You are on page 1of 21

”TIPOS DE PESQUISA”

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar


projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo:
Atlas, 2002
O que é pesquisa?

Procedimento racional e sistemático


que tem como objetivo proporcionar
respostas aos problemas que são
propostos.
Quais os tipos de pesquisa?

As pesquisas podem ser classificadas


de acordo com seus objetivos ou com
seu delineamento (desenho da
pesquisa).
Classificação de pesquisa de
acordo com seus objetivos:

1. Exploratórias
2. Descritivas
3. Explicativas
1. Exploratórias

Têm como objetivo proporcionar maior


familiaridade com o problema, com vistas
a torná-lo mais explícito ou a construir
hipóteses.

Seu planejamento é bastante flexível e, na


maioria dos casos são feitos: (a)
levantamento bibliográfico; (b)
entrevistas com pessoas que tiveram
experiências práticas com o problema
pesquisado; (c) análise de exemplos que
“estimulem a compreensão”.
2. Descritivas

Têm como objetivo a descrição das


características de determinada população
ou fenômeno e o estabelecimento de
relações entre variáveis.
3. Explicativas

Têm como preocupação a identificação dos


fatores que determinam ou que contribuem
para a ocorrência dos fenômenos. É o tipo
de pesquisa que mais aprofunda o
conhecimento da realidade, porque explica
a razão, o porquê das coisas.
Classificação de pesquisa de
acordo com seu delineamento:
1. Bibliográfica;
2. Documental;
3. Experimental;
4. Ex-post facto;
5. Estudo de coorte;
6. Levantamento;
7. Estudo de campo;
8. Estudo de caso;
9. Pesquisa-ação;
10. Pesquisa Participante.
1. Pesquisa Bibliográfica

Desenvolvida com base em material já elaborado,


constituído principalmente de livros e artigos
científicos.
Livros: de leitura corrente (obras literárias e de
divulgação); de referência (informativa ou
remissiva – dicionários, enciclopédias);
Publicações Periódicas: jornais, revistas;
Impressos diversos.
2. Pesquisa Documental

Assemelha-se à pesquisa bibliográfica,


contudo, a diferença está na natureza
das fontes.
A pesquisa documental se vale de
materiais que não receberam ainda
um tratamento analítico.
Exemplo
“Pesquisa documental sobre a história da hanseníase no Brasil”

RESUMO
Este trabalho apresenta resultados parciais de uma pesquisa sobre
fontes relativas à lepra, realizada em diversas instituições da cidade
do Rio de Janeiro. No Real Gabinete Português de Leitura, no Arquivo
Nacional e na Biblioteca Nacional foram pesquisados livros, índices,
ofícios e fotografias sobre administração de leprosários e artigos
sobre o tratamento da doença. No Centro de Pesquisa e
Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC-FGV)
foram consultados diversos arquivos, destacando-se as informações
referentes à política de saúde adotada durante o primeiro governo
Vargas (1930-45). A pesquisa integra o acervo da International
Leprosy Association Global Project on the History of Leprosy, e os
resultados podem ser consultados no site
http://www.leprosyhistory.org.

Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-


59702003000400019&lng=pt&nrm=iso
3. Pesquisa Experimental

Consiste em determinar um objeto de


estudo, selecionar as variáveis que
seriam capazes de influenciá-lo,
definir as formas de controle e de
observação dos efeitos que a variável
produz no objeto,
Variáveis?

Definição matemática: “Algo que varia”


– designa um atributo que pode
assumir diversos valores e posições.
Variáveis são as dimensões que o
pesquisador elege na realidade como
importantes para sua pesquisa.
Tipos de variáveis:
Variável genérica: quando as variáveis não descrevem
nenhuma função e as dimensões estudadas não
serão relacionadas entre si;
Variável Independente: ao buscar uma função de
causa-efeito, a VI é a propriedade manipulada pelo
pesquisador e que, provavelmente, será responsável
pela modificação em outra propriedade observada;
Variável Dependente: é a propriedade observada pelo
pesquisador e que, provavelmente, será alterada
pelo experimento (efeito);
Variável Interveniente: influencia na variabilidade
dos dados assumidos pela variável dependente,
contudo não foi manipulada ou deliberadamente
incluída pelo pesquisador
4. Ex-post facto

“A partir do fato passado” – a pesquisa é


realizada após a ocorrência de variações na
variável dependente no curso natural dos
acontecimentos.
Propósito: verificar a existência de relações
entre as variáveis´(mesmo das pesquisas
experimentais).
Diferencia-se das pesq. Experimentais
porque na ex-post facto o pesquisador não
tem o controle da variável independente.
5. Estudo de coorte

Refere-se a um grupo de pessoas que


têm alguma característica comum,
constituindo uma amostra a ser
acompanhada por certo período de
tempo.
6. Levantamento

Caracterizam-se pela interrogação


direta das pessoas cujo
comportamento se deseja conhecer.
Censo: quando o levantamento recolhe
informações de todos os integrantes
do universo pesquisado.
Levantamento por amostra
7. Estudo de campo

Apresenta semelhanças com o levantamento,


contudo, com maior profundidade.
Modelo clássico de investigação no campo da
antropologia, de onde se originou.
Pesquisa desenvolvida por meio da
observação direta das atividades do grupo
estudado e de entrevistas com
informantes, além de análise de
documentos, filmagem e fotografias.
8. Estudo de caso

Consiste no estudo profundo e


exaustivo de um ou poucos objetos.
É considerado como o delineamento
mais adequado para a investigação de
um fenômeno contemporâneo, dentro
de seu contexto real.
9. Pesquisa-ação

“(...) um tipo de pesquisa com base empírica


que é concebida e realizada em estreita
associação com uma ação ou com a
resolução de um problema coletivo e no
qual os pesquisadores e participantes
representativos da situação ou do
problema estão envolvidos de modo
cooperativo ou participativo” (Thiollent,
1985, p.14)
10. Pesquisa Participante

Caracteriza-se pela interação entre


pesquisadores e membros das
situações investigadas.
É considerada como sinônimo da
pesquisa ação.