P. 1
01 - ESTAGIO 2 LETRAS GISLEANE

01 - ESTAGIO 2 LETRAS GISLEANE

|Views: 3,082|Likes:
Published by james_jps8979
RELATÓRIO DE ESTÁGIO I - ULBRA CAMPO ALEGRE DE LOURDES - CURSO DE LETRAS
RELATÓRIO DE ESTÁGIO I - ULBRA CAMPO ALEGRE DE LOURDES - CURSO DE LETRAS

More info:

Published by: james_jps8979 on Sep 30, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as RTF, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/21/2013

pdf

text

original

RELATO DA ENTREVISTA

Universidade Luterana do Brasil - ULBRA Nome do (a) aluno (a): Gisleane Almeida Dias Instituição de Ensino/Local do Estágio: Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva – CEPFRS/ - Rua Alagoas, S/N, Centro Estado: Bahia Município: Campo Alegre de Lourdes

Série/ano: 5° turma B - faixa etária: 12-16 anos. Disciplina: Língua Portuguesa Profor: Erovelson Alves da Silva

_______________________________________________________________

Para Irvin D. Yalom, a entrevista significa o conjunto das declarações com autorização implícita ou formal para publicá-las. A partir dessa definição entrevistei o Diretor Cléberson César Dias da Rocha do Colégio Estadual Francisca Rodrigues da Silva, segundo ele, o colégio possui projeto pedagógico, e foi elaborado democraticamente. Na mesma ocasião afirmou que o conselho de classe acontece de forma participativa. Em relação ao ensino e aprendizagem, são tomadas várias decisões em reuniões de conselho de classe, tais como: apresentação de novas metodologias, para se adequarem a realidade dos alunos e da escola. Ele declara que os índices de evasão e repetência da escola variam entre 1,8 a 2,6 %, estes valores, são baixos, mas, não desejáveis, e são encontrados na sua maioria nas turmas de aceleração de educação de jovens e adultos. Para minimizar este problema, busca se trabalhar com inovações tecnológicas. Os professores elaboram planos de estudo e a principal dificuldade é a de trabalhar com contextos dialéticos, devido às raízes, tradicionais que ainda permanecem em mentalidades contemporâneas. Segundo o diretor, a escola trabalha com projetos de ensino e é feito através de estudos coletivos. O trabalho interdisciplinar é trabalhado de forma planejada. E diz ainda que os

professores são submetidos a cursos de capacitação, de acordo com as suas necessidades e são oferecidos nos meses: de maio a junho, outubro a novembro e entre os períodos de quatro meses. O dirigente da escola ainda afirma que existem outros registros importantes a ser comentado neste parágrafo sobre: laboratório - existe o de informática em pleno funcionamento; Disse também que a biblioteca não tem uma área definida, encontra-se numa sala provisória – com um acervo necessário de livros didáticos e literatura; As atividades extraclasses são organizadas através de excussões,

campeonatos esportivos, apresentações de peças teatrais entre outros; a organização do horário das aulas é organizada sistematicamente; não há intervalos, exceto o intervalo para o recreio; para as aulas de educação física a escola realiza previamente exames biomédicos, para testar a aptidão dos alunos para que os mesmos executem com responsabilidade. A marca deixada pelo Diretor, quando na entrevista, pode-se afirmar que o mesmo transmitiu uma impressão de comportamento tranqüilo e sereno, se estabelecendo num estado de ficar a vontade e esclarecer alguns pontos referentes à execução do seu trabalho em exercício na escola. Entretanto, a entrevista pode indicar o valor de aprendizagem através do seu dirigente, bem como, daquela referida escola e até mesmo o grau de instruções de discentes e docentes. Na entrevista com o Professor de Língua Portuguesa de 5ª. Serie B Erovelson Alves da Silva; relatou que as principais dificuldades dos alunos em relação a sua disciplina, são os problemas referentes aos textos, afirmou ainda que este motivo deixa-os inquietos e partem para a indisciplina em sala de aula, e os mesmos são chamados a atenção através de conversas e posteriormente este fato é comunicado a direção. Certifica que os seus alunos realizam tarefas fora da sala de aula, através de exercícios, pesquisas e atividades para casa. Outras técnicas e metodologias de trabalho são: textos complementares, aulas em vídeos/TV entre outros. Concluindo, ele disse que a escola dispõe de aparelhos de DVDs e laboratório de informática com acesso a internet.

Segundo as normas do MEC, o profissional de Letras, deve estar ciente de que, enquanto docente, cabe-lhe assumir o compromisso reconstrutivo para montar o ambiente adequado de sujeito capaz de transmitir a seus alunos a condição de elemento ativo, crítico e construtor/modificador da sociedade para melhor intervir e inovar Portanto, O diretor e o professor do colégio estavam otimistas. Segundo os relatos da entrevista, na secretária do Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues, tanto o responsável pela escola, quanto o docente disseram que os alunos têm grandes chances de aprenderem o conteúdo aplicado, trazendo bons resultados e aprovação de série na escola e que os efeitos da deficiência de leitura poderão ser diminuídos através de atividades em classe, apresentações, dramatizações e interpretação de textos.

