Função da direção na promoção de uma escola saudável

Módulo IV


      

Conhecer diferentes tipos de intervenção da escola no campo da higiene e da saúde; Identificar formas de implementação de um currículo de saúde; Compreender as características de uma escola saudável; Promover limpeza e salubridade das instalações; Reconhecer formas de prevenir doenças; Tomar decisões para fornecer uma alimentação saudável nas escolas; Encontrar modos adequados de gestão das cantinas escolares; Identificar as funções pedagógicas e utilitárias do horto pedagógico.

OBJETIVOS

Recomendações da OMS e UNESCO
Aprendizagem de conhecimentos científicos;  Promover hábitos de vida saudável;  Construir escolas saudáveis;  Desenvolver cuidados de saúde em todos os alunos e alunas.

Saúde e higiene na escola

Após leitura da Declaração dos Direitos da Criança (Quadro 34) explicite:  Que artigos se referem de forma explicita, ou implícita, aos cuidados de saúde;  Quais os contributos da Escola para respeitar os Direitos da Criança no que diz respeito à Saúde;  Quais os intervenientes da comunidade escolar que podem contribuir para a manutenção de crianças saudáveis e como o podem fazer; Apresente exemplos de situações, atividades ou projetos desenvolvidos na escola:  - Promotoras de mudança de atitudes numa perspetiva de Educação para a Saúde;  - Promotoras de cuidados de Saúde para todas as crianças e adultos que a frequentam.

Atividade 27

A implementação da Educação para a Saúde na escola é especialmente defendida pelos seguintes motivos:  Porque todas as crianças de um país passam pelo sistema de ensino. Dificilmente algum programa de Educação para a Saúde implementado noutro local, atinge tanta gente como os Programas de Educação para a Saúde aplicados na escola.  Porque os resultados de numerosas investigações mostram claramente que as raízes do nosso comportamento (o nosso modo de vida) no plano sanitário (e não só) se situam na infância e adolescência.  Porque ao fazer Educação para a Saúde na escola estamos a atingir indivíduos em fase de formação física, mental e social que ainda não tiveram, muitas vezes, oportunidade de adquirir hábitos pouco saudáveis e que são muito mais recetivos à aprendizagem de hábitos de assimilação de conhecimentos.  Porque se pode contar com a colaboração de profissionais de educação.

Educação para a saúde na escola

A Educação para a Saúde na escola tem por finalidade:  incutir nos alunos atitudes, conhecimentos e hábitos positivos de saúde que favoreçam o seu crescimento, desenvolvimento e bem-estar;  a prevenção de doenças evitáveis na sua idade;  responsabilizá-los pela sua própria saúde;  prepará-los para que ao sair da escola e integrar-se na comunidade, adotem um regime, um estilo de vida o mais saudável possível;  sejam também capazes de tratar da saúde dos outros.

Currículo de educação para a saúde na escola

A Educação para a Saúde pode ser trabalhada na escola de várias formas. Atualmente aceitam-se como mais importantes:

  

a integração de tópicos de saúde em todas as disciplinas (sobretudo na área das Ciências Naturais); a sua abordagem como área transversal; a criação de uma disciplina específica; a promoção de uma escola saudável.

Formas de promover a educação para a saúde na escola

A principal finalidade da escola saudável é contribuir para o desenvolvimento da saúde e da educação para a saúde dos seus alunos e da comunidade onde se inserem Segundo Navarro (1999) as escolas para seguirem a filosofia e a prática de uma escola saudável devem promover mudanças nas seguintes dimensões: curricular, psicossocial, ecológica, comunitária e organizacional.

Escola saudável (1)

Na dimensão curricular, ou seja nas aprendizagens formais, o autor sublinha que a mudança mais importante a implementar é a de que tanto alunos como professores sejam capazes de ligar, cada vez mais e mais facilmente, os conteúdos das disciplinas à vida, ou seja, procederem à integração de temas de saúde em todo o currículo (qualquer disciplina pode e deve ligar os conteúdos tratados à vida quotidiana).

Escola saudável (2)

A dimensão ecológica tem como objetivo a preservação e melhoria de todos os espaços onde se processa a vida escolar (salas de aula, espaços exteriores, casas de banho, cantinas, etc.) A escola deve dar particular atenção à higiene das cantinas e bufetes e aos alimentos e refeições que aí são servidos. A criação e/ou manutenção das condições de salubridade, segurança e conforto das instalações escolares exige a participação dos vários grupos que constituem a comunidade (professores, alunos, e funcionários).

