You are on page 1of 4

UFSCar – Química Analítica Experimental

Experimento 01 – Volumetria de Complexação por “EDTA” – Determinação de íons Cálcio e Magnésio (Dureza da água).

Grupo: Guilherme Ruiz - 560243 Luca Conti Raposo – 559814

principalmente húmicos. potássio. pela presença de sais alcalino-terrosos (Ca. tais como. de modo que. pode retirar (lixiviar) alguns elementos químicos de grande mobilidade. Nas águas naturais. no passado. podem incrustar nas tubulações e exigem consideráveis quantidades de sabão para produzir espuma. produzidos pelos seres vivos ao nível do solo. os quais são capazes de reagir com sabão formando precipitados e com certos ânions presentes na água para formar crostas. por entre os espaços vazios das falhas e fraturas rochosas. o “EDTA” (ácido etilenodiaminotetracético). O processo de precipitação de sabão é devido à presença de cátions metálicos divalentes. em graus distintos. por ocasião das chuvas mais intensas.Introdução As características físico-químicas da água são adquiridas a partir da lixiviação. maior a dureza da água. Devido à sua estrutura molecular dipolar a água é um forte solvente. . Realizamos uma análise volumétrica de complexação. Quando a água entra em contato com a rocha ou granito. denomina-se temporária. como o alumínio e o ferro. a dureza de uma água era considerada como uma medida de sua capacidade de precipitar sabão. pois pode ser eliminada quase que totalmente por aquecimento. Todas as águas naturais possuem. retirados da rocha é que dão as características da “água com minerais”. um conjunto de sais em solução. e refere-se à concentração total de íons alcalino-terrosos na água. em função de condições desfavoráveis de equilíbrio químico. com a consequente diluição dos sais em solução. Em áreas com alto índice pluviométrico a recarga constante dos aquíferos permitirá uma maior renovação das águias subterrâneas. magnésio. formado pelo gás carbônico (CO2) dissolvido e ácidos orgânicos. A quantidade e tipo de sais presentes na água subterrânea dependerá do meio percolado. por estarem intimamente e constantemente expostas aos materiais solúveis presentes no solo e nas rochas. denomina-se permanente. os sais mais solúveis são carregados para as partes mais profundas do aquífero. que consiste em tratar a água com reagente adequado. sendo que as águas subterrâneas possuem. que forma complexos muito estáveis com vários íons metálicos. no caso. cálcio. restando outros elementos químicos menos móveis. Para a determinação da dureza da água em nosso experimento. Mg) e de alguns metais em menos intensidade. aumentando sua salinidade. Em tal situação. da fonte de recarga do aquífero e do clima da região. a dureza é uma característica conferida à água. quando é devida a outros sais. sódio. este poder de dissolução é muito aumentado pela presença de ácido carbônico (CaCO3). do tipo e velocidade do fluxo subterrâneo. logo. portanto quanto maior a concentração de tais cátions. Quando a dureza é devida aos sais bicarbonatos e carbonatos. durante seu fluxo descendente e ascendente. As águas duras. teoricamente. a dureza pode ser igualada a [Ca²+] + [Mg²+]. e determinar o volume de solução necessário para completar a reação. na forma de uma solução padronizada. Os elementos solúveis ou “móveis”. fizemos uma análise volumétrica. O método compreende a titulação de íons metálicos com agentes complexantes. Como as concentrações de Ca²+ e Mg²+ são normalmente muito maiores do que as concentrações dos outros íons alcalino-terrosos. teores mais elevados do que nas águas superficiais.

ou seja. Adicionar uma ponta de espátula do indicador Eriocromo T. Resultados Os dados recolhidos durante o experimento estão presentes nas duas tabelas abaixo. outros dados já pré-determinados foram fornecidos pelo professor em aula. ou seja.00 mL de NaOH (1 mol/L). . a mudança de cor de rosa para violeta.00 mL de solução tampão NH3/NH4Cl. e cada parte realizada duas vezes: Parte A: Determinação de Ca2+ Preparar um erlenmayer de 125 mL com 50 mL de uma amostra de água de torneira. as reações que ocorrem são as seguintes: Segundo a titulação.1 1. sabemos a quantidade do EDTA necessário para reagir com o CaCO3 em solução. a mudança de cor rosa para azul.464x10-3 mol/L). Adicionar ao recipiente 1. Verificar o ponto de viragem da solução. Adicionar uma ponta de espátula do indicador murexida. Parte B: Determinação de Mg2+ Preparar um erlenmayer de 125 mL com 50 mL de uma amostra de água de torneira. Adicionar ao recipiente 1. Titular a solução com EDTA (4. Verificar o ponto de viragem da solução. Partindo-se.Procedimento O experimento foi realizado em duas partes.05 A primeira parte do experimento constitui-se em reagir os íons Mg2+ presentes na água para podermos determinar a quantidade dos íons Ca2+ presentes na solução a ser estudada.0 1. Titular a solução com EDTA (4. e todos os cálculos foram efetuados com base nesses números: Parte A Experimento 1 2 Média EDTA (mL) 1.464x10-3 mol/L). portanto do princípio que apenas temos no momento da titulação íons cálcio.

Portanto. a primeira realização da parte A: Seja C = [Concentração] CCaCO3 x VCaCO3 = CEDTA x VEDTA CCaCO3 = (CEDTA x VEDTA) / VCaCO3 CCaCO3 = (4.8208 g .098208 mol/L Sendo MCaCO3 = 100 g/mol.464x10-3 x 1.1) / 50x10-3 CCaCO3 = 0. temos: Massa de CaCO3 = 9.