P. 1
Curso de UML Aula 04

Curso de UML Aula 04

|Views: 1,243|Likes:
Published by Weliton Júnior

More info:

Published by: Weliton Júnior on Oct 06, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/08/2013

pdf

text

original

Exercício

 Considerando o processo de encerramento de conta abordado em exercício anterior, defina um Diagrama de Gráfico de Estados referente ao processo, enfocando os estados assumidos pelo objeto conta2.  Tome como base o diagrama de sequência que foi definido para o processo.

1

Exercício

2

Resolução do exercício

3

Estado de Ponto de Escolha  Representa um ponto na Transição de Estados de um objeto em que deve ser tomada uma decisão, a partir da qual um determinado Estado será ou não gerado

4

Exemplo

5

Exercício
 Para fixar o conceito sobre Diagrama de Atividade vamos definir um diagrama para a atividade Consulta Conta, definida no cenário do caso de uso de encerramento de conta, estudado no exercício anterior.

6

Resolução do exercício

7

Exercício
 Elabore um Diagrama de Atividades para representar o algoritmo de cálculo de fatorial.  Lei de formação: N! = N*(N-1)*(N-2)...*1

8

Resolução do exercício

9

Diagrama de Implantação

 Visão mais física da UML  Enfoca a questão da organização da estrutura física sobre a qual o software irá ser implantado e executado  Só é útil se o sistema for ser executado sobre múltiplas máquinas

10

Diagrama de Implantação

 Descreve o arranjo de componentes executáveis em nós de execução.
Permite avaliar conseqüências da distribuição e alocação de recursos.

 Nó
Recurso computacional (tempo de execução)
Computadores, memória, dispositivos periféricos.

11

Diagrama de Implantação

 Nível descritivo (geral)
Descreve os elementos contidos em cada nó. Especifica as dependências entre elementos (possivelmente em nós distintos). Padrão de comunicação entre nós.

12

Diagrama de Implantação

13

Diagrama de Implantação

14

Exercício
 Especifique um diagrama de implantação para o seguinte cenário.  Um sistema encontra-se estruturado da seguinte forma:
    Site de acesso via Internet Site de acesso via Intranet Webservice de validação de usuário Serviços

 A empresa conta com uma DMZ, servidores de aplicação, servidor de dados, servidores Web

15

UML 2.0

 Objetivos
Reestruturação Aplicação Implementação Adaptação Precisão Re-utilização

16

UML 2.0

 Problemática UML 1.5
Avanço da tecnologia Entraves de utilização Compatibilidade

 UML 2.0
Criação de Perfis Adaptação a uma plataforma ou domínio de aplicação específico

17

UML 2.0

 Abordadegem de Metamodelagem
Mais intuitiva Mais pragmática

 Técnicas de especificação formal
Modularidade Divisão por camadas (Layering) Particionamento Extensibilidade Reuso
18

UML 2.0 - Metamodelo
 Modularidade – aplicado a grupos de construções dentro de pacotes e organiza características em Meta-Classes  Divisão por camadas  Estrutura do pacote é dividida em camadas para separar as construções do núcleo da metalinguagem das de nível mais alto  Separação em 4 camadas; separar interesses em camadas de abstração  Particionamento – Organiza áreas conceituais dentro da mesma camada  Extensibilidade  Novo dialeto UML : utilização de perfis  Nova linguagem relacionada a UML

 Reuso – redefinição do metamodelo de UML, MOF e CWM
19

UML 2.0
 MOF – Meta-Object Facility
    Adotada pela OMG Define metadados para representação de objetos CORBA Auto-definição de sintaxe Sub-conjunto da sintaxe UML

 Pacotes
 EMOF – Essential MOF  CMOF – Complete MOF

20

UML 2.0

 Infraestrutura
Biblioteca de infraestrutura
Definir um núcleo de metalinguagem que possa ser reutilizado para definir uma variedade de metamodelos Alinhar o intercâmbio entre os modelos Permitir customização da UML através de perfis e a criação de novas linguagens baseadas no mesmo núcleo de metalinguagem que a UML

21

UML 2.0

22

UML 2.0

 Núcleo
Metamodelo completo MDA – Model Driven Architecture

23

UML 2.0
 Tipos primitivos – tipos predefinidos que são comumente usados durante a metamodelagem  Abstrações – metaclasses abstratas que podem ser especializadas ou reutilizadas em outros modelos  Construções – metaclasses concretas utilizadas para modelagem orientada a objetos  Básico – base para produzir XMI (Metadata interchange) para UML, MOF e outros metamodelos

24

UML 2.0

 Perfis
Adaptação de metamodelo existente Não é útil sozinho Criação de dialetos da UML Adaptação ao surgimento de novas tecnologias Não altera o núcleo da linguagem

25

UML 2.0

 Diagramas
Diagrama Diagrama Diagrama Diagrama Diagrama de de de de de Máquina de Estados Comunicação Estrutura Composta Interação Geral Tempo

26

Diagramas UML 2.0
 Estrutura Composta;  Descreve a estrutura interna de um classificador;  Também utilizado para descrever uma colaboração onde um conjunto de instâncias que cooperam entre si para realizar uma tarefa;  Interação Geral;  Variação do diagrama de atividades;  Fornece uma visão geral dentro de um sistema ou processo de negócio;  Tempo;  Descreve a mudança no estado ou condição de uma instância de uma classe ou seu papel durante um tempo;  Mudança de estados de um objeto no tempo em resposta a eventos externos;
27

Diagrama de Estrutura Composta
 Pode representas as partes internas de uma classe, bem como suas portas de comunicação e interfaces  Utilizados para modelar colaborações
    Visão de um conjunto de instâncias que cooperam entre si Realização de uma tarefa ou um conjunto de tarefas interligadas Um objeto poderá fazer parte de n colaborações Cada colaboração deverá representar somente os aspectos do objeto relevantes ao seu propósito

28

Diagrama de Estrutura Composta

29

Diagrama de Estrutura Composta

30

Diagrama de Interação Geral
    Variação do Diagrama de Atividades Fornece uma visão geral do controle de fluxos Utilização de quadros ao invés de Estados de Ação Dois tipos de quadros
 Quadros de Interação  Quadros de Ocorrência de Interação

 Normalmente pode se tornar muito grande e confuso

31

Diagrama de Tempo
    Semelhante ao Diagrama de Máquina de Estados Representa a mudança de estados de um objeto durante o tempo Pouca utilidade para aplicações comerciais Foco em aplicações de tempo real

32

Curso de UML

REVISÃO

33

Exercícios de Fixação
 Arnaldo deseja escrever uma aplicação de controle de tarefas para colocar em seu Palm. As especificações da aplicação são as seguintes:  O cadastro de cada tarefa contém o número da prioridade, representado por um valor real. Isso permite entrar com intervalos intermediários. Além da prioridade, o cadastro deve conter: o nome da tarefa, a data limite de execução (se houver), o percentual já concluído e o detalhamento da tarefa.  Para cada tarefa há uma lista de itens que descrevem sua execução. Para cada item de execução, cadastram-se: o percentual correspondente, a descrição da execução e a data da execução (qdo for concluída)  Quando uma tarefa receber 100% de execução, esta deverá ser movida automaticamente para a lista de tarefas concluídas, podendo ser apagada, se for o caso.

34

Exercícios de Fixação
TAREFA 1.1 – Aniversário do Zé Data Limite = 06/08/2005 Percentual já concluído = 65% Detalhamento = planejamento da festa de aniversário do Zé no dia 06 de agosto Lista de Itens para serem executados: [20%] Aluguel do salão e da animação – 01/03/2005 [20%] Encomenda do bolo e salgados – 15/07/2005 [05%] Compra de bebidas [25%] Compra dos itens de decoração – 01/07/2005 [30%] Arrumação do salão -

Desenhe o diagrama de casos de uso Desenhe o diagrama de classes com atributos e multiplicidades

35

Resolução do exercício

36

Resolução do exercício

37

Resolução – comentários
 A lista de itens de execução faz parte da tarefa que representa o todo. Desta forma, o relacionamento foi representado como uma agregação.  O atributo percentualConclusao não é um atributo que será cadastrado. Ele será calculado a partir do somatório dos percentuais dos itens concluídos. A regra de formação está na Nota.  O atributo status poderia ser um booleano, porém ficaria restrito a dois valores. Incluindo uma enumeração já prevemos uma evolução futura onde poderão ser incluídos mais status.  O caso de uso Verificar Conclusão da Tarefa tem por objetivo verificar se todos os itens associados a uma tarefa já foram concluídos, alterando automaticamente o status da tarefa para concluída.  No caso de uso Manter Itens da Tarefa, o ator cadastra, inicialmente somente o percentual da tarefa e sua descrição. Depois, retorna a essa tarefa para lanças a data de execução. O item de tarefa é considerado como concluído se tiver essa data cadastrada.
38

Exercício de Fixação
 A empresa Aprof oferece cursos diversos de aperfeiçoamento profissional. O dono da empresa precisa controlar, inicialmente: os cursos oferecidos, a data de início e término, o horário de início e término, o nome e o telefone celular do professor e o valor da sua hora/aula.  Para cada curso, deve-se controlar: a carga horária, o conteúdo programático e o valor do curso. Desenhe o diagrama de casos de uso Desenhe o diagrama de classes com atributos e multiplicidades.

39

Resolução do exercício

40

Resolução de exercício

41

Exercício de Fixação
 Considere o cenário anterior, da empresa de cursos. Numa segunda versão da aplicação, passa-se a ter o controle da matrícula e do cadastro de alunos. Para a matrícula cadastram-se: data da matrícula, valor pago, aluno e a turma.  O cadastro do aluno compreende: nome, número da carteira de identidade, CPF, data de nascimento, endereço completo e telefones de contato. Atualize o diagrama de casos de uso e o modelo de classes no que for necessário.

42

Resolução do exercício

43

Resolução de exercício

44

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->