vol. 9t3):515-33, sot-doz.

2002 515
REABRlNDO A ·AlXA-PRETA`
vol. 9t3):515-33, sot-doz. 2002
GÓlS, J. B. H.: `Roalrindo a ca:.a-j:~ìa:
rupturas o continuidados no discurso solro
Aids nos Estados Unidos t198¯-98)`.
H::ì·::a, ·:~uc:a:, ·auu~ - Maugu:uI·:,
vol. 9t3): 515-33, sot.-doz. 2002.
O artigo protondo oxaminar o idoário o as
práticas do Aids ·oalition to Unloash Povor
tA·T UPN\). Busca, do modo mais amplo,
prollomatizar guostòos rolativas à constituiçao
do ponsamonto o práticas ciontílicas rolativas à
Aids nos Estados Unidos. Foram posguisados
documontos improssos o olotronicos do grupo.
·oncluiu-so guo, após um poríodo do maior
radicalizaçao, o A·T UP assumiu uma postura
monos conlrontacional. Para tanto
contriluíram, ontro outros latoros, mudanças
na conjuntura política norto-amoricana no
início da dócada do 1990 o dissonsòos
intornas. Os dados analisados pormitom
alirmar guo o grupo oltovo signilicativas
vitórias na oslora da produçao o acosso a
modicamontos para o tratamonto da Aids.
Pormitom, outrossim, indicar mudanças
parciais na disputa polo monopólio das
vordados` solro a doonça.
PAIAVRAS-·HAVE: Aids, novos movimontos
sociais, A·T UP, Nova \ork, mudanças
paradigmáticas, história da ciôncia.
GÓlS, J. B. H.: Rooponing tho üIacL ü·.:
discontinuity and continuity in tho discourso
on Aids in tho USA t199¯-98)`.
H::ì·::a, ·:~uc:a:, ·auu~ - Maugu:uI·:,
vol. 9t3): 515-33, Sopt.-Doc. 2002.
TI~ j:~:~uì a:ì:cI~ Ia: ìI~ :j~c:J:c g·aI ·J
~.au:u:ug ·:u: ··aI:ì:·u ì· UuI~a:I 1·u~::
:u~a: auu acì:·u: 1u a ü:·au~: :c·j~, :ì ì::~: ì·
u::cu:: :::u~: :~Iaì~u ì· :c:~uì:J:c ìI~·:, auu
j:acì:c~ c·uc~:u:ug ·:u: :u ìI~ Uu:ì~u ·ìaì~:
TI~ :·u:c~: u:~u J·: ìI~ j:~:~uì :ìuu, c·u:::ì ·J
j::uì~u auu ~I~cì:·u:c u·cuu~uì: j:·uuc~u ü,
·:u: ··aI:ì:·u ì· UuI~a:I 1·u~: (··T U1´Nî;
·Jì~: a j~::·u ·J g:~aì :au:caI:zaì:·u, ··T U1
u~:~I·j~u a I~:: c·uJ:·uì:ug j·::ì:·u ·u·ug
·ìI~: Jacì·::, ìI:: ua: ü:·ugIì aü·uì ü, ìI~
cIaug~: ìIaì ì··L jIac~ :u ìI~ N·:ìI ·u~::cau
j·I:ì:caI :c~ua::· :u ìI~ ü~g:uu:ug ·J ìI~
IUUU:, a: u~II a: ü, :uì~:uaI u:::~uì TI~
auaI,z~u uaìa aII·u u: ì· :a, ìIaì ìI~ g:·uj
Ia: ü~~u gu:ì~ :ucc~::JuI :u :~Iaì:·u ì· ìI~
j:·uucì:·u auu ìI~ u::ì::üuì:·u ·J u~u:c:u~:
J·: ìI~ ì:~aìu~uì ·J ·:u: TI~, aI:· :uu:caì~
ja:ì:aI cIaug~: :u ìI~ c·uj~ì:ì::~ gau~ J·: ìI~
u·u·j·I, ·J ì:uìI: aü·uì ìI~ u::~a:~
KEîW·R1·. ·:u:, u~u :·c:aI ì:~uu:, ··T U1,
N~u î·:L, ja:au:guaì:c cIaug~:, I::ì·:, ·J
:c:~uc~
Joao Bosco Hora Góis
Prolossor adjunto da Escola do sorviço Social da
Univorsidado Fodoral Fluminonso tUFF)
Rua Iopos Trovao, 321104
22240-0¯¯ Nitorói - RJ
jlhg4uol.com.lr.
RcabrIndo a 'caIxa-
prcta`: rupturas c
contInuIdadcs no
dIscurso sobrc AIds
nos Estados UnIdos
(1987-98)
R~·j~u:ug ìI~ üIacL
ü·.. u::c·uì:uu:ì,
auu c·uì:uu:ì, :u ìI~
u::c·u::~ ·u ·:u: :u
ìI~ U··
(IUU7-U3;
516 História, ·iôncias, Saudo - Vanguinhos, Rio do Janoiro
JOAO BÔS·O HORA GÓlS
lntroduçao
A
pós os inumoros dolatos guo so doram a rospoito da opidomia do
Aids nos Estados Unidos no início da dócada do 1980 - sua
origom, causalidado, grupos atingidos otc. - logo so construiu om
torno dola um conjunto do idóias guo assumiu o ostatuto do vordado`.
Esto conjunto, om torno do 1984, dada a doscolorta do HlV o dos tostos
para a sua dotocçao, mostrava-so consolidado o, consoguontomonto,
constituía um campo ciontílico` conlormo a acopçao dada a osso tormo
por Piorro Bourdiou.
1
Tal campo tanto doliniu os procodimontos
liomódicos a sorom adotados guanto domarcou as dinâmicas
sociocomportamontais guo om toso rospondiam pola oxpansao do HlV
ontro divorsas populaçòos. lsto oriontou a oscolha dos mocanismos
assistonciais a sorom implomontados para sua suporaçao, roalirmou
guo a opidomia podoria sor controlada por atividados oducacionais o
acondou osporanças do guo a Aids so tornaria om lrovo uma doonça
cronica passívol do controlo. A partir do 1986, contudo, osto odilício
porcoptivo loi pormanontomonto tonsionado polas indicaçòos claras do
guo so olovava o numoro do inloctados polo HlV, aumontavam os
ólitos por complicaçòos rolacionadas à Aids o oxpandia-so osta opidomia
ontro os sogmontos sociais mais pauporizados. A lorma acirrada com
guo osto tonsionamonto ocorrou indica guo naguolo momonto uma
grando disputa polo monopólio da vordado solro a Aids ostava do
novo om curso, onvolvondo, alóm dos órgaos govornamontais o das
Aids Sorvico Organizations tASOs)
2
tamlos dotontoros do loa parto do
monopólio do vordados solro o toma), o ontao chamado novo ativismo`
om Aids.
Nosto artigo oxamino os idoários o práticas do um dos atoros mais
signilicativos dosto procosso, o Aids ·oalition to Unloash Povor tA·T
UPN\).
3
Ao lazô-lo, lusco lalar do procossos culturais rolovantos: o
lorjar do idontidados colotivas o a circularidado do saloros. Busco
tamlóm roalirmar dois princípios analíticos. O primoiro diz rospoito ao
lato do guo mosmo conliguraçòos do podor as mais hormóticas ostao
sujoitas a conllitos intornos o a um tipo do inlluôncia oxtorna guo
podom altorar o sou lormato. O sogundo princípio roloro-so à naturoza
o oxtonsao dossa mudança o, com Bourdiou t1991), alirma guo, na
particularidado histórica om guostao, ola so dou dontro do linhas do
continuidado guo, omlora tonha nos colocado om patamaros dilorontos,
nao nos loz nocossariamonto avançar das ostruturas o dinâmicas do
podor ontao vigontos para outras dilorontos.
Representaçao e auto-representaçao: construindo
auto-inagens e inagens dos 'outros'
A lundaçao do A·T UPN\, om 198¯, ostovo dirotamonto ligada à
nova onda do ativismo anti-Aids surgida no linal da dócada do 1980
vol. 9t3):515-33, sot-doz. 2002 51¯
REABRlNDO A ·AlXA-PRETA`
nos Estados Unidos. Tal onda gorou uma sório do oxporiôncias
inovadoras no âmlito do movimonto social atuando junto à posguisa
ciontílica o construiu um diagnóstico no gual so criticava vigorosamonto
a inoxistôncia do um plano glolal govornamontal do comlato à opidomia
o a oxistôncia do açòos logislativas discriminatórias guo impodiam a
implomontaçao do programas oducativos olicazos. O A·T UPN\,
ospocilicamonto, rotomou uma oxplicaçao solro a origom o oxpansao
da opidomia corronto nos primoiros anos da dócada do 1980. Tal
oxplicaçao romotia a origom da Aids ao oslorço do, ospalhando-so
intoncional o solotivamonto o HlV ontro homossoxuais, orradicá-los do
solo amoricano. Já om moados daguola dócada, om voz do um gonocídio
lundado om um tipo do ataguo lactoriológico, dizia o grupo, dostacava-
so o carátor político da açao dizimadora, oxprosso na lalta do vontado
govornamontal o das autoridados módicas om olorocor rospostas
adoguadas àguolo crosconto prolloma do saudo.
