Apostila nº 04

________________________________________________________ A Saudade da Fonte____ Na apostila anterior vimos como podem ser profundamente prejudiciais os rótulos preconceituais que a sociedade impõe às pessoas. O quanto eles dificultam ao indivíduo reintegrar-se com sua pr pria consci!ncia. "eu #u maior. Na apostila $% da s&rie A Criatura comentamos que a '(nada no descenso à mat&ria como que )dividiu-se* em duas+ resultando na individualidade e na personalidade. ,ndividualidade sendo o "#imperecível+ pree.istente e so/revivente ao corpo físico0 personalidade+ & o que se apresenta no est1gio fisiol gico 2umano. #stando a '(nada+ com seu raio de vida+ inteiramente mergul2ada nos mundos densos+ e tam/&m inteiramente dominada pelas ilusões destes+ aca/ou )esquecendo-se* do que fa3er para reintegrar-se à unidade. #sse o grande desafio por que passa toda a 2umanidade. 4oltar a integrar-se no TODO. 5amin2ou... camin2ou eras incont1veis+ e dei.ou-se perder nos la/irintos que as surpresas da vida l2e pregaram. )6istanciou-se* da Fonte. #+ quando j1 ia longe+ sentiu que o calor divino+ alimentador de sua vida+ 2avia ficado perdido em algum lugar do passado. As ilusões estavam se aca/ando. No instante dessa percep78o+ ainda no palco da vida física+ sua alma sentiu frio. O frio da solid8o. #m/ora cercado por tantos semel2antes+ interiormente sentiu-se s . Num va3io. 9ritou-l2e no peito a saudade. 6esesperadamente de/ateu-se sem rumo por in:meras reencarna7ões at& que+ num outro momento+ agora feli3+ desta :nica e mesma eternidade+ as trevas da saudade que a rodeavam+ l2e permitiram uma nesga de ;u3. #ssa ;u3 l2e trou.e a lem/ran7a vívida daquele calor a tanto despre3ado. 5ompreendeu o que consigo se passara. Animou-se+ e decidiu por empreender a viagem de volta. 4oltar à Fonte+ & o definitivo destino da 2umanidade+ e a causa78o do 6espertar da 5onsci!ncia+ mesmo que a grande maioria dos seres viventes na <erra n8o sai/a disso. #m/ora+ repetimos+ esse retorno seja imperceptível+ inconsciente à maioria dos 2a/itantes da <erra+ ele+ contudo+ & ininterrupto. #ssa movimenta78o tornou-se mais visível a partir dos novos padrões espiritualistas eclodidos na d&cada de =>?0. @oi quando tudo come7ou a se transformar+ aceleradamente+ nas sociedades 2umanas+ em termos de conceitos de cren7as e li/erdade religiosa. #sse movimento renovador oportunou ao indivíduo+ por si mesmo+ direcionar-se à Fonte de onde se origina sua saudade. Assim decidido se rende ao atrativo da vida mística. N8o que se torne um eremita+ um monge ou algo assemel2ado. N8o & necess1rio tanto. O )religare* à Fonte n8o e.ige que a pessoa se e.clua+ ou se e.ima+ de sua conviv!ncia social. #sse tratado & muito íntimo. 6ispensa at& cerimoniais. #le & feito entre o indivíduo consigo mesmo+ pois ele j1 & a pr pria centel2a divina. Aor procur1-la no e.terior de si foi que causou o distanciamento da Fonte. -econ2ecendo-se+ ent8o+ como centel2a divina+ voltam-l2e as for7as para iniciar a camin2ada de )volta*. Na <erra+ em sociedade+ continua suas atividades de sustento+ seu conviver familiar e seu entreter com amigos. ,nteriormente+ por&m+ seus ol2os da alma n8o se despegam mais do camin2o redesco/erto. ,sto tam/&m & ser místico. "tanislav 9rof e 52ristina 9rof+ autores do livro Emergência Espiritual+ do qual j1 e.traímos

)” CA1gina =D+ editado pela #ditora 5ultri. 