You are on page 1of 7

Simondon e o Transindividual

Vittorio Morfino

1. Para além do psicologismo e do sociologismo Em um artigo de 1997, dedicado a Spinoza, Étienne Balibar chamou a atenç o !obre a obra de "ilbert Simondon, apre!entando o pro#eto te$rico de!te no! !eguinte! termo!% &trata'!e( de uma ambicio!a tentati)a de definir uma e!trutura da! ci*ncia! humana! atra)+! da cr,tica &-!( doutrina! metaf,!ica! da indi)idualidade, .ue conduzem ao cl/!!ico duali!mo entre interno e e0terno, entre conhecimento a priori e a posteriori, entre 1p!icologi!mo2 e 1!ociologi!mo2. &3ai! duali!mo!( !empre !ubordinaram a compreen! o da indi)iduaç o 4ontog*ne!e5 - definiç o do indi),duo entendido como forma 4idealmente5 imutável, &en.uanto .ue( a f,!ica e a biologia moderna! 4inclu,da! a, alguma! di!ciplina! como e!tudo do de!en)ol)imento da! e!trutura! cri!talina! e a biologia do! proce!!o! cogniti)o!, no! .uai! a adaptaç o - mudança ambiental re.uer o emergir de no)a! e!trutura!5 fornecem in!trumento! deci!i)o! para pro#etar um no)o conceito geral de ontog*ne!e, mo!trando .ue a! forma! permanente! 4.ue reduzem a energia potencial ao m,nimo5 ! o meno! importante! no! proce!!o! naturai! com re!peito ao! e.uil,brio! metastáveis 4.ue re.uerem um aumento do potencial de energia .ue de)e !er pre!er)ado geralmente na polaridade entre indi),duo e ambiente5.1 6 pro#eto a .ue Balibar !e refere n o !e encontra e0pre!!o no c+lebre Du mode d'existence des objets techniques, ma! em um li)ro, L’individuation psychique et collective, publicado po!tumamente apena! em 1979, .ue con!titu,a a 8ltima parte de uma te!e de doutorado e!crita no! ano! 199:, de cu#o a! dua! primeira! parte! #/ ha)iam !ido publicada! em 19;<, com o t,tulo de L'Individu et sa gen se physico!biologique. 6 fulcro de!!e pro#eto + o conceito de =tran!indi)idual>, conceito atra)+! do .ual Simondon prop?e'!e a pen!ar a =ontologia do !er !ocial> ao largo tanto da tradiç o
1

E. Balibar, "pino#a$ %rom Individuality to &ransindividuality , =Mededelingen )an@ege het Spinozahui!>, 71, Aelft, Eburon, 1997B trad. italiana organizada por C. Ai Martino ' C. Dinzolo, in "pino#a' Il transindividuale, Milano, Edizioni "hibli, E::E, pp. 11E'11F.

E indi)iduali!ta .uanto da organici!ta. Gem pr+'e0i!t*ncia do indi),duo com re!peito !ociedade, nem pr+'e0i!t*ncia de!ta com relaç o -.uele. Dara re!umir de maneira e0tremamente !int+tica o dif,cil percur!o te$rico atra)+! do .ual Simondon chegou a e!boçar e!!a )ia alternati)a, pode'!e reduzi'lo - enunciaç o de dua! te!e! filo!$fica! de e0trema importHncia, atra)+! da! .uai! + traçada uma linha clara de demarcaç o com re!peito - tradiç o metaf,!ica ocidental% 15 primado do proce!!o de indi)iduaç o !obre o indi),duoB E5 primado da relaç o !obre o! termo! da relaç o.

E. ( primado do processo de individua)*o sobre o indiv+duo 6 conceito de indi)iduaç o + um conceito'cha)e em Simondon, como fica claro me!mo a uma olhada !uperficial no! t,tulo! de !ua! obra!. Em , individua)*o ps+quica e coletiva, Simondon prop?e'!e fi0ar a atenç o !obre proce!!o! de indi)iduaç o, contra uma tradiç o .ue concedeu um pri)il+gio ontol$gico ao indi),duo #/ con!titu,do. Segundo Simondon, tanto a tradiç o !ub!tanciali!ta .uanto a hilem$rfica 4e me!mo na contrapo!iç o entre amba!5, de fato, hipotetizam .ue e0i!te um princ,pio de indi)iduaç o anterior - indi)iduaç o ela me!ma, !u!cet,)el de e0plic/'la, de produzi'la, de conduzi'la. I partir do indi),duo con!titu,do e dado, e!força'!e em remontar -! condiç?e! de !ua e0i!t*ncia.E I pr$pria noç o de princ,pio n o + outra coi!a .ue uma duplicaç o conceitual da indi)idualidade do indi),duo, um pre!!upo!to .ue !er)e para dar raz o -! caracter,!tica! definiti)a! do indi),duo. 3rata'!e, ao contr/rio, !egundo Simondon, de conhecer o indi),duo atra)+! da indi)iduaç o, e n o a indi)iduaç o a partir do indi),duo, em outra! pala)ra!, trata'!e de in)erter radicalmente a per!pecti)a da .ual !e ob!er)ou o indi),duo, afirmando )eementemente o primado da indi)iduaç o% 6 indi),duo !eria, ent o, apreendido como uma realidade relati)a, como uma certa fa!e do !er .ue !up?e, como ela, uma realidade pr+'indi)idual, e .ue, me!mo ap$! a indi)iduaç o, n o e0i!te totalmente !$, poi! a
E

". Simondon, L’individuation psychique et collective - la lumi re des notions de .orme/ Potentiel et 0étastabilité, Dari!, Edition Iubier, E::7E, p. 9 B trad. italiana organizada por D. Virno, Joma, Aeri)eIpprodi, E::1, p. E9.

F indi)iduaç o n o e!gota, de um golpe !$, todo! o! potenciai! da realidade pr+'indi)idual e, por outro lado, i!!o .ue a indi)iduaç o faz aparecer n o + apena! o indi),duo, ma! o par indi),duo ' meio. 6 indi),duo +, a!!im, relati)o em doi! !entido!% por.ue ele n o + todo o !er, e por.ue ele re!ulta de um e!tado do !er no .ual ele n o e0i!tia nem como indi),duo, nem como princ,pio de indi)iduaç o. F Se o indi),duo, ent o, + pen!ado n o como um dado .ue tem !ua raz o de !er conferida por !eu duplo conceitual, o princ,pio, ma! + pen!ado como o re!ultado de um proce!!o, aparece em primeiro plano a dupla relaç o .ue ele mant+m com o pr+'indi)idual e com o ambiente. Kma tal in)er! o de per!pecti)a + po!!,)el, !egundo Simondon, graça! ao conceito de e.uil,brio meta!t/)el, .ue ele =e0trai do campo da .u,mica e da biologia> <. Lomo e!cre)e Larrozzini, =define'!e Mmeta!t/)elM um e!tado em condiç?e! de e.uil,brio in!t/)el. Km !i!tema .ue ne!ta !ituaç o con!i!te em uma magm/tica re!er)a de potenciai! n o'atualizado!, ma! atualiz/)ei! &N(. Km !i!tema meta!t/)el encontra'!e em uma condiç o de ten! o e potencialidade, di!per! o e heterogeneidade &disomogeneit-(>.9 I metaf,!ica, de Iri!t$tele! a Ceibniz, pen!ou a plena re)er!ibilidade do! conceito! de !er e uno, e fundado !obre e!ta re)er!ibilidade, o! princ,pio! de identidade e de n o'contradiç o, !obre a ba!e de um conceito de ordem !egundo o .ual a !ub!tHncia permanece e o! acidente! mudam. Simondon, #u!tamente graça! a um conceito de ordem diferente, a ordem meta!t/)el, rompe com e!!e pre!!upo!to, de!e!tabilizando a unidade do !er do indi),duo ao coloc/'lo em uma d8plice relaç o, com o pr+'indi)idual e com o ambiente, o .ue torna totalmente ineficaz a utilizaç o do princ,pio de n o contradiç o no .ue lhe diz re!peito% Dara pen!ar a indi)iduaç o, de)e'!e con!iderar o !er n o como !ub!tHncia, ou mat+ria, ou forma, ma! como !i!tema te!o, !uper!aturado, acima do n,)el de unidade, n o con!i!tindo !omente nele me!mo e n o podendo !er ade.uadamente pen!ado por meio do princ,pio do terceiro e0clu,doB o !er concreto, ou !er completo, i!to + o !er pr+'indi)idual, + um !er .ue + mai! do .ue uma unidade. I unidade, caracter,!tica do !er indi)iduado, e a identidade, .ue autoriza o u!o do princ,pio do terceiro e0clu,do, n o !e aplicam ao !er pr+'indi)idual, o .ue e0plica .ue n o !e po!!a recompor a po!teriori o mundo com mOnada! &...(B a unidade e a identidade !e aplicam apena! a uma da! fa!e! do !er, po!terior operaç o de indi)iduaç oB &...( ela! n o !e aplicam - ontog*ne!e

