P. 1
Plantinga - notas de aula prof Agnaldo - UnB - 2ª Parte

Plantinga - notas de aula prof Agnaldo - UnB - 2ª Parte

|Views: 32|Likes:
Published by analamounier
Notas de aula da disciplina filosofia da religião da pós-graduação em Filosofia na UnB, feito pelo prof. Agnaldo.
Notas de aula da disciplina filosofia da religião da pós-graduação em Filosofia na UnB, feito pelo prof. Agnaldo.

More info:

Published by: analamounier on Nov 20, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/14/2012

pdf

text

original

Resumo e notas de PLANTINGA, Alvin. Warrant: a first approximation. In: Warrant and Proper Function.

New York/Oxford: Oxford University Press, 1993. Pp. 3-20. Da discussão feita em Warrant: The Current Debate, pode-se concluir que há muitas maneiras diferentes de entender o que seja um valor epistêmico, ou seja, o que seja uma boa avaliação em termos de crença. Cada uma das maneiras principais de se entender a justificação é um modo de conceber o que é esse valor epistêmico: cumprimento de dever epistêmico (internalismo clássico), coerência (coerentismo), indícios adequados que fundamentem a crença (fundacionalismo), confiabilidade dos mecanismos ou faculdades que produzem a crença (externalismo), verdade, grau adequado de aceitação de uma crença, entre outros. I. Função Própria A noção de garantia (aquilo que se acrescenta a uma crença verdadeira justificada para que ela possa ser considerada conhecimento) se liga a todos esses valores epistêmicos, mas isso exige uma descrição adequada do que ela seja. Para tanto, Plantinga sugere atentar para outro valor epistêmico importante: o funcionamento apropriado das faculdades epistêmicas. Segundo ele, o mal funcionamento cognitivo é um tema recorrente nas avaliações de falta de garantia de uma crença. Por mal funcionamento cognitivo de uma faculdade epistêmica entenda-se a falha daquela faculdade em funcionar do modo como deveria para proporcionar uma crença que se possa chamar conhecimento. Assim, uma condição necessária (embora não suficiente) para que uma crença tenha garantia cognitiva para mim é que meu aparato de formação e manutenção de crenças esteja funcionando bem, ou seja, do modo como deveria funcionar. A noção de função própria, porém, não é bem vista por todos. Muitos a consideram incompreensível e incapaz de ajudar a esclarecer o que venha ser a garantia, pois é mais difícil do que esta. Plantinga responde que se trata de uma noção empregada nos mais diversos contextos tanto pelo senso comum quanto pelo discurso científico mais rigoroso.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->