6entro+ ainda+ de nossas pondera7ões+ recon2ecemos que para as situa7ões de desarranjo neuro-cere/ral e traumas psíquicos+ justificam-se a interven78o medicamentosa acima referida+ sempre+ entretanto+ so/ a ressalva de que a ado78o de tais provid!ncias seja feita ap s e. Nos casos mais destacados+ quando o indivíduo passa por mudan7a /rusca+ suas atitudes místicas s8o confundidas com neuroses e+ como tal+ tratadas.O Inevitável Despertar – Apostila 04 @ol2a .atamente em ra38o disso & que eclodiram os movimentos movidos por transforma7ões conceituais da viv!ncia espiritual+ pois o indivíduo cansou de ser mero espectador+ seguindo repetitivas regras cerimoniais que n8o o satisfa3iam.peri!ncias espirituais decorrentes do despertamento consciencial+ /em como a conseqGente adapta78o aos naturais #stados Alterados de 5onsci!ncia+ C#A5E+ que agora l2e s8o comuns+ ficam prejudicadas. #F e. O/viamente catastr ficos para seu nível de resist!ncia psíquica. 6esco/riu que eram meros rótulos sociais e religiosos.ados numa cataloga78o generali3ada..austivos e. . 6evido aos efeitos medicamentosos suas e. . H1+ tam/&m+ a considerar que dentro dessa gama de varia7ões impeditiva de se formar uma cataloga78o generali3ada+ est8o os casos de dist:r/ios emocionais provenientes de traumas psicol gicos em virtude de acontecimentos inesperados e dram1ticos na vida do indivíduo.peri!ncia tem nos mostrado+ /em como os relatos de eminentes pesquisadores o atestam+ que o surgimento dessas manifesta7ões vai desde o aut!ntico e ineg1vel despertamento consciencial+ isto &+ a integra78o total do "er consigo mesmo+ que sendo assim a pessoa n8o apresenta qualquer vestígio de dist:r/io fisiol gico na 1rea neurocere/ral+ estendendo-se at& aos casos em que o comportamento diferente & mesmo proveniente de desarranjo na organi3a78o nervosa ou psíquica. O que viria a ser uma transforma78o natural+ por for7a da conceitua78o social tomou a característica de aliena78o mental. C'ais à frente analisaremos detal2adamente esse t picoE.peri!ncia particulari3ada que cada pessoa possa vivenciar nesse reencontro com seu #u.. <odavia+ sejamos ponderados. #. Os casos de #stados Alterados de 5onsci!ncia+ pela enorme varia78o com que se manifestam+ de pessoa a pessoa+ tornam-se impossíveis de serem enfei.ncontido+ assumiu o papel de protagonista da pr pria vida. A e.ames clínicos que constatem a anomalia dos tecidos neuro-cere/rais ou o traumatismo emocional. Iuando+ por&m+ na fisiologia do paciente n8o se detectar nen2um comprometimento+ ou na vida do mesmo n8o ocorreu nen2um acontecimento dram1tico+ ent8o+ & dever dos respons1veis por aquela pessoa de+ pelo menos+ desconfiarem que o comportamento dela+ diferenciado do que normalmente se apresentava+ pode ser o indício de que ela est1 penetrando num campo onde a a78o da consci!ncia so/re seus veículos+ seus corpos+ & mais intensa+ provocando+ em conseqG!ncia+ a modalidade )diferente* de ver e viver a vida. -efor7ando nossas pondera7ões queremos di3er que apesar da opini8o emitida acima cumpre fa3er um esclarecimento.E -ealmente+ uma indiscutível verdade.$ alguns trec2os+ o/servando esse transladar+ assim o descrevem na citada o/raB “Um número crescente de pessoas parece estar percebendo que a verdadeira espiritualidade se baseia na experiência pessoal (. Aor mais que se tome con2ecimento a respeito desses acontecimentos transcorridos com amigos ou parentes+ por mais que se leia so/re o assunto+ por mais que se discuta o tema em grupos ou semin1rios+ nada se igualar1 à viv!ncia pr pria. A /ateria de rem&dios a que se v! su/metido neutrali3a parte da integridade psíquica. A realidade nos mostra que essa transforma78o ainda n8o compreendida e nem /em aceita pela sociedade+ tra3 dissa/ores aos que a ela se arrojam+ ou s8o arrojados.tremamente significativa a e.

4ive reprimida por rótulos rece/idos durante mil!nios de condicionamentos sociais+ um dia+ por&m+ c2ega sua primavera e.N u m d ia q u a lq u e r . <udo permanece como de costume. o 6 if e r e n c ia d o I u a n d o o # u .D # s t1 n a 2 o ra e m q u e a s s u m ir e i o c o n tr o le @ ig -0 4 A N 8 o e s to u m e re c o n 2 e c e n d o A D .plode-l2e na ca/e7a+ no seu psiquismo+ uma tens8o nunca dantes vivenciada.i/ida na a/ertura desta s&rie+ ilustra a tal tend!ncia de um comportamento diferenciado daquilo que se cataloga de normal. -esiste o mais que pode contra essa impuls8o K & o que vemos na ilustra78o da figura entretanto+ qual a planta que se auto-impede de florescer quando a primavera c2ega L Nen2uma M O mesmo acontece com o "er inteligente da <erra. O "er 2umano.tremidade do caule.N o A s tra l n a s 2 o ra s d e s o n o $ O . -efletida no espel2o est1 uma imagem diferenciada da pessoa. # durante o transcurso inicial do processo+ & quase isso o efeito do fen(meno do 6espertamento 5onsciencial.. @ ig . Aarece que um novo personagem entrou em cena no palco de si mesmo.0 4 N #sta figura acima+ e.O Inevitável Despertar – Apostila 04 @ol2a . @ ig . Assim tam/&m & com a consci!ncia das pessoas.0 4 5 P g u a s A g ita d a s <udo se agita+ e o nadar da vida que at& ali tin2a sido o 2a/itual+ agora se mostra irrequieto+ como se ondas violentas sacudissem seu "er. . Nen2uma altera78o ocorreu em sua vida+ em seu comportamento.. #ssa re/eldia n8o & proposital em nen2uma pessoa. 'ais tarde+ às ve3es s muito mais tarde+ & que as ondas levantadas pelos ventos ruidosos do . Algo imponder1vel a empurra para um tipo de comportamento que n8o l2e & 2a/itual. Ningu&m est1 ali espremendo o caule de uma planta para fa3er surgir a flor.. N = O . P g u a s c a lm a s Aor enquanto+ a pessoa ainda se sente como nadando em 1guas calmas.e fle . A pessoa mesma n8o se recon2ece. espontJnea e inesperadamente e.' a io r s in a li3 a s e u c o m a n d o s o / r e a p e r s o n a lid a d e Nesta figura 04A+ em dois quadros+ vemosB ! "uadro .C .. #mo7ões e sensa7ões diferenciadas eclodem inesperadamente em seu viver físico. $! "uadro K c2egou o momento do despertamento. Aparentemente+ um novo personagem assumindo o controle do viver daquele corpo. A impuls8o vai crescendo+ crescendo at& se tornar irresistível+ e o #u passa a comandar a personalidade. No entanto+ no tempo apra3ado pela nature3a+ eis que a flor surge /ela e faceira na e. A imagem refletida representa a consci!ncia re/elada+ por isso & diferente do "er original que se posta à frente do espel2o.o ente )A* K a consci!ncia cumprimentando+ avisa ao ente )#*+ sua contraparte astral+ que est1 na 2ora dela assumir o total controle da viv!ncia. #F como o desa/roc2ar das flores na primavera. #la acontece espontaneamente.

6esse momento em diante a pessoa desco/rir1 que n8o & um novo personagem em cena no palco de sua vida+ como temera+ mas que & ela mesma consciencialmente ampliada+ recon2ecendo-se como ente @ísico integrado às demais dimensões de seu "er. 5omigo+ por e.ercícios ou esfor7os físicos.” 4ejam que a descri78o feita por . #ntretanto+ nos epis dios que vivenciei n8o 2avia e. 'as continuemos com . 'uitos anos mais tarde+ quando comecei a estudar temas metafísicos foi que compreendi o que comigo se passara.aust8o muscular+ seja por e. ---o0o--4imos na apostila 0=+ /em ao início+ que essa a78o incisiva da consci!ncia so/re o funcionamento do corpo físico+ e o vivenciar da personalidade+ pode se apresentar na forma de enorme carga emocional+ acompan2ada de desarranjos no organismo. . 