You are on page 1of 26

ARTE BIZANTINA

Raízes – Arte Cristã Primitiva


ARTE
PALEOCRISTÃ

• Feita por cristãos perseguidos pelo


Império Romano.

• CATACUMBAS
TEMAS

• Temas: religiosos.
• Pintura:
- Aspecto sombrio.
- Representações cristãs e Jesus
Cristo.
- Configuração rústica e simples.
-, sem técnica de desenho (simples e
pobres).
• Pouca variação cromática – preto,
vermelho, roxo e marrom; raramente o
azul.
• Composições planas e lineares sem
qualquer noção de perspectiva.

"Maria amamentando o Menino Jesus", pintura do séc. II,


Catacumba de Priscila, Roma
SÍMBOLOS CRISTÃOS UTILIZADOS
• CRUZ: símbolo do sacrifício de Jesus.
• PALMA: símbolo do martírio.
• ÂNCORA: símbolo da salvação.
• PEIXE: em grego, ICHTYS, uma sigla que significa:
- I – Iesous (Jesus)
- CH – Crhistos
- T – Theos (Deus)
- Y – Yios (Filho)
- S – Soter (Salvador)

”Jesus Cristo, filho de Deus, Salvador”

• Posteriormente pintaram cenas do antigo e novo testamento.


Nasce a ARTE BIZANTINA (330 d.C.)

• Constantino se converte ao Cristianismo.


• Oficialização do cristianismo – a arte deixa de
ser simples e passa a ter um caráter majestoso.
Com que objetivo a arte bizantina, assim
como a egípcia seguia determinadas
convenções?

• Egito – frontalidade / relação arte e religião.

• Expressar a autoridade absoluta do Imperador como representante de


Deus e dotado de poderes espirituais.

• E quais foram as linguagens e convenções?


– pintura, escultura e mosaicos.
Pintura de Ícones
(Imagens e esculturas de santos)
• Pintados sobre pequenos paineis de
madeira.

• Os seres humanos eram representados de


maneira própria, de acordo com os valores da
época.
- FRONTALISMO / POSIÇÃO ¾ .
(leva o observador a uma atitude de respeito e veneração).

- HIERATISMO e a TÉCNICA DA PERSPECTIVA


INVERTIDA (critérios associados à importância
religiosa).

- ISOCEFALIA.

- ISODACTILIA / mãos expressam sofrimento e perdão.

• PERSPECTIVA INVERTIDA / Desproporção entre as


figuras– HIERATISMO.

Cenni di Pepo(1240 – 1302)


A Virgem e o Menino em majestade rodeados de seis anjos), 1270
(?), Louvre
AS IMAGENS

• Pescoços longos e finos.


• Figuras sagradas, como
Jesus Cristo, a Virgem,
apóstolos, santos e mártires.
• Técnicas: Têmpera
(brilhante) ou encáustica
(semifosca).
• Suporte - madeira ou placa
de metal coberta com uma
camada de dourado.
Outras características

• Peles descoloridas e
expressões estilizadas
representando
fragilidade do ser
humano perante Deus.

• Cores utilizadas:
OURO e OCRE (poder
material)
AZUL (poder
espiritual)
VERMELHO (martírio
de Deus).
• Utilização de pedras
preciosas e joias
verdadeiras para
ornamentar as pinturas,
esculturas e mosaicos.
A Coroação da Virgem (1435), Guido di Pietro, “Fra Angelico”
(1400-1455) - Louvre
Ícones da Catedral Metropolitana Ortodoxa,
no bairro do Paraíso, em São Paulo.
São Karalambos

Santa Irene
Santíssima Trindade
Stefano di
Giovanni,
Sassetta
1392-1450
Virgem e
menino
rodeados de
seis anjos, S.
Antônio de
Pádua; S. J.
Evangelista
1437-1444

Louvre
MOSAICOS ou arte musiva.
Uma das maiores formas de arte (séculos V e VI).

• Como que as personagens expressam a


relação da ARTE com a RELIGIÃO?
Arte e religião
• Personagens do império e personagens sagrados eram representados com as
mesmas características, quase indistintas entre si.
• Sugestão de poder sagrado, confundindo espírito e matéria - Santos e Reis –
representados ao mesmo tempo com coroa e auréola.
Características, técnicas e materiais empregados

• Frontalidade.
• Rígida determinação de tudo o que
seria representado.
• Personagens com auréolas/coroa.
• Figuras chapadas, rígidas e
simetricamente colocadas.
• Sem intenção de demonstrar
perspectiva e volume.
• Figuras humanas altas, esguias, faces
amendoadas, olhos enormes e
expressão solene, olhando para frente
e sem o menor esboço de movimento.
• Técnica e materiais – peças coloridas,
argamassa ou gesso.
As principais diferenças

MOSAICO ROMANO MOSAICO BIZANTINO


Cubos de mármore opaco Cubos de vidro brilhante

Peças com acabamento liso, uniforme Superfícies irregulares aumentam o brilho do


mosaico

Cores limitadas às tonalidades naturais das Vidros coloridos em variada escala de cores
pedras

Usado no chão de residências Usado em paredes e tetos – mormente em


domos e absides de igrejas

Temas seculares, batalhas, jogos Temas religiosos, Cristo como pastor

Peças minúsculas para acentuar detalhes Cubos grandes em desenhos estilizados


realistas

Paisagem de fundo Fundo abstrato: ouro sobre azul


Os mosaicos bizantinos justinianos mais
significativos são os das igrejas de Ravena.
Na igreja São Vital estão representados o
imperador Justiniano e Teodora.

BIZANTINO ROMANO
Mosaicos estilo romano em calçadas
O mosaico através dos séculos
SÉCULO XIV AO SÉCULO XIX
• A partir do séc XIV,o mosaico fica subordinado à pintura, perdendo sua autonomia
artística. Alguns pintores importantes preparam cartões para mosaicos, na Basílica
de São Pedro, Giotto assina um dos mais célebres.
• No século XV, na Florença dos Médicis, o mosaico retoma força.
• Em Veneza forma-se uma nova escola de mosaico.
• No período seiscentista, Roma voltou a assumir a hegemonia enquanto centro
produtor de mosaico e na formação de especialistas. Este impulso deve-se em
grande parte à decoração com mosaico da Basílica de São Pedro.
• Em setecentos, os mosaicos começam a valorizar-se devido a sua durabilidade.
Observa-se uma predileção por mosaicos de grande formato, realizados com pasta
vítrea, os temas eram reproduções de obras pictóricas.
• No início do século XIX na França.em pleno Neoclassicismo, foi inaugurada uma
escola imperial de mosaicos, onde a atividade principal era a imitação e restauração
de obras antigas.
• Em 1900 surge Antoni Gaudí arquiteto magnifico que optou por revestir suas obras
com cerâmicas e azulejos quebrados,seu grande parceiro foi o arquiteto Josep Maria
Jujol, que é quem assina a maioria dos principais desenhos utilizados nos mosaicos.
ARQUITETURA

• Verticalidade.
• Planta octogonal ou em
forma de cruz.
• Exterior rústico e
interior rico.
• Inovação com a abóbada
esférica.
• Expressão arquitetônica:
Hagia Sophia, Istambul
– Turquia.
Arcos, cúpulas, abóbadas, mosaicos, colunas, afrescos nas paredes e tetos,
azulejos - alguns elementos decorativos do interior da igreja Santa Sofia.
Igreja de São Vital, em Ravena
PLANTA BASILICAL

Igreja de Santa Balbina

Aspecto da antiga Basílica de São Pedro do Vaticano, Roma, 324

• Cruz latina, com 3 ou


5 naves; teto com
armação de madeira.
PLANTA CENTRADA
• Formas circulares,
octogonais ou em cruz
grega. Ex: Mausoléus
PROJETO - MOSAICO
• Tamanho (sugestões)
• Tema: Religião
• Material: um suporte de madeira (similar),
retalhos de azulejos, rejunte para azulejo.
• Aula elaborada pelo Arte-educador Wagner Bôa Morte
E-mail: wagnerboamorte@yahoo.com.br

• Complemente seus estudos com a leitura do capítulo 6 do seu livro de Artes (p. 53).

• Fontes:Textos: Site da Secretaria de Cultura : na seção de divulgação institucional do Teatro


Nacional Cláudio Santoro.
• Colaboração especial: Altomagno (Prof. de História)

Imagens: Algumas pessoais e outras retiradas do site da Secretaria de Cultura.


Imagens utilizadas com propósitos unicamente educativos – Google
Imagens utilizadas com propósitos unicamente educativos – Google e Fundação Athos Bulcão.