ESTÁGIO DE OBSERVAÇÃO
Universidade Luterana do Brasil - ULBRA Nome do (a) aluno (a): Gisleane Almeida Dias Instituição de Ensino/Local do Estágio: Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva – CEPFRS - Rua Alagoas, S/N, Centro. Estado: Bahia Município: Campo Alegre de Lourdes

Série/ano: 5° turma B - faixa etária: 12-16 anos. _______________________________________________________________ A semana de observação do estágio foi muito importante porque se pôde fazer uma avaliação de todo o contexto da escola como gestão, coordenação, professores e alunos contribuindo assim, para aplicação posterior do trabalho. Conhecendo o espaço da escola e da sala de aula foi conseguido fazer um breve diagnóstico dos alunos que irá ser trabalhado, percebendo o contexto em

que os alunos estão inseridos. A observação é componente essencial para a intervenção no estágio. Para Libâneo (apud ALMEIDA, 1992,p. 22) “O estágio é uma fase de contato e intervenção com a prática escolar. Neste processo o diagnóstico permite ao estagiário sentir a escola; sua estrutura, sua organização e seu funcionamento. O diagnóstico de acordo com este autor, consiste no levantamento de dados e informações para se ter uma visão de conjunto das necessidades e problemas da escola e facilitara alternativas de soluções”. Através desse referencial teórico e material com parâmetros do Curso de Letras da ULBRA, foi possível realizar o Estágio de observação in lócus, no dia 02 a 08 de abril de 2009, no Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva. Foi observado que a escola fica situada num local silencioso e agradável. O colégio possui quatro salas de aula, onde estudam um total de 400 alunos, matriculados no ensino fundamental, e distribuídos em três turnos: matutino, vespertino e noturno, sendo o Colégio administrado pela gestão do Diretor Cléberson César Dias da Rocha. Alem das salas de aula, as outras partes estruturais da escola são compostas por um pátio, 02 banheiros (01feminino/01masculino); existe também uma cantina de merenda escolar próximo a sala de professores. Há uma biblioteca, com um acervo de aproximadamente trezentos livros de contos, romances etc., os alunos também assistem às aulas áudios-visuais, por meio de 02 televisores, que fica a disposição dos docentes. A sala de informática estava composta por dez computadores com acesso a internet. Vale lembrar que a escola possui uma cisterna para abastecimento interno e a sua área é toda murada, por meio de paredões. O ambiente da escola é propício a aprendizagem devido as suas instalações e disposições de professores que faz suas atividades teóricas na escola e as práticas de lazer em outros locais, fora da escola, por a mesma não possuir espaço. A sala de aula que escolhi para o meu estágio foi a 5ª. Serie B vespertino é

grande e arejada, constituída por 35 alunos: 20 do sexo feminino e 15 do sexo masculino vivem em harmonia, formando um ambiente tranqüilo e agradável, nas paredes das salas de aula, são expostos murais de trabalhos desenvolvidos pelos alunos, retratando vários aspectos, saúde, ortografia, etc.. Foi verificado também que na sala existem carteiras suficientes para a quantidade de alunos, e a lousa é utilizado freqüentemente para a execução de aula teórica, com auxilio de livros e gramáticas. A iluminação da sala é apropriada, pois na mesma os alunos conseguem ter uma boa visibilidade, as janelas ajudam no clareamento e na ventilação da sala. As mobílias vistas foram: uma mesa para dar suporte ao professor e um armário para guardar livros e outros materiais didáticos. Foi observado que a relação professor/aluno, aluno/professor são respeitosas, o ambiente é propicio ao processo de aprendizagem, devido haver incentivo e participação do aluno; valorizações entre professor e alunos além da cooperação entre estes. O docente é comprometido com a sua missão e os discentes atendem as solicitações do professor, com muito interesse no conteúdo, demonstrado através de perguntas/respostas e compreendendo a aula de forma atenta e participativa.

PLANEJAMENTO DE ESTÁGIO
Universidade Luterana do Brasil - ULBRA Nome do (a) aluno (a): Gisleane Almeida Dias Instituição de Ensino/Local do Estágio: Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva – CEPFRS/ - Rua Alagoas, S/N, Centro Estado: Bahia Município: Campo Alegre de Lourdes

Série/ano: 5° turma B/Vespertino - faixa etária12-16 anos. Disciplina: Língua Portuguesa N° de aulas: 24 Profor: Erovelson Alves da Silva Datas de: 13/04/200 a 24/04/2009 Apresentação do planejamento

01 - Objetivos Objetivo geral • Conhecer a importância da leitura no seu dia-a-dia; possibilitar que os alunos tenham acesso aos diversos tipos de textos, valorizando a leitura como fonte de informação e aquisição de novos conhecimentos, através do espaço privilegiado em comum, que é a sala de aula. Objetivos específicos • Assegurar o espaço da sala de aula para os alunos com praticas escritas e de leitura; • Promover a interação entre as atividades de leitura dentro e fora da sala de aula, entre alunos e professor; • Criar uma propaganda para revista ou jornal, utilizando linguagem não verbal; • Dominar e fixar ortografia de palavras que apresentam determinado tipo de dificuldade • Reconhecer a importância dos conteúdos de gramática no seu cotidiano.

02 - Conteúdos • Leituras e interpretação; (“No restaurante” ;“Sai do meu pé, chulé”; “Nós, os consumidores; “ “Era uma vez”); • Gramática (classe de palavras: substantivos, divisão de silabas; ortografia: uso do “c ou ch”); • Conhecendo as palavras (vocabulário das palavras e uso de dicionário português Brasil); • Produção de textos; (texto “jornalístico - O mundo na “TV”; entrevista com os próprios alunos e produção de um poema referente ao texto”; “Menina em casa”);

• •

Ditado de palavras; (ditado mudo de palavras do cotidiano da escola) Sinais de pontuação (dois pontos, vírgula, ponto e vírgula, ponto de continuação, ponto final e travessão).

3 - Metodologia • • • • • • • • Leitura contextualizada; Exercícios orais e escritos; Debates em grupo; Pesquisa; Leitura individual e oral; Exercícios com ditados. Leitura de revistas, jornais; Uso de pincel piloto e lousa, apagador, papel madeira, cartazes com textos, canetas, caderno, áudio e vídeo, papel oficio; • Livros didáticos.

4 – Avaliação • Constituir-se-á por meio de debates, pesquisas, atividades, produção de texto; • • • Perguntas orais e escritas; Exercícios em classe, extraclasse e trabalhos extras; Participação do aluno.

Referencia Bibliográfica
TERRA, Ernani & CAVALLETE, Floriana. Português Paratodos: 5ª. Série. São Paulo, Scipione, 2002

SANTOS, Geraldo Mattos. Dicionário da Língua Portuguesa. 2ª. Ed. São Paulo, F.T.D, 2001. MOURA & Faraco: Gramática- São Paulo-Ática, 1999 SARAMAGO, José: Todos os Nomes, São Paulo- Companhia das Letras 1997 Jornal À Tarde, 12 de abril 2009. Revista Nova Escola/maio 2008, pag.42 www.mec.gov.br 01/06/2009 Irvin D. Yalom. Mentiras no Divã – do original Lying on the couch. Ed. Ediouro, 2006. LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994

RELATO DE ATIVIDADES
Universidade Luterana do Brasil - ULBRA Nome do (a) aluno (a): Gisleane Almeida Dias Instituição de Ensino/Local do Estágio: Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva – CEPFRS/ - Rua Alagoas, S/N, Centro Estado: Bahia Município: Campo Alegre de Lourdes

Série/ano: 5° turma B - Vespertino - faixa etária: 12-16 anos. Durante o período que estive em convívio com o corpo docente e discente do colégio para efetuar o estágio em sala de aula, foi possível sentir o quanto é aproveitável estar em constante ato de aprendizagem e desenvolvimento de estratégias que fez alcançar os objetivos planejados. Durante as entrevistas diretor e o professor do colégio estavam otimistas, em respostas as minhas perguntas, eles responderam suavemente a cada uma delas. O responsável pela instituição relatou todo o processo de gerenciamento da escola (desde o funcionamento, aos projetos para aquele colégio), dando

uma impressão de ser um profissional dedicado e responsável. A entrevista do docente que é responsável pela disciplina de Língua Portuguesa naquela turma esclareceu os pontos relacionados aos alunos daquela classe, retratou-os de uma forma prática comentando sobre as dificuldades encontradas em classe e possíveis expectativas. Pois o mesmo se mostrou compromissado para construir um ambiente adequado e capaz de transmitir a seus alunos a condição de elemento ativo, crítico e construtor/modificador da sociedade para melhor intervir e inovar Os entrevistados ressaltaram que os alunos têm grandes chances de aprenderem o conteúdo aplicado, trazendo bons resultados e aprovação de série na escola e que os efeitos da deficiência de leitura poderão ser diminuídos através de atividades em classe, apresentações, dramatizações e interpretação de textos. Referente às considerações sobre o estágio de observação, pode-se dizer que houve um enriquecimento de informações através dos dados coletados sobre a instituição. Foi constatado que a escola possui uma boa administração, devido a sua estrutura possuir os parâmetros de uma unidade escolar de nível colegial adequada, ou seja, a área construída está em perfeitas condições; murada, acabamentos em dia, porta e portões em perfeitas condições de uso, possui a quantidade de salas condizente com o numero de alunos por série. A parte funcional também operava em sintonia, com todos os serviços funcionando, desde a cozinha ao serviço de documentos. Na área pedagógica pode-se confirmar que estava em sincronia com calendário/programa pedagógico, e em sala de aula podia se perceber que o professor estava interagindo com os alunos de forma haver troca de conhecimentos, resultando num ambiente harmonioso e respeitável, foi uma oportunidade para o aumento da profissionalização da estagiária. O planejamento e programa de aula foram elaborados com o auxilio do professor, para que desta forma houvesse o acompanhamento do curso normal, mas foi preparado para garantir o enriquecimento de conhecimentos dos alunos e estagiária, de forma a possibilitar interagir de uma forma mais consistente, programática e dinâmica, através de: objetivos - geral e específico;

conteúdos; metodologia a ser adotada e através de avaliações sistemáticas. Esta experiência adquirida durante o período de estágio proporcionou o contentamento em perceber os discentes interagindo expressamente com a introdução do conteúdo de Língua Portuguesa proporcionada por estagiaria e por o professor.

PLANILHA DE REGISTROS DE ATIVIDADES DO ESTÁGIO
Universidade Luterana do Brasil - ULBRA Nome do (a) aluno (a): Gisleane Almeida Dias Instituição de Ensino/Local do Estágio: Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva – CEPFRS/ - Rua Alagoas, S/N, Centro Estado: Bahia Município: Campo Alegre de Lourdes

Série/ano: 5° turma B/Vespertino - faixa etária12-16 anos. Disciplina: Língua Portuguesa N° de aulas: 24 Profor: Erovelson Alves da Silva

Para a Lei de Diretrizes e Bases, O estágio supervisionado (regido por um professor) constitui-se em atividade curricular que permite aprofundar as relações do processo de formação com o processo de trabalho no desenvolvimento de educação da Língua Portuguesa. É um momento da aprendizagem no qual o acadêmico toma contato prévio com a realidade do campo de atuação profissional.

Através desta perspectiva, o atual documento tem como objetivo de propiciar, de maneira prática e teórica, as atividades desempenhadas no estágio escolar no Ensino Fundamental II, no Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva, nesta referida cidade, realizado no período de 04 de abril a

28 de maio de 2009 com uma turma de 35 alunos do 5º ano/turma B. Assim, mediante esta instrumentalização e apoiados nos estudos teóricos realizados, na disciplina Práticas Pedagógicas no Ensino Fundamental, foi realizado este estágio, cujo documento, apresenta os relatos das atividades semanais de docência

RELATO E ANÁLISES DAS ATIVIDADES SEMANAIS DE DOCÊNCIA 1/5 Atividades realizadas na semana, nos períodos de 24/04/2009 a 30/04/2009. As atividades realizadas durante esses períodos na disciplina de Língua Portuguesa, referente ao conteúdo planejado. AULA 01: Leitura*: “No restaurante” (.); através de uma conversa informal, foi explorada uma leitura e posteriormente a interpretação do referido texto que consistiu em definir um ambiente de um restaurante. Logo após, foi pedido que os alunos fizessem leitura individual, depois formando grupos de leitura, com o objetivo de que eles encontrassem palavras desconhecidas, e com o auxilio de um dicionário, fizesse uma lista de sinônimos relacionados, respondendo a expressa escrita. AULA 02: Sinais de pontuação; o texto foi distribuído novamente a eles, e pedi que circulassem os sinais encontrados. Diante disso, perguntaram-lhes qual a importância dos sinais numa frase. AULA 03: Sinais de pontuação; revisão do assunto - foi entregue um novo texto em classe e foi requerido que os alunos fizessem a pontuação necessária, a avaliação foi constituída através de atividade em classe e extra-classe.

RELATO E ANÁLISES DAS ATIVIDADES SEMANAIS DE DOCÊNCIA 2/5 Atividades realizadas na semana, nos períodos de 04/05/2009 a 08/05/2009. As atividades realizadas durante esses períodos na disciplina de Língua Portuguesa, referente ao conteúdo planejado. AULA 01: Leitura e interpretação do texto* - “Sai do meu pé, chulé” (.): o texto foi distribuído entre os alunos, na ocasião, fizeram a leitura e interpretaram o texto ao seu modo particular, logo após responderam a um exercício com questionamento extraído do texto. AULA 02: Produção de texto; foi pedido que reconstruísse o enredo do texto, argumentar e refletir idéias do texto, nesta reprodução textual, após ao termino da produção, interpretaram cada parágrafo, fazendo uso de dicionário, para relacionar as palavras questionadas por seus respectivos sinônimos. AULA 03: Revisão da aula anterior; foi requisitado que os discentes reconstruíssem um texto e que relatasse sobre a experiência de apreender construir texto em sala de aula. A avaliação foi realizada com perguntas orais através de uma atividade para casa.

RELATO E ANÁLISES DAS ATIVIDADES SEMANAIS DE DOCÊNCIA 3/5 Atividades realizadas na semana, nos períodos de 11/05/2009 a 15/05/2009. As atividades realizadas durante esses períodos na disciplina de Língua Portuguesa, referente ao conteúdo planejado. AULA 01: Leitura do texto* - “Nós, os consumidores” (); foi apresentada aos alunos da classe uma proposta para debate através deste texto, que foi lançado em sala, no qual o professor requereu uma serie de exercícios, tais como: leitura do texto em voz alta; organizar debate sobre o assunto. Estas atividades foram executadas após o agrupamento dos alunos, onde leram, debateram o texto em grupo, criando assim uma síntese. Depois houve um debate em classe. AULA 02: Sílabas: realizou-se a introdução de classificação quanto aos números de silabas. Foi abordado que as mesmas podem ser divididas em: monossílabas, dissílabas, trissílabas e polissilábicas. A avaliação consistiu numa atividade em que os alunos dividiram palavras em silabas.

