A ] A R I Ç A O

O L l m h o
Lm Jo¸o de Morte e Conden+ç1o Ltern+
Na· .n:r. :ran¡ü||· na n·|:. s.r.na...
- Dyl+n Thom+s
lor M+rk Rein.H+¸en
Com S+m Chupp e Jennifer H+rtshorn
2
A
purlçño.
O

L
lmho
Créditos
PIanejamento: M+rk Rein.H+¸en com S+m Chupp e
Jennifer H+rtshorn
Escrito por: Steven C. Brown, lhil Bruc+to, S+m Chu-
pp, Bri+n C+mpbell, J+ckie C+ss+uo, Or+eme D+vis, D+n Ore-
enber¸, M+rk Hein.H+¸en, Jennifer H+rtshorn, Robert H+tch,
H+rry Heckel, l+n lemke, len Rolston, l+thleen Ry+n, Teeu-
wyn Woodruff
Sistema de Narrativa: M+rk Rein.H+¸en
DesenvoIvimento: Jennifer H+rtshorn com S+m Chu-
pp
CoIaboradores nas fases de PIanejamento e Desen-
voIvimento: lhil Bruc+to, Bri+n C+mpbell, l+n lemke
Outros CoIaboradores: Nichol+s Demidoff, Troels Chr.
J+cobesen, Mich+el O. Schmidt, l+lle Schmidt, M+rtin S. Win-
ther
Editoração: Robert H+tch, Bri+n C+mpbell
Direção de Arte: Rich+rd Thom+s
Arte: Tom Ber¸, John Cobb, Anthony Hi¸htower, l+r-
ry M+c Dou¸+ll, Anson M+ddox, Robert McNeill, len Meyer
Jr., L. Allen Smith, Rich+rd Thom+s, Joshu+ O+briel Timbrook,
Drew Tucker
Digitação e Leiaute: Aileen L. Miles
Desenho de Capa: Henry Bi¸¸enboth+m, l+rry Snelly
Logotipo da Obra: Chris McDonou¸h
]ogadores da Iase de Teste: Crupo dos ]ogadores
Condenados: Alex+nder M. leely, Dou¸ DeJulio, Tod Be+rds-
ley, Cynthi+ l. Neel+n, Jeremy York, Debr+ H+rrison. Crupo
dos Espectros Negros: Timothy Toner, lis+ Hoff, John Bus-
cher, C+ssidy Bowm+n, Scott N+sh, Christi+n l+n+s, l. D+vid
Oill. ]ogadores dinamarqueses: l+ul H+rtvi¸son, leter C.O.
Jensen, R+smus R+smussen, C+rsten Sch+umbur¸, Ast+ Welle-
jus, Outros ]ogadores: Mitchell Oross, He+ther lritchett, Beth
Bostic, Tony Dills, Jim O+ntt, Sherru O+ntt, C+rl+ Holl+r, Nicky
Re+, Sus+n Ad+ms, Chuck C+rroll, Bill Oilsdorf, Joe M+sdon,
Sereth+ M+sdon, Sherrie Miller, John Rich+rdson, l+n lemke,
Bri+n C+mpbell, Jennifer H+rtshorn, S+m Chupp, M+rk
Rein.H+¸en, Bill Brid¸es, lhill Bruc+to, Robert H+tch, Mike
Tinney, l+thleen Ry+n, Aileen L. Miles e o DeMontfort Lni-
versity O+mes Club.
Dedic+tóri+:
l+r+ Joseph C+mpbell, professor e estudioso dos mitos do
mundo.
"A conquist+ do medo d+ morte é + reconquist+ do pr+-
:er d+ vid+. Apen+s é possível vivenci+r um+ +firm+ç1o incondi-
cion+l d+ vid+ depois que se +ceit+ + morte n1o como o contrírio
d+ vid+, m+s como um de seus +spectos. Desde su+ ¸ênese, +
vid+ estí sempre prote¸endo-se d+ morte, e +s port+s d+ morte.
A conquist+ do medo +liment+ + cor+¸em d+ vid+. Lss+ é +
inici+ç1o princip+l de tod+ +ventur+ heróic+ - +bdic+ç1o do
medo e conquist+."
c 199+ por White Wolf. Todos os direitos reserv+dos. A
reproduç1o sem permiss1o por escrito do editor é express+mente
proibid+, exceto por trechos curtos p+r+ + red+ç1o de resenh+s.
Os jo¸+dores podem reprodu:ir +s fich+s dos person+¸ens p+r+
uso pesso+l. Ap+riç1o o limbo, M+¸o, A Ascenç1o, lobisomem,
O Apoc+lipse, V+mpiro, A Mísc+r+ e todos os m+teri+is contidos
n+ obr+ s1o m+rc+s re¸istr+d+s d+ White Wolf. Qu+lquer men-
ç1o ou referênci+ + empres+s ou produtos nest+s pí¸in+s n1o
represent+ um des+fio p+r+ +s m+rc+s ou copyri¸hts envolvidos.
Atenç1o: Devido + n+ture:+ dos tem+s e +mbient+çöes
dest+ obr+, recomend+-se c+utel+ +o leitor.
Agradecimentos especiais:
A todos os que ajudaram nesta versão digital, re-digitando, "escaniando",
re-diagramando ou mesmo distribuindo.
As empresas Adobe, Microsoft, Apple, Recognita Plus e Microtek, por seus
softwares, OCRs, scanners e máquinas, sem os quais não teríamos
produzido esta versão.
Não somos contrários ao direito autoral, apenas contra a exploração. Se o livro tivesse realmente um preço justo, todos poderiam comprar.
Distribua esta cópia a todos que puder, e por favor,
NÃO A VENDA!
Publicado e produzido por Professional© Free® Publications™
Esta é apenasuma demostração. Se gostou do livro, compre-o, assim que possível
3
Sumárlo
]reludlo 4
Llvro Um.
Cupltulo Um. Apresentuçño 24
Cupltulo Dols. Amhlentuçño 34
Cupltulo jres. Nurrutlvu 7u
Llvro Dols.
Cupltulo Quutro. Regrus 9u
Cupltulo Clnco. ]ersonugem1uu
Cupltulo Sels. Curucterlstlcus 114
Llvro jres.
Cupltulo Sete. Somhrus 174
Cupltulo Olto. Slstemus 192
Cupltulo Nove. Drumu 2uo
Apendlce 23u
Excrescenclu Cuncerosu
Nño posso muls sentlr voce
Nño posso nem tocur os llvros que voce llu
Eu u segul soh us estrelus
Impulslonudo por suu memórlu
o seu deus morr o seu deus morr o seu deus morr o seu deus morr o seu deus morreu e nlnguem se lmportu eu e nlnguem se lmportu eu e nlnguem se lmportu eu e nlnguem se lmportu eu e nlnguem se lmportu
E todu suu glórlu em lurlu
ulogudo em suu llpocrlslu ulogudo em suu llpocrlslu ulogudo em suu llpocrlslu ulogudo em suu llpocrlslu ulogudo em suu llpocrlslu
Mus llnulmentssdsdsdse estou llvre
e se exlste um lnlerno eu u v e se exlste um lnlerno eu u v e se exlste um lnlerno eu u v e se exlste um lnlerno eu u v e se exlste um lnlerno eu u ver er er er erel lá el lá el lá el lá el lá
DespeçoUme du hestu ulvunte com um hel|o
quelmundo e sendo lumllludu com seu deus quelmundo e sendo lumllludu com seu deus quelmundo e sendo lumllludu com seu deus quelmundo e sendo lumllludu com seu deus quelmundo e sendo lumllludu com seu deus
A hestu que nos sepurou
v vv vvoce morr oce morr oce morr oce morr oce morrerá por lsso¹ erá por lsso¹ erá por lsso¹ erá por lsso¹ erá por lsso¹
[umuls suherá o quunto solrl
unlus de vlnte centlmetr unlus de vlnte centlmetr unlus de vlnte centlmetr unlus de vlnte centlmetr unlus de vlnte centlmetros os os os os, ler , ler , ler , ler , lereslu eslu eslu eslu eslu
Nem u dor que eu suportel
E eu |umuls suherel o mesmo sohre voce
Mus logo esturemos |untos
A merce do Llmho
A Esplrul Eternu
A morte está u um pusso, umu pussugem pelu Mortullu O momento du está u um pusso, umu pussugem pelu Mortullu O momento du está u um pusso, umu pussugem pelu Mortullu O momento du está u um pusso, umu pussugem pelu Mortullu O momento du está u um pusso, umu pussugem pelu Mortullu O momento du morte e um rltuul de pussugem que mur e um rltuul de pussugem que mur e um rltuul de pussugem que mur e um rltuul de pussugem que mur e um rltuul de pussugem que murcu o llm de umu |ornudu e o lnlclo de outr cu o llm de umu |ornudu e o lnlclo de outr cu o llm de umu |ornudu e o lnlclo de outr cu o llm de umu |ornudu e o lnlclo de outr cu o llm de umu |ornudu e o lnlclo de outru, u, u, u, u,
umu trlllu que podemos per umu trlllu que podemos per umu trlllu que podemos per umu trlllu que podemos per umu trlllu que podemos percorr corr corr corr correr u quulquer momento er u quulquer momento er u quulquer momento er u quulquer momento er u quulquer momento
A AA AAs mlllur s mlllur s mlllur s mlllur s mlllures de colsus delxudus por luzer es de colsus delxudus por luzer es de colsus delxudus por luzer es de colsus delxudus por luzer es de colsus delxudus por luzer, us mlllur , us mlllur , us mlllur , us mlllur , us mlllures de estr es de estr es de estr es de estr es de estrudus nuncu per udus nuncu per udus nuncu per udus nuncu per udus nuncu percorrldus corrldus corrldus corrldus corrldus, os dese|os e urr , os dese|os e urr , os dese|os e urr , os dese|os e urr , os dese|os e urrependlmentos. eles nño morr ependlmentos. eles nño morr ependlmentos. eles nño morr ependlmentos. eles nño morr ependlmentos. eles nño morrem com o corpo Eles per em com o corpo Eles per em com o corpo Eles per em com o corpo Eles per em com o corpo Eles perdur dur dur dur durum e um e um e um e um e
udqulr udqulr udqulr udqulr udqulrem vldu próprlu j em vldu próprlu j em vldu próprlu j em vldu próprlu j em vldu próprlu jornumUse luntusmus ornumUse luntusmus ornumUse luntusmus ornumUse luntusmus ornumUse luntusmus j j j j jornumUse somhr ornumUse somhr ornumUse somhr ornumUse somhr ornumUse somhrus us us us us
Aprlslonudus entr Aprlslonudus entr Aprlslonudus entr Aprlslonudus entr Aprlslonudus entre este mundo e o próxlmo, us upurlções estño per e este mundo e o próxlmo, us upurlções estño per e este mundo e o próxlmo, us upurlções estño per e este mundo e o próxlmo, us upurlções estño per e este mundo e o próxlmo, us upurlções estño perdldus no lulgor per dldus no lulgor per dldus no lulgor per dldus no lulgor per dldus no lulgor perene du dunuçño Llhertus du dor pur ene du dunuçño Llhertus du dor pur ene du dunuçño Llhertus du dor pur ene du dunuçño Llhertus du dor pur ene du dunuçño Llhertus du dor puru, estño uprlslonudus por seu pussudo, u, estño uprlslonudus por seu pussudo, u, estño uprlslonudus por seu pussudo, u, estño uprlslonudus por seu pussudo, u, estño uprlslonudus por seu pussudo,
seus unselos e temor seus unselos e temor seus unselos e temor seus unselos e temor seus unselos e temores es es es es
Multos sño os pr Multos sño os pr Multos sño os pr Multos sño os pr Multos sño os produtos dus odutos dus odutos dus odutos dus odutos dus mortes suhltus suhltus suhltus suhltus suhltus, vlolentus ou cruels , vlolentus ou cruels , vlolentus ou cruels , vlolentus ou cruels , vlolentus ou cruels Eles permunecem pr Eles permunecem pr Eles permunecem pr Eles permunecem pr Eles permunecem presos u umu sensuçño de tur esos u umu sensuçño de tur esos u umu sensuçño de tur esos u umu sensuçño de tur esos u umu sensuçño de turelus crucluls lnucuhudus elus crucluls lnucuhudus elus crucluls lnucuhudus elus crucluls lnucuhudus elus crucluls lnucuhudus, de pulu , de pulu , de pulu , de pulu , de puluvr vr vr vr vrus nño us nño us nño us nño us nño
pr pr pr pr prolerldus purtlndoUse em seus cor olerldus purtlndoUse em seus cor olerldus purtlndoUse em seus cor olerldus purtlndoUse em seus cor olerldus purtlndoUse em seus coruções uções uções uções uções, de umu vldu que o Destlno cellou pr , de umu vldu que o Destlno cellou pr , de umu vldu que o Destlno cellou pr , de umu vldu que o Destlno cellou pr , de umu vldu que o Destlno cellou premutur emutur emutur emutur emuturumente umente umente umente umente Outr Outr Outr Outr Outros sño consumldos por um tráglco unselo pelu lellcldude e os sño consumldos por um tráglco unselo pelu lellcldude e os sño consumldos por um tráglco unselo pelu lellcldude e os sño consumldos por um tráglco unselo pelu lellcldude e os sño consumldos por um tráglco unselo pelu lellcldude e
sutlsluçño que u vldu lles prlv sutlsluçño que u vldu lles prlv sutlsluçño que u vldu lles prlv sutlsluçño que u vldu lles prlv sutlsluçño que u vldu lles prlvou Uns poucos sño conduzldos pelu umur ou Uns poucos sño conduzldos pelu umur ou Uns poucos sño conduzldos pelu umur ou Uns poucos sño conduzldos pelu umur ou Uns poucos sño conduzldos pelu umurgur gur gur gur guru, lurlu ou ldeuls u, lurlu ou ldeuls u, lurlu ou ldeuls u, lurlu ou ldeuls u, lurlu ou ldeuls
j jj jjodos possuem ulgum slgnlllcudo essenclul que nño lol expr odos possuem ulgum slgnlllcudo essenclul que nño lol expr odos possuem ulgum slgnlllcudo essenclul que nño lol expr odos possuem ulgum slgnlllcudo essenclul que nño lol expr odos possuem ulgum slgnlllcudo essenclul que nño lol expressudo ou pr essudo ou pr essudo ou pr essudo ou pr essudo ou prutlcudo j utlcudo j utlcudo j utlcudo j utlcudo jodu exlstenclu e expr odu exlstenclu e expr odu exlstenclu e expr odu exlstenclu e expr odu exlstenclu e expressño, especlulmente no Mundo Inlerlor essño, especlulmente no Mundo Inlerlor essño, especlulmente no Mundo Inlerlor essño, especlulmente no Mundo Inlerlor essño, especlulmente no Mundo Inlerlor, e os , e os , e os , e os , e os mortos
lutum pur lutum pur lutum pur lutum pur lutum puru sohr u sohr u sohr u sohr u sohre ee eevlv vlv vlv vlv vlver er er er er Alerr Alerr Alerr Alerr Alerrudos uos lurr udos uos lurr udos uos lurr udos uos lurr udos uos lurrupos dus pulxões e memórlus que uhundonur upos dus pulxões e memórlus que uhundonur upos dus pulxões e memórlus que uhundonur upos dus pulxões e memórlus que uhundonur upos dus pulxões e memórlus que uhundonurum, constr um, constr um, constr um, constr um, constroem custelos de espumu numu tentutlv oem custelos de espumu numu tentutlv oem custelos de espumu numu tentutlv oem custelos de espumu numu tentutlv oem custelos de espumu numu tentutlvu de r u de r u de r u de r u de repr epr epr epr epresur us águus esur us águus esur us águus esur us águus esur us águus
hurr hurr hurr hurr hurrentus do Llmho Sño er entus do Llmho Sño er entus do Llmho Sño er entus do Llmho Sño er entus do Llmho Sño eremltus e urtesños emltus e urtesños emltus e urtesños emltus e urtesños emltus e urtesños, sempr , sempr , sempr , sempr , sempre pollndo memórlus ute u pur e pollndo memórlus ute u pur e pollndo memórlus ute u pur e pollndo memórlus ute u pur e pollndo memórlus ute u purezu exer ezu exer ezu exer ezu exer ezu exercer suu próprlu r cer suu próprlu r cer suu próprlu r cer suu próprlu r cer suu próprlu reslstenclu contr eslstenclu contr eslstenclu contr eslstenclu contr eslstenclu contru us lorçus du entr u us lorçus du entr u us lorçus du entr u us lorçus du entr u us lorçus du entroplu oplu oplu oplu oplu
Quulquer especle de tr Quulquer especle de tr Quulquer especle de tr Quulquer especle de tr Quulquer especle de trunscedenclu r unscedenclu r unscedenclu r unscedenclu r unscedenclu requer u pussugem pur equer u pussugem pur equer u pussugem pur equer u pussugem pur equer u pussugem puru o Vórtlce u o Vórtlce u o Vórtlce u o Vórtlce u o Vórtlce, pur , pur , pur , pur , puru o cor u o cor u o cor u o cor u o coruçño do Llmho A escurldño pr uçño do Llmho A escurldño pr uçño do Llmho A escurldño pr uçño do Llmho A escurldño pr uçño do Llmho A escurldño prolundu du Somhr olundu du Somhr olundu du Somhr olundu du Somhr olundu du Somhru pr u pr u pr u pr u preclsu ser uceltu, o nllllsmo, eclsu ser uceltu, o nllllsmo, eclsu ser uceltu, o nllllsmo, eclsu ser uceltu, o nllllsmo, eclsu ser uceltu, o nllllsmo,
negudo, o medo, expur negudo, o medo, expur negudo, o medo, expur negudo, o medo, expur negudo, o medo, expurgudo, u pulxño, uhr gudo, u pulxño, uhr gudo, u pulxño, uhr gudo, u pulxño, uhr gudo, u pulxño, uhruçudu E pr uçudu E pr uçudu E pr uçudu E pr uçudu E preclso uhundonur o pussudo. o lutur eclso uhundonur o pussudo. o lutur eclso uhundonur o pussudo. o lutur eclso uhundonur o pussudo. o lutur eclso uhundonur o pussudo. o luturo exlste pur o exlste pur o exlste pur o exlste pur o exlste puru ser explor u ser explor u ser explor u ser explor u ser explorudo A udo A udo A udo A udo Aqueles que nño cr queles que nño cr queles que nño cr queles que nño cr queles que nño crescer escer escer escer escerem, que nño em, que nño em, que nño em, que nño em, que nño
derr derr derr derr derrotur otur otur otur oturem u dor em u dor em u dor em u dor em u dor, que nño sentlr , que nño sentlr , que nño sentlr , que nño sentlr , que nño sentlrem ou exultur em ou exultur em ou exultur em ou exultur em ou exulturem em suu no em em suu no em em suu no em em suu no em em suu nov vv vvu exlstenclu, upesur do medo, sño lnexor u exlstenclu, upesur do medo, sño lnexor u exlstenclu, upesur do medo, sño lnexor u exlstenclu, upesur do medo, sño lnexor u exlstenclu, upesur do medo, sño lnexoru uu uuv vv vvelmente tr elmente tr elmente tr elmente tr elmente trugudos pelu escurldño ugudos pelu escurldño ugudos pelu escurldño ugudos pelu escurldño ugudos pelu escurldño
¯+·+
¯:/··+n·· n+ ¯··/· ··/·////· :/+ +»/,+·· ·» ·/·+
C»//··· ¸/· r·.¹ /·/+ ·:/+: //nh+: :· +/n·+ //r·· +/;/» +»·· /·· »/» ··.¹ n+· /··· /»+;/
n+· · /·+/+/h· h··.//·· ¸/· · ·» »/nh+ .·n·/.+· /··:·n/· /·r+n/+· /»+ .+n·/+ ¯+: ·/ /··/+ /··/··
¸/+n·· +»/·: ··+»·: r/r·: .+r+· ·: .//·: .·» »/nh+: »+·: n/+: /+·+ .h·;+· +/· r·.¹
.+: /+;/n+: + :·;//· r·.¹ ·n.·n/·+·+ +: ··:/·:/+: /+·+ »///+: ¸/·:/¹·: ¸/· n·::· ;·//· ··
+»/;·: /·r+n/+r+ n·: r·/h·: /·»/·: .·» ¸/+n/· +···· ¸/··/+»·: ··:r·/+· ·::·: »/:/··/·:/ ..···//· ¸/·
n·::·: ··/: ¸/··/··: +»/;·: .h·;+·+» n+ »/nh+ /··n/· ¯/ ·: /··./·· .·» /··r·· »+: :·» ·:/··+n.+
/··¸/· :··/+ »+/: /+.// +.h+· /» n+r/· ·» //·n· ·.·+n· :·» .·nh·./»·n/· ·· :·/ ./·:· ·/ r·/·./·+··
¸/· ·n.·n/·+· /»+ ··/··»/n+·+ +/»+ n·:/· ··/n· /n/··n+/
¯··./·· ·n/·n··· /·· ¸/· »· :+.·///.· /+n/· /+·+ /·+.+· ·:/+: //nh+: ¯/ n+· ·:.··r· »·r/··
/·· +···/·n·/»·n/· n·» /·· ¸/+/:¸/·· /···.//+.¹·: +//·//:/+: /·/+: +/»+: ··: ·//··: ·»/··+ + :/+
+/»+ »· :··+ .+·+ .//+: n+· .·n/·:/· · :·/ ··»/n/· :·/·· ·/+ /»//·:»·n/· +.···//· ¸/· r·.¹ /··./:+
.·nh·.·· .··/+: .·/:+: /+·+ ¸/· :/+ ··:.·/··/+ ·· +/;/n: »/:/··/·: /···/r·/: n+· :··+ /+· ·///.// · :////+
¸/+n/· /·/ + »/nh+ ·/··· ¸/· r·.¹ ·:/··+ /··/+·+·+ /+·+ +::/»//+· /··· · .·nh·./»·n/· ¸/· + +;/+··+
¯··/+n/· »/nh+ ¸/··/·+ ¯+·¡ +/ ·:/+· +: /n/··»+.¹·: ·¹/h·: · ··://n· ¸/· /h· +/·/·.··
¯· :·/ +»/;· ¸/· +;··+ /·n:+ ·» r·.¹ »+/: ¸/· n/n.+
_···;·
veis e +p+vor+ntes que devo escl+recer, e n1o +s pinto m+is ex-
tr+ordiníri+s do que s1o; re:o p+r+ que, +pes+r de possuir um+
n+ture:+ mel+ncólic+, b+st+nte intensific+d+ pel+ minh+ expe-
riênci+ recente, f+ç+ + mesm+ justiç+ com +queles +ssuntos
menos esper+nçosos. N+ obr+ ori¸in+l, eu +lert+v+ p+r+ +s +rm+-
dilh+s do m+l, m+s i¸nor+v+ +s proteçöes do s+ntuírio e +s trilh+s
d+ redenç1o.
T+mbém é verd+de que fui mud+do por minh+s experi-
ênci+s ultr+ funere+. lreciso +dmitir ter novos motivos p+r+ est+r
p+ss+ndo meu conhecimento + outros. L meu desejo sincero que
meu tr+b+lho sej+-lhe útil de +l¸um+ form+, e que, por minh+
ve:, eu poss+ usufruir dos seus benefícios. N1o se preocupe: com
o tempo, você entenderí.
lor enqu+nto, convido-o humildemente + prosse¸uir +
leitur+. Tod+s +s inform+çöes contid+s neste texto for+m obtid+s
por experiênci+ própri+, e eu +dor+ri+ ter tido conhecimento
del+s qu+ndo entrei nest+ existênci+.
lerdoe-me por n1o me identific+r. N1o tenho m+is ne-
nhum desejo ou necessid+de de f+m+ literíri+, direitos +utor+is
e cois+s +ssim. Minh+ preocup+ç1o m+is imedi+t+ é + oposiç1o
exercid+ por certos seres do mundo mortuum contr+ instruir os
vivos sobre o que os esper+ depois d+ morte. Afin+l, muitos h+bi-
t+ntes deste pl+no, que costum+m c+ç+r +s +lm+s recém-che¸+-
d+s e i¸nor+ntes, n1o ¸ost+ri+m que eu estr+¸+sse seu esporte e
¸+nh+-p1o.
Que +s correntes n1o o prend+m, nem o limbo o sufo-
que. Que você Tr+nscend+.
Ao leltor moderno.
+ud+çöes, sej+ você quem for e como tiver
fic+do de posse deste documento.
Muitos +nos se p+ss+r+m desde que redi¸i
pel+ primeir+ ve: + m+ior p+rte do texto
que estí +¸or+ em su+s m1os, e + querid+
+mi¸+ que foi + primeir+ + lê-lo +¸or+ me
f+: comp+nhi+ no Mundo lnferior. loi el+
quem me convenceu + pe¸+r + c+net+ m+is um+ ve: - ou, p+r+
deix+r + licenç+ poétic+ de l+do por um momento, recorrer + um
+p+relho de red+ç1o, cujo delic+do mec+nismo elétrico é bem
menos resistente + influênci+ que um b+st1o sólido'
No interím desde + últim+ ve: que escrevi, muit+ cois+
mudou, t+nto +qui em meu Mundo lnferior qu+nto no seu mun-
do; tenho podido observ+r + +mbos dur+nte ess+s mud+nç+s e,
¸r+ç+s + minh+ s+bedori+ e bo+ sorte, conse¸uido sobreviver.
Lss+s mud+nç+s exi¸ir+m + revis1o d+ obr+ que você +¸or+ tem
em m1os. O ori¸in+l continh+ muitos d+dos que +¸or+ est1o t1o
obsoletos que poderi+m +té mesmo coloc+r o leitor em risco.
H+vi+ t+mbém d+dos que descobri - d+ pior m+neir+ - est+-
rem err+dos ou serem mei+s-verd+des. Além disso, o esforço em
escrever obri¸ou-me + omitir ou encurt+r muitos d+dos que teri-
+m sido de ¸r+nde v+lor p+r+ minh+ querid+ M+ry. Qu+ndo +
míquin+ de escrever elétric+ redu:iu meus esforços de hercúle-
os p+r+ +pen+s írduos, pensei em melhor+r o ori¸in+l, +proxi-
m+ndo-o m+is de meu objetivo inici+l.
T+mbém +crescentei outros tópicos, sobre esper+nç+ e con-
forto, que i¸norei +o f+:er o primeiro m+nuscrito. Tendo sido +ju-
d+do e socorrido por ess+s descobert+s, eu n1o poderi+ ¸u+rdí-l+s
p+r+ mim e perm+necer fiel +o meu propósito. Lxistem cois+s terrí-
m+d+ ¸oticismo. A ciênci+ e o r+cion+lismo deix+v+m + +lm+ +
mín¸ü+, enqu+nto o cérebro er+ +liment+do. Ao ver todo o rom+n-
ce e mistério serem extirp+dos do universo, os homens de s+n¸ue
vermelho revolt+r+m-se contr+ o mundo novo e cin:ento, compos-
to +pen+s por ítomos e tr+t+dos científicos. l+r+ +l¸uns, + necrofili+
espiritu+l que perse¸uí+mos ofereci+ um s+ntuírio potenci+l, no
qu+l o mistério prev+leceri+, impedindo que o mundo fic+sse reple-
to de r+tos de bibliotec+. Outros procur+r+m um+ form+ de serem
consider+dos m+li¸nos, e, port+nto, romìnticos e interess+ntes.
Aind+ outros procl+m+r+m-se + v+n¸u+rd+ do R+cion+lismo, son-
d+ndo os mistérios d+ Morte, que t+mbém é poderos+ dem+is p+r+
ser redu:id+ + re¸r+s, processos e teorem+s. L d+ n+ture:+ dos +ven-
tureiros perse¸uir sempre + fronteir+ m+is remot+.
Alem du Mortullu
os di+s de minh+ juventude, er+ mod+ entre
os intelectu+is demonstr+r um f+scínio pel+
Morte. Lr+mos os jovens de um+ er+ dour+-
d+: fúteis, ricos e d+dos + c+prichos e f+nt+-
si+s, +os qu+is entre¸ív+mo-nos sem culp+.
Aind+ +ssim, ér+mos sempre perse¸uidos pelo
espectro do enui. Bebid+s fortes e mís com-
p+nhi+s provi+m um frisson modesto; dro¸+s como éter e ópio d+-
v+m-nos um pouco m+is. Contudo, n+d+ podi+ m+nter-nos conti-
nu+mente ce¸os qu+nto + futilid+de de noss+s vid+s. O v+:io cer-
c+v+-nos por todos os l+dos; que re+ç1o seri+ m+is n+tur+l, port+n-
to, do que fu¸irmos do nosso +bismo interior pel+ contempl+ç1o de
seu p+i lendírio!
Afirmo que +qui foi pl+nt+d+ + semente d+ m+ni+ ch+-
A [ornudu ]uru u Morte
evo +dmitir que, qu+ndo d+ oc+si1o de
minh+ p+ss+¸em, senti um+ mistur+ delici-
os+ de medo e +ntecip+ç1o - +queles ter-
ríveis mistérios d+ Morte, que por t+nto
tempo contemplei, est+v+m p+r+ se +brir
p+r+ mim. Lu est+v+ m+r+vilh+do e +terro-
ri:+do, em medid+s i¸u+is.
Contudo, esses sentimentos des+p+recer+m qu+ndo cru-
:ei o port+l e emer¸i no Mundo lnferior. A sens+ç1o foi + de est+r
emb+ixo d'í¸u+: tudo er+ sólido e distorcido, e eu senti+ um+
¸r+nde dificuld+de de me moviment+r. Che¸uei +té mesmo +
se¸ur+r + respir+ç1o, por medo de me +fo¸+r, +té que percebi que
n1o precis+v+ m+is respir+r. Ao lon¸e eu +vist+v+ um+ r+diìnci+
fri+ e br+nc+, e +l¸um instinto impeli+-me + el+.
Tudo isto descobri num inst+nte, m+s h+vi+ +ind+ outros
se¸redos p+r+ serem vistos.
lorm+s movi+m-se +o meu redor, m+s eu n1o podi+ dis-
tin¸uir nem + el+s nem +s p+l+vr+s que proferi+m em vo:es dis-
torcid+s. Lu est+v+ indefeso como um recém-n+scido. Di+nte
d+quel+s cri+tur+s que ¸rit+v+m es¸+niç+d+mente enqu+nto
me belisc+v+m e pux+v+m, minh+ tr+nqüilid+de +b+ndonou-
me complet+mente. Meus movimentos e sentidos est+v+m obs-
truídos por +l¸um+ form+ de cobertur+ relu:ente sobre minh+
c+beç+, que p+ir+v+, +té cert+ distìnci+, sobre todo meu corpo.
lo¸o +s cri+tur+s +rr+nc+r+m de mim ess+ proteç1o. Lstremeci
+o ver su+s form+s.
Lles n1o er+m demonios d+s profunde:+s. Lr+m +pen+s
+lm+s como + minh+, que m+ntinh+m, por híbito e desí¸nio d+
n+ture:+, um+ semelh+nç+ com + +p+rênci+ hum+n+. Se ess+s
cri+tur+s fossem como eu +s im+¸in+v+ - dot+d+s de chifres,
r+bos peludos e +s+s de couro - seri+m menos +ssust+dor+s.
lo¸o descobri que esses seres h+vi+m est+do + esper+ de
minh+ morte, e c+d+ um pretendi+ escr+vi:+r-me p+r+ seus pró-
prios fins. O trífico de +lm+s n1o é um crime exclusivo do mun-
do físico, e um+ +lm+ ne¸r+ como + minh+ tinh+ v+lor especi+l.
O qu+nto +quele conhecimento teri+ +b+tido minh+ v+id+de
enqu+nto eu vivi+' M+s +¸or+, indefeso como eu est+v+, sendo
toc+do, empurr+do e +rr+nh+do enqu+nto esses demonios dis-
put+v+m minh+ +lm+, eu desej+v+ ter lev+do um+ vid+ pur+
como o crist+l, porque ess+ seri+ minh+ únic+ ch+nce de fu¸+.
Lm meio +quel+ loucur+, ocorreu-me + possibilid+de de minh+
+lm+ ser r+s¸+d+ como um+ lebre disput+d+ por um+ m+tilh+ de
lobos.
lin+lmente, o m+is forte prev+leceu, e fui escr+vi:+do.
Dur+nte meu c+tiveiro, sofri e presenciei muit+s cois+s terríveis,
m+s n1o pretendo contí-l+s +qui. lor enqu+nto, b+st+ di:er que
fui c+p+: de sobreviver + destruiç1o e que, ¸r+ç+s + um+ combin+-
ç1o de forç+, +stúci+ e um+ imerecid+ bo+ sorte, conse¸ui esc+p+r
de meu feitor. No processo, +prendi muit+s cois+s sobre + n+ture:+
do Mundo lnferior, seus h+bit+ntes e os territórios fronteiriços.
Desses, o seu mundo mort+l é +pen+s um, e, sob muitos +spectos, o
menos interess+nte.
Como p+rtes desse conhecimento cust+r+m-me +lto, n1o
poderi+ deix+r outr+s +lm+s p+¸+rem o mesmo que eu. Contudo,
tenh+ cuid+do: meu conhecimento n1o é completo, e pode n1o
est+r tot+lmente ex+to. No Mundo lnferior, + verd+de é t1o mutí-
vel qu+nto qu+lquer outr+ substìnci+.
Nossu Ruçu Inlellz
er um+ +p+riç1o é est+r etern+mente próxi-
mo d+quel+s cois+s que +mív+mos em vid+,
porém, impedidos de desfrut+r de seus pr+-
:eres. L um+ tortur+ terrível ver di+ri+mente
os rostos de nossos entes queridos; observí-
los enqu+nto eles enfrent+m os reveses d+
sorte mort+l; ver + id+de corroer-lhes +s fei-
çöes e corpos; presenci+r su+s vitóri+s e derrot+s - m+s sempre
como um+ pl+téi+ invisível, freqüent+dores de te+tro impedidos de
influir nos eventos do p+lco. Nunc+ é possível celebr+r su+s +le¸ri+s,
nem consolí-los dur+nte seus infortúnios. lode-se +pen+s +ssistir,
+ssistir, +ssistir.
Contudo, medi+nte cert+s h+bilid+des e muito esforço, um+
+p+riç1o poderí m+nifest+r-se físic+, ou qu+se fisic+mente, no
mundo m+teri+l. Lss+s m+nifest+çöes s1o recebid+s, qu+se inv+ri+-
velmente, com incompreens1o e medo, pelo menos entre os vivos.
O medo entre os mortos é muito diferente - n+ verd+de, qu+se
um+ emoç1o complet+mente nov+.
L o medo que +ssombr+ os mortos n1o é um+ tortur+
menos terrível que est+ pris1o +o +r livre, que +o mesmo tempo
nos oferece e ne¸+ +s cois+s e pesso+s querid+s. O medo que
+ssombr+ dos mortos é eterno e imb+tível, porque é o medo do
limbo, + tod+-poderos+ morte-em-morte. Mesmo n+ morte n1o
est+mos + s+lvo do espectro ne¸ro d+ n1o-existênci+. O peso
deste terror pende sempre sobre nós.
A mícul+ m+li¸n+ do limbo estí enc+rn+d+ em nossos
espíritos comp+nheiros. Nós, pobres +lm+s, c+ç+mo-nos sem tré-
¸u+s, e evit+mos confi+r complet+mente um+s n+s outr+s. A
+mi:+de, conforme é conhecid+ entre os vivos, oferecendo con-
solo pelos infortúnios d+ vid+ e comp+rtilh+ndo forç+ em mo-
mentos difíceis, é pr+tic+mente impossível de ocorrer no Mundo
lnferior. C+d+ +p+riç1o precis+ cuid+r de su+ própri+ forç+ e
bem-est+r, e n1o confi+r no conforto oferecido pelos outros.
Com o p+ss+r dos +nos e d+s déc+d+s, +l¸uns de nós
form+m +ssoci+çöes e +li+nç+s dur+dour+s (ch+m+mos esses ¸ru-
pos de Círculos), m+s é r+ro h+ver o c+lor d+ +mi:+de espontì-
ne+ entre dois indivíduos de filosofi+ semelh+nte que +ind+ res-
pirem +r. Noss+s mentes sempre est1o chei+s de pens+mentos de
tr+iç1o, torn+ndo, p+r+ + +lm+, o medo um+ pris1o t1o inexpu¸-
nível qu+nto qu+lquer port+ de ferro.
A Somhru do Llmho
medo d+quilo que estí lí for+ muit+s ve-
:es pode ser super+do pelo medo d+quilo
que reside no íntimo, o que os lnquietos
ch+m+m + Sombr+. No mundo dos vivos,
+s necessid+des d+ c+rne m+ntêm os l+dos
ilumin+do e sombrio do ser em certo equi-
líbrio. Lles s1o forç+dos + um p+cto cri+do
pel+ necessid+de mútu+ por sustento físico e outr+s cois+s indis-
pensíveis d+ vid+ mort+l. M+s qu+ndo um+ +lm+ é despid+ de
su+ roup+ de c+rne e +s du+s met+des d+ n+ture:+ mort+l vêem-
se livres d+s norm+s do corpo e d+ socied+de, + met+de sombri+
]lusmu Imuterlul
or n+ture:+, nós, +p+riçöes, somos insubs-
t+nci+is. Aind+ +ssim, temos existênci+, de
modo que possuímos um+ espécie de subs-
tìnci+. Lss+ substìnci+ é ch+m+d+ j|asma,
porque n1o pode ser descrit+ pel+s norm+s
científic+s de m+téri+ sólid+ e fluid+, m+s
como +l¸um+ cois+ intermediíri+, seme-
lh+nte ou complet+mente divers+.
O pl+sm+ do .·rjus de um+ +p+riç1o m+ntém, em su+
m+ior p+rte, um+ form+ semelh+nte + d+ c+rne; é + form+ se¸undo
+ qu+l o espírito +costumou-se + reconhecer su+ identid+de, e é
m+ntid+ +tr+vés do híbito. Contudo, cert+s +p+riçöes +prender+m
+ +rte de mold+r seu próprio pl+sm+ - e oc+sion+lmente o dos
outros - p+r+ +ssumirem + +p+rênci+ que desej+rem. Atr+vés
dess+ +rte, podem disf+rç+r-se, e +l¸uns conse¸uem +té mold+r
objetos de pl+sm+ como se fossem de b+rro, +tribuindo-lhes qu+l-
quer form+. Assim como tod+s +s cois+s no mundo s1o b+se+d+s em
+l¸um+ v+ried+de de m+téri+, tod+s +s cois+s no Mundo lnferior
s1o compost+s por +l¸um+ espécie de pl+sm+.
l+rtindo do f+to de que somos insubst+nci+is, poder-se-
i+ supor que somos invulneríveis + influênci+s m+teri+is - c+-
p+:es de c+minh+r +tr+vés de p+redes e outr+s b+rreir+s, como
n+rr+m os escritores d+s históri+s de horror. lorém, isso é +pen+s
p+rte d+ verd+de, porque nem ess+ ¸r+ç+ é concedid+ f+cilmen-
te +s pobres +p+riçöes.
Como jí comentei, o pl+sm+ é m+ntido em su+ form+ pelo
híbito, podendo ser +lter+do pel+ forç+ de vont+de, se o indivíduo
tiver +prendido + disciplin+ necessíri+ p+r+ f+:er isso. A forç+ de
vont+de, +o que p+rece, re¸e sobre o pl+sm+, m+s é serv+ d+ cons-
ciênci+. l+r+ + mente r+cion+l, é óbvio, por exemplo, que n1o é
possível c+minh+r +tr+vés de um+ p+rede de pedr+; + mente c+rre-
¸ou esse conhecimento por tod+ + vid+, e trouxe-o +o Mundo
lnferior com o resto de su+ b+¸+¸em. lort+nto, um+ +p+riç1o pode
pode tr+v+r um+ ¸uerr+ +bert+ contr+ o +specto m+is nobre do
espírito.
A Sombr+ encontr+ simp+ti:+ntes e extr+i forç+ d+ escu-
rid1o e d+ dor que + cerc+m. lriv+do d+ +le¸ri+ e d+ lu:, o
espírito m+is nobre tomb+, + n1o ser que sej+ sustent+do por um+
person+lid+de extr+ordiníri+. Contudo, mesmo um+ person+li-
d+de como ess+ pode murch+r complet+mente, + n1o ser que
sej+m tom+d+s providênci+s cuid+dos+s e devot+d+s p+r+ m+n-
tê-l+. Lsse est+do pode ser visto entre certos tipos de loucos do
mundo dos vivos. No Mundo lnferior, ele é o f+rdo de todos os
f+nt+sm+s infeli:es.
ser inici+lmente impedid+ por um+ b+rreir+ físic+, + n1o ser que
este conhecimento record+do sej+ suprimido pel+ mente e substi-
tuído pel+ nov+ s+bedori+ de que o pl+sm+ n1o pode ser bloque+do
pel+ m+téri+.
M+s isso +té que n1o é difícil: medi+nte um pouco de
concentr+ç1o, é possível super+r + resistênci+ d+ m+téri+ se +
mente estiver consciente d+ t+ref+. M+is tr+içoeir+s, porém, s1o
+s oc+siöes em que + mente for tom+d+ de surpres+, e + p+rte
subconsciente do espírito recorrer +os ensin+mentos d+ vid+ físi-
c+ p+r+ orient+r-se. Lm+ qued+, um trem em +lt+ velocid+de ou
um tiro s1o cois+s súbit+s, e + n1o ser que + mente estej+ rel+x+d+
no momento em que ocorrerem, el+s poder1o c+us+r d+nos, por-
que + mente +credit+rí nisso.
Lss+, porém, n1o é um+ re¸r+ simples - o qu+nto seri+
fícil, p+r+ um espírito tortur+do encontr+r desc+nso n+ +utodes-
truiç1o, pul+ndo d+ mesm+ ponte d+ qu+l s+ltou p+r+ + Morte.
Lmbor+ o pl+sm+ sej+ vulnerível, ele n1o é destrutível por c+us+s
mund+n+s. Lxtin¸uir o espírito é muito difícil, e m+is terrível em
su+s r+mific+çöes que um mero suicídio.
M+s como um ¸olpe súbito pode ser sentido t1o sólido
qu+nto em vid+, enqu+nto o toque de um ente querido - t1o
+rdentemente desej+do - é sempre ne¸+do +o pobre espírito!
A pior p+rte de noss+ existênci+ miserível é que podemos sem-
pre ver +queles + quem +m+mos, m+s j+m+is podemos tocí-los
ou convers+r com eles.
Qu+ndo conscientes, + m+iori+ dos vivos estremece +o to-
que dos mortos, porque teme e desconfi+ d+s cois+s que emer¸em
do véu. A vont+de precis+ ser dom+d+ p+r+ +ceit+r + possibilid+de
do toque, d+ mesm+ form+ que + vont+de de um+ +p+riç1o precis+
ser dom+d+ p+r+ +ceit+r que um+ b+l+ é inofensiv+, +ntes que
qu+lquer toque sej+ possível. Tudo isso f+: p+rte de noss+ tortur+
etern+.
Os Grlllões dus Almus
em tod+s +s +lm+s - nem mesmo + m+io-
ri+ - est1o +prision+d+s no Mundo lnferi-
or, e obri¸+d+s + p+ss+r tod+ + existênci+
como +p+riçöes. Nós que v+¸+mos pel+s
sombr+s, est+mos +prision+dos por forç+s
que em+n+m do interior de nós mesmos, for-
ç+s est+s que constróem +s m+smorr+s d+s
qu+is observ+mos o mundo dos vivos.
Nós, +s sombr+s, ch+m+mos os l+ços que nos prendem +
noss+ condiç1o miserível de Orilhöes. Você jí os conhece, c+ro
leitor; +fin+l, tod+s +s históri+s de f+nt+sm+s n1o est1o chei+s de
¸rilhöes e correntes, que impedem o pobre espírito de desc+ns+r
em p+:! Considere o f+nt+sm+ que n1o pode deix+r seu ouro, +
m1e que observ+ seus filhos, o espírito do +ss+ssin+do que +ssom-
br+ o +ss+ssino, ou o criminoso preso +o loc+l em que cometeu
+l¸um feito sombrio - todos esses s1o exemplos de Orilhöes.
Os Orilhöes s1o os cordöes que prendem um+ +p+riç1o +
Terr+ Sombri+ e, port+nto, +s ìncor+s que impedem os sentidos
de um+ +p+riç1o de se dissolverem no c+os d+ Tempest+de. S1o
os Orilhöes que f+:em de nós o que somos. Lm Orilh1o é um+
ìncor+ e t+mbém um c+rcereiro. Sem ess+ espécie de lente p+r+
concentr+r + existênci+ de um ser, o p+ss+r dos +nos e + loucur+
fund+ment+l + existênci+ no Mundo lnferior corroeri+m + +lm+,
lev+ndo + +p+riç1o + perder su+ identid+de e existênci+ +té que
- d+ form+ como + s+bedori+ corrente nos ensin+ - + +p+riç1o,
libert+d+ dos Orilhöes, seri+ +rr+nc+d+ d+ Terr+ Sombri+ e jo¸+-
d+ +o cor+ç1o d+ Tempest+de. Lmbor+ + existênci+ d+ +p+riç1o
n+s Re¸iöes Sombri+s sej+ tortur+d+, el+ +ind+ é muito preferível
+o c+os infern+l d+ Tempest+de.
Os Despo|os du Vldu Mortul
ssim como um+ +p+riç1o pode est+r pres+ +
certos lu¸+res, pesso+s ou objetos no mundo
dos vivos, um objeto pode ser tr+nsubst+nci-
+do +o Mundo lnferior com seu dono. Lsses
objetos s1o ch+m+dos Despojos, porque eles
s1o o resíduo dos bens dos qu+is + +lm+ viv+
cerc+v+-se.
Hoje em di+ os Despojos n1o s1o obtidos com f+cilid+de.
Anti¸+mente, como +s crenç+s popul+res sustent+v+m que um+
p+rte dos bens m+teri+is do morto poderi+m +comp+nh+r seu
espírito +o mundo se¸uinte, os +fortun+dos +b+steci+m su+s tum-
b+s com provisöes p+r+ + jorn+d+ e + nov+ existênci+ que os
+¸u+rd+v+. Jí c+minhei pelo convés de um n+vio vikin¸ quei-
m+do no fiorde de Oslo, onde n+sci, e ouvi + melodi+ +p+:i¸ü+n-
te d+s lir+s emp+red+d+s com o lendírio O:ym+ndi+s.
Nesses tempos escl+recidos, os vivos n1o s1o t1o solícitos
qu+nto seus mortos, e muitos +¸or+ +tr+vess+m + mort+lh+ sem
n+d+ m+is do que tinh+m +o s+ir do útero. Sim, é possível que
um objeto querido p+sse com seu dono e fique + seu serviço em
m+is de um+ existênci+. Qu+ndo um+ cois+ é us+d+ com t+nt+
freqüênci+ que seu dono p+sse + considerí-l+ um+ p+rte essen-
ci+l de su+ identid+de, el+ poderí m+nifest+r-se em form+ plís-
mic+ junt+mente com seu dono.
O Mundo Inlerlor
lor onde começ+r! O Mundo lnferior é
um lu¸+r t1o extr+ordinírio que mesmo
um ¸r+nde escritor como eu (depois que
você morre, n1o hí motivos p+r+ f+ls+ mo-
désti+), sentiri+ dificuld+de em descrevê-
lo. L, mesmo se o conse¸uisse, nem mesmo
+ m+is í¸il d+s mentes hum+n+s poderi+
conceber o inconcebível, s+lvo +tr+vés d+ experiênci+ própri+.
Mesmo +ssim, tent+rei tr+ç+r um esboço pílido do Mundo lnfe-
rior.
A ciênci+ teri+ nos feito +credit+r que o mundo - f+lo
+¸or+ do seu mundo, onde o sol +quece + ¸r+m+ verde - con-
siste +pen+s de m+téri+ e ener¸i+, e tod+s +s substìnci+s e form+s
+ serem encontr+d+s pertencem +os mesmos componentes, di-
ver¸indo +pen+s em proporç1o e +rr+njo. Al¸uns iri+m m+is +di-
+nte, di:endo que + m+téri+ é +pen+s um+ form+ de ener¸i+
con¸el+d+ e solidific+d+, que pode ser revit+li:+d+ pel+ divis1o
de seus ítomos. lm+¸ine, port+nto, um mundo b+se+do n1o n+
ener¸i+, m+s n+ entropi+ - onde +pen+s + ne¸+tivid+de ¸over-
n+ +s infinit+s form+s de existênci+. Lss+, estou certo, é + form+
como + ciênci+ descreveri+ o Mundo lnferior.
Se é verd+de que o esp+ço e o tempo, + m+téri+ e +
ener¸i+, podem ser redu:id+s + equ+çöes e prov+d+s m+tem+ti-
c+mente serem um+ só cois+, ent1o o Mundo lnferior cert+men-
te é o inst+nte fin+l do universo, que se diverte enqu+nto esper+
seu próximo compromisso, m+nifest+ndo-se como um lu¸+r, +o
invés de um momento.
As Reglões Somhrlus
Mundo lnferior é inconcebivelmente
v+sto - m+ior que um mundo, ele é um
Anti-Lniverso. Tudo o que n1o f+ç+ p+rte
do Lniverso pertence +o limbo. Assim
como + Terr+ é +pen+s um+ pequen+ p+r-
te do Lniverso, existe um+ pequen+ p+rte
do Mundo lnferior que lhe é correspon-
dente. As re¸iöes deste território estr+nho s1o +s +bóbod+s do
conjunto tot+l d+s +p+riçöes pres+s por Orilhöes e s1o conhecid+s
como Re¸iöes Sombri+s.
As Re¸iöes Sombri+s, entrel+ç+d+s com o mundo vivo e
m+teri+l, copi+m dele + m+ior p+rte de su+ form+. T+lve:, neste
ponto onde o Lniverso e o Anti-Lniverso conver¸em, c+d+ um
+ssume +l¸um+ cois+ d+ n+ture:+ do outro; ess+s conjectur+s
filosófic+s, contudo, pouco interess+m +os que precis+m perm+-
necer +qui.
Você jí ouviu f+l+r d+s Re¸iöes Sombri+s, m+s por outro
nome. L nel+ onde +s +p+riçöes que n1o podem p+ss+r livremen-
te p+r+ o Além concentr+m-se com m+ior freqüênci+, e é d+qui
que um+ +p+riç1o pode ver o mundo dos vivos, e t+lve: ja|ar
com os vivos, se +mbos tiverem os t+lentos necessírios.
Lste é o domínio +o qu+l os médiuns espírit+s referem-se
+o f+l+r dos ll+nos Ltéreo ou Astr+l. Muitos +credit+m que ess+
re¸i1o sej+ todo o Mundo lnferior, m+s est1o en¸+n+dos. louc+s
+lm+s viventes suspeit+m dos reinos +terrori:+ntes e dos desertos
que repous+m +lém dess+s fronteir+s. L os poucos que suspeit+m
deix+r+m su+ r+:1o como p+¸+mento por esse conhecimento.
O nome Re¸iöes Sombri+s é b+st+nte +dequ+do. Ll+s
prolon¸+m o mundo d+ c+rne, mimeti:+ndo-o como um+ som-
br+ imit+ seu dono. S+l+s, c+s+s e mesmo cid+des inteir+s exis-
tem n+s Re¸iöes Sombri+s, ocup+ndo o mesmo esp+ço e dimen-
söes que seus correl+tos físicos. Lmbor+ el+s n1o sej+m cópi+s
ex+t+s de seus ori¸in+is, s1o reconhecíveis. Ll+s s1o lu¸+res tris-
tes, desprovidos de lu:, +le¸ri+ e qu+lquer cois+ que poss+ +¸r+-
d+r o cor+ç1o.
As cri+tur+s como eu costum+m +credit+r que o limbo
su¸+ p+r+ si +s forç+s ne¸+tiv+s do seu mundo vivo, medi+nte
+l¸um+ form+ de +tr+ç1o m+¸nétic+, e, tendo feito isso, solidifi-
c+ ess+s forç+s em m+téri+, com + qu+l constrói + si mesmo.
Assim como + pí¸in+ de um livro recebe +pen+s + tint+ e +s
form+s d+s letr+s do clichê d+ prens+, +s Re¸iöes Sombri+s +ssu-
mem +pen+s o que é sombrio e esquílido no mundo vivo, m+n-
tendo um pouco de su+ form+.
Sombra e Substância
Lmbor+ +s Re¸iöes Sombri+s m+r¸eiem os reinos dos vi-
vos, + comunh1o entre os dois mundos +pen+s é possível em r+r+s
oc+siöes. As Alm+s lnquiet+s podem observ+r o mundo vivo, e
+té mesmo vi+j+r por ele +tr+vés d+s Sombr+s correspondentes
- m+s é muito difícil p+r+ um indivíduo conse¸uir ser visto ou
ouvido, e toc+r ou mover um m+teri+l requer um esforço +ind+
m+ior. Como é preciso um+ forç+ de vont+de f+ntístic+ p+r+
+lter+r m+teri+is no mundo vivo, os esforços ness+ direç1o costu-
m+m ser des+jeit+dos e direcion+dos imperfeit+mente. Muitos
c+sos rel+t+dos de fenomenos lolter¸eist n1o p+ss+m de +p+ri-
çöes que for+m frustr+d+s n+ tent+tiv+ de desempenh+r +l¸um+
t+ref+ simples.
Qu+ndo respir+v+, muit+s ve:es sonhei que est+v+ me
movendo +tr+vés de +l¸um+ cen+ f+mili+r, observ+ndo tudo m+s
inc+p+: de me comunic+r com os meus +mi¸os e entes queridos.
Jí vi +quele sonho repetir-se muit+s ve:es, m+s +¸or+ dur+nte +s
hor+s em que estou +cord+do. L como é horrível ver minh+s
lí¸rim+s c+írem a:rat.s d+s m1os e dos rostos dos meus entes
queridos, + quem tento +br+ç+r com dedos de névo+' Com o
tempo +prendi + disciplin+ necessíri+ p+r+ toc+r, m+s o processo
é írduo e doloroso. Seri+ m+is fícil p+r+ mim, enqu+nto er+ vivo,
+tr+vess+r um oce+no + n+do do que f+:er hoje +l¸o t1o trivi+l
qu+nto folhe+r um livro.
Lugures Assomhrudos e Nulldudes
ontudo, existem +l¸uns lu¸+res onde + in-
ter+ç1o entre os dois mundos é menos ír-
du+. Assim como os vivos s1o +tr+ídos p+r+
certos lu¸+res de seu mundo - cid+des
luminos+s, ¸r+ndes mont+nh+s e sp+s d+
mod+ - t+mbém os mortos reúnem-se em
determin+d+s íre+s, que s1o conhecid+s,
em ||n¸ua-m·r:un, como lu¸+res Assombr+dos. Lsses lu¸+res re-
têm t1o fortemente + substìnci+ d+ morte que eles começ+m +
mold+r su+s contr+p+rtes viv+s +o invés de serem mold+dos por
el+s. Lm loc+l vivo que correspond+ + um lu¸+r Assombr+do é
possuído por um+ +ur+ de medo e triste:+ t1o poderos+ que +s
+lm+s viv+s m+is sensitiv+s podem di:er, com tot+l se¸ur+nç+,
que +li tr+fe¸+m +p+riçöes. Ve: por outr+, + Mort+lh+ entre os
Mundos é rompid+ em +l¸um ponto nesses lu¸+res, o que permi-
te que os mortos m+nifestem-se +li p+r+ sentidos vivos.
Lsses s1o os lu¸+res +ssombr+dos que eu procurei em mi-
nh+ juventude, n+ esper+nç+ de convers+r com os mortos e +pren-
der com eles os se¸redos d+ Lternid+de. lm+¸ine o qu1o idiot+
me sinto qu+ndo hoje vejo esses lu¸+res com olhos mortos e
+visto outros tolos c+ç+dores de f+nt+sm+s'
Se um lu¸+r Assombr+do é um lu¸+r onde o di+fr+¸m+
que sep+r+ + vid+ e + morte é estic+do, torn+ndo-se m+is fino,
ent1o um+ Nulid+de é um bur+quinho no véu, +tr+vés do qu+l
im+¸ens, sons - e +s ve:es outr+s cois+s - podem p+ss+r sem
obstruç1o. As Nulid+des s1o furos no tecido d+ re+lid+de -
poços li¸+dos diret+mente +s profunde:+s d+ Tempest+de. A
Lntropi+ é su¸+d+ +tr+vés de um+ Nulid+de pel+ influênci+ do
limbo ex+t+mente como + í¸u+ é su¸+d+ pel+ ¸r+vid+de +tr+vés
do bur+co de um re¸+dor de pl+nt+s. As Nulid+des s1o +s c+vern+s
d+s qu+is nenhum explor+dor retorn+, e + fonte d+s visöes d+s
profetis+s. As Nulid+des +bund+m em mistérios terríveis e eventos
inexplicíveis, especi+lmente no que concerne + cois+s que +p+re-
cem e somem. Tenh+ medo del+s, porque s1o port+s p+r+ os dois
l+dos - e +dentrí-l+s é t1o ruim qu+nto confront+r o que del+s
emer¸e.
Cldudelus e Necrópole
form+ e + confi¸ur+ç1o do mundo dos
mortos n1o depende +pen+s d+ terr+ dos
vivos. N+ verd+de, existem muitos c+sos
em que o inverso ocorre, e um deles é +
Necrópole, + cid+de dos mortos.
Lm muitos +spectos, os mortos m+ntêm
in+lter+dos seus híbitos como seres vivos.
Lles vivem próximos uns +os outros, procur+ndo se¸ur+nç+ em
números e n+ proteç1o de indivíduos m+is fortes. Su+s vil+s e
cid+des sobrepöem-se +s cid+des dos vivos em pr+tic+mente to-
dos os c+sos, porque os vivos s1o + fonte de su+ rique:+ e susten-
to. A Necrópole m+ntém um+ ¸r+nde semelh+nç+ com + cid+-
de mort+l cujo esp+ço ocup+, m+s t+mbém exerce su+ própri+
influênci+.
Qu+nt+s ve:es o c+ro leitor jí esteve n+s ru+s e nos becos
fétidos d+s re¸iöes m+is dec+dentes de um+ cid+de! L qu+nt+s
ve:es, nesses lu¸+res, jí sentiu - sem c+us+ +p+rente - um
medo profundo, como se estivesse num+ c+pel+ mortuíri+ ou
num+ ruín+ +ssombr+d+! Nesses momentos você est+v+ +den-
tr+ndo +s sombr+s que + Necrópole projet+ n+ Terr+. Nesses
lu¸+res, + presenç+ dos mortos é qu+se t+n¸ível, e o mundo dos
mortos mold+ + re+lid+de terrestre + su+ im+¸em e semelh+nç+.
Qu+ndo você estiver num lu¸+r como esse, +botoe o co-
l+rinho do c+s+co e si¸+ em frente, d+ndo ¸r+ç+s +os céus por ter
visto +pen+s o seu próprio l+do do espelho. lois se tivesse tido
um+ vis1o do mundo dos mortos, teri+ visto cois+s bem piores do
que mendi¸os ou ¸+n¸ues de ru+: teri+ presenci+do im+¸ens de
pes+delo e pl+nos t1o funestos que enrubesceri+m os sen+dores
d+ +nti¸+ Rom+.
Num+ Necrópole pode h+ver muitos lu¸+res Assombr+-
dos, m+s todos têm em comum + semelh+nç+ d+s ru+s de um
b+irro miserível. Acim+ de tod+s estí + Cid+del+, + +cronecró-
pole onde rein+m os An+creontes d+ Hier+rqui+, que ¸overn+m
em nome dos Senhores Mort+is. Lst+, contudo, n1o é um+ re¸r+
¸er+l: um+s pouc+s Necrópoles ostent+m +s b+ndeir+s dos Rene-
¸+dos ou dos Here¸es, m+s + m+iori+ é re¸id+ com punho de
ferro pel+ Hier+rqui+. As exceçöes ¸er+lmente diferem +pen+s
n+s cores de su+s b+ndeir+s.
As ]rolundezus Eternus
xiste muit+ cois+ no Mundo lnferior +lém
d+s Re¸iöes Sombri+s. O oce+no v+sto (e
+ind+ n1o m+pe+do) d+ Tempest+de é cor-
t+do por continentes inteiros. Contudo, p+r+
os h+bit+ntes d+s Re¸iöes Sombri+s, esses
s1o lu¸+res misteriosos e dist+ntes. A m+ior
p+rte do que se s+be sobre eles consiste de
mitos, conjectur+s e superstiçöes. Cont+-se t+mbém históri+s +in-
d+ m+is f+bulos+s sobre ilh+s n+ tempest+de que emp+lideceri-
+m +té mesmo o Lldor+do do mundo vivo. Lss+s históri+s, prov+-
velmente verd+deir+s, infl+m+m os cor+çöes dos +ventureiros.
Contudo, +s fer+s e costumes estr+nhos com os qu+is os explor+-
dores do mundo vivo se dep+r+v+m er+m re¸id+s pel+s leis d+
físic+ e d+ n+ture:+, re¸r+s que n1o se +plic+m +s descobert+s
que podem ser feit+s por um li:+rro ou um M+rco lolo do mun-
do dos mortos.
A jempestude
A Tempest+de constitui + m+ior p+rte do
Mundo lnferior, e é muito m+is temid+. Lu
jí me submeti + su+ fúri+ um+ ve:, e espero
j+m+is precis+r f+:er isso de novo. Apen+s
meu desejo em por um fim + est+ existên-
ci+ sombri+ me lev+ri+ + cometer nov+men-
te ess+ loucur+, e n1o sei se mesmo + re-
compens+ d+ Tr+nscendênci+ seri+ suficiente p+r+ me f+:er su-
per+r o medo. M+s estou fu¸indo do tópico de minh+ dissert+-
ç1o: + ¸.·¸raj||a |nj.rna.
Apes+r dos ri¸ores d+ Tempest+de, el+ é h+bit+d+. Os
motivos desses seres n1o podem ser entendidos por um+ mente
r+cion+l, m+s t+lve: seus espíritos conturb+dos encontrem um+
h+rmoni+ com +s v+stidöes c+ótic+s d+ Tempest+de. Os Lspec-
tros - como os h+bit+ntes d+ Tempest+de s1o conhecidos -
m+ntêem-se em est+do const+nte de medo e +ssombro. Lles s1o
fortes, p+r+ sobreviverem +o +mbiente que escolher+m, e podem
derrot+r com f+cilid+de os pobres espíritos que rein+m em lu¸+-
res menos peri¸osos. Adem+is, tendo se +costum+do +o seu +m-
biente infern+l, ess+s cri+tur+s s1o complet+mente ins+n+s, sen-
do impossível prever su+s +çöes. As form+s dess+s cri+tur+s s1o
v+ri+d+s e terríveis, m+s o .·rjus de nenhum+ del+s, por m+is
horripil+nte que sej+, f+: ju: + su+ n+ture:+ interior.
Aind+ piores que os h+bit+ntes d+ Tempest+de s1o os
¸r+ndes Turbilhöes que el+ produ:. Ond+s ¸i¸+ntesc+s no m+r
envolto pel+ Tempest+de, os Turbilhöes oc+sion+lmente v+rrem
+s Re¸iöes Sombri+s, deix+ndo um r+stro de loucur+ e des+stre.
Reinos inteiros podem ser v+rridos pelos Turbilhöes, e mesmo o
mundo vivo sofre c+tístrofes estr+nh+s e de enormes proporçöes
qu+ndo el+s +p+recem. A destruiç1o de Atlìntid+ e de lompéi+
- e, se¸undo +l¸uns, +té mesmo o Dilúvio - for+m meros
reflexos dos Turbilhöes.
Contudo, existem vírios At+lhos +tr+vés d+ Tempest+-
de, como +s estr+d+s que penetr+m +s florest+s dos B+lc1s. Lsses
At+lhos podem ser percorridos com m+ior se¸ur+nç+ que + Tem-
pest+de, m+s isso é tudo que pode ser dito +o seu f+vor. Como +s
estr+d+s do mundo vivo, eles s1o +ssol+dos por b+ndoleiros que
+t+c+m os vi+j+ntes inc+utos. T+mbém n1o é incomum que +s
fer+s d+ florest+ s+i+m p+r+ + estr+d+, e ess+s cri+tur+s n1o s1o só
lobos e ursos ¸entis do mundo vivo. Ll+s n1o recu+m +o est+l+r
de um chicote ou +o disp+ro de um+ pistol+, e de n+d+ +di+nt+
+b+ndon+r um ou dois c+v+los p+r+ s+ci+r-lhes + fome. Vi+j+r por
esses At+lhos é muito +rrisc+do, devendo ser feito +pen+s em
c+sos de +bsolut+ necessid+de.
As ]rulus Dlstuntes
Lste é um +ssunto sobre o qu+l n1o me
sinto + vont+de p+r+ f+l+r. Nunc+ estive
nesses lu¸+res e os f+tos que sobre eles me
che¸+m p+recem mistur+r lend+ e re+lid+-
de. As lr+i+s Dist+ntes em muito me lem-
br+m +s lend+s terrestres do l+r+íso, por-
que su+ n+ture:+ conju¸+ muit+ crenç+
com poucos f+tos. Contudo, como +s lr+i+s Dist+ntes perten-
cem +o conhecimento ¸er+l dos mortos, eu n1o poderi+ omiti-l+s
neste rel+to.
L dito que existem muitos reinos, flutu+ndo como ilh+s no
oce+no turbulento d+ Tempest+de. Com o tempo eu deverei ter
m+is o que di:er sobre el+s. Aquel+s que comp+rtilh+m o título de
lr+i+s Dist+ntes merecem ser mencion+d+s, devido + crenç+ ¸e-
ner+li:+d+ de que el+s sej+m + Vid+ Depois d+ Morte, conforme
ensin+do pel+s +utorid+des reli¸ios+s.
Ap+rentemente, n+ Tempest+de se encontr+m todos os
p+r+ísos prometidos por c+d+ crenç+ hum+n+. Ali t+mbém po-
dem ser encontr+dos todos os infernos e céus, de c+d+ r+ç+ e
credo. Hí quem che¸ue mesmo + +firm+r que esses reinos s1o
cri+dos e sustent+dos pel+ crenç+ d+s +lm+s que os procur+m -
e por nenhum+ outr+ forç+.
Minh+ mente r+cion+l +conselh+-me + n1o confi+r nes-
ses rumores, embor+ eu n1o poss+ resistir + delicios+ ironi+ de
que tod+s +quel+s reli¸iöes hum+n+s, que p+ss+r+m séculos per-
se¸uindo um+s +s outr+s p+r+ prov+r que seus do¸m+s er+m os
únicos verd+deiros, estivessem err+d+s - simplesmente porque
tod+s est+v+m cert+s' lelo menos, o ensin+mento "procur+ e
+ch+rí" er+ um dos poucos que mereci+ est+r certo.
Estlglu
De todos os reinos do Mundo lnferior, o
m+ior de todos é Lstí¸i+. lund+d+, de +cor-
do com + tr+diç1o, pelo próprio Ch+ron,
el+ é o trono dos Senhores Mort+is, e seu
poder +vult+-se sobre o mundo dos mortos
como + +nti¸+ Rom+ fe: um di+ com +
Lurop+.
Os At+lhos m+is numerosos e se¸uros +tr+vés d+ Tempes-
t+de s1o +queles que condu:em o vi+j+nte +os port+is de Lstí¸i+,
porque eles s1o m+is tr+fe¸+dos e melhor conserv+dos.
Cerc+ndo o Reino de Lstí¸i+ estí o M+r d+s Alm+s, um
mi+sm+ v+sto e terrível que riv+li:+ com +s visöes de pes+delo de
Bosch. Afin+l, ele é re+lmente um m+r de +lm+s - um+ vis1o
horrível e p+tétic+, m+s um+ sólid+ defes+ contr+ + Tempest+de.
l+r+ +lém do M+r d+s Alm+s est1o +s mur+lh+s de Lstí¸i+, que
nin¸uém +tr+vess+ volunt+ri+mente.
Como tudo n+ cid+de, desde o des+p+recimento de
Ch+ron, o posto +v+nç+do n1o serve m+is +o seu propósito ori¸i-
n+l, tendo sido tr+nsform+do num+ pris1o. Os Senhores Mort+is
m+ntêm víri+s +lm+s c+tiv+s, cuj+ presenç+ sustent+ e fort+lece
o reino, e +liment+ o poder e + +mbiç1o de seus detestíveis
c+rcereiros.
lsso é tudo qu+nto se s+be sobre Lstí¸i+ e, d+ minh+ p+r-
te, tudo que quero s+ber. Di:em que n1o hí esper+nç+ p+r+
+queles que p+ss+m pelos seus portöes, + n1o ser que ocupem
níveis elev+dos n+ Hier+rqui+. Apen+s os B+rqueiros entr+m imu-
nemente em Lstí¸i+, e mesmo eles s1o c+utelosos.
As Leglões dos Condenudos
menç1o dos B+rqueiros fe:-me perceber
que +té +¸or+ ofereci +pen+s explic+çöes
pesso+is e subjetiv+s sobre + vid+ depois d+
morte, n1o che¸+ndo nem mesmo + f+l+r sobre +s concepçöes
predomin+ntes entre meus +mi¸os incorpóreos sobre o como e o
porque de noss+ condiç1o.
dos espólios d+s ¸uerr+s. Os v+ss+los d+ Hier+rqui+ s1o tr+fic+n-
tes de +lm+s, m+s punem +queles que os imit+m. Lles ¸overn+m
e ne¸+m +os outros o direito de ¸overn+r + si mesmos, ch+m+ndo os
descontentes de "Rene¸+dos" e "Here¸es". A Hier+rqui+ é + ini-
mi¸+ de tod+ + liberd+de.
lsso é tudo que sei. Ouvi muit+s outr+s cois+s, m+s er+m
+pen+s rumores e conjectur+s. N1o o pertub+rei, c+ro leitor, com
históri+s pouco confiíveis, +¸or+ que cumpri meu propósito princi-
p+l, que er+ descrever + Hier+rqui+. Lm sum+, todos os +m+ntes d+
liberd+de devem temer e evit+r os Senhores Mort+is e seus l+c+ios,
porque, embor+ eles ofereç+m proteç1o contr+ muitos peri¸os do
Mundo lnferior, eles mesmos constituem um+ d+s m+iores +me+-
ç+s no mundo dos mortos.
Os Regentes
Hí +l¸um+s er+s, como re:+ + tr+diç1o, o
¸r+nde Ch+ron fundou o reino de Lstí¸i+,
que é o m+ior dos reinos do Mundo lnferior.
Como um império terrestre, su+ influênci+
se estende p+r+ +lém de su+s fronteir+s, e
su+ Hier+rqui+ re¸ente é um poder contr+ o
qu+l nin¸uém ous+ m+nifest+r-se. Os Se-
nhores Mort+is s1o fiéis + Ch+ron, m+s desde seu des+p+recimento
é impossível s+ber o que eles podem f+:er. Nos últimos tempos, su+s
le¸iöes têm est+do m+is +tiv+s e ous+d+s.
Como qu+lquer império d+ Históri+ mort+l, + Hier+rqui+
¸overn+ m+is pelo medo que pel+ persu+s1o +mistos+, sendo
b+se+d+ n1o em filosofi+s ou princípios mor+is, m+s nos lucros
Aqueles que Gulum
cultur+ dos mortos enf+ti:+ o respeito p+r+
com +queles que s1o ch+m+dos B+rquei-
ros, porque eles possuem + c+p+cid+de de
condu:ir em se¸ur+nç+ +s +lm+s dos f+le-
cidos, contorn+ndo +s inúmer+s Tempes-
t+des do Mundo lnferior e evit+ndo os tr+-
fic+ntes de escr+vos e de outros seres sobre
os qu+is +ind+ escreverei.
Você jí conhece seus nomes: Anúbis, Hermes, Brunhil-
d+ e su+s irm1s - e muitos outros, cujos nomes s1o desconheci-
dos pel+ m+iori+ d+s pesso+s, s+lvo estudiosos vivos e s+cerdotes
mortos. Di:em que Ch+ron, que criou + Hier+rqui+ e impos
ordem + Tempest+de, foi o m+ior dos B+rqueiros de su+ époc+.
lorém, +¸or+ p+rece que Ch+ron estí des+p+recido, e su+ or-
dem começ+ + ruir. Se isso for verd+de, o futuro que nos +¸u+r-
d+ é muito ne¸ro.
Os B+rqueiros vi+j+m +tr+vés do Mundo lnferior sem
que nin¸uém impeç+ su+ p+ss+¸em. L dito que +s jorn+d+s dos
B+rqueiros contribuem p+r+ + m+nutenç1o dos At+lhos, como o
trífe¸o freqüente n+s rodovi+s Terrestres impede que o +sf+lto
sej+ coberto por m+to. Lles n1o têm nenhum mestre +lém de si
mesmos, o que é r+ríssimo entre os mortos e lhes concede ¸r+nde
poder. Lles s1o temidos e +té mesmo odi+dos - +s +lm+s que
eles condu:em est1o for+ do +lc+nce dos tr+fic+ntes de escr+vos
- embor+ seu poder os protej+ de qu+lquer um que se oponh+
contr+ eles. Medi+nte um preço, qu+lquer +lm+ pode vi+j+r com
um b+rqueiro, m+s esses condutores re+li:+m o tr+jeto que lhes
+petecer, podendo n+ve¸+r em círculos por +nos ou séculos, e
+té n1o che¸+r +o destino desej+do pelo p+ss+¸eiro.
Aqueles que se Rehelum
uitos +cus+m os Senhores Mort+is de te-
rem +f+st+do ou elimin+do seu mestre
Ch+ron p+r+ terem m+ior liberd+de em su+
busc+ pelo poder. Qu+ndo Ch+ron des+-
p+receu, muitos se sep+r+r+m d+ Hier+r-
qui+. L outros, que nunc+ tinh+m se sub-
metido +s re¸r+s d+ Hier+rqui+, encontr+-
r+m nisso + oportunid+de de volt+r ess+ cism+ p+r+ su+ própri+
v+nt+¸em, junt+ndo-se +o ¸r+nde lev+nte contr+ Lstí¸i+ que
ocorreu hí +l¸uns +nos. Desde que os ¸re¸os revolt+r+m-se con-
tr+ os turcos que eu n1o vi+ t+nt+s cen+s de cor+¸em, s+crifício
e tr+iç1o. loi um+ ¸uerr+ terrível, d+ qu+l por muito pouco esc+-
pei ileso.
Os Rene¸+dos, como eles se +utodenomin+v+m, for+m es-
m+¸+dos pel+s le¸iöes, m+s n1o for+m complet+mente destruídos.
Desde ent1o, qu+ndo em +l¸um tempo e lu¸+r sur¸em f+¸ulh+s de
rebeli1o, os rebeldes +dot+m + +lcunh+ "Rene¸+dos". Lles s1o pou-
cos, m+l or¸+ni:+dos e extrem+mente +nt+¸onicos. Sob + b+ndeir+
dos Rene¸+dos, os b+ndidos unem-se +os sonh+dores, e os loucos
+os revolucionírios.
Aqueles que Anselum
Jí mencionei + crenç+ comum de que ++s
lr+i+s Dist+ntes, se é que el+s existem, s1o
compost+s de fé pur+, torn+d+ t+n¸ível poe-
l+ n+ture:+ do Mundo lnferior e pel+ qu+n-
tid+de de +lm+s devot+d+s + idéi+ de su+
re+lid+de. Os Here¸es procur+m empre¸+r
est+ lei peculi+r de seu mundo cri+ndo um+
crenç+ e mutrindo-+ +té que el+ cresç+ + ponto de se torn+r um
reino estível. Lm+ oper+ç1o como ess+ é muito oneros+. Os cren-
tes-fund+dores precis+m ser puros e fiéis p+r+ que o result+do te-
nh+ +l¸um+ est+bilid+de.
Al¸uns desses Here¸es m+nifest+m su+s crenç+s devido
+ um+ simp+ti+ n+tur+l, outros porque temem +s +ltern+tiv+s:
v+¸+r etern+mente pel+s Re¸iöes Sombri+s, sob +s ordens dos
Senhores Mort+is, ou um+ jorn+d+ +tr+vés d+ Tempest+de e em
direç1o + um refú¸io inexistente.
A experiênci+ me ensinou que os Here¸es s1o +nfitriöes
m+is confiíveis e melhores +li+dos que + Hier+rqui+ ou os Rene-
¸+dos. Depois que você tiver se inform+do sobre + n+ture:+ e os
do¸m+s d+ crenç+ de um ¸rupo de Here¸es, serí possível confi+r
com se¸ur+nç+ em seu comport+mento, porque o :elo e o pr+¸-
m+tismo os impelem + um+ observ+ç1o fiel de su+s própri+s re-
¸r+s.
Como os Rene¸+dos, os Here¸es s1o tr+t+dos sem pied+-
de pel+ Hier+rqui+. Corre o bo+to de que um simples l+ço de
+mi:+de com os Here¸es pode ser suficiente p+r+ se sofrer +
descorpor+ç1o pel+s m1os d+ Hier+rqui+.
Aqueles que Aprendem
Apes+r de todo o poder d+ Hier+rqui+,
existem, entre os mortos, outros elos soci+is
que i¸u+li:+m os indivíduos. Lmbor+ +s
Ouild+s Lstí¸i+s n1o sej+m o que for+m um
di+, +queles + quem el+s +brem su+s port+s
podem ter +l¸um+ influênci+. A H+bilid+-
de é + únic+ qu+lific+ç1o, e n1o rique:+,
posiç1o ou +li+dos. Que mundo +dmirível poderi+ ser eri¸ido
entre os vivos, se todo o conhecimento d+s Ouild+s pudesse ser
comp+rtilh+do com os que +ind+ n1o morrer+m'
As Ouild+s jí constituír+m um dos m+iores poderes do
Mundo lnferior. lorm+d+s por Ch+ron p+r+ +jud+r + or¸+ni:+r
+s +p+riçöes no c+os dos primeiros di+s, +pen+s el+s poderi+m
discutir em posiç1o de i¸u+ld+de com + Hier+rqui+, porque el+s
tinh+m o m+ior poder - o do conhecimento, e +té mesmo o
tir+no m+is impiedoso precis+ +joelh+r-se di+nte dos síbios. M+s
esses di+s fic+r+m no p+ss+do. Hoje, +s ¸uild+s s1o +pen+s reflexos
de seu +nti¸o poderio. Ll+s n1o s1o m+is or¸+ni:+çöes form+is, m+s
simples +fili+çöes c+su+is de +lm+s ¸ême+s, unid+s por um+ identi-
d+de comum.
Como entre os vivos, t+mbém entre os mortos existem
c+ç+dores d+ verd+de e decifr+dores de se¸redos - s1o ess+s +s
mentes que compoem +s ¸uild+s. C+d+ um+ ¸u+rd+, ensin+ e
constrói + p+rtir de su+ vis1o do que é Cieênci+ no mundo dos
mortos. Lm +l¸um+s Cid+del+s escl+recid+s, +queles qiue +ind+
se +utodenomin+m mestres d+ ¸uild+ sent+m-se +o l+do de
An+creontes p+r+ oferecer su+ s+bedori+ +o ¸overno. Lm outros
lu¸+res, os tir+nos os odei+m. Aqueles que n1o escondem su+
+fili+ç1o + um+ ¸uild+ precis+m temer, porque + ir+ que pode se
+b+ter sobre eles é terrível. A utopi+ dos reis filósofos se encontr+
t1o dist+nte do meu mundo qu+nto estí do seu, e o conheci-
mento d+s ¸uild+s foi roub+do. As ¸uild+s +¸or+ s1o, por neces-
sid+de, escondid+s e secret+s, e seus membros n1o se decl+r+m
+bert+mente.
Como Tim+eus +os joelhos de ll+to, +prendi ess+s cois+s
com +s +p+riçöes d+ ¸uild+ que me +poi+r+m qu+ndo est+ exis-
tênci+ tornou-se insuportível. Lntre eles encontrei ¸r+nde sim-
p+ti+ por minh+s própri+s inclin+çöes. l+r+ +queles que +nsei+m
por filosofi+, r+:1o ou justiç+, os lu¸+res +ssombr+dos d+ ¸uild+
s1o p+r+ísos no mundo dos mortos.
Su+ disciplin+ é menos indul¸ente que +quel+ + qu+l fui
submetidfo em C+mbrid¸e, m+s os +ssuntos que eles ensin+m
s1o infinit+mente m+is v+liosos. L m+is de um+ ve: eles oferece-
r+m +bri¸o contr+ +queles que h+vi+m me feito m+l - e um
+bri¸o é +l¸o que nunc+ deve ser despre:+do.
De Nuturu Anlmorum
l+r+ os vivos, um+ +lm+ é um+ cois+ t1o
int+n¸ível cujo preço costum+ ser b+r+to e
cuj+ própri+ existênc+ é freqüentemente
deb+tid+ nest+ Lr+ d+ Ciênci+. Apen+s de-
pois d+ morte os verd+deiros v+lores d+ +lm+
fic+m +p+rentes, porque, no mundo d+s +p+-
riçöes, +s +lm+s s1o m+téri+-prim+ e moed+
corrente. A est+bilid+de e + forç+ do reino dependem, em su+
m+ior p+rte, d+ qu+ntid+de e d+ person+lid+de d+s +lm+s que
rein+m +li, e o poder de um indivíduo, como n+ Terr+, é medido
pelo número de +lm+s sob o seu com+ndo.
Os cid+d1os m+is poderosos deste lu¸+r podem derret+r +s
+lm+s como se fossem cobre e :inco, e mold+ndo-+s em objetos de
+l¸um poder. O ferro estí¸io - que muitos +firm+m ser feito +tr+-
vés desse processo repulsivo - é + únic+ substìnci+ que pode unir
o pl+sm+ mutível do .·rjus de um+ +p+riç1o, sendo +lt+mente
v+lori:+do pelos tr+fic+ntes de escr+vos.
As pobres +lm+s reunid+s em li¸+s fic+m unid+s em su+
nov+ form+, e su+ centelh+ vit+l concede +o objeto + c+p+cid+-
de de re+li:+r seu propósito. Os Senhores Mort+is freqüente-
mente so+m ¸r+ndes ¸on¸os forj+dos + p+rtir de mulh+res de
+lm+s. O som desses ¸on¸os é +terrori:+nte.
Assim como os vivos f+:em su+s mor+d+s próxim+s +s
cois+s d+s qu+is podem extr+ir +l¸um v+lor - min+s, pl+nt+çöes,
íre+s de pesc+, rot+s de comércio - t+mbém os mortos h+bit+m
perto dos lu¸+res onde +s +lm+s costum+m cru:+r + divis+ que
sep+r+ vid+ e morte. Os hospit+is e cemitérios s1o como celeiros
p+r+ eles, e mesmo os vivos podem sentir su+ presenç+ +li.
Aind+ m+is procur+dos s1o os loc+is de execuç1o, os be-
cos escuros onde s1o cometidos +ss+ssin+tos, +s fíbric+s e min+s
+me+ç+d+s por des+stres e muitos outros lu¸+res onde + morte
costum+ ser violent+ e impl+cível. Aqui, os Ceif+dores - +ssim
eles se +utodenomin+m - exercem c+d+ ítomo de su+ influên-
ci+, como v+queiros toc+ndo o equilíbrio terrestre n+ direç1o de
c+tístrofes p+r+ poderem usufruir do lucro result+nte.
As ¸uerr+s e os m+ss+cres constituem ¸r+ndes +tr+çöes,
+ind+ que efêmer+s. Or+ndes c+r+v+n+s espreit+m d+s Re¸iöes
Sombri+s os exércitos vivos, comport+ndo-se como um+ torcid+ de
futebol enqu+nto +ntecip+m o m+ss+cre. As c+rnificin+s s1o se¸ui-
d+s por ¸r+ndes celebr+çöes e b+nquetes de +lm+s, como +s festivi-
d+des dos f+roeses dur+nte + che¸+d+ d+s b+lei+is mi¸r+tóri+s. L
um+ comemor+ç1o m+c+br+.
C+so +l¸um+ c+tístrofe súbit+ ocorr+, + notíci+ se esp+-
lh+ como se tivesse sido descoberto um veio de outro. Lm enor-
me número de +lm+s disput+ o prêmio, e quem che¸+r por últi-
mo é mulher do p+dre. lsto, contudo, +contece +pen+s r+r+men-
te, porque os ceif+dores de +lm+s m+ntêm um+ vi¸íli+ +tent+
sobre os vivos, e os des+stres s1o +ntecip+dos qu+se sem exceç1o.
N+ verd+de, muit+s c+tístrofes s1o pl+nej+d+s e provoc+d+s, de
form+ muito semelh+nte + como os índios +meric+nos toc+v+m
os búf+los p+r+ penh+scos e depois se b+nquete+v+m.
Admito que pintei um retr+to choc+nte. Apen+s o meu
+mor profundo pel+ verd+de poderi+ me f+:er p+ss+r-lhe um+
vis1o t1o distópic+, c+ro leitor.
Servldño e Llherdude
escr+vid1o é o destino inevitível d+ m+i-
ori+ d+s +lm+s que entr+m no Mundo ln-
ferior. Desorient+d+s depois do toque d+
morte - muit+s +ind+ n1o compreende-
r+m su+ verd+deir+ situ+ç1o - el+s s1o
+ssedi+d+s por +queles que +s +¸u+rd+v+m.
Apes+r de ser um+ condiç1o detestível
p+r+ qu+lquer ser hum+no, no Mundo lnferior, muit+s ve:es +
escr+vid1o pode ser preferível + liberd+de.
Se¸undo um+ tr+diç1o +nti¸+, + +p+riç1o que r+s¸+ o
Redenho plísmico de um+ +l+m+ recém-che¸+d+ cl+m+ o direi-
to de conduç1o e é di¸nific+d+ com o título de Ceiff+dor. Meio
mestre, meio p+drinho, o ceif+dor precis+ ¸u+rd+r cuid+dos+-
mente su+ nov+ propried+de. N1o +pen+s os l+dröes precis+m ser
rech+ç+dos, como t+mbém + +p+riç1o recém-descobert+ precis+
ser m+ntid+ em bo+s condiçöes p+r+ ser m+ntido ou +ument+do
seu v+lor comerci+l. O Ceif+dor n+d+ lucr+ com m+us tr+tos...
A liberd+de, em comp+r+ç1o, é chei+ de terrores. Lm+
+p+riç1o fr+c+ e i¸nor+nte é pres+ fícil num mundo de pred+do-
res. Qu+lquer +p+riç1o que se encontre é um escr+v+¸ist+ po-
tenci+l. Apen+s medi+nte muit+ +stúci+ e um+ forç+ sobrehu-
m+n+ que + liberd+de pode ser m+ntid+. Lmbor+ o escr+vi:+do
poss+ sonh+r com liberd+de, ele n1o tem motivos p+r+ invej+r
um+ +lm+ livre.
Contudo, ser escr+vi:+do - sej+ no mundo dos vivos ou
dos mortos - é nutrir um+ cert+ esper+nç+ de liberd+de. Os
indivíduos escr+vi:+dos procur+m + liberd+de n+ +scenç1o de
postos, +spir+ndo um c+r¸o superior, como An+creonte ou Se-
nhor Mort+l. Outros, d+ mesm+ form+, procur+m melhor+r su+
situ+ç1o. loucos procur+m esc+p+r - esc+p+r é renunci+r +
tod+ proteç1o e mer¸ulh+r num mundo de peri¸os insondíveis.
As +lm+s colhid+s por Rene¸+dos sofrem menos em seu
confin+mento. Como os pens+dores r+cion+is e hum+nist+s d+
époc+ em que vivi (cuj+s +lm+s fund+r+m muitos ¸rupos), os
Rene¸+dos pre¸+m ¸r+nde respeito pelo indivíduo, coloc+ndo o
benefício mútuo e + cooper+ç1o voluntíri+ +cim+ dos m+nd+-
mentos d+ forç+ brut+. Su+ devoç1o + prític+ de su+ filosofi+ é,
como em vid+, um pouco v+riível; m+s +os recém-descobertos
s1o concedidos +l¸uns direitos pesso+is, motivo pelo qu+l su+s
existênci+s s1o bem melhores que + dos escr+vi:+dos.
Como ocorre com +s +p+riçöes +mp+r+d+s pelos Here¸es,
su+ condiç1o depende princip+lmente de su+s inclin+çöes.
Aqueles que se disporem, por filosofi+ ou interesse, + +credit+r e
servir + fé de seus c+ptores, poder1o prosper+r. Aqueles que n1o
quiserem sujeit+r-se +os seus m+nd+mentos poder1o ser ne¸oci-
+dos com outros mestres e ter1o um destino incerto.
jrunscendenclu
A¸or+ que eu desenhei os horrores do
Mundo lnferior em cores viv+s e terríveis,
n1o preciso lembrí-lo, leitor, que + princi-
p+l preocup+ç1o d+ m+iori+ d+s Alm+s ln-
quiet+s é esc+p+r de su+ m+ldiç1o. Lss+
possibilid+de é o que ilumin+ est+ existên-
ci+ +bominível e é desej+d+ t1o fercoros+-
mente qu+nto o desejo pel+ ¸r+ç+ celesti+l. Lss+ s+lv+ç1o é pro-
cur+d+ por víri+s filosofi+s, embor+ seu nome comum sej+ Tr+ns-
cendênci+ - um+ p+l+vr+ que m+teri+li:+ tudo é ilumin+do,
esper+nçoso e inspir+dor neste lu¸+r horrível.
Lm p+rte, + Tr+nscendênci+ é + libert+ç1o dos Orilhöes
que prendem + +lm+ +o mundo dos vivos, e, conseqüentemente,
+s Re¸iöes Sombri+s. D+ mesm+ form+ que nenhum+ +lm+ libert+
dos Orilhöes pode ser m+ntid+ prisioneir+ +qui, nenhum+ com
Orilhöes tem qu+lquer esper+nç+ de fu¸+.
M+s + Tr+nscendênci+ é m+is complex+ do que simples-
mente des+t+r os elos que prendem um+ +lm+ + Vid+. N+ verd+-
de, +pen+s destruir os Orilhöes é um+ ¸+r+nti+ de destruiç1o.
livre de su+ ìncor+ um+ +lm+ libert+ dos Orilhöes pode ser su¸+-
d+ pel+ loucur+ d+ Tempest+de, p+r+ li perecer ou sofrer um
destino pior. Antes de Tr+nscendênci+ ser +lc+nç+d+, o espírito
precis+ est+r em p+: consi¸o mesmo e possuir um+ tr+nqüilid+de
intern+ que o m+nterí + s+lvo dur+nte + jorn+d+ p+r+ + Tr+ns-
cendênci+.
A escurid1o interior d+ Sombr+ precis+ ser confront+d+,
+br+ç+d+ e h+rmoni:+d+ com p+ixöes m+is nobres; topdos os
conflitos e dores precis+m ser su+vi:+dos, deix+ndo + +lm+ tr+n-
qüil+; os +rrependimentos e sonhos precis+m ser expur¸+dos dos
espíritos - em sum+, c+d+ ítomo de sentimento ruim e ne¸+ti-
vid+de precis+ ser purific+do, o que impedirí o limbo de su¸+r
su+ esper+nç+.
A Tr+nscendênci+ é um+ jorn+d+ espiritu+l, m+s t+m-
bém um+ jorn+d+ no sentido ex+to d+ p+l+vr+ - se é que qu+l-
quer cois+ ou lu¸+r neste mundo t1o f+ntístico pode se¸uir +o pé
d+ letr+ o sentido d+ p+l+vr+ que o denomin+ -, e nem um pouco
menos +rrisc+d+ que +s peri¸rin+çöes de outror+, +tr+vés de flo-
rest+s selv+¸ens, desertos hostis e os ¸r+ndes s+ntuírios d+ Terr+
S+¸r+d+.
lor tudo isso, eu presenciei + Tr+nscendênci+ de +pen+s
um+ pesso+ + quem poderi+ ch+m+r +mi¸o, e com lí¸rim+s de
+le¸ri+ orei p+r+ poder se¸uir o mesmo curso. Lu +ind+ nutro +
esper+nç+ de +lc+nç+r esse est+do +benço+do + tempo, dest+
form+ d+ndo fim +o meu sofrimento neste mundo. Conheci
+p+riçöes que ne¸+m ou rejeit+m + esper+nç+ d+ Tr+nscendên-
ci+, e se prendem +o Mundo lnferior como su+ únic+ re+lid+de
- e espero sincer+mente j+m+is descer + condiç1o deles.
Que o Céu nos +jude + todos.
]uluvrus de Despedldu
Lstí consum+do. Lscrevi, d+ melhor for-
m+ que pude, sobre esses +ssuntos sobre-
n+tur+is. Se você lhe der + devid+ +ten-
ç1o, este texto poderí um di+ s+lví-lo de
tod+s +s espécies de horrores. Re:o p+r+
que isso +conteç+.
As cois+s re¸istr+d+s +qui podem p+recer
f+ntístic+s dem+is p+r+ receberem crédito, e você t+lve: fique
inclin+do + +tribuí-l+s + loucur+ de um demente ou +os pes+de-
los indu:idos pelo ópio. Mesmo eu, que qu+ndo h+bitei + c+rne,
dediquei minh+ vid+ + soluç1o dos mistérios d+ morte, sentiri+
dificuld+de em +credit+r n+ m+iori+ do que estí escrito nest+s
folh+s.
Contudo, neste texto hí muit+s cois+s que m1o lhe p+re-
cer1o estr+nh+s se você estudí-l+s com outros olhos. Comp+re
este texto com +s n+rr+tiv+s de f+nt+sm+s e +s lend+s de su+ terr+
n+t+l e encontr+rí semelh+nç+s. Como poderi+s ser de outro
modo, consider+ndo que tod+s ess+s históri+s est1po enr+i:+d+s
n+ mesm+ re+lid+de! Deixe que ess+s históri+s sej+m minh+s
testemunh+s, ¸+r+ntindo + ver+cid+de do resto d+ obr+. Tens +
minh+ p+l+vr+ de que presenciei tudo qu+nto rel+tei.
Hí m+is um+ cois+ que ¸ost+ri+ de cont+r. T+lve: nós +té
venh+mos + nos encontr+r, no Mundo lnferior. Contudo, n1o lhe
desejo + mesm+ sorte que eu. Se quiser +¸r+d+r-me, tr+te bem +s
+lm+s bo+s e piedos+s que cru:+rem seu c+minho - se um+ dess+s
n1o houvesse me +mp+r+do, você teri+ perm+necido i¸nor+nte, e
est+ri+ f+d+do + entr+r complet+mente desprep+r+do no Mundo
lnferior, como +conteceu comi¸o.
O Ser e o Nudu
Lm+ vid+ que des+p+rece de um+ ve: por tod+s, que n1o retorn+, é
como um+ sombr+: n1o tem peso, n1o se move so:inh+ e, sej+ horrível,
lind+ ou sublime... n1o si¸nific+ n+d+.
- Mil+n lunder+, A insustentível leve:+ do ser.
Tudo que di:emos e f+:emos é impre¸n+do pelo chei-
ro d+ morte. A vid+ sempre é desprovid+ de sentido e objeti-
vo, sendo pouco m+is que um+ jorn+d+ +o limbo. A dor
simplesmente n1o des+p+rece.
Nosso medo d+ morte se torn+ um medo do pes+delo.
O terror d+ mor+lid+de ocup+ t+nto + noss+ existênci+ que
n1o conse¸uimos viver. Lle t+mbém nos +torment+ t+nto
que + fu¸+ +ssume um+ importìnci+ extr+ordiníri+. Lncon-
tr+mos refú¸io em ¸r+ndes qu+ntid+des de entretenimento,
dro¸+s e sexo. Al¸uns encontr+m o refú¸io n+ própri+ mor-
te...
Somos cov+rdes, +medront+dos dem+is p+r+ p+r+rmos
de fu¸ir e começ+rmos + f+:er per¸unt+s.
O medo d+ morte sustent+ tod+ um+ série de terrores
e dependênci+s. Os nossos m+iores medos se +liment+m de
nossos sentimentos de imperfeiç1o e in+dequ+ç1o. Ressenti-
mo-nos de noss+ inc+p+cid+de de +br+ç+r + vid+ como deve-
rí+mos e odi+mos + influênci+ que nosso medo d+ morte exer-
ce sobre nós.
Cl+ro, é + morte - o medo imort+l do n+d+.
Somos, todos, sombr+s e lu:, +nim+is e hum+nos, cor-
pos e mentes. A mente tem r+:öes que o corpo desconhece,
embor+ ele poss+ sentir e re+¸ir. Aind+ +ssim, o corpo tem
um+ ló¸ic+ própri+, que nem sempre se superpöe + ló¸ic+ d+
mente. O corpo existe num mundo diferente d+ mente, um
reino de instinto e emoç1o.
A existênci+ +nim+l é b+se+d+ em p+dröes. A sobre-
vivênci+ e + reproduç1o s1o os propósitos desses p+dröes pro-
¸r+m+dos p+r+ + evoluç1o. Lm+ mud+nç+ de p+dr1o si¸nifi-
c+ peri¸o. Mud+nç+s num p+dr1o de c+ç+d+, +liment+ç1o,
cópul+ ou mi¸r+ç1o pode indic+r + che¸+d+ de um pred+dor,
um+ +v+l+nche ou um+ esc+sse: súbit+ de +limentos. l+r+
um +nim+l, + mud+nç+ é um +viso de que + morte espreit+
n+ esquin+.
Nossos corpos +nim+is continu+m re+¸indo dess+
form+, mesmo qu+ndo s+bemos que + morte n1o estí pró-
xim+' Qu+lquer tipo de mud+nç+ pode evoc+ este medo
instintivo. A mente pode reprimi-lo, i¸norí-lo ou mes-
mo +press+r + mud+nç+, m+s + sombr+ do corpo +nim+l
sempre f+: sentir su+ presenç+. O medo é um+ p+rte d+
vid+. L + sobrevivênci+.
Os +nim+is s1o míquin+s de sobrevivênci+. C+d+ cri-
+tur+ é um pinículo d+ evoluç1o, c+d+ um+ possuindo um+
c+p+cid+de de temer profund+mente. C+d+ um de nós estí
+qui porque c+d+ fibr+ de nosso ser estí imbuíd+ com um+
vont+de de fu¸ir ou correr +o menor sin+l de problem+s. O
que foi um di+ noss+ s+lv+ç1o, hoje é noss+ sentenç+.
No mundo moderno, + morte n1o precis+ ser t1o te-
mid+ - m+s di¸+ isso +o seu corpo. S+ber quem estí pul+n-
do em su+ direç1o n1o detém o fluxo de +dren+lin+. O medo
do corpo se choc+ com +s +spir+çöes d+ mente e d+ vont+de,
Nós m+t+mos noss+s +spir+çöes e esper+nç+s por medo, medo
de que + morte che¸ue.
Nós preferimos + ins+tisf+ç1o intern+ +o medo irr+ci-
on+l d+ morte. Ao f+:er isso, torn+mo-nos menos comple-
tos. Desistimos d+ vid+ p+r+ +br+ç+rmos o niilismo. Abr+ç+-
mos o n+d+, o próprio limbo. A ironi+ trí¸ic+ de noss+s vi-
d+s é que morremos sem j+m+is termos re+lmente vivido.
Que desperdício. Que pen+.
Neste jo¸o, nosso veículo p+r+ explor+r o tem+ d+ vid+
em morte e d+ morte em vid+ é o f+nt+sm+, um ser oco e
desprovido de vid+. A metífor+ é complet+. Se você estí
perdendo +l¸o dentro de você, ent1o estí se torn+ndo um
f+nt+sm+. Se estí perdendo tudo, menos +quele último fio
de identid+de, ent1o é um espectro. Se estí perdendo +té
mesmo esse fio, ent1o n1o hí m+is esper+nç+s. Você é n+d+.
O limbo jí o en¸oliu inteiro.
l+r+ entender este jo¸o, explore o seu próprio medo...
e su+ própri+ morte. N1o é um +ssunto muito +¸r+dível, m+s,
como jí dissemos, um+ vid+ vivid+ medo t+mbém n1o é. lor-
t+nto, lide com isso. Se¸ure o seu medo...
Vejo + lu+, movendo-se num +rco su+ve. Como um+ sinistr+ toch+ de cemitério, el+ +ind+ n1o revel+ todo seu rosto
brilh+nte. A lu+ brilh+, +pes+r dos feitiços que + +torment+m, e m+ntém seu curso, +br+ç+ndo o hori:onte. lu+, +¸or+ + su+
ch+m+ estí morbid+mente br+nc+, l+nç+ndo +o vento ond+s de lu: m+c+br+ p+r+ +terrori:+r + hum+nid+de.
N+ ¸r+m+ +vermelh+d+ por s+n¸ue ofereço-lhe +nim+is em s+crifício. l+r+ você, lu+, +cendo + toch+ ritu+l que
roubei de um+ cerimoni+ de crem+ç1o. lor você, lu+, +rqueio minh+ c+beç+ contr+ o peito, e em se¸uid+ + jo¸o p+r+ trís,
p+r+ solt+r e pente+r meu c+belo; c+nt+ndo, prendo-o com + ti+r+ s+¸r+d+, como é feito nos funer+is. lor você, se¸uro este
r+mo enre¸el+do com o orv+lho d+ morte. Lm seu nome, lu+, desnudo os seios e ret+lho meus br+ços com + +d+¸+ s+¸r+d+,
derr+m+ndo minh+ s+nid+de e meu s+n¸ue. l+r+ sempre.
Medé+ Livro Um
24
A
purlçño.
O

L
lmho

odos nós, em esc+l+ m+ior ou menor,
somos jo¸+dores e n+rr+dores. Atr+vés de
nossos jo¸os, tr+nscendemos +s rotin+s
diíri+s; +tr+vés de noss+s históri+s, +li-
ment+mos + f+¸ulh+ de m+r+vilh+men-
to em nosso íntimo. Com os dois, ex-
press+mos nossos t+lentos e, no proces-
so, divertimo-nos e +os nossos +mi¸os.
O livro que você tem em m1os é um jo¸o e um veículo
de n+rr+tiv+. Lle permitirí que você +ssum+ o p+pel de um+
+p+riç1o - um+ cri+tur+ tortur+d+ e p+ssion+l, pres+ entre
+ morte e + vid+. Você terí + ch+nce de cont+r históri+s
sobre su+s lut+s. Como +c+b+rí percebendo, este jo¸o é m+is
sobre você do que sobre f+nt+sm+s. Afin+l, é você quem cont+
+s históri+s.
Lmbor+ Aparição sej+ um jo¸o, seu objetivo estí m+is
em cont+r históri+s que em vencer. Aparição possibilit+ que
você se envolv+ em históri+s de p+ix1o e loucur+ e o +jud+ +
cont+r ess+s históri+s. Se você nunc+ fe: esse tipo de cois+
+ntes, pode sentir-se confuso com + premiss+ ¸lob+l de um
jo¸o de n+rr+tiv+. lorém, depois de entender os conceitos
bísicos, descobrirí que cont+r históri+s n1o é novid+de p+r+
você. L +l¸o que você tem feito desde que n+sceu.
Você v+i tecer históri+s +ssombros+s - históri+s de es-
per+nç+ frí¸il e tr+¸édi+ pesso+l. O cerne d+s históri+s é você:
+ +p+riç1o. Lss+s ir1o c+ptur+r e envolver + su+ im+¸in+ç1o
muito m+is profund+mente que qu+lquer peç+ ou filme. lsto
ocorre porque você estí J.n:r· d+ históri+ como um p+rtici-
p+nte +tivo, n1o como um simples observ+dor.
Contundo llstórlus
-:rat.s J· munJ· |a||:aJ·, .m :·J·s ·s
:.mj·s . s·| :·Jas as .|r.uns:an.|as, ·s
m|:·s J· |·m.m j|·r.s..ram, . .|.s :.m s|J·
a |nsj|ra¸a· t|ta J. :uJ· ¡u. J.r|t·u Jas
a:|t|JaJ.s J· .·rj· . Ja m.n:. |umana.
- Joseph C+mpbell, T|. H.r· u|:| a
T|·usanJ ía..s.
Hí muito tempo +trís, +ntes dos filmes, d+ tevê, do rídio
ou dos livros, +s pesso+s costum+v+m cont+r históri+s um+s
+s outr+s: históri+s de c+ç+d+s, lend+s sobre os deuses e os
¸r+ndes heróis, ou fofoc+s sobre os vi:inhos. Ll+s cont+v+m
históri+s em vo: +lt+, como p+rte de um+ tr+diç1o or+l de
n+rr+tiv+ - um+ tr+diç1o que jí perdemos qu+se inteir+-
mente.
N1o cont+mos m+is históri+s - nós +s ouvimos. Sent+-
mos-nos p+ssiv+mente, e deix+mos que nos tomem no colo
e nos levem p+r+ o mundo que nos é descrito. Torn+mo-nos
escr+vos d+ televis1o, permitindo + um+ oli¸+rqui+ de +rtis-
t+s que descrev+m noss+ cultur+ p+r+ nós.
M+s existe outro c+minho. O híbito de cont+r históri+s
pode volt+r + f+:er p+rte de noss+ cultur+. L sobre isso que
tr+t+ este jo¸o: n1o sobre históri+s cont+d+s p+r+ nós, m+s
históri+s que cont+mos +os outros. Atr+vés do jo¸o e d+ +rte
d+ n+rr+tiv+ col+bor+tiv+, cri+mos históri+s nov+s e reen-
contr+mos +s lend+s e os mitos +nti¸os.
-¡u.|. ¡u. j|n¸. ·||ar a m·r:. s.m m.J·, m.n:..
- Je+n-J+cques Rousse+u
C
upltulo
U
m.
I
ntroduçño
Cupltulo Um.
Introduçño
2o
A
purlçño.
O

L
lmho
Cont+r históri+s nos permite entender + nós mesmos,
oferecendo-nos um+ ferr+ment+ com + qu+l explic+r nossos
triunfos e derrot+s. Olh+ndo p+r+ + noss+ cultur+, noss+s f+-
míli+s e nós mesmos em novos contextos, podemos desco-
brir cois+s que nunc+ h+ví+mos percebido. L divertido por-
que é revel+dor e estimul+nte porque é re+list+. Nosso f+scí-
nio por cont+r históri+s estí imbuído de propósito: nin¸uém
duvid+ disso.
Interpretundo
Aparição n1o é só um+ ferr+ment+ p+r+ cont+r históri+s:
é t+mbém um jo¸o de personific+ç1o de p+péis (ou rolepl+yin¸
¸+me). Você n1o +pen+s cont+ históri+s - você +tu+ nel+s,
+ssumindo os p+péis dos person+¸ens princip+is. L muito
p+recido com te+tro, só que você mesmo invent+ +s f+l+s.
l+r+ entender + personific+ç1o de p+péis, b+st+ que você
retorne + infìnci+ e +quel+s t+rdes m+r+vilhos+s que p+ss+v+
brinc+ndo de políci+ e l+dr1o, cowboy e índio ou de se f+n-
t+si+r. O que você est+v+ f+:endo er+ personific+r um p+pel,
um tipo de represent+ç1o espontìne+ e n+tur+l que ocup+-
v+ complet+mente + su+ im+¸in+ç1o. Lss+ represent+ç1o +ju-
d+v+-o + +prender sobre + vid+ e o que si¸nific+ ser um indi-
víduo +dulto. loi um+ p+rte essenci+l de su+ infìnci+, m+s
só porque você cresceu n1o si¸nific+ que tenh+ de p+r+r.
Lm Aparição, em ve: de fin¸ir, se¸uimos +l¸um+s re¸r+s
que nos +jud+m + interpret+r. Ll+s s1o us+d+s princip+lmen-
te p+r+ evit+r discussöes - "B+n¸' B+n¸' Você estí morto'"
"N1o, n1o to n1o'" - e p+r+ +crescent+r um sentido m+is
profundo de re+lismo + históri+. As re¸r+s direcion+m e ¸ui-
+m o pro¸resso d+ históri+, e +jud+m + definir +s c+p+cid+des
e fr+que:+s dos person+¸ens. As re¸r+s essenci+is de Apari-
ção s1o descrit+s no C+pítulo Qu+tro.
Aparição pode ser jo¸+do com pr+tic+mente qu+lquer
número de jo¸+dores, m+s os jo¸os de personific+ç1o, em
¸er+l, funcion+m melhor com seis, ou menos de seis, jo¸+do-
res. O jo¸o perde um pouco de seu s+bor e mistério qu+ndo
os jo¸+dores precis+m competir por +tenç1o.
O Nurrudor
A estrutur+ de Aparição é um pouco diferente d+ estru-
tur+ dos jo¸os com os qu+is você poss+ est+r f+mili+ri:+do.
Lm primeiro lu¸+r, n1o existe nem t+buleiro nem c+rt+s. Lm
se¸undo, um jo¸+dor precis+ ser o N+rr+dor - + pesso+ que
cri+ e condu: +s históri+s.
Ser o N+rr+dor é um pouco p+recido com ser o B+nquei-
ro num+ p+rtid+ de ßan.· lm·||||ar|·, só que é +ind+ m+is
import+nte. O N+rr+dor descreve o que +contece +os perso-
n+¸ens como result+do do que os jo¸+dores di:em e f+:em.
Lle decide se os person+¸ens s1o bem sucedidos ou n1o, se
eles sofrem ou prosper+m, se vivem ou morrem. N+rr+r é
um+ t+ref+ írdu+, m+s t+mbém muito ¸r+tific+nte: o N+rr+-
dor é um cri+dor de lend+s.
O dever essenci+l do N+rr+dor é ¸+r+ntir que os outros
27
Ap+riç1o em f+:er cert+s cois+s. As +çöes constituem o ele-
mento bísico de Aparição, porque descrevem como os perso-
n+¸ens mud+m o mundo e +fet+m o curso d+ históri+.
Os person+¸ens s1o essenci+is em um+ históri+: eles +lte-
r+m e direcion+m + tr+m+; sem person+¸ens n1o hí históri+.
A medid+ que + históri+ flui, os person+¸ens, e n1o +s deci-
söes do N+rr+dor, diri¸em e ener¸i:+m o pro¸resso d+ tr+m+.
Até certo ponto, c+d+ person+¸em é um +ssistente do
N+rr+dor. Os jo¸+dores devem sentir-se + vont+de p+r+ +cres-
cent+r idéi+s e elementos + históri+, embor+ o N+rr+dor pos-
s+ +ceití-los ou n1o, se¸undo seu jul¸+mento. No fim, + his-
tóri+, n1o um person+¸em individu+l, é o m+is import+nte.
Os jo¸+dores, person+¸ens e N+rr+dores tr+b+lh+m em con-
junto p+r+ d+r vid+ + um+ históri+.
Os ]ersonugens
Lxistem muitos elementos diferentes que constituem +quilo
que ¸ost+mos de pens+r como o "eu"; elementos numerosos
dem+is p+r+ que poss+m ser sep+r+dos ou identific+dos. N+
verd+de, n1o s+bemos quem ou o que somos. Ls+mos muit+s
mísc+r+s. L dest+ diversid+de essenci+l do eu que se ori¸in+
nosso desejo e c+p+cid+de de fin¸ir ser +l¸um+ outr+ pesso+.
Os person+¸ens s1o +s versöes literíri+s d+s pesso+s re+is
- eles n1o s1o re+is, m+s c+ptur+m +l¸uns +spectos d+ re+li-
d+de. Apen+s qu+ndo você entr+ no mundo d+ históri+ os
seus person+¸ens podem se consum+r. Lles s1o re+is +pen+s
qu+ndo têm você como su+ forç+ motri: - su+ +lm+, se
você preferir ch+mí-l+ +ssim. J+m+is tr+te seus person+¸ens
como projeçöes de você mesmo (+ind+ que eles n1o p+ssem
disso). Tr+te-os como indivíduos únicos, como obr+s de +rte,
ou +ind+ como expressöes frí¸eis de su+ sensibilid+de poéti-
c+. V+lori:e os person+¸ens que cri+r.
Os person+¸ens de Aparição s1o fíceis de serem cri+dos.
L preciso menos de mei+ hor+ p+r+ escolher tod+s +s C+r+c-
terístic+s que descrevem o seu person+¸em. L preciso o mes-
mo tempo e esforço p+r+ tr+nsform+r est+ coleç1o de núme-
ros em person+¸ens vivos. Você terí de mer¸ulh+r n+s pro-
funde:+s de seu próprio ser p+r+ encontr+r cois+s que sej+m
re+is e verd+deir+s e, com el+s, ¸er+r um person+¸em com-
pleto. O monstro de lr+nkenstein foi mont+do com f+cili-
d+de + p+rtir de peç+s corpor+is disponíveis. O difícil foi in-
sufl+r-lhe vid+.
A cri+ç1o de person+¸ens serí discutid+ com m+is det+-
lhes no C+pítulo Cinco.
Vencedores e perdedores
1o existe um "vencedor" em Aparição:
o objetivo do jo¸o n1o é derrot+r os ou-
tros jo¸+dores. l+r+ "vencer" é preciso
cooper+r com os outros jo¸+dores. Como
este é um jo¸o de cont+r históri+s, n1o
hí como um+ determin+d+ pesso+ s+ir
vitorios+. Desde o começo os person+-
jo¸+dores se divirt+m. Lle f+: isso cont+ndo um+ bo+ histó-
ri+. M+s +o contrírio dos n+rr+dores tr+dicion+is, o n+rr+dor
n1o cont+ simplesmente + históri+; ele er¸ue su+ estrutur+ e
permite que os jo¸+dores + completem +ssumindo os p+péis
dos prot+¸onist+s. Lm Aparição, cont+r históri+s é +lc+nç+r
um equilíbrio delic+do entre n+rr+ç1o e jul¸+mento, entre
históri+ e jo¸o. Oc+sion+lmente o n+rr+dor precis+ mont+r
um cenírio ou descrever o que ocorre, m+s n+ m+ior p+rte
d+ ve:es ele precis+ decidir o que ocorre em re+ç1o +s p+l+-
vr+s e +s +çöes dos person+¸ens. Lle precis+ ser re+list+, im-
p+rci+l e cri+tivo.
N+ condiç1o de N+rr+dor, é seu dever interpret+r e f+:er
cumprir +s re¸r+s. Além disso você t+mbém f+: +s honr+s de
+present+dor, n+ medid+ que precis+ divertir seus jo¸+dores.
L preciso encontr+r um ponto de equilíbrio entre seus dois
p+péis. A m+ior p+rte deste livro foi escrit+ p+r+ +judí-lo
nisso. As dic+s que oferecemos n1o f+cilit+r1o + t+ref+ de ser
um N+rr+dor, porque est+ j+m+is serí fícil, m+s ir1o +judí-lo
+ n+rr+r com eficiênci+.
O p+pel do N+rr+dor serí explic+do com m+is det+lhes
no C+pítulo Três.
Os [ogudores
A m+ior p+rte d+s pesso+s que jo¸+rem Aparição n1o
ser1o N+rr+dores, m+s jo¸+dores que ir1o +ssumir os p+péis
dos person+¸ens centr+is d+ históri+. Ser um jo¸+dor n1o
requer t+nt+ respons+bilid+de qu+nto ser um N+rr+dor, m+s
ex+t+mente o mesmo esforço e concentr+ç1o.
N+ condiç1o de jo¸+dor num+ cronic+ de Aparição, você
+ssume + person+ e o p+pel de um f+nt+sm+, que você in-
vent+ e em se¸uid+ personific+ dur+nte o curso de um+ ou
víri+s históri+s. A vid+ do seu person+¸em estí em su+s m1os:
é você quem decide o que o person+¸em di: ou f+:. Você
determin+ qu+is riscos +ceit+r ou declin+r. Tudo o que fi:er
e disser enqu+nto estiver jo¸+ndo com seus person+¸ens sur-
tirí efeito no mundo do jo¸o.
Você precis+ ser, + um só tempo, +tor e jo¸+dor. Como
+tor, você f+l+ pelo seu person+¸em e represent+ tudo o que
quiser que ele di¸+ ou f+ç+. Qu+lquer cois+ que você disser,
o seu person+¸em di:, + n1o ser que você estej+ respondendo
especific+mente + um+ per¸unt+ feit+ pelo N+rr+dor ou es-
tej+ descrevendo +s su+s +çöes. Ao +nunci+r e descrever p+r+
os outros jo¸+dores o que estí f+:endo, você se torn+ p+rte
d+ históri+ que estí sendo cont+d+.
Como jo¸+dor, você tent+ f+:er cois+s que permitem +o
seu person+¸em ser bem-sucedido e, port+nto, "¸+nh+r o
jo¸o". Lste elemento estr+té¸ico do jo¸o é essenci+l, visto
que é ele que costum+ cri+r + emoç1o e + empol¸+ç1o de um
momento dr+mítico.
Muit+s ve:es, depois de descrever +s +çöes que "você" de-
sej+ desempenh+r, serí preciso jo¸+r d+dos p+r+ ver se o perso-
n+¸em conse¸ue re+li:+r o que você ilustrou com p+l+vr+s. As
C+r+cterístic+s do seu person+¸em - descriçöes numéric+s de
seus pontos fortes e fr+cos - dit+m + competênci+ de su+
C
upltulo
U
m.
I
ntroduçño
28
A
purlçño.
O

L
lmho
¸ens de Aparição est1o conden+dos + v+¸+r pel+s Re¸iöes
Sombri+s, um mundo desol+do +lém d+ vid+, m+s +quém d+
eternid+de. A forç+ m+lévol+ conhecid+ como limbo +rr+s-
t+-se lent+mente pel+ superfície d+s Re¸iöes Sombri+s, en-
qu+nto f+nt+sm+s enlouquecidos e cri+tur+s de pes+delo +me-
+ç+m os person+¸ens. Com ess+s forç+s poderos+s direcion+d+s
contr+ você, + verd+deir+ medid+ de sucesso em Aparição só
poderi+ ser + sobrevivênci+
lorém, se o person+¸em possuir +l¸um+ motiv+ç1o po-
derosíssim+ (como um+ necessid+de de vin¸+nç+), cumprir
este objetivo t+mbém serí um+ medid+ de sucesso. As his-
tóri+s e Cronic+s costum+m +lc+nç+r conclusöes que benefici-
+m ou prejudic+m os person+¸ens. Se os jo¸+dores puderem
direcion+r +s históri+s p+r+ o benefício de seus person+¸ens,
eles "vencer+m", +o menos tempor+ri+mente. Qu+ndo um ¸ru-
po de +p+riçöes conse¸ue encontr+r um político corrupto que
+me+çou ou destruiu pesso+s ou lu¸+res que +s +p+riçöes +m+-
v+m, o ¸rupo obteve um+ vitóri+ temporíri+. Contudo, se o
político tiver +mi¸os poderosos no submundo do ocultismo,
+t+cí-lo poderí ser um+ m+nobr+ +rrisc+d+. Lm+ "vitóri+" sob
ess+s circunstìnci+s pode ser +ind+ pior que um+ derrot+.
l+r+ +lc+nç+r +té mesmo um+ vitóri+ p+rci+l, os perso-
n+¸ens norm+lmente precis+m se torn+r +mi¸os. Lles preci-
s+m procur+r uns pelos outros e possuir um mínimo de con-
fi+nç+ mútu+. O Mundo d+s Trev+s é t1o peri¸oso que torn+
os +li+dos confiíveis um+ ¸r+nde rique:+. Lm ¸rupo dividi-
do n1o sobreviverí por muito tempo.
Acessórlos de [ogo
Lm su+ m+ior p+rte, Aparição foi pl+nej+do p+r+ ser jo-
¸+do em torno de um+ mes+. Lmbor+ o jo¸o n1o exij+ o uso
de um t+buleiro, certos +cessórios requerem o uso de um+
mes+. Você precis+rí de d+dos, lípis e p+pel, +ssim como foto-
cópi+s d+s fich+s dos person+¸ens. S1o necessírios d+dos de
de: f+ces, que podem ser encontr+dos n+s loj+s especi+li:+d+s.
O N+rr+dor pode t+mbém ter p+pel + m1o p+r+ f+:er o dese-
nho de um cenírio (o que f+cilit+ descrevê-lo +os jo¸+dores),
+ssim como +l¸uns outros +cessórios p+r+ mostr+r +os jo¸+do-
res o que os person+¸ens est1o vendo (foto¸r+fi+s, fósforos, len-
ços, qu+lquer cois+ p+r+ torn+r + experiênci+ m+is vívid+).
Ao Vlvo
A +ç1o "+o vivo" pode ser + p+rte m+is dinìmic+ e diver-
tid+ de um+ p+rtid+ de Aparição. Ll+ é semelh+nte +os exer-
cícios de improviso em te+tro, nos qu+is os +tores (os jo¸+-
dores) +tu+m +tr+vés d+s cen+s cri+d+s e +present+d+s pelo
N+rr+dor. lsto torn+ + experiênci+ de cont+r históri+s muito
m+is emocion+nte e imedi+t+.
Os jo¸+dores num jo¸o de personific+ç1o de p+péis ¸e-
r+lmente J.s.r.t.m o que seus person+¸ens f+:em e di:em,
m+s dur+nte + personific+ç1o +o vivo eles jaz.m o que seus
person+¸ens f+:em e di:em (dentro de limites). Lles podem
se lev+nt+r, c+minh+r, se¸ur+r um+ c+rt+, troc+r +pertos de
m1os ou correr +té um+ j+nel+ p+r+ ver o que estí +conte-
cendo. Obvi+mente, t+mbém neste c+so se f+: necessírio
empre¸+r muit+ im+¸in+ç1o e o N+rr+dor +ind+ pode inter-
romper + +ç1o p+r+ descrever objetos e situ+çöes especi+is.
N1o se us+ d+dos dur+nte + Aç1o Ao Vivo. As re¸r+s
+ltern+tiv+s, como +s oferecid+s nos produtos de +ç1o +o
vivo d+ White Wolf, + linh+ Mind's Theatre, tom+m, qu+n-
do necessírio, o lu¸+r dos d+dos. A m+iori+ dos eventos num
jo¸o é determin+d+ +tr+vés d+ +tu+ç1o dr+mític+. O N+rr+-
dor simplesmente us+ +s C+r+cterístic+s dos person+¸ens p+r+
decidir com que competênci+ os person+¸ens conse¸uem
desempenh+r determin+d+s +çöes mecìnic+s (como +rrom-
b+r um+ fech+dur+). O N+rr+dor t+mbém precis+ decidir
como os outros person+¸ens ¸ui+dos pelos N+rr+dor re+¸em
+os person+¸ens dos jo¸+dores.
Regrus
Você precis+ se¸uir +l¸um+s re¸r+s bísic+s p+r+ ¸+r+ntir
que + +ç1o +o vivo tr+nscorr+ com se¸ur+nç+. Lss+s re¸r+s
precis+m ser obedecid+s dur+nte tod+ +ç1o +o vivo. A se¸u-
r+nç+ deve ser sempre um+ preocup+ç1o princip+l.
º Não toque: Lm jo¸+dor n1o deve +tin¸ir ou +¸+rr+r
qu+lquer membro do ¸rupo. Lm hipótese +l¸um+ deverí ser
encen+d+ qu+lquer espécie de comb+te - est+ é um+ d+s
cois+s cuj+ resoluç1o c+berí +os d+dos. A Aç1o +o Vivo en-
volve +pen+s diílo¸os - j+m+is comb+tes. Se os jo¸+dores
ou os +ssistentes do N+rr+dor empol¸+rem-se dem+is em seus
p+péis, o N+rr+dor deve decret+r um interv+lo e lembr+r +
todos +s re¸r+s de represent+ç1o. Os infr+tores reincidentes
devem ser convid+dos + se retir+rem, ou + +ç1o deve retor-
n+r + mes+ e os conflitos resolvidos com os d+dos.
º Sem armas: N1o poder1o ser us+dos +dereços cujo
funcion+mento requeir+ o toque em outro indivíduo. Du-
r+nte + +ç1o +o vivo j+m+is poder1o ser empunh+d+s +rm+s
de qu+lquer espécie. loder1o ser empre¸+d+s +pen+s +que-
l+s +rm+s de brinquedo que podem ser f+cilmente identific+-
d+s como f+ls+s; mesmo nesse c+so +s re¸r+s de n1o toc+r
dever1o ser m+ntid+s.
º Atue em ambientes fechados: Atue dentro de su+
própri+ c+s+ ou em qu+lquer íre+ p+rticul+r n+ qu+l +s p+rti-
d+s costumem ocorrer. Certifique-se de que todos n+s íre+s
próxim+s compreend+m o que você estí f+:endo. Nunc+ exe-
cute + Aç1o +o Vivo se o evento puder confundir ou +ssus-
t+r tr+nseuntes. Se você +tu+r em +mbientes +bertos, como
no bosque +trís de su+ c+s+, providencie p+r+ que + su+
priv+cid+de sej+ m+ntid+.
º Saiba quando parar: Qu+ndo o N+rr+dor decret+r o
fim d+ Aç1o +o Vivo, tod+s +s +tivid+des devem ser inter-
rompid+s. Mesmo dur+nte + Aç1o +o Vivo (especi+lmente
dur+nte + Aç1o +o Vivo), + p+l+vr+ do N+rr+dor é fin+l.
29
Apurlções
V·.. ¡u.r J.s.·|r|r · s.¸r.J· Ja m·r:..
Mas .·m· t·.. j·J. J.st.nJa-|·, s. na·
jr·.urar n· .·ra¸a· Ja t|Ja:
- .·ru¡a .u¡·s ·||·s n·:urn·s sa· ..¸·s
Juran:. · J|a na· j·J. J.s||nJar · s.¸r.J·
Ja |uz.
S. t·.. ¡u.r r.a|m.n:. .·n:.mj|ar · .sj/-
r|:· Ja m·r:., a|ra · s.u .·ra¸a· jara · .·rj· Ja t|Ja.
í·|s, ass|m .·m· · r|· . · mar j.r:.n..m a· m.sm· s|s:.ma,
a t|Ja . a m·r:. sa· uma .·|sa s´.
- lh+lil Oibr+n, Ò ír·j.:a
Lmbor+ + morte nos +terrori:e, el+ t+mbém nos f+scin+.
Dur+nte tod+ + Históri+, o homem ¸lorificou + morte, em-
brulh+ndo seu medo num+ ric+ t+peç+ri+ de ritu+is, pomp+
e destruiç1o. A ciênci+ lut+ p+r+ deter + m1o do Ceif+dor,
enqu+nto + +rte e + fé procur+m b+ix+r seu véu e toc+r-lhe o
rosto pílido.
Lm Aparição, + morte n1o é o fim. O momento d+ morte
é +pen+s o fim de um+ jorn+d+ e o começo de outr+. A m+i-
ori+ d+s +lm+s p+ss+ rípido, presumivelmente p+r+ + Tr+nsce-
dênci+ ou p+r+ o limbo, + n1o-existênci+ +bsolut+. M+s +s
Ap+riçöes s1o os espíritos dos mortos que perder+m tr+¸ic+-
mente seu c+minho n+ estr+d+. Lles est1o +¸rilho+dos +os seus
p+ss+dos, memóri+s e deveres n1o cumpridos. As l+ixöes +v+s-
s+l+dor+s d+s +p+riçöes permitem-lhes en¸+n+r + morte. De
f+to, for+m ess+s p+ixöes que impedir+m o sono fin+l. Al¸um+s
+p+riçöes s1o movid+s por +m+r¸ur+ e ódio, enqu+nto outr+s
perse¸uem ide+is t1o poderosos que nem + morte pode ne¸í-
los. Al¸um+s s1o movid+s por um+ ìnsi+ em +lc+nç+r + s+tisf+-
ç1o que lhes foi ne¸+d+ em vid+, enqu+nto outr+s se¸ur+m-se +
Terr+ por medo do que +s esper+ +lém.
Lss+s Alm+s lnquiet+s descobrir+m-se pres+s no Mundo
lnferior, um+ mei+-vid+ espiritu+l entre +s terr+s viv+s e +
eternid+de desconhecid+. Aqui, el+s est1o cerc+d+s por um+
vis1o persistente d+ dec+dênci+. Lmbor+ +s +p+riçöes pos-
s+m m+nifest+r-se tempor+ri+mente no mundo físico, ou
mesmo possuir mort+is, el+s est1o conden+d+s + v+¸+r eter-
n+mente, +¸rilho+d+s +o mundo que deix+r+m p+r+ trís.
Muit+s +p+riçöes s1o o produto de mortes cruéis e súbi-
t+s, mortes que che¸+r+m +ntes que eles tivessem um+ ch+nce
de resolver +ssuntos m+is import+ntes n+ vid+. Lss+s +p+ri-
çöes podem rein+r brevemente no Mundo lnferior +ntes de
+ceit+rem + morte e continu+rem su+ jorn+d+. Os person+¸ens
dos jo¸+dores, porém, possuem l+ixöes e Orilhöes poderosíssi-
mos que os prendem +s su+s vid+s perdid+s, o que si¸nific+ que
eles fic+r1o no Mundo lnferior por muito tempo.
O Mundo Inlerlor
Lntre + vid+ e + morte, entre + Tr+nscendênci+ e o lim-
bo, est1o Lstí¸i+, +s Re¸iöes Sombri+s e +s lr+i+s Dist+ntes.
Lsses reflexos espiritu+is d+ mort+lid+de, coletiv+mente co-
C
upltulo
U
m.
I
ntroduçño
3u
A
purlçño.
O

L
lmho
nhecidos como Mundo lnferior, +torment+m +s +p+riçöes
com reflexos d+ vid+ perdid+.
louquíssimos mortos che¸+m +o Mundo lnferior. As +p+-
riçöes discord+m qu+nto +o motivo disto. Al¸uns di:em que
o Mundo lnferior é +pen+s um+ s+l+ de esper+ p+r+ os des-
crentes, um+ est+ç1o de b+lde+mento entre + Terr+ e + Lter-
nid+de. Se isto for verd+de, +l¸um+s +p+riçöes est1o espe-
r+ndo hí muito tempo, e n1o est1o +vist+ndo nenhum+ s+í-
d+. Outr+s +p+riçöes postul+m que + m+iori+ d+s +lm+s hu-
m+n+s simplesmente p+ss+ direto p+r+ o limbo, que é + m+-
teri+li:+ç1o do n+d+ que impre¸n+ o +r do Mundo lnferior.
Se isso for verd+de, o limbo estí c+d+ ve: m+is f+minto: +
c+d+ +no cresce o número de mort+is que c+em no Vórtice.
Al¸um+s +p+riçöes m+is otimist+s postul+m que + reenc+r-
n+ç1o existe; um+ seit+ Herétic+ +té mesmo +credit+ que o
limbo sej+ o j+rdim d+s +lm+s reencontr+d+s. A verd+de
possível por trís dest+ idéi+ n1o é muito reconfort+nte p+r+
+s +p+riçöes: + rod+ círmic+, se é que el+ existe, deixou-+s
p+r+ trís, +tol+d+s no Mundo lnferior.
Sej+ qu+l for + n+ture:+ do Mundo lnferior, +s +p+riçöes
est1o pres+s nel+. Lmbor+ +s Alm+s lnquiet+s n1o sej+m fr+-
c+s, +pen+s + Tr+nscendênci+ ou o limbo permite-lhes dei-
x+r o Mundo lnferior p+r+ sempre. L nin¸uém que tenh+
opt+do por um+ d+s +ltern+tiv+s jí voltou p+r+ cont+r + his-
tóri+. O que prende +s Alm+s lnquiet+s +o Mundo lnferior.
O medo do jul¸+mento ou d+ +niquil+ç1o.
Curucterlstlcus dus Apurlções
As Ap+riçöes possuem cert+s h+bilid+des in+t+s. Os sis-
tem+s p+r+ ess+s h+bilid+des s1o +present+dos n+ pí¸in+ 12+.
º Visão da Morte
As Ap+riçöes vêem um mundo impre¸n+do pel+ morte
em qu+lquer p+rte p+r+ onde olhem. A influênci+ do limbo
se f+: sentir n+s Re¸iöes Sombri+s: um c+rro esporte novo
+p+rece +rr+nh+do e +m+ss+do, +s estítu+s fic+m +rruin+d+s,
e +s pesso+s próxim+s + morte exibem um+ p+lide: c+d+véri-
c+. As Ap+riçöes podem ver o ¸r+u +té onde o limbo +fetou
+l¸uém ou +l¸um+ cois+. Com est+ noç1o, + Alm+ lnquiet+
pode +cess+r os pontos fr+cos de um objeto ou + s+úde ¸er+l
de um+ pesso+.
º Visão da Vida
As Ap+riçöes t+mbém s1o c+p+:es de perceber + ener¸i+
d+ vid+ em todos os seres. Lm+ Ap+riç1o pode interpret+r +
"+ur+ d+ vid+" de um ser, dest+ form+ determin+ndo o hu-
mor, identid+de e nível de hostilid+de desse ser. Até mesmo
+s pesso+s m+is insípid+s e tr+nsp+rentes costum+m +presen-
t+r víri+s cores em su+ +ur+. As cores d+ +ur+ podem mud+r
num ciclo previsível ou se +lter+rem de form+ complet+mente
+le+tóri+, se¸uindo o est+do emocion+l +tu+l do person+-
¸em. louc+s +ur+s m+ntêm um+ mesm+ cor por muito tem-
po. As emoçöes intens+s podem cl+re+r, escurecer ou mistu-
r+r os tons d+ +ur+ de um+ pesso+.
º Sentidos Aguçados
Tod+s +s Ap+riçöes s1o hipersensíveis + inform+çöes
sensori+is. Lm+ +p+riç1o pode ouvir um sussurro + um qu+r-
teir1o de distìnci+ ou ler + pl+c+ de um +utomóvel em +lt+
velocid+de. O l+do ne¸+tivo disto é que costum+m ser +ssus-
t+d+s por ruídos +ltos ou ofusc+d+s por lu:es fortes.
º InsubstanciaIidade
As Ap+riçöes têm + h+bilid+de de p+ss+r +tr+vés de obje-
tos sólidos n+s Re¸iöes Sombri+s. Contudo, f+:er isso requer
que + +p+riç1o ¸+ste um+ pequen+ qu+ntid+de de su+ essên-
ci+, ou Corpus. Dest+ form+, +s Ap+riçöes podem +tr+vess+r
p+redes ou pesso+s ou +ind+ suport+r s+r+iv+d+s de b+l+s,
s+indo rel+tiv+mente iles+s.
A Somhru
N+ morte, n1o existe nenhum lu¸+r onde sej+ possível
esconder-se do l+do sombrio d+ +lm+. Tudo que for temido,
odi+do, reprimido e ne¸+do, +dquire um+ consciênci+ pró-
pri+ no Mundo lnferior. Lss+ consciênci+, ch+m+d+ Sombr+,
é o veneno d+ existênci+ d+s Alm+s lnquiet+s. Th+n+tos, +
puls1o d+ morte, + seduç1o do limbo, form+ o l+do ne¸ro do
s+n¸ue d+ vid+. Bond+de, esper+nç+, poder, vont+de pur+
- tudo isso tomb+ di+nte d+ Sombr+.
- A Sombr+ nem sempre re¸e um+ Ap+riç1o, m+s form+
um+ p+rte intrínsec+ de seu ser. Ll+ n1o é um+ cri+tur+ en-
louquecid+, m+s um+ forç+ m+lévol+ e sutil. A Sombr+ é o
ìm+¸o do subconsciente de um+ +p+riç1o. Como t+l, tem
+cesso + todos os seus poderes, memóri+s e +ssoci+cöes. L o
inimi¸o m+is terrível que um+ +p+riç1o pode ter.
A Sombr+ f+rí intri¸+s e tecerí pl+nos. Sussurr+rí e +tor-
ment+rí. L, sob cert+s circunstìnci+s, +ssumirí vid+ própri+,
torn+ndo-se um demonio cuj+ únic+ motiv+ç1o é + su+ pró-
pri+ destruiç1o p+r+ livr+r-se de su+ dor. O objetivo fin+l d+
Sombr+ é forç+r seu hospedeiro + +ceit+r o limbo.
A m+iori+ d+s históri+s cont+d+s em Aparição envolve o
comb+te contr+ + Sombr+ e +s tent+tiv+s de impedir que
su+s tr+m+s v1o lon¸e dem+is. No fim, c+d+ +p+riç1o con-
tém dentro de si + semente de su+ destruiç1o: tod+s s1o con-
du:id+s p+r+ o limbo.
jrunscendenclu
Lma t|Ja :a|t.z :.n|a s|J· J.sj.rJ|¸aJa, ¡u.m sa|.:
Hat|a uma .|an.. J. j.||.|JaJ., . .|a j·| j.rJ|Ja.
Lma CÒlS- .r.s..u Ja t|Ja, uma CÒlS- na· ma|s ja.||
¡u. a t|Ja
C·n:uJ·, .·mj|.:a . j.rj.|:a - .·m· s.
ía na· j·ss. :a· ..J· jara r|r . urrar.
- R+iner Rilke, "The l+ce ll"
Ne¸+r que existe +l¸um+ cois+ +lém do Mundo lnferior
seri+ fech+r os olhos por medo d+ verd+de. Aind+ +ssim, mui-
tos ne¸+m, +firm+ndo que +pen+s o limbo esper+ os inc+utos.
Outr+s Alm+s lnquiet+s +credit+m que mesmo o Mundo lnfe-
rior n1o p+ss+ de um pur¸+tório pelo qu+l precis+m p+ss+r +n-
tes de +lc+nç+r um est+do superior. As Ap+riçöes referem-se +
este outro est+do como + Tr+nscendênci+. l+ss+r do Mundo
lnferior p+r+ + Tr+ncendênci+ exi¸e + +bne¸+ç1o do eu e +
31
+ceit+ç1o de tod+s +s liçöes d+ vid+ e d+ morte.
A Tr+ncendênci+ condu: + um Céu ou + um lnferno fin+l!
Ll+ é + nov+ enc+rn+ç1o no círculo círmico! Ou tod+ + noç1o
é um en¸odo d+ Sombr+ p+r+ +liment+r o limbo! Nin¸uém
s+be. A Tr+nscendênci+ é um+ vi+¸em de id+ p+r+ um destino
desconhecido. Lm qu+lquer c+so, +lc+nç+r + Tr+nscendênci+
requer + p+ss+¸em p+r+ o Vícuo, o ìm+¸o do limbo. A m+io-
ri+ d+s +p+riçöes fic+ p+r+li:+d+ de medo +pen+s em pens+r no
Vícuo. Desnecessírio di:er, + m+iori+ d+s +p+riçöes n1o
procur+ + Tr+nscendênci+. De f+to, el+s + temem. Al¸um+s
+p+riçöes ch+m+m + Tr+nscendênci+ de "Jul¸+mento", um+
prest+ç1o de cont+s fin+l com +l¸um poder superior, por tod+s
+s cois+s que el+s fi:er+m. louc+s Alm+s lnquiet+s despiri+m-
se volunt+ri+mente + lu: divin+ - + m+iori+ se encontr+ +quém
de qu+lquer redenç1o. Ll+s preferem fic+r +¸rilho+d+s por tod+
+ eternid+de. L melhor o inferno que el+s conhecem do que o
mistério que temem.
Nño se|u Gentll
Aparição é um jo¸o sobre morte, perd+, isol+mento e
identid+de, m+s t+mbém é sobre inter+ç1o hum+n+ e emo-
ç1o. Ao jo¸+r Aparição, você est+rí se confront+ndo com +
escurid1o dentro de você, +ssim como +quel+ que o cerc+. O
limbo consome ¸r+du+lmente o Mundo lnferior, m+s os per-
son+¸ens podem f+:er um+ diferenç+. Lles podem lut+r con-
tr+ +s forç+s do limbo dentro deles mesmos, +ssim como
+quel+s que os cerc+m no reino dos mortos.
Vocuhulárlo
O Mundo lnferior +present+ muitos fenomenos estr+nhos.
Seus des+fortun+dos h+bit+ntes +dot+r+m ou invent+r+m um+
v+ried+de de p+l+vr+s p+r+ descrever os +spectos bi:+rros de
su+s nov+s "vid+s".
Llnguugem Coloqulul
An¸st: O poder d+ Sombr+.
Arc+no, O: Lm peri¸oso ¸rupo de c+ç+dores e investi¸+-
dores do sobren+tur+l. Cat.a: an|ma.
Artef+to: Lm objeto que tenh+ sido +lter+do p+r+ pos-
suir poderes especi+is.
At+lhos: As trilh+s +tr+vés d+ Tempest+de.
Redenho: Lm+ cobertur+ ectoplísmic+ que cobre um+
+p+riç1o dur+nte seu período l+rv+l. De certo modo, o rede-
nho prote¸e + +p+riç1o, m+s t+mbém obstrói su+s percep-
çöes +té ser removido.
Ch+ron: O fund+dor d+ hier+rqui+. Ch+ron estí des+p+-
recido hí déc+d+s.
Círculo: Qu+lquer ¸rupo de +p+riçöes.
Cid+del+: Lm+ cid+del+ +utosuficiente dentro d+ Ne-
crópole.
C
upltulo
U
m.
I
ntroduçño
32
A
purlçño.
O

L
lmho
Confr+ri+: Lm Círculo de Hier+rqui+ d+s +p+riçöes. Tr+-
dicion+lmente, o número bísico de seus membros é 10, m+s
os conflitos internos e + Tr+nscendênci+ podem +fet+r esse
número.
Corpus: O corpo espiritu+l de um+ +p+riç1o.
Culto: Qu+lquer número de seit+s herétic+s dedic+d+s +
um+ determin+d+ trilh+ de Tr+nscendênci+.
Senhor Mort+l: Lm dos sete líderes d+ Hier+rqui+.
Domínio: Lm ¸r+nde território m+ntido por um+ +p+ri-
ç1o ou um ¸rupo de +p+riçöes.
Juí:o lin+l: Qu+ndo o limbo +b+rc+rí tod+ + re+lid+de,
e o fim dos tempos che¸+rí - ou ent1o, qu+ndo os mortos
+nd+rem sobre + Terr+.
l+ntoche: Lm+ +p+riç1o que perdeu su+ consciênci+ e
identid+de.
Cri+nç+: Lm+ +p+riç1o recém-f+lecid+. Lm+ Cri+nç+ se
encontr+ em est+do de +mnési+ p+rci+l, e um Redenho co-
bre-lhe o rosto, +lter+ndo + form+ como el+ percebe todos +
quem encontr+r.
lr+i+s Dist+ntes: Os reinos Dist+ntes d+ Tempest+de,
norm+lmente correspondendo +s crenç+s mort+is sobre + vid+
depois d+ morte.
Orilhöes: Os elos que prendem um+ +p+riç1o + su+ velh+
vid+ e +o mundo vivo.
O+n¸ue: Lm Círculo de +p+riçöes Rene¸+d+s.
Ouild+: Lm tempos p+ss+dos, um+ or¸+ni:+ç1o que ensi-
n+v+ um Mistério específico +os seus membros. As Ouild+s
for+m dissolvid+s por Ch+ron.
O les+delo: A excruci+nte vi+¸em +tr+vés d+ Tempest+-
de, que periodic+mente +torment+ su+ existênci+ e oc+sio-
n+lmente o derrot+.
Colheit+: Recolher os recém-f+lecidos, sej+ como Ceif+-
dor e mentor ou como merc+dor de escr+vos.
lu¸+r Assombr+do: Lm loc+l n+s Re¸iöes Sombri+s onde
+ morte exerce su+ presenç+ e +s +p+riçöes sentem-se m+is +
vont+de.
Hier+rqui+, A: A m+ior or¸+ni:+ç1o de +p+riçöes no Mun-
do lnferior. A Hier+rqui+ foi form+d+ ori¸in+lmente por Ch+-
ron p+r+ +jud+r +s +p+riçöes + +lc+nç+rem + Tr+nscendênci+.
lorém, com o p+ss+r dos séculos, el+ tornou-se corrompid+.
Here¸es: Aqueles que +credit+m que um+ outr+ vid+, me-
lhor, esper+ +s +p+riçöes que Tr+nscenderem seu est+do +tu+l.
lnferno: Qu+lquer dos incontíveis mundos que +firm+m
ser o lnferno verd+deiro e ori¸in+l. S1o t+ntos que s1o co-
nhecidos coletiv+mente como os Mil lnfernos, ou simples-
mente, "Mil".
Hospedeiro: Lm+ pesso+ possuíd+ dur+nte + M+nipul+ç1o.
le¸iöes: O setor milit+r e polici+l d+ Hier+rqui+.
lêmure: Lm+ +p+riç1o jovem, f+lecid+ recentemente.
Turbilh1o: Tempest+des terríveis que oc+sion+lmente se
+b+tem sobre +s Re¸iöes Sombri+s. S1o p+r+ + Tempest+de o
que + m+nch+ vermelh+ de Júpiter é p+r+ um fur+c1o d+ Terr+.
33
M+elfe+no: Lm espectro m+is velho ou um+ fer+ do Ví-
cuo.
Mísc+r+: Lm +rtef+to estí¸io us+do por muit+s +p+riçöes
p+r+ ocult+r seu eu verd+deiro.
Necrópole: Lm+ cid+de dos mortos. A Necrópole reflete
+s cid+des dos vivos e ocup+ + mesm+ loc+li:+ç1o "¸eo¸rífic+".
Neph+ndi: M+¸os que for+m p+r+ o limbo.
Nulid+des: loços n+s Re¸iöes Sombri+s que condu:em
+o Mundo lnferior, norm+lmente lev+ndo + +p+riç1o direto
p+r+ + Tempest+de.
limbo: A ne¸+ç1o de tod+s +s cois+s. Como + entropi+
tot+l, o limbo, em su+ form+ m+is pur+, é um est+do orden+-
do. O Vícuo é su+ m+nifest+ç1o físic+ (ou +usênci+ del+).
Óbolos: A unid+de bísic+ d+ moed+ circul+nte do Mun-
do lnferior, forj+d+ + p+rtir d+s +lm+s dos mortos.
l+thos: Lmoç1o, o "+limento" do mundo espiritu+l.
ll+sm+: Qu+lquer substìnci+ ectoplísmic+; + m+téri+
espiritu+l que form+ +s +p+riçöes e seus semelh+ntes.
Vi+j+ntes Astr+is: vi+j+ntes vivos n+s Re¸iöes Sombri+s.
Rípidos, Os: Outro termo p+r+ os vivos.
Ceif+dor: A Ap+riç1o que remove o Redenho de um+
Cri+nç+.
Despojo: Lm objeto ectoplísmico tr+:ido por um+ +p+ri-
ç1o d+s terr+s viv+s.
Rene¸+dos: As +p+riçöes que se reunir+m p+r+ derrub+r
+ Hier+rqui+. Su+s motiv+çöes individu+is v+ri+m.
Alm+s lnquiet+s: Outro termo p+r+ +s +p+riçöes em ¸er+l.
Sombr+, A: A met+de ne¸r+ d+ +lm+ de um+ pesso+. Ll+
precis+ ser domin+d+ +ntes d+ +p+riç1o poder Tr+nscender.
D+ mesm+ form+, el+ pode obter controle d+ +p+riç1o, for-
ç+ndo-+ + +br+ç+r o limbo.
Re¸iöes Sombri+s: O +specto d+ Terr+ h+bit+do pel+s
+p+riçöes. D+qui, +s +p+riçöes podem (com +l¸um+ dificul-
d+de) inter+¸ir com os vivos ou encontr+r com cri+tur+s
Acord+d+s. As Re¸iöes Sombri+s for+m + "conch+" extern+
sobre o resto do Mundo lnferior.
Modorr+, A: O ciclo de sono d+s +p+riçöes.
Lspectro: Lm+ +p+riç1o cuj+ Sombr+ tenh+ se torn+do
domin+nte.
Lstí¸i+: O m+ior reino no Mundo lnferior. L o l+r d+
Hier+rqui+.
Tempest+de, A: A tempest+de etern+ do Mundo lnferi-
or - el+ obstrói + p+ss+¸em entre os reinos interiores e +s
Re¸iöes Sombri+s, e recolhe os pes+delos e memóri+s d+que-
les que p+ss+r+m por el+.
Termin+is: lequenos reinos +rruin+dos no meio d+ Tem-
pest+de, os Termin+is servem como est+çöes de b+lde+mento
p+r+ os que vi+j+m + Lstí¸i+. Os Termin+is s1o lu¸+res sombri-
os, verd+deir+mente k+fki+nos, onde B+rqueiros desc+ns+m e
p+ss+¸eiros rebeldes oc+sion+lmente s1o +b+ndon+dos.
Servo: Lm+ +p+riç1o subju¸+d+ + outr+ de su+ espécie.
Dí:imo: A qu+ntid+de de l+thos devid+ por um+ +p+ri-
ç1o + um Orilh1o ou um lu¸+r Assombr+do.
Tr+nscender: Deix+r complet+mente o Mundo lnferior
e p+ss+r p+r+ +quilo que esper+ +lém.
Mundo lnferior, O: A terr+ dos mortos. Ll+ inclui +s Re-
¸iöes Sombri+s, + Tempest+de, o Vícuo e todos os reinos.
Vícuo: O cor+ç1o im+teri+l d+ Tempest+de. (Ver lim-
bo)Ap+riç1o: Lm espírito que morreu m+s que perm+nece
li¸+do +o mundo vivo. As +p+riçöes t+mbém s1o conhecid+s
como f+nt+sm+s ou "Alm+s lnquiet+s".
[urgño Arculco
Advo¸+dos: Ap+riçöes poderos+s de um culto herético de-
dic+do +o recrut+mento de +lm+s p+r+ um reino n+s lr+i+s
Dist+ntes. Ll+s for+m perse¸uid+s e c+ç+d+s pel+ Hier+rqui+.
A¸ênci+, A: Alcunh+ p+r+ + burocr+ci+ d+ Hier+rqui+.
Ascendidos: Aqueles que p+ss+r+m p+r+ + Tr+nscendên-
ci+.
Consorte: O hospedeiro possuído por um M+nipul+dor.
Lidolon: O +specto superior, e m+is ilumin+do, de um+
person+lid+de.
le¸+do: Lm Orilh1o com l+ços pesso+is poderosos com
um+ Alm+ lnquiet+.
Torre de Ònix, A: O p+lício de Ch+ron. Termo t+mbém
us+do p+r+ determin+r o objetivo em se torn+r um dos servos
de Ch+ron.
jermos Vulgures
l+dr1o de Corpos: Lm+ +p+riç1o que possu+ os vivos.
l+:er Bú': Qu+lquer tent+tiv+ em +ssust+r os vivos.
Assombrosos: l+l+vr+ ¸enéric+ empre¸+d+ p+r+ descre-
ver cri+tur+s hostis e/ou h+bit+ntes d+ Tempest+de.
Su¸+-cérebros: Lm+ +p+riç1o que use l+nt+sm+ ou os
poderes m+is b+ixos de M+nipul+ç1o.
Circo dos Horrores: A Tempest+de.
Alm+ len+d+: Oíri+ p+r+ Lspectro.
C+beç+ de lre¸o: Lm+ +p+riç1o que, em vid+, foi um
inútil, sempre dedic+do + futilid+des e sem nunc+ ter feito
re+lmente n+d+ import+nte.
Carnívoro: Termo pejor+tivo p+r+ um Jóquei d+ C+rne.
Escravo: Oíri+ p+r+ um+ +p+riç1o que estej+ sendo do-
min+d+ rípid+ e pro¸ressiv+mente por su+ Sombr+.
Suco: l+thos
C+rne: C+rne Mort+l.
Correntes de C+rne: O corpo hum+no (que prende o es-
pírito).
Sonh+dores: As +p+riçöes que nunc+ re+li:+r+m seus so-
nhos enqu+nto vivi+m.
Toupeir+s: Termo pejor+tivo p+r+ +queles que +firm+m
ter vivenci+do + experiênci+ do "túnel de lu:".
Scroo¸er: Oíri+ p+r+ um+ +p+riç1o que use l+nt+sm+ com
freqüênci+.
Mundo d+ C+rne: O mundo físico no qu+l os mort+is
residem; port+nto os "H+bit+ntes do Mundo d+ C+rne" s1o
os luls+ntes.
C+v+l¸+r + Tempest+de: Vi+j+r n+ Tempest+de.
Col+: Ls+r Mistérios em outr+ +p+riç1o p+r+ tr+v+r due-
los n1o mort+is.
C
upltulo
U
m.
I
ntroduçño
34
A
purlçño.
O

L
lmho

mundo de Aparição, o Limbo é um re-
flexo sombrio do nosso. Aqui, + bele:+ e
+ corrupç1o contr+st+m enormemente.
Tudo é monolítico, m+jestoso e comple-
t+mente distorcido. Lmbor+ + fé e o es-
pírito hum+no +ind+ perm+neç+m for-
tes, + +mbiç1o e o desespero p+recem
+ind+ m+is fortes. Muitos ref+stel+m-se n+s ch+m+s dos últi-
mos di+s. O mundo de Aparição é um mundo de trev+s,
onde os f+nt+sm+s c+minh+m e + noite ri.
Superfici+lmente, o Mundo d+s Trev+s +ssemelh+-se +o
nosso: +s mesm+s b+nd+s, livros e filmes distr+em su+s pl+téi+s.
A poluiç1o corrói lent+mrente + c+m+d+ de o:onio; e tod+s +s
p+is+¸ens f+mili+res ocup+m os mesmos lu¸+res. No Mundo
d+s Trev+s, porém, o sobren+tur+l reside perto d+ superfície,
m+l escondido pel+s sombr+s d+ noite. Todos podem sentir su+
influênci+, embor+ poucos entend+m o que sentem.
As terr+s dos mortos cert+mente contribuem p+r+ + +m-
bient+ç1o do mundo vivo (ch+m+do pel+s Ap+riçöes de Ter-
r+s De C+rne). Os ecos emitidos pelo Mundo lnferior dei-
x+m su+ m+rc+ n+s Terr+s de C+rne. Os person+¸ens, +s Al-
m+s lnquiet+s, s1o produtos dos dois mundos.
Lste c+pítulo descreve det+lh+d+mente o +mbiente de
Apariçöes: desde + cosmolo¸i+ do Mundo lnferior +té + ¸e-
o¸r+fi+ d+s Re¸iöes Sombri+s. O cenírio, contudo, é m+is do
que simplesmente m+p+s e lu¸+res. Os mortos possuem cul-
tur+ e socied+de própri+s, que espelh+m o mundo vivo de
form+ distorcid+.
O Mundo ]unk-Gótlco dos Vlvos
noite é minh+ comp+nhheir+, + solid1o
minh+ ¸ui+.
- S+r+h Mc l+u¸hlim, "lossession."
O mundo de Aparição n1o é o nosso,
embor+ sob vírios +spectos p+reç+ com
ele. O Mundo d+s Trev+s reflete e m+-
teri+li:+ + p+ix1o e + dec+dênci+ sob nos-
so verni: de civili:+ç1o. Todos somos +tr+ídos pelo rom+n-
ce, terror e místic+ d+ morte. Aqui, no mundo lunk-Oótico,
podemos explor+r + místic+ num cenírio construído + p+rtir
de nossos sonhos m+is tenebrosos.
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
V·.. j.nsa ¡u. · s.u D.us .·ns:ru|u .s:. |u¸ar j·r J.s.¡ar ma| a·s |·m.ns:
L j·r ¡u.r.r ·s J.s.¡·s .·n:r·|aJ·s . as .sjaJas .m|a|n|aJas:
Na· j·| D.us, m.u am|¸·. - t.rJaJ. . a|nJa ma|s assus:aJ·ra.
Lssas ¸a|.r|as j·ram .·ns:ru/Jas j·r |·m.ns ¡u. a|nJa r.sj|ratam.
- Al+n Moore, "Lntre os Mortos", M·ns:r· J· ían:an·
Cupltulo Dols.
Cenárlo
3o
A
purlçño.
O

L
lmho
Lxtern+mente hí pouc+ diferenç+ entre o nosso mundo
e o Mundo d+s Trev+s - +s instituiçöes reli¸ios+s, soci+is e
polític+s s1o muito p+recid+s com +quel+s que conhecemos.
lorém, o Mundo d+s Trev+s +mbient+-se num+ +tmosfer+
de j||m n·|r - +s cid+des s1o l+biríntic+s e sombri+s, os buro-
cr+t+s s1o corruptos e +s pesso+s import+ntes t+mbém têm
culp+ no c+rtório. L f+nt+sm+s n1o s1o folclore - eles exis-
tem, embor+ poucos mort+is poss+m vê-los.
O termo "Oótico" descreve muitos dos +spectos físicos
do mundo - v+sto, fértil, sombrio e sinistro. O senso de
opress1o e conspir+ç1o é muito m+ior +qui, e tudo p+rece
ser feito com propósitos dissimul+dos. Os prédios s1o edifíci-
os imensos que se +vult+m sobre +s ru+s, muit+s ve:es orn+-
ment+dos com ¸ír¸ul+s e outros tipos de estítu+s. As cid+-
des +bri¸+m muit+s c+s+s secul+res, o que concede + vírios
subúrbios um+ +p+rênci+ de "+ssombr+dos". Os +¸entes ¸o-
vern+ment+is e empres+ri+is s1o impesso+is, vestidos impe-
c+velmente em ternos escuros. Tod+s +s instituiçöes s1o m+is
conserv+dor+s e resistentes + mud+nç+. A mod+ e + socied+-
de possuem um+ +p+rênci+ mediev+l. As pesso+s s1o bem
m+is supersticios+s.
O termo "lunk" é + outr+ met+de d+ equ+ç1o. A contr+-
cultur+ d+s cid+des - + doenç+ físic+ e soci+l d+ ordem es-
t+belecid+ - rebel+-se com p+l+vr+s, roup+s, músic+ e (fre-
qüentemente) violênci+. Os centros d+s cid+des est1o +b+r-
rot+dos de clubes under¸round, ¸+n¸ues de ru+s e b+nd+s
que incit+m + +¸ress1o e + revoluç1o. O crime é deprimen-
temente comum, e +s pesso+s costum+m ser m+is insensíveis
e cínic+s que em nosso mundo.
Lmbor+ os mortos poss+m toc+r o mundo vivo (e costu-
mem f+:ê-lo), eles existem num+ p+is+¸em espiritu+l impre¸-
n+d+ pel+ dec+dênci+. Lles podem deix+r ess+ terr+ dur+nte
períodos curtos de tempo (se tiverem poder p+r+ t+l), m+s
cedo ou t+rde precis+m retorn+r +s Re¸iöes Sombri+s. Lles
s1o visit+ntes entre os vivos - observ+dores, oc+sion+lmen-
te c+t+li:+dores, m+s sempre estr+nhos.
L óbvio que c+d+ ¸rupo de jo¸o terí su+s preferênci+s
sobre como est+belecer o cenírio. Al¸uns preferir1o um
+mbiente m+is ¸ótico do que um+ rebeldi+ m+r¸in+l, enqu+n-
to outros preferir1o o contrírio. O N+rr+dor tem tot+l liber-
d+de p+r+ +crescent+r +s su+s históri+s + qu+ntid+de de +t-
mosfer+ lunk-Oótic+ que quiser. Contudo, deve-se +tent+r
que Aparição é princip+lmente um jo¸o de clim+. Sem um+
+tmosfer+ +dequ+d+mente tens+ e bi:+rr+, o jo¸o pode per-
der muito de seu s+bor.
No fim, você precis+rí decidir o que re+lmente si¸nific+
o mundo lunk-Oótico. O tom e o clim+ s1o sutis e impossí-
veis de serem descritos complet+mente em p+l+vr+s. C+berí
+ você cri+r o mundo dos seus sonhos, ou melhor, dos seus
pes+delos.
37
Aspectos do Mundo Inlerlor
a um |nj.rn· j.r.n..
L J·r.s .:.rnas,
-|| ·s j..aJ·r.s t|t.m .·m ·s J.m`n|·s
Lm m.|· a .s.ur|Ja·, j·¸· . .·rr.n:.s.
- ls++c W+tts, D|t|n. anJ M·ra| S·n¸s
j·r C|||Jr.n.
O "Mundo lnferior" é um termo cole-
tivo p+r+ descrever +s terr+s que n1o s1o b+nh+d+s pelo sol.
As Re¸iöes Sombri+s, Lstí¸i+, +s lr+i+s Dist+ntes e + Tem-
pest+de s1o loc+li:+çöes ¸eo¸rífic+s (se for possível di:er que
+ Outr+ Vid+ tenh+ um+ ¸eo¸r+fi+), enqu+nto Turbilhöes,
Nulid+des, Necrópole e lu¸+res Assombr+dos s1o +spectos
dess+s loc+lid+des m+iores. O limbo, o fim de tod+s +s coi-
s+s, permei+ o Mundo lnferior. Nesses reinos +ssombr+dos,
tudo port+ + m+rc+ d+ morte.
Atmosleru. Umu Esperunçu no Inlerno
Lxiste um+ ¸r+nde p+ix1o e um+ triste:+ +rr+s+dor+ no
Mundo lnferior. l+r+ +s +lm+s +prision+d+s +qui, + Outr+
Vid+ é escur+ e doloros+. Aind+ +ssim, +lém d+ dor, repous+
+ esper+nç+. O pur¸+tório d+s Re¸iöes Sombri+s é um lu¸+r
peri¸oso, feio e cheio de lembr+nç+s de objetivos de vid+
n1o cumpridos pel+s +p+riçöes. A despeito disso, + consci-
ênci+ e + identid+de persistem, e onde hí sobrevivênci+, hí
esper+nç+. A form+ espiritu+l concede +os mortos +l¸um+s
h+bilid+des desconhecid+s +os mort+is, e +s +p+riçöes têm
um+ vis1o exclusiv+ e convincente d+ re+lid+de. A lorç+ de
Vont+de e o espírito hum+no podem en¸endr+r + esper+nç+,
forç+ e des+fio, mesmo qu+ndo se existe dentro de um pes+-
delo.
Cosmologlu
Ls.ur|Ja·, .s.ur|Ja·
S.¡a m.u man:·
Cu|ra-m. .·m a n·|:. s.m j|m
L.t. jara |·n¸. a J·r J· sa|.r.
- The Youn¸bloods. "D+rkness, D+rkness"
O Mundo lnferior - composto d+s Re¸iöes Sombri+s,
d+ Tempest+de, Lstí¸i+ e d+s lr+i+s Dist+ntes - é o terr+ do
n+d+, h+bit+d+ pelos mortos. As Re¸iöes Sombri+s, +s lr+i+s
Dist+ntes e Lstí¸i+ correspondem +proxim+d+mente +os "con-
tinentes" e "ilh+s" d+ Terr+. A Tempest+de, o m+r fervente
do pes+delo, divide e sep+r+ esses reinos. O limbo, enc+rn+-
ç1o do n+d+, esper+ +b+ixo d+ superfície d+ Tempest+de.
O limbo é o +specto d+ re+lid+de do qu+l oriund+ tod+ +
ener¸i+ destrutiv+, o lu¸+r onde + entropi+ deposit+ + ener-
¸i+ que roub+. Lste vícuo escuro m+teri+li:+ + +niquil+ç1o,
+ obliter+ç1o de tod+s +s cois+s reconhecid+s e de c+d+ fi+po
de identid+de.
Como + essênci+ e + fonte d+ entropi+ e d+ morte, o
limbo n1o é t+nto + fonte bísic+ do M+l qu+nto é um ele-
mento fund+ment+l d+ re+lid+de. Junt+mente com +s outr+s
¸r+ndes forç+s d+ n+ture:+, o limbo exerce um p+pel essen-
ci+l n+ cri+ç1o - + destruiç1o d+ substìnci+. Tod+s +s coi-
s+s precis+m ter um fim: os corruptos devem ser purific+dos,
e os velhos devem d+r p+ss+¸em +os jovens, que m+is cedo
ou m+is t+rde envelhecer1o e t+mbém d+r1o p+ss+¸em. A
existênci+ é um ciclo, e o limbo é o c+t+li:+dor desse ciclo.
O Mundo lnferior, por ser form+do + p+rtir d+ morte de
tod+s +s cois+s, port+ + mícul+ perpétu+ do limbo. Tudo
n+s terr+s mort+s reflete + p+ss+¸em de su+ con¸ênere viv+.
l+r+ +s Alm+s lnquiet+s, tod+s +s forç+s d+ vid+, mesmo +s
m+is fortes, p+recem min¸ü+r: +s flores p+recem murch+s, +
pintur+ d+s p+redes sempre estí desc+c+ndo e os mort+is
doentes ou corruptos enver¸+m su+s mortes próxim+s como
mísc+r+s invisíveis. lsto sempre foi +ssim. Contudo, + medi-
d+ que o limbo se exp+nde, + mícul+ d+ morte escureceu o
Mundo lnferior p+r+ tons j+m+is vistos mesmo pel+s +p+ri-
çöes m+is +nti¸+s. L como + m+iori+ dos f+nt+sm+s morreu
sem j+m+is ter re+lmente vivido, + obliter+ç1o de tudo que
rest+ é o pior pes+delo de um+ +p+riç1o.
Almus. A ]onte do ]oder
As +lm+s, como di:em, s1o os ítomos d+ re+lid+de, os tijo-
los fund+ment+is sobre os qu+is todo o resto é construído. Tudo
no Mundo lnferior é, em m+ior ou menor esc+l+, composto
por +lm+s. N1o é de estr+nh+r, port+nto, que +s +lm+s formem
+ espinh+ dors+l d+ economi+ do Mundo lnferior. As Ap+ri-
çöes ceif+m +lm+s nov+s e velh+s, +cumul+ndo-+s p+r+ serem
convertid+s, escr+vi:+d+s ou mesmo us+d+s como símbolo de
st+tus. Os di+s m+is sombrios de Rom+ n1o se comp+r+m com
o comércio de +lm+s no Mundo lnferior.
De f+to, esse comércio institucion+li:+do form+ + b+se
economic+ de Lstí¸i+. Como o sistem+ jí funcion+ hí tempo
dem+is e si¸nific+ muito p+r+ t+ntos, é difícil que qu+lquer
reform+ surt+ efeito. A m+ior p+rte do poder e d+ influênci+
no Mundo lnferior é medid+ em +lm+s, e esse poder n1o é
um conceito soci+l +bstr+to - ele é um+ merc+dori+ f+cil-
mente mensurível. As +lm+s s1o ener¸i+, pur+ e simples -
o vil met+l do Mundo inferior.
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
38
A
purlçño.
O

L
lmho
As Cumudus do Mundo Inlerlor
.s.ur|Ja· .s:ata s.mjr. .|.|a J. s·ns |n.x-
j||.at.|s, n· .n:an:·, .|. as t.z.s :r.m|a J.
m.J· J. ¡u. ·s |aru||·s ¡u. .s.u:ata ..s-
sass.m, j.rm|:|nJ·-||. ·ut|r ·u:r·s s·ns
ma|s |.t.s ¡u., .|. susj.|:ata, .s.·nJ|am-
s. ma|s a:ras.
- H.l. lovecr+ft, "Os Sonhos n+ C+s+
d+s Brux+s"
O Mundo lnferior é conhecido por muitos nomes -
O Comerclo dus Somhrus
A m+iori+ d+s +lm+s des+p+rece depois d+ morte de seu
corpo mort+l. As +p+riçöes +credit+m que +l¸um+s dess+s
+lm+s tr+nscendem, m+s que + m+iori+ mer¸ulh+ diret+men-
te no limbo. Outr+s +lm+s - Cri+nç+s - v+¸+m um pou-
co, su+ ener¸i+ pront+ p+r+ ser colhid+. As +p+riçöes co-
nhecid+s como Ceif+dores r+pt+m + m+iori+ dess+s Cri+n-
ç+s. Apen+s uns poucos +fortun+dos m+ntêm su+ presenç+
de espírito e conse¸uem encontr+r seu c+minho sem +jud+.
L o se¸undo ¸rupo que é explor+do comerci+lmente por
Lstí¸i+ e su+s coloni+s.
As Cri+nç+s fr+c+s +c+b+m +corrent+d+s por um es-
cr+v+¸ist+. Até mesmo +s +p+riçöes experientes precis+m
tom+r cuid+do p+r+ evit+r c+írem em embosc+d+s ou se-
rem conden+d+s por um tribun+l + escr+vid1o. As +lm+s
escr+vi:+d+s s1o toc+d+s como ¸+do, m+rc+d+s e obri¸+-
d+s + servirem em +l¸um+ Cid+del+ ou lundiç1o. As +l-
m+s re+lmente des+fortun+d+s +c+b+m n+s forn+lh+s de
Lstí¸i+, onde s1o mold+d+s em merc+dori+s p+r+ +p+ri-
çöes m+is poderos+s.
No Mundo lnferior, +pen+s os despojos, +rtef+tos e +s
merc+dori+s Lstí¸i+s possuem substìnci+. Costum+ h+ver
restos muito +nti¸os soterr+dos sob + Necrópole. As mer-
c+dori+s Lstí¸i+s precis+m ser forj+d+s + p+rtir de +lm+s.
Lmbor+ os despojos e +s moed+s constitu+m um+ peque-
n+ porç1o d+ economi+ do Mundo lnferior, o comércio
entre Lstí¸i+ e outr+s Cid+del+s é condu:ido princip+l-
mente com +lm+s, troc+ndo merc+dori+s por "m+téri+-
prim+" p+r+ f+:er m+is. Tijolos, met+is e mesmo +s moe-
d+s s1o form+d+s + p+rtir do pl+sm+ de +p+riçöes des+for-
tun+d+s. Lss+ form+ +lt+mente censurível de comércio
benefici+-se princip+lmente d+s +p+riçöes que +ind+ n1o
+ceit+r+m que est1o mort+s.
A escr+vid1o de +lm+s n1o é um+ prític+ univers+l. A
m+iori+ d+s Alm+s lnquiet+s que detenh+m +l¸um nível de
h+bilid+de ou inteli¸ênci+ podem esc+p+r +os ceif+dores, e
+l¸um+s Necrópoles +té mesmo proíbem o trífico de +lm+s
entre su+s fronteir+s. O comércio ness+s cid+des é re+li:+do
+pen+s +tr+vés de moed+s, serviços ou troc+ de despojos.
N1o obst+nte, +té os m+is hum+nos entre +s Alm+s lnquie-
t+s f+:em-se de ce¸os p+r+ + fonte de su+s merc+dori+s e
dinheiro. L um+ ironi+ terrível o f+to de que muitos dos
mortos p+reç+m inc+p+:es de se livr+rem de seus híbitos
mort+is. Lmbor+ eles n1o tenh+m necessid+de de rique:+
ou de bens m+teri+is, eles continu+m + subju¸+r uns +os
outros pel+ ch+nce de +cumul+r st+tus e tesouros. Os ve-
lhos híbitos cust+m + morrer, mesmo entre os mortos.
Os síbios e poet+s entre os mortos especul+m que o
trífico de +lm+s possui um propósito m+is +nti¸o e menos
m+teri+list+: conter o limbo. Lles +credit+m que + crenç+
¸ui+ + re+lid+de. O universo, port+nto, é ¸ui+do pelos pen-
s+mentos e pel+ fé, n1o por deuses, pel+ ciênci+ ou pelo
+c+so. De +cordo com esse conceito, o limbo se +liment+
num vícuo espiritu+l. A medid+ que + fé é substituíd+ pel+
+p+ti+, + escurid1o cresce. lort+nto, idéi+s fortes emb+s+-
d+s sobre um+ fé poderos+ podem repelir o limbo. Lntre +s
Alm+s lnquiet+s hí muit+ controvérsi+ + respeito dest+ he-
resi+, e poucos +lém dos Here¸es +credit+m nisso. N1o
obst+nte, muit+s +p+riçöes ric+s +cumul+m +lm+s escr+-
vi:+d+s n+ possibilid+de de que + teori+ estej+ corret+, e
doutrin+m seus Servos em muit+s crenç+s.
O comércio d+s sombr+s serí discutido em m+iores
det+lhes m+is +di+nte.
Umu Burrelru de Almus
Ò L|m|·, j·J.m·s J|z.r, naJa ma|s . J· ¡u. · :r|unj· Ja
J.s.r.n¸a. QuanJ· as j.ss·as na· a.r.J|:am .m naJa, a an|-
¡u||a¸a· jr·sj.ra. QuanJ· a j. .m D.us . su|s:|:u/Ja j.|·
..:|.|sm·, · L|m|· .r.s... -s a|mas s.m j. .a.m n· Va.u·,
jara s.r.m J.t·raJas j.|· naJa. N´s ¡a t|m·s ·s r.su|:aJ·s,
m.us jr|m·s. · .r.s.|m.n:· J· L|m|·. QuanJ· na· a.r.J|:a-
m·s .m naJa, naJa . · ¡u. r...|.m·s.
Lm m|n|a .j·.a, C|ar·n . ·s S.n|·r.s M·r:a|s man:|-
n|am a Ls.ur|Ja· .m .|.¡u., .·n:r·|anJ· · .|.|· J. nas.|-
m.n:· . m·r:., man:.nJ· · .¡u||/|r|·. Mas C|ar·n s. j·|, . ·s
S.n|·r.s M·r:a|s |u:am .n:r. s|. Ò Va.u· .·ns·m. as a|mas
|n.r.Ju|as ¡u. .a.m Ja T.rra, . · L|m|· sa| Ja T.mj.s:aJ.
jara |nj..:ar · ¡u. ¡a j·| jur·. Cr|a:uras J.j·rmaJas .m.r-
¸.m J· .a·s, .a¸anJ· ajar|¸¨.s . a:. m.sm· m·r:a|s. Tur||-
||¨.s tarr.m ·s r.|n·s ma|s j·J.r·s·s J· MunJ· lnj.r|·r, J.-
tas:anJ· a:. m.sm· Ls:/¸|a.
- un|.a j·rma J. |u:ar .·n:ra · L|m|·, m.us j|||·s, . a:ra-
t.s Ja .r.n¸a. - t·n:aJ. . · .sj/r|:·, .s:a .s.r|:·, m·|Jam ma-
:.r|a J· .·sm·s. Quan:· ma|s as a|mas a.r.J|:ar.m numa r.a-
||JaJ., ¡ua|¡u.r r.a||JaJ., m.||·r a :.mj.s:aJ. j·J.ra s.r aj|a-
.aJa. -¡u.|.s ¡u. .x|s:.m num r.|n· j·t·aJ· j·r |nJ|t/Ju·s J.
¸ranJ. j·r¸a J. t·n:aJ. . j., aj|a.am as :.mj.s:aJ.s ¡u. tar-
r.m :·J·s ·s ·u:r·s |u¸ar.s. N·ssa sa|ta¸a·, j·r:an:·, . a:rat.s
Ja .r.n¸a. a n·ssa . a J. n·ss·s S.rt·s. -¡u.|.s a ¡u.m .·n:r·-
|am·s a t·n:aJ. j·J.m man:.r a T.mj.s:aJ. ajas:aJa J. n·s-
s·s j·r:¨.s. T·J·s ·s ·u:r·s j.r...ra·.
- Or+nde Ceif+dor Montcrief, M+¸istério dos Ad-
vo¸+dos
39
H+des, Nifheim, lnferno, len¸-Tu, + Vid+ Depois d+ Morte.
Lmbor+ esses nomes tenh+m sido conferidos +s terr+s dos
mortos em ¸er+l, muitos reinos +ssim conhecidos existem de
f+to n+s re¸iöes +lém d+ Tempest+de. De f+to, o Mundo ln-
ferior n1o é um único lu¸+r; é um+ dimens1o multif+cet+d+
compost+ por incontíveis reinos e domínios.
A "estrutur+" do Mundo lnferior des+fi+ + simples ¸eo-
¸r+fi+; +l¸um+s +p+riçöes modern+s pens+m, no Mundo ln-
ferior em termos de esp+ço exterior, vendo os diversos rei-
nos que ele contém como pl+net+s e sistem+s sol+res. lor
m+is útil que ess+ metífor+ sej+, el+ n1o pode explic+r + di-
mens1o ou + substìnci+ deste "lu¸+r" eni¸mítico.
Se¸undo os mitos +nti¸os, o Mundo lnferior possui c+-
m+d+s, como um+ cebol+. Apen+s +s m+is poderos+s Alm+s
lnquiet+s podem vi+j+r +té o núcleo. Os vivos existem for+
dest+ cebol+, m+s o interior contém os mortos. A primeir+
c+m+d+ é ch+m+d+ de Re¸iöes Sombri+s. As +p+riçöes po-
dem existir nel+ como observ+dores espectr+is, vendo um
mundo que eles nunc+ m+is poder1o h+bit+r de novo.
lo¸o +b+ixo d+s Terr+s Sombri+s estí + Tempest+de, que
cerc+ e permei+ todos os outros +spectos do Mundo lnferior.
N+s profunde:+s d+ Tempest+de, virtu+lmente indistin¸uí-
vel del+, reside o Vícuo, o cor+ç1o e + +lm+ do limbo. O
Vícuo n1o tem dimens1o ou existênci+ físic+; é simplesmente
o +bismo fin+l d+ destruiç1o.
Se¸undo + crenç+, n+s re¸iöes m+is remot+s d+ Tempes-
t+de est1o +s víri+s lr+i+s Dist+ntes: infernos, céus e lu¸+res
de refú¸io. T+mbém no reino d+ Tempest+de estí o reino de
Lstí¸i+, l+r de Ch+ron e d+ Hier+rqui+ dos Mortos. Lstí¸i+ é
o centro economico e político do Mundo lnferior.
As Reglões Dlstuntes
V.n|a J.s|s:|r Ja t|Ja n· MunJ· J· NaJa
V.n|a jara ·nJ. · ar . jur·.
- Siouxie +nd the B+nshees, "Over¸round"
As Alm+s lnquiet+s ch+m+m su+ vers1o do mundo re+l
de Re¸iöes Sombri+s. Lste reino escuro, embor+ fisic+mente
semelh+nte +o Mundo d+ C+rne, c+rece d+ vit+lid+de do
mundo vivo. lri+s e improdutiv+s, +s Re¸iöes Sombri+s es-
pelh+m o mundo m+teri+l +tr+vés de um+ perspectiv+ dis-
torcid+, m+s morbid+mente bonit+.
Lmbor+ +s b+rreir+s e obstículos sej+m muito re+is p+r+
+s +p+riçöes n+s Re¸iöes Sombri+s, os objetos mund+nos per-
m+necem im+teri+is. Sem o uso de Mistérios, os f+nt+sm+s
n1o podem nem mesmo +brir um+ port+ ou toc+r o rosto de
um ente querido. As p+redes confin+m +s +p+riçöes como
f+ri+m com qu+lquer ser vivo, embor+ eles poss+m p+ss+r
+tr+vés del+s qu+se sem esforço. As Terr+s Sombri+s epito-
mi:+m + tr+¸édi+ d+s Alm+s lnquiet+s; o mundo vivo existe
p+r+ eles, m+s eles n1o existem p+r+ o mundo vivo.
Tudo que os mort+is podem ver, +s +p+riçöes podem pre-
senci+r t+mbém. Ll+s +ssistem televis1o n+s s+l+s dos vivos,
comp+recem + reuniöes e presenci+m mortes. Contudo, +s
+p+riçöes podem ver o que +s +lm+s n1o conse¸uem - os
p+dröes de morte e vid+ em tudo que vive. As pesso+s e +s
cois+s que se encontr+m muito próxim+s d+ morte s1o m+r-
c+d+s por el+, e +s +p+riçöes podem perceber isto.
A Mortullu
Dur+nte + époc+ que hoje ch+m+mos Sep+r+ç1o, um+
b+rreir+ de descrenç+ e medo dividi+ +s terr+s dos vivos d+s
terr+s dos mortos. Lst+ b+rreir+, ch+m+d+ por muit+s Alm+s
lnquiet+s de A Mort+lh+, isol+ + morte d+ vid+. Devido +
est+ Mort+lh+, di:em os histori+dores, os vivos temem os
mortos, embor+ +s Alm+s lnquiet+s invejem os vivos e seu
mundo de sens+çöes e c+lor.
A Mort+lh+ é m+is forte nos lu¸+res onde + vid+ e + r+:1o
b+nir+m o +c+so e o mistério. l+bor+tórios, fíbric+s e s+l+s
de +ul+ possuem "p+redes" poderos+s contr+ o sobren+tur+l,
enqu+nto nos lu¸+res fortes em p+ix1o e fé místic+ - s+l+s
de espiritismo, cemitérios e c+s+s com cri+nç+s pequen+s ou
+dolescentes problemíticos possuem b+rreir+s m+is fin+s. Lm
cert+s époc+s do +no, + Mort+lh+ enfr+quece em esc+l+ mun-
di+l. As Alm+s lnquiet+s celebr+m seus m+iores feri+dos nes-
s+s époc+s.
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
4u
A
purlçño.
O

L
lmho
Lugures Assomhrudos
Os lu¸+res Assombr+dos s1o conexöes terrestres entre o
mundo dos vivos e o mundo dos mortos. Or+ndes p+ixöes -
terror, +¸oni+, tr+iç1o, +mor perdido - enfr+quecer+m +
Mort+lh+ qu+se complet+mente s1o nesses lu¸+res, que +s
Re¸iöes Sombri+s e o Mundo d+ C+rne qu+se se sobrepöem.
S1o nos lu¸+res Assombr+dos que +s +p+riçöes m+is se sen-
tem em c+s+.
lronic+mente, +s emoçöes m+is sombri+s enfr+quecem qu+se
pront+mente + mort+lh+. Todos os tipos de perd+ e tormento
¸otej+m pel+ membr+n+ e se infiltr+m n+ própri+ essênci+ do
lu¸+r +o qu+l che¸+r+m. Os f+nt+sm+s, muitos dos qu+is mor-
rer+m perto do lu¸+r Assombr+do, vi+j+m pel+s Re¸iöes Som-
bri+s p+r+ s+bore+r ess+s p+ixöes e toc+r nov+mente o mundo
vivo. Os becos, c+mpos de b+t+lh+, necrotérios, cemitérios, c+s+s
em ruín+s, s+l+s de tortur+ de +ss+ssinos seri+is, encru:ilh+d+s
m+rc+d+s por vírios +cidentes ou curv+s tr+içoeir+s, b+res e
c+s+s noturn+s onde o desespero é comum - todos esses lo-
c+is podem d+r ótimos lu¸+res Assombr+dos.
Muitos ¸rupos de +p+riçöes procur+m um lu¸+r Assom-
br+do comum; um+ ve: lí, eles volt+m seus sofrimentos con-
tr+ todos os visit+ntes. Os visit+ntes, sej+m vivos ou mortos,
costum+m ser desencor+j+dos. No mundo dos vivos, os lu-
¸+res Assombr+dos tr+nsmitem triste:+ e desespero; +s pes-
so+s os evit+m + n1o ser que estej+m deprimid+s, ins+n+s ou
sej+m complet+mente idiot+s. N+s Re¸iöes Sombri+s, os lu-
¸+res Assombr+dos s1o propried+des muito v+lori:+d+s, e os
"donos" s+bem ¸u+rd+r bem seus territórios.
Os Domínios (vej+ + pí¸in+ +2) s1o qu+se inteir+mente
b+se+dos em torno dos lu¸+res Assombr+dos. Qu+nto m+is
poderoso, m+is import+nte o domínio. Lmbor+ os prédios e
+s ru+s em torno do lu¸+r Assombr+do poss+m ser vi¸i+dos,
+ únic+ cois+ que re+lmente import+ é o próprio lu¸+r As-
sombr+do.
A jempestude
Hat|a J|as .m ¡u. t·.. ·||ata jara J.n:r· J. s| m.sm·, jara
·s |u¸ar.s ma|s s..r.:·s J. s.u .·ra¸a·, . · ¡u. t|a J.|xata-·
|·rr·r|zaJ·. L .n:a·, n· J|a s.¸u|n:., t·.. na· sa||a · ¡u. jaz.r
.·m a¡u||·, na· j·J|a |n:.rjr.:ar · |·rr·r ¡u. t|s|um|rara n· J|a
an:.r|·r. S|m, t·.. .·n|... · jr.¸· J· ma|.
- Je+n-l+ul S+rtre, S.m Sa/Ja
A Tempest+de é o reino de pes+delos do c+os e d+ som-
br+ que se +¸it+ +b+ixo d+s Re¸iöes Sombri+s. O esp+ço e +
distìnci+ n1o têm qu+lquer si¸nific+do +qui, pois + Tempes-
t+de é cri+d+ pel+s visöes sempre mut+ntes e pelos temores
d+queles que est1o +prision+dos dentro del+. Re+lmente, +
Tempest+de n1o tem nenhum+ re+lid+de ou substìnci+;
+queles que s1o +br+ç+dos por el+ cri+m su+s própri+s re¸r+s.
N+ve¸+r + Tempest+de é um exercício de confront+ç1o com
demonios internos e externos.
Até mesmo +s +p+riçöes consider+m + Tempest+de hor-
ripil+nte. Ll+ é sombri+ e extrem+mente fri+. Ventos uiv+n-
tes cort+m + íre+. Apen+s os Lspectros - +p+riçöes ins+n+s
e consumid+s pel+ Sombr+ - podem existir dentro d+ Tem-
pest+de. Lcos de m+les p+ss+dos e p+ixöes +ssumem um+ re-
+lid+de de pes+delo. Lm+ cen+ de +ss+ssin+to pode ser reen-
cen+d+ continu+mente por l+ntoches, ou um+ c+s+ hí mui-
to demolid+ no mundo re+l pode +ind+ est+r de pé, um+
sombr+ de su+ existênci+ +nterior.
Aqueles que se +ventur+m n+ Tempest+de costum+m re-
ceber fi+pos de memóri+s: eni¸m+s + respeito de Orilhöes, con-
fissöes sussurr+d+s, visöes de vid+s p+ss+d+s, etc. Lsses fr+¸mentos
de pens+mentos e memóri+s provêem de +lm+s +¸oni:+ntes.
Sob +l¸uns +spectos, + Tempest+de é re+lmente feit+ d+s es-
sênci+s de +lm+s m+is fr+c+s que n1o tiver+m forç+ de vont+de
suficiente p+r+ che¸+r +o reino d+s +p+riçöes.
Lsses s1o lu¸+res de re+lid+de semi-const+nte dentro d+
Tempest+de, n1o sendo + menor del+s os reinos d+s lr+i+s
Dist+ntes. As +p+riçöes costum+m conhecer melhor os At+-
lhos: "estr+d+s" e "rios" que podem ser us+dos p+r+ +tr+ves-
s+r + Tempest+de com +l¸um+ se¸ur+nç+. Lsses At+lhos co-
nect+m um reino +o outro e s1o us+dos pel+ m+iori+ dos
vi+j+ntes d+ Tempest+de. O m+ior desses At+lhos é o Rio d+
Morte, + fonte d+s lend+s mort+is sobre o Rio Styx e outros.
No centro d+ Tempest+de fic+ o Vícuo. O Vícuo é +
fonte do limbo, e t+mbém seu loc+l de repouso. Aquel+s
+lm+s que n1o est1o pront+s p+r+ su+ dissoluç1o fin+l consi-
der+m o Vícuo pr+tic+mente impossível de ser +lc+nç+do,
enqu+nto p+r+ +s +lm+s que n1o tenh+m n+d+ m+is por que
"viver", ele é pr+tic+mente impossível de ser evit+do.
Nulldudes
í|s. numa j.nJa, ¡u.|r. as .·s:as Ja sua ma....
- Velho dit+do d+s cri+nç+s norte-+meric+n+s
Tudo estí ruindo. O limbo estende seus tentículos, son-
d+ndo o mundo em busc+ de r+ch+dur+s, f+lh+s, fissur+s, im-
perfeiçöes. Como um c+ncer infect+ndo um+ célul+ pur+, o
limbo ¸r+du+lmente infeccion+ o mundo com su+ escurid1o.
Lsses loc+is infect+dos costum+m m+nifest+r-se n+s Re-
¸iöes Sombri+s como redemoinhos em poç+s ou escuridöes
ne¸r+s como piche que condu:em p+r+ + Tempest+de. Lsses
tumores no rosto d+s Re¸iöes Sombri+s receber+m o nome
de Nulid+des, vórtices do n+d+ que corroem o mundo. Aque-
les que os fit+m muito profund+mente experiment+m +luci-
n+çöes poderos+s de desespero e dor.
Norm+lmente +s Nulid+des s1o muito pequen+s - pe-
quiníssim+s r+ch+dur+s - m+s +l¸um+s possuem circunfe-
rênci+s i¸u+is +s d+s cid+des m+iores ou mesmo túneis de
ferrovi+s. As Nulid+des podem form+r +s superfícies d+s po-
ç+s de í¸u+, em esquin+s sombri+s, em poços de elev+dores e
sob tend+s de operírios - qu+lquer lu¸+r que leve p+r+ b+i-
xo. Al¸um+s Nulid+des n1o existem de form+ perm+nente,
m+s +p+recerem intermitentemente - t+lve: de form+ +le+-
tóri+, t+lve: form+ndo um ciclo.
O que c+i num+ Nulid+de c+i n+ Tempest+de. Os Lspec-
tros costum+m ser +tr+ídos + Nulid+des e se +liment+rem
del+s. Hí quem di¸+ que é possível ¸rit+r p+r+ um+ Nulid+de
e ser ouvido lí emb+ixo, embor+ isso t+lve: n1o sej+ um+
41
+titude muito sens+t+. As cois+s podem r+stej+r lí de b+ixo
p+r+ responder pesso+lmente...
jurhlllões
V.n:· n.¸r·, |.t.-m. jara |·n¸..
- Sisters of Mercy, "Temple of love"
leriodic+mente, ¸r+ndes borr+sc+s conhecid+s como Tur-
bilhöes emer¸em d+ Tempest+de e dev+st+m +s Re¸iöes Som-
bri+s. V+rrendo tod+s +s +p+riçöes que n1o estej+m prote¸id+s
+propri+d+mente ou pres+s em correntes estí¸i+s, os Turbilhöes
re+firm+m o poder do limbo. Lss+s borr+sc+s s1o temid+s n1o
+pen+s por seu poder destrutivo, m+s t+mbém pelos Lspectros
terríveis que vi+j+m nel+s. Sob muitos +spectos, um Turbilh1o
é m+is um+ inv+s1o que um+ borr+sc+: +s +lm+s pilh+m e des-
troem tudo que encontr+m pel+ frente. A únic+ form+ de +pl+-
c+r + borr+sc+ é derrot+ndo os inv+sores.
Os Turbilhöes lembr+m ¸r+ndes fur+cöes cuj+s impenetrí-
veis névo+s ne¸r+s rodopi+m sem p+r+r. Dentro de um Turbi-
lh1o com freqüênci+ podem ser visto cois+s, rostos ou seres. Os
"h+bit+ntes" d+ tempesd+de costum+m ¸rit+r no mesmo tom
que os ventos d+ borr+sc+. A neblin+ de um Turbilh1o contém
¸r1os de fuli¸em e pele, sendo pe¸+jos+ e li¸eir+mente n+use-
+nte + qu+lquer um que + respire ou toque. O m+u cheiro d+
neblin+ é muito difícil de ser removido, m+ntendo-se no Cor-
pus de um+ +p+riç1o por meses ou +nos + fio.
No Mundo d+ C+rne, um Turbilh1o costum+ +comp+-
nh+r um+ tempest+de p+rticul+rmente furios+ ou outr+ es-
pécie de des+stre n+tur+l. L muito r+ro um Turbilh1o p+ss+r
despercebido pelos seres vivos. Curios+mente, os Turbilhöes
possuem um+ ¸r+nde importìnci+ cultur+l p+r+ +s +p+riçöes,
sendo us+dos p+r+ m+rc+r +s "er+s" do Mundo lnferior. O
tempo costum+ ser cont+do + p+rtir do último Turbilh1o.
As ]rulus Dlstuntes
Acredit+-se que +lém d+ Tempest+de exist+m outros rei-
nos, supost+mente, refú¸ios do limbo. Lmbor+ tod+s +s +p+-
riçöes tenh+m ouvido rumores sobre +s lr+i+s Dist+ntes, e
muit+s +credit+m nel+s, pouc+s conhecem + verd+deir+ n+-
ture:+ desses reinos. Aqueles que s+bem recus+m-se + f+l+r
ou n1o s1o di¸nos de confi+nç+. A m+iori+ d+s +p+riçöes
que vi+j+ +s lr+i+s Dist+ntes o f+:em p+r+ compr+r, roub+r
ou converter +lm+s e tr+:ê-l+s p+r+ c+s+.
Se¸undo + lend+, +s lr+i+s Dist+ntes existem +lém d+ Tem-
pest+de, embor+ + m+iori+ d+s +p+riçöes +credite que el+s n+
verd+de sej+m reinos no interior d+ Tempest+de. Ll+s s1o os
lnfernos e l+r+ísos, os V+h+ll+s e Nirv+n+s de t+nt+s cultur+s.
Ll+s s1o +s vid+s depois d+ morte cri+d+s p+r+ - ou t+lve: por
- +lm+s perdid+s. Muit+s +firm+m que +s lr+i+s Dist+ntes n1o
s1o +s mor+di+s dos deuses verd+deiros, e sim +s fort+le:+s cri-
+d+s p+r+ prote¸er +lm+s d+ fúri+ d+ Tempest+de.
L interess+nte not+r que muitos reinos cl+m+m ser o ln-
ferno ori¸in+l, e vírios seres referem-se + si mesmos como
Sh+it+n, lúcifer ou S+t1. N+ verd+de, existem t+ntos desses
reinos que eles vier+m + ser conhecidos, coletiv+mente, como
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
42
A
purlçño.
O

L
lmho
os Mil lnfernos. Contudo, nenhum deles provou conclusi-
v+mente ser o lnferno de D+nte ou d+ Bíbli+. Lxiste um nú-
mero equiv+lente de l+r+ísos, c+d+ qu+l +firm+ndo ser o ver-
d+deiro reino celesti+l. Os re¸entes desses reinos, embor+
poderosos, +ind+ n1o prov+r+m su+ onipotênci+...
Estlglu
N+s profunde:+s d+ Tempest+de estí Lstí¸i+, + c+pit+l
do Mundo lnferior. D+ mesm+ form+ que tod+s +s estr+d+s
lev+v+m + Rom+, + m+iori+ dos At+lhos +tr+vés d+ Tempes-
t+de termin+ em Lstí¸i+. Lstí¸i+ t+mbém é o l+r dos lordes
d+ Hier+rqui+, e port+nto, o centro político d+s +p+riçöes.
Qu+ndo o lendírio Ch+ron +ind+ rein+v+, Lstí¸i+ er+ um+
cìm+r+ de compens+ç1o p+r+ +lm+s. Hoje, porém, p+rece
m+is um+ cid+de f+nt+sm+. Os templos dos vírios reinos d+s
lr+i+s dist+ntes +ind+ perm+necem de pé, m+s todos est1o
tr+nc+dos e v+:ios. A¸or+ Lstí¸i+ fervilh+ com milhöes de
+lm+s tortur+d+s que + fort+lecem.
loucos +ventur+r+m-se + Lstí¸i+ e retorn+r+m, m+s os rel+-
tos +firm+m que el+ é um+ ¸r+nde cid+de, replet+ de constru-
çöes ¸ótic+s reminiscentes d+ Rom+ mediev+l. Se¸undo +s len-
d+s, Lstí¸i+ é n+ verd+de é um ¸r+nde cortiço l+biríntico. A
m+iori+ dos membros d+ elite d+ Hier+rqui+ pode mover-se
livremente entre os níveis superiores, que s1o t1o belos qu+nto
os níveis inferiores s1o revolt+ntes. As +p+riçöes +corrent+d+s
odei+m Lstí¸i+, e temem ser m+nd+d+s p+r+ lí, como Servos.
A Necrópole
N+ m+ior p+rte d+s cid+des hum+n+s hí um b+irro +rru-
in+do, onde odores doentios impre¸n+m o +r e +onde mes-
mo os miseríveis n1o se +ventur+m. Aqui é + Necrópole, +
Cid+de dos Mortos, onde Nulid+des ¸ermin+m e +s +p+ri-
çöes se +cotovel+m.
Lm+ Necrópole é um+ coloni+ de Lstí¸i+. Ll+ é o centro
político e soci+l d+s +p+riçöes loc+is. A polític+ e + intri¸+
inerentes + existênci+ num+ Necrópole ocup+m + m+ior p+rte
d+ +tenç1o d+s +p+riçöes que + h+bit+m.
A m+iori+ d+s +p+riçöes n+tiv+s de um+ determin+d+
Necrópole conhecer1o um+s +s outr+s pelo nome ou reput+-
ç1o. Contudo, p+r+ um estr+nho, um+ Necrópole é um b+ir-
ro miserível, repleto de prédios +rruin+dos, ru+s sombri+s e
olhos brilh+ndo n+ escurid1o.
Os Domlnlos
As Necrópoles s1o dividid+s por íre+s de :urj, ou domínios,
que s1o recl+m+d+s por um ou outro Círculo de +p+riçöes.
Muitos Círculos requisit+m +s vi:inh+nç+s de seu loc+l As-
sombr+do, no Mundo d+ C+rne e n+s Re¸iöes Sombri+s. Lm-
bor+ + Hier+rqui+ nem sempre reconheç+ esses limites, seus
l+c+ios sempre os consider+m nos leilöes. Muitos le¸ionírios
vir+m-se subit+mente sem nenhum +poio +o s+írem de ru+s
control+d+s pel+ Hier+rqui+ p+r+ os becos dos Rene¸+dos.
43
Cldudelus
Os m+iores e m+is poderosos loc+is +ssombr+dos de um+
Necrópole s1o conhecidos como Cid+del+s. As Cid+del+s
form+m os centros políticos e soci+is d+ Necrópole. Ll+s cos-
tum+m +ssemelh+r-se + cid+des mediev+is fortific+d+s, pos-
suindo inclusive um comércio próspero e mor+dores perm+-
nentes. Cl+ro que el+s n+ verd+de n1o possuem muros, m+s
s1o pontos fortes dentro d+s Re¸iöes Sombri+s.
Lm+ Cid+del+ costum+ ser sedi+d+ num ¸r+nde prédio
+b+ndon+do ou num complexo de prédios. Os ¸+lpöes +b+n-
don+dos, +s ruín+s e os depósitos de lixo s1o loc+is típicos
p+r+ +s cid+del+s. Lsses loc+is Assombr+dos s1o b+st+nte
fortes p+r+ resistir +os Turbilhöes. Lles servem como pontos
de se¸ur+nç+ p+r+ centen+s, ou mesmo milh+res de +p+ri-
çöes dur+nte +s tempest+des m+is mort+is. Além disso, em
momentos de peri¸o, +s Cid+del+s s1o +s únic+s fortific+çöes
contr+ os exércitos d+ Tempest+de. Contudo, +pen+s +s +p+-
riçöes le+is + Hier+rqui+ conse¸uem refú¸io.
As cid+del+s qu+se sempre s1o m+ntid+s sob o controle
d+ Hier+rqui+, m+s n1o est1o sob + influênci+ de um+ le¸i1o
específic+. Víri+s le¸iöes costum+m disput+r o controle d+s
Cid+del+s.
A Hier+rqui+ impl+nt+ f+róis, Servos freqüentemente
+corrent+dos e tr+nsform+dos em toch+s viv+s p+r+ m+rc+r
os limites d+ Necrópole e est+belecer + esfer+ de influênci+
de um+ cid+del+. Lsses f+róis costum+m ser us+dos como
m+rcos de n+ve¸+ç1o e muit+s ve:es constituem + únic+ ilu-
min+ç1o de um lu¸+r.
Al¸um+s Cid+del+s cobr+m t+rif+s e impostos de +dmis-
s1o. A m+iori+ simplesmente requer que um+ +p+riç1o pos-
su+ um+ m+rc+ d+ Hier+rqui+ ou estej+ +comp+nh+d+ por
+l¸uém que possu+.
Umu Revlsño du Hlstórlu
Imperlul de Estlglu
Car·s S.n|·r.s M·r:a|s, |.t· m|n|a j.na
a· jaj.| jara .xj||.ar a jassa¸.m J·s an·s
Ja j·rma ma|s .|ara j·ss/t.|.
ía anJ.| a s·m|ra Jas j|ram|J.s J· Ca|r·,
ass|s:| .·m.J|as J. -r|s:´jan.s, ·ut| mus|.a
na .·r:. J· n.| Sa|·ma· . jr.s.n.|.| |num.-
ras ¸u.rras. V| as ¸u.rras J. -:.nas .·n:ra Lsjar:a, n·ma .·n:ra
Ca:ar¸·, íran¸a .·n:ra íruss|a, as .·|`n|as am.r|.anas .·n:ra a
ln¸|a:.rra, as CranJ.s Cu.rras munJ|a|s . a ¸u.rra J· V|.:na. Lu
¡a s·|r.t|t| a .|n.· CranJ.s Tur||||¨.s. ía t| . ·ut| mu|:a .·|sa.
í.rm|:a-m. a |||.rJaJ. J. r.t.|ar .s:. .·n|..|m.n:· Ja m|n|a j·r-
ma jr.j.r|Ja. .·n:anJ· uma ||s:´r|a. Lsj.r· ¡u. m. j.rJ·.m j·r
m.us j.¡u.n·s .xa¸.r·s, aj|na|, |ss· . j.rj.|:am.n:. na:ura| ¡uanJ·
s. r..·n:a a H|s:´r|a.
O Rlo dos Mortos O Rlo dos Mortos O Rlo dos Mortos O Rlo dos Mortos O Rlo dos Mortos
Muitos especul+r+m sobre o Rio d+ Morte e su+s ori-
¸ens. Cert+mente, desde os primeiros tempos os rios s1o
import+ntes p+r+ + hum+nid+de. O f+to que, dur+nte seu
curso, o Rio d+ Vid+ torne-se o Rio d+ Morte n1o é visto
com estr+nhe:+ pel+ m+iori+.
Obvi+mente, muitos +credit+m que o Rio d+ Morte é o
mesmo descrito nos mitos e lend+s como Rio Styx. O Rio
d+ Morte jí foi ch+m+do de Rio Styx ou Rio lethe no
p+ss+do, m+s +p+rentemente muitos reinos d+s pr+i+s dis-
t+ntes +firm+m possuir neles um "Rio Styx" ou um "Rio
lethe".
Al¸uns +firm+m que + própri+ D+m+ do Destino criou
o rio, com su+s lí¸rim+s ou junt+ndo +l¸uns pin¸os de
chuv+. O f+to de que o rio corr+ por ¸r+nde p+rte d+ Tem-
pest+de torn+-o um At+lho muito procur+do. Os +bri¸os
secretos +o lon¸o do rio s1o excelentes esconderijos p+r+
os inimi¸os d+ Hier+rqui+.
Recentemente, + Hier+rqui+ tem p+trulh+do o rio, num+
tent+tiv+ de expuls+r os espectros, Rene¸+dos e Here¸es
que o tom+r+m.
A Escurldño Antes do Inlclo dos jempos
Lxiste um+ époc+ conhecid+ como + Lscurid1o Antes
dos Tempos, o período d+ históri+ t+nític+ que precede
Ch+ron. As lend+s sobre ess+ époc+ +firm+m que vid+ e morte
compunh+m +pen+s um reino, no qu+l terr+ e espírito er+m
superpostos. Tudo corri+ bem: n+quel+ époc+ n1o h+vi+
mortes. M+s ess+ perfeiç1o foi perdid+ + medid+ que os dois
mundos sep+r+r+m-se dur+nte o evento que ch+m+mos hoje
+ Cis1o. Assim, sur¸iu o mundo dos vivos e o mundo dos
mortos.
N+ Terr+ dos Mortos, t+mbém conhecid+ como Re¸iöes
Sombri+s, + D+m+ do Destino emer¸iu d+s trev+s e encon-
trou + c+beceir+ do Rio d+ Morte enqu+nto ele fluí+ p+r+
lon¸e deste mundo. A D+m+ do Destino predisse + che¸+d+
de Ch+ron, que lider+ri+ outros +té +s lr+i+s Dist+ntes.
Ness+ époc+, os M+lfe+nos, cri+tur+s sombri+s e destruti-
v+s, ru¸ir+m de fome e se lev+nt+r+m d+ Lscurid1o lrofund+
sob +s Re¸iöes Sombri+s. Os M+lfe+nos começ+r+m + c+v+r
¸r+ndes túneis e cri+r+m um terrível l+birinto que +tr+vess+-
v+ o cor+ç1o do limbo.
A Vlndu de Cluron
Ch+ron s+iu d+ escurid1o dos Tempos Sombrios qu+ndo
Aten+s +ind+ er+ jovem. A D+m+ do Destino o s+udou e
teceu p+r+ ele um b+rco de juncos. Com esse b+rco, Ch+ron,
que um di+ seri+ o Or+nde lmper+dor de Lstí¸i+, desceu o
Rio d+ Morte, explor+ndo su+s í¸u+s p+nt+nos+s. lin+lmen-
te ele che¸ou + um ponto onde o rio des+¸u+v+ no Or+nde
M+r Sem Sol, onde o M+r de Alm+s refluí+. Ali, no delt+
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
44
A
purlçño.
O

L
lmho
onde o rio entr+v+ n+ ¸r+nde c+vern+ que continh+ o m+r,
Ch+ron descobriu + llh+ d+s l+ment+çöes.
A D+m+ do Destino +p+receu p+r+ Ch+ron e disse: "C·n-
:.mj|.. D.j·|s J. t·.. t|ra· as |.¸|¨.s J·s m·r:·s, ¡u. j.ram|u-
|ara· ..¸·s . J.s·r|.n:aJ·s j.|as n.¸|¨.s S·m|r|as s. t·.. na· ·s
.·nJuz|r. L .n:r. .|.s t·.. .n.·n:rara as -|mas ln¡u|.:as ¡u.,
.·m· t·.., a|nJa .s:a· a¸r|||·aJas a t|Ja. -jr.nJa · j·J.r Ja
t|Ja, ¡u. j·J.ra s.r usaJ· a:. m.sm· na m·r:.. V·.. j·J. .·-
|rar J/z|m·s J·s m·r:·s ¡uanJ· .|.s ·j.r...r.m, jara a|r|||an:ar
a sua .x|s:.n.|a n.s:. munJ· s·m|r|·. -.|ma J. :uJ·, a¡uJ. ·s
·u:r·s a .n.·n:rar a t.rJaJ.|ra |uz |n:.r|·r, jara ¡u. .|.s j·ssam
sa|r J.s:. |u¸ar . .ruzar · Mar S.m S·| a:. as íra|as D|s:an:.s,
·nJ. j·J.ra· .n.·n:rar J.s.ans·.¨
Ch+ron, lev+ndo isto +o pé d+ letr+, +presentou-se +s le-
¸iöes de +lm+s que +ind+ v+¸+v+m pel+s Re¸iöes Sombri+s, e
el+s o reconhecer+m como líder. Lle +s condu:iu +té o M+r
Sem Sol, onde ele instruiu +s +lm+s como f+:erem seus pró-
prios b+rcos com os juncos que cresci+m no pìnt+no do del-
t+ do rio. Nesses di+s, o M+r Sem Sol er+ plícido e c+lmo, e
+s +lm+s +tr+vess+v+m su+s í¸u+s sem +cidentes.
Outr+s Alm+s lnquiet+s vier+m + Ch+ron e +prender+m
+ sond+r + profunde:+ do rio e como n+ve¸+r por su+s volt+s
e qued+s. Al¸uns recus+r+m + t+ref+ de condu:ir os mortos
+té seu repouso fin+l, e for+m medit+r em lu¸+res esqueci-
dos. Al¸uns decidir+m observ+r os vivos, torn+ndo-se ¸u+r-
di1es de f+míli+s ou pesso+s específic+s. Dur+nte ess+ époc+,
muit+s +lm+s vo+r+m sobre o M+r Sem Sol, torn+ndo-se t1o
leves que podi+m pl+n+r sobre +s í¸u+s. Outros encontr+-
r+m seu próprio c+minho +té +s lr+i+s Dist+ntes.
Ch+ron nutri+ um +mor especi+l por +queles que o +ju-
d+r+m + condu:ir os mortos em seus b+rcos de juncos. A
esses ele ch+m+v+ B+rqueiros, e os B+rqueiros começ+r+m +
se encontr+r n+ llh+ d+s l+ment+çöes p+r+ discutir seu tr+-
b+lho e +jud+r uns +os outros. Lles prest+v+m tr+b+lhos me-
nores uns +os outros em troc+ de despojos e inform+çöes que
eles recolhi+m dos recém-f+lecidos. Os B+rqueiros, perce-
bendo que +s Alm+s lnquiet+s poderi+m c+us+r muito m+l
+o mundo do qu+l tinh+m vindo, jur+r+m prote¸er os vivos.
lo¸o o jur+mento dos B+rqueiros foi posto + prov+. D+s
profunde:+s do ¸r+nde l+birindo esc+v+do pelos M+lfe+nos,
er+m expelidos periodic+mente muitos seres bi:+rros. Lsses
Os ]rlmelros Burquelros de Cluron
No Mundo lnferior, os B+rqueiros de Ch+ron s1o ver-
d+deir+s lend+s. Lles n1o us+m mísc+r+s, como precis+m
f+:er os inte¸r+ntes d+ Hier+rqui+, m+s cobrem com c+-
pu:es su+s c+beç+s. Os B+rqueiros s1o conhecidos t+nto
por su+ br+vur+ com os Arc+nos como por su+ ¸r+nde
h+bilid+de físic+.
Consider+-se um+ terrível mí sorte cru:+r o c+minho
de um B+rqueiro, que costum+m ter s+lvo conduto +tr+-
vés do Mundo lnferior. lorém, víri+s +p+riçöes infeli:es
jí for+m s+lv+s de Lspectros furiosos pel+ che¸+d+ súbit+
de um B+rqueiro.

seres, conhecidos coletiv+mente como "Lspectros", demons-
tr+v+m um ódio venenoso por vivos + +p+riçöes. As erup-
çöes de espectros, embor+ n1o sej+m muito numeros+s ulti-
m+mente, er+m um+ +me+ç+ const+nte n+quel+ époc+.
M+is t+rde, vírios B+rqueiros decidir+m re+li:+r um+ vi-
+¸em +tr+vés do M+r sem Sol p+r+ tent+r encontr+r +s lr+i+s
Dist+ntes, +onde t+ntos jí tinh+m che¸+do. C+d+ um+ des-
s+s +p+riçöes, coletiv+mente denomin+d+s os llumin+dos
(porque brilh+v+m no c+minho dos outros) procurou por
su+ própri+ lr+i+ Dist+nte.
Após + p+rtid+ dos llumin+dos, Ch+ron foi visit+do pel+
D+m+ do Destino. lo¸o depois ele desceu +o l+birinto pel+
Lsc+d+ Venos+, um port1o de mírmore p+r+ +quele lu¸+r
terrível. Lle levou consi¸o +pen+s su+ foice e um+ únic+ l+n-
tern+, entr+ndo so:inho n+ escurid1o. Nós n1o s+bemos como
foi su+ vi+¸em pel+ escurid1o, +pen+s que ele esteve des+p+-
recido dur+nte muitos +nos. Dur+nte esse período os B+r-
queiros continu+r+m su+s jorn+d+s nos dois sentidos do Rio.
Qu+ndo Ch+ron s+iu do l+birinto, trouxe um +rtífice
ch+m+do Nhudri. Nhudri er+ um +rtífice muito h+bilidoso
que us+v+ como m+teri+l +lm+s hum+n+s.
Lnt1o Ch+ron soprou + ¸r+nde tromp+ n+ llh+ d+s l+-
Nludrl, o Sumo Artlllce de Estlglu
Muit+s históri+s mencion+m Nhudri, m+s pouc+s o des-
crevem bem. Atr+vés desses rel+tos podemos s+ber +l¸u-
m+s cois+s sobre ele. Nhudri foi res¸+t+do por Ch+ron d+s
p+rtes m+is profund+s do l+birinto. Lle +p+rentemente
h+vi+ sido posto p+r+ tr+b+lh+r pelos Lspectros, forj+ndo
+l¸em+s e outr+s form+s de met+is p+r+ propósitos desco-
nhecidos, m+s indubit+velmente sombrios. Nhudri +fir-
mou ser um dos primeiros +rtífices do mundo, e Ch+ron
teve de ensin+r-lhe su+ lín¸u+ n+tiv+, o ¸re¸o.
As t+peç+ri+s e +rtes mostr+m Nhudri como um ho-
mem de est+tur+ medi+n+, com lon¸os c+belo: pretos (que
ele m+ntêm presos num+ tr+nç+ complic+d+ sempre que
estí tr+b+lh+ndo), olhos ne¸ros e um temper+mento c+l-
mo. Nhudri +ind+ us+ +l¸em+s, m+s su+s pern+s movem-
se livremente, e +s correntes pres+s +s +l¸em+s pendem +o
seu l+do. Seus br+ços s1o fortes e +rque+dos.
Nhudri é conhecido por ser r+bujento, m+s ¸entil, e pelo
or¸ulho que nutre por seu tr+b+lho e por su+ c+p+cid+de
em f+:er qu+lquer cois+ + p+rtir de qu+lquer m+teri+l. Lle
+dor+ tr+b+lh+r com novos +rtef+tos ou despojos, e cons-
t+ntemente procur+ por +nti¸uid+des p+r+ compr+r de B+r-
queiros e outr+s +p+riçöes em visit+ + Lstí¸i+. Nhundri cos-
tum+ m+nd+r seu +prendi:es compr+r m+teri+is p+r+ ele.
esses sin+is, Ch+ron recebeu + +utorid+de p+r+ jul¸+r +s +l-
m+s. Lle colocou os sin+is num+ ¸r+nde pl+c+ de +ço que foi
+ pedr+ fund+ment+l de um+ nov+ cid+de.
Ls+ndo pedr+s colet+d+s nos templos +rruin+dos d+ Oré-
ci+ e lsr+el, d+ cid+de perdid+ d+ Atlìntid+ e d+s cid+des
destruíd+s de Sodom+ e Oomorr+, Ch+ron er¸ueu + cid+de +
semelh+nç+ de Aten+s e d+ nov+ Rom+: lind+s estrutur+s
dispost+s simetric+mente n+s colin+s d+ llh+ d+s l+ment+-
çöes, com estr+d+s p+viment+d+s, um +queduto e momu-
mentos + B+rqueiros perdidos. Ch+ron doou + l+ntern+ que
us+r+ no l+birinto p+r+ ser coloc+d+ no monumento m+is
+lto e d+li ilumin+r + cid+de. Ao estilo d+ Repúblic+ Rom+-
n+ (que Ch+ron estudou dur+nte muitos +nos), ele instituiu
+ Or+nde Repúblic+ de Lstí¸i+, com + cid+de de Lstí¸i+ como
su+ c+pit+l.
O Sen+do Lstí¸io consisti+ de sete Sen+dores, c+d+ um
responsível por p+rtes diferentes do mundo d+s Alm+s ln-
quiet+s. Lsses er+m sete dos tenentes de m+ior confi+nç+ de
Ch+ron. O próprio Ch+ron +ssumiu o posto de Consul do
sen+do. O primeiro +to do Sen+do foi conceder +os llumin+-
dos um+ porç1o de terr+ perto d+s doc+s p+r+ + construç1o
de seus templos, que serviri+m como cìm+r+s de compens+-
ç1o p+r+ os mortos.
O sen+do recebeu emissírios de M+rfim e J+de, os Rei-
nos Ne¸ros. Os Reinos Ne¸ros er+m lu¸+res muito seme-
lh+ntes + Lstí¸i+, que cuid+v+m dos mortos d+ Afric+ e Ori-
ente Médio. Ness+ époc+, Lstí¸i+ est+v+ em p+: com eles,
embor+ isso n1o fosse dur+r muito tempo. O sen+do de Lstí-
¸i+ t+mbém enviou emissírios +os Reinos Ne¸ros.
A Escudu Venosu
A Lsc+d+ Venos+ é um+ ¸r+nde +bertur+ no solo, blo-
que+d+ por um+ t+mp+ de b+s+lto. Ll+ é ch+m+d+ de Ls-
c+d+ Venos+ devido +s linh+s pret+s em seu mírmore ro-
s+do. A Lsc+d+ é + entr+d+ do l+birinto m+is próxim+
dos lort+is de Lstí¸i+... um+ curt+ jorn+d+ p+r+ + +lm+.
Lles tem sido sítio de muit+s b+t+lh+s contr+ os espectros.
Se¸undo rumores, Ch+ron oc+sion+lmente us+v+ o l+-
birinto p+r+ +lc+nç+r +s Re¸iöes Sombri+s qu+ndo os ou-
tros At+lhos est+v+m fech+dos. Lm+ d+s imprec+çöes m+is
comuns entre os Lstí¸ios é: "lel+ Lsc+d+".
ment+çöes e convocou os B+rqueiros. Lle lhes contou que,
enqu+nto est+v+ no l+birinto, h+vi+ enfrent+do + Lscurid1o
lrofund+, + Sombr+ m+is dens+. Lle h+vi+ visto o próprio
limbo, e ele est+v+ crescendo. Ch+ron repreendeu seus B+r-
queiros, di:endo que ele vir+ +lm+s des¸+rr+d+s, que n1o ti-
nh+m sido colhid+s por um ¸ui+, c+indo no poço. C+d+ +lm+
+liment+r+ + ne¸ritude, como + podrid1o +liment+ um fun-
¸o. Os B+rqueiros for+m tom+dos por um+ preocup+ç1o pro-
fund+, e muitos for+m m+nd+dos p+r+ +s qu+tro direçöes +
procur+ de +jud+ contr+ + +me+ç+ crescente.
Como respost+ + revel+ç1o de Ch+ron, os llumin+dos
volt+r+m lo¸o depois, rel+t+ndo que h+vi+m b+nquete+do
nos S+löes dos Mortos e que +s lr+i+s Dist+ntes er+m lu¸+res
re+is. Se¸uindo m+p+s feitos pelos llumin+dos, Ch+ron p+r-
tiu em seu b+rco n+ direç1o do M+r Sem Sol.
N+ époc+ em que + Repúblic+ Rom+n+ fin+lmente se
est+beleceu no mundo vivo, Ch+ron retornou d+s lr+i+s
Dist+ntes com sete sin+is que ele h+vi+ recolhido dos llumi-
n+dos que tinh+m se torn+do ¸u+rdi1es desses lu¸+res. Com
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
4o
A
purlçño.
O

L
lmho
Os Relnos Negros de Murllm e [ude
Obvi+mente, Afric+, Oriente Médio e muit+s cultur+s
orient+is possuem idéi+s diferentes sobre + morte. Os +ssim
ch+m+dos Reinos Ne¸ros s1o p+r+ esses lu¸+res o que Lstí-
¸i+ é p+r+ + Oréci+, Rom+, Lurop+ e, m+is t+rde, Améric+.
A líder dos Reinos Ne¸ros de M+rfim é + R+inh+ M+r-
fim, um+ mulher belíssim+ que sempre tem um poderoso
leop+rdo +o seu l+do. Ll+ é + +p+riç1o m+is poderos+ do
continente +fric+no. O lmper+dor J+de é o re¸ente do
Reino Ne¸ro de J+de: ele é desconhecido e n1o inter+¸e
pesso+lmente com Lstí¸i+, m+s m+nd+ seus emissírios p+r+
Lstí¸i+ num+ bel+ b+rc+ç+ de j+de. Lle é + +p+riç1o m+is
poderos+ do continente +siítico.
Atr+vés dos +nos, vírios Here¸es e Rene¸+dos têm sido
desm+sc+r+dos como espiöes dos Reinos Ne¸ros de J+de e
M+rfim. Dur+nte os tempos coloni+is (vej+ +di+nte), Lstí¸i+
e os Reinos Ne¸ros tr+v+r+m diversos conflitos pequenos e
+l¸um+s ¸r+ndes b+t+lh+s. O Reino Ne¸ro de Obsidi+n+ t+m-
bém foi destruído complet+mente ness+ époc+.
Dur+nte + ¸r+nde l+x Rom+n+, os construtores de Ch+-
ron esp+lh+r+m-se +brindo um+ rede de estr+d+s +tr+vés d+
Lscurid1o. Lss+ rede er+ muito ¸r+nde, li¸+ndo +s Re¸iöes
Sombri+s de lu¸+res +f+st+dos como Or1-Bret+nh+, Oíli+,
M+uritìni+, Rom+, Tríci+, Oíl+t+, D+m+sco, Armêni+ e
T+n+is. Lstí¸i+ sempre se¸ui+ os p+ssos de Rom+. A medid+
que os le¸ionírios rom+nos morri+m dur+nte +s ¸uerr+s de
conquist+s, muitos se torn+v+m sold+dos d+ milíci+ estí¸i+,
prote¸endo os B+rqueiros enqu+nto eles re+li:+v+m seu tr+-
b+lho de colet+ de +lm+s. Os B+rqueiros emb+rc+v+m re¸u-
l+rmente dos emb+rc+douros de Lstí¸i+, lev+ndo p+r+ +s lr+i+s
Dist+ntes do Norte os celt+s, ¸+uleses e rom+nos, entre outros.
Todos que morri+m encontr+v+m um b+rco + su+ esper+.
T+mbém foi dur+nte + l+x Rom+n+ que Ch+ron desco-
briu os c+v+los que vivi+m no ¸r+nde l+m+ç+l do Rio d+
Morte. Lsses ¸+r+nhöes selv+¸ens tinh+m de +l¸um+ form+
sido c+ptur+dos dur+nte + +nti¸+ Cis1o. Hí quem +credite
que os c+v+los for+m um presente de loseidon + seu irm1o
H+des, m+s conse¸uir+m fu¸ir, n+d+r+m o Styx e +¸or+ cor-
rem livres pel+ Lscurid1o. Ch+ron cobiçou esses belos puro-
s+n¸ue br+ncos, com su+s lon¸+s crin+s ne¸r+s e olhos ver-
melhos. Com + +jud+ de Nhudri, ele criou +s ferr+ment+s
necessíri+s p+r+ dom+r os +nim+is. lo¸o Ch+ron tinh+ do-
m+do pesso+lmente 13 ¸+r+nhöes, que ele ofereceu como
presentes + todos os B+rqueiros que os queri+m.
Depois de p+ss+r muitos meses convers+ndo com filóso-
fos e ouvindo +s ¸r+ndes mentes de Rom+, Ch+ron +presen-
tou + doutrin+ do "lux Verit+s", + lu: d+ Verd+de. Lle +chou
que Lstí¸i+ tinh+ o direito e + respons+bilid+de de preserv+r
os m+iores pens+mentos e obr+s d+ hum+nid+de. Lle orde-
nou que su+s le¸iöes e l+c+ios trouxessem tod+s +s +nti¸ui-
d+des de v+lor p+r+ Lstí¸i+, onde el+s seri+m m+ntid+s em
se¸ur+nç+ dentro de cofres enterr+dos sob o Sen+do.
M+s nem tudo est+v+ bem em Lstí¸i+. O ¸overno c+d+
ve: m+is +utoritírio de Ch+ron, junt+mente com +s mortes
de vírios rebeldes e mírtires do mundo dos vivos, produ:iu
l+r+ o bem de todos os mortos, Ch+ron começou + co-
br+r impostos, requerendo du+s moed+s p+r+ que se p+ss+sse
pelo Rio d+ Morte. Aqueles que n1o podi+m p+¸+r er+m
pedidos p+r+ desistir de seus olhos ou su+s m1os. Lss+ histó-
ri+ esp+lhou-se r+pid+mente; n+queles di+s, poucos morri+m
sem que fossem coloc+d+s sobre seus olhos du+s moed+s.
Ch+ron começou + us+r o met+l +rrec+d+do com o im-
posto p+r+ forj+r +s +rm+s e +rm+dur+s estí¸i+s. Lle +utori:ou
Nhudri, o Sumo Artífice de Lstí¸i+ + desenh+r e construir
lylops, + primeir+ forj+ de Lstí¸i+. As primeir+s três cois+s
forj+d+s + p+rtir do met+l estí¸io for+m: Siklos, + esp+d+ de
Ch+ron; lumen, + l+ntern+ de Ch+ron e +s Mísc+r+s dos
sen+dores. lin+lmente, depois de tir+r um ped+ço d+s mís-
c+r+s de todos os sen+dores, ele criou + mísc+r+ de Ch+ron.
Ch+ron ordenou o uso d+s mísc+r+s porque, n+quel+
époc+, nin¸uém podi+ prever qu+nto tempo um+ +p+riç1o
sobreviveri+ +s forç+s crescentes do limbo. Ch+ron queri+
ser c+p+: de m+nter + Repúblic+ dos Mortos sep+r+d+ d+s
person+lid+des de seus sen+dores, e +s Mísc+r+s dos Sen+do-
res er+m um+ form+ de +ssoci+r o c+r¸o n1o com + +p+riç1o,
m+s com seus deveres.
N+queles di+s, + Tempest+de er+ +pen+s um+ ¸r+nde es-
curid1o que cerc+v+ tudo. Lss+ escurid1o er+ ne¸r+ como
piche, sólid+, desprovid+ de lu:, m+s túr¸id+, n1o o c+os móvel
que é hoje. Com + +jud+ de Nhudri, Ch+ron criou um ¸r+n-
de sistem+ de estr+d+s +tr+vés d+ Lscurid1o, c+minhos que
n1o dependi+m dos c+prichos do Rio d+ Morte. Ch+ron es-
t+v+ determin+do + s+lv+r tod+ + cri+ç1o do poder do lim-
bo, que h+vi+ começ+do + se m+nifest+r. Os Lspectros e +s
fer+s jí se +rr+st+v+m d+s profunde:+s p+r+ +torment+r os
des+vis+dos e +t+c+r os desprep+r+dos. As estr+d+s de Ch+-
ron ofereceri+m +os seus B+rqueiros +cesso fícil e rípido +o
M+r Sem Sol +tr+vés de um+ linh+ ret+, n1o um rio con-
torcido e cheio de Lspectros.
O Metul Estlglo
O ferro, +ço e outros met+is do Mundo lnferior costu-
m+m ser feitos de um+ li¸+ compost+ de "met+is mortos"
ou "minérios mortos" e m+téri+ espiritu+l. O met+l Lstí-
¸io mescl+ o m+teri+l do limbo com o ferro, permitindo-
o perfur+r um pouco m+is profund+mente o Corpus d+s
+p+riçöes que ele fere.
Ao contrírio do Corpus, o met+l Lstí¸io n1o é mold+do
f+cilmente. Lle precis+ ser tr+b+lh+do num+ forj+ especi-
+lmente desenh+d+ e temper+d+ num+ fo¸ueir+ de +lm+s.
Nhudri foi + primeir+ +p+riç1o + descobrir como er+ pos-
sível mescl+r e mold+r o met+l estí¸io.
Os Rene¸+dos começ+r+m + +t+c+r os B+rqueiros n+s
estr+d+s e nos Rios d+ Morte. Lm re+ç1o, Ch+ron criou
um pelot1o de sold+dos p+r+ serem + escolt+ dos B+rquei-
ros. Lle ch+mou esses sold+dos de Lquit+es, como + c+v+-
l+ri+ rom+n+.
47
Os jesouros de Estlglu
Se¸undo +s lend+s, os tesouros de Lstí¸i+ incluem mui-
tos +rtef+tos m+¸níficos d+ históri+ hum+n+, desde fr+¸-
mentos d+ cru: de Cristo +té per¸+minhos d+ Bibliotec+
de Alex+ndri+. Se¸uindo su+ doutrin+ de "lux Verit+s",
Ch+ron oc+sion+lmente +utori:ou + destruiç1o de docu-
mentos e +rtef+tos import+ntes no mundo vivo p+r+ +pos-
s+r-se deles em Lstí¸i+.
Nos +rquivos estí¸ios t+mbém est1o milh+res de pí¸i-
n+s de escritos póstumos de +l¸uns dos m+iores ¸ênios d+
hum+nid+de. Lsses textos est1o escritos num p+pel fino,
de consistênci+ semelh+nte + pele, feito + p+rtir d+ c+sc+
d+s írvores encontr+d+s nos ¸r+ndes pìnt+nos. S1o tex-
tos de Lsquilo, Cícero, Vir¸ílio, Nietsche, Sh+kespe+re,
Byron, Thore+u e loe, bem como muitos ¸r+ndes poet+s e
escritores que for+m reconhecidos +pen+s postum+mente.
um+ cl+sse de +p+riçöes ins+tisfeit+s. Lss+s +p+riçöes, conhe-
cid+s como Rene¸+dos, des+fi+r+m + +utorid+de de Ch+ron
e seus l+c+ios.
Qu+ndo Rom+ começou + c+ir, Lstí¸i+ sentiu +s conse-
qüênci+s. O cristi+nismo dissemin+v+-se pelo mundo vivo, e
subit+mente muitos lesc+dores (como +s le¸iöes de Ch+ron
os ch+m+v+m, devido +o símbolo de peixe que us+v+m p+r+
identific+r-se uns +os outros) começ+r+m + +p+recer em Ls-
tí¸i+. Construindo b+rcos + p+rtir dos detritos n+s pr+i+s d+
llh+ d+s l+ment+çöes, os lesc+dores p+rtir+m p+r+ su+ pró-
pri+ lr+i+ Dist+nte, um lu¸+r por eles ch+m+do "l+r+íso".
Nenhum dos llumin+dos j+m+is ouvir+ f+l+r desse lu¸+r, m+s
os lesc+dores tinh+m fé em su+ existênci+.
Ness+ époc+ +s +p+riçöes estí¸i+s começ+r+m + not+r m+is
espectros +o lon¸o d+s estr+d+s, n+s Re¸iöes Sombri+s, n+s
rib+nceir+s do rio - em qu+lquer p+rte. Aonde os Lspectros
i+m, o c+os, o limbo e + destruiç1o os +comp+nh+v+m. Lles
"c+v+l¸+v+m + pele" de b+ndos de bírb+ros, p+rticul+rmente
um+ tribo ch+m+d+ Os Vìnd+los, e +t+c+r+m + própri+ Rom+.
N+ b+t+lh+ que se se¸uiu, os vìnd+los for+m derrot+dos.
Qu+ndo +s +p+riçöes dos vìnd+los mortos vir+m Lstí¸i+, +ch+-
r+m que tinh+m che¸+do + outr+ vers1o de Rom+ n+ vid+
depois d+ morte. L +ssim, t+mbém + +t+c+r+m. Lles for+m
repelidos pelos Lquit+es, que er+m m+is or¸+ni:+dos e me-
lhor equip+dos, m+s, +ind+ influenci+dos pelos Lspectros, fi-
:er+m em se¸uid+ um cerco que testou +s defes+s de Lstí¸i+
+té seus limites. O próprio Ch+ron foi visto víri+s ve:es no
c+mpo de b+t+lh+, su+ foice +brindo um+ trilh+ +tr+vés dos
exércitos dos mortos.
Lnt1o, em +¯6 d.c., Rom+ c+iu. Simult+ne+mente, + es-
curid1o do ¸r+nde l+birinto +ssobiou e chiou. Sentinel+s em
todos os port+is do l+birinto sopr+r+m su+s tromp+s, ten-
t+ndo em v1o +lert+r Lstí¸i+ d+ +proxim+ç1o do m+ior de-
s+stre que + Cid+de dos Mortos sofreu: o primeiro Turbi-
lh1o, que t+mbém foi o m+ior de todos. Lle foi expelido do
l+birinto, +rruin+ndo + Lscurid1o, inund+ndo +s Re¸iöes
Sombri+s e provoc+ndo um+ chei+ no Rio d+ Morte. O Turbi-
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
48
A
purlçño.
O

L
lmho
lh1o +v+nçou +o M+r Sem Sol. As estr+d+s for+m dev+st+d+s.
M+s foi Lstí¸i+ que sofreu m+is. Lm +t+que coorden+do
pelos Lspectros coincidiu com o primeiro Turbilh1o, e + ci-
d+de foi inv+did+. O p+lício de Ch+ron, + Torre Ònix, foi
tom+do pel+s ch+m+s. Apen+s +tr+vés d+ estr+té¸i+ e d+s
tític+s brilh+ntes de Ch+ron, + cid+de dos mortos foi s+lv+.
N1o obst+nte, os B+rqueiros for+m di:im+dos, +s le¸iöes
deix+d+s em f+rr+pos, e o prédio do Sen+do destruído. Mui-
t+s +p+riçöes torn+r+m-se Rene¸+d+s, vivendo como pred+-
dores n+ Lscurid1o.
O Mundo Vivo t+mbém sofreu. Bírb+ros e b+ndoleiros
refestel+r+m-se sobre + ¸lóri+ c+íd+ de Rom+. lo¸o Rom+
er+ +pen+s um+ lend+ dist+nte, cont+d+ por c+mponeses +co-
cor+dos em seus b+rr+cos.
Ch+ron percebeu que +pen+s um líder m+is forte poderi+
prev+lescer nos +nos por vir. lnspir+do nos Cés+res do mun-
do vivo, Ch+ron fe:-se lmper+dor. Lle m+nteve seus sete
Sen+dores, m+s mudou seus nomes, ch+m+ndo-os Senhores
Mort+is. Os B+rqueiros re+¸ir+m imedi+t+mente + isso: eles
+ch+r+m que Ch+ron ultr+p+ss+r+ + +utorid+de que lhe for+
investid+. Lles n1o serviri+m um lmper+dor. lurioso, Ch+-
ron b+niu-os, di:endo-lhes que, se n1o fossem servir Lstí¸i+,
teri+m de sobreviver so:inhos n+ Lscurid1o.
Muitos +nos se p+ss+r+m e Lstí¸i+ foi reconstruíd+ +os
poucos. A cid+de sofreu + fúri+ de muit+s tempest+des, e
+pen+s + presenç+ dos Lquit+es impedi+ +s estr+d+s de serem
tom+d+s complet+mente por Lspectros e outr+s cri+tur+s
m+li¸n+s. Rene¸+dos selv+¸ens, procur+ndo prote¸er-se do
poder de Lstí¸i+, ou derrotí-l+, construír+m vil+rejos e cid+-
des +o lon¸o do rio e d+s estr+d+s. O poder dos llumin+dos
diminuí+ + medid+ que os deuses p+¸1os morri+m. D+ mes-
m+ form+, os lesc+dores convenci+m um número c+d+ ve:
m+ior de mortos + se¸uirem com eles em su+ jorn+d+ sem
volt+ p+r+ o l+r+íso.
Dur+nte ess+ époc+, +l¸um+s +p+riçöes começ+r+m + em-
pre¸+r Mistérios p+r+ +ssust+r e domin+r mort+is. Muitos
tom+v+m + form+ de monstros e demonios, m+nifest+ndo-se
+ c+mponios superticiosos e exi¸indo tributos. Os Rene¸+-
dos er+m os piores desses m+lfeitores.
lin+lmente, depois de séculos de esforço, o último dos
A Idude dus jrevus
Dur+nte + ld+de d+s Trev+s, +s +p+riçöes costum+v+m
se m+teri+li:+r e "c+v+l¸+r + pele" p+r+ se infiltr+rem en-
tre os hum+nos. Como + repress1o + isso er+ muito pe-
quen+, eles continu+r+m imb+tíveis +té que + l¸rej+ se
est+bili:ou. A p+rtir d+í, muit+s +p+riçöes for+m expuls+s de
seus hospedeiros e de i¸rej+s cons+¸r+d+s em solo s+¸r+do.
Aind+ +ssim, +s +p+riçöes m+nifest+v+m-se como demo-
nios e f+:i+m tr+tos com os mort+is ness+ form+, insti¸+n-
do-os + +dorí-los. Al¸uns dos mort+is que +ssoci+v+m-se
com esses impostores conse¸ui+m invoc+r poderes re+l-
mente infern+is, que er+m provindos dos Mil lnfernos ou
de outr+ p+rte qu+lquer.
O Códlce dos Mortos
T+mbém conhecido como Códice de Ch+ron, o Dic-
tum Mortem é um+ série de leis ex+t+s que Ch+ron criou
em respost+ +os +busos que +s +p+riçöes cometer+m visi-
t+ndo os mort+is dur+nte + ld+de d+s Trev+s. Apen+s uns
poucos m+¸istr+dos conheci+m + tot+lid+de do Códice:
ele é b+st+nte cit+do, m+s como n1o é fícil obter exem-
pl+res, poucos o ler+m por inteiro.
Aind+ +ssim, o Códice mud+ re¸ul+rmente, sendo temi-
do +té mesmo pel+ Hier+rqui+ Lstí¸i+. lnfeli:mente, os
+¸entes d+ Hier+rqui+ n+s Re¸iöes Sombri+s n1o tem tem-
po p+r+ policií-lo, qu+nto m+is lê-lo e compreendê-lo.
Lnqu+nto eles continu+rem suprindo + Lstí¸i+ com +l-
m+s, n1o hí muit+ ch+nce deste qu+dro mud+r.
Lspectros tr+:idos pelo Turbilh1o foi destruído ou lev+do de
volt+ +o l+birinto. A¸or+ h+vi+ tempo p+r+ reconhecer +
honr+ e + ¸lóri+ d+queles que tinh+m lut+do por Lstí¸i+.
Ch+ron instituiu + Ordem lmperi+l de Sickle e nomeou ví-
rios Lquit+es p+r+ seus postos. Aind+ é + m+ior honr+ que
Lstí¸i+ pode conceder + um+ +p+riç1o.
Dur+nte ess+ époc+, Ch+ron reconstruiu seu ¸r+nde p+-
lício e começou + recuper+r +l¸um+s d+s +nti¸uid+des que
est+v+m perdid+s. Lnqu+nto + jovem l¸rej+ lut+v+ p+r+ se
m+nter viv+ em seus primeiros +nos, Ch+ron ordenou que
um+ ¸r+nde mur+lh+ m+rinh+ fosse construíd+ em torno d+
llh+ d+s l+ment+çöes p+r+ prote¸ê-l+ dos ¸r+ndes Turbilhöes.
T+mbém dur+nte ess+ époc+, Ch+ron criou o Dictum
Mortem, o Códice dos Mortos, p+r+ re+¸ir +os terríveis +bu-
sos de poder d+s +p+riçöes dur+nte + ld+de d+s Trev+s. Lm-
bor+ tenh+ sido pl+nej+do princip+lmente p+r+ prote¸er os
vivos dos mortos, o Dictum Mortem t+mbém deixou +bsolu-
t+mente cl+ro que +pen+s Ch+ron e seus desi¸n+dos tinh+m
+utorid+de p+r+ reunir e enc+minh+r +lm+s.
Os lesc+dores volt+r+m + cen+ qu+ndo seu N+vio Dou-
r+do entrou triunf+nte no porto de Lstí¸i+. A emb+rc+ç1o
er+ um+ m+r+vilh+ d+ construç1o n+v+l, e seu est+leiro n+t+l
fic+v+ n+ lr+i+ Dist+nte de l+r+íso. Os lesc+dores trouxe-
r+m com eles m+teri+is de construç1o p+r+ eri¸ir um ¸r+nde
templo em um+ d+s colin+s d+ llh+ d+s l+ment+çöes. Lles
exi¸ir+m que Ch+ron p+¸+sse um dí:imo +o seu templo, m+s
o ¸overn+nte se recusou, di:endo que servi+ + Morte, n1o +s
lr+i+s Dist+ntes. Ao invés, ele fe: +os lesc+dores um+ con-
tr+-ofert+: se eles lhe fi:essem um+ do+ç1o de 10º dos des-
pojos que colet+ssem, ele lhes enc+minh+ri+ +s +lm+s d+-
queles que procur+m o l+r+íso. A propost+ er+ just+, e +s
du+s p+rtes fech+r+m o +cordo, embor+ os lesc+dores j+m+is
tenh+m desistido de converter Ch+ron + su+ crenç+.
Lstí¸i+ tornou-se um+ excelente cid+de mur+d+, n+ tr+-
diç1o de l+ris. Lnqu+nto +s Cru:+d+s começ+v+m no mun-
do vivo, Ch+ron m+is um+ ve: tinh+ os recursos p+r+ envi+r
seus Lquit+es (+¸or+ conhecidos como C+v+leiros) +s estr+-
d+s. Todo o sistem+ de trilh+s foi limpo e rep+r+do, e nov+s
estr+d+s for+m cri+d+s p+r+ conect+r +s cid+des m+is nov+s,
49
que cresci+m.
Lstí¸i+ muit+s ve:es foi ch+m+d+ de Cid+de dos Lcos Ne-
¸ros, porque é semelh+nte, m+s j+m+is complet+mente i¸u+l,
+o mundo vivo. louc+ cois+ n+ vid+ +fet+ + Cid+de dos
Mortos. Aind+ +ssim, +s Cru:+d+s n1o p+ss+r+m em br+nco.
Muit+s le¸iöes se¸uir+m os exércitos de cru:+dos, colhendo
os mortos de +mbos os l+dos p+r+ tr+nsportí-los p+r+ Lstí¸i+.
N+o er+ incomum os C+v+leiros de Sickle precis+rem +p+rt+r
lut+s entre +s sombr+s dos mouros e dos crist1os, mesmo qu+n-
do eles esper+v+m o jul¸+mento em seus respectivos templos.
O número de C+v+leiros-Ap+riçöes tornou-se imenso du-
r+nte +s Cru:+d+s, enqu+nto muitos cru:+dos deix+v+m p+r+
trís +m+ntes, espos+s e f+míli+s com quem se preocup+v+m
e que os prendi+m + vid+ como Orilhöes.
M+is um+ ve: prov+ndo su+ s+bedori+, Ch+ron mudou
seu ¸overno imperi+l p+r+ um estilo m+is feud+l. Lle insti-
tuiu +quilo que ch+mou Hier+rqui+, onde +s +p+riçöes po-
deri+m conhecer seu lu¸+r n+s Re¸iöes Sombri+s e em Lstí-
¸i+. A cl+sse superior consisti+ de Ch+ron e seus sete Senho-
res Mort+is. Ab+ixo deles est+v+m +s le¸iöes e os C+v+lei-
ros, se¸uidos pel+s Ap+riçöes livres. No fundo est+v+m os
Servos, +p+riçöes que por um+ r+:1o ou outr+ tinh+m sido
+corrent+d+s em met+l estí¸io. Os Servos torn+r+m-se muito
us+dos como escr+vos e moed+.
Lm respost+ + isso, os lesc+dores +pont+r+m seus própri-
os C+v+leiros, ch+m+dos Cru:+dos. A tens1o entre os C+v+-
leiros Lstí¸ios e os Cru:+dos começou + +ument+r.
Assim como o sistem+ feud+l er+ b+se+do n+ +¸ricultur+,
+ Hier+rqui+ er+ or¸+ni:+d+ + p+rtir do +junt+mento de +l-
m+s. As Ap+riçöes livres recolhi+m +s +lm+s recém-che¸+-
d+s e cuid+v+m del+s, enqu+nto os C+v+leiros prote¸i+m +s
Ap+riçöes livres de Lspectros e Rene¸+dos. Muit+s Ap+ri-
çöes livres torn+r+m-se mestres de vírios Mistérios que en-
volvi+m o comércio de +lm+s. Lss+s Ap+riçöes livres or¸+-
ni:+r+m-se em ¸uild+s depois que Ch+ron descobriu este sis-
tem+ mort+l.
Ch+ron provou ser um ¸overn+nte síbio. Qu+ndo + les-
te Ne¸r+ +l+strou-se pel+ civili:+ç1o ocident+l, + Hier+rqui+
jí est+v+ fort+lecid+. lnici+lmente houve +pen+s um peque-
As Multus ]uces de Cluron
Devo di:er que Ch+ron p+rece um homem d+ Ren+s-
cenç+. L competente, c+p+:, conhecedor de muit+s filo-
sofi+s e form+s de ¸overno, m+s incrivelmente flexível e
c+p+: de mud+r tod+ su+ estr+té¸i+ ¸overn+ment+l, se isso
se fi:er necessírio.
Atr+vés d+s er+s, muitos se per¸unt+r+m se + +p+riç1o
por trís d+ mísc+r+ de Ch+ron é + mesm+ desde seu +p+-
recimento. Lmbor+ sej+ verd+de que ele possu+ record+-
çöes ex+t+s sobre o mundo +nti¸o, Ch+ron oc+sion+lmente
demonstr+ mud+nç+s r+dic+is de person+lid+de.
Sej+ o Ch+ron por tr+s d+ m+sc+r+ um ou muitos, n1o é
qu+lquer +p+riç1o que pode us+r su+ mísc+r+, como você
verí +di+nte.
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
¨u
A
purlçño.
O

L
lmho
no +umento n+ che¸+d+ de +lm+s, devido + terrível doenç+.
Lm se¸uid+, o retumb+r do Se¸undo M+elstrom +nunciou +s
milh+res de +lm+s sep+r+d+s de seus corpos mort+is pel+ les-
te Ne¸re.
Dest+ ve:, Lstí¸i+ resistiu bem +o Turbilh1o, e +s estr+d+s
perm+necer+m +bert+s. O comércio de +lm+s prosper+v+.
Ch+ron procurou +press+r + construç1o do lmpério Lstí¸io
+ument+ndo os impostos contr+ os llumin+dos. Os lesc+do-
res, que tinh+m crescido em número e poder, for+m um dos
princip+is +lvos dos impostos.
lin+lmente, o Arcebispo de Lstí¸i+, líder dos lesc+dores,
+presentou-se + Ch+ron e exi¸iu que ele redu:isse o preço que
seus +¸entes cobr+v+m pel+s +lm+s. Ch+ron respondeu disper-
s+ndo os Cru:+dos e dobr+ndo o imposto sobre +s +lm+s crist1s.
Dur+nte muitos meses + Colin+ dos lesc+dores ficou escur+,
porque o templo est+v+ deserto. Os Cru:+dos perm+necer+m
em seus postos, ostent+ndo +bert+mente seus crucifixos.
Sob +s ordens do Arcebispo de Lstí¸i+, e com + +jud+ de
muitos llumin+dos, vírios +nti¸os Cru:+dos +t+c+r+m + ¸u+rd+
do p+lício de Ch+ron. lnfeli:mente p+r+ eles, for+m tr+ídos
por um de seus c+m+r+d+s - vírios C+v+leiros os +¸u+rd+-
v+m num+ embosc+d+. Derrot+ndo os Cru:+dos, Ch+ron fe:
deles um exemplo, enforc+ndo-os com correntes em ch+m+s
no monumento m+is +lto.
M+s Ch+ron n1o est+v+ s+tisfeito. Lle s+queou o templo
jempo em Estlglu
Lm+ not+ +queles que +ind+ n1o visit+r+m + Cid+de
dos Lcos Ne¸ros: como Lstí¸i+ n1o é b+nh+d+ pelo sol,
seu tempo é cont+do pel+s m+rés do M+r sem Sol. Lm
complexo reló¸io d'í¸u+ re¸istr+ os se¸undos e minutos e
so+ +s hor+s. Lm c+d+ "di+" de Lstí¸i+ hí du+s "m+rés". O
reló¸io de í¸u+ é conhecido por su+ precis1o, m+ntendo
com o mundo vivo um l+pso de cerc+ de três se¸undos.
dos lesc+dores, descobrindo um ¸r+nde tesouro de despojos e
+rtef+tos que n1o tinh+m sido p+ss+dos p+r+ ele. Lle m+ndou
seus C+v+leiros m+is fiéis +s lr+i+s Dist+ntes p+r+ f+l+r com os
llumin+dos, e b+ixou um+ ordem de que todos os llumin+dos
deveri+m p+rtir p+r+ Lstí¸i+ dur+nte + m+ré se¸uinte.
Qu+ndo os ¸on¸os d+s m+rés de Lstí¸i+ so+r+m, c+d+ b+r-
co, esquife e j+n¸+d+ foi empre¸+do n+ ¸r+nde Lv+cu+ç1o.
Os llumin+dos reunir+m tudo que tinh+m e p+rtir+m p+r+ o
M+r Sem Sol. As únic+s lu:es deix+d+s n+s rib+nceir+s d+
llh+ d+s l+ment+çöes vinh+m dos templos, que for+m in-
cendi+dos pelos sold+dos de Ch+ron.
lo¸o depois d+ p+rtid+ dos llumin+dos, os emissírios de
Ch+ron retorn+r+m d+s lr+i+s Dist+ntes. Lles trouxer+m re-
l+tos horríveis sobre reinos onde os mortos +ind+ esper+v+m
por consolo, sendo m+ntidos +pinh+dos em ¸r+ndes +ntecì-
m+r+s e esquecidos. Reinos onde dit+dores f+:i+m-se de deu-
ses e demonios e +prision+v+m +s +lm+s em tormento eterno
ou exi¸i+m obediênci+ +bsolut+. Nin¸uém che¸+r+ +s terr+s
prometid+s. Nin¸uém +lc+nç+r+ + Tr+nscendênci+.
Ch+ron +p+receu no b+lc1o de seu p+lício e leu +lto +
¨1
bilh1o n1o foi t1o intenso qu+nto os outros dois, m+s su+s
conseqüenci+s seri+m bem m+is dur+dour+s. Lle s+turou com-
plet+mente + Lscurid1o. As +p+riçöes p+r+r+m de se referir +
íre+ como + Lscurid1o e começ+r+m + se referir + el+ como +
Tempest+de, porque el+ se torn+r+ um+ re¸i1o de c+os e bor-
r+sc+s interminíveis.
Dur+nte ess+ époc+ +s ¸uild+s d+s Ap+riçöes livres ten-
t+r+m +lc+nç+r o poder num+ Lstí¸i+ +rruin+d+, m+s est+
revolt+ foi contid+. Lm ret+li+ç1o, Ch+ron ordenou que to-
d+s +s Ouild+s fossem desfeit+s. Lle imedi+t+mente treinou
su+s le¸iöes p+r+ f+:er ex+t+mente o mesmo que +s Ouild+s
f+:i+m, m+s reempre¸ou membros d+s ¸uild+s qu+ndo ficou cl+ro
que Ch+ron n1o iri+ deixí-los reconstituírem su+s ordens.
O Terceiro Turbilh1o mudou + f+ce d+s Re¸iöes Sombri-
+s. N1o h+vi+ m+is nenhum lu¸+r intr+nsponível domin+do
pel+ Lscurid1o. Lr+ bem cl+ro que +¸or+ o Mundo lnferior
er+ dividido em dois níveis. O nível "superior" +bri¸+v+ +s
Re¸iöes Sombri+s, +s íre+s próxim+s + Terr+ do Sol; "+b+i-
xo" del+s, +tr+vés d+ Tempest+de, fic+v+ Lstí¸i+, + llh+ d+s
l+ment+çöes e o M+r sem Sol. A form+ m+is se¸ur+ de che-
¸+r + Lstí¸i+ er+ +tr+vés d+s estr+d+s, porque o Rio d+ Morte
tinh+ fic+do infest+do de Rene¸+dos e Lspectros. Além dis-
so, um poder denomin+do Mort+lh+ sep+r+v+ o mundo vivo
do mundo dos mortos. A Mort+lh+ limit+v+ o poder do Mis-
tério; o poder d+ m+¸i+, dos Mistérios d+s +p+riçöes e dos
espíritos e f+d+s. Muitos lu¸+res místicos est+v+m perdidos,
e muit+s +p+riçöes n+s Re¸iöes Sombri+s confin+v+m-se +os
A Ordem do Ollo Sem ]álpehru
Meus lordes, eu n1o disponho de tint+ suficiente p+r+
express+r + ¸r+nde:+ e o v+lor dos C+v+leiros Ne¸ros. Lles
t+lve: sej+m os defensores m+is fiéis d+ Hier+rqui+. Lu
+dmiro + ten+cid+de com que eles c+ç+m os Here¸es e os
Rene¸+dos. L síbio d+ p+rte deles c+rre¸+rem su+s própri-
+s l+ntern+s com um pouco d+ lux Verit+s de Ch+ron: +
lu: d+ Verd+de ilumin+ tod+s +s sombr+s e desnud+ +
mentir+.
Os Rene¸+dos tremem de p+vor +o verem su+s esp+d+s-
foices, o que é plen+mente justificível. No di+ em que os
C+v+leiros Ne¸ros encontr+rem + rot+ dos Rene¸+dos p+r+
+s Re¸iöes Sombri+s, + Necrópole enfim serí purific+d+.
lrocl+m+ç1o d+ R+:1o, inici+d+ com +s se¸uintes p+l+vr+s:
"C·m· ·s l|um|naJ·s na· amam ·s m·r:·s, .u na· ·s a.·||.r.|.
C·m· .|.s jr·.uram aj.nas .·nt.r:.r .·m ja|sas jr·m.ssas, na·
||.s Jar.| ma|s ·ut|J·s. C·m· .|.s na· a.r.J|:am r.a|m.n:., .u
jassar.| a J.n·m|na-|·s H.r.¸.s.¨
Desse di+ em di+nte, os Here¸es for+m proibidos de en-
tr+r em Lstí¸i+, sendo c+ç+dos sem tré¸u+s pel+ Hier+rqui+
+onde quer que el+ +lc+nce. lnspir+do n+ lnquisiç1o que +¸or+
ocorri+ n+ Terr+ do Sol, Ch+ron formou su+ própri+ lnquisi-
ç1o p+r+ cort+r pel+ r+i: + influênci+ dos Here¸es em Lstí¸i+.
Lle +té mesmo cedeu + lnquisiç1o seu Lquit+es (ch+m+dos
"C+v+leiros Ne¸ros" por +l¸uns, m+s ofici+lmente desi¸n+-
dos "A Ordem do Olho Sem lílpebr+").
Dur+nte muitos +nos Ch+ron n1o impediu os mortos de
p+rtirem por cont+ própri+ em busc+ d+s lr+i+s Dist+nte.
Contudo, er+ um+ vi+¸em suicid+, porque o Se¸undo Turbi-
lh1o tr+nsform+r+ o M+r Sem Sol num+ re¸i1o de correntes
poderos+s, monstros +ind+ m+is estr+nhos e clim+ c+ótico.
O comércio d+s +lm+s começ+v+ + sofrer: n1o h+vi+ es-
p+ço em Lstí¸i+ p+r+ outr+s +lm+s, e Ch+ron evit+v+ conti-
nu+r m+nd+ndo +lm+s +s lr+i+s Dist+ntes depois dos rel+tos
de seus +¸entes. Lstí¸i+ tornou-se um c+mpo de refu¸i+dos
n+ medid+ em que +s +lm+s dos des+loj+dos e +b+ndon+dos
+ument+v+ em número. Os Rene¸+dos c+minh+v+m entre
eles, esp+lh+ndo sementes de rebeli1o. O silêncio começou
+ +ument+r n+ Cid+de dos Mortos.
Lnqu+nto isso, +l¸uns dos Here¸es deix+r+m Lstí¸i+. Ao
c+v+l¸+rem com os explor+dores d+ ld+de Médi+, esses He-
re¸es descobrir+m como +tr+vess+r + ¸r+nde íre+ de escuri1o
n+ Re¸i1o Sombri+ que correspondi+ +o Oce+no Atlìntico.
Assim, o Novo Mundo foi descoberto e, lo¸o depois, coloni-
:+do e explor+do.
O início do século qu+tor:e m+rcou + re+ç1o dos Rene-
¸+dos. Lles +t+c+r+m + Torre Ònix e roub+r+m muit+s +nti-
¸uid+des, inclusive + lendíri+ l+nç+ de lon¸inius, dit+ ser
+quel+ que perfurou +s costel+s de Jesus Cristo enqu+nto ele
est+v+ preso + cru:. loi preciso o s+crifício de +l¸uns dos
melhores C+v+leiros de Ch+ron p+r+ que os Rene¸+dos fos-
sem repelidos.
lo¸o depois, o Terceiro Turbilh1o cobriu Lstí¸i+. O Tur-
Ohsldlunu, O Imperlo Negro
Os Here¸es esti¸i+nos que che¸+r+m +o Novo Mundo
lo¸o descobrir+m Obsidi+n+, o lmpério Ne¸ro, que er+
¸overn+do por um+ +p+riç1o poderosíssim+ ch+m+d+ lx
Chel. As +p+riçöes dest+ terr+ er+m estr+nh+s e podero-
s+s, e el+s exi¸i+m que s+crifícios de s+n¸ue fossem ofere-
cidos pelos M+i+s e Astec+s.
loi +qui que os Here¸es cometer+m seu m+ior crime.
Desesper+dos por um reino lon¸e do ¸overno rí¸ido de
Lstí¸i+, e +medront+dos com +s prític+s estr+nh+s d+s
+p+riçöes do Novo Mundo, os Here¸es inv+dir+m o lm-
pério Ne¸ro. A xenofobi+ e + desconfi+nç+ er+m fortes
nos dois l+dos. As víri+s +trocid+des comitid+s +bri+m
fend+s no solo do reino, expondo o l+birinto. No fim, de-
pois de déc+d+s de confrontos brut+is, os Here¸es derro-
t+r+m lx Chel e su+s +p+riçöes indí¸en+s, jo¸+ndo-+s +o
cor+ç1o do Vícuo. Assim, um+ r+ç+ inteir+ foi destruíd+.
Ou pelo menos foi o que se pensou +té recentemente.
Nos últimos +nos, os Senhores Mort+is têm sido pertub+-
dos por rel+tos de vírios reinos remotos - rel+tos de +t+-
ques selv+¸ens d+ p+rte de espectros fero:es e +¸rilho+-
dos, br+ndindo esp+d+s estr+nh+s e us+ndo Mistérios des-
conhecidos. Lltim+mente, esses +t+ques p+recem n1o
+pen+s est+r +ument+ndo, como t+mbém se +proxim+n-
do c+d+ ve: m+is d+ própri+ Lstí¸i+. Al¸um+s +p+riçöes
m+is velh+s sussur+m sobre + vin¸+nç+ de lx Chel...
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
¨2
A
purlçño.
O

L
lmho
seus loc+is Assombr+dos, onde + Mort+lh+ +ind+ er+ fin+.
M+is um+ ve:, +o invés de +dmitir + derrot+, Ch+ron sur-
preendeu com su+ respost+ +o lluminismo iminente. Antes,
o met+l estí¸io er+ d+do +pen+s +os C+v+leiros do reino, m+s
+¸or+ Ch+ron começou + +rm+r +s Ap+riçöes livres e outr+s
que o +poi+v+m com esp+d+s feit+s do m+teri+l. O Sumo
Artífice desenhou um+ best+ que disp+r+v+ três projéteis em
sucess1o rípid+, e começou + f+:er experiênci+s com explo-
sivos e +rm+s de fo¸o.
O próprio Ch+ron c+minhou pel+s ru+s de Lstí¸i+, cri+n-
do Servos + p+rtir d+queles + quem ch+m+v+ "indi¸entes":
os mortos que n1o tinh+m nenhum propósito e em n+d+
+jud+v+m Lstí¸i+. lo¸o esses Servos est+v+m tr+b+lh+ndo n+
Lsc+d+ Venos+, extr+indo met+l estí¸io do leito rochoso do
próprio l+birinto. Apes+r d+ vi¸ilìnci+ d+s le¸iöes de Ch+-
ron, muitos Servos for+m devor+dos por Lspectros que se
lev+nt+v+m d+s profunde:+s. Muit+s ve:es, os Servos que
sobrevivi+m enfrent+v+m um destino i¸u+lmente ne¸ro: er+m
redu:idos + minério p+r+ met+l estí¸io +ssim que se torn+-
v+m inúteis. A Revoluç1o lndustri+l che¸+r+ + Lstí¸i+.
Os Servos torn+r+m-se + b+se d+s nov+s idéi+s de Ch+-
ron sobre como lid+r com os mortos. Lmbor+ Ch+ron n1o
pudesse m+is +bri¸í-los, ele poderi+ utili:í-los e, no proces-
so, t+lve: oferecer-lhes o propósito de que precis+v+m p+r+
que + eternid+de lhes fosse m+is br+nd+. Lle prometeu liber-
d+de +os Servos se eles tr+b+lh+ssem b+st+nte no l+birinto e
servissem bem + Lstí¸i+.
T+mbém o espírito do imperi+lismo infect+r+ Ch+ron.
Lm ve: de tent+r ¸overn+r tudo de Lstí¸i+, Ch+ron enviou
+p+riçöes de su+ confi+nç+ +s Re¸iöes Sombri+s p+r+ est+be-
lecerem versöes menores de Lstí¸i+. Ch+ron ch+m+v+ ess+s
pequen+s Lstí¸i+s de "Necrópole". A Necrópole er+ propo-
sit+lmente loc+li:+d+ em sítios +b+ndon+dos dentro d+s ci-
d+des viv+s, próximos +os centros popul+cion+is onde os
mortos poderi+m ser colet+dos com m+is f+cilid+de. Ch+ron
esper+v+ est+belecer coloni+s perm+nentes p+r+ compens+r
o problem+ d+ explos1o popul+cion+l de Lstí¸i+.
Dur+nte este tempo Ch+ron cunhou +s primeir+s moe-
d+s mort+s, t+mbém ch+m+d+s óbolos. Lss+s moed+s seri+m
m+is fíceis de serem troc+d+s do que Servos, que +té ent1o
er+m + únic+ unid+de ofici+l de v+lor.
Or+ç+s + exp+ns1o do sistem+ rodoviírio, que +¸or+ co-
nect+v+ Lstí¸i+ +o Novo Mundo, Ch+ron fin+lmente er+
c+p+: de m+nd+r +p+riçöes + lu¸+res como Nov+ Amsterd1 e
Boston. Ouerr+s for+m tr+v+d+s no Novo Mundo entre os
colonos de Lstí¸i+ e os Here¸es. Além disso, dur+nte ess+
époc+, o coloni+lismo do lmpério Britìnico (se¸uido de per-
to pel+ Hier+rqui+) levou o lmpério Lstí¸io + entr+r em con-
flito com o lmper+dor J+de + oeste e com + R+inh+ M+rfim
+o sul. Depois de um conflito violento, +lc+nçou-se um +cor-
do que d+v+ + Hier+rqui+ + custódi+ d+s +lm+s dos mortos
europeus, m+s n1o +s dos indí¸en+s.
A Hier+rqui+, os Here¸es e os Rene¸+dos b+t+lh+r+m
const+ntemente dur+nte + Ouerr+ entre os Lst+dos. A R+i-
nh+ M+rfim exi¸iu +s +lm+s d+s cri+nç+s mort+s d+ Afric+
que tinh+m sido escr+vi:+d+s em vid+, e Ch+ron permitiu
+os seus sold+dos vi+j+rem com +s forç+s d+ Hier+rqui+ p+r+
o sul. Como result+do, + R+inh+ M+rfim m+is t+rde +ssumiu
o controle de Nov+ Orle1s e proibiu + entr+d+ d+ Hier+rqui+
e dos Rene¸+dos. Até hoje + Hier+rqui+ de Ch+ron n1o ope-
r+ n+s Re¸iöes Sombri+s de Nov+ Orle1s.
A medid+ que + Lr+ Vitori+n+ des+broch+v+, + Hier+r-
qui+ de Ch+ron p+ss+v+ + funcion+r como um reló¸io. As
+lm+s er+m coloc+d+s em c+rru+¸ens, que em se¸uid+ per-
corri+m +s estr+d+s +té Lsti¸i+. Ali +s +lm+s seri+m sep+r+d+s
e entre¸ues +os Senhores Mort+is de +cordo com + form+ de
su+ morte. Ch+ron encor+jou + Necrópole + colecion+r +lm+s
envi+ndo +rtef+tos estí¸ios +os An+creontes d+s Cid+del+s.
Dur+nte o século XlX, Ch+ron +prendeu como solidifi-
c+r + essênci+ dos mortos e tr+nsport+r est+ ener¸i+, em for-
m+ plísmic+, de um l+do p+r+ outro. C+d+ ve: m+is Servos
er+m redu:idos + n+d+ n+s ch+m+s de lylops, e os resíduos
d+ min+ d+ Lsc+d+ Venos+ torn+r+m-se ¸r+ndes colin+s.
Os primeiros n+vios forj+dos com +ço estí¸io s+ír+m do
porto d+ llh+ d+s l+ment+çöes. Lsses n+vios ne¸ros cort+-
v+m +s í¸u+s escur+s, p+trulh+ndo + c+beceir+ do Rio d+
Morte, +fund+ndo emb+rc+çöes inv+sor+s dos Here¸es e
+¸u+rd+ndo o +t+que de Rene¸+dos.
C+d+ ve: m+is pesso+s começ+v+m + morrer sem crenç+s,
c+indo imedi+t+mente no limbo, que tinh+ se fort+lecido +
medid+ que + Lr+ lndustri+l impre¸n+v+ +s +lm+s d+s pesso+s.
A Mort+lh+ lo¸o se tornou t1o forte que +s +p+riçöes m+l podi-
+m +fet+r o Mundo d+ C+rne, exceto n+s íre+s onde el+s ti-
nh+m est+belecido lu¸+res Assombr+dos ou Orilhöes. Ch+-
ron, not+ndo isto, começou + recrut+r su+ Hier+rqui+ entre +s
pesso+s loc+is, que tinh+m Orilhöes onde ele precis+v+.
No fin+l do século XlX, os Senhores Mort+is e Ch+ron
fi:er+m um+ descobert+ +ssust+dor+: eles n1o podi+m m+is
vi+j+r +té +s Re¸iöes Sombri+s. A medid+ que se +proxim+-
v+m d+s Re¸iöes Sombri+s, começ+v+m + des+p+recer. As
investi¸+çöes lo¸o revel+r+m que seus Orilhöes tinh+m sido
destruídos hí muito tempo. Até mesmo Ch+ron, o mítico
A Qulntu Leglño
A Quint+ le¸i1o, t+mbém conhecid+ como le¸i1o do
O+vi1o Ne¸ro, foi m+nd+d+ +o Novo Mundo p+r+ est+be-
lecer + primeir+ Necrópole, em Nov+ Amsterd1. lnici+l-
mente el+ foi c+ptur+d+ num+ embosc+d+ dentro d+ Tem-
pest+de pelos Rene¸+dos, m+s reer¸uAeu-se r+pid+mente
e se +venturou +s Re¸iöes Sombri+s, onde comb+teu os
Rene¸+dos dur+nte vírios di+s e expulsou os Here¸es. A
le¸i1o est+beleceu su+ Cid+del+ contr+ + resistênci+ He-
re¸e e +ssim iniciou + inv+s1o +s Re¸iöes Sombri+s.
Os membros d+ Quint+ le¸i1o vesti+m + Mísc+r+ do
O+vi1o Ne¸ro, t+mbém ch+m+d+ C+pu:. Se¸undo se con-
t+, o An+creonte d+ le¸i1o re+lmente possui um+ +ve de
r+pin+ que o +comp+nh+ n+s b+t+lh+s. A Quint+ le¸i1o
m+is t+rde seri+ essenci+l n+ dissimin+ç1o d+ influênci+
d+ Hier+rqui+ pel+ Améric+.
¨3
Ceif+dor Ne¸ro, n1o poderi+ perm+necer muito tempo n+s
Re¸iöes Sombri+s.
A inc+p+cid+de de Ch+ron de interferir diret+mente n+s
Re¸iöes Sombri+s +pressou + form+ç1o de um ¸overno he¸e-
monico n+ Necrópole. Lstí¸i+ er+ o centro de tudo, e +s Ci-
d+del+s er+m muito semelh+ntes +s coloni+s que os in¸leses
tinh+m est+belecido no mundo inteiro: c+d+ qu+l er+ ¸over-
n+d+ por um An+creonte loc+l. Lsses An+creontes er+m vir-
tu+lmente +utonomos enqu+nto continu+v+m suprindo Ls-
tí¸i+ com +lm+s e polici+v+m o Códi¸o de Ch+ron.
Dur+nte + Lr+ Vitori+n+, muitos ¸r+ndes inventores n+s-
cer+m e morrer+m. Ch+ron requisitou vírios p+r+ si, e lo¸o o
conhecimento de nov+s tecnolo¸i+s - como o revólver de
repetiç1o e o motor + v+por - foi +bsorvido por Nhudri e
incorpor+do +os +rtef+tos de Lstí¸i+. Assim, +s ferrovi+s che-
¸+r+m +s terr+s dos mortos. Lmbor+ Ch+ron +ind+ preferisse
+ confi+nç+ de Mortus, seu c+v+lo, +s nov+s ferrovi+s er+m
extrem+mente úteis - m+is úteis, t+lve:, que +s estr+d+s,
porque er+ m+is difícil prep+r+r um+ embosc+d+ p+r+ um
trem em +lt+ velocid+de.
Nos Lst+dos Lnidos, +s fronteir+s for+m +bert+s. Ch+ron
pediu +s su+s du+s m+iores le¸iöes, + le¸i1o Ne¸r+ e + le-
¸i1o dos Lsqueletos (fornecedores de violênci+ e pestilên-
ci+) que vi+j+ssem junto com os pioneiros e deix+ssem Cid+-
del+s onde quer que os colonos se inst+l+ssem.
N+ vir+d+ do século XX, +s cois+s p+reci+m muito bo+s p+r+
+ Hier+rqui+. O controle de Lstí¸i+ sobre o met+l e o cresci-
mento de su+ indústri+ ¸+r+nti+ que su+ Necrópole s+télite
envi+ri+ um suprimento contínuo de +lm+s. Lstí¸i+ tornou-
se c+d+ ve: m+is isol+cionist+ + medid+ que +s Cid+del+s +ssu-
mi+m m+is respons+bilid+de e poder n+s Re¸iöes Sombri+s.
Qu+ndo, em 191+, + lrimeir+ Ouerr+ Mundi+l estourou,
+ Hier+rqui+ tornou-se um+ míquin+ colhedor+ de +lm+s,
us+ndo su+ nov+ estr+d+ de ferro p+r+ lev+r o enorme núme-
ro de +lm+s reunid+s dur+nte +quele período. O lrimeiro
Consul d+ Ouerr+ e o lrimeiro Consul d+ lestilênci+ for+m
convoc+dos +o tribun+l de Lstí¸i+ sob +s +cus+çöes de que
eles tinh+m insti¸+do o conceito de b+t+lh+ em trincheir+s e
o uso de ¸ís most+rd+ pelos mort+is de modo que eles pudes-
sem obter m+is poder. Lles for+m isent+dos d+s +cus+çöes,
m+s +té hoje + lnquisiç1o de Ch+ron continu+ procur+ndo
pist+s possíveis de que eles viol+r+m o Códice de Ch+ron.
A cid+de de Lstí¸i+ esp+lhou-se pel+ llh+ d+s l+ment+-
çöes. lontes de +ço esp+lh+r+m-se pelo litor+l, e +s Colin+s
de lerro lo¸o suport+r+m o peso dos prédios e d+s ¸r+des de
ferro. As ferrovi+s for+m coloc+d+s num+ íre+ limp+ e +f+s-
t+d+ d+s Colin+s de lerro, e +li for+m est+belecidos +bri¸os
temporírios p+r+ +lm+s: ¸r+ndes +rm+:éns p+r+ os mortos.
Os Rene¸+dos oc+sion+lmente +t+c+v+m +s ferrovi+s, ten-
t+ndo sequestr+r ¸rupos de sold+dos jovens e confusos p+r+
seus próprios exércitos.
Depois d+ ¸uerr+, + Hier+rqui+ procurou ¸+r+ntir que os
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
¨4
A
purlçño.
O

L
lmho
A Mñe dus jempestudes
O Quinto Turbilh1o recebeu + +lcunh+ de MaJr|n·, +
m1e d+s tempest+des. lsto se deve +o f+to de que, dur+nte
di+s, ele +ssolou +s Re¸iöes Sombri+s com milh+res de
turbilhöes menores, m+nd+ndo muit+s +lm+s ¸rit+ndo p+r+
o limbo. Nos di+s +ntes do MaJr|n·, um Turbilh1o er+
um evento r+ro. A¸or+, Turbilhöes menores sur¸i+m re-
¸ul+rmente. Meus lordes, nestes tempos modernos, exis-
tir n+s Re¸iöes Sombri+s é est+r em peri¸o const+nte.
Lmbor+ hí muitos +nos n1o h+j+ um ¸r+nde Turbilh1o, temo
enormemente o que +conteceri+ se sofrêssemos outro.
Os Vlv Os Vlv Os Vlv Os Vlv Os Vlvos e os Mortos os e os Mortos os e os Mortos os e os Mortos os e os Mortos
Meus lordes, os mort+is desenvolver+m muitos instru-
mentos mecìnicos dur+nte + époc+ em que os observív+-
mos. Os senhores cert+mente ouvir+m históri+s sobre os
¸r+ndes c+ixöes vo+dores nos qu+is eles confi+v+m p+r+
leví-los de um lu¸+r + outro. Lu mesmo j+m+is voei em
t+l cois+, embor+ eu trem+ em pens+r como seri+ + sens+-
ç1o. Como os mort+is tinh+m começ+do + vi+j+r muito,
cert+s Alm+s lnquiet+s recém-f+lecid+s tinh+m Orilhöes
esp+lh+dos pelo mundo. Lss+s nov+s +p+riçöes precis+v+m
ser control+d+s com firme:+ pel+ Hier+rqui+, p+r+ que n1o
viéssemos lo¸o + sofrer +t+ques do mundo inteiro, desferi-
dos por Rene¸+dos com Orilhöes em l+ris, Berlim, Tóquio,
Sydney, Honolulú, S+n lr+ncisco, l+s Ve¸+s, D+ll+s, Nov+
Orle1s, Atl+nt+, Montre+l, Oslo e Rio de J+neiro. Ch+mem-
nos lere¸rinos se quiserem, meus lordes: eles re+lmente vi-
+j+v+m com muit+ freqüênci+. M+s vocês precis+m s+ber
que eles s1o + um só tempo +me+ç+ e fonte de ¸r+nde poder
estr+té¸ico, como os mercenírios de outror+.
que lhe h+vi+ ne¸+do um b+irro inteiro de S+n lr+ncisco e
+me+ç+do usurp+r seçöes de Lstí¸i+. Lm+ d+s r+:öes p+r+ os
conflitos no l+cífico terem sido t1o s+n¸uinírios e destruti-
vos foi que, +o l+do dos port+-+viöes e n+vios de ¸uerr+ dos
hum+nos, os cru:+dores de ferro d+s le¸iöes de Lstí¸i+ b+t+-
lh+r+m contr+ +s emb+rc+çöes frí¸eis do lmper+dor J+de.
Aind+ +ssim, + ¸uerr+ dos mortos emp+lideci+ frente +
dev+st+ç1o c+us+d+ pel+ Lr+ Nucle+r. Qu+ndo l+t M+n e
little Boy for+m jo¸+d+s sobre Hiroxim+ e N+¸+s+ki, um ¸r+n-
de ru¸ido reverberou d+s profunde:+s do l+birinto. O Quin-
to Turbilh1o emer¸iu d+s profunde:+s e esp+lhou su+ forç+
destruidor+ pel+s Re¸iöes Sombri+s.
O Quinto Turbilh1o foi o m+is dev+st+dor. A possibili-
d+de d+ destruiç1o do mundo h+vi+ se torn+do um+ re+lid+-
de, e +s repercussöes no Mundo lnferior for+m terríveis. As
vi+¸ens entre Lstí¸i+ e qu+lquer lu¸+r torn+r+m-se impossí-
veis, e ond+s e m+is ond+s de Lspectros +tir+v+m-se sobre +
Hier+rqui+ d+ Necrópole. As Cid+del+s n+s Re¸iöes Sombri+s
torn+r+m-se postos +v+nç+dos b+t+lh+ndo pel+ sobrevivênci+.
A própri+ Lstí¸i+ sofreu + pior c+tístrofe. Lm ¸r+nde M+-
elfe+no, um terrível réptil ch+m+do Oorool er¸ueu-se do M+r
sem Sol e +me+çou consumir Lstí¸i+ complet+mente. Todos
os n+vios que for+m envi+dos p+r+ comb+ter + cri+tur+ fo-
r+m +fund+dos, e su+s tripul+çöes, devor+d+s. Ch+ron s+bi+
que +pen+s ele teri+ +l¸um+ ch+nce contr+ + cri+tur+. Lle
pendurou su+ ¸r+nde Mísc+r+ n+ s+l+ do trono de seu p+lí-
cio, empunhou Siklos, su+ esp+d+ e pilotou um único esqui-
fe +té + Lnse+d+ d+s lí¸rim+s p+r+ +t+c+r + cri+tur+. A b+t+lh+
+té hoje é descrit+ em t+peç+ri+is e mur+is de tod+ + Lstí¸i+.
Ch+ron +f+stou + fer+ de Lstí¸i+ e +briu um ¸r+nde rede-
moinho no M+r Sem Sol. Lle mer¸ulhou no redemoinho e
foi se¸uido pelo f+minto Oorool. Nenhum dos dois j+m+is
emer¸iu nov+mente. Num único inst+nte, o m+ior re¸ente
d+s Alm+s lnquiet+s h+vi+ des+p+recido.
lu¸+res Assombr+dos n+ lr+nç+ e n+ Alem+nh+ fossem pro-
te¸idos ou reconstruídos. Tudo correu bem: os mort+is p+re-
ci+m est+r celebr+ndo o fim d+ ¸uerr+.
Lnt1o veio o Qu+rto Turbilh1o, ¸er+do pel+ c+rnificin+ d+
Or+nde Ouerr+. A Hier+rqui+ d+s Re¸iöes Sombri+s +pen+s
conse¸uiu sobreviver m+ntendo-se confin+d+ em su+s Cid+-
del+s. Lstí¸i+, embor+ imers+ no c+os, n1o sofreu um +rr+-
nh1o. Os ventos do Turbilh1o +pen+s polir+m +s torres de
ferro d+ ¸r+nde cid+de.
Como se tudo isso n1o b+st+sse, os Lspectros tir+v+m
v+nt+¸em do c+os p+r+ se infiltr+rem no império +té um ¸r+u
sem precedentes. lev+nt+ndo-se dos poços profundos do
l+birinto, eles se¸uir+m +s estr+d+s +té + Necrópole e come-
ç+r+m + se infiltr+r em lu¸+res secretos dentro d+s cid+des
mort+is. Lles começ+r+m + "C+v+l¸+r + C+rne" d+s pesso+s
n+ Améric+, tir+ndo v+nt+¸em d+ vi¸ilìnci+ rel+x+d+ d+s
Cid+del+s: isto resultou num+ série de ond+s de crimes e
muitos +tos m+c+bros nos becos d+s cid+des industri+li:+d+s
dur+nte + déc+d+ de vinte.
Nenhum evento trouxe m+ior +le¸ri+ +os Lspectros que
+ Or+nde Depress1o. Os Lspectros refestel+r+m-se com + dor
c+us+d+ pel+ pobre:+, e + Hier+rqui+ precisou lid+r com um+
verd+deir+ enchente de mortos que em vid+ h+vi+m p+ss+do
fome e vivido + m+r¸em d+ socied+de. Com isso, qu+se n1o
sobr+v+ tempo p+r+ err+dic+r os Lspectros. Ch+ron ofereceu
um+ recompens+ de 30 óbolos p+r+ qu+lquer +p+riç1o ou
¸rupo que lhe trouxesse +s orelh+s ou outr+s p+rtes impor-
t+ntes de Lspectros destruídos. Qu+ndo foi descoberto que
os dentes de Lspectro er+m p+rticul+rmente duros e difíceis
de serem f+lsific+dos, eles se torn+r+m o p+dr1o. Muit+s +p+-
riçöes se tr+nsform+r+m n+quilo que é conhecido como
M+t+dores de Lspectros, c+ç+dores de c+beç+s que c+ç+v+m
Lspectros e troc+v+m seus dentes por óbolos.
Lnqu+nto isso, n+ Lurop+, os Lspectros festej+v+m o re¸ime
n+:ist+ n+ Alem+nh+, que lhes provinh+ muito ódio e ter-
ror. Lmbor+ tenh+mos tod+ certe:+ de que Hitler n1o er+
um+ m+rionete dos Lspectros (o m+l em seu cor+ç1o er+
complet+mente hum+no), vírios dos princip+is +cessores de
Hitler er+m influenci+dos e possuídos re¸ul+rmente pelos
Lspectros de Berlim.
Qu+ndo + Se¸und+ Ouerr+ Mundi+l começou, Ch+ron
viu nel+ um+ ch+nce de ¸uerre+r contr+ o lmper+dor J+de,
¨¨
Sep+r+dos como est+v+m de Lstí¸i+, + Hier+rqui+ n+s Re-
¸iöes Sombri+s precisou tent+r continu+r d+ melhor m+nei-
r+ possível. Dur+nte + déc+d+ de 50, como p+rte de um pro-
¸r+m+ r+dic+l, + Hier+rqui+ recrutou +l¸uns Rene¸+dos p+r+
+judí-los + err+dic+r os Lspectros. N+quel+ déc+d+, os Ls-
pectros tent+r+m víri+s ve:es c+us+r um+ ¸uerr+ termonu-
cle+r, m+s feli:mente seus pl+nos sempre for+m frustr+dos.
A déc+d+ de 60 foi um período de ¸r+ndes mud+nç+s.
Além d+ +lter+ç1o dos p+dröes de mor+l e costumes, +s pes-
so+s começ+r+m + experiment+r os est+dos +ltern+dos de
consciênci+. Acredit+-se que os Lspectros tenh+m tido um+
p+rcel+ de influênci+ no s+n¸rento conflito do Vietn1: ele
começou com um+ trivi+lid+de e +c+bou esc+p+ndo com-
plet+mente +o controle dos ¸overn+ntes mort+is. Lr+ comum
ver Lspectros rindo de content+mento n+s florest+s do C+m-
boj+ enqu+nto c+d+ ve: m+is sold+dos morri+m.
Ness+ époc+, os +¸entes d+ Hier+rqui+ tinh+m p+r+do de
tent+r domin+r su+ Necrópole. A Ame+ç+ dos Lspectros es-
t+v+ em tod+ p+rte, e tod+ e qu+lquer +p+riç1o er+ necessí-
ri+. A Hier+rqui+ tinh+ desenvolvido um tipo de comport+-
mento que seri+ melhor descrito como "n1o per¸unte, n1o
di¸+". Muit+s +p+riçöes d+s Re¸iöes Sombri+s nem mesmo
est+v+m re¸istr+d+s com + Hier+rqui+, princip+lmente n+
Améric+ do Norte, onde os An+creontes n1o +credit+v+m
em tir+r + liberd+de pesso+l de um+ +p+riç1o. Orupos de +p+-
riçöes sem l+r começ+r+m + mud+r de um+ cid+de p+r+ outr+
- er+m os primeiros lere¸rinos.
Os +nos ¯0 m+rc+r+m o prosse¸uimento d+ ¸uerr+ fri+ e
d+s incontíveis incursöes dos Lspectros. Dur+nte os +nos
¯0, os +¸entes estí¸ios rep+r+r+m +s estr+d+s e ferrovi+s, per-
mitindo nov+mente + comunic+ç1o com +s Re¸iöes Sombri-
+s. Ch+ron +ind+ est+v+ perdido, e os Senhores Mort+is ti-
nh+m, em su+ +usênci+, +ssumido o controle de um+ ¸r+nde
e poderos+ oli¸+rqui+. lsto foi um ¸olpe de mestre de diplo-
m+ci+. Tudo iri+ continu+r - como sempre.
Meus lordes, víri+s ve:es os senhores express+r+m o seu
descontent+mento sobre o número rel+tiv+mente pequeno de
+lm+s que + Hier+rqui+ n+s Re¸iöes Sombri+s enviou + Lstí¸i+
n+s déc+d+s de ¯0 e o0. N1o s+bemos se isso foi um +to de
rebeldi+ d+ p+rte dos An+creontes d+ Cid+del+ ou simples-
mente ocorreu devido + um+ c+rênci+ do poder necessírio p+r+
se colecion+r eficientemente +lm+s n+s Re¸iöes Sombri+s.
l+l+rei +¸or+ sobre os di+s de hoje, meus lordes. Re¸istr+-
rei p+r+ + posterid+de tudo qu+nto sei sobre + situ+ç1o +tu+l
em nosso mundo.
Como os senhores s+bem, + Hier+rqui+ d+s Re¸iöes Som-
bri+s tornou-se recentemente um+ m+ss+ pr+tic+mente +nír-
quic+ de An+creontes e¸oíst+s que ¸overn+m p+r+ +umen-
t+r seu poder pesso+l. Tenho lembr+do dos líderes rom+nos
n+ Or1-Bret+nh+ dur+nte o fin+l do lmpério Rom+no. Lsses
+utodenomin+dos Hier+rc+s +dot+r+m + polític+ do "poder
f+: + lei", pois + reput+ç1o d+ Hier+rqui+ é insuficiente p+r+
instil+r um comport+mento correto entre os rene¸+dos, es-
peci+lmente qu+ndo é preciso lid+r com os lilhos de C+im
(os v+mpiros, meus lordes - um+ r+ç+ pervers+). Jí escutei
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
¨o
A
purlçño.
O

L
lmho
mim mesmo que tod+s +s cois+s mud+m +ssim que começ+-
mos + nos +costum+r + el+s.
Com + m+is profund+ humild+de, +¸r+deço-vos imens+mente.
Vosso Cri+do Lterno
Heródoto
As Almus Inquletus
.j·|s Ja m·r:., a .:.rn|JaJ.... · j|·r J. J·|s
munJ·s. L um j.nsam.n:· :.rr/t.|.
- Tom Stopp+rd, n·s.n.ran:z . Cu||J.ns-
:.rn Ls:a· M·r:·s
A Morte ]or Detrás du Vldu
As +p+riçöes vêem + morte por tod+
p+rte. Ll+s n1o vêem +s cois+s no mundo físico como el+s
p+recem, m+s como ser1o um di+. Lm+ pesso+ prestes +
morrer tem um+ +p+rênci+ c+d+véric+, como olhos profun-
dos e pele +m+rel+d+: um c+rro destin+do + b+ter p+recerí
+m+ss+do +ntes mesmo do +cidente. A m+ior p+rte do mun-
do p+rece dec+dente ou perto do col+pso: c+rt+:es r+s¸+dos,
estr+d+s chei+s de bur+cos, p+redes com + pintur+ desc+sc+-
d+, met+is enferruj+dos, prédios em ruín+s. l+r+ +s Alm+s
lnquiet+s, + m+ior p+rte do mundo jí morreu.
O Mundo lnferior é +ssol+do por tod+ sorte de m+les: es-
cr+v+¸ismo, intri¸+ e o vulto do limbo +terrori:+m +s Alm+s
lnquiet+s. O pior de tudo é o conflito eterno de um+ +p+riç1o
com su+ Sombr+. No Mundo lnferior, n1o existe lu¸+r p+r+
um+ +p+riç1o esconder-se de seus +spectos m+is sombrios.
Tendo ess+s +me+ç+s em mente, + existênci+ e + s+nid+de
é tudo que rest+ +s +p+riçöes, jovens e +nti¸+s. Aind+ +ssim, +
esper+nç+ n1o +s +b+ndonou. As +lm+s retêm su+ identid+de,
podendo +dquirir ¸r+nde poder e s+bedori+. Afin+l de cont+s,
+pes+r do limbo, +s +p+riçöes têm todo o tempo do mundo.
Vldu nu Morte
Apes+r de tod+ + corrupç1o d+s Re¸iöes Sombri+s, d+ +¸o-
ni+ de existir +lém d+ vid+ e dos peri¸os d+ vid+ depois d+
morte, o espírito imort+l continu+ +rdendo n+s Alm+s lnquie-
t+s. Lmbor+ muit+s +p+riçöes tenh+m dedic+do su+s pós-vid+s
+ vin¸+nç+ e +o trífico de +lm+s, outr+s us+r+m + continuid+de
de su+ existênci+ p+r+ redescobrir +s p+ixöes que evit+r+m em
vid+. Al¸um+s +p+riçöes busc+m o escl+recimento; + morte
tirou um+ vend+ de seus olhos, prov+ndo que existe +l¸um+
cois+ +lém d+ simples existênci+. Outros, vendo-se livres dos
limites mort+is, tir+m v+nt+¸em de su+s percepçöes e h+bilid+-
des p+r+ explor+r, experiment+r e prosper+r.
Se for persistente, um+ Alm+ lnquiet+ pode conse¸uir
muito poder e rique:+. Muitos inte¸r+ntes d+ Hier+rqui+ p+s-
s+r+m su+s pós-vid+s explor+ndo oportunid+des que nunc+
tiver+m enqu+nto vivi+m. Al¸um+s +p+riçöes descobrem-se
com ¸r+ndes poderes místicos (ch+m+dos Mistérios). Outros
simplesmente m+nipul+m, tr+em ou escr+vi:+m p+r+ che¸+r
+o topo. Muit+s Alm+s lnquiet+s +br+ç+m + busc+ por ¸+n-
Os Luços de Sedu du Morte
Como costum+mos ser espíritos solitírios, oc+sion+lmen-
te procur+mos + comp+nhi+ de outros que, devido + su+
n+ture:+, n1o podem c+minh+r + lu: do di+. Os lilhos de
C+im t+mbém s1o exp+tri+dos d+s Terr+ do Sol e existe
+l¸o confort+dor em su+ presenç+ vit+l, +ind+ que mort+.
Além disso, eu jí os vi qu+ndo +cord+m de seu desc+nso
p+cífico e observei o derr+m+mento de s+n¸ue que se se-
¸ue. Lles busc+m control+r tudo que conhecem, tendo
tent+do ve:es sem cont+ escr+vi:+r noss+ r+ç+ frí¸il p+r+
seus pl+nos. As Alm+s lnquiet+s devem ter muito cuid+-
do +o lid+r com eles, +pes+r de su+ comp+nhi+ +¸r+dível.
Acim+ de tudo, cuid+do com o r+mo conhecido como
Oiov+nni' Seus inte¸r+ntes +prender+m Mistérios terríveis
que os permitem nos prender e sond+r' Cat.a: an|ma.
rumores sobre certos Hier+rc+s que começ+r+m + tr+b+lh+r
com o v+mpiros, re+li:+ndo serviços p+r+ os "mortos-vivos"
em troc+ de proteç1o +os seus Orilhöes.
Atu+lmente, o clim+ n+s Re¸iöes Sombri+s é +tro:. A
Tempest+de fervilh+ de Lspectros. Os Turbilhöes emer¸em con-
tinu+mente, e embor+ +s Cid+del+s +ind+ ofereç+m proteç1o
cont+ eles, muit+s +lm+s s1o perdid+s + c+d+ Turbilh1o.
N+s cid+des, + pobre:+, o preconceito r+ci+l e + lut+ de
cl+sses deixou um le¸+do mort+l: muit+s mortes violent+s
têm result+do n+ cri+ç1o de m+is +p+riçöes. Muit+s Necró-
poles +bri¸+m ¸+n¸ues de +p+riçöes que n1o prest+m obedi-
ênci+ + nin¸uém s+lvo eles mesmos.
Sem querer desrespeití-los, ¸r+ndes Senhores Mort+is,
os Here¸es e Rene¸+dos +ind+ oper+m com rel+tiv+ liberd+-
de n+s Re¸iöes Sombri+s. Como +s estr+d+s, +s ferrovi+s e o
rio est1o bloque+dos, e devido +os Orilhöes d+ vid+ prende-
rem +s +p+riçöes que +¸or+ vivem lí, n1o existe um+ bo+
soluç1o, exceto continu+r envi+ndo +rm+s e fo¸o de +lm+ +s
Re¸iöes Sombri+s.
Lmbor+ o fim d+ Ouerr+ lri+ tenh+ redu:ido subst+nci+l-
mente + +meç+ de um holoc+usto nucle+r, conflitos como +
Ouerr+ do Oolfo e doenç+s como + AlDS +ind+ proporcio-
n+m hor+s interminíveis de divers1o +os pobres Lspectros
que usufruem dess+s c+l+mid+des.
M+jestosos Senhores Mort+is, tenho m+is +l¸um+s infor-
m+çöes p+r+ d+r-lhes:
Hí quem di¸+ que + m+rc+ d+ D+m+ do Destino tem sido
vist+ em +l¸um+s nov+s +p+riçöes.
Os B+rqueiros têm sido vistos n+s Re¸iöes Sombri+s.
Al¸um+s +lm+s est1o morrendo com t+m+nh+ violênci+
que se tr+nsform+m imedi+t+mente em Lspectros.
L hí quem jure que Ch+ron foi visto em Atl+nt+, Chic+-
¸o, S+n lr+ncisco, Ldinbur¸o e outros lu¸+res, embor+ n+d+
tenh+ sido prov+do.
liquei muito triste +o s+ber do des+p+recimento d+ Mís-
c+r+ de Ch+ron. Lspero que estej+m sendo tom+d+s tod+s +s
medid+s necessíri+s p+r+ su+ recuper+ç1o.
Lspero que + n+ture:+ ¸er+l deste rel+to histórico n1o os
ofend+m. Oosto de escrever ess+s históri+s p+r+ mostr+r +
¨7
hos m+teri+is. Outr+s torn+m-se "Jóqueis de C+rne" entre os
vivos, s+tur+ndo-se com emoçöes +lhei+s, ou prosse¸uem +l-
¸um pl+no que deix+r+m in+c+b+do em vid+. A vid+ depois
d+ morte pode ser um+ ¸r+nde +ventur+, se + +p+riç1o n1o se
deix+r sedu:ir pel+ escurid1o e n1o pis+r n+s +rm+dilh+s.
As +p+riçöes m+is discret+s us+m su+s percepçöes e Mis-
térios p+r+ +prenderem com seus erros. Como os Jóqueis de
C+rne, ess+s Alm+s lnquiet+s possuem mort+is e vivem no-
v+mente +tr+vés deles. Ao contrírio de seus primos m+is
selv+¸ens, esses f+nt+sm+s tent+m rec+ptur+r + dor e o pr+-
:er d+ vid+, +ind+ que por +l¸um tempo. Vi+j+ndo pelo mundo
vivo nov+mente, cumprindo +l¸um+ últim+ miss1o ou s+bo-
re+ndo + vid+, ess+s +lm+s err+ntes +prendem m+is sobre +
cri+ç1o do que qu+lquer mort+l.
Metullslcu. As Lels que ]rendem os Mortos
S.r.s |um|n·s·s s·m·s n´s - na· .s:a ma:.r|a ruJ..
- Yod+, Ò lmj.r|· C·n:ra--:a.a
So:inhos, mesmo num+ multid1o. Mortos, m+s c+p+:es
de toc+r e sentir os vivos. Re+is, m+s int+n¸íveis.
As +p+riçöes m+ntêm-se suspens+s entre + vid+ e + mor-
te etern+, e est+ mei+-existênci+ domin+ su+s percepçöes.
No mundo, m+s estr+nho + ele, + +p+riç1o estí do outro l+do
do espelho, tent+ndo quebr+r ess+ b+rreir+ fri+. Como um
homem que estí se +fo¸+ndo e tent+ndo quebr+r + c+m+d+
de ¸elo sob + qu+l estí preso, + +p+riç1o esforç+-se p+r+ toc+r
- +ind+ que brevemente - o nosso mundo.
L isso n1o é fícil. As leis d+ re+lid+de +fet+m +s +p+riçöes
de form+ diferente. Os objetos no mundo re+l podem impe-
dir ou mesmo ferir +s +p+riçöes (+ind+ que levemente). D+
mesm+ form+, +s +p+riçöes s1o +lt+mente inc+p+:es de +fe-
t+r o mundo re+l. As +p+riçöes s1o f+nt+sm+s, e este f+to
mud+ tod+s +s re¸r+s.
Lxistem, contudo, divers+s form+s pel+s qu+is +s +p+ri-
çöes podem burl+r +s re¸r+s. Tod+s +s Alm+s lnquiet+s po-
dem desm+teri+li:+r-se tempor+ri+mente, p+ss+ndo +tr+vés
de objetos sólidos (ou deix+ndo que eles p+ssem por el+s),
medi+nte um esforço mínimo. Lm c+rro correndo em +lt+
velocid+de +tr+vés do mundo vivo ferirí +pen+s li¸eir+men-
te um+ +p+riç1o, embor+ cert+s form+s de d+nos (mí¸ic+
Lspiritu+l, met+l ne¸ro estí¸io ou mesmo o limbo) poss+m
infli¸ir-lhes d+nos dur+douros.
lor outro l+do, +s +p+riçöes +fet+m um+s +s outr+s como se
+ind+ vivessem, e os +mbientes do Mundo lnferior possuem t+nt+
substìnci+ p+r+ os mortos qu+nto os +mbientes do mundo físico
possuem p+r+ os vivos. L n+ Tempest+de v+le qu+se tudo...
Stutus Soclul
Os mortos podem ser t1o dependentes e preocup+dos com
st+tus qu+nto os vivos. As incontíveis distinçöes de cl+sse en-
tre +s Alm+s lnquiet+s comprov+m ess+ +firm+tiv+. A m+iori+
d+s +p+riçöes s1o distin¸uid+s por um+ combin+ç1o de id+de,
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
¨8
A
purlçño.
O

L
lmho
poder +rc+no e liberd+de de movimentos. Os ler+is, que s1o
c+p+:es de entr+r e s+ir d+s Re¸iöes Sombri+s + vont+de, s1o
tr+t+dos com um respeito consider+velmente m+ior que os
l+ntoches, que pr+tic+mente n1o possuem m+is nenhum+ cons-
ciênci+. Lmbor+ +s Cri+nç+s e os l+ntoches sej+m os princi-
p+is +lvos do comércio de +lm+s, mesmo +s +p+riçöes m+is po-
deros+s precis+m evit+r +s correntes dos escr+v+¸ist+s.
Lmbor+ n1o sej+ incomum h+ver mobilid+de e inter+ç1o
soci+l n+ socied+de d+s +p+riçöes, + m+iori+ +li+-se +pen+s
+os indivíduos de st+tus semelh+nte e que jí tenh+m prov+-
do ser di¸nos de confi+nç+. Os ler+is s1o p+rticul+rmente
notórios por su+s "p+nelinh+s". Lm ¸er+l, todo o sistem+ de
st+tus é m+ntido pelos ler+is d+ Hier+rqui+, que exi¸em um
respeito considerível d+ p+rte de seus sub+lternos.
Crlunçus
As Cri+nç+s s1o os recém-f+lecidos que +ind+ n1o se jun-
t+r+m + socied+de d+s +p+riçöes. Tipic+mente, possuem +pe-
n+s +l¸uns di+s ou sem+n+s de id+de. As Cri+nç+s vestem
um Redenho plísmico, que obscurece seus pens+mentos e
visöes, indu:indo-+s + um est+do onírico. Até que este Re-
denho sej+ removido por outr+ +p+riç1o, eles n1o têm um+
vis1o complet+ d+s Re¸iöes Sombri+s.
]untocles
S1o +p+riçöes que, tendo perdido todos os vestí¸ios de
su+s identid+des mort+is, +ssombr+m +utom+tic+mente os
seus Orilhöes. Os l+ntoches n1o possuem consciênci+ nem
forç+ de vont+de. Muitos +ind+ c+rre¸+m +s m+rc+s de su+
morte, ou + reencen+m infinit+mente.
Servos
Os Servos s1o os escr+vos de outr+ +p+riç1o, m+ntidos
prisioneiros pel+s "+l¸em+s d+ sujeiç1o". Al¸uns Servos fo-
r+m c+ptur+dos e escr+vi:+dos; outros for+m sentenci+dos +
Servid1o devido +os seus crimes. Al¸uns Servos se vende-
r+m volunt+ri+mente p+r+ p+¸+r dívid+s +nti¸+s. (Apes+r d+
servid1o por +cordo supost+mente ser temporíri+, muitos
Servos descobrem que esc+p+r de um contr+to como esse é
m+is difícil do que pens+v+m...)
Os Servos us+m +l¸em+s n+s pern+s, n1o podendo vi+j+r
livremente. Al¸um+s v+ri+ntes do Códice de Ch+ron +fir-
m+m que nenhum Servo pode sofrer tormentos ou +busos.
Lss+s proibiçöes s1o +mpl+mente i¸nor+d+s, e os infr+tores
r+r+mente s1o punidos. Ness+ históri+, quem s+i ¸+nh+ndo
s1o +s Sombr+s dos Servos, que se deleit+m com o sofrimen-
to psíquico de seus hospedeiros.
Lemures
As +p+riçöes que +ind+ possuem + m+iori+ de seus Orilhöes
s1o consider+d+s muito jovens. As lêmures s1o +s +p+riçöes
m+is comuns encontr+d+s n+s Re¸iöes Sombri+s. Ll+s s1o m+-
nipul+d+s e +bus+d+s re¸ul+rmente pel+s "m1os velh+s". A
m+iori+ dos person+¸ens de Aparição c+i nest+ c+te¸ori+.
Domens
Os Domens s1o +s +p+riçöes m+is velh+s que n1o possuem
m+is Orilhöes, sendo inc+p+:es de retorn+r +s Re¸iöes Sombri-
+s se +s deix+rem. Devido + su+ limit+ç1o de movimentos, os
Domens n1o s1o t1o respeit+dos qu+nto os ler+is. Muit+s +p+-
riçöes torn+m-se Domens qu+ndo seus Orilhöes s1o destruídos
proposit+lmente. A m+iori+ dos Domens mud+-se p+r+ Lstí¸i+,
p+ss+ndo + servir + burocr+ci+ d+ Hier+rqui+.
]eruls
Ap+riçöes velh+s e poderos+s, que costum+m control+r
ou influenci+r um+ Necrópole inteir+. Os ler+is n1o +pen+s
conse¸uir+m m+nter Orilhöes n+s Re¸iöes Sombri+s, como
t+mbém jí vi+j+r+m +té +s profunde:+s d+ Tempest+de -
t+lve: tendo che¸+do +té + um reino n+s lr+i+s Dist+ntes.
Temidos e respeit+dos, os ler+is s1o +s únic+s +p+riçöes que
conhecem + verd+de que se esconde n+ Tempest+de.
Celludores
Lm Ceif+dor é um+ +p+riç1o que colhe um+ Cri+nç+,
remove seu Redenho e + convence, por meios honestos ou
n1o, + +comp+nhí-lo. C+d+ Ceif+dor enfrent+ um dilem+
mor+l: ele tom+rí cont+ de su+ Cri+nç+ e + +jud+rí + com-
plet+r em se¸ur+nç+ + tr+nsiç1o +o Mundo lnferior, ou +
venderí pelo m+ior preço! Lle irí prote¸ê-l+ ou encontr+rí
um+ form+ de colocí-l+ +o seu serviço!
Tod+s +s +p+riçöes se interess+m qu+ndo +l¸uém morre,
porque +s +lm+s s1o o ouro do Mundo lnferior. Al¸um+s
espreit+m em hospit+is, +bri¸os p+r+ sem-teto, c+dei+s e +si-
los, enqu+nto outr+s +nd+m no topo de +mbulìnci+s ou c+r-
ros de políci+. Al¸um+s +p+riçöes s1o Ceif+dores impl+cí-
veis, que costum+m +prision+r e escr+vi:+r tod+s +s +lm+s
que obtêm. Muitos, contudo, +¸em como ¸ui+s, ensin+ndo
+s complexid+des d+ vid+ depois d+ morte.
N1o é incomum que +s +p+riçöes cuidem de seus entes
queridos, encontr+ndo com eles depois de su+s mortes p+r+
oferecer-lhes um+ p+ss+¸em m+is se¸ur+ e ¸entil p+r+ o Mun-
do lnferior do que eles poderi+m vivenci+r de outr+ form+.
Al¸um+s tent+m converter +s Cri+nç+s + su+ c+us+ ou fé,
tortur+ndo-+s se resistirem. Outr+s +dot+m +s Cri+nç+s em
seu próprio Círculo, tr+t+ndo-+s como i¸u+is.
Tr+dicion+lmente um+ Cri+nç+ deve +o seu Ceif+dor muito
pelo seu serviço. Consider+-se um+ desonr+ i¸nor+r + dívid+, sendo
+ind+ pior ferir o Ceif+dor. L cl+ro que isto n1o se +plic+ se o Cei-
f+dor tiver cometido +busos ou feito m+l + Cri+nç+.
]osses e Comerclo
V·..s j·J.m t.nJ.r um a· ·u:r· j·r ¡u|nz. ..n:at·s
T.|au-:.|au ma., .s:·u aj.nas :.nJ· |·m s.ns·.
- Sisters of Mercy, "Doctor Jeep"
Como +s +p+riçöes +pen+s r+r+mente podem p+ss+r do mun-
do morto p+r+ o mundo vivo, el+s +nsi+m +s cois+s que podem
ver m+s que n1o podem possuir. Assim, um+ economi+ prós-
¨9
Almus
As +lm+s constituem + m+ior p+rte d+s merc+dori+s do
Mundo lnferior - el+s s1o +s m+téri+s-prim+s p+r+ + f+bri-
c+ç1o de todos os objetos de Lstí¸i+. As +lm+s s1o utili:+d+s
em tod+s +s cois+s, desde muros de Cid+del+s e +rm+s d+s
le¸iöes +té p+pel p+r+ livros e toch+s Model+d+s. Al¸um+s
+p+riçöes dec+dentes che¸+m +té mesmo + destil+r +lm+s,
bebendo-+s como se fossem vinho.
Despo|os
Os Despojos s1o objetos do mundo re+l que for+m des-
truídos, existindo +¸or+ n+s Re¸iöes Sombri+s. Os Despojos
n1o existem m+is no mundo físico, m+s possuem substìnci+
no mundo espiritu+l. Lmbor+ + m+iori+ dos despojos esv+ne-
ç+ m+is cedo ou m+is t+rde, eles constituem um+ p+rte im-
port+nte do comércio do Mundo lnferior. Todos os objetos
que n1o sej+m Despojos precis+m ser model+dos em Lstí¸i+,
+ p+rtir de +lm+s.
N1o s1o todos os objetos destruídos que podem se torn+r
Despojos. Apem+s +queles que possuí+m um ¸r+nde si¸nifi-
c+do pesso+l p+r+ seus donos s1o cons+¸r+dos dess+ form+.
A forç+ vit+l (+lm+, se você preferir) imbuíd+ por t+l cuid+-
do permite que um objeto exist+ no Mundo lnferior.
Nem todos os despojos s1o cri+dos d+ mesm+ form+. A
potênci+ de um despojo depende do qu+nto ele é "novo" e
per+ desenvolveu-se no mundo dos mortos. Lste "merc+ntilis-
mo d+s sombr+s" lembr+ o comércio tri+n¸ul+r entre +s metró-
poles e su+s coloni+s. M+téri+s-prim+s - +lm+s - e despojos
s1o colet+dos n+s Re¸iöes Sombri+s e ne¸oci+dos com + Ne-
crópole por bens m+teri+is feitos em Lstí¸i+.
As +p+riçöes só podem toc+r objetos norm+is do mundo
vivo us+ndo um certo nível de poder. Contudo, os despojos
- objetos enc+rn+dos no Mundo lnferior - podem ser us+-
dos livremente, sendo, port+nto, +lt+mente v+lori:+dos pe-
l+s +p+riçöes.
A m+iori+ dos objetos no Mundo lnferior é feit+s de +lm+s
derretid+s e mold+d+s pelos se¸redos +rc+nos dos Artífices.
Devido +s mí¸ic+s estr+nh+s e +o c+ríter secreto do processo,
+ dist+nte Lstí¸i+ detém o monopólio sobre esses objetos. Mui-
tos Servos ou +lm+s colhid+s termin+m su+s vid+s depois d+
morte como pedr+s de construç1o ou moed+s estí¸i+s.
A dem+nd+ por objetos cri+ um+ dem+nd+ correspon-
dente por +lm+s. Lmbor+ +s +p+riçöes m+is fortes ou m+is
inteli¸entes poss+m evit+r este destino, +s fr+c+s ou inc+ut+s
+c+b+m n+s forn+lh+s. As +lm+s nov+s s1o colhid+s n+s Re-
¸iöes Sombri+s e m+nd+d+s pelos At+lhos +té Lstí¸i+.
Al¸um+s +p+riçöes modern+s sentem um+ ¸r+nde repuls+
qu+ndo descobrem + verd+deir+ n+ture:+ dos objetos e merc+-
dori+s do Mundo lnferior. A permut+ de serviços é + form+
preferid+ de troc+ entre esses mortos. As ¸uild+s rem+nescen-
tes de Lstí¸i+ s1o ¸r+ndes defensor+s do sistem+ de permut+.
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
ou
A
purlçño.
O

L
lmho
d+ importìnci+ que lhe er+ conferid+ por seu dono. Lm ur-
sinho de pelúci+ que er+ tr+t+do como um tesouro n+ infìn-
ci+ de um indivíduo, m+s que foi jo¸+do for+ qu+ndo ele
cresceu, torn+-se, n+ melhor d+s hipóteses, um despojo efê-
mero e fr+co. Apen+s os objetos re+lmente queridos torn+m-
se despojos potentes ou dur+douros.
A m+iori+ dos despojos s1o objetos extrem+mente inó-
cuos: brinquedos, jói+s, um vestido de c+s+mento ou + edi-
ç1o d+ D.:..:|t. C·m|.s com + primeir+ históri+ do B+tm+n.
Os despojos m+is poderosos - +rm+s, c+rros, comput+dores
etc. - existem, m+s s1o r+ros e c+ríssimos. Lntre os despojos
potentes incluem-se um comput+dor feito por encomend+
p+r+ um |a.|.r, um c+rro de coleç1o e um+ pistol+ M+¸-
num, +quel+ dos filmes do Dirty H+rry. Lsses despojos preci-
s+m de m+is investimento emocion+l p+r+ funcion+rem no
Mundo lnferior, e lo¸o esv+necem. Despojos +nti¸os, como
+ esp+d+ de Lther lend+¸ron, existem hí séculos, m+s os
despojos modernos tendem + des+p+recer depois de +l¸uns
+nos. (T+lve: os objetos modernos si¸nifiquem muito menos
porque os mort+is +¸or+ possuem muito m+is.)
A m+iori+ d+s +p+riçöes possui +l¸um tipo de despojo. Al-
¸um+s +p+riçöes +ind+ possuem os objetos com os qu+is for+m
enterr+dos, m+s est+ prític+ n1o é muito difundid+ n+ er+
modern+. L m+is freqüente que +s +p+riçöes che¸uem com um
ou dois objetos que "morrer+m" com eles, como um Chevy
modelo 5¯, um c+rro de colecion+dor destruído no +cidente
f+t+l de seu dono. As Cri+nç+s com despojos precis+m lut+r
p+r+ m+ntê-los: é comum que o Ceif+dor exij+ um+ "do+ç1o".
Oh|etos ]or|udos com Almus
Medi+nte o uso de vírios Mistérios, +s +lm+s podem ser
fundid+s num+ substìnci+ ch+m+d+ pl+sm+. Lste pl+sm+, ob-
tendo form+, é + únic+ substìnci+ com form+ perm+nente
no Mundo lnferior. Os objetos, port+nto, precis+m ser forj+-
dos + p+rtir de +lm+s derretid+s p+r+ possuírem form+s t+n¸í-
veis e dur+dour+s.
Os +rtífices h+bilidosos podem mold+r o pl+sm+ em qu+l-
quer form+ ou textur+ desej+d+. Lntret+nto, +s técnic+s ne-
cessíri+s s1o difíceis de serem domin+d+s; +pen+s os Artífi-
ces estí¸ios conhecem todos os se¸redos d+ forj+ de +lm+s.
Os objetos forj+dos + p+rtir de +lm+s funcion+m como
objetos m+teri+is norm+is. As moed+s e correntes estí¸i+s
s1o feit+s com pl+sm+, d+do seu v+lor e propried+des místi-
c+s. Devido + h+bilid+de necessíri+ p+r+ f+:er esses objetos e
o preço elev+do d+s +lm+s us+d+s, os objetos forj+dos s1o
esc+ssos e c+ros.
Al¸uns objetos estí¸ios oc+sion+lmente emitem sons. O
processo de fundiç1o é irreversível, de modo que nin¸uém
s+be re+lmente se +s +p+riçöes tr+nsform+d+s m+ntêm-se
conscientes. Muitos suspeit+m que el+s continu+m consci-
entes, m+s nin¸uém re+lmente quer descobrir.
Artelutos
Os +rtef+tos s1o objetos que retêm poderes +rc+nos. Lxis-
tem dois tipos de +rtef+tos: +queles do mundo vivo, feitos +
p+rtir de despojos, e +queles do mundo morto, feitos + p+rtir de
+lm+s. Os dois tipos s1o objetos muito especi+is, e c+d+ qu+l
possui seus próprios poderes e limites. Os +rtef+tos s1o obsce-
n+mente c+ros, m+s oc+sion+lmente s1o oferecidos como si-
n+is de f+vores ou recompens+s por serviços prest+dos.
S1o precisos vírios seres vivos p+r+ conferirem poder + um
+rtef+to do Mundo d+ C+rne, e, p+r+ p+ss+r pel+ Mort+lh+, o
objeto deve ser destruído n+ Terr+. A Cru: de Cristo, o l+lc1o
o1
M+ltês e +s f+c+s de J+ck, o Lstrip+dor, s1o bons exemplos des-
te tipo de +rtef+to. Os +rtef+tos feitos de despojos qu+se nunc+
s1o d+dos, sendo +lt+mente estim+dos pel+s +p+riçöes que te-
nh+m + sorte de possuí-los. Ao contrírio de muitos despojos
inferiores, eles nunc+ des+p+recem.
Se¸undo const+, os Artífices-Mestres deposit+m p+rte de
su+ essênci+ nos +rtef+tos cri+dos no Mundo lnferior. Mís-
c+r+s de ofici+is, +rm+s potentes e ferr+ment+s especi+is s1o
construíd+s se¸undo especific+çöes e vendid+s por preços
+ltíssimos. l+r+ obter um objeto como esse, um+ +p+riç1o
precis+ re+li:+r +l¸um ¸r+nde serviço ou roubí-l+ de seu pro-
prietírio. Lsses +rtef+tos n1o s1o comuns nem podem ser
escondidos f+cilmente. N+ verd+de, muitos podem ser en-
contr+dos +tr+vés d+ essênci+ que eles contêm.
Gulldus
As Ouild+s jí for+m or¸+ni:+çöes fr+tern+is unindo +que-
les que procur+v+m o domínio de certos Mistérios. Depois
de um+ série de lev+ntes, Ch+ron desfe: +s ¸uild+s e subme-
teu o comércio entre +s le¸iöes + um códice complexo. Desde
o des+p+recimento de Ch+ron, esses re¸ul+mentos de co-
mércio têm sido mud+dos ou i¸nor+dos. N+ +tu+l crise eno-
nomic+, + permut+ por serviços tem re+dquirido su+ +nti¸+
importìnci+. Lmbor+ +s ¸uild+s +ind+ sej+m ofici+lmente ile-
¸+is, os serviços que el+s oferecem - feitos + p+rtir de Mis-
térios especi+li:+dos - est1o sendo muito procur+dos. As
¸uild+s +ind+ poder1o volt+r + cen+ no Mundo lnferior.
M+is do que qu+lquer outr+ cois+, um+ ¸uild+ é simples-
mente um+ form+ de ensin+r e p+ss+r +di+nte o conheci-
mento secreto inerente + certos Mistérios. Todos os +¸entes
d+ ¸uild+ s1o +¸entes independentes, sem respons+bilid+des
form+is. Lmbor+ +l¸um+s +p+riçöes que +lc+ncem proemi-
nênci+ num+ determin+d+ +rte n1o sej+m membros de ¸uil-
d+s, + m+iori+ é.
Oh|etos Importuntes
Certos objetos possuem ¸r+nde importìnci+ entre os mor-
tos, um si¸nific+do soci+l +cim+ e +lém do propósito do objeto.
Armus
As +rm+s +rc+ic+s s1o muito us+d+s no Mundo lnferior;
+s +rm+s modern+s requerem que um+ +p+riç1o lhes forneç+
su+ própri+ essênci+, de modo que +rm+s, veículos e explosi-
vos n1o funcion+m bem ou com f+cilid+de. As +rm+s e +r-
m+dur+s, entret+nto, podem ser feit+s f+cilmente com pl+s-
m+, possuindo t+mbém um+ místic+ e um ch+rme dos qu+is
+ m+iori+ d+s +rm+s modern+s c+rece.
As +rm+s +lt+mente orn+d+s e estilístic+s s1o símbolos
de posto e rique:+. Al¸um+s +rm+s +nti¸+s p+ss+r+m +tr+vés
d+ Mort+lh+ depois de su+ destruiç1o, torn+ndo-se despojos
ou mesmo +rtef+tos.
Óholos ¦Moedus Estlglus)
As moed+s do Mundo lnferior, ou óbolos, s1o cunh+d+s
+ p+rtir de +lm+s. Al¸um+s Alm+s lnquiet+s evit+m c+rre¸+r
ou troc+r óbolos, porque eles lhes d1o um+ sens+ç1o de m+l-
est+r. A despeito disso, n+ m+ior p+rte dos c+sos eles possu-
em v+lor le¸+l.
As moed+s estí¸i+s muit+s ve:es emitem suspiros ou ui-
vos qu+se in+udíveis. Os f+nt+m+s m+is velhos p+recem n1o
not+r, m+s +s +p+riçöes m+is sensíveis muit+s ve:es deix+m
c+ir su+s moed+s e s+em correndo qu+ndo descobrem + ver-
d+deir+ n+ture:+ de seu dinheiro. Os rumores de que os óbo-
los possuem Sombr+s têm col+bor+do p+r+ o declínio d+
moed+ corrente nos últimos +nos.
Algemus e Correntes
l+r+ onde quer que se ví no Mundo lnferior, sempre se
vê correntes. Com efeito, um+ d+s muit+s +lcunh+s de Lstí-
¸i+ é "Cid+de d+s Correntes". As correntes s1o us+d+s p+r+
control+r e prender +s +p+riçöes. Ll+s t+mbém s1o us+d+s
como símbolos de +utorid+de, s1o vestid+s como orn+men-
tos por membros d+ Hier+rqui+ e s1o us+d+s p+r+ prender
+rtef+tos p+r+ que nin¸uém os roube.
As correntes e +l¸em+s s1o +rtef+tos cri+dos + p+rtir de
+lm+s desencorpor+d+s. lsso é dito d+quel+s +p+riçöes infeli-
:es, devor+d+s pelos senhores feud+is de Lstí¸i+ e excret+d+s
n+ form+ de correntes. As correntes do Mundo lnferior s1o
odi+d+s pelos Rene¸+dos e por muitos lêmures.
Máscurus
As mísc+r+s s1o elementos fund+ment+is d+ socied+de
d+s +p+riçöes. Ll+s n1o +pen+s s1o seus símbolos de +lto es-
c+l1o, m+s t+mbém + form+ como +s +p+riçöes escondem
seus rostos verd+deiros. Muit+s mísc+r+s s1o +rtef+tos forj+-
dos pelo próprio Nhudri. A posse de um+ mísc+r+, d+ p+rte
de um indivíduo n1o +utori:+do + usí-l+, é um crime p+ssí-
vel de pen+ de descorpor+ç1o.
A Vldu Entre os Mortos
ra · m.||·r J·s :.mj·s . · j|·r J·s :.mj·s,
. .ram :·J·s .|.s ¡un:·s.
- Al+n Moore, "Revel+çöes", M·ns-
:r· J· ían:an· 3¯ (.J|¸a· am.r|.ana)
Como + socied+de mort+l que ele imi-
t+, o Mundo lnferior possui um+ estr+-
tific+ç1o polític+: O s:a:us ¡u· dit+ +s
leis, diri¸e o comércio e m+ntém + est+bilid+de soci+l; os
rebeldes possuem um+ ¸r+nde p+ix1o pel+ liberd+de de pen-
s+mento; os fiéis, com seu fervor e crenç+s, inspir+m + soci-
ed+de + ¸r+nde:+ ou + +rr+st+m p+r+ profunde:+s tirìnic+s.
Os velhos híbitos re+lmente s1o difíceis de serem mud+dos.
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
o2
A
purlçño.
O

L
lmho
lsto n1o quer di:er que tod+s +s +p+riçöes pertenç+m +
+l¸um ¸rupo soci+l. N+ morte, +ssim como n+ vid+, + m+io-
ri+ simplesmente fic+ entre os extremos que condu:em o
corpo político. M+s + medid+ que + press1o do mundo mo-
derno +ument+, ¸er+ndo um número c+d+ ve: m+ior de Al-
m+s lnquiet+s, os extremos d+ socied+de esti¸i+n+ +fet+m os
mor+dores m+is jovens d+s Re¸iöes Sombri+s urb+n+s.
A m+ior p+rte d+ socied+de d+s Alm+s lnquiet+s reflete
+s er+s m+is influentes de su+ Históri+. Até + er+ d+ Oréci+
Clíssic+, Lstí¸i+ +ind+ n1o existi+; outros reinos florescer+m
cri+ndo +s fund+çöes d+s lr+i+s Dist+ntes. Mesmo +¸or+, os
modelos que o lendírio Ch+ron se¸uiu - os sistem+s euro-
peus de confeder+ç1o, o feud+lismo e + industri+li:+ç1o em
m+ss+ - proporcion+m um contr+ste estr+nho com o mo-
derno pens+mento ocident+l. As er+s colidem num+ me¸+-
lópole c+d+ ve: m+is superpovo+d+. Lmbor+ +ind+ exist+m
menos Alm+s lnquiet+s que mort+is, milh+res de +nos se
p+ss+r+m. Muit+s +lm+s lnquiet+s p+ss+r+m p+r+ +lém do
Mundo lnferior (+ Tr+nscendênci+ ou o limbo), m+s muit+s
outr+s fic+r+m p+r+ trís. Al¸um+s dess+s +p+riçöes s1o re+l-
mente velh+s, e possuem crenç+s muito estr+nh+s.
Clrculos
Os Círculos s1o ¸rupos muito unidos de +p+riçöes que se
unir+m p+r+ se defenderem mutu+mente contr+ escr+v+¸is-
t+s e Lspectros. O círculo é + unid+de fund+ment+l d+ soci-
ed+de d+s +p+riçöes d+s Re¸iöes Sombri+s. Sob muitos +s-
pectos, um Círculo de +p+riçöes tom+ o lu¸+r d+ f+míli+.
Os membros de um Círculo s1o unidos pelo lu¸+r Assom-
br+do (ou lu¸+res Assombr+dos) que eles comp+rtilh+m. A
m+iori+ dos Círculos possui menos de 30 membros, m+s s1o
+ind+ m+is r+ros os círculos com menos de três ou qu+tro.
Al¸um+s +p+riçöes n1o s1o membros de um Círculo, sej+
devido + serem os únicos sobreviventes de seus Círculos res-
pectivos ou porque eles nunc+ se junt+r+m + nenhum. Lsses
solitírios costum+m dur+r pouco tempo, c+indo r+pid+men-
te no limbo.
]ucções
Três f+cçöes polític+s lut+m pelo domínio sobre o Mundo
lnferior. Com o fim d+ influênci+ est+bili:+dor+ de Ch+ron,
su+s b+t+lh+s têm-se torn+do c+d+ ve: m+is s+n¸rent+s. Além
disso, c+d+ f+cç1o é dividid+ intern+mente pel+s disput+s.
A f+cç1o ch+m+d+ + Hier+rqui+ insiste que represent+ +
+utorid+de de Ch+ron, que se encontr+ des+p+recido ou des-
truído pelo M+lfe+no Oorool. Seus sold+dos exi¸em respeito
e obediênci+ d+ p+rte de tod+s +s +p+riçöes. A Hier+rqui+ é
+ f+cç1o m+is estível e confiível, m+s t+mbém + m+is limi-
t+nte e ortodox+.
Os Here¸es s1o +s +p+riçöes que +ind+ busc+m um est+do
m+is elev+do, sej+ ele n+s lr+i+s Dist+ntes ou em qu+lquer
outr+ p+rte. Compostos de muitos cultos diver¸entes, os Here-
¸es oc+sion+lmente cooper+m p+r+ se opor + opress1o d+ Hi-
o3
er+rqui+ e + violênci+ m+l direcion+d+ dos Rene¸+dos. Contu-
do, é m+is freqüente que comb+t+m uns +os outros. A princi-
p+l ocup+ç1o dos Here¸es é converter os indivíduos; infeli:-
mente, muitos Here¸es s1o m+nipul+dos por Lspectros M+el-
fe+nos ou pelos "deuses" d+s lr+i+s Dist+ntes.
Intrlgu
-|, .r|an¸as, na· .|·r.m
Cr|an¸as, a¸ü.n:.m j|rm.
V·..s :.ra· uma |·a j.nsa·
QuanJ· jaja| m·rr.r.
- "Tempos Difíceis" (B+l+d+ Tr+dicion+l)
No Mundo lnferior, + polític+ e + intri¸+ s1o +ind+ m+is
complex+s do que n+s terr+s dos luls+ntes. Lm ve: de tr+v+-
rem ¸uerr+s +bert+s, +s +p+riçöes costum+m recorrer + sub-
terfú¸ios e tític+s de espion+¸em p+r+ comb+ter seus inimi-
¸os, n+ medid+ que c+d+ um procur+ colet+r o míximo pos-
sível de poder e influênci+ p+r+ +di+r + qued+ +o limbo.
Como +s +p+riçöes com diferentes mestres e +li+nç+s cos-
tum+m form+r +ssoci+çöes p+r+ +lc+nç+r objetivos comuns,
qu+se sempre existem muitos propósitos ocultos dentro de
c+d+ tr+t+do, ne¸oci+ç1o e miss1o. Os +tos de tr+iç1o e vin-
¸+nç+ suicid+ s1o muito comuns.
A Hlerurqulu
mbor+ os +rtist+s e os rebeldes poss+m
prosper+r no c+os, + m+iori+ d+s pesso-
+s (e +p+riçöes) prefere + ordem e + es-
t+bilid+de. Mesmo depois d+ morte,
muit+s +lm+s +nsei+m por um+ rotin+
f+mili+r, um sistem+ de permut+ e certo
nível de ordem. Lles querem se¸uir um
p+dr1o est+belecido, n1o fic+r v+¸+ndo pelo mundo morto.
O mundo vivo é +ssust+dor, e o mundo morto, m+is +ind+.
Muit+s Alm+s lnquiet+s busc+m proteç1o em ¸rupos qu+n-
do se vêem di+nte d+ escurid1o e do terror d+s Re¸iöes Som-
bri+s. A Hier+rqui+ +tende su+s necessid+des.
A Hier+rqui+ é o nome com o qu+l +s Alm+s lnquiet+s
referem-se + instituiç1o compost+ por +p+riçöes compromis-
s+d+s com Senhores Mort+is por jur+mento, le+ld+de e sub-
miss1o. A Hier+rqui+ se estende por todo o Mundo lnferior,
se n1o diret+mente, +o menos por influênci+. Os v+ss+los d+
Hier+rqui+ recebem inform+çöes, +utorid+de, recursos e pro-
teç1o em troc+ de serviços prest+dos + Hier+rqui+, m+s pre-
cis+m obedecer ce¸+mente +s ordens de seus superiores.
A¸or+ os fund+mentos d+ Hier+rqui+ est1o ruindo; com
Ch+ron des+p+recido, o sistem+ tornou-se um+ confeder+-
ç1o m+l or¸+ni:+d+ de com+nd+ntes e ¸rupos poderosos, to-
dos prest+ndo fidelid+de + um líder que n1o existe m+is. Com
o fim d+ influênci+ de Ch+ron, os líderes d+ Hier+rqui+ n+s
Re¸iöes Sombri+s p+ss+r+m + dit+r su+s própri+s re¸r+s, m+n-
tendo +s +p+rênci+s p+r+ o c+so de +p+recer +l¸uém de Lstí-
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
o4
A
purlçño.
O

L
lmho
¸i+. Lmbor+ muitos An+creontes tenh+m oferecido su+ fide-
lid+de em troc+ de c+rre¸+mentos do precioso met+l estí¸io
e, oc+sion+lmente, de proteç1o, eles n1o se preocup+m mui-
to com re¸r+s e costumes insi¸nific+ntes.
O último século m+rcou um +umento n+ tens1o entre +
Necrópole e + dist+nte terr+ de Lstí¸i+. Lnqu+nto Lstí¸i+
+pói+ um+ rede l+biríntic+ de +lm+s +nti¸+s, títulos e tr+di-
çöes, + Necrópole tr+: + m+rc+ do mundo moderno. Até
mesmo +s cid+des ¸overn+d+s por ¸ener+is que morrer+m hí
centen+s de +nos jí sofrer+m + mud+nç+ dos tempos.
A estrutur+ polític+ d+ Hier+rqui+ é t1o complic+d+ e in-
sensível qu+nto qu+lquer cri+ç1o dos seres vivos. As tei+s de
intri¸+, +li+nç+ e p+ctos s1o t1o enred+d+s que nem mesmo os
p+rticip+ntes m+is íntimos +s compreendem complet+mente.
Senlores Mortuls
C+d+ um dos sete Senhores Mort+is recebeu um reino +
p+rtir do qu+l ¸overn+m su+s le¸iöes. Os sete reinos dos Se-
nhores Mort+is (se¸undo os rumores, o reino do Destino fic+-
ri+ n+ llh+ de Lurídice) fic+m loc+li:+dos dentro dos limites do
M+r Sem Sol pertencentes + Lstí¸i+. L dess+s b+ses que os Se-
nhores Mort+is costum+m ¸uerre+r uns contr+ os outros.
Os Senhores Mort+is t+mbém comb+tem uns +os outros
n+s Re¸iöes Sombri+s, procur+ndo +n¸+ri+r o míximo possí-
vel de +lm+s nov+s. Lles jí che¸+r+m +té mesmo + interferir
n+ polític+ mundi+l, de modo + +fet+r como e em que núme-
ros +s pesso+s morreri+m.
An|os Culdos
Ori¸in+lmente, os Senhores Mort+is for+m indic+dos p+r+
seus postos por Ch+ron. Lles deveri+m servir como ¸ui+s es-
piritu+is em p+péis semelh+ntes +os dos B+rqueiros m+is ve-
lhos. L ironico o f+to de que +s +p+riçöes que for+m coloc+-
d+s em posiçöes de poder p+r+ +jud+r os outros, +¸or+ lutem
p+r+ impedir qu+lquer tr+nsform+ç1o.
Atu+lmente, todos os Senhores Mort+is procur+m cole-
t+r o míximo possível de +lm+s, e port+nto, de poder. A
Hier+rqui+ +credit+ que mesmo +queles que se vêem como
Here¸es ou Rene¸+dos est1o sob su+ jurisdiç1o, sendo, por-
t+nto, sujeitos +s su+s leis. Qu+lquer um que c+pture +p+ri-
çöes de for+ d+ Hier+rqui+ e +s lev+r +o Senhor Mort+l +de-
qu+do serí muito bem recompens+do.
Leglões
C+d+ le¸i1o tem o seu próprio estilo, técnic+s, +rtef+tos
e c+p+cid+des especi+is.
º O Reino do Silêncio
- Oovern+do pelo lorde Silencioso
- Re¸ente d+s vítim+s do Desespero
º O Reino d+s lí¸rim+s de Ouro
- Oovern+do pelo lorde dos Mendi¸os
- Re¸ente d+s vítim+s do Lni¸m+
º O Reino dos Lspinhos
- Oovern+do pelo lorde Lsmer+ld+
- Re¸ente d+s vítim+s d+ C+su+lid+de

º O Reino d+s A¸u+s Ardentes
- Oovern+do pelo lorde Sorridente
- Re¸ente d+s vítim+s d+ violênci+
º O Reino d+s Sombr+s
- Oovern+do pel+ D+m+ Cin:ent+
- Re¸ente d+s vítim+s d+ Velhice
º O Reino do Socorro
- Oovern+do pel+ D+m+ Risonh+
- Re¸ente d+s vítim+s d+ loucur+
º O Reino d+ loeir+
- Oovern+do pelo lorde Lsqueleto
- Re¸ente d+s vítim+s d+ lestilênci+
º O Reino do Destino
- Oovern+do pel+s D+m+s do Destino
- Sober+n+s d+s M1os do Destino
Murcus du Morte
Hí muito tempo, os B+rqueiros not+r+m que + m+iori+
d+s +p+riçöes er+m +dorn+d+s com m+rc+s peculi+res, que
poderi+m ser percebid+s +pen+s pelos conhecedores do Mis-
tério do l+t+lismo. Lss+s m+rc+s poderi+m ser cl+ssific+d+s
tendo por b+se os p+dröes que deline+v+m no Corpus d+
+p+riç1o. As +p+riçöes que podi+m discernir +s m+rc+s +fir-
m+r+m que el+s lembr+v+m +s m+rc+s de n+scenç+ vist+s nos
vivos, embor+ v+ri+ssem muito m+is em cor e textur+: +l¸u-
m+s +p+rentemente er+m c+v+d+s nos Corpus d+s +p+riçöes,
enqu+nto outr+s er+m muito fund+s, como cic+tri:es.
M+is t+rde, os B+rqueiros identific+r+m um+ rel+ç1o entre
o desenho form+do pel+s m+rc+s e o tipo de pesso+ que + +p+-
riç1o tinh+ sido enqu+nto viv+. As m+rc+s refleti+m + form+
como + pesso+ p+ss+r+ + vid+ entre os vivos, e, port+nto, indi-
c+v+m qu+l er+ + su+ trilh+ individu+l p+r+ + Tr+nscendênci+.
Antes d+ Or+nde Lv+cu+ç1o, qu+ndo Ch+ron b+niu os He-
re¸es p+r+ +s lr+i+s Dist+ntes, + Hier+rqui+ utili:+v+ +s m+rc+s
d+ morte como um+ form+ de interpret+r + qu+l ¸rupo de llu-
min+dos + +p+riç1o se junt+ri+ p+r+ tent+r +lc+nç+r + Tr+ns-
cendênci+. Nos últimos tempos, + Hier+rqui+ tem i¸nor+do +s
m+rc+s de morte, preferindo cl+ssific+r +s +lm+s tendo por b+se
+ form+ como morrer+m, e n1o como viver+m.
Desde que os Here¸es for+m b+nidos de Lstí¸i+, + Hie-
r+rqui+ começou + m+rc+r visivelmente +s +p+riçöes em for-
m+s semelh+ntes +s m+rc+s de morte, +p+rentemente :om-
b+ndo d+ form+ como el+s costum+v+m cl+ssific+r +s +lm+s.
Como eles +¸or+ dividem +s +lm+s pel+ form+ como + pesso+
morreu, eles us+m este método de m+rc+ç1o p+r+ distin¸ui+r
+s +lm+s como propried+de de um determin+do Senhor Mor-
t+l. As +p+riçöes que quiserem demonstr+r su+ le+ld+de +
Hier+rqui+ Model+m + si mesmos em p+dröes complexos p+r+
procl+m+r su+ obediênci+ +o seu Senhor ou D+m+.
]utrullus
Muitos Círculos de lêmures n+ Hier+rqui+ s1o ¸rupos de
+p+riçöes detentor+s de t+lentos diversos; esses ¸rupos, co-
nhecidos como l+trulh+s, constituem + colun+ vertebr+l d+s
le¸iöes. As l+trulh+s jí for+m +pen+s m+is um br+ço d+ ¸r+n-
de burocr+ci+ d+ Hier+rqui+. Nos últimos +nos, porém, +l¸u-
m+s p+trulh+s têm-se torn+do m+is +utonom+s, começ+ndo
+ exi¸ir c+d+ ve: m+is liberd+de e poder. Muitos p+trulheiros
d+s Re¸iöes Sombri+s torn+r+m-se verd+deiros mercenírios.
Lst+ +utonomi+ crescente enfurece e frust+ os Senhores
Mort+is, m+s hí pouco que eles poss+m f+:er. Ao invés dis-
so, eles tr+b+lh+m secret+mente p+r+ m+nipul+r os Círculos
+tr+vés de subornos, ch+nt+¸ens, coerç1o e infiltr+ç1o.
Cñes Demônlos
Os Senhores Mort+is tr+nsform+m cert+s +p+riçöes em
c1es de c+ç+, ou c1es demonios, como s1o m+is conhecidos.
Os c1es demonios s1o +p+riçöes que for+m Model+d+s em
form+s monstruos+s e "lobotomi:+d+s" pelo impl+nte de um+
focinheir+ especi+lmente prep+r+d+ com ferro estí¸io em seus
Corpus. A +p+riç1o que use o "+ssobio" correspondente +
um+ m+tilh+ de c1es demonios, control+ su+s +çöes. Os c1es
demonios s1o +nim+lísticos e fero:es, m+s detentores de sen-
tidos extrem+mente +¸uç+dos.
As m+tilh+s de c1es demonios percorrem +s Re¸iöes Som-
bri+s em busc+ de +p+riçöes (ou outros seres) que possu+m
qu+ntid+des si¸nific+ntes de mícul+ do limbo. Qu+ndo os
c1es demonios sentem o cheiro de um ser m+cul+do, eles
emitem um uivo terrível e jubiloso. Certos mort+is sensiti-
vos podem +té mesmo escut+r este uivo +tr+vés d+ mort+lh+
que sep+r+ +s Re¸iöes Sombri+s do Mundo d+ C+rne.
]ostos du Leglño
Leglonárlo
le¸ionírio é o posto m+is b+ixo, e o ponto de p+rtid+ p+r+
todo membro d+ Hier+rqui+. Os le¸ionírios n1o possuem de-
veres re¸ul+res, m+s, qu+ndo necessírio, s1o convoc+dos + um+
Cid+del+ e incumbidos de missöes. O sucesso desss+s missöes é
+ únic+ form+ de um le¸ionírio subir de posto. Os le¸ionírios
s1o encor+j+dos + recrut+rem novos membros, e muitos us+m
seus Círculos p+r+ os +jud+rem + complet+r su+s missöes. As
l+trulh+s s1o form+d+s b+sic+mente de le¸ionírios.
Centurlões
Os Centuriöes s1o os líderes d+s p+trulh+s d+ Hier+rqui+.
Os Centuriöes exercem muito poder sobre +queles que eles
encontr+m. lorém, como su+s posiçöes s1o des+fi+d+s cons-
t+ntemente por +queles +b+ixo deles, os Centuriöes preci-
s+m subir de posto r+pid+mente p+r+ n1o correrem o risco
de serem +f+st+dos.
Ollcluls de [ustlçu
O se¸undo posto m+is poderoso é o de Ofici+l de Justiç+.
Os Ofici+is de Justiç+ s1o coloc+dos no com+ndo de cert+s
íre+s em torno de um+ Cid+del+. Norm+lmente b+se+do n+s
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
oo
A
purlçño.
O

L
lmho
imedi+çöes de um lu¸+r Assombr+do menor, um Ofici+l de
Justiç+ com+nd+ +l¸um+s p+trulh+s. lndic+dos pelo An+creonte
d+ Cid+del+, os Ofici+is de Justiç+ sentem um pouco m+is de
se¸ur+nç+ qu+nto +s su+s posiçöes que os Centuriöes.
Regente
Lm Re¸ente ¸overn+ um determin+do número de lu¸+-
res Assombr+dos +o redor de um+ Cid+del+, est+ndo b+se+-
do em um+ del+s. M+is um Ofici+l de Justiç+ sênior que qu+l-
quer outr+ cois+, um Re¸ente or¸+ni:+ e coorden+ +s +tivi-
d+des d+s le¸iöes ness+s íre+s.
Suseruno
Os Suser+nos fic+m b+se+dos for+ de su+ Cid+del+, sendo
os +ssistentes pesso+is do An+creonte. Os Suser+nos s1o res-
ponsíveis por muit+s d+s decisöes estr+té¸ic+s enfrent+d+s
por su+ le¸i1o.
Anucreontes
O posto m+is +lto n+s Re¸iöes Sombri+s é o de An+creon-
te. C+d+ An+creonte é o líder de um+ le¸i1o num+ Cid+del+.
Lm conselho de sete An+creontes ¸overn+ c+d+ Cid+del+. O
An+creonte indic+ todos os postos menores em su+ le¸i1o.
Lles recebem +rtef+tos e moed+s diret+mente de Lstí¸i+ em
troc+ pelos Servos que eles m+nd+m p+r+ lí, e concedem pes-
so+lmente +s comend+s de Lstí¸i+ +queles sob o seu com+ndo.
Slstemu [udlclárlo
A Hier+rqui+ possui seu próprio sistem+ de leis. As leis
prote¸em t+nto qu+nto punem, e + m+iori+ d+s Alm+s ln-
quiet+s obedece ce¸+mente +s ordens dos Senhores Mort+is.
As +p+riçöes que violem +s leis podem ser ch+m+d+s + um
tribun+l e jul¸+d+s por um m+¸istr+do d+ Hier+rqui+. Teoric+-
mente, é possível +pel+r por um jul¸+mento + um m+¸istr+do
"m+is +lto", embor+ isto norm+lmente sej+ permitido +pen+s
+s +p+riçöes com +l¸um nível de influênci+ dentro d+ Hier+r-
qui+. Lm +l¸uns c+sos, um jul¸+mento pode ser +pel+do + M1o
do Destino, c+so em que + Hier+rqui+ qu+se sempre +ceit+ o
jul¸+mento +ltern+tivo. lsto norm+lmente +contece +pen+s em
c+sos nos qu+is su+ jurisdiç1o n1o sej+ cl+r+mente d+ +lç+d+ de
um determin+do Senhor Mort+l, embor+ tenh+m sido +bert+s
exceçöes p+r+ certos c+sos.
Crlme e Custlgo
N+s Re¸iöes Sombri+s, + justiç+ é +plic+d+ d+ mesm+ for-
m+ que n+s terr+s viv+s. Contudo, como é virtu+lmente im-
possível m+t+r perm+nentemente um+ +p+riç1o, e exil+r +l-
¸uém n+ Tempest+de +pen+s fort+lece o limbo, execut+r
+l¸uém estí complet+mente for+ de quest1o. Al¸uns dos
métodos m+is comuns de puniç1o est1o descritos +b+ixo:
º Escravidão - A form+ m+is comum de puniç1o é o
escr+vismo d+ +p+riç1o infr+tor+. S1o coloc+d+s correntes
o7
em torno do infr+tor, torn+ndo-o efetiv+mente o Servo de
outr+ +p+riç1o.
º Tortura - M+is terrível do que qu+lquer cois+ im+¸i-
n+d+ no mundo vivo, + tortur+ d+s +p+riçöes é pl+nej+d+
p+r+ m+rc+r o infr+tor. Lmbor+ +s +p+riçöes poss+m cur+r
f+cilmente os ferimentos m+is comuns, +s m+rc+s infli¸id+s
por instrumentos de met+l estí¸io s1o infinit+mente m+is do-
loros+s e extrem+mente difíceis de serem cur+d+s. Obvi+-
mente, como +s +p+riçöes s1o cri+tur+s de espírito, +s dores
m+is insistentes envolvem +n¸ústi+ ment+l...
Aprisionamento - A Hier+rqui+ costum+ enc+rcer+r os
criminosos em reflexos d+s prisöes us+d+s pelos mort+is. As
p+redes e +s b+rr+s dess+s prisöes s1o feit+s de met+l estí¸io.
º Marcação - A m+rc+ç1o é um+ form+ de identific+r
os criminosos, dest+ form+ ostr+ci:+ndo-os e desencor+j+n-
do outros + cometerem os mesmos crimes. Os piores crimi-
nosos s1o m+rc+dos em su+s test+s.
º Descorporação - Certos criminosos s1o lev+dos + Ls-
tí¸i+ e jo¸+dos n+s forn+lh+s dos Artífices, onde s1o model+-
dos em objetos.
Renegudos
L J|j/.|| r.un|r as ja|atras ..r:as
íara r·mj.r as .·rr.n:.s ¡u. n·s jr.nJ.m
Mas j|·r a|nJa . suj·r:ar a t.r¸·n|a
Das .·rr.n:.s .s:ran¸.|ras a· n·ss· r.J·r
L . |ss· ¡u. J|r.| a·s |·m.ns auJaz.s
C·m ¡u.m .n.·n:rar.| ..J· j.|a man|a
N· s·j. Ja .·||na
Ln¡uan:· · t.n:· suat. .s:r.m...r a ..taJa.
- "The Wind th+t Sh+kes the B+rley" (tr+dicion+l)
Os Rene¸+dos s1o +queles que ne¸+m, se opöem, ou se
rebel+m contr+ + Hier+rqui+ e tudo que el+ represent+. N1o é
nenhum+ surpres+ que eles sej+m c+ç+dos const+ntemente pel+
Hier+rqui+. Contudo, com o p+ss+r dos +nos, os Rene¸+dos
conquist+r+m um lu¸+r próprio n+s Re¸iöes Sombri+s.
O termo "Rene¸+do" +plic+-se + todos que +¸em contr+ +
Hier+rqui+. Lxistem pr+tic+mente t+nt+s ideolo¸i+s Rene¸+-
d+s qu+nto existem Rene¸+dos. De f+to, + própri+ n+ture:+
+nti-+utoritíri+ dos Rene¸+dos torn+ + cooper+ç1o entre seus
postos difícil e esporídic+. Os Rene¸+dos +¸em so:inhos ou em
pequen+s ¸+n¸ues, e lut+m uns contr+ os outros com + mesm+
freqüênci+ e violênci+ com que comb+tem + Hier+rqui+.
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
o8
A
purlçño.
O

L
lmho
Lm ¸er+l, + existênci+ dos Rene¸+dos é peri¸os+. Lles
costum+m ser c+ç+dos por Lspectros e outr+s fer+s d+ Tem-
pest+de. Como os Rene¸+dos precis+m perm+necer em mo-
vimento, + m+iori+ dos lu¸+res Assombr+dos dos Rene¸+-
dos tende + ser esconderijos temporírios. Apen+s +l¸uns
lu¸+res Secretos dos Rene¸+dos dur+r+m muito tempo, e +s
loc+li:+çöes desses refú¸ios secretos s1o conhecidos +pen+s
pelos membros m+is confiíveis de c+d+ f+cç1o.
Até recentemente, + Hier+rqui+ s+bi+ lid+r efic+:mente
com +s +me+ç+s m+is +tiv+s impost+s + el+ pelos Rene¸+dos.
lorém, os recentes conflitos internos d+ Hier+rqui+ têm ocu-
p+do + +tenç1o dos Senhores Mort+is, o que permitiu um
+umento nos +tos terrorist+s dos Rene¸+dos.
Muitos Rene¸+dos infiltr+r+m-se n+ Hier+rqui+, us+ndo
um+ f+ch+d+ de respeit+bilid+de p+r+ cobrir +tos de subver-
s1o e s+bot+¸em. De f+to, um ¸r+nde número de Rene¸+dos
juntou-se +s le¸iöes Lstí¸i+s, e esper+m +pen+s pelo sin+l
p+r+ +t+c+r...
Hereges
|nu:|| ¡ua|¡u.r am.a¸a ·u jr... suj||.an-
:.,
L|. ·s .xju|s·u J. sua m·raJa a|.n¸·a-
Ja,
íara ta¸ar .m J.s.sj.r· j·r um munJ·
.ru.| -
S.m am|¸·s, s.m |ar, s.m r.ju¸|·, mas .·m
s.u D.us.
- lord Byron, "Lle¸y on Newste+d Abbey"
Muit+s +p+riçöes fund+r+m seus próprios ¸rupos em tor-
no de crenç+s
comuns e d+ busc+ pel+ Tr+nscendênci+. Ch+m+dos "He-
re¸es" pel+ Hier+rqui+, ess+s +p+riçöes se¸uem fés dedic+d+s
+ +l¸um ide+l, forç+ ou lu¸+r superior. Muitos Here¸es ir1o +
extremos p+r+ converter nov+s +p+riçöes +os seus cultos,
us+ndo seus poderes p+r+ execut+r "mil+¸res" e prometendo
recompens+s f+bulos+s.
A únic+ cois+ que + m+iori+ dos cultos Here¸es têm em
comum é um+ +ntip+ti+ profund+ uns pelos outros, pois to-
dos competem por +lm+s, sej+m viv+s ou mort+s. Contudo,
em su+ busc+ coletiv+, eles +prender+m + tr+b+lh+r juntos.
Os Senhores Mort+is s1o +mbiciosos, n1o fic+ndo s+tisfeitos
com n+d+ menos que tod+s +s +lm+s existentes. l+r+ comb+-
tê-los, os Here¸es n1o têm escolh+ sen1o cooper+r.
ProbIemas com a Hierarquia
Os problem+s d+ Hier+rqui+ com os Here¸es continu+m
crescendo + medid+ que m+is lêmures coloc+m su+ fé nesses
cultos. Lss+s +p+riçöes costum+m ser preconceituos+s ou
mesmo hostis p+r+ com + Hier+rqui+. Além disso, hí bo+tos
de que +l¸um+s +p+riçöes dentro d+ Hier+rqui+ sej+m, secre-
t+mente, Here¸es.
A Hier+rqui+ m+ntêm um+ polític+ de repress1o +os Here-
¸es. Contudo, + m+iori+ dos líderes d+ Hier+rqui+ n1o possui
os recursos nem + inclin+ç1o p+r+ implement+r complet+-
mente +s leis. A m+iori+ i¸nor+ tod+s +s +front+s contr+ +
Hier+rqui+ (menos +s m+is ¸r+ves), preferindo m+nter + p+:
e n1o ¸+st+r su+ forç+. Lles +credit+m que o inimi¸o re+l sej+
os Rene¸+dos.
Ser um Herege
Lm+ +p+riç1o é inici+d+ num dos se¸redos s+¸r+dos d+ fé
de seus escolhidos depois de prov+r seu v+lor de +l¸um+ for-
m+. Lm troc+, + +p+riç1o deve se¸uir o culto fielmente. Ser-
viços podem si¸nific+r execut+r missöes estr+nh+s, c+ptur+r
Ap+riçöes, +ss+ssin+r inimi¸os ou recrut+r outros indivídu-
os. Lm bom serviço é recompens+do com um +umento em
st+tus e poder.
Al¸uns Here¸es perdem su+ fé, +c+b+ndo por +b+ndon+r
seus cultos. Muitos s1o recrut+dos p+r+ outros cultos. Ou-
tros tent+m inici+r seus próprios cultos r+dic+is de modo +
poderem +dquirir poder p+r+ si mesmos. Muitos ex-mem-
bros simplesmente p+rtem p+r+ outr+ Necrópole, embor+
muitos viv+m em temor const+nte de serem c+ç+dos pel+s
m+tilh+s de c1es demonios d+ Hier+rqui+.
Outros
Burquelros
Qu. jan:asma, |an|aJ· j.|· |uar
C·nt|Ja-m. a na¡u.|a .|ar.|ra .n:rar:
- Alex+nder lope, "Lle¸y"
Os B+rqueiros s1o os vi+j+ntes dos m+-
res espiritu+is, os descobridores de trilh+s
+tr+vés d+ Tempest+de, os +dministr+do-
res dos At+lhos, e, sob +l¸uns +spectos,
os ¸ui+s espiritu+is p+r+ todos no Mundo lnferior. Dur+nte er+s
seu dever +utoprocl+m+do tem sido ¸ui+r +quel+s +lm+s que
est+v+m pront+s p+r+ cru:+r +s v+stidöes peri¸os d+ Tempest+-
de e che¸+r +o seu destino ex+to. Obter + +jud+ de um B+r-
queiro n1o é fícil, m+s depois que um deles +ceit+r um+ +p+ri-
ç1o como p+ss+¸eiro, irí prote¸ê-lo + qu+lquer custo.
Os B+rqueiros m+ntêm-se neutros nos conflitos dos outros
espíritos. Lles vi+j+m const+ntemente entre +s Necrópoles,
p+ss+ndo de reino p+r+ reino, j+m+is interrompendo su+ vi+-
¸ens. Nem mesmo + Hier+rqui+ perturb+ os deveres +ssumidos
pelos B+rqueiros: su+ +ssistênci+ costum+ ser vit+l + n+ve¸+ç1o
e + m+nutenç1o dos At+lhos dentro d+ Tempest+de.
Os B+rqueiros nem sempre tom+m + rot+ que seus p+ss+-
¸eiros consider+m + m+is diret+. Aind+ +ssim, n+s Re¸iöes
Sombri+s - onde + incerte:+ é ubíqü+ e + verd+de é r+r+ -
os B+rqueiros s1o muito respeit+dos por su+ reput+ç1o, ho-
nestid+de e honr+.
Su+ +jud+ sempre tem um preço: +l¸um+s ve:es um+ t+ref+
ou promess+, +l¸um+s ve:es um despojo. Aqueles que quebr+m
su+ promess+ p+r+ com um b+rqueiro fic+m m+rc+dos, j+m+is
podendo ser +jud+dos nov+mente por outro B+rqueiro.
o9
Os B+rqueiros s1o ¸r+ndes ¸uerreiros. Afin+l, precis+m
ser c+p+:es de se defender contr+ +s cri+tur+s d+ Tempest+-
de que infest+m os At+lhos. Os B+rqueiros s1o responsíveis
pel+ m+nutenç1o d+s estr+d+s e trilh+s que condu:em d+s
Re¸iöes Sombri+s +té Lstí¸i+ e +s lr+i+s Dist+ntes. Com +s
m+rés do limbo +tu+lmente em período de chei+, ess+s es-
tr+d+s e trilh+s s1o +me+ç+d+s por demonios, monstros e
Turbilhöes, e todos +dmir+m + h+bilid+de dos B+rqueiros em
encontr+r sempre seu c+minho +tr+vés d+ Tempest+de.
Costum+-se di:er que os B+rqueiros procur+m ¸ui+r +s
+p+riçöes rumo + Tr+nscendênci+, servindo como Mentores
p+r+ +queles que prov+r+m ser merecedores de su+ +jud+.
Aind+ +ssim, + m+iori+ d+s +p+riçöes recorre +os serviços
desses seres eni¸míticos +pen+s como explor+dores e ¸ui+s
+tr+vés d+ Tempest+de.
A m+iori+ d+s +p+riçöes conhecid+s como Lspectros s1o
entid+des mostruos+s e sombri+s, dot+d+s de esperte:+ e po-
der +ssombrosos, que periodic+mente emer¸em d+s profun-
de:+s d+ Tempest+de. S1o el+s que torn+m os c+minhos d+
Tempest+de t1o temidos.
Espectros
Os Lspectros s1o c+p+:es de se comunic+r emp+tic+mente
com +s Sombr+s d+s +p+riçöes, e oc+sion+lmente f+l+m dire-
t+mente com el+s. Lles procur+m s+ber tudo sobre um+ +p+-
riç1o, c+d+ fr+que:+, c+d+ Orilh1o. Al¸uns Lspectros s1o +té
mesmo c+p+:es de invoc+r + Sombr+ de um+ +p+riç1o e us+r
su+ influênci+ p+r+ enfr+quecer + pres+.
Lmbor+ exist+m muit+s lend+s +ssust+dor+s sobre os Ls-
pectros, eles n1o s1o t1o ins+nos qu+nto +s outr+s +p+riçöes
jul¸+m. N+ verd+de, +té possuem os rudimentos de um+ socie-
d+de. Além disso, muitos +ind+ possuem Orilhöes, o que os
permite +dentr+r + qu+lquer momento +s Re¸iöes Sombri+s.
Lxistem divers+s espécies de Lspectros. Lst+ é um+ rel+-
ç1o de +l¸um+s:
º Sombras
As Sombr+s s1o +s cri+tur+s deform+d+s e enlouquecid+s
do limbo. O Corpus de um+ Sombr+ costum+ diver¸ir mui-
to d+ +p+rênci+ hum+n+. Su+ presenç+ é consider+d+ um+
+bomin+ç1o por tod+s +s +p+riçöes "civili:+d+s".
º MaIfeanos
Os M+lfe+nos s1o Lspectros que +lc+nç+r+m um poder
extr+ordinírio medi+nte o consumo de seres menores. Lles
s1o os re¸entes d+ Tempest+de, sendo muito temidos. Os
M+lfe+nos tendem + domin+r víri+s re¸iöes d+ Tempest+de,
mold+ndo-+s +os seus c+prichos. lobre d+ +p+riç1o que en-
contr+r um+ dess+s cri+tur+s no les+delo'
Al¸uns M+lfe+nos che¸+r+m mesmo + en¸+n+r os cultos
here¸es p+r+ que estes os +dor+ssem como deuses. Lsses
M+lfe+nos s1o p+rticul+rmente peri¸osos, porque possuem
l+c+ios e emissírios n+s Re¸iöes Sombri+s.
O Apêndice (pí¸in+s 231-233) +present+ m+is inform+-
çöes sobre os Lspectros.
C
upltulo
D
ols .
C
enárlo
7u
A
purlçño.
O

L
lmho
71
Lma t.z s·n|.| ¡u. .·n:ata ||s:´r|as . s.n:| a|¸u.m |a:.nJ·
n· m.u j., .·m· .n.·ra¡am.n:·. Ò||.| jara |a|x· . t| ¡u. .s:ata
s·|r. ·s ·m|r·s J. uma s.n|·ra |J·sa ¡u. s.¸urata m.us
:·rn·z.|·s . s·rr|a jara m|m.
- Lu J|ss. jara .|a. - í|¡u. n·s m.us ·m|r·s. t·.. . t.||a
. .u s·u ¡·t.m.
N1o, n1o - el+ insistiu. - L +ssim mesmo que deve ser.
V| ¡u. .|a .s:ata s·|r. ·s ·m|r·s J. uma s.n|·ra mu|:·
ma|s t.||a J· ¡u. .|a, ¡u. .s:ata s·|r. ·s ·m|r·s J. uma s.n|·ra
a|nJa ma|s t.||a...
- Cl+riss+ linkol+ Lstés, \·m.n \|· nun u|:| :|. \·|t.s
ocê se lembr+ de comp+rtilh+r históri+s
em volt+ de um+ fo¸ueir+ num +c+mp+-
mento ou num+ fest+, tent+ndo cont+r
+ históri+ de f+nt+sm+ m+is +ssust+dor+!
Dentro de todos nós esconde-se o desejo
de cri+r um+ históri+ que +ssuste nossos
+mi¸os - e + nós mesmo - qu+se +té +
morte. O desejo de f+scin+r estí t1o profund+mente +rr+i¸+do
em nós qu+nto o de cont+r históri+s, e nenhum +ssunto é
m+is f+scin+nte do que um vislumbre de noss+ própri+
mort+lid+de.
Aparição é um jo¸o de n+rr+tiv+ que nos permite cri+r
noss+s própri+s históri+s de f+nt+sm+s, históri+s n+s qu+is
f+:emos o p+pel dos f+nt+sm+s. As +p+riçöes - e por extens1o,
o jo¸o - s1o metífor+s de nós mesmos. Coloc+ndo-nos no
Mundo d+s Trev+s por um+ noite, podemos olh+r num
espelho de p+rque de diversöes que reflete os +spectos m+is
sombrios de nosso mundo. As históri+s encontr+d+s +qui s1o
re+lmente m+c+br+s, m+s no fim, s1o +pen+s históri+s -
históri+s de f+nt+sm+s, se preferir.
Qu+ndo pression+mos nossos rostos contr+ este espelho
f+nt+sm+¸órico, o reflexo que vemos +ind+ é o nosso. Lstí
distorcido, t+lve:, m+s reconhecível. O tr+b+lho do N+rr+dor
é se¸ur+r o espelho di+nte dos jo¸+dores e forçí-los + d+r
um+ bo+ olh+d+ e se +ssust+rem.
Se você for inici+nte em jo¸os de n+rr+tiv+s, jo¸+r ou
control+r um jo¸o poderí p+recer complic+do + primeir+ vist+.
Lst+mos +costum+dos + ter nosso próprio entretenimento
+present+do pronto p+r+ nós em bel+s emb+l+¸ens.Aparição
requer que você sej+ seu próprio +nim+dor e tome p+rte +ti-
v+ n+ n+rr+ç1o em ¸rupo. Lste c+pítulo +present+ orient+-
çöes, idéi+s, dic+s e técnic+s p+r+ que você f+ç+ seu próprio
jo¸o de Aparição. Os Jo¸+dores e os N+rr+dores ir1o se benefi-
ci+r em lê-lo; + qu+lid+de de qu+lquer históri+ de Aparição
depende t+nto do t+lento dos jo¸+dores qu+nto do N+rr+dor.
a· . a ||s:´r|a, . ¡u.m a .·n:a.
C
upltulo
j
ress .
N
urruçño
Cupltulo jres.
Nurruçño
72
A
purlçño.
O

L
lmho
O ]upel do Nurrudor
- leter Str+ub, Òs M·r:·s-V|t·s
A m+ior p+rte d+s históri+s é p+ssiv+.
Lm n+rr+dor diri¸e-se + pl+téi+, que
ouve ou observ+ pelo tempo que +ch+r
+ +present+ç1o interess+nte. Os filmes,
+ televis1o, o te+tro e mesmo os livros
s1o exemplos disso: + históri+ é con-
cebid+, cri+d+ e exibid+ p+r+ +¸r+d+r um+ pl+téi+.
lorém, os jo¸os de n+rr+tiv+, como Aparição, s1o
diferentes. Aqui + "pl+téi+" p+rticip+ com o N+rr+dor p+r+
cri+r um+ históri+ + p+rtir de su+ im+¸in+ç1o coletiv+. C+d+
jo¸+dor tom+ p+rte e influenci+ + form+ fin+l d+ históri+. Ao
contrírio do cinem+, d+ tevê, do te+tro e d+ liter+tur+, os
jo¸os de n+rr+tiv+ s1o entretenimentos +tivos, inter+tivos e
ori¸in+is. A siner¸i+ inerente +o jo¸o produ: um+ históri+ m+ior
que qu+lquer cois+ que um N+rr+dor solitírio poderi+ cri+r.
Os jo¸+dores cri+m os person+¸ens d+ históri+, m+s o
N+rr+dor cri+ o mundo. Lste é um verd+deiro des+fio. Oui+r
um ¸rupo de jo¸+dores por um mito col+bor+tivo pode ser
um+ t+ref+ intimid+dor+ e por ve:es frustr+nte. lrojet+r um
mundo, cri+r e interpret+r um+ hord+ de person+¸ens
secundírios, +rbitr+r re¸r+s e construir cenírios podem ser
t+ref+s difíceis. Mesmo +ssim, + ch+nce de tr+nsform+r um sonho
em re+lid+de v+le o esforço. Lnqu+nto os outros jo¸+dores cri+m
seus nichos no mundo, você lhes dí o próprio mundo.
Aparição +present+ vírios elementos p+r+ +jud+r o
N+rr+dor inici+nte + encontr+r seu tom: um exemplo de
cronic+ (no Apêndice), um c+pítulo de cenírio det+lh+do
que delinei+ +s diferenç+s fund+ment+is entre noss+ re+lid+de
e o mundo de Ap+riç1o, um sistem+ de re¸r+s projet+d+s
com simplicid+de e ele¸ìnci+ - e este c+pítulo, que esboç+ +s
técnic+s de n+rr+ç1o efetiv+, provê +l¸um+s breves dic+s
rel+cion+d+s + re¸r+s, e discute os elementos de n+rr+ç1o
peculi+res +o mundo de Aparição.
Mesmo que +s su¸estöes deste c+pítulo +judem +o
N+rr+dor + cumprir seus vírios p+péis, j+m+is se esqueç+ que
Aparição é, +cim+ de tudo, um jo¸o. Lle pode ser +terr+dor,
revel+dor, excit+nte ou comovente, m+s se n1o for +¸r+dível,
n1o v+lerí + pen+ ser jo¸+do. A primeir+ re¸r+ é se divertir -
ser justo, cri+tivo e correr riscos. A se¸und+ re¸r+ é se lembr+r
que o princip+l é + históri+: +tol+r um jo¸o em discussöes e
complic+çöes inúteis roub+ su+ mí¸ic+. Você e seus jo¸+dores
devem se divertir cont+ndo históri+s de f+nt+sm+s juntos. Se
o jo¸o for irrit+nte, ch+to ou frustr+nte, p+r+ que jo¸+r! A
históri+ vem primeiro; +s re¸r+s vêm depois.
De f+to, + terceir+ re¸r+ é que n1o hí re¸r+s - +pen+s
linh+s ¸er+is. Divirt+-se'
73
Entretenlmento
L mu|:· jar..|J· .·m a t|Ja, . |ss· . ¡u. . |n:.r.ssan:..
S. t·.. ·J.|a .s.aj|sm·s,
Ln.·n:r·u · ¡u. .s:ata jr·.uranJ·.
- Depeche Mode, "M+ster +nd Serv+nt"
Apes+r de um N+rr+dor ter muit+s motiv+çöes, seu m+ior
objetivo deve ser entreter os jo¸+dores. O tempo ¸+sto num
jo¸o é um tipo de investimento - você e seus jo¸+dores
poderi+m est+r vendo um filme, n+mor+ndo, jo¸+ndo bol+,
ou simplesmente b+tendo p+po. O+st+ndo tempo em seu jo¸o,
seus jo¸+dores est1o f+:endo um investimento. Lsper+-se que
su+ bo+ fé, esforço e h+bilid+des compensem o investimento
de todos vocês. Depois de tod+ + tr+b+lheir+ que envolve +
prep+r+ç1o de um jo¸o, n+d+ é m+is s+tisf+tório do que
observ+r seus jo¸+dores re+lmente p+ss+rem bons momentos.
Su+ recompens+ é o pr+:er de um tr+b+lho bem feito.
A n+rr+ç1o é um+ ch+nce de +p+recer, um+ oportunid+de
de exibir su+ cri+tivid+de + seus +mi¸os, e um+ form+ de lev+rem-
nos + comp+rtilh+r de um+ experiênci+ comum. As ve:es,
porém, o desejo de d+r um show ou de +¸r+d+r um +mi¸o torn+-
se muito forte. Você pode ir lon¸e dem+is p+r+ +¸r+d+r seus
jo¸+dores, estr+¸+ndo o jo¸o +pen+s p+r+ f+:ê-los sentir-se
import+ntes, ou +o contrírio, impor-se + eles como um dit+dor.
Amb+s +s técnic+s podem tr+:er problem+s.
Qu+ndo tudo correr bem, seus jo¸+dores ¸ui+r1o seus
person+¸ens +tr+vés de um+ históri+ ric+mente compost+,
rumo + um fin+l bem sucedido. Adversid+des e contr+tempos
ir1o +p+recer, especi+lmente p+r+ +s Alm+s lnquiet+s, m+s
os person+¸ens devem ser bem sucedidos em +l¸uns de seus
objetivos pl+nej+dos, mesmo em f+ce + tr+¸édi+ e +o medo.
Lquilibr+r os problem+s e peri¸os de um+ cronic+ com +s
h+bilid+des e desejos dos jo¸+dores, requer prític+, m+s com
qu+nto m+is tr+nsp+rênci+ você b+l+nce+r estes elementos,
m+is excit+ntes e poderos+s su+s históri+s se torn+r1o.
Usundo us Regrus
O sistem+ de re¸r+s de N+rr+ç1o foi cri+do p+r+ elev+r o
dr+m+ d+ +ç1o +cim+ dos d+dos e t+bel+s. Como N+rr+dor,
você deve ter + simplicid+de em mente. Tent+r cri+r um
conj unto de re¸r+s que cubr+ c+d+ conti n¸ênci + e
possibilid+de seri+ um+ t+ref+ in¸r+t+ e n1o compens+dor+
(sem cont+r que seri+ impossível); tent+r jo¸+r e +o mesmo
tempo tent+r loc+li:+r-se em mei+ dú:i+ de livros de re¸r+s
diferentes é no mínimo difícil.
Conseqüentemente, + flexibilid+de e o jul¸+mento do
N+rr+dor s1o import+ntes; como N+rr+dor, você deve ser o
intérprete fin+l d+s re¸r+s e decidir de form+ prític+ como
el+s se +plic+m +o jo¸o. Justiç+ e consistênci+ s1o cruci+is.
Se quiser m+nter este poder, +j+ com imp+rci+lid+de e
r+cion+lismo p+r+ com todos os envolvidos
As ve:es serí necessírio invent+r nov+s re¸r+s, ou mesmo
quebr+r +l¸um+s jí est+belecid+s. Mud+r ou quebr+r re¸r+s
freqüentemente é necessírio p+r+ cont+r melhor + históri+.
l+r+ m+nter + confi+nç+ dos jo¸+dores, porém, você deve
evit+r quebr+r re¸r+s re¸ul+rmente. Lm Aparição, +s ve:es
pode ser +propri+do jo¸+r um+ ch+ve in¸les+ n+s en¸ren+¸ens,
m+s mud+r +s re¸r+s ve:es dem+is sem um+ bo+ r+:1o corrói
+ est+bilid+de do mundo que você estí tent+ndo cri+r. Você
pode decidir mud+r +s re¸r+s perm+nentemente de +l¸um+
form+, m+s todos devem s+ber qu+ndo el+s for+m mud+d+s.
L import+nte que você desenvolv+ um estilo de n+rr+tiv+
que melhor se +juste + você e decidir o que precis+ p+r+ f+:ê-
lo funcion+r. Você ¸ost+ de tent+r estrutur+r +s cois+s o
míximo possível, se¸uindo +s re¸r+s e cri+ndo um mundo
cl+ro e consistente p+r+ seus person+¸ens; ou você prefere
d+r +s+s + im+¸in+ç1o, r+r+mente consult+ndo re¸r+s ou folh+s
de person+¸ens!
Seu estilo prov+velmente serí +l¸um+ cois+ entre estes dois
extremos; isto fic+ inteir+mente + seu critério. L qu+se
impossível +divinh+r seu estilo de n+rr+tiv+ +ntes de começ+r
+ jo¸+r; os estilos s1o desenvolvidos por tent+tiv+ e erro. Apen+s
+ experiênci+ lhe indic+rí o que funcion+ melhor com você.
Deixe esp+ço p+r+ moviment+r-se, m+s sej+ consistente.
Elementos de Apurlçño
s:am·s :a· ·.ujaJ·s .m jaz.r .·|sas jara
a:|n¸|r jr·j´s|:·s J. ta|·r .x:.rn· ¡u. n·s
.s¡u...m·s ¡u. · ta|·r |n:.rn·, · .x:as.
¡u. . ass·.|aJ· a .s:ar t|t·, . · ¡u. |mj·r:a.
- Joseph C+mpbell, Ò í·J.r J· M|:·
Ap+riçöes s1o + um só tempo heróis
e +nti-heróis: enqu+nto o herói típico
con¸re¸+ cor+¸em e esper+nç+, +s +p+riçöes s1o muit+s ve:es
combin+çöes de ¸+nìnci+, cov+rdi+ e desespero. As
existênci+s de muit+s +p+riçöes s1o re¸id+s pel+ ¸+nìnci+ de
+lm+s, o medo do limbo e o desejo de Tr+nscender. Muitos
entre +s Alm+s lnquiet+s, porém, lembr+m heróis em seu
sentido clíssico; como um herói mitoló¸ico, + +lm+ pere¸rin+
dest+c+-se d+s m+ss+s, desce (liter+lmente) +o Mundo
lnferior, enfrent+ e comb+te o l+do ne¸ro de si mesmo e,
esper+-se, s+i de seu des+fi o melhor+d+. lós-vi d+s
mel+ncólic+s s1o p+r+ l+ntoches e Servos; um person+¸em
de Ap+riç1o enc+r+ + f+ce d+ morte e ri del+.
Diversos elementos devem ser m+nipul+dos dentro de um
jo¸o de; muitos tem+s e idéi+s s1o exclusiv+s de contos
envolvendo os Alm+s lnquiet+s. Horror, terror e rom+nce
requerem tr+t+mento especi+l p+r+ serem efic+:es num jo¸o.
Atmosfer+ e + +ceit+ç1o do in+creditível s1o ferr+ment+s muito
import+ntes. Sem estes elementos, Ap+riç1o se torn+ +pen+s
m+is um jo¸o - divertido, fund+ment+lmente superfici+l.
jleme
Lm tem+ unific+do ou um+ coleç1o de tem+s é um ele-
mento bísico dos jo¸os de n+rr+tiv+. Ap+riç1o tem muitos
tem+s - +lien+ç1o, terror, tr+nscendênci+ e des+fios s1o +pe-
C
upltulo
j
ress .
N
urruçño
74
A
purlçño.
O

L
lmho
n+s +l¸uns exemplos. Os tem+s foc+li:+m + +tenç1o t+nto
dos jo¸+dores qu+nto do N+rr+dor em direç1o + um+ vis1o
conjunt+, tr+nsform+ndo um simples exercício de intri¸+ ou
loucur+ em um+ históri+ com ressonìnci+ e si¸nific+do.
Lm tem+ é um+ idéi+ ou conceito unific+dor por trís de
um+ históri+. Lm+ históri+ pode ter diversos tem+s, enqu+nto
um+ cronic+ lon¸+ pode ter um+ únic+ idéi+ por trís. Lm+
cronic+ que conte + c+ç+d+ + um +ss+ssino seri+l pode cobrir
um monte de históri+s diferentes. C+d+ um+ dess+s históri+s
terí um tem+ centr+l; um+ pode ser centr+d+ em um conflito
m1e-filho, enqu+nto + históri+ se¸uinte concentr+-se em
pes+delos recorrentes. Os tem+s d+s históri+s dentro d+
cronic+ v+ri+m, m+s + vin¸+nç+, o tem+ centr+l por trís do
cenírio, dí o tom d+ cronic+ como um todo.
Os tem+s +b+ixo mer+mente +rr+nh+m + superfície do
jo¸o. Lst+ list+ n1o é nem um pouco complet+; você irí,
dentro de seus próprios jo¸os, cri+r tem+s m+iores e m+is
v+ri+dos do que qu+lquer um que poss+mos list+r.
º IsoIamento - Muit+s Alm+s lnquiet+s existem como
exil+dos, +rrependidos por um+ vid+ que eles nunc+ tiver+m
ch+nce de começ+r. A morte os forçou + +prender sobre +
vid+, e +¸or+ é t+rde dem+is p+r+ volt+r. Apes+r de um+
+p+riç1o poder Lnc+rn+r ou C+v+l¸+r + C+rne por +l¸um
tempo, el+ estí pres+ entre o limbo que teme e + vid+ que
n1o pode m+i s ¸o:+r. Mui tos f+nt+sm+s torn+m-se
brut+lmente m+teri+list+s, c+ptur+ndo e escr+vi:+ndo su+
própri+ espécie como compens+ç1o pel+s cois+s que n1o
podem m+is toc+r. Outros simplesmente sent+m- se e
observ+m o mundo dos vivos ir em frente sem eles.
Os jo¸+dores de Aparição prov+velmente +ssumir1o um+
postur+ m+is +tiv+ em su+s pós-vid+s do que + m+iori+ dos
outros f+nt+sm+s. Lles devem des+fi+r + solid1o sentid+
qu+ndo n1o se pode confi+r em n+d+ e tudo p+rece morrer
di+nte de seus olhos. Os person+¸ens devem lut+r p+r+
sobrepuj+r seu isol+mento e f+:er um+ diferenç+, t+nto em
seu mundo qu+nto no mundo dos mort+is.
º Medo - Que tem+ pode ser m+is n+tur+l em um+
históri+ de f+nt+sm+s do que o medo! Os vivos sempre tiver+m
medo d+s Alm+s lnquiet+s. lor quê! Serí um+ f+scin+ç1o
incert+ com + própri+ morte, ou o temor de que esses espíritos
poss+m est+r :+n¸+dos conosco por vivermos enqu+nto eles
est1o mortos! Que temor, ent1o, move um f+nt+sm+! O medo
d+ morte n1o existe m+is, m+s o terror perm+nece. lor quê!
Muit+s +p+riçöes existem com medo - medo um+s d+s
outr+s, medo d+ solid1o e, pior de tudo, medo d+ +niquil+ç1o,
d+ destruiç1o de su+ identid+de. limbo e Tr+nscendênci+
s1o du+s met+des d+ mesm+ moed+: c+d+ um+ del+s pode
si¸nific+r + dissoluç1o d+ person+lid+de d+ +p+riç1o. O
tormento, p+r+ + m+iori+ d+s pesso+s de hoje, é preferível +
obliter+ç1o. Al¸um+s pesso+s preferiri+m +rder no lnferno
p+r+ sempre do que deix+r su+ identid+de p+r+ trís.
º ConfIito Interno - O m+ior inimi¸o de um +p+ri-
ç1o é su+ Sombr+, + epítome de tudo que ele suprime, odei+
e teme sobre si mesm+. Depois que você morre n1o hí onde
se esconder deste +specto de si mesmo. D+ mesm+ form+

que os f+nt+sm+s est1o presos do outro l+do d+ vid+, eles
est1o, de muit+s m+neir+s presos dentro de su+s própri+s c+-
beç+s. Serí que + Ap+riç1o sucumbirí +s tent+çöes d+ Som-
br+, ou perm+necerí fiel +s su+s crenç+s!
º Desafio - Lm+ +titude des+fi+dor+ costum+ ser útil
no mundo dos mortos. Com t+nt+s +lm+s embrulh+d+s em
su+ própri+ +n¸ústi+ ou +corrent+d+s por outr+s, c+d+ +p+ri-
ç1o deve tom+r posse de seu próprio destino ou c+ir n+ es-
cr+vid1o. As +p+riçöes continu+m + existir em des+fio + pró-
pri+ morte; + m+iori+ dos person+¸ens opt+rí por rebel+r-se
contr+ os rí¸idos sistem+s de escr+vid1o de +lm+s do Mundo
lnferior e perse¸uir seus próprios objetivos no pós-vid+.
º Triunfo - O triunfo fin+l sobre + morte, o desespero
e + Sombr+ oferecem um objetivo de lon¸o pr+:o p+r+ os
jo¸+dores de Aparição. Derrot+r os +¸entes d+ Hier+rqui+
ou os Rene¸+dos, lev+r + melhor sobre os Lspectros ou m+t+r
seu +ss+ssino s1o cl+ssific+dos como triunfos menores. Os
triunfos m+iores incluem encontr+r + Tr+nscendênci+ che-
¸+ndo + um +cordo consi¸o mesmo, lut+r e vencer su+ Som-
br+ interior, e recus+r-se + sucumbir +o desespero +pes+r d+
dor que + pós-vid+ poss+ tr+:er.
Aceltundo o Inucredltável
As Alm+s lnquiet+s, por su+ própri+ n+ture:+, lev+nt+m
cert+s questöes e requerem tr+t+mento especi+l. Aceit+r o
in+creditível, o elemento princip+l de qu+lquer históri+, é
especi+lmente import+nte em um jo¸o de Aparição. Se seus
f+nt+sm+s p+recerem ridículos ou inconsistentes, seu jo¸o
v+i sofrer muito.
Cri+r um cenírio verossímil é essenci+l; se você puder
f+:er seus jo¸+dores +ceit+rem + re+lid+de do Mundo lnferi-
or, +s c+r+cterístic+s estr+nh+s que o compöem fic+m m+is
fíceis de "en¸olir". Lm+ ló¸ic+ intern+ consistente é vit+l +
verossimilh+nç+; tudo deve funcion+r sempre d+ mesm+ for-
m+, + n1o ser que h+j+ um+ bo+ r+:1o (como + re+lid+de
distorcid+ d+ Tempest+de) p+r+ que n1o funcione.
Lst+beleç+ um+ re+lid+de p+r+ tir+r + descrenç+ de seus
jo¸+dores. A consistênci+ é + desculp+ p+r+ um+ infinid+de
de pec+dos.
jrugedlu
Lu interpreto o p+pel no estilo clíssico de um mírtir
T+lh+do com um sorriso torto,
l+r+ s+n¸r+r + letr+ dest+ músic+
l+r+ escrever os ritos que consertem meus erros
Lm epitífio p+r+ um sonho desfeito
l+r+ exorcis+r este ¸rito silencioso
Lm ¸rito que n+sce do +rrependimento.
- M+rillion, "Script of + Jester's Te+r"
Apes+r d+ motiv+ç1o princip+l d+ m+iori+ dos jo¸os de
n+rr+tiv+ est+r em ser heróico e triunf+r sobre ¸r+ndes +d-
versid+des, oc+sion+lmente você pode querer cont+r um+
históri+ muito dr+mític+ e, do ponto de vist+ d+ n+rr+tiv+,
s+tisf+tori+mente trí¸ic+. A tr+¸édi+ costum+ ser tr+b+lh+d+
de form+ pobre, m+s isso é porque + m+iori+ d+s pesso+s +ch+
C
upltulo
j
ress .
N
urruçño
7o
A
purlçño.
O

L
lmho
que el+ só tr+t+ de um+ históri+ sobre circunstìnci+s tristes.
lsso n1o é verd+de. A históri+ trí¸ic+ f+l+ sobre um person+-
¸em com um+ ¸r+ve f+lh+ de c+ríter que, por c+us+ dess+
f+lh+ comete um erro ¸r+ve e ent1o, em +l¸um ponto (¸er+l-
mente qu+ndo jí é t+rde dem+is), percebe o erro e porque
ele o cometeu. Lnt1o ele mud+ e v+i em frente p+r+ encon-
tr+r seu destino, p+r+ melhor ou p+r+ pior. Lle o enfrent+
com di¸nid+de, cor+¸em e forç+ e no fim nós o +dmir+mos e
simp+ti:+mos com ele. l+r+ cont+r um+ bo+ tr+¸édi+, você deve
entender o que el+ é no sentido literírio, n1o no coloqui+l.
Lm+ históri+ trí¸ic+ pode ser t1o bel+ e en+ltecedor+ como
um+ heróic+. Mesmo qu+ndo você n1o estí cont+ndo um+
históri+ trí¸ic+, pode +dicion+r elementos de tr+¸édi+ em su+
históri+ princip+l: +rrependimento, perd+, erros f+t+is e ch+nces
perdid+s s1o o p1o e o vinho de um+ bo+ históri+ de Ap+riç1o.
Horror e jerror
Apes+r dess+s p+l+vr+s serem const+ntemente us+d+s
como sinonimos, horror e terror s1o emoçöes diferentes. C+d+
um+ tem seu lu¸+r em Aparição.
º Terror - O terror é + idéi+ intelectu+l de que +l¸o
estí err+do e v+i pior+r. A m+iori+ dos terrores ocorre dentro
dos limites do que um observ+dor pode +ceit+r; é um+
+preens1o que começou + tom+r form+. Qu+ndo um+ sombr+
n+ p+rede n1o p+rece direit+, um person+¸em (ou jo¸+dor) pode
sentir terror.
O terror implic+ em que nem tudo estí perdido. Apes+r
de um p+sseio de mont+nh+-russ+ invoc+r emoçöes de terror,
+ind+ hí um limite de se¸ur+nç+. A c+us+ do terror n1o
precis+ ser um+ +me+ç+ premedit+d+ de violênci+ físic+. L
muito m+is sutil do que o horror, e pode ser muito m+is
efic+:. A +ntecip+ç1o ou o temor de +l¸um des+stre costum+
ser m+is terrível do que o des+stre em si.
º Horror - O horror é + repuls+ qu+se físic+ que vem
qu+ndo os limites se¸uros s1o quebr+dos. As pesso+s fr+c+s
podem fic+r horrori:+d+s + vis1o de s+n¸ue; mentes e
estom+¸os m+is fortes podem ceder di+nte de +tos re+lmente
repulsivos ou revel+çöes impensíveis.
A viol+ç1o é + ch+ve do horror - viol+ç1o físic+ (+ss+lto,
mutil+ç1o e indecênci+ ¸ener+li:+d+), viol+ç1o ment+l
(tr+iç1o ou +b+ndono) cru:+m os limites que os person+¸ens
definir+m. Os n+rr+dores devem tom+r cuid+do +o mir+r o
horror no jo¸+dor +o invés do person+¸em. O horror só é
divertido qu+ndo é consensu+l (vej+ Qu+ndo l+r+r). Se o
terror é um+ volt+ n+ mont+nh+-russ+, o horror é o que
+contece qu+ndo um c+rro s+i d+ estr+d+ p+r+ o desfil+deiro...
Romunce
- .·n¡u|s:a ja.|| J· am·r · :·rna |ara:·, a J|j|.u|JaJ. J.
.·ns.¸u|-|· :·rna-· ma|s ta|·r|zaJ·.
- Andre+s C+pell+nus, T|. -r: ·j C·ur:|y L·t.
L muito fícil desc+rt+r o rom+nce como opç1o p+r+ um+
n+rr+tiv+. Muit+s pesso+s vêem o rom+nce como um+ cois+
"melos+" ou "bre¸+". Mesmo +ssim, Aparição proporcion+
um "c+minh1o" de possibilid+des romìntic+s: se você n1o
77
A Nuturezu do Medo
l+rte d+ divers1o de se jo¸+r Aparição é que você
pode se expor + históri+s horríveis e +terrori:+ntes. Todos
¸ost+mos de sentir medo qu+ndo est+mos no controle d+
situ+ç1o: +nd+mos de mont+nh+-russ+, vemos filmes de
terror e ouvimos históri+s de f+nt+sm+s re¸ul+rmente. L
import+nte p+r+ seu N+rr+dor s+ber o que +ssust+ + você,
o jo¸+dor, p+r+ que ele poss+ decidir o que incluir em su+s
históri+s de Aparição. Aind+ +ssim, explor+r o que f+:
você sentir medo pode ser desconfortível.
Você deve sempre lembr+r que um jo¸o de RlO é
um+ +tivid+de consensu+l: você consente em jo¸+r, e seu
N+rr+dor consente em cont+r + históri+. lorém, você pode
suspender este consentimento + qu+lquer momento; isso
é o que f+: brinc+r com o medo divertido no lu¸+r de
des+¸r+dível.
Su¸erimos que você desenvolv+ +l¸um+ form+ de se
comunic+r com seu N+rr+dor qu+ndo sente que +s
qu+lid+des +terrori:+ntes de seu jo¸o +proxim+m-se do
limite do que +ch+ confortível - +fin+l, isso é +pen+s um
jo¸o, e você n1o pode ser obri¸+do + p+ss+r por +l¸o
des+¸r+dível se n1o o desej+r.
lor exemplo, Brend+ morre de medo de +r+nh+s. Su+
person+¸em, J+mie, pode n1o ser +ssim. Mesmo +ssim
M+rk, s+bendo que Brend+ tem medo del+s, pode tent+r
colocí-l+s n+ históri+ em +l¸um ponto. Aí +contece um+
cen+ d+ cronic+ em que J+mie estí em um les+delo e
deve cru:+r um+ s+l+ chei+ de +r+nh+s enqu+nto milh+res
del+s se +rr+st+m por sobre el+. M+rk começ+ + descrever
+s +r+nh+s - seus sons quitinosos, su+s ¸+rr+s f+:endo
cliques, su+s pern+s del¸+d+s - e +pes+r de Brend+ est+r
enoj+d+, +ind+ se diverte. Qu+ndo M+rk descreve como
um+ ¸r+nde +r+nh+ vem do n+d+ p+r+ morder + su+ pern+
e começ+r + tecer um+ tei+ + volt+ de si, Brend+ n1o
+¸üent+ m+is. "l+us+'", el+ di:, e M+rk s+be que tem que
p+r+r de ser nojento. L cl+ro, J+mie +ind+ estí embrulh+d+
num c+sulo e deve ser s+lv+ de +l¸um+ form+. Como
Brend+ confi+ em M+rk e ele respeitou o pedido de p+us+
d+ p+rte de Brend+, todo mundo pode rel+x+r e se divertir.
lembre-se: explor+r o medo pode ser muito divertido,
m+s +pen+s se todos os envolvidos concord+rem com isso.
Se você sentir que n1o entende +propri+d+mente +
n+ture:+ do consentimento, ent1o n1o deve lev+r os medos
d+ vid+ re+l p+r+ dentro de um jo¸o de Aparição.
explor+r pelo menos +l¸um+s del+s, v+i est+r "vendendo seu
peixe b+r+to".
Tome cor+¸em. A m+ior p+rte d+s pesso+s prefere o
rom+nce qu+ndo ele é +present+do sutilmente, +o invés de
explicit+mente. N1o jo¸ue um+ históri+ romìntic+ p+r+ seus
person+¸ens - v+i p+recer forç+do, e se hí um+ cois+ que
um rom+nce nunc+ deve ser é forç+do.
Ao jo¸+r um rom+nce, é melhor entender o que motiv+
os person+¸ens e tent+r cri+r person+¸ens do N+rr+dor de
+cordo com estes desejos. Sej+ sensível +os desejos dos
jo¸+dores. Só porque um person+¸em +m+v+ +l¸uém dur+nte
+ vid+ n1o si¸nific+ que os sentimentos perm+neç+m +pós +
morte. Você deve explor+r como o person+¸em se sente sobre
seus +m+dos em vid+. Mostre + +p+riç1o como um +m+do é
+fet+do pel+ morte. Sej+ p+ciente - n1o import+ o qu+nto
você poss+ ¸ost+r de rom+nces, nunc+ serí c+p+: de torní-lo
interess+nte + seus jo¸+dores + n1o ser que sej+ p+ciente.
Se o jo¸+dor for receptivo, você pode f+:er m+r+vilhos+s
históri+s romìntic+s sobre um+ ¸r+nde s+ud+de que cru:+ o
+bismo d+ morte, um+ +m+nte viv+ querendo morrer por seu
+mor perdido ou como um +m+nte deix+do p+r+ trís
reverenci+ + memóri+ d+ comp+nheir+. Você t+mbém pode
lev+r est+s históri+s +lém dos +mores tr+dicion+is de f+nt+sm+s
d+ndo +os +m+ntes oportunid+de p+r+ se reunir nov+mente
+tr+vés de poderes como l+nt+sm+ e Lnc+rn+r.
Aind+ m+is belo é qu+ndo du+s pesso+s se +p+ixon+m +pós
+ morte. A n+ture:+ inerentemente trí¸ic+ de seu +mor f+:
crescer + históri+: irí o limbo corroer o +mor que eles tecer+m
n+s trev+s! lreqüentemente, rom+nce e tr+¸édi+ se combin+m
p+r+ produ:ir históri+s de dor e bele:+ incomp+ríveis.
Suhendo Quunto ]urur
Lm+ cois+ en¸r+ç+d+ +contece qu+ndo pesso+s se junt+m
p+r+ cont+r históri+s. Ll+s +ssumem riscos, deix+m-se lev+r,
e evoc+m +spectos de si mesm+s que reprimem n+ vid+
cotidi+n+. lsso, moder+d+mente, pode ser um+ ¸r+nde cois+.
Todo mundo precis+ de um+ vílvul+ de esc+pe. M+s +ssumir
riscos em um+ situ+ç1o soci+l f+: muit+ ¸ente sentir-se
expost+. Os jo¸+dores podem se sentir ofendidos e fic+r
perturb+dos com cois+s im+¸iníri+s. O RlO é um+ c+t+rse;
isso quer di:er que ele tr+: + ton+ e expuls+ sentimentos e
impulsos profundos. A c+t+rse é s+udível, m+s deix+ + pesso+
se sentindo m+is vulnerível do que de costume. lsto é
especi+lmente verd+deiro qu+ndo lid+mos com horror e
medo. L en¸r+ç+do +nd+r n+quel+ cord+ b+mb+. C+ir é outr+
cois+ complet+mente diferente.
Jo¸+r é um+ form+ m+r+vilhos+ de enfrent+r o medo e +
frustr+ç1o de peito +berto. Atr+vés de nossos person+¸ens,
podemos viver vic+ri+mente, ex+min+ndo cois+s que
tememos em toc+r e tom+ndo +çöes que n1o terí+mos
cor+¸em de tent+r n+ vid+ re+l. As ve:es, porém, + linh+
entre f+nt+si+ e medo se torn+ indistint+, e um bom N+rr+dor
s+be qu+ndo est+ linh+ começ+ + se desf+:er.
Crônlcu
cronic+ é um+ série de históri+s inter-
conect+d+s com person+¸ens comuns e
um+ idéi+ centr+l. Se um+ históri+ é um
c+pítulo num livro, ent1o + cronic+ é o
próprio livro.
C
upltulo
j
ress .
N
urruçño
78
A
purlçño.
O

L
lmho
Obvi+mente, +s históri+s individu+is s1o import+ntes num
jo¸o de n+rr+tiv+, m+s + cronic+ provê fund+mento e p+no
de fundo +os contos como um todo. Lm+ cronic+ fortemente
construíd+ pode +jud+r os jo¸+dores + +ceit+r o in+creditível,
provendo um cenírio vívido p+r+ su+s im+¸in+çöes. Lm+
bo+ cronic+ é memorível, +¸r+dível e si¸nific+tiv+. Situ+ndo
su+s históri+s dentro de um mundo, você e seus jo¸+dores
cri+m mitolo¸i+s.
Crlundo umu Crônlcu
Comece + im+¸in+r su+ cronic+ muito
+ntes dos jo¸+dores cri+rem seus perso-
n+¸ens. Qu+nto m+is definid+s su+s
idéi+s e conceitos ¸er+is no início,
melhor serí o result+do fin+l. Cri+r um+
cronic+ de Aparição pode lev+r tempo,
m+s o tr+b+lho que você tem no início
v+i se refletir m+is t+rde, n+s sessöes de jo¸o.
Lst+belecer +s b+ses é um bom começo. Defin+ o loc+l,
+nt+¸onist+s e tem+ ¸er+l em primeiro lu¸+r, depois continue
+ p+rtir d+í. Sej+ flexível; su+s idéi+s podem mud+r enqu+nto
você +v+nç+. Deixe isso +contecer.
Onde + cronic+ irí se p+ss+r! Você prefere um+ +ldei+,
um+ cid+de ou +l¸um+ íre+ rur+l! Os person+¸ens ir1o
perm+necer n+s Re¸iöes Sombri+s + m+ior p+rte do tempo
ou eles possuem Mistérios que lhes permitem vi+j+r no mundo
dos vivos! Su+ cronic+ se loc+li:+rí num+ Necrópole! Se for
o c+so, em qu+l! Como el+ é!
Lm+ ve: definido o loc+l, você terí que decidir o que
conect+ e une os person+¸ens. Neste ponto deve desenvolver
os +nt+¸onist+s princip+is dos jo¸+dores - +dversírios
memoríveis têm person+lid+des e motiv+çöes distint+s.
lin+lmente, decid+ + direç1o e os tem+ ¸er+is que você quer
que o conto +ssum+. N1o sej+ muito rí¸ido. Su+ cronic+ pode
ter revir+volt+s inesper+d+s.
Cenárlo
Apes+r do C+pítulo Dois deste livro prover um cenírio e
+ntecedentes bísicos, +s t+ref+s de m+pe+r e popul+r o Mundo
lnferior loc+l c+bem + você. Se seu jo¸o começ+r n+s Re¸iöes
Sombri+s, como costum+ +contecer, decid+ em que loc+l
situ+r +s cois+s e pense sobre o reflexo ne¸ro d+quel+
loc+li:+ç1o no Mundo lnferior. Qu+l + id+de do seu cenírio!
Lle estí morrendo no mundo dos vivos! Qu+is s1o os loc+is
m+is import+ntes! Onde seus person+¸ens começ+r1o!
Al¸uns loc+is podem torn+r-se pontos de referênci+ em
su+ históri+ - + c+pel+ próxim+ +o túmulo de +l¸uém, um+
bibliotec+, o beco escuro onde outro person+¸em morreu,
etc. Muit+s dess+s loc+li:+çöes ter1o li¸+çöes com os Orilhöes
do ¸rupo, m+s outros loc+is podem se torn+r import+ntes
+pós su+s mortes. loc+is f+mili+res +ncor+m o person+¸em +
certos pontos e m+ntêm os jo¸+dores envolvidos em um+
históri+ coes+. Você precis+ torn+r esses lu¸+res re+is p+r+ os
jo¸+dores; +té que eles poss+m entender e vislumbr+r seu
cenírio, os person+¸ens n1o poder1o existir tot+lmente.
]ersonugens
Os person+¸ens s1o os elementos m+is import+ntes de um+
cronic+ e precis+m ser o foco de qu+lquer históri+. Assim sendo,
o envolvimento do jo¸+dor n+ cri+ç1o d+ cronic+ é indispensível
p+r+ o sucesso. lsso pode p+recer óbvio, m+s é fícil c+ir n+
+rm+dilh+ de projet+r um+ cronic+ +p+rentemente m+r+vilhos+
que n1o envolv+ os person+¸ens como seus prot+¸onist+s.
A m+ior p+rte dos ¸rupos de person+¸ens ¸ir+ + volt+ de
seu Círculo. Os person+¸ens dos jo¸+dores tendem +
encontr+r se¸ur+nç+ n+ qu+ntid+de numéric+, e isso é
dupl+mente verd+deiro em Aparição. Seus jo¸+dores podem
est+r unidos por um+ .ausa-m·r:|s comum, um único Orilh1o
ou um propósito comum. Lst+ linh+ unific+dor+ lhe d+rí
um+ b+se de l+nç+mento + p+rtir do qu+l disp+r+r su+ cronic+.
Lst+belecer + n+ture:+ do Círculo +ntecip+d+mente v+i
economi:+r um monte de tr+b+lho no futuro.
Lnvolv+-se n+ cri+ç1o dos person+¸ens. Di:er +os
jo¸+dores o que f+:er n1o é um+ bo+ idéi+, m+s um+ m1o
condutor+ pode ¸+r+ntir que +s peç+s se enc+ixem
uniformemente. Dependendo de su+ cronic+, você pode +té
ter que dit+r +l¸uns +spectos d+ cri+ç1o de person+¸ens, m+s
sej+ cuid+doso +o explic+r, pelo menos v+¸+mente, porque
t+is diretiv+s s1o import+ntes + cronic+.
Antugonlstus
Os oponentes que os person+¸ens enfrent+m dur+nte o
curso de um+ cronic+ s1o muito import+ntes. Os +nt+¸onist+s
s1o um+ tel+ entre os person+¸ens e +quilo que eles pretendem
+lc+nç+r; em um nível m+is imedi+to, eles +crescent+m
excit+ç1o e conflito + cronic+. Lm ¸r+nde vil1o pode f+:er
tod+ + diferenç+ em um+ cronic+ que se inici+, enqu+nto um
vil1o fr+co pode estr+¸+r mesmo o conto m+is el+bor+do.
N+d+ se¸ur+ melhor um+ cronic+ do que um bom vil1o -
um indivíduo (ou ¸rupo unido) que os person+¸ens s+bem
ser m+lévolo ou m+u. Dur+nte o curso d+ cronic+, os
person+¸ens devem enfrent+r de ve: em qu+ndo os mesmos
vilöes. lsso dí continuid+de + cronic+, bem como um rosto
f+mili+r que os jo¸+dores podem bem vir + +m+r ou odi+r. Se o
mesmo vil1o ou ¸rupo de vilöes puder se opor +os person+¸ens
+ c+d+ turno, você +ument+rí o envolvimento dos jo¸+dores.
Contudo, os +nt+¸onist+s m+is import+ntes que os
person+¸ens podem enfrent+r s1o su+s própri+s Sombr+s. O
tumulto interno do indivíduo é um tem+ centr+l em
Aparição. C+d+ Sombr+ deve ter um+ n+ture:+ distint+ -
el+s n1o s1o mer+mente "+njos m+us" sobre os ombros de
su+s psiquês, m+s + som+ de tudo o que é m+is +terrori:+nte
n+ +lm+ do person+¸em. As Sombr+s devem ter profundid+de,
complexid+de e motiv+ç1o. A vil+ni+ n1o é um+ c+ric+tur+;
os vilöes m+is memoríveis s1o +queles m+is hum+nos.
jltulo
Qu+se todo livro, peç+ de te+tro, filme, poem+, pintur+ e
escultur+ tem um título. Su+ cronic+ t+mbém pode ter um.
Dê + el+ um título e +note-o n+ fich+ do person+¸em de seus
79
jo¸+dores. O título d+ cronic+ pode ser el+bor+do ou simples,
e pode d+r indic+çöes de cois+s por vir. Al¸o como "Risos n+
Lscurid1o" pode su¸erir + seus jo¸+dores cois+s m+is sinistr+s
do que você próprio tem em mente.
Eluhorundo u Crônlcu
í dois tipos bísicos de enredos -
b+se+dos em históri+s e b+se+dos em
person+¸ens.
Com um enredo b+se+do em histó-ri+s,
o N+rr+dor cri+ + históri+ dos +nt+¸o-
nist+s. Lle determin+ quem eles s1o,
qu+i s seus obj eti vos, e como eles
pl+nej+m +tin¸ir estes objetivos. lndependente dos
person+¸ens, os +nt+¸onist+s d+ peç+ perse¸uem seus próprios
fins, o que os lev+ +o conflito com o ¸rupo.
Os enredos b+se+dos em históri+s ¸ir+m em torno d+s re+çöes
dos person+¸ens + seus +nt+¸onist+s. lmpedir seus inimi¸os pode
ser do m+ior interesse de seu Círculo. A cronic+ termin+ com
o sucesso ou fr+c+sso dos pl+nos dos +nt+¸onist+s.
Os enredos b+se+dos em históri+s podem ser fíceis de
condu:ir porque o n+rr+dor n1o depende d+s decisöes dos
jo¸+dores p+r+ +v+nç+r em su+ cronic+. Se o ¸rupo n1o +¸ir,
seus inimi¸os fic+r1o m+is fortes.
O m+ior peri¸o em desenvolver este tipo de enredo é
equilibr+r os vilöes e os person+¸ens dos jo¸+dores. Se os
+nt+¸onist+s forem poderosos dem+is, o jo¸o pode se torn+r
frustr+nte. Lm enredos b+se+dos em históri+s, o N+rr+dor
deve d+r ch+nces de sucesso +os jo¸+dores. Deixe-os +ssumir
+l¸uns riscos, como enfrent+r Cri+nç+s + serviço do inimi¸o ou
esm+¸+r +l¸uns c+ç+-f+nt+sm+s. De outr+ form+, os jo¸+dores
podem decidir que n1o têm ch+nce e se recus+rem + confront+r
seus perse¸uidores. Como re¸r+ ¸er+l, um pl+no inimi¸o deve
ter três ou m+is cois+s que podem s+ir err+d+s. Além disso, é
m+is fícil fort+lecer inimi¸os do que enfr+quecê-los.
Apes+r d+s v+nt+¸ens dos enredos b+se+dos em históri+s,
muit+s cronic+s inici+ntes de Aparição s1o b+se+d+s em
person+¸ens. Nesse tipo de enredo o foco mud+ p+r+ os
person+¸ens do jo¸+dor. O N+rr+dor tent+ m+nipul+r os
person+¸ens + se¸uir um conjunto de objetivos. Lle pode
esquem+ti:+r +l¸um+s motiv+çöes p+r+ os person+¸ens. Se,
como N+rr+dor, você n1o souber o que um person+¸em em
p+rticul+r quer d+ vid+, per¸unte +o jo¸+dor. Bons jo¸+dores
reconhecem o potenci+l p+r+ um enredo e tendem + se¸ui-
lo se lhe forem d+d+s r+:öes p+r+ isso. Lste tipo de enredo dí
¸r+nde liberd+de +os jo¸+dores p+r+ dit+r o ritmo d+ cronic+.
Lle funcion+ bem p+r+ missöes, onde os person+¸ens têm de
encontr+r um+ pesso+ ou objeto, ou cumprir um+ t+ref+. Os
+li+dos poderosos, cri+dos e ¸ui+dos pelo N+rr+dor, +jud+m-
no + influenci+r este tipo de cronic+, especi+lmente se ele
control+r um person+¸em que sej+ membro de um Círculo.
l+r+ desenvolver um enredo b+se+do em person+¸ens,
um N+rr+dor primeiro determin+ o objetivo e depois +s r+:öes
C
upltulo
j
ress .
N
urruçño
8u
A
purlçño.
O

L
lmho
p+r+ os person+¸ens o se¸uirem. Hí du+s form+s de motiv+r
person+¸ens - estímulo positivo (o método d+ cenour+ + frente
do burro) e o estímulo ne¸+tivo (o método do chicote). l+r+
m+nter os jo¸+dores n+ direç1o de um objetivo, v+rie o
método, dependendo de qu+l deles ¸er+r melhor result+do.
O método d+ cenour+ envolve oferecer um+ recompens+ +os
person+¸ens se eles cumprirem o objetivo. Os jo¸+dores vêem +l¸o
que eles queir+m e decidem ir +trís disso. Deixe os jo¸+dores
tom+rem +s decisöes que você quer que eles tomem, m+s n1o os
force + isso. l+ç+ +not+çöes sobre +l¸um+s possíveis "cenour+s".
O método do chicote f+: os person+¸ens sofrerem se n1o
perse¸ui rem o obj eti vo. A puni ç1o pode n1o est+r
diret+mente envolvid+ com os próprios person+¸ens.
lreqüentemente, este método funcion+ melhor se Cont+tos,
Servos ou +mi¸os mort+is sofrerem, +o invés dos person+¸ens.
Lm+ ve: determin+do o objetivo, você v+i precis+r cri+r
obstículos que obstru+m o c+minho dos person+¸ens. lsso
inclui inimi¸os, m+s t+mbém podem si¸nific+r terrenos, f+lt+
de conhecimento ou f+lt+ de poder. Históri+s individu+is em
enredos b+se+dos em person+¸ens podem centr+li:+r-se em
sobrepuj+r estes obstículos.
Conceltos du Crônlcu
Os conceitos d+ cronic+ definem quem os person+¸ens
s1o e que situ+ç1o eles ir1o encontr+r. A melhor form+ de
m+nter seu jo¸o interess+nte é f+:ê-lo começ+r jí interess+nte,
de form+ que +jud+ escolher um conceito com um monte de
¸+nchos que intri¸uem t+nto você qu+nto seus jo¸+dores.
Al¸um+s possibilid+des s1o descrit+s +b+ixo.
º Os Verdadeiros Crentes
O Círculo tr+b+lh+ p+r+ um+ d+s três m+iores f+cçöes do
Mundo lnferior - + Hier+rqui+, os Heréticos ou os
Rene¸+dos - e +credit+ pi+mente em su+ c+us+ (ou fin¸e
+credit+r). Os person+¸ens est1o no nível m+is b+ixo d+
pirìmide e s1o envi+dos p+r+ os tr+b+lhos m+is sujos e +s
missöes m+is impossíveis. Dependendo d+ +titude de seus
superiores, isso pode si¸nific+r um+ c+mp+nh+ ¸lorios+ p+r+
f+:er +s cois+s +nd+rem direito e melhor+r o mundo, ou +l¸o
próximo do tormento dentro de um l+birinto burocrítico.
Apes+r dos person+¸ens terem +cesso + recursos m+iores do
que os mercenírios ou os neutros, eles t+mbém precis+m ter
em vist+ os objetivos d+ f+cç1o... o que pode torn+r difícil
cultiv+r seus próprios Orilhöes e l+ixöes.
lor c+us+ d+ +titude de "ví +li, f+ç+ isso" d+ situ+ç1o,
est+ pode ser um+ bo+ cronic+ inici+l: instruçöes diret+s e
objetivos cl+ros +jud+m +o se +prender um novo jo¸o. Lm+
ve: que person+¸ens e jo¸+dores ¸+nhem confi+nç+, o
conceito pode se torn+r m+is limit+do. Lles podem f+cilmente
+t+c+r um dos seus - tr+b+lh+ndo contr+ ou + f+vor de su+
or¸+ni:+ç1o - e +¸it+r o jo¸o um pouquinho.
Tenh+ em mente que hí m+is forç+s no Mundo d+s Trev+s
do que +pen+s + Hier+rqui+, Rene¸+dos e Here¸es. Os
v+mpiros, lobisomens e m+¸os costum+m cont+t+r os Alm+s
lnquiet+s e oferecer relíqui+s ou proteç1o em retribuiç1o por
serviços prest+dos. Além disso, outr+s cri+tur+s d+ Lmbr+
81
têm poderes desconhecidos e motivos incom-preensíveis que
podem ¸er+r missöes muito... |nus|:aJas.
lor que lut+r! Você jí estí morto. Os person+¸ens podem
evit+r o conflito o míximo possível, sej+ por c+us+ de
ide+lismo, p+cifismo, cov+rdi+ ou outros interesses. lsso n1o
é fícil. Além do f+to de que nin¸uém + su+ volt+ p+rece
disposto + p+r+r su+s intri¸+s, os person+¸ens podem se
encontr+r sob fo¸o cru:+do em b+t+lh+s c+mp+is p+r+ test+r
su+ neutr+lid+de ou mesmo p+r+ test+r + forç+ de O+n¸ues e
Consortes sem medo de ret+li+ç1o por p+rte de +li+dos m+is
poderosos. Seus +mi¸os, sej+m muitos ou poucos, podem +ch+r
difícil +judí-los sem comprometer su+s própri+s posiçöes. A
lon¸o pr+:o, eles podem +té se torn+r respeit+dos por seu ponto
de vist+ e serem procur+dos p+r+ +rbitr+r disput+s, m+s esse
tipo de st+tus +p+rece lent+mente, qu+ndo +p+rece.
L cl+ro, o Círculo pode evit+r le+ld+des diret+s +pen+s
p+r+ "jo¸+r +s pont+s contr+ o meio". Al¸uns espiöes e
mercenírios f+:em isso. Cuid+do - +¸entes duplos e
mercenírios s1o o que os cheföes ch+m+m de "dispensíveis".
º Os Cuardiães
O l+r é onde estí o cor+ç1o, e +s +p+riçöes dess+ cronic+
vivem p+r+ prote¸er +queles que +m+m, n1o import+ndo o
custo. Lles tem p+rentes e +mi¸os vivos - fortes Orilhöes - e
+¸or+ que eles sa|.m, em primeir+ m1o, o que os +¸u+rd+ no
pós-vid+, os person+¸ens procur+m evit+r que +s forç+s
sobren+tur+is e mund+n+s perturbem o que eles m+is pre:+m.
Lsse tipo de cronic+ permite um monte de tr+b+lho
detetivesco, ¸r+ndes oportunid+des de interpret+ç1o e
históri+s entrecru:+d+s. Cuid+do p+r+ n1o limit+r o jo¸o + "o
que estí incomod+ndo seus +mi¸os vivos est+ sem+n+!" Lm
fenomeno misterioso n+ vi:inh+nç+ pode f+cilmente
+liment+r um+ sess1o +pós + outr+. L n1o se esqueç+: o Mundo
lnferior n1o costum+r deix+r os person+¸ens + su+ própri+
sorte por muito tempo.
º Transcendência
O Mundo lnferior é um+ est+ç1o de b+lde+ç1o entre est+
vid+ e + próxim+, e os person+¸ens podem simplesmente
querer +v+nç+r. Lles podem s+ber (ou +ch+r que s+bem)
ex+t+mente o que precis+ ser feito, ou podem p+ss+r o resto
de seu tempo procur+ndo t+l inform+ç1o.
A b+t+lh+ dos person+¸ens p+r+ conquist+r su+s Sombr+s
prov+velmente irí se torn+r um tem+ princip+l d+ cronic+, port+nto
prep+re-se p+r+ explor+r extensiv+mente o l+do ne¸ro do jo¸o.
L cl+ro, se os person+¸ens +ind+ s1o pere¸rinos, eles
podem cobrir tod+ + l+r¸ur+ e extens1o do Mundo lnferior
se¸uindo pist+s e trilh+s rel+cion+d+s + Tr+nscendênci+.
Di:em que os B+rqueiros têm um+ pist+ ou du+s e que +l¸uns
dos entes d+s lr+i+s Dist+ntes s+bem muit+ cois+. Além disso,
o Círculo t+mbém pode descobrir cois+s estr+nh+s.
º Espionagem
Num+ socied+de chei+ de intri¸+s como + d+s Alm+s
lnquiet+s, bons +¸entes s1o sempre necessírios. No início de
su+ pós-vid+, os person+¸ens desse tipo de cronic+ s1o
recrut+dos pel+ divis1o de inteli¸ênci+ d+ Hier+rqui+, dos
Here¸es ou dos Rene¸+dos. A¸or+, com um pouco de
experiênci+ deb+ixo do br+ço, eles começ+m + receber missöes
m+is interess+ntes. O Círculo inteiro pode ser envi+do em
divers+s missöes: se infiltr+r em um+ ou outr+ f+cç1o, "+ss+ssin+r"
ou c+ptur+r fi¸ur+s import+ntes, execut+r missöes terrorist+s,
ou +¸ir como "cid+d1os norm+is" e m+nter seus olhos +bertos.
Lm um cenírio m+is difícil eles podem ser +¸entes duplos. lsso
pode ser honr+do ou inteir+mente desonesto, e eles podem
nem s+ber direito p+r+ que l+do tr+b+lh+m...
D+ mesm+ form+, se o N+rr+dor quiser f+:er .r·ss·t.rs, os
person+¸ens podem f+cilmente se envolver com outr+s
cri+tur+s sobren+tur+is. M+nter vi¸ilìnci+ sobre o lríncipe
v+mpiro de um+ cid+de definitiv+mente é um tr+b+lho de
tempo inte¸r+l... bem como espion+r lobisomens And+rilhos
do Asf+lto p+r+ + Hier+rqui+.
º Bebês nas IIorestas
Os person+¸ens est1o entre os f+lecidos hí muito pouco
tempo e têm pouc+ ou nenhum+ memóri+ de su+s vid+s
p+ss+d+s. Como recém-che¸+dos, eles t+mpouco s+bem
+l¸um+ cois+ sobre o Mundo lnferior. lsso é um problem+.
As +p+riçöes jovens costum+m fic+r sob o cuid+do e +
tutel+¸em de um +p+riç1o m+is experiente ou sob +
doutrin+ç1o de um r+mo f+nítico d+ Hier+rqui+, dos Here¸es
ou Rene¸+dos. A person+lid+de - bo+ ou mí - de seu Mentor,
ou Mentores, serí muito import+nte p+r+ + cronic+. lor outro
l+do, eles podem tent+r se vir+r so:inhos, descobrindo +s
cois+s conforme +v+nç+m.
Lst+ +proxim+ç1o é um+ d+s m+is simples p+r+ novos
jo¸+dores; nin¸uém tem que s+ber n+d+ sobre o jo¸o +lém do
necessírio p+r+ + cri+ç1o de um person+¸em. Se os
person+¸ens forem +mnésicos completos, tudo pode ser
descoberto conforme o jo¸o pro¸ride, e os jo¸+dores ir1o
+prender +s cois+s junt+mente com seus person+¸ens.
º Histórico
Nem todo person+¸em de Aparição morreu ontem, é
cl+ro. O Círculo pode bem ser composto de ¸ente de qu+lquer
tempo ou lu¸+r, unidos por l+ixöes e Orilhöes semelh+ntes
(liberd+de, justiç+, terr+ n+t+l).
Outr+ opç1o é mover o próprio +mbiente no tempo. N+
Revoluç1o lr+nces+, por exemplo, os espí ri tos dos
¸uilhotin+dos podem se unir p+r+ vin¸+r-se ou corri¸ir +
corrupç1o de su+ f+míli+. l+nt+sm+s d+ cl+sse médi+ que
continuem lut+ndo podem +tr+p+lhí-los, seus +ncestr+is
podem lhe d+r ordens, e os plebeus podem implor+r + eles
por proteç1o ou retri bui ç1o. Tudo i sso +crescent+
complic+çöes +o Mundo lnferior.
Hlstórlu
m·r:. aJ·ra uma mar.a |r|||an:., um ¸·|j.
s|na||zaJ·r.
- Ldw+rd Youn¸, N|¸|: T|·u¸|:s
C+d+ sess1o de Aparição é um+ históri+
sep+r+d+. Você, como N+rr+dor, deve ter
um+ idéi+ firme sobre onde e como c+d+
82
A
purlçño.
O

L
lmho
históri+ começ+ e qu+l textur+ você quer que el+ tenh+. Lm+
ve: que o jo¸o comece, você e seus jo¸+dores esper+m pe¸+r +
idéi+ e continu+r + p+rtir d+í.
N1o determine inflexivelmente o que irí ou n1o
+contecer em su+ históri+. louc+s cois+s s1o m+is irrit+ntes
p+r+ um jo¸+dor do que um n+rr+dor que condu:+ um jo¸o
+tr+vés de um c+minho predetermin+do, n1o se import+ndo
com o que os jo¸+dores queir+m ou f+ç+m. lrocure n1o forç+r
seus jo¸+dores + nenhum+ situ+ç1o que eles tentem evit+r, +
n1o ser que você tenh+ +l¸um+ r+:1o p+r+ frustrí-los ou +l¸um
pl+no p+r+ recompensí-los. O ide+l é que +s históri+s
comecem com um+ idéi+ e cresç+m +tr+vés dos esforços de
todos os envolvidos.
Os conceitos de históri+s + se¸uir podem lhe d+r +l¸um+s
idéi+s p+r+ seu jo¸o, m+s +pen+s você pode s+ber que
conceitos funcion+m melhor p+r+ você e seu ¸rupo. Sint+-se
+ vont+de p+r+ experiment+r; jo¸os de n+rr+tiv+, +o contrírio
dos de t+buleiro, s1o livres, e n1o rí¸idos.
Conceltos de Hlstórlus
naj|Ja .·m· a |uz . :a· .s:|mu|an:. ¡uan:· .|a, j·| a |J.|a
¡u. sur¸|u .m m|m. "Lu .n.·n:r.|. Ò ¡u. m. a:.rr·r|z·u |ra
a:.rr·r|zar ·u:r·s, jr..|s· aj.nas J.s.r.t.r · .sj..:r· ¡u. :.m
ass·m|raJ· m|n|as n·|:.s.¨ N· J|a s.¸u|n:. anun.|.| ¡u. |at|a
j.nsaJ· .m uma ||s:´r|a.
- M+ry Shelley, lntroduç1o + íran|.ns:.|n
list+dos +b+ixo est1o diversos conceitos que você pode us+r
como fontes p+r+ cri+r su+s própri+s históri+s. lei+-os, escolh+
+s idéi+s que ¸ost+r m+is e teç+ um+ históri+ + p+rtir disso.
º Atravessando a Cidade
lor um propósito ou outro - + r+:1o n1o é neces-
s+ri+mente import+nte - o Círculo estí em um loc+l e seu
objetivo estí em outro complet+mente diferente. L +í que +
divers1o começ+. Como se todo o Mundo lnferior estivesse
+trís deles, um des+stre +trís do outro cru:+ seu c+minho.
Com um pouco de sorte, os person+¸ens podem conse¸uir
che¸+r +o seu objetivo... e esper+r que o que quer que eles
precisem +ind+ estej+ por lí.
º Defendendo o Lar
As ve:es + históri+ vêm +os person+¸ens. T+lve: o seu
lu¸+r Assombr+do estej+ em peri¸o, ou seus +m+dos estej+m
sob +t+que. O Círculo é forç+do + defensiv+, tent+ndo
perm+necer um p+sso + frente de seus inimi¸os - e os
inimi¸os visíveis podem n1o ser + +me+ç+ re+l. Lnqu+nto os
person+¸ens tent+m impedir que + Hier+rqui+ tome +
vi:inh+nç+, os Here¸es podem est+r convencendo seus +li+dos
de que + ¸uerr+ s+nt+ é + ch+ve p+r+ + s+lv+ç1o. Lnqu+nto
isso, Lspectros loucos +me+ç+m destruir os vivos. Serí que
os person+¸ens conse¸uir1o descobrir quem estí por trís dest+
loucur+ tod+! Apen+s o tempo dirí.
º O TurbiIhão
No meio de um+ t+rde norm+l, sinos toc+m n+s torres d+
Necrópole n+ qu+l os person+¸ens vivem. O +l+rme é um
+viso que +contece t+lve: um+ ve: por déc+d+ - um Turbilh1o
se +proxim+. Velh+s +lm+s correm p+r+ seus lu¸+res
Assombr+dos, s+bendo que + tempest+de vi+j+ m+is rípido do
que um +p+riç1o pode correr. O pìnico é incrível, e nin¸uém
p+rece s+ber qu+ndo ou onde + cois+ v+i +contecer. Se os
person+¸ens tiverem um lu¸+r Assombr+do sólido, serí que
ir1o +lc+nçí-lo + tempo! Se eles n1o tiverem +bri¸o, p+r+ onde
ir1o! L onde quer que eles v1o, serí que o +bri¸o resistirí!
Após o Turbilh1o, +ssumindo que os person+¸ens
sobreviv+m int+ctos, como ir1o fic+r +s Re¸iöes Sombri+s!
Os sobreviventes podem p+ss+r vírios meses limp+ndo +
confus1o e procur+ndo os perdidos. Além d+s mud+nç+s em
seu próprio mundo, +l¸um evento horrível cert+mente foi +
c+us+ d+ dev+st+ç1o - os Turbilhöes costum+m começ+r com
¸enocídios - e Orilhöes podem ser complet+mente destruídos
em tumultos, incêndios, ¸uerr+s ou outros des+stres.
º O PesadeIo
lor m+is que os person+¸ens tentem evit+r, +l¸um di+ um dos
seus serí tom+do pel+ Tempest+de. Lste pes+delo é rípido,
+terrori:+nte e desnorte+nte - um+ excelente fonte p+r+ históri+s.
Mesmo se +pen+s um membro do Círculo estiver + mercê
do les+delo, o resto do pesso+l n1o precis+ sent+r e +ssistir.
Os jo¸+dores podem interpret+r +s Sombr+s dos person+¸ens
+fet+dos, e + experiênci+ pode oferecer vírios person+¸ens
extr+s p+r+ que os outros interpretem.
º Charada
Lm+ Ch+r+d+ pode começ+r como +l¸o pequeno, m+s
+ssume r+pid+mente um+ importìnci+ e relevìnci+ p+r+ o
Círculo. Se¸redos obscuros entre os +p+riçöes do Círculo ou
seus +ssoci+dos s1o form+s excelentes de começ+r um+ ch+r+d+,
m+s o +ss+ssin+to é o modo clíssico. T+lve: um ser vivo sej+
encontr+do dec+pit+do no lu¸+r Assombr+do do person+¸em.
Serí que + políci+ v+i +p+recer! Serí que o espírito se tornou
um +p+riç1o, e se for o c+so, como ele est+rí lid+ndo com isso!
L muito fícil +m+rr+r os person+¸ens +o enredo + p+rtir d+í,
p+rticul+rmente se seus Orilhöes hum+nos estiverem sob press1o
como testemunh+s ou suspeitos.
º Iazer Bú!
Yuppies mud+m-se p+r+ seu lu¸+r Assombr+do. l+rece
f+mili+r! A +me+ç+ pode vir d+ mobíli+ modern+, de c+r+s le¸+is
tent+ndo melhor+r + vi:inh+nç+ ou de tr+tores removendo o
lixo dos terrenos b+ldios, m+s hí sempre +l¸um+ cois+ "fun¸+ndo
no c+n¸ote" dos person+¸ens. A¸or+ eles têm que tir+r os vivos
de lí, de qu+lquer m+neir+. Serí que eles conse¸uem ser
+ssust+dores o b+st+nte p+r+ se livr+rem dest+s pestes!
º TrabaIho Mercenário
Os person+¸ens s1o procur+dos por fi¸uröes que querem
p+¸+r bem por serviços prest+dos. Lles podem ter que c+ç+r
um Lspectro, descobrir os Orilhöes de um +p+riç1o ou lev+r
mens+¸ens de um+ Necrópole + outr+.
lsso pode ser t1o direto qu+nto p+rece. lorém, se o N+rr+dor
desej+r torn+r +s cois+s m+is interess+ntes, os person+¸ens podem
se ver embrulh+dos n+ polític+ loc+l. Lles est1o sendo
incrimin+dos! l+r+ quem est1o tr+b+lh+ndo n+ verd+de! Serí
que + miss1o er+ simples como p+reci+! Os person+¸ens
+ssin+r+m +l¸um+ cois+ que ¸+r+nt+ o cumprimento d+ miss1o!
83
º Caçadores da Vida Perdida
Hí +l¸um +rtef+to lí for+, f+moso e poderoso, e + corrid+
estí l+nç+d+ p+r+ che¸+r + ele +ntes que outros o f+ç+m. De
f+to, todo mundo o quer, e os person+¸ens tropeç+r+m em
pist+s import+ntes de su+ loc+li:+ç1o. A¸or+, n1o +pen+s eles
devem correr p+r+ encontrí-lo, t+mbém têm que se livr+r
dos outros competidores.
Mesmo se um Círculo conse¸uir che¸+r + est+ cois+
incrível, eles +ind+ têm que descobrir o que f+:er com el+.
Lsc+p+r de seus perse¸uidores com o misterioso objeto int+cto
n1o serí fícil. L se ele for muito ¸r+nde! Se for frí¸il! lode
+té ser um +p+riç1o irrit+nte +prision+do muito tempo +trís
e tr+nsform+do em mero objeto...
Armundo o ]ulco
N+rr+r um jo¸o se p+rece muito com mont+r um+ peç+
de te+tro; +rm+r um p+lco permite que su+ +udiênci+ se
dist+ncie do mundo re+l p+r+ outro, deix+ndo os problem+s
do di+-+-di+ p+r+ trís. Lste processo, t+mbém us+do em ritu+is
mí¸icos e reli¸iosos, +jud+ + prep+r+r você e seus jo¸+dores
p+r+ +l¸o diferente, "outro" +l¸o. Mud+r seu modo de pens+r
d+ "vid+ diíri+" p+r+ + "vid+ do jo¸o" deix+ vocês livres p+r+
cri+rem juntos. Remover distr+çöes, mesmo que por um
momento, pode f+:er muit+ diferenç+ em seu jo¸o.
Os jo¸os de n+rr+tiv+ costum+m ser jo¸+dos entre qu+tro
p+redes, em um+ mes+ n+ co:inh+, num ¸+binete ou num+
s+l+ de est+r. Deve h+ver c+deir+s p+r+ todos os jo¸+dores, e
refrescos, se + sess1o for dur+r muito tempo. N1o esqueç+ de
providenci+r os +dereços necessírios, +s modific+çöes n+ s+l+
p+r+ cri+r o +mbiente certo p+r+ + sess1o de jo¸o, e +s medid+s
necessíri+s c+so estej+ previst+ Aç1o Ao Vivo.
L difícil entr+r no ritmo de um+ históri+ de f+nt+sm+s
dur+nte o di+. As p+rtid+s de Ap+riç1o devem ser re+li:+d+s
+ noite, se possível em um+ s+l+ ilumin+d+ por vel+s ou lu:
b+ix+. Músic+ pode +crescent+r muito + +tmosfer+, desde
que sej+ +propri+d+ e n1o distr+i+. Lm momento de silêncio,
o +cender de um+ vel+, ou mesmo um+ fr+se concis+ (como
"tudo começou...") podem d+r + tonic+ do jo¸o. Lsse tipo
"Lr+ um+ ve:..." de introduç1o pode +brir um+ ¸r+nde estr+d+
p+r+ est+belecer o clim+ certo.
Antes de começ+r um+ nov+ sess1o, certifique-se de que
n1o h+j+ pont+s solt+s d+ últim+ sess1o, como experiênci+s de
person+¸ens ou interpret+çöes de re¸r+s. Lm+ ve: que você
estej+ pronto p+r+ começ+r, pode di:er +os jo¸+dores o título
d+ nov+ históri+, se você tiver lhe d+do +l¸um. lembre-se que
+ linh+ m+is import+nte é + primeir+; el+ prende os jo¸+dores
no começo de c+d+ sess1o de jo¸o e os lev+m junto com você.
Conlllto
·Ja ||:.ra:ura s. jr.·.uja .·m Juas .·|sas.
s.x· . t|·|.n.|a.
- Dr. lenneth C+mpbell, de um+ +ul+
de dr+m+tur¸i+ ocident+l
O conflito é dinìmico; +tr+vés de
b+t+lh+s intern+s e extern+s, su+s históri+s
e person+¸ens pro¸ridem. lrovendo os person+¸ens com
C
upltulo
j
ress .
N
urruçño
84
A
purlçño.
O

L
lmho
obstículos + serem ultr+-p+ss+dos, sej+m eles outro person+¸em,
um+ situ+ç1o ou instituiç1o, você lhes dí motiv+ç1o e propósito.
Os conflitos internos e externos s1o import+ntes em
Aparição; b+t+lh+s intern+s com + Sombr+ contr+st+m com
+s +me+ç+s extern+s d+ Hier+rqui+, escr+vi:+dores de +lm+s,
Here¸es, Rene¸+dos e outr+s f+cçöes simil+res. N1o import+
qu+l l+do d+ cerc+ os jo¸+dores escolh+m, seus person+¸ens
v1o sentir inimi¸os respir+ndo em seu c+n¸ote (por +ssim
di:er). D+ mesm+ form+ que históri+s que mud+m de um+
cen+ de comb+te p+r+ outr+ r+pid+mente torn+m-se
m+ç+ntes, históri+s sem direç1o, conflito ou lut+ ¸ir+m sem
sentido +ntes de c+ir n+ rotin+.
O conflito provê ener¸i+ e direç1o p+r+ um+ históri+ -
el+ dí +os person+¸ens +l¸uém com quem lut+r. As b+t+lh+s
podem ser emocion+is, filosófic+s ou brut+lmente físic+s, m+s
conflitos de um tipo ou de outro s1o vit+is + continuid+de
de um+ cronic+. O conflito impulsion+ + históri+, envolvendo
e motiv+ndo os person+¸ens + um nível emocion+l. Se você
lhes der +l¸uém p+r+ odi+r, eles v1o se interess+r muito m+is
pelo que estí se p+ss+ndo. Apes+r dos person+¸ens poderem
n1o começ+r como p+rticip+ntes princip+is no conflito, eles
lo¸o ser1o envolvidos +o serem en¸olf+dos n+ lut+. l+ç+ ser
simplesmente impossível p+r+ eles torn+rem-se neutros.
º CírcuIo x Hierarquia
A coloss+l burocr+ci+ do Mundo lnferior é muito p+recid+
com certos ¸overnos inescrupulosos do Mundo d+ C+rne.
Ch+m+r + Hier+rqui+ de corrupt+ é eufemismo. Os
person+¸ens costum+m se ver pression+dos entre su+s ordens
e seus l+c+ios, mesmo qu+ndo tr+b+lh+m p+r+ eles. A
sobrevivênci+ dentro dess+ polític+ intern+ l+biríntic+ é qu+se
t1o peri¸os+ qu+nto resistir + seus executores. Apes+r d+
Hier+rqui+ oferecer cert+ proteç1o d+s +tribul+çöes do
Mundo lnferior, este poder costum+ ser us+do p+r+ + tir+ni+,
e o Círculo f+ri+ bem em evit+r su+ +tenç1o diret+.
º CircuIo x Hereges
Os cultos reli¸iosos dos mortos podem ser t1o f+níticos e
opressivos qu+nto +queles se¸uidos pelos viventes. Apes+r
de muitos destes ¸rupos serem bem-intencion+dos e
b+sic+mente benevolentes, o resto é t1o m+li¸no qu+nto
qu+lquer c+p+n¸+ d+ Hier+rqui+. Rumores de l+v+¸em
cerebr+l, deport+ç1o e mutil+çöes tot+is de Orilhöes correm
soltos. Se os person+¸ens forem m+rc+dos como v+liosos
convertidos em potenci+l, o furor ev+n¸élico sobre su+s
crenç+s pode +té se torn+r violento. Se m+is de um+ seit+
estiver +trís d+s +p+riçöes, um+ pequen+ ¸uerr+ s+nt+ pode
vir + sur¸ir em cen+.
º CírcuIo x Renegados
N1o se pode f+:er omelete sem quebr+r ovos, e n1o se
pode ter um+ revoluç1o sem derr+m+mento de s+n¸ue ou,
no c+so, de pl+sm+. Se os person+¸ens tent+rem se opor +os

pl+nos dos Rene¸+dos, os rebeldes podem tom+r providênci+s
p+r+ se livr+r deles. Mesmo como observ+dores inocentes, o
Círculo pode est+r em peri¸o enqu+nto + ¸uerr+ silencios+
continu+ + su+ volt+. Os person+¸ens tot+lmente neutros
+ind+ podem fic+r sob mir+ se +dquirirem um+ reput+ç1o
(merecid+ ou n1o) de +jud+r outr+s f+cçöes. lerson+¸ens
Rene¸+dos de jo¸+dores podem +ch+r difícil obedecer ordens
d+d+s + eles se seus objetivos pesso+is f+lh+rem em se concili+r
+queles de seus +li+dos. De qu+lquer form+, deve-se tom+r
cuid+do +o lid+r com ess+s ¸uerrilh+s imprevisíveis.
º CírcuIo x CírcuIo
Os conflitos entre ¸rupos podem tom+r lu¸+r + nível muito
menor, pesso+l, é cl+ro. Os conflitos de Círculo contr+ Círculo
s1o muito comuns n+ lut+ pelos recursos esc+ssos d+s Re¸iöes
Sombri+s. O +ssunto pode ser um+ simples preferênci+ de
p+ss+¸em +o +tr+vess+r um território de outr+ ¸+n¸ue, ou
complexo como membros de ¸rupos opostos comp+rtilh+ndo
o mesmo Orilh1o. Se o outro Círculo tiver +mi¸os em +ltos
esc+löes, pode fic+r difícil resolver +s diferenç+s entre eles.
Ambos os l+dos podem procur+r +rbitr+¸em imp+rci+l (se é
que t+l cois+ existe), m+s n1o hí ¸+r+nti+ que qu+lquer l+do
ví se submeter + decis1o tom+d+.
º Aparição x Aparição
lm+¸ine ser +ss+ssin+do e descobrir que seu +ss+ssino foi
fin+lmente execut+do e você pode ter su+ vin¸+nç+ - se o
encontr+r. As r+:öes por que um+ +p+riç1o queir+ +torment+r
outr+ s1o t1o numeros+s e complex+s como n+ vid+ re+l,
m+s com elementos de morte e eternid+de envolvidos, mesmo
erros mínimos podem +ssumir importìnci+ obscen+.
L cl+ro, +p+riç1o x +p+riç1o pode ser um des+fio positivo:
dois S+ndmen riv+is podem lut+r p+r+ cri+r os melhores
sonhos p+r+ os Vivos, ou f+mosos esp+d+chins históricos
podem duel+r n+s ru+s d+ Necrópole, ou +p+riçöes
+dolescentes podem competir pelo melhor truque de Di+
d+s Brux+s. Tudo depende d+ intenç1o dos p+rticip+ntes.
º Aparição x Vampiro
Como forç+s motri:es por trís de muit+s cois+s err+d+s
do Mundo d+s Trev+s, os v+mpiros podem ser + c+us+ indiret+
de muit+s mortes de +p+riçöes, p+rticul+rmente d+queles que
mor+v+m em cid+des qu+ndo +ind+ vivi+m. Qu+lquer
+p+riç1o que queir+ justiç+ ou reform+s v+i ter que cru:+r
com os s+n¸uessu¸+s de um+ form+ ou de outr+.
Ou os v+mpiros podem +t+c+r primeiro. Os Tremere
(v+mpiros feiticeiros), os S+medi (hediondos v+mpiros-
:umbis), e especi+lmente os Oiov+nni (necrom+ntes), todos
têm interesses em obter inform+çöes do Mundo lnferior, e +
m+iori+ deles n1o tem escrúpulos em +prision+r +p+riçöes
em posiçöes de servitude.
º Aparição x Lobisomem
Apes+r dos O+rou terem consciênci+ d+ existênci+ de
f+st+sm+s, eles tendem + evit+r o cont+to com eles. N1o é
comum +s +p+riçöes +p+recerem p+r+ tribos de lobisomens +
n1o se que f+ç+m um esforço especi+l p+r+ isso. lnfeli:mente,
t+l esforço é qu+se sempre m+l-vindo. As Alm+s lnquiet+s
+credit+m que os Lspectros +t+c+m lobisomens sempre que
podem, como p+rte de +l¸um pl+no desconhecido do limbo.
Devido + +p+rente inc+p+cid+de dos O+rou de discernir entre
+p+riçöes e Lspectros, o +nt+¸onismo dos lobisomens é
compreensível.
º Aparição x Mago
Lstes ide+list+s mí¸icos e distorcedores d+ re+lid+de
tr+b+lh+m com +p+riçöes m+is intim+ e intens+mente do que
muit+s outr+s cri+tur+s sobren+tur+is dos Reinos d+ Lmbr+.
Muitos deles podem ver e ouvir +s Alm+s lnquiet+s se se
esforç+rem p+r+ isso. Muitos poucos deles s1o conscientes
d+ situ+ç1o d+s Re¸iöes Sombri+s e troc+m f+vores e +ssistem
+s +p+riçöes em seus objetivos. lorém, os m+¸os menos
escrupulosos n1o se import+m em escr+vi:+r +p+riçöes,
prendendo-+s + objetos mí¸icos ou mesmo destil+ndo-+s p+r+
busc+r seu l+thos. O conhecimento +dquirido pelo primeiro
¸rupo freqüentemente c+i n+s m1os do se¸undo, forç+ndo
Necrópoles inteir+s + se submeter +os desejos dos feiticeiros.
º Aparição x SobrenaturaI
Dependendo de que outros elementos sobren+tur+is você
decidir incluir em su+ cronic+, outr+s forç+s t+mbém podem
se opor +os person+¸ens. Além de v+mpiros comuns,
lobisomens e m+¸os, hí múmi+s, f+d+s, met+morfos, :umbis
e ¸ír¸ul+s, p+r+ mencion+r +pen+s +l¸uns.
º Aparição x os PuIsantes
Muit+s d+s +p+riçöes que h+bit+m +s Re¸iöes Sombri+s
est1o m+is interess+d+s em entr+r em cont+to com os vivos
do que preocup+dos com o que pode +contecer qu+ndo o
fi:erem. Os luls+ntes n1o costum+m notí-los, e + n1o ser que
+ +p+riç1o precise f+l+r com +l¸uém, isto é bem conveniente.
Apes+r disso, hí muit+s or¸+ni:+çöes cujo único propósito
é +dquirir conhecimento sobre o pós-vid+ e +s Alm+s lnquiet+s,
e su+s r+:öes n1o costum+m ser bo+s. N+ melhor d+s hipóteses
os ¸rupos desej+m +pen+s prov+r + existênci+ d+s +p+riçöes; n+
pior, querem o poder que eles represent+m ou + oportunid+de
de destruir t+is "cri+tur+s do m+l".
º Aparição x Sombra
O conflito m+is import+nte em Aparição é entre + Sombr+
e + lsiquê. O l+do ne¸ro de si mesmo estí em const+nte b+t+lh+
pelo domínio e este comb+te é + fonte de muitos dos dr+m+s
inerentes +o jo¸o. Lst+ é um+ íre+ m+is intens+ e +ssust+dor+
d+ cronic+. Tenh+ cuid+do +o explorí-l+, p+rticul+rmente se o
jo¸+dor se identific+r muito com o person+¸em.
º Aparição x Si Mesma
Nem todo conflito interno tem que ser entre + Sombr+ e
+ lsiquê, é cl+ro. Mesmo um+ pesso+ bem equilibr+d+ pode
ter dúvid+s e crises. O l+do "bom" d+ person+lid+de, por ser
norm+lmente o que tem m+is +utocrític+, é m+is suscetível +
isso. N+tur+lmente, qu+lquer momento de indecis1o ou
preocup+ç1o pode deix+r + lsiquê +bert+ + persu+s1o d+
Sombr+...
º Aparição x O Desconhecido
Os person+¸ens n1o s+bem quem é seu inimi¸o, ou quem
busc+ su+ destruiç1o. lsso torn+ tudo +ind+ m+is +terr+dor.
C
upltulo
j
ress .
N
urruçño
8o
A
purlçño.
O

L
lmho
º Aparição x Espectros
O limbo é um inimi¸o poderoso, e muitos n1o s1o fortes o
b+st+nte p+r+ se opor + ele. Lst+s +lm+s perdid+s, ch+m+d+s de
Lspectros, v+¸+m pel+s Re¸iöes Sombri+s, deix+ndo um r+stro
de destruiç1o. Ll+s enchem + Tempeste +té explodir com seus
eus ¸rotescos e su+ coleç1o +p+vor+nte de memóri+s mort+s.
As +p+riçöes temem os Lspectros t+nto por seus +tos e
h+bilid+des re+is e terríveis qu+nto pelo horror fin+l que eles
represent+m: + ne¸+ç1o d+ lsiquê. Lles perder+m complet+-
mente + b+t+lh+ p+r+ o limbo, m+s s1o fortes ou úteis dem+is
p+r+ serem consumidos complet+mente, e este é o pior destino
que + m+iori+ d+s Alm+s lnquiet+s pode conceber. N+d+ pode
ser m+is +terrori:+nte do que reconhecer os olhos de um velho
+mi¸o n+ f+ce de um Lspectro.
º Sanidade x Loucura
Aparição condu: f+cilmente + este tipo de conflito. O
Mundo lnferior n1o é cois+ p+r+ mentes fr+c+s ou
des+just+d+s, +pes+r de ser possível que este tipo de ¸ente
poss+ Tr+nscender com f+cilid+de. Aqueles que che¸+m
li¸eir+mente "doidos" devem se +cert+r lo¸o ou se mud+r...
A Sombr+ pode subverter muitos tipos de loucur+s.
jecnlcus Avunçudus
n:a·, · ¡u. tam·s jaz.r j.|· r.s:· J. n·ssas
t|Jas: í|.ar .m .asa t.nJ· a |anJa jassar:
N·s .n:r.:.r .m ¸a|·|as J. t|Jr·, ¡u.r|Ja:
T·.ar .:.rnam.n:. a¡u.|.s J|s.·s usaJ·s
¡u. s.u ja| ||. J.|x·u .·m· J·|·r·sa
r..·rJa¸a· J.|.: íur· ¡u. . a un|.a
a|:.rna:|ta ¡u. .u .·ns|¸· |ma¸|nar.
- Tennessee Willi+ms, T|. C|ass M.na¸.r|.
As técnic+s que descreveremos + se¸uir s1o extre-
m+mente difíceis de serem utili:+d+s +propri+d+mente, m+s
podem ser muito recompens+dor+s. Lstes conceitos
+v+nç+dos devem ser pl+nej+dos cuid+dos+mente e
execut+dos com ¸r+ç+ e j|n.ss. p+r+ funcion+r com eficíci+.
M+s se você usí-los corret+mente, cri+rí um+ históri+ que
seus jo¸+dores nunc+ se esquecer1o.
Sequenclu de Sonlo
Ls+d+ corret+mente num jo¸o de n+rr+tiv+, o clichê do
sonho pode vir + se torn+r um+ poderos+ ferr+ment+. Os
mortos re+lmente sonh+m, e su+s visöes r+r+mente s1o
+¸r+díveis. Ap+riçöes com o Mistério l+nt+sm+ podem +té
mesmo entr+r e +lter+r os sonhos dos mort+is.
Lst+ técnic+, como seu nome implic+, é simplesmente
um sonho que pode ser comp+rtilh+do por todos os
person+¸ens ou específico + um deles. No sonhos, os
person+¸ens podem ser eles mesmos ou c+ric+tur+s de si
próprios. Mesmo se o sonho for de +pen+s um person+¸em,
os outros jo¸+dores +ind+ podem p+rticip+r dele, +ssumindo
os p+péis de outr+s pesso+s, cri+tur+s ou mesmo loc+is do
sonho. O jo¸+dor ou jo¸+dores n1o precis+m s+ber no sonho
de quem eles entr+r+m, m+s su+ históri+ deve sempre ser
import+nte p+r+ o tem+ ¸er+l do conto.
Ao interpret+r sequênci+s de sonhos, você deve determin+r
+ extens1o que os person+¸ens ter1o dur+nte o sonho. Lste
espectro de controle do N+rr+dor sobre o sonho v+ri+ de um+
descriç1o rípid+ +té simplesmente jo¸+r os person+¸ens lí
dentro e começ+r + descrever o que +contece enqu+nto dí +os
jo¸+dores controle p+r+ f+:er o que eles bem entenderem.
Os sonhos control+dos pelo N+rr+dor s1o bons p+r+
prenunci+r eventos por vir ou est+belecer simbolismos n+
históri+. A Sombr+ do person+¸em pode começ+r + corroer
su+ lsiquê +p+recendo em sonhos e perturb+ndo o sono. T+l
inv+s1o pode preceder um +t+que fulmin+nte ou pode n1o
ser n+d+. Deixe que os jo¸+dores se preocupem com isso.
lembre-se que +o n+rr+r um+ seqüênci+ de sonhos, + +ç1o
e loc+li:+ç1o devem ser i¸u+is +os de sonhos. lerson+¸ens
des+p+recendo e re+p+recendo, eventos +contecendo sem
ordem ló¸ic+, loc+is mud+ndo inst+nt+-ne+mente, e o sonh+dor
sentindo emoçöes extrem+s que n1o correspond+m necess+-
ri+mente +o que estí +contecendo no sonho.
]luslhuck
Lnqu+nto um sonho di: respeito + como um +specto do
presente se rel+cion+ com + históri+ corrente, um fl+shb+ck
di: respeito + como um +specto do p+ss+do se rel+cion+ +o
presente. Os fl+shb+cks s1o comuns em históri+s que lidem
com Orilhöes, e memóri+s vívid+s do momento d+ morte
+ssombr+m muit+s d+s Alm+s lnquiet+s.
Os eventos do fl+shb+ck, ou pelo menos su+s conse-
qüênci+s, devem ser muito bem dit+d+s pelo N+rr+dor, mesmo
se o fl+shb+ck envolver person+¸ens dos jo¸+dores. Mesmo
se eles n1o estiverem no controle, os jo¸+dores podem se
divertir com fl+shb+cks que lhes dêem um+ vis1o de
incidentes por trís d+ cortin+ que ¸er+r+m os eventos que
eles est1o vivendo no momento.
Hí outros usos m+is dr+míticos p+r+ fl+shb+cks, m+s que
devem ser us+dos menos freqüentemente. lor exemplo, um
fl+shb+ck p+r+ o p+ss+do de certo person+¸em pode ser us+do
p+r+ +present+r um person+¸em do N+rr+dor vindo d+
infìnci+, ou um ente querido, ou um +ss+ssino cuj+ f+ce o
f+nt+sm+ +ind+ n1o conse¸ue vislumbr+r...
Slmhollsmo, Motlvos e Ìcones
Lm dos truques que podem ser copi+dos de filmes é o
uso de simbolismos, motivos e ícones. lsto deve ser feito com
sutile:+; se você puser simbolismos muito ¸rosseiros n+s
históri+s eles v1o +rruin+r o efeito.
lntrodu:-se o simbolismo +tr+vés do p+no de fundo de
su+ históri+: nomes de ru+s, loc+is, pesso+s, nomes de loj+s,
pich+çöes, um+ t+peç+ri+ pendente n+ pr+ç+ centr+l de um+
Cid+del+. Lm+ ve: introdu:ido o simbolismo, m+ntenh+-o
em mente e mencione-o oc+sion+lmente, qu+ndo + cois+
represent+d+ pelo símbolo +p+recer n+ históri+.
87
lor exemplo, di¸+mos que você decid+ que o fo¸o é um
símbolo import+nte p+r+ + rebeli1o contr+ + +utorid+de do
loc+l. Di¸+mos que seus person+¸ens se revoltem contr+ +
Hier+rqui+ procur+ndo os Here¸es de su+ íre+. Qu+ndo eles
retorn+rem de seu encontro decisivo com os Here¸es, podem
p+ss+r por um prédio em ch+m+s.
Lm motivo é um símbolo recorrente por tod+ + cronic+,
e seu si¸nific+do mud+ com seu desenrol+r. Se chover n+
mesm+ cronic+ do "fo¸o", isso quer di:er que + Hier+rqui+
tomou o poder nov+mente. lorém, +o fim dest+, t+lve: os
Rene¸+dos tomem o controle +pós um ¸olpe p+rticul+rmente
destrutivo. A chuv+, +¸or+ ¸entil e limp+, poderí simboli:+r
um+ purific+ç1o d+ cid+de como um todo.
Se¸uem +l¸uns exemplos de símbolos p+r+ que você
comece + pens+r; você pode im+¸in+r muitos outros t+mbém:
Iogo: O fo¸o livre destrói; o c+lor de um+ forj+ pode
temper+r + forç+; + ch+m+ de um+ vel+ é medit+tiv+; o c+lor
de um+ l+reir+ pode tr+nsmitir se¸ur+nç+.
Chuva: Ll+ pode ser mel+ncólic+ e deprimente, ou
purific+nte e confort+dor+.
IIores: Alecrim e miosótis podem denot+r lembr+nç+,
ros+s f+l+m de +mor, e lírios embele:+m + morte.
Correntes: Lm+ represent+ç1o visível de le+ld+des e
+li+nç+s.
Máscaras: lsto pode ser um sin+l externo de duplicid+de
e f+lsid+de.
EspeIhos: lodem refletir + verd+de ou um+ vers1o
distorcid+ del+.
Labirintos: lersonific+m + confus1o, bem como um
des+fio + ser domin+do e super+do.
Pássaros: C+nírios, corvos, í¸ui+s e tordos s1o us+dos
como ícones. Os píss+ros s1o lendírios port+dores de +lm+s,
e t+mbém servem como espiöes e observ+dores.
EncruziIhadas: lreqüentemente +ssombr+dos, os
cru:+mentos podem represent+r um+ decis1o ou um+ vir+d+
import+nte d+ vid+.
Cores: C+d+ cor tem incontíveis si¸nific+dos; por
exemplo o verde é +s ve:es represent+do como + cor d+ morte,
outr+s como símbolo de vid+ e crescimento.
Após umu Hlstórlu
D|¸a aJ.us a :uJ· |ss·... . ·|a jara · ||m|·.
- Riff R+ff, T|. n·.|y H·rr·r í|.:ur. S|·u
Após + conclus1o de um+ históri+, você deve consider+r
o imp+cto de seus eventos dentro d+ cronic+ m+ior. Jí que
+s históri+s costum+m termin+r de form+ inesper+d+, é
import+nte que você determine como redirecion+r + cronic+
dentro do enredo que desej+ ou reescrevê-l+ b+se+d+ nos
novos desenvolvimentos. lembre-se que você estí tecendo
um+ ¸r+nde novel+, e nenhum +utor s+be +o certo como
ser1o todos os det+lhes de su+ obr+ +c+b+d+ +ntes de terminí-
l+. Além disso, os escritores n1o têm que compens+r decisöes
de jo¸+dores.
Outr+ cois+ import+nte + f+:er +ntes de começ+r +
escrever + históri+ se¸uinte d+ cronic+ é tom+r not+s de
qu+isquer novos loc+is ou person+¸ens +present+dos. As
croni c+s mui to ¸r+ndes podem conter centen+s de
person+¸ens de N+rr+dor, princip+is e secundírios, e dú:i+s
de loc+is import+ntes. l+r+ m+nter su+ s+nid+de, é melhor
+ch+r um+ form+ de m+nter re¸istros de tudo conforme o
desenrol+r d+ cronic+. lich+s (um+ de ¯ cm x 12 cm p+r+
c+d+ person+¸em) funcion+m bem pois m+is inform+çöes
podem ser +crescent+d+s m+is t+rde e s1o fíceis de +rquiv+r,
m+s + m+iori+ de nós n1o conse¸ue ir +lém disso em m+téri+
de or¸+ni:+ç1o.
jermlnundo Umu Crônlcu
Termin+r com um+ conclus1o forte é t1o import+nte qu+nto
qu+lquer outr+ p+rte de um+ cronic+. Mesmo se el+ continu+r
por diversos +nos, hí sempre +l¸o mí¸ico sobre o momento em
que todos (ou + m+ior p+rte) de víri+s históri+s interconect+d+s
se just+pöem em um ¸r+nde clím+x. A sess1o fin+l de tod+
cronic+ deve ser +l¸o + ser lembr+do, port+nto f+ç+ um esforço
extr+ p+r+ torn+r o evento princip+l +l¸o especi+l.
Após o clím+x, convém +c+lm+r + +ç1o com um pouco
m+is de n+rr+ç1o no mesmo +mbiente. Os person+¸ens podem
f+:er +s despedid+s necessíri+s e retorn+r +s cois+s +s su+s
condiçöes norm+is +pós derrot+r um vil1o. Termin+d+ um+
cronic+, é hor+ de começ+r + pl+nej+r + se¸uinte.
L cl+ro, n1o hí n+d+ que di¸+ que você tem que começ+r
sempre do :ero. Se quiser continu+r com os mesmos
person+¸ens e +mbientes, pode lev+r estes elementos p+r+
nov+s direçöes. Os jo¸+dores podem se sentir li¸+dos e
+costum+dos + seus person+¸ens, e é ¸r+tific+nte ver o
crescimento e desenvolvimento de um único person+¸em
por divers+s cronic+s.
lorém, você n1o precis+ se limit+r + continu+r o que foi
começ+do. Al¸uns jo¸+dores ¸ost+m de tent+r um+ nov+
perspectiv+ e cri+r novos person+¸ens, enqu+nto outros no
¸rupo m+ntêm seus person+¸ens jí est+belecidos. D+ mesm+
form+, t+mbém, um dos jo¸+dores pode querer troc+r de lu¸+r
com o N+rr+dor p+r+ que ele próprio projete e controle +
cronic+ se¸uinte. O ¸rupo de n+rr+ç1o t+mbém pode pens+r
em inte¸r+r + nov+ cronic+ de Aparição com elementos de
um dos outros jo¸os de n+rr+tiv+ como Vampiro: A Máscara,
Lobisomem: O ApocaIipse, ou Mago: A Ascensão.
C
upltulo
j
ress .
N
urruçño
9u
A
purlçño.
O

L
lmho
91
n.¸ra num.r· s.|s. na· |a r.¸ra num.r· s.|s.
- Monty lython llyin¸ Circus
Todo jo¸o tem re¸r+s. Al¸uns s1o mui-
to simples e com pouc+s re¸r+s - como
o "Jo¸o do Sobe e Desce". Outros est1o
sujeitos + muit+s re¸r+s, e el+s s1o extre-
m+mente complic+d+s, como o |r|J¸..
Aparição tem +l¸o em comum com +m-
bos - têm +pen+s +l¸um+s re¸r+s sim-
ples, m+s +dmite um ¸r+nde número de permut+çöes. Você
só precis+ +prender +s re¸r+s bísic+s, m+s su+s permut+çöes
re+lç+m o s+bor do jo¸o, permitindo simul+r + complexid+de
d+ vid+ re+l. Lste c+pítulo descreve +s re¸r+s bísic+s de Apa-
rição. O número de permut+çöes fic+rí +o seu critério.
As re¸r+s s1o como os mitos que mold+m e descrevem
um+ cultur+. Ll+s definem o que é import+nte e delinei+m
+s possibilid+de d+ existênci+. Apes+r dess+s re¸r+s p+rece-
rem um t+nto estr+nh+s e exótic+s, el+s n+ verd+de n1o s1o
t1o complic+d+s. Depois que você +s tiver entendido, verí
como é fícil jo¸+r. Concentre-se +pen+s em +prender o bísi-
co; tudo o m+is virí n+tur+lmente.
jempo
T.mj· t·raz, .njra¡u... as ja:as J· |.a·,
íaz a :.rra J.t·rar sua J·.. .r|a,
C.¸a ·s J.n:.s J· :|¸r.,
L ¡u.|ma a j.n|x .m s.u jr´jr|· san¸u..
- Sh+kespe+re, "Soneto 19"
A primeir+ cois+ que você precis+ +prender é como o
tempo p+ss+ em Aparição. Hí cinco form+s diferentes de
descrever o tempo, pro¸redindo d+ menor unid+de +té +quel+
que en¸lob+ tudo.
º Turno - Lm+ unid+de de tempo dentro de um+ cen+,
v+ri+ndo de três se¸undos + três minutos de dur+ç1o. Lm
turno é o tempo suficiente p+r+ se re+li:+r um+ +ç1o (discu-
tid+ +di+nte).
º Cen+ - Lm período comp+cto de +ç1o e interpret+-
ç1o que ocorre em um mesmo lu¸+r. Lm+ cen+ é feit+ de um
número v+riível de turnos (qu+ntos forem necessírios p+r+
completí-l+); el+ t+mbém pode ser complet+d+ unic+mente
+tr+vés d+ interpret+ç1o, que n1o requer o uso de turnos.
º C+pítulo - Lm+ p+rte independente d+ históri+,
qu+se sempre jo¸+d+ em um+ sess1o de jo¸o. L compost+ de
víri+s cen+s conect+d+s por um+ série de entre+tos.
º Históri+ - Lm+ tr+m+ complet+, com introduç1o,
desenvolvimento e clím+x, que norm+lmente lev+ diversos
c+pítulos p+r+ ser complet+d+.
º Cronic+ - Lm+ série complet+ de históri+s conect+-
d+s pel+s vid+s dos person+¸ens e possivelmente por tem+ e
enredo +mplos. L simplesmente + históri+ complet+ cont+d+
por você e os jo¸+dores.
Ações
Além de interpret+r +s f+l+s e convers+s dos person+¸ens,
os jo¸+dores têm que f+:er seus person+¸ens execut+r (ou
pelo menos tent+r) +çöes, que descrevem +o N+rr+dor. Lm+
+ç1o pode ser qu+lquer cois+ desde pul+r sobre um desfil+-
deiro +té olh+r p+r+ trís em busc+ de perse¸uidores. O jo¸+-
dor di: +o N+rr+dor o que seu person+¸em estí f+:endo e
det+lh+ o procedimento que us+.
Cupltulo Quutro.
Regrus
92
A
purlçño.
O

L
lmho
Muit+s +çöes s1o +utomític+s - por exemplo, qu+ndo
um jo¸+dor cont+ +o N+rr+dor que seu person+¸em +tr+ves-
s+ + ru+ n+ direç1o de um +rm+:ém. Tudo o que o N+rr+dor
precis+ f+:er é ter controle de onde o person+¸em estí e o
que estí f+:endo. lorém, cert+s +çöes exi¸em um d+do p+r+
determin+r sucesso ou fr+c+sso.
[ogundo os Dudos
A vid+ sempre estí +trel+d+ + possibilid+des. Lxiste + pro-
b+bilid+de de você ¸+nh+r n+ loteri+, ou de você ser proces-
s+do, ou +ind+, de morrer num des+stre de +vi1o. As prob+-
bilid+des t+mbém desempenh+m um p+pel +tivo em Apari-
ção. lorém, os jo¸+dores de Aparição us+m d+dos p+r+ si-
mul+r os c+prichos d+ Don+ Sorte.
l+r+ jo¸+r Aparição é preciso us+r d+dos de 10 f+ces,
que podem ser compr+dos em qu+lquer loj+ de jo¸os. Se você
for o N+rr+dor, t+lve: sej+ o c+so de ter um monte desses
d+dos, pelo menos de:, todos p+r+ você. Como jo¸+dor, você
t+mbém v+i precis+r de d+dos, m+s pode rep+rti-los com ou-
tros p+rticip+ntes.
Sempre que houver dúvid+ sobre o sucesso de um+ +ç1o
ou o N+rr+dor +ch+r que hí um+ ch+nce de que seu perso-
n+¸em poss+ f+lh+r, você v+i ter de f+:er um teste jo¸+ndo
d+dos. lsso dí + seu person+¸em um+ oportunid+de de mos-
tr+r su+s forç+s e fr+que:+s, revel+ndo +ssim um pouco de
su+ verd+deir+ n+ture:+.
Nlvels de Competenclu
Lm person+¸em é descrito por su+s C+r+cterístic+s - +s
c+p+cid+des in+t+s e +dquirid+s e +s +ptidöes que ele possui.
As C+r+cterístic+s s1o definid+s por números; c+d+ um+ tem
um nível que v+i de 1 + 5, que descreve + h+bilid+de do
person+¸em n+quel+ determin+d+ C+r+cterístic+. Lm nível
1 é ruim, enqu+nto 5 é soberbo. Lst+ esc+l+ de 1 + 5 é como
o sistem+ de cl+ssific+ç1o por "estrel+s", +mpl+mente utili-
:+do pelos críticos de cinem+ e de culiníri+.
Consider+-se que, p+r+ um hum+no norm+l, o ¸r+u de
competênci+ v+rie entre 1 e 3, com 2 sendo o médio. L cl+ro
que podem h+ver c+sos de pesso+s superdot+d+s, com níveis
como + (excepcion+l) ou 5 (extr+ordinírio), ou mesmo :ero
(o que é extrem+mente r+ro, m+s n1o impossível).
x léssimo
º lr+co
ºº Médio
ººº Bom
ºººº Lxcepcion+l
ººººº Lxtr+ordinírio
Ls+-se um d+do p+r+ c+d+ nível que seu person+¸em
possu+ num+ determin+d+ C+r+cterístic+. lort+nto, se você
tiver qu+tro níveis de lorç+, poderí jo¸+r qu+tro d+dos. Se
tiver um ponto em lercepç1o, poderí jo¸+r +pen+s um d+do.
M+s você qu+se nunc+ jo¸+ +pen+s com o número de d+dos
equiv+lente +o nível que tem num Atributo (p+rìmetro que
93
define su+s c+p+cid+des intrínsec+s). Norm+lmente você pre-
cis+ som+r o número de d+dos que possui num Atributo +que-
le que possui n+ H+bilid+de (p+rìmetro que indic+ +s cois+s
que você conhece e +prendeu.)
Assim, se o N+rr+dor quisesse, por exemplo, que os jo¸+do-
res fi:essem um teste com os d+dos p+r+ verific+r se eles not+m
o c+rro-p+trulh+ que os estí se¸uindo, determin+ri+ que eles
fi:essem + jo¸+d+ us+ndo seus níveis de lercepç1o (um Atribu-
to) e lrontid1o (um+ h+bilid+de) som+dos. Ou sej+, c+d+ um
us+ri+ um número de d+dos correspondente +o número de seus
pontos de lercepç1o ma|s seus pontos de lrontid1o. Lm outr+s
p+l+vr+s, us+ri+m qu+ntos d+dos fossem seus tot+is de pontos
com +quele Atributo e +quel+ H+bilid+de.
Lsses d+dos s1o coletiv+mente ch+m+dos de l+r+d+ de
D+dos. A l+r+d+ de D+dos de um person+¸em delinei+ o
número tot+l de d+dos que um jo¸+dor pode jo¸+r em um
único turno - norm+lmente p+r+ um+ únic+ +ç1o, +pes+r
do jo¸+dor poder dividir um+ l+r+d+ de D+dos p+r+ permitir
+ seu person+¸em execut+r m+is de um+ +ç1o. Ao test+r p+r+
um+ C+r+cterístic+ como lorç+ de Vont+de, que tem um
escore perm+nente e temporírio, o jo¸+dor qu+se sempre
jo¸+ o número de d+dos i¸u+l + C+r+cterístic+ perm+nente
(os círculos), n1o seu escore corrente (os qu+dr+dos).
Cert+s +çöes n1o requerem, ou sequer correspondem, +
um+ H+bilid+de específic+. Lm exemplo disso é qu+ndo um
jo¸+dor f+: um teste de +bsorç1o de d+no. Nesses c+sos, o
jo¸+dor us+ +pen+s um número de d+dos correspondente +o
seu nível num Atributo +propri+do - neste c+so, Vi¸or.
N1o hí +bsolut+mente nenhum+ situ+ç1o em que m+is
de du+s C+r+cterístic+s poss+m se combin+r p+r+ form+r um+
l+r+d+ de D+dos. Apen+s um+ C+r+cterístic+ pode ser us+d+
se tiver v+lor potenci+l de 10 (como lorç+ de Vont+de ou
An¸st). lsso si¸nific+ que um+ C+r+cterístic+ como lorç+ de
Vont+de nunc+ pode ser combin+d+ com outr+. L ¸er+lmente
impossível p+r+ um ser hum+no norm+l ter m+is de 10 d+dos
em um+ l+r+d+ de D+dos.
Nlvels de Dlllculdude
Lu s.mjr. :.n:· jaz.r s.|s .·|sas |mj·ss/t.|s an:.s J· J.s¡.¡um.
- A R+inh+ Vermelh+, -||.. n· ía/s Jas Marat|||as
A¸or+ você tem que s+ber p+r+ que você jo¸+ os d+dos.
O N+rr+dor +tribui + c+d+ t+ref+ um nível de dificuld+de,
um número que qu+ntific+ o des+fio imposto pel+ t+ref+.
Lm+ dificuld+de é sempre um número entre 2 e 10. Você
precis+ tir+r um número i¸u+l ou m+ior em pelo menos um
dos d+dos de su+ l+r+d+ de D+dos p+r+ ser bem sucedido.
C+d+ ve: que conse¸ue, isso é ch+m+do de um sucesso. Se +
dificuld+de é 6 e você tir+ 2, 3, 5, 6 e 9, conse¸uiu dois
sucessos. Apes+r de ¸er+lmente se precis+r de +pen+s um
sucesso p+r+ ser bem sucedido, qu+nto m+is sucessos se con-
se¸uir, melhor se s+i. Obter +pen+s um sucesso é consider+-
do um sucesso m+r¸in+l, enqu+nto conse¸uir três é consi-
der+do um sucesso completo e cinco é um +contecimento
memorível.
DificuIdades
3 lícil
+ Rotineiro
5 Lquilibr+do
6 Médio
¯ Des+fio
o Difícil
9 Lxtrem+mente Difícil
Níveis de Sucesso
Lm Mínimo
Dois Rotineiro
Três Lquilibr+do
Qu+tro Lxcepcion+l
Cinco lenomen+l
Como você pode ver, se o ¸r+u de dificuld+de for m+is
b+ixo, torn+-se m+is fícil obter um sucesso, e vice-vers+.
Sempre que + +ç1o que você tiver decidido re+li:+r for difí-
cil, o N+rr+dor est+belecerí ¸r+us de dificuld+de m+is elev+-
dos. lor outro l+do, se + +ç1o for p+rticul+rmente fícil, ele
t+nto poderí permitir que você + execute au:·ma:|.am.n:.
(porque seus níveis de Atributos e H+bilid+des s1o +ltos),
qu+nto poderí determin+r um ¸r+u de dificuld+de b+ixo.
Lmbor+ os ¸r+us "2" e "10" n1o estej+m rel+cion+dos n+
list+ +cim+, você, como N+rr+dor, tem tod+ liberd+de p+r+
+tribuir um deles + qu+lquer jo¸+d+. Contudo, você qu+se
nunc+ deverí usí-los. O ¸r+u 2 é t1o p+tetic+mente fícil
que é melhor deix+r o jo¸+dor ser bem-sucedido sem desper-
diç+r um teste. L o ¸r+u 10 é :a· difícil que +s ch+nces de
+tin¸ir seu objetivo ou cometer um+ f+lh+ crític+ se i¸u+l+m,
independentemente do número de d+dos que o jo¸+dor es-
tej+ l+nç+ndo. N+s r+r+s oc+siöes em que você +tribuir um
¸r+u de dificuld+de 10, certifique-se de que s+be o que estí
f+:endo, pois est+rí pr+tic+mente invi+bili:+ndo +s ch+nces
de sucesso. L qu+se impossível conse¸uir um 10 num l+nce
de d+dos, m+s c+so ocorr+, o jo¸+dor terí obtido um sucesso
+utomítico, n1o import+ o que m+is +conteç+.
A menos que o N+rr+dor di¸+ o contrírio, o nível de
dificuld+de jaJra· de um+ t+ref+ é sempre 6.
A Regru do Um
Hí +ind+ um último det+lhe sobre os l+nces de d+dos -
é + ch+m+d+ "r.¸ra J· um". Sempre que você obtiver um
d+do cujo result+do sej+ "um", ele c+ncel+rí um "sucesso".
T+nto o d+do do "um" como o do "sucesso" devem ser re-
movidos e postos de l+do. Se você obtiver m+is "uns" do que
"sucessos", est+rí sujeito + +l¸um tipo de des+stre, porque
terí sofrido um+ ía||a Cr/:|.a. Os "uns" que tiverem c+nce-
l+do "sucessos" dever1o ser desconsider+dos, m+s, se +pós o
processo de "compens+ç1o", houver sobr+do um único d+do
com result+do i¸u+l + 1, você est+rí enfrent+ndo um+ f+lh+
crític+. A ¸r+vid+de d+ conseqüênci+ d+ f+lh+ n1o é deter-
min+d+ pel+ qu+ntid+de de d+dos "um" que rest+r+m, m+s
sim pel+s circunstìnci+s que + cerc+m - dependendo d+
94
A
purlçño.
O

L
lmho
situ+ç1o, el+ poderí ser c+t+strófic+, ou n1o p+ss+r de um
mero desli:e. Se n1o rest+r nenhum "um" ou "sucesso", você
simplesmente terí fr+c+ss+do em seu intento.
Sucessos Automáticos
Se você test+r c+d+ bob+¸em nos d+dos, +c+b+rí prejudi-
c+ndo + fluênci+ do jo¸o. Aparição empre¸+ um sistem+ muito
simples p+r+ sucessos +utomíticos, de modo que os jo¸+dores
n1o precis+m re+li:+r testes nos d+dos p+r+ +çöes que os perso-
n+¸ens poderi+m desempenh+r com os olhos fech+dos.
luncion+ +ssim: se o número de d+dos que f+:em p+rte
de um+ l+r+d+ de D+dos for i¸u+l ou m+ior que o ¸r+u de
dificuld+de, ent1o você serí +utom+tic+mente bem-sucedi-
do. lsso é consider+do o equiv+lente + obtenç1o de um úni-
co sucesso, de modo que ve: por outr+ um jo¸+dor poderí
querer jo¸+r os d+dos +ssim mesmo, num+ tent+tiv+ de obter
um+ m+r¸em melhor. M+s p+r+ +çöes m+is simples e freqüen-
tes, os sucessos +utomíticos podem elimin+r um considerí-
vel desperdício de tempo. (Rep+re que determin+d+s +çöes,
como comb+te, s1o sempre problemític+s e n1o devem ser
tr+t+d+s com este sistem+).
As re¸r+s de sucesso +utomítico podem ser us+d+s p+r+
elimin+r complet+mente + necessid+de de decidir nos d+-
dos, sendo, port+nto, um recurso que você cert+mente us+rí
dur+nte +s Açöes +o Vivo. Ness+s situ+çöes, os sucessos +u-
tomíticos n1o s1o um+ quest1o de escolh+. Ou você é bom
o b+st+nte p+r+ ser bem-sucedido, ou n1o é. L simples, m+s
brinc+r de políci+ e l+dr1o t+mbém er+, e + ¸ente +dor+v+
f+:er isso. A históri+ er+ import+nte, +s re¸r+s n1o.
Lsse sistem+ simplório possui +té mesmo um+ v+ri+ç1o,
que +jud+ + d+r um pouco m+is de cor +s situ+çöes: pode-se
¸+st+r um ponto de lorç+ de vont+de p+r+ se obter um su-
cesso +utomítico (Ver pí¸.99). Você n1o v+i querer f+:er
isso com freqüênci+, m+s poderí ser um recurso v+lioso p+r+
re+li:+r determin+d+s +çöes. L ló¸ico que se um+ +ç1o exi¸ir
+ obtenç1o de sucessos múltiplos o ponto de lorç+ de von-
t+de cont+rí como +pen+s um deles.
Qu+ndo jo¸+mos, constum+mos us+r um+ combin+ç1o
de decisöes nos d+dos e sucessos +utomíticos. Dur+nte +
m+iori+ d+s cen+s - especi+lmente qu+ndo est+mos b+st+n-
te envolvidos com + históri+ - nós nem mesmo re+li:+mos
testes nos d+dos, preferindo jo¸+r sem interrupç1o. Contu-
do, qu+ndo est+mos m+is em clim+ de ¡·¸ar um ¡·¸· do que
.·n:ar uma ||s:´r|a, decidimos um+ porç1o de cois+s nos d+-
dos e +crescent+mos muit+s complic+çöes +s re¸r+s.
Compllcuções
Você jí deve ter percebido que é b+st+nte fícil obter um
único sucesso, mesmo qu+ndo se jo¸+ +pen+s um ou dois d+-
dos. Ls+ndo +pen+s dois d+dos num teste cujo ¸r+u de dificul-
d+de sej+ 6, su+ ch+nce de obter um+ m+r¸em m/n|ma de su-
cesso é de ¯5º. Lmbor+ isso poss+ p+recer fícil dem+is, exis-
tem víri+s form+s de complic+r +s cois+s, +l¸um+s d+s qu+is
discutiremos +di+nte. l+r+ os ¸rupos que estej+m pe¸+ndo pe-
s+do n+ interpret+ç1o, b+st+m jo¸+d+s simples nos d+dos e su-
cessos +utomíticos. Lm ¸er+l, você irí +plic+r um+ complic+-
ç1o c+so os jo¸+dores (ou você mesmo) estej+m querendo um+
p+us+ no jo¸o, ou se você quiser um result+do ou se quiser
f+:er um jo¸o + p+rtir d+ cen+. As complic+çöes podem +cres-
cent+r dr+m+ + históri+ e ¸er+r m+is +rdor e concentr+ç1o.
Ações ]rolongudus
l+r+ ser tot+lmente bem-sucedido, você precis+rí de m+is
de um sucesso de ve: em qu+ndo - irí precis+r +cumul+r
três, ou sete, ou mesmo 20 sucessos (em r+r+s oc+siöes).
Qu+ndo +pen+s um sucesso for o suficiente p+r+ se comple-
t+r um+ +ç1o, el+ serí ch+m+d+ de a¸a· s|mj|.s. Nos outros
c+sos serí um+ a¸a· jr·|·n¸aJa.
Num+ +ç1o prolon¸+d+ você re+li:+rí testes nos d+dos
repetid+mente dur+nte turnos subseqüentes num+ tent+tiv+
de +cumul+r sucessos suficientes p+r+ ser bem-sucedido. lor
exemplo, o seu person+¸em estí esc+l+ndo um+ írvore e o
N+rr+dor +nunci+ que qu+ndo você obtiver um tot+l de sete
sucessos, ele terí che¸+do +o topo. No fim d+s cont+s ele
che¸+rí +o topo, m+s é cl+ro que qu+nto m+is testes nos
d+dos você re+li:+r, m+is ch+nces o seu person+¸em terí de
sofrer um+ f+lh+ crític+ ou se m+chuc+r. Se ele estiver ten-
t+ndo descer um+ írvore em ch+m+s, + qu+ntid+de de tem-
po dispendido se torn+rí import+ntíssim+.
Dur+nte um+ +ç1o prolon¸+d+ você pode continu+r ten-
t+ndo obter sucessos enqu+nto quiser, ou no mínimo +té
f+lh+r em obter +o menos um sucesso. C+so você sofr+ um+
f+lh+ crític+, o seu person+¸em t+lve: precise começ+r de
novo do princípio, sem sucessos +cumul+dos. O N+rr+dor
poderí decidir n1o deix+r o person+¸em tent+r de novo.
Lste tipo de +ç1o é m+is complic+d+ que um+ únic+ +ç1o
e n1o deve ser empre¸+d+ no meio de um+ personific+ç1o
intens+. Como N+rr+dor, você decide que tipo de +ç1o é
+propri+d+. Lm pouquinho de experiênci+ lhe serí muito
útil enqu+nto estiver empre¸+ndo ess+s re¸r+s.
Ações Reslstldus
Oc+sion+lmente você execut+rí um+ +ç1o em oposiç1o
+ re+li:+d+ por outro person+¸em. Vocês dois re+li:+r1o seus
testes, com um ¸r+u de dificuld+de norm+lmente determi-
n+do por um+ C+r+cterístic+ do outro jo¸+dor, e o person+-
¸em d+ pesso+ que obtiver m+is sucessos serí o vencedor.
lorém, +pen+s ser1o consider+dos sucessos seus o número
de sucesso que você obtiver +cim+ do número +lc+nç+do
pelo oponente. Os sucessos do oponente elimin+m os seus,
ex+t+mente como f+:em os "um". lort+nto é muito difícil, e
r+ro, obter um+ qu+ntid+de excepcion+l de sucessos num+
+ç1o resistid+. Mesmo se o seu oponente n1o puder derrotí-
lo, ele poderí diminuir o efeito dos seus esforços. N+s +çöes
que sej+m + um só tempo prolon¸+d+s e resistid+s, um dos
oponentes precis+ +cumul+r um+ determin+d+ qu+ntid+de
de sucessos p+r+ ser complet+mente bem-sucedido. C+d+
sucesso +cim+ do número tot+l de sucessos do oponente, obti-
dos num único turno, é som+do +o tot+l de sucessos. O primei-
ro + obter o número desi¸n+do de sucessos vence + disput+.

jruhullo de Equlpe
De ve: em qu+ndo os person+¸ens poder1o tr+b+lh+r jun-
tos p+r+ +cumul+r sucessos, o que ocorre com m+is freqüên-
ci+ dur+nte um+ +ç1o prolon¸+d+. De +cordo com o critério
do N+rr+dor, dois ou m+is person+¸ens podem re+li:+r testes
de d+dos sep+r+d+mente e som+r seus sucessos. No ent+nto,
eles nunc+ poder1o som+r su+s C+r+cterístic+s individu+is
num+ únic+ jo¸+d+. O tr+b+lho de equipe é eficiente em
+l¸um+s circunstìnci+s, como comb+te, c+ç+d+ n+s trev+s,
colet+ de inform+çöes e conserto de +p+relhos. Lm outros
ele pode ser re+lmente um incomodo, como em muit+s +çöes
soci+is (onde isso pode confundir o objetivo).
A t+bel+ + se¸uir pode servir p+r+ escl+recer + su+ confu-
s1o em rel+c1o + +l¸uns dos diferentes tipos de jo¸+d+s que
podem ser feit+s.
jentundo de Novo
As ve:es o fr+c+sso é enerv+nte. Se você estí tendo proble-
m+s com o seu comput+dor e n1o conse¸ue encontr+r + c+us+
do erro do sistem+, fic+ com + c+beç+ quente e, port+nto, sujei-
to + cometer erros. Lsse tipo de nervosismo se reflete em Apa-
rição qu+ndo o N+rr+dor +ument+ + dificuld+de de qu+lquer
+ç1o que o person+¸em tent+ desempenh+r pel+ se¸und+ ve:.
Sempre que um person+¸em tent+r desempenh+r um+
+ç1o n+ qu+l jí tenh+ fr+c+ss+do, o N+rr+dor tem + opç1o de
+ument+r + dificuld+de d+ +ç1o em um. Considere um per-
son+¸em que tente intimid+r +l¸uém. Se + primeir+ tent+ti-
v+ f+lhou, + se¸und+ serí +ind+ menos provível de ser bem
sucedid+, de modo que + dificuld+de é +ument+d+ em um.
Num+ terceir+ tent+tiv+, + dificuld+de serí +ument+d+ em
dois. Lm c+sos como este, o N+rr+dor pode simplesmente
determin+r que o person+¸em n1o tenh+ nem condiçöes de
tent+r m+is um+ ve: - como você intimid+ +l¸uém que jí
s+cou o seu blefe!
Lis outros exemplos de qu+ndo us+r est+ re¸r+: +brir fe-
ch+dur+ (Rep+ros), esc+l+r um muro (Atletismo), e record+r
um+ p+l+vr+ de lín¸u+ estr+n¸eir+ (lin¸uístic+).
Lm +l¸um+s oc+siöes o n+rr+dor n1o deve evoc+r est+
re¸r+. Lm exemplo notível ocorre dur+nte o comb+te. Lrr+r
o primeiro tiro contr+ +l¸uém n1o si¸nific+ necess+ri+mente
que o +tir+dor ficou nervoso e, port+nto, sujeito + err+r de novo.
M+s depois que o +tir+dor tiver err+do um+s du+s ve:es, espe-
ci+lmente se o +lvo est+v+ bem próximo e desprote¸ido...
Outros exemplos de qu+ndo n1o us+r est+ re¸r+: ver +l-
A Regru de Ouro
lembre-se que no fundo hí +pen+s um+ re¸r+ re+l em
Aparição: n1o hí re¸r+s. Você deve +d+pt+r este jo¸o de
+cordo com + su+ necessid+de - se +s re¸r+s o +tr+p+lh+-
rem, ent1o i¸nore-+s ou mude-+s. Afin+l, + verd+deir+ com-
plexid+de e bele:+ do mundo re+l n1o pode ser c+ptur+d+
por re¸r+s; é preciso n+rr+tiv+ e im+¸in+ç1o p+r+ f+:er isso.
N+ verd+de ess+s re¸r+s s1o m+is orient+çöes que propri+-
mente re¸r+s, e você tem tot+l liberd+de p+r+ us+r, +bus+r,
i¸nor+r e mudí-l+s de +cordo com + su+ vont+de.
9o
A
purlçño.
O

L
lmho
¸um+ cois+ com o c+nto do olho (lrontid1o) e se esquiv+r
de um +t+que (Lsquiv+).
Experlmente
Bem, é isso +í. As re¸r+s s1o ess+s. N+ verd+de, p+r+ jo¸+r
Aparição você só precis+ +prender como funcion+m +s jo¸+-
d+s com d+dos. Se você tiver entendido o que foi discutido
nest+ seç1o, n1o terí dificuld+de em entender o rest+nte. Se
+ch+r que n1o "pe¸ou" bem todos os conceitos, relei+-os e
verí como d+ se¸und+ ve: tudo f+rí m+is sentido.
A¸or+ ví em frente e f+ç+ +l¸uns testes nos d+dos, us+n-
do o exemplo de person+¸em d+ outr+ pí¸in+. C+ss+ndr+
estí tent+ndo esc+p+r de um ¸rupo de le¸ionírios d+ Hie-
r+rqui+. Ll+ se +¸+ch+ por trís de um muro b+ixo, torcendo
p+r+ que eles p+ssem correndo sem + verem. O N+rr+dor
+tribui um+ dificuld+de ¯ + este feito, e decide que o teste
+propri+do é Destre:+ ÷ lurtivid+de. Lse dois d+dos devido
+ H+bilid+de em lurtivid+de 1 de C+ss+ndr+. A¸or+ você
tem três d+dos n+s m1os - n1o é muito, m+s pelo menos
você tem um+ ch+nce. Ví em frente e jo¸ue os d+dos. Vej+
qu+ntos sucessos você obteve, n1o esquecendo de subtr+ir um
sucessos p+r+ c+d+ "1" que você tiver obtido. Você conse¸uiu
ou sofreu um+ f+lh+ crític+! Qu+nto m+is sucessos você obti-
ver, melhor conse¸uirí se esconder. Apen+s um sucesso pode
si¸nific+r que você m+l conse¸uiu esconder-se + tempo. Dois
podem si¸nific+r que você conse¸uiu esconder-se num reces-
so. Três si¸nific+ri+m que você ficou complet+mente silencio-
so e quieto, dest+ form+ en¸+n+ndo os le¸ionírios.
Lm se¸uid+, experimente execut+r um+ +ç1o prolon¸+d+
e resistid+. Lm exemplo deste tipo de +ç1o é um+ disput+ de
qued+ de br+ço. l+r+ isso serí necessírio f+:er um+ série in-
definid+ de testes, c+d+ um us+ndo um+ C+r+cterístic+ dife-
rente e requerendo ¸r+us diversos de dificuld+de. l+r+ fin+l-
mente vencer seu oponente, você precis+rí +cumul+r cinco
sucessos + m+is que ele. Lm+ f+lh+ crític+ elimin+ todos os
seus sucessos +cumul+dos.
º lrimeir+ jo¸+d+: C+d+ person+¸em test+rí lorç+; +
dificuld+de é + Destre:+ ÷ 3 do oponente ( velocid+de é
import+nte + princípio).
º Se¸und+ e terceir+ jo¸+d+s: C+d+ jo¸+dor test+rí lor-
ç+; + dificuld+de é + lorç+ ÷ 3 do oponente.
º Qu+rt+ jo¸+d+ (e tod+s subseqüentes): C+d+ jo¸+dor
test+rí lorç+; + dificuld+de é + lorç+ de vont+de do +dver-
sírio.
Exemplos de [ogudus
A se¸uir descreveremos +l¸uns exemplos de testes, p+r+
que você tenh+ um+ noç1o de como incorpor+r ess+s re¸r+s
+o seu jo¸o. Observe que c+d+ um dos +tributos pode ser
+ssoci+do + um+ d+s H+bilid+des, cri+ndo, port+nto, um po-
tenci+l de 2¯0 tipos de testes simples que podem ser re+li:+-
d+s. Cí entre nós, você r+r+mente irí us+r + combin+ç1o de
seu nível no +tributo Vi¸or com o de seu conhecimento em
A ]lclu do ]ersonugem
N+ pí¸in+ + se¸uir oferecemos um exemplo de um+ fo-
lh+ complet+ de person+¸em de Aparição. O person+¸em
é um+ +p+riç1o recém-f+lecid+, ou lêmure, de nome C+s-
s+ndr+, e os exemplos de todo o livro us+r1o este person+-
¸em como b+se. A se¸uir, um+ rípid+ p+ss+¸em pel+s C+-
r+cterístic+s que + descrevem.
º Natureza e Comportamento: Lm+ descriç1o d+ per-
son+lid+de de um person+¸em. A N+ture:+ é su+ perso-
n+lid+de verd+deir+, enqu+nto o Comport+mento é + f+-
ch+d+ que ele +present+ +o mundo.
º Cronica: O título d+ série de históri+s e do mundo
no qu+l o person+¸em existe.
º Vantagens: Lst+ c+te¸ori+ é dividid+ em três sub-
c+te¸ori+s. Os Mistérios s1o +s c+r+cterístic+s místic+s que
definem os poderes de um+ +p+riç1o. Os Antecedentes
det+lh+m +s v+nt+¸ens soci+is e m+teri+is dos person+-
¸ens. As l+ixöes e os Orilhöes descrevem os ide+is que
s1o import+ntes +o person+¸em e os l+ços que os li¸+m +o
mundo dos vivos.
º Combate: Lste é o loc+l p+r+ list+r est+tístic+s de
comb+te p+r+ víri+s +rm+s.
º Pathos: A qu+ntid+de de poder místico + disposi-
ç1o d+ +p+riç1o, us+do p+r+ execut+r Mistérios.
º Corpus: A essênci+ que form+ o corpo "físico" de
um+ +p+riç1o. Corpus mede + s+úde do person+¸em.
º Experiência: Aqui você re¸istr+ os pontos de expe-
riênci+ +tribuídos pelo N+rr+dor, que pode us+r m+is t+r-
de p+r+ melhor+r seu person+¸em.
º Iorça de Vontade: Lm+ medid+ d+ +uto-confi+n-
ç+ e determin+ç1o do person+¸em.
º HabiIidades: As +ptidöes e potenci+is de um perso-
n+¸em.
º Conceito: A im+¸em ¸er+l do person+¸em: quem
ele er+ em su+ existênci+ mort+l.
º Lugar Assombrado: A residênci+ do person+¸em,
onde é m+is fícil p+r+ ele execut+r seus Mistérios.
C·mju:aJ·r, m+s pode +té +contecer...
º Você estí prote¸endo seu Orilh1o t+rde d+ noite.
Teste Vi¸or ÷ lrontid1o (dificuld+de ¯) p+r+ perm+necer
+cord+do e +lert+.
º Lm espectro sur¸e d+s sombr+s e flutu+ sorr+teir+-
mente +trís de você; teste lercepç1o ÷ lrontid1o (dificul-
d+de 9) p+r+ not+r su+ +proxim+ç1o.
º Lm Rene¸+do dur1o se recus+ + +ceit+r su+s ordens.
Teste lorç+ ÷ lider+nç+ (dificuld+de ¯) num+ tent+tiv+ de
dominí-lo fisic+mente e forçí-lo + f+:er o que você quiser.
º Serí que você conse¸ue convencer + multid1o de Al-
m+s lnquiet+s que se +proxim+ + se¸uí-lo! Teste C+rism+ ÷
lider+nç+ (dificuld+de ¯) enqu+nto tent+ f+:er um discurso
improvis+do. Você v+i precis+r de qu+tro sucesso p+r+ con-
vencê-los complet+mente.
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
A AA AAtrlhutos trlhutos trlhutos trlhutos trlhutos
Huhllldudes Huhllldudes Huhllldudes Huhllldudes Huhllldudes
G GG GGOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
8=J=CAI
G GG GGOOOOOOO
G GG GGOOOOOOO
G GG GGOOOOOOO
G GG GGOOOOOOO
G GG GGOOOOOOO
G GG GGOOOOOOO
G GG GGOOOOOOO
G GG GGOOOOOOO
G GG GGOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
]rontldño ____________
Atletlsmo ____________
Sensltlvldude _________
Brlgu _______________
Esqulvu _____________
Emputlu _____________
Expressño ____________
Intlmlduçño __________
Munlu ______________
Láhlu _______________
jruhullos Munuuls ____
Conduçño ____________
Etlquetu _____________
Armus de logo ________
Llderunçu ____________
Medltuçño ___________
Atuuçño _____________
Consertos ____________
]urtlvldude ___________
Conleclmento ________
] ]] ]]erlclus erlclus erlclus erlclus erlclus j jj jjulentos ulentos ulentos ulentos ulentos
Burocruclu ___________
Computudor __________
Enlgmus _____________
Investlguçño __________
Dlrelto ______________
Llngulstlcu ___________
Medlclnu ____________
Ocultlsmo ____________
]olltlcu ______________
Clenclu ______________
Conleclmento Conleclmento Conleclmento Conleclmento Conleclmento
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
]lslcos ]lslcos ]lslcos ]lslcos ]lslcos Socluls Socluls Socluls Socluls Socluls Mentuls Mentuls Mentuls Mentuls Mentuls
Carisma ___________
ManipuIação_______
Aparência_________
Percepção _________
InteIigência ________
Raciocínio_________
Força _______________
Destreza _____________
Vigor _______________
Antecedentes Antecedentes Antecedentes Antecedentes Antecedentes ] ]] ]]ulxões ulxões ulxões ulxões ulxões Mlsterlos Mlsterlos Mlsterlos Mlsterlos Mlsterlos
Comhute Comhute Comhute Comhute Comhute Grlllões Grlllões Grlllões Grlllões Grlllões
___________________
___________________
___________________
___________________
___________________
___________________
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
Corpus Corpus Corpus Corpus Corpus
O O O O O O O O O O
]orçu ]orçu ]orçu ]orçu ]orçu
de V de V de V de V de Vontude ontude ontude ontude ontude
O O O O O O O O O O

] ]] ]]utlos utlos utlos utlos utlos

Apurlçño O Llmho Apurlçño O Llmho Apurlçño O Llmho Apurlçño O Llmho Apurlçño O Llmho
Nutur Nutur Nutur Nutur Nuturezu. ezu. ezu. ezu. ezu.
Comportumento. Comportumento. Comportumento. Comportumento. Comportumento.
Somhr Somhr Somhr Somhr Somhru. u. u. u. u.
Vldu. Vldu. Vldu. Vldu. Vldu.
Morte. Morte. Morte. Morte. Morte.
Arr Arr Arr Arr Arrependlmento. ependlmento. ependlmento. ependlmento. ependlmento.
Nome. Nome. Nome. Nome. Nome.
[ogudor. [ogudor. [ogudor. [ogudor. [ogudor.
Crônlcu. Crônlcu. Crônlcu. Crônlcu. Crônlcu.
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOOO
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
_____________________
Atrlhutos. 7/¨/3, Huhllldudes. 13/9/¨, Arcunos. ¨, ]ulxões. 1u, Grlllões. 1u, Antecedentes. 7, ]orçu de Vontude. ¨, ]utlos ¨ + Memorlum, ]ontos de Bônus. 1¨ ¦¨, 2, 1)
Experlenclu Experlenclu Experlenclu Experlenclu Experlenclu
98
A
purlçño.
O

L
lmho
º Lm Centuri1o d+ Hier+rqui+ tent+ orden+r um ¸ru-
po de Ap+riçöes + vir com ele. Teste lercepç1o ÷ lider+n-
ç+ (dificuld+de 6) p+r+ ver se ele é um bom líder. Se você
conse¸uir cinco sucessos, v+i s+ber seu nível ex+to.
º Após ser interro¸+do por hor+s por lnquisidores d+
Hier+rqui+, teste Vi¸or ÷ líbi+ (dificuld+de o) p+r+ ver se
conse¸ue m+nter su+ históri+ int+ct+. Obter cinco sucessos
os convencerí inteir+mente.
º Você +me+ç+ + jovem +p+riç1o tent+ndo lev+ntí-l+
pelo col+rinho; teste lorç+ ÷ lntimid+ç1o (dificuld+de o).
º Orit+ndo e ¸esticul+ndo p+r+ o B+tedor, você tent+
f+:ê-lo ir m+is rípido. Teste C+rism+ ÷ lntimid+ç1o (difi-
culd+de 6).
º Você f+: um+ série de per¸unt+s rípid+s p+r+ desco-
brir que +me+ç+s intimid+m m+is o indivíduo-+lvo. Teste
R+ciocínio ÷ lntimid+ç1o (dificuld+de 6).
º Você estí tent+ndo +c+lm+r +l¸uém cuj+ + C+rne es-
tej+ C+v+l¸+ndo (você é um Jóquei d+ C+rne): teste M+ni-
pul+ç1o ÷ Lmp+ti+ (dificuld+de 6).
º Você est+ tent+ndo p+r+r o c+rro que começ+ + s+ir
de controle. Qu+l p+rte do motor deve destruir com lnsulto!
Teste lnteli¸ênci+ ÷ Consertos (dificuld+de 6).
º Você tent+ decifr+r o que estí err+do com o motor
do c+rro + p+rtir dos sons estr+nhos que ele estí f+:endo.
Teste lercepç1o ÷ Consertos (dificuld+de 6).
º Você estí tent+ndo f+:er um+ mísc+r+ + p+rtir de
um+ coleç1o de relíqui+s.Teste lnteli¸ênci+ ÷ M+nuf+tur+
(dificuld+de 6).
. Você tent+ impression+r um s+cerdote Here¸e com su+ h+-
bilid+de em construir +rm+s. Teste M+nipul+ç1o ÷ M+nu-
f+tur+ (dificuld+de ¯).
º Qu+nto tempo você conse¸ue fic+r imóvel nos +r-
bustos enqu+nto os dois ¸u+rd+s convers+m por hor+s + fio!
Teste Vi¸or ÷ lurtivid+de (dificuld+de ¯). C+d+ sucesso in-
dic+ + p+ss+¸em de 10 minutos.
º Você tent+ se¸uir + trilh+ de documentos +té + pes-
so+ que deu + ordem de destruir seu Orilh1o. Teste lnteli-
¸ênci+ ÷ Burocr+ci+ (dificuld+de ¯).
º Você n1o +dor+ri+ ter +quel+ ordem de "lrédio Con-
den+do" perdid+ no m+r d+ burocr+ci+! lossu+ um funcio-
nírio e teste M+nipul+ç1o ÷ Burocr+ci+ (dificuld+de 6) p+r+
f+:er isso.
º Você conse¸ue encontr+r +s pist+s que + políci+ dei-
xou p+ss+r no loc+l de su+ morte! Teste lercepç1o ÷ lnves-
ti¸+ç1o (dificuld+de o).
º Onde você deve procur+r por seu +ss+ssino! Teste
lnteli¸ênci+ ÷ lnvesti¸+ç1o (dificuld+de 6).
º Ao n+ve¸+r pelo fluxo de elétrons você se perdeu n+
lnternet. Teste lercepç1o ÷ Comput+dor (dificuld+de 6)
p+r+ descobrir onde estí.
99
º Você estí tent+ndo di:er + outr+ +p+riç1o como con-
se¸uir o que quer do comput+dor. Teste M+nipul+ç1o ÷
Comput+dor (dificuld+de ¯).
º Lntr+r num sistem+ de comput+ç1o requer muito tem-
po, e você lut+ contr+ + f+ti¸+ +o f+:ê-lo. Teste Vi¸or ÷
Comput+dor (dificuld+de 6).
º Lnqu+nto v+¸+ n+ Tempest+de, você descobre um
reino que nunc+ h+vi+ visto +ntes. Teste lnteli¸ênci+ ÷ Lni¸-
m+s (dificuld+de 9). Se você conse¸uir três sucessos, poderí
ser c+p+: de di:er se é peri¸oso perm+necer por lí.
º Lm Here¸e vem + você e oferece +jud+ - se você
conse¸uir +tur+r seu serm1o. Teste Vi¸or ÷ Lni¸m+s (difi-
culd+de ¯) p+r+ perm+necer +cord+do.
º Qu+l é um bom lu¸+r p+r+ encontr+r um consorte!
Teste lnteli¸ênci+ ÷ líbi+ (dificuld+de 6).
º Que lín¸u+ ele estí f+l+ndo! Teste lnteli¸ênci+ ÷ lin-
¸uístic+ (dificuld+de ¯).
jermos de [ogo
abiIidade: Lm+ C+r+cterístic+ que des-
creve o que um person+¸em s+be e
+prendeu, em oposiç1o +o que ele é.
Lxemplos s1o lntimid+ç1o, Arm+s de
lo¸o e Ocultismo.
Ação: Lm+ +ç1o é + execuç1o consci-
ente de +tivid+des físic+s, soci+is ou
ment+is. Qu+ndo um jo¸+dor +nunci+ que seu person+¸em
estí f+:endo +l¸um+ cois+, ele estí tom+ndo um+ +ç1o.
Vantagens: Lst+ é um+ c+te¸ori+ +br+n¸ente que des-
creve os Mistérios, Antecedentes, l+ixöes e Orilhöes de um
person+¸em.
Misterios: As h+bilid+des místic+s d+s +p+riçöes.
Atributo: Lm+ C+r+cterístic+ que descreve +s +ptidöes
inerentes +o person+¸em. Atributos s1o cois+s como lorç+,
C+rism+ e lnteli¸ênci+.
IaIha Crítica: Lm+ f+lh+ des+stros+, indic+d+ por tir+r
m+is 1's do que sucessos em d+dos de 10 f+ces test+dos p+r+
um+ +ç1o.
Personagem: C+d+ jo¸+dor cri+ um person+¸em, um in-
divíduo que ele interpret+ no decorrer de um+ cronic+. Ape-
s+r de "person+¸em" implic+r em qu+lquer indivíduo, em
Aparição, + p+l+vr+ é sempre us+d+ p+r+ descrever os perso-
n+¸ens dos jo¸+dores.
Corpus: Lst+ C+r+cterístic+ mede o ¸r+u de ferimento
ou d+no de um person+¸em.
Parada de Dados: Descreve os d+dos que você tem em
su+ m1o +pós combin+r su+s diferentes C+r+cterístic+s. L o
número míximo de d+dos que você pode jo¸+r em um tur-
no, +pes+r de poder dividir estes entre diferentes +çöes.
DificuIdade: Lste é um número que v+ri+ entre 2 + 10 e
que mede o nível de dificuld+de de um+ +ç1o que o person+-
¸em execut+. O jo¸+dor precis+ tir+r um número i¸u+l ou
m+ior em pelo menos um dos d+dos jo¸+dos.
InterIúdio: O tempo ¸+sto entre cen+s qu+ndo nenhu-
m+ interpret+ç1o é feit+ e n1o s1o us+dos turnos. lodem ser
execut+d+s +çöes, e o N+rr+dor pode d+r +l¸um+s descri-
çöes, m+s ¸er+lmente o tempo p+ss+ r+pid+mente.
Ação Estendida: Lm+ +ç1o que requer certo número de
sucessos p+r+ o person+¸em ser bem-sucedido.
Pathos: O poder bruto de emoç1o us+do pel+s +p+riçöes
p+r+ execut+r Mistérios.
Pontos: Os escores temporírios de C+r+cterístic+s, como
lorç+ de Vont+de, l+thos e Corpus - os qu+dr+dos, n1o os
círculos.
NíveI: Lm número que descreve o v+lor perm+nente de
um+ c+r+cterístic+; norm+lmente um número de 1 + 5, +pe-
s+r de +s ve:es poder ir +té 10.
Renovação: Qu+ndo os pontos s1o retom+dos em um+
l+r+d+ de D+dos, di:-se que for+m renov+dos. O número de
pontos retom+dos é + "t+x+ de renov+ç1o".
Ação Resistida: um+ +ç1o que dois person+¸ens diferen-
tes execut+m um contr+ o outro. Ambos comp+r+m seu nú-
mero de sucessos; o person+¸em que tiver m+is, vence.
Cena: Lm único episódio d+ históri+; um tempo e um
loc+l onde +s +çöes e eventos tom+m lu¸+r momento + mo-
mento . A cen+ costum+ ser um ponto +lt+mente dr+mítico
d+ históri+.
MortaIha: A dificuld+de de execut+r +l¸uns Mistérios
em um+ d+d+ íre+ d+s Re¸iöes Sombri+s; el+ começ+ em
um+ b+se de 10 dur+nte o di+ e 9 + noite. Vírios f+tores
(Orilhöes, etc.) podem modific+r o v+lor de um+ Mort+lh+.
Ação SimpIes: Lm+ +ç1o que requer que o jo¸+dor con-
si¸+ +pen+s um sucesso p+r+ ser bem sucedido, +pes+r de
m+is sucessos indic+rem um tr+b+lho ou result+do melhor.
Narrador: A pesso+ que cri+ e ¸ui+ um+ históri+ de Apa-
rição. O N+rr+dor +ssume os p+péis de todos os person+¸ens
n1o control+dos pelos jo¸+dores e determin+ todos os even-
tos for+ do controle destes.
Sistema: Lm conjunto específico de complic+çöes us+-
d+s em cert+s situ+çöes; re¸r+s p+r+ +jud+r + ¸ui+r os testes
de d+dos p+r+ cri+r +çöes dr+mític+s.
Característica: Lm+ C+r+terístic+ é qu+lquer Atributo,
V+nt+¸em ou índice de person+¸em que poss+ ser descrito
como um número (em termos de pontos).
Equipe: Lm ¸rupo de jo¸+dores, incluindo o N+rr+dor,
que jo¸+m Aparição - norm+lmente em b+se re¸ul+r.
Iorça de Vontade: Lm+ d+s C+r+cterístic+s m+is impor-
t+ntes é + lorç+ de Vont+de. Ll+ mede + +uto-confi+nç+ e o
controle interno de um person+¸em. A lorç+ de Vont+de
funcion+ diferentemente d+ m+iori+ d+s C+r+cterístic+s -
el+ costum+ ser ¸+st+, no lu¸+r de test+d+.
1uu
A
purlçño.
O

L
lmho
1u1
T.JJy .|.|rata .·|a - :|n|a 12 an·s
Ca|u J. um :.:· na 29 L.s:.
ía:|y :|n|a 11 ¡uanJ· J.s||¸·u a :·maJa
ß·||y :|n|a |.u..m|a - 14 an·s
L|. jar..|a :.r o5 ¡uanJ· m·rr.u - .ra m.u am|¸·
Ls:as sa· j.ss·as ¡u. m·rr.ram - m·rr.ram...
T·J·s .ram m.us am|¸·s - . .|.s m·rr.ram...
- Jim C+rroll B+nd, "leople Who Died"
ntes de começ+r + jo¸+r Aparição, serí
preciso cri+r um person+¸em. Contudo,
+o contrírio d+ velh+ brinc+deir+ de f+:-
de-cont+, você n1o cri+ o person+¸em
no decorrer do jo¸o (embor+ o N+rr+-
dor precise enfrent+r re¸ul+rmente esse
tipo de des+fio). O person+¸em precis+
ser cri+do an:.s de você começ+r + jo¸+r. lsso envolve um
pouco de tr+b+lho: os person+¸ens n1o n+scem; s1o cri+dos.
Cri+r um person+¸em envolvente, m+s re+list+, dem+nd+ um
esforço cri+tivo que f+: su+r +té mesmo os jo¸+dores veter+nos.
Lste c+pítulo ensin+ + cri+r um person+¸em ori¸in+l, co-
meç+ndo com um conceito ¸er+l e tr+du:indo esse conceito
em números que poss+m ser us+dos no jo¸o. Su+s instruçöes
+uxili+r1o os jo¸+dores no processo de cri+ç1o de seus perso-
n+¸ens. Lste processo é muito simples e os jo¸+dores podem
+prendê-lo so:inhos com f+cilid+de. Contudo o N+rr+dor
deve ter um bom domínio sobre o processo p+r+ responder
su+s per¸unt+s de form+ precis+ e sucint+.
Lsses números podem n1o p+recer p+rticul+rmente evo-
c+tivos. L difícil im+¸in+r um rom+ncist+ descrevendo um+
person+¸em +ssim: "O C+rism+ del+ er+ +." Contudo, esses
níveis f+cilit+m + identific+ç1o dos pontos fortes e fr+cos de
um person+¸em. M+is import+nte, eles descrevem os f+tores
+le+tórios cri+dos pelos d+dos que podem ser +plic+dos +s C+-
r+cterístic+s dos person+¸ens. Lm person+¸em forte tem m+is
ch+nce de +rromb+r um+ port+ que um person+¸em fr+co.
A cri+ç1o dos person+¸ens sempre se¸ue um p+dr1o, v+-
ri+ndo do ¸er+l p+r+ o específico. Lm primeiro lu¸+r você
desenvolve um conceito ¸er+l de quem e o que é o seu per-
son+¸em - su+ form+ç1o é m+is soci+l ou m+is intelectu+l!
- e depois começ+ + especific+r selecion+ndo os níveis de
su+s C+r+cterístic+s - o qu1o forte é o seu C+rism+, M+ni-
pul+ç1o e Ap+rênci+! N1o use este processo como um+ ch+n-
ce de cri+r o "melhor" person+¸em possível; isso +c+b+ com
o propósito ¸lob+l de ¸er+r um indivíduo interess+nte. A fun-
ç1o desses números é +primor+r + personific+ç1o, n1o +brir
c+minho p+r+ +l¸um+ O+leri+ d+ l+m+ mític+.
Cri+r lerson+¸ens n1o é muito diferente de co:inh+r. Você
precis+ reunir os in¸redientes e combiní-los, e em se¸uid+ dei-
x+r + mistur+ co:inh+r dur+nte +l¸um+s hor+s. Você começ+
decidindo que tipo de person+¸em quer. V+i ser um punk m+l-
tr+t+do pel+s ru+s ou um+ ex-debut+nte ric+ e mim+d+! lossui
diplom+ universitírio ou foi educ+do n+ vid+ em +l¸um+ p+rte
d+s Mont+nh+s Ap+l+che! Os +ntecedentes e + person+lid+de
de seu person+¸em s1o in¸redientes essenci+is d+ "person+"
dele. A p+rtir dos conceitos bísicos pode-se começ+r + esmiu-
ç+r os det+lhes, como Atributos e V+nt+¸ens.
Cupltulo Clnco.
]ersonugem
1u2
A
purlçño.
O

L
lmho
Começundo
xistem cinco conceitos bísicos dos qu+is
você precis+ est+r ciente +ntes de co-
meç+r + cri+r um person+¸em:
º lode cri+r um person+¸em de
qu+lquer id+de, cultur+ ou n+ç1o; po-
rém, você começ+ o jo¸o como um+ +p+-
riç1o pouco experiente e sofistic+d+, f+-
lecid+ recentemente. O seu person+¸em prov+velmente co-
nhece rel+tiv+mente pouco sobre + socied+de d+s +p+riçöes,
+ n1o ser que tenh+ sido instruído por um Mentor ou por
um Ceif+dor, + +p+riç1o que o descobriu e iniciou.
º Lste processo de cri+ç1o foi pl+nej+do t+nto p+r+ +ju-
dí-lo + definir o seu person+¸em, como p+r+ fornecer-lhe os
meios p+r+ inter+¸ir se¸undo +s re¸r+s. lembre-se que um
person+¸em n1o pode existir +pen+s como números; é + su+
personific+ç1o que mold+ e define seu a|:.r .¸·.
º Lste sistem+ de cri+ç1o de person+¸em é um sistem+ de
+quisiç1o que envolve +pen+s um result+do nos d+dos. Ao es-
colher C+r+cterístic+s de um+ v+ried+de de list+s, você decide
quem serí o seu person+¸em. Você obterí pontos extr+s ch+-
m+dos "bonus" no fim do processo, que você pode em se¸uid+
us+r p+r+ +crescent+r bolinh+s + qu+lquer C+r+cterístic+, de
modo que você n1o venh+ depois + se +rrepender de su+s esco-
lh+s. N1o obst+nte, mesmo com pontos de bonus você prov+-
velmente n1o poderí compr+r tudo que quiser.
º A m+iori+ d+s c+r+cterístic+s é cl+ssific+d+ numeri-
c+mente de 1 + 5. Lste sistem+ é semelh+nte +o sistem+ de
"estrel+s" us+do p+r+ cl+ssific+r filmes, rest+ur+ntes e hotéis.
Lm ponto num+ C+r+cterístic+ indic+ pouc+ h+bilid+de ou
inexperiênci+ ness+ C+r+cterístic+. Dois pontos indic+m um+
C+r+cterístic+ p+dr1o, enqu+nto 5 indic+m que você estí
entre os melhores do mundo. As c+r+cterístic+s s1o b+se+d+s
no +lc+nce hum+no.
º Lm+ bo+ idéi+ seri+ que o seu ¸rupo discutisse + n+tu-
re:+ do seu Círculo +ntes que +l¸uém cri+sse person+¸ens (vej+
Ò C/r.u|·, +b+ixo). L respons+bilid+de su+ cri+r um person+-
¸em que pertenç+ +o ¸rupo. Os person+¸ens no Círculo devem
ter um l+ço m+is forte que o simples +c+so. Lmbor+ n1o h+j+
problem+ em ter dois person+¸ens unidos por n+d+ m+is que +s
cord+s do Destino, é m+is interess+nte jo¸+r com person+¸ens
que tenh+m +o menos um +specto em comum com c+d+ um
dos seus comp+triot+s, sej+ esse +specto um Orilh1o, um+ l+i-
x1o ou um lnimi¸o. Se o seu person+¸em n1o se enqu+dr+r,
prejudic+ndo + históri+, você n1o se divertirí muito, e o seu
N+rr+dor poderí m+ndí-lo cri+r outro person+¸em.
O ]upel do Nurrudor
N+ condiç1o de N+rr+dor, você precis+ orient+r os jo¸+-
dores dur+nte o processo de ¸er+ç1o de person+¸ens. Qu+n-
do os jo¸+dores che¸+rem p+r+ + sess1o de jo¸o, +presente-os
+ premiss+ bísic+ do jo¸o e lhes descrev+ o sistem+ de re¸r+s.
O seu objetivo princip+l deve ser f+cilit+r o míximo +s coi-
s+s p+r+ os jo¸+dores. Se eles forem nov+tos, m+ntenh+ +s
cois+s o m+is simples que puder; deixe-os descobrir por con-
t+ própri+ +s complexid+des do sistem+.
Comece distribuindo +s fich+s dos person+¸ens, e depois
conced+ +os person+¸ens um minuto p+r+ que eles +s ex+mi-
nem e f+ç+m per¸unt+s. Você pode t+mbém fotocopi+r + fich+
de "Cri+ç1o de lerson+¸ens" no fim do livro (+pen+s p+r+ fins
pesso+is) e usí-l+ como fonte de consult+ dur+nte o processo.
Se os jo¸+dores puderem consult+r est+ fich+ e escut+r +s su+s
explic+çöes +o mesmo tempo, + ¸er+ç1o de person+¸ens serí
compreendid+ com muito m+is f+cilid+de. Lm se¸uid+ percor-
r+ o processo de cri+ç1o de person+¸ens p+sso + p+sso, preen-
chendo todos os det+lhes d+s C+r+cterístic+s dos person+¸ens.
Costum+ ser +conselhível ¸+st+r um+ sess1o de jo¸o in-
teir+ cri+ndo person+¸ens. lsto ¸+r+ntirí que os jo¸+dores
n1o ir1o se sentir pression+dos, fic+ndo + vont+de p+r+ f+:er
person+¸ens completos, de c+rne e osso, e n1o simples m+ri-
onetes. Depois que houver termin+do com os det+lhes prí-
ticos d+ cri+ç1o dos person+¸ens, você poderí ¸+st+r o resto
d+ sess1o de jo¸o condu:indo um prelúdio p+r+ c+d+ perso-
n+¸em. Lm prelúdio é um+ form+ de n+rr+tiv+ +brevi+d+ n+
qu+l você cont+ + históri+ d+ vid+ do person+¸em +ntes do
Abr+ço. O prelúdio serí + inici+ç1o dos jo¸+dores, +ssim como
+ introduç1o de seus person+¸ens n+ cronic+: f+ç+-o memo-
rível. O prelúdio estí descrito no fim deste c+pítulo.
]usso Um. Concelto
Você começ+ formul+ndo um conceito bísico p+r+ seu
person+¸em. L preciso +pen+s um+ v+¸+ idéi+ sobre su+ vid+.
Com o desenrol+r d+ cronic+, você v+i d+r-lhe vid+ +tr+vés
d+ interpret+ç1o. Você pode cri+r um person+¸em de qu+l-
quer cultur+ ou n+ç1o. Lm qu+lquer c+so, você deve est+r
morto hí menos de 30 +nos.
Hí três per¸unt+s bísic+s + serem respondid+s: quem você
er+ em vid+, como morreu, e porque n1o lhe foi permitido
se¸uir +di+nte!
Vldu
Como você lev+v+ su+ vid+! O que f+:i+! Lscolh+ +l-
¸uém rel+tiv+mente mund+no e norm+l, +pes+r de mortos
f+mosos serem +ceitíveis se o N+rr+dor permitir. Lis +l¸u-
m+s idéi+s:
º Criminoso - Você er+ um prisioneiro, m+fioso, +s-
s+lt+nte, tr+fic+nte de dro¸+s ou um mero l+dr1o de ¸+li-
nh+s.
º PoIiciaI - Você er+ um polici+l de ru+, detetive ou
+pen+s um ofici+l +dministr+tivo.
º PoIítico - Você er+ um jui:, prefeito, or¸+ni:+dor
d+ comunid+de, funcionírio público, sen+dor ou um mero
+dvo¸+do:inho.
º IieI - Você sempre foi pio, m+s +s cois+s n1o termi-
n+r+m bem d+ form+ como im+¸inou.
1u3
º Errante - Você er+ um v+¸+bundo, c+ubói, técnico
de te+tro, pere¸rino, um+ prostitut+ ou um sem-teto.
º DiIetante - Você vivi+ num est+do de excesso he-
donístico ou de +lien+ç1o.
º CuItista - Como membro de um culto, você subor-
din+v+ seus desejos +s necessid+des do culto.
º MarginaI - Você n+sceu e morreu do l+do err+do
d+ pist+.
º Bebê - Você morreu muito +ntes do tempo.
º Artista - Você deixou p+r+ trís su+ vis1o, su+ obr+
in+c+b+d+, su+ ma¸num ·jus. Serí que +l¸uém v+i perceber!
º ProfissionaI - O tr+b+lho er+ su+ vid+; +¸or+ você
se per¸unt+ o que perdeu.
º TábuIa Rasa - Lm+ folh+ em br+nco. T+lve: você
nunc+ tenh+ re+lmente vivido - ou t+lve: tenh+ esquecido
tudo que tinh+ si¸nific+do p+r+ você.
Morte
A form+ como você morreu é vit+l p+r+ descrever su+
re+ç1o + morte. Como morreu, e qu+l + c+us+! Qu+ndo +con-
teceu! lor quê! Aqui v1o +l¸um+s idéi+s:
º VeIhice - Apes+r de ter vivido muitos +nos, você
n1o est+v+ pronto p+r+ morrer.
º Cuerra - Você morreu nos c+mpos d+ "¸lóri+".
º Overdose - O excesso levou-o + morte.
º VioIência Cratuita - Você est+v+ no lu¸+r err+do
n+ hor+ err+d+.
º Suicídio - Seus pedidos de +jud+ rec+ír+m sobre ou-
vidos surdos.
º Assassinato - Você foi vítim+ de um pred+dor si-
nistro.
º Doença - Após muit+ dor e sofrimento, você su-
cumbiu + su+ doenç+ termin+l.
º VioIência Domestica - Você foi vítim+ de um ciclo
interminível de ver¸onh+, ódio, dor e violênci+.
º Acidente AutomobiIístico - loi tudo t1o rípido...
º Misterio - Você n1o tem idéi+ do que +conteceu
- ou t+lve: n1o queir+ s+ber...
º Capricho da Natureza - Você foi +tin¸ido por um
r+io ou t+lve: um tub+r1o o tenh+ devor+do.
Arrependlmento
lor que seu person+¸em se +¸+rr+ t1o ten+:mente + vid+,
ne¸+ndo + morte t1o firmemente, mesmo +pós seu sopro ter
+b+ndon+do seu corpo! O que ele deixou p+r+ trís! Que
p+l+vr+s n1o for+m dit+s, que cois+s fic+r+m por f+:er! De
que m+neir+ ele re+lmente nunc+ viveu! Do que ele se +rre-
pende sobre + form+ como viveu! Aqui v1o +l¸um+s idéi+s:
º Destino - Você nunc+ cumpriu seu destino.
º Amor Não Correspondido - Ll+ nunc+ olhou du+s
ve:es p+r+ você - bem, m+s +¸or+ el+ v+i, +h, se v+i'
º Verdadeiro Amor - Você deixou p+r+ trís +l¸uém
que si¸nific+v+ m+is do que tudo.
º Vingança - Seus últimos pens+mentos for+m "Você
v+i ver só, seu des¸r+ç+do'"
1u4
A
purlçño.
O

L
lmho
Arquetlpos de ]ersonulldudes
º Arquiteto: Você n1o fic+ contente se n1o cri+r +l¸o
de v+lor.
º Vanguarda: O novo e o diferente s1o o motivo de
su+ existênci+.
º Bon Vivant: Você procur+ +s bo+s cois+s d+ vid+
- mesmo +pós + morte.
º VaIentão: Você é o tipo v+lent1o; ¸ost+ que +s pes-
so+s o tem+m.
º Samaritano: Muitos precis+m de seu +mor e prote-
ç1o, e você precis+ ser necessírio.
º Criança: Você nunc+ cresceu e quer que +l¸uém
tome cont+ de você.
º Conformista: Lm se¸uidor de cor+ç1o, +ch+ fícil
se +d+pt+r, se +just+r, se conform+r.
º Esperto: Hí sempre um+ s+íd+ m+is fícil - que
¸er+lmente implic+ em que outr+ pesso+ f+ç+ o seu tr+b+-
lho.
º Crítico: N+d+ n+ vid+ ou n+ morte é perfeito, e você
tem ¸r+nde pr+:er em +pont+r f+lh+s.
º Rabugento: Você é re+lmente +m+r¸o e cínico +
enésim+ potênci+.
º Excêntrico: Você simplesmente n1o é como todo
mundo.
º Diretor: Você odei+ o c+os e sempre se oferece p+r+
consert+r +s cois+s.
º Ianático: Você tem um+ c+us+ que dí si¸nific+do +
su+ vid+.
º CaIante: Você é t1o respl+ndecente qu+nto +mo-
r+l.
º Comediante: Sempre o p+lh+ço, n1o conse¸ue le-
v+r n+d+ n+ vid+, ou n+ morte, + sério.
º ]uíz: Você procur+ por justiç+ e reconcili+ç1o.
º SoIitário: Você estí sempre so:inho, mesmo no meio
de um+ multid1o.
º Mártir: Você precis+ ser necessírio e ¸ost+ de ser
mor+lmente superior.
º RebeIde: N1o hí necessid+de de c+us+; você se re-
bel+ por híbito e ¸osto.
º Sobrevivente: Você lut+ p+r+ sobreviver, n1o im-
port+ +s +dversid+des.
º TradicionaIista: Você prefere + m+neir+ ortodox+
e conserv+dor+.
º Visionário: O conhecimento é su+ busc+, e + inspi-
r+ç1o su+ ch+ve.
º Missão - Você tinh+ um+ miss1o + cumprir e f+lhou.
º Teoria - Você nunc+ provou su+ teori+ nem públi-
cou su+s idéi+s - e t+lve: outr+ pesso+ +s roube'
º Sucesso - Você tinh+ tudo - m+s +¸or+ tudo se foi.
º Crianças - Você n1o deixou nin¸uém p+r+ lembr+r
de você.
º Legado - Você n1o deixou n+d+ de v+lor dur+dou-
ro +o mundo.
º IaIha - lndecis1o, desconfi+nç+, b+ix+ +uto-estim+:
ch+me do que quiser, m+s você f+lhou.
º Prazer - A vid+ er+ um b+nquete e você comi+ min-
¸+u.
º Viagem - Você nunc+ fe: +quel+ vi+¸em +s B+h+-
m+s ou + l+ris.
º Pecado - Os ¸rilhöes d+ culp+ +ind+ pes+m muito
em su+ +lm+.
º Briga em IamíIia - Você nunc+ fe: +s p+:es com
seu filho +ntes de morrer - e +¸or+ é t+rde dem+is. Serí!
Nuturezu e Comportumento
A¸or+ você precis+ escolher os Arquétipos de person+li-
d+de que descrevem + n+ture:+ intern+ e +s +titudes exter-
n+s de seu person+¸em.
A N+ture:+ de seu person+¸em é o +specto m+is domi-
n+nte de su+ verd+deir+ person+lid+de. O Arquétipo que
você escolher p+r+ + N+ture:+ de seu person+¸em descreve
seus sentimentos m+is profundos e crenç+s sobre si mesmo e
o mundo; ele t+mbém provê os meios princip+is pelos qu+is ele
retom+ lorç+ de Vont+de. Lscolher um+ N+ture:+ +jud+-o +
descrever quem seu person+¸em re+lmente é por dentro.
Você t+mbém deve escolher um Comport+mento p+r+
descrever + person+lid+de que seu person+¸em fin¸e possuir.
Lste é o p+pel que ele interpret+ p+r+ o mundo, + f+ch+d+
com + qu+l ele se +present+. O Comport+mento deve, pro-
v+velmente, +pes+r de n1o necess+ri+mente, diferir do Ar-
quétipo jí escolhido como + N+ture:+ do person+¸em. O
que quer que você escolh+ serí +pen+s um+ f+ch+d+ típic+
do person+¸em; hí pesso+s que podem mud+r de Comport+-
mento t1o r+pid+mente como mud+m de humor. Você pode
mud+r o Comport+mento de seu person+¸em + qu+lquer
momento, permitindo-o +d+pt+r-se + pesso+s e situ+çöes dife-
rentes. O Comport+mento n1o tem qu+lquer efeito prítico
p+r+ +s re¸r+s, m+s serve como um ¸ui+ p+r+ interpret+ç1o.
Al¸uns exemplos de Arquétipos de person+lid+des s1o
list+d+s + se¸uir.
]usso Dols. Escollendo Atrlhutos
Os Atributos de um person+¸em s1o p+rte de su+ composi-
ç1o intrínsec+. Apes+r do person+¸em n1o m+is ter um corpo
vivo, ele +ind+ tem um+ form+ no pós-vid+. Lst+ form+, ou
Corpus, equiv+le + +uto-im+¸em do person+¸em e retém mui-
t+s de su+s c+r+cterístic+s d+ vid+. Os +tributos +ind+ respon-
dem per¸unt+s como: seus reflexos s1o rípidos! Lle é bonito!
Qu+nto tempo lev+ p+r+ entender nov+s idéi+s!
lrimeiro você deve priori:+r +s três c+te¸ori+s de Atributos
- lísicos, Ment+is e Soci+is. Lscolh+ +quel+s c+te¸ori+s n+s
qu+is seu person+¸em é bom (primíri+), +s em que ele é me-
di+no (secundíri+) e +s em que ele é ruim (terciíri+). Seu
person+¸em é m+is físico do que soci+l! Lle é m+is vi¸oroso
do que ¸re¸írio!
1u¨
º Atributos Iísicos - Os Atributos lísicos descrevem
+ forç+, +¸ilid+de e resistênci+ de seu person+¸em. Lles s1o
os Atributos princip+is de um person+¸em orient+do p+r+
+ç1o - os Atributos lísicos di:em respeito +s forç+s e fr+-
que:+s do corpo. A lorç+ mede o poder bruto de um perso-
n+¸em e qu+nto d+no ele é c+p+: de infli¸ir em um comb+te
bísico corpo-+-corpo. A destre:+ mede + velocid+de e +¸ili-
d+de de um+ +p+riç1o. L o Vi¸or mede + constituiç1o e c+-
p+cid+de de recuper+ç1o de um person+¸em.
º Atributos Sociais - Os Atributos Soci+is de seu per-
son+¸em medem su+ h+bilid+de em se rel+cion+r, motiv+r e
m+nipul+r outros. O C+rism+ indic+ o m+¸netismo e ch+r-
me pesso+l. A M+nipul+ç1o mede + h+bilid+de do person+-
¸em de convencer e lev+r outros n+ convers+. L + Ap+rênci+
descreve como ele se p+rece e se veste.
º Atributos Mentais - Lst+s C+r+cterístic+s represen-
t+m + c+p+cid+de de r+ciocínio de seu person+¸em, e inclu-
em cois+s como memóri+, percepç1o, potenci+l de +prendi-
:+do e + h+bilid+de de pens+r r+pid+mente. A lercepç1o
descreve os poderes de observ+ç1o de um+ +p+riç1o. lnteli-
¸ênci+ represent+ + memóri+, o r+ciocínio e o potenci+l de
+prendi:+do. L o R+ciocínio mede o tempo e re+ç1o de um
person+¸em e su+ h+bilid+de de pens+r por si mesmo.
O conceito de seu person+¸em deve +jud+r + su¸erir priori-
d+des p+r+ os Atributos, m+s sint+-se livre p+r+ escolher qu+l-
quer esquem+ que lhe convier. lor enqu+nto, + concepç1o de
seu person+¸em deve ser bem ¸ener+li:+d+ - pinte um qu+-
dro ¸er+l +o invés de se concentr+r em pequenos det+lhes.
Todos os person+¸ens começ+m com um ponto em c+d+
Atributo. Su+ seleç1o de priorid+des determin+ qu+ntos pon-
tos você tem p+r+ ¸+st+r em c+d+ c+te¸ori+. Você pode divi-
dir sete pontos entre os Atributos primírios do person+¸em,
cinco entre os Atributos secundírios e três entre os terciíri-
os. Assim, você pode escolher +crescent+r sete pontos +os
Atributos lísicos de su+ +p+riç1o, cinco +os seus Atributos
Ment+is e +pen+s três +os Atributos Soci+is. Você pode divi-
dir os pontos entre os Atributos individu+is como bem en-
tender - di¸+mos, +ssoci+r todos os três pontos de seus Atri-
butos Soci+is +o C+rism+, um ponto p+r+ c+d+ um dos Atri-
butos Soci+is, ou dois pontos em um e um em outro.
M+is t+rde, no processo de cri+ç1o, serí possível incre-
ment+r +l¸uns destes níveis, port+nto n1o se preocupe mui-
to sobre su+s escolh+s. Deixe su+ intuiç1o o ¸ui+r.
Obs: O esp+ço +o l+do de c+d+ Atributo (e H+bilid+de)
é reserv+do p+r+ que você escrev+ um+ especi+lid+de, um+
subc+te¸ori+ d+ C+r+cterístic+ n+ qu+l seu person+¸em é es-
peci+list+. As especi+lid+des s1o explic+d+s inteir+mente no
C+pítulo Seis; por or+, concentre-se em escolher seus níveis.
1uo
A
purlçño.
O

L
lmho
]usso jres. Escollendo Huhllldudes
As H+bilid+des delinei+m o que seu person+¸em s+be +o
invés do que ele é; el+s descrevem +s cois+s que +prendeu,
em oposiç1o +s cois+s que el+ f+: n+tur+lmente. Todos os
T+lentos, leríci+s e Conhecimentos s1o H+bilid+des.
C+d+ H+bilid+de que seu person+¸em possu+ tem um
nível +tribuído represent+ndo + +ptid1o do person+¸em n+-
quel+ íre+ em p+rticul+r. O número é us+do p+r+ determi-
n+r qu+ntos d+dos ser1o jo¸+dos qu+ndo seu person+¸em
tent+r us+r um+ H+bilid+de.
As H+bilid+des s1o dividid+s em três c+te¸ori+s diferen-
tes: T+lentos, leríci+s e Conhecimentos. C+d+ tipo de H+-
bilid+de tem c+r+cterístic+s diferentes.
º Os T+lentos descrevem h+bilid+des intuitiv+s. T+len-
tos n1o precis+m ser pr+tic+dos por si, e n1o podem ser estu-
d+dos ou +prendidos em livros; costum+m ser +dquiridos +tr+-
vés d+ experiênci+ diret+. Seu person+¸em é +utodid+t+! Lle
possui muito bom-senso!
º As leríci+s s1o H+bilid+des +prendid+s +tr+vés de trei-
n+mento ri¸oroso de qu+lquer tipo. Lst+ c+te¸ori+ inclui
qu+lquer h+bilid+de que dev+ ser +prendid+ p+sso + p+sso
+tr+vés d+ prític+ re+l, m+s pode ser ensin+d+ ou +prendid+
(+o contrírio dos T+lentos). Seu person+¸em é bom em
+prender +s cois+s + p+rtir d+ prític+ diíri+ (ou noturn+)!
º Os Conhecimentos incluem tod+s +s h+bilid+des que
requeir+m + +plic+ç1o ri¸oros+ d+ mente. S1o ¸er+lmente
+prendid+s em escol+s, +ul+s, livros e com professores, m+s
podem t+mbém ser +dquirid+s pel+ experiênci+. Seu perso-
n+¸em teve um+ bo+ educ+ç1o! Lle tem bo+ memóri+!
Você priori:+ est+s H+bilid+des d+ mesm+ form+ que pri-
ori:ou os Atributos. Você decide como nivel+r seus T+len-
tos, leríci+s e Conhecimentos escolhendo em qu+l c+te¸o-
ri+ seu person+¸em v+i est+r +cim+ d+ médi+ (primíri+), em
qu+l ele v+i ser medi+no (secundíri+), e em qu+l serí +b+ixo
d+ médi+ (terciíri+).
Você tem 13 pontos p+r+ ¸+st+r n+ c+te¸ori+ primíri+ de
seu person+¸em, nove p+r+ + secundíri+ e +pen+s cinco pon-
tos p+r+ + c+te¸ori+ terciíri+.
lorém, hí um+ restriç1o +dicion+l; você n1o pode d+r + seu
person+¸em m+is do que três pontos em qu+lquer H+bilid+de
(m+is t+rde, porém, você pode us+r seus pontos de bonus p+r+
¸+nh+r qu+tro ou mesmo cinco pontos em um+ H+bilid+de).
]usso Quutro. Vuntugens
Você n1o priori:+ ou nivel+ +s diferentes c+te¸ori+s d+s
V+nt+¸ens. Ao contrírio você tem um número desi¸n+do
de pontos p+r+ +tribuir dentro de c+d+ um+. Apes+r deste
número ser fixo, você pode compr+r pontos +dicion+is m+is
t+rde com os pontos de bonus.
1u7
Rotelro de Crluçño de ]ersonugem
º Passo Um: Conceito do Personagem
Ls.·||.r conceito, N+ture:+ e Comport+mento.
º Passo Dois: SeIecionar Atributos
ír|·r|zar as :r.s .a:.¸·r|as. lísic+s, Soci+is, Ment+is
(¯/5/3).
Ls.·||.r Cara.:.r/s:|.as í/s|.as: lorç+, Destre:+, Vi-
¸or.
Ls.·||.r Cara.:.r/s:|.as S·.|a|s. C+rism+, M+nipu-
l+ç1o, Ap+rênci+.
Ls.·||.r Cara.:.r/s:|.as M.n:a|s. lercepç1o, lnte-
li¸ênci+, R+ciocínio.
º Passo Três: SeIecionar Atributos
ír|·r|zar as :r.s .a:.¸·r|as. T+lentos, leríci+s, Co-
nhecimentos
Ls.·||.r T+lentos, leríci+s, Conhecimentos (13/9/5)
º Passo Quatro: SeIecionar Vantagens
Ls.·||.r Mistérios (5), Antecedentes (¯), l+ixöes
(10), Orilhöes (10)
º Passo Cinco: Toques Iinais
n.¸|s:rar l+thos inici+l (5 ÷ Memori+m ÷ lontos
de Bonus) e lorç+ de Vont+de (5 ÷ lontos de Bonus)
Cas:ar "lontos de Bonus" (15)
Mlsterlos
Os person+¸ens podem escolher seus Mistérios - os se¸re-
dos e poderes especi+is d+s Alm+s lnquiet+s. Lm person+¸em
começ+ com cinco pontos em Mistérios, m+s pode compr+r
m+is com pontos de bonus. Lm person+¸em inici+nte n1o pode
ter m+is de três pontos em qu+lquer dos Mistérios.
Antecedentes
Todo person+¸em tem sete pontos p+r+ +loc+r entre +s
C+r+cterístic+s de Antecedentes. Você tem +pen+s sete pon-
tos p+r+ +loc+r e seu N+rr+dor pode restrin¸ir o +cesso +
certos Antecedentes. Lst+s C+r+cterístic+s devem ser com-
p+tíveis com o conceito de seu person+¸em.
]ulxões
As Ap+riçöes s1o cri+tur+s p+ssion+is, e como t+is, preci-
s+m de r+:öes p+r+ existir +lém d+ morte. C+d+ l+ix1o consis-
te d+ decl+r+ç1o de um objetivo consistente (ex.: prote¸er mi-
nh+ filh+, vin¸+r minh+ morte, etc.) se¸uid+, em p+rênteses,
pel+ emoç1o + que isso corresponde (p. ex.: Amor, R+iv+, etc.)
C+d+ person+¸em tem 10 pontos p+r+ som+r +s l+ixöes.
Após ter escolhido e list+do tod+s el+s, +tribu+ um nível de
1 + 5 + c+d+ um+, deline+ndo +ssim o qu1o forte + l+ix1o é
p+r+ você. l+ixöes difíceis ou ¸er+is ("Ajud+r outros + en-
contr+r + fé", "D+r esper+nç+s +os meus filhos") devem ter
níveis m+iores do que t+ref+s m+is simples ("Re+ver meu
corpo", "lrote¸er minh+ moto").
Os níveis d+s l+ixöes n1o pode exceder 5. l+r+ m+iores
inform+çöes, vej+ ía:|·s . ía|x¨.s n+s pí¸in+s 136-13¯.
Grlllões
Os Orilhöes s1o +s pesso+s, loc+is e cois+s que o prendem
+o mundo re+l. Lles s1o su+s conexöes m+is fortes + su+ vid+
mort+l, e o prendem +s Re¸iöes Sombri+s +té que você sej+
c+p+: de resolvê-los. Represent+ndo +s pesso+s, loc+is e coi-
s+s com +s qu+is (ou com quem) você tem "+ssuntos in+c+-
b+dos", os Orilhöes s1o list+dos d+ mesm+ m+neir+ que +s
l+ixöes. lorém, +o contrírio dest+s, os Orilhöes s1o objetos
t+n¸íveis, m+teri+is.
C+d+ Orilh1o t+mbém recebe um nível de 1 + 5. Lste
nível é b+se+do n+ importìnci+ do Orilh1o ou su+ conot+-
ç1o. Al¸uns Orilhöes podem ser misteriosos - por que +quel+
s+l+ no sub-solo d+ Torre lBM é t1o import+nte p+r+ você!
Os Orilhöes e +s l+ixöes podem ser rel+cion+d+s, +pes+r
de n1o precis+rem ser. lor exemplo, você pode ter um "Anel
de Noiv+do: 2" como um de seus Orilhöes e um+ l+ix1o
p+r+ "Vin¸+r +s mortes de minh+ noiv+ e de mim mesmo
(Vin¸+nç+): +".
Os níveis de Orilhöes n1o podem exceder 5.
]usso Clnco. joques ]lnuls
Com freqüênci+, o estí¸io m+is import+nte d+ cri+ç1o
de person+¸em é +plic+r os toques fin+is - os pequenos de-
t+lhes e floreios que complet+m o person+¸em. Neste p+sso,
você ¸+nh+ seus 15 pontos de bonus, permitindo-lhe +dicio-
n+r m+is pontos + qu+isquer C+r+cterístic+s n+ folh+ do per-
son+¸em. Antes de ¸+st+r estes pontos, porém, você deve
re¸istr+r +s pontu+çöes bísic+s do l+thos e lorç+ de Vont+-
de de seu person+¸em.
]utlos
O nível de l+thos mede + qu+ntid+de de ener¸i+ ¸er+d+
pel+s l+ixöes e us+d+ pel+s +p+riçöes p+r+ execut+r Mistéri-
os. O l+thos inici+l equiv+le + 5 m+is o número de pontos
que + +p+riç1o possui no Antecedente Memori+m. Você pode
+dicion+r pontos extr+s +o seu tot+l inici+l us+ndo os lontos
de Bonus. A reserv+ de l+thos n1o pode exceder 10 pontos.
]orçu de Vontude
A C+r+cterístic+ lorç+ de Vont+de mede qu+nto +uto-
controle um+ +p+riç1o tem, incluindo o nível +o qu+l el+
pode resistir e control+r + Sombr+. A lorç+ de Vont+de é
essenci+l p+r+ control+r +s +çöes de seu person+¸em, especi-
+lmente sob press1o.
O nível de lorç+ de Vont+de de um+ +p+riç1o começ+
em 5 e pode ser increment+do com lontos de Bonus.
]ontos de Bônus
lode-se ¸+st+r pontos de bonus p+r+ +ument+r qu+lquer
c+r+cterístic+ em su+ folh+ de person+¸em. Os pontos extr+s
têm custos diferentes dependendo d+ C+r+cterístic+ em ques-
t1o (vej+ t+bel+ +b+ixo). O uso de pontos de bonus pode
1u8
A
purlçño.
O

L
lmho
Atributos - 5 pontos por ponto
Mistérios - 5 pontos por ponto
lorç+ de Vont+de - 2 pontos por
ponto
H+bilid+des - 2 pontos por ponto
l+ixöes - 2 pontos por ponto
Antecedentes - 1 ponto por ponto
Orilhöes- 1 ponto por ponto
l+thos - 1 ponto por 2 pontos
+ument+r H+bilid+des +lém de 3, m+s n1o pode +ument+r
um+ C+r+cterístic+ +lém de 5.
Os pontos de bonus t+mbém podem ser us+dos p+r+ sub-
tr+ir pontos d+ Sombr+ do N+rr+dor, redu:indo +ssim o po-
der tot+l d+ Sombr+ do person+¸em (vej+ C+pítulo Sete: A
Sombr+) em um+ b+se de um-p+r+-um. O N+rr+dor norm+l-
mente projet+ o +specto de seu person+¸em; ¸+st+r pontos
de bonus contr+ su+ sombr+ é um sin+l +o N+rr+dor de que
você ¸ost+ri+ que ele se¸ur+sse um pouco o l+do ne¸ro de
seu person+¸em. Você t+mbém pode ¸+nh+r sete pontos de
bonus extr+s +o permitir que o N+rr+dor t+mbém use estes
pontos +o cri+r su+ Sombr+.
Todos +s +p+riçöes inici+ntes têm 15 pontos de bonus.
Você pode ¸+stí-los de +cordo com + t+bel+ + se¸uir:
Centellu de Vldu
Hí +l¸uns outros det+lhes de um person+¸em que devem
ser consider+dos. Os det+lhes + se¸uir +jud+r1o + f+:er de seu
person+¸em um+ pesso+ complet+ e únic+. Você n1o precis+
escrever est+s cois+s, m+s deve pens+r nel+s, n1o +pen+s no
momento d+ cri+ç1o, m+s por tod+ + c+rreir+ de seu perso-
n+¸em. Se você estiver interpret+ndo o prelúdio, espere +té
terminí-lo +ntes de tent+r complet+r este +specto de seu
person+¸em.
Apurenclu
As +p+riçöes tendem + +ssumir um Corpus que de +l¸u-
m+ m+neir+ reflit+ + form+ como vêem + si mesm+s. lor exem-
plo, um +p+riç1o pode sur¸ir como no momento de su+ mor-
te, ou no início de su+ vid+, ou n+ époc+ em que sofreu m+is.
Al¸um+s +p+riçöes us+m seu conhecimento de mistérios p+r+
mold+r seus corpos em form+s monstruos+s ou be+tífic+s (b+n-
c+ndo +ssim o "demonio" ou "+njo") - m+s isso só serve
p+r+ fort+lecer + Sombr+. Você deve tr+nsform+r +s C+r+c-
terístic+s relev+ntes de seu person+¸em - como os Atribu-
tos Soci+is e conceitos - em +spectos de +p+rênci+. Lm+
+lt+ lnteli¸ênci+ pode se tr+nsform+r em um olh+r cl+ro e
penetr+nte. Lm conceito Dilet+nte pode se tr+du:ir em rou-
p+s c+r+s e d+ mod+. Dess+ form+ você pode torn+r seus per-
son+¸ens m+is t+n¸íveis e interess+ntes. L melhor p+r+ + in-
terpret+ç1o di:er "l+rece sempre h+ver um sorriso de des-
dém em meu rosto" do que "Você pode ver que eu sou mui-
to condescendente".
1u9
Lm+ ve: que o jo¸+dor tenh+ cri+do um person+¸em,
o n+rr+dor cri+rí um+ sombr+ p+r+ este person+¸em. De-
t+lhes p+r+ + cri+ç1o d+ sombr+ do person+¸em est1o
n+s pí¸in+s 1¯5-1o2.
Especlulldudes
Você pode querer d+r + seu person+¸em especi+lid+des
em seus Atributos. C+d+ Atributo com nível + ou m+ior pode
ter um+ especi+lid+de. Apes+r d+ m+iori+ dos jo¸+dores sele-
cion+rem especi+lid+des p+r+ su+s C+r+cterístic+s dur+nte o
jo¸o, pode-se escolhê-l+s imedi+t+mente. As Lspeci+lid+des
s1o +spectos p+rticul+res de C+r+cterístic+s n+s qu+is seu
person+¸em é p+rticul+rmente bom. Simplesmente preen-
ch+ o esp+ço perto d+ C+r+cterístic+ com um+ especi+lid+de
+propri+d+; +l¸um+s su¸estöes s1o feit+s p+r+ c+d+ C+r+cte-
rístic+ no c+pítulo Seis. Apes+r de serem us+d+s princip+l-
mente p+r+ interpret+ç1o, el+s podem diminuir +s dificuld+-
des dos testes de d+dos p+r+ execut+r cert+s t+ref+s.
Munlus
Definindo m+ni+s em seu person+¸em, det+lhes pesso+is
interess+ntes e +nedot+s, pode-se +crescent+r ¸r+nde pro-
fundid+de e interesse + ele. Lscrev+ +l¸um+s fr+ses no verso
de su+ folh+ de person+¸em descrevendo +s cois+s estr+nh+s
e possivelmente interess+ntes que o defin+m. Lm+ m+ni+
pode ser um senso de humor meio doentio, um+ ¸entile:+
em rel+ç1o + +nim+is, ou o híbito de resmun¸+r +o respon-
der "sim" + um+ per¸unt+.
O Clrculo
Antes que um ¸rupo comece + jo¸+r Aparição, todos os
p+rticip+ntes devem concord+r com um conceito p+r+ o Cír-
culo e um tem+ p+r+ + cronic+. Apes+r de em muitos c+sos o
N+rr+dor jí h+ver prep+r+do um p+no de fundo com um
nicho pronto p+r+ os person+¸ens preencherem, os jo¸+do-
res devem est+r conscientes e interess+dos n+s situ+çöes +s
qu+is seus person+¸ens ser1o lev+dos.
Exemplo de Crluçño de
]ersonugem
e¸ v+i cri+r um person+¸em de Aparição.
Ls+ndo o ¸ui+, el+ começ+ o processo que
irí tr+nsform+r su+ idéi+ em um person+-
¸em tot+lmente desenvolvido.
]usso Um. Concelto
lrimeiro el+ tem que definir um con-
ceito p+r+ o person+¸em. Me¸ quer jo¸+r com um person+-
¸em feminino, ent1o el+ us+ est+ decis1o p+r+ limit+r su+s
escolh+s de conceitos. Ll+ rejeit+ person+¸ens feminin+s es-
tereotip+d+s: prostitut+, don+ de c+s+ ou executiv+. Ll+ quer
interpret+r +l¸uém muito diferente de si mesm+, +l¸uém que
pode di:er cois+s que el+ norm+lmente n1o diri+ - +l¸uém
que poss+ f+l+r +bert+mente. Me¸ escolhe o conceito de um+
poet+ d+s ru+s. Su+ person+¸em vivi+ n+s ru+s, freqüente-
mente des+bri¸+d+, m+s tem um fo¸o interior que inspir+
poem+s mord+:es sobre +s cois+s que +fet+m su+ vid+. Ll+
quer contr+st+r o começo de s+rjet+ deste person+¸em com
um nome de +lto nível; C+ss+ndr+ vem + su+ mente.
Me¸ ponder+ por um momento sobre N+ture:+ e o Com-
port+mento de C+ss+ndr+. Lss+s du+s C+r+cterístic+s ir1o
+judí-l+ + fix+r + person+lid+de de C+ss+ndr+ m+is f+cilmen-
te. A N+ture:+ é + psiquê profund+ de C+ss+ndr+, + p+rte
del+ que +fet+ todos os seus pens+mentos e +çöes. Me¸ deci-
de que C+ss+ndr+ é um+ Visioníri+: el+ vê +lém d+s ru+s d+
cid+de e d+ corrupç1o + su+ volt+ p+r+ +l¸o m+ior p+r+ si
mesm+ e su+ f+míli+. l+r+ o mundo, C+ss+ndr+ projet+ um
Comport+mento Rebelde, duro. Ll+ dí um ¸r+nde show de
rebeli1o; porém, lí no fundo, + revoluç1o que el+ quer lider+r é
+quel+ d+ +lm+. Ll+ desenvolveu o Comport+mento Rebelde
p+r+ continu+r viv+ em su+ vi:inh+nç+ b+rr+-pes+d+.
]usso Dols. Atrlhutos
A¸or+ Me¸ deve escolher os Atributos de C+ss+ndr+. Ll+
priori:+ su+s c+te¸ori+s d+ se¸uinte form+:
A c+te¸ori+ primíri+ de C+ss+ndr+ é + Soci+l, porque su+
experiênci+ como poet+ de ru+ lhe deu t+lentos interpesso-
+is p+r+ conse¸uir o que desej+.
A c+te¸ori+ secundíri+ de C+ss+ndr+ é + lísic+ porque,
bem, é difícil crescer como + únic+ ¸+rot+ num+ f+míli+ chei+
de ¸+rotos. As ru+s s1o melhores do que qu+lquer sp+.
A c+te¸ori+ terciíri+ é + Ment+l, porque su+ educ+ç1o nes-
s+ íre+ foi fr+c+, e porque el+ se perde t+nto em seus dev+neios
poéticos que f+lh+ em perceber o peri¸o que se +proxim+.
Dividindo os sete pontos Soci+is de C+ss+ndr+, Me¸ +tri-
bui + + C+rism+ (três pontos m+is um ponto ¸rítis p+r+ c+d+
Atributo), 3 em M+nipul+ç1o, e 3 em Ap+rênci+ (todos ne-
cessírios p+r+ conse¸uir + +tenç1o d+s pesso+s, cri+r poem+s
que +s +fet+r1o e +s lev+r1o p+r+ dentro de su+ vis1o).
Dois dos cinco pontos lísicos s1o ¸+stos em lorç+, d+n-
do-lhe um+ forç+ respeitível de 3. Ll+ ¸+st+ m+is um ponto
em Destre:+ e dois em Vi¸or, d+ndo-lhe um+ Destre:+ de 2
e Vi¸or 3.
lin+lmente, dois dos três pontos Ment+is s1o ¸+stos em
R+ciocínio e o último é +loc+do p+r+ + lnteli¸ênci+ (Me¸
+ch+ que C+ss+ndr+ deveri+ ter m+is bom senso do que es-
perte:+). Ll+ se preocup+ com o único ponto em lercepç1o,
m+s pl+nej+ f+:er +l¸o sobre ess+ deficiênci+ qu+ndo ¸+st+r
os pontos de bonus (vej+ + se¸uir).
11u
A
purlçño.
O

L
lmho
]usso jres. Huhllldudes
A¸or+ Me¸ tem que priori:+r e escolher +s H+bilid+des
de C+ss+ndr+. Ll+ decide que C+ss+ndr+ confi+ princip+l-
mente em seus T+lentos in+tos p+r+ sobreviver n+s ru+s (est+
se torn+ su+ c+te¸ori+ primíri+ de H+bilid+de). leríci+s t+m-
bém s1o import+ntes p+r+ poet+s de ru+ (especi+lmente Atu+-
ç1o, pois C+ss+ndr+ n1o é +pen+s escritor+, m+s t+mbém um+
performític+), ent1o est+ é su+ c+te¸ori+ secundíri+. A educ+-
ç1o de C+ss+ndr+ foi esporídic+ e irre¸ul+r, port+nto +s h+bili-
d+des de Conhecimentos torn+m-se su+ c+te¸ori+ terciíri+.
Me¸ tem 13 pontos p+r+ ¸+st+r em T+lentos. Ll+ imedi+-
t+mente ¸+st+ dois pontos em lrontid1o (bom p+r+ +vist+r
pesso+s que + se¸uem ou p+r+ not+r qu+ndo +l¸uém prest+
+tenç1o em você). Ll+ ¸+st+ um ponto em Lsquiv+ (sempre
bom de se ter) e dois em Bri¸+ (+l¸uns +nos lut+ndo com
seus irm1os lhe ensin+r+m pelo menos isso). C+ss+ndr+ pre-
cis+ s+ber como +s pesso+s se sentem, de form+ que Me¸
¸+st+ dois pontos em Lmp+ti+. loet+s de ru+ obvi+mente
precis+m ter +l¸o + di:er e + h+bilid+de de di:ê-lo bem, de
modo que Me¸ ¸+st+ três pontos em Lxpress1o. lin+lmente,
Me¸ pöe dois pontos no M+nh+ (fícil de explic+r com seu
p+ss+do n+s ru+s) e um ponto em líbi+, p+r+ demonstr+r o
entendimento de C+ss+ndr+ de como m+nipul+r + lin¸u+¸em.
Me¸ tem nove pontos p+r+ ¸+st+r em leríci+s. Ll+ dí +
C+ss+ndr+ níveis 2 em Medit+ç1o (tem que ter +l¸um+ for-
m+ de m+nter su+ p+: de espírito em um mundo violento...
el+ prov+velmente re:+ ou +nd+ p+r+ medit+r), 2 em lide-
r+nç+ (el+ costum+v+ m+nd+r em seus irm1os), 1 em Arm+s
de lo¸o (seus irm1os lhe ensin+r+m + +tir+r), e um em
lurtivid+de(su+ vid+ n+s ru+s lhe ensinou + discriç1o neces-
síri+). Ll+ termin+ est+ seç1o f+:endo um nível de 3 em Atu-
+ç1o, porque el+ quer entreter enqu+nto ¸rit+ su+ poesi+ +s
pesso+s. lin+lmente, Me¸ represent+ su+ educ+ç1o c+su+l, prin-
cip+lmente de bibliotec+, esp+lh+ndo seus cinco pontos entre
lolític+, Comput+dor, Direito, lin¸üístic+ e Ocultismo.
]usso Quutro. Vuntugens
A¸or+ Me¸ entr+ em +ssuntos de +p+riçöes. Ll+ deve es-
colher entre um ¸r+nde número de Antecedentes, e tem
+pen+s sete pontos p+r+ ¸+st+r. Me¸ n1o quer interpret+r
um person+¸em inflexivelmente sombrio: estí m+is interes-
s+d+ em um tipo de +p+riç1o "justiceir+", que tom+ cont+
d+s pesso+s que for+m import+ntes p+r+ el+ em vid+. Dess+
m+neir+ el+ pe¸+ dois pontos de Lidolon imedi+t+mente; el+
quer ser c+p+: de dispers+r su+ Sombr+ se precis+r prote¸er
+l¸uém. Me¸ im+¸in+ que + m+iori+ dos vi:inhos de C+ss+n-
dr+ se lembr+ del+: seus poem+s er+m escritos n+s p+redes
em todo c+nto, e tod+ ve: que +l¸uém vê um deles el+ ¸+nh+
um Memori+m. Assim, el+ dí + C+ss+ndr+ um nível 2 de
Memori+m. Me¸ decide que C+ss+ndr+ tem seu p+r f+vorito
de p+tins mesmo depois de mort+, ent1o el+ list+ Despojos 1
em su+ folh+. Me¸ t+mbém decide que, d+s três f+cçöes em
Aparição, + que el+ ¸ost+ m+is s1o os Rene¸+dos, o que dí +
C+ss+ndr+ um ponto no Antecedente Rene¸+dos. lsso n1o
si¸nific+ que el+ própri+ é um+ Rene¸+d+: +pen+s que co-
nhece +l¸uns. lin+lmente, p+r+ um ponto, el+ compr+ o An-
tecedente lu¸+r Assombr+do. O lu¸+r Assombr+do de C+s-
s+ndr+ é o C+fé lnferno, um+ c+feteri+ de estr+d+ em Atl+n-
t+.
A¸or+ Me¸ p+ss+ +s l+ixöes. Ll+ tem 10 pontos p+r+ ¸+s-
t+r: é +qui que el+ pode re+lmente cont+r muito sobre seu
person+¸em. Me¸ lev+ um momento p+r+ pens+r sobre el+.
Que cois+s er+m import+ntes p+r+ el+! O que + f+:i+ viver!
A primeir+ cois+ que vem + c+beç+ de Me¸ é que C+ss+ndr+
deixou um+ +m+nte +o morrer: Cynthi+. lsso form+ su+ pri-
meir+ l+ix1o: prote¸er Cynthi+. Muito simples... e Amor é
um foco perfeito p+r+ + l+ix1o. lor ser + princip+l motiv+-
ç1o de seu person+¸em no momento, el+ +tribui três pontos
+ el+. Me¸ per¸unt+ + D+vid, o N+rr+dor, se estí tudo bem,
not+ndo que est+ l+ix1o tem seu foco n+ proteç1o de um de
seus Orilhöes. D+vid decide que estí bem, m+s su¸ere que
el+ compre +l¸um+s l+ixöes n1o rel+cion+d+s + Orilhöes.
Assim, Me¸ decide que C+ss+ndr+ foi mort+ por um+ ¸+n¸ue
de +ss+ssinos que n1o ¸ost+r+m de +l¸o que el+ disse ou escre-
veu. lsso form+ su+ l+ix1o se¸uinte: "Ajust+r cont+s com +
¸+n¸ue", que é +ssoci+d+ com Vin¸+nç+. Ll+ +tribui + isso um
v+lor 2, ¸+nh+ndo m+is dois pontos de l+ix1o. Ll+ decide in-
vestir dois pontos em um+ l+ix1o de continu+r + escrever e
cri+r; + emoç1o +fili+d+ é Or¸ulho em seu tr+b+lho. Me¸ t+m-
bém decide que +l¸um editor espertinho tirou fotos de seus
poem+s-¸r+fiti e compilou-os num livro que +lc+nçou + list+
dos best-sellers. Ll+ decide cri+r um+ l+ix1o de "Arruin+r o
editor que roubou meu tr+b+lho", com um foco de Ódio e um
nível de 2. lin+lmente, com um ponto sobr+ndo, Me¸ +dicio-
n+ um pouco de hum+nid+de + seu person+¸em f+:endo um+
de su+s l+ixöes ser "Ter de volt+ su+ c+net+ f+vorit+", um+
l+ix1o f+cilmente re+li:ível com um foco de Ciúme.
A¸or+ Me¸ tem que escolher os Mistérios. Hí t+ntos... m+s
Me¸ decide que C+ss+ndr+ n1o deve fic+r obscec+d+ com +pe-
n+s um. Su+ ment+lid+de tipo "+prend+ você mesmo" + esti-
mul+ + +prender um pouco sobre um monte de Mistérios. As-
sim, el+ divide seus cinco pontos de Mistérios entre Ar¸os,
Titer+¸em, l+nt+sm+, Tei+ d+ Vid+ e Lnc+rn+r. Mesmo que
el+ tenh+ esp+lh+do seus pontos de Mistérios dest+ m+neir+,
isso n1o deve enfr+quecer C+ss+ndr+ muito: um+ l+r¸+ b+se de
conhecimento pode ser um+ bo+ cois+ n+s Re¸iöes Sombri+s.
Me¸ precis+ +¸or+ escolher os Orilhöes de C+ss+ndr+: +s
cois+s que + prendem +o mundo dos vivos. Ll+ tem 10 pon-
tos p+r+ ¸+st+r. D+vid +vis+ p+r+ n1o cri+r Orilhöes muito
fortes. lrimeiro Me¸ escolhe o comput+dor M+cintosh em
seu centro comunitírio, +l¸o que poderi+ ser destruído f+cil-
mente. Lr+ nele que C+ss+ndr+ compunh+ muit+s de su+s
poesi+s. Ll+ +tribui + isso um nível 2. Depois hí o l+rk lie-
dmont, um Orilh1o bem ¸r+nde (e perm+nente), de nível 1.
(Ll+ costum+v+ +dor+r p+tin+r +li... m+s t+mbém foi +t+c+d+
+li um+ ve:, e foi onde se +p+ixonou por Cynthi+...) Ll+ per-
¸unt+ + D+vid se pode f+:er do C+fé lnferno um Orilh1o, jí
que seu lu¸+r Assombr+do é +li t+mbém. D+vid concord+,
111
um+ ve: que ele jí h+vi+ decidido que o Círculo est+rí cen-
tr+do em torno do C+fé lnferno. Me¸ ¸+st+ qu+tro pontos
n+quele Orilh1o, d+ndo-lhe considerível v+nt+¸em +o us+r
os Mistérios +li. lin+lmente, el+ f+: de su+ n+mor+d+ mort+l,
Cynthi+, um Orilh1o, cot+d+ + nível 3.
A¸or+ Me¸ deve +tribuir seus níveis de lorç+ de Vont+-
de e l+thos: muito fícil. C+ss+ndr+, como um +p+riç1o, co-
meç+ com lorç+ de Vont+de de 5. lor c+us+ de seu Memo-
ri+m, el+ começ+ com um nível tot+l de l+thos de ¯.
]usso ¨. joques ]lnuls
lin+lmente, Me¸ tem que ¸+st+r os 15 pontos de bonus
de C+ss+ndr+. Me¸ decide que C+ss+ndr+ deve ser um pou-
co m+is perceptiv+ do que é, ent1o el+ ¸+st+ cinco de bonus
p+r+ +ument+r + percepç1o de C+ss+ndr+ p+r+ 2. Ll+ quer
ser excelente em express1o, ent1o ¸+st+ m+is dois pontos
p+r+ +umentí-l+ p+r+ +. Me¸ t+mbém ¸+st+ dois de bonus
p+r+ +ument+r o nível de lrontid1o de C+ss+ndr+.
Me¸ quer outro ponto de Memori+m, ¸+st+ndo p+r+ isso
m+is um ponto de bonus. D+vid di: que C+ss+ndr+ n1o v+i
ter p+tins + n1o ser que ¸+ste outro ponto de bonus no An-
tecedente Relíqui+. lin+lmente, Me¸ ¸+st+ os últimos + pon-
tos em lorç+ de Vont+de. C+ss+ndr+ v+i precis+r del+. As-
sim, su+ lorç+ de Vont+de tot+l é ¯.
Apes+r d+ cri+ç1o do person+¸em est+r ofici+lmente ter-
min+d+, Me¸ decide increment+r C+ss+ndr+ um pouco m+is.
Ll+ escreve um breve p+rí¸r+fo descrevendo-+ (com Ap+-
rênci+ 3 el+ é bonit+, m+s n1o excepcion+l), escreve um pou-
co sobre o c+fé lnferno e descreve +s relíqui+s que C+ss+ndr+
possui (t+lve: decidindo que os p+tins n1o s1o t1o úteis qu+n-
to, di¸+mos, um+ l+ntern+ e um isqueiro).
Me¸ decide ir em frente e definir +s especi+lid+des de
C+ss+ndr+: el+ list+ + especi+lid+de em C+rism+ como Cor+-
¸em e em Lxpress1o como "poesi+ de ru+".
Me¸ decide que um+ m+ni+ de C+ss+ndr+ é o híbito de
+pont+r p+r+ +s pesso+s com quem f+l+. Adicion+lmente, su+
n+ture:+ muito expressiv+ se tr+du: em um monte de ¸esti-
cul+ç1o +o f+l+r.
L +í estí: um person+¸em completo. A¸or+ D+vid lev+
Me¸ e C+ss+ndr+ +tr+vés de um prelúdio p+r+ c+r+cteri:+r +s
idéi+s de Me¸ sobre seu person+¸em.
]reludlo
A¸or+ você estí pronto p+r+ interpret+r seu person+¸em,
mesmo que ele n1o estej+ completo. lrelúdio é o nome p+r+
est+ primeir+ sess1o. No prelúdio, +s últim+s hor+s d+ vid+ do
person+¸em s1o represent+d+s, e su+ vi+¸em + morte começ+.
O prelúdio é essenci+l +o desenvolvimento de um perso-
n+¸em de Aparição. Lm+ ve: que o jo¸+dor e o N+rr+dor
tenh+m esquem+ti:+do por +lto quem e o que o person+¸em
é, eles interpret+m + vi+¸em d+ vid+ p+r+ + morte, incluindo
+s experiênci+s inici+is do person+¸em no pós-vid+.
O jo¸+dor pode querer esquem+ti:+r + vid+ do person+¸em
+pen+s em linh+s ¸er+is, interpret+ndo e det+lh+ndo momen-
112
A
purlçño.
O

L
lmho
tos p+rticul+res, m+s descrevendo um pouco do contexto em
que eles se enc+ix+m. lembre-se t+mbém que um+ +p+riç1o
"ren+sce" no pós-vid+, e ¸er+lmente se lembr+ de muito de su+
vid+ p+ss+d+. Os det+lhes sobre o p+ss+do de um person+¸em
devem +ssim ser descobertos dur+nte + cronic+.
Se for difícil p+r+ o jo¸+dor e o N+rr+dor f+:erem um prelú-
dio eles devem simplesmente convers+r sobre os rel+cion+men-
tos e os Orilhöes e discutir + vid+ e + morte do person+¸em.
Morte. O Inlclo
O prelúdio começ+ com + cen+ d+ morte. Se o N+rr+dor
quiser, os minutos ou hor+s +nteriores +o fim do person+¸em
podem ser cont+dos, m+s muito pouc+ inform+ç1o deve ser
d+d+ +o jo¸+dor. Al¸uns jo¸+dores podem nem s+ber +o cer-
to como seus person+¸ens morrer+m.
Lnt1o termin+. O person+¸em estí morto. Muitos N+r-
r+dores ¸ost+m de d+r +os jo¸+dores um sentido de choque
súbito pelo ¸olpe d+ morte, o des+mp+ro, o lento cess+r dos
processos corpor+is, +s célul+s nervos+s morrendo um+ + um+
por cinco minutos +pós o corpo ter +tr+vess+do o ponto de
n1o-retorno.
Al¸um+s futur+s +p+riçöes podem ent1o p+ss+r por experi-
ênci+s pós-corpor+is. O N+rr+dor pode deix+r seu jo¸+dor ver
seu corpo e +s pesso+s + su+ volt+. As ve:es + nov+ +p+riç1o
pode "+cord+r" em seu próprio funer+l, t+lve: vendo seus +mi-
¸os e p+rentes em l+ment+çöes. Al¸um+s +p+riçöes experimen-
t+m um "túnel de lu:", enqu+nto outr+s v1o diret+mente +o
Mundo lnferior com pouc+ pomp+ e circunstìnci+.
]usseundo
Dur+nte esse período o N+rr+dor pode f+:er o person+-
¸em reviver eventos de su+ vid+. Lst+s cen+s devem ser rípi-
d+s e nebulos+s: por exemplo, + memóri+ de um+ noite p+s-
s+d+ com su+ +m+d+, m+s nenhum+ lembr+nç+ de seu nome
ou de que fim el+ levou.
Lst+s cen+s isol+d+s têm dois propósitos. lrimeiro, el+s per-
mitem que o N+rr+dor e o jo¸+dor sint+m o person+¸em e su+
re+ç1o + certos eventos. Se¸undo, el+s d1o +o N+rr+dor um+
oportunid+de de pl+nt+r sementes que poss+ colher m+is t+r-
de, p+r+ enredos ou históri+s p+r+lel+s em su+ cronic+.
]erguntus e Respostus
Descrit+s + se¸uir est1o +l¸um+s per¸unt+s que devem ser
respondid+s +o fim do prelúdio. Se n1o houver tempo p+r+ um
prelúdio completo, você deve +o menos f+:er um esforço p+r+
responder + est+s per¸unt+s. Lscrever +s respost+s costum+ +ju-
d+r, mesmo se você jí tiver p+ss+do por todo o prelúdio.
Com c+d+ per¸unt+ list+mos que tipo de cois+s o jo¸+dor
deve per¸unt+r + si mesmo, bem como +l¸um conselho +o
N+rr+dor sobre como condu:ir o lrelúdio rel+cion+do + per-
¸unt+.
º QuaI a sua idade quando morreu!
Você est+v+ no primor de su+ vid+, er+ um+ cri+nç+ ou
muito velho! lsso pode determin+r su+ +p+rênci+ físic+ n+s
113
Re¸iöes Sombri+s.
Como era sua famíIia!
No Mundo d+s Trev+s, muit+s f+míli+s n1o s1o ex+t+-
mente instituiçöes s+di+s. Você foi m+¸o+do por su+ f+míli+!
Lles o m+¸o+r+m! Lles for+m +poi+dores, c+rinhosos e +mí-
veis! Qu+ntos irm1os e irm1s (e meio-irm1os e meio-irm1s)
você teve! Seus p+is se divorci+r+m! Você teve m+dr+st+ ou
p+dr+sto! Você er+ órf1o!
QuaI foi a coisa de que você mais se envergonhou em
fazer!
lsso pode ser +l¸o t1o inocente qu+nto roub+r um+ b+rr+
de chocol+te (improvível) ou t1o terrível qu+nto +ss+ssin+-
to. lense lon¸+mente e com cuid+do nisso, pois su+ Sombr+
funcion+rí + p+rtir disso.
QuaI a meIhor coisa que já fez!
Mesmo Hitler pint+v+ ros+s. Mesmo se você for um psi-
cop+t+ que m+tou brut+lmente um monte de pesso+s +ntes
de su+ morte n+ c+deir+ elétric+, que cois+ bo+, que único
momento de hum+nid+de você exibiu! Se você n1o foi t1o
ruim, qu+l foi su+ m+ior re+li:+ç1o! Você s+lvou um +bri¸o
de mendi¸os do fech+mento! Representou +l¸uém jr· |·n·
em seu divórcio por c+s+mento +busivo! Deu seu último cen-
t+vo p+r+ um+ cri+nç+ f+mint+!
Que Iugares foram importantes para você em vida!
Mesmo n1o sendo os seus Orilhöes, isso pode revel+r muito
sobre seu person+¸em. Qu+l seu "point" f+vorito qu+ndo +do-
lescente! Você construiu um+ c+s+ n+ írvore qu+ndo cri+nç+!
Você +dor+v+ ir + um cinem+ em especi+l! Qu+l rest+ur+nte
em p+rticul+r er+ seu f+vorito! Você +dor+v+ +l¸um p+rque em
p+rticul+r! Tod+s ess+s cois+s podem mold+r o desenvolvimento
de seu person+¸em e prover fontes de Orilhöes.
Como você morreu!
Tudo bem, ent1o você escolheu su+ morte... m+s como
el+ +conteceu! Lxplique em det+lhes... ou você +ind+ n1o
tem certe:+ de como el+ foi! Houve funer+l! Você foi enter-
r+do ou crem+do! O que foi posto no c+ix1o junto com você!
Onde est1o su+s cin:+s +¸or+! Quem chorou su+ morte!
Quem n1o! Seus entes queridos c+rre¸+r+m su+ memóri+
com eles como um+ pedr+ em seu pescoço, ou eles lo¸o se
esquecer+m de você!
Há quanto tempo está morto!
Qu+ntos +nos! Quem se lembr+ de você (+l¸uém se lem-
br+)! Você perdeu +l¸um Orilh1o p+r+ o tempo ou p+r+ +p+-
riçöes vin¸+tiv+s! Você conhece bem + Necrópole loc+l!
Você conhece + polític+ loc+l! Você é senhor de +l¸um+
outr+ +p+riç1o n+ íre+!
Como você encontrou o resto do seu CírcuIo!
Vocês for+m unidos por um Ceif+dor, ou se encontr+r+m
+pen+s por um c+pricho do destino! L import+nte determin+r
como você se rel+cion+ com o resto de seu Círculo. O que eles
pens+m de você! Qu+is s1o seus deveres no Círculo!
Como foi seu primeiro encontro com outros habitan-
tes do Mundo Inferior!
Você deu de c+r+ com um+ hord+ de espectros destrui-
dores! Você foi +lvo de um escr+v+¸ist+! Lm Here¸e tentou
converter você! Você deve lev+r em cont+ seu Antecedente
Hierírquico, Here¸e ou Rene¸+do +o responder est+ per-
¸unt+.
O que você faz para se divertir!
lsso é muito import+nte: + morte é deprimente. L bom
s+ir e se divertir de ve: em qu+ndo. Você c+v+l¸+ + pele de
pesso+s enqu+nto eles est1o f+:endo +mor! Você +ssiste TVs
que fic+m li¸+d+s em loj+s de dep+rt+mentos, us+ndo seus
sentidos sobren+tur+is p+r+ ouvir +tr+vés do vidro! lre¸+
peç+s em mort+is, obri¸+ndo-os + f+:er cois+s idiot+s! Ls+
seu l+nt+sm+ p+r+ cont+r históri+s + outr+s +p+riçöes! Você
se diverte roub+ndo mei+s de l+v+nderi+s ou d+dos dur+nte
p+rtid+s de RlO! (Jr·¸a, você +ind+ n1o s+be viver, n1o é!)
Você ¸ost+ de f+:er pesso+s séri+s rirem e pesso+s en¸r+ç+d+s
fic+rem séri+s! De ve: em qu+ndo, é import+nte torn+r o
clim+ de um+ históri+ de Aparição m+is leve, e est+ é um+
bo+ m+neir+ de f+:ê-lo.
Onde e seu Lugar Assombrado favorito!
Lste é +l¸um lu¸+r rel+cion+do com você ou seu Círculo.
Você vive lí. As históri+s podem começ+r lí. Lle deve ser
um lu¸+r interess+nte o b+st+nte p+r+ lhe d+r +l¸um+s idéi+s
p+r+ históri+s, m+s n1o t1o import+nte que você n1o poss+
se +ventur+r p+r+ lon¸e de lí. l+r+ onde irí!
O que o motiva!
O que f+: seu person+¸em prosse¸uir, o que o f+: rir, cho-
r+r, o que o deix+ ir+do, lhe dí desejo, lhe dí medo! O que
lhe dí esper+nç+! Lm que ele +credit+! Lm+ ve: que você
s+ib+ est+s cois+s sobre seu person+¸em, pode começ+r + es-
trutur+r su+ cri+ç1o.
114
A
purlçño.
O

L
lmho
11¨
Qu. ·|ra J. ar:. . · |·m.m.
- Willi+m Sh+kespe+re, Ham|.:
Cupltulo Sels.
Curucterlstlcus
m Aparição, O Limbo, +s c+r+cterísti-
c+s constituem + b+se de um person+-
¸em - el+s descrevem, conjur+m e de-
linei+m quem e o que um person+¸em
re+lmente é. Ll+s possibilit+m det+lh+r
os pontos fortes e fr+cos de seu person+-
¸em e enqu+drí-lo n+ re+lid+de do jo¸o
por meio de l+nces de d+dos. M+is import+nte: +s c+r+cterís-
tic+s +jud+m-no + se concentr+r em seu person+¸em e + en-
tendê-lo.
As c+r+cterístic+s de um person+¸em descrevem os p+rì-
metros ¸er+is de su+s h+bilid+des. A essênci+ do person+¸em
é cri+d+ +tr+vés de personific+ç1o e im+¸in+ç1o. As c+r+cte-
rístic+s de Aparição s1o intencion+lmente superfici+is -
pelo menos + m+iori+ esm+¸+dor+ -, de form+ que você n1o
precise recorrer muito + su+ fich+. O que é est+belecido ru-
diment+rmente dur+nte + cri+ç1o do person+¸em ¸+nh+ vid+
no jo¸o. N1o olhe p+r+ +s su+s C+r+cterístic+s pens+ndo que
possui um person+¸em completo. Serí + su+ interpret+ç1o
que irí d+r-lhe consistênci+.
Arquetlpos de ]ersonulldude
a t|Ja, .x|s:.m :an:·s ar¡u.:|j·s ¡uan:·
.x|s:.m s|:ua¸¨.s :/j|.as. - r.j.:|¸a· |n:.r-
m|nat.| mar.·u .ssas .xj.r|.n.|as .m n·s-
sa .·ns:|:u|¸a· js/¡u|.a... r.jr.s.n:anJ·
m.ram.n:. a j·ss|||||JaJ. J. um J.:.rm|-
naJ· :|j· J. j.r..j¸a· . a¸a·.
- C+rl Jun¸, C·||..:.J \·r|s, V·|. 9
Os Arquétipos de person+lid+de existem p+r+ definir +
person+lid+de d+s +p+riçöes. Os person+¸ens, n+ verd+de,
n1o se enqu+dr+m t1o f+cilmente em c+te¸ori+s estrit+s. Os
Arquétipos s1o os modelos p+r+ um número infinito de per-
son+lid+des diferentes, n1o devendo ser vistos como p+dröes
+bsolutos. Lsses Arquétipos de person+lid+de s1o exemplos
d+ v+ried+de de person+lid+des que podem ser encontr+d+s:
eles s1o pl+nej+dos p+r+ ¸ui+r, n1o p+r+ restrin¸ir.
11o
A
purlçño.
O

L
lmho
O psicólo¸o C+rl Jun¸ descobriu o conceito de +rquéti-
pos como um+ form+ de descrever qu+lquer conceito que
resid+ no inconsciente coletivo d+ hum+nid+de. Lle +credi-
t+v+ que esses símbolos complexos n1o poderi+m ser c+te¸o-
ri:+dos ri¸id+mente, m+s ele conferiu nomes + +l¸uns desses
+rquétipos. N1o obst+nte, p+r+ incorpor+r o conceito de +r-
quétipos +o nosso sistem+, um+ vers1o modific+d+ dess+ idéi+
foi us+d+ p+r+ descrever person+lid+des, de modo que é me-
lhor us+r +s instruçöes que se se¸uem com um+ vis1o crític+.
O se¸redo p+r+ o uso de Arquétipos é + inter+ç1o entre +
N+ture:+ e o Comport+mento do person+¸em. A N+ture:+ é
+ verd+deir+ person+lid+de do person+¸em, +quilo que ele é,
m+s que n1o pode revel+r +os outros. A m+iori+ d+s pesso+s,
por n1o querer que os outros conheç+m-n+s intim+mente,
cri+ f+ch+d+s por trís d+s qu+is esconde seus verd+deiros eus.
Lss+s f+ch+d+s s1o conhecid+s como Comport+mentos. O
Comport+mento de um person+¸em pode ser t1o consisten-
te qu+nto seus +tributos ou pode mud+r de um minuto p+r+
outro. Lm indivíduo extr+ordin+ri+mente +berto, honesto
ou simplório possuirí o mesmo Comport+mento e N+ture:+.
Os Arquétipos exercem um imp+cto prítico sobre o jo¸o,
visto que c+d+ um deles proporcion+ um+ form+ diferente de
re+dquirir pontos de lorç+ de Vont+de. A N+ture:+ do perso-
n+¸em é port+nto vit+l n+ re+quisiç1o de lorç+ de Vont+de. O
procedimento funcion+ +ssim: o jo¸+dor rep+r+ que seu perso-
n+¸em poderí ser c+p+: de re+dquirir lorç+ de Vont+de devi-
do +os seus +tos ou + situ+ç1o - isto v+ri+ de um Arquétipo
p+r+ outro. O jo¸+dor per¸unt+ +o N+rr+dor se pode re+dquirir
lorç+ de Vont+de, e o N+rr+dor pode +ceit+r ou ne¸+r o pedi-
do. C+so o N+rr+dor jul¸ue o pedido vílido, ele pode restituir
de um + três pontos de lorç+ de Vont+de, dependendo d+
n+ture:+ ou d+s +çöes do person+¸em. O N+rr+dor n1o deve
recompens+r um person+¸em se consider+r que o jo¸+dor est+-
v+ desempenh+ndo +s +çöes n1o como p+rte de su+ interpret+-
ç1o, m+s +pen+s p+r+ re+dquirir lorç+ de Vont+de. l+r+ m+io-
res det+lhes, consulte + seç1o lorç+ de Vont+de deste c+pítu-
lo, n+ pí¸in+ 1¯6. No C+pítulo Oito, pí¸. 1o+, você poderí
encontr+r det+lhes sobre + +diç1o +o seu tot+l perm+nente de
lorç+ de Vont+de.
O N+rr+dor deve encor+j+r seus jo¸+dores + desenvolve-
rem seus próprios Arquétipos, dest+ form+ permitindo-lhes
+ oportunid+de de cri+r person+lid+des exclusiv+s.
O N+rr+dor deverí ver n+s pí¸in+s 1¯¯ - 1¯9 os Ar-
quétipos d+s Sombr+s.
Arqulteto
O seu senso de propósito tr+nscende +s su+s necessid+-
des. Você tent+ cri+r +l¸um+ cois+ de v+lor dur+douro p+r+
+queles que vierem depois de você. As pesso+s precis+m de
muit+s cois+s, e você obtém s+tisf+ç1o +jud+ndo no que pu-
der. Você é o tipo de pesso+ que se esforç+ p+r+ construir
+l¸o de v+lor: fund+r um+ cid+de, cri+r um+ comp+nhi+ ou,
de +l¸um+ form+, deix+r um le¸+do dur+douro.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que cri+r ou es-
t+belecer +l¸um+ cois+ de importìnci+ ou v+lor dur+douro.
O Vunguurdlstu
Você sempre precis+ ser o primeiro em tudo. O primeiro
+ s+ber +s novid+des, + +prender um+ nov+ d+nç+, + se¸uir
um+ nov+ mod+, ou + p+trocin+r um novo t+lento +rtístico.
l+:er nov+s descobert+s é um+ p+rte essenci+l d+ su+ vid+, e
você dedic+ + m+ior p+rte de seu tempo + se m+nter +tu+li-
:+do. N+d+ o incomod+ m+is que ser o se¸undo + s+ber d+s
novid+des. Se você n1o estiver n+ frente, ent1o simplesmen-
te n1o estí.
- Re+dquir+ um ponto de lorç+ de Vont+de sempre
que for o primeiro + s+ber de um+ novid+de ou sempre que
fi:er um+ descobert+ import+nte.
O Bon Vlvunt
A vid+ (e o que existe depois del+) é inútil e desprovid+
de si¸nific+do - é por c+us+ disso que você procur+ se di-
vertir t+nto qu+nto puder. Lnqu+nto Rom+ estiver +rdendo
em ch+m+s você est+rí bebendo vinho e compondo músic+.
Sendo hedonist+, sensu+list+, sib+rit+ e m+ní+co por fest+s,
+s p+l+vr+s +usterid+de, +bne¸+ç1o e disciplin+ pesso+l n1o
tem lu¸+r em su+ vid+. Você prefere muito m+is o conceito
d+ ¸r+tific+ç1o inst+ntìne+. Aind+ +ssim, n1o se import+ com
um pouco m+is de tr+b+lho duro, cont+nto que h+j+ um+
bo+ divers1o +¸u+rd+ndo-o n+ conclus1o. A m+iori+ dos Bon
Viv+nt possui Autocontrole b+ixo, pois +m+m o excesso.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que se divertir
b+st+nte e puder express+r plen+mente + su+ exult+ç1o (ou
t+lve: +té mesmo obter m+is pontos se ¸o:+r de um+ noite
especi+lmente divertid+.)
O Vulentño
Conhecido como +rru+ceiro, rufi1o e bri¸uento, você
+dor+ +torment+r os fr+cos. Todo mundo tem sempre que
d+nç+r se¸undo + su+ músic+ e você n1o toler+ que se intro-
met+m em seus pl+nos. Sendo o poder tudo que você respei-
t+, costum+ v+lori:+r +pen+s +queles que re+li:+m demons-
tr+çöes de poder.
Você n1o vê n+d+ de err+do em impor + su+ vont+de +os
outros. N1o hí n+d+ de que ¸oste m+is do que oprimir, +nt+¸o-
ni:+r, importun+r com per¸unt+s insistentes e intimid+r +que-
les + quem despre:+ - e desses existem muitos. As emoçöes
de ¸entile:+ e pied+de n1o lhe s1o complet+mente estr+nh+s,
m+s você esconde + su+ própri+ sens+ç1o de fr+que:+ +tr+vés
d+ crueld+de dos outros. Lmbor+ + m+iori+ dos V+lentöes des-
pre:e os fr+cos, +l¸uns torn+m-se seus protetores.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que intimid+r ou
forç+r fisic+mente outr+ pesso+ + f+:er o que você quiser.
O Sumurltuno
Você sempre tent+ +jud+r +queles que o cerc+m, esfor-
117
ç+ndo-se p+r+ f+:er um+ diferenç+ n+s necessid+des e triste-
:+s dos des+fortun+dos. As pesso+s + su+ volt+ depende se
su+ est+bilid+de e forç+ p+r+ se m+nterem estíveis e concen-
tr+dos. Qu+ndo est1o com um problem+, você é + únic+ pes-
so+ com quem el+s podem cont+r.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que conse¸uir
prote¸er ou +jud+r outr+ pesso+. lode ser um+ +ç1o pequen+
como oferecer um sorriso de +poio ou um ombro +mi¸o num
momento +propri+do. Você precis+ +jud+r + outr+ pesso+ de
+l¸um+ form+ , embor+ el+ n1o precise s+ber disso.
A Crlunçu
Você +ind+ é im+turo em person+lid+de e temper+men-
to. Lm moleque que nunc+ cresceu. Lmbor+ você sej+ c+p+:
de cuid+r de si mesmo (esper+mos'), prefere + se¸ur+nç+ de
ter outros cuid+ndo de você. Com freqüênci+ procur+ outr+
pesso+ que cuide de você - um tipo de s+m+rit+no. Al¸uns
consider+m-no um moleque mim+do, enqu+nto outros o
vêem como um querubim inocente, n1o +fet+do pelos m+les
do mundo. Lste é um +rquétipo muito comum entre +s +p+-
riçöes que morrer+m qu+ndo er+m jovens, sendo, port+nto,
m+dur+s intelectu+lmente, m+s n1o no pl+no emocion+l.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que +l¸uém fi:er
+l¸um+ cois+ que o +jude sem v+nt+¸em +p+rente p+r+ si
mesmo.
O Conlormlstu
Você é um se¸uidor. Assumir o com+ndo n1o é o seu esti-
lo. L fícil p+r+ você se +d+pt+r, +just+r e concili+r com qu+l-
quer situ+ç1o nov+ em que se descobrir. Se¸ue + estrel+ m+is
brilh+nte, + pesso+ que você +credit+ ser + m+is c+p+:, entre-
¸+ndo o seu destino n+s m1os del+. l+r+ você, é +o mesmo
tempo difícil e des+¸r+dível rebel+r-se ou correr contr+ + cor-
rente:+. Você odei+ + inconsistênci+ e + inst+bilid+de, e s+be
que +poi+ndo um líder forte poderí impedir o c+os. Todos os
¸rupos estíveis precis+m de +l¸um tipo de Conformist+.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que seu ¸rupo re-
+li:+r +l¸um+ cois+ devido +o seu +poio e +jud+.
O Esperto
Qu+l é o motivo de d+r duro qu+ndo se pode conse¸uir
+l¸um+ cois+ sem nenhum esforço! lor que se m+t+r de tr+-
b+lh+r qu+ndo, +pen+s com um+ bo+ líbi+ pode-se conse-
¸uir tudo que se quer! Você sempre tent+ encontr+r + s+íd+
m+is fícil, + trilh+ m+is curt+ p+r+ o sucesso e p+r+ + rique:+.
Al¸um+s pesso+s podem ch+m+r o que você f+: de blefe ou
mesmo de roubo, m+s você s+be que f+: o mesmo que todo
mundo; só que melhor. Além disso, como + vid+ é um jo¸o,
você sente um pr+:er enorme em p+ss+r +l¸uém p+r+ trís.
Os Lspertos interpret+m muitos p+péis, de modo que você
pode ser um l+dr1o, um blef+dor, um v+¸+bundo, um come-
di+nte, um ¸olpist+ ou mesmo um vi¸+rist+.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que for c+p+: de
118
A
purlçño.
O

L
lmho
conse¸uir +l¸um+ cois+ en¸+n+ndo outr+ pesso+ p+r+ f+:ê-l+
f+:er o que você quer.
O Crltlco
N+d+ no mundo pode ser +ceito sem ser +v+li+do primei-
ro por você. N+d+ é perfeito, e mesmo +s pequen+s f+lh+s
devem ser +pont+d+s p+r+ que os bons sej+m re+lmente v+-
lori:+dos. Os seus p+dröes s1o +ltos p+r+ tudo, e você insiste
que eles sej+m s+tisfeitos. Você encor+j+ que os outros si¸+m
os mesmos ide+is porque os p+dröes b+ixos redu:em + qu+li-
d+de d+ vid+ de todos. Lles lhe +¸r+decer1o depois, +ssim
que descobrirem + pure:+ de su+ perspectiv+. Você procur+
e expöe +s imperfeiçöes de tod+s +s pesso+s e cois+s que en-
contr+. Nunc+ estí s+tisfeito com n+d+ que sej+ menos que
perfeito, + n1o ser com você mesmo - +fin+l de cont+s,
você n1o é um perfeccionist+.
- Re+dquir+ um ponto de lorç+ de Vont+de sempre
que descobrir um+ imperfeiç1o si¸nific+nte que tenh+ sido
i¸nor+d+ pelos outros.
Você é um+ pesso+ ir+scível e ¸rosseir+, lev+ndo tudo +
sério e encontr+ndo pouco humor n+ vid+ (embor+ poss+ pos-
suir um senso de humor distorcido). Cinismo é seu sobrenome;
é + ferr+ment+ com + qu+l você jul¸+ tudo n+ vid+. Você pos-
sui um+ compreens1o b+st+nte definid+ de como +s cois+s re-
+lmente funcion+m, especi+lmente qu+ndo el+s envolvem o
circo do comport+mento hum+no. Hí muito que +s tolices
cometid+s pel+s outr+s pesso+s jí deix+r+m de surpreendê-lo.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que +l¸uém fi:er
+l¸um+ cois+ idiot+, ex+t+mente como você predisse. Você
deve predi:er isso em vo: +lt+ p+r+ que os outros person+-
¸ens o ouç+m, ou em p+rticul+r +o N+rr+dor.
O Excentrlco
Sempre hí pesso+s que simplesmente n1o se enqu+dr+m,
e você é um+ del+s. As su+s crenç+s, motiv+çöes e senso de
propried+de s1o + +ntítese complet+ do st+tus quo. Você
n1o che¸+ + ser um rebelde sem c+us+, est+ndo m+is p+r+ um
pens+dor independente que n1o pertence + socied+de n+
qu+l n+sceu. Você n1o dí + mínim+ p+r+ + mor+lid+de d+s
outr+s pesso+s, m+s +dere +o seu próprio, e estr+nho, códi¸o
de condut+. Os excêntricos costum+m ser irreverentes, e +l-
¸uns possuem ¸ostos e desejos re+lmente esquisitos.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que puder torcer
o n+ri: p+r+ + socied+de e p+r+ seus preceitos sem +tr+ir re-
t+li+ç1o.
O Dlretor
Você despre:+ o c+os e + desordem, e tende + +ssumir o
controle e + or¸+ni:+r +s cois+s de modo + suprimir + +n+r-
qui+. Você ¸ost+ de est+r no com+ndo, viver p+r+ or¸+ni:+r
119
e f+:er +s cois+s correrem com tr+nquilid+de. Você confi+
em seu próprio jul¸+mento e tende + pens+r em tudo preto
no br+nco: "lsto n1o funcion+", "Você estí + meu f+vor ou
contr+ mim", "Hí du+s form+s de f+:er isto - + minh+ for-
m+ e + form+ err+d+".
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de qu+ndo lhe permitirem
lider+r um ¸rupo e re+li:+r +l¸um+ t+ref+ si¸nific+nte.
O ]unátlco
Você é devot+do + um+ c+us+. l+r+ o bem ou p+r+ o m+l,
el+ é + forç+ motri: d+ su+ vid+. C+d+ ¸r+m+ de s+n¸ue e
p+ix1o que você possui é direcion+d+ + el+. N+ verd+de, você
pode se sentir muito culp+do por desperdiç+r o seu tempo
em qu+lquer outr+ cois+. Você n1o deix+rí que n+d+ se in-
terponh+ em seu c+minho - pelo menos n+d+ que n1o pos-
s+ sobrepuj+r. Você e +queles que o cerc+m podem sofrer,
m+s + su+ c+us+ é tudo - os fins justific+m os meios. Antes
do jo¸o começ+r n1o deixe de descrever + su+ c+us+, e defi-
n+ como el+ pode +fet+r o seu comport+mento.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que pr+tic+r um+
+ç1o que contribu+ p+r+ + su+ c+us+.
O Comedlunte
Você é o p+lh+ço, o idiot+, o bobo d+ corte ou o comico,
sempre f+:endo ¸r+ç+ de si mesmo ou dos outros. Busc+ cons-
t+ntemente o humor em c+d+ situ+ç1o, e se esforç+ o qu+n-
to pode p+r+ reter +s ond+s de depress1o que inv+dem o seu
íntimo. Você odei+ sentir triste:+ ou dor, e tent+ o tempo
inteiro +f+st+r + mente d+s outr+s pesso+s do l+do sombrio
d+ vid+. Oc+sion+lmente você f+rí pr+tic+mente qu+lquer
cois+ p+r+ esquecer que + dor existe. O seu tipo pesso+l de
humor pode nem sempre impression+r os seus +mi¸os, m+s o
f+: sentir-se melhor, Al¸uns comedi+ntes conse¸uem esc+-
p+r d+ dor e ser verd+deir+mente feli:es, m+s + m+iori+ j+-
m+is se livr+ de seu dilem+.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de qu+ndo elev+r o ìnimo d+s
pesso+s + su+ volt+ +tr+vés do humor, especi+lmente qu+ndo
você conse¸uir esc+p+r d+ su+ própri+ dor no processo.
O [ulz
Como um f+cilit+dor, moder+dor, írbitro, concili+dor e
p+cific+dor, você sempre busc+ melhor+r +s cois+s. Or¸ulh+-
se em ser r+cion+l, de seu jul¸+mento e de su+ c+p+cid+de
em dedu:ir um+ explic+ç1o r+:oível qu+ndo confront+do
com os f+tos. Você se esforç+ em promover + verd+de, m+s
compreende o qu1o difífil é ser justo. Você respeit+ + justiç+,
+fin+l el+ é o veículo d+ verd+de.
Ao seu ver +s pesso+s s1o recursos, embor+ +l¸um+s se-
j+m m+is difíceis de serem control+d+s e empre¸+d+s. Odei+
des+venç+s e discussöes, e evit+ o do¸m+tismo. Oc+sion+l-
mente os juí:es d1o bons líderes, embor+ um+ f+lt+ de vis1o
poss+ oc+sion+lmente obri¸í-los + m+nter o st+tus quo em
ve: de busc+r um+ s+íd+ melhor.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de qu+ndo conse¸uir desem-
b+r+ç+r + verd+de de um+ tei+ de mentir+s ou puder con-
vencer indivíduos +nt+¸onicos + che¸+rem + um+ consenso.
O Solltárlo
Você é o tipo de pesso+ que sempre estí solitíri+, mesmo
no meio de um+ multid1o. Você é um pere¸rino, um c+ç+-
dor, um lobo solitírio. Lmbor+ os outros poss+m considerí-
lo um+ pesso+ des+mp+r+d+ ou fech+d+, você n+ verd+de
prefere + su+ própri+ comp+nhi+ + comp+nhi+ dos outros.
Lxistem muit+s r+:öes diferentes p+r+ que isso sej+ +ssim:
você n1o compreende +s pesso+s, compreende +s pesso+s bem
dem+is, +s pesso+s n1o ¸ost+m de você, +s pesso+s ¸ost+m
dem+is de você ou você simplesmente vive perdido em pen-
s+mentos. Su+s r+:öes descrevem quem você é.
- Qu+ndo conse¸uir re+li:+r +l¸um+ t+ref+ sif¸nific+nte
so:inho ou sem + +jud+ dos outros - m+s que +jude o ¸rupo
de +l¸um+ form+ - re+dquir+ lorç+ de Vont+de com b+se
no si¸nific+do d+ re+li:+ç1o.
O Mártlr
Todo mundo possui o instinto do mírtir, m+s pouco o
pöem em prític+. Menos +ind+ vivem + vid+ de um mírtir,
m+s você é um deles. O seu desejo pelo s+crifício pesso+l
provém de um+ c+rênci+ de +mor-próprio, um+ sens+ç1o de
f+lt+ de controle ou um sentimento de +mor profund+mente
desenvolvido. Devido +s su+s crenç+s e ide+is, você estí +pto
+ p+ss+r por sofrimentos lon¸os e severos.
N+ pior d+s hipóteses, um mírtir esper+ simp+ti+ e +ten-
ç1o devido +o seu sofrimento, e pode +té mesmo fin¸ir ou
ex+¸er+r dor ou priv+ç1o. N+ melhor d+s hipóteses, um mír-
tir irí escolher sofrer ferimentos ou mesmo ser tr+¸+do pelo
limbo em ve: de renunci+r + su+ reli¸i1o, +s su+s crenç+s,
princípios, c+us+ ou +mi¸os.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de qu+ndo cometer s+crifíci-
os de um+ form+ re+l e imedi+t+ em nome de su+s crenç+s ou
de outro indivíduo.
O Rehelde
Você é obstin+do, ins+tisfeito, iconocl+st+ e +depto d+
liberd+de de pens+mento. Como + su+ filosofi+ pesso+l b+-
sei+-se n+ liberd+de de pens+mento, você se sente relut+nte
dem+is em junt+r-se + qu+lquer c+us+ p+rticul+r ou movi-
mento. Você é +pen+s você mesmo e desej+ n+d+ m+is que +
liberd+de de ser você mesmo. N1o seri+ um bom se¸uidor e
norm+lmente t+mbém n1o é um bom líder (+ n1o ser que
seus se¸uidores estej+m dispostos + se¸uir ce¸+mente +s su+s
ordens). Qu+ndo frente + um+ +utorid+de, + su+ tendênci+ +
insubordin+ç1o pode f+:ê-lo descer +o nível d+ estupide:.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que + su+ rebeldi+
contr+ o st+tus quo ¸er+r result+dos positivos.
12u
A
purlçño.
O

L
lmho
O Sohrevlvente
N1o import+ como, você sempre conse¸ue sobreviver.
Você pode resistir, recuper+r-se de, +tr+vess+r e sobreviver +
qu+se qu+lquer circunstìnci+. Qu+ndo +s cois+s fic+m difí-
ceis, você toc+ pr+ frente. Você nunc+ +ceit+ + derrot+ e
j+m+is desiste - j+m+is. N+d+ o irrit+ m+is que um+ pesso+
que n1o se esforçou p+r+ melhor+r +s cois+s, ou que se rende
+s forç+s desconhecid+s do universo.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que sobreviver +
um+ rebeli1o ou + um+ situ+ç1o difícil +tr+vés de su+ própri+
esperte:+ e persever+nç+.
O jrudlclonullstu
Você é um indivíduo ortodoxo, conserv+dor e muito tr+-
dicion+list+. O que foi bom qu+ndo você er+ jovem é bom o
b+st+nte p+r+ você +¸or+. Você qu+se nunc+ mud+. Lm ¸e-
r+l opöe-se + mud+nç+ pel+ mud+nç+ - de que v+lhe isso!
Al¸uns podem vê-lo como um miserível, um re+cionírio ou
simplesmente um velho fóssil. Seu ide+l é sempre preserv+r
o st+tus quo.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de tod+s +s ve:es que estiver
+pto + prote¸er o st+tus quo e impedir +s mud+nç+s.
O Vlslonárlo
loucos indivíduos tem cor+¸em, forç+ e cri+tivid+de p+r+
divis+r +l¸um+ cois+ nov+ por detrís do véu d+ mediocrid+-
de. A socied+de tr+t+ ess+s pesso+s com respeito, m+s t+m-
bém com despre:o - +fin+l é o visionírio quem perverte e
condu: + socied+de p+r+ o futuro.
Você pode ser um espiritu+list+, x+m1, +r+uto d+ Nov+
Lr+, místico, filósofo ou inventor, m+s sej+ o que for, estí
sempre busc+ndo +l¸o m+is. Você se libert+ dos ¸rilhöes d+
im+¸in+ç1o convencion+l e cri+ nov+s possibilid+des. Lm-
bor+ poss+ ter + c+beç+ n+s nuvens, e frequentemente pos-
su+ um+ inclin+ç1o pouco prític+, estí cheio de idéi+s e
percepçöes nov+s.
- Re+dquir+ lorç+ de Vont+de sempre que conse¸uir
convencer os outros de seus sonhos e se¸uir o curso de +ç1o
deline+do por su+ vis1o do futuro.
Atrlhutos
As +p+riçöes n1o s1o m+is re+is, pelo menos d+ form+
como entendemos o termo. Tod+ Ap+riç1o possui um Cor-
pus e um+ consciênci+, que s1o m+nifest+çöes de su+ pre-
senç+ em outr+ form+ de re+lid+de. Os Atributos +¸or+ ser-
vem como descriçöes de seu est+do de existênci+ contínu+.
Os Atributos s1o b+se+dos n+ form+ como os person+¸ens
vêem + si mesmos. O corpo e +s c+p+cid+des ¸er+is de um+
+p+riç1o s1o b+se+d+s em seus híbitos e expect+tiv+s, sendo
t1o rí¸idos e imutíveis qu+nto os Atributos do mundo re+l.
speclullzuções
l+r+ c+d+ C+r+cterístic+ de Atributo e
H+bilid+de de nível + ou superior, um
jo¸+dor pode selecion+r um+ especi+li-
d+de. Lm+ especi+lid+de é um+ subc+-
te¸ori+ p+rticul+r que um person+¸em
sej+ c+p+: de desempenh+r com eficiênci+ +dicion+l - um
person+¸em pode ser c+p+: de diri¸ir muito bem, m+s pode
ser p+rticul+rmente +depto de m+nobr+s +rrisc+d+s.
N+s +çöes que envolv+m um+ especi+li:+ç1o, o jo¸+dor
tem o direito de l+nç+r m+is um d+do p+r+ c+d+ result+do
i¸u+l + 10 obtido nos d+dos. O sucesso do 10 ori¸in+l é m+n-
tido, m+s +s tent+tiv+s podem ser feit+s sucessiv+mente.
Atrlhutos ]lslcos
Os +tributos físicos determin+m o poder de um+ +p+ri-
ç1o conforme m+nifest+do em su+s +çöes. Lles s1o + form+
m+is fícil de definir e port+nto + m+is fícil de compreender.
]orçu
Lste Atributo define o poder bruto de um+ +p+riç1o. Lle
represent+ n1o +pen+s forç+ físic+, m+s t+mbém poder e c+-
p+cid+de de c+us+r d+nos. O Atributo lorç+ é us+do p+r+
determin+r o número b+se de d+nos obtidos nos d+dos em
c+so de +t+que.
A lorç+ é us+d+ qu+ndo um+ +p+riç1o tent+ er¸uer, c+r-
re¸+r, empurr+r ou quebr+r +l¸um+ cois+. A lorç+ t+mbém é
us+d+ qu+ndo se desej+ re+li:+r um pulo ou s+lto.
Lspeci+li:+çöes: le¸+d+ lirme, robuste:, lísico Atlético,
Ombros l+r¸os, Vi¸or, Lner¸i+, Bíceps lrotuber+ntes, Ri¸i-
de:, Altur+.
º lr+co
ºº Médio
ººº Bom
ºººº Lxcepcion+l
ººººº Lxtr+ordinírio
Destrezu
Lste Atributo define + c+p+cid+de de um+ +p+riç1o em
desempenh+r +tivid+des complex+s. Lle represent+ veloci-
d+de físic+, ¸r+ç+, precis1o e + h+bilid+de em desempenh+r
+çöes intrinc+d+s ou sutis. A Destre:+ define o controle de
um+ +p+riç1o sobre seu Corpus.
Lspeci+li:+çöes: Movimentos Su+ves, llexibilid+de, Lqui-
líbrio, H+bilid+de, Or+ç+, A¸ilid+de, Atletismo, Reflexos
lelinos, Velocid+de, Lquilíbrio, lés A¸eis, M1o leve.
º lr+co: Você é bem est+b+n+do - port+nto
n1o use um+ motoserr+.
ºº Médio: Você conse¸ue m+sc+r chiclete e c+-
minh+r +o mesmo tempo.
ººº Bom: Você possui um excelente potenci+l +tlé-
tico + ser desenvolvido.
ºººº Lxcepcion+l: Você pode f+:er m+l+b+rismos
com cinco f+c+s
121
+pen+s su+ c+p+cid+de de inter+¸ir com outros, m+s t+mbém
definem su+ +uto-estim+ e confi+nç+. Ll+s definem como +
+p+riç1o se rel+cion+ com o +mbiente que + cerc+ e como
el+ se enqu+dr+ no esquem+ d+s cois+s.
Os Atributos Soci+is s1o vit+is p+r+ determin+r primeir+s
impressöes, c+p+cid+de de lider+nç+ e + n+ture:+ d+s inter+-
çöes de um+ +p+riç1o com +s outr+s. Combin+dos com os Atri-
butos lísicos, eles definem + presenç+ de um+ +p+riç1o.
Curlsmu
O C+rism+ define o m+¸netismo essenci+l de um+ +p+ri-
ç1o, + forç+ de su+ presenç+. T+mbém represent+ +udíci+,
fúri+, e o qu+nto + +p+riç1o é interess+nte p+r+ os outros. O
C+rism+ reflete o poder de um+ +p+riç1o em convencer os
outros + confi+rem nel+. Sob muitos +spectos, ele é +nílo¸o
+ lorç+, sendo us+do em qu+lquer tent+tiv+ de influenci+r
+bert+mente +l¸uém.
Lspeci+li:+çöes: Serenid+de, Lloqüênci+, Soci+bilid+de,
Lnc+nt+mento, M+¸nificênci+, Oeni+lid+de, Lduc+ç1o, So-
fistic+ç1o, Or+ç+, Rústico, Lrb+nid+de.
º lr+co: Os outros evit+m est+r + su+ volt+.
ºº Médio: As pesso+s tendem + ¸ost+r de você.
ººº Bom: As pesso+s confi+m em você e lhe f+:em
confidênci+s.
ºººº Lxcepcion+l: Você tem +l¸um+ cois+ que +tr+i
+s pesso+s.
ººººº Lxtr+ordinírio: Você pode f+:er m+l+b+rismos
com cinco f+c+s e com os olhos vend+dos'
Vlgor
O Atributo Vi¸or define + est+bilid+de de um+ +p+riç1o.
Lle represent+ n1o +pen+s resistênci+ físic+, m+s t+mbém
determin+ç1o, +usterid+de, concentr+ç1o e vont+de de ven-
cer. Lle reflete + compreens1o de um+ +p+riç1o sobre seus
próprios limites.
Lspeci+li:+çöes: Zelo, Resistênci+, lnflexibilid+de, Deter-
min+ç1o, A¸ressivid+de, Ten+cid+de, Robuste:, Solide:, lo-
tênci+, Dedic+ç1o.
º lr+co: Você possui constituiç1o frí¸il, beir+n-
do o doentio.
ºº Médio: Você é moder+d+mente s+udível.
ººº Bom: Você estí em excelente form+, o resul-
t+do de exercícios re¸ul+res. Você é forte de
espírito.
ºººº Lxcepcion+l: Você poderi+ correr num+ m+-
r+ton+.
ººººº Lxtr+ordinírio: Você poderi+ sobreviver +o
cor+ç1o de um Turbilh1o (bem, t+lve:...).
Atrlhutos Socluls
Os Atributos Soci+is de um+ +p+riç1o n1o represent+m
122
A
purlçño.
O

L
lmho
ººººº Lxtr+ordinírio: Você poderi+ lider+r um+ n+-
ç1o.
Munlpuluçño
Lst+ C+r+cterístic+ mede + +stúci+ de um+ +p+riç1o.
M+nipul+ç1o represent+ + conduç1o e + tr+iç1o nos rel+cio-
n+mentos soci+is. Sob muitos +spectos, el+ serve como "c+-
mufl+¸em soci+l", +o contrírio de C+rism+, que indu: + um+
+bord+¸em m+is diret+. Lm+ +p+riç1o us+ su+ M+nipul+ç1o
em qu+lquer tent+tiv+ de influenci+r subit+mente +l¸uém.
Se você fr+c+ss+r num+ +ç1o de M+nipul+ç1o e o +lvo
perceber o que você tentou f+:er (você obteve um+ f+lh+
crític+ nos d+dos, por exemplo), ele pode fic+r :+n¸+do. As
pesso+s s1o m+nipul+d+s o tempo inteiro e norm+lmente i¸-
nor+m isso. lorém, se isso p+ss+r + ser de seu conhecimento,
poderí ser um pens+mento b+st+nte incomodo. A M+nipu-
l+ç1o pode ¸er+r ¸r+ndes result+dos, m+s é um risco desem-
penhí-l+ +bert+mente. As pesso+s que conheç+m bem os
person+¸ens com M+nipul+ç1o +lt+ n1o confi+m neles.
Lspeci+li:+çöes: loqu+cid+de, Lxpressivid+de, Astúci+,
lersu+s1o, Serenid+de, lín¸u+ Afi+d+, l+nf+rronice, lnsinu-
+ç1o, Lloqüênci+, lisonj+, Duplo sentido, Sofismo, Humor.
º lr+co: Você se express+ com o mínimo possí-
vel de p+l+vr+s.
ºº Médio: Os outros podem +credit+r em você.
ººº Bom: Você seri+ um bom +dvo¸+do.
ºººº Lxcepcion+l: Você deveri+ concorrer + um
c+r¸o público.
ººººº Lxtr+ordinírio: Você venderi+ ¸elo + um es-
quimó.
Apurenclu
Lst+ c+r+cterístic+ de um+ +p+riç1o, +o contrírio do que
ocorre com os mort+is, b+sei+-se em seu sentido de +uto-
estim+. Ll+ reflete su+ s+tisf+ç1o em ser el+ mesm+ e como
el+ desej+ que os outros + vej+m. Lm+ C+r+cterístic+ +lt+ de
Ap+rênci+ n1o indic+ necess+ri+mente bele:+, m+s +tr+ên-
ci+ (+s du+s cois+s nem sempre s1o + mesm+).
A Ap+rênci+ é essenci+l em qu+lquer situ+ç1o soci+l n+
qu+l n1o sej+m troc+d+s p+l+vr+s. Ll+ é m+is import+nte do
que pode p+recer + primeir+ vist+; +s su+s impressöes do ou-
tro s1o fortemente +fet+d+s pel+ +p+rênci+ d+ pesso+, n1o
import+ o qu+nto você tenh+ + mente +bert+.
A Ap+rênci+ costum+ ser us+d+ pelo N+rr+dor p+r+ jul-
¸+r +proxim+d+mente como os outros re+¸em + você desde
um primeiro encontro. lort+nto, el+ pode +fet+r todos os
outros testes Soci+is que você re+li:+r envolvendo ess+ pes-
so+ (em +l¸uns c+sos, o seu nivel determin+ o número míxi-
mo de sucessos de um+ +ç1o Soci+l que poss+m ser re+lmen-
te +plic+dos, impossibilit+ndo que um+ pesso+ fei+ +lc+nce
qu+lquer cois+ +cim+ do sucesso mínimo.)
Lspeci+li:+çöes: Comport+mento Aud+:, Seduç1o, Ln-
c+nt+mento, Sensu+lid+de, R+diìnci+, Rosto Honesto, Di¸-
nid+de, A¸r+d+bilid+de, Simp+ti+, Atr+tivid+de, Bele:+,
Olh+r lenetr+nte.
º lr+co: Você tende + +tr+ir + hostilid+de dos
outros.
ºº Médio: Você é f+cilmente i¸nor+do, pois se
confunde com + multid1o.
ººº Bom: Você tem um+ +p+rênci+ +¸r+dível, e +s
pesso+s tr+t+m-no bem.
ºººº Lxcepcion+l: Você tem um+ +p+rênci+ sufici
entemente bo+ p+r+ ser um modelo, receben
do respeito e +tenç1o por c+us+ disso.
ººººº Lxtr+ordinírio: As primeir+s re+çöes podem
ser de +ssombro, invej+ intens+ ou prest+tivi
d+de +bsolut+ .
Atrlhutos Mentuls
Os Atributos Ment+is represent+m + c+p+cid+de ment+l
tot+l de um+ +p+riç1o, incluindo cois+s como memóri+, per-
cepç1o e + c+p+cid+de de +prender e pens+r. Lles represen-
t+m + consciênci+ de um+ +p+riç1o e os sentimentos de com-
preens1o intern+ e extern+.
]ercepçño
Lst+ C+r+cterístic+ define + consciênci+ que um+ +p+ri-
ç1o tem d+ re+lid+de. Ll+ represent+ + vis1o que um+ +p+ri-
ç1o tem dos outros indivíduos, + emp+ti+ com o +mbiente
que + cerc+ e su+ intuiç1o. Consider+ndo que os indivíduos
com níveis b+ixos de lercepç1o m+ntêm-se isol+dos do mun-
do, sendo, port+nto, inc+p+:es de crescer, podemos +firm+r
que lercepç1o é s+bedori+. Ll+ é us+d+ sempre que um+ +p+-
riç1o tent+ detect+r +l¸um+ cois+.
Lmbor+ + percepç1o sej+ oc+sion+lmente us+d+ consci-
entemente, como qu+ndo você pesquis+ +l¸um+ cois+, el+
funcion+ m+is freqüentemente de form+ intuitiv+ - você
simplesmente n1o not+ n+d+. B+sic+mente, + lercepç1o é
um+ sensitivid+de p+r+ com o mundo, é um+ condiç1o de
est+r perm+nentemente com os olhos +bertos comum entre
+s cri+nç+s (p+r+ quem o mundo é um lu¸+r irrestrito e mis-
terioso) e r+r+mente ocorre entre os m+is est+f+dos.
A lercepç1o é us+d+ p+r+ ver se você possui + c+p+cid+-
de de compreender ou est+r +tento + um determin+do f+to
ou conceito. Ll+ pode +jud+r + indic+r o seu nível de +ten-
ç1o + embosc+d+s, +s entrelinh+s do discurso de um Hier+r-
c+, ou + sutile:+ n+s cores de um+ pintur+. Tod+s +s +p+ri-
çöes s1o extrem+mente sensíveis +o +mbiente que +s cerc+,
m+s +pen+s +s +p+riçöes m+is lerceptiv+s s1o +lert+s e pers-
pic+:es o b+st+nte p+r+ perceber o que re+lmente +contece
+o redor del+s.
Lspeci+li:+çöes: lntrospectivo, Atento, l+ciente, Vis1o
A¸uç+d+, lntuitivo, Visionírio, Astuto, Apreensivo.
º lr+co: Você é ce¸o + tudo que n1o sej+ óbvio
ºº Médio: Você n1o percebe inter+çöes sutis que
+contecem + su+ volt+.
ººº Bom: Você percebe os ìnimos e +s textur+s.
ºººº Lxcepcion+l: Você estí sempre +lert+ +s nu
+nces d+ vid+.
123
ººººº Lxtr+ordinírio: Você é c+p+: de +ch+r um+
+¸ulh+ num p+lheiro.
Intellgenclu
A lnteli¸ênci+ de um+ Ap+riç1o define + compreens1o que
el+ tem d+ re+lid+de. Ll+ represent+ + c+p+cid+de de desempe-
nh+r +tivid+des complex+s e cerebr+is. A lnteli¸ênci+ é us+d+
sempre que forem desempenh+d+s t+ref+s +n+lític+s.
A lnteli¸ênci+ represent+ + su+ memóri+ e + su+ c+p+ci-
d+de em +prender e pens+r. Ll+ é import+nte qu+ndo se us+
H+bilid+des que requeir+m processos complexos de pens+-
mento. Al¸um+s pesso+s descrevem + lnteli¸ênci+ como +
c+p+cid+de de pens+r ou jul¸+r r+pid+mente, m+s el+ é m+is
que isso - é + f+cilid+de em entender e + c+p+cid+de p+r+
r+ciocin+r e +v+li+r. A lnteli¸ênci+ mede + profundid+de e +
flexibilid+de de pens+mento de um indivíduo.
Lspeci+li:+çöes: Discernimento, Cri+tivid+de, Conheci-
mento, lr+¸m+tismo, Astúci+, Brilh+ntismo, R+to de Bibli-
otec+, lens+dor.
º lr+co: Ql o0
ºº Médio: Ql 100
ººº Bom: Ql 120
ºººº Lxcepcion+l: Ql 1+0
ººººº Lxtr+ordinírio: Ql 160÷
Rucloclnlo.
O Atributo R+ciocínio descreve + su+ c+p+cid+de de re-
+¸ir com r+pide: e correç1o + situ+çöes nov+s, +ssim como +
su+ cl+re:+ de pens+mento. Lm termos simples, é um+ medi-
d+ do qu1o rípido você pens+. loderí+mos interpret+r R+ci-
ocínio t+mbém como perspicíci+, s+¸+cid+de e c+p+cid+de
em compreender problem+s em seus termos m+is bísicos.
Os indivíduos com R+ciocínio b+ixo s1o oc+sion+lmente
inc+p+:es de tom+r +titudes +propri+d+s qu+ndo surpreendi-
dos (como um ¸+mo +o ser ilumin+do pelos f+róis de um
c+rro). Lm nível b+ixo de R+ciocínio pode indic+r que você
é um estud+nte in¸ênuo e pouco sofistic+do d+ n+ture:+ hu-
m+n+. Se você possui R+ciocínio +lto, estí +pto + re+¸ir r+pi-
d+mente + nov+s situ+çöes e r+r+mente +s mud+nç+s súbit+s
nos eventos o surpreendem com + ¸u+rd+ b+ix+. Aconteç+ o
que +contecer, você é c+p+: de m+nter seu R+ciocínio.
Lspeci+lid+des: lnteli¸ente, lerspic+:, Vi¸il+nte, lríti-
co, M+nhoso, Judicioso, Cri+tivo.
º lr+co: Você envi+ seu dinheiro p+r+ p+stores
televisivos.
ºº Médio: Você s+be qu+ndo +post+r ou p+ss+r
no poquer.
ººº Bom: Você é c+p+: de lid+r com + hor+ do
"rush" em los An¸eles (sem +tir+r em nin¸uém)
ºººº Lxcepcion+l. loderi+ ser um humorist+ de pri
meir+ cl+sse.
ººººº Lxtr+ordinírio: O seu cérebro é rípido como
um comput+dor.
Huhllldudes
julentos
Os T+lentos s1o H+bilid+des n1o trein+d+s e intuitiv+s. Os
T+lentos qu+se nunc+ podem ser estud+dos ou +prendidos
medi+nte treino (embor+ uns poucos, como Bri¸+, sej+m exce-
çöes). Contudo, os T+lentos podem ser +prendidos +tr+vés d+
experiênci+ diret+ - norm+lmente dur+nte um+ históri+. Se o
seu person+¸em desempenh+r um+ +ç1o us+ndo um T+lento
que ele n1o possu+, isso n1o surtirí efeito sobre + su+ decis1o
nos d+dos. l+:-se um+ decis1o us+ndo um número de d+dos
i¸u+l +o Atributo bísico. Os T+lentos s1o C+p+cid+des t1o
n+tur+is e intuitiv+s que se consider+ que todo mundo possui
+l¸um+ pequen+ c+p+cid+de em c+d+ um deles.
rontldño
Com o p+ss+r dos +nos você +dquiriu
experiênci+ em perceber tudo que +con-
tece + su+ volt+, mesmo se n1o estiver
concentr+do +tiv+mente no que o cer-
c+. Você é um ¸u+rd+-cost+s c+p+:, vis-
to que +prendeu como m+nter-se +lert+ dur+nte períodos de
tempo lon¸os. A lrontid1o simplesmente indic+ o qu1o ci-
ente você estí do mundo que o cerc+. Ll+ descreve qu+nt+
+tenç1o você prest+ +s cois+s, +lém do ronc+r em seu ecto-
pl+sm+ ou d+s dúvid+s de su+ mente. A lrontid1o m+ntém
su+ rel+ç1o com o mundo físico.
Lm+ Ap+riç1o pode hiper-+tenu+r seus sentidos + von-
t+de. Al¸um+s ve:es, +o us+r sentidos +¸uç+dos p+r+ obser-
v+r eventos no mundo físico, f+:-se necessírio um teste de
percepç1o ÷ lrontid1o.
º Am+dor: Você tende + est+r +lert+ + mud+n
ç+s, um pouco m+is que + m+iori+ d+s pesso+s.
ºº Lxperiente: Você é b+st+nte +tento +s cois+s
que o cerc+m.
ººº Competente. Você é muito vi¸il+nte.
ºººº Lspeci+list+: Você é um indivíduo verd+dei
r+mente c+uteloso, e r+r+mente +b+ix+
+ ¸u+rd+.
ººººº Mestre: Você rep+r+ em tudo que +contece +
su+ volt+.
lossuído por: Vi¸il+ntes, C+ç+dores, Ou+rd+-cost+s, Repór-
teres, l+dröes.
Lspeci+li:+çöes: Serviço de ¸u+rd+-cost+s, Arm+dilh+s,
Lmbosc+d+s, llorest+s, Multidöes, Ruídos, l+r+nói+, Lspectros
Atletlsmo
Lst+ C+p+cid+de descreve o seu est+do +tlético ¸er+l e
consider+ um+ f+mili+rid+de com + m+iori+ dos esportes. L
us+d+ p+r+ ver se você é c+p+: de pul+r um+ cr+ter+, n+d+r
dur+nte um+ tempest+de, chut+r um+ bol+ de futebol, pul+r
um+ cerc+ ou esc+l+r um+ írvore.
124
A
purlçño.
O

L
lmho
O Atributo Atletismo di: respeito +s +çöes motor+s. As
+çöes físic+s que requeir+m +pen+s um tipo de +ç1o motor+ -
como lev+nt+r pesos - n1o us+m o nível de Atletismo, nem
t+mpouco +s +çöes +tlétic+s jí submetid+s + outr+ C+p+cid+de.
º Am+dor: Lscolinh+ de futebol
ºº Lxperiente: Atlet+ de colé¸io de se¸undo ¸r+u
ººº Competente: Atlet+ universitírio
ºººº Lxperiente: Atlet+ profission+l
ººººº Mestre: Detentor d+ med+lh+ de ouro olímpic+
lossuído por: Atlet+s profission+is, Lntusi+st+s, D+nç+-
rinos, Jovens.
Lspeci+li:+çöes: Alpinismo, Acrob+ci+, D+nç+, Lm es-
porte específico.
Sensltlvldude
Lste T+lento represent+ + c+p+cid+de de um person+-
¸em em detect+r cois+s que n1o pertenç+m +o mundo físico.
Tod+s +s +p+riçöes possuem + c+p+cid+de de sentir + presen-
ç+ d+ morte (us+ndo Vis1o d+ Morte) e + presenç+ de cri+-
tur+s sobren+tur+is (us+ndo Sentidos A¸uç+dos). Sentir coi-
s+s que n1o sej+m do mundo físico muit+s ve:es requer um
teste de lercepç1o ÷ Sensitivid+de.
º Am+dor: Você vê cois+s estr+nh+s com o c+n
to dos olhos.
ºº Lxperiente: Cois+s bi:+rr+s lhes s1o revel+d+s.
ººº Competente: Tod+s +s cois+s possuem um+
+ur+ mort+l que você conse¸ue identific+r com
f+cilid+de.
ºººº Lxperiente: Você poderi+ +ch+r um trevo de
qu+tro folh+s em se¸undos.
ººººº Mestre: Você vê cois+s bi:+rr+s p+r+ onde quer
que olhe.
lossuído por: lnvesti¸+dores l+r+norm+is, Ci¸+nos, lsiqui+-
tr+s.
Lspeci+lid+des: Anim+is, M+¸i+, Cri+tur+s Sobren+tur+is.
Brlgu
Você s+be lut+r des+rm+do. Lst+ H+bilid+de inclui m+-
nobr+s como soc+r, chut+r, lut+r corpo + corpo, estr+n¸ul+r,
+tir+r, morder e enfi+r os dedos nos olhos do oponente. A
Bri¸+ pode torn+r-se muito violent+, m+s ¸er+lmente n1o é
um+ form+ let+l de comb+te.
ºAm+dor: Você s+be o que f+:, m+s n1o tem muit+ ex-
periênci+.
ºº Lxperiente: Você s+be onde +cert+r +s pesso-
+s e f+:er doer.
ººº Competente: lode escolher onde sent+r num
boteco.
ºººº Lspeci+list+: Você é f+ix+-pret+.
ººººº Mestre: Você poderi+ ser um c+mpe1o de boxe.
lossuído por: lut+dores de +rtes m+rci+is, Sold+dos,
M+r¸in+is , lolici+is, leöes de Chíc+r+.
Lspeci+li:+çöes: Ch+ves de br+ço, Boxe, lut+ livre, l+-
r+tê, Judo, T+i Chi, lut+ corpo + corpo, l+nç+mento, Lxibi-
ç1o de +rtes m+rci+is.
Esqulvu
A form+ m+is eficiente de vencer um+ lut+ é n1o ser
+tin¸ido. Domin+r o T+lento de Lsquiv+ é um+ escolh+ mui-
to síbi+. Os seus níveis nest+ íre+ descrevem + c+p+cid+de
em evit+r t+nto +t+ques de lut+ corpor+l qu+ndo disp+ros de
projéteis, o que inclui mer¸ulh+r p+r+ prote¸er-se ou us+r o
peso do corpo p+r+ soc+r.
º Am+dor: Você se jo¸+ +o ch1o se +l¸uém ¸rit+
"+b+ixe-se"'"
ºº Lxperiente: Você n1o tem problem+s em en
contr+r um lu¸+r se¸uro dur+nte um tiroteio.
ººº Competente: Você tem muit+s ch+nces de s+ir
vivo de um tiroteio.
ºººº Lspeci+list+: L preciso ser um +tir+dor de sor
te p+r+ +cert+r você.
ººººº Mestre: Você é qu+se c+p+: de se esquiv+r de
b+l+s.
lossuído por: Criminosos, lut+dores de Ru+, Milit+res,
leöes de chíc+r+, Boxe+dores.
Lspeci+li:+çöes: S+lt+r, Lsquiv+r-se, Lncontr+r +bri¸o,
Mer¸ulh+r.
Emputlu
Você compreende e é c+p+: de sentir +s emoçöes dos
outros, est+ndo +pto + re+¸ir +propri+d+mente + el+s. Você
freqüentemente é c+p+: de discernir os motivos por trís d+s
+çöes de um+ pesso+ simplesmente ouvindo-+. Você pode
detect+r t+mbém qu+ndo lhe cont+m mentir+s.
Tod+s +s +p+riçöes possuem + h+bilid+de em sentir emo-
çöes bísic+s. A Vis1o d+ Vid+ norm+lmente requer um teste
de lercepç1o ÷ Lmp+ti+.
º Am+dor: As pesso+s costum+m cont+r-lhe pro
blem+s dur+nte fest+s.
ºº Lxperiente. De ve: em qu+ndo tom+ p+r+ si +s
dores dos outros.
ººº Competente: Adquire um+ noç1o f+ntístic+
d+s motiv+çöes d+s outr+s pesso+s.
ºººº Lspeci+list+: Nenhum+ mentir+ p+ss+ pelo seu
escrutínio.
ººººº Mestre: Você costum+ termin+r +s fr+ses d+s
outr+s pesso+s.
lossuído por: Atores, Médiuns, Vendedores extr+ordi-
nírios, lrestidi¸it+dores.
Lspeci+li:+çöes: Lmoçöes, Verd+de, lerson+lid+des, An-
tecedentes.
Expressño
A H+bilid+de Lxpress1o represent+ + su+ c+p+cid+de em
p+ss+r um+ mens+¸em +tr+vés d+ f+l+ ou d+ escrit+, estej+
você escrevendo um livro ou deb+tendo questöes soci+is. Os
person+¸ens com Lxpress1o +lt+ s1o inesquecíveis, m+s +pe-
n+s em su+ c+p+cid+de de tr+nsmitir seus sentimentos; + ex-
press1o inteli¸ente ou si¸nific+tiv+ é cobert+ por outr+s C+-
r+cterístic+s. A Lxpress1o, em su+ form+ m+is elev+d+, pode
12¨
ser um+ +rte.
º Nov+to: Repórter de T+blóide
ºº Lxperiente: Represent+nte de equipe de de
b+te escol+r
ººº Competente: Comedi+nte de sucesso
ºººº Lxperiente: Lscritor de best-sellers
ººººº Mestre: Willi+m Sh+kespe+re
lossuído por: Or+dores, lolíticos, Rom+ncist+s, Atores,
Dem+¸o¸os, M+nifest+ntes.
Lspeci+li:+çöes: loesi+, lmproviso, Opiniöes R+dic+is,
Reuniöes.
Intlmlduçño
A +rte d+ intimid+ç1o ocorre de divers+s form+s, desde
um+ +me+ç+ sutil +té um+ +¸ress1o físic+. C+d+ método de
intimid+ç1o tem seu tempo e lu¸+r. Você compreende + ci-
ênci+ de intimid+r, e s+be como usí-l+ p+r+ conse¸uir o que
desej+. As pesso+s com níveis +ltos de intimid+ç1o p+recem
irr+di+r um+ +ur+ de +utorid+de.
º Am+dor: Cri+nç+s de seis +nos se comport+m
direitinho com você.
ºº Lxperiente: De ve: em qu+ndo conse¸ue inti
mid+r +l¸uém só olh+ndo +me+ç+dor+mente
p+r+ ele.
ººº Competente: O seu olh+r é pertub+dor.
ºººº Lspeci+list+: Você seri+ um s+r¸ento dur1o.
ººººº Mestre: Você pode f+:er +nim+is fero:es fu¸i-
rem com o r+bo entre +s pern+s.
lossuido por: Homens de ne¸ócios, Milit+res, líderes de
O+n¸ues, Blef+dores. Lspeci+li:+çöes: lolític+, Milit+res,
Lventos Soci+is, Atos de Violênci+, Açöes Vel+d+s.
Munlu
As ru+s s1o um+ fonte essenci+l de inform+ç1o e de di-
nheiro, +ssim como um problem+ de primeir+ ¸r+nde:+. A
M+nh+ permite-lhe imiscuir-se n+ cen+ loc+l sem ch+m+r
+tenç1o. Ls+r este t+lento t+mbém concede + c+p+cid+de
de fofoc+r, furt+r e empre¸+r lin¸u+j+r de ru+.
º Am+dor: Você s+be quem vende dro¸+s.
ºº Lxperiente: A ¸+ler+ consider+ você "¸ente
bo+".
ººº Competente: Membro de um+ ¸+n¸ue proe
minente.
ºººº Lspeci+list+: Você p+ssou + m+ior p+rte d+ vid+
n+s ru+s.
ººººº Mestre: Se você n1o ouviu f+l+r, ent1o n1o
+conteceu.
lossuído por: Membros de ¸+n¸ue, Repórteres, Mendi-
¸os, detetives.
Lspeci+li:+çöes: B+ter c+rteir+s, Dro¸+s, Atr+vess+dor,
Oíri+.
Láhlu
Você s+be como esconder +s su+s motiv+çöes. Além dis-
so, s+be como decifr+r +s motiv+çöes dos outros e usí-l+s
12o
A
purlçño.
O

L
lmho
contr+ eles. Os se¸redos e intri¸+s dos outros lhe interess+m,
e você procur+ compreender su+s fr+que:+s. O domínio des-
t+ h+bilid+de torn+-o o melhor dos or+dores, ou o melhor
dos espiöes.
º Am+dor: Al¸um+s mentirinh+s inocentes n1o
m+¸o+m nin¸uém.
ºº Lxperiente: Você en¸+n+ troux+s em clubes
noturnos.
ººº Competente: Você poderi+ ser um +dvo¸+do
crimin+l.
ºººº Lspeci+list+: Você coloc+ os vendedores d+
Amw+y no chinelo.
ººººº Mestre: lerry M+son queri+ ser t1o bom.
lossuído por Advo¸+dos, l+lestr+ntes, Vi¸+rist+s, C+s+-
nov+s, lolíticos.
Lspeci+li:+çöes: Descobrir fr+que:+s, Sedu:ir, Mentirinh+s
Oc+sion+is.
Outros julentos
Busc+, M+líci+, lntri¸+, lnstruç1o.
]erlclus
As leríci+s s1o tod+s +s H+bilid+des +prendid+s dur+nte
+prendi:+do ou trein+mento ri¸oroso. Se você tent+r us+r
um+ leríci+ n+ qu+l n1o possu+ um nível, + dificuld+de subi-
rí em um. Você é simplesmente destrein+do n+s técnic+s
dess+ leríci+, e port+nto precis+ esforç+r-se m+is p+r+ re+li-
:+r + t+ref+ do que +l¸uém que tenh+ +o menos um+ leve
idéi+ do que estí f+:endo.
Munuluturu
Lst+ leríci+ envolve o conhecimento d+s técnic+s de um
mestre +rtes1o - c+rpint+ri+, curtiç1o de couro, sopro em
vidro, jo+lheri+, etc. Você pode cri+r objetos funcion+is +
p+rtir de víri+s substìnci+s. A qu+lid+de desses objetos de-
penderí do número de sucessos que você obtiver.
º Am+dor: Cursinho de Tr+b+lhos M+nu+is
ºº Lxperiente: l+:-tudo de +p+rt+mento
ººº Competente: lrofission+l
ºººº Lspeci+list+: Artist+
ººººº Mestre: Mestre Artes1o
lossuído por: Técnicos te+tr+is, C+rpinteiros, Lscotei-
ros, B+ndeir+ntes, Artífices.
Lspeci+li:+çöes: Co:inheiro, C+rpinteiro, lerreiro, Cou-
reiro, Jo+lheiro, Costureiro, Ori¸+mist+, ledreiro.
Conduçño
Você pode diri¸ir um c+rro, e t+lve: t+mbém outros veí-
culos. Simplesmente porque você possui + h+bilid+de Con-
duç1o n1o si¸nific+ que estej+ f+mili+ri:+do com os todos os
veículos de terr+. A su+ dificuld+de pode ser elev+d+ ou +b+i-
x+d+, dependendo d+ su+ experiênci+ ¸er+l com um +uto-
móvel específico.
º Am+dor: Você pode diri¸ir um c+rro com
mud+nç+ +utomític+.
ºº Lxperiente: lode oper+r um+ mud+nç+ m+
nu+l.
ººº Competente: C+minhoneiro comerci+l.
ºººº Lspeci+list+: liloto de lórmul+ Lm.
ººººº Mestre: O trìnsito de S1o l+ulo é um p+sseio
p+r+ você.
lossuído por: C+minhoneiros, lilotos de corrid+, Dublês.
Lspeci+li:+çöes: Curv+s, C+v+los-de-l+u, Mud+nç+s de
m+rch+, pist+ molh+d+.
Etlquetu
Você compreende +s pequen+s nu+nces d+ vid+ soci+l,
est+ndo +pto + comport+r-se com ele¸ìnci+. Você s+be como
conviver bem com +s socied+des hum+n+ e d+s +p+riçöes. A
su+ especi+lid+de é + cultur+ com + qu+l estej+ m+is f+mili+-
ri:+do. Você us+ Ltiquet+ dur+nte +çöes como d+nç+r, sedu-
:ir e b+r¸+nh+r. A Ltiquet+ t+mbém é us+d+ em questöes
diplomític+s.
º Am+dor: Você s+be qu+ndo c+l+r + boc+.
ºº Lxperiente: S+be que n1o deve c+lç+r tênis
num j+nt+r + ri¸or.
ººº Competente: S+be com que colher tom+r sop+.
ºººº Lspeci+list+: Lstí +pto + conviver com pr+ti
c+mente tod+s +s cl+sses soci+is.
ººººº Mestre: Você poderi+ impedir + Terceir+ Ouer
r+ Mundi+l.
lossuído por: Diplom+t+s, Milionírios, Lxecutivos.
Lspeci+lid+des: Ne¸ócios, Alt+ Socied+de, Cultur+ d+s ru+s.
Armus de logo
A h+bilid+de em Arm+s de lo¸o si¸nific+ que você possui
um +mplo conhecimento de tod+s +s +rm+s, desde um simples
.22 + um+ metr+lh+dor+ ln¸r+m M+c-10. As Arm+s de lo¸o
n1o incluem + c+p+cid+de em oper+r +rm+s pes+d+s como c+-
nhöes e outr+s peç+s de +rtilh+ri+. Contudo, + períci+ em Ar-
m+s de lo¸o t+mbém inclui + c+p+cid+de em consertí-l+s.
º Am+dor: Você teve um+ ou du+s liçöes num+
loj+ de +rm+s.
ºº Lxperiente: Você f+: bonito num+ ¸+leri+ de tiro.
ººº Competente: Você pode f+:er +l¸uns truques
com um+ +rm+.
ºººº Lspeci+list+: Você é frio e control+do, mesmo
sob press1o.
ººººº Mestre: "Lstí com sorte, jun|! Ótimo, v+i pre-
cis+r."
lossuído por: Membros de O+n¸ue, lolíci+, Criminosos,
Sold+dos, C+ç+dores.
Lspeci+li:+çöes: Rifles, listol+s, Metr+lh+dor+s, Spr+ys,
Revólver.
Llderunçu
Você conse¸ue f+:er +s pesso+s se¸uirem os seus com+n-
dos e obedecerem +s su+s ordens medi+nte exemplo e exer-
127
A Medit+ç1o pode ser us+d+ p+r+ isol+r + mente de f+tores
de distr+ç1o, permitindo + um person+¸em concentr+r-se em
+ssuntos de importìnci+. Ll+ t+mbém pode ser us+d+ por um+
+p+riç1o p+r+ entr+r nov+mente em est+do de Modorr+ - um
teste de Vi¸or ÷ Medit+ç1o (dificuld+de o) determin+ qu+n-
t+s hor+s de Modorr+ ser1o obtid+s por hor+ de medit+ç1o.
º Am+dor: Você pode fic+r sent+do num+ úni
c+ posiç1o dur+nte +l¸um tempo sem se me
xer.
ºº Lxperiente: Você pode sent+r-se e +lc+nç+r um
est+do de tr+nqüilid+de.
ººº Competente: Você pode rel+x+r em qu+lquer
posiç1o.
ºººº Lspeci+list+: As pesso+s precis+m d+r duro p+r+
tir+r + su+ concentr+ç1o.
ººººº Mestre: Você poderi+ +lc+nç+r um est+do de
c+lm+ interior no meio de um tiroteio.
lossuído por: Artist+s M+rci+is, Mon¸es, Atlet+s, lsicó-
lo¸os.
Lspeci+li:+çöes: Rel+x+mento, Concentr+ç1o, Memóri+
Zen.
Armus Bruncus
A c+p+cid+de de lut+r com um+ +rm+ é um+ h+bilid+de
v+lios+ no +mbiente lunk-Oótico. A eficiênci+ nest+ h+bili-
cício d+ +utorid+de. lider+r n1o é +pen+s conhecer +s técni-
c+s em f+:er +s pesso+s se¸uirem você, m+s princip+lmente
ser o tipo de pesso+ que os outros se¸uir1o. A lider+nç+
costum+ ser us+d+ em combin+ç1o com o C+rism+.
º Am+dor: Você poderi+ trein+r um time de jú
niores.
ºº Lxperiente: A su+ vo: é domin+nte e você
conse¸ue exi¸ir que se f+ç+ silêncio.
ººº Competente: Lm situ+çöes de crise, você é um
bom líder.
ºººº Lspeci+list+: Você +tr+i se¸uidores sem tent+r.
ººººº Mestre: Você é um N+pole1o, um Ch+ron -
Ou um Hitler...
lossuído por: lolíticos, Ofici+is Milit+res, líderes de
O+n¸ues, Lxecutivos, Ofici+is de lolíci+
Lspeci+li:+çöes: Com+ndo, Or+tóri+, lnspir+r Ami:+de,
Orient+r +çöes milit+res.
Medltuçño
A Medit+ç1o é + leríci+ em +pl+c+r +s emoçöes, contro-
l+r + mente e rel+x+r o corpo físico. A Medit+ç1o costum+
ser pr+tic+d+ enqu+nto o indivíduo estí sent+do num+ posi-
ç1o especi+l, como + posiç1o de lotus. lorém, com + prític+,
+ Medit+ç1o pode ser desempenh+d+ num+ v+ried+de de si-
tu+çöes ou posiçöes.
128
A
purlçño.
O

L
lmho
d+de possibilit+ us+r +rm+s de m1o. l+c+s, c+ssetetes, m+-
ch+dos e esp+d+s s1o exemplos dos tipos de +rm+s cobert+s
pel+ períci+ Arm+s Br+nc+s. Hoje em di+ est+ h+bilid+de é
qu+se +rc+ic+, devido + dependênci+ d+ socied+de por +rm+s
de fo¸o, m+s n1o se esqueç+ que o mesmo n1o se +plic+ +
Lstí¸i+ e +os Reinos Dist+ntes...
º Am+dor: Você jí viu us+rem um+ f+c+.
ºº Lxperiente:Você +prendeu es¸rim+ num cur
so de seis sem+n+s
ººº Competente: M+r¸in+l comum
ºººº Lspeci+list+: Qu+lquer +rm+ é mort+l em su+s
m1os.
ººººº Mestre: Bruce lee com um p+r de nun:.|a.·s.
lossuído por: lolici+is, Ls¸rimist+s, Lntusi+st+s de len-
do, M+r¸in+is, Membros de O+n¸ue.
Lspeci+li:+çöes: Arm+s, M+ch+dos, lloretes, l+c+s, M+-
ç+s, Des+rme.
Atuuçño
Você é c+p+: de desempenh+r +çöes +rtístic+s, como c+n-
t+r, toc+r ¸uit+rr+ e +tu+r. Você s+be o que f+:er e como. A su+
especi+lid+de é o tipo de desempenho no qu+l você se concen-
tr+, muito prov+velmente o primeiro tipo de express1o +rtísti-
c+ +o qu+l você se dedicou. A Atu+ç1o n1o cobre escrever e
discurs+r, c+te¸ori+s que dependem d+ H+bilid+de Lxpress1o.
º Am+dor: Nov+to t+lentoso, você é c+p+: de
fin¸ir que estí doente.
ºº Lxperiente: Você desenvolveu + su+ c+p+ci
d+de de interpret+ç1o + um nível elev+do.
ººº Competente: Você é c+p+: de represent+r pr+
tic+mente qu+lquer p+pel.
ºººº Lspeci+list+: Decerto você é um profission+l,
ou possui potenci+l p+r+ ser um.
ººººº Mestre: Você poderi+ ¸+nh+r um Osc+r - ou
t+lve: jí tenh+ sido +¸r+ci+do com um.
lossuído por: Atores, Músicos, lr+tic+ntes de l+r+okê,
Mímicos.
Lspeci+li:+çöes: Vilöes, Solos de Ouit+rr+, lin¸ir Sobrie-
d+de Lnqu+nto Bêb+do.
Repuros
Você estí +pto + consert+r todos os tipos de instrumen-
tos simples ou complexos. lsto inclui port+s, c+rros e +té com-
put+dores. O domínio dest+ h+bilid+de si¸nific+ que você é
um Jo1o-l+:-Tudo. Lst+ h+bilid+de cobre tudo, desde c+r-
pint+ri+ simples + mecìnic+. Dispondo d+s ferr+ment+s +de-
qu+d+s, você poderi+ consert+r qu+lquer cois+.
º Am+dor: Você conse¸ue mont+r um conjun
to de peç+s de enc+ixe
ºº Lxperiente: Dispondo do tempo +dequ+do
129
você poderi+ inst+l+r + fi+ç1o elétric+ de um+ c+s+.
ººº Competente: Você economi:+ um+ bo+ ¸r+n+
em honorírios de mecìnicos e técnicos de ele
tronic+.
ºººº Lspeci+list+: Lstí +pto + consert+r comput+
dores pesso+is em poucos minutos.
ººººº Mestre: Se quebrou tem conserto.
lossuído por: l+:-tudos, C+rpinteiros, Lletricist+s, Me-
cìnicos, M+ridos (ou espos+s').
Lspeci+li:+çöes: M+deir+, Comput+dores, Ap+relhos ele-
tronicos, Motores, Automóveis, Lletricid+de.
]urtlvldude
lurtivid+de é + c+p+cid+de em es¸ueir+r-se ou esconder-
se sem ser visto ou ouvido, sendo const+ntemente decidid+
contr+ + lercepç1o de outro person+¸em.
º Am+dor: Você pode esconder-se no escuro.
ºº Lxperiente: Você pode se esconder n+s som
br+s.
ººº Competente: Você é um excelente c+ç+dor.
ºººº Lspeci+list+: Você poderi+ c+minh+r em silên
cio sobre dois centímetros de folh+s sec+s.
ººººº Mestre: líder de cl1 Ninj+.
lossuído por: Criminosos, Lspiöes, Repórteres.
Lspeci+lid+des: Lspreit+r, Lsconder-se, Lmbosc+r, Som-
br+s, Multidöes, Arr+st+r-se.
Outrus ]erlclus
lilot+r, Co:inh+r, Condu:ir Lmb+rc+çöes, Arque+ri+,
Disf+rces
Conleclmentos
Os Conhecimentos incluem tod+s +s H+bilid+des que
requeir+m + +plic+çöes ri¸oros+ d+ mente, n1o do corpo.
Dest+ form+, +s C+r+cterístic+s Ment+is s1o us+d+s p+r+
modific+r os testes de Conhecimento. Lmbor+ os níveis dis-
cut+m os Conhecimentos em termos de níveis escol+res, +
escol+ n1o é + únic+ form+ de obter Conhecimentos - sim-
plesmente é + m+is comum. A m+iori+ dest+s h+bilid+des é
escolístic+, m+s t+mbém é possível recorrer +o +utodid+tis-
mo ou + professores p+rticul+res.
C+so você n1o possu+ um Conhecimento, n1o poderí nem
mesmo tent+r um teste que o envolv+. Hí exceçöes, entret+n-
to, como qu+ndo o N+rr+dor determin+ que o teste concerne +
inform+çöes trivi+is que qu+lquer um pode s+ber.
Burocruclu
Lste Conhecimento inclui + c+p+cid+de em penetr+r no
sistem+ político, sej+ n+s Re¸iöes Sombri+s ou em Lstí¸i+.
Lste Conhecimento inclui t+mbém um+ c+p+cid+de em ope-
r+r um+ burocr+ci+, o que obvi+mente inclui pelo menos um
senso rudiment+r de or¸+ni:+ç1o. De f+to, este Conhecimen-
to pode ser interpret+do como + c+p+cid+de or¸+ni:+cion+l
preeminente no jo¸o.
º Lstud+nte: Você possui bo+ c+p+cid+de or¸+-
ni:+cion+l.
ºº Lniversitírio: Você compreende +s estrutu
r+s de poder (quem estí re+lmente no controle)
ººº Mestre: Você pode execut+r tític+s ev+siv+s
indefinid+mente
ºººº Doutor: Você pode desempenh+r +tivid+des
+dministr+tiv+s elev+d+s.
ººººº C+tedrítico: Você poderi+ +rr+nj+r um+ reu
ni1o com o presidente dos LLA.
lossuído por: Advo¸+dos, lolíticos, Jorn+list+s, Lxecuti-
vos, Burocr+t+s
Lspeci+li:+çöes: Ne¸oci+ç1o, lntri¸+, Suborno, Diplom+-
ci+, lrust+r, Atr+s+r, Burl+r o Sistem+, Blefe.
Computudor
Você compreende como oper+r e pro¸r+m+r comput+-
dores. Você pode ser t+mbém c+p+: de pl+nej+r o seu pró-
prio sistem+. Se quiser entr+r num sistem+ de comput+ç1o
irí precis+r deste Conhecimento.
º Lstud+nte: Você s+be jo¸+r video ¸+me.
ºº Lniversitírio: Você fe: um cursinho de lro
cess+mento de D+dos.
ººº Mestre: Você é um pro¸r+m+dor competente,
podendo pl+nej+r o seu próprio softw+re.
ºººº Doutor: Você conse¸ue entr+r no sistem+ d+
telefonic+ e +lter+r + su+ cont+.
ººººº C+tedrítico: lor que você n1o estí jo¸+ndo
Cy|.rjun| 2.2.:
lossuído por: lro¸r+m+dores, lrocess+dores de d+dos,
Jo¸+dores, Lstud+ntes, lir+t+s de d+dos
Lspeci+li:+çöes: lir+t+ri+, lro¸r+m+s de vírus, Recupe-
r+r d+dos.
Enlgmus
A su+ im+¸in+ç1o estí sempre chei+ de problem+s e que-
br+-c+beç+s - você +dor+ sentir-se perplexo. Desvend+r
todos os tipos de ch+r+d+s é um+ p+ix1o, e este interesse
dotou-o de um t+lento p+r+ junt+r e relembr+r inform+çöes
vit+is + muitos tipos de soluç1o de problem+s.
O Conhecimento Lni¸m+s +jud+ os jo¸+dores n+ resolu-
ç1o dos mistérios cri+dos pelo N+rr+dor. Lsse Conhecimen-
to é essenci+l p+r+ se descobrir trilh+s secret+s p+r+ reinos
perdidos, responder os eni¸m+s de ¸u+rdi1os místicos ou com-
petir com um M+elfe+no por um+ +lm+.
º Lstud+nte: Você conse¸ue mont+r um quebr+-
c+beç+s de cem peç+s.
ºº Lniversitírio: Você descobre quem é o +ss+s
sino +ntes de termin+r de ler um rom+nce de
mistério.
ººº Mestre: Você conse¸ue resolver os seis l+dos
do Cubo Mí¸ico em um+ hor+.
ºººº Doutor: Você derrot+ri+ o Oollum com ch+
r+d+s de hobbit.
13u
A
purlçño.
O

L
lmho
ººººº C+tedrítico: Você compreende os mistérios
m+is profundos.
lossuído por: Lntusi+st+s de p+l+vr+s cru:+d+s, pr+tic+n-
tes de Zen, Jo¸+dores, Místicos.
Lspeci+li:+çöes: Anti¸uid+des, Ch+r+d+s Visu+is e Verb+is.
Investlgucões
Você é trein+do p+r+ not+r todos tipos de det+lhes que
poderi+m ser i¸nor+dos pelos outros, podendo, em níveis ele-
v+dos, +¸ir como detetive. Lste Conhecimento t+mbém re-
flete + c+p+cid+de de um person+¸em em re+li:+r pesquis+s,
sej+ em bibliotec+s ou +tr+vés de entrevist+s.
º Lstud+nte: Detetive +m+dor.
ºº Lniversitírio: Ofici+l de políci+.
ººº Mestre: Detetive p+rticul+r.
ºººº Doutor: A¸entes do lBl, ClA, lOB, Ml 5,
lnterpol.
ººººº C+tedrítico: Sherlock Holmes.
lossuído por: Detetives, lnvesti¸+dores de Se¸uros, Re-
pórteres, A¸entes do lBl, A¸entes d+ lnteli¸ênci+.
Lspeci+lid+des: Busc+, Lspreit+r, Se¸uir, Tr+b+lho de
detetive.
Dlrelto
A lei n1o é cois+ com que se brinc+r, e +queles com conhe-
cimento de direito est1o +ptos + usí-l+ em seu benefífio. Lst+
c+p+cid+de é essenci+l p+r+ quem quiser um di+ s+ir d+ pris1o.
º Lstud+nte: Conhecimento prítico, ofici+l de
políci+.
ºº Lniversitírio: Recém-form+do, +dvo¸+do ini
ci+nte.
ººº Mestre: Advo¸+do renom+do.
ºººº Doutor: Jui:.
ººººº Lrudito: Jui: d+ Suprem+ Corte.
lossuído por: lolici+is, Advo¸+dos, Juí:es, Detetives,
Criminosos, Telespect+dores, le¸isl+dores,Advo¸+dos d+
Hier+rqui+.
Lspeci+lid+des: Tribun+is, Contr+tos, lití¸ios, Crimino-
sos, lrocedimento polici+l, Hier+rqui+.
Llngulstlcu
Consider+-se que você poss+ f+l+r + su+ lín¸u+ n+tur+l,
m+s você precis+ +dquirir outr+s lin¸u+¸ens que seu perso-
n+¸em deseje f+l+r. l+r+ c+d+ nível de lin¸uístic+, o seu per-
son+¸em pode f+l+r fluentemente outr+ lín¸u+. Contudo, +
lin¸uístic+ t+mbém confere +o person+¸em um+ compreen-
s1o d+ estrutur+ d+ lín¸u+, que por su+ ve: é + b+se do pen-
s+mento. Com est+ C+p+cid+de, pode-se identific+r sot+ques
ou decifr+r eni¸m+s de p+l+vr+s.
º Lstud+nte: Lm+ lín¸u+ +dicion+l.
ºº Lniversitírio: Du+s lín¸u+s +dicion+is.
ººº Mestre: Três lín¸u+s +dicion+is.
ºººº Doutor: Qu+tro lín¸u+s +dicion+is.
ººººº C+tedrítico: Cinco lín¸u+s +dicion+is.
lossuído por: Vi+j+ntes, Lruditos, Diplom+t+s, lntérpretes.
Lspeci+lid+des: Curso de lín¸u+s, Técnic+s, Diplom+ci+,
lolític+
Medlclnu
A Medicin+ é o estudo do corpo hum+no e d+s técnic+s
us+d+s p+r+ cur+r seus m+les. Lmbor+ + +n+tomi+ de um+
+p+riç1o sej+ diferente,um entendimento sobre + s+úde dos
mort+is e su+ biolo¸i+ pode, com freqüênci+, ser us+do p+r+
lid+r com os luls+ntes. Medicin+ inclui o conhecimento d+
estrutur+ e d+s funçöes corpor+is, o uso de medic+mentos,
di+¸nósticos e tr+t+mentos de doenç+s.
º Lstud+nte: Você possui um conhecimento
bísico sobre ossos quebr+dos e contusöes.
ºº Lniversitírio: Você possui o trein+mento de
um p+r+médico.
ººº Mestre: Você é um médico, podendo di+¸nos-
tic+r e tr+t+r doenç+s.
ºººº Doutor: Lstí +pto + re+li:+r cirur¸i+s.
ººººº C+tedrítico: Você é um especi+list+ de ¸r+n-
de renome.
lossuído por: Médicos, l+r+médicos, Doutores, Lnfer-
meir+s.
Lspeci+lid+des: l+rmíci+, l+r+médicos, lrimeiros Socor-
ros, Cirur¸i+.
Ocultlsmo
Você possui conhecimentos em tod+s +s íre+s do ocul-
tismo. Lst+ compreens1o do l+do m+is sinistro do mundo
inclui conhecimento de m+ldiçöes, vudu, m+¸i+ e misticis-
mo, e contém muit+ especul+ç1o e f+nt+si+.
º Lstud+nte: Você é um curioso, m+s estí lon¸e
de s+ber + verd+de.
ºº Lniversitírio: Começ+ + compreender o que
se p+ss+.
ººº Mestre: "Lxistem cois+s lí for+'"
ºººº Doutor: lossui +l¸uns conhecimentos +rc+nos.
ººººº Lrudito: Complet+mente inici+do em muitos
dos ¸r+ndes mistérios. Você n1o precis+ que
seu mestre lhe di¸+ o que estí +contecendo'
lossuído por: luníticos, Ar+utos d+ Nov+ Lr+, Ocultis-
t+s, Lruditos, Curiosos.
Lspeci+lid+des: l+nt+sm+s, M+¸os, loderes místicos.
]olltlcu
Lste conhecimento proporcion+ um+ f+mili+rid+de com
+ polític+ do di+, incluindo +s pesso+s que estej+m no co-
m+ndo e como el+s che¸+r+m lí. Lst+ pode ser um+ C+p+ci-
d+de essenci+l qu+ndo se tent+ lid+r com +utorid+des mor-
t+is. Lst+ C+p+cid+de exerce +l¸um+ influênci+ sobre você
mesmo ser um político c+p+:, embor+ um+ lon¸+ f+mili+ri-
d+de com o +ssunto poss+ oc+sion+lmente despert+r cert+s
idéi+s...
º Lstud+nte: M+nifest+nte e observ+dor c+su+l.
ºº Lniversitírio: C+bo eleitor+l ou ¸r+du+do em
ciênci+s polític+s.
131
ººº Mestre: Administr+dor de c+mp+nh+ ou red+-
tor de discursos.
ºººº Doutor: lolítico.
ººººº C+tedrítico: M+qui+vel.
lossuído por: lobist+s, lolíticos, Advo¸+dos, M+nifes-
t+ntes.
Lspeci +li d+des: Vi :i nh+nç+, Ci d+de, Con¸resso,
Lleiçöes,Or+tóri+.
Clenclu
Você tem pelo menos um conhecimento bísico em físi-
c+, químic+, botìnic+, biolo¸i+, ¸eolo¸i+, +stronomi+ e ou-
tr+s Ciênci+s. O seu conhecimento concentr+-se m+is n+s
+plic+çöes úteis d+ ciênci+.
º Lstud+nte: Você s+be f+:er bomb+s de fum+ç+
com um estojo do "lequeno Químico".
ºº Lniversitírio: Você compreende +s teori+s
princip+is e su+s +plic+çöes prític+s.
ººº Mestre: Você poderi+ ensin+r ciênci+ num+
universid+de.
ºººº Doutor: Quem s+be um di+ você n1o ¸+nh+ o
Nobel!
ººººº C+tedrítico: Albert Linstein.
lossuído por: Ln¸enheiros, lesquis+dores, lnventores,
Técnicos, lilotos.
Lspeci+lid+des: Biolo¸i+, lísic+, Químic+, Astronomi+,
Rel+tivid+de, lísic+ Nucle+r.
Outros Conleclmentos
lsicolo¸i+, Históri+ d+ Arte, lilosofi+, Te+tro, Jorn+lis-
mo, Ciênci+ Milit+r, Oene+lo¸i+, Oeo¸r+fi+, Históri+, Teo-
lo¸i+, íre+s específic+s do conhecimento/trivi+l.
Antecedentes
íara Jurar uma .:.rn|JaJ. . jr..|s· uma .:.rn|JaJ. J. jr.-
jara¸a·. -j.nas a .x..|.n.|a sa:|sjaz, aj.nas a t|:´r|a . Jura-
J·ura.
- B+lt+s+r Or+ci+n, T|. -r: ·j \·rJ|y \|sJ·m
As C+r+cterístic+s de Antecedentes brind+m um perso-
n+¸em com v+nt+¸ens especi+is e refletem o st+tus soci+l de
um+ +p+riç1o e su+ posiç1o n+ socied+de. O jo¸+dor precis+
desenvolver r+:öes p+r+ seu person+¸em possuir um deter-
min+do Antecedente. Onde você encontrou +quel+ pesso+!
Como el+ conse¸uiu +quele despojo! O que você fe: p+r+
obter um+ posiç1o entre os Here¸es!
Lm N+rr+dor pode exi¸ir que um Antecedente sej+ tes-
t+do com um Atributo, como C+rism+ ÷ St+tus p+r+ deter-
min+r se o Centuri1o obedece +s su+s ordens, ou lnteli¸ên-
ci+ ÷ Memori+m p+r+ reconhecer +quel+ mulher misterios+
que visit+ + su+ sepultur+ qu+se tod+ qu+rt+-feir+,
Os Antecedentes n1o s1o +ument+dos medi+nte pontos
de experiênci+. Lm+ +p+riç1o pode ¸+nh+r e perder Ante-
cedentes como result+do de um+ históri+. lor exemplo, se
você perdeu o seu +rtef+to n+ Tempest+de, ele estí perdido.
Se +s pesso+s p+r+rem de lembr+r de você, + su+ cont+¸em
em Memori+m diminui. Al¸uns Antecedentes podem n1o
ser +propri+dos + su+ cronic+; per¸unte +o N+rr+dor.
Alludos
Os Ali+dos s1o +p+riçöes que o +jud+m m+s que n1o s1o
membros do seu Círculo. Os Ali+dos ¸er+lmente s1o +mi¸os
seus, embor+ +l¸uns poss+m +pen+s est+r do seu l+do por lhe
deverem f+vores. Ter um Ali+do (+o contrírio de ter um
Cont+to) si¸nific+ que você pode pedir + +jud+ dess+ +p+ri-
ç1o. Contudo, você n1o deve esquecer nunc+ que o seu +li-
+do pode t+mbém vir + pedir + su+ +jud+. Lm+ +p+riç1o n1o
é chefe de seus Ali+dos: eles s1o cole¸+s e +mi¸os, devendo
ser tr+t+dos como t+is.
A medid+ que + cronic+ pro¸redir, os Ali+dos que come-
ç+rem como person+¸ens fr+cos podem morrer ou +ument+r
em poder. Você deve dedic+r +l¸um tempo p+r+ descrever
cuid+dos+mente os seus Ali+dos: eles podem ser + fonte de
muit+s idéi+s p+r+ históri+s.
º Lm só Ali+do de poder moder+do.
ºº Dois Ali+dos, +mbos de poder moder+do.
ººº Três Ali+dos, um deles um pouco influente.
ºººº Qu+tro Ali+dos, um deles muito influente.
ººººº Cinco Ali+dos, um deles extrem+mente influ-
ente.
Arteluto
M+is cedo ou m+is t+rde, tudo que estí perdido +c+b+
+p+recendo em +l¸um+ p+rte do Mundo lnferior. A Hier+r-
qui+ envi+ b+tedores por todo Mundo lnferior em busc+ de
+rtef+tos hí muito perdidos. Muitos desses b+tedores retor-
n+m com tesouros f+scin+ntes. Além disso, o Sumo Artífice
e su+ elite de +rtes1os descobrir+m form+s de imbuir poderes
+o m+teri+l encont+do no Mundo lnferior.
A form+ m+is comum de +rtef+to é +quel+ que +ument+
um, ou m+is de um, tipo de Mistério. Al¸uns +rtef+tos s1o
mí¸icos simplesmente no sentido de que eles re+lmente ope-
r+m como fi:er+m n+ vid+ sem us+r l+thos p+r+ impeli-los:
um controle remoto que mud+ os c+n+is de um+ tevê, um
dispositivo que +br+ port+s de ¸+r+¸ens; um+ pistol+ que dis-
p+re b+l+s sem precis+r ser rec+rre¸+d+.
Vej+ -r:.ja:·s no Apêndice.
º Lm nível de Arfet+to
ºº Dois níveis de Artef+tos
ººº Três níveis de Artef+tos
ºººº Qu+tro níveis de Artef+tos
ººººº Cinco níveis de Artef+tos
Contutos
Mesmo como um+ +p+riç1o, você conhece pesso+s de
muit+s esquin+s d+ vid+ (ou d+ morte). Junt+s, ess+s pesso+s
diferentes form+m um+ rede de inform+çöes e +jud+ que pode
ser muito útil.
132
A
purlçño.
O

L
lmho
O jo¸+dor precis+ decidir onde est1o os seus Cont+tos:
no mundo vivo ou n+s Re¸iöes Sombri+s. lsto determin+ se +
cont+¸em de Cont+tos se +plic+ +s Ap+riçöes ou +os luls+n-
tes. Os jo¸+dores que quiserem Cont+tos nos dois mundos
devem +dquir este Antecedente du+s ve:es.
Os princip+is Cont+tos n1o s1o +pen+s seres que você
pode m+nipul+r ou suborn+r p+r+ obter inform+çöes, m+s
+mi¸os nos qu+is você confi+ implicit+mente p+r+ oferecer-
lhe inform+çöes precis+s (em su+s íre+s de especi+lid+de).
Você deve descrever os seus Cont+tos lrincip+is como per-
son+¸ens completos, sej+ de +ntem1o ou + medid+ que + cro-
nic+ pro¸redir.
Você t+mbém possui vírios Cont+tos Menores esp+lh+-
dos pel+ íre+. Qu+ndo você quiser comunic+r-se com um
Cont+to Menor, f+ç+ um teste us+ndo o seu nível de Cont+-
tos (dificuld+de ¯). C+d+ sucesso si¸nific+ que você conse-
¸uiu loc+li:+r um dos seus Cont+tos Menores. Obvi+mente,
você pode precis+r suborn+r ou mesmo intimidí-lo + f+:er e
d+r-lhe o que for preciso.
º Lm Cont+to lrincip+l
ºº Dois Cont+tos lrincip+is
ººº Três Cont+tos lrincip+is
ºººº Qu+tro Cont+tos lrincip+is
ººººº Cinco Cont+tos lrincip+is
Eldolon
O seu Lidolon represent+ o seu eu m+ior. Lste Antece-
dente mede o qu+nto você é espiritu+l (rep+re que "espiritu-
+l" n1o si¸nific+ necess+ri+mente "bom"). Assim como + su+
Sombr+ o +tr+i p+r+ o limbo, o seu Lidolon lhe confere +
determin+ç1o de lut+r contr+ + Sombr+. Ao contrírio d+ su+
Sombr+, o seu Lidolon n1o se comunic+ com você; ele sim-
plesmente lhe proporcion+ um pouco m+is de determin+ç1o
contr+ + Sombr+.
l+r+ c+d+ ponto que você tiver no seu Antecedente de
Lidolon, você pode +crescent+r um d+do + m+is por sess1o
em qu+lquer teste p+r+ resistir +os poderes d+ Sombr+, su+s
tr+m+s ou truques, incluindo Lspinhos. Lsses d+dos podem
t+mbém ser som+dos +os testes de lorç+ de Vont+de.
L um+ bo+ idéi+ us+r p+rcimonios+mente os d+dos de
Lidolon dur+nte um+ sess1o, +plic+ndo os d+dos extr+s +pe-
n+s qu+ndo forem +bsolut+mente necessírios. Você pode
escolher test+r +pen+s um d+do de Lidolon se quiser. Os d+-
dos de Lidolon n1o se +cumul+m dur+nte divers+s sessöes,
m+s você re+dquire o seu tot+l + c+d+ sess1o de jo¸o.
º Você ouve sussurros v+¸os vindos de lon¸e.
ºº Você s+be que hí +l¸um+ cois+ o ¸ui+ndo.
ººº Você sente que o seu Lidolon é um+ entid+de
+utonom+.
ºººº Você jí sentiu + presenç+ do seu Lidolon.
ººººº Você jí viu o seu Lidolon num sonho.
Lugures Assomhrudos
Tod+s +s +p+riçöes cri+m p+r+ el+s mesm+s esconderijos
ch+m+dos lu¸+res Assombr+dos. Lm lu¸+r Assombr+do é um
refú¸io de se¸ur+nç+ desconhecido pel+ Hier+rqui+, pelos He-
re¸es e pelos Rene¸+dos. Lle pode ser um+ cìm+r+ de es¸oto
esquecid+, um c+rro +b+ndon+do, um conjunto de c+t+cum-
b+s sob um cemitério ou o por1o de um+ c+s+ velh+. As +p+ri-
çöes ¸u+rd+m violent+mente seus lu¸+res Assombr+dos. Mui-
t+s ve:es, ¸rupos inteiros de +p+riçöes comp+rtilh+m um lu¸+r
Assombr+do, ¸u+rd+ndo-o contr+ todos os intrusos.
O nível de um lu¸+r Assombr+do é subtr+ído d+ Mort+-
lh+ d+ íre+. Lle é est+bili:+do pelo +cúmulo do número de
pontos possuído por c+d+ um dos fund+dores do lu¸+r As-
sombr+do (míximo de 5). Os membros de um Círculo cos-
tum+m ter um lu¸+r Assombr+do em comum, m+s t+mbém
conhecem os lu¸+res Assombr+dos p+rticul+res uns dos ou-
tros. Os lu¸+res Assombr+dos s1o focos de poder espiritu+l:
é m+is fícil p+r+ um+ +p+riç1o exercer seus poderes nesses
loc+is. lorém, se + +p+riç1o que for "proprietíri+" de um
lu¸+r Assombr+do p+ss+r p+r+ o limbo, o poder do lu¸+r
Assombr+do t+mbém morrerí. A Mort+lh+ se reest+belece-
rí em torno d+ íre+.
Se você quiser um lu¸+r Assombr+do comunitírio e um
p+rticul+r, precis+rí +dquirir este Antecedente du+s ve:es.
Lm lu¸+r Assombr+do possui, +proxim+d+mente, três me-
tros qu+dr+dos p+r+ c+d+ ponto de Antecedentes.
º Você possui um +rmírio, um beco ou +l¸um
outro lu¸+r pequeno e for+ de m1o.
ºº Você possui um lu¸+r Assombr+do do t+m+-
nho de um +p+rt+mento.
ººº Você possui um lu¸+r Assombr+do ¸r+nde ou
vírios pequenos.
ºººº Você descobriu um lu¸+r Assombr+do peque-
no m+s muito poderoso, que tem + v+nt+¸em
de ser difícil de ser encontr+do.
ºººººVocê possui m+is esconderijos que um+ b+r+t+.
Mentor
As +p+riçöes poderos+s oc+sion+lmente decidem +jud+r
+s Cri+nç+s, model+ndo-+s em futuros +li+dos. Os Mentores
possuem su+s própri+s r+:öes pesso+is p+r+ +jud+r os jovens e
os fr+cos. Al¸uns desej+m l+c+ios confiíveis; outros tent+m
s+tisf+:er su+s p+ixöes +tr+vés do +ltruísmo.
O Antecedente Mentor t+mbém pode redu:ir o custo de
pontos de experiênci+ dur+nte o +prendi:+do de um novo
Mistério. C+so um person+¸em queir+ +prender um novo
Mistério possuído por seu Mentor, o jo¸+dor deverí f+:er
um teste jo¸+ndo um número de d+dos equiv+lente +o nú-
mero de pontos em Mentor. C+d+ sucesso subtr+irí um pon-
to do número de pontos de experiênci+ necessírio p+r+ +pren-
der Mistérios.
º O Mentor possui pouco poder m+s oc+sion+l-
mente é útil.
ºº O Mentor possui +l¸um nível de st+tus. Seus
conselhos s1o esp+rsos, m+s úteis.
ººº O seu Mentor s+be muit+ cois+ e comp+rtilh+
esse conhecimento com você.
133
ºººº Lm velho síbio escolheu p+ss+r-lhe todo seu
conhecimento.
ººººº Se o seu Mentor n1o s+be + respeito de um+
determin+d+ cois+, ent1o pouc+s +p+riçöes s+-
bem; t+lve:, nenhum+.
Memorlum
luner+is, memori+is, lípides, monumentos, di+s come-
mor+tivos do n+scimento de um+ celebrid+de, vi¸íli+s, Di+
do Sold+do, flores num+ sepultur+, dedic+tóri+s "|n m.m·r|-
an¨ em livros, um+ c+deir+ v+:i+ dedic+d+, n+ cei+ de n+t+l,
+ um s+udoso membro d+ f+míli+: + primeir+ vist+, tod+s es-
s+s form+s de lembr+nç+ +tendem m+is +s necessid+des dos
vivos que dos mortos, m+s n1o é ex+t+mente +ssim. As Al-
m+s lnquiet+s benefici+m-se enormemente d+queles que se
lembr+m del+s. A ener¸i+ emocion+l dos vivos, conforme
express+ em seus pens+mentos, tr+b+lhos e feitos, é tr+nsmi-
tid+ + Tei+ Vit+l de um+ +p+riç1o.
Memori+m represent+ + qu+ntid+de de l+thos "de emer-
¸ênci+" que um+ +p+riç1o pode +bsorver por sess1o. Qu+n-
do se encontr+r num+ situ+ç1o p+rticul+rmente +rrisc+d+,
um+ +p+riç1o que jí tenh+ recebido seu l+thos p+r+ o c+pí-
tulo poderí test+r seu nível de Memori+n (dificuld+de o). O
número de sucessos corresponde + qu+ntid+de de pontos de
l+thos que el+ ¸+nh+ inst+nt+ne+mente. Se este teste re-
dund+r num+ f+lh+ crític+, seu nível de Memori+n serí re-
du:ido em um: o morto poderí roub+r +pen+s ess+ qu+ntid+-
de +ntes d+s memóri+s dos vivos diminuirem.
Note que +s pesso+s f+mos+s tr+nscendem + esc+l+ "1 +
5" de Memori+n: Llvis, por exemplo, possui Memori+n o (se
é que ele estí re+lmente morto...)
º Apen+s um+ pesso+ se lembr+ bem de você.
ºº Lm +mi¸o muito íntimo lembr+ de você.
ººº A su+ f+míli+ nunc+ esquece de você.
ºººº Lm+ or¸+ni:+ç1o ¸r+nde (o Rot+ry Club, um+
¸+n¸ue, um+ con¸re¸+ç1o ev+n¸élic+, um pe-
queno culto) lembr+-se de você e reverenci+
su+ memóri+.
ººººº Hí um prédio ou +l¸um outro tipo de inst+l+-
ç1o públic+ dedic+do + você. As pesso+s ci-
t+m o seu nome di+ri+mente.
Notorledude
Lmbor+ os mortos norm+lmente n1o dêem muit+ +ten-
ç1o +os luls+ntes, +s históri+s dos vivos oc+sion+lmente in-
filtr+m-se no Mundo lnferior. Obvi+mente, + f+m+ entre +s
Alm+s lnquiet+s +ssume um tom diferente do que possui entre
os vivos: impossível prever quem serí conhecido n+ morte e
quem c+irí imedi+t+mente n+ obscurid+de.
Lm+ form+ ¸+r+ntid+ de +tr+ir + +tenç1o dos mortos é
c+us+r um ¸r+nde número de mortes, embor+ cri+r ¸r+nde
bele:+ ou c+us+r um+ triste:+ profund+ t+mbém sej+m feitos
134
A
purlçño.
O

L
lmho
di¸nos de not+ entre +s Alm+s lnquiet+s. A Notoried+de
pode obter p+r+ um+ +p+riç1o um +poio inst+ntìneo n+s
Re¸iöes Sombri+s. Os N+rr+dores podem permitir que um+
+p+riç1o f+ç+ um teste de Notoried+de p+r+ ver se um com-
pleto estr+nho ouviu f+l+r del+.
Como ocorre com Memori+m, cert+s +p+riçöes tr+nscen-
dem est+ esc+l+: Adolf Hitler, por exemplo, sem dúvid+ +l-
¸um+ possui um+ Notoried+de de o ou 9 (e milh+res de ini-
mi¸os + c+minho...)
º Al¸um+s +p+riçöes loc+is sentem-se impressi-
on+d+s com você...
ºº Você é bem conhecido n+ su+ Necrópole.
ººº Você é conhecido por muit+s +p+riçöes n+s
Re¸iöes Sombri+s.
ºººº Você é f+moso. Todos mundo s+be +l¸um+
cois+ + seu respeito.
ººººº Como Jim Jones, M+rk Ch+pm+n e D+vid lo-
resh, você é odi+do desde o primeiro di+ de
su+ morte.
Stutus
O St+tus represent+ + influênci+ de um+ +p+riç1o dentro
de um (ou m+is de um) dos ¸rupos soci+is do Mundo lnferi-
or: + Hier+rqui+, os Here¸es e os Rene¸+dos. lossuir St+tus
implic+ que um+ +p+riç1o conse¸uiu o respeito do ¸rupo de-
monstr+ndo le+ld+de +os ide+is deste. Com person+¸ens ini-
ci+ntes, St+tus pode si¸nific+r que um+ dess+s três f+cçöes
m+rcou o person+¸em p+r+ recrut+mento e irí pressioní-lo
+ junt+r-se + el+.
L possível possuir m+is de um Antecedente de St+tus,
refletindo + influênci+ de um person+¸em dentro de dois ou
m+is ¸rupos sep+r+dos.
º l+mili+r: Os membros do ¸rupo est1o f+mili+-
ri:+dos com o seu nome e rosto, embor+ +ind+
n1o tenh+m confi+nç+ suficiente p+r+ com-
p+rtilh+rem inform+çöes ou respons+bilid+des
com você.
ºº Comprov+do: Você jí provou o seu v+lor +os
membros do ¸rupo. Lles +credit+m em você
+té certo ponto. Os líderes do ¸rupo +ind+ n1o
ouvir+m f+l+r de você.
ººº Respeit+do: Você é respeit+do pelos membros
do ¸rupo, tendo merecido + +tenç1o dos líde-
res loc+is. Aind+ +ssim, +ind+ n1o merece +
confi+nç+ do círculo interno.
ºººº Confiível: Você tem + confi+nç+ dos líderes
do ¸rupo, recebendo, re¸ul+rmente, se¸redos
e inform+çöes. Lmbor+ +l¸uns membros do
¸rupo poss+m +ind+ duvid+r de su+ sincerid+-
de, nenhum estí disposto + express+r esses sen-
timentos.
ººººº le+l: Você provou su+ le+ld+de +o ¸rupo. Os
outros membros do ¸rupo confi+m em você
sem per¸unt+s, e os líderes do ¸rupo n1o pen-
s+m du+s ve:es +ntes de lhe revel+r inform+-
13¨
çöes potenci+lmente peri¸os+s. Oc+sion+lmen-
te, você receberí missöes secret+s e/ou +jud+
e equip+mento especi+l.
Rlquezu
Nos di+s de +nt+nho, os B+rqueiros lev+v+m um+ +lm+
f+lecid+ p+r+ + vid+ depois d+ morte pel+ pequen+ qu+nti+
de du+s moed+s sobre os olhos do c+díver. N1o é m+is +ssim.
A infl+ç1o che¸ou +o mundo dos mortos.
A¸or+ os B+rqueiros n1o +ceit+m os óbolos de Lstí¸i+, +s
moed+s que possuem + Mísc+r+ de Ch+ron impress+ num l+do
e + Alt+ Corte de Lstí¸i+ no outro. Contudo, hí cid+d1os de
Lstí¸i+ que +ind+ +ceit+m os óbolos. A Hier+rqui+ us+ o di-
nheiro estí¸io como moed+ corrente p+r+ su+ economi+ de
+lm+s. Alm+s, despojos, +rtef+tos - tudo tem um preço.
A moed+ bísic+ de Lstí¸i+ é ch+m+d+ óbolo. Os óbolos
costum+m ser divididos em meio-óbolo, um qu+rto de óbolo
e t+lve: +té um+ "dr+cm+", que é +pen+s um+ l+sc+ de óbolo.
Os óbolos s1o feitos de ferro estí¸io, e c+d+ peç+ de óbolo se
fundirí mistic+mente com outr+s l+sc+s de óbolos. Assim,
dois meio-óbolos +¸lomer+m-se e se fundem p+r+ form+r um
óbolo. D+ mesm+ form+, os exempl+res de um+ coleç1o de
dr+cm+s se fundir1o p+r+ form+r um+ moed+ únic+.
Atu+lmente n1o existe nenhum+ form+ de f+lsific+r óbo-
los, embor+ os Rene¸+dos estej+m procur+ndo um Artífice
c+p+: de f+:er isso.
O Antecedente Rique:+ de um+ +p+riç1o indic+ três coi-
s+s: qu+ntos óbolos el+ possui no começo d+ cronic+, que
tipo de recursos f+nt+sm+¸óricos el+ tem disponível, e qu+n-
to crédito os merc+dores de +lm+s est1o dispostos + conce-
der-lhe. Obvi+mente, os person+¸ens que sej+m novos n1o
podem receber este Antecedente - su+ posse implic+ que
um+ +p+riç1o p+ssou +l¸um tempo formul+ndo um método
pelo qu+l receber rique:+s re¸ul+res.
º Você n1o possui nenhum+ fonte de rend+, m+s
possui, escondid+, um+ coleç1o de +l¸uns ob-
jetos v+liosos que podem ser troc+dos por óbo-
los + qu+lquer momento. Você começ+ com
dois óbolos.
ºº Você é um+ +p+riç1o r+:o+velmente ric+. De
ve: em qu+ndo, recebe +l¸uns óbolos por pr+-
tic+r serviços v+liosos. Você começ+ com três
óbolos.
ººº Você possui um+ pequen+ economi+ de óbo-
los e um+ clientel+ re¸ul+r. Você começ+ com
cinco óbolos e recebe meio óbolo por históri+.
ºººº Você possui um+ coleç1o de objetos v+liosos
escondidos e descobriu um+ form+ inf+lível de
¸+nh+r óbolos. Outr+s +p+riçöes tr+b+lh+m
p+r+ você e lhe conferem um+ p+rte de seus
lucros. Você começ+ com seis óbolos e recebe
um óbolo por históri+.
ººººº Você possui um+ fonte re¸ul+r de rend+ e víri+s
coleçöes de objetos v+liosos. Você começ+ com
sete óbolos e recebe três óbolos por históri+.
O Alto Custo de Morte O Alto Custo de Morte O Alto Custo de Morte O Alto Custo de Morte O Alto Custo de Morte
Ab+ixo, um+ list+ dos preços p+r+ diversos objetos d+
Hier+rqui+ no Mundo lnferior.
Servo, forte 2 O
Servo, fr+co 1 O
Despojo comum 1/+ O
Despojo incomum (que n1o sej+ +rm+) 1/2 O
Despojo incomum (+rm+ ou b+l+s) 2 0
Despojo r+ro (pequeno) 5 O
Despojo r+ro (¸r+nde) o O
Artef+to comum 6 O
Artef+to lncomum ÷ 10 O
Corpus
O Corpus de um+ +p+riç1o represent+ + solide: de su+
form+. As +p+riçöes sentem dor e podem ser ferid+s "fisic+-
mente" no Mundo lnferior. A m+iori+ dos Corpus d+s +p+ri-
çöes +ssemelh+m-se +os seus corpos terrenos, embor+ n1o
sej+m idênticos. A medid+ que + Sombr+ de um+ +p+riç1o
fic+ m+is forte, + +p+rênci+ do Corpus torn+-se m+is contor-
cid+. Tod+s +s +p+riçöes começ+m com níveis 10 de Corpus.
A f+ix+ de Corpus n+ fich+ de person+¸em de Aparição
permite + um jo¸+dor re¸istr+r os ferimentos do person+¸em
e seus efeitos. C+d+ ferimento c+us+ + perd+ de um Nível de
Corpus. Risque os Níveis de Corpus + medid+ que o perso-
n+¸em os perder, de modo que + últim+ chec+¸em indique o
Nível +tu+l de Corpus do person+¸em. A medid+ que o per-
son+¸em re+dquirir Níveis de Corpus, +p+¸ue os riscos.
lense no Corpus como um espectro. Nos Níveis 10 de
Corpus, + +p+riç1o é "sólid+" e s+udível. Contudo, nos Ní-
veis 1, + +p+riç1o é qu+se inc+p+cit+d+ e extrem+mente im+-
teri+l. A medid+ que um person+¸em sofrer m+is ferimentos,
ele b+ix+rí de nível, che¸+ndo fin+lmente + nível :ero de
Corpus. A perd+ de todos os Níveis de Corpus indic+ que +
+p+riç1o desencorporou-se complet+mente, mer¸ulh+ndo n+
Tempest+de (vej+ pí¸s. 1o+-1o6).
A medid+ que + +p+riç1o s+r+r, el+ remove os riscos sobre
seus níveis, um + um, +té est+r nov+mente com Corpus pleno.
Lxistem du+s form+s bísic+s de perder Corpus: pelo com-
b+te e outr+s inter+çöes violent+s com cid+d1os ou fenome-
nos do Mundo lnferior, ou pel+ inter+ç1o com o mundo vivo.
No comb+te, c+d+ sucesso num teste de d+nos de um
oponente indic+ um+ perd+ de um Nível de Corpus. Se um
oponente m+rc+r dois sucessos, o jo¸+dor risc+ dois Níveis
de Corpus. Como e qu+ndo o Corpus é perdido em comb+te
serí explic+do n+ pí¸. 225.
Ao lid+r com o mundo re+l, consider+-se que um Nível
de Corpus é perdido sempre que o mundo re+l "viol+" o es-
p+ço ocup+do pelo Corpus d+ +p+riç1o. lerde-se um nível
de Corpus sempre que se consider+r que + +p+riç1o teri+
sido ferid+, emp+l+d+ ou esm+¸+d+ por um objeto do mundo
re+l se el+ fosse viv+. lor exemplo, se um+ port+ é +bert+
subit+mente enqu+nto um+ +p+riç1o estí n+ frente del+, el+
13o
A
purlçño.
O

L
lmho
perde um Nível de Corpus. Apen+s um Nível de Corpus é
perdido + c+d+ evento, sendo consider+do que + +p+riç1o se
torn+ incorpóre+ dur+nte esse turno.
L t1o fícil re+dquirir Corpus, e t1o difícil perdê-lo, que
+s +p+riçöes s1o c+p+:es de sofrer puniçöes terríveis e +ind+
fic+rem de pé. Ll+s n1o s1o contid+s pel+s mesm+s re¸r+s
que re¸em os hum+nos.
Grlllões
Os Orilhöes s1o objetos m+teri+is prendendo um perso-
n+¸em + re+lid+de. Lles s1o, n+ verd+de, p+rci+lmente res-
ponsíveis pel+ tr+nsform+ç1o de um+ +lm+ perdid+ num+
+p+riç1o. C+d+ Orilh1o represent+ +l¸um+ cois+, +l¸uém ou
+l¸um lu¸+r que foi import+nte p+r+ + +p+riç1o enqu+nto
el+ vivi+. Lm copo de seu b+r f+vorito pode ser um Orilh1o,
m+s prov+velmente represent+ m+is do que p+rece + primei-
r+ vist+ - t+lve: você p+ss+sse qu+se o tempo todo bebendo
nesse b+r, complet+mente +lheio + vid+ d+ su+ f+míli+. A
su+ r+quete de tênis f+vorit+ pode simboli:+r o seu sonho de
se torn+r um +stro dos esportes ou simplesmente viver um+
vid+ for+ d+ su+ rotin+ profission+l. Lscolh+ seus ¸rilhöes
com cuid+do, porque eles podem proporcion+r um+ ¸r+nde
v+ried+de de inform+çöes sobre o seu person+¸em, bem como
um+ mirí+de de idéi+s p+r+ tr+m+s potenci+is.
Se todos os Orilhöes de um+ +p+riç1o forem destruídos,
el+ n1o poderí m+is perm+necer n+s Re¸iöes Sombri+s por
um período de tempo lon¸o. A +p+riç1o poderí perm+necer
n+s Re¸iöes Sombri+s por um míximo de (Vi¸or x 2) minutos.
Ahrlndo os Grlllões
Como c+d+ Orilh1o represent+ +l¸um+ cois+ que foi dei-
x+d+ incomplet+ ou irre+li:+d+ n+ vid+ de um+ +p+riç1o, é
possível volt+r e concluir esses +ssuntos. Se um+ +p+riç1o pu-
der descobrir e resolver o si¸nific+do que o Orilh1o tinh+ p+r+
el+ em vid+, ele n1o + impedirí m+is de se +f+st+r d+s Re¸iöes
Sombri+s. Lm+ +p+riç1o que +briu todos os seus Orilhöes pode
vi+j+r de volt+ p+r+ Lstí¸i+ e p+r+ +s lr+i+s Dist+ntes sem te-
mer fic+r preso lí. Ls+ndo Ar¸os p+r+ +tr+vess+r + Tempest+-
de, el+ pode cru:+r +s fronteir+s d+s Re¸iöes Sombri+s e do
resto do Mundo lnferior com rel+tiv+ f+cilid+de. lorém, um+
ve: que todos os Orilhöes tenh+m sido destruídos, sej+ por
intençöes m+licios+s ou pel+ fúri+ do tempo, + +p+riç1o n1o
poderí m+is retorn+r +s Re¸iöes Sombri+s. Devido + isto, um+
+p+riç1o que possu+ Orilhöes +bertos é +lt+mente v+lori:+d+
pelos +¸entes de Lstí¸i+ e dos Reinos Dist+ntes.
]ulxões e ]utlos
S. juJ.ss., jar|a um a.·rJ· .·m D.us,
L :r·.ar/am·s J. |u¸ar.
D.s..r .·rr.nJ· a¡u.|a .s:raJa,
Su||r .·rr.nJ· a¡u.|a .·||na,
Su||r .·rr.nJ· a¡u.|. jr.J|·,
S.m jr·||.ma n.n|um...
l+te Bush, "Runnin¸ Lp Th+t Hill"
137
As +p+riçöes s1o motiv+d+s por emoçöes. l+r+ el+s, +
p+ix1o é + essênci+ do +to de existir. Sem p+ix1o, + vid+ n1o
tem si¸nific+do. Até mesmo +lém d+ morte um+ +p+riç1o
pode concentr+r su+s p+ixöes e +ssim mud+r o mundo + su+
volt+. As c+r+cterístic+s de l+ix1o de um+ +p+riç1o m+teri-
+li:+m seu desejo de res¸+t+r +s sens+çöes que tinh+ em vid+.
O desejo de poder sobrepuj+r tudo, +té + morte.
Como vimos no C+pítulo Cinco, um jo¸+dor precis+ co-
loc+r 10 pontos de l+ixöes p+r+ seu person+¸em. C+d+ p+i-
x1o estí escrit+ entre p+rênteses + esquerd+ do nível. l+r+
rec+rre¸+r su+ l+r+d+ de l+thos +tr+vés de um+ p+ix1o, o
person+¸em norm+lmente precis+ evoc+r ess+ emoç1o em
+l¸um+ outr+ pesso+ ou descobrir quem estí experiment+n-
do +quel+ emoç1o. Al¸um+s ve:es um+ +p+riç1o mud+rí o
+mbiente p+r+ evoc+r + emoç1o desej+d+ em espect+dores.
Lm qu+lquer cen+ n+ qu+l um person+¸em poss+ entr+r
em sintoni+ com +s emoçöes dos vivos, o jo¸+dor f+: um teste
com um número de d+dos i¸u+l +o número de pontos n+quel+
l+ix1o (+ dificuld+de dest+ +ç1o costum+ ser o). l+r+ c+d+
sucesso, + +p+riç1o ¸+nh+ poder espiritu+l, ch+m+do l+thos.
S1o +l¸uns exemplos de l+ixöes: Amor, R+iv+, lé, Lspe-
r+nç+, lnvej+, luxúri+, Or¸ulho, Triste:+, Dor e Cobiç+.
A C+r+cterístic+ l+thos represent+ + sintoni+ de um+
+p+riç1o com o mundo re+l. Compreendendo + essênci+ d+
vid+, + +p+riç1o obtém forç+, o que + permite inter+¸ir com
o mundo + su+ volt+. l+r+ +s +p+riçöes, o poder é encontr+-
do n+ p+ix1o e no propósito. Lspecific+mente, os pontos de
l+thos s1o us+dos p+r+ ener¸i:+r os Mistérios d+s +p+riçöes.
Os pontos de l+thos t+mbém podem ser us+dos p+r+ cur+r
ferimentos (vej+ Cura n+ pí¸in+ 19o).
Contudo, o l+thos é efêmero. Os c+prichos d+ p+ix1o
podem elev+r, sem +viso, um+ +p+riç1o + um est+do de +le-
¸ri+ +bsolut+. O l+thos t+mbém pode +b+ndon+r um+ +p+ri-
ç1o qu+ndo el+ m+is precis+r. Lm+ +p+riç1o freqüentemen-
te recorre +o seu l+thos e, como result+do, o nível do l+-
thos de um person+¸em pode mud+r si¸nific+tiv+mente du-
r+nte um+ +ventur+. O nível míximo de l+thos é 10.
Retir+r l+thos d+ emoç1o pur+ pode ser bem difícil. As
ve:es os sentimentos n1o s1o bem direcion+dos, e + sintoni+
nem sempre é complet+. Contudo, um+ +p+riç1o pode fic+r
+ind+ m+is forte qu+ndo + p+ix1o for diri¸id+ p+r+ um pro-
pósito. lor exemplo, um+ +p+riç1o pode ser movid+ pelo
+mor, m+s seu poder serí m+ior se seu motivo for s+lv+r um
ente querido do peri¸o.
S1o exemplos de propósitos:
lúri+: Comb+ter + injustiç+.
Vin¸+nç+ contr+ su+ morte.
lunir um tipo de criminoso.
Destron+r um líder corrupto.
Comb+ter o sindic+to do crime que o destruiu.
Amor: Lncontr+r um novo proprietírio p+r+ um objeto
querido.
Ajud+r + su+ filh+.
Lxpress+r um +mor n1o correspondido.
Ajud+r um verd+deiro +mor + encontr+r outr+ pesso+ p+r+
+m+r.
Cobiç+: lossuir um determin+do objeto v+lioso.
Servi + Hier+rqui+ em troc+ de p+¸+mento.
lrote¸er + fortun+ d+ f+míli+.
luxúri+: Lxperiment+r um+ ¸r+tific+ç1o que nunc+ teve
emvid+.
Viver indiret+mente +tr+vés do seu ex-+m+nte.
lé: Torn+r-se um mírtir por um+ c+us+ que s+be ser cert+.
lre¸+r + crenç+ num poder m+ior.
Ajud+r + su+ f+míli+ + m+nter + fé.
Lsper+nç+: lrote¸er os oprimidos.
lrote¸er um sem-teto.
lmpedir um suicício.
Arrependimento: Torn+r o seu lu¸+r Assombr+do um
loc+l de remorso.
Arruin+r seu inimi¸o.
Lm qu+lquer cen+ onde um+ +p+riç1o procur+ cumprir
um propósito, o N+rr+dor pedirí +o jo¸+dor p+r+ f+:er um
teste contr+ + l+ix1o. Se, num+ cen+, o propósito for direci-
on+do especific+mente, + dificuld+de serí 6. lor exemplo,
se um+ +p+riç1o possui o propósito "lrote¸er meu +mor" el+
obterí l+thos defendendo-o qu+ndo ele for +t+c+do. O pro-
pósito n1o precis+ ser complet+do; o person+¸em precis+
+pen+s esforç+r-se p+r+ conse¸uir isso. Qu+ndo um+ +p+ri-
ç1o lut+ p+r+ s+tisf+:er seu desejo, el+ +mortece + r+:1o de
su+ existênci+.
T+mbém é possível obter l+thos direcion+ndo um pro-
pósito num sentido ¸er+l. lor exemplo, um+ +p+riç1o pode
ser impulsion+d+ pel+ l+ix1o "Vin¸+r minh+ morte:" (Vin-
¸+nç+). Se, dur+nte um+ cen+, + motiv+ç1o específic+ do
person+¸em for encontr+r seu +ss+ssino, + dificuld+de, como
visto +nteriormente, serí 6. lor outro l+do, se + +p+riç1o
+¸iu como um vi¸il+nte, prote¸endo inocentes ou perse¸uindo
um +ss+ssino seri+l, el+ est+v+ cumprindo seu propósito num
sentido ¸er+l, n1o específico. A t+ref+ é semelh+nte +o pro-
pósito específico (vin¸+r + morte do person+¸em), e ocorre
sob circunstìnci+s semelh+ntes, m+s +ind+ +ssim é motiv+d+
por um+ l+ix1o p+r+lel+ (vin¸+nç+). Qu+ndo um+ +p+riç1o
direcion+ um propósito + um sentido ¸er+l +o invés de + um
sentido específico, su+ dificuld+de é m+is +lt+ - ¯.
Como jí vimos, se o person+¸em estiver tent+ndo moti-
v+r-se por um+ emoç1o indiret+ - ou sej+, + p+ix1o p+r+lel+
+o propósito de um+ +p+riç1o - + dificuld+de é o. Al¸um+s
+p+riçöes t+mbém podem forç+r emoçöes em outros indivídu-
os +tr+vés de poderes específicos, como pelo Mistérios: C+r-
pir. Lm+ +p+riç1o pode +liment+r-se desses sentimentos, m+s
su+ dificuld+de serí 9. lor fim, se um+ emoç1o for fin¸id+ ou
insincer+, n1o serí forte o b+st+nte p+r+ conceder poder +
+p+riç1o. Lm teste de l+ix1o, port+nto, é impossível.
Lm qu+lquer teste de p+ix1o, se + cen+ envolver o Ori-
lh1o ou o lu¸+r Assombr+do de um+ Alm+ lnquiet+, + difi-
culd+de do teste serí redu:id+ em um ponto.
Cl+ro que isto é subjetivo. A +p+riç1o nem sempre serí
c+p+: de tr+b+lh+r especific+mente n+ direç1o de seu propósi-
to. Afin+l de cont+s, embor+ el+ poss+ lut+r p+r+ m+nter seus
elos com su+ vid+ +nterior, el+ possui outr+s preocup+çöes: +
138
A
purlçño.
O

L
lmho
est+bilid+de de seu Círculo, + polític+ em su+ Necrópole, e
+ssim por di+nte. Além disso os propósitos +s ve:es s1o com-
plet+dos. Se um+ +p+riç1o procur+r prote¸er seu +m+nte mor-
t+l, e ele morrer, el+ n1o poderí m+is ser c+p+: de cumprir
+quele propósito específico. Ll+ precis+rí, nesse c+so, ou pro-
cur+r situ+çöes semelh+ntes +quel+s que + sustent+v+m ou
viver em pur+ p+ix1o. Contudo, os propósitos podem mud+r
sutilmente dur+nte + existênci+ de um+ +p+riç1o. Mesmo qu+n-
do um propósito des+p+rece, + p+ix1o p+r+lel+ sempre perm+-
nece. A verd+deir+ p+ix1o j+m+is morre.
O ]rlnclpe du ]ulxño
Viver um+ vid+ des+p+ixon+d+ têm os seus inconvenien-
tes. Se um+ +p+riç1o n1o conse¸ue encontr+r + s+tisf+ç1o,
el+ encontr+rí + frustr+ç1o e + dor. Se um person+¸em co-
meter um+ f+lh+ crític+ num teste de l+ix1o, obterí um ponto
de An¸st.
Mlsterlos
u. munJ· J. r|¡u.za . ¡u|||·
D. j·J.r, |·nra . ·n|j·:.n.|a,
L jr·m.:|J· a· ar:.sa· .s:uJ|·s·.
- Christopher M+rlowe,
D·u:·r íaus:us
Lm Mistério é um+ +rte espiritu+l que
precis+ ser ensin+d+ ou +prendid+. Ls+n-
do Mistério, +s +p+riçöes podem desempenh+r divers+s +çöes
sobren+tur+is. Como +s +p+riçöes s1o seres de espírito, p+r+
el+s é b+st+nte simples m+nipul+r +s cois+s do mundo espiri-
tu+l. Além disso, com o p+ss+r dos +nos muit+s +p+riçöes
desenvolver+m su+s +rtes p+r+ influenci+r + mente hum+n+,
+s emoçöes e o próprio espírito d+ morte. Al¸um+s +p+riçöes
podem +té mesmo toc+r o mundo vivo com su+s +rtes, em-
bor+ isto sej+ dificílimo.
Todos os Mistérios v+ri+m sutilmente de um+ +p+riç1o
p+r+ outr+, dependendo d+ form+ como el+s vêem + si mesm+s
e + su+ +rte. Devido + isto, c+d+ +p+riç1o pode ter um+ inter-
pret+ç1o li¸eir+mente diferente de seu Mistério. N+ verd+de,
muit+s +p+riçöes descobrir+m novos +spectos de seus Mistéri-
os, nov+s form+s de m+nifest+r su+s ener¸i+s espiritu+is. Lss+
experiment+ç1o pode ser peri¸os+, m+s t+mbém frutífer+.
O N+rr+dor pode permitir que os person+¸ens inventem
novos usos p+r+ um Mistério. O N+rr+dor deve ex+min+r o
uso proposto por um jo¸+dor p+r+ um Mistério e comp+rí-lo
com +s outr+s +rtes desse Mistério. Se o N+rr+dor jul¸+r que
o uso é +propri+do e que o person+¸em possui o nível reque-
rido de h+bilid+de no Mistério, o jo¸+dor pode coloc+r + nov+
+rte no jo¸o.
Se o person+¸em teve tempo p+r+ pesquis+r e estud+r este
novo uso de um Mistério, o N+rr+dor deve +tribuir um+ difi-
culd+de e um+ qu+ntid+de de ener¸i+ +propri+d+ +o seu nível.
D+ mesm+ form+, se o novo uso foi cri+do "n+ mosc+", o N+rr+-
dor pode +tribuir um+ dificuld+de e um custo m+iores. Tenh+
em mente qu+is d+s +rtes list+d+s +qui for+m test+d+s com o
tempo - quem s+be que efeitos col+ter+is ou outros peri¸os
poderi+m ser descobertos +tr+vés d+ experiment+ç1o!
C+d+ Mistério é dividido em divers+s +rtes de +umento
de erudiç1o, que se torn+m disponíveis + +p+riç1o +tr+vés do
+prendi:+do dos se¸redos desses Mistérios. A medid+ que +
+p+riç1o +profund+-se nos Mistérios, el+ começ+ + +prender
+rtes m+iores rel+cion+d+s + eles. O conhecimento d+s +rtes
menores +ind+ perm+nece, embor+ +l¸um+s d+s m+iores +r-
tes tornem +s menores obsolet+s.
Lm+ +p+riç1o que estej+ estud+ndo um determin+do
Mistério precis+ +prender primeiro +l¸uns dos Mistérios bí-
sicos +ssoci+dos com +quele Mistério. C+d+ Mistério possui
um+ ou m+is h+bilid+des rel+cion+d+s com ele, que + +p+ri-
ç1o pode us+r qu+ndo o Mistério for +dquirido.
O Corpo du Verdude
l+rte técnic+, p+rte trilh+ espiritu+l, um Mistério é t+nto
um+ form+ de pens+r qu+nto um+ ferr+ment+ ou +rte. Como
seu nome implic+, um Mistério é um+ coleç1o de eni¸m+s e
conhecimentos +rc+nos. Muitos desses se¸redos s1o inúteis,
+ n1o ser que sej+m combin+dos com +l¸um+ qu+lid+de in-
terior do eu.
Lm termos de jo¸o, isto é represent+do pelo f+to de que,
p+r+ re+li:+r um teste de Mistério, um jo¸+dor deve combi-
n+r um Atributo com um Mistério. O efeito d+ combin+ç1o
é determin+do por qu+is Atributos e Mistérios s1o us+dos,
m+is +l¸um+s outr+s consider+çöes, como se um Orilh1o se
encontr+ presente, se + +p+riç1o estí pr+tic+ndo o Mistério
no interior de um lu¸+r Assombr+do, e o que motiv+ + +rte
(l+thos ou +l¸um outro poder).
A Semente do ]oder
As +p+riçöes precis+m control+r seu l+thos p+r+ +fet+r o
mundo vivo e +s Re¸iöes Sombri+s que + cerc+m.
Sistema: lode-se obter l+thos +tr+vés de um+ v+ried+de
de recursos. Vej+ ía:|·s, pí¸s. 136-13¯.
As Correntes du Vldu
Como os Orilhöes s1o essenci+lmente correntes met+fí-
sic+s prendendo um+ +p+riç1o + su+ vid+ p+ss+d+, é m+is
fícil +fet+r os vivos e o mundo vivo dentro dos limites de
influênci+ de um Orilh1o.
Sistema: A Mort+lh+ estí em tod+ p+rte. l+r+ +s +p+ri-
çöes, + Mort+lh+ costum+ ser cl+ssific+d+ como 9. Oc+sio-
n+lmente - + noite, em cert+s cid+des, ou em d+t+s especi-
+is - + Mort+lh+ c+i p+r+ o ou ¯. A Mort+lh+ costum+ ser
m+is b+ix+ no interior de um lu¸+r Assombr+do. Lm lu¸+r
Assombr+do redu:irí +s dificuld+des de todos os Arc+nos
execut+dos dentro dele em 1 ponto por c+d+ nível do lu¸+r
Assombr+do. Atenç1o: o nível d+ Mort+lh+ j+m+is poderí
c+ir +b+ixo de +.
139
A Murcu do ]oder
l+r+ +prender um Mistério, um+ +p+riç1o deve intern+-
li:+r os se¸redos e mistérios que compöem o corpo dos ensi-
n+mentos do Mistério. Lsses se¸redos + m+rc+m de víri+s
form+s - form+s que s1o reconhecíveis por outr+s +p+ri-
çöes. Cert+s +p+riçöes che¸+m mesmo + +dquirir m+rc+s de
morte (vej+ C+pítulo Dois) como result+do desses estudos.
Sistema: Lm teste simples de lercepç1o ÷ Mistério (di-
ficuld+de ¯) concede + um+ +p+riç1o um Mistério específico
p+r+ sentir se outr+ +p+riç1o conhece o mesmo Mistério.
Reulldude
Os efeitos de um lu¸+r Assombr+do e de um Orilh1o
podem ser +cumul+dos, m+s mesmo ent1o + dificuld+de p+r+
um teste de Mistério n1o poderí ser menor que +. Além
disso, + re¸r+ de Sucessos Automíticos (vej+ pí¸. 93-9+) n1o
se +plic+ +o Mistério.
Gulldus
os tempos mediev+is, +s +p+riçöes or¸+-
ni:+v+m-se em ¸uild+s, tendo como b+se
o Mistério +o qu+l el+s se devot+v+m.
Lste n1o é m+is o c+so. Ch+ron cert+
ve: insistiu que su+s le¸iöes deveri+m
+prender Mistérios, e ele desencor+j+v+
o ensin+mento de Mistérios + +p+riçöes
que n1o pertencessem + Hier+rqui+. Contudo, +s ¸uild+s fo-
r+m dissolvid+s séculos +trís.
Aind+ +ssim + tr+diç1o d+s ¸uild+s perm+nece, +o menos
no sentido de que +s +p+riçöes que domin+m um determin+-
do Mistério freqüentemente comp+rtilh+m +s mesm+s qu+-
lid+des, possuem v+lores semelh+ntes e obedecem + mesm+
étic+. Se você demontr+r conhecer Ar¸os, +s pesso+s prov+-
velmente o ch+m+r1o de B+tedor - c+be + você decidir se
+ceit+ ou n1o esse título.
Al¸um+s ¸uild+s j+m+is for+m s+ncion+d+s pel+ Hier+r-
qui+. lor+m el+s: + Ouild+ dos C+ç+dores, + Ouild+ dos lns-
petores e + Ouild+ dos Titereiros. Os B+rdos, M+squers, Ls-
tr+nhos, S+ndmen e +s S+cerdotis+s do Orículo, ¸uild+s que
nunc+ for+m respeit+d+s pel+ Hier+rqui+, for+m toler+d+s.
Os Artífices, Monitores, Lsurírios e Confessores for+m fir-
memente control+dos e s+ncion+dos pel+ Hier+rqui+.
14u
A
purlçño.
O

L
lmho
·nj|a .m m|m:¨ Lu j.r¸un:.| a .|a. Ls:.nJ|
m|n|a ma·, "Qu.r t.r a|.m Ja .s.ur|Ja·:¨
L|a ass.n:|u |.n:am.n:. .·m a .a|.¸a . s.-
¸ur·u m|n|a ma·...
Ar¸os é o conhecimento d+s trilh+s se-
cret+s +tr+vés d+ Tempest+de e como
+tr+vessí-l+s. Ar¸os t+mbém permite +
um+ +p+riç1o "n+d+r" no fluido ne¸ro d+ Tempest+de.
Lste Mistério é us+do p+r+ +tr+vess+r + tempest+de com
r+pide: e eficiênci+. Ar¸os permite +s +p+riçöes entr+rem,
s+írem e +tr+vess+rem + Tempest+de e encontr+r At+lhos
que permit+m vi+j+r em rel+tiv+ se¸ur+nç+ +té outros reinos
dentro do Mundo lnferior.
Comentários ao Narrador: Ar¸os ¸overn+ o movimen-
to n+ Tempest+de, Lm+ +p+riç1o sem Mistério Ar¸os flutu-
+rí sem destino, podendo depender +pen+s de um ponto
de l+thos p+r+ mud+r su+ direç1o. llutu+r dess+ m+neir+
é muito peri¸oso: os Lspectros (especi+lmente Sombr+s;
vej+ o Apêndice) est1o const+ntemente +lert+s p+r+
um+ +p+riç1o solitíri+ que flutuou +té su+ íre+. Sem
conhecimento de Ar¸os, é pr+tic+mente impossí-
vel encontr+r um At+lho (embor+ sej+ possível
se¸uir outr+ pesso+ +té um). l+r+ m+iores infor-
m+çöes sobre + Tempest+de consulte - T.m-
j.s:aJ. no C+pítulo Dois.
Sint+-se + vont+de p+r+ permitir que um
person+¸em "c+rre¸ue" o rest+nte do ¸ru-
po; enqu+nto os outros person+¸em n1o
resistirem +o poder, eles podem ser c+rre¸+-
dos, b+st+ndo p+r+ isso d+r +s m1os +o usuírio
de Ar¸os. Contudo, você pode querer +umen-
t+r + dificuld+de d+s +çöes com Ar¸os neste c+so.
Butedores ÷ Argos
Ap+rentemente tom+dos por um+ espécie de im-
pulso de vi+j+r, os B+tedores tendem + f+:er excursöes
noturn+s + lu¸+res dist+ntes e retorn+r +ntes do n+scer
do sol. Muitos ex-membros d+s ¸uild+s +ind+ tr+b+lh+m
p+r+ + Hier+rqui+, lev+ndo mens+¸ens import+ntes d+ Lstí-
¸i+ p+r+ +s Re¸iöes Sombri+s e vice-vers+. Lmbor+ + ¸uild+ jí
estej+ extint+, consider+-se f+lt+ de educ+ç1o e mí sorte
impedir que um B+tedor cumpr+ este dever.
No p+ss+do, os B+tedores er+m compromiss+dos por honr+
+ res¸+t+r +s +p+riçöes c+ptur+d+s n+ Tempest+de: recente-
mente, porém, os Lspectros começ+r+m + se p+ss+r por +p+-
riçöes perdid+s p+r+ +tr+ir B+tedores p+r+ +rm+dilh+s, e +s-
sim, este costume foi, em su+ m+ior p+rte, suspenso.
O B+tedor típico é um indivíduo muito quieto, c+lmo e
control+do, que se move su+vemente p+r+ onde quer que
ví. L possível identific+r um B+tedor olh+ndo em seus olhos:
devido + qu+ntid+de de tempo p+ss+do n+ Tempest+de, os
olhos de um B+tedor torn+m-se c+d+ ve: m+is ne¸ros.
Huhllldudes Báslcus
Espiar a Tempestade: Lst+ +rte permite + +p+riç1o olh+r
n+ Tempest+de e ver se +l¸uém (ou +l¸um+ cois+) estí + espe-
r+. A +p+riç1o pode ver e ser vist+ pelos seres próximos n+
Tempest+de, sendo t+mbém c+p+: de se comunic+r com eles.
Sistema: l+r+ espi+r com sucesso, um+ +p+riç1o deve
test+r lercepç1o ÷ Ar¸os 9 (dificuld+de 6). O número de
sucessos indic+ + cl+re:+ d+ vis1o d+ +p+riç1o. Lm+ f+lh+
crític+ f+: com que + mente d+ +p+riç1o pre¸ue peç+s nel+:
el+ vê +l¸um+ cois+ n+ Tempest+de que n1o é re+l.
PortaI da Tempestade: l+r+ entr+r ou s+ir d+ Tempes-
t+de, um+ +p+riç1o norm+lmente precis+ encontr+r um+
Nulid+de ¸r+nde o b+st+nte p+r+ poder p+ss+r por el+. O
uso dest+ +rte permite + um+ +p+riç1o +brir um+ port+
n+ Tempest+de e entr+r nel+. A port+, norm+lmente
pequen+ e circul+r, fech+-se imedi+t+mente depois d+
+p+riç1o p+ss+r.
Sistema: l+r+ +brir um port+l, o jo¸+dor pre-
cis+ test+r lorç+ ÷ Ar¸os (dificuld+de ¯).
Instinto de Orientação: A Tempest+de é um
+mbiente +liení¸en+ e peri¸oso no qu+l + dis-
tìnci+ e o tempo influenci+m pouco. Lst+ +rte
permite + um+ +p+riç1o determin+r + su+
loc+li:+ç1o n+ Tempest+de e encontr+r seu
destino. O lnstinto de Orient+ç1o permite
+ um+ +p+riç1o vi+j+r +té o seu destino es-
colhido +tr+vés d+ trilh+ m+is rípid+ e fícil
(norm+lmente um At+lho), evit+ndo o míxi-
mo possível de obstículos.
Vi+j+r +tr+vés d+ Tempest+de us+ndo +pen+s
o lnstinto de Orient+ç1o é um+ tític+ muito peri¸o-
s+, us+d+ +pen+s pelos inc+utos. Contudo, o lnstinto
de Orient+ç1o é excelente p+r+ +jud+r um+ +p+riç1o
pres+ n+ Tempest+de + encontr+r + s+íd+.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r lercepç1o ÷ Ar¸os
(dificuld+de o). Como o tempo e + distìnci+ s1o nebulosos
n+ Tempest+de, o número de sucessos obtidos indic+m +
dur+ç1o do tempo d+ vi+¸em.
1-3 sucessos Tempo p+dr1o de vi+¸em
+ sucessos Met+de do tempo p+dr1o de vi+¸em
5 sucessos Lm qu+rto do tempo p+dr1o de vi+¸em
Lm fr+c+sso indic+ que + +p+riç1o p+rtiu n+ direç1o er-
r+d+, correndo o risco de se perder. Se o jo¸+dor quiser, isto
pode torn+r-se um+ +ventur+. Se o jo¸+dor cometer um+ f+-
lh+ crític+, + +p+riç1o estí se diri¸indo + um peri¸o certo:
um ninho de Lspectros ou um Turbilh1o, por exemplo.
Rastrear: Lst+ h+bilid+de permite + um+ +p+riç1o se¸uir
Argos
141
o r+stro de outr+ +p+riç1o que entrou n+ Tempest+de. l+r+
ter qu+lquer ch+nce de sucesso, o +lvo precis+ ser se¸uido
imedi+t+mente depois de des+p+recer n+ Tempest+de.
Sistema: O r+stre+dor precis+ test+r lercepç1o ÷ Ar¸os
(dificuld+de 6). Lst+ dificuld+de +ument+ em um ponto p+r+
c+d+ turno compreendido entre + entr+d+ d+ pres+ e do per-
se¸uidor. Cl+ro, se + pres+ estiver ciente de seu perse¸uidor,
ele pode tent+r fu¸ir f+:endo um teste de Destre:+ ÷ Ar¸os
(dificuld+de 6). C+d+ sucesso obtido subtr+i um ponto dos
sucessos do perse¸uidor.
¤ Munto de Somhrus
Como os indivíduos com Ar¸os precis+m evit+r os peri-
¸os d+ Tempest+de, eles primeiro devem +prender como se
mover sem serem vistos. Lst+ +rte possibilit+ + +p+riç1o en-
volver-se em sombr+s escur+s e, dest+ form+, mover-se invi-
sível +tr+vés d+ Tempest+de e d+s Re¸iöes Sombri+s. Qu+n-
do invoc+d+ pel+ primeir+ ve:, est+ +rte f+: com que + +p+ri-
ç1o des+p+reç+ subit+mente d+ vist+ de todos. lsso ocorre
porque + +p+riç1o estí envolt+ em sombr+s.
Sistema: O jo¸+dor test+ Destre:+ ÷ Ar¸os (dificuld+de
¯). O número de sucessos equiv+le +o número de turnos que
o person+¸em pode perm+necer envolto em sombr+s. O per-
son+¸em pode tent+r outro uso d+ +rte +ssim que sentir que
su+ primeir+ invoc+ç1o estí enfr+quecendo, embor+ isto custe
m+is l+thos e deixe + +p+riç1o moment+ne+mente visível.
O person+¸em n1o pode us+r nenhum outro Mistério, exce-
to +rtes Ar¸os enqu+nto estiver Lnvolto em Sombr+s; do
contrírio, o efeito serí quebr+do.
¤ ¤ Asus ]untusmus
Lst+ +rte permite + um+ +p+riç1o vo+r t+nto n+ Tempes-
t+de qu+nto n+s Re¸iöes Sombri+s. Lste voo +ssemelh+-se +
pl+n+r, n1o sendo muito rípido (cerc+ de met+de d+ veloci-
d+de de corrid+ de um ser hum+no), m+s permite + +p+riç1o
obter +cesso + íre+s que, de outr+ form+, seri+m muito difí-
ceis de entr+r. As +p+riçöes t+mbém podem us+r est+ +rte
p+r+ flutu+r.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+ Vi¸or ÷ Ar¸os (dificul-
d+de 6). A h+bilid+de de vo+r dur+ um turno por sucesso ob-
tido. O N+rr+dor pode requerer testes de Destre:+ ÷ Ar¸os
p+r+ evit+r colisöes e perm+necer p+r+do, flutu+ndo sobre cer-
t+s íre+s de turbulênci+ (ou sej+, +cim+ de um+ Nulid+de, ou
em cert+s íre+s d+ Tempest+de). Rep+re que um person+¸em
precis+ est+r lncorpóreo p+r+ vo+r enqu+nto estiver n+s Re¸i-
öes Sombri+s (vej+ Ls:aJ·s J. C·rjus, pág. 197-198).
¤ ¤ ¤ ]lscur
A +p+riç1o us+ +s distorçöes esp+ci+is e tempor+is d+
Tempest+de p+r+ su+ v+nt+¸em enqu+ndo estí empre¸+ndo
est+ +rte. lsto permite que el+ se mov+ por distìnci+s cust+s
muito r+pid+mente. Oer+lmente esses pequenos s+ltos pre-
cis+m est+r dentro do limite de vis1o. Lst+ +rte t+mbém pode
ser us+d+ p+r+ surpreender um oponente "pisc+ndo" e +p+-
recendo por trís dele.
142
A
purlçño.
O

L
lmho
Sistemas: O jo¸+dor precis+ test+r Destre:+ ÷ Ar¸os (difi-
culd+de 6) qu+ndo estiver tent+ndo us+r est+ +rte. Se ele for
bem-sucedido, o tempo d+ vi+¸em serí redu:ido em um turno
por sucesso obtido. lor exemplo, di¸+mos que M+ry queir+
+tr+vess+r correndo o qu+rteir1o e o N+rr+dor decide que el+
lev+rí cinco turnos p+r+ f+:er isso. Neste c+so, M+ry poderí
f+:er um teste de lisc+r. Se el+ obtiver três sucessos, conse¸ui-
rí redu:ir o "tempo de vi+¸em" de cinco p+r+ dois turnos.
C+so o destino desej+do estej+ for+ do +lc+nce d+ vis1o
do indivíduo, m+s dentro de um qu+rteir1o de cid+de, +ind+
serí possível tent+r lisc+r. Contudo, + dificuld+de neste c+so
serí o, e o fr+c+sso serí consider+do equiv+lente + um+ f+lh+
crític+ (vej+ f+lh+ crític+).
Lm+ f+lh+ crític+ obtid+ dur+nte um+ tent+tiv+ de lis-
c+r indic+ que o person+¸em foi c+ptur+do n+ Tempest+de e
n1o poderí us+r est+ +rte p+r+ emer¸ir. Qu+ndo est+ +rte for
empre¸+d+, o person+¸em n1o precis+rí us+r + h+bilid+de
lort+l d+ Tempest+de p+r+ entr+r ou s+ir d+ Tempest+de -
+ entr+d+ é consider+d+ +utomític+.
C+d+ uso de lisc+r cust+ 1 ponto de l+thos.
¤ ¤ ¤ ¤ ]ulur
Lst+ +rte permite +o usuírio vi+j+r +té qu+lquer um de
seus Orilhöes muito m+is rípido do que poderi+ f+:ê-lo n+s
Re¸iöes Sombri+s. Qu+lquer distìnci+ pode ser percorrid+
us+ndo est+ +rte, m+s o destino precis+ ser um dos Orilhöes
d+ +p+riç1o.
Se¸undo rumores, +l¸um+s +p+riçöes extrem+mente po-
deros+s podem us+r + Tempest+de p+r+ vi+j+r +té qu+lquer
lu¸+r do mundo, num pisc+r de olhos, sem ter um Orilh1o
presente em seu destino.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r Vi¸or ÷ Ar¸os (dificul-
d+de o). Como dissemos +ntes, c+d+ nível do Orilh1o +lmej+-
do redu: + dificuld+de em um ponto. C+d+ sucesso obtido
redu:, + critério do N+rr+dor, o tempo de vi+¸em (cinco su-
cessos ou m+is costum+m permitir um+ vi+¸em pr+tic+mente
inst+ntìne+). Como ocorre com lisc+r, o person+¸em n1o
precis+ us+r o lort+l p+r+ entr+r ou s+ir d+ Tempest+de.
O custo p+r+ o uso dest+ +rte é 3 pontos de l+thos.
Lm fr+c+sso dur+nte um+ tent+tiv+ de uso dest+ +rte in-
dic+ que o person+¸em se perdeu n+ Tempest+de. Lm+ f+-
lh+ crític+ si¸nific+ que o person+¸em ficou preso n+ Tem-
pest+de e n1o poderí us+r est+ +rte p+r+ emer¸ir: +o invés,
ele terí de +brir um port+l (como em í·r:a| Ja T.mj.s:aJ.).
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ Culuhouço
As +p+riçöes que possuem est+ +rte s1o univers+lmente
temid+s. Lst+ +rte confere +os seus detentores um+ qu+ntid+-
de si¸nific+tiv+ de poder sobre outr+s +p+riçöes. Simplesmen-
te concentr+ndo su+ vont+de em outr+ +p+riç1o, um usuírio
dest+ +rte pode b+nir outr+ +p+riç1o p+r+ + Tempest+de.
Lst+ +rte t+mbém pode ser us+d+ p+r+ se¸ur+r um indiví-
duo, impedindo-o de esc+p+r p+r+ + Tempest+de ou p+r+ +s
Re¸iöes Sombri+s.
Sistema: l+r+ us+r c+d+ funç1o dest+ +rte é preciso um
teste de lorç+ ÷ Ar¸os. Lm +mbos os c+sos, + dificuld+de
equiv+le + lorç+ de Vont+de do +lvo. Se quiser, o +lvo t+m-
bém pode f+:er um teste oposto us+ndo lorç+ de Vont+de.
Lm+ +p+riç1o que sej+ b+nid+ p+r+ + Tempest+de pode
utili:+r qu+lquer Mistério que el+ possuir. Contudo, se + +p+-
riç1o n1o possuir Ar¸os, el+ est+rí sujeit+ +os efeitos usu+is
de est+r perdido n+ Tempest+de. Além de ser b+nid+ p+r+ +
Tempest+de, o person+¸em sofre + perd+ de um Nível de
Corpus (devido + n+ture:+ violent+ do b+nimento.)
Qu+ndo um+ +p+riç1o tent+ se¸ur+r outro person+¸em
n+ Tempest+de ou n+s Re¸iöes Sombri+s, o número de su-
cessos obtidos indic+m o número de turnos dur+nte os qu+is
o person+¸em é m+ntido prisioneiro. Lm+ ve: que o poder
estej+ exercendo efeito, o usuírio precis+ +pen+s m+nter um
nível mínimo de concentr+ç1o. Lle pode desempenh+r ou-
tr+s +çöes, embor+ el+s dev+m sofrer um+ pen+lid+de (+ cri-
tério do N+rr+dor).
O custo p+r+ uso dest+ +rte é de 3 pontos de l+thos.
143
.ns. n· j·J.r n.janJ· . ·n|.·ns.|.n:. Ja
S·m|ra. L|a . · ma|·r |n|m|¸·. V·.. jr..|-
sa .t|:ar as m.n:|ras Ja S·m|ra. Ls.u:.-
m.. V·.. jr..|sa t.r a t.rJaJ.. Ls.u:. as
m|n|as ja|atras.
C+sti¸o é um+ d+s pouc+s ferr+ment+s
que +s +p+riçöes podem us+r contr+ +
Sombr+ e seu poder crescente. Aqueles que +prendem + us+r
C+sti¸o t+mbém +prendem o que lev+ + Sombr+ + torn+r-se
viv+, bem como o que extr+i o poder m+li¸no d+ Sombr+.
C+d+ Confessor precis+ +prender su+ própri+ form+ de
C+sti¸o: puniç1o físic+, ritu+l de purific+ç1o, sermöes, insul-
tos, reprimend+s, +br+ços silenciosos, p+l+vr+s ¸entis, exer-
cícios e priv+ç1o dos sentidos s1o métodos us+dos p+r+ reti-
r+r + Sombr+ e dren+r seu poder. A form+ m+is comum de
C+sti¸+r + Sombr+ é obtendo conhecimento sobre + n+tu-
re:+ d+ Sombr+ c+sti¸+d+ e cont+t+ndo-+ +tr+vés de um+
form+ de diílo¸o. Lste diílo¸o veio + ser conhecido como
o Di+leto do Di+bo.
Comentários ao Narrador: O C+sti¸o confere +
um+ +p+riç1o +l¸um nível de controle sobre +s Som-
br+s, t+nto +s su+s própri+s qu+nto +s de outros.
O C+sti¸o t+mbém confere + +p+riç1o um+ óti-
m+ form+ de conhecer + Sombr+. O N+rr+dor
deve evit+r que seus jo¸+dores +busem deste
poder. Todos os cont+tos com + Sombr+
devem ser peri¸osos; mesmo qu+ndo o per-
son+¸em possui +l¸um nível de controle,
deve h+ver um pouco de incerte:+.
Conlessores ÷ Custlgo
A Ouild+ dos Confessores foi + cois+ m+is pró-
xim+ + um+ or¸+ni:+ç1o reli¸ios+ que Lstí¸i+ jí
teve. Como, p+r+ o lmpério Lstí¸io, livr+r-se d+
An¸st de um indivíduo er+ t1o import+nte, costum+-
v+ h+ver r+mific+çöes d+ ¸uild+ em c+d+ coloni+. Con-
t+-se que o próprio Ch+ron possuí+ seu Confessor, + quem
ele m+nteve +té muito depois que + ¸uild+ foi dissolvid+.
Até mesmo hoje, com + ¸uild+ extint+, nenhum Centu-
ri1o d+ Hier+rqui+ preder+ um Confessor por empunh+r su+
l+ntern+ de ferro, demonstr+ndo que ele estí "tr+b+lh+ndo".
M+is cedo ou m+is t+rde, todo mundo precis+ de um Con-
fessor.
Devido + n+ture:+ de su+ obr+, os Confessores m+is ve-
lhos +ssumem um+ postur+ qu+se reli¸ios+ qu+ndo f+l+m de
C+sti¸o, enqu+nto +s +p+riçöes m+is jovens (especi+lmente
+quel+s que em vid+ for+m +n+list+s) f+l+m d+ Sombr+ em
termos psicoló¸icos.
L possível discernir um Confessor pel+s m+nch+s ne¸r+s
em seus dedos. Lss+s m+nch+s +p+recem devido +o toque ou
outr+s form+s de cont+to com +s Sombr+s dos outros.
Huhllldudes Báslcus
Visão da AIma: Olh+ndo p+r+ outr+ +p+riç1o, o usuírio
pode espi+r profund+mente em su+ +lm+ e ver + escurid1o
interior d+ pesso+. lsto permite +o usuírio medir o poder d+
Sombr+ d+quel+ +p+riç1o e ver se el+ estí perto de ser con-
sumid+ pel+ Sombr+. O usuírio pode us+r este método +pe-
n+s p+r+ ver + Sombr+ de outro indivíduo, n1o + su+ própri+.
Lst+ +rte pode ser us+d+ t+mbém p+r+ sentir + presenç+
de Lspectros, especi+lmente de Doppel¸+n¸ers (vej+ o Apên-
dice), porque + Sombr+ é forte dem+is entre eles.
Sistema: l+:endo um teste de lercepç1o ÷ C+sti¸o (difi-
culd+de o), o usuírio pode determin+r + forç+ d+ Sombr+ de
outr+ +p+riç1o. O N+rr+dor descreverí + forç+ d+ Sombr+
como fr+c+, norm+l, r+:o+velmente forte ou eminente, de-
pendendo d+ cont+¸em +tu+l de An¸st do person+¸em.
Os sucessos +dicion+is podem conferir +o usuírio um+
noç1o m+ior d+ n+ture:+ d+ Sombr+ do person+¸em.
Lm fr+c+sso si¸nific+ que o usuírio n1o pode
ver + Sombr+ (t+lve: + su+ própri+ Sombr+ cubr+
seus olhos). Lm+ f+lh+ crític+ indic+ um+ leitur+
complet+mente err+d+.
BaIuarte: A +p+riç1o pode, por breves perío-
dos, prote¸er + si mesm+ e + outros dos terrí-
veis efeitos do Turbilh1o. lsto é como se el+
l+nç+sse um escudo contr+ + fúri+ d+ tor-
ment+ c+us+d+ pelo Turbilh1o; os Lspec-
tros p+ss+r1o sem +tin¸i-l+.
Sistema: l+r+ eri¸ir um B+lu+rte, o jo¸+dor
precis+ f+:er um teste de Vi¸or ÷ C+sti¸o (difi-
culd+de do nível do Turbilh1o ÷3).O person+-
¸em precis+ ¸+st+r 1 ponto de l+thos p+r+ c+d+
nível do Turbilh1o +o qu+l estí resistindo, embor+
el+ poss+ estender su+ proteç1o + qu+lquer indivíduo
qu+ venh+ + toc+r.
¤ ]ersuudlr
Os indivíduos que conhecem est+ +rte possuem m+is con-
trole sobre su+s própri+s sombr+s do que + m+iori+ d+s +p+ri-
çöes. Ll+s s1o c+p+:es de dren+r o poder de su+s sombr+s
com um risco consider+velmente menor.
Sistema: Ao test+r C+rism+ ÷ C+sti¸o (dificuld+de 6)um+
+p+riç1o pode modific+r um número de d+dos de um+ som-
br+ que este escolheu p+r+ us+r em +l¸um+ +ç1o. Norm+l-
mente o ¸ui+ d+ sombr+ oferece +o jo¸+dor número fixo de
d+dos extr+s. l+r+ c+d+ dois sucessos obtidos com persu+s1o,
é permitido +o jo¸+dor +dicion+r ou subtr+ir um d+do.
Lmbor+ n1o h+j+ custo p+r+ o uso deste poder, ¸+nh+-se
1 ponto de An¸st c+d+ ve: que ele é us+do.
Custlgo
144
A
purlçño.
O

L
lmho
¤ ¤ Segredos Somhrlos
Ao ex+min+r + sombr+ de outr+ +p+riç1o,o lunidor pode
conhecer seus se¸redos sombrios. lsto nem sempre é fícil
porque + sombr+ só irí fornecer +o lunidor f+ls+s inform+-
çöes. Apen+s os indivíduos m+is perspic+:es s1o c+p+:es de
extr+ir +l¸um+ verd+de d+ sombr+; é cl+ro, qu+nto m+is fr+-
c+ + sombr+ m+is fícil é m+nipulí-l+.
Sistema: Ao ex+min+r cuid+dos+mente + sombr+ interi-
or de outr+ +p+riç1o e test+ndo lercepç1o ÷ C+sti¸o contr+
um+ dificuld+de equiv+lente + lorç+ de Vont+de do +lvo, o
lunidor poderí conhecer +l¸uns se¸redos sobre +quele per-
son+¸em. O jo¸+dor deste person+¸em (ou n+rr+dor) deve
responder um+ per¸unt+ por c+d+ sucesso obtido. Mei+s ver-
d+des e respost+s eni¸mític+s s1o permitid+s (+ sombr+ é
mestr+ d+ fr+ude). O person+¸em +lvo pode opt+r por su+
sombr+ resistir com um teste oposto de su+ An¸st.
C+d+ uso dest+ +rte cust+ 1 ponto de l+thos.
¤ ¤ ¤ ]urlllcur.
Atr+vés d+ forç+ de vont+de, o lunidor pode lent+ e cui-
d+dos+mente quebr+r o poder d+ sombr+ de outr+ +p+riç1o.
lsto é feito +tr+vés d+ destruiç1o d+ sombr+ de um+ m+neir+
escolhid+ pelo lunidor. C+d+ lunidor tem seus próprios
métodos pelos qu+is ele expuls+ + sombr+ dos outros. Lstes
métodos v+ri+m de sermöes +té fl+¸el+çöes.
Sistema: Qu+ndo us+ndo est+ +rte, o n+r+dor test+ C+-
rism+ ÷ C+sti¸o do person+¸em ( + dificuld+de é + cont+-
¸em de pontos de An¸st perm+nentes do indivíduo +lvo). (
O n+rr+dor estí ciente d+ cont+¸em de pontos perm+nentes
de An¸st do indivíduo +lvo). O indivíduo +lvo pode +jud+r
¸+st+ndo um ponto de forç+ de vont+de, +uxili+ndo o luni-
dor. O número de sucessos obtidos indic+m o tot+l de pon-
tos temporírios de An¸st que o indivíduo +lvo perde; ele
t+mbém sofre um nível de d+no de corpus p+r+ c+d+ ponto
removido dest+ m+neir+. O lunidor receberí um ponto tem-
porírio de An¸st p+r+ c+d+ "1" que ele obtiver no teste.
¤ ¤ ¤ ¤ Expulsur
Lxercendo su+ vont+de, um+ +p+riç1o pode expuls+r e
proibir + presenç+ de qu+isquer Lspectros n+s proximid+des
de su+ presenç+. Se + +p+riç1o estí dentro de um+ estrutur+,
isto imedi+t+mente torn+-se prote¸id+ contr+ Lspectros. Lst+
+rte removerí todos os Lspectros que estej+m infest+ndo +
íre+, bem como Lspectros escondidos. lor +l¸um+ r+:1o, est+
+rte n1o tem efeito em Doppel¸+n¸ers.
Sistema: O jo¸+dor test+ C+rism+ ÷ C+sti¸o (dificuld+-
de ¯). O número de sucessos indic+ o número de turnos que
+ proteç1o dur+. Se um Lspectro lí estí presente, um teste
deve ser feito contr+ seu An¸st p+r+ b+ní-lo. O Lspectro
pode resistir com um teste de An¸st.
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ Desullo
A +p+riç1o que possu+ este Mistério é c+p+: de enfrent+r
14¨
su+ própri+ sombr+, exercendo poder sobre el+. Sempre que
+ sombr+ tent+r +ssumir o controle, + +p+riç1o poderí tent+r
impedi-l+. Ll+ t+mbém pode tent+r f+:er o mesmo com +
sombr+ de outro indivíduo.
Sistema: Qu+ndo + sombr+ de um person+¸em tent+
tomí-lo, o jo¸+dor pode tent+r des+fi+r + sombr+ medi+nte
um teste de C+rism+ ÷ C+sti¸o. A dificuld+de equiv+le +o
nível de An¸st do person+¸em. C+d+ sucesso redu: + An¸st
do person+¸em em um ponto, e + sombr+ n1o pode f+:er um
teste resistindo. Se est+ +rte for us+d+ p+r+ des+fi+r + sombr+
de outr+ +p+riç1o, + dificuld+de equiv+lerí +o An¸st ÷ 3 do
indivíduo no momento.
Lm fr+c+sso som+ ponto + An¸st temporíri+ do person+-
¸em. Lm+ f+lh+ crític+ som+ um ponto + An¸st perm+nente
do person+¸em.
14o
A
purlçño.
O

L
lmho
Encurnur
||...a|| .s:a n·tam.n:.. Lma a|j|n.:aJa, naJa
ma|s. Mas um :·¡u. r.a|, um s.n:|m.n:·
t.rJaJ.|r·. í·.:|.·, na· .:
Lnc+rn+r é o poder de se m+nifest+r no
mundo físico. Lste é um conhecimento
proibido, n+ medid+ que o Códice de
Ch+ron proíbe + interferênci+ nos +ssun-
tos do mundo vivo. Aind+ +ssim, +s +p+riçöes us+m este Mis-
tério hí milh+res de +nos.
Comentírios +o n+rr+dor: lr d+s Re¸iöes sombri+s p+r+ o
mundo vivo é como s+ir de um deserto fétido e frio p+r+ um
lu¸+r de clim+ quente e +romítico. As mud+nç+s s1o super-
fici+is, m+s impression+ntes.
As +p+riçöes +prendem + Lnc+rn+r expondo su+s form+s
frí¸eis + um+ intens+ recepç1o sensori+l e concentr+ndo-se
ness+ recepç1o. Depois de +l¸um tempo, contudo, est+ re-
cepç1o n1o é m+is necessíri+. S1o exemplos desse tipo
de recepç1o sensori+l: olh+r p++r+ si mesmo num espe-
lho, concentr+r-se em +l¸o quente, frio, +¸udo ou duro;
ou ouvir um+ vo: muito b+ix+ ou muito +lt+.
Lnqu+nto um+ +p+riç1o estiver us+ndo um+ +rte
de Lnc+nt+r que + permit+ m+nifest+r-se físic+-
mente, el+ est+rí muito m+is suscetível + ser
ferid+. Qu+lquer d+no c+us+do + el+ é +plic+-
do como se tivesse sido recebido por um
mort+l. Atenç1o: um person+¸em M+teri-
+li:+do sofrerí pen+lid+des n+ l+r+d+ de
D+dos p+r+ os seus ferimentos. Consulte
V|:a||JaJ., n+ pí¸in+ 200.
lor exemplo, enqu+nto estiver correndo
pel+s Re¸iöes Sombri+s, um+ +p+riç1o ch+m+-
d+ J+son encontr+ um v+mpiro que estí ciente
de su+ presenç+. O v+mpiro s+c+ um+ pistol+ e
disp+r+ n+ direç1o +proxim+d+ de J+son. Com um
tiro de sorte, o v+mpiro +cert+-o. Como J+son estí
im+teri+l, ele sofre +pen+s um Nível de Corpus de d+no,
embor+ + b+l+ tenh+ +tr+vess+do seu peito (o v+mpiro
obteve cinco sucessos). Contudo, se J+son estivesse Ln-
c+rn+do, ele teri+ sofrido um+ eduç1o em seus Níveis de
Corpus equiv+lente + que um mort+l sofreri+ em seus Níveis
de Vit+lid+de.
As dificuld+des de todos os testes de Lnc+rn+r equiv+-
lem +o nível loc+l d+ Mort+lh+. Lnc+rn+r tem muito pouc+
utilid+de n+ Tempest+de.
Inspetores ÷ Encurcur
A Ouild+ dos lnspetores nunc+ fe: p+rte d+ Hier+rqui+,
embor+ est+ costum+sse usí-l+ +ntes que fosse dissolvid+ ofi-
ci+lmente. Os lnspetores oper+v+m no mundo vivo, re+li-
:+ndo +çöes complex+s que n1o poderi+m ser conse¸uid+s
com lnsultos ( embor+ muitos conhecessem t+mbém esse
Mistério). Lmbor+ proibidos pelo Códice de Ch+ron de in-
ter+¸irem com mort+is, eles freqüentemente i¸nor+v+m o Có-
dice e f+:i+m o que bem queri+m. Dur+nte +l¸um tempo, os
Centuriöes for+m desi¸n+dos p+r+ c+ç+r inspetores e subme-
tê-los + servid1o. +¸or+ + Hier+rqui+ tem problem+s m+iores
p+r+ se preocup+r, embor+ um+ tr+ns¸ress1o evidente +ind+
sej+ c+p+: de +tiç+r su+ fúri+.
L possível identific+r um lnspetor pel+s estr+nh+s m+n-
ch+s de lu: e escurid1o em seu corpo, re¸istros de su+s p+ss+-
¸ens pel+ Mort+lh+.
Slntonlu
Depois de se m+nifest+r de um+ determin+d+ form+ p+r+
um+ pesso+, + +p+riç1o pode investir lorç+ de Vont+de p+r+
cri+r um+ sintoni+ com ess+ pesso+. C+d+ ve: que + +p+ri-
ç1o conse¸uir m+nifest+r-se com sucesso, el+ poderí in-
vestir um ponto de lorç+ de Vont+de. lsto represent+
um processo de identific+ç1o com o Consorte. Qu+n-
to m+is um+ +p+riç1o tiver sido íntim+ de um indiví-
duo dur+nte su+ vid+, m+is fícil serí entr+r em sin-
toni+ com ess+ pesso+. Lntr+r em sintoni+ com
um estr+nho cust+ cinco pontos de lorç+ de
Vont+de. Lntr+r em sintoni+ com um +mi¸o
íntimo pode cust+r +pen+s dois ou três pon-
tos. Depois que + sintoni+ tiver sido est+be-
lecid+, tod+s +s dificuld+des enqu+nto +
+p+riç1o estiver enc+rn+ndo ness+ pesso+
(e +pen+s ness+ pesso+) ser1o redu:id+s em
três pontos. Além disso, n1o hí custo de l+-
thos enqu+nto se estiver us+ndo Lnc+rn+r p+r+
+p+recer p+r+ +quel+ pesso+.
O efeito col+ter+l disto é que +pen+s + pesso+
em sintoni+ pode ver e sentir + +p+riç1o - outros
mort+is podem pens+r que o indivíduo estí m+luco.
D+ mesm+ form+, um+ únic+ pesso+ que +credite n+
+p+riç1o pode lev+r os outros + +credit+rem, o que f+cili-
t+ + sintoni+ com ess+s pesso+s.
Huhllldudes Báslcus
Toque Iantasmagórico: A +p+riç1o pode toc+r levemen-
te o mundo m+teri+l, com + press1o +proxim+d+ de um dedo
sobre + tecl+ de um pi+no. A +p+riç1o precis+ concentr+r
tod+ + su+ +tenç1o p+r+ re+li:+r o m+is leve toque.
Sistema: l+r+ us+r est+ +rte, o person+¸em precis+ test+r
lorç+ ÷ Lnc+rn+r (+ dificuld+de é + d+ Mort+lh+ loc+l).
Manter a Iorma MateriaI: Lmbor+ est+ +rte conced+
h+bilid+des nov+s + +p+riç1o, el+ lhe permite m+nter um+
form+ Lnc+rn+d+ por um período de tempo m+is lon¸o.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r Vit+lid+de ÷ Lnc+rn+r
147
(dificuld+de ¯). C+d+ sucesso pode ser +crescent+do +o número
de sucessos jí obtidos p+r+ o poder Lnc+rn+r sendo us+do.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos p+r+ ser us+d+ e um
ponto de l+thos por sucesso obtido. C+so o jo¸+dor comet+
um+ f+lh+ crític+, o teste n1o +pen+s f+lh+, como t+mbém +
form+ Lnc+rn+d+ dissip+-se inst+nt+ne+mente.
¤ Sussurros
A +p+riç1o pode f+:er su+ vo: ser ouvid+ no mundo vivo.
A vo: d+ +p+riç1o n1o é m+is +lt+ que um sussurro. (N1o é
necessírio us+r este Mistério p+r+ f+l+r com cri+tur+s mí¸i-
c+s ou sobren+tur+is, +pen+s seres +fet+dos pel+ Mort+lh+.)
Sistema: O jo¸+dor test+ M+nipul+ç1o ÷ Lnc+rn+r. A
dificuld+de equiv+le +o nível loc+l d+ Mort+lh+. Lm+ fr+se
curt+ pode ser proferid+ + c+d+ sucesso obtido. Lm+ f+lh+
crític+ si¸nific+ que + +p+riç1o perdeu su+ vo: n+s Re¸iöes
Sombri+s por um+ cen+: el+ ficou pres+ n+ Mort+lh+ qu+ndo
+ projetou lí.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos p+r+ ser us+d+.
¤ ¤ ]untusmu
Lst+ +rte permite + um+ +p+riç1o m+nifest+r-se como um+
fi¸ur+ int+n¸ível e tr+nslúcid+. Ll+ p+rece est+r flutu+ndo +
+pen+s +l¸uns centímetros do ch1o, possuindo feiçöes li¸ei-
r+mente discerníveis.
Os mort+is que virem + +p+riç1o ir1o sentir-se intens+-
mente +medront+dos e +¸ir1o de +cordo. No momento que
+ +p+riç1o sumir, os mort+is começ+r1o + duvid+r do que
eles vir+m, e lo¸o r+cion+li:+r1o o f+to, concluindo que n1o
vir+m n+d+. (Vej+ - ßruma, pí¸in+ 205).
Sistema: O jo¸+dor deve test+r Ch+rism+ ÷ Lnc+rn+r (+
dificuld+de equiv+le +o nível loc+l d+ Mort+lh+). O número
de sucessos indic+ o número de turnos dur+nte os qu+is o
person+¸em poderí perm+necer m+nifest+do. Lm+ f+lh+ crí-
tic+ si¸nific+ que o person+¸em desm+teri+li:+-se imedi+t+-
mente e des+p+rece n+ Tempest+de.
O person+¸em pode t+mbém tent+r +ssust+r todos os mor-
t+is que o perceberem medi+nte um teste de M+nipul+ç1o ÷
Lnc+rn+r (+ dificuld+de equiv+le + lorç+ de Vont+de do +lvo).
Lste teste pode ser modific+do se o person+¸em usou Model+-
ç1o ou +l¸um outro Mistério p+r+ modific+r su+ +p+rênci+.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos p+r+ ser us+d+.
¤ ¤ ¤ Estátuu
Lst+ +rte permite + +p+riç1o torn+r-se sólid+ por um de-
termin+do período de tempo. Qu+ndo m+teri+li:+d+ dest+
form+, + +p+riç1o +ssume um+ form+ ide+li:+d+ de si mesm+.
Ll+ n1o pode se mover, f+l+r ou simul+r respir+ç1o. Ll+ pode
ser toc+d+, m+s su+ c+rne p+recerí fri+ e dur+, como mírmo-
re liso.
A +rte Lstítu+ costum+ ser us+d+ por indivíduos que
queir+m esconder-se em íre+s chei+s de pesso+s (os perse-
¸uidores que sej+m +p+riçöes ou espectros n+s Re¸iöes Sel-
v+¸ens costum+m n1o perceber um+ +p+riç1o em form+ de
148
A
purlçño.
O

L
lmho
Lstítu+ - por exemplo, enqu+nto est1o procur+ndo por um+
+p+riç1o, n1o rep+r+m no "mort+l" sent+do imóvel em fren-
te + um+ l+reir+).
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r Vi¸or ÷ Lnc+rn+r. A
dificuld+de equiv+le + Mort+lh+ loc+l. C+d+ sucesso no teste
indic+ qu+nt+s ve:es o person+¸em pode ser toc+do, ou qu+n-
t+s cen+s podem perm+necer m+nifest+d+s, o que +contecer
primeiro. Lm teste fr+c+ss+do result+ em um ponto temporí-
rio de An¸st + medid+ que + sep+r+ç1o do mundo físico fort+-
lece-se. Lm+ f+lh+ crític+ indic+ que um person+¸em se torn+
l+nt+sm+ por +l¸uns se¸undos, e em se¸uid+ des+p+rece. To-
dos os d+nos sofridos s1o c+lcul+dos como se + +p+riç1o fosse
mort+l (consulte o C·m.n:ar|· a· NarraJ·r, +cim+).
A +rte cust+ um ponto de l+thos p+r+ ser us+d+.
¤ ¤ ¤ ¤ Vldu em Morte
Qu+ndo est+ +rte for empre¸+d+, + +p+riç1o +ssume um+
form+ +bstr+t+ semelh+nte +o seu eu mort+l. A form+ d+
+p+riç1o é b+se+d+ em su+ memóri+ (+¸or+ um pouco v+¸+)
de su+ vid+ mort+l. A psiquê de um+ +p+riç1o tende + ide+-
li:+r su+ form+ +nterior, de modo que um+ +p+riç1o us+ndo
est+ form+ norm+lmente p+recerí m+is bonit+ do que er+ n+
vid+ re+l. Qu+ndo el+ se m+teri+li:+, é como um+ pesso+
+lter+d+, de c+belos ne¸ros (+ pele ne¸r+ exibe um tom +cin-
:ent+do; + pele br+nc+ p+rece mortiç+mente pílid+) - muito
semelh+nte + um Boneco de S+n¸ue ou um C+rniç+l.
Os ex+mes superfici+is n1o indic+r1o n+d+ err+do. Al¸uém
que tenh+ conhecido + +p+riç1o qu+ndo el+ er+ viv+ not+rí
um+ +p+rênci+ li¸eir+mente +lter+d+. As pesso+s poder1o no-
t+r que +s m1os d+ +p+riç1o s1o fri+s e que el+ sempre p+rece
sonh+dor+ e dist+nte - isto é porque + +p+riç1o precis+ est+r
const+ntemente concentr+d+ p+r+ m+nter est+ form+.
Sistema: O jo¸+dor deve test+r M+nipul+ç1o ÷ Lnc+r-
n+r p+r+ +ssumir est+ form+. O número de sucessos indic+ o
número de cen+s que o person+¸em poderí m+nter-se m+ni-
fest+do. Lst+ +rte é utili:ível +pen+s se o person+¸em estiver
+ssumindo um+ form+ hum+n+ - se ele tiver sido Mold+do
em +l¸um+ cois+ monstruos+, est+ +rte n1o funcion+rí. Se o
jo¸+dor quiser, o person+¸em poderí substituir su+ cont+-
¸em de M+nipul+ç1o por Ap+rênci+ enqu+nto estiver nest+
form+. Lnqu+nto estiver nest+ form+, o person+¸em recebe-
rí d+nos como se fosse um mort+l (vej+ C·m.n:ar|· a· Nar-
raJ·r, +cim+).
Lm+ f+lh+ crític+ lev+ o person+¸em + c+ir direto n+
Tempest+de.
Lm+ f+lh+ crític+ c+us+rí +o person+¸em um breve l+m-
pejo como f+nt+sm+ e su+ des+p+riç1o; ele ¸+nh+ um +ponto
de An¸st.
Lst+ +rte cust+ dois pontos de l+thos.
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ Muterlullzur
Atr+vés do uso dest+ +rte, um+ +p+riç1o pode +ssumir
um est+do próximo +o hum+no. Tudo nel+ +p+rent+ ser hu-
m+no: el+ pode respir+r, su+ pele é quente e el+ s+n¸r+rí se
for ferid+. Muit+s +p+riçöes s1o qu+se esm+¸+d+s pel+s sen-
s+çöes do uso deste poder pel+ primeir+ ve:, princip+lmente
se est+v+m mort+s jí hí muito tempo.
Lnqu+nto nest+ form+, um+ +p+riç1o pode f+:er qu+l-
quer cois+ que el+ poderi+ f:er enqu+nto est+v+ viv+ - +s
únic+s desv+nt+¸ens deste poder s1o o tempo limit+do e +
imens+ qu+ntid+de de concentr+ç1o e l+thos p+r+ m+nter
est+ form+.
Sistema: O jo¸+dor deve test+r M+nipul+ç1o ÷ Lnc+r-
n+r p+r+ +ssumir est+ form+. A dificuld+de do teste equiv+le
+ Mort+lh+ loc+l.
Se o person+¸em estí em sintoni+ com um+ pesso+ obser-
v+ndo-o, el+ pode m+nifest+r-se por um+ hor+ por c+d+ suces-
so obtido.De outr+ form+, c+d+ sucesso permitirí + +p+riç1o
existir pelo período de um+ respir+ç1o. Dur+nte este momen-
to, el+ poderí f+l+r ou mover-se ou beij+r ou +br+ç+r ou +t+-
c+r. Assumindo est+ form+ torn+r + +p+riç1o sujeit+ + d+nos
como se fosse mort+l. ( Ver comentírio +o n+rr+dor, +cim+).
Lm+ f+lh+ crític+ lev+ o person+¸em + c+ir direto n+
Tempest+de.
Lste person+¸em precis+ ¸+st+r 3 pontos de l+thos e 1
ponto de lorç+ de Vont+de p+r+ +plic+r est+ +rte.
149
]utullsmo
específico. As pesso+s com ¸r+ndes destinos ou +queles p+r+
+s qu+is o destino reserv+ um p+pel especi+l p+recem "bri-
lh+r" um pouquinho m+is que +s pesso+s com destinos me-
nos ¸r+ndiosos. L fícil +pont+r ess+s pesso+s num+ multid1o.
Sistema: Atr+vés de um teste de lercepç1o ÷ l+t+lismo
(dificuld+de 6), um+ +p+riç1o pode sentir se qu+lquer cois+
é m+is ou menos import+nte que o "esquem+ ¸er+l d+s coi-
s+s". Lm termos de jo¸o, est+ +rte permite + um person+¸em
sep+r+r os person+¸ens do N+rr+dor dos person+¸ens dos jo-
¸+dores num+ determin+d+ cen+.
¤ Vlsño ]utul
A +p+riç1o pode ler +s m+rc+s d+ morte de um+ pesso+.
Lss+s m+rc+s, port+d+s por +p+riçöes e mort+is prestes + mor-
rer, di:em +l¸um+ cois+ sobre como esse indivíduo morreu
ou estí f+d+do + morrer. As M+rc+s d+ Morte ¸er+lmente
+p+recem m+is cedo em pesso+s que estej+m f+d+d+s +
morrer de form+s trí¸ic+s.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r lercepç1o ÷ l+t+-
lismo (+ dificuld+de equiv+le + lorç+ de Vont+de
do indivíduo). Se est+ h+bilid+de for us+d+ +ntes
de um uso de lnterpret+ç1o (vej+ +b+ixo), c+d+
sucesso +crescent+ um ponto qu+ndo estiver
us+ndo est+ +rte. A Vis1o l+t+l t+mbém indi-
c+ se o +lvo foi submetido +o l+t+lismo no
p+ss+do.
Lm+ f+lh+ crític+ indic+ que o perso-
n+¸em leu incorret+mente +s m+rc+s d+
morte do indivíduo.
¤ ¤ Sentlr ]erlgo
Neste ponto + +p+riç1o tornou-se t1o sintoni-
:+d+ com +s tei+s do destino que pode sentir vibr+-
çöes leves +o lon¸o dos fios, dest+ form+ percebendo
sin+is de peri¸o iminente.
Sistema: Sempre que o person+¸em estiver em peri-
¸o iminente, o N+rr+dor pode f+:er um teste de lercep-
ç1o ÷ l+t+lismo (dificuld+de 6). Lst+ dificuld+de pode ser
+ument+d+ ou +b+ix+d+ dependendo d+ n+ture:+ do peri¸o.
C+d+ sucesso +ument+ + qu+ntid+de de premoniçöes recebi-
d+s pelo person+¸em - ¸er+lmente um turno por sucesso.
¤ ¤ ¤ Interpretuçño
Atr+vés de víri+s form+s de +divinh+ç1o (despojos, c+r-
t+s de T+ro, l Chin¸, +strolo¸i+ ou pêndulos de crist+l), o
l+t+list+ pode interpret+r o destino de um+ pesso+ ou desco-
brir +l¸um+ cois+ sobre seu p+ss+do. Lst+ +rte pode ser tent+-
d+ sem o uso de qu+lquer tipo de equip+mento, m+s isso é
consider+do m+is difícil, sendo ¸er+lmente tent+do +pen+s
por um mestre ou dur+nte +s situ+çöes m+is difíceis.
Ls:. . · D·|s J. Cran|·s, s|¸n|j|.anJ· |n-
J..|sa·. lnt.r:|J·, .|. su¸.r. uma .s.·||a
¡u. t·.. j.z .m t|Ja mas Ja ¡ua| a¸·ra s.
arr.j.nJ.. N· |aJ· .·n:rar|· sa|u · C|n.·
J. Òss·s, ¡u. s|m|·||za a man|ju|a¸a· a:ra-
t.s J· j·J.r r.|.|J.. Ta|t.z t·.. .s:.¡a s.n-
J· |nj|u.n.|aJ· j.|·s n.n.¸aJ·s, |.|n: TuJ·
|.m, · s.u s.¸r.J· .s:a s.¸ur· .·m|¸·. -|. Ò M·num.n:·. Mu|:·
|n:.r.ssan:. - :uJ· s. J.s|n:.¸ra a sua t·|:a a m.J|Ja ¡u. ·
M·num.n:· .a|...
As +p+riçöes us+m este Mistério p+r+ sentir e ler + m+rc+
do destino em um+ +lm+. Cl+ro, como tod+s +s +p+riçöes
+ind+ n1o encontr+r+m o fim, seu destino +ind+ n1o foi de-
cidido. Aind+ +ssim, um+ +p+riç1o pode us+r l+t+lismo p+r+
espi+r no p+ss+do de outr+ +p+riç1o ou vislumbr+r o (possí-
vel) futuro.
Ao contrírio d+ crenç+ popul+r, o l+t+lismo re+lmente
funcion+ muito bem n+s Re¸iöes Sombri+s.
Comentários ao Narrador: As +rtes do l+t+lismo
podem, sob muitos +spectos, est+r entre os Mistérios
m+is poderosos. L preciso tom+r muito cuid+do p+r+
n1o +bus+r deste Mistério. Lss+s +rtes j+m+is de-
ver1o ser us+d+ frivol+mente. lid+r com o Des-
tino pode ser um+ cois+ peri¸os+, e + +p+riç1o
que +bus+r dest+ +rte poderí ver-se perm+-
nentemente enred+d+ n+s m+lh+s do desti-
no.
Oráculos ÷ ]utullsmo
Os s+cerdotes do Orículo costum+m ser
encontr+dos vi+j+ndo com ¸rupos de S+ndmen,
B+rdos +té mesmo de Lstr+nhos, porque eles se
sentem m+is se¸uros qu+ndo em ¸rupo. Lles n1o
divul¸+m su+ profiss1o; pelo contrírio, eles esper+m
que os outros venh+m +té eles. Lles n1o d1o conse-
lhos + quem n1o pede.
A Ouild+ d+s S+cerdotis+s do Orículo jí foi c+ç+d+
univers+lmente pel+ Hier+rqui+ porque + Alt+ S+cerdotis+
do Orículo, Seren+, disse + Ch+ron que ele est+v+ f+d+do +
ser destruído n+ Tempest+de. Contudo, desde que Ch+ron
des+p+receu, + Hier+rqui+ interrompeu su+ perse¸uiç1o +os
Orículos. Acredit+-se que, muitos +nos +trís, +s s+cerdotis+s
do Orículo servi+m diret+mente + D+m+ do Destino.
Lm+ s+cerdotis+ do orículo pode ser identific+d+ por seu
vestido br+nco e + tendênci+ + m+rc+r + test+ e os br+ços
com símbolos de destino.
Huhllldudes Báslcus
Kismet: Lst+ +rte permite + um+ +p+riç1o perceber o
p+pel do destino em rel+ç1o + um+ situ+ç1o ou indivíduo
1¨u
A
purlçño.
O

L
lmho
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r M+nipul+ç1o ÷ l+t+lis-
mo (+ dificuld+de é equiv+lente + lorç+ de Vont+de do indi-
víduo). T+nto o l+t+list+ qu+nto o indivíduo-+lvo precis+m
¸+st+r lorç+ de Vont+de no teste. l+r+ c+d+ sucesso obtido, o
person+¸em pode f+:er um+ per¸unt+ curt+ sobre o destino do
indivíduo-+lvo. Tent+r lnterpret+r sem o uso de ferr+ment+s
de +divinh+ç1o +ument+ + dificuld+de em dois pontos.
Lst+ +rte cust+ dois pontos de l+thos.
¤ ¤ ¤ ¤ Medldu de Láquesls
Lm+ +p+riç1o que tenh+ domin+do est+ +rte pode sentir
como os fios do destino d+s +p+riçöes +o seu redor inter+¸em
e se entrel+ç+m, p+r+ onde eles deveri+m ir, e p+r+ onde
est1o indo. Lm+ Medid+ de líquesis concede + +p+riç1o
um+ noç1o objetiv+ de su+ situ+ç1o, t+lve: mud+ndo + for-
m+ como el+ vê +s cois+s.
Sistema: O jo¸+dor us+ndo est+ +rte deve test+r lercep-
ç1o ÷ l+t+lismo (dificuld+de 6). O número de sucessos in-
dic+ + qu+ntid+de de inform+ç1o que o N+rr+dor irí conce-
der. O N+rr+dor pode us+r est+ +rte p+r+ reforç+r inform+-
çöes que tenh+m sido i¸nor+d+s pelo jo¸+dor ou d+r dic+s
que orientem o futuro curso de +ç1o do person+¸em.
O uso dest+ +rte cust+ dois pontos de l+thos.
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ Sorte
Lm+ +p+riç1o com este nível de l+t+lismo começou +
m+nipul+r o destino, m+s +pen+s em pequen+ esc+l+. O des-
tino p+rece sorrir +o person+¸em, e tudo que ele f+: p+rece
muito m+is +uspicioso.
Sistema: No começo de c+d+ históri+, o person+¸em pode
test+r R+ciocínio ÷ l+t+lismo (dificuld+de 6). O número de
sucessos equiv+le +o número de "1s" (f+lh+s crític+s poten-
ci+is) que o jo¸+dor poderí i¸nor+r dur+nte + históri+. lsto,
contudo, n1o se +plic+ + les+delos (vej+ +s págs. 184-191).
Lst+ +rte pode ser us+d+ um+ ve: por históri+.
Cust+ um ponto de lorç+ de Vont+de +tiv+r Sorte.
1¨1
Huhltur
Duran:. m|n|a t|Ja, nun.a ||¸u.| jara as
j.ss·as. M|n|a ja|xa· .ram as ma¡u|nas.
Ln¸r.na¸.ns, .|r.u|:·s ., ma|s :arJ., m|.r·-
jr·..ssaJ·r.s. .ss.s .ram m.us :.s·ur·s,
m|n|as ·|ras J. ar:. jat·r|:as. -¸·ra .u
s.| .·m· . t·ar a:rat.s J·s j|·s, s.n:|r m.us
jn.us ¡u.|manJ· · asja|:·, man:.r-m. j|r-
m. .n¡uan:· · t.n:· a¸·|:a m.us :|¡·|·s...
Lst+ +rte permite + +p+riç1o h+bit+r um objeto, estenden-
do seu Corpus p+r+ cobrir c+d+ ítomo deste. Com o tempo, +
+p+riç1o pode entr+r em sintoni+ com um objeto e est+r +pt+
+ +nimí-lo. Se + +p+riç1o h+bit+r um objeto e ele for destruí-
do, esse objeto imedi+t+mente se torn+rí um despojo.
Lm+ +p+riç1o com este Mistério pode +tribuir seu poder
e conhecimento + um objeto h+bit+ndo-o, imbuindo-o com
Mistérios e ¸+st+ndo Corpus e lorç+ de Vont+de p+r+ m+n-
ter o poder neste lu¸+r, embor+ poss+ ser preciso muito
tempo p+r+ conse¸uir isso.
Comentários ao Narrador: Tod+s +s dificuld+des
nest+ seç1o s1o b+se+d+s no nível loc+l d+ Mort+lh+,
+ n1o ser que sej+ mencion+d+ outr+ cois+.
Artlllces ÷ Huhltur
A Ouild+ dos Artífices er+ um+ d+s m+is ri-
c+s em Lstí¸i+: isto se devi+ +o f+to de seus
membros serem p+¸os p+r+ forj+r +rm+s estí-
¸i+s, f+:er despojos e cri+r +rtef+tos estí¸ios.
Nhudri, o Artífice Mor, foi o primeiro mem-
bro dest+ ¸uild+. Desde o tempo d+s ¸uild+s,
os Mistérios dos Artífices começ+r+m + ser res-
tritos +s Re¸iöes Sombri+s. Lm muit+s íre+s, é
ile¸+l ensin+r H+bit+r. A¸or+ os +rtífices s1o vis-
tos como funileiros e mecìnicos, n1o como os ¸r+n-
des inventores de +nt+nho.
lode-se identific+r um Artífice pel+s m+rc+s +ver-
melh+d+s de c+lor em seu corpo ( por seu tr+b+lho n+s
forj+s d+s +lm+s).
Huhllldudes Báslcus
Sentir CremIin: "Oremlin" é um termo us+do p+r+ des-
crever +p+riçöes que h+bitem míquin+s. Medi+nte um ex+me
criterioso de um objeto ou míquin+, um+ +p+riç1o pode de-
termin+r se el+ estí sendo h+bit+d+ por um+ outr+ +p+riç1o.
Sistema: O jo¸+dor deve test+r lercepç1o ÷ H+bit+r
(dificuld+de 6). L necessírio +pen+s um sucesso p+r+ deter-
min+r se +l¸um+ cois+ estí h+bit+ndo um+ míquin+, embor+
poss+m ser necessírios m+is p+r+ determin+r + n+ture:+ ex+-
t+ d+ cri+tur+ (e número, se for m+is de um+). Com três
sucessos ou m+is, + +p+riç1o pode sentir se um+ míquin+ foi
h+bit+d+ no p+ss+do recente.
¤ Sohrecurregur
Ls+ndo est+ +rte um+ +p+riç1o pode cri+r um curto tem-
porírio em circuitos eletronicos, dest+ form+ cort+ndo tem-
por+ri+mente + ener¸i+ diri¸id+ + um dispositivo eletronico.
A +p+riç1o pode, dur+nte um breve esp+ço de tempo, intro-
du:ir + m1o no interior d+ míquin+, dest+ form+ interrom-
pendo o fluxo de elétrons. lsto pode d+nific+r perm+nente-
mente certos +p+relhos eletronicos, como comput+dores,
especi+lmente se ele n1o forem equip+dos com protetores
de sobrec+r¸+.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r R+ciocínio ÷ H+bit+r
(+ dificuld+de é o nível loc+l d+ Mort+lh+). O número de
sucessos equiv+le +o número de cois+s que poss+m ser +fet+-
d+s imedi+t+mente.
¤ ¤ ]ercorrer u Estrudu dos Eletrons
lntrodu:indo-se em fios e possuindo elétrons, um+ +p+-
riç1o pode mover-se + um+ velocid+de próxim+ + d+
lu: +tr+vés de redes intern+cion+is de comunic+çöes
e s+télites de comput+dor. Dentro d+ Lstr+d+ de Llé-
trons, tudo possui + +p+rênci+ de túneis, b+rreir+s
e port+is de lu:. Obvi+mente, + +p+riç1o precis+
p+ss+r por ess+s b+rreir+s, filtros e port+is +ntes
de poder introdu:ir-se no mundo dos sistem+s
de comput+ç1o.
Sistema: O jo¸+dor test+ lnteli¸ênci+
÷ H+bit+r (+ dificuld+de é o nível loc+l d+
Mort+lh+). Lm+ ve: que o person+¸em se
encontre n+ Lstr+d+ de Llétrons, ele precis+
test+r lnteli¸ênci+ ÷ Comput+ç1o p+r+ encon-
tr+r seu c+minho. lsto deverí ser um+ +ç1o es-
tendid+, dependendo de +té que distìnci+ o per-
son+¸em queir+ vi+j+r. lodem ser requeridos testes
+dicion+is se o person+¸em estiver tent+ndo +cess+r
inform+çöes num sistem+ de comput+ç1o de se¸ur+n-
ç+ míxim+. Depois que o person+¸em estiver n+ Lstr+-
d+, tod+s +s dificuld+des ser1o est+belecid+s pelo N+rr+-
dor.
A +p+riç1o t+mbém pode comunic+r-se com qu+lquer in-
divíduo que estej+ ·n ||n., ou com outr+s +p+riçöes H+bit+ndo
um comput+dor, b+st+ndo p+r+ isso test+r M+nipul+ç1o ÷
Comput+dor. A dificuld+de é b+se+d+ no qu+nto +s p+rtes
comunic+ntes est1o dist+ntes um+ d+ outr+: + se eles estive-
rem num+ rede loc+l, 6 se estiverem num nodo li¸+ndo um+
pont+ do p+ís + outr+, ou o em c+so de comunic+ç1o inter-
continent+l. A comunic+ç1o pode ser m+ntid+ indefinid+men-
te, n1o sendo +fet+d+ pel+ Mort+lh+, porque o usuírio pens+-
rí que + +p+riç1o é um mort+l di¸it+ndo do outro l+do.
Tod+s +s +p+riçöes sem Conhecimento em Comput+ç1o
1¨2
A
purlçño.
O

L
lmho
ir1o consider+r est+ +rte extrem+mente des+¸r+dível de ser
us+d+ - embor+ pr+tic+mente qu+lquer pesso+ poss+ en-
contr+r seu c+minho +tr+vés do sistem+ telefonico. N+ve¸+r
+tr+vés do sistem+ telefonico requer testes simples de R+cio-
cínio ÷ lrontid1o (dificuld+de 5).
Lst+ +rte cust+ dois pontos l+thos p+r+ ser us+d+, m+is
um ponto de l+thos por +p+riç1o +dicion+l tr+nsport+d+.
¤ ¤ ¤ Gremllnlzur
Lst+ +rte permite + um+ +p+riç1o possuir míquin+s e f+:ê-
l+s obedecer + su+ vont+de. l+r+ obter controle completo
sobre um+ míquin+, + +p+riç1o precis+ primeiro sintoni:+r-
se com el+. Se + +p+riç1o n1o estiver sintoni:+d+, el+ poderí
c+us+r +pen+s efeitos menores, como li¸+r ou desli¸+r - +
+p+riç1o n1o exerce controle re+l.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r Destre:+ ÷ H+bit+r (+
dificuld+de é o nível loc+l d+ Mort+lh+). L possível c+us+r
efeitos menores com este teste, m+s p+r+ exercer qu+lquer
controle verd+deiro, + +p+riç1o precis+ us+r h+bilid+des +pro-
pri+d+s (como Condu:ir) p+r+ f+:er + míquin+ obedecer +s
su+s ordens. C+d+ efeito individu+l precis+ ser test+do sep+-
r+d+mente, + n1o ser que o objeto estej+ sintoni:+do com +
+p+riç1o.
Cust+ três pontos de l+thos p+r+ o person+¸em H+bit+r
um+ peç+ de m+quin+ri+, m+is um ponto de l+thos por efei-
to invoc+do.
¤ ¤ ¤ ¤ Clumur
Lst+ +rte permite + +p+riç1o h+bit+r um objeto e m+rcí-lo
como seu dur+nte um+ cen+. Lnqu+nto + +p+riç1o Cl+m+r
um objeto, seus sentidos ser1o t1o norm+is qu+nto s1o no
mundo re+l - m+s eles s1o esp+lh+dos pelo objeto inteiro
Cl+m+do pel+ +p+riç1o. Assim, um+ +p+riç1o Cl+m+ndo um+
c+s+ pode ver, ouvir e sentir tudo que ocorre dentro del+, +
el+, e em torno del+. Lnqu+nto estiver Cl+m+ndo um objeto,
+ +p+riç1o poderí exercer um leve controle sobre ele.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r lorç+ ÷ H+bit+r (+
dificuld+de é o nível loc+l d+ Mort+lh+). O número de su-
cessos indic+ o t+m+nho míximo do objeto que pode ser
Cl+m+do. L preciso +pen+s um sucesso p+r+ um objeto pe-
queno como um telefone, enqu+nto cinco sucessos s1o ne-
cessírios p+r+ Cl+m+r um+ c+s+.
Se o objeto for destruído enqu+nto + +p+riç1o o estiver
Cl+m+ndo, el+ poderí ¸+st+r lorç+ de Vont+de e Corpus p+r+
reformí-lo como um despojo. l+r+ Cl+m+r o objeto, é preciso
¸+st+r um ponto de lorç+ de Vont+de e um de Corpus.
Lst+ +rte cust+ dois pontos de l+thos p+r+ ser us+d+.
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ Energlzur
Lst+ +rte permite que um+ +p+riç1o +tribu+ um de seus
Mistérios + um despojo, dest+ form+ torn+ndo esse Mistério
+cessível + outros indivíduos. lsto ¸er+ um+ form+ de +rtef+-
to público. Oer+lmente, o despojo us+do precis+ possuir um+
form+ +propri+d+ +o tipo de Mistério que lhe foi +tribuído.
1¨3
lor exemplo, n1o é possível investir lnsulto + um ursinho de
pelúci+.
Sistema: l+r+ Lner¸i:+r um despojo, o jo¸+dor deve test+r
R+ciocínio ÷ H+bit+r. A dificuld+de é equiv+lente +o nível
loc+l d+ Mort+lh+: devido + isto, + m+iori+ d+s +p+riçöes esco-
lhe ir +té seus lu¸+res Assombr+dos p+r+ us+r est+ +rte. O
número de sucessos indic+ o nível m+is +lto de Mistério que
pode ser investido no despojo. Lm se¸uid+, + +p+riç1o precis+
"us+r" o Mistério enqu+nto estiver concentr+ndo su+ forç+ de
vont+de no despojo. L preciso ser bem-sucedido num teste
us+ndo qu+lquer l+thos +propri+do, embor+ nenhum efeito
dur+douro venh+ + ocorrer por c+us+ disso. Neste ponto, o
Mistério estí imbuído no despojo. Lm se¸uid+ o person+¸em
+b+stece o despojo com l+thos. O número míximo de l+thos
que pode ser ¸+sto equiv+le +o número inici+l de sucessos
obtidos. O person+¸em precis+ escolher que "+ç1o de +tiv+-
ç1o" - um+ fr+se proferid+, um ¸esto, etc., é preciso p+r+
liber+r + +rte dentro do +rtef+to. lin+lmente, + +p+riç1o "sel+"
o +rtef+to com três pontos de l+thos.
Assim, é cri+do um +rtef+to +cessível. O +rtef+to ¸+st+rí
um de seus pontos de l+thos c+d+ ve: que for us+do (e o
usuírio t+mbém precis+ p+¸+r o preço +dequ+do p+r+ c+d+
uso, estej+ ¸+nh+ndo An¸st ou ¸+st+ndo l+thos). Depois que
todos os pontos de l+thos investidos no +rtef+to tiverem sido
¸+stos, o objeto Lner¸i:+do volt+rí + ser um despojo norm+l.
ExempIo: Alex, que conhece Ar¸os + um nível 3, quer
coloc+r + +rte de lisc+r num despojo com um +pito de polí-
ci+ que ele possui. Lle v+i +té o seu lu¸+r Assombr+do e
h+bit+ o objeto com + intenç1o de Lner¸i:í-lo. Seu jo¸+dor
test+ R+ciocíno ÷ H+bit+r (sete d+dos p+r+ Alex) contr+
um+ dificuld+de de 5 (+ Mort+lh+ loc+l), e conse¸ue qu+tro
sucessos: o despojo estí cheio com poder de lisc+r. Depois
de foc+li:+r seu poder de lisc+r no +ssobio, Alex investe cin-
co pontos de l+thos,(si¸nific+ndo que o poder pode ser us+-
do cinco ve:es). lin+lmente, ele decide que o +ssobio preci-
s+ ser +ssopr+do p+r+ ser us+do. Lle investe m+is três pontos
de l+thos no +ssobio, dest+ form+ sel+ndo-o.
A¸or+, Alex dí o +ssobio + Wendy, que poderí usí-lo
+ssopr+ndo-o. Devido +o Ar¸os de nível 3 de Alex est+r "den-
tro" do +ssobio, o jo¸+dor de Wendy precis+ test+r Destre:+
÷ Ar¸os do +ssobio. Ll+ deve ¸+st+r um ponto de l+thos
p+r+ us+r + +rte, e um+ d+s "c+r¸+s" dentro do +rtef+to é
¸+st+, dest+ form+ deix+ndo-o com três c+r¸+s.
Os objetos cri+dos dest+ form+ n1o podem ser "rec+rre-
¸+dos", m+s podem ser refeitos us+ndo novos despojos. Aten-
ç1o: n1o existe form+ conhecid+ de torn+r um despojo um
+rtef+to "perm+nente" +tr+vés do uso dest+ +rte.
1¨4
A
purlçño.
O

L
lmho
uJ· a sua t·|:a r.t.r|.ra as .an¸¨.s J·s
m·r:·s. V·.. as ·ut. ..·anJ· .m ¸ranJ.s
.a:.Jra|s n·s auJ|:´r|·s .s.ur·s, n· s.u jr´-
jr|· s·n·. TuJ· a sua t·|:a .m|:. as .an-
¸¨.s J·s m·r:·s. ·usa na· ·ut|r: Ls.u:. ·
¡u. :.m s|J· .an:aJ· J.sJ. a m·r:. J.|.s.
O Mistério l+múri+ permite +s +p+ri-
çöes infect+rem outr+s com emoçöes profund+s. Lmbor+ +s
c+nçöes sej+m +pen+s c+nçöes, l+múri+ permite que os sen-
timentos n+s c+nçöes de seus pr+tic+ntes v+:em pel+ Mort+-
lh+ e +fetem os vivos. Ll+s t+mbém exercem um efeito con-
siderível entre os mortos.
N1o é necessírio c+nt+r ou toc+r músic+ p+r+ utili:+r
este Mistério: embor+ o Mistério sej+ ensin+do +tr+vés de
c+nçöes, ele pode ser tr+nsmitido por qu+lquer número de
métodos. Se um+ +p+riç1o quiser, poderí tent+r tecer seu
l+múri+ em p+l+vr+s f+l+d+s ou movimentos de d+nç+,
embor+ +s dificuld+des de todos os testes de l+múri+
sej+m +ument+d+s em um ponto.
Comentários ao Narrador: Os sentimentos des-
pert+dos n+s vítim+s de l+múri+ s1o cri+dos +rtifici-
+lmente. As +p+riçöes podem obter l+thos com
esses sentimentos, m+s + dificuld+de p+r+ o teste
de l+ix1o é 9. lev+r um mort+l + sentir um+
emoç1o que poss+ em se¸uid+ c+us+r + mesm+
emoç1o em outros mort+is pode permitir +
um+ +p+riç1o ¸+nh+r l+thos +dicion+l.
lermit+ que + músic+ +fete + form+
como você condu: o seu jo¸o. Você pode
querer permitir +os jo¸+dores com l+múri+
+cesso + um +p+relho de CD, de modo que eles
poss+m toc+r músic+s +propri+d+s +o tipo de
emoçöes que est1o irr+di+ndo.
Burdos ÷ Lumurlu
Hí muito tempo os B+rdos cri+m músic+ p+r+ os
mortos. Lles estiver+m entre +s primeir+s +p+riçöes + tr+-
:er + músic+ p+r+ o Mundo lnferior, o que os torn+ muito
or¸ulhosos e +rro¸+ntes. Até mesmo qu+ndo for+m dissol-
vidos, os B+rdos conse¸uir+m m+nter um+ influênci+ consi-
derível em Lstí¸i+ - isto porque os nobres estí¸ios f+:i+m
qu+lquer cois+ por divers1o, e por +l¸um tempo os B+rdos
for+m consider+dos o único entretenimento +ceitível.
Todos os B+rdos toc+m um instrumento music+l. Mes-
mo se um B+rdo execut+r um+ c+pel+, ele +ind+ empre¸+rí
+l¸um tipo de ¸er+dor de ruído: um t+mborim, címb+los de
dedo ou p+lhet+s de t+mbor.
Huhllldudes Báslcus
Bom Ouvido: Bom Ouvido é + c+p+cid+de de sentir
qu+ndo +l¸um+ outr+ +p+riç1o estí us+ndo l+múri+ p+r+
influenci+r ou m+nipul+r emoçöes.
Sistema: O teste é percepç1o ÷ l+múri+ (dificuld+de
6). Lle pode ser resistido com + h+bilid+de S·::· V·...
5JJ 8?A: Lst+ h+bilid+de permite + um+ +p+riç1o ocul-
t+r + presenç+ de l+múri+ num+ convers+ ou c+nç1o norm+l.
Sistema: O teste é M+nipul+ç1o ÷ l+múri+ (dificuld+de
6). Lle pode ser resistido com + h+bilid+de Bom Ouvido.
Se +l¸uém com Bom Ouvido estiver tent+ndo deter l+-
múri+ c+us+do por +l¸uém com S·::· V·.., comp+re os dois
testes; ¸+nh+ +quele que obtiver m+is sucessos.
¤ Hlno ]unehre
Lst+ h+bilid+de permite + um+ +p+riç1o +mpli+r ou pro-
voc+r sentimentos "sombrios" nos ouvintes: desejo, medo,
r+iv+, ódio, desespero, frustr+ç1o ou cinismo. Muit+s +p+-
riçöes us+m Hino lúnebre como um+ form+ de repelir os
mort+is de seus lu¸+res Assombr+dos.
Sistema: O teste é C+rism+ ÷ l+múri+ (dificuld+de
o). O número de sucessos determin+ + profundid+de
e + dur+ç1o do sentimento: cinco sucessos s1o sufi-
cientes p+r+ c+us+r um sentimento que dure um+
sem+n+ inteir+.
As +p+riçöes n1o s1o +fet+d+s por est+ +rte,
como ocorre com os mort+is, porque Hino lú-
nebre se b+sei+ no conhecimento d+ morte e
seus sentimentos. l+r+ +s +p+riçöes, o nú-
mero de sucessos indic+ dur+nte qu+ntos
turnos el+s sentir1o um+ emoç1o específic+.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos.
¤ ¤ Buludu
Lst+ +rte permite + um+ +p+riç1o inspir+r emo-
çöes "m+is leves": +mor, +feiç1o, fé, confi+nç+, ins-
pir+ç1o, entusi+smo, +le¸ri+ e le+ld+de. Muit+s +p+ri-
çöes us+m est+ +rte p+r+ prote¸er seus Orilhöes e influ-
enci+r outr+s +p+riçöes + obedecerem + su+ vont+de.
Sistema: O teste é M+nipul+ç1o ÷ l+múri+ (dificuld+de
o). O número de sucessos determin+ + profundid+de e + du-
r+ç1o do sentimento: cinco sucessos s1o suficientes p+r+ c+u-
s+r um sentimento que dure um+ sem+n+ inteir+.
Com +p+riçöes, que n1o s1o t1o fíceis de serem control+d+s
qu+nto os mort+is, os sucessos equiv+lem +o número de turnos
que + +p+riç1o sente + emoç1o. Muit+s +p+riçöes procur+m por
B+rdos p+r+ sentirem nov+mente emoçöes terren+s.
Lst+ +rte cust+ dois pontos de l+thos.
¤ ¤ ¤ Musu
Lst+ +rte permite + um+ +p+riç1o inspir+r +l¸uém + +cre-
dit+r num+ idéi+ su+. Muitos ex-músicos ¸ost+m de visit+r
Lumurlu
1¨¨
músicos vivos e influenci+r seus estilos de músic+, embor+
est+ +rte costume ser us+d+ de form+ m+is diret+, como um+
form+ de m+nipul+r outr+s +p+riçöes.
Sistema: Teste M+nipul+ç1o ÷ l+múri+ (dificuld+de ¯
ou + lorç+ de Vont+de do indivíduo-+lvo, o que for m+ior). O
número de sucessos no teste indic+ o qu1o fielmente o indiví-
duo-+lvo se¸ue + su¸est1o: três pontos ou menos indic+m que
ele entende o essenci+l, m+s coloc+ su+ própri+ influênci+ n+
obr+; qu+tro sucessos indic+m que ele se¸uirí + inspir+ç1o
enqu+nto el+ n1o lhe for nociv+; cinco sucessos ou m+is indi-
c+m que o indivíduo f+rí tudo que o B+rdo quiser.
Lst+ +rte funcion+ t1o bem n+s +p+riçöes qu+nto nos
mort+is.
Lst+ +rte cust+ três pontos de l+thos.
¤ ¤ ¤ ¤ Crescendo
A +p+riç1o emite um +t+que music+l que pode re+lmente
c+us+r d+nos qu+ndo + queim+-roup+. Lsse +t+que pode ser
us+do t+mbém p+r+ convoc+r outr+s +p+riçöes n+s Re¸iöes
Sombri+s. O som pode ser ouvido + um+ ¸r+nde distìnci+.
Sistema: Teste Vi¸or ÷ l+múri+ (dificuld+de o). O nú-
mero de sucessos no teste equiv+le + qu+ntid+de de d+nos
de Corpus que o Crescendo inflin¸e em tod+ + +p+riç1o den-
tro do +lc+nce norm+l de +udiç1o. Lste d+no, obvi+mente,
+ind+ poderí ser +bsorvido, n1o sendo +¸r+v+do.
Se um+ +p+riç1o us+r o Crescendo enqu+nto estiver en-
c+rn+d+, est+ +rte f+rí com que os ouvintes (incluindo v+m-
piros, lobisomens, c+rniç+is, etc) sej+m tom+dos por um medo
terrível que provoc+rí um+ p+lpit+ç1o em seus cor+çöes por
um+ fr+ç1o de se¸undo. lsto inflin¸irí um Nível de Vit+lid+-
de de d+no + c+d+ dois sucessos obtidos no teste. As vítim+s
+ind+ poder1o tent+r +bsorver este d+no.
Lst+ +rte cust+ dois pontos de l+thos m+is um ponto de
l+thos por sucesso.
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ Requlem
Lst+ +rte permite + +p+riç1o provoc+r em seu +lvo emo-
ç1o pur+. A mente e + +lm+ do +lvo s1o +ssol+d+s com +
essênci+ de um determin+do sentimento - bom ou m+u.
Sistema: Teste lorç+ ÷ l+múri+ (dificuld+de ¯). Lst+
+rte pode ser resistid+ medi+nte um teste de lorç+ de Von-
t+de, m+s +pen+s se o indivíduo estiver prep+r+do p+r+ ele.
l+r+ c+d+ sucesso obtido pel+ +p+riç1o +t+c+nte, o indiví-
duo serí p+r+li:+do por um turno pel+ emoç1o: inc+p+: de
se mover, +¸ir, f+l+r ou mesmo se defender. Se + emoç1o for
sombri+, est+ +rte poderí infli¸ir d+nos ment+is: se cinco ou
m+is sucessos forem obtidos, subtr+i+ pontos de um dos Atri-
butos Ment+is do person+¸em ou ent1o simule ins+nid+de.
Mesmo se + emoç1o for +¸r+dível, el+ poderí exercer um
efeito profundo no indivíduo; ele poderí torn+r-se um "vici-
+do em emoçöes", c+p+: de f+:er qu+lquer cois+ p+r+ sentir
nov+mente esse "êxt+se".
Lst+ +rte cust+ três pontos de l+thos m+is um ponto de
l+thos por sucesso. Se + emoç1o for ruim, + Sombr+ recebe-
rí um ponto de An¸st por sucesso.
1¨o
A
purlçño.
O

L
lmho
m t|Ja, t·.. sa||a ¡u. :uJ· .ra |n:.r||¸aJ·.
Lu, t·.., .|a... s·m·s :·J·s jar:.s J· m.s-
m· s|s:.ma, a m.sma :.|a. ír..|sam·s .n-
:.nJ.r · ¡u. n·s jr.nJ. a .s:a t|Ja jara
¡u. j·ssam·s jr·.urar j·r j·rmas J. n·s
|||.r:arm·s jara Trans..nJ.r.
A Tei+ d+ Vid+ permite + um+ +p+ri-
ç1o reconhecer, explor+r e compreender +s li¸+çöes que el+
tem com + vid+ e o mundo vivo. A Tei+ d+ Vid+ t+mbém
possibilit+ + +p+riç1o sentir e +té mesmo +fet+r os Orilhöes +
distìnci+.
Comentários ao Narrador: Lm+ +p+riç1o us+ndo Tei+
d+ Vid+ pode sentir + ener¸i+ de seus Orilhöes. Al¸um+s
ve:es isto é possível qu+ndo + +p+riç1o estiver muito lon¸e,
cont+nto que el+ poss+ recorrer +o seu "sexto sentido". M+n-
tendo seu sexto sentido dedic+do + um Orilh1o específico,
+ +p+riç1o pode "fic+r de olho" n+quele Orilh1o. Ll+ pode
simplesmente querer +¸u+rd+r que +l¸um+ inform+ç1o
venh+ +tr+vés d+ Tei+ d+ Vid+ e só ent1o envi+r seus
sentidos +té el+. Ll+ pode t+mbém us+r est+ +finid+-
de p+r+ toc+r pesso+s, lu¸+res e cois+s como Ori-
lhöes temporírios p+r+ poder vi¸ií-los.
Monltores ÷ jelu du Vldu
Os monitores s1o essenci+is + colet+ de
+lm+s. Apes+r de su+ ¸uild+ ter sido dissol-
vid+, muitos monitores for+m tr+nsferidos
diret+mente p+r+ postos d+s le¸iöes, p+s-
s+ndo + f+:er p+rte d+ Hier+rqui+.
Os monitores s1o muitos ciumentos em
rel+ç1o + su+ profiss1o. Lmbor+ eles poss+m
ensin+r +s b+ses de seu Mistério, eles n1o revel+-
r1o +s +rtes +v+nç+d+s se n1o estiverem certos de
poderem confi+r em seus estud+ntes. lsto ocorre por-
que eles se consider+m ¸u+rdiöes dos mortos, ¸+r+n-
tindo que m+is nenhum+ +lm+ sej+ su¸+d+ pelo limbo.
L possível identific+r um Monitor pelo f+to de que
ele j+m+is fech+ os olhos, nem mesmo qu+ndo estí em
est+do de Modorr+.
Huhllldudes Báslcus
loc+li:+r Orilh1o: Lst+ h+bilid+de permite + +p+riç1o "con-
ferir" os seus Orilhöes. Recorrendo + su+ +finid+de com esse
objeto, el+ pode ex+min+r o +mbiente que cerc+ o Orilh1o e
possivelmente +té mesmo sentir su+ distìnci+ e direç1o.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r lercepç1o ÷ Tei+ d+
Vid+ (dificuld+de 6). O número de sucessos indic+ o núme-
ro de d+dos de lercepç1o ÷ lrontid1o que podem ser us+-
dos p+r+ ex+min+r + íre+ circund+nte. O jo¸+dor pode t+m-
bém test+r lnteli¸ênci+ ÷ Tei+ d+ Vid+ p+r+ obter um+ no-
ç1o ¸er+l d+ distìnci+ que um Orilh1o se encontr+ e em que
direç1o ele estí.
¤ Locullzur Luços
Lx+min+ndo +tent+mente + ener¸i+ que cerc+ outr+ +p+-
riç1o, + +p+riç1o pode detect+r o rel+cion+mento entre est+
e seus Orilhöes. Lst+ +rte pode ser us+d+ p+r+ sentir se um
determin+d+ cois+ é o Orilh1o de outr+ +p+riç1o; neste c+so,
identific+r + +p+riç1o us+ndo o Orilh1o.
Sistema: Qu+ndo seu person+¸em estiver ex+min+ndo
outr+ +p+riç1o, o person+¸em deverí test+r lercepç1o ÷ Tei+
d+ Vid+ (dificuld+de o). C+d+ sucesso permite +o jo¸+dor
descobrir um+ pist+ sobre um Orilh1o possuído por +quel+
+p+riç1o. lsto envolve confront+r o lndivíduo - Alvo num
teste de lercepç1o ÷ líbi+; o +lvo perceberí que estí sen-
do ex+min+do, e serí permitido um teste de lorç+ de Von-
t+de p+r+ resistir + est+ inv+s1o de su+ priv+cid+de.
Se o person+¸em estiver ex+min+ndo um objeto p+r+
determin+r se ele é um Orilh1o. o N+rr+dor deve tes-
t+r lercepç1o ÷ Tei+ d+ Vid+ p+r+ ele (dificuld+de
p+dr1o, consider+ndo que o objeto sej+ um Orilh1o).
l+r+ tent+r r+stre+r um Orilh1o em c+d+ loc+li:+-
ç1o, o jo¸+dor deve test+r lnteli¸ênci+ ÷ Tei+
d+ Vid+. O número de sucessos indic+ o ¸r+u
de precis1o com respeito + distìnci+ e dire-
ç1o. Lm Orilh1o pode ser ex+min+do um+
ve: por di+ por c+d+ +p+riç1o.
¤ ¤ ]resençu nu jelu
A +p+riç1o +¸or+ pode +fet+r + íre+ +o redor
de um de seus Orilhöes sem re+lmente est+r lí.
C+so sej+ bem sucedid+, el+ poderí us+r um Mis-
tério, f+:er +l¸um tipo de teste que envolv+ Atri-
butos Soci+is ou Ment+is ou comunic+r-se +bert+-
mente com qu+lquer +p+riç1o lí.
Sistema: O jo¸+dor deve test+r C+rism+ ÷ Tei+ d+
Vid+ (dificuld+de o). Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos
por turno de uso.
¤ ¤ ¤ Emendur Luços
Ls+ndo est+ +rte, + +p+riç1o pode f+:er +l¸um+ pesso+,
lu¸+r ou cois+ torn+r-se um Orilh1o temporírio. Lste objeto
deve ser toc+do de +l¸um+ form+ (+tr+vés de Lnc+rn+r, ln-
sult+r ou H+bit+r), momento no qu+l + +p+riç1o desenvol-
verí um+ +finid+de emocion+l com esse objeto. Lst+ +finid+-
de pode ser m+ntid+ num+ b+se diíri+, m+s +pen+s um Ori-
lh1o pode ser m+ntido com o uso deste Mistério.
Sistema: O jo¸+dor deve test+r M+nipul+ç1o ÷ Tei+ d+
Vid+ (dificuld+de ¯). O novo Orilh1o possui nível 1.
A +finid+de cust+ inici+lmente um ponto de l+thos e con-
j j
j jjelu du Vldu elu du Vldu
elu du Vldu elu du Vldu elu du Vldu
1¨7
tinu+ dren+ndo um ponto de l+thos por di+ que é m+ntid+.
¤ ¤ ¤ ¤ Cortur o Cordño
Lste temido poder permite + +p+riç1o sep+r+r outr+ de
seus Orilhöes. l+r+ us+r est+ +rte, + +p+riç1o precis+ est+r n+
presenç+ do Orilh1o + ser p+rtido. Atr+vés de su+ determi-
n+ç1o, el+ sep+r+rí + vítim+ de seu Orilh1o.
Sistema: Depois que um Orilh1o tiver sido identific+do
e o person+¸em estiver em su+ presenç+, o jo¸+dor precis+rí
test+r lorç+ ÷ Tei+ d+ Vid+ (dificuld+de i¸u+l + lorç+ de
Vont+de do dono do Orilh1o). Lste teste inici+l pode ser
resistido com + lorç+ de Vont+de dod ono do Orilh1o.
Lm+ +p+riç1o que tenh+ tido um Orilh1o p+rtido por
este Mistério pode tent+r rest+belecê-lo de du+s form+s. A
primeir+ opç1o é simplesmente + +p+riç1o ¸+st+r um ponto
j.rman.n:. de lorç+ de Vont+de enqu+nto estiver em con-
t+to com o Orilh1o. A se¸und+ é el+ ou outr+ +p+riç1o us+r
Lmend+r l+ços p+r+ reconect+r o elo. lsto n1o se +plic+ +
cordöes p+rtidos por les+delos. O+st+ndo um ponto de lor-
ç+ de Vont+de, + +p+riç1o pode torn+r perm+nente o efeito
do Am+rr+r Cord1o, m+s +pen+s se o objeto tiver sido +nte-
riormente um dos Orilhöes d+ +p+riç1o.
Lst+ +rte cust+ dois pontos de l+thos e um ponto de
lorç+ de Vont+de p+r+ ser us+d+.
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ]ucto de Almu
Ls+ndo est+ +rte, um+ +p+riç1o pode cl+m+r um+ +lm+
mort+l p+r+ si, m+s +pen+s se o mort+l for voluntírio.
Lst+ +rte norm+lmente envolve um contr+to no qu+l o
mort+l promete + su+ +lm+ + +p+riç1o em troc+ d+ +jud+
dest+. D+í em di+nte, enqu+nto viver, o mort+l torn+-se um
¸rilh1o dest+ +p+riç1o.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r C+rism+ ÷ Tei+ d+ Vid+
(+ dificuld+de equiv+le + lorç+ de Vont+de do indivíduo).
Lst+ +rte cust+ nove pontos de l+thos p+r+ ser us+d+. O
+lvo p+ss+rí + ser um Orilh1o de um ponto.
1¨8
A
purlçño.
O

L
lmho
·.. a.|a ¡u. · jaja-J.jun:·s j.z um |·m
:ra|a||·: M.u ¡u.r|J·, j·ss· J.|xa-|· ma|s
|·n|:· J· ¡u. nun.a. Òu ma|s J|s:|n:·. ír.-
.|sa J. ma|s um jar J. |ra¸·s jara "jaz.r
|u¨: Ta ||mj·. L ¡u. :a| a|¸umas .|.a:r|z.s
|·rr/t.|s: M·|.za. Òu um nar|z .x:ra: L|,
jara ¡u. sa· ·s am|¸·s: n.a|m.n:., m.u
¡u.r|J·, t·.. s´ jr..|sa r.|axar . m. J.|xar :·mar .·n:a J· s.u
C·rjus.
A +rte de Model+r, t+mbém ch+m+d+ Model+¸em d+
Alm+, é o poder de mover, mold+r e reform+r + m+téri+ d+s
+p+riçöes, o pl+sm+.
O pl+sm+ é m+leível. Os model+dores de +lm+s s+bem
como torní-lo bonito, como f+:ê-lo brilh+r com um+ lu: in-
terior, e como d+r-lhe nov+mente um+ +p+rênci+ hum+n+.
Queim+ndo l+thos e empre¸+ndo +s +rtes de Model+r, um+
+p+riç1o f+: o Corpus sob + pont+ de seus dedos fluir li-
vremente por um momento, o suficiente p+r+ + +p+ri-
ç1o pe¸í-lo e modelí-lo +o seu bel pr+:er.
Comentários ao Narrador: Lst+ +rte pode ser
us+d+ p+r+ inflin¸ir d+nos +¸r+v+dos +o Corpus de
um+ +p+riç1o.
Musquers ÷ Modelur
Lm+ d+s ¸uild+s m+is import+ntes de Ls-
tí¸i+, os M+squers er+m espiöes, +rtes1os e
+ss+ssinos secretos. Como muit+s +p+riçöes
¸ost+m de +ssumir +p+rênci+s poderos+s, +
Ouild+ dos M+squers lembr+v+ muito um
s+l1o de bele:+, oferecendo +s +p+riçöes um+
+mpl+ v+ried+de de form+s de corpo e fisiono-
mi+s. Além disso, devido + su+ h+bilid+de de
mud+r su+ form+, os M+squers costum+v+m ser
empre¸+dos como espiöes e +ss+ssinos, especi+lmen-
te porque eles n1o precis+v+m c+rre¸+r um+ +rm+.
Os M+squers preocup+v+m-se m+is com + +rte de
seu tr+b+lho do que com + pr+tic+bilid+de dele: eles f+-
r1o o melhor tr+b+lho, mesmo em Belicismo, se puderem
+crescent+r seus toques pesso+is. Hí pelo menos um ex-
M+squer tr+b+lh+ndo em c+d+ Cid+del+.
lode-se identific+r um M+squer por su+ form+ extrem+-
mente m+leível e pelo f+to dele p+recer um pouco perfeito
dem+is. Oc+sion+lmente, dois M+squers que tr+b+lhem jun-
tos +dot+r1o + mesm+ +p+rênci+.
Huhllldudes Báslcus
Percepção de ModeIagem: Lst+ h+bilid+de permite + um+
+p+riç1o detect+r se um+ outr+ foi Model+d+, e se foi, de que
form+.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r lercepç1o ÷ Model+r
(+ dificuld+de é i¸u+l + Destre:+ ÷ Model+r do model+dor
ori¸in+l). O número de sucessos indic+ qu+nt+s inform+çöes
sobre + +p+riç1o Model+d+ s1o obtid+s, possivelmente +té
mesmo d+ndo +o indivíduo com lercepç1o de Model+¸em
um+ idéi+ d+ form+ ori¸in+l d+ +p+riç1o.
BriIhar: Lst+ h+bilid+de permite + +p+riç1o f+:er com
que el+ mesm+ ou outros brilhem com um+ lu: interior. A
cor e + intensid+de desse brilho fic+m + critério d+ +p+riç1o.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r C+rism+ ÷ Model+r
(dificuld+de ¯). O número de sucessos indic+ qu+nt+s cen+s
dur+ o brilho.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos.
Retorno da Aparência da Morte: Lst+ h+bilid+de per-
mite + +p+riç1o retorn+r +o seu est+do ori¸in+l, como el+
p+reci+ depois de su+ morte.
Sistema: O jo¸+dor test+ M+nipul+ç1o ÷ Model+r. A
dificuld+de é b+se+d+ no qu+nto + +p+riç1o mudou (ou
foi mud+d+) desde su+ morte (mud+nç+ drístic+ 10, mu-
d+nç+ moder+d+ o, mud+nç+ menor 6). C+d+ sucesso
indic+ o qu1o precis+mente + +p+riç1o +ssume su+
form+ ori¸in+l.
O uso dest+ +rte cust+ um ponto de l+thos.
¤ Imltur
Lm+ +p+riç1o com est+ +rte pode mu-
d+r seu visu+l de form+ + copi+r o de outros.
lsto é m+is fícil de se f+:er qu+ndo + +p+ri-
ç1o estí fit+ndo + f+ce d+ +p+riç1o + ser
imit+d+, embor+ poss+ ser feito de memóri+.
Lst+ +rte n1o permite + +p+riç1o mud+r todo
seu corpo, +pen+s su+ f+ce.
Sistema:O jo¸+dor deve test+r Destre:+ ÷
Model+r. A dificuld+de é v+riível. Cinco se puder
ver + f+ce, oito se se for feito de memóri+. Se + +p+-
riç1o tem um+ mísc+r+ de pele ( vej+ l+cer+r, +b+ixo)
+ dificuld+de é +pen+s qu+tro. O número de sucessos
indic+ + dificuld+de de se penetr+r no disf+rce.
O uso dest+ +rte é de um ponto de l+thos.
¤ ¤ Esculplr
Ls+ndo est+ +rte, + +p+riç1o pode f+:er crescer tempor+-
ri+mente outro membro, ¸er+r novos ór¸1os sensori+is, colo-
c+r m+rc+s ou p+dröes em si mesm+, ou f+:er com que p+rtes
de seu corpo brilhem ou mudem de cor. Lnqu+nto n1o hou-
ver nenhum efeito peri¸oso +ssoci+do com + mud+nç+, el+
perm+necerí n+ esfer+ de +ç1o de Lsculpir. Cl+ro, é possível
+r¸ument+r que f+:er crescer br+ços múltiplos permite m+is
+t+ques: isto é +bsolut+mente f+lso. A +p+riç1o possui +
mesm+ c+p+cid+de físic+, + despeito do número de +pêndi-
ces. l+r+ um+ +p+riç1o us+r +tiv+mente seus novos +pêndi-
Modelur Modelur
Modelur Modelur Modelur
1¨9
ces, el+ precis+ compreender Belicismo.
Sistema: O person+¸em pode opt+r por esculpir + si mes-
mo ou + outr+ +p+riç1o. O jo¸+dor test+ M+nipul+ç1o ÷
model+r (dificuld+de ¯). O N+rr+dor precis+ decidir qu+ntos
sucessos s1o requeridos. Os efeitos de Lsculpir s1o perm+-
nentes (+té serem ne¸+dos com um uso posterior de Lscul-
pir). Lst+ +rte n1o pode ser us+d+ p+r+ d+nific+r; el+ +pen+s
mud+ + form+ do Corpus d+ +p+riç1o.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos p+r+ ser us+d+. O
indivíduo + ser Lsculpido perde um nível de Corpus.
Lsculpir t+mbém pode ser us+do p+r+ cur+r d+nos +¸r+-
v+dos: um+ +p+riç1o pode us+r Lsculpir p+r+ repor +s "l+cu-
n+s" perdid+s do Corpus que for+m d+nific+d+s +tr+vés de
ferimentos +¸r+v+dos, permitindo +o receptor preencher es-
s+s "l+cun+s". L preciso obter um sucesso por ferimento +¸r+-
v+do, e est+ form+ de uso d+ +rte cust+ um ponto de l+thos
m+is um ponto de l+thos por sucesso.
¤ ¤ ¤ Bellclsmo
Lst+ +rte permite + +p+riç1o cri+r +rm+s e +rm+dur+s +
p+rtir de seu Corpus. A +rm+ tom+ o lu¸+r de um dos br+ços
ou pern+s d+ +p+riç1o, sendo +utom+tic+mente mold+d+ p+r+
ser utili:+d+ por +l¸uém que s+ib+ como.
Qu+ndo um+ +rm+ é form+d+ com o +uxílio dest+ +rte, o
membro escolhido +ssume + form+ d+ +rm+ desej+d+, endu-
recendo + medid+ que f+: isso. A cri+ç1o de +rm+dur+ lev+ o
Corpus d+ +p+riç1o + endurecer e en¸ross+r, +ssumindo um
brilho vítreo.
Sistema: l+r+ cri+r +rm+s, o jo¸+dor precis+ test+r lnteli-
¸ênci+ ÷ Model+r (dificuld+de de seu Vi¸or ÷ 3). C+d+ su-
cesso permite + +rm+ infli¸ir um d+do +dicion+l de d+no:
n1o import+ p+rticul+rmente que form+ + +rm+ +ssume, em-
bor+ muit+s +p+riçöes +dotem esp+d+s p+r+ f+cilit+r o uso.
l+r+ cri+r um+ +rm+dur+, o jo¸+dor precis+ test+r Vi¸or ÷
Model+r (dificuld+de de su+ lorç+ ÷ 3). C+d+ sucesso +cres-
cent+ um d+do +o teste de +bsorç1o do person+¸em, m+s c+d+
sucesso depois do primeiro é som+do + dificuld+de de qu+l-
quer teste envolvendo Destre:+ (+ +rm+dur+ é rí¸id+).
A +p+riç1o pode cri+r +rm+s +pen+s + p+rtir de seu pró-
prio Corpus, n1o do de outros. l+r+ m+nej+r +propri+d+mente
um+ +rm+ model+d+, é necessírio possuir + leríci+ Comb+te
com Arm+s Br+nc+s.
Lst+ +rte cust+ três pontos de l+thos p+r+ ser us+d+, m+is
um ponto de l+thos por sucesso obtido.
¤ ¤ ¤ ¤ Lucerur
Lst+ +rte terrível permite +os Model+dores infli¸irem d+-
nos tremendos nos Corpus de outr+s +p+riçöes. O uso deste
poder f+: com que um+ +p+riç1o sej+ liter+lmente r+s¸+d+ +o
meio. Al¸um+s +p+riçöes us+m est+ +rte p+r+ remover o rosto
de outr+ +p+riç1o - um cois+ humilh+nte n+s socied+de d+s
+p+riçöes. Depois de removido, o rosto é ch+m+do de mísc+r+
de pele, podendo ser útil qu+ndo se us+ lmit+r.(ver +b+ixo)
Sistema: Antes dest+ +rte poder ser us+d+, o person+-
1ou
A
purlçño.
O

L
lmho
¸em precis+ entr+r em cont+to com o +lvo desej+do. Oer+l-
mente ele precis+ f+:er um teste norm+l de +t+que, embor+ +
+rte poss+ ser coloc+d+ em jo¸o se outro entr+r em cont+to
com ele. O jo¸+dor test+ lorç+ ÷ Model+r (+ dificuld+de é o
Vi¸or dovoponente ÷3). Os d+dos de d+nos equiv+lem +o
número de sucessos do person+¸em m+is um por ponto de
l+thos ¸+sto. Se cinco sucessos ou m+is forem obtidos, +
+p+riç1o poderí remover um+ porç1o de seu oponente (ros-
to, m1o, pé, ou mesmo +pen+s +rr+nc+r um+ ¸r+nde porç1o
de Corpus). Os d+nos infli¸idos por l+cer+r s1o +¸r+v+dos.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos p+r+ ser +tiv+d+. Além
disso, o person+¸em ¸+nh+ um ponto de An¸st por uso dest+
+rte.
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ Modelugem de Corpo
Neste nível de h+bilid+de, um+ +p+riç1o pode tr+nsfor-
m+r complet+mente seu corpo e +p+rênci+. A +p+riç1o pode
tent+r imit+r outro ser ou qu+lquer outr+ cois+ que el+ qui-
ser, desde um+ c+deir+ +té um+ ¸el+deir+. Lmbor+ o Corpus
poss+ ser muito m+leível, existem limites; o volume rel+tivo
d+ form+ desej+d+ deve ser +proxim+d+mente i¸u+l + form+
norm+l d+ +p+riç1o.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r R+ciocínio ÷ Mode-
l+r. A dificuld+de depende do que + +p+riç1o procur+ imit+r.
Tent+r imit+r outr+ pesso+ é difícil (dificuld+de 9), enqu+n-
to tent+r p+recer um+ poç+ de l+m+ no ch1o é muito fícil
(dificuld+de 5). As mud+nç+s do corpo inteiro podem ser
m+ntid+s +pen+s por um período limit+do de tempo +ntes d+
+p+riç1o ser forç+d+ + retorn+r + su+ form+ ori¸in+l (um+
cen+ por sucesso).
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos p+r+ f+:er + mud+n-
ç+ inici+l, m+is um ponto de l+thos por turno p+ss+do nest+
form+.
1o1
V·.. j.nsa ¡u. . ja.||, .mjurrar a¡u||·,
|.tan:ar |s:·: Na· . na·. Mas . J|t.r:|J·.
V.¡a s´ .·m· .u ja¸· ßLM.
Muit+s +p+riçöes +ind+ podem +fet+r o
mundo vivo. Lm+ d+s form+s de f+:er
isso é o Mistério do lnsulto. lnsulto é +
m+nifest+ç1o d+ vont+de de um+ +p+ri-
ç1o como forç+ cinétic+.
Comentários ao Narrador: Tod+s +s +rtes de lnsulto s1o
físic+s ou violent+s. Ll+s devem ser interpret+d+s com mui-
tos resmun¸os e ru¸idos, porque est+ form+ de comunic+ç1o
n1o verb+l +jud+ + concentr+r +propri+d+mente +s ener¸i+s.
Tod+s +s dificuld+des s1o b+se+d+s no nível loc+l d+
Mort+lh+.
Estrunlos ÷ Insulto
Os Lstr+nhos sempre for+m polter¸eists e +rr+nj+do-
res de c+sos, sendo responsíveis por tod+ sorte de pro-
blem+s. De tod+s +s ¸uild+s, est+ er+ um+ +pen+s em
nome. Lles er+m um ¸rupo de +rru+ceiros e vi¸+ris-
t+s.
L comum encontr+r ex-Lstr+nhos n+s p+rtes
m+is sombri+s d+ cid+de, c+us+ndo lut+s e inici-
+ndo incêndios. Lles ¸ost+m de +ssust+r +s pes-
so+s com seus Mistérios.
Os Lstr+nhos ¸ost+m de c+rre¸+r cois+s
que poss+m b+ter em outr+s cois+s, como
m+rtelos ou roch+s. Nos tempos mediev+is,
+ Ouild+ dos Lstr+nhos er+ p+¸+ pelos Artí-
fices p+r+ +jud+r n+ cri+ç1o de despojos.
L possível identific+r o Lstr+nho-p+dr1o por
seus ombros l+r¸os, peito musculoso e + expres-
s1o c+rr+ncud+ em seu rosto.
Huhllldudes Báslcus
SaIto de Iúria: Como um efeito col+ter+l de +pren-
der + concentr+r su+ vont+de no mundo re+l, +s +p+ri-
çöes descobrir+m que podem control+r seus próprios mo-
vimentos, t+nto dentro qu+nto for+ d+s Re¸iöes Sombri+s.
Ls+ndo est+ +rte, + +p+riç1o pode d+r s+ltos e pulos incrí-
veis.
Sistema: O jo¸+dor test+ Destre:+ ÷ lnsulto (dificuld+-
de do nível loc+l d+ Mort+lh+). Se est+ +rte for us+d+ n+
Tempest+de ou n+s Re¸iöes Sombri+s, + dificuld+de serí 6.
O número de sucessos obtidos pode ser som+do + qu+isquer
sucessos obtidos dur+nte um pulo ou s+lto.
¤ joque
Neste nível + +p+riç1o estí +pen+s começ+ndo + +pren-
der + m+nipul+r objetos no mundo vivo. Lst+ +rte pode ser
Insulto
us+d+ p+r+ mover +l¸um+ cois+ muito pequen+ (como um+
t+mp+ de ¸+rr+f+) só um pouquinho. Lst+ +ç1o pode ser +pe-
n+s empurr+r ou lev+nt+r brevemente.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r lorç+ ÷ lnsulto (+ di-
ficuld+de é o nível loc+l d+ Mort+lh+).
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos p+r+ ser us+d+.
¤ ¤ Levuntur
Lst+ +rte possibilit+ +o person+¸em +fet+r o mundo vivo
de form+ m+is diret+. Lmbor+ este poder poss+ ser us+do +pe-
n+s p+r+ lev+nt+r objetos, muit+ cois+ poderí ser lev+nt+d+
medi+nte o uso dest+ +rte.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r lorç+ ÷ lnsulto (+ di-
ficuld+de é o nível loc+l d+ Mort+lh+). Lst+ +rte permite +o
person+¸em lev+nt+r +l¸um+ cois+ com um leito de lorç+
(vej+ pí¸in+ XX). Atenç1o: os objetos +pen+s poder1o ser
lev+nt+dos - n1o serí possível movê-los em nenhum+
direç1o.
Lst+ +rte cust+ dois pontos de l+thos p+r+ ser us+d+.
¤ ¤ ¤ Soco de Mño de ]edru
Lst+ +rte permite + +p+riç1o +fet+r o mundo
vivo de form+ violent+ e físic+. A +p+riç1o pode
+cert+r um objeto de su+ escolh+.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r lor-
ç+ ÷ lnsulto. A dificuld+de é o nível loc+l
d+ Mort+lh+. C+d+ sucesso inflin¸e um
Nível de Vit+lid+de (ou Nível de Corpus,
se o +lvo for outr+ +p+riç1o) de d+no no +lvo.
Lst+ +rte cust+ dois pontos de l+thos +
c+d+ uso.
¤ ¤ ¤ ¤ joque du Morte
Lst+ +rte permite + +p+riç1o m+nipul+r obje-
tos no mundo re+l. A +p+riç1o poderí d+tilo¸r+f+r,
+m+rr+r s+p+tos, etc., us+ndo est+ +rte. Lm+ +ltern+ti-
v+ p+r+ + +p+riç1o é cri+r fricç1o, dest+ form+ inici+ndo
incêndios no mundo vivo.
Sistemas: O jo¸+dor precis+ test+r Destre:+ ÷ lnsulto (+
dificuld+de é o nível loc+l d+ Mort+lh+). O número de su-
cessos indic+ + delic+de:+ e o controle do toque d+ +p+riç1o,
bem como o tempo que o poder dur+ - +té um minuto por
sucesso obtido.
l+r+ inici+r um incêndio, + +p+riç1o test+ lorç+ ÷ lnsul-
to (dificuld+de o). O número de sucessos indic+ o c+lor e +
extens1o do fo¸o.
Lst+ +rte cust+ três pontos de l+thos p+r+ ser us+d+.
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ Condenur uo Llmho
Lst+ +rte terrível permite + um+ +p+riç1o destruir +l¸u-
1o2
A
purlçño.
O

L
lmho
m+ cois+ ou +l¸uém, b+nindo-o +o limbo. Se est+ +rte for
us+d+ p+r+ destruir um objeto no mundo vivo, esse des+p+-
recerí no limbo, + n1o ser que fosse h+bit+do por um+ +p+-
riç1o; neste c+so, ele se torn+rí um despojo. Se est+ +rte for
us+d+ em objetos n+s Re¸iöes Sombri+s (incluindo despo-
jos), eles ser1o b+nidos imedi+t+mente p+r+ o limbo.
Qu+ndo Conden+r +o limbo for us+d+ em outr+ +p+riç1o,
est+ +rte infli¸irí d+nos +¸r+v+dos. Lm+ +p+riç1o que sej+ re-
du:id+ + Corpus :ero +tr+vés destes meios é imedi+t+mente
l+nç+d+ +o limbo. As cri+tur+s viv+s +pen+s sofrem d+nos nos
Níveis de Vit+lid+de, m+s se um mort+l for morto +tr+vés des-
te poder, su+ +lm+ c+irí imedi+t+mente no limbo.
Sistema: O jo¸+dor test+ lorç+ ÷ lnsulto (+ dificuld+de
é o nível loc+l d+ Mort+lh+, + N1o ser que o person+¸em
estej+ tent+ndo +fet+r outr+ +p+riç1o; nesse c+so, + dificul-
d+de é o Vi¸or ÷3 do +lvo). C+d+ sucesso infli¸e um nível
de d+nos +¸r+v+dos; este d+no n1o poderí ser +bsorvido.
O uso det+ +rte cust+ três pontos de l+thos. Além disso,
+ +p+riç1o ¸+nh+ um ponto de An¸st c+d+ ve: que est+ +rte
for us+d+.
1o3
uz.s. Cam.ra. íÒLTLnCLlST...
T+mbém conhecido como Wyldin¸, o
l+ndemonio é o poder do c+os puro. Lle
n1o pode ser control+do, m+s influen-
ci+ o mundo vivo com muit+ eficíci+.
As +p+riçöes que us+m desenvolvem
um+ reput+ç1o terrível: quem brinc+
com o Wyldin¸ n1o tem ¸+r+nti+s de conse¸uir m+nter su+
s+nid+de.
Comentários ao Narrador: Lmbor+ + Brum+ cubr+ +
m+ior p+rte dos efeitos deste Mistério, ele costum+ c+us+r
problem+s consideríveis com os mort+is de um+ loc+lid+de.
As pesso+s tendem + fic+r louc+s qu+ndo vêem os reló¸ios
+nd+ndo p+r+ trís, lu:es espectr+is d+nç+ndo e rodopi+ndo,
e su+s cid+des serem inund+d+s por chuv+s de +nfíbios.
Contudo, os efeitos d+ m+iori+ dess+s +rtes des+p+re-
cem muito rípido, n1o deix+ndo efeitos dur+douros, e +s
pesso+s n1o tendem + +credit+r nos mendi¸os de olhos
esbu¸+lh+dos que jur+m ter visto f+nt+sm+s. Hoje em
di+, por est+rem f+mili+ri:+d+s com os efeitos especi-
+is n+ foto¸r+fi+, no cinem+ e n+ tevê, +s pesso+s
tendem + n1o +credit+r em tudo que vêem.
A dificuld+de p+r+ todos os efeitos de l+n-
demonio é sempre o nível loc+l d+ Mort+lh+,
+ n1o ser que se determine outr+ cois+. A
Brum+ impede +s pesso+s de record+r os de-
t+lhes ex+tos do que +conteceu: vej+ o
M+p+ d+ Brum+ n+ pí¸in+ XX.
Assomhrudores ÷ ]undemônlo
Ali+dos d+ Ouild+ dos Lstr+nhos, os Assom-
br+dores er+m um pouco mis+ntrópicos: eles vi+m
+ si mesmos como extermin+dores com + miss1o
de livr+r +s construçöes d+s "pestes hum+n+s".
A¸or+ os Assombr+dores s1o consider+dos ins+-
nos, porque su+ +rte requer que eles ¸erem efeitos de
+lter+ç1o d+ re+lid+de. Muitos deles desenvolvem m+ni-
+s que refletem su+ s+nid+de +b+l+d+: o híbito de rir mui-
to, + tendênci+ + us+r + primeir+ pesso+ do plur+l, como
f+:i+ + re+le:+, etc. Costum+m ser muito irrit+diços.
L possível identific+r um Assombr+dor por seus m+nei-
rismos estr+nhos e pelo f+to de que eles costum+m us+r vo-
lumosos m+ntos ne¸ros.
Huhllldudes Báslcus
Sentir o Caos: A +p+riç1o estí sintoni:+d+ com +s forç+s
do c+os e d+ Sombr+. Concentr+ndo-se, el+ é c+p+: de di:er se
um determin+do evento foi c+us+do por l+ndemonio, ou se
+l¸um+ cois+ foi toc+d+ pel+ Sombr+. Lst+ +rte é +ind+ m+is
útil p+r+ determin+r se o comport+mento de um mort+l foi
influenci+do por um+ +p+riç1o ou por um Lspectro.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r lercepç1o ÷ l+nde-
monio (dificuld+de ¯)
¤ Estrunlezu
A +p+riç1o pode f+:er com que +l¸um+ cois+ estr+nh+
+conteç+ com um indivíduo: ele subit+mente sente um+ r+-
j+d+ de c+lor, ou seu c+belo se eriç+, ou sofre um+ +lucin+-
ç1o momentìne+. Apen+s um indivíduo por ve: pode ser
+fet+do por est+ +rte.
Sistema: O jo¸+dor test+ C+rism+ ÷ l+ndemonio (+ di-
ficuld+de é o nível loc+l d+ Mort+lh+).
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos.
¤ ¤ Desorlentur
Medi+nte o uso dest+ +rte + +p+riç1o pode deix+r o in-
divíduo-+lvo confuso. O ele fic+rí moment+ne+mente de-
sorient+do e sem s+ber quem ele é e o que estí f+:endo.
Sistema: A +rte pode ser us+d+ num mort+l ou
em outr+ +p+riç1o. O jo¸+dor test+ lnteli¸ênci+ ÷
l+ndemonio (+ dificuld+de é + lorç+ de Vont+de
do +lvo). Os efeitos dur+m por um turno + c+d+
sucesso obtido. O +lvo dest+ +rte precis+ test+r
lnteli¸ênci+ (dificuld+de o) + c+d+ turno p+r+
pens+r cl+r+mente ou +¸ir com decis1o.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos p+r+
ser us+d+.
¤ ¤ ¤ Eter Negro
Atr+vés do uso dest+ +rte, + +p+riç1o pode +fe-
t+r +s condiçöes +mbient+is rel+cion+d+s +o cli-
m+ ou + lu: num+ íre+ pequen+. Ll+ pode torn+r +
íre+ terrivelmente fri+ ou quente, doloros+mente bri-
lh+nte ou impenetr+velmente escur+. Ll+ pode f+:er
+rcos de eletricid+de d+nç+rem por um+ s+l+, ou ¸er+r
¸lobos flutu+ntes de lu:. A +p+riç1o pode deix+r o +r seco
ou pes+do como um cobertor ench+rc+do; el+ t+mbém
poder ¸er+r névo+s e brum+s.
Sistema: O jo¸+dor precis+ determin+r que efeito ele estí
tent+ndo ¸er+r e f+:er um teste de lnteli¸ênci+ ÷ l+ndemo-
nio (+ dificuld+de é o nível loc+l d+ Mort+lh+). O número
de sucessos indic+ o ¸r+u de v+ri+ç1o e + dur+ç1o do efeito.
Cinco sucessos no teste cri+m turbulênci+ suficiente p+r+
infli¸ir um nível de d+nos (Vit+lid+de ou Corpus) em seres
n+ vi:inh+nç+. Contudo, em ¸er+l o propósito dest+ +rte é
+terrori:+r, n1o ferir.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos p+r+ ser invoc+d+ e
um ponto de l+thos por turno de m+nutenç1o.
]undemônlo
1o4
A
purlçño.
O

L
lmho
¤ ¤ ¤ ¤ Extruvugûnclus
Com est+ +rte, um+ +p+riç1o pode f+:er com que insetos
e substìnci+s nociv+s se m+nifestem num+ íre+ pequen+. A
+p+riç1o pode invoc+r um+ pr+¸+ de ¸+f+nhotos, um+ chuv+
de s+pos, um ninho de cobr+s ne¸r+s, um b+ndo de r+tos ou
um+ tei+ chei+ de +r+nh+s. Ll+ t+mbém pode invoc+r s+n¸ue
(seco ou úmido), pus, limo, c+rne ou outr+s substìnci+s +s-
queros+s. A +p+riç1o re+li:+ esses feitos us+ndo l+thos p+r+
c+n+li:+r seu próprio Corpus +tr+vés d+ Mort+lh+.
Sistema: O jo¸+dor precis+ determin+r que efeito ele estí
tent+ndo e test+r lnteli¸ênci+ ÷ l+ndemonio (+ dificuld+de
é o nível loc+l d+ Mort+lh+). O número de sucessos indic+ +
+mplitude d+ m+nifest+ç1o (e como o N+rr+dor el+bor+rí
su+ descriç1o). No fim do efeito, + m+nifest+ç1o norm+l-
mente des+p+rece, embor+ resíduos del+ +ind+ perm+neç+m,
especi+lmente se o teste tiver obtido cinco sucessos ou m+is.
Todos os d+nos cri+dos por este poder infli¸em um d+do de
d+no p+r+ c+d+ dois sucessos no teste de cri+ç1o.
Lst+ +rte cust+ qu+tro ponto de l+thos m+is um ponto
de Corpus por sucesso.
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ jempus ]uglt
Atr+vés dest+ +rte, um+ +p+riç1o pode +lter+r + veloci-
d+de pel+ qu+l o tempo p+ss+, ou pode distorcer + distìnci+
de um+ íre+. lort+nto, el+ pode +celer+r o tempo ou f+:ê-lo
tr+nscorrer muito lent+mente; el+ pode f+:er um corredor
p+recer ter um quilometro ou f+:er um s+l1o de b+ile p+re-
cer ser percorrido com um p+sso. A +p+riç1o, contudo, n1o
pode reverter o tempo.
Sistema: O jo¸+dor precis+ decl+r+r que efeito ele estí
tent+ndo ¸er+r e test+r lnteli¸ênci+ ÷ l+ndemonio (+ difi-
culd+de é o nível loc+l d+ Mort+lh+). O número de sucessos
indic+ + qu+ntid+de de mud+nç+s esp+ci+is ou tempor+is
permitid+s n+ vi:inh+nç+ imedi+t+ d+ +p+riç1o.
C+d+ sucesso +lter+ o fluxo do tempo em um turno. lsto
pode ser tent+do um+ ve: por cen+. lor exemmplo, se um+
+p+riç1o est+v+ des+celer+ndo o tempo p+r+ um+ vítim+ e
m+rcou qu+tro sucessos, um+ +ç1o que norm+lmente reque-
riri+ um turno dur+ri+ por qu+tro. Se el+ est+v+ +celer+ndo
o tempo, qu+lquer cois+ que requisesse qu+tro turnos pode-
ri+ ser feit+ em um turno. (Atenç1o: est+ +rte n1o +ument+-
rí o número de +çöes que o +lvo obtiver de Celerid+de, lú-
ri+ ou Lfeitos d+ Lsfer+ do Tempo. Contudo, el+ poderí evi-
tí-l+s...) Tempus lu¸it t+mbém funcion+ n+s Re¸iöes Som-
bri+s (dificuld+de ¯).
Lst+ +rte cust+ qu+tro pontos de l+thos.
Medi+nte um teste de Destre:+ ÷ l+ndemonio (dificuld+-
de ¯), um+ +p+riç1o pode concentr+r + distorç1o esp+ço/tempo
em si mesm+ e dest+ fiorm+ obter um+ +ç1o extr+ por turno
p+r+ c+d+ sucesso no teste. Lst+ +plic+ç1o d+ +rte cust+ dois
pontos de l+thos p+r+ ser us+d+, e os efeitos dur+m um+ cen+.
1o¨
]untusmu
-.·mjan|.-m. nas asas J· s·n|·. í·ss·
|.ta-|· a·nJ. ¡u|s.r |r - ¸·s:ar|a J. ¡an:ar
.·m Mar|.n. D|.:r|.|: ß.|.r .ajju.|n· n·s
.ana|s J. Mar:.: Cam|n|ar j.|·s Camj·s
L|/s|·s: ír·m.:· :raz.-|· J. t·|:a an:.s J.
sua |·ra J. a.·rJar.
l+nt+sm+ é o conhecimento d+s +lm+s
sonh+dor+s dos mort+is. Lnqu+nto os mort+is est1o +dorme-
cidos, su+s +lm+s desc+ns+m dentro de seus corpos. L rel+ti-
v+mente fícil, p+r+ quem s+be o que estí f+:endo, retir+r
um+ +lm+ de su+ conch+ mort+l e leví-l+ consi¸o em jorn+-
d+s +tr+vés d+s Re¸iöes Sombri+s. O sonh+dor n1o lembr+
complet+mente d+ jorn+d+ - n+ melhor d+s hipóteses, ele
lembr+ de um pes+delo v+¸o ou de um sonho bom.
Comentários ao Narrador: l+nt+sm+ oferece +o N+rr+-
dor + oportunid+de de envolver pesso+s norm+is diret+-
mente n+ históri+. Lmbor+ os eventos de um sonho con-
trol+do por l+nt+sm+ n1o sej+m re+is p+r+ + +lm+ so-
nh+dor+, eles exercem um imp+cto n+ su+ vid+ e per-
cepçöes. Al¸um+s ve:es esses vi+j+ntes dos sonhos
lev+m um+ pesso+ + reconsider+r su+ vid+ e t+lve:
+ mudí-l+.
O Sonh+dor tr+du: +s p+is+¸ens e os h+bi-
t+ntes d+s Re¸iöes Sombri+s em símbolos com-
preensíveis. Cl+ro, + +p+riç1o pode mud+r os
elementos do sonho do sonh+dor medi+nte
o uso d+ +rte lucide:.
l+r+ todos os efeitos e propósitos, um+
pesso+ sonh+ndo é um+ +p+riç1o com um
Corpus muito sólido que só pode ser d+nifi-
c+do por +rtef+tos especi+is ou cois+s que c+u-
s+m ferimentos +¸r+v+dos em +p+riçöes. Se +t+-
c+d+, um+ +lm+ +dormecid+ retorn+rí imedi+t+-
mente +o seu corpo, desli:+ndo +tr+vés d+ Tempes-
t+de, e "+cord+rí" (n+ m+iori+ dos c+sos, embor+ h+-
j+m r+r+s oc+siöes n+s qu+is o sonh+dor n1o retorn+).
C+us+r d+no perm+nente ou morte num sonh+dor +tr+-
vés do uso deste Mistério só é possível nos níveis m+is
elev+dos dest+ +rte.
Sundmen ÷ ]untusmu
Os S+ndmen s1o os +tores e dr+m+tur¸os do Mundo ln-
ferior. Su+s trupes esp+lh+m-se pelo Mundo lnferior, vi+j+n-
do de um+ Necrópole p+r+ outr+ com su+s peç+s e entrete-
nimentos. O f+to de su+ ¸uild+ ter sido dissolvid+ n1o si¸ni-
fic+ n+d+ p+r+ eles: eles f+:em o que f+:em n1o por obediên-
ci+ + +l¸um+ ¸uild+, m+s porque é o que eles +m+m.
lode-se identific+r um S+ndmen por su+ tendênci+ +
vestir-se incon¸ruentemente, com roup+s tecid+s + p+rtir de
fi+pos de sonhos que h+bitou.
Huhllldudes Báslcus
Sentido do Sonho: A +p+riç1o pode observ+r os sonhos de
um mort+l. Ll+ pode us+r est+ h+bilid+de p+r+ determin+r onde
um mort+l est+v+ em seu ciclo de sono: dormindo (sonh+ndo),
em sono profundo (sem sonh+r) ou em tr+nsiç1o. Lst+ +rte pode
ser us+d+ t+mbém p+r+ vivenci+r o sonho do indivíduo-+lvo.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r lercepç1o ÷ l+nt+s-
m+ (dificuld+de 6). C+d+ sucesso permite + +p+riç1o ver o
sonho do mort+l por um turno.
¤ Ellslu
Se¸ur+ndo ¸entilmente + +lm+ d+ pesso+ +dormecid+, um+
+p+riç1o pode puxí-l+ p+r+ for+. lsto n1o c+us+ nenhum d+no
dur+douro + +lm+. Depois de libert+d+, + +lm+ +dormecid+
pode +comp+nh+r + +p+riç1o.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r Destre:+ ÷ l+nt+sm+.
A dificuld+de depende d+ posiç1o corrente do indiví-
duo-+lvo no ciclo de sono: sono (6), sono tr+nsitório
(¯) ou sono profundo (o). C+d+ sucesso permite +o
mort+l perm+necer um+ cen+ no mundo dos sonhos,
Se o indivíduo-+lvo estiver +ssistindo televis1o
ou estiver sob um est+do hipnótico semelh+nte,
ele poderí ser +fet+do por Llísi+; contudo, + difi-
culd+de é 10, e pelo menos três sucessos s1o
necessírios. Lste número é dedu:ido do nú-
mero de sucessos p+r+ dur+ç1o.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos.
¤ ¤ Lucldez
Lst+ +rte permite + um+ +p+riç1o mud+r os +s-
pectos do sonho de um mort+l. lor exemplo, um
sonh+dor sonh+ em est+r num+ tempest+de, + deri-
v+ num bote no meio do oce+no. Lm+ +p+riç1o po-
deri+ us+r est+ +rte p+r+ mud+r + tempest+de p+r+ um
di+ c+lmo, ou o bote p+r+ um+ b+ls+, ou o oce+no p+r+
um deserto. Se um+ +p+riç1o us+ndo est+ +rte mud+r +s-
pectos suficientes de um sonho, el+ pode efetiv+mente +s-
sumir o sonho e ¸ui+r su+ trilh+, che¸+ndo mesmo + mud+r
um sonho +¸r+dível p+r+ um pes+delo ou vice vers+.
Sistema: O N+rr+dor precis+ primeiro decidir o qu1o
drístic+ serí + mud+nç+ e determin+r um+ dificuld+de +pro-
pri+d+. O jo¸+dor precis+ test+r M+nipul+ç1o ÷ l+nt+sm+.
l+r+ c+d+ sucesso, + mud+nç+ é m+is vívid+ e perm+nente.
Se o teste redund+r num+ f+lh+ crític+, o sonh+dor serí su-
¸+do p+r+ + Sombr+ d+ +p+riç1o, fic+ndo + mercê de seus
c+prichos +tr+vés de um pes+delo intenso e ins+no.
Lst+ +rte cust+ dois pontos de l+thos.
¤ ¤ ¤ Sonlos de Sono
Lst+ +rte permite + um+ +p+riç1o lev+r outr+s + +dome-
1oo
A
purlçño.
O

L
lmho
cerem e sonh+rem +o estilo dos vivos.
Sistema: O jo¸+dor precis+ f+:er um teste +pen+s se +
+p+riç1o n1o for voluntíri+. Neste c+so, o jo¸+dor test+ C+-
rism+ ÷ l+nt+sm+ (+ dificuld+de é + lorç+ de Vont+de d+
+p+riç1o). O +lvo pode t+mbém resistir us+ndo um teste opos-
to de lnteli¸ênci+ ÷ líbi+.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos.
¤ ¤ ¤ ¤ Agon
Lst+ é um+ form+ diret+ de +rr+nc+r + +lm+ de um mort+l
de seu corpo +dormecido. Lste método é extrem+mente do-
loroso e muit+s ve:es destrutivo p+r+ o mort+l.
Sistema: O jo¸+dor test+ lorç+ ÷ l+nt+sm+ (dificuld+de
o). O número de sucessos do teste indic+ o número de Ní-
veis de Vit+lid+de que o sonh+dor perde +o +cord+r. Lle t+m-
bém indic+ o número de c en+s dur+nte +s qu+is + +p+riç1o
pode reter + +lm+ do sonh+dor. O sonh+dor pode resistir
us+ndo R+ciocínio ÷ líbi+ (dificuld+de o). A¸on oc+sio-
n+lmente poderí torn+r-se um+ competiç1o de proporçöes
épic+s entre os vivos e os mortos. Se + +p+riç1o cometer
um+ l+lh+ Crític+, + +lm+ do sonh+dor terí sido um pouco
d+nific+d+: ele pode torn+r-se neurótico ou p+ss+r + sofrer
um pes+delo recorrente.
Lst+ +rte cust+ três pontos de l+thos, e + Sombr+ d+ +p+-
riç1o ¸+nh+ um ponto de An¸st por uso. Lm+ f+lh+ crític+
concederí dois pontos de An¸st.
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ]untusmugorlu
A +p+riç1o poderí tecer seu l+thos (e Corpus) em ilu-
söes. Lss+s ilusöes n1o s1o t1o sólid+s p+r+ +s outr+s +p+ri-
çöes (embor+ el+s +ind+ poss+m ser peri¸os+s), + n1o ser que
+ +p+riç1o tenh+ +plic+do-lhe Corpus. Lm+ +p+riç1o poder
tecer ilusöes no mundo vivo se el+ primeiro Lnc+rn+r lí. As
ilusöes podem +fet+r os cinco sentidos, embor+ el+s durem
+pen+s um curto período de tempo.
Sistema: O teste p+r+ cri+r um+ ilus1o é C+rism+ ÷ l+n-
t+sm+ (dificuld+de 6). O número de sucessos neste teste de-
termin+ t+nto o número de sucessos requerido (num teste
de lercepç1o ÷ lrontid1o) p+r+ ver +tr+vés d+ ilus1o e o
número de turnos que + ilus1o dur+. l+r+ um+ ilus1o torn+r-
se semi-m+teri+l (e port+nto peri¸os+), + +p+riç1o precis+
investir pelo menos um nível de Corpus +o "corpo" d+ ilu-
s1o. O número de Níveis de Corpus +tribuídos indic+ + qu+n-
tid+de de d+nos que + ilus1o pode provoc+r +ntes de ser des-
truíd+. O Corpus n1o pode ser substituído num+ ilus1o +n-
tes del+ ser d+nific+d+: outr+ l+nt+sm+¸ori+ precis+ ser ten-
t+d+ p+r+ recrií-l+.
Se + ilus1o for de n+ture:+ peri¸os+ ou d+nos+, o jo¸+dor
precis+ test+r Destre:+ ÷ l+nt+sm+ (dificuld+de ¯) como
um teste de +t+que. A vítim+ pode esquiv+r-se do +t+que. O
teste de d+nos é lorç+ ÷ l+nt+sm+ (dificuld+de ¯), conce-
dendo um ponto de d+no p+r+ c+d+ sucesso. A vítim+ pode
+bsorver o d+no.
Lst+ +rte cust+ três pontos de l+thos p+r+ ser us+d+, m+is
um ponto de l+thos por turno.
1o7
·.. . :a· |n·..n:. a j·n:· J. a.|ar ¡u. a
|uman|JaJ. :.m J|r|¸|J· a s| m.sma Ju-
ran:. · .urs· Ja H|s:´r|a: í·r ¡u. t·.. a.|a
¡u. na· |·ut. um |·|·.aus:· nu.|.ar Ju-
ran:. a Cu.rra ír|a: C.r:am.n:. na· j·r
.ausa J. m|||:ar.s aman:.s Ja jaz. N´s j|-
.am·s j·r :ras J· jan·s . ·s jaz.m·s Jan-
¸ar - j·r¡u. · jr´jr|· C|ar·n na· :.r|a .·ns.¸u|J· |mj.J|r ·
atan¸· J· L|m|· s. a¡u.|.s .·¸um.|·s nu.|.ar.s :|t.ss.m s. .s-
ja||aJ· j.|a T.rra. Ò ¡u. j|z.m·s j·J. :.r s|J· .·n:ra · C´J|..
J. C|ar·n, mas .u j.ss·a|m.n:. na· a.|· ¡u. n·ss· m.s:r. :.r|a
s. |mj·r:aJ·.
M+nipul+ç1o é + +rte proibid+ d+ possess1o. De todos os
Mistérios, este é +quele que Ch+ron +pontou especific+mente
como restrito +os Senhores Mort+is e + Hier+rqui+. Apes+r
disso, um+ subcultur+ inteir+ de +p+riçöes viciou-se nos
poderes oferecidos por este Mistério. Lss+s +p+riçöes +do-
r+m o poder que detêm sobre seus hospedeiros, mesmo
depois que eles s1o tr+nc+fi+dos em +silos p+r+ doen-
tes ment+is.
Comentários ao Narrador: Lnqu+nto estiver
h+bit+ndo o corpo de um indivíduo-+lvo, n1o serí
consider+do que + +p+riç1o se encontre "den-
tro" d+s Re¸iöes Sombri+s. Ll+ est+rí + s+lvo
d+ fúri+ d+quele lu¸+r. Lntret+nto, el+ sofre-
rí d+nos sempre que seu hospedeiro sofrer.
Rep+re que, + n1o ser que + +p+riç1o
estej+ em controle direto do corpo, você
deverí us+r os Atributos e T+lentos do hos-
pedeiro. O M+nipul+dor é +pen+s um c+ron+.
Munlpuludores
A +rm+ secret+ definitiv+, os M+nipul+dores n1o
er+m ex+t+mente um+ ¸uild+, m+s um ¸rupo de i¸u+is.
O próprio Ch+ron recorreu +os seus serviços em m+is de
um+ oc+si1o, embor+ os odi+sse. Os M+nipul+dores nun-
c+ fi:er+m p+rte d+ Hier+rqui+, m+s er+m p+tentemente sub-
vencion+dos por el+.
Os M+nipul+dores +credit+m ser responsíveis pelo bem-
est+r dos mort+is, muit+s ve:es che¸+ndo + extremos p+r+
¸+r+ntir que outr+s +p+riçöes n1o c+usem mortes desneces-
síri+s no mundo vivo. Aind+ +ssim, muitos M+nipul+dores
Rene¸+dos sentem o ex+to oposto: os corpos mort+is exis-
tem p+r+ serem us+dos e +bus+dos.
lode-se identific+r um M+nipul+dor por seu sot+que e
m+neirismos estr+nhos: os M+nipul+dores tendem + +dqui-
rir muitos sot+ques e híbitos por c+v+l¸+rem + pele de pes-
so+s diferentes.
Slntonlu
l+r+ que um+ +p+riç1o poss+ desempenh+r +l¸uns +spectos
d+ Titer+¸em, el+ primeiro precis+ prep+r+r um Consorte. l+r+
prep+r+r um consorte, + +p+riç1o p+ss+ um+ qu+ntid+de consi-
derível de tempo c+v+l¸+ndo + pele do indivíduo, ¸+st+ndo
um ponto de lorç+ de Vont+de por ve:. lsto represent+ um
processo de identific+ç1o com o Consorte. S1o necessírios cinco
pontos de lorç+ de Vont+de p+r+ prep+r+r o Consorte p+dr1o.
Se o Consorte for um +mi¸o íntimo, ser1o suficientes dois ou
três pontos de lorç+ de Vont+de. O Jóquei d+ c+rne precis+ ser
bem-sucedido em c+d+ um dos níveis inferiores de Titer+¸em
+ntes de tent+r um nível m+is elev+do. Qu+ndo o N+rr+dor
consider+r + hor+ +propri+d+, + +p+riç1o precis+rí ¸+st+r um
ponto perm+nente de lorç+ de Vont+de - nesse momento o
indivíduo-+lvo irí torn+r-se um Consorte.
Huhllldudes Báslcus
Detectar Possessão: Lst+ h+bilid+de n1o +pen+s per-
mite + um+ +p+riç1o detect+r os sin+is de um+ pos-
sess1o, como t+mbém sentir se um mort+l foi sinto-
ni:+do p+r+ ser us+do como um consorte.
Sistema: l+r+ detect+r um+ possess1o corren-
te, o jo¸+dor test+ lercepç1o ÷ M+nipul+ç1o
(dificuld+de ¯). l+r+ detect+r os sin+is sutis
de um+ possess1o p+ss+d+, + dificuld+de é 9.
O Jóquei d+ C+rne pode resistir + de-
tecç1o us+ndo Ap+rênci+ ÷ líbi+ (difi-
culd+de ¯) ou Ap+rênci+ ÷ M+nipul+ç1o
(dificuld+de 6).
¤ Cuvulvur u Curne
Antes que + +p+riç1o poss+ tent+r control+r
um mort+l de outr+s form+s, el+ precis+ primeiro
+prender + +rte de C+v+l¸+r + C+rne. C+v+l¸+r + C+r-
ne é essenci+lmente + h+bilid+de de entr+r no corpo
do mort+l, dest+ form+ unindo-se tempor+ri+mente + ele.
Lste é um nível de possess1o muito bísico. N+ verd+de, +
+p+riç1o estí simplesmente pe¸+ndo um+ c+ron+, enqu+n-
to o hospedeiro estí se movendo se¸undo su+ própri+ vont+-
de. lorém, todos os outros usos de M+nipul+ç1o requerem
que + +p+riç1o estej+ C+v+l¸+ndo + C+rne do hospedeiro.
Se quiser, + +p+riç1o poderí tent+r impl+nt+r um+ su¸es-
t1o de um+ p+l+vr+ ou um impulso simples. Lst+ su¸est1o ou
impulso n1o poderí ser muito peri¸os+ ou contríditóri+ +
N+ture:+ do hospedeiro.
Sistema: l+r+ f+:er este person+¸em entr+r no corpo de
um hospedeiro, o jo¸+dor precis+ test+r Destre:+ ÷ M+nipu-
l+ç1o (+ dificuld+de é + lorç+ de Vont+de do indivíduo). O
Munlpuluçño
1o8
A
purlçño.
O

L
lmho
teste indic+ qu+ntos sucessos s1o necessírios p+r+ outr+ +p+-
riç1o expuls+r + +p+riç1o p+r+ for+ do corpo do hospedeiro.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos.
¤ ¤ Movlmento Suhlto
O M+nipul+dor +¸or+ pode envi+r um impulso diret+-
mente p+r+ um br+ço ou pern+ e tom+r o controle desse
membro. Lst+ +rte pode ser us+d+ p+r+ forç+r +l¸uém + pe¸+r
+l¸um+ cois+ sem s+ber ex+t+mente porquê.
Sistema: O person+¸em precis+ primeiro C+v+l¸+r + C+r-
ne do hospedeiro. O jo¸+dor em se¸uid+ test+ lorç+ ÷ M+-
nipul+ç1o (+ dificuld+de é + lorç+ de Vont+de do indiví-
duo-+lvo). A vítim+ tem o direito de f+:er um teste resistido
de lorç+ de Vont+de. O número de sucessos indic+ o ¸r+u
de controle exercido pelo person+¸em.
C+d+ uso dest+ +rte cust+ um ponto de l+thos.
¤ ¤ ¤ A Voz do Dono
O M+nipul+dor tom+ cont+, por um inst+nte, dos cen-
tros d+ f+l+ de seu hospedeiro, f+:endo-o f+l+r. A vo: produ-
:id+ qu+ndo se us+ est+ +rte é um híbrido bi:+rro d+ vo: d+
+p+riç1o e d+ vo: do hospedeiro.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r lnteli¸ênci+ ÷ M+ni-
pul+ç1o (+ dificuld+de é + lorç+ de Vont+de do indivíduo-
+lvo). C+d+ sucesso obtido permite +o M+nipul+dor f+l+r
dur+nte o tempo de um+ respir+ç1o.
Lst+ +rte cust+ um ponto de l+thos p+r+ ser us+d+.
¤ ¤ ¤ ¤ Relnur nu Mente
Lst+ form+ m+is poderos+ de possess1o permite +o M+ni-
pul+dor control+r um hospedeiro sem que este perceb+. l+r+
f+:er isso, o M+nipul+dor precis+ est+r sintoni:+do com um
Consorte (vej+ S|n:·n|a)
O hospedeiro perm+nece semiconsciente dur+nte o pro-
cesso, emer¸indo d+ possess1o qu+ndo o M+nipul+dor fin+l-
mente o libert+r. Depois de libert+do, ele tent+rí imedi+t+-
mente r+cion+li:+r su+s +çöes. lsto nem sempre é possível.
Muitos hospedeiros têm procur+do + +jud+ de profission+is
d+ s+úde ment+l e se submetido + sessöes de ter+pi+. Con-
vém n1o esquecer que tod+ dor sentid+ pelo hospedeiro é
sentid+ t+mbém pel+ +p+riç1o: + ter+pi+ por eletrochoque
pode ser extrem+mente útil n+ expuls1o de um M+nipul+-
dor, embor+ n+d+ o impeç+ de volt+r.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r M+nipul+ç1o ÷ M+ni-
pul+ç1o (+ dificuld+de é + lorç+ de Vont+de do indivíduo-
+lvo ou Mort+lh+ loc+l, o que for m+ior). O número de su-
cessos indic+ o número de cen+s dur+nte +s qu+is o M+nipu-
l+dor poderí control+r o hospedeiro. O+st+ndo um ponto de
lorç+ de Vont+de, o hospedeiro poderí f+:er um teste de
lorç+ de Vont+de p+r+ +bort+r + possess1o (c+d+ sucesso
contr+ um+ dificuld+de d+ M+nipul+ç1o do M+nipul+dor ÷
M+nipul+ç1o indic+ que o M+nipul+dor perm+necerí no
controle por um+ cen+ + menos).
Lst+ +rte cust+ qu+tro pontos de l+thos p+r+ ser us+d+ e
concede um ponto de An¸st.
1o9
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ Ohllterur u Almu
Depois de um lon¸o tempo de uso de Rein+r n+ Mente,
um+ +p+riç1o poderí começ+r + viver dur+nte tempo inte¸r+l
dentro do corpo de um hospedeiro. A person+lid+de do hospe-
deiro é sufoc+d+ pel+ Sombr+ d+ +p+riç1o possuidor+. Sempre
que + +p+riç1o deix+r um corpo que tenh+ sido possuído dest+
form+ ele fic+rí p+r+do, sem di:er n+d+ ou f+:er qu+lquer cois+
por vont+de própri+. Os ¸r+ndes M+nipul+dores costum+m
explor+r e destruir mort+is p+r+ poderem sobreviver.
Sistema: C+so o person+¸em tenh+ um Consorte que
tenh+ sido condicion+do +tr+vés de lon¸os usos de Rein+r
n+ Mente, o jo¸+dor poderí test+r lorç+ ÷ M+nipul+ç1o(+
dificuld+de equiv+le + lorç+ de Vont+de do indivíduo-+lvo
ou Mort+lh+ loc+l, o que for m+ior). Qu+ndo + +p+riç1o to-
t+li:+r sucessos suficientes p+r+ equiv+ler + lorç+ de Vont+-
de do hospedeiro, el+ poderí destruir + +lm+ do hospedeiro e
viver dur+nte tempo inte¸r+l como +quel+ pesso+.
Atenç1o: um corpo que n1o contenh+ su+ +lm+ ori¸in+l
começ+rí lent+mente + se decompor. Lm+ sem+n+ depois
d+ remoç1o d+ +lm+, o corpo começ+rí + +podrecer. lor est+
r+:1o, + m+iori+ d+s +p+riçöes que possui est+ +rte + us+m
+pen+s sob circunstìnci+s extrem+mente difíceis. Rep+re que
est+ form+ de possess1o funcion+ +pen+s com mort+is, sendo
ineficiente contr+ seres sobren+tur+is.
Lst+ +rte só pode ser empre¸+d+ um+ ve: por mês, dur+nte
+ lu+ nov+: se um+ +p+riç1o n1o Obliter+r + Alm+ d+ primeir+
ve:, el+ precis+rí esper+r outro mês p+r+ tent+r de novo.
A +p+riç1o precis+ ¸+st+r cinco pontos de l+thos e dois
pontos de de lorç+ de Vont+de p+r+ invoc+r est+ +rte, e el+
começ+rí + ¸+nh+r um número de pontos de An¸st equiv+-
lente + lorç+ de Vont+de ori¸in+l do hospedeiro.
17u
A
purlçño.
O

L
lmho
j.r:a . D.manJa. Ò ß.-a-|a Ja L.·n·m|a.
V·.. jr..|sa, n´s .n:r.¸am·s. V·.. na· n·s
j.r¸un:a J. ·nJ. :|ram·s · su.· . n´s na·
j.r¸un:am·s · ¡u. t·.. jaza .·m .|.. íus-
:·: -.|· ¡u. s|m.
A Lsur+ é + +rte de exercit+r o poder
que + morte tem sobre + vid+. Atr+vés
del+, +s +p+riçöes podem receber ener¸i+ vit+l - l+thos. A
c+d+ di+, os luls+ntes morrem um pouco m+is. A Lsur+ é
simplesmente o processo de +celer+r + che¸+d+ do último
suspiro.
Al¸uns +credit+m que + Sombr+ sej+ o c+n+l p+r+ est+
+rte. De f+to, + Lsur+ é o processo de +celer+r + decomposi-
ç1o e + morte, e muitos Lsurírios costum+m fic+r cheios de
An¸st. Atr+vés deste Mistério, + +p+riç1o infeccion+ um+
pesso+ viv+ com minúscul+s qu+ntid+des de morte, dest+
form+ roub+ndo um pouco de su+ vid+. Ll+ t+mbém é us+d+
p+r+ roub+r os Corpus de outr+s +p+riçöes.
Comentários ao Narrador: l+r+ empre¸+r Lsur+,
+ +p+riç1o que + estej+ us+ndo precis+ de +l¸um+ for-
m+ toc+r o corpo ou Corpus do indivíduo. Com
mort+is, isto é feito +tr+vés de Titer+¸em (entr+r
num mort+l e us+r + +rte nele), Lnc+rn+r (m+te-
ri+li:+r-se e toc+r +l¸uém), H+bit+r (est+r den-
tro de +l¸um+ cois+ que estej+ em cont+to
com o indivíduo) ou l+nt+sm+ (toc+r um+
+lm+ que estej+ sonh+ndo). A ener¸i+ vi-
t+l roub+d+ dest+ form+ +p+rece num +rco
de lu: que emp+lidece + medid+ que pene-
tr+ n+ +p+riç1o.
Usurárlos ÷ Usuru
Houve um tempo em que + Ouild+ dos Lsurí-
rios possuí+ um+ influênci+ considerível em Lstí-
¸i+. lor terem tent+do +ssumir o ¸overno de Lstí¸i+,
os Lsurírios for+m dissolvidos junt+mente com +s ou-
tr+s ¸uild+s. lor este motivo, os Lsurírios precis+m con-
du:ir seus ne¸ócios em se¸redo. l+r+ +lc+nç+r um Lsurí-
rio de +l¸um poder ou renome, um cliente precis+ se¸uir
um+ série de indic+çöes que o lev+m de um+ p+rte + outr+,
num+ espécie bi:+rr+ de c+ç+ +o tesouro. Se nin¸uém se¸uir
o cliente (e se os Lsurírios decidirem que seus propósitos
s1o bons), ent1o o receber1o.
lode-se identific+r um Lsurírio por su+ tendênci+ + f+-
l+r em termos precisos e numéricos, bem como pel+s b+l+n-
ç+s que eles c+rre¸+m, p+r+ m+nter-se ciente do equilíbrio
d+ ener¸i+ tr+nsferid+.
Huhllldudes Báslcus
Extrato: A +p+riç1o pode sentir + qu+ntid+de de vid+ (ou
de morte) dentro de um indivíduo. Ll+ pode obter um+ noç1o
¸er+l do Vi¸or, Vit+lid+de e Corpus do indivíduo-+lvo. Olh+n-
do seus ferimentos, + +p+riç1o pode s+ber o qu+nto s1o ¸r+ves.
Lst+ h+bilid+de possui um outro uso: + +p+riç1o pode usí-l+
p+r+ sentir + presenç+ de ener¸i+ vit+l num+ íre+.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r lercepç1o ÷ Lsur+
(dificuld+de 6). O número de sucessos indic+ + precis1o d+
leitur+.
¤ jrunslerenclu
Se quiser, + +p+riç1o pode tr+nsferir seu próprio l+thos
p+r+ outro indivíduo. Ll+ t+mbém pode us+r est+ +rte p+r+
roub+r l+thos de outr+ +p+ric1o. l+r+ us+r com sucesso est+
+rte, +s du+s +p+riçöes em quest1o precis+m est+r em cont+-
to no momento d+ tr+nsferênci+. A ener¸i+ m+nifest+-se
como um brilho que envolve + +p+riç1o que estej+ rece-
bendo o l+thos.
Sistema: O jo¸+dor precis+ test+r M+nipul+ç1o ÷
Lsur+. Se est+ +rte estiver sendo us+d+ p+r+ tr+nsferir
l+thos, + dificuld+de equiv+lerí + qu+ntid+de de l+-
thos que + +p+riç1o receptor+ tenh+ no momento.
Se + +rte estiver sendo us+d+ p+r+ roub+r l+thos,
+ dificxuld+de equiv+lerí + lorç+ de Vont+de
do indivíduo. O número de sucessos indic+
qu+ntos pontos de l+thos podem ser tr+nsfe-
ridos.
¤ ¤ Suque Automátlco
Simplemente toc+ndo um indivíduo-
+lvo (vivo ou +p+riç1o), o Lsurírio pode su-
¸+r ener¸i+ vit+l deste. l+r+ su¸+r ener¸i+ do ser
vivo, + +p+riç1o precis+ entr+r em cont+to físico
com o indivíduo escolhido +tr+vés de +l¸um meio,
¸er+lmente por uso do Mistério Lnc+rn+r.
Sistema: Depois que o indivíduo-+lvo tiver sido toc+-
do, o jo¸+dor test+ M+nipul+ç1o ÷ Lsur+ (+ dificuld+de
é + lorç+ de Vont+de do oponente). O número de suces-
sos indic+ o número de níveis de Vit+lid+de ou Corpus rou-
b+dos. Lsses níveis s1o risc+dos imedi+t+mente d+ fich+ do
indivíduo-+lvo e som+dos + fich+ do Lsurírio. A +p+riç1o pode
+pen+s roub+r Níveis de Vit+lid+de ou Corpus +té o seu míxi-
mo de Corpus. Lm+ ve: que o Lsurírio tenh+ +lc+nç+do seu
Corpus míximo, est+ h+bilid+de fic+rí inútil - + n1o ser que
o person+¸em possu+ + +rte de T+x+ C+mbi+l.
¤ ¤ ¤ Emprestlmo
Lst+ +rte permite + +p+riç1o cur+r um mort+l ou outr+
+p+riç1o do+ndo-lhe seu próprio Corpus. O indivíduo-+lvo
é m+ntido perto d+ boc+ d+ +p+riç1o do+dor+ e recebe o
Corpus como um+ hílito espectr+l. A +p+riç1o n1o precis+
Usuru
171
est+r m+nifest+d+ p+r+ us+r est+ +rte em mort+is.
Sistema: O jo¸+dor test+ Vi¸or ÷ Lsur+ (+ dificuld+de
equiv+le +os Níveis correntes de Vit+lid+de ou Corpus). l+r+
c+d+ sucesso obtido um Nível de Corpus deve ser tr+nsferido
p+r+ o objeto. Lm+ f+lh+ crític+ neste teste si¸nific+ que o
fluxo de Corpus é revertido: vej+ + +rte S+que Automítico.
Lst+ +rte cust+ um ponto del+thos p+r+ ser us+d+.
¤ ¤ ¤ ¤ juxu Cumhlul
Lmbor+ um+ +p+riç1o poss+ converter seu l+thos em
Corpus (vej+ Cura, pí¸in+ XX), o Corpus sempre perm+ne-
ce o mesmo. Com est+ +rte, um+ +p+riç1o poderí +¸or+ con-
verter Corpus em l+thos. Ll+ poderí simplesmente conver-
ter o seu próprio Corpus, ou poderí us+r est+ +rte em con-
junto com S+que Automítico.(Ver +b+ixo)
Sistema: O jo¸+dor test+ lnteli¸ênci+ ÷ Lsur+ (dificul-
d+de 6). C+d+ sucesso permite que um ponto de Corpus sej+
convertido em l+thos.
¤ ¤ ¤ ¤ ¤ Investmento
Atr+vés do uso dest+ +rte, + +p+riç1o pode us+r despojos
como reserv+tórios p+r+ ¸u+rd+r Corpus e l+thos p+r+ uso
futuro. A +p+riç1o precis+ primeiro possuir um despojo p+r+
que est+ +rte sej+ us+d+. Concentr+ndo + su+ vont+de nesse
despojo, + +p+riç1o poderí usí-lo p+r+ +rm+:en+r ener¸i+,
c+n+li:+ndo-+ p+r+ ele. Lste l+thos en¸+rr+f+do é +cessível
+ qu+lquer indivíduo conhecedor do símbolo ou fr+se de
com+ndo com o qu+l + +p+riç1o selou o despojo.
Sistema: O jo¸+dor decide qu+ntos pontos de l+thos ou
Corpus ele desej+ investir, em em se¸uid+ escreve esse nú-
mero. O jo¸+dor test+ lnteli¸ênci+ ÷ Lsur+ (dificuld+de ¯).
l+r+ c+d+ sucesso, é investido um ponto de l+thos ou Cor-
pus. Todos os pontos excedentes s1o perdidos. Depois de ser
bem-sucedido, o person+¸em precis+ sel+r o despojo ¸+st+n-
do um ponto de lorç+ de Vont+de e determin+ndo um sím-
bolo ou com+ndo que precis+rí ser us+do qu+ndo + ener¸i+
dentro do despojo estiver p+r+ ser extr+íd+. Apen+s um tipo
de ener¸i+ pode ser +rm+:en+do dentro de um determin+do
despojo. O lo¸o D'+lm+ é cri+do dest+ form+: est+ +rte é
requirid+ p+r+ rec+rre¸+r crist+is v+:ios de lo¸o D'+lm+.
174
A
purlçño.
O

L
lmho
17¨
Cupltulo Sete.
Somhru
V·.. nun.a .n:.nJ.ra
C·m· · .s:ran|· s. |nsj|ra,
í·r¡u. .|. n.m s.mjr. . ma|,
L n.m s.mjr. .s:a .rraJ·...
- Billy Joel, "The Str+n¸er"
morte, + f+¸ulh+ do limbo em c+d+ +p+riç1o, +me+ç+ndo
consumir tudo que um+ +p+riç1o m+is +m+. Lss+s du+s in-
terpret+çöes, sob certo ponto de vist+, s1o verd+deir+s.
O "person+¸em" desempenh+do por um jo¸+dor de Apari-
ção é o +specto d+ lsiquê. lorém, qu+ndo o desespero e o
sofrimento fic+m fortes o b+st+nte, o l+do Sombr+ d+ +p+riç1o
emer¸e. Lste l+do Sombr+ é um person+¸em sep+r+do, com-
pleto com su+s própri+s C+r+cterístic+s e fich+ do person+¸em,
e norm+lmente n1o se encontr+ sob o controle do jo¸+dor.
Lste c+pítulo descreve como desenvolver o l+do ne¸ro
de um person+¸em. A lsiquê é cri+d+ pelo jo¸+dor com o
+uxílio do N+rr+dor; + Sombr+ é cri+d+ pelo N+rr+dor com o
+uxílio do jo¸+dor. As re¸¸r+s +present+d+s neste c+pítulo
permitem +o N+rr+dor deline+r + Sombr+.
Gulu du Somhru
A Sombr+ é um+ forç+ r+cion+l. Ll+ n1o +¸e mec+nic+-
mente: mesmo +s Sombr+s menos hum+n+s concedem + lsi-
quê pl+nos, truques e idéi+s brilh+ntes.
l+r+ represent+r isto, outro jo¸+dor do ¸rupo +ssume o
p+pel d+ Sombr+ do person+¸em. Lste jo¸+dor é ch+m+do de
Oui+ d+ Sombr+. lsso si¸nific+ que c+d+ jo¸+dor de Apari-
ção control+ dois person+¸ens: o seu próprio e + Sombr+ de
Duulldude
xistem dois +spectos princip+is n+ per-
son+lid+de de um+ +p+riç1o. O primei-
ro, + lsiquê, costum+ ser o l+do domi-
n+nte de um+ +p+riç1o. A lsiquê repre-
sent+ + forç+ d+ vont+de e + fonte d+
identid+de. Lm+ +p+riç1o se¸ue su+ lsi-
quê sendo fiel + si mesm+ e +¸indo de
+cordo com su+s crenç+s íntim+s (su+ N+ture:+). A lsiquê
confi+, +credit+, tem esper+nç+s e sonhos. A lsiquê, contu-
do, n1o pode existir so:inh+. Todo person+¸em t+mbém pos-
sui seu l+do ne¸ro.
As +p+riçöes ch+m+m est+ escurid1o interior de Sombr+.
Norm+lmente + Sombr+ é um l+do reprimido e oculto de um
+p+riç1o. A p+l+vr+ "m+l" n1o se enqu+dr+ inteir+mente; +
fr+se "l+do ne¸ro" é m+is +propri+d+. L + im+¸em ne¸+tic+
d+ lsiquê. Do ponto de vist+ d+ Sombr+, + escurid1o é +
fonte d+ forç+. A Sombr+ +liment+ dúvid+, resistênci+, +nti-
p+ti+ e o subconsciente. Do ponto de vist+ d+ lsiquê, + Som-
br+ é um+ forç+ de destruiç1o, n1o cri+ç1o. L o desejo de
17o
A
purlçño.
O

L
lmho
outro. O Oui+ d+ Sombr+ interpret+ os instintos subconsci-
entes de um person+¸em. Lle costum+ sussurr+r dic+s e
promess+s de poder, tent+ndo en¸+n+r o jo¸+dor, f+:endo-o
desempenh+r +çöes +uto-destrutiv+s.
C+d+ personific+ç1o é desempenh+d+ em consenso. O
N+rr+dor decide que jo¸+dor represent+rí + Sombr+. Contu-
do, um jo¸+dor pode ter + liberd+de de escolher o seu pró-
prio Oui+ d+ Sombr+. Todos os jo¸+dores devem sentir-se +
vont+de com + decis1o fin+l. O N+rr+dor +jud+ + desenvol-
ver o person+¸em + medid+ que o jo¸o pro¸ride.
Contudo, deve-se ress+lt+r que, dur+nte os períodos nos
qu+is + Sombr+ domin+r diret+mente o jo¸+dor, serí o N+rr+-
dor, e na· o Oui+ d+ Sombr+, que control+rí o person+¸em.
N+ condiç1o de Oui+ d+ Sombr+, você possui um certo
nível de poder... e de respons+bilid+de. Você precis+ est+r
f+mili+ri:+do com + +p+riç1o cuj+ Sombr+ control+. lsto n1o
si¸nific+ que você precis+ decor+r + fich+ do person+¸em,
m+s definitiv+mente deve est+r f+mili+ri:+do com o que +
lsiquê d+ su+ Sombr+ é c+p+: de re+li:+r. Você t+mbém pre-
cis+ compreender +s ferr+ment+s que tem + su+ disposiç1o.
lin+lmente, é preciso s+ber qu+ndo p+r+r. Você precis+
compreender qu+ndo f+cilit+r, qu+ndo cess+r o +t+que espi-
ritu+l +o seu pobre +lvo. Se + su+ Sombr+ estiver sempre
+tiv+ e tent+ndo prejudic+r o person+¸em, + históri+ sofrerí.
Se você for violento dem+is, + pesso+ que estiver interpre-
t+ndo + sua sombr+ poderí +ch+r necessírio +¸ir d+ mesm+
form+ com você.
Acim+ de tudo, você precis+ compreender que, +pes+r
de est+r interpret+ndo um+ entid+de de escurid1o e destrui-
ç1o, el+ é um+ entid+de inteli¸ente que entende que +s pe-
quen+s vitóri+s, +cumul+d+s com o tempo, v+lem m+is que
um único triunfo. O tr+b+lho d+ Sombr+ requer p+ciênci+,
esperte:+ e inteli¸ênci+. Lse "finesse".
Além disso, todos os envolvidos precis+m lembr+r de um+
cois+: é só um jo¸o. O N+rr+dor é responsível por impedir que o
Oui+ d+ Sombr+ +buse de su+ posiç1o. Se for necessírio, ele
poderí intervir e tom+r +s réde+s d+ Sombr+ de um person+¸em.
O ]rocesso de Crluçño de umu
Somhru
Ls:·u a|r|¸anJ· um ju¸|:|t·, uma .sj..|. J. J.s.r:·r
L|a t|t. na m|n|a a|ma . |.|. J. m.u
t|n|·
L .u ||. Jar|a m.u u|:|m· susj|r· jara
n·s man:.r t|t·s
- lndi¸o Oirls, "lu¸itive"
Depois que um person+¸em tiver p+s-
s+do por todos os outros estí¸ios d+ cri-
+ç1o de um person+¸em, o N+rr+dor começ+rí + desenvol-
ver + Sombr+ do person+¸em. O N+rr+dor precis+ +tribuir
177
profundid+de + c+d+ person+¸em em seu jo¸o. Lle deve tor-
n+r + "lu:" de seu jo¸o m+is brilh+nte, contr+st+ndo-+ com
um+ escurid1o c+d+ ve: m+ior.
]rlmelro ]usso. Concelto
ls:· ¡ama|s sa|.r.|, mas t|t.r.| .m Jut|Ja
-:. · m.u an¡· mau .xju|sar · m.u an¡· |·m.
- Willi+m Sh+kespe+re, "Soneto 1+1"
O N+rr+dor e o jo¸+dor precis+m escolher um conceito
p+r+ + Sombr+. lsto represent+ um+ person+lid+de ¸er+l d+
Sombr+, m+s t+mbém di: um pouco sobre o c+ríter do per-
son+¸em. lrocure determin+r o que re+lmente torn+ o per-
son+¸em sin¸ul+r. Que se¸redos o incomod+m e +tormen-
t+m dur+nte o jo¸o!
Lm momento excelente p+r+ desenvolver ess+s idéi+s é
dur+nte o prelúdio de um person+¸em. Compreendendo +s
forç+s e os desejos que motiv+v+m um person+¸em +tr+vés
d+ vid+, o n+rr+dor terí um+ idéi+ do que o motiv+ n1o +pe-
n+s n+ morte, m+s rumo + morte. A Sombr+ é + enc+rn+ç1o
dos pes+delos d+ lsiquê.
Ab+ixo est1o list+dos diversos Arquétipos de Sombr+.
Al¸uns deles s1o v+ri+ntes de Arquétipos de lsiquê existen-
tes (é +té mesmo possível, em +l¸uns c+sos, que um person+-
¸em possu+ o mesmo Arquétipo p+r+ o Comport+mento, +
N+ture:+ e + Sombr+). Os +spectos list+dos +b+ixo s1o +pe-
n+s um+ +mostr+. Sint+-se + vont+de p+r+ desenvolver seus
conceitos pesso+is sobre + Sombr+.
Arquetlpos du Somhru
Lsses Arquétipos norm+lmente se +plic+m +o Oui+ d+
Sombr+. A medid+ que el+ en¸+n+ e corrompe, + Sombr+
desenvolve su+ person+lid+de e métodos. O Arquétipo t+m-
bém pode ser útil p+r+ o jo¸+dor enqu+nto ele estiver inter-
pret+ndo dur+nte períodos de C+rt+se.
A Vloludoru
Lst+ Sombr+ represent+ + "cri+nç+ interior" esp+nc+d+ que
fechou um ciclo, crescendo e p+ss+ndo + infli¸ir m+is dor +
outros. Ll+ é +ltern+d+mente inf+ntil e furios+, c+rinhos+ e
violent+. N+ m+iori+ d+s ve:es el+ é c+ótic+, sendo pr+tic+-
mente impossível prever seus +tos. Como + lerfeccionist+, +
Viol+dor+ f+: exi¸ênci+s impossíveis. M+s +o contrírio d+ per-
feccionist+, el+ j+m+is esper+ que o person+¸em cumpr+ su+s
exi¸ênci+s. A Viol+dor+ esper+ que o person+¸em fr+c+sse - o
fr+c+sso é um+ desculp+ p+r+ + su+ crueld+de.
Qu+ndo domin+nte, est+ Sombr+ us+ o seu próprio po-
der p+r+ +¸ir violent+mente com os outros: sej+ medi+nte
+tos de violênci+ sem sentido, sej+ exi¸indo servid1o ou tr+-
ç+ndo pl+nos p+r+ provoc+r sofrimento. A Viol+dor+ quer
que o mundo inteiro sofr+ com el+.
A Dlretoru
lri+ e c+lm+, est+ Sombr+ esconde su+ verd+deir+ n+tu-
re:+ por trís de um+ f+ch+d+ de honr+, o que p+ss+ + impres-
s1o de que el+ sej+ beni¸n+. N+ verd+de, el+ é um+ ¸r+nde
m+nipul+dor+. Os seus se¸redos s1o +s ch+ves com +s qu+is
¸r+du+lmente libert+ ironi+s e dúvid+s interiores. O objetivo
fin+l d+ Diretor+ é destruir + su+ vont+de com terror num
único ¸olpe. Ll+ ¸ost+ de vê-lo tropeç+r n+s +rm+dilh+s que
+rm+, e +dor+ + su+ express1o de surpres+ e descrenç+ qu+n-
do lhe mostr+ o que você se tornou.
Lst+ Sombr+ meticulos+ e +ssust+dor+ subit+mente invo-
c+ elementos sombrios, sementes d+ +lm+ que +c+b+m ¸er-
min+ndo como +l¸um+ cois+ re+lmente horrível. Como um+
enlouquecid+ +present+dor+ de pro¸r+m+ de per¸unt+s e res-
post+s, el+ +bre cortin+s p+r+ revel+r fr+que:+s que você j+-
m+is soube possuir.
Qu+ndo est+ Sombr+ estí no poder, el+ prep+r+ sorr+tei-
r+mente su+ próxim+ série de +rm+dilh+s. Ll+ t+mbém ¸ost+
de f+:er pressöes psicoló¸ic+s, forç+ndo os outros + confron-
t+r su+s própri+s fr+que:+s.
A Aherruçño
A Aberr+ç1o conhece todos os seus se¸redos e tir+ um
pr+:er perverso deles. Ll+ ¸ost+ de tr+nsformí-lo n+quilo que
você m+is odei+. Qu+ndo el+ sussurr+ p+r+ você, el+ o f+:
sentir-se complet+mente só, como se você fosse o único que
f+ri+ +s cois+s que você fe:. Ao mesmo tempo, porém, +
Aberr+ç1o lhe dí permiss1o p+r+ f+:er cois+s horríveis. A
+berr+ç1o sente pr+:er com + su+ ver¸onh+.
Qu+ndo + Aberr+ç1o estí no poder, el+ costum+ tent+r
enver¸onh+r seu hospedeiro. Ll+ forç+rí o hospedeiro + en-
tre¸+r-se + muitos +tos terríveis. Além disso, + Aberr+ç1o t+m-
bém se delici+ em despert+r e expor + perversid+de dos outros.
A Sunguessugu
Lst+ Sombr+ é um bur+co dentro de você, um poço de
necessid+de pur+, c+v+do por ne¸li¸ênci+ e ódio. Lst+ Som-
br+ precis+ de +mor, s+tisf+ç1o sexu+l, bens, +limento, +ten-
ç1o - tudo. A S+n¸uessu¸+ +me+ç+ consumir tudo + su+ vol-
t+, incluindo você mesmo. Lst+ Sombr+ costum+ +¸ir como
um+ cri+nç+ perdid+, um+ cri+tur+ merecedor+ +pen+s de
pen+, h+bit+ndo o seu interior e cl+m+ndo const+ntemente
por +jud+. N+ verd+de, el+ estí no com+ndo, e seus +petites
vor+:es est1o lev+ndo você +o limbo.
Qu+ndo est+ sombr+ estiver no controle, el+ f+rí tudo
p+r+ obter +quilo que s+tisf+ç+ su+s necessid+des. Ll+ n1o se
import+rí em us+r, +rruin+r e desc+rt+r os outros. Ll+ c+sti-
¸+rí o mundo sem pied+de se seus desejos forem rejeit+dos.
O Mártlr
O Mírtir só quer um+ cois+: termin+r + su+ existênci+ o
m+is rípido possível. Lle pode tent+r +rr+st+r outros com
ele, m+s o seu objetivo princip+l é forçí-lo + se entre¸+r +o
limbo, + complet+r o processo d+ morte. Lle sempre p+rece
procur+r morrer de novo, e de novo. O Mírtir costum+ us+r
+ su+ fé e +ltruísmo como +l+v+nc+s, oferecendo s+crifícios
¸loriosos +o deus m+ior. M+s +s preces que o Mírtir oferece
s1o f+ls+s, condu:indo +pen+s + +niquil+ç1o.
178
A
purlçño.
O

L
lmho
Qu+ndo est+ Sombr+ estiver no poder, el+ irí imedi+t+-
mente coloc+r o +nfitri1o n+ situ+ç1o m+is peri¸os+ que pu-
der. Ll+ t+mbém irí pre¸+r + outr+s +p+riçöes sobre + futili-
d+de d+ existênci+ contínu+ e + necessid+de do s+crifício
por um objetivo m+ior.
O Monstro
O Monstro é um+ cois+ horrível e desconhecid+. Você n1o
pode começ+r + entender o que ele quer, ou porque. Lle é
irr+cion+lmente destrutivo, l+nç+ndo-se contr+ tudo + su+ volt+.
Qu+ndo est+ Sombr+ estiver no poder, el+ +t+c+rí irr+ci-
on+lmente tudo que estiver em seu c+minho. Ll+ t+mbém é
verb+lmente violent+, tendo o híbito de di:er obscenid+des
+ todos que encontr+.
A Mñe
Superprotedor+ e c+rinhos+, est+ Sombr+ quer m+nter
você bonito, s+udível e limpo. Ll+ quer que você +me +pe-
n+s + el+. L se n1o + escut+r, el+ o f+rí com que se sint+
culp+do por isso. N+ verd+de, el+ estí pens+ndo +pen+s em
seus interesses. Ll+ conhece os seus pens+mentos sujos e seus
desejos m+is vis, m+s +ind+ o +m+ (embor+ nin¸uém m+is
poderi+ +m+r um monstro como esse...) Ll+ tent+ +ument+r
+ su+ +uto-estim+, m+s n1o pode evit+r de lembrí-lo "+ci-
dent+lmente" como você fr+c+ssou. Contudo, el+ o +jud+rí.
Re+lmente. Afin+l de cont+s, você n1o é o seu bebe:inho!
Qu+ndo estí no poder, est+ Sombr+ costum+ procur+r
"prote¸er" outr+s +p+riçöes e f+:ê-l+s sentir-se culp+d+s por
cois+s que el+s fi:er+m. Ll+ t+mbém tent+rí destruir todos os
rel+cion+mentos do +nfitri1o.
A ]erleclonlstu
Lst+ Sombr+ est+belece limites e objetivos que excedem
em muito + su+ c+p+cid+de de re+li:í-los. Lnt1o, qu+ndo
você fin+lmente fr+c+ss+, ele critic+ c+d+ f+lh+ com o tom
de vo: de um s+r¸ento instrutor. Ll+ conhece tod+s +s su+s
fr+que:+s e j+m+is o deix+ esquecê-l+s. Até mesmo os seus
sucessos poderi+m ter sido melhores. Aind+ +ssim, el+ lhe
oferece + esper+nç+ de um di+ +lc+nç+r + perfeiç1o - obvi+-
mente, um+ esper+nç+ infund+d+.
Qu+ndo estí no poder, est+ Sombr+ procur+ ferir seu hos-
pedeiro, +credit+ndo que ele sej+ indi¸no e fr+co. Além disso,
el+ freqüentemente +torment+ outr+s +p+riçöes + su+ volt+.
A ]ulsu Amlgu
A l+ls+ Ami¸+ é su+ c+m+r+d+, su+ cúmplice. Como
Mefistófoles, el+ é útil, solícit+ e enc+nt+dor+. Ll+ estí sem-
pre pront+ p+r+ oferecer +jud+ - por um preço. A l+ls+ Ami-
¸+ pode +té mesmo lhe d+r crédito... +fin+l de cont+s, p+r+
que servem +s +mi¸+s! "N1o se preocupe: sej+ feli:" - esse é o
dit+do d+ l+ls+ Ami¸+. Ll+ quer que você se divirt+... o mí-
ximo que puder +¸üent+r...
Qu+ndo estí no poder, A l+ls+ Ami¸+ tent+rí coloc+r o
hospedeiro em peri¸o ou priv+ç1o, forç+ndo-o + recorrer +o
poder que +pen+s el+ pode oferecer.
179
A Ruclonul
Lst+ Sombr+ é o l+do r+cion+l de um+ pesso+. Ll+ discute
c+lm+mente + situ+ç1o com você, explic+ndo ¸entilmente
por que você deveri+ f+:er o que el+ quer e oferecendo r+-
:öes complet+mente ló¸ic+s p+r+ isso. Obvi+mente, su+ ló¸i-
c+ é pl+nej+d+ p+r+ f+:er você descer rumo +o limbo.
Ll+ nunc+ o enfrent+ +bert+mente. Ao invés disso, el+
enche + su+ mente de dúvid+s - dúvid+s que +pen+s el+ pode
escl+recer. Lst+ Sombr+ possui um+ respost+ sensível e r+ci-
on+l p+r+ tudo e lhe oferece t+mbém + proteç1o d+ ne¸+ç1o:
cert+mente, os pens+mentos que lhe ocorrem n1o p+ss+m
de sentimentos tolos instil+dos por um+ cri+ç1o repressor+.
Com tod+ certe:+, os pens+mentos e idéi+s insti¸+dos por
est+ Sombr+ n1o poderi+m prejudic+r t+nto +l¸uém...
Qu+ndo estí no poder, est+ Sombr+ cri+ condiçöes que
prov+m seus inúmeros postul+dos. Ll+ t+mbém "+conselh+"
outr+s +p+riçöes, tent+ndo en¸+ní-l+s com seu pens+mento
"ló¸ico".
Segundo ]usso. Angst
"Vid+", disse M+rvin. "N1o me f+le sobre + vid+."
- Dou¸l+s Ad+ms, O Mochileiro d+s O+líxi+s
A Sombr+ é movid+ por um+ C+r+terístic+ ch+m+d+
An¸st. Lst+ c+r+cterístic+ represent+ e qu+ntific+ + dor de
um+ +p+riç1o, su+ +lien+ç1o, frustr+ç1o e dúvid+s. Qu+nto
m+is +lto for o nível de An¸st, m+is poderos+ serí + Sombr+.
O nível de An¸st sempre começ+ i¸u+l ou menor que +
lorç+ de Vont+de inici+l do person+¸em. l+ç+ um teste com
d+dos i¸u+l + lorç+ de Vont+de do person+¸em (dificuld+de
6). O número de sucessos indic+ o número de pontos de An¸st
"perm+nentes" que o person+¸em tenh+ no começo do jo¸o.
"O" An¸st represent+ o estresse e + emoç1o reprimid+
dentro de um+ +p+riç1o. O An¸st t+mbém determin+ + forç+
d+ Sombr+. A Sombr+ pode ¸+st+r pontos de An¸st ex+t+-
mente como + +p+riç1o ¸+st+ lorç+ de Vont+de.
M+s +o contrírio d+ lorç+ de Vont+de, o An¸st tempo-
rírio pode romper os limites de su+ cont+¸em perm+nente.
Qu+ndo o An¸st temporíri+ de um person+¸em exceder su+
lorç+ de Vont+de perm+nente, + Sombr+ poderí tent+r so-
brepuj+r + lsiquê e tom+r o controle d+ +p+riç1o. Se + Som-
br+ possuir 10 pontos temporírios de An¸st enqu+nto esti-
ver domin+ndo o person+¸em, el+ troc+ tod+ seu An¸st tem-
porírio por um ponto de An¸st perm+nente. O person+¸em
deu m+is um p+sso n+ direç1o do limbo.
Dur+nte o jo¸o, o An¸st pode +ument+r e diminuir sem o
conhecimento do jo¸+dor. A idéi+ é que o jo¸+dor j+m+is deve
s+ber re+lmente o est+do do seu person+¸em. Al¸uns Mistéri-
os concedem + Sombr+ pontos temporírios de An¸st. A Som-
br+ t+mbém possui su+s própri+s +rm+s, ch+m+d+s Lspinhos.
Certos Lspinhos concedem An¸st temporírio. lin+lmente, +
Sombr+ possui su+s própri+s l+ixöes Ne¸r+s. Se + +p+riç1o
cumprir o propósito ou infli¸ir + p+ix1o de um+ l+ix1o Ne¸r+
num+ cri+tur+ mort+l, el+ poderí s+tisf+:er r+pid+mente + si
mesm+ com qu+ntid+des m+iores de An¸st.
Dur+nte o jo¸o, o Oui+ d+ Sombr+ precis+ m+nter um
re¸istro d+ cont+¸em de An¸st. Lle t+mbém precis+rí s+ber
+ cont+¸em perm+nente de lorç+ de Vont+de. O N+rr+dor
poderí escolher m+nter o re¸istro t+mbém, m+s ele norm+l-
mente est+rí ocup+do dem+is cont+ndo + históri+. O jo¸+-
dor sempre s+berí + su+ cont+¸em de lorç+ de Vont+de m+s
nunc+ conhecerí su+ cont+¸em de An¸st.
jercelro ]usso. ]ulxões Negrus
Lm se¸uid+, o N+rr+dor precis+ escolher +s l+ixöes d+
Sombr+. Defin+ +s l+ixöes d+ Sombr+ (ou "l+ixöes Ne¸r+s")
d+ mesm+ form+ que você define +s l+ixöes d+ lsiquê: c+d+
l+ix1o consiste de um+ breve descriç1o de um+ linh+ d+
l+ix1o, se¸uid+ d+ emoç1o +propri+d+. Você deve us+r +s
l+ixöes d+ su+ lsiquê como um ¸ui+, porque +s l+ixöes
Ne¸r+s em ¸er+l s1o opost+s +s d+ lsiquê. Aind+ +ssim, fique
+ vont+de p+r+ f+:er l+ixöes p+r+lel+s ou exclusiv+s qu+ndo
lhe p+recer +dequ+do. O N+rr+dor +tribui sete pontos de
l+ixöes Ne¸r+s +o cri+r um+ Sombr+ e o jo¸+dor pode ¸+st+r
pontos de bonus p+r+ +umentí-l+s dur+nte + ¸er+ç1o do per-
son+¸em. S+tisf+:er um+ l+ix1o Ne¸r+ concederí +o perso-
n+¸em An¸st puro. Vej+ l+ixöes Ne¸r+s, +di+nte.
]usso Quutro. ]ontos de Bônus
O N+rr+dor possui 10 pontos de bonus p+r+ ¸+st+r n+s
C+r+cterístic+s d+ Sombr+. Lsses pontos de bonus podem ser
us+dos p+r+ +ument+r + cont+¸em de An¸st ou compr+r Ls-
pinhos. Rep+re, porém, que + cont+¸em perm+nente de An¸st
de um person+¸em j+m+is poderí exceder + lorç+ de Vont+-
de do person+¸em, embor+ os pontos temporírios de An¸st
poss+m che¸+r +té 10.
An¸st perm+nente - 5 pontos por círculo
(inici+lmente n1o poderí ser m+is +lt+ que + lorç+ de
Vont+de perm+nente)
An¸st Temporíri+ - 2 pontos por círculo
(inici+lmente n1o pode ser m+ior que + An¸st perm+-
nente)
l+ixöes Ne¸r+s - 1 ponto por círculo
(míximo de 10 círculos)
Lspinhos ¸ list+dos individu+lmente +di+nte
Esplnlos
No fim você se renderí -
L v+i doer um pouquinho.
- New Order, "lerfect liss"
Os Lspinhos s1o qu+lid+des especi+is que + Sombr+ pos-
sui. Lss+s qu+lid+des se encontr+m tot+lmente sob o contro-
le do N+rr+dor, n1o do jo¸+dor.
Prestígio EspectraI: 1 ponto/nível - A Sombr+ é respei-
t+d+ entre Lspectros e freqüentemente serí +jud+d+ por eles.
Tr+te isto como Notoried+de p+r+ + Sombr+.
AIiados Negros: 1 ponto/nível - + Sombr+ comunic+-se
18u
A
purlçño.
O

L
lmho
re¸ul+rmente com Lspectros n+ íre+. Tr+te este Lspinho
como se + Sombr+ possuísse o Antecedentes Ali+dos, +pli-
cível +pen+s +os Lspectros d+ re¸i1o.
Despojo MacuIado: 1 ponto/despojo - A Sombr+ possui
um despojo import+nte que se m+nifest+ +pen+s qu+ndo estí
em seu poder. Lste despojo poderi+ ser um+ mísc+r+, um+
+rm+ ou +l¸um outro objeto. O person+¸em deve ser c+p+:
de reconhecer su+ ori¸em se ele lhe for descrito ou se ele o
ver num espelho. A m+nifest+ç1o deste despojo demonstr+
+os outros no Círculo d+ +p+riç1o que + Sombr+ +ssumiu o
controle.
Infâmia: 1 ponto/nível - As pesso+s +m+ldiço+m o nome
do person+¸em tod+s +s noites +ntes de dormir. O Lspinho
d+ lnfìmi+ c+us+ um+ espécie de Memori+m p+r+ colet+r
nos Orilhöes do person+¸em. Apen+s + Sombr+ pode benefi-
ci+r-se dest+ ener¸i+. Sempre que um+ +p+riç1o entr+r em
Modorr+, o N+rr+dor f+rí um teste com um número de d+-
dos i¸u+l +o nível d+ Sombr+ neste Lspinho (dificuld+de 6).
l+r+ c+d+ sucesso, o ódio dos vivos tr+nsmite um ponto de
An¸st p+r+ + +p+riç1o. O nível míximo deste Lspinho é 5.
SinaI da Morte: 1-3 pontos - A Sombr+ lev+ o person+-
¸em + m+nifest+r um+ c+r+cterístic+ que o +comp+nh+ +on-
de que que ví. Lss+ c+r+cterístic+ pode v+ri+r desde um ru-
f+r de +s+s que +nunci+m su+ presenç+ +té ch+m+s que pin-
¸+m del+, cobrindo tudo que toc+. Lste símbolo pode +té
mesmo conceder cores +os efeitos dos seus Mistérios, f+cili-
t+ndo enormemente perceber su+ presenç+ e se¸uir seus
movimentos. O sin+l pode ser "desli¸+do" pelo person+¸em
¸+st+ndo um ponto de lorç+ de Vont+de por ponto de Lspi-
nho ¸+sto no sin+l.
Características da Sombra: 2 pontos - Você pode com-
pr+r um círculo de qu+lquer Atributo ou H+bilid+de que +
Sombr+ poss+ do+r como um bonus p+r+ + l+r+d+ de D+dos
p+r+ +quel+ C+r+cterístic+. Você precis+ especific+r o Atribu-
to ou + H+bilid+de qu+ndo o Lspinho for compr+do dur+nte +
cri+ç1o d+ Sombr+. O person+¸em pode +cess+r + C+r+cterís-
tic+ d+ Sombr+ + vont+de, m+s + Sombr+ ¸+nh+ um ponto
temporírio de An¸st c+d+ ve: que o person+¸em +ceit+r +ju-
d+ e fi:er um teste us+ndo + C+r+cterístic+ d+ Sombr+.
Aura de Corrupção: 2 pontos - A Sombr+ deform+ o per-
son+¸em torn+ndo-o des+¸r+dível p+r+ +s outr+s +p+riçöes:
t+lve: ele tenh+ um cheiro horrível, + su+ vo: sej+ rouc+, o seu
corpo ou rosto sej+ desfi¸ur+dos ou ele tenh+ um+ form+ mons-
truos+, etc. As dificuld+des de todos os testes envolvendo in-
ter+çöes soci+is com outr+s +p+riçöes s1o +ument+d+s em dois
pontos. Lste espinho só pode ser compr+do um+ ve:.
Chamado da Sombra: 2 pontos - A Sombr+ tem o poder
de invoc+r Lspectros ch+m+ndo-os p+r+ + Tempest+de. O+s-
t+ndo um ponto de An¸st e sendo bem-sucedido num teste
de An¸st (dificuld+de ¯), + Sombr+ pode invoc+r Lspectros.
O número e + forç+ dos Lspectros s1o determin+dos pelo
número de sucessos no teste de An¸st. O person+¸em preci-
Espl nlos Espl nlos Espl nlos Espl nlos Espl nlos
Mí sorte
C+r+cterístic+
d+ Sombr+ (+rm+s de fo¸o)
Truque d+ lu:
Angst Angst Angst Angst Angst
G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G O O O O O

]orçu de V ]orçu de V ]orçu de V ]orçu de V ]orçu de Vontude ]slqulcu ontude ]slqulcu ontude ]slqulcu ontude ]slqulcu ontude ]slqulcu
G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G G O O O
]ulxões Negrus ]ulxões Negrus ]ulxões Negrus ]ulxões Negrus ]ulxões Negrus
M+¸o+r Cynthi+ (Ódio) ..... GGGG GGGG GGGG GGGG GGGGO
Lncontr+r novo
+m+nte (luxúri+) ............... GG GG GG GG GGOOO
OOOOO
OOOOO
OOOOO
OOOOO
Psiquê: C+ss+ndr+ Arquetipo: S+n¸uessu¸+
]ogador Cuia da Sombra: J+ck
181
s+ est+r n+ Tempest+de p+r+ us+r este Lspinho.
Pacto do ApocaIipse: 3 pontos - A Sombr+ pode f+:er um
p+cto com seu +nfitri1o, concedendo um conhecimento +m-
pli+do de Mistérios em troc+ de um m+ior controle. C+d+ p+cto
determin+ + submiss1o do hospedeiro e ex+t+mente qu+nto
conhecimento de Mistérios é concedido. Lm p+cto n1o pode
ser imposto + um person+¸em - ele precis+ +ceití-lo conscien-
temente. Qu+ndo um p+cto é feito, + Sombr+ ¸+nh+ um+ qu+n-
tid+de de pontos perm+nentes de An¸st equiv+lente +o nível
ou níveis dos Mistérios que el+ ensin+. Lm+ Sombr+ n1o pre-
cis+ conhecer o Mistério p+r+ ensiní-lo: el+ pode simplesmente
+cess+r ess+ inform+ç1o do corpo do conhecimento +rc+no
que tod+s cri+tur+s do limbo podem +cess+r. Lste Lspinho
pode ser compr+do +pen+s um+ ve:.
Toque MacuIado: 3 pontos - Sempre que o person+¸em
toc+r +l¸um+ cois+ ou +l¸uém, h+verí um+ ch+nce d+ cois+
ou pesso+ torn+r-se m+cul+d+ pelo limbo. l+ç+ um teste com
três d+dos (dificuld+de 6). O número de sucessos equiv+le +o
número de pontos de An¸st ou Níveis de Vit+lid+de que +
+p+riç1o pode infli¸ir +o +lvo. O person+¸em pode lut+r con-
tr+ este Lspinho ¸+st+ndo um ponto de lorç+ de Vont+de e
f+:endo um teste de lorç+ de Vont+de (dificuld+de 6). O nú-
mero de sucessos no teste deve i¸u+l+r ou exceder o teste de
Mícul+. Lste Lspinho pode ser compr+do +pen+s um+ ve:.
Truque da Luz: 3 pontos - A Sombr+ pode +lter+r sutil-
mente +s percepçöes de um person+¸em p+r+ s+tisf+:er su+s
necessid+des. Lste é um poder muito sutil d+ Sombr+, m+s é
extrem+mente forte qu+ndo us+do corret+mente. A Sombr+
¸+st+ um ponto de An¸st por seqüêci+ p+r+ m+nter + mu-
d+nç+ de percepç1o. Rep+re que est+ ferr+ment+ +pen+s co-
bre um sentido por uso: os múltiplos sentidos requerem ¸+s-
tos extr+ordinírios de An¸st. O Oui+ d+ Sombr+, n1o o N+r-
r+dor, descreve o que o person+¸em sente.
Má Sorte: 3 pontos - A Sombr+ pode ¸+st+r pontos de
An¸st p+r+ redu:ir o número de sucessos obtidos por seu per-
son+¸em hospedeiro, ex+t+mente como o jo¸+dor pode ¸+st+r
lorç+ de Vont+de p+r+ +ument+r o número de sucessos.
DoppeIganger: 3 pontos - A Sombr+ pode +p+recer como
uma pesso+ complet+mente diferente. A pesso+ pode ser
conhecid+ ou n1o. lsto dificult+ que os +mi¸os do person+-
¸em o reconheç+m se + Sombr+ +ssumir seu controle.
Sombra de Estimação: 5 pontos - A Sombr+ possui um
espírito menor do limbo que +¸e como seu espírito domesti-
c+do. Lsse espírito domestic+do pode ser os olhos, +s orelh+s
ou + vo: d+ +p+riç1o. Lle costum+ ser rel+tiv+mente inofen-
sivo, devendo +¸ir +pen+s como espi1o. A Sombr+ de Lsti-
m+ç1o é pequen+, m+s pode ter qu+lquer t+m+nho desej+do
pel+ Sombr+.
Ato IaIho: 5 pontos. Medi+nte o dispêndio de cinco pon-
tos de An¸st, + Sombr+ pode lev+r o person+¸em + tom+r um+
+titude involuntíri+ ou súbit+, podendo inserir um único pen-
s+mento espontìneo n+ c+beç+ do person+¸em. lsto pode ser
resistido pelo person+¸em ¸+st+ndo um ponto de lorç+ de
Vont+de e re+li:+ndo um teste de lorç+ de Vont+de (dificul-
d+de ¯). L preciso +pen+s um sucesso p+r+ resistir.
182
A
purlçño.
O

L
lmho
Vida Sombria: 5 pontos - A Sombr+ vive um+ vid+ p+r+-
lel+. Sempre que o person+¸em entr+r em Modorr+, + Som-
br+ +ssume o controle sobre seus +tos. lsto pode condu:ir +
+l¸uns problem+s muito interess+ntes, + medid+ que o per-
son+¸em se encontr+ com pesso+s +s qu+is + Sombr+ en¸+-
nou ou +t+cou de +l¸um+ form+. O person+¸em pode +té
mesmo nem s+ber sobre est+ propried+de de su+ Sombr+.
lor m+is dois pontos de Lspinhos, o person+¸em sofre um
bloqueio ment+l sobre o f+to. Lste Lspinho pode ser com-
pr+do +pen+s um+ ve:.
Audácia do Demonio: ¯ pontos - Ao investir um+ qu+n-
tid+de de pontos de An¸st num único com+ndo e escrever o
com+ndo num bilhete p+ss+do +o jo¸+dor, o Oui+ d+ Som-
br+ pode estipul+r +l¸um+ +ç1o que + lsiquê poss+ desempe-
nh+r. A Audíci+ do Demonio precis+ ser definid+ especifi-
c+mente, devendo ser +l¸um+ cois+ que o person+¸em poss+
re+lmente f+:er. Os pontos de An¸st s1o ¸+stos imedi+t+-
mente. C+d+ ponto de An¸st ¸+sto dest+ form+ represent+ +
severid+de d+ +ç1o: se + +ç1o for muito sever+, o jo¸+dor
pode pedir +o N+rr+dor que el+ sej+ +br+nd+d+. Se, no fim
d+ sess1o, de +l¸um+ form+ + Audíci+ n1o tiver funcion+do
n+s +çöes do person+¸em, o person+¸em perderí um+ qu+n-
tid+de de pontos de lorç+ de Vont+de i¸u+l + An¸st investi-
d+ n+ Audíci+.
Um Comentárlo ]lnul sohre u Crluçño du Somhru
Lmbor+ + sombr+ sej+ um+ p+rte muito import+nte de um per-
son+¸em, você deve certific+r-se que o person+¸em d+ sombr+ n1o
irí "super+tu+r" + lsiquê desse person+¸em. Aind+ que + Sombr+
poss+ vir + triunf+r sobre + lsiquê, o person+¸em do jo¸+dor é m+is
import+nte que o do Oui+ d+ Sombr+.
Gulundo u Somhru
s tent+çöes d+ sombr+ s1o oferecid+s por outro jo¸+dor ch+-
m+do o Oui+ d+ Sombr+. O Oui+ d+ Sombr+ desenvolve um+
"person+" p+r+ + Sombr+ e + interpret+ como um person+-
¸em secundírio.
C+so você escolh+ ser um Oui+ d+ Som-
br+, terí um tr+b+lho import+nte + f+-
:er. Você deve expor este impulso som-
brio d+ +p+riç1o. l+r+ interpret+r + Som-
br+, você precis+ s+ber o que + motiv+.
Ao +tu+r como um Oui+ d+ Sombr+,
m+ntenh+ re¸istro do An¸st n+ fich+ d+ Sombr+ (consulte
-n¸s:, +di+nte, p+r+ f+mili+ri:+r-se com + form+ com que o
An¸st +ument+ e diminui).
Qu+ndo estiver personific+ndo + Sombr+ de outro perso-
n+¸em, sussurre, de modo + indic+r que é um+ Sombr+, e
n1o o seu person+¸em bísico, que estí f+l+ndo. Apont+r p+r+
+ lsiquê do person+¸em t+mbém pode deix+r su+s intençöes
m+is evidentes. O import+nte é deix+r cl+ro que estí inter-
pret+ndo + Sombr+, e na· o seu person+¸em.
183
jormento ]slqulco. A Guerru com u Somhru
-..|:. a t.rJaJ.. Na· |a |uz s.m s·m|ra...
- Shiw+n lh+n, T|. S|aJ·u
A Sombr+ dentro de c+d+ +p+riç1o busc+ um+ cois+: unir-
se +o limbo. A lsiquê do person+¸em é o que + impede de
conse¸uir isso. O Corpus +¸e como os últimos vestí¸ios de
um c+sulo mort+l. A Sombr+ esper+ pel+ met+morfose...
Muit+s Sombr+s possuem impulsos inconscientes ou n1o
podem fix+r-se num único objetivo. A m+iori+, contudo,
possui um objetivo definido e tr+b+lh+ p+r+ +lc+nçí-lo. O
objetivo bísico costum+ ser + subju¸+ç1o definitiv+ d+ lsi-
quê. A Sombr+ +credit+ que + lsiquê deveri+ d+r-lhe tot+l
liberd+de de +ç1o.
]ulxões Negrus
A Sombr+ n1o pode entender +s emoçöes m+is "refin+d+s".
Mesmo emoçöes como +mor ou esper+nç+ s1o complic+d+s de-
m+is p+r+ el+. Aind+ +ssim, + Sombr+ possui l+ixöes condutor+s,
necessid+des +rdentes que el+ precis+ s+tisf+:er.
S+tisf+:er +s l+ixöes Ne¸r+s pode fort+lecer + Sombr+.
C+d+ l+ix1o Ne¸r+ tem um propósito. Os propósitos d+ Som-
br+ muit+s ve:es s1o o oposto do que + lsiquê estí tent+ndo
conse¸uir. lor exemplo, se + lsiquê procur+ prote¸er um
+m+nte, + Sombr+ pode procur+r destruí-lo. Sempre que +
Sombr+ s+tisf+: o propósito de um+ l+ix1o Ne¸r+, el+ pode
test+r su+ cont+¸em de l+ix1o (dificuld+de ¯). O número de
sucessos no teste indic+ + qu+ntid+de de An¸st recebid+ pel+
Sombr+. O N+rr+dor tem + opç1o de mud+r os propósitos
d+s l+ixöes Ne¸r+s de um+ sess1o p+r+ out+, embor+ +s emo-
çöes ocult+s dev+m perm+necer in+lter+d+s.
A Sombr+ pode s+tisf+:er + essênci+ de su+ l+ix1o Ne¸r+
(conforme indic+do pel+ emoç1o +ssoci+d+) forç+ndo um+
emoç1o ou despert+ndo um+ emoç1o de outr+ pesso+. Qu+n-
do se possui l+ixöes Ne¸r+s, presenci+r um+ emoç1o n1o é
suficiente. lor exemplo, c+so um+ +p+riç1o tenh+ um+ l+i-
x1o Ne¸r+ movid+ pelo medo, e sej+ c+p+: de despert+r o
medo de +l¸uém, el+ tent+rí s+ci+r + l+ix1o. Se + Sombr+
+tin¸ir seu objetivo, el+ poderí test+r su+ cont+¸em de l+i-
x1o (dificuld+de 9) e receber um+ qu+ntid+de de An¸st equi-
v+lente +os seus sucessos. Al¸uns exemplos de l+ixöes Ne-
¸r+s: desejo, medo, r+iv+, ódio, desespero, frustr+ç1o, dor ou
cinismo. Contudo, deve ser not+do que +l¸um+s l+ixöes
Ne¸r+s s1o +pen+s emoçöes reprimid+s, n1o sendo necess+-
ri+mente m+li¸n+s.
A seç1o Car:as., + se¸uir, esboç+ m+is det+lh+d+mente
como desenvolver l+ixöes Ne¸r+s.
Curtuse
s:. na· . · |nj.rn·, n.m .u .s:·u j·ra J.|..
- Christopher M+rlowe,
D·u:·r íaus:us
Sempre que o An¸st temporírio exce-
der + lorç+ de Vont+de perm+nente d+
lsiquê, + Sombr+ poderí tent+r domi-
n+r + +p+riç1o. C+so isto +conteç+, +
Sombr+ control+rí +s +çöes d+ +p+riç1o. O jo¸+dor, n1o o
Oui+ d+ Sombr+, condu:irí o person+¸em, m+s f+rí isso em
consonìnci+ com + person+lid+de d+ Sombr+.
O Teste de Cartase: A Sombr+ f+: um teste de controle
¸+st+ndo um ponto temporírio de An¸st e test+ndo um nú-
mero de d+dos equiv+lente +o seu An¸st temporírio. A lsi-
quê pode resistir com um teste de lorç+ de Vont+de (per-
m+nente), som+ndo d+dos de Lidolon, c+so isso sej+ +pro-
pri+do. Ambos os testes receber1o dificuld+de 6. A Sombr+
perm+nece no controle dur+nte um+ seqüênci+ inteir+. Ao
fin+l d+ seqüênci+, + Sombr+ devolverí o controle + lsiquê.
Qu+ndo + Sombr+ estí domin+nte, el+ inter+¸e com o mun-
do d+ únic+ form+ que conhece. Ll+ pode obter An¸st +tr+vés
de su+s l+ixöes Ne¸r+s. Ll+ pode utili:+r qu+lquer Mistério d+
lsiquê. Ll+ pode us+r Lspinhos, como um Doppel¸+n¸er, um
Despojo d+ Sombr+ ou lnfìmi+. Ll+ n1o pode lev+r + lsiquê +
re+ver l+thos, nem re+b+stecer o l+thos d+ lsiquê depois que
ele for ¸+sto. A Sombr+ n1o pode ¸+st+r lorç+ de Vont+de, nem
redu:ir o l+thos do person+¸em +té menos de 1.
A Sombr+ us+ + C+rt+se como um+ +me+ç+: el+ é o o
+t+que definitivo contr+ + lsiquê. Dur+nte + C+rt+se, + Som-
br+ pode "priv+r" um+ lsiquê de seus sentidos, dest+ form+
desempenh+ndo secret+mente cois+s que m+is t+rde volt+-
r1o p+r+ +ssombr+r o person+¸em. O efeito só pode ser resis-
tido com d+dos de Lidolon.
Angst
Angst representa o ¸r+u de dor e isol+-
mento sentido por um+ +p+riç1o, indi-
c+ndo t+mbém + forç+ rel+tiv+ d+ Som-
br+. M+is um+ ve:, se + Sombr+ possuir
10 pontos de An¸st temporírio enqu+n-
to estiver domin+nte, el+ poderí trocí-
los por um ponto de An¸st perm+nente.
A medid+ que o An¸st perm+nente cresce, o person+¸em
+proxim+-se m+is do limbo.
Ohtendo Angst
Lxistem víri+s form+s pel+s qu+is + Sombr+ pode obter
An¸st:
º Dados da Sombra: A Sombr+ pode oferecer + su+
lsiquê d+dos extr+s em qu+lquer teste que o jo¸+dor fi:er,
184
A
purlçño.
O

L
lmho
Obvi+mente, se o N+rr+dor consider+r +propri+do, po-
derí decidir conceder + Sombr+ um ponto de An¸st tendo
como b+se + interpret+ç1o de um+ sequênci+. O jo¸+dor deve
concord+r com isto, m+s qu+lquer seqüênci+ que enfoque +
sep+r+ç1o ou +lien+ç1o de um person+¸em poderí result+r
num ponto de An¸st.
]erdendo Angst
Lxistem víri+s form+s pel+s qu+is + Ap+riç1o pode per-
der An¸st:
º Castigo por outra aparição: Lste Mistério foi pl+ne-
j+do especi+lmente p+r+ redu:ir + An¸st de outr+ +p+riç1o.
Contudo, rep+re que, + n1o ser que + +p+riç1o estej+ us+ndo
o Mistério Des+fio, el+ n1o poderí C+sti¸+r + si mesm+.
º Usando certos Misterios enquanto a Sombra esti-
ver dominante:
Qu+ndo + lsiquê estiver domin+nte, +l¸uns Mistérios
podem conceder An¸st + +p+riç1o se el+ fr+c+ss+r num tes-
te. Se + Sombr+ for domin+nte, esses Mistérios redu:ir1o
An¸st. Os Mistérios que norm+lmente cust+m lorç+ de Von-
t+de +ument+m lorç+ de Vont+de se + Sombr+ estiver do-
min+nte.
º Cometer IaIha Crítica em quaIquer teste enquan-
to a Sombra estiver domimante: A Sombr+ n1o suport+ ver
seu próprio fr+c+sso. Se + Sombr+ cometer qu+lquer f+lh+
crític+ enqu+nto estiver domin+nte, el+ perderí um ponto
temporírio de An¸st.
O ]esudelo
C·m· t·.., .s:·u ¡u.|raJ· . jra¸||
C·m· t·.., .s:·u sa|·r.anJ· m.u .·ra¸a· j.|a jr|m.|ra t.z
C·m· t·.., .s:·u m. a||m.n:anJ· J· s·n·
C·m· t·.., J.|x.| m.us ·||·s jara :ras
-rrasaJ· . a|nJa m. aj·¸anJ·...
- Christi+n De+th, "The Drownin¸"
Como +s +p+riçöes n1o precis+m temer + morte, muit+s
del+s +¸em impunemente no Mundo lnferior, pens+ndo que
s1o imort+is em su+ condiç1o como Alm+s lnquiet+s. lsto
n1o é verd+de. Qu+ndo um+ +p+riç1o perde todo seu Cor-
pus, el+ mer¸ulh+ imedi+t+mente n+ Tempest+de. Aqui, el+
experiment+ um pes+delo mont+do p+r+ el+ por su+ Som-
br+. Lste processo é ch+m+do les+delo.
O les+delo é como um te+tro de tortur+s, um des+fio
ritu+lístico. Lle é pl+nej+do p+r+ conceder poder + Sombr+ e
+rr+nc+r +quel+s cois+s t1o querid+s + +p+riç1o: su+s própri-
+s l+ixöes e Orilhöes.
O p+lco é o l+birinto, um em+r+nh+do de túneis e c+-
vern+s, cìm+r+s e esc+d+s interminíveis us+d+s pelos Lspec-
tros p+r+ percorrerem + Tempest+de. O l+birinto +tende +os
+pelos d+ Sombr+, cri+ndo um cenírio de pes+delo e +luci-
n+ç1o. Os jo¸+dores s1o monstros do l+birinto. A estrel+ é +
+p+riç1o c+íd+, incorpóre+, sem um+ c+sc+ p+r+ cerc+r su+
lsiquê frí¸il. O diretor é + Sombr+, que sussurr+ os se¸redos
Vurluções
Lm noss+s p+rtid+s-teste de Aparição, o trio composto
por N+rr+dor, jo¸+dor e Oui+ d+ Sombr+ provou ser o méto-
do m+is efic+: p+r+ despert+r + Sombr+. Os ¸rupos que f+vo-
reç+m + experiment+ç1o devem consider+r outr+s opçöes:
º Num ¸rupo pequeno, pode ser possível p+r+ o N+r-
r+dor condu:ir + históri+ e +s Sombr+s dos person+¸ens.
lsto m+ntém o N+rr+dor muito ocup+do, m+s se os focos
de um+ +ventur+ envolverem m+is o confronto com + Som-
br+ do que lid+r com o mundo físico, condu:ir o jo¸o des-
t+ form+ pode vir + ser um des+fio.
º Outr+ v+ri+ç1o do jo¸o envolve us+r um N+rr+dor
Assistente p+r+ cuid+r d+ p+rte de m+nter re¸istro e Oui-
+r +s Sombr+s do ¸rupo inteiro. Lst+ +bord+¸em pode ser
divertid+, especi+lmente se o N+rr+dor "Sombr+" sent+r-
se em frente +o N+rr+dor. O jo¸o +lc+nç+ outro nível de
complexid+de + medid+ que o N+rr+dor se concentr+ in-
teir+mente n+ tr+m+, os jo¸+dores se concentr+m inteir+-
mente em interpret+r seus person+¸ens, e o N+rr+dor Som-
br+ se concentr+ em corromper e desvi+r o ¸rupo.
º Outr+ v+ri+ç1o é f+:er com que o Oui+ d+ Sombr+
perm+neç+ no controle mesmo em períodos de C+rt+se.
Lmbor+ est+ poss+ ser um+ form+ interess+nte de jo¸o p+r+
¸rupos +v+nç+dos, serí preciso muit+ c+utel+ p+r+ que
todos sint+m-se confortíveis com o jo¸o o tempo inteiro,
Aconselh+r o person+¸em do seu +mi¸o sobre su+ Som-
br+ é um+ cois+, m+s ter controle tot+l sobre esse +specto
do person+¸em pode condu:ir + tensöes extern+s +o jo¸o.
Além disso, escolher este método de jo¸o si¸nific+ que
você pode precis+r jo¸+r com + Sombr+ de outr+ pesso+ e
com + su+ própri+ lsiquê +o mesmo tempo.
Nem todos os ¸rupos jo¸+m d+ mesm+ form+. Se todos
concord+rem, sint+-se livre p+r+ experiment+r.
Lm ponto de An¸st é obtido p+r+ c+d+ f+lh+ crític+ que
ocorrer nos d+dos d+ Sombr+. (l+r+ c+d+ "1" obtido nos
D+dos d+ Sombr+, subtr+i+ um sucesso, m+s +pen+s dos D+-
dos d+ Sombr+,) A Sombr+ pode oferecer um míximo de
cinco d+dos extr+s em qu+lquer teste.
º As Paixöes da Sombra: Ao s+tisf+:er seus objetivos, +
Sombr+ pode obter nov+mente pontos de An¸st. l+ç+ um tes-
te com +s l+ixöes Ne¸r+s +propri+d+s em situ+çöes n+s qu+is +
Sombr+ estej+ s+tisf+:endo ess+ l+ix1o (dificuld+de ¯), e some
um ponto de An¸st p+r+ c+d+ sucesso. Qu+ndo + Sombr+ for-
ç+r + emoç1o subj+cente + um+ l+ix1o Ne¸r+ em +l¸um+ ou-
tr+ cois+ +lém de s+tisf+:er o propósito, + dificuld+de é 9.
º Misterios: Al¸uns Mistérios concedem An¸st + Som-
br+ mesmo qu+ndo + lsiquê for domin+nte (t.¡a M|s:.r|·s,
C+pítulo Seis).
Comentário Importante: Se + Sombr+ estiver domin+n-
te, el+ +ind+ poderí us+r Mistérios, m+s os poderes que nor-
m+lmente conferem +o usuírio An¸st p+ss+r1o + cust+r An-
¸st + Sombr+. A despeito de qu+l sej+ o "l+do" domin+nte, os
Mistérios precis+m ser +b+stecidos com l+thos.
18¨
m+is sombrios d+ +p+riç1o p+r+ +s hord+s reunid+s e que +s
re¸e como um m+estro.
O result+do é o horror cri+do express+mente p+r+ + +p+-
riç1o. L o último +to serí o mer¸ulho d+ +p+riç1o +o limbo
(ou, pelo menos, é o que + Sombr+ desej+).
O Começo
L import+nte est+belecer um+ sens+ç1o de norm+lid+de
p+r+ o começo do les+delo. O person+¸em m+ntém + +p+rên-
ci+ do seu corpo, embor+ isso n1o sej+ um Corpus: tr+t+-se
+pen+s de um+ projeç1o ment+l. Norm+lmente, + Sombr+ es-
colhe um+ cen+ típic+ d+ vid+ d+ +p+riç1o, dest+ form+ confe-
rindo um+ sens+ç1o de J.¡a tu, embor+ +l¸um+s Sombr+s pre-
fir+m começ+r lo¸o com o s+n¸ue-e-trip+s. Lm +l¸uns c+sos, +
Sombr+ escolherí o Am+¸o do les+delo, um +specto d+ per-
son+lid+de que el+ tent+rí destruir. lsto n1o se tr+t+ nem de
um+ l+ix1o p+rticul+r (c+so no qu+l o les+delo é imbuído de
um motivo, clim+ ou tom que represente ess+ l+ix1o) ou um
Orilh1o em p+rticul+r (c+so no qu+l o Am+¸o é p+rte do ce-
nírio ou um dos person+¸ens no dr+m+ sombrio). Se o les+-
delo tiver começ+do porque o person+¸em perdeu seus níveis
de Corpus e tod+ su+ lorç+ de Vont+de, n1o h+verí Am+¸o.
O person+¸em est+rí + beir+ do limbo.
Se o +lvo for um Orilh1o ou um+ l+ix1o, o Oui+ d+ Som-
br+ deverí escolher com cuid+do. O Am+¸o deve ser um+
l+ix1o ou Orilh1o que o person+¸em tenh+ ne¸li¸enci+do,
ou um que lhe tenh+ c+us+do problem+s. L m+is fícil des-
truir um+ l+ix1o ou Orilh1o fr+co que destruir um forte.
A Sombr+ precis+ ¸+st+r seis pontos temporírios de An¸st
p+r+ inici+r um les+delo com o propósito de destruir um Ori-
lh1o ou extin¸uir um+ l+ix1o. Se um+ Sombr+ n1o possui seis
pontos de An¸st p+r+ ¸+st+r, el+ n1o pode inici+r um les+de-
lo, embor+ +ind+ poss+ tent+r ch+m+r +s Shades p+r+ o lu¸+r
no qu+l + +p+riç1o se encontr+. Neste c+so, + lsiquê d+ +p+ri-
ç1o simplesmente flutu+ +o léu n+ Tempest+de dur+nte um
número de seqüênci+s equiv+lente +o seu Orilh1o m+is +lto.
Ao fim desse período, + +p+riç1o é pux+d+ de volt+ p+r+ seu
Orilh1o n+s Re¸iöes Sombri+s e o seu Corpus é reform+do.
O Melo
Lm se¸uid+, você +v+nç+ + tr+m+ do pes+delo +o lon¸o
de linh+s simples e +present+ outros person+¸ens. Lsses per-
son+¸ens ser1o interpret+dos ou pel+ Sombr+ (n+ m+iori+
dos c+sos) ou pelos vírios Lspectros. Constru+ o clim+ e o
tom d+ históri+ e +crescente +l¸uns elementos repulsivos.
Sistema: Você pode querer que o person+¸em se envolv+
n+ históri+ e f+ç+ testes de H+bilid+des. Lste t+mbém é o estí-
¸io no qu+l o person+¸em pode test+r Lidolon (dificuld+de 9)
p+r+ mud+r +spectos do pes+delo. A mud+nç+ precis+ f+:er
sentido em termos d+ históri+ sendo cont+d+, e pode servir
+pen+s p+r+ defender e +jud+r + +p+riç1o + esc+p+r do les+de-
lo. Lm ¸er+l, mesmo os testes bem-sucedidos de H+bilid+de
devem +pen+s prolon¸+r o terror mer+mente concedendo +o
person+¸em + ilus1o de controle sobre um+ form+ inexorível.
18o
A
purlçño.
O

L
lmho
O ]lm
Dur+nte o clím+x do les+delo, + +p+riç1o é +present+d+
+ um dilem+. O result+do do dilem+ determin+ se + +p+riç1o
perde ou n1o o +lvo do les+delo, que precis+ ser incluído
como p+rte do delírio.
Sistema: O dilem+ n1o deve ser um teste simples. Você
deve f+:er dele um+ decis1o d+ p+rte do person+¸em, que
você poderí jul¸+r em termos de um+ decis1o "bem-sucedi-
d+", um "fr+c+sso" ou um+ "f+lh+ crític+"; ou torn+r o resul-
t+do do dilem+ dependente d+ interpret+ç1o, culmin+ndo
num único teste modific+do.
Sucesso: Resolver com sucesso um dilem+ permite + um+
+p+riç1o esc+p+r do les+delo. Ll+ é pux+d+ de volt+ p+r+
um Orilh1o, onde seu corpus se reform+ (+ +p+riç1o re+d-
quire um+ qu+ntid+de de Níveis de Corpus equiv+lente +o
seu Vi¸or). Nenhum+ lorç+ de Vont+de é perdid+ (Qu+l-
quer qu+ntid+de ¸+st+ dur+nte o les+delo é re+dquirid+),
nem + +p+riç1o perde um Orilh1o ou um+ l+ix1o.
lr+c+sso: Qu+ndo um+ +p+riç1o n1o conse¸ue resolver
um dilem+, el+ precis+ test+r o nível de su+ l+ix1o ou Ori-
lh1o (dificuld+de o). Lle perde um+ qu+ntid+de de pontos
do nível equiv+lente +o seu número de fr+c+ssos ou f+lh+s
crític+s. Aind+ +ssim, el+ esc+p+ do les+delo e pode test+r
norm+lmente + renov+ç1o de seu Corpus.
l+lh+ Crític+: Se um+ +p+riç1o obtém um+ f+lh+ crític+
no dilem+, el+ imedi+t+mente perde + l+ix1o ou Orilh1o.
Além disso, el+ f+: direitinho o jo¸o d+ Sombr+ e vivenci+
um momento de fr+que:+ qu+ndo el+ triunf+. A Sombr+ tes-
t+ su+ An¸st contr+ + lorç+ de Vont+de d+ +p+riç1o: se +
Sombr+ vencer, o person+¸em est+rí morto p+r+ sempre.
Se o les+delo começ+r por que o person+¸em foi redu:i-
do + Corpus :ero, l+ix1o :ero ou lorç+ de Vont+de :ero,
nenhum Orilh1o ou l+ix1o serí +plicível, de modo que ne-
nhum teste serí feito, O person+¸em é confront+do diret+-
mente com + possibilid+de de su+ própri+ morte. O fim do
les+delo result+ num teste oposto entre + lorç+ de Vont+de
lerm+nente e + An¸st perm+nente. Se + Sombr+ vencer, o
person+¸em serí consumido pelo limbo.
Se¸uem-se +l¸um+s idéi+s sobre como você deveri+ con-
du:ir um les+delo, tendo como b+se o Arquétipo d+ Sombr+.
Vloludoru
Começo: um+ bel+ t+rde de Domin¸o - quiet+, c+lm+...
exceto que um estr+nho som metílico +o lon¸e... é um r+n-
¸ido, e vem de outr+ s+l+. Você +tr+vess+ + su+ velh+ c+s+,
olh+ndo +qui e +li. M1e! l+i! Quem estí +í! Você p+ss+ de
um comodo p+r+ outro e...
Meio: +li estí o seu p+i, +fi+ndo um+ n+v+lh+. Lle olh+
p+r+ você e sussurr+: "N1o se mov+". Você pír+ inst+nt+ne-
+mente. Lle começ+ + r+sp+r +s su+s sobr+ncelh+s, o seu c+-
belo... ele roç+ o +ço frio sobre su+ pele e lo¸o você n1o tem
m+is um fio de c+belo. Você estremece. Lle ¸rit+ "NAO SL
MOVA'" e o esbofetei+.
lim: ... você ¸rit+ em respost+ p+r+ ele e corre pel+ port+
p+r+ o b+nheiro, tent+ndo fu¸ir. Você corre p+r+ o l+do de
for+, pel+ port+ d+ frente. O seu p+i o perse¸ue, ¸rit+ndo obs-
cenid+des, os olhos vermelhos como fo¸o. Você p+ss+ em frente
+ um+ j+nel+, pel+ qu+l vê + su+ irm1. Ll+ estí com os c+belos
em ch+m+s, e +cen+ p+r+ você, ¸rit+ndo. Qu+ndo o fo¸o co-
meç+ + se +l+str+r pel+ c+s+, você percebe que estí subindo
p+r+ lon¸e do les+delo. Você estic+ o br+ço p+r+ pe¸+r su+
irm1, m+s estí +scedendo rípido. Você conse¸uirí s+lví-l+!
Sucesso: Você se¸ur+ + m1o del+ e, por um momento,
lembr+ de um inst+nte de p+:, vivido hí muito tempo. Qu+n-
do você + tir+ d+ c+s+ el+ lhe di:: "Obri¸+d+..."
lr+c+sso: A su+ irm1 ¸rit+ enqu+nto +s ch+m+s + envol-
vem, e você vir+ o rosto p+r+ n1o ver seu sofrimento.
l+lh+ Crític+: Você ¸rit+ enqu+nto + su+ irm1 se tr+ns-
form+ num monstro horrível que o ¸olpei+, e um+ +ur+ de
ch+m+s o encobre complet+mente.
Dlretor
Começo: A su+ volt+, corredores se +lon¸+m em tod+s +s
direçöes. lort+s +linh+m-se +o lon¸o dos corredores. C+d+
port+ tem um pequeno bot1o vermelho +o l+do. Os botöes
pisc+m lent+mente, +cendendo e +p+¸+ndo. Você pression+
um bot1o e...
Meio: Lm+ d+s port+s +bre. Ll+ condu: + outro corredor,
e você o se¸ue. A medid+ que p+ss+ pel+s j+nelinh+s d+s
port+s, você vislumbr+ momentos terríveis de su+ vid+ +nte-
rior. Você escut+ sussurros + seu respeito. Al¸uém ¸rit+ o
seu nome, e você corre p+r+ identific+r + ori¸em do som.
Você dobr+ um+ esquin+ e descobre + su+ Sombr+ sent+d+ +
um+ mes+. Ll+ sorri e di:: "Lntre. lor f+vor... sente-se. Lu
n1o mordo. lelo menos +ind+ n1o." Ll+ lhe oferece um+
c+deir+, e você se sent+...
lim: A su+ Sombr+ sorri enqu+nto +pert+ um bot1o num+
c+ixinh+ em su+s m1os. Du+s cortin+s se +brem lent+mente,
revel+ndo dois de seus entes queridos por trís de um+ p+re-
de de vidro. Lles est1o +m+rr+dos e +mord+ç+dos, sendo len-
t+mente +b+ix+dos + t+nques de ícido. "Morte lent+ ou rí-
pid+! " + su+ Sombr+ lhe per¸unt+. "Qu+l! Lscolh+."
Sucesso: Você +¸+rr+ + su+ c+deir+ e + l+nç+ contr+ o
vidro, p+rtindo-o. Lnqu+nto + lu: começ+ + envolvê-lo e
você começ+ + +scender, você +¸+rr+ um de seus entes que-
ridos e o pux+ p+r+ + se¸ur+nç+.
lr+c+sso: Você lut+ contr+ su+ Sombr+ e jo¸+ um+ c+dei-
r+ contr+ um+ d+s j+nel+s, que se estilh+ç+. Você +¸+rr+ o
seu ente querido, m+s, + medid+ que você +scende lent+-
mente, percebe que estí se¸ur+ndo um m+nequim. Volt+n-
do-se, você vê um dos pés do seu outro ente querido des+p+-
recer no t+nque de ícido.
l+lh+ Crític+: Você lut+ com + su+ Sombr+, que +pert+
um bot1o n+ c+ix+ que tem n+s m1os. Os seus dois entes
queridos c+em imedi+t+mente no t+nque de ícido. A su+
Sombr+ ri enqu+to o ícido se esp+lh+ pel+ s+l+ n+ qu+l você
estí, queim+ndo os seus pés e enchendo + s+l+ com um chei-
ro n+use+ntemente doce.
187
Aherruçño
Começo: Você estí em público, descendo um+ ru+ - é
um +nonimo num+ multid1o. lesso+s sem rosto p+ss+m por
você. Subit+mente, ouve +l¸uém sussurr+ndo p+r+ você de
um beco escuro. Lm dedo o convid+ + +proxim+r-se. Você
se vir+ p+r+ olh+r e...
Meio: você vê um velho +mi¸o. Lle lhe dí um+ ch+ve e
sussur+: "+trís do +rm+:ém". Você escut+ vo:es e vê homens
com toch+s e +rm+s inv+direm o beco, procur+ndo por "cri-
+tur+s" como você. Você corre, e eles ch+m+m seu nome.
lim: você corre por trís do +rm+:ém e se diri¸e + port+
p+r+ o por1o. Abrindo + port+ com + su+ ch+ve, você vê um
monte de pesso+s como você, escondendo-se, +cocor+d+s,
tent+ndo n1o ser vist+s. L + este lu¸+r que você pertence.
Você +br+ç+ um dos seus velhos +mi¸os e começ+ + d+nç+r.
Lnt1o, um tiro de espin¸+rd+ eco+ pel+ s+l+, e o seu +mi¸o
+¸oni:+ em seus br+ços. Você se volt+ p+r+ olh+r.... e vê os
homens com toch+s p+r+dos n+ esc+d+, rindo de você, ch+-
m+ndo-o de cois+s horríveis, su+s +rm+s +pont+d+s p+r+ você.
Sucesso: Você ¸rit+ de r+iv+ p+r+ os homens +rm+dos,
que o olh+m +tonitos. Lles recu+m. A su+ r+iv+ é como fo¸o.
Você dí um p+sso + frente e começ+ + ser envolvido por
um+ lu: forte. Você lhes di: p+r+ irem p+r+ o inferno e j+-
m+is volt+r. Lm + um, os homens s+em. A medid+ que você
+scende, vê os outros exprimirem su+ r+iv+ com ¸ritos.
lr+c+sso: Você +t+c+ os homens. Lm + um, eles esv+:i-
+m su+s +rm+s em você. A medid+ que você +scende num
c+sulo de lu: púrpur+, percebe que +queles que deixou p+r+
trís est1o se curv+ndo enqu+nto riem do próprio medo.
l+lh+ Crític+: Você +t+c+ seus perse¸uidores, m+s eles o
domin+m. Lles o +¸+rr+m, ch+m+m-no de "Aberr+ç1o" e o
c+rre¸+m p+r+ for+. Hí um+ fo¸ueir+ + su+ esper+ - você é
+m+rr+do + um m+stro. Lm deles pe¸+ um ferro de m+rc+r.
Você ¸rit+ enqu+nto o ferro começ+ + queim+r su+ pern+.
Sunguessugu
Começo: Você estí sent+do p+r+ de¸lutir um belo j+n-
t+r. Tudo é refin+do e s+boroso; c+d+ cois+ n+ mes+ é um dos
seus pr+tos preferidos. Lstí tudo lí p+r+ você. Lnt1o, você
escut+ +l¸uém ch+mí-lo n+ s+l+ +o l+do...
Meio: ...você vê + su+ Sombr+, deit+d+ n+ c+m+, exi¸in-
do ser +liment+d+, recl+m+ndo, di:endo que você n1o se
import+ com el+, que só pens+ em você mesmo. Você lhe
lev+ comid+ e bebid+, e +m+ci+ seus tr+vesseiros, m+s n+d+ é
suficiente.Ll+ +ind+ recl+m+, chor+, exi¸e...
lim: ...+té que, fin+lmente, el+ pír+ e per¸unt+ se você
se import+ com el+ e como pl+nej+ demonstr+r isso. L em
se¸uid+ el+ pede que você + +limente m+is, e você o f+:, e
começ+ + sentir-se v+:io por dentro. Lnt1o percebe que +
Sombr+ estí su¸+ndo + su+ +lm+.
Sucesso: lin+lmente, indi¸n+do, você +tir+ + b+ndej+
contr+ + p+rede. Você pe¸+ um ped+ço de p1o e começ+ +
comê-lo, n+ frente d+ Sombr+. A medid+ que você começ+ +
+scender, vê + sombr+ ¸rit+r de invej+ e ódio.
188
A
purlçño.
O

L
lmho
lr+c+sso: Você despej+ c+d+ ve: m+is comid+ pel+ ¸oel+
d+ Sombr+. lor fim, el+ perde o controle, pux+ + su+ m1o e
+rr+nc+ os seus dedos com os dentes. Você ¸rit+.
l+lh+ Crític+: Ll+ come c+d+ ve: m+is, e lo¸o fic+ sem
comid+. lin+lmente, + Sombr+ +bre + su+ b+rri¸+ e começ+ +
+rr+nc+r ped+ços d+ su+ c+rne - m+s você estí frio e morto.
N1o sente nenhum+ dor, podendo +pen+s observ+r, horrori-
:+do, + Sombr+ consumi-lo.
Mártlr
Começo: Você estí num +vi1o, + milh+res de metros +ci-
m+ do solo. Subit+mente, so+m tiros, e um terrorist+ m+sc+-
r+do +me+ç+ os p+ss+¸eiros...
Meio: ... lev+nt+do-se você se oferece como refém, p+r+
prote¸er os outros inocentes do +vi1o. O homem o +rr+st+
+té + c+bine de com+ndo. Lm+ +eromoç+ ¸rit+ e se deb+te,
empurr+ndo e chut+ndo o terrorist+. Você o vê +b+ix+r +
metr+lh+dor+, e se jo¸+ n+ frente d+ +eromoç+...
lim: Você sente chumbo quente +tr+vessí-lo enqu+nto
você c+i p+r+ frente. Seu s+n¸ue jorr+ em tod+s direçöes. O
terrorist+ c+minh+ +té você...
Sucesso: ...e você vê remorso nos seus olhos. A medid+
que é envolto em lu: e começ+ + +scender, percebe que n1o
morreu em v1o. A su+ morte exerceu um efeito dur+douro
no terrorist+.
lr+c+sso: ...e você vê que su+ morte foi sem sentido. Lle
desc+rre¸+ o resto do pente de b+l+s n+ +eromoç+ e volt+ +
c+bine de p+ss+¸eiros, em busc+ de m+is vítim+s inocentes.
l+lh+ Crític+: ... e você percebe que, de +l¸um+ form+,
+ind+ estí vivo. Assim, você se lev+nt+ nov+mente, e m+is
um+ ve: recebe tiros. Nov+mente continu+ em pé. lin+l-
mente, num+ or¸i+ de +utodestruiç1o, você corre em dire-
ç1o + port+ pressuri:+d+ e + +bre. Você s+lt+ p+r+ o n+d+.
Monstro
Começo: Você estí confort+velmente +bri¸+do n+ su+
c+m+, se¸ur+ndo o cobertor + su+ volt+. Você olh+ p+r+ +s
sombr+s n+ p+rede, e el+s começ+m + se mover lent+mente...
Meio: ...tentículos cerc+m + c+m+. Lm deles chicotei+
no +r e +¸+rr+ o seu ursinho de pelúci+. Você se¸ur+ o ursi-
nho, tent+ndo s+lví-lo, m+s outros tentículos o +¸+rr+m.
Lles começ+m + puxí-lo p+r+ for+ d+ c+m+. Você ¸rit+, m+s
s+be que nin¸uém irí ouvi-lo...
lim: ...você se lev+nt+, +¸+rr+ o seu ursinho e corre p+r+
o interruptor de lu:. Lm dos tentículos do monstro o +lc+n-
ç+, e você c+i. Os tentículos pux+m-no m+is p+r+ perto.
Você tent+ livr+r-se dos membros viscosos. Lstic+ + m1o p+r+
li¸+r o interruptor e...
Sucesso: Você li¸+ o interruptor. A s+l+ é b+nh+d+ por
lu:. O monstro des+p+rece, deix+ndo +pen+s um+ trilh+ de
limo. Você começ+ + +scender p+r+ + lu:.
lr+c+sso: Você li¸+ + lu:, ilumin+ndo o monstro m+is
terrível que jí viu. Você ¸rit+ +terrori:+do, deix+ndo c+ir
seu ursinho. A últim+ cois+ que vê, +lém de um em+r+nh+do
189
de tentículos pe¸+josos, é o seu ursinho derretendo no íci-
do espelido pelo corpo d+ cri+tur+.
l+lh+ Crític+: ...um tentículo +¸+rr+ + su+ m1o +ntes de
você conse¸uir +lc+nç+r o interruptor. Outro tentículo, e
outro, outro, outro... cobrem o seu corpo inteiro, e o +rr+st+m
pelo ch1o n+ direç1o d+s m+ndíbul+s +bert+s d+ cri+tur+.
Mñe
Começo: Você estí com + pesso+ m+is bonit+ com quem
jí se encontrou, e tudo estí correndo bem. Vocês começ+m
+ fic+r íntimos. Subit+mente, + port+ do seu qu+rto se +bre
com um estrondo...
Meio: + su+ M1e Sombr+ +p+rece, um+ express1o de +pro-
v+ç1o est+mp+d+ no rosto. Ll+ ¸rit+ p+r+ o seu ente querido
s+ir, e ele des+p+rece. N1o hí como di+lo¸+r com + su+ m1e.
Ll+ o pux+ pel+s esc+d+s p+r+ "l+v+r + su+ boc+"...
lim: Ll+ enche + pi+ e imer¸e + su+ c+beç+ n+ í¸u+. A
í¸u+ ens+bo+d+ enche + su+ boc+, e + su+ m1e lev+nt+ su+
c+beç+. "V+i volt+r + ver +quel+ pesso+!" el+ ¸rit+.
Sucesso: Você cospe + í¸u+ n+ su+ Sombr+, cobrindo-
lhe o rosto com s+b1o. Você começ+ + +scender, e + Sombr+
¸rit+ de fúri+, exi¸indo que você "volte +qui, jí'" Ll+ +ind+
estí ¸rit+ndo qu+ndo você s+i.
lr+c+sso: Você menei+ + c+beç+ lent+mente. "N1o", você
murmur+. A su+ M1e sorri e di:: "Lsse é o meu bebê." Ll+ o
c+rre¸+ +té um qu+rto e o +m+rr+ n+ c+m+. "Beijinho-beiji-
nho", + Sombr+ di:, e +p+¸+ + lu:. Você estí só. Terrivel-
mente só.
l+lh+ Crític+: Você di: "Sim'" com + boc+ chei+ de s+-
b1o. A su+ m1e lhe dí um+ ch+ve de br+ço e o empurr+
contr+ + p+rede. Ll+ começ+ + recit+r um+ lit+ni+ de c+d+
cois+ suj+, ruim e terrível que você jí fe:, o tempo inteiro
enfi+ndo su+ c+beç+ n+ í¸u+... m+is um+ ve:... m+is um+ ve:.
Você sente + su+ vid+ esco+r + medid+ que + í¸u+ enche
seus pulmöes.
]erlecclonlstu
Começo: L m+nh1. Hoje, você f+rí um+ import+nte en-
trevist+ de empre¸o. Tudo precis+ est+r perfeito. Você v+i
+o espelho e coloc+ o p+letó p+r+ ver como estí...
Meio: ...e você estí perfeito - exceto por um único fio
solto no p+letó. lux+ o fio. Depois, s+i de c+s+ e pe¸+ um
tíxi. A meio c+minho +té + su+ entrevist+, você encontr+
outro fio. Você o pux+. M+is um, e +ind+ outro. M+is e m+is
fios s+lt+ndo do seu terno como erv+s d+ninh+s.
lim: Você che¸+ + su+ entrevist+ depois de jo¸+r um
punh+do de fios n+ lixeir+. A su+ Sombr+ estí lí, sent+d+
+trís d+ mes+. Qu+ndo você entr+, percebe que + p+rede d+
s+l+ é um espelho ¸i¸+nte, pl+nej+do p+r+ mostr+r c+d+ p+r-
te do seu corpo. Você começ+ + entrevist+ e olh+ p+r+ +
m+n¸+ do p+letó. Lm fio!
Sucesso: Você i¸nor+ o fio, concentr+ndo-se n+ entre-
vist+. A su+ Sombr+ +pont+ const+ntemente o fio, m+s você
o consider+ um det+lhe insi¸nific+nte. A medid+ que você
19u
A
purlçño.
O

L
lmho
+scende p+r+ + lu:, + su+ Sombr+ começ+ + desfi+r seu pró-
prio p+letó.
lr+c+sso: Você pux+ o fio. Lle p+rece est+r preso. Você
pux+ nov+mente. Lle começ+ + s+ir, e você percebe que esse
é um fio muito import+nte. Lle p+rece +tr+vess+r o p+letó
inteiro. Você o pux+ nov+mente, e ele s+i. Lm se¸uid+, olh+n-
do p+r+ b+ixo, vê que seu p+letó inteiro dividiu-se em dois,
est+ndo c+ído em torno de seus torno:elos. Você olh+ p+r+ +
Sombr+, que di:: "Temo que n1o tenh+mos v+¸+s no mo-
mento, senhor.", e s+i.
l+lh+ Crític+: Você pux+ o fio, que s+i complet+mente.
Lncontr+ m+is um, e outro. lo¸o, estí obssec+do desfi+ndo
+s su+s roup+s. O seu entrevist+dor o observ+ c+lm+mente e
em se¸uid+ começ+ + coment+r seu currículo. Lle lembr+
c+d+ pequeno erro que você jí cometeu, deix+ndo bem cl+-
ro que n1o conse¸uirí o empre¸o. N+ verd+de, como + Som-
br+ lhe di: jubilos+mente, você entrou n+ list+ ne¸r+ de todo
o merc+do de tr+b+lho. Olh+ndo p+r+ cim+, percebe que
tudo estí imperfeito, e que + m+ior f+lh+ é + su+ existênci+.
O fim do último fio estí preso + su+ c+rne, e você começ+ +
desfií-lo...
]ulsu Amlgu
Começo: Você estí num+ bel+ fest+, e se sente muito
bem. Você nem mesmo pensou em ílcool. Lstí sent+do no
sofí e percebe que +l¸uém deixou um+ ¸+rr+f+ inteir+ de um
uísque c+ríssimo n+ su+ frente. Ao l+do d+ ¸+rr+f+, um copo
com cubos de ¸elo insinu+-se, convid+tivo. As su+s m1os
começ+m + tremer...
Meio: ...e você pe¸+ o copo. Lm se¸uid+, +l¸uém lhe ofe-
rece um espelho cheio de c+rreirinh+s de coc+ín+. Você o
+ceit+ t+mbém. Outr+ pesso+ che¸+ com um controle remo-
to e o enfi+ em su+ m1o. Você tent+ experiment+r tudo.
Al¸uém estí lhe d+ndo comid+ n+ boc+...
lim: ...e você percebe que é o único f+:endo tudo, que
estí bebendo e cheir+ndo e +ssistindo tevê e comendo... so-
:inho. Tod+s +s outr+s pesso+s d+ fest+ jí s+ír+m hí muito
tempo. A su+ Sombr+ +p+rece + su+ frente, com um+ serin-
¸+, e di:: "V+mos, é hor+ de bot+r pr+ ferver..."
Sucesso: Você tir+ + serin¸+ d+ m1o d+ Sombr+ e + jo¸+
p+r+ o outro l+do d+ s+l+. lev+nt+ndo-se, deix+ c+ir tod+s +s
outr+s porc+ri+s e fo¸e p+r+ + port+. Ao correr pel+ port+
+bert+ e começ+r + +scender n+ direç1o d+ lu:, ouve + Som-
br+ di:er: "Você v+i volt+r..."
lr+c+sso: Você tir+ + serin¸+ d+ m1o d+ Sombr+ e + enfi+
no br+ço. Sente o fo¸o br+nco d+nç+r +tr+vés de você - sen-
te-se invencível. Su+ Sombr+ +pont+ p+r+ um+ j+nel+ e sus-
surr+ um+ p+l+vr+ no seu ouvido: "Voe". Você corre p+r+ +
j+nel+, jo¸+ndo-se por el+. Começ+ + c+ir, p+r+ sempre, n+
escurid1o.
l+lh+ Crític+: A Sombr+ enfi+ + +¸ulh+ no seu cor+ç1o,
injet+ndo o fo¸o br+nco direto no seu s+n¸ue, e você ¸rit+ de
dor enqu+nto ele queim+ sobre você. A Sombr+ enfi+ outr+,
outr+, outr+ e outr+. Você descobre que er+ isso que queri+,
191
sentir o fo¸o br+nco queimí-lo por dentro. C+i, e + últim+
cois+ que lembr+ é do sorriso d+ su+ Sombr+.
Ruclonul
Começo: L t+rde d+ noite, e você diri¸e em +lt+ veloci-
d+de, sentido + excit+ç1o d+ velocid+de enqu+nto o c+rro
responde +os seus m+is leves toques. Súbit+mente, os seus
f+róis ilumin+m...
Meio:...um+ cri+nç+ correndo pel+ estr+d+. Você p+ss+ com
o c+rro direto por cim+ del+. Você pis+ nos freios e pír+, der-
r+p+ndo. Ao s+ir, vê o corpo contorcido d+ cri+nç+ n+ ru+.
lim: A su+ Sombr+, um+ "+mi¸+ su+", sent+d+ +o seu
l+do no c+rro, di:: "V+mos em frente. Nin¸uém viu. Só te-
mos que ir embor+."
Sucesso: Você entr+ no c+rro, pír+ num+ c+bine telefo-
nic+ e disc+ o número d+ políci+ loc+l. Lles che¸+m e lhe
+l¸em+m. Lnqu+nto você +scende p+r+ +s Re¸iöes Sombri+s,
vê su+ Sombr+ b+l+nç+r + c+beç+, incrédul+.
lr+c+sso: Você volt+ p+r+ o c+rro, fech+ + port+ e di::
"lsso mesmo, nin¸uém precis+ s+ber." A su+ Sombr+ concor-
d+. Você diri¸e p+r+ + escurid1o.
l+lh+ Crític+: Você volt+ p+r+ o c+rro e dí + p+rtid+.
Você estí diri¸indo rípido num+ estr+d+ de mont+nh+. A
su+ Sombr+ lhe di: p+r+ vir+r + esquerd+, e você obedece. O
seu c+rro vo+ p+r+ for+ d+ mont+nh+, rodopi+ e c+i num
+bismo sem fim.
192
A
purlçño.
O

L
lmho
193
Cupltulo Olto.
Slstemus
ste c+pítulo discute +s diferentes form+s
pel+s qu+is um person+¸em pode mud+r
dur+nte o curso de um+ cronic+. Lle des-
creve muitos sistem+s diferentes p+r+ resol-
ver mud+nç+s nos person+¸ens, sej+ + mu-
d+nç+ em quest1o o +cúmulo de pontos
de experiênci+ ou o +cúmulo de ferid+s.
Lste c+pítulo se divide em três seçöes, c+d+ um+ discu-
tindo um+ qu+ntid+de de sistem+s diferentes p+r+ implemen-
t+r mud+nç+s de person+lid+de. O Desenvolvimento d+ ler-
son+lid+de descreve como +s C+r+cterístic+s podem +umen-
t+r (e diminuir). Os Lst+dos lísicos incluem sistem+s p+r+
ferimentos e recuper+ç1o de ferimentos. Os Lst+dos Men-
t+is incluem sistem+s p+r+ + Neblin+, + Mort+lh+ e inform+-
çöes +dicion+is sobre Tr+nscendênci+.
Lm+ d+s cois+s m+is empol¸+ntes sobre os person+¸ens
dos jo¸+dores é ver como eles mud+m com o tempo. Obser-
v+r um person+¸em desenvolver-se é como observ+r um+
cri+nç+ crescer di+nte dos seus olhos. Contudo, em Apari-
ção, desenvolvimento nem sempre si¸nific+ melhori+ no
person+¸em. Lle freqüentemente si¸nific+ que o person+¸em
+fund+ lent+ e inexor+velmente no +bismo. Lss+ é + n+ture-
:+ deste jo¸o. Concentr+r-se em melhor+r e sobreviver +os
períodos difíceis e tent+r +preci+r o imp+cto +rtístico de per-
der + su+ hum+nid+de ou + su+ mente.
Lste é um c+pítulo de permut+çöes, n1o de re¸r+s. N+o
hí n+d+ n+s pí¸in+s + se¸uir que você jr..|s. s+ber. Apen+s
cois+s que você pode ¡u.r.r s+ber.
Desenvolvimento do lerson+¸em
"D.us, um m.s:r., Has|J|. .·m.n:·u "na· J|ss. '|ss· . |·m`
J.j·|s J. .r|ar · |·m.m. ls:· |nJ|.a ¡u., .n¡uan:· · ¸aJ· . :uJ· ·
ma|s .s:ata .·mj|.:· J.j·|s J. s.r .r|aJ·, · |·m.m na· .s:ata.¨
- Lrich lromm, 1·u S|a|| ß. as C·Js
Lst+ seç1o tr+t+ + respeito d+s form+s pel+s qu+is um per-
son+¸em pode +ument+r (ou diminuir) em poderes e h+bili-
d+des.
]ontos de Experlenclu
Os hum+nos s1o míquin+s de +prender, e nós +prende-
mos const+ntemente - + despeito de nós mesmos. Adquirindo
n1o +pen+s f+tos e +l¸+rismo, m+s t+mbém nov+s form+s de
existir, podemos torn+rmo-nos o que queremos ser. As +p+ri-
çöes, como os hum+nos, t+mbém est1o sujeit+s + mud+nç+s.
Dur+nte um+ históri+, os person+¸ens +prendem muit+s
cois+s. A m+ior p+rte do que eles +prendem n1o é o tipo de
cois+ que poss+ ser ¸r+v+d+ em fit+s, m+s +l¸um+ cois+ que os
jo¸+dores simplesmente ¸u+rd+m n+ mente. Lles podem ter
+prendido + sempre vi¸i+r +s Nulid+des ou + nunc+ c+minh+r
num beco escuro com um+ lu: por trís deles. Al¸um+s ve:es,
porém, o que os person+¸ens +prendem pode ser re¸istr+do.
No fim de c+d+ históri+, o N+rr+dor concede pontos de
experiênci+ + c+d+ person+¸em, norm+lmente concedendo
+ mesm+ qu+ntid+de p+r+ c+d+ um. Os jo¸+dores simples-
mente +not+m qu+ntos pontos de experiênci+ receber+m.
Os pontos de experiênci+ podem ser us+dos p+r+ +ument+r
C·mjr..nJ.r · ma| na· · .ura, mas, s.m Jut|Ja a|¸uma,
a¡uJa. -j|na|, . mu|:· ma|s ja.|| ||Jar .·m uma J|j|.u|JaJ. .·m-
jr..ns/t.| ¡u. .·m uma .s.ur|Ja· |n.·mjr..ns/t.|.
- C+rl Jun¸, lrefício p+r+ ís|¡u. . S/m|·|·s.
194
A
purlçño.
O

L
lmho
+s C+r+cterístic+s. O custo é qu+se sempre b+se+do no nível
presente ve:es um determin+do número. Assim, se o perso-
n+¸em tiver um nível de lrontid1o 2, e o jo¸+dor quiser +u-
mentí-lo p+r+ 3, f+:er isso cust+rí qu+tro pontos de experi-
ênci+. Se o person+¸em n1o possuir nenhum+ C+r+cterísti-
c+, o custo é list+do como um+ "nov+" C+r+cterístic+. Lm+
C+r+cterístic+ só pode ser +ument+d+ um ponto por cronic+
- nunc+ m+is que isso.
Interprete
Como N+rr+dor, você n1o deve permitir que um jo¸+dor
simplesmente ¸+ste seus pontos de experiênci+ p+r+ +umen-
t+r qu+lquer C+r+cterístic+ que quiser - é um pouco m+is
complexo que isso. A C+r+cterístic+ +ument+d+ precis+ ser
+l¸um+ cois+ sobre + qu+l o person+¸em tenh+ um+ ch+nce
de +prender dur+nte + históri+ - ou o person+¸em obtém
muito sucesso medi+nte o uso d+ C+r+cterístic+, ou comete
um ¸r+nde erro + p+rtir do qu+l ele +prende. No c+so de
lorç+ de Vont+de, é preciso h+ver ocorrido +l¸um+ cois+
que deixe o person+¸em m+is confi+nte em si mesmo.
Você deve permitir mud+nç+s +pen+s se el+s ocorrer+m
n+ históri+ ou se puderem ser inserid+s nel+. No mínimo +s
mud+nç+s precis+m f+:er sentido em termos de históri+, n1o
se c+r+cteri:+ndo +pen+s como +lter+çöes do jo¸+dor p+r+ seu
person+¸em +¸ir de determin+d+ form+. Lste sistem+ de expe-
riênci+ pode ser t1o re+list+ qu+nto você quiser. Qu+nto m+is
você forç+r os jo¸+dores + conferirem sentido +s su+s experi-
ênci+s, m+is el+s +crescent+r1o +o person+¸em como um todo.
Conlerlndo ]ontos de Experlenclu
Quan:· ma|s t.||· um |·m.m j|.a, ma|s m|s:.r|·sa a t|Ja s.
:·rna jara .|.. D. t.z .m ¡uanJ· J|z.m·s jara um ¡·t.m ¡u.
¡uanJ· .|. .r.s..r ajr.nJ.ra ma|s, mas .ssa . uma m.|a-t.rJa-
J.. Lm ¸.ra|, um .nr|¡u..|m.n:· Ja .xj.r|.n.|a aj.nas ajr·jun-
Ja n·ssa s.ns|||||JaJ. jara ·s m|s:.r|·s Ja t|Ja.
- H+rry Lmerson losdick, n|t.rs|J. S.rm·ns
Determin+r pontos de experiênci+ requer +lc+nç+r um+
h+rmoni+ entre recompens+r os jo¸+dores e m+nter o equilí-
brio do jo¸o. Se você se¸uir +s orient+çöes +b+ixo, prov+vel-
mente n1o enfrent+rí muitos problem+s, m+s irí sentir-se +
vont+de p+r+ experiment+r + medid+ que +dquirir prític+.
]lm de cudu cupltulo
Confir+ + c+d+ person+¸em entre um e cinco pontos de
experiênci+ no fin+l de c+d+ c+pítulo (sess1o de jo¸o). Lm
ponto é conferido, tenh+ o círculo sido bem-sucedido ou n1o
(lembre-se de que +s ve:es +prendemos com +s +dversid+des).
Um ponto - Automático: C+d+ jo¸+dor obtém um pon-
to depois de c+d+ sess1o de jo¸o.
Um ponto - Curva de aprendizado: O person+¸em te-
ri+ +prendido +l¸um+ cois+ de su+s experiênci+s dur+nte o
c+pítulo. leç+ +o jo¸+dor p+r+ descrever o que o seu perso-
n+¸em +prendeu +ntes de lhe conceder o ponto.
Um ponto - Representação: O jo¸+dor personificou bem
- n1o +pen+s de form+ divertid+, m+s de form+ +propri+d+.
Conced+ +pen+s por personific+çöes excepcion+is; os seus
p+dröes de jul¸+mento devem ser c+d+ ve: m+is +ltos. N+
m+iori+ dos c+sos, conced+ este prêmio +pen+s + pesso+ que
re+li:ou + melhor personific+ç1o do ¸rupo.
Um ponto - Conceito: O jo¸+dor representou muitíssi-
mo bem + N+ture:+ e o Comport+mento do person+¸em.
Um ponto - Heroísmo: Qu+ndo um person+¸em se co-
loc+ em risco pelos outros, como +o sofrer multipl+s disrup-
çöes de seu Corpus comb+tendo um Lspectro por tempo su-
ficiente p+r+ que o resto de seu Círculo esc+pe, conced+-lhe
um ponto de experiênci+. lorém, n1o permit+ +os person+-
¸ens tir+rem v+nt+¸em disto. Lxiste um+ linh+ tênue entre
heroísmo e estupide:.
]lm de cudu llstórlu
Ao fim de c+d+ históri+ você pode conceder + c+d+ jo¸+-
dor de um + três pontos aJ|.|·na|s de experiênci+, +lém dos
um + cinco pontos recebidos por complet+r o último c+pítulo.
Um ponto - sucesso: O Cículo é bem-sucedido em su+
miss1o ou objetivo. T+lve: n1o tenh+ sido um sucesso com-
pleto, m+s pelo menos um+ vitóri+ p+rci+l foi +lc+nç+d+.
Um ponto - Perigo: O person+¸em p+ssou por ¸r+ndes
peri¸os dur+nte + históri+ e sobreviveu.
Um ponto - Sabedoria: O jo¸+dor (e port+nto o perso-
n+¸em) demonstrou muit+ +stúci+ ou v+ried+de de recursos
e teve um+ idéi+ que possibilitou o sucesso do Círculo.
C+so você queir+ conceder +ind+ m+is pontos de modo
que os person+¸ens se desenvolv+m com m+is r+pide:, sim-
plesmente invente nov+s c+te¸ori+s se¸undo +s qu+is poss+
conceder prêmios. Ll+s podem +té mesmo v+ri+r de históri+
p+r+ históri+, e podem ser b+se+d+s em circunstìnci+s espe-
cífic+s dess+ históri+.
Desenvolvlmento de ]ersonulldude
Lm |·m.m . .xa:am.n:. · ¡u. .|. jaz J. s| m.sm· . · ¡u.
.|., j·r:an:·, m.r... s.r.
- lr+nklin Ld¸erton, T|. ß|a¸ataJ-C|:a
A person+lid+de de um person+¸em pode mud+r dur+n-
te o curso d+ cronic+, m+s em su+ m+iori+, +s mud+nç+s ocor-
rem +tr+vés d+ interpret+ç1o e n1o de um+ mer+ mud+nç+
d+ fich+ do person+¸em. lor exemplo, +s motiv+çöes do per-
son+¸em mud+m com o p+ss+r do tempo. Decidir qu+ndo e
como +s motiv+çöes de um person+¸em mud+m pode +cres-
cent+m ¸r+nde profundid+ + interpret+ç1o. Contudo, qu+n-
do o Comport+mento ou + verd+deir+ N+ture:+ mud+m, +
mud+nç+ deve ser +not+d+ n+ fich+ do person+¸em. Nenhum
+specto d+ person+lid+de pode mud+r medi+nte o uso de
pontos de experiênci+.
Comportumento
Lmbor+ o Comport+mento list+do n+ fich+ do person+-
¸em sej+ simplesmente + form+ pel+ qu+l o person+¸em cos-
19¨
tum+ +present+r-se com m+is freqüênci+, el+ n1o é um p+-
dr1o +bsoluto de condut+. Mud+r o Comport+mento de um
person+¸em pode +jud+r o jo¸+dor + concentr+r-se n+ mu-
d+nç+ de person+lid+de. N1o se esqueç+ que o Comport+-
mento é +pen+s um+ ferr+ment+ que o jo¸+dor us+ p+r+ dire-
cion+r + interpret+ç1o. C+so um+ mud+nç+ de Comport+-
mento sej+ exi¸id+ ou p+reç+ +propri+d+, o jo¸+dor deve sen-
tir-se + vont+de p+r+ se¸uir em frente e mudí-lo.
Nuturezu
Lm jo¸+dor pode t+mbém mud+r + N+ture:+ do seu per-
son+¸em, m+s +s re¸r+s p+r+ isso s1o um pouco m+is restrit+s
que +quel+s p+r+ mud+r Comport+mento. A N+ture:+ de
um person+¸em é quem e o que ele é - é o cerne do seu ser.
Lm+ mud+nç+ em N+ture:+ é semelh+nte + um+ mud+nç+
em person+lid+de - depois que el+ ocorre, tudo mud+. lsso
n1o deve ser decidido no c+lor do momento, e sim +pen+s
depois de muit+ consider+ç1o. O N+rr+dor deve requerer
que o jo¸+dor interprete + mud+nç+ dur+nte víri+s sessöes
de jo¸o; um+ históri+ pode +té mesmo ser cri+d+ em torno
d+ tr+nsform+ç1o tumultu+d+. D+ mesm+ form+, oc+sion+l-
mente f+rí sentido que + mud+nç+ de person+lid+de ocorr+
subit+mente, como um+ re+ç1o +o que +conteceu com ou
+o redor do person+¸em.
Aumentundo e Dlmlnulndo Curucterlstlcus
Os custos p+r+ +ument+r perm+nentemente +s C+r+cte-
rístic+s list+d+s +b+ixo est1o rel+cion+dos n+ T+bel+ de Lx-
periênci+.
juhelu de Experlenclu
C+r+cterístic+ Custo
Atributo Nível corrente x +
Nov+ H+bilid+de 3
H+bilid+de Nível corrente x 2
Novo Mistério ¯
Mistérios Nível de Mistérios x 3
lorç+ de Vont+de Nível +tu+l
Aumentundo Mlsterlos
l+r+ um+ +p+riç1o, é possível +prender Mistérios so:inh+,
m+s isso requer m+is tempo e esforço. C+so um+ +p+riç1o te-
nh+ o Antecedentes Mentor, el+ pode test+r este Anteceden-
te; c+d+ sucesso redu: o custo de +prender um Mistério. lor
exemplo, um person+¸em com qu+tro pontos em Mentor pode
jo¸+r qu+tro d+dos (dificuld+de 6); c+d+ sucesso redu: em um
o custo de pontos de experiênci+ p+r+ obter esse Mistério.
19o
A
purlçño.
O

L
lmho
]orçu de Vontude
Os person+¸ens podem +ument+r seu míximo em lorç+
de Vont+de medi+nte o dispêndio de pontos de experiênci+.
Oc+sion+lmente, o N+rr+dor pode conceder + um jo¸+dor
um+ ch+nce específic+ p+r+ +ument+r su+ lorç+ de Vont+-
de. A oportunid+de p+r+ obter lorç+ de Vont+de é um+ ¸r+n-
de motiv+ç1o p+r+ cronic+s, especi+lmente +s m+is bi:+rr+s.
Qu+ndo + lorç+ de Vont+de temporíri+ +lc+nç+ :ero, +
Sombr+ provoc+rí um les+delo.
Se um+ lorç+ de Vont+de perm+nente c+ir p+r+ :ero, +
+p+riç1o perderí tod+ + consciênci+ e se torn+rí um Auto-
m+to. Lm Autom+to nunc+ é um person+¸em do jo¸+dor.
]ulxões
í|.a .s.ur·, j|.a s·||:ar|·
N· ·u:r· |aJ· J. t·...
D.j|n|· um j·u.·, .n.·n:r· m.u J.s:|n·.
-:rat.ss· s.m t·..
- l+te Bush, "Wutherin¸ Hei¸hts"
]erdendo umu ]ulxño
C+be +o N+rr+dor, e +pen+s + ele, decidir se um+ l+ix1o
+ument+ ou diminui. Lxistem du+s form+s pel+s qu+is um+
l+ix1o pode diminuir:
NegIigência: Se um+ +p+riç1o ne¸li¸enci+r um+ l+ix1o,
el+ diminuirí com o tempo. Se um N+rr+dor sentir que um+
+p+riç1o ne¸li¸enciou su+ p+ix1o, poderí exi¸ir um teste de
l+ix1o (dificuld+de 9) p+r+ ver se o nível de l+ix1o é dimi-
nuído em um ponto. Lm+ f+lh+ crític+ indic+ que for+m
perdidos dois pontos de l+ix1o.
PesadeIo: O les+delo é um+ experiênci+ c+p+: de ¸el+r +
+lm+. lreqüentemente, + l+ix1o de um+ +p+riç1o é o foco, ou
M+téri+, de um les+delo. Se + +p+riç1o tent+r resistir +o hor-
ror do les+delo, tod+ su+ C+r+cterístic+ l+ix1o serí +p+¸+d+.
Entorpecimento: Muitos Lspectros, especi+lmente os
Sh+des, possuem o poder de Lntorpecer o "cor+ç1o" espiritu-
+l de um+ +p+riç1o e port+nto diminuir su+s l+ixöes. Medi-
+nte um +t+que bem-sucedido, o espectro pode redu:ir + con-
t+¸em d+ l+ix1o em um ponto. (Vej+ Lsj..:r·s, pí¸in+ 232)
C+so + l+ix1o de um+ +p+riç1o sej+ redu:id+ + :ero, el+
des+p+recerí, n1o podendo m+is conceder-lhe l+thos. Lsse
elo com su+ vid+ mort+l foi cort+do. Se um+ +p+riç1o perder
tod+s +s su+s l+ixöes, el+ imedi+t+mente c+irí no limbo e
deix+rí de ser um person+¸em.
Aumentundo umu ]ulxño
N1o existem re¸r+s "v+pt-vupt" p+r+ +ument+r ou dimi-
nuir um+ nov+ l+ix1o. As l+ixöes podem ser +ument+d+s
+pen+s pelo critério do N+rr+dor, que precis+ tom+r um+
decis1o tendo como b+se + interpret+ç1o e +s circunstìnci+s
de um+ cronic+. As l+ixöes n1o podem ser +ument+d+s
medi+nte o ¸+sto de pontos de experiênci+.
197
Lmbor+ um jo¸+dor poss+ su¸erir qu+ndo um+ de su+s
l+ixöes deve ser +ument+d+, o N+rr+dor tem + últim+ p+l+-
vr+ sobre o +ssunto. N1o hí teste: o N+rr+dor simplesmente
di: +o jo¸+dor p+r+ +ument+r + C+r+cterístic+. Os pontos de
experiênci+ necessírios n1o podem ser ¸+stos n+ l+ix1o.
O N+rr+dor deve permitir um+ l+ix1o +ument+r +pen+s
em circunstìnci+s extrem+s, depois de um evento de ¸r+nde
importìnci+ n+ existênci+ do person+¸em. O +umento deve
f+:er sentido em termos d+ l+ix1o e do person+¸em.
Adqulrlndo umu Novu ]ulxño
Lm+ +p+riç1o pode ¸+nh+r um+ l+ix1o complet+mente
nov+ +pen+s torn+ndo-se envolvid+ com o mundo vivo e
inter+¸indo com os vivos. O N+rr+dor decide qu+ndo um+
Nov+ l+ix1o é +dquirid+, embor+ um jo¸+dor poss+ escolher
n1o +ceit+r + ofert+ de um+ nov+ l+ix1o se ele n1o sentir
que + l+ix1o é justific+d+. A nov+ l+ix1o n1o pode ser cl+s-
sific+d+ +cim+ de 3, m+s pode ser cl+ssific+d+ +b+ixo disso.
Grlllões
Da|-m. t|Ja
Da|-m. J·r
Da|-m. a m|m J. n·t·.
- Tori Amos, "little L+rthqu+kes"
]erdendo um Grlllño
C+be +pen+s +o N+rr+dor decidir se um Orilh1o diminui.
Lxistem três form+s pel+s qu+is um+ +p+riç1o pode perder
um Orilh1o:
Destruição: C+so um Orilh1o de um+ +p+riç1o morr+ ou
é destruído, el+ perderí imedi+t+mente su+ conex1o com
esse Orilh1o. lor est+ r+:1o, + m+iori+ d+s +p+riçöes procur+
prote¸er seus Orilhöes.
O PesadeIo: O Orilh1o de um+ +p+riç1o pode ser + M+-
téri+ de um les+delo. O ¸rilh1o inteiro pode ser perdido se +
+p+riç1o c+ir no les+delo.
DiIaceramento: Lm Lspectro, p+rticul+rmente um Sh+-
de, pode dil+cer+r o Orilh1o de um+ +p+riç1o, dest+ form+
redu:indo seu nível em um.
C+so o Orilh1o de um+ +p+riç1o sej+ redu:ido + :ero, el+
n1o o prenderí m+is + este mundo. Se um+ +p+riç1o perder
todos os seus Orilhöes, el+ n1o poderí m+is oper+r n+s Re¸i-
öes Sombri+s: el+ poderí +pen+s perm+necer lí dur+nte +l-
¸uns minutos, no míximo. As +p+riçöes sem Orilhöes de-
vem encontr+r um+ residênci+ "se¸ur+" n+ Tempest+de ou
emi¸r+r p+r+ Lstí¸i+ ou outro reino dentro del+.
Adqulrlndo Grlllões
Muito r+r+mente, um+ +p+riç1o pode ¸+nh+r um novo
Orilh1o inter+¸indo com o mundo vivo e p+ss+ndo + se pre-
ocup+r e se identific+r com pesso+s, lu¸+res, ou cois+s. Lm-
bor+ n1o exist+m re¸r+s fíceis p+r+ este processo, ¸er+lmen-
te deve ser m+is fícil p+r+ um+ +p+riç1o tr+nsform+r um+
pesso+ em um ¸rilh1o do que converter um lu¸+r ou um+
cois+: os vivos s1o muito m+is import+ntes p+r+ +s +p+riçöes.
Antecedentes
As C+r+cterístic+s Antecedentes j+m+is mud+m medi-
+nte o uso de pontos de experiênci+. As mud+nç+s p+r+
C+r+cterístic+s de Antecedentes ocorrem dur+nte o curso
norm+l de eventos num+ cronic+. M+is cedo ou m+is t+rde,
o N+rr+dor not+rí +s mud+nç+s, e +s c+r+cterístic+s do per-
son+¸em +ument+r1o (ou diminuir1o) +propri+d+mente. Lm
jo¸+dor pode querer per¸unt+r +o N+rr+dor se um+ d+s su+s
C+r+cterístic+s de Antecedentes pode ser mud+d+, m+s isto
n1o deve ser feito com freqüênci+.
O N+rr+dor pode pl+nej+r um+ list+ de cois+s que os per-
son+¸ens precis+m cumprir p+r+ +ument+r c+d+ C+r+cterís-
tic+ de Antecedentes, e os jo¸+dores podem querer ou n1o
mostr+r + list+. l+r+ ¸+nh+r um novo Cont+to, por exemplo,
um+ +p+riç1o precis+ encontr+r o indivíduo-+lvo certo ou
f+:er +mi:+de com ele.
Lm su+ m+iori+, +s decisöes de +umento de Anteceden-
tes devem ocorrer dur+nte o curso de um+ históri+. Os An-
tecedentes ¸er+lmente +ument+m um ponto por ve:, m+s +s
vitóri+s ou derrot+s princip+is podem leví-lo + ¸+nh+r ou
perder m+is de um+ c+r+cterístic+ por ve:.
]erlmento
L|s uma |mjr.ssa· raj|Ja jara t·... ß-NC. ß-NC. Ò|,
Jr·¸a. M·rr|.
- Top Doll+r, T|. Cr·u
As +p+riçöes s1o p+r+dox+is no sentido de que s1o + um
só tempo frí¸eis e incrivelmente resistentes. Apes+r de exis-
tirem inúmer+s form+s pel+s qu+is um+ +p+riç1o poss+ ser
ferid+, +pen+s um+ C+r+cterístic+ lid+ com ferimentos: Cor-
pus. O Corpus de um+ +p+riç1o é + conch+ de pl+sm+ que
cerc+ e prote¸e su+ lsiquê. Lm jo¸+dor re¸istr+ ferimentos
+p+¸+ndo todos os níveis de Corpus, si¸nific+ndo d+no p+r+
+quele corpo.
Ao contrírio dos hum+nos, que perdem s+n¸ue, víscer+s
e ór¸1os vit+is qu+ndo eles s1o d+nific+dos, +s +p+riçöes per-
dem substìnci+lid+de - coerênci+ físic+. Qu+ndo + lsiquê de
um+ +p+riç1o n1o estiver m+is sendo prote¸id+ por seu Cor-
pus, el+ se torn+ extrem+mente frí¸il e suscetível + +tr+ç1o
que o limbo exerce sobre tod+s +s cois+s.
Estudos do Corpus
MateriaI: Lste est+do é +cessível +pen+s medi+nte o uso
do Mistério Lnc+rn+r. Lm+ +p+riç1o m+teri+l é feit+ de ener-
¸i+ espiritu+l solidific+d+. Qu+ndo ferid+ nesse est+do, + +p+-
riç1o recebe d+nos norm+is e sofre pen+lid+des em su+s l+-
r+d+s de D+dos (pí¸in+ 200), ex+t+mente como se el+ fosse
um ser vivo (obvi+mente, o teste de +bsorç1o de d+nos +ind+
se +plic+ - vej+ C·m|a:. no C+pítulo Nove).
Corpóreo: Lste est+do é o est+do norm+l d+ +p+riç1o
como el+ existe n+s Re¸iöes Sombri+s. Qu+ndo d+nific+d+
198
A
purlçño.
O

L
lmho
neste est+do "+tr+vés d+ Mort+lh+" (i.e., por qu+lquer cois+
do mundo vivo), + +p+riç1o perde um Nível de Corpus e
subit+mente torn+-se lncorpóre+ (vej+ +di+nte). Lm+ +p+ri-
ç1o Corpóre+ d+nific+d+ n+s Re¸iöes Sombri+s recebe um
d+no norm+l de Corpus m+s n1o se torn+ lncorpóre+.
Incorpórea: Qu+ndo um+ +p+riç1o estí Corpóre+ e é
d+nific+d+ por um objeto no mundo vivo, el+ se torn+ lncor-
póre+ com respeito +o mundo vivo. lsto sempre cust+ um
nível de Corpus. Su+ form+ torn+-se imedi+t+mente nebulo-
s+ e indistint+. Lste est+do dur+ por um número de turnos
equiv+lente +o seu Vi¸or.
Destruição: Qu+ndo um+ +p+riç1o perde todo o seu
Corpus, el+ é imedi+t+mente su¸+d+ p+r+ + Tempest+de. Hí
um+ ¸r+nde ch+nce que + su+ Sombr+ irí tr+¸í-l+ p+r+ o
l+birinto e +li começ+r + terrível experiênci+ conhecid+ como
o les+delo (vej+ Ò í.saJ.|·, pí¸in+ 1o+). L possível que du-
r+nte o les+delo, + +p+riç1o poss+ desm+teri+li:+r-se, p+s-
s+ndo p+r+ o limbo e deix+ndo de existir como um person+-
¸em "jo¸ível". Se um+ +p+riç1o sobreviver +o les+delo, el+
serí +tr+íd+ de volt+ p+r+ um de seus Orilhöes, onde seu
Corpus se reform+rí. Qu+ndo isto +contecer, el+ começ+rí
com um número de Níveis de Corpus equiv+lente +o seu
nível de Vi¸or.
Curu
l+r+ + sorte d+s +p+riçöes, seus corpos im+teri+is n1o re-
querem muitos cuid+dos. As +p+riçöes podem converter su+
própri+ ener¸i+ l+thos em Corpus. Medi+nte o ¸+sto de um
ponto de l+thos, um+ +p+riç1o pode re+dquirir um de seus
Níveis de Corpus perdido (+pen+s um ponto pode ser ¸+sto
por turno). Ls+r o Mistério conhecido como Lsur+ t+mbém
pode rest+ur+r o Corpus de um+ +p+riç1o. Lntr+ndo em
Modorr+, um+ +p+riç1o pode t+mbém cur+r Níveis de Cor-
pus. O person+¸em em Modorr+ irí imiscuir-se + um de seus
¸rilhöes por oito hor+s. Lm se¸uid+ o jo¸+dor test+ o Vi¸or
do person+¸em (dificuld+de 6). O person+¸em cur+ um ní-
vel de d+nos n1o +¸r+v+dos p+r+ c+d+ sucesso.
Dunos Agruvudos
Cert+s cri+tur+s e objetos s1o d+nific+dos t1o seri+mente
que n1o podem ser rep+r+dos f+cilmente. Lsses ferimentos,
conhecidos como ferimentos +¸r+v+dos, costum+m ser infli-
¸idos por +rm+s mí¸ic+s (t+nto no mundo vivo qu+nto n+s
Re¸iöes Sombri+s), +rm+s feit+s de +ço estí¸io e +s ¸+rr+s e
dentes de espectros e outr+s cri+tur+s m+li¸n+s. Vírios po-
deres +rc+nos t+mbém possuem o potenci+l p+r+ d+nific+r
cri+tur+s (vej+ L|:ra¡. e Lsura, pí¸in+s 161 e 1¯0). O N+rr+-
dor pode decl+r+r qu+lquer ferimento p+rticul+rmente seve-
ro como +¸r+v+do.
199
Qu+ndo um ferimento +¸r+v+do é infli¸ido, o jo¸+dor pre-
cis+ risc+r um Nível de Corpus por nível de ferimento +¸r+v+-
do. Os d+nos +¸r+v+dos podem ser rep+r+dos +pen+s +tr+vés
d+ Modorr+ e do dispêndio de três pontos de l+thos por di+.
Cur+r um ferimento +¸r+v+do requer oito hor+s de Modorr+
ou medit+ç1o (vej+ + H+bilid+de Medit+ç1o n+ pí¸in+ 12¯).
Se um+ +p+riç1o perder um tot+l de 10 níveis de Corpus
devido + ferimentos +¸r+v+dos, el+ imedi+t+mente c+irí no
limbo. O person+¸em é destruído complet+mente, e o jo¸+-
dor precis+ cri+r um novo person+¸em.
]ontes de ]erlmento
A despeito d+ resistênci+ d+s +p+riçöes, existem muit+s
form+s de feri-l+s. Al¸uns s1o comp+rtilh+dos e pront+men-
te compreensíveis pelos mort+is. Outros, s1o específicos p+r+
+s +p+riçöes. Lss+s fontes de ferimento s1o descrit+s +b+ixo.
Os person+¸ens, sej+m hum+nos ou +p+riçöes, podem f+:er
testes de Vi¸or (dificuld+de 6) p+r+ "+bsorver" d+nos. C+d+
sucesso indic+ que é perdido um Nível de Corpus + menos
(ou Nível de Vit+lid+de, no c+so de n1o-+p+riçöes). C+d+
f+lh+ crític+ indic+ que é perdido um nível + m+is.
Os objetos físicos no mundo vivo podem ferir +s +p+ri-
çöes, desde que o objeto fosse c+p+: de ferir + +p+riç1o, c+so
el+ fosse viv+. lort+nto, como chuv+, neve e flech+s de Nerf
Arrowstorm n1o s1o nocivos + seres vivos, eles t+mbém n1o
podem ferir +s +p+riçöes. lor outro l+do, um cont+to n1o
+mi¸ível com um c+minh1o em +lt+ velocid+de, um+ b+l+
ou um+ esp+d+ - cert+mente cois+s peri¸os+s - result+m n+
perd+ de um Nível de Corpus e n+ desm+teri+li:+ç1o tempo-
ríri+ d+ +p+riç1o.
Comhute
Os ferimentos em comb+te s1o explic+dos + fundo n+s se-
çöes de -rmas ßran.as e -rmas J. í·¸· do C+pítulo Nove.
C+d+ sucesso num teste oposto de d+nos lev+ o person+¸em +
perder um Nível de Corpus. lembre-se que os d+nos de um
+t+que +tr+vés d+ Mort+lh+ (ou sej+, + p+rtir do mundo vivo)
result+m mer+mente n+ p+ss+¸em p+r+ o est+do lncorpóreo.
As +rm+s de fo¸o funcion+m norm+lmente, m+s ch+m+s
e outr+s re+çöes químic+s n1o produ:em c+lor n+s Re¸iöes
Sombri+s.
Metul Negro
Muit+s +rm+s estí¸i+s s1o forj+d+s com + li¸+ peculi+r
ch+m+d+ met+l ne¸ro. Desenvolvido por Nhudri, o Artífice
Mor, o met+l ne¸ro é um+ li¸+ de ferro estí¸io e pl+sm+ de
+p+riç1o que é temper+d+ n+ m+téri+ do limbo. Ll+ penetr+
profund+mente nos Corpus d+s +p+riçöes c+us+ndo d+nos
+¸r+v+dos. As +p+riçöes que us+m met+l ne¸ro p+r+ +t+c+r
outr+s +p+riçöes costum+m ¸+nh+r pontos de An¸st.
Culndo
Oc+sion+lmente, os person+¸ens c+em. Lse + t+bel+ +b+i-
xo p+r+ c+lcul+r d+nos. Rep+re que o d+no de qued+ nunc+ é
consider+do "+tr+vés d+ Mort+lh+". As +p+riçöes c+dentes
re+lmente se choc+m com + m+téri+ d+s Re¸iöes Sombri+s.
Rep+re t+mbém que n1o hí um+ ¸r+vid+de const+nte n+ Tem-
pest+de. Num determin+do momento, os d+nos de qued+ po-
dem ser m+is ou menos i¸u+is que n+s Re¸iöes Sombri+s.
Distância (em metros) Ierimentos
1,5 Lm Nível de Corpus
3 Dois Níveis de Corpus
6 Três Níveis de Corpus
9 Qu+tro Níveis de Corpus
12 Cinco Níveis de Corpus
15 Seis Níveis de Corpus
1o Sete Níveis de Corpus
...e +ssim por di+nte, +té um míximo de 10 Níveis de
Corpus
]ogo
O fo¸o é d+noso +os mort+is, podendo ferir +s +p+riçöes
n+s Re¸iöes Sombri+s. O fo¸o no mundo vivo pode ferir +s
+p+riçöes "+tr+vés d+ Mort+lh+", m+s como qu+lquer outro
tipo de d+no físico do mundo vivo, ele simplesmente +s f+:
fic+r lncorpóre+s. O fo¸o n+s Re¸iöes Sombri+s, t+mbém ch+-
m+do lo¸o lítuo, sempre c+us+ d+nos +¸r+v+dos +s +p+ri-
çöes, e port+nto tem o potenci+l de destruí-l+s. O lo¸o lítuo
existe +pen+s no Mundo lnferior e, como t+l, n1o pode ferir os
vivos. Lle funcion+ ex+t+mento como no mundo dos luls+n-
tes, s+lvo o f+to que ele é m+is frio que quente. Costum+-se
di:er que o lo¸o lítuo +liment+-se do poder do limbo.
Qu+lquer volume de ch+m+s tem o potenci+l de ferir um
person+¸em. O jo¸+dor pode test+r um+ qu+ntid+de de d+-
dos equiv+lente +o nível de Vi¸or contr+ +s dificuld+des lis-
t+d+s +b+ixo. O jo¸+dor pode test+r c+d+ turno que o perso-
n+¸em estí n+s ch+m+s p+r+ ver se ele pode resistir +o d+no.
Se o teste f+lh+r, o person+¸em receberí de um + três Níveis
de Vit+lid+de de d+no (consulte + se¸unt+ t+bel+, +di+nte).
C+so o teste sej+ bem-sucedido, o person+¸em recebe um
Nível de Vit+lid+de de d+no + menos por sucesso do que
receberi+ norm+lmente. Se o teste redund+r num+ f+lh+ crí-
tic+, o person+¸em serí ferido de +l¸um+ form+ especi+l -
t+lve: ele perc+ su+ vis1o ou seus membros sej+m mutil+dos.
DificuIdade CaIor da Chama
Três C+lor de um+ vel+ (queim+dur+s de pri-
meiro ¸r+u)
Cinco C+lor de um+ toch+ (queim+dur+s de
se¸undo ¸r+u)
Sete C+lor de um bico de Bunsen (queim+-
dur+s de terceiro ¸r+u)
Nove C+lor de um+ ch+m+ químic+
De: Met+l Derretido
Ierimentos Tamanho da Chama
Lm Toch+; p+rte do corpo queim+do
Dois lo¸ueir+; met+de do corpo queim+do
Três lnferno de ch+m+s; corpo inteiro quei-
m+do
2uu
A
purlçño.
O

L
lmho
O jurhlllño
De tempos em tempos, os Turbilhöes v+rrem +s Re¸iöes
Sombri+s e +tr+vess+m os At+lhos. Os Turbilhöes s1o vórtices
de limbo puro ori¸in+dos no cor+ç1o do Vícuo. l+r+ m+iores
det+lhes, vej+ Tur||||¨.s, pí¸in+ +1. Além do f+to dos Turbi-
lhöes tr+nsport+rem espectros, eles t+mbém c+us+m ¸r+ndes
d+nos +s +p+riçöes, dependendo do nível do Turbilh1o:
NíveI do TurbiIhão Dano
Lm Qu+tro d+dos
Dois Seis d+dos
Três Oito d+dos
Qu+tro 12 d+dos
Cinco 1+ d+dos
Lm+ +p+riç1o pode resistir + este d+no us+ndo C+sti¸o
ou procur+ndo +bri¸o dentro de um lu¸+r Assombr+do. O
d+no ocorre por turno de cont+to com o Turbilh1o.
Mortuls
omo +s +p+riçöes freqüentemente lid+m
com os hum+nos, é import+nte compre-
ender o que os fere. O est+do de feri-
mento dos hum+nos é medido por um+
C+r+cterístic+ ch+m+d+ Níveis de Vit+-
lid+de. Os hum+nos possuem sete Ní-
veis de Vit+lid+de, conforme oposto +os 10 níveis de um
Corpus. lode-se pens+r n+ Vit+lid+de como um+ esc+l+ com
"Lscori+do" num+ extremid+de e "lnc+p+cit+do" n+ outr+.
C+d+ Nível de Vit+lid+de sofrido +cim+ de "Lscori+do" lev+
um hum+no + sofrer pen+lid+des n+s +çöes:
Nlvels de Vltulldude dos Mortuls
Lscori+do Sem efeito
M+chuc+do -1
lerido -1
lerido Or+vemente -2
Lsp+nc+do -2
Aleij+do -5
lnc+p+cit+do
Risque um Nível de Vit+lid+de p+r+ c+d+ ferimento que
um person+¸em receber. As +p+riçöes sofrem pen+lid+des
p+r+ ferimentos qu+ndo el+s se m+teri+li:+m. Os primeiros
qu+tro níveis de ferimento n1o exercem efeitos; os últimos
seis funcion+m ex+t+mente como os seis níveis p+r+ mort+is
(v+ri+ndo de lerido + lnc+p+cit+do).
Morte
Os seres hum+nos ou os +nim+is que +lc+ncem lnc+p+ci-
t+do se encontr+m + um Nível de Vit+lid+de d+ morte. Se o
hum+no ou +nim+l for ferido m+is um+ ve:, ou se for impos-
sível est+nc+r o s+n¸ue de seu corpo, ele irí morrer.
Obvi+mente, o processo de cur+ dos mort+is é diferente
2u1
que o d+s +p+riçöes. Com + +tenç1o médic+ +propri+d+, os
mort+is se recuper+m tendo como b+se + t+bel+ + se¸uir.
Rep+re que o tempo concedido é o qu+nto lev+ p+r+ recupe-
r+r esse Nível de Vit+lid+de específico - outros Níveis de
Vit+lid+de precis+m ser cur+dos t+mbém. lort+nto, se o
mort+l lev+r três meses p+r+ se recuper+r de ter sido Lsp+n-
c+do, ele +ind+ precis+rí dedic+r +l¸um tempo p+r+ cur+r
lerido Or+vemente, lerido e +ssim por di+nte.
NíveI de VitaIidade Tempo
Lscori+do Lm di+
M+chuc+do Três di+s
lerido Lm+ Sem+n+
lerido Or+vemente Lm mês
Lsp+nc+do Três Meses
Aleij+do Três Meses ¯
¯ Atenç1o: os Mort+is n1o +pen+s precis+m cur+r este
Nível de Vit+lid+de, como t+mbém perdem um ponto p+r+
c+d+ Atributo lísico. Os Mort+is que +lc+ncem lnc+p+cit+-
do cur+m + critério do n+rr+dor; +l¸uns fic+m em com+ p+r+
o resto de su+s vid+s.
Se um mort+l morrer enqu+nto est+v+ possuído com Ti-
terismo, + +p+riç1o que o possuí+ receberí d+nos de Corpus.
As +p+riçöes podem cur+r mort+is us+ndo o Mistério Lsur+
(pí¸in+ 1¯0).
Llmho
l+r+ +s +p+riçöes, + morte fin+l si¸nific+ c+ir no limbo.
Lxistem víri+s form+s pel+s qu+is um+ +p+riç1o pode +tin¸ir
su+ morte fin+l.
º Lm+ +p+riç1o que perc+ todos os seus Níveis de Cor-
pus devido + ferimentos +¸r+v+dos +lc+nç+rí o limbo.
º Lm+ +p+riç1o que +lc+nce cont+¸em :ero em lorç+ de
Vont+de ou Corpus (devido + ferimentos n1o +¸r+v+dos)
sofrerí um les+delo lin+l (Vej+ í.saJ.|·, pí¸in+ 1o+). O
les+delo n1o envolve um Orilh1o ou um teste de l+ix1o.
No fin+l do les+delo, o jo¸+dor deve test+r lorç+ de Vont+-
de perm+nente contr+ um teste oposto de An¸st perm+nen-
te (+ dificuld+de de +mbos os testes é 6). Se o jo¸+dor f+lh+r,
o person+¸em p+ss+rí +o limbo.
º Lm+ +p+riç1o que sej+ mer¸ulh+d+ num les+delo pe-
los espectros precis+rí sofrer o processo de les+delo. O es-
pectro norm+lmente terí como objetivo elimin+r um Ori-
lh1o ou um+ l+ix1o. O les+delo termin+ com um teste de
Orilh1o ou l+ix1o. Se o teste f+lh+r critic+mente, o jo¸+dor
precis+rí test+r lorç+ de Vont+de perm+nente contr+ um
teste oposto de An¸st perm+nente. Se o jo¸+dor f+lh+r neste
se¸undo teste, o person+¸em c+irí no limbo.
º Lm+ +p+riç1o que perc+ tod+s +s su+s l+ixöes no le-
s+delo c+irí imedi+t+mente no limbo.
2u2
A
purlçño.
O

L
lmho
pode ser cur+do +té que o mort+l tenh+ s+ído do +mbiente
hostil. Qu+ndo o mort+l +tin¸ir lnc+p+cit+do, ele morrerí
n+ r+:1o de um minuto por ponto de Vit+lid+de.
Estudos Mentuls
st+ seç1o discute +s mud+nç+s que po-
dem ser sofrid+s pel+ psiquê de um per-
son+¸em ou pel+s mentes dos indivídu-
os que o cerquem. Muit+s dess+s mud+n-
ç+s envolvem + Sombr+. l+r+ m+iores
explic+çöes, consulte o C+pítulo Sete.
jrunscendenclu
Lntre +queles que +credit+m que cois+s como ess+s s1o
possíveis, + Tr+nscendênci+ é o objetivo fin+l que pode ser
+spir+do por um+ +p+riç1o. Hí quem +credite que +l¸um+s
+lm+s p+ss+m p+r+ um est+do de p+: interior +ssim que mor-
rem, enqu+nto outr+s c+em no limbo. Qu+lquer que sej+ +
verd+de, +s crenç+s diferentes sobre + Tr+sncendênci+ cons-
tituem +l¸um+s d+s princip+is diver¸ênci+s entre os diversos
¸rupos de +p+riçöes.
Veneno
Os mort+is s1o +fet+dos por venenos, m+s +s +p+riçöes
n1o. (Lmbor+ sej+ dito + boc+ pequen+ que certos senhores
mort+is estí¸ios tenh+m +cesso + poçöes destil+d+s d+s lí¸ri-
m+s de espectros...)
Sulocumento e Alogumento
Os mort+is podem morrer por +fo¸+mento. A qu+ntid+de
de tempo que um mort+l pode prender su+ respir+ç1o é deter-
min+d+ por seu nível de Vi¸or, se¸undo + t+bel+ +b+ixo:
Vigor Segurar Respiração
1 30 se¸undos
2 Lm minuto
3 Dois minutos
+ Qu+tro minutos
5 Oito minutos
Os mort+is podem ¸+st+r lorç+ de Vont+de p+r+ conti-
nu+r prendendo su+ respir+ç1o; c+d+ ponto ¸+sto permite +o
mort+l outros 30 se¸undos se seu Vi¸or for 3 ou menor que
3, ou um minuto inteiro se seu Vi¸or for + ou +cim+ disso.
Qu+ndo um mort+l n1o puder m+is se¸ur+r su+ respir+-
ç1o, ele começ+rí + sufoc+r ou +fo¸+r. Lm person+¸em que
estej+ se +fo¸+ndo sofre um Nível de Vit+lid+de de d+no +
c+d+ turno. N1o se tr+t+ de um d+no +¸r+v+do, m+s n1o
2u3
A Hier+rqui+ +credit+ que + Tr+nscendênci+ é +pen+s
um mito, um+ f+nt+si+ inf+ntil sustent+d+ por Here¸es com
o propósito de obter m+is +lm+s. Se houvesse um+ Tr+sn-
cendênci+, o que + distin¸uiri+ do limbo! Os estudiosos s1o
ev+sivos + esse respeito, m+s muito Hier+rc+s +pont+r+m que
o limbo e + Tr+ncendênci+ represent+m ex+t+mente + mes-
m+ cois+: um+ perd+ de identid+de. Lles consider+m + no-
ç1o de Tr+nscendênci+ um conto de f+d+s ou um p+r+íso
dos tolos, e tent+m +proveit+r +o míximo su+ presente con-
diç1o. lor outro l+do, certos Hier+rc+s sussurr+m que o pró-
prio Ch+ron est+v+ busc+ndo + Tr+nscendênci+, e que ele
pode tê-l+ +lc+nç+do...
Os Here¸es s1o os m+iores defensores d+ Tr+sncendên-
ci+, +credit+ndo que c+d+ pesso+ deve se¸uir + trilh+ que
m+is lhe sej+ +dequ+d+. Obvi+mente, c+d+ culto Here¸e tent+
persu+dir os outros cid+d1os do Mundo lnferior de que su+
trilh+ é + melhor. Os Here¸es +credit+m que +pen+s form+n-
do comunid+des de detentores de filosofi+s semelh+ntes, serí
possível p+r+ +s +p+riçöes +lc+nç+rem + Tr+nscendênci+. Lles
insistem que é muito difícil lut+r so:inho contr+ + Sombr+.
A despeito disso, mesmo nos diversos reinos form+dos por
Here¸es, corrupç1o, +buso, e¸oísmo e + mícul+ do limbo
est1o presentes.
Se é possível +firm+r que os Rene¸+dos tenh+m um+ opi-
ni1o coletiv+ + respeito de +l¸um+ cois+, é que s. + Tr+ns-
cendênci+ re+lmente existe, el+ é +l¸um+ cois+ que c+d+ in-
divíduo precis+ encontr+r so:inho. Muitos +firm+m que se +
Tr+nscendênci+ é possível, el+ n1o pode ser +lc+nç+d+ me-
di+nte :.n:a:|tas de +lc+nçí-l+ - el+ vem ou n1o, tendo como
b+se + espiritu+lid+de e + étic+ do indivíduo. Os Rene¸+dos
+credit+m que c+d+ +p+riç1o deve +¸ir em consonìnci+ com
su+ própri+ consciênci+ e credo. Se o result+do for Tr+ns-
cendênci+, ótimo; se n1o, quem se import+!
Os crentes n+ Tr+nscendênci+ di:em que el+ é um est+-
do no qu+l lsiquê e Sombr+ s1o um+ só cois+, no qu+l o
Lidolon mescl+-se com o eu p+r+ +tin¸ir um nível de +uto-
consciênci+ e p+: interior. Lmbor+ n1o exist+m re¸r+s fíceis
sobre como +lc+nç+r + Tr+nscendênci+, + m+iori+ dos Here-
¸es +firm+ que o primeiro p+sso é resolver todos os +ssuntos
que +ind+ li¸uem um+ +p+riç1o +o mundo vivo. Apen+s isto
é suficiente p+r+ desvi+r muit+s +p+riçöes d+ trilh+ p+r+ +
Tr+nscendênci+, por medo de que, se seus Orilhöes forem
dissolvidos, n+d+ os m+nterí no mundo dos luls+ntes.
O p+sso se¸uinte, e sem dúvid+ o m+is difícil, é entr+r em
+cordo com + Sombr+. As +p+riçöes tendem + pens+r n+
Sombr+ como +l¸um+ cois+ for+ del+s, +l¸o que n1o é m+is
um+ p+rte deles. Ao extern+li:+r tudo que + Sombr+ repre-
sent+, + lsiquê costum+ ser repelid+ por su+ Sombr+, vendo-
+ como um monstro repu¸n+nte. Apen+s +lc+nç+ndo um
equilíbrio entre lsiquê e Sombr+, di:em os Here¸es, + Tr+ns-
2u4
A
purlçño.
O

L
lmho
cendênci+ poderí ser encontr+d+. Al¸uns +firm+m que +
Sombr+ precis+ ser derrot+d+; outros insistem que el+ preci-
s+ ser +bsorvid+ e inte¸r+d+ + lsiquê.
Os N+rr+dores devem enf+ti:+r que + Tr+nscendênci+
n1o é +pen+s um+ quest1o de mec+nismo, m+s um+ jorn+d+
espiritu+l semelh+nte +quel+s nos incontíveis mitos e len-
d+s. As jorn+d+s do herói +tr+vés do Mundo lnferior s1o, em
últim+ instìnci+, um+ busc+ pelo escl+recimento, e c+d+ jo-
¸+dor é um+ lerséfone, um D+nte, um ln+nn+ ou um Or-
feus. A busc+ pel+ Tr+nscendênci+ é um+ busc+ pelo eu, e
nem todo person+¸em estí prep+r+do p+r+ enfrent+r os ri¸o-
res dess+ jorn+d+.
A Mortullu
A Mort+lh+ reflete + dificuld+de rel+tiv+ em desempe-
nh+r Mistérios num+ determin+d+ íre+ n+s Re¸iöes Sombri-
+s. O nível loc+l d+ Mort+lh+ é +fet+do por vírios f+tores,
inclusive + hor+ do di+, o número e o tipo de pesso+s que
freqüent+m o lu¸+r, e +ssim por di+nte. A t+bel+ + se¸uir
+present+ os níveis ¸er+is d+ Mort+lh+.
Shoppin¸ center muito moviment+do, meio-di+ 10
Lst+ç1o de Metro, t+rde 9
Velh+ c+s+ vitori+n+ em bom est+do o
Clube noturno sombrio e lot+do ¯
Lstr+d+ escur+ num+ noite sem estrel+s 6
Cemitério deserto + mei+-noite 5
2u¨
A Brumu
Os mort+is n1o querem enc+r+r su+ própri+ mort+lid+de,
e qu+lquer +ceit+ç1o d+ existênci+ de +p+riçöes pode si¸nifi-
c+r que eles t+mbém morrer1o um di+. A Brum+ é o nome
que +s +p+riçöes +tribuem + ne¸+ç1o instintiv+ de su+ exis-
tênci+ por p+rte dos hum+nos. Os mort+is +fet+dos pel+ Bru-
m+ re+¸em de víri+s form+s +s +p+riçöes, m+s inevit+vel-
mente +p+¸+m o encontro d+ memóri+.
Aqueles que n1o compreendem o terror d+ morte (+ni-
m+is, cri+nç+s, loucos n1o s1o +fet+dos pel+ Brum+; como
result+do, podem perceber +p+riçöes medi+nte sucesso num
teste de lercepç1o ÷ lrontid1o (dificuld+de o).
Nlvels du Brumu
Iorça de Vontade % da popuIação Reação
1 10º Medo C+t+tonico: O mort+l é p+r+li:+do com medo, fic+ndo inc+p+cit+do de
desempenh+r qu+lquer +ç1o +lém de chor+r ou (t+lve:) esconder-se.
2 20º lìnico: A pesso+ entr+ em pìnico ce¸o, p+ss+ndo por cim+ de qu+lquer cois+,
ou qu+lquer um, p+r+ fu¸ir d+ +p+riç1o.
3 1oº Descrenç+: A pesso+ se recus+ + +credit+r que estí vendo um f+nt+sm+, e irí
r+cion+li:+r +s prov+s de que + +p+riç1o é +pen+s um "ped+ço de bife m+l p+s-
s+do", o vento sopr+ndo um+ port+ +bert+, ou virtu+lmente qu+lquer cois+ que
n1o sej+ + verd+deir+ c+us+.
+ 15º Lns+ndecido: Ce¸o pelo medo, o mort+l desempenh+ +l¸um+ +ç1o - qu+lquer
cois+, desde +tir+r cois+s n+ +p+riç1o +té correr pel+ ru+ quebr+ndo j+nel+s.
5 13º Terror: O mort+l estí +p+vor+do, m+s +ind+ n1o estí em pìnico. Lle tent+rí
dist+nci+r-se +o míximo d+ +p+riç1o, m+s p+r+rí p+r+ destr+nc+r port+s, etc.
6 10º Concili+tório: O mort+l estí com medo, m+s implor+ + +p+riç1o que o poupe,
deixe-o em p+:, etc.
¯ ¯º Medo Control+do: Lmbor+ + pesso+ +ind+ tenh+ medo, el+ estí c+lm+ e tent+
encontr+r um+ form+ r+cion+l de lut+r ou fu¸ir.
o 5º Curiosid+de: T+lve: est+ pesso+ sej+ um estudioso de fenomenos p+r+norm+is,
que "sempre +chou que o Tio louie est+v+ vel+ndo por nós, cri+nç+s, mesmo
depois que ele morreu". Lste mort+l sente m+is f+scínio que medo.
9 15º R+iv+ Justific+d+: O indivíduo pode ser membro de um+ ordem reli¸ios+ ou
simplesmente n1o +dmit+ que nin¸uém - vivo ou morto - viole seu esp+ço. Lle
n1o cederí + nenhum+ "vil cri+tur+ d+ escurid1o".
10 5º Nenhum+ Re+ç1o/Bl+sé: Lst+ pesso+ tem nervos de +ço ou cérebro de ¸el+tin+.
Qu+lquer que sej+ + r+:1o, el+ n1o esboç+ nenhum+ re+ç1o +o ser sobren+tur+l.
C+so + +p+riç1o f+le com est+ pesso+, el+ responderí polid+mente. lor que el+
+¸iri+ de outr+ form+! - el+ per¸unt+ri+.
2uo
A
purlçño.
O

L
lmho
2u7
Lxistem muit+s +çöes que um jo¸+dor poss+ querer que
seu person+¸em desempenhe dur+nte um turno - pul+r um+
cerc+, sedu:ir um novo conhecido ou pesquis+r históri+s de
f+nt+sm+s n+ bibliotec+. Como N+rr+dor, você jí conhece
+s re¸r+s (+fin+l de cont+s, leu o C+pítulo Qu+tro) e prov+-
velmente s+be como jul¸+r o teste de um jo¸+dor, m+s exis-
tem +l¸um+s técnic+s e extr+pol+çöes que você +ch+rí inte-
ress+ntes. Lste c+pítulo é sobre isso - ele oferece conselhos
sobre sistem+s de re¸r+s p+r+ resolver +çöe dr+mític+s.
Lste c+pítulo n1o pretende ser +br+n¸ente. Lsses siste-
m+s s1o +pen+s exemplos de como resolver +s +çöes execu-
t+d+s pelos person+¸ens. Lse-os como indic+çöes e invente
os seus próprios sistem+s p+r+ condu:ir +s cois+s. N1o p+re +
+ç1o no meio de um+ cen+ dr+mític+ p+r+ procur+r +l¸um+
cois+ neste c+pítulo - invente +l¸o, t+lve: tendo como b+se
um outro sistem+ de re¸r+s visto neste livro.
Lse um dos sistem+s descritos neste c+pítulo +pen+s em
c+so de re+l necessid+de. Se o teste em quest1o for simples,
nenhum desses sistem+s serí necessírio. Se você n1o estiver
interess+do no dr+m+ que se ¸er+ +o se coloc+r o jo¸o n+s
históri+, use o sistem+ de sucessos +utomíticos. Consulte o
C+pítulo de C+r+cterístic+s e, lendo sobre + C+r+cterístic+
em quest1o, determine se o person+¸em é bem-sucedido ou
n1o, sem us+r nenhum d+do.
Como re¸r+ ¸er+l, m+nde o jo¸+dor f+:er um teste +pen+s
em c+so de dúvid+ subst+nci+l qu+nto +o result+do d+ +ç1o
(se o jo¸+dor poderí ser bem sucedido ou n1o). Se você pu-
der consider+r r+cion+lmente que o person+¸em obterí êxi-
to, ent1o b+st+ deixí-lo +¸ir.
Qu+ndo você começ+r + f+:er testes e os seus jo¸+dores
fi:erem o mesmo, providencie p+r+ que os testes sej+m especi-
+is e diferentes. N1o perc+ tempo dem+is em testes de d+dos
que n1o +crescentem n+d+ especi+l + históri+ ou que sej+m
desinteress+ntes p+r+ você ou p+r+ os jo¸+dores. C+d+ teste de
d+dos deve ser um jo¸o em mini+tur+, com estr+té¸i+s e títi-
c+s p+r+ domin+r e sorte p+r+ +crescent+r um tom inesper+do.
Sequenclus
m+ seqüênci+ é um momento d+ histó-
ri+ em que o ¸rupo se concentr+ nos
eventos imedi+tos e re+li:+ os testes
como se eles estivessem ocorrendo con-
comit+ntemente. Lm+ seqüênci+ pode-
rí exi¸ir interpret+ç1o e muit+ convers+
entre os jo¸+dores e o N+rr+dor, ou po-
derí envolver um determin+do número de +çöes diferentes,
+l¸um+s requerendo testes nos d+dos.
Lm+ seqüênci+ é como um+ série de cen+s num filme,
num+ mesm+ loc+ç1o e num mesmo momento d+ históri+. L
+ essênci+ d+ interpret+ç1o, qu+ndo os jo¸+dores descrevem
+s re+çöes de seus person+¸ens + eventos, +o invés de expli-
c+r o que eles pretendem f+:er.
Cupltulo Nove.
Drumu
ßran.·. Lma ja¸|na taz|a. Ò J.saj|·: Dar ·rJ.m a :uJ·,
a:rat.s J. J.s.n|·, .·mj·s|¸a·, :·m, .¡u||/|r|·, s|m.:r|a . |ar-
m·n|a.
- Stephen Sondheim, SunJay |n :|. íar| u|:| C.·r¸.
2u8
A
purlçño.
O

L
lmho
l+ç+ tudo que puder p+r+ torn+r +s seqüênci+s de su+s
históri+s o m+is dr+mític+s, complet+s e s+tisf+tóri+s possível.
Qu+nto m+is você conceder + c+d+ seqüênci+ um começo
empol¸+nte, um meio cheio de +ç1o e um fim s+tisf+tório (ou
estr+te¸ic+mente frustr+nte), melhor + su+ históri+ fic+rí.
Descrev+ + seqüênci+ n1o como um+ foto estític+, m+s
como um lu¸+r ou um momento cheio de vid+ e +ç1o. Ll+
deve ter + su+ própri+ existênci+ + p+rte dos person+¸ens. O
líder Rene¸+do n1o se sent+ simplesmente + mes+ - en-
qu+nto os person+¸ens o observ+m ch+m+r um de seus c+-
p+n¸+s p+r+ repreendê-lo. Crie um+ históri+ com o fin+l em
+berto n+s su+s descriçöes e em se¸uid+ convide os person+-
¸em + entr+rem nel+. N1o force os jo¸+dores + +nim+rem +
su+ cri+ç1o - insufle-lhe vid+ desde o primeiro momento.
O tempo que n1o é ¸+sto num+ seqüênci+ é ch+m+do en-
tre+to. Lle pode ocorrer qu+ndo os jo¸+dores est1o re+li:+ndo
pesquis+s lon¸+s, vi+j+ndo, ou simplesmente n1o quiserem se
d+r +o tr+b+lho de personific+r c+d+ se¸undo d+ vid+ dos seus
person+¸ens. O entre+to é um+ p+us+ d+ intensid+de d+ se-
qüênci+. Lmbor+ norm+lmente sej+ +conselhível ¸+st+r o
menor tempo possível num entre+to (ele costum+ ser rel+ti-
v+mente tedioso), t+mbém n1o se deve evití-lo. Lse o entre-
+to p+r+ or¸+ni:+r os jo¸+dores, diri¸ir + históri+ m+is precis+-
mente e f+:er + tr+m+ +v+nç+r com m+ior r+pide:.
A históri+ pode mud+r p+r+ um+ seqüênci+ em qu+se
qu+lquer momento. Norm+lmente isso ocorre de form+ b+s-
t+nte n+tur+l, sem que nin¸uém perceb+ que +conteceu. lor
exemplo, enqu+nto você discute com os jo¸+dores como eles
pretendem f+:er um+ jorn+d+ + Chic+¸o, pode começ+r +
descrever o que eles vêem no c+minho. Você p+ssou do en-
tre+to p+r+ um+ seqüênci+. Qu+ndo você começ+ + inter-
pret+r um velho que c+minh+ +té eles e lhes pede um troc+-
do, você os fe: mer¸ulh+r complet+mente n+ seqüênci+. Sim-
plesmente começ+ndo + interpret+r sem +viso, você obri¸+
os p+rticip+ntes do jo¸o + deix+r de se comport+rem como
jo¸+dores e +ssumirem os seus p+péis, dest+ form+ inici+ndo
inst+nt+ne+mente um+ seqüênci+.
jurnos
l+r+ or¸+ni:+r e estrutur+r + combin+-
ç1o dos eventos, um+ seqüênci+ é divi-
did+ em turnos. Lm turno é um período
de tempo v+riível dur+nte o qu+l os per-
son+¸ens re+li:+m cois+s. lsso o +jud+rí
+ +comp+nh+r o que estí +contecendo
e +sse¸ur+rí que c+d+ jo¸+dor tenh+ +
2u9
mesm+ ch+nce de f+:er +l¸um+ cois+. Lm um turno, c+d+
person+¸em deve est+r +pto + f+:er um+ cois+. Além disso, +
c+d+ jo¸+dor deve ser cedid+ +proxim+d+mente + mesm+
qu+ntid+de de tempo p+r+ descrever o que ele desej+ que
seu person+¸em f+ç+. A c+d+ turno confir+ +os jo¸+dores,
por ordem de lnici+tiv+ (ver + se¸uir), um+ oportunid+de de
est+belecer um+ +ç1o. Qu+ndo che¸+r + su+ ve:, descrev+ +s
+çöes dos person+¸ens n1o-jo¸+dores.
Além disso, você poderí us+r + estrutur+ de turno de
form+ b+st+nte m+leível, mesmo se isso n1o fi:er muito sen-
tido. Você poderi+, por exemplo, deix+r +l¸uém esc+l+r um+
írvore enqu+nto outr+ pesso+ disp+r+ um+ +rm+, embor+ sob
circunstìnci+s norm+is esc+l+r um+ írvore lev+ri+ um minu-
to, enqu+nto disp+r+r um+ +rm+ n1o dur+ri+ m+is de três
se¸undos. Afin+l, + +dren+lin+ f+: +s pesso+s pr+tic+rem +tos
surpreendentes.
Ações Multlplus
Lm person+¸em pode desempenh+r víri+s +çöes em um
turno (como correr e disp+r+r um+ +rm+), m+s ele precis+ di-
vidir os d+dos. l+r+ p+rtilh+r um+ l+r+d+ de D+dos entre +çöes
diferentes, o person+¸em tir+ os d+dos d+ +ç1o n+ qu+l possui
o menor nível (+quel+ com + menor l+r+d+ de D+dos) e divi-
de ess+ l+r+d+ entre +s +çöes que desej+ desempenh+r.
Os person+¸ens que ir1o execut+r +çöes múltipl+s de-
sempenh+m + su+ primeir+ +ç1o se¸undo su+ ordem norm+l
de inici+tiv+ (+ n1o ser que ret+rdem + +ç1o). Lles n1o po-
dem re+li:+r m+is de um+ +ç1o neste momento. Depois que
os person+¸ens tiverem complet+do su+ primeir+ (ou únic+)
+ç1o, os person+¸ens com m+is +çöes podem +¸ir nov+men-
te se¸uindo su+ ordem de inici+tiv+. Depois que todos tive-
rem desempenh+do su+ se¸und+ +ç1o, o jo¸o continu+ com
+ terceir+ +ç1o e +s +çöes subseqüentes em ordem de inici+-
tiv+, como +cim+. Lmbor+ os person+¸ens poss+m ret+rd+r
su+ +ç1o, eles precis+m desempenhí-l+ +ntes dos dem+is p+s-
s+rem p+r+ + +ç1o se¸uinte, ou el+ est+rí perdid+. Contudo,
os person+¸ens podem sempre us+r d+dos p+r+ test+r Lsqui-
v+ enqu+nto houver d+dos n+ l+r+d+.
Sequenclus de uçño
Muit+s seqüênci+s s1o t1o replet+s de
+çöes e de testes nos d+dos que preci-
s+m de re¸r+s especi+is p+r+ que tudo
tr+nscorr+ com tr+nquilid+de. Lsses s1o
momentos em que + +dren+lin+ corre e
o ritmo é rípido. As seqüênci+s de +ç1o
s1o +s lut+s, corrid+s e feitos peri¸osos
t1o comuns n+s históri+s de +ventur+. Dur+nte um+ seqüên-
ci+ de +ç1o, os turnos costum+m ser b+st+nte curtos, dur+n-
do +pen+s cerc+ de três se¸undos.
Os person+¸ens podem f+:er muit+s cois+s diferentes
num+ seqüênci+ de +ç1o, e pode p+recer um pouco compli-
c+do correl+cion+r tudo. N1o esqueç+ de descrever cuid+-
dos+mente qu+ndo todo mundo estí n+ seqüenci+, +ssim
como que +bri¸o estí disponível e + que distìnci+ ele se en-
contr+ dos person+¸ens. Se n1o fi:er isso, você terí de des-
crever + seqüênci+ nov+mente e ouvir comentírios como
"Lp+' Você n1o disse que tinh+ +l¸uém +li'" T+mbém pode
ser +conselhível que você descrev+ +s condiçöes +mbient+is
e como el+s podem +fet+r + seqüênci+. Muit+s decisöes po-
dem ser +fet+d+s por chuv+, vento e neve.
Lm ¸er+l, deixe um person+¸em f+:er pr+tic+mente qu+l-
quer cois+ que ele queir+, mesmo se você +tribiuir um+ difi-
culd+de 10.
Orgunlzundo um turno de uçño
D+ mesm+ form+ que um+ seqüênci+ é constituíd+ por
turnos, t+mbém os turnos possuem diferentes estí¸ios. Ain-
d+ +ssim, você prov+velmente n1o precis+rí dividir os tur-
nos + n1o ser que exist+m turnos de +ç1o. Lmbor+ n1o sej+
preciso +tr+vess+r esses estí¸ios ri¸oros+mente, lei+ est+ list+
p+r+ obter idéi+s sobre como pode or¸+ni:+r +s cois+s qu+n-
do + +ç1o esquent+r. Qu+nto m+is or¸+ni:+do for um turno,
m+is tr+nquil+mente ele tr+nscorrerí e m+is divertido serí
p+r+ todos.
¤ Descrevendo u sequenclu
No começo de c+d+ turno você deve descrever + seqüên-
ci+ sob + perspectiv+ de seus person+¸ens. Você pode querer
su¸erir o que os oponentes dos person+¸ens estej+m p+r+ f+-
:er, m+s n1o descrever o que +contece re+lmente. De ve: em
qu+ndo isto serí um resumo do turno +nterior, escl+recendo +
todos os jo¸+dores o que +conteceu. O híbito de redescrever
const+ntemente serí essenci+l p+r+ evit+r confus1o.
Lst+ é + su+ ch+nce de or¸+ni:+r e dispor +s cois+s p+r+
que tudo tr+nscorr+ com tr+nquilid+de qu+ndo os person+-
¸ens começ+rem + inter+¸ir com o cenírio que você mon-
tou. Descrev+ d+ form+ m+is interess+nte que puder, dei-
x+ndo em +berto todos os tipos de possibilid+des p+r+ +çöes
dos person+¸ens.
Os jo¸+dores precis+m test+r inici+tiv+ (ver lnici+tiv+)
p+r+ determin+r + ordem pel+ qu+l os person+¸ens +tu+r1o.
Lm situ+çöes especi+lmente complic+d+s você pode m+nd+r
os jo¸+dores descreverem o que pretendem f+:er nesse tur-
no, começ+ndo com o jo¸+dor que obteve nos d+dos + inici-
+tiv+ ma|s |a|xa (o person+¸em com + inici+tiv+ m+is +lt+
f+l+ por último, depois que ouviu +s +çöes de todos os ou-
tros, e +tu+ primeiro).
C+so você queir+ ser p+rticul+rmente liber+l, elimine to-
t+lmente +s decisöes de inici+tiv+ e permit+ +os jo¸+dores +¸i-
rem n+ ordem que quiserem. lor exemplo: "Ao lon¸e, você
ouve ¸on¸os d+ Hier+rqui+ e vê que o Rene¸+do no fim do
beco p+rece tê-los not+do t+mbém. Lle é bem-sucedido n+
inici+tiv+ e corre n+ direç1o d+ cerc+. O que vocês f+r1o!"
21u
A
purlçño.
O

L
lmho
¤ Estáglo de declsño
Se¸uindo num+ ordem r.t.rsa de lnici+tiv+ (se os jo¸+-
dores decidirem inici+tiv+ nos d+dos), peç+ + c+d+ jo¸+dor
p+r+ explic+r o que o seu person+¸em pretende f+:er e de
que form+. Se você n1o pediu testes de lnici+tiv+, simples-
mente p+sse de jo¸+dor em jo¸+dor d+ esquerd+ p+r+ + direi-
t+, ou se¸undo + ordem do R+ciocínio dos person+¸ens, ou
+ind+ us+ndo qu+lquer outro método consistente.
Lm se¸uid+ decid+ como quer resolver + +ç1o - que
tipo de teste c+d+ jo¸+dor terí de f+:er, + dificuld+de do tes-
te, e o número de sucessos necessírios. Você pode simplifi-
c+r o processo ou, se quiser, complicí-lo um pouco. Lxem-
plo: "Se você quiser pe¸í-lo +ntes que ele pule + cerc+, pre-
cis+rí test+r Destre:+ ÷ Lsportes. lrecis+ obter seis sucessos
p+r+ +lc+nçí-lo, m+s ele necessit+ de +pen+s m+is três p+r+
pul+r + cerc+."
¤ Estáglo de Resoluçño
Ocorre qu+ndo os jo¸+dores l+nç+m os d+dos p+r+ ver se
os seus persons+¸ens s1o bem sucedidos ou se fr+c+ss+m. Os
jo¸+dores us+m os d+dos p+r+ tent+r +s +çöes que descreve-
r+m no estí¸io +nterior.
Ao fim do turno, você precis+rí resumir tudo, descre-
vendo e tr+du:indo o que +conteceu n+ tr+m+ e n+ históri+.
N1o decl+re simplesmente "Você conse¸ue +cert+r o vil1o
c+us+ndo-lhe um d+no de três Níveis de Corpus". Sej+ m+is
visu+l, di:endo "Depois de se esquiv+r p+r+ + esquerd+, você
cerr+ o punho e o +cert+ com um soco no rosto. A su+ m1o
estí doendo, m+s você quebrou o n+ri: dele e o feriu por três
Níveis de Corpus". Ou ent1o: "Correndo b+st+nte e d+ndo
um s+lto ous+do sobre um+ l+t+ de lixo, você o perse¸ue
pelo beco. loderí +¸+rrí-lo no turno se¸uinte, +ntes que ele
consi¸+ esc+p+r. M+s você vê um c+rro de políci+ dobr+ndo
+ esquin+ do beco."
Inlclutlvu
No início d+ m+iori+ d+s seqüênci+s serí preciso decidir
quem +¸e primeiro. Test+r + lnici+tiv+ nos d+dos é + melhor
form+ de estipul+r em que ordem os jo¸+dores +tu+r1o du-
r+nte o rest+nte d+ lut+. Oc+sion+lmente serí óbvio quem é
o primeiro, como qu+ndo um+ embosc+d+ foi +rm+d+ ou
qu+ndo um+ pesso+ é pe¸+ cl+r+mente de surpres+. lorém,
no comb+te, se você quiser que os oponentes surpreend+m
os person+¸ens, n1o os +tire simplesmente sobre os jo¸+do-
res. Deixe-os f+:er testes (difíceis) de lercepç1o p+r+ ver se
rep+r+m +l¸um+ cois+ +ntes dos vilöes +p+recerem. Se n1o
fi:er isso, terí de +tur+r um+ m+tilh+ de ch+c+is chor+min-
¸+ndo. A dificuld+de depende do qu+nto + embosc+d+ foi
bem +rm+d+ (norm+lmente +o redor de o). O número de
sucessos que os jo¸+dores obtêm indic+ o número de d+dos
que eles podem us+r n+ primeir+ +ç1o de c+d+ um, norm+l-
mente Lsquiv+.
211
Num+ situ+ç1o norm+l, c+d+ jo¸+dor f+: um teste de lni-
ci+tiv+ e o N+rr+dor f+: o mesmo p+r+ c+d+ um dos seus
oponentes. C+d+ person+¸em envolvido test+ R+ciocínio ÷
lrontid1o (ou você pode f+:ê-los test+r R+ciocínio ÷ Bri¸+,
Arm+s Br+nc+s, Arm+s de lo¸o ou qu+lquer h+bilid+de +pro-
pri+d+). A dificuld+de norm+l é qu+tro - os person+¸ens
com m+is sucessos +¸em +ntes e os person+¸ens que emp+t+-
r+m +¸em simult+ne+mente. Os person+¸ens que f+lh+m
+¸em depois d+queles que for+m menos bem sucedidos. Lm+
f+lh+ crític+ num teste de lnici+tiv+ si¸nific+ que o person+-
¸em n1o +¸e n+quele turno - su+ pistol+ emperr+, ele tro-
peç+ e n1o pode +t+c+r ou se esquiv+r, etc.
Desempenlundo Ações
As qu+tro +çöes bísic+s que os person+¸ens podem de-
sempenh+r sem precis+r submeter-se + testes s1o:
º Ceder: O person+¸em permite + pesso+ com inici+tiv+
imedi+t+mente m+is +lt+ desempenh+r + su+ +ç1o, dest+ for-
m+ cedendo + su+ ve:. Lle pode +ind+ desempenh+r su+ +ç1o
no fim desse turno. Se todos os person+¸ens, inclusive os
seus oponentes, t+mbém cederem, nin¸uém f+: n+d+ dur+n-
te esse turno.
º Curar: O person+¸em pode decidir n1o f+:er n+d+ +lém
de us+r um lonto de l+thos p+r+ se cur+r. Se nenhum+ ou-
tr+ +ç1o foi desempenh+d+, um Nível de Corpus pode ser
rest+ur+do +utom+tic+mente em um turno. Se o person+-
¸em quiser se mover, ele deverí f+:er um teste de vi¸or (di-
ficuld+de o) p+r+ se cur+r. Note que ferimentos +¸r+v+dos
n1o podem ser cur+dos dest+ form+.
º Mover: O person+¸em pode desloc+r-se c+minh+ndo,
m+rch+ndo ou correndo. Se ele +nd+r, poderí mover-se sete
metros. Se ele m+rch+r, poderí desloc+r-se 12 metros ÷ Destre-
:+. Se correr, poderí desloc+r-se 20 metros ÷ (3 x Destre:+).
O person+¸em n1o precis+ f+:er nenhum teste p+r+ se
mover, m+s movimento é + únic+ +ç1o que ele poderí de-
sempenh+r nesse turno. Lm +l¸um+s situ+çöes pode ser peri-
¸oso m+rch+r ou correr, e um teste pode ser exi¸ido p+r+
m+nter o equilíbrio qu+ndo houver vidro pelo ch1o ou se o
person+¸em estiver no meio de um tiroteiro. Se o person+-
¸em quiser correr p+r+ lon¸e do conflito ou do encontro,
precis+rí Lsquiv+r-se, + n1o ser que n1o estej+ n+ linh+ de
fo¸o ou se encontre prote¸ido de +l¸um+ form+.
Slstemus Drumátlcos
escreveremos +¸or+ um+ série de re¸r+s
diferentes p+r+ resolver +çöes, ou, p+r+
coloc+r em termos simples, víri+s m+-
neir+s de efetu+r testes. Se você preferir
interpret+r +tr+vés de seqüênci+s dr+mí-
tic+s, simplesmente vej+ est+s re¸r+s
como su¸estöes de que tipo de cois+s
podem +contecer dur+nte um+ seqüênci+. As re¸r+s dr+míti-
Todos os outros tipos de +çöes requerem testes. Al¸uns
est1o list+dos +qui:
º Ataque: Lm person+¸em pode decidir disp+r+r su+
+rm+ ou b+ter em +l¸uém. O teste feito depende do +t+-
que. lor exemplo, um +t+que de Arm+s de lo¸o requer
um teste de Destre:+ ÷ Arm+s de lo¸o.
º EscaIar: Lst+ +ç1o requer um teste de Destre:+ ÷
Lsportes.
º Esquiva: Lsquiv+r n1o +pen+s permite que um per-
son+¸em evite um +t+que, m+s t+mbém o remove com-
plet+mente d+ linh+ de +t+que. Lm person+¸em pode f+-
:er um teste de Lsquiv+ lo¸o depois de +l¸uém tent+r +cer-
tí-lo, dest+ form+ (com +l¸um+ sorte) evit+ndo o ¸olpe.
º Iicar de pe: Lm hum+no que leve um turno inteiro
p+r+ se lev+nt+r do ch1o n1o precis+ f+:er um teste. Se um
person+¸em quiser lev+nt+r-se e +ind+ +ssim desempenh+r
outr+s +çöes, ele poderí tir+r d+dos de su+ +ç1o +nunci+d+
e tent+r m+rc+r pelo menos um sucesso num teste de Des-
tre:+ ÷ Lsportes (dificuld+de de no mínimo +).
º Liderança: Lm person+¸em pode emitir com+ndos
p+r+ se¸uidores e f+:ê-los obedecerem com os testes de
C+rism+ (ou M+nipul+ç1o) ÷ lider+nç+ +propri+dos.
º Recarregar Arma: lsto pode ser feito num único tur-
no, cont+nto que o person+¸em disponh+ de um pente de
b+l+s pré-c+rre¸+do.
º Pesquisa: Lm person+¸em pode tent+r procur+r por
inform+çöes vit+is num livro. Lm+ pesquis+ ¸er+lmente
empre¸+ + H+bilid+de lnvesti¸+ç1o. Lmbor+ isto prov+-
velmente lev+ri+ m+is do que três se¸undos, você poderí
tom+r um pouco de liberd+de poétic+ em nome dos pro-
pósitos dr+míticos.
º Ligar um Carro: Lst+ +ç1o n1o requer nenhum tipo
de teste, + n1o ser que um person+¸em estej+ f+:endo li-
¸+ç1o diret+ em um c+rro.
º Esgueirar-se ate um Inimigo: Lst+ +ç1o ¸er+lmente
requer um teste de Destre:+ ÷ lurtivid+de.
º DesbIoquear Arma: Lst+ +ç1o norm+lmente pode
ser execut+d+ num único turno +o se f+:er um teste de
R+ciocínio ÷ Arm+s de lo¸o.
c+s físic+s s1o +s m+is numeros+s, porque ess+s +çöes s1o
impossíveis de serem resolvid+s unic+mente +tr+vés d+ in-
terpret+ç1o. Os sistem+s Soci+is e Ment+is podem ser simu-
l+dos pelos jo¸+dores.
]lslcos
Lsses sistem+s descrevem +çöes físic+s e confrontos -
situ+çöes dr+mític+s n+s qu+is os Atributos lísicos predo-
min+m.
Esculur
Qu+ndo um person+¸em tent+r esc+l+r qu+lquer tipo de
superfície (um+ írvore, um penh+sco ou um prédio), peç+
+o jo¸+dor p+r+ test+r + Destre:+ ÷ Lsportes do person+¸em.
212
A
purlçño.
O

L
lmho
A dificuld+de depende d+ ru¸osid+de d+ superfície que estí
sendo esc+l+d+, do tipo de superfície, e, em menor ¸r+u, d+s
condiçöes climític+s. Depois que ele +cumul+r sucessos su-
ficiente p+r+ che¸+r onde quer, poderí p+r+r de f+:er testes.
lor exemplo, S+muel estí tent+ndo esc+l+r um+ p+rede de
sete metros e meio, de modo que precis+ de cinco sucessos
p+r+ che¸+r +o topo. Lm fr+c+sso indic+ que o person+¸em
n1o estí +pto + f+:er nenhum pro¸resso dur+nte o turno.
Lm+ f+lh+ crític+ indic+ que S+muel c+i e n1o pode tent+r
esc+l+r de novo sem ¸+st+r um ponto de lorç+ de Vont+de.
2 Lsc+l+d+ fícil: um+ írvore com muitos ¸+lhos rí¸idos
+ Lsc+l+d+ simples: um penh+sco com muit+s protube-
rìnci+s
6 Lsc+l+d+ +rrisc+d+: um+ írvore com ¸+lhos finos
o Lsc+l+d+ tr+içoeir+: pouquíssim+s protuberìnci+s
10 Lsc+l+d+ dificílim+: um+ superfície muito lis+
]roezus ]lslcus
Lm +çöes n+s qu+is + lorç+ brut+ é tudo que import+,
norm+lmente + forç+ de um person+¸em é us+d+ so:inh+,
sem um+ H+bilid+de. Lste sistem+ funcion+ d+ mesm+ form+
que os sucessos +utomíticos. Se + lorç+ de um jo¸+dor i¸u+-
l+r ou exceder + dificuld+de do feito que ele estí tent+ndo,
ele o re+li:+rí +utom+tic+mente. Apen+s serí preciso re+li-
:+r um teste se + dificuld+de for m+ior que su+ l+r+d+ de
D+dos.
lorém, qu+ndo o person+¸em tom+r + decis1o, el+ serí
b+se+d+ em lorç+ de Vont+de, n1o em lorç+. Tr+t+-se de
um+ decis1o simples, de modo que o person+¸em tem +pe-
n+s um+ ch+nce de tentí-lo. A dificuld+de qu+se sempre é
nove, embor+ poss+ v+ri+r de +cordo com +s condiçöes d+
superfície, + m+nej+bilid+de do objeto sendo er¸uido, e +
vont+de do N+rr+dor. C+d+ sucesso elev+ + lorç+ efetiv+ do
person+¸em em um nível n+ t+bel+ + se¸uir (+té um míximo
de cinco). lort+nto, se um person+¸em possuir lorç+ +, m+s
quiser vir+r um c+rro, precis+rí de três sucessos em lorç+ de
Vont+de p+r+ f+:er isso.
Parada de dados Ieitos Peso
1 Am+ss+r um+ l+t+ de cervej+ 20 k¸
2 Quebr+r um+ c+deir+ 50 k¸
3 Arromb+r um+ port+ de m+deir+ 125 k¸
+ l+rtir um+ tíbu+ de 2' x +' 200 k¸
5 Arromb+r um+ port+ de ferro 325 k¸
6 l+nç+r um+ motociclet+ +00 k¸
¯ Vir+r um c+rro pequeno +50 k¸
o Quebr+r um c+no 500 k¸
de chumbo de ¯ cm
9 Soc+r +tr+vés de um+ 600 k¸
p+rede de concreto
10 R+s¸+r um t+mbor de met+l ¯50 k¸
11 Soc+r +tr+vés de um+ 1000 k¸
lìmin+ de met+l de 3 cm
12 Quebr+r um poste de lu: de met+l 1500 k¸
13 Arremess+r um c+rro 2000 k¸
1+ Arremess+r um fur¸1o 2500 k¸
15 Arremess+r um c+minh1o 3000 k¸
213
Sultur
S+lt+r requer um+ decis1o de lorç+, ou um+ decis1o de
lorç+ ÷ Lsportes se for um pulo hori:ont+l e se o person+-
¸em precis+r correr p+r+ obter um impulso decente. A difi-
culd+de p+r+ um s+lto qu+se sempre é três (+ n1o ser que +s
condiçöes climític+s estej+m ruins ou que o esp+ço de +ter-
riss+¸em sej+ estreito.) O N+rr+dor c+lcul+ qu+ntos sucessos
ser1o precisos p+r+ o s+lto. N1o existem sucessos p+rci+is em
s+lto: ou o jo¸+dor é bem-sucedido num teste ou ele c+i.
Tipo de saIto Metros por sucesso
Vertic+l (p+r+ cim+) 0,6
Hori:ont+l 1,2
]ersegulçño
Lste sistem+ simples é us+do qu+ndo um person+¸em tent+
+lc+nç+r outro. Lm oponente começ+ com um determin+do
número de sucessos. Lste número é indic+do pelo N+rr+dor
(o método preferido) ou f+:endo o person+¸em perse¸uido
test+r Destre:+ ÷ Lsportes (dificuld+de 6) p+r+ c+d+ turno
de di+nteir+ sobre o perse¸uidor; +crescente o número de
sucessos +lc+nç+dos. Lste número de sucessos precis+ ser
+cumul+do pelo outro person+¸em p+r+ que ele +lc+nce seu
+lvo. Depois que ele tiver sido +lc+nç+do, poderí tent+r en-
¸+lfinh+r-se com o perse¸uidor (vej+ +s re¸r+s de Comb+te).
O perse¸uidor, por su+ ve:, poderí preferir che¸+r +pen+s +
um+ bo+ distìnci+ de tiro do person+¸em perse¸uido p+r+
poder disp+r+r contr+ ele.
Repuros
Consert+r +l¸um+ cois+ nem sempre é t1o fícil qu+nto
leví-l+ p+r+ + oficin+. De ve: em qu+ndo você mesmo preci-
s+ f+:er o rep+ro. Qu+ndo um person+¸em quiser consert+r
+l¸um tipo de +p+relho mecìnico, ele terí de test+r Destre:+
÷ Rep+ros. A dificuld+de é determin+d+ pel+ complexid+de
d+ t+ref+ (vej+ + t+bel+ +b+ixo). Antes do tr+b+lho poder ser
consider+do completo, é preciso +cumul+r um certo número
de sucessos, norm+lmente entre dois e 20. C+d+ teste si¸ni-
fic+ que foi ¸+st+ um+ cert+ qu+ntid+de de tempo - sej+m
qu+is forem +s exi¸ênci+s d+ históri+. Lm+ f+lh+ crític+ indi-
c+ que o +p+relho foi d+nific+do n+ tent+tiv+ de consertí-lo.
Lste sistem+ pode ser divertido p+r+ us+r dur+nte com-
b+te, como qu+ndo um person+¸em estiver tent+ndo d+r +
p+rtid+ no c+rro, enqu+nto os outros tent+m ret+rd+r os c1es-
demonios d+ Hier+rqui+.
TrabaIho DificuIdade # de sucessos
Conserto mecìnico simples + 3
Sold+¸em 5 2
Defeito eletronico 5 5
Coloc+ç1o de peç+ nov+ 6 10
Conserto de c+rro 6 5
em m+c+co hidríulico
Conserto de c+rro difícil ¯ 10
Revis1o do sistem+ o 20
l+lh+ técnic+ 9 2
Somhru ¦]ersegulr, nño conlundlr com A Somhru)
De ve: em qu+ndo um person+¸em terí de perse¸uir +l-
¸uém. l+r+ que + perse¸uiç1o dê bons result+dos, precis+rí
ser re+li:+d+ d+ form+ m+is discret+ possível. L +í que entr+ +
Sombr+. Ll+ é um+ form+ de se m+nter inform+do de onde o
indivíduo se encontr+ e certific+r-se de que ele n1o perceb+
que estí sendo se¸uido.
Lste tipo de perse¸uiç1o pode ser re+li:+d+ + pé ou em
veículo. O person+¸em poderí test+r nos d+dos se outr+ pes-
so+ estiver diri¸indo, como um motorist+ de tíxi - "descul-
pe, m+s n1o consi¸o lembr+r do endereço - você terí de
se¸uir +s minh+s instruçöes. Vire + direit+ n+ próxim+ esqui-
n+. N1o, espere, + esquerd+'"
O person+¸em que estiver tent+ndo perse¸uir como um+
Sombr+ precis+ test+r lercepç1o ÷ lnvesti¸+ç1o (ou t+lve:
M+nh+). A dificuld+de costum+ ser seis (embor+ poss+ v+ri-
+r entre cinco e nove dependendo d+ densid+de d+s multi-
döes, d+s velocid+des rel+tiv+s dos veículos e d+s condiçöes
climític+s). C+d+ sucesso indic+ que o person+¸em foi se-
¸uido dur+nte um turno. Lm determin+do número de su-
cessos é requerido p+r+ se¸uir o indivíduo dur+nte todo o
percurso +té o seu destino. Lm fr+c+sso indic+ que o perso-
n+¸em perdeu tempor+ri+mente + pist+ do indivíduo, m+s
pode tent+r nov+mente no turno se¸uinte. Se ele obtiver
um se¸undo fr+c+sso, terí perdido o indivíduo complet+men-
te e + c+ç+d+ terí che¸+do +o fim (+ n1o ser que ele pense
num+ nov+ estr+té¸i+). Lm+ f+lh+ crític+ indic+ que o per-
son+¸em n1o +pen+s perdeu complet+mente o indivíduo,
como t+mbém estí t1o envolvido n+ perse¸uiç1o invisível
que +rr+njou problem+s - um+ ¸+n¸ue tent+ +ss+ltí-lo, ele
c+i num bueiro +berto, ou sofre um +cidente de c+rro.
Lmbor+ o teste de lercepç1o sej+ o +specto m+is impor-
t+nte d+ perse¸uiç1o invisível, um teste de lurtivid+de t+m-
bém precis+ ser feito. O jo¸+dor precis+ test+r (Destre:+ ÷
lurtivid+de) (ou Destre:+ ÷ Conduç1o se o person+¸em esti-
ver num veículo). A dificuld+de bísic+ é + lercepç1o ÷ lron-
tid1o do indivíduo, m+s pode ser modific+d+ por ÷/- 3, de-
pendendo d+s circustìnci+s (ru+s v+:i+s ou multidöes dens+s,
por exemplo). Lm único sucesso indic+ que o perse¸uidor
invisível n1o foi detect+do, e que c+d+ sucesso t+mbém difi-
cult+ p+r+ o perse¸uido perceber + presenç+ do perse¸uidor,
mesmo se o perse¸uido estiver tent+ndo descobrir se o se¸uem.
Lm fr+c+sso indic+ que o perse¸uido fic+ desconfi+do e come-
ç+ + olh+r dissimul+d+mente por sobre o ombro (e pode f+:er
seus próprios testes de lercepç1o; vej+ +di+nte). Lm+ f+lh+
crític+ indic+ que o person+¸em revel+ complet+mente + su+
presenç+, e o perse¸uido +¸or+ sa|. que o est1o se¸uindo.
Se o perse¸uido for +lert+do de +l¸um+ form+ (pelo fr+-
c+sso d+ Sombr+ no teste lercepç1o ÷ lnvesti¸+ç1o +cim+),
ou simplesmente tent+r ver se estí sendo se¸uido (t+lve: por
híbito), decide lercepç1o ÷ lnvesti¸+ç1o (ou M+nh+). A
dificuld+de é + lurtivid+de ÷5 do perse¸uidor invisível. C+d+
sucesso neste teste indic+ um nível m+is +lto de suspeit+. Os
sucessos podem ser +cumul+dos de turno p+r+ turno; con-
214
A
purlçño.
O

L
lmho
sulte + t+bel+ +b+ixo p+r+ ver o qu1o +lert+ o indivíduo estí
do f+to de que o perse¸uem. Lm fr+c+sso si¸nific+ que n+d+
incomum é visto e que o v+lor de suspeit+ do indivíduo di-
minui p+r+ :ero. Lm+ f+lh+ crític+ indic+ que o indivíduo
estí convencido de que n1o o perse¸uem, e dess+ form+ n1o
olh+ m+is p+r+ trís.
Sucessos Suspeita
1 lressentimento
2 Suspeit+
3 Qu+se certe:+
+ Certe:+ +bsolut+
5 O sombr+ foi loc+li:+do.
Sistema de parceria: Dois ou m+is person+¸ens podem
comp+rtilh+r respons+bilid+des de perse¸uiç1o invisível +lter-
n+ndo turnos. Contudo, eles precis+m +ntes ter tr+b+lh+do/
trein+do juntos nest+ técnic+, ou +s dificuld+des de todos os
testes p+r+ + dupl+ +ument+m em um+. Lm jo¸+dor re+li:+ +
perse¸uiç1o por um turno ou m+is, e em se¸uid+ cede + ve: +o
p+rceiro sempre que este fi:er um sin+l. Se + dupl+ se m+ntiver
reve:+ndo, o perse¸uido n1o poderí +cumul+r sucessos por
muito tempo, o que lhe dificult+ muito loc+li:+r os Sombr+s.
Ruste|ur
Qu+ndo um person+¸em tent+r esconder-se n+s sombr+s
ou r+stej+r +té um ¸u+rd+, ele terí de test+r Destre:+ ÷ lur-
tivid+de. A dificuld+de é + lercepç1o ÷ lrontid1o do ¸u+r-
d+. lode ser consider+do "¸u+rd+" qu+lquer indivíduo que
estej+ de vi¸i+ ou procur+ndo por intrusos.
O person+¸em precis+ +cumul+r um+ determin+d+ qu+n-
tid+de de sucessos p+r+ conse¸uir che¸+r +onde quer. Lm
teste de lercepç1o ÷ lurtivid+de pode ser feito se o jo¸+dor
quiser descobrir de qu+ntos sucessos irí precis+r; + dificuld+-
de p+r+ isso costum+ ser sete. Qu+lquer tipo de fr+c+sso in-
dic+ detecç1o.
Dlrlglr Ousudumente
Lste sistem+ é us+do p+r+ determin+r o result+do de qu+-
se todo tipo de perse¸uiç1o ou m+nobr+ +utomobilístic+. Os
testes de perse¸uiç1o n1o s1o re+li:+dos +pen+s p+r+ deter-
min+r o qu1o rípido um motorist+ diri¸e, m+s t+mbém p+r+
decidir se ele perm+nece ou n1o n+ ru+. C+d+ veículo é cl+s-
sific+do com um limite de se¸ur+nç+ p+r+ velocid+de, +ssim
como um nível de m+nobr+bilid+de. Lm veículo nem sem-
pre é t1o rípido qu+nto outro ou t1o m+nobrível, de modo
que os det+lhes d+ perse¸uiç1o costum+m depender do tipo
do veículo (vej+ t+bel+ +di+nte).
Lm person+¸em pode re+li:+r m+nobr+s especi+is p+r+
+lc+nç+r ou perder outro veículo, como +o dobr+r um+ es-
quin+ estreit+, d+r um+ volt+ de 1o0º, ou fre+r posicion+ndo
o c+rro de modo + obstruir um+ ru+. Lssenci+lmente, um
person+¸em f+: um+ m+nobr+ especi+l e o outro person+¸em
deve copi+r ess+ m+nobr+ f+:endo o mesmo ou obtendo um+
decis1o +proxim+d+.
O jo¸+dor precis+ test+r Destre:+ (ou t+lve: lercepç1o)
÷ Conduç1o. Contudo, o número míximo de d+dos que
21¨
pode ser obtido é o nível de M+nobr+bilid+de do veículo. A
dificuld+de d+ m+nobr+ e + velocid+de do c+rro determin+m
+ dificuld+de. Você deve conceder + c+d+ m+nobr+ um+ di-
ficuld+de bísic+ entre dois e sete, e em se¸uid+ desi¸n+r um+
velocid+de n+ qu+l el+ pode ser complet+d+ ness+ dificuld+-
de. lsto costum+ ser + Velocid+de Se¸ur+, m+s pode depen-
der bem menos do qu1o complic+d+ ou fech+d+ for + m+no-
br+. A dificuld+de +ument+ em um p+r+ c+d+ 20 km/h que o
veículo exceder + Velocid+de Se¸ur+ enqu+ndo estiver exe-
cut+ndo + m+nobr+. O motorist+ decide + velocid+de pel+
qu+l o seu veículo execut+ + m+nobr+, embor+ ele nem sem-
pre serí c+p+: de diminuir + velocid+de o b+st+nte p+r+ evi-
t+r um+ b+tid+ ou um+ colis1o.
Veículo Vel. Se¸ur+ Vel.Míx M+nobr+
C+minh1o de seis rod+s 100 (km/h) 1+0 (km/h) 3
Ònibus 100 160 3
1o rod+s 110 1o0 +
Sed1 110 190 5
Mini fur¸1o 110 190 6
Comp+cto 110 210 6
Lsportivo comp+cto 160 230 ¯
Cupê esportivo 1o0 2+0 o
C+rro esporte 210 2¯0 9
C+rro de fórmul+ um 230 3o0 10
Socluls
Os sistem+s + se¸uir envolvem + inter+ç1o entre pesso+s.
Lles qu+se sempre requerem um teste de C+rism+, M+nipu-
l+ç1o ou Ap+rênci+. Muit+s ve:es, esses sistem+s n1o s1o
us+dos, com o sucesso ou fr+c+sso de um+ determin+d+ inte-
r+ç1o soci+l sendo determin+do medi+nte interpret+ç1o
Credlhllldude
O sistem+ é us+do qu+ndo um person+¸em tent+ con-
vencer +l¸uém de que estí di:endo + verd+de: por exemplo,
qu+ndo ele tent+ persu+dir um m+¸istr+do d+ Hier+rqui+ de
que n1o estí mentindo ou tent+ convencer um ofici+l de
políci+ de su+ identid+de. O jo¸+dor test+ M+nipul+ç1o ÷
lider+nç+. A dificuld+de é + lnteli¸ênci+ ÷ líbi+ do outro
indivíduo. Diminu+ + dificuld+de em um + três pontos se o
person+¸em estiver di:endo + verd+de (isso f+: diferenç+').
C+d+ sucesso indic+ um ¸r+u m+is +lto de credibilid+de. Cinco
sucessos indic+m que o indivíduo-+lvo é complet+mente
convencido. Lm fr+c+sso indic+ descrenç+, e um+ f+lh+ crí-
tic+ determin+ que o person+¸em foi pe¸o num+ mentir+
(ou que o indivíduo-+lvo pens+ que o pe¸ou num+ mentir+).
jugurellce
Lst+ re¸r+ descreve um+ form+ de confundir um indiví-
duo + ponto de deixí-lo submisso. O jo¸+dor precis+ test+r
M+nipul+ç1o ÷ líbi+, embor+ oc+sion+lmente se use C+ris-
m+ ou Ap+rênci+. A dificuld+de é o R+ciocínio ÷ M+nh+
do +lvo. Os sucessos indic+m que o +lvo se confudiu.
O +lvo pode f+:er todos os testes que quiser; contudo, +
T+¸+relice deverí confundi-lo t+nto em +l¸um momento,
que ele n1o poderí tom+r + +titude +dequ+d+. O fr+c+sso
indic+ que + tent+tiv+ n1o convenceu, e o +lvo pode tent+r
tom+r +l¸um+ +titude em su+ defes+ - um+ tent+tiv+ de se
explic+r, ou t+lve: +té mesmo de tent+r retribuir + T+¸+reli-
ce. Lst+ tent+tiv+ de responder +l¸um+ cois+ continu+ +té
que o +lvo fr+c+sse ou comet+ um+ f+lh+ crític+. Lm+ f+lh+
crític+ indic+ que o +lvo n1o fic+ confuso, +pen+s :+n¸+do.
A T+¸+relice tent+d+ pelo person+¸em nunc+ m+is serí efi-
c+: no mesmo +lvo.
lode ser preciso repetir testes p+r+ confundir o +lvo.
Como N+rr+dor você precis+ condu:ir tent+tiv+s de T+¸+re-
lice de um+ form+ que sej+ consistente com o clim+ de seu
jo¸o. Ll+s podem ser t1o brinc+lhon+s ou mort+lmente séri-
+s qu+nto for necessírio.
lode-se ¸+st+r pontos de lorç+ de Vont+de p+r+ resistir
+ T+¸+relice.
Interrogutórlo
A prític+ de interro¸+tório pode ocorrer sob víri+s cir-
cunstìnci+s. L um+ form+ de question+r, n1o de tortur+r,
embor+ cert+mente se +plique técnic+s de intimid+ç1o. lode-
se us+r tortur+, m+s você terí de desenvolver +s su+s própri-
+s re¸r+s se quiser inclui-l+ em su+ cronic+.
O person+¸em test+ M+nipul+ç1o ÷ lntimid+ç1o; + difi-
culd+de é + lorç+ de Vont+de d+ vítim+. O número de su-
cessos indic+ + qu+ntid+de de inform+ç1o obtid+ (vej+ + t+-
bel+ se¸uinte). Lm fr+c+sso indic+ que o person+¸em n1o
+prende n+d+ de v+lor. Lm l+lh+ Crític+ indic+ que o indi-
víduo n1o di: n+d+ +o person+¸em, e j+m+is lhe dirí n+d+ -
ou pior +ind+, o +lvo mente. lor est+ r+:1o costum+ ser útil
que o N+rr+dor f+ç+ o teste pelo jo¸+dor.
Sucessos Interrogatório
1 Apen+s +l¸uns bo+tos
2 Al¸uns f+tos relev+ntes
3 Muit+ inform+ç1o interess+nte
+ O indivíduo f+l+ sem p+r+r
5 Tudo de import+nte é descoberto
Orutórlu
Você poderí us+r este sistem+ se um jo¸+dor pretender
que seu person+¸em f+ç+ um discurso, m+s n1o quiser re+l-
mente recití-lo. leç+-lhe p+r+ descrever o que o seu perso-
n+¸em f+l+, e t+lve: recit+r um+ fr+se p+rticul+rmente im-
port+nte. O jo¸+dor poderi+ +té mesmo interpret+r o discur-
so ja|atra j·r ja|atra. A Or+tóri+ costum+ ser muito difícil
de ser interpret+d+, de modo que é +conselhível n1o forç+r
os jo¸+dores + isso. Simplesmente use este sistem+.
O jo¸+dor test+ C+rism+ ÷ lider+nç+. A dificuld+de de-
pende do humor d+ pl+téi+, de su+ disposiç1o em ouvir o
que o or+dor tem + di:er, e de su+ tendênci+ + +tir+r tom+tes
e ovos podres. Norm+lmente + dificuld+de é sete. Se o or+-
dor tiver +l¸um tipo de reput+ç1o, você pode querer +just+r
+ dificuld+de de +cordo com el+. Se o person+¸em possuir
l+m+ ou St+tus entre o ¸rupo +o qu+l irí f+l+r, ele pode
21o
A
purlçño.
O

L
lmho
+crescentí-los + su+ l+r+d+ de D+dos. O número de suces-
sos indic+ o qu1o impression+d+ + pl+téi+ fic+ (vej+ + t+bel+
+ se¸uir). L um+ decis1o simples, de modo que o jo¸+dor tem
direito + +pen+s um+ tent+tiv+. Lm fr+c+sso indic+ que +
pl+téi+ i¸nor+ o person+¸em. Lm+ f+lh+ crític+ indic+ que o
person+¸em v+i ser linch+do, ou, se esse tipo de cois+ n1o
for comum com esse público, ser v+i+do.
Sucessos Reação da pIateia
1 Lles ouvem, m+s n1o fic+m empol¸+dos
2 O person+¸em convenceu-os de +l¸um+ cois+.
3 A pl+téi+ é conquist+d+
+ A pl+téi+ é complet+mente hipnoti:+d+
5 A pl+téi+ estí n+ p+lm+ d+ m1o do person+¸em.
Se o discurso for vit+l p+r+ + históri+, o jo¸+dor pode
f+:er vírios testes. Se você quiser ¸+st+r +l¸um tempo nele,
pode f+:er um+ +ç1o extendid+, +ltern+ndo c+d+ decis1o com
+ personific+ç1o. O person+¸em pode ¸+st+r qu+ntos turnos
quiser n+ p+lestr+, m+s depois do terceiro turno + dificuld+-
de +ument+ em um + c+d+ turno. M+is do que cinco suces-
sos s1o requeridos p+r+ conquist+r complet+mente + pl+téi+.
Atuuçño
Lste sistem+ é us+do sempre que um person+¸em pr+ti-
c+r +l¸um tipo de +tu+ç1o, sej+ comédi+, músic+, represen-
t+ç1o ou n+rr+ç1o de históri+s. lode se d+r num te+tro ou
num clube noturno, podendo ser form+l ou inform+l.
O jo¸+dor deve test+r o Atributo Apropri+do ÷ Atu+-
ç1o (ou express1o). A dificuld+de b+sei+-se no ¸r+u de re-
ceptivid+de d+ pl+téi+. Lm fr+c+sso indic+ um+ perform+n-
ce sem brilho, conden+d+ + ser esquecid+ imedi+t+mente.
Lm+ f+lh+ crític+ indic+ um+ +tu+ç1o des+stros+, que n1o
pode ser concluíd+ - o instrumento quebr+ ou o person+-
¸em é expulso do p+lco sob v+i+s.
O número de sucessos indic+ o qu+nto + pl+téi+ estí co-
movid+ (vej+ + t+bel+). Lsses sucessos determin+m o mérito
+rtístico ou + verossimilh+nç+ técnic+ d+ peç+.
Sucessos Sua Performance Reação
1 Medíocre Apl+udido por educ+ç1o
2 Médi+ Aprov+ç1o
3 Bom Apreci+ç1o ¸enuín+
+ Superior Apl+uso vi¸oroso
5 Lxcepcion+l Re+ç1o est+si+d+
6 Soberbo Sens+ç1o imedi+t+
¯ Brilh+nte Mil+¸re, Ma¸num ·jus
Seduçño
A seduç1o é um método n1o-n+tur+l de se obter intimi-
d+de com outr+ pesso+, porque c+d+ et+p+ é cuid+dos+men-
te pl+nej+d+ e n1o se comp+rtilh+m sentimentos re+is (eles
s1o fin¸idos). Lm+ seduç1o ocorre em et+p+s, e + n1o ser
217
que + pesso+ sej+ bem sucedid+ em c+d+ um+ del+s sucessi-
v+mente, todo o processo fr+c+ss+rí. Lst+s re¸r+s for+m pro-
jet+d+s p+r+ reprodu:ir +s +tivid+des de um+ pesso+ domi-
n+nte sobre um indivíduo submisso. Se +s emoçöes e os mo-
tivos forem verd+deiros, ent1o você deve i¸nor+r este siste-
m+ e interpret+r + situ+ç1o.
Cantada iniciaI: O person+¸em test+ Ap+rênci+ ÷ lí-
bi+. A dificuld+de é o R+ciocínio ÷ 3 do indivíduo (o jo¸+-
dor obtém de 1 + 3 d+dos de bonus se + c+nt+d+ for bo+, e
perde de 1 + 3 se + c+nt+d+ for ruim). C+d+ sucesso +dicion+l
+crescent+ um d+do extr+ + decis1o n+ et+p+ se¸uinte.
Troca de charme: O jo¸+dor test+ R+ciocínio ÷ líbi+.
A dificuld+de é + lnteli¸ênci+ ÷ 3 do indivíduo. Nov+men-
te concede-se bonus e pen+lid+des p+r+ + interpret+ç1o. C+d+
sucesso +dicion+l +crescent+ um d+do extr+ n+ decis1o d+
et+p+ se¸uinte.
Bate-papo: O jo¸+dor f+: um teste de C+rism+ ÷ Lmp+-
ti+. A dificuld+de é + lercepç1o do objetivo-+lvo ÷ 3. Nest+
et+p+ t+mbém se +plic+m modific+dores.
Intimidades: Neste ponto, o c+s+l pode p+ss+r p+r+ um
loc+l priv+do e se torn+rem fisic+mente íntimos. N1o se re-
quer nenhum teste.
Ações Mentuls
As re¸r+s + se¸uir lid+m com o uso d+ mente e dos Atri-
butos Ment+is. Ll+s s1o empre¸+d+s em situ+çöes n+s qu+is
o dr+m+ é ¸er+do m+is pel+ tens1o psicoló¸ic+ do que pel+
+ç1o físic+.
Interpretuçño de Sonlos
Lntre +s +p+riçöes, os sonhos costum+m conter inform+-
çöes import+ntes. lnfeli:mente, este conhecimento norm+l-
mente é encoberto num simbolismo misterioso e em refe-
rênci+s obscur+s. lsto pode torn+r muito difícil p+r+ um+
+p+riç1o decifr+r seus sonhos.
O jo¸+dor de um+ +p+riç1o que queir+ descobrir os si¸ni-
fic+dos m+is profundos de seus sonhos precis+rí test+r ler-
cepç1o ÷ Lni¸m+s. O N+rr+dor decide + dificuld+de deste
teste, tendo como b+se + obscurid+de do sonho e su+ impor-
tìnci+ p+r+ o person+¸em. Qu+nto m+is import+nte for +
inform+ç1o contid+ num sonho, m+is profund+mente el+ serí
escondid+, e, port+nto, m+is difícil serí o teste. Lmbor+ nem
todos os sonhos possu+m inform+çöes escondid+s dentro
deles, deixe seus jo¸+dores tent+rem decifrí-los - +ssim eles
perm+ner1o +tentos.
Os sonhos devem ser misteriosos, repletos de simbolismos
bi:+rros e mitos pesso+is. Os jo¸+dores n1o devem poup+r es-
forços +o pl+nej+r sonhos import+ntes. Lles ¸ost+r1o disso.
Oc+sion+lmente, um N+rr+dor poderí decidir +ssombr+r
um determin+do person+¸em com um sonho recorrente. Se
isto for desej+do, + lnterpret+ç1o dos Sonhos se torn+rí um+
+ç1o prolon¸+d+. O N+rr+dor decide + dificuld+de d+ t+ref+
e o número de sucessos necessírios p+r+ decifr+r o si¸nific+-
do oculto de um sonho recorrente.
]esqulsu
Muit+s ve:es, + lesquis+ é + únic+ form+ pel+ qu+l um
person+¸em pode se¸uir p+r+ o estí¸io se¸uinte de um+ histó-
ri+. Lm person+¸em pode investi¸+r um determin+do tópico
num+ bibliotec+, num+ red+ç1o de jorn+l ou +tr+vés de +rqui-
vos de comput+dores p+r+ obter +s inform+çöes necessíri+s.
A lesquis+ é um+ form+ excelente de permitir +os person+-
¸ens de lnteli¸ênci+ elev+d+ +ssumirem o controle d+ +ç1o.
O jo¸+dor test+ lnteli¸ênci+ ÷ lnvesti¸+ç1o (ou oc+sio-
n+lmente um H+bilid+de em Conhecimento +propri+do de-
pois de encontr+r um loc+l p+r+ condu:ir + pesquis+). A di-
ficuld+de é b+se+d+ n+ obscurid+de d+ inform+ç1o.
DificuIdade AcessibiIidade de Informação
2 Oer+lmente disponível
+ Ampl+mente document+d+
6 Acessível
o Difícil de encontr+r
10 lncrivelmente bem escondid+
O número de sucessos determin+ o qu+nto o person+-
¸em descobre. Lm sucesso pode si¸nific+r que +pen+s os f+-
tos m+is óbvios s1o descobertos. Cinco sucessos podem si¸-
nific+r que + históri+ inteir+ é desvel+d+, t+lve: de form+
+bsolut+mente confiível. Dependendo d+ inform+ç1o pro-
cur+d+, podem ser necessírios 10 ou mesmo 20 sucessos p+r+
encontr+r todos os d+dos disponíveis.
O jo¸+dor pode querer continu+r pesquis+ndo depois de
um result+do p+rci+l. Contudo, + pesquis+ contínu+ dem+n-
d+ m+is tempo que + pesquis+ inici+l. A pesquis+ bísic+ nor-
m+lmente lev+ +pen+s um+ hor+ - esse é o primeiro teste.As
pesquis+s m+is profund+s (e um se¸undo teste) dem+nd+m
um di+ inteiro. Se o jo¸+dor quiser um terceiro teste, + pes-
quis+ +dicion+l lev+ um+ sem+n+; um qu+rto teste exi¸e um
mês e um quinto, um +no. Depois disso, use + im+¸in+ç1o. L
fícil ver como +l¸uns projetos de pesquis+ podem lev+r +nos
ou mesmo déc+d+s p+r+ serem complet+dos.
]rocuru
Lste sistem+ possibilit+ + um person+¸em procur+r por
+l¸um+ cois+ num+ íre+ restrit+, como um+ s+l+. l+ç+ o jo-
¸+dor test+r lercepç1o ÷ lnvesti¸+ç1o; + dificuld+de depen-
de do qu+nto o objeto estí bem ocult+do (¸er+lmente entre
¯ e 10). C+d+ sucesso indic+ que m+is d+dos s1o encontr+-
dos. Oc+sion+lmente, um determin+do número de sucessos
é requerido p+r+ encontr+r um objeto +stut+mente oculto.
Se você quiser, poderí conceder um+ dic+ ou um+ pist+
medi+nte um número m+is b+ixo de sucessos, dest+ form+
enconr+j+ndo + interpret+ç1o e um nível de resoluç1o de
eni¸m+s. N+ medid+ do possível, condu:+ o jo¸+dor p+sso +
p+sso +tr+vés de um+ busc+. l+ç+-o descrever onde ele pro-
cur+. N1o o deixe ser bem-sucedido se ele n1o procur+r es-
pecific+mente n+ íre+ cert+, e deixe-o ser bem-sucedido
+utom+tic+mente se + su+ descriç1o for bem det+lh+d+.
218
A
purlçño.
O

L
lmho
Rustreur
Lste sistem+ é us+do p+r+ r+stre+r pesso+s e cois+s se-
¸uindo +s trilh+s físic+s que el+s deix+m. O jo¸+dor test+
lercepç1o ÷ M+nh+ (ou lnvesti¸+ç1o, c+so sej+ +plicível).
A dificuld+de é b+se+d+ n+s condiçöes do clim+, no terreno
e n+ id+de dos r+stros, m+s + médi+ é o. C+d+ sucesso redu:
+ dificuld+de do teste se¸uinte em um ponto.
O person+¸em precis+ ser bem-sucedido dur+nte um de-
termin+do número de turnos. O número ex+to de turnos
depende d+ extens1o d+ trilh+. C+d+ turno costum+ ter cer-
c+ de cinco minutos de dur+ç1o. Se o person+¸em perder
um teste, poderí tent+r nov+mente. Dest+ ve:, porém, + di-
ficuld+de serí um ponto m+is +lt+. Depois que el+ estiver
+cim+ de 10, o person+¸em perderí + trilh+.
Comhute
. a|¸um ja:.:a j.nsar ¡u. . · C|ar|.s ßr·n-
s·n, ¡u.|r. · nar|z J.|. .·m a .·r·n|a Ja
arma.
- Mr. White, Ca.s J. -|u¸u.|
O comb+te em Aparição procur+ c+p-
tur+r o dr+m+ do conflito violento sem
+tenu+r + re+lid+de cruel do que estí
+contecendo. li:emos tudo +o nosso +lc+nce p+r+ cri+r um
sistem+ fiel + dinìmic+, +os limites e + violênci+ de um com-
b+te re+l, procur+ndo t+mbém deix+r esp+ço p+r+ +s c+r+c-
terístic+s peculi+res d+s +p+riçöes.
Lxistem três tipos de comb+te. Todos us+m o mesmo sis-
tem+ bísico, m+s entre si ¸u+rd+m +l¸um+s pequen+s dife-
renç+s. S1o eles: Comb+te com Arm+s de lo¸o, Comb+te
com Arm+s Br+nc+s e Bri¸+.
º Lm comb+te com +rm+s de fo¸o é qu+lquer tipo de
comb+te +rm+do que use +rm+s de projéteis - como L:is e
espin¸+rd+s de c+no serr+do. Norm+lmente os oponentes
precis+m se encontr+r no c+mpo de vis1o um do outro p+r+
se en¸+nj+rem num Comb+te com Arm+s de lo¸o.
º Lm comb+te com +rm+s br+nc+s di: respeito + lut+r
com +rm+s m+nu+is - de ¸+rr+f+s quebr+d+s + m+ch+dos de
met+l ne¸ro. Os oponentes precis+m se encontr+r + um+ dis-
tìnci+ de um ou dois metros um do outro p+r+ se en¸+nj+-
rem num comb+te com +rm+s br+nc+s.
º Lm+ bri¸+ descreve um+ b+t+lh+ corpo + corpo tr+v+-
d+ com +s m1os nu+s - comb+te des+rm+do. l+r+ tr+v+r
um+ bri¸+, os oponentes precis+m est+r + um+ distìnci+ de
toque um do outro.
Os testes feitos no comb+te determin+m se um +t+que é
bem-sucedido ou n1o, se o +lvo se esquiv+ e + qu+ntid+de de
d+nos sofridos pelo +lvo. Qu+se todos os turnos de comb+te
dur+m cerc+ de três se¸undos, embor+ eles ir1o lev+r um
pouco m+is de tempo p+r+ serem resolvidos.
Como em tod+s +s cen+s de +ç1o, o comb+te começ+
com um teste de inici+tiv+. lorém, como o comb+te de ve:
em qu+ndo fic+ um pouco difícil, divid+ o turno em três
estí¸ios p+r+ f+cilit+r o re¸istro d+s cois+s - os estí¸ios de
lnici+tiv+, At+que e Resoluç1o.
]rlmelro estáglo. Inlclutlvu
Lste estí¸io or¸+ni:+ o turno. Aqui, os person+¸ens pre-
cis+m decl+r+r su+s +çöes. Os person+¸ens podem execut+r
víri+s +çöes diferentes - qu+lquer cois+ desde pul+r p+r+
detrís de um+ p+rede +té ¸rit+r um +viso. C+d+ jo¸+dor pre-
cis+ decl+r+r o que o seu person+¸em estí f+:endo com to-
dos os det+lhes que o N+rr+dor requerer. Neste ponto,todos
precis+m decidir se us+r1o +l¸um+ +rm+ e de que tipo serí.
Os person+¸ens f+:em testes de inici+tiv+ us+ndo R+cio-
cínio ÷ lrontid1o (dificuld+de +, embor+ os N+rr+dores pos-
s+m v+ri+r isso se quiserem). O person+¸em com o m+ior
número de sucessos +¸e primeiro, enqu+nto +queles que ob-
tiver+m menos sucessos execut+m su+s +çöes em ordem de-
crescente de sucessos. Al¸uns person+¸ens +¸ir1o simult+-
ne+mente porque obtiver+m nos d+dos o mesmo número de
sucessos. Aqueles que n1o obtiverem sucessos neste teste
ser1o os últimos, enqu+nto +queles que cometerem um+ "f+-
lh+ crític+" n1o desempenh+r1o nenhum tipo de +ç1o.
lembre-se de f+:er os jo¸+dores decl+r+rem qu+is +çöes
eles querem que seus person+¸ens desempenhem dur+nte
um turno de comb+te +ntes do Lstí¸io de At+que. Lm per-
son+¸em dividindo su+ l+r+d+ de D+dos t+mbém precis+
decl+r+r qu+ntos d+dos devem ser tr+nsferidos p+r+ c+d+ +ç1o.
Qu+lquer cois+ que um person+¸em queir+ f+:er +contece
dur+nte o seu turno de +ç1o. A únic+ exceç1o + est+ re¸r+ é +
esquiv+, que um person+¸em pode desempenh+r + qu+lquer
momento, enqu+nto +ind+ tiver d+dos em su+ l+r+d+.
Segundo estáglo. Atuque
Se o turno de comb+te fosse um+ refeiç1o, o +t+que seri+ +
c+rne. L qu+ndo se determin+ o sucesso ou o fr+c+sso de um
+t+que, bem como p+rte de seu imp+cto potenci+l sobre o +lvo.
O Teste: Lxistem três tipos diferentes de testes de +t+-
que; o tipo de comb+te determin+ qu+l deve ser us+do.
º l+r+ comb+te com +rm+s de fo¸o, teste Destre:+ ÷ Ar-
m+s de lo¸o
º l+r+ comb+te com +rm+s br+nc+s, teste Destre:+ ÷
Arm+s Br+nc+s.
º l+r+ lut+ corpor+l (sem +rm+s) teste Destre:+ ÷ Bri¸+.
A +rm+ ou +t+que us+do pelo person+¸em determin+ +
dificuld+de b+se do teste. O número de d+dos obtidos pode
ser modific+do pelo nível de +rm+, de disp+ro, ou pelo uso
de um+ mir+, m+s norm+lmente + dificuld+de é modific+d+
+pen+s pel+s circunstìnci+s que envolvem o +t+que. Se n1o
forem obtidos qu+isquer sucessos, o person+¸em terí f+lh+-
do em seu +t+que e nenhum d+no terí sido infli¸ido. Se for
obtid+ um+ "f+lh+ crític+", ent1o o +t+que n1o +pen+s fr+-
c+ss+ - +l¸um+ cois+ horrível t+mbém +contece. O N+rr+-
dor precis+ invent+r +l¸um+ cois+ re+lmente terrível.
219
Esqulvu
Sempre que +l¸uém +t+c+r o person+¸em, este terí + op-
ç1o de se esquiv+r. De f+to, um person+¸em pode +nunci+r +
qu+lquer momento que seu person+¸em estí us+ndo um+
+ç1o (ou p+rte del+, dividindo su+ l+r+d+ de D+dos) p+r+
esquiv+r, simplesmente decl+r+ndo "Lsquiv+'" +ntes do opo-
nente re+li:+r um teste de +t+que. Lm +l¸uns c+sos n1o serí
permitido esquiv+r, como em +mbientes fech+dos ou em si-
tu+çöes n+s qu+is o person+¸em tenh+ sido pe¸o de surpres+.
O teste requirido é Destre:+ ÷ Lsquiv+; c+d+ sucesso subtr+i
um sucesso do result+do do teste do +t+c+nte.
A dificuld+de p+r+ esquiv+r +t+ques com +rm+s br+nc+s
ou ¸olpes em bri¸+ é b+sic+mente seis, m+is um p+r+ c+d+
oponente depois do primeiro.
Lm comb+tes com +rm+s de fo¸o, + dificuld+de depende
d+ disponibilid+de de um obstículo próximo, por trís do qu+l
um person+¸em pode jo¸+r-se p+r+ evit+r ser +tin¸ido. C+d+
sucesso remove um dos sucessos do oponente. Lm person+-
¸em pode +té subtr+ir sucessos de oponentes diferentes, em-
bor+ isso si¸nifique dividir sucessos entre eles. Depois de um+
tent+tiv+ de Lsquiv+ como ess+, o person+¸em norm+lmen-
te se prote¸e por trís de +l¸um tipo de obstículo ou, pelo
menos, deit+-se no ch1o (se n1o for possível encontr+r obs-
tículos ou +bri¸os).
A dificuld+de p+r+ esquiv+r dur+nte comb+tes com +r-
m+s de fo¸o é determin+d+ pel+ proximid+de do obstículo.
DificuIdade Terreno
2 Recu+ndo um p+sso, o person+¸em estí
complet+mente prote¸ido.
+ O person+¸em precis+ vencer um+ distìn-
ci+ de mer¸ulho p+r+ fic+r +bsolut+mente
prote¸ido (um metro).
6 O person+¸em precis+ vencer um+ distìn-
ci+ de corrid+ p+r+ fic+r +bsolut+mente pro-
te¸ido (três metros)
¯ O person+¸em precis+ vencer um+ distìn-
ci+ de corrid+ p+r+ fic+r p+rci+lmente pro-
te¸ido (três metros).
o O terreno é pl+no e desprovido de obstícu-
los, n1o oferecendo nenhum+ proteç1o (o
person+¸em mer¸ulh+ no ch1o)
jercelro estáglo. Resoluçño
Neste estí¸io, os person+¸ens determin+m o d+no infli¸ido
por seus +t+ques e o N+rr+dor descreve o que +contece no tur-
no. L um+ mistur+ de jo¸o e históri+: embor+ os d+dos j+m+is
mint+m, o N+rr+dor pode interpret+r o que + sorte decretou.
Danos: C+d+ +rm+ ou +t+que permite +o seu usuírio que
f+ç+ um teste com um determin+do número de d+dos p+r+
c+us+r d+nos (dificuld+de 6). C+d+ sucesso si¸nific+ que o
+lvo perde um Nível de Corpus. Além disso, c+d+ sucesso
obtido com um+ +rm+ de fo¸o (depois de qu+lquer esquiv+)
+crescent+ um d+do + este teste de d+nos. Os sucessos em
22u
A
purlçño.
O

L
lmho
exemplo: se¸uro por +l¸uém), m+s +ind+ se deb+tendo, + di-
ficuld+de p+r+ o +t+que serí redu:id+ em dois. Contudo, se o
+lvo estiver complet+mente imobili:+do (+m+rr+do ou con-
tido de outr+ form+), ent1o nenhum teste é requerido, sen-
do o +t+que bem-sucedido +utom+tic+mente.
º Atordoamento: Se, em um turno, um +lvo perder um
número de níveis de Corpus m+ior que o seu vi¸or, ele deve-
rí ¸+st+r o turno se¸uinte se recuper+ndo dos efeitos deste
+t+que debilit+nte. Lle n1o poderí +t+c+r, e su+ p+r+d+ de
d+dos p+r+ +çöes defensiv+s (como Lsquiv+) é redu:id+ +
met+de (+rredond+d+ p+r+ b+ixo).
Compllcuções com urmus de logo
º AIcance: Aproxim+r-se de seu +nt+¸onist+ é um+ bo+
idéi+ se o person+¸em n1o se import+r em lev+r +l¸uns tiros.
O +lc+nce indic+do n+ T+bel+ de Arm+s de lo¸o é o +lc+nce
médio d+ +rm+; o person+¸em n1o recebe nenhum modific+-
dor p+r+ +tir+r + ess+ distìnci+. O dobro dess+ distìnci+ é o
m+is lon¸e que + +rm+ pode +tin¸ir. Os disp+ros dentro deste
+lc+nce têm su+s dificuld+des +ument+d+s em um. lor outro
l+do, os disp+ros feitos contr+ +lvos + um metro do +t+c+nte
s1o consider+dos "+ queim+-roup+"; + dificuld+de é qu+tro.
º Cobertura: Os person+¸ens inteli¸entes podem us+r
obstículos p+r+ se prote¸erem contr+ disp+ros do inimi¸o. O
obstículo +ument+ + dificuld+de de um +t+que, dependen-
do do qu+nto do corpo do person+¸em +ind+ estí desprote-
¸ido. M+s embor+ o obstículo funcione como proteç1o p+r+
comb+te com +rm+s br+nc+s e bri¸+ não +crescent+m d+nos.
Absorção de Dano: Lm +lvo pode f+:er um teste p+r+
ver qu+ntos d+nos ele "+bsorve", devido + su+ resistênci+
n+tur+l. O +lvo test+ Vi¸or (dificuld+de 6); c+d+ sucesso re-
du: o d+no em um.
Exceção: Os testes de d+nos e +bsorç1o s1o os únicos em
Ap+riç1o que n1o est1o sujeitos + f+lh+s crític+s.
Compllcuções
Diversos f+tores determin+m se um +t+que +tin¸e ou n1o.
Os comb+tentes sens+tos busc+m proteç1o +ssim que +s b+l+s
começ+m + vo+r. Os outros descobrem que se en¸+lfinh+r +
um +dversírio num+ bri¸+ nunc+ m+chuc+. Os modific+dores
que se se¸uem permitem +os N+rr+dores lev+rem em conside-
r+ç1o muit+s d+s v+riíveis que +fet+m o comb+te.
Compllcuções geruls
º Mudando açöes: Se um person+¸em mud+r su+s +çöes
decl+r+d+s depois que o turno houver começ+do, + dificul-
d+de p+r+ + +ç1o se¸uinte serí +ument+d+ em um. Oer+l-
mente o n+rr+dor só deve permitir que os person+¸ens mu-
dem su+s +çöes decl+r+d+s se ocorrerem eventos que +s im-
possibilitem. "Sim, eu sei que meu person+¸em i+ enc+rn+r
dentro do c+rro, m+s um Rene¸+do +c+b+ de m+ndí-lo pelos
+res us+ndo insulto'"
º ImobiIização: Se um +lvo estiver imobili:+do (por
221
juhelu de urmus de logo
Tipo Dificuld+de D+no Alc+nce CdT lente Ocult+bilid+de Lso de p+thos
Lxemplo
Revólver leve. 6 + 12 3 6 B 1
SWM6+0 (.3o Lspeci+l)
Revólver pes+do ¯ 6 35 2 6 C 1
Colt An+cond+ (m+¸num .++)
listol+ leve ¯ + 20 + 1¯÷1 B 1
Olock-1¯ (9mm)
listol+ pes+d+ o 5 30 3 ¯÷1 C 1
Si¸ l220 (.+5 ACl)
lu:il o o 200 1 5÷1 N 2
Remin¸ton M-¯00 (.30-06)
Metr+lh+dor+ de m1o (pequen+f) ¯ + 25 3 30÷1 C 2
ln¸r+m, M+c-10 (9mm)
Metr+lh+dor+ de m1o (¸r+ndef) 6 + 50 3 32÷1 l 3
L:i (9 mm)
Rifle de +ss+ltof ¯ ¯ 15O 3 +2÷1 N 2
Steyr-Au¸ (5.56 mm)
Lspin¸+rd+ de c+ç+ 6 o 20 1 5÷1 l 3
lth+c+ M-3¯ (c+libre 12)
Lspin¸+rd+ semi-+utomític+
li+nchi l+w-12 (c+libre 12) ¯ o 20 3 o÷1 l 3
Best+ff ¯ 5 20 1 1 l 0
listol+ Arc+ic+ (Século 1¯) 6 5 20 1fff 20 C 1
listol+ de Duelo llintlock
Rifle Arc+ico (Século 1¯) ¯ o 50 1fff ¯5 N 2
Rifle llintlock
AIcance: L o +lc+nce efetivo d+ +rm+ em metros. Lm person+¸em pode disp+r+r +té o dobro do +lc+nce list+do. Contudo, + isso se consider+ um tiro de
+lc+nce lon¸o.
Cadência de Tiro (CdT): O número míximo de b+l+s ou r+j+d+s curt+s que + +rm+ pode disp+r+r num único turno. O Cdt n1o se +plic+ +os disp+ros no
modo +utomítico nem +o efeito m+n¸ueir+.
Pente: O número de b+l+s que podem ser m+ntid+s em um pente ou no c+no. O ÷1 indic+ que um+ b+l+ pode ser m+ntid+ n+ cìm+r+, deix+ndo + +rm+
pront+ p+r+ disp+r+r.
OcuItabiIidade: B ~ pode ser escondid+ num bolso; C ~ pode ser encondid+ num c+s+co; l ~ pode ser escondid+ num impermeível; N ~ n1o pode ser
escondid+ num+ pesso+.
f lndic+ que + +rm+ pode ser +just+d+ p+r+ disp+r+r r+j+d+s curt+s, p+r+ uso no modo +utomítico e p+r+ o efeito m+n¸ueir+.
ff A best+, +o contrírio d+s +rm+s de fo¸o, n1o +crescent+ sucesso no teste de +t+que p+r+ + l+r+d+ de D+dos por d+nos. Além disso, um+ best+ lev+ cinco
turnos p+r+ ser rec+rre¸+d+.
fff Lss+s +rm+s +rc+ic+s precis+m ser rec+rre¸+d+s cuid+dos+mente p+r+ n1o f+lh+rem. Teste Destre:+ ÷ Arm+s de lo¸o (dificuld+de 6) p+r+ rec+rre¸+r.
Se você +lc+nç+r m+is de cinco sucessos, poderí disp+r+r dois tiros em um turno. Se você obtiver um+ f+lh+ crític+, + +rm+ f+lh+rí, podendo feri-lo.
+l¸uém, ele t+mbém pode dificult+r tiros de re+ç1o, e em
+l¸uns c+sos r+ros, impedir complet+mente qu+lquer tiro de
re+ç1o. lor exemplo, disp+rb+r prote¸ido por um+ esquin+
pode +ument+r + dificuld+de em um, enqu+nto observ+r um
tiroteio +tr+vés d+s frest+s em um muro em ruín+s impedirí
um person+¸em de retribuir os disp+ros.
ObstácuIo dificuIdade
Deit+r-se rente +o ch1o ÷ 1
Atrís de poste ÷ 2
Atrís de p+rede ÷ 3
Apen+s + c+beç+ expost+ ÷ +
222
A
purlçño.
O

L
lmho
tinu+r + disp+r+r + esmo; c+d+ tiro +dicion+l implic+ num
redutor. Ls+ndo ess+s re¸r+s, é permitido +tir+r du+s ou m+is
r+j+d+s curt+s num único turno, embor+ um person+¸em poss+
+pen+s disp+r+r em modo +utomítico um+ ve: por turno (e
precis+ rec+rre¸+r p+r+ f+:er isso nov+mente).
º Modo Automático: A opç1o modo +utomítico é o +t+-
que m+is d+noso que pode ser feito por um+ +rm+ de fo¸o: o +t+-
c+nte desc+rre¸+ tod+ + muniç1o do pente de um+ +rm+ dur+nte
um período de tempo muito curto. Contudo, + +rm+ se torn+ um
potro +risco, difícil de control+r e pior +ind+ de +pont+r.
Lm person+¸em obtém 10 d+dos +dicion+is p+r+ +t+c+r,
dest+ form+ +ument+ndo + ch+nce de +cert+r e c+us+r d+-
nos. Contudo, + dificuld+de é +ument+d+ em três pontos
devido +o recuo d+ +rm+.
Os disp+ros em modo +utomítico podem ser feitos +pe-
n+s qu+ndo um+ +rm+ estiver com m+is d+ met+de de seu
pente de b+l+s cheio. Sempre que um person+¸em us+r +
opç1o modo +utomítico, ¸+st+rí o pente de b+l+s inteiro.
Rec+rre¸+r lev+ um+ +ç1o inteir+ e requer do person+¸em
concentr+ç1o +bsolut+ (e tod+ su+ l+r+d+ de D+dos).
. Rajada Curta: A opç1o semi-+uto é o meio termo entre +s
opçöes modo +utomítico e tiro-+-tiro, possuindo +l¸um+s
d+s v+nt+¸ens e desv+nt+¸ens de +mbos. Lm+ r+j+d+ confere
+o person+¸em três d+dos +dicion+is em c+d+ teste de +t+-
que. Contudo, devido +o recuo, + dificuld+de +ument+ em
um ponto.
º Efeito °Mangueira": Qu+ndo em modo +utomítico,
um person+¸em pode decidir "pulveri:+r" com b+l+s um+ íre+
+o invés de concentr+r-se em +pen+s um oponente. Lm+
pulveri:+ç1o ¸+st+ os 10 d+dos extr+s conferidos pelo disp+-
ro em modo +utomítico, m+s o +t+que possui um+ b+se de
dificuld+de de cinco, +ument+d+ em um + c+d+ metro co-
bertos pel+ pulveri:+ç1o, +lém dos outros modific+dores.
O jo¸+dor divide uniformemente todos os sucessos obti-
dos no teste de +t+que entre todos os +lvos n+ íre+ prote¸i-
d+. Contudo, se +pen+s um +lvo se encontr+r n+ íre+ cober-
t+ pelo borrifo, +pen+s met+de dos sucessos o +fet+m. O jo-
¸+dor em se¸uid+ desi¸n+ qu+lquer sucesso rest+nte p+r+ o
que quiser. Se o +t+c+nte obtiver menos sucessos do que
h+j+m +lvos, o jo¸+dor pode desi¸n+r +pen+s um p+r+ um
+lvo +té que seus sucessos tenh+m sido ¸+stos. O +t+c+nte
t+mbém esv+:i+ o pente de b+l+s.
A dificuld+de de um teste de Lsquiv+ contr+ um+ pulve-
ri:+ç1o é +ument+d+ em dois.
juhelu de Armus Bruncus
Arm+ Dificuld+de D+no Ocult+bilid+de
C+ssetete + lorç+ B
lorrete + lorç+ ÷ 1 l
l+c+ + lorç+ ÷ 1 C
llorete 5 lorç+ ÷ 3 l
S+bre 6 lorç+ ÷ + l
M+ch+do ¯ lorç+ ÷ 5 N
Compllcuções de Comhute com Armus de ]ogo
Complic+çöes Dificuld+de D+dos
Mud+r +ç1o ÷1 -
lmobili:+ç1o -2 -
Alc+nce lon¸o ÷1 -
Queim+-roup+ + -
Deit+r-se rente +o ch1o ÷1 -
Atrís de poste ÷2 -
Atrís de p+rede ÷3 -
Apen+s + c+beç+ expost+ ÷+ -
Movimento ÷1 -
Mir+ndo - ÷ lercepç1o(1/ turno)
Mir+ - ÷ 2
Are+ específic+ de +lvo ÷2 -
Alvos múltiplos ÷1/tiro extr+ -
Arm+ +utomític+ ÷3 ÷10
R+j+d+ Curt+ ÷1 ÷ 3
Lfeito M+n¸ueir+ 5 ÷ 1 metros ÷ 10
º Movimento: Disp+r+r contr+ um +lvo em movimento
+ument+ + dificuld+de em um (ou mesmo m+is), +ssim como
disp+r+r enqu+nto se move + qu+lquer velocid+de superior +
de c+minh+d+ (como +o disp+r+r d+ j+nel+ de um c+rro em
velocid+de).
º Apontar: C+so dedique tempo p+r+ +pont+r, um per-
son+¸em pode +crescent+r seu nível de lercepç1o + su+ l+-
r+d+ de D+dos Destre:+ ÷ Arm+s de lo¸o. Contudo, lev+
um turno p+r+ c+d+ d+do +dicion+l, e dur+nte este tempo +
únic+ cois+ que o person+¸em pode f+:er é +pont+r. Além
disso o +lvo pode n1o est+r se movendo + um+ velocid+de
m+ior que um+ c+minh+d+. N1o se pode mir+r com espin-
¸+rd+s e metr+lh+dor+s de m1o.
C+so + +rm+ possu+ mir+ telescópic+, o person+¸em pode
+crescent+r dois d+dos + su+ l+r+d+ +lém dos d+dos +cres-
cent+dos por lercepç1o. O bonus d+ mir+ telescópic+ pode
ser us+do +pen+s um+ ve: por tiro - depois do ÷3 +cres-
cent+do +o primeiro turno (÷2 p+r+ + mir+ telescópic+ e ÷
1 p+r+ + lercepç1o), o person+¸em continu+ +pont+ndo con-
forme descrito +cim+.
Apontando contra aIvo: Apont+r p+r+ um ponto espe-
cífico (m1o d+ pistol+, cor+ç1o, etc.) +ument+ + dificuld+de
em dois.
Tiros múItipIos: Se um person+¸em quiser d+r m+is de
um tiro por turno, precis+rí dividir + su+ l+r+d+ de D+dos
em m+is du+s +çöes. Além disso, p+r+ c+d+ tiro +dicion+l
depois do primeiro + dificuld+de +ument+rí em um. Obvi+-
mente, + dificuld+de míxim+ que se pode +tribuir é de:. Lm
person+¸em pode disp+r+r +pen+s o número de tiros permi-
tido pel+ c+dênci+ de tiro de su+ +rm+.
A pen+lid+de é cumul+tiv+. lort+nto um person+¸em
+crescent+ dois + dificuld+de no terceiro tiro disp+r+do, e
três no qu+rto. Norm+lmente n1o é um+ +titude sens+t+ con-
223
Compllcuções de Comhute com Armus Bruncus
e Lutu Corporul
º Oponentes múItipIos: C+so um person+¸em estej+ lu-
t+ndo contr+ oponentes múltiplos em comb+te próximo, +s
dificuld+des de +t+que e Lsquiv+ desse person+¸em s1o +u-
ment+d+s em um por oponente (+té um míximo de 10).
º Ataques Iaterais e peIas costas: A dificuld+de de um
+t+que l+ter+l é +b+ix+d+ em um, enqu+nto + dificuld+de de
um +t+que pel+s cost+s é redu:id+ em dois pontos.
Compllcuções de Comhute com Armus Bruncus
º Aparar: Lm person+¸em us+ndo um+ +rm+ br+nc+ pode
tent+r p+r+r um +t+que, us+ndo su+ +rm+ p+r+ bloque+r o ¸ol-
pe. Como um+ esquiv+, +p+r+r pode ser desempenh+d+ + qu+l-
quer momento, cont+nto que o person+¸em +ind+ possu+ d+-
dos em su+ l+r+d+ de D+dos. Lm person+¸em n1o pode +p+-
r+r com um+ +rm+ pequen+, como um+ f+c+, m+s pode us+r
um+ esp+d+ ou m+ch+do. Lle test+ Destre:+ ÷ Comb+te com
Arm+s Br+nc+s (dificuld+de 6). C+d+ sucesso subtr+i um pon-
to do número de sucessos do +t+que do oponente.
Lm+ f+lh+ crític+ num teste de +p+r+r norm+lmente si¸i-
nific+ que + +rm+ que estiver +p+r+ndo o ¸olpe é derrub+d+
d+ m1o do person+¸em.
Teste: Destre:+ ÷ Arm+s Br+nc+s DificuIdade: 6
Danos: Nenhum Açöes: Lspeci+l
º Desarmar: Lst+ m+nobr+ é um+ tent+tiv+ de derrub+r
um+ +rm+ d+ m1o do oponente. O person+¸em test+ Destre-
:+ ÷ Arm+s Br+nc+s. Some um ponto + dificuld+de norm+l
d+ +rm+. Se pelo menos três sucessos forem obtidos, ele em
se¸uid+ test+rí os d+nos d+ +rm+. Se ele obtiver m+is suces-
sos que o nível de lorç+ do oponente, o oponente serí de-
s+rm+do. Lm+ f+lh+ crític+ norm+lmente si¸nific+ que o per-
son+¸em deix+ c+ir + própri+ +rm+.
Teste: Destre:+ ÷ Arm+s Br+nc+s DificuIdade: ÷1
Dano: Lspeci+l Açöes: 1
Compllcuções em Brlgu
º BIoquear: Lm person+¸em pode bloque+r +o invés de
esquiv+r. Como um+ esquiv+, um bloqueio pode ser execut+-
do + qu+lquer momento, cont+nto que o person+¸em +ind+
tenh+ d+dos em su+ l+r+d+ de D+dos. Os bloqueios podem
ser feitos +pen+s contr+ punhos, chutes ou +rm+s rombud+s.
Lm+ +ç1o de bloqueio n1o pode bloque+r um+ esp+d+, um
+rco ou um+ b+l+, + n1o ser que o defensor tenh+ um Mistério
que ofereç+ proteç1o especi+l (como o poder M+rti+lry). Tes-
te Destre:+ ÷ Bri¸+ (dificuld+de 6); c+d+ sucesso subtr+irí
um ponto do número de sucessos de +t+que do oponente.
Teste: Destre:+ ÷ Bri¸+ DificuIdade: 6
Dano: nenhum Açöes: Lspeci+l
224
A
purlçño.
O

L
lmho
º Encontrão: Lm person+¸em t+mbém pode tent+r in-
vestir p+r+ frente, jo¸+ndo seu peso contr+ o seu oponente
num+ tent+tiv+ de c+us+r-lhe d+nos. L possível c+us+r d+nos
+ si mesmo com este +t+que, +fin+l os corpos n1o for+m feitos
p+r+ serem us+dos como +ríetes. Lm person+¸em precis+ de
três sucessos p+r+ desequilibr+r um oponente e c+us+rí um
nível de d+dos + si mesmo p+r+ c+d+ sucesso inferior + três.
Se o +t+que for bem-sucedido, o oponente perde o equi-
líbrio, e +s dificuld+des p+r+ o rest+nte de su+s +çöes dur+nte
este turno s1o +ument+d+s em dois. Além disso, se o opo-
nente n1o for bem-sucedido num teste Destre:+ ÷ Lsportes
(dificuld+de dos sucessos ÷ 3), ele c+i no ch1o. O d+no b+se
c+us+do pelo +t+c+nte se i¸u+l+ + su+ lorç+; c+d+ sucesso
m+rc+do no teste de +t+que +cim+ do mínimo som+ um +
est+ b+se. Se o +t+c+nte n1o obtiver pelo menos três suces-
sos, est+ m+nobr+ fr+c+ss+; ele c+i no ch1o e é tr+t+do como
se n1o tivesse m+is d+dos em su+ l+r+d+.
O person+¸em precis+ correr em linh+ ret+. Correr em
círculos n1o oferece o impulso suficiente.
Teste: Destre:+ ÷ Bri¸+ DificuIdade: ¯
Dano: Lspeci+l Açöes: 1
º Agarrar: Lm +t+c+nte pode tent+r +¸+rr+r um oponen-
te, n+ tent+tiv+ de imobili:í-lo e depois ¸olpeí-lo. Se o +t+-
c+nte m+rc+r m+is sucessos que + lorç+ do oponente, o +t+-
c+nte poderí imobili:í-lo. No turno se¸uinte, ele pode come-
ç+r + infli¸ir d+no. Qu+lquer person+¸em +tin¸ido por este
+t+c+nte perde seus +t+ques dur+nte o turno em +nd+mento.
Se o +t+c+nte err+r complet+mente (por f+lh+r no teste
Destre:+ ÷ Bri¸+), ele é noc+ute+do, sendo obri¸+do + ¸+s-
t+r um+ +ç1o p+r+ fic+r de pé.
l+r+ se m+nterem +¸+rr+dos dur+nte c+d+ turno depois
do primeiro, os comb+tentes precis+m f+:er testes opostos de
lorç+ ÷ Bri¸+. Aquele que +cumul+r m+is sucessos pode
opt+r por imobili:+r o outro. Se +mbos m+rc+rem o mesmo
número de sucessos, nenhum dos dois obterí v+nt+¸em so-
bre o outro neste turno.
Teste: Destre:+ ÷ Bri¸+ DificuIdade: 6
Dano: lorç+ Açöes: 1
º Chute: Lm chute pode v+ri+r desde um chute front+l
bem simples +té rodopios no +r. Dependendo d+s circustìn-
ci+s, + dificuld+de e o modific+dor de d+nos podem ser +jus-
t+dos (+ critério do N+rr+dor). O d+no de um chute j+m+is é
+¸r+v+do.
Teste: Destre:+ ÷ Bri¸+ DificuIdade: ¯
Dano: lorç+ ÷1 Açöes: 1
Soco: O +t+c+nte fech+ o punho e o us+ p+r+ ¸olpe+r
com tod+ forç+ o oponente. O N+rr+dor pode +just+r + difi-
culd+de ou permitir d+dos extr+s se o +t+c+nte decidir o tipo
de soco que ele quer d+r: leve, forte, violento etc.
O d+no de um soco j+m+is é +¸r+v+do.
Teste: Destre:+ ÷ Bri¸+ DificuIdade: 6
Dano: lorç+ Açöes: 1
22¨
juhelu de Brlgu
Manobra Teste DificuIdade Dano Açöes
Lncontr1o Destre:+ ÷ Bri¸+ ¯ Lspeci+l 1
A¸+rr+r Destre:+ ÷ Bri¸+ 6 lorç+ 1
Chute Destre:+ ÷ Bri¸+ ¯ lorç+ ÷ 1 1
Soco Destre:+ ÷ Bri¸+ 6 lorç+ 1
Armuduru
Lm person+¸em com +rm+dur+ corpor+l pode som+r d+-
dos em seus testes de +bsorç1o. Os diferentes tipos de +rm+-
dur+s corpor+is possuem níveis diferentes, que s1o o número
de d+dos extr+s us+dos p+r+ +bsorver um d+no. Certos tipos
de +rm+dur+ restrin¸em o movimento corpor+l e, port+nto,
c+us+m pen+lid+des nos testes de Destre:+ do person+¸em (to-
dos os testes que envolv+m este Atributo têm su+s dificuld+-
des +ument+d+s por um+ qu+ntid+de i¸u+l + pen+lid+de).
S1o princip+lmente os mort+is quem us+m +rm+dur+s.
Lxistem pouquíssimos conjuntos de depojos-+rm+dur+s no
Mundo lnferior.
juhelu de Armuduru
Cl+sse Nível de +rm+dur+ len+lid+de
Cl+sse Lm 1 0
(roup+ reforç+d+)
Cl+sse dois 2 0
(c+miset+ blind+d+)
Cl+sse três 3 1
(colete + prov+ de b+l+s)
Cl+sse qu+tro + 1
(c+s+co milit+r)
Cl+sse Cinco 6 2
(+rm+dur+ complet+)
Comhute Llvre ¦Opclonul)
Ao +rbitr+r +s situ+çöes de comb+te, o N+rr+dor deve ser
flexível. Nenhum+ re¸r+ pode refletir + v+ried+de de situ+-
çöes encontr+d+s no c+mpo de b+t+lh+. O N+rr+dor deve
sentir-se + vont+de p+r+ deix+r os jo¸+dores cri+rem re¸r+s
p+r+ situ+çöes especi+is n1o cobert+s por nenhum+ d+s m+-
nobr+s de comb+te existentes. lor su+ ve:, os jo¸+dores de-
vem lembr+r que o N+rr+dor é o írbitro fin+l ness+s situ+-
çöes - su+ p+l+vr+ é lei.
C+so ocorr+m diver¸ênci+s entre os jo¸+dores ou o com-
b+te torne-se lento, volte +s m+nobr+s p+dr1o descrit+s +n-
teriormente. Ll+s s1o +mpl+s o b+st+nte p+r+ cobrir + m+ior
p+rte d+s situ+çöes. O Comb+te livre foi cri+do p+r+ som+r
profundid+de +o jo¸o, n1o p+r+ ¸er+r conflito entre os jo¸+-
dores e o N+rr+dor.
jestes
Lm qu+lquer comb+te deve h+ver +pen+s dois testes com
d+dos: um teste de +t+que e um de d+nos (ou efeito). Todos
juhelu de Resumo de Comhute
]rlmelro estáglo. Inlclutlvu.
º Teste R+ciocínio ÷ lrontid1o (dificuld+de +). O ven-
cedor decl+r+ su+ +ç1o j·r u|:|m· (depois de ter ouvi-
do +s +çöes de todos os outros) e + desempenh+ jr|-
m.|r·.
º Decl+re divis1o de l+r+d+ de D+dos se estiver desem-
penh+ndo +çöes múltipl+s.
Segundo estáglo. Atuque
º l+r+ comb+te com +rm+s de fo¸o, teste Destre:+ ÷
Arm+s de lo¸o.
º l+r+ comb+te com +rm+s br+nc+s, teste Destre:+ ÷
Arm+s Br+nc+s.
º l+r+ comb+te corpo + corpo (sem +rm+s), teste Des-
tre:+ ÷ Bri¸+.
º Lsquiv+: teste Destre:+ ÷ Lsquiv+. Lm person+¸em
pode s+crific+r +l¸um ou todos os d+dos em su+ l+r+-
d+ p+r+ esquiv+r + qu+lquer momento. C+d+ sucesso
subtr+i um ponto dos sucessos do oponente. (Contu-
do, lembre-se que depois de se desvi+r de su+ +ç1o
decl+r+d+, você +ind+ removerí um d+do d+ su+ p+-
r+d+ de d+dos.)
jercelro estáglo. Resoluçño
º Teste d+nos, determin+do por +rm+ ou m+nobr+ (di-
ficuld+de 6).
º Absorver d+nos: teste Vi¸or (dificuld+de 6).
Compllcuções Geruls
º Mudando Açöes: A dificuld+de +ument+ em um.
º ImobiIização: A dificuld+de em +cert+r um +lvo imo-
bili:+do é redu:id+ em dois.
º Atordoar: Qu+ndo os d+nos de Corpus excederem o
nível de Vi¸or, o +lvo é +tordo+do, n1o podendo +¸ir
no turno se¸uinte.
os efeitos d+ m+nobr+ devem ser c+lcul+dos +tr+vés desses
dois testes. Lm+ exceç1o + est+ re¸r+ é um+ m+nobr+ b+se+-
d+ em movimento (vej+ +di+nte).
Lm +t+que "m+no + m+no" é feito medi+nte um teste de
Destre:+ ÷ Bri¸+, enqu+nto um +t+que com +rm+s br+nc+s
é feito com um teste de Destre:+ ÷ Arm+s Br+nc+s. C+so
um person+¸em estej+ tent+ndo en¸+n+r um oponente, o
teste deve empre¸+r M+nipul+ç1o m+is um+ H+bilid+de +pro-
pri+d+ (como Bri¸+, lntimid+ç1o e líbi+).
Dlllculdude
A dificuld+de p+r+ um+ m+nobr+ norm+lmente é 6, m+s
pode ser +ument+d+ ou diminuíd+ dependendo d+ comple-
xid+de ou precis1o d+ m+nobr+ (por exemplo, um Lncon-
tr1o implic+ num+ dificuld+de ou precis1o m+ior, porque
22o
A
purlçño.
O

L
lmho
objetiv+ um+ determin+d+ íre+).
Se o propósito de um+ m+nobr+ for en¸+n+r um oponen-
te, + dificuld+de serí o R+ciocínio do oponente m+is um+
H+bilid+de (como R+ciocínio ÷ Bri¸+). Nesse c+so, o modi-
fic+dor const+nte n1o é us+do.
jestes Reslstldos
Oc+sion+lmente um jo¸+dor pode resistir + um +t+que
desferido contr+ ele, sej+ medi+nte esquiv+, execuç1o de um+
m+nobr+ ev+siv+ ou o uso de outr+ m+nobr+. Se o comb+ten-
te t+mbém quiser +t+c+r nesse turno, o teste de resistênci+
norm+lmente exi¸irí que ele divid+ su+ l+r+d+ de D+dos.
A exceç1o + est+ re¸r+ é resistir + Mistérios. Os person+-
¸ens podem resistir + +t+ques de Mistérios sem dividir um+
l+r+d+ de D+dos. l+r+ m+iores det+lhes, consulte o texto do
Mistério específico.
Sucessos
Oer+lmente, um +t+que precis+ de +pen+s um sucesso
p+r+ +cert+r; os d+nos em se¸uid+ s1o c+lcul+dos nos d+dos.
lorém, em +l¸uns c+sos é necessírio um determin+do nú-
mero de sucessos, como qu+ndo um person+¸em tent+ +¸+r-
r+r um oponente (ele precis+ri+ de m+is sucessos que + con-
t+¸em de lorç+ de seu oponente).
Dunos ¦Elelto)
Lse + T+bel+ de Bri¸+ p+r+ determin+r d+no e, + p+rtir
d+í, +just+r p+r+ condiçöes especi+is.
Se o efeito esper+do for en¸+n+r ou confundir o oponen-
te, + re¸r+ ¸er+l é que c+d+ sucesso num teste de +t+que
subtr+i um d+do d+ l+r+d+ de D+dos do oponente. Neste
c+so, +pen+s o teste de +t+que é feito; n1o existe nenhum
teste sep+r+do de d+nos.
Açöes MúItipIas: Como sempre, um person+¸em terí de
dividir su+ l+r+d+ de D+dos p+r+ execut+r +çöes múltipl+s
em um turno. Como sempre um person+¸em terí de dividir
su+ p+r+d+ de d+dos p+r+ execut+r +çöes múltipl+s.
Movimento: Norm+lmente um person+¸em n1o poderí
se mover e +t+c+r n+ mesm+ +ç1o. O N+rr+dor poderí per-
mitir que sej+m execut+d+s m+nobr+s b+se+d+s em movimen-
to tendo em vist+ +s se¸uintes norm+s:
Se um person+¸em estiver desempenh+ndo +l¸um feito
+crobítico, como s+lt+r, b+l+nç+r-se num c+ndel+bro etc.,
ent1o serí exi¸ido um teste de Destre:+ ÷ Lsportes. Lm
teste simples p+r+ determin+r distìnci+ de s+lto tem um+
dificuld+de de +pen+s 3 (vej+ Sa|:anJ·, pí¸in+ 212), enqu+n-
to um s+lto de um trem em movimento sobre um c+v+lo
correndo poderí ter um+ dificuld+de +lt+, como 9. O perso-
n+¸em precis+ dividir su+ l+r+d+ de D+dos entre o teste +cro-
bítico e o teste de +t+que. Contudo, o N+rr+dor deve us+r +
re¸r+ do Sucesso Automítico sempre que possível.
No interesse d+ licenç+ poétic+, est+ re¸r+ tem +l¸um+s
exceçöes. Se um person+¸em tiver visto muitos filmes de
c+p+-e-esp+d+ e pr+tic+do os movimentos extr+v+¸+ntes que
viu, o N+rr+dor poderí permitir-lhe s+lt+r de um c+ndel+bro
e +t+c+r sem ter de dividir su+ l+r+d+ de D+dos.
227
Exemplo de [ogo
Réquiem estí cheio de luls+ntes. Wen-
dy d+nç+ so:inh+ num+ vi¸+ +lt+, +o som
d+ músic+ tecno-industri+l que toc+ no
p+lco muitos metros +b+ixo. |1] lis+ des-
cuid+d+mente +qui e +li, tot+lmente +b-
sorvid+ pel+s lu:es, músic+ e movimento.
Lnt1o um+ vo: c+lm+ ch+m+ por el+,
um+ vo: que el+ pode ouvir mesmo +tr+vés d+ músic+ estri-
dente. R+to +p+rece num+ vi¸+ +o seu l+do, e seu c+nivete
brilh+ +o ser fech+do. |2] Su+ vo: p+rece +ument+r + medid+
que os ouvidos de Wendy +just+v+m-se +s Re¸iöes Sombri+s.
- Oi, R+to - Wendy di:. - O que tí pe¸+ndo!
- Wendy, doce Wendy. lor +c+so você viu + lucy! S+be
onde el+ pode est+r!
- lucy! lor que você + quer! Ll+ +ch+ que é um+ deus+
ou +l¸o +ssim. Ll+ é doid+.
- Oh Wendy' lsso n1o é cois+ que se di¸+. N1o é t1o
ruim ser louco. N1o somos todos! Tenho certe:+ que você é.
Vej+ + form+ como d+nç+: me di¸+ se n1o é loucur+. Afin+l,
você estí mort+.
- lsso n1o si¸nific+ que eu tenh+ de p+ss+r o tempo todo
entedi+d+, certo!
- Você s+be onde el+ estí, n1o s+be! Ll+ estí com +s
ch+ves do seu c+rro, n1o! - R+to +bre um sorriso fino e
s+rcístico. - Você n1o conse¸ue f+:er muit+ cois+ sem +s
ch+ves do seu c+rro, n1o é! |3]
Wendy encolhe os ombros.
- L d+í! Lu sei onde el+ estí. lor que você quer s+ber!
R+to coç+ levemente o queixo, e, enqu+nto ele estí dis-
tr+ído Wendy qu+se lhe dí +s cost+s.
- Lu preciso del+ - R+to di:. Lu preciso de... um+ deus+.
Al¸uém p+r+... investi¸+r +s cois+s em O+kl+nd. Hí +l¸um+ coi-
s+ terrível +contecendo lí. Túmulos por cim+ de túmulos. |+]
Wendy cerrou os olhos.
- O que... fer+s!
R+to sorri, b+tendo p+lm+s. Lm se¸uid+, olh+ndo p+r+ os
refletores, di::
- A moç+ ¸+nhou um+ ¸el+deir+. - Diri¸e olhos reptili-
+nos + Wendy. - ler+s. Cri+tur+s terríveis. Cois+s que se
movem n+ noite. Os s+ntos que nos s+lvem' - ele ¸rit+,
rindo como um m+ní+co.
- C+le-se' - Wendy di:. Nesse inst+nte, os pêlos +trís
de seu pescoço se eriç+m. Ao ouvir + ¸+r¸+lh+d+ de R+to,
Wendy sentiu +s tei+s do Destino moverem-se. T+pou-lhe +
boc+ com + m1o. |5]
Sem di:er um+ p+l+vr+, el+ +pontou p+r+ b+ixo. R+to for-
çou + vist+ p+r+ ver n+ escurid1o, e em se¸uid+ notou +s +ur+s
sombri+s que cerc+v+m três dos leöes de chíc+r+. Ll+ jí tinh+
visto est+ estr+té¸i+ ser empre¸+d+ +ntes em clubes noturnos,
e dest+ ve: podi+ +té mesmo ver o punho de um+ esp+d+. Lr+
óbvio que todos os três est+v+m possuídos por Centuriöes.|6]
R+to b+l+nç+ silencios+mente + c+beç+ e +bre seu c+nive-
Comentários
1. Rep+re que o Réquiem é um ponto de encontro d+s
+p+riçöes, devido + t+mbém ser um lu¸+r Assombr+do de
nível 3.
2. R+to usou seu Mistério lisc+r p+r+ che¸+r lí. Você lhe
dí pontos de estilo.
3. O jo¸+dor investiu cinco pontos de Antecedentes num
+rtef+to "p+r de ch+ves". Wendy emprestou +s ch+ves + lucy.
+. R+to estí f+l+ndo sobre os espectros que +ssombr+m o
Cemitério O+kl+nd (p+r+ m+iores inform+çöes, vej+ Necró-
poIe: AtIanta).
5. O N+rr+dor estí bon:inho hoje. Lle deix+ Wendy f+-
:er um teste de R+ciocínio ÷ l+t+lismo p+r+ evit+r o peri¸o
iminente. O jo¸+dor de Wendy entende + primeir+ p+rte d+
tr+m+ +rm+d+ contr+ el+. Os Centuriöes est1o us+ndo C+-
v+l¸+r + C+rne p+r+ entr+r no Réquiem. Ll+ n1o tem muito
tempo.
6. Os Centuriöes est1o C+v+l¸+ndo + C+rne dos leöes de
chíc+r+. Norm+lmente isto seri+ difícil, m+s esses Centuri-
öes vêm se sintoni:+ndo com esses mort+is hí +l¸um tempo.
A sintoni+ é muito útil qu+ndo eles querem procur+r pesso-
+s em clubes noturnos.
228
A
purlçño.
O

L
lmho
te. Lle o l+nç+ no +r, f+:endo um bur+co p+r+ + Tempest+de,
e estic+ + m1o p+r+ Wendy. |¯] Ll+ estí se¸ur+ndo + m1o de
R+to, tent+ndo confi+r nele, qu+ndo ouve um+ vo: dist+nte.
- Ll+ estí de volt+, n1o estí! O que el+ estí di:endo! -
R+to per¸unt+, sorrindo. Lle reconheceu + Sombr+ de Wen-
dy. Como +contece sempre que el+ + ch+m+, os olhos e os
c+belos de Wendy +ssumem um+ color+ç1o +vermelh+d+.
- Ll+ disse que m+l pode esper+r p+r+ brinc+r nov+mente
n+ Tempest+de. - Wendy responde, b+l+nç+ndo + c+beç+.
- Lu... eu n1o quero descer. |o]
R+to dí com os ombros. Olh+ p+r+ Wendy, em se¸uid+
p+r+ + r+ch+dur+, e ent1o de volt+ p+r+ Wendy... e +trís
del+. Lle vê um dos Centuriöes subindo +té o teto do clube,
su+ esp+d+ fri+ e +fi+d+ relu:indo, seu rosto, um+ f+ce de
c+rr+sco. R+to desculp+-se com Wendy e em se¸uid+ dí-lhe
+s cost+s, des+p+recendo n+ Tempest+de.
Wendy se volt+ no inst+nte que o Centuri1o pous+ n+ vi¸+.
- Desist+, Here¸e - o Centuri1o di:. - Si¸+-me +té +
Cid+del+: você precis+ ser re¸istr+d+ +propri+d+mente. N1o
resist+... Lu n1o quero feri-l+...
O Centuri1o se¸ur+ um p+r de +l¸em+s com correntes n+
outr+ m1o, e Wendy n1o tem dúvid+s de su+s intençöes. Lnt1o
o que lucy tinh+ dito er+ verd+de. Wendy foi m+rc+d+ como
Here¸e depois que se juntou + Shoo-lly e seu Círculo. |9]
- N1o - el+ disse, tremendo. - Lu n1o quero ser +cor-
rent+d+ ou +çoit+d+'
lor que el+ est+v+ t1o nervos+! N1o poderi+ s+ir dess+
n+ convers+! Ll+ sente um+ dor +¸ud+ no peito, e percebe
que estí perdendo o controle de seus +tos. Na·, |ss· na·. el+
pens+. Lu na· t·u J.|xar...
A escurid1o dentro del+ se libert+.
- Lu n1o vou f+:er os seus jo¸uinhos. Lu vou f+:er · m.u...
- Wendy di:, enqu+nto s+c+ um+ pistol+ do +r v+:io. Su+
Sombr+ envi+ ond+s fri+s de +prov+ç1o. Lssa . a m|n|a ¸ar·-
:a. N|n¸u.m m.x. .·m m|n|a j||||n|a... |10]
O Centuri1o fic+ p+r+li:+do. Lle foi pe¸o de surpres+, e
seus comp+rs+s est1o muito ocup+dos C+v+l¸+ndo + C+rne
p+r+ not+r. Lle se jo¸+ p+r+ + frente, n+ tent+tiv+ desesper+-
d+ de +rr+nc+r + +rm+ d+s m1os de Wendy. M+s ele recebe
em cheio o disp+ro d+ +rm+, e ped+ços infl+m+dos de seu
pl+sm+ jorr+m de dentro dele, ev+por+ndo em pleno +r. O
resto do corpo se contr+i + medid+ que c+i no p+lco. |11]
Wendy re+ssume o controle de seus +tos. Lra |ss· ¡u. .u
¡u.r|a r.a|m.n:.: Seus pens+mentos s1o interrompidos por
r+j+d+s de fo¸o d'+lm+, vindos d+ pist+ de d+nç+. Ll+ começ+
+ correr.
Ll+ s+lt+ contr+ + p+rede. Sente o roç+r de +ço e concre-
to + medid+ que p+ss+ +tr+vés d+ p+rede, e recebe um leve
choque qu+ndo cru:+ + fi+ç1o elétric+ do clube. |12].
Aind+ incorpóre+, el+ s+lt+ p+r+ o beco do outro l+do.
Abr+ç+ndo-se, c+i +té o p+vimento +b+ixo, choc+ndo-se com
um+ pilh+ de l+t+s +m+ss+d+s. |13] Ll+ se vir+, e vê o b+ndo
+v+nç+r em su+ direç1o.
Acorrent+do, deb+tendo-se no meio do b+ndo de Cen-
turiöes, R+to diri¸e-lhe um olh+r de súplic+. Lles jí o h+vi-
+m +rr+nc+do d+ Tempest+de. Wendy ¸rit+ +o sentir o po-
¯. R+to us+ seu c+nivete p+r+ +brir um+ r+ch+dur+ n+s
Re¸iöes Sombri+s de modo + entr+r n+ Tempest+de. Obvi+-
mente, est+ é + mesm+ Tempest+de que dí c+l+frios em
Wendy. Lle test+ su+ lorç+ ÷ Ar¸os e +bre +s Re¸iöes Som-
bri+s p+r+ poder p+ss+r.
o. O jo¸+dor Oui+ d+ Sombr+ estí tent+ndo us+r psicolo-
¸i+ revers+. Lstí torcendo p+r+ que Wendy morr+ no clube,
e port+nto, quer impedi-l+ de esc+p+r.
9. As +l¸em+s s1o feit+s de met+l estí¸io, de modo que
n1o podem ser p+rtid+s.
10, A Sombr+ de Wendy +ssume o controle. lsto é feito
medi+nte interpret+ç1o ou us+ndo o sistem+ simples de tes-
tes no livro. A Sombr+ possui um despojo de listol+ como
um Lspinho: el+ se m+nifest+ +pen+s qu+ndo + Sombr+ +ssu-
me o controle. Obvi+mente, su+ Sombr+ possui o Arquétipo
M1e.
11. Wendy (interpret+ndo su+ Sombr+ domin+nte) test+
R+ciocínio ÷ lrontid1o p+r+ inici+tiv+ contr+ o Centuri1o
e vence. Ll+ em se¸uid+ test+ su+ Destre:+ ÷ Arm+s de lo¸o
(dificuld+de 6) e obtém um result+do f+buloso: três sucessos.
Wendy em se¸uid+ test+ seus d+nos: oito d+dos m+is três
d+dos p+r+ seu sucesso extr+ dí 11 d+dos' Bele:+' Ll+ us+ os
d+dos, obtendo seis sucessos contr+ um+ dificuld+de 6. O
Centuri1o tent+ desesper+d+mente +bsorver este d+no, m+s
sem sucesso. Lle n1o obtém sucessos em seu teste de +bsor-
ç1o. O Centuri1o é p+rtido +o meio pelo disp+ro, e Wendy
tem um+ ch+nce de fu¸ir.
12. Wendy ¸+st+ um Nível de Corpus p+r+ "+tr+vess+r" o
muro. N1o é preciso nenhum teste.
13. O N+rr+dor r+pid+mente test+ p+r+ ver se Wendy
recebe +l¸um d+no, devido + qued+. Lle n1o tem certe:+ se o
teste estí correto, m+s decide que m+nter o ritmo d+ cen+ é
m+is import+nte. Wendy n1o recebe d+nos, e o N+rr+dor
se¸ue em frente.
229
der dos Centuriöes +¸+rrí-l+ brut+lmente.
Lm Centuri1o +rro¸+nte c+minh+ lent+mente +té el+,
com um p+r de +l¸em+s n+s m1os. Lle +¸+rr+ seus br+ços
brut+lmente, torcendo-os por trís de su+s cost+s. Lnqu+nto
el+ tent+ reunir forç+ de vont+de p+r+ se mover, ele começ+
+ prender os seus pulsos com +s +l¸em+s. Subit+mente, um
r+io de lu+r revel+ +l¸um+ cois+ c+indo.
Lm p+r de ch+ves de c+rro, sombri+s e indistint+s, pous+m
no ch1o, perto dos pés do Centuri1o. |1+]. lntri¸+do, o Cen-
turi1o olh+ p+r+ b+ixo - e imedi+t+mente p+¸+ o preço por
su+ decis1o. Descendo d+ escurid1o t+l qu+l um +njo d+ ¸u+r-
d+, lucy, com um ¸rito furioso n+ ¸+r¸+nt+, f+: su+ entr+d+.
Lm+ bot+ de couro comprid+ +cert+ o pescoço do Cen-
turi1o. lucy +t+c+ com violênci+, seu m+nto ne¸ro esvo+-
ç+ndo n+ noite. Lm+ +d+¸+ de pr+t+ brilh+ no escuro - e,
subit+mente, +s p+redes s1o b+nh+d+s com pl+sm+.
Lm corpo c+i. lucy estí de pé por cim+ do Centuri1o
c+ído, ¸esticul+ndo p+r+ os outros com um+ m1o delic+d+-
mente enluv+d+.
- Queri+m bri¸+! - el+ sibil+, tremendo de r+iv+. -
lutem comi¸o...
Apen+s um dos Centuriöes perm+nece em form+ç1o com
o ¸rupo. Lnqu+nto os outros sold+dos fo¸em em pìnico, ele
desemb+inh+ su+ esp+d+ e começ+ + meneí-l+ em movimen-
tos intrinc+dos.
R+to ¸rit+ de r+iv+, e Wendy, rol+ndo p+r+ detrís d+s
l+t+s de lixo, +¸+rr+ su+s ch+ves. As +l¸em+s c+em +o ch1o, e
o som do disp+ro de um+ +rm+ eco+ pelo beco. Al¸uns cen-
turiöes v1o p+¸+r...
1+. lucy che¸+' L bem n+ hor+. Desenrol+-se um com-
b+te: dest+ ve: o N+rr+dor condu: + +ç1o sem recorrer +
testes. Lle +pen+s quer us+r est+ cen+ p+r+ mont+r um+ lut+,
de modo que us+ o momento dr+mítico como desculp+ p+r+
se divertir. O N+rr+dor se¸ur+ +l¸um+s mini+tur+s, os jo¸+-
dores pe¸+m os d+dos de comb+te, e + históri+ continu+...
23u
A
purlçño.
O

L
lmho
231
Apendlce
Antugonlstus
Espectros
O Exerclto du Escurldño
s Lspectros s1o +p+riçöes que sucumbir+m +o limbo. Lles
servem e +dor+m +o limbo, +pes+r dele consumi-los. Muitos
Lspectros s1o fr+cos, +té mesmo p+téticos, m+s +l¸uns s1o,
virtu+lmente, deuses.
Devido +o f+to do limbo correr em seu pl+sm+, todos os
Lspectros possuem um+ form+ de tele-
p+ti+ de ¸rupo - um tipo de consciên-
ci+ ¸rup+l. Qu+nto m+is poderoso um
Lspectro é, m+ior é su+ li¸+ç1o com o
limbo, e m+is inform+çöes o Lspectro
recebe. Os M+elfe+nos costum+m espi-
on+r +s Re¸iöes Sombri+s simplesmente
m+nd+ndo +l¸uns Lspectros p+r+ um+ íre+. Tudo que os
Lspectros subordin+dos escut+m, os M+elfe+nos escut+m.
Costum+-se di:er que os Lspectros podem us+r t+mbém +s
Nulid+des p+r+ ouvir o que +contece n+s Re¸iöes Sombri+s.
Lxistem muit+s espécies diferentes de Lspectros: este é um
termo +br+n¸ente p+r+ +s entid+des corrupt+s que h+bit+m +
Tempest+de e servem o limbo. Du+s espécies costum+m in-
ter+¸ir com m+is freqüênci+ com +s +p+riçöes: os qu+se irr+ci-
on+is Vultos e os extrem+mentes inteli¸entes Doppel¸+n¸ers.
Vultos
Qu+ndo +lm+s s1o perdid+s p+r+ o limbo e escolhem
servir + seu poder, el+s s1o possuid+s por su+s sombr+s e se
torn+m receptículos do poder do limbo; estes espectros s1o
ch+m+dos Vultos. Os Vultos s1o f+nt+sm+s f+mintos, com
pouc+ intel¸ênci+, porém, s1o extrem+mente +stutos e mui-
to eficientes n+ busc+ de seu sustento.
Os Vultos n1o podem visit+r o mundo vivo, nem +s Re-
¸iöes Sombri+s ( + n1o ser que sej+m lev+dos p+r+ lí; mesmo
+ssim, su+ perm+nênci+ lí é curt+) porque eles n1o possuem
Orilhöes.
Os Vultos +ssumem muit+s form+s: +l¸um+s del+s (+s m+is
recentemente corrompid+s) têm um+ +p+rênci+ b+sic+men-
te hum+n+, enqu+nto outr+s, devido +os d+nos e corrupç1o
do limbo, torn+m-se monstruos+s. Todos eles irr+di+m um+
fosforecênci+ ne¸r+ e fri+: os r+ios do limbo.
Crluçño de ]ersonugem
Atributos 6/+/2, H+bilid+des 11/¯/3, Antecedentes 3.
lorç+ de Vont+de 0, An¸st o, Corpus ¯
Atributos Su¸eridos: lorç+ 3, Destre:+ 3, Vi¸or 3, C+ris-
m+ 0, M+nipul+ç1o 3, Ap+rênci+ 0, lercepç1o +, lnteli¸ên-
ci+ 2, R+ciocínio 1
(A lercepç1o de um Vulto é sempre +¸uç+d+, devido +
su+ n+ture:+ pred+tóri+).
H+bilid+des Su¸erid+s: A despeito de quem ou do que
eles for+m em vid+, os Vultos sucumbir+m + su+ n+ture:+
besti+l e norm+lmente possuem pelo menos Bri¸+ 2, Lsquiv+
2, lrontid1o 3 e lurtivid+de 3.
232
A
purlçño.
O

L
lmho
loderes: Os Vultos possuem vírios poderes especi+is (vej+
+b+ixo). A m+iori+ dos Vultos possui +pen+s um poder, em-
bor+ +l¸uns do Vultos m+iores tenh+m +té três, Lste poder
costum+ ser ch+m+do "Dreno de l+thos" - os Vultos s1o
cri+tur+s f+mint+s e requerem o c+lor de emoçöes p+r+ su-
port+r o frio d+ Tempest+de.
Todos os Vultos podem vo+r livremente pel+ Tempest+-
de e possuem + h+bilid+de de loc+li:+r entr+d+s p+r+ o l+bi-
rinto. Lles t+mbém detêm + h+bilid+de de sentir um+ +p+ri-
ç1o por su+ qu+ntid+de de l+thos interior: +quel+s com ¸r+n-
des qu+ntid+des de l+thos (¯÷) brilh+m como fo¸o n+ escu-
rid1o d+ Tempest+de.
Despojos: Os Vultos norm+lmente n1o possuem despo-
jos, m+s +l¸uns port+m +l¸um tipo de f+c+ ou m+ç+.
]oderes de Vultos
º Dentes de Tubarão - O Vulto pode c+us+r d+nos
+¸r+v+dos com um+ mordid+: lorç+ ÷2.
º TentácuIos EctopIásmicos - O Vulto pode +t+c+r
du+s ve:es por turno, m+s norm+lmente n1o m+nej+ +rm+s.
º Dreno de Pathos - O vulto pode dren+r um ponto
de l+thos por sucesso num teste de +t+que. Os pontos de
l+thos s1o convertidos diret+mente em pontos de An¸st p+r+
o Vulto num+ b+se de um-p+r+-um.
º Crito EspectraI - O VuIto pode ¸rit+r n+ Tempest+-
de, dest+ form+ invoc+ndo de um + cinco outros Vultos. O
uso deste poder cust+ 5 pontos de An¸st. Os Vultos ¸er+l-
mente odei+m f+:er isto, porque podem +tr+ir + +tenç1o de
um M+elfe+no fero:.
º Aprisionar - O Vulto precis+ primeiro se¸ur+r com su-
cesso seu +lvo. (Vej+ Man·|ras J. C·m|a:., pí¸in+ 223). No
turno depois de se¸ur+r o +lvo, o Vulto cobre o +lvo complet+-
mente e precis+ ser destruído p+r+ libert+r -10. A +p+riç1o +pri-
sion+d+ norm+lmente é c+rre¸+d+ p+r+ for+ d+ Tempest+de p+r+
um destino incerto. O uso deste poder cust+ três pontos de An-
¸st. Al¸uns Vultos us+m este poder p+r+ ocult+r outros Vultos
dentre deles, +brindo-se no momento +propri+do.
º Entorpecer o Coração - O Vulto pode +t+c+r dire-
t+mente +s l+ixöes de um+ +p+riç1o, infeccion+ndo +s l+i-
xöes d+ +p+riç1o com o frio do limbo. lrimeiro, devee ocor-
rer um +t+que bem-sucedido. Lm se¸uid+ o Vulto empre¸+
su+ An¸st num teste oposto contr+ + lorç+ de Vont+de d+
+p+riç1o. Se o vulto for bem-sucedido, um+ d+s l+ixöes do
+lvo serí redu:id+ em um ponto. O uso deste poder cust+
três pontos de An¸st.
º Rasgar a Teia da Vida - O Vulto pode +t+c+r diret+-
mente os Orilhöes de um+ +p+riç1o. O Vulto precis+ primei-
ro obter sucesso num teste de +t+que. Lm se¸uid+ ele empre-
¸+ su+ An¸st num teste oposto contr+ + lorç+ de Vont+de
d+ +p+riç1o. Se o Vulto for bem-sucedido, um dos Orilhöes
d+ +p+riç1o serí redu:ido em um. O uso deste poder cust+
cinco pontos de An¸st.
º ExpIorar os AfIitos - O Vulto pode li¸+r-se + lsiquê
de um+ +p+riç1o + medid+ que c+i +tr+vés d+ Tempest+de n+
233
direç1o do l+birinto. Lnqu+nto estiver no l+birinto, o Vulto
pode tent+r c+ptur+r qu+lquer lorç+ de Vont+de ou l+thos
¸+sto e convertê-lo em An¸st p+r+ seu próprio uso. O teste
p+r+ f+:er isso é Destre:+ ÷ lrontid1o (dificuld+de 9).
º Parasita CamaIeão - Lste poder permite + um Vulto
p+r+sit+r um+ +p+riç1o. O teste necessírio é Destre:+ ÷
lurtivid+de (dificuld+de d+ lercepç1o d+ +p+riç1o ÷ lron-
tid1o) Lm+ fonte de lu: +pont+d+ p+r+ o Corpus d+ +p+riç1o
pode evidenci+r + presenç+ do Vulto-p+r+sit+: teste lercep-
ç1o ÷ Ocultismo (dificuld+de ¯). O uso do Mistério C+sti¸o
t+mbém detect+rí um Vulto-p+r+sit+. Lnqu+nto ele perm+-
necer imóvel, o Vulto poderí se¸uir + +p+riç1o p+r+ onde
quer que el+ ví, mesmo p+r+ +s Re¸iöes Sombri+s. O Vulto
pode em se¸uid+ desli¸+r-se, inflin¸indo um Nível de Cor-
pus de d+no em seu hospedeiro dur+nte o processo, e +t+c+r
qu+lquer um que se encontre n+s proximid+des dur+nte um
+ cinco turnos +ntes de des+p+recer n+ Tempest+de. O Vul-
to pode t+mbém +¸ir como os "ouvidos" de um M+elfe+no.
Lste poder cust+ cinco pontos de An¸st p+r+ ser us+do, m+is
um ponto de An¸st por di+ p+ss+do for+ d+ Tempest+de.
Doppelgungers
Aind+ m+is peri¸osos p+r+ +s +p+riçöes n+s Re¸iöes Som-
bri+s, os Doppel¸+n¸ers s1o +p+riçöes que for+m consumid+s
por su+s Sombr+s. Os Doppel¸+n¸ers +ind+ m+ntêm + +p+-
rênci+ de +p+riçöes norm+is. Ao contrírio d+ m+iori+ dos
Lspectros, os Doppel¸+n¸ers possuem person+lid+des, livre
+rbítrio e conhecimento de muitos Mistérios de +p+riçöes.
Os Doppel¸+n¸ers +ind+ possuem Orilhöes que os pren-
dem +o mundo vivo. O limbo +ind+ n1o os consumiu com-
plet+mente, e os M+elfe+nos os empre¸+m com considerível
freqüênci+ os +¸entes m+is f+vorecidos.
Os Doppel¸+n¸ers devem ser cri+dos como +p+riçöes nor-
m+is, m+s su+ An¸st é sempre 10, e eles norm+lmente possu-
em lorç+ de Vont+de b+ix+. A únic+ form+ de di:er se um+
+p+riç1o é um Doppel¸+n¸er é +plic+r C+sti¸o nel+, e mesmo
esse método nem sempre é confiível. Os Doppel¸+n¸ers con-
tinu+m + reunir l+thos, embor+ norm+lmente +tr+vés de mé-
todos de tortur+ espiritu+l. Lles n1o ¸ost+m de l+thos tin¸i-
dos com +mor ou qu+lquer outr+ emoç1o positiv+.
Comentários ao Narrador: Os Doppel¸+n¸ers podem
ser vilöes excelentes. Como seu nome implic+, eles ¸ost+m
de +ssumir + form+ de outr+s +p+riçöes - embor+ nem to-
dos os Doppel¸+n¸er possu+m +utom+tic+mente o nível de
Model+r ou o Lspinho que os permit+ +ssumir + form+ de
outro indivíduo.
Como os Doppel¸+n¸ers n1o s1o desprovidos de perso-
n+lid+de, eles podem convers+r com os person+¸ens. Com
freqüênci+, um Doppel¸+n¸er tent+rí invoc+r + Sombr+ de
um+ +p+riç1o dur+nte ess+s convers+s.
A eficíci+ de um Doppel¸+n¸er como espi1o sempre ter-
min+ qu+ndo su+ vont+de é corroíd+ pel+ forç+ do limbo e
su+ +p+rênci+ se de¸ener+. Lm Doppel¸+n¸er nesse est+do
costum+ ser ch+m+do Nephwr+ck, e muitos Nephwr+cks s1o
servos dos M+elfe+nos.
Muelleunos
Os M+elfe+nos s1o Lspectros +nti¸os que consumir+m
outros Lspectros e +p+riçöes. No processo, eles se torn+r+m
enormes, m+nch+dos, poderosos e +lt+mente inum+nos. Al-
¸uns M+elfe+nos podem nunc+ ter sido hum+nos. Os M+el-
fe+nos distin¸uem-se dos Vultos por seu v+sto poder, inte-
lecto e person+lid+des individu+is.
Lles s1o incrivelmente poderosos, m+s ¸er+lmente letír-
¸icos. Al¸um+s +p+riçöes di:em que coloni+s inteir+s de Ls-
pectros vivem dentro deles. Lles s1o t1o ¸r+ndes que des+fi-
+m + descriç1o +tr+vés de C+r+cterístic+s norm+is.
Os M+elfe+nos s1o +comp+nh+dos por Nephwr+cks e
enormes nuvens de Vultos, que se +¸rup+m em torno deles
n+ Tempest+de.
Os Outros
Muit+s outr+s espécies de Lspectros vivem n+ Tempest+-
de, n+s profunde:+s do l+birinto e no Vícuo: existem t+n-
tos tipos diferentes de Lspectros qu+nto existem +lm+s dis-
torcid+s no Mundo lnferior. Os B+rqueiros est1o f+mili+ri:+-
dos com + m+iori+ dos tipos de Lspectros e podem ensin+r +s
+p+riçoes + respeito deles, especi+lmente como reconhecer
seus truques m+is comuns e seus p+dröes pred+tórios.
CñesUDemônlos
Os C1es-Demonios s1o +p+riçöes que for+m escr+vi:+-
d+s, desfi¸ur+d+s e lobotomi:+d+s pel+ Hier+rqui+. No pro-
cesso, for+m redu:idos + servidores +nim+is, n1o muito dife-
rentes de c1es de c+ç+. Os C1es-Demonios for+m "+mord+-
ç+dos" com um dispositivo de met+l estí¸io que ne¸+ todos
os processos elev+dos de pens+mento, redu:indo + +p+riç1o
+ +l¸o li¸eir+mente +cim+ do nível +nim+l de inteli¸ênci+.
Os C1es-Demonios correm pel+s Re¸iöes Sombri+s em
m+tilh+s ch+m+d+s "p+relh+s", e norm+lmente s1o +comp+-
nh+dos por um ou m+is ¸u+rd+s. Seu propósito é +lert+r seu
¸u+rd+ sempre que + morte de +l¸uém c+i n+ jurisdiç1o de
um dos Sete Senhores Mort+is. Nos últimos +nos, + Hier+r-
qui+ começou + us+r p+relh+s de c1es-demonios p+r+ se¸uir
seus inimi¸os. Os c1es-demonios podem +t+c+r selv+¸emen-
te qu+ndo isso lhes é orden+do, m+s norm+lmente s1o cri+-
tur+s servis. Lles obedecer1o qu+lquer ordem conferid+ por
seu ¸u+rd+, mesmo que isso lhes custe + vid+.
Atributos: lorç+ +, Destre:+ 2, Vi¸or 5, C+rism+ 0, M+-
nipul+ç1o 3, Ap+rênci+ 0. lercepç1o 5, lnteli¸ênci+ 1, R+ci-
ocínio 3
HabiIidades: lrontid1o +, Bri¸+ 2, lntimid+ç1o 3,rebo-
que 5
Misterios: Ar¸os 1, l+múri+ + (b+sic+mente Réquiem,
Hino lúnebre e Crescendo)
Iorça de Vontade: +
Angst: ¯/5
Corpus: 6
Equipamento: locinheir+ de C1o-Demonio
234
A
purlçño.
O

L
lmho
Antugonlstus Mortuls
O ]oder du Vldu
Desde o +lvorecer d+ hum+nid+de, os hum+nos têm com-
b+tido + sombr+ d+ morte. Devido + isto, + forç+ de vont+de
hum+n+ tornou-se +nítem+ + própri+ morte: n+ verd+de,
muit+s pesso+s podem perm+necer viv+s exclusiv+mente pelo
uso de su+ lorç+ de Vont+de.
Como + lorç+ de Vont+de hum+n+ é diret+mente opost+
+ morte, os hum+nos podem us+r su+ C+r+cterísticc+ lorç+ de
Vont+de de form+s que podem inibir e +fet+r +s +p+riçöes.
]roteçño
luner+is; + prític+ de coloc+r du+s moed+s nos olhos do
morto; + presenç+ de cerc+s de ferro, um pre¸o enferruj+do
sobre o v1o d+ port+, í¸u+ s+l¸+d+ ou um copo de í¸u+;
fum+ç+ de incenso e oferend+s: + hum+nid+de us+ um+ infe-
nid+de de meios p+r+ defender-se do sobren+tur+l.
Lm époc+s n+s qu+is + hum+nid+de respondi+ m+is + mitos
que + ciênci+. esses remédios er+m efic+:es contr+ +s +p+ri-
çöes. Deste + Revoluç1o lndustri+l esses remédios têm sido
ridicul+ri:+dos, refut+dos ou esquecidos. Aind+ +ssim, os
mort+is que se vej+m +ssombr+dos ou c+ç+dos por +p+riçöes
f+ri+m bem em lembr+r d+s simp+ti+s de su+s +vós. Os feiti-
ços, simp+ti+s e proteçöes + se¸uir funcion+r1o com +queles
que estej+m dispostos + investir su+ lorç+ de Vont+de neles.
Rep+re que um mort+l precis+ ter o conhecimento p+r+
pr+tic+r esses ritu+is (Ocultismo 3 ou superior). Além disso,
o mort+l precis+ +credit+r pesso+lmente que os ritu+is funci-
on+r1o. Se ele for um+ pesso+ cínic+ ou emperdenid+ que
n1o +credite no sobren+tur+l, ele n1o poderí us+r lroibiç1o
ou lroteç1o.
Qu+lquer crenç+ ou prític+ que protej+ os hum+nos d+s
+p+riçöes tem du+s form+s de f+:er isso: Censurí-los +tiv+-
mente ou p+ssiv+mente lmpedi-los.
]rolhlçño
O lmpedimento consiste em condu:ir + +p+riç1o p+r+
for+ de um+ íre+. O mort+l que estej+ pr+tic+ndo + lroibi-
ç1o, test+ lorç+ de Vont+de (dificuld+de ¯). Lm+ +p+riç1o
precis+ ¸+st+r um ponto de lorç+ de Vont+de por sucesso no
teste de lroibiç1o p+r+ perm+necer n+ íre+. Lm+ +p+riç1o
pode enfrent+r est+ +tivid+de tent+ndo +me+ç+r ou enerv+r
o mort+l us+ndo seu próprio Mistério: neste c+so, o teste de
lroibiç1o é oposto pelo teste +propri+do de Mistérios. Do
contrírio, + +p+riç1o precis+ deix+r + íre+ o m+is rípido pos-
sível. Contudo, depois que + +tenç1o do mort+l estej+ con-
centr+d+ em outro lu¸+r, + +p+riç1o poderí retorn+r.
23¨
]roteçño
A lroteç1o é um+ form+ de defes+ p+ssiv+. Tod+ proteç1o
possui um foco específico b+se+do no conhecimento +nti¸o
us+do p+r+ prote¸er + íre+: poderi+ ser um pre¸o de ferro en-
ferruj+do, um +nel de s+l, incenso ou qu+lquer outro meio.
Lm mort+l pode us+r esses focos p+r+ prote¸er um+ íre+, nor-
m+lmente um prédio ou outr+ estrutur+ perm+nente, de inv+-
s1o d+ p+rte de +p+riçöes. O mort+l test+ su+ lorç+ de Vont+-
de perm+nente (dificuld+de ¯) e ¸+st+ pelo menos um ponto
temporírio de lorç+ de Vont+de p+r+ re+li:+r + proteç1o. O
número de sucessos obtidos no testes indic+ qu+nto tempo
dur+ + proteç1o (consulte + T+bel+ de lroteç1o), e + cont+-
¸em de lorç+ de Vont+de perm+nente equiv+le + dificuld+de
p+r+ us+r Mistérios p+r+ penetr+r n+ íre+ (este teste é feito
+ntes de qu+lquer teste p+r+ penetr+r + Mort+lh+).
juhelu de ]roteçño
1 sucesso 1 hor+
2 sucessos 1 di+
3 sucessos 1 sem+n+
+ sucessos 1 mês
5 sucessos 3 meses
lort+nto, + lroteç1o precis+ ser renov+d+ com o tempo,
p+r+ n1o se dissip+r. Lm+ íre+ lrote¸id+ é muito sólid+ n+s
Re¸iöes Sombri+s. L impossível ¸+st+r um Nível de Corpus e
+tr+vess+r um+ íre+ lrote¸id+. Lntr+r n+ íre+ é pr+tic+men-
te impossível, requerendo o uso de um Mistério como Mo-
del+r (p+r+ fluir por b+ixo de um+ port+ ou +tr+vés de um+
fend+) ou Ar¸os (us+ndo S+lto).
Rep+re que se um+ +p+riç1o escolher +t+c+r o foco d+ lro-
teç1o com Mistérios (como lnsulto ou Lnc+rn+r), + +p+riç1o
pode efetiv+mente find+r + lroteç1o se el+ puder de +l¸um+
form+ torn+r o foco inoper+nte ou inefic+: (lev+ndo o pre¸o +
des+p+recer, +brindo o círculo de s+l, extin¸üindo o incenso).
O Desupureclmento du Imugem du Morte
Os mort+is n1o podem sentir n+d+ +lém dos m+is simples
impulsos d+ presenç+ de um+ +p+riç1o: embor+ eles poss+m
evit+r inconscientemente +s +p+riçöes, eles n1o podem sen-
ti-l+s ou vê-l+s, exceto qu+ndo est1o bêb+dos, ex+ustos ou
enfr+quecidos de qu+lquer outr+ form+ - + n1o ser que +
Ap+riç1o deseje ser vist+.
Inocenclu
A verd+deir+ inocênci+ é r+r+ no Mundo d+s Trev+s. L
pr+tic+mente impossível encontrí-l+ em qu+lquer +dulto. Até
mesmo +s cri+nç+s do mundo lunk-Oótico perdem r+pid+-
mente su+ inocênci+. Aind+ +ssim, n+ m+iori+ dos c+sos,
um+ +p+riç1o que sej+ jovem e livre de experiênci+s é ino-
cente. Lssenci+lmente, + inocênci+ de um indivíduo dur+
+pen+s +té que ele deixe + inocênci+ p+r+ trís.
23o
A
purlçño.
O

L
lmho
Os hum+nos inocentes freqüentemente podem ver +p+-
riçöes n+s Re¸iöes Sombri+s. lsto norm+lmente ocorre +pe-
n+s + noite, e +pen+s qu+ndo o inocente tem um momento
de quietude dur+nte o qu+l ele n1o estí se concentr+ndo em
qu+lquer outr+ cois+. Lm ¸er+l, o N+rr+dor test+ + lercep-
ç1o do person+¸em inocente (dificuld+de 6). A m+iori+ dos
inocentes n1o re+¸irí necess+ri+mente + +p+riç1o com te-
mor: p+rte d+ n+ture:+ d+ inocênci+ é um+ crenç+ que ele é
imort+l - o inocente n1o teme + morte. Al¸um+s cri+nç+s,
síbi+s dem+is p+r+ + su+ id+de, podem ver um+ +p+riç1o pelo
que el+ é - um monstro - m+s em su+ m+ior p+rte, +s
+p+riçöes s1o simplesmente person+¸ens interess+ntes n+ vid+
diíri+ de um inocente. Muit+s +p+riçöes convers+m lon¸+-
mente com cri+nç+s, e +l¸um+s cri+nç+s +té mesmo f+:em
cois+s b+se+d+s no que seus "+mi¸os" +p+riçöes lhes di:em.
T+lve: devido + f+lt+ de medo pel+ morte, os inocentes
t+mbém exercem um ¸r+nde poder sobre +s +p+riçöes. Lles
podem proibir um+ +p+riç1o de +proxim+r-se ou tocí-los, ou
podem com+ndí-l+s p+r+ deix+r um loc+l.
N+ prític+, os mort+is inocentes n1o precis+m ter co-
nhecimentos +nti¸os p+r+ execut+r lroibiç1o e lroteç1o: eles
n1o s+bem instintiv+mente que podem f+:ê-lo, m+s seu hu-
mor ¸er+l e p+l+vr+s c+su+is, como "Deixem-me em p+:'" ou
"S+i+m d+qui'" exercem o mesmo efeito.
Lm último comentírio sobre + inocênci+: muitos dos
ins+nos est1o t1o +lheios +s preocup+çöes dos mort+is que
revertem + um est+do de inocênci+. (lsto norm+lmente n1o
se +plic+ +os v+mpiros M+lk+vi+nos).
Os ]lllos de jertulluno
Na· a.r.J|:. n· ¡u. ·ut|r
Na· a.r.J|:. n· ¡u. t|r
QuanJ· t·.. aj.nas j..|a ·s ·||·s
í·J. s.n:|r · |n|m|¸·
- L2, "Acrob+t+"
Tertuli+no, dos primeiros escritores crist1os, postulou que
o Demonio esconderi+ seu m+l n+ bond+de +p+rente, che-
¸+ndo mesmo + cur+r +l¸um+s pesso+s, m+s que imit+r Deus
er+ o pior dos pec+dos.
Os lilhos de Tertuli+no s1o ¸uerreiros s+¸r+dos compro-
miss+dos em destruir tod+s +s +p+riçöes e outr+s "cri+s do
demonio". Os lilhos de Tertuli+no procur+m pesso+s supos-
t+mente possuíd+s, +quel+s que +firm+m f+l+r com os mortos
(p+r+norm+is, Ci¸+nos e loucos), e +l¸um+s ve:es simples-
mente +queles fiéis que f+l+m contr+ + "p+l+vr+ de Deus" e
que, port+nto, J.t.m est+r possuídos.
Todos os Tertuli+nos s1o exorcist+s trein+dos que em-
pre¸+m o exorcismo como su+ princip+l ferr+ment+ de +t+-
que. Lsse exorcismo v+ri+ de um pr+tic+nte p+r+ outro, m+s
todos s1o fisic+mente brut+is e ri¸orosos p+r+ + vítim+ supos-
t+mente possuíd+. Os Tertuli+nos se¸uem os ensin+mentos
do Ma||.us Ma||.j|.arum +o pé d+ letr+, sendo especi+list+s
em +plic+r +s técnic+s de tortur+ descrit+s +di+nte. Seus
métodos s1o cruéis, m+s podem ser surpreendentemente efi-
c+:es se um+ +p+riç1o re+lmente estiver C+v+l¸+ndo + C+r-
ne de um indivíduo. lnfeli:mente p+r+ os +lvos de seus exor-
237
cismos vi¸orosos, os Tertuli+nos s1o inc+p+:es de di:er se
um+ pesso+ estí re+lmente possuíd+ por um+ +p+riç1o ou se
simplesmente é p+r+norm+l, louc+ etc., +té que + +p+riç1o
deixe o corpo d+ pesso+.
l+r+ o infortúnio d+queles que n1o estej+m sendo ¸ui+-
dos por +p+riçöes, +s técnic+s de exorcismo dos Tertuli+nos
torn+m-se c+d+ ve: m+is violent+s - seus p+cientes nem
sempre sobrevivem. Até mesmo +queles que est1o sendo ¸ui-
+dos por +p+riçöes costum+m morrer devido +o exorcismo.
Os Tertuli+nos consider+m ess+s mortes l+mentíveis, m+s
+credit+m que su+s +çöes s1o justificíveis n+ medid+ em que
est1o proporcion+ndo +o indivíduo um+ ch+nce de s+lv+-
ç1o. Se + vítim+ recém-mort+ torn+-se um+ +p+riç1o, o Ter-
tuli+no simplesmente consider+ que el+ er+ o "espírito pos-
suidor" e tent+ "m+tí-l+" pel+ se¸und+ ve:.
Os lilhos possuem diversos métodos p+r+ expuls+r +p+ri-
çöes de mort+is possuídos. A m+iori+ desses métodos envol-
ve o uso de certos +rtef+tos +benço+dos c+p+:es de +lertí-los
p+r+ um+ possess1o como ess+. Lsses poderes s1o consider+-
dos divinos. Os Tertuli+nos c+p+:es dess+s +divinh+çöes s1o
+lt+mente respeit+dos entre os membros d+ ordem.
Os Tertuli+nos possuem outr+s +rm+s +o seu dispor. Lm
pequen+ porcent+¸em de Tertuli+nos é c+p+: de form+s m+is
+v+nç+d+s de exorcismo. Medi+nte + +plic+ç1o de í¸u+ ben-
t+ pré-prep+r+d+, os Tertuli+nos podem enxer¸+r, +té certo
ponto, n+s Re¸iöes Sombri+s.
A Seltu de Sño [umes
Lm m.|· as |amur|as,
Òut|u-s. uma t·z s·||:ar|a -
"- ma|J|¸a· J. um |·m.m . s.r sa|t·
QuanJ· na t.rJaJ. .|. ¡u.r m·rr.r.¨
- R+lph W+ldo Lmerson, "S+crifice"
A Seit+ de S1o J+mes é um subculto muito pequeno e
r+dic+l dos lilhos de Tertuli+no. Os membros d+ seit+ (todos
homens, nunc+ ultr+p+ss+ndo um tot+l de 99) se¸uem os en-
sin+mentos de S1o J+mes. Lspecific+mente, + seit+ se¸ue um+
vers1o peculi+r dos ensin+mentos do livro Secreto de J+mes,
um dos Lnv+¸elhos Onósticos recém-descobertos. Lmbor+
muitos estudiosos deb+t+m + +utencid+de do per¸+minho, +
seit+ +credit+ profund+mente em seus ensin+mentos. O per-
¸+minho re¸istr+ que Deus, +tr+vés de su+s disciplin+s, ensin+
que os homens verd+deir+mente virtuosos se m+t+ri+m p+r+
poderem entr+r no reino dos Céus. O texto prosse¸ue di:endo
que os homens que cometerem suicídio justific+do ser1o s+l-
vos +ntes de todos os outros no Di+ do Juí:o.
Os membros d+ seit+ +credit+m possuir o dever s+¸r+do
de m+t+r + si mesmos e lev+r + b+t+lh+ contr+ +s cri+tur+s
d+s trev+s +té o l+r do próprio Demonio. Apen+s os Tertuli-
+nos que sej+m c+p+:es de prov+r seu v+lor (e f+n+tismo) s1o
convid+dos + torn+r-se membros d+ seit+.
A seit+ jí desenvolveu ritu+is p+r+ m+nd+r seus mem-
bros +o Mundo lnferior p+r+ enfrent+r o inimi¸o. Antes que
sej+ permitido + qu+lquer membro empreender ess+ jorn+d+,
ele precis+ primeiro prov+r su+ honr+. lsto é feito medi+nte
o comb+te contr+ todos tipos de inimi¸os peri¸os e o +pren-
di:+do de tod+s +s inform+çöes concernentes +s +p+riçöes.
Qu+ndo o líder d+ seit+ +credit+ que + mente e + +lm+ de
um irm1o est1o suficientemente prep+r+dos, ele instrui o ir-
m1o + cri+r um+ +rm+ de justiç+ com su+s própri+s m1os.
Lss+s +rm+s podem tom+r muit+s form+s (embor+ el+s sej+m
tod+s +rm+s de lìmin+s) e s1o +lt+mente person+li:+d+s.
Norm+lmente lev+ m+is de um +no p+r+ f+bric+r um+ +rm+
como ess+. Depois de complet+d+s, ess+s +rm+s fic+m entre
+s m+is poderos+s cri+d+s por mort+is.
Qu+ndo + +rm+ estiver prep+r+d+ e o irm1o tiver prov+do
o seu v+lor, ele é introdu:ido num ¸rupo conhecido como
"cru:", composto por qu+tro + oito irm1os. Os irm1os de um+
cru: s1o li¸+dos espiritu+lmente +tr+vés de um+ benç1o pode-
ros+. Lm se¸uid+, os membros de um+ cru: cometem suicídio,
us+ndo su+s +rm+s especi+lmente prep+r+d+s. O ritu+l tr+ns-
port+ os irm1os recém-f+lecidos p+r+ o Mundo lnferior, onde
eles imedi+t+mente começ+m + destruir o míximo de +p+ri-
çöes que puderem +ntes deles mesmos serem +niquil+dos. Os
irm1os +credit+m que, desde que lutem honros+mente, +pós
su+ destruiç1o ser1o tr+nsport+dos p+r+ o l+r+íso.
Muitos membros d+ lnquisiç1o question+m os métodos
d+ Seit+ de S1o J+mes. Divers+s ve:es os ensin+mentos d+
seit+ qu+se for+m decl+r+dos heresi+ pelo rest+nte d+ ordem.
Contudo, seus membros +r¸ument+m que o próprio Jesus
cometeu suicídio permitindo su+ própri+ morte e que ele
estí +¸or+ sent+do +o l+do direito de Deus. Lles +firm+m
or¸ulhos+mente est+r se¸uindo +s p+l+vr+s de seu senhor e
mestre, e nin¸uém poderi+ desvi+r os irm1os de seu objetivo.
O Arcuno
O Arc+no é um+ socied+de secret+ dedic+d+ +o +cúmulo
e + +ssimil+ç1o de inform+çöes sobre ocultismo. Lle foi fun-
d+do no fin+l d+ déc+d+ de 1oo0 por um+ combin+ç1o de
estudiosos, m+¸os e hum+nos em busc+ de todos os tipos de
conhecimentos ocultos. O Arc+no possui muit+s C+pel+s
esp+lh+d+s pelo mundo. Três d+s m+iores est1o loc+li:+d+s
em Boston, M+ss+chusetts; londres, ln¸l+terr+; e Oeor¸eto-
wn, em W+shin¸ton.
Os eruditos do Arc+no dedic+m-se + um+ v+ried+de de
íre+s do oculto, inclusive f+d+s, lobisomens, v+mpiros e +p+ri-
çöes. O Arc+no n1o se revel+ +o mundo, porque seus membros
+creditr+m que + m+iori+ d+s pesso+s é inc+p+: de compreen-
der +s m+iores verd+des que o Arc+no dedic+-se + desvel+r.
O Arc+no tem tido um sucesso limit+do, +ind+ que pro-
missor, em seus estudos sobre vid+ e morte, inclusive o de-
senvolvimento de elixires de s+úde e outros instrumentos
+lquímicos. Contudo, embor+ esses instrumentos sej+m úteis
p+r+ ret+rd+r o envelhecimento, eles n1o s1o um+ cur+ p+r+
+ velhice, que é o objetivo fin+l d+ m+iori+ dos inte¸r+ntes
do Arc+no.
Os estudiosos do Arc+no possuem ¸r+ndes bibliotec+s,
l+bor+tórios, e muito dinheiro, eles detêm um dos m+iores
corpos de conhecimento f+ctu+l sobre o Mundo lnferior no
Mundo d+ C+rne. Além disso, su+s C+pel+s contêm + m+ior
238
A
purlçño.
O

L
lmho
coleç1o de +p+riçöes +prision+d+s no mundo vivo.
Os inte¸r+ntes do Arc+no s1o eruditos, r+r+mente pr+ti-
c+ndo investi¸+çöes +tiv+s. O Arc+no costum+ contr+t+r "fre-
el+ncers" p+r+ c+ptur+r +s +p+riçöes. O Arc+no t+mbém pos-
sui um determin+do número de membros +ssoci+dos que,
+pes+r de n1o serem eruditos, s1o +deptos de perse¸uir e +pri-
sion+r +p+riçöes e outr+s entid+des espiritu+is.
Jon+th+n lelvin, o m+is jovem dos fund+dores ori¸i-
n+is do Arc+no, supost+mente desenvolveu um+ cel+ de
contenç1o c+p+: de +prision+r +p+riçöes e outros seres
plísmicos. lelvin +tu+lmente demonstr+ os sin+is de seu
envelhecimento extremo; o tempo que lhe rest+ entre os
vivos é curto. Nos últimos +nos lelvin tem devot+do to-
dos seus esforços p+r+ descobrir os se¸redos d+ morte. l+r+
este fim, ele tem re+li:+do experiênci+s com vivos e mor-
tos, tendo che¸+do +o ponto de extr+ir l+thos de +p+ri-
çöes +prision+d+s e injet+r em mendi¸os. Hí um número
infindível dess+s +lm+s desesper+d+s, que n1o f+:em idéi+
de que + c+m+ quente e +colche¸+nte lhes é oferecid+ +o
preço de um+ morte doloros+, terrível, fin+l.
lelvin tem m+ntido se¸redo sobre ess+s +tivid+des p+r+
os outros inte¸r+ntes do Arc+no. Contudo, +l¸uns estudi-
osos do Arc+no est1o + p+r de su+s experiênci+s, dividin-
do-se entre os que +s +prov+m e os que fin¸em n1o ver o
sofrimento que el+s c+us+m. lelvin obteve +l¸um sucesso
com + injeç1o de ener¸i+ dos mortos nos corpos dos seres
vivos, m+s embor+ ess+s experiênci+s sej+m promissor+s,
+té +qui n1o +present+r+m result+dos concretos.
O Benunduntl
Sa/ jara a n·|:., uma |ruxa j·ss.ssa ass·m|ranJ· · ar n.¸r·.
- Anne Sexton, "Her lind"
O Ben+nd+nti é um+ socied+de hum+n+ cujos membros
possuem o poder de ver +p+riçöes. lend+s qu+se esquecid+s
+firm+m que, entre o por e o n+scer do sol, os Ben+nd+nti
s1o c+p+:es de vi+j+r p+r+ o Mundo lnferior. lorém, se um
dos Ben+nd+nti for impedido de retorn+r +o seu corpo +o
n+scer do sol, ele fic+rí +prision+do n+ form+ de +p+riç1o. O
corpo, +¸or+ sem +lm+, entr+ em com+, intri¸+ndo os médi-
cos, que n1o encontr+m um+ c+us+ médic+ p+r+ ess+ ocor-
rênci+. Lm oc+siöes r+r+s, um Ben+nd+nti encontr+ seu c+-
minho de volt+ p+r+ o corpo depois de meses, ou mesmo
+nos, n+s Re¸iöes Sombri+s. M+s s1o c+sos r+ros.
Os Ben+nd+nti estud+m e temem +s +p+riçöes. Muitos
deles +credit+m que +s +p+riçöes s1o +lm+s m+li¸n+s que
devem ser destruíd+s; outros +ch+m que +s +lm+s est1o +pe-
n+s confus+s, devendo ser encor+j+d+s + prosse¸uirem su+
jorn+d+. Os Ben+nd+nti costum+m começ+r su+ existênci+
como +p+riçöes em posiçöes de poder no Mundo lnferior -
muit+s ve:es como Rene¸+dos ou Here¸es. A D+m+ do Des-
tino t+mbém empre¸+ muit+s +p+riçöes de Ben+nd+nti. As
+p+riçöes Ben+nd+nti costum+m port+r despojos e +rtef+tos
poderosos, inclusive su+s esp+d+s , que, se¸undo rumores,
s1o muito efic+:es no comb+te + cri+tur+s espiritu+is.
O Clrculo Órllco
Os membros do Círculo Órfico compöem um ¸rupo v+ri-
+do de eruditos, visionírios, v+mpiros do cl1 Oiov+nni e
m+¸os d+ morte Luth+n+tos. O Círculo é um+ or¸+ni:+ç1o
+nti¸+ (+tu+lmente cont+ndo com cerc+ de 300 membros)
que procur+ m+nter su+ existênci+ ocult+ de outros seres.
O propósito m+nifesto do Círculo é descobrir + verd+-
deir+ n+ture:+ d+ morte. Muitos +cólitos do Círculo percor-
rem o Mundo lnferior, re+li:+ndo experiênci+s no reino e
em seus h+bit+ntes p+r+ determin+r se existe um+ form+ de
um espírito mover-se entre + vid+ e + morte. Os Membros do
Círculo re+li:+m experimentos com pr+tic+mente qu+lquer
cois+, desde dro¸+s + s+crifícios (de vivos e mortos) p+r+ ob-
ter um mínimo de inform+ç1o útil.
Os Membros do Círculos vêem o lendírio Orfeu como
um herói que descobriu um+ form+ de tr+nscender vid+ e
morte. Orfeu foi o único mort+l conhecido + vi+j+r p+r+ o
Mundo lnferior e retorn+r +o mundo vivo, supost+mente
c+rre¸+ndo os volumes s+¸r+dos que descrevi+m os ¸r+ndes
Mistérios. Al¸uns membros do Círculo +firm+m que Orfeu
vi+jou +o Mundo lnferior especific+mente p+r+ encontr+r
conhecimento.
De tod+s +s socied+des do Mundo d+ C+rne, este ¸rupo
decerto é o que possui + m+ior noç1o d+ n+ture:+ físic+ e
polític+ do Mundo lnferior. O que o Círculo pl+nej+ f+:er
com est+ inform+ç1o é obscuro, m+s os rumores m+is persis-
tentes envolvem um pl+no p+r+ r+s¸+r + Mort+lh+ que sep+r+
o mundo dos vivos e o mundo dos mortos. Lxistem outros
rumores de que +l¸uns membros do círculo fi:er+m p+ctos com
cert+s fi¸ur+s do Mundo lnferior, tom+ndo p+rte em "+ss+ssi-
n+tos " de outr+s +p+riçöes. lorém, ofici+lmente, o Círculo
m+ntém um+ polític+ de neutr+lid+de nesses +ssuntos.
A Hier+rqui+ desej+ por um fim +o Círculo Órfico. Ll+
estí preocup+d+ sobre o +lto nível de conhecimento que o
Círculo detém, +credit+ndo que t+l conhecimento poderi+
ser us+do por Rene¸+dos ou vivos.
Crluturus Sohrenuturuls
Vumplros
oderosos, +r¸utos, rípidos, cruéis - os
v+mpiros movem-se no mundo mort+l
com + mesm+ f+cilid+de com que +s +p+-
riçöes se movem no Mundo lnferior. Lles
¸overn+m +s cid+des com esquem+s +s-
sust+dor+mente complexos, que norm+l-
mente lev+m +nos e +nos p+r+ rende-
rem frutos. Devido + h+bit+rem muitos lu¸+res t+mbém ocu-
p+dos por +p+riçöes, é import+nte s+ber onde os v+mpiros
est1o n+ su+ cid+de, e o que eles est1o f+:endo.
Muitos v+mpiros podem ver +p+riçöes que estej+m n+s
Re¸iöes Sombri+s + procur+ do lu¸+r certo, percebendo +s
239
+ur+s d+s +p+riçöes. Certos "cl1s" de v+mpiros (eles s1o or-
¸+ni:+dos em cl1s tendo como b+se + linh+¸em de seu fun-
d+dor) possuem um pouco m+is de poder sobre +s +p+riçöes
que os outros - o cl1 Oiov+nni é especific+mente podero-
so, pois seus membros estud+m + m+¸i+ dos mortos e +pren-
der+m como invoc+r Lspectros e +p+riçöes d+s Re¸iöes Som-
bri+s. Os v+mpiros Tremere t+mbém podem conhecer os se-
¸redos do oculto e d+ T+um+tur¸i+ - eles estud+m trilh+s
de conhecimento místico e ritu+is secretos que lhes possibi-
lit+m +fet+r f+nt+sm+s e +p+riçöes.
Muit+s d+s lend+s sobre v+mpiros s1o f+ls+s, embor+ +l-
¸um+s sej+m verd+deir+s. Os v+mpiros precis+m evit+r fo¸o
e lu: sol+r - ess+s substìnbci+s c+us+m-lhes d+nos terríveis.
Lles n1o s1o +fet+dos por cru:es ou objetos s+¸r+dos, + n1o
ser que o indivíduo que os use detenh+ lé Verd+deir+. Alho
e í¸u+ corrente n1o exercem nenhum efeito sobre eles.
Como um v+mpiro que tenh+ bebido recentemente s+n-
¸ue é muito m+is forte e rípido que um mort+l, você precis+
m+nter o re¸istro do nível +tu+l d+ l+r+d+ de S+n¸ue do
v+mpiro. ("l+r+d+ de S+n¸ue" é o número de "lontos de
S+n¸ue" consumidos recentemente pelo v+mpiro). Lm v+m-
piro pode ¸+st+r pontos de S+n¸ue p+r+ +ument+r tempor+-
ri+mente seus Atributos lísicos. Lle pode t+mbém ¸+st+r um
lonto de S+n¸ue p+r+ cur+r um ferimento n1o +¸r+v+do.
Se¸uem-se +l¸um+s est+tístic+s p+r+ v+mpiros jovens,
velhos, Oiov+nni e Tremere.
Misterios: Os níveis dos Mistérios list+dos n1o represen-
t+m precis+mente + dimens1o tot+l dos poderes v+mpíricos.
lor exemplo, o Mistério "Titerismo" de um v+mpiro repre-
sent+ um+ c+p+cide+de p+r+ control+r mort+is, e n1o re+l-
mente possuí-los. Você poderí us+r m+is +dequ+d+mente +s
Disciplin+s +propri+d+s dos v+mpiros se tiver Vampiro, A
Máscara.
Neófitos: Lsses s1o os v+mpiros m+is jovens, que +ind+
n1o +tin¸ir+m 100 +nos de pós-vid+. S1o os "+dolescentes"
d+ socied+de v+mpíric+. As +p+riçöes têm m+is ch+nces de
encontr+r esses v+mpiros - os Neófitos s1o numerosos n+s
cid+des, costum+ndo v+¸+r por lu¸+res h+bit+dos pel+s +p+-
riçöes.
Criação de Personagem: Atributos ¯/5/3, H+bilid+des
13/9/5, Antecedentes ¯. lorç+ de Vont+de ¯, Mistérios +,
l+r+d+ de S+n¸ue 10.
Atributos Sugeridos: lresum+ os níveis de pelo menos
2 pontos em todos os Atributos.
HabiIidades Sugeridas: lrontid1o 2, Atletismo 1, Bri¸+
2, Lsquiv+ 1, Ltiquet+ 1, Lxpress1o 1, lntimid+ç1o 2, Arm+s
Br+nc+s 1, Ocultismo 1, lurtivid+de 3. M+nh+ 1, líbi+ 3
Misterios Sugeridos: Titerismo 2, l+múri+ 2, Ar¸os 1
(M+nto de Sombr+s)
Equipamento: Roup+s d+ mod+, f+c+ retrítil, óculos es-
curos.
Anciöes: Os Anciöes s1o os príncipes de seus reinos ur-
b+nos, costum+ndo domin+r + polític+ de um+ cid+de. Os
v+mpiros +nciöes sobreviver+m entre 300 e 1000 +nos, possu-
indo, port+nto, poderes inerentes consideríveis. As C+r+c-
24u
A
purlçño.
O

L
lmho
terístic+s +b+ixo represent+m um +nci1o +meric+no ou eu-
ropeu típico.
Criação do Personagem: Atributos 10/¯/5, H+bilid+des
21/9/5, Antecedentes 12, lorç+ de Vont+de o, Mistérios ¯,
l+r+d+ de S+n¸ue 20
Atributos sugeridos: lresum+ nível + nos Atributos
Soci+is, 3 nos ment+is e 2 nos +tributos físicos
HabiIidades Sugeridas: lrontid1o 3, Lsportes 1, Bri¸+ 2,
Lsquiv+ 3, Ltiquet+ 3, Lxpress1o 1, lntimid+ç1o +, Arm+s
Br+nc+s 2, Ocultismo 2, lurtivid+de 3, M+nh+ 1, líbi+ +
Misterios Sugeridos: Titerismo +, l+múri+ +, Ar¸os 1
(M+nto de Sombr+s)
Equipamento: Roup+s +ntiqu+d+s, mísc+r+s, óculos tin-
¸idos, reló¸io de bolso, ben¸+l+ com esp+d+ embutid+.
jremere
Os Tremere s1o estudiosos do conhecimento mí¸ico e
dos ritu+is, sendo eficientes n+s Disciplin+s v+mpíric+s Aus-
pícios, que lhes permite ver +p+riçöes. Lles est1o cientes d+
existênci+ d+s Ap+riçöes e tom+r1o +s medid+s necessíri+s
p+r+ prote¸er seus l+res del+s. N+ verd+de, os Tremere m+is
poderosos conhecem um ritu+l ch+m+do lroteç1o Contr+
Lspíritos, que os prote¸e contr+ +p+riçöes.
HabiIidades Sugeridas: Os Tremere r+r+mente possuem
níveis em Ocultismo menores que 3, e muitos possuem Conhe-
cimentos especi+li:+dos, como Cultur+ Lspiritu+l. Além disso,
você pode us+r +s list+¸ens +nteriores p+r+ representí-los.
Glovunnl
O Oiov+nni é um cl1 de v+mpiros incrivelmente ricos,
cujo interesse bísico consiste de ne¸ócios e necrom+nci+.
Lles cri+m v+mpiros +pen+s + p+rtir de su+ própri+ din+sti+
mort+l - existem Oiov+nni que n1o s1o v+mpiros, m+s eles
s1o prote¸idos por su+ f+míli+ v+mpíric+. Os Oiov+nni p+s-
s+r+m conhecimento v+mpírico +tr+vés d+s er+s, devendo
ser consider+dos, entre os v+mpiros, + m+ior +me+ç+ + exis-
tênci+ de um+ +p+riç1o. Obvi+mente, eles t+mbém podem
ser ¸r+ndes +li+dos...
Criação de Personagem: Atributos 10/5/3, H+bilid+-
des 21/9/5, Antecedentes ¯, lorç+ de Vont+de ¯, Mistérios
+, l+r+d+ de S+n¸ue 10
Atributos Sugeridos: lresum+ níveis de pelo menos +
em todos os Atributos Ment+is e 2 em todos os Atributos
soci+is e físicos.
H+bilid+des Su¸erid+s: lrontid1o 3, Lsportes 1, Bri¸+ 2,
Lsquiv+ 1, Ltiquet+ 3, Lxpress1o 1, lntimid+ç1o 3, Arm+s
Br+nc+s 1, Ocultismo +, lurtivid+de +, M+nh+ 2, líbi+ 3.
Misterios Sugeridos: Titerismo 3, l+múri+ 2, Ar¸os 1,
Tei+ d+ Vid+ 1
Equipamento: Terno it+li+no im+cul+do, +d+¸+ +nti¸+,
reló¸io Rolex
Poder EspeciaI: Necrom+nci+. A Necrom+nci+ é o po-
der que permite + um Oiov+nni m+nipul+r +p+riçöes. Lm
¸er+l, um Oiov+nni precis+ domin+r um dos Orilhöes d+ +p+-
241
riç1o +ntes de +fetí-l+. Ll+ é cl+ssific+d+ em níveis, ex+t+-
mente como um Mistério.
O primeiro nível de Necrom+nci+ permite + um Oiov+nni
ver o que um mort+l recém-f+lecido viu por último. O Nível
Dois concede +o Oiov+nni o poder de invoc+r f+nt+sm+s, m+s
este poder pode ser resistido com lorç+ de Vont+de. O Nível
Três concede o poder de com+nd+r +p+riçöes (isto t+mbém é
resistível com lorç+ de Vont+de). O Nível Qu+tro concede o
poder de forç+r um f+nt+sm+ s perm+necer num+ íre+ especí-
fic+ n+s Re¸iöes Sombri+s e n1o entr+r n+ Tempest+de; isto
pode ser resistido com o Mistério Ar¸os. lin+lmente, o Nível
Cinco permite +o Oiov+nni extr+ir o espírito de um+ pesso+
viv+ de seu corpo; isto efetiv+mente tr+nsform+ + pesso+ num+
+p+riç1o temporíri+ (n1o sendo detentor+ de nenhum Misté-
rio) com seu corpo como Orilh1o. Todos os Oiov+nni conhe-
cem pelo menos um nível de Necrom+nci+. l+r+ m+iores in-
form+çöes sobre os poderes especi+is dos Oiov+nni, consulte
Vampiro: Cuia para os ]ogadores.
Curnlçuls
Muitos v+mpiros cri+m c+rniç+is. Lle f+:em isso d+n-
do + um mort+l ou v+mpiro +l¸um s+n¸ue v+mpírico sem
primeiro su¸+r + forç+ vit+l d+ cri+tur+. Como os c+rni-
ç+is s1o essenci+lmente mort+is, +qui n1o lhes concede-
remos est+tístic+s; use +s c+r+cterístic+s hum+n+s ou
+nim+is com leves +umentos em Atributos lísicos (p+r-
ticul+rmente lorç+).
Regras Especiais: Lnqu+nto beberem re¸ul+rmente s+n-
¸ue v+mpírico, os C+rniç+is podem viver p+r+ sempre. Con-
tudo, depois que tiverem ultr+p+ss+do seu período de vid+
n+tur+l, os c+rniç+is precis+m sempre ter s+n¸ue v+mpírico
em seus sistem+s. Do contrírio, eles envelhecer1o e morre-
r1o r+pid+mente - dentro de +l¸uns di+s ou t+lve: mesmo
dentro de +l¸um+s hor+s. Os C+rniç+is podem us+r o s+n-
¸ue dentro deles precis+mente d+ mesm+ form+ que os v+m-
piros (i.e., p+r+ +ument+r +s C+r+cterístic+s e cur+r). lre-
sum+ que os c+rniç+is possuem de um + 10 lontos de S+n-
¸ue, dependendo d+ ¸enerosid+de de seu mestre.
Lohlsomens
As florest+s do Mundo d+s Trev+s n1o s1o lu¸+res se¸u-
ros. Assim como os pred+dores ¸u+rd+m +s fronteir+s de seus
territórios contr+ competidores. os O+rou ¸u+rd+m +s flores-
t+s e ch+rnec+s contr+ + hum+nid+de. L como é violent+
ess+ defes+'
Os O+rou s1o um+ r+ç+ de met+morfos lupinos que +fir-
m+m possuir um+ her+nç+ cultur+l que remont+ +s névo+s
d+ pré-históri+. Lles vêem + si mesmos como os defensores
de O+i+, + M1e Terr+, e neste p+pel eles impöem um+ justi-
ç+ violent+ contr+ todos os tr+ns¸ressores de su+ lit+ni+.
Su+s lend+s f+l+m de um ser monstruoso e met+físico ch+-
m+d+ + Wyrm. Se¸undo os O+rou, + Wyrm é + fonte de todo
o M+l. Lles podem f+rej+r + mícul+ dess+ best+ em seus ini-
242
A
purlçño.
O

L
lmho
mi¸os, e us+r esse "fedor" como justific+tiv+ p+r+ destruir
qu+lquer um que se oponh+ + eles.
Cultur+lmente, os O+rou s1o divididos em tribos dife-
rentes. S1o tre:e tribos, embor+ exist+ um+ décim+ qu+rt+
tribo "perdid+", os Ador+dores d+ Lspir+l Ne¸r+, que se jun-
t+r+m + Wyrm hí muito tempo. C+d+ tribo possui su+ pró-
pri+ identid+de, c+us+s e objetivos. lor exemplo, +s lúri+s
Ne¸r+s s1o um+ tribo compost+ exclusiv+mente por mulhe-
res, enqu+nto os li+nn+ s1o todos descendentes de Celt+s e
celebr+m su+ cultur+ b+se+d+ n+ cultur+ Celt+. T+mbém hí
du+s tribos n+tiv+s +meric+n+s, +m+r¸ur+d+s com + perd+ de
su+s terr+s p+r+ os europeus; e um+ tribo de fetichist+s tec-
noló¸icos conhecid+ como os And+rilhos do Asf+lto.
Poderes: Todos os O+rou s1o c+p+:es de +ssumir um+
v+ried+de de form+s: hum+n+; lupin+; e víri+s form+s inter-
mediíri+s, sendo + m+is temid+ de tod+s + Crinos, + lendíri+
form+ meio-homem, meio-lobo. Lm tod+s +s form+s, m+s es-
peci+lmente n+ Crinos, os O+rou s1o ¸r+ndes ¸uerreiros e
x+m1s. S1o incrivelmente resistentes + d+nos, podendo cu-
r+r inst+nt+ne+mente todos os ferimentos que recebem -
exceto qu+ndo c+us+dos por um+ +rm+ de pr+t+, contr+ o
que eles n1o têm defes+. (Os lobisomens podem +bsorver
d+nos +¸r+v+dos - exceto pr+t+ - m+s n1o podem re¸ene-
rí-los r+pid+mente).
As h+bilid+des mí¸ic+s dos O+rou lhes s1o concedid+s
pelos espíritos d+ n+ture:+. Lss+s h+bilid+des v+ri+m desde
controle sobre os elementos +té ¸r+nde forç+ e extr+ordiní-
ri+s h+bilid+des ¸uerreir+s.
Os O+rou m+ntêm um+ li¸+ç1o com o mundo espiritu+l
- + Lmbr+ -, podendo f+cilmente entr+r neste mundo +tr+-
vés de um processo que ch+m+m de "percorrer +t+lhos". Lles
possuem um+ li¸+ç1o t1o profund+ com os espíritos d+ n+tu-
re:+ que oc+sion+lmente os prendem em objetos, cri+ndo
+rtef+tos mí¸icos. lorém, poucos O+rou ne¸oci+m com os
espíritos dos mortos. As exceçöes + est+ re¸r+ s1o os lere¸ri-
nos Silenciosos, um+ tribo de err+ntes cuj+ cultur+ d+ morte
remont+ +té su+s ori¸ens no +nti¸o L¸ito. Os Silenciosos
conhecem muitos métodos diferentes de entr+r no Mundo
lnferior e obter inform+çöes profétic+s dos mortos. Além dis-
so, os x+m1s O+rou experientes possuem determin+dos po-
deres que +fet+m +s +p+riçöes como + h+bilid+de de exorci-
:+r +p+riçöes + p+rtir de seus Orilhöes.
Criação de Personagens: Atributos ¯/5/3, H+bilid+des
15/9/3. Antecedentes 5, lorç+ de Vont+de o
Atributos Sugeridos: lresum+ níveis de 2, exceto nos
Atributos lísicos, onde você pode +ssumir níveis de 3.
HabiIidades Sugeridas: lrontid1o +, Lmp+ti+ com Ani-
m+is 3, Atletismo 2, Bri¸+ 3, Lsquiv+ 2, Lni¸m+s 1, lntimi-
d+ç1o 2, Medicin+ 1, Ocultismo 1, lurtivid+de 3
Regras Especiais: Os lobisomens possuem três form+s
princip+is - homem, lobo e homem-lobo (Crinos). As du+s
primeir+s form+s s1o b+st+nte comuns. Contudo, qu+ndo n+
form+ homem-lobo, um lobisomem pode som+r três pontos
em todos os Atributos lísicos, pode re¸ener+r um Nível de
Vit+lid+de por turno (exceto p+r+ d+nos c+us+dos por pr+t+,
fo¸o, mí¸ic+ ou +s pres+s e ¸+rr+s de um+ entid+de sobren+-
tur+l), e é imune +s pen+lid+des nos d+dos por serem feridos.
Além disso, os lobisomens provoc+m re+çöes de medo
incontrolível em hum+nos mund+nos que os observ+m n+
form+ homem-lobo.
Mugos
naram.n:. a ma¸|a . .sj.:a.u|ar - raram.n:. .|a jr..|sa s.r.
- Don+ld Tyson, n|:ua| Ma¸|.
Os M+¸os s1o hum+nos ilumin+dos que podem submeter
+ re+lid+de + su+ vont+de. Lmbor+ muitos sej+m limit+dos em
poder, +l¸uns +tin¸em níveis de poder qu+se divinos. Se esses
oper+dores d+ mí¸ic+ s1o +mi¸os ou inimi¸os d+s Alm+s ln-
quiet+s, isso depende l+r¸+mente de c+d+ m+¸o individu+l.
Lxiste um+ v+ried+de de f+cçöes de m+¸os, e eles tr+v+m
um+ ¸uerr+ com + própri+ re+lid+de, lut+ndo por +l¸o que
ch+m+m "Ascenç1o". Al¸uns m+¸os, ch+m+dos Or+dores do
Sonho, respeit+m o mundo espiritu+l e norm+lmente dese-
j+m comun¸+r com +s Alm+s lnquiet+s e em se¸uid+ p+rtir.
Outros, como os Ln¸enheiros Tecnocr+t+s do Vórtice, pro-
cur+m elimin+r tudo que n1o se enqu+dr+ em su+ vis1o de
um+ re+lid+de ide+l. Os misteriosos Luth+n+tos s1o os que
m+ntêm um rel+cion+mento m+is próximo com os mortos;
eles mesmos podem p+ss+r p+r+ +s Re¸iöes Sombri+s dur+nte
curtos períodos de tempo e re+li:+r mí¸ic+s potentes. Os
corruptos Neph+ndi t+mbém tent+m min+r +s ener¸i+s do
Mundo lnferior, m+s seus propósitos perturb+m +té mesmo
+s +p+riç1o m+is selv+¸ens.
Os m+¸os ¸er+lmente preferem execut+r su+ +rte com o
mínimo de f+nf+rr+ possível. Al¸uns lnquietos místicos +fir-
m+m que os m+¸os temem um+ forç+ ch+m+d+ "l+r+doxo",
que c+ncel+ su+ m+¸i+ e destrói complet+mente os m+¸os.
Lmbor+ +l¸uns m+¸os n1o p+reç+m preocup+r-se com o "l+-
r+doxo", + m+iori+ empre¸+ tític+s sutis e mí¸ic+s silencios+s.
Poderes: Os m+¸os possuem um ¸r+nde v+ried+de de
poderes +os qu+is podem recorrer; us+r Mistérios p+r+ repre-
sent+r + mí¸ic+ dos m+¸os é, n+ melhor d+s hipóteses, pro-
blemítico. O N+rr+dor poderi+ simplesmente permitir que
um person+¸em n1o-jo¸+dor pudesse exercer um+ v+ried+de
de efeitos dentro de um+ ou du+s íre+s de especi+lid+de.
Lsses efeitos teri+m dificuld+des de 5 + o; + eficíci+ d+ mí¸i-
c+ dependeri+ de qu+ntos sucessos fossem obtidos pelo m+¸o
- muito pouco com um, efeitos consideríveis com dois,
um+ bo+ qu+ntid+de com três, muito sucesso com qu+tro e
um sucesso extr+ordinírio com cinco ou m+is.
A m+iori+ d+s mí¸ic+s n1o infli¸em d+nos +¸r+v+dos, m+s
fo¸o, eletricid+de ou um +t+que poderoso de mí¸ic+ pur+
infli¸e d+nos +¸r+v+dos se obtiver três ou m+is de três suces-
sos (dois níveis por sucesso depois do se¸undo). Dê +o m+¸o
de dois + seis d+dos p+r+ f+:er isto, dependendo do poder do
m+¸o. Se você tem Mago: A Ascenção, use +s Lsfer+s e
Re¸r+s do livro.
Os dois m+¸os de nível médio descritos +b+ixo represen-
t+m um +depto d+ Tr+diç1o do Luth+n+tos e um c+ç+dor de
243
f+nt+sm+s Ln¸enheiro do Vórtice. Ambos possuem certo ¸r+u
de h+bilid+de mort+l e mí¸ic+, podendo ter +li+dos h+bilit+-
dos ou +l¸um tipo de l+c+ios.
Criação de Personagem: Atributos +/6/9, H+bilid+des
20/o/3. Antecedentes 10, lorç+ de Vont+de o, l+r+d+ de
D+dos de Mí¸ic+ 12/5
Atributos Sugeridos: lresum+ níveis de 2 em Atributos lí-
sicos, e em Soci+is e + em Ment+is.
Mugo Eutlunutos
HabiIidades Sugeridas: lresum+ níveis de 2 em Atribu-
tos lísicos, 3 em Soci+is e + em Ment+is.
Mago Euthanatos
HabiIidades Sugeridas: lrontid1o 2, Lsquiv+ 2, Lmp+-
ti+ 2, Ltiquet+ 3, Lxpress1o 1, Arm+s de lo¸o 2, lin¸uístic+
2, Arm+s Br+nc+s +, Ocultismo +, líbi+ 3, lurtivid+de 2
Areas Sugeridas de EspeciaIidade: Lntropi+ (mí¸ic+s p+r+
+b+l+r + estrutur+ d+ m+téri+), vid+ ( mí¸ic+ d+s forç+s d+
vid+), Lspírito (p+r+ ver ou +tin¸ir com +s +lm+s inquiet+s).
Equipamento: Roupo+s pret+s, prític+s e com muitos
bolsos, +cessórios p+r+ ritu+is, +d+¸+s, venenos.
Equipamento: C+nh1o Desinte¸r+dor (Dispositivo de
nível +): r+j+d+s de ener¸i+ lrimordi+l, li¸+d+ + mí¸ic+s es-
piritu+is, c+p+:es de desinte¸r+r +s +p+riçöes. O c+nh1o in-
fli¸e um Nível de Corpus de d+nos +¸r+v+dos por sucesso
que o m+¸o obtém num teste de Destre:+ ÷ Arm+s de lo¸o.
Bom p+r+ 10 tiros.
Visor EspirituaI(Dispositivo de Nível 1): lermite +o c+-
ç+dor ver dentro d+s Re¸iöes Sombri+s medi+nte sucesso num
teste de R+ciocínio ÷ lrontid1o (dificuld+de +),
Roup+s fol¸+d+s, j+leco, p+r+ferníli+ científic+
Engenlelro do Vórtlce
HabiIidades sugeridas: lrontid1o 3, Lsportes 2, Com-
put+dor +, Lsquiv+ 3, Conduç1o 3, Lni¸m+s 3, Arm+s de
fo¸o 3, lnvesti¸+ç1o 3, Rep+ros +, Ciênci+ +.
Areas sugeridas de EspeciaIidade: lorç+ (Llementos),
Lspírito, lrimórdios (+ ener¸i+ fund+ment+l d+ cri+ç1o).
]udus
N· J|a J·s m·r:·s, ¡uanJ· :am|.m · an· m·rr.,
Òs ma|s ¡·t.ns s·|.m as t.||as .·||nas.
- Sus+n Cooper, "Silver on the Tree"
As l+d+s s1o seres compostos de m+¸i+ e espírito. Lmbor+
+s +p+riçöes n1o costumem se intrometer nos pl+nos d+s f+-
d+s, muit+s f+d+s se¸uem +nti¸os p+ctos e +cordos com +s +p+-
riçöes. Como os Reinos do Sonho f+:em fronteir+ com Arcí-
di+ (o l+r d+s f+d+s), +ssim como com o Mundo lnferior, exis-
tem víri+s f+d+s ne¸r+s (p+rticul+rmente um ¸rupo conheci-
do como os C+v+leiros d+ Ros+ Lnvenen+d+) que vi+j+m en-
tre +s Terr+s sem Sol e +s Terr+s do Ver1o. Além disso, diver-
s+s +p+riçöes (b+sic+mente +quel+s de her+nç+ celt+) p+re-
cem poder +tr+vess+r os Reinos do Sonho e che¸+r + Arcídi+.
lí eles servem +l¸um+s f+d+s nobres como B+nshees, empre-
244
A
purlçño.
O

L
lmho
¸+ndo l+múri+ e us+ndo l+nt+sm+ p+r+ seu pr+:er.
Dur+nte + lnquisiç1o + m+iori+ d+s f+d+s fu¸iu d+ Terr+
p+r+ Arcídi+. Muit+s f+d+s, porém, fic+r+m p+r+ trís por movi-
vos próprios, refu¸i+ndo-se em +nti¸+s fort+le:+s e ¸+leri+s sob
colin+s nos oce+nos m+is profundos. Qu+ndo + Mort+lh+ co-
briu o mundo com seu poder sufoc+nte, +s f+d+s sobreviventes
fic+r+m ilh+d+s, torn+ndo-se estític+s e conserv+dor+s.
Os f+nt+sm+s e +s f+d+s comp+rtilh+m muit+s c+r+cterís-
tic+s: +mbos s1o cri+tur+s n+scid+s de espírito e compost+s
de m+¸i+. Ambos sentem + re+lid+de corroer su+ existênci+.
Ambos precis+m con¸re¸+r-se em lu¸+res esquecidos. Am-
bos s1o +fet+dos de divers+s form+s pelo mundo mort+l.
Costum+-se di:er que +l¸um+s f+d+s torn+r+m-se t1o
m+cul+d+s com s+n¸ue hum+no que esquecer+m su+ her+n-
ç+ - ess+s f+d+s s1o ch+m+d+s de Ch+n¸elin¸s pel+s verd+-
deir+s, devido +o híbito +ncestr+l de se troc+r bebês hum+-
nos por f+d+s. Os Ch+n¸elin¸s podem morrer, e, se de +l¸u-
m+ form+ forem priv+dos do poder fund+ment+l d+s f+d+s,
t+mbém podem se torn+r +p+riçöes.
As f+d+s ¸er+lmente s1o temid+s: como s1o cri+tur+s de
espírito, podem re+li:+r f+cilmente +t+ques +tr+vés d+ Mor-
t+lh+.
Atributos: ¯/5/3, H+bilid+des: 13/9/5, l+thos o, lorç+ de
Vont+de ¯, Corpus ¯, An¸st 6/6
Poderes: l+r+ tr+du:ir +s h+bilid+des d+s f+d+s em Mis-
térios, presum+ que +s f+d+s nobres (n1o ch+n¸elin¸s) ¸er+l-
mente possuem Ar¸os +, l+múri+ 5, Tei+ d+ Vid+ 3, Mode-
l+r + e l+nt+sm+ 5. Obvi+mente, todos os poderes d+s f+d+s
precis+m ser unidos sob um+ +fili+ç1o específic+ ou potenci-
+l. lor exemplo, um+ f+d+ +li+d+ com lnverno teri+ poderes
de frio, neve e ¸elo. Os Ch+n¸elin¸s ¸er+lmente especi+li:+m-
se em um+ íre+ (usu+lmente l+nt+sm+, l+ndemonio, l+-
múri+ ou Model+r) e em ¸er+l n1o s1o t1o poderos+s qu+nto
+s verd+deir+s f+d+s.
Os Ch+n¸elin¸s norm+lmente +p+recem como hum+nos
+dolescentes, jovens ou idosos. Lles s1o nobres, poderosos e
f+nt+sm+¸óricos. As l+d+s verd+deir+s +p+recem em milh+-
res de form+s, cores e textur+s.
Outros
Lxistem muitos outros +nt+¸onist+s e +li+dos possíveis p+r+
+s +p+riçöes: os Ador+dores d+ Lspir+l Ne¸r+, certos lere¸i-
nos Silenciosos e outros lobisomens. Os +¸entes d+ lentex
us+ndo +p+riçöes p+r+ ¸u+rd+r +l¸um+s de su+s fíbric+s, p+r+-
norm+is, médiuns m+nipul+dores, etc. l+r+ m+iores inform+-
çöes sobre como inte¸r+r outros seres sobren+tur+is em su+
c+mp+nh+ de Aparição, vej+ Aparição, TeIa do Narrador.
24¨
Artelutos
Òs |r|n¡u.J·s n· s´:a· sa.m jara |r|n.ar,
L|.s ·J.|am ¡uanJ· t·.. ·s :ran.a...
- M+rionettes, "Ave Dementi+"
Dentro d+s Re¸iöes Sombri+s hí poderosos +p+relhos "mí-
¸icos", m+is conhecidos como +rtef+tos. Os +rtef+tos s1o obje-
tos únicos, c+d+ um possuindo seus próprios poderes e limit+-
çöes. Todos os +rtef+tos s1o +b+stecidos com ener¸i+s d+ +lm+.
Os Artef+tos s1o objetos r+ros e +nti¸os. Apes+r de ser
possível f+bric+r +rtef+tos, os +rtífices h+bilit+dos s1o r+ros, e o
processo nunc+ é fícil. De f+to, possuir um +rtef+to si¸nific+
possuir um ped+ço d+ mitolo¸i+ do Mundo lnferior. Lm for-
m+, os +rtef+tos v+ri+m muito. Lm+ esp+d+ mí¸ic+ que +m+l-
diço+ oponentes; um m+ch+do de chefe índio que sempre mir+
+ c+beç+; um+ poç1o de +mor c+p+: de f+:er qu+lquer +p+ri-
ç1o ser tom+d+ por emoçöes; +s+s de cer+ e pen+s que permi-
tem um+ +p+riç1o vo+r - +s possibilid+des s1o infinit+s.
Se¸undo + crenç+ popul+r, os Artífices mestres investem
p+rte de su+ essênci+ em +rtef+tos cri+dos no Mundo lnferi-
or. Mísc+r+s de ofici+is, +rm+s potentes e ferr+ment+s espe-
ci+is s1o construíd+s sob encomend+ e vendid+s por preços
muito +ltos. l+r+ receber um objeto como esse, um+ +p+ri-
ç1o deve execut+r +l¸um+ miss1o import+nte ou derrot+r
+l¸um f+nt+sm+ poderoso. T+is +rtef+tos n1o s1o comuns nem
fíceis de serem escondidos; muitos podem ser descobertos
pel+ essênci+ que contêm.
Muntendo Artelutos
C+d+ uso do poder de um +rtef+to requer o dispêndio de
um ponto do l+thos no interior do item. A +p+riç1o pode
us+r um ponto de seu próprio l+thos no lu¸+r d+quele do
+rtef+to. Qu+ndo todo o l+thos dentro do +rtef+to for ex+u-
rido, + +p+riç1o n1o poderí m+is us+r seus poderes. Contu-
do, o +rtef+to +ind+ pode ser consider+do "enc+nt+do", po-
dendo ser rec+rre¸+do medi+nte + c+n+li:+ç1o de m+is l+-
thos p+r+ o objeto. Os +rtef+tos podem conter +pen+s um+
cert+ qu+ntid+de de l+thos. Lss+ qu+ntid+de é determin+d+
dur+nte su+ cri+ç1o.
Tr+nsferir l+thos p+r+ um +rtef+to é simplesmente um+
quest1o de tr+nsferir l+thos do próprio Corpus d+ +p+riç1o
p+r+ o +rtef+to. l+:er isso requer +pen+s +l¸uns se¸undos e
concentr+ç1o.
Comuns
Slnete de Cldudunlu ¦Nlvel 1)
Nos +nti¸os di+s do lmpério Lstí¸io, os cid+d1os recebi-
+m estes sinetes como símbolos de su+ cid+d+ni+. Lles er+m
us+dos p+r+ +ssin+r documentos, +prov+r +cordos, +brir fe-
ch+dur+s especi+is e como prov+s de identid+de e posiç1o
n+ Hier+rqui+.
lorém, com o tempo + +n+rqui+ crescente n+s Re¸iöes
Sombri+s levou esse sistem+ de identific+ç1o por sinetes +
ser +b+ndon+do. A¸or+, +pen+s os An+creontes possuem es-
ses sinetes de Lsti¸i+, m+s muit+s Ap+riçöes livres começ+-
r+m + us+r sinetes desc+rt+dos e roub+dos como meios de
m+rc+r o que é seu.
Oc+sion+lmente, um +p+riç1o pode us+r um sinete p+r+
"prov+r" que pertence + Hier+rqui+.
]rusco de Ódlo Llquldo ¦Nlvel 1)
As emoçöes, +propri+d+mente destil+d+s, podem tom+r
form+ t+n¸ível. Di:em que hí muito tempo +trís, Rene¸+-
dos que pesquis+v+m form+s esquecid+s de m+¸i+ encontr+-
r+m um+ m+neir+ de remover o ódio que nutri+m e destilí-
lo em form+ potível. N1o se s+be se eles +ind+ s1o c+p+:es
disso, m+s fr+scos cheios de Ódio líquido +ind+ s1o compr+-
dos e vendidos secret+mente em b+:+res d+ Hier+rqui+.
Lm fr+sco de Ódio líquido norm+lmente contem de um
+ três pontos de l+thos de Ódio. lorém, +pós um +p+riç1o
ter consumido este ódio, el+ o s+n¸r+rí lent+mente em c+d+
+ç1o e ¸esto. Qu+ndo o l+thos for ¸+sto p+r+ c+rre¸+r um
Mistério, ess+ +ç1o t+mbém est+rí infest+d+ com ódio.
Lm fr+sco pode ser rec+rre¸+do se for enterr+do sob o
solo de um+ íre+ cont+mi+d+ por b+st+nte intolerìnci+, tr+i-
ç1o, opress1o ou sofrimento. O tipo de ódio que reencher o
fr+sco irí ser semelh+nte +o +rm+:en+do em t+l lu¸+r.
Cluve de Esqueleto ¦Nlvel 2)
Lst+ ch+ve n1o é us+d+ p+r+ +brir port+s. Ll+ permite +o
seu usuírio viol+r + tumb+ de um inimi¸o. lnserindo-+ no
solo sobre um corpo enterr+do, el+ +brirí + terr+ e revel+rí o
corpo do inimi¸o. Se este for outr+ +p+riç1o, el+ sentirí dor
breve m+s excruci+nte +o ter seu Orilh1o viol+do. Aos olhos
d+ Hier+rqui+, + posse de um+ Ch+ve de Lsqueleto é consi-
der+do crime ¸r+ve.
Velu de Cuhecelru ¦Nlvel 2)
Muit+s ve:es, +s jorn+d+s pelo Mundo lnferior podem
termin+r com um Círculo de +p+riçöes perdendo-se comple-
t+mente. A Vel+ de C+beceir+ é um+ soluç1o possível p+r+
isso. Após ser "c+rre¸+d+" por um di+ - isto é, deixí-l+ su-
¸+r + l+ix1o resson+nte +rm+:en+d+ num lu¸+r Assombr+-
do - el+ pode ser us+d+ p+r+ ¸ui+r um Círculo de +p+riçöes
de volt+ +o seu loc+l. A vel+, qu+ndo +ces+, queim+rí por
um di+. A fum+ç+ d+ ch+m+ tom+rí + direç1o do lu¸+r As-
sombr+do. Rec+rre¸+r + vel+ no loc+l irí rest+urí-l+.
Llvro de Mentlrus ¦Nlvel 2)
Ao tr+ir os Rene¸+dos ou + Hier+rqui+, um+ +p+riç1o
des+fi+d+ étic+mente pode precis+r de +l¸uns conselhos so-
bre o que f+:er. Lm+ +p+riç1o que tenh+ se oferecido +os
Here¸es pode ser +¸r+ci+d+ com um livro de Mentir+s, se
for p+rticul+rmente promissor+.
A +p+riç1o pode +brir o livro + qu+lquer momento (de
24o
A
purlçño.
O

L
lmho
preferênci+ + sós) p+r+ receber um conselho sobre o que f+-
:er + se¸uir. O livro d+s Mentir+s err+dic+rí +l¸uns l+thos
do inici+do (dois pontos) em troc+ por um+ breve p+ss+¸em
que su¸ir+ um possível curso de +ç1o. No jo¸o, o person+-
¸em ¸+nh+ três d+dos extr+s num teste de líbi+. lor+ do
jo¸o, o N+rr+dor +conselh+ o jo¸+dor (de preferênci+ priv+-
d+mente) sobre um possível curso de +ç1o.
Cordu Bumhu Nletzscleunu ¦Nlvel 3)
Di:em que um suicid+ quis +prender + +rte de Ar¸os qu+se
imedi+t+mente +pós su+ morte. Lle ent1o tropeçou num ri-
tu+l exótico: pe¸+ndo + cord+ com + qu+l se enforc+r+ e
jo¸+ndo-+ + Tempest+de, ele pode +tr+vessí-l+ +té seu desti-
no. Muitos tent+r+m imit+r este ritu+l, m+s poucos for+m
bem-sucedidos. M+is t+rde, o suicid+ revelou que, so:inho
n+ Tempest+de, pode explor+r +s profunde:+s de su+ Som-
br+ e, confront+ndo-+, entendê-l+ melhor.
Lst+ vi+¸em filosófic+ tem sido estud+d+ em +l¸uns cul-
tos de Here¸es, e +l¸um+s d+s cord+s us+d+s pelos Mestres
de Ar¸os torn+r+m-se objetos s+¸r+dos. O usuírio de um+
Cord+ B+mb+ e Niet:sche+n+ deve cumprir um ritu+l, c+mi-
nh+r so:inho n+ Tempest+de e vencer su+ Sombr+. O jo¸+-
dor d+ Sombr+ irí det+lh+r tod+s +s dúvid+s, medos e fr+c+s-
sos recentes do +nd+rilho. A experiênci+ é simil+r + do les+-
delo, m+s os níveis de dificuld+de de todos os testes p+r+
vencer + Sombr+ s1o redu:idos em dois. Se o +nd+rilho ven-
cer, o ritu+l redu:irí + An¸st d+ Sombr+ em cinco e permiti-
rí +o +nd+rilho cru:+r + Tempest+de e +lc+nç+r seu destino.
]ogo d`Almu¦Nlvel. vurlável, ve|u uhulxo)
A Hier+rqui+ dren+ qu+ntid+des enormes de l+thos d+s
+lm+s que +prision+. Lsse volume de l+thos é c+n+li:+do
+tr+vés de estr+nh+s v+r+s de éb+no crist+lino e colet+do em
¸r+ndes prism+s ne¸ros. Qu+ndo os prism+s se enchem, co-
meç+m + brilh+r por dentro e projet+m sombr+s que p+re-
cem ch+m+s ne¸r+s: por c+us+ dess+ r+diìnci+, + Hier+rqui+
ch+m+ + ener¸i+ colet+d+ de "fo¸o d'+lm+". O fo¸o d'+lm+ é
um recurso d+ Hier+rqui+, que o us+ p+r+ rec+rre¸+r seus
Mistérios, +rm+s e m+quinírio.
O fo¸o d'+lm+ é dispens+do em crist+is esféricos ne¸ros
menores, que brilh+m qu+ndo cheios e ¸r+du+lmente fene-
cem +o perder poder. Lstes crist+is s1o reutili:íveis: muit+s
+p+riçöes podem pe¸+r emprest+do +l¸uns óbolos com + Hi-
er+rqui+ desde que entre¸uem crist+is de fo¸o d'+lm+, sem
explic+çöes. Hí um número limit+do deles: s1o extr+ídos
perto d+ Lsc+d+ Venos+, em Lstí¸i+.
Hí diversos t+m+nhos e form+tos de crist+is, c+d+ um
com um+ qu+ntid+de diferente de l+thos
T+m+nho e lorm+to l+thos Nível do Artef+to
C+co (de bolso) 10 1
lrism+ (portítil) 20 2
Cone (tr+nsportível) 30 3
Lsfer+ (mont+d+ em veículos) +0 +
Or+nde Lsfer+ (est+cioníri+) 50 5
Ahruço de Nludrl ¦Nlvel. vurlável, ve|u uhulxo)
Lss+s correntes, forj+d+s em met+l ne¸ro, s1o us+d+s p+r+
+corrent+r +p+riçöes. Ll+s resistem + d+nos de Mistérios e
inibem os poderes de um +p+riç1o. As fech+dur+s dest+s cor-
rentes dividem-se em mecìnic+s (c+so em que el+s podem
ser +rromb+d+s) e mí¸ic+s ( c+so em que é preciso s+ber +
senh+ ou pens+mento próprio p+r+ +bri-l+s).
Lm +p+riç1o pres+ com o Abr+ço de Nhudri que tente
us+r Mistérios deve sobrepuj+r + virtude de resistênci+ des-
s+s correntes:
Nível Resistênci+
1 3 d+dos
2 5 d+dos
3 ¯ d+dos
+ o d+dos
5 10 d+dos
O N+rr+dor test+ + resistênci+ d+s correntes como um
teste oposto contr+ os Mistérios do person+¸em qu+ndo ele
tent+ us+r um+ +rte. As correntes ¸+nh+r1o um bonus de
dois d+dos de resistênci+ se o Mistério for especific+mente
foc+li:+do nel+s.
Artelutos de Luxo
Máscuru de Nurclso ¦Nlvel 1)
Lste +rtef+to f+: seu usuírio +p+recer +bsolut+ e +tordo-
+ntemente belo: dur+nte o tempo em que ele + us+r, ¸+nh+-
rí nível de Ap+rênci+ efetiv+ de 5, ou 6 se el+ jí for 5. lo-
rém, com o p+ss+r do tempo, o uso d+ mísc+r+ torn+ o rosto
do +p+riç1o ¸r+du+lmente menos c+r+cterístico, +té que seus
olhos e boc+ sej+m +pen+s fend+s e su+ f+ce estej+ polid+
como um espelho.
Lm+ +p+riç1o pode us+r um+ Mísc+r+ de N+rciso du-
r+nte +té um di+ de c+d+ ve: sem efeitos col+ter+is. A p+rtir
d+í, ele começ+rí + perder pontos de Ap+rênci+ + r+:1o de
um + c+d+ qu+tro hor+s de uso d+ mísc+r+. Apen+s o uso
criterioso de Model+r pode consert+r o d+no c+us+do dess+
form+, e mesmo +ssim + +p+riç1o nunc+ terí su+ bele:+ +nte-
rior tot+lmente rest+ur+d+.
Centuvos du Sorte ¦Nlvel 1)
Todo di+ s1o perdidos diversos objetos pequenos. Muitos
mort+is +ch+m + idéi+ de encontr+r ou perder um cent+vo
ou dois um +contecimento insi¸nific+nte. Como result+do
disso, pouc+s +p+riçöes colecion+r+m "Cent+vos d+ Sorte".
Lm Cent+vo d+ Sorte é c+p+: de p+ss+r do Mundo lnfe-
rior p+r+ o Mundo d+ C+rne sem muit+ dificuld+de. Lm+
+p+riç1o pode jo¸+r um Cent+vo d+ sorte no mundo re+l,
onde ele c+irí com um pequeno "pin¸". Lm mort+l que p+s-
se por perto irí se distr+ir por um breve momento com o
som. O ¸r+u com o qu+l ele i¸nor+rí o som dependerí de um
teste de lnteli¸ênci+ (com qu+tro sucessos, o mort+l irí i¸-
nor+r complet+mente; no c+so de f+lh+ crític+ ele irí sentir
247
um breve tremor de medo e investi¸+rí).
Se +o c+ir o cent+vo der c+r+, ele irí des+p+recer p+r+ o
Mundo lnferior +pós um+ cen+, podendo ser recuper+do pel+
+p+riç1o. Se der coro+, des+p+recerí p+r+ m+is t+rde ser en-
contr+do por um mort+l. Apes+r disso, se m+is t+rde um mor-
t+l jo¸+r + moed+ e el+ der coro+, el+ descerí +o Mundo
lnferior nov+mente, onde poderí ser encontr+d+ por outr+
+p+riç1o.
Os Cent+vos d+ Sorte s1o b+st+nte r+ros, m+s podem ser
muito úteis qu+ndo us+dos por +p+riçöes en¸enhos+s.
Sedus Sensuuls ¦Nlvel 2)
As Sed+s s1o um+ merc+dori+ popul+r em merc+dos d+
Hier+rqui+, m+s +s ve:es um merc+dor pode encontr+r +l¸o
um pouco m+is precioso. A Sed+ sensu+l é um tecido f+bric+-
do com pl+sm+ de ori¸em desconhecid+. Lm+ +p+riç1o que
envolv+ seu Corpus com + s+d+ começ+ + +dquirir lent+mente
l+thos e An¸st. A evoc+ç1o do efeito lev+ ¸er+lmente um di+
inteiro, m+s +pós isso, + +p+riç1o ¸+nh+rí três pontos em +m-
b+s +s c+te¸ori+s. Al¸uns Rene¸+dos têm tecido roup+s intei-
r+s com + Sed+ Sensu+l. Lss+s pobres +lm+s deleit+m-se com
os efeitos contínuos dess+ substìnci+ ilícit+.
Espello de Lucreclu ¦Nlvel 3)
Di:-se que, +pós morrer, lucréci+ Bor¸i+, teve lon¸+s
convers+s com seu l+do ne¸ro. Su+ Sombr+ podi+ sussurr+r
cois+s p+r+ el+... e el+ podi+ responder. Ll+ er+ c+p+: de con-
fort+r e C+sti¸+r su+ Sombr+ invoc+ndo um ped+ço del+ em
um+ superfície refletor+. Correm bo+tos de que +rtífices He-
re¸es descobrir+m o se¸redo de produ:ir espelhos c+p+:es de
imit+r +s propried+des do espelho de lucréci+.
O+st+ndo um ponto de An¸st e três pontos de l+thos,
um+ +p+riç1o pode ener¸i:+r o dispositivo com um ped+ço
de su+ própri+ Sombr+. Ll+ pode ent1o di+lo¸+r com el+ e
+té mesmo b+r¸+nh+r.
Represent+-se isso no jo¸o deix+ndo o jo¸+dor confron-
t+r e discutir diret+mente com seu Oui+ d+ Sombr+ p+r+ f+-
:er b+r¸+nh+s com su+ Sombr+. Lst+, porém, n1o tem obri-
¸+ç1o nenhum+ de ouvir.
Máscuru du jrugedlu ¦Nlvel 3)
A Mísc+r+ d+ Tr+¸édi+ é um tipo de disf+rce us+do p+r+
esconder +s verd+deir+s emoçöes de um+ +p+riç1o. Bernh+rt,
o mestre do disf+rce emocion+l, é +pont+do como tendo sido
lev+do + loucur+ pelo uso de um+ dess+s mísc+r+s.
Lm+ +p+riç1o que use este dispositivo +p+rent+ ter um
l+thos de 10 e pode f+lsific+r seu verd+deiro propósito. Ou-
tr+s +p+riçöes ir1o +ssumir que seu usuírio estí sendo lev+-
do pelo des¸osto, dor ou necessid+de.
Munto du Nolte ¦Nlvel 3)
Lste m+nto ne¸ro é tecido com fio de Nulid+des. lode
248
A
purlçño.
O

L
lmho
ser us+do p+r+ esconder + m+ior p+rte do corpo de um+ +p+-
riç1o. O M+nto d+ Noite +dicion+ três d+dos + p+r+d+ de
d+dos de lurtivid+de e +¸e como dois níveis de +rm+dur+
(dois d+dos +dicion+dos p+r+ d+no) contr+ os efeitos d+no-
sos de Nulid+des e Turbilhöes.
Cusu de Bonecus de Borglu ¦Nlvel 4)
lucréci+ Bor¸i+ levou seu +mor pel+ intri¸+ p+r+ +lém do
túmulo. Ll+ enc+rre¸ou um desertor t+lentoso d+ Hier+r-
qui+ de construir um+ c+s+ de bonec+ feit+ d+ m+deir+ de
írvores espectr+is. Lm se¸uid+ lucréci+ ch+mou um +rtes1o
Here¸e p+r+ produ:ir um+ coleç1o de bonec+s vodu +nim+-
d+s. Apes+r d+ c+s+ de bonec+s p+rticul+r de lucréci+ ser
únic+, hí notíci+s de imit+çöes.
Depois que o ritu+l +propri+do tenh+ sido execut+do, +s
bonec+s +nd+r1o pelos corredores d+ c+sinh+ imit+ndo +s
+tivid+des d+s +p+riçöes com quem est1o sintoni:+d+s. Lm+
cerimoni+ Here¸e é us+d+ p+r+ ener¸i:+r +s bonec+s. Obser-
v+ndo + f+rs+ desempenh+d+ n+ c+sinh+, pode-se obter pis-
t+s sobre +s +tivid+des de seu inimi¸o.
Asus do Êxtuse ¦Nlvel 4)
l+r+ construir +s As+s do Lxt+se, pen+s de píss+ros mor-
tos s1o fix+d+s num+ estrutur+ de met+l Lstí¸io mold+d+ como
o esqueleto d+ +s+ de um píss+ro. O cri+dor dest+ relíqui+
deve mold+r seu próprio pl+sm+ (ou o de outr+ +p+riç1o) p+r+
form+r + muscul+tur+. O único elemento que f+lt+ é + l+ix1o
que + +liment+. Aument+ndo seu l+thos +cim+ de o, + +p+ri-
ç1o que us+ +s As+s do Lxt+se ¸+nh+ o poder de vo+r. M+s el+
deve ser cuid+dos+; se seu l+thos c+ir +b+ixo de o enqu+nto
estiver no +r, ele despenc+rí +o ch1o, perdendo um Nível de
Corpus. A n1o ser que m+rque +o menos três sucessos num
teste de Destre:+ ÷ Lsportes, el+ t+mbém irí quebr+r su+s
pern+s, sendo inc+p+: de +nd+r por um di+ inteiro.
Armus
Relóglo Eterno ¦Nlvel 3)
Lste +p+relho se p+rece com um reló¸io sem ponteiros.
Lm+ +p+riç1o que o use nunc+ perde o ritmo d+ p+ss+¸em
do tempo no mundo mort+l, dispöe de três d+dos de contr+-
mí¸ic+ contr+ qu+lquer uso de um+ Lsfer+ de Tempo de
m+¸os, pode +nul+r + R+pide: de um V+mpiro (três d+dos,
dificuld+de ¯; c+d+ sucessos remove um nível d+ R+pide:
v+mpíric+), e n1o pode ser +t+c+do m+is de um+ ve: por
turno por um lobisomem que estej+ tom+do pel+ lúri+.
Luvu de Veludo ¦Nlvel 4)
A +p+rênci+ dest+ relíqui+ é um t+nto ilusóri+. Apes+r
de frí¸il e embele:+d+ com l+ços, o toque de um+ delic+d+
luv+ de Veludo tr+: +n¸ústi+ impensível. Lm+ +p+riç1o que
+t+que com + luv+ (um+ mer+ bofet+d+ funcion+) ¸+nh+
qu+tro d+dos extr+s de d+no em comb+te.
249
Espudu de Dûmocles ¦Nlvel 4)
Muit+s ve:es o An¸st de um+ +p+riç1o pode ser consu-
mido pel+ necessid+de de se vin¸+r de seus inimi¸os. Al¸u-
m+s +rm+s c+n+li:+m ener¸i+s ne¸r+s p+r+ proe:+s em com-
b+te. lorém, se est+s ener¸i+s n1o forem domin+d+s, el+s
podem lev+r um+ +p+riç1o + perdiç1o. A Lsp+d+ de Dìmo-
cles é um exemplo deste princípio.
Qu+ndo + esp+d+ é desemb+inh+d+, + Sombr+ do empu-
nh+dor oferecerí +jud+ em comb+te (d+ndo +o seu usuírio
cinco d+dos extr+s em Comb+te com Arm+s Br+nc+s). A
+rm+ infli¸e lorç+ ÷ 5 de d+no e, se seu dono desej+r, +dici-
on+ um ponto de d+no + c+d+ lonto de l+thos ¸+sto. lo-
rém, se su+ sombr+ se torn+r domin+nte, ele irí +ssumir +
b+t+lh+. O usuírio irí ent1o sofrer um ponto de Corpus p+r+
c+d+ dois pontos que ele infli¸ir. A lsique pode +ind+ esco-
lher o uso de l+thos p+r+ se re¸ener+r.
Armus com Almu ¦Nlvel. vurlável)
A Hier+rqui+ desenvolveu um+ técnic+ de fix+r crist+is
de lo¸o de Alm+s em +rm+s p+r+ que n1o precisem de l+-
thos d+queles que + empunh+m. T+l tipo de +rm+ é ch+m+-
d+ de +rm+ "com +lm+". Lm+ +rm+ com +lm+ é consider+d+
perm+nentemente c+rre¸+d+ com l+thos +té ser us+d+, qu+n-
do ent1o o l+thos é dren+do do crist+l de +lm+s p+r+ dentro
d+ +rm+.
Os explosivos t+mbém podem receber "+lm+s" p+r+ pro-
ver + ener¸i+ d+ deton+ç1o.
A posse de +rm+s com +lm+ é proibid+ + todos, exceto
sold+dos d+ Hier+rqui+ e outros ofici+is especi+is.
listol+ Nível 1
Rifle Nível 2
Metr+lh+dor+ Nível 3
Or+n+d+ Nível +
Culendárlo
|ranJ·, ¸|ranJ·, ¸|ranJ· a:rat.s J·s an·s,
M|nu:·s .m |·ras . |·ras .m an·s
NaJa muJa, naJa j·J.r|a muJar
C|ranJ· . ¸|ranJ· . J. t·|:a ·nJ. t·..
.·m.¸·u...
- Victor Hu¸o, L.s M|s.ra||.s
D+ mesm+ form+ que os povos viven-
tes de tod+s +s er+s têm m+ntido c+lendírios que m+rc+m os
solstícios, equinócios e outros di+s especi+is, +ssim t+mbém
o f+:em os mortos. O c+lendírio dos mortos v+ri+ um pouco
de ¸rupo p+r+ ¸rupo. Certos di+s s1o not+dos +pen+s pelos
se¸uidores d+ Hier+rqui+, enqu+nto Rene¸+dos e Here¸es
têm celebr+çöes e vi¸íli+s própri+s em outros momentos. Hí,
porém, certos di+s que s1o respeit+dos por tod+s +s +p+ri-
çöes. Al¸uns desses di+s m+is import+ntes s1o det+lh+dos +
se¸uir.
Muitos dos feri+dos celebr+m d+t+s n+s qu+is +s b+rreir+s
entre os mundos dos vivos e dos mortos s1o m+is fin+s. Os
h+bit+ntes do Mundo lnferior n1o est1o muito certos d+s
r+:öes desses fluxos e refluxos, +pes+r deles p+recerem est+r
conect+dos de +l¸um+ form+ +s f+ses d+ lu+ e + posiç1o d+
Terr+ nos céus.
Dlu de jodos os Suntos
O di+ de Todos os S+ntos, S+mh+in, H+lloween ou Di+
d+s Brux+s, como é comumente ch+m+do, é um+ d+s d+d+s
m+is import+ntes do +no p+r+ +p+riçöes. S+mh+in é o di+ do
+no em que o véu entre o mundo dos mortos e dos vivos fic+
m+is tênue. No H+lloweeen, +s +p+riçöes s1o livres p+r+ in-
terferir no reino dos vivos.
Do +m+nhecer de 31 de outubro +o +m+nhecer de 1º de
novembro +s +p+riçöes podem f+:er o que lhes convier. Lst+
liberd+de e + +p+rênci+ de estr+nh+s r+ch+dur+s n+ Mort+-
lh+ entre os mundos ori¸inou muitos dos mitos mort+is rel+-
cion+dos + est+ noite. T+is r+ch+dur+s podem su¸+r +p+ri-
çöes des+vis+d+s p+r+ o mundo dos vivos, prendendo-+s lí
+té o +m+nhecer de 1º de novembro.
Dlu dos Mortos
Apes+r dos vivos terem muit+s fest+s e celebr+çöes pelos
mortos, os próprios mortos têm eles próprios um+ cerimoni+
n+ primeir+ lu+ chei+ do outono. Neste di+, muit+s +p+ri-
çöes re+li:+m +l¸um tipo de pere¸rin+ç1o, devido + crenç+
de ser m+is fícil colet+r l+thos e +rtef+tos nest+ époc+ do
+no. Os destinos m+is comuns p+r+ t+is pere¸rin+çöes inclu-
em lu¸+res Assombr+dos no Mundo d+ C+rner, o M+r de
Alm+s em Sty¸i+, e +s lr+i+s Dist+ntes.
Vírios Círculos de +p+riçöes t+mbém observ+m outr+s
fest+s p+r+ os mortos celebr+d+s por diferentes cultur+s do
Mundo d+ C+rne. Lm ¸er+l, porém, +s +p+riçöes vêem t+is
festiv+is mer+mente como oportunid+des de colher ¸r+ndes
qu+ntid+des de l+thos de receptículos vivos e voluntírios.
Ecllpses
As +p+riçöes +le¸+m que dur+nte eclipses tot+is do sol os
poderes d+ Sombr+ crescem, e hí muito peri¸o em perder-se
p+r+ sempre dur+nte t+is eventos. l+r+ prevenir t+l ocorrên-
ci+, muit+s +p+riçöes observ+m um+ "l+x" temporíri+, ou
momento de p+:, onde tod+s +s +p+riçöes podem se encon-
tr+r livremente e nem comb+te ou roubo de l+thos ocor-
rem. Dur+nte esses eclipses, +s +p+riçöes podem p+ss+r livre-
mente +tr+vés de territórios e domínios nos qu+is eles nor-
m+lmente teri+m temor em se +ventur+r. lorém, hí peque-
nos ¸rupos de +p+riçöes que +br+ç+m + filosofi+ de que deve-
se entre¸+r-se tot+lmente + Sombr+ dur+nte t+is eclipses, ou
+ Sombr+ encl+usur+d+ se fort+lecerí muito e se libert+rí
em +l¸um momento imprevisto.
Dur+nte os eclipses tot+is d+ lu+, +s +p+riçöes +credit+m
2¨u
A
purlçño.
O

L
lmho
que podem se purific+r e che¸+r m+is próximo + Tr+nscen-
dênci+ mer¸ulh+ndo n+ Tempest+de e enc+r+ndo seus pes+-
delos pesso+is. T+is jorn+d+s s1o muito peri¸os+s, m+s +s +p+-
riçöes que s1o bem sucedid+s em enfrent+r seus próprios fr+-
c+ssos freqüentemente p+recem se livr+r de pelo menos um+
Mícul+ d+ Corrupç1o.
Llttle ]lve ]olnts, Atluntu.
Um Cenárlo puru Apurlçño
Lst+ seç1o inclui um cenírio de exemplo p+r+ Aparição:
o Limbo. A se¸uir você encontr+rí inform+çöes bísic+s p+r+
inici+r um+ cronic+, bem como idéi+s de +ventur+s. Aqui
você encontr+rí +s Alm+s lnquiet+s de little live loints,
um setor de Atl+nt+. lnform+çöes de outr+s p+rtes d+ cid+de
podem ser encontr+d+s em NecrópoIe: AtIanta.
Lm nosso mundo, little live loints é consider+d+ um
setor "boêmio" de Atl+nt+. L um loc+l onde se pode obter
cois+s "essenci+is" que n1o se conse¸ue em nenhum outro
lu¸+r... isto é, se você for um pervertido. Lm outr+s p+rtes d+
cid+de +s loj+s teri+m dificuld+de em vender +petrechos re-
l+cion+dos + dro¸+s, qu+drinhos "under¸round", livros d+
Nov+ Lr+ e p+¸1os, ficç1o ¸+y e lésbic+ ou mod+ +ltern+tiv+.
Lm little live, porém, todos s1o bem vindos... exceto os
intoler+ntes.
A íre+ é ocup+d+ por luls+ntes dur+nte o di+, sendo
qu+se v+:i+ + noite. Hí um esforço p+r+ se tr+nspir+r um+
f+ch+d+ de viv+cid+de e cri+tivid+de. Ali t+mbém se encon-
tr+ +p+ti+ e pobre:+, que +os Síb+dos + t+rde s1o encobert+s
por ¸uit+rr+s +cústic+s, t+tu+¸ens e comport+mento ous+do.
No Mundo d+s Trev+s little live loints é um pouco
m+is cruel que o d+ Atl+nt+ de noss+ re+lid+de. A pintur+
brilh+nte encobre + dec+dênci+ dos prédios, e + pretens1o
de "vid+" n1o conse¸ue esconder + presenç+ d+ morte. Onde
quer que os vivos se con¸re¸uem, +s Alm+s lnquiet+s t+m-
bém se reunir1o, +tr+íd+s pel+s p+ixöes dos vivos. lu¸itivos,
vici+dos, membros m+r¸in+li:+dos d+ socied+de, des+bri¸+-
dos - eles est1o todos lí, esper+ndo p+r+ serem us+dos.
Geogrullu
A íre+ de little live loints, perto de lnm+n l+rk e Rey-
noldstown, é +cessível +tr+vés do sistem+ de trens d+ cid+de,
MARTA (Metropolit+n Atl+nt+ R+pid Tr+nsit Authority).
Muit+s +p+riçöes s1o ¸r+t+s pelo tr+nsporte de m+ss+; os trens
s+em + hor+s re¸ul+res, e +s port+s +utomític+s torn+m en-
tr+r e s+ir de trens m+is fícil do que tent+r subir num onibus.
Ap+riçöes nov+t+s tendem + confundir little live loints
com + Lst+ç1o live loints, um ponto de encontro d+s linh+s
de trens. Com um pouco de prític+, é bem fícil cobrir muito
terreno de trem.
A c+minh+d+ d+ est+ç1o princip+l de trem +té little live
+tr+vess+ um+ vi:inh+nç+ um t+nto sed+d+. As +p+riçöes m+is
velh+s sentem-se em c+s+ - + m+ior p+rte d+s c+s+s de dois
+nd+res têm definitiv+mente um +r de século XlX. Subúrbi-
os podem ser lu¸+res difíceis de se encontr+r l+thos, m+s
+sso+lhos r+ch+dos e velhos prédios torn+m + t+ref+ um pouco
m+is fícil.
lode-se encontr+r t+mbém diversos c+mpos de erv+s d+-
ninh+s no c+minho. Arvores +lt+s crescem em todo c+nto.
No Mundo lnferior, porém, cortin+s de limo esp+nhol se
enc+rre¸+m de obliter+r + ener¸i+ r+di+nte d+s írvores.
A Luclid Avenue é + form+ m+is fícil p+r+ +p+riçöes
nov+t+s p+r+ se +proxim+r de little live. Se um+ +p+riç1o
conse¸uir +cesso + um c+rro (C+v+l¸+ndo + C+rne de um
motorist+, H+bit+ndo o próprio c+rro ou +pen+s entr+ndo
num), + íre+ t+mbém é +cessível pel+ Morel+nd Avenue.
Lm nosso p+sseio pelo l+do morto de little live, porém, nos
+proxim+remos pelo oeste.
]ontos de Relerenclu
A Luclid Avenue +tr+vess+ o centro de l5. O trífe¸o
¸er+lmente é muito leve. A m+iori+ dos vivos n1o têm pre-
conceitos qu+nto + c+minh+r freqüentemente por +li, de for-
m+ que os mortos t+mbém n1o têm. lorém, devem ter cui-
d+do; os motorist+s n1o diminuem p+r+ pedestres invisíveis.
Al¸um+s loj+s e loc+li:+çöes +¸em como excelentes pontos
de referênci+ d+ íre+. A influênci+ dos mortos mudou li¸ei-
r+mente o +mbiente d+s loj+s. Além d+s mud+nç+s +tmosfé-
ric+s, do encor+j+mento e desencor+j+mento de diversos lo-
c+is de ne¸ócios e do número crescente de vìnd+los em lit-
tle live, + +titude liber+l dest+ íre+ redu: + Mort+lh+ p+r+
nível o dur+nte o di+ e nível ¯ dur+nte + noite.
Areu Oeste
Bass High SchooI - Lste é um dos m+iores edifícios
que podem ser vistos +o se +proxim+r de l5. A m+ior p+rte
dos mort+is tende + i¸norí-lo. Os prédios c+ír+m + um est+-
do extremo de mí conserv+ç1o; de f+to, + escol+ foi des+ti-
v+d+ hí +l¸um tempo. Muitos dos loc+is referem-se + ele
como est+ndo sob "reform+", m+s estr+nh+mente not+-se
pouco pro¸resso.
A escol+ +fundou t+nto n+ dec+dênci+ que +¸or+ funcio-
n+ como um lu¸+r Assombr+do p+r+ +s Alm+s lnquiet+s lo-
c+is. Al¸uns mor+dores +credit+m que um+ ener¸i+ espiritu-
+l estí se +cumul+ndo no ¸inísio; outros +ch+m + idéi+ ridí-
cul+. A m+iori+ d+s +p+riçöes d+li têm l+ços ou com + Hie-
r+rqui+ ou os Here¸es, +pes+r de n1o expuls+rem um oc+sio-
n+l ¸rupo Rene¸+do (desde que sej+m discretos). De 15 + 20
+p+riçöes podem ser encontr+d+s no prédio de três +nd+res
+ qu+lquer hor+.
O lu¸+r Assombr+do tende + +tr+ir muit+s Alm+s lnqui-
et+s desenc+nt+d+s, incluindo divers+s Cri+nç+s. l+r+ +ju-
dí-los e ¸+r+ntir que seu pequeno ped+ço de Atl+nt+ n1o
sej+ +me+ç+do por qu+lquer Cri+nç+ destrutiv+ e idiot+, três
2¨1
dos residentes +¸em como "professores" e +té mesmo têm
turm+s n+s s+l+s de +ul+s. Os professores d1o conselhos +os
recém-f+lecidos - de um ponto de vist+ li¸eir+mente desvi-
+do, é cl+ro.
Lm+ d+s +p+riçöes sintoni:ou-se + um ped+ço de ¸i:, que
us+ p+r+ desenh+r di+¸r+m+s nos qu+dros-ne¸ros. lnfeli:men-
te, um+ vi+¸em recente +s lr+i+s Dist+ntes resultou em que
ele esquecesse como escrever em ln¸lês, de modo que sím-
bolos estr+nhos +p+recem nos qu+dros-ne¸ros no meio d+
noite.
O prédio t+mbém é us+do por +l¸uns +dolescentes fu¸iti-
vos que vêm + Atl+nt+. A políci+ r+r+mente entr+ (estr+-
nh+mente). Os residentes de B+ss Hi¸h tendem + f+:er vist+
¸ross+ + qu+lquer des¸+rr+do que termine com um Jóquei d+
C+rne.
Teatros - Do outro l+do d+ ru+ d+ escol+, um+ peque-
n+ c+feteri+ é fl+nque+d+ por dois te+tros independentes, o
Seventh St+¸e e o ll+yhouse Luclid. lroduçöes de b+ixo
custo est1o sempre em c+rt+:, + m+iori+ termin+ndo +ntes
d+s nove d+ noite.
lor volt+ d+s de:, um ritu+l diírio tom+ lu¸+r. Al¸um+s
d+s +p+riçöes se reúnem p+r+ um+ competiç1o. C+d+ com-
petidor +nd+ pelo p+lco e f+: um+ +tu+ç1o d+ cen+ m+is
interess+nte ou emocion+l que ele viu no di+ +nterior. Dess+
form+ muitos dos mortos de little live m+ntêm-se em di+
com os +contecimentos loc+is.
Iour Humors - A port+ +o l+do é um+ loj+ de comid+
n+tur+l. leite de soj+, comid+ ve¸et+ri+n+, s+l+d+s sem tem-
pero e outros +limentos podem ser encontr+dos lí. A loj+ é
motivo de riso - +s pesso+s que + freqüent+m tendem +
morrer +pes+r de su+s neuroses nutricion+is. Lm+ p+rte d+
loj+ tem + melhor seleç1o de vel+s ne¸r+s d+ vi:inh+nç+.
Urban Primitive - A cultur+ Afro-+meric+n+ dos +nos
90 se reúne nest+ loj+ de roup+s de v+n¸u+rd+. Seus donos
vendem m+is do que +pen+s roup+s. Lm du+s s+l+s nos fun-
dos s1o oferecid+s consult+s priv+d+s + qu+lquer um que
queir+ t+tu+¸ens ou "body piercin¸". Os Model+dores costu-
m+m per+mbul+r por +li p+r+ pe¸+r +l¸um+s dic+s.
Colqultt e Euclld
A interseç1o de Colquitt e Luclid é bem +o norte de
Lrb+n lrimitive. Hí +pen+s +l¸um+s pouc+s loj+s di¸n+s de
not+.
CargoyIe's - Costum+v+ ser um+ loj+ de roup+s um t+n-
to exótic+s +té receber um pequeno "encor+j+mento". A¸or+
tem um+ d+s m+iores coleçöes de mod+ ¸ótic+ n+ cid+de. O
proprietírio, Oene, é um sujeito muito es¸uio e pílido. Lle só
s+i de di+. De f+to, é r+r+mente visto + noite. Oene execut+
ritu+is no ¸inísio de B+ss Hi¸h +pós o sol se por. Lle n1o per-
cebe que estí sendo observ+do enqu+nto os execut+...
Crossroads - Lste popul+r ponto de encontro mudou
recentemente seu foco de um+ loj+ de livros p+r+ um c+fé. A
únic+ p+rte dest+ loj+ que +ind+ vende livros é um+ pequen+
s+l+ nos fundos; + m+ior p+rte dos livros f+l+ de f+nt+si+,
2¨2
A
purlçño.
O

L
lmho
New A¸e ou ocultismo (bem como um+ modest+ seleç1o de
jo¸os de RlO d+ editor+ Bl+ck Do¸). O resto d+ loj+ é +¸or+
um+ c+feteri+. Dur+nte o di+, os empre¸+dos tent+m +brir
+l¸um+s mentes enqu+nto +rre¸+l+m +l¸uns olhos com c+fé
forte industri+l. Ao por do sol + loj+ é fech+d+, +s persi+n+s
s1o cerr+d+s e o turno d+ noite +ssume. Apen+s os mortos
s1o permitidos.
No l+do esquerdo d+ p+rede pret+ hí um ¸r+nde espelho
num+ moldur+ de j+nel+. A j+nel+ costum+v+ prover um+
cl+r+ vis1o de um+ loj+ de vídeos +trís d+ loj+ de livros. A¸o-
r+ que os donos d+s du+s loj+s mud+r+m de r+mo, + j+nel+ foi
fech+d+ p+r+ d+r m+is priv+cid+de p+r+ +mbos os est+beleci-
mentos.
Lntre os freqüent+dores re¸ul+res de Crossro+ds, os +p+-
riçöes podem encontr+r um lobisomem lere¸rino Silencioso
que tr+: históri+s do mundo espiritu+l e um v+mpiro M+lk+-
vi+no que ch+m+ +