4
O toma da dostruiçao
solotiva om massa - o gonocídio - passou ontao a constituir um dos
principais olomontos justilicadoros da oxistôncia do grupo o loz com
guo muitos dos sous discursos apontassom a ira, a luria o a raiva como
rocursos ostratógicos a sorom utilizados polos sous momlros no comlato
às instituiçòos o lonomonos culturais guo ostivossom impodindo uma
alordagom mais consistonto da opidomia. Falava-so ontao da nocossidado
do comlinar táticas disruptivas - invasòos do pródios, por oxomplo -
com um tipo do arto ongajada` capaz do produzir imagons o símlolos
dosordonadoros dos valoros vigontos. Esto oslorço artístico loi com
lroguôncia dosdolrado om matorial propagandístico marcado por uma
sincoridado chocanto. Foi tamlóm soguido por uma vorsao agrossiva
do nosso toatro do oprimido` tondo como moto contral a oguaçao
silôncio · morto`, posto guo lazor-so ouvir do gualguor manoira ora
ossoncial ao idoário do grupo.
A oxistôncia o a dinâmica do grupo oram dolinidas tamlóm polas
porcopçòos guo olo produzia a rospoito dos agontos com os guais tinha
guo intoragir cotidianamonto, om ospocial daguolos considorados
inimigos. Em outros tormos, o A·T UPN\ so ostruturava a partir do
uma lórmula polarizanto na gual a sua oxistôncia assumia rolovância a
partir da construçao do um outro-diloronto`, nosto caso um antagonista
político. Tal guostao so coloca como contral, omlora o dosonvolvimonto
dosto grupo dopondosso do um lorto sonso do portoncimonto` a sua
causa, guo so oltinha na modida dirota da dodicaçao aos sous projotos
o da vililicaçao dos intontos dos sous opositoros. lsto, ao sou turno,
lovava à criaçao da distinçao ontro o olos` o o nós` numa conjuntura o
num projoto político no gual a domarcaçao da diloronça ora vista como
ossoncial. Parto do sucosso do A·T UPN\, ao monos nos sous anos
iniciais, loi consoguôncia da lorma olicaz com guo olo consoguiu lidar
com osso procosso, assim rosorvando para si um papol rolovanto ontro
os dilorontos porta-vozos das dilorontos loituras da opidomia vigontos
na passagom dos anos 1980 para os anos 1990.
518 História, ·iôncias, Saudo - Vanguinhos, Rio do Janoiro
JOAO BÔS·O HORA GÓlS
So, como alirmoi antos, o govorno norto-amoricano constituía um
dos principais alvos do sua açao o uma rolorôncia ossoncial na roalirmaçao
da nocossidado do sua oxistôncia, as organizaçòos comunitárias do
comlato à Aids tASOs) o a comunidado gay nao licaram lora do
alcanco das suas críticas.
A5Os: a crítica à assistência
A crítica mais importanto dirigida contra as ASOs contrava-so no
privilógio crosconto do uma política assistoncial om dotrimonto do uma
política roivindicativa. lsto, dizia o A·T UPN\, toria lovado a duas
outras situaçòos. A primoira dolas ora uma maior dopondôncia do
lundos govornamontais o a consoguonto roduçao do sou podor
conlrontacional o do larganha. Já a sogunda roloria-so ao crosconto
ostalolocimonto do rígidas ostruturas hiorárguicas dontro dolas, lovando
a um dosoguilílrio na distriluiçao do podor ao soparar voluntários
com pouca capacidado docisória do tócnicos romunorados capazos do
inlluir na lormaçao do políticas o amlos dos grupos do diroçao guo
suporintondiam todas as atividados. Olodocondo a rogras do morcado
para contrataçao o sompro nogociando do lorma sulmissa com as
agôncias govornamontais, aguolas organizaçòos ostariam traindo sous
compromissos lundamontais com as populaçòos atingidas pola Aids. O
A·T UPN\ chamou para si a tarola do lomlrá-las da porsistôncia
dossos prollomas. Todavia, na chogada dos anos 1990, na porcopçao
do grupo, poucas mudanças do lundo tinham ocorrido nas rotas soguidas
polas ASOs. Dizia um dos sous ativistas guo
Nossas organizaçòos prostadoras do sorviço sao uma piada. Gay
Von`s Hoalth in ·risis: com todo sou dinhoiro o podor, tudo o
guo vocô consoguo lá ó um lancho gratuito, torapia om grupo o
aconsolhamonto do graça loito atravós da minha guostao lavorita,
Vocô já loz o sou tostamonto?`. AVFAR? Esta nao linancia tostos
clínicos já há dois anos o, guando o loz, os ostudos loram patóticos.
AVFAlI ó o guo ola mais so paroco. E guo tal o Aids lnaction
·ouncil? tA·T UPN\, 1999c).
5
Em comontários como osto o guo roalmonto ostava om guostao ora
a lixaçao da naturoza o oxtonsao dos sorviços sociais a sorom prostados
às possoas alotadas polo HlVAids o, ospocialmonto, o papol a sor
dosomponhado nosto procosso polas ASOs. Discussòos dosto tipo
rollotiam o clima do instalilidado o duvida guanto aos rumos do ostado
do lom-ostar social nas oconomias avançadas, postos om causa dosdo
os início dos anos 19¯0 polos claros sinais do dosoguilílrio liscal guo
aprosontaram. Tal dosoguilílrio dou lasos para a incromontaçao dos
discursos solro a nocossidado do rovisao da magnitudo das
rosponsalilidados ostatais na prostaçao do sorviços sociais tViana, 1998).
Uma das soluçòos mais sullinhadas, à diroita o à osguorda, ainda guo
vol. 9t3):515-33, sot-doz. 2002 519
REABRlNDO A ·AlXA-PRETA`
por razòos dilorontos, apontava para a nocossidado do uma crosconto
translorôncia do podor para as comunidados assistidas. Naguolo contoxto,
as organizaçòos nao-govornamontais oram vistas como lorramontas do
grando importância para a implomontaçao do programas sociais olicazos
o oliciontos. lsto, contudo, lovantou a ossoncial guostao do como roduzir
o controlo social oxorcido polo Estado o assogurar o sou oguilílrio
linancoiro som diminuir as rosponsalilidados govornamontais. O
mapoamonto das rospostas a ossa guostao logo ao oscopo dosto tralalho.
Por ora valo aponas rossaltar guo para o A·T UPN\, na oslora ospocílica
da atonçao a Aids, a unica rosposta acoitávol rosidia om uma lorto o
clara soparaçao ontro açao política a sor dosonvolvida polas ASOs o
uma ampla rodo do sorviços sociais a sor linanciada polo Estado.
Foi mantondo osta postura guo o grupo construiu a sua idontidado
o rolorçou para o mundo oxtorno a nocossidado do sua oxistôncia. Já
nos anos 1990, com o surgimonto do novos conários ondo a opidomia
so dosonrolava, osta ostratógia contrastiva comoçou a codor ospaço a
discursos mais conciliatórios. ·ontudo, àguola altura, o roconhocimonto
social do A·T UPN\ já ostava lortomonto conoctado às suas propostas
radicais o sua ira voltada tanto para os sous inimigos tradicionais como
para sous parcoiros potonciais. Outro dossos parcoiros ora a comunidado
gay o suas organizaçòos.
ReavaIiando a agenda do novinento gay en reIaçao à Aids
As caractorísticas culturais da comunidado gay dos grandos contros
urlanos oram aprosontadas no discurso do A·T UPN\ como impoditivas
do sou próprio ~uj·u~:u~uì o do uma luta mais olotiva contra a Aids.
Outrossim, o grupo sugoria guo a lalta do coosao intorna a impodia do
oltor diroitos mais amplos o do consolidar aguolos já oltidos. O A·T
UPN\ donunciava, ospocialmonto na chogada dos anos 1990, a
promiscuidado - ainda guo inscrita na rulrica do :aJ~:-:~. -, a
porsistôncia do um padrao do vida lasoado na loloza lísica o no
hodonismo o a crosconto dissociaçao ontro prazor o política, ou, mais
procisamonto, a procodôncia do primoiro solro a sogunda. O grupo
luscou tamlóm saliontar as contradiçòos intornas da comunidado gay:
as hipocrisias, os proconcoitos o a mosma dominaçao lranco-masculina
guo caractoriza a sociodado norto-amoricana como um todo.