AULA 03: Ditado mudo de palavras; a aula foi executada através de um ditado, e teve suas respectivas correções na lousa.

RELATO E ANÁLISES DAS ATIVIDADES SEMANAIS DE DOCÊNCIA 4/5 Atividades realizadas na semana, nos períodos de 18/05/2009 a 22/05/2009. As atividades realizadas durante esses períodos na disciplina de Língua Portuguesa, referente ao conteúdo planejado. AULA 01: Leitura do texto* - “Menina em casa” (PEDRO BANDEIRA); a aula foi iniciada através da leitura silenciosa do poema, de forma que os mesmos percebessem e sentissem as emoções que a leitura expressa, ao retratar a história da chegada do irmão. Nesta aula, os alunos fizeram uma leitura por meio de um jogral de poemas. Em seguida foram escolhidas algumas estrofes, lidas por meninas e a outra parte por meninos. A avaliação consistiu numa entrevista com os discentes, para responderem questões relacionadas ao texto. AULA 02: Sinônimo das palavras; pediu-se que os alunos procurassem palavras no texto que não eram do seu vocabulário comum, e depois de encontradas, submeteu aos mesmos em busca dos seus sinônimos por meio de dicionário de palavras. Nesta aula abordou-se um assunto sobre ortografia

exercitando o uso de palavras que contém o ch e o x. Em seguida aplicou-se um exercício em classe sobre o assunto. AULA 03: Texto* “Era uma vez” - Carta branca (RENE MAGRITTI, 1965); esta aula requereu dos alunos a observação de uma paisagem com o tema “Era uma vez”, através da observação e do material que foi distribuída, eles produziram o texto de forma clara e objetiva.

RELATO E ANÁLISES DAS ATIVIDADES SEMANAIS DE DOCÊNCIA 5/5 Atividades realizadas na semana, nos períodos de 25/05/2009 a 28/05/2009. As atividades realizadas durante esses períodos na disciplina de Língua Portuguesa, referente ao conteúdo planejado. AULA 01: Texto* – “O mundo na TV” (); nesta aula, pediu-se aos discentes que lessem o texto, logo após, os mesmos comentaram sobre os programas de TV mais assistidos e debateram em classe. AULA 02: Substantivos; foi explanado que esta classe de palavras caracteriza um objeto ou um ser. Colocaram-se no quadro varias frases substantivadas, e também explicitou-se que outras classes de palavras podem ser contempladas como substantivos. .AULA 03: Revisão do assunto anterior; após revisar o uso de pronomes em frases escritos na lousa; houve a necessidade de lançar uma atividade referente ao assunto abordado.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Portanto, é evidente que o todo conteúdo programático (ver anotações abaixo) foi executado no estagio de docência, permitindo desta forma o cumprimento do estagio de forma atuante, onde resultou numa troca que enriqueceu muito os conhecimentos tanto da estagiaria, quanto dos alunos envolvidos. ANEXO PLANEJAMENTO 02 - Conteúdos (baseado no livro de ERNANI TERRA, PORTUGUÊS PARATODOS) • Leituras e interpretação; (“No restaurante” ;“Sai do meu pé, chulé”;

“Nós, os consumidores; “ “Era uma vez”);

Gramática (classe de palavras: substantivos, pronomes; ortografia: uso do “c ou ch”);

Conhecendo as palavras (vocabulário das palavras e uso de dicionário português Brasil);

Produção de textos; (texto “jornalístico - O mundo na “TV”; entrevista com os próprios alunos e produção de um poema referente ao texto”; “Menina em casa”);

• •

Ditado de palavras; (ditado mudo de palavras do cotidiano da escola) Sinais de pontuação (dois pontos, vírgula, ponto e vírgula, ponto de continuação, ponto final e travessão).

* Todos os textos foram retirados do livro adotado pelo professor titular da disciplina TERRA, Ernani & CAVALLETE, Floriana. Português Paratodos: 5ª. Série. São Paulo, Scipione, 2002

Relatório de avaliação do desempenho do estagiário: atividade de extensão.
“MINI-CURSO DE PROJETO DE EXTENSÃO - SINAIS DE PONTUAÇÃO: O USO CORRETO DA PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA” Universidade Luterana do Brasil - ULBRA Nome do (a) aluno (a): Gisleane Almeida Dias Instituição de Ensino/Local do Estágio: Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva – CEPFRS/ Instituição de Ensino Fundamental - Rua Alagoas, S/N, Centro Estado: Bahia Município: Campo Alegre de Lourdes

Série/ano: 5° turma B - faixa etária: 12-16 anos. A divulgação da atividade de extensão foi por meio de cartazes fixados no mural da própria escola, por tempo hábil, em conseqüência, todas as vagas oferecidas, foram preenchidas. Perante o mini-curso de projeto de extensão - sinais de pontuação: o uso correto da pontuação na língua portuguesa. O cumprimento do horário foi cumprido e estava de acordo com o horário de entrada e saída daquela escola, que teve um papel importante na colaboração daquele evento, possibilitando uma organização impecável, não havendo problemas de disponibilidade de qualquer material. A importância da temática foi muito bem trabalhada, de acordo com o conteúdo pertinente, não resta duvida, todos os parâmetros para o desenvolvimento do tema foram introduzidos de uma forma clara e objetiva, as metas foram conseguidas, e através da avaliação os participantes foram submetidos a um preenchimento de pontuação aonde não havia, bem como na confecção de textos descritivos, sendo todos aprovados. O conteúdo abordado foi elaborado principalmente para suprir as necessidades dos alunos daquela escola, voltado para conceituar cada sinal de pontuação e prosseguir com extração e inserção dos mesmos num texto. A metodologia desenvolvida foi por meio de motivação da leitura, interpretação textual e composição de um texto (poesia), trabalhando na mecânica de conceituação de cada sinal de pontuação e o seu uso no nas frases e em frases do cotidiano. Os participantes elogiaram por estarem apreendendo de maneira enérgica e motivaram-se ao máximo para não ficarem com dúvidas, pois quando existia, eu expressava de melhor modo possível, para que entendessem e ficasse claro o ponto em questão. Portanto, dominei as aulas e passava o conteúdo com muita segurança aos aprendizes, enfim, fui muito diligente ao organizar e executar esta atividade; tive muito que apreender e transmitir, bem como, a comunidade participante,

que agradeceu a oportunidade de aceitar este conteúdo da Língua Portuguesa.

AUTO-AVALIAÇÃO
Universidade Luterana do Brasil - ULBRA Nome do (a) aluno (a): Gisleane Almeida Dias Instituição de Ensino/Local do Estágio: Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva – CEPFRS/ Instituição de Ensino Fundamental - Rua Alagoas, S/N, Centro Estado: Bahia Município: Campo Alegre de Lourdes

Série/ano: 5° turma B - faixa etária: 12-16 anos. Segundo Alonso (apud Gil- Perez & Carvalho 1995), a auto-avaliação tem que transformar-se em um instrumento efetivo de aprendizagem, rompendo com sua habitual redução aquilo que permite uma medida mais fácil e rápida: a rememoração repetitiva dos “conhecimentos teóricos” e sua aplicação igualmente repetitiva a exercícios com lápis e papel. Este estágio, para mim, pode ser avaliado desde a realização das entrevistas; tratamento dos dados levantados como um aspecto importante para a obtenção de respostas para a questão proposta. Seguindo-se de um estágio de observação da escola e sala de aula, onde pude fazer retrato descritivo daquele colégio, fui capaz de capturar as riquezas daquele ambiente. Durante o estágio fui apta de demonstrar em muitas vezes uma abertura a critica, quando na realização do planejamento, bem como em todo decorrer desse período, sempre optando e indicando sugestões, mas construtivas de educação. Acredito que minha forma de relacionar com a direção, professores da minha escola e o titular da minha sala, foi ágil e hábil, sempre voltada inteiramente para a aprendizagem dos alunos, refletindo-me e preocupando-me com a constituição de valores de cada aluno, ajudando-o a se posicionar nas relações sociais dentro da escola e da comunidade como um todo.

Durante as aulas, sempre tinha o domínio sobre o conteúdo aplicado, de forma que transmiti com desenvolvimento e controle de qualidade, por ser muito previdente em obter um retorno respondido com aprendizagem. Durante este estágio, sempre tinha o interesse e preocupação de revisar o planejamento, bem como de levar para a sala todos os materiais ou ferramentas para estimulo de aprendizagem e apoio didático. Empenhei-me com muita disposição sobre a execução dos conteúdos e metodologia aplicada. Não havendo dessa forma economia de esforço para transmitir meus conhecimentos de uma forma mais abrangente e contagiante dentro da sala e de acordo com o que podia ser explorado através do roteiro do conteúdo ou atividades que fosse da aspiração do professor regente; esta disponibilidade ficou marcada também por meio de assiduidade e pontualidade, no que diz respeito à disposição de cumprir com o horário e calendário programado, ratificando desta forma a prova de minha determinação e maturidade para com as responsabilidades exigidas. Acredito que por meio da minha liderança conseguida através de respeito em classe, é possível avaliar que a concretização das atividades e o cumprimento dos objetivos de aprendizagem dos meus alunos podem ser explicados através de dois fatores: o primeiro inclui as dificuldades referentes à leitura e a prática de escrever, em segundo lugar responde que estas dificuldades foram combatidas através de execução de leitura e produção de vários textos, impetrando melhores expectativas entre os discentes, através da criatividade quando o conteúdo exposto em aula e o poder de comunicação que houve entre estagiário e classe resultando numa troca satisfatória. Por fim, apresento o meu relacionamento interpessoal, diante a integração no sistema escola e integração na sala de aula, posso afirmar que me sinto segura de declarar que sempre houve uma aproximação integradora, para tornar o convívio interessante, de forma facilitando que houvesse cooperação de troca entre de escola/professor/estagiária, assim processo

aprendizagem, enfim estarei em constante busca do conhecimento para melhor contribuir para uma sociedade mais justa e honesta.
CARVALHO, A. P. & GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. 2. ed.v.26.São Paulo: Cortez, 1995. 63 p.