Escola saudável (3)

A dimensão comunitária, tem em vista a integração da escola na vida da comunidade de que faz parte e o aproveitamento dos recursos para uma melhoria dos resultados. Implica intervenções em dois sentidos: da escola para a comunidade e vice-versa. Considera-se fundamental a existência de um maior comprometimento da escola com o seu meio envolvente.

Escola saudável (4)

A dimensão psicossocial, refere-se ao clima e à cultura da escola. Esta dimensão tem como objetivo aumentar o prazer de trabalhar na instituição e o sentimento de pertença a esta organização. É desejável a criação de um ambiente de solidariedade e entreajuda que possibilite evitar conflitos e sanar precocemente os que inevitavelmente surgirem.

Escola saudável (5)

A educação para a saúde ou a promoção para a saúde começa pela forma como o espaço da escola é cuidado. Problemas identificados: 1. Falta de água nas casas de banho; 2. Falta de produtos de limpeza; 3. Dificuldade de escoamento das águas da chuva; 4. Espaços exteriores pouco cuidados; 5. Falta de energia.

Limpeza e salubridades das instalações

“As escolas, por si sós, não conseguem garantir a saúde da criança, mas não devem contribuir para o seu agravamento. Ambientes de aprendizagem não higiénicos e inseguros resultam em ferimentos e doenças. As meninas que abandonam ou são retiradas de escolas que não têm sanitários separados são apenas um exemplo de como os fatores ambientais podem prejudicar a participação do aluno na educação. Proporcionar água segura e criar instalações sanitárias apropriadas são os primeiros passos básicos para a criação de um ambiente de aprendizagem saudável e amigo da criança. (…)Um ambiente assim mantido proporciona um local apropriado de intervenções de alimentação escolar e outras relacionadas com a saúde, como, por exemplo, desparasitação, suplementação com micronutrientes e prevenção da malária.” (UNICEF, 2011:19)

Prevenção de doenças

“Alimentação e nutrição são parte integrante de programas educativos, e são, de muitas formas, tão importantes como a pedagogia escolar. Deverá ser planificada desde o início uma área separada para cozinha e conservação de alimentos. (…)” (UNICEF, 2011: 9)
Problemas detetados: 1. Alimentação pouco diversificada; 2. Escolas que não fornecem refeições por falta de condições; 3. Falta de água; 4. Falta de qualidade da água;

Alimentação das crianças (1)

Questões a dar resposta: 1. Como é feita a planificação semanal das ementas? 2. Quem apoia a coordenação da alimentação das crianças? 3. Como é ultrapassada a falta de verbas para a alimentação? 4. Qual a posição da direção face à venda de alimentos na escola?

Alimentação das crianças (2)

Programa de Alimentação Escolar em São Tomé e Príncipe “Redução das importações alimentares e da gestão centralizada; Integração crescente e valorização dos produtos locais na cantina com o propósito de redução de custos e da gestão local, além de dinamizar a economia local e respeitar a tradição e cultura alimentar; Implicação crescente dos distritos e dos pais dos alunos na gestão das cantinas e do transporte através de reforço das Câmaras e das Associações de Pais; Redução dos custos financeiros das cantinas a fim de aumentar a aceitabilidade das propostas; Importância da obtenção de autossuficiência alimentar das cantinas, utilizando a horta escolar com uma das ferramentas importantes.”ME Brasil (2007: 3- 4)

A gestão das cantinas (1)

“(…)com o objetivo de implantar um programa de alimentação escolar segundo a diretriz do direito humano à alimentação adequada, universal, gratuita e que preserve os hábitos alimentares saudáveis locais, o fomento da agricultura familiar, auto-sustentável e em especial, que se garanta uma estrutura mínima adequada nas escolas para uma boa execução do programa.(ME Brasil, 2007:24)

A gestão das cantinas (2)

O conceito de horto pedagógico é vasto e deve ser considerado como um espaço da escola onde se cultivam vegetais com o fim de abastecer a cantina e que tem como destino final a alimentação dos alunos, mas deve incluir ainda objetivos pedagógicos que devem ser trabalhados por todas as disciplinas, constituindo um polo agregador de todo o currículo.

Os hortos escolares (1)

Poder-se-ia desenvolver um programa em torno do horto escolar que contribuísse para a formação de todos os professores e de todos os elementos que integram a comunidade escolar, no que diz respeito ao exercício de uma alimentação saudável e ambientalmente sustentável, servindo o horto como um eixo gerador de uma prática pedagógica mais participativa e um processo de dinamização do currículo escolar nas áreas da alimentação e saúde.

Os hortos escolares (2)

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful