P. 1
TPC7

TPC7

|Views: 0|Likes:
Published by mariana65

More info:

Published by: mariana65 on Apr 27, 2014
Copyright:Traditional Copyright: All rights reserved

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/27/2014

pdf

text

original

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D.

DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA – A Tema II – Introdução ao Cálculo Diferencial II
TPC nº 7 Entregar em 09 – 01 – 2009 1. O João é coleccionador de chávenas de café. Recebeu como prenda um conjunto de 10 chávenas, todas diferentes em que 4 são douradas e 6 prateadas. Vai colocar as dez chávenas num expositor, como é sugerido na figura, que tem a capacidade para doze chávenas, seis em cima e seis em baixo. De quantas maneiras diferentes é possível distribuir as 10 chávenas pelos 12 lugares, de modo que em cada prateleira fiquem cinco chávenas, sendo duas douradas. 2. Determine o valor de

4   2.1. lim  1 − 5n   

2n

 2 + 6n  2.2. lim    6n + 1 

n+ 2

3   2.3. lim  1 −   n − 1

2n

3. Considere a função real de variável real f definida por f(x) = 4e x − e x ⋅ x 2 e representada

graficamente na figura.
3.1. Determine os valores do domínio para os quais
f(x) < 0 .

3.2. Sabe-se que A, B e C são os pontos de intersecção

do gráfico de f com os eixos e D é um ponto do gráfico da função tal que CD//AB. Recorrendo à calculadora e considerando que a unidade do referencial é o centimetro, calcule a área do trapézio [ABCD]. Apresente o resultado arredondado às centésimas.
4. Um indivíduo depositou numa conta a prazo um capital C, à taxa de juro nominal t %, sendo os

juros capitalizados anualmente. Para conhecer o capital C n , ao fim de n anos, a instituição forneceu ao indivíduo o seguinte modelo matemático:
Cn = C × ( 1 + 0,0 t ) n

Demonstre, por indução matemática, a validade deste modelo.
Professora: Rosa Canelas
1

2008-2009

lim    6n + 1  n+ 2  6n + 2  = lim    6n + 1  n+ 2    6n  1 + = lim      6n  1 +   2   6n   1   6n   n+ 2 1      lim  1 + 3  lim  1 + n      = = n+ 2 1      lim  1 + 6  lim  1 + n      n+ 2 1   3 × lim  1 +   n    n 1   6 × lim  1 +   n    n 1 3  n  2 1 6  n  2 1 = e3 × 1 1 6 e = e3 1 1 − 6 1 = e6 = 6 e 2 2 ×1 2n n n +1−1      3   −3  lim 1 =  lim  1 − = +         n − 1     n − 1     2 3   2.ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D.1. lim  1 − 5n    2n n   4  2 8 −      −4  − 1 5 5   = lim  1 + = e  = e 5 =  5 8     n   e           2  2 + 6n  2. existem 6 C5 maneiras possíveis. Existem 4 C2 maneiras de o fazer e automaticamente ficam escolhidas as 2 chávenas douradas para a outra prateleira. Determinemos o valor de 4   2. Como as chávenas são diferentes temos 6! maneiras possíveis. Em seguida. Existem 6 C5 × 6 C5 × 4 C2 × 5 A 2 × 5 A 2 × 6! = 62 208 000 maneiras diferentes. ou seja. 2. lim  1 −   n − 1 n −1 1   2 3  3   1  lim 1 =  lim  1 − × −  = e −3 × 1 = e−6 = 6      n − 1 e  n − 1    ( ) Professora: Rosa Canelas 2 2008-2009 . e como elas são diferentes existem 5 A 2 × 5 A 2 modos diferentes. para cada prateleira. DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA – A Tema II – Introdução ao Cálculo Diferencial II TPC nº 7 – proposta de resolução 1. Para cada escolha efectuada vamos ter de escolher as chávenas douradas para colocar numa das prateleiras. Finalmente vamos colocar as 6 chávenas prateadas nos 6 lugares previamente escolhidos. como são duas prateleiras temos 6 C5 × 6 C5 . dos cinco lugares escolhidos vamos escolher dois para colocar as chávenas douradas.2.3. Comecemos por escolher de entre os 6 locais possíveis (em cada uma das prateleiras) 5 locais para colocar as chávenas.

Comecemos por determinar os zeros de f. +∞[ . Considere a função real de variável real f definida por f(x) = 4e x − e x ⋅ x 2 e representada graficamente na figura.3. 3. Ou analiticamente: x e x −∞ + - -2 + 0 0 + + + 2 + 0 0 + - +∞ 4 . −2[ ∪ ]2. Professora: Rosa Canelas 3 2008-2009 . Sabe-se que A. Determine os valores do domínio para os quais f(x) < 0 . para determinarmos a abcissa de D vamos resolver a equação f ( x ) = 4 ⇔ 4e x − e x ⋅ x 2 = 4 Utilizemos a calculadora: Ao memorizarmos o valor da abcissa de D ficamos com a medida de CD .x2 f (x) Os valores do domínio que verificam a condição são todos os valores de x que pertencem ao intervalo ]−∞.1. A área do trapézio é dada por A = AB + CD × OC 2 Como f(0) = 4e0 − e0 ⋅ 02 = 4 então a ordenada de C é 4 e OC = 4 A equação da recta CD é y = 4. 3. f(x) = 0 ⇔ 4e x − e x ⋅ x 2 = 0 ⇔ e x (4 − x 2 ) = 0 ⇔ e x = 0 ∨ 4 − x 2 = 0 ⇔ x = 2 ∨ x = −2 .2. Por análise do gráfico da função f(x) < 0 ⇔ x < −2 ∨ x > 2 . B e C são os pontos de intersecção do gráfico de f com os eixos e D é um ponto do gráfico da função tal que CD//AB.

0t × C (1 + 0. por indução matemática. a validade deste modelo.0t ) ⇒ Cn+1 = C (1 + 0. a instituição forneceu ao indivíduo o seguinte modelo matemático: Cn = C × ( 1 + 0. Para conhecer o capital C n .0t ) e vai render uma taxa de t% no ano seguinte (ao n fim de n + 1 anos) o capital devia ser Cn+1 = C (1 + 0.0 t ) n Demonstremos.0t ) ⇔ C0 = C como pretendíamos mostrar 0 Verifiquemos agora se sendo válida ao fim de n anos a fórmula ainda é válida ao fim de n + 1 anos Cn = C (1 + 0. Verifiquemos se o modelo é válido quando n = 0 altura em que o dinheiro é depositado.Do exercício anterios ficámos com os valores dos zeros x = 2 ∨ x = −2 donde concluímos que AB = 4 Feitos os cálculos concluimos ser 11. à taxa de juro nominal t %. sendo os juros capitalizados anualmente. C0 = C (1 + 0. ao fim de n anos.0t ) + 0.0t ) = C (1 + 0. 4. 67 cm2 o valor arredondado às centésimas da área do trapézio. Um indivíduo depositou numa conta a prazo um capital C.0t ) (1 + 0. Professora: Rosa Canelas 4 2008-2009 .0t ) n n n n +1 Verificada que está o modelo para n = 0 e verificando-se ainda que o modelo é hereditário fica provado pelo princípio de Indução Matemática que a fórmula é válida para qualquer valor de n.0t ) n n +1 Se ao fim de n anos o capital é C (1 + 0.0t ) = C (1 + 0.

3. • 2.3.2.1. DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA – A Tema I – Probabilidades e Combinatória CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO TPC nº 7 1.1. • • 2.ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. • • • Escrever as coordenadas de A e B ou concluir a medida da base maior Calcular as coordenadas de C ou concluir a medida da altura Determinar as coordenadas de D e concluir a medida da base menor Calcular a área Verificar para n = 0 Escrever a hipótese e a tese de Indução Demonstrar a hereditariedade utilizando a Hipótese de Indução. Professora: Rosa Canelas 5 2008-2009 . • 3. 2.2. • 25 Pontos Resolver correctamente o problema Justificar a resolução • 10 Pontos • 15 Pontos • 25 Pontos Resolver correctamente o limite Resolver correctamente o limite Resolver correctamente o limite • 7 Pontos • 10 Pontos • 8 Pontos • 25 Pontos • 10 pontos • 5 Pontos • 5 Pontos • 15 Pontos • 4 Pontos • 4 Pontos • 5 pontos • 2 Pontos • 25 Pontos • 5 Pontos • 5 Pontos • 15 Pontos • Determinar os zeros • Resolver a inequação gráfica ou analiticamente 3. • • • • 4. • 2.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->