F <

P)i, p. 1EB tr. it. cit., p. E7. ". Larrozzini, 1ilbert "imondon$ per un'assiomatica dei saperi, Cecce, Manni, E::7, p. <7. 9 Ibidem.

< entendida no !entido pleno do termo, i!to +, no !entido do de)ir do !er en.uanto !er .ue !e de!dobra e !e defa!a &se déphase( ao !e indi)iduar. ; Simondon apre!enta a indi)iduaç o f,!ica e a indi)iduaç o no Hmbito do )i)ente como ca!o! de re!oluç o de um !i!tema meta!t/)el, com a diferença .ue, en.uanto no Hmbito f,!ico a indi)iduaç o ocorre =em um modo apena! instant2neo, .uHntico, bru!co e definiti)o, dei0ando atr/! de !i uma dualidade meio ' indi)iduo>, =o vivente conserva em si uma permanente atividade de individuali#a)*o>7% ( indiv+duo vivente é sistema de individua)*o/ sistema individuante e sistema que se individua' 7 E0atamente e!!e car/ter da indi)iduaç o no Hmbito do )i)ente permite a Simondon pen!ar o n,)el p!,.uico e o coleti)o em termo! de indi)iduaç?e! !uce!!i)a! com re!peito indi)iduaç o )ital. 3oda)ia, a indi)iduaç o p!,.uica e a coleti)a n o ! o pen!ada! como !uce!!i)a! uma - outra, !egundo um modelo diacrOnico de de!en)ol)imento, ma! em termo! !incrOnico!, como um me!mo proce!!o .ue d/ lugar a um interno e a um e0terno. 6 conceito de tran!indi)idual + introduzido para dar conta preci!amente de!ta d8plice indi)iduaç o, p!,.uica e coleti)a, .ue ocorre a um !$ tempo. É implicitamente refutado, com o )oc/bulo, o pr$prio modelo hu!!erliano da inter!ub#eti)idade, uma )ez .ue o !u#eito, o interno, n o precede a relaç o, ma! + por ela con!titu,do% I! dua! indi)iduaç?e!, p!,.uica e coleti)a, ! o rec,proca! uma em relaç o - outraB ela! permitem de definir uma categoria do tran!indi)idual .ue pretende dar conta da unidade !i!tem/tica da indi)iduaç o interior 4p!,.uica5, e da indi)iduaç o e0terior 4coleti)a5. 6 mundo p!ico!!ocial do tran!indi)idual n o + nem o !ocial bruto, nem o inter'indi)idualB ele pre!!up?e uma )erdadeira operaç o de indi)iduaç o a partir de uma realidade pr+'indi)idual, a!!ociada ao! indi),duo! e capaz de con!tituir uma no)a problem/tica dotada de !ua pr$pria meta!tabilidade. 9 6 tran!indi)idual +, portanto, o nome da comple0a trama de relaç?e! .ue con!titui a um !$ tempo a indi)iduaç o p!,.uica e a coleti)a.

; 7

". Simondon, L’individuation psychique et collective cit., pp. 1F'1<, tr. it. cit., p. E7. P)i, p. 1;B tr. it. cit., p. F:. 7 P)i, p. 17B tr. it. cit., p. F1. 9 P)i, pp. 19'E:B tr. it. cit., p. FE.

9

F. ( primado das rela)3es sobre os elementos I.ui emerge toda a importHncia da !egunda te!e atra)+! da .ual !e bu!cou delinear a po!iç o filo!$fica de Simondon, a afirmaç o do primado da relaç o !obre o! elemento!, da con!tituti)idade da relaç o com re!peito ao! elemento!B te!e !u!tentada algun! ano! ante! por Qhitehead, e na.uele! me!mo! ano! por Daci em obra! como &empo e rela#ione e 4sisten#ialismo e rela#ionismo, !em .ue, no entanto, !e#a rele)ante .ual.uer m8tua influ*ncia. I relaç o nunca +, em Simondon, relaç o entre doi! termo! pr+'e0i!tente!, ma! con!tituiç o, pela pr$pria relaç o, do! termo! colocado! em #ogo. Ge!te !entido, trata'!e, !egundo Simondon, de delinear um no)o m+todo .ue e!te#a - altura de !eu! conceito! de indi)iduaç o e de tran!indi)idual% 6 m+todo con!i!te em n o tentar compor a e!!*ncia de uma realidade por meio de uma relaç o conceitual entre doi! termo! e0tremo! pr+' e0i!tente!, e a con!iderar toda )erdadeira relaç o como po!!uindo o !tatu! de !er. I relaç o + uma modalidade do !erB ela + !imultHnea em relaç o ao! termo! do! .uai! ele a!!egura a e0i!t*ncia. Kma relaç o de)e !er apreendida como relaç o no !er, relaç o do !er, maneira de !er, e n o !imple! relaç o entre doi! termo! .ue !e poderia ade.uadamente conhecer por meio de conceito!, poi! ele! po!!uiriam uma e0i!t*ncia efeti)amente !eparada e precedente. É por.ue o! termo! ! o concebido! como !ub!tHncia! .ue a relaç o &relation( + relaç o &rapport( entre termo!, e o !er + !eparado em termo! por.ue o !er + primiti)amente, anteriormente a todo e0ame da indi)iduaç o, concebido como !ub!tHncia. Io contr/rio, !e a !ub!tHncia ce!!a de !er o modelo do !er, + po!!,)el conceber a relaç o como n o'identidade do !er em relaç o a !i me!mo, inclu! o no !er de uma realidade .ue n o + !omente id*ntica a eleB !e bem .ue o !er en.uanto !er, anteriormente a toda indi)iduaç o, pode !er compreendido como mai! .ue uma unidade e mai! .ue uma identidade. Km tal m+todo !up?e um po!tulado de natureza ontol$gica% ao n,)el do !er, tomado ante! de .ual.uer indi)iduaç o, o princ,pio do terceiro e0clu,do e o princ,pio da identidade n o !e aplicamB e!te! princ,pio! n o !e aplicam a nada al+m de ao !er #/ indi)iduado, e ele! definem um !er empobrecido, !eparado em meio e indi),duoB ele! n o !e aplicam, a!!im, ao todo do !er, i!to +, ao con#unto formado ulteriormente pelo indi),duo e pelo meio, ma! !omente -.uilo .ue, do !er pr+' indi)idual )eio a !er indi),duo. Ge!!e !entido, a l$gica cl/!!ica n o pode !er empregada para pen!ar a indi)iduaç o, poi! ela obriga a pen!ar a operaç o de indi)iduaç o com conceito! e relaç?e! entre conceito! .ue

; !$ !e aplicam ao! re!ultado! da operaç o de indi)iduaç o, con!iderado! de maneira parcial. 1: E!!a no)a l$gica, n o mai! fundada !obre a !ub!tHncia ma! !obre a relaç o, permite pen!ar a relaç o indi),duo ' !ociedade n o em termo! de primado de um elemento !obre o outro. 6 tran!indi)idual n o + outra coi!a .ue a categoria ontol$gica impo!ta por e!ta l$gica relacional, + o nome do !i!tema meta!t/)el .ue d/ um lugar -! indi)iduaç?e! p!,.uica e coleti)a, trama de relaç?e! .ue atra)e!!a e con!titui o! indi),duo! e a !ociedade, interditando metodologicamente a !ub!tancializaç o tanto de!ta 8ltima .uanto do! primeiro!% I !ociedade R e!cre)e Simondon R n o !urge realmente da m8tua pre!ença de muito! indi),duo!, ma! tampouco + ela uma realidade !ub!tancial .ue de)eria !er !uperpo!ta ao! !ere! indi)iduai! e concebida como independente dele!% ela + a operaç o e a condiç o de operaç o pela .ual !e cria um modo de pre!ença mai! comple0a .ue a pre!ença do !er indi)iduado !ozinho. 11 É preci!amente e!!a concepç o da !ociedade como operaç o .ue determina um modo de pre!ença mai! comple0o .ue permite a Simondon fugir de uma !ub!tancializaç o da !ociedade. I !ociedade n o + pen!ada a partir do modelo da !ub!tHncia +tica hegeliana, modelo certamente relacional, ma! centrado !obre uma contemporaneidade e!!encial .ue faz do indi),duo uma pars totalis. Simondon, atra)+! da categoria de tran!indi)idual, prop?e pen!ar a !ociedade n o como o !ub!trato de iner*ncia de um fei0e de relaç?e! do .ual ela !eria o centro l$gico ou a .ualidade temporal 4o 5eitgeist5, ma! como um !i!tema de relaç?e! ele me!mo !em centro. Em outra! pala)ra!, a pr$pria relaç o indi),duo ' !ociedade n o !e d/ nunca como uma relaç o !imple!, ma! como um !i!tema de relaç?e! e0tremamente comple0o e e!tratificado% &...( + dif,cil R e!cre)e Simondon R con!iderar o !ocial e o indi)idual como !e afrontando diretamente em uma relaç o entre indi),duo e !ociedade. 3al afrontamento corre!ponde apena! a um ca!o te$rico e0tremo ao .ual !e apro0imam certa! !ituaç?e! patol$gica! )i)ida!B o !ocial !e !ub!tancializa em !ociedade para o delin.Sente ou o alienado, tal)ez para a criançaB ma! o !ocial n o + um termo de relaç o% ele + !i!tema de relaç?e!, !i!tema .ue comporta uma relaç o e a alimenta. 6 indi),duo entra em relaç o com o !ocial t o !omente atra)+! do !ocial. 1E
1: 11

P)i, pp. EF'E<, tr. it. cit., pp. F9'F;. P)i, p. 177, tr. it. cit., p. 1<<. 1E P)i, p. 179, tr. it. cit., p. 1<;.

7

Simondon conclui .ue =n o h/ algo como o p!icol$gico e o !ociol$gico, ma! o humano .ue, no limite e0tremo e em !ituaç?e! rara!, pode !e de!dobrar em p!icol$gico e em !ociol$gico>1F.

<. 6onclus3es I.uilo .ue Simondon con!tr$i atra)+! !eu , individua)*o ps+quica e coletiva + um )erdadeiro e pr$prio !i!tema filo!$fico, no fundo, no me!mo e!tilo do! grande! !i!tema! do ideali!mo alem o. Kma tentati)a de con!truir um m+todo .ue permita pen!ar o! diferente! n,)ei! do !er !obre a ba!e do conceito de ordem meta!t/)el. Empreendimento titHnico. 3oda)ia, !e ho#e tal)ez tenha !e tornado po!!,)el ree!cre)er em termo! materiali!ta! uma filo!ofia do e!p,rito - la Tegel, a e!trada certamente foi aberta pelo conceito !imondoniano de tran!indi)idual, !ob a condiç o de .ue ele !e#a repen!ado n o apena! atra)+! da conceitualidade !pinozana, como o fez Balibar, ma! tamb+m atra)+! da.uele! .ue con!tituem o inelud,)el ponto de refer*ncia de .ual.uer concepç o contemporHnea da indi)iduaç o% Mar0, Aar@in, Ureud. E!te + o de!afio filo!$fico .ue no! re!er)a o por)ir.

1F

P)i, p. 17:, tr. it. cit., p. 1<;. &il n’y a pas du psychologique et du sociologique/ mais de l’humain qui/ - la limite extr7me et dans des situations rares/ peut se dédoubler en psychologique et en sociologique' (