P. 1
A Volta Do Quadrinho Nacional 2010

A Volta Do Quadrinho Nacional 2010

|Views: 63|Likes:
Published by Maurobandeiras

More info:

Published by: Maurobandeiras on Sep 28, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/03/2011

pdf

text

original

A volta do quadrinho nacional Gian Danton

Durante muito tempo, os quadrinhos nacionais passaram por uma fase de hibernação. Depois dos períodos áureos da Grafipar, Vechi (início dos anos 80) e Press (meados dos anos 80) e de esporádicos sopros de vida nos anos 90, a HQ nacional pareceu desaparecer. O lançamento da série Escala Graphic Talents mostrou que o problema não era criativo, mas de oportunidade. A coleção tem colocado nas bancas, de quinze em quinze dias, novas revistas de quadrinho nacional com ótima qualidade gráfica e impressão em policromia. Quem conhece o mercado de quadrinho sabe que a iniciativa da Escala tem por objetivo suprir o vácuo deixado no mercado pelas grandes editoras, em especial a Abril, que cancelou toda a sua linha de gibis. As revistas da DC Comics (Super-homem, Batman) estão sem editora e as revistas da Marvel Comics (Homem-aranha, X-men) passaram a ser publicadas pela Panini, com acabamento de primeira, mas preços proibitivos. A idéia da Escala é conquistar aquele leitor que está se iniciando na arte sequencial e sai da escola querendo comprar algo que seja divertido e barato. Em tempo: todas as revistas da coleção custam apenas R$ 1,50. Certamente os gibis mais baratos das bancas. A iniciativa também representa um contrato de risco com os artistas. Cada revista tem apenas uma edição. Se vender o suficiente, a história se estende por uma minissérie de três partes. Se continuar vendendo bem, o título pode virar uma revista de linha. O resultado, claro, é muito irregular. Mas a idéia é essa mesma: produzir em quantidade para fazer, daí, aparecer a qualidade. É o que acontece com todos os quadrinhos do mundo. Na Europa, Japão e EUA são publicados anualmente inúmeros títulos, muitos deles totalmente irrelevantes. Mas, no meio de muitas revistas, surgem verdadeiras pérolas. Até há pouco tempo eram publicados no Brasil três ou quatro títulos nacionais e os leitores queriam cobrar desses uma qualidade equivalente aos melhores trabalhos gringos. A Escala acerta ao não limitar os títulos a um só gênero, como o de super-heróis. Há revistas de sátiras, de heróis, de suspense, de ficção-científica e até versões tupiniquins de desenhos animados japoneses. O quadrinho americano entrou num beco sem saída justamente por se especializar demais. Nas décadas anteriores os comics americanos apresentavam títulos para os mais variados tipos de leitores, das meninas que adoravam histórias românticas aos fãs de terror. Na década de 90 o mercado americano se especializou em super-heróis e hoje faz apenas histórias de super-heróis para fãs que acompanham todas as revistas de uma editora. O mercado se torna cada vez menor.

A série Escala Graphic Talents revelou pelo menos uma obra-prima. A revista Carcereiros, de Nestablo Ramos Neto e Eduardo Miranda é uma ótima história de suspense no estilo Arquivo X e Millenium. Quem curte esse tipo de trama vai se espantar com a competência com a qual os autores conseguiram criar um clima sombrio para a HQ e, ao mesmo tempo, surpreender o leitor.

Na linha infantil, o que mais chamou minha atenção foi Gamemon. Como o leitor esperto poderá imaginar, trata-se de uma versão dos desenhos japoneses, como Digimon. É uma revista certamente oportunista, mas, nas mãos de Arthur Garcia, a história ganha uma outra dimensão. Arthur Garcia é um veterano dos quadrinhos e foi responsável, na década de 90, por adaptações de vários vídeo-games para os gibis. Ninguém mais abalizado que ele para criar uma versão nacional dos Digimons, portanto. E, muitas vezes, o que surge como cópia, pode tomar tonalidades muito particulares. Muitos dizem, por exemplo, que A Turma da Mônica era um plágio das histórias do Snoopy. De fato, ambas as histórias têm um menino perdedor, uma menina mandona, um menino sujinho, um cachorro... Mas hoje poucos conseguem perceber a semelhança entre as duas séries. Talvez, se sobreviver e conquistar a preferência dos leitores, os Gamemons tomem uma cara tipicamente nacional.

Outro destaque é a Velta, de Emir Ribeiro. Velta existe há quase trinta anos e nesse período vem sendo publicada, initerruptamente em fanzines e publicações alternativas. Emir Ribeiro fez com super-heróis o que Carlos Zéfiro fez com o erotismo: criar um produto tipicamente nacional. De histórias iniciais calcadas no jeito americano de fazer comics, a personagem evoluiu para tramas que discutem, inclusive, problemas sociais de nosso país. Emir Ribeiro é um desenhista reconhecido no mercado norte-americano, tendo trabalhado, ao lado de Mike Deodato Jr., em publicações como Mulher-maravilha, Vingadores e Thor. Isso dá uma aval e tanto para a revista. O único ponto fraco são os roteiros, que não estão à altura da arte. A coleção traz ainda diversas outras revistas, no mais variados estilos. Desde histórias sobre caipiras no estilo infantil, como A Turma do Barnabé, até a série Mico-legal, que tem como protagonistas animais. Essa última, inclusive, foi a primeira a passar para a segunda fase do projeto, quando a revista ganha mais três edições. Mas o quadrinho nacional não está representado só pelo Escala Graphic Talents. A revista A Classe Média Agradece, de André Diniz e Marco, mostra uma ótima história policial ambientada no Rio de Janeiro. Os mais antenados vão se lembrar do seqüestro de um ônibus no Rio de Janeiro que terminou com a morte de uma refém e de um assaltante. A partir desse fato básico, tirado dos noticiários, Diniz constrói uma trama detalhada sobre o submundo do crime. Ao ler A Classe Média Agradece, é fácil perceber porque André Diniz ganhou o prêmio Ângelo Agostini de melhor roteirista de 2000. A revista pode ser pedida gratuitamente através do e-mail: nonaarte@nonaarte.com.br.

André também mantém um site sobre quadrinhos, Nona Arte no qual disponibiliza o gibi eletrônico Pixel, na qual podem ser encontradas histórias de quadrinistas famosos, como Shimmamoto, Antonio Eder e Laudo. Também na Pixel podem ser encontradas histórias deste que vos escreve. Fonte: http://www.digestivocultural.com/colunistas/coluna.asp?codigo=684

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->