de um pouco mais de fé em mim. Olhava minha pele e o silêncio daquela casa era insuportável sem o Justin.. Ele ficou parado na sala enquanto ia até a cozinha. – ele sussurrou e entrou no carro. Ele não estava muito contente em me deixar sozinha. – Vai lá. – me soltei dele para ele parti. mas ele ficou parado no corredor quando eu entrei no quarto. Na verdade sei.. antes isso não era nem cogitado. mas hoje o meu maior medo é perder ele pra Alexia.– Por nada. – o interrompi. – Eu vou ficar bem sim. me deitei na cama dele e comecei a imaginar ele ali comigo. Enchi a banheira e tomei um banho longo para relaxar e esquecer tudo o que vem acontecendo. Entrei em casa sendo seguida por um segurança Justin recomendou para que ele não desgrudasse de mim. – ele beijou o alto da minha cabeça. E ficou me olhando com aquela cara que queria dizer. “Você vai ficar bem?” – Vai ficar nessa mansão sozinha? – Porque quer ficar comigo? – brinquei. – Se cuida. Nunca imaginei escutar isso dele. eu acho. preocupação. – Eu vou ficar bem. – Caissy você vai ficar. Está um dia bonito e do nada vem uma coisa levando tudo embora destruindo o que estava lindo e deixando preocupações. Tudo isso são sentimentos misturados. Vi quando o carro dele saiu e o portão se fechou.

Quase mandei o celular em cima dele. mas estava preocupada. mas seria muita infantilidade minha não querer falar com ele. Tomara que seja sempre assim. Não valeria a pena conversa com ele naquele estado. – Onde você estava? – gritei sendo um tanto histérica. E eu senti aquele cheiro de álcool. Levantei indo até o celular. – voltei a deitar na cama. já estava meio confusa se deveria realmente ler a mensagem. Bjos Alexia!” Li e reli a mensagem umas quatro vezes. mas estamos falando de mim e eu não sou nada normal. – Estava resolvendo minhas coisas. – Que? – ele disse sem entender o meu estado. era só uma mensagem. mas não completei a chamada. Meu mal? Curiosidade. não eu não acreditava no que estava vendo. Meus olhos já o metralhavam. Disquei o numero dele.Levantei e busquei meu celular no outro quarto. – Ainda não descanso? – ele acendeu a luz fazendo com que meus olhos doessem um pouco. Não falei mais nada deixei ele ir tomar banho. quando escutei passos na escada sabia que era ele e a sensação de alivio tomou conta do meu coração. . Sentei na beira da cama com pouca iluminação no quarto dedilhava as teclas do celular. Liberei o protetor de tela. “Adorei ficar com você. mas eu não contentei tive que ler. a dúvida falou mais alto que eu. – Onde você estava? – perguntei de uma vez e muito nervosa por sinal. se eu tivesse raio laser ele já era um homem morto. Se fosse uma pessoa normal deixaria o celular quieto e voltaria a tentar dormir. – Não devia. Pensei nesse momento em correr pra cama e fingir estar dormindo. – ele disse confuso e como se fosse obvio. Já estava começando a escurecer e nada dele. Cobri minha cabeça e comecei a pensar em tudo quando um toque insuportável do celular do Justin me assustou. Ele se despiu e foi de cueca para o banheiro ainda estava chateada com o que ele tinha feito no hospital. Ele abriu a porta lentamente deixando uns vacilo de luz do corredor invadir o quarto. Meus dedos dançavam suavemente pelas teclas do celular. mas ignorei o meu lado certinha e invadi a privacidade do Justin. Justin saiu do banheiro enrolado em uma toalha e com outra na mão secando os cabelos.

– Me solta. – Não acredito que você vai ter crise de ciúmes. o tom já era de impaciência. – Ajudou te dando prazer? Ajudou te fazendo relembrar o passado? Ele riu sem vida.– Com a Alexia? – joguei o celular nele que pegou em um relance. aquela mensagem provava que tinha sido muito mais do que isso. – A Alexia viaja. Ele me olhou por um instante e depois foi para o closet. com certeza acharia alguém que quisesse um servicinho bem rápido. ele estava se trocando. – gritei nervosa. – ri com deboche que sínico. Virei sorrindo com muita frieza. – Ela me ajudou. . – Só fizemos um serviço juntos. – ele falou entre dentes e terminou de se vestir. – Aonde você vai? – ele não parecia preocupado. filho da puta.. – Você transou com a Alexia. nossa como eu estava nervosa. – ele bufou. – Você é um viado! – ele virou a cabeça me olhando. Sai batendo o pé nervosa até o closet. Ele me olhou no fundo dos olhos e me arrastou até o quarto depois me jogou na cama com brutalidade. – Será mesmo que ela viaja? – Caissy ela só me ajudou. andei um pouco mais de pressa até que ele agarrou meu braço. – Me respeita você! – cuspi as palavras.. olhei o estado da minha roupa moletom e calcinha. – Eu não transei com a Alexia. Ele arqueou a sobrancelha. – E eu não acredito que você está me fazendo de otária. – falei indiferente indo até a porta. – Me respeita. – E ia o que me diz? Ele riu pelo nariz. – falei indignada ele se aproximou de mim. – Vou fazer um serviço com quem estiver a fim! – sai andando do quarto. – Ajudou como? – gritei. – ele disse como se fosse simples. – Tudo bem. E está pensando isso. Me ignorou. – Lê a nova mensagem! – falei nervosa. Senti os passos do Justin atrás de mim. mas depois leu a mensagem.

. – Você não confia em mim! – Eu não confio na Alexia. – Eu já falei que gosto de você e é com você que eu estou! – Você tomou posse por mim. chega de fazer vista grossa pras coisas. – ele começou. Se eu tivesse que sentir medo o momento era aquele. Eu não sei de onde. – ele gritou.. Não o deixei terminar a frase meti a mão na cara dele sem dó e nem piedade.. – Eu não transei com a Alexia. Os olhos dele miraram fixos em mim. – Cassidy não aconteceu na. – Há meses atrás você estava vagando pela cidade procurando por ela. – rebati. Dei dois passou pra trás ainda extasiada com o que fiz. – A gente resolvemos umas coisas juntos. – Não você não gosta de mim! – ele me olhou confuso. mas o antigo Justin tinha surgido e estava ali na minha frente. – ele deu uma pausa. – Eu e ela. – as palavras saiam da minha boca só em defesa. – ela explodiu daria tudo para não estar ali com o estado em que ele estava. – Você sabia muito bem que eu e o Brian estávamos nos aproximando e poderia rolar algo a mais. – Você não leu a mensagem? Adorou ficar com você. – Meu ciúmes não é idiota e não é em vão.. – Sabe qual é o seu problema Cassidy? – ele quebrou o silêncio. – Você tá louco? – levantei ficando bem próxima dele. – Eu já falei pra você que não tive nada com ela. Justin virou de costa passando as mãos na cabeça mostrando muita impaciência. Vi a fúria tomar conta do rosto dele. – ele disse respirando fundo e um pouco ríspido. sabe quando o Huck se transforma e você tem que sair de perto estava me sentindo assim. mas mostrava que estava muito nervoso. Estava na hora de falar a verdade. E nessa semana eu sinto de verdade que você está sentindo algo por mim e ela volta! Você quer que eu me sinta como? – Eu já disse que gosto de você. – gritei nervosa.– Escuta aqui. E só porque eu transei e perdi . – Será que não dá pra você para com esse ciúmes idiota? – ele gritou e agora eu estava assustada. – ele falou nervoso. E se eu quisesse correr o momento era aquele. – Sai de perto de mim.

Você achou que eu já era sua. – Eu estava blefando em achar que você me ama só que eu sou muito boba Justin só tenho 16 anos. – ele disse sério. – E não. – ele colocou a mão sobe arranhão. eu não te obriguei a nada você pode muito bem escolher entre mim e o Brian.. Ele me puxou pelo cabelo segurando bem firme. Você se entregou pra mim. – Será que o Brian me trataria diferente? – um silêncio pairou no quarto. – Me solta. – Será que com o Brian seria diferente? – ele me olhou incrédulo. – Eu nunca falaria uma coisa se não estivesse sentindo. . palavras me compram. Ou impede? – ele se aproximou de mim. – Você é um idiota – soquei o peito dele com ódio. – Desgraçada. – Você está blefando! – ele riu pelo nariz. – Então porque você não vai lá? – ele disse sendo estupido. e a garotinha que cedeu a virgindade fácil pra você poderia não ir mais pra sua cama. Mas você teve medo. mas eu estava tomada pelo ódio.. Mas você não resistiu escolheu a mim. –gritei e voei em cima dele com ferocidade. quando senti os passos dele vindo até mim. Ele me empurrou com força e eu bati a cabeça na quina da cama. sabia que mais uma semana convivendo com o Brian eu e ele poderíamos ter algo a mais. – Idiota. você se fez minha. desde aquele dia que você entrou no meu quarto dizendo que queria me devolver minha blusa. Ele tentou me afastar. Você está à mercê de mim Cassidy. Não deixei aquilo barato me recuperei para me defender. Minha face pegava fogo onde tinha marcas do dedo dele. Eu só fiz o meu papel de homem. você já não respira mais sem mim. – Você já não consegue deitar sua cabeça no travesseiro sem pensar em mim. Ele agachou bem próximo a mim e me ergueu pelos cabelos me fazendo encara-lo. – Tai uma coisa que nesse momento eu gostaria de provar. – socava o peito dele com ódio até que ele me deu um tapa estalado no rosto. aquele tapa doeu na alma. – ele dizia aquelas palavras e elas gritavam e faziam eco em minha mente. Mas a suas atitudes mostram o quanto elas eram falsas. Fiquei deitada no chão com a cabeça rodando um pouco pela pancada. – gritei e dei uma unhada na cara dele o fazendo me soltar. aquilo tinha me machucado e eu precisava descontar. Idiota. – Eu estou blefando? – falei indignada.minha virgindade com você. – Vai lá? Nada te impede. – Desgraçado é você. Tudo que ele dizia era verdade e eu me martirizava ao ouvir aquilo.

E ele puxou meu cabelo com um pouco mais de força. Acabei pegando no sono. Escutei destrancarem a porta e eu levantei esperançosa. – Justin não me tranca aqui. – lutei para me livrar dele e com os olhos marejados de lágrimas.– Sabe Cassidy. Lágrimas de ódio. Fechei os olhos novamente querendo que aquilo não fosse verdade. os meus ouvidos retiniam a respiração que sai entre cortada às vezes interrompida pelos soluços. – meus olhos estavam marejados minha cabeça ainda doía. Sentia o meu rosto arde vergões estavam sendo criados onde o tapa foi dado e as lágrimas escorriam por cima ardendo mais. – Sabe. dormi de tanto chorar. eu odeio sentir algo por você. dormi no chão. . Você é minha. aquela foi a pior noite da minha vida. – ele disse com uma voz ameaçadora. tão fresquinha. porque você é tão delicada. Minhas mãos apoiavam minha cabeça. Daria tudo para ir embora dali. – Eu odeio você. ódio por eu gostar daquele imbecil. meus olhos arderam e uma lágrima desceu contornando o meu nariz. – ele passou a mão em meu corpo fazendo eu me arrepiar. mas não de prazer e sim de medo. Acordei com o corpo todo dolorido. Ele se dirigiu até a porta tirou a chave e me olhou eu sentei não acreditando que ele faria aquilo. Abri os olhos com dificuldade e alguns raios de luz invadiam o quarto. que se eu começasse você não aguentaria nem vinte minutos tomando porrada na cara. tão frágil.. você está precisando de disciplina. – corri até a porta. – E eu mato o filho da puta que relar em você e depois acabo com você. – Eu poderia quebrar você na porrada.. – falei com as lágrimas rolando no meu rosto. – Isso é caso se você tentar fugir pra casa do Brian. – gritei entre os soluços e ele me soltou. Deixei meu corpo cair sobre o tapete que cobria o piso frio. Já cansei de você tentar jogar na minha cara que vai dar pra outro homem. – Mas mesmo assim ainda seria pouco pra mim. mas foi em vão ele bateu e depois trancou a porta. – ele estava medonho com aquela cara. inclusive o Brian. Não isso não vai acontecer. – Sai daqui. daria tudo para não sentir o que eu estava sentindo. Guadalupe entrou seguida por Nanely segurando uma bandeja.

– Justin seu bosta você não pode me deixar aqui! – gritava nervosa. – Já fiz o que senhor pediu. – ela disse toda cautelosa e com um semblante triste. – Onde está o Justin? – perguntei nervosa e secando as lágrimas do rosto. – Me solta. mas não responderam nada. Ela tá de dar pena. Ela pediu para aquilo acontecer. Vai tomar no cú! Não aconteceu nada entre mim e a Alexia ela só me ajudou a pegar as obras na casa do Chaz e esconder em um lugar melhor. – ela abaixou a cabeça e se retirou. Abracei minhas pernas e as lágrimas tomaram conta de mim. . – falei autoritário.– O que é isso? – perguntei indignada quando vi um segurança parado na porta do quarto. – O senhor Justin me pediu para trazer o seu café da manhã e roupas para tomar banho. Estava sem paciência pra criada imbecil. – dei uma dentada no braço dele e ele me jogou longe respondendo com impulso. Você não tem nada a ver com a Cassidy. mas solta a bichinha. – Guadalupe colocou a bandeja na mesinha e Nanely jogou as roupas em cima da cama. – Senhor Justin. mas a Cassidy passou dos limites. Se bem que eu estou bem pilhado com tudo o que está acontecendo. – ela começou. POV Justin. Estava no meu escritório e escutava os berros dela vindo do quarto. – Então vaza daqui. – Já fez o teu serviço? – ela me olhou assustada e depois balançou a cabeça positivamente. Nanely e Guadalupe saíram do quarto trancando a porta novamente. Aquela não era a maneira certa de fazer as coisas. – Justin. – Seu ogro me solta. meu corpo escorregou até chegar ao chão. Fui tentar sair do quarto. aquilo era torturante. – esmurrei a porta. mas nada e nem ninguém respondeu. – Ele tá pesando o que? Que eu vou ser prisioneira agora? – Guadalupe se calou. – Entra. Elas se entre olharam. – Não sou muito de me envolver na vida dos patrões. – lutei contra os braços grandes daquele muralha. mas Nanely riu com maldade. – Guadalupe bateu na porta. – Senhor Justin. mas o segurança me impediu.

– depois de um tempo Jason entrou. – Não! Pelo amor de deus nem aparece aqui em casa. – Essa voz não me convence. na verdade tudo o que ela sabe eu que ensinei. tem gente que procura se fosse aquela empregada ia da um apavoro nela só pra aprender a cuidar da vida dela. – Entra. . – desliguei o telefone antes que ela começasse a se empolgar. – Quer que eu vá falar com ela? – ela disse com deboche. – O que você tem? – Nada. – Os carros vão pra sua casa. Valeu. Ela sabe como fazer as coisas. – Fala. A gente se fala. – E você nem ajudou com aquela mensagem. – Porque? – A Caissy viu. – atendi sendo seco. – Que é Caralho? – falei nervoso.. Aconteceu alguma coisa? – Sua mensagem ferrou com minha noite. Eu não vou deixar sua gatinha mais insegura. Alexia estava me ajudando muito. Bateram na porta de novo e eu bufei nervoso.. – ela riu alto. – Ok. – Tchau. – Ta bom.O telefone começou a tocar e era a Alexia.Tudo estava me irritando até o silêncio estava me irritando. – tinha pedido para ela cuidar dos carros novos que eu comprei. – ela disse com maldade. – Já até sei a piveta surtou. – É o Jason.

– Procurando saber? Você já deveria ter me trazido a cabeça de quem entrou aqui há um bom tempo. O outro carro era pra Caissy uma Range Rover Evoque branca. – falei enterrando a cabeça no travesseiro. Quando ele tocou minha perna não deixei. Jason saiu do escritório e eu fui ver os carros novos que tinham chegado. – ele estava saindo da sala quando me lembrei de que ele ficou de fazer um serviço pra mim. – Tá. – meu humor estava péssimo sem conta que tinha que enfrentar uma fera que estava lá em cima. a pessoa foi bem cuidadosa para não deixar nenhum rastro.– Justin os carros chegaram. – ele me avisou. . – Não está tão fácil assim. – ele me olhou com inferioridade. – Bom trabalho. Pelo menos uma coisa descente você soube fazer. – Eu quero que você faça o impossível antes que ao invés de matar quem entrou aqui. Fiquei satisfeito com os carros estavam equipados do jeito que eu queria. – ele abaixou a cabeça. Se não fosse tantos favores que ele me devesse acho que ele já tinha me mandado ir pra merda. Os carros estavam estacionados no jardim. Estava esparramada na cama quando escutei a porta abri. Já vou lá. até batizei o carro de batmóvel. comprei-o e pedi para modificarem. Olhei de canto de olho e vi o Justin entrando. – ele me olhou assustado. . Agora era só buscar a Caissy para ver o meu presente pra ela. Jason devia muitos favores pra mim.E os seus seguranças já pegou os traíras? – Ainda não tenho nenhuma informação. A vida dele estava uma merda e quem o ajudou foi eu. nem me movi. A customização ficou perfeita. mas estou procurando saber. POV Caissy. eu mato você e aqueles idiotas lá fora. – Espero. Tomei banho. – E o Luigi? – Fiz o que você mandou. mas não comi nada. Além de ser pego em flagrante a policia fechou o laboratório que ele refinava droga. O Cadillac tinha ficado do jeito que eu queria. – Sai daqui. – Já disse que isso não vai ser preciso.

– Eu ajo por impulso isso tudo é impulso. Ai como eu sou boba qualquer coisinha eu já me derreto. – Você não tem tempo pra mim... – ele se conteve. – Tem certeza? – Se a gente continuar assim eu acho melhor a gente. eu estou sendo perseguido. Pra mim isso não é fácil. – falei perante aquela situação. – Então porque você não vai pro Canadá? – falei já me controlando. – ele me olhou em silêncio por um tempo. – Nem eu! – falei nervosa. Eu tenho que fazer tanta coisas. – Isso é loucura. – Não toca em mim não fala comigo. Para mim isso não vale a pena. – Eu não posso levar o perigo pra lá. mas eu me afastei. – Não quero brigar e nem ser feita de idiota. – Não boa eu não aguento mais esse seu jeito! – Eu não quero brigar. – ele acariciou minha perna novamente. – Você não tem tempo pra você! Você queria ir viajar ficar um tempo com a sua família e nem isso você vai mais fazer. – E nem eu suporto esse seu descontrole! – falei nervosa. – continuei. – Caissy. – Eu estou tentando fazer as coisas certas. Eu tenho que proteger quem eu amo. – A gente o que? Fala Cassidy? – ele gritou nervoso. – ele passou a mão no rosto dando sinais de impaciência. – ele apoiou os cotovelos no joelho e escondeu o rosto nas mãos. Você acha que o Marcony não vai fazer nada? Que ele não vai atrás de mim? Ele vai me caçar até no inferno agora. – Porque você está gritando? – falei nervosa. .– Tenho uma surpresa pra você lá em baixo. Tem um cara lá fora louco pra me matar. – Cassidy eu não tenho paciência para os seus chiliques. – não consegui terminar a frase travei aquilo ficou entalado na minha garganta. – Eu já estou cansada dos seus impulsos. mas cara eu estou perdido. – gritei nervosa.

– Porque você tinha que me fazer sentir essa angústia? – me sentei na cama distante dele.– E eu preciso de você agora. – Não parece que você precisa de mim. – Você não sabe se controlar. Não tenho medo de nada. – gritava as palavras alterando o meu estado. – Isso não vai se repetir mais vezes. – Caissy me des. – Me perdoa. – ele ainda tinha coragem de sorrir. – Não peça desculpa por uma coisa que você sabe que vai se repetir mais vezes. você é a única base que eu tenho agora. Como ele podia ser assim? Como o humor dele podia entrar em constantes mudanças desse jeito? O que ele foi ontem já não é mais hoje. – ele jogou na minha cara. isso machuca isso dói. – Eu quero sair daqui Justin! Você não pode me deixar trancada aqui dentro. – Eu vim te tirar daqui. – falei entre soluços. – Cassidy eu gosto de você não faz isso comigo. Mas aquele sorriso pra mim não significava nada depois do que ele fez. – E você é muito possessiva. nunca pensei amar alguém assim. Esse sentimento está se tornando a minha maior fraqueza... – ele começou a querer me comprar. . – ele disse sendo sério. – Você vai gostar. – Será que estamos fazendo isso certo? – ele me olhou incrédulo. – Eu não quero nada. – Vai sim. Você tem que ficar do meu lado. você não tem esse direito. – Quem gosta não faz o que você fez! – falei sendo firme. sei que isso que estou passando hoje vai me fazer mais forte amanhã. – ele insistiu. Eu comprei um carro pra você. – respirei fundo. – Porque você fez isso? – sussurrei. Eu não tinha ninguém a recorrer minha mente luta para isolar ele dela. mas isso parece impossível a cada dia. – gritei nervosa.

– Eu não vou transar com você nem tão cedo. – vi a cara dele se fechar. senti vergonha quando vi os seguranças no mínimo eles devem ter escutado a gritaria de ontem à noite.– Chega! Chega desse assunto eu sei onde essa conversa vai chegar. – ele olhou no fundo dos meus olhos me fazendo parar de me debater e ficar parada o encarando. se arruma que eu vou te levar. – ele disse empolgado. Entrei na sala e estava indo pro meu quarto quando ele estava atrás de mim. menos eu que estava morrendo de ódio dele. – Você disse que queria conhecer um motel. Eu estava andando na frente e ele logo atrás. – ele saiu andando e eu fiquei parada no corredor com cara de tacho. – falei nervosa tentando voltar pra cama. – Por favor. mas eu fugi do beijo. – A final ele parece ter mais paciência. E sim você é coisa certa pra mim. – Acho melhor o Brian fazer isso. – Eu quero que você veja o carro. Então. – Se arruma eu vou te levar no motel. – Eu posso te ensinar a dirigir a hora que você quiser. – ele me puxou pelo braço e me tirou pra fora da cama. – O que é? Eu tenho que voltar pro cativeiro ou eu já posso andar pela casa? – falei nervosa. – falei tentando transparecer indiferença. – já disse não quero ver nada. . – Gostou? – Justin apontou um carro branco lindo. – Vamos lá. – ele me surpreendeu senti um arrepio e um prazer muito grande só de pensar em estar em um motel com ele. – ele disse tentando não mostrar a raiva que estava sentindo. – Justin me solta. – Solta meu braço que eu sei descer sozinha. – puxei o braço com força fazendo ele me soltar. – O carro é seu faz o que você quiser. – É bonito. – senti que tinha pegado pesado ele fez uma carinha triste que qualquer um se comoveria. – ele chegou mais perto. – ele ameaçou me levar. um sorriso queria brota no meu rosto. mas o Justin não merecia. mas eu não relutei deixei.

Im gonna make you wet the bed. Então era isso. Olhei-me no espelho e sim. – Porque me ligou? – Estava com vontade de falar com uma chata. Queria uma roupa diferente. então destacava ainda mais. Ainda estava brava com ele. o meu sorriso se abriu quando eu vi que era o meu Brian. mas ir ao motel e não fazer nada só provocá-lo. *-* Capítulo 26 . ou pior. estava perfeita! (http://www. tinha dado uma engordadinha. Se eu desse uma adaptada ficaria melhor. – debochei. o vestido já estava bem chamativo.. não tinha o peito tão grande.com/cgi/set?id=42684631&. – Tô bem. – E ai princesa tudo bem? – Sim e você? – não sei por que. credo. já estava cansada do que estava vestindo. – HÁ HA engraçadinho. – falei com a voz risonha.locale=pt-br) Quando estava colocando o sapato o meu celular começou a tocar freneticamente. mas nesses últimos dias não sei o que aconteceu o meus peitos inflaram. Não sei de onde tinha vindo aquele vestido preto.CONTINUA. O vestido em minhas mãos era super colado. a Pattie comprou tanta roupa que eu nem reparei em todas. Ir á um motel com o Justin tem os lados positivos e os negativos.polyvore. . mas me deu uma felicidade tão grande em falar com ele. Cabelo solto me deixava com mais cara de safada. mas desisti assim que encontrei uma roupa bem melhor. eu estava gostosa. deixava as minhas curvas bem avantajadas. ultimamente eu só estava vestindo roupa preta e salto. Ridículo! Revirei as minhas roupas e encontrei a roupa que fui ao pega aquele dia com a Claire.. – ele riu. A maquiagem eu deixei fraca. andando dark que nem a Alexia. A última coisa que quero é ser comparada á essa lambisgoia. me faria sentir um pouco melhor. – Fala meu fã. ter de escutar que pago um pau para ela. – Droga! – larguei os sapatos e fui atender o celular.

Porque o Bieber não vai te ensinar? – Porque eu quero que seja você. Escutei duas batidas na porta.. Mas eu sabia que era o Justin. – Me ensina a dirigir? – repeti. – Eu vou sair. – Egoísta. – ele fez uma pausa e eu revirei os olhos. – Ah esqueci. – Ué. mas eu já sabia a resposta. – Vou ter que desligar. – Vou passar te buscar cedo.. não respondi nada. depois do almoço. – ele disse rindo. – Agora? – perguntei insegura. – falei com a voz triste. – Idiota! – Claro que é agora né Caissy. mas isso é estranho... – Nem ferrado. não preciso do seu! – Melhor assim. – O que? – perguntou assustado. porque você está me pedindo isso? – ele disse confuso. Eu quero. semana que vem. – Me ensina a dirigir? – mudei de assunto. – Não. – ele riu.– Quer vim aqui pra casa? – até suspirei com essa pergunta. – debochou. – Não. Eu queria muito ir. Eu ganhei um carro. provocar o Bieber. mas eu tinha outros planos. – tentei transparecer tristeza. – falei como se fosse obvio e com certeza o Brian ia ficar se achando. – Tudo bem você não quer deixa quieto. . agora você vive vida de casada. Mas no meu carro não... – Ta bom.

Voltei a me arrumar e mais uma vez bateram na porta. Ele abriu a porta tentando ser todo cavalheiro e eu achei aquilo ridículo. Justin foi andando na frente e eu logo atrás. – ele deu um sorriso safado. quando o Justin ligou o som levei um susto leve porque era muito alto. Como eu disse foi o carro novo mesmo que ele escolheu.. foco. e está ai uma boa dica o ele precisa saber como amar. Respirei fundo. – voltei a olhar a paisagem. Mas é um viadinho mesmo. . – Não vai dizer nada? – ele repousou a mão na minha coxa que estava descoberta e eu franzi o cenho não estávamos muito bem para ele me tocar daquela forma. – Tenho. – Não tenho nada pra dizer. – ele riu e desligou na minha cara. Aquele carro era magnifico. – Tem certeza? – ele desceu a mão de forma lenta até meu joelho e depois subiu.– Já dei o meu horário. e tenho de admitir. Justin deu a volta no carro e depois sentou no lugar dele. não sabia onde ficava o tal motel. Justin batia os dedos de forma ritmada no volante e eu estava quieta no meu canto fitando a paisagem. arrumei o salto no pé e pronto eu estava pronta. – murmurei e tirei a mão dele da minha coxa. – Eu ainda sou menor. Ele respirou fundo e voltou a ficar com os olhos fixos no caminho. – Vamos? – meu tom estava arrogante. Estava tocando “How To Love”. Tinha que esquecer tudo o que ele fez pra poder fazer o que eu queria. Esteja pronta. Tínhamos chegado. Estava me sentindo que nem aquelas puta que fazem o serviço caladas e depois só esperam uns trocados e vão embora. Respirei fundo. Diminui o passo até ele me alcança porque não sabia em qual carro ele iria. Foco Cassidy. Abri a porta e ele estava parado pronto para bater mais uma vez. isso não era a cara dele. – disse assim que notei a placa em minha frente “Proibido para menores de 18 anos”. estava um pouco curiosa. senti um calafrio passar pelo meu copo.. – Pra onde você quiser! – ele disse com os olhos fixo no meu corpo e eu revirei os olhos e sai andando na frente. – Ual. mas provavelmente era o novo. Depois de um tempo ele parou o carro e desceu.

Ele não disse nada. Dei um sorriso de lado quando percebi que Justin me encarava e depois cai na água que estava morna para a temperatura do meu corpo. Eu observava tudo àquilo com muita curiosidade no teto e na parede atrás da cama tinham espelho. apenas apertou o botão e começou á balançar o pé de forma ritmada e bater as mãos na lateral do corpo. mas eu o via tentando conter os olhares principalmente quando eu tirei o vestido para poder entrar na piscina. mesmo perante á tudo o que tem acontecido. Justin pegou uma garrafa de champanhe e abriu. ele estava com a taça na mão fingindo estar entretido com o celular. – Nem eu. segurando a porta para que eu entrasse. Ele abriu a porta e sorriu para mim. – Não. que só de olhar você sentia prazer.– Eu sei.. Do lado externo do quarto tinha uma piscina extraordinária coberta com um teto solar. pois nem identificações pediram. “Wet The Bed”? Uma ótima música para o momento. isso porque ele SEMPRE vinha aqui. Saímos do elevador e Justin me guiou até um quarto. e o engraçado era que não tinha janela no quarto. Ok. –fugi saindo de perto dele. Entramos num elevador totalmente espelhado e ao meu lado Justin parecia sossegado ainda com suas mãos em minha cintura. Peguei o controle remoto e liguei o som. O motel era enorme. – Ta com frio? – ele perguntou bem próximo de mim. apenas ignorei e entrei. Eu já estava me perdendo naquele corpo novamente. Ah. Não retribui o sorriso. – quando me virei ele estava sem camisa. Ás vezes esqueço que o Justin que amo. Eu ainda não estava completamente á vontade e ele parecia distante. A decoração era magnifica as cores eram tão fortes. também foi o Justin que quando me conheceu era o pior ser do mundo. Respirei fundo e me afastei um pouco dele. era tudo fechado. sem contar que era muito chique e as cores que o decoravam eram fortes e provocantes. Justin segurou em minha cintura e me guiou até uma porta prata. Havíamos passado tão facilmente pela recepção que até me parecia que Justin já era conhecido por ali. ele agia tão normalmente. senti meu rosto pegar fogo. vi o Justin travado na cama com os olhos . O fato era que eu estava louca para dar um mergulho. – ele deu de ombros e voltou a caminhar. e eu aqui. Quando submergi.. Aquele lugar estava tão parado precisava de uma música.. Respirei fundo para me livrar daqueles pensamentos maliciosos.. a cama era redonda e de frente á ela tinha um ferro. Aquilo era diferente de tudo o que eu já havia visto. claro. parecendo uma idiota. Aproximei-me da piscina e notei que o Justin não tirava os olhos de mim.

o volume da cueca era visível. Quem estaria no comando era EU! Encarei Justin e levei minhas mãos até sua nuca. Sentei-me meio desconfortável. Afastei-me de súbito. ficando de frente á ele. aquele ali não perde tempo. Ótimo! Ele já está caindo. Mexi minha cabeça tentando me livrar de meus pensamentos e respirei fundo. Eu ainda nem estava fazendo nada e ele já estava daquele jeito. Eu poderia tornar esse joguinho ainda melhor. encarei bem o objeto e fui a sua direção. – Cassidy. Ele ia abrir a boca para falar algo mais eu o silenciei com um dedo em seus lábios.. Depositei um beijo em seu pescoço e me afastei quando ouvi um resmungo satisfatório dele. Tirei a mão de Justin de minha coxa e ele me encarou confuso. Mergulhei atravessando a piscina indo até a outra ponta. Eu tinha necessidade dele. Justin me olhava . Corri meus olhos pelo quarto e parei no ferro que ficava de frente para a cama. Já tinha visto algumas mulheres dançando nesse negócio. Eu também sei brincar! Arrumei minha postura e vi Justin se aproximar ainda com a expressão confusa estampada no rosto.. ele vai provar do próprio veneno.. de seu corpo. mexendo em seu cabelo e acariciando seu rosto. – Nada. Sua respiração chicoteava meu pescoço. por tudo o que ele fez comigo. Deixei minha toalha escorregar pelo meu corpo e ouvi Justin arfar. Mas bom. Pousei minha mão em um de seus ombros e me levantei. Escorreguei minha mão por seu ombro.. Sorri safada e soltei seus braços de mim. e não me parecia difícil. Eu juro que estava me controlando. aquilo era torturante e extremamente delirante. eu não deixo de amá-lo. Era agora! Não poderia evita-lo por mais tempo. hoje será diferente. Justin havia mudado muito desde que Alexia voltou e eu também. Eu não podia me entregar tão fácil assim. Se ele acha que sou como as vadias que ele estava acostumado.fixo em mim. dei um sorriso safado. vai ver como é ruim ser tratado com tanta frieza. já não sabia mais o que esperar de suas ações. Justin me encarou e em seus olhos a confusão era clara. descendo por todo seu tronco e parando no cós de sua calça. Quando cheguei á borda. Justin pareceu convencido. Passei a língua pelos lábios. Ele sorriu malicioso e ficou quieto. Justin estava parado segurando uma toalha.. e poderia ser mais uma coisa ao meu favor. ele não viu nada. ou até mesmo como a Alexia. Sai da piscina e ele me envolveu na toalha ficando bem próximos de mim. de seus lábios. Idiota! Justin relaxou ao meu lado e colocou uma de suas mãos em minha perna. e o pior disso tudo é que mesmo sabendo que á qualquer momento ele pode me fazer sua prisioneira. mas seu toque me deixava quente. Ele se arrepiou e me puxou para seu colo. fazia com que eu quisesse agarrá-lo. devia estar achando que eu apenas estava receosa quanto ao local. antes que não conseguisse mais me controlar e fui para perto da cama. Com a mão direita eu segurei aquele ferro gelado e comecei a dar voltas nele. Iria tortura-lo. o que foi? – Justin perguntou sentando ao meu lado.. – disse irônica e lancei meu melhor sorriso.

aquilo era pedir para minha integridade evacuar. caminhando lentamente até a lateral da cama.chocado. Justin passou a língua entre os lábios. Rocei minha intimidade no ferro e vi que aquilo fora a perdição de Justin. Justin tentava controlar seus gemidos pressionando seus lábios. Mordi o lábio inferior e prossegui com meu showzinho. Minha lingerie estava molhada e grudava em minha pele. Desci até o chão rapidamente e tornei a subir. Inclinei minha bunda e enquanto segurava firme o ferro com minha mão direita. Fiquei de costas para o ferro agora. deixando-me um pouco mais vadia. Passei minhas pernas pela cintura de Justin e sentei em seu colo.. Justin mordeu os lábios e eu soltei sua mão. e posso garantir que eu não estava menos excitada que ele. Parei do lado do ferro ainda segurando-o e fui balançando meu corpo para frente e para trás sensualmente. aquilo me tirava do sério. saindo do chão. Arranhei suas costas e apertei seu membro com força. apenas com sua boxer preta. Dei a volta nele com minhas pernas nele e voltei ao chão colada ao ferro. um pouco mais chamativos e sensuais. Justin apertou minhas coxas e um gemido escapou por entre meus lábios. O garoto tentava se livrar de suas calças desesperado.. rebolava meu corpo e descia frequentemente até o chão. Justin arfou e eu me levantei. peguei impulso e dei um salto. Sorri maliciosa e vi que Justin tinha suas mãos agora dentro de suas calças. O volume em sua calça era perceptível. Concentração Cassidy! Concentração! Que concentração o que? Puta homem gostoso na minha frente. extremamente excitado e eu ainda querendo brincar? Não sei se aguento por muito mais tempo. Justin me seguiu com o olhar e eu sorri. passando-a por todo meu corpo. Minhas pernas estavam abertas. de meus seios ás minhas coxas. Subi naquela cama gigante e me deitei sobre os travesseiros e as rosas que enfeitavam o lugar. Caminhei lentamente e quando cheguei bem perto. está funcionando. segurei-o com minhas mãos no alto de minha cabeça e comecei a esfregar minha bunda nele. mas aqueles olhos. é claro! Justin tinha sua mão pressionada contra seu membro ainda coberto pelas calças e seus olhos não saiam de meu corpo. Sem sucesso. Ele havia caído perfeitamente em meu jogo até agora. Justin se . e eu já estava me sentindo poderosa. o segurei com as duas mãos.. Dei a volta no ferro novamente. Meu cabelo caia no olho e eu passava minha mão por eles tentando mantê-los distantes de meu rosto. tirou sua calça e veio até mim. que estava se contorcendo naquela cama. Virei-me de frente para Justin e comecei a dançar com o poste como se ele fosse Justin. mas eu ainda queria provoca-lo mais. Arrisquei um olhar em direção á Justin. Arrisquei alguns movimentos mais ousados. segurei sua mão. Puxei seus cabelos que escapavam sob meus dedos e mordi seu lábio inferior. deslizava a esquerda por toda sua extensão. descendo até o chão e depois inclinando minha bunda para subir. Seus olhos eram claros ao descreverem o desejo que o possuía e eu sabia que o meu não deveria mostrar coisa diferente. Bom. para que fosse mais fácil de descer. depois parei de costas para Justin.. ele já estava totalmente duro. Sorri satisfeita e decidi ir a sua direção.

POV JUSTIN Confesso que o que Cassidy estava fazendo comigo era torturante. acho que ela ficava até melhor assim.. Não tinha como negar. de repente meu coração começou a bater mais forte. sem nem pensar nas consequências. Minhas mãos percorriam toda a extensão do corpo de Caissy e ela se arrepiava á cada toque. Belisquei um se seus seios com as pontas dos dedos e Caissy soltou um gemido rouco. Caissy deixava qualquer cara louco. Só tinha cara de santinha. Eu sabia onde aquele simples beijo nos levaria. Justin pediu passagem para um beijo mais profundo e eu cedi. NUNCA! Desci meus beijos para o pescoço dela e mordiquei. e esse é um dos motivos de eu querer protege-la. para que ele me possuísse da maneira que bem entendesse e que se foda o que ele irá fazer comigo depois.. e ás vezes até fico em dúvida se realmente eu fui o primeiro cara da vida dela. e não vou deixar que isso aconteça. pedaços de pano inúteis. as evidencias são que sim. desci uma mão até sua calcinha que já estava . A beijei com toda a vontade possível queria demonstrar o quão louco ela me deixava. e nesse momento. pelo contrário. mas de fato. mas isso não era ruim.. e depois dançar naquele negócio de ferro? Porra. Seus lábios quentes e macios. Não sabia que ela fosse capaz do que estava fazendo agora. Seu corpo era sustentado por seus braços.. Deus. seus lábios estavam entre abertos e a respiração pesada. Aquela garota estava me matando. mas ultimamente. e não que só meu colega lá me baixo me denunciasse.. abri e Caissy arqueou as costas para que eu pudesse me livrar daquela peça e assim que consegui a atirei em algum canto daquele quarto. Agora simplesmente me entreguei. esse jeito autoritário e selvagem. mas eu precisava mostrar de outras formas. meu homem está louco para me foder e eu não irei mais rejeitar. meu foco eram seus lábios e toda a minha consciência e meu plano foram por água a baixo. entrar naquela água só de lingerie. Nossos rostos estavam muito pertos. a Caissy parece uma mulher e puta mulher experiente. mas bem no fundo eu sabia que não resistiria á ele até o fim. assim que nossos lábios se encontraram. mas depois só o que conseguia pensar era no corpo de Caissy junto ao meu. Me entreguei de corpo e alma. pois sinceramente? Estou preocupada com o agora. me tratar estranho..aproximou ainda mais de mim e subiu em minha cintura. Assim que o encontrei.. Seus seios estavam mais fartos do que eu me recordava. pois sei que na primeira oportunidade. pois eu estava louca para ser fodida. porque de santa essa ai passa longe. que homem que resiste á isso? Juro que á princípio pensei em Alexia. Caissy arfou e então eu fui á procura do fecho daquele sutiã. algum otário pode tirá-la de mim.. Lambi seu pescoço e enquanto abocanhava seu peito. A única coisa que nos separavam eram aquelas malditas peças intimas.

. Segurei na cintura dela e a ajudei com os movimentos.. Ri fraco e a beijei com fervor. segurou em meus ombros e inverteu nossas posições. pois me encarou. eu. exausto. Afastei um pouco sua calcinha e passei um dedo por sua intimidade. Fui diminuindo os movimentos. aquela menina era fantástica. vai! – gemeu e eu pude sentir que ela estava quase lá. ultimamente eu não tenho controle sobre mim mesma. – Justin. e não acho que fora só por causa da piscina. e sabia como me satisfazer. experimentando seu próprio gosto. logo em seguida a preenchi com o meu. aqueles peitões pulavam conforme seus movimentos e aquilo era meu paraíso. Puta mina gostosa. mais rápido! – Caissy pediu e assim o fiz. POV CAISSY Eu tinha certeza de que não conseguiria me segurar. – Tudo bem. Comecei á estimulá-la.. Aumentei os movimentos e ela se contorceu sob meus dedos. – Porra Justin. eu também já estou chegando. Lambi o pouco que escorria por meus dedos e sorri. Ela lambeu os lábios e sorriu maliciosa. Caissy sentou sobre meu membro e começou á cavalgar. Ela tratou de logo se livrar de minha boxer e eu a ajudei a tirar sua calcinha jogando em algum lugar do quarto que eu não estava interessado em saber onde.. e a coisa que mais me incomoda. Essa é minha Cassidy! A penetrei com dois dedos de uma vez e ela deu um impulso para trás. cada vez mais rápido e mais fundo. quer experimentar? – perguntei malicioso e ela assentiu. Belisquei seu clitóris e então Caissy se contorceu mais uma vez e liberou seu líquido em meus dedos. mas tinha uma coisa que estava me deixando angustiada. e sinceramente. Caissy também. Escapavam gemidos safados dos lábios de minha garota. Ela caiu ao meu lado ofegante e se deitou em meu peito depois de alguns minutos. Como imaginei! Completamente molhada e apertada. o motivo pelo qual eu demoro para dormir a noite. Levei meus dedos até sua boca e ela abocanhou meus dedos.. Minha cabeça estava tombada para o lado. – Awn Justin. Meu membro pulsava sob minha cueca. – disse enquanto aumentávamos os movimentos. acho que devo ser o cara mais sortudo desse mundo. . Depois relaxou e começou a mexer seu quadril á procura de satisfação. Caissy mastigou meu pau e o lambuzou com seu gozo. Aquela garota era a peste me pessoa. ele exigia atenção e acho que Caissy também reparou nisso. subindo em cima de mim... Beijei seus lábios mais uma vez e pude encarar seus olhos que transbordavam luxúria. – Gostosa como sempre..completamente úmida.

é? – me sentei na cama me cobrindo com o lençol. meu corpo estava pregando e eu ainda estava cansada. Ele enrolava o dedo na ponta dos meus cabelos grudados nas costas. – ele jogou um bolo de dinheiro e as chaves do quarto pro cara que assentiu com a cabeça. – 05h20min da manhã. afinal. – Porque você tem um belo sorriso. joguei meu sutiã fora. Pegou na minha mão e corremos até o carro o sorriso em meu rosto não negava o quanto eu estava feliz e o dele? O dele nem se fala. e agora ele diz que eu sou quem importa. – Você tá doido. – ele saiu de baixo de mim ficando de pé. que tem? – perguntei confusa. Queria que fosse todos os dias assim. é honesta. – O que. Estava com a respiração ainda muito forte. ela sempre foi o amor da vida dele. Cansados? Eu e Justin estávamos acabados. – ele chamou a atenção do atendente. – Justin sussurrou e eu levantei um pouco o corpo para ter a visão do rosto dele. – Ai patrão. um bom senso de humor. Aquela sensação de soma só estava aumentando dentro de mim. vesti minha calcinha e coloquei o vestido sem sutiã meus peitos estavam doloridos. Justin fez uma pausa breve. Eu precisava saber.. – Vai ficar ai? – ele perguntou abotoando as calças e eu sorri. Peguei meus sapatos e ele pegou na minha mão livre. – Vamos dar uma volta. Fiquei pronta em três tempos o meu estado não tinha nada a ver com o que eu cheguei.. Se o sexo foi bom? Foi um dos melhores. Os vidros do carro estavam abaixados e o vento batia fazendo meus cabelos voarem. – Valeu. – ele disse e beijou o alto da minha cabeça... Poderia morrer agora nesse exato momento que morreria satisfeita. amável e confiável. Chegamos à recepção e eu estava rindo sem parar das gracinhas do Justin. Meu cabelo já estava liso de mais sem nenhum volume nas pontas. Justin sorriu pra mim assim que terminei de me vesti. eu estava tão radiante. Com a cabeça no peito dele ouvindo os batimentos do coração que eram ritmados.– Porque você me escolheu? – perguntei com a respiração ainda ofegante. . 150 km/h na estrada e meu homem do meu lado sem nada e nem ninguém pra interromper. Passou uma mão em volta do meu pescoço. Toda hora ele sorria com os olhos me deixando mais alucinada. Levantei de pressa da cama e peguei meu vestido que estava no chão.

– travei.– Pra onde vamos? – perguntei com a voz um pouco risonha e ele apenas sorriu não dizendo nada. O sol já estava aparecendo no horizonte na direção leste. – Ela quer falar com você. – Por que minha mãe tá me ligando à uma hora dessas? – ele disse confuso e saiu se afastando. Visão maravilhosa. – ele me chamou. – Você e o Justin estão voltando da balada essa hora. – ele me abraçou e beijou minha bochecha. enquanto Justin falava com a Pattie. – Atende. está tudo bem? – Sim e você? – perguntei cautelosa. – Oi Pattie. – Nascer do sol. – Ah Pattie. – ele estendeu o celular. achei aquilo louco. – Caissy. – Justin disse entre o beijo me fazendo rir. O telefone dele começou. Ele bufou. – Eu amo você. duas que vai e duas que vem. Estávamos na estrada km 75 em direção a Roswell. – ele disse esbarrando os lábios nos meus. – falei um pouco sem graça. – ele tapou a boca segurando o riso. Desci do carro acompanhando o Justin até a ponta do penhasco. – ela disse contente. – Estou ótima. A madrugada ainda estava um pouco escura e mais um pouquinho já clarearia. Ele parou o carro no acostamento. Aquele lado da estrada parecia ser perigoso. – Você está agindo amavelmente. . – Você me faz bem. o Justin está cuidando muito bem de mim. Quatro pistas.. – Querida. – Caissy cuidado. – selei nossos lábios com calma. – ele me encarou. – Eu amo mais. – peguei o celular do bolso dele. Respirei fundo sentido o cheiro bom que vinha daquele lugar..

Estou correndo atrás disso. – Hum. – Vamos embora? – me lembrei de que tinha um compromisso com o Brian e não tinha dormido nada. – acho que ela percebeu a tristeza em minha voz.. – Vamos embora então. .Matando uma curiosidade. – Hoje.. Já que vocês não vão vim mais. – Ele vai me ensinar a dirigir.– Eu volto essa semana ainda.. E ir ao convento né? Afinal o seu tempo de férias está acabando. Continua. eu pulei no colo dele saindo do chão. – gaguejei. Muito obrigada. Na hora ele fechou a cara. – tentei ser a mais animada possível.. – a expressão dele já tinha mudado completamente. – desliguei o telefone.. – não tive nem o que falar. – Não precisa de guarda você já é minha! – ele disse sorrindo e eu revirei os olhos. – Sério? Ain que bom. – Tenho que resolver uns negócios. beijos. – Vamos.. – distribui beijos no rosto dele. – Ela vai pegar minha guarda. – meu coração disparou e um frio me passou pela espinha.. – É. pela cara dele as coisas já não estavam mais bem como antes. – me recuperei. – Hoje eu vou ficar o dia todo com você. *-* Capítulo 27 . – agradeci – De nada meu amor. Pelo meu sorriso Justin já sabia do que se tratava. Querida vou desligar. – queria sair correndo depois daquilo. – fudeo! – È-È. – ele me deu um selinho. – ele saiu e entrou no carro. hoje eu vou sair com o Brian... – Eu vou pegar sua guarda. – Sair com o Brian? – ele franziu o cenho. se cuida viu! – Tudo bem Pattie. – Eu não sei nem o que dizer. – aquilo me deixou triste.

queria matar o Brian. – Não pode ser mais tarde não? – Não.. – Já tá vindo pra cá? – perguntei sendo grossa. Depois da noite que tivemos dormir foi à única coisa que restou para mim e para Justin. Justin dormia feito um anjo e aquilo me encantava. – Não por quê? – arrumei o travesseiro de forma confortável para sentar na cama. – me sentei na cama. – Fica me admirando dormir. Pertencendo a ele. mas não acordou. coração e alma. – Já está pronta? – ele disse empolgado. de corpo. dos erros. – Que isso maninha. Justin se movimentou ao meu lado. – Que isso tá me velando? – Justin abriu os olhos sorrindo. – Droga. – Já. Acredito que estou vivendo um amor louco um amor que nem eu mesma entendo. Ele não disse nada sobre eu sair com o Brian. Que mau humor é esse? – ele disse rindo. ele é tudo pra mim..Cheguei em casa e cai na cama. eu posso sofrer. No final sempre estarei aqui.. – Convencido. Ele é muito mais do que um namorado. – ele rolou o corpo parando em cima de mim. Ta bom vou me arrumar.. O celular caiu da minha mão e eu tombei meu corpo pra trás. mas isso é mais forte que eu. – Alô. mas a cara dele não negava que não tinha gostado nada da ideia. de qualquer briga. Apesar dos vacilo. Aquilo fez minha cabeça explodir. – disse sorrindo. odeio acordar cedo principalmente quando não durmo nada. – desliguei na cara dele. É uma coisa que vem da alma. – falei com voz de sono e muito brava por sinal. eu posso tentar fugir. – Pronta pra te dar um tiro.. Acordei com o telefone tocando.. Eu já estou saindo de casa. Estava completamente sem coragem para sair daquela cama deliciosa e do lado do meu amor. .

. ela estava de brincadeira com a minha cara só pode. – Vai Justin.– Acordando cedo. – ela disse com uma vozinha fofa. – Ou esse? – o outro então era bem pior. – Que é? . senti um pouco de maldade no tom dele. – falei desanimada. A Caissy é inocente eu sei. – ela me mostrou um shorts que parecia um cinto. – Pois é. Olha o tamanho dos shorts que você quer sair com o Brian. Entrei no banheiro para tomar um banho e não explodir com a minha pouca paciência. – A Caissy vai pra merda. POV Caissy Odeio quando ele fica estupido. – Ah é. cadê o Justin fofinho de hoje cedo que me levou pra ver o por sol? É essas coisas tem que se aproveitar bastante porque não duram sempre. Pra mim ele era muito ameaçador em relação à Caissy e fora que amizade dos dois pra mim não cola. – Qual fica melhor esse. Estava passando hidratante no corpo quando o Justin entrou no quarto e se jogou na minha cama. Que milagre. – ele disse indo para o banheiro. – ele levantou se espreguiçando. – Se eu não quisesse não perguntaria. POV Justin. Escolhe um.. – Eu já disse que você é estupido? – ela fechou a cara.. – ela disse inquieta com o meu silêncio. Sair com o Brian? Essa ideia não me agradava nem um pouco. mas de fofa ela não tinha nada. – falei sendo grosso. – ela saiu batendo a porta.ela entrou enrolada em uma toalha. – O Brian já me ligou. – Você quer mesmo que eu responda? – falei um pouco frio. mas o Brian eu não confio nesse cara. Ah não. – E eu tenho que me arrumar. – Justin? – Caissy bateu na porta do banheiro. – rebati e sai indo pro meu quarto. você marcou de sair com ele. enquanto ela foi se embonecar para sair com aquele Zé ruela.

– Você é um otário! – fui pra cima dele e começamos a brincar de lutinha.. – Me solta. – o empurrei com força na cama. mas eu não estava nem ai dava cada tapa estralado nele. – Você não sabe nem mentir.. – ele se levantou e me prensou contra o corpo dele me fazendo sentir o calor daquela pele magnifica. – ele bagunçou meu cabelo outra vez me deixando irritada. – ele riu estava prendendo as minhas pernas no meio das dele e segurando minhas mãos. – falei desanimada afinal eu estava de shorts e sutiã. Justin é tão competitivo. É sério.. – Eu não gosto. – Deixa eu me trocar. – Uou Caissy. – ele disse rindo tomando o controle da situação. – dei de ombros. – falei manhosa tentando fazer ele me soltar. – Não você não está normal.. – Humhum. – Não estou fazendo nada. – dei um tapa no braço dele. – tentei segurar o riso.– Já está bravinha? – ele disse com um tom risonho. – Não. – Você é mulher. – falei enquanto ele me imobilizava. – só estava descontando o que ele fez. – Estou normal. –ele negou com a cabeça e bagunçou meu cabelo que já estava penteado. – E você caiu facinho. – Justin está me machucando. Ele tomava cuidado para não me machucar. – Não. – Para. . – pulei nas costas dele e entrelacei minhas pernas na cintura. – ele disse impressionado. – Então você não gosta disso. – Sério? – ele perguntou afrouxando um pouco as mãos. mas tem uma mão pesada. – ele me soltou e se levantou.

– ele estava com os olhos fixos nos meus seios que só estava coberto apenas pelo sutiã. – Tenho. – Tenho uma péssima noticia. – Relaxa Caissy é coisa rápida. – ele disse sereno. – Sai de cima de mim. . – Ai como você é dramática. – Justin. – gritei tentando tirar ele de cima de mim. E deixei os meus cabelos solto. minha bochecha pegou fogo. – Ryan e Chris vão juntos. – falei procurando o ar. – Que foi amor? – ele soltou o peso em cima de mim me matando. – ele se virou e apoio os braços na cama segurando o peso dele e ficando em cima da minha cintura. – E os seguranças? – Não preciso disso. – mas a vaca tinha que estar no meio. Até que aquela merda do celular dele começou a tocar. – Ai Justin. Ele saiu à procura do celular e eu fui terminar de me arrumar. – E você é um bobo. – E você vai sozinho? – perguntei preocupada. mas tinha medo do tal Marcony. pois estavam molhados ainda. – Você que é muito fraco. não só pelo fato da Alexia estar com ele. – Tem certeza que você tem que ir. nossa às vezes eu fico irritada o celular dele nunca para. – E porque logo a Alexia te ligou? – perguntei tentando entender aquilo.– Caralho você tá pesada. – coloquei a mão na nuca dele o puxando para um beijo. – Você vai me matar. Seu gordo. – Alexia me ligou acharam quem tentou invadir o galpão e aqui em casa.. – dei um selinho nele. Justin revirou os olhos e saiu para atender aquela bosta. sério. – ele disse rindo e quase perdendo o equilíbrio.. – ele apareceu triste na porta do quarto. Coloquei uma roupa leve. – tapei os olhos dele e ele deu dois passos pra trás e depois caiu na cama por cima de mim.

– não deixei ele termina o silenciei com um ultimo beijo e desci deixando ele no quarto. – eu o corrigi.. E ele veio até mim me dar um beijo. – tentei sorrir mostrando que não haveria problema a final eu também tinha um encontro. – forcei o meu melhor sorriso. – ele respondeu entre dentes. Do escritório. – ele disse confuso e sem resposta. Pensei um pouco e depois peguei uma com o chaveiro rosa com certeza aquela era a minha. Uma coisa que eu gostava nele era o sorriso que ele me dava quando me via aquilo era perdidamente lindo. – selei nossos lábios de forma rápida. vim á pé. – Caissy tem certeza que você vai ficar o dia inteiro com o. – Senhorita Caissy o Senhor Brian já está a sua espera. – Meu óculos! – Meu. Brian estava me esperando no jardim parado em frente ao carro dele. – Que perfume bom. Entrei no escritório e não sabia qual era a chave do meu carro droga.. Justin nunca andaria com uma chave com um chaveiro rosa. – Onde tá a chave do meu carro? – perguntei mudando de assunto. – ele brincou. – ele me abraçou me tirando do chão. – ele me cheirou bem perto do pescoço e eu fiquei sem graça. – Já estou descendo. – ela assentiu com a cabeça e Justin entortou a boca. E eu sorri superficial. – Vou voltar pilotando. – Guadalupe apareceu na porta do quarto e Justin bufou. – Ok. – Meu fã. – me aproximei dele com um sorriso de orelha a orelha. – Pequena. – Seria mais fácil se eu te ensinasse. – Ok? – ele cerrou os olhos.– Não sei. E eu peguei o óculos que era do Brian e que agora era meu. – Veio de carro? – perguntei mudando de assunto. – Na gaveta.. – Tchau Justin. – Eu confio em você. – Não.. .

– A Atirada da sua irmã já ligou pra ele. – Não faz nem 20 minutos que você me ligou. – Vai demorar muito? – ela perguntou com arrogância. – Vai ver ela mudou os planos. POV Justin. – entreguei a chave do meu carro pra ele. – Sim. – Daqui meia hora chego ai. – ele riu e apertou o alarme do carro. – Pra onde vamos? – Pra um pátio vazio. – Oi. – Ligou pra ele? – ele disse confuso. – Brian deu partida no carro. .– Você é folgada! – E você me ama. – Alexia disse que não sairia de casa hoje.. Estava colocando o endereço no GPS quando Alexia me ligou de novo. Mulher no volante perigo constante. – falei sem pensar e Brian me olhou sem entender. – Não demora. – Toma.. – E homem do lado perigo dobrado. – Onde você está? – Na garagem de casa. Deixei minha mente tranquila para não pensar em coisas que o Brian poderia tentar fazer com a Caissy. – eu não gostava nada daquilo. que não tenha poste nem nada para você não acabar com o carro por que. – dei de ombros acho que falei de mais... Quando estava entrando no carro vi o Justin na garagem. meu amor. mas tinha que aceitar. – ele riu. – Seu marido vai sair? – Brian debochou. – Ta bom.

e pior. – Você também não chamou o Brian? – Ele tinha um compromisso melhor com a sua gatinha. – Cadê o Chris? – perguntei notando que só havia Ryan e Alexia ali. – ela disse com maldade me fazendo sentir raiva. Era um lugar perto do antigo galpão.– Tchau Alexia. – O Cara é assassino de aluguel e ele afirma que foi contratado pra matar você. A luz estava um pouco fraca e o cara aparentava desespero. – Um pau mandado. – Está lá dentro. – Alexia respondeu com indiferença. Quando entrei na casa me deparei com um cara amarrado em uma cadeira. pois tinha sague pisado espalhado pelo rosto. – Trabalha pra quem? – puxei uma cadeira e me sentei à frente dele e deixei meu revolver repousada na minha perna. ele já tinha sido surrado. – Alexia disse se aproximando de mim. – Pau mandado por quem? – Tudo indica que não foi o Marconi. – E cadê o filho da puta que entrou na minha casa? – Alexia sorriu de forma vitoriosa. – E ai. que atirou na Caissy. quem foi o filho da puta? – me aproximei deles. – Ryan disse. Fui seguindo as instruções do GPS até onde ela e os meninos estavam me esperando. – ela apontou pro casebre abandonado. – Ryan disse. Estava ansioso para saber quem foi o filho da puta que entrou na minha casa. – desliguei o telefone e engatei o carro. – Meus olhos se encheram de ódio principalmente quando me lembrei de o que aquele viado fez com a Caissy. . – Ele estava ocupado. minha arma já estava engatilhada e pronta pra arrebenta os miolos do filho da puta. Desci do carro e Alexia estava com Ryan me esperando. – Contratado por quem? – Isso ele não contar nem sob tortura. Sai andando de pressa na frente em direção aquele Casebre velho.

. – levantei da cadeira.. não conseguia. – falei sendo indiferente. – Alexia tentou me convencer. Eu faria isso. – Tá na cara que esse idiota na mataria nem uma mosca. – Ryan concordou comigo. – Pois vocês estão muito enganados.. – o cara implorava. – Moça eu não quero mais.. – Ei. Aquilo estava confuso... – o cara disse com a cabeça baixa. – Senhor Justin? Aquilo estava ficando estranho.. por favor. dá até pena de matar um pobre coitado como ele. – Solta esse idiota. – Senhor Justin. mas aquele cara não me parecia ameaçador. – Como não Justin? – Alexia disse nervosa. não posso.. – Não foi ele. – Alexia disse nervosa. – Se você sair daqui vai morrer e se ficar também vai morrer... – o cara dizia desesperado. – Eu também acho. Tinha alguma coisa naquele cara que me dizia que ele não era culpado. Eu vi a ficha desse cara e ele já matou muita gente e o maior erro dele foi não ter conseguido matar você. – Aquilo estava estranho àquele cara não se defendia e o pior ele não sabia nem o que estava falando. E a cara de piedade estava estampada na cara daquele pobre homem. mas não sei. – Justin acaba com esse idiota logo.. – Acertei o rosto dele com um soco. Trabalha pra quem? – Eu não posso contar. . Não me arrependo de nenhuma pessoa que apaguei porque todas tinham um sério motivo.. – Não me mata. – Última vez que vou perguntar. – Alexia disse impaciente. – Baixa a bola.– Não posso contar. não me mata. Me desculpa. nunca vi um assassino de aluguel ser tão medroso assim. – chamei a atenção dela. Eu pensei melhor. – Eu não tenho dó nenhuma. – Porque tentou invadir minha casa? – E-Eu não queria.

– Tenta de novo. – Vou levantar os cones. – bati as mãos nervosa no volante. – ela se aproximou do cara o amedrontando. – Não está nervosa? – abaixei minha cabeça no volante tentando manter a calma. – Vai Caissy. POV Caissy Brian era calmo até de mais. – Você tá louca? – me aproximei do cara e constatei que ele estava morto. – tentei impedir antes de ela fazer uma merda. – Não vou desistir. nem eu faria uma coisas como aquela a não ser se estivesse drogado. – ele disse – Ain eu já não aguento mais. – Justin vamos limpar essa sujeira. Nunca a vi assim ela estava descontrolada e com os olhos transbordado de ódio. não tinha errado nada por enquanto estava correndo tudo muito bem.. O Brian era exigente ele tinha um cronômetro na mão marcando o meu tempo acho que isso que estava me deixando muito nervosa. Mas ele sempre ficava tranquilo e nunca perdia o controle. E Brian começou a rir. Já estava na metade do percurso. – Ryan disse. Mas foi tarde de mais.. tinha derrubado todos os cones toda hora passava sem derrubar um e o resto ficava no chão. – soltei um grito histérico. – Alexia. – ela disse indiferente. – Brian desceu do carro. – Não acredito que você vai se entregar assim. . – A não? – ele disse rindo. ela virou o pescoço do cara com força causando um estalo alto. – Eu não tô nervosa. Fiquei boquiaberto com aquilo. Fiquei com o carro no ponto morto até ele levantar todos os cones. – Brian disse incrédulo. – Brian gritou me dando sinal verde e eu comecei a fazer aquilo tudo de novo com muita paciência e mais cuidado. – sorri levantando a cabeça e liguei o carro fazendo o motor ranger.– Baixa a bola é o caramba. – Se você ficar nervosa vai ser pior. Já tinha deixado o carro morrer um monte de vez. E eu estava estático ainda com o que ela tinha feito. – Não vai fazer falta no mundo.

Eu estava com a respiração um pouco ofegante. A casa não ficava longe. – Chega por hoje. – dei de ombros saindo do carro. mas porque fazia muito tempo que não ia até lá. Agora tinha certeza. – dei de ombros. – Lembra onde era sua casa? – Brian me surpreendeu. aquela rua não era desconhecida para mim. – Brian vibrou. – Eu conheço esse lugar. mas estava com certo receio de ir até lá. Não sei por que. – Conhece? – Brian franziu o cenho. então fomos á pé mesmo. Não só porque foi onde eu cresci. Aquele era o bairro onde morei! Estávamos numa rua pouco movimentada. e muito bonita. Sai da rota dos cones que o Brian tinha feito. casas pintadas de colorido. – Que ir lá? – perguntou me encarando com aqueles olhos profundos. – falei sorrindo. – Vamos! – dei de ombros. mas agora já estava mais á vontade. resolvi fazer as coisas por minha conta. – sorri. me aproximei do Brian e derrapei o carro perto dele que me olhou satisfeito. – minha mão já estava dolorida de tanto segurar aquele volante eu colocava força naquilo. – Sim. e enfeites nos jardins. – o lugar era muito parecido. Eu tinha certeza que se . Acelerei o carro até o final do pátio e depois fiz uma curva que a meu ver foi perigosa.– Cinco minutos Caissy. – Perfeito. – Sério? – Brian disse sorrindo. – Já cansou? – Sim. eu estava no bairro em que eu morava quando era pequena. Resolvi ser mais ousada. – Acho que sim. Cheia de flores. – falei notando mais aquela paisagem. Ta ai uma boa pergunta e minha casa? A casa da minha mãe o que tinha acontecido? – Acho que sim. – quando ele gritava isso eu tinha que acelerar mais o carro e dobra minha velocidade no começo fiquei com medo. e talvez lá tenha sido uns dos últimos lugares que minha mãe frequentou. – Eu morava nesse bairro quando eu era pequena.

. mas aquilo para mim parecia muito alto.. os brinquedos coloridos e a caixa de areia. Fazia tanto tempo que eu não vinha aqui que de repente me deu até um aperto no coração.. muito bem cuidada.. Doía tanto lembrar-me de meu passado.caminhasse um pouco mais.. – Está tudo bem Caissy? – Brian perguntou passando suas mãos por meus ombros. Lembro-me da primeira vez que vim á essa praça. Tinha a trilha de areia e pedra. mas só tinha apenas sete anos aquela altura parecia alto pra mim. Assenti prendendo as lágrimas e continuei caminhando. – Mãe hoje você não vai sair hoje né? – perguntei esperando que ela me dissesse não. – Eu vou fazer o possível para ficar com você meu amor. – Vem? – ela gesticulou com a mão me chamando.. Lembrando-me de meu passado eu me lembro das pessoas que nele estava e hoje não fazem mais parte da minha vida. Ela nunca foi à mãe perfeita. – minha mãe me assegurava. – Eu tenho medo mãe.. – estava sentada na ponta do escorregador com o medo me dominando não conseguia... a grama estava bem verde e tinha flores espalhadas nas laterais. Flashback on – Caissy princesa. Para chegar á minha rua. – Vem filha. – minha mãe gritou me fazendo abrir os olhos. vi que quase nada ali havia mudado.. encontraria a praça onde passava algumas tardes quando mais nova. – Eu sempre vou estar presente para te segurar meu amor.. e pelo pouco que percebi. – ela me beijou e eu apertei o pescoço dela com força. um passado que nunca mais vai voltar uma pessoa que partiu me deixando sozinha. Senti o vento bater forte em meu rosto enquanto escorregava meu corpo. Não aguentava mais ver a minha mãe sendo consumida pelos vícios dela. Você não vai cair. eu tinha que passar pela praça de esquina. Eu morava na rua de cima. –pulei no colo da minha mãe que me abraçou com ternura. Não tinha muitas coisas. De fato. quieto.. Fechei os olhos com força eu confiava muito na minha mãe. Brian apreciava tudo ao seu redor. – Eu consegui. – ela distribuiu beijos pelo meu rosto.. mas era bem arrumadinha e tinha muitas flores. Os bancos de pedra foram pintados de branco. Respirei fundo e me abracei... pode descer a mamãe está aqui em baixo. Flashback of São tempos que nunca mais terei de volta. . A praça estava impecável. e assim o fiz.. – Eu vou te pegar não precisa ter medo. – Te peguei. mas tudo o que ela me ofereceu eu soube aproveitar muito bem e com todos os erros eu gostaria de ter ela de volta. – minha mãe tentava me convencer... Nem parecia que eu estava acompanhada.

Ao lado do fogão tinha um copo rosa. Brian colocou a mão na maçaneta empoeirada e girou. Meu coração acelerou. Ri fraco e fui até lá. parece que está abandonada.Quer voltar? – perguntou atencioso e eu neguei.De repente eu parei. A grama e as flores subiam pela madeira da lateral da casa. O dia em que eu voltaria para minha origem. A porta fez um barulho sinistro e depois de um tranco.. como ele disse. e coisa velha tomou conta de minhas narinas e as teias de aranha e sujeira de meus olhos. Nesse caso eu tenho meu protetor aqui. Respirei fundo. Entramos na casa e o cheiro de pó. com a tinta desgastada e as janelas imundas. . e segui em frente. Assenti novamente e ele me encarou. ele parou para se assegurar de que era seguro e prosseguiu. agarrada ao pai. Meu sapato fazia um barulho irritante ao entrar em contato com a madeira e a mesma rangia com o peso de meu corpo. na cozinha tem até cereais ainda! – Brian brincou chegando perto de mim. e outra. Ele foi à frente. ele está aqui comigo. Quando chegamos ao pé da escada eu fechei os olhos e parei. – Vou subir. e eu vou entrar! Respirei fundo mais uma vez e Brian pegou em minha mão. Ri fraco. mas mesmo assim. Aquele lugar estava sujo. Perto da TV tinha uma estante e nela tinha várias fotos. abriu. um pouco mais antiga que as outras construções. eu estarei com você. Quer saber. me puxando para a casa. quer vir? – perguntou ele da porta. A bancada da cozinha estava coberta por folhas. – Hey. dane-se. caso algo acontecesse e eu novamente parecia uma garotinha frágil e com medo. Quando pisou no primeiro degrau. – Não precisa ter medo. ninguém vai nos pegar. Provavelmente que entraram pela janela. – Fique tranquila. que lembro por ser meu quando tomava leite. se penduravam na varanda e na escada. tinha cereais ao lado do microondas. outros nem tanto.. onde eu costumava me balançar até dormir. parando de frente para a casa.. – Brian disse sorrindo.. tudo no mesmo lugar de sempre. Brian olhou para mim confiante e eu tentei não transparecer o quanto eu sentia medo daquilo. Alguns móveis estavam inteiramente cobertos pelo pó. Eu não queria ir. Como Brian havia dito. Ela estava exatamente como eu me lembrava. Tudo estava no lugar em que eu recordava. Ele pegou meu rosto em suas mãos e acariciou minhas bochechas. a madeira rangeu. Apenas o acompanhei. Ok. Um pouco abandonada talvez. Não sei se teria coragem o suficiente para entrar ali novamente – É aqui? – Brian perguntou observando a casa que eu fitava. Ninguém de que eu me recorde. estava ali. engoli o choro. que estava aberta. Brian foi andando pela casa enquanto eu ainda observava aquela sala. Algumas minha. Ao lado do sofá tinha uma cadeira de balanço. aquilo estava parecendo àqueles filmes de terror que a mocinha precisa se esconder do vilão e entra numa casa extremamente apavorante. só estava com um pouco de medo de entrar ali. outras de minha mãe e familiares. eu estou aqui. eu nunca esperei por aquele momento. – Não quer mais entrar? – perguntou e eu neguei. mas imundo mesmo assim. . – Brian me tranquilizou e eu agarrei seu braço.

e sinto falta daqui. Aquilo doía muito. Seu olhar dizia mais do que eu poderia ler. – Se eu soubesse que isso lhe faria triste. Fui até ele e o mesmo me abraçou de lado. – E é um ótimo lugar. colocando-a atrás de minha orelha. – Eu sei.. Aqueles . comigo. O primeiro quarto era o meu. meu ursinho de pelúcia. lá em cima só tinha os quartos e um banheiro. e me dando decisões estranhas. – Não vou deixar você sozinha. minhas fotos e desenhos. e eu me contentei apenas em tê-lo ali. e escrever minhas primeiras palavras.. enquanto uma de suas mãos ainda estava em meu rosto e a outra na lateral de seu corpo. – disse tristonha e uma lágrima escapou de meus olhos. – Brian. Aproximei-me de minha escrivaninha. – disse sereno e respirou fundo. mas assim como Brian. – ele disse e o remorso tomou conta do tom de sua voz. não estaria aqui. Era ali que costumava fazer meus desenhos. Minha cama estava arrumada. – brincou ele.. e a porta estava aberta. Respirei fundo. – Não. parecia não querer interromper meu momento. O corrimão da escada estava enferrujado. eu também estava curiosa para vê-los.. Brian se aproximou de mim e secou-a com o polegar.. foi aqui que eu passei boa parte de minha vida. de mim. então assim fiz. ou você pensa que vai me deixar sozinha aqui? – falei brava e ele riu. bobona. da minha vida. Aproximei-me de minha cama e toquei alguns de meus melhores amigos. eu não a traria. Ele encarou meus lábios e o meu olhar desceu para os lábios dele. Era para ele que eu chorava quando estava sozinha. Brian me observava da porta. – disse olhando pela janela de meu antigo quarto. Levantei-me e fui até a janela que tinha visão privilegiada de todo o bairro.. meus brinquedos todos organizados em cima da cama e no canto da parede. todos ainda pendurados nas paredes e meu armário tinha sido comido por alguns cupins. – Se você tivesse tomado outras atitudes. nada disso vai voltar a ser meu e ás vezes eu penso em como o destino vem me surpreendendo. tudo bem. Brian sustentava meu olhar.– Claro. e Brian havia pedido para que eu não tocasse em nada. Pelo que me lembrava. Gelei assim que senti o ar frio que vinha dali. – disse pensativa e Brian tirou uma mecha que havia caído em meus olhos... das pessoas. É só que. Encarei aqueles olhos castanhos e eles pareciam sinceros.

tem noção do que ele pode fazer com você se descobrir? – Brian perguntou segurando em meus braços com força. me aproximando um pouco mais de seu corpo. O beijo calmo e delicado estava tomando um pouco mais de velocidade e desejo. Sua mão que estava pousada na lateral de seu corpo foi até minha cintura. – disse passando as mãos por seus ombros. Brian correspondeu. Já fantasiei inúmeras vezes nós dois. Brian me apertou contra seu corpo e eu arranhei suas costas. mas agora era diferente. Levei minha mão até a nuca de Brian e o trouxe para mim. eu sinto muito! – murmurei enquanto Brian tentava controlar a respiração. se misturando. nunca neguei isso. Eu brincava com seus cabelos enquanto minha língua serpenteava pelo desconhecido.lábios avermelhados e carnudos. você está com aquele imbecil do Justin. – Não Cassidy. e já dava para sentir nossas respirações entre cortadas. A raiva tinha tomado conta de seus olhos. eu não deveria ter feito. Eu não estava gostando do que estava presenciando. o toque. Eu desejava Brian. como se eu fosse uma boneca de porcelana. uma sempre querendo provocar mais. pois me afastou de súbito e me deu as costas. o calor daquele corpo esquentando o meu. Eu parecia mais lenta que o normal. Brian sugou minha língua e involuntariamente eu soltei um gemido baixo. e se enrolavam algumas vezes. a culpa não foi sua. – Mas isso é errado. pelo menos uma vez. Selei nossos lábios rapidamente. aquele não era meu Brian. me perdoe. eu não conseguia pensar em nada. Isso foi errado. tentando acalmá-lo. . Naquele momento. eu não queria que isso acontecesse. não consigo resistir eu tinha muita curiosidade em fazer isso. mas foi mais forte que eu. – Mas aconteceu. acho que este foi o limite dele. Eu que me deixei levar. Eu queria sentir logo o gosto daqueles lábios. enquanto a outra segurava meu rosto. Eu já desejei tanto esse momento e agora que não posso. – Brian. o corpo de Brian estavam me deixando toda mole. apenas no homem que se aproximava de meus lábios cada vez mais. pois ele correspondia. Ao contrário do que imaginei. uma sempre procurando por mais da outra. Nossas línguas se encontravam. o toque daquelas mãos em meu corpo de um jeito novo. antes que o instinto protetor de Brian despertasse e o afastasse de mim. O cheiro. Por favor. pelo menos para poder provar da minha maior tentação por alguns minutos. Brian se aproximou de meu rosto um pouco mais.

– ele assentiu e passou pela porta. Alexia eu gosto da Caissy.. – murmurou ainda de olhos fechados. – Não. – Alexia fez drama jogando os braços para trás. – Desculpe. – nunca a imaginei fazendo isso. – Nada. – sibilei e beijei seus lábios uma última vez.. – Eu não achei isso. Respirei fundo e o segui. – a afastei de perto de mim. Ryan e eu limpamos aquela merda que a Louca da Alexia fez o pior era que ela tinha matado o cara e ele não tinha contado nada ela tinha convicção que foi o cara que invadiu minha casa. – Tudo bem. e quando ele estava passando pela porta... – Você não precisa fazer nada para me agradar. – Temos de ir. – Assenti. – ele disse me afastando um pouco dele. Não quero sentir que você está se afastando. – Justin qual é? Ultimamente tudo que eu faço pra você é errado.. – Eu quero você de volta. – Alexia não força. – Qual é Justin? O que eu tenho que fazer pra ter você? – perguntou nervosa. – assumi. seja sincera. – ela disse convencida. Mas acho que você pegou pesado matando aquele homem. – O que ela tem que eu não tenho? – ela disse irritada. Acho que você se precipitou. Fica calmo. Brian fechou os olhos.. parecia querer sentir meu toque com toda a intensidade possível. – Eu estou sendo. – disse passando minha mão pela lateral de seu rosto. – Você ficou bravo? – Alexia disse me impedindo de entrar no carro. . – Tudo bem.– Ele não vai descobrir Brian. acho que você está pegando pesado comigo. – ela colou o corpo junto ao meu.. Seja você. POV Justin. – Justin estava na cara que aquele cara estava mentindo. – sussurrou próximo ao meu ouvido.. o chamei. – Brian! Não fique bravo por isso.

Arrumei meus cabelos loiros. vou dar um role. – disse ríspido e entrei no carro. mas a quero morta! – Alexia. ou não me chamo Alexia. Eu arrasei! – Caissy disse entrando em casa toda cheia de graça para cima daquele marmanjo do Brian. deixando Alexia lá com cara de tacho. e não sai até eu mandar. Justin Bieber. Justin pode ter me deixado plantada aqui. para! Você sabe que não é assim. você foi melhor que muita mulher. – Olha o jeito que fala comigo! Agora volta lá para o seu quarto. Ela vai se arrepender de ter entrado em meu caminho. Brian acha que eu sou idiota? Pelo amor! Qualquer homem cai de joelhos para Caissy. – Fui dirigir. eu quero aquela vadia. e Justin irá se arrepender de ter me negado. E tudo culpa daquela vadia da Cassidy. quer vir? – Ryan perguntou saindo do galpão. demora mais de três horas. e respirei fundo. mas eu sei onde ele está. Depois a gente se fala! – disse e sem olhar para trás fui até um carro e sai dali.– A mulher para ficar comigo tem que ser 50% anjo e 50% demônio e você já virou 100% um demônio. – Não. ai chega em casa toda cheia de graça e vem me desafiar? Tá pedindo para apanhar de novo. você não viu nada. preciso resolver algumas coisas. Mano. eu vou fazer ele sofrer de novo porque eu sei que ele ainda me ama. 100% demônio? Ah. – Ah Brian. e não vou deixa-lo em paz até ter o que quero. Vou arrancar os olhos e os cabelos daquela garota com minhas próprias mãos. e pode ter certeza que não é somente ele que eu quero. mais é abusar da sorte mesmo. – De fato. Você sabe muito bem disso! – ela retrucou no mesmo tom. mas ainda assim é uma! – retrucou o garoto e assim que eles me viram. Ah. A verdade é que essa amizade deles já estava me irritando. calaram. ainda mais agora que ela tá com um puta corpão. Mas não vou deixar isso barato.. Tinha meus compromissos e agora eu estava mais do que disposta á seguir a risca de meus ‘objetivos’. – Cassidy. – ordenei e ela me encarou. . eu não sou otário. POV Alexia. POV Justin. Mas eu juro. e sei muito bem que ela cederia fácil qualquer coisa que ele pedisse. eu ainda mato essa filha da puta. você foi aprender a dirigir ou ficar de graça com esse Mané? – perguntei ríspido.. Primeiro a mina sai com um short que não tampa nem a bunda toda. Justin vai perceber o quão está errado ao me rejeitar.

Foi tão forte que o rosto dela chegou a virar e minha mão arder. e por tudo. Acertou em cheio bem no meu nariz. o que esta acontecendo. Ela levantou o rosto com as mãos segurando onde eu havia batido. chega! Vai! E obrigada pela aula.– Olha aqui. fiz um bom trabalho. pode ir. sair com a Alexia e eu não posso sair com o Brian? Eu tenho uma vida também e ela não gira só em torno de você! – gritou Caissy irritada. eu vou ficar legal. – ela disse toda calma para cima do infeliz. Fui até ela e lhe dei uma bofetada na cara. – Caissy disse sorridente e Brian sorriu malicioso. Minha mulher está dando em cima de um cara na minha frente? Ah. – Brian. mas Cassidy o impediu. DESGRAÇADO! Me endireitei e respirei fundo. – Ai de você se tocar em um fio de cabelo dela de novo. Agora sai daqui! – gritei e ele me encarou. como se para protege-la. Eu estava louco para acabar com esse desgraçado. . agora a Cassidy passou dos limites. – Brian. não piora. mas qualquer coisa me liga! – ele disse todo prestativo e me fuzilou. Brian veio para cima de mim novamente. eu não vou subir e ficar trancada lá. passei a mão por ele e estava sangrando. Meu sangue ferveu. – CHEGA! – ela disse segurando os ombros de Brian aproveitei e acertei-lhe um soco no olho. – Você é louco Justin? Vai bater na Caissy? – Brian gritou vindo para cima de mim. não tive muito sucesso em fazer aquilo. nem ferrando! Você pode sair à hora que quiser ficar vadiando por ai. mas o filho da puta foi mais rápido. você está bem? – ela perguntou acariciando o rosto do idiota. Seu olho já estava roxo.Tudo bem. – Não se intromete seu otário! A Cassidy é minha mulher e eu mando nela. Espera ai. – Caissy eu não vou deixar você aqui com esse louco. Ele assentiu e veio para frente dela. por favor.. . mas ela estava me desafiando na frente do porra do Brian. – Justin parou! – ela gritou me fuzilando. – ela disse o tratando com carinho – Caissy. Meu nariz começou á formigar. – aquele cara estava pedindo pra sair uma morte. É. – Não vou sair daqui! – disse ríspido e eu levantei meu punho para dar um soco nele. pois eu não medi minhas forças. eu vou. – ameaçou e eu sorri debochado. Devia estar ardendo e bem vermelho.. – Brian.

– Justin disse pela primeira vez que aquela cadela entrou. Quando ia responder Justin tomou a frente. Como ele foi fofo e cuidadoso.– Justin! – uma voz feminina soou atrás da porta. Odeio quando ele me trata feito cachorrinho. fica na sua. mas deixa ele ir achando que manda em mim quando ele menos esperar vai ter uma surpresinha. dentro de casa? Ela passou seus olhos por todos nós e parou em Justin. – Porque estavam brigando? – perguntou para Brian e instantaneamente seu olhar caiu em mim. Não queria apanhar de novo e muito menos brigar não na frente da Alexia não queria dar esse gostinho de vitória para ela. como . mas ele vai me pagar não vai ficar barato o que vai volta isso pode escrever. e agora essa vadia veio para me dar lição de moral? Eu não fiz nada. Deixei a água quente cair lentamente sob meu corpo tenso e me relaxar. O que esta biscate está fazendo aqui. possivelmente vai acontecer muito. – Nossa Jay. – Não se esqueça de que o pivô das briga dos dois sempre foi você. – falei irônica estava transbordando de raiva com aquele tapa que o filho da puta me deu. – ela disse passando suas mãos pelo nariz de Justin. – ele disse me encarando e eu bufei. Merda! O que essa idiota está fazendo aqui? – O que eu perdi? – ela disse sorrindo. e nesse exato momento Alexia atravessa a sala. Entrei no quarto batendo tudo e me tranquei no banheiro.. Precisava de um banho para relaxar. e o Justin? Ah ele ia me pagar por esse tapa. e era isso que eu faria. – Alexia.. POV Caissy. – Cassidy. – Tinha de ser você. você está sangrando... o Justin que muda de humor de repente. e parecia mais calmo. – joguei na cara dela. mas esse era um ato que vindo de Justin. porque o Brian e o Justin só não se falavam e não eram mais amigos por causa dela. que ainda parecia muito nervoso. Liguei o chuveiro e me despi. – E você está piorando isso né? – ela disse com aquela voz irritante. que ainda não havia saído e nos encarou. você vai para o seu quarto. porque tudo que ouvi depois fora a voz irritante da Alexia dizendo que queria cuidar de Justin. – Estou indo senhor Bieber. né? – disse debochada e um rosnado saiu de meus lábios. Acho que Brian fora embora. apenas me fuzilou. Ela nem falou nada do irmão estar com um olho roxo. Eu estava muito nervosa. Então me lembrei de meu beijo com Brian. Tentei excluir as imagens de agora pouco de minha mente. Então olhei para Brian e subi.. Ela se virou para mim e para o Brian..

mas agora a raiva transbordava de seus olhos. fui surpreendida com a Alexia sentada em minha cama. Quero que você se afaste de Justin.ficou mal por achar que estava me forçando á algo. Queria que Justin fosse como Brian ás vezes.. Para que eu me sinta segura e protegida ao seu lado. – ela disse autoritária e ai estava a cobra que eu sempre soube que ela era. – Talvez isso possa mudar. – O que você quer aqui? – perguntei ríspida. – comecei a agir do mesmo jeito que ela jogando baixo. – Quero uma coisa que está bem na cara. e não que eu tenha nojo. – SE VOCÊ NÃO SE AFASTAR DELE. Agora as cartas estavam na mesa e ela também iria ter que me ouvir. – ela falou entre dentes.. – Poupar minha vida? – falei com uma sarcástica. E eu experimento todos os dias. – Entendeu? – perguntou cínica. querendo encerrar logo com aquela ladainha. – Pois deveria. E agora. . – Medo de morrer é uma coisa que eu não tenho. nesse momento. é tão ruim gostar da pessoa errada o meu coração deveria bater pelo Brian. porque eu não vou esperar você se tocar e sair da vida dele. – Ele tem um cheiro bom né? – perguntou cheirando a blusa. – Realmente ele tem uma pegada maravilhosa. e eu não sairei do seu lado enquanto ele ainda me quiser. Quando abri a porta. se esfregando com aquela vadia loira. por ser alguém que eu nunca esperei que fosse. – disse séria e ela me fitou.. A encarei. Filho da puta bem feito eu não só devia ter beijado o Brian como deveria ter dado outras coisas pra ele só pro Justin deixar de ser otário. – Se você quiser poupar sua vida acho bom fazer o que eu disse. mas agora vai ser um pouco diferente. EU A MATO! – ela disse entre dentes e depois sorriu.. Terminar de me enxaguar e me enrolei numa toalha. mas ela ainda se deliciava com o cheiro do meu homem. – Ele tem uma pegada que Meu Deus! – ela disse revirando os olhos. raiva e ódio... ele está lá. – Justin não te quer mais. –ela insinuou. – ela disse tranquila e depois seu olhar cruzou com o meu. mexendo na blusa de Justin que eu havia dormido.

Justin não reagiu de imediato. – Hei. – ela gritou. – Justin disse me puxando com força e colando nossos corpos. – Nem vem. Você não merecia. – ela me olhou incrédula com aquela cara de nojenta. E se conta que me deu um tapa. Seus olhos mel me fitaram e ele sorriu. Meu coração acelerou e Justin esbarrou seus lábios nos meus.Então se prepare. porque fez isso? – Justin perguntou confuso e eu me desprendi dele. porque o seu homem está louquinho para sentir você novamente.– Porque é você que vai tirar a minha vida? – falei debochando. – Ok. Eu enfiava minha língua de forma brusca em sua boca e o puxava para mim com vontade. nervosa. Respirei fundo. lhe dando um beijo.– disse ríspida e ele sorriu debochado.... ainda estou brava com você por ficar se esfregando nessa quenga e me largar aqui.. passei na frente de Alexia e me joguei nos braços de Justin. Mordi seu lábio inferior e ele gemeu baixo. Escutei Alexia ranger os dentes e antes que pudesse me afastar completamente de Justin ela passou por nós pisando fundo e derrubando tudo pela frente.. – eu falei firme a interrompendo. jogando a camisa que estava em suas mãos no chão. . o jogo irá começar! – a voz dela estava ameaçadora os olhos soltavam faísca de tanto ódio. – Isso é o que veremos. – ela disse e se levantou da cama. Acho melhor você acorda pra vida e ver que sua hora já passou. . – Com ciúmes? – perguntou arqueando as sobrancelhas. – Essa é minha Caissy! – se gabou se aproximando de mim.. – Olha aqui piveta. – Apenas cuido do que é meu! – Então vem aqui. CONTINUA. mas sexo é a única coisa que irá me acalmar nesse exato momento – disse e tomei seus lábios para mim deixando as mãos dele me dominarem e minha toalha cair. Justin abriu a porta e Alexia o encarou. – disse grossa e ele riu. – Para mostrar quem manda aqui. – Eu não tenho medo de morrer e muito menos de você e quanto ao Justin. – Olha aqui você. a garota parecia o demônio em pessoa acho que ele sentiu o clima de tensão que estava ali.

Isso me fez querer morrer POV Brian – Caralho. – Hum. Sempre bloqueei meus pensamentos em relação a ela. – disse um pouco nervoso lembrando aquele episódio. por favor.. – admiti.. – Nossa não é que ficou roxo mesmo. Não acredito que deixei a Caissy com aquele imbecil descontrolado e se ele fizer alguma coisa com ela não vou me perdoar nunca. Esta doendo. – ela disse indiferente.. – O idiota deu um tapa nela.. – Não que eu me preocupe. – Eu encontrei quem tentou entrar na casa dele e atirou na piveta... – Gostava mais quando o motivo das brigas de vocês era somente eu. Mas aquele beijo. – Alexia. – Onde você foi com o Bieber? – mudei de assunto. me manter longe e trata-la como irmã sempre foi a melhor opção. . – ela pegou a compressa da minha mão e apertou no meu olho. nunca quis me envolver de mais. – resmunguei. – O mundo não gira só em torno de você.. – Jura? – ela disse irônica. – ela se levantou indo até o bar da sala..*-* Capítulo 28 . – Viu como ficou o nariz do filho da puta? – me ajeitei no sofá. – O que? – gritei incrédulo. – Alexia chegou batendo a porta me assustando. – ela deu de ombro. – Nada comparado a isso.. me deixou louco. Minha cabeça estava a mil. Bem feito. – Mas antigamente girava. mas você e o Justin se pegaram por causa da piveta? – ela sentou no sofá colocando minha cabeça no colo dela. – gritei colocando uma compressa de gelo no olho roxo que aquele filho da puta me deixou. – Ai sua louca.. Aquilo mexeu comigo.

.– Eu encontrei o cara que o Bieber queria morto. – ela tentou cortar o assunto. – Foi assim tão comprometedor? – Um beijo não é comprometedor. – ela disse entrando na cozinha e sentando em cima do balcão. – alertei. – Duvido! – Vou comer.. – Você não era assim. quer alguma coisa? – tentei mudar de assunto. – revirei os olhos e sai indo pra cozinha. – Claro que não. – Quero que você me conte o que fez com a Cassidy.. . – ela cortou o assunto sorrindo e eu me silenciei. Pra onde foram? – Fui ensinar ela dirigir! – Isso eu já sabia. tá louca? – gritei nervoso. – ela disse tentando me manipular. – Hum.. – Quando foi isso? Porque você não me contou que estava atrás desse cara? – perguntei ainda não acreditando. – Não tem nada pra contar Alex. – ela sorriu com maldade. – O Justin o matou? – Digamos que não. – Você. – Quero.. – Eu faço os meus corres e não preciso avisar ninguém do que eu faço e deixo de fazer. – ela encheu o copo virando uma dose de whisky. ficou nervoso.. – Conta vai Brian.. Essa minha irmã é um verdadeiro leão vestido em pele de cordeiro. – E você e a piveta. – ela implorou apertando aqueles olhinhos azuis. Mas não rolou nada? – ela se sentou novamente do meu lado. – ela sorriu. – Brian corta o papo.. – disse sem querer.. e o importante é que o filho da puta já está morto. O cara já morreu e não importa quem foi. – Porque você não pode me contar? – ela deu um pulo descendo do balcão. Primeiro sinal de confissão.. – Desce daí.

. O Bieber saberia que a princesa dele anda dando uns beijinhos. – soltei o braço dela afastando-a de perto de mim. – Tudo bem Brian. Parecia que era por obrigação. sua sorte é que você é meu sangue. – ela disse rangendo os dentes. Não podia deixar de jeito nenhum a Alexia foder com a vida da Caissy assim por causa de uma brecha minha. – Droga eu falo de mais. – Só um beijo? – ela disse inconformada. Não me conhece mais? Eu não me apaixono assim. e não é nele. POV Caissy Já estava quase chegando ao ápice e muito entediada por sinal.respirei fundo. Puta que pariu Brian. – Caissy qual foi? – ele disse triste. – Justin chega. dei um soco no balcão derrubando umas vasilhas de vidro que estavam ali em cima.. – disse pondo um fim naquela situação. – Cansei. Que você esteja gostando dela. – Duvida pra você ver. Pra falar a verdade não estava gostando daquilo e nem do modo como estávamos fazendo. Agora estava perdido se ela contasse pro Bieber nem posso imaginar o que ele poderia fazer com a minha Caissy. – segurei o braço dela com força a fazendo me encarar. – Relaxa maninho.. Você podia ter comido aquela vadia. – Eu não estou gostando dela. – Sua sorte é que você é meu sangue porque se não.. – Eu ainda nem me diverti. – ela disse rindo. – Alexia...– Um beijo? – ela gritou. um beijo não tem nada de mais a não ser. – me martirizei.. – tentei ser o mais convincente possível. Tinha ferrado com tudo. – ela disse com maldade e porra eu tinha ferrado um lance que era pra manter segredo. você tinha que fazer isso? Tinha que soltar essa logo pra Alexia. – ela saiu nervosa da cozinha. – já estava levantando quando as mãos dele me seguraram.. . – Por quê? – perguntou confuso. – Já disse.. – Você não ousaria contar pra ele. – Você não é nem louca.

– O que Justin? – gritei incrédula colocando a cabeça pra fora o fuzilando.. Estava indo em direção ao meu quarto senti uma coisa estranha escorrer pelas minhas pernas. Sai do banheiro deixando o Justin lá para terminar o banho dele. . – Caissy? – Justin chamou e eu me assustei. – ameaçou. – Porque esse é o meu banheiro! – ele disse como se fosse obvio. marrentinha. Corri para o banheiro do quarto. – Ok. – E eu como fico? – ele disse parecendo cão sem dono. Aquilo foi muito estranho.. era um vermelho intenso. Não fizemos nada durante o banho.. – Justin não entra aqui! – gritei. sangue? A minha menstruação estava atrasada. me afastando e entrando no banheiro. – Depois que eu for atrás da Alexia não reclama. – Sim. – Nada. – A você sabe se virar muito bem! – dei de ombros. Sai do banheiro e Justin estava deitado na cama assistindo TV. mas eu preferi ficar só nas caricias não estava me sentindo muito bem. mas sangue daquela forma parecia que estava tendo uma hemorragia. – ele veio em direção ao banheiro. Chega. Entrei novamente no chuveiro para tomar outro banho aquilo estava muito estranho. entrando no Box junto a mim. tô cansada. – Por quê? – ele perguntou confuso. Terminei meu segundo banho e aquele sangramento estranho tinha parado. Não que o Justin não quisesse. – esbravejei. – disse empurrando-o novamente.. – falei penteando os cabelos.– Justin eu já tive dois orgasmos. – Ta tudo bem? – ele mudou o foco do olhar para mim. – Porque não vai tomar banho em outro banheiro? – falei ligando o chuveiro e deixando a água cair no meu corpo. – Porque não.

– ele pegou as chaves do carro. Que sangramento estranho até agora não tinha entendido nada. – falei pegando a mão que ele me estendeu. – Vai sair? – Vou ter que me encontrar com Ryan. – ele me abraçou por trás. o encontrando de costas na cozinha. – Tenho. – Pronto? – perguntou impaciente. – gritei. eu gritei você não respondeu vim ver se tinha morrido. mas a conversa já estava no final e não deu pra ouvir nada. – Tá ficando pior que eu pra se arrumar. a pipoca tá sem. – Jamais! – selei nossos lábios de forma rápida o fazendo sorrir. – sai da sala indo até a cozinha. Me arrumei e Justin já estava me esperando lá em baixo. – Posso ir com você? – eu tenho que ficar no meio deles o máximo que eu conseguir. – Shiu – Brian disse pra mim e depois prosseguiu falando com alguém no celular. mas acho que foi em vão porque ele não me respondeu nada. Tentei escutar sobre o que ele estava falando. – Sim. mas o retardado não respondeu. – Porra Alexia será que não dava pra esperar um segundo? – Ué. –ele beijou minha bochecha me lambuzando e depois saiu do quarto e eu fui trocar de roupa. – Sério que você quer ir? – eu estava tão chata. – Não! – Brian disse colocando a jaqueta. . – Brian tá me ouvindo? – gritei mais uma vez.– Tem certeza? – ele perguntou confuso. – Brian pega o sal. POV Alexia. – Era só falar que não queria pegar. Vai pedir alguma coisa pra gente comer? – Vamos no MC. – Nem demorei tanto. – ele pegou mais algumas coisas que eu não pude ver. – Não tá me ouvindo? – perguntei nervosa. Entrei no carro e depois de trocar umas palavras com Jason Justin entrou.

. – E o que você quer que eu faça? – Manda alguém seguir o carro dele. Assim que ele saiu subi correndo peguei meu celular e liguei pra aquela pessoa que estava me ajudando. – falei nervosa. – ergui as mãos pra cima me rendendo. – Onde? – Se eu soubesse acha mesmo que eu estaria te ligando? – O Justin também foi? – Não sei. – Tudo bem vou ver o que eu posso fazer.. – Quem está falando? – Como quem está falando? É a Alexia palhaço. – Tá bom Brian.. Talvez não saia. – Se eu não ficar no tédio.. – O Ryan ligou para o Brian e eles foram se encontrar. – Faz um favor? – ele disse parado na porta e eu ergui a sobrancelha. Mas quero saber o que o Ryan tem de tão importante pra falar com o Brian que ele não me deixou ir. – disse assim que ele atendeu. – Oi.. ele não se comove com apelos femininos. menos o novo do Justin. Já entendi.– E porque não? – Porque não Alex... – Alexia. – Não sai de casa até eu voltar. . – dei de ombros. – Você não insistiu? – Estamos falando do Brian não do Justin. – Como eu vou fazer isso? – Se você não sabe o carro de todos eles está rastreado..

topera. – disse notando que a mãozinha dela era bem menor que a minha. – Pra que isso? – encostei minha mão na dela. – É sério. mas a Caissy não topo ir pra uma coisa mais agitada e até que eu estava gostando daquele programinha brega.ela sorriu. – Ih então acho que você não é minha alma gêmea. . – Você que é boba. – Não acredito que você fazia isso. – Eu arrumei um namorado assim. – Assim como? Encostando a mão na dele? – perguntei confuso. estava falhando de mais não estava descobrindo nada e nem progredindo com os meus objetivos. – Dizem que quando a sua mão for do mesmo tamanho que a do menino você são almas gêmeas. quando estava na quarta série. Toda vez que ela me faz rir eu sinto uma vontade incontrolável de falar o quanto eu a amo. – ela disse rindo e até que estava chamando a atenção com aquela risada contagiante. pois estava um pouco frio depois colocou o cotovelo em cima da mesa e abriu a palma da mão para a minha encostar-se à dela. – Me dá sua mão. – Pera. Justin Como eu queria repetir milhões de vezes pra ela que ela era minha garota e eu estava tão feliz ao lado dela. – Caissy disse rindo e me deixando deslumbrando com aquele sorriso. – ela puxou a manga da blusa que estava envolvendo a mão dela. Pov. . – Você dormia com a mão dentro das calças? – ela voltou a rir sem parar. – desliguei o telefone e fiquei andando de um lado pro outro. – dei um gole no meu refrigerante preferia muito mais uma vodca. só estava me enforcando cada vez mais. – Eu estava na puberdade ué. – ela mediu o tamanho das mãos. – assumi. – confirmei o fato. – Isso é a coisa mais idiota que você já me falou. o quanto ela está me fazendo bem.– Não. – ela respirou se aclamando. você vai achar o lugar para onde eles foram e vai me ligar.

. – Só te conto quando chegar em casa.– Não vai ser o tamanho da palma da minha mão que vai dizer se sou ou não sua alma gêmea. – ele disse um pouco eufórico. . – Se fosse a Alexia não ia deixar você atender. – Então cara. – Fala. – ela cochichou no meu ouvido. – Antes de a minha mão ser menor que a sua.. agora. – Ah não? – a puxei para um beijo. – Eu estou com a Caissy. – bufei e atendi. – E o que? – perguntei sorrindo.. – ela disse sorrindo e esbarrando os lábios nos meus e depois me deu um beijo. – Caissy arregalou os olhos me olhando espantada. vem pra agora.. a gente precisa de você aqui. não dá. Um dos meus telefones começou a tocar sem parar. – ela disse frustrada. mas é Ryan atende vai que é importante. – disse com arrogância. – Mas por quê? – Dude. – Mano se não fosse sério eu não iria interromper. – ela puxou meu cabelo pra cima o bagunçando.. Pela primeira vez estava tentando deixar de fazer alguma coisa pra ficar com ela. – Devia ter deixado em casa.. – Justin tá ligado aquele casebre que você veio hoje de manhã? – Sei sim. – Mas você acreditava nisso. – falei nervoso. – A gente podia ir pra casa assistir um filme e. – Caissy começou a brincar com as gotas de suor que desciam do copo de coca. Agora não acredito mais. – Não.

Travamos ali uma batalha onde o premio seria um pedaço maior do outro.. Já estava ficando sem folego. mas depois de um tempo ela fugiu. – Se você me der um beijo que me tire o folego eu deixo você ir comigo. – Vai me levar pra casa? – perguntou já com outro tom de voz. Estava batendo o salto no chão fazendo um barulho irritante e nem percebi quando o Justin se aproximou de mim. não queria que ele deixasse os meninos mais poxa nunca tem tempo pra mim. – Então vamos. Ele começou a abastecer o carro e eu estava lá parada um pouco emburrada.. – Caissy eu tenho que ver o que os meninos querem. a satisfação maior. Suguei sua língua com vontade fazendo Justin gemer baixo. esfregando-o nele. – ela disse com ironia e levantou saindo na frente. porque todos os beijos que te dou você fica sem folego. – Longe de mim de te impedir. que ainda parecia estático. POV Caissy. – ele riu alto. – passei a mão carinhosamente no rosto dela. daqui um tempo eu chego ai. – ele disse prensando o meu corpo contra o carro.. . – O serviço me chama. Mais uma noite você vai ir dormir e o Justin vai sair pra resolver os problemas dele com os amigos. Eu mordi o lábio inferior fazendo um pouco de charme e ele sorriu. – Vou abastecer espera. Não vejo a hora de ficar presa de novo naquela mansão. só senti quando ele colou o corpo no meu.. – ela ficou parada encostada no carro e eu fui para a bomba de gasolina. – Vou. Isso já estava ficando chato. ele nunca tem tempo pra mim e quando tem sempre tem um imprevisto. – a abracei indo para o carro.– Ta bom. Remexia meu corpo sob suas mãos. Selei nossos lábios com ferocidade e não esperei que ele me cedesse à passagem para que minha língua deslizasse para sua boca. a enfiei com brutalidade dentro de sua boca e fui á caça de minha presa. – Então eu vou com você. – joguei o celular em cima da mesa e ele girou duas vezes e depois parou.. – ela disse meio pra baixo e eu revirei os olhos.. – Ta desacreditando? – o puxei pra mais perto pelo colarinho da camiseta e ele sorriu safado. então mordi seu lábio inferior puxando-o para mim e soltei Justin. – entortei levemente os lábios e aquela felicidade que havia antes no olhar da Caissy tinha sumido.

– ele disse rindo. – falei fazendo até um biquinho e ele me olhou com o olhar confuso. – ele sorriu sem vida. – Eu sou sempre boa – sorri e pisquei e entrei no carro. Escolhe um e dirige menos esse daqui. . – ele disse eu assenti não entendo nada. – Agora que eu já sei dirigir você bem que podia me deixar dirigir esse carro legal né? – perguntei fazendo charme e até passei a mão nele de forma sexy para impressionar. – HÁ. – Tá. – Paga pra ver Bieber. – Nunca. – Não acredito. – ele passou a língua no lábio inferior se recuperando do meu beijo. – ele puxou meu rosto apertando minhas bochechas para me da um beijo. Ele tinha dobrado a velocidade parecia que fugia de alguém. – Eu sei. – falei nervosa. – Quando eu ficar melhor no volante você vai dormir e eu vou pegar o seu carro de madrugada e vou dar um role pela cidade. mas assenti. até minha Ferrari. – Não estou sendo egoísta. pelo jeito que eu o beijei certeza que ele iria ficar com um pouco dos lábios inchados.. mas o que eu pedi você não deixou. – Põem o cinto. deixa. – Tem vários carros na garagem inclusive o seu. – disse com a voz enrolada e fina ele estava apertando minhas bochechas. Te ofereci vários carros. Parou o carro no meio do mato estava tudo escuro principalmente quando ele desligou os faróis. – dei ombros. HÁ mais não vai mesmo. – debochou. Ele virou o carro com tudo fazendo uma curva brusca no meio da estrada depois entrou com o carro em um lugar escuro se não fosse o farol alto eu não conseguiria enxergar aquela rua deserta que existia ali.– É Você foi boa.. Depois de um tempo Justin entrou e engatou o carro saindo dali. – Porque homens são tão egoístas em relação á carros? – perguntei confusa. – Justin presta atenção você está dirigindo. – Isso não combina com você.

Ele estava gostando daquilo. – Chaz descobriu que todos os seus telefones estão sendo grampeados. – disse sorrindo e me confortando no peito do Justin. – E ai. – Justin falou nervoso andando de um lado para outro. senti o sorriso dele perto de mim. – Oi gente. – Chaz me ligou. – E ai como ele está? – Justin o interrompeu. está em Los Angeles. – os meninos se entre olharam. – FBI? – ele perguntou nervoso. – Justin disse e eles se cumprimentaram menos o Brian que ficou quieto.Justin desceu primeiro e depois eu desci estava um breu e parecia que tinha ficado mais frio. – Ryan começou. – E ai o que vocês querem? – Justin disse com aquele tom arrogante. mas Brian só me deu um sorriso perdidamente apaixonante. – Que mais? Que mais que o Chaz falou? – Não podemos vender as obras em leilão alto. Encontrei o corpo dele e me agarrei. Ryan e Chris estavam lá conversando sobre coisas bobas. – Marcony. – Ele está bem. – Esse filho da puta está realmente na minha cola. . – Chris e Brian permaneciam quietos no canto da sala. Ele pegou na minha mão e caminhamos um pouco até um casebre. – Chris e Ryan disseram em um coral. – Não Cara! O FBI nem sonha com você. Desci do carro procurando pelo Justin aquele lugar me dava medo. – Ryan disse sendo tranquilo. Assustei-me com um barulho surgido da mata e apertei a mão no tórax de Justin o fazendo rir. – O que? – Justin gritou incrédulo. – Porque ele não me ligou? – Justin interrompeu mais uma vez. – Ta assustada? – ele disse e eu ri um pouco amedrontada e notando o que tinha me assustado eram só folhas se mexendo. Brian. De longe era impossível de enxergar por causa da serração. Só em leilão baixo. – falei esbarrando os lábios nos dele. Quando Justin abriu a porta daquele lugar velho. mas depois que nos aproximamos ficou mais fácil. – Pouquinho. – Oi Caissy.

– Isso é impossível. – Pra que eles querem certificados dessa porra? – Justin estava tão nervoso. – Ele nunca vai se ligar que fui a casa dele pegar os certificados da obra. – esbravejou. . – Seria o jeito perfeito para pegar os certificados.. – Chris disse.. – Justin disse o cortando.. E não temos. – Brian se intrometeu. Aquilo sim era uma missão suicida pelo o que eles falavam daquele Marcony a coisa era barra pesada. – Justin disse. um único jeito. – Só tem um jeito. – Sem os certificados o Marcony pode tomar as obras de quem comprou. Você é o inimigo número um do cara. – Mas é claro que não. se esqueceu? – Ryan disse..– O que? Eu arrisquei minha vida pra pegar aquilo e você fala que vamos vender por uma merreca? Nem fodendo. – Se o Marcony não soubesse quem somos seria sim um jeito perfeito. – Sem certificado isso vira uma venda ilegal. – E como faz pra pegar essa merda de certificados?. – Eu roubei essa merda. – Bem que o Chaz disse que você não toparia o leilão baixo... – todos eles se entre olharam. Ele vai achar que só estou ali para afronta-lo. mas é claro que vai ser ilegal. – Justin disse aderindo á ideia. – Pra você. – Os compradores só compram as obras em leilão alto se tivermos os certificados das obras. – Amanhã terá uma festa na mansão do maior magnata da cidade. Não me vai dizer que vou ter que roubar outro banco? – aquilo já me deu um aperto no coração só de lembrar o que eu passei de preocupação naquele dia. – Assim que você cruzar na mansão ele vai ficar de olho em você. Ir à casa do Marcony e pegar. vocês tem uma guerra fria.

. – Não! . Alguém que esteja fora de todos os esquemas de Atlanta..– Precisamos colocar alguém desconhecido ali dentro.. – todos me olharam com os olhos arregalados faltando expressão. ele nunca vai sonhar que eu estou lá para roubar os certificados.. – me virei para os meninos que me olharam espantados.. bater de frente em horas como essa só piora as coisas. . – Pera ai Justin. Eu era a pessoa perfeita ninguém me conhecia estava fora dos esquemas e seria fácil enganar o tal Marcony. . – Aquilo foi me dando uma ideia. Eu sou a pessoa perfeita que você procura. E nós não correríamos risco de ser pegos porque o Marcony não conhece a Caissy. – Justin disse nervoso. Vamos ser racionais. – Não. – Justin voltou com a mesma ideia. – A Caissy é só uma menina.ele disse já quase convencido. – Eu posso fazer isso.. – Para com isso. Vocês estão loucos? – Justin disse nervoso.. – Ele não vai nem se ligar que eu vou roubar os certificados. – Quem quer que eu vá nisso? – disse sorrindo. – me aproximei dele. – Fora de cogitação. – Por quê? Isso seria perfeito. – Você só pode estar louca. e não. alguém que seja um Laranja.. Seria mais fácil até eu tentar do que você. – Ryan disse gostando da ideia... – Justin disse. – Caissy não. – Pensa comigo. – ele disse nervoso.. – Então vamos fazer uma votação.. – Precisamos de alguém que seja bom e desconhecido. eu estou fora de todos os esquemas. O Marcony não me conhece. – Não.. não vai me acontecer nada.passei a mão pelo rosto dele. – Seria sim uma ótima ideia. – Chris disse. Se eu chegar à festa junto com você fingindo ser uma vadia qualquer e que só está na festa pra curtir. – Amor.. mas por enquanto continuei quieta no meu canto.

mas a Caissy.. Já estava quase arrancando meus cabelos porque aquele filho da puta não retornava minhas ligações. – Eu não estou descontando nada só é a minha opinião. POV Alexia. – Você não pode fazer isso. – E ai? – atendi um pouco eufórica. – Eu não vejo mal nisso. – E você Brian? – perguntei ansiosa e esperançosa por um sim mesmo sabendo que ele vetaria. mas logo desmanchou quando cruzou com o olhar do Justin. nunca deixaria uma menina de 16 anos se envolver nos nossos esquemas.–Por mim se você tomar cuidado tudo bem! – Chris disse dando de ombros e fez com que o Justin o fuzilasse. – Eu não sou otário. Daqui você é o mais sensato. – Justin explodiu. – Eu não concordo com essa palhaçada. – Você está descontando uma coisa do passado. a Caissy é só uma menina. – Justin chega de dar pit? – falei um pouco alterada estávamos do lado de fora do casebre. – ele disse sorrindo e nossa não acreditei no que eu ouvi. POV Caissy. – sai indo atrás daquele descontrolado. .. – Brian disse no mesmo tom. Tinha que saber o que eles estavam aprontando. – Eu vou acalmar ele já volto. Eu tinha que ficar por dentro de todos os esquemas dele custe o que o que custar. peguei a chave da moto e um capacete e sai à milhão. – Não quero te prejudicar cara. – Ta eu já sei onde fica. – Justin saiu nervoso do Casebre. A diferença é que quando a Alexia começou a fazer aquelas coisas ela já tinha 18 anos. Só está fazendo isso pra me prejudicar. – desliguei na cara dele. – Ryan disse sorrindo. Brian olhou para todos na sala depois respirou fundo. – Por mim tudo bem. E de repente o celular tocou. – Ao que tudo indica eles estão naquele casebre que a gente.

– ele tirou a arma da cintura.. – Justin gritou. – Brian perguntou assustado. – Justin dizia nervoso. – Justin guarda isso. Brian pegou a arma dele e meu coração se triturou vendo aquela cena.. – Será que você não entende? – Não eu não entendo. – Ele fez isso por que sabe que eu queria ir. – Você vai querer que eu haja feito covarde? Atire em você sem ao mesmo te dar chance para se defender. corri até ele tentando o impedir. – Vai seu filho da puta pode se armar por que um de nós vai morrer essa noite. – Sai da minha frente. E minhas tentativas foram em vão ele entrou armado dentro do casebre com sague nos olhos. A Alexia pode fazer um monte de coisas e eu não. – E eu vou entrar agora! – Eu vou matar o Brian. – ele engatilhou o revolver e foi andando em direção ao casebre. Vai meu! Pega tua arma. – O que temos aqui? Um duelo? – Alexia disse com deboche. – gritei nervosa deixando mais lágrimas me escaparem. – ele gritou. – Do que você tá falando. – Ual. – disse um pouco nervosa. – ele disse me empurrando com mais força. – Cala boca Alexia. – A Alexia está no meio disso há muito tempo. – Justin dizia apontando a arma para o Brian. – ele sussurrou..– Cassidy ele fez isso de proposito. – escutei aquela voz e já pude reconhecer. – Justin você tem quem parar com isso de verdade. . – Já mandei você me soltar. – Justin estava descontrolado e as lagrimas já me dominavam. – Eu vou matar o Brian. – Mas você não pode. – falei tentando o acalmar vendo as mãos dele fechadas em punho.. – Justin para! – gritei trazendo as atenções para nós. Droga olha o que eu fiz.

a piveta tá bravinha? – Alexia zombou se aproximando de mim. Mas Justin continuou com os olhos fixo na mira dele. Eu estava extasiada com aquilo não estava acreditando nem eu e nem ninguém que estava naquele lugar menos a Alexia que estava vibrando de alegria. eu pude escutar dois estalos ensurdecedores. mas o Brian desviava todos os olhares que eu dava pra ele. – Alexia se encostou a mesa de forma confortável como se nada estivesse acontecendo. Eu estava com ódio daquela garota. – Ah.– Engatilha essa porra. Quer dizer que ele . – Eu nunca atiraria em você Bieber. Brian me segurou bem quando fui dar um tapa naquele rostinho demoníaco. Coloquei as mãos na cabeça tapando os ouvidos e pressionei meus olhos com força.. – Você é muito desgraçada. Mordi meu lábio inferior com raiva e parei de me debater. você é louca? Um deles podia ter morrido! – gritei partindo para cima daquela loira. – Porque não fazem uma roleta russa? Seria mais emocionante. – ME SOLTA BRIAN! – gritei me debatendo em seus braços. – Belo show! – Alexia bateu palmas vibrando com a situação. poderia arrancar seus olhos com as mãos. você nem eu teríamos ele. – JÁ CHEGA! – gritou Justin atrás de nós. O silêncio pairou.. parecia que ele estava decidido a entrar naquilo. As minhas mãos não foram páreas para o Barulho. Justin havia dado dois tiros para o alto e não tinha feito nada com o Brian. A minha situação piorou quando vi o dedo dele se mexer no gatilho ele não poderia fazer isso com o Brian. Atrás de mim Brian estremeceu. tem noção? E perderíamos um irmão! Sua louca! – Disse tentando alcançar seus cabelos. –escutei a voz do Justin e fui abrindo meus olhos aos poucos.Games of seduction! – Eu nunca mataria um inimigo estando desarmado. *-* Capítulo 29 ... – Brian segura a sua piveta ai! – disse Alexia com um sorriso malicioso nos lábios. se o Justin morresse. CONTINUA. – Brian jogou a arma dele no chão. – Justin falou nervoso. filha da puta. senti meu coração parar naquela hora. – Sua vadia. – Cassidy você não vai bater na Alexia! – disse sério. Eu não suportaria ver aquela cena. parecia que aquela vaca queria ver uma tragédia.

– Você está bem? – as mãos dele sustentaram meu corpo que parecia pesar de mais. senti um frio na espinha e respirei fundo tentando me recompor. – empurrei Justin pra longe de mim. – Às vezes você chega a ser patético. Ficar naquele lugar e na presença da Alexia não estava me fazendo bem. – Alexia disse revirando os olhos. pois eu perdi completamente o jogo. lançou um olhar para Brian que me afastou um pouco de seu corpo. – Como você chegou aqui? – Brian perguntou sério. – Justin falou perto do meu ouvido me guiando até o carro.. – sorri sem sucesso. e não é que o Justin domou a cadela? – Alexia riu.poderia matar Brian porque ele concordou com o plano e eu não poderia bater naquela vadia por querê-los mortos? – Olha. Subi direto para o meu quarto. – Já pode largar ela! – Justin disse perto de nós. Já estava de madrugada quando chegamos em casa. – De moto né? Ou você realmente acha que eu ficaria trancada naquele apartamento enquanto vocês se divertem? – perguntou debochada e depois me deu as costas. Aquilo foi passando aos poucos e eu fui me recuperando. Não era nem para você estar aqui! – Justin esbravejou. – Mesmo? – balancei a cabeça assentindo que sim. Sua respiração bateu em minha nuca e me arrepiou. – E-Eu estou bem. Tranquei-me lá . – passei a mão no rosto. Relaxei nos braços de Brian. – Ah. não troquei nem uma palavra com o Justin. Alexia voltou-se para nós. – Vamos embora. – Vamos embora? – sussurrei. – Esta tudo bem Caissy? – Brian perguntou preocupado.. Brian não disse nada. Estava saindo daquele lugar quando senti uma tontura forte e cambaleei para o lado procurando algo que sustentasse o meu corpo. – Estou bem. – Cala a boca Alexia. que me abraçou forte. nem passei pelo quarto dele. – Vim voando! – disse irônica. apenas deixou que os braços de Justin me envolvessem. – Caissy. qual é. mas estava tudo girando. – escutei a voz do Justin.

– Já vai. não estava satisfeita com a minha aparecia. não é possível que eu vá ter que deixar de fazer isso.] – Os plano mudaram! – Ryan disse sorrindo assim que eu entrei na sala e eu gelei a não. – Porque mudaram? – perguntei um pouco histérica. não conseguia parar de pensar naquilo. – Senhorita Cassidy? – era voz da Guadalupe. – disse sorrindo e ela assentiu... Para mim seria a melhor adrenalina da vida nada do que eu fiz com a Claire chega perto daquilo.. qual é o problema de ver uma garota apenas de toalha? Eu não estava pelada nem nada para deixar a mulher constrangida. Eu iria cometer um crime... não sei se ficava triste ou se ficava feliz. coloquei a banheira pra encher enquanto fiquei me olhando no espelho. Entrei dentro da banheira pensando naquela festa. – ela abaixou a cabeça para não me encarar de toalha e eu achei aquilo engraçado. – O senhor Justin está te esperando lá em baixo. Agora me diz.. estava abraçada a um travesseiro e sorri sozinha vendo aquela cena. saindo dali ás pressas. – abria porta sorrindo. logo agora que eu estava me empolgando.. Vai entender esse povo de outras culturas. – Tudo bem Guadalupe. [. . eu iria roubar. – gritei atravessando o quarto. eu já desço. Levantei da cama com o corpo um pouco pesado. O Justin nunca entende nada. – Oi.. e fui andando preguiçosamente até o banheiro. e agora estava com vontade de provar que sou melhor que a Alexia. eu queria ficar diferente nessa festa eu queria provocar.para ter uma noite tranquila e bem dormida porque a final amanhã eu iria mostrar que era capaz de pegar aqueles certificados de merda. queria mostrar a Caissy que ninguém nunca viu.. me enrolei na toalha saindo do banho assim que alguém bateu na porta do quarto. Falta do Justin. Sim! Eu mostraria que sou capaz de fazer isso! Acordei com a claridade invadindo o quarto.. Respirei fundo lembrando a missão linda que eu tinha pra fazer. Qual o problema em eu fazer isso? A final se eu fizer isso nenhum dos meninos vai se arriscar.

– Tudo bem.. – Nunca me interessei por essas ostentações. – Sozinha não.– Você não vai mais a festa acompanhada do Bieber. – ele sorriu. . – S-Sozinha? – gaguejei. Ryan e Chris conseguiram subornar uma empregada do Marcony que nos contou que ele tem os seus certificados expostos nas paredes da casa como troféu. – O certificado é igual a este aqui só que original. – ele riu com deboche.. o Bieber vai estar na festa. – gelei. – Sim e com muita classe. era um papel comum. Entender eu tinha entendido agora só quero saber se eu conseguiria fazer isso tão fácil. – Você vai mesmo conseguir fazer isso? – Justin perguntou um pouco ríspido. – ele me entregou as cópias e eu analisei aquilo. – E esse ai é pra que? – perguntei confusa. – Não será preciso você procurar os certificados pela casa. – Será uma troca. – Não. Então não vamos dar nenhuma brecha já que vamos fazer isso. – Digamos que não vai ser um roubo. Pode dar muito na cara. – Ryan disse serio. – Justin estava quieto e eu olhei pra ele de relance. – E vocês sabem como é esse certificado? – nunca tinha visto um certificado de obra em minha vida. – Não? – falei um pouco nervosa se eu fosse descartada não aceitaria de jeito nenhum. mas que valia milhões. – nem quero imaginar o que aconteceu com essa mulher depois dela ter contado. – sorri fazendo Ryan rir. – Nunca viu um certificado? – Ryan perguntou franzindo o cenho. – Justin disse com um tom um pouco rude. – Não? – perguntei confusa.. – Pensamos melhor e você vai sozinha.. – Entendeu tudo Caissy? – Ryan perguntou esperando uma ótima resposta. – ele tirou um papel de dentro de uma capsula o desenrolando. – Se você e o Justin chegarem juntos. Isso é uma cópia para você colocar no lugar dos originais. mas vocês fingiram não se conhecer.

– falei ainda extasiada pela beleza do vestido. só não arranco seus olhos agora por que. POV Justin. Amei. – Relaxa Caissy.– Sim. Coloquei a caixa em cima da mesa e tirei o laço destampando a. – Daqui a pouco as vadias chegam! – Ryan olhou pro Justin. ele tinha as costas abertas e a frente era cruzada. – Ah é? – cruzei os braços não gostando nada da ideia. Ali tinha um vestido longo azul.. – Não é muito o forte do Bieber ir á uma festa sem uma mulher para o acompanhalo. Coincidência não Drew? – Ryan sorriu e Justin também pela primeira vez desde que aquela conversa começou. ele pegou uma caixa que estava em cima da mesa do Justin. Eu caprichei nas meninas. – Ryan. – Aqui está! – ele me entregou uma caixa com um laço vermelho. – meu sangue ferveu. – Ai Bieber você tem um bom gosto. Semicerrei os olhos. – Onw amor. Ryan. Agora entendi o porquê de o vestido ser tão lindo. – sorri. – Que isso? – perguntei confusa pegando a caixa. – Sim. – Ryan fica quietinho pra eu continuar gostando de você! – ele gargalhou. – peguei a caixa e sai deixando os dois no escritório. Tenho que me arrumar. – Ryan disse sorrindo.. Era todo trabalhado e aposto como ficaria perfeito em mim.. – E ai gostou? – Ryan perguntou sorrindo. – Vadias? – perguntei confusa. – Você tem que estar vestida para matar! – ele sorriu e piscou para mim.. – Ryan disse provocando e eu senti minhas bochechas queimarem. mas ainda de cara feia. – Foi você que escolheu? – perguntei incrédula e Justin assentiu balançando a cabeça. – E Ainda de quebra as meninas são gostosas e uma é loira e outra é morena. um azul bem forte.. .. muito lindo.

só que agora eu descobri que eu tenho um sentimento maior e que está silenciando o antigo.Chega de maluquice nessa porra... ela consegue te deixar louco.. Eu vejo. – Ryan falou rindo. – Sorte? – perguntei confuso e um pouco desconfiado eu pego as olhadas que o filho da puta da na Caissy. Porra ela tem muita opinião. mas ela não entende. Minha consciência brigava comigo. . Porra quem manda aqui nessa merda sou eu. – Ela foi.. Gosto? Não sei. – Você tem uma puta sorte. ela iria mesmo nessa merda de festa. – Ryan disse com a voz um pouco lamentosa.. – E gosto! Mas voltar pra casa e saber que tem alguém te esperando superam todos os meus gostos. E descobri coisas diferentes. A Cassidy é uma filha da puta.. – Achei que você gostava de sexo sem compromisso. – Você tá de quatro por ela.. – Justin?.. – E a filha da puta sabe disso e abusa.. – Eu estou com vontade de enforcar ela! – Olha a Alexia é malandra ela consegue tudo que quer. – Você não gosta mais dela? – Gosto. Até eu conhecer a Caissy. – E como! – falei sorrindo.. Nunca pensei ver isso na minha vida! Achei que a Alexia iria ser única na sua vida... Justin? – Ryan chamou me tirando dos devaneios e eu levantei o olhar o encarando... quem manda aqui sou eu! Não. Eu sempre fui louco por ela sempre foi uma coisa que eu nunca consegui explicar. – Tu tá mesmo grilado porque ela vai à festa né? Sorri pelo nariz. ela estava decidida. Justin melhor você não piorar as coisas.. mas a Caissy.. todo mundo vê cara. – conclui – Justin Drew Bieber de quatro pela menininha de 16 anos. Não eu não consigo domar ela e isso me deixa puto.

.. [. Todo mundo mete o pé no mundo. – Tipo o que? – Eu ainda vou matar o Marcony. – Ryan disse respirando fundo.. – Você é louco. Não queria mesmo que isso tivesse acontecendo. – Entra! – gritei e ouvi a porta se abrir lentamente. ressaltava todas minhas curvas e tinha combinado com minha maquiagem. e um pouco mais sexy. achei que seria melhor assim.... mas é porque ela sabe se virar e eu sei que não vou ficar querendo me matar de preocupação se algo der errado. – Ryan disse rindo. foi mal.] POV CAISSY.– Dois mulherões desses nos seus pés... – Hum .. Já estava pronta quando o Justin bateu na porta. Ela sabe se virar. ela não me escuta! Se eu digo que pra mim tanto faz a Alexia ir ou não. – Mas e ai depois que vendermos as obras acabou né.. Caissy não sabe dos riscos e isso é o que me deixa mais puto.. Estaremos nela rastreando a Caissy pelo lado de fora.. – Conseguimos uma van igual á do Buffet da festa.. Ouvi sermão do Ryan uma hora dessas não rola. agora eu tinha que ter certeza de que ela estaria segura. já que com esse vestido pareço uma vadia decente. mas e minha Caissy?! Vadia.. Você chama isso de que? – As duas são loucas! – E são umas puta gostosas. O vestido tinha ficado perfeito em meu corpo. . e por mais que os caras fossem vigiá-la. Louco de mais. e isso conta muito. – assenti. eu não tiraria os olhos do Marcony. – Eu ainda tenho muita coisa pra fazer aqui em Atlanta. fico com mais cara de mulher. – Vocês vão ficar onde? – mudei de assunto. – RESPEITA Caralho! – Foi mal. Meus cabelos estavam soltos. não é só porque ela é mais experiente.

. ele estava com cara de impressionado.. se eu continuasse mais um minuto concentrada no que ele estava fazendo não iria mais responder por mim. Mordi o lábio inferior. – Não é você. – Ok. – Não queria te envolver nisso. – Coloca o cabelo pro outro lado. E não. – Tenho que colocar o ponto e o microfone e você. Ele entortou um pouco a boca e abaixou um pouco o olhar. sorri gostando daquilo. – levantei seu queixo passando meus braços em volta do pescoço dele. – O que é isso? – apontei pra caixinha em cima da cama. – ele disse bem perto de mim com aquela voz um pouco grossa. – Gostou? – perguntei sorrindo. Era a joia mais bonita que eu já vi na vida. Olhei pra ele e fiquei esperando ele dizer algo. sou eu! Eu quis fazer isso. – Vem aqui. – ele abaixou a cabeça mordendo os lábios. esperei um pouco até ele colocar o anel em meu dedo.. – Estou Quase! – notei que ele segurava em suas mãos um fio e uma caixinha. ele não estava confortável com aquela situação.. – caminhei até ele. Estremeci todo o meu corpo quando as mãos quentes dele entraram em contato com a minha pele através do meu ombro desnudo. ele não estava muito feliz com o fato de que eu iria naquela festa de qualquer jeito. Eu quis fazer isso para não te ver correndo perigo. – ele disse um pouco cabisbaixo.. Ele começou a mexer naquela caixinha e depois eu pegou uma de minhas mãos que estava repousada na lateral de meu corpo. As mãos do Justin passaram por meus dedos segurando uma peça linda. ele demorou um pouco colocando o microfone por dentro do meu vestido bem no meio dos meus peitos. não importava a opinião dele.– Esta pronta? – me virei e ele estava tão lindo tão sexy com aquela roupa elegante. – É ficou bom! – ele deu de ombros tentando disfarçar que tinha gostado. – Você realmente sabe me surpreender. – Você está lindo. A caixinha ele colocou em cima da cama e o fio ele desenrolou. aquilo estava me excitando. mas só pela cara dele eu sabia que sim. – ele não respondeu minha pergunta. – ele balançou a mão me mostrando o ponto e o microfone.. – Põem dentro do seu ouvido. Quando a mão dele encostouse a meus seios senti um calafrio passar por mim. . – ele me entregou um negocinho minúsculo e assim eu fiz.

– Eu sei! – deixei meus braços envolverem ele. deixa? – ele sorriu pelo nariz. coloquei em minha bolsa e fui em direção às escadas. –ele lamentou. – Já. – Justin gritou. o anel era lindo. Respirei fundo tentando manter a calma pelo o meu corpo e minha mente. – Eu tomarei baby. – encostei minha testa na dele e ele levantou o olhar me encarando. – encostei meus lábios no dele de forma demorada e depois ele saiu. Deixa-me ser sua criminosa... passei minhas mãos sobre ele e sorri sozinha. (http://www.locale=pt-br) Havia duas vadias sentadas no sofá enquanto o Ryan e Justin conversavam no fundo da sala..polyvore. – Você é o meu criminoso predileto. desci os degraus com cuidado para não tropeçar no vestido.. – Tome muito cuidado naquela festa. Delicado e caia perfeitamente bem com o vestido. – Justin? – escutei a voz de Ryan chamar lá em baixo.– Enquanto isso você corre perigo no meu lugar? – perguntou debochado – As chances de eu me dar mal nisso são mínimas Justin. – E ai. – esbarrei os lábios nos dele e arfei quando ele apertou minha bunda me trazendo para mais perto.com/cgi/set?id=43128415&. Vamos? – disse sorrindo parando no ultimo degrau fazendo todos me notarem.. Estava na hora. .. – ele disse ainda um pouco emburrado. – Já vou. agora. – Você não precisa provar nada para mim! – ele parou o beijo recuperando o ar e disse bem próximo ao meu ouvido. Já eu desço. Fitei os olhos dele que estavam convidativos e cheios de mistério durante uns segundos e depois não me contive suguei aqueles lábios com vontade antes que ele me vetasse. Coloquei os brincos e me admirei mais uma vez no espelho. Peguei as luvas em cima da cama. – As nossas vidas deveriam ser normais.

Já sabe! – Jason balançou a cabeça e abaixou os olhos. – Justin abraçou as vadias uma de cada lado saindo indo para a garagem. – Você vai levar a Caissy.. Os meninos estariam lá. – Ryan alertou enquanto eu entrava no carro. Sorri sarcástica. – Tudo bem JB. e eu iria provar.. – sorri e ele bateu a porta. – Juro que vou tentar. Provavelmente querendo dizer para quando eu fosse mexer nas coisas de Marcony – Procure não deixar rastros. – sorri sem graça. – Então vamos. Jason entrou no banco da frente e deu partida assim que o carro do Justin passou por nós cruzando o portão. Se a Caissy me contar que você se quer olhou pra ela.. Vai ser uma honra levar a sua garota. – ele disse sorrindo. – Não imaginava que ficaria tão perfeito. – Olho no caminho. mostrando que tinham um corpo deslumbrante e cara de vadias. – sorri mordendo os lábios e olhando para o Ryan e o Jason. não é sempre que uma pessoa vai roubar um cara tão ‘foda’ como o Marcony. – E você. – Jason.– UAL! – Ryan disse surpreso. – Ok.. – caminhei até ele atravessando a sala desfilando com classe. – Justin ordenou. – Já sabe se tentar alguma gracinha com as vadias ali. – Eu também estou tentadora. e tenho que admitir que Justin estará muito entretido para prestar atenção em mim caso aconteça algo. – Justin chamou e Jason apareceu na porta... – ele disse assim que nos soltamos. POV Justin. mas não estava tão certa de minha segurança.... Porque elas estão tentadoras. Jason. Estava ansiosa. As meninas levantaram do sofá.. Mas eu tinha de provar que eras melhor que a Alexia. . – selei nossos lábios pedindo passagem e ele cedeu sugando a minha língua com desejo. – É só seguir o meu carro. – Caissy coloque as luvas. Ryan e eu seguimos logo atrás. nem que fosse a ultima coisa que eu fizesse.

Ali estava Caissy entrava toda sedutora encarando todos com superioridade. e também. Vieram abrir porta para mim e eu sai. Não demoramos muito para chegar. Bom. e então não era para eu me preocupar com elas.. Rolei meus olhos por todo lugar e vi Marcony com algumas vadias á sua volta se gabando de alguma coisa. – Sua namorada? – a morena perguntou. Tudo bem Cassidy. o que é isso? Nada. De repente. vi Marcony se aproximar de minha garota e assim que nossos olhares se cruzaram eu ergui as sobrancelhas em direção ao Marcony. Ry já devia ter descreve-lo. não estava com paciência para ir de vagar. – Aquela garota é o que sua Jus? – a loira que estava no banco do carona ao meu lado perguntou. certo?! Você consegue! Respirei fundo pela milésima vez e então o carro parou. – falei sendo frio. minha mulher é muito gostosa! Pelo canto do olho. – Justin pra você. ele sabia dar uma festa. Uma coisa era fato. você consegue.. e não essas vadias loucas. as vadias ao meu lado ficavam passando a mão em meu corpo e se mostravam para as outras. Só irá roubar alguns certificados. Estacionei o carro na frente da casa e desci. Desci as escadas.Toda hora olhava o retrovisor para confirmar se o Jason estava mesmo seguindo o meu carro como eu mandei. cumprimentei alguns babacas e que se acham e esperei Caissy chegar. estar comigo já garante um certo ibope. Abriram a porta da mansão e dava para perceber que a casa estava cheia. como se pudessem ser melhores. Eu entraria sozinha. Justin. fui á 120 km/h. com vadias já estou . Revirei os olhos.. mas não custava nada avisá-la. Rapidamente as vadias vieram até mim. A música estava alta. Passei meus braços pela cintura das duas. Se bem que. Agora começa meu show. mas Ryan durante todo o trajeto tentara me descrever o Marcony e disse que a maioria das mulheres ali seriam vadias. POV CAISSY. mas assumo que preferia o corpo quente da Caissy aqui. As vadias estavam em um fogo isso que da contratar puta avoada pra te fazer companhia elas se empolgam de mais. os olhares de alguns homens foram para a porta de entrada e instintivamente me virei para ver o que era. Fala sério.. – Cuida da vida de vocês! Não estou a fim de conversa com vadias nem de dar satisfação da minha vida! – Desculpa Jus. – a loira falou fazendo drama. – Chegamos Jason? – perguntei nervosa e ele assentiu.

quer dizer que se eu fizer algo errado TODOS vão ver. Sério. muito mais sofisticada. mas depois me perdi em meio á observações. outras conversavam e bebiam e sempre. que agora vinha em minha direção com um sorriso malicioso nos lábios. Sorri um pouco sem mostrar os dentes e fitei cada pessoa á minha volta. Ok. Já podia escutar a música alta. careca. não mesmo! – disse malicioso e passou as mãos pela lateral de meu corpo.. Comecei a andar. aquilo se bobear era maior que a casa de Justin. Branco. pessoas dançavam. mas me alertaram que eu poderia passar por isso também. – Se depender de mim. esse home era um puta de um gostoso. e estava deslumbrantemente lindo. fiz cara de vadia e endireitei minhas costas. Não estava muito interessada no que Marcony falava. Desci as escadas e todos os olhares se voltaram para mim. tinha uma vadia ao lado dos homens. mansão. – disse sorrindo sarcástica. me concentrando em não cair. Minha imaginação não seria nem capaz de pensar em algo assim. Direcionaram-me até a porta de uma enorme mansão. eu te mostro a casa. – Justin me fuzilou e eu lhe lancei um olhar de conforto. e eu respondi. exceto um. Abriram a porta do salão e eu quase caio para trás. – Vem. ele mexeu as sobrancelhas em direção ao homem que estava próximo e eu entendi.acostumada. é muito. Grande e chique! As luzes iluminavam o salão e as pessoas. e balançando o quadril. outras com ódio por eu ser o centro das atenções. Sim. Sorri. Usava um terno sobre uma camisa social azul bem clara e uma calça preta. e como eu era a mais bonita dali. – Oi belezinha.. ele estava me deixando ainda mais nervosa. Perguntou meu nome. Respirei fundo. Será que nesse negócio de ser magnata só tem homem assim? Agora entendo porque Alexia gosta tanto disso.. Cadela! Os olhos castanhos do careca que vinha em minha direção transbordavam luxúria e desejo e não saiam de meu corpo. Ryan . O homem tinha pose de macho. – ele disse me olhando de cima em baixo. sua grana. perfeita. – Veio sozinha? – Sim. os homens pareciam que iriam babar. Será que esse era o tal Marcony? Corri meus olhos pelo salão e meus olhos fitaram os de Justin.. só a Alexia já vale por centenas. PUTA QUE PARIU! Aquilo era uma puta de uma festa. ótimo. bigode. aquele era o Marcony. Sim. Até aqui estava tudo bem. – disse puxando minha cintura e passando seus braços por meu pescoço. como haviam me dito. mas não vou ficar sozinha por muito tempo. Mordi o lábio inferior e ele chegou mais perto de mim. um pé na frente do outro. ele estava dizendo sobre alguns caras. Bom.. e em meu ouvido Ryan me mandava tomar cuidado. Algumas mulheres me encaravam como se fossem superiores. meu coração pulsava rápido. ergui minha cabeça.. e ainda por cima. todas muito bonitas por sinal.

Comecei a rebolar meu corpo e Marcony colou nossos corpos. Marcony beijou meu pescoço e aos poucos a musica foi acabando. Ele me olhou satisfeito. Eu sentia seu membro mesmo sob as calças. estava excitando o cara que eu iria roubar daqui a pouco.estava quieto. Esfreguei um pouco meu corpo no dele e depois me afastei um pouco mordendo o lábio e virando de costas para ele. e me virei para Marcony. Esse não era o combinado! Já era a terceira música que eles dançavam coladinhos e já tinha perdido a conta de quantas vezes o otário tinha tentado beijá-la. A música acalmou um pouco e deixei meu corpo livre. não por muito tempo. com suas mãos em minha bunda. Tentei imaginar Justin ali comigo. eu vou lá e acabar com a graça desses dois. Me esquivei rapidamente e sorri.. parecia que estava fazendo aquilo para me provocar. POV JUSTIN. Ele não tentou novamente. As vadias estavam voltando com as bebidas que eu havia pedido para pegarem para mim. Sua respiração quente em meu pescoço me arrepiava.. Chris Brown. Seu membro já estava dando sinal de vida. – Não Justin. ainda de costas. Ela esta indo bem porra! – Ryan disse sério. então não podia mais falar com Ryan. e ia me ajudar se acontecesse algo. – disse rangendo os dentes. mas eu sabia que ele estava escutando tudo o que o Marcony me dizia. – Mas isso já passou dos limites. pressionou meu corpo contra sua ereção. Levei minhas mãos até a nuca de Marcony e colei nossos corpos mais uma vez. mas me apertou ainda mais contra seu corpo. Ela está ganhando a confiança dele. Arrisquei um olhar para Justin e ele me olhava chocado. Coloquei minhas mãos em seu ombro e ele encostou seu rosto no meu. e aquilo me deixou excitada. Suas mãos seguiram a minha e eu rebolei. Ótimo. – Vamos dançar? – ele perguntou e eu assenti. sorri maliciosa e ele tentou me beijar. e praticamente explodindo de raiva. – disse irritado. Pelo canto do olho. Marcony passava as mãos por todo o corpo de Caissy e ela deixava. Se ele tentar alguma coisa com ela eu JURO que arrebento o filho da puta na porrada. mas nem um pouco satisfeito. . Caissy toda hora olhava para mim. Levei meus braços até seu pescoço e fui descendo pelo meu corpo depois. Ele me guiou até o meio da pista de dança e começou á tocar Strip. Passei minhas mãos por todo seu tórax e Marcony me olhou malicioso. Desci minhas mãos por todo seu braço enquanto ele passava suas mãos por minhas costas até chegar á minha bunda. Ela tá tirando com a minha cara. – Pra mim já chega Ryan. assim é até melhor. vi que Justin agora estava sozinho.

Marcony passava a mão por todo meu corpo. Puta que pariu tinha que ser o Justin. – Muito linda. – Marcony me apertou contra o corpo dele e eu senti meu corpo estremecer. – Marcony. – Justin arqueou a sobrancelha com ironia.. – Vamos dançar. e dei um jeito de sair dali. – Marcony falou bem perto do meu rosto me fazendo sentir o hálito quente dele. estava com nojo de mim mesma. E eu vi os olhos do Justin trasbordarem de ódio. – Quero que você conheça a minha preciosidade desta noite. Por um milagre consegui sair daquele salão e comecei a perambular pela casa seguindo as instruções do Ryan que ditava tudo pelo o meu ponto. mas não era certo. Justin faltava arrancar os cabelos de tanto ódio. – Marcony pegou uma taça da bandeja que passava. – Justin me encarou e depois sorriu.. Estava com muito medo de dar bandeira perto do Justin à história ficava diferente. Os dois guerrilhavam no olhar e se tratavam com sarcasmo. Ele pegou em minha cintura e me guiou até o tal o amigo dele. Estava suando mais do que não sei o que. Já não estava mais aguentando dançar. É bom mesmo que isso funcione! POV CAISSY. Melhor sair dali agora do que esperar o Justin explodir e acabar com tudo. dava para perceber isso pelos seus olhos. Enquanto eu fazia isso. Encantou meus olhos. ela está indo bem! – assenti e me calei. – passei a mão no peito do Marcony.. – De onde quer que essa boneca tenha vindo. – Justin respondeu com deboche. . – Quero te apresentar a alguns amigos. Aquilo era bom. Ela está sendo muito bem vinda. – Bieber? – ele chamou fazendo o Justin se virar e nos encarar ele estava se esfregando na vadia loira. – É uma honra ter você em minha casa. Inventei que precisava beber algo.. – Imagino o quanto.– Fica calmo. – Marcony sussurrou em meu ouvido e eu sorri safada.

mas eu ainda estava sem reação na ponta da escada vendo aqueles olhos me mirar. – falei guardando as capsulas de volta na bolsa e sentindo um alivio pelo meu corpo. uns tinham mulheres seminuas ao lado dele. outros tinha ele com vários anéis na mão fazendo pose de chefão. Uma mulher vestindo uma roupa sexy passou por mim e eu gelei. Tinha que ser rápido. Bati o olho em um quadro que era exatamente igual ao certificado falso que estava na capsula dentro da minha bolsa. Puta agora eu estava sem saída porque ele viria até aqui e não ficaria satisfeito se não conseguisse o que os olhos dele queriam. – Porque não dá? – Ryan perguntou confuso. mas o Marcony parece não ter muito bom gosto para decoração. – Boa garota! – ele gritou vibrando causando um leve dor no meu ouvido. senti meu coração acelerar um nó se formou em minha garganta eram aqueles os certificados. – Tira os certificados do quadro e coloca na capsula. acho que eu achei. Enrolei um por um colocando eles perto de mim. – falei sussurrando e me certificando que não tinha mais ninguém por ali. – Não dá. – Peguei Ryan. – sussurrei o vendo começar a cruzar a festa com aqueles olhos cheio de luxuria e aquele sorriso malicioso vindo em direção a mim. Seguindo pela direita passei por varias portas. – Caissy vai embora.– Caissy os certificados estão no corredor a sua direita. era um corredor enorme. o cara se acha um verdadeiro cachorrão. Sai á Francesa. – Ryan. respirei fundo e coloquei as luvas. Sentia minhas mãos suarem por de baixo das luvas. Tirei os dois quadros da parede. – Ryan disse ainda um pouco empolgado. mas ela parecia estar tão elétrica que nem me notou deveria estar drogada. – Ryan disse e eu analisei os dois corredores a minha frente. Estava voltando para a festa de novo quando parei vendo aqueles olhos me mirarem. cachorros com cara de mal. Cada quadro estranho. depois tirei as cópias da capsula e coloquei no lugar das originais. . aquela casa era muito grande. tremi com aquele olhar. coloquei-os no chão abrindo o vidro que tinha para proteger. meu corpo. – pensei um pouco.

Era um quarto. – Até que em fim eu te encontrei. – puta é a sua mãe sua vadia. – Você já deveria ter ido embora da festa! – Marcony. Mulher é a melhor coisa do mundo. – Caissy fica calma e não sai de onde você estiver. mas eu estava apavorada. estava escuro. Eu estou atrás de uma morena que me deixou louco desde que entrou aqui.Make love to me – Sai daí.. .. mas me lembrei que eu estava me escondendo. Eram tantas portas para escolher e me esconder. tantas opções e ao mesmo tempo nenhuma.. – o ponto estava chiando muito estávamos quase ficando sem comunicação. não? – Já viu o tanto de morena que tem nessa festa? Você é um cachorrão mesmo. quase xinguei ela. – Alexia? Eu pude reconhecer a voz daquela vadia. sai daí agora. – Mas e aquelas vadias que estão com ele? Que eu saiba ele está com uma puta fixa. tirei o salto para facilitar um pouco. – Ryan eu estou escondida em um quarto aqui.. do salto dela no quarto. Minha respiração estava ofegante e quando eu escutei a porta se abrir tapei minha boca fazendo pressão para não deixar sair nenhum ruído. pior lugar para se esconder. – sussurrei. toc. – O Bieber veio me afrontar! – Bem típico dele.. – Não grila vai. – Alexia disse com um tom risonho. Tu não viu ela. mas pela pouca luz da lua eu consegui achar a cama e me enfiar de baixo dela. Entrei em uma porta qualquer. – Ryan gritou e eu voltei correndo para o corredor. a pessoa caminhou um pouco no quarto depois parou assim que entrou outra. *-* Capítulo 30 . – ela riu...– O Marcony está vindo atrás de mim! Continua. eu ainda quero entender o que o Justin está fazendo aqui.. Mas eu acho que ele vai me achar. – uma voz feminina disse e me cérebro não a achou desconhecida. e eu escutei o toc. Ascenderam a luz.

– Onde você está? – estava chiando muito. Peguei minha bolsa e corri para a janela notei que ali tinha um parapeito e era extenso bom. Estava ficando aflito. – Se esconde no banheiro e daqui cinco minutos você sai. – No parapeito da janela. – Já mandei ela sair daí. e nada. – Eu estou indo pra i. – Alexia sussurrou. – pude escutar a voz do Brian. droga ela tinha que sair de lá não voltar. – sussurrei e o ponto estava chiando. – me calei assim que vi um segurança apaziguando. Vi quando a Caissy apareceu na ponta da escada tentando passar por despercebida. Era a minha chance agora eu tinha que sair dali naquele cinco minutos. POV Justin Os meus olhos vasculharam aquela festa atrás dela. mas não consegui me responder por que começou a dar interferência total. – Eu estou no parapeito entre o 2ª e o 3ª quarto no 2ª andar dos fundos. – eu o ouvi com um pouco de falhas. – falei e as vadias se entre olharam não entendendo nada. Ela estava chamando muito as atenções pelo jeito como estava vestida ela literalmente estava linda. – inclinei meu corpo para contar quantos quartos tinham até mim. – Você não presta! – Eu sei e vou prestar muito menos quando eu encontrar aquela ninfetinha. – Caissy. será que ela estava executando a troca? As vadias não me largavam um minuto e ficar de olho no Marcony era o que me restava. Desci no parapeito e caminhei dando passos de lado até ficar longe daquele quarto. – Ryan disse e eu vi a Caissy voltar pra trás. – Ryan ele está indo atrás dela. – ele disse e depois de um tempo escutei a porta ser fechada. – Patrão? – bateram na porta. – Cacete. . Vi o Marcony passar por mim com os olhos cheios de luxuria pra cima da minha garota. ou era aquilo ou nada. – Ryan. – ela gargalhou.– Calma bonequinha você sempre vai ser a minha deusa dos olhos cor do céu.

gasto meu dinheiro e não forço simpatia com ninguém. Posso escutar a voz do Marcony e de outra mulher. – fingi está chocado. – Estou te incomodando? – perguntei com ironia.. . Sai correndo cruzando o salão esbarrei em um monte de gente que deixei pra trás me xingando. – Você sabe onde ela está? – perguntei pro Ryan que demorou a me responder. ele tem sede para m matar. – sorri ele fica ai se gabando e está acontecendo um roubo em baixo do seu nariz e ele nem está vendo. – Bieber. – Veio devolver minhas obras? – disse sendo sarcástico.. A diferença entre mim e ele é que ele lava o dinheiro e paga de bom moço.. – Marcony! – ele se calou assim que me viu. peguei a gola da camisa dele o intimidando.Eu vou chamar.. – segui por um corredor e tinha uns capangas o Marcony por ali parecia que procuravam algo.. Sabia que aquilo são obras da família? – É uma pena. – sussurrei assim que vi o Marcony indo na mesma direção que ela. – Bieber você é tão burro. Como acha que vai ganhar dinheiro com aquilo sem os certificados? – ele disse sendo superior. – Sem devoluções! – sorri. mas eu. – Cadê teu chefe? – tive que usar a força. – Ryan disse. motivo.... – ele me olhou assustado eu o soltei. – Eu posso dar um jeito. – Justin a Caissy conseguiu sair.. Já estava ficando impaciente. Acho que isso deve deixar o Marcony puto. Ele bateu duas vezes em uma porta. – ele rangeu os dentes. Minha vó deve estar se revirando no caixão com a sua burrice. Tomara que a Caissy consiga sair daqui enquanto – Espero que eu você tenha me distraio incomodado por o um bom Marcony. – Vender por merreca. – Cadê teu chefe? – perguntei e o capanga não respondeu. mas está chiando muito e dando interferência. – E.. – A Caissy tá escondida.– Porra. mas não pode porque a final ele tem um nome a zelar. Não estou nem ai.

– Com o dinheiro que o Bieber tem ele pode comprar milhares daquela pra você.. a van estava cheio de equipamentos e filmagens da festa. Mas valeu a pena. – falei fazendo biquinho. POV Caissy. – Esqueci os meus sapatos em baixo da cama. Brian me fez pular de lá de cima. você não vai mais precisar daquilo. – Brian disse pegando em minha mão e me arrastando. – Mas aquela sandália era linda. – Viu o tanto de vadias que tem naquela festa? Acha mesmo que ele vai saber que o sapato é seu? – pensando por esse lado até poderia me acalmar. – soltei a mão dele e parei novamente. – se ele fosse um pouquinho inteligente iria perceber que aquilo era uma indireta e que a final o burro era ele. – Na casa do Marcony tem câmeras? – perguntei tremendo na base. – Que? – Brian perguntou confuso.– A festa estava ótima. Senti uma dor do caramba. . – ele disse rindo. – Faz uns dois minutos que o carro dele cruzou aqui. – Ryan disse abrindo a porta da van e Brian me ajudou a entrar. Agora eu vou indo tenho que arranjar compradores para as minhas obras. – Não Brian. – falei assustada. – Eu vou pegar minhas obras de volta Bieber. – Ryan disse passando para o banco da frente e dando partida. – Aquilo pode ser uma prova contra mim.. – Claro que não. – ele gritou em quanto eu dei as costas e sai andando e rindo da cara dele. Estávamos correndo para a van quando eu me dei conta. – Agora já foi. – Meu sapato ficou em baixo da cama. espera. – ele pegou minha mão e voltamos a correr. – soltei a barra do vestido me lembrando da grande merda que eu tinha feito. – Que demora. – O Justin já saiu lá de dentro? – perguntei com a respiração um pouco forte. foi enganado por uma menininha de 16 anos.

– selei meus lábios no dele com força. Justin me colocou no chão. Levantei um pouco o vestido que agora estava arrastando no chão. A van parou no jardim da casa do Justin e o Brian me ajudou a descer. – bati no braço dele envergonhada. – Tchau Brian. senti a sensação de missão cumprida. – disse sorrindo. Ryan e Brian estavam logo atrás. – Minha garota. – Justin chamou. . Então. senti orgulho de mim quando olhei para a minha mão e vi aquela bolsa. vai ter filmagem de quando eu.. – Você demorou de mais....– Por todo lugar. – Tudo bem cara... – Ryan disse rindo. Abri a porta e dei de cara com o Justin sentado no sofá pouco paciente. – Então. – Amanhã a gente fala sobre isso. Mostra pra gente. dei o meu melhor sorriso para ele e corri e o abracei. – ele me ergueu me fazendo rir. – O Ryan. – ele e Brian foram em direção à porta e Justin os acompanhou.. – Acho que vocês já podem ir agora. pois eu estava descalço. – Ryan pegou as capsulas da minha mão e Justin me abraçou por trás me fazendo arrepiar com o toque dele. – Brian gritou saindo. – Justin. – Eu consegui.. – ele disse me dando vários beijos e me abraçando forte. – Você foi perfeita. – Você está aprovada para entrar na nossa gangue. – Tchau Caissy. – Vai Caissy. – A gente conseguiu interceptar a sala de segurança dele e garanto que ele não verá a reprise da festa. – Eu adorei a sensação de fazer isso. – Ryan disse um pouco calmo. – Ryan nos interrompeu. – Ryan disse rindo. – Eu consegui. – Justin sussurrou no meu ouvido e eu me virei pra ele dando uma leve rebolada e sentindo o meu Bieberzão dar um sinal de vida. – disse sorrindo e tirando as capsulas da bolsa e a jogando no sofá. – gritei me jogando no sofá.

. Ele soltou o zíper da lateral e eu fiquei o observando. duvido que ela gostaria de ver o que estávamos para fazer. do que não tem nome. o que estava complicado. eu cedia e ele invadia minha boca com desejo. e assim que o vestido escorregou por meu corpo. os movimentos de seus lábios rosados. Juro estava praticamente saltando da cueca. Não sei. Nossas línguas se enroscavam uma na outra e ásperas e úmidas. Não queria arrumar confusão com Guadalupe. e deixava minha calcinha cada vez mais molhada.. quero dizer. todo aquele jeito sedutor para dar canseira em Justin hoje. Caramba. e sinceramente. As caretas que ele fazia. Enquanto Justin mordiscava meu . ou era o toque de Justin. principalmente pelado. O volume dentro de suas calças era perceptível. sinceramente. escorregou fácil por suas pernas. Assim que nos aproximamos. dessa sensação. aqueles lábios. – Falô aê Caissy.– Tchau Ryan. e nem quero saber. NUNCA! Escorreguei minha língua para dentro de sua boca e suguei a sua língua com vontade. me causavam arrepios ao se tocarem. àquela camisa branca destacava seus músculos. Quando Justin fechou a porta mordi os lábios o vendo vir em minha direção. segurando o vestido até o inicio de minhas coxas. sua mão que acariciava minha nuca e a outra que apertava minha bunda. talvez perca a graça e fique normal. Iria usar todo aquele charme. Mal chegamos á porta e Justin já estava devorando meus lábios novamente. tentava desabotoar todos os botões de sua camisa. Ah. Me livrei de sua camisa e enquanto Justin Beijava meu pescoço. o ponto que estava em meu ouvido começou á incomodar. Enquanto beijava Justin. Ele passava sua língua pelos meus lábios pedindo passagem. Suas mãos eram inquietas em meu corpo. selando nossos lábios. Justin tomou meus lábios com ferocidade.. afinal. Queria provar o quanto eu o queria naquele momento. Ele já estava sem terno. dando-me visão privilegiada de sua boxer roxa. Estávamos tão lindos. ele é lindo de qualquer jeito. Queria recompensá-lo por ser tão bonzinho nesta noite. Puxei Justin pela mão até a escada e nos guiei até o quarto. seu pau já estava berrando meu nome ali. Nunca me cansaria de seu beijo. fui desabotoando sua calça. mas eu gosto do desconhecido. acho que nunca vou saber o que me faz reagir assim á ele. Escorreguei meus braços pelas alças. Fui caminhando na ponta dos pés até ele.. Por ser social. puxei Justin pelo colarinho. Não sei. de social. Justin me afastou um pouco de seu corpo para poder se livrar de meu vestido. Tenha uma BOA noite. eu seduzi um cara na frente dele e ele nem fez nada.

retirando minha calcinha em seguida. até meu pescoço. grudavam.. . mais. e faziam um barulho estranho ao soltarem. Você é tão gostoso neném! Sentei em seu pau. Adorava deixá-lo bravo. – Awn Justin.gritei e ele riu novamente. uma coisa tão. fazendo movimentos de vai e vêm intensificados. Justin se contorcia em minhas mãos. Justin saiu de dentro de mim e eu o puxei até a cama. mais uma prova de quão boa eu sou pra ele. minha cabeça estava tombada de lado. goza pra mim! – não precisei pedir mais uma vez. ÓH! M-Mais r-rápido! . para de graça! .Hey. Foi um prazer tão rápido. Eu estava completamente molhada. me preenchendo com seu líquido quentinho.OWN. Em seguida meu liquido desceu molhando seu pênis...gemi. Meus cabelos estavam grudando na . Justin parou com suas caricias e segurou em seu membro.Vai Justin. Sentia seu membro roçando em minha intimidade. ISSO! Vai Justin. fazendo com que apenas encostasse em minha intimidade e saísse. Completamente duro e ereto. sem nem esperar ele dizer nada e comecei á quicar. Vai! N-Não me provoca! . Arranhei seu tórax e desci minhas mãos até seu pau. Minhas pernas estavam enroscadas em sua cintura. minhas paredes devorarem seu pau e minhas pernas ficarem bambas. enquanto Justin brincava com meu corpo. Lambi com vontade e Justin me olhou satisfeito. . completamente maluca. apertei seu membro ainda coberto pelo pano. Seus dedos prendiam meu bico já enrijecido graças ao tesão do momento. Justin me pegou em seu colo e me prensou na parede distribuindo beijos por toda minha jugular... colocando todo seu membro dentro de mim e tirando. Agachei até seus joelhos e tirei sua boxer. Aquilo era muito bom. – zombei e ele me fuzilou. Ele soltou um gemido baixo e apertou meus seios em resposta ao meu gesto. Justin gemia alto. tá tão fraco assim que já vai gozar? Eu nem comecei.Porra Justin.resmunguei entre gemidos roucos e ele riu. Minhas costas batiam com força na parede e cada vez mais eu me apertava ao redor do corpo de Justin. Senti suas veias engrossarem. Minhas costas estavam suadas e ao encostarem-se à parede. Justin logo gozou também. dessa vez enfiando tudo de uma vez e me estocando rápido e forte.pescoço me deixando louca. aquilo era um incentivo pra mim.. Senti todo minha intimidade latejar. Seu líquido escorreu por meus dedos e por toda a palma de minha mão. Roçou sua língua em meus ombros e depois distribuiu beijos úmidos em meu peito. . Aquilo me deixou louca. E tinha me deixado brava. . O joguei deitado na cama e sentei em suas coxas. Abafei um gemido e mordi seu ombro. Tão prazerosa! Nunca me cansaria da sensação de tê-lo dentro de mim.

Desta vez. Eu já estava chegando ao meu ápice. – sorri safada e me aproximei dele mordendo os lábios. Justin estocou mais algumas vezes e eu já senti seu líquido descer queimando por seu membro. eu precisava de um segundo. Justin logo em seguida me preencheu novamente. – Justin disse notando a minha cara de quem queria mais. Era um carinho gostoso. Ele me entocava fundo. apenas com nós dois. depois de uma noite perfeita. e Justin não estava tão diferente. Seus dedos deslizaram por toda minha coluna. fazendo desenhos indefinidos. Éramos o defeito que completava o erro do outro. Justin apertou o interior de minhas coxas e assim que percebi. Ele assentiu hipnotizado e eu tomei seus lábios. e assim me deixei levar. ele já estava dentro de mim novamente. aquela foi uma das minhas melhores transas. Ali éramos dois em um só. mais eu ainda queria mais! Sorri assim que um pensamento malicioso passou por mim. eu animada. caindo em um sono profundo. chegando até minha bunda e coxa. Prendi meus cabelos em um coque e sai do banheiro observando o Justin que estava esparramado na cama ainda uma pouco ofegante. Foi bom. apenas carinho. ou qualquer coisa que fosse. porra eu queria um segundo. éramos a perfeição que faltava para um plano perfeito. não houve pressa. – Jamais. Justin me apertou em seus braços e ficou acariciando meus cabelos enquanto eu acariciava seu peito. Eu era dele e ele era meu.. Cambaleei até seu lado e me apoiei em seu corpo suado. e isso era muito. Meus olhos foram pesando. terno. Acordei com uma energia e disposição que não eram minhas. éramos únicos e iguais. com as dificuldades nem com ninguém. Não conseguia desviar meus olhos daquele cor de mel. Não estávamos nos preocupando com os problemas. . pronto para mais uma? – perguntei próximo á seus lábios.testa e em minhas costas. Ele parecia exausto. Justin inverteu nossas posições enquanto eu observava seu rosto. muito bom. Fui até o banheiro e me olhei no espelho 1ª round tinha acabado comigo. . falando arrastado enquanto me perdia naquele rosto lindo. Eu queria mais! – Você está virando uma ninfomaníaca. pelo menos a mais calma. caindo ao meu lado ofegante.. sem agressividade ou tesão. Ele sentou e ficou só á me observar. éramos um casal. eu sentia seu coração se acalmando. ai eu me aliviaria um pouco e ainda estimularia meu homem á um segundo round. sem selvageria. Justin respirou fundo. desespero. Justin cansado.Hei Baby. foi com amor. Ali me perdi mais uma vez. Poderia provocá-lo um pouco e me saciar. Sentei na ponta da cama e vi Justin se ajeitar nos travesseiros confuso.

– ela disse sorrindo e com os olhos fixo no corpo do meu homem que estava sem camisa. – falei rindo e tentando mais uma vez jogar a uva pra cima e pegar com a boca. – Sonhando comigo? – Justin me fez rir. – E como! – ele estava logo atrás de mim no corredor. – me espreguicei. – Eu adoro seu cheiro. por isso esse cheiro bom. – Te dei trabalho ontem né? – abri a porta. – peguei a blusa que o Justin usou na festa e a vesti e dobrei a manga. – Bom dia Justin. – tomei a frente e dei um beijo estalado no rosto dela. – A Guadalupe está preparando o café. – Hum. Puta que pariu essa menina está ficando de mais aqui. – Você adora minhas roupas. – Ai. – Eu não consigo fazer isso. – rolei na cama e indo ao banheiro. A mesa estava linda e pela primeira vez eu estava começando um dia perfeito com o meu homem. – eu disse rindo e lembrando a reação dela quando me viu de toalha. – ele sorriu. – Eu tive um sonho maravilhoso. – ele disse rindo. – A Guadalupe enfartaria.– Bom dia minha shawty. – Também não ficaria bem você andando de calcinha e sutiã pela casa. Pirô foi garota? – ela disse limpando o beijo e eu sai rindo indo pra copa. – Bom dia meu amor. – Justin me beijou assim que abri os olhos ele já estava acordado. . Ele ficava fazendo gracinhas a todo o momento e eu não poupava as gargalhadas. – Vamos descer logo eu estou com fome. – ele disse levantando da cama. Desci as escadas dando pulinhos e quando cheguei no último degrau dei um pulão dando de cara com a Nanely. – Ai credo. – É né. – Bom dia Nanely. Ajeitei meu cabelo e fiz minha higiene matinal.

. Só avisa pra ele ficar em casa. – Oi Pattie. – Tchau Pattie. – desliguei o telefone um pouco tensa.. – Tudo bem vou avisar.. – Hoje? – Sim. Tchau meu anjo.. – Tudo sim e você? – Estou ótima.. mas atendi.. – me engasguei. Fica com Deus. – Justin fez novamente com facilidade. – Ai que legal. – Sua mãe está voltando hoje. – Obrigada querida. – Caissy. – Não vejo a hora de voltar pra casa. – disse um pouco cautelosa. – Justin arqueou a sobrancelha.. – Quer falar com o Justin? – perguntei mudando de assunto aquilo estava me deixando nervosa. – meu coração parecia que ia sair pela boca. – Cassidy a senhorita Pattie quer falar com você. – Desisto! – parei de tentar e Justin riu alto. – E ai tem novidade? – Estou voltando hoje à noite. Tenha uma boa viagem. Tudo bem? – ela parecia contente. mas não disse nada me deixando mais nervosa. – disse um pouco nervosa. – Guadalupe disse me entregando o telefone e eu achei aquilo estranho... – Obrigada. – Você também.– É muito fácil. quero chegar e ver ele ai. – Não. não.

Continua....

*-*

Capítulo 31 - It can be like old times
Tinha acabado de tomar banho e estava esparramada na cama do Justin tentando me controlar por pensar que hoje eu teria que contar para a mãe dele que no caso é minha sogra que me trata como filha, que eu estou pegando o filho dela... Aquela confusão mental estava me deixando mal. Virei-me na cama ficando de bruço e Justin saiu do banheiro enrolado em uma toalha. – Já pensou se sua mãe tiver um ataque. – falei assustada. – Chama a ambulância. – ele disse dando de ombros e falando com naturalidade. – Como você pode estar assim... – gritei histérica – Assim como, cacete? – ele disse abotoando a bermuda. – Tão calmo, tão natural. – falei tendo um ataque e afundando minha cabeça nas almofadas. – Eu tô de boa... Você que está fazendo drama. – ele disse sem camisa e bagunçando o cabelo com a mão em frente ao espelho. – Ok... Então estou fazendo drama. – me virei e fiquei de braços cruzados. – Sabe o que eu estava pensando? – ele disse mudando de assunto e eu apenas o olhei sem dizer nada e ele continuou. – Acho que vou colocar um poste aqui no quarto para você dançar pra mim como fez no motel e na festa do Marcony. – estava brava, mas não consegui segurar o riso. E na hora eu me lembrei de que... – A Alexia estava na festa. – sentei na cama me lembrando disso. – Na festa? – Justin perguntou confuso. – É. – falei um pouco afobada. – Impossível. – Justin disse secando o cabelo. – Não é sério! – levantei da cama um pouco eufórica e falando rápido. – Justin ela estava no quarto com o Marcony e eles tipo eles estavam muito entrosados e sabe ela

falou de você e ai... – minha cabeça doeu e eu não tive tempo nem pra respirar de tão rápido que eu falei. – Você tá bem? – Justin me olhou confuso. – Não. – conclui. – Mas Justin eu vi ela lá. Juro... – ele franziu o cenho pensou um pouco e aquilo me deixou um pouco nervosa, pois ele não dizia nada. – Ou? – estalei o dedo na frente do rosto dele. Ele me olhou fixo por um momento depois saiu andando pro closet. – Você ficou grilado? – Não. – ele disse sereno demais. E aquilo não colou, eu sabia que ele tinha ficado grilado... Pra falar a verdade até eu estava grilada com a intimidade dela e do Marcony. – Vou tomar vitamina. – falei saindo do assunto já que ele não me deu abertura pra falar sobre aquilo. POV Justin. Eu não estava acreditando no que a Caissy tinha me contado, pelo o que eu me lembro a Alexia odiava o Marcony tanto quanto eu e aquela história dela estar no mesmo quarto que ele... Aquilo me deixou com pulga atrás da orelha. Deitei na cama para assistir um pouco de alguma coisa que me distraísse mais não consegui... Olhei meu celular em cima da mesinha e sim eu tinha que fazer aquilo. Enviei uma mensagem pra Alexia dizendo para me encontrar no casebre... Tinha que tirar aquela história limpo. Coloquei um tênis e desci as escada correndo pensando em algo rápido para dizer para a Caissy porque se eu dissesse que estava indo me encontrar com a Alexia a casa ia cair. – Vai sair? – Caissy perguntou vindo em minha direção com um pote de sorvete na mão, aquilo foi estranho, coisa de gente gulosa. – Ryan me ligou e... A gente vai ver os compradores da obra. – disse mentindo, não gostava disso,mas era por uma boa causa. – Hum. – ela colocou uma colher cheia de sorvete na boca. – Eu vou estar em casa quando minha mãe chegar. – dei um beijo rápido nela e peguei a chave do carro.

Alexia não respondeu minha mensagem e se ela não fosse ao galpão eu não ligaria em ir até a casa do Brian tirar aquela história á limpo. Cheguei ao galpão e nem sinal da Alexia, fiquei nervoso e o pior é que a filha da puta nem atendia as minhas ligações. POV Caissy. Justin não parecia que iria sair quando eu desci... Às vezes fico complexada com esse serviço dele, ainda bem que eu estava me envolvendo no esquema e talvez assim eu poderia ficar mais ao lado dele. Olhei o pote de sorvete e fiquei abismada eu tinha comido aquilo tudo sozinha não acreditei me senti uma obesa... Escutei risadas na sala e achei aquilo estranho, pois não estava esperando ninguém, gelei só de pensar que poderia ser a Pattie. – O que vocês estão fazendo aqui? – perguntei olhando Ryan e Chris que estavam na sala rindo feitos palhaços. – Cara vocês ainda estão fudendo? – Ryan disse me deixando sem graça. – Não, mas... O Justin foi encontrar com você! E o que você está fazendo aqui? – falei confusa. – Comigo? – Ryan disse não entendendo nada. – É... com você Ryan. – Chris deu um soco de leve no braço dele. – Ele nem me falou nada. – Chris deu um empurrão no Ryan, que na hora se tocou que o Justin tinha me enrolado. Eu achei aquilo muito estranho porque o Justin mentiria pra mim? – Ah é verdade... Ele está me esperando no casebre. – Ryan tentou consertar o que tinha feito. – Hum. – falei tentando fingir que acreditei. Porque a mentira? O que ele estava fazendo de tão errado que teve que mentir? POV Alexia Meu celular estava tocando freneticamente... Justin não tinha desistido de falar comigo. Eu poderia ir até ele, mas eu ainda estava procurando saber o porquê da Cassidy estar na festa do Marcony e ainda escondida em baixo da cama. Flashback on

Abri um pouco a porta do banheiro deixando apenas uma fresta aberta para poder escutar um pouco da conversa do Marcony... Quando eu vi algo se mexer em baixo da cama, fiquei tensa por um momento por não saber o que era, mas depois que vi não acreditei. O que a Caissy estava fazendo ali? Fiquei espiando os movimentos dela pela frestinha da porta e ela estava tentando não ser notada... Estava acontecendo alguma coisa e eu não sabia o que era. Ela abriu a Janela e depois a pulou... Sai do banheiro chocada com o que vi. A gangue do Bieber estava em ação e eu não sabia de nada e nem estava por dentro de nada e o pior a piveta estava executando alguma coisa que eu não sabia. Flashback off Respirei fundo assim que desliguei a moto em frente o galpão, no mínimo aquele projeto de vadiazinha deve ter escutado minha conversa com o Marcony e contado para o Justin... Não sabia o que dizer, mas iria negar tudo até o ultimo segundo. POV Justin Escutei o motor da moto por perto e quando ela foi desligada. Depois de um tempo escutei passos rangendo no assoalho da varanda e a porta abriu lentamente. – Recebi sua mensagem. – Alexia entrou um pouco arrogante. – Que bom né, achei que teria de ir até a casa do seu irmão para conversa com você. – Já estou aqui... Fala o que tu quer. – ela disse sendo muito arrogante e eu não estava gostando daquilo. – Como foi à festa ontem? – perguntei com ironia. – Boa. – ela disse dando de ombros e se sentando no sofá velho que tinha ali. – Me diverti a noite toda! – O que você fez ontem à noite? – perguntei sendo mais completo e esperando uma resposta completa. – O que é isso? Um interrogatório? – ela disse com um olhar sínico me deixando nervoso. – Alexia... – rangi os dentes.

– Ai na boa, quando estiver a fim de fazer uma coisa legal além de falar da minha vida, me liga... – ela levantou do sofá indo embora. Atravessei a sala e peguei o braço dela com força. – O que você estava fazendo na casa do Marcony? – falei próximo dela e ela arfou. – Você falando assim eu fico até excitada... – ela me provocou. – Alexia não estou com brincadeira. –apertei o braço dela com mais foça e ela riu. – Está querendo me excitar?... Está conseguindo. – ela passou a língua nos lábios. – Te dou dois segundos para me contar o que estava fazendo lá... – falei sendo firme. – Se não você vai fazer o que? – ela me olhou no fundo dos olhos... Porra já estava ficando louco. – Você não vai fazer nada. – ela disse rindo e se soltando. – Porque nesse momento você está com um puta tesão e eu sei bem como te aliviar. – ela disse desabotoando minhas calças me deixando louco – Alexia para... – tentei impedir, mas a vontade era maior que eu principalmente quando ela tomou meus lábios. Alexia sugava minha língua com vontade, não tinha pudor algum, nem me lembro de qual foi à última vez que fodi com ela, mas sinceramente, agora me lembro do motivo de gostar tanto dela. Ela tinha atitude, era ousada e sabia usar as palavras. Eu sabia que era errado o que estava fazendo, principalmente com Caissy, mas eu precisava sentir Alexia de novo, meu corpo precisava daquilo era mais que eu. Apertei sua cintura contra a minha e Alexia sorriu, me empurrando para a parede. Não gostava da sensação de ser dominado, então inverti nossas posições tomando seus lábios, enquanto minhas mãos levantavam sua blusa branca. Alexia era fria, era diferente de Caissy eu não tinha que ter cuidado com ela, ela era feroz parecia uma tigresa, mas mesmo assim gostosa. Alexia abaixou minhas calças e tirou a sua, pegando impulso em meus ombros e entrelaçando suas pernas em minha cintura. Eu estava duro, ela estava excitada, via isso pelos seus peitos enrijecidos. Deixei com que o fogo que estava subindo por meu corpo, tomasse conta de mim, de meus sentidos e de minha razão. Rodopiei com Alexia até o lado oposto do casebre e a joguei com força sobre uma mesa velha. Não esperei sua reação. Rasguei sua calcinha e a penetrei com dois dedos. Alexia estava bem molhada, e gemia descontroladamente em cima da mesa.

Suas mãos estavam segurando a mesa, enquanto ela se contorcia sobre meus dedos, aquilo era insano era covardia com a minha boneca, mas o desejo estava falando mais alto que eu. Belisquei seu clitóris e ela gritou. Ela já estava prestes á gozar, quando tirei meus dedos de lá. Ela ficou brava, e me puxou pelos cabelos para si parecia que estávamos em uma batalha ela tinha muita agressividade e eu respondia com os mesmo gestos. Ela se sentou na mesa e me puxou com suas pernas, me colocando no meio das mesmas, tirou minha camisa com ferocidade, e arranhou todo meu tórax. Seus olhos pegavam fogo, seus dentes estavam pressionados um contra o outro. Alexia parecia o demônio naquele momento, mas eu estava pouco me fudendo, ela era gostosa, e agora eu precisava dela para me aliviar. Ela puxou meus ombros para si e tomou meus lábios. Nossas línguas eram apressadas, o beijo era com urgência, não tinha um sentimento explicito ali, a não ser o desejo. – Vai Justin, faz o que você esta querendo há muito tempo me fode, me fode gostoso, como você sempre fez... – Alexia gemeu em meus ouvidos. Arrepiei-me todo ao escutar sua voz tão perto, e pedindo para fodê-la já não havia mais controle sobre o meu próprio corpo. Mordi o lábio inferior e ás pressas, tirei minha boxer, fazendo meu membro pular para fora pulsante. Alexia apertou-o e sorriu maliciosa. - Grande e grosso, como sempre... – disse arrastado, mas eu estava muito ocupado para achar graça no que ela dizia eu só queria me aliviar. – Vai Justin, me fode! – pediu em meio á gemidos perto do meu ouvido, ela passava sua mão por todo seu corpo, e aquilo estava me deixando ainda mais excitado. Apertei seus seios e ela gemeu alto. Aproximei seu corpo ao meu e penetrei-a com vontade. Fui tão forte, que Alexia gritou e deu um impulso para trás, a entocava com força, queria destruí-la, ela arranhava todo meu tronco, e mordi meu pescoço. Ficaria com alguns hematomas, afinal, aquela mulher era um bicho. Segurava em seu quadril e ela mantinha suas pernas enroscadas em minha cintura e suas mãos presas á mesa. A mesa rangia, eu estava ofegante já, mas Alexia, apenas parecia se deliciar com aquilo. – Vai Justin. Oh, mais rápido! Isso! Me arromba Justin, eu sei que você gosta disso! Awn Justin, eu vou... Mais rápido, eu estou... Awn! – ela não parava de gemer, então enrijeceu seu corpo, sua vagina mastigou meu pau e seu líquido escorreu por mim. Eu ainda não estava satisfeito. Bombardeei-a mais algumas vezes e depois gozei. Alexia me olhou maliciosa e pulou em meu colo. Minhas pernas estavam fracas, ou nem tanto, mas cambaleei com ossos corpos até uma parede e só parei quando minhas costas bateram no concreto. Alexia pulou de meu colo e pegou em meu pau. Apertou com força, e eu gemi. Puta que pariu, isso é muito... Não consegui terminar meu raciocínio, Alexia fazia movimentos de vai e vem com a mão com rapidez e precisão, aquilo estava me deixando virado.

Minhas veias engrossaram e meu corpo ficou tenso. – Vai Justin, goza pra mim! Eu vou lamber tudinho! – Alexia resmungou e eu tentei controlar minha respiração. Alexia deu um aperto forte em meu pau, e em seguida senti meu liquido escorrer por suas mãos. Ela passou a língua pela extensão de meu membro, lambendo o que havia ficado ali e subiu até mim lambendo os dedos. – Puta que pariu, como tu é gostoso homem! – gemeu colocando todo seu dedo na boca me encarando com tesão. Caralho, essa mulher é foda! Bati na bunda de Alexia assim que ela tirou os dedos da boca e ela me olhou safada. Vadia da porra! – Vira de costas! - ordenei com a voz um pouco mandona e assim ela fez, sem nem questionar. – isso, boa menina! - disse rindo e ela se virou. – Não, eu não sou uma boa menina, eu sou uma menina muito má. – ela sorriu fitando meus olhos. – Pode me bater, me algema, faz o que quiser comigo! Porque a final eu sou má e mereço. - ela sussurrou encostando seu corpo no meu. Sua vagina molhada roçou por minha coxa e eu gemi fraco. Caralho! – Cala a boca e vira! – ordenei dando-lhe um tapa na cara, assim ela fez. Prendi seus braços acima da cabeça e ela inclinou sua bunda para mim. – Oh, vai me foder por trás? – ela perguntou debochada. – Cala a boca vadia, não quero escutar sua voz! – esbravejei dando um tapa estalado em sua bunda. Ficou as marcas de meus dedos ali, e provavelmente ficaria roxo, mas não estava nem ai, o problema é dela. Segurei meu pau com uma mão, enquanto a outra segurava a cintura de Alexia. Introduzi meu pau em sua bunda e Alexia gritou. – porra Justin, vai logo, isso dói pra caralho! - resmungou, mas eu fingi não ouvir. Introduzi mais um pouco, ali era apertado pra caralho, assim que enfiei todo meu pau dentro da bunda de Alexia, ela gemeu. Comecei a entocar com força, mas com movimentos lentos, ela estava ficando louca. Levei minha mão que estava em sua cintura até sua vagina e comecei á estimulá-la, com certeza, aquilo estava deixando Alexia louca, ela se contorcia sob meus dedos. - Oh Justin! Isso... Awn, CARALHO! – Apertei seu seio sob minha mão livre e ela gemeu de novo. –Porra, Justin, isso! - Alexia ainda gemia – Eu já mandei calar a boca vadia! – disse dando-lhe uma bofetada na barriga. Ela gemeu em resposta. Entoquei-a mais algumas vezes e senti seu líquido escorrer por meus dedos. Sai de dentro dela e virei-a bruscamente para mim. – Lambe meus dedos! AGORA!

– disse apetando à bochecha dela com força. Ela se soltou riu e pegou meus dedos, colocando-os sensualmente dentro de sua boca. Assim que ela acabou, pegue em seu pescoço e arremessei-a longe. Alexia caiu no chão, do outro lado do casebre e aquela cara de puta dela estava me irritando. Ela estava sentando, tentando levantar quando me aproximei e empurrei sua cabeça para baixo. – Fica ai! - ordenei e ela sorriu maliciosa, mas não me obedeceu se levantou ficando a me encarar de forma provocante. – Ah Justin, seu pau parece tão apetitoso quanto eu me lembrava! – disse melosa. Ela me olhou superior e eu bufei aquilo era errado. Ela foi descendo devagar me arrepiando. – Chupa logo, para de graça! - disse ríspido e assim ela fez. Começou a lamber toda a extensão do meu membro, dando sugadas profundas. – isso vadia, chupa direitinho! – disse debochado e ela aumentou a velocidade. Comecei a entocá-la com força. Ela estava gostando. Senti meu gozo escorrer por sua boca e ela engolir tudo de uma vez. – Quentinho e delicioso. – riu maliciosa e eu a empurrei para longe de mim quando colou nossos corpos á procura de meus lábios. – Já cansou neném? – Alexia perguntou debochada e eu a fuzilei. – Vem aqui, você pode me observar, enquanto eu me toco, o que acha? – perguntou mordendo os lábios e me empurrou até uma cadeira próxima á mesa. Não disse nada, apenas a encarei superior e sentei na cadeira. Isso poderia ser divertido, eu estava parecendo cão no cil e ela puta sem dono, mas minhas transas com a Alexia sempre foram assim ela sempre foi masoquista e eu sempre gostei de ficar louco com esse jeito dela.! Ela subiu na mesa, encolhendo uma perna e trazendo-a para perto de seu corpo e a outra ela esticou, dando-me a visão privilegiada de sua buceta apetitosa. Alexia introduziu um dedo em sua vagina, sendo seguido de outros dois. Ela apoiou seu corpo sobre um braço e tombou a cabeça para trás enquanto se tocava. Meu pau começou á latejar, aquilo era bom e ela estava brincando comigo e eu caindo perfeitamente no jogo dela, ela sabia que sexo é o meu ponto fraco. Estava com um tesão filho da puta. Alexia ergueu um pouco os quadris, tentando chegar á mais um orgasmo, e logo em seguida, gemidos saltavam de sua boca, em resposta á seu alivio. Ela se contorceu. Levantei da cadeira, puxando-a para mais perto da mesa e com pressa e forçando, a abri as pernas de Alexia me encaixando entre elas. Alexia gemeu e me puxou pelos cabelos, tentando tomar meus lábios. Não deixei, ao invés disso, puxei-a para sentar em meu colo. Alexia entendeu o recado e começou á quicar em meu pau enquanto eu brincava com seus seios. Eles pulavam conforme seus movimentos, e eu admirava-os hora ou outra. Eu já estava ofegando novamente, e Alexia parecia um pouco

cansada, mas nem por isso parecia se entrgar. Ela quicava e rebolava em meu pau com vontade me deixando virado. Apertei em sua cintura e gememos em coro quando chegamos ao ápice. Empurrei Alexia de meu colo e fui caminhando até o sofá, minhas roupas estavam espalhadas por todo aquele casebre, mas não estava a fim de recolhê-las agora. Peguei apenas minha boxer e me joguei num sofá ali perto. Essa talvez tenha sido uma das transas mais louca que já fiz, eu estava exausto, mas agora, estava me sentindo um pouco culpado agora que eu já tinha recuperado a consciência o arrependimento me tomava e em minha mento os olhos da minha princesa passavam em flashes me torturando, não deveria ter feito isso com Caissy... Alexia estava ao meu lado, com suas costas encostas no braço do sofá. Sua respiração também estava descompassada, mas apesar de toda a culpa que eu sinto, não tem como negar, Alexia ainda fode gostoso e ela já sabem o meu ponto fraco e me levou para o abismo. Pov Caissy. Reservei o jantar em um restaurante magnifico com a ajuda da Guadalupe. Fiquei perambulando pela casa, mas... Eu não conseguia entender o porquê da mentira, será que aconteceu alguma coisa importante e o Justin não quis me contar, aquilo realmente estava me deixando preocupada. Estava sentada na sala fitando o ambiente quando passei os olhos na chave do meu carro em cima da mesinha... Não faria mal nenhum se eu aparecesse no casebre para ver como anda as coisas e o que realmente aconteceu. Subi correndo coloquei uma calça, uma jaqueta e um salto. Nem prestei a atenção na minha roupa, não faria mal nenhum eu ir até lá, era só um pulinho para checar como estava às coisas e minha desculpa seria que estava com saudade do meu bebe. Peguei minha bolsa e as chaves do carro e sai. Ainda estava com um pouco medo de dirigir, mas se eu não praticasse meu medo não sairia nunca. Liguei o carro e me benzi antes de sair da garagem. Controlei bastante meu pé e não dirigi em alta velocidade a final eu não estava tão bem pra isso. Chegar naquele casebre foi um pouco complicado, mas eu consegui! Tomara que o Justin não fique bravo de me ver aqui... Ele vai ficar pianinho porque mentiu pra mim e à uma hora dessas o Ryan já deve ter contado pra ele, me olhei no espelho e passei um batom. Desci do carro e caminhei lentamente até o casebre, quando cheguei à varanda pisei devagar e com cuidado, o Brian e o Justin não acreditariam que eu estava ali e dirigindo sozinha... Há mas eles sentiram muito orgulho da garotinha aqui, sorri sozinha com meus pensamentos e empurrei a porta de vagar, estava olhando para os meus pés de

cabeça baixa quando escutei vozes e... Levantei minha cabeça tirando uma mecha de cabelo que tinha ficado em minha boca, pisquei duas vezes tentando entender aquilo. Justin estava deitado de boxer no sofá, enquanto Alexia sentada do outo lado de calcinha e sutiã... Acho que meu coração parou por uns segundos porque eu realmente não estava me localizando. – Caissy? – Justin disse assustado. E Alexia também se assustou acho que eles não esperavam por essa. – O que você está fazendo aqui? – as palavras estavam presas em minha garganta, ou melhor, eu não sabia o que dizer eu não tive sentimento, não tive reação para explicar aquilo... Doeu, doeu muito ver aquilo...

Continua...

*-*

Capítulo 32 - I will always love you
Meu cérebro demorou um pouco para me mandar sentidos que me fizessem sair dali, minha cabeça girava e pontadas atingiam meu peito de forma descontrolada. Mordi os lábios com força segurando as lágrimas que fizeram meus olhos arderem. Justin se levantou vestindo a bermuda, mas eu ainda estava ali intacta, o ar estava me sufocando... Eu não tive reação nem sentidos, acho que eu fiquei em transe durante alguns minutos segundos, não sei, só sei que quando ele se aproximou meu corpo deu um alerta e eu consegui sair correndo para fugir daquela situação, fugir dele. Minhas mãos e meu corpo tremiam muito enquanto eu tentava abrir a merda da porta do carro. – Caissy espera. – a voz do Justin ecoou um pouco atrás de mim e eu me apressei. As lágrimas, o desespero, tudo me tomou naquele momento. A porra da chave não abria o carro, ou melhor, eu não parava de tremer. – Você não vai dirigir assim. – Justin se aproximou e tentou tirar a chave da minha mão, mas eu não deixei, desviando dele. – Eu estou falando com você. – ele me segurou e eu senti nojo do toque dele. – Me solta. – falei entre as lágrimas. – Eu não quero te ouvir, eu não quero ficar perto de você. – me soltei das mãos dele. – Caissy foi um deslize. – ele tentou mais uma vez me tocar, mas eu desviei e por um milagre consegui abrir a porta do carro.Tentei entrar, mas as mãos do Justin me impediram.

– Eu vou conversar com ela. e já fizemos. – Duvido. – Matei dois coelhos com uma cajadada só! – ela disse sorrindo e se escorando na moto. – Ela já foi Justin. – Alexia riu..– Tira a mão de mim seu nojento. – Se eu pudesse voltar no tempo. Bati a porta do carro e a travei depois dei partida no carro e sai dali cantando pneu. . – ela riu com maldade e porra eu queria arrebentar a cara da Alexia pra ver se minha passava. – A Caissy à uma hora dessas pode ter batido o carro. não vem com esse seu papo puritano pra cima de mim não. E quem sabe à uma hora dessas ela pode até ta dando pro Brian. Estava sentado no chão massageando meu pau que doía de mais... Ela me olhou um pouco e eu me levantei me aproximando dela.. mas eu dei um chute com muita força em seu membro.. – Minha vontade é quebrar sua cara. – Eu fiz a maior merda da minha vida.. – Alexia gritou. – Isso não via mudar o fato de que transamos. – ela disse com naturalidade. Chifre trocado não dói. – Ah Justin.. – falei nervoso... – falei nervoso lembrando o estado dela. quando Alexia saiu de dentro do casebre. Por que. – A piveta não vai te aceitar de volta... – Eu não vou voltar merda nenhuma. – me martirizei. A gente vai se entender. o fazendo se contorcer e me soltar. Mulher com o orgulho ferido é a pior coisa do mundo. nós vamos voltar a ser como antes. – Mas não pode. – Já foi. – Você tá louca? – falei nervoso. POV Justin Não consegui impedir ela de entrar naquele carro e ainda por cima a filha da puta acabou com as minhas bolas. porque na hora de me foder você não pensou nem um pouquinho na sua piveta.. – me joguei dentro do carro e ele tentou me impedir.

o que a Caissy estava fazendo aqui? Como ela soube que eu estava aqui? Entrei no carro e sai dali tentando achar ela em algum lugar. É ela. nunca deveria ter me envolvido assim.. mas eu sei a gente vai conversa e depois vamos nos entender. queria as mãos dela afagando meus cabelos dizendo que tudo ficaria bem e que só foi um pesadelo. o meu coração se esfarelava e eu não podia fazer nada.– Quando estiver a fim de foder de novo como um cão selvagem te levando ao céu. Parei o carro em frente a minha antiga casa e sim lá era meu único refugio o único lugar que eu poderia chorar sem ser incomodada. eu vi. foi só um deslize ela vai me entender ela me ama! POV Caissy. Só pode ter alguém lá em cima contra mim. Desci do carro com pressa e atravessei a porta da frente sem nem olhar pra trás minha esperança era encontrar alguém em casa mesmo sabendo que isso era impossível. – Porque tem que ser assim? – gritei com ódio e minha voz ecoou pela casa. meu estomago embrulhava toda vez que em minha mente vinha aquela cena. me liga... só tinha que me manter o mais longe possível. a casa onde só tinha lembranças das quais eu precisava para me aclamar. Eu queria o colo da minha mãe.. . mas eu tinha noção de onde eu estava indo. ela não deveria ter ido muito longe. eu vi ela e ele juntos. eu queria o colo de alguém para me proteger. sempre foi ela eu já deveria saber disso. eu olho pra trás e nada do que tivemos valeu a pena. Eu perdi tempo. Minhas vistas estavam embasadas devido às lágrimas. O que eu fui fazer da minha vida? Eu estava cego fui tomado pelo desejo e quando vi já tinha caído em tentação.... Não importa o que ele me diga. meu Deus onde está o amor que ele diz sentir por mim? Onde foi parar o respeito? Isso foi a maior punhalada que a vida já me deu. – ela debochou depois subiu na moto e foi embora.. o único lugar onde eu me sentiria um lixo e usada... O pneu do carro trepidava. mas eu não ligava. amargura angústia eu sentia várias coisas ruins. mas sem que ninguém me visse. Ele esmagou meu coração com as mãos.. Estava correndo de volta para a minha antiga casa. Conheço a minha Caissy ela se deixa levar pelas emoções. Eu sentia ódio. A cada sinal de desespero eu afundava mais o pé no acelerador tentando me manter o mais distante possível. não tinha ideia nenhuma de onde a Cassidy poderia estar.. Coloquei as mãos na cabeça me vendo perdido. Mas foi nessas horas que eu realmente percebi que estava sozinha... Boa sorte com a sua piveta.

Foi tudo em vão. Enquanto o errado parecia certo eu só tinha uma certeza. derramar aquelas lágrimas era torturante pensar o quanto eu amei aquele idiota me fazia querer morrer. Era horrível se sentir assim.. eu amei tanto o Justin que me esqueci de amar á mim mesma.. não olhei a realidade. Arrastei a mão na estante derrubando tudo que tinha em minha frente. Não me segurei e dei um soco com toda a minha força fazendo meu reflexo se quebrar em pedaços. acabando comigo. eu estava revoltada. sentimentos acho que não tenho mais. meu medo era perder ela pra sempre. Eu amava a Cassidy e porra eu não seria nada se ela me deixasse. mas era impossível.. meu coração derretia naquele chão e eu não controlava a dor. eu senti nojo de mim. eu queria descontar meu ódio. eu achava que era verdadeiro eu acredita em nós. eu sou uma grande filha da puta.. acabada.. mesmo depois do que aconteceu. Nem eu sabia dessa minha força. eu estou perdida por dentro eu não acredito nem em mim mesma. O único ruído que eu escutava além da minha respiração nesse exato momento era os meus soluços. Aquilo era uma dor que não conseguia controlar.. mas ela não vai fazer isso eu sei.Parecia que tinha uma faca de aço na minha garganta me sufocando me deixando louca. o tempo estava passando e a ficha ia caindo e aquele era o fim.. Não queria nem imaginar o que faria se ficasse sem ela. eu não queria pensar no pior. POV Caissy. Estava jogada naquele tapete velho cheio de pó. ela me ama eu sinto isso e o amor dela é muito grande para me abandonar. Meu medo era ela ter sofrido algum acidente.. não queria pensar na minha vida sem ela. mas quando eu cruzei o meu olhar no espelho e vi meu estado. Eu era convicto nessas ideias.. pois agora caia a minha ficha. VAMOS LÁ QUAL VAI SER A PRÓXIMA? Ei vida eu acho que você pode me dar outra punhalada porque eu estou tão adormecida com esta que acho que nem vou sentir. Quantas vezes eu fui feita de idiota? Quantas vezes ele deve ter se deitado com ela e na mesma noite se deitado comigo? Quantas vezes ele deve ter transado comigo pensando nela? Colocava as mãos na cabeça tentando me livrar daquilo. Onde estava minha personalidade? Onde estava o meu eu? Eu precisava de alguém de algo para lutar com esses sentimentos porque eu não era forte o bastante e eles estavam me dilacerando.. Os meus sonhos haviam se perdido. eu estava deplorável.. eu estou perdendo a minha fé. .. POV Justin Já estava a quase duas horas procurando pro ela e nada. estava na hora da bonequinha acorda para a realidade. Quebrei a sala toda descontando o meu ódio. ou melhor. me perdi naquela merda de amor e me ferrei porque ele só me usou.

e assim que entrei a chuva forte começou.. – Não deixa ele vir atrás de mim Brian. – Brian. olhei pelo retrovisor e ele estava meseguindo. – uma lágrima escorreu contornando meu rosto. – Me espera lá. por favor.A Pattie poderia chegar á qualquer momento e não me encontrar naquela casa. Parei no sinal vermelho. pois onde eu tinha parado o carro era um pouco longe da entrada da casa. Da Pattie? – até pronunciar o nome do Justin estava sendo difícil para mim. – Não precisa.. – Caissy? – Brian atendeu com desespero. eu tinha que voltar para pegar o que era meu e sumir da vida do Bieber.. – falei nervosa subindo as escadas sem dar nem tempo pro Brian responder. Me arrastei até o telefone e minha mão sangrava um pouco por causa dos cacos de vidro do espelho ignorei todas as ligações perdidas todas as mensagens e disquei o número do Brian e nesse momento eu precisava mais dele do que nunca. deixar tudo vazio nesse momento era o melhor á ser feito. – sussurrei. – Caissy você está bem? Onde você está? Fala pra mim eu vou te buscar. corri mais rápido entrando em casa toda ensopada e dando de cara com o Brian. Só precisava do vazio. POV Justin . ali era um lugar muito movimentado para ultrapassar e eu não queria fazer nada contra ninguém por estar descontrolada. Vai pra casa d. – Eu estou indo pra lá agora. Cruzei o portão principal fazendo uma curva com brutalidade. Rejeitei na hora e me levantei com dificuldade procurando as chaves do carro. – escutei ele falar e depois desliguei o telefone e assim que desliguei começou a tocar sem parar e pude ver o numero do Justin no visor. Respirava fundo e controlava minha mente para não pensar em nada. saindo dali e indo em direção a casa dele. não deixa.. Não pude deixar de me molhar.. Ergui a cabeça notando que o farol tinha ficado verde e em um relance eu vi o carro de Justin parado no outro cruzamento. – Onde você tá? – respirei um pouco para controlar os soluços.. Pisei no acelerador. enquanto cruzava o jardim escutei o carro dele derrapar e ser desligado.

mas ele nem ligou. – Eu não posso perder minha mulher Brian.. não levaria nada do que ganhei naquela casa. – Brian falou nervoso assim que Jason e os outros seguranças o imobilizaram. . – Eu não perguntei. – Tá me chamando? – Jason apareceu na porta da sala acompanhado por mais uns dois seguranças. não tinha visto ele no carro será que ela estava com ele? –O que você está fazendo aqui? – perguntei nervoso e secando o rosto por causa daquela merda de chuva.. só peguei as minhas coisas. – Agora não Justin a deixa em paz.. – Ai cara na boa. – o filho da puta tentou me dar lição de moral. – gritei nervoso e o imprestável demorou um certo tempo para aparecer.. POV Caissy.Desci do carro correndo indo atrás dela que fugiu correndo pra dentro de casa.. – Jason. – O que você fez com a Caissy? – ele rangeu. – me desviei deles e subi correndo procurando a Caissy em todos os quartos. – Segura esse cara aqui. Tira a mão de mim que eu vou subir. – Justin para de complicar as coisas. – falei nervoso. – o alertei. Jason. ela não quer te ver. Deixa esse tempo pra ela. mas o filho da puta me impediu. as coisas que eram realmente minhas. – Onde ela tá? – me dirigi até a escada. – Brian me fuzilou. Já estava com a mala pronta. – Você não respeita as pessoas. Do nada o Justin meteu o pé na porta a arrombando e entrou parecendo um furacão. Logo em seguida entrei correndo dentro de casa e o merda do Brian estava lá. – Cala boca Brian..

peguei a mala de cima da cama e estava indo em direção à porta.. – Eu falei que você não vai sair daqui. AGORA. – bufei nervosa. – ele me afastou da porta me colocando do outro lado do quarto.. eu queria sair. acabou e eu só quero sair daqui. – Eu não quero te ouvir. – Foi um deslize. – ele disse olhando dentro dos meus olhos e eu neguei com a cabeça.– Você não vai sair daqui. mas eu não pude responder não dava mais pra mim.... Corri pra porta. – Não. mas as mãos dele me prenderam.. – Me solta. muito obrigada eu não quero caridade. – Cassidy você não vai sair daqui. Não acabou. – Sai da minha frente. e tentei sair. – ele falou nervoso e me soltando. – Justin me solta. – como se palavras fossem concertar minha dor. Eu não quero nada. – ele gritou nervoso e eu ignorei. mas ele me impediu e nós nos pegamos até que eu o empurrei com força o fazendo derrubar um monte de coisa no chão. – Justin gritou e me puxou pelo cabelo para que eu parasse.. – Não acredito que você vai me deixar assim. Mas eu juro eu amo você. – o afastei de perto da minha boca. Os lábios dele rosaram nos meus procurando pela resposta de um beijo. – Você não pode me deixar Caissy. – algumas lágrimas me scaparam. – Quantas vezes aconteceu esse deslize? Quantas vezes você me fez de idiota? Que amor é esse Justin? Se for pra me amar assim. – gritei nervosa. – Eu não quero desculpas. – Cassidy para de agir pelo ódio me escuta por um minuto. – Eu não quero saber de nada. – ordenei e eu estava me segurando muito.. – gritei nervosa soltando a mala no chão e dando uma unhada na cara dele. mas dessa vez era diferente eu não sentia desejo nem atração eu sentia medo. – ele disse ficando bem perto do meu rosto e eu senti a respiração dele bem próxima. – ele me virou com força. eu precisava sair dali. – Você não vai sair sem me ouvir. – ele gritou descontrolado me empurrando com força na parede fazendo minhas costas se chocarem com aquela coisa gelada. – ele disse inconformado e as lagrimas me dominavam e caiam em silêncio. . – Porra errar é humano. – Eu não vou deixar você ir embora.

. Não faz isso com a gente. – Sabe por que eu te escolhi? – limpei minhas lágrimas e fiquei olhando fixo dentro dos olhos dele. Eu sou homem eu tenho instintos.. ou não. Não consigo te perdoa. Me perdoa. não faça isso comigo. Deve ter sido naquele dia em que você me fez sua. – Eu não sou perfeito. – abaixei o olhar. – sorri fraco.. – gritei explodindo. – Eu pensava que você era. pelos . Eu confiava no seu amor. Você está zangada Caissy.. Mordi os lábios com força aquilo me causou dor.. – Você não sabe como estou me sentindo. – ele abaixou a cabeça. mas eu continuei. – Por favor. – ele gritou.. – O seu arrependimento não cura minha dor. – comprimi um soluço apertando os lábios. – Isso não tem sentindo. Eu não sei exatamente quando foi só sei que a cada dia eu fui me apaixonando mais e mais. sem vida. – Eu me apaixonei Justin. não física porque no físico eu estava vulnerável. – ele me encarava com os olhos brilhando pelas lágrimas.. – Por quê? Porque isso é tão difícil pra você? – Você me traiu! – um relance daquela cena nojenta passou pela minha mente... – Eu confiava em você mais que tudo no mundo. porra.. – O meu orgulho é maior coisa que eu tenho. – Não fui eu Justin. Eu sou humano.. – respirei fundo liberando um soluço. vai ser outro dia. – Caissy pelo amor de Deus me perdoa. – Porque eu te amo. – vi uma lágrima escorrer do rosto dele... – pela primeira vez eu o vi implorar alguma coisa pra mim. – Esfria a cabeça amanhã.. Foi você! – Eu estou arrependido. – Ta doendo. – apertei minhas mãos em punho sentindo ódio dele. – Eu estou quebrada por dentro. – Deve ter sido naquele dia em que você me salvou. – sussurrei. – Justin gritou nervoso e suas mãos apertaram a minha garganta.. – É eu amo você.– Já deixei! – fechei os olhos tentando expulsar aquelas lágrimas incontroláveis. Tenho 16 anos e o amor já visitou minha porta. eu sou tudo o que você tem! – ele falou firme tentando se controlar. Ele foi afrouxando as mãos até que me soltou. – Não acredito que esse foi o nosso ultimo beijo.. Eu confiava em nós Justin. – ele disse se virando com vergonha de suas lágrimas. – Não.

. – Você não sabe do que está falando. estava na hora de parti. – Não acaba comigo desse jeito! Não me abandona. doía de mais. – Você luta tentando tirar ela do seu coração. – Como posso fazer pra você acreditar que eu só quero você? – mais uma vez eu o vi chorar. Alguém tinha pego todos os meus sonhos e esmagado. – Eu não quero que esse sentimento morra. . – coloquei a mão na cabeça dele. nossas vidas não vão mais ser as mesmas.. – Eu amo você mais do que a mim mesmo. – Não torture mais o teu coração. Então é hora de seguir o meu caminho. – Eu tenho que deixar você ir agora.. – Eu estou me sentindo um lixo.. – ele me abraçou forte e minhas lágrimas e o choro dolorido me dominaram completamente. – comprimi os lábios fitando os olhos dele e duas lágrimas caíram juntas de seu rosto e doeu tanto falar aquilo. – Sei que vai. Aquilo doía. Mas isso não dá.. – me aproximei colocando a mão no peito dele onde indica o coração. E aqui dentro. – Está tatuado o nome de uma mulher e não sou eu. – chorava de um jeito que nunca tinha chorado antes. seu sorriso. – Você não consegue. Eu não vou saber viver sem você. – não consegui mais segurar as lágrimas. Nada mais será o mesmo eu nunca vou esquecer isso. você é independente e consegue viver sozinho.. – ele disse respirando fundo enquanto eu deixava minhas lágrimas na camiseta dele.. mas fugia do meu olhar. – ele disse levantando a cabeça. Desta vez ele não me impediu apenas virou de costa quando eu estava saindo. E você acabou com tudo isso hoje naquele momento. Desci as escadas um pouco tonta minha cabeça parecia uma sanfona Brian estava sentado no sofá me olhando sem expressão. – Não há nada do que você possa dizer pra mim que me fará mudar de ideia. – balancei a cabeça mordendo os lábios segurando o choro. Foi a melhor coisa que eu senti na minha vida. não me deixando alternativa. deixei aquele quarto com a certeza de nunca mais voltar. – Não faz isso comigo... – Justin sussurrou no meu ouvido. – Eu não posso lutar contra isso. Fitei minha mala no chão depois caminhei até ela. – me afastei dele.. Queria abrir meu peito e arrancar aquilo de mim. ela vai ser sempre como uma tatuagem no seu coração. pelo seu jeito.seus erros.Eu vou te deixar livre. – Aqui dentro.

. Eu sempre vou te amar. – Aonde você vai com essa mala? O que aconteceu com você? – ela disse notando meus olhos roxos de tanto chorar e eu mordi meu lábios inferior. E eu. – Pede um táxi pra mim? – perguntei e ele se levantou me abraçando.. sempre vou te amar.. oh Eu espero que a vida te trate bem E eu espero que você tenha tudo Tudo o que você sonhou para ti. – Pra onde você vai? – ele perguntou perto do meu ouvido. – ele pegou minha mão me guiando até o carro e quando saímos tinha um táxi estacionando e eu já sabia quem iria sair de dentro dele.. E eu. mas eu sei Eu pensarei em você Em cada passo do caminho.– sussurrei e ele me apertou. – respirei fundo limpando minhas lágrimas. Então adeus. – Caissy? – Pattie perguntou me olhando confusa.I miss you .. Mas acima de tudo.Se eu devesse ficar Eu só estaria no seu caminho... – Eu te levo então. Continua. eu desejo o seu amor. São tudo o que eu levo comigo. Então eu irei. Eu sempre vou te amar... Nós dois sabemos que eu não sou o que você. você precisa. *-* Capítulo 33 .. Você meu querido Doces.... amargas lembranças.. sempre vou te amar. – Pra um lugar de onde eu nunca deveria ter saído. – Pensa bem. E eu lhe desejo diversão E felicidades.. porfavor não chore. – Já pensei..

naquele momento não tinha o que falar. – ela disse muito preocupada. eu não estava errada. Ele não fez nada. – Pattie não aconteceu nada. – Sabia que não poderia deixar vocês dois sozinhos. mas se não explicasse a ela o que estava acontecendo. – Pattie o Justin precisa mais de você do que eu. isso machucava.. – Foi mais grave do que eu imagino? – ela me olhava assustada. – lágrimas me escaparam..Engoli em seco. – Voltar pro convento? Mas por quê? . Já deu o meu tempo aqui Pattie.. ele tinha esperança que Pattie me convencesse a ficar. – Cassidy? O que está acontecendo? – ela perguntou com o tom de voz um pouco exaltada. Eu só preciso ir embora. – Pattie. – O que aconteceu? – ela perguntou com um tom um pouco nervoso. estava certa do que faria.. – Cassidy me conta o que aconteceu. – O Justin fez alguma coisa com você? – Não. e-eu. – Eu juro que eu vou ficar bem. . tentandoencontrar um jeito de dizer para ela que estava partindo. – tentei segurar as lágrimas. – Eu preciso voltar pra minha vida. ela não me deixaria sair dali de jeito nenhum. mas eles eram severos e me escapavam. Brian me olhou por um tempo. pelo contrário. Não queria mais falar. abracei meus braços. depois pegou a mala da minha mão e foi para o carro. Só preciso ir embora. – Eu não posso te deixar sair assim daqui. por favor.pedi derrotada. e ela percebeu que eu não estava bem. Eu vou ficar bem… Juro. Respirei fundo. – abaixei o olhar. – Não foi nada grave. Nada que o tempo não possa curar. – Não aconteceu nada e você está desse jeito? – reprimi os soluços. Vou voltar pro convento.perguntou confusa. mas eu respeitava Pattie acima de tudo. não poderia entregar meus problemas para a Pattie. . – Como não aconteceu nada? Olha o seu estado. – enxuguei minhas lágrimas e comprimi os soluços. Meu deus onde eu estava com a cabeça? – ela se martirizou.

– eu assenti com a cabeça e ela me abraçou forte outra vez. – mordi os lábios e ela me abraçou. a felicidade. Eu passei os melhores dias da minha vida aqui. – Quem vai te levar para o convento? – ela examinou o local vendo Brian colocar minha mala no carro e constatando que eu iria com ele. que essa casa voltaria a ser o que era antes. e. Como eu deixei isso acontecer? Não me vejo longe dela. não queria a fazer chorar. Iria sentir falta dela. eu perdi a minha Caissy. Aquela sensação de angustia me tomou e eu tive certeza que tinha acabado. Te peguei inteira daquele convento e estou te devolvendo destruída. e eu vi Justin parado com as mãos no bolso olhando tudo lá de cima. – deixei as lágrimas cairem mais uma vez.– Pattie. – Justin? – a voz da minha mãe ecoou no quarto e duas batidas na porta foram dadas. Ainda era difícil de acreditar. Só não era pra ser. tá? – Pode deixar Pattie eu vou cuidar dessa pequenininha. mas sei que pra ela não está sendo fácil nada disso. Caminhamos juntas até o carro. mas isso era necessário. não ache que foi um erro. Eu a perdi. Antes eu só pensava na minha vida ao lado dele e agora eu estou pensando em como viver sem ele. – quando me virei ela olhava o quarto assustada e segurava o . Eu queria conversar eu queria perdão. não. mas eu estou vendo que ficar aqui não está fazendo bem pra você. nunca me senti tão mal. acabou os carinhos. porque não foi. – Mandaram te entregar isso. – ele abriu a porta pra mim e eu a abracei. – Muito obrigada. por favor. era difícil saber que não teria mais a risada dela comigo. Amanhã bem cedo eu vou estar lá e nós vamos conversar sério sobre o que aconteceu aqui. – Isso passa. era difícil pronunciar a palavra fim. E não há nada que eu faça que a traga de volta. – Eu vou confiar que você vai ficar bem. – tirei o anel do dedo e coloquei nas mãos dela. mas eu estava perdido nos meus pensamentos que nem a notei entrando. Porque eu ainda não entendi o que realmente aconteceu aqui. – Entrega isso pra ele. POV Justin Nunca imaginei que ela iria embora. – Eu não sei o que dizer. Entrei no carro e Pattie ficou recomendando um monte de coisas pro Brian como ela sempre fez. – Brian eu vou confiar em você para ela chegar segura lá. e dele. meus olhos correram observando aquela casa o jardim até que cruzaram na varanda do quarto. de tudo isso aqui. Quando o carro cruzou o portão pude ver que era o fim. para o bem dos dois.

. – Eu achava que eu iria ter ela pra sempre. Viu como a menina saiu daqui? Quem gosta não deixa a pessoa no estado que você deixou.. – minha mãe me encarava. . – Vocês se envolveram mais do que eu imaginava. mas as palavras não saiam como eu gostaria. . – Como eu não notei isso antes? Aquele dia no aeroporto estava escrito na sua cara que você estava apaixonado. apertei o anel em minha mão com ódio de mim. . – depois de muito tempo estava chorando outra vez na frente da minha mãe. – Ela foi embora. Justin eu confiei em você. – chutei uma das coisas que estava no chão. Nunca menti sobre o que sentia por ela.Você não pode brincar com as pessoas assim. E nunca pensei em viver sem. Peguei o anel.anel que eu dei pra Caissy nas mãos. – Acalmar mãe? A mulher da minha vida foi embora e você quer me ver calmo? esbravejei... É verdadeiro o que eu sinto por ela. . – ela olhava meu estado um pouco confusa. – Você não gosta dela. sempre foi algo mais forte que até eu próprio. – Eu estou arrependido. porque eu não soube dar valor para ela. Ela me deixou... tudo o que aconteceu foi verdadeiro. – Mas fez.tentei dizer..... mas agora. – Não brinquei mãe. na verdade elas não saiam. Não era minha intenção eu não queria. Porque eu a magoei. – Você acha que eu escolhi isso? Acha que eu quis me apaixonar por ela? Aconteceu mãe. Eu só não sabia que era ela e que tomaria essa proporção tão grande. .minha mãe concluiu. Eu achei que você poderia cuidar dela e não. – Meu filho você tem que se acalmar.. – Ela se foi mãe. – O que houve? Porque a Caissy foi embora? – Porque eu sou um babaca mãe.Eu não sei o que dizer.disse sério. – Meu filho.

para com isso.. – Brian puxou o freio do carro. – O que eu mais quero é ficar longe da sua irmã.. E isso está claro no seu olhar. – senti o corpo dele se aproximar. – Não… Não. Se for de coração ela vai voltar pra você. – Eu só queria voltar no tempo. – ele passou as costas da mão no meu rosto secando minhas lágrimas. – falei com o ódio daquela vadia.. e o que foi não volta mais. . – Ei. Mãe trás ela de volta. – ela se agachou perto de mim. – Então arrumamos outro lugar pra você. – Chegamos. – Justin. agora você tem que aceitar o que aconteceu e seguir em frente. É aqui que eu tenho que ficar. O meu lugar é aqui. – Caissy você não pode ficar assim. por favor. chega de contrariar o meu destino. – Eu só a quero de volta mãe. Justin para com isso. – e eu fiz uma coisa que nunca imaginei que faria. na minha casa. mas eu estava derrotado.. POV Caissy Acabei pegando no sono durante o caminho e nem vi quando chegamos ao convento. – Tem certeza de que você quer ficar aqui? – Não tenho mais pra onde ir.. – Isso já foi. – ela tentou me levantar.. Ajoelhei-me nos pés da minha mãe e implorei pra ela trazer a minha felicidade de volta. – Caissy você pode ficar comigo. Eu nunca pensei em ver você assim. trazer minha Caissy. mãe. Bufei alto liberando alguns soluços. eu nunca deveria ter saído daqui. só acordei quando senti que o carro parou. – Independente do que você tenha feito você se arrependeu. Esfreguei os olhos vendo aquele maldito lugar de novo. – abaixei a cabeça segurando as lágrimas. – Filho levanta do chão.– E ficar desse jeito vai adiantar o que? – Mãe. nunca pesei em ter que te colocar em meu colo e te consolar.

– tentei engolir o choro. – Desculpa. – Se alguém ver a gente aqui não vai pegar bem. tirando minha mala do carro. senhora. – Eu vou superar. – Irmã Carmem a Madre ta ai? – apoiei no balcão da recepção e Brian ficou parado um pouco atrás. – Então vamos. Não quero ter complicação com a Madre logo no meu primeiro dia. O que você está fazendo aqui? – Eu estou de volta. – ele esfregou a mão na minha depois abriu a porta e saiu do carro. – Já conversei com a tia dela pelo telefone. Eu sabia. – O que você ta levando nessa mala. – bati a porta do carro fazendo barulho. – Brian para! – gritei nervosa. – Sim.– Vai passar. – passei as mãos no rosto secando as lágrimas e ficar ali naquele estado não adiantaria nada. – ele sussurrou. – Eu sabia que isso iria acontecer. – ele passou o braço no meu pescoço e caminhamos até a secretária do convento. sim. – Sinto que você trouxe a casa da Pattie aqui dentro. – ela chacoalhou a cabeça. – debochei. – Imagino o quanto. – Nem tem tanta coisa ai. – Eu só não aguento te ver assim. – respirei fundo soluçando. – Eu sabia que ele iria te machucar. – Menina Caissy. – Mas…Mas sua tia… – Irmã Carmem pode deixar que eu cuido dela. Aquela velha me odiava tanto eu quanto a Claire. – Você não está ajudando. – Então Cassidy fico feliz em tela de volta. chumbo? – brincou. . – Brian bateu as mãos no volante nervoso. – Irmã Carmem? – Sim. – ele ficou em silêncio. Brian e eu entramos abraçados e recebendo todos os olhares a nossa volta as mulheres do convento não viam um homem quase nunca e ainda mais lindo como o Brian. – a irmã Carmem se retirou. – a voz da madre disse logo atrás. Ela me olhava espantada por me ver e mais espantada ainda por eu está acompanhada de um homem. – respirei fundo. – forcei um sorriso nada animador.

eu ainda estava muito abalada. – me afastei dele. – Juro que vou vim. – Quero te ver bem quando eu voltar aqui. – Eu vou estar. muito menos o Brian. Se aprece. – Caissy por favor deixa eu cortar o seu cabelo. – sorri e dei um beijo molhado com as minhas lágrimas na bochecha dele. Ele sorriu pra mim. Eu odeio despedida você vai vir me ver todo final de semana. – Que bom. ele sumiu. – Brian para. O Brian e a Pattie já vieram me visitar umas duas vezes. para. as lembranças reaparecem e eu começo a chorar. – ele colocou a mala no chão e me abraçou forte e mais uma vez eu chorei. – Senhorita Já está quase na hora da oração. Não sei nada mais sobre o Justin. Não sei se ele está bem. Quando estou ocupada. Porra Caissy animo. A minha situação não era das melhores. – Claire eu não quero. – Se eu pudesse eu viria todos os dias. com um sorriso perdidamente apaixonante. – a Madre nos interrompeu. . Peguei minha mala e ele ficou me olhando enquanto eu sumia no corredor indo para o meu quarto. mas eu não queria. mas estava sobrevivendo. – sorri sem vida e me virei para o Brian. A Pattie não toca no assunto. chata e enjoada. entretida. – Então me deixa cortar seu cabelo. Eu tô enjoada. – se ela queria me deixar feliz estava fazendo isso errado. – ele sorriu. eu realmente não sei nada sobre ele. mas é inevitável quando fico sozinha. 1 Semana depois. triste.– Seu quarto não foi ocupado por ninguém. – me deitei de bruços na cama afundando a cabeça no travesseiro – Você só fica assim. não tinha animo pra fazer nada. – Brian sussurrou no meu ouvido. – Claire implorava. eu esqueço tudo o que passou. – Você vai vir me ver todo final de semana né? – não suportaria a idéia de ficar aqui abondonada outra vez. – Cala a boca Claire! – falei com a cabeça no meio do travesseiro. – Eu vou vim.

– A gente precisa sair. . – levantei um pouco a cabeça. Só a Claire mesmo pra dizer coisas como aquela. – Tudo bem. – Claire! – eu e Melissa falamos juntas e jogamos o travesseiro nela. quero recompensa ué. o cabelo dela está lindo. – Claire sussurrou. – Eu queria saber o que as três estão fazendo dentro desse quarto? – Irmã Carmem disse abrindo a porta e nós nos olhamos assustadas. por favor. . não quero impedir vocês de fazerem nada.Claire disse ríspida.. – Não acredito que ela vai dar sermão há essa hora. Não contarei para a Madre que vocês estão fazendo reuniões nos dormitórios porque fofoca não é coisa de Deus.– Para Claire. Eu prometi pra aquele loiro lindo que você ia ficar bem. .. – È-È. Melissa era nova no convento e começou a andar com a Claire enquanto eu estava fora e agora nós três éramos 'inseparáveis'. – Que foi? – Claire disse como se fosse inocente. caímos na gargalhada. Já faz uma semana que não vamos à festa nenhuma só ficamos aqui enfurnadas nesse convento tentando animar a Cassidy coisa que está sendo muito difícil porque ela não coopera. – Meninas vocês estão sendo ótimas me animando. Gente vocês não tem pena de mim? Eu estou sem transar a uma semana. – Claire para de ser grossa. – Melissa disse. – sorri e revirei os olho. – Vocês podem sair. E agora se apressem a Madre tem um comunicado e todas já estão reunidas no auditório só falta vocês. fica na sua.esclareci. – Claire mentiu e eu e Melissa nos olhamos. – Caissy não vai ter graça se você não for. – levantamos de pressa e saímos uma atrás da outra em direção ao auditório. – Melissa. – Melissa disse. – Atrapalhar? Tudo tem seu preço querida. – Você acha mesmo que se a sua presença não fosse importante eu já não teria saído? – Claire deitou no chão. mas eu não quero atrapalhalas. Viemos rezar juntas.

– enquanto as outras meninas estavam sentadas em silêncio com uma postura impecável e muito animadas pra aquela festa de merda. Estou tonta e enjoada. Melissa e eu fazíamos de tudo para prestar a atenção e controlar as gargalhadas. amigos todo o tipo de gente que quiser celebrar este dia tão especial para nós. três começamos a rir sem parar. – Preciso vomitar. – falei para as meninas que me olharam espantadas. – Vai lá. – Não Madre. Abaixei meu corpo para parar rir de um jeito rápido que acabei ficando tonta. A Madre testou o microfone e fez um sinal nos mandando sentar e depois começou. Claire. depois corri feito louca até chegar ao meu quarto e de preferência na privada.– Shiuuu. Agachei-me no chão e sai engatinhando até a saída do auditório. Quando realmente parou me levantei e . – Como todas vocês sabem o ano está acabando e teremos formandas. Fiquei uns cinco minutos agachada com a cabeça curvada e colocando tudo pra fora. – irmã Carmem fez impaciente. – um. a gente te dá cobertura. Gates. – ela sorriu com falsidade. espero não ser mais interrompida. Algumas pegaram o Diploma e iram embora. mas muitas continuaram no caminho divino. menos a Claire que fingiu estar amarrando o sapato com preguiça de ficar de pé. Sentamos uma do lado da outra na ultima fileira. dois. – Precisa o que? – Melissa disse. – Shiuuu. aceitaremos familiares. Todas no auditório já estavam em silêncio e de pé para receber a Madre. – Tudo bem Sra. – Vomitar. E neste ano o nosso Convento também completará 150 anos então a festa de vocês será especial. Gates. – Claire disse. – Estou muito animada com esse festão que o convento vai dar. – Essa velha acha mesmo que vai conseguir dar uma festa legal? – Claire disse um pouco alto fazendo todos prestarem a atenção nela. há algo que queria compartilhar com todos? – a madre disse e eu e Melissa ficamos roxas tentando segurar o riso. quando eu pensava que tinha acabado tudo voltava outra vez. Analisei a irmã Carmem que estava parada um pouco mais a nossa frente e que parecia ocupada demais tentando se manter em pé com o peso dela. – irmã Carmem estava de olho em nós. – Sra. Este ano a festa será aberta.

– meu corpo entrou em desespero e meus olhos ardiam. – não respondi nada só respirava na linha.arrastei meu corpo até a pia para lavar minha boca e meu rosto. volta. mas não conseguia fazer nada. Meu sistema emocional estava tão descontrolado que estava afetando o meu organismo. Brian e seus vários celulares. eu queria responder eu queria correr para os braço dele.. – Não. Continua. eu. Preciso de você aqui comigo. quando Claire e Melissa entraram me vendo naquele estado.. *-* Capítulo 34 . – Número desconhecido. – Claire é culpa minha. Eu só preciso de mais uma chance. – dizia entre os soluços molhando o uniforme da Claire com minhas lágrimas. levantando o coxão e pegando o meu celular.. Sentia a respiração dele do outro lado da linha.Far Away – Caissy. – levantei com preguiça. – tinha certeza que era ele até atender. mas o medo e a insegurança falaram mais alto e eu finalizei a ligação e pressionei o celular com força contra o meu coração. – Eu sinto sua falta. Estava parada no quarto com o coração acelerado e as lágrimas caindo. mas por favor. as palavras estavam presas em minha garganta me impedindo de dizer qualquer coisa.. Olha o que aconteceu na minha vida e na do Justin. . Eu não tô bem. – Claire se agachou do meu lado e tentou me consolar. Não sei como fui deixar você partir. eu. – Caissy? Caissy Você tá bem? – Claire veio até mim e Melissa me olhava assustada. Eu não tinha forças para mais nada. – deixei meu corpo cair na cama. sei que está me ouvindo.. Caissy para.. não está dando mais pra ficar assim sem você. eu só preciso de outra oportunidade para provar o quanto eu te amo e que viver sem você é impossível. Olha como estamos. me fez travar. Até que o telefone em baixo do coxão começou a tocar. – Alô? – Caissy? – aquela voz me fez gelar. Sai do banheiro um pouco tonta e me estiquei na cama para recuperar minhas energias. Com você eu resistia a tudo. – Merda. – Eu sei que você está ai...

Era ele e ele disse coisas perturbadoras. – Que horas são? – Claire perguntou. Se a Madre desconfiar estamos ferradas. – Melissa disse saindo do banheiro. – O Brian falou que assim que ele tivesse um tempo ele ia passar aqui. . . – Claire jogou o celular pra Melissa que começou a procurar o número do Brian pela agenda telefônica. – Cassidy isso não é amor. – Era. – Claire me abraçou. – Cassidy presta a atenção. – Melissa entrou no banheiro para falar com o Brian. Ele disse coisas que eu sei que é mentira.. – Mas e tudo o que aconteceu? Você já se esqueceu? – Não Claire. – Claire eu só preciso ficar sozinha. – Claire disse me recriminando. mas mechem comigo e me deixam assim.. Isso é doença. – Melissa liga para o Brian. – É que não é fácil Claire eu ainda o amo. – O Brian não. desesperada. já passou você não pode ficar assim a cada vez que fala com o Justin ou fica sabendo noticias dele. – Caissy não dá para ficar com você assim. – Você disse pra ele que era urgente? – Claire falou nervosa. Esse é o problema. É como se fizesse parte de mim.. – sequei as lágrimas volúveis. – coloquei as mãos na cabeça com desespero. o Brian não. E ouvir aquilo foi perturbador.– Era o Justin no telefone? – Melissa perguntou assustada. – Você precisa esquecer o que passou e eu a Melissa e o Brian vamos fazer isso juntos. – Claire ergueu meu rosto me fazendo a encarar. Ainda hoje. – Todos os meus sentimentos são pra ele. – Disse Claire. Eu pertenço a ele Claire.disse afundando minha cabeça em minhas mãos. – falei entre soluços.. Quando eu me lembro de tudo o que aconteceu. dói eu sinto como se estivesse sangrando. – Chega.

. – O Bieber se acha muito esperto. – Melissa falou. – caminhei até a janela. – Melissa respondeu. – E te deixar aqui? Mas. – Daqui cinco minutos a Madre vai fazer a inspeção dos dormitórios. Só porque pensei que agora seria mais fácil de executar minha missão está sendo bem mais difícil do que eu imaginava. POV Alexia Já estava de saco cheio daquela morta da Pattie que não me deixava falar com o Justin de jeito nenhum. – solucei. tive que jogar um pouquinho com ele pra saber noticias do Justin. Desde que aquela songa foi embora ele não sai de casa.. Eu falo você escuta e calada! – ele disse roçando o rosto no meu e eu fugi. – Ele é esperto! – conclui. eu não estava mentindo. – Eu ainda não acredito que aquela ninfetinha conseguiu passar a perna em mim de baixo dos meus olhos. Ela sempre arrumava uma desculpa. A única noticia que eu tenho dele é que ele não está nada bem. nunca. – coloquei o pé em cima da mesa dele e recebi um olhar ameaçador. . – Também acho Claire. – ele disse acendendo um charuto. – Marconny resmungava e aquilo estava me irritando porque eu era obrigada a ficar ali ouvindo as lamentações dele. – balancei a cabeça assentindo.– 12:10h. – Claire se ela pegar vamos pra detenção juntas e isso não vai adiantar nada. Ele parou. – Você já repetiu isso 500 vezes. – Eu não pedi a sua opinião. O Ryan não quis me falar muito. – Claire disse se acomodando ao meu lado. Melissa saiu arrastando Claire porta a fora e eu fiquei sozinha naquele quarto com os meus pensamentos a milhão. – falei com a voz um pouco falha. – Mas. – Qual é? Achei que podíamos compartilhar ideias. Vocês têm que ir. – Caissy assim que acabar a inspeção a gente volta pra ficar com você. virou minha cadeira com força e disse bem perto de mim. Mas e a Caissy? – Claire perguntou preocupa.

– Eu consegui você. – Até agora não vi progresso com o Justin. – Quero um apartamento. – A Cassidy é pobre. – O que ganho se eu contar? – falei com uma voz provocante. Agora o caminho está livre o Justin vai voltar a ser meu. – mais uma vez ele me olhou feio. Sou eu me deliciando com aquela ninfetinha. – Ela está no convento de Atlanta. Digamos que ela é humilde. – me levantei e sentei no colo dele. – Acho que você não vai conseguir isso nunca.. – ele deu um beijo no meu seio e depois sorriu. – ele apertou minha bunda com força.– A única ideia que me vem à mente. – Eu vou ter ele de volta.. – ele sorriu balançando a cabeça. – sussurrei no ouvido dele. – Oh Deusa dos olhos azuis. Seu sonho não é voltar pra ele? – ele se sentou-se à mesa apagando o charuto no cinzeiro.. – Ainda por cima é Santa? Uma coisa eu não posso negar o Bieber sabe escolher uma boa mulher. Sabe. – eu sentia nojo quando ele falava assim. – ele mordeu os lábios de forma estranha. – E você? – ele disse com uma incógnita no olhar. Mulher gosta de dinheiro. – gargalhei alto e ele riu comigo. E moças humildes não são compradas pelo dinheiro só pelo amor. – Não acha que já está na hora de trocar sua moto? – ele arqueou a sobrancelha. Pra falar a verdade ele nunca deixou de ser. aquilo era patético. Enchi o meu copo com Whisky.. ser bem tratada e eu posso dar tudo isso pra ela. eu tenho que ficar me policiando. – Quero o apartamento o mais rápido possível. A parte mais difícil eu já fiz mandar a piveta ir embora. que tem eu? – dei um gole de uma vez. . Aquela garota era patética. acabando com a bebida. Conseguir ela seria muito fácil. – exigi. – O que. me fazendo de boa moça. – E você assim por um acaso sabe pra onde a ninfa foi? – notei interesse e maldade no olhar dele. Fora que ele tá com um puta ódio porque a piveta sofreu ao ver eu e o Justin fodendo.. – Está horrível morar com o Brian.. – Te dou o que você quiser.

– peguei o anel da mão dele. – sorri sem graça.. –continuei seguindo até a escada – Alexia. – ela disse me deixando nervosa. Não. – perguntei confusa. foi mais forte que eu. mas deu errado quando entrei e dei de cara com a Pattie conversando com a empregada na sala. – ela me deu um sorriso simpático. – Eu sei me cuidar. – Não querida. deixa o Justin melhorar e ele te procura. – Foda-se. Precisava mais uma vez tentar ver o Justin não podia deixar aquela morta da mãe dele me impedir. – meu sangue ferveu. – Você está cada vez mais se afundando. O Justin não está bem e a única mulher que ele precisa ele já tem. mas ela interferiu. – falei sorrindo e esticando a mão. tome cuidado. – Pra falar a verdade isso me deixou mais excitado. – Você não está com raiva dela? Ela roubou sua casa. – Tudo bem. – Mas Pattie. – Quero esse anel. – Você já causou problemas de mais. Quando passei pelo portão os seguranças entortaram o nariz. – ela entrou em minha frente me impedindo de subir.. – O Justin está ai? – ela demorou um pouco pra responder. – Alexia.– Aquela ninfetinha é pura inocência. – ele venerou os pensamentos sorrindo malicioso. pois nem para os empregados eu era bem vinda ali. – Isso vai custar caro. E já tinha planos pra ele. Tinha os planos de entrar e subir direto. – ele riu. – Oi Pattie. – Ele ainda não está bem. – um anel no dedo dele brilhou e eu senti ganancia por aquilo. – tentei argumentar. a mãe dele! – ela sorriu com falsidade. Desci da moto e caminhei depressa até a porta. – Pattie eu tenho certeza que a coisa que o Justin mais precisa nesse momento sou eu. não. . vou fazer ele melhorar. – peguei a chave da minha moto e fui embora.

dei tempo ao tempo. – coloquei o capacete e sai dali deixando ele sozinho. – Me solta ou corto teu pau fora. tinha certeza. – Não sabe? Os dias estão passando e você vai se entregar assim? – ela disse um pouco alterada. – comecei a caminhar até a moto. – falei nervosa e quando estava subindo na moto ele segurou meu braço com força. outro dia. – Aqui não. POV Justin. – Não sei. – É realmente os dias estão passando e todo mundo tocando a vida e eu aqui feito palhaço sofrendo a toa. – Na casa do Justin nós não nos conhecemos. Vai dar muito na cara. – ele disse rindo. . – Você vai ficar enfurnado nesse quarto até quando? – minha mãe perguntou cruzando os braços e escorando na porta. – Já disse que aqui não. – ela me deu outro sorriso falso e eu não tinha chances dali não passaria. Sai soltando fogo daquela casa e no jardim dei de cara com um imprestável. Ela já estava com outro agora. – respondi entre dentes. – Sofrendo a toa? Então o que você sente pela Caissy é a toa? – ela disse esbravejando. – falei com ódio. – Ela já tem outro não precisa dos meus sentimentos. Você me deve várias coisas pra eu ficar de boca calada.– Outro dia querida. – gritei nervoso. – Você não pode ficar fugindo de mim! – ele veio falando logo atrás. – Vi sua moto aqui e valeu a pena ficar esperando. esperei uma semana pra ela se acalmar e esfriar a mente e quando eu resolvo ligar pra falar a verdade ela age friamente e desliga na minha cara? Ela deve estar como Brian e eu aqui. – Não foi isso que combinamos. – falei rangendo os dentes. sofrendo por ela. Eu sou um otário mesmo.

um homem.. madre. me enfeitiçar e depois fugir. Já me recuperei não se preocupe mais comigo. Quer falar com a menina Caissy.. não me trataria do jeito que tratou. – Cassidy parabéns seu quarto está impecável. E ela me tratou friamente depois desligou o telefone na minha cara. a Caissy. não sentir essa dor insuportável. eu me declarei.. – É mãe você tentou esconder.. Estava decidido a Cassidy morreu pra mim. Cansei de ser otário mãe. – gritei e minha mãe se assustou. – a madre disse depois de ter examinado tudo enquanto eu ficava deitada não muito bem na cama e escondendo o choro. eu não quero o amor dela não preciso disso. no mínimo ela veio correndo desde a recepção até aqui. igual ao que muitas outras tentaram fazer. – Justin você está equivocado.– O que? – ela disse incrédula. Fiquei deitada na cama chorando e lembrando do que ele me disse. – a madre disse confusa. – Um homem. – Madre. não chorar. – Não quero mais que o nome dela seja pronunciado aqui. Ela fez igual à Alexia. POV Caissy. Eu só queria simplesmente ter a opção de tirar o amor dele de dentro de mim pra não sofrer. – criei coragem e levantei da cama nervoso. – gritei nervoso. – Se ela realmente me amasse ela falaria alguma coisa. Com certeza era o Brian as meninas ligaram pra ele. Eu só me arrependo de ter sentido algo por ela. – Mas não é só por isso que ela tem outro. – irmã Carmem entrou ofegante na sala e não falava nada com nada. – ela disse buscando o ar. mas eu já sei que a Cassidy e o Brian estão juntos. – entrei no banheiro para tomar um banho gelado. – Como você pode dizer uma coisa dessas? – Eu liguei pra ela. – Eu não quero mais ouvir o nome dela. eu não vou atrás dela. . Porque tinha que ser assim? Porque tinha que doer tanto. – O Senhor Brian? Mas hoje nem é dia de visita. Ela morreu pra mim. me sentei na cama esperando a ordem da madre para ir até a sala de visitas.

não queria contar que o real motivo do meu choro era o Justin. – Finalmente encontrei minha cinderela. – Não estou brava. queria os carinhos dele comigo. se apresse só 30 minutos e na próxima vez ele não irá te ver. – Mas é claro que é o Senhor Brian. – me afastei assim que ele hesitou a me tocar. – irmã Carmem disse tremendo. – Você continua linda e cheirosa. – Eu não quero nada com você. – ele aspirou o ar vindo até mim. senti medo. Não chamei nem Melissa e nem a Claire para vir comigo. – balancei a cabeça e levantei ajeitando o uniforme. Vai embora. O Justin e todo mundo já tinha me alertado o quão perigoso aquele cara era. era o que eu mais precisava. – a madre disse um pouco arrogante. Fui caminhando pra sala da madre bem lentamente pensando no que eu falaria para o Brian. – O que você está fazendo aqui? – ele sorriu de lado e ficou me encarando. Continua.. Abri a porta com a minha pouca empolgação e a sala estava vazia apenas um par de sandálias em cima da mesinha de centro. *-* Capítulo 35 . – Aquele dia na festa você sumiu e eu fiquei louco a sua procura. mas não corri. – falei um pouco alterada. me aproximei e eu reconhecia aquela sandália só demorei um pouco pra lembrar de onde eu conhecia aquilo. .Sabia que isso não daria certo. – O que você quer? – perguntei um pouco nervosa e assustada. – falei controlando a voz. precisava de um momento sozinha com o Brian.– N-Não sei explicar.. mas quando me lembrei acho que a cor do meu rosto sumiu. – Porque você está tão brava? – ele perguntou me encurralando enquanto eu pensava em ir embora. – Vai embora eu não tenho nada pra falar com você. – ele disse sorrindo maroto. Dia de semana é dia para ficar guardada. – senti uma voz grossa atrás de mim e me virei de pressa dando de cara com o Marconny parado me olhando. – Vai Cassidy.

Frustrante não acha? – ele estava me coagindo. Não tinha como ele saber que fui eu. – Chega de palhaçada. . – Mas vou te chamar de ninfa. Não gostei do que ele falou. com certeza ele sabia que era eu. era herança de família. – Não sei. – ele ficou bem próximo a mim e eu só o olhava fixo dentro dos olhos e tremendo de medo. É mais excitante e me deixa completamente louco.. – Se o Bieber não tivesse esses certificados ele nunca conseguiria ganhar dinheiro com aquelas obras e sem certificado eu poderia tomar de qualquer um que as comprasse. – Você não tem provas que foi eu. mas ele me puxou com força me trazendo novamente para dentro da sala. ela estava envolvida com aquele cara e com certeza contou tudo. – Porque você veio aqui? – perguntei confusa. me sinto melhor assim. – ele me empurrou com força e eu me choquei contra a parede. – Sei muito bem que quem roubo meus certificados foi você. – Estamos em um convento tem certeza que você vai fazer alguma coisa comigo? – falei sendo petulante. – ele se aproximou mais de mim e o corpo dele colou ao meu e eu gelei. – Não foi nada legal. – Me passaram a perna legal. Tinha muito apresso pelos certificados roubados. – Então você e o Bieber. Aquela puta só pode querer ver o Justin morto. – Aconteceu um roubo na minha casa. – ele gargalhou e eu arqueei a sobrancelha. senti vontade de compartilhar essa minha frustração com você. passaram a perna em mim e eu fiquei muito decepcionado. – dei de ombros tentando parecer calma. – o interrompi assim que ele começou a falar do Justin e abri a porta. – falei com a voz firme enquanto ele me cercava. – arregalei os olhos. – Se era importante.. agora eu estava tendo certeza de que foi ela quem contou. – Fui eu sim. – falei sem pensar. – Obrigada pela visita. – ele colocou as mãos na cintura deixando o paletó atrás das mãos e caminhando de um lado para o outro. – Porque você está me contando isso? – me fiz de desentendida. – Meu bem sei que você não seria capaz de fazer isso sozinha nem de olhos fechados.– Seu nome é Cassidy né? – balancei a cabeça que sim. – Alexia vadia. o Bieber e você.

– Cara vai embora daqui. agora me solta. O que quer aqui? Os certificados de volta? Acha mesmo que está comigo? – me debati tentando me soltar das mãos dele. Não pensei duas vezes dei uma bofetada na cara dele. – Você é nojento cara. – ele estava indo embora e quando eu pensei estar relaxada ele voltou. –Nessa hora o Brian entrou na sala. – falei entre dentes. eu quis roubar sua casa. foi tudo porque eu quis.. – Se você sabe que fui eu. E ele encarava minha boca de forma assustadora. – Eu quis fazer aquilo. É uma pena te deixar aqui. – Com o tanto de vadias que tinha naquela festa essa sandália vai provar que eu que entrei na sua casa? Achava que você era mais inteligente. Eu vou desgraçar a vida dele. – Você não sabe com quem está falando. – Eu quero mais que um beijo. – ele disse com um sorriso malicioso e se aproximou de mim. – ele sorriu. – falei nervosa. – Eu não posso fazer nada por você a não ser lamentar. – Quanto mais me renega mais eu quero. – Diga para o Bieber que quanto menos ele esperar eu vou roubar o que ele ama. – Faz um favor pra mim? – não respondi nada apenas fiquei o olhando. . – ele segurou meu rosto com força e depois me deu um beijo forçado. – falei um pouco arrogante. Talvez isso recompense o que você roubou na minha casa. Eu vou embora porque você está fazendo muito escândalo e mulher pra mim só tem que gritar na cama. – gritei limpando os lábios. Eu quero você. Você nem sabe o quanto aquilo é valioso. Só fico triste em saber que o Bieber usou uma mulher tão linda como você. – Nojento. relutei até conseguir me soltar. você não tem provas! – Suas sandálias dizem muitas coisas.– O Bieber te instruiu muito bem né princesa? – ele disse respirando fundo. – Eu não sou idiota eu sei que isso já não está mais com você. – ele passou a mão no meu rosto e eu tentei fugir.. – Se eu denunciar você sabe que sua vida acabou né? – Já disse. – A Alexia sabe se defender. não sabe do que eu sou capaz. – Tudo bem. O Bieber não me usou.

a Madre disse que eu só tenho 30 minutos pra ficar com você então vamos fazer coisas legais. – M-Mais como? – O Brian não estava entendendo nada. – apontei pras sandálias em cima da mesa. eles pareciam ter muita intimidade no jeito de conversar. – Você tem certeza do que está falando Caissy? – Acha mesmo que eu brincaria com uma coisa dessas? – falei séria. – Alexia anda muito estranha e talvez essa seja a explicação para ela ter carro. POV Justin . – Eu entendi. mas eu desconfio que quem contou pra ele foi sua irmã. mas ela tem que tomar cuidado. – A Alexia odeia esse cara. moto e dinheiro. – ele esbarrou no Brian e depois foi embora. E não me assusta nada em saber que a Alexia está envolvida com esse cara. – ele fechou a porta meio confuso. – Brian não me leve a mal. – O que. – Ele já sabe que fui eu. o Marconny disse que vai acabar com o que o Justin mais ama. Sempre desconfiei de onde vinha tudo isso. Segundos depois ele entrou no quarto e sua irmã também. – Brian me puxou pra perto dele. – ele riu e beijou o alto da minha testa. – sorri. – Me sentei no sofá me acalmando um pouco. – Mas. – doeu dizer que o que o Justin mais Ama é Alexia. – disse um pouco receosa.– Não garanto que o amor dele seja a Alexia. que esse cara veio fazer aqui? – Brian perguntou um pouco assustado. E ela está envolvida com ele de alguma forma. – ele disse um pouco nervoso. – Brian eu não quero que você fiquei contra a sua irmã. mas agora posso ter uma explicação. mas eu tinha que alertar independente de tudo perder uma pessoa não é nada fácil e eu que o diga. – Brian no dia da festa quando o Marconny estava me perseguindo eu entrei em um quarto e me escondi em baixo da cama. – Acho que você não entendeu muito bem o recado do Marconny. – Não. acho que você está enganada Caissy. por favor.

abrindo minha gaveta e lá no fundo pegando minha maquiagem. Ele me deu colo. mas estava sendo forte. – Sentiu minha falta? – ela disse rindo. – Se sabia foi se deitar por quê? – Claire disse um pouco arrogante. – Entra no carro. Não fiquei falando muito do Justin isso me fazia mal e o Brian estava tentando me colocar pra cima. – me sentei escorando na cabeceira da cama. Já tinha falado com a Alexia. concentrava minha mente para manter o Justin o mais longe possível isso era difícil. algo que me fizesse voltar a ser o que eu era. minha casa. Me deitei. POV Caissy Fiquei mais que 30 minutos com o Brian. mas sabia que Claire e Melissa poderiam aparecer a qualquer momento. – Vocês vão sair? – perguntei vendo as duas se emperiquitar. A moto dela passou pelo meu carro depois entrou na garagem. . – Claire sorriu. – Sim nós vamos sair. não jantei. ele me fez rir muito e ainda me obrigou a comer o lanche que ele trouxe mais o chocolate. – Faça valer a pena que eu faço durar. sai à procura de diversão. Dito e feito me virei umas vezes na cama e depois as duas invadiram o meu quarto vestidas como se fossem sair. estava esperando ela na frente da casa do Brian já fazia alguns minutos. – Como nos velhos tempos? – ela disse fechando o cinto. foi o meu Brian e me fez feliz por um tempo. me fez carinho me deu conforto. depois de um tempo ela saiu vindo até o carro. – dei partida no carro a procura de qualquer lugar que me desse diversão e me fizesse esquecer tudo.Tinha acabado de sair de casa sai no intuito de cair na noite e esquecer sentimentos. Já estava de noite. as pessoas. tomei um banho e fiquei fazendo hora pelo quarto. pois o lanche que o Brian trouxe me encheu tanto que me deu até enjoo. – Sabia que vocês viriam aqui. – destravei a porta para ela entrar. Abaixei a janela e ela se debruçou na porta ao meu lado. – Que legal. E pra onde vocês vão? – perguntei um pouco contente por elas continuarem fazendo o que gostam e não parando por mim.

– Claire disse abrindo o meu guarda-roupa e analisando minhas roupas. nossa noite vai ser perfeita. – Claire vibrou. – Vocês já estão me obrigando a ir ok? Agora pelo menos a roupa eu posso escolher? – elas riram juntas. – Caissy não adianta negar.– NÒS vamos para um posto beber com os garotos. Eu não estou no pique. Que agora estavam aglomeradas lá dentro já que a Pattie insistiu em trazer uma parte em que eu deixei na casa dela pra cá. não. – Melissa implorou junto. – Melissa sorriu. – Caissy quem disse que eu vou trocar de roupa? – ela disse me confundindo. Vamos nos animar um pouco. Eu não estou bem pra nada e nem tenho animo.. – falei manhosa. – A não? Então pra que. – Caissy vai demorar muito? – ela riu quando abri a porta de cara fechada. – Porque você não vai com essa? – Melissa perguntou. – ela sorriu para Melissa que sorriu junto. – A não. Peguei uma calça preta colada e uma blusinha caída no ombro que deixava um pouco da minha barriga de fora e entrei no banheiro. . mas não vão achando que eu vou me divertir e nem que vai ser perfeito. Os meninos apenas vão estar em um posto de gasolina bebendo com música alta e jogando conversa fora. – falei notado o planinho idiota delas. – Porque você vai trocar de roupa essa está tão linda. – Perfeita. – Ah. Depois de um tempo Claire começou a bater na porta. – Claire eu não quero sair. por favor. Não é nem uma festa nem nada. Joguei o edredom pra cima e me levantei da cama escolhendo outra roupa. Caissy você vai ver. – Vai Caissy. – Claire disse se olhando no espelho. não. – Meu você precisa disso. Eu fiquei em silencio por um tempo depois tomei uma decisão – Eu vou. – O que acha dessa Melissa? – Claire montou uma combinação de roupa nos pés da minha cama.. Só estou indo porque vocês imploraram e ficar nesse lugar parece estar me deixando pior. gente não.

– Eu não deveria ter saído de casa. – bufei e comecei a caminhar voltando. Mas é melhor não arriscar. – fomos em silencio até o carro. – Ah essa garota não. – Temos. a maquiagem fiz de acordo com o meu humor e garanto não ficou nada fraca. – Se você não estivesse com essa blusinha de cachorra e esse tênis de skatista diria que você é gótica. – O que aconteceu? Você e o Tyler se conhecem? . – Af Cassidy até com depressão você consegue ficar linda. – Melissa começou a rir. – Claire disse nos apresentando e quando eu vi o menino tive a certeza que eu não deveria ter saído do convento. – Melissa disse me empurrando até a janela. – Vamos ter que ir a pé? – perguntei enquanto seguia a Claire. – Tyler disse assim que me viu. – Não conseguiu! – Então vai pra merda. – Claire disse indo até a janela e a abrindo. – Eu não vou fazer isso. – Claire disse assim que terminei. – Quem Vai primeiro? – A Caissy. – Caissy você já conhece o Duke. Peguei um tênis de cano médio preto e vesti. Porque vai que nós duas pulamos e ela resolve dar pra trás e ficar. – Claire me deu passagem e eu passei uma perna depois passei a outra e saltei no pátio de trás do convento. subimos na arvore e pulamos na rua. E tinha dois meninos a nossa espera. – Tudo bem.. tinha até me esquecido de como fazer aquilo. Acho que você só não conhece o Tyler. – Quis me animar? – sorri falsa. – as duas gritaram juntas e depois cobriram a boca por causa do barulho. – Caissy. Quando já estávamos todas no pátio de trás caminhamos até o muro. –Claire veio atrás de mim. – Ual.– Tem certeza que eu tenho que ir? – perguntei desanimada. Caissy. não estava com a mínima vontade de por salto. Bufei nervosa. Prendi a minha franja pra trás e deixei o resto do meu cabelo solto. Depois de um tempo Melissa veio logo atrás e a Claire demorou um pouco porque ela tinha que fechar a Janela do meu quarto.. – Claro que não o Duke está nos esperando na próxima travessa.

– Tudo bem eu dou uma trégua só não vão querer que eu pegue na mãozinha dela né? Eu ainda tenho trauma de tocar nessa mina. – Melissa você senta no meio. – Eu não mordo Cassidy. – Todo mundo vai tomar cerveja? – Duke perguntou. se beijando. – Ah meu Deus a santinha vai tomar o que? – Tyler debochou. Não acredito que iria ter que sair com aquele palhaço. – Meu amorzinho vai comigo na frente. A noite mal havia começado e já estava sendo péssima. E Claire na boa. eu disse que não queria sair. – Eu não vou tomar nada Duke obrigada. por favor. – E vocês se virem ai atrás. – Gente. – falei entrando primeiro. – Não. – Eu não Duke. E eu não estava com cabeça pra nada daquilo. – Você e o Tyler tiveram uma péssima impressão um do outro. – me virei indo até o carro. Descemos do carro e o Jeito que aquele Tyler estava nos olhando estava me deixando irritada. agora me deixa voltar. – Mas eu gosto de sentar na janela. – Ok. mas eu aposto que isso vai mudar essa noite. – Tyler disse fazendo os outros rirem. O som estava alto. estava lotado. – Tyler entrou na frente da Melissa sentando no meio e eu fiquei puta por ter ele ao meu lado. não vamos estragar a noite. – Duke disse sorrindo pra Claire. Chegamos ao tal posto e tinha mais gente do que eu pensava. dançando. . – ele ficou quietinho. – Melissa pediu com uma voz angelical. – sorri sem graça. – ela disse um pouco triste. – aquele idiota disse entre dentes. mas eu não achei graça. Não é Tyler? – Se você tá dizendo. varias pessoas bebendo. – Duke disse se aproximando. Não. – Eu vou na loja de conveniência. Mel isso é por você. – O seu sangue se você não calar a boca.– Eu conheço esse panaca sim.

– Mano você é muito grossa. eu sabia que isso não daria certo. – ele gargalhou. – Cassidy.. – Seria um favor. – gritava nervosa. isso não é legal. São seus olhos. mas quando você está por perto à coisa piora. – sorri com falsidade. Ele esbarrou com força em alguém e por um milagre me colocou no chão. Eu vou vomitar me desce. Droga. – ele disse me pegando no colo e colocado no ombro dele me deixando de ponta cabeça. Odeio esse tipo de brincadeira e ainda mais enjoada do jeito que ando. Lembrava de quando o Justin me tirou a força daquele racha. – Então eu encontro você na caixa de som. – ele disse inconformado. meus pensamentos estavam tão bons até o palhaço do Tyler começar a me encher. *-* . Continua. – Alexia disse sorrindo e juntando o corpo mais ao de Justin. até soltei um sorriso fraco. mas eu não estava fazendo aquilo para ele achar graça. – Eu vou fazer isso acabar rapidinho. – Imagina. – Tô falando sério. – Garoto me desce. meus olhos ficaram fixos no do Justin que estava sem nenhum semblante e sem nenhuma expressão.– Tem certeza? – balancei a cabeça que sim. Senti meu coração acelerar e os batimentos se intensificarem. – O que você está fazendo aqui? – não respondi nada. Claire e Melissa já estavam se balançando ao som da música e eu parada de braços cruzados. Vou até ficar calado. Virei-me e estavam parados em minha frente o Justin e a Alexia. – Não tô com vontade. – dei vários tapa nas costas dele.. – Nossa você está conseguindo conquistar o meu respeito. – Você não vai dançar? – Tyler se encostou do meu lado e eu dei uma leve afastada. – Você é sempre chata assim ou só quando eu estou por perto? – Sou sempre chata.

estava na cara que ele voltaria para mim. – Alexia disse com voz de sínica. – Vadia. – Me solta Justin eu vou arrebentar essa vadia. Você merece muito mais. – ela sorriu me provocando e eu senti o sangue ferver. mas aquela filha da puta se soltou e veio que nem leoa pra cima de mim. – Cassidy. ela me socava com brutalidade. Não deve ser nada fácil ser traída. e ele se tocar que você não é tão boa quanto eu. no começo apanhei de graça. Justin o ignorou e continuou a me fuzilar. – sorri friamente me controlando. Não sei como. – Alexia foi pra cima de mim. – De nada. – Tyler ergueu as mãos se mostrando inocente. era só a ficha dele cair. Tinha aglomerado bastante gente em nossa volta só olhando aquela cena.We found love – Eu nem toquei nela. E foi isso que eu fiz. – Justin eu vou quebrar essa filha da puta no meio. Alexia brigava feito homem ela simplesmente não grudou nos meus cabelos e tentou arranca-los com as mãos. o Justin nunca deixou de me amar. Tyler não pensou duas vezes e segurou aquele furacão. e eu pisquei os olhos duas vezes mudando o foco do meu olhar. com todo o meu descontrole descontei minha raiva na cara daquela vadia. Justin envolveu minha cintura e me afastou me tirando do chão. – Vadia é você! E isso foi pouco.Capítulo 36 .Bom. parecia que o mundo tinha parado e só existia ele e eu ali.. sempre tive vontade de enfiar a mão na cara daquela loira lambisgóia. eu gostaria que você soubesse que eu te admiro. mas como eu sempre disse. – cuspi em cima dela e Tyler e Justin me olharam incrédulos. – Alexia gritou nervosa. mas depois me recuperei e soquei a cara dela duas vezes até o Justin nos separar definitivamente. mesmo ele estando com ela. mas o Justin a afastou. – Alexia gritou nervosa se debatendo nos braços do Justin e limpando o meu cuspi do rosto. – Dá para parar as duas? – pela primeira vez escutei a voz do bocó do Justin. – Obrigada. – Você é uma vadia se fazendo de santinha. – E você é uma vadia querendo ser mais vadia ainda. Meu coração parecia que ia sair pela boca. Eu senti minhas pernas fraquejarem o corpo suar e o coração palpitar forte. . Aquela vagabunda merecia muito mais. mas o bom é que você se recuperou e já está pronta pra outra. – senti meu rosto arder.. eu esperava por aquilo há muito tempo.

– Não interessa. Ela já estava com outro e aquilo me deixou possesso. mas ela não olhava em meus olhos. Porra. Caissy fala comigo. Saiu andando na minha frente me guiando até uma sala. O corpo dela estava mole. mas nesse momento só prestava a atenção na Caissy que não estava nada bem. caso a Alexia machucasse ela eu interferia. mas. – ele ficou parado me olhando.. e as mãos geladas.. – Vai logo caralho. Se fosse para encontrar com ela preferia ter ficado em casa. Arranja um lugar para eu colocar ela. mas provavelmente Caissy sairia machucada.– Então vem. – Justin. Alexia parecia um macho batendo. Adoro essa sensação de poder. – Então vem. – Cassidy gritou. .. – Caissy? O que você tem? – coloquei as duas mãos no rosto dela. Não sei o que estava me dando. Eu estava perdendo o controle do meu corpo. Coloquei a Caissy deitada no sofá velho que tinha ali. – gritei e ele se agilizou. – parecia que ela estava lutando contra um desmaio. Virei Caissy para mim. Levantei seu rosto para mim e seus lábios estavam sem cor como todo o resto de sua face. mas fiquei tão irritado que as separei. – Caissy. Justin me virou para si e de repente senti meu corpo fica mole e suar frio. não que a Caissy não batesse. minhas vistas embaçaram e tudo começou a rodar. – Ela está passando mal? Ou está bêbada? – ele perguntou me encarando. Do nada senti o corpo dela estremecer. – Justin eu vou quebrar essa filha da puta no meio. Do nada um monte de gente invadiu a sala. porra ela não coopera se a Alexia pegasse ela com certeza a regaçaria por isso optei segurar a Caissy. sei lá! – Dá pra parar as duas? – gritei nervoso. – Alexia disse com o rosto transbordando de ódio. – ela disse e apertou com força a minha mão que estava envolvida na cintura dela. ainda estava abraçado ao corpo dela.. A peguei no colo e sai andando no meio da multidão até achar um lugar calmo. elas pararam e me olharam por um tempo em silêncio. ela tinha a marca da mão da Caissy no rosto dela. acho que era o escritório da loja. Quando Alexia e ela começaram a se pegar senti uma vontade enorme de largar as duas ali e ir embora. Entrei na loja de conveniência com ela no colo e o cara me olhou assustado por um tempo. – gritei no mesmo tom a desafiando. Alexia ainda estava cacarejando. POV Justin.

– Olha aqui se alguma coisa acontecer com a minha amiga. – o cara do caixa entrou com uma garrafinha de água na mão. – Trás água pra ela beber. – coloquei a mão sobre a coxa dela e ela se afastou. Eu nunca deixaria minha Caissy com ele.. – Alexia disse. – ela tentou se levantar. – chamei o cara do caixa antes dele sair. mas acho que teve uma bambeza e tornou a cair sentada. – Alexia revirou os olhos e saiu nervosa acompanhada pelo Tyler e uma loirinha. – Tá vendo como precisa de mim. – Acho que eu sei o que ela tem. – Ela está bêbada. Olha o tanto de gente que tem pra cuidar da piveta. – me sentei do lado dela e ela me olhou e ainda não estava nada bem. mas ela e a outra amiga estavam bêbadas e aquele otário. – Aqui está a água. – falei nervoso. – Ei você. – a moreninha disse irritada.. – aquele imbecil que estava com ela tentou se aproximar. mas eu não preciso da sua ajuda.– Cadê minha amiga? – uma moreninha entrou gritando. – a moreninha disse enrolando a língua e depois saiu. vou arrancar seus olhos fora.exclamei. – ele balançou a cabeça e depois saiu. – Então deveria ter deixado o Tyler. – Caissy. – Fora daqui vocês. – ela revirou os olhos e fitou o chão por um tempo. E eu fiquei mais irritado vendo aquele monte de gente ali. Você deveria ter deixado a Claire ficar. – Eu já tô bem. – Justin vamos embora. – Vou embora. mas eu dei um soco nele o afastando. Quem precisa de você é aquela vadia. – Vai todo mundo para fora se não vou meter bala. Saquei a arma e dei dois tiros pra cima fazendo todos se calarem e me olharem. – Só foi uma tontura forte. . . – Eu vou cuidar de você. – ela disse se sentando com dificuldade. – Se falar mais uma vez da minha amiga assim vou arrancar seus cabelos fora mocréia. – O que você fez com ela? – ela começou a gritar feito louca.

– Eu que finjo que me importo? Eu fiquei a semana inteira mal longe de você. – falei sem pensar. – Você fica jogando isso na minha cara. – O que ele foi fazer lá? . Não é a toa que tem ligação com o Marconny. – Toma. – engoli o choro. não era a Alexia no quarto. – Para de infantilidade. – Você ficou a semana inteira mal e no final de semana arranjou uma puta para te fazer companhia. Eu e o Brian nunca tivemos nada... e muito mal. POV Caissy. Poupe-me das suas hipocrisias Justin. eu te liguei e você viu como você me tratou? – ele disse explodindo. por mais que eu tivesse sentido uma raiva enorme na hora. ela sempre te fez companhia. Eu não preciso disso. – ele me olhou incrédulo por um tempo.. mas depois cumpriu minha ordem assim que passei a mão na arma. – A Alexia só estava querendo me ver bem. – Devo ter me enganado mesmo. – Você acha que não sei que vocês estão juntos? – Você é muito ridículo. Ou melhor. ela sempre quis você bem. ver ele e ela junto me fizeram mal.– Sai e fecha a porta. – Você acha que eu finjo? – ele arqueou a sobrancelha. – Sim. agora era só eu e ele. O choro estava preso na minha garganta. Diferente de você e do Brian. e era bem mais difícil de esconder. e será que eu me enganei também quando o Marconny foi hoje cedo ao convento? – ele ficou me olhando sem expressão. – Para de fingir que se preocupa comigo. eu já disse que me arrependi. Ele riu pelo nariz.. e realmente. Mas eu acho que você se enganou. – ele falou com ódio. – ela disse com a voz um pouco tremula. – abri a garrafa e entreguei pra ela que hesitou em pegar.

– Justin disse acariciando minha bochecha. – Você acha que eu sou perigoso? – ele me encarou. – Perigo a gente corre em todo lugar. aquele cara está bem instruído ele não faria nada comigo. – Volta pra casa? – ele me fez congelar. Queria saber o que passava pela cabeça dele. – Caissy. mas ao mesmo tempo. volta para mim! – Justin pediu. – Qual é a proteção daquele convento? – Justin me interrompeu. Não posso! – disse cabisbaixa. E mandou um recadinho pra você. – A Alexia sabe se cuidar. e ao contrário do que eu esperava. Era tão doloroso dizer que é ela quem ele ama.. – ele se sentou bem próximo a mim.. mas não tinha como saber. – Justin. – Caissy. – abaixei a cabeça.assumi. com a Alexia. . e eu nunca mais serei o mesmo sem você ao meu lado.declarei – Mas lá eu vou te proteger. do seu cheiro e de seu toque. aquele toque me fez bem me confortou. Sim. Eu sentia falta dele. – E não vai ter como eu me defender de você. – Para os meus sentimentos. pois era indescritível o que ele fizera comigo. – Se alguma coisa tivesse acontecido com você não me perdoaria. .. para! – tentei afastá-lo. .. – Ele só foi lá pra me amedrontar. – Não Justin. isso me fazia mal. e justamente porque ele quer o que eu amo que eu tenho que te defender. é você quem eu amo. – Lógico que pode! – disse nervoso erguendo meu queixo com brutalidade. saber que é ela quem ele sempre amou..– Foi me dizer que ele sabe que eu que peguei os certificados.. – Justin disse aproximando seu corpo do meu. – É melhor você se preocupar com. começando pelo o que você mais ama. – Para! – esbravejei me soltando dele... – Você está correndo perigo naquele lugar. a . pois o Marconny disse que ia desgraçar sua vida.disse séria. Justin me olhava apreensivo.

Melissa abriu a porta e o som estava alto tocando “We found love”. Ele parecia perdido e ela parecia feliz enquanto rodopiava arrancando um sorriso dele. mas Claire entrou me puxando porta á fora e ele ficou lá. – disse séria.. – Claro. Seus lábios roçaram nos meus e ali foi minha perdição. Eu não estava conseguindo pensar. Ele e a Alexia. com o amor da vida dele. claro Claire. eu havia acabado de deixar o amor da minha vida para ser feliz com outra. vamos! –disse me levantando.. Senti uma vertigem e mãos fortes.. Me afastei rapidamente de Justin que estava com os olhos agora indecifráveis. o quanto ele é importante pra mim e que não posso viver sem ele. foi por pouco! – Claire disse assim que passamos pela janela do convento. vi Justin e a Alexia caminhando juntos até o carro dele. . Afundei meu corpo no banco do carro desabando. Mas e tudo o que ele me falou? Porque ele faz isso comigo? Minha cabeça girava. – Tudo bem. Não estava com cabeça para conversas. Agora vai indo antes que a madre te pegue. vamos sair daqui. Corre! – Claire disse afobada abrindo a porta da sala ás pressas. . Mas existe uma coisa maior que se chama orgulho. Continua. – Caissy! Menina. – Adeus Justin. Ele tentou dizer algo.. então as tirei de meu corpo e encarei aqueles olhos mel mais uma vez. pode me soltar.. eu não estava bem.. Estava olhando pra fora do carro quando passamos pela saída do posto. tu não pode ceder assim.. baixou a policia. – disse com lágrimas nos olhos. NÃO CAISSY. Suas mãos ainda estavam ali. tudo o que eu sentia.dor que eu sentira com aquela traição... Duke já estava com o carro parado esperando pela gente. – Caissy. a imagem de Justin me pedindo para voltar perturbava minha mente.disse quando minha cabeça parou de girar. eu estou falando com você! – Claire esbravejou estalando os dedos na minha frente.. espero que fique bem.She aint you – Nossa... – Estou bem. Senti um aperto no meu coração queria voltar correndo pros braços do Justin e dizer o quanto eu o amo. Eu não estava a fim de conversar. *-* Capítulo 37 .... as dele me impediram de cair. Justin apoiou sua mão no sofá e aproximou seus lábios dos meus. ele era tudo o que eu via no momento..

– Ai como você é chata. ela devia ter tomado alguma coisa. – voltei a prestar a atenção no caminho. eu vou pra sua casa. – Eu não vou pra casa do Brian. – Claire disse rindo e Melissa gargalhou alto caindo em cima da minha cama. Entrei em casa fazendo silêncio se minha mãe visse a Alexia naquele estado ela ia encher meu saco. POV Justin Alexia não parava um minuto. chora. – Dá pra colocar a blusa? – falei tirando os olhos do caminho e olhando pra ela. – Alexia gritou tirando a blusa e ficando só de sutiã.. – Gente para. – Boa noite Caissy. fica deprimida. – Você tá muito louca. Mordi os lábios e balancei a cabeça senti um calafrio passar por todo o meu corpo. – Que calor. Não parava de pensar na Caissy.– Caissy você está de mau humor? – Melissa disse enrolando a voz.. Aquelas duas estavam muito bêbedas. A Madre vai vim aqui. – disse por fim. Respirei fundo e fui até o escritório. ia . – Claire disse andando até a porta. – ela disse bem perto de mim mordendo o lóbulo da minha orelha.. – Você precisa de um comprimidinho. – Você não era assim antes... Mas se eu voltasse com certeza me arrependeria. – Melissa deu um beijo no meu rosto e depois saiu cruzando as pernas seguindo a Claire que já havia saído. – Alexia disse gargalhando. – Vamos Melissa. vomita. – Eu quero ser sua essa noite Justin.. Me olhei no espelho e desabei lembrando o que ele me disse e o quanto eu fui burra de não ter voltado. – ela sorriu e jogou a blusa dela na minha cara e depois saiu andando muito louca até as escadas. estou cansada.. Eu não entendo esse amor doloroso.. – Eu só não estou muito bem. Eu deveria ter sido mais severo deveria ter trazido ela junto comigo. – Alexia gritou abrindo o vidro do carro e aumentando o som que estava tocando “Birthday Cake” deixando o vento entrar estava a 80 km/h. – Você deveria fazer que nem a gente se divertir. dançar beber. agora a ideia de que ficaria longe dela novamente não me saia da cabeça. as duas estavam pra lá de bêbadas. – Ela só vive assim. – Vai subindo na frente.

. mas eu nunca vou apagar isso da minha mente. subi para o meu quarto com muita dificuldade.encher meu copo com vodka. – ela disse sorrindo. que vocês querem? – falei desanimada. sorri feliz e me deitei ao lado dela que se prontificou em me acariciar de um jeito prazeroso. – Que cara inchada é essa? Pelo visto você chorou a noite toda né? – Melissa se sentou a pé da minha cama. – Dormiu bem? . – Eu também te Amo Justin. – Claire disse em um tom alto.. Sabia que ela iria estar ali me esperando.Claire estava com a cara bem em cima da minha quando eu abri os olhos até levei um susto. Realmente eu havia chorando a noite toda. – O que VOCÊ está fazendo aqui? – me movi com preguiça na cama. .. – disse beijando os lábios dela. Sentei na minha mesa e fiquei lembrando quantas vezes fui feliz naquela casa com a minha Caissy. Talvez esse tempo não volte mais. quantas vezes fizemos amor por essa casa enorme. mas me lembrei da Caissy e enchi meu copo com uma dose de whisky. Já tinha bebido e cheirado tudo o que eu podia. – Daqui a meia hora tem aula.. – Caissy você não pode se fechar assim. – Você só pode estar de brincadeira. POV Caissy. As brigas que no final terminavam com ela deitada em cima de mim fazendo linhas imaginarias no meu peito com a respiração ofegante e eu com vontade de dizer o quanto eu a amava. – Eu te Amo Cassidy. até a vodka me fazia lembrar dela. Quer contar o que aconteceu entre você e o Justin ontem? – Melissa disse tentando me confortar. Você tem que se abrir com a gente. minhas pálpebras estavam doloridas. Abri a porta e a Caissy estava deitada de cabeça pra baixo. Você não está achando que nós vamos te deixar presa o dia todo aqui né? – Eu vou dizer pra Madre que estou pagando penitencia por isso não posso sair do quarto. – O que.

Sei que doeu. – ela me puxou até levantar. – falei em um intervalo do vomito. Melissa não estava no banheiro. – balancei a cabeça já com vontade de chorar. – O café da manhã hoje é bacon e ovos batidos o cheiro está no corredor do refeitório. reza e depois se tranca aqui nesse quarto. – Claire falou assustada. Cassidy sua depressão está mexendo até com o seu organismo. Quando terminou me arrastei até a pia com a ajuda da Claire. Elas vão fazer aquelas gororobas e em um instantinho você fica boa. – Você bebeu ontem? – Melissa quebrou o silêncio assim que voltei pro quarto. – falei com dificuldade. Neguei com a cabeça. – Eu só quero ficar sozinha. – Melissa estava do lado dela. – Eu acho que o seu sistema emocional está derrotado. – Não.. – Amiga mal comeu o bacon e já está pondo ele pra fora? – Sai daqui Claire. – O Caissy você está bem? – Claire perguntou enquanto eu coloca os bofes pra fora. – na hora senti meu estomago revirar e correr para o banheiro foi à escolha. – Caissy eu também acho melhor falar para um das irmãs que você está doente. – falei ainda muito mal. sei que se traída não é fácil e o pior de tudo você ama aquele imbecil. – Claire não.– Não Mel. Nunca! Sei que isso é nojento. – Caissy vamos amiga. – falei manhosa. – Caissy para com isso. . mas amigas são pra essas coisas. – ela puxou minha coberta.. tomar café da manhã vamos pegar sol no prédio antigo e eu e a Mel juramos que você não vai ter nem tempo para pensar no Justin. – Vamos ter que comunicar as irmãs você não pode ficar doente desse jeito. – ela segurou os meus cabelos para cima e outro jato caiu na privada. – Claire. escovei os dentes e estava um pouco fraca. você não tem medo disso piorar? – Melissa disse assustada. – Você vai levantar! Vamos assistir aula juntas. você está virando uma inútil. – Nada? Nada? – Nada. Então você vai viver assim assiste aula.

– Como eu não fui pensar nisso antes. – esbravejei não estava entendendo porra nenhuma do que ela queria dizer. – Ah meu Deus. – Melissa abriu a boca espantada e Claire a encarou por um segundo.– Gente isso não é nada. fica enjoada. chora de mais. desmaia e. Isso é importante. – Caissy ingênua do meu do meu coração senta aqui. – Claire você está me assustando. – Caissy é sério. – quase cai pra trás. – Claire gritou com uma voz estranha e espantada. – Quando foi à última vez que tio Chico veio te visitar? – Claire! – Caissy isso é sério. – Faz um esforço minha filha. Pra falar a verdade só usamos camisinha na primeira vez. aquela brincadeira não tinha um pingo de graça. – Acho que foi uma semana antes da minha mãe morrer. – conclui porque ela estava parecendo uma doida. – Por favor. – Tá e quantas vezes você e o Justin transaram sem camisinha? – Claire! Eu não vou ficar falando das minhas relações com Justin pra você.. – Eu não me lembro. – ela implorou. – Claire. – Caissy você tá grávida. AI MEU DEUS.. . – Como não? Você vomita. – Várias vezes. – falei confusa. – O que foi Claire? – Melissa perguntou assustada.. – ela disse super séria.. – ela me arrastou até a cama segurando em minhas mãos. – É para ficar mesmo.

– Vou ligar para a minha madrasta e vou pedir para ela trazer teste de gravidez aqui. – Não tem como eu estar grávida. – Uma vez? – Melissa arque-o a sobrancelha. mas para. – Que família doida. – Claire disse confusa como eu. eu sei. – revirei os olhos. – Eu tive um sangramento na casa do Justin. – É. Nisso ela tinha razão. – E você não conta pro teu pai? – falei espantada. aquelas meninas só podiam estar bêbadas até àquela hora. – falei histérica aquilo estava me assustando. se der negativo você pelo amor de Deus nunca mais transa sem camisinha. Eu não estou grávida que coisa. – Claire era errado. – Ele também trai ela. Cassidy sua loca. – Não. – Claire sorriu.– Idiota não tem como. Sua madrasta vai achar que você que está precisando disso. – Melissa disse indiferente. . e sorri querendo me convencer que aquilo não poderia ser verdade. – Gente eu não estou grávida. – Eu não acredito que vocês vão fazer isso. Melissa faz isso e ai a gente vai saber se ela tá ou não. – Melissa disse. – me recuperei. mas é que nunca pensávamos nisso deixávamos nos envolver pelo momento. como você não usava camisinha? O que você e o Justin tinham na cabeça? – Claire falou um pouco brava. – É só que antes você não transava. Sei que ela trai meu pai. – Aquela quenga me deve muitos favores ela não é nem louca de me ferrar por causa disso. – tentei as fazer mudarem de ideia. – Tudo bem. – Eu sei como saber se isso é verdade ou não. – Fala ai. não tem como eu estar grávida. – ela deu de ombros. Pior que a minha. – me lembrei. Gente minha menstruação é assim ela sempre foi irregular. Melissa saiu do quarto para ligar para a madrasta dela e Claire se esparramou mais na minha cama. se der positivo você vai ter que dar um jeito de ir ao médico.

. . ela tinha mudado drasticamente. – Eu odeio o dia. – falei levantando de pressa fazendo minha cabeça doer mais. – Vocês são umas filha da puta. O quarto onde a Cassidy dormia estava intacto. – peguei uma roupa e fui me trocar em outro quarto. – ela me acompanhou. – Não acredito que transei com a Alexia. Por mais que Alexia e eu já vivemos juntos. É como se ela tivesse virado outra pessoa e matado a mulher que eu amava. Eu estava confiante eu não estava grávida. porque já. – falei mal humorada pegando meu uniforme e uma tolha. Terminei de tomar banho e me troquei. – Mas mesmo assim não deixou de fuder como um cachorro selvagem. – Se troca vou te deixar na casa do Brian. – Merda. – falei indo até o banheiro. – O que você está fazendo aqui? – parei na porta do quarto da Caissy me deparando com a Alexia lá dentro. elas ficaram aqui enrolando e não deu tempo pra eu falar com a Madre então seria obrigada a assistir aula.– O Caissy acho melhor você se arrumar. – Aé. – ela riu se enrolando no lençol. já bate o sinal. eu não via mais inocência no olhar eu não sentia mais necessidade em protegê-la pelo contrario eu sentia que eu tinha que me proteger dela. senti meu braço esquerdo pesar e abri os olhos com dificuldade tendo a visão da Alexia deitada do meu lado de calcinha e sutiã. bebi e cheirei de mais. não deixava ninguém entrar e nem eu entrava lá para não ter lembranças que me fizessem mal. estava rezando para que minha mãe não estivesse em casa. você dormiu! – Eu estava bêbado e drogado. já tivemos uma história juntos ela agora para mim era estranha. E você não falou com a Madre então não vai poder falta à aula. – Alexia disse abrindo os olhos com dificuldade enquanto eu a olhava assustado. POV Justin Não conseguia nem abri os olhos de tanto que minha cabeça estava doendo. – olhava o estado dela e o meu estado indignado. a gente já não rolava há muito tempo e eu não conseguia mais ter sentimento. – Que foi Justin? Porque ta me olhando com essa cara? Até parece que você dormiu comigo. ela não era mais a menininha que eu me apaixonei..

– Alexia não me leve. eu a vi chorando. . – Ela dormiu aqui? – minha mãe já começou a encher o saco. – ela saiu nervosa do quarto. garanto. – Falei nervoso e pela primeira vez de que ela voltou. – Se eu participar de um filme de terror nem vou precisar de maquiagem. – Realmente você está horrível. – O Brian está te esperando lá em baixo no escritório. – ela secou as lágrimas com ódio. – Nunca mais entra nesse quarto. – falei nervoso. – E nunca mais coloque esse anel. – Mãe me poupe. Na boa você só vive me tratando mal.. mas porra Justin já está passando dos limites eu realmente estou me irritando. – Sai daqui Alexia. – Ai cala boca! Você só me irrita! Você não é mais o Justin que eu conheço. – Dormiu. – Eu não aguento mais. – Por um acaso aquela que passou por mim soltando fogo era Alexia? – minha mãe entrou no quarto. POV Caissy. Puta que pariu. hoje eu tirei o dia para irritar o sexo oposto. – falei me olhando no espelho enquanto caminhávamos pra aula de teologia. – ela sorriu. Não que eu ligue para isso. – Era sim. Da minha vida cuido eu..– Nada. – Aquela puta não tem nada melhor que eu. – reforcei balançando a cabeça. – peguei o anel dela que me olhou inconformada. – Eu não acredito nisso. – Não acredito que você. Você demorou e eu vim dar uma volta pela casa.. – e outra mulher saiu irritada.. – Obrigado pelo incentivo. Mas eu fiquei irritado quando vi o anel da Cassidy no dedo dela. Droga! Bufei nervoso e coloquei o anel de volta no lugar.

mas elas insistiam nesse assunto. – Não tô com vontade. – Não vocês não sabem. Melissa entrou na sala e demorou um tempo depois ela saiu segurando uma sacola. mas. – Ai você está me irritando. não sou ninguém. Isso não é uma coisa normal. – as duas ficaram em silêncio. – Você tem que fazer xixi e isso não é tão difícil. – Eu vou explodir. eu revirei os olhos e sai andando na frente até o meu quarto. mas ainda não senti vontade. Estava impaciente. – a Madre disse enquanto íamos para o nosso lugar de cabeça baixa. vocês acha que eu tenho condições pra ter um filho. quando bateu o sinal às duas me olharam fomos em silêncio até a sala de visita eu não estava com medo eu sabia que não estava grávida. – Só que se a Madre descobrir que estamos aqui você já sabe o que vai acontecer.– Essa sou eu. se eu estiver realmente grávida o que vai ser de mim? E dessa criança? Eu não sou nada. super sincera. – Você acha que é assim eu já tomei duas garrafinha de água. – ela colocou uma cadeira atrás da porta e me entregou outra garrafinha de água. – Caissy vai logo. Fizemos uma atividade avaliativa e a Claire colou tudo de mim e da Melissa. – Ai Claire você acha que é fácil? Vocês acham que eu estou grávida você tem noção de o quão grande é proporção desse negócio? – Eu sei o quanto isso deve ser difícil pra você. – Claire disse impaciente. – entramos na sala e todas já estavam sentadas. – Vou ver se já consigo fazer xixi. – ela sorriu. pude ter sido até um pouco grossa. – entrei no banheiro deixando as duas pensativas. POV Justin . – Pronto. só faria aquilo para provar que elas estavam totalmente enganadas. – falei indiferente. – Atrasadas. mas aquilo era verdade.

– Como você sabe que ela está com o Marconny? – eu ainda não conseguia acreditar naquela história. moto. – Ela pode fazer uns rolos. – O que. – Quero descobrir o esquema da Alexia com o Marconny e quero que você me ajude. – ele disse sério.. dinheiro. – Se eu estou fazendo isso é porque quero o bem dela. que tu quer? – ocupei meu lugar. – Imagino. não pra te agradar. – sorri sinicamente.Desci e Brian estava me esperando no escritório não tinha muita simpatia pra falar com ele. – Admiro a sua fraternidade. Entrei no escritório e ele estava a minha espera. Você está mais próximo dela do que eu então você pode descobrir mais coisas. – Também estou bem Bieber. mas nada daria coisas tão luxuosas a ela. – dei de ombros. – Me explica de onde vem carro. – Minha ajuda? – arqueie a sobrancelha. – Alexia não sossegará até não ficar com você. – Tudo bem. – Eu não estou tendo um relacionamento com ela. Eu vim aqui pra pedir a sua ajuda. – ele disse debochado. – Sua irmã é trambiqueira. – Eu amo a Caissy. mas com certeza o assusto deveria ser sobre trabalho. – ele debochou e eu o fuzilei. – Então precisa da minha ajuda pra que? – Sei que vocês estão tendo um relacionamento.. – afirmei. – Cara ter que suportar você já é um saco e suas piadinhas são piores ainda. – E você pretende o que com isso? .

esbravejei. Sou fria.retrucou Melissa.. – Positivo como você profetizou. mas fui eu que dei um jeito de descobrir né.– Pretendo colocar minha irmã na linha. Eu era apenas uma adolescente.. – sorri. .. – CHEGA! .. estava desnorteada.. . certo? Não. Não podia ser verdade. – Se ela estiver realmente com o Marconny eu vou induzi-la a matar ele. eu posso abortar. Continua. não saberia o que fazer. – ele pensou um pouco. – dei de ombro. – Caissy o que deu? – Claire perguntou impaciente. – É. – Eu também. – balancei a cabeça e ele saiu me deixando sozinho no escritório.constatou Claire. mas acho que nem tanto. – ele me olhou confuso. . – Brian me olhou espantado. Eu não esperava por aquilo. Droga! Eu só queria poder sumir. – Você vai fazer ela cometer um crime? – Nada do que ela já não tenha feito. POV Caissy. A verdade era que aquilo era muito novo para mim.Claire ia julgar. Voltar no passado e . – Eu quero ajudar a Alexia.It had been not so! – Eu disse que você estava grávida. mas isso é só entre nós. Afinal. quero ganhar nessa parte também. – Tudo bem eu topo. eu já tinha feito dois testes e tinha dado positivo o desespero estava me tomando. NÃO! Ele não pode saber. eu não posso fazer isso.. e eu não podia ter aquele filho.. quando a interrompi. – Já que vou ajudar. *-* Capítulo 38 .. – E me ajudar também. O pai dessa coisa dentro de mim. – falei um pouco seca e elas me olharam assustadas. – Mas você não teria.

Como assim.disse grossa.. Assim que abri a porta. eu sei de tudo isso. DROGA! Sai correndo para o banheiro. – Cassidy. Quantas meninas já não engravidaram? Elas não saíram vivas? Ponto! Não.. E assim elas saíram.Claire ia dizer algo. – Cassidy. Sim.. . Era de ferro e afiado.respondi sem pensar. Minha cabeça girava. mas Mel a interrompeu. . não precisa ficar me falando! ... Vamos avisar a madre que ela está com dor de cabeça. – CALA A BOCA CLAIRE! Merda. . eu não sou! A vontade de chorar aumentou meus olhos já estavam úmidos. me certifiquei de trancá-la antes de mais nada. . Eu não aguentaria muito mais.. MERDA! As meninas continuavam falando.gritei nervosa. – Que seja. E tem o J. é como se eu estivesse chorando por nada. nós vamos te ajudar. eu estou esperando uma criança? Como? Eu não posso tê-la. é como se nada daquilo nunca tivesse te pertencido. mas a verdade é que nada poderia mudar o fato de meus nervos estarem á flor da pele. agora me deixem. me deixando a sós.. mas aquele não parecia ser um motivo suficiente para eu chorar... A única certeza que eu tenho e a única coisa certa em tudo isso é que o Justin NUNCA ficará sabendo sobre isso. eu vou ser punida e talvez ate mesmo expulsa.cochichou ela. logo sua barriga começa a aparecer e. . eu faria isso. apenas com meus pensamentos e uma criatura que estava crescendo dentro de mim.Mel disse tentando me acalmar.. nada daquilo te pertence mais..Claire disse.. Primeiro que quando o convento descobrir. – Calma Caissy. poderia funcionar. Elas podem ser fortes.Melissa perguntou estática. um alicate de unha. mas ninguém precisaria ficar sabendo disso. – Deixa. .. . Meu rosto já estava formigando.nunca ter ido para aquela casa.. Ele! Eu estava estranha. eu iria chorar. mas logo. mas agora me olhavam estranho. na verdade. meus olhos estavam embaçando. Só queria que nada disso estivesse acontecendo comigo nesse momento. Eu realmente não sabia o que fazer. – Bom. ponto nada. eu sou fraca. – Eu não sei. A verdade é que eu não sabia de nada agora. Eu não tenho condições. o que você vai fazer? . Não queria correr o risco de ser pega fazendo o que eu estava prestes a fazer. e agora tudo isso vinha seguido de uma vontade imensa de gritar. NUNCA! Incrível como uma hora você tem tudo e de repente. Vasculhei as gavetas do banheiro e ali encontrei o que poderia surgir algum efeito sobre mim.

Dela. – Que? – perguntei confusa. – disse e ao escutar o nome. Coloquei um short curto e uma regata. que saudades! – Pattie disse ainda me segurando entre seus braços. passei a mão por minha barriga... odeio minha vida! Assim que cheguei á recepção. Eu havia engordado! Maravilha! Decidi colocar uma calça e uma blusa mais soltinha. – O que é? – perguntei grossa e a irmã Carmem sorriu falsamente. derrotada e segurei firmemente o objeto pontiagudo. ou algo tão grande quanto para tampar meus cortes e ser largo o suficiente para disfarçar minha barriga.. Ali eu estava me culpando por ser tão. – Irmã Cassidy! – gritaram da porta. Como sentia sua falta.polyvore. Levantei-me de súbito.. A Senhorita Mallete está a te esperar lá em baixo.locale=pt-br) Ao terminar. fui recebida pelo abraço reconfortante de Pattie. Não havia sangrado. mas boa. por ter me entregado. Respirei fundo e algumas lágrimas escaparam de meus olhos. mas não estava a fim de me arrumar. Odeio essa sensação. mas o short estava um pouco apertado e a blusa. mas havia cortado e estava vermelho. assustada. lavei meu rosto para esconder a cara de choro. por isso. Vamos! – Carmem disse balançando os braços na minha frente. Abri a porta e cruzei os braços com o intuito de esconder as marcas do meu momento de fraqueza. a Madre deixou você ir dar uma volta com sua tia. como se todos já soubessem e me avaliassem sobre isso.Sentei-me no chão. Ela veio sozinha? Ele está ai? O que ela quer? As meninas contaram para ela? Será que ela já sabe? O QUE ELA ESTÁ FAZENDO AQUI? – Irmã Cassidy. então eu poderia facilmente colocar um moletom. .. – A Senhorita Mallete veio te visitar. – Oi querida. – Vá se trocar. passei um deliniador e sai no corredor. Falta de seus carinhos. Ótimo. (http://www. Ri com aquela atitude boba. e guardei o objeto novamente na gaveta.. gelei. Estava esfriando. Eu. Ela disse e se retirou para que eu pudesse me vestir... mais essa agora. conselhos e.. por isso peguei uma roupa qualquer. Por ter me apaixonado. Rodopiei pelo quarto a procura de alguma roupa decente. Parecia que todos os olhares estavam sobre mim.com/cgi/set?id=45134301&. Friccionei o objeto contra meu braço e deslizei-o com dificuldade por uma pequena extensão..

O shopping estava cheio.. Crianças correndo.. todos os momentos que vivi vieram á mente. é estranho saber que tem algo crescendo dentro de você sendo que não há preparo nenhum para isso..– Pois é. Bom. e acho que funcionou. eu vou beber água.. e elas são perfeitas. – Se perdeu? – Pattie perguntou próximo á mim. Procurei o bendito bebedouro. De repente.. – Pattie. abriu uma nova loja de lingerie. amando. Pattie. Pattie. eu acreditava que podia ser feliz. mas eu estava em um conflito interno. Tudo o que ela perguntava eu sorria. Rodopiei meu corpo e de repente parei. – ela disse saindo da cabine. Bom. em compensação Pattie. Será que seria certo contar para Pattie sobre o.. Ela não precisa saber que é do Justin.. como se... Lotado de pessoas gastando.. – disse meio risonha. – disse e ela me afastou um pouco. as conversas. Ah. Ver aquilo me deixou mal. Pattie parecia feliz. Eu não sei. a mulher experimentou a loja toda.. constituir uma família. Entramos numa loja e eu não quis ver nada. vamos? – ela perguntou e eu concordei instintivamente. mas ela parecia tão feliz achando que estava me fazendo feliz que eu achei injusto negar isso á ela. mas não tinha nada por ali. A encarei meio desnorteada e ela riu.. observando. Assenti e sai.. mães amamentando. antes de descobrir que a vida é uma merda. Queria dizer que não estava a fim. por que. Os passeios com Pattie. lá vem essas malditas lágrimas novamente. – Ok querida... namorando. Eu vou passar algumas coisas e te encontro lá. Pattie. respirar um ar diferente. – disse depois de uma hora vendo ela se trocando. Estávamos no shopping. casais se beijando. certo! – Chegamos! – Pattie anunciou ao parar o carro. as desculpas que eu dava por estar com as roupas de Justin.. – Linda essa loja né? Ainda me lembro de quando ficava horas comprando roupas . a segui até seu carro. curtindo. o mesmo que viemos quando ela me fez fazer compras. ficar velhinha ao lado de alguém que amo. como aqui parece ser meio tedioso.. – Caissy. e resmungava algumas coisas incentivando-a a prosseguir.. o namoro que ela não sabia que existia dentro de seu próprio teto. – Bom. Sem trocar muitas palavras. que seja acho que ela é a única que pode me ajudar. Justin! Droga. Acho que eu nunca seria tão feliz assim. é no final do corredor. Antes de tudo. certo? Sim. Pattie. eu achei que você fosse querer dar uma volta. Passei a mão pelo rosto tentando impedir as lágrimas de caírem. A coisa dentro de mim? Digo coisa.

– Obrigada Pattie. e o pior. – Pattie disse me afastando e ajeitando sua bolsa em seus ombros. Tentei forçar um sorriso.. Concordei e a segui. – ele disse apagando o charuto e me encarando. Você faz tanta falta. boas e ruins. vi uma criança revoltada tomar o lugar de um rosto angelical.. mas saiba que quando quiser voltar eu estarei te esperando. acho que exercendo a profissão dele. mas ela pareceu não ceder aos meus encantos. – ela disse fitando a loja de bebes que antes eu encarava.. – gritei nervosa. isso não é legal. – Ele estava bêbado e drogado. e além do mais. – Você ainda não se desligou dele minha deusa. sempre vem Alexia e ele juntos e. . acho que não tenho coragem de dizer para ela tudo o que está acontecendo. POV ALEXIA – Não entendendo porque você está tão zangada. – Não importa nada. Você passou a noite toda com o Bieber. a criança estava com o pai... – Não Pattie. – Querida. – Marconny acorda. – E o que isso importa? – ele perguntou dando de ombros e um pouco desconfiado. me vi sendo afastada dela. mas de repente. mas eu sou mulher e isso é um pouco constrangedor. Não estou preparada para lidar com o Justin novamente. ele achou que eu era a Cassidy. – Caissy. viessem á tona como um filme. Bom.para o Justin. é que no fim. Me imaginei cuidando de uma criança. querida. eu te entendo. você está bem? – Pattie perguntou.. As palavras pesavam.. – Pattie disse melancólica. você sempre será bem vinda e as portas de casa estarão sempre abertas para você.. – Podemos ir? Eu não estou muito bem. era como se todas as coisas. O pior. aposto como assim é melhor. – disse deixando-me ser envolvida por braços quentes. volta pra casa. ela parece muito frágil para ter de lidar com meus problemas também. – perguntei e ela me encarou confusa. É. Balancei minha cabeça tentando tirar aquelas imagens de minha mente e me virei para Pattie. pois ao pronunciar o nome dele.. Ele estava tendo alucinações não transou comigo porque sentiu prazer. pelas quais passamos.. – Então vamos. não podia me mostrar confusa. – Tudo bem querida. – assumi pesadamente.

Só que é mais fácil quando a pessoa tem sentimentos por você.. – Também achava isso de você. – Então prove. – menti. – Não tenho coração.. –Não é assim tão fácil. – Você me deu um prazo então eu não tenho que me apressar. aquele cara era um puto. já não aguentava mais ele pegando no meu pé.. – Seria tão mais fácil se você já estivesse terminado com isso. Transava com tudo quanto é tipo de mulher. – sorri muito feliz.. Sei que não tenho. – O tempo está passando e não estou tendo resultado. – Sim se mudar. – ele disse se aproximando e acariciando meu corpo.. – Sem essa. – E meu apartamento? – perguntei mudando de assunto. – Você já está transando com o cara e vem me dizer que não é tão fácil? Achei que você era mais esperta. – Já está pronto.– Eu já não penso nele há muito tempo. finalmente iria sair da casa do Brian. – Como assim já está pronto? – Pronto ué.. – É Deusa o Ap está esperando por você. – senti meu corpo gelar.. – Não preciso que você ache nada de mim. É só pegar minhas coisas e. – falei entre dentes. – falei sem incrédula. – Então. – Não acredito. Só você se mudar pra lá. que agia mais com a razão do que com o coração. Termine sua missão o mais rápido possível. – o afastei de perto de mim. mas não passou de sexo. por mais que minha ganância fosse grande o Justin sempre foi e sempre será o amor da minha vida e quando ele me chamou de Cassidy senti um ódio incontrolável. . mas nossa relação era apenas negócio dei pra ele umas quatro vezes..

o meu novo lar. não porque ele foi até minha casa. – Onde você estava? – ele perguntou assim que fechei a porta. se não fosse notada pegaria minhas coisas e só ligaria depois avisando que já tinha metido o pé.ele empurrou um chaveiro para perto de mim com um papelzinho era o endereço anotado. – não estava com saco para aturar o pateta do meu irmão. tenho que arrumar minhas coisas e você está atrapalhando. – dei um tranco soltando meu braço. – ele segurou em meu braço me impedindo de subir. – Porque você não enche o saco da piveta? Aposto que ela é muito mais importante que eu. – peguei as chaves e sai sem dar tchau. – Eu não quero o Bieber por lá. . – Mas não meu dono. – Onde fica? – No meu condomínio. –fui em direção à escada. – Sou seu irmão mais velho. Cuide bem dele o que eu te dei foi um dos meus favoritos. – Não lembro quando foi que comecei a dever satisfações a você. Sua Casa? – ele disse sorrindo. Queria pegar minhas coisas logos e vazar daquela casa. – Ele está fissurado naquela garota tenho certeza que quando eu o ver vai ser porque eu fui atrás. – joguei a chave da casa dele em cima da mesinha de centro. – Alexia não muda de assunto. não aguentava mais as pressões do Brian me cobrando as coisas. então conseguir o meu não foi tão difícil. – Não estou mudando de assunto. Brian me solta. – Já está assim. – falei querendo me livrar dele. Peguei um taxi e fui o caminho todo decorando o meu novo endereço. – Marconny aplicava boa parte do dinheiro dele em condomínios fechados em apartamentos. onde eu poderia me esconder e ter sossego.– E as chaves? . Eu só queria ir embora daquela casa. – Você vive na minha casa então querendo ou não me deve explicações. – Sou muito rápida. Abri a porta devagar. mas minha tentativa de não ser notada foi em vão Brian estava na sala quando entrei.

– Alo! – disse ríspido. a Caissy era tudo pra mim. mas ele me impediu de fechar a porta quando entrei no quarto. – Como assim? – perguntei. mas eu sou muito burro! Levantei da cadeira revoltado e joguei um vaso que enfeitava a mesa no chão. que coisa de gay. Na verdade. Eu ainda não acreditava no fato de Alexia estar envolvida com o Marconny. Quem é o filho da puta? Atendi mesmo assim. agora está morando num apartamento. eu podia descontar minha raiva nesse corno. Meu nariz estava dormente. – Vai pra onde? – Não interessa. – o empurrei pra longe de mim e subi as escadas correndo. senti minhas bochechas arderem. é o Brian! – uma voz rouca disse do outro lado da linha. – Ai me erra seu bocó. – Você não vai sair daqui sem me dizer pra onde vai. .Filho de uma puta. e de repente a vadia vai embora. – Brian disse sério. mas foda-se! Minha cabeça estava á mil. POV JUSTIN Já era a terceira carreirinha. Não vou aceitar essa sua vida.. – ele meteu a mão com força em me rosto. eu já devia ter imaginado. Metendo mundo.– – Estou Arrumar vazando suas coisas pra que? o pé – no ele perguntou – sorri confuso. Esperei falar mais alguma coisa. Afe. afinal. irônica. – Eu e Alexia brigamos e ela saiu de casa. O vidro espatifou no carpete assim como meu coração havia se quebrado quando Cassidy se foi. Número sem identificação. – Olha aqui sua vagabunda. Não vou aceitar você vivendo que nem puta sou seu irmão mais velho e você não vai virar coisa pior. Como isso é possível? Meu celular começou a berrar no bolso da calça e eu o saquei nervoso. – Vai se fuder Brian. – gritei nervosa e sai dali deixando tudo pra trás. Acho que você terá noticias minha. – Justin. isso não importa. maninho.. . – falei entre dentes colocando a mão onde tinha recebido o tapa e o encarando com ódio enquanto ele me olhava – Alexia você não pode. mas velho. assustado.. – ele gritava nervoso.. – Se eu sou puta ou não.

Brian deu as coordenadas e desligou. – Ela está na cobertura. Pelo o que me lembro aquele lugar ficava em uma propriedade privada. – Ta. de novo. a garota disse que não aguentava mais morar comigo e vazou. Não encontrei minha mãe pelo caminho. Entrei no elevador indo para o último andar. – Então é aqui que você está se escondendo. Apertei três vezes a campainha. Tive que ligar novamente para o Brian tinha esquecido o numero e o andar do apartamento. Desci as escadas com raiva e dispensei todos os otários que apareceram na minha frente. Principalmente se estiver realmente envolvida com o filho da puta do Marconny. – porra. Muito estranho. vai embora. – escutei ela gritar e apertei a campainha outra vez impaciente. e a velha devia ter ido fazer compras. mas meu carro chamava muito à atenção e no mínimo o imbecil achou que eu morava ali e abriu o portão me deixando entrar. – Não vai me apresentar sua casa? – empurrei a porta com força entrando no apartamento. Como ela havia conseguido comprar aquilo? Biquei o carro de frente com a garagem do prédio e o porteiro ficou me olhando por um tempo. sendo seco. – disse sorrindo assim que ela abriu a porta e ficou assustada a me ver. valeu. a Alexia estava tendo alguém do cacife muito grande que estava a bancando. o prédio era luxuoso e cada vez mais algo me dizia que a Alexia estava em uma furada muito grande. – Qual é o número e o andar do apartamento? – perguntei assim que ele atendeu. . – Vai embora. – Justin. Alexia que me aguarde. por favor. cobertura? É. Coloquei o endereço no GPS e acelerei indo correndo até a tal casa dela. Assim que entrei no carro acelerei e fui correndo até a casa dela. havia duas porta no andar a da escada de emergência e a do apartamento. Onde fica esse apartamento? – perguntei seco. – Já vai. – ela disse abrindo a porta. Agora eu começava com meu plano. – ela tentou fechar a porta. mas eu a impedi colocando o pé na frente. Vadia vai pagar por tudo o que me fez. – Porra eu falei que já vai. – disse debochado.– Assim porra.

Eu entendo o que aconteceu hoje de manhã.– Vim te ver. Alexia riu e agilmente começou a rebolar em meu colo. Meu pau já estava ficando duro.. Coloquei Alexia de quatro e a penetrei com força. Ela deu um solavanco para frente e gemeu. mas que se foda! Eu estava prestes á gozar. Alexia tentou me tocar. Tomei seus lábios com veracidade. . Ficou a marca de meus dedos ali. Arrastei-a até uma parede de vidro que dava para a piscina e voltei a devorar seus lábios enquanto suas mãos percorriam meu corpo. Quem mandava aqui era eu! Rasguei sua calcinha e me despi rapidamente. bem profundamente. Não queria coisa demorada.. enquanto ela tentava rebolar. Tirei minha camiseta e nos afastamos um pouco para que cada um tirasse seu short. mas ajudaria no plano. mas eu odiava provocações e principalmente ser domado. mas confesso que dessa vez eu estava um pouco sóbrio demais para sentir algo. – Recompensar? – perguntou maliciosa e eu assenti. – Sim. Apertei sua cintura e arranquei sua blusa rapidamente. Comecei a entocá-la com força. caindo com ela sentada em meu colo. ela tinha mordido a isca. sem nem avisar. e o que eu pretendia não necessitava disso. e quando sua vagina mastigou meu pau. senti seu liquido escorrer e gozei também em seguida. – ela estava um pouco nervosa. Não era um beijo como o da Caissy. Alexia era boa. Ela se contorceu. mas bati em sua cabeça para que deixasse que eu fizesse o trabalho. Ah Alexia. claro! – debochei e entoquei mais uma vez. eu sei que seria ruim para meu coração. aquilo era frio.Alexia disse ofegante. – Jus. e te recompensar. eu sabia que você voltaria pra mim... mas não passava de um beijo. – Oh Justin. Porque você está me mandando embora? – analisava tudo com cautela. mas eu a interrompi. Alexia pulou em meu colo e eu cambaleei até uma cadeira de praia. você que se cuide! Puxei-a com brutalidade para mim e nossos corpos se chocaram. – Não. Bom. Isso. deixando-a apenas de sutiã. mas não faria isso antes dela. – sorri malicioso e ela parou. . – Alexia tentou dizer. fiquei com saudade. não! Eu estava pensando em pedir desculpas agora. – Tudo bem você pede desculpa outra hora. – Cala a boca vadia! – disse e dei-lhe um tapa estalado na bunda. Esperei algum sinal de que ela estava satisfeita. Tentei imaginar Caissy ali.

senti-la satisfeita e a preenchê-la com um pouco mais de mim.I Gonna Live My Life POV Caissy.Alexia disse um pouco descontrolada. Os dias pareciam ser mais longos.. 1 Semana se passou. mas aos poucos eu construía meu coração novamente. alguém que amarei a minha vida inteira.. algo que me falta. ele não estava aqui não o tinha comigo. Sem perceber estava pressionando meus lábios e com uma mão pousada em meu tronco... *-* Capítulo 39 .Alexia se virou para mim e tentou me beijar.. – O que foi agora? . em um conflito interno torturante. Encontrava-me em uma sessão de desespero. pois. . agora vai embora. Suspirei pesadamente e ao olhar para o lado vi uma Alexia revoltada. Dentro de mim havia uma coisinha pequena crescendo e eu não sabia como lidar com isso... mas eu a afastei.. Não me reconhecia mais. Você já me comeu. Continua. Eu me afastei para encarar a dor.. Eu ainda sentia falta eu ainda me sentia vulnerável. mas preciso de forças. era apenas o desejo que o meu corpo sentia por alguém que não estava mais presente.ela gritou nervosa entrando. . Fechar meus olhos para adormecer era o único momento onde se havia paz dentro de mim. já se saciou. Lágrimas não se tinham mais era só apenas a dor que vinha da alma. Queria poder ter.perguntei confuso. com a Caissy novamente. precisava restaurar a minha alma encontrar uma nova forma de ser feliz. 2 semanas se passou. os pensamentos pareciam ser mais severos. nunca sofri tanto assim por alguém! Nunca doeu tanto amar alguém. Por quê? Porque tem que doer tanto? Eu simplesmente não posso esquecer? Só quero tocar minha vida. Eu não estava entendendo nada. Precisava esquecer aquilo que me perseguia nas noites. tem alguém que depende de mim. Quero escutá-la gemendo meu nome. Vaza daqui. mas eu não podia ir embora tinha que conquistar a confiança dela. – Vai embora Justin. Vesti minha boxer e sentei ali na cadeira olhando para o céu. nem que fosse uma rapidinha assim. .. Revirei os olhos. Agora mais do que nunca sei que não estou sozinha sei que tenho que me recuperar! Não é um querer é uma obrigação. – Acha que não sei no que está pensando? – perguntou irônica.

estão se liberando. mas ele não entende. – Melissa disse em um tom triste enquanto abria a porta para elas entrarem. Talvez eu nunca mais veja o Justin. não pensava mais em desistir. – Claire se jogou em minha cama e Melissa se sentou ao chão. Concentrava-me mais nas aulas deixando o que passou perdido em algum lugar da minha mente. eu tinha um presente precioso e agora esse seria meu foco. Pattie. O tempo estava se passando e as coisas que estavam presas dentro de mim. só conseguia lembrar-se dos momentos bons que vivi com o Justin. mas eu sempre irei me lembrar dele quando olhar pra essa criança encontrando traços dele nela. estava esperando as aulas acabarem assim eu começaria a fazer o tratamento. eu tinha algo mais importante para amar. Tive muito tempo para pensar em minha vida.. organizar meus pensamentos. tive muito tempo para me recuperar. tínhamos que ter uma conversa séria. – Mel você não pode continuar com o curso seu pai não pode te obrigar. – ela tapou a boca. . – Foi mal. 1 Mês se passou. – Claire disse em um tom alto no corredor e eu senti vontade de socar a cara. Brian. saia mais do meu quarto e arriscava a dar sorrisos mostrando que aquilo estava passando. Eu voltei. A parte foi se foi.3 semanas se passou. – Caissy fala pra Melissa que a madrinha do seu filho vai ser eu e pronto. buscava forças dentro de mim para continuar. como se minha mente houvesse bloqueado. – Menos eu. – Ainda não acredito que só faltam duas semanas pra gente se formar e meter o pé daqui. Ainda não tinha ido a nenhum médico. Fazia as coisas da rotina. – Claire disse empolgada. meu filho. – Eu já disse que não vou ser freira que não quero isso pra mim.. – Isso Claire anuncia no jornal. Claire e Melissa estavam contentes com a minha recuperação. aprendi a controlar minhas emoções! Esse tempo todo que passou tive um tempo para me encontrar. Aprendi a lidar com os meus sentimentos. não tinha mais lamentações nem choro. Muito mais do que ficar presa em um quarto chorando por amor. Como se não houvesse existido.

né? A gente vai se divertir de mais. – ela sorriu.– E se você contar que não é mais virgem? – perguntei inocente. – Ai ele poda minha vida. – Claire disse empolgada. – Lembra quando você jogou vodka na cara do Justin? Então é lá que a gente vai. – Fala logo Claire. – Claire e eu rimos. – O Duke chamou a gente pra sair amanhã pra uma boate muito legal. Caissy a gente já foi nela uma vez. – Então fala você primeiro. – Não fala você. Ah meu Deus. – Claire gritou. – A gente vai! – Acho que eu não preciso dizer mais nada. – Ok. – Claro. – Melissa e eu rimos. – o que eu tinha para falar era um pouco duro. – A gente vai? – Melissa estava empolgada. mas as coisas vão ser bem mais do que o normal. – Cassidy eu odeio o Justin por tudo o que ele fez. porque depois não teremos a mesma adrenalina de pular o muro desse convento para fugir. – Tenho uma coisa para falar com você. – Depois vou viver vida de vadia. – Não eu não vou voltar. – E você Cassidy vai voltar para casa da Pattie? – respirei fundo para começar. – Não vejo a hora. que venha muitas festas nessas duas semanas. Porque graças a Deus está acabando. mas você não pode tomar essa decisão assim. – elas me encararam. – De novo esse assunto Claire? – perguntei irritada. eu sempre fugi do assunto pedindo tempo para pensar.. – ela riu. – Claire sempre foi a favor de eu contar para o Justin. mas agora já tinha tomado minha decisão. – Eu também. – sussurrei. mas. Não que eu não seja uma. – Você gostou de ficar sem pai? . – faleis sorrindo..

– Garota severa. – Não. – Essa é a pior decisão que você já tomou. – Mas eu queria dizer uma coisa pra vocês. – A não Cassidy. O Justin nunca vai saber. Porque a final as madrinhas não podem ficar sem ver o baby.. – elas riram e me abraçaram. não estou só vou esperar a formatura e depois vou ir. – Embora? – Melissa disse assustada. Vou pedir para ele vender a casa da minha mãe e vou usar o dinheiro pra ir embora. qualquer coisa me fazia chorar. sempre vou mandar fotos. – Vocês vão à minha casa. – Eu não acredito.– Presta a atenção em uma coisa. mas a gente sempre vai estar com você. você só pode estar de brincadeira. POV Justin. – Juro que se vocês não forem me visitar eu mando uma bomba pra onde quer que vocês estejam. – Eu vou contar pro Brian. um mês sem a Cassidy acho que estava no meu máximo. ele nunca vai ter notícias de mim. Vocês eu sempre vou manter contato. Uau! Um mês já havia se passado um mês. – Melissa disse rindo. não acredito que você vai embora. – elas sorriram com a notícia. o Justin. – disse sorrindo e controlando as lágrimas porque como eu andava muito mole.. – Mas só vou contar porque preciso da ajuda dele. Isso foi um presente do meu amor e do Justin para mim nunca me esquecer de que eu amei um cara! Um único cara durante a minha vida. nós e o bebê? – Vou sumir e ninguém vai dar falta de mim. – Sim. – elas me olharam esperando eu começar. – Mas e a Pattie. – Claire disse com a voz chorosa. – E você e esse cara não poderiam viver juntos? Criar esse filho juntos? – Eu já tomei minha decisão. Não tinha conseguido nenhuma pista sobre o envolvimento da Alexia e .

trancado dentro do escritório quando Alexia entrou usando uma chave de fenda. – ela falou de um jeito provocante. – ela falou fugando o nariz. Uma porque minha mãe ficava implicando mais ainda comigo e outra porque essa casa era onde tinha as melhores lembranças da Cassidy e a Alexia atrapalhava. – Não tô a fim de fuder. Não queria conversa. aprendi a fazer umas coisinhas novas que você vai adorar. – Sou louca por você. – Você. – Vai embora caralho. outra hora está estressado e outra como essa está derrotado. como se o meu corpo necessitasse de algo além do que eu podia. – Não vou! – ela cheirou o pó que eu ia cheirar. – comia a idiota por comer porque ultimamente nem prazer ela estava me dando. quando precisava me saciar com algo melhor ia com o Ryan e Chris comer umas putas. e para fazer isso bem tinha que estar bêbedo ou drogado. depois eu ia lá na casa dela dava mais uma checada na coisas comia ela e voltava. Não andava me sentindo muito bem. Estava na mesma situação na minha rotina. – Me deixa em paz! – Não aguento mais te ver assim.o Marconny já estava desistindo disso. – ela sorriu se aproximando. Eu estava meio que travando sempre que comia a Alexia lembrava da Cassidy.. – ela sentou em meu colo. queria ficar na minha. – Tenho certeza que você nem sabe quantas vezes tem cheirado por dia. – ela me encarou. – Você não tinha parado com o pó? – teve uma época que Alexia tinha ficado viciada no pó ficou em uma situação deplorável e eu não via a usando isso há muito tempo. mas eu realmente não gostava quando ela vinha aqui pra casa. – Levanta dai a gente tem muita coisa pra fazer. . – Você é louca. – Foi mais fácil do que eu pensava. Se continuar assim nem preciso dizer pra onde você vai. – O que você quer? – falei sendo seco e desanimado. – Pro Brian sim. Uma hora você tá bem.. – fiquei em silêncio. – Sou.

– Me convença! – Não quero te machucar vai embora.. – puxei o cabelo a fazendo me olhar. – Cassidy a gente só tem mais duas semanas juntas. POV Caissy. – Ai gente mais a Caissy tá grávida será que não vai ter problema? – Melissa disse preocupada. – É isso que eu quero você me machucando. Chamei o Jason até minha sala. ele iria seguir Alexia porque agora eu tinha certeza que ela iria até quem estava a ajudando e ai sim eu iria entrar em cena. não agora. . – Que foi? Não consegue mais dar conta disso aqui? Perdeu o pique? É muita areia pro seu caminhãozinho? – ela continuou fazendo movimentos. – ela sentou em meu colo. – ela gargalhou.. – E vai ser. – sorri.– Idai? Mais eu estou. – Você é chata. – falei com a voz um pouco vacilante quando ela abriu minhas calças e apertou meu pau. – mulher de bandido do caralho. Não agora. – ela disse rindo. – Tô grávida. – Você é muito otário. – Eu sei. – Eu não quero. mas não doente. – Você não perde por esperar Bieber. – ela me olhou com ódio. – Vai embora. – Sai! – me levantei a deixando cair no chão. – ela foi mais rápida e conseguiu se soltar. – Quando eu estiver a fim de comer você eu vou atrás não precisa vir até mim. Merece tudo o que vai acontecer com você e mais um pouco. Então eu quero que a festa de amanhã seja inesquecível. filha da puta não queria comer ela. Eu não perco por esperar? Essa vadia estava muito enganada. – O que foi que você disse.

Cortei então dois palmos deixando a saia super curta eu iria fazer a Madre enfartar. não iria me estressar antes da hora. – Bom dia. ficar grávida até que tem suas vantagens. É como se estivesse um pedaço dele junto de mim. ainda não está bom.Decisão O celular tocou alto me fazendo despertar com uma mensagem do Brian avisando que estava chegando. e o bom humor continuava. estava tendo que amadurecer sozinha para viver uma vida que complicada. meus peitos e glúteos tinham dado uma boa aumentada. tomei um banho. Estava de calcinha e sutiã parada em frente ao espelho. Estava com vontade de ser rebelde.. coisinha que vive dentro de mim. – meu celular vibrou. não sei de quantos meses exatamente eu estou. acordei feliz encarando as coisas com muito mais naturalidade. Fiz minha higiene matinal. CONTINUA. Simplesmente não sabia o que tinha acontecido comigo. sorri com a minha arte. mas acordei com um bom humor invejável. a madre sempre desconfio que eu e a Claire cortava as saias então dessa vez iria levar uma bronca justa.. – Caissy. Ao invés de fazer tranças como se manda as regras do convento deixei o cabelo solto. A claridade já invadia meu quarto me obrigando a levantar. – Caissy? – ela bateu outra vez. Não sei por que.– Ah eu sei né. eu estava feliz.. pois a hora estava chegando e eu tinha que acertar minhas decisões. – Melissa bateu na porta. *-* Capítulo 40 .. Beijos Brian” Senti um frio na barriga. Eu simplesmente estava contente. Estava demorando. – pulei da cama feliz tinha dormido bem. estava animada! Por mais que daqui algumas horas tivesse uma conversa e uma decisão definitiva. a cada dia que passava eu estava preenchendo o amor que sinto pelo Justin com o que já sinto por essa criança. . “Amanhã bem cedinho eu estou ai para saber o que de tão importante você tem para me dizer. estava com disposição e preparada para qualquer coisa. Milagre. fiquei feliz em saber que iria ver aquele loiro chato. Peguei uma tesoura e cortei dois dedos da minha saia há deixando um pouco acima do joelho. Claire e Melissa não tinham ido me acordar. Estava determinada a não pensar em nossa conversa. mas já se formava um volume pouco visível em minha barriga. mas vai que.

– ela colocou as mãos na cabeça. às vezes Melissa era um pouco tímida e tinha medo das coisas.1. ficamos nos encarando por um tempo depois caímos na gargalhada. – peguei a tesoura e entreguei pra ela. – Caissy? Você tá louca? – ela olhava a blusa abismada. – Vocês estão com intenção de virar esse convento de cabeça pra baixo? – Esse é o espirito da coisa. Claire. – Eu não quero nem ver as consequências disso. Claire estava demorando para vir aqui aposto que ela estava aprontando assim como eu.– Entra! – Bom diCASSIDY O QUE VOCÊ FEZ COM A SUA SAIA? – ela perguntou assustada me vendo vestida. Bem que ela disse que iria fazer esse convento pegar fogo. – Aposto que a Claire também tem uma surpresinha. – sorri. – Você está pedindo pra ficar fazendo penitencia. – Você disparou o alarme de incêndio? – perguntei incrédula.3. – disse a fazendo rir.4. – Ué decidi mudar o visual um pouco. – dei um beijo estalado na bochecha dela a fazendo rir. – dei de ombros.2. – ela respirou fundo. Que entrou no banheiro para cortar uma parte da saia. – Melissa para de ser brega só temos mais duas semanas nessa merda vamos aprontar. Enrolei a parte de trás da blusa e prendi nas costas deixando minha barriga de fora. – Você não vai ficar de fora né? – ela pensou um pouco. Do nada o sinal de incêndio foi disparado e Melissa saiu assustada do banheiro me olhando. buscando ar porque não estava se aguentando de tanto rir. – Daqui 5. já esperava por essa. – É disso que eu estou falando. me aproximei e estourei dois botões da blusa dela deixando ela com um decote perfeito. . – Onde está a tesoura? – ela disse sorrindo. sorri sapeca. – Claire entrou correndo no quarto se matando de tanto rir. – Vocês. – Vocês têm que ver o caos que está lá fora. – Não.

POV Alexia – Não posso mais ficar escondendo as coisas do Justin. – disse rindo. – ai como eu odeio gente lesada. – eu e Melissa gritamos em um couro. – É. – Então vai lá conta tudo pra ele. Não me voltar contra ele. – Você atirou na namorada dele. Não posso mais ficar nessa com você. – sorri irônica. – Eu vou contar tudo pro Justin. Eu tenho um objetivo que é proteger a vida dele. – Queridinho você entrou não tem mais jeito de sair. – a saia dela estava bem mais curta que a minha e da Melissa e ela tinha feito um top com a blusa. – Ah meu deus. – Jason dizia nervoso. – ela se recompôs. – ela caiu sentada de tanto rir. mas é a mesma coisa de falar grego. . – Puta que pariu. – Até você Melissa. Não estava dando mais certo enrolar aquele Mané ele tinha descoberto tudo sobre mim há algum tempo. – Mas prefiro o meu. Vamos fazer essas freiras erguer o saiote de tão loucas que vão ficar com a gente. – gargalhei. – Ele vai me entender. Tudo que sei ele vai ficar sabendo. – Mas ele é meu patrão. – ela disse notando a Mel se arrumar. – Sua louca. – Gostei do seu uniforme. Só que não vai mudar em nada ele vai continuar te maltratando e te tratando feito lixo. – disse rindo. invadiu a casa dele e eu já nem sei mais quais são suas intenções. – Vai contar até o sue envolvimento comigo? Vai contar que estava traindo a confiança dele? Que estava servindo ao inimigo dele? – estávamos nos meios dos arbustos do jardim da casa do Justin. sempre disse pra aquele idiota não manter contato comigo por ali.– E coloquei fogo em uns papeizinhos no laboratório de química. mas sexo e alguns trocados estavam segurando ele.

– nisso ele não mentia. –ela estava assustada. Liguei para o Marconny me encontrar em . Caminhei um pouco até onde vinha o som me deparando com uma nojenta encolhida no meio das folhas. – ele olhava Nanely estirada no chão com pena. – Não o que vadia? – eu iria matar aquela vaca para amedrontar o Jason. – Ninguém pode ser melhor que ele.. – escutei um barulho. – Ela sabe de mais.– Estamos falando do Bieber. – Não deveria mentir se pretende ir para o céu. – ordenei e ele ficou parado me olhando. – Sei que ele pode não aceitar. – E sua família? Você estava ganhando mais comigo ou com o Bieber? – Eu não posso mais fazer isso Alexia. – Estava ouvindo minha conversa? – Não. – Vai imprestável o que quer? Que eu a mate aqui mesmo? – mais que depressa ele tomou Nanely nos braços e colocou no porta malas. – A garotinha tá com medo? – os olhos dela brilhavam com as lágrimas. – E-Eu. mas ignorei preferia não pensar que houvesse alguém escutando aquilo. – outra vez o barulho. – Errado é você se humilhar sabendo que pode ser melhor que ele. mas o que estou fazendo é errado. eu estava. porque já era gente de mais sabendo do meu segredo e eu não gostava dela mesmo. não Alexia não. – ela estava tremendo. Mas desta vez me incomodou tive que checar para saber o que era. – não deixei que ela terminasse a levantei pelos cabelos. – sorri maquiavélica. – Põem ela no porta malas do carro. mas eu tinha que usar armas para convencer aquele idiota a não contar.. – Eu não ouvi nada juro. – O que você vai fazer com ela? Alexia é só uma menina. – O que você está fazendo ai? – perguntei pra filha da empregada que me olhou assustada. no mínimo quando ele souber de tudo isso vai colocar sua cabeça a prêmio otário. Jason me olhava incrédulo. Mas aquilo seria uma grande estratégia para continuar mantendo o Jason ao meu lado sem abrir o bico. – dei uma cotovelada na nuca dela a fazendo desmaiar.

– Sorvete hoje? – perguntei mudando o foco ele estava a me encarar dentro dos olhos me deixando mais nervosa que o normal. Você está em um convento. É isso mesmo comentei com ele da festa e ele já se . – dei um soco no braço dele. estava um pouco nervosa enquanto caminhava pra sala de visitas para me encontrar com ele. certo? – ele me afastou analisando minhas roupas. falou sobre Ryan. ficou contando cada coisa. sobre os carros que ele comprou e até sobre o terno novo que ele comprou pra usar na minha formatura. Saímos do convento e fomos tomar sorvete em uma sorveteria próximo ali. Chris. – Bem. – ele balançou a cabeça rindo. No estado que estou bem capaz que eu coma a sorveteria toda. noitadas na balada. sobre as namoradas dele. – Só pra constatar. – Bem? – ele arque-o a sobrancelha. – Muito bem.lugar escondido tinha uma brincadeirinha para nós dois. – Acho que você está gordinha de mais. Fazia uns cinco minutos que fiquei sabendo que Brian já estava me esperando não iriamos ficar ali. – ele riu. – Quero sorvete. – HAHA. – Como você está? – ele disse bem próximo ao meu ouvido me fazendo enrijecer.. Não sabia as palavras certas. não me conti e pulei no colo dele o apertando com força.. – daqui algum tempo essa brincadeira não terá mais graça. – Sim. POV Caissy. – O que está acontecendo com você? Tá virando draga é? – Você não viu nada. então. aquilo estava me causando uma confusão mental perturbadora. Não sabia se deveria contar de uma vez ou ficar um tempo com ele e depois contar. alguns passeios ele conseguia muito fácil. Nem tive tempo de bajular aquele palhaço do Justin. aquilo tinha sido minha salvação a final nossas roupas estavam causando grandes polêmicas. Abri a porta lentamente encontrando Brian me esperando com um sorriso enorme. Brian ficou-me zuando por causa da minha roupa. – O louco. – sorri o abraçando novamente e o fazendo rir. – sorri vergonhosa. Brian às vezes causava esses efeitos estranhos em mim. – me afastei de súbito ficando um pouco sem graça. A madre se derretia toda pro lado dele.

– ele me obrigou a olha-lo erguendo minha cabeça. nem como mais esconder. – ergui a cabeça começando um pouco nervosa. quem disse que tinha uma coisa importante pra me contar. era você.. Mas enquanto falávamos de vários assuntos na minha mente só martelava o mais importante. – Fala. mas. – Sem enrolar Caissy.. eu tinha que contar a verdade. Não foi um minuto de silêncio foi muito tempo em silêncio fiquei um bom tempo sem ouvir a voz do Brian. até que ele quebrou o silêncio.. Então. Eu estava gostando. – Brian eu tô grávida. Mas o pior que são desses acidentes que surgem felicidades. – senti meus olhos arderem com as lágrimas que estavam chegando abaixei minha cabeça não tinha coragem de contar o encarando. . não podia ser a hora não daquele jeito.. – Olha dentro dos meus olhos e fala que isso não é verdade.. – Pode continuar falando. – ele colocou a mão por cima da minha. – Brian. mas. – sorri para despistar meu desespero. – Ai Brian. – Gostaria também que fosse brincadeira. – Mas e você? Eu estou há uma hora sem parar de falar. – V-Você só pode estar de brincadeira. – as mãos dele tocaram meu rosto secando minhas lágrimas e o olhar dele estava perdido.. – Não faz isso comigo. – duas lágrimas percorreram rapidamente pelo meu rosto. – Não quero saber. não! – ele dizia incrédulo. mordi os lábios negando que eu não poderia fazer aquilo. – o sorvete desceu me fazendo engasgar. Respirei fundo e deitei minha cabeça sobre a mesa. parece que o que você tem pra me contar está te perturbando. muitos vão dizer que isso foi uma grande burrada outros enxergaram como uma benção. – Não Caissy.convidou. – Sabe. – pressionei meus olhos com força afundando minha cabeça no meio dos meus braços não tive coragem de olhar pra ele. não perante aquela situação. à hora era aquela eu tinha que contar não tinha mais como fugir. – Às vezes acontecem coisas na vida da gente e nem temos explicação pra isso. – senti sua voz um pouco vacilante e aquilo doeu mais.

Você não está raciocinando direito. – A vida não é tão fácil assim Cassidy. e com esse dinheiro eu vou sumir.. mas vai ser melhor pros dois. – Um mês. – Vai contar quando pro. não foi fácil pra mim..– Eu também não queria Brian. – O real motivo dessa conversa é esse.. Não tinha noção que isso poderia acontecer. – Te ajudar com o que? Pra onde você vai? Tá louca? – Quero que você venda a casa que era da minha mãe. – Você só pode estar louca. Você vai pra onde? Esse dinheiro nunca vai dar pra sustentar uma criança. – No começo dá pra se virar.. – Há quanto tempo você sabe disso? – ele ignorou completamente o que eu havia dito. Acorda. Bieber? – ele disse o nome do Justin com tanta repulsa. só tenho 16 quase 17 anos. – Nunca? Você não vai. O Justin nunca vai saber disso. – Quero que você me ajude.. – Precisava de um tempo pra me organizar. – Sei que não deveria ser assim. – Não acredito que só está me contando isso agora. Tive que fazer escolhas que serão pro resto da minha vida. – ele me encarou perplexo.. – o vi pressionar as mãos em punho. . – dessa vez não fugi dos olhares o encarei. – Então você vai se fuder sozinha? – Eu vou embora! – O que? – ele disse alterado e incrédulo. – estava fazendo de tudo para manter a calma. Outra coisa difícil pra se dizer. Depois eu arranjo um emprego... – Nunca. – sussurrei. – Não Brian. algo pra eu fazer.

tenho certeza que ela estará assustada o suficiente e não contará nada a ninguém. Adorava aquela sensação de poder. Deixa a menina ir embora. – Eu sei o que é certo pra mim Brian. mas. – tornei a chorar outra vez. – Eu cuido do seu filho. ninguém mandou ela ir escutar minha conversa. saindo da sorveteria e ele veio correndo atrás de mim. A vagabunda estava amarrada por um ferro com as mãos pra cima. não vai embora. – ele me encarava. – Já está decidido. – abracei ele deixando minhas lágrimas rolarem sendo abraçada pelos braços forte dele. – Eu preciso disso. – Onde eu estou? – ela disse alterada. se você não pode me ajudar me viro sozinha. só estava esperando ela acordar para o meu show começar e eu mostrar tanto ao Jason quanto ao Marconny que eu não era mulher para brincadeira. mas Jason não estava se contendo. por favor. – Pra que ir embora? Não precisa disso. – Cassidy isso não é certo. Peguei a fita e tapei a boca dela ouvindo só murmúrios que ela fazia tentando dizer algo. . Não quero que o meu filho saiba quem é o pai dele e não quero que o Justin saiba que tem um filho. – ela gritava desesperada. – me levantei. Eu cuido de você. por favor. POV Alexia. – Porque eu estou presa? Tira-me daqui.– Eu vim aqui pra ter sua ajuda. Me ajuda. – sorri vendo a vadiazinha despertar. – Alexia não é assim que se resolvem as coisas. – Marconny disse enquanto eu prendia meu cabelo em um rabo de cavalo alto. – Você sabe muito bem que eu gostaria que fosse outra pessoa ai. – Jason já estava me enchendo o saco com aquele papinho. eu preciso me manter o mais longe possível para poder progredir. – A vagabunda vai morrer porque é burra. Eu iria matar ela e pronto já estava mais que decidido. – Preparados para o show? – Marconny sorriu com satisfação. – É minha decisão.

– Não. – Não né! . Tirei a fita da boca dela e a vagabunda começou a berrar. – Jason implorou. – Não gosto de saber que você já foi pra cama do meu homem – dei uma facada nela causando um grito abafado. para. Por quê? – Nada. – ela estava chorando e aquilo me deixava mais poderosa. por favor. – Au.– Você não deveria ter escutado minha conversa. os cortes foram superficiais e não sangrou muito... Cair no mundo. – Agora sei por que ás vezes você era o café da manhã do Justin. – Me divertindo. Ryan e Chris querem sair hoje. – Essa deve ter doido. – pelos olhares Marconny havia gostado do corpo dela. – Alexia não faça isso com a pobre menina. – Tudo bem. – Ela já está podre. – revirei os olhos dela como se alguém fosse ajudar do nada meu celular começou a tocar e era o Justin. – Tá eu topo. – dei de ombros. – ela estava se contorcendo. – Pra onde? – Não sei ainda. – Ual. – Carro de quem? . – pensei um pouco. – fiz outra marca nas costas dela só que desta vez mais profunda. Não precisa tô de carro. não. Apenas com um olhar Jason já havia entendido que era o Justin e tapou a boca dela novamente. – ela implorava e Marconny se divertia com aquilo.sorri debochada e continuei. – Então passo mais tarde na sua casa. – Onde você tá? – sorri vendo Nanely se debulhar em lágrimas. – caminhei a ponta da faca pelas costas dela e ela esperneou tentando se debater. – Marconny disse me fazendo rir. –atendi um pouco arrogante. – Para. –gargalhei. – Eu podia comer ela antes de você matar. – Então pode ser você? – ele me olhou assustado. – Fala. Peguei uma faca e rasguei a blusa dela a deixando só de sutiã. – Vó me ajuda. – De carro? – sou desconfiado. Socorro. Você vai? – Humm.

– Dá próxima vez eu quero ver o Bieber pendurado ai. joguei o telefone na mesa um pouco irritada. apenas me deixou na porta e depois foi embora. – ela já estava gritando. – O que vocês estão fazendo aqui? – perguntei não entendendo o porquê da reunião entre nós três. devolvi a arma para ele e limpei meu rosto que estava sujo com o sangue daquela podre. mas eu o fiz prometer que não contaria a ninguém e depois de muito custo ele resolveu me ajudar. – ela começou e nós nos entre olhamos. – Dá arma caralho. Revirei os olhos. – ele demorou um pouco. Ele não entrou. – Progresso? – Marconny me encarava com expectativa. – Eu nunca nesses 45 anos que trabalho aqui vi meninas tão rebeldes como vocês. – O que . – Aprendeu Jason o que acontece com quem se mete onde não é chamado. – Vocês violaram as regras do colégio. – Caladas. Aproximei-me daquela vaca. A regra do colégio é: saia acima do joelho e blusa abotoada com os botões até em cima. – Me acompanhe até minha sala. Já tinha perdido totalmente a graça de matar aquela pequena vadia. POV Caissy Quando o choro sanou Brian me levou de volta pro convento. como previsto: bronca e punição por causa do uniforme. – Da tua arma. Passei pelo silêncio que estava a secretária sem ser notada. – Cassidy? – ela me fez virar a encarando. – Marconny disse sendo firme e eu tremi um pouco nunca teria coragem de fazer isso com o Justin. O olhar de tristeza dele era visível e eu não queria que fosse assim. Ainda bem que eu resolvi acabar só com ela pensa se fosse à família toda?! – ele estava assustado e perdido. – Jason arregalou os olhos. mas depois me estendeu. – fudeu. Abaixei a cabeça e a segui até a sala. mas acho que nunca conseguiria fazer isso. – a Madre disse nervosa e eu mais que depressa me sentei. Sente-se Cassidy. Ela abriu a porta e eu entrei logo atrás me deparando com Claire e Melissa na sala. mas fui surpreendida no corredor pela Madre que acho que estava a minha espera. Ele estava um pouco decepcionado com a notícia. que pressionou os olhos para não ver o seu fim.– Meu. – desliguei na cara dele para evitar mais pergunta. mas ele era o único que eu poderia contar. Não sei. Tchau Bieber a gente se vê! Te aviso quando estiver saindo de casa. Sei dois tiros a queima roupa na cabeça dela e a vaca morreu na hora e ainda espirrou sangue no meu rosto.

– Vai te ajudar? – ela disse incrédula. serão suspensas da formatura. Vocês ficarão trancadas nos seus dormitórios durante três dias sem sair nem para as refeições. mas não para estudar sim para rezar e fazer uma faxina pelo colégio todo. – Sim. – Claire isso já está decidido. – Irei pedir desculpas e me portarei como uma boa garota para ir à formatura do colégio. – tentei me controlar. não queria que ela ficasse estranha comigo por causa disso então comecei um assunto que ela adorava. – falamos juntas e ficamos de pé esperando ela dar a ordem que poderíamos sair.. – ela fechou a cara. – ela disse com deboche. – ela deu de ombros. – Você não presta. seria chato expor as emoções dele. – Gente para se ela sair da sala e nos pegar aqui ai sim estamos fritas. um lugar que não aceitamos esse tipo de comportamento? – Madre é que. – Não acredito! Achei que ele seria o único que tiraria essa ideia de girico da sua cabeça.. – para mim isso não era punição. pois Claire ficava olhando para Madre como se ela fosse monga e isso estava difícil de segurar a risada. – E então . – encurtei o assunto. – Ela acha mesmo que esse castigo foi severo? – Claire disse ainda rindo.acham que são? Como podem se vestir dessa forma pecadora em um lugar de paz. E ainda ganharam uma semana a mais de aula. – saímos juntas da sala ainda segurando muito as risadas. – Sim senhora. – Ele vai me ajudar. mas tô vendo que ele tão cabeça de vento quanto você. – Calada. – Mas me conta como foi lá com o Brian? – me deu até uma dor no peito de lembrar o quão triste ele ficou. – Eu sei. – Podem voltar para os dormitórios. mas chegou uma hora que não teve como segurar começamos a rir até a barriga doer. – queria rir. – Agora vão tirar essas roupas do diabo e quero que todas rezem as terças três vezes ajoelhadas rentes à cama. – E se continuarem com as travessuras. Mandarei a irmã Carmem ir fiscaliza-las tá entendido? – Tá bom que iriamos fazer isso.

– disse terminando de secar o cabelo e colocando um boné. – Com Alexia? – respirei fundo. à sua volta.Make love Essa noite é à noite para me divertir No meio do êxtase Sinta a melodia e o ritmo Da música à sua volta. – Vai sair? – minha mãe entrou no quarto colocando algumas coisas no lugar. – Vou. – Então tá Mel a gente se vê de noite. eu disse se isso acontecesse eu iria sumir acho que ele ficou com um pouco de medo. Continua.meninas que horas saímos para a tal boate? – Melissa sorriu se lembrando de que tínhamos um role hoje.. Melissa entortou a boca e eu revirei os olhos com a infantilidade dela. – E ai Claire? Que horas saímos? – Melissa reforçou a pergunta. – ela sorriu. Ele não poderia fazer isso. – dei um beijo nela. A irmã Carmem tinha ido cinco fezes ao meu quarto para saber se eu estava rezando quando ela entrava e me jogava no chão ficando de joelho e fingia que estava cumprindo com o castigo. – Bom castigo. Essa música não saia da minha cabeça.. Claire estava emburrada e demorou pra responder. *-* Capítulo 41 .. Não via a hora de seguir minha direção e acabar com isso tudo de uma vez. Ela não iria mais voltar. – Pra você também. então já podia me arrumar. Demorei um tempo no banho pensando na minha conversa com o Brian estava com medo dele dá pra trás e contar pra alguém. .. POV Justin. – Vamos sair no horário de sempre. pois me deu boa noite e as luzes dos corredores foram apagadas. fiquem prontas e o ponto de encontro é no quarto da Caissy. – estávamos em frente ao quarto dela ela não deu tempo nem pra que respondêssemos entrou e fechou à porta em nossa cara.

– ela sorriu. – Vai passar a noite toda fora como de costume? – Bem provável que sim.. – Sogrinha.. – Que? – Você não sai da casa da Alexia qual o problema em ficar lá enquanto a Caissy estiver aqui? – O mãe aqui é minha casa. . – Sogra só depois do casamento e se tiver. – ela disse calma. – ela revirou os olhos. – coloquei o relógio. – Alexia entrou no quarto sem bater e ficou sem graça ao ver minha mãe ali. né? – parei por um tempo a olhando fixo. – ela saiu de forma grosseira do quarto. – Vou ir ver a Cassidy amanhã. essa eu pagava pra ver. Ignorei o que ela havia dito.– Com a Alexia. tentei não ligar. para não pensar tanto nela eu ignorava tudo que se referia a ela. – Se você não estiver em casa. – ela se virou pra mim. – Você gostava dela antes.. – Ela está apenas se achando de mais. – Depois tratamos aquele assunto. Quando ela aparece assim do nada é pra falar da Caissy. – Porque você não pega suas coisas e se muda pra casa da Alexia? Assim ela para de ficar vindo aqui. Ryan e Chris... mas sempre sentia coisas estranhas ao ouvir o nome dela. – Até parece que ela vai vir. Tenho certeza que ela vem. sabia. – Não teria problema ela vir passar o fim de semana aqui. – passei o perfume e ela ainda continuou me olhando.. – Bieberzão. E Justin. A Cassidy estava me odiando não queria me ver nem pintado de ouro uma ova que ela viria passar o fim de semana na minha casa... – minha mãe disse um pouco séria. – sorri pelo nariz. – Antes eu não sabia que ela era capaz de brincar com os outros! – Ela não está brincando com ninguém. – Pattie.

– Bora? – Ai não estou com vontade de sair. – ela riu quando me levantei. – Humhum. não quero você tendo overdose na minha casa. eu ainda moro com a minha mãe. – Justin o Ryan e Chris chegaram. – Fui no escritório e não achei a dama Blanca. – minha mãe se intrometeu. – E eu sou otária? – É. – Sei lá. Puta que pariu.. – Não a gente sempre ta ai. . Você usou tudo? – Sem pó pra você Alexia. – Ryan boca de merda falou. – Sai fora ou. – cumprimentei Ryan e Chris que estavam bem à-vontade na minha sala. – Fala putão. – disse sarcástico. nem com a gente você sai mais direito só vejo você e o Brian de titi. Guardei em outro lugar.. – Quero sair um pouco com os meninos. – Não tenho que tomar outro banho. – ela rolou um pouco na cama. – O Justin e o Brian? Justos? – Alexia gesticulou com o dedo desconfiada. – deitei por cima dela e ela tentou tirar minha camiseta. – Já tá pronto? – Chris perguntou afundado em um sofá.– O que ela tem? – Alexia se jogou em minha cama. – ela revirou os olhos. – dei de ombros. – E no final da noite me da um perdido indo comer uma puta? – ela arque-o a sobrancelha. – Vocês estão sumidos. – desci na frente e Alexia veio logo atrás. mas quem sumiu foi o Justin. – Eu não faço isso. Porque a gente tem que sair? Preferia ficar em casa. – disse rindo. – minha mãe gritou de lá de baixo odeio isso era mais fácil mandar alguma empregada avisar.

.. – Ah. – Já estou cansada disso sempre que temos que sair a gente tem que pular o muro. Jason tinha sumido se não tivesse notícias sobre esse assunto eu iria colocar ela contra a parede. – Vão ficar ai até quando? – Mas já ta fogosa assim? À noite nem começou Ale. – ela arque-o a sobrancelha. – O meu é mais potente. POV Caissy. encarei aquele carro um pouco e já sabia de quem era Alexia ficou sem graça ao ver meus olhares de confusão para aquilo. – Podíamos ir com o meu carro né. aé vagabunda então você vai me mostrar de onde ta vindo essa potencia. Brian está planejando um novo roubo. E conversa um pouco com você. mas agora você está grávida e não pode ficar pulando muro. – Não é bem assim. – Ryan brincou e ela abriu um sorriso amarelo e depois saiu entrando no carro. – ela deu de ombros. Já estava na hora de saber qual era a dela eu iria investir pesado para descobrir. – minha sorriu Ryan era um cara de pau. – Vamos Ryan. – Bora galera ou vocês vão ficar ai? – Pattie outra hora eu venho fazer aquele lanchinho. – Vocês vão demorar? – os meninos a encararam. – dei um sorriso falso engatando o carro e arrancando dali.. – Será que é porque estamos fugindo por isso pulamos o muro? – falei sarcástica.– É os dois marca encontro.. – Por quê? – Sei lá. ou via ficar ai paparicando mais um pouco minha mãe? Tinha uma nave estacionada no jardim e não era minha. mas sei que ela havia ficado desconfiada. O carro do Ryan saiu na frente. – Claire sussurrou enquanto caminhávamos até o muro fazendo o mínimo de barulho possível. – dei um tapa na cabeça do idiota. – É.. – ela disse assim que entrei no carro.

– Não sei por que fui inventar essa festa. – Melissa tomou atitude e eu sorri. Pegar fila para entrar na boate? Não a gente não precisávamos disso por mais que estivéssemos com o Duke tínhamos a nossa reputação antes de ir pra casa da Pattie eu costumava frequentar sempre aquele lugar então tínhamos conhecidos ali. mas que não me afetou muito. Melissa e eu. mas desta vez o Tyler não foi era só Clair. então foda-se o Justin quero mais que ele seja feliz com aquela vadia. – Se virá da um jeito de encontrar seu humor porque essa é a ultima vez que estamos saindo nós três juntas. – Fala BRoll. – Estão sumidas. – Não gostei da minha roupa eu estou ridícula. – Eu só não estou de bom humor. mas agora isso não me atormentava eu estava com vontade de me divertir. – ela resmungou enquanto caminhávamos até a esquina onde Duke nos esperava. – A mim também. No caminho Melissa tinha tocado em um assunto meio delicado. mas não estou morta! – dei um impulso para subir na arvore e depois esperei as duas subirem logo atrás. – E essa dai quem é? – ele apontou pra Melissa que sorriu angelicamente. As duas pularam juntas. – saltei do muro ao chão com os saltos na mão e Claire deu um pequeno gritinho histérico. ela havia perguntado se eu encontrasse o Justin o que eu faria. – cumprimentamos p segurança da balada que sorriu assim que nos viu. . Antes quando pensava nessa hipótese meu coração acelerava. O carro já estava parado no mesmo lugar de sempre só nos esperando. – Claire disse. ela nunca tinha ido naquela boate. – Estava passando umas férias na casa de uma tia. ela estava desanimada tinha esperança que o Brian me fizesse mudar de ideia. – Melissa reafirmou. Duke. – dei uma pausa e olhei pra ela. Dei risada e Melissa também.– Tô grávida. mas você Caissy faz um bom tempo que não te vejo. – Essa sua chatice está me irritando. – Tudo bem se você não quer ir eu vou... pois ela não esperava por aquilo.. Ta ai boa pergunta.. – ela deu de ombros. A Claire nem tanto.

Estávamos em um clube onde tinha uma área reservada só pra nós. mas dançava bem dava pra curti o som e a batida. O som estava muito alto. já tinha conseguido dar uns perdido na Alexia pra pegar umas cachorras que deram mole. – ele abriu a fita. – Pode entrar. Ela estava chata enquanto eu e os caras estávamos nos divertindo.. me lembro que quando vinha aqui ele me convidava direto para ir pro carro dele. Legal. – Meu deus que Clube é esse? – Ryan disse com uma vadia ao seu lado lhe dando prazer. ele tinha conhecido aquela quando entramos e ainda não tinha se desgrudado dela. Eai vai deixar a gente entrar? – me insinuei um pouco eu sabia que ele era louco pra dar uns amaços em mim. nem ela estava suportando ele ali. – Quer dança? – perguntei pro mala que não calava a boca. Ele era chato. Fomos para a pista e ficamos um bom tempo dançando por lá até que um otário jogou bebida no meu braço. Sorri falsamente pra ela que me mandou um beijo enquanto caminhava pra pista acompanhada daquele chato. mas Duke resmungou. – Isso. Já era uma e pouco da manhã. – É melhor que sumam com esses decotes da minha frente porque eu já estou perdendo a cabeça. Elas estavam em um canto e eu estava por perto. estava tocando “Turn up the music”. – gritei e olhei o ser de cara feia. Melissa estava toda estava toda ouriçada.– Essa é a Mel. . – ele disse com um sorriso de bêbado e eu revirei os olhos. POV Justin. minhas amigas tinham saído pra ficar de casal enquanto eu ficava isolada com aquele chato buzinando na minha orelha. mas queria ir dançar no meio da pista. – Claire gritou. – Eae vacilão. estava precisando daquilo então se tornou só uma ocasião chata ao meu lado. – Melissa gritou em meu ouvido siando e me deixando com o mal do Tyler.. – gargalhamos. vaca. Claire dando uns pegas no Duke e eu só queria dançar. – Encontrei um gatinho. – Tyler? – Chatinha. Melissa me puxou e cochichou no meu ouvido. acho que tinha me desacostumado com aquele tipo de festa.

me encarando no olho e eu não estava negando fogo. só pra depois do que restasse de mim. até que ela tirou a blusa e jogou lá em baixo. – ela me olhou séria. – Alexia grudou o corpo junto ao meu me dando um beijo. – O que? – Fica pelada também. – Tem preservativo aê? – Christian surgiu do nada com as calças no meio das penas. – falei com a boca ainda grudada a dela. – Não. – Olha lá. – gesticulei com a cabeça na direção do filho da puta. PUTA QUE PARIU não acredito que aquele filho da puta estava aqui. eles estavam desejando o que eu tinha. Entornei minha bebida no meio do peito dela e suguei tudinho não deixando nem uma gota. – ainda não tinha mudado o foco do meu olhar. não nos aguentamos e rimos sem parar ele ficou puto e voltou pra comer a mina. Não achei que ela levaria a sério. – coloquei meu copo na mão dela. – Que foi Drew? – Ryan notou minha mudança.. Ela olhou um pouco pra onde o Marconny estava e depois sumiu indo pegar minha bebida. Notei uma movimentação estranha de seguranças e que não eram os meus observei por mais um tempo e Marconny entrou no clube. vários caros que viam aquela cena foram ao delírio.– A música daqui não é boa só tem vadias peladas. Ele subiu pro camarote de frente para o meu. Alexia era só pra depois. – Justin vai ficar encarando? – ela tentou me virar pra ela.. – disse dando um gole na minha bebida. Estava lembrando que esse filho da puta foi fazer uma visitinha amedrontar a Caissy e eu não tinha cobrado isso dele.. mas depois foi brotando um sorriso no rosto dela. – Alexia resmungou pela milésima vez e aquilo estava me irritando. quando terminei escutei grito e assovios. – Porra Justin. .. – Enche pra mim. Tinha uma morena que estava me dando mole. Sorri gostando daquilo. – Ryan gritou e Alexia sorriu. – Mais tarde. – Bem que a gente podia ir a uma daquelas cabines. – Porque você não faz que nem elas. Alexia acompanhou meu olhar vendo o mesmo que eu e sua reação foi um pouco diferente ela ficou meio tensa.

– É só ele ficar no camarote dele e você no seu pronto. Estava me divertindo estava a um bom tempo na pista.– Ih qual é mano. – Não. mas se você mexer com a Caissy se considere um homem morto. já fomos a clubes onde ele estava e ficou tudo bem. Marconny me viu só quando recebeu um soco no rosto. – ele sorriu com superioridade. – Então a ninfetinha já te contou? – avancei novamente em cima dele. mas minha perna já estava formigando e o salto incomodando um pouco. – Isso é por ir atrás da minha Caissy. – Alexia tentou me afastar. Ryan e Chris chegaram correndo ficando ao meu lado.. já estava um pouco alterado quando decidir fazer aquilo. – dei um soco nele fazendo o rosto se virar com força e corte no canto da boca foi inevitável. – estava pensativo quando Alexia voltou. – cuspi as palavras em cima dele. mas eu nem dei ouvidos. Alexia parecia meio apreensiva. Mais uns minutos olhando aquele cara e eu iria perde a cabeça. mas me impediram. me esquivei do pessoal e fiquei escorada em uma mesinha . – Você nunca. Não sei o que deu em mim. Entrei no camarote dele sem ser notado ali à orgia já havia começado. – Olá pra você também Bieber. – Sue jeito mudou desde que o Marconny chegou. Os seguranças correram para me pegar. mas o patrão interviu. – gritei enquanto estava sendo arrastado pelo Ryan e pelo Chris pra fora do Clube. – Justin onde você vai? – Alexia gritou. nunca mais chega perto ou falar com a Caissy. – Alexia. – Eu tenho todos os motivo do mundo pra acabar com a sua vida. – Ah. POV Caissy. – Justin para. – só que dessa vez era diferente eu tinha que me acertar.. – Marconny disse rindo e limpando a boca com as costas da mão. não toca nele. Claire e Melissa resolveram larga os machos e irem dançar comigo. – Isso foi porque você foi atrás da Caissy no convento. – peguei a bebida da mão dela e não respondi nada.

Caissy. mas não rolou por causa da minha estupidez.. Vamos dançar porque eu amo essa música. Foi um choque vê-lo ali. VAI TOMAR NO CÚ! Tenho culpa que ele não segurou a mina. – Caissy. – balancei a cabeça forçando um sorriso. Ele só seria mais um como muitos naquele lugar. Ryan e Chris subirem para uma parte particular da boate. – peguei na mão dela e a arrastei pra pista eu realmente estava pouco me fudendo pra eles só queria me divertir esta foi à finalidade de eu estar ali. Chris . – Que casal. Começou a tocar “Make love.Chris Brown” e eu sorri porque Claire e eu sabíamos cantar aquela música toda. – disse um pouco nervosa.descansando um pouco o corpo e rindo de algumas vezes que a Claire fazia gracinha. – Eee? – E nada Melissa.. – ela dizia atropelando as palavras. – ela disse apreensiva. – Melissa fala logo. já estava voltando pra pista quando Melissa chegou correndo e um pouco ofegante. POV Justin. passando o rodo como diz a Claire porque aquela ali estava de fogo. – Deu merda deu merda. – Está me ouvindo? – Sim. queria agir naturalmente então comecei a trabalhar minha mente para isso ser feito.. Pediram para nós nos retirarmos do clube onde estávamos porque eu nocauteei a cara do filho da puta. não tenho nada haver com os dois. que foi? – disse um pouco irritada. – Caissy? – Melissa estalou o dedo em minha frente. nem que vai chorar ou coisa do tipo? – ela colocou as mãos sobre meus ombros. meu coração disparou de um jeito que parecia que iria sair pela boca. Melissa tinha sumido devia estar pegando outro. precisava me distrair para acalmar meu coração.. – Caissy o casal vinte chegou. Fiquei puto não tinha comido nem uma vadia saborosa como aquelas que estavam lá e pra completar Ryan ficou buzinando na minha cabeça que ele estava com uma tal de Caams e ela estava ao ponto de dar pra ele. – Ain. – me calei assim que vi Justin Alexia. – Amiga jura que você não vai ficar mal.

– Tudo o que eu faço é perfeito. quando meu coração palpitou mais rápido e a cabeça apertou. mas do nada bateu uma sensação de descanso e já não queria mais isso. mas eu ainda estava revoltado.disse que tinha uma boate da hora ali por perto pra ir.. queria ficar bebendo lembrando das melhores coisas e sei lá. as nojentas tentavam algo comigo. mas eu fugia estava querendo ficar de boa. Escorei. Ela usava um vestidinho curto preto bem colado ao corpo.. Tomara que ele dê mole pra ela. Depois a doida saiu correndo. eles se animaram. no começo estava na seca pra comer alguém. pisquei meus olhos confirmando o fato. – Alexia disse rindo enquanto entravamos na boate... Me lembro perfeitamente deste lugar foi a primeira vez que vi a Caissy. – Foi um de direita perfeito que você deu no rosto dele. Mas fiquei receoso. Pegamos uma área reservada e Ryan já foi passando e selecionando as vadias que ele queria lá em cima dançando pra ele.. – ela estava um pouco alterada e deu uma rodopiada trombando em uma mina que não parecia ser desconhecida já tinha visto ela em algum lugar. Comecei a observar a pista quando meus olhos reconheceram aquele corpo aquele cabelo. ela estava dançando sorrindo se divertindo. perguntei-me o que ela estaria fazendo em uma festa como aquela? Mas foi ai que me lembrei de a primeira vez que a vi foi aqui neste mesmo lugar. ela me olhou durante um bom tempo. Alexia tinha sumido aposto que ela estava aprontando. Era a Caissy. Subimos e Alexia estava bem empolgadinha estava até se atirando pra cima do Chris. acho que ela ainda não tinha me visto queria descer lá e trazer ela pra mim. era a minha Caissy. Ouve uma confusão em minha mente até cair à ficha que era ela mesmo que eu estava vendo.. ela ficou me olhando com cara de espanto como se tivesse acontecido alguma coisa. – E como.me na grade que tinha em minha frente tendo a visão completa da pista. mostrando as formas perfeita que tinha por mais surpreendente que poderia ser ela estava linda e sorrindo. mas depois se virou de costa continuando se esfregar no FILHO DA PUTA QUE ESTAVA COM ELA! . Quando nossos olhos se cruzaram senti meu coração disparar. Ryan já tinha lotado aquele lugar de putas.

– Isso foi grosseiro. Tyler estava ao meu lado assistindo tudo e riu da cena quando voltei a dançar largando o copo em cima da mesa. não que eu estivesse evitando ele. – ele disse mordendo o lábio inferior e pegando em minha mão. mas eu não iria ficar com ele. fechei a cara e virei o copo derrubando toda a bebida no chão.POV Caissy. Aquilo era estranho eu não iria ficar com ele. mas eu sempre fugia. Ele colava minhas costas junto ao corpo dele e segurava firme minha cintura. afastei meus cabelos do rosto e ergui a outra mão pra cima rebolando perto dele.. eu o via sozinho o via beijando a Alexia e algumas vezes me olhando. Algumas vezes era impossível não olhar. não fugia dele continuava a dançar. Olhei para onde ele estava. acho que era bar girl me cutucou. – ela me entregou um bilhete e um copo com vodka.. – Olá.. mas eu fugia. – Mandaram isso pra você. – Não te perguntei nada continua dançando. – ela sorriu. confesso que eu estava ficando sufocada com tanta proteção. ergui o meu copo fazendo o mesmo gesto que ele só que não bebi nem se eu quisesse eu poderia beber aquilo. – Oi. O tempo foi passando e dançar já estava me cansando. Ficava sempre de costa para não ter que olhar para o Justin. .. Tyler tentava me beijar várias vezes . – Vou ir beber algumas coisa. mas mesmo com todos os foras ele não desgrudava de mim. – parei de dançar a encarando. fui ficando de saco cheio de ficar ali não estava tão legal quanto eu imaginava e eu estava ficando enjoada. mas seria uma situação constrangedora nossos olhares se cruzaram algumas vezes. – Vou com você. Quando ele ousava me beijar eu fugia virando o rosto e esquivando muitas vezes o corpo aquela era uma dança provocante. – sussurrei no ouvido dele. amacei o papel balançando a cabeça negativamente e já sabendo de onde vinha aquilo. As meninas estavam me cercando elas estavam com medo do Justin chegar perto e ter algum tipo de problemas. As mãos de Tyler às vezes brincavam na minha cintura e eu mexia os quadris de acordo com a batida da música. Ele ergueu o copo em sua mão como se estivesse fazendo um brinde junto a mim e saudou. Estava escrito sinto sua falta. – ele riu. Do nada uma moça desconhecida. Sorri sapeca.

mas eu não disse aquilo para ser engraçado estava falando a verdade. Depois de um tempo vi Chris e Ryan se aproximar dela. – Então vai buscar. por mim ficaria a noite toda daquele jeito a olhando. Fiquei debruçado na grade vendo ela se divertir. – Não sou chato.. queria ficar um pouco sozinha estava ficando enjoada e com vontade de vomitar. espalmei a mão no peito dele o empurrando para longe de mim. – ele riu. – ele me estendeu umas chaves. me ignorando fingindo que nem me conhecia. – Tão louco. – Mais que tudo na minha vida.. dei de ombros.. – Não eu vou com você. – ele gritou. – o afastei mais uma fez e sai andando na frente rindo. – disse sorrindo. Vamos pegar aquele palhaço do lado dela. Ryan deu um soco certeiro na cara do Tyler viu a reação de espanto da Caissy e o grito que ela deu. – Chris deixou o copo dele em cima da mesa. cheguei até ela e agarrei o braço dela a fazendo gelar. – Você é chato. – ele sussurrou se aproximando do meu rosto para me beijar. – ele bufou. – Vamos nessa. – Desanimou foi? – Ryan encostou do meu lado. Já sabia o que eles iriam fazer simular uma briga e eu tiraria a Caissy dali.. Alexia estava sumida então daria pra fazer isso perfeitamente. POV Justin. – É sim. – Pra que isso? – perguntei confuso. E era possível ficar animado vendo a Cassidy ali. admirando. – Ai Chris temos uma missão o Bieber vai com a Caissy lá pra casa e.– Não precisa. – Você quer aquilo né? – ele apontou pra ela. . Desci na frente sumindo no meio da multidão. conversaram um pouco e quando Chris se virou pra mim rindo sabia que estava na hora. meus amigos são foda. Como eu fui perde isso? Me diz? A menina era perfeita pra mim e eu vacilei.. é? – disse rindo..

– Vem comigo e fica quietinha.. se ele tentasse levar ela eu meteria bala.. usei uma força mais bruta para imobiliza-la e arrastar até meu carro enquanto ela tentava se debater. – ela gargalhou. – eu gritava irritada. aquilo não estava a intimidando nem um pouco. – ele disse com um tom frio. – senti meu sangue ferve e eu iria deixar a pouca educação que tinha de lado. – ela mencionou a voltar mas eu me coloquei a frente dela. Estávamos no meio do nada estava escuro de mais e eu nem sabia onde estávamos. – Caissy tá acontecendo alguma coisa? – uma voz surgiu em meio a nossa briga. – Você não tem autoridade nenhuma sobre mim. Eu praticamente a empurrei pra dentro do carro saindo dali a milhão. para o carro que eu quero descer.. – Se você não vier comigo. – ela revirou os olhos me ignorado. – ela sorriu amarelo.. Ryan ficou lá brigando enquanto eu sai arrastando ela pra fora daquele lugar. – a agarrei pela cintura e como sempre ela tentou lutar comigo. ela respirou fundo. Vou ter que usar a força. Ele estava dirigindo em alta velocidade indo não sei pra onde. POV Caissy. mas o cara ficou desconfiado. – Eu disse. – Justin você é um filho da puta. ela protestava esperneava. Entrei no banco do motorista dando partida ignorando tudo que ela fazia e falava. – Eu falei pra você ficar quietinha. Cansei de ser bonzinho agora eu iria fazer as coisas do meu jeito. – Então desce. mas eu não estava nem ai. Seu idiota. – Para o carro. A Cassidy duvidava muito da minha capacidade e isso me deixava puto… – Como se eu te obedecesse. – o corpo dela enrijeceu quando falei ao pé do ouvido. – Não BRoll. Estamos bem. que é isso? – ela falou um pouco nervosa eu apenas sorri e continuei a guiando até meu carro. porque ele estava fazendo aquilo? Que merda. – Você não está achando que eu. – gritei pela milésima vez até que ele deu uma freada brusca me assustando. . – O que. ela me olhou aflita e confusa coloquei a mão na arma e ela entendeu o que quis dizer. Era o segurança e nos assustamos.

– Eu odeio você. . – gritei nervosa. Mas não dei o braço a torcer mostrando meu medo. – ele deu de ombros e depois arrancou o carro... – falei um pouco baixo.. Eu realmente comecei a perder o controle e sentir mais raiva dele.. – ele respondeu seco e desceu me deixando pra trás. principalmente quando o carro sumiu. pra sair dali do meio do nada. – Onde estamos? – quebrei o silencio abrangendo uma curiosidade. – Você estava pedindo pra descer. – ele se fez de inocente. desci do carro e bati a porta com força. – Me leva pro convento. então. A sala era linda a casa era um sonho. Ele entrou em um rancho e parou em frente a uma casa grande. – Vai vir comigo ou vai pedir carona? – ele disse com um tom debochado e eu soquei o peito dele com ódio. – Só queria te dar um susto.. – Chega! – ela segurou meus pulsos com força e olhando dentro dos meus olhos. Quando escutei um barulho alto de motor vindo em minha direção e derrapar ao parar ao meu lado.. – me soltei das mãos dele com ódio e entrei no carro batendo a porta com força. mas resolvi ficar calada. – Sai do carro! – ele disse prepotente e eu estava assustada não acredito que ele iria me deixar ali. Achei estranho quando ele saiu da estrada seguindo por um caminho deserto. – Otário. – Casa do Ryan. Coloquei as mãos no rosto pensando em o que eu faria. Vi pelo canto olho Justin descer do carro e caminhar até mim enquanto eu acelerei o passo para me distanciar. – Você tem noção de como estou me sentindo? Tem noção do que fez? – gritei e o soquei com mais força. – Mas você que pediu pra descer. Não sabia onde eu estava nem pra onde ir.– O que? – gritei incrédula. Como o Ryan poderia morar naquele fim de mundo? Não perdi tempo e desci logo atrás o acompanhando. Que raiva! Porque ele foi me tirar da boate? Eu odeio esse cara. – Entra no carro antes que eu mude de ideia. mas ele me ignorou. Permanecemos calados até chegar ao destino de onde ele desejava.

Olhei a chave do carro em cima da mesinha depois olhei o carro. – Não faça pedidos difíceis Caissy. – O que você pretende com isso para de ser ridículo Justin! Sua namorada está te esperando.. Como se eu me importasse com a lei. Peguei a chave e sai correndo em direção ao carro. – Garanto que não vão achar onde estamos. Merda! Acabei fudendo com o meu pé. – gritei nervosa. – falei irritada. Cárcere privado. – Devolve meu celular. mas não dei importância continuei correndo.. – Que seja. – Sabia que isso crime. – dei de ombros. mas até agora você estava tentando fugir de mim. – Não acredito. Escutei o Justin me gritar..– Por que me trouxe aqui? – me encostei ao batente da porta cruzando os braços. – Me deixa ir embora. – falei manhosa. – senti meu celular vibrar. – Alexia não é minha namorada. aproveitei que o idiota estava distraído. – Cala a boca palhaço. mas Justin foi mais rápido e pegou o celular da minha mão. – Vou mandar alguém vir me buscar.. – Não tenho nada pra falar com você. Corri muito rápido só que a burra esqueceu-se de tirar o salto e acabei torcendo o pé e me espatifando no chão. – ele não parava de rir. – dei o dedo pra ele que sorriu pra mim e depois atendeu ao telefone se virando de costas. – O que quer que eu faça? – ele disse rindo. – Ué. mas aquele lugar estava um pouco lotado. – Me tira daqui. Puxei para atender. Ele jogou a chave em cima da mesinha. – falei debochada. – Queria conversar com você. colocou as mãos no bolso e ficou me encarando. Eu me machuquei. – Você tentou fugir de salto. – ele disse rindo. – Justin começou a rir sem parar.. – gritei nervosa arrancando o salto e sentindo uma dor insuportável no calcanhar. – Eu odeio você. número desconhecido. – Ai droga. ....

só que estava com medo dos meus sentimentos medo do que poderia acontecer.. – Eu amo. – sabia que era errado que o Justin não era o certo. – ele passou a mão em meu rosto e eu mordi os lábios sentindo um calafrio com o toque . Ele respirou fundo e eu senti seu corpo mudar de posição. A dor foi passando e o tédio estava presente. – eu estava irritada e queria discutir. mas era ele meu coração pedia. – Eu só queria ter uma chance pra provar o quanto te amo. mas a dor estava me consumindo. fiquei intacta porque tudo aquilo que ele estava falando era pra mim? Sentia meu coração bater forte. Queria tanto que ela me perdoasse e voltasse pra mim. – Tira a mão de mim. Ele revirou os olhos com decepção se sentando ao meu lado. acho que não sou o cara perfeito para tê-la ao meu lado. – Toma. – sussurrei. mas também nunca aceitaria ela vivendo ao lado de outro que não fosse eu.. eu não queria voltar pra lá. – Sou tão idiota que nem fazer a mulher que eu amo feliz eu consegui. Abri meus olhos e fiquei o encarando até ele me notar. Porque será que é tão difícil de ter o que Ama? – ele estava irritado e falando sozinho aquilo me tocou de certa forma que fiquei incrédula. meu corpo implorava e meus pensamentos eram só dele. Ele me olhou ainda querendo rir. Justin não dizia uma palavra.. mas eu fingi estar dormindo. não tive reação. – gritei nervosa. – Caissy? Caissy? – ele chamou duas vezes. Lembro-me do tempo em que estar assim do lado dele era o que eu mais desejava.– Eu estou falando sério Justin. – Te acordei? – me sentei o olhando.. não tinha como me cobrir. – Justin estava falando sozinho. amo a Cassidy. só estava olhando fixo para minhas pernas de cabeça baixa.. não tinha como não resistira ao modo com o que ele me olhava. – Então você. Ele se aproximou ficando entre minhas pernas.. – Já estava acordada. Ele se aconchegou ficando deitado no sofá depois de um tempo fiz o mesmo. eu escutei tudo. fiquei fitando o teto e aquele silencio estava me deixando louca. pensei que ele estava dormindo. Não estava mais tão arredia.. – ele me entregou o gelo e quando ousou me tocar eu gritei. mas depois me pegou no colo me levanto pra dentro novamente. – Escutei Justin. vi Justin se mexer e rapidamente fechei meus olhos fingindo estar dormindo. Fiquei sentada no sofá enquanto ele foi à cozinha buscar gelo pra colocar em cima do meu tornozelo que estava latejando pra caramba. mas não sabia o que fazer. Arrependo-me todos os dias de tudo o que fiz..

com as pernas tirei as calças dele.. Nossas línguas dançavam em perfeita sincronia. Justin passou a mão entre minha nuca e acariciou-me com cuidado e voltou a me beijar. Continua. Eu poderia parar. Mas eu estaria enganando a mim mesma. arranhava suas costas como uma felina e o jeito que ele me apertava contra seu corpo me deixava mais excitada. arfei sentindo o toque dele e o hálito quente que me atingia enquanto ele esbarrava os lábios nos meus. as mãos dele tocaram o feixe do meu sutiã o abrindo. *-* Capítulo 42 . me tocando minimamente com cuidado. Minhas mãos estavam espalmadas no peito dele enquanto rebolava dando prazer ao meu anjo. As mãos dele levaram meus lábios até o dele. Eu amava aquele homem.. já não tinha mais sim e não. poderia dizer que não poderia ir embora. certo ou errado. nossos corpos estavam presos um ao outro. Ele me colocou na cama depois tirou a camisa vindo até mim o jeito que ele me olhava me fazia me sentir especial. – ele sussurrou em meu ouvido com aquela voz um pouco grossa me deixando louca. Estava um pouco bamba e ele fazia tudo como se fosse à primeira vez. Justin subiu em cima de mim me olhando fixo dentro dos olhos. troquei de posição ficando por cima dele.. seus olhares eram intensos me deixando perdida. ele se posicionou entrando lentamente em mim causando um gemido alto e abafado. Ele se livrou da cueca e de minha calcinha. – ele pressionou os lábios nos meus enquanto eu sentia seu coração batia acelerado. Ele suspendeu meu corpo me pegando no colo caminhando comigo até as escadas me levando ao quarto.dele. Seu toque me fazia arrepiar.. – Eu amo você e eu quero só você.Right by my side . ele desceu o beijo para meu pescoço e uma de suas mãos encontrou o feixe do meu vestido. Ele desceu meu vestido me deixando de calcinha e sutiã ele tocava cada terminação nervosa do meu corpo me acariciando fazendo meus olhos revirarem e minha respiração ficar ofegante. me livrei do pau dele e cai pra trás me deitando ao pé da cama acabada e ofegante. Se anjos existem eu estava vendo um em minha frente. sentei em seu colo e suas mãos passeavam por minhas costas fazendo grandes caminhos. minhas mãos bagunçavam o cabelo dele e eu o puxava para mim como não querendo o deixar escapar. Eu amo você. e senti quando o membro dele liberou um liquido dentro de mim. Era como se nossos olhares estivessem presos um ao outro não tinha o porquê mudar o foco. Eu queria só estar mais uma vez ao lado do meu homem ao lado do pai do meu filho... Sentia espasmos corporais por todo o meu corpo. – Eu não vou deixar você ir mais embora.

– Caissy. Já tinha lutado com os meus pensamentos. – Justin é sério as meninas vão se ferrar por minha culpa. – Não. pois minha razão dizia que eu não deveria ter feito aquilo. por mais que eu tente. Não podia ficar ali se a Madre descobrisse que eu estava fora do convento iria sobrar pra meninas. – Ir pra onde? – ele arque-o a sobrancelha. – ele me olhou frustrado.. ele tem uma coisa a mais e sabe como me controlar.. de qualquer briga ou rompimento que pareceu ser definitivo. . Eu tento esquecer mais é mais forte que eu. Juntos. – Então como são? – Justin eu não posso voltar assim como se nada não tivesse acontecido.. mas meu coração não me deixa agir certo. Olho pra todos esses obstáculos que a gente enfrentou e que ainda enfrentamos e estamos aqui. É errado amar ele. eu não consigo.Não tem jeito acho que sempre vou ser submissa a esse homem. agora nem sei mais o que queria da minha vida.. Isso só comprova que era pra ser. de qualquer erro. O que eu tinha decidido não tinha mais sentido. – Eu não quero mais viver sem você. alma e coração.. – Você não acha que a gente já sofreu de mais? – ele se sentou um pouco longe de mim. o que eu tinha não era mais nada e eu estava ali naquela imparcialidade. – me sentei de forma rápida envolvida no lençol da cama. Eu poderia contar agora que estava grávida e que não era mais só eu ele. – As coisas não são assim. No final. – Justin eu tenho que ir embora. é que no silêncio sua mente processa tudo o que é certo e errado não ligando pra sentimentos.. mas um medo me rondava estava com medo da reação dele. mas pude ver pela janela o dia começar a clarear. – Pro convento eu tenho q voltar. agora tudo era mais complicado. – abaixei o olhar.. Tinha perdido a noção do tempo.. por mais que eu negue. Estava deitada no peito do Justin enquanto os braços dele me envolvia de forma protetora. Eu não aguento mais Caissy. sempre estamos aqui pertencendo de corpo. – E a tarde eu passo lá e te busco? – entortei a boca.. era pra acontecer era pra existir um “nós”.. Apesar de qualquer vacilo.

– Você tem medo porque você quer ficar comigo.. – Eu me odeio a cada dia que lembro o que fiz com você. Encarei aquele aparelho seja quem for me interrompeu a fazer uma grande merda. Me leva embora? – ele bufou. – Então o que é? O que te impede de voltar pra mim? – Justin eu tô.. – Não Justin. por mais que eu tente esquecer ele sempre vai viver dentro de mim.. você não vai ficar comigo? – ele me encarava nos olhos.. mas é orgulhosa de mais. Justin esticou a mão pegando o celular e depois de ver quem era atendeu. Respirei fundo me olhando no espelho e me assustei quando Justin bateu na porta. não tive coragem de dizer que não ficarei junto dele. – me troquei limpei meu rosto e fiz um coque frouxo no cabelo depois sai do banheiro procurando meu sapato. Justin também já estava trocado.. – Justin me dá uma semana. mas não tem como eu me redimir longe de você. – Então é isso. – O que você ia me falar? – ele ficou me olhando e eu senti meu corpo enrijecer e as palavras sumirem. – A questão não é mais essa.– Eu tenho medo. Daqui uma semana é minha formatura e até lá eu te dou uma resposta. – como eu sou covarde. – sussurrei agora eu já não controlava as palavras. Como eu ousei a tentar contar ele? Onde eu estava com a cabeça? Bati a mão com força na pia. – Já tô indo.. peguei minha roupa e fui para o banheiro dar uma ajeitada no cabelo. . – o telefone dele começou a toca freneticamente e acho que aquilo foi um aviso eu que eu não deveria contar.. elas pareciam ser espontâneas. eu não quero me machucar outra vez. Isso só me provou que eu tinha uma fraqueza quando o assunto era ele isso só me provou que esse amor louco e doentio sempre vai fazer parte da minha vida.. – N-nada. eu não quero que doa de novo. – Uma semana? – ele arque-o a sobrancelha. eu tinha que continua minha vida do jeito que planejei sem o Justin sem ninguém isso foi apenas uma recaída.

mas parecia estar acontecendo alguma coisa. – aquele cara estava louco e me assustando muito. – ele disse dando um gole no whisky.. Cambaleei um pouco pro lado ficando tonta acho que aquilo foi um pouco forte..– É só pra colocar a mente em ordem.. ele queria que eu cumprisse meu sacrifício hoje.. era como se eu estivesse o enganando e estava. – Justin parou o carro na esquina do convento e eu não sabia o que fazer. – implorei. Hoje eu estou meio sem paciência então preciso de algo pra alegra meu dia.. mais uma vez eu me despedi dele. É como colocar meu coração ao fogo ele me enche de amor e agora eu estou indo embora. POV Alexia. por favor.. eram 7:00h da manhã. – foi à vez de o meu celular tocar e eu sabia que era a Claire. ele só poderia estar muito drogado. – gritei nervosa estava perdendo o controle. – falei próximo ao ouvido dele e os braços dele me envolveram aquilo doeu ele pressionou os lábios nos meus com força. – Eu não preciso colocar nada em ordem Caissy a única pessoa que da minha vida é você.. eu nunca conseguiria. não fiquei falando muito com ele... Mas depois Caissy não vai ter raio que me faça ficar longe de você. – ele sussurrou bem próximo a mim. E mais uma vez não tenho esperança de voltar. eu já tenho o Justin ao meu lado só preciso de mais um tempo. Mas era preciso minha vida já não fazia mais parte da dele e acho que essa foi à última vez q ficamos juntos. – Justin. segurava as lágrimas presas em minha garganta para não o preocupar. – abracei meus cotovelos. – Só vou te levar de volta porque eu tenho uma coisa pra resolver de vez. Vamos conversar me dá mais um tempo... O abracei com força como se fosse à última vez e era! Uma lágrima escorreu contornando meu rosto e eu engoli o choro. – Não quero mais um tempo. – Eu também te amo.. me soltei dos braços dele saindo do carro. não queria deixa-las na mão. – Eu não posso esperar mais que uma semana. Mas eu não poderia fazer isso. – Eu te amo. – Cara você acha o que? As coisas não são assim. – fiquei de cabeça baixa sem dizer mais nada. ele deu ré depois sumiu no final da rua.. o telefone dele como de costume não parava.. – Marconny. .

burro. por favor... Para de encher meu saco porra. – a voz dele estava serena. Se eu não matasse o Justin ele matava o Brian e pro Brian ficar vivo eu tinha que matar o Justin.. agora é minha vez.. – implorei. – A Alexia liga pro Brian. – Olha aqui vagabunda. – ele me segurou pelos cabelos. Ele te ajuda. – Eu fiz tudo que você queria.. – J-Justin.. Justin... – Alexia eu tô com a Caissy meu. – Não. – Marconny fez gestos para que eu implorasse.– Você acha que quando o Brian encontrar o Justin não vai contar que nos pegou juntos e descobriu tudo? – O Brian não faria isso. – Pois está enganada! Você não me deixou matar o Brian. – Justin. – Fala. – ele jogou o celular em cima da mesa colocando no viva voz e eu senti minha cabeça latejar. Marconny me cercava de um jeito me pressionando a fazer aquilo. – tinha que cair a ligação ou algo do tipo aquilo não podia ser concluído. – Marconny. Então antecipe sua missão quero o cadáver do Justin hoje. ele não deveria ter atendido. – disse com a voz um pouco fraquejada. Eu apenas o olhei assustado porque depois de um tempo o Justin atendeu. – eu estava desesperada. – encarei Marconny que me olhava sem expressão. Foi você quem escolheu a vida do seu irmão então acabe com a do Bieber! – ele lambeu meu rosto pegou meu celular ligando para o Justin.. – Fala com ele. – Brigaram por quê? – as minhas pernas batiam de forma descontrolada. não.. – Eu preciso de você. – senti meu sangue ferver. – Você está com? . arranja outro pra te consolar. – Por isso ele esta me ligando a madrugada toda? – Deve ser. Justin burro. Porque ele atendeu? – De mim? – ele disse um pouco alto... – Briguei com o Brian.

POV Justin. Vi o carro do Brian para do lado oposto ao meu. Alexia disse que quer me contar que está junto com ela e Brian disse que já descobriu tudo. – Quero te contar quem é meu aliado. – respirei fundo e sorri maléfica veremos. Vou acabar com a piveta também. – o ódio começou a me dominar.. Não achei que ela tinha arrebentado você. Quero sua ajuda pra derrubar ele. – Tudo bem eu vou. – Vou tentar deixa-la viva. acho que pra nós já deu.. Não estava entendendo mais nada primeiro a Alexia depois o Brian. Estava em um posto de gasolina esperando por ele e depois me encontraria com ela. dirigia a moto em alta velocidade. Mataria o Justin e depois daria um jeito de pegar aquela piveta era isso que eu faria. – Marconny disse abrindo a gaveta. – sai daquele hotel furiosa. – Não vou matar só ele. – Quando sua irmã disse que brigou com você. Eu quero a Caissy de volta então tenho que provar pra ela que mereço isso. – Eae.. Não só pra saber o que a vaca queria mais pra da um fim nessa relação louca que a vadia acha que tem comigo. – Traga a pra mim antes de qualquer decisão. Marconny sorriu e meus olhos estavam cegos de raiva e ódio. – Justin fez uma pausa. e vou colocar um basta nessa história.. – Disse que seria coisa fácil.. Os dois me ligaram querendo me encontrar. Não sei por que estava com medo esse panaca vai ter o que merece.. e cheio de hematoma. .. Peguei a arma colocando na cintura. Ele merecia tudo que iria acontecer com ele.. desliguei o telefone certa do que deveria fazer. – ele me comprimento..– A Caissy... o que fizeram com teu rosto? – disse chocado assim que ele tirou os óculos vendo os olhos roxos e o canto da boca cortado. – Wouu. mas eu ignorei por força do habito. Nossa noite foi perfeita e eu não vejo a hora de ter ela ao meu lado novamente. Cara a Alexia me surpreende a cada dia. – ele colocou uma pistola cromada em cima da mesa a empurrando com a mão.. – Te encontro no casebre as 10h00min. – disse rangendo os dentes de ódio.

mas já estar trabalhando pra ele? Não posso acreditar... Ela nem tem a tatuagem. Foram os seguranças do Marconny. – Estava observando tudo de longe. – Ela. Transei com ela durante um mês e nunca vi a merda da tatuagem. – Não foi a Alexia que fez isso. – Não. achei estranho e continuei seguindo quando ela entrou no quarto vi um segurança do Marconny. – Isso você vem me dizendo há um mês. – ele passou as mãos na cabeça. E vi quando você e a Caissy saíram e depois de um tempo a alexia.. – Brian disse derrotado. – Ontem eu peguei os dois juntos..– Cala a boca Bieber. – Juntos? – perguntei incrédulo. ela trabalha pro Marconny. Se ela tem a tatuagem porque eu nunca vi.. – M-Mas você nem estava lá. – me calei sem palavras.. – falei chocado. – Impossível. – A tatuagem dela é invisível. – Ã? – onde o filho da égua tinha se metido pra acabarem com ele assim? – Mas porque você apanhou tanto? – A Alexia está realmente com o Marconny. – Tudo o que? – Alexia faz parte do exercito dele. – ele disse bravo e eu ri da cara dele. – Alexia estava esse tempo todo infiltrada no nosso meio. – Tem. eu não consigo acreditar a Alexia? Pensei que ela estivesse tentando entrar pra gangue dele. – engoli a seco.. – Tatuagem invisível? Que porra é essa? .. – Segui a Alexia depois que ela saiu da boate. Ela foi direto pra um hotel.. Fiquei desconfiado e aluguei o quarto ao lado e consegui ficar no parapeito da janela do quarto dela ouvindo tudo..

. por isso foi embora. mas eu consegui mostrar que eu tenho mais capacidade e mais poder eu consegui vencer. – Não! Ela foi embora para aprender a ser quem ela é hoje. E Alexia sempre lotou de pó para esconder a tornando imperceptível. – Filha da puta. . O sangue estava subindo pra cabeça. Naquela noite em que a Alexia tomou um tiro na sua casa foi proposital. Eu me cuidar? Ele tinha q dar esse recado pra irmã dele. – ele abaixou a cabeça.. Mas era mentira a vagabunda estava com o Marconny o tempo todo.... – Como você ficou sabendo de tudo isso? – Dei um vacilo e ela me viu. – Eu vou matar sua irmã. – fechei as mãos em punho com ódio..– É apenas um pigmento branco. já passei por isso e é impossível entrar sem provar pra ele que você é capaz. no começo caia nas ideias dele. desde aquele dia os dois estão juntos. – M-Mais então ela não me abandonou por causa da sua mãe? – a história sempre foi dita que Alexia estava com medo de ficar ao meu lado depois que foi alvejada. Marconny me arrastou pra dentro do quarto deles e ela contou tudo na minha cara e rindo... – ele me olhou assustado... – Mas não tem como ela entrar na gangue sem fazer um sacrifício.. Marconny sabia da ambição que a Alexia tinha por dinheiro e foi muito fácil comprar ela. Entrei no caminho dele disputando tudo pau a pau tive muitas dificuldades por ser novato.. O filho da puta nunca quis admitir que sou melhor que ele por isso me persegue tentando tirar o obstáculo que sou no meio dos esquemas dele. mas depois notei que eu era bom de mais e podia fazer o que ele faz bem melhor.. – Vou acabar com sua irmã Brian. – Eu? – Você.. – Por quê? – ri pelo nariz. É a mesma técnica da tatuagem só que está é apenas um pigmento branco que tem se observar muito para enxergar. Senti-me um lixo vendo tudo o que ela fez. – O sacrifício dela é você. – sussurrei. – lembrei-me de quando eu era apenas um pivete e Marconny me rodeava sempre me querendo em seu exercito. e eu ainda fiquei sofrendo pela cachorra fiquei parecendo um zumbi vagando atrás dela enquanto a lambisgóia tinha outro. – Você tem que se cuidar mais do que nunca agora.

– Ah Caissy é brincadeira. – Claire engrossou a voz para imitar o Justin e ficava gemendo pra me irritar. POV Caissy.. mas agora ela vai ter que matar você a qualquer custo. Toma cuidado. Justin. – Te ligo depois que der um corretivo na sua irmã.– Alexia não deixou que o Marconny me matasse. – ele gritou assim que sai cantando pneu. Ah eu me odeio! – Cassidy útero você só tem um e ele já está ocupado. – Claire disse fazendo Melissa rir. .. – Não vou contar mais nada pra vocês. queria estar com ele porque eu o amo e eu tenho algo que pertence a ele. – revirei os olhos entrando primeiro na sala. – Ei Bieber. – Ai isso não tem graça. – ri alto. A aula já tinha começado e estava flutuando em meus pensamentos. – Não tem complicação vou me encontrar com sua irmã e se vocês não souberam educar ela eu vou educar.. – Mas conta ai você gritou muito no ouvido do Justin ou ele ficou falando “AWNN Te amo me perdoa”. – Vai com calma mano. – As coisas agora são mais complicadas. mas meu orgulho dizia que não tinha que seguir em frente e esquecer isso. – Claire! – Melissa gritou tendo a mesma reação que eu. – abri a porta do carro. Fiz o que faço sempre me arrumei vesti o uniforme e Justin não saia de meus pensamentos. Justin. – falei irritada. – Melissa disse rindo e eu me virei emburrada. – Ela nunca teria coragem de fazer isso. – engatei o carro.. Justin! Porque isso é tão proibido? – Vocês não tem fogo em baixo da saia? – Claire perguntou pra duas meninas sentadas a nossa frente e na hora me espantei.

– Ainda bem que você veio. cuidado para não dar tenha de aranha ai em baixo desse saiote. – Meninas silêncio.. E um silêncio foi feito na sala para assistir. – O Caissy pode parar de defender as puritanas porque você não é mais do time delas e o que você tinha de pura o Bieber já tirou. – Essa santa virgem ta me tirando gente.. – ela sorriu como é sínica. – Deus nunca vai perdoa vocês por tudo que fazem. – Justin. – bufei passando as mãos no rosto. – Ai deus. De onde estava até o casebre não era tão distantes e ainda do jeito que estava cheguei lá em cinco minutos.. – sorri com maldade me encostando a mesa velha que tinha ali. A Claire é uma porra louca. – Eu tenho pena de vocês. que ta pegando? – disse cruzando a porta friamente não passando nenhum tipo de emoção. – a irmã pediu e elas foram silenciando.. – não gostava quando ela falava assim.. – Melissa interrompeu. – É.. E quanto a Deus pode deixar que com ele eu me entendo é só rezar um pai nosso e uma ave Maria e eu estou perdoada. – E então. VADIA NÃO PERDE POR ESPERAR..– Que foi? – ela se fez de desentendida. – Só não vou dar na cara dessa safada por que. Nem fui armado queria ver se a Alexia era mesmo capaz de fazer alguma coisa comigo. Vi o rosto dela na janela e sorri como se nada estivesse acontecendo. – uma das meninas se virou dizendo. parei o carro perto da moto dela e respirei fundo para não me precipitar. – Porque nada Claire. .. POV Justin. – Eu que tenho pena de vocês.. – Eai o que. – Claire para com isso.. por favor. mas eu queria acabar com a raça da vadia. Voltei a fazer os exercícios e minha cabeça não parava de matutar o nome dele meu corpo querendo ele. – minha cara queimou de vergonha. Abri a porta devagar no meu rosto não tinha expressão. a irmã já estava de olho na confusão.

Queria ver a tal tatuagem. – Porque você está fazendo isso imbecil? – ela gritou limpando a boca. – Onde é a Tatuagem? – falei nervoso. – Mas você já quer. Estava num ódio... – Justin para.. – Eu já sei de tudo. – Tudo o que? – ela se fez de desentendida. Você e o Marconny seus esquemas o sacrifício. tudo. – Não é isso que você está pesando. – ela rosnou e bati outra vez em seu rosto. – ela olhou no fundo dos meus olhos e eu vi a mão livre dela se mexer só que fui mais rápido pegando o revolver que ela tinha preso nas costas.. – rasguei a blusa dela e ela me olhou chocada. Você está me assustando. – bati o revolver no rosto dela a fazendo virar e quando ela voltou a me olhar o canto de sua boca sangrava.. Começa a falar. – Tudo. não consegui me segurar. – não suportei ver aquela puta falar. Quero ouvir da sua boca.. – Você está blefando. – ela tentou se cobrir. – Que tatuagem? Para Justin.. mas nunca achei que você fosse capaz de tanto. – Vai vagabunda tira a roupa. . mas eu a segurei. – a joguei pra longe de mim. – É isso que você vai usar pra acabar comigo? – disse rindo enquanto ela olhava o revolver em minha mão. – Eu sempre desconfiei da sal sanidade. – ela se levantou tentando fugir. – Vai vagabunda. – Na boa Justin você está estranho.– Justin eu. – Não vai tirar? Eu tiro.. – Você não sabe com quem está mexendo.. – a empurrei com força no sofá.. – Tira a roupa. – falei sério e ela me olhou sem entender...

–Eu fui. Você é podre é a pior do que eu pensava. – ela gritou já em prantos.– Quando alguém controla parte da sua vida dos seus vícios você acaba fazendo coisas que ele manda. Eu não tenho mais medo de nada. – Você trabalha pro Marconny? – queria ouvir da boca dela essas palavras eu precisava. – Sempre fui muito gananciosa Justin. – Você é uma vadia! – Eu sei. – Sou mais eu fui forçada a isso. eu merecia mais. Sempre quis mais do que eu podia.. – Ninguém é forçado a nada. mas eu não sou uma vadia qualquer. – Eu vou matar você. – andei nervoso de um lado pro outro.. Eu não queria. – chutei a perna dela. – Eu me envolvi de mais e acabei fazendo coisas terríveis. – eu a fuzilei com o olhar. – Você se vicio naquele negócio sempre disse que aquilo iria ser seu fim. – Pra mi mera pouco. – falei entre dentes. – A esse ponto ameaças não funcionam mais comigo Justin. – ela disse sorrindo friamente incrível como o humor dela oscila. E o Marconny foi um grande passo para o meu alto nível. Eu daria minha vida por você. – Você é fraca! – gritei nervoso. – Não. Era muito pouco eu queria mais.. – Você é suja. mas a questão se tornou outra quando eu não tinha mais controle sobre mim mesma.. – Sempre dei tudo o que você queria. – ela foi ficando de pé voltando a ser arrogante escondendo suas emoções. – Eu fui Justin! – Porque Alexia? Por quê? Você deveria ser fiel a mim. E você me traiu filha da puta.. .. Não tenho controle sobre minha própria vida.

– Cala a boca isso não tem nada a ver com você! – Você é igual a mim Justin. – Acha mesmo que eu confio em você? Você é pior do que pensava.. Vamos esquecer Marconny vamos esquecer todo mundo. – Você planejou minha morte.. – ela sorriu maléfica. – Que amor é esse? – gritei nervoso. – Você sempre vai me amar. – Você está louca. – Nunca! – Eu amo você nunca seria capaz de tirar sua vida. foge comigo vamos abandonar essa vida.. Eu amo você.– Não fala assim de mim! Uma coisa não posso negar sempre amei você. – Eu não acredito mais nisso. – Justin vamos parar com isso. – Eu deveria ter acabado com a vida daquela pirralha quando tive chance. – Você é tão frio quanto eu.. – Quem me garante? – Eu. Você me conhece melhor do que qualquer pessoa. . vamos começar de novo. Lembro quando você prometeu. Nunca seria capaz de matar minha vida. – ela se aproximou tentando me envolver.. – Não é possível que você não confie nem um pouco em mim... – Eu não ia matar você. A gente nasceu um para o outro.. Eu sei toda a sua história com a Cassidy e sei que não foi por acaso. – Eu não posso. Já acordei pra vida. – Por quê? – Eu tenho uma coisa mais importante na minha vida e estou fazendo de tudo para tê-la de volta.

– tinha que comprar a ideia dela. – ela sorriu confiante. – Acha mesmo que só porque descobriu tudo isso o Marconny vai desistir de te matar? Ele quer sua cabeça a qualquer custo! – E eu a dele. – só não a matei porque ele chegou porque vontade não faltou.– O que? – Nada. – O que você tá fazendo aqui? – soltei a vagabunda que correu pro braços do idiota. Justin a gente está correndo perigo. – Você está correndo perigo. – Então mate-o para não perde sua vida.. Eu não. já que você não tem coragem de acabar com ele.. – o corpo dela enrijeceu quando o a arma caminhou nas costas delas meus olhos estavam se perdendo e a vontade de apertar o gatilho estava me tomando. – Justin! – escutei a voz do Ryan e me assustei.. – Você não diz que me ama então. – Pode sim. – Você não teria coragem.. – Então me mata. – Não posso! É maior que eu. – Vai! Você vai matar o Marconny vai fazer o mesmo que iria fazer comigo. – ela disse alterada. – Brian sussurrou no ouvido dela. – Justin eu não posso. A peguei pelo cabelo. – ela arregalou os olhos. – Fiquei com medo do que você pudesse fazer com ela. – O Marconny sempre está um passo a frente ele vai saber assim que eu parecer sem seu corpo na casa dele.. – Não mesmo. – E você vai me ajudar. . quero voltar a confiar em você. – estiquei a arma pra ela que encarou confusa. –Acabaria com você em três tempos. – Vai pro carro..

Ela vai voltar pra mim. A gente teve uma noite maravilhosa.. Se não.. – Você tem inveja porque a Caissy está comigo e não tem chance pra você. Pedi sua ajuda porque sei que você é o único que ela escuta... não sabe do que sou capaz pra ter ela de volta. – Você nem sabe o que fala. Quero a Caissy de volta. – Não foi isso q ela disse na mensagem pra mim hoje cedo.. que você está falando ae arrombado? – ele me olhou rindo. – Eu quero só viver em paz. – o que. – passei a mão no pescoço mostrando que ela estaria morta e ela sal descontrolada. – Você vai mesmo querer que ela mate o Marconny? – balancei a cabeça positivamente. – Não posso contar.. – voei em cima dele o segurando pelo colarinho da camiseta. mas ela está indo embora tá te abandonando porque você é um babaca não soube dar valor. – Ou o que Bieber? Se toca cara você diz que ama a garota. – Não pedi sua ajuda pra isso. – Você vai perde ela pra sempre otário. – Não foi a sua ajuda que ela pediu... – ele debochou. – Ou você me fala ou.. – Sua irmã já está perdida não tem mais jeito.– Espero que você cumpra o combinado vagabunda.. – Você não sabe dos meus sentimentos. – guardei a arma dela comigo. – ele debochou. – Ta louco? Viu o que fez no rosto dela? – Isso é pouco. . – Depois que erra é fácil. – Ela te mandou uma mensagem? – consegui pegar o celular dele não sei como.

– G-Grávida? – falei espantado. Vai vazar vai te deixar pra sempre. – Conta. – Mãe? – disse afobado assim que ela atendeu. – Eu prometi segredo.. – Bieber vai com calma meu.. – Isso mesmo em uma semana ela vai embora. . – gritei nervoso.– Se chegar perto eu atiro. mas nem dei atenção. – Ela já está fazendo Bieber. – Filho? – arqueie a sobrancelha me conta essa história direito. – dei dois passos pra trás cambaleando. não posso a deixar ir.. – A Caissy tá grávida. – minha cabeça processava tudo de formar rápida não deixando tempo pra nada... – Não ela não faria isso. agora mais do que nunca eu tinha que ter ela comigo. – Eu tenho que saber. UM FILHO! Não estava acreditando tinha que escutar da boca dela. – destravei a arma e comecei a vasculhar o celular até que achei. – E ela vai embora criar teu filho em outro lugar. não podia ser.. Passei a mão na chave do meu carro e sai correndo.” – O que isso quer dizer? – ataquei o celular na parede. – É cara você vai ser pai. – ele pensou um pouco sem dizer nada. Sei que você gosta dela e a quer bem então me fala. – Eu falei com ela hoje ela me pediu uma semana. “Brian o que eu pedi está de pé eu vou embora mesmo. – Ela vai embora otário. – ergui o revolver. – quase cai pra trás. – Não posso. – Foda-se não quero saber. – O que? – ele ficou espantado e se calou com o teor do momento ela havia falado de mais. liguei pra minha mãe sabia que ela estava indo ver a Caissy. Não vou mais ficar em Atlanta. – ele sorriu. – escutei Brian gritar. Em uma semana ela vai sumir com o filho dela.

– Aconteceu alguma coisa com o Justin Claire. mas eu estava sentindo uma angústia em meu peito como se eu estivesse tendo uma intuição de coisas futuras. Minha cabeça rodava. Quando abri a porta me assustei. Minha mão estava gelada não sentia meu braço e nem conseguia me mover do pescoço pra baixo. – O que você está fazendo aqui? – disse um pouco afobado porque corri muito ele me pegou de surpresa e deu dois tiros. – sorri porque eu também iria pra lá.Because I need you . POV Caissy. Continua. Justin não sai de minha cabeça e aquele sentimento estranho estava apertando meu peito. Parei o carro na frente de casa deixando as portas abertas só tinha que pegar o anel e ir direto para o convento subi as escadas correndo de dois em dois. não dava. – Ai fala logo.. – O que? – Onde você tá? – Tô indo ver a Caissy.. – A titia Pattie então vem hoje aqui? – Claire dizia enquanto caminhávamos pro refeitório. O eco da quadrada estava em minha mente e a única coisa que consegui sussurrar foi o nome da Caissy. via imagens dela passar em minha frente a todo o momento. – Caissy você está chorando? – Claire disse notando minhas lágrimas. – Mãe você não vai acreditar.– Oi Justin. Ela minha mulher. – falei desesperada sendo tomada completamente por aquele sentimento como se viesse da alma. E aquilo foi se tornando mais forte até q recebi uma pontada no peito. uma coisa estranha com se ele estivesse correndo perigo.. Era uma coisa ruim. Não conseguia dizer nada com o impacto cai no chão.. e eu era certo de apenas uma coisa ela não iria embora não deixaria.. – ia passar em casa para pegar o anel dela de volta. – Mãe eu tô muito feliz. Sentia meu coração bater mais forte e eu lutava para ficar com os olhos aberto...... Eu não conseguia acreditar. me espera no convento. *-* Capítulo 43 .

– Melissa disse. Aquilo era o melhor remédio. – Não.. e o Justin quer que eu mate o Marconny para que ele volte a confiar em mim.. – disse confusa. – uma das freiras disse no corredor e voltamos para a sala. POV Alexia. – Já tô bem. Ele me deixou em minha casa e depois foi embora. a cara dele não estava nada boa ele estava bolado e não parava de bufar a cada minuto que se passava.. a aula de vocês já começou. achei melhor ficar quieta. – elas me sentaram em um banco que tinha no meio do corredor.... mas eu via minha vista embaçar. Brian não disse uma palavra o caminho todo.. Eu poderia matar os dois de uma vez e ficar com tudo o que é deles. Acabei ficando tonta. Tomei um banho e os ferimentos que ficaram no meu rosto ardiam um pouco. – Acho que é porque você está tomando a decisão errada.. – Não. . foi mais forte que isso! – Ai credo! – Meninas. – disse para tranquiliza-las e melhorando um pouco. mas não sabia por onde começar. – Tem certeza?Não quer voltar pro quarto? – Claire disse preocupada. não queria outra briga como aquela que tivemos hoje de manhã em que os seguranças do Marconny fizeram um estrago na cara dele... E o pior agora eu estava na mão de dois malandros. Ainda não sei como pude falhar assim! Como não matei o Justin quando tive chance? Sou muito imprestável. ou não. tomei uma dose de bebida. então.. – Melissa disse em minha frente. senta aqui. – Vida de merda! Eu podia meter uma bala na minha cabeça e acabar com a palhaçada. Marconny queria que eu acabasse com a vida do Justin para pagar tudo o que devo a ele.– Caissy. a falta de assunto estava me incomodando. Eu só senti coisas estranhas relacionadas ao Justin. minha cabeça rodava e ar saia com dificuldade. – gargalhei alto. você está pálida amiga. CAMBADA DE IDIOTAS! Alguém tocou a campainha freneticamente me causando uma dor tortuosa na cabeça. Não sabia o porquê daquilo.. – Vem. mas eu não conseguia prestar a atenção aquela angustia não saia de mim de jeito nenhum.

Peguei meu celular e liguei pro Ryan. atirei nele assim que ele entrou no quarto. Meti bala no Justin.. – ele começou a chorar e na boa aquele filho da puta só poderia estar muito louco de pó pra estar daquele jeito.. – lágrimas me escaparam. – Fiquei desesperado quando você me ligou contando que ele já sabia de tudo. eu corri. – Você tem que me ajudar. já não mais aguentando o arrombado ali. mas quando estava saindo. – Eu atirei. Só que você me tranquilizou quando disse que estava indo matar ele. Ryan estava chegando... – Ele morreu? – gritei desesperada. – Você o que? – senti meu coração disparar e o copo que estava em minha mão se espatifou no chão quebrando em pedacinhos.Eu fiz a maior merda do mundo... – Te ajudar? – arquei a sobrancelha. desnorteado feito louco. – Ei. parecia um perturbado. Eu acabei com a minha vida. mas só dava caixa postal. Não fiquei no quarto. a confusão que se causava em minha mente era enorme nunca tinha sentido aquilo na minha vida.. fiquei com medo do que ele pudesse fazer comigo.. era difícil como se minha voz houvesse sumido. Ei! – gritei nervosa com a invasão do desgraçado.. – O que tu fez imprestável? – E. – Você o matou? Filho da puta como você pode ter feito uma coisa dessas seu imbecil? – voei em cima dele descontando toda a minha fúria. – ele passava a mão na cabeça e até eu que estava um pouco zureta via o descontrole do bocó. – não conseguia pronunciar as palavras.. então não pensei duas vezes. Ei. Assim que abri Jason entrou rasgando minha sala. – Eu vou acabar com você. Você precisa me ajudar. – Eu atirei no patrão.. – O que. Eu iria matar . mas eu estava no quarto dele quando o ouvi chegando e fiquei confuso porque há uma hora como aquelas era para ele estar morto não chegando em casa. ele caiu com o impacto e bateu a cabeça e depois eu corri. – ele disse alterado. só de pensar no Justin morto...– Filho da puta porque não pressiona o dedo assim no cú da mãe? – gritei nervosa enquanto caminha para abrir a merda da porta. – ele dizia tudo sem dar intervalos. – Não sei. que você fez? – gritei nervosa..

– Está sim. aquele sentimento não desgrudava de mim e eu sentia vontade de chorar a cada minuto que imagens e o nome do Justin passava por minha mente. – Não precisa de roupa Pattie..aquele Jason como ele pode ter feito isso? Imaginava pra onde deveriam ter levado ele. – ri pelo nariz. {.} – Oras Ryan onde eu estou? Eu vim ver a Caissy! Você sabe muito bem que hoje é dia de eu vê-la. – senti o ar do sorriso dela em cima de mim.. – uma lágrima escorreu pelo meu rosto... – Caissy. Senti um alivio quando a Madre me chamou em minha sala dizendo que a Pattie havia chego. sentiria falta desse jeito doido dela.. mas... – ela disse me deixando em estado de alerta. {.. – Está tudo bem. – Então vamos animar.. .} – Para de graça garoto! Falei com o Justin não tem nem meia hora. peguei a chave da minha moto deixando aquele vacilão em prantos no meu sofá.. – Hoje vamos comprar sua roupa para a formatura.} – Ryan não brinque com essas coisas. {. – ela disse atendendo o celular sem nem olhar quem era. – ela disse com aquele jeito todo empolgada dela.. – celular dela começou a tocar e ela começou a vasculhar a bolsa. Uma princesa você já é. – limpei a lágrima tentando dar um sorriso em uma tentativa falha. Fui dirigindo feito louca até o pronto socorro.... Ai Caissy eu estou ansiosa. Ele disse que estava vindo pra cá.. – Acredita que o Justin me ligou todo empolgado dizendo que estava vindo pra cá? Acho que ele estava bêbado.. Acho que estou desanimada hoje. POV Caissy. – Como não? É o seu baile! O dia que você tem que estar vestida como uma princesa. Quando a encontrei na sala de visita me agarrei a ela com vontade de não soltar.

Eu preciso ver ele.. {.. – Ele foi baleado.{.} – Por favor. – E-Eu tô indo... – Pattie não me impeça de estar do lado dele. – disse com os olhos mareados.. . Eu sabia que tinha alguma coisa de errado. – Pattie o que foi? – já disse com o choro preso em minha garganta. – Que foi Pattie? – ela pediu calma com a mão. – disse um pouco grossa. Ryan me diz que isso não é verdade. com dificuldade controlada pelas lágrimas foi exatamente assim que caminhei até o carro.. – quase sem ar... – frequência cardíaca aumentou.. – Por favor.. – O Ju-Justin... sabia que ele estava correndo perigo. eu senti.. – ela disse controlando o choro e se dirigindo a porta. um amargo desceu rasgando minha garganta e a lágrima caiu sem ser sentida. – disse entre soluços. Senti a espinhar gelar. – ela cobriu o rosto com as mãos. – Vai pro carro! Eu vou assinar sua saída. – ela começou a lacrimejar os olhos e fui ficando afoita. E desligou o telefone me encarando indecifrávelmente. – O Justin o que? – disse alterada. – Meu lugar é perto dele.. Pro hospital..} – Tudo bem eu estou indo pra ai agora! – ela secou uma lágrima que dançou contornando seu rosto. {.} – Quando foi isso? – Pattie já disse um pouco alterada. – Aquilo não é lugar pra você.. O segurança abriu a porta de trás para que eu entrasse. – Cassidy. – Pattie eu tenho que ir com você.

. – Mas o que aconteceu. – Já faz um tempo que eles estão no centro cirúrgico. De inicio não reconheci. – a mulher que estava com o Ryan disse.. – Eu sei que vai. queria invadir aquilo e ir atrás do meu amor. era muito sangue. será que dá pra me explicar? – Pattie estava desesperada e Ryan estava se desestruturando. odiava hospital só pelo fato de saber que ali se concentra coisas não agradáveis. não sei. – Eu não sei. mas ele estava demorando de mais então o chamei. Fiquei no andar de baixo esperando ele descer porque Guadalupe disse que ele estava lá em cima. Era o Justin! Nada de mais acontecia com ele. Queria estar ao lado dele. – Onde ele está? – Pattie disse um pouco afobada. Ele sempre foi confiante. – respirei fundo. Sua camisa branca estava toda ensanguentada. Eu queria ver precisava ver ele.. – ela colocou a mão no rosto.O caminho inteiro queria acreditar que tudo ficaria bem. – Meu Deus. ele me fez confiar que nada aconteceria com ele e eu acredito nisso. . fiquei impressionada. – Ele vai ficar bem. – estava de cabeça baixa. Nunca tinha ido naquele hospital. Quando estava parando o carro na sua casa escutei dois tiros. subi. mas depois quando ele nos notou pude ver que era o Ryan. Justin e Ryan eram como irmãos e ver o sangue dele na camiseta do Ryan me fiz ficar mais desesperada. Caminhei até a porta onde dizia proibida a entrada. eu não sei o que aconteceu. Quando cheguei à sua casa o encontrei baleado. como não obtive respostas. tornando o azul mais intenso. Não me diga que estavam brincando de roleta russa! – Não Pattie... Ele sempre me certificou disso.. Entramos na sala de visita e vi um casal sentado na sala de espera. – Estão operando ele.. achei que era o Justin treinando então nem me toquei. – Ryan isso não foi mais uma das brincadeirinhas bobas de vocês. Abracei meus braços.. – Os olhos de Ryan estavam cheios de lágrimas. Vi uma poça de sangue perto do quarto dele e quando abri a porta ele estava estirado de bruços no chão desacordado. – a garota disse ao meu lado.

– falei rápido e o médico me encarou. – Você garante que não vai acontecer nada com ele? – disse sendo firme. Meu estoque de lágrimas já havia falido. Não pode entrar ninguém no centro cirúrgico só amanhã de manhã. Andava pra lá e pra cá esperando uma resposta. sentia minhas mãos tremerem a espinha gelar. – Mas não pode ficar ninguém dentro da Unidade de tratamento Intensivo. Teremos resultados nessas 24 horas. Liberava os soluços doloridos presos em meu peito.. – Balas muitas vezes vencem ossos. – Ele morreu? – ela disse alto chamando as atenções. – Ele está em coma induzido. Foi quando em uma volta que dei. Pattie não estava nas condições de dar ordens. Pra falar a verdade os primeiros socorros foram cruciais. . – Mas ele está em risco? – Alexia perguntou enquanto minha mente trabalhava. O Justin não morreu e nem vai morrer. ele perdeu muito sangue então agora é só esperar a reação dele durante 24 horas. Vaca. Ryan não arredava o pé dali enquanto não tivesse noticia sobre ele. pois ela estava irredutível. me escorava nas coisas. Conviver no mesmo ambiente que aquela garota estava me irritando. Mais um tempo esperando até que um médico vestido de verde . ela me encarou de longe depois veio em nossa direção fiquei parada a olhando de braços cruzados. principalmente depois do transplante de sangue. Cinco horas havia se passado e nada de noticias. – Não Alexia. mas tinha que manter firme.saiu de lá de dentro.roupa de cirurgião .. meu coração não aguentava mais aquelas emoções. meu nível de preocupação estava elevado e a todo o momento sentia minha pressão cair.. Um estado grave estável. Senti uma repulsa ao olhar a cara dela de sínica inchada de tanto choro. – A bala ficou alojada no peito direito e a outra pegou de raspão. aquele rosto inchado não me enganava. – Eu quero seguranças fazendo a segurança do quarto dele. Tiveram que dar calmante a Pattie.Precisou que doassem sangue pra ele e a primeira escolha foi a Pattie os dois tinha o sangue compatível. no canto do olhar vi Alexia cruzar a entrada.. – Ryan disse entre dentes e ela se esquivou. mas não foi o caso do Senhor Bieber. – ele se aproximou dizendo. pois as tonturas e os enjoos estavam mais fortes que o normal.

. mas. – beijei o alto da testa dele. não queria deixar ele ali sozinho. Fui andando no corredor e fui tendo uma vertigem e tudo começou a ficar preto e eu fui perdendo o controle do meu corpo. – Vamos Justin reage. que nunca mais saio de perto de você até o dia de minha morte.. na boca no nariz. Comecei a me deixar por aquele sentimento e me sentia culpada. – Quando você pediu. – Vamos? – o médico me chamou. Coloquei uma touca prendendo meus cabelos e a Alexia tentou passar minha frente. Ele estava tão sereno. – Se você voltar pra mim eu juro que nunca mais te deixo. Estava me mantendo forte. Garanto que eu tenho mais direito sobre ele do que você. Não me deixa. Aproximei-me devagar e o médico indicou cinco minutos com a mão antes de fechar a porta. sai dessa por mim.. Não me abandona! Não me deixa aqui. – Piveta. parecia estar dormindo. – me encostei ao lado da cama e algumas de minhas lágrimas molharam o rosto dele. Eu te amo tanto. Eu não aguentarei ficar sem você. eu quero você comigo. você não pode dar ordens em nada. Sei que isso foi culpa minha. A cada passo minhas lágrimas se multiplicavam. Até o homem de confiança dele aparecer. O médico caminhava na frente e eu ia logo atrás. eu deveria estar ao teu lado. O barulho daquele negócio indicando os batimentos dele estava me deixando atordoada. o deixando cair ao chão. Dei outro beijo nele e depois me retirei.. – o médico abaixou o olhar. Ele estava cheio de aparelhos em cima dele. . o médico parou abrindo uma porta. Juro que estou arrependida – disse segurando a mão dele.. – Então eu quero seguranças onde ele está. mas Ryan disse que era melhor que fosse eu.... ele precisava de mim! Eu sei que precisava. ele me ofereceu uma roupa azul liberando a minha entrada na UTI. se você não lutar. Eu quero você de volta.. Ele iria ficar bem eu sei que iria.. Pensei comigo mesma. – Eu deveria ter voltado com você. – afinal a mãe do filho dele sou eu. um monitor soava um barulho alto e o rosto dele estava cheio de canos.– Não. – Alexia me afrontou. deixei quieto. por favor. – Não te perguntei nada. E a porta de abriu. Acho que o médico viu o meu desespero e sentiu dó ou algo do tipo. – Os seguranças ficarão na porta do quarto dele. Pattie sempre andava com dois seguranças então seriam eles que fariam a segurança do Justin. pois estou aprendendo da pior forma. Eu tenho um presente pra você. Se isso foi um castigo foi o mais injusto. – sorri deixando uma lágrima cair me lembrando de que para nós tinha um motivo novo.

. Mexi meu braço. Ele acariciou meu rosto e eu forcei um sorriso. mas Brian me impediu de tirar o soro de meu braço e eu o fuzilei. Eu quero ficar perto dele e. Minha voz estava fraca e arrastada. – C-Cadê. . Eu precisava vê-lo.. olhei aquela agulha fincada no meu braço e me subiu um enjoo uma náusea inexplicável... *-* Capítulo 44 .– Alguém ajuda aqui. Ele tapou minha boca e me encarou. brincando com o caninho do soro que estava ligado a agulha.. precisava abraçá-lo..O Justin acordou.. – Já disse. Eu precisava levantar.ele disse calmo e depois me encarou. – Quem está lá com ele? – perguntei curiosa. . – revirei os olhos vendo a lerdeza de aquele soro pingar gota por gota.Big girls dont cry Estava tudo muito escuro. ele! Minhas mãos foram ágeis naquela agulha. Tentei abrir os olhos. – bufei irritada. – escutei o médico gritar antes de apagar de vez. – tentei dizer. – Caissy! Finalmente! – Brian disse aproximando-se de mim e tomando minhas mãos nas suas. mas nem se eu quisesse dizer. já está acabando. seu corpo. Brian era irreversível então querendo ou não eu ia ter que esperar aquela joça acabar. – disse sério e foi involuntário o meu melhor sorriso surgiu em meus lábios e eu senti minhas bochechas se abrirem.. tá acabando. – Você tem que terminar de tomar o soro. Precisava de seus lábios. – Ô menina apressada! – Eu quero ver ele. – Calmo já tá acabando. Brian me permitiria. meu corpo estava pesado e eu me sentia cansada sem nem ao menos ter feito algum esforço.. Precisava dizer o quanto eu o amo e quanto me arrependo de ter deixado ele. – falei impaciente e ele sorriu pelo nariz. mexi um pouco as pálpebras. mas fios os prendiam como se ele estivesse preso a algo.. mesmo sabendo que a claridade de onde eu estava iria irritá-los. – Brian eu preciso ver o Justin. Revirei os olhos mudando meu foco do olhar . CONTINUA. senti-lo próximo a mim. merda.. Ah Brian pelo amor de Deus me deixa sair daqui. forçandoas a abrir e pouco depois elas cederam.... ainda estava um pouco tonta e minha boca amargava.

– Acho que ele está sozinho. – eu e Brian nos entre olhamos. Ela deve estar achando que sou uma vagabunda. – Brian deu um tapa leve na minha cabeça.. pelo jaleco branco e os óculos na metade do nariz olhando por cima. –ela disse sorrindo. – Tudo bem pai é quem cria. De três meses. – falei um pouco alterada. – ela disse sorrindo. mas isso eu já sabia só não sabia que já eram três meses. – arregalei os olhos espantada. Ok.. – Parabéns casal. Como assim eles deixaram o Justin sozinho? – Ryan foi levar a Pattie em casa ela não estava muito bem. Do que ela estava falando? – Ã? – Você está grávida Cassidy. – o veia burra acha que tenho um caso com o Brian. – ela disse sorrindo pro Brian.. – Vocês foram abençoados. Logo a identifiquei como médica. – Não! Eu tenho que ir. – Pensei que você estava de um mês.. Mas isso não importava o sorriso do Brian dava para entender que ele era o pai. – O Pai é outro.. – Olá Senhorita Cassidy! – uma senhora loira entrou nos interrompendo. – Quer que eu vá lá ficar com ele? – ele brincou. – Brian me olhou confuso. . E também nem faz tanto tempo assim que o Justin acordou. – disse sorrindo. – Não. Trazia junto de si uma prancheta. – Eu tô bem né? – arquei a sobrancelha. Eu não sou o pai! – Não? – ela disse frustrada. – Mesmo assim ele não poderia estar sozinho.. primeira coisa que pensei: FODEU! Vou ficar aqui o resto da minha vida. Como é bobo ele estava com um sorriso de orelha a orelha como se aquela noticia tivesse sido boa para ele. – Claro que tá ou.. – É papai o tempo passa rápido.. Mas depois que ela sorriu eu eliminei esses pensamentos de minha mente.

– Eu quero ver o Justin. Respirei mais algumas vezes. – disse um pouco manhosa assim que uma enfermeira entrou e começou a tirar aquelas coisas do meu braço. – ele disse olhando para o chão. três. – assenti sorrindo..nada daquilo estava me importando o que eu queria mesmo era ver o Justin. – disse olhando para baixo. – Já acabou você já pode tirar isso do seu braço. Mas antes de ir embora preciso que você passe na minha sala para eu receitar umas vitaminas que seu corpo está precisando. Ele retribui desanimado.. só você a Claire e a Melissa sabiam. Ou não porque não sei o que ele estava pensando sobre isso. Respirei fundo uma. – ele me olhou cabisbaixo e eu lhe lancei um sorriso.. sei lá.disse ríspida.– Mas doutora quando vai dá pra saber o sexo? – Brian perguntou um pouco afobado. Uma hora ele teria de saber. – E quando eu posso sair daqui? – perguntei ansiosa e ela passou o olhar para o soro que pingava suas ultimas gotas.. tentando reconfortá-lo. – Ah isso é mais recomendado a partir dos quatro meses. Foda-se. duas. . Eu não poderia deixar você ir embora sem antes saber a opinião dele sobre isso. Você contou pra ele. e. A não ser que você. .gritei e Brian me encarou com os olhos aflitos. agora já foi... – Contei.. Isso não fazia parte do plano inicial. e sinceramente? É até bom que ele saiba menos um trabalho para mim. senti meu estomago apertar. – Brian. desembucha! . – O Justin já sabe que você está grávida.. é menos risco para o bebe e uma forma mais prática o ultrassom. – Espero que a reação dele seja boa. – Que foi? – perguntei esticando os braços e descendo as pernas pra baixo.. Brian me estava me encarando de um modo que assustaria qualquer um.... Foi em um momento de confusão. ai eu falei tudo! Ele já sabe de tudo. mas nada mais está de acordo com o que planejei.. – É-É que. . – O QUE? Como assim ele já sabe? Eu não contei nada pra ninguém.. Aquele clima de tensão estava me deixando irritada.

– os olhos dele estavam perdidos. Até o Brian estava aqui. –ele passou a mão no meu rosto. – Ryan estava aqui? – ele disse com a voz falhada e um tom risonho. Ela não estava muito bem.exigi. – Que droga. mas eu impedi. Ainda não sabia o que fazer. – É que.– Eu só quero o seu bem e o melhor pra você... – ele tentou arrancar a mascara. Voltei correndo no corredor até o quarto do Justin. não tinha tocado no assunto do Marconny. – bati o pé nervosa. – Onde está minha mãe? Não aguento mais essa mascara no meu rosto eu quero sair daqui. Não pregou os olhos um minuto. agora me leva pra ele! . Estava escutando a conversa do Brian e da Cassidy atrás da porta e não acreditei ao ouvir que ela estava grávida não podia ser! Ele era meu e com isso ela iria roubar ele de mim pra sempre. – ainda estava muito incomodada com aquela noticia. POV Alexia Meu coração ficou acelerado de forma descontroladas quando ouvi aquelas palavras. – ele passou a mão em meus ombros.agradeci quando ela terminou. . – Eu sei. – Voltou? – Justin disse com dificuldade com a voz saindo falhada porque tinha uma mascara de oxigênio em seu nariz. É eu não encontrei o banheiro e decidir voltar não queria te deixar sozinho.disse e logo após se retirou.. – o abracei. minhas pernas ficaram bambas e eu não sabia o que fazer. você primeiro vai à sala da médica depois eu te levo pra ver o Justin. – Obrigada! . – Nada disso. – ele balançou a cabeça. Estava achando o jeito dele estranho ele não tinha me tratado mal.. – a enfermeira disse. – Por nada! . – A sala da doutora é a próxima à esquerda. – Sim ele estava aqui. Então eu tinha que manipular a mente dele de algum jeito. – Ryan foi pra casa. – Brian.

– Sua mãe pediu para buscarem a Cassidy. – Acho que agora ela está querendo alguém que trate ela bem de verdade. – Não sei como te atingiram. não a Alexia que fazia parte da gangue do Marconny. . sociais e psíquicos. tenho certeza que não se alimenta bem e isso terá que mudar. Foi horrível Justin achei que ia te perder pra sempre. – ela começou a rabiscar uma receita. – ela me entregou a receita. – ele disse ficando cansado só pelo esforço de falar aquelas poucas palavras. mas ela nunca deixa o orgulho de lado. Você estava em casa tinha acabado de me ligar dizendo que estava indo pra casa e depois de um tempo um de seus seguranças me liga dizendo que você estava a caminho do hospital.. Tipo o Brian.. mas existem riscos biológico. – Aonde fomos? – ele arque-o a sobrancelha. – Só não entendo onde vocês foram à noite passada. por favor. – ele me olhou confuso. Evite isso o quanto puder. – É você magoou ela de mais Jus. –sem querer toquei no assunto.. – Não me lembro de nada. Você estava correndo risco de vida. Acordei e o médico disse que estava na UTI e que eu tinha sido baleado. – Ela já me esqueceu.. – Aqui está. eclampsia. mas ela não quis vir. – Não sei por que ela não quis vir estranho né. Vou te indicar uma obstetra para iniciar seu tratamento. POV Caissy. – ela olhou pro Brian. – aquilo caiu como um presente dos céus. – passei a mão na cabeça dele. O seu pré-natal tem que ser com muito cuidado e eu preciso que você inicie ele o mais rápido possível. Você está com imunidade baixa. – os olhos dele estavam mais perdido do que nunca. Também depois de tudo que aquela médica disse era pra ficar preocupado. mas não me lembro de nada disso. Brian me olhava preocupado. por isso ele não tinha tocado no assunto ele não se lembrava de nada então eu ainda era a Alexia dele. – tentei ser o mais natural possível. – a voz dele estava falhada. pois você corre um risco muito grande de ter pré-eclâmpsia. – Nada. – Não se lembra de nada? – disse chocada. – Não a deixe passar muito nervoso. – Bom Cassidy o problema de ser mãe adolescente não é apenas por causa da idade. mas notava um pouco de emoção. Temos que tomar cuidado. – E. – forcei um choro e me deitei por cima dele. anemia ou alguns tipos de infecções.

– Licença. – Ficar com você. – Eu sempre me lembrei de você. – Ual. – Alexia disse se levantando e secando o rosto pelo que via parecia que ela estava chorando. – Agora já pode ir embora. Alexia estava deitada com as pernas pra baixo ao dele. – Vou deixar vocês a só preciso falar com o Brian. Eu queria sair voando daquela sala pra ver o Justin. – disse um pouco sem graça por ver os dois naquela intimidade. – disse como se fosse obvio. – Agora você vai me levar pra ver o Justin. – Teve que acontecer uma coisa ruim pra você se lembrar de mim. – Porque você está me tratando assim? . resolveu vim me ver? – E eu poderia deixar de vim. – ele riu peguei na mão dele e dobramos os corredores juntos. Senti um pouco de receio quando paramos em frente à porta. e aquele monte de aparelhos em cima dele do mesmo jeito que tinha vindo aqui antes só que agora ele estava acordado. – Oi Cassidy.. – Já sentiu pena? – ele tinha dificuldade pra falar. Vi os olhos dos Justin se esticarem ao me ver. – O que você veio fazer aqui? – ele disse sério. – Não.. Ainda era a mesma sala que ele estava. – Obrigado.– Pode deixar doutora. – disse sem graça. – Do que você está falando? – ele tossiu um pouco. mas Brian foi mais apressado e deu duas batidas na porta depois abriu pra que eu entrasse. – Brian disse sério. – sorri pra ele que me encarava confuso. Sorri com muita falsidade e com cuidado me aproximei da cama do Justin. – ela saiu sorrindo nos deixando a sós. – disse sorrindo quando ela abriu a porta para que nós saíssemos. né? – ele disse um pouco ríspido. – Oi. Nem que eu tenha que colocar uma arma na sua cabeça. – 1 mês se lembrando de mim? – não estava entendendo o que ele estava dizendo. Respirei fundo e depois entrei devagar.

. – Então senhor Justin como está se sentindo? – um médico adentrou a sala. Eu estava confusa não sabia o porquê ele estava falando aquele monte de merda. não queria chorar na frente dele.. – Vocês fazem parte da família do senhor Bieber. POV Alexia.. – Alexia isso não me convence! – Quando eu quero mudar você não ajuda. Eu estou precisando de ajuda. – intensifiquei o choro. mas eu amo o Justin e quando passou por minha cabeça só a possibilidade de perde ele eu surtei. – El está melhorando. fazer com que ele esquecesse a história do Marconny. Agora eu sei o quanto isso é valioso o quanto viver é significante. – disse sorrindo. Antes eu brincava e não ligava. Ajuda-me a mudar? – forcei umas lágrimas. . Passei pelo Brian e Alexia que estavam parados no corredor sem parar.. – Brian você acredita em arrependimento? – ele me olhou em silencio. sumi escutando os gritos do Brian. já que o Justin não se lembrava de nada eu tinha que o fazer mudar de ideia. – ele foi curto e grosso. Pensei que ele estaria bravo no mínimo só pela gravidez.. – Brian. – Que bom. Precisava comprar a ideia do Brian. não quero mais ter a mesma vida de antes.. você está há um mês longe de mim. né? – o médico que estava cuidando do Justin se aproximou. mas ele estava diferente e confuso. por favor. – gritei causando eco e ele me olhou assustado. – Você ainda está bravo? – Decepcionado seria o certo. – ele disse sendo grosso. O médico começou a examinar ele e eu fui me afastando até que decidir sair da sala. Será que você não cansa de brincar com meus sentimentos garota? – Justin eu. – Depois de quase perde o Justin eu estou arrependida. eu quero mudar. – Não tem como ajudar.– Você já deixou bem claro que não me quer mais em sua vida.

. pois quer saber como veio parar aqui então eu preciso que vocês achem um boa explicação pra ele. – Será mesmo? – ele disse confuso. – Estou a um tempo procurando pela mãe dele.. – Tudo bem. – disse sorrindo. – do nada a Cassidy saiu correndo de dentro da sala Brian a gritou umas duas vezes. – Pode falar comigo. Isso ajudaria bastante ele precisa tirar esse bloqueio que a mente dele impôs. – Brian disse e eu sorri por dentro eu nunca deixaria ele se lembrar de nada. – Agora vou dá uma checada de como ele está. Isso pode ser um quadro temporário. – Brian eu juro.. mas procure ser o mais clara possível para que a mente dele não crie fantasias. mas não a encontrei. mas ela o ignorou e ele me deixou sozinha e foi atrás dela. – Brian disse. é a perda de memória causada por um trauma psicológico. ele está tendo uma confusão mental. Ele sofreu emoções muito fortes que apagaram uma parte da mente dele.. – Contei a ele algumas coisas que ele fez antes do tiro. .– Estamos com ele. Acho que nasci com a bunda virada pra lua. Obrigada pelas informações. pelo que percebi ele não se lembra de nada do que aconteceu antes do acidente. pois eu vou fazer tudo com muita perfeição.. ou seja. – Eu já fiz isso... Eu quero mudar eu só quero ser feliz. – O Senhor Bieber acordou não se lembrando de nada e então fizemos alguns exames ele está com Amnésia emocional/histérica. E eu manipularia todo mundo eu estava no controle outra vez. como eu sou sortuda eu vou ter tudo de volta e nada de deslize dessa vez. Isso é pra você me ajudar. – Isso é bom. O Justin esquecer tudo tem alguém que acredita em mim que sabe que eu mudei.. – Você está vendo como tudo está ao meu favor. – Tudo bem. – Não sei. – Brian disse. A febre não estava abaixando. Fiquei dando risada de como as coisas estavam dando certo pra mim.

– cruzei os braços.. – Não sei ele está diferente falando nada com nada. – Então ele não lembra que eu. Estava indo em direção à saída quando os braços fortes do Brian me alcançaram. – Não isso é temporário… Ele só precisa que nós o ajudemos a recobrar a memória. mas algo me dizia que não era pro Justin saber sobre a existência daquela criança fiquei confusa. 1 semana depois . – E o Justin vai ficar retardado assim pra sempre? – ele riu. mas ele me segurou com força.Continua. *-* Capítulo 45 . – O que? – O médico disse que isso foi causado porque ele sofreu muitas emoções sucessivamente… Ele ficou sabendo que você estava grávida que a Alexia. – Não. pelo jeito não. – limpei as lágrimas incrédula. Ele diz coisas que não tem nada a ver. fala como se não me visse a um mês. Claire e Melissa quiseram saber de tudo nos mínimos detalhes e ainda me aconselharam sobre tudo o que estava acontecendo… decidir dormir um pouco minha cabeça estava à milhão. me prendendo onde eu estava. O que houve? – ele me virou pra ele.. – Brian mordeu os lábios. – Fala o que essa vaca fez? – Nada. Ei..A Victory Of Love POV Caissy. – não sei por que.. – Ele está com uma leve amnésia Caissy. – Ela cair na real? Conta outra. – Ei. Tentei me debater. isso já é passado esse acidente serviu pra Alexia cair na real e ver o quando de merda ela estava fazendo na vida dela. Não consegue se lembrar de nada que antecedeu o acidente.. Um dos seguranças me levou de volta para o convento para eu tomar um banho e descansar um pouco Brian me obrigou pra falar a verdade..

sem beber. – disse com ironia. Não aguento mais ver a enfermeiras saírem daqui assustadas porque você está dormindo com esse negócio em cima do teu peito. – Ele está dizendo isso desde que acordei e eu nunca saio daqui.POV Justin. simplesmente assim não podia foder. Alexia estava diferente o jeito dela estava diferente. – O segurança foi buscar a Caissy. – ela se mexeu no sofá trocando de posição. – ela balançou a cabeça negativamente. Ficar naquela porra estava me tirando do sério já tinham me ameaçado se eu não ficasse quieto iriam me amarrar naquela cama… uma semana deitado naquela cama. – Que milagre o Brian não ter ido busca-la. nem fiz questão de saber pra onde. sem dirigir e o pior de tudo não me lembrava quem foi o filho da puta que me deixou ali daquele jeito. não suporto a ideia de ela estar ali apenas por pena. já você tem alta. – Justin! – Eu tenho dinheiro manda botar na conta que eu pago. já tinha quebrado uns dois daquele. estava sem sexo. Cadê vagabunda da Alexia? – Não sei cheguei e ela estava saindo. não podia foder. Cassidy quase nunca ficava aqui quando estava acordado e quando ficava a gente sempre brigava. – O que vocês querem agora? Até minha arma? Vai tomar no cu! – empurrei um dos monitores que caiu e quebrou. Uma semana! Meu nível de stress estava super-alto. Tinha que ver a Alexia e a Cassidy todos os dias e nenhuma das duas me saciava. – Mãe cadê minha arma? – passei a mão em baixo do lençol vendo que alguém havia tirado ela dali. – Não aguento mais ficar aqui. Ela vai vir te ver e depois vamos ao shopping amanhã é a formatura dela. – Então não pode se diagnosticar. – Seu médico disse pra mim que já. – Guardei. – Quando eu vou sair dessa porra? Quando vocês vão ver que eu estou bem e já posso sair daqui? – Você é médico agora? – a encarei sem responder nada. . não aguento mais. – coloquei a mão na cabeça impaciente.

. todo mundo estava encantado com minha irmãzinha e meu irmão era fodinha que nem eu. – Eles são muito amigos. – Teve a quem puxar. – Cadê meu pai? – finalmente aquele velho veio me ver. – Não acha que você está chato de mais? Meu deus cadê a enfermeira pra te dar um sossega leão? – Estou desarmado. mas fiquei feliz por ele ter trazido os pivetinhos novo dele pra me ver. – Ele foi levar seus irmãos pro hotel que ele está hospedado. estava sendo a Alexia pela qual me apaixonei. – Sua irmãzinha é muito linda. – Imagino. – Falando na diaba. – Quero saber onde a Alexia foi. – Pena que você não está dando valor pra isso né. Seu pai adorou a Cassidy inclusive seus irmãos. Foi só fechar a boca e ela entrou. Você está tratando ela muito mal.– Ele estava ocupado pediu pra um dos seguranças. – Me dá até uma saudade do tempo em que você era gente. mas é que todo dia ela some e nunca ninguém sabe pra onde ela foi. – Ela é perfeita. mas se ela enfiar alguma coisa em mim vou matar a filha da puta. uma coisa que venho notando nela é que o semblante de maldade dela estava desaparecendo ela estava muito suave. – minha mãe bufou. – debochei. ela estava com uma antipatia enorme pela Alexia. – Agora eles não se desgrudam. – Deveria ter lavado sua boca com sabão quando você era menor. – revirei os olhos e ri da cara dela. – Onde você estava? – ela estava sorridente. – disse sorrindo. – ela deu de ombros. me deu um sermão de uma hora. – ela sorriu. – minha mãe se levantou.

– minha mãe foi um pouco rude e depois saiu da sala. – Talvez seja. mas ultimamente ela estava tão distante só vivia de segredinhos com o Brian quando não com os pensamentos longe. – O que? – ela disse um pouco alterada. – Muito obrigada já tenho muitas dessa. – Não vejo o babaca há muito tempo. – Não aguento mais ficar aqui deitado nessa merda. Até acabei dormindo. puxei ela pra deitar em meus braços. mas não comentei só observei. – Alexia disse um pouco nervosa e eu notei isso. – dei de ombros e me fiz de desentendido. – E ai já está à beira de um ataque ou aguenta mais uns dias aqui? – ela disse sorrindo. – Ontem fiquei na casa do Brian mó tempão esperando ele chegar. – E-Ele deve estar fazendo o trabalho dele ué. Queria que a Cassidy ficasse assim comigo. –ela disse se sentando ao meu lado na cama. – Pattie comprei umas orquídeas lindas. – Jason sumiu. – Por quê? – Não sabia que ele e a Cassidy tinham saído pra jantar e fui pra casa dele. – ela deu um beijo rápido em mim e depois se afastou. – Você não está sabendo? – Sabendo de que? – rangi os dentes. – Ops! – ela colocou a mão na boca. – O que? – disse alterado. – ela estava brincando com o lençol que me cobria. a noite dos dois foi ótima pelo vistos por que ele chegou muito tarde. – Ei baby loguinho você volta pra casa.– Fui à minha casa arrumar umas coisas. depois te dou algumas para você colocar em seu jardim. .

sabia que ela estava dizendo aquilo só pra lançar o veneno dela. POV Caissy. pois já havia um pequeno volume na minha barriga. mas pelo menos era única que me dizia a verdade. Antes queria cria-lo longe de tudo isso daqui. mas com o estado Justin não sei se esse é o melhor a fazer. – Pattie disse assim que dobrei o corredor a encontrando. Uma vez uma enfermeira me perguntou se o Justin tinha duas mulheres. – disse sorrindo ela estava em frente ao quarto dele. – Eu vou matar seu irmão quando eu sair daqui.– Os dois estão juntos. coloquei uns óculos escuros minha roupa estava básica só pra ir ao shopping mesmo com a Pattie. A madre me avisou que o segurança já tinha chegado. ele sempre fica . – Pattie. Todo mundo estava fazendo você de besta. – Tirando fato que a víbora já está ai dentro. – Ai Jus eu não queria te deixa nervoso. – ela me fez rir ela dava cada apelido pra Alexia. mas algo me prendia aqui. Iria passar pelo perrengue de ver o Justin e ser tratada mal como sempre. se ela não é minha não é de ninguém! – Alexia me olhou assustada e eu estava fervilhando em ódio dos dois. o bebe. – ela disse com inocência. –Não gosto que essa menina fica sozinha com o Justin. mas estava meio pra baixo tinha ideias repentinas sobre ir embora. – Tudo bem? – a abracei firme. No mínimo todo mundo sabia disso e estavam me fazendo de idiota. – Filhos da puta. Não passei bem a noite toda. foi uma das piores fiquei ajudando um pouco na decoração da formatura e depois fui dormir todos no convento estavam muito empolgados. O caminho foi rápido nem percebi quando cheguei fiquei trocando mensagem com o Brian que estava longe. fora que usar blusinhas coladas já não podia mais. só que agora acho que eles estão levando mais a sério. está sim. mas é a vida. – sussurrei. estava na fronteira. – Ah todo mundo sempre desconfio. – Aquela vadiazinha acha que me engana? Vem aqui pagar de santa. – ela disse como se fosse obvio. mas no mínimo deve estar fodendo com o otário do seu irmão. mas vai que alguém notasse. coisa boba. Entrei pela recepção do hospital recebendo olhares de algumas pessoas que estavam ali. – Eles assumiram? – disse sem acreditar. porque sempre me viam com ele e depois a Alexia era uma confusão que só. – Caissy como você está linda.

– ela pegou a mão da Alexia e saiu arrastando. – ele disse comprimindo o lábio inferior. – Acabei de chegar. Não tirei os óculos isso é falta de educação. – iniciei o assunto. Sempre que entrava no quarto quando Alexia estava meu coração se quebrava ela sempre estava em clima íntimos com ele desta vez ela estava deitada ao lado dele com os braços dele envolvidos nela às vezes pensava que aquilo era só provocação. – Amanhã é minha formatura. certo? – ele disse com cara de sínico. Sentia remorso ao ouvir isso e não dizer nada a ela. mas às vezes doía de verdade. – e sempre descontava em mim incrível isso. Justin me olhou de cima em baixo e mudou o foco do olhar. depois você volta queridinha.agressivo depois de ficar com ela. – Ai a Caissy também. – Mas é claro que não… . – Pattie disse me fazendo rir pelo jeito que ela era direta. – Então Alexia acho que estamos sobrando. Ele estava encarando a parede. – Pattie disse e os dois se recompuseram. – Será que tem algum problema se eu entrar? – apontei a porta. – Oi. Juntei minhas mãos perto da barriga estava com mania de fazer isso quando ficava apreensiva. . – Uma princesa veio visitar um príncipe. mas era pura verdade sempre que a Alexia sai eu entrava e ele só me tratava mal. – Oi. algumas vezes preferia ficar com ele quando ele estivesse dormindo. mas eu não queria mostrar meu olhar de tristeza por ver eles assim tão próximo. – forcei um sorriso ele estava com uma cara de ódio de dar medo. – E a memória? Está voltando? – Não sempre tento o fazer lembrar sobre o que ele queria me contar naquele dia… Mas parece que pra ele isso é meio difícil. bem que a Pattie disse que Alexia mudava o humor dele que já não era muito bom. mas é que do jeito que o Justin anda me tratando tenho medo de contar sobre o bebe. – Pattie me contou essa história e no mínimo ele queria dizer a ela que eu estava grávida. Nem ruim o bicho deixa de ser idiota.ela sorriu e pegou na minha mão abrindo a porta. – O Brian vai te acompanhar.

– me quebrei inteira por dentro. –sorri mostrando minhas lágrimas. – Porque você está fazendo isso? Porque está agindo feito uma criança? Porque tanto ódio assim do nada. Ele não me tratou assim nem quando me viu aquela noite na boate porque estava fazendo isso agora? – Quer uma lista? – Eu achei que as coisas seriam diferentes. Mas você está sendo um babaca. Vale a pena ter uma mulher como ela ao lado. – Me conta se isso é de família… Alexia também é uma boa companheira? – ele me olhou incrédulo acho que não esperava por essa. – sorri tirando os óculos. mas não sei se ela me quer ao lado dela. – É Brian é um bom companheiro. – Espero que ele seja um bom companheiro e que você aproveite bastante. Chega já aguentei de mais ele fazendo isso e eu sempre dava uma desculpa para mim mesma. Garota presta a atenção eu não preciso de você pra nada.– Ele sempre me acompanha. dizendo que era a amnesia. – Também achei que seria diferente até descobrir vagabunda que você é… Mas você mostrou pra mim que não se importa e que já tem coisas melhores pra fazer. Pena que isso não vai durar muito é só até eu sair daqui. – disse sendo natural. mas continuei mantendo a postura. Falso! – Acho que não poderia encontrar pessoa melhor. Vadia a gente encontra em qualquer lugar… Olha a Alexia ai aos meus pés. – Pensam em casar quando? – não sei por que disse aquilo. o que eu te fiz? – disse explodindo. Só trocávamos alfinetadas. – Que bom. tive um desespero interno para ouvir aquela resposta. – ele sorriu. Você e ela se merecem. – É. – já não aguentava mais ser tratada assim por ele. – Não sei. – Você não é bom o suficiente pra mim. não bati a porta nem . – senti meus olhos arderem. – peguei minha bolsa em cima do sofá e sai. – Ela é ótima. – Isso é uma coisa que nunca vou ficar. – Brian não pensa em casar? – porque ele estava fazendo isso? Brian e eu nunca tivemos nada. Assim você não fica sozinha.

POV Justin Depois daquela briga Cassidy não voltou aqui. ele não queria mais ver minha cara tudo bem… Eu iria sumir do mapa. não a deixaria ficar com o Brian nem que fosse preciso tirar a vida dele ou até mesmo a dela. Passamos a tarde toda no shopping. – Achei que ficariam horas ai. – tentei sorrir. – Justin tem coisas mais importantes pra fazer… Acho que ele precisa de você. todo mundo já tinha ido embora e eu estava sozinho naquele quarto de hospital. mas será mesmo que meu destino é amala pra sempre sem ter. . Forcei-me a engolir aquela merda de choro. ela só está tentando me substituir. Não acredito que o que ela está sentindo pelo Brian seja verdade. POV Caissy. Queria saber o porquê ela me trocou assim tão fácil? Eu me arrependo daquela traição mais que tudo na minha vida. impossível ela ter encontrada alguém que a satisfaça melhor que eu… Alguém que coloque a em primeiro lugar sempre. – Então lá vou eu. – Não diga uma bobagem dessas. – O que foi? – Pattie disse preocupada. Peguei pesado mesmo. ninguém se prontificou a dormir lá… Minha mãe tinha que se arrumar para a tal formatura. Alexia tinha sumido acho que a Caissy não voltava aqui nunca mais. acho que se não fosse aquilo estaríamos juntos até hoje. não entendo como pode ser tão podre. Será que não restou nenhum tipo de sentimento? Será que acabou tudo assim. – ela esbarrou em mim e depois voltou pro quarto. não choraria por besteira o Bieber não me merece. – disse pra vagabunda que estava sentada com cara de morta. acho que ele descobriu que nunca amou. – Vamos comprar logo esse vestido não aguento mais esse drama. diferente dele ela era um anjo que eu havia me apaixonado… Ele tem uma família perfeita. – Mas já? – Pattie disse desanimada.nada. – Acho que ele não me ama mais… Ou melhor. Pedi a Pattie que entregasse o presente não voltaria mais aquele hospital. Escolhi uma bonequinha para dar de presente a Jazzy a irmãzinha do ogro. Comprei um vestido que a Pattie amou não estava no clima de escolher nada para mim.

Acordei com um baixo astral que só nem parecia que iria me formar. -Está pronto? – disse tentando parecer empolgada. Caissy queria que você mudasse de ideia. – Não e queria que você também não estivesse! – Brian já falamos sobre isso. e limpando onde havia borrado. – abri a sacola pegando uma caixinha com um sapatinho branco. não é. E quando ele se lembrar? – Espero estar bem longe. Fiquei emocionada. Abri a porta dando de cara com o Brian. – Como você entrou aqui? – disse surpresa. – ele disse rindo e eu revirei os olhos. – Mas eu não consigo aceitar. mas estava decidido não tinha mais o porquê de eu ficar ali. – Olha o que eu trouxe pro pequeno. Passei a madrugada toda conversando com o Brian. peguei o texto para decorar quando bateram em minha porta. http://www. – ele me olhou surpreso.polyvore. – Não quero que você seja um padrinho coruja. ele até chorou pedindo para que eu não fizesse isso.com/caissy/set?id=46424382&. É o melhor pra mim e pro pequeno.locale=pt-br – Já vai. – disse abaixando o olhar. – O primeiro presente é meu. Ele estava lindo com um terno que o deixava mais sensual do que nunca e o lenço que havia em seu paletó combinava com a cor verde bem clarinha do meu vestido. Já estava arrumada pra formatura. . – Eu vou ser o melhor padrinho do mundo… Vou ensinar muitas coisas pra esse garotão. – Garotinha. já estava tudo pronto. Se pudesse acabava com o Bieber pra ele ver a merda grande que fez. mas menino também é uma boa. me arrumei sozinha e estava bonito. – Não é. – Brian não precisava. já era a milésima vez que caia em prantos é fácil falar que vai embora. – gritei secando o rosto. difícil é ir. – Assalto bancos sem ser notado porque não entraria em um convento sem ser notado? – ele disse rindo e eu dei passagem para que ele entrasse. – eu queria menina. – Brian ficava se referindo ao bebe como pequeno que tinha pegado costume de chamá-lo de pequeno mesmo não sabendo o sexo. Estava colocando as malas em baixo da cama. – ele me entregou uma sacola de loja de bebe com cheirinho de bebe.

porque o reconhecimento dos nossos erros é o primeiro passo. Sempre concordei. Estou orgulhosa de mim. Cobrava demais. mas depois as pegou em baixo da cama e saiu um pouco desconfortável. – Coloca as malas no carro. mas hoje percebi que eu não agia dessa forma. digamos que o principal. vai ser. É o princípio ativo. – Ela não me quer por perto. Fui atrás de muitas coisas na minha vida. ainda há mágoas. Respirei fundo e fui caminhando lentamente até o salão. . Gosto dela quero prestigia-la isso é legal. – Tudo bem. – segurei o choro. barreiras e sufocar. – Queria vocês juntos. e em nome disso perdi a razão agindo de maneiras erradas. Num momento eu estava completamente perdida. me senti em paz. – E vamos logo pro salão de festa antes que a madre venha atrás de mim junto com a Pattie e um batalhão de garotas eufóricas pelo dia da formatura. Pena que você não pode ir. não é mesmo? Comigo não foi diferente. Às vezes a vida tem que nos dar uma bela surra para a gente aprender certas lições. – ele me olhou sério. Eu prendia. – Porque você está vestido assim Ryan? – perguntei confuso vendo o palhaço vestido que nem um pinguim todo eternado. Não adianta colocar cerca. E não me sinto inferior assumindo essas coisas. Sempre ouvi aquele preceito de deixar quem você ama livre. tenho uma consideração pela garota. Senti tranquilidade. vamos esquecer esse assunto. – Acha que vou ficar de fora hoje é formatura da Caissy… – Não tem bebida de graça. POV Justin. a gente não teve. – abaixei o olhar. Ainda dói. mas depois que refleti a respeito disso. – Tudo bem. sabe? Aquela sensação de que finalmente estou amadurecendo e cada vez construindo um caráter melhor. Não é que não doa..– Por favor. caminhando com um passo de cada vez. O que tiver de ser meu. Exigia demais. – Ou você a afastou? – Os dois… – Você perdeu uma boa garota. Lá nem pode essas coisas. mas sinto que estou evoluindo. – ele abriu a porta.

– Ela está com o Brian. – Que? – É eles estão juntos. – Safada… Como você descobriu isso? – ele disse depressa – Alexia me contou. Disse que eles foram jantar juntos na noite retrasada e Brian demorou a chegar no mínimos eles… – Só se ele for ninja. – Ryan disse confuso. – Brian estava indo pra fronteira e quem levou a Caissy no convento fui eu. – Ã? – É cara. Eu estava com a mina, não o Brian. A Alexia se confundiu. – Não. – senti uma dor e flash foram passando por minha cabeça. “– Eu já sei de tudo. – a empurrei com força no sofá. – Tudo o que? – ela se fez de desentendida. – Tudo, tudo. Você e o Marconny seus esquemas o sacrifício... – Você está blefando. – ela se levantou tentando fugir, mas eu a segurei. – Justin para. – ela olhou no fundo dos meus olhos e eu vi a mão livre dela se mexer só que fui mais rápido pegando o revolver que ela tinha preso nas costas.” – Justin você tá bem? – coloquei a mão na cabeça me lembrando das coisas de forma rápida. “– Vai! Você vai matar o Marconny vai fazer o mesmo que iria fazer comigo. – Justin eu não posso. – ela disse alterada.” – Eu vou chamar um médico. – Ryan saiu da sala correndo. “– A Caissy tá grávida. – quase cai pra trás. – G-Grávida? – falei espantado. – É cara você vai ser pai. – dei dois passos pra trás cambaleando. – E ela vai embora criar teu filho em outro lugar. – minha cabeça processava tudo de formar rápida não deixando tempo pra nada. Passei a mão na chave do meu carro e sai correndo, agora mais do que nunca eu tinha que ter ela comigo... UM FILHO! Não estava acreditando tinha que escutar da boca dela. “

“–O que você está fazendo aqui? – disse um pouco afobado encontrando Jason mexendo em minhas coisas em meu quarto. Ele se assustou e sacou a arma apertando o gatilho duas vezes sem ao menos me dar tempo pra defesa.” – Senhor Bieber algum problema? – a voz do médico me tirou dos blefes. – Foi o Jason Ryan. Foi o Filho da puta do Jason. – gritei desesperado recobrando a memória. – Como assim o Jason? – Ele que atirou em mim… Quando cheguei em casa ele que estava em meu quarto e deu dois tiros em mim. – Mas porque ele faria isso? – Não sei caraio… Mas agora você precisa me ajudar a chegar naquele convento. – Senhor Bieber o senhor não está de alta. – Não perguntei. – o médico se calou. – Ryan quero todos os meus seguranças aqui, liga pro Chris manda ele trazer uma pano adequado pra mim ir na formatura da Caissy. – Justin, mas você… – Vai logo seu porra. – ele balançou a cabeça e foi telefonar, enquanto isso comecei a arrancar todos aqueles aparelhos de mim. – O senhor não pode fazer isso. – o médico me segurou. – Chame alguém para dar um calmante nesse homem. – Se colocarem a mão em mim eu mato. – disse me levantando com dificuldade fazendo os enfermeiros se afastar. Arrastei-me até o banheiro demorei um pouco no banho, pois tinha que ter cuidado com os curativos. Depois de muita dificuldade sai do banho e Ryan e Chris estavam a minha espera, estava com a toalha na cintura e os dois me olhavam espantados. – Mano o que é isso? Você ainda não pode sair daqui. – Chris disse enquanto me trocava com dificuldade, quase chamei a enfermeira gostosa que sempre me ajudava. – Posso sim… Vocês não imagina o motivo que está me fazendo fazer isso.

– Conta ae, conta ae. – Ryan disse empolgado. E eu sorri aquela era a melhor noticia. – A Caissy tá grávida. – os dois ficaram boquiabertos. – Tá de brincadeira com a minha cara? – Chris disse ainda sem acreditar. – Tô falando sério caralho! – Ai PAPAI. – os dois gritaram juntos e eu ri. – Não acredito, que você. Logo você vai ser papai. – Nem eu. – disse fechando a gravata e com um sorriso que nada o destruiria. Um dos seguranças bateu na porta para avisar que todos já estavam lá. Terminei de me arrumar e até senti um frio na barriga quando sai do quarto. – Esse cara é louco. – escutei uma mulher dizer estava andando devagar, pois os pontos ainda doíam. – O que você chama de loucura eu chamo de amor. – ela sorriu gostando do que eu disse. Ryan e Chris me ajudava a andar. A rua do hospital estava completamente fechada e cheia de carros dos meus seguranças, sai no carro da frente com os caras sendo seguido por um comboio de carros. Continua…

*-*

Capítulo 46 - I cant live without your love
POV Alexia Jason estava ficando perturbado desde que ele atirou no Justin o cara não sossega acho que ele está ficando paranoico… Mas o bom é que pude dizer ao panaca do Marconny que quem atirou no Justin fui eu e ele caiu certinho. As coisas estavam dando tão certo para mim que nem acreditava, eu iria poder refazer todos os meus planos. Foi a melhor coisa que o babaca do Jason fez aquilo caiu como luvas e eu estava engando todo mundo com minha nova fase, menos a Pattie, aquela ali era osso duro de roer ela não acreditava em minha mudança de jeito nenhum. Brian e eu estávamos nos dando até melhor, ele estava me tratando tão bem. Mas ainda não sabia o que fazer com a piveta principalmente agora que ela está gravida, mas de qualquer jeito eu tenho que tira-la do meu caminho ela não pode de jeito nenhum interferir em meus planos. Estava indo pra aquele hospital nojento suporta aquele monte

de gente chata da família do Justin, mas me surpreendi quando não encontrei ninguém conhecido no corredor… fiquei feliz, pois teria tempo as sós com ele para dizer mais coisas sobre o relacionamento da Cassidy e o Do Brian. – gargalhei comigo mesma. – Meu teatro era tão bom que o idiota acreditava em tudo o que eu dizia sentia até uma dó. Abri a porta do quarto encontrando a camareira arrumando o quarto e achei aquilo estranho. – Justin está tomando banho? – perguntei pra ela que me olhou inferior. – Não. – Não? – perguntei confusa, a vendo arrumar a cama. – Acho que o paciente deste quarto teve alta. – Impossível. – e ninguém me disse nada, acho que pelo menos o Brian iria me dizer se isso tivesse acontecido. – Vou me informar na recepção. Ela não disse nada, me dirigi até a recepção. – Por um acaso você pode-me dizer onde está o paciente dos 667? – perguntei pra única mulher que se encontrava ali. – Seria o senhor Bieber? – O próprio. – respondi um pouco arrogante. As vadias sempre ficavam de olho nele, percebia isso sempre elas sempre tinham desculpas para falar com ele às vezes quando o médico o liberava para dar uma volta pelo hospital. – Ele saiu do hospital. – Como assim saiu? Ele teve alta quando? – Não, ele não teve alta. Ele apenas saiu do hospital sem nenhuma autorização médica. – Mas aconteceu alguma coisa? – disse preocupada, porque será que ele fez isso? – Isso eu não sei lhe informar. – Imprestável. – peguei meu celular e tentei varias vezes me comunicar com alguém que estivesse com ele, mas ninguém atendeu a porra do celular. Será que tinha acontecido algo e ninguém me disse nada? Continuei tentando. POV Caissy.

Encontrei-me com as meninas e fiquei junto delas até anunciarem nossos nomes. Estava um pouco perdida, como se meu corpo gritasse em silencio como se a cada minuto que passasse eu estivesse me quebrando mais. – Cassidy como você está linda. – Melissa disse empolgada. – Obrigada. – sorri me escorando em uma pilastra. – Estamos todas lindas e temos que colocar essa beca feia, povo brega. – Claire resmungou. – Fora que esse chapéu vai estragar meu cabelo. – sorri amarelo não estava realmente me importando com nada. – A Pattie está mais animada que você. – Claire disse e uma mulher passou nos entregando a beca e o chapéu de formandos. – É mesmo ela não para um minuto… Aquele ali é o pai do Justin né? – Melissa apontou para o Jeremy que estava sentando junto com a Pattie, Brian, Jazzy e Jaxon. A família estava toda reunida para minha formatura, aquilo me deixou contente, pois eles me tratavam como se fosse da família. – É sim. Jeremy. – Puta que pariu que pai gostoso ele tem. – Claire disse e Melissa riu e eu revirei os olhos. E sorri vendo Jazzy correr em minha direção. – A tia Pattie deixou eu vim te dar um abraço de boa sorte. – ela disse assim que me abaixei ficando a altura da dela. – AWN obrigada linda. – apertei a em meus braços. Não existia criança mais carismática que ela, eu estava completamente encantada como ela era meiga. – Você está nervosa? – ela disse se referindo ao discurso que eu teria que fazer… Mas pra falar a verdade aquilo não era o motivo do meu nervosismo. – Um pouco. – Não fica nervosa. – ela sorriu. – Quando você estiver falando lá na frente vou ficar com os dedinhos cruzados fazendo figuinhas para tudo dar certo. – Que linda. – Melissa disse se encantando com a Jazzy.

– Vou ficar sentada bem ali. Torcendo por você. – dei um beijo na bochecha dela e ela voltou para o lugar. A Família dele era perfeita não tinha nada a declarar sobre eles agradeço por eles terem me acolhido e me arrependo de estar fugindo com algo que também pertence a eles, mas isso é o melhor a fazer. Fizemos uma fila única e começaram a dar inicio a celebração senti um frio na barriga, pois estava perto do fim. Fui a quarta a ser chamada e caminhei em um tapete vermelho esticado no meio das fileiras. Uma sensação triste me batia ao peito a cada vez que pensava em minha vida longe dali, estou sofrendo as consequências da vida e estou tentando lidar com elas. Não queria lágrimas e nem momentos triste, mas despedida é um merda e isso era impossível. Estarei mentindo se disser que não sentirei falta disso, estarei mentindo se eu disser que estou abandonando essa vida em busca de esquecer tudo o que vive aqui. Estou deixando pessoas que amo para trás. POV Justin. – Caralho Ryan não dá pra ir mais de pressa, tá parecendo uma tartaruga. – Ô cara você tá baleado tô tomando cuidado aqui para não piorar as coisas. – Se continuar desse jeito te chuto dai e assumo a direção, puta merda. – Calma Drew devagar ou com pressa você vai chegar lá. Você está muito nervoso, quer beber alguma coisa? – Chris disse e mandei um dedo pra ele não tinha potencial pra nada. – Não quero nada! – Não acredito que vai fazer as coisas de cara limpas. Nem um golinho? – Ryan disse. – Não quero me esconder atrás da bebida. – Ah você está virando um viadinho. – Chris disse rindo. – Cala a boca e fica na sua. – estava nervoso, mas já tinha certeza do que faria. Era isso que eu queria. Ainda não conseguia acreditar que iria ser pai, nunca pensei que ficaria feliz com uma noticia como aquela não estava me reconhecendo. – Jason filho da puta. Vou acabar com a raça desse merda, sempre soube que ele não era capaz de ter minha confiança. – disse puxando um assunto. Estava nervoso de mais, minhas mãos suavam de tão nervoso que eu estava.

– Mas porque será que ele fez isso? – Não sei. Mas aquilo é porcaria que se contenta com pouco, no mínimo deve ter sido oferecido merreca em troca do ato insano dele. – E o que a Alexia tem haver com isso? – Chris disse confuso. – Vou me resolver com essa vagabunda assim que eu ver a Cassidy. Estava impaciente, queria que chegasse logo naquele convento e parecia que quanto mais eu queria que fosse rápido mais demorava. Ryan deu passagem para o carro de dois seguranças passarem assim que chegamos, desci do carro com dificuldade, a rua estava abarrotada de caro pretos todos de meus homens eles não sabiam o que estavam fazendo ali. Eram uns 30 seguranças reunidos. Eles se juntaram a minha frente esperando ordens. – Entrem na frente sem dizer nada só ocupem o lugar de forma dispersa. Quero vocês espalhados por todo o lugar, olho em tudo, quero muito cuidado. Vou logo atrás. – eles assentiram e foram um a um cumprindo minhas ordens. Seria o último a entrar com a ajuda do Ryan e do Chris já sentia o efeito do remédio passar e umas dores desconfortáveis me atingiam. – Ai irmão seja o que for que você vá fazer, estamos com você. Ryan disse tocando em minha mão. – Amigos são pra essas coisas. – Chris disse também tocando em minha mão. E eu respirei fundo esperando o ultimo segurança entrar. POV Caissy. (Coloque a música "Because you love me" pra tocar) Meu discurso era sobre amizade, uma coisa fácil a se dizer já que eu tinha ganhado as melhores amigas do mundo aqui… Só não consegui gravar o que estava no papel qu e me entregaram então diria o que estava sentindo. Já estava em minha vez, eu ira discursar. – A aluna Cassidy irá dizer algumas palavras para vocês. – a Madre disse. – Venha menina. – ela me estendeu a mão e eu caminhei até o microfone e tive uma visão de todos os olhares voltados para mim. Vi Pattie emocionada e Jazzy me mostrando os dedinhos cruzados. Não sabia por onde começar então colocaria meus sentimentos pra fora.

– Nunca pensei que este dia chegaria assim tão rápido… Acho que nós nunca pensamos em como vai ser o final, mas estamos aqui o vivenciando e isso é um pouco estranho. – vi Claire e Melissa chorarem. – Aqui tive as melhores amigas e vivi momentos marcantes da minha vida, sairei daqui deixado minhas pegadas, por mais que deixaremos algo importante para trás esse sempre será um grande capitulo de minha vida. Eu amei, sorri, chorei e aprendi a sonhar tudo aqui neste lugar. Vivi parte da minha infância presa neste lugar imaginando o dia em que poderia ir embora, mas hoje quando o tão esperado dia chegou não sei se desejaria isso com tanta vontade. Cada um de nós está deixando nossa marca neste lugar e eu sempre vou levar cada parte disso comigo. – notei homens vestidos de preto aglomerando no salão, mas prossegui. – Até os erros serão lembranças boas. – todos começaram a notar a presença dos homens os cochichos começaram a ser altos e me interromperam. Fiz gestos para o Brian perguntando o que era aquilo, mas ele respondeu que não sabia. Os homens ocupavam as laterais do salão, eram muitos homens, mas não eram desconhecidos já tinha visto a cara de uns na casa do Justin… Assustei-me ao ver Justin entrar sendo ajudado por Ryan e Chris logo ao lado, meu coração acelerou e eu não sabia o que fazer… M-Mas, mas o que era aquilo? Fiquei sem reação. Ryan o soltou e ele caminhou o tapete todo até próximo a mim. O salão estava lotado de seguranças, ninguém estava entendendo nada. O porquê aquele monte de homens ali? O que o Justin estava fazendo ali? Ele tinha que estar no hospital se recuperando. A cada batida rápida meu coração pulava e meu estomago revirava não esperava encontra-lo nunca mais. – O que é isso? O que você está fazendo aqui? – perguntei confusa e ele sorriu, vi Pattie indignada, mas Ryan e Brian estavam a acalmando. – Eu vim pedir desculpas… Vim buscar o que é meu. – ele disse um pouco alto, fazendo todos se silenciarem. – Do que você está falando, tá louco é? – sussurrei com vergonha. – Eu vim dizer que estou arrependido. Estou aqui na frente de todo mundo para te pedir perdão Cassidy… Perdão por nunca ter te dado devido o valor, perdão por não ser o melhor, mas que mesmo assim com todos esses erros te ama incondicionalmente. Nunca expressei meus sentimentos na frente de ninguém, mas por você eu sou capaz de gritar isso para o mundo. Eu vim aqui para lutar por algo que amo, algo que não posso mais viver sem. Vim aqui por você – estava surpresa com tudo o que ele dizia aquilo era pra mim? Minha mente não conseguia computar tudo aquilo. – Penso em você todos os dias isso já virou rotina, acho que é impossível viver sem você, em você posso ser forte. Eu

daria tudo de mim para te ter de novo eu faria o que você quisesse. - não foi desejo. Nem vontade, nem curiosidade, nem nada disso. Foi um choque elétrico meio que de surpresa desses que te deixa com o corpo arrepiado, coração batendo acelerado, foi um sentimento forte ouvi-lo dizer tudo aquilo. – Sei que não mereço nem que você me ouça sei que aprontei que te magoei, mas garanto que se eu não viesse aqui pedir pra você ser minha, eu iria me arrepender pelo resto da minha vida, porque no meu coração você é a pessoa certa pra mim. – não consegui segurar e deixei as lágrimas rolarem como muitos naquele salão. – Volta pra mim? Eu estou aqui. Vem ser minha, vem ser minha mulher? Deixa-me criar nosso filho com você. Vem ficar do meu lado. – ele tinha se lembrado, fiquei estável por um momento era muitas emoções pra um momento só. – Vai Caissy perdoa. – escutei Melissa gritar. Aquilo não poderia ser verdade, não conseguia acreditar que depois de tanto tempo sofrendo eu estava tendo a oportunidade de ser feliz de novo. – Vai garota. – vozes alheias começaram a dizer coisas. Como eu podia não perdoa? Como eu podia dizer não? O homem da minha vida estava ali a minha frente se declarando para mim, ele sorriu para mim e eu corri para os braços dele. As mãos dele tocaram meu rosto e nossos lábios se esbararam tirando um sorriso meu. Nossos espíritos se precipitavam um para o outro ao tocar dos lábios, me entreguei. Ele me envolveu me dando um beijo suave e calmo… Escutei aplausos em nossa volta e quebrei o beijo sorrindo, pois todo o salão estava agitado com gritos assovios. – Eu te amo. – ele sussurrou me dando um beijo rápido e me apertando contra o corpo dele. – Eu também te amo. – adorava aquele sorriso, eu o queria e eu o tinha. Acho que minha vida é viver pra ele, nesse momento acreditava que alguém me queria feliz, acreditava em destino, pois o Justin era o meu. – Não acredito que você me escondeu todo esse tempo que eu seria vovó. – a voz da Pattie nos interrompeu. – Como você pode Cassidy? – sorri pra ela secando algumas lágrimas escorridas no rosto. – Eu vou ser avó… Ai meu deus vou ser avó. – ela disse empolgada. – Tem neném aqui? – Jazzy surgiu do nada e tocou minha barriga. – Tem sim. – disse sorrindo. Justin me abraçou por trás e me deu um beijo estalado na bochecha.

– Parabéns! – Jeremy beijou meu rosto me deu um abraço e depois tocou com força na mão do Justin. – Ual Bieber. Achei que você era um sem coração. Nunca pensei que tinha capacidade pra me fazer chorar. – Claire disse secando as lágrimas. – Claire. – disse rindo. – Ai PaiPai. – Chris e Ryan se juntaram a nós. – Ai Cassidy, você fez do Drew um boiolinha apaixonado. – todos começaram a rir e o Justin mostrou o dedo do meio para o Ryan. Vi o Brian sozinho no fundo do salão só observando tudo bem ditante. – Já volto. – dei um beijo rápido no Justin e ele continuou conversando com família dele. Segurei o meu vestido para caminhar e cheguei até ele. Ele estava com as mãos no bolso parado e eu me aproximei. – Acho que você foi o grande causador disso tudo. – disse me encostando ao lado dele. – Só queria te ver feliz. – ele disse sério sem me olhar. – E conseguiu. – o abracei. – Obrigada por estar em minha vida. Obrigada por me devolver minha felicidade. – disse abraçada junto a ele. Não tinha o poder de ama-lo como homem e mulher, mas eu o tinha como alguém da família. – Me perdoa por não te amar do jeito que você merece. – Você foi a melhor coisa que eu nunca tive. – ele disse próximo ao meu ouvido. – Quero que você seja muito feliz. E espero que ele cuide de você pra mim. – ele beijou meu rosto se afastando e vi seus olhos brilharem com algumas lágrimas. – Eu amo você irmão. – ele sorriu. – Também te amo pequena. – ele me apertou depois saiu me deixando parada. Sabia que por um lado ele estava feliz por eu estar feliz, mas ele estava escondendo algo de mim. Voltei pra junto de todos e Justin estava um pouco isolado enquanto todos estavam eufóricos só falando do bebê. – Voltei. – disse chamando a atenção dele para mim. Ele sorriu. – Meu filho é o assunto do momento. – ele disse olhando todo mundo falar. – Seu filho? – arquei a sobrancelha.

– Nosso. – ele sorriu e me puxou me beijando. – Ai. – ele gemeu. – Que foi? – Nada… – Está sentindo dor né? – só pela cara dele podia ver que o efeito da anestesia estava passando, mas ele sempre queria se fazer de durão. – Não, tá suave. – sorri revirando os olhos e vendo que não estava nada suave. – Ryan. – ele me olhou. – Acho que o amigo aqui precisa ir pro hospital. – Verdade, nunca mais te ajudo a fugir. – ele disse pro Justin. – Você fugiu? – disse chocada e ele riu. – Você é louco! – Por você. – ele me beijou. – Justin Drew Bieber, acho que vou te amarrar na cama do hospital até você ficar bom. – Pattie disse causando risos. – Eu que vou te interna, venha doida. – Justin mostrou a língua pra ela. – Vou pegar o carro. Já venho. – Ryan saiu sendo acompanhado por todos os seguranças e depois sumiu na porta. Queria ficar o mais próximo possível dele, mas ficavam me chamando toda hora tive que tirar algumas fotos com as meninas, fora o sermão que a Madre me deu, ela estava chocada por causa do bebê. – Ryan já está esperando. – Chris disse. – Vou com você. – ele sorriu fazendo esforço, seu semblante mostrava que ele estava sentindo muita dor. Ele colocou o braço por cima do meu ombro e caminhamos juntos até a saída. Fiquei impressionada ao ver aquele monte de carro preto na rua parecia um incha-me de carros pretos. Ryan abriu a porta; Justin entrou e logo em seguida eu entrei me acomodei no braço dele enquanto o Ryan arrancava dali. Sorria feito boba, não tinha palavras pra explicar o que estava sentindo. Continua…

*-*

Capítulo 47 - Mudanças
POV Brian.

Pela primeira vez estava me sentindo mal. Isso eu estava mal por ter entregado ela a ele eu estava mal porque agora realmente não tinha mais volta. Se tinha uma mínima esperança de tela comigo tinha acabado, pois a Cassidy nunca poderia ser minha… Porra Brian ela é só sua irmã. Ou é isso que você deveria ter em suam mente em relação a ela. Meu celular tocou uma vez e eu ignorei, mas quando tocou a segunda atendi, era a Alexia. – Fala. – Brian, o que aconteceu? Onde o Justin foi. – ela disse com um tom preocupado. – Vai pra minha casa. Lá te explico tudo. – Por quê? – Não quero falar pelo telefone, vai pra lá Ale. – Você está chorando? – Não, me encontra na minha casa. – desconversei e desliguei o telefone. Joguei o celular no banco de trás e pisei no acelerador querendo chegar em casa com pressa. O portão da garagem estava aberto então não hesitei em manobrar o carro para entrar na garagem, entrei queimando pneu feito louco o porteiro até se assustou. Passei a mão no rosto na tentativa de se aliviar daqueles sentimentos ruins. Parecia que o elevador nunca chegava e quando chegou tive medo de entrar, iria contar pra Alexia o que estava acontecendo e acho que a decepcionaria ela parecia tão dedicada em sua mudança. A volta do casal não fez tão bem a todo mundo. Abri a porta com cuidado e ela estava esparramada em meu sofá como sempre. – Nossa demorou muito mano. – ela disse se sentando e cruzando as pernas em cima do sofá em baixo de seu corpo. Joguei as chaves em cima da mesa e me sentei no sofá procurando palavras para começar. – Que cara de enterro é essa? E o Justin? – bufei soltando o ar lentamente. – Está com a Caissy. – disse rápido. – Hum? – Justin recobrou a memória. – ela me olhou espantada. – Ele se lembrou de tudo pelo visto. – De tudo?

– Sim. – Mas como isso é possível? – ela disse exaltada ficando de pé. – A amnesia dele era temporária você sempre soube disso. – disse sério. – Independente. – ela deu de ombros. – Eu mudei ele tem que saber disso. – Isso não vai adiantar nada. – Como não? Voltei a ser quem eu era… Voltei a ser a Alexia dele. – ela disse sorrindo. – Acho que isso não vai adiantar em nada… Justin e Caissy estão juntos novamente. – a vi ficar estática onde estava. – A Caissy tá grávida. Então não crie esperanças achando que ele voltara para você. Porque isso não vai acontecer. – preferia não a encarar, entendia a dor que ela deveria estar sentindo naquele momento, ela havia perdido ele pra sempre. – Ele é meu! – Alexia gritou quebrando um vaso de cristal. – Ele sempre vai ser meu. – ela começou a quebrar tudo descontroladamente, de seus olhos escorriam lágrimas de ódio e de suas mãos uma força com fúria foram liberadas. – Alexia. – a segurei com dificuldade. – Alexia para. – a prendi por trás imobilizando seus braços. – Eu vou até ele vou dizer que mudei você vai ver ele vai expulsar aquela piveta da casa dele. – ela se virou para mim. – Para de ser paranoica… Ele fugiu do hospital para ir atrás dela ele pediu para que ele voltasse pra ele, eles vão criar o filho juntos…você está sentindo sei que is so dói. Eu sei o que – a chacoalhei para ver se ela acordava pra vida. – Não Brian você não sabe. Alias ninguém nunca vai saber o que estou sentindo sabe por quê? Os meus sentimentos não são importantes pra ninguém. – Tudo em você é importante pra mim! – Ele sempre foi meu! Eu sempre o amei… E agora aparece uma pirralha querendo roubar tudo de mim. – Você e o Justin nunca se amaram… Alexia aquilo era doença, vocês tinham possessão um pelo outro.

– Quem é você pra falar alguma coisa? – ela gritou. – Vocês não sabem nada da minha vida. Eu sempre estive com ele, eu sempre estive do lado dele, nós fomos feitos um pro outro. – Alexia sua história com o Justin já acabou. – Como você pode ser assim? Você se preocupa mais com aquela coisa do que comigo? Você dá mais importância à felicidade da Cassidy do que a minha… Você não está nem ai pra mim. – Não Alexia, eu sempre soube que o Justin não era bom o suficiente pra você. – Mas pra mim é. – ela gritou com lágrimas nos olhos. – Eu sinto falta da minha garotinha. Sinto falta de quando você curava seus medos em meus braços, onde está minha irmã? Porque esse monstro que você se tornou não é a garotinha pelo qual eu iria até o inferno se fosse preciso… Eu só quero você do jeito que era de volta. Se eu pudesse nunca deixaria o Justin entrar em sua vida, nunca deixaria você cair nas garras dele ele foi seu maior erro. Eu sou o culpado. Eu prometi pro papai cuidar de você, mas eu falhei Alexia… Eu deixei você se machucar, não cuidei de você direito. – Não justifique meus erros. – ela sussurrou. – Eu ainda sou a Alexia que sente medo, que precisa do irmão, que chora de noite sozinha. Só que eu aprendi a me defender aprendi a lutar da pior forma, mas aprendi. – ela secou as lágrimas de forma rápida com seu jeito durão tentando esconder. – Acho que as já deu para nós aqui nessa cidade. – a abracei e os braços dela me prenderam com força. Como nos velhos tempos quando ela sentia medo e vinha até mim se confortar ou quando ela sentia falta do meu pai e não sabia o que fazer para curar aquela saudade enorme. – Eu vou cuidar de você. – passei a mão nos cabelos cor de ouro dela que brilhavam como os seus olhos azuis. Agora eu iria cuidar da minha irmã, iria cuidar de mim e da minha família Alexia precisava de ajuda seu problema era sério e ela merecia atenção. Os outros não eram mais um problema meu eu só tinha que cuidar dela. POV Caissy. A dose remédio que deram pro Justin foi tão grande que depois de vinte minutos ele acabou pegando em um sono pesado. Queria ter passado a noite com ele, mas a Pattie não deixou e me obrigou a ir pra casa. Fazia muito tempo que não voltava naquela casa me senti um pouco confortável por estar ali. Em meu quarto tinha algumas roupas minhas,

mas preferi ir ao quarto do Justin vestir uma camiseta dele pra poder ficar com o cheiro dele. Estava tirando os grampos do cabelo quando Pattie entrou no quarto. – Me lembro de uma vez já ter te visto com a camiseta do Justin. – senti minhas bochechas corarem de vergonha, pois eu menti pra ela quando ela me pegou vestida com a camiseta dele. – É. –sorri sem graça. – Obrigada. – ela disse sorrindo. – Obrigada por estar me dando um presente tão maravilhoso. – ela disse um pouco emocionada e me abraçou. Nunca pensei que ela ficaria feliz com isso. – Você tem alguma preferencia pro sexo? – Ah eu queria que fosse uma menininha. – ela sorriu. – No começo da minha gestação do Justin eu queria que fosse uma menina, mas depois que fiquei sabendo o sexo mudei minha opinião. – Quero que seja uma menina e que ela seja tão meiga quanto a Jazzy. – ela sorriu. – Realmente a Jazzy é encantadora… Jeremy capricha na hora de fazer filhos. – Eu ainda acho que rola uma química entre você e ele. – eu e minha boca grande, acabei falando de mais. – Porque você acha isso? – ela perguntou um pouco sem graça. – Ah. Pelo jeito que ele te olha. – Ele me olha de que jeito? – ela perguntou interessada. – Não sei explicar… Mas é diferente, ele te olha como se você fosse única como se existisse só ele e você no mundo. – Nossa Cassidy. – ela passou a mão no cabelo de forma envergonhada. – Acho melhor você ir dormir amanhã cedo o Justin recebe alta e tenho certeza que ele quer te ver lá. – Eu também quero muito estar lá. – disse empolgada entrando em baixo da coberta. Eu literalmente apaguei, me deitei e depois de minutos peguei em um sono profundo, estar grávida me fazia dormir de mais às vezes. Não fechei as cortinas e acordei

– Cassidy você está de calcinha e sutiã ainda. – disse passando o vestido na cabeça e depois o arrumando no corpo. vesti a calcinha e o sutiã e estava passando creme em meu corpo quando notei que estava de frente pra um espelho. Liguei pro Brian como de costume. – Minha querida. minha barriga já estava bem oriçadinha e um pouco bicuda – sorri com orgulho. coloquei um sapatinho baixo meu pé ainda doía ontem fiquei o dia todo de salto. – Isso é questão de segundos. eu sabia que dentro de mim estava crescendo uma princesa. planejo e sonho com você… – Conversando com o bebê? Isso é um ótimo exercício. Fui para o banheiro e tomei um banho demorado. – Imagino. – Já deram alta pro Justin… Ele deve estar surtando naquele hospital.com a claridade invadindo o quarto de forma má educada me tirando do meu sonho bom. mas não obtive respostas achei estranho. me fazendo sorrir. Tudo parecia ter o cheiro e a presença dele incrustado. estava com saudade daquilo tudo. . Mesmo você estando ai dentro. minha princesa que está sendo tão esperada… Minha pequena. Tirei os óculos pra cumprimenta-la. mas dei um pulo da cama lembrando que o Justin iria receber alta. – gritei para que ela ouvisse vasculhando algumas das roupas que eram minhas. Fiz uma maquiagem leve. Quando entrei no hospital acabei encontrando a médica que me socorreu aqui no dia em que passei mal. –ela disse sorrindo. Abri os olhos me espreguiçando e com um pouco de preguiça. Envolvi-me em um roupão saindo do banho. – Já estou quase pronta. pois ele não era de não atender meus telefonemas e nem responder minhas mensagens. Fiquei me admirando e alisando minha barriga coisa que nunca fiz – Eu sentia que era menina. – Olá. De tocar sua pele macia. – ela disse alto enquanto eu ia buscar uma roupa para mim em outro quarto. acariciar suas mãozinhas e pezinhos… Sentir seu cheirinho e ficar toda boba com seu sorriso principalmente se for igual ao do teu pai. mas ele não me atendeu no caminho mandei algumas mensagens. a mamãe aqui te espera. pois Pattie ficou me apressando. – ela disse entrando no quarto. – Pattie adentrou o quarto. a mamãe aqui ama você e não vê a hora de segura-la nos braços. Eu te espero princesa.

começou com o pré natal? – Ainda não… – Menina. – ele disse me abraçando forte fazendo meus seios se amaçarem no peito dele. – sorri. “Não acredito que aquela vagabunda está aqui. – Ela cuidou de mim no dia em que desmaie. – Assunto? – Desculpe-me. Pattie foi há algum lugar que não ouvi. – Oi amor. mas as enfermeiras ficam loucas com ele. Mas se a Alexia estivesse ali dentro eu mataria. – Acho que sei quem é o paciente dos 667? – Ele mesmo. – Ah ele é assunto aqui no hospital. o Justin deve estar furioso. – caminhei na frente e ela veio atrás. A final ela nunca tinha usado essa palavra. – Essa é a Pattie… – Sogra dela. – É MEU homem. . – Vamos Pattie. Quando cheguei perto do quarto do Justin escutei umas risadas altas e já logo pensei. xinguei elas de tudo quanto é nome em minha mente. – Ei? – Justin chamou nossa atenção.– Oi. – vadias. – me aproximei do Justin e ia dar um beijo nele quando ele me impediu. – Pode soltar minha mulher. – disse ainda sem graça. – Pattie disse estendendo a mão se adiantou me deixando um pouco sem graça. Iria descer do tamanco. – E quando pretende começar? – Semana que vem… Hoje vim buscar o pai que teve alta. – ela me olhou brava. – beijei seu rosto. – sorri cinicamente. – E ai. – Caissy gos… Linda como você é linda.” Acabei me dando mal quando abri a porta e fiquei surpresa ao ver o Chaz… – Chaz! – gritei surpresa e feliz por vê-lo. – Chaz sorriu e beijou minha bochecha de forma estalada depois me soltou. – Vamos então.

– Nada amor. – Vamos embora daqui pelo amor de Deus. – Ele já voltou pro Canadá? – Não ainda. – Veio pra ficar Chaz? – Sim Caissy. – disse um pouco enciumada e Justin segurou meu rosto com força e me beijou. Não é nada. – dei um beijo demorado nele até ser interrompida por um pigarro do Chaz. – Mas é um bobo mesmo. no meio do caminho encontramos a Pattie. – Moleque da boca suja. – Estava vendo um médico muito gato ali. Quando o motorista abriu a porta Justin entortou o nariz. – Sim! – disse feliz. – revirei os olhos. Já que o cara ai já está planejando outra boa eu não quero ficar de fora.– Não tinha um vestido maior e um decote menor? – ele disse me olhando torto. – Pattie saiu andando na frente e nós fomos logo atrás. – Planejando o que? Você já está aprontando? – me virei pro Justin ficando curiosa. Chaz pegou a mala dele e eu o ajudei a caminhar. – Onde você estava dona Pattie? – ele disse um pouco mandão. – Vai querer mandar nas minhas roupas agora? – arquei a sobrancelha. – ele me deu um selinho. – Hum… Agora pelo amor de deus chega de enrolar e vamos embora desse inferno porque não aguento mais ficar nessa porra. – Ae Bieber sempre soube que mais cedo ou mais tarde você ia ser papai. – Mas ainda bem que é papai do meu filho né. não. voltei pra minha vida normal e agora com mais cuidado. – Quando o Chaz estiver por perto sim. – Brincadeira filho… Tive que atender seu pai. – gargalhei. . – Filho! – ela disse contente. – Então você vai ser a mamãe do ano? – ele disse curioso. pois ele tinha fugido da minha pergunta. – ela sorriu.

– Não consegui falar com ele o dia todo. Fui até o escritório e procurei a chave de qualquer carro. todos estavam na e gritaram assim que entramos Pattie não tinha me dito nada. Entrei no carro respirei fundo e o liguei dando partida. Justin já andava que nem um pato por causa daquelas calças caindo e ainda mais machucado a coisa ficava um pouco lento. – Justin disse e eu dei um tapa no braço dele envergonhada fazendo todos rirem. – Pattie disse empolgada. – Amiga! – Claire e Melissa gritaram juntas em um couro. – o sumiço do Brian estava me incomodando muito mesmo. pois tinha medo de não me lembrar de como dirigir. – ele disse batendo a mão na minha coxa que estava de fora. – Pattie e o Brian? – perguntei como quem não quer nada. Demorei vinte minutos pra chegar no apartamento dele. iria dar um pulinho lá rapidinho… quando entrei no carro senti certa insegurança. Pattie planejou tudo escondido de mim. até que não estava dirigindo tão mal. mas de preferencia o do meu. achei a chave e decidir ir atrás dele na casa dele. Havia uma faixa grande esticada no meio da sala que dizia: “Sejam bem vindos Papai e mamãe de primeira viagem”. Não esperávamos pela surpresa quando entramos. – Vocês. – Quando você melhorar um pouquinho vai poder voltar a dirigir neném. – Ata! – selei nossos lábios com força. demoramos um pouco pra entrar em casa. dei umas voltinha e me aproximei da Pattie. – Não sei. Pattie não foi ao mesmo carro que Justin e eu. ela foi com o Chaz.– Quero dirigir meus carros logo. – disse rindo. o motorista parou o carro no jardim logo atrás do Chaz. – Gente pra que tudo isso? – Caissy você merece isso e muito mais. o porteiro já me conhecia e eu tinha autorização . – E eu achando que ia tirar o atraso. Sai pelos fundos sem ser notada. – corri pra abraça-las. – ele disse um pouco cabisbaixo. – Que porra é essa? – Justin sussurrou no meu ouvido de forma engraçada e que só eu ouvisse. Mas observei tudo todos e notei que Brian não estava lá. Afinal eu não sabia de nada mesmo. – Amanhã mesmo pra mim já é estar melhor.

– Não atende mais minhas ligações? – sai de dentro do elevador. Esqueçam que eu e a Alexia existe porque nós já esquecemos vocês. quando entrei no carro deitei minha cabeça no volante desabando. por favor. – Ei! – sorri. O que eu fiz pra ele me tratar daquele jeito? Comecei a apertar o botão do elevador freneticamente e quando ele chegou o adentrei com desespero. mas talvez isso seja possível. não entendo o porquê daquilo. – O que quer aqui? – ele disse ríspido. quero distância de você e do Justin. – Cassidy onde você está? – ele gritava do outro lado. – Porque eu espero não te ver nunca mais. Fiquei um tempo intacta no corredor. – Já estou voltando pra casa… – Onde você tá? . – Aonde vai com essa caixa? – notei que tinha alguns pertences dele na caixa. – Agora não é uma boa hora. – Porque está dizendo essas coisas? – eu estava confusa de mais. – Vai viver sua vida. ele estava com o olhar meio perdido.para entrar. – Brian. – Olha Cassidy eu decidi uma coisa pra minha vida e pra da minha irmã então. – Alô? – disse com a voz um pouco falhada. mas logo em seguida meu celular começou a tocar. Recompusme e atendi. Subi no elevador e meu pé batia ritmado e eu girava a chave do carro até chegar ao 11º andar e quando as portas se abriram dei de cara com o Brian segurando uma caixa esperando pelo elevador. vai cuidar do seu amor e do seu filho e esquece de mim e da Alexia. era o Justin. Ele deu as costas para mim e desceu pela escada de emergência. só não queria encontrar a Alexia ali. – ele disse com tanto ódio que foi impossível conter as lágrimas. não me procure mais! – me espantei Brian nunca tinha falado comigo naquele tom. – sussurrei com dor. – Vim-te ver estou o dia todo sem falar com você. – Porque não? – perguntei confusa. Estava um pouco nervosa e chateada por ter ouvido tudo aquilo dele.

– Caissy… – Eu fui atrás do Brian e ele me tratou mal… Disse que queria distância de mim. Continua… *-* Capítulo 48 . – o puxei pra mim de volta. – ele passou a mão em meu rosto de forma carinhosa.– Já tô chegando Justin. Não vou negar que estava muito chateada com o que o Brian fez queria entender quais eram os motivos dele. – disse um pouco manhosa comprimido os lábios para não chorar mais. Entrei pela porta dos fundos e fui direto pro escritório. – Não fique mal por causa dele.The love in the end! . – Nada. – ele me olhou chocado. – Justin a casa tá cheia. Limpei meu rosto com pressa tentando esconder o choro. parecia um cão no ciou. guardei as chave na gaveta e me encostei à mesa chorando um pouco. mas quando Justin começou a me tocar um calor começou a subi em meu corpo. – sussurrei com dificuldade enquanto ele mordiscava meu peito de forma prazerosa. pensei que ele ia ter um ataque de ciúmes. mas não ele parecia ser compreensivo. – Porque isso? – Não sei… Não sei o que fiz de errado. – Quer que eu mande todo mundo vazar? – ele se afastou. Ele beijou uma lágrima que escorreu um minha bochecha e depois desceu o beijo para minha boca. – Nada… – Nada? Tá chorando por quê? – ele voltou e trancou a porta do escritório. Quando entrei na garagem vi um segurança falar ao rádio no mínimo estava comunicando ao Justin que eu havia chegado. Ele me sentou na mesa e tirou meu vestido com pressa. – disse liberando um suspiro e ligando o carro. – Claro que não. – O que houve? – me assustei com o Justin próximo a mim.

Eu sabia por onde começar. Alternava os carinhos da boca para o pescoço. – ela colocou meu pau pra fora da cueca e foi passando a mão devagar por toda minha extensão bateu pra mim algumas vezes e depois caiu de boca. aquele corpo perfeito se arrepiando com o meu toque me deixava louco. quer dizer. Minhas mãos foram ágeis em sua cintura deslizando sua calcinha pela bunda depois as coxas e a tirando fora. tão linda que não conseguia nem mudar o foco do olhar. subi distribuindo beijos por suas pernas e por ação do instinto a abri e penetrei um dedo. o corpo dela estava todo ali pra mim. Depois que tirei o vestido dela. – ela disse como uma criancinha esperando pelo seu doce. ia mostrar o que estava disposto a fazer. a casa estava cheia. a virei pra mim parando os movimentos. ela iria dançar conforme minha música. – disse com pressa e assim que ela tirou a boca meu liquido lambuzou sua mão. estava brincando um pouco quando a voz dela. e o meu estado era deplorável parecia um nerd que nunca tinha fodido na vida… Nós íamos bater ranger. Meu corpo estava arqueado e o toque dele estava me causando arrepios constantes. uma pouco falha. Eu a penetrei comecei devagar com movimentos de vai e vem e ela gemia baixo. era luxuria. Cassidy se esfregava em mim de maneira nada descente deixando meu pau duro. – Caissy vou gozar. Era desejo. suplicou. Vi seu corpo se enrijecer e isso indicava que ela estava sentindo uns espasmos e ia gozar. a porra estava tão dura que chegava a doer. – Vamos brincar um pouquinho. éramos eu e ela. . Ah como eu senti saudade daquilo. POV Justin. mas estava perdido. pouco ligando. fui acelerando indo mais rápido e ela gemeu alto algumas vezes. porque eu estava fudendo bem agora! O jeito que ela me ponhetava e me chupava sentia que ia gozar.. Não sei como e nem de que jeito. Sorri deixando ela se aliviar porque logo seria minha vez. meus olhos a devoraram. Quando ela se deitou na mesa tive a perdição em meus olhos. senti seu hálito quente perto do meu lóbulo. Ela sorriu maliciosamente e eu mordi os lábios dela acabando com aquele sorriso e sugando aqueles lábios carnudos. aquele corpo. Foi quando ela inverteu as posições ficando em cima de mim. disse como uma vadia que queria ser fodida. Sorri sapeca com o gesto. era sujeira. ela era perfeita. Meus planos eram os piores. A música lá fora rolava solto. enquanto eu me controlava para não gozar antes da hora. Fiquei impressionada com o tamanho do Bieberzão e sorri maliciosa o vendo quase rasgar a cueca. mas quando já vi já tinha a colocado de quatro. mas eu estava pouco me fudendo. era alma. depois de tanto tempo. vozes.. do pescoço para os seios e algumas vezes descia sugando ela por completo até sua intimidade. minha língua dançava e brincava a deixando louca. – Justin eu não posso mais esperar. em um instante ele tirou toda a roupa ficando de boxer branca.Joguei tudo que tinha em cima da mesa no chão enquanto ele me deitava devagar e ia descendo o beijo por todo o meu corpo chegando até minha intimidade e depositando um beijo em cima de minha calcinha. Enquanto brincava um pouco com ela. era paixão. era corpo.

– Claro que machuca. – Vem pegar. mas ele estava ocupado. – Jazzy está louca atrás de você. queria ele aqui com a gente. Ele beijou meu ombro e depois levantei vestindo minha roupa e logo Justin fez o mesmo. – disse em resposta o fazendo ler meus lábios. Assim que entrei na sala Pattie veio falar comigo. – notei o viado do outro lado da sala. Não podia fazer nada a sala estava cheia de gente e ele ficava rindo da minha cara. – decidi brincar um pouco com a cara dele. . Vesti meu vestido e estava procurando minha calcinha quando levantei o olhar e vi-o parado balançando minha calcinha. A casa estava cheia de convidados e acho que já. – Eu-Eu fui buscar o Brian. – Justin devolve. Ele se arrumou mais rápido que eu. – Caissy isso não machuca o bebê.. – disse rindo. – Acho que está lá em cima… – Vou lá dá um beijo nela. – Caissy onde você estava? – ela parou em minha frente. que tinha se enrolado todo. – O que? – a cara que ele fez foi tão hilária que me matei de rir. tem casos que o bebê pode até morrer. não demorou muito e acabei gozando caindo pra trás. – Filho da puta.. E… Bem devagarinho. POV Caissy. segurava em seus cabelos com força e ela pulava cada vez mais em mim. – pude ler nos lábios dele. ela caiu por cima de mim me beijando e depois fomos voltando ao normal. não ainda. – Onde ela está? – perguntei a Pattie me referindo a Jazzy. tínhamos uma festa lá fora. – estava atravessando a sala quando sem querer esbarrei na Claire. – passei a mão no pescoço o fazendo entender que eu iria matar ele e o filho da puta ergueu minha calcinha e deu uma rodadinha minha cara queimou de vergonha pensa se alguém visse. – Idiota! – ele disse pegando um boné branco da OBEY que estava no escritório e colocando na cabeça. Filho da puta coloquei o sapato e fui atrás dele. – ele enfiou a calcinha no bolso e destrancou a porta saindo.– Senta pro papai. né? – ele perguntou com cara de inocente e preocupado. – disse a fazendo rir e de imediato ela se posicionou e sentou lentamente em mim e foi quicando devagar deixando meu pau entrar por completo dentro dela. intercalava rebolando me fazendo tombar a cabeça pra trás e morder os lábios de tanto tesão. – Adoro ver você coradinha. tinha ficado cansada Justin havia dado trabalho. Mas não podia voar em cima dele. se ele achava que o cabelo dele estava um caco imagine o meu. já sentiriam nossa falta se é que já não sentiram.

– Claire disse empolgada. –disse ignorando o comprimento. ele estava terminando de falar com o pai dele. Ela aparentava ter uns 19 anos. você foi chifrado ou ela ainda não te notou. – Amor de cú é rola. O jeito dela me fez lembrar a Cassidy quando a confundi com uma prostituta na primeira vez que a vi. olhos negros como carvão. – sorri pelo nariz. Estava em um bar bebendo afundando as magoas e uma mulher. POV Caissy. Alexia já tinha embarcado pra Miami e eu iria em um voo mais tarde. – Quando vejo um camarada beber mais que três doses de whisky é que ele está sofrendo por amor. – Meu nome é Renata. – Que nome lindo… Alias não é só o nome que é bonito. – Sou Brian. . – Caissy eu sabia que o Justin era rico... minha mãe estaria esperando por ela no aeroporto ela realmente parecia estar abatida. Loiro.. – virei outra dose e bati o copo no balcão chamando a atenção do garçom dizendo que eu queria outra. Cara eu estou admirada com essa mansão. – disse sem graça a ignorando e indo ver a Jazzy. Peguei aquela morena e sai daquele bar no intuito de esquecer tudo. mas depois o tempo foi passando e ficou mais fácil. – Ela te deixou. menos Claire e Melissa que estavam comigo fofocando no quarto em cima da cama do Justin. – É isso mesmo. menina para falar a verdade. – ela disse cochichando em meu ouvido. coisa que acho difícil.ela disse me encarando de cima em baixo. mas eu não imaginava que fosse tanto assim. – Nos primeiro dias foi difícil de acostumar. – ela disse se escorando ao meu lado de forma sensual. . – Você é tão lindo que faço de graça. .– Você e Justin não sabem que rapidinhas tem que durar no máximo 20 minutos? – O que? – disse chocada. você é muito gato. mas ela não ligou sorriu safada e me puxou pelo colarinho da camiseta.. tinha cabelo cor de mel.disse indiferente. – Quanto é o programa? – disse um pouco ríspido. POV Brian. – ela estendeu a mão. Todo mundo já tinha ido embora. vocês se trancam no escritório fica uma hora lá dentro e depois ele sai sorrindo feito bobo… Quer que eu acha que fizeram o que? Planos para o bebê? Ou melhor. planos para outro bebê? – Cala a boca.. – Ual! Quem foi que fez uma coisa tão linda como você sofrer? – ela era sensual diria que um pouco atirada mais era melhor conversar com ela do que ficar sozinho. – Nenhum dos três.. cílios longos e negros uma perfeita boca rosada e carnuda e pele bem branca.

ele estava distraído e não tinha me notado fiquei encostada na porta o olhando e quando ele me notou sorriu. queria relaxar. – Que foi? – ele disse tirando as calças ficando de box na frente das meninas que estavam espantadas com o gestos. – Claire. – Parabéns amiga você ganhou na loteria. Resolvi não contar. – tentei ser natural. mas deve render muito dinheiro. – Vem? – ele gesticulou com a mão. – taquei a almofada nela. tirei minha roupa. Ficamos rindo alto falando de coisas bobas e zoando a Melissa que estava com uma queda pelo Chris. mas ninguém sabe exatamente o que ele e os meninos fazem. Justin tinha suas mãos posicionadas em minha barriga e ás vezes me causava cócegas. – sorri sapeca. – Eu não sei. mas nós o ignoramos e continuamos a conversa até que ele começou a tirar a roupa. Não fizemos nada de mais. – Claire disse observando o quarto outra vez. Melissa na hora cobriu o rosto. – Ai Melissa… – Caissy a pergunta que não quer calar. – Você ia mesmo ter coragem de ir embora? – ele perguntou sendo sério. – O que o Justin faz pra ter tanto dinheiro? – fiquei um pouco sem graça todo mundo sabia que o Justin era do crime. – ele riu. – Para de graça. – Não deve ser coisa boa. – Justin? – gritei rindo pela cara que as meninas fizeram. como ele era peralta. vem logo pra cá. Neguei e liguei a banheira. Sentei-me de um lado. voltei na ponta do pé entrando devagar no banheiro. depois coloquei um pé dentro da banheira sentindo aquela água quentinha e me equilibrando coloquei o outro. Justin entrou no quarto. – ele resmungou entrando no banheiro. Enquanto a banheira enxia voltei para o quarto.– Sabe qual é o melhor? – Melissa disse rindo. – Para de graça e vai tomar banho logo. Justin ainda estava no banho. – disse brava o vendo dentro da água que preparei pra mim. Quando eu o conheci sabia que ele mexia com coisa errada. Deixei o robe escorrer pelo corpo. – ela diminuiu o tom da voz. – Só assim pra elas saírem do quarto. mas logo o Justin me puxou pra que ficasse á sua frente no meio de suas pernas. trocávamos carinhos e alguns beijos. mas não sabia o que. Elas se acomodaram e eu voltei para o quarto. – Achei que pra nós estava tudo acabado… . o amigo tem dinheiro uma pica grande e uma bunda que dá vontade de morder. vesti um robe e voltei para o banheiro. mas Claire era safada e não poupou em admirar. – Justin eu enchi a banheira pra eu tomar banho. – Seu filho é herdeiro disso tudo. Fui com ela até os quarto de hospedes que a Pattie tinha arrumado.

pela primeira vez na vida senti pena dela. tinha que sair antes dela acordar. me coloquei no lugar dela e imaginei a dor imensa de perder um filho. – sorri pelo nariz. mas ninguém saber o porquê da morte. – sorri encantada. – Sou ruim. ainda estava extasiada com o que ele havia me contado. – Morta? – arqueei a sobrancelha. – tomei um suco. – Guadalupe me ligou dizendo que sua neta está morta. – O que eu poderia fazer? – dei de ombros. POV Justin. Acordei primeiro que a Caissy e liguei para o Ryan.– Acho que se você fosse embora e eu não tivesse me lembrado. – Porque Alexia nunca engravidou? – ele fez silencio. – Ela não pode ter filho por minha causa. Bati nela e dei um chute em sua barriga a fazendo ter um aborto. não me perdoaria nunca quando lembrasse. – o semblante dele tinha mudado. – Senti medo quando descobri que estava grávida. – fiquei assustada com aquelas palavras. mas estava se poupando não tinha usado nada porque estava grávida. E eu acabei com os sonhos dela. – agora entendo quando as pessoas dizem que os dois eram doentes um pelo outro. ele sentiu minha presença e depois me envolveu em seus braços estava cansada e acabei pegando rápido no sono. disse que usaram requintes de crueldade. se Ryan não estivesse por perto eu teria morrido. – Nossas brigas nunca foram uma coisa normal… Uma vez ela tacou fogo no carro comigo trancado lá dentro. Tive uma crise de ciúmes e acabei pegando pesado. mas nem tanto. quando sai do banheiro ele estava esparramado na cama com a cabeça afundada no meio de um monte de travesseiros brancos. Quando desci minha mãe estava a falar no telefone de forma desesperada. – ele me abraçou forte. – coloquei minha mão na boca chocada. – O que a safadinha fez pra morrer? – Guadalupe está desesperada. porque ela não pode mais ser mãe. – Eu fui um monstro… Alexia sonha com aquela criança todos os dias de sua vida. não queria a preocupar com minhas coisas. Me arrumei. Justin saiu do banho primeiro eu ainda fui lavar meu cabelo. não sabia sua reação. junto de Chris e Chaz menos o Brian que não conseguiram contato. – o cereal que tinha colocado em minha boca desceu entalado. – Mas agora eu só quero esquecer os erros do passado e fazer diferente. . Ryan me avisou no rádio que já estava onde marcamos. mas assim que me viu se despediu e desligou. – Sequei meu cabelo e depois me deitei ao lado dele. – Filho será que você não pode descobrir quem foi? – sabia que ela ia me pedir algo. – Que foi? – perguntei me sentando a mesa pra tomar café. Comecei um papo que me despertou muita curiosidade. não queria nem imaginar ficar sem essa coisinha que está aqui em mim. – É que vocês viviam vida de casados então sei lá. tinha medo do que poderia fazer. – Estava muito louco em uma noite e ela estava comigo.

e agora tenho que voltar. Armaram muitas coisas nas minhas costas e agora iam aguentar. sempre dizia pro Jason que ele se descuidava muito em relação a segurança da família dele e não foi muito difícil de entrar. peguei uma chave e coloquei uma arma na cintura. – disse saindo na frente. – Mais uma e última vez e se não disser começarei mandar meu parceiro matar seus filhos… Onde está o Jason? – Senhor Bieber eu realmente não sei onde ele está. – ela caiu em prantos desesperados e eu e os moleques deixamos a casa dela seguindo até o . – Chris disse. – dei uma coronhada em sua cabeça. ele ia acionar uns contatos e pedir pra rastrear o número que Jason ligava pra sua mulher. – Não vou fazer nada com você e as crianças. Estava cedo e não tinha ninguém na rua. – ela disse com a voz chorosa. – Senhor Bieber por favor deixe minha família em paz. – ela disse chorando. Agora eu tinha que me vingar. Ryan deu um jeito de levar os filhos dela lá pra cima enquanto eu batia um papo com ela. – me levantei da mesa pegando meu celular e indo ao escritório pegar a chave de um carro. Chaz e Chris foram pelos fundos e Ryan e eu pela frente. – Não sei. – Não foi tanto tempo assim. – Tem gente em casa? – perguntei me aproximando deles. Dei um toque pra confirmar se era aquele número mesmo e como de fato era.– Vou ver o que posso fazer. – Chaz deu um papel pra ela e com a mão super tremula ela escreveu. – Fiquei muito tempo longe dos meus esquemas. Os meninos já estavam há um tempo me esperando. – resmunguei entrando no carro. – Anota o numero da sua casa aqui. mas eu tinha que saber onde ele estava. – Você vai sair? – minha mãe veio atrás de mim. Pulamos o muro e caímos no quintal da casa dele. – Fiquei vigiando a casa toda ontem e a mulher dele está ai com as crianças. – Ótimo então vamos invadir. pois sai caminhando até a garagem. Só que você será viúva a partir de hoje. desci do carro engatilhando minha arma e olhando o lugar pra não ser notado. Ele me liga de um telefone que não conheço e a última vez que falei com ele foi ontem. mesmo sabendo que tinha outra no carro. – Onde está o filho da puta do Jason? – disse com o revolver próximo a sua cabeça. – Para mim em uma semana acontecem muitas coisas. Depois de um tempo ele voltou com o endereço de uma pousada na mão… Mas Jason era muito burro mesmo. Chaz pegou o numero e foi para o carro. – Resposta errada. sai andando pela casa a procura da mulher e quando a encontrei a arrastei pelo cabelo até a sala. – ela disse tremendo. O lugar marcado com o Ryan era na casa da família do Jason sei que eles não tinham nada a vê com o que o filho da puta fez. Meti o pé na porta a arrombando. – ela gritou. Tinha uma criança na sala que logo se assustou com a invasão.

– dei um murro nele. – disse escorado a uma mesa vendo o sofrimento dele. Não cansa de levar soco não? – Você era meu braço. . ela também matou a Nanely porque descobriu tudo sobre ela. e se se preocupasse não tinha me traído… Se é ruim comigo Jason pior é sem mim. Seguimos pelos corredores metendo o pé na porta dos quartos até achar o Jason. só ia pagar com a mesma moeda. – Cala boca mano minha mão já tá doendo. – dei um murro com força na boca dele que estava toda arrebentada. – disse sério e Chaz fez o que mandei. – eu já sabia de tudo aquilo. Chegamos à tal pousada e nem pedimos informação na recepção estávamos todos armados e entramos sem dizer nada. Foi quando Chris meteu o pé em um quarto e o encontrou tentando fugir pela janela. – Desculpas. quando Jason fazia uns serviços como esse pra mim ele colocava um saco na cabeça da pessoa e torturava até desmaiar. Chegamos ao casebre e o amarramos em uma cadeira. – filho da puta ela era só uma menina. – sorri com maldade e ele começou. – Alexia fazia coisas terríveis e me dava uns trocados pra que eu não contasse. – E honre tudo o que fez. – Não use os seus filhos. – Ryan deu um soco nele. eles estavam chocados. mas a Alexia me seduziu ela me propôs coisas que nunca tive e eu cai na dela. Ela trabalhava com o Marconny. tinha que te matar pra fazer o sacrifico.endereço. – Para com isso. mas os meninos não. – Ela que atirou na Caissy. só não me bate mais. Nunca vi cara mais bundão que aquele. – E eu descobri que ela que invadiu sua casa e atirou na Caissy. sabia que ele estava lá. – Seja homem. – disse dando outro soco nele. – Então você me traia. – ele disse chorando. – Taca água gelada na cara dele. tentou me matar e quer que eu aceite seu perdão… Acho que ele pegou pesado não acham? – os meninos riram. Jason se debatia e implorava perdão a todo o momento e a cada palavra dele Ryan o mandava calar a boca dando um soco. quero que você conte tudo… – Eu conto. – Põe ele no saco Drew. Jason acordou assustado e se afogando com a água. – Você nunca se preocupou com eles. Os meninos imobilizaram ele e o colocaram carro. – Alexia espionava vocês para o Marconny… Ela. fomos para o casebre. – filho da puta agora eu tinha ficado revoltado. – peguei minha arma e bati com força na cabeça dele o fazendo desmaiar. por favor. eu tenho filhos pra criar. – Ryan disse me lembrando. como podia ser chefe da minha segurança? – Justin eu juro não queria fazer aquilo. por favor. meu sorriso de vitória não tinha como esconder. – Eu sempre fui leal a você. mas se você quiser eu conto tudo.

tomei banho e me arrumei. mas aquele filho da puta merecia muito mais. o saco não. Acordei não encontrando o Justin no quarto. estava arrumando minhas coisas quando encontrei o presentinho que ele deu pro meu bebê deixei escapar algumas . – Também te amo. fiquei nervosa. Seu corpo ficou mole e ele morreu na hora. – Tá Caissy vou tentar chegar cedo ai.– Não. Não por favor. só vou resolver mais umas coisinhas e volto pra casa.Big changes for a great future POV Caissy. pois no mínimo ele já tinha saído. – Onde eu estou? O Que vocês estão fazendo. – ela disse com a voz mole. – ele disse em desespero tentado se soltar. – Onde você tá Justin? – Trabalhando. – Tá. – esvaziei o tambor de uma de minhas armas e ficava apertando o gatilho fazendo ele se desesperar mais com o barulho. E eu coloquei o saco na cabeça dele e mais uma vez ele desmaiou. elas estão com cada ideias… Vem me salvar! – ri alto pelo drama dela. – Quem vai ser o próximo? – Chaz perguntou.polyvore. pois era a Caissy. – Alexia… Marconny será o último. Hoje eu acabava com todos meus problemas! Continua… *-* Capítulo 49 . – os meninos o soltaram. – Beijo… Te amo. liguei pra ele e ele disse que estava resolvendo uns problemas e depois vinha pra casa. – Fala. mas. Os caras se divertiam com isso. – meu celular começou a tocar e eu pedi silêncio. – Anjo eu sei me cuidar. – Sabe rezar. e ele caiu feito merda no chão. – disse pegando uma arma engatilhada. – Manda esse presunto pra casa do Marconny. – Eu sei. – ele chorava alto e implorável.com/caissy/set?id=46865842). não demora. – Chega! Chegou sua hora Jason. (http://www. – apertei a arma na cabeça dele sem dó e nem piedade. por favor. – disse desligando o celular e voltando para o casebre para prosseguir com meus planos. – atendi saindo de dentro do casebre. mas pensei que iria passar o dia comigo… – E vou. – Justin. – Então reza pra ser perdoado filho da puta. não aguento mais sua mãe Claire e Melissa juntas. mas você não podia nem sair de casa. Sonhei com o Brian e estava me sentindo um pouco triste. Chris amarrou um pano em seus olhos e quando ele acordou não enxergava nada.

lágrimas, mas depois me recuperei eu queria ele comigo e queria entender o porquê dele me tratar daquela forma. Melissa, Claire e Pattie estavam me torrando as paciências com coisas fúteis, me arrependo de quando reclamava quando ficava sozinha aqui. Desci para comer alguma coisa, meu estomago já estava gritando de tanta fome. Pattie não queria ficar me preocupando, mas descobri que Nanely estava morta, fiquei um pouco triste mesmo ela sendo uma safada não merecia ter perdido a vida de forma tão cruel e no mínimo o Justin estava atrás de quem fez isso, mas Pattie não quis me falar quase nada. – Ai Caissy temos que te contar nossa ideia. – Melissa disse me acompanhando junto das outras. – Gente não aguento mais vocês. Desde a hora que acordei vocês não param de tagarelar. – abri a geladeira pegando um monte de coisa pra comer, estava com uma fome de leão. – Amiga a gente vai fazer o dia mais feliz da sua vida! – Eu já sou feliz, não preciso de mais nada. - disse colocando tudo o que eu havia pegado em cima do balcão e bebendo um pouco de suco. – Precisa sim! – Caissy toda mulher sonha em casar. – Melissa disse. – Casar? – cuspi o suco em minha boca engasgando. – Vocês estão loucas? - gritei – Não… O seu casamento vai ser o mais lindo de todos. - Mel disse dando de ombros. – Vocês só podem estar ficando loucas. - revirei os olhos. Ok, aquilo não poderia ser verdade! – Claro que não Caissy… Já preparamos tudo. Vai ser a melhor festa! – Gente vocês só podem estar ficando loucas… O Justin vai matar vocês quando souber. – O Justin não tem vez aqui. Agora olha o que fizemos. – Pattie me mostrou uma lista com várias coisas. Minha cabeça até embaralhou com tanta coisa, elas só podiam estar loucas. Estavam planejando tudo e eu nem tinha sido pedida em casamento. Aquilo não tinha meu consentimento. Decide ligar mais uma vez pro Justin, queria ele aqui, aquelas loucas estavam me dando medo. Sem contar que ele também não deve estar a par disso... Bom, tanto faz, ele também não vai aceitar isso. Deixei as três eufóricas, que nem perceberam minha saída, na cozinha.

POV Justin.
Já tinha ido à casa da Alexia, mas o porteiro disse que ela já tinha se mudado. Havia duas opções ou ela estava na casa do Brian ou na casa do Marconny e se ela estivesse na casa do Marconny seriam dois coelhos em uma cajadada só.

– Justin você vai ter coragem de matar a Alexia? – Ryan perguntou assim que chegamos ao apartamento do Brian. – Alexia teve coragem de planejar minha morte… – Mas ela é irmã de um parceiro nosso! – E não hesitou em tirar a minha vida e da minha mulher. – sai andando na frente com a arma na mão. Por mais que eles achassem errado eles estavam comigo, pois sabiam que eu estava com razão, Alexia precisava de uma lição. – Moço, o senhor Brian não mora mais aqui. – o porteiro já me conhecia e assim que me viu disse. – Como assim não mora mais aqui? – perguntei confuso para um cara que estava na guarita. – Ele se mudou… Foi pra... – ele pensou um pouco. – Foi pra Miami! Saiu agorinha mesmo, mais um pouco e os senhores chegavam a tempo de pegar ele aqui. – fiquei puto, no mínimo ele estava tentando esconder a irmãzinha, mas ai não ia ficar assim mesmo, eu ia atrás da cadela até no inferno se fosse preciso. Entrei no carro e sai zuncando para o aeroporto, tinha que pegar a Alexia de qualquer jeito. Não respeitava nenhum sinal nem nada estava com o pé afundando no acelerador, na verdade sempre fui assim, mas hoje, bom, hoje estava pior. Cheguei ao aeroporto e derrapei o carro no estacionando. Entrei correndo esbarrando e empurrando muita gente na minha frente. Olhei no painel de embarque e os passageiros do Voo 540 para Miami estavam fazendo o check-in. Corri para a sala de embarque avistando o Brian de longe. O puxei assim que cheguei perto dele. – Cadê sua irmã? – perguntei nervoso. – Cadê a vagabunda da Alexia? – os meninos chegaram. – Olha como você fala da minha irmã! – ele largou uma bolsa que segurava no chão e me peitou. – Eu vou matar a filha da puta onde ela tá? - perguntei olhando para os lados para me certificar de que ela não estava ali, porque se estivesse, enfrentar Brian era pura perca de tempo. Mas não a encontrei em canto nenhum. – Ah mais não vai mesmo. – Brian sorriu sínico. – Quem vai me impedir? Você? – perguntei irônico bem próximo dele. – Hei, vocês estão no aeroporto, só pra avisar. – Ryan disse tentando amenizar a situação. – Vamos, fala, onde está a Alexia? – disse perdendo a paciência, o que já não tenho muito. – Ela está bem longe daqui. – ele sorriu. – Ela já foi, você nunca mais vai ouvir falar dela. Você morreu pra Alexia então faça o mesmo… A esqueça! – meu sangue ferveu.

– Não Brian eu não vou esquecer. Ela vai vim até mim. Eu vou a achar e quando eu achar não vai sobrar nem um pedaço dela pra contar história. Esse mundo é pequeno. – disse rangendo os dentes. – Eu vou protegê-la com unhas e dentes e se você mexer com ela isso vai virar uma briga de cachorro grande! – ele disse apontando o dedo na minha cara. – Então se prepara porque isso não vai ficar barato. – o empurrei com força o tirando da minha frente. Estava revoltado sai andando pra fora pra no lugar da Alexia não estourar a cabeça do filho da puta do Brian. Pra completar a Cassidy não parava de me ligar. Era toda hora, ela já estava enchendo meu saco. – Justin… - ela disse assim que atendi. – Que é Caralho! – O que foi? – Nada, fala logo. – disse sendo um pouco grosso. – Nada não deixa quieto seu estupido. – ela desligou na minha cara filha da puta. – Ah vai tomar no cú, mais uma com graça! - reclamei e os meninos se entre olharam. Que foi porra? Vamos logo, ela não está aqui! – Na boa Justin, por hoje chega. – Chaz disse. – Você tá pilhado demais, está com sangue nos olhos. – Foda-se! – meu intuito era vingar tudo e mostrar para os filhos da puta que não estava de brincadeira. – As coisas não funcionam assim, principalmente quando você está de cabeça quente! – Chris disse. – Vocês prometeram me ajudar, então ajudem… Não atrapalhem. –Assim que entrei no meu carro, pisei no acelerador e só soltei quando estava na rodovia. Estávamos indo pra casa do Ryan tínhamos que combinar o que fazer com Marconny já tinha umas ideias em mente, era só por em prática. – Droga! - murmurei socando o volante. – Mais essa filha da puta me paga! E é bom o Brian e todos que se opuserem a mim, tomarem cuidado. Porque eu estou tô puto preciso ver o sangue deles ser derrubado pra me sentir melhor preciso mostrar quem manda. Estava com tanta raiva que sentia minhas mãos suarem, chegamos à casa do Ryan e fomos direito para o escritório, não dava pra ir para casa com aquele monte de gente lá, a casa estava cheia das amigas da Cassidy. – Pretende fazer o que com o Marconny? - Ryan perguntou se acomodando. – Quero tirar tudo dele… – Vai matar também? – ele arque-o a sobrancelha. – Depois de deixar ele na miséria depois de roubar tudo o que é dele. – Você vai faze…

– Isso mesmo, vou fazer outro roubo só que esse é só pra levar os bens do Marconny. Quero casa, dinheiro, carros, status e a cabeça dele. – Essa vai ser sua vingança? – Chris perguntou e balancei a cabeça positivamente. – Tô dentro! – Chaz disse sorrindo ele adorava esse tipo de vingança. – Por mim tudo bem. – Ryan deu de ombros. – Se é isso o que você quer tô dentro. – Chris disse rindo, Chaz pegou o computador dele e começou a fazer um monte coisa, comprar equipamentos novos para fazer o roubo e planejar algumas coisas.

POV Brian.
Caralho, esse moleque acha que é quem? Primeiro rouba minha irmã, a muda e faz com que ela suma. Depois, rouba minha melhor amiga, minha pequena, minha amada. A machuca rouba o coração dela, porque esse eu sei que nunca seria meu, depois a dispensa, faz o que quiser dela, brinca com minha irmã quando ela volta, machuca a Caissy. É um ciclo vicioso, e eu sou o otário que quando elas estão 'tristes' vai consolar, mais o que eu ganho com isso? NADA! Mais agora será diferente. Vou cuidar de minha irmã, como se nunca houvesse me separado dela, como se Justin nunca tivesse interferido em nossa vida, como se eu nunca tivesse me apaixonado pela garota que nunca foi minha, porque só assim eu poderia deixá-la, estando longe, só assim ela seria feliz e eu conseguiria vida que sempre quis e que foi me tirada a partir do momento em que conheci Justin, ou a partir do momento em que ele e Alexia... – próximo! - uma mulher gritou no microfone. Era eu. Bom, agora a vida seria diferente. Eu, minha mãe e minha irmã. Em Miami, vida nova, sem laços com o passado.

POV Caissy.
– Caissy, ai a gente pode fazer numa chácara. Ou aqui mesmo nessa mansão enorme. – sugeriu Melissa. – Ai, credo! No mato? Não, tem que ser num salão, enorme! – Claire disse sonhadora. – Ah, mas e a igreja? Tem de ser na que eu me casei! Ela é tão linda e grande e... – Pattie começou a dizer. E lá se iniciava mais uma discussão sobre o MEU casamento, casamento pelo qual eu nem se quer estou animada, e muito menos ciente do ocorrido. Para ajudar, agora Justin está com aquelas grosserias, justo agora que eu precisava dele para me tirar daqui! – O que acha Caissy? – Pattie perguntou e eu a encarei confusa. – O quê? – Seu vestido, você prefere com calda ou sem? – Melissa perguntou. – Mas tem que ser com calda, é tão mais elegante, e bonito. – Ah não! Sem a calda! Tem que ser algo moderno, estamos no séc. XXI, não no XVIII. Claire resmungou. Sinceramente? Não estava a fim de ter aquela conversa.

– Vermelho! - Pattie disse. – Não, tem que ser verde! - Mel retrucou. – Sou mais o vermelho sangue. Tem que ser algo que chame a atenção. - Claire disse. [...] – Acho que deveria ser de chocolate. – Ah não! É tão... Normal! Tem que ser algo mais chique. - Mel disse. – Ah, mais pelo menos vai ter as bebidas né? Pelo menos dois bares. - Claire disse. –É, mais e as entradas? Massa é muito pesado, tem que ser algo mais leve... - Pattie questionou. – Ah, e os bem-casados? Nossa, eu AMO isso! - Mel disse. – Caissy, o que acha querida? - Pattie perguntou e mais uma vez eu não estava a fim de falar, não estava prestando muita atenção, queria mais era sair dali. Já fazia quantas horas que elas falavam sobre isso? Porque juro, que se fossem minutos, para mim estavam parecendo anos. Todas sentadas em volta da mesa de centro, com muitas revistas de casamento na mesa e tagarelando, tinha ora que eu só via as bocas se movendo. – Ah, que seja! Faz o que quiserem. - disse indiferente. Nem estava mais prestando atenção no que elas falavam, pra ser sincera, nem sei pra que tudo isso, e o pior é que não adianta falar nada, elas colocaram essa história de casamento, e tudo mais na cabeça e não tem quem as tire. Escutei o barulho de um carro freando bruscamente e bufei. – E a lua de mel? - Mel perguntou e logo em seguida Justin entrou que nem um furacão. – Hei Justin! - Todas o cumprimentaram, eu apenas me levantei do sofá, revirei os olhos quando o vi passar pela porta e fui em direção ao quarto, fugindo de ficar no mesmo ambiente que ele. Não estava a fim nem de olhar para a cara desse grosso, idiota, que ACHA que sou capacho dele. Depois de um tempo deitada na cama fitando o teto Justin entrou. – Que foi gatinha? – ele tento me beijar, mas eu fugi. – Que foi? – ele disse confuso e eu levantei saindo do quarto. – Caissy? Não tá me ouvindo? – Pattie o chamou e ele revirou os olhos bufou e depois saiu me deixando. Desci pelas escadas de trás e mais uma vez fui comer. Estava na cozinha quando fui agarrada por trás. – Vai ficar brava assim comigo vai? – Justin disse perto do meu ouvido fazendo com que seu hálito quente batesse em mim de forma diferente. – Justin me solta! – disse entre dentes, tentando me soltar. – Ah para amor, eu vim aqui pra ficar com você não foi pra isso que tu me ligou… -Justin disse malicioso. Não o olhei, aquelas palavras me deram nojo. Esse cara é bipolar ou o quê? Não, ele deve achar que sou uma dessas vadias, que ele faz e fala o que bem entender e elas ainda ficam caindo em cima dele. Ah, mais coitado se ele acha que eu sou assim, não, eu não sou! Se dependesse de mim, hoje ele iria dormir com os cachorros. – Não tô afim Justin! – disse me soltando dele.

– Ah, para vai! – Para nada Justin, você acha que eu sou o que? Alguma puta que tu trata do jeito que quiser? Ou só uma reprodutora? Porque vai saber agora se minha função mudou. – ele me encarou confuso. Filho da puta ainda tem a ousadia de pensar. – Não Justin Drew Bieber, eu não sou! – Calma Cassidy. - ele disse na defensiva – Ah Justin vai se fuder, calma nada! - gritei. – Eu não posso me fuder, porque NÓS fazemos isso bem melhor JUNTOS. - ele sorriu malicioso e confesso que eu queria sorrir, ah, como eu queria, mas eu tinha de ser forte, não podia cair na gargalhada ele ia achar que já estava tudo bem, e não estava! – Ridículo! – sai batendo a porta indo pra fora da casa. Fiquei caminhando no jardim e fazendo uma coisa diferente, fiquei conversando com o bebê uma coisa diferente por que isso era estranho, mas foi bom pra me acalmar. Fiquei sentada em volta da piscina um bom tempo até que ele se aproximou. – Será que eu posso sentar? – ele perguntou, mas não respondi. Então ele se sentou e me puxou pra junto dele. – Sai Justin! – ele me soltou. – Será que pelo menos com o meu filho eu posso falar? – ele perguntou rindo, colocando a mão na minha barriga. Não disse nada apenas deixei. – E ai meu garoto. – ele beijou minha barriga. – Garota! – ele me olhou frustrado, mas continuou. – Sua mãe tá brava comigo… Mas eu não fiz por querer é que tem hora que ela é muito chata. – dei um tapa na cabeça dele. – Ela também não quer falar comigo então, faz um favor? – o olhei sem entender ele estava mesmo falando com o neném. – Pergunta pra ela. – ele sorriu. – Pergunta pra ele se ela quer casar comigo? – fiquei espantada, não esperava. Demorei um bom tempo pra responder, mas depois a ficha caiu e eu não pude conter o sorriso. – Diz pro seu pai que mesmo ele sendo um tosco… Eu aceito. – sorri dando um selinho nele. – Eu aceito. – Até porque se não aceitasse ia ter que casar obrigada, já viu o que aquelas três estão fazendo? – ele disse rindo. – Elas estão me deixando louca. – disse triste. – Vim pra casa achando que nós… Mas não. – Justin mordeu os lábios ao olhar meu corpo e aquilo me fez arrepiar até o ultimo fio de cabelo. Filho da puta, porque tem que ser tão gostoso e seduzente assim? Em um momento de distração Justin me pegou pela cintura e me encurralou. – Mas isso não quer dizer que não podemos tentar... - ele sorriu e eu, mais uma vez, mergulhei naqueles olhos mel que transmitiam pura luxúria, desejo e tesão. Justin selou nossos lábios lentamente, meu corpo ainda estava colado ao seu. Não resisti e me entreguei. Sou fraca eu sei, mas... Não tem mais, eu sou fraca! Estava sentada em uma espreguiçadeira

ele estava por cima de mim e minhas pernas se cruzaram em volta da cintura dele. Acho que agora ele está mais receoso quanto ao bebê. Tudo bem que acho que ainda não tem problema, mas... Deixa-o sofrer um pouquinho. Podíamos fazer varias coisas, mas a casa estava cheia. Ele estava beijando meu pescoço e eu suspirei em sua nuca. Justin mordeu os lábios e apertou meus seios. Eles estavam meio doloridos, mas o toque de Justin parecia que... Sei lá, é como se o calor do momento fizesse meu corpo liberar uma anestesia e que tudo o que eu conseguia sentir no momento era prazer! Gemi fraco e ele veio para tirar minha blusa, quando fomos interrompidos por gritos de Claire. Justin bufou e saiu de cima de mim, assim que eu tentei empurrá-lo. – Caissy, vem ver o que achamos para a cerimonia. - Mel disse. – Eu vou matar suas amigas. – ele sussurrou e eu sorri. – Cassidy, para de querer trepar com o Justin e vem cuidar do teu casamento! - Claire gritou. – Bom, eu até podia tentar se vocês me deixassem em paz! - retruquei impaciente. – Ah, larga a mão, tu tem a noite toda! - Claire disse e Justin saiu meio de má vontade, mas saiu. Pude ver que quem menos havia ficado feliz com a interrupção foi meu brinquedinho, que provavelmente teria de se contentar com as mãos de Justin. Oh, eu sou má, mais não fui eu quem interrompi. Por mim eu deixaria elas esperando. As duas estavam com varias revistas na mão e Justin me olhou perplexo e indignado. PUTA MERDA, OLHA PARA QUE ELAS ME INTERROMPERAM! Mel ficou encarando Justin que estava sem camisa até que ele saísse de vez. Ok, vou fingir que não vi, mais só porque sei que ele é irresistível. – Caissy, agora é sério, precisamos da sua opinião para algumas coisas do casamento e da lua de mel. - Melissa disse, pegando um caderno e uma caneta e sentando ao meu lado. – Ah, jura que isso não pode ser feito só por vocês? Prefiro não me envolver nessa besteira! - disse – Hei, não é besteira, é SEU casamento! - Mel disse brava. – Justin me pediu em casamento e aposto que isso tem o dedo de vocês. – Não Pattie disse tudo pra ele. Primeiro ele riu, mas depois disse que com casamento ou sem casamento você sempre vai ser dele. – ela revirou os olhos, ele não eram nem um pouco romântico e acho que isso me deixava mais tarada por ele. – A única coisa triste é que ele não é nem um pouco romântico, mas tudo bem. É pai do meu afilhado tenho que aceitar. - Claire disse, e Mel a fuzilou. – Ah, já vi que vocês não vão me deixar em paz, então... Fala, o que querem de mim? perguntei e elas sorriram vitoriosas.

– Queremos que nos ajude. – elas começaram a me mostra um monte coisa, então já que era pra casar ia casar direito. Comecei a dar minha opinião e escolher algumas coisas, ficamos assim a tarde toda. Até que Justin me tirou pra ficar um pouco com ele. – Vamos Jantar? – ele sussurrou no meu ouvido quando estávamos a sós na sala. – Mesmo? – disse desanimada. – Sim, depois vamos naquele lugar que você adora. – ele sussurrou no meu ouvido. Gostei da ideia, precisava de sexo, mas a casa estava cheia e não poderia fazer do jeito que gosto. – Dá um minuto só pra pegar minha bolsa e calçar a sandalinha. – disse dando um selinho nele e subindo correndo. Pode ser que o nosso amor seja eterno como sempre dizíamos que seria. Pode ser que você seja realmente o meu “príncipe encantado”. Pode ser que os nossos destinos estejam unidos em um só.. Pode ser também que, definitivamente, você foi e sempre será o amor da minha vida, aquele que eu demorei anos pra encontrar. Como pode ser que não. Que tudo não passou de mentiras e ilusões. São muitas possibilidades. Os acontecimentos se sucedem. E o tempo passa, afinal. Sem preceitos e com sua voz no comando. Não basta apenas se apoiar na janela e, pelo vidro, ver a vida passar. Não adianta ficar tentando imaginar suposições… Suposições de como teria sido se você tivesse optado por outro caminho. Se você tivesse outra escolha. Escolhas. Esse assunto me intriga. Mas estou sendo feliz a cada dia e só isso que importa. Caissy de quatro meses. Como de fato era o que eu esperava, comecei meu pré natal e quando fiz a ultrassom descobri que meus instintos eram verdadeiros. Era uma princesa, a minha princesa, eu estava grávida de uma menina. Mas minha gravidez era um pouco de risco, eu era muito nova e tinha muitos problemas com minha saúde, estava fazendo vários tipos de tratamento. Justin estava sempre do meu lado, as vezes tinha medo e me assustava um pouco, mas ele sempre estava lá sempre com um alicerce. Agora conversávamos mais com nossa pequena, e eu pudia jurar que isso fazia muito bem, tanto para ela quanto para nós.

Flashback on – Ah, mais ela vai ser muito linda né? - Mel disse acariciando minha barriga. Estávamos todos sentados em volta da piscina, toda a família. Ryan, Chris, Chaz, Claire, Mel, Pattie, Justin, eu... As pessoas mais importantes na minha vida no momento. Estava tomando sol com as meninas enquanto os meninos se divertiam na piscina. Parecíamos a típica família feliz dos filmes de Hollywood. (http://www.polyvore.com/cgi/set?id=47098412&.locale=pt-br) – Claro, ela vai puxar o pai! - Justin disse convencido. Todos riram.

– Cara, prefiro que ela puxe a gostos.. A mãe. Não gosto muito da tua cara! - Chaz zombou e Justin, revoltado lhe deu um caldo. – Ok, o corpo da mãe quando ficar mais velha, os olhos e a boa do pai. - disse e todos assentiram. – Vem aqui meu amor, dá um abraço no seu marido, ou quase isso! - Justin disse vindo todo molhado me dar um abraço. – Ah, Justin, sai! - gritei tentando empurrá-lo, mas a verdade é que com aquela barriga, já meio grande, eu não tinha muita força. Todos à nossa volta riam, pareciam bobos. Justin segurou meus braços e selou nossos lábios. Acho que não tem como amar mais uma pessoa, como eu amo o Justin. Estou cada vez mais apaixonada.

Flashback of

Caissy quinto mês. Apegava-me as pequenas coisas, me admirava na frente do espelho e me emocionava ao pensar que dentro de mim crescia o fruto do meu amor. Justin estava diferente ás vezes ele sumia, mas sempre tentava estar presente, Pattie queria fazer o casamento perfeito, e eu não me importava mais com isso. Tinha medo porque eu obriguei Justin a contar o que ele estava fazendo e fiquei em choque ao saber que mais uma vez ele estava se metendo com o Marconny e de qualquer jeito queria matar a Alexia. Sentia medo e ele me acalmava. Caissy no sexto mês. Minha barriga estava um pouco grande e já pesava tinha engodado seis quilos, às vezes me sentia horrível estava enorme de gorda e sem contar que a neném já se mexia causando umas dores fortes. Esse mês parecia ser o pior estava estressada e não tinha sexo como merecia, Justin tinha virado um mole ele tinha medo de fazer tudo, não aguentava mais sexo de lado e também queria logo que chegasse o parto, ela pesava de mais. Caissy sétimo mês. Sempre havia uma discussão para saber o nome da MINHA filha, Pattie e Justin sempre queriam nomes estranhos que não combinavam, pelo menos o nome dela eu queria escolher já que não me deixavam fazer mais nada, ainda estava brava por comprarem todo o enxoval sem meu consentimento, mas não posso negar que estava tudo lindo. Um dia deitada no quarto com o Justin, brincando e irritando ele, descobrimos qual iria ser o nome. – Quando ela crescer, se for linda que nem eu vai dar trabalho. – disse rindo fazendo ele me olhar feio. – Minha filha vai ser freira. – Que nem a mãe? – disse gargalhando.

– Você tá muito assanhadinha. – Eu tô cansada isso é só pra descontrair. – estiquei minhas pernas e levantei um pouco a blusa branca. Todas minhas roupas já incomodavam um pouco, ou pior,

muito.(http://www.polyvore.com/cgi/set?id=47095945&.locale=pt-br) – Já escolheu o nome? – ele disse me puxando pra deitar no peito dele. – Não, Justin tem que ser com J? – ele exigia que o nome fosse com J e tivesse o segundo nome da Jazzy só porque foi ele que escolheu o nome dela. – Sim. – Justin não tem nenhum nome que eu goste com J. – A gordinha pensa ae. – sentia uma raiva enorme quando ele me chamava assim. – Não tem disse manhosa. – Posso falar um nome? – ele fez carinho em minha cabeça. – Não. – disse com egoísmo. – Tá bom pode. – disse me rendendo ao silencio dramático que ele fez. – Eu vi um nome lindo. – Fala. – Não sei por que, mas esse nome fica gritando em minha mente. – Fala logo. – me sentei o olhando. – É Julie. – ele disse de pressa. Apaixonei-me assim que ouvi, senti meus olhos se encherem de lágrimas quente ai como eu estava derretida. – Que foi Caissy? É só uma sugestão tudo bem se você não gostou, é sempre assim você nunca gosta de nada. – Não Justin. – disse rindo e chorando ao mesmo tempo. – É- É lindo… Eu amei é lindo. – disse dando vários beijos em seu rosto e me contorci assim que ela, Julie, me chutou acho que em resposta pela minha empolgação. – Nossa esse foi tão forte que senti daqui. – ele disse rindo. E eu estava respirando fundo esperando aquilo aliviar. Ele beijou minha barriga depois deu tapa de leve no meu rosto. – Coisa linda ele me mordeu. – e eu fugi caindo na cama . Caissy no oitavo mês. A saudade pelo Brian eram incontrolável já não aguentava mais. Ele estava sumido a cinco meses, sem noticia, sem ligações e isso estava me causando uma tristeza inexplicável. Ás vezes chorava sozinha pensando nele. Os convites do casamento haviam chego e eu não estava nem ai pra aquilo, confesso que naquela semana só queria o Brian ao meu lado. Estava mal e pra baixo com aquela barriga enorme em que nada mais parecia ficar bom, com minhas emoções à flor da pele... Eu já estava prestes à explodir. Justin não parava mais em casa, o roubo seria depois do casamento e depois iriamos para lua de mel. Não queria me mudar de Atlanta, mas Justin

– Só não deixa o Justin saber.. Estava inquieta. parecendo uma orca com um monte de telefone de emergência. – Claire disse descendo correndo e empolgada. Mas é que dói. . – Eu pensei que ele estaria aqui comigo. – Ôh minha querida não fica assim. mas concordei. (http://www. Sei que ele não quer contato com ninguém. – Tá sentindo dor? – ela disse preocupada. *-* Capítulo 50 ..queria ficar no Canadá ele disse que lá era mais sossegado pra criar a Ju…Estava jogada no sofá. comidas à minha volta. Acho que essa era a dor da saudade. – sussurrei a apertando. mais uma das frescuras das malucas pelo casório alheio.. mas não sei se vai adiantar. – Não… Pattie eu preciso do Brian.ela gritou e eu me assustei. – ela me abraçou. – Mas Cassidy… – Eu sei. Uma esperança brotou em meu coração eu precisava do Brian precisa dele comigo. Brian sempre esteve ao meu lado e é ruim pensar que ele não estará aqui em um dos momentos mais emocionantes de minha vida.locale=pt-br) – Caissy todos os convites estão prontos. – Tudo bem… Mas promete que não vai esconder isso dele por muito tempo? – ela me afastou de súbito e a olhei assustada. – Pattie disse enquanto eu estava com os pensamentos no Brian.com/cgi/set?id=47097160&. (parte 1) A verdade é que parecia que era apenas isso que eu precisaria para ser feliz totalmente. da necessidade de alguém. Vou me casar e ele não está aqui. Mas não no coração músculo e sim coração. – Tem alguma exigência? Cassidy… Tá me ouvindo? . de Brian. com calor. – Tô.. travesseiros.polyvore. – Caissy já está tudo pronto só falta você. coração. Estava na sala e o vestido tinha acabado chegar junto com a costureira e sua equipe.The big day.disse mexendo na barra de meu vestido. Continua. . e uma dor no coração. – disse segurando as lágrimas. Tê-lo ao meu lado era o que me faria sentir-me completa. sei que ninguém sabe onde ele está. mas tá chegando quase a Hora da Julie nascer e ele não está aqui. – Posso pedir para um dos meninos localizarem ele. foram pela porta de trás para que ninguém visse.

– Não acredito que vai sair de casa… Não quero que saia sem mim. mais não quero arrumar briga com a velha. isso é fato. – ele sussurrou em meu ouvido e eu arfei. – ele disse mudando o tom de voz e eu me assustei. – Não deixa que eu te levo. não sei por que minha mãe disse que não posso ir.disse mordendo os lábios. – ele sorriu. – Justin sussurrou em minha orelha. não romântico. – Sinceramente? Nem eu sei pra que tanta frescura. – Azar? Não vejo como. Ah. – Então não demore que eu prometo não demorar também. A verdade é que Justin estava diferente. – Bom. e eu estava custando a me acostumar à isso. sério. – Achei que já tinha saído amor. – Mas e seus compromissos? – arquei a sobrancelha. . – o olhei confusa. – Ela disse que é porque dá azar. – Ah mais como é fofo né? – zombei e ele mordiscou meu lábio inferior. Arrepiei-me e virei-me sorridente. – Boba! – ele disse rindo. – disse um pouco desanimada. – Do um jeito. – Eu queria te ver antes de sair. Independente de qualquer coisa eu sempre terei que te aturar. Ou tu esqueceu que eu te pertenço e você me pertence? – brinquei usando as palavras que um dia ele proferiu. . se a gente cassasse ou não tu sempre seria minha. – Tenho massagem hoje. – Não. não entendi o porque da exigência. – reclamou. – Não faz isso.– Quero ver você bem linda. que droga. – disse beijando os lábios de Justin que agora me segurava pela cintura. – Já combinei com o segurança ele vai me levar. mas mais grudado. – É. tenho que experimentar o vestido. – Af. deixa eu ir.

– Claire gritou impaciente e faltou pouco pra a mandar tomar no cu. A última prova do vestido já não aguentava mais. estava em um assunto critico para minha pessoa. Já estava pronto. – Cassidy quando olho este vestido em seu corpo. eu arrumo um macho que não seja frouxo e tu uma vadia ativa e menos gorda. – Onde está a Pattie? – perguntei olhando a janela. tocar no assunto sexo com uma gravida. – ele disse beijando meu pescoço. Ah. que não pode dar por causa de uma barriga enorme e de uma criança é foda. – sorri um pouco desanimada. – Ah para! Nem vem com esses papinhos idiotas.– Por quê? – ele perguntou apertando minha cintura. deixa qualquer grávida irritada. vendo uma equipe se . mais o Justin virou um boiola que tem medo de foder porque teme machucar a bebê. Vai experimentar o vestido e esfriar essa cabeça. Jura que ele vai ficar bobão assim quando for pai? Quer dizer. Mel estava jogada na cama mexendo no meu celular. Tudo o que eu precisava era de sexo. – Porque você me atiça e depois não pode me satisfazer. Ok. – esbravejei. mas pelo menos era a última não iria ter que fazer isso mais. Revirei os olhos e bufei procurando paciência já tinha feito aquilo varias vezes e não era nada confortável. quando ela nascer? – Ah poupe-me. já cansei de ser fodida de lado.. – Você gostou? – Sim. Então faz assim. estava lindo toda vez que eu o colocava a costureira ficavame admirando dizendo que nunca viu uma noiva mais linda que eu. pelo amor Justin. ele estava me provocando. – Ficou lindo! – ela disse me olhando. – E eu não? Mais você que eu faça o que se não podemos fazer? Não quero machucar a Ju. – ele disse abobado. eu simplesmente sinto orgulho em meu serviço. – disse séria. – Eu posso sim. – Ah. mesmo estando grávida ela dizia que eu dava um certo charme ao vestido o deixando encantador. – Justin continuou sendo sério. – disse puxando o vestido para descer com cuidado daquele treco onde eu estava em cima. – disse agora brava. Estava em cima de um sofázinho redondo pequeno com aquele vestido em meu corpo. – Cassidy vai logo..

– Casamento? Tá louca cachorra. – passei a mão na barriga sorrindo e causando suspiros nela e nas costureiras que estavam no quarto. – conclui a deixando sem graça. – Oh meu Deus. – Com o Chaz. – Até parece que o casamento é de vocês… Estão mais empolgadas que eu. só faltava eu mesmo. – Há quanto tempo mesmo estão se conhecendo? – debochei. – Eu já estou vivendo um sonho. – Tô vendo que não é só meu casamento que vai acontecer. – Cassidy você é muito idiota. – O casamento dos outros você quer fazer agora o seu é loucura? . – disse rindo. – mel disse irritada e Claire tinha desligado o telefone e suspirando. já fazia meses que os dois estavam se pegando. como você pode ser tão insensível? – ela caiu na cama fazendo drama. – Eu não acredito que você não está nem um pouquinho ansiosa nem um pouquinho com borboletas no estomago. – ela disse suspirando. Não preciso de nada disso. – Melissa começou a rir. – ela gargalhou. ela estava no fundo do quarto falando ao telefone. – Mas vocês e o Chris também. – Mel disse empolgada. – Eles estão levando isso a sério.agilizando no jardim eram muitas pessoas o Jardim estava sendo decorado a equipe era realmente grande. – ela disse com vergonha. – debochei. só estamos nos conhecendo. – Melissa isso é só um capricho… Eu não preciso de casamento pra saber que o Justin é meu e que eu pertenço a ele e que sempre vou o amar com todas as minhas forças… Não preciso de casamento para mostrar que a Julie será a menina mais amada desse mundo. – Sei. – Claire disse voltando até nós. – Não. – Tudo bem mais isso é o sonho de toda mulher. – Com quem a Claire está falando? – perguntei pra Melissa. ela já tinha provado o vestido dela e finalizado tudo. – Amanhã é o grande dia né Caissy ela está correndo com as coisas.

mas eu estava torcendo para que fosse o Justin. – disse envergonhada e ela veio até mim para me abraçar. Ri. agora é só esperar amanhã e você estará mais linda do que já é! – a costureira disse assim que tirou o ultimo alfinete da barra. eu preciso beber. – Ah. – Quem é? – Melissa gritou. – Ela está chorando. – Sou do mundo. acho que é isso. Bateram na porta e se assustaram. – ela caminhou preguiçosamente até a porta e abriu com cuidado para ver se era a Pattie mesmo. – Melissa disse de forma fofa e engraçada. como se tu não fodesse às escondidas com o Chaz! – zombei. Claire realmente era retardada. – Já terminou? . – O gravida chata. – comecei a rir sem parar.Pattie perguntou entrando no quarto e me vendo vestida de noiva. – Pattie. – Pattie não chora. – Pattie disse enxugando algumas lágrimas. – ela disse colocando as mãos na boca e emocionada.– Não posso me casar. – reclamei. – Ela está gravida Claire! – Melissa a repreendeu. ai meninas essa noite é nossa. – disse pulando da cadeira. E todos caíram na gargalhada. – Graças a Deus! – exclamou Claire. qual é. – ela sorriu. Só pra cara delas irem ao chão. fica na sua Cassidy. – Você está realmente linda minha querida. não estou a fim. Todos riram. – Obrigada Pattie. – Bom. cala a boca! – Claire retorquiu tacando uma almofada em mim. – Como você está linda. – É. claro. – Eu não tenho nem palavras pra dizer como você está linda. você tá muito chata! – Claire reclamou. preciso dar! – Claro. – Não vejo as coisas para a despedida de solteiro já está prontas. mais será que ela não entende que a despedida de solteira não é só pra ela? – Claire disse irritada. – agradeci. . – Ah. – Sério.

– Sua cunhada é muito fofa. – Está sabendo de algo que não sei? . Julie me chutava muito e estava empurrando meu estomago. – Pattie disse se sentando a cama me fazendo rir. – ela disse sorrindo. – Justin vai ter que te levar. – Não o mais bonito foi o da Jazzy é igual ao meu só que pequeno fiquei com vontade de morde ela. – É. Estava sem ar. quem deveria estar assim era eu. – Melissa disse convencida. Respirei fundo. – Que horas são? – perguntei preocupada ainda tinha massagem marcada pra hoje – Você tem massagem hoje né? – ela se virou pra mim e eu concordei com a cabeça. vai com calma. acho que foi o mais bonito. – Posso tirar o vestido? – perguntei pra costureira que anotava algumas coisas em um caderno. – Ai estou com borboletas na barriga. – Só porque você quer. – Estou bem! – disse assim que Julie acalmou e todos suspiraram aliviados. mas graças à Deus a pequena mudou de posição. Em segundos todos estavam à minha volta. Toda semana fazia massagem para alivia o estresse.– Ai! – disse levando minhas mãos à barriga. – Pattie me olhou confusa. – disse acariciando minha barriga. ele insistiu disse que não era pra eu sair de casa sem ele. – Claire rebateu. ela chutou? – Foi uma contração? Eram muitas perguntas. – O que foi? – Tá doendo? – Caissy. – Hey pequena. e me acalmar. – Pode sim. assim você mata a mãe. – O meu ficou perfeito.

– Pattie conseguiu falar com o Brian? – ela negou com a cabeça e eu liberei o ar de forma alta e impaciente. – Ainda não entendi de onde surgiu o milagre que fez você querer me acompanhar. Tinha cada reação por causa dela. Justin estava no telefone. Ryan não estava mais com ele e sinceramente tinha medo da tal despedida que ele iam fazer. – Guadalupe adentrou o quarto. – O patrão pediu pra avisar que está te esperando lá em baixo. pois minha tristeza era visível quando me lembrava. sei descer sozinha. tudo bem que isso era tradição. – Ainda estou tentando. – Julie está cada vez mais peralta. – ele disse zombando. – Nem eu. Parecia uma pata. – mesmo assim aquilo é estranho desde que comecei a fazer as massagens Justin nunca me levou pra falar a verdade ele só me acompanhou em um ultrassom. . – Não. – Onde ele está? – Está por ai com o Ryan.– Não ele não me disse nada acho que ele quer te acompanhar na massagem só isso… Hoje ele está de folga. acho que já deu o tempinho dela aqui né. ás vezes zoava o Justin dizendo que só ele conseguia andar mais feio que eu. – Awn meu Deus. – Pattie disse sendo coruja. mas finalizou a conversa assim que me viu descendo. Diga que já estou descendo. mas foi como eu disse não posso garantir nada. – disse apoiando a mão nas costas. – Dona Cassidy. não vejo a hora de pegar essa coisa rica no colo. – Quero ficar mais tempo com você e aqui é impossível. – Julie se mexeu de um jeito diferente causando cocegas. mas mesmo assim acho que não precisava de nada disso. Aquilo estava há muito tempo em minha mente e tive que pergunta. – Que foi? – Pattie perguntou confusa. – Obrigada Guarda. – coloquei algumas coisas em minha bolsa e deixei o assunto esfriar Pattie sempre era cumplice do Justin ela me escondia. Comecei a rir. – desci devagar. mas desci. – Quer ajuda ai gordinha. – terminei de colocar os sapatos e desci. – coloquei a mão na barriga de súbito.

– ele beijou minha mão. enquanto ele checava algumas coisas na garagem e depois entrou no carro. Relaxei o corpo no banco.– Tempo pra ficar comigo? – arquei a sobrancelha. – ele beijou minha testa. – Espero que tudo isso passe logo. nem dirigir me deixavam mais. – ele deu de ombros. – Seguranças. mas notei os três carros de seguranças a nossa volta. – Porque os carros? – apontei para os carros pretos em nossa frente. – Não.gritei e ela me fuzilou. . POV Brian. – Nunca vi essa casa tão cheia como hoje. – Eu também. – Porque não vai no Batmóvel? – Esse carro tá muito tempo parado. – ele repousou a mão em minha coxa. mas o Justin estava diferente alguma coisa estava acontecendo por mais que estava tendo uma tensão por causa do casamento e do roubo ele estava estranho como se tivesse temendo a algo. – Aconteceu alguma coisa que eu deva saber? – ele pensou um pouco. eu não te quero aqui! . – ele disse passando a mão em minha cintura enquanto caminhávamos pelo jardim até a garagem pegar o carro. – disse sério. – Onde foi parar o meu Justin? – perguntei confusa o fazendo rir e me beijar de forma doce. – Eu não. Não vejo a hora de ter você pra mim por completo. – Tem certeza? – arqueie a sobrancelha. mas você e a Julie sim. – Sim. que estava junto de nós desde que saiu do portão principal. Tinha recebido um convite e um recado da Pattie estava furioso. – ele disse mordendo os lábios e apertando o alarme da Ferrari F430. – abri a porta e tomei meu lugar. Flashback on – Garota sai. – E o papo de que você não precisa disso? – disse cautelosa.

O silêncio havia predominado naquele local. mais era um silêncio doentio. desobediente.. – Droga Alexia. não! – Cala a boca Brian! . mas estava cansado de mentir. – Alexia. Nossos corações contra nossas mentes. Eu queria poder dizer que era mentira. uma carta da ninfetinha. estava sem reação. – a chamei assim que a vi em estado de choque. – Não Brian! Eu vou matá-la! Estou cansada disso! ELES NÃO VÃO SE CASAR! Justin é MEU. vim pra cá pra me cuidar e ficar boa logo pra voltar pros braços dele. – NÃO! – ela gritou. era o que nós estávamos sempre lutando contra. machucou.. Nossa razão contra nosso sentimento. Nossos corpos contra nossas almas. larga isso! – Não! Nossa.. Não sabia o que dizer. o que fazer. frios. mais eu abaixei o olhar. M-E-U! Não vou deixar que uma piveta acabe com minha vida assim. mas suas expressão não negava o ódio que nela se criava. e ela ainda assim. – Alexia. – O que é isso? – ela perguntou. Alexia era incontrolável. pareciam que queriam vê-la mal também. Alexia estava com os olhos cheios de lágrimas. sérios. Alexia estava fora de si e eu ainda estava chocado.. fala que isso não é verdade! Essa é a brincadeira mais idiota que estão fazendo. – Não pode ser! Brian. O necessário pelo desejado. – Alexia disse adentrando o quarto. – Alexia. porque Alexia ela ignorou o bilhete. ele era a prova de um passado que nem eu nem Alexia conseguimos deixar para trás. Alexia encarou o cartão e então se calou. A . Meu olhar encontrou com os de Alexia que agora estavam quietos.pedi quando Alexia ameaçou abrir o envelope. mais olha o que temos aqui. Sou sua irmã e agora quero saber por que está todo revoltadinho. cheios de sangue. para! . mas ela não me escutava e fugiu assim que tentei pegar aquilo de sua mão. Mas como se já não fosse suficiente a minha desgraça. – Alexia zombou e aquilo me afetou de uma forma que eu não esperava. suas mãos tremiam. pois algo lhe chamou mais a atenção. O certo pelo errado. – Alexia gritava descontrolada. Era a verdade me dando tapas na cara.ela disse pegando o cartão nas mãos. Achei que você tivesse esquecido ela Brian. o convite. mantinha seus olhos fixos no papel em suas mãos. – Alexia. mas não vou deixar que ela tome o que é meu. – Alexia gritava descontrolada.– Não vou sair só porque você quer.

eu acabar com a pedra que está no meu caminho. coloquei alguns homens para procura-la. nem você.respiração dela estava pesada. – Não. Ele não te quer. – ameaçou-me. voltou a ser agressiva e desconfio que ela até estava se mantendo drogada. eu não sou assim. Ou melhor. ela queimava em ódio sua irritação era visível. Eles estão bem juntos. eu mato e você nem tente me impedir. – Alexia ainda não chegou? – minha mãe disse encostada ao batente da porta enquanto arrumava minhas malas. ela estava tão bem. Você não irá mais me prender aqui. . Temos de. mas eu vou a encontrar. seu corpo tremulava. nem ninguém que irá separá-los? – Gritei e Alexia parou. não vai mais me impedir de fazer o que deve ser feito. nós não podemos. e ai de quem tentar me impedir. mas parece que ela sumiu no mapa. – Eu vou até lá e vou acabar com essa palhaçada. o homem que ela está amando também é meu e eu só quero o que é meu de volta. se você não luta pelo o que quer. mas se você é fraco. – E até parece que esses últimos meses foram um sonho. Desde que aquele convite de casamento chegou ela tinha ficado transtornada.. Sinto muito. assim como ela não me quer. estava correndo tudo bem. ela bateu a porta e saiu do quarto me deixando sozinho com minha frustração. Flashback off Já se passaram quatro dias e não tinha noticias da Alexia ela havia sumido. Eu vou acabar com ela e ponto. – A vida que ela está vivendo é minha. – Alexia teve uma recaída. – Não Brian. mas ela não gritava mais. – Alexia chega! Para com essa sua paranoia. e eu vou lutar. – Alexia disse séria fitando-me..minha mãe dizia com a voz um pouco chorosa. já chega. Será que você não consegue entender que não sou eu. vou até o inferno para ter o que é meu. Ela só deve estar confusa. – Alexia disse enfurecida e eu pude encontrar a Alexia que havia se perdido nos olhos dela. mas depois disso ela se transformou. estão felizes. estava realmente mudando e do nada ela… . vão casar e ter uma filha. – Não Alexia. já tinha noção de onde ela poderia estar.

– Esse pessoal acabou com a vida da tua irmã… Ás vezes ela tem razão quando diz que você é um traidor. Ela voltou pra lá na noite passada. – disse bufando. – Sabe? – ela disse exaltada. mas temo do que ela é capaz de fazer para satisfazer seu ódio. Ela vai fazer algo de errado ela vai se vingar. – Ah meu deus fizeram algo com ela? – minha mãe disse já em prantos. – Não ache que você irá conseguir mudar sua irmã porque não irá. – minha mãe chorava de soluçar e aquela era maior dor que eu sentia minha família estava se espedaçando e eu não podia fazer nada. Queria que isso fosse diferente. – Como você sabe? – ela disse preocupada. – Mãe não pense coisas ruins… Alexia só deve estar perdida. ela realmente gosta do Justin. – disse tentando confortar.– Ah Brian eu queria que fosse assim mesmo. mas independente se ela continuar em Atlanta o Justin vai acabar com a vida dela. mas meu coração de mãe não me engana sei do que Alexia é capaz. Mas Alexia voltou a ter proteção pelo bandido do Marconny ela está sendo blindada. não é. Sei que ela vai e vingar. – disse baixo. – Você vai aquele casamento? – minha mãe sentia raiva da família Bieber ela acreditava que foram eles que desgraçaram com a vida da minha irmã. – Como de fato. – me sentei passando as mãos na cabeça de forma desesperada. – Sei onde ela está. mas conheço minha filha como a palma da minha mão. Alexia tem o coração ruim. ela está em Atlanta. – Depois de tudo que aconteceu o Bieber reforçou as segurança dele ela está de novo com o Marconny e ontem à noite viram a Alexia rondando a casa deles. – Cassidy faz parte da minha vida. . – Mãe isso é só uma fase. os seguranças dele não desgruda dela. – Não. – Não mãe.

por favor. A massagem foi ótima. – Não estou confundindo nada. – Só sabe reclamar. só estou decepcionada com os filhos que tenho.– Mãe. – ele não me encarava e agora mais do que nunca eu sabia que tinha algo de errado com ele. mas meu coração apertava ao saber que amanhã ela seria dele em todos os sentidos… Sei que perdi. – Mas pra que tudo isso? – Quer tomar ir ao shopping? – ele mudou de assunto descaradamente pisando forte no acelerador fazendo o carro voar pelas ruas. sei que não sou mais nada nessa história. POV Caissy. – disse sorrindo e a doutora riu. – Nem você a minha. – Qual o problema. tome cuidado. o que de tão grave tá acontecendo que você não pode me dizer? . – disse sorrindo. – Só você fingir que não está vendo. – Pode deixar. sei que vai ser difícil contê-las. – ele disse sentado de perna aberta com os cotovelos apoiados em cima dos joelhos. acho que durou uma hora e meia a cessão. – disse entrando no carro. pois amanhã é um grande dia para você. não confunda as coisas. – ela saiu do quarto me deixando com meus pensamentos. – Isso já está me assustando. fiz uns exercícios também para aliviar as dores que sinto. – apoiei a mão na barriga. – Cassidy cuidado com as emoções. Estava há meses longe dela. por favor. mas. – Justin se prontificou do meu lado. Justin me abraçou por trás e quando estávamos saindo àquela penca de seguranças me assustou. minha curiosidade era enorme para vê-la. – Você não respondeu minha pergunta. – Que demora. mas tenho que vê-la pela ultima vez. Julie ainda está se preparando para vim visitar vocês não quero que isso seja antes da hora. mas como sempre Justin já estava impaciente assim que sai do consultório.

Já estava ficando impaciente a Caissy estava me encurralando de um jeito que a estava ficando difícil de esconder as coisas dela.– Para de encher o saco não está acontecendo nada. POV Justin. fiquei com raiva e me virei pro canto o ignorando. – Fala. há. mas eu iria acertar minhas contas com o filho da puta. eu pago vocês pra que? – disse nervoso só de pensar na hipótese de acontecer alguma coisa com a Julie ou com a Caissy. – Tem uns carros estranhos cercando a casa. – bufei alto. são muitos deles. Fui pela parte de trás da casa para ver se reconhecia. mas de calmo eu não estava nada. Só queria que ela e a Julie ficassem bem e protegidas… Quando me lembro da cara da vadia em minha frente sinto vontade de descarregar um sete meia dois na cabeça dela pra estourar todos os miolos. – Então manda fogo nessa porra. não sei por que estava inquieto. Achei estranho e fui até o rádio. – ele disse sendo grosso. – Seus pau no cu. – disse um pouco alterado e preocupado. – Os homens que estão de serviço hoje não é páreo para os que estão lá fora. – Temos um problema. – correspondi o chamado. Estava tentando transparecer calma. até que um dos seguranças chama no rádio. – Justin? – a voz um pouco chiada ecoou o quarto. Flashback on Já era de madrugada ainda não tinha dormido mais a Caissy parecia estar em um sono profundo. – Disseram que se você não vier até aqui eles vão invadir e matar todo mundo ai dentro. Entrei em um cômodo a parte da . – sai do quarto para que não acordasse a Cassidy. entrando no quarto pegando uma jaqueta e descendo pelos fundos. – Não tem identificação? – Não. mas não me lembrava de ver um exercito assim tão grande desde que trabalhei pro Marconny… É o filho da puta que estava ali. – Desenrola.

– Alexia disse me dando ordens. escutei varias armas sendo destravadas os portões se abriram e saímos. E senti meu corpo entrar em erupção de tanto ódio. mas pelo que vi me enganei você não anda tão protegido. Ali se tinha os armamentos mais pesados e eu escolhi a melhor para estourar o miolo do filho da puta. Poucos homens em casa? – ela disse sorrindo. – Eu nunca abaixo minha arma. – Vai filho da puta. – escolhi dois dos melhores homens. – O que quer aqui? Disse para o seu irmão que você voltaria… E voltou pra morrer. – Alexia ordenou e depois de um tempo as armas foram abaixadas e meus homens fizeram o mesmo. – Abaixem as armas. ou melhor a minha espera. – Vadia tá com medo de morrer é por isso não teve coragem de vir sozinha? – Tinha que sondar o terreno. Levantei o dedo dando ordens para que os outros me seguissem.casa. – Boa noite Bieber. – Mandei você abaixar a arma. – Manda seus homens abaixarem a deles que os meus homens abaixam. mas não abaixei apenas relaxei a mão deixando a pistola muito bem engatilhada. tinha vários homens a nossa espera. onde só eu tinha acesso só eu sabia a senha daquele lugar. Quando cheguei a portaria meus homens já estavam armados e realmente vendo aquele exercito os que estavam em minha casa não eram páreos para aquilo tudo. – Quem é o verme que tá fazendo essa patifaria toda? – disse apontando a arma para um dos homens que estavam do lado de fora. – eles assentiram e se dirigiram para dentro da mansão. – Abaixa a arma Bieber. – o silêncio pairou. . – Ei vocês. – escutei aquela voz sínica vindo do escuro. mas apenas um sinal meu e meus homens meteriam bala em tudo. – Na minha casa não filho da puta. – mudei a mira do revolver apontando na direção dela e na hora os homens que estavam com ela me miraram contra mim fazendo meus homens agir. onde é que tá o Marconny? – ele fez silencio. – ela gritou me enfrentando. – Quero vocês dentro da casa se alguma coisa der errado quero que tirem minha e minha mãe daqui.

– Então não se importa em arrisca a vida da sua mulher e da sua filha. – Você não vai se casar! – ela disse um pouco alterada e ri com maldade. mas já que estamos nessa circunstancia tenho que proteger minha deusa. e vejo que você não me obedeceu. – Acha mesmo que sua opinião importa pra mim? – me aproximei e coloquei a arma bem perto da cabeça dela. – Marconny disse fuzilando o olhar da Alexia. . mas se ficasse ali mais um tempo ia meter tiro nos dois. – E-Eu.– Todos vão morrer um dia. quero que deixe a Alexia fora de sua vingança… Do mesmo jeito que deixarei sua filha e sua mulher fora dos meus planos para acabar com você. ela estava com os homens do Marconny. – Você não tem noção como estou feliz em vê-la. – disse entre dentes… Aquela não era nem o local. – Só que você vai morrer pelas minhas mãos. – ele disse se virando para mim. – Eu vou acabar com os dois. – Marconny. – Nunca! – disse rindo. – Disse para que não saísse de casa. . noite estava boa pra mim os meus inimigos reunidos isso é que chamo de prato cheio. – Não estava a fim de fazer acordos com você.ela sorriu. Podia reconhecer alguns. não se deve ameaçar nem uma mosca que dirá uma mulher. – uma voz masculina disse atrás de mim.Abaixa a Bieber. – via a fúria brotar no rosto dela. você não podia me dar presente melhor de casamento. – ela zombou. eu só vim… – Odeio quando quebram as regras! – ela abaixou a cabeça. – Quero um acordo. E eu me virei para encara-lo. não estava me impostando se o numero de homens que ela estava era maior acabei perdendo o controle e por pouco estourei os miolos dela. – Não se precipite… . – Alexia disse assustada.

mas acho que ela tem que saber que a Alexia está na cola de vocês. – Sei que ela está grávida e que não deve passar nervoso. mas já tinha me decidido era isso mesmo que eu iria fazer. Ou você acha que ela é boba não vai desconfiar do numero de seguranças ter triplicado. – me virei encarando a Alexia. – Quero que a deixe fora Bieber. – dei um tiro na cabeça de um dos capangas dele. liguei pedindo reforços tinha mais de cem homens fazendo a segurança da minha casa fora os que estavam espalhados pelo bairro e pela rua. – Mãe não quero preocupar ela… – Isso daria segurança a ela. – Justin você não dormiu? – minha mãe disse me encontrando no escritório. de que o casamento dela tenha até atirador de elite? – fiquei pensativo. – Sinto cheiro de medo… Estão temendo do que sou capaz? Não volto atrás da minha palavra. se sentiria melhor. – Você nunca vai me pegar. Não contaria nada e resolveria esse problema o mais rápido possível. – Justin é um direito dela. – Eu só não quero que a Caissy saiba disso tudo… Depois do casamento vou tirar ela e a Julie daqui. Não dormi a madrugada toda até que recebo a noticia de que a Alexia estava rondando minha casa… Fiquei desesperado. – Eu vou rodar seu pescoço eu vou fazer você implorar pra morrer. é uma forma que ela vai ter de proteger a Julie. – gargalhei. Não contar a ela não é uma grande opção. – ela disse debochada. Flashback off . Ela ficaria mais atenta. ela queria mesmo que eu antecipasse a morte dela. – Tá louca mãe? – disse um pouco alterado. A vagabunda estava mesmo querendo meu afrontar. Eu ainda vou acabar com você cachorra! – virei às costas e sai andando meus seguranças me seguiram. Tive que desabafar contei tudo a ela. não quero ter que estragar sua vida para mostrar o quanto sou poderoso.– Elas nunca vão está em risco. – Não sabe se defender? Tem medo de que? Morrer nem deve ser tão dolorido agora o que você vai sofrer para morrer não garanto que vai ser muito bom. – Eu quero ver o sangue de vocês jorra.

não tinha desejo mais fácil pra essa menina sentir puta que pariu. ela nunca teve isso. enquanto eu tentava processar em minha mente onde tinha um circo. – Quero comer algodão doce… E tem que ser aqueles de circo. – virei o carro bruscamente na avenida mudando totalmente o meu percurso para poder fazer o desejo da dondoca. – Sabe onde tem um circo? – fiquei esperando a resposta. – Consigo até sentir o cheiro no meu nariz. Chamei um dos seguranças no rádio. – ela disse envergonhada. – Desejo? – levantei levemente o canto da boca. que eu não faço por você. Já estava anoitecendo e eu me divertia e tentava agradar o Justin. – ela disse arqueando ela disse franzindo a testa. . não sabia o que era isso desde que sou pivete. – ela dizia manhosa. – pude escutar risadas. – Você comeu cinco algodões doce gordinha. Por favor. – Desejo de que? – perguntei não entendendo. aquele lugar era magnifico e me animava. aposto como se estivesse em casa estaria estressada e de saco cheio da palavra casamento. – É carai onde tem aqueles trecos esquisitos que se acha engraçados. – É. – Tá louca? Não pode ser qualquer um? – ela balançou a cabeça que não. Até achei que isso não existia porque a Caissy nunca passou por isso. que o cheiro do açúcar é forte.– Justin tá me ouvindo? – Caissy estava me gritando assim que sai do transi de meus pensamentos. – Justin disse me abraçando e beijando minha cabeça. – Justin! – Que é? – Eu tô com desejo. POV Caissy. – disse bufando. – Circo? – ele respondeu depois de um longo tempo. – O que. – Acho que tem um na saída da cidade. – ela disse em um sussurro.

– Faz muito tempo que você não me dá um beijo assim. – Não é isso. – Justin tira a mão ela vai me rasgar desse jeito. – ele disse tirando a dele. passando o polegar no meu rosto. – disse rindo. – Ciumenta. – Tu é gulosa mesmo. – Vem aqui. os movimentos pararam tudo ficou sossegado. – sussurrei esbarrando os lábios nos dele. Ele sorriu e me abraçou. – Que foi? – ele disse sendo natural – Porco! – dei um tapa nele me afastando. – Eu te amo. – ele riu. – ele pegou um pedaço grande e colocou na boca e mastigou de boca aberta me mostrando a inhaca que fez com a boca. – disse me soltando do beijo para recuperar o ar. Julie deu sinal de vida e começou a se mexer. – ele puxou meu rosto enfiando a língua na minha boca de forma agressiva me deixando muito sem jeito e a única coisa que pude fazer foi intensificar e me entregar. pois vi os seguranças segurarem o riso. – ele disse gabando e eu comecei a rir sem parar – ria alto. mas foi só o Justin colocar a mão novamente que ela começou a se mexer que nem uma serelepe. – Justin disse passando a mão em volta do meu corpo. – Outra que fica louquinha apenas com o meu toque. Coloquei minha mão e ela se aquietou parecia que tinha apaziguado. – gritei virando o rosto. – Coloca sua mão. quando mostra esse seu sorriso lindo. . – Que foi? – ele disse rindo. – Adoro quando você ri assim.– Eu tô com vontade. – Eca. – ele encostou o nariz no meu. – Sei que sou escandalosa. Justin colocou a mão na minha barriga e parece que ela reconhecia o toque dele ela se mexia de um jeito que causava movimentos em minha barriga eram tão fortes os chutes. Faz muito tempo que não faço muita coisa com ele… Em um momento nossos olhos se cruzaram e eu não consegui mudar o foco do olhar e fiquei admirando o quanto era belo aqueles olho. – Justin. – ele beijou minha boca de forma rápida causando estalos. – Obrigado por ser tudo em minha vida! – sorri dando um beijo nele. – e era de forma contagiosa. – Vontade? – ele debochou.

– Ryan disse rindo. – os celulares estavam desligados e não tinha como ninguém nos localiza foi o que eu pensei quando vi os carros parando. – Não vão querer nem da um beijinho? Essa é a ultima vez que estão se vendo antes do casamento. garanto cunhadinho. – Não. – A nem fudendo que vocês vão nos algemar. Melissa. – Chris disse. – Caralho Claire ela está grávida. – Vamos com o Justin pra casa do Ryan e as meninas vão voltara com você pra sua casa… . – O que? – gritei. – Claire afastou Justin de mim e passou a algema em minha mão. e eu quis matar aquele nerds. não conseguindo se soltar das mãos dos meninos. – Claire mostrou outra. – Meninas! – A brincadeira só está começando. não aqui estamos nós. Ryan. Christian. – Justin disse. – Ela não vai passar nervoso nenhum. – O que estão fazendo aqui? – disse irritada vendo a Claire. – Isso mesmo caladinho. – Como vocês acharam a gente? – Ah o Chaz é foda! – Melissa disse. – Chaz disse sorrindo e mostrando uma algema. – Justin disse nervoso. – Gente qual é nós não queremos participar dessa brincadeira! – Justin disse-me abraçando. – Acharam que iriam fugir da gente.– Vamos embora? A Julie tá pesando e eu nunca mais vou comer algodão doce na minha vida. – Drew o único direito que você tem é de ficar calado. Não pode passar nervoso. e Chaz.

hoje era o grande dia e daqui algumas horas eu não seria mais a Cassidy que todos conhecem. – Ryan saiu arrastando o Justin que se debatia tentando se soltar. .– Vocês quatro sozinhos a noite toda? Tão ficando loucos? Confio no Justin. elas estavam realmente de fogo e não continham os gritos cada vez que um tirava a roupa.disse coçando os olhos.The big day. Tive que sentar em uma cadeira no meio da sala enquanto todos dançavam para mim. – Oi? – perguntei ainda meio sonolenta. A casa estava toda decorada com luzes vermelhas e coisas eróticas Pattie já estava um pouco chapada. mas tudo tem limite. mas deu pra aproveitar.. – Odeio acorda cedo! . já são 09h.. estava ficando excitada em ver aquele monte de homens dançarem pra mim… Fui a loucura com todos eles em cima de mim.assenti me levantando e indo até o banheiro fazer minha higiene. Os garçons eram todos bombados e tinha dançarinos por todo canto. – Chaz disse recebendo um tapa do Ryan logo em seguida. (parte 2) – Caissy! Caissy. – Calma amiga vamos ter um clube da mulheres. […] *-* Capítulo 51 . – Ah. acorda! – uma voz delicada dizia me chacoalhando. – foi à única coisa que escutei Ryan dizer antes de me enfiarem no carro. Tinha uma bandeja em cima da cama com coisas pra eu comer. – Dorminhoca. – Claire disse sorrindo. tu tem que acorda? É hoje! – Mel dizia empolgada. mas depois comecei a me distrair. – Stripers? – disse alterada. Enquanto a banheira enchia fiquei na frente do banheiro a refletir. – Ai chega de papo. Nossa festinha parou umas quatro horas da manhã não aguentávamos mais nada sem contar que as meninas estava todas bêbadas. no começo pensei um pouco no que o Justin estava fazendo. – Mano se você não parar vou te dar uma bica. aquela barriga me atrapalhava um pouco. não. fala sério! – reclamei e ela me olhou brava. Melissa tinha um caderninho com um monte de coisas anotadas coisas que eu deveria fazer eu iria ficar louca. . – Relaxa Caissy quando contratamos as stripers dissemos que não podia rolar beijo na boca. – Já? Ah.

mas acho que se minha mãe ainda fosse viva. a que fugia para as festas. Meu coração apertava ao saber que ela não estará aqui. nada disso aconteceria. Entrei chuveiro com as lágrimas já escorrendo por minha face. tristeza. pois Melissa não me deixou descer. ou será que não? Queria tê-la aqui. Justin já estava na . estava me batendo uma nostalgia queria tanto que o Brian estivesse aqui. Quando entramos Claire estava fazendo as unhas. Será que minha mãe está orgulhosa. maquiador. e esposa de Justin Bieber. mãe de Julie Bieber. só sabia que era uma forma de liberar o que eu sentia.. ou o que. mas elas se misturavam com a água. – E ai garota. – ela disse olhando no relógio banheiro assim que sai do – E o Justin? – me sentei na cama e comecei a tomar café. quem diria que a garota do convento.. – Mel sorriu. – Pattie já deve estar chegando. Já estava com os cabelos prontos e também. – Entendi.. parecia que o tempo não passava parecia que se arrastava. Sorri desanimada estava triste. passaria por tudo isso? Acho que ninguém nunca imaginou isso. cabelereiro.. – Amiga! – ela gritou assim que me viu. e juntas desciam ralo a baixo.jovem e 'ingênua'.. alegria. Vesti um vestido qualquer e coloquei uma sapatilha estava uma obesa mesmo. Eu estava triste e desanimada então ficava em silencio o papo rolava e eu só fazia as coisas em silencio. – Ainda está na casa do Ryan. Não sabia mais identificar se eram lágrimas de solidão. Está ansiosa? – um dos cabelereiros perguntou. então prefiro imaginar que de uma certa forma isso foi o destino e que ela pode não estar de corpo. Terminei de me lavar e me enrolei no roupão de banho. serei a Srta. Quem imaginaria que eu. Bieber. estaria casando. ansiedade. fiz teste antes de contratar aquela equipe. mas sempre estará me olhando. já não aguentava mais aquele monte de pessoas mexendo em mim me puxando para um lado e para outro. manicure e o meu vestido em um canto em um manequim.. Tinha fotógrafos filmando e fotografando todos os momentos desde que entrei pela porta. Mas ele não vai se arrumar lá vai vir pra Pattie decidiu que é melhor ele ficar aqui. O quarto de hospede estava todo equipado havia massagista. Já conhecia todos ele. Julie estava um pouco quieta. Quem diria que eu. iria casar com o garoto que à muito tempo atrás taquei bebida nos olhos e fugi. Estava sendo maquiada.

está um sonho… Ai que sonho. – É pra doer mesmo. Pattie se arrumou e estava ajudando o Justin. Para que ninguém visse. – Na boa odeio colocar essas gravatas. Estava impaciente e cansada. – E sem contar esses carrões. – Porque a única linda aqui sou eu. – Caissy não fica assim. graças ao Jeremy isso não foi possível. E Claire mostrou o dedo do meio pra ela. – Vai dizer que você não tem orgulho de estar ao lado de um gato como ele? – sorri. – É impressão minha ou você não está contente? – abaixei a cabeça segurando as lágrimas. – minha mãe estava me ajudando. – Ele também tem que me dar muito valor… Não sou de se jogar fora. – Caissy. – Linda ou iludida? – Melissa disse rindo. – Claire disse rindo jogando o cabelo. – Então se contenha. – Cassidy dá uma segurada. – Vocês não tem noção o quanto o Justin está bonito. Faltava pouco pra tudo. mas por outro lado me sentia triste de mais precisava do Brian. – Melissa entrou no quarto. – Isso é de L-U-X-O! – o cabelereiro disse as fazendo rir. – ela me abraçou. mas ela sempre vinha aqui me ver sem contar às vezes que ele tentou invadir o quarto pra me ver. Eu estava contente era meu casamento. se se encostando à porta e suspirando por causa do meu homem. – disse secando as lágrimas para não borrar a maquiagem. acho que hoje arranjo um marido. Todas já estavam prontas menos eu. Pov Justin. – todas no quarto riram. porque te bato se borrar essa Joça. mas não me deixaram ver ele. – Ué eu tenho culpa se ele é gato pra cacete? – ela disse se sentando a cama. – Ai Caissy doeu. tinha me mandado uma mensagem. Interrompi o maquiador e ataquei uma escova nela com força. pra falar a verdade eu fui a ultima a fazer tudo. – Claire gritou piscando o olho esquerdo ela sabia qual era o real motivo do meu choro. – Acho que é muita emoção.casa. – Melissa se aproximou. – Claire disse olhando a janela. . já está muito a mais você ficar suspirando pelo Justin. – Gente o jardim está lindo. – disse convencida.

– todos começaram a rir. – A Cassidy me conheceu de calça. – Você é um cuzão não sabe nem beber! Ai pai já estava caindo na primeira garrafa.– Você é maloqueiro! – ela esbravejou. – A mina era mó lixo. – Não eu tenho SWAG. mas e você e aquela Camila lá… Tu tá de quatro pela cadela. E não preciso de nenhuma cachorra tenho a Cassidy. – Eu ainda tô de ressaca. – Foda-se! Tu é fraco… – Fraco é tu que fugiu de mulher. – Ah qual é Drew era whisky. – Ryan disse jogado no sofá. – Sai daqui baitola. – Claro que não. – Falou o que tá de fora. – Ai tá amando mesmo. – Ryan gritou zombando e os moleques ficaram rindo. – Nada vê. – Como é que é essa história? Você está envergonhando o nome Bieber? – meu pai disse-me zoando.. – Chris disse. Melissa me enfeitiçou. – Aff quanto vacilão. . – sorri sentindo orgulhos da minha garota. vans e um moletom da YMCMB. Acha que não sei que esses dias tu levou ela pra ver filme romântico. Não preciso me vestir assim pra impressionar ela. – Aee Chaz quem chorou mais. – Chaz disse. – ele choramingou. – disse rindo e ele fechou a cara. – disse rindo. não conta que já levei ela no motel uma pá de vez. – eles começaram a rir sem me dar tempo pra falar. – Estou apaixonado mesmo. O Ryan só fala as coisas bobas. – Vocês se merecem… Ela diz a mesma coisa. – ele se defendeu. Ryan fica falando de mim. Você fica pegando a Claire por ai chapa.. – Ryan disse. – Vai pra puta que pariu vocês. Quer vestir um shortinho. você ou a Claire? – disse rindo e ele começou a perde a linha.

–Vou ir ver a Cassidy. estou andando que nem uma pata e tu vem falar que estou linda? Af! – disse impaciente e todos me encararam. – Não é Jeremy? – É-É está muito linda. – ele disse gaguejando. – ela saiu sem me dar tempo pra responder. não tinha mais como dá olé em ninguém os moleques estavam tudo ali pra não me deixar ir até lá sem contar que tinha meu pai também. – Eu estou realmente de boca aberta. – Eu estou me sentindo horrível. Ela estava linda. ela estava parecendo uma princesa. O cabelereiro vai vir aqui e depois você já pode ir descendo. você ficou tão linda. Minhas emoções estão á flor da pele. Ok. – Caissy você está muito linda. – Claire disse puxando a calda do vestido que era um pouco grande. Não estava ligando. Você está tão linda que não tenho palavras. – Daqui a pouco você faz isso. Eu acariciei os cachos que estavam no cabelo dela. Estou gorda. mas parece que a cada minuto que a cada minuto que passava minha ansiedade aumentava… Eu iria ser um homem casado e ela seria a senhora Bieber. – Tu tá gostosa em! – disse a deixando sem graça. Não vou negar que estava um pouco nervoso. POV Caissy. e olha que não foi nada fácil. – Pattie disse segurando as lágrimas. . pareço uma orca assassina. Ah. – Cassidy você está linda. estava muito nervoso. – Ai me deixa ser horrível assim? – o biba disse e eu sorri. – Jazzy disse me abraçando. – Guadalupe entrou no quarto ela estava tão elegante. cala a boca Melissa. – Mel disse assim que terminei de colocar o vestido. Queria muito ver ela. – minha mãe disse. Ela estava parecendo uma rainha. – Ah. nunca vi ela tão feliz como estava. – disse me sentando derrotada na cama. a gravidez está me deixando um pouco mais bipolar que o normal. – Mãe deixa eu ir da um beijo na Caissy? – disse antes dela sair. toda inchada. – Gente já está todo mundo lá em baixo… O senhor Justin já desceu só falta você menina.

– Vamos? – ela sorriu. – Me abandonou! . – ela deu um beijo em minha testa. mas isso é normal. – disse emocionada dando tapas no braço dele. – Prometo que vou fazer ele o homem mais feliz desse mundo. – ele disse quebrando o silêncio. mas eu preciso que você me prometa uma coisa. – Cadê meu buque? – disse procurando pelo quarto. ergui a barra do vestido e corri até ele e o apertei em meus braços pra saber se aquilo era real mesmo. Soluçava alto e as lágrimas escorriam pelo meu rosto. – Você é um anjo… O anjo que veio salvar o Justin.– Então faz assim… Vão descendo na frente eu quero trocar uma palavrinha com a Caissy. Sentia minhas mãos suarem e um frio se criar em minha espinha. – sorri a abraçando. um bobo. Ela começou. – Eu prometo Pattie. – Caissy sei que você e o Justin se ama de mais e que vocês estão dando o melhor presente pra mim. – sorri pra ela. – bateram duas vezes na porta. Julie estava tão ansiosa quanto eu. – Não podia perde né pequena. – Acho que a Jazzy desceu com ele… Faz assim espera aqui que eu vou buscar. O céu estava magnifico era fim de tarde e o sol começava a se por. Estava nervosa. – Nossa porque demorou tanto? – disse me virando e vendo Brian em minha frente. – ele beijou o alto da minha cabeça. – o apertei com mais força. Fiquei pasma e não conseguia falar. – estava de costa. ela ficava se mexendo e ás vezes me chutava passava a mão na barriga e conversava baixinho com ela. estava um pouco atrasada. – Você é um bobo. Pattie estava demorando de mais me deixando mais nervosa. – depois de uns minutos o quarto ficou vazio ficando só a Pattie e eu. Achei estranho porque ela não entrou? – Entra Pattie. – Quero que você prometa fazer o meu bebê sempre feliz sei que isso você já faz. – Ai Julie eu estou nervosa. – assenti com a cabeça e ela saiu. não precisava nem de promessas. Eu iria fazer isso pelo resto da minha vida. – ela sorriu. – Eu não acredito que você veio… Não acredito que está aqui. mas eu quero concretizar uma promessa. – Nosso como você tá gorda.

– E eu não acredito que você vai casar com a ponta do nariz vermelha. – Ele não é louco. Aquilo era um sonho belo. – disse rindo. – Gente vamos logo… O Justin daqui a pouco desiste do casamento. – Para! – disse secando as lágrimas. – Você está incrivelmente linda. – ele me rodou. – Essa dai é uma manteigona chora por tudo. – Nem me fale! Isso pesa. – ele deu de ombros. – Brian zombou.– Desculpa. – Não é pra concorda. – disse rindo. palhaço! – Gostou da surpresa? – Pattie entrou no quarto segurando meu buque. ele me ajudou a descer as escadas. – Também. nervoso no olhar. – Me leva? – perguntei pro Brian que sorriu assentindo. – Não acredito que me esconderam isso. – disse rindo. todos me olhavam. Justin estava me esperando todo de terno. estava toda de branco. – E agora que você foge comigo? – Brian me olhou sério e eu sorri balançando a cabeça chegamos no jardim e todos se levantaram ao me ver vi o Justin do outro lado e senti meu coração disparar. – Então você já… – Sim sabia. – Pattie disse. A música era de sentido único me fazia sentir várias . As damas foram na frente e eu logo em seguida. – ele me abraçou outra vez. Pattie e Jeremy choravam e meus olhos estavam fixos nos do Justin. e estava tão cheiroso. Respirei fundo. – Cara isso daqui cresceu de mais. – Pattie disse me entregando o buque. – Estou incrivelmente gorda. – ele colocou a mão em minha barriga e Julie já estava agitada e ficou mais ainda. Pattie foi na frente ocupar o seu lugar e Brian e eu fomos mais lentamente. já sabia que Brian estava vindo.