You are on page 1of 54

LAUDOS E PERICIAS

1. OBJETIVOS DAS PERÍCIAS E DOS LAUDOS PERICIAIS
Auxiliar os juízes nas decisões de processos judiciais, para instrução de aposentadorias especiais, ações indenizatórias cíveis ou criminais ou atender as demais exigências legais.

COMO
Através de conhecimentos técnicos de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho, para determinação de condições de trabalho insalubres e/ou periculosos, baseado nas Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego existentes, demais Leis Federais, Estaduais, Municipais.

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA
PPRA PCMAT PCMSO PGR LTCAT PROCEDIMENTOS DE TRABALHOS (OSS – APR ) Plano de emergência Segurança em máquinas - PPRPS

AS DISCUSSÕES SOBRE O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - 2004
O formulário de informações sobre atividades exercidas em condições especiais de que trata o inciso I do art. 7º é o modelo de documento instituído para o regime geral de previdência social, segundo seu período de vigência, sob as siglas SB- 40, DISESBE 5235, DSS-8030 ou DIRBEN 8030, que serão aceitos, quando emitidos até 31 de dezembro de 2003, e o Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP, que é o formulário exigido a partir de 1º de janeiro de 2004.

reduz a probabilidade do aparecimento dos danos em longo prazo. . com a redução do tempo de exposição aos fatores de risco.Trabalho Seguro e Saudável Aposentadoria precoce somente faz sentido para algumas atividades que.

de 17/12/2002)Instrução Normativa no. 084. 99.048 de 6 de maio de 1999 Lei no. 10. de 5 de dezembro de 2003 . de 8/maio/2003.666.ATUALIZAÇÃO DA LEGISLAÇÃO QUE TRATA DA APOSENTADORIA ESPECIAL Regulamento da Previdência Social -Decreto no. de 16/junho/2003(alteração da da IN no. sobre a Aposentadoria especial ao cooperado de cooperativa de trabalho ou de produção e dá outras providências –(junho de 2003) Instrução Normativa da Previdência Social no. 90. 3.

este somente quando cooperado que tenha trabalhado durante quinze. será devida ao segurado individual.729/2003) . vinte e cinco anos.APOSENTADORIA ESPECIAL DECRETO LEI NO3. trabalhador avulso e contribuinte filiado a cooperativa de trabalho ou de produção. vinte e vinte e cinco anos ou em condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física. conforme o caso. uma vez cumprida a empregado.048 DE 6 MAIO DE 1999 “A aposentadoria especial. sujeito a a integridade física. (Nova redação dada pelo Decreto nº4. ”carência exigida.

Para facilitar.RISCOS AMBIENTAIS São agentes existentes nos ambientes de trabalho. . concentração. analisemos cada risco representado por sua cor. intensidade e tempo de exposição. capazes de causar danos à saúde e segurança do trabalhador em função de sua natureza.

.

FORMAS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO QUALITATIVA (Inspeção local) AVALIAÇÃO QUANTITATIVA (Monitoramento passivo) .

Radiações. Calor. Vibrações.INSALUBRIDADE Agentes Agressivos: Físicos Ruído. Frio. Pressões anormais . Umidade.

VIBRAÇÕES MECÂNICAS RUÍDO ISO 2631 (vibração de corpo inteiro) e ISO 5349 (vibração localizada). .

CALOR FRIO BAIXA PRESSÃO ALTA PRESSÃO .

RADIAÇÕES IONIZANTES RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES UMIDADE .

A. = LT 2 .Agentes Químicos N.

c) Névoas: São partículas líquidas. produzidas por condensação ou oxidação de vapores de substâncias que são sólidas à temperatura normal. podendo ainda serem encontradas sob a forma de: a) Poeiras: São partículas sólidas. podendo apresentar-se sob a forma de: 1 – Aerodispersóides: Formados pela dispersão de partículas sólidas ou líquidas de substâncias no ar. b) Fumos: São partículas sólidas.RISCOS QUÍMICOS São provocados por produtos químicos diversos que são utilizados nos variados processos industriais. d) Neblinas: São partículas líquidas. . produzidas pela ruptura mecânica de corpos sólidos. produzidas por condensação de vapores de substâncias que são líquidas à temperatura normal. produzidas por ruptura mecânica de líquidos (spray).

.RISCOS QUÍMICOS 2 – Gases: São substâncias que nas condições normais de temperatura e pressão (CNTP) encontram-se na forma de gases. 3 – Vapores: É a fase gasosa de uma substância que nas CNTP encontra-se nas fases líquida ou sólida.

fungos. parasitas.) com os quais pode o trabalhador entrar em contato. bactérias. etc. . bacilos. no exercício de diversas atividades profissionais.RISCOS BIOLÓGICOS: São provocados por microrganismos causadores de doenças (vírus.

Virus H1N1 e INFLUENZA .

TIPOS DE PARASITAS VESPA Parasitas carrapato PIOLHO Pediculus Amarela mashroom PERNILONGO .

4 – 3. Gram-negativos.0 μm x 0.IMAGEM DE BACILOS Imagem de Stock: Bacillus-subtilis Brucella Gênero de bactérias composto por coco-bacilos (0. aeróbios (necessitam de meios oxigenados para sobreviverem .4 – 0.8 μm).

urina.Lixeiros . laboratórios de análise biológica ( fezes. secreções. etc.Enfermeiros .Funcionários de hospitais.Granjas.expostos a esses microrganismos.Laboratórios de pesquisa humana e animal . Médicos . abatedouros. sanatórios. - . etc.Tratadores de gado .Estações de tratamento de esgoto .Lavradores .Açougueiros .) .Trabalhadores de curtumes . sangue. canis.

LAUDO . particularmente a Aposentadoria Especial. .LTCAT É um Laudo Técnico emitido pelo Engº de Segurança que leva em consideração todos os aspectos ambientais constantes no PPRA da empresa e que caracteriza de forma inconteste o direito ou não da Aposentadoria Especial ao Segurado do INSS. cujo objetivo é fornecer subsídios para o preenchimento do PPP e atender as Leis da Previdência Social no que diz respeito à concessão dos benefícios previdenciários.

indicando as condições de riscos e de acidentes do trabalho. inspecionando-se todos os circuitos. fiações. transformadores. como também as melhorias a serem aplicadas na empresa. .LAUDO ELETRICO Elétrico / Pára-Raio . quadros elétricos. terminais. quadros de passagens.NR 10 O laudo elétrico consiste no levantamento de todas as informações das instalações elétricas existentes na empresa.

LAUDO ELETRICO – Para-Raios O laudo de para-raios consiste na avaliação e inspeção das instalações dos para-raios. aterramentos. evitando-se desta forma qualquer acidente com pessoas ou materiais. com as referidas medições da resistência hômica do para-raios com o objetivo de verificar se em caso de queda de raios o mesmo poderá absorver o raio. tubulações. etc. a fim de verificar todas fiações. Trabalho realizado por profissional legalmente habilitado. .

em todas as caldeiras ou reservatórios de ar comprimido existentes na empresa.LAUDO .Vasos de Pressão Inspeção de Caldeiras e Vasos de Pressão – NR 13 Estes Laudos consistem na inspeção anual. por parte do Engº responsável. inspecionando-se as válvulas de alívios e a estrutura metálica dos tanques. evitando assim explosões oriundas do acúmulo de pressão interna nestes tanques. . a fim de certificar-se que todo o equipamento está em ordem.

FINALIDADE DO LAUDO Insalubridade Periculosidade Fins de Instrução de Aposentadoria Especial Análise de Acidente Análise de Risco nos Locais de Trabalho Análise de Risco nas Atividades Desenvolvidas .

a fim de concluir se o trabalhador esteve exposto aos agentes chamados Insalubres ou Periculosos e deve receber o referido adicional. inspeções e avaliações das atividades laborais desenvolvidas pelos trabalhadores no ambiente de trabalho. .NR 15 e NR 16 Estes Laudos são elaborados a partir dos levantamentos.Insalubridade/Periculosidade Insalubridade/Periculosidade .

anexo 2 e Radiações Ionizantes.LAUDO DE PERICULOSIDADE O Laudo Técnico de Avaliação de Periculosidade é elaborado de acordo com os critérios técnicos estabelecidos nos anexos da Norma Regulamentadora nº 16 do Ministério do Trabalho e Emprego (Explosivos. anexo 1. 04/04/03) e Decreto nº 93.86 (Eletricidade). Portaria Gm 518.412 de 14.10. . Inflamáveis.

( 30% sobre o salario base ) . radiações ionizantes e eletricidade. líquidos e gases inflamáveis.LAUDO DE PERICULOSIDADE O referido laudo tem por objetivo analisar as atividades desenvolvidas nas empresas. tenham envolvimento ou contato com explosivos. avaliando se as mesmas são passíveis de gerar o direito ao recebimento do Adicional de Periculosidade. que de maneira direta ou indireta.

. de forma a evitar ou minimizar os efeitos de um possível passivo trabalhista.Importância do LTCAT O Laudo Técnico Avaliação de Periculosidade e/ou insalubridade. possibilita o estabelecimento de planos de ação preventivos e corretivos. visando à eliminação e/ou controle das situações de risco identificadas nas empresas.

. o art.§2º).VALORES DOS ADICIONAIS Com relação à periculosidade. podendo o empregado optar pelo adicional que por ventura lhe seja devido (art. 193 da CLT(§1º) estabelece que o valor do adicional é de 30% sobre o salário sem os acréscimos resultantes de gratificações ou participações nos lucros da empresa. 193.

VALORES DOS ADICIONAIS O art. assegura a percepção do adicional respectivamente de 40%. 192 da CLT estabeleceu que o exercício de trabalho em condições insalubres. médio e mínimo. segundo se classificam nos graus máximo. acima dos limites de tolerância fixados pelo MTE. 20% e 10% do salário mínimo. .

........ 20% E 40% do salário mínimo I... Radiações Ionizantes..... – 15.............10%.. Iluminação.............11......12...Anexo 5 (Periculosidade Port.. Pressões Hiperbáricas.Anexo 1 e 2 II..90) IV........Anexo 3 III..87) V.............. Radiações não Ionizantes... Calor....3751 de 13...R.....Anexo 6 VI....Anexo 4 (revogado Port.....Laudo de Insalubridade N.3393 de 17.. Ruído...........Anexo 7 ...

.Anexo 9 IX.......Anexo 10 X.......... Umidade..............Anexo 8 VIII........ Vibrações..Anexo 13 (Inspeções nas Atividades e Operações) XIII..........Laudo de Insalubridade VII.........Anexo 14 ......................Anexo 12 XII.Anexo 11 (Caracterizado por limites de tolerância) XI.. Poeiras Minerais........ Agentes Biológicos.......... Agentes Químicos......... Frio.... Agentes Químicos...

quando faltarem a este. o Engenheiro de Segurança e/ou o Médico do Trabalho são os profissionais legalmente habilitados para tal. .2. conhecimentos técnicos para tanto. c) Nos casos de determinação de atividades ou locais insalubres e/ou periculosos. segundo o disposto no Art.421 do Código de Processo Civil. o juiz será assistido por Perito. para colaborar no exame de coisas ou pessoas. b) O Perito. O PERITO a) Quando a prova do fato depender do conhecimento técnico ou científico. nas questões judiciais. é um auxiliar do juiz.

impliquem o contato permanente com inflamáveis ou explosivos em condições de risco acentuado.. XXIII – adicional de remuneração para as atividades penosas. São consideradas atividades ou operações perigosas.Constituição Federal Art. 193. na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho. Art. insalubres ou perigosas. São direitos dos trabalhadores: . 7º. na forma da lei. por sua natureza ou métodos de trabalho.. . aquelas que.

. apenas em 1985. editada em 20 de setembro daquele ano. já existia um Projeto de Lei para instituir uma remuneração adicional para os trabalhadores do setor de energia elétrica. então. Na mesma época da edição da Lei 6514/77 e da Portaria 3214/78. não classificou como atividades ou operações perigosas aquelas que são exercidas em contato ou em condições de risco de contato com a eletricidade.369.ELETRICIDADE Como se pode observar. este Projeto se materializou na Lei nº 7. a ter uma lei específica. desgarrada do conjunto da legislação de segurança e medicina do trabalho. Entretanto. A matéria passou. a legislação que trata especificamente do tema.

TST Adicional de Periculosidade – Eletricitários – Exposição Intermitente O trabalho exercido em condições perigosas. dá direito ao empregado a receber o adicional de periculosidade de forma integral.369/85 não estabeleceu qualquer proporcionalidade em relação ao seu pagamento. embora de forma intermitente.ELETRICIDADE Ela foi regulamentada pelo Decreto nº 92. .212 E posterior foi revogado pelo Decreto 93412/86 Enunciado 361 . tendo em vista que a Lei 7.

4º.2003 É assegurado o adicional de periculosidade apenas aos empregados que trabalham em sistema elétrico de potência em condições de risco. que ofereçam risco equivalente. § 1º A caracterização do risco ou da sua eliminação far-se-á através de perícia. ainda que em unidade consumidora de energia elétrica. Art. ou que o façam com equipamentos e instalações elétricas similares.12. observando o disposto no artigo 195 e parágrafos da Consolidação das Leis do Trabalho.ELETRICIDADE Orientação Jurisprudencial nº 324 Publicada no DJ em 09. .

invalidez permanente ou morte. confirmando se a exposição ocorre efetivamente em condições de periculosidade. § 2º do referido Decreto: Art. fica a responsabilidade de levantar o real enquadramento do trabalhador nas atividades e áreas de risco incluídas no quadro anexo ao Decreto 93. 2º § 2º São equipamentos ou instalações elétricas em situação de risco aquelas de cujo contato físico ou exposição aos efeitos da eletricidade possam resultar incapacitação.Ao perito. .412/86. conforme definido no artigo 2º.

Artigo 195 da CLT. segundo as normas do Ministério do Trabalho e Emprego. far-seão através de perícia a cargo de Médico do Trabalho ou Engenheiro de Segurança do Trabalho.Insalubres e/ou Periculosos ―A caracterização e a classificação da insalubridade e da periculosidade. . registrados no Ministério do Trabalho e Emprego (órgão de classe)‖.

Art.04.PERICULOSIDADE Contato com explosivos e inflamáveis – art. 7.03 do MTE. regulamentada pelo Decreto n. 1º Adotar como atividades de risco em potencial. 3. . 518 de 04.214/78. 193 da CLT.369/85. Portaria n. 93. o "Quadro de Atividades e Operações Perigosas". . regulamentado pela NR-16.412/86. Energia Elétrica – Lei n. aprovado pela Comissão Nacional de Energia Nuclear – CNEN.Radiação Ionizante – Portaria n.

. a eliminação ou neutralização da insalubridade ocorrerá: 1. 2. Com a adoção de medidas que conservem o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância.ELIMINAÇÃO OU NEUTRALIZAÇÃO Segundo o art. 191 da CLT. Com a utilização de EPIs pelo trabalhador. que diminuam a intensidade do agente agressivo a limite de tolerância.

e não para atender o interesse das partes. A perícia deve ser imparcial. A Perícia Oficial deve ser feita exclusivamente para esclarecer dúvidas do Juiz.TIPOS DE PERÍCIAS JUDICIAIS . . são indicados pelo Juiz. e estes funcionam como os olhos e os ouvidos do mesmo nos locais a serem periciados.Peritos Oficiais Os Peritos Oficiais. impessoal e exata.

TIPOS DE PERÍCIAS JUDICIAIS . *Assistente da Reclamada *Assistente da Reclamante . irá defender a parte que o contratou.Peritos Assistentes Cada uma das partes envolvidas no conflito judicial. que na prática. pode indicar um perito assistente.

contribuindo para a elaboração de quesitos que deverão ser respondidos pelo Perito Oficial. o Perito assistente pode emitir outro laudo contestando o oficial. Atua também normalmente assessorando os advogados das partes no que diz respeito a parte técnica.PERÍCIAS Quando existe discordância do citado laudo. .

.Quesitos "Quesitos são perguntas que se formulam aos peritos e pelas quais se delimita o campo da perícia. como Ihes cumpre. São perguntas relativas aos fatos que constituem o objeto da perícia. Respondendo-as. na prática diária dos tribunais. e as respostas devem ser dadas a perguntas objetivas. que não são objeto da perícia. Naturalmente a perícia deve se reportar a fatos. passam despercebidas perguntas que são condicionais. Não raro. após a devida observação dos fatos. os peritos desempenham a missão que Ihes foi cometida".

surgindo muitos conflitos entre estas Legislações. produtos utilizados. visando instruir o citado Órgão para concessão de Aposentadoria Especial.PERÍCIAS PREVIDENCIÁRIAS As perícias do INSS normalmente são realizadas nos locais de trabalho do segurado analisando suas atividades. pois normalmente a Legislação da Previdência Social (INSS) não combina integralmente com a Legislação Trabalhista. OBS: Deve basear-se nas Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego como também nas Normas do INSS. etc. .

Perícia para determinação de doenças profissionais ou do trabalho. Análise de risco de uma atividade ou de um ambiente de trabalho. 3. . Análise de acidente de trabalho acontecido para fins de compor ações indenizatórias e/ou criminais. 2.PERÍCIAS PARTICULARES DIVERSAS Podem ser requeridas perícias com as mais diversas finalidades tais como: 1.

DESENVOLVIMENTO DE UMA PERÍCIA • IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA PERICIADA OU DO PERICIADO • CÓDIGO NACIONAL DE ATIVIDADE ECONÔMICA (CNAE) / GRAU DE RISCO DA ATIVIDADE DA EMPRESA OU DO SETOR DE TRABALHO DO EMPREGADO PERICIADO • FINALIDADE DO LAUDO DECIBELÍMETRO ANALÓGICO CALIBRADOR CONJUNTO TERMÔMETRO DE GLOBO LUXÍMETRO .

objetivo. O mesmo deve ocorrer nas perícias fora da esfera da Justiça. Na interpretação das leis e normas.Saiba mais sobre Laudos Periciais O laudo pericial deve ser claro. jurisprudência. histórica. eqüidade e outros princípios e normas gerais do Direito — principalmente o Direito do Trabalho — e. Todos os dados e elementos que o perito julgar importantes e que possam contribuir efetivamente para o convencimento do juiz devem ser levantados. pode recorrer à jurisprudência. pode-se recorrer a técnicas existentes. a fundamentação dos pareceres é de suma importância. em sua decisão. fundamentado e conclusivo. . Dentre os itens de um laudo pericial. lógica. de acordo com os usos e costumes e o Direito Comparado (art. ainda. 8o da CLT). direito comparado e outros. analogia. O juiz. na falta de disposições legais ou contratuais. tais como: interpretação gramatical.

reclusão. se o crime é praticado mediante suborno ou se cometido com o fim de obter prova destinada a produzir efeito em processo penal. tradutor ou intérprete em processo judicial.2001) Pena . de seis meses a dois anos.detenção.268. de 28.DL 2.8. 342. § 1o As penas aumentam-se de um sexto a um terço. ou administrativo.8. e multa.2001) .(Redação dada pela Lei nº 10. de 28. 269 .268. ou em juízo arbitral: (Redação dada pela Lei nº 10. ou em processo civil em que for parte entidade da administração pública direta ou indireta. Fazer afirmação falsa. de um a três anos. e multa. ou negar ou calar a verdade como testemunha.848/40 – Código Penal Omissão de notificação de doença Art. Falso testemunho ou falsa perícia Art.Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja notificação é compulsória: Pena . perito. inquérito policial. contador.