You are on page 1of 5

PROCEDIMENTO SISTÊMICO – IDENTIFICAÇÃO

DE RISCOS E PERIGOS AMBIENTAIS
002-0000
Categoria: 002
Revisão: 000
Resp. Qualidade
1-OBJETIVO: Estabelecer metodologia para aplicação do processo de identificação do perigo e da
avaliação de risco para determinar os controles que são necessrios para redu!ir os riscos de lesão e
doenças ocupacionais.
2- APLICAÇÃO
"plica-se a todos os processos definidos na "bordagem de #rocesso do $istema de %estão da Qualidade
3- REFERÊNCIAS
&'R ()$"$*+00*:200,: $a-de ocupacional e $egurança de $istemas de %estão - Requerimentos
&'R ()$"$*+002:2000 . $istemas de %estão da $egurança e $a-de (cupacional - /iretri!es para a
implementação da ()$"$ *+00*
4- RESPONSABILIDADE:
%erentes0Coordenadores
Recursos )umanos
Qualidade
5- DESCRIÇÃO:
(s resultados das avaliaç1es de risco permitem a organi!ação comparar as opç1es da redução do risco e
dar prioridade aos recursos para a gestão efica! do risco.
"s sa2das da identificação de perigos3 da avaliação de riscos e da determinação dos processos de controle
devem tamb4m ser usadas na e5ecução e no desenvolvimento de outras partes do sistema de gestão da
$$6 tais como o treinamento e o controle operacional.
A) I!"#$%$&'()* *+ P!,$-*+:
6r7s perguntas deve ser feita no levantamento da identificação de perigos:
a8 9 uma fonte de dano:
b8 quem ;ou o que8 poderia sofrer o dano:
c8 como o dano poderia ocorrer:
&ota: (s perigos que3 claramente3 possuem um potencial despre!2vel para causar danos não devem
ser documentados nem receber maior consideração.
#ara a<udar no processo de identificar os perigos3 4 -til categori!-los em diferentes maneiras3 por
e5emplo3 por t=pico3 como:
a8 mec>nico?
b8 el4trico?
c8 radiação?
d8 subst>ncias?
e8 inc7ndio e e5plosão.
Em seguida desenvolver uma lista de refer7ncia com perguntas como:
/urante as atividades de trabal9o os seguintes perigos podem e5istir:
a8 escorreg1es ou quedas no piso?
b8 quedas de pessoas de alturas?
c8 quedas de ferramentas3 materiais3 de alturas?
d8 p4 direito inadequado?
e8 perigos associados com o manuseio ou levantamento manual de ferramentas3 materiais?
f 8 perigos da planta e de mquinas associadas com a montagem3 condicionamento3 operação3
manutenção3 modificação3 reparo e desmontagem?
g8 perigos de ve2culos3 cobrindo tanto o transporte no local e os percursos em estrada?
98 inc7ndio e e5plosão?
#gina * de @
Elaboração:
#atricia " #auli
"provação:
"ntonio " 'ortolu!!i
PROCEDIMENTO SISTÊMICO – IDENTIFICAÇÃO
DE RISCOS E PERIGOS AMBIENTAIS
002-0000
Categoria: 002
Revisão: 000
Resp. Qualidade
i 8 viol7ncia contra o pessoal?
< 8 subst>ncias que podem ser inaladas?
A8 subst>ncias ou agentes que podem causar danos aos ol9os?
l 8 subst>ncias que podem causar danos ao entrar em contato ou sendo absorvidas pela pele?
m8 subst>ncias que podem causar danos sendo ingeridas ;penetrando no corpo atrav4s da boca8?
n8 energias pre<udiciais ;por e5emplo3 eletricidade3 radiação3 ru2do3 vibração8?
o8 disfunç1es dos membros superiores associadas com o trabal9o e resultantes de tarefas freqBentemente
repetidas?
p8 ambiente t4rmico inadequado3 como muito quente?
q8 n2veis de iluminação?
r 8 superf2cies de piso escorregadias e não uniformes?
s8 guardas inadequadas ou corrimãos inadequados em escadas?
t8 atividades de empreiteiros.
