You are on page 1of 3

ANÁLISE E CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR

Vera E. Moura Rocha


Monitora Virginia
Centro Universitário Leonardo da Vinci – Uniasselvi
Curso de Gestão Ambiental (EMD 4351)
11/12/2008

RESUMO
A poluição do ar é um fenômeno recorrente principalmente da atividade humana em vários
aspectos, crescimento populacional, industrial e econômico. A decisão do ser humano de
viver cada vez mais nos centros urbanos aumenta a quantidade de resíduos lançados,
aumentando os níveis de poluição. Tais fatos, associados à não solução concomitante dos
problemas do atendimento dessas necessidades naturais ou criadas, levou-nos aos grandes
desafios que enfrentamos atualmente.
Palavras chaves: poluição do ar; atmosfera; controle.

INTRODUÇÃO

Os nossos recursos naturais básicos (solo, ar e água) sempre foram capazes de diluir a
concentração aceitáveis de todas as substâncias neles lançados por processos naturais
normais. Contudo, as emissões antropogênicas começam a ameaçar nosso planeta pelo
esgotamento desta capacidade de autodepuração.
Felizmente, o desenvolvimento tecnológico vem sofrendo alterações, pensando-se,
cada vez mais, em submeter os novos processos e produtos a análise de custo/beneficio
(Análise de Ciclo de Vida do Produto) dentro da filosofia de se elaborarem processos e
produtos de menor impacto ambiental.
A atmosfera é a denominação dada à camada de gases que envolve a Terra que se
estende até a altitude de 9600 quilômetros e que é constituída principalmente de nitrogênio e
oxigênio. O maior interesse do aspecto poluição do ar estava relacionado com a troposfera, a
camada que vai do solo até a altitude de cerca de 12 Km. Mais recentemente, passou a ter
interesse a ação de emissão antropogênicas sobre a estratosfera (12 a 50 Km de altitude). Esse
interesse se relaciona, principalmente, a camada de ozônio contida nessa área, e que serve de
filtro de raios ultra-violetas, protegendo a Terra nos níveis indesejáveis dessas radiações. A
temperatura na troposfera, na sua condição normal, decresce com a atitude, fato esse
importante para a diluição das substâncias lançadas no ar, uma vez que essa condição
favorece a ascensão da poluição.
Processos naturais podem modificar essa condição, reduzindo ou diminuindo a taxa de
decré

CONCLUSÃO

Na busca do controle da poluição do ar, considerarmos como moderados os níveis


atuais de poluição atmosférica, a preocupação no que diz respeito aos seus possíveis efeitos
sobre a saúde dos seres humanos persiste. Por um lado nos últimos anos estudos realizados
em cidades distintas t~em provado que ainda que as emissões de poluentes estejam em
conformidade com os padrões estabelecidos internacionalmente, as elevações nos níveis de
contaminação atmosférica, representam relevantes associações com efeitos nocivos sobre a
saúde.
O Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar-PRONAR, com um dos
instrumentos básicos de gestão ambiental para a proteção da saúde e bem estar das populações
e melhoria da qualidade de vida.
Apesar de a poluição atmosférica constituir-se em um importante problema de saúde
pública, ainda não existe no Brasil um programa a institucionalizado capaz de entender como
a população está adoecendo e que seja capaz de prevenir a morbidade e mortalidade associada
à contaminação do ar e a saúde, em áreas metropolitanas e industriais.

REFERÊNCIAS:
Andrade F.; Orsini, C.; Maenhaut, W. Relation between aerosol sources and
meteorological parameters for inhalable atmospheric particles in São Paulo city, Brazil.
Atmospheric Environment, v.28, n.14, p.2307-15, 1994.

Andrade, M. F.; Ynoue, R. Y.; Harley, R.; Miguel, A. H. Air-quality model simulating
photochemical formation of pollutants: the São Paulo Metropolitan Area, Brazil.
International Journal Environment and Pollution, England, v.22, n.4, p.460-75, 2004.

Carter, W. P. L. A detailed mechanism for the gas phase atmospheric reactions of organic
compounds. Atmospheric Environment, v.24A, p.481-518, 1990.
Carter, W. P. L. 2000. Disponível em: helium.ucr.edu/~carter/reactdat.htm.
Castanho, A. D.; Artaxo, P. Wintertime and summertime São Paulo aerosol source
apportionment study. Atmospheric Environment, v.35, p.4889-902, 2001.

CETESB – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Relatório Anual de


Qualidade do Ar no Estado de São Paulo 2004. São Paulo, 2005.

Freitas E. D.; Martins, L. D.; Silva Dias, P. L.; Andrade, M. F. A simple photochemical
module implemented in RAMS for tropospheric ozone concentration forecast in the

Metropolitan Area of São Paulo – Brazil: Coupling and validation. Atmospheric


Environment, v.39, n.34, p.6352-61, 2005.
Grell, G. A.; Peckham, S. E.; Schmitz, R.; Mckeen, S. A.; Frost, G.; Skamorock, W