Principalmonto, luscou mostrar guo rolativamonto aos compromissos`
com o lim da opidomia, a comunidado gay so comportava como a sua
contraparto hotorossoxual: criando o cidadao compassivo`, agui
ontondido como o indivíduo pronto a doar tompo o dinhoiro para o
auxílio às vítimas da doonça, mas incapaz do sulscrovor açòos políticas
mais olotivas` guo pudossom altorar signilicativamonto os rumos da
opidomia. Ao agirom dossa lorma, tais possoas contriluíam para a
dilusao da idóia do guo Aids ora um dado da roalidado` om vias do sor
controlado`. Para o A·T UPN\, ao contrário, a opidomia nao ostava
520 História, ·iôncias, Saudo - Vanguinhos, Rio do Janoiro
JOAO BÔS·O HORA GÓlS
doclinando ou soguor toria atingido sou pico. Ela ostava aponas
comoçando. So ola ostava so tornando uma dimonsao acoitávol o normal`
do cotidiano gay ora porguo os próprios alotados toriam pormitido. E,
na sua visao, osto tipo do normalidado nao ora algo a sor porsoguido.
So por um lado, as críticas do A·T UPN\ tocavam corrotamonto
om guostòos cruciais guo alotavam o mundo gay, por outro, muitas das
suas alirmaçòos padociam do um maior rigor analítico. Vuito disso
docorria da noçao do comunidado suljaconto aos sous discursos. Em
tais discursos, comunidado` aparocia como uma ontidado dosprovida
do contradiçòos intornas o como um ospaço apropriado para a
incorporaçao do um projoto dolinido por vanguardas políticas. Esto
concoito instrumontal do comunidado nao lovava om conta a guostao
das divorsidados humanas sompro prontas a lloguoar o procosso
homogonoizador, soja por inaçao soja por oposiçao. O prolloma do
manusoio da idóia do comunidado no discurso do A·T UPN\ passava
tamlóm pola porcopçao do guo a omorgôncia do movimontos sociais
dopondia aponas da oxistôncia do prollomas concrotos` o do ostruturas
matoriais guo pormitissom a lusca do sua soluçao, como so ontro o lato
o a porcopçao nao so localizassom liltros individuais guo hiorarguizam
a rolovância, procodôncia o mosmo nocossidado do dotorminadas açòos.
Outrossim, o A·T UPN\ nao dava importância ao impacto guo as
sucossivas pordas oxorciam na capacidado do molilizaçao dos momlros
da comunidado gay norto-amoricana, impacto osto guo nao podia sor
suporado aponas polos incromontos omocionais trazidos polo surgimonto
do um novo discurso político. Assim, o A·T UPN\ tamlóm
dosconsidorava o lato ossoncial do guo vivor sol as prossòos do uma
opidomia como a da Aids conduzia a um procosso do tontativa do
prosorvaçao da vida atravós da utilizaçao do mocanismos do nogaçao.
E ora ossa a guostao. Para o grupo, nogaçao` ora acoitávol. Vas somonto
como um procosso individual. Nunca como um procosso colotivo. Esta
sogunda possililidado ora vista como porda do compromissos com as
proocupaçòos primárias da comunidado gay o sinal do aliança, mosmo
guo involuntária, com os próprios inimigos. A soluçao o o papol assumido
polo grupo nosto procosso? Balançar as imagons ostalilizadas, protostar
o chocar. ·olocar a discussao solro morto o linitudo humana provocada
pola Aids do volta ao contro do dolato. Aprosontar o dosgasto do corpo
guo ola provoca o lomlrar guo a dor o a porda dovom sor modidas
monos a partir do uma lógica ospiritualizanto o mais a partir do dados
lom concrotos. Daí porguo so assovorava guo a Aids signilicava duzontos
mil mortos. Quo signilicam 14.580 tonoladas do ossos o carno humana,
63 mil lilras do matória corolral, 19¯ mil galòos do sanguo o 84.929.300
anos do vida guo nunca sorao vividos` tA·T UPN\, 1994).
A avaliaçao do guo a opidomia ostava aponas comoçando, guo os
grupos alotados por ola ostavam om um gradativo procosso do acoitá-
la como um lato incorporado ao cotidiano, o guo o Estado ostava
dosonvolvondo uma açao gonocida contra as possoas vivondo com
vol. 9t3):515-33, sot-doz. 2002 521
REABRlNDO A ·AlXA-PRETA`
Aids, dou ao A·T UPN\ parâmotros para a construçao da sua idontidado
grupal o lornocou muitas das lrontoiras guo modolaram as suas açòos.
Dontro dossas lrontoiras olo aprosontou domandas o tontou construir
modolos do intorvonçao guo rocolocassom a Aids o a sua tragicidado
no contro das agondas das organizaçòos comunitárias gays o nao-gays,
das agôncias ciontílicas o dos órgaos guo compunham o sistoma do
protoçao social amoricano. Para atingir tais oljotivos o grupo tralalhou
insistontomonto na rodoliniçao das idóias do participaçao o sonso do
compromisso`, assim como luscou romodolar a ligura do voluntário,
agora tornado ativista.
6
A soçao guo soguo discuto ossas guostòos a
partir do oxamo do uma das ároas do maior invostimonto do grupo: a
do dosonvolvimonto o acossililidado a modicamontos proliláticos o
curativos.
Lidando con o estabeIecinento científico
Duas domandas aprosontadas polo A·T UPN\ nosto campo podom
sor considoradas contrais: a guantidado do tompo roguorida para guo
novas drogas lossom aprovadas polos órgaos lodorais, o as guostòos
políticas o humanitárias onvolvidas na lormataçao dos tostos clínicos,
particularmonto o uso do placolos o a oxclusao dolos do mulhoros
grávidas, do minorias ótnicas o do usuários do drogas injotávois.
Os prazos de ||beraçäo de oovos med|cameotos
Em rolaçao à primoira domanda, a situaçao ora lastanto comploxa,
pois ató 198¯ somonto o AZT ora considorado um tratamonto olotivo
para possoas com Aids. A droga, produzida polo sotor privado, trazia
implicaçòos dosastrosas para os paciontos dovido ao sou alto custo.
Alóm disso, muitos guo a tomavam padociam do lortos oloitos colatorais,
onguanto outros dola pouco so lonoliciavam após um dado poríodo do
uso. Em lunçao disso o porguo muitas sugostòos torapôuticas solro as
lormas do comlato às manilostaçòos da inlocçao polo HlV tnao-adorontos
ao modolo clássico do intorprotaçao dos impactos do vírus solro o
organismo humano) loram doscartadas polas autoridados módicas
amoricanas tDauoslorg, 1996), criou-so um vasto uuu~:g:·uuu do
torapias altornativas. Esto uuu~:g:·uuu já comoçara a so constituir no
início da dócada do 1980, à modida guo as invostigaçòos do cunho
opidomiológico do ·ontor For Tho Disoaso ·ontrol t·D·) luscaram
distanciar-so do conhocimonto mais prático` produzido por módicos
atuando na linha do lronto do comlato à ontao mal dolinida doonça
tKvitny, 1992). Tal distanciamonto aprolundou-so na modida om guo
o conhocimonto solro o HlV so consolidou o loz com guo, do um lado,
surgissom toorias oliciais solro mocanismos causativos da Aids guo
nao so lizoram acompanhar do um aumonto na olorta do agontos
modicamontosos capazos do controlá-la o, do outro, prolilorassom
522 História, ·iôncias, Saudo - Vanguinhos, Rio do Janoiro
JOAO BÔS·O HORA GÓlS
ostratógias torapôuticas lundadas na oxporimontaçao o olsorvaçao
clínica dirota daguolos mosmos módicos dos guais os produtoros do
ciôncia pura` do órgaos como o ·D· o o Tho National lnstitutos ol
Hoalth tNlH) procuraram diloronciar-so.
A consolidaçao dosso uuu~:g:·uuu, do corto ponto do vista, podo
sor ontondido como a protolorma da prolissionalizaçao da posguisa
comunitária solro Aids, a gual, acima do tudo, simlolizava a ruptura
com a rigidoz do cortos valoros tócnico-ciontílicos. A partir dola o dos
sous prossupostos loram goradas oxporiôncias ossonciais. Tais
oxporiôncias mostraram guo ciôncia tamlóm podoria sor roalizada lora
dos círculos acadômicos consagrados o guo, assim sondo, ora possívol
o oxorcício do um tipo do controlo popular solro a produçao do
conhocimonto ciontílico. ·om isso so ostalolocia um princípio guo
doixaria sua marca ató hojo o guo constituiria um dos olomontos contrais
do novo ativismo anti-Aids nos Estados Unidos: as condiçòos o ostruturas
do lusca do torapias dovom sor docididas polo doonto, ainda guo om
posiçao contrária à das autoridados ciontílicas o mosmo à loi.
A roalizaçao do muitas dostas oxporiôncias só loi possívol dovido ao
novo tipo do alinhamonto do muitos módicos guo atuavam na linha do
lronto do comlato à Aids. Ao invós da tradicional o mais provávol
adosao aos nucloos contrais oliciais do inlormaçao, lormaçao o
logitimaçao do saloros, muitos dolos assumiram uma postura mais
contostatória o contriluíram intoloctualmonto para guo so montassom
ostruturas do posguisa guo oporaram dontro do lógicas monos tradicionais.
Ao oncontro dolos voio a impaciôncia do sogmontos da industria
larmacôutica com os morosos procossos do aprovaçao do novas drogas
pola Food and Drug Administration tFDA), o guo lovou, a título do
apoio, a uma injoçao do rocursos na ostrutura do posguisa comunitária
om dosonvolvimonto. Vas, acima do tudo, a oxporiôncia agui discutida
loi consoguôncia do osgotamonto do um dado modolo clássico do
posguisa no campo das doonças inlocciosas. Tradicionalmonto lom-
sucodido, osso modolo na ora da Aids nao consoguia dar conta das
oxpoctativas o, principalmonto, do dosojo da populaçao alotada om
corror riscos om tralalhos oxporimontais, mosmo guo dianto do
possililidados lastanto poguonas do ganhos.
Dontro dosso procosso ostruturaram-so alguns modolos do posguisa
comunitária.

O modolo constituído om Nova \ork, por oxomplo, dou
origom à ·ommunity Rosoarch lnitiativo t·Rl).
¯
A participaçao das
possoas com Aids nas iniciativas dosta organizaçao ia da oscolha dos
tipos do tostos a sorom dosonvolvidos, os sous lormatos, a utilizaçao do
placolos ató a doliniçao dos grupos sociais a sorom onglolados. A
inauguraçao` dossas possililidados, mais do guo produtos linais, loi o
guo do mais importanto ali so gorou.
No guo posom os avanços contidos na oxporiôncia da ·Rl, a
situaçao ostava longo do guadro idoal dosojado polo A·T UPN\.
Pormanocia um caos oncolorto pola caixa-prota` à gual Bruno Iatour
vol. 9t3):515-33, sot-doz. 2002 523
REABRlNDO A ·AlXA-PRETA`
so roloro
8
·ontudo, oljotos om movimonto dontro da caixa tas drogas
DDl, DD·, Ampligon o AI ¯21, ontro outras) pronunciavam sua alortura
nao polo movimonto intorno provocado pola irrupçao do uma novidado
ciontílica capaz do ostalolocor um novo ciclo do conhocimonto om
rolaçao ao oljoto om loco, mas polo ataguo vindo do lora sol a lorma
da soguinto guostao: por guo tanta domora na liloraçao do tais drogas
para uso comorcial, numa conjuntura na gual o unico modicamonto
disponívol indicava claros sinais do lracasso? Uma possívol rosposta a
osta indagaçao podo sor oltida atravós do oxamo da ostrutura do posguisa
norto-amoricana, suas rolaçòos com o sotor privado o, principalmonto,
sous mocanismos do linanciamonto o rocomponsa dos posguisadoros o
posguisas julgadas lom-sucodidas. No procosso do promiar comoçam
os prollomas. ·omo lomlra Bourdiou t1996), os mocanismos do
organizaçao dos campos ciontílicos sao gualguor coisa monos oporaçòos
intoloctuais puras nas guais salor o promiaçao sao dolinidos por critórios
oljotivos. Ao contrário, a ostruturaçao da promiaçao acadômica ó
dotorminada por ostruturas do podor guo tondom a so roproduzir o a so
protogor do inovaçòos tócnicas o do novos guadros humanos. Dossa
lorma, o ingrosso nosto círculo ó rogido monos polos nívois do conguista
o avanço do conhocimontos possoais o mais por mocanismos monos
claros do incorporaçao.
No caso norto-amoricano a situaçao nao tom sido muito diloronto.
A opidomia do Aids lornocou um conário no gual as mosmas lógicas do
ingrosso o oxpulsao do campo ciontílico loram ali oxplicitadas o om
loa modida aprimoradas. A tostagom do AZT o a sua aprovaçao para
comorcializaçao, por oxomplo, onvolvoram divorsas articulaçòos guo,
so por um lado, oram rogularos o consistontos com a tradiçao do rolaçao
ontro sotor pullico o privado na ároa do lármacos nos Estados Unidos,
por outro, introduziam novidados político-administrativas vistas por
muitos como ilícitas: momlros da oguipo da FDA o NlH - organismos
roguladoros govornamontais -, mas guo tamlóm oram ciontistas
linanciados pola Burroughs Wollcomo, tivoram uma grando participaçao
no procosso olicial do aprovaçao da comorcializaçao do AZT o, com
isso, acoitando dados daguola companhia, ajudaram a consolidar o
valor do morcado guo a olo loi atriluído o pormitiram àguola omprosa
rocolor outras componsaçòos polo sou suposto vasto invostimonto no
procosso do sou dosonvolvimonto tNuslaum, 1990). Dossa rolaçao, há
sugostòos, originava-so tamlóm o prolloma da domora na liloraçao
do outros modicamontos para comorcializaçao ampliada. Sol a justilicativa
do atondor a critórios tócnicos do vorilicaçao do olotividado o a rituais
administrativos, oscondiam-so ostratógias guo prolongavam a oxistôncia
do AZT como unica modicaçao logalmonto disponívol, o guo pormitiu
uma lucratividado para o sou lalricanto ainda som paralolo na história
da modicina. Rovor tal domora, oxplicitar o intorosso linancoiro nola
prosonto o insorir a lógica o os valoros da posguisa comunitária nosto
domínio passaram a constituir oljotivos contrais do A·T UPN\.
524 História, ·iôncias, Saudo - Vanguinhos, Rio do Janoiro
JOAO BÔS·O HORA GÓlS
Por exper|meotos ma|s humaoos
A sogunda domanda roloria-so à distriluiçao do placolos o à oxclusao
do dilorontos grupos sociais dos tostos clínicos. Tais tostos,
majoritariamonto, tinham como oljoto do ostudo a rosposta do
homossoxuais lrancos masculinos a modicamontos oxporimontais,
doixando do lora hispânicos, nogros o usuários do drogas. Vulhoros
oram tamlóm oxcluídas, sol a alogaçao do guo potonciais projuízos
causados ao loto daguolas grávidas ou com possililidado do ongravidar
podoriam dosoncadoar açòos logais do roparaçao com custos milionários.
Por outro lado, a situaçao daguolos guo consoguiam participar dos
tostos nao ora vista com mais otimismo, notadamonto pola ausôncia do
mocanismos guo possililitassom a olos oxorcor alguma inlluôncia no
dosonvolvimonto dos tostos.
Em tormos mais gorais, a guostao guo so colocava ora a do como
prollomatizar um paradigma ciontílico - o da provalôncia do salor
lormal o da dominância dos mótodos clássicos do aloriçao da validado
- guo ropunha todo o tompo a antinomia ontro sujoitooljoto o agonto
pacionto, tao cara às nossas instituiçòos módicas. O guo mais dizia tal
paradigma: a olicácia do uma dotorminada droga dovo sor domonstrada
a partir do rosultados oltidos atravós do tostos do tipo u·uüI~-üI:uu,
nos guais so vorilica os sous impactos roais atravós da diloronciaçao do
ovoluçaoocorrôncia da doonça ontro os guo rocoloram uma sulstância
ativa o os guo rocoloram um placolo. No caso da posguisa do
modicamontos o do uma vacina contra a Aids, a indagaçao ótica contral
ora a do como mantor os critórios clássicos do validaçao som guo nao
so ostimulasso - lizarro como possa parocor - a adoçao do
comportamontos do risco guo om alguma modida oxpusossom os
indivíduos à inlocçao ou, invorsamonto, à nao-inlocçao, assim
domonstrando a olicácia do produto? Ao mosmo tompo, ainda no
domínio ótico o lovando-so om considoraçao as roguisiçòos tócnicas
dos modolos clássicos, o guo lazor com aguolos guo ostimulados tou
nao lortomonto dosoncorajados) a assumir práticas do risco, guo
ostivossom rocolondo aponas uma pílula do açucar? ·olocava-so ali
um claro conlronto ontro rospoito humano o a tradiçao das lormas do
logitimaçao do conhocimonto ciontílico. Qual dossos olomontos passaria
a dar o tom dos tostos, ora a porgunta cuja rosposta os ativistas tontaram
impor.
Outras guostòos rolovantos nosto domínio so aprosontavam. Iongo
do sor um diloma toórico ou mosmo um prolloma do princípios políticos,
o carátor nao-domocrático da tostagom das drogas anti-Aids tinha
impacto diroto na saudo dos paciontos: a ostos nao oram lornocidas
maioros oxplicaçòos solro origom, naturoza o luncionamonto dos
produtos, nao so discutiam os sous oloitos colatorais, nao so lhos
garantiam acosso aos modicamontos uma voz torminados os
oxporimontos, o, por lim, nao so prollomatizava o lato do guo muitos
vol. 9t3):515-33, sot-doz. 2002 525
REABRlNDO A ·AlXA-PRETA`
ostavam rocolondo, ao tomar um placolo, alsolutamonto nada do
olicaz.
·oncolondo os lormatos dos tostos o o domorado procosso do
aprovaçao das novas drogas como lormas do homicídio, o A·T UPN\
concolou o concoito do ciôncia assassina`. A açao do grupo dovoria,
assim, lovar tal ciôncia a modilicar os sous procodimontos tócnicos,
rovor sous compromissos políticos o ronovar sous valoros humanos.
Dovor-so-ia lazô-la avançar na domocratizaçao das rogras do jogo,
acolorar o procosso do aprovaçao, aumontar o acosso das possoas às
drogas oxporimontais
9
o pormiti-las sor, pola posso da inlormaçao,
sujoitos dos sous corpos o vidas.
10
Dovor-so-ia tamlóm rodolinir os
oljotivos das organizaçòos pullicas do posguisa ciontílica: ao invós do
agôncias voltadas a protogor o pullico do torapias o alimontos inolicazos
o danosos, olas dovoriam tomar um papol mais ativo, ao pormitir um
amplo uso do produtos oxporimontais, na salvaguarda da oxistôncia do
uma multidao guo, com Aids, morria som osporanças.
Foi com ossas proocupaçòos guo o grupo organizou protostos contra
a FDA o os NlH, amlos considorados agontos contrais das açòos
gonocidas. Vas nao loi som razao guo o primoiro dostos protostos so
dou lora do Bothosda ou Rockvillo, ondo licam as diroçòos dossos
órgaos. ·omo doscrito om um dos documontos do grupo,
Ultrajados polo mau goronciamonto da Aids polo govorno, cidadaos
uniram-so para lormar o Aids ·oalition To Unloash Povor. Nosso
primoiro protosto ocorrou om março om Wall Stroot, o contro
linancoiro do mundo, para donunciar o alto lucro da industria
larmacôutica tospocialmonto Burroughs Wolcomo, produtor do
AZT). Dozossoto possoas loram prosas naguola situaçao. Iogo após
o protosto a FDA anunciou guo iria oncurtar o procosso do
aprovaçao do novas drogas om dois anos tA·T UPN\, 1999).
A marcha om Wall Stroot signilicou protostar contra um amplo
sogmonto das instituiçòos do posguisa módico-ciontílica. Vas tamlóm
trazia implícita a donuncia das ligaçòos porigosas ontro ciôncia o intorosso
oconomico. A partir dosso prossuposto o grupo dosonvolvou outras açòos
com lormas o alvos somolhantos, sompro roalirmando a nocossidado do
guo olo o a populaçao pudossom tor acosso ao guo so produzisso o
intorvir na agonda - mosmo tócnica - do posguisa a sor dolinida. O
raciocínio ora simplos, mas com grando apolo social. E cortamonto por
isso luncionou, ao monos parcialmonto. A partir dali muitos militantos
ganharam acosso a importantos comitôs ciontílicos rosponsávois pola
olaloraçao da pauta do invostigaçòos solro a Aids. Uma voz tomando
assonto nostos comitôs, tornou-so monos complicada a tontativa do
cruzar valoros ciontílicos com valoros humanos o comunitários.
Esta insorçao iria lovar a conguistas concrotas por parto dos
ativistas. Em 1989, após oxaminar os dados da posguisa dosonvolvida
pola ·ommunity Rosoarch lnitiativo do Nova \ork solro a
526 História, ·iôncias, Saudo - Vanguinhos, Rio do Janoiro
JOAO BÔS·O HORA GÓlS
pontadamina aorosolizada para lins proliláticos, a FDA manilostou-
so lavoravolmonto à oxpansao do sou uso tArno o Foidon, 1992).
Ao lazô-lo, osta agôncia roconhocou guo, mosmo lora das grandos
organizaçòos produtoras do conhocimonto, a ciôncia pura` ostava
sondo roalizada o, por consoguinto, conloriu ao domínio comunitário
a crodililidado guo iria, do uma voz por todas, dar-lho a logitimidado
tao dosojada.
11
Lidando con a indústria farnacêutica
So conguistas importantos loram oltidas nas lormas como so
produziam novas drogas, o acosso a ossas mosmas drogas pormanocia
uma proocupaçao contral. A um custo ostimado do doz mil dólaros por
ano, o AZT - unico modicamonto disponívol om 198¯ - ora inacossívol
para muitos paciontos já solrocarrogados pola porda das suas lontos do
ronda principais. Do um lado, o govorno ora considorado rosponsávol
por osto guadro, do outro lado, a industria larmacôutica nao ora vista
com molhoros olhos. Sotor do alta lucratividado, tal industria ora
impiodosamonto atacada polo alto proço do modicamonto, ropotida o
corrotamonto doscrito como o mais caro da história da modicina. Esto
conário, mais uma voz, dotorminou o modo como o A·T UPN\
dosonvolvou suas açòos o olalorou sous discursos. So om rolaçao às
instituiçòos do posguisa módico-ciontílica o loco dos ataguos ostava na
rolaçao ontro podor o conhocimonto, agui há um doslocamonto om
diroçao à idóia do ganância`. ·url tho grood!` ·ontrolo a ganância!`
ora a palavra do ordom.
12
Esto guadro conduziu o A·T UPN\ para
açòos mais agrossivas o ousadas. Nao por acaso o protosto contra a
Burroughs Wollcomo, om 1988, loi um dos mais cololrados polo grupo:
polo sou signilicado simlólico - o do invadir um contro do podor -
o por sous rosultados práticos - o da roduçao do proço do modicamonto.
Rolomlrando o opisódio, o grupo nos lova do volta a Wall Stroot,
dizondo guo loz história
Ao parar a comorcializaçao na lolsa do valoros . . Soto momlros
do A·T UPN\ inliltraram-so na lolsa do valoros do Nova \ork o
amarraram-so ao lalcao VlP. O sino do alortura do progao loi
acionado o uma laixa dosonrolou-so acima da ároa do trocas
domandando SEII WEII·OVE`. Outros momlros do A·T UP
N\ tiraram lotos as guais loram mandadas para as agôncias do
notícias. Quatro dias dopois, a Burroughs Wollcomo laixa o proço
do AZT om 20/, passando o sou custo a sor do 6.400 dólaros por
ano tA·T UPN\, 1999a).
Nos anos soguintos, aposar do poguonas mudanças, o A·T UPN\
mantovo uma domanda contral nosto campo: AZT gratuito para todos.
Vonos do guo isso ora considorado gonocídio.
vol. 9t3):515-33, sot-doz. 2002 52¯
REABRlNDO A ·AlXA-PRETA`
A prossao idoológica contida nas domandas do A·T UPN\ pola
distriluiçao gratuita do AZT constituía um oslorço do introduzir no
morcado princípios o critórios goralmonto ostranhos a osto campo:
aguolos om torno da noçao do utilidado ao sor humano`.

Nosto
ponto muito das suas onorgias loram postas o algumas conguistas
oltidas, mas, ao mosmo tompo, o grupo gradativamonto roduziu o
sou carátor conlrontacional o procurou um lugar no mundo das
nogociaçòos. Esta virada provavolmonto ostovo rolacionada à
porcopçao do guao improvávol ora guo a administraçao lodoral
norto-amoricana, nos marcos do roaganismo`, so prontilicasso a
disponsar tal lonolicio, algo tornado ainda mais dilícil polas
caractorísticas do tratamonto anti-Aids: onguanto na maioria das
doonças a disponililizaçao do novas torapias incido na roduçao das
suas taxas do provalôncia o roduz os custos dos sorviços, na opidomia
do Aids o lato do guo tais drogas oram o ainda sao capazos do
prolongar o tompo do vida das possoas inloctadas polo HlV som
guo curom dolinitivamonto ou impoçam no todo o dosonvolvimonto
do inlocçòos oportunistas, rosulta no aumonto dos rocursos linancoiros
nocossários à manutonçao dolas.
Dado o alto custo o os lroguontomonto comploxos sistomas do
administraçao, tais drogas tôm ampliado as diloronças sociais ontro os
guo podom o os guo nao podom arcar com as dosposas da sua aguisiçao
o manusoio dos osguomas torapôuticos. Os oslorços do ostroitamonto
dossas diloronças tôm implicado uma crosconto solrocarga linancoira
nos sistomas do saudo pullica, cujas lista do prioridados nao incluom
nocossariamonto a opidomia do Aids.
13
Nos anos 1990, com a introduçao
do torapias comlinadas, tais prollomas aponas aumontaram. Aguola
altura, ontrotanto, o A·T UPN\ já roconhocia novos aliados tralalhando
juntos no onlrontamonto do ospoctro do dislunçòos no sistoma do
atonçao à saudo pullica norto-amoricano`, o gual tom conspirado
para lazor ossas novas torapias o a atonçao nocossária à sua administraçao
adoguada inacossívol para um crosconto numoro do possoas com doonças
associadas à inlocçao polo HlV`. Entro ossos novos aliados ostavam
momlros do congrosso o autoridados logislativas lodorais, ostaduais o
municipais, dolonsoros da causa` o, surproondontomonto, a industria
larmacôutica` tA·T UPN\, 1999l). A inclusao da industria larmacôutica
nosto grupo nao so rolacionava com mudanças do lundo no modo
como o grupo a porcolia, pois, com oloito, porsistia a análiso do guo
oram os sous proços astronomicos guo tornavam as drogas inacossívois.
O guo mudou loram os conários políticos o alguns comportamontos do
atoros sociais ali prosontos, muito particularmonto a ampliaçao dos
programas do distriluiçao gratuita ou a proços roduzidos do
modicamontos loita - algo loito sol a landoira do humanitarismo o
da lilantropia - por aguolo sogmonto industrial.
Emlora uma invostigaçao mais ospocílica cortamonto possa mostrar
dilorontos nuanças dosso procosso, ó claro, do um lado, guo mudanças
528 História, ·iôncias, Saudo - Vanguinhos, Rio do Janoiro
JOAO BÔS·O HORA GÓlS
nas lormas do morcantilizaçao das drogas anti-Aids atondoram a
domandas culturais do uma sociodado marcada polos signos da puniçao,
culpa o modo da injustiça. Roprosontaram tamlóm, possivolmonto,
o tomor do uma tradiçao roconto lom-sucodida do loicotos o o
impacto nogativo dolos nas taxas do lucro. Outrossim, olodocoram
a tondôncias oconomico-políticas rogulatórias do capitalismo norto-
amoricano, no gual ó halitual a concossao do lonolícios sociais
como lorma do ovitar tonsòos o conllitos do maior monta. Nosta
linha do análiso, tais lonolícios nao soriam mais do guo moios do
consolidar a dominaçao do uma classo solro outra. ·oncolondo
osso procosso do outra manoira, contudo, ó tamlóm possívol dizor
guo ao incorporar gradualmonto poguonas domandas como aguolas
aprosontadas polas possoas vivondo com HlV o Aids o grupos
como o A·T UPN\, Estado o companhias privadas loram lorçadas
ao longo do tompo a roconcoituar lonolícios sociais como diroitos
do cidadania.
AssiniIaçao e decIínio: o fin de un cicIo!
Emlora o A·T UPN\ mantonha prosonça marcanto nos conários
da política anti-Aids nos Estados Unidos nos dias do hojo, signilicativas
diloronças om rolaçao ao sou início podom sor apontadas tanto nas
suas açòos o discursos como na porcopçao do grupo pola impronsa -
ator ossoncial na lormulaçao do sua imagom -, polos agontos
govornamontais, pola comunidado gay o por sous próprios momlros.
So nos anos do 198¯ o 1988 a impronsa norto-amoricana doscrovia o
A·T UPN\ como um hordoiro maior das tradiçòos contostatórias dos
movimontos polos diroitos civis dos anos 1960, om 199¯, no sou dócimo
anivorsário, osta mosma impronsa lalava do um grupo om doclínio,
distanto da sua lormaçao idoológica original o assimilado`.
A guostao guo so dovo colocar inicialmonto para so ontondor as
translormaçòos polas guais o grupo passou diz rospoito aos tipos do
mudanças ocorridas no conário mais amplo ondo olo so inscrovia,
particularmonto a tro)asconsao do tondôncias políticas mais lilorais na
sociodado norto-amoricana pós-1992. O dado do maior rolovância nosto
contoxto loi o rotorno do Partido Domocrata à ·asa Branca dopois do
12 anos do roaganismo o a maior disponililidado do prosidonto Bill
·linton om lidar com assuntos rolacionados à opidomia o sou oljoto-
irmao, a homossoxualidado. lsto lomontou o ampliou canais do
discussao ontro as milharos do agôncias do movimonto anti-Aids o o
govorno lodoral.
A coincidôncia da simultanoidado da ocorrôncia dostas mudanças o
do doclínio do ontao novo ativismo` om goral, o do A·T UPN\ om
particular, conlirma a hipótoso dosonvolvida por Duyvondak t1996, p.
245) solro a rolaçao ontro tradiçòos políticas lasoadas no c·u:~u:u:
ajj:·acI, acosso a podor político das minorias, constituiçao do olitos
vol. 9t3):515-33, sot-doz. 2002 529
REABRlNDO A ·AlXA-PRETA`
roprosontativas o roduçaooliminaçao da participaçao colotiva.
Examinando políticas do provonçao à Aids, olo indica guo nao oxistiram
diloronças signilicativas ontro os rosultados oltidos na Holanda o
nos Estados Unidos. Elo sullinha, contudo, guo nosto sogundo país,
na dócada do 1980, o movimonto gay mantovo uma postura do
maior conlronto om rolaçao às administraçòos lodorais, onguanto
guo na Holanda osso mosmo movimonto, pola ampla lilordado guo
tovo om lormular a política lodoral do comlato à Aids atravós da
prosonça do inumoros dos sous roprosontantos nos órgaos do
planojamonto o implomontaçao, so viu inalilitado a avançar uma
agonda mais agrossiva. Daí porguo olo conclui guo ostá . claro
guo movimontos sociais os guais sao alsorvidos polo Estado, atravós
da participaçao dolos om organismos consultivos, oncontram
diliculdados om rotornar a uma ostratógia do molilizaçao mais
agrossiva`. Procosso similar ocorrou nos Estados Unidos nos anos
1990.
Aos rosultados da conguista do ospaço político juntaram-so os oloitos
dos avanços nos diroitos sociais. Ainda guo do modo instávol, assistiu-
so, a partir do primoiro mandato do ·linton, a uma olotiva ampliaçao
na guantidado do rocursos para assistôncia à Aids, assim como a
ostruturaçao do programas nacionais molhor coordonados. Nolos,
avançou-so na participaçao mais domocrática das comunidados gays o
ótnicas na gostao dos rocursos, assim como so consoguiu oliminar parto
dos impodimontos logais guo dilicultavam a oxocuçao do uma política
oducacional mais liloral. lsto nos pormito dizor guo um conário do
maior provisao do sorviços o maior participaçao popular - guo om
toso sugoriria um amlionto mais propício à ampliaçao do lasos sociais
do protosto - roulou do A·T UPN\ os olomontos-chavo do sou
discurso - a idóia do açao gonocida dosonvolvida polo Estado, por
oxomplo - o, junto a outros latoros, contriluiu para a sua
dosmolilizaçao. Nosto o om procossos somolhantos ostao contidas
guostòos práticas o toóricas importantos rolativas aos rumos da história
do ponsar o agir dianto da Aids o dos movimontos sociais om goral
ainda por sorom molhor oxaminadas.
Da sua aproximaçao com um divorsilicado conjunto do instituiçòos
voio um outro lator guo muito contriluiu para a modilicaçao das
loiçòos do A·T UPN\. ·omo sullinhoi guando da análiso da
intorvonçao do grupo junto às organizaçòos do posguisa o produçao do
modicamontos, a nocossidado do conhocimonto o a própria olaloraçao
do domandas oxigiram uma intorsoçao comploxa do vocalulários o
símlolos oriontadoros do sou ponsar o do sou agir. Nosto movimonto,
do um lado, o grupo possililitou a omorgôncia do uma rolloxao ciontílica
mais atonta às implicaçòos humanitárias do sou tralalho. Do outro
lado, aguolo mosmo movimonto roguorou dolo a agrogaçao do
dimonsòos ciontílicas ao sou discurso, o guo, om ultima análiso -
porguo sous momlros tornaram-so :u::u~:: o ~.j~:ì: - o doixou atrolado
530 História, ·iôncias, Saudo - Vanguinhos, Rio do Janoiro
JOAO BÔS·O HORA GÓlS
a um univorso vocalular o a um tipo do raciocínio do gual nao
podoria so livrar no luturo próximo o guo iria rodolinir a sua
idontidado. O guo oguivalo dizor guo a apropriaçao do alguns valoros
do A·T UPN\ o do ativismo anti-Aids om goral polo moio ciontílico
so dou à custa da acoitaçao, polos primoiros, das idóias o linguagom
guo, mosmo guando dosaliadas, continuavam, agora mais lortomonto,
a domarcar as lrontoiras do campo` ondo todos so movimontavam.
O procosso do aprondizagom da linguagom do outros domínios
paroco, portanto, ovidonciar as diliculdados do mudança na ostrutura
do campo saliontadas lroguontomonto por Piorro Bourdiou. lsso
tamlóm corrospondo a alirmar guo o procosso do gualilicaçao o,
mais amplamonto, do oducaçao, indopondontontomonto dos signos
políticos a olo agrogados, trazom sompro om si, ainda guo
dilorontomonto, ainda guo gualitativamonto molhor, ainda guo om
um patamar mais olovado do consistôncia, a possililidado do
roproduçao do sou prodocossor.
Um outro olomonto guo paroco tor oxorcido papol docisivo no doclínio
do A·T UPN\ loi o crosconto surgimonto do sulgrupos no sou intorior,
os guais roprosontavam tanto dissonsòos do classo, otnia, gônoro o
goraçao, guanto as tonsòos contidas no diloma ontro uma alordagom
guo onlatizava mais os assuntos ostritamonto ligados à Aids :~::u: uma
outra alordagom guo privilogiava o conjunto do guostòos mais amplas
do mundo gay. Esto tipo do lragmontaçao tanto pormitiu um trato mais
consistonto do guostòos particularos guanto diminuiu sua capacidado
do prossao o limitou o numoro do sogmontos sociais por olo roprosontado,
algo gravo para um grupo com protonsòos do sor portador do um
discurso tao totalizanto.
Esso conjunto do latoros dotorminou som duvida, numa poriodizaçao
rígida, o lim do um conjunto do práticas o o lim do um ciclo do
conhocimontos o vordados` solro a Aids. Vas numa porspoctiva mais
maloávol, tal ciclo do conhocimonto so translormou para pormanocor
atual o rogistrado no intorior das suas conguistas. ·ortamonto loram
conguistas parciais, tomporárias às vozos, som moncionar os lracassos.
Da intorvonçao do A·T UPN\ no ostalolocimonto módico, por
oxomplo, nao so podo inlorir guo o procosso do produçao do
conhocimonto solro Aids nos Estados Unidos tonha mudado
complotamonto, nom guo tonha so ostalolocido uma rolaçao
pormanontomonto mais cooporativa ontro agontos tócnicos o atoros
políticos loigos.

Do lato, como ó domonstrávol por gualguor oxamo
proliminar, o podor módico-ciontílico pormanoco como uma guostao a
sor dolatida, dosaliando mosmo a própria domocracia nos Estados
Unidos. Vas, do outro lado, a oxporiôncia do A·T UPN\ lornocou
novas porspoctivas para osto dolato o sugoriu guo, so açòos políticas
algumas vozos nao sao traduzidas om rosultados práticos, ao monos
ajudam a vialilizar luturas roivindicaçòos o lornocom lasos para luturos
movimontos sociais. Os protostos do A·T UPN\ ajudaram om amlos
os sontidos.
vol. 9t3):515-33, sot-doz. 2002 531
REABRlNDO A ·AlXA-PRETA`
NOTA5
1
Os campos ciontílico, cultural, político, roligioso otc. podom sor dolinidos como aronas nas guais so dao disputas om torno
do rocursos o posiçòos ospocílicas, as guais modolam o dovir das intoraçòos guo nolos ocorrom o a açao dos agontos guo
nolos halitam. Tais agontos sao os maioros logitimadoros das suas rogras, mosmo guando com olas nao concordam. Em lunçao
disso, a ostrutura do campo cria um vasto ospaço do disputas, mas tamlóm do onormo auto-roproduçao. Quostionar a
possililidado do mudança na dinâmica intorna dos campos nos romoto a uma discussao solro um tópico ossoncial no ponsamonto
do Bourdiou: os tipos lundamontais do capital`. O primoiro tipo, o capital oconomico, ó constituído dos moios do produçao o
dos procossos do apropriaçao daguola mosma produçao, o capital social ó constituído da soma do rocursos dotidos por
indivíduos ou grupos om lunçao das ligaçòos mais ou monos durávois guo ostalolocoram com outros indivíduos ou grupos, já
o capital cultural comproondo o acorvo do conhocimonto tócnico-ciontílico socialmonto roconhocido como logítimo. Um
guarto tipo do capital ó o simlólico, o gual podo sor dolinido monos como um capital ospocílico o mais como um olomonto
do logitimaçao das outras lormas do podor - uma logitimaçao guo laz com guo o sulordinado, aguolo om condiçao mais
dosvantajosa dontro do campo, intornalizo, acoito o contrilua para a sua dominaçao. Ë a partir da posso, om maior ou monor
grau, dossas lormas do capital guo a açao social so dá o guo so dolinom rolaçòos o posiçòos do dominância o sulordinaçao
tBourdiou, 1996, 1991).
2
Traduzívol como Organizaçao do Sorviços para Aids, as ASOs amoricanas podom sor vistas como oguivalontos das nossas
OngsAids, sonao no guo diz rospoito às lontos do linanciamonto o rocrutamonto, ao monos no guo toca aos aspoctos mais
contrais dos sous idoários.
3
Os dados utilizados para a olaloraçao dosto tralalho loram majoritariamonto colotados na u~üjag~ do grupo o nos sous
arguivos localizados no sotor do manuscritos o olras raras da Nov \ork Pullic Iilrary. Uma doscriçao mais dotalhada dossas
lontos o do outras rolorôncias corrolatas podo sor oncontrada om Góis t1999).
4
Essa porcopçao justilicava tamlóm o uso do um dos símlolos visuais mais conhocidos do grupo: o triângulo rosa invortido.
Dosta roprosontaçao do massacro do homossoxuais dos campos do concontraçao nazista doproondia-so um :I·gau igualmonto
importanto o guo ocoaria anos a lio na trajotória do A·T UPN\: O govorno amoricano tom sanguo om suas maos!`
5
AVFAlI`, agui, ó uma ironia guo parto do signilicado do vorlo ì· Ja:I tlracassar` om portuguôs). Já 1uacì:·u tsom açao` om
nossa língua) loi uma dorivaçao do nomo vordadoiro da ontidado, Aids Action ·ouncil.
6
lntorvir nosso conjunto do guostòos roguorou do A·T UPN\ um onormo oslorço do lormar ativistas halilitados tócnica o
politicamonto. lnumoros troinamontos o cursos lornocoram olomontos ossonciais para ossa lormaçao. Vuito do sucosso dossa
omproitada, contudo, dovo sor procurado nos capitais cultural o social tBourdiou, 1996, 1991) guo ostos ativistas já dotinham.
Essa alirmaçao parto do lato do guo o A·T UPN\ ora composto por um numoro signilicativo do possoas dotontoras do um
tipo do conhocimonto guo as ajudavam a ponotrar com maior lacilidado nas dilorontos ároas do atuaçao do grupo tEllaz,
1992). Vas talvoz o mais importanto losso guo uma grando parcola dos momlros do A·T UPN\ ora composta do homons
gays jovons vivondo om um dos contros mais atingidos pola opidomia. Para olos, a luta contra a Aids roprosontava tanto a
possililidado do oltonçao da cura como tamlóm uma razao, laco à oxpoctativa da morto trazidas pola doonça, do solrovivor
omocionalmonto. ·om osso porlil do um novo ativista` - lom-inlormado, corajoso, solidário, ironico, criativo, soguro, porsistonto,
compromotido o agrossivo - o A·T UPN\ construiu uma ampla agonda do domandas.
¯
As inlormaçòos solro osso movimonto oncontram-so disporsas om divorsas lontos. Ë do ospocial intorosso para um
conhocimonto das proposiçòos do ativismo anti-Aids nosto campo os numoros das rovistas ·:u: T:~aìu~uì N~u: o 1·2. Para
uma aproximaçao osclarocodora, vor tamlóm Vuollor t1995). Para uma ampla discussao toórica solro os dilomas da prática
ciontílica o a olsorvaçao nao-tócnica, vor Iatour t1983).
8
Iatour t198¯) oxplica guo a idóia do uma caixa-prota como instrumonto do análiso dos procossos do produçao do
conhocimonto ó oriunda do campo cilornótico. Ali, om algumas circunstâncias, uma voz alastada a nocossidado do uma
oxplicaçao mais ampliada solro procossos tócnicos, so laz a roprosontaçao do um dado conhocimonto na ligura do uma caixa
ondo sao apontados os olomontos do ontrada o produtos oltidos na saída, mas sao omitidos os comploxos o às vozos olscuros
procossos intornos guo soparam um momonto do outro. A produçao do latos ciontílicos o das cortozas solro a Aids soguo uma
rota similar. Após um poríodo do disputas pullicas, módicos, ciontistas o ativistas lutam para lochar a caixa-prota`, ou soja,
translormar raciocínios o alirmaçòos om latos o, om um sogundo momonto, om vordado indiscutívol o sonso comum. Ao lazô-
lo, oliminam as divorgôncias o controvórsias, translormando um comploxo procosso do produçao om algo simplos o do
acoitaçao univorsal o oscondondo as incortozas nolo contidas.
9
Foi rolativamonto simplos para os ativistas ostalolocor uma linha do análiso concorronto à da puroza da ciôncia. Elos
alirmavam guo os mocanismos do oxclusao o o uso do placolos om uma comunidado com um alto grau do inlormaçao o
oducaçao ostavam lazondo com guo muitos paciontos, uma voz doscolorta` a sua condiçao do usuário do placolo, ou
mosmo antocipadamonto, so aprosontassom para tostos om dilorontos lugaros, dividissom ontro si as pílulas do modo guo
todos rocolossom alguma coisa, alandonassom os tostos ou simplosmonto montissom guanto à sua adoguaçao aos rogimos
propostos. Ao lim o ao calo, os mocanismos do controlo guo garantiriam a cortoza` da ciontilicidado oram os mosmos guo
ostariam lovando à improcisao dos sous rosultados tDolanoy, 1989).
10
Aposar da onormo simpatia guo osta postura possa dosportar, nao ó dosprozívol a contra-argumontaçao aprosontada polos
ciontistas monos sintonizados com a dimonsao política do prolloma. A disponililizaçao ampla o irrostrita das drogas oxporimontais,
mosmo om uma situaçao omorgoncial o do oxtroma gravidado, diziam olos, doixava som rosposta a lundamontal guostao do
532 História, ·iôncias, Saudo - Vanguinhos, Rio do Janoiro
JOAO BÔS·O HORA GÓlS
salor guom` iria participar dos tostos clínicos guo pudossom, com algum controlo ciontílico, dotorminar o grau do olicácia do
produto. Em outras palavras, olos alirmavam guo, uma voz aprovada aguola disponililizaçao, so punha om risco toda a
ostrutura do posguisa ciontílica guo pormitiria, a dospoito da morto do alguns, garantir a liossogurança do muitos no luturo
t·oopor, 1989).
11
Para uma listagom do outros ganhos o um rosumo dosto, vor A·T UPGoldon Gato ts. d.).
12
lsto, ao ovidonciar lacotas do procosso do privatizaçao do lundos pullicos, ajudou a rolorçar a porcopçao do grupo
do guo o Estado norto-amoricano agia om lonolício dos intorossos da industria larmacôutica. lsto porguo o AZT já
havia sido dosonvolvido no contoxto da luta contra o câncor nos anos 1960, tondo sido sua oxporimontaçao om larga
oscala alandonada dovido a sua inolicácia aparonto. A própria Burroughs Wollcomo já o tostara como uma droga
antilactoriana, cujo insucosso lovou a omprosa a tontar a sua utilizaçao no campo votorinário. Quando aguola
companhia roproduziu a droga para o tratamonto da Aids, a guantidado do invostimonto nocossária loi roduzida à
modida guo muito da posguisa lásica já havia sido dosonvolvida, gratuitamonto, com lundos lodorais, tornando
injustilicávol os argumontos om dolosa do proço do comorcializaçao vigonto tNuslaum, 1990).
13
Esto prolloma ó, por razòos ólvias, mais acontuado om paísos cujas histórias opidomiológicas rocontos sao
marcadas por ondomias do lotalidado comparávol ou suporior à da Aids. Tal lato ó ossoncial para uma aprociaçao
mais justa da intorvonçao ostatal na opidomia: nao na justilicaçao do imolilismo, mas para a comproonsao do
dotorminantos glolais guo lovaram a atrasos o nogligôncias nas açòos dos govornos lodorais.
REFERÊNClA5 BlBLlOGRAFlCA5
AC1 UP,NY, Wol Pago, Thorno, Bill. What havo activists dono latoly`.
Go|deo Gate http:vvv.actupgg.org, acosso om janoiro do 1999.
s. d.
AC1 UP,NY,NY Wol Pago. A·T UPN\N\ ·hronology 198¯.
1999 http:vvv.actupny.org, acosso om janoiro do 1999.
AC1 UP,NY,NY Wol Pago. A·T UPN\N\ ·hronology 1988.
1999a http:vvv.actupny.org, acosso om janoiro do 1999.
AC1 UP,NY,NY Wol Pago. A·T UPN\N\ ·hronology 1993.
1999l http:vvv.actupny.org, acosso om janoiro do 1999.
AC1 UP,NY,NY Wol Pago. By any nocossary moans - Kiki Vason. 1994.
1999c http:vvv.actupny.org, acosso om janoiro do 1999.
Aroo, S. e |e|deo, k. ·ga:u:ì ìI~ ·uu:. ìI~ :ì·:, ·J ·:u: u:ug: u~:~I·ju~uì.
1992 Nova \ork, Harpor ·ollins.
8ourd|eu, P. TI~ :ìaì~ u·ü:I:ì,. ~I:ì~ :cI··I: :u ìI~ J:~Iu ·J j·u~:.
1996 Stanlord, Stanlord Univorsity Pross.
8ourd|eu, P. 1auguag~ auu :,uü·I:c j·u~:.
1991 ·amlridgo, VA, Harvard Univorsity Pross.
Cooper, L. ·ontrollod clinical trials ol Aids drugs: tho lost hopo`.
Apr. 1989 {·u:uaI ·J TI~ ·u~::cau M~u:caI ·::·c:aì:·u, 261.
Le|aoey, |. Tho caso lor pationt accoss to oxporimontal drugs`.
Var. 1989 {·u:uaI ·J 1uJ~cì:·u: 1::~a:~:, 159.
Luesberg, P. 1u:~uì:ug ìI~ ·:u: :::u:.
1996 Washington, D. ·., Rognory.
Luyveoda|, !. Tho dopoliticization ol tho Dutch gay idontity, or vhy
1996 Dutch gays aron`t guoor`. Em S. Soidman torg.), _u~~: ìI~·:,´:·c:·I·g,.
·amlridgo, VA, Blackvoll Pullishors.
L|baz, G. Tho sociology ol Aids activism. Tho caso ol A·T UPN\Nov \ork`.
1992 Toso do doutoramonto, Nova \ork, ·UN\.
vol. 9t3):515-33, sot-doz. 2002 533
REABRlNDO A ·AlXA-PRETA`
Gó|s, !. 8. H. Vostígios da lorça das palavras: oscritos solro a Aids`.
1999 Toso do doutoramonto, Sao Paulo, Pontilícia Univorsidado ·atólica do Sao Paulo.
kramer, L. Roports lrom tho Holocaust. Tho making ol an Aids activist`.
1989 Nova \ork, St. Vartin`s Pross.
kw|toy, !. ·cc~jìaüI~ :::L:.
1992 Nova \ork, Posoidon Pross.
Latour, 8. ·c:~uc~ :u acì:·u.
198¯ ·amlridgo, Harvard Univorsity Pross.
Latour, 8. Givo mo a laloratory and l vill raiso tho vorld`.
1983 Em K. D. Knorr-·otina o V. Vulkay,
·c:~uc~ ·ü:~::~u. j~::j~cì::~: ·u ìI~ :·c:aI :ìuu, ·J :c:~uc~. Iondros, Sago.
|ue||er, P. |. Scionco in tho community: tho rodistrilution ol modical authority in lodorally
1995 sponsorod troatmont rosoarch lor Aids`. Toso do doutoramonto, San Diogo,
Univorsity ol ·alilornia at San Diogo.
Nusbaum, 8. ···u :uì~uì:·u: H·u ü:g üu::u~:: auu ìI~ u~u:caI ~:ìaüI::Iu~uì a:~ c·::ujì:ug
1990 ìI~ J:gIì aga:u:ì ·:u:. Nova \ork, Tho Atlantic Vonthly Pross.
v|aoa, |. L. 1. W. · au~::cau:za¸a· (j~::~::a; ua :~gu::uau~ :·c:aI u· 1:a::I.
1998 Rio do Janoiro, Rovan.
Peceb|do para pub||caçäo em dezembro de 2001.
Aprovado para pub||caçäo em março de 2002.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful