You are on page 1of 13

MANUAL PARA TERAPEUTAS FLORAIS —————————————— PROCEDIMENTOS PARA PREPARAÇÃO DE ESSÊNCIAS FLORAIS E DE CAMPOS DE CONSCIÊNCIA —————————————— Manual para

Preparo e Esterilização Elaboração: 2004

Todos são muito importantes nos contextos de autoconhecimento.) como o preparado natural. amigos e familiares. Temos ainda terapeutas que trabalham em importantes obras assistenciais.1. através de suas Associações Estaduais filiadas. utilizando as ECC para trazer luz e esperança a crianças e idosos abandonados. Essências do reino mineral. Bach: trazer às pessoas uma Terapia simples e eficaz. cura das feridas da Alma humana. O mais relevante destes é que na grande maioria dos centros urbanos do País.ECC (que compreendem as Essências Florais. promoverá simpósios de treinamento para qualificar os Terapeutas na boa execução e cumprimento destas normas. obedeça a regras que vão garantir ao usuário da terapia floral a segurança necessária para que as essências de uso sejam ingeridas sem nenhuma espécie de risco para a sua saúde.Definese Essência de Campos de Consciência . etc.ECC . que nem sempre tem acesso a farmácias que possam manipular os buquês florais por eles indicados por vários motivos. em seus consultórios. artesanal. OBJETIVOS: Este Manual foi elaborado com o objetivo de apresentar aos terapeutas que utilizam as Essências de Campos de Consciência.Confederação Brasileira dos Terapeutas Florais e de demais Essências de Campos de Consciência. CAPÍTULO 1 – DEFINIÇÕES 1. Essências do reino vegetal. utilizadas pelos terapeutas. mental e espiritual da população cumprindo o maior objetivo do Dr. A ABREFLOR . não existem farmácias aptas ou que estejam dispostas a adquirir todas as essências necessárias. normas que permitam a preparação das essências de uso pelos próprios terapeutas. de inclusão. para atender às necessidades dos seus clientes. emocional. de forma que o método de preparação. Essências de Campos de Consciência . que traz registrado em seu conteúdo o padrão de consciência de uma ou diversas . não de combate. considerando-se os padrões necessários de higienização.INTRODUÇÃO A ABREFLOR – Confederação Brasileira de Terapeutas Florais e de demais Essências de Campos de Consciência pode hoje afirmar que no Brasil existem centenas de Terapeutas que trabalham em consultórios e milhares de pessoas que utilizam as Essências de Campo de Consciência (ECC) para auxiliar a si mesmos. Nos mais diversos lugares do país estão estes Terapeutas. educação da Consciência e promoção do bem estar físico. apesar de simples. Essências Ambientais.

as Essências de Campos de Consciência não têm impactos diretos sobre a bioquímica do corpo. grupos. e empregada como veículo ou excipiente na composição do produto final. nas concentrações utilizadas. e resultando na restauração da paz. Entende-se que uma EM não se caracteriza ou diferencia por sua base (álcool e água). desde que capacitados profissionalmente para fazê-lo”. Os tipos de veículos a serem utilizados estão descritos no capítulo 4 – Veículos Base para Uso Interno e Seus Componentes 1. medicamentos farmacêuticos ou drogas psicoativas.É a primeira preparação no processo de obtenção das Essências de Campos de Consciência. Elas não são medicamentos homeopáticos e tampouco medicamentos e portanto.4 Essência de Estoque (ES) . animais. Pela sua própria natureza consciencial. 1. ou com 50% de Solução Alcoólica a 35% (V/V) (álcool etílico extraído de cana de açúcar + água mineral).2 Veículo base . Apesar de serem utilizadas prioritariamente na forma de gotas a ser ingeridas. contém 50% de água filtrada de flores (ou 50% de água filtrada contendo um campo consciencial determinado). mas sim pelo seu substrato imaterial – o campo consciencial . ambientes e ecossistemas. que entram em ressonância com o campo da Consciência de pessoas. sem interferir na ação dos mesmos. sua indicação para terceiros não se configura como prescrição de medicamentos. que esta incorpora. podendo sua indicação ser habilitada aos terapeutas florais e também a profissionais de outras áreas. Elas atuam por ressonância vibratória entre campos mórficos.3 Essência Mãe (EM) de ECC.manifestações da Consciência originária da Natureza. na proporção de 1 gota . virtudes e potenciais latentes. com 50% de brandy (V/V). agindo como princípio catalisador que ativa processos de expansão e transformação da consciência. . Elas podem atuar simultaneamente com estes meios. A Essência Mãe é diluída em brandy ou em solução alcoólica a 35%.É a segunda preparação para obtenção das ECC destinada a ser envasada e distribuída para as farmácias ou terapeutas. 1. não substituem a necessidade de utilização de medicamentos e/ou cuidados médicos ou psicológicos. pois não possuem princípios ativos de natureza material ou química e tampouco toxicidade na solução final utilizada pelo consumidor (EsU).Substância desprovida de propriedades farmacológicas ou terapêuticas. despertando seus talentos.a qualidade de consciência. harmonia e equilíbrio. coletividades. como têm os alimentos.

5%) Esta é a Essência de Estoque – ES . 1. 1. manter. exceções feitas quando o terapeuta responsável solicita um preparo específico e se responsabiliza pela nova forma de diluição.5% (considerando-se que 20 gotas correspondem a 1 ml. 1. proteger. 10ml=200gt. fornecida pelo produtor aos terapeutas e farmácias. voltadas . 1 gota equivale a 0. em Associações de Moradores. aos tipos de diluição e às possibilidades de misturas de mais de um composto deverão ser observadas pelos Terapeutas.9 Método . Estas devem ser indicadas pelos terapeutas. ES ou EsU. ES ou EsU definidos em protocolos de cada sistema pesquisado e neste manual. da qual mais tarde.solução a 0.10 Método de preparo de Essências de uso . 1.Conjunto de técnicas específicas. para utilização interna ou externa de um usuário. Este Manual refere-se ao preparo de EsU em consultórios de Terapeutas Florais e de demais Essências de Campo de Consciência. removível ou não. As normas e indicações dos produtores das Essências.11 Preparação . embalar.O número de gotas de EU que devem ser utilizadas diariamente pelo usuário.5 Essência de Uso (EsU) .O ato de preparar as EM.O ato de definir a ou as qualidades de consciência que devem ser reunidas em uma composição de EU com a orientação de preparo.7 Dose . Centros Pastorais e/ou em Instituições Públicas ou privadas. 1.O produto obtido através da diluição de ES.(stock bottle).EsU – Conjunto de técnicas específicas. obedecendo-se à uma proporção de mínima de 2 gotas de ES individuais para 30 ml de base alcoólica. para a obtenção de EsU. 1. A indicação pode ser estabelecida por Terapeutas de Campos de Consciência ou profissionais de quaisquer áreas que sejam habilitados para realizá-las. 1. a fim de se produzir um vidro de EU de ECC. serão preparados os frascos de Essências de Uso.8 Material de Acondicionamento e Embalagem Recipiente.6 Indicação . destinado. em outra etapa de diluição. definidas neste manual. em relação ao número máximo de Essências. para a obtenção de ECC em diluição de EM. invólucro ou qualquer outra forma de proteção. cobrir ou empacotar matérias primas utilizadas na produção ou comercialização de ECC e que atendam os requisitos definidos no Manual de Normas técnicas das ECC. e de 4 gotas de Compostos Florais em ES. envoltório.de Essência Mãe em 10 ml de base alcoólica .

O terapeuta floral que desejar preparar as EsU deve observar algumas regras antes de instalar seu consultório: 3.. os monitores de computadores e as ECC..... O ambiente não deve conter telefones sem fio.... As paredes de vidro permitem a passagem livre dos raios gama emitidos pelos monitores de computador e portanto não são uma proteção suficiente.1..para o atendimento à população com as ECC.. Obs: A Abracampo e a Abreflor estão neste momento pesquisando junto à entidades oficiais visando à obtenção destas tabelas de referencia. telefones celulares ou outras fontes de radiação.... 3..1 A área destinada ao armazenamento das soluções estoque de ECC deve ser: Isenta de aparelhos que emitam radiações.. microcomputadores ou aparelhos de microondas.m de redes de alta tensão.Técnicas de reciclagem adotadas para a desmagnetização e esterilização de vidros usados. nem paredes contíguas com tais fontes de radiação sem uma distância ou proteção adequada. telefones celulares.3 Área para lavagem e esterilização das embalagens Área ou local destinado à limpeza.1.12 Técnicas para a reutilização de material para o preparo de EsU. aparelhos de telefone sem fio...Área destinada exclusivamente à preparação de EsU de ECC. Vide Capítulo .1 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA .). tendo como proteção apenas esta divisória.m de antenas de celular Distante pelo menos ..). Não deve conter aparelhos que emitam radiações.) e de ..( ver tabelas. 1. microcomputadores ou microondas. estão instalados computadores. CAPÍTULO 3 .. telefones sem fio. separados por poucos centímetros.m de antenas de celular.. . metros de redes de alta tensão..1. e EUA que serão incluidas posteriormente. computadores. (ver tabelas adequadas) Deve-se guardar uma distância de pelo menos . O material não deve ser guardado em estantes encostadas em uma divisória fina quando do outro lado da divisória.... encostados à mesma. Distante pelo menos . devendo ser guardada uma distancia adequada entre estas portas. (estamos aguardando as tabelas de referências da Anatel e as tabelas de normas e referencias da Alemanha. aparelhos de telefone celular.2 Área para Preparação de EsU de ECC .INSTALAÇÕES 3.. 3. ( Ver tabelas . telefones sem fios. sanitização e/ou esterilização ..

e água mineral. através de consulta ao site da ANVISA.1.2 Soluções hidroalcoólicas de graduação 10% e 30% . Esta área deve ter uma pia e um fogão. de produção orgânica certificada. 4.1. . 4. com frequência pré-estabelecida.São soluções de álcool etílico proveniente de cana de açúcar. mas será solicitado aos órgãos competentes que estas formulações possam ser oficialmente fornecidas aos terapeutas pelas farmácias. 4. obtida de destilado alcoólico simples de vinho envelhecido ou não. condição esta que deve ser assegurada a todos os consumidores.5 Glicerina vegetal . O procedimento de lavagem e esterilização de material deve ser realizado em horário préestabelecido.2 Limpeza do ambiente – O ambiente deve ser mantido sempre limpo e organizado. pela ANVISA. Considerando-se que esta água.Liquido viscoso.1 Água mineral .Água proveniente de fontes naturais ou de fontes artificialmente captadas.3 Vinagre de maçã .É o vinagre (fermentado acético) obtido da fermentação acética do fermentado alcoólico de mosto de maçã (cidra). não apenas aos terapeutas.1. Hoje as farmácias não podem fornecer esta formulação aos terapeutas. Deverá ser observada a regularidade do registro da água mineral utilizada. água subterrânea considerada potável e protegida da influência das águas superficiais. 3. CAPÍTULO 4 –VEÍCULOS BASE PARA USO INTERNO E SEUS COMPONENTES 4. somente a médicos. 4.das embalagens utilizadas para acondicionar as essências florais e materiais utilizados na manipulação das mesmas.4 Conhaque (brandy) . torna-se dispensável aos terapeutas uma análise das condições de potabilidade desta água.1. que preencham as condições de potabilidade para a região. inodoro.1.É a bebida com graduação alcoólica de 38 a 54ºGL. sofre a fiscalização da ANVISA quanto às Boas Práticas de Fabricação para estabelecimentos industrializadores de água mineral natural e de água natural a fim de garantir as condições higiênico-sanitárias do produto final.1 COMPONENTES DOS VEÍCULOS BASE PARA USO INTERNO 4. uma vez industrializada por empresas já estabelecidas. límpido. quando este espaço não esteja sendo ocupado para outros fins.

e licores caseiros de produção orgânica certificada.2. As EsU preparadas com este veículo tem um prazo máximo de 30 dias.2 Solução de vinagre de maçã a 30% .1. Esta é uma preparação extemporânea com prazo de validade de no máximo 10 dias. a Grapa.2. Para preparar esta solução.5 Água mineral pura . 4.Utiliza-se somente a água mineral em situações especiais. dependendo do clima e da umidade do ar da região. os terapeutas devem adquirir provetas calibradas. . Obtida a partir do desdobramento dos ésteres glicéricos dos ácidos graxos.1. assim que este fornecimento for aprovado e autorizado pelos órgãos competentes.3. 4. pela complexidade de sua manipulação e exigência de controle de qualidade do álcool a ser utilizado. Conservando sob refrigeração. Para preparar esta solução. As EsU preparadas com este veículo tem um prazo de validade variável. deverá ser adquirida em farmácias de manipulação.3 Solução hidroalcoólica a 10% e 30% .4 Solução de glicerina vegetal 50% .1 Solução de Brandy 30% .4. na fabricação dos sabões e purificada mediante sucessivas destilações.6 Outros .de sabor doce característico e hi-groscópico. pode-se utilizar também aguardente de cana ou Grapa. 4. Para preparar esta solução.Também poderão ser utilizados o aguardente de cana. As ECC preparadas com este veículo base tem uma durabilidade maior do que a preparada em água mineral sem conservantes.2. Utilizandose as mesmas proporções. esta é uma preparação extemporânea.2 VEÍCULOS BASE 4. 4. As EsU preparadas com este veículo tem um prazo de validade de 30 dias.Esta solução.Faz-se uma mistura de 30% de vinagre de maçã e 70% de água mineral (V/V). 4. com prazo de validade de no máximo 1 semana. 4.Faz-se uma mistura de 30% de brandy e 70% de água mineral (V/V).6 Soro Fisiológico puro – Utiliza-se somente o soro fisiológico em situações especiais. Os prazos de validade variam de 1 mês a 3 meses.Faz-se uma mistura de 50% de glicerina vegetal e 50% de água mineral (V/V). 4. os terapeutas devem adquirir provetas calibradas. os terapeutas devem adquirir provetas calibradas.

2. álcool. ou por seus representantes autorizados. somente na quantidade necessária para atender às necessidades de cada usuário das EU ou em uma quantidade suficiente para utilização de um dia de trabalho.2 PROCEDIMENTO 6. brandy. Para cada 30 ml de veículo. 6. Frascos contendo Soluções de estoque 6.4. CAPÍTULO 5 . Grapa.PREPARAÇÃO DAS ESSÊNCIAS DE USO EM VEÍCULOS BASE PARA USO INTERNO 6.1.7 Conservação – Os veículos base devem ser preparados no momento do seu uso. mascara para o rosto. Em regra geral são 2 gotas da essência de estoque. São fornecidas diretamente pelo pesquisador e/ou produtor do Sistema Floral. adicionar ao frasco o número de gotas especificado pelo produtor do sistema utilizado.3 Técnica de preparo das EsU de ECC.1 Limpeza . 6. luvas descartáveis. exceção feita quando o terapeuta responsável se responsabiliza pela nova forma de diluição. e os prazos de validade inscritos nas respectivas etiquetas deverão ser observados. as ES deverão ser conservadas em suas embalagens originais. Dispor sobre a área sanitizada os frascos que serão utilizados. glicerina vegetal. Para a plena garantia do consumidor. Este processo poderá também ser realizado no início do dia de trabalho.A área onde será preparada a EsU deve ser sanitizado com solução de álcool 70%. CAPÍTULO 6 . soro fisiológico. ficando os vidrinhos cheios com a base e guardados dentro de um recipiente plástico sanitizado com álcool 70%. Embeber o produto em toalhas de papel e passar sobre a área com movimentos unidirecionais.2.ESSÊNCIAS DE ESTOQUE – ES As essências de estoque são o ponto de partida para a produção das ECC. não sendo permitido o fracionamento ou diluição intermediária das mesmas antes do preparo de EsU. Todo este material poderá ser descartável. ou 4 gotas da essência de estoque de compostos. Veículos base (água mineral. Medir em uma proveta ou cálice calibrado a quantidade do veículo base necessária e por no frasco. vinagre de maçã).2 Paramentação – O terapeuta deverá utilizar touca.1 Material necessário: Embalagens adequadas. aguardente de cana. . e um avental utilizado somente para estes fins.2.

A informação a seguir: As ECC não são medicamentos e não substituem aos cuidados médicos e/ou psicológicos necessários. CAPÍTULO 7 – ROTULAGEM Os rótulos das EsU para uso interno ou externo devem conter: Nome do usuário Data de fabricação Prazo de validade Veículo base escolhido. CAPÍTULO 8 – LAVAGEM E ESTERILIZAÇÃO DE EMBALAGENS 8.Quando utiliza-se mais de um sistema. Nome das ECC escritos conforme a designação do produtor Indicação de uso Informações sobre o acondicionamento (longe de fontes de radiação. ou por calor seco.Devem ser retirados resíduos de rótulos sem utilizar sabões ou detergentes. 9. esterilizar em panela de pressão por calor úmido numa temperatura de 120ºC a 1 atm.2 Lavagem.RECICLAGEM DE EMBALAGENS. Se não for possível escrever no rótulo. Fazer movimentos suaves.1 Lavagem e esterilização dos vidros e cânulas de vidro .1 Vidros e cânulas de vidro . Lavar em água corrente e esterilizar em panela de pressão por calor úmido numa temperatura de 120ºC a 1 . ou adotar a regra de um dos sistemas para todas as Essências.Lavar em água corrente e em seguida deixar imersos em álcool 70% (V/V) durante 2 horas.2. exceções feitas quando o Terapeuta responsável se responsabiliza pela nova forma de diluição. esterilização e desmagnetização dos vidros e cânulas de vidro 9. 8.Lavar com água corrente. Observar capítulo 4. deve-se adotar a regra geral (2 gotas da essência de estoque. CAPÍTULO 9 .Materiais plásticos e os bulbos não devem ser reaproveitados. 9. ou 4 gotas da essência de estoque de compostos).2 Tampas plásticas e bulbos . para homogeneização da solução.1 Tampas plásticas e bulbos . ao abrigo da luz e calor). circulares. deve ser entregue ao usuário as informações sobre conservação em um folheto à parte. em estufa a 180ºC durante 30 minutos ou 140º C durante 1 hora. a critério do Terapeuta. e há indicações por parte dos produtores de número de gotas diferentes. rotular e entregar para o usuário.

É necessário proceder-se à desmagnetização destes vidros além de lavá-los e esterilizá-los.atm.2.0 a 5. 9. Quando iniciar a saída de vapor pelo pino central da tampa .As ECC não são alteradas pela elevação de temperatura. porém não colocar o peso que controla a saída do vapor no pino central da tampa da panela.2 Desmagnetização . A presença . 4) Acender o fogo e deixar ferver em fogo alto. Os procedimentos serão determinados.Poderão ser utilizados circuitos eletromagnéticos criando circulação de uma carga eletromagnética para remover o campo consciencial anteriormente contido pelo vidro. sem que percam suas propriedades.. 2) Colocar os frascos com o material que vai ser esterilizado dentro da panela devidamente apoiados para que não tombem. Podem por esta razão ser utilizadas na cocção de alimentos. em estufa a 180ºC durante 30 minutos ou 140º C durante 1 hora.1 Ímãs . apenas suas bases materiais podem sofrer alterações. os procedimentos adotados para a inativação de vidraria utilizada na homeopatia não são adequados para as ECC. Assim.2.Colocar uma camada de água fria no fundo da panela de acordo com as instruções do fabricante. 9.2. marcar cerca de 3 a 5 minutos para que todo o ar existente na panela seja eliminado e o jato de vapor saia de forma contínua . Sobre a esterilização em Panela de Pressão ESTERILIZAÇÃO COM USO DE PANELA DE PRESSÃO Procedimento Geral 1) Colocar o suporte metálico furado (vem junto com algumas panelas de pressão) no fundo da panela para evitar contato o contato direto do fundo dos vidros com o fundo quente da panela .5 litros para uma panela de 20 litros. Os procedimentos serão determinados.Poderão ser utilizados ímãs criando circulação de uma carga eletromagnética para remover o campo consciencial anteriormente contido pelo vidro. 9.5 litros para uma panela de 7.2.0 litros e cerca de 3. Os Campos de consciência não são alterados ou eliminados pela elevação ou redução de temperatura.A camada de água deve ter em torno de 4. ou por calor seco.O importante é que permaneça sempre uma camada de água no fundo da panela durante todo o processo de esterilização. 3) Fechar a panela de pressão com a tampa .0 cm de altura acima do suporte (cerca de 1.2 Circuitos eletromagnéticos .2.

Evidentemente a carne. É o que fazem as panelas de pressão. 5) Colocar o peso no pino da tampa da panela com o auxílio de uma luva grossa de pvc de cano longo para evitar queimaduras com o vapor que está saindo. Como o vapor exerce uma pressão considerável. cerca de 120º C. Se for aberta quando os frascos estiverem ainda quentes podem ocorrer quebras por choque térmico. que só abre em situações extremas. baixar a intensidade da chama para manter-se apenas uma saída de vapor constante porém sem muita agitação interna. O alimento (do exemplo) é colocado na panela. Começa aqui a contagem do tempo de esterilização. a água (e o vapor) atinge temperaturas mais altas. conservam o calor e a pressão aumenta. Na figura acima você tem um esquema de uma panela de pressão: ela tem uma tampa. batata e feijão ou qualquer outro alimento cozinham muito mais depressa. depois que a água já estiver fervendo. em vez de ferver a 100º C. permitindo a abertura da válvula. ao nível do mar e num recipiente aberto. O excesso de calor produzirá apenas a evaporação mais rápida da água. estará apenas desperdiçando gás. entretanto. tornar a água mais quente que 100º C. aumentando a pressão . quando a válvula central estiver entupida e houver perigo de explosão. O que estiver dentro da água levará o mesmo tempo para cozinhar. prejudicando a eficiência da esterilização. evitando incidentes. mas que pode movimentar-se para cima. que é mantida fechada por um pino relativamente pesado. a temperatura continuará a mesma. Se você mantiver alta a chama de gás. as panelas possuem válvulas de segurança que funcionam quando a pressão atingir um ponto perigoso. 6) Quando o vapor recomeçar a sair e começar a agitar o peso . Como funciona a panela de pressão: Qualquer que seja o tempo que a água demore para ferver nessas condições. O . É possível. há também uma válvula de segurança. Nessas panelas. A panela é fechada e levada ao fogo. vedada com uma argola de borracha. 7) Quando chegar ao término do tempo de esterilização apagar o fogo e deixar a panela esfriar até a temperatura ambiente antes de abri-la para retirar os frascos (geralmente devemos abrir a panela só no dia seguinte). Como são recipientes fechados. no centro da tampa há uma válvula. A água ferve normalmente a 100º C.de ar misturado ao vapor d’agua dentro da panela faz com que a temperatura de ebulição da água seja menor do que quando se tem somente vapor d’agua . como uma certa quantidade de água.

ela se torna suficientemente elevada para que o vapor levante o pino da válvula central e comece a sair da panela. A partir desse momento. o vapor d’água que se vai formando não pode dispersar e a pressão interna da panela aumenta: torna-se maior que a pressão atmosférica. porém. elevando a temperatura da água até que ela ferva. Como a panela é totalmente fechada. Superado esse limite. a pressão do vapor se estabiliza porque é controlada pelo escapamento do vapor através da válvula. A pressão do vapor d’água. O aumento da pressão faz com que a água no interior da panela entre em ebulição.calor da chama aquece toda a panela. a uma temperatura acima de 100º C. Em conseqüência. . aumenta até certo limite. a temperatura no interior da panela também não aumenta mais.