Relatório de avaliação do desempenho do estagiário: atividade de extensão.
“MINI-CURSO DE PROJETO DE EXTENSÃO - SINAIS DE PONTUAÇÃO: O USO CORRETO DA PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA” Universidade Luterana do Brasil - ULBRA Nome do (a) aluno (a): Gisleane Almeida Dias Instituição de Ensino/Local do Estágio: Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva – CEPFRS/ Instituição de Ensino Fundamental - Rua Alagoas, S/N, Centro Estado: Bahia Município: Campo Alegre de Lourdes

Série/ano: 5° turma B - faixa etária: 12-16 anos. A divulgação da atividade de extensão foi por meio de cartazes fixados no mural da própria escola, por tempo hábil, em conseqüência, todas as vagas oferecidas, foram preenchidas. Perante o mini-curso de projeto de extensão - sinais de pontuação: o uso correto da pontuação na língua portuguesa. O cumprimento do horário foi cumprido e estava de acordo com o horário de entrada e saída daquela escola, que teve um papel importante na colaboração daquele evento, possibilitando uma organização impecável, não havendo problemas de disponibilidade de qualquer material. A importância da temática foi muito bem trabalhada, de acordo com o conteúdo pertinente, não resta duvida, todos os parâmetros para o desenvolvimento do tema foram introduzidos de uma forma clara e objetiva, as metas foram conseguidas, e através da avaliação os participantes foram submetidos a um preenchimento de pontuação aonde não havia, bem como na confecção de textos descritivos, sendo todos aprovados.

O conteúdo abordado foi elaborado principalmente para suprir as necessidades dos alunos daquela escola, voltado para conceituar cada sinal de pontuação e prosseguir com extração e inserção dos mesmos num texto. A metodologia desenvolvida foi por meio de motivação da leitura, interpretação textual e composição de um texto (poesia), trabalhando na mecânica de conceituação de cada sinal de pontuação e o seu uso no nas frases e em frases do cotidiano. Os participantes elogiaram por estarem apreendendo de maneira enérgica e motivaram-se ao máximo para não ficarem com dúvidas, pois quando existia, eu expressava de melhor modo possível, para que entendessem e ficasse claro o ponto em questão. Portanto, dominei as aulas e passava o conteúdo com muita segurança aos aprendizes, enfim, fui muito diligente ao organizar e executar esta atividade; tive muito que apreender e transmitir, bem como, a comunidade participante, que agradeceu a oportunidade de aceitar este conteúdo da Língua Portuguesa.

MINI-CURSO DE PROJETO DE EXTENSÃO

SINAIS DE PONTUAÇÃO
“O USO CORRETO DA PONTUAÇÃO NA
LÍNGUA PORTUGUESA”
Vagas limitadas – certificado de 08 h
Inscrições: de 25 a 28 de maio, na Secretária do Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva - Rua Alagoas, Centro, Campo Alegre de Lourdes - BA.
Informações: entrar em contato com a Professora Gisleane Almeida pelo cel. 74 9965 7744 ou gisleane.almeida@hotmail.com

PÚBLICO ALVO
 Alunos do ensino fundamental II;  Professores do ensino fundamental.

Local: sala 01, no Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva. Datas de realização: encontro presencial nos dias 01/06/2009 e 02/06/2009. Horário: 13h00min as 17h00min

MINI-CURSO DE PROJETO DE EXTENSÃO- Sinais de Pontuação: O USO CORRETO
DA PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA

1 - APRESENTAÇÃO
Sabe-se que durante muitos anos se ensinou pontuação através de regras gramaticais apenas, de forma descontextualizada, tornando o assunto desinteressante e prescritivo-normativo. Cabe ao professor oferecer aos alunos a possibilidade de observar o valor da pontuação dentro de enunciados lingüísticos, fazer comparações com outras formas de pontuar e avaliar os efeitos de significado que as diferentes maneiras podem conferir a estes mesmos enunciados. Para isso é preciso trabalhar com pequenos textos de diversos gêneros, fazer a observação de sua pontuação e a finalidade a que ela se destina ali (poemas, notícias, recados, cartas, textos de panfletos, anúncios, de publicidade etc.).

02 - OBJETIVO
Objetivo geral – proporcionar à comunidade sócio-educacional do colégio uma qualidade de conhecimentos em Língua Portuguesa; Transmitir o uso apropriado da pontuação do referido idioma brasileiro. Objetivos específicos – apresentar à comunidade sócio-educacional releituras e recapitulações sobre o tema de sinais de pontuação; Produção de frases em textos, com as seguintes características: • • • Assinalar a pausa e a inflexão de voz (a entonação) na leitura; Separar as palavras, expressões e orações que devem ser destacadas; Tornar claro o sentido da frase, afastando qualquer ambigüidade.

03 - JUSTIFICATIVA
Para José Saramago, O uso correto da pontuação é essencial para passar para o texto todas as idéias e emoções que seriam transmitidas na linguagem oral por meio da entonação. Um texto sem pontuação pode tornar-se ininteligível, e uma pontuação mal feita pode deturpar seu sentido. Neste mini-

curso você vai entender como e quando usar a vírgula, o ponto-e-vírgula, o ponto final, os dois pontos, os pontos de interrogação e exclamação, as reticências, os parênteses e colchetes, as aspas, o travessão, o asterisco e o sinal de parágrafo, de forma a dar mais vida e significado aos seus textos. Observando os alunos do Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva, percebi a dificuldade que eles possuem em relação ao uso correto da pontuação. Em virtude disso o Projeto Sinais de Pontuação: O USO CORRETO DA PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA será desenvolvido no próprio colégio, na cidade de Campo Alegre de Lourdes, Bahia. Destinado não somente aos alunos, mas também como alvo professores e funcionários que se interessar. Visando mais conhecimentos sobre a correta forma de escrever obedecendo a pontuação vigente. TAB.01 - PROGRAMA DO MINI-CURSO DE PROJETO DE EXTENSÃOSinais de Pontuação: O USO CORRETO DA PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA Data

0 1 d e j u n h o d e 2

Programa Professor Abertura do Prof. Gisleane mini- curso- O Almeida/aluna USO DOS do Curso de SINAIS: O Letras/ULBR USO CORRETO DA A
PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA

Conteúdo - Conceito de pontuação aberta e pontuação fechada; Conhecimento e utilização da pontuação segundo regras.

Horário

Duração

13h00min 120 15h00min min.

0 0 9

Intervalo
Sessão de leitura e interpretação de textopoesias Prof. Gisleane Almeida/aluna do Curso de Letras/ULBR A • • Reconhecimento da pontuação ou da falta de pontuação para se obter efeito estilístico; Reconhecimento e emprego das diferentes formas de pontuação em diálogos.

15h00min – 30 min. 15h30min

15h30min – 90 min. 17h00min

TAB. 02 - Cronograma do MINI-CURSO DE PROJETO DE EXTENSÃO- Sinais de
Pontuação: O USO CORRETO DA PONTUAÇÃO NA LÍNGUA PORTUGUESA

Data

0 2 d e j u n h o

Programa Aula de Língua Portuguesa – uso da pontuação em frases comuns

Professor Prof. Gisleane Almeida/aluna do Curso de Letras/ULBRA

• • • • • • • • •

Conteúdo A vírgula; Dois pontos; Ponto e vírgula; Travessão; Aspas; Ponto final; Reticências; Parêntese;. Colchete.

Horário

Duração

13h00min 120 min. 15h00min

d e 2 0 0 9

Intervalo
Teste de aptidão Prof. Gisleane Almeida/aluna do Curso de Letras/ULBRA • • Preenchimento de texto sem pontuação; Produção de um texto descritivo.

15h00min – 30 min. 15h30min 15h30min – 17h00min 90 min.

ESPECIFICAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
Palestrante - Professora Gisleane Almeida/aluna do Curso de Letras/ULBRA Apoio e colaboradores: direção, docência e funcionários do próprio colégio.

MATERIAL A SEREM UTILIZADOS DURANTE O MINICURSO
- Além, dos recursos rotineiros de sala de aula, utilizaremos:
• • • Textos escritos tendo como suporte; Poesias avulsas ou em antologias; Gramática da Língua Portuguesa.

4 - AVALIAÇÕES E ENTREGA DE CERTIFICADOS
- além de avaliações permanentes, os participantes têm que apresentar: • • 75% de freqüência; Participação nas aulas;

Teste de aptidão.

BIBLIOGRAFIA
BILAC, Olavo, In: Antologia dos Poetas Parnasianos, Manuel Bandeira, Rio de Janeiro, Edições de Ouro, 1968. p.195 ASSIS, Machado: Memórias Póstumas de Brás Cubas, São Paulo, Moderna, 1983. SARAMAGO, José: Todos os Nomes, São Paulo- Companhia das Letras 1997 BASTOS, Lúcia K. & Maria A. de Mattos: A Produção Escrita e a Gramática,São Paulo, Martins Fontes, 1990 MOURA & Faraco: Gramática- São Paulo-Ática, 1999 GERALDI, João Wanderley e Beatriz Citelli: Aprender e ensinar com textos de alunos, S. Paulo, Cortez, 1997 Colaboração: Equipe de funcionários e de docente do Colégio Estadual Professora Francisca Rodrigues da Silva.

CARGA HORÁRIA TOTAL

Discriminação da carga horária Visando a atender aos objetivos propostos, a atividade de extensão deve contemplar a seguinte carga horária.

Tab.03. Carga horária por atividade ATIVIDADES PLANEJAMENTO DESENVOLVIMENTO TOTAL CARGA HORÁRIA 08h/a 08h/a 16h/a

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->