&ota: Caso a organi!ação quiser considerar outras perguntas neste questionrio3 podem ser elaboradas
pela organi!ação.
B) AVALIAÇÃO DE RISCOS:
#rimeiramente deve-se considerar os seguintes conceitos:
CP!,$-*D . fonte ou situação com potencial para o dano3 em termos de les1es ou ferimentos para o corpo
9umano ou danos para a sa-de3 para o patrimEnio3 para o ambiente do local de trabal9o3
CR$+&*D . combinação da probabilidade e da;s8 conseqB7ncia;s8 da ocorr7ncia de um determinado
acontecimento perigoso.
RF # 5 $
R . Risco
# . #robabilidade
$ . $everidade ;conseqB7ncia3 gravidade8.
/efinido desta forma3 o Risco3 varia na proporção direta da probabilidade e da severidade.
Quanto maior a probabilidade e a severidade3 maior 4 o risco3 quanto menor for a probabilidade e a
severidade3 menor o risco.
G medida que a probabilidade aumenta a severidade diminui3 assim como3 com o aumento da severidade
a probabilidade diminui.
#oder-se- definir CRisco "ceitvelD da seguinte forma: Risco que foi redu!ido a um n2vel que possa ser
aceite pela organi!ação3 tomando em atenção as suas obrigaç1es legais e a sua pr=pria pol2tica da $$6.
" gestão dos riscos 4 um dos aspectos fundamentais de toda a função segurança. ( con9ecimento dos
riscos suporta a sua avaliação e o estabelecimento das medidas de prevenção mais adequadas.
" distinção te=rica dos conceitos de Crisco potencialD e Crisco efetivoD revela-se igualmente importante
para o estudo e anlise de riscos.
( risco potencial est associado ao fato de a resist7ncia do corpo3 eventualmente atingido3 ser inferior a
uma determinada energia ;causadora do acidente8.
( risco efetivo 4 a probabilidade do )omem3 estar e5posto a um risco potencial.
6al como definimos no in2cio3 CR F # 5 $D em que a severidade est relacionada com risco potencial 3 e o
risco efetivo 4 uma função da probabilidade e da severidade.
C) GRAVIDADE DO DANO:
"s informaç1es obtidas sobre as atividades de trabal9o são dados fundamentais de entrada para a
avaliação de riscos. Quando se procura estabelecer a gravidade potencial do dano3 deve ser levado em
conta o seguinte:
a8 #artes do corpo que provavelmente serão afetadas?
b8 &ature!a do dano3 variando do mais leve ao e5tremamente pre<udicial:
#gina 2 de @
Elaboração:
#atricia " #auli
"provação:
"ntonio " 'ortolu!!i
PROCEDIMENTO SISTÊMICO – IDENTIFICAÇÃO
DE RISCOS E PERIGOS AMBIENTAIS
002-0000
Categoria: 002
Revisão: 000
Resp. Qualidade
*. Hevemente pre<udicial3 por e5emplo:
- Hes1es superficiais? pequenos cortes e contus1es? irritaç1es dos ol9os com poeira?
- IncEmodo e irritação ;por e5emplo3 dor de cabeça8 ? doença ocupacional que leve a desconforto
temporrio
2. #re<udicial3 por e5emplo:
- Haceraç1es? queimaduras? concussão? torção0 deslocamentos s4rios? pequenas fraturas?
- $urde!? dermatites? asma? les1es dos membros superiores relacionadas ao trabal9o? doenças que
provoquem incapacidade permanente menor.
J. E5tremamente pre<udicial3 por e5emplo:
- "mputaç1es? grandes fraturas? envenenamentos? les1es m-ltiplas? les1es fatais?
- C>ncer ocupacional? outras doenças que encurtem severamente a vida? doenças fatais agudas.
D) PROBABILIDADE:
" tabela seguinte apresenta uma classificação da probabilidade:
/escrição Especialidade
#rovvel (corre frequentemente ;< e5perimentado8
Improvvel #ode ocorrer alguma ve!
"ltamente improvvel #ode ocorrer mais nunca aconteceu
E): N.VEL DE RISCO:
6abela de Estimador para o n2vel de risco
L!/!0!"#! P,!12$&$'3 P,!12$&$'3 E4#,!0'0!"#!
P,!12$&$'3
"ltamente Improvvel Risco 6rivial Risco "ceitvel Risco Koderado
Improvvel Risco "ceitvel Risco Koderado Risco $ubstancial
#rovvel Risco Koderado Risco $ubstancial Risco Inaceitvel
Lm plano de controle simples baseado em riscos pode ser utili!ado durante esta etapa da avaliação.
NÍVEL DE RISCO AÇÃO E CRONOGRAMA
Trivial Nenhuma ação é requerida e nenhum registro documental precisa
ser mantido
Aceitável Nenhum controle adicional é necessário. Pode-se considerar uma
solução mais econômica ou aperfeiçoamento que não imponham
custos extras. A monitoração é necessária para assegurar que os
controles são mantidos.
Moderado Deem ser feitos esforços para redu!ir o risco" mas os custos de
preenção deem ser cuidadosamente medidos e limitados. As
medidas de redução de risco deem ser implementadas dentro de
um per#odo de tempo definido. $uando o risco moderado é associado
#gina J de @
Elaboração:
#atricia " #auli
"provação:
"ntonio " 'ortolu!!i
PROCEDIMENTO SISTÊMICO – IDENTIFICAÇÃO
DE RISCOS E PERIGOS AMBIENTAIS
002-0000
Categoria: 002
Revisão: 000
Resp. Qualidade
a conseq%&ncias extremamente pre'udiciais" uma aaliação posterior
pode ser necessária" a fim de esta(elecer" mais precisamente" a
pro(a(ilidade de dano" como uma (ase para determinar a
necessidade de medidas de controle aperfeiçoadas.
Subta!cial ) tra(alho não dee ser iniciado até que o risco tenha sido redu!ido.
*ecursos consideráeis poderão ter de ser alocados para redu!ir o
risco. $uando o risco enoler tra(alho em execução" ação urgente
dee ser tomada.
I!aceitável O trabalho não deve ser iniciado nem continuar até que o risco tenha sido
reduzido. Se não for possível reduzir o risco, nem com recursos ilimitados, o
trabalho tem de permanecer proibido.
( resultado desta etapa determina qual o tratamento a organi!ação ir dispensar em relação aos riscos
encontrados. "lgumas das aç1es decorrentes deste levantamento e avaliação podem ser:
*. Kedidas de monitoramento e controle dos riscos
2. /efinição de ob<etivos e aç1es para diminuir os riscos identificados
J. /efinição dos treinamentos e compet7ncias necessrias
M. /efinição de controles operacionais necessrios
"p=s a implementação das aç1es propostas 4 necessrio avaliar se os riscos residuais estão abai5o do
limite de toler>ncia.
F) GESTÃO DA M5DANÇA:
"s mudanças criadas ou introdu!idas por fatores e5ternos precisam ser avaliadas para a identificação do
perigo e a avaliação cont2nua de risco.
/eve-se considerar os perigos e o potencial risco associado com processos ou operaç1es novas ainda na
fase de pro<eto e tamb4m nas mudanças da organi!ação3 operaç1es e5istentes3 produtos3 serviços ou
fornecedores. $ão e5emplos as seguintes circunst>ncias que devem provocar uma ger7ncia do processo da
mudança:
- &ova tecnologia ou modificada ;incluindo softNare83 equipamento3 facilidades3 ou ambiente do trabal9o?
- #rocedimentos3 prticas de trabal9o3 especificação do pro<eto ou padr1es novos ou revisados?
- /iferentes tipos ou classes de mat4ria-prima?
- Kudanças significativas O estrutura organi!acional e staff do local3 incluindo os contratados?
- Kodificaç1es de dispositivos de sa-de e de segurança e de equipamento ou de controles.
" gestão do processo da mudança deve levar em consideração das seguintes perguntas para assegurar-se
de que todos os riscos novos ou modificados se<am aceitveis:
- &ovos perigos foram criados:
- Quais são os riscos associados com os novos perigos:
- (s riscos de outros perigos mudaram:
- #odem estas mudanças adversamente afetar os controles e5istentes do risco:
- (s controles mais apropriados foram escol9idos3 em relação O usabilidade3 aceitabilidade e
os custos imediatos e a longo pra!o:
G) DETERMINANDO A NECESSIDADE DE CONTROLES
#gina M de @
Elaboração:
#atricia " #auli
"provação:
"ntonio " 'ortolu!!i
PROCEDIMENTO SISTÊMICO – IDENTIFICAÇÃO
DE RISCOS E PERIGOS AMBIENTAIS
002-0000
Categoria: 002
Revisão: 000
Resp. Qualidade
6erminando uma avaliação de risco e fa!endo uma anlise dos requisitos e controles e5istentes na
organi!ação3 deve-se determinar se estes controles são adequados ou necessitam de mel9oria3 ou se novos
controles são necessrios.
$e os novos controles ou mel9orados forem necessrios3 estes devem ser determinados de acordo com o
princ2pio de eliminação dos perigos onde praticvel seguido3 por sua ve! pela redução do risco ;redu!indo
a probabilidade da severidade da ocorr7ncia ou do potencial de ferimento ou do dano83 com a adoção de
equipamento de proteção individual ;E#I8 como um -ltimo recurso.
" seguir3 são fornecidos alguns e5emplos para programar a 9ierarquia dos controles:
a8 E3$0$"'()* . modificação de um pro<eto para eliminar o perigo3 por e5emplo. Kecani!ar em ve! de
empacotar manualmente?
b8 S26+#$#2$()* - substitua um material mais perigoso por um menos perigoso ou redu!a a energia do
sistema ;por e5emplo. abai5e a força3 a amperagem3 a pressão3 a temperatura3 etc. 8 ?
c8 C*"#,*3!+ ! !"-!"7',$' - instalar sistemas da ventilação3 proteção na mquina3 bloqueios3 redutores
de ru2do3 etc . ?
d8 S$"'3$8'()*9 '3!,#'+9 '/$+*+9 !:*2 &*"#,*3!+ '0$"$+#,'#$/*+ - instale alarmes3 procedimentos de
segurança3 inspeção do equipamento3 controles de acesso?
e8 E;2$<'0!"#* ! <,*#!()* $"$/$2'3 =EPI) - =culos de segurança3 protetores de ouvido3 protetores de
rosto3 respiradores e luvas.
"o aplicar esta 9ierarquia3 deve-se levar em consideração os custos3 os benef2cios da redução
do risco3 e O confiabilidade relativa Os opç1es dispon2veis. /eve-se tamb4m fa!er uma anlise dos
requisitos para:
- " necessidade para uma combinação dos controles de engen9aria e dos controles administrativos ;que
combinam elementos da 9ierarquia acima descritos8?
- Estabelecendo boas prticas no controle do perigo em consideração?
- "daptando o trabal9o ao indiv2duo ;por e5emplo. para fa!er uma anlise dos requisitos de
potencialidades mentais e f2sicas individuais8?
- Pa!endo anlise da vantagem do progresso t4cnico para mel9orar controles?
- Lsando equipamentos de proteção coletiva ;E#C8 que protegem a todos ;por e5emplo.
selecionando os controles da engen9aria que protegem a todos na ao redor de um perigo na prefer7ncia ao
uso de E#I8?
- Comportamento 9umano e se uma medida de controle particular vai ser aceita e pode efica!mente ser
e5ecutada?
- 6ipos bsicos t2picos de fal9a 9umana ;por e5emplo. fal9a simples de uma ação freqBentemente
repetida3 lapsos da mem=ria ou a atenção3 falta da compreensão ou o erro de <ulgamento3 e ruptura das
r4guas ou os procedimentos8 e as maneiras de impedi-las?
- " necessidade de introdu!ir planos para manutenção de3 por e5emplo3 proteç1es da maquinas?
- " poss2vel necessidade para arran<os na emerg7ncia0conting7ncia onde os controles do risco fal9am?
- " potencial falta de familiaridade com o local de trabal9o e os controles e5istentes para aqueles que não
são empregados ou terceiri!ados da organi!ação por e5emplo: visitantes3 pessoal do contratante.
#gina @ de @
Elaboração:
#atricia " #auli
"provação:
"ntonio " 'ortolu!!i