6e/ati-me so3in2o+ suportando a enorme dor que+ depois de muitos minutos foi cedendo.) * seguir! sentiu uma terr+vel pressão na cabeça e uma lu' bril)ante! seguida por um sentimento de beatitude e risos. Na realidade toda essa ocorr!ncia anuncia que & e.O Inevitável Despertar – Apostila 04 @ol2a ...4 despertamento se acalmar8o.) a maior parte dessa atividade durou v.desentendimento L K e a n8o presen7a da consci!ncia no corpo físico enfraqueceu a resist!ncia deste.t32aQ & /em detal2ada e oportuna para nossa informa78o+ pois s8o sensa7ões tais que+ de fato+ acontecem.” CNa s&rie 'ediunidade+ apostilas 04 e 0S+ comentamos so/re essas sensa7õesE “ assou dias sem dormir! (.RAensamento. # as cJim/ras desapareciam por longos períodos+ mesmo n8o tendo feito ingest8o dos minerais citados. #m/ora essa diferencia78o de efeitos possa dar a impress8o de que uma desorgani3a78o psíquica ou orgJnica se apoderou do indivíduo+ isso+ na verdade+ n8o est1 acontecendo. . N8o dei.aust8o muscular devido o e. (..rios meses.emplo+ lem/ro-me que+ antes de meu declarado despertar+ numa viagem+ 2ospedado num 2otel na cidade de 'iracema+ estado do -io de Taneiro+ l1 pelos idos de =>S%+ acordei na madruga com as pernas inteiramente travadas por forte cJim/ra.. Ocorreram outras repeti7ões+ em outras ocasiões+ por&m+ em escala menor de dura78o. Naquele momento eu vivenciava+ e. 4ejamos o acontecimento na continua78o da narrativa de NentovB “*o longo de toda a experiência ela compreendeu que estava passando pela ascensão da -undalini! porque lera antes sobre o assunto.. 6esta feita o trec2o a ser apresentado consta da p1gina $4= do livro % Espreita do &êndulo Cósmico+ de autoria de .. 5onsciencialmente+ durante o sono+ distanciei-me muito de meu corpo físico e+ no evidenciar de que eu passaria por processo de despertamento+ iniciou-se um conflito+ . Ao acordar e sentir as lancinantes dores da cJim/ra+ o corpo Astral foi voltando e se acoplando ao corpo @ísico+ fa3endo+ com isso+ a dor ir arrefecendo.) "ogo ocorreram c#imbras nos dedos grandes dos p$s! seguido de sensaç%es de vibração nas pernas.) sentir ocasionais formigamentos nos braços e calor nas mãos.cessivo consumo de pot1ssio e s dio+ minerais essenciais ao funcionamento do corpo. Aara que essa circunstJncia fique /em esclarecida+ transcreveremos a/ai.istem as cJim/ras causadas por e.o de recon2ecer que tam/&m e. # tanto isso & verdade que+ ap s a cessa78o das atividades transformativas+ como narrei so/re meu caso pessoal+ ressurge dali uma nova vis8o de criatura. Narrando o epis dio do despertar espiritual de uma pessoa+ que o autor n8o cita o nome+ conta que tudo come7ou por “(.” A descri78o acima mostra que uma variedade de sintomas pode se manifestar durante um mesmo processo de despertamento.t32aQB “&s ve'es parecia(l)e que os ol)os se movimentavam separadamente! (. Apavorei-me+ pensando que n8o mais reco/raria o momento de andar.sso fe' que se sentisse relaxada! e ela simplesmente deixou que as coisas acontecessem.o outra narrativa pertinente ao processo que aqui se comenta.sto &+ o psiquismo est1 passando por uma reordena78o+ um ajuste.atamente+ o que se ilustra na figura 04A desta apostila.atamente o contr1rio..t32aQ Nentov e pu/licado no Nrasil pela #ditora 5ultri.” C9rifo nossoE ..

S @ ig .#volu78o em 6ois 'undos K p1gina D> .iste.O Inevitável Despertar – Apostila 04 @ol2a .)” CNovo <estamento Ní/lico K Atos dos ap stolos >B=VE I u a rd ro = I u a d ro $ A s c e n s 8 o d a U u n d a lin i 6aquele momento em diante+ Aaulo+ o 3eloso e preconceituoso guardi8o das leis judaicas+ de que era servidor+ rende-se ao transformismo consciencial.peri!ncias perceptivas dos diferentes níveis conscienciais0 . 5om esta figura 046 ilustramos a fase final do que ocorre quando da ascens8o da Uundalini.peri!ncias+ aprender a distinguir quando sua consci!ncia est1 ativa s a nível físico+ e quando+ simultaneamente+ tem percep7ões físicas e e. # tem que ser assim+ do contr1rio n8o se conseguiria arrancar do Jmago da alma os rótulos que tanto o/struem a ascens8o espiritual. #m resumo+ tudo camin2ando para a mais perfeita 2armonia de compreens8o e atitudes. No "uadro + a energia+ su/indo pela coluna espin2al+ atinge o interior da ca/e7a+ provocando press8o e conseqGente forte dor de ca/e7a.No 'undo 'aior .@edera78o #spírita Nrasileira .0 4 6 perdido a vis8o. Numa viagem de Terusal&m a 6amasco+ com a miss8o de+ nesta :ltima+ aprisionar adeptos de Tesus+ num dado momento+ premido por uma for7a inenarr1vel+ & arrancado do cavalo e arremessado ao c28o. Ananias+ que se dirigindo a Aaulo disseB “.p1ginas 4S+ S4 e S% .emplo+ o caso de Aaulo+ o ap stolo. # est1+ de fato. 5onforme as anota7ões acima+ podemos c2amar a aten78o para a quest8o de que a 2ist ria da 2umanidade testemun2a que todo despertar consciencial+ isto &+ quando o indivíduo acorda para a realidade da dimens8o do #spírito+ a 2ist ria testemun2a que todo despertar consciencial & precedido de forte impacto que podemos c2amar de físio-emotivo. Nasta-nos+ por&m+ somente este+ para di3ermos que todas as criaturas na <erra+ um dia+ encontrar8o o )seu camin2o para 6amasco*. O auda3 e prepotente 'aulo K pois era esse seu nome K transmuta-se no místico &aulo+ tornando-se o maior divulgador dos ensinamentos do 'estre que antes perseguira. #stava cego M # assim permaneceu at& que ao terceiro dia veio em seu socorro aquele mesmo que ele se destinara a aprisionar. ---o0o--6o e.6as e..trafísicas. -efeito do susto perce/eu que 2avia Ni/liografiaB Andr& . C-ever apostila 0D desta s&rieE.. "e forem conformados com a decorr!ncia dos fatos+ vir8o at& elas os )Ananias* que l2es restaurar8o a vis8o de mundo e de vida+ todavia+ so/ a nova forma de compreender por "uê a criatura e. #F o "er+ conscientemente+ voltando à Fonte. 4ejam+ por e.ui3R@rancisco 5Jndido Wavier . .6ar resist!ncia à pessoa que esteja passando pelo processo de despertamento da consci!ncia0 .5ontrole emocional+ apesar das crises0 .@edera78o #spírita Nrasileira . @isicamente n8o ficou s no tom/o.5onfian7a para as e.rmão /aulo! o /en)or 0esus! que te apareceu no camin)o por onde vin)as! me enviou! para que tornes a ver (. No "uadro $+ projetando-se pelo c2acra 5oron1rio a energia lan7a-se ao espa7o aliviando a press8o que e. A pessoa sente como estando envolta por poderoso 2alo de lu3. #nfim+ a sensa78o de /eatífica su/miss8o aos grandes desígnios do 5riador.posto acima se constata que a vit ria & a do "a/er+ e os frutos por ele produ3ido s8oB . Ali mesmo+ estatelado so/re a areia+ ouve estran2a vo3 que l2e ordena n8o mais perseguir os amigos do mestre na3areno.n:meros outros relatos que a 2ist ria tem por acervo poderiam ser citados.ercia no interior da ca/e7a.ui3R@rancisco 5Jndido Wavier Andr& .

.A8o Nosso K capítulo === . ..#ditora 5ultri.O N-A".? #dit2 @iore #lie3er 5.com.Z AN<ON.Y./r 2ttpBRR/r. . 'endes #mmanuelR@rancisco 5Jndido Wavier .Asicossíntese .#ditora Aensamento . 'irandaR6ivaldo A @ranco -o/erto Assagioli "tanislav 9rof e 52ristina 9rof 4iv!ncias .@edera78o #spírita Nrasileira ..#ditora Aensamento .Asicotranse .Aossess8o #spiritual . Tul2o de =>>V -evis8o em Novem/ro de $00S lui3an/rasil[\a2oo.X #spreita do A!ndulo 5 smico .O Inevitável Despertar – Apostila 04 @ol2a .#ditora 5ultri.t32aQ Nentov 'anoel A2.Apostila =D da s&rie -econstru78o e DV e S$ da s&rie 'ediunidade Apostila escrita por .ivraria #spírita Alvorada #ditora .#merg!ncia #spiritual .comRvivencias]estudos 6istri/ui78o gratuita citando a fonte .geocities.Aain&is da O/sess8o K Aref1cio .#ditora 5ultri.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful