A DIVINA PROVIDÊNCIA

Por
Emanuel Swedenborg
A DIVINA PROVIDÊNCIA É 0 GOVERNO DO DIVINO
E DA DIVINA SABEDORIA DO SENHOR
1 - Para que se compreenda o que é a Divina Providência, e qual é o Governo do
Divino Amor e da Divina Sabedoria do Senhor, é importante que se saiba o que já oi
dito e mostrado sobre o Divino Amor e a Divina Sabedoria no !ratado sobre este
assunto" s#o as proposi$%es se&uintes' (o Senhor o Divino Amor pertence ) Divina
Sabedoria, e a Divina Sabedoria pertence ao Divino Amor, n* +, a +-. / Divino
Amor e a Divina Sabedoria n#o podem sen#o ser e e0istir em outros criados por
eles, n* ,1 a 21. !odas as cousas do 3niverso oram criadas pelo Divino Amor e
pela Divina Sabedoria, n*
s
24, 2+, 121 a 125. !odas as coisas do 3niverso s#o
recipientes do Divino Amor e da Divina Sabedoria, n* 22 a 56. / Senhor diante dos
anjos aparece como Sol" o 7alor que dele procede é o Amor e a 8u9 que dele
procede é a Sabedoria, n*
s
:+ a ::" :- a -4" -+ a -:" 4-5 a +61. / Divino Amor e a
Divina Sabedoria, que procedem do Senhor, a9em um, n* -- a 164. / Senhor de
toda a eternidade, que é ;ehovah, criou de Si mesmo, e n#o do nada, o 3niverso e
todas as cousas do 3niverso, n* 4:4 a 4:," 4-6 a 4-2. <stas proposi$%es s#o
demonstradas no !ratado intitulado A SA=<D/>?A A(G@8?7A S/=>< 6 D?A?(/
AB/> < A D?A?(A SA=<D/>?A.
4 - Por estas proposi$%es conrontadas com o que oi e0plicado sobre a cria$#o no
mesmo !ratado, pode-se ver, é verdade, que é o Governo do Divino Amor e da
Divina Sabedoria do Senhor que é chamado a Divina Providência" mas como lá se
tratava da 7ria$#o, e n#o da 7onserva$#o do estado das cousas apCs a cria$#o, e
como esta conserva$#o é o &overno do Senhor, por isso vai se tratar aqui deste
assunto a&ora" mas, neste Arti&o, se tratará da conserva$#o da uni#o do Divino
Amor e da Divina Sabedoria ou do Divino =em e do Divino Aero, nas cousas que
oram criadas" alar-se-á disso nesta ordem' I. / 3niverso, com todas e cada, uma
das coisas que ele contém, oi criado do Divino Amor pela Divina Sabedoria. II. /
Divino Amor e a Divina Sabedoria procedem como um do Senhor. III. <ste um está
em uma espécie de ima&em em todas as cousas criadas. IV. @ da Divina
Providência que todas as coisas criadas sejam no comum é na parte, um tal um" e,
se n#o o é, que assim seja tornado. V. / bem do amor n#o é mais o bem sen#o
tanto quanto se une ao vero da sabedoria, e o vero da sabedoria n#o é mais o vero
sen#o tanto quanto está unido ao bem do amor. VI. / bem do amor n#o unido ao
vero da sabedoria n#o é o bem em si, mas é um bem aparente" e o vero da
sabedoria n#o unido ao bem do amor n#o é o vero em si, mas é um vero aparente.
VII. / Senhor n#o tolera que al&uma cousa seja dividida, por isso toda coisa deve
estar no bem e ao mesmo tempo no vero, ou no mal e ao mesmo tempo no also.
VIII. / que está no bem e ao mesmo tempo no vero é al&uma cousa e o que está no
mal e ao mesmo tempo no also n#o é al&uma cousa. I. A Divina Providência do
Senhor a9 com que o mal e ao mesmo tempo o also sirvam para o equilDbrio, para
a rela$#o e para a puriica$#o, e assim para a conjun$#o do bem e do vero em
outrem.
+ - I. 0 Universo com todas e cada uma das coisas que ele contém, foi criado
do Divino Amor pela Divina Sabedoria.
Eue o Senhor de toda eternidade, que é ;eová, seja quanto ) <ssência o Divino
Amor e a Divina, Sabedoria, e que de Si tenha, <le mesmo, criado o 3niverso e
todas as cousas do universo, é o que oi demonstrado no !ratado D/ D?A?(/
AB/> < DA D?A?(A SA=<D/>?A" daD resulta esta proposi$#o, que o 3niverso, com
todas e cada uma das cousas que contém, oi criado do Divino Amor pela Divina
Sabedoria. (o !ratado acima mencionado, oi também demonstrado que sem a
sabedoria o Amor nada pode a9er, e que sem o amor a Sabedoria também nada
pode a9er" pois o amor sem a sabedoria, ou a vontade sem o entendimento, nada
pode pensar, e mesmo nada pode ver nem sentir, nem pronunciar cousa al&uma, é
por isso também que o amor sem a sabedoria, ou a vontade sem o entendimento
nada pode a9er" semelhantemente a sabedoria sem o amor, ou o entendimento
sem a vontade, nada pode pensar, e nada pode ver nem sentir, nem mesmo
pronunciar cousa al&uma" é por isso que a sabedoria sem o amor, ou o
entendimento sem a vontade, nada pode a9er" com eeito, se o amor é retirado, n#o
há mais vontade al&uma, nem por conseqFência a$#o al&uma. Pois que isto e0iste
no homem quando ele a9 al&uma cousa, com mais orte ra9#o e0istiu em Deus, que
é o Amor mesmo e a Sabedoria mesma, quando criou e e9 o 3niverso e todas as
coisas do 3niverso. Eue o 3niverso, com todas é cada uma das coisas que contém,
tenha sido criado do Divino Amor pela Divina Sabedoria, isso pode ser conirmado
por tudo que se apresenta ) vista no mundo' !oma somente al&um objeto em
particular, e e0amina-o com al&uma sabedoria, e serás conirmado" toma uma
árvore, ou a sua semente, ou seu ruto, ou sua lor, ou sua olha" e recolhendo o que
há de sabedoria em ti, olha para este objeto com um bom microscCpio, e verás
maravilhas" e os interiores que tu n#o vês s#o ainda mais admiráveis" considera a
ordem em sua sucess#o, como a árvore cresce desde a semente" e e0amina se em
toda sucess#o n#o há um contDnuo esor$o para se propa&ar mais para diante, pois
o Gltimo para onde ela tende é a semente, na qual o seu prolDico está de novo" se,
ent#o, queres mesmo pensar espiritualmente - tu o podes se o queres - n#o verás aD
a sabedoriaH < ainda se quiseres pensar espiritualmente até lá, verás que este
prolDico n#o vem da semente, nem do sol do mundo, que é puro o&o, mas que está
na semente por Deus 7riador, a quem pertence ) Sabedoria ininita, e que n#o
somente aD estava quando ela oi criada, mas aD está continuamente depois" pois a
sustenta$#o é uma perpétua cria$#o, do mesmo modo que a subsistência é uma
perpétua e0istência" dá-se com isto o mesmo que acontece quando do ato tu tiras a
vontade, a obra cessa" ou quando da palavra, tiras o pensamento, a palavra cessa"
ou quando do movimento tiras o esor$o, o movimento cessa" em uma palavra,
quando do eeito tiras a causa, o eeito perece" e assim por diante. <m tudo o que oi
criado, oi posta, é verdade, uma or$a" mas a or$a nada a9 por si mesma, a&e por
aquele que pIs a or$a. /lha ainda para al&um outro objeto sobre a terra, por
e0emplo, para um bicho-da-seda, para uma abelha ou para um outro animáculo, e
e0amina-o primeiro naturalmente, e por im espiritualmente" e, ent#o, se podes
pensar proundamente, serás tomado de admira$#o por tudo que o comp%e" e se
dei0as alar em tia sabedoria dirás em tua admira$#o' JEuem é que n#o vê aD o
DivinoH !udo aD pertence ) Divina SabedoriaJ. Kicarás ainda mais maravilhado, se
considerares os usos de todas as cousas que oram criadas" como, em sua ordem,
eles v#o sucessivamente até ao homem, e do homem ao 7riador a quo Lde que
provêmM" e como da conjun$#o do 7riador com o homem depende o encadeamento
de todas as cousas. Eue o Divino Amor tenha criado todas as coisas, mas nada
tenha criado sem a Divina Sabedoria, ver-se-á no que se&ue.
, - II. 0 Divino Amor e a Divina Sabedoria procedem como um do Senhor.
?sto é ainda evidente pelo que oi demonstrado no !ratado D/ D?A?(/ AB/> < DA
D?A?(A SA=<D/>?A, sobre tudo por estes Arti&os' / Ser e o <0istir no Senhor s#o
distintamente um, n* 1, a 11. (o Senhor os ininitos s#o distintamente um, n* 11 a
44. / Divino Amor pertence ) Divina Sabedoria, e a Divina Sabedoria pertence ao
Divino Amor, n* +, a +-. / Amor sem o casamento com a Sabedoria n#o pode a9er
cousa al&uma, n* ,61 a ,6+. / Amor nada a9 que n#o seja em conjun$#o com a
Sabedoria, n* ,6- a ,16. / 7alor espiritual e a 8u9 espiritual procedendo do Senhor
como Sol a9em um como o Divino Amor e a Divina Sabedoria no Senhor s#o um, n*
-- a 164" pelo que oi demonstrado nestes Arti&os, vê-se claramente a verdade
desta proposi$#o. Bas como n#o se sabe como duas cousas distintas entre si
podem a&ir como um, vou mostrar aqui que um um LunumM n#o e0iste sem uma
orma, mas que a orma mesma a9 este um" e também que a orma a9 um um tanto
mais pereitamente, quanto as coisas que entram na orma s#o distintamente
dierentes, e entretanto unidas. 1º Um um no e!iste, sem uma forma, mas a
forma mesma fa" este um# Euem quer que pense com uma tens#o da mente pode
ver claramente que um um n#o e0iste sem uma orma, e que se e0iste há uma
orma" com eeito, tudo que e0iste tem pela orma o que é chamado qualidade, e
também o que é chamado atributo" além disso, o que é chamado mudan$a de
estado, como também o que é chamado rela$#o, e outras cousas semelhantes" é
por isso que, o que n#o está em uma orma n#o pertence a aei$#o al&uma, o que
n#o pertence a aei$#o al&uma, n#o pertence a, coisa al&uma" a prCpria orma dá
tudo isso" e como todas as cousas que est#o em uma orma, se a orma é pereita,
se encaram mutuamente, como em uma cadeia um elo encara outro elo, se&ue-se
que a orma mesma a9 um um, e assim um sujeito, ao qual se pode atribuir
qualidade, estado, aei$#o, por conseqFência al&uma cousa, conorme a perei$#o
da orma. @ um tal um, tudo o que se vê com os olhos no mundo, e é também um tal
um tudo o que n#o se vê com os olhos, quer na nature9a interior, quer no mundo
espiritual" é um tal um o homem, e é um tal um a sociedade humana" e é um tal um
a ?&reja, e também todo o 7éu an&élico diante do Senhor" em uma palavra, é um tal
um o universo criado, n#o unicamente no comum, mas também em todo particular.
A im de que todas as cousas em &eral e em particular sejam ormas, é
indispensável que Aquele que criou todas as cousas seja a Korma mesma, e que
desta orma mesma venham todas as cousas que oram criadas em ormas" é isto
por conseqFência o que oi demonstrado no Tratado do Divino Amor e da Divina
Sabedoria, por e0emplo, nestes Arti&os. 6 Divino Amor e a Divina Sabedoria s#o
uma substNncia e uma orma, n* ,6 a ,+. 6 Divino Amor e a Divina Sabedoria s#o a
substNncia em si e a orma em si, assim o <u mesmo e o Gnico, n* ,, a ,5. 6 Divino
Amor e a Divina Sabedoria no Senhor s#o um, n* 1, a 11 e 1: a 44. Procedem do
Senhor como um, n* -- a 164" e em outros lu&ares. $º A forma fa" um um tanto
mais perfeitamente, quanto %s coisas que entram na forma so distintamente
diferentes, e, entretanto unidas# ?sto cabe diicilmente no entendimento, se o
entendimento n#o oi elevado, pois a aparência é que a orma n#o a9 um um sen#o
por semelhan$as de i&ualdade das coisas que constituem a orma" muitas ve9es
conversei sobre este assunto com os anjos" eles me disseram que há aqui um
arcano que seus sábios percebem claramente, e que os que s#o menos sábios
percebem obscuramente" mas que a verdade é que a orma é tanto mais pereita
quanto mais as coisas que a ormam s#o distintamente dierentes, e n#o obstante
unidas de uma maneira sin&ular" conirmavam isso pelas sociedades nos 7éus, as
quais, tomadas em conjunto constituem a orma do 7éu" e pelos Anjos de cada
Sociedade, nisto que quanto mais cada anjo é distintamente ele, assim livre, e ama
por conseqFência os consociados, como por si mesmo e por sua aei$#o, tanto mais
a, orma da sociedade é pereita" ilustravam também isso pelo casamento da, bem e
do vero, nisto que quanto mais o bem e o vero s#o distintamente dois, tanto mais
podem a9er pereitamente um" semelhantemente o amor e a sabedoria" e nisto que
a n#o distin$#o é o conuso, donde resulta toda imperei$#o da orma. Bas como
cousas pereitamente distintas s#o unidas, e assim a9em um, eles o conirmavam
também por vários e0emplos, principalmente pelo que está no homem, em quem
cousas inumeráveis s#o assim distintas e n#o obstante unidas, distintas por
invClucros, e unidas por li&amentos" dá-se o mesmo com o amor e com todas as
cousas do amor, e com a sabedoria e todas as coisas da sabedoria, que n#o, s#o
percebidas sen#o como um. Aer maiores detalhes sobre este assunto no !ratado do
Divino Amor e da Divina Sabedoria, n* 1, a 44" e na /bra do 7éu e do ?nerno, n*s
25 e ,:-. ?sto oi relatado, porque é da Sabedoria An&élica.
2. III. &ste um est' em uma sorte de ima(em em todas as, cousas criadas.
Eue o Divino Amor e a Divina Sabedoria, que no Senhor s#o um e procedem dO<le
como um, estejam em uma sorte de ima&em em todas as cousas criadas, pode-se
ver pelo que oi demonstrado aqui e ali no !ratado do Divino Amor e da Divina
Sabedoria, e sobretudo pelo que aD se vê nos n*
s
,1 a 21" 2, a 56" 4:4 a 4:," 4-6 a
4-2" +15 a +1:" +1- a +45" +,- a +21" nessas passa&ens oi demonstrado que o
Divino está em todas as coisas criadas, porque Deus 7riador, que é o Senhor de
toda a eternidade, produ9iu de Si mesmo o Sol do mundo espiritual, e por este Sol
todas as cousas do 3niverso" que por conseqFência este Sol, que oi produ9ido do
Senhor e no qual está o Senhor, é n#o somente a primeira, mas também a Gnica
substNncia de que todas as coisas provêm" e como é a Gnica substNncia, se&ue-se
que esta substNncia está em toda cousa criada, mas com uma ininita variedade
se&undo os usos. /ra, pois que há no Senhor o Divino Amor e a Divina Sabedoria, e
no Sol procedente do Senhor o Divino o&o e o Divino esplendor, e pelo Sol o calor
espiritual e a lu9 espiritual, e que estes dois a9em um, resulta dai que este um está
em uma sorte de ima&em em todas as coisas criadas. Aem daD que todas as cousas
que est#o no 3niverso se reerem ao =em e ao Aero, e mesmo ) conjun$#o do bem
e do vero, ou o que dá no mesmo que todas as cousas do 3niverso se reerem ao
Amor e ) Sabedoria, e ) conjun$#o do amor e da sabedoria, pois o bem pertence ao
amor, e o vero pertence ) sabedoria" com eeito, o amor chama bem tudo que é
dele, e a sabedoria chama vero tudo que é dela" que sua conjun$#o esteja em toda
cousa criada, ver-se-á no que se&ue.
5. @ reconhecido por muitos que há uma substNncia Gnica, que é também a primeira,
da qual provêm todas as cousas" mas qual é esta substNncia n#o se sabe"
acredita-se que é de tal modo simples que nada há de mais simples, e que ela pode
ser assemelhada, ao ponto, que n#o tem dimens#o al&uma, e que é de um nGmero
ininito destes pontos que e0istiram as ormas de dimens%es" mas isso é uma ilus#o
que tem sua ori&em na idéia do espa$o" pois é se&undo esta idéia que um tal ponto
muito pequeno se apresenta" mas entretanto a verdade é que, quanto mais uma
Pousa é simples e pura, tanto mais é completa e plena o que a9 com que, quanto
mais se olha interiormente um objeto, tanto mais se descobrem nele cousas
admiráveis, pereitas e belas" e que assim na substNncia primeira há as cousas mais
admiráveis, as mais pereitas e as mais belas. Eue assim seja é porque a primeira
substNncia vem do Sol espiritual, que, como oi dito, procede do Senhor e no qual
está o Senhor, assim a Gnica substNncia é este Sol mesmo, que, n#o estando no
espa$o, é tudo em todas as coisas, e nas muito &randes e nas muito pequenas do
3niverso criado. Pois que este Sol é a substNncia primeira e Gnica, da qual
procedem todas as coisas, se&ue-se que nela há cousas ininitamente mais
numerosas que as que podem ser vistas nas substNncias que dela provêm, as quais
s#o chamadas substanciadas e por im matérias" se aquelas n#o podem ser vistas
nestas, é porque descem deste Sol por &raus de um duplo &ênero, se&undo os quais
todas as perei$%es decrescem" vem dai que, como já oi dito quanto mais se olha
interiormente um objeto, tanto mais se descobrem nele cousas admiráveis, pereitas
e belas. ?sto oi dito para conirmar que o Divino está em uma sorte de ima&em em
toda cousa criada, mas que é visto cada ve9 menos, descendo pelos &raus, e ainda
menos quando o &rau ?nerior separado dC &rau superior por oclus#o é obstruDdo por
matérias terrestres. Bas isto n#o pode dei0ar de parecer obscuro, a n#o ser que se
tenha lido e compreendido o que oi demonstrado no !ratado do Divino Amor e da
Divina Sabedoria, sobre o Sol espiritual, n* :+ a 114" sobre Graus, n* 11+ a 4:1" e
sobre a 7ria$#o do 3niverso, n* 4:4 a +21.
1. I). * da Divina +rovid,ncia que toda coma criada se-a no comum e na parte,
um tal um.
< se n#o o é, que assim se torne, quer di9er que em toda cousa criada haja al&uma
cousa do Divino Amor e ao mesmo tempo da Divina Sabedoria, ou, o que dá no
mesmo, que em toda cousa criada haja o bem e o vero" como o bem pertence ao
amor, e o vero ) sabedoria, assim como oi dito acima, n* 2, é por isso que no que
se&ue, em lu&ar do amor e da sabedoria se dirá muitas ve9es o bem e o vero, e em
lu&ar da uni#o do amor e da sabedoria, o casamento do bem e do vero.
:. Pelo Arti&o que precede, é evidente que o Divino Amor e a Divina Sabedoria que
no Senhor s#o um, e que procedem do Senhor como um, est#o em uma sorte de
ima&em em toda cousa criada por <le" a&ora se dirá também al&uma cousa deste
um, ou da uni#o que é chamada casamento do bem e do vero. I. <ste casamento
está no Senhor mesmo" pois, como oi dito, o Divino Amor e a Divina Sabedoria
nO<le s#o um. II. <le vem do Senhor, pois em tudo que procede do Senhor há o amor
e a sabedoria inteiramente unidos" estes dois procedem do Senhor como Sol, o
Divino Amor como 7alor, e a Divina Sabedoria como 8u9. III. S#o recebidos pelos
Anjos, é verdade, como dois, mas s#o unidos neles pelo Senhor" dá-se o mesmo
nos homens da ?&reja. IV. @ devido ao inlu0o do amor e da sabedoria procedendo
como um do Senhor nos anjos do 7éu e nos homens da ?&reja, e da recep$#o deste
amor e desta sabedoria pelos anjos e pelos homens, que o Senhor na Palavra é
chamado (oivo e Barido, e que o 7éu e a ?&reja s#o chamados (oiva e <sposa. V.
Portanto, tanto quanto o 7éu e a ?&reja no comum, e o anjo do 7éu e o homem da
?&reja no particular, est#o nesta uni#o, ou no casamento do bem e do vero, tanto
mais est#o na ima&em e semelhan$a do Senhor, pois que estes dois no Senhor s#o
um, e mesmo s#o o Senhor. VI. / amor e a sabedoria no 7éu e na ?&reja no comum,
e no anjo do 7éu e no homem da ?&reja no particular, s#o um quando a Aontade e o
<ntendimento, assim quando o bem e o vero a9em um" ou, o que é a mesma
cousa, quando a doutrina se&undo a Palavra e a vida se&undo esta doutrina a9em
um. VII. Bas como estes dois a9em um no homem e em todas as coisas do
homem, isso oi mostrado no Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria, 2Q
Parte, onde se trata da 7ria$#o do homem, e principalmente da 7orrespondência da
vontade e do entendimento com o cora$#o e o pulm#o, n* +:2 e ,+4.
-. Bas como eles a9em um nas coisas que est#o abai0o ou ora do homem, tanto
nas que est#o no >eino animal, como nas que est#o no >eino ve&etal, isso será dito
aqui e ali no que se&ue" é preciso que estes três pontos sejam e0postos antes'
Pr!me!ramen"e# que no 3niverso, e em todas e cada uma das cousas do 3niverso,
que oram criadas pelo Senhor, há o casamento do bem e do vero. Segundamen"e#
que este casamento apCs a cria$#o oi desunido no homem. $er%e!ramen"e# que é
da Divina Providência, que o que oi desunido se torne um, e que assim o
casamento do bem e do vero seja restabelecido. <stes três pontos oram
conirmados de várias maneiras no !ratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria"
por isso é inGtil conirmá-los mais" cada um também se&undo a ra9#o, que o
casamento do bem e do vero tendo estado por cria$#o em toda cousa criada, e este
casamento tendo em se&uida sido desunido, o Senhor opera continuamente para
que seja restabelecido que, por conse&uinte a sua restaura$#o, e portanto a
conjun$#o do 3niverso com o Senhor por meio do homem, s#o obra da Divina
Providência.
16. ). . bem do amor no é mais o bem seno tanto quanto est' unido ao vero
da sabedoria, e o vero da sabedoria no é mais o vero seno tanto quanto est'
unido ao bem do amor.
/ bem e o vero tiram isto de sua ori&em" o bem em sua ori&em está no Senhor,
i&ualmente o vero, porque o Senhor é o =em mesmo e o, Aero mesmo, e estes dois
nO<le s#o um" daD vem que o bem nos anjos do 7éu e nos homens da terra n#o é o
bem em si, sen#o tanto quanto está unido ao vero, e que o vero n#o é o vero em si,
sen#o tanto quanto está unido ao bem. Eue todo bem e todo vero vêm do Senhor,
isso é sabido" assim como o bem a9 um com o vero, e o vero com o bem, se&ue-se
que, para que o bem seja o bem em si, e que o vero seja o vero em si, é preciso que
a$am um no recipiente, que é o anjo do 7éu e o homem da terra.
11. Sabe-se, é verdade, que todas as cousas no 3niverso se reerem ao bem e ao
vero, porque pelo bem é entendido o que universalmente abran&e e envolve todas
as cousas do amor, e que pelo vero é entendido o que universalmente abran&e e
envolve todas as cousas da sabedoria" mas n#o se sabe ainda que o bem n#o é
al&uma cousa se n#o está unido ao vero, e que o vero n#o é al&uma cousa se n#o
está unido ao bem" na verdade, parece que o bem seja al&uma cousa sem o vero, e
que o vero seja al&uma cousa sem o bem, mas entretanto isso n#o é" com eeito, o
amor, de que todas as produ$%es s#o chamadas bens, é o Ser da coisa e a
sabedoria de que todas as produ$%es s#o chamadas veros, é o <0istir da cousa por
este Ser, como oi mostrado no Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria, n* 1,
a 15" é por isso que, do mesmo modo que o Ser sem o <0istir n#o é al&uma cousa,
também o bem sem o vero n#o é al&uma cousa, nem o vero sem o bem.
Semelhantemente, o que é o bem sem rela$#o com al&uma cousaH Pode ele ser
chamado bemH Pois n#o pertence ) aei$#o al&uma nem a percep$#o al&uma"
aquilo que conjuntamente com o bem, aeta e se a9 perceber e sentir, se reere ao
vero porque isso se reere ao que está no entendimento" di9 a al&uém puramente Jo
=emJ e n#o Jisto ou aquilo é um bemJ, o bem é al&uma cousaH Bas depois disto ou
aquilo, que é percebido como um com o bem, ele é al&uma cousa" esta uni#o ao
bem n#o se a9 em outra parte sen#o no entendimento, e o todo do entendimento se
reere ao vero. Dá-se o mesmo com o querer" o querer sem o saber, sem o perceber
o pensar daquilo que quer o homem, n#o é al&uma coisa, mas com estes três se
torna al&uma coisa" o todo do querer pertence ao amor e se reere ao bem, e o todo
do saber, do perceber e do pensar pertence ao entendimento e se reere ao vero"
por isto é evidente que querer n#o é al&uma coisa, mas que querer isto ou aquilo é
al&uma cousa. Dá-se o mesmo com todo uso, porque o uso é o bem" o uso se n#o
oi determinado para al&uma cousa com a qual seja um, n#o é um uso, assim n#o é
al&uma coisa, o uso tira do entendimento o seu al&uma coisa, e aquilo que por
conse&uinte está conjunto ou adjunto ao uso se reere ao vero, do qual o uso tira sua
qualidade. Por estas e0plica$%es, pode-se ver que o bem sem o vero n#o é al&uma
cousa, que assim o vero sem o bem n#o é tampouco al&uma coisa. Di9-se que o
bem com o vero e o vero com o bem s#o al&uma cousa, donde se se&ue que o mal
com o also e o also com o mal, n#o s#o al&uma cousa, pois estes s#o opostos
)queles, e o oposto destrCi, aqui destrCi o al&uma cousa" mas alar-se-á desse
assunto no que se&ue.
14. Bas e0iste um casamento do bem e do vero, na causa, e e0iste um casamento
do bem e do vero pela causa no eeito" o casamento do bem e do vero na causa é o
casamento da vontade e do entendimento, ou do amor e da sabedoria" em tudo que
o homem a quer e pensa, e que, por conse&uinte conclui e se prop%e há este
casamento" este casamento entra no eeito e o produ9' mas ao eetuar estes dois
aparecem distintos, porque o simultNneo ent#o a9 o sucessivo" por e0emplo,
quando o homem tem a vontade e o pensamento de se alimenta , de se vestir, de se
alojar, de a9er um comércio ou uma obra, de conversar, ent#o ao mesmo tempo
primeiro ele quer e pensa, ou conclui e se prop%e" quando determinou estas cousas
nos eeitos, ent#o um sucede ao outro, mas n#o obstante a9em um continuamente
na vontade e no pensamento" os usos nestes eeitos pertencem ao amor ou ao bem,
os meios para os usos pertencem ao entendimento ou ao vero. 7ada um pode
conirmar estes e0emplos &erais por e0emplos, especiais, desde que perceba
distintamente o que se reere ao bem do amor e o que se reere ao vero da
sabedoria, e distintamente como isto se reere na causa, e como se reere no eeito.
1+. Koi dito al&umas ve9es que o amor a9 a vida do homem, mas n#o é entendido o
amor separado da sabedoria, ou ) bem separado do vero na causa, porque o amor
separado, ou o bem separado, n#o, é al&uma cousa" é por isso que o amor que a9 a
vida Dntima do homem, a qual vem do Senhor, é o amor e a sabedoria juntos,
mesmo o amor que a9 a vida do homem, tanto, quanto ele é recipiente" e n#o há
amor separado na causa, mas no eeito" pois o amor n#o pode ser entendido sem
sua qualidade, e a sua qualidade é a sabedoria" a qualidade ou ) sabedoria n#o
pode e0istir sen#o por seu Ser, que é o amor" daD vem que eles sejam um" dá-se o
mesmo com o bem e o vero. /ra, como o vero vem do bem, do mesmo modo que a
sabedoria vem do amor, eis por que os dois tomados em conjunto s#o chamados
amor ou bem, pois o amor em sua orma é a sabedoria, e o bem em sua orma é o
vero" toda qualidade vem da orma e n#o de outra parte. Por e0plica$%es, pode-se
ver a&ora que o bem n#o é mais o bem sen#o tanto quanto oi unido a seu vero, e
que o vero n#o é mais o vero sen#o tanto quanto oi unido a seu bem.
1,. )I. 0 bem do amor no unido, ao vero da sabedoria, no é o bem em si, mas
é um bem aparente, e o vero da sabedoria no unido ao bem do amor, no é o
vero em si, mas é um vero aparente.
A verdade é que n#o há bem al&um que seja o bem em si se n#o está unido a seu
vero, nem vero al&um que seja o vero em si se n#o está unido a seu bem" entretanto
há um bem separado do vero, e um vero separado do bem" está entre os hipCcritas
e os bajuladores, entre os maus quaisquer que sejam, e entre os que est#o no bem
natural sem estar em al&um bem espiritual" uns e outros podem a9er o bem em
rela$#o ) ?&reja, ) Pátria, a uma Sociedade, ao 7oncidad#o, aos ?ndi&entes, aos
Pobres, )s AiGvas e aos Cr#os e podem também compreender os veros, pensar
neles pelo entendimento, alar deles e os ensinar se&undo o pensamento" mas
entretanto estes bens e estes veros n#o s#o interiormente, nem por conseqFência
em si, bens e veros neles, mas s#o e0teriormente bens e veros, assim unicamente
bens e veros em aparência, pois unicamente para eles e para o mundo, e n#o para o
bem mesmo e para o vero mesmo, por conseqFência n#o pelo bem e o vero,
também pertencem unicamente ) boca e ao corpo e n#o ao cora$#o" e podem ser
comparados ao ouro e ) prata cobertos de escCrias, ou ) madeira podre, ou ao
estrume" e os veros enunciados podem ser comparados ao sopro da respira$#o que
é dissipado, ou a um o&o átuo que se desvanece" n#o obstante no e0terior
aparecem como reais" aparecem como tais neles, mas todavia podem parecer de
outro modo naqueles que escutam e recebem sem saber que s#o tais, pois o
e0terno aeta a cada um se&undo o interno de cada um com eeito, o vero entra no
ouvido de outrem, qualquer que seja a boca que o pronuncia, e o recebe pela mente
se&undo o estado e a qualidade, da mente. (aqueles que est#o no bem natural pelo
hereditário, e que n#o est#o em bem al&um espiritual, a cousa é quase semelhante"
pois o interno de todo bem e de todo vero é espiritual, e este espiritual dissipa os
alsos e os males" mas o natural sC os avorece" ora, avorecer os males e os alsos,
e a9er o bem, isso n#o concorda.
12. Se o bem pode ser separado do vero, e o vero ser separado do bem, e se apCs a
separa$#o eles podem se apresentar como bem e como vero, é porque o homem
tem a aculdade de a&ir, que é chamada 8iberdade, e a aculdade de compreender,
que é chamada >acionalidade" é pelo abuso destas aculdades que o homem pode
se mostrar nos e0ternos inteiramente dierente do que é nos internos" que por
conseqFência o mau pode a9er o bem e di9er o vero, ou que o diabo pode
contraa9er o anjo de lu9. Bas sobre este assunto ver no Tratado do Divino Amor e
da Divina Sabedoria os Arti&os se&uintes' A ori&em do mal vem do abuso das
aculdades que s#o prCprias do homem, e s#o chamadas >acionalidade e
8iberdade, n* 45, a 416. <stas duas aculdades est#o nos maus como est#o nos
bons, n* ,42. / amor sem o casamento com a sabedoria ou o bem sem o
casamento com o vero, nada pode a9er, n* ,61. / amor nada, a9 sen#o em
conjun$#o com a sabedoria ou o entendimento, n* ,6-. / amor se conjunta )
sabedoria ou ao entendimento e a9 com que a sabedoria ou o entendimento seja
reciprocamente conjunto, n* ,16 a ,14. A sabedoria ou o entendimento pelo poder
que lhe dá o amor, pode ser elevado, e perceber as coisas que pertencem ) lu9
procedente do 7éu, e as receber, n* ,1+. / amor pode i&ualmente ser elevado e
receber as coisas que pertencem ao calor procedente do 7éu, se ama a sabedoria,
sua esposa, nesse &rau, n*
s
,1,, ,12. De outro modo o amor retira de sua eleva$#o
) sabedoria ou o entendimento, para que aja como um com ele, n* ,15 a ,1:. /
amor é puriicado no, entendimento, se s#o elevados juntos" e é maculado no
entendimento e pelo entendimento, se n#o s#o levados juntos, n* ,1- a ,41. 6 amor
puriicado pela sabedoria no entendimento se toma espiritual e celeste" mas o amor
maculado no entendimento se toma sensual e corporal, n* ,44 a ,4,. Dá-se com a
caridade e com a é, e com sua conjun$#o, o mesmo que com o amor e com a
sabedoria e com sua conjun$#o, n* ,41 a ,+6. 6 que é a caridade nos 7éus, n* ,+1.
15. )II. 0 Senhor no permite que al(uma coisa se-a dividida. * por isso que
toda coisa deve estar ou no bom e ao mesmo tempo no vero ou no mal e ao
mesmo tempo no falso.
A Divina Providência do Senhor tem principalmente por im que o homem esteja no
bem e ao mesmo tempo no vero, e a&e neste im" pois assim o homem é seu bem é
seu amor, e também seu vero e sua sabedoria" com eeito, por isto o homem é
homem, pois ent#o é a ?ma&em do Senhor" mas como o homem, enquanto vive no
mundo, pode estar no bem e ao mesmo tempo no also, e também estar no mal e ao
mesmo tempo no vero, e mesmo estar no mal e ao mesmo tempo no bem, por
conseqFência ser como duplo, e como esta divis#o destrCi esta ima&em e assim o
homem, em conseqFência a Divina Providência do Senhor tende, em todas e cada
uma de suas opera$%es, a que esta divis#o n#o aconte$a" e como é melhor para o
homem estar no mal e ao mesmo tempo no also, do que estar no bem e ao mesmo
tempo no mal, é por isso que o Senhor permite que ele esteja naquele estado, n#o
como o querendo, mas como n#o podendo se opor por causa do im, que é a
salva$#o. Eue o homem possa estar no mal e ao mesmo tempo no vero, e que o
Senhor n#o possa se opor a ?sso por causa do im que é a salva$#o, é porque o
entendimento do homem pode ser elevado ) lu9 da sabedoria, e ver os veros, ou os
reconhecer quando os ouve, seu amor permanecendo embai0o" pois assim o
homem pode estar pelo entendimento no 7éu, mas pelo amor no inerno" e n#o
pode ser recusado ao homem ser tal, porque n#o pode ser privado das duas
aculdades pelas quais é homem e distinto das bestas, e pelas quais somente pode
ser re&enerado e por conseqFência salvo, a saber, a >acionalidade e a 8iberdade"
pois por elas o homem pode a&ir se&undo a sabedoria, e a&ir também se&undo um
amor que n#o pertence ) sabedoria, e pode pela sabedoria no alto ver o amor
embai0o, e assim os pensamentos, as inten$%es, as aei$%es, por conseqFência os
males e os alsos, e também os veros de sua vida e de sua doutrina, sem o
conhecimento e sem o reconhecimento dos quais em si, ele n#o pode ser
reormado. ;á se alou destas duas aculdades, e se alará mais no que se&ue. !al é
a causa pela qual o homem pode estar no bem e ao mesmo tempo no vero, e estar
no mal e ao mesmo tempo nos alsos, e também estar no bem e ao mesmo tempo
no also, e estar no mal, e ao mesmo tempo no vero.
11. / homem no mundo pode diicilmente entrar em uma ou outra conjun$#o ou
uni#o, quer di9er, na do bem e do vero ou na do mal e do also, pois enquanto vive
no mundo é mantido em um estado de reorma ou de re&enera$#o" mas todo
homem depois da morte entra em uma ou outra conjun$#o, porque ent#o ele n#o
pode mais ser reormado e re&enerado" ent#o permanece tal qual oi pela vida no
mundo, quer di9er, tal qual oi para ele o amor reinante" se, portanto a vida do amor
do mal esteve nele, ent#o lhe é tirado todo vero que tinha adquirido no mundo por
um mestre, pela pre&a$#o ou pela Palavra, e o vero sendo tirado ele se enche de
alsos que concordam com seu mal, como uma esponja se embebe de á&ua" e, ao
contrário, se a vida do amor do bem esteve nele, ent#o é aastado dele todo also
que havia recebido no mundo ouvindo e lendo, e que n#o havia conirmado em si, e
em lu&ar do also lhe é dado um vero que concorda com seu bem. ?sto é entendido
por estas palavras do Senhor' J!irai-lhe o talento, e dai-o ao que tem os de9
talentos" pois a quem quer que tem, será dado, a im de que tenha abundantemente"
mas ao que n#o tem, mesmo aquilo que tem será tiradoJ LBateus ,*, 42" 8ucas :*,
1:" 1-*, 4, a 45M.
1:. Se cada um depois da morte deve estar ou no bem e ao mesmo tempo no vero,
ou no mal e ao mesmo tempo no also, é porque o bem e o mal n#o podem ser
conjuntos, nem o bem e ao mesmo tempo o also do mal, nem o mal e ao mesmo
tempo o vero do bem, pois s#o opostos, e os opostos, combatem entre si, até que
um destrua o outro. /s que est#o no mal e ao mesmo tempo no bem s#o entendidos
por estas palavras do Senhor ) ?&reja dos 8aodiceanos, no Apocalipse' J<u conhe$o
as tuas obras, que nem rio tu és, nem quente" melhor seria que rio tu osses, ou
quente" mas porque morno tu és, e nem rio nem quente, acontece que te vomitarei
de minha bocaOO L+*, 1,2 e 15M" e também por estas palavras do Senhor' J(in&uém
pode a dois senhores servir, pois ou um ele odiará e o outro amará, ou a um se
li&ará e ao outro despre9aráJ LBat. 5*, 4,M.
1-. )III. Aquele que est' no bem e ao mesmo tempo no vero é al(uma coisa, e
o que est' no mal e ao mesmo tempo no falso no é al(uma coisa.
Eue o que está no bem e ao mesmo tempo no vero seja al&uma coisa, vê-se acima,
n* 11, donde se se&ue que o mal e ao mesmo tempo o also n#o s#o al&uma coisa.
Por n#o ser al&uma coisa, é entendido nada ter do poder, nem da vida espiritual" os
que est#o no mal e ao mesmo tempo no also, os quais est#o todos no inerno, têm,
é verdade, poder entre eles, pois o mau pode a9er mal, e o a9 de mil maneiras,
entretanto pelo mal n#o pode a9er mal sen#o aos maus, mas n#o pode a9er mal
al&um aos bons, e se a9 mal aos bons, o que acontece al&umas ve9es, é por
conjun$#o com seu mal" daD vêm as tenta$%es, que s#o inesta$%es pelos maus no
homem, e por conseqFência combates pelos quais os bons pedem ser libertados de
seus males. 7omo n#o há coisa al&uma do poder nos maus, resulta dai que diante
do Senhor todo o inerno é n#o somente como nada, mas n#o é absolutamente
coisa al&uma quanto ao poder" que isto assim seja, é o que vi conirmado por um
&rande nGmero de e0periências. Bas uma coisa surpreendente é que todos os maus
se acreditam poderosos, e que todos os bons se acreditam sem poder, isto provêm
de que os maus atribuem tudo ) sua prCpria prudência, e assim ) astGcia e )
malDcia, e n#o atribuem coisa al&uma ao Senhor, e que os bons nada atribuem )
prCpria prudência, mas atribuem tudo ao Senhor, que é /nipotente. Eue o mal e o
also n#o sejam coisa al&uma, é também porque neles nada há da vida espiritual" é
por esta ra9#o que a vida dos inernais é chamada n#o vida, mas morte, portanto,
pois que tudo que é al&uma coisa pertence ) vida, ser al&uma coisa n#o pode
pertencer ) morte.
46. /s que est#o no mal e ao mesmo tempo nos veros podem ser comparados a
á&uias que voam alto, e que caem quando as asas lhes s#o tiradas" com eeito,
semelhantemente a&em depois da morte, quando se tornaram espDritos, os homens
que compreenderam os veros, alaram deles, os ensinaram, e, entretanto n#o
elevaram de modo al&um seus olhos para Deus em suas vidas" estes por seus
intelectuais se elevam ao alto, e por ve9es entram nos 7éus e contraa9em os anjos
de lu9" mas quando os veros lhes s#o tirados e eles s#o e0pulsos, caem no inerno.
As á&uias si&niicam também os homens de rapina que têm a vista ?ntelectual, e as
asas si&niicam os veros espirituais. Di9-se que tais s#o os que n#o elevaram seus
olhos para Deus em sua vida" por elevar os olhos para Deus em sua vida, n#o é
entendida outra coisa sen#o pensar que tal ou tal mal é pecado contra Deus, e por
isso mesmo n#o o a9er.
41. I/. A Divina +rovid,ncia do Senhor fa" com que o mal e ao mesmo tempo o
falso sirvam para o equil0brio, para a rela1o e para a purifica1o, e assim para
a con-un1o do bem e do vem nos outros.
Por tudo que oi dito precedentemente, pode-se ver que a Divina Providência, do
Senhor opera continuamente, para que no homem o vero seja unido ao bem, e o
bem ao, vero" e isto, porque esta uni#o é a ?&reja e é o 7éu" pois esta uni#o está no
Senhor, e está em todas as cousas que procedem do Senhor" é por esta uni#o que o
7éu é chamado casamento e a ?&reja i&ualmente, por isso o >eino de Deus na
Palavra é comparado ao casamento" é por causa desta uni#o que o sabbath na
?&reja israelita era a cousa mais santa do culto, pois si&niicava esta uni#o" vem daD
também que na Palavra e em todas e cada uma das coisas da Palavra há o
casamento do bem e do vero" sobre este casamento, ver a Doutrina da (ova
;erusalém sobre a <scritura Santa, n* :6 a -6" o casamento do bem e do vero vem
do casamento do Senhor com a ?&reja, e o casamento do Senhor com a ?&reja vem
do casamento do Amor e da Sabedoria no Senhor, pois o bem pertence ao amor, e
o vero pertence ) sabedoria. Por isto, pode-se ver que o objeto perpétuo da Divina
Providência é unir no homem o, bem ao vero e o vero ao bem, pois assim o homem
é unido ao Senhor.
44. Bas como muitos romperam e rompem este casamento, sobretudo pela
separa$#o da é e da caridade, pois a é pertence ao vero e o vero pertence ) é, e a
caridade pertence ao bem e o bem pertence ) caridade, e que por isso conjuntam
neles o mal e o also, e assim se tornaram e se tornam opostos, oi provido pelo
Senhor de modo que n#o obstante sirvam para a conjun$#o do bem e do vero em
outros pelo equilDbrio, pela rela$#o e pela puriica$#o.
4+. @ provida pelo Senhor a conjun$#o do bem e do vero em outros pelo Equilíbrio
entre o 7éu e o ?nerno" pois do inerno é continuamente e0alado o mal e ao mesmo
tempo o also, e do 7éu é continuamente e0alado o bem e ao mesmo tempo o vero"
todo homem, enquanto vive no mundo, é mantido neste <quilDbrio, e por isso na
liberdade de pensar, de querer, de alar e de a9er, liberdade em que pode ser
reormado. Sobre este <quilDbrio, espiritual pelo qual o 8ivre está no homem, ver no
Tratado do Céu e do Inferno, n*
s
2:- a 2-5 e 2-1 a 56+.
4,. @ provida pelo Senhor a conjun$#o do bem e do vero pela Relação" com eeito, o
bem n#o é conhecido tal qual é sen#o pela rela$#o com um bem que é menor, e
pela oposi$#o com o mal" todo perceptivo e todo sensitivo vem daD, porque sua
qualidade vem daD" pois assim todo pra9er é percebido e sentido se&undo um pra9er
menor, e por meio de despra9er" toda bele9a por meio de uma bele9a menor, e por
meio da eiGra" i&ualmente todo bem pertencente ao amor é percebido e sentido por
um bem que é menor, e por meio do mal" e todo vero pertencente ) sabedoria é
percebido e sentido por um vero menor, e por meio do also" é preciso que haja
variedade em toda cousa desde seu má0imo até seu mDnimo e quando há também
variedade no seu oposto desde seu má0imo até seu mDnimo e que o equilDbrio
intervém, ent#o se&undo os &raus de uma parte e de outra se a9 um relativo, e a
percep$#o e a sensa$#o de cousa ou aumentam ou diminuem. Bas é preciso que se
saiba que o oposto tira e também e0alta as percep$%es e as sensa$%es" ele as tira
quando se mistura, e as e0cita quando n#o se mistura, é por isso que o Senhor
separa com cuidado o bem e o mal, a im de que n#o sejam misturados no homem,
do mesmo modo que separa o 7éu e o inerno.
42. @ provida pelo Senhor a conjun$#o do bem e do vero em outros pela Purificação,
que se a9 de duas maneiras, de uma maneira pelas !enta$%es, e de outra pelas
Kermenta$%es. As Tentaçõe e!irituai n#o s#o outra coisa sen#o combates contra
os males e os alsos que s#o e0alados do inerno, e que aetam" por elas o homem é
puriicado dos males e dos alsos, e nele o bem é conjunto ao vero, e o vero ao bem.
As "ermentaçõe e!irituai se a9em de várias maneiras, tanto nos 7éus como na
terra" mas no mundo se i&nora o que elas s#o, e como se a9em" com eeito, s#o
males e ao mesmo tempo alsos, que, lan$ados nas sociedades, a9em ) mesma
cousa que os ermentos nas arinhas e nos mostos, pelos quais os hetero&êneos
s#o separados e os homo&êneos s#o conjuntos, e ent#o há Dure9a e clare9a" s#o
estas ermenta$%es que s#o entendidas por estas palavras do Senhor' JSemelhante
é o >eino dos 7éus ao levedo que uma mulher, depois de o haver tomado, o
encerra em três medidas de arinha, até que tudo esteja ermentadoJ LBateus 1+*,
++" 8ucas 1+*, 41M.
45. @ provido pelo Senhor para estes usos por meio da conjun$#o do mal e do also,
a qual está nos que est#o no inerno" pois o >eino do Senhor, que está n#o somente
sobre o 7éu, mas também sobre o inerno, é o >eino dos usos" e a Providência do
Senhor é que nele n#o haja nem uma pessoa nem uma cousa, por quem e pela qual
n#o se a$a um uso.
A DIVINA PROVIDÊNCIA DO SENHOR $E& POR 'I& (& CÉ( PROVENIEN$E
DO GÊNERO H(&ANO
41. Eue o 7éu n#o seja ormado de al&uns anjos criados desde o come$o, e que o
?nerno n#o venha de al&um diabo que criado anjo de lu9 tenha sido precipitado do
7éu, mas que o 7éu e o ?nerno provenham do Gênero Rumano, o 7éu dos que
est#o no amor do bem e, por conse&uinte no entendimento do vero, e o ?nerno dos
que est#o no amor do mal e por conse&uinte no entendimento do also, é aquilo de
que tive o conhecimento e a prova por um comércio de lon&a dura$#o com os anjos
e os espDritos" sobre este assunto, ver o que oi mostrado no Tratado do Céu e do
Inferno, n* +11 a +15" depois o que oi dito no #!$culo obre o %ul&amento "inal, n*
1, a 41" e na Continuação obre o %ul&amento "inal e obre o 'undo E!iritual,
desde o come$o até ao im. /ra, pois que o 7éu provém do Gênero Rumano, e é a
coabita$#o com o Senhor pela eternidade, se&ue-se que o 7éu é para o Senhor o
im da cria$#o" e, pois que é o im da cria$#o, é o im da Divina Providência do
Senhor. / Senhor criou o 3niverso n#o para <le, mas para aqueles com os quais
<le deve estar no 7éu" pois o amor espiritual é tal que quer dar o que é seu a
outrem, e tanto quanto o pode, tanto está em seu Ser, em sua Pa9 e em sua
=eatitude" o amor espiritual tira isso do Divino Amor do Senhor, que é assim em um
&rau ininito" se&ue-se dai que o Divino Amor, e por conse&uinte a Divina
Providência tem por im um 7éu, que se comp%e de homens tornados anjos, e que
se tornam anjos, aos quais o Senhor possa dar todas as beatitudes e todas as
elicidades que pertencem ao amor e ) sabedoria, e as dar por <le mesmo neles" e
n#o pode a9er de outro modo, porque sua ima&em e sua semelhan$a est#o neles
por cria$#o" a sua ima&em neles é a sabedoria, e a sua semelhan$a neles é o amor,
e o Senhor neles é o amor unido ) sabedoria e a sabedoria unida ao amor" ou, o que
é o mesmo, o bem unido ao vero e o vero unido ao bem" alou-se desta uni#o no
Arti&o precedente. !odavia, como se i&nora o que é o 7éu no comum ou em muitos,
e o que é o 7éu no particular ou em al&um, e também o que é o 7éu no mundo
espiritual, e o que é o 7éu no mundo natural, e como entretanto é importante que se
o saiba, pois que o 7éu é o im da Divina Providência, vou mostrar isso em uma
sorte de lu9 nesta ordem' I. / 7éu é a conjun$#o com o Senhor. II. / homem por
cria$#o é tal, que pode ser conjunto cada ve9 mais de perto ao Senhor. ???. Euanto
mais de perto o homem é conjunto ao Senhor, mais se torna sábio. IV. Euanto mais
de perto o homem é conjunto ao Senhor mais se torna eli9. V. Euanto mais de perto
o homem é conjunto ao Senhor, mais distintamente lhe parece que se pertence, e
mais nota claramente que pertence ao Senhor.
4:. I. 0 2éu é a con-un1o com o Senhor.
/ 7éu é o 7éu n#o pelos anjos, mas pelo Senhor, pois o amor e a sabedoria em
que est#o os anjos, e que a9em o 7éu, vêm n#o deles, mas do Senhor, e s#o
mesmo o Senhor neles" e como o amor e a sabedoria pertencem ao Senhor, e s#o o
Senhor no 7éu, e como o amor e a sabedoria a9em ) vida dos anjos, é evidente por
isso que sua vida pertence ao Senhor, e é mesmo o Senhor" que os anjos vivem do
Senhor, eles mesmos o conessam" por isso pode-se ver que o 7éu é a conjun$#o
com o Senhor. Bas como a conjun$#o com o Senhor e0iste diversamente, e como
por conse&uinte o 7éu em um n#o é semelhante ao 7éu em outro, se&ue-se por
isso que o 7éu é se&undo a conjun$#o com o Senhor" que haja uma conjun$#o cada
ve9 mais prC0ima, e também uma conjun$#o cada ve9 mais aastada, ver-se-á no
Arti&o se&uinte. Aqui se dirá al&uma coisa sobre esta conjun$#o, como se a9, e qual
é ela. Rá uma conjun$#o do Senhor com os anjos, e dos anjos com o Senhor, assim
conjun$#o recDproca" o Senhor inluD no amor da vida dos anjos, e os anjos recebem
o Senhor na sabedoria, e por ela se conjuntam reciprocamente ao Senhor. !odavia,
é preciso que se saiba bem que parece aos anjos como se eles mesmos se
conjuntassem ao Senhor pela sabedoria, mas que entretanto é o Senhor que os
conjunta a <le pela sabedoria, pois sua sabedoria vem também do Senhor" é o
mesmo se se di9 que o Senhor se conjunta aos anjos pelo bem, e que os anjos se
conjuntam reciprocamente ao Senhor pelo vero, pois todo bem pertence ao amor, e
todo vero pertence ) sabedoria. Bas como esta conjun$#o recDproca é um arcano
que poucas pessoas podem compreender se n#o é e0plicado, vou, tanto quanto isso
pode ser eito desenvolvê-lo por e0plica$%es suscetDveis de serem se&uidas' (o
Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria, n*
s
,6,, ,62, oi mostrado como o
amor se conjunta ) sabedoria, isto é, que é pela aei$#o de saber, donde resulta a
aei$#o do vero" pela aei$#o de compreender, donde resulta a percep$#o do vero" e
pela aei$#o de ver o que se sabe o que se compreende, donde resulta o
pensamento" o Senhor inlui em todas estas aei$%es, pois elas s#o deriva$%es do
amor da vida de cada um, e os anjos recebem este inlu0o na percep$#o do vero e
no pensamento, pois é nestes que o inlu0o se maniesta a eles, e n#o nas aei$%es"
ora, como as percep$%es e os pensamentos aparecem aos anjos como sendo deles,
ainda que venham das aei$%es que procedem do Senhor, é por isto que há esta
aparência, de que os anjos se conjuntam reciprocamente ao Senhor, ainda que o
Senhor os conjunte a <le, pois a aei$#o mesma produ9 estas percep$%es e estes
pensamentos, visto como a aei$#o que pertence ao amor é sua alma" com eeito,
cada se pode perceber nem pensar sem aei$#o, e cada um percebe e pensa
se&undo a aei$#o" por estas e0plica$%es é evidente que a conjun$#o recDproca das
anjos com o Senhor é operada n#o por eles, mas como por eles. !al é também a
conjun$#o do Senhor coma ?&reja e da ?&reja com o Senhor, a qual é chamada
7asamento celeste e espiritual.
4-. !oda conjun$#o no mundo espiritual se a9 pela inspe$#o" lá, quando al&uém
pensa em um outro pela aei$#o de lhe alar, imediatamente o outro se torna
presente, e eles se vêem um ao outro ace a ace" dá-se o mesmo quando al&uém
pensa em um outro pela aei$#o do amor" por esta aei$#o há conjun$#o, mas pela
outra há unicamente presen$a" isto é particular ao mundo espiritual" a ra9#o disso é
que lá todos s#o espirituais, ao contrário do que se passa no Bundo natural, onde
todos s#o materiais" no Bundo natural uma cousa semelhante se a9 nos homens
nas aei$%es e nos pensamentos de seu espDrito" mas como no Bundo natural há
espa$os, e como no Bundo espiritual os espa$os s#o unicamente aparências, é por
isso que no Bundo espiritual o que está no pensamento de cada espDrito é eito na
realidade. ?sto oi dito a im de que se saiba como se a9 a conjun$#o do Senhor com
os anjos, e a aparente conjun$#o recDproca dos anjos com o Senhor" pois todos os
anjos voltam ) ace para o Senhor, e o Senhor os olha na ronte, mas os anjos
olham o Senhor nos olhos" e isto, porque a ronte corresponde ao amor e )s
aei$%es do amor os olhos correspondem ) sabedoria e )s percep$%es da sabedoria"
entretanto os anjos n#o voltam por si mesmos a ace para o Senhor, mas o Senhor
os volta para <le, e os volta pelo inlu0o no amor de sua vida, e por este inlu0o entra
nas percep$%es e nos pensamentos, e volta assim os anjos. <m todas as cousas da
mente humana há um tal circulo do amor para os pensamentos, e pelos
pensamentos para o amor" este cDrculo pode ser chamado o cDrculo da vida. Sobre
este assunto, ver no Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria al&uns Arti&os,
por e0emplo, estes' /s Anjos voltam continuamente sua ace para o Senhor como
Sol, n* 14- a 1+,. !odos os interiores tanto da mente como do corpo dos anjos
est#o i&ualmente voltados para o Senhor como Sol, n* 1+2 a 1+-. 7ada espDrito,
qualquer que seja, se volta semelhantemente para seu amor dominante, n* 1,6 a
1,2. 6 amor se conjunta ) sabedoria e a9 com que a sabedoria seja reciprocamente
conjunta, n* ,16 a ,14. /s anjos est#o no Senhor, e o Senhor está neles" e como os
anjos s#o recipientes, o Senhor sC é o 7éu, n* 11+ a 11:.
+6. / 7éu do Senhor no Bundo natural é chamado ?&reja, e o anjo deste 7éu é o
homem da ?&reja que oi conjunto ao Senhor" e, além disso, este homem, apCs sua
saDda do Bundo, se toma anjo do 7éu espiritual" por isso é evidente que o que oi
dito do 7éu an&élico deve ser entendido i&ualmente do 7éu humano, que é
chamado ?&reja. <sta conjun$#o recDproca com o Senhor, a qual a9 o 7éu no
homem, oi revelada pelo Senhor nestes termos em ;o#o' JRabitai em Bim, e <u em
vCs" aquele que habita em Bim, e <u nele, esse dá muito, ruto" pois sem Bim nada
podeis a9erJ L12.6 ,, 2, 1M.
+1. Por estas e0plica$%es, é evidente que o Senhor é o 7éu, n#o somente no
comum em todos no 7éu, mas também lá no particular em cada um" pois cada anjo
é um 7éu na menor orma" de tantos céus quantos anjos há se comp%e o 7éu no
comum" que assim seja, vê-se no Tratado do Céu e do Inferno, n* 21 a 2:. Pois que
isto é assim, que nin&uém abrace portanto este erro, que em um &rande nGmero
sur&e no primeiro pensamento, a saber, que o Senhor está no 7éu entre os anjos ou
que está entre eles como um >ei em seu >eino" <le está quanto ao aspeto acima
deles no Sol espiritual, mas quanto ) vida de seu amor e de sua sabedoria está
neles.
+4. II. 0 homem pela cria1o é tal que pode ser con-unto cada ve" de mais perto
ao Senhor.
Pode-se vê-lo pelo que oi mostrado no !ratado do Divino Amor e da Divina
Sabedoria, !erceira Parte, sobre os Graus, e especialmente nestes Arti&os' Rá no
homem por cria$#o três &raus discretos ou de altura, n* 4+6 a 4+2. <stes três &raus
est#o em cada homem desde o nascimento, e conorme s#o abertos o homem está
no Senhor, e o Senhor está no homem, n* 4+5 a 4,1. !odas as perei$%es crescem
e sobem com os &raus e se&undo os &raus, n* 1-- a 46,. Por isto é evidente que
por cria$#o o homem é tal, que pode pelos &raus ser conjunto cada ve9 de mais
perto ao Senhor. Bas é preciso absolutamente saber o que s#o os &raus, e que os
há de dois &êneros, os &raus discretos ou de altura, e os &raus contDnuos ou de
lar&ura, e qual é a sua dieren$a" e também que em cada homem por cria$#o e por
conse&uinte desde o nascimento há três &raus discretos ou de altura" que o homem,
quando nasce, entra no primeiro o &rau que é chamado natural e que pode nele
aumentar este &rau por continuidade até que se torne racional" que entra no
se&undo &rau, que é chamado espiritual, se vive se&undo as leis espirituais da
ordem que s#o os Divinos Aeros" e que pode mesmo entrar no terceiro &rau, que é
chamado celeste, se vive se&undo as leis celestes da ordem, que s#o os Divinos
=ens. <stes &raus s#o abertos eetivamente pelo Senhor no homem conorme sua
vida no Bundo, mas n#o s#o abertos perceptivelmente e sensivelmente sen#o
depois de sua saDda do mundo" e conorme s#o abertos e em se&uida
aperei$oados, o homem é conjunto cada ve9 de mais perto com o Senhor. <sta
conjun$#o pela apro0ima$#o pode ser aumentada eternamente, e por isso nos anjos
ela é aumentada eternamente, mas entretanto o homem n#o pode che&ar ao
primeiro &rau do Amor e da Sabedoria do Senhor, ou atin&ir este &rau, porque o
Senhor é ?ninito e o anjo é inito, e porque n#o há rela$#o entre o ?ninito e o inito.
7omo nin&uém pode compreender o estado do homem, nem o estado de sua
eleva$#o e de sua apro0ima$#o para o Senhor, a n#o ser que conhe$a estes &raus,
por isso alou-se especialmente deles no Tratado do Divino Amor e da Divina
Sabedoria, n* 11+ a 4:1.
++. Dir-se-á em poucas palavras como o homem pode ser conjunto cada ve9 de
mais perto ao Senhor, e em se&uida como esta conjun$#o aparece cada ve9 mais
prC0ima. )* Como o +omem , %on-un"o %ada .e/ de ma!0 1er"o ao Sen+or# ?sso
se a9 n#o pela ciência sC, nem pela inteli&ência sC, nem mesmo pela sabedoria sC,
mas pela vida que lhes é conjunta" a vida do homem é seu amor, e o amor é de
várias espécies" em &eral, há o amor do mal e o amor do bem" o amor do mal é o
amor de cometer adultério, de se vin&ar, de en&anar, de blasemar, de privar os
outros de seus bens" o amor do mal sente contentamento e, pra9er pensando nestas
a$%es e em a9ê-las" as deriva$%es, que s#o as aei$%es deste amor, s#o em t#o
&rande nGmero quanto há males pelos quais este amor se determinou" e as
percep$%es e os pensamentos deste amor em t#o &rande nGmero quanto há alsos
que avorecem e conirmam estes males" estes alsos a9em um com os males, do
mesmo moda que o entendimento a9 um com a vontade" n#o s#o separados um do
outro, porque um pertence ao outro. /ra, como o Senhor inlui no amor da vida de
cada um, e pelas aei$%es nas percep$%es e nos pensamentos, e n#o vice-versa,
como oi dito acima, se&ue-se que ele n#o pode se conjuntar de mais perto sen#o
tanto quanto, o amor do mal com suas aei$%es, que s#o as cobi$as, oi aastado" e
como estas cobi$as residem no homem natural, e como o homem sente como se
a&isse por si mesmo em tudo que a9 pelo homem natural, o homem por
conse&uinte deve aastar como por si mesmo os males desse amor, e ent#o tanto
quanto os aasta, tanto o Senhor se apro0ima de mais perto e se conjunta a ele"
cada um, pela ra9#o, pode ver que as cobi$as com seus pra9eres obstruem e
echam as portas ao Senhor, e que elas n#o podem ser e0pulsas pelo Senhor,
enquanto o homem mesmo mantém as portas echadas, e de ora a9 press#o e
empurra para que n#o sejam abertas" que seja o homem mesmo que deve abrir, isto
é evidente pelas palavras do Senhor, no Apocalipse' J<is que estou ) porta e bato"
se al&uém ouve a minha vo9 e abre a porta, eu entrarei nele, e cearei com ele e ele
comi&oJ L+*, 46M. @, portanto evidente que, tanto quanto al&uém o&e dos males
como diabClicos, e como se opondo ) entrada do Senhor, tanto mais é conjunto
cada ve9 de mais perto ao Senhor, e que de muito perto é conjunto aquele que os
abomina como outros tantos diabos ne&ros e D&neos, pois o mal e o diabo s#o um, e
o also do mal e sacarias n#o um" pois que, do mesmo modo que há inlu0o do
Senhor no amor do bem e em suas aei$%es, e por elas nas percep$%es e nos
pensamentos, que provêm todos do bem em que está o homem, pelo que s#o veros,
do mesmo modo há inlu0o do diabo, isto é, do inerno, no amor do mal e em suas
aei$%es, que s#o cobi$as, e por elas nas percep$%es e nos pensamentos, que
provêm todos do mal em que está o homem, pelo que s#o alsos. 2* Como e0"a
%on-un34o a1are%e %ada .e/ ma!0 1r56!ma# Euanto mais os males oram
aastados no homem natural, por isso que oram postos em u&a e tomados em
avers#o, tanto mais o homem é conjunto de mais perto ao Senhor" e como o amor e
a sabedoria, que s#o o Senhor mesmo, n#o est#o no espa$o, pois a aei$#o que
pertence ao amor e o pensamento que pertence ) sabedoria nada têm de comum
com o espa$o, em conseqFência o Senhor aparece mais prC0imo conorme a
conjun$#o pelo amor e pela sabedoria, e ao contrário mais aastado conorme a
rejei$#o do amor e da sabedoria" no mundo espiritual o espa$o n#o e0iste, mas lá as
distNncias e as presen$as s#o aparências se&undo as semelhan$as e as
dessemelhan$as das aei$%es" pois, como já oi dito )s aei$%es que pertencem ao
amor, e os pensamentos que pertencem ) sabedoria, e que em si mesmos s#o
espirituais, n#o est#o no espa$o" sobre este assunto, ver o que oi mostrado no
Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria, n*
s
1 a 16, 5- a 14, e em outros
lu&ares. A conjun$#o do Senhor com o homem, em quem os males oram aastados,
é entendida por estas palavras do Senhor' J/s puros de cora$#o ver#o a DeusJ
LBat. 2*, :M" e por estas' JAquele que tem os meus preceitos, e os a9, nele arei
moradaJ L;o#o 1,*, 41, 4+M" ter os preceitos é saber" e a9er os preceitos é amar"
pois se di9 também nesta passa&em' JAquele que a9 meus preceitos é aquele que
me amaJ.
+,. III. 3uanto mais de perto o homem est' con-unto ao Senhor, mais se torna
s'bio.
Pois que no homem por cria$#o, e, por conse&uinte desde o nascimento, há três
&raus de vida, como acaba de ser dito, n* +4, há principalmente nele três &raus da
sabedoria" estes &raus é que s#o abertos no homem se&undo a conjun$#o" s#o
abertos se&undo o amor, pois o amor é a conjun$#o mesma" todavia, a eleva$#o do
amor se&undo os &raus n#o é percebida sen#o obscuramente pelo homem, mas a
eleva$#o da sabedoria é percebida claramente naqueles que sabem e vêem o que é
a sabedoria. A ra9#o pela qual os &raus da sabedoria s#o percebidos é que o amor
entra pelas aei$%es nas percep$%es, e nos pensamentos, e que estes se
apresentam ) vista interna da mente, a qual corresponde ) vista e0terna do corpo"
daD vem que a sabedoria aparece, e n#o do mesmo modo a aei$#o do amor que a
produ9" dá-se com isto como com todas as cousas que s#o eitas eetivamente pelo
homem" nota-se como s#o operadas pelo corpo, mas n#o como o s#o pela alma" do
mesmo modo também percebe-se como o homem medita, percebe e pensa, mas
n#o como a alma destas medita$%es, percep$%es e pensamentos, que é a aei$#o
do bem e do vero, as produ9. !odavia, há três &raus da sabedoria, o natural, o
espiritual e o celeste" no &rau natural da sabedoria está o homem enquanto vive no
mundo, este &rau nele pode ent#o ser aperei$oado ao mais alto ponto, e n#o
obstante n#o pode entrar no &rau espiritual, porque este &rau n#o está li&ado ao
&rau natural por continuidade, mas lhe é conjunto pelas correspondências" no &rau
espiritual da sabedoria está o homem depois da morte, e este &rau também é tal que
pode ser aperei$oado ao mais alto ponto, mas n#o obstante n#o pode entrar no
&rau celeste da sabedoria, porque este &rau também n#o está li&ado ao &rau
espiritual por continuidade, mas lhe é conjunto pelas correspondências" por estas
e0plica$%es, pode-se ver que a sabedoria pode ser elevada em ra9#o trDplice, e que
em cada &rau ela pode ser aperei$oada em ra9#o simples até ao seu mais alto
ponto. Aquele que apreende as eleva$%es e as perei$%es destes &raus pode de
al&uma sorte perceber o que se di9 da Sabedoria An&élica, que é ineável" esta
sabedoria também é de tal modo ineável que mil idéias do pensamento dos anjos,
se&undo sua sabedoria, n#o podem apresentar sen#o uma Gnica idéia do
pensamento dos homens, se&undo sua sabedoria" estas novecentas e noventa e
nove outras idéias do pensamento dos anjos n#o podem entrar, pois s#o
sobrenaturais" que assim seja, é o que me oi dado saber muitas ve9es por viva
e0periência. Bas, como oi dito precedentemente, nin&uém pode entrar nesta
sabedoria ?neável dos anjos sen#o pela conjun$#o com o Senhor, e se&undo esta
conjun$#o, pois o Senhor sC abre o &rau espiritual e o &rau celeste, mas somente
naqueles que s#o sábios pelo Senhor, e s#o sábios pelo Senhor os que rejeitam
para ora deles o diabo, isto é, o mal.
+2. (#o se creia, porém, que al&uém tenha a sabedoria pelo ato de saber muitas
cousas, de percebê-las em uma certa lu9, e poder alar delas com inteli&ência, a n#o
ser que a sabedoria seja conjunta ao amor" pois o amor por suas aei$%es a produ9"
se n#o oi conjunta ao amor, é como um meteoro no ar que se dissipa, e como uma
estrê1a cadente" mas a sabedoria conjunta ao amor é como a lu9 permanente do
Sol e como uma estrela i0a" o homem tem o amor da sabedoria tanto quanto tem
em avers#o ) turba diabClica, isto é, )s cobi$as do mal e do also.
+5. A sabedoria, que vem ) percep$#o, é a percep$#o do vero pela aei$#o do vero,
principalmente a percep$#o do vero espiritual" pois há o vero civil, o vero moral e o
vero espiritual" aqueles que est#o na percep$#o do vero espiritual pela aei$#o deste
vero est#o também na percep$#o do vero moral e na percep$#o do vero civil, pois a
percep$#o do vero espiritual é a alma destas percep$%es. Kalei por ve9es da
sabedoria com os anjos, que me disseram que a sabedoria é a conjun$#o com o
Senhor, porque o Senhor é a Sabedoria mesma, e que nesta conjun$#o entra aquele
que rejeita para lon&e de si o inerno, e que entra nela na mesma propor$#o em que
o rejeita" eles me disseram que representam a Sabedoria como um Palácio
ma&nDico e muito bem ornado, ao qual se sobe por do9e de&raus" que nin&uém
sobe ao primeiro de&rau sen#o pelo Senhor por meio da conjun$#o com <le" que
cada um sobe se&undo a conjun$#o, e que, ) medida que sobe, percebe que
nin&uém é sábio por si mesmo, mas que se é sábio pelo Senhor" além disso,
também, que as cousas que se sabe s#o relativamente )s que n#o se sabe como
s#o al&umas &otas de á&ua relativamente a um &rande la&o. Pelos do9e de&raus do
Palácio da Sabedoria s#o si&niicados os bens conjuntos aos veros e os veros
conjuntos aos bens.
+1. I). 3uanto mais de perto o homem est' con-unto ao Senhor, mais é feli".
/ que oi dito acima, n* +4 a +,, dos &raus da vida e da sabedoria se&undo a
conjun$#o com o Senhor, pode também ser dito dos &raus da elicidade" com eeito,
as elicidades, ou as beatitudes e as ale&rias, sobem conorme os &raus superiores
da mente, que s#o chamados &rau espiritual e &rau celeste, s#o abertos no homem,
e estes &raus apCs sua vida no mundo crescem eternamente.
+:. !odo homem que está nos pra9eres das cobi$as do mal nada pode saber dos
pra9eres das aei$%es do bem em que está o 7éu an&élico, pois estes dois &êneros
de pra9eres s#o absolutamente opostos um ao outro nos internos, e, por
conse&uinte interiormente nos e0ternos, mas, na superDcie mesma, dierem pouco"
com eeito, todo amor tem seus pra9eres, mesmo o amor do mal naqueles que est#o
nas cobi$as, como o amor de cometer adultério, de se vin&ar, de en&anar, de roubar,
de se entre&ar ) crueldade, e mesmo, nos piores, de blasemar as cousas santas da
?&reja, e de espalhar seu veneno contra Deus" a onte desses pra9eres é o amor de
dominar pelo amor de si" estes pra9eres vêm das cobi$as que o obsidiam os
interiores da mente, dimanam daD para o corpo, e aD e0citam cousas impuras que
titilam as ilhas" como conseqFência do pra9er da mente se&undo as cobi$as nasce
o pra9er do corpo, em que consistem e quais s#o as coisas impuras que titilam as
ilhas de seu corpo, cada um depois da morte pode sabê-lo no Bundo espiritual" s#o,
em &eral, coisas cadaverosas, e0crementiciais, estercorosas, nidorosas e urinosas,
pois seus inernos abundam em semelhantes impure9as, que s#o correspondências,
como se vê no Tratado do Divino e da Divina Sabedoria, n* ,44 a ,4," mas depois
que entraram no inerno, estes pra9eres ver&onhosos s#o mudados em tormentos
medonhos. ?sto oi dito a im de que se possa compreender em que consiste e qual é
a elicidade do 7éu, de que a&ora vai se alar" pois cada cousa é conhecida por seu
oposto.
+-. As beatitudes, as ale&rias, os pra9eres e os encantos, em uma palavra, as
elicidades do 7éu, n#o podem ser descritas por palavras, mas podem no 7éu ser
percebidas pelos sentidos" com eeito, o que sC é percebido pelos sentidos n#o pode
ser descrito, porque isso n#o cabe nas idéias do pensamento, e, por conse&uinte
n#o cabe tampouco em palavras" pois o entendimento vê somente, e vê as cousas
que pertencem ) sabedoria ou ao vero, e n#o, as que pertencem ao amor ou ao
bem" é por isso que essas elicidades s#o ine0primDveis, mas n#o obstante sobem
no mesmo &rau que a sabedoria" suas variedades s#o ininitas e cada uma é
ineável" eu o ouvi di9er, e o percebi. Bas estas elicidades entram ) medida que o
homem aasta as cobi$as do amor do mal e do also como por si mesmo, e n#o
obstante pelo Senhor, pois estas elicidades s#o as elicidades das aei$%es do bem
e do vero, e estas aei$%es s#o opostas )s cobi$as do amor do mal e do also" as
aei$%es do amor do bem e do vero têm seu come$o no Senhor, assim no Dntimo, e
dai se espalham nos ineriores até aos Gltimos, e assim enchem o anjo, e a9em com
que todo ele seja por assim di9er uma delDcia. !ais elicidades, com variedades
ininitas, est#o em cada aei$#o do bem e do vero, sobretudo nas aei$%es da
sabedoria.
,6. /s pra9eres das cobi$as do mal e os pra9eres das aei$%es do bem n#o podem
ser comparados, porque interiormente nos pra9eres das cobi$as do mal há o diabo,
e interiormente nos pra9eres das aei$%es do bem há o Senhor. Se se quer
compara$%es, os pra9eres das cobi$as do mal n#o podem ser comparados sen#o
aos pra9eres lascivos das r#s nos pNntanos, e aos das serpentes nos lu&ares
inectos" e os pra9eres das aei$%es do bem podem ser comparados )s delDcias das
mentes LanimiM nos jardins e nos canteiros mati9ados de lores" com eeito, coisas
semelhantes )s que aetam as r#s e as serpentes aetam também nos inernos
aqueles que est#o nas cobi$as do mal" e cousas semelhantes )s que aetam as
mentes nos jardins e nos canteiros aetam também nos 7éus aqueles que est#o nas
aei$%es do bem" pois, como oi dito acima, as coisas impuras aetam por
correspondência os maus, e as coisas puras aetam por correspondência os bons.
,1. Por isto, pode-se ver que quanto mais de perto al&uém está conjunto ao Senhor,
mais se torna eli9" mas esta elicidade se maniesta raramente no mundo, porque o
homem está ent#o em um estado natural, e o estado natural comunica com o
espiritual n#o por continuidade, mas por correspondência" e esta comunica$#o n#o é
sentida sen#o por uma sorte de repouso e de pa9 da mente LanimiM, o que acontece,
sobretudo apCs os combates contra os males" mas quando o homem despe o
estado natural e entra no estado espiritual, o que acontece apCs sua salda do
mundo, a elicidade acima descrita se maniesta sucessivamente.
,4. ). 3uanto mais de perto o homem é con-unto ao Senhor, mais lhe parece
distintamente que ele se pertence, e mais nota claramente que pertence ao
Senhor.
Pela aparência, quanto mais al&uém oi conjunto ao Senhor, menos se pertence"
uma tal aparência está em todos os maus, e também naqueles que, se&undo sua
reli&i#o, crêem que n#o est#o sob o ju&o da lei, e que nin&uém pode a9er o bem por
si mesmo" pois uns e outros n#o podem ver de outro modo, sen#o que n#o poder
nem pensar nem querer o mal, mas unicamente o bem, é n#o se pertencer" e porque
aqueles que oram conjuntos ao Senhor n#o querem e n#o podem nem pensar nem
querer o mal, eles concluem e si mesmos, se&undo a aparência, que isso é n#o se
pertencer" e entretanto é absolutamente o contrário.
,+. Rá um livre inernal e há um livre celeste" é do livre inernal pensar e querer o
mal, e, tanto quanto as leis civis e morais n#o o impedem de pronunciar e a9er" ao
contrário, é do livre celeste pensar e querer o bem, e, tanto quanto se pode
pronunciá-lo e a9ê-lo" tudo o que o homem pensa, quer, pronuncia e a9 se&undo o
livre, ele o percebe como seu, pois todo livre para cada um vem do seu amor" é por
isso que os que est#o no amor do mal n#o podem sen#o perceber que o livre
inernal é o livre mesmo, mas os que est#o no amor do bem percebem que o livre
celeste é o livre mesmo, por conseqFência uns e outros percebem que o oposto é o
servil" mas a verdade é que nin&uém pode ne&ar que um ou o outro seja o livre" pois
dois livres opostos entre si n#o podem, cada um em si, ser livres" além disso, n#o se
pode ne&ar que ser condu9ido pelo bem n#o seja o livre, e que ser condu9ido pelo
mal n#o seja o servil" pois ser condu9ido pelo bem é ser condu9ido pelo Senhor, e
ser condu9ido pelo mal é ser condu9ido pelo diabo" ora, pois que tudo o que o
homem a9 se&undo o livre lhe parece ser seu, pois isso pertence a seu amor, e que,
como já oi dito, a&ir se&undo seu amor é a&ir se&undo o livre se&ue-se que a
conjun$#o com o Senhor a9 com que apare$a ao homem que ele é livre, e que por
conse&uinte se pertence" e quanto mais prC0ima é a conjun$#o com o Senhor, mais
ele é livre e por conse&uinte mais se pertence. Se lhe parece mai ditintamente que
ele se pertence, é porque o Divino Amor é tal que quer que o que é seu seja de
outrem, assim do homem e do anjo" tal é todo amor espiritual, principalmente o
Divino Amor" e, além disso, o Senhor n#o constran&e jamais quem quer que seja,
pois tudo a que al&uém é constran&ido n#o lhe parece ser seu, e o, que n#o lhe
parece ser seu n#o pode se tornar cousa de seu amor, n#o pode por conseqFência
lhe ser apropriado como seu" é por isso que o homem é continuamente condu9ido
pelo Senhor no livre, e é também reormado e re&enerado no livre. Bas se dirá mais
sobre este assunto no que se&ue" ver o que oi dito também acima, n* ,.
,,. Se, quanto ao homem, quanto mais lhe parece distintamente que ele se
pertence, mais nota claramente que pertence ao Senhor, é porque quanto de mais
perto está conjunto ao Senhor, mais se torna sábio, como oi mostrado acima, n* +,
a +5" e a sabedoria ensina isso, e também o a9 notar" os Anjos do terceiro 7éu,
porque s#o os mais sábios dos Anjos, percebem também isso, e o chamam o livre
mesmo" mas ser condu9ido por si mesmo é o que chamam o servil" eles d#o mesmo
a ra9#o disso, é que o Senhor inlui imediatamente n#o nas cousas que pertencem )
sua percep$#o e a seu pensamento pela sabedoria, mas nas aei$%es do amor do
bem, e por estas naqueles, e que percebem o inlu0o na aei$#o pela qual têm a
sabedoria e que em se&uida tudo o que pensam pela sabedoria se apresenta como
vindo deles mesmos, assim como sendo deles" e que por isto se a9 a conjun$#o
recDproca.
,2. 7omo a Divina Providência do Senhor tem por im um 7éu an&élico proveniente
do &ênero humano se&ue-se que ela tem por im a conjun$#o do &ênero humano
com o Senhor, n* 4: a +1" além disso, também que ela tem por im que o homem
seja conjunto a <le cada ve9 de mais perto, n* +4, ++, pois assim o homem tem um
7éu mais interior" além disso, ainda, que ela tem por im que o homem por esta
conjun$#o se torne mais sábio, n* +, a +5" e que se torne mais eli9, n* +1 a ,1,
porque o homem tem o 7éu pela sabedoria e se&undo a sabedoria, e por ela
também a elicidade" e enim que ela tem por im que pare$a ao homem mais
distintamente que ele se pertence, e que note mais claramente que pertence ao
Senhor, n* ,4 a ,,. !odas estas coisas pertencem ) Divina Providência do Senhor,
porque todas estas cousas s#o o 7éu, que ela tem por im.
A DIVINA PROVIDÊNCIA DO SENHOR E& $(DO 7(E 'A8 VISA 0 IN'INI$O E 0
E$ERNO
,5. (o Bundo 7rist#o sabe-se que Deus é ?ninito e <terno, pois na Doutrina da
!rindade, que tira seu nome de Atanásio, se di9 que Deus Pai é ?ninito, <terno e
/nipotente" i&ualmente Deus Kilho e Deus <spDrito Santo, e que, entretanto s#o n#o
três ?ninitos, três <ternos, três /nipotentes, mas 3m SC" se&ue-se daD que, pois que
Deus é ?ninito e <terno, n#o se pode atribuir a Deus sen#o o ?ninito e o <terno. Bas
o que é o ?ninito e o <ternoH ?sso n#o pode ser compreendido pelo inito, e isso
também pode ser compreendido" isso n#o pode ser compreendido, porque o inito
n#o é capa9 de conceber o ininito, e isto pode ser compreendido, porque há idéias
abstratas pelas quais pode-se ver que as coisas s#o, ainda que n#o se veja o que
elas s#o" há dessas idéias sobre o ?ninito, por e0emplo, que Deus, porque é ?ninito,
ou que o Divino, porque é ?ninito, é o Ser mesmo" que é a <ssência mesma e a
SubstNncia mesma" que é o Amor mesmo e a Sabedoria mesma, ou que é o =em
mesmo e o Aero mesmo" que assim é o <u Besmo LI!umM, ou antes, que é o
Romem Besmo" além disso também, se se di9 que o ?ninito S !udo, por e0emplo,
que a ?ninita Sabedoria é a /nisciência, e a ?ninita Potência é a /nipotência. Bas a
verdade é que isto cai no, obscuro do pensamento, e pode do incompreensDvel cair
no ne&ativo, se da idéia n#o se abstrai as cousas que o pensamento tira da
nature9a, principalmente as que tiram dos dois prCprios da nature9a, que s#o o
espa$o e o tempo, pois estas cousas n#o podem sen#o limitar as idéias, e a9er com
que as idéias abstratas sejam como n#o sendo al&uma coisa" mas se pode ser eita
abstra$#o destas cousas no homem, como se a9 entre os anjos, o ?ninito, pode
ent#o ser compreendido por meio das cousas que acabam de ser mencionadas" e
por conse&uinte pode-se também compreender que o homem é al&uma coisa,
porque oi criado por Deus ?ninito que é !udo" que o homem é uma substNncia
limita, porque oi criado por Deus ?ninito que é a SubstNncia mesma" que o homem
é sabedoria,, porque oi criado por Deus ?ninito que é a Sabedoria mesma" e assim
por diante" pois se Deus ?ninito n#o osse !udo, n#o osse a SubstNncia mesma,
n#o osse a Sabedoria mesma, o homem n#o seria al&uma cousa, assim nadaM
seria, ou seria unicamente uma idéia de que é, se&undo os visionários chamados
idealistas. Pelo que oi mostrado no !ratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria,
é evidente que a Divina <ssência é o Amor e a Sabedoria, n* 4: a +-" que o Divino
Amor e a Divina Sabedoria s#o a SubstNncia mesma e a Korma mesma, assim o <u
Besmo e Tnico, n* ,6 a ,5" e que Deus criou de Si Besmo, e n#o do nada, o
3niverso e todas as cousas do 3niverso, n* 4:4 a 4:," se&ue-se daD que tudo o que
oi criado, e principalmente o homem, e nele o amor e a sabedoria, s#o al&uma
coisa, e n#o unicamente uma idéia de que s#o" pois, se Deus n#o osse ?ninito, n#o
haveria o inito" se o ?ninito n#o osse tudo, n#o haveria al&uma cousa" e se Deus
n#o tivesse criado de Si Besmo todas as cousas, n#o haveria cousa al&uma ou
nada" em uma palavra, (Cs porque Deus @.
,1. /ra, como se trata da Divina Providência, e aqui, que em tudo que ela a9 visa o
ininito e o eterno, e como este assunto n#o pode ser distintamente tratado sen#o
por uma certa ordem, eis o que será esta ordem' I. / ininito em si e o <terno em si
é a mesma coisa que o Divino. II. / ?ninito e o <terno em si n#o podem sen#o visar
o ininito e o eterno por si nos initos. III. A Divina Providência em tudo que a9 visa o
ininito e o eterno por si, sobretudo salvando o Gênero Rumano. IV. A ima&em do
?ninito e do <terno e0iste no 7éu An&élico proveniente do Gênero Rumano salvado.
V. Aisar o ininito e o eterno ormando o 7éu An&élico, para que esteja diante do
Senhor como um Gnico Romem, que é a ima&em do Senhor, é o Dntimo da Divina
Providência.
,:. I. . Infinito em si e o &terno em si é a mesma coisa que o Divino.
Pode-se vê-lo pelo que oi mostrado em vários lu&ares no !ratado do Divino Amor e
da Divina Sabedoria. Eue o ?ninito em si e o <terno em si seja o Divino, isso é tirado
da idéia an&élica" os Anjos, n#o compreendem pelo ?ninito outra coisa sen#o o
Divino Ser, nem pelo <terno outra coisa sen#o o Divino <0istir. 7ontudo, os homens
podem ver e n#o ver que o ?ninito em si e o <terno em si é o Divino" podem vê-lo
aqueles que n#o pensam no ?ninito se&undo o espa$o, nem no <terno se&undo o
tempo" mas n#o podem vê-lo aqueles que pensam no ?ninito e no <terno se&undo o
espa$o e o tempo" assim podem vê-lo aqueles que pensam de uma maneira mais
elevada, isto é, interiormente no racional" mas n#o podem vê-lo aqueles que pensam
de uma maneira mais bai0a, isto é, e0teriormente. /s que podem vê-lo pensam que
n#o pode haver um ininito do espa$o, nem por conseqFência um ininito do tempo
que é o eterno a quo, porque o ininito é sem im primeiro nem Gltimo, ou sem
termos" pensam também que n#o pode tampouco haver um ?ninito por si, porque
por si sup%e um termo e um come$o, ou um anterior a quo" que, por conse&uinte é
rDvolo di9er o ?ninito e o <terno por si, porque seria como se se dissesse o Ser por
si, o que é contraditCrio, pois o ?ninito por si seria o ?ninito pelo ?ninito, e o Ser por
si seria o Ser pelo Ser, e este ?ninito e este Ser, ou seriam a mesma cousa que o
?ninito, ou seriam initos. Por estas cousas e outras semelhantes, que podem ser
vistas interiormente no racional, é evidente que há o ?ninito em si e o <terno em si, e
que um e outro é o Divino, de que todas as cousas procedem.
,-. Sei que muitos dir#o em si mesmos' 7omo se pode apreender interiormente em
seu racional al&uma cousa sem espa$o e sem tempo, e compreender que n#o
somente é, mas ainda que é o tudo, e que é o <u Besmo donde procedem todas as
cousasH Bas pensa interiormente se o amor ou al&uma de suas aei$%es, se a
sabedoria ou al&uma de suas percep$%es, e mesmo se o pensamento est#o no
espa$o e no tempo, e tu compreenderás que n#o est#o" e como o Divino é o Amor
mesmo e a Sabedoria mesma, se&ue-se que o Divino n#o pode ser concebido no
espa$o e no tempo, por conse&uinte o ?ninito tampouco" para que isto seja
percebido mais claramente, e0amina se o pensamento está no tempo e no espa$o'
Sup%e nele uma pro&ress#o de de9 ou do9e horas" este espa$o de tempo n#o pode
te parecer como sendo de uma hora ou duas, e n#o pode também te parecer como
sendo de um dia ou doisH <le se apresenta se&undo o estado da aei$#o donde
provém o pensamento" se é uma aei$#o de ale&ria na qual n#o se pensa no tempo,
o pensamento de de9 ou do9e horas é apenas de uma hora ou duas" mas o contrário
acontece se é uma aei$#o de dor na qual se presta aten$#o ao tempo" daD é
evidente que o tempo é unicamente uma aparência se&undo o estado da aei$#o
donde provém o pensamento" dá-se o mesmo com a distNncia do espa$o no
pensamento, quer estejas passeando, quer estejas viajando.
26. Pois que os Anjos e os <spDritos s#o aei$%es que pertencem ao amor, e
pensamentos provindo destas aei$%es n#o est#o por isso mesmo nem no espa$o
nem no tempo, mas est#o nas aparências do espa$o e do tempo" a aparência do
espa$o e do tempo é para eles se&undo os estados das aei$%es e dos
pensamentos provenientes destas aei$%es" é por isso que quando al&um deles
pensa se&undo a aei$#o em um outro, com inten$#o de o ver, ou de conversar com
ele, imediatamente o outro está presente. DaD vem que há presen$a em cada
homem dos espDritos que est#o com ele em uma aei$#o semelhante, de maus
espDritos com aquele que está na aei$#o de um mal semelhante, e de bons espDritos
com aquele que está na aei$#o de um bem semelhante" e est#o de tal modo
presentes, que o homem está no meio deles coma al&uém no meio de uma
sociedade' o espa$o e o tempo nada a9em para a presen$a" e isto porque a aei$#o
e o pensamento que dela provêm n#o est#o nem no espa$o nem no tempo, e que os
espDritos e os anjos s#o aei$%es e pensamentos provenientes destas aei$%es. Eue
isto assim seja é o que me oi dado saber por uma viva e0periência de vários anos" e
também pelo ato de que conversei com muitos depois de sua morte, tanto com os
que pertenciam ) <uropa e a seus diversos reinos, como com os que pertenciam )
Usia e ) Urica e a seus diversos reinos, e estavam todos perto de mim" se, portanto
tivesse havido para eles espa$o e tempo, teria havido via&em e tempo para essa
via&em. Além disso, todo homem sabe isso por um Dnsito nele ou em sua mente" é
aquilo de que tive a prova, no ato de que nin&uém pensou em al&uma distNncia de
espa$o, quando contei que tinha conversado com tal ou qual, que tinha morrido na
Usia, na Urica ou na <uropa" por e0emplo, com 7alvino, 8utero, Belanchton, ou
com al&um >ei, al&um Governador al&um Sacerdote de uma re&i#o lon&Dnqua" e
mesmo n#o ocorreu ao pensamento de nin&uém di9er' J7omo pode ele conversar
com os que viveram nesses lu&aresH < como puderam eles vir a ele e estar
presentes, quando entretanto havia entre eles terras e maresHJ Por isso se tornou
evidente também para mim, que nin&uém pensa se&undo o espa$o e o tempo,
quando pensa nos que est#o no Bundo espiritual. Eue entretanto haja para aqueles
aparência de espa$o e de tempo, vê-se no !ratado do 7éu e do ?nerno, n* 154 a
15-" 1-1 a 1--.
21. /ra, por estas e0plica$%es, pode-se ver que é preciso pensar no ?ninito e no
<terno, por conseqFência no Senhor sem o espa$o e sem o tempo, e que se pode
pensar nisso" que é mesmo assim que pensam os que pensam interiormente no
racional, e que ent#o o ?ninito e o <terno é a mesma cousa que o Divino" assim
pensam os anjos e os espDritos" pelo pensamento com abstra$#o do tempo e do
espa$o compreende-se a Divina /nipresen$a e a Divina /nipotência, e também o
Divino de toda eternidade, e de modo al&um pelo pensamento ao qual está li&ada a
idéia proveniente do espa$o e do tempo. @ portanto evidente que se pode pensar em
Deus de toda a eternidade, mas jamais na nature9a de toda a eternidade" que por
conseqFência pode-se pensar na 7ria$#o do 3niverso por Deus, e de modo al&um
na 7ria$#o pela nature9a, pois os prCprios da nature9a s#o o espa$o e o tempo. Eue
o Divino seja sem espa$o e sem tempo, vê-se no !ratado do Divino Amor e da
Divina Sabedoria, n* 1 a 16" 5- a 14" 1+ a 15" e em outros lu&ares.
24. II. . Infinito e o &terno em si no podem visar sendo o infinito e o eterno
por si nos finitos.
Pelo ?ninito e o <terno em si é entendido o Divino Besmo, como acaba de ser
mostrado no Arti&o precedente" pelos initos s#o entendidas todas as cousas criadas
pelo Divino, e principalmente, os homens, os espDritos e os anjos, e visar o ?ninito e
o <terno por si nos initos, é Se olhar, para si mesmo, neles, como o homem olha
sua ima&em num espelho" que isso assim seja, é o que oi mostrado em vários
lu&ares no !ratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria, principalmente quando oi
demonstrado que no 3niverso criado há a ima&em do homem, e que há a ima&em
do ininito e do eterno, n* +11, +1:, assim a ima&em de Deus 7riador, isto é, do
Senhor de toda a eternidade. !odavia, é preciso que se saiba que o Divino em si
está no Senhor, mas que o Divino por si é o Divino procedente dC Senhor nos
criados.
2+. Bas para que isto seja mais plenamente compreendido, é preciso ilustrá-lo' /
Divino n#o pode visar outra cousa sen#o o Divino, e n#o pode visar noutra parte que
n#o seja nos criados por si" que assim seja, isto é evidente no ato de que nin&uém
pode visar um outro sen#o pelo seu em si" aquele que ama um outro o encara
se&undo seu amor em si" aquele que é sábio encara um outro se&undo a sabedoria
em si" ele pode, é verdade, ver que o outro o ama ou n#o o ama, que é sábio ou que
n#o é sábio, mas vê isso pelo seu amor e sua sabedoria, é por isso que se conjunta
a ele tanto quanto o outro o ama como ele ama o outro, ou tanto quanto o outro é
sábio como ele, pois assim eles a9em um. Dá-se o mesmo com o Divino em si, pois
o Divino em si n#o pode se olhar por um outro, por e0emplo, por um homem, um
espDrito e um anjo, pois que neles nada há do Divino em si a quo Lde quem tudo
procedeM" e olhar o Divino por um outro em que nada há do Divino, seria olhar o
Divino por cousa al&uma de Divino, o que n#o é possDvel" vem daD que o Senhor
tenha sido conjunto ao homem, ao espDrito e ao anjo, de tal sorte que tudo que se
reere ao Divino n#o vem deles, mas vem do Senhor" com eeito, sabe-se que todo
bem e todo vero, que está em al&uém, vêm, n#o dele, mas do Senhor, e que, além
disso, n#o há mesmo pessoa al&uma que possa nomear o Senhor, ou pronunciar
seus nomes de ;esus e de 7risto, a n#o ser pelo Senhor. Se&ue-se, portanto daD
que o ?ninito e o <terno, que é o mesmo que o Divino visa todas as cousas de uma
maneira ininita nos initos, e que se conjunta a eles se&undo o &rau de recep$#o da
sabedoria e do amor neles. <m uma palavra, o Senhor n#o pode ter morada e
habitar no homem e no anjo sen#o naquilo que é dO<le, e n#o no prCprio deles, pois
o prCprio deles é o mal, e ent#o, mesmo que osse o bem, seria sempre um inito,
que em si e por si n#o é suscetDvel de conter o ?ninito. Por estas e0plica$%es é
evidente que jamais é possDvel que o inito olhe o ?ninito, mas que é possDvel que o
?ninito vise o ininito por si nos initos.
2,. Parede que o ?ninito n#o possa ser conjunto ao inito, porque n#o há rela$#o
entre o ininito e o inito, e porque o inito n#o é suscetDvel de conter o ininito" mas
n#o obstante há conjun$#o, tanto porque o ?ninito criou de si mesmo todas as
coisas, se&undo o que oi demonstrado no !ratado do Divino Amor e da Divina
Sabedoria, n* 4:4 a 4:,, como porque o ?ninito nos initos n#o visa outra cousa
sen#o o ininito por si, e que este ininito pode aparecer nos initos como estando
neles" desta, maneira há uma rela$#o entre o inito e o ininito, n#o pelo inito, mas
pelo ?ninito no inito" e também desta maneira o inito é suscetDvel de conter o
ininito, n#o o inito em si, mas o inito como em si, pelo ?ninito por si no inito. Bas
no que se&ue se dirá mais sobre este assunto.
22. III. A Divina +rovid,ncia em tudo que fa" visa o infinito e o eterno por si,
sobretudo salvando o 4,nero 5umano.
/ ?ninito e o <terno em si é o Divino Besmo ou o Senhor em Si" o ?ninito e o <terno
por si é o Divino procedente ou Senhor nos outros, criados por <le, assim nos
homens e nos anjos, e este Divino é o mesmo que a Divina Providência" pois o
Senhor pelo Divino por si provê a que todas as cousas sejam contidas na ordem, na
qual e pela qual elas oram criadas" e como o Divino Procedente eetua isso,
se&ue-se que tudo isso é a Divina Providência.
25. Eue a Divina Providência, em tudo que a9, visa o ininito e o eterno por si,
pode-se vê-lo em que tudo o que oi criado avan$a do Primeiro, que é ?ninito e
<terno, para os Gltimos, e dos Gltimos para o Primeiro a quo Lde que tudo procedeM,
como oi mostrado no Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria, na parte em
que se trata da 7ria$#o do 3niverso" e como em toda pro&ress#o há intimamente o
Primeiro a quo, se&ue-se que o Divino Procedente ou a Divina Providência em tudo
que a9 visa al&uma ima&em do ?ninito e do <terno" visa isso em todas as cousas"
mas em al&umas de uma maneira evidentemente perceptDvel, e em outras n#o" ela
apresenta esta ima&em de uma maneira evidentemente perceptDvel na variedade de
todas as cousas, e na rutiica$#o e na multiplica$#o de todas as cousas. A ima&em
do ?ninito e do <terno na variedade de todas as cousas é maniesta no ato de que
n#o há uma cousa que seja a mesma que uma outra, e que n#o pode tampouco
havê-lo durante a eternidade" isso é bem visDvel pelas aces dos homens desde a
primeira cria$#o, por conseqFência também por suas mentes LanimiM de que as
aces s#o os tipos, e ainda pelas aei$%es, as percep$%es e os pensamentos, pois
s#o eles que comp%em estas mentes. DaD vem que no 7éu inteiro n#o há dois anjos
ou dois espDritos que sejam os mesmos, e que n#o pode tampouco haver durante a
eternidade" dá-se o mesmo com todo objeto da vista em um e outro mundo, tanto o
natural como o espiritual" por isto, pode-se ver que a Aariedade é ininita e eterna. A
ima&em do ?ninito e do eterno na rutiica$#o e na multiplica$#o de todas as cousas
é evidente pela aculdade dada )s sementes no >eino ve&etal, e ) proliica$#o no
reino animal, sobretudo nos pei0es, em que, se houvesse rutiica$#o e multiplica$#o
se&undo a aculdade, os espa$os do &lobo inteiro e mesmo do 3niverso seriam
enchidos em um século" o que mostra claramente que nesta aculdade está
escondido um esor$o de se propa&ar ao ininito" e como as rutiica$%es e as
multiplica$%es n#o altaram desde o come$o da cria$#o, e n#o altar#o durante a
eternidade, se&ue-se que nesta aculdade está também um esor$o de se propa&ar
durante a eternidade.
21. Dá-se o mesmo nos homens quanto a suas aei$%es que pertencem ao amor, e
a suas percep$%es que pertencem ) sabedoria" a variedade de umas e de outras é
ininita e eterna" i&ualmente suas rutiica$%es e suas multiplica$%es que s#o
espirituais" homem al&um &o9a de uma aei$#o e de uma percep$#o de tal modo
semelhante a uma aei$#o e a uma percep$#o de um outro que sejam as mesmas, e
isso n#o pode acontecer durante a eternidade" e do mesmo modo as aei$%es
podem ser rutiicadas e as percep$%es multiplicadas sem im" que as ciências n#o
possam jamais ser es&otadas, sabe-se. <sta aculdade de rutiica$#o e de
multiplica$#o sem im, ou ao ininito e eternamente, está nos naturais nos homens,
nos espirituais nos anjos espirituais, e nos celestes nos anjos celestes. !ais s#o n#o
somente as aei$%es, as percep$%es e as ciências no comum, mas também cada
uma, e mesmo a menor cousa que delas dependem, no particular. S#o tais porque
obtêm sua e0istência do ?ninito e do <terno em si pelo ?ninito e o <terno por si. Bas
como o inito nada tem do Divino em si, é por isso que nada há no Divino, nem
mesmo a menor cousa, no homem ou no anjo como lhe pertencendo, pois o homem
e o anjo s#o initos, e s#o somente receptáculos, que em si mesmos s#o mortos" o
que é vivo neles vem do Divino procedente que lhes é conjunto, por conti&Fidade, e
que lhes aparece como sendo seu. Eue assim seja, ver-se-á no que se&ue.
2:. Se a Divina Providência visa o ?ninito e o <terno por si, sobretudo salvando o
Gênero Rumano, é porque o im da Divina Providência é o 7éu proveniente do
Gênero Rumano, como oi mostrado acima, n* +1 a ,2" e como é esse o im,
se&ue-se que é a reorma e a re&enera$#o do homem, assim a salva$#o, que a
Divina Providência visa, sobretudo, pois o 7éu se comp%e dos que s#o salvos ou
que oram re&enerados. Pois que re&enerar o homem é unir nele o bem e o vero, ou
o amor e a sabedoria, do mesmo modo que oram unidos no Divino que procede do
Senhor, eis por que a Divina Providência visa isto, sobretudo salvando o &ênero
humano" a ima&em do ininito e do eterno n#o está no homem em outra parte sen#o
no casamento do bem e do vero. Eue o Divino procedente a$a isso no &ênero
humano, é o que é notCrio por aqueles que, cheios do Divino procedente, que se
chama <spDrito Santo, proeti9aram, e de que se ala na Palavra" e por aqueles que
ilustrados vêem os Divinos veros na lu9 do 7éu" principalmente nos anjos, que
percebem pelo sentido a presen$a, o inlu0o e a conjun$#o" mas estes notam
mesmo que a conjun$#o n#o é outra sen#o aquela que pode ser chamada adjun$#o.
2-. (#o se sabe ainda que a Divina Providência em toda pro&ress#o no homem,
visa seu estado eterno" com eeito, ela n#o pode visar outra cousa, porque o Divino
é ?ninito e <terno, e o ?ninito e <terno, ou o Divino, n#o está no tempo, e assim
todas as cousas uturas lhe s#o presentes" e como o Divino é tal, se&ue se que em
todas e em cada uma das cousas que a9 há o eterno. Bas os que pensam pelo
tempo e o espa$o diicilmente percebem isso, n#o somente porque amam os
temporais, mas também porque pensam pelo presente no mundo, e n#o pelo
presente no 7éu" o presente no 7éu é para eles t#o ausente como a e0tremidade da
terra" aqueles, ao contrário, que est#o no Divino, porque pensam pelo Senhor,
pensam também no eterno, quando pensam pelo presente, di9endo em si mesmos'
V/ que n#o é eterno o que éWH / temporal n#o é comparativamente como nadaH <
n#o se toma mesmo em nada quando acabaH / eterno é inteiramente dierente
desse estado. Eue o Divino em todo homem, seja mau, seja bom, ao mesmo tempo
pelo eterno quando pensa pelo presente" e quando o homem pensa assim e vive ao
mesmo tempo assim, o Divino procedente nele, ou a Divina Providência, em toda
pro&ress#o, visa o estado de sua vida eterna no 7éu, e o condu9 para esse estado.
Eue o Divino em todo homem, seja mau, seja bem, visa o eterno, ver-se-á no que
se&ue.
56. I). A Ima(em do Infinito e do &terno e!iste no 2éu an(élico.
<ntre as cousas que s#o necessárias conhecer há também o 7éu an&élico, pois
quem quer que tenha reli&i#o pensa no 7éu e quer ir para lá" mas o 7éu n#o é dado
sen#o aos que conhecem o caminho e o se&uem" pode-se mesmo saber al&uma
cousa desse caminho quando se conhece quais s#o os que constituem o 7éu, e que
nin&uém se torna anjo, ou vai para o 7éu, a n#o ser que do mundo leve consi&o o
an&élico" e no an&élico há o conhecimento do caminho pela a$#o de nele andar, e a
a$#o de nele andar pelo conhecimento do caminho. (o mundo espiritual há também
na realidade caminhos, que condu9em a cada sociedade do 7éu, e a cada
sociedade do inerno" e cada um vê como por si mesmo seu caminho" se o vê, é
porque lá há caminhos para cada amor, e a amor abre o caminho, e condu9 cada
um para seus consociados" nin&uém vê outros caminhos sen#o o de seu amor" por
isto é evidente que os anjos n#o s#o sen#o amores celestes, pois de outro modo
n#o teriam visto os caminhos que condu9em ao 7éu. Bas isso pode se tornar mais
evidente por uma descri$#o do 7éu.
51. / espDrito de todo homem é aei$#o e por conse&uinte pensamento, e como toda
aei$#o pertence ao amor, e todo pensamento ao entendimento, todo espDrito é seu
amor e por conse&uinte seu entendimento" é o que a9 com que, quando o homem
pensa somente por seu espDrito, o que acontece quando, em casa, medita em si
mesmo, pensa pela aei$#o que pertence a seu amor" por isto pode-se ver que
quando o homem se torna espDrito, o que acontece depois da morte, ele é a aei$#o
de seu amor, e n#o está em um outro pensamento sen#o o que pertence ) sua
aei$#o" é uma aei$#o má, isto é, uma cobi$a, se teve o amor do mal, e uma aei$#o
boa, se teve o amor do bem" e cada um tem a aei$#o boa na propor$#o em que
o&e dos males como pecados, ou a aei$#o má na propor$#o em que n#o o&e
assim dos males. /ra, pois que todos os espDritos e todos os anjos s#o aei$%es, é
evidente que o 7éu an&élico inteiro n#o é sen#o o amor de todas as aei$%es do
bem, e por conse&uinte a sabedoria de todas as percep$%es do vero" e pois que
todo bem e todo vero vêm do Senhor, e que o Senhor é o Amor mesmo e a
Sabedoria mesma, se&ue-se que o 7éu an&élico é a ima&em do Senhor" e como o
Divino Amor e a Divina Sabedoria em sua Korma é Romem, se&ue-se também que o
7éu an&élico n#o pode ser sen#o na orma humana" mas se dirá mais sobre este
assunto no Arti&o se&uinte.
54. Se o 7éu an&élico é a ima&em do ?ninito e do <terno, é porque é a ima&em do
Senhor, e o Senhor é o ?ninito e o <terno. A ima&em do ?ninito e do <terno do
Senhor se maniesta nisto, que há mirDades de mirDades de anjos de que o 7éu é
composto" que constituem tantas sociedades, quantas aei$%es comuns do amor
celeste há" que em cada sociedade, cada anjo é distintamente sua aei$#o" que de
tantas aei$%es no comum e no particular resulta a Korma do 7éu, que é como um
diante do Senhor, n#o de outra orma sen#o como o homem é um" e que esta Korma
é eternamente aperei$oada se&undo a pluralidade, pois quanto mais há os que
entram na orma do Amor Divino, que é a Korma das ormas, mais a uni#o se torna
pereita. Por estas e0plica$%es é evidente que a ima&em do ?ninito e do <terno
e0iste no 7éu an&élico.
5+. Pelo conhecimento do 7éu, dado por esta curta descri$#o, é evidente que a
aei$#o que pertence ao amor do bem a9 o 7éu no homem" mas quem é que sabe
isso hoje" e mesmo quem é que sabe o que é a aei$#o do amor do bem, e que as
aei$%es do amor do bem s#o inumeráveis, e mesmo ininitasH Pois, como oi dito
cada anjo é distintamente sua aei$#o, e a Korma do 7éu é a orma de todas as
aei$%es do Divino Amor, que est#o no 7éu. 3nir todas as aei$%es nesta orma,
nin&uém mais o pode sen#o Aquele que é o Amor Besmo e a Sabedoria Besma, e
ao mesmo tempo ?ninito e <terno" pois o ?ninito e o <terno s#o o todo da orma, o
ininito na conjun$#o, e o eterno na perpetuidade" se o ininito e o eterno lhe ossem
tirados, no mesmo instante ela se dissiparia" que outro pode unir as aei$%es na
orma, e mesmo que outro pode unir o um desta ormaH Pois seu um n#o pode ser
unido sen#o pela idéia universal de todos, e o universal de todos sen#o pela idéia
sin&ular de cada um" há mirDades de mirDades de anjos que comp%em esta orma, e
há mirDades que entram nela em cada ano, e que aD entrar#o durante a eternidade"
todas as crian$as aD entram, e tantos adultos quantas aei$%es há do amor do bem.
Por estas e0plica$%es pode-se ver de novo a ima&em do ?ninito e do <terno no 7éu
an&élico.
5,. ). )isar o Infinito e o &terno formando o 2éu an(élico, para que ele se-a
diante do Senhor como um s6 5omem, que é a Ima(em do Senhor, é o intimo
da Divina +rovid,ncia.
Eue o 7éu inteiro seja como um Gnico Romem diante do Senhor, e
semelhantemente toda Sociedade do 7éu, e que resulta daD que cada anjo é homem
em uma orma pereita, e que assim seja porque Deus 7riador, que é o Senhor de
toda a eternidade, é Romem, vê-se no !ratado do 7éu e do ?nerno, n* 2- a :5" e
que seja por isso que há correspondência de todas as cousas do 7éu com todas as
cousas do homem, n* :1 a 164. Eue o 7éu inteiro seja como um Gnico Romem, eu
mesmo n#o o vi, porque o 7éu inteiro n#o pode ser visto sen#o pelo Senhor sC, mas
que uma Sociedade inteira do 7éu, &rande ou pequena, tenha aparecido como um
Gnico homem é o que vi reqFentemente, e ent#o me oi dito que a Sociedade maior,
que é o 7éu em todo o comple0o, aparece i&ualmente, mas diante do Senhor" e que
é por isso que cada anjo é homem em toda orma.
52. Pois que o 7éu inteiro em presen$a do Senhor é como um Gnico Romem, é por
isso que o 7éu oi distin&uido em tantas sociedades comuns quantos Cr&#os,
vDsceras e membros há no homem" e cada Sociedade comum, em tantas
sociedades menos comuns ou particulares como há &randes partes em cada vDscera
ou Cr&#o" por isto, vê-se claramente qual é o 7éu. /ra, pois que o Senhor é o
Romem Besmo, e que o 7éu é sua ima&em, é Dor isso que se di9 que estar no 7éu
é estar no Senhor" que o Senhor seja o Romem Besmo, vê-se no Tratado do Divino
Amor e da Divina Sabedoria( n* 11 a 1+" 4:2 a 4:-.
55. Por estas e0plica$%es, pode-se de al&um modo ver este arcano, que pode ser
chamado an&élico" a saber, que cada aei$#o do bem e ao mesmo tempo do vero é
o homem em sua orma" pois tudo o que procede do Senhor deve a seu Divino Amor
ser aei$#o do bem, e a sua Divina Sabedoria ser aei$#o do vero. A aei$#o do vero,
que procede do Senhor, apresenta-se como, percep$#o e por conse&uinte como
pensamento do vero no anjo e no homem, e isso, porque se presta aten$#o )
percep$#o e ao pensamento, e pouca ) aei$#o de que eles provêm, e entretanto
procedem do Senhor com a aei$#o do vero como um.
51. /ra, pois que o homem por cria$#o é o 7éu na menor orma, e por conse&uinte
a ima&em do Senhor" e pois que o 7éu consiste em tantas aei$%es quantos s#o os
anjos, e que cada aei$#o em sua orma é homem, se&ue-se que o contDnuo da
Divina Providência é que o homem se torne céu na orma e por conse&uinte ima&em
do Senhor, e que, como isso se a9 pela aei$#o do bem e do vero, ele se torne esta
aei$#o" está aD portanto o contDnuo da Divina Providência" mas seu Dntimo é que ele
esteja em tal ou tal lu&ar no 7éu, ou em tal ou tal lu&ar no Romem Divino celeste,
pois assim está no Senhor. Bas isso se dá com aqueles que o Senhor pode condu9ir
ao 7éu" e como o Senhor prevê isso, <le provê também continuamente a que o
homem se torne tal" pois assim, quem se dei0a condu9ir para o 7éu é preparado
para seu lu&ar no 7éu.
5:. 6 7éu, como acaba de ser dito, é distin&uido em tantas sociedades quantos
Cr&#os, vDsceras e membros há no homem, e uma parte n#o pode estar ai em outro
lu&ar sen#o no seu" pois que os anjos s#o tais partes no Romem Divino celeste, e
que n#o há sen#o os que oram homens no mundo que se tomam anjos, se&ue-se
que o homem que se dei0a condu9ir para o 7éu é continuamente preparado pelo
Senhor para seu lu&ar, o que se a9 pela aei$#o do bem e do vero que a ele
corresponde" para este lu&ar é assim inscrito cada homem anjo apCs a sua, saDda do
mundo. @ este o Dntimo da Divina Providência em rela$#o ao 7éu.
5-. Bas o homem que n#o se dei0a condu9ir para o 7éu nem inscrever para o 7éu,
é preparado para seu lu&ar no inerno" pois por si mesmo tende continuamente para
o inerno mais proundo, mas é continuamente retirado dele pelo Senhor" e aquele
que n#o pode ser aastado é preparado para um lu&ar no inerno, para o qual é
assim inscrito lo&o apCs a sua saDda do mundo" e esse lu&ar aD é oposto a um lu&ar
do 7éu, pois o ?nerno, está em oposi$#o contra o 7éu" é por isso que do mesmo
modo que o homem-anjo, se&undo a aei$#o do bem e do vero, tem seu lu&ar
assinalado no 7éu, o homem-diabo, se&undo a aei$#o do mal e do also, tem seu
lu&ar assinalado no inerno" com eeito, dois opostos postos em ordem em uma
situa$#o semelhante em oposi$#o um ao outro s#o contidos no encadeamento. @
este o ?ntimo da Divina Providência em rela$#o ao inerno.
57 8&IS DA DI)I9A +:.)ID;92IA, AS 3UAIS S<. D&S2.95&2IDAS D.S
5.=&9S
16. Eue haja uma Divina Providência, sabe-se" mas o que esta Divina Providência,
n#o se sabe. Se n#o se sabe o que é a Divina Providência, é porque Suas 8eis s#o
secretas, e estiveram até aqui escondidas na sabedoria entre os anjos, mas a&ora
elas v#o ser reveladas, a im de que se atribua ao Senhor o que lhe pertence, e que
n#o se atribua a al&um homem o que n#o lhe pertence" com eeito, no mundo, a
maior parte atribui tudo a eles mesmos e ) sua prudência, e o que n#o podem
atribuir assim, chamam de acaso ou contin&ente, n#o sabendo que a prudência
humana nada é, e que o acaso e o contin&ente s#o palavras v#s. Di9-se que as leis
da Divina Providência s#o secretas, e até aqui estiveram escondidas na sabedoria
entre os anjos" a causa é que no Bundo crist#o o entendimento das cousas Divinas
oi echado pela reli&i#o" e, por conse&uinte, nestas cousas se tornou t#o obtuso e
t#o resistente, que o homem n#o pode porque n#o quis, ou n#o quis porque n#o
pode, em rela$#o ) Divina Providência, compreender outra cousa, sen#o que ela
e0iste, nem e0aminar pelo raciocDnio se ela e0iste ou se n#o e0iste, se é somente
universal ou se é também particular" o entendimento echado pela reli&i#o n#o pode
ir mais lon&e nas cousas Divinas. Bas como oi reconhecido na ?&reja que o homem
por si mesmo n#o pode a9er o bem que em si é o bem, nem por si mesmo pensar o
vero que em si mesmo é o vero, e como isto é um com a Divina Providência, a
cren$a em um destes pontos depende por conseqFência da cren$a no outro" a im
de que, portanto, um n#o seja airmado e o outro ne&ado, e que assim um e outro
caiam, é preciso absolutamente que seja revelado o que é a Divina Providência" mas
isso n#o pode ser revelado, se as 8eis pelas quais o Senhor provê aos voluntários e
aos intelectuais do homem e os &overna n#o sejam descobertas" pois estas leis
a9em conhecer o que é a Divina Providência, e sC aquele que conhece o que ela é
pode reconhecê-la, porque ent#o ele a vê" eis porque as 8eis da Divina Providência,
até ao presente escondidas na sabedoria entre os anjos, s#o a&ora reveladas.
É (&A 9EI DA DIVINA PROVIDÉNCIA 7(E 0 HO&E& A:A PE9O 9IVRE
SEG(NDO A RA8;O.
11. Eue haja para o homem o livre de pensar e de querer como lhe a&rada, mas n#o
o livre de di9er tudo o que pensa, nem o livre de a9er tudo o que quer, isso é sabido"
é porque o livre, que é aqui entendido, é o livre espiritual, e n#o o livre natural, sen#o
quando a9em um" pois pensar e querer é espiritual, mas di9er e a9er é natural" isso
é mesmo distin&uido maniestamente no homem" pois o homem pode pensar o que
n#o di9, e querer o que n#o a9" por isso é evidente que o espiritual e o natural no
homem oram separados, é por isso que o homem n#o pode passar de um para o
outro sen#o por uma determina$#o" esta determina$#o pode ser comparada a uma
porta que antes deve ser echada e deve ser aberta" mas esta porta se mantém
como aberta naqueles que pela ra9#o pensam e querem se&undo as leis civis do
reino e se&undo as leis morais da sociedade, pois estes di9em o que pensam, e
a9em do mesmo modo o que querem" ao contrário, esta porta se mantém como
echada naqueles que pensam e querem a que é contra essas leis" aquele que
presta aten$#o )s suas vontades, e por conse&uinte )s suas a$%es, notará que uma
tal determina$#o sobrevém, e, reqFentemente, muitas ve9es, em uma Gnica
conversa$#o e em uma Gnica a$#o. ?sto é posto como preliminar, a im de que se
saiba que por a&ir pelo livre se&undo a ra9#o, é entendido pensar e querer
livremente, e, por conse&uinte di9er e a9er livremente o que é se&undo a ra9#o.
14. Bas como poucos homens sabem que esta 8ei pode ser uma 8ei da Divina
Providência, sobretudo porque assim o homem tem também o livre de pensar o mal
e o also, e como, entretanto a Divina Providência condu9 continuamente o homem a
pensar e a querer o bem e o vero, é preciso, por conse&uinte, para que isso seja
percebido, e0plicá-lo distintamente" isso será eito nesta ordem' I. / homem tem a
>a9#o e o 8ivre, ou a >acionalidade e a 8iberdade" e estas duas aculdades est#o
pelo Senhor no homem. II. !udo o que o homem a9 pelo livre, quer isso seja
conorme ou n#o conorme com a ra9#o, desde que seja se&undo sua ra9#o, lhe
aparece como sendo seu. III. !udo o que o homem a9 pelo livre se&undo seu
pensamento lhe é apropriado como sendo seu, e permanece. IV. Por estas duas
aculdades o homem é reormado e re&enerado pelo Senhor, e sem elas n#o pode
ser nem reormado nem re&enerado. V. Por meio destas duas aculdades o homem
pode ser reormado e re&enerado tanto quanto pode ser levado por elas a
reconhecer que todo bem e todo vero que pensa e a9 vem do Senhor, e n#o dele
mesmo. VI. A conjun$#o do Senhor com o homem, e a conjun$#o recDproca do
homem com o Senhor, se a9em por estas duas aculdades. VII. / Senhor, em toda
pro&ress#o de Sua Divina Providência, &uarda intactas e como santas, estas duas
aculdades no homem. VIII. @ por isso que é da Divina Providência que o homem aja
pelo livre se&undo a ra9#o.
1+. I. . homem tem a :a"o e o 8ivre, ou a :acionalidade e a 8iberdade> e
estas duas faculdades esto pelo Senhor no homem.
Eue o homem tenha a aculdade de compreender, que é a >acionalidade, e a
aculdade de pensar, de querer, de di9er e de a9er o que compreende, que é a
8iberdade" e que estas duas aculdades estejam pelo Senhor no homem, isso oi
mostrado no, Tratado do Divino Amor o da Divina Sabedoria, n*
s
45, a 416, ,42" e
também acima, n*
s
,+, ,,. Bas como podem se elevar várias dGvidas sobre estas
duas aculdades, quando se leva os pensamentos sobre elas, quero desde o
come$o, di9er al&umas palavras sobre o 8ivre de a&ir se&undo a ra9#o no homem.
Bas antes é preciso que se saiba que todo 8ivre pertence ao amor, de tal modo que
o amor e o livre s#o um" e como o amor é a vida do homem, o 8ivre também
pertence ) vida do homem" com eeito, todo pra9er que o homem tem vem de seu
amor" n#o e0iste pra9er al&um de outra parte, e a&ir pelo pra9er do amor é a&ir pelo
livre, pois o pra9er condu9 o homem como um rio condu9 o que é levado sobre suas
á&uas se&undo seu curso. /ra, como há vários amores, uns concordantes, os outros
discordantes, se&ue-se que há i&ualmente vários 8ivres" mas em &eral há três
8ivres' o )atural( a Racional( e o E!iritual* / 9!.re Na"ural está em cada homem
por heran$a" por ele o homem n#o ama sen#o a si mesmo e ao mundo" a primeira
vida do homem n#o é outra cousa" e coma todos os males e0istem por estes dois
&êneros de amor, e comam por conse&uinte os males se tornam assim cousas do
amor, se&ue se que pensar e querer os males é o 8ivre natural do homem, e que,
quando ele os conirmou em si pelos raciocDnios, a&e pela livre se&undo a ra9#o"
a9er assim os males é a&ir pela aculdade
que é chamada 8iberdade, e os conirmar é a&ir pela aculdade que é chamada
>acionalidade. Por e0emplo, é pelo amor em, que nasce que o homem quer cometer
adultério, en&anar, blasemar, vin&ar-se e quando conirma estes males em si e que
por isso os considera como lDcitos, ent#o pelo pra9er de seu amor os pensa e os
quer livremente como se osse se&undo a ra9#o, e tanto quanto a lei civil n#o o
retém, ele os di9 e os a9" é da Divina Providência que seja permitido ao homem a&ir
assim, porque há nele o livre ou a 8iberdade. / homem está neste livre por
nature9a, porque está nele por heran$a" e neste livre est#o os que pelos raciocDnios
o conirmaram em si pelo pra9er do amor de si e do mundo. / 9!.re Ra%!onal vem
do amor da reputa$#o pela honra ou pelo lucro" o pra9er deste amor é de se
apresentar na orma e0terna como homem moral" e porque o homem ama esta
reputa$#o, ele n#o en&ana, n#o comete adultério, n#o se vin&a, n#o blasema" e
como esta conduta resulta da ra9#o, ele a&e também pelo livre se&undo a ra9#o com
sinceridade, justi$a, castidade e ami9ade" e pode mesmo pela
ra9#o a9er bem disso" mas se sua ra9#o é somente natural, e n#o ao mesmo tempo
espiritual este 8ivre é somente um 8ivre e0terno e n#o um livre interno, pois n#o obs
tante, interiormente ele n#o ama estes bens, mas sC os ama e0teriormente pela
reputa$#o, como oi dito" é por isso que os bens que ele a9 n#o s#o
em si mesmos bens" pode mesmo di9er que devem ser eitos para o bem pGblico,
mas n#o di9 imo pelo amor do bem pGblico, o di9 pelo amor de sua honra ou de seu
lucro" seu livre nada tira portanto do amor do bem pGblico, nem da ra9#o tampouco,
porque ela dá seu assentimento ao amor" é por isso que este 8ivre racional é
interiormente um 8ivre natural. <ste 8ivre também é dei0ado a
cada um pela Divina Providência. / 9!.re E01!r!"ual vem do amor da vida eterna"
neste amor, e no pra9er deste amor, n#o entra nin&uém mais sen#o aquele que
pensa que os males s#o pecados, e por isso mesmo n#o os quer, e que ao mesmo
tempo diri&e seus olhos para o Senhor" desde que o homem a9 isso, está neste
livre" pois o homem n#o pode n#o querer os males porque s#o pecados, e por isso
mesmo n#o os a9er, a n#o ser que seja pelo 8ivre interior ou superior, que procede
de seu amor interior ou superior. <ste 8ivre n#o aparece no come$o como livre,
ainda que, entretanto o seja" mais tarde, porém aparece como tal, e ent#o o homem
a&e pelo livre mesmo se&undo a ra9#o, pensando, querendo, di9endo e a9endo o
bem e o vero. <ste livre aumenta ) medida que o livre natural decresce e se torna
servil e se conjunta com o 8ivre racional e o puriica. 7ada um pode vir a este 8ivre,
desde que queira pensar que há uma Aida eterna, e que o pra9er e a beatitude da
vida no tempo por um tempo n#o é sen#o como uma sombra que passa,
relativamente ao pra9er e ) beatitude da vida na eternidade pela eternidade, e o
homem pode pensar isso, se quiser, porque tem a >acionalidade e a 8iberdade, e
porque o Senhor, de quem procedem estas duas aculdades, lhe dá continuamente
esse poder.
1,. II. ?udo o que o homem fa" pelo livre quer isso se-a conformo ou no se-a
conforme, com a ra"o, desde que se-a se(undo sua ra"o, lhe aparece como
sendo seu.
/ que é a >acionalidade e o que é a 8iberdade, que s#o prCprias do homem, n#o se
pode ver mais claramente do que pela compara$#o dos homens com as bestas" pois
estas n#o têm racionalidade ou aculdade al&uma de compreender, nem liberdade
ou aculdade al&uma de querer livremente, e em conseqFência n#o têm nem
entendimento nem vontade" mas em lu&ar do entendimento elas têm uma ciência, e
em lu&ar da vontade têm uma, aei$#o, uma e outra natural" e como n#o têm estas
duas aculdades, n#o têm tampouco o pensamento, mas em lu&ar do pensamento
têm uma vista interna que a9 um com sua vista e0terna por correspondência. 7ada
aei$#o tem sua companheira como esposa, a aei$#o do amor natural tem a ciência,
a aei$#o do amor espiritual tem a inteli&ência, e a aei$#o do amor celeste a
sabedoria" pois a aei$#o sem sua companheira como esposa n#o é al&uma cousa,
porque é como o ser sem o e0istir, e como a substNncia sem a orma, das quais n#o
se pode ormar idéia al&uma" daD vem que em tudo o que oi criado há al&uma cousa
que pode se reerir ao casamento do bem e do vero, como já oi mostrado várias
ve9es" nas =estas há o casamento da aei$#o e da ciência, a aei$#o aD pertence ao
bem natural, e a ciência ao vero natural. /ra, como a aei$#o e a ciência nelas
a9em absolutamente um, e que sua aei$#o n#o pode ser elevada acima de sua
ciência, nem sua ciência acima de sua aei$#o, e que se s#o elevadas o s#o uma e
outra ao mesmo tempo, e como n#o têm mente espiritual al&uma, na qual ou na lu9
e no calor da qual possam ser elevadas, eis por que n#o há nelas nem a aculdade
de compreender ou a racionalidade, nem a aculdade de querer livremente ou a
liberdade, mas há uma pura aei$#o natural com sua ciência" a aei$#o natural que
elas têm é a aei$#o de se alimentar, de se alojar, de se propa&ar, de u&ir do que
lhes é nocivo e detestá-lo, com toda ciência que esta aei$#o requer" como tal é o
estado de sua vida, elas n#o podem pensar em si mesmas' J<u quero, ou n#o quero
istoJ, nem Jeu sei ou n#o sei issoJ, nem com mais orte ra9#o, Jeu compreendo isso,
e eu amo issoJ" mas s#o impulsionadas se&undo sua aei$#o pela ciência sem
racionalidade nem liberdade. Eue sejam assim impulsionadas, isso provém n#o do
mundo natural, mas do mundo espiritual, pois n#o há uma Gnica cousa do mundo
natural que esteja sem cone0#o com o mundo espiritual" toda causa produ9indo um
eeito vem de lá" ver também sobre este assunto al&uns detalhes, acima, n* -5.
12. (#o se dá o mesmo com o homem" ele tem n#o somente a aei$#o do amor
natural, mas também a aei$#o do amor espiritual e a aei$#o do amor celeste" pois a
mente humana é de três &raus, como oi mostrado no Tratado do Divino Amor e da
Divina Sabedoria( !erceira parte" é por isso que o homem pode ser elevado da
ciência natural ) inteli&ência espiritual, e daD ) sabedoria celeste, e por estas duas a
inteli&ência e a sabedoria diri&ir seus olhares para o Senhor, e assim 8he ser
conjunto, o que a9 com que viva eternamente" mas esta eleva$#o quanto ) aei$#o
n#o se daria se ele n#o tivesse a aculdade de elevar o entendimento, pela
racionalidade, e de querer isso pela liberdade. / homem por estas duas aculdades
pode pensar dentro de si sobre as cousas que pelos sentidos do seu corpo percebe
ora de si, e pode também pensar de uma maneira superior sobre as cousas que
pensa de uma maneira interior" pois cada um pode di9er' JPensei isto e penso istoJ"
além disso, Jquis isto e quero istoJ" além disso, também Jcompreendo que isto é
assim, &osto disso porque é de tal maneiraJ" e assim por diante" por ?sto é evidente
que o homem pensa também acima do pensamento, e que o vê como abai0o dele" o
homem deve isso ) >acionalidade e ) 8iberdade, ) racionalidade pelo ato de poder
pensar de uma maneira superior, ) liberdade pelo ato de pela aei$#o querer pensar
assim, pois se n#o tivesse a liberdade de pensar assim n#o teria a vontade, nem por
conseqFência o pensamento. @ por isso que os que n#o querem compreender
sen#o o que pertence ao mundo e ) nature9a do mundo, e n#o o que é o bem e o
vero moral e espiritual, n#o podem ser elevados da ciência ) inteli&ência nem, com
mais orte ra9#o ) sabedoria" pois obstruDram estas aculdades, assim n#o s#o
homens sen#o porque, pela >acionalidade e a 8iberdade insitadas neles, podem
compreender se quiserem, e também porque podem querer. @ por estas duas
aculdades que o homem pode pensar, e pelo pensamento alar" em tudo o mais, os
homens n#o s#o homens, s#o bestas, e al&uns pelo abuso destas aculdades s#o
piores que as bestas.
15. 7ada um, pela racionalidade n#o velada, pode ver ou apreender que o homem
n#o pode estar em aei$#o al&uma de saber, nem em aei$#o al&uma de
compreender, sem a aparência que isto é seu" pois todo pra9er e todo
contentamento, assim tudo o que é da vontade, vem da aei$#o que pertence ao
amor" quem é que pode querer saber e querer compreender al&uma cousa, se n#o
encontra al&um atrativo da aei$#oH < quem é que pode ter este atrativo da aei$#o,
se aquilo com que é aetado n#o se apresenta como sendo seuH Se n#o tivesse
cousa al&uma dele, mas que tudo osse de outro, isto é, se al&uém por suas
aei$%es inundisse al&uma cousa na mente de um outro que n#o tivesse aei$#o
al&uma de saber e de compreender como por si mesmo, será que este receberiaH <
será mesmo que poderia receberH (#o seria como aquele que é chamado bruto e
estGpidoH Por isso pode-se ver claramente que, ainda que haja inlu0o de todas as
cousas que o homem percebe e conseqFentemente pensa e sabe, e que se&undo a
percep$#o quer e a9, entretanto é da Divina, Providência do Senhor que isso
apare$a como sendo do homem" pois, como oi dito de outro modo o homem nada
receberia, assim n#o poderia ser &ratiicado com inteli&ência al&uma nem com
sabedoria al&uma. Sabe-se que todo bem e todo vero pertencem n#o ao homem,
mas ao Senhor, e que, entretanto aparecem ao homem como sendo dele" e como
todo bem e todo vero aparecem assim, todas as cousas da ?&reja e do 7éu, por
conse&uinte todas as do amor e da sabedoria, e também da caridade e da é,
aparecem do mesmo modo, e, entretanto nada disso pertence ao homem" nin&uém
as pode receber do Senhor, a n#o ser que lhe pare$a percebê-las como por si
mesmo. Por isto pode-se ver a verdade desta proposi$#o, que tudo o que o homem
a9 pelo livre, quer seja conorme ou n#o conorme com a ra9#o, desde que seja
se&undo sua ra9#o, lhe parece como sendo seu.
11. Euem é que, por sua aculdade, chamada racionalidade, n#o pode compreender
que tal ou tal bem é Gtil no comum, e que tal ou tal mal é nocivo no comum" por
e0emplo, que a justi$a, a sinceridade e a castidade do casamento s#o Gteis no
comum, e que a injusti$a, a n#o sinceridade e a escorta$#o com as esposas dos
outros s#o nocivas no comum" que por conseqFência estes males em si mesmos
s#o prejudiciais, e que estes bens em si mesmos s#o vantajososH Euem, portanto
n#o pode a9er disso o objeto de sua ra9#o, desde que o queiraH <le tem a
racionalidade e tem a liberdade" e tanto quanto o&e destes males nele porque s#o
nocivos no comum, tanto mais sua racionalidade e sua liberdade se desenvolvem se
maniestam, o diri&em e lhe d#o a percep$#o e o poder" e tanto quanto a9 isso,
tanto mais encara estes bens como um ami&o a seus ami&os. Dai em se&uida, pela
sua aculdade que é chamada racionalidade, o homem pode concluir relativamente
aos bens que s#o Gteis no comum no mundo espiritual, e relativamente aos males
que aD s#o nocivos, se apenas em lu&ar dos males ele percebe os pecados, e em
lu&ar dos bem as obras da caridade" isso também, o homem pode a9er objeto de
sua ra9#o, desde que o queira, pois que tem a racionalidade e a liberdade" e tanto
quanto o&e dos males como pecados, tanto mais sua racionalidade e sua liberdade
se desenvolvem, se maniestam, o diri&em e lhe d#o a possibilidade de perceber e
de poder, e tanto quanto a9 isso, tanto mais encara os bens da caridade como o
prC0imo encara o prC0imo por um amor de parte a parte. /ra, pois que o Senhor, por
causa da recep$#o e da conjun$#o, quer que tudo o que o homem a9 livremente
se&undo a ra9#o lhe pare$a como sendo seu, e que isso é se&undo a ra9#o mesma,
se&ue-se que o homem pode pela ra9#o, porque é para sua eterna elicidade, querer
u&ir dos males como pecados, e a9ê-lo depois de ter implorado o Divino poder do
Senhor.
1:. III. ?udo o que o homem fa" pelo livre se(undo seu pensamento lhe é
apropriado como sendo seu e permanece.
?sto resulta de que o prCprio do homem e seu livre a9em um" o prCprio do homem
pertence ) sua vida, e o que o homem a9 pela vida, o a9 pelo livre" e também o
prCprio do homem é o que pertence a seu amor, pois o amor é a vida de cada um, e
o que o homem a9 pelo amor de sua vida, ele o a9 pelo livre. Eue o homem aja
pelo livre se&undo o pensamento, é porque o que pertence ) vida ou ao amor de
al&uém é pensado também, e é conirmado pelo pensamento" e porque, quando isso
é conirmado, ele o a9 pelo livre se&undo o pensamento" pois tudo o que o homem
a9, o a9 se&undo a vontade pelo entendimento" e o livre pertence ) vontade, e o
pensamento ao entendimento. / homem pode mesmo a&ir pelo livre contra e, ra9#o"
e também pelo n#o-livre se&undo a ra9#o" mas estas a$%es n#o s#o apropriadas ao
homem, pertencem unicamente ) sua boca e a seu corpo, e n#o a seu espDrito ou a
seu cora$#o" mas as que pertencem a seu espDrito ou a seu cora$#o, quando se
tornam também cousas da boca e do corpo, s#o apropriadas ao homem" que assim
seja, pode-se ilustrá-lo por vários e0emplos, mas n#o é aqui o lu&ar. Por ser
apropriado ao homem, é entendido entrar em sua vida, e se tornar cousa de sua
vida, por conseqFência tornar-se seu prCprio. Eue o homem, entretanto n#o tenha
cousa al&uma que lhe seja prCpria, mas que lhe pare$a como se tivesse, ver-se-á no
que se&ue" aqui, é mostrado unicamente, que todo bem que o homem a9 pelo livre
se&undo a ra9#o lhe é apropriado como seu, porque pensar, querer, di9er e a9er lhe
aparece como seu" entretanto o bem n#o pertence ao homem, mas ao Senhor no
homem" ver acima, n* 15. Bas como o mal é apropriado ao homem, ver-se-á em um
Arti&o especial.
1-. Di9-se que o que o homem a9 pelo livre se&undo a ra9#o, isso também
permanece" com eeito, nada do que o homem se apropriou pode ser desenrai9ado,
pois isso se tornou cousa de seu amor e ao mesmo tempo de sua ra9#o" ou de sua
vontade e ao mesmo tempo de seu entendimento, e, por conse&uinte cousa de sua
vida" isto, é verdade, pode ser aastado, mas n#o obstante n#o pode ser rejeitado" e
quando isso é aastado, é transportado como do centro para as perierias, e aD ica" é
o que é entendido por Jisto permaneceJ. Por e0emplo, se um homem em sua
inNncia e em sua adolescência se apropriou al&um mal, a9endo-o pelo pra9er de
seu amor" assim se en&anou, blasemou, se entre&ou ) vin&an$a, ) escorta$#o"
ent#o, porque e9 estes males pelo livre se&undo seu pensamento, ele também os
apropriou" mas se depois a9 penitência, se o&e deles e os considera como pecados
que é preciso ter em avers#o, e assim se abstém deles pelo livre se&undo a ra9#o,
ent#o os bens aos quais estes males s#o opostos lhe s#o apropriados" estes bens
s#o ent#o o centro, e aastam os males para as perierias, cada ve9 mais distantes,
conorme se abstém deles e os tem em avers#o" mas entretanto eles n#o podem ser
rejeitados de sorte que se possa di9er que oram e0tirpados" todavia podem, quando
oram assim aastados, parecer como e0tirpados" isto se dá porque o homem é
aastado dos males pelo Senhor, e é mantido nos bens" assim acontece para todo
mal hereditário, e i&ualmente para todo mal atual do homem. @ também o que vi
provado por e0periência no 7éu em al&uns que, porque eram mantidos no bem pelo
Senhor, se acreditavam sem males" mas para que n#o cressem que o bem em que
estavam, osse seu prCprio oram enviados para ora do 7éu, e repostos em seus
males, até que reconhecessem que estavam nos males por eles mesmos, mas nos
bens pelo Senhor" depois deste reconhecimento oram recondu9idos ao 7éu. Eue se
saiba, portanto que estes bens n#o s#o apropriados ao homem sen#o porque
pertencem constantemente ao Senhor no homem, e que, tanto quanto o homem
reconhece isso, o Senhor concede que o bem apare$a ao homem como sendo dele,
isto é, concede que pare$a ao homem que ele ama o prC0imo ou que tem a caridade
como por si mesmo, que crê ou que tem é como por si mesmo, que a9 o bem e
compreende o vero, e assim é sábio como por si mesmo" ilustrado por isto ele pode
ver o que ele é, e quanto é orte a aparência na qual o Senhor quer que o homem
esteja" e o Senhor quer isto para a salva$#o do homem, pois sem esta aparência
nin&uém pode ser salvo. Sobre este assunto, ver também o que oi mostrado acima,
n* ,4 a ,2.
:6. (ada do que o homem pensa somente, nem mesmo do que pensa querer, lhe é
apropriado, a n#o ser que ao mesmo tempo queira de tal modo a cousa, que
também a a$a, quando tem a possibilidade" a ra9#o disso, é que, quando por
conse&uinte o homem a a9, é se&undo a vontade pelo entendimento, ou se&undo a
aei$#o da vontade pelo pensamento que ele o a9" mas, enquanto a cousa pertence
ao pensamento sC, n#o pode ser apropriada, porque o entendimento n#o se
conjunta com a vontade, ou porque o pensamento do entendimento n#o se conjunta
com a aei$#o da vontade" mas é a vontade e sua aei$#o que se conjuntam, com o
entendimento e seu pensamento, como oi mostrado em vários lu&ares no Tratado
do Divino Amor e da Divina Sabedoria, Euinta Parte. @ isto que é entendido por
estas palavras do Senhor' J/ que entra na boca n#o toma impuro o homem, mas o
que do cora$#o sai pela boca torna impuro o homemJ LBateus 12*, 1,, 11, 1:, 1-M,
pela boca no sentido espiritual, é entendido o pensamento, porque o pensamento
ala pela boca" e pelo cora$#o neste sentido é entendida a aei$#o que pertence ao
amor" se o homem pensa e ala se&undo esta aei$#o, se torna impuro" pelo cora$#o
é também si&niicada a aei$#o que pertence ao amor ou ) vontade, e pela boca o
pensamento que pertence ao entendimento, em 8ucas 5*, ,2.
:1. /s males que o homem crê lDcitos, embora n#o os a$a, lhe s#o também
apropriados" com eeito, o que é lDcito no pensamento é lDcito se&undo a vontade,
pois há acordo" é por isso que, quando o homem crê lDcito um mal, rompe o vDnculo
interno a respeito desse mal, e n#o é demovido de o a9er sen#o por vDnculos
e0ternos, que s#o os medos" e como o espDrito do homem é avorável a esse mal,
desde que os vDnculos e0ternos sejam eliminados, ele o a9 porque o crê lDcito" e,
enquanto espera, o a9 continuamente em seu espDrito" mas, sobre este assunto, ver
a Doutrina de +ida !ara a )ova %erualém, n* 16: a 11+.
:4. I). +or estas duas faculdades o homem é reformado e re(enerado pelo
Senhor, e sem elas no pode ser reformado nem re(enerado.
/ Senhor ensina que se al&uém n#o é en&endrado de novo, n#o pode ver o reino de
Deus L;o#o +*, +, 2, 1M, mas o que é ser en&endrado de novo, ou ser re&enerado,
poucas pessoas o sabem" isso provém de que n#o se soube o que é o amor e a
caridade, nem por conseqFência o que é a é" pois aquele que n#o sabe o que é o
amor e a caridade n#o pode saber o que é a é, pois que a caridade e a é a9em
um, como o bem e o vero e como a aei$#o que pertence ) vontade e o pensamento
que pertence ao entendimento" sobre esta uni#o, ver no !ratado do Divino Amor e
da Divina Sabedoria, n* ,41 e ,+1" e também na Doutrina da (ova ;erusalém, n* 1+
a 4," e acima, n* 1+ a 46.
:+. Se nin&uém pode entrar no >eino de Deus, a n#o ser que seja en&endrado de
novo, é porque o homem, pelo hereditário que recebeu de seus pais, nasce nos
males de todo &ênero, com a aculdade de poder, aastando estes males, se tornar
espiritual, e que, se n#o se torna espiritual, n#o pode entrar no 7éu" de natural
tornar-se espiritual, é renascer ou ser re&enerado. Bas para que se saiba como o
homem é re&enerado, estas três causas devem ser e0aminadas' Eual é seu
primeiro estado, que é o estado de dana$#o" qual é seu se&undo estado, que é o
estado de reorma" e qual é seu terceiro estado, que é o estado de re&enera$#o. /
1r!me!ro e0"ado do +omem< =ue , o e0"ado de dana34o< está em cada homem
pelo hereditário que ele recebe de seus pais, pois o homem nasce por isso no amor
de si e no amor do mundo, e por estes amores como ontes, nos males de todo
&ênero" é pelos pra9eres destes amores que ele é condu9ido, e os pra9eres a9em
com que n#o saiba que está nos males" pois todo pra9er do amor n#o é sentido
sen#o como um bem" é por isso que, se o homem n#o é re&enerado, n#o sabe outra
cousa sen#o que se amar e amar o mundo acima de todas as cousas é o bem
mesmo, e que dominar sobre todos os outros e possuir as rique9as de todos é o
bem supremo" daD também todo mal, pois n#o encara com amor nenhum outro
sen#o a ele sC, e se olha a um outro com amor, é como um diabo olha para outro
diabo, e um ladr#o para outro ladr#o, quando a&em como um. Aqueles que em si,
por seu pra9er, conirmam estes amores, e os males que deles decorrem,
permanecem naturais e se tornam sensuais-corporais" e no prCprio pensamento,
que pertence a seu espDrito, s#o dementes" mas n#o obstante podem, quando est#o
no mundo, alar e a&ir racionalmente e sabiamente, pois s#o homens, e têm por
conseqFência a racionalidade e a liberdade, mas a9em isso também pelo amor de
si e do mundo. Aqueles que depois da morte, quando se tornam espDritos, n#o
podem ter outro pra9er sen#o esse que tiveram em seu espDrito quando estavam no
mundo" e esse pra9er é o pra9er do homem inernal, que é mudado em despra9er e
em sorimento horrDvel, o que é entendido na Palavra pelo tormento e o o&o inernal.
Por estas e0plica$%es, é evidente que o primeiro estado do homem é o estado de
dana$#o" e que neste estado est#o os que n#o se dei0am re&enerar. / 0egundo
e0"ado do +omem< =ue< , o e0"ado de re>orma< é quando o homem come$a a
pensar no 7éu pela ale&ria do 7éu, e assim em Deus, de quem lhe vem a ale&ria do
7éu" mas pensa nisso a princDpio pelo pra9er de seu amor, a ale&ria do 7éu é para
ele este pra9er" mas enquanto este pra9er reina com os pra9eres dos males que
dele decorrem, n#o pode compreender outra cousa, sen#o que entrar no 7éu é a9er
preces, escutar pre&a$%es, participar da Santa 7eia, dar aos pobres, socorrer os
indi&entes, contribuir para as despesas dos templos, a9er donativos aos hospitais, e
outras cousas semelhantes" o homem nesse estado n#o sabe tampouco outra
cousa, sen#o que o que salva é unicamente pensar o que a reli&i#o ensina, quer
isso seja o que é chamado é, ou o que é chamado é e caridade" se n#o
compreende outra cousa, sen#o que pensar isso é o que salva, é porque n#o pensa
de modo al&um nos males em cujos pra9eres está, e enquanto os pra9eres destes
males permanecem, os males permanecem também" seus pra9eres vêm de sua
cobi$a, que inspira continuamente os males, e mesmo os produ9, quando al&um
temor n#o impede. <nquanto os males permanecem nas cobi$as e por conse&uinte
nos pra9eres de seu amor, n#o há é al&uma, caridade al&uma, piedade al&uma,
culto al&um, a n#o ser nos e0ternos unicamente" parece diante do mundo que os há,
mas n#o obstante, n#o os há" podem ser comparados )s á&uas que correm de uma
onte impura, e que n#o podem ser bebidas. <nquanto o homem é tal, que pensa no
7éu e em Deus se&undo a reli&i#o, e n#o pensa de modo al&um nos males como
pecados, está ainda no primeiro estado" mas entra no se&undo ou no estado de
reorma, quando come$a a pensar que há um pecado, e mais ainda quando pensa
que tal ou tal cousa é um pecado, e que há e0amina um pouco em si e n#o a quer.
/ "er%e!ro e0"ado do +omem< =ue , o e0"ado de regenera34o< sucede ao estado
precedente e é sua continua$#o" come$a quando o homem se abstém dos males
porque s#o pecados" avan$a ) medida que o&e deles" é aperei$oado ) medida que
combate contra eles" e ent#o, ) medida que pelo Senhor é vitorioso, é re&enerado.
(aquele que é re&enerado a ordem da vida é mudada, de natural se torna espiritual,
pois o natural separado do espiritual é contra a ordem, e o espiritual é se&undo a
ordem" é por isso que o homem re&enerado a&e pela caridade, e a9 cousa de sua é
o que pertence ) caridade. Bas, entretanto ele n#o se torna espiritual sen#o tanto
quanto está nos veros, pois todo homem é re&enerado pelos veros e pela vida
se&undo os veros" com eeito, pelos veros ele conhece a vida, e pela vida a9 os
veros" assim conjunta o bem e o vero, o que é o casamento espiritual, em que está o
7éu.
:2. Eue por estas duas aculdades, que s#o chamadas racionalidade e liberdade, o
homem seja reormado e re&enerado, é porque pela >acionalidade pode
compreender e saber o que é o mal e o que é o bem, e por conseqFência o que é o
also e o que é o vero" e que pela 8iberdade pode querer o que compreende e sabe"
mas enquanto o pra9er do amor do mal reina, n#o pode livremente querer o bem e o
vero, nem a9er deles cousa de sua ra9#o, é por isso que n#o pode apropriá-los a si"
pois, como oi mostrado acima, as cousas que o homem a9 pelo livre se&undo a
ra9#o lhe s#o apropriadas como sendo suas, e se n#o s#o apropriadas como sendo
suas, o homem n#o é nem reormado nem re&enerado" e pela primeira ve9 ele a&e
pelo pra9er do amor do bem e do vero, quando ent#o o pra9er do amor do mal e do
also oi aastado" pois dois pra9eres do amor, opostos entre si, n#o podem e0istir ao
mesma tempo" a&ir pelo pra9er do amor, é a&ir pelo livre" e quando a ra9#o é
avorável ao amor, é a&ir também se&undo a ra9#o.
:5. Pois que o homem, tanto o mau como o bom, tem a racionalidade e a liberdade,
o mau como o bom pode compreender o vero e a9er o bem" mas o mau n#o o pode
pelo livre se&undo a ra9#o, enquanto que o bom o pode, porque o mau está no
pra9er do amor do mal, e o bom está no pra9er do amor do bem" é por isso que o
vero que o homem mau compreende e o bem que a9 n#o lhe s#o apropriados, mas
s#o apropriados ao homem bom" e sem uma apropria$#o como sendo do homem
n#o há reorma nem re&enera$#o. 7om eeito, nos maus os males com os alsos
est#o como no centro, e os bens com os veros, como nas perierias" mas nos bons
os bens com os veros est#o no centro, e os males com os alsos, nas perierias" e de
uma parte e de outra as cousas que pertencem ao centro se espalham até )s
perierias, do mesmo modo que um o&o que está no centro espalha o calor, e um
&elo que está no centro, o rio" assim os bens das perierias nos maus s#o
maculados pelos males do centro, e os males das perierias nos bons s#o ado$ados
pelos bens do centro" é por esta ra9#o que os males n#o danam o re&enerado, e
que os bons n#o salvam o n#o-re&enerado.
:1. ). por meio destas duas faculdades o homem pode ser reformado e
re(enerado, tanto quanto pode ser levado por elas a. reconhecer que todo bem
e todo vero que pensa e fa" vem do Senhor, e no dele mesmo.
Acaba de ser dito o que é a reorma e o que é a re&enera$#o" e também que o
homem é reormado e re&enerado por estas duas aculdades, que s#o a
>acionalidade e a 8iberdade" e como isto se a9 por elas, dir-se-á ainda al&uma
cousa a respeito. Da >acionalidade o homem obtém poder compreender, e da
8iberdade, poder querer, um e outro como por si mesmo" mas poder pelo livre
querer o bem, e por conseqFência se&undo a ra9#o a9ê-lo, sC o re&enerado o pode"
o mau pode somente pelo livre querer o mal, e a9ê-lo se&undo seu pensamento,
que ele torna por conirma$%es como conorme a ra9#o" pois o mal pode ser
conirmado do mesmo modo que o bem, mas o é por ilus%es e aparências que,
quando s#o conirmadas, se tornam alsos" e quando o mal oi conirmado, ele se
mostra como conorme ) ra9#o.
::. !odo homem, que tem al&um pensamento proveniente do entendimento interior,
pode ver que poder querer e poder compreender vêm n#o do homem, mas dOAquele
a quem o poder mesmo, isto é, o Poder em sua essência, pertence" pensa somente
em ti mesmo' ,Donde vem !oder-, (#o é dOAquele em quem isto está em sua
potência mesma, isto é, em quem isto está nO<le, e assim de Euem isto vemH @ por
isso que !oder em si é Divino. Para cada !oder é preciso que haja uma permiss#o,
que deve ser dada, e, por conse&uinte uma determina$#o vindo de um interior ou
superior a si" o olho n#o !ode ver por si mesmo, nem o ouvido ouvir por si mesmo,
nem a boca alar por ela mesma, nem a m#o a&ir por ela mesma, a permiss#o e, por
conse&uinte, a determina$#o devem vir da mente" a mente n#o !ode tampouco nem
pensar nem querer tal ou tal cousa por ela mesma, a n#o ser que haja al&um interior
ou superior que determine a mente a isso" dá-se o mesmo com !oder compreender
e !oder querer, n#o podem vir de outra parte sen#o dOAquele que em si !ode querer
e !ode compreender. Por estas e0plica$%es é evidente que estas duas aculdades,
que s#o chamadas >acionalidade e 8iberdade, vêm do Senhor, e n#o do homem" e
porque vêm do Senhor, se&ue-se que o homem por ele mesmo nada quer e nada
compreende, mas que somente quer e compreende como por ele mesmo. Eue
assim seja, é o que pode conirmar em si quem quer que saiba e creia que a
vontade de todo bem e o entendimento de todo vero vêm do Senhor, e n#o do
homem. 7ue o +omem nada 1o00a "omar 1or ele me0mo< nem >a/er %ou0a
alguma 1or ele me0mo< é o que ensina a Palavra em ;o#o, +*, 41" 12*, 2.
:-. /ra, como cada querer vem do amor, e cada compreender vem da sabedoria,
se&ue-se que !oder querer vem do Divino Amor, e que !oder compreender vem da
Divina Sabedoria, assim, um e outro, do Senhor que é o Divino Amor Besmo e a
Divina Sabedoria Besma. DaD resulta que a&ir pelo livre se&undo a ra9#o n#o vem
de outra parte. 7ada um a&e se&undo a ra9#o, porque o livre, do mesmo modo que
o amor, n#o pode ser separado do querer" mas no homem há um querer interior e
um querer e0terior, e ele pode a&ir se&undo o e0terior e n#o ao mesmo tempo
se&undo o interior" assim a&em os hipCcritas e os bajuladores" e n#o obstante o
querer e0terior vem do livre, porque vem do amor de se mostrar dierente do que se
é, ou do amor de al&um mal que se prop%e pelo amor da vontade interior" mas,
como oi dito acima, o mau n#o pode, pelo livre se&undo a ra9#o, a9er sen#o o mal,
pois n#o pode pelo livre se&undo a ra9#o a9er o bem" pode a9ê-lo, é verdade, mas
n#o pelo livre interior, que é o seu prCprio livre, de que o livre e0terior tira o ato de
n#o ser bom.
-6. Di9-se que o homem pode ser reormado e re&enerado, tanto quando pode ser
levado por estas duas aculdades a reconhecer que todo bem e todo vero que pensa
e a9 vem do Senhor, e n#o dele mesmo" que o homem n#o possa reconhecer isso
sen#o por estas duas aculdades, é porque estas duas aculdades vêm do Senhor, e
pertencem ao Senhor no homem, como é evidente pelo que oi dito acima" se&ue-se
portanto que o homem n#o pode a9er isso por ele mesmo, mas que o a9 pelo
Senhor" todas )s ve9es, entretanto, ele o pode a9er como por si mesmo, o Senhor
concede isso a cada um" que se creia que é por si mesmo, seja" entretanto se se é
sábio, reconhece-se que n#o é por si mesmo, de outro modo o vero que se pensa, e
o bem que se a9 n#o s#o nem o vero nem o bem em si mesmos, pois o homem
está neles, e o Senhor n#o o está" e o bem no qual está o homem, se é eito para a
salva$#o, é um bem meritCrio, mas o bem no qual está o Senhor n#o é meritCrio.
-1. Bas que o reconhecimento do Senhor e o reconhecimento de que todo bem e
todo vero vêm dO<le a$am com que o homem seja reormado e re&enerado, é o que
poucos homens podem ver pelo entendimento" pois pode-se pensar em si mesmo'
J/ que é que a9 este reconhecimento, pois que o Senhor é /nipotente e quer a
salva$#o de todos, e que por conse&uinte pode e quer, desde que seja levado )
misericCrdiaH JBas pensar assim n#o é pensar pelo Senhor, nem por conseqFência
pela vista interior do entendimento, isto é, por al&uma ilustra$#o" por isso, se dirá
aqui em poucas palavras o que o reconhecimento opera. (o mundo espiritual, onde
os espa$os s#o somente aparências, a sabedoria a9 a presen$a, e o amor a9 a
conjun$#o" e vice-versa. Rá um reconhecimento do Senhor pela sabedoria, e há um
reconhecimento do Senhor pelo amor" o reconhecimento do Senhor pela sabedoria,
reconhecimento que considerado em si mesmo é somente um conhecimento, e0iste
pela doutrina" e o reconhecimento do Senhor pelo amor e0iste pela vida se&undo a
doutrina" este reconhecimento dá a conjun$#o, e o outro dá a presen$a" é por isso
que os que rejeitam a doutrina concernente ao Senhor se aastam dO<le" e, como
também rejeitam a vida, separam-se do Senhor" todavia os que n#o rejeitam a
doutrina, mas a vida, est#o presentes, mas n#o obstante, separados" s#o como
ami&os que conversam entre si, mas n#o se amam mutuamente" e como dois
homens, dos quais um ala ao outro como um ami&o, mas o odeia como a um
inimi&o. Eue isso assim seja, sabe-se por esta idéia comum, que aquele que ensina
bem e vive bem é salvo, mas n#o aquele que ensina bem e vive mal" e que aquele
que n#o reconhece Deus n#o pode ser salvo. Por estas e0plica$%es vê-se
claramente que sorte de reli&i#o se tem, quando se pensa no Senhor pela é, assim
como chamam sua cren$a, e que nada se a9 pela caridade" é por isso que o Senhor
di9' JPor que Be chamais' Senhor, Senhor, e n#o a9eis o que di&oH Euem quer que
venha a Bim, e escute minhas palavras e as a$a, é semelhante a um homem que
construiu uma casa, e pIs a unda$#o sobre a rocha" mas aquele que escuta, e n#o
a9, é semelhante a um homem que construiu uma casa sobre o hGmus sem
unda$#oJ L8ucas 5*, ,5 a ,-M.
-4. )I. A con-un1o do Senhor com o homem e a con-un1o rec0proca do
homem com o Senhor se fa"em por estas duas faculdades.
A 7onjun$#o com o Senhor e a >e&enera$#o s#o um, pois tanto quanto al&uém é
conjunto ao Senhor, tanto oi re&enerado" é por isso que, tudo o que oi dito acima
da re&enera$#o, pode ser dito da conjun$#o, e o que é dito aqui da conjun$#o pode
ser dito da re&enera$#o. Eue haja uma conjun$#o do Senhor com o homem, e uma
conjun$#o recDproca do homem com o Senhor, é o que o Senhor mesmo ensina em
;o#o' JRabita em Bim, e <u em vCs" aquele que habita em Bim, e <u nele, esse
produ9 muito rutoJ L12*, ,, 2M. J(aquele dia conhecereis que vCs estais em Bim, e
<u em vCsJ L1,*, 46M. Pela ra9#o sC cada um pode ver que n#o há conjun$#o
al&uma das mentes LAnimiM a n#o ser que seja recDproca e que o recDproco conjunta"
se al&uém ama um outro, e n#o é reciprocamente amado, ent#o ) medida que um
se apro0ima o outro se retira" mas se se amam reciprocamente, ent#o ) medida que
um se apro0ima o outro se apro0ima também, e a conjun$#o se a9" o amor também
quer ser amado, isso é insitado nele, e tanto quanto é reciprocamente amado, tanto
está em si e em seu pra9er. Por estas e0plica$%es é evidente que se o Senhor
somente amasse o homem, e n#o osse reciprocamente amado pelo homem, o
Senhor se apro0imaria e o homem se aastaria" assim o Senhor quereria
continuamente vir para perto do homem e entrar nele, e o homem se voltaria para
trás e iria embora" com os que est#o no inerno isso é assim" mas com os que est#o
no 7éu, há conjun$#o mGtua. 7omo o Senhor quer a conjun$#o com o homem para
a salva$#o do homem, <le proveu também a que no homem haja o recDproco" o
recDproco no homem é que o bem que ele quer e a9 pelo livre e o vero que ele
pensa e di9 por este querer se&undo a ra9#o aparecem como vindo dele" e que este
bem em sua vontade e este vero em seu entendimento aparecem como sendo dele"
e mesmo este bem e este vero aparecem ao homem como vindo dele e como sendo
dele, absolutamente do mesmo modo que lhe pertencessem, n#o há dieren$a
al&uma" e0amina se al&uém, por um sentido qualquer, percebe de outro modo"
sobre esta aparência como por si mesmo, ver acima, n* 1, a 11" e sobre a
apropria$#o como sendo seu, n* 1: a :1" a Gnica dieren$a, é que o homem deve
reconhecer que n#o é por ele mesmo que a9 o bem e pensa o vero, mas que é pelo
Senhor, e que por conseqFência o bem que a9 e o vero que pensa n#o lhe
pertence" pensar assim por al&um amor da vontade, porque é a verdade, isso a9 a
conjun$#o, pois desta maneira o homem olha para o Senhor e o Senhor olha para o
homem.
-+. Eual é a dieren$a entre os que crêem que todo bem vem do Senhor, e os que
crêem que todo bem vem deles mesmos, me oi dado ouvir e ver no Bundo
espiritual' /s que crêem que o bem vem do Senhor voltam ) ace para o Senhor, e
recebem o pra9er da beatitude do bem" mas os que crêem que o bem vem deles
mesmos olham para eles mesmos, e pensam em si que mereceram" e como olham
para eles mesmos, n#o podem sen#o perceber o pra9er de seu bem, que é n#o o
pra9er do bem, mas o pra9er do mal" pois o prCprio do homem é o mal, e o pra9er do
mal percebido como bem é o inerno. Aqueles que i9eram o bem e acreditaram que
o i9eram por eles mesmos, se n#o recebem depois da morte este vero de que todo
bem vem do Senhor se misturam com os &ênios inernais, e por im a9em um com
eles" aqueles, ao contrário, que recebem este vero s#o reormados" mas nenhum
outro o recebe sen#o aqueles que diri&iram seus olhos para Deus em sua vida"
diri&ir seus olhos para Deus em sua vida, n#o é outra cousa sen#o u&ir dos males
como pecados.
-,. A conjun$#o do Senhor com o homem e a conjun$#o recDproca do homem com o
Senhor se a9em por amar o prC0imo como a si mesmo e amar o Senhor acima de
todas as cousas" amar o prC0imo como a si mesmo n#o é outra cousa sen#o a&ir
com ele sem dissimula$#o e sem injusti$a, n#o ter Cdio e n#o e0ercer vin&an$a
contra ele, n#o o ultrajar e n#o diamá-lo, n#o cometer adultério com sua esposa, e
n#o a9er contra ele outras cousas semelhantes" quem n#o pode ver que os que
a9em tais cousas n#o amam o prC0imo como a eles mesmosH Aqueles, ao
contrário, que n#o a9em tais cousas, porque s#o males contra o prC0imo e ao
mesmo tempo pecados contra o Senhor, a&em com sinceridade, justi$a, ami9ade e
idelidade para com o prC0imo, e como o Senhor a&e i&ualmente, a conjun$#o
recDproca se opera" e quando há conjun$#o recDproca, tudo o que o homem a9 ao
prC0imo, ele o a9 pelo Senhor, e tudo o que homem a9 pelo Senhor é o bem" e
ent#o o prC0imo n#o é para ele uma pessoa, mas é o bem na pessoa. Amar o
Senhor acima de todas as cousas n#o é outra cousa sen#o n#o a9er mal ) Palavra,
porque na Palavra está o Senhor, nem )s cousas santas da ?&reja, porque nas
cousas santas da ?&reja está o Senhor, nem a alma de quem quer que seja, porque
a alma de cada um está na m#o do Senhor" os que o&em dos males como pecados
enormes amam o Senhor acima de todas as cousas" mas isso n#o pode ser eito
sen#o por aqueles que amam o prC0imo como a si mesmos, pois estes dois amores
s#o conjuntos.
-2. 7omo há uma conjun$#o do Senhor com o homem, e do homem com o Senhor,
é por isso que há duas !ábuas da lei, uma para o Senhor e a outra para o homem"
tanto quanto o homem a9 como por si mesmo as leis de sua !ábua, tanto o Senhor
lhe concede a9er as leis da sua" mas o homem que n#o a9 as leis de sua tábua,
que se reerem todas ao amor do prC0imo, n#o pode a9er as leis da tábua do
Senhor, que se reerem todas ao amor do Senhor" como um assassino, um ladr#o,
um adGltero, um also testemunho pode amar o SenhorH A ra9#o n#o di9 que ser tal
e amar o Senhor implica em contradi$#oH / diabo n#o é tal, e pode ele n#o odiar
DeusH Bas quando o homem tem avers#o, como inernais, aos assassinatos, aos
adultérios, aos roubos e aos alsos testemunhos, ent#o pode amar Deus, pois ent#o
desvia sua ace do diabo para voltá-la para o Senhor" e quando volta a ace para o
Senhor, lhe é dado o amor e a sabedoria, que entram no homem pela ace e n#o por
trás da cabe$a. 7omo a conjun$#o com o Senhor se a9 assim e n#o de outro modo,
é por isso que estas duas !ábuas s#o chamadas alian$a" ora a alian$a e0iste entre
dois.
-5. )II. 0 Senhor em toda pro(resso de sua Divina +rovid,ncia (uarda
intactas e como santas estas duas faculdades no homem.
As ra9%es disto s#o que o homem, sem estas duas aculdades, n#o teria nem
entendimento nem vontade, e assim n#o seria homem" além disso, também, ele n#o
poderia sem estas duas aculdades, ser conjunto ao Senhor, nem por conseqFência
ser reormado e re&enerado" além disso ainda, o homem sem estas duas aculdades
n#o teria nem imortalidade nem a vida eterna. Pelo conhecimento, dado no que
precede, do que é a 8iberdade e a >acionalidade, que s#o estas duas aculdades,
pode-se ver, é verdade, que assim é, mas n#o se vê claramente, a menos que estas
ra9%es sejam apresentadas ) vista como conclus%es" é preciso, portanto que cada
um seja ilustrado. / homem, sem estas duas aculdades, n#o teria nem
entendimento nem vontade, e assim n#o seria homem' 7om eeito, o homem n#o
tem a vontade sen#o porque pode querer livremente como por si mesmo" e querer
livremente como por si mesmo vem desta aculdade continuamente dada ao homem
pelo Senhor que é chamada 8iberdade" e o homem n#o tem entendimento sen#o
porque pode como por si mesmo compreender se tal cousa é conorme ou n#o com
a ra9#o" e compreender se uma cousa é conorme ou n#o com a ra9#o vem desta
outra aculdade dada continuamente ao homem pelo Senhor que é chamada
>acionalidade. <stas aculdades se conjuntam no homem como a Aontade e o
<ntendimento" a saber, que, porque o homem pode querer, pode também
compreender, pois querer n#o e0iste sem compreender, compreender é seu
companheiro ou seu associado, sem o qual ele n#o pode ser" é por isso que, com a
aculdade que é chamada liberdade, é dada a aculdade que é chamada
racionalidade" se mesmo de compreender tirar querer, nada compreenderás" e tanto
quanto queres, tanto podes compreender desde que os meios, que s#o chamados
conhecimentos, estejam presentes ou sejam ao mesmo tempo abertos, pois os
conhecimentos s#o como os instrumentos na m#o de um operário" di9-se' !anto
quanto queres tu podes compreender, isto é, tanto quanto amas compreender, pois
a vontade e o amor a9em um" isto, é verdade, se apresenta como um parado0o,
mas se apresenta assim aqueles que n#o amam compreender, e por conse&uinte
n#o querem, e os que n#o querem di9em que n#o podem" mas no Arti&o se&uinte se
dirá quem s#o os que n#o podem e quem s#o os que podem diicilmente. Sem que
haja necessidade de conirma$#o, é evidente que se o homem n#o tivesse uma
Aontade pela aculdade é chamada 8iberdade, e um <ntendimento pela aculdade
que é chamada >acionalidade, ele n#o seria homem. As bestas n#o têm estas
aculdades" parece que as bestas também possuem querer, e que possuem
compreender, elas porém n#o o podem" é uma aei$#o natural, a qual em si mesma
é um desejo, com uma ciência sua companheira, que unicamente as condu9em e as
levam a a9er o que a9em" há, é verdade, em sua ciência o civil e o moral, elas n#o
est#o porém acima desta ciência porque n#o têm o espiritual que dá a percep$#o do
moral, e por conseqFência pensar analiticamente" elas podem, na verdade, ser
instruDdas para a9er al&uma cousa" mas isso é unicamente um natural que se ajunta
) sua ciência e ao mesmo tempo ) sua aei$#o, e se reprodu9 ou pela vista ou pelo
ouvido, mas jamais se torna nela uma cousa do pensamento, ainda menos uma
cousa da ra9#o" sobre este assunto, ver acima, n* 1,. O +omem n4o 1oder!a< 0em
e0"a0 dua0 >a%uldade0< 0er %on-un"o ao Sen+or< nem 1or %on0e=?@n%!a 0er
re>ormado e regenerado< é o que oi mostrado acima" com eeito, o Senhor reside
nestas duas aculdades no homem tanto maus como bons, e por elas se conjunta a
cada homem" daD vem que o mau pode compreender t#o bem quanto o bom, e que
nele haja em potência a vontade do bem e o entendimento do vero" se n#o há em
ato, é pelo abuso destas aculdades. Eue o Senhor reside nestas aculdades em
cada homem, é pelo inlu0o da vontade do Senhor, porque quer ser recebido pelo
homem, a9er sua morada nele, e lhe dar as elicidades da vida eterna" estas cousas
pertencem ) vontade do Senhor, porque pertencem a seu Divino Amor. @ esta
Aontade do Senhor, que a9 com que o que o homem pensa, di9, quer e a9, aparece
nele como sendo dele. Eue o inlu0o da vontade do Senhor opera isto é o que pode
ser conirmado por várias particularidades do Bundo espiritual" pois )s ve9es o
Senhor imbui um Anjo com seu Divino, ao ponto de o Anjo n#o saber outra cousa,
sen#o que é o Senhor" assim oram imbuDdos os Anjos que Abra#o, Ra&ar, Gede#o
viram, os quais por isso s#o chamados ;eová, e dos quais se ala na Palavra" da
mesma maneira também um espDrito pode ser imbuDdo por um outro ao ponto de n#o
saber outra cousa, sen#o que é esse outro" é o que vi muito reqFentemente"
sabe-se também no 7éu que o Senhor opera todas as cousas pelo Euerer, e o que
<le quer é eito. Por estas e0plica$%es, é evidente que é por estas duas aculdades
que o Senhor se conjunta ao homem, e que a9 com que o homem seja
reciprocamente conjunto. Bas como o homem, por estas aculdades, é
reciprocamente conjunto, e por conseqFência como por elas é reormado e
re&enerado, isso oi dito acima, e se alará disso mais amplamente no que se&ue. O
+omem< 0em e0"a0 dua0 >a%uldade0< n4o "er!a nem a !mor"al!dade nem a .!da
e"erna< é uma conseqFência do que acaba de ser dito, que por elas há conjun$#o
com o Senhor, além de reorma e re&enera$#o" pela conjun$#o o homem tem a
imortalidade, e pela reorma e a re&enera$#o tem a vida eterna" e como por estas
aculdades há conjun$#o do Senhor com todo homem, tanto mau como bom, como
oi dito, é por isso que o homem tem a imortalidade" mas a vida eterna, isto é, a vida
do 7éu, é para o homem em quem há conjun$#o recDproca desde os Dntimos até aos
Gltimos. Por estas e0plica$%es, pode-se ver as ra9%es pelas quais o Senhor, em toda
pro&ress#o de sua Divina Providência, &uarda intactas e como santas estas duas
aculdades do homem.
-1. )III. * por isso que é da Divina +rovid,ncia que o homem a-a pelo livre
se(undo a ra"o.
A&ir pelo livre se&undo a ra9#o, e a&ir pela 8iberdade e a >acionalidade, é a mesma
cousa" além disso, também, a&ir pela vontade e o entendimento é a mesma cousa"
mas outra cousa é a&ir pelo livre se&undo a ra9#o, ou pela liberdade e a
racionalidade, e outra cousa a&ir pelo livre mesmo se&undo a ra9#o mesma, ou pela
liberdade mesma e a racionalidade mesma" com eeito, o homem que a9 o mal pelo
amor do mal, e que o conirma nele, a&e, é verdade, pelo livre se&undo a ra9#o, mas
contudo seu livre n#o é em si o livre ou o livre mesmo, mas é um livre, inernal, que
em si é o servil, e sua ra9#o n#o é em si a ra9#o, mas é uma ra9#o ou bastarda, ou
alsa, ou aparente por conirma$%es" a verdade entretanto é que um e outro é da
Divina Providência" pois se o livre de querer o mal, e de a9er por conirma$%es que
seja como conorme a ra9#o, osse tirado do homem natural, a liberdade e a
racionalidade pereceriam, e ao mesmo tempo a vontade e o entendimento" e o
homem n#o poderia ser aastado dos males, nem ser reormado, nem por
conseqFência ser conjunto ao Senhor e viver pela eternidade" é por isso que o
Senhor &uarda o 8ivre no homem, como o homem &uarda a pupila de seu olho. Bas
n#o obstante o Senhor pelo livre desvia continuamente o homem dos males, e tanto
quanto pode pelo livre desviar, tanto pelo livre implanta os bens" assim
sucessivamente em lu&ar do livre inernal, introdu9 o 8ivre celeste.
-:. Koi dito acima que todo homem tem a aculdade de querer, que é chamada
8iberdade, e a aculdade de compreender que é chamada >acionalidade" mas é
preciso que se saiba bem que estas duas aculdades oram como que inseridas no
homem, pois o humano mesmo está nelas" mas, como acaba de ser dito, outra,
cousa é a&ir pelo livre se&undo a ra9#o, e outra cousa a&ir pelo livre mesmo
se&undo a ra9#o mesma" sC aqueles que se dei0aram re&enerar pelo Senhor a&em
pelo livre mesmo se&undo a ra9#o mesma" todos os outros a&em pelo livre se&undo
um pensamento que a9em como conorme a ra9#o. <ntretanto todo homem, a n#o
ser que tenha nascido idiota ou e0tremamente estGpido pode che&ar ) ra9#o
mesma, e por ela ao livre mesmo" mas se aD n#o che&a, é por várias causas, que
ser#o desenvolvidas em se&uida" aqui, se dirá unicamente quem s#o aqueles em
quem o 8ivre mesmo ou a 8iberdade mesma, e ao mesmo tempo a >a9#o mesma
ou a >acionalidade mesma, n#o podem e0istir, e aqueles em quem podem
diicilmente e0istir. A 8iberdade mesma e a >acionalidade mesma Bo podem e0istir
nos idiotas de nascimento, nem naqueles que mais tarde se tornaram idiotas,
enquanto s#o ?diotas. A 8iberdade mesma e a >acionalidade mesma n#o podem
tampouco e0istir nos estGpidos e nos imbecis de nascen$a, nem em al&uns que
assim se tomaram pelo entorpecimento do Ccio, ou por um pesar que perverteu ou
inteiramente echou os interiores da mente, ou pelo amor de uma vida bestial. A
8iberdade mesma e a >acionalidade mesma n#o podem tampouco e0istir, no Bundo
crist#o, naqueles que ne&am absolutamente o Divino do Senhor e a santidade da
Palavra, e mantiveram esta ne&a$#o conirmada neles até ao im de sua vida" pois é
isto que é entendido pelo pecado contra o <spDrito Santo, que n#o é remido nem
neste século nem no que está para vir, LBateus 14*, +1, +4M. A 8iberdade mesma e a
>acionalidade mesma n#o podem tampouco e0istir naqueles que atribuem tudo )
nature9a e nada ao Divino, e que por meio de raciocDnios pelas cousas visDveis
i9eram isso o objeto de sua é" pois estes s#o ateus. A 8iberdade mesma e a
>acionalidade mesma podem diicilmente e0istir naqueles que muito se conirmaram
nos alsos da reli&i#o, porque aquele que conirma o also ne&a o vero" mas )queles
que n#o se conirmaram de qualquer reli&i#o que sejam elas podem e0istir" ver o
que oi relatado sobre este assunto na Doutrina da )ova %erualém obre a
Ecritura Santa, n* -1 a -1. As criancinhas e as crian$as n#o podem che&ar )
8iberdade mesma nem ) >acionalidade mesma, antes de terem atin&ido a idade da
adolescência, porque os interiores da mente do homem s#o sucessivamente
abertos" s#o, por enquanto, como sementes em um ruto n#o em maturidade, as
quais n#o podem &erminar no hGmus.
--. Koi dito que a 8iberdade mesma e a >acionalidade mesma n#o podem e0istir
naqueles que ne&aram o Divino do Senhor e a santidade da Palavra nem naqueles
que se conirmaram pela nature9a contra o Divino, e que podem diicilmente e0istir
naqueles que muito se conirmaram nos alsos dê reli&i#o" mas n#o obstante todos
esses n#o perderam estas aculdades mesmas" ouvi di9er por ateus, que se tinham
tornado diabos e satanases, que tinham compreendido os arcanos da sabedoria t#o
bem como os anjos, mas unicamente quando os haviam ouvido e0por por outros"
mas que, quando tinham voltado aos seus pensamentos, n#o os tinham
compreendido" era porque n#o o tinham querido" mas lhes oi mostrado que
poderiam mesmo o querer, se o amor e, por conse&uinte o pra9er do mal n#o os
aastasse" quando ouviram isso, compreenderam também, e mesmo airmaram que
podiam, mas que n#o queriam poder, porque assim n#o poderiam querer o que
queriam, isto é, o mal pelo pra9er de sua cobi$a" reqFentemente ouvi, no Bundo
espiritual, cousas semelhantemente surpreendentes" por estas cousas ui
plenamente conirmado que cada homem tem a liberdade e a racionalidade, e que
cada um pode che&ar ) 8iberdade mesma e ) >acionalidade mesma, se u&ir dos
males como pecados. Bas o adulto que, no Bundo, n#o che&a ) 8iberdade mesma,
e ) >acionalidade mesma, n#o pode jamais aD che&ar depois da morte, pois ent#o o
estado de sua vida permanece eternamente tal qual oi no mundo.
É (&A 9EI DA DIVINA PROVIDÊNCIA 7(E 0 HO&E& CO&O POR SI &ES&O A'AS$E DO
HO&E& E$ERNO OS &A9ES CO&O PECADOSA E 0 SENHOR PODE ASSI&< E N;O DE
O($RO &ODO< A'AS$AR OS &A9ES NO HO&E& IN$ERNO< E EN$AO AO &ES&O $E&PO
NO HO&E& E$ERNO.
166. 7ada um, pela ra9#o sC, pode ver que o Senhor, que é o =em mesmo e o Aero mesmo, n#o
pode entrar no homem, a n#o ser que nele os males e os alsos tenham sido aastados, pois o
mal é oposto ao bem, e o also é oposto ao vero" ora, dois opostos n#o podem jamais ser
misturados, mas quando um se apro0ima do outro, se trava um combate que dura até que um
tenha cedido o lu&ar ao outro, e o que cede se retira, e o outro se apodera do lu&ar. <m uma
semelhante oposi$#o se encontram o 7éu e o ?nerno, ou o Senhor e o diabo" cada um pode,
pela ra9#o, pensar que o Senhor possa entrar onde reina o diabo, ou que o 7éu possa estar lá
onde está o inernoH Euem é que, pela racionalidade dada a todo homem sensato, n#o vê que,
para que o Senhor entre, é preciso que o diabo seja e0pulso" ou que, para que o 7éu entre, é
preciso que o inerno seja aastadoH <sta oposi$#o é entendida por estas palavras diri&idas do
7éu por Abra#o ao rico no inerno' J<ntre nCs e vCs um abismo imenso oi estabelecido, de sorte
que aqueles que querem atravessar daqui para vCs n#o o podem, nem tampouco os de lá para
nCs Ln#o podemM passarJ L8ucas 15*, 45M. / mal mesmo é o inerno, e o bem mesmo é o 7éu" ou,
o que é a mesma cousa, o mal mesmo é o diabo, e o bem mesmo é o Senhor" e o homem em
quem reina o mal é um inerno na menor orma, e o homem em quem reina o bem é um 7éu na
menor orma. ?sso sendo assim, como o 7éu pode entrar no inerno, pois que entre eles oi
estabelecido um abismo t#o imenso que n#o se pode passar de um para o outroH Se&ue-se daD,
que o inerno deve ser inteiramente aastado, para que o Senhor com o 7éu possam entrar.
161. Bas um &rande nGmero de homens, principalmente os que se conirmaram na é separada
da caridade, n#o sabem que est#o no inerno, quando est#o nos males" n#o sabem mesmo o que
s#o os males, por esta ra9#o, que n#o pensam de modo al&um nos males, di9endo que n#o
est#o sob o ju&o da lei, e que assim a lei n#o os condena" que, pois que n#o podem em cousa
al&uma contribuir para a salva$#o, n#o podem aastar deles mal al&um" e que, além disso, n#o
podem a9er por si mesmos bem al&um" s#o estes que omitem pensar no mal, e porque omitem
pensar nisso est#o continuamente no mal. Eue sejam eles que s#o entendidos pelo Senhor sob
a desi&na$#o de bodes em Bateus, 4,*, ,1 a ,5, vê-se na Doutrina da )ova %erualém obre a
"é( n* 51 a 5:" se di9 deles no Aers. ,1' JAastai-vos de Bim, malditos, para o o&o eterno
preparado para o diabo e para seus anjosJ. Pois aqueles que n#o pensam de modo al&um nos
males neles, isto é, que n#o se e0aminam, e por isso n#o renunciam a eles, n#o podem dei0ar de
i&norar o que é o mal, e ent#o amam o mal pelo pra9er que lhes tra9" com eeito, aquele que
i&nora o que é o mal, ama o mal, e aquele que omite pensar no mal está continuamente no mal, e
é como um ce&o que n#o vê" pois o pensamento vê o bem e o mal, como o olho vê o belo e o
eio" e o homem está no mal, n#o somente quando pensa e quer o mal, mas também quando crê
que o mal n#o aparece diante de Deus, e quando crê que, se aparece, é perdoado, pois desta
maneira pensa que está sem o mal" se aqueles se abstêm de a9er os males, se abstêm deles
n#o porque s#o pecados contra Deus, mas porque temem as leis e a perda da reputa$#o" mas a
verdade é que os a9em em seu espDrito, pois é o espDrito do homem que pensa e quer" é por
isso que, o que o homem no mundo pensa em seu espDrito, ele o a9 apCs sua saDda do mundo
quando se torna espDrito. (o Bundo espiritual, onde todo homem entra depois da morte, n#o se
per&unta a al&uém' JEual oi a tua éHJ (em' JEual oi a tua doutrinaHJ Bas' JEual oi a tua
vidaHJ Por conseqFência se ele é tal ou tal" pois sabe-se que tal é a vida de al&uém, tal é sua é,
e mesmo tal é sua doutrina" pois a vida se a9 uma doutrina e se a9 uma é.
164. Pelo que acaba de ser dito, pode-se ver que é uma 8ei da Divina Providência que os males
sejam aastados do homem" pois se n#o s#o aastados, o Senhor n#o pode ser conjunto ao
homem, em, e levá-lo por Si ao 7éu. Bas como se i&nora que o homem deve como por si mesmo
aastar os males do homem e0terno, e que se o homem n#o a9 isso como por si mesmo, o
Senhor n#o pode aastar os males dele no homem ?nterno, este assunto vai por conseqFência
ser apresentado diante da ra9#o e em sua lu9, nesta ordem' I. 7ada homem tem um <0terno e
um ?nterno do pensamento. II. 6 <0terno do pensamento do homem é em si tal qual é seu ?nterno.
III. 6 ?nterno n#o pode ser puriicado das cobi$as do mal, enquanto os males do homem e0terno
n#o s#o aastados, porque eles obstruem. IV. /s males do homem <0terno n#o podem ser
aastados pelo Senhor sen#o por meio do homem. V. / homem deve, portanto como por si
mesmo aastar do homem <0terno os males. VI. <nt#o o Senhor puriica o homem das cobi$as do
mal no homem ?nterno, e dos males mesmos no homem <0terno. VII. A a$#o contDnua da Divina
Providência do Senhor consiste em conjuntar o homem a Si, e <le ao homem, a im de poder
dar-lhe as elicidades da vida eterna, o que n#o pode ser eito, sen#o tanto quanto os males com
suas cobi$as s#o aastados.
16+. I. 2ada homem tem um Interno e um &!terno do pensamento.
Pelo e0terno e o interno do pensamento é entendida aqui a mesma cousa que pelo homem
<0terno e o homem ?nterno, pelos quais n#o é entendida outra cousa sen#o o e0terno e o interno
da vontade e do entendimento, pois a vontade e o entendimento a9em o homem" e como estes
dois se maniestam nos pensamentos, se di9 o e0terno e o interno do pensamento. /ra, pois que
n#o é o corpo do homem, mas seu espDrito, que quer e compreende, e, por conse&uinte pensa,
se&ue-se que este e0terno e este interno s#o o e0terno e o interno do espDrito do homem. 6 que o
corpo e0ecuta quer por palavras, quer por atos, n#o é sen#o um eeito proveniente do interno e
do e0terno de seu espDrito, pois o corpo é unicamente uma obediência.
16,. Eue cada homem em idade adulta tenha um e0terno e um interno do pensamento, por
conseqFência um e0terno e um interno da vontade e do entendimento, ou um e0terno e um
interno do espDrito, o que é a mesma cousa que o homem e0terno e o homem interno, isso é
evidente para quem quer que preste aten$#o aos pensamentos e )s inten$%es de um outro
se&undo suas palavras ou suas a$%es, e também )s suas quando está em companhia e quando
n#o o está" pois um homem pode alar ami&)velmente com um outro pelo pensamento e0terno, e,
entretanto ser seu inimi&o no pensamento interno" um homem pode alar do amor para com o
prC0imo e do amor em rela$#o a Deus pelo pensamento e0terno, e ao mesmo tempo pela aei$#o
deste pensamento, quando, entretanto em seu pensamento interno n#o a9 caso al&um do
prC0imo, e n#o teme a Deus. 3m homem pode também alar da justi$a das leis civis, das virtudes
da vida moral, e das cousas que pertencem ) doutrina e ) vida espiritual, pelo pensamento
e0terno e ao mesmo tempo pela aei$#o e0terna, e, entretanto, quando está sC consi&o mesmo,
alar pelo pensamento e a aei$#o internos contra as leis civis, contra as virtudes morais, e contra
as cousas que pertencem ) doutrina e ) vida espiritual" assim a9em aqueles que est#o nas
cobi$as do mal, e que n#o obstante diante do mundo querem a9er ver que n#o est#o nisso. A
maior parte também, quando ouvem os outros alar, di9em em si mesmo' J<stes pensam
interiormente em si, como pensam alandoH Deve-se crer neles ou n#oH Euais s#o as suas
inten$%esHJ Eue nos bajuladores e nos hipCcritas haja um duplo pensamento, isso é notCrio" com
eeito, eles podem se conter e velar para que seu pensamento interior n#o se descubra" e al&uns
podem escondê-lo cada ve9 mais interiormente, e por assim di9er echar as portas a im de que
n#o se mostre. Eue o homem tenha um pensamento e0terior e um pensamento interior é o que é
bem evidente, no ato de que por seu pensamento interior ele pode ver seu pensamento e0terior,
e também reletir sobre ele, jul&ar se é mau ou n#o. Se tal é a mente do homem, isso vem de que
ele recebeu duas aculdades, que deve ao Senhor, chamadas 8iberdade e >acionalidade" se ele
n#o tivesse um e0terno e um interno do pensamento, n#o poderia por estas aculdades nem
perceber, nem ver mal al&um nele, nem ser reormado" e mesmo n#o poderia alar, mas
unicamente proeriria sons como as bestas.
162. / interno do pensamento vem do amor da vida e de suas aei$%es e das percep$%es que
delas provêm" o e0terno do pensamento vem das cousas que est#o na memCria, e que servem
ao amor da vida como conirma$%es e como meios para o im. / homem, desde a inNncia até )
juventude, está no e0terno do pensamento pela aei$#o de saber, que ent#o, a9 seu interno"
transpira também al&uma cousa da cobi$a e por conseqFência da inclina$#o proveniente do
amor da vida nascido com ele por seus pais" mas depois, se&undo a maneira porque vive, se
orma o amor de sua vida, cujas aei$%es e, por conse&uinte as percep$%es a9em o interno de
seu pensamento" e do amor de sua vida se orma o amor dos meios, cujos pra9eres e
conseqFentemente as ciências retiradas da memCria a9em o e0terno de seu pensamento.
165. II. . &!terno do pensamento do homem é em si tal qual é seu Interno.
Eue o homem, desde a cabe$a até aos pés, seja tal qual é o amor de sua vida, é o que oi
mostrado acima" aqui, portanto será dito a princDpio al&uma cousa sobre o amor da vida do
homem, porque nada pode ser dito antes sobre as aei$%es que a9em com as percep$%es o
interno do homem, nem sobre os pra9eres das aei$%es que a9em com os pensamentos o
e0terno do homem. /s amores s#o em &rande nGmero, mas há dois deles que s#o como
senhores e reis é o Amor celeste e o Amor inernal" o Amor celeste é o Amor para com o Senhor
e em rela$#o ao prC0imo, e o Amor inernal é o amor de si e do mundo. <stes amores s#o
opostos um ao outro como o 7éu e o inerno, pois aquele que está no amor de si e do mundo
n#o quer bem sen#o a ele mesmo, enquanto que aquele que está no amor para com o Senhor e
em rela$#o ao prC0imo quer bem a todos. <stes dois Amores s#o os amores da vida do homem,
mas com muitas variedades" o Amor celeste é o amor da vida daqueles que o Senhor condu9, e
o Amor inernal é o amor da vida daqueles que o diabo condu9. Bas o Amor da vida de cada um
n#o pode e0istir sem as deriva$%es, que s#o chamadas aei$%es" as deriva$%es do amor inernal
s#o as aei$%es do mal e do also, particularmente as cobi$as" e as deriva$%es do amor celeste
s#o as aei$%es do bem e do vero, particularmente as dile$%es. As aei$%es do amor inernal, que
s#o particularmente as cobi$as, s#o em t#o &rande nGmero quanto há males" e as aei$%es do
amor celeste, que s#o particularmente as dile$%es, s#o também em t#o &rande nGmero quanto
há bens. / amor habita em suas aei$%es como um senhor em seu domDnio, ou como um rei em
seu reino" o domDnio ou o reino destes amores é estabelecido sobre as cousas que pertencem )
mente, isto é, ) vontade e ao entendimento do homem, e conseqFentemente ao corpo. / Amor
da vida do homem por suas aei$%es e as percep$%es que delas provêm, e por seus pra9eres e
os pensamentos que deles resultam, &overna todo o homem, o interno de sua mente pelas
aei$%es e pelas percep$%es, e o <0terno de sua mente pelos pra9eres das aei$%es e pelos
pensamentos que delas resultam.
161. A orma deste &overno pode de al&uma sorte ser vista pelas correspondências' / Amor
celeste com as aei$%es do bem e do vero e as percep$%es que delas provêm, e ao mesmo
tempo com os pra9eres destas aei$%es e os pensamentos que delas resultam, podem ser
comparados a uma Arvore notável por seus &alhos, suas olhas e seus rutos" o amor da vida é
esta árvore, os &alhos com as olhas s#o as aei$%es do bem e do vero com suas percep$%es, e
os rutos s#o os pra9eres das aei$%es com seus pensamentos. Bas o Amor inernal com suas
aei$%es do mal e do also que s#o as cobi$as, e ao mesmo tempo com os pra9eres destas
cobi$as e os pensamentos que delas resultam, pode ser comparado a uma aranha e ao tecido de
sua teia" o amor mesmo é a aranha" as cobi$as do mal e do also com as astGcias interiores
destas cobi$as s#o os ios em orma de rede mais prC0imos da sede da aranha" e os pra9eres
destas cobi$as com as maquina$%es artiiciosas s#o os ios mais aastados, onde as moscas que
voam s#o presas, envolvidas e devoradas.
16:. Por estas compara$%es pode-se ver, é verdade, a conjun$#o de todas as cousas da vontade
e do entendimento ou da mente do homem com o amor de sua vida, mas n#o, entretanto
racionalmente. <sta conjun$#o pode ser vista racionalmente desta maneira' Por toda parte há
três cousas juntas que a9em um" s#o chamadas im, causa e eeito" o amor da vida é aD o im, as
aei$%es com suas percep$%es s#o a causa, e os pra9eres das aei$%es com seus pensamentos
s#o o eeito" pois do mesmo modo que o im pela causa vem ao eeito, desse mesmo modo
também o amor por suas aei$%es vem para seus pra9eres, e por suas percep$%es para seus
pensamentos" os eeitos mesmos est#o nos pra9eres da mente e nos pensamentos desses
pra9eres, quando os pra9eres pertencem ) vontade e os pensamentos ao entendimento, assim
quando há pleno consentimento" s#o ent#o os eeitos de seu espDrito, e se n#o vêm a um ato do
corpo, est#o entretanto como em um ato, quando há consentimento" est#o também ent#o ao
mesmo tempo no corpo, e aD habitam com o amor de sua vida, e aspiram ao ato, que se a9
desde que nada se oponha a isso" tais s#o as cobi$as do mal, e os males mesmos, naqueles
que, em seu espDrito, consideram os males como lDcitos. /ra, do mesmo modo que o im se
conjunta com a causa e pela causa com o eeito, desse mesmo modo o amor da vida se conjunta
com o interno do pensamento, e pelo interno com o e0terno" daD é evidente que o e0terno do
pensamento do homem é em si tal qual é seu interno, pois o im p%e seu todo na causa, e pela
causa no eeito, pois que nada há de essencial no eeito sen#o o que está na causa, e pela
causa no im" e porque assim o im é o essencial mesmo que entra na causa e no eeito, é por
isso que a causa e o eeito s#o chamados im médio e im Gltimo.
16-. Parece )s ve9es que o <0terno do pensamento do homem n#o é em si tal qual é o ?nterno"
mas isso acontece, porque o amor da vida com seus internos que o cercam coloca abai0o dele
um 8u&ar-tenente, que é chamado Amor dos Beios, e lhe encarre&a de estar precavido e velar
para que n#o se mostre cousa al&uma de suas cobi$as. <ste 8u&ar-tenente, portanto, pela
astGcia de seu PrDncipe, que é o amor da vida, ala e a&e se&undo as intui$%es civis do >eino,
se&undo os princDpios morais da ra9#o, e se&undo as cousas espirituais da ?&reja" e em al&uns
com tanta astGcia e esperte9a que nin&uém vê que eles n#o s#o tais como alam e a&em, e por
im por causa deste disarce eles mal sabem que s#o outros" tais s#o todos os hipCcritas, e tais
s#o os sacerdotes que de cora$#o n#o a9em caso al&um do prC0imo e n#o temem a Deus, e que
entretanto pre&am sobre o amor do prC0imo e sobre o amor de Deus" tais s#o os jui9es que
jul&am se&undo os presentes e as ami9ades enquanto que in&em 9elo pela justi$a e alam do
jul&amento se&undo a ra9#o" tais s#o os ne&ociantes que de cora$#o s#o sem sinceridade e
raudulentos, quando a&em com sinceridade em vista do &anho" e tais s#o os adGlteros, quando,
pela racionalidade de que &o9am todos os homens, alam da castidade do casamento" e assim
por diante. Bas se estes mesmos homens se despojam o Amor dos meios, este 8u&ar-tenente do
amor de sua vida, das vestimentas de pGrpura e de ino linho de que os tinham envolvido, e o
revestem de sua roupa doméstica, ent#o é absolutamente o contrário que eles pensam, e que
por ve9es se&undo o pensamento di9em com seus ami&os mais Dntimos que est#o em um
semelhante amor da vida. Poder-se-ia crer que, quando pelo amor dos meios alaram com tanta
justi$a, sinceridade e piedade, a qualidade do interno do pensamento n#o estava no e0terno de
seu pensamento" mas, entretanto aD estava, está neles a hipocrisia, está neles o amor de si e do
mundo, cuja astGcia é de se a9er uma reputa$#o em vista da honra ou do &anho, até na Gltima
aparência" esta qualidade do interno está no e0terno de seu pensamento, quando alam e a&em
assim.
116. Bas naqueles que est#o no amor celeste, o ?nterno e o <0terno do pensamento, ou o
homem ?nterno e o homem <0terno, a9em um quando alam, e n#o conhecem dieren$a" o amor
de sua vida com suas aei$%es do bem e suas percep$%es do vero é como a alma nas cousas
que pensam e que, por conse&uinte di9em e a9em" se s#o sacerdotes pre&am pelo amor em
rela$#o ao prC0imo e pelo amor para com o Senhor" se s#o jui9es, jul&am se&undo a justi$a
mesma" se s#o ne&ociantes, a&em pela sinceridade mesma" se s#o casados, amam as esposas
se&undo a castidade mesma" e assim por diante. / Amor de sua vida tem também por 8u&ar-
tenente um Amor dos meios, que ele instrui e diri&e a im de que aja pela prudência, e o reveste
de roupa&ens de 9elo pelos veros, da doutrina e ao mesmo tempo pelos bens da vida.
111. III. 0 Interno no pode ser purificado das cobi1as do mal, enquanto os males no
homem &!terno no forem afastados, porque eles obstruem*
Do que oi dito acima resulta que o e0terno do pensamento do homem é em si tal qual é o interno
do seu pensamento, e que s#o coerentes como duas cousas das quais uma n#o somente está
interiormente na outra, mas vem da outra" é por isso que uma n#o pode ser separada sem que a
outra o seja ao mesmo tempo" dá-se assim com todo e0terno que vem de um interno, com todo
posterior que vem de um anterior, e com todo eeito que vem de uma causa. /ra, como as
cobi$as, de companhia com as astGcias, a9em o interno do pensamento nos maus, e como os
pra9eres das cobi$as, de companhia com as maquina$%es, a9em o e0terno do pensamento
neles, e como estes e aquelas oram conjuntos em um, se&ue-se que o interno n#o pode ser
puriicado das cobi$as, enquanto os males no homem e0terno n#o orem aastados. @ preciso
que se saiba que é a vontade interna do homem que está nas cobi$as, e seu entendimento
interno que está nas astGcias, que é sua vontade e0terna que está nos pra9eres das cobi$as, e
seu entendimento e0terno que está nas maquina$%es provenientes das astGcias" cada um pode
ver que as cobi$as e seus pra9eres a9em um, e que estas quatro cousas est#o em uma Gnica
série, e a9em juntas como um sC ei0e" por isso é ainda evidente que o interno, que consiste em
cobi$as, n#o pode ser rejeitado sen#o pelo aastamento do e0terno que consiste em males. As
cobi$as por seus pra9eres produ9em os males, mas quando se acredita que os males s#o lDcitos,
o que acontece pelo consentiJ mento da vontade e do entendimento, os pra9eres e os males
a9em um" que o consentimento seja o ato mesmo, isso é notCrio" é também o que o Senhor di9'
JSe al&uém olhar para a mulher de um outro a ponto de cobi$á-la, já cometeu adultério com ela
em seu cora$#oJ LBateus 2*, 4:M. Dá-se o mesmo com todos os outros amores.
114. Por isto pode-se ver, portanto que para que o homem seja puriicado das cobi$as do mal, é
preciso que os males sejam inteiramente aastados do homem e0terno, pois antes disso n#o há
saDda para as cobi$as, e se n#o há saDda, as cobi$as permanecem dentro, e e0alam delas
mesmas os pra9eres, e assim or$am o homem ao consentimento e por conseqFência ao ato" as
cobi$as entram no corpo pelo e0terno do pensamento" quando, portanto há consentimento no
e0terno do pensamento, elas est#o imediatamente no corpo" o pra9er, que é sentido, está lá" que
tal qual é a mente, tal seja o corpo, assim o homem inteiro vê-se no !ratado do Divino Amor e da
Divina Sabedoria n* +54 a +16. ?sto pode ser ilustrado por compara$%es e também !or e.em!lo/
Por Com!araçõe/ As cobi$as com seus pra9eres podem ser comparadas ao o&o" quanto mais o
o&o é alimentado, mais se abrasa" e quanto mais o seu impulso é livre, mais se estende ao
lar&o, até ao ponto de consumir em uma cidade as casas, e em uma loresta as árvores" as
cobi$as do mal s#o também, na Palavra, comparadas ao o&o, e os males das cobi$as, a um
incêndio" as cobi$as do mal com seus pra9eres aparecem também no mundo espiritual como
o&os" o o&o inernal n#o é outra cousa. Podem também ser comparadas a dilGvios e a
inunda$%es, quando os diques e os aterros oram desmoronados. Podem ainda ser comparadas
) &an&rena e aos abscessos, que d#o a morte ao corpo, quando se estendem, ou quando se
ne&li&encia a sua cura. Por E.em!lo/ @ bem evidente que se no homem e0terno os males n#o
s#o aastados, as cobi$as com seus pra9eres crescem e superabundam. Euanto mais um ladr#o
rouba, mais cobi$a roubar, ao ponto de que por im n#o pode mais abster-se disso" dá-se o
mesmo com um raudador ) medida que rauda" dá-se o mesmo com o Cdio e a vin&an$a, com a
lu0Gria e a intemperan$a, com a escorta$#o, a blasêmia. Eue o amor de dominar pelo amor de si
cresce ) medida que os reios lhe s#o arou0ados, isso é sabido" dá-se o mesmo com o amor de
possuir bens pelo amor do mundo" parece que para estes amores n#o há limite ou im. Por isto, é
evidente que, tanto quanto os males no homem e0terno n#o s#o aastados, tanto superabundam
as suas cobi$as" e que as cobi$as crescem na mesma propor$#o em que os reios s#o
arou0ados aos males.
11+. / homem n#o pode perceber as cobi$as de seu mal" percebe, é verdade, seus pra9eres,
mas mesmo sobre eles relete pouco, pois os pra9eres deleitam os pensamentos e tiram as
rele0%es" se portanto n#o soubesse de outra parte que s#o males, ele os chamaria bens, e os
cometeria pelo livre se&undo a ra9#o de seu pensamento" quando a&e assim, ele os apropria"
tanto os conirma como lDcitos, tanto aumenta a corte do amor reinante, que é o amor de sua
vida" as cobi$as comp%em a corte desse amor, pois s#o como seus ministros e seus satélites,
pelos quais &overna os e0teriores que constituem seu reino" mas tal é o rei, tais s#o os ministros
e os satélites e tal é o reino" se o rei é diabo, seus ministros e seus satélites s#o loucuras, e os
sGditos de seu reino s#o alsos de todo &ênero, que os ministros, que s#o chamados sábios,
ainda que sejam insensatos a9em aparecer como veros, e reconhecer por veros, por meio de
raciocDnios tirados de ilus%es e por antasias. 3m tal estado do homem pode ser mudado, a n#o
ser que os males do homem e0terno sejam aastadosH @ mesmo assim que s#o aastadas as
cobi$as que s#o coerentes com os males" de outro modo n#o há saDda para as cobi$as, pois
est#o encerradas como em uma cidade sitiada, e como uma Glcera que está echada.
11,. I). .s males no homem e!terno no podem ser afastados pelo Senhor seno por
meio do homem.
<m todas as ?&rejas crist#s oi recebido como ponto de doutrina, que o homem, antes de se
apro0imar da santa 7omunh#o, deve se e0aminar, ver e reconhecer seus pecados e a9er
penitência renunciando a eles e os rejeitando, porque vêm do diabo" e que de outro modo os
pecados n#o lhe s#o remidos, e que ele é danado" os ?n&leses, embora estejam na doutrina da é
sC, ensinam n#o obstante abertamente, na Prece para a santa 7omunh#o, o e0ame, o
reconhecimento e a coniss#o dos pecados, a penitência e a renova$#o da vida, e amea$am os
que n#o o a9em, di9endo que, neste caso, o diabo entrará neles como em ;udas os encherá de
toda iniqFidade, e destruirá o corpo e a alma. /s Alem#es, os Suecos e os Dinamarqueses
ensinam cousas semelhantes na Prece para a santa 7omunh#o, amea$ando mesmo que, se se
a&ir de outro modo, a &ente se tornará passDvel das penas inernais e da dana$#o eterna, por ter
misturado o santo e o proano. <stas amea$as s#o pronunciadas em altas vo9es pelo sacerdote
diante daqueles que devem se apresentar ) santa ceia, e s#o ouvidas por eles com um pleno
reconhecimento de que isso é assim. <ntretanto as mesmas pessoas, quando ouvem no mesmo
dia pre&ar sobre a é sC, e di9er que a 8ei n#o os condena, porque o Senhor a cumpriu por eles,
e que por elas mesmas n#o podem a9er bem al&um sem que seja meritCrio, e que assim as
obras em si mesmas nada têm na salva$#o, mas que é a é sC que salva, voltam para suas casas
esquecendo completamente a coniss#o precedente, e rejeitando-a, tanto quanto pensam
se&undo o serm#o sobre a é sC. A&ora, destas duas doutrinas, qual é a verdadeiraH <sta ou
aquelaH Duas cousas opostas uma a outra n#o podem ser verdadeiras" ou bem, sem e0ame,
nem conhecimento, nem reconhecimento, nem coniss#o, nem rejei$#o dos pecados, por
conseqFência sem penitência, n#o há remiss#o dos pecados, nem por conseqFência salva$#o,
mas uma dana$#o eterna" ou bem, tais atos nada a9em para a salva$#o, porque o Senhor pela
pai0#o da cru9 plenamente satise9 por todos os pecados dos homens em avor daqueles que
est#o na é, e que os que est#o na é sC com a se&uran$a de que isto é assim, e a conian$a
sobre a imputa$#o do mérito do Senhor, est#o sem pecado, e aparecem diante de Deus como
aqueles cuja ace bem lavada é brilhante. Por isto, é bem evidente que a reli&i#o comum de
todas as ?&rejas no mundo crist#o é que o homem deve se e0aminar, ver e reconhecer seus
pecados, e depois se abster deles, e que de outro modo n#o há salva$#o, mas dana$#o. Eue
esteja ai também a Divina verdade mesma vê-se claramente na Palavra pelas passa&ens onde
se manda o homem a9er penitência, por e0emplo, estas' J;esus disse' Ka9ei rutos di&nos da
Penitência" já o machado ) rai9 da árvore está colocado" toda árvore que n#o produ9 ruto bom
será cortada, e ao o&o será lan$adaJ L8ucas +*, :, -M. JSe n#o i9erdes Penitência todos vCs
perecereisJ L8ucas 1+* +, 2M. J;esus pre&ou o <van&elho do reino de Deus" a9ei Penitência e
crede no <van&elhoJ LBarcos 1*, 1,, 12M. J;esus enviou seus discDpulos" e tendo partido,
pre&aram que se i9esse PenitênciaJ LBarcos 5*, 14M. J;esus disse aos ApCstolos que era preciso
que se pre&asse a Penitência e a >emiss#o dos Pecados, entre todas as (a$%esJ L8ucas 4,*,
,1M. J;o#o pre&ou um batismo de Penitência em >emiss#o de PecadosJ LBarcos 1*, ," 8ucas +*,
+M. Pensa também nisto por al&um entendimento, e, se tens reli&i#o, verás que a penitência dos
pecados é o caminho que condu9 ao 7éu, e que a é separada da penitência n#o é a é, e que
aqueles que n#o est#o na é, porque n#o a9em penitência, est#o no caminho que condu9 ao
inerno.
112. Aqueles que est#o na é separada da caridade e que se conirmaram por esta senten$a de
Paulo aos >omanos, que !ela fé o 0omem é 1utificado em a obra da lei L+*, 4:M, esses
adoram esta senten$a como os que adoram o sol, e se tomam como aqueles que i0am com
esor$o os olhos sobre, o sol, o que a9 com que sua vista, estando ouscada, nada perceba por
meio da lu9" com eeito, n#o vêm al&uma cousa que é entendida nesta passa&em pelas obras da
lei, a saber, que s#o as cerimInias descritas por Boisés em seus 8ivros, as quais aD s#o por toda
parte chamadas 8ei, e que n#o s#o os preceitos do Decálo&o" também, com receio de que
ossem entendidos os preceitos do Decálo&o, e0plica ele esta passa&em di9endo' JAbolirDamos
pois a 8ei pela éH Buito lon&e dissoX Ao contrário, nCs estabelecemos a leiJ LAers. +1 do mesmo
capDtuloM. Aqueles que, se&undo esta senten$a, se conirmaram na é separada, esses, i0ando
seus olhares sobre esta passa&em como sobre o sol, n#o vêem, tampouco, quando Paulo
enumera as 8eis da é, que s#o as obras mesmas da caridade" o que é portanto a é sem suas
leiaH (#o vêem tampouco as passa&ens onde ele enumera as más obras di9endo que os que as
a9em n#o podem entrar no 7éu. Por aD se vê que ce&ueira oi introdu9ida por esta Gnica
passa&em mal entendida.
115. Eue os males no homem <0terno n#o possam ser aastados sen#o por meio do homem, é
porque é da Divina Providência do Senhor que tudo o que o homem ouve, vê, pensa, quer,
pronuncia e a9 apare$a absolutamente como sendo dele" que sem esta aparência n#o haveria
para o homem recep$#o al&uma do Divino Aero, determina$#o al&uma para a9er a bem,
apropria$#o al&uma do amor e da sabedoria, nem da caridade e da é, nem, por conse&uinte
conjun$#o al&uma com o Senhor, por conse&uinte reorma al&uma, re&enera$#o al&uma, e assim
salva$#o al&uma é o que oi mostrado acima n* 11 a -2, e se&uintes" é evidente que sem esta
aparêcia n#o pode haver nem penitência dos pecados, nem mesmo é" além disso, também, que
o homem sem esta aparência n#o é homem, mas que, privado da vida racional, é semelhante )
besta. 7onsulta, se queres, a tua ra9#o" será que aparece de outro modo, sen#o que o homem
pensa por si mesmo sobre o bem e sobre o vero tanto espiritual como moral e civilH < ent#o
recebe este doutrinal de que todo bem e todo vero vêm do Senhor, que bem al&um nem vero
al&um vêm do homem, n#o reconhecerás tu por conseqFência que o homem deve a9er o bem e
pensar o vero como por ele mesmo, mas, entretanto reconhecer que é pelo Senhor" que por
conseqFência também o homem deve aastar os males como por si mesmo, mas, entretanto
reconhecer que o a9 pelo SenhorH
111. Rá muitos que n#o sabem que est#o nos males, porque n#o os a9em nos e0ternos, porque
temem as leis civis, e também a perda da reputa$#o, e assim adquirem o costume e o hábito de
u&ir dos males como nocivos ) sua honra e a seus interesses" mas se n#o o&em dos males por
princDpio de reli&i#o porque s#o pecados e contra Deus, ent#o as cobi$as do mal com seus
pra9eres permanecem neles como á&uas impuras echadas ou esta&nadas" que e0aminem seus
pensamentos e suas inten$%es, e os achar#o tais, desde que saibam o que é o pecado. !ais s#o
em &rande nGmero os que se conirmaram na é separada da caridade, os quais, porque crêem
que a 8ei n#o condena, n#o d#o aten$#o aos pecados, e al&uns duvidam que os haja, e pensam
que, se os há, n#o s#o pecados diante de Deus, porque oram perdoados. !ais s#o também os
moralistas naturais que acreditam que a vida civil e moral com sua prudência produ9 tudo" e que
a Divina Providência nada produ9. !ais s#o ainda aqueles que procuram com muito cuidado uma
reputa$#o e um renome de honestidade e de sinceridade pela honra ou pelo proveito. Bas os
que s#o tais, e que ao mesmo tempo despre9aram a reli&i#o, tornam-se espDritos de cobi$as
depois da morte" aparecem a si mesmos como se ossem homens, mas aos outros de lon&e
como prDapos" e vêem nas trevas, e n#o na lu9 como as corujas.
11:. Do que precede resulta a&ora a conirma$#o do Arti&o A, a saber' O +omem de.e<
1or"an"o %omo 1or 0! me0mo a>a0"ar do +omem E6"erno o0 male0. 2 também o que oi
e0plicado nos três Arti&os da Doutrina de +ida !ara a )ova %erualém3 a saber, no primeiro, que,
nin&uém pode u&ir dos males como pecados, até ao ponto de os ter interiormente em avers#o, a
n#o ser por combates contra eles, n* -4 a 166" no se&undo, que o homem deve u&ir dos males
como pecados, e combater contra eles como por si mesmo, n* 161 a 161" no terceiro, que se
al&uém o&e dos males por qualquer outro motivo, que n#o seja por serem pecados, n#o o&e
deles mas a9 unicamente com que n#o se mostrem diante do mundo, n* 16: a 11+.
11-. )I. &nto o Senhor purifica o homem das cobi1as do mal no homem Interno, e dos
males mesmos no homem &!terno.
Se o Senhor puriica o homem das cobi$as do mal, quando o homem aasta os males como por si
mesmo, é porque o Senhor n#o pode puriicá-lo antes" pois os males est#o no homem e0terno, e
as cobi$as do mal est#o no homem interno, e s#o coerentes com o mal como as raD9es com o
tronco" se, portanto os males n#o s#o aastados, n#o há abertura" pois os males obstruem, e
echam ) porta, que n#o pode ser aberta pelo Senhor sen#o por meio do homem, assim como
acaba de ser mostrado. Euando o homem abre assim a porta como por ele mesmo, o Senhor
e0tirpa ao mesmo tempo as cobi$as. @ também porque o Senhor a&e no intimo do homem e pelo
Dntimo no que se&ue até aos Gltimos, e porque a homem está ao mesmo tempo nos Gltimos" é por
isso que, enquanto os Gltimos s#o mantidos echados pelo homem mesmo, nenhuma puriica$#o
pode ser eita pelo Senhor" mas é eita unicamente pelo Senhor uma opera$#o nos interiores, tal
como é a do Senhor, no inerno, de que o homem que está nas cobi$as e ao mesmo tempo nos
males é a orma, opera$#o que é unicamente uma disposi$#o a im de que um n#o destrua o
outro, e a im de que o bem e o vero n#o sejam violados. Eue o Senhor pressione e insista
continuamente para, que o homem lhe abra a porta, vê-se claramente pelas palavras do Senhor
no Apocalipse L+*, 46M' J<is que estou ) porta e bato, se al&uém ouve a minha vo9 e abre a porta,
eu entrarei nele, e cearei com ele e ele comi&oJ.
146. / homem nada sabe do estado interior de sua mente ou de seu homem ?nterno" entretanto
há aD uma ininidade de cousas das quais nem uma sC vem ao seu conhecimento" pois o ?nterno
do pensamento do homem, ou seu homem ?nterno, é seu espDrito mesmo, e neste espDrito há
cousas ao ininito, ou t#o inumeráveis como no corpo do homem, e mesmo ainda mais
inumeráveis, pois o espDrito do homem é em sua orma um homem, e todas as cousas do espDrito
correspondem a todas as do homem em seu corpo. /ra, como o homem n#o sabe por sensa$#o
al&uma como seu espDrito ou sua alma opera ao mesmo tempo e em particular em todas as
cousas de seu corpo, do mesmo modo também o homem n#o sabe como o Senhor opera em
todas as cousas de sua mente ou de sua alma, isto é, em todas as cousas de seu espDrito" a
opera$#o é continua" o homem n#o toma parte al&uma nela" mas n#o obstante o Senhor n#o
pode puriicar o homem de cobi$a al&uma do mal em seu espDrito ou em seu homem ?nterno,
enquanto o homem mantiver o e0terno echado" aquilo pelo qual o homem mantém seu e0terno
echado s#o os males, cada um dos quais lhe aparece como um, embora em cada um haja uma
ininidade" quando o homem aasta um desses males como sendo um, o Senhor aasta os males
ininitos que est#o nesse mal. @ isto que é entendido por Jent#o o Senhor puriica o homem das
cobi$as do mal no homem interno, e dos males mesmos no homem e0ternoJ.
141. 3m &rande nGmero de homens ima&ina que o que puriica o homem dos males é
unicamente crer no que a ?&reja ensina" e al&uns ima&inam que é a9er o bem" outros que é
saber, di9er e ensinar as cousas que s#o da ?&reja" outros, ler a Palavra e os livros de piedade"
outros, reqFentar os templos, ouvir pre&a$%es, e, sobretudo apresentar-se ) santa 7eia" outros,
renunciar ao mundo e se dedicar ) piedade" outros conessar-se culpado de todos os pecados" e
assim por diante. Bas, entretanto todas estas cousas n#o puriicam o homem, a n#o ser que ele
se e0amine, veja seus pecados, os reconhe$a se condene por causa deles, e a$a penitência
renunciando a eles" e todas estas cousas ele deve a9ê-las como por si mesmo, mas, entretanto
reconhecendo de cora$#o que é pelo Senhor. Antes que isso seja eito, todas as cousas de que
se acaba de alar de nada servem, pois s#o ou meritCrias ou hipCcritas" e esses aparecem no
7éu diante dos anjos ou como belas prostitutas cuja corrup$#o espalha um odor inecto" ou como
mulheres eias que se embele9am com pinturas" ou como comediantes e palha$os nos teatros"
ou como macacos com roupas de homem. Bás quando os males oram aastados, as cousas
acima mencionadas se tomam cousas do amor, e os que as a9em aparecem no 7éu diante dos
anjos como belos homens, e como seus companheiros e seus consociados.
144. Bas é preciso que se saiba bem que o homem, para a9er penitência, deve elevar seus
olhos para o Senhor sC" se os eleva para Deus Pai sC, n#o pode ser puriicado" n#o o pode
tampouco se é para o Pai por causa do Kilho, nem se é para o ilho como Romem somente" com
eeito, n#o há sen#o um Gnico Deus, e o Senhor é esse Deus, pois seu Divino e seu Rumano s#o
uma Gnica Pessoa, como oi mostrado na Doutrina da )ova %erualém obre o Sen0or* Para que
todo homem que deve a9er penitência eleve os olhos para o Senhor sC, o Senhor instituiu a
Santa 7eia, que conirma a remiss#o dos pecados naqueles que a9em penitência" ela conirma,
porque nesta 7eia ou 7omunh#o cada um é levado a elevar os olhos para o Senhor sC.
14+. VIII. A a34o cont0nua da Divina +rovid,ncia do Senhor consiste em con-untar o
homem a Si, e &le ao homem, a fim de l+e dar a0 felicidades da vida eterna, o que no
pode ser feito, sendo tanto quanto os males com suas cobi1as foram afastados.
Eue a a$#o contDnua da Divina Providência do Senhor consiste em conjuntar o homem a S?, e
<la ao homem, e que seja esta conjun$#o que é chamada reorma e re&enera$#o, e que em
conseqFência haja salva$#o para o homem, é o que oi mostrado acima, n* 41 a ,2. Euem é que
n#o vê que a conjun$#o com o Senhor é a salva$#oH @ o que vê quem quer que creia que os
homens, por cria$#o, s#o as ima&ens e as semelhan$as de Deus LGênesis 1*, 45, 41M, e saiba o
que é a ima&em e a semelhan$a de Deus. Eual é o homem cuja ra9#o é s#, que, quando pensa
por sua racionalidade e quer pensar por sua liberdade, possa crer que há três Deuses, i&uais em
essência, e que o Divino Ser ou a Divina <ssência pode ser divididaH Eue haja um !rino em um
Gnico Deus, isso pode ser pensado e compreendido, como se compreende que no anjo e no
homem há a alma e o corpo, e o procedente da vida pela alma e pelo corpo" e, pois que este
!rino em um n#o pode estar sen#o no Senhor, se&ue-se que a conjun$#o deve ser eita com o
Senhor. Ka9e uso da tua racionalidade e ao mesmo tempo da liberdade de pensar, e verás esta
verdade em sua lu9" mas antes admite que há um Deus, que há um 7éu, e que há uma vida
eterna. /ra, pois que há um Gnico Deus, e que o homem por cria$#o oi eito ima&em e
semelhan$a de Deus, e, pois que pelo amor inernal, pelas cobi$as desse amor, e pelos pra9eres
destas cobi$as, o homem entrou no amor de todos os males, e, por conse&uinte destruiu nele a
ima&em e a semelhan$a de Deus, se&ue-se que a a$#o contDnua da Divina Providência do
Senhor consiste em conjuntar o homem a Si, e <le ao homem, e assim a9er que seja sua
ima&em" que seja a im de que o Senhor possa dar ao homem as elicidades da vida eterna, é
ainda o que se se&ue, pois tal é o Divino Amor" mas que <le n#o lhas possa dar, nem o a9er sua
ima&em, a n#o ser que o homem aaste como por si mesmo os males no homem e0terno, é
porque o Senhor é n#o somente o Divino Amor, mas também a Divina Sabedoria, e o Divino
Amor nada a9 sen#o pela e se&undo a Divina Sabedoria" que o homem n#o possa ser conjunto
ao Senhor, e assim ser reormado, re&enerado e salvo, a n#o ser que lhe seja permitido a&ir pelo
livre se&undo a ra9#o, pois por isso o homem é homem, isso é se&undo a Divina Sabedoria do
Senhor, e tudo que é se&undo a Divina Sabedoria do Senhor isso também pertence ) sua Divina
Providência.
14,. Ao que acaba de ser dito acrescentarei dois Arcanos da Sabedoria An&élica, pelos quais
pode-se ver qual é a Divina Providência" o primeiro, é que o Senhor jamais a&e no homem em
cousa al&uma particular separadamente, sem a&ir ao mesmo tempo em todas as cousas do
homem" o se&undo, é que o Senhor a&e pelos Dntimos e pelos Gltimos ao mesmo tempo' )* O
Sen+or -ama!0 age no +omem em %ou0a alguma 1ar"!%ular 0e1aradamen"e< 0em ag!r ao
me0mo "em1o em "oda0 a0 %ou0a0 do +omem# é porque todas as cousas do homem est#o em
um tal encadeamento, e pelo encadeamento em uma tal orma, que elas a&em n#o como várias
mas como uma sC" que o homem quanto ao corpo esteja em um tal encadeamento, e pelo
encadeamento em uma tal orma, isso é sabido" a Bente humana está também em uma
semelhante orma pela cone0#o de todas as cousas que a comp%e, pois a Bente humana é o
homem espiritual, e é mesmo eetivamente homem" daD vem que o espDrito do homem, que é sua
mente no corpo, é homem em toda sua orma" também o homem depois da morte é i&ualmente
homem como no mundo, com a Gnica dieren$a que rejeitou os despojos que constituDam seu
corpo no mundo. /ra, pois que a orma humana é tal, que todas as partes a9em o comum, que
a&e como uma Gnica cousa se&ue-se que uma parte n#o pode ser removida do lu&ar, nem
mudada quanto ao estado, se n#o é do consentimento de todas as outras" pois se uma osse
removida do lu&ar, e mudada quanto ao estado, a orma que deve a&ir como um soreria. Por
isso, é evidente que o Senhor jamais a&e em cousa al&uma particular sem a&ir ao mesmo tempo
em todas assim a&e o Senhor no 7éu an&élico inteiro, pois que o 7éu an&élico inteiro está em
rela$#o ao Senhor como um sC Romem" do mesmo modo também a&e o Senhor em cada anjo,
porque cada anjo é o 7éu na menor orma" do mesmo modo ainda a&e em cada homem, de muito
perto em todas as cousas de sua mente, e por elas em todas as cousas de seu corpo", pois a
mente do homem é seu espDrito, e se&undo a conjun$#o com o Senhor é um anjo, e o corpo é
uma obediência. Bas é preciso observar bem que o Senhor a&e sin&ularmente e mesmo muito
sin&ularmente em todo particular do homem, mas ao mesmo tempo por todas as cousas de sua
orma, e que n#o obstante n#o muda o estado de parte al&uma ou de cousa al&uma em
particular, a n#o ser de uma maneira conveniente para toda a orma" mas dir-se-á mais sobre
este assunto no que se&ue, quando or demonstrado que a Divina YProvidência do Senhor é
universal porque está nos sin&ulares, e que é sin&ular porque é universal" 2* O Sen+or age
1elo0 Bn"!mo0 e 1elo0 Cl"!mo0 ao me0mo "em1o# é porque assim, e n#o de outro modo, todas
e cada uma das cousas s#o contidas em encadeamento" pois os intermediários dependem dos
Dntimos sucessivamente até aos Gltimos, e nos Gltimos est#o juntos" com eeito, no Tratado do
Divino Amor e da Divina Sabedoria( !erceira Parte, oi mostrado que no Gltimo há o simultNneo
de todos a partir do primeiro. @ mesmo por isso que o Senhor de toda a eternidade, ou ;eová,
veio ao mundo, e aD revestiu e tomou o Rumano nos Gltimos, a im de que dos primeiros pudesse
estar também nos Gltimos ao mesmo tempo, e assim dos primeiros pelos Gltimos &overnar o
mundo inteiro, e conseqFentemente salvar os homens que pode salvar se&undo as 8eis da
Divina Providência, que s#o também as 8eis da Divina Sabedoria. <stá, portanto aD o que oi
conhecido no Bundo 7rist#o, a saber, que nenhum mortal teria podido ser salvo, se o Senhor
n#o tivesse vindo ao Bundo" ver sobre este assunto a Doutrina da )ova %erualém obre a fé( n*
+2. DaD vem que o Senhor seja chamado o Primeiro e o Gltimo.
142. <stes Arcanos An&élicos oram dados como preliminares, a im de que se possa
compreender como a Divina Providência do Senhor opera para conjuntar o homem a Si e Be ao
homem" esta opera$#o n#o se a9 separadamente em cousa al&uma particular do homem, sem
se a9er ao mesmo tempo em todas" e se a9 pelo Dntimo do homem e por seus Gltimos ao mesmo
tempo" o intimo do homem é o amor de sua vida" os Gltimos s#o as cousas que est#o no e0terno
do pensamento" os intermediários s#o as cousas que est#o no interno de seu pensamento" o que
s#o estas cousas no homem mau, isso oi mostrado no que precede. DaD é de novo evidente que
o Senhor n#o pode a&ir pelos Dntimos e pelos Gltimos ao mesmo tempo, sem que seja com o
homem, pois o homem está com o Senhor nos Gltimos" da maneira, portanto pela qual o homem
a&e nos Gltimos que dependem de seu arbDtrio, porque est#o no seu livre, da mesma maneira o
Senhor a&e pelos Dntimos do homem, e nos sucessivos até aos Gltimos. As cousas que est#o nos
Dntimos do homem, e nos sucessivos desde os Dntimos até aos Gltimos, s#o absolutamente
desconhecidas para o homem, e é por isso que o homem i&nora absolutamente de que maneira
o Senhor aD opera" mas estas cousas s#o coerentes como um com os Gltimos, resulta daD que
n#o é necessário que o homem saiba outra cousa, sen#o que deve u&ir dos males como
pecados, e voltar seus olhos para o Senhor. Assim, e n#o de outro modo, o amor de sua vida,
que de nascen$a é inernal, pode ser aastado pelo Senhor, e em seu lu&ar pode ser ?mplantado
o amor da vida celeste.
145. Euando o amor da vida celeste oi implantado pelo Senhor em lu&ar do amor da vida
inernal, as aei$%es do bem e do vero s#o implantadas em lu&ar das cobi$as do mal e do also"
os pra9eres das aei$%es do bem s#o implantados em lu&ar das aei$%es do mal e do also, e os
bens do amor celeste s#o implantados em lu&ar dos males do amor ?nernal" ent#o a prudência é
implantada em lu&ar da astGcia, e os pensamentos da sabedoria s#o implantados em lu&ar dos
pensamentos da malDcia" assim o homem é en&endrado uma se&unda ve9, e se torna novo.
Euais s#o os bens que substituem os males, vê-se na Doutrina de vida !ara a )ova %erualém(
n*
s
51 a 1+" 1, a 1-" :6 a :5" :1 a -1. Aê-se aD também que, tanto quanto o homem o&e dos
males como pecados e tem avers#o a eles, tanto ama os veros da sabedoria, n*
s
+4, ,1" além
disso, também tanto tem a é e é espiritual, n* ,4 a 24.
141. Eue a reli&i#o comum em toda a 7ristandade seja que o homem se e0amine, veja seus
pecados, os reconhe$a, os conesse diante de Deus e a eles renuncie, e que seja ?sso a
penitência, a remiss#o dos pecados, e por conseqFência a salva$#o, é o que oi mostrado acima
pelas preces que se a9 antes da Santa 7omunh#o em todas as ?&rejas crist#s. Pode-se ainda
vê-lo pela Ké chamada Atanasiana, que oi recebida também em toda a 7ristandade, onde est#o
no im estas palavras' DO Sen+or .!rE 1ara -ulgar o0 .!.o0 e o0 mor"o0A ao 0eu ad.en"o o0
=ue >!/eram boa0 obra0 en"rar4o na .!da e"erna e o0 =ue a0 >!/eram mE0 en"raram no >ogo
e"ernoF.
14:. Euem n#o sabe, pela Palavra, que cada um depois da morte tem por quinh#o uma vida
se&undo suas a$%esH Abre a Palavra, lê ai, e verás claramente" mas aasta ent#o os
pensamentos concernentes ) é e ) justiica$#o pela é sC. / Senhor ensina isso por toda parte
na Palavra" seja para testemunho este pequeno nGmero de passa&ens' J!oda árvore que não d4
bom fruto será cortada e lan$ada no o&o" pois por seus rutos os conhecereisJ LBat. 1*, 1-, 46M.
JBuitos me dir#o naquele dia' Senhor, Senhor, por teu nome n#o temos nCs proeti9adoH < em
teu (ome muitos atos de or$a n#o temos eitoH Bas ent#o <u lhes direi abertamente' <u jamais
vos conheci, retirai-vos de Bim, vCs que praticai iniq5idade, LBat. 1*, 44, 4+M. JEuem quer que
ou$a estas minhas palavras, e a faça( eu o compararei a um homem prudente que construiu sua
casa sobre a rocha" mas quem quer que ou$a estas minhas palavras e não a fa6 será
comparado a um homem insensato que construiu sua casa sobre a areiaJ LBat. 1*, 4,, 45" 8uc.
5*, ,5 a ,-M. J/ Kilho do homem virá na &lCria de seu Pai, e ent#o dará a cada um e&undo ua
obra, LBat. 15* 41M. J/ reino de Deus vos será tirado e er4 dado a uma )ação que dará eu
fruto, LBat. 41*, ,+M. J;esus disse' Binha m#e e meus irm#os s#o os que ouvem a palavra de
Deus e que a fa6em, L8uc. :*, 41M. J<nt#o come$areis a icar do lado de ora e a bater na porta,
di9endo' Senhor abre-nos" mas, respondendo, ele vos dirá' >etirai-vos de Bim, vCs todos
obreiro de iniq5idade, L8uc. 1+*, 42 a 41M, J/s que tiverem eito boas obras sair#o para uma
ressurrei$#o de vida, e os que as tiverem feito m4( para uma ressurrei$#o de jul&amentoJ L;o#o
2*, 4-M. JSabemos que aos !ecadore( Deus n#o escuta" mas se al&uém honra a Deus, e que
a$a a ua vontade* <le o escutaJ L;o#o -*, +1M. JSe sabeis estas cousas, eli9es sereis, se as
fi6erde, L;o#o 1+*, 11M. JEuem tem meus preceitos e os fa6 é esse que Be ama" e <u o amarei,
e para ele virei, e morada nele areiJ L;o#o 1,*, 12, 41 a 4,M. JACs, meus ami&os oi( e a9eis
tudo o que vos mando. <u vos tenho escolhido para que dei fruto( e que vosso ruto
!ermaneça, L;o#o 12*, 1,, 15M. J6 Senhor disse a ;o#o' Ao Anjo da ?&reja de @eso escreve'
7on0eço tua obra* !enho contra ti que a tua Caridade primeira tu abandonaste" "a6
!enit7ncia( e fa6 tua !rimeira obra3 se n#o, tirarei teu candelabro de seu lu&arJ LApoc. 4*, 1, 4,
,, 2M. JAo Anjo da ?&reja dos Smirnianos escreve' Con0eço tua obra, LApoc. 4*, :, -M. JAo Anjo
da ?&reja de Pér&amo escreve' Con0eço a tua obra3 fa6 !enit7ncia8 LApoc. 4*, 14, 1+, 15M. JAo
Anjo da ?&reja de !iatira escreve' Con0eço a tua obra( e a tua 7aridade( e tua Gltimas obra
mais numerosas que as primeirasJ LApoc. 4*, 1:, 1-M. JAo Anjo da ?&reja de Sardes escreve'
Con0eço tua obra( que tens nome de ser vivo, e és morto" não encontrei tua obra !erfeita
diante de Deu3 fa6 !enit7ncia, LApoc. +*, 1, 4, +M. VAo Anjo da ?&reja que está em Kiladélia
escreve' V7onhe$o tuas obrasW LApoc. +*, 1, :MW. Ao Anjo da ?&reja dos 8aodiceanos escreve'
,Con0eço tua obra3 fa6 !enit7ncia, LApoc. +*, 1,, 12, 1-M. V/uvi uma vo9 do 7éu que di9ia'
V<screve' Keli9es os mortos que no Senhor morrem daqui por diante" suas obras os se&uir#oW
LApoc. 1,*, 1+MW. V3m livro oi aberto, que é o livro da vida" e oram jul&ados os mortos, todos
se&undo suas obras LApoc. 46*, 14, 1+MW. J<is que venho breve, e minha recompensa comi&o, a
fim de que d7 a cada um e&undo ua obra, LApoc. 44*, 14M. <stas passa&ens est#o no (ovo
!estamento" há ainda mais no Anti&o !estamento, n#o reerirei sen#o esta' VBantém-te ) porta
da 7asa de ;eová" e aD proclama esta palavra' Assim di9 ;eová Sabbaoth, o Deus de ?srael'
!ornai boas as vossas vias e as vossas obras" n#o conieis em palavras de mentira, di9endo' o
!emplo de ;eová, o !emplo de ;eová, o !emplo de ;eová, aqui" é roubando, matando,
cometendo adultério, e jurando alsamente, que vires depois, e vos mantereis diante de Bim
nesta 7asa, sobre a qual é chamado o meu (ome, e que direis' Komos libertados, enquanto que
a9eis estas abomina$%esH (#o é que caverna de ladr%es se tornou esta 7asaH Assim <u, eis
que o vi" palavra de ;eováJ L;erem. 1*, 4, +, ,, -, 16, 11M.
É (&A 9EI DA DIVINA PROVIDÊNCIA< 7(E 0 HO&E& N;O SE:A CONS$RANGIDO POR
&EIOS E$ERNOS A PENSAR E A 7(ERER< ASSI& A CRER E A A&AR AS CO(SAS 7(E
PER $ENCE& A RE9IGI;OA &AS 7(E 0 HO&E& SE 9EVE POR SI &ES&O A ISSO< E
POR VE8ES A ISSO SE CONS$RAN:A.
14-. <sta 8ei da Divina Providência é uma conseqFência das duas leis precedentes, que s#o que
o homem aja pelo 8ivre se&undo a ra9#o, n* 11 a 1-" e que aja por si mesmo, bem que seja pelo
Senhor, assim como por si mesmo, n* 166 a 14:. /ra, como ser constran&ido é a&ir n#o pelo
livre se&undo a ra9#o, nem por si mesmo, mas pelo n#o-livre, e por um outro, é por isso que esta
8ei da Divina Providência vem em ordem apCs as duas precedentes. 7ada um sabe também que
nin&uém pode ser constran&ido a pensar o que n#o quer pensar, nem a querer o que pensa n#o
querer, n#o por conseqFência a crer o que n#o crê, menos ainda a crer o que n#o quer crer, nem
a amar o que n#o ama, menos ainda a amar o que n#o quer amar" pois o espDrito do homem ou
sua mente, está em plena liberdade de pensar, de querer, de crer e de amar" está nesta
liberdade pelo inlu0o do mundo espiritual, que n#o constran&e" pois é nesse mundo que está o
espDrito ou a mente do homem, mas n#o está nesta liberdade pelo inlu0o do mundo natural, que
n#o é recebido, a n#o ser que eles ajam como um. / homem pode ser levado a di9er que pensa
e quer certas cousas, e que as crê e as ama, mas se elas n#o est#o ou n#o se tornam conormes
com a sua aei$#o e, por conse&uinte com a sua ra9#o, ele n#o as pensa, n#o as quer, n#o as
crê e n#o as ama. / homem pode também ser constran&ido a alar em avor da reli&i#o, e a a&ir
se&undo a reli&i#o" mas n#o pode ser constran&ido a pensar em seu avor por al&uma é, nem a
querer as cousas da reli&i#o por al&um amor. 7ada um também, nos reinos onde a justi$a e o
jul&amento s#o mantidos, é constran&ido a n#o alar contra a reli&i#o, e a n#o a&ir contra ela"
mas, entretanto nin&uém pode ser constran&ido a pensar e a querer em seu avor" pois está na
liberdade de cada um, pensar e querer em avor do inerno, além disso, pensar e querer em avor
do 7éu" mas a ra9#o ensina qual é um e qual é o outro, e que sorte espera um e qual sorte
espera o outro, e é ) vontade pela ra9#o que pertence ) op$#o e a escolha. Por isto, pode-se ver
que o <0terno n#o pode constran&er o ?nterno" é, entretanto, o que acontece al&umas ve9es"
mas que isso seja peri&oso, é o que será demonstrado na ordem se&uinte' I. (in&uém é
reormado pelos mila&res nem pelos sinais, porque eles constran&em. II. (in&uém e reormado
por vis%es nem pelas conversa$%es com os deuntos, porque elas constran&em. III. (in&uém é
reormado pelas amea$as nem pelos casti&os, porque eles constran&em. IV. (in&uém é
reormado nos estados de n#o-racionalidade e de n#o-liberdade. V. 7onstran&er-se a si mesmo,
n#o é contra a liberdade. VI. / homem <0terno deve ser reormado pelo homem interno, e n#o
vice-versa.
1+6. I. 9in(uém pode ser reformado pelos mila(res nem pelos sinais, porque eles
constran(em.
Koi mostrado acima que há no homem um interno e um e0terno do pensamento, e que pelo
interno do pensamento o Senhor inlui em seu e0terno no homem, e assim o ensina e o condu9"
além disso, também, que é da Divina Providência do Senhor que o homem aja pelo livre se&undo
a ra9#o" ora, um e outro no homem se tornaria nulo, se se i9essem mila&res, e o homem por eles
seria or$ado a crer. Eue assim seja, pode-se ver racionalmente desta maneira' (#o se pode
ne&ar que os mila&res n#o d#o ) cren$a e n#o persuadem ortemente sen#o que o que di9 e
ensina aquele que a9 mila&res é verdadeiro" e que isso, no come$o ocupa de tal modo o e0terno
do pensamento do homem, que este e0terno se acha por assim di9er li&ado e ascinado" ora, o
homem é privado destas duas aculdades, que s#o chamadas racionalidade e liberdade, ao
ponto de n#o poder a&ir pelo livre se&undo a ra9#o, e ent#o o Senhor n#o pode inluir pelo
interno no e0terno de seu pensamento, mas unicamente dei0a o homem conirmar por sua
racionalidade esta cousa, que pelo mila&re se tornou um objeto da é. / estado do pensamento
do homem é tal que pelo interno do pensamento ele vê a cousa no e0terno de seu pensamento
como em uma espécie de espelho" pois, como oi dito acima, o homem pode ver seu
pensamento, o que n#o pode acontecer sen#o pelo pensamento interior" e quando vê a cousa
como em um espelho, pode também voltá-la em todos os sentidos, e a ormar, até que lhe pare$a
bela" esta cousa se é uma verdade, pode ser comparada a uma mo$a ou a um rapa9, todos dois
belos e vivos" mas se o homem n#o pode voltar esta cousa em todos os sentidos nem a ormar, e
que a creia unicamente pela persuas#o introdu9ida pelo mila&re, se ent#o é uma verdade, pode
ser comparada a uma mo$a ou a um rapa9 esculpidos em pedra ou madeira, na qual nada há de
vivo" pode também ser comparada a um objeto, que está continuamente diante dos olhos, e que
é visto sC, e que esconde todos os objetos colocados de cada lado e atrás dele" pode ainda ser
comparada a um som contDnuo no ouvido, o qual tira a percep$#o da harmonia produ9ida por
vários sons" os mila&res introdu9em uma semelhante ce&ueira e uma semelhante surde9 na
mente humana. Dá-se o mesmo com toda cousa conirmada, que n#o é e0aminada por al&uma
racionalidade antes que seja conirmada.
1+1. Por isto, a é introdu9ida pelos mila&res é n#o uma é, mas uma persuas#o, pois n#o há
racional al&um nela, nem com mais orte ra9#o espiritual al&um" é unicamente um e0terno sem
interno" dá-se o mesmo com tudo que o homem a9 por esta é persuasiva, quer reconhe$a Deus,
quer lhe preste um culto em sua casa ou em templos, quer a$a o bem. Euando sC o mila&re leva
o, homem ao reconhecimento, ao culto e ) piedade, o homem a&e pelo homem natural e n#o
pelo homem espiritual" pois o mila&re inunde a é pelo caminho e0terno, e n#o pelo caminho
interno, assim pelo mundo e n#o pelo 7éu, e o Senhor n#o entra no homem por um outro
caminho que n#o seja o caminho interno, que é pela Palavra, pela doutrina e pelas pre&a$%es
se&undo a Palavra" e como os mila&res echam este caminho, é por isso que hoje n#o se a9
mila&re al&um.
1+4. Eue tais sejam os mila&res, pode-se ver claramente pelos mila&res eitos diante do povo
judeu e israelita" embora estes vissem tantos mila&res na terra do <&ito, depois no mar de Suph,
e outros no deserto, e principalmente sobre a montanha do Sinai quando oi promul&ada a 8ei,
entretanto, um mês depois, Boisés tendo permanecido sobre esta montanha, eles i9eram um
=e9erro de ouro, e o reconheceram por ;eová que os havia tirado da terra, do <&ito LZ0odo +4*,
,, 2, 5M. Além disso, também pelos mila&res eitos na terra de 7ana#" e, contudo, de cada ve9, se
retiraram do culto ordenado. ?&ualmente pelos mila&res que o Senhor e9 diante deles quando
estava no mundo, e, contudo eles 6 cruciicaram. Se oram eitos mila&res entre os judeus e os
israelitas, é porque eles eram homens inteiramente e0ternos" n#o oram introdu9idos na terra de
7ana#, sen#o a im de representar a ?&reja e seus internos pelos e0ternos do culto" e como o
homem mau pode representar do mesmo modo que o bom, pois os e0ternos do culto s#o
cerimInias que neles si&niicavam todas elas os espirituais e os celestes" mais ainda, Abra#o,
ainda que tivesse eito o be9erro de ouro e ordenado o seu culto LZ0odo +4*, 4, +, ,, 2, +2M, pode
n#o obstante representar o Senhor e sua obra de salva$#o" ora, como eles n#o podiam ser
levados pelos internos do culto a representar estes espirituais e estes celestes eram levados a
isso e mesmo or$ados e constran&idos pelos mila&res. Se n#o podiam ser levados a isso pelos
internos do culto, era porque n#o reconheciam o Senhor, embora toda a Palavra, que estava com
eles, n#o trate sen#o do Senhor sC" e aquele que n#o reconhece o Senhor n#o pode receber
interno al&um do culto" mas depois que o Senhor se maniestou, e oi recebido e reconhecido por
Deus eterno nas ?&rejas, os mila&res cessaram.
1++. / eeito dos mila&res é inteiramente outro nos bons, do que nos maus' /s bons n#o querem
mila&res, mas crêem nos mila&res que est#o na Palavra" e se ouvem alar de um mila&re, n#o lhe
d#o aten$#o sen#o como a um raco ar&umento que conirma sua é, pois pensam se&undo a
Palavra, assim pelo Senhor, e n#o pelo mila&re. Bas é de outro modo com os maus" eles podem,
é verdade, pelos mila&res ser or$ados e constran&idos ) é, e mesmo ao culto e ) piedade, mas
somente por outro tempo" pois dentro oram encerrados os males, cujas cobi$as e
conseqFentemente seus pra9eres a&em continuamente no e0terno de seu culto e de sua
piedade" e para que saiam de sua pris#o e se lancem para ora, levam seus pensamentos para o
mila&re, e acabam por chamá-lo ilus#o ou artiDcio, ou obra da nature9a, e assim voltam a seus
males" ora, aquele que volta a seus males depois do culto, proana os veros e os bens do culto, e
a sorte dos proanadores depois da morte é a pior de todas" s#o eles que s#o entendidos pelas
palavras do Senhor em Bateus 14*, ,+, ,,, ,2" seu Gltimo estado torna-se pior do que o primeiro.
Além disso, se se i9essem mila&res entre os que n#o cressem pelos mila&res relatados na
Palavra, seria preciso que se os i9esse continuamente, e diante dos olhos de todos que s#o tais.
Por isto, pode-se ver por que n#o se a9em mila&res hoje.
1+,. II. 9in(uém pode ser reformado por vis@es nem pelas conversas com os defuntos,
porque elas constran(em.
As vis%es s#o de dois &êneros, Divinas e diabClicas' As Ais%es Divinas se a9em por meio de
representativos no 7éu" e as Ais%es diabClicas se a9em por opera$%es má&icas no inerno" há
também Ais%es antásticas que s#o ilus%es de uma mente abstrata. As Ais%es Divinas, que se
a9em, como oi dito, por meio de representativos no 7éu, s#o semelhantes )s que tiveram os
proetas, que, quando elas tinham lu&ar, estavam n#o no corpo, mas em espDrito" pois as vis%es
n#o podem aparecer a homem al&um durante a vi&Dlia de seu corpo" é por isso que, quando
apareceram aos proetas, se di9 também que eles estavam em espDrito, como se vê pelas
passa&ens se&uintes' <9equiel di9' J/ espDrito me levou, e me condu9iu ) 7aldéia, para a
catividade, na Ais#o de Deu( em <spDrito de Deu3 assim subiu sobre mim a Ais#o que viJ L11*,
1, 4,M. Di9-se também que o <spDrito o elevou entre a terra e o 7éu, e o levou a ;erusalém nas
+iõe de Deu L:*, + e se&.M. <stava i&ualmente em uma vis#o de Deus ou em espDrito, quando
viu os quatros animais que eram Euerubins L7ap. 1* a 16*M" e também quando viu o novo !emplo
e a nova !erra e o Anjo que os media L7ap. ,6* a ,:*M. Eue estava ent#o na Ais#o de Deus, se
di9 no 7ap. ,6*, 4" e em <spDrito, no 7ap. ,+*, 2. <m um semelhante estado estava [acarias
quando viu um homem a cavalo entre as murtas L7ap. 1*, : e se&s.M. Euando viu quatro cornos e
um homem tendo na m#o um cordel de medir L7ap. 4*, 1, + e se&s.M. Euando viu um candelabro
e duas oliveiras L7ap. ,*, 1 e se&s.M. Euando viu um rolo que voava, e a ea L7ap. 2*, 1, 5M,
Euando viu quatro carros saDrem dentre quatro montanhas, e os cavalos L7ap. 5*, 1 e se&s.M. <m
um semelhante estado estava Daniel, quando viu quatro bestas subindo do mar L7ap. 5*, 1 e
se&s.M e quando viu os combates do carneiro e do bode L7ap. :*, 1 e se&s.M. Eue tenha visto
estas cousas na vis#o de seu <spDrito, ele disse L7aps. 1*, 1, 4, 1, 1+" :* 4" 16*, 1" 1" :M" disse
também que viu o Anjo Gabriel em vis#o L7ap. -*, 41M. (a vis#o do espDrito estava também ;o#o,
quando viu as cousas que descreve no Apocalipse" assim, quando viu sete candelabros e no
meio o Kilho do homem L7ap. 1*, 14 a 15M. Euando viu um !rono no 7éu, e Al&uém sentado
sobre o trono, e os quatro Animais, que eram Euerubins, ao redor do trono L7ap. ,*M. Euando viu
o 8ivro de vida, que o 7ordeiro tomou L7ap. 2*M. Euando viu os cavalos que saDam do 8ivro L7ap.
5*M. Euando viu sete anjos com trombetas L7ap. :*M. Euando viu o po$o do abismo aberto, e
&aanhotos saindo dele L7ap. -*M. Euando viu o dra&#o e seu combate contra Bi&uel L7ap. 14*M.
Euando viu duas bestas subindo, uma do mar, a outra da terra L7ap. 1+*M. Euando viu uma
mulher sobre uma besta cor de escarlate L7ap. 11*M" e =abilInia destruDda L7ap. 1:*M. 9uando
viu um Céu novo e uma Terra nova( e a Santa ;erusalém descendo do 7éu L7ap. 41*M" e quando
viu um rio de á&ua da vida L7ap. 44*M. Eue tenha visto estas cousas na vis#o do espDrito, isso
está dito L7ap. 1*, 16" ,*, 4" 2*, 1" 1*, 1" 41*, 16M. !ais oram )s vis%es que apareceram do 7éu
diante da vista de seu espDrito, e n#o diante da vida de seu corpo. (#o há semelhantes vis%es
hoje, pois, se as houvesse, n#o seriam compreendidas, porque se a9em por meio de
representativos, cada um dos quais si&niica internos da ?&reja e arcanos do 7éu. Eue essas
vis%es devessem cessar, quando o Senhor viesse ao mundo, isto oi mesmo predito por Daniel
no 7ap. -*, 4,. Euanto )s +iõe diab:licas, houve al&umas ve9es" eram introdu9idas por
espDritos entusiastas e visionários que, pelo delDrio em que est#o se chamam <spDrito Santo.
Bas, a&ora, estes espDritos oram reunidos pelo Senhor, e lan$ados em um inerno separado dos
inernos dos outros. Por isto, é evidente que nin&uém pode ser reormado por outras vis%es
sen#o as que est#o na Palavra. Rá também Ais%es antásticas, mas estas s#o puras ilus%es de
uma mente abstrata.
1+,. Lb!0M. Eue nin&uém tampouco seja reormado por conversas com os deuntos, vê-se por
estas palavras do Senhor a respeito do >ico no inerno e de 8á9aro no selo de Abra#o" com
eeito, Jo >ico disse' <u te pe$o pai Abra#o, que envies 8á9aro ) casa de meu pai - pois tenho
cinco irm#os -, a im de que lhes ateste isto, para que eles n#o venham também para este lu&ar
de tormento. Abra#o lhe disse' <les têm Boisés e os Proetas, ou$am-nos. /ra, este disse' (#o,
pai Abra#o, mas se al&um dos mortos vier a eles, ar#o penitência. <le lhe respondeu' Se a
Boisés e aos Proetas n#o escutam, quando mesmo al&um dos mortos ressuscitasse, n#o seriam
tampouco persuadidosJ L15*, 41 a +1M. A conversa com os mortos produ9iria o mesmo eeito que
os mila&res, de que se acaba de alar, a saber, que o homem seria persuadido e seria
constran&ido ao culto durante um pouco de tempo" mas com isso priva o homem da
racionalidade, e encarcera ao mesmo tempo os males, como oi dito acima, esta ascina$#o ou
vinculo interno se rompe, e os males encarcerados a9em irrup$#o com o blasemo e a
proana$#o" mas isso acontece somente quando os espDritos introdu9em al&um ponto do&mático
de reli&i#o" o que jamais é eito por al&um bom espDrito, nem com mais orte ra9#o por al&um anjo
do 7éu.
1+2. <ntretanto é permitido alar com os espDritos, mas raramente com os anjos do 7éu, e isso oi
permitido a muitos nos séculos passados" quando isso é permitido, os espDritos alam com o
homem em sua lDn&ua natural, mas somente em poucas palavras" todavia, os que alam por
permiss#o do Senhor n#o di9em e n#o ensinam jamais cousa al&uma que suprima o livre da
ra9#o" pois o Senhor sC ensina o homem, mas mediatamente pela Palavra na ilustra$#o, de que
se alará no que se&ue" que isso seja assim, é o que me oi dado saber por minha prCpria
e0periência" pois, desde muitos anos até ao presente, tenho alado com espDritos e com Anjos, e
espDrito al&um ousou, nem anjo al&um quis me di9er cousa al&uma, nem com mais orte ra9#o me
instruir sobre cousa al&uma da Palavra, ou sobre doutrinal al&um se&undo a Palavra, mas o
Senhor sC - que se revelou a mim, e em se&uida continuamente apareceu e aparece diante de
meus olhos como Sol, no qual <le mesmo está, assim como aparece aos anjos - me tem instruDdo
e me tem ilustrado.
1+5. III. 9in(uém é reformado pelas amea1as, nem pelos casti(os, porque eles
constran(em.
Sabe-se que o e0terno n#o pode constran&er o interno, mas que o interno pode constran&er o
e0terno" além disso, sabe-se que o interno rejeita o constran&imento por parte do e0terno a um
tal ponto que se aasta" e sabe-se também que os pra9eres e0ternos atraem o interno para o
consentimento e o amor" pode-se mesmo saber que há um interno constran&ido e um interno
livre. Bas todas estas cousas, embora sejam conhecidas, devem, entretanto ser ilustradas" pois
há um &rande nGmero de cousas que, desde que s#o ouvidas, s#o imediatamente percebidas
como verdadeiras, porque o s#o, e s#o, por conse&uinte airmadas" mas se n#o s#o ao mesmo
tempo conirmadas por meio de ra9%es, podem ser anuladas por ar&umenta$%es provenientes de
ilus%es, e por im ser ne&ada" portanto as cousas que acabam de ser apresentadas como
conhecidas v#o ser retomadas e conirmadas racionalmente. Pr!me!ramen"e# O e6"erno n4o
1ode %on0"ranger o !n"erno< ma0 o !n"erno 1ode %on0"ranger o e6"erno. Euem é que pode
ser constran&ido ao ponto de crer e amarH 3m homem n#o pode ser mais constran&ido a crer, do
que pode ser constran&ido a pensar que uma cousa é assim, quando pensa que ela n#o é assim"
e um homem n#o pode ser mais constran&ido a amar, do que pode ser constran&ido a querer o
que ele n#o quer" a, é pertence também ao pensamento, e o amor pertence ) vontade" todavia,
o interno pode ser constran&ido pelo e0terno a n#o alar mal contra as leis do reino, os bons
costumes e as cousas santas da ?&reja" o interno pode ser constran&ido a isso pelas amea$as e
pelos casti&os e é mesmo constran&ido e deve ser constran&ido a isso" mas este interno n#o é o
interno propriamente humano, é o interno que o homem tem em comum com as bestas, que, eles
também, podem ser constran&idos" o interno humano reside acima deste interno animal" aqui é
entendido o interno humano, que n#o pode ser constran&ido. Se(undamente# . interno re-eita
o constran(imento da parte do e!terno a um tal ponto que se afasta. ?sto vem de que o
interno quer estar no livre, e ama o livre" pois o livre pertence ao amor ou ) vida do homem,
como oi mostrado acima" quando, portanto o livre se sente constran&ido, ele se retira por assim
di9er em si mesmo e se aasta, e considera o constran&imento como seu inimi&o" pois o amor,
que a9 a vida do homem, se irrita, e a9 com que o homem pense que desta maneira ele n#o se
pertence, e que assim n#o vive por ele. Se o interno do homem é tal, é por uma lei da Divina
Providência do Senhor, a im de que o homem aja pelo livre se&undo a ra9#o. PIr isto é evidente
que é peri&oso constran&er os homens ao culto Divino por amea$as e por casti&os. Bas há os
que se dei0am constran&er ) reli&i#o, e há os que n#o se dei0am constran&er" os que se dei0am
constran&er ) reli&i#o s#o, em &rande nGmero, catClico-romanos" mas isso tem lu&ar naqueles
em quem nada há de interno no culto, mas onde tudo é e0terno" os que n#o se dei0am
constran&er s#o, em &rande nGmero, da na$#o in&lesa, donde provém que o interno está em seu
culto, e que o que está no e0terno vem do interno" os interiores destes, quanto ) reli&i#o,
aparecem na lu9 espiritual como nuvens brancas" mas os interiores dos precedentes, quanto )
reli&i#o, aparecem na lu9 do 7éu como nuvens sombrias" no mundo espiritual um e outro
enImeno pode ser visto, e quem o quer pode vê-lo, desde que entra nesse mundo depois da
morte" além disso, o culto constran&ido encarcera os males, que ent#o s#o escondidos como o
o&o na madeira sob as cin9as, o&o que se mantém e se estende continuamente até que rebente
em incêndio" ao contrário, o culto n#o constran&ido, mas espontNneo n#o encarcera os males, é
por isso que os males s#o como o&os que imediatamente se inlamam e se dissipam. Por isto, é
evidente que o interno rejeita o constran&imento a um tal ponto que se aasta. Eue o interno
possa constran&er o e0terno, é porque o interno é como um senhor, e o e0terno é como um
servidor. $er%e!ramen"e# O0 1ra/ere0 e6"erno0 a"raem o !n"erno ao %on0en"!men"o< e
"amb,m ao amor. Rá pra9eres de dois &êneros, os pra9eres do entendimento e os pra9eres da
vontade" os pra9eres do entendimento s#o também os pra9eres da sabedoria, e os pra9eres da
vontade s#o também os pra9eres do amor, pois a sabedoria pertence ao entendimento, e o amor
pertence ) vontade, ora, pois que os pra9eres do corpo e de seus sentidos, que s#o os pra9eres
e0ternos, a9em um com os pra9eres internos que pertencem ao entendimento e ) vontade,
se&ue-se que, do mesmo modo que o interno rejeita o constran&imento por parte do e0terno, a
um tal ponto que se aasta, do mesmo modo também considera com &ratid#o o pra9er no
e0terno, ao ponto de se voltar para ele" assim há consentimento da parte do entendimento, e
amor da parte da vontade. !odas as criancinhas no mundo espiritual s#o introdu9idas pelo
Senhor na sabedoria an&élica, e por ela no amor celeste pelos pra9eres e pelos encantos"
primeiramente, por belos objetos nas casas e por objetos encantadores nos jardins, depois pelos
representativos de espirituais que aetam de volGpia os interiores de sua mente, e por im pelos
veros da sabedoria e do mesmo modo pelos bens do amor" assim, continuamente pelos pra9eres
em sua ordem, primeiramente pelos pra9eres do amor do entendimento e de sua sabedoria, e
por im pelos pra9eres do amor de sua vontade, que se torna o amor de sua vida, sob o qual
s#o mantidas subordinadas todas as outras cousas que entraram pelos pra9eres. ?sto tem lu&ar
porque tudo o que pertence ao entendimento e ) vontade deve ser ormado pelo e0terno antes
de ser ormado pelo interno" pois tudo o que pertence ao entendimento e ) vontade é
primeiramente ormado pelas cousas que entram pelos sentidos do corpo, sobretudo pela vista e
pelo ouvido" mas quando o primeiro entendimento e a primeira vontade oram ormados, o interno
do pensamento encara estas cousas como e0ternos de seu pensamento, e ent#o ou se conjunta
com elas, ou se separa delas" conjunta-se com elas se s#o pra9eres, e separa-se delas se n#o
s#o pra9eres. !odavia, é preciso que se saiba bem que o interno do entendimento n#o se
conjunta com o interno da vontade, mas que o interno da vontade se conjunta com o interno do
entendimento, e a9 com que haja uma conjun$#o recDproca, a qual, entretanto, é ormada pelo
interno da vontade, e de modo al&um pelo interno do entendimento. DaD vem que o homem n#o
pode ser reormado pela é sC, mas que o pode ser pelo amor da vontade, o qual orma para ele
a é. Em =uar"o lugar# HE um !n"erno %on0"rang!do e um !n"erno l!.re. Rá um interno
constran&ido naqueles que est#o sC no culto e0terno, sem que haja qualquer culto interno" pois
seu interno consiste em pensar e querer aquilo a que o e0terno é constran&ido" estes s#o os que
est#o no culto de homens vivos e de homens mortos, e por conse&uinte no culto de Ddolos, e na
é dos mila&res" neles n#o há outro interno sen#o o que é ao mesmo tempo e0terno. Bas
naqueles que est#o no interno do culto, há um interno constran&ido, seja pelo medo, seja pelo
amor" o interno constran&ido pelo medo, está naqueles que est#o no culto pelo medo do
tormento do inerno e de seu o&o" mas este interno n#o é o interno do pensamento, de que se
acaba de alar, é o e0terno do pensamento, que aqui é chamado interno porque pertence ao
pensamento" o interno do pensamento, de que se acaba de alar, n#o pode ser constran&ido por
medo al&um" mas pode ser constran&ido pelo amor e pelo medo de perder o amor" o temor de
Deus, no sentido real, n#o é outra cousa" ser constran&ido pelo amor e pelo medo de perder o
amor é se constran&er a si mesmo" que se constran&er a si mesmo n#o seja nem contra a
liberdade nem contra a racionalidade, é o que se verá em se&uida.
1+1. Por isto, pode-se ver qual é o culto constran&ido, e qual é o culto n#o-constran&ido' / culto
constran&ido é um culto corporal, inanimado, obscuro e triste" corporal, porque pertence ao corpo
e n#o ) mente" inanimado, porque n#o tem em si a vida" obscuro, porque n#o tem em si o
entendimento" e triste, porque n#o tem em si o pra9er do 7éu. Bas o culto n#o-constran&ido,
quando é real, é um culto espiritual, vivo, lGcido e ale&re" espiritual, porque nele há pelo Senhor
o espDrito" vivo, porque nele há pelo Senhor a vida" lGcido, porque nele há pelo Senhor a
sabedoria" e ale&re, porque nele há pelo Senhor o 7éu.
;<=* I). 9in(uém é reformado em um estado de noA racionalidade e de noA liberdade.
Koi mostrado acima que nada é apropriado ao homem, sen#o aquilo que ele mesmo a9 pelo livre
se&undo a ra9#o" e isso porque o livre pertence ) vontade e a ra9#o ao entendimento, e que
quando o homem a&e pelo livre se&undo a ra9#o a&e pela vontade por meio de seu
entendimento, e que o que é eito na conjun$#o de um e de outro lhe é apropriado. /ra, como o
Senhor quer que o homem seja reormado e re&enerado, ai im de que tenha a vida eterna ou a
vida do 7éu, e como nin&uém pode ser reormado e re&enerado se o bem n#o é apropriado )
sua vontade para ser como dele, e se o vero n#o é apropriado a seu entendimento para ser
também como dele, e como cousa al&uma, pode ser apropriada a al&uém sen#o o que é eito
pelo livre da vontade se&undo a ra9#o do entendimento, se&ue-se que nin&uém é reormado nos
estados de n#o-liberdade e de n#o racionalidade. Rá vários estados de n#o-liberdade e de
n#o-racionalidade" mas podem ser relacionados em &eral a estes' Etado de medo( de
infort$nio( de molétia do e!írito LanimusM, de molétia do cor!o( de i&nor>ncia( e de ce&ueira do
entendimento* Aai se di9er al&uma cousa sobre cada um desses estados em particular.
1+-. Eue nin&uém se reorma em Etado de medo( é porque o medo tira o livre e a ra9#o, ou a
liberdade e a racionalidade" com eeito, o amor abre os interiores da mente, mas o medo o
echa" e quando oram echados, o homem pensa poucas cousas, e somente ent#o as que se
oerecem a seu espDrito LanimusM e aos sentidos' tais s#o todos os medos que se apoderam do
animus. Eue haja no homem um interno do pensamento e um e0terno do pensamento, isso oi
mostrado acima" o medo n#o pode jamais se apoderar do interno do pensamento, este interno
está sempre no livre, porque está no amor de sua vida" mas pode se apoderar do e0terno do
pensamento, e quando se apodera dele, o interno do pensamento é echado" e quando oi
echado, o homem n#o pode mais a&ir pelo livre se&undo a ra9#o, nem por conseqFência ser
reormado. / medo, que se apodera do e0terno do pensamento e echa o interno é
principalmente o medo da perda da honra ou do &anho" mas o medo das penas civis e das penas
eclesiásticas e0ternas n#o echam, porque estas leis !ronunciam unicamente penas para
aqueles que alam e a&em contra as cousas civis do reino e as cousas espirituais da ?&reja, mas
n#o para aqueles que pensam contra estas cousas. / medo das penas inernais se apodera, é
verdade, do e0terno do pensamento, mas unicamente por al&uns momentos, al&umas horas, ou
al&uns dias, e este e0terno é em breve reposto em seu livre pelo interno do pensamento, que
pertence propriamente a seu espDrito e ao amor de sua vida, e é chamado pensamento do
cora$#o. Bas o medo da perda da honra e do &anho se apodera do e0terno do pensamento do
homem, e quando se apodera dele echa o interno do pensamento por cima ao inlu0o do 7éu, e
a9 com que o homem n#o possa ser reormado" a ra9#o disso é que o amor da vida de cada
homem é por nascimento o amor de si e do mundo" ora, o amor de si a9 um com o amor da
honra, e o amor do mundo a9 um com o amor do &anho" é por isso que, quando o homem está
na honra ou no &anho, temendo perdê-los, conirma em si os meios que lhe servem para a honra
e para o &anho, e que s#o tanto civis como eclesiásticos, pertencendo uns e outros ao Governo"
é o que a9 i&ualmente aquele que n#o está ainda na honra ou no &anho, se aspira a eles" mas é
pelo medo da perda da reputa$#o que procura honra ou &anho. Di9-se que este medo se
apodera do e0terno do pensamento, e echa o interno por cima ao inlu0o do 7éu" se di9 que este
interno é echado quando a9 absolutamente um com o e0terno, pois ent#o ele n#o está em si,
mas está no e0terno. Bas como os amores de si e do mundo s#o amores inernais, e as ontes
de todos os males, vê-se claramente qual é em si o interno do pensamento naqueles em quem
estes amores s#o os amores da vida, ou em quem reinam estes amores, a saber, que está cheio
das cobi$as dos males de todo &ênero. @ o que n#o sabem os que, pelo medo da perda da
di&nidade e da opulência, est#o em uma orte persuas#o sobre a reli&iosidade em que vivem,
principalmente na reli&iosidade pela qual s#o adorados como deidades, e ao mesmo tempo como
plut%es no inerno" estes podem ser como que abrasados de 9elo pela salva$#o das almas, e
isso, entretanto por um o&o inernal. 7omo este temor tira principalmente a >acionalidade
mesma e a 8iberdade mesma, que s#o celestes por ori&em, é evidente que ela se op%e a que o
homem seja reormado.
1,6. Eue nin&uém seja reormado em um Etado de infort$nio, se ent#o unicamente pensa em
Deus e implora socorro, é porque há estado constran&ido" é por isso que, quando volta ao
estado livre, retoma ao estado precedente em que pensava pouco em Deus, se é que pensava" é
inteiramente dierente naqueles que antes, no estado livre, temiam a Deus. Por temer a, Deus, é
entendido temer oendê-8o" ora, temer oendê-8o é temer pecar" e isso n#o é medo, mas é amor"
aquele que ama al&uém, n#o teme a9er-lhe malH < quanto mais o ama, mais teme isso" sem
este temor o amor é insDpido e supericial, pertencendo ao pensamento sC e de maneira al&uma
) vontade. Pelos estados de inortGnio s#o entendidos os estados de desespero produ9idos
pelos peri&os, por e0emplo, nos combates, nos duelos, nos naurá&ios, nas quedas, nos
incêndios, na perda iminente ou inopinada das rique9as, da un$#o e por conseqFência da honra,
e em outros casos semelhantes" pensar em Deus nestas circunstNncias somente, é pensar nO<le
n#o por Deus, mas por si mesmo" com eeito, a mente está ent#o como que encarcerada no
corpo, assim n#o está em liberdade, e por conse&uinte n#o está tampouco na racionalidade, sem
as quais n#o há reorma.
1,1. Eue nin&uém seja reormado no Etado de molétia do e!írito ?animu@( é porque a
moléstia do espDrito LanimusM tira a racionalidade, e, por conse&uinte o livre de a&ir se&undo a
ra9#o" pois mente está doente e n#o s#, e a mente s# é racional, mas n#o a mente doente. <stas
moléstias s#o as melancolias, as consciências bastardas e alsas, as antasias de diversos
&êneros, as dores do espDrito LanimusM produ9idas pelos inortGnios, as ansiedades e as
an&Gstias da mente que causam um vDcio do corpo, as quais s#o tomadas al&umas ve9es por
tenta$%es, mas n#o o s#o porque as tenta$%es reais têm por objetos os espirituais, e nelas )
mente tem sabedoria, mas estas têm por objetos os naturais, e nelas ) mente é insensata.
1,4. Eue nin&uém seja reormado no Etado de molétia do corpo é porque ent#o a ra9#o n#o
está no estado livre, pois o estado da mente depende do estado do corpo" quando o corpo está
doente a mente também está doente, quando n#o osse sen#o porque está aastada do mundo,
pois a mente aastada do mundo pensa, é verdade, em Deus, mas n#o o é por Deus, pois n#o
está no livre da ra9#o" no homem o livre da ra9#o vem de que ele está no meio entre o 7éu e o
mundo, e de que pode pensar pelo 7éu e pelo mundo, e também pelo 7éu no mundo, e pelo
mundo no 7éu" quando, portanto o homem está doente, e pensa na morte, e no estado de sua
alma depois da morte, ele n#o está no mundo, e está abstraDdo pelo espDrito" neste estado sC
nin&uém pode ser reormado" mas pode ser conirmado, se antes de cair doente tiver sido
reormado. Dá-se o mesmo com aqueles que renunciam ao mundo e a todos os ne&Ccios do
mundo, e n#o se ocupam sen#o em pensar em Deus, no 7éu e na salva$#o" mas sobre este
assunto dir-se-á mais em outro lu&ar. @ por isso que, se estes mesmos homens n#o oram
reormados antes da moléstia, se tomam depois dela, se morrem, tais quais tinham sido antes" é,
portanto iludir-se pensar que al&uns homens podem a9er penitência, ou receber al&uma é nas
moléstias, pois nada há do ato nesta penitência, nem cousa al&uma da caridade nesta é" é por
isso que em uma e outra, tudo pertence ) boca e nada ao cora$#o.
1,+. Eue nin&uém seja reormado no Etado de i&nor>ncia( é porque toda reorma se a9 pelos
veros e pela vida se&undo os veros" aqueles, portanto que n#o conhecem os veros n#o podem
ser reormados" mas se desejam os veros por aei$#o pelos veros, s#o reormados no mundo
espiritual depois da morte.
1,,. Aqueles que est#o no Etado de ce&ueira do entendimento n#o podem tampouco ser
reormados" eles também n#o conhecemos veros, nem a vida se&undo os veros, pois o
entendimento deve ensiná-los, e a vontade deve a9ê-los" e quando a vontade a9 o que o
entendimento ensina, vive-se ent#o se&undo os veros" mas quando o entendimento icou ce&o, a
vontade também ica echada" e n#o se a9, pelo livre se&undo a ra9#o, sen#o o mal conirmado
no entendimento, que é o also. Além da i&norNncia, o que ce&a também o entendimento é a
reli&i#o que ensina uma é ce&a" além disso é a doutrina do also" pois do modo por que os veros
abrem o entendimento, do mesmo modo os alsos o echam" eles o echam por cima, mas o
abrem por bai0o, e o entendimento aberto unicamente por bai0o n#o pode ver os veros, pode
unicamente conirmar tudo o que quiser, principalmente os alsos. / entendimento é ce&ado
também pelas cobi$as do mal" tanto quanto a vontade está nelas, ela compele o entendimento a
conirmá-las, e tanto quando s#o conirmadas as cobi$as do mal, tanto a vontade n#o pode estar
nas aei$%es do bem, nem por elas ver os veros, n#o, por conseqFência ser reormado. Seja por
e0emplo aquele que está na cobi$a do adultério" a sua vontade, que está no pra9er de seu amor,
impele seu entendimento a conirmar o adultério, di9endo' J/ que é o adultérioH Eue mal há
neleH (#o é a mesma cousa que há entre um marido e sua esposaH Do adultério n#o podem
nascer i&ualmente crian$asH A mulher n#o pode sem prejuD9o admitir vários homensH / que tem
o espiritual de comum com issoHJ Assim pensa o entendimento que ent#o é a prostituta da
vontade, e se tomou t#o estGpido por esse comércio ilDcito com a vontade, que n#o pode ver que
o amor conju&al é o amor espiritual-celeste mesmo, que é a ima&em do amor do Senhor e da
?&reja, donde mesmo se deriva, e que assim em si é santo, a castidade mesma, a pure9a mesma
e a inocência mesma" que a9 com que os homens sejam amores na orma, pois os esposos
podem se amar mutuamente pelos Dntimos, e assim se ormar em amor" que o adultério destrCi
esta orma, e com ela a ima&em do Senhor" e que, o que é horrDvel, o adGltero mistura sua vida
com a vida do marido na esposa deste, pois na semente está a vida do homem" e como isso é
proano, o inerno em conseqFência é chamado adultério, e ao contrário o 7éu é chamado
casamento" o amor do adultério comunica mesmo com o inerno mais proundo, e o amor
verdadeiramente conju&al com o 7éu Dntimo" os membros da &era$#o em um e outro se0o
correspondem também )s sociedades do 7éu Dntimo. <stes detalhes oram reeridos, a im de
que se saiba quanto o entendimento se torna ce&o quando a vontade está na cobi$a do mal" e
que no estado de ce&ueira do entendimento nin&uém pode ser reormado.
1,2. ). 2onstran(erA se a si mesmo no é contra a racionalidade, nem contra a liberdade.
;á oi mostrado que há no homem, um interno do pensamento e um e0terno do pensamento" que
eles s#o distintos como o anterior e o posterior, ou como o superior e o inerior" e que, como s#o
assim distintos, podem a&ir separadamente e a&ir conjuntamente" a&em separadamente quando
o homem, pelo e0terno de seu pensamento, ala e a9 dierentemente do que pensa e quer
interiormente" e a&em conjuntamente quando ele ala e a9 o que pensa e quer interiormente"
esta conduta é comum nos sinceros, e a outra nos n#o-sinceros. /ra, pois que o interno e o
e0terno da mente s#o assim distintos, o interno pode também combater contra o e0terno, e por
este combate or$á-lo ao consentimento" o combate tem lu&ar quando o homem pensa que os
males s#o pecados, e que em conseqFência quer renGncia a eles" pois quando há renGncia )
porta se abre, e desde que a porta é aberta as cobi$as do mal que obsedavam o interno do
pensamento s#o e0pulsas pelo Senhor e em seu lu&ar s#o implantadas as aei$%es do bem" isto
tem lu&ar no interno do pensamento" mas como os pra9eres das cobi$as do mal que obsedam o
e0terno do pensamento, n#o podem ser e0pulsas ao mesmo tempo, eis por que há combate entre
o interno e o e0terno do pensamento" o interno quer e0pulsar estes pra9eres, porque s#o os
pra9eres do mal, e n#o concordam com as aei$%es do bem nas quais está ent#o o interno, e em
lu&ar dos pra9eres do mal ele quer pIr os pra9eres do bem que concordam" s#o os pra9eres do
bem que s#o chamados bens da caridade. Por esta contrariedade come$a o combate que, se se
toma mais &rave, é c0amado tentação. /ra, como o homem é homem pelo interno de seu
pensamento, pois este interno é o espDrito mesmo do homem, vê-se que o homem se constran&e
a si mesmo, quando ele constran&e o e0terno de seu pensamento ao consentimento, ou a
receber os pra9eres de suas aei$%es, que s#o os bens da caridade. Eue isto n#o seja nem
contra a racionalidade nem contra a liberdade, mas que seja conorme elas, vê-se claramente,
pois a racionalidade a9 este combate, e a liberdade o e0ecuta" a liberdade mesma, com a
racionalidade, reside mesmo no homem interno, e por ele no e0terno. Euando, portanto o interno
é vencedor, o que acontece quando o interno redu9iu o e0terno ao consentimento e )
obediência. a 8iberdade mesma e a >acionalidade mesma s#o dadas ao homem pelo Senhor"
pois ent#o pelo Senhor o homem é retirado do livre inernal, que em si é o servil, e é posto no
livre celeste, que em si é o livre mesmo, e há por ele consorcia$#o com os anjos. Eue os que
est#o nos pecados sejam escravos, e que o Senhor torna livres aqueles que, pela Palavra,
recebem dO<le a verdade, é o que <le mesmo ensina em ;o#o :*, +1 a +5.
1,5. Seja um e0emplo para ilustra$#o' 3m homem tinha percebido o pra9er nas raudes e nos
roubos clandestinos, mas vê e reconhece interiormente que s#o pecados, e em conseqFência
quer renunciar a isso" quando renuncia a isso, o combate do homem interno contra o homem
e0terno come$a" o homem interno está na aei$#o da sinceridade, mas o homem e0terno está
ainda no pra9er da raude" este pra9er sendo absolutamente oposto ao pra9er da sinceridade
n#o se retira, a n#o ser que seja constran&ido, e ele n#o pode ser constran&ido sen#o por um
combate" e ent#o quando o homem interno é vencedor, o homem e0terno entra no pra9er do
amor do sincero, que é a caridade" mais tarde, o pra9er da raude se torna pouco a pouco um
despra9er para ele. Dá-se o mesmo com todos os outros pecados, tais como os adultérios, e as
escorta$%es, as vin&an$as e os Cdios, as blasêmias e as mentiras. Bas o combate mais diDcil de
todos é o combate contra o amor de dominar pelo amor de si" aquele que subju&a este amor
subju&a acilmente todos os outros amores maus, porque este amor é a cabe$a deles.
1,1. Dir-se-á também, em poucas palavras, como o Senhor e0pulsa as cobi$as do mal que
assediam o homem interno desde o nascimento, e p%e em seu lu&ar as aei$%es do bem, quando
o homem aasta como por si mesmo os males como pecados" já oi mostrado que há no homem
uma mente natural, uma mente espiritual, e uma mente celeste" que o homem está sC na mente
natural, enquanto está nas cobi$as do mal e em seus pra9eres, e que durante todo esse tempo a
mente espiritual está echada" mas lo&o que o homem, apCs e0ame, reconhece os males como
pecados contra Deus, porque s#o contra as leis Divinas, e quer por conseqFência renunciar a
eles, o Senhor abre a mente espiritual, e entra na mente natural pelas aei$%es do vero e do
bem, e também no racional, e por este racional disp%e em ordem as cousas que mais em bai0o
no natural est#o contra a ordem" é isto que aparece ao homem como um combate" e, aos que
muito se entre&aram aos pra9eres do mal, como uma tenta$#o" pois há dor no espDrito LanimusM,
quando a ordem de seus pensamentos é mudada. /ra, pois que há combate contra as cousas
que est#o no homem mesmo e que o homem sente como suas, e como nin&uém pode combater
contra si mesmo sen#o pelo que é interior a si e pelo livre que está lá, se&ue-se que o homem
interno combate ent#o contra o homem e0terno, e pelo livre, e constran&e o e0terno )
obediência" é isto, portanto constran&er-se a si mesmo" que isso n#o seja nem contra a liberdade
nem contra a racionalidade, mas que seja conormemente a estas duas aculdades, isso é
evidente.
1,:. Além disso, todo homem quer ser livre, e aastar de si o n#o-livre ou o servil" toda crian$a
que está sob um preceptor quer ser independente Lsui jurisM e por conseqFência livre" i&ualmente
todo servidor sob seu patr#o, e toda servente sob sua patroa" toda jovem quer sair da casa de
seu pai e se casar, a im de a&ir livremente em sua prCpria casa" todo rapa9 quer trabalhar,
comerciar, ou e0ercer al&um empre&o, enquanto está subordinado a outros, quer se subtrair )
sua autoridade, a im de condu9ir-se ) sua vontade" todos os que se servem de seu prCprio
movimento para che&ar ) liberdade se constran&em a si mesmos pelo livre se&undo a ra9#o,
mas pelo livre interior, pelo qual o livre e0terior é considerado como o servil. ?sto oi reerido para
conirmar que constran&er-se a si mesmo, n#o é nem contra a racionalidade nem contra a
liberdade.
1,-. Se o homem n#o deseja i&ualmente passar da servid#o espiritual para a liberdade
espiritual, a primeira ra9#o é que ele n#o sabe o que é o servil espiritual, nem o que é o livre
espiritual" n#o tem os veros que o instruam a respeito, e sem os veros crê-se que o servil
espiritual é o livre, e que o livre espiritual é o servil. 3ma se&unda ra9#o, é que a reli&i#o do
Bundo 7rist#o echou o entendimento, e que a é sC o selou, pois uma e outra pIs em torno de
si, como um muro de erro, este do&ma que as cousas teolC&icas s#o transcendentes, que por
conseqFência n#o podem ser apreciadas por nenhuma racionalidade, e que s#o para os ce&os e
n#o para os que vêem" por isto oram escondidos os veros que ensinariam o que é a liberdade
espiritual. 3ma terceira ra9#o, é que poucos homens se e0aminam e vêem seus pecados, e
aquele que n#o os vê e n#o renuncia a eles, está no livre de seus pecados, que é o livre inernal,
em si o servil" e por este livre ver o livre celeste, que é o livre mesmo, é como em um nevoeiro
ver o dia, e sob uma nuvem ne&ra o que pelo sol está acima. DaD vem que se i&nora o que é o
livre celeste, e que a dieren$a entre este livre e o livre inernal é como a dieren$a entre o que é
vivo e o que é morto.
126. )I. 0 homem &!terno deve ser reformado pelo homem Interno, e no .!%eG.er0a.
Pelo homem interno e pelo homem e0terno é entendida a mesma cousa que pelo interno e o
e0terno do pensamento, de que já se alou muitas ve9es. Se o e0terno é reormado pelo interno,
é porque o interno inlui no e0terno e n#o vice-versa. Eue haja um inlu0o do espiritual no natural,
e n#o vice-versa, isso é sabido no mundo erudito" e que o homem interno deve ser puriicado
primeiro e inovado, e por ele o homem e0terno, isso é sabido na ?&reja" se isto é sabido, é porque
o Senhor e a ra9#o o ditam" o Senhor o ensinou por estas palavras' JAi de vCs, hipCcritasX
Porque limpais o e0terior do copo e do prato, mas por dentro est#o cheios de rapina e de
intemperan$a. Kariseu ce&o, limpa primeiramente o interior do copo e do prato, a im de que o
e0terior se torne limpoJ, LBat. 4+*, 42, 45M, que a ra9#o o dita isso oi mostrado em muitos lu&ares
no Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria* 7om eeito, o que o Senhor ensina, ele dá
também ao homem percebê-lo pela ra9#o" e isso, de duas maneiras" uma, em que ele vê em si
que a cousa é assim lo&o que a ouve" a outra, em que compreende isso por meio de ra9%es. Aer
em si, é em seu homem interno" e compreender por meio de ra9%es, é no homem e0terno" quem
é que n#o vê em si, ao ouvir, que o homem interno deve ser puriicado primeiro, e por ele o
homem e0ternoH Bas aquele que n#o recebe pelo inlu0o do 7éu uma idéia comum sobre este
assunto pode ser iludido, quando consulta o e0terno de seu pensamento" por este e0terno sC,
n#o se vê outra cousa, sen#o que as obras e0ternas, que pertencem ) caridade e ) piedade,
salvam sem os internos" acontece o mesmo com as outras cousas" por e0emplo, que a vista e o
ouvido inluem no pensamento, o odor e o &osto na percep$#o, assim o e0terno no interno,
quando, entretanto é o contrário" se as cousas vistas e ouvidas parecem inluir no pensamento, é
uma ilus#o" pois o entendimento vê no olho e ouve no ouvido, e n#o vice-versa" acontece o
mesmo com o resto.
121. Bas aqui se dirá, em al&umas palavras, como o homem interno é reormado, e por ele o
homem e0terno' / homem n#o é reormado por saber, compreender e ser sábio somente, nem
por conseqFência por pensar somente" mas o é por querer o que a ciência, a inteli&ência e a
sabedoria ensinam" quando o homem sabe, compreende e tem por sabedoria que há um 7éu e
um inerno, que todo mal vem do inerno, e que todo bem vem do 7éu, se ent#o n#o quer o mal
porque vem do inerno, e quer o bem porque vem do 7éu, está no primeiro &rau da reorma, e na
salda do inerno para o 7éu" quando o homem avan$a mais, e quer renunciar aos males, está no
se&undo &rau da reorma, e ent#o ora do inerno, mas n#o ainda no 7éu, ele o vê acima dele"
estará lá o inerno, a im de que o homem seja reormado" mas se um é outro, tanto o e0terno
como o interno, n#o é reormado, o homem n#o oi reormado" o e0terno é reormado pelo
interno, quando o e0terno renuncia aos males que o interno n#o quer porque s#o ?nernais, e
mais ainda, em ra9#o disso, o&e deles e combate contra eles" assim, o interno é o querer, e o
e0terno é o a9er, pois a n#o ser que al&uém a$a o que quer, há dentro o que ele n#o quer, e
isso por im se toma o n#o querer. Por estas poucas e0plica$%es pode-se ver como o homem
e0terno é re&enerado pelo homem interno" é isto também o que é entendido por estas palavras
do Senhor a Pedro' J;esus disse' Se n#o te lavo, tu n#o tens parte comi&o. Pedro lhe disse'
Senhor, n#o, meus pés somente, mas também as m#os e a cabe$a. ;esus lhe disse' Aquele que
oi lavado n#o tem necessidade sen#o de ser lavado quanto aos pés, e está inteiramente limpoJ,
L;o#o 1+*, :, -, 16M. Pela ablu$#o, é entendida a ablu$#o espiritual, que é a puriica$#o dos
males" por lavar a cabe$a e as m#os é entendido puriicar o homem interno, e por lavar os pés é
entendido puriicar o homem e0terno" que o homem e0terno deva ser puriicado depois que o
homem interno oi puriicado, isso é entendido por aquele que oi lavado n#o tem necessidade
sen#o de ser lavado quanto aos pésJ" que toda puriica$#o dos males seja eita pelo Senhor, ?sso
é entendido por Jse n#o te lavo, n#o tens parte comi&oJ. Eue entre os ;udeus a ablu$#o tenha
representado a puriica$#o dos males, e que esta oi representada na Palavra pela ablu$#o, e
que a puriica$#o do homem natural ou e0terno seja si&niicada pela ablu$#o dos pés, é o que oi
mostrado em muitos lu&ares nos Arcanos 7elestes.
124. Pois que há no homem um interno e um e0terno, e que um e outro deve ser reormado para
que o homem seja reormado, e pois que nin&uém pode ser reormado, a n#o ser que se
e0amine, veja e reconhe$a seus males, e que em se&uida renuncie a eles, se&ue-se que S
preciso e0aminar n#o somente o e0terno, mas também o interno" se o e0terno sC é e0aminado, o
homem n#o vê outra cousa sen#o o que cometeu ou n#o eetivamente, por e0emplo, que n#o
matou, que n#o cometeu adultério, que n#o roubou, nem prestou also testemunho, e assim por
diante" assim e0amina os males de seu corpo e n#o os males de seu espDrito, e entretanto as
males do espDrito devem ser e0aminados, para que se possa ser reormado, pois o homem vive
espDrito depois da morte, e todos os males que est#o nêle permanecem" ora, o espDrito n#o pode
ser e0aminado sen#o quando o homem presta aten$#o a seus pensamentos, e principalmente a
suas ?nten$%es, pois as inten$%es s#o os pensamentos se&undo a vontade" ai os males est#o em
sua ori&em e em sua rai9, isto é, em suas cobi$as e em seus pra9eres se n#o s#o vistos e n#o
s#o reconhecidos, o homem está sempre nos males, ainda mesmo que nos e0ternos n#o os
cometa" que pensar se&undo a inten$#o, seja querer e a9er, ?sso é evidente por estas palavras
do Senhor' JEuem quer que encare uma mulher para a cobi$ar já cometeu adultério com ela em
seu cora$#oJ, LBat. 2*, 4:M. @ por um tal e0ame do homem interno, que o homem e0terno é
essencialmente e0aminado.
12+. Kiquei muitas ve9es admirado d e que, embora todo o mundo crist#o conhe$a que é preciso
u&ir dos males como pecados, e que de outro modo eles n#o s#o remidos, e que se os pecados
n#o s#o remidos, n#o há salva$#o al&uma, entretanto há apenas um sC entre mil que o saiba"
inormaram-se sobre isso no mundo espiritual, e isso oi reconhecido como e0ato" com eeito,
cada um no Bundo crist#o o conhece pelas preces pronunciadas diante dos que se apro0imam
da Santa 7eia, pois isso aD é dito abertamente" e entretanto quando se lhes per&unta se o
sabem, respondem que n#o, o sabem, e que n#o o souberam" isto provém de que n#o pensaram
nisso, e que a maior parte n#o pensou sen#o na é, e na salva$#o por ela sC. Kiquei também
admirado de que a é sC tenha de tal modo echado os olhos, que os que se conirmaram nela,
quando lêem a Palavra nada vêem do que aD se di9 do Amor, da 7aridade e das /bras" é como
se tivessem com a é posto um ?ndumento sobre todas as cousas da Palavra, do mesmo modo
que aquele que p%e uma camada de vermelh#o sobre uma escritura" depois disso cousa al&uma
do que está em bai0o se maniesta, e se al&uma cousa se maniesta, isso é absorvido pela é, e
se di9 ser a é.
É (&A 9EI DA DIVINA PROVIDÊNCIA 7(E 0 HO&E& SE:A COND(8IDO E ENSINADO DO
CÉ( PE9O SENHOR< POR &EIO DA PA9AVRA< DA DO($RINA E DAS PREGAHIES
SEG(NDO A PA9AVRA< E ISSO E& $ODA A APARÊNCIA CO&O POR E9E &ES&O.
12,. @ se&undo a aparência que o homem é condu9ido e ensinado por ele mesmo, mas a
verdade é que o homem é condu9ido e ensinado pelo Senhor sC" os que conirmam em si )
aparência, e n#o ao mesmo tempo a verdade, n#o podem aastar deles os males como pecados"
mas os que conirmam em si a aparência e ao mesmo tempo a verdade o podem, pois os males
como pecados s#o aastados se&undo a aparência pelo homem, e se&undo a verdade pelo
Senhor" estes podem ser reormados, mas aqueles m#os o podem. /s que conirmam em si )
aparência e n#o ao mesmo tempo a verdade s#o todos idClatras interiores, pois s#o adoradores
de si mesmos e do mundo" se n#o têm reli&i#o, se tornam adoradores da nature9a e assim ateus"
mas se têm reli&i#o, se contornar adoradores de homens e ao mesmo tempo de simulacros. S#o
estes que s#o entendidos no primeiro preceito do Decálo&o, isto é, que adoram outros deuses"
mas os que conirmam em si ) aparência, e ao mesmo tempo a verdade, tornam-se adoradores
do Senhor, pois o Senhor os eleva para ora de seu prCprio, que está, na aparência, e os condu9
para a lu9, em que está a verdade, e que é a verdade" e lhes concede perceber interiormente
que s#o condu9idos e ensinados n#o por eles mesmos, mas pelo Senhor. / racional de uns e de
outros pode parecer a muitos como semelhantes, mas s#o bem dierentes" o racional dos que
est#o na aparência e ao mesmo tempo na verdade é um racional espiritual" mas o racional dos
que est#o na aparência e n#o ao mesmo tempo na verdade é um racional natural" este racional
pode ser comparado a um jardim tal qual é na lu9 do inverno, mas o racional espiritual pode ser
comparado a um jardim tal qual é na lu9 da, primavera. Além disso, vários detalhes v#o ser
dados sobre este assunto, na ordem se&uinte' I. / homem é condu9ido e ensinado pelo Senhor
sC. II. / homem é condu9ido e ensinado pelo Senhor sC, por meio do 7éu an&élico e deste 7éu.
III. / homem é condu9ido pelo Senhor por meio do inlu0o, e ensinado por meio da ilustra$#o. IV.
/ homem é ensinado pelo Senhor por meio da Palavra, da doutrina e das pre&a$%es se&undo a
Palavra, e assim imediatamente pelo Senhor sC. V. / homem é condu9ido e ensinado pelo
Senhor nos e0ternos em toda aparência como por ele mesmo.
122. I A 0 homem é condu"ido e ensinado pelo Senhor s6.
?sso decorre como conseqFência universal, de tudo que oi mostrado no !ratado do Divino Amor
e da Divina Sabedoria( tanto sobre o Divino Amor do Senhor e sobre Sua Divina Sabedoria na
Primeira Parte, como sobre o Sol do Bundo espiritual e o Sol do Bundo natural na Se&unda
Parte" além disso, também sobre os Graus na !erceira Parte, sobre a 7ria$#o do 3niverso na
Euarta Parte, e sobre a 7ria$#o do homem na Euinta Parte.
125. Se o homem é condu9ido e ensinado pelo Senhor sC, é porque ele vive pelo Senhor sC, pois
a vontade de sua vida é condu9ida, e o entendimento de sua vida é ensinado" mas isso é contra
a aparência, pois parece ao homem que vive por si mesmo, e, entretanto a verdade é que vive
pelo Senhor e n#o por ele mesmo" ora, como o homem, enquanto está no mundo, n#o pode ter a
percep$#o da sensa$#o de que vive pelo Senhor sC, pois que a aparência de que vive por ele
mesmo n#o lhe é tirada, pois sem ela o homem n#o é homem, isso, portanto deve ser provado
por meio de ra9%es, que em se&uida ser#o conirmadas pela e0periência.
121. Eue o homem vive pelo Senhor SC e n#o por ele mesmo, isso será provado por estas
ra9%es' Eue há uma Gnica essência, uma Gnica substNncia e uma Gnica orma, de que provêm
todas as essências, todas as substNncias e todas as ormas que oram criadas" que esta Gnica
essência, substNncia e orma, é o Divino Amor e a Divina Sabedoria, de que provêm todas as
cousas que, no homem, se reerem ao amor e ) sabedoria" que é também o =em mesmo e o
Aero mesmo, aos quais todas as cousas se reerem" e que é isso a vida, da qual vem a vida de
todas as cousas e todas as cousas da vida" além disso também, que o Gnico e o <u Besmo é
/nipresente, /nisciente e /nipotente" e que êste Gnico e este <u Besmo, é o Senhor de toda
eternidade ou ;eová. Pr!me!ramen"e# HE uma Cn!%a e00@n%!a< uma Cn!%a 0ub0"Jn%!a e uma
Cn!%a >orma< de =ue 1ro.@m "oda0 a0 e00@n%!a0< "oda0 a0 0ub0"Jn%!a0 e "oda0 a0 >orma0
=ue >oram %r!ada0. (o Tratado do Divino Amor e a Divina Sabedoria( n* ,, a ,5, e na Se&unda
Parte da mesma obra, oi mostrado, que o Sol do 7éu an&élico, que provém do Senhor, e no qual
está o Senhor, é esta Gnica substNncia e orma, pela qual s#o todas as cousas que oram
criadas, e que n#o há e n#o pode haver cousa al&uma que n#o seja por este Sol" que todas as
cousas provêm dele por deriva$%es se&undo os &raus, isto oi demonstrado na !erceira Parte.
Euem é que, pela ra9#o, n#o percebe e n#o reconhece que há uma Gnica essência de que
provém toda essência, ou um Gnico Ser de que provém todo serH < o que é o ser de que provém
todo ser, sen#o o Ser mesmoH < o que é o Ser mesmo é também o Gnico Ser e o Ser em Si. Pois
que assim é, e que cada um o percebe e o reconhece pela ra9#o, e, aliás, pode percebê-lo e
reconhecê-lo, resulta daD outra cousa que n#o seja que o Ser que é o Divino mesmo, isto é,
;eová é o tudo de todas as cousas que s#o e e0istemH @ o mesmo se se di9 que há uma Gnica
substNncia de que provêm todas as cousas" e como uma substNncia sem uma orma nada é,
se&ue-se também que há uma Gnica orma de que provêm todas as cousas. Eue o Sol do 7éu
an&élico seja esta Gnica substNncia e esta Gnica orma" além disso, também como esta essência,
esta substNncia e esta orma s#o variadas nas cousas criadas, é o que oi demonstrado no
!ratado acima mencionado. Segundamen"e# E0"a Cn!%a e00@n%!a< 0ub0"Jn%!a e >orma , o
D!.!no Amor e a D!.!na Sabedor!a< de =ue 1ro.@m "oda0 a0 %ou0a0 =ue no +omem 0e
re>erem ao amor e a 0abedor!a. ?sto oi também mostrado completamente no Tratado obre o
Divino Amor e a Divina Sabedoria* !odas as cousas, que no homem parecem viver, se reerem )
vontade e ao entendimento nele, e cada um pela ra9#o percebe e reconhece que estes dois
a9em a vida do homem" e a vida, que outra cousa é ela sen#o quero isto ou compreendo isto, ou
antes, amo isto e penso istoH <, pois que o homem quer o que ama, e pensa o que compreende,
todas as cousas da vontade se reerem, portanto ao amor, e todas as do entendimento )
sabedoria" e como estes dois n#o podem e0istir em al&uém por si mesmo, e n#o podem e0istir
sen#o por Aquele que é o Amor mesmo e a Sabedoria mesma, se&ue-se que ?sto vem do Senhor
de toda a eternidade ou de ;eová" se isso n#o viesse dO<le, o homem seria o amor mesmo e a
sabedoria mesma, por conseqFência Deus de toda a eternidade, o que a ra9#o humana mesma
rejeita com horror. Pode al&uma cousa e0istir, a n#o ser por um anterior a siH < este anterior,
pode ele e0istir a n#o ser ainda por anterior a si" e assim por diante até ao primeiro, que é em siH
$er%e!ramen"e# Igualmen"e< ele , o Bem me0mo e o Vero me0mo< ao0 =ua!0 "oda0 a0
%ou0a0 0e re>erem. @ recebido e reconhecido por todo homem que tem a ra9#o, que Deus é o
=em mesmo e o Aero mesmo, e que todo bem e todo vero vêm dO<le que por conseqFência
também todo bem e todo vero n#o podem vir de outra parte que n#o seja o =em mesmo e o Aero
mesmo" estas proposi$%es s#o reconhecidas por todo homem ra9oável lo&o que s#o enunciadas"
quando em se&uida se di9 que o todo da vontade e do entendimento, ou o todo do amor e da
sabedoria, ou o, todo da aei$#o e do pensamento, no homem que é condu9ido pelo Senhor, se
reere ao bem e ao vero, se&ue-se que tudo que êste homem quer e compreende, ou que ele
ama e &osta, ou de que é, aetado e que pensa, vem do Senhor" vem daD que, na ?&reja, cada um
sabe que todo bem e todo vero do homem n#o é em si nem o bem nem o vero" mas que aquilo sC
que vem do Senhor é o bem e o vero. 7omo estas cousas s#o a verdade, se&ue-se que tudo que
um tal homem quer e pensa vem do Senhor. Eue todo homem, mau n#o possa tampouco querer
e pensar por uma outra ori&em, ver-se-á em se&uida. Em =uar"o lugar# É !0"o a .!da da =ual
.@m K .!da de "oda0 a0 %ou0a0 e "oda0 a0 %ou0a0 da .!da. ?sto oi mostrado em vários lu&ares
no Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria* A ra9#o humana, desde que o ouve di9er,
recebe também e reconhece que toda a vida do homem pertence ) vontade e ao entendimento,
pois se a vontade e o entendimento s#o tirados o homem n#o vive" ou, o que é a mesma cousa,
que toda vida do homem pertence a seu amor e a seu pensamento, pois se o amor, e o
pensamento s#o tirados, ele n#o vive" ora, pois que o todo da vontade e do entendimento, ou o
todo do amor e do pensamento no homem vêm do Senhor, como oi dito acima, se&ue-se que o
todo da vida vem do Senhor. &m quinto lu(ar# . Bnico e o &u =esmo é .nipresente,
.nisciente e .nipotente. ?sto também, cada, crist#o por sua doutrina, e cada &entio por sua
reli&i#o o reconhece" por isso também cada um, em qualquer lu&ar que esteja, pensa que Deus
está onde ele mesmo se encontra, e ora a Deus como presente" e, pois que cada um pensa
assim e ora assim, se&ue-se que n#o se pode pensar de outro modo, sen#o que Deus está em
toda parte, assim é /nipresente, que i&ualmente é /nisciente e /nipotente" é por isso que todo
homem que ora a Deus, suplica-8he de todo cora$#o que o condu9a, porque <le o pode" assim
cada um reconhece ent#o a Divina /nipresen$a, a Divina, /nisciência e a Divina /nipotência"
reconhece porque ent#o volta ) ace para o Senhor e porque ent#o esta verdade inlui do
Senhor. Em 0e6"o lugar. E0"e Cn!%o e e0"e Eu &e0mo , o Sen+or de "oda e"ern!dade ou
:eo.E. (a Doutrina da )ova %erualém obre o Sen0or( oi mostrado que Deus é um em
essência e em pessoa" que este Deus é o Senhor" que o Divino Besmo que é chamado ;eová
Pai, é o Senhor de toda eternidade" que o Divino Rumano, é o Kilho concebido de seu Divino de
toda eternidade, e nascido no Bundo" e que o Divino Procedente é o <spDrito Santo. Di9-se o <u
Besmo e o Gnico, porque precedentemente se disse que o Senhor de toda eternidade, ou ;eová,
é a Aida mesma, porque e o Amor Besmo e a Sabedoria Besma, ou o =em Besmo e o Aero
Besmo, pelos quais todas as cousas s#o. Eue o Senhor tenha criado de Si Besmo todas as
cousas, e n#o do nada, vê-se no Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria( n* 4:4 a 4:,,
+,- a +21. Pelas considera$%es acima, esta verdade, que o homem é condu9ido e ensinado pelo
Senhor sC, oi conirmada por meio de ra9%es.
12:. <sta mesma Aerdade é conirmada nos anjos n#o somente por meio de ra9%es, mas
também por vivas percep$%es, sobretudo nos anjos do !erceiro 7éu" estes percebem o inlu0o do
Divino Amor e da Divina Sabedoria procedente do Senhor" e como o percebem, e por sua
sabedoria conhecem que o amor e a sabedoria s#o a vida, di9em em conseqFência que vivem
pelo Senhor e n#o por eles mesmos" e n#o somente di9em isso, mas ainda amam e querem que
isso seja assim" e entretanto est#o sempre em toda a, aparência como se vivessem por si
mesmos, e mesmo em uma aparência mais orte que a dos outros anjos" pois, como oi
demonstrado acima, n* ,4 a ,2, =uan"o algu,m e0"E de ma!0 1er"o %on-un"o ao< Sen+or< ma!0
l+e 1are%e d!0"!n"amen"e =ue 0e 1er"en%e< e ma!0 no"a %laramen"e =ue 1er"en%e ao Sen+or.
Koi-me dado estar também desde vários anos em uma semelhante percep$#o, e ao mesmo
tempo em uma semelhante aparência, pelas quais iquei inteiramente convencido de que n#o
quero e n#o penso cousa al&uma por mim mesmo" e me oi dado também querer e amar isso.
<sta mesma cousa pode ser conirmada por vários outros e0emplos do mundo espiritual, mas
estes dois bastam pelo momento.
12-. Eue o Senhor sC tenha a vida, isto é evidente por estas passa&ens da Palavra' J<u sou a
ressurrei$#o e a vida" aquele que crê em Bim, ainda que morra, viveráJ L;o#o 11*, 42M. J<u sou o
caminho, a verdade e a vidaJ L;o#o 1,*, 5M. JDeus ela em, a Palavra" nO<la vida havia, e a vida
era a lu9 dos homensJ L;o#o 1*, 1, ,M. A Palavra nesta passa&em é o Senhor. J7omo o Pai tem a
vida em Si Besmo, assim <le deu ao Kilho ter a vida em Si BesmoJ L;o#o 2*, 45M. Eue o homem
seja condu9ido e ensinado pelo Senhor sC, isso é evidente por estas passa&ens' JSem Bim vCs
nada podeis a9erJ L;o#o 12*, 2M. J3m homem nada pode tomar, a n#o ser que lhe tenha sido
dado do 7éuJ L;o#o +*, 41M. J3m homem n#o pode a9er branco ou preto um Gnico cabeloJ LBat.
2*, +5M" pelos cabelos, na Palavra, é si&niicada a menor de todas as cousas. Eue a vida dos
maus seja também da mesma ori&em, é o que será demonstrado no que se&ue, em seu Arti&o"
aqui, isto será somente ilustrado por compara$%es' Do sol do mundo inlui o calor e a lu9, e eles
inluem nas árvores que d#o maus rutos, do mesmo modo que nas árvores que d#o bons rutos,
e todas estas árvores ve&etam e crescem da mesma maneira" as ormas em que o calor inlui
a9em esta diversidade, e n#o é o calor em si mesmo. Dá-se o mesmo com a lu9, ela é
diversiicada em cores se&undo as ormas em que inlui, há cores belas e ale&res, e há cores
eias e tristes, e, entretanto a lu9 é a mesma. Dá-se o mesmo com o inlu0o do calor espiritual,
que em si mesmo é o Amor, e com a lu9 espiritual, que em si mesma é a Sabedoria, procedendo
uma e outra do Sol do mundo espiritual" as ormas em que inluem a9em a diversidade, e n#o
s#o, em si mesmos, nem o calor que é amor, nem esta lu9 que é sabedoria" as ormas em que
inluem s#o as mentes humanas. Por isto é a&ora evidente que o homem é condu9ido e ensinado
pelo Senhor sC.
151. Euanto ) vida dos animais, oi mostrado acima o que é, a saber, que é uma vida de aei$#o
puramente natural com sua ciência por companheira" e que é uma vida mediata correspondendo
) vida dos que est#o no mundo espiritual.
154. II. . homem é condu"ido e ensinado pelo Senhor s6 por meio do 2éu an(élico e
deste 2éu.
Di9-se que o homem é condu9ido pelo Senhor por meio do 7éu an&élico e deste 7éu" por meio
do 7éu an&élico, é se&undo a aparência" mas deste 7éu é se&undo a verdade" se por meio do
7éu an&élico é uma aparência, é porque o Senhor aparece como Sol acima desse 7éu" se deste
7éu é a verdade, é porque o Senhor está nesse 7éu como a alma no homem" pois o Senhor é
/nipresente, e n#o está no espa$o, assim como acaba de ser mostrado" é por isso que a
distNncia é uma aparência se&undo a conjun$#o com <le, e a conjun$#o é se&undo a recep$#o
do amor e da sabedoria que procedem dO<le" e como nin&uém pode ser conjunto ao Senhor da
mesma maneira que <le Besmo é em Si, é por isso que <le aparece aos anjos a distNncia como
Sol" mas n#o obstante <le está em todo o 7éu an&élico como a alma no homem, e i&ualmente
em cada sociedade do 7éu, e i&ualmente em cada anjo de uma sociedade, pois a alma do
homem é n#o somente a alma de todo, mas também a alma de cada parte. Bas como é se&undo
a aparência que o Sen0or &overna todo o 7éu, e por meio do 7éu o Bundo, pelo Sol que
procede dO<le e no qual <le está, ver sobre este Sol o Tratado do Divino Amor e da Divina
Sabedoria( Se&unda Parte, e como é permitido a cada homem alar se&undo a aparência, e como
n#o se pode alar de outro modo, é por isso que é também permitido a quem quer que n#o está
na sabedoria mesma pensar que o Senhor &overna todas as cousas em &eral e em particular por
Seu Sol, e também que &overna o Bundo por meio do 7éu an&élico" é mesmo se&undo uma tal
aparência que pensam os anjos dos 7éus ineriores" mas os anjos dos 7éus superiores alam, é
verdade, se&undo a aparência, mas pensam se&undo a verdade, que é que do 7éu an&élico,
que procede dO<le, o Senhor &overna o 3niverso. Eue os simples e os sábios alem da mesma
maneira, mas n#o pensem da mesma maneira, isto pode ser ilustrado pelo Sol do Bundo' !odos
alam deste Sol se&undo a aparência, di9endo que se levanta e que se deita" mas ainda que os
sábios alem da mesma maneira, pensam entretanto que ele permanece imCvel" isto é também a
verdade, e aquilo é a aparência. A cousa pode ainda ser ilustrada pelas aparências no Bundo
espiritual, pois aD aparecem espa$os e distNncias como no Bundo natural, mas, entretanto s#o
aparências se&undo a diversidade das aei$%es e dos pensamentos provenientes das aei$%es.
Dá-se o mesmo com a aparência do Senhor em Seu Sol.
15+. /ra, dir-se-á em poucas palavras como do 7éu an&élico o Senhor condu9 e ensina a cada
homem. (o !ratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria( e, acima, neste !ratado obre a
Divina Provid7ncia( além disso, também na /bra obre o Céu e a Inferno( publicada em 8ondres
em 112:, i9 conhecer, pelo que vi e ouvi, que o 7éu an&élico inteiro aparece diante do Senhor
como um Gnico Romem, e que dá-se o mesmo com cada sociedade do 7éu, e que vem dai que
cada anjo e cada espDrito é homem em uma orma pereita" e nestes mesmos !ratados também
oi mostrado que o 7éu é 7éu, n#o pelo prCprio dos anjos, mas pela recep$#o do Divino Amor e
da Divina Sabedoria do Senhor pelos anjos" por ai pode-se ver que o Senhor &overna o 7éu
an&élico inteira como um sC Romem" que este 7éu, porque em si mesmo é Romem, é a ima&em
mesma e a semelhan$a mesma do Senhor" que o Senhor Besmo &overna o 7éu como a alma
&overna o corpo" e que, como todo o &ênero humano é &overnado pelo Senhor, ele é &overnado,
n#o por meio do 7éu, mas do 7éu pelo Senhor, por conseqFência por Si Besmo, pois que <le
Besmo é o 7éu, como oi dito.
15,. Bas isto, sendo um arcano da Sabedoria an&élica, n#o pode ser compreendido sen#o pelo
homem cuja mente espiritual oi aberta, pois êste pela conjun$#o com o Senhor é um anjo" este
homem, pelas proposi$%es que precedem, pode compreender as que se&uem' )* Eue todos,
tanto os homens como os anjos, est#o no Senhor e o Senhor neles, se&undo a conjun$#o com
<le, ou, o que é a mesma cousa, se&undo a recep$#o do amor e da sabedoria que procedem
dO<le. 2* Eue cada um deles obtém um lu&ar no Senhor, assim no 7éu, se&undo a qualidade da
conjun$#o, ou da recep$#o do Senhor. L* Eue cada um em seu lu&ar tem seu estado distinto dos
outros, e tira do comum sua tarea se&undo sua situa$#o, sua un$#o e sua necessidade,
absolutamente como cada parte no corpo humano. M* Eue cada homem é iniciado em seu lu&ar
pelo Senhor se&undo sua vida. N* Eue cada homem desde a inNncia é introdu9ido neste Divino
Rumano, cuja alma e a vida é o Senhor, e que é condu9ido e ensinado pelo seu Divino Amor
se&undo sua Divina Sabedoria, nO<le e n#o ora dO<le" mas que, o 8ivre n#o sendo tirado do
homem, o homem n#o pode ser condu9ido e ensinado sen#o se&undo a recep$#o como por si
mesmo. O* Eue os que recebem s#o levados a seus lu&ares por voltas e circuitos ininitos, quase
como o quilo é levado pelo mesentério e seus vasos lácteos ) cisterna, e daD pelo conduto
torácico ao san&ue, e assim ) sua sede. 1* Eue os que n#o recebem s#o separados dos que
est#o no Divino Rumano, como a matéria ecal e a urina s#o separados do homem. <st#o aD
arcanos da Sabedoria an&élica, que podem ser um pouco compreendidos pelo homem, mas há
um nGmero muito &rande deles que n#o podem ser compreendidos.
152. III. . homem é condu"ido pelo Senhor por meio do influ!o e ensinado por meio da
ilustra1o.
Se o homem é condu9ido pelo Senhor por meio do inlu0o é porque ser condu9ido e também
inluir se di9em do amor e da vontade" e se o homem é ensinado pelo Senhor por meio da
ilustra$#o, é porque ser ensinado e ser ilustrado se di9em propriamente da sabedoria e do
entendimento. Eue o homem seja condu9ido conorme seu amor por si mesmo e se&undo este
amor pelos outros, e n#o pelo entendimento, isso é sabido" ele n#o é condu9ido pelo e se&undo
o entendimento sen#o quando o amor ou a vontade a9 o entendimento" e, quando isso
acontece, pode-se di9er também do entendimento que ele é condu9ido, mas entretanto n#o é
ent#o o entendimento que é condu9ido, é porém a vontade de que provém o entendimento.
Di9-se o inlu0o, porque é de uso di9er-se que a alma inlui no corpo" que o inlu0o é espiritual e
n#o Dsico" e que a alma ou a, vida do homem é seu amor ou sua vontade, como oi mostrado
acima" e também porque o inlu0o é por compara$#o como o inlu0o do san&ue no cora$#o, e
pelo cora$#o no pulm#o" que haja correspondência do cora$#o com a vontade, e do pulm#o com
o entendimento, e que a conjun$#o da vontade com o entendimento seja como o inlu0o do
san&ue vindo do cora$#o ao pulm#o, é o que oi mostrado no !ratado sobre o Divino Amor e a
Divina Sabedoria, n* +11 a ,+4.
155. Bas se o homem é ensinado por meio da ilustra$#o é porque ser ensinado e também ser
ilustrado se di9em do entendimento" pois o entendimento, que é a vista interna do homem, n#o
pode ser esclarecido pela lu9 espiritual sen#o como o olho ou a vista e0terna do homem é
esclarecido pela lu9 natural" uma e outra s#o também ensinadas semelhantemente, mas a vista
interna, que pertence ao entendimento, pelos objetos espirituais, e a vista e0terna, que pertence
ao olho, pelos objetos naturais. Rá uma lu9 espiritual e uma lu9 natural, uma e outra semelhantes
quanto ) aparência e0terna, mas dierentes quanto ) interna" pois a lu9 natural vem do Sol do
mundo natural, e por conse&uinte é morta em si mesma, mas a lu9 espiritual vem do Sol do
mundo espiritual, e por conse&uinte é viva em si mesma" é esta lu9, e n#o a lu9 natural, que
ilumina o entendimento humano" a luminosidade LlueurM natural e racional n#o vem desta lu9,
vem daquela" é chamada luminosidade LlueurM natural e racional porque é espiritual -natural" pois
há três &raus de lu9 no mundo espiritual, a lu9 celeste, a lu9 espiritual e a lu9 espiritual-natural" a
lu9 celeste é uma lu9 de chama rutilante, esta lu9 é para os que est#o no terceiro 7éu" a lu9
espiritual é uma lu9 de uma brancura resplandecente, esta lu9 é para os que est#o no 7éu
médio" médio" e a lu9 espiritual-natural é tal qual é a lu9 do dia em nosso Bundo, esta lu9 é para
os que est#o no Gltimo 7éu, e também para os do Bundo dos espDritos, que está entre o 7éu e o
inerno" mas, neste mundo, esta lu9 está nos bons como a lu9 do ver#o, e ma maus como a lu9
do inverno na terra. <ntretanto, é preciso que se saiba que toda lu9 do Bundo espiritual nada
tem de comum com a lu9 do Bundo natural, elas dierem como o vivo do morto. Por isso é
evidente que n#o é a lu9 natural, tal qual é diante de nossos olhos, que ilumina o entendimento,
mas é a lu9 espiritual. 6 homem i&nora ?sso, porque até ao presente nada soube da lu9 espiritual.
Eue a 8u9 espiritual seja na sua ori&em a Divina Sabedoria ou o Divino Aero, isso oi mostrado
na /bra sobre o 7éu e o Inferno( n* 145 a 1,6.
151. Pois que se acaba de alar da lu9 do 7éu, dir-se-á também al&uma cousa da lu9 do inerno.
A lu9 no ?nerno é também de três &raus" a lu9 no ?nerno mais bai0o é como a lu9 de carv%es
abrasados" a lu9 no ?nerno médio é como a lu9 de uma chama de ornalha" e a lu9 no inerno
mais alto é como, a lu9 das velas, e para al&uns como a lu9 noturna da 8ua. <stas lu9es n#o s#o
tampouco naturais, mas s#o espirituais, pois toda lu9 natural é morta e apa&a o entendimento, e
os que est#o no inerno têm a aculdade de compreender, que é chamada racionalidade, como
oi mostrado acima, e a racionalidade vem da lu9 espiritual e de modo al&um da lu9 natural" mas
a lu9 espiritual, que lhes vem da racionalidade, é mudada em lu9 inernal, como a lu9 do dia em
trevas da noite. <ntretanto todos os que est#o no mundo espiritual, tanto os que est#o nos 7éus
como os que est#o nos inernos, vêem em sua lu9 t#o claramente como o homem durante o dia
na sua" e isto porque a vista do olho de todos oi ormada para a recep$#o da lu9 em que está"
assim a vista do olho dos anjos do 7éu para a recep$#o da lu9 na qual ela está, e a vista do olho
dos espDritos do inerno para a recep$#o da sua lu9" é por compara$#o como para as corujas e os
morce&os, que vêem de noite os objetos t#o claramente como os outros pássaros os vêem de
dia, pois seus olhos oram ormados para a recep$#o de sua lu9. Bas a dieren$a destas lu9es é
maniestamente distin&uida por aqueles que de uma lu9 olham para outra" assim, quando um
anjo do 7éu olha no inerno, ele n#o vê aD sen#o uma obscuridade prounda" e quando um
espDrito do inerno olha para o 7éu n#o vê aD sen#o obscuridade" isto vem de que a Sabedoria
celeste é como a obscuridade para os que est#o no inerno, e reciprocamente o also inernal é
como a obscuridade para os que est#o no 7éu. Por isto pode-se ver que tal é para o homem o
entendimento, tal é para ele a lu9, e que cada um entra em sua lu9 depois da morte, pois em uma
outra lu9 nada vê" e no Bundo espiritual, onde todos s#o espirituais, mesmo quanto ao corpo, os
olhos de todos oram ormados para ver por sua lu9" o amor da vida de cada um se a9 um
entendimento, e por conseqFência também uma lu9" com eeito, o amor é como o o&o da vida,
de onde provém a lu9 da vida.
15:. 7omo há poucos que saibam al&uma cousa da ilustra$#o, em que está o entendimento do
homem que é ensinado pelo Senhor, alar-se-á disso aqui em poucas palavras. Rá uma
ilustra$#o interior e uma ilustra$#o e0terior pelo Senhor, há também uma ilustra$#o interior e uma
ilustra$#o e0terior pelo homem" a ilustra$#o interior pelo Senhor é que o homem, desde que ouve
di9er al&uma cousa, percebe se o que se di9 é verdadeiro ou n#o é verdadeiro" a ilustra$#o
e0terna está em conseqFência no pensamento" a ilustra$#o interior pelo homem vem da
conirma$#o sC" e a ilustra$#o e0terior pelo homem vem da ciência sC. Bas dir-se-á al&uma
cousa destas ilustra$%es. / 0omem racionaI !ela ilutração interior !elo Sen0or percebe
imediatamente se as cousas que ouve s#o verdadeiras ou n#o" por e0emplo, esta, que o amor é
a vida da é ou que a é vive pelo amor" o homem, pela ilustra$#o interior, percebe também isto,
que tudo o que o homem ama ele o quer, e o que ele quer o a9, e que assim amar é a9er" além
disso ainda, que tudo o que o homem crê por amor, ele também o quer e o a9, e que assim, ter
é, é também a9er" como ainda, que o Dmpio n#o pode ter o amor de Deus, nem por
conseqFência a é em Deus. 6 homem racional pela ilustra$#o interior percebe também, desde
que as ouve estas verdades, que Deus é um" que é /nipresente" que todo bem vem dO<le" além
disso, que todas as cousas se reerem ao bem e ao vero" que todo bem vem do =em Besmo, e
que todo vero vem do Aero Besmo. <stas verdades e outras semelhantes, o homem as percebe
interiormente em si, quando as ouve" se as percebe, é porque tem a racionalidade, e esta está
na lu9 do 7éu que ilustra. A ilutração e.terior é a ilustra$#o do pensamento por esta ilustra$#o
interior, e o pensamento está nesta ilustra$#o enquanto permanece na percep$#o que lhe vem
da ?lustra$#o interior, e tem ao mesmo tempo os conhecimentos do vero e do bem, pois tiram
destes conhecimentos as ra9%es pelas quais conirma. / pensamento, por esta ilustra$#o
e0terior, vê a cousa de um e de outro lado" de um lado vê as ra9%es que conirmam" de outro, vê
as aparências que invalidam" rejeita estas e recolhe aquelas. Bas a ilutração interior !elo
0omem é inteiramente dierente" por ela o homem vê a cousa de um lado, e n#o a vê pelo outro"
e quando a conirmou, ele a vê em uma lu9 semelhante, quanto ) aparência, na lu9 de que se
alou acima, mas é uma lu9 de inverno. Seja isto, por e0emplo' 3m jui9 que, por presente e pelo
lucro, jul&a injustamente n#o vê outra cousa sen#o o justo em seu jul&amento depois que o
conirmou por meio de leis e de ra9%es" al&uns vêem o ?njusto, mas como n#o querem ver, eles o
obscurecem e o ce&am, e assim n#o vêem" dá-se o mesmo com o jui9 que pronuncia jul&amentos
em ra9#o da ami9ade, para captar o avor e para se li&ar por ainidades. !ais homens a&em da
mesma orma a respeito de tudo o que recebem da boca de um homem de autoridade, ou da
boca de um homem de reputa$#o, ou que tiraram de sua prCpria inteli&ência" s#o ce&os
racionais, pois sua vista vem dos alsos que conirmam" ora, os alsos echam ) vista e o vero a
abre. !ais homens n#o vêem vero al&um pela lu9 do vero, nem justo al&um pelo amor do justo,
mas vêem pela lu9 da conirma$#o, que é uma lu9 quimérica" no Bundo espiritual aparecem
como aces sem cabe$a, ou como aces semelhantes a aces humanas por trás das quais teriam
cabe$as de madeira" e s#o chamados bestas racionais, porque têm a racionalidade potencial. A
ilutração e.terior !elo 0omem( está naqueles que pensam e alam pela ciência sC impressa na
memCria" estes s#o pouco capa9es por si mesmos de conirmar al&uma cousa.
15-. <st#o aD )s dieren$as as de ilustra$#o, e conseqFentemente da percep$#o e do
pensamento" há uma ilustra$#o eetiva pela lu9 espiritual, mas a ilustra$#o mesma por esta lu9
n#o se mostra ) pessoa al&uma no Bundo natural, porque a lu9 natural nada tem de comum com
a lu9 espiritual" entretanto esta ilustra$#o me apareceu al&umas ve9es no Bundo espiritual" era
vista, naqueles que estavam na ilustra$#o pelo Senhor, como al&uma cousa luminosa em torno
de sua cabe$a, com o brilho da cor da ace humana. Bas, naqueles que estavam na ilustra$#o
por eles mesmos, esta lu9 aparecia n#o em torno da cabe$a, mas em torno da boca e acima do
quei0o.
116. Além destas ilustra$%es, há ainda uma outra ilustra$#o pela qual é revelado ao homem em
que é, e em que ?nteli&ência e em que sabedoria ele está" esta revela$#o é tal que ele mesmo
percebe isso nele" é enviado a uma sociedade onde há a é real, e onde há a verdadeira
inteli&ência e a verdadeira sabedoria, e aD é aberta a racionalidade interior pela qual Ale vê sua
é, sua inteli&ência e sua sabedoria, tais quais s#o, a ponto de ele as reconhecer" vi al&uns que
voltavam daD, e os ouvi conessar que n#o tinha havido neles cousa al&uma da é, embora no
mundo tivessem acreditado que tinham uma muito &rande e mais notável do que a de todos os
outros" a mesma cousa para sua inteli&ência e para sua sabedoria" eram os que tinham estado
na é separada, e sem caridade al&uma, e que tinham estado na prCpria inteli&ência.
111. I+* # 0omem é eninado pelo Sen0or !or meio da Palavra( da doutrina e da !re&açõe
e&undo a Palavra e aim imediatamente !elo Sen0or :*
"oi dito e mostrado acima que o homem é condu9ido e ensinado pelo Senhor sC, e que do Céu e
n#o por meio do 7éu, ou de al&um anjo do 7éu" e, pois que ele é condu9ido pelo Senhor sC,
se&ue-se que é imediatamente e n#o mediatamente" mas como isso acontece, é o que será dito
a&ora.
;AB* )a Doutrina da )ova %erualém sobre a <scritura Santa oi mostrado que o Senhor é a
Palavra, e que toda doutrina da ?&reja deve ser haurida na Palavra" ora, pois que o Senhor a
Palavra, se&ue-se que o homem que é ensinado se&undo a Palavra é ensinado pelo Senhor sC.
Bas isso sendo diicilmente apreendido, vai ser ilustrado nesta ordem' )* / Senhor é a Palavra,
porque a Palavra vem dO<le e trata dO<le. 2* < porque ela é o Divino Aero e o Divino =em. L*
Assim, ser ensinado pela Palavra é o ser pelo Senhor. M* < isto é eito mediatamente pelas
pre&a$%es, o que n#o aasta o imediato. Pr!me!ramen"e. 0 Sen+or , a Pala.ra 1or=ue a
Pala.ra .em dPEle e "ra"a dPEle. Eue a Palavra vem do Senhor, nin&uém na ?&reja o ne&a" mas
que a Palavra traDa do Senhor sC, n#o se ne&a, é verdade, e entretanto n#o se sabe" mas isso oi
mostrado na Doutrina da )ova %erualém obre o Sen0or( n* 1 a 1 e n*
s
+1 a ,," e na Doutrina
da )ova %erualém obre a Ecritura Santa( n*
s
54 a 5-" :6 a -6" -: a 166. /ra, pois que a
Palavra vem do Senhor sC e trata do Senhor sC, se&ue-se que, quando o homem é ensinado
se&undo a Palavra, é ensinado pelo Senhor, pois a Palavra é o Divino" o que é que pode
comunicar o Divino e introdu9i-lo nos cora$%es sen#o o Divino mesmo de que vem a Palavra e
de que ela trata" é por isso que quando o Senhor ala de sua conjun$#o com os discDpulos, di9'
Jque eles permaneceriam nO<le, e suas palavras nelesOO L;o#o 12*, 1M" Jque suas palavras eram
espDrito e vidaJ L;o#o 5*, 5+M" e Jque <le a9 morada naqueles que &uardam suas palavrasJ L;o#o
1,*, 46 a 4,M" é por isso que, pensar pelo Senhor, o é pela Palavra, como pela Palavra. Eue
todas as cousas da Palavra tenham comunica$#o com o 7éu, isso oi mostrado na Doutrina da
)ova %erualém obre a Ecritura Santa( desde o come$o até o im" e, pois que o Senhor é o
7éu, entende-se que todas as cousas da Palavra têm comunica$#o com o Senhor Besmo" os
Anjos do 7éu têm comunica$#o, é verdade, mas isso também pelo Senhor. Segundamen"e. 0
Sen+or , a Pala.ra 1or=ue ela , o D!.!no Vero do D!.!no Bem. Eue o Senhor seja a Palavra,
<le o ensina em ;o#o nestes termos' J(o come$o era a Palavra, e a Palavra estava em Deus" e
Deus ela era, a Palavra. < a Palavra 7arne oi eita, e habitou entre nCsJ L1*, 1, 1,M. 7omo esta
passa&em até ao presente n#o oi entendida sen#o neste sentido que Deus ensinava o homem
pela Palavra, oi em conseqFência e0plicada supondo-se que era uma e0press#o elevada, que
si&niica que o Senhor n#o é a Palavra mesma" isso provém de que n#o se soube que pela
Palavra é entendido o Divino Aero do Divino =em, ou, o que é a mesma cousa, a Divina
Sabedoria do Divino Amor" que este Aero e esta Sabedoria sejam o Senhor Besmo, isso oi
mostrado no Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria( Primeira Parte" e que <le seja a
Palavra, isso oi mostrado na Doutrina da (ova %erualém obre a Ecritura Santa n* 1 a :5.
Dir-se-á também aqui em poucas palavras como o Senhor é o Divino Aero do Divino =em' !odo
homem é homem, n#o pela ace do corpo, mas pelo bem de seu amor e os veros de sua
sabedoria" e pois que o homem é homem por este bem e por estes veros, todo homem é também
seu vero e seu bem, ou seu amor e sua sabedoria" sem isso ele n#o é homem" mas o Senhor é o
=em Besmo e o Aero Besmo, ou, o que é a mesma cousa, o Amor Besmo e a Sabedoria
Besma" e estes s#o a Palavra, que no come$o estava em Deus, e que era Deus, e que 7arne oi
eita. $er%e!ramen"e. A00!m< 0er en0!nado 0egundo a Pala.ra< , o 0er 1elo Sen+or &e0mo.
Porque é sê-lo pelo =em Besmo e o Aero Besmo, ou pelo Amor Besmo e a Sabedoria Besma,
que s#o a Palavra, como oi dito" mas cada um é ensinado se&undo o entendimento de seu amor"
o que está acima n#o permanece. !odos os que s#o ensinados pelo Senhor na Palavra, s#o
ensinados em poucos veros neste inundo, mas em um &rande nGmero quando se tomam anjos"
pois os interiores da Palavra, que s#o os Divinos <spirituais e os Divinos 7elestes, s#o
implantados junto, mas n#o s#o abertos no homem sen#o depois da morte, no 7éu, onde ele
está na sabedoria an&élica que é ineável respectivamente ) sabedoria humana, assim
respectivamente ) sabedoria anterior. Eue os Divinos espirituais e os Divinos 7elestes, que
a9em a sabedoria an&élica, estejam em todas e cada uma das cousas da Palavra, vê-se na
Doutrina da )ova %erualém obre a Ecritura Santa( n* 2 a 45. Em =uar"o lugar. I00o , >e!"o
med!a"amen"e 1ela0 1rega3Qe0< o =ue n4o a>a0"a o !med!a"o. A Palavra n#o pode ser
ensinada sen#o mediatamente pelos pais, os mestres, os pre&adores, os livros, e sobretudo por
sua leitura" entretanto ela n#o é ensinada por eles, mas o é pelo Senhor por meio deles" isso
também é conorme ao que é conhecido dos pre&adores que di9em que alam n#o por eles
mesmos, mas pelo espDrito de Deus, e que todo vero, do mesmo modo que todo bem, vêm de
Deus" podem, na verdade, di9er isso e o a9er penetrar no entendimento de um &rande nGmero
mas n#o no cora$#o de quem quer que seja" e o que n#o está no cora$#o perece no
entendimento, pelo cora$#o é entendido o amor do homem. Por todas estas considera$%es
pode-se ver que o homem é condu9ido e ensinado pelo Senhor sC, e que o é imediatamente pelo
Senhor, quando o é pela Palavra. <stá aqui um arcano da Sabedoria An&élica.
11+. Eue pela Palavra haja também lu9 para os que est#o ora da ?&reja e n#o têm a
Palavra, isso oi mostrado na Doutrina da )ova %erualém obre a Ecritura Santa( n* 16, a 11+"
e como pela Palavra há lu9 para o homem, e por esta lu9 entendimento para ele, e como este
entendimento é tanto para os maus como para os bons, se&ue-se que, pela lu9 em sua ori&em,
há lu9 em suas deriva$%es, que s#o as percep$%es e os pensamentos sobre uma cousa
qualquer" o Senhor disse Jque sem 8u9 nada se pode a9erJ L;o#o 12*, 2M" Jque o homem nada
pode receber a n#o ser que lhe seja dado do 7éuJ L;o#o +*, 41M" e Jque o Pai que está nos 7éus
a9 levantar-se seu sol sobre maus e bons, e a9 chover sobre justos e injustosJ LBateus 2*, ,2M"
pelo sol é entendido, aqui como em outros lu&ares na Palavra, em seu sentido espiritual, o Divino
=em do Divino Amor, e pela chuva o Divino Aero da Divina Sabedoria" um e outro s#o dados aos
maus e aos bons, aos justos e aos injustos" pois se n#o ossem dados, n#o haveria nem
percep$#o nem pensamento para homem al&um. Eue haja somente uma vida Gnica, pela qual a
vida está em todos, isso oi mostrado acima" ora, a percep$#o e o pensamento pertencem ) vida"
a percep$#o e o pensamento vêm, portanto da mesma onte de onde decorre a vida. Eue toda
lu9, que a9 o entendimento, vem do Sol do Bundo espiritual, que é o Senhor, é o que já oi
amplamente demonstrado.
11,. ). 0 homem é condu"ido e ensinado pelo Senhor nos e!ternos em toda apar,ncia
como por ele mesmo.
?sto se a9 nos e0ternos e n#o nos internos. (in&uém sabe como o Senhor condu9 e ensina o
homem nos seus internos, do mesmo modo que nin&uém sabe como a alma opera para que o
olho veja, para que o ouvido ou$a, para que a lDn&ua e a boca alem, para que o cora$#o
impulsione o san&ue, para que o pulm#o respire, para que o estIma&o di&ira, para que o D&ado
e o pNncreas disponham, para que os rins secretem, e inGmeras outras cousas" estas cousas
n#o vêm nem ) percep$#o nem ) sensa$#o do homem" dá-se o mesmo com as que s#o eitas
pelo Senhor nas substNncias e nu ormas interiores da mente, que s#o em nGmero ininitamente
maior" as opera$%es do Senhor nestas substNncias e nestas ormas n#o s#o aparentes para o
homem" mas os eeitos mesmos que s#o em &rande nGmero s#o aparentes, e também al&umas
causas dos eeitos" estes eeitos s#o os e0ternos, nos quais o homem está juntamente com o
Senhor" e como os e0ternos a9em um com os internos, pois s#o coerentes em uma Gnica série,
é por isso que a disposi$#o n#o pode ser eita nos internos pelo Senhor, sen#o se&undo a
disposi$#o é eita nos e0ternos por meio do homem. 7ada um sabe que o homem pensa, quer,
ala e a&e em toda aparência como por ele mesmo, e cada um pode ver que sem esta aparência
n#o haveria para o homem vontade al&uma nem entendimento al&um, assim aei$#o al&uma,
nem pensamento al&um, nem por conseqFência recep$#o al&uma do bem e do vero procedendo
do Senhor" sendo isso assim, se&ue-se que sem esta aparência n#o haveria conhecimento
al&um de Deus, caridade al&uma nem é al&uma, e por conseqFência reorma al&uma nem
re&enera$#o al&uma, assim nenhuma salva$#o" por isto, é evidente que esta aparência oi dada
ao homem pelo Senhor por causa de todos estes usos, e principalmente a im de que houvesse
para ele um receptivo e um recDproco, pelos quais o Senhor possa ser conjunto ao homem e o
homem ao Senhor, e a im de que por esta conjun$#o o homem viva eternamente. @ esta
aparência que é entendida aqui.
É (&A 9EI DA DIVINA PROVIDÊNCIA 7(E O HO&E& N;O PERCEBA E N;O SIN$A CO(SA
A9G(&A DA OPERAH;O DA DIVINA PROVIDÊNCIA< &AS 7(E N;O OBS$AN$E A
CONHEHA E RECONHEHA.
112. 6 homem natural que n#o crê na Divina Providência pensa em si mesmo' J6 que é a Divina
Providência, pois que os maus s#o elevados )s honras e adquirem rique9as mais do que os bons
e que acontecem bem mais cousas deste &ênero aos que n#o crêem na Divina Providência do
que aos que nela crêem" que mesmo os iniéis e os Dmpios podem a9er ultrajes, causar prejuD9os
e desastres, e por ve9es dar a morte aos iéis e aos piedosos, e isso por meio de astGcias e de
malDciasHJ < por conseqFência pensa J(#o vejo pela e0periência mesma, como na claridade do
dia, que as maquina$%es insidiosas, desde que o homem por um discurso en&enhoso possa
a9er que apare$am como cousas leais e justas, prevalecem sobre a idelidade e a justi$aH Eue
s#o todas as outras cousas, sen#o necessidades, conseqFências e casos ortuitos, nos, quais
n#o se maniesta cousa al&uma da Divina ProvidênciaH As necessidades n#o pertencem )
nature9aH As conseqFências n#o s#o causas que decorrem da ordem natural ou civilH < os
casos ortuitos n#o vêm eles, seja de causas que se i&nora, seja sem causa al&umaHJ @ assim
que pensa em si mesmo o homem natural, que nada atribui a Deus, mas que atribui tudo )
nature9a" pois aquele que nada atribui a Deus, nada atribui tampouco ) Divina Providência, pois
que Deus e a Divina Providência a9em um. Bas o homem espiritual di9 ou pensa dierentemente
em si mesmo" ainda que pelo pensamento n#o perceba e pela vista do olho n#o, sinta a Divina
Providência em sua marcha, n#o obstante ele a conhece e reconhece. /ra, como as aparências
e, por conse&uinte as ilus%es acima mencionadas ce&aram o entendimento, e coma o
entendimento n#o pode receber vista al&uma, a n#o ser que as ilus%es que causaram a ce&ueira,
e os alsos que produ9iram a obscuridade sejam dissipados" e como isso n#o pode ser eito
sen#o pelas verdades, que têm o poder de dissipar os alsos, é preciso por conseqFência que
estas sejam abertas, mas, para que o sejam distintamente, isso será eito nesta ordem' I. Se o
homem percebesse e sentisse a opera$#o da Divina Providência n#o a&iria pelo livre se&undo a
ra9#o, e nada lhe pareceria como vindo dele. Semelhantemente se o homem tivesse a
presciência dos acontecimentos. II. Se o homem visse maniestamente a Divina Providência, ele
se introdu9iria na ordem e na economia de sua marcha, e as perverteria e as destruiria. III. Se o
homem visse maniestamente a Divina Providência, ou ne&aria Deus, ou se aria Deus. IV. @
dado ao homem ver a Divina Providência por trás e n#o de ace" além disso, também no estado
espiritual e n#o no estado natural.
115. I. Se o homem percebesse e sentisse a opera1o da Divina +rovid,ncia no a(iria
pelo livre se(undo a ra"o, e nada lhe pareceria como vindo dele.
Semelhantemente se o homem tivesse a presci,ncia dos acontecimentos.
Eue seja uma 8ei da Divina Providência que o homem aja pelo livre se&undo a ra9#o" além
disso, também, que tudo o que o homem quer, pensa, di9 e a9, lhe pare$a como vindo dele" e
que sem esta aparência n#o haveria para homem al&um o seu, ou seu homem, assim para ele,
prCprio al&um, e por conseqFência imputa$#o al&uma, sem a qual seria indierente que i9esse o
mal ou o bem, e que tivesse ou a é em Deus ou a persuas#o do inerno, que em uma palavra,
sem ela n#o seria homem, é o que oi mostrado acima ) evidência do entendimento em Arti&os
especiais. Aqui, a&ora, será mostrado que o homem n#o teria liberdade al&uma de a&ir se&undo
a ra9#o, e que n#o haveria para ele aparência al&uma de a&ir como por ele mesmo, se
percebesse e sentisse a opera$#o da Divina Providência, pois que se a percebesse e a sentisse
seria também condu9ido por ela" pois o Senhor condu9 todos os homens por Sua Divina
Providência, e o homem n#o se condu9 a si mesmo sen#o na aparência, como também oi
mostrado acima" se, portanto osse condu9ido ao ponto de ter disso uma viva percep$#o e uma
viva sensa$#o, n#o teria consciência da vida, e ent#o seria levado a produ9ir sons e a a&ir pouco
mais ou menos como um autImato" se, todavia tivesse consciência da vida, ent#o n#o seria
condu9ido sen#o como um homem tendo erros nas m#os e nos pés, ou como uma besta de
car&a ) rente de uma carro$a. Euem n#o vê que ent#o o homem n#o teria livre al&umH < se n#o
tivesse livre al&um n#o teria tampouco ra9#o al&uma" pois cada um pensa pelo livre e no livre, e
tudo o que n#o pensa pelo livre e no livre lhe parece vir, n#o dele, mas de um outro" e mesmo se
e0aminas a cousa interiormente, perceberás que n#o haveria tampouco pensamento para o
homem, ainda menos a ra9#o, e que assim n#o seria homem.
111. A opera$#o da Divina Providência do Senhor é contDnua, nisto que ela aasta o homem dos
males" se al&uém percebesse e sentisse esta opera$#o contDnua, e n#o obstante n#o osse
condu9ido como um acorrentado, n#o resistiria ele continuamenteH < ent#o ou lutaria com Deus,
ou se imiscuiria na Divina Providência" neste se&undo caso, ele se aria também Deus no
primeiro caso, se desprenderia dos la$os e ne&aria Deus" isso torna-se bem evidente em que
haveria duas or$as a&indo continuamente uma contra a outra, da parte do homem a or$a do
mal, e da parte do Senhor a or$a do bem" e quando dois opostos a&em um contra o outro, ent#o
ou um é vencedor, ou ambos perecem" mas aqui se um é vencedor, os dois perecem" pois o mal,
que pertence ao homem, n#o recebe em um momento o bem que vem do Senhor" e o bem que
vem do Senhor n#o rejeita do homem o mal em um momento" se um ou outro se i9esse em um
momento, a vida n#o restaria no homem. ?sto e várias outras conseqFências peri&osas
se&uir-se-iam, se o homem percebesse ou sentisse maniestamente a opera$#o da Divina
Providência. Bas e0emplos o demonstrar#o claramente a se&uir.
11:. Se n#o é dado ao homem ter a presciência dos acontecimentos é também a im de que
possa a&ir pelo livre se&undo a ra9#o" pois sabe-se que tudo o que o homem ama, ele quer, o
seu eeito, e se diri&e para o eeito por meio da ra9#o" além disso também, que n#o há cousa
al&uma do que o homem medita com a ra9#o, que n#o proceda do amor para che&ar pelo
pensamento ao eeito" se portanto conhecesse por uma predi$#o Divina o eeito ou o
acontecimento, a ra9#o repousaria, e com a ra9#o o amor,O pois o amor com a ra9#o cessa no
eeito, e ent#o por êste eeito come$a um novo amor. 6 pra9er mesmo da ra9#o é, pelo amor no
pensamento, ver o eeito, n#o no eeito, mas antes do eeito, ou n#o no presente, mas no uturo"
daD vem ao homem o que se chama a E!erança( a qual cresce e decresce na ra9#o, conorme
ela vê ou espera o acontecimento" este pra9er é completado no acontecimento, mas em se&uida
se apa&a com o pensamento concernente ao acontecimento" aconteceria o mesmo com um
acontecimento conhecido de antem#o. A mente do homem está continuamente nestas três
cousas, que s#o chamadas o im, a causa e o eeito" se uma das três altas, a mente humana n#o
está em sua vida" a aei$#o da vontade é o im a quo( o pensamento do entendimento é a causa
!er quam( e a a$#o do corpo, a palavra da boca, ou a sensa$#o e0terna s#o os eeitos do im
pelo pensamento" que a mente humana n#o esteja em sua vida, enquanto está unicamente na
aei$#o da vontade, e n#o além, e i&ualmente quando está unicamente no eeito, isto é evidente
para cada um" é por isso que n#o há vida para a mente por uma destas três cousas
separadamente, mas há vida pelas três conjuntamente" esta vida da mente será diminuDda e se
retirará por um acontecimento predito.
11-. Pois que a presciência das cousas uturas tira o humano mesmo, que é a&ir pelo livre
se&undo a ra9#o, é por isso que n#o é dado a pessoa al&uma saber o uturo" mas é permitido a
cada um concluir pela ra9#o sobre as cousas uturas" por conse&uinte a ra9#o com tudo o que
lhe pertence está na vida" daD vem que o homem n#o conhece sua sorte depois da morte, ou n#o
conhece um acontecimento antes que aconte$a" pois se o conhecesse n#o pensaria mais por
seu interior como deve a9er ou viver para aD che&ar, e este estado echa os interiores de sua
mente, nos quais residem principalmente as duas aculdades de sua vida, que s#o a liberdade e
a racionalidade. 6 desejo de conhecer de antem#o o uturo é inato na maior parte dos homens,
mas êste desejo tem sua ori&em no amor do mal" é por isso que é tirado dos que crêem na Divina
Providência, e lhes é dada a conian$a de que o Senhor prepara a sua sorte, e por conse&uinte
n#o a querem conhecer de antem#o, com receio de se imiscuDrem de al&uma maneira na Divina
Providência" é o que o Senhor ensina por várias passa&ens em 8ucas L7ap. 14*, 1, a ,:M. Eue
esteja aD uma 8ei da Divina Providência, é o que pode ser conirmado por um &rande nGmero de
e0emplos do Bundo espiritual" pela maior parte, quando entram nesse mundo depois da morte,
querem saber sua sorte, mas lhes é respondido que se viveram bem a sua sorte está no 7éu" e
que se viveram mal, está no inerno" mas como todos temem o ?nerno, mesmo os maus,
per&untam o que devem a9er e o que devem crer para entrar no 7éu" lhes é respondido' JA&i e
crede como quiserdes, mas sabei que n#o se a9 o bem e n#o se crê no vero no ?nerno, mas no
7éu" inormai-vos sobre o que é o bem e o que é o vero" depois disso pensai no vero e a9ei o
bem, se puderdesJ. Assim é dei0ado a cada um, no Bundo espiritual, a&ir pelo livre se&undo a
ra9#o, mas do modo porque se a&iu em um, do mesmo modo se a&e no outro, pois a cada um
resta sua vida, e em conseqFência sua sorte, pois que a sorte pertence ) vida.
1:6. II. Se o homem visse manifestamente a Divina +rovid,ncia, ele se introdu"iria na
ordem e na economia de sua marcha, e as perverteria e as destruiria.
Para que esta proposi$#o che&ue distintamente ) percep$#o do homem racional e também do
homem natural, ela vai ser ilustrada por e0emplos nesta ordem' I. /s e0ternos têm um tal vDnculo
com os ?nternos que em toda opera$#o a9em um. II. / homem está unicamente em al&uns
e0ternos com o Senhor, e, se estivesse ao mesmo tempo nos internos, perverteria e destruiria
toda a ordem e economia da marcha da Divina Providência. Bas, como oi dito, estas
proposi$%es ser#o ilustradas por e0emplos. Pr!me!ramen"e# O0 e6"erno0 "@m um "al .Bn%ulo
%om o0 !n"erno0< =ue em "oda o1era34o >a/em um. A ilustra$#o, por e0emplo, será eita aqui
por meio de al&umas particularidades do corpo humano' <m todo o corpo e em cada parte há
e0ternos e internos" os e0ternos aD s#o chamados peles, membranas e invClucros" os internos
s#o ormas diversamente compostas e tecidas de ibras nervosas e de vasos san&uDneos" o
invClucro que cerca entra por ilamentos tirados dele em todos os interiores até aos Dntimos"
assim o e0terno, que é o invClucro, se conjunta com todos os internos, que s#o as ormas
or&Nnicas compostas de ibras e de vasos" se&ue-se que, do modo por que o e0terno a&e ou é
posto em a$#o, desse mesmo modo os internos a&em e s#o postos em a$#o, pois todas as
cousas aD est#o juntas em uma perpétua reuni#o. !oma somente no corpo al&um invClucro
comum, por e0emplo, a Pleura( que é o invClucro comum do Peito, ou do 7ora$#o e do Pulm#o,
e0amina-a com olho de anatomista, e tu aprenderás que este invClucro comum, por diversas
circunvolu$%es e em se&uida por ilamentos tirados dela, cada ve9 mais del&ados, entra nos
Dntimos dos pulm%es, até )s menores ramiica$%es bronquiais, e nos olDculos mesmos, que s#o
os come$os dos pulm%es" sem alar de sua marcha em se&uida pela traquéia-artéria na larin&e
para a lDn&ua. Por aD vê-se que há uma perpétua cone0#o do e0timo com os Dntimos" é por isso
que, do modo como o e0timo a&e ou é posto em a$#o, do mesmo modo também os interiores a
partir dos Dntimos a&em ou s#o postos em a$#o" é por isso que, quando este invClucro e0timo,
que é a pleura, é ou inundado ou inlamado, ou cheio de Glceras, o pulm#o sore a partir dos
Dntimos" e se o mal aumenta, toda a a$#o do pulm#o cessa, e o homem morre. Dá-se o mesmo
por toda parte em todo o corpo, por e0emplo, no PeritCnio( invClucro comum de todas as vDsceras
do abdome" além disso, também nos invClucros de cada vDscera, como os do <stIma&o, do
KD&ado, do PNncreas, do =a$o, dos ?ntestinos, do Besentério, dos >ins, e dos Cr&#os da &era$#o
de um e outro se0o" toma uma destas vDsceras, e e0amina-a tu mesmo e verás, ou consulta
hábeis anatomistas, e tu os ouvirás di9er" toma, por e0emplo, o KD&ado, e notarás que há
cone0#o do PeritInio com o invClucro desta vDscera, e pelo invClucro com seus Dntimos" pois há
ilamentos contDnuos que dele saem e que entram para os interiores, e assim continua$%es até
aos Dntimos e por conse&uinte entre todas as partes uma li&a$#o que é tal, que, quando o
invClucro a&e ou é posto em a$#o, toda a orma a&e i&ualmente ou é posta i&ualmente em a$#o.
Dá-se o mesmo com todas as outras vDsceras" isto vem de que em toda orma o comum e o
particular, ou o universal e o sin&ular, a9em um, por uma admirável conjun$#o. Eue nas ormas
espirituais e nas mudan$as e varia$%es de seus estados, que se reerem )s opera$%es da
vontade e do entendimento, se dá o mesmo que nas ormas naturais e em suas opera$%es, que
se reerem aos movimentos e )s a$%es, ver-se-á em, se&uida. /ra, como o homem em al&umas
opera$%es e0ternas está ao mesmo tempo com o Senhor, e como a liberdade de a&ir se&undo a
ra9#o n#o é tirada de pessoa al&uma, se&ue-se que o Senhor n#o pode a&ir nos internos de
modo dierente de como a&e com o homem nos e0ternos" se portanto o homem n#o o&e dos
males como pecados e n#o tem avers#o a eles, o e0terno do pensamento e da vontade será
viciado e enraquecido, e ao mesmo tempo seu interno, como o é a Pleura pela moléstia que é
chamada Pleurisia, de que o corpo morre. Segundamen"e# Se o +omem e0"!.e00e ao me0mo
"em1o no0 !n"erno0< ele 1er.er"er!a e de0"ru!r!a "oda ordem e e%onom!a da D!.!na
Pro.!d@n%!a. ?sto também será ilustrado por e0emplos do corpo humano' Se o homem
conhecesse todas as opera$%es de um e de outro cérebro nas ibras, das ibras nos mGsculos, e
dos mGsculos nas a$%es, e que por este conhecimento dispusesse todas as cousas como disp%e
as a$%es, n#o perverteria e n#o destruiria ele tudoH Se o homem soubesse como o estIma&o
di&ere, como as vDsceras que ent#o em torno desempenham sua tarea, elaboram o san&ue, e o
distribuem para todas as necessidades da vida, e que dispusesse delas, como tem a disposi$#o
dos e0ternos, a saber, quando come e bebe, n#o perverteria e destruiria ele tudoH Pois que n#o
Be dispor o e0terno, que se apresenta como um, sem destruD-lo pela lu0Gria e pela
intemperan$a, o que seria se dispusesse também os internos, que s#o ininitosH /s internos,
portanto, a im de que o homem n#o entre, neles por qualquer vontade, e n#o os submeta ) sua
dire$#o, oram inteiramente subtraDdos ) sua vontade, e0ceto os mGsculos que a9em o invClucro,
e se i&nora mesmo como a&em, sabe-se unicamente que a&em. Dá-se o mesmo com todas as
outras partes" por e0emplo, se o homem dispusesse os interiores do olho para ver, os interiores
do ouvido para ouvir, os interiores da lDn&ua para saborear, os interiores da pele para sentir, os
interiores do cora$#o para o movimente sistClico, os interiores do pulm#o para respirar, os
interiores do mesentério para distribuir o quilo, os interiores dos rins para secretar, os interiores
dos Cr&#os da &era$#o para prolierar, os interiores do Gtero para aperei$oar o embri#o e assim
por diante, n#o perverteria e destruiria ele de uma ininidade de maneiras a ordem da marcha da
Divina Providência nestas partesH @ notCrio que o homem está nos e0ternos" por e0emplo, que
vê pelo olho, ouve pelo ouvido, saboreia pela lDn&ua, sente pela pele, respira pelo pulm#o,
contribui para a propa&a$#o etc." n#o é suiciente que ele conhe$a os e0ternos, e que os
disponha para a saGde do corpo e da menteH Euando n#o pode isso, o que aconteceria, se
dispusesse também os internosH Por estas considera$%es é a&ora evidente que se o homem
visse maniestamente a Divina Providência, ele se imiscuiria na ordem e na economia de sua
marcha, e as perverteria e destruiria.
1:1. Eue nos espirituais da mente se dá o mesmo que nos naturais do corpo, é porque todas as
cousas da mente correspondem a todas as do corpo" é por isso mesmo que a mente a9 mover o
corpo nos e0ternos, e no comum, ) sua vontade" a9 mover os olhos para ver, os ouvidos para
ouvir, a boca e a lDn&ua para comer e para beber, e também para alar, as m#os para a9er, os
pés para andar, os Cr&#os da &era$#o para prolierar" a mente por estas opera$%es a9 mover
n#o somente os e0ternos, mas também os internos em toda série, pelos Dntimos os Gltimos e
pelos Gltimos os Dntimos" assim quando a9 mover a boca para alar, a9 mover o pulm#o, o
larin&e, a &lote, a lDn&ua, os lábios, e cada cousa distintamente se&undo sua un$#o,
simultaneamente, e também a ace conorme a conveniência. DaD é evidente que o que oi dito
das ormas naturais do corpo deve ser dito i&ualmente das ormas espirituais da mente, e que o
que oi dito das opera$%es naturais do corpo deve ser dito i&ualmente das opera$%es espirituais
da mente" é por isso que, conorme o homem disp%e os e0ternos, o Senhor disp%e os internos,
assim de uma orma se o homem disp%e os e0ternos por ele mesmo, e de outra orma se disp%e
os e0ternos pelo Senhor e ao mesmo tempo como por si mesmo. A Bente do homem é mesmo
homem em toda orma, pois é o espDrito do homem, espDrito que apCs a morte aparece homem
absolutamente como no mundo" e em conseqFência cousas semelhantes est#o em, um e no
outro. Assim o que oi dito da conjun$#o dos e0ternos com os internos no corpo deve ser
entendido também da conjun$#o dos e0ternos com os internos na mente, com esta Gnica
dieren$a que um é natural e o outro espiritual.
1:4. III. Se o homem visse manifestamente a Divina +rovid,ncia ou ne(aria Deus ou se
faria Deus.
/ homem puramente natural di9 em si mesmo' V/ que é a Divina ProvidênciaWH @ outra cousa ou
mais do que uma palavra espalhada entre o vul&o pelos padresH Euem viu al&uma cousa delaH
(#o é pela prudência, a sabedoria, a astGcia e a malDcia que tudo se a9 no mundoH
Euanto )s outras cousas que dai derivam n#o s#o elas necessidades, e
conseqFências, e mesmo em &rande parte contin&ênciasH Será que a Divina
Providência se mantém escondida nestas cousasH 7omo pode ela estar nas
astGcias e nas velhacariasH <, entretanto se di9 que a Divina Providência opera
todas as cousasX Ka9-me vê-la, portanto, e eu crerei" pode al&uém crer nela antesHW
Assim ala o homem puramente natural" mas de outro modo ala o homem espiritual"
este, porque reconhece Deus, reconhece também a Divina Providência, e mesmo a
vê" mas n#o pode maniestá-la a um homem que n#o pensa sen#o na nature9a pela
nature9a" pois este n#o pode elevar sua mente acima da nature9a, nem ver nas
aparências da nature9a al&uma cousa da Divina Providência, ou, concluir al&uma
cousa daD por suas leis, que s#o também as leia. da Divina, Sabedoria" se portanto a
visse maniestamente a misturaria com a nature9a, e assim n#o somente a velaria
por ilus%es, mas mesmo a proanaria" e, em lu&ar de a reconhecer, a ne&aria"e
aquele que de cora$#o ne&a a Divina Providência ne&a Deus também. /u se
pensará que é Deus que &overna tudo, ou se pensará que é a nature9a" o que pensa
que é Deus que &overna tudo pensa que é o Amor mesmo e a Sabedoria mesma,
assim a Aida mesma" mas o que pensa que é a nature9a que &overna tudo, pensa
que é o calor natural e a lu9 natural, que entretanto em si mesmos s#o mortos,
porque procedem de um sol morto. (#o é o vivo mesmo que &overna o mortoH /
morto pode &overnar al&uma cousaH Se pensas que o morto pode se dar a vida, tu
és um, insensato" a vida deve vir da Aida.
1:+. Eue parece inverossDmil que se o homem visse maniestamente a Divina
Providência ne&aria Deus, é porque parece que se al&uém a visse maniestamente
n#o poderia a9er outra cousa sen#o reconhecê-la, e assim n#o poderia a9er outra
cousa sen#o, reconhecer Deus" mas é, entretanto o contrário. A Divina Providência
n#o a&e jamais em uni#o com o amor da vontade do homem, mas a&e
continuamente contra esse amor" pois o homem por seu mal hereditário está sempre
ansiando pelo inerno mais' proundo, mas o Senhor por Sua Providência o aasta
dele continuamente e o retira dai, primeiro para um inerno mais suave, depois o
retira do inerno, e por im o eleva para <le no 7éu" esta opera$#o da Divina
Providência é continua" se, portanto o homem visse maniestamente ou sentisse
maniestamente esta a$#o de aastar ou retirar, ele se irritaria e consideraria Deus
como um inimi&o, e, de acordo com o mal de seu prCprio, / ne&aria" é por isso que,
a im de que o homem n#o saiba isso, ele é mantido no livre, pelo qual n#o sabe
absolutamente outra cousa, sen#o que se condu9 a si mesmo. Bas e0emplos v#o
servir para ilustra$#o' / homem pelo hereditário quer se tornar &rande, e quer
também se tornar rico, e tanto quanto estes amores n#o s#o rereados, quer se
tornar maior e mais rico" e isso n#o o satisará ainda, mas quererá se tornar maior
do que Deus mesmo, e possuir o 7éu mesmo" esta cupide9 está escondida
?ntimamente no mal hereditário, e por conse&uinte na vida do homem e na nature9a
de sua vida. A Divina Providência n#o tira este mal em um momento pois se o
tirasse em um momento, o homem n#o viveria" mas o tira tácita e sucessivamente,
sem que o homem saiba cousa al&uma" isso tem lu&ar pelo ato de ser permitido ao
homem a&ir se&undo o pensamento que ele e0prime se&undo a ra9#o, e ent#o ela o
dissuade por diversos meios, tanto pelos meios racionais como pelos meios civis e
morais, e assim ele é dissuadido tanto quanto no livre pode ser dissuadido. 6 mal
n#o pode tampouco ser tirado de al&uém, a n#o ser que se mostre, que seja visto e
seja reconhecido" é como uma cha&a que n#o pode ser curada, se n#o or aberta.
Se portanto o homem soubesse e visse que o Senhor, por Sua Divina Providência,
opera assim contra o amor de sua vida, de que lhe vem o pra9er supremo, n#o
poderia a9er outra cousa sen#o ir em sentido contrário, e e0asperar-se, disputar,
di9er cousas duras, e por im repelir por seu mal a opera$#o da Divina Providência,
ne&ando-a, e assim ne&ando Deus, sobretudo se visse que ela se op%e a seus
sucessos, que é destituDdo da di&nidade e privado da opulência. !odavia, é preciso
que se saiba que o Senhor jamais dissuade o homem de procurar as honras e de
adquirir rique9as, mas que o dissuade da cupide9 de procurar as honras pela
preeminência sC ou para ele mesmo, e da cupide9 de adquirir rique9as pela
opulência sC ou pelas rique9as" mas quando o dissuade destas cobi$as, o introdu9
no, amor dos usos, a im de que considere a preeminência n#o para ele mesmo mas
para os usos, assim, a im de que perten$a aos usos e por conse&uinte a ele
mesmo, e n#o a ele mesmo e por conse&uinte aos usos" dá-se o mesmo com a
opulência. Eue o Senhor humilha continuamente os soberbos e eleva os humildes,
<le Besmo o ensina em muitos lu&ares da Palavra, e o que <le ensina na Palavra
pertence também ) Divina Providência.
1:,. Dá-se o mesmo com qualquer outro mal, em que o homem pelo hereditário,
por e0emplo, adultérios, raudes, vin&an$as, blasêmias, e outros males semelhantes
todos os quais n#o podem ser aastados sen#o quando a liberdade de os pensar e
de os querer oi dei0ada, e que assim o homem os aaste como por si mesmo, o,
que, entretanto n#o pode ser eita, a n#o ser que reconhe$a a Divina Providência, e
implore para que isso seja eito por ela" sem esta liberdade, e ao mesmo tempo sem
a Divina Providência, estes males seriam semelhantes a um veneno tomado e n#o
vomitado, que em breve se espalharia por toda parte e daria a morte" seriam ainda
semelhantes a uma moléstia do cora$#o que destrCi em pouco tempo todo o corpo.
1:2. Eue assim seja, n#o se pode saber melhor do que pelos homens depois da
morte no mundo espiritual" lá, a maior parte dos que no mundo natural se tinham
tornado &randes e opulentos, e n#o tinham tido em vista nas honras e também nas
rique9as, sen#o a eles mesmos, alam a princDpio de Deus e da Divina Providência
como se os tivessem reconhecido de cora$#o" mas como ent#o vêem
maniestamente a Divina Providência, e por ela a sua Gltima sorte, quer di9er que
ir#o para o inerno, conjuntam-se lá com os diabos, e ent#o n#o somente ne&am
Deus, mas ainda blasemam" e em se&uida caem no delDrio de reconhecer como
seus deuses os diabos mais possantes, e de n#o desejar cousa al&uma mais
ardentemente do que tornar-se também, eles mesmos, deuses.
1:5. Eue o homem iria ao oposto de Deus, e mesmo o ne&aria, se visse
maniestamente as opera$%es de sua Divina Providência, é porque o homem está no
pra9er de seu amor" e este pra9er a9 a sua vida mesma" é por isso que quando o
homem é mantido no pra9er de sua vida está em seu livre, pois o livre e este pra9er
a9em um" se portanto percebesse que é continuamente dissuadido de seu pra9er,
ele se irritaria como aria contra aquele que quisesse destruir sua vida, e que
consideraria como inimi&o. A im de que isso n#o aconte$a, o Senhor n#o se mostra
maniestamente em Sua Divina Providência, mas por ela condu9 o homem t#o
tacitamente como o a9 com um navio um rio tranqFilo ou uma corrente avorável"
por isso, o homem n#o sabe outra cousa sen#o que está continuamente em seu
prCprio, pois o livre a9 um com o prCprio" daD é evidente que o livre apropria ao
homem o que a Divina Providência introdu9 o que n#o aconteceria se esta se
maniestasse" o que é apropriado é o que se torna cousa da vida.
1:1. I). * dado ao homem ver a Divina +rovid,ncia por detr's e no em face>
além disso, também no estado espiritual e no no estado natural.
Aer a Divina Providência por detrás e n#o em ace é a ver apCs e n#o antes" e a ver
pelo estado espiritual e n#o pelo estado natural é a ver do 7éu e n#o do Bundo.
!odos os que recebem o inlu0o do 7éu e reconhecem a Divina Providência,
principalmente os que pela reorma se tornaram espirituais, quando vêem
acontecimentos em uma certa série admirável, vêem por assim di9er a Providência
por um reconhecimento interior, e a conessam" eles n#o a querem ver de ace, isto
é, antes que e0ista, pois temem que sua vontade se imiscua em al&uma cousa de
sua ordem e de sua economia. @ de outro modo com os que admitem n#o o inlu0o
do 7éu, mas unicamente o inlu0o do Bundo, e principalmente com os que,
conirmando neles as aparências, se tornaram naturais" eles nada vêem da Divina
Providência por detrás ou apCs ela, mas querem vê-la em ace ou antes que e0ista"
e como a Divina Providência opera por meios, e como os meios se a9em pelos
homens ou pelo mundo, resulta que, seja que a vejam em ace ou por detrás, eles a
atribuem ao homem ou ) nature9a, e assim se conirmam em ne&ar sua e0istência.
Se a atribuem ao homem ou ) nature9a, é porque seu entendimento está echado
por cima, e aberto unicamente por bai0o, por conseqFência echado do lado do 7éu
e aberto do lado do mundo, e que do Bundo n#o se pode ver a Divina Providência,
enquanto que do 7éu se pode. Al&umas ve9es pensei em mim mesmo, se estes
reconheceriam a Divina Providência, no caso em que seu entendimento osse aberto
em cima, e onde veriam como na claridade do dia que em si mesma a nature9a é
morta, e que em si mesma a inteli&ência humana é nula, mas que se uma e outra
aparecem ser é pelo inlu0o, e percebi que os que se conirmaram pela nature9a e
pela prudência humana n#o reconheceriam a Divina Providência, porque a lu9
natural, que inlui de bai0o, e0tin&uiria imediatamente a lu9 espiritual que inlui do
alto.
1:-. / homem que se tornou espiritual reconhecendo Deus, e sábio rejeitando o
prCprio, vê a Divina Providência por toda parte do mundo, e em todas e cada uma
das cousas do mundo" se encara as cousas naturais, ele a vê" se encara as cousas
civis, ele a vê" se encara as cousas espirituais, ele a vê" e isto, tanto no que é
simultNneo como no que é sucessivo" nos ins, nas causas, nos eeitos, nos usos,
nas ormas, no que é &rande, e no que é pequeno ele a vê" principalmente na,
salva$#o dos homens, pelo ato de ;eová ter dado a Palavra, e por ela os instruiu
sobre Deus, sobre o 7éu e o inerno, e sobre a vida eterna, e por <le mesmo ter
vindo ao mundo para redimir e salvar os homens" pela lu9 espiritual o homem vê na
lu9 natural todas estas cousas e muitas outras, e nelas a Divina Providência. Bas o
homem puramente natural nada vê de tudo isso" é como aquele que vê um templo
ma&nDico, e ouve um pre&ador ilustre nas cousas Divinas, e que, reentrando em
casa, di9 que n#o viu sen#o uma casa de pedra, e n#o ouviu sen#o um som
articulado" ou como um mDope que entra em um jardim notável pelos rutos de toda
espécie, e que, de volta a casa, conta que viu somente uma loresta e árvores.
Euando tais homens, tornados <spDritos depois da morte, s#o elevados ao 7éu
an&élico onde todas as cousas s#o ormas representativas do amor e da sabedoria,
nada vêem destas cousas, nem mesmo que elas aD est#o" é o que vi acontecer a
vários que tinham ne&ado a Divina Providência do Senhor.
1-6. Rá um &rande nGmero de cousas constante que oram criadas, a im de que as
cousas n#o constantes pudessem e0istir" as cousas constantes s#o as repeti$%es
i0as do nascer e do pIr, do sol e da lua, e também das estrelas" seus
obscurecimentos pelas interposi$%es que s#o chamadas eclipses" seu calor e sua
lu9" os tempos do ano, que s#o chamados primavera, ver#o outono e inverno" e os
tempos do dia, que s#o a manh#, o meio-dia, ) tarde e a noite" s#o também as
atmoseras, as á&uas, as terras consideradas em si mesmas" a aculdade ve&etativa
no reino ve&etal, e esta aculdade e também a aculdade prolDica no reino animal,
além disso, as cousas que por estas se a9em constantemente, quando s#o postas
em a$#o se&undo as leis da ordem. Koi provido por cria$#o a todas estas cousas e a
várias outras, a im de que uma ininidade de cousas variáveis pudessem e0istir"
com eeito, as cousas variáveis n#o podem e0istir sen#o nas cousas constantes,
estáveis e certas. Bas isso será ilustrado por e0emplos' As cousas variáveis da
ve&eta$#o n#o teriam lu&ar, se o nascer e o pIr do sol, e por conse&uinte os calores
e as lu9es, n#o ossem cousas constantes. As harmonias s#o de uma variedade
ininita, mas n#o teriam lu&ar, se as atmoseras em suas leis e os ouvidos em sua
orma n#o ossem constantes" as variedades da vista, que também s#o ininitas, n#o
e0istiriam, se o éter em suas leis e o olho em sua orma n#o ossem constantes"
semelhantemente )s cores, se a lu9 n#o osse constante" dá-se o mesmo com os
pensamentos, as palavras e as a$%es, que também s#o de uma variedade ininita,
elas n#o e0istiriam tampouco, se as partes or&Nnicas do corpo n#o ossem
constantes" uma, casa n#o deve ser constante, a im de que cousas variáveis
possam aD ser eitas pelo homemH ?&ualmente um templo, a im de que as diversas
cerimInias do culto, os serm%es, as instru$%es e as medita$%es piedosas possam aD
se a9erH < assim por diante. Euanto ao que concerne )s variedades mesmas que
se a9em nas cousas constantes, elas v#o ao ininito e n#o têm im, e, entretanto
n#o há jamais uma Gnica absolutamente semelhante a uma outra em tudo o que
e0iste no 3niverso, e n#o haverá jamais nas cousas que se suceder#o. Euem é que
disp%e estas variedades indo ao ininito e eternamente, para que estejam na ordem,
se n#o Aquele que criou as cousas constantes para este im que as variedades
e0istissem nelasH < quem é que pode dispor as variedades ininitas da vida do
homem, se n#o é Aquele que é a Aida mesma, isto é, o Amor mesmo e a Sabedoria
mesmaH Será que, sem a Divina Providência, que é como uma cria$#o continua as
aei$%es ininitas dos homens e, por conse&uinte seus pensamentos ininitos, e
assim os homens mesmos, podem ser dispostos para a9er um, as aei$%es e os
pensamento maus um Gnico diabo, que é o ?nerno" as aei$%es e os pensamentos
bons um Gnico Senhor no 7éuH Eue todo o 7éu an&élico esteja na presen$a do
Senhor como um sC Romem, que é Sua ima&em e semelhan$a, e que todo o ?nerno
seja no seu oposto como um Gnico homem-monstro é o que já oi dito e mostrado
al&umas ve9es. <stas observa$%es oram eitas porque al&uns homens naturais
tiram mesmo das cousas constantes e estáveis, que s#o necessidades para este im
que as variedades e0istam nelas, os ar&umentos de seu delDrio em avor da nature9a
e em avor da prCpria prudência.
A PRRPRIA PR(DÊNCIA É N(9A< E SO&EN$E PARECE EIS$IR< E $A&BÉ&
DEVE PARECER CO&O EIS$IRA &AS A DIVINA PROVIDÊNCIA PE9OS
&(I$OGSING(9ARES É (NIVERSA9.
1-1. Eue a prCpria prudência seja nula, isto é absolutamente contra a aparência" e pois
que assim é, aquele que pela aparência está na cren$a de que a prudência humana a9
tudo, n#o pode ser convencido do contrário sen#o por meio de ra9%es de uma
investi&a$#o prounda, que devem ser tiradas das causas" esta aparência é um eeito,
e as causas descobrem donde ela vem. (esta preliminar dir-se-á al&uma cousa da
cren$a comum sobre este assunto. 7ontra a aparência é o que ensina a ?&reja, que o
amor e a é, além disso, a sabedoria e a inteli&ência, por conseqFência a prudência, e
em &eral todo bem e todo vero, vêm n#o do homem mas de Deus" quando se admite
estas verdades, deve-se também admitir que a prCpria prudência é nula, mas parece
somente e0istir" a prudência n#o vem sen#o da inteli&ência e da sabedoria, e estas
duas n#o vêm sen#o do entendimento e assim do pensamento do vero e do bem. 6
que acaba de ser dito é admitido e crido pelos que reconhecem a Divina Providência, e
n#o por aqueles que reconhecem a prudência humana sC. /ra, ou o vero será o que
ensina a ?&reja, que toda sabedoria e toda prudência vêm de Deus, ou bem será o que
ensina o Bundo, que toda sabedoria e toda prudência vêm do homem" pode-se
conciliar isso de outro modo que n#o seja di9endo que o que ensina a ?&reja é o vero, e
o que ensina o Bundo é a aparênciaH Depois a ?&reja conirma sua proposi$#o pela
Palavra, mas o Bundo conirma a sua, pelo prCprio" ora a Palavra vem de Deus, e o
prCprio vem do homem. 7omo a prudência vem de Deus e n#o do homem, é por isso
que um homem crist#o, quando está na devo$#o, pede a Deus para condu9ir seus
pensamentos, seus desD&nios e suas a$%es, e acrescenta que é porque ele n#o o pode
a9er por si mesmo" quando vê al&uém a9er o bem, di9 também que oi condu9ido a
isso por Deus" e várias outras cousas semelhantes. Será que al&uém pode alar assim,
a n#o ser que ent#o o creia interiormenteH < crê-lo interiormente, o é pelo 7éu" mas
quando pensa em si mesmo, e reGne os ar&umentos em avor da prudência humana,
pode crer o contrário, e isso, o é pelo Bundo" mas a é interna é vitoriosa naqueles que
de cora$#o reconhecem Deus, e a é e0terna é vitoriosa naqueles que de cora$#o n#o
reconhecem Deus, ainda que de boca / reconhe$am.
1-4. Koi dito que aquele que, pela aparência, está na é se&undo a qual a prudência
humana a9 tudo n#o pode ser convencido do contrário sen#o por meio de ra9%es de
uma investi&a$#o prounda, que devem ser tiradas das causas" portanto a im de que
as ra9%es tiradas das causas se apresentem com clare9a ao entendimento, elas ser#o
e0postas em sua ordem, que é esta' I. !odos os pensamentos do homem vêm das
aei$%es do amor de sua vida, e sem estas aei$%es n#o há e n#o pode haver
pensamento al&um. II. As aei$%es do amor da vida do homem s#o conhecidas pelo
Senhor sC. III. As aei$%es do amor da vida do homem s#o condu9idas pelo Senhor por
meio de Sua Divina Providência, e seus pensamentos de onde provém a prudência
humana o s#o ao mesmo tempo. IV. / Senhor por Sua Divina Providência reGne em
conjunto as aei$%es de todo o Gênero Rumano em uma Gnica orma, que é a orma
humana. V. Dai o 7éu e o ?nerno, que provêm do Gênero Rumano, estarem em uma
tal orma. VI. /s que reconheceram a nature9a sC e a prudência humana sC constituem
o inerno" e os que reconheceram Deus e Sua Divina Providência constituem o 7éu.
VII. !odas estas cousas n#o podem ter lu&ar a n#o ser que pare$a ao homem que por
si mesmo ele pensa e que por si mesmo disp%e.
1-+. I. ?odos os pensamentos do homem v,m das afei1@es do amor de sua vida,
e sem estas afei1@es no h' e no pode haver pensamento al(um.
/ que é o amor da vida, e o que s#o em sua essência as aei$%es e, por conse&uinte
os pensamentos, e por elas as sensa$%es e as a$%es que e0istem no corpo, é o que oi
mostrado acima neste !ratado, e também no que tem por tDtulo, A Sabedoria ria
An&élica sobre o Divino Amor e a Divina Sabedoria, especialmente na Primeira Parte e
na Euinta" ora, como destas cousas provêm as causas de onde decorre a prudência
humana como eeito, é necessário que seja também reerido aqui al&uma cousa a
respeito" pois o que oi escrito em outra parte n#o pode ser li&ado por continuidade com
o que é escrito depois, a n#o ser que se o repita e que se o coloque sob os olhos.
Acima, neste !ratado, e no Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria acima
mencionado, oi demonstrado que no Senhor há o Divino Amor e a Divina Sabedoria, e
que estes dois s#o a Aida mesma" que por estes dois há no homem Aontade e
<ntendimento" pelo Divino Amor Aontade, e pela Divina Sabedoria <ntendimento" que
) vontade e ao entendimento correspondem no corpo, o cora$#o e o pulm#o" que daD
pode-se ver que, como a pulsa$#o do cora$#o junto ) respira$#o do pulm#o &overna o
homem inteiro quanto a seu corpo, do mesmo modo a vontade junto ao entendimento
&overna o homem inteiro quanto ) sua mente" que assim há em cada homem dois
princDpios da vida, um natural e o outro espiritual, e que o principio natural da vida é a
pulsa$#o do cora$#o, e o principio espiritual da vida a vontade da mente" que um e
outro se adjuntam um companheiro com o qual coabita e desempenha suas un$%es da
vida, e que o cora$#o se conjunta o pulm#o, e a vontade o entendimento. /ra, como a
alma da vontade é o amor e a alma do entendimento é a sabedoria, um e outro
procedendo do Senhor, se&ue-se que o amor é a vida de cada um, e que esta vida é
conorme o amor oi conjunto ) sua sabedoria, ou, o que é a mesma cousa, que a
vontade é a vida de cada um, e que esta vida é conorme a vontade oi conjunta ao
entendimento" mas, sobre este assunto, pode-se ver mais acima, neste !ratado, e
principalmente na Sabedoria An&élica obre o Divino Amor e a Divina
Sabedoria,Primeira e Euinta Partes.
1-,. (estes mesmos tratados oi também demonstrado que o amor da vida produ9 de
si mesmo amores subalternos, que s#o chamados aei$%es" que estas s#o e0teriores e
interiores, e que tomadas em conjunto elas a9em como um &overno ou um reino, no
qual o amor da vida é como senhor ou rei" além disso, ainda oi demonstrado que estes
amores subalternos, ou estas aei$%es, se adjuntam companheiros, cada uma o seu"
as aei$%es interiores, companheiros que s#o chamados percep$%es, e as aei$%es
e0teriores, companheiros que s#o chamados pensamentos" que cada uma coabita com
seu companheiro, e desempenha as un$%es da vida" e que a conjun$#o de uma e de
outra é como a do ser da vida com o e0istir da vida, conjun$#o que é tal que um n#o é
al&uma cousa, a n#o ser que esteja ao mesmo tempo com o outro" pois o que é o ser
da vida se n#o e0iste, e o que é o e0istir da Aida se n#o provém do ser da vidaH Além
disso, também, que a conjun$#o da vida é como a do som e da harmonia, ou do som e
da lin&ua&em, e em &eral como a do batimento do cora$#o e a respira$#o do pulm#o,
conjun$#o que é tal, que um n#o é al&uma cousa sem o outro, e que um se toma
al&uma cousa pela conjun$#o com o outro. As conjun$%es devem estar nelas, ou antes
s#o eitas por elas" seja por e0emplo o som' Aquele que ima&ina que o som é al&uma
cousa, se nele n#o há aquilo que distin&ue, se, en&ana" o som também corresponde )
aei$#o do homem, e porque há sempre no som al&uma cousa que distin&ue, é por isso
que pelo som do homem que ala conhece-se a aei$#o de seu amor, e que pela
varia$#o do som, que é a, lin&ua&em, conhece-se seu pensamento" vem daD que pelo
som sC daquele que ala os anjos mais sábios percebem os amores de sua vida, e ao
mesmo tempo certas aei$%es que s#o suas deriva$%es. <stas cousas oram reeridas
a im de que se saiba que n#o há aei$#o sem seu pensamento, nem pensamento sem
sua aei$#o. Bas pode-se ver mais sobre este assunto neste !ratado, acima, e na
Sabedoria An&élica obre o Divino Amor e a Divina Sabedoria.
1-2. /ra, como o amor da vida tem seu pra9er, e sua sabedoria tem seu encanto,
dá-se o mesmo com toda aei$#o, que em sua essência é um amor subalterno derivado
do amor da vida, como um re&ato de sua onte, ou como um ramo de sua árvore, ou
como uma artéria de seu cora$#o" é por isso que cada aei$#o tem seu pra9er, e, por
conse&uinte cada percep$#o e cada pensamento têm seu encanto, donde resulta que
estes pra9eres e estes encantos a9em ) vida do homem. / que é a vida sem o pra9er
e sem o encantoH (#o é al&uma cousa animada, é inanimada" diminui o pra9er e o
encanto, e tu te tornarás rio e entorpecido, tira-os, e tu e0pirarás e morrerás" é pelos
pra9eres das aei$%es, e pelos encantos das percep$%es e dos pensamentos, que há
calor vital. Pois que cada aei$#o tem seu pra9er, e que, por conse&uinte cada
pensamento tem seu encanto, pode-se ver donde vem o bem e o vero" além disso, o
que é o bem e o vero em sua essência, o bem é para cada um o que é o pra9er de sua
aei$#o, e o que por conseqFência é o encanto de seu pensamento" com eeito, cada
um chama bem o que sente como pra9er pela amor de sua vontade, e chama vero o
que por conseqFência percebe como encanto pela sabedoria de seu entendimento" um
e outro eluem do amor da vida como a á&ua corre de uma onte, ou como o san&ue
corre do cora$#o" tomados em conjunto, s#o como uma onda ou uma atmosera na
qual está toda a mente humana. <stes dois, o pra9er e o encanto, s#o espirituais na
mente, mas no corpo s#o naturais" de parte a parte a9em ) vida do homem. Por isto,
vê-se claramente que cousa no homem é chamada bem, e que cousa é chamada vero"
além disso, também, que cousa no homem é chamada mal, e que cousa é chamada
alsa, a saber, que para ele o mal é o que destrCi o pra9er de sua aei$#o, e o also é o
que em conseqFência destrCi o encanto de seu pensamento" e que o mal por seu
pra9er e o also por seu encanto podem ser chamados e podem ser cridos o bem e o
vero. /s bens e os veros s#o, na verdade, mudan$as e varia$%es de estados das
ormas da mente, mas estas mudan$as e estas varia$%es s#o percebidas e vivem
unicamente por seus pra9eres e por seus encantos. <stes detalhes oram dados a im
de que se saiba o que é a aei$#o e o pensamento em sua vida.
1-5. /ra, pois que é a mente do homem, e n#o o corpo, que pensa, e que pensa pelo
pra9er de sua aei$#o" e, pois que a mente do homem é seu espDrito, que vive depois
da morte, se&ue-se que o espDrito do homem n#o é absolutamente sen#o a aei$#o e
conseqFentemente o pensamento. Eue n#o possa haver pensamento al&um sem uma
aei$#o, vê-se maniestamente pelos <spDritos e os Anjos no mundo espiritual, pelo ato
de que lá todos pensam pelas aei$%es do amor de sua, vida, e que cada um é cercado
pelo pra9er destas aei$%es como por uma atmosera" e pelo ato de que todos aD s#o
conjuntos se&undo estas eseras e0aladas de suas aei$%es por seus pensamentos"
cada um também pela esera de sua vida é conhecido tal qual é. Por ai pode-se ver
que todo pensamento vem de uma aei$#o e é a orma de sua aei$#o. Dá-se o mesmo
com a vontade e o entendimento" dá-se o mesmo com o bem e o vero" e dá-se o
mesmo com a caridade e a é.
1-1. II. As afei1@es do amor da vida do homem so conhecidas do Senhor s6.
/ homem conhece seus pensamentos e conseqFentemente suas inten$%es, porque os
vê em si" e como toda prudência provém daD, vê também em si a prudência" se ent#o o
amor de sua vida é o amor de si, ele entra no asto da prCpria inteli&ência, e se atribui a
prudência" e reGne ar&umentos por ela, e assim se aasta do reconhecimento da Divina
Providência" dá-se o mesmo se o amor do mundo é o amor de sua vida, mas
entretanto ele n#o se aasta ent#o no mesmo &rau. Por isto é evidente que estes dois
amores atribuem tudo ao homem e ) sua prudência" e que e0aminando-os mais
interiormente vê-se que nada atribuem a Deus, nem cousa al&uma ) sua Providência"
quando portanto como por acaso ouvem di9er que é uma verdade, que a prudência
humana é nula e que é sC a Divina Providência que &overna tudo, se s#o
absolutamente ateus, riem disso" mas se retêm em sua memCria al&uma cousa da
reli&i#o, e se se lhes di9 que toda sabedoria vem de Deus, airmam esta proposi$#o, é
verdade, desde que a ouvem pronunciar, mas n#o obstante, interiormente, em seu
espDrito, a, ne&am. !ais s#o principalmente os sacerdotes que se amam mais do que a
Deus, e amam o mundo mais do que ao 7éu, ou, o que é a mesma cousa, que adoram
Deus tendo em vista as honras e os proveitos, e n#o obstante pre&aram que a caridade
e a é, que todo bem e todo vero, que toda sabedoria e mesmo que toda prudência vêm
de Deus, e que nada disso vem do homem. 3m dia, no Bundo espiritual, ouvi dois
sacerdotes discutirem com um embai0ador a respeito da prudência humana, se ela
vem de Deus ou do homem" a discuss#o estava viva" todos três tinham crido de
cora$#o a mesma cousa, a saber, que a prudência humana a9 tudo, e que a Divina
Providência nada a9" mas os sacerdotes, que estavam ent#o no 9elo teolC&ico, di9iam
que cousa al&uma da sabedoria e da prudência vem do homem" e como o embai0ador
replicava que assim cousa al&uma do pensamento n#o vinha tampouco do homem,
di9iam que nada vinha dele. /ra, como oi percebido pelos Anjos que todos três
estavam na mesma é, oi dito ao embai0ador' J>eveste-te com roupas de sacerdote, e
crê que és sacerdote, e ent#o alaJ. <ste se revestiu com elas, e se acreditou
sacerdote, e ent#o em altas vo9es declarou que cousa al&uma da sabedoria nem da
prudência pode jamais estar no homem sen#o por Deus, e o sustentava com sua
eloqFência habitual cheia de ar&umentos racionais. <m se&uida oi dito também a
estes dois sacerdotes' J!irai vossas vestimentas, e revesti-vos com roupas de ministros
polDticos, e crede que sois embai0adoresJ. < eles i9eram assim, e ent#o pensaram
se&undo seus interiores, e alaram conorme os ar&umentos que tinham
precedentemente alimentado dentro deles mesmos em avor da prudência humana
contra a Divina Providência. !odos três em se&uida, porque estavam na mesma é,
tornaram-se ami&os de cora$#o, e tomaram juntos o caminho da prCpria prudência, que
condu9 ao inerno.
1-:. Koi mostrado acima que pensamento al&um do homem e0iste sen#o por uma
certa aei$#o do amor de sua vida, e que o pensamento n#o é outra cousa sen#o a
orma da aei$#o" além disso também que o homem vê seu pensamento e n#o pode
ver sua aei$#o, pois esta, ele a sente, se&ue-se que é pela vista, que está na
aparência, que ele decide que a prCpria prudência a9 tudo, e n#o pela aei$#o que n#o
é vista, mas que é sentida" com eeito, a aei$#o se maniesta unicamente por um certo
pra9er do pensamento e uma certa delDcia, do raciocDnio sobre este pra9er, e ent#o este
pra9er e esta delDcia a9em um com o pensamento naqueles que est#o na é da prCpria
prudência pelo amor de si ou pelo amor do mundo" e o pensamento corre em seu
pra9er como um navio na corrente de um rio, ) qual o piloto n#o presta aten$#o, n#o
olhando sen#o para as velas que desraldou.
1--. / homem, é verdade, pode reletir sobre o pra9er de sua aei$#o e0terna, quando
este pra9er a9 como um com o pra9er de um sentido do corpo, mas a verdade é que
ele n#o relete que este pra9er vem do pra9er de sua aei$#o no pensamento. Por
e0emplo, quando um debochado vê uma prostituta, a vista de seu olho cintila com o
o&o da lascDvia, e por isto sente o pra9er em seu corpo, mas, entretanto n#o sente o
pra9er de sua aei$#o ou de sua cobi$a no pensamento, sen#o al&um desejo ardente
em uni#o com o corpo" dá-se o mesmo com um ladr#o em uma loresta, quando vê
viajantes" e como um pirata no mar, quando vê navios" e dá-se o mesmo com outros"
que estes pra9eres &overnam os pensamentos do homem, e que os pensamentos sem
eles nada sejam, isso é evidente" mas o homem crê que s#o unicamente pensamentos,
quando entretanto os pensamentos n#o s#o sen#o aei$%es compostas em ormas pelo
amor de sua vida, a im de que se maniestem na lu9" pois toda aei$#o está no calor, e
todo pensamento está na lu9. S#o estas as aei$%es e0ternas do pensamento que, é
verdade, se maniestam na sensa$#o do corpo, mas raramente no pensamento da
mente. Euanto )s aei$%es internas do pensamento, pelas quais e0istem as aei$%es
e0ternas, n#o se maniestam jamais diante do homem" o homem n#o sabe mais sobre
estas aei$%es, que um viajante que dorme em uma viatura sabe sobre o caminho que
percorre" nem mais do que se sente o movimento de rota$#o da !erra. /ra, pois que o
homem nada sabe das cousas que se passam nos interiores de sua mente, as quais
s#o t#o ininitas, que n#o podem ser determinadas por nGmeros, e, entretanto estas
cousas e0ternas pouco numerosas que che&am ) vista do pensamento s#o produ9idas
pelos interiores, e o Senhor sC &overna os interiores por Sua Divina Providência, e
&overna conjuntamente com o homem estes e0ternos pouco numerosos, como ent#o
al&uém pode di9er que sua prCpria prudência a9 tudoH Se visses a descoberto
unicamente uma idéia do pensamento, verias mais maravilhas do que a lDn&ua pode
e0primir. Eue nos interiores da mente do homem haja cousas t#o ininitas que n#o
podem ser determinadas por nGmeros, isso é evidente pelas cousas ininitas do corpo,
das quais n#o che&a ) vista e ao sentido nada mais que uma Gnica a$#o muito
simples, para a qual, entretanto concorrem milhares de ibras motri9es ou musculares,
milhares de ibras nervosas, milhares de vasos san&uDneos, milhares de cousas do
pulm#o que devem cooperar em toda a$#o, milhares de cousas dos cérebros e da
espinha dorsal, e muito mais ainda no homem espiritual, que é a mente humana, de
que todas as cousas s#o as ormas das aei$%es, e conseqFentemente as ormas das
percep$%es e dos pensamentos. A alma, que disp%e os interiores, n#o disp%e também
as a$%es se&undo os interioresH A alma do homem n#o é outra cousa sen#o o amor de
sua vontade, e, por conse&uinte o amor de seu entendimento" tal é este amor, tal é o
homem inteiro" e se torna tal se&undo a disposi$#o nos e0ternos, nos quais o homem
está ao mesmo tempo com o Senhor" se, portanto atribui todas as cousas a si mesmo
e ) nature9a, a alma se torna o amor de si" mas se atribui todas as cousas ao Senhor,
a alma se torna o amor do Senhor" este amor é o amor celeste, e aquele amor é o
amor inernal.
466. /ra, pois que os pra9eres das aei$%es do homem o arrastam dos Dntimos pelos
interiores para os e0teriores, e por im para os e0tremos que est#o no corpo, como a
onda e a atmosera arrastam um navio, e que nada disso aparece ao homem, sen#o o
que se a9 nos e0tremos da mente e nos e0tremos do corro, como ent#o o homem
pode se atribuir o Divino unicamente porque estes e0tremos pouco numerosos lhe
aparecem como seusH < ainda menos deve ele se atribuir o Divino, quando sabe, pela
Palavra, que o homem n#o pode tomar al&uma cousa de si mesmo, a n#o ser que isso
lhe seja dado do 7éu" e que sabe, pela >a9#o, que esta aparência lhe oi dada a im de
que viva homem, que veja o que é o bem e o mal, que escolha, um ou outro, que se
aproprie o que escolheu, para poder reciprocamente ser conjunto ao Senhor, ser
reormado, re&enerado, salvo e viver na eternidade. Eue esta aparência tenha sido
dada ao homem, a im de que aja pelo livre se&undo a ra9#o, assim coma por si
mesmo, e que n#o permane$a de bra$os cru9ados esperando o inlu0o, é o que oi dito
e mostrado acima. DaD resulta a conirma$#o daquilo que devia ser demonstrado em
terceiro lu&ar, a saber' III. A0 a>e!3Qe0 do amor da .!da do +omem 04o %ondu/!da0
1elo Sen+or 1or me!o de Sua< D!.!na Pro.!d@n%!a< e 0eu0 1en0amen"o0 donde
1ro.,m a 1rud@n%!a +umana o< 04o ao me0mo "em1o.
461. I). . Senhor por Sua Divina +rovid,ncia reBne em con-unto as afei1@es de
todo o 4,nero 5umano em uma Bnica forma, que é a forma humana.
Eue seja isto o universal da Divina Providência, ver-se-á no pará&rao se&uinte" os que
atribuem tudo ) nature9a atribuem também tudo ) prudência humana" pois os que
atribuem tudo ) nature9a ne&am de cora$#o Deus, e os que atribuem tudo ) prudência
humana ne&am de cora$#o a Divina Providência, um n#o é separado do outro.
!odavia, apesar disso, uns e outros, pela reputa$#o de seu nome, e com o medo de a
perder, di9em de boca que a Divina Providência é universal, e que seus sin&ulares
est#o no homem, e que estes sin&ulares no comple0o s#o entendidos pela prudência
humana. Bas pensa em ti mesmo, o que é uma Providência universal, quando os
sin&ulares oram separados dela" será outra cousa mais que uma simples palavraH
Pois chama-se universal o que é ormado de sin&ulares reunidos, como se chama
comum o que e0iste pelos particulares" se portanto separas os sin&ulares, o que será
ent#o o universal, sen#o como al&uma cousa que dentro está va9ia, assim como uma
superDcie dentro da qual nada há, ou um comple0o no qual n#o há cousa al&umaH Se
me dissesse que a Divina Providência é um Governo universal, mas que somente o
todo é mantido em um encadeamento, e que as cousas que pertencem ao &overno s#o
dispostas por outros, isso poderia ser chamado um &overno universalH >ei al&um tem
um &overno como esse" pois se um rei permitisse ) seus sGditos &overnar todas as
cousas de seu reino, ele n#o seria mais um rei, mas somente seria chamado rei, assim
teria somente a di&nidade de seu nome, sem ter a di&nidade da cousa" em um tal rei
n#o se pode di9er que há um &overno, nem com mais orte ra9#o universal. A
Providência no Senhor é chamada prudência no homem" do mesmo modo que a
prudência n#o pode ser chamada universal em um rei que n#o se reserva sen#o o
nome de rei a im de que o reino seja chamado reino, e seja assim mantido" desse
mesmo modo a Providência n#o poderia ser chamada universal, se os homens
provessem a tudo pela prCpria prudência. Dá-se o mesmo com o nome de Providência
universal e de &overno universal, aplicado ) nature9a, quando se ouve di9er que Deus
criou o universo, e que deu ) nature9a a aculdade de produ9ir de si mesma todas as
cousas" que seria ent#o a Providência universal, sen#o um termo metaDsico, que além
do nome nada, éH Dentre os que atribuem ) nature9a tudo o que é produ9ido, e )
prudência humana tudo que se a9, e, entretanto di9em de boca que Deus criou a
nature9a, há também muitos que n#o pensam tampouco na Divina Providência sen#o
como em uma palavra va9ia de sentido. Bas o que é real é que a Divina Providência
está nos muito-sin&ulares da nature9a, e nos muito-sin&ulares da Prudência humana, e
que é por estes muito-sin&ulares que ela é universal.
464. A Divina Providência do Senhor é universal pelos muito-sin&ulares nisto, que o
Senhor criou o universo, a im de que e0ista por <le uma 7ria$#o ininita e eterna" e
esta 7ria$#o e0iste por isso que o Senhor orma de homens o 7éu, que diante dO<le é
como um Gnico homem, sua ima&em e sua semelhan$a" que o 7éu ormado de
homens seja, tal em presen$a do Senhor, e que tenha sido o im da cria$#o, é o que oi
mostrado acima Ln* 41 a ,2M" e que o Divino, em tudo que a9, tenha em vista o ininito
e o eterno Lvê-se n* 25 a 5-M. / ininito e o eterno que o Senhor tem em vista ormando
de homens o Seu 7éu, é que ele seja aumentado ao ininito e eternamente, e que
assim <le Besmo habita constantemente no im de Sua cria$#o. < a esta 7ria$#o
ininita e eterna que o Senhor proveu pela cria$#o do universo, e <le está
constantemente nesta cria$#o por Sua Divina Providência. Euem é que, sabendo e
crendo se&undo a Doutrina da ?&reja que Deus é ?ninito e <terno, !oi em toda a
I&re1a do mundo critão e di6 que Deu Pai( Deu "il0o e Deu E!írito Santo( é
Infinito( Eterno( Incriado( Dni!otente3 ver o ímbolo de Atan4io, pode ser assa9
destituDdo de ra9#o para, desde que o ouve, n#o airmar que Deus, em sua &rande obra
de cria$#o, n#o pode ter tido em vista sen#o o ininito e o eterno" pois que outra cousa
pode <le ter em vista, uma ve9 que a&e por SiH < que tem isso em vista no Gênero
Rumano, de que orma Seu 7éuH A Divina Providência pode, portanto ter por im outra
cousa que n#o seja a >eorma do Gênero Rumano e sua Salva$#oH /ra, nin&uém
pode ser reormado por si mesmo por meio de sua prudência, mas se é reormado pelo
Senhor por meio de Sua Divina Providência" donde se&ue-se que se o Senhor n#o
condu9 o homem a cada momento, mesmo o menor, o homem se retira do caminho da
reorma e perece" cada mudan$a e varia$#o de estado da mente humana produ9
al&uma mudan$a e al&uma varia$#o na série das cousas presentes, e por
conseqFência das cousas se&uintes" o que n#o será pro&ressivamente na eternidadeH
@ como uma lecha lan$ada com um arco, se desde que parte se desviasse do alvo,
por pouco que osse, ) distNncia de uma ou de várias milhas o desvio seria imenso"
assim seria, se o Senhor, a cada momento, mesmo no menor, n#o diri&isse os estados
das mentes humanas. 6 Senhor a9 isso se&undo as leis de Sua Divina Providência" e
é conorme a estas leis que parece ao homem que ele se condu9 a si mesmo" mas o
Senhor prevê como ele se condu9irá, e continuamente acomoda. Eue as O8eis de
permiss#o sejam também leis da Divina Providência" e que todo homem possa ser
reormado e re&enerado" e que nada haja de predestinado, é o que se verá em
se&uida.
46+. Portanto, pois que todo homem depois da morte vive eternamente, e obtém
se&undo sua vida um lu&ar ou no 7éu, ou no ?nerno, e que um e outro, tanto o 7éu
como o inerno, deve estar em uma orma que a&e como um como já oi dito" e pois
que nin&uém nesta orma pode obter um lu&ar que n#o seja o seu, se&ue-se que o
&ênero humano sobre todo o &lobo está sob os auspDcios do Senhor, e que cada um
desde a inNncia até ao im de sua vida é condu9ido por <le nos muito-sin&ulares, e
que seu lu&ar é previsto e ao mesmo tempo é provido. DaD é evidente que a Divina
Providência é universal, porque está nos muito-sin&ulares, e que é isso a 7ria$#o
ininita e eterna, ) qual o Senhor proveu por <le Besmo pela 7ria$#o do universo. /
homem nada vê desta Providência universal, e se a visse ela n#o poderia aparecer
diante de seus olhos sen#o como aparecem diante dos transeuntes os amontoados de
materiais esparsos e sem ordem, com os quais deve-se construir uma casa" mas
diante do Senhor aparece como um palácio ma&nDico cuja constru$#o e
en&randecimento s#o contDnuos.
46,. ). 0 2éu e o Inferno esto em uma tal forma.
Eue o 7éu esteja na orma humana, isso oi mostrado, no Tratado do Céu e do Inferno
Limpresso em 8ondres em 112:, n* 2- a 164M, e também neste tratado em al&uns
lu&ares" por isso é inGtil conirmá-lo mais. Di9-se que o ?nerno também está na orma
humana, mas está em uma orma humana monstruosa, tal como a do diabo, pelo qual
se entende o ?nerno em todo o comple0o" ele está na orma humana, porque os que
est#o lá também nasceram homens, e têm também estas duas aculdades humanas,
que s#o chamadas 8iberdade e >acionalidade, embora tenham abusado da 8iberdade
para querer e a9er o mal, e da >acionalidade para pensá-lo e conirmá-lo.
462. )I. .s que reconheceram a nature"a s6 e a prud,ncia humana s6 constituem
o Inferno> e os que reconheceram Deus e Sua Divina +rovid,ncia constituem o
2éu.
!odos os que levam uma vida há reconhecem interiormente a nature9a sC e a
prudência humana sC" o reconhecimento de uma, e de outra está escondido dentro de
todo mal, por mais velado que seja pelos bens e pelos veros" estes s#o unicamente
vestimentas emprestadas, ou como perecDveis &rinaldas de lores, cercando o mal, a
im de que n#o, apare$a em sua nude9. Eue todos os que levam uma vida má
reconhecem interiormente a nature9a sC e a prudência humana sC" i&nora-se por causa
deste véu comum, pois ele subtrai isso ) vista" mas a verdade é que eles as
reconhecem, como se pode ver pela ori&em e a causa deste reconhecimento" e, para
que seja desvendada, dir-se-á donde procede e o que é a prCpria prudência" em
se&uida, donde procede e o que é a Divina Providência" além disso, que e quais s#o os
que reconhecem esta, e os que reconhecem aquela" e por im, que os que reconhecem
a Divina Providência est#o no 7éu, e que os que reconhecem a prCpria prudência
est#o no ?nerno.
465. Donde 1ro%ede e o =ue , a 1r51r!a 1rud@n%!a.
<la procede do prCprio do homem, prCprio que é sua nature9a, e é chamada sua alma
derivada do pai" este prCprio é o amor de si e em conseqFência o amor do mundo, ou o
amor do mundo e em conseqFência o amor de si" o amor de si é tal que se considera
sC, e olha os outros ou como vis ou como de nenhuma importNncia" se considera
al&uns como al&uma cousa, é sC enquanto o honram e o reverenciam. ?ntimamente
neste amor, com o esor$o de rutiicar e de proliicar na semente, está escondido, que
quer se tornar &rande, e se é possDvel, se tornar rei, e se ent#o o puder se tornar Deus"
tal é o diabo, porque ele é o amor mesmo de si" é tal que se adora a si mesmo, e n#o é
avorável sen#o )quele que o adora" um outro diabo semelhante, ele o odeia, porque
quer ser adorado sC. 7omo n#o pode haver amor al&um sem sua companheira, e como
a companheira do amor ou da vontade no homem é chamada entendimento, quando o
amor de si inspira seu amor ao entendimento, que é sua companheira, este amor aD se
torna, asto, e é o asto da prCpria inteli&ência" daD vem ) prCpria prudência. /ra, como
o amor de si quer ser senhor do mundo, por conseqFência também Deus, as cobi$as
do mal, que s#o derivados dele, têm nelas a vida por este amor" do mesmo modo as
percep$%es das cobi$as, que s#o as astGcias" do mesmo modo também os pra9eres
das cobi$as, que s#o os males" e seus pensamentos que s#o os alsos" todos s#o
como servidores e ministros de seu senhor, e a&em se&undo todos os seus caprichos,
i&norando que n#o a&em, mas que s#o postos em a$#o" s#o postos em a$#o pelo
amor de si por meio do asto da prCpria inteli&ência" daD vem que em todo mal por sua
ori&em está escondida a prCpria prudência. Eue o reconhecimento da nature9a sC aD
está escondido também, é porque o amor de si echou a janela de seu teto, pela qual
se descobre o 7éu, e também as janelas dos lados, para n#o ver e n#o ouvir que o
Senhor sC &overna tudo, que a nature9a em si mesma é morta, que o prCprio do
homem é o inerno, e que, por conse&uinte o amor do prCprio é o diabo" e ent#o, as
janelas estando echadas, ele está nas trevas" e ai a9 para si uma lareira, perto da qual
se senta com sua companheira, e raciocinam ami&avelmente em avor da nature9a
contra Deus e em avor da prCpria prudência contra a Divina Providência.
461. Donde 1ro%ede e o =ue , a D!.!na Pro.!d@n%!a.
@ a Divina opera$#o no homem que aastou o amor de si" pois o amor de si, como oi
dito, é o diabo" e as cobi$as e os seus pra9eres s#o os males de seu reino, que é o
inerno" este amor sendo aastado o Senhor entra com as aei$%es do amor do
prC0imo, abre a janela do teto, e em se&uida as janelas dos lados, a9 com que o
homem veja que há um 7éu, que há uma vida depois da morte, e que há uma
elicidade eterna" e pela lu9 espiritual e ao mesmo tempo pelo amor espiritual, que
ent#o inluem, lhe a9 reconhecer que Deus &overna todas as cousas por Sua Divina
Providência.
46:. 7uem e =ua!0 04o o0 =ue re%on+e%em !0"o< e o0 =ue re%on+e%em a=u!lo. /s
que reconhecem Deus e Sua Divina Providência s#o como os Anjos do 7éu, que
sentem repu&nNncia em ser condu9idos por si mesmos, e &ostam de ser condu9idos
pelo Senhor, o Dndice de que s#o condu9idos pelo Senhor, é que amam o prC0imo.
Aqueles, ao contrário, que reconhecem a nature9a e a prCpria prudência s#o como os
espDritos do inerno, que sentem repu&nNncia em ser condu9idos pelo Senhor, e
&ostam de ser condu9idos por si mesmos" se oram &randes de um >eino, querem
dominar sobre todas as cousas" semelhantemente, se oram prima9 da ?&reja" se oram
jui9es, pervertem os jul&amentos e e0ercem uma domina$#o sobre as leis" se oram
doutos, aplicam os cientDicos em conirmar o prCprio do homem e a nature9a" se oram
ne&ociantes, a&em como ladr%es" se oram a&ricultores, a&em como bandidos. !odos
s#o inimi&os de Deus, e 9ombam da Divina Providência.
46-. 3ma cousa surpreendente, é que, quando o 7éu é aberto aos que s#o tais, e que
se lhes di9 que s#o insensatos, e que isso também é maniestado ) sua percep$#o
mesma, o que se a9 pelo inlu0o e pela ilustra$#o, eles, entretanto, por indi&na$#o, se
echam o 7éu, e voltam suas vistas para a terra sob a qual está o inerno" isso
acontece no Bundo espiritual, para os que est#o ainda ora do ?nerno, e que s#o tais"
por aD vê-se claramente o erro dos que pensam' JSe eu visse o 7éu, e ouvisse os anjos
me alarem, eu reconheceriaJ" seu entendimento entretanto reconhece, mas se a
vontade n#o reconhece ao mesmo tempo, a verdade é que n#o reconhecem" pois o
amor da vontade inspira ao entendimento tudo o que quer, e n#o vice-versa" mais
ainda, este amor destrCi tudo o que no entendimento n#o vem dele.
416. )II. ?odas as cousas no podem ter lu(ar, a no ser que pare1a ao homem
que por si mesmo pensa e por si mesmo disp@e.
Eue se n#o parecesse ao homem que vive por si mesmo, e que assim pensa e quer,
ala e a&e como por si mesmo, o homem n#o seria homem, isso oi plenamente
demonstrado no que precede. Se&ue-se daD que se o homem n#o disp%e como por sua
prCpria prudência, todas as cousas que pertencem ) sua un$#o e ) sua vida, ele n#o
pode ser condu9ido nem disposto pela Divina Previdência" pois seria como al&uém que
se mantivesse com as m#os pendentes, a boca aberta, os olhos echados e a
respira$#o retida, na espera do inlu0o" assim se despojaria do humano, que está nele
pela percep$#o e a sensa$#o de que vive, pensa, quer e a&e como por si mesmo" e ao
mesmo tempo se despoja de suas duas aculdades, que s#o a 8iberdade e a
>acionalidade, pelas quais é distin&uido das bestas, que sem esta aparência homem
al&um n#o teria nem o receptivo nem o recDproco, nem por conseqFência a
imortalidade, é o que oi demonstrado acima neste !ratado, e no !ratado do Divino
Amor e da Divina Sabedoria. Se portanto queres ser condu9ido pela Divina
Providência, a9 uso da prudência, como o servidor ou o intendente que administra
ielmente os bens de seu senhor" esta prudência é a mina, que oi dada aos servidores
para a a9er render, e de que devem prestar contas L8ucas 1-*, 1+ a 42" Bateus 4,*, 1,
a +1M. A prudência mesma aparece ao homem como prCpria" e enquanto o homem crê
que ela lhe é prCpria, mantém echado em si o inimi&o mais encarni$ado de Deus e da
Divina Providência, isto é, o amor de si" este amor habita nos interiores de cada
homem de nascen$a" se n#o o conheces, pois ele n#o quer ser conhecido, habita em
se&uran$a, e &uarda a porta, a im de que n#o seja aberta pelo homem, e que assim
seja e0pulso pelo, Senhor. <sta porta é aberta pelo homem quando o&e como por si
mesmo dos males como pecados, reconhecendo que é pelo Senhor. @ com esta
prudência que a Divina Providência a9 um.
411. Se a Divina Providência opera t#o secretamente, que há apenas um ou outro que
saiba que ela e0iste, é a im de que o homem n#o pere$a" pois o prCprio do homem,
que é sua vontade, jamais a9 um com a Divina Providência" há no prCprio do homem
uma inimi9ade inata contra ela" pois este prCprio é a serpente que sedu9iu nossos
primeiros pais, e da qual se di9' J?nimi9ade porei entre ti e a mulher, e entre tua
semente e a sua semente, e sua semente te esma&ará a cabe$aJ LGênesis +*, 12M" a
serpente é o mal de todo &ênero, sua cabe$a é o amor de si, a semente da mulher é o
Senhor" a inimi9ade posta entre elas é entre o amor do prCprio do homem e o Senhor,
por conseqFência também entre a prCpria prudência e a Divina Providência do Senhor,
pois a prCpria prudência n#o cessa de levantar esta cabe$a, e a Divina Providência n#o
cessa de a abai0ar. Se o homem sentisse isso, ele se irritaria e se arrebataria contra
Deus e pereceria" enquanto que n#o o sentindo pode se ?rritar e se arrebatar contra os
homens, e contra ele mesmo, e também contra a ortuna, e por isso n#o perece. DaD
vem que o Senhor por Sua Divina Providência condu9 continuamente o homem no
livre, e o livre n#o se apresenta ao homem sen#o como sendo seu prCprio" ora,
condu9ir no livre al&uém oposto ao que condu9 é como, elevar da terra um peso &rande
e resistente com máquinas, pela or$a das quais a &ravidade e a resistência n#o s#o
sentidas" é também como se al&uém estivesse na casa de um inimi&o que tivesse, sem
que ele o soubesse, a inten$#o de matá-lo, e que um ami&o o i9esse sair por
passa&ens desconhecidas, e lhe revelasse em se&uida a inten$#o do inimi&o.
414. Euem é que n#o ala da ortuna, e quem é que n#o a reconhece, pois que ala
dela, e, pois que sabe dela al&uma cousa pela e0periênciaH Bas quem é que sabe o
que é a ortunaH Eue seja al&uma cousa, pois que é e, pois que acontece n#o se pode
ne&ar" ora, ela n#o pode ser al&uma cousa e n#o pode acontecer sem uma causa" mas
a causa desta al&uma cousa ou da ortuna é desconhecida" todavia, para que n#o seja
ne&ada sC porque a causa é desconhecida, toma dados ou cartas, e jo&a, ou consulta
jo&adores" quem dentre eles ne&a a ortunaH Pois jo&am maravilhosamente, eles com
ela, e ela com eles" quem pode lutar contra ela, se ela se obstinaH <nquanto sacodes
os dados, ou baralhas as cartas, n#o parece que ela sabe e disp%e os movimentos das
m#os, para avorecer se&undo certa causa um mais do que outroH <sta causa pode vir
de outra parte que n#o seja a Divina Providência nos Gltimos, onde, pelas cousas
constantes e inconstantes, ela a&e maravilhosamente com a prudência humana, e ao
mesmo tempo se escondeH Eue os Gentios tenham outrora reconhecido a Kortuna, e
lhe tenham elevado um templo, mesmo os italianos em >oma, isso é notCrio. Sobre
esta Kortuna, que é como acaba de ser dito, a Divina Providência nos Gltimos, me oi
dado saber muitas cousas que n#o me é permitido maniestar" por estas cousas
tornou-se evidente para mim que n#o é nem uma Alus#o da mente, nem um jo&o da
nature9a, nem al&uma cousa sem causa, pois isto nada é, mas que é um testemunho
ocular que a Divina Providência está nos muito-sin&ulares dos pensamentos e das
a$%es dos homens. Pois que a Divina Providência está nos muito-sin&ulares de cousas
t#o vis e t#o rDvolas, por que n#o estaria ela nos muito-sin&ulares de cousas nem vis
nem rDvolas, que s#o as cousas da pa9 e da &uerra no Bundo, e as cousas da
salva$#o e da vida no 7éu.
41+. Sei, porém, que a prudência humana arrasta para seu partido o racional mais do
que a Divina Providência o arrasta para o seu, por esta ra9#o que a Divina Providência
n#o se maniesta, e a prudência humana está em evidência. Pode-se admitir mais
acilmente que há uma Aida Gnica, que é Deus, e que todos os homens s#o recipientes
da vida que procede de Deus, como já oi mostrado várias ve9es" e, entretanto, é a
mesma cousa, pois que a prudência pertence ) vida. Euem é que, raciocinando, n#o
ala em avor da prCpria prudência e da nature9a, quando raciocina pelo homem natural
ou e0ternoH < quem é que raciocinando, n#o ala em avor da Divina Providência e de
Deus, quando raciocina pelo homem espiritual ou internoH Bas, eu te pe$o, direi a um
homem natural, escreve dois livros, e enche-os de ar&umentos plausDveis, prováveis e
verossDmeis, sClidos se&undo teu jul&amento, um em avor da prCpria prudência, o
outro em avor da nature9a" e em se&uida p%e-nos nas m#os de um Anjo, e eu sei que
ele escreverá embai0o estas poucas palavras' !odas estas cousas s#o Aparências e
?lus%es.
A DIVINA PROVIDÊNCIA CONSIDERA AS CO(SAS E$ERNAS< E N;O
CONSIDERA AS $E&PORAIS SEN;O $AN$O 7(AN$O E9AS CONCORDA& CO&
AS E$ERNAS.
41,. Eue a Divina Providência considera as cousas eternas, e n#o considera as
temporais sen#o tanto quanto elas a9em um com as eternas, isso vai ser demonstrado
nesta ordem' I. As cousas temporais se reerem )s di&nidades e )s rique9as, assim )s
honras e aos &anhos no Bundo. II. As cousas eternas se reerem )s honras e )s
rique9as espirituais, que pertencem ao amor e ) sabedoria, no 7éu. III. As cousas
temporais e as cousas eternas s#o separadas pelo homem, mas s#o conjuntas pelo
Senhor. IV. A conjun$#o das cousas temporais e das cousas eternas é a Divina
Providência do Senhor.
412. I. As cousas temporais se referem %s di(nidades e %s rique"as, assim %s
honras e aos (anhos, no =undo.
Rá um &rande nGmero de cousas temporais, mas n#o obstante todas se reerem )s
di&nidades e )s rique9as" pelas cousas temporais entende-se as que ou perecem com
o tempo, ou cessam com a vida do homem no mundo somente" mas pelas cousas
eternas entende-se as que n#o perecem e n#o cessam com o tempo, nem por
conseqFência com a vida no mundo. Pois que, como oi dito, todas as cousas
temporais se reerem )s di&nidades e )s rique9as, é importante conhecer os pontos
se&uintes, a saber' / que s#o as di&nidades e as rique9as, e donde vêm" qual é o
amor das di&nidades e das rique9as por elas mesmas, e qual é o amor das di&nidades
e das rique9as pelos usos" que estes dois amores s#o distintos entre si como o ?nerno
e o 7éu" que a dieren$a destes amores é diicilmente conhecida pelo homem" mas
cada um destes pontos vai ser tratado separadamente. Pr!me!ramen"e# O =ue 04o a0
d!gn!dade0 e a0 r!=ue/a0< e donde .@m. As di&nidades e as rique9as, nos tempos
antiqFDssimos, eram muito dierentes do que se tornaram depois sucessivamente" nos
tempos antiqFDssimos as di&nidades n#o eram outras sen#o as que e0istem entre pais
e ilhos" estas di&nidades eram di&nidades de amor, cheias de respeito e de venera$#o,
n#o por causa do nascimento que os ilhos tinham recebido dos pais, mas por causa da
instru$#o e da sabedoria que deles recebiam o que era um se&undo nascimento, em si
mesmo espiritual, pois que concernia a seu espDrito" era esta a Gnica di&nidade nos
tempos antiqFDssimos, porque ent#o se habitava separadamente por na$%es, amDlias e
casas, e n#o sob &overnos como hoje" era no pai de amDlia que estava esta di&nidade"
esses tempos oram denominados séculos de ouro pelos escritores anti&os. Bas
depois destes tempos, o amor de dominar pelo Gnico pra9er deste amor e9 invas#o
sucessivamente" e como a inimi9ade e a hostilidade contra os que n#o queriam se
submeter i9eram invas#o ao mesmo tempo, a necessidade constran&eu as na$%es, as
amDlias e as casas a se reunirem em assembléias, e a escolherem um chee que no
princDpio se chamava jui9, e posteriormente prDncipe, e por im rei e imperador" e ent#o
come$ou-se também a se pIr em deesa por meio de torres, de parapeitos e de
muralhas. Semelhante a um contá&io, se espalhou do jui9, do prDncipe, do rei e do
imperador entre muitos, como da cabe$a ao corpo" daD provieram os &raus de
di&nidades, e também as honras se&undo as di&nidades, e com elas o amor de si e o
asto da prCpria prudência. Aconteceu o mesmo com o amor das rique9as" nos tempos
antiqFDssimos, quando as na$%es e as amDlias habitavam entre si separadamente, n#o
havia outro amor das rique9as sen#o o de possuir as cousas necessárias ) vida, que
se obtinha por meio de manadas de &ado &raGdo e miGdo, de campos, de prados e de
jardins, de que se tiravam os alimentos" no nGmero das cousas necessárias ) vida
estavam ainda )s casas convenientes, &uarnecidas de mCveis de toda espécie, e
também as vestimentas" o cuidado e a administra$#o de todas estas cousas ormavam
a ocupa$#o dos pais, dos ilhos, dos criados e das criadas que estavam na casa. Bas
depois que o mor de dominar invadiu e destruiu esta >epGblica, o amor de possuir
rique9as além das necessidades também invadiu, e cresceu ao ponto de querer possuir
as rique9as de todos os outros. <stes dois amores s#o como irm#os consan&FDneos"
com eeito, aquele que quer dominar sobre todas as cousas quer também possuir todas
as cousas" pois assim todos se tornam escravos, e aqueles sCs s#o senhores" isso é
bem evidente por aqueles que no catolicismo-romano levaram seu domDnio até ao 7éu
sobre o trono do Senhor, onde se sentaram, pelo ato de que procuram também as
rique9as de toda a terra, e aumentam sem cessar seus tesouros. Segundamen"e#
7ual , o amor da0 d!gn!dade0 e da0 r!=ue/a0 1or ela0 me0ma0< e =ual , o amor
da0 d!gn!dade0 e da0 r!=ue/a0 1elo0 u0o0. / amor das di&nidades e das honras
pelas di&nidades e as honras é o amor de si, propriamente o amor de dominar pelo
amor de si" e o amor das rique9as e da opulência pelas rique9as e a opulência é o
amor do mundo, propriamente o amor de possuir os bens dos outros por um meio
qualquer" mas o amor das di&nidades e das rique9as pelos usos é o amor dos usos,
que é o mesmo que o amor do prC0imo" pois aquilo pelo qual o homem a&e é o im a
quo, e o primeiro ou o principal, e as outras cousas s#o os meios e s#o secundárias.
Euanto ao amor das di&nidades e das honras pelas di&nidades e as honras, que é o
mesmo que o amor de si, e propriamente o mesmo que o amor de dominar pelo amor
de si, é o amor do prCprio, e o prCprio do homem é todo mal" vem dai que se di&a que o
homem nasce em todo mal, e que seu hereditário n#o é outra cousa sen#o o mal" o
hereditário do homem é seu prCprio, em que ele está, e no qual entra pelo amor de si, e
principalmente pelo amor de dominar pelo amor de si" pois o homem que está neste
amor n#o considera sen#o a si mesmo, e mer&ulha assim em seu prCprio seus
pensamentos e suas aei$%es" daD vem que no amor de si há o amor de mal a9er" e
isso porque n#o ama o prC0imo, e sC ama a si, e aquele que sC ama a si n#o vê os
outros sen#o ora de si, ou os vê como homens vis, ou como homens de nada, que
despre9a comparando-os a si mesmo" e considera como nada a9er-lhes mal" resulta
daD que aquele que está no amor de dominar pelo amor de si considera como nada
en&anar o prC0imo, cometer adultério com sua esposa, caluniá-lo, aspirar contra ele )
vin&an$a até ) morte, e0ercer sobre ele crueldades, e outras cousas semelhantes" o
homem tem imo do diabo mesmo com o qual está conjunto, e pelo qual é condu9ido, o
qual n#o é sen#o o amor de dominar pelo amor de si" e aquele que é condu9ido pelo
diabo, isto é, pelo inerno, é condu9ido a todos os males" e é condu9ido continuamente
pelos pra9eres destes males" daD vem que todos os que est#o no inerno querem a9er
mal a todos, enquanto que os que est#o no 7éu querem a9er bem a todos. Por esta
oposi$#o e0iste o que está no meio, onde está o homem" e o homem está aD como em
um equilDbrio, a im de que possa se voltar ou para o inerno ou para o 7éu" e tanto
quanto avorece os males do amor de si, tanto se volta para o inerno, mas tanto
quanto os aasta de si, tanto se volta para o 7éu. Koi-me dado sentir qual é o pra9er de
dominar pelo amor de si, e qu#o &rande é" ui posto neste pra9er, a im de que o
conhecesse, ele era tal que ultrapassava todos os pra9eres que est#o no mundo" era o
pra9er da mente inteira desde seus Dntimos até seus Gltimos, mas no corpo n#o era
sentido sen#o como uma sorte de volGpia e de bem-estar por um intumescimento do
peito" oi-me dado sentir também que deste pra9er, como de sua onte, decorrem os
pra9eres de todos os males, tais como os de cometer adultério, de se vin&ar, de
en&anar, de blasemar, e em &eral de mal a9er. Rá também um semelhante pra9er no
amor, de possuir as rique9as dos outros por um meio qualquer e nas cobi$as que s#o
suas deriva$%es" mas entretanto n#o é no mesmo, &rau, a n#o ser que este amor tenha
sido conjunto com o amor de si. Euanto ao que concerne )s di&nidades e )s rique9as,
n#o por elas mesmas, mas pelos usos, n#o é o amor das di&nidades e das rique9as,
mas é o amor dos usos, ao qual as di&nidades e as, rique9as servem de meios" este
amor é celeste" mas alar-se-á mais, a respeito no que se&ue.
$er%e!ramen"e# E0"e0 do!0 amore0 04o d!0"!n"o0 en"re 0! %omo o In>erno e o C,u.
?sto é evidente pelas e0plica$%es que acabam de ser dadas" ajuntarei a essas' !odos
os que est#o no amor de dominar pelo amor de si, est#o, quanto ao espDrito, no inerno,
o que quer que sejam, &randes ou pequenos", e todos os que est#o neste amor est#o
no amor de todos os males, se n#o os cometem, a verdade é que em seu espDrito os
acreditam, permitidos, e por conse&uinte os cometem de corpo quando a di&nidade, a
honra e o temor da lei n#o p%em obstáculos" e, o que é mais, o amor de dominar pelo,
amor de si encerra intimamente em si o Cdio contra Deus, por conseqFência contra os
Divinos que pertencem ) ?&reja, e principalmente contra o Senhor" se reconhecem
Deus, a9em isso unicamente de boca, e se reconhecemos Divinos da ?&reja, o a9em
pelo temor da perda da honra. Se este amor encerra ?ntimamente o Cdio contra o
Senhor, é porque neste amor há intimamente que ele quer ser Deus, pois ele se venera
e se adora sC" daD vem que se al&uém o honra, até ao ponto de di9er que ele tem em si
a Divina Sabedoria, e que é a Deidade do &lobo, ele o ama de todo cora$#o. @
dierente no amor das di&nidades e das rique9as pelos usos" este amor é celeste,
porque, como oi dito, é o mesmo que o amor do prC0imo. Pelos usos s#o entendidos
os bens, e, por conse&uinte por a9er os usos, é entendido a9er os bens" e por a9er os
usos e os bens é entendido ser Gtil e prestar servi$os aos outros" estes ainda que
estejam em uma di&nidade e na opulência, n#o consideram, entretanto a di&nidade e a
opulência sen#o como os meios para a9er usos, por conseqFência para serem Gteis e
prestar servi$os. S#o eles que s#o entendidos por estas palavras do Senhor' JEuem
quer que entre vCs queira se tomar &rande, que seja vosso servo" e quem quer que
queira ser primeiro, que seja vosso servidorJ LBateus 46*, 45, 41M. S#o eles também a
quem é concedida pelo Senhor uma domina$#o no 7éu, pois para eles a domina$#o é
um meio de a9er usos ou bens, por conseqFência servir, e quando os usos ou bens
s#o os ins ou os amores, ent#o n#o s#o eles que dominam, mas é o Senhor, pois todo
bem vem do Senhor.
Em =uar"o lugar# A d!>eren3a de0"e amor , d!>!%!lmen"e %on+e%!da 1elo +omem. @
porque a maior parte dos que est#o em uma di&nidade e na opulência também a9em
usos" mas n#o se sabe se a9em usos para eles mesmos, ou se os a9em para os
usos" e sabe-se tanto menos quanto naqueles que est#o no amor de si e do mundo há
mais o&o e ardor para a9er os usos do que naqueles que n#o est#o no amor de si e
do mundo" mas os primeiros a9em os usos pela reputa$#o ou pelo &anho, assim para
eles mesmos" mas os que a9em os usos pelos usos, ou os bens pelos bens, os a9em
n#o por eles mesmos, mas pelo Senhor. A dieren$a entre ele diicilmente pode ser
conhecida pelo homem" e isto porque o homem n#o sabe se é condu9ido pelo diabo,
ou se é condu9ido pelo Senhor" o que é condu9ido pelo diabo a9 os usos por si e pelo
mundo" mas o que é condu9ido pelo Senhor a9 os usos pelo Senhor e pelo 7éu" e
todos aqueles que o&em dos males como pecados a9em os usos pelo Senhor,
enquanto que aqueles que n#o o&em dos males como pecados a9em os usos pelo
diabo" pois o mal é o diabo, e o uso ou o bem é o Senhor" por isto, e n#o de uma outra
maneira, é conhecida a dieren$a" na orma e0terna um e outro parecem semelhantes,
mas na orma interna s#o inteiramente dierentes" um é como o ouro dentro do qual há
escCrias, mas o outro é como o ouro que por dentro é ouro puro" um é também como
um ruto artiicial que, na orma e0terna, parece como o ruto de uma árvore, embora,
entretanto seja cera colorida, dentro da qual há poeira ou betume" mas o outro é como
um ruto e0celente, de um sabor e de um odor a&radáveis, no qual há sementes.
415. II. As cousas eternas se referem %s honras e %s di(nidades espirituais, que
pertencem ao amor e % sabedoria, no 2éu.
Pois que o homem natural chama bens os pra9eres do amor de si, que s#o também os
pra9eres das cobi$as do mal, e que também conirma que s#o bens, chama por
conseqFência bên$#os Divinas as honras e as rique9as" mas quando este homem
natural vê que os maus s#o elevados )s honras e alcan$am as rique9as do mesmo
modo que os bons" e, com mais orte ra9#o, quando vê que os bons est#o no despre9o
e na pobre9a, enquanto que os maus est#o na &lCria e na opulência, pensa em si
mesmo' 6 que é istoH (#o pode ser a Divina Providência" pois se ela &overna todas as
cousas cumulariam de honras e de rique9as os bons, e ali&iria com a pobre9a e o
despre9o os maus" e assim or$aria os maus a reconhecerem que há um Deus e uma
Divina Providência. Bas o homem natural, a n#o ser que tenha sido ilustrado pelo
homem espiritual, isto é, a n#o ser que seja ao mesmo tempo espiritual, que veja que
as honras e as rique9as podem ser =ên$#os, e podem também ser Baldi$%es" e que,
quando s#o bên$#os, vêm de Deus, mas que, quando s#o maldi$%es, vêm do diabo"
que haja também honras e rique9as que vêm do diabo, isso é sabido" pois vem daD que
ele seja chamado o prDncipe do mundo. /ra, pois que se i&nora quando as honras e as
rique9as s#o bên$#os, e quando s#o maldi$%es, é preciso di9ê-lo, mas isso o será
nesta ordem' )* As honras e as rique9as s#o bên$#os, e s#o maldi$%es. 2* As honras e
as rique9as, quando s#o bên$#os, s#o espirituais e eternas" mas quando s#o
maldi$%es, s#o temporárias e perecDveis. L* As honras e as rique9as, que s#o
maldi$%es, relativamente )s honras e )s rique9as que s#o bên$#os, s#o como nada
relativamente a tudo, e como o que em si n#o é relativamente ao que em si é.
411. <stes três pontos v#o a&ora ser separadamente ilustrados.
Pr!me!ramen"e# A0 +onra0 e a0 r!=ue/a0 04o b@n34o0< e 04o mald!3Qe0. A
e0periência comum atesta que tanto os homens piedosos como os Dmpios, ou tanto os
justos com os injustos, isto é, tanto os bons como os maus, est#o nas di&nidades e nas
rique9as" e, entretanto nin&uém pode ne&ar que os homens Dmpios e injustos, isto é, os
maus, v#o para o ?nerno, e que os homens piedosos e justos, isto é, os bons, v#o para
o 7éu. Pois que isto é verdade se&ue-se que as di&nidades e as rique9as ou as honras
e a opulência, s#o ou bên$#os ou maldi$%es, e que nos bons s#o bên$#os, e nos maus
maldi$%es. (o Tratado do Céu e do Inferno, publicado em 8ondres em 112:, n* +21 a
+52, oi mostrado que no 7éu, e da mesma maneira no ?nerno, há também tanto ricos
como pobres, e também tanto &randes como pequenos" donde é evidente que
naqueles que est#o no 7éu as di&nidades e as rique9as no mundo oram bên$#os, e
que nos que est#o no ?nerno, elas oram, no mundo, maldi$%es. /ra, todo homem, por
pouco que pense nisso consultando a ra9#o, pode ver donde vem que elas sejam
bên$#os, e donde vem que sejam maldi$%es" isto é, que s#o bên$#os naqueles que
n#o p%em nelas o cora$#o, e que s#o maldi$%es naqueles que p%em nelas o cora$#o"
pIr nelas o cora$#o é amar a si mesmo nelas, e n#o pIr nelas o cora$#o é amar nelas
os usos e n#o a si mesmo. 6 que é a dieren$a entre estes dois amores, e qual é esta
dieren$a, isso oi dito acima, n* 412" é preciso acrescentar a isso que as di&nidades e
as rique9as sedu9em uns e n#o sedu9em os outros" sedu9em quando e0citam os
amores do prCprio do homem, que é o amor de si, o qual, como também oi dito acima,
é o amor do inerno, que é chamado diabo" mas n#o sedu9em quando n#o e0citam
este amor. Se os maus como os bons s#o elevados )s honras, e alcan$am as
rique9as, é porque os maus do mesmo modo que os bons a9em usos, mas os maus
pelas honras e o proveito de sua pessoa, e os bons pelas honras e o proveito da cousa
mesma" estes consideram as honras e o proveito da cousa como causas principais, e
as honras e o proveito de sua pessoa como causas instrumentais, enquanto que os
maus consideram as honras e o proveito da pessoa como causas principais, e as
honras e o proveito da cousa como, causas instrumentais" mas quem é que n#o vê que
a pessoa, a sua un$#o e a sua honra s#o para a cousa que é administrada, e n#o
vice-versaH Euem é que n#o vê que o jui9 é para a justi$a, o ma&istrado para a cousa
comum, e o rei para o reino, e n#o vice-versaH @ também por isso que, se&undo as leis
do reino, cada um está em di&nidade e honra se&undo a di&nidade da cousa de que
e0erce a, un$#o" e que e0iste uma dieren$a como entre o instrumental e o principal.
Aquele que atribui a si mesmo ou ) sua pessoa a honra da cousa aparece no Bundo
espiritual, quando isso é representado, como um homem cujo corpo está invertido,
tendo os pés para cima e a cabe$a para bai0o.
Segundamen"e# A0 d!gn!dade0 e a0 r!=ue/a0< =uando 04o b@n34o0< 04o
e01!r!"ua!0 e e"erna0A e =uando 04o mald!3Qe0< 04o "em1orEr!a0 e 1ere%B.e!0. (o
7éu, há di&nidades e rique9as como no mundo" pois lá há &overnos, e por
conseqFência administra$%es e un$%es, e há também comércios, e por conseqFência
rique9as, pois que há sociedades e assembléias. / 7éu inteiro oi distin&uido em dois
>einos, dos quais um é chamado >eino celeste, e o outro, >eino espiritual, e cada
>eino oi dividido em inGmeras Sociedades, umas maiores, outras menores, todas as
quais, e todos em cada uma, oram dispostos em ordem se&undo as dieren$as do
amor e da sabedoria" as sociedades do >eino celeste, se&undo as dieren$as do amor
celeste, que é o amor para com o Senhor" e as sociedades do >eino espiritual,
se&undo as dieren$as do amor espiritual, que é o amor em rela$#o ao prC0imo" pois
que há tais sociedades, e que todos os que est#o nestas sociedades oram homens no
mundo, e, por conse&uinte retêm em si os amores que tiveram no mundo, com esta
dieren$a que ent#o s#o homens espirituais, e que as di&nidades mesmas e as
rique9as mesmas s#o espirituais no >eino espiritual, e celestes no >eino celeste,
se&ue-se que os que têm mais amor e sabedoria do que os outros est#o de preerência
aos outros nas di&nidades e nas rique9as" s#o aqueles para os quais as di&nidades e
as rique9as no mundo oram bên$#os. Por isto, pode-se ver quais s#o as di&nidades e
as rique9as espirituais, a saber, que elas pertencem ) cousa e n#o ) pessoa" aqueles,
é verdade, que lá est#o nas di&nidades, est#o na ma&niicência e na &lCria como os
reis na terra" mas n#o obstante n#o consideram a di&nidade mesma como al&uma
cousa, mas consideram os usos na administra$#o e na un$#o dos quais est#o"
recebem, é verdade, honras, cada um as de sua di&nidade" mas n#o se atribuem essas
honras, eles as atribuem aos usos mesmos" e como todos os usos vêm do Senhor,
eles as atribuem ao Senhor de quem procedem" tais s#o portanto as di&nidades e as
rique9as espirituais, que s#o eternas. Bas é inteiramente dierente em rela$#o )queles
para os quais as di&nidades e as rique9as no mundo oram maldi$%es" como estes as
atribuDram a eles mesmos e n#o aos usos, e como n#o quiseram que os usos
dominassem sobre eles, mas queriam dominar sobre os usos, que n#o reputavam
como usos, sen#o tanto quanto serviam ) sua honra e ) sua &lCria, eles est#o por
conseqFência no inerno, e aD s#o vis escravos, no despre9o e na miséria" é por isso
que, como estas di&nidades e estas rique9as perecem, s#o chamadas temporais e
perecDveis. / Senhor dá sobre estas e sobre aquelas esta instru$#o' J(#o ajunteis
tesouros na terra, onde a tra$a e a erru&em consomem, e os ladr%es minam e roubam"
mas ajuntai tesouros no 7éu, onde nem a tra$a nem a erru&em consomem, e onde os
ladr%es n#o minam nem roubam" pois onde está o vosso tesouro, aD também está
vosso cora$#oJ LBat. 5*, 1-, 46, 41M.
$er%e!ramen"e# A0 d!gn!dade0 e a0 r!=ue/a0 =ue 04o mald!3Qe0< rela"!.amen"e K0
d!gn!dade0 e K0 r!=ue/a0 =ue 04o b@n34o0< 04o %omo nada rela"!.amen"e a "udo<
e %omo o =ue em 0! n4o , rela"!.amen"e ao =ue em 0! ,. !udo o que perece e n#o
se torna al&uma cousa n#o é interiormente em si al&uma cousa" é verdade que
e0teriormente é al&uma cousa, e que isso aparece mesmo como muito, e a al&uns
como tudo, enquanto isso dura, mas n#o interiormente em si" é como uma superDcie
dentro da qual nada há" é também como um ator em um costume real, quando a pe$a
de teatro acabou" mas o que permanece pela eternidade é em si perpetuamente
al&uma cousa, assim tudo" e isso também @, porque n#o cessa de ser.
41:. III. As cousas temporais e as cousas eternas so separadas pelo homem,
mas so con-untas pelo Senhor.
Se isso é assim é porque todas as cousas do homem s#o temporais, donde resulta que
o homem pode ser chamado temporal, e porque todas as cousas do Senhor s#o
eternas, donde resulta que o Senhor é chamado <terno" e as cousas temporais s#o as
que têm um im e perecem, mas cousas eternas n#o têm im e n#o perecem. Eue
estas duas espécies de cousas n#o possam ser conjuntas sen#o pela sabedoria ininita
do Senhor, e que assim possam ser conjuntas pelo Senhor e n#o pelo homem, cada
um pode vê-lo. Bas a im de que se saiba que estas duas sortes de cousas s#o
separadas pelo homem, e s#o conjuntas pelo Senhor, isso vai ser demonstrado nesta
ordem' )* / que s#o as cousas temporais e o que s#o as cousas eternas. 2* / homem
é temporal em si, e o Senhor é eterno em si, e por conseqFência do homem n#o pode
proceder sen#o o que é temporal, e do Senhor sen#o o que é eterno. L* As cousas"
temporais separam delas as cousas eternas, e as cousas eternas se conjuntam as
cousas temporais. M* / Senhor se conjunta o homem por meio das aparências. N* <
por meio das correspondências.
41-. Bas estas proposi$%es v#o ser separadamente ilustradas e conirmadas por elas
mesmas.
Pr!me!ramen"e# O =ue 04o a0 %ou0a0 "em1ora!0< e o =ue 04o a0 %ou0a0 e"erna0.
As cousas temporais s#o todas as que s#o propriamente da nature9a, e que, por
conse&uinte s#o prCprias do homem" as prCprias da nature9a s#o principalmente os
espa$os e os tempos, uns e outros com limite e termo" as prCprias do homem que
delas derivam s#o as cousas que pertencem ) sua prCpria vontade e ao seu prCprio
entendimento, e as que, por conse&uinte pertencem ) sua aei$#o e ao seu
pensamento, principalmente as que pertencem ) sua prudência" que estas cousas
sejam initas e limitadas isso é sabido. Bas cousas eternas s#o todas as cousas que
s#o o prCprio do Senhor, e que por <le s#o como prCprios do homem" os prCprios do
Senhor s#o todas as cousas ?ninitas e eternas, assim sem tempo, por conseqFência
sem limite e sem im" as que s#o, por conse&uinte como prCprios do homem s#o
i&ualmente ininitas e eternas" todavia, nada destas cousas pertence ao homem, mas
pertencem ao Senhor sC no homem.
Segundamen"e# O +omem , "em1oral em 0!< e o Sen+or , e"erno em 0!< e 1or
%on0e=?@n%!a do +omem n4o 1ode 1ro%eder 0endo o =ue , "em1oral< e do
Sen+or 0endo o =ue , e"erno. Eue o homem seja temporal em si, e que o Senhor
seja eterno em Si, isso oi dito acima. Pois que de al&uém n#o pode proceder outra
cousa sen#o o que está nele, se&ue-se que do homem n#o pode proceder outra cousa
sen#o o que é temporal, e do Senhor outra cousa sen#o o que é eterno" com eeito, o
ininito n#o pode proceder do inito" que o possa proceder dele, é contraditCrio" n#o
obstante o ininito pode proceder do inito, n#o entretanto do inito, mas do ininito por
meio do inito" reciprocamente também, o inito n#o pode proceder do ininito" que o
possa proceder dele é contraditCrio do mesmo modo" n#o obstante o inito pode ser
produ9ido pelo ininito" mas isso n#o é proceder, é criar" sobre este assunto, ver a
Sabedoria An&élica sobre o Divino Amor e a Divina Sabedoria, desde o come$o até ao
im. @ por isso que, se do Senhor procede o inito, como acontece em multas cousas
do homem, ele procede n#o do Senhor, mas do homem" e pode-se di9er proceder do
Senhor por meio do homem, porque isso aparece assim. ?sto pode ser ilustrado por
estas palavras do Senhor' JEue a vossa palavra seja' Sim, sim" n#o, n#o" o que passa
disso vem do malJ LBat. 2*, +1M" tal é a lin&ua&em para todos no terceiro 7éu" pois eles
n#o raciocinam jamais sobre as cousas Divinas, a saber, se tal cousa é assim ou n#o é
assim" mas eles" vêem em si mesmos pelo Senhor que ela é assim ou n#o é assim" se
portanto se raciocina sobre as cousas Divinas, a saber, se s#o, assim ou n#o, é porque
n#o se as vê pelo Senhor, e que se quer vê-?as por si mesmo, e o que o homem vê por
ele mesmo é o mal. Bas a verdade é que o Senhor quer n#o somente que o homem
pense e ale sobre as cousas Divinas, mas também que raciocine sobre elas, para este
im que veja se tal cousa é assim ou n#o é assim" e este pensamento, esta lin&ua&em,
ou este raciocDnio, desde que tenha por im ver a verdade, pode-se di9er que vem do
Senhor ao homem, mas é do homem que ele vem, até que veja a verdade e a
reconhe$a" todavia, é unicamente pelo Senhor que ele pode pensar, alar e raciocinar,
pois o pode pelas duas aculdades, que s#o chamadas 8iberdade e >acionalidade,
aculdades que est#o no homem pelo Senhor sC.
$er%e!ramen"e# A0 %ou0a0 "em1ora!0 0e1aram dela0 a0 %ou0a0 e"erna0< e a0
%ou0a0 e"erna0 0e %on-un"am a0 %ou0a0 "em1ora!0. Pelas cousas temporais
separarem delas as cousas eternas, é entendido que o homem que é temporal a9
assim pelas cousas temporais nele" e pelas cousas eternas se conjuntarem, as cousas
temporais, é entendido que o Senhor que é eterno a9 assim pelas cousas eternas
nO<le, como oi dito acima. (o que precede oi mostrado que há conjun$#o do Senhor
com o homem, e conjun$#o recDproca do homem com o Senhor, mas que a conjun$#o
recDproca do homem com o Senhor vem n#o do homem, mas do Senhor" além disso,
também, que a vontade do homem vai em sentido contrário ) vontade do Senhor, ou, o
que é a mesma cousa, que a prCpria prudência do homem vai em sentido contrário )
Divina Providência do Senhor" destas proposi$%es resulta que o homem pelas cousas
temporais separa dele as cousas eternas do Senhor, mas que o Senhor conjunta suas
cousas eternas )s cousas temporais do homem, isto é, se conjunta ao homem e
conjunta o homem a Si" como este assunto oi tratado amplamente no que precede, é
inGtil conirmá-lo mais.
Em =uar"o lugar# O Sen+or 0e %on-un"a o +omem 1or me!o da0 a1ar@n%!a0. 7om
eeito, é uma aparência, que o homem por ele mesmo ama o prC0imo, a9 o bem e di9
o vero" se isso n#o aparecesse ao homem como vindo dele, n#o amaria o prC0imo, n#o
aria o bem e n#o diria o vero, e assim n#o seria conjunto ao Senhor" mas como é do
Senhor que procedem o Amor, o =em e o Aero, é evidente que o Senhor se conjunta o
homem por meio das aparências. Euanto a esta aparência, e ) conjun$#o do Senhor
com o homem, e ) conjun$#o recDproca do homem com o Senhor por esta aparência,
tratou-se plenamente disso acima.
Em =u!n"o lugar# O Sen+or 0e %on-un"a o +omem 1or me!o da0 %orre01ond@n%!a0.
?sto tem lu&ar por intermédio da Palavra, cujo sentido da letra consiste em puras
correspondências. Eue por este sentido haja conjun$#o do Senhor com o homem, e
conjun$#o recDproca do homem com o Senhor, isso oi mostrado na Doutrina da (ova
;erusalém sobre a <scritura Santa, desde o come$o até ao im.
446. IV. A %on-un34o da0 %ou0a0 "em1ora!0 e da0 %ou0a0 e"erna0 no +omem , a
D!.!na Pro.!d@n%!a do Sen+or.
7omo esta verdade n#o pode alcan$ar a primeira percep$#o do entendimento, a n#o
ser que tudo que lhe concerne seja antes apresentado em ordem, e seja desenvolvido
e demonstrado se&undo esta ordem, eis a que será se&uida' )* @ da Divina
Providência que o homem pela morte se dispa das cousas naturais e temporais, e se
revista com as cousas espirituais e eternas. 2* / Senhor por Sua Divina Providência se
conjunta )s cousas naturais por meio das espirituais, e )s temporais por meio das
eternas, se&undo os usos. L* / Senhor se conjunta aos usos por meio das
correspondências, e assim por meio das aparências se&undo as conirma$%es pelo
homem. M* 3ma tal conjun$#o das cousas temporais e das cousas eternas é a Divina
Providência.
Bas isto vai ser posto em uma lu9 mais clara por e0plica$%es.
Pr!me!ramen"e# É da D!.!na Pro.!d@n%!a =ue o +omem 1ela mor"e 0e d!01a da0
%ou0a0 na"ura!0 e "em1ora!0< e 0e re.!0"a %om a0 %ou0a0 e01!r!"ua!0 e e"erna0. As
cousas naturais e temporais s#o os e0tremos e os Gltimos, nos quais o homem entra
primeiro, o que acontece quando nasce, a im de que em se&uida possa ser introdu9ido
nos interiores e nos superiores" pois os e0tremos e os Gltimos s#o os continentes, e
est#o no mundo natural" daD vem que anjo al&um nem espDrito al&um oi criado
imediatamente, mas que todos primeiro nasceram homens, e oram assim introdu9idos"
é dai que lhes vêm os e0tremos e os Gltimos, que em si mesmos s#o i0os e estáveis,
dentro dos quais e pelos quais os interiores podem ser contidos em encadeamento. /
homem se reveste primeiro das cousas mais &rosseiras da nature9a, o seu corpo é
composta delas" mas pela morte ele as despe e retém as cousas mais puras da
nature9a que s#o as mais prC0imas dos espirituais, e estas cousas s#o ent#o seus
continentes. Além disso, nos e0tremos ou Gltimos est#o reunidos todos os interiores ou
superiores, como oi mostrado em seu lu&ar" é por isso que toda opera$#o do Senhor
tem lu&ar pelos primeiros e pelos Gltimos ao mesmo tempo, assim no pleno. Bas como
os e0tremos e os Gltimos da nature9a n#o podem receber as cousas espirituais e
eternas, para as quais a mente humana oi ormada, tais como s#o em si mesmas, e
com entretanto o homem nasceu para que se torne espiritual e viva eternamente, eis
por que o homem se despe dos e0tremos e dos Gltimos da nature9a, e retém
unicamente os naturais interiores que se ajustam e concordam com os espirituais e
celestes, e lhes servem de continente" isso se a9 pela rejei$#o dos temporais e dos
naturais Gltimos, rejei$#o que é a morte do corpo. Segundamen"e# O Sen+or 1or Sua
Pro.!d@n%!a 0e %on-un"a K0 %ou0a0 na"ura!0 1or me!o da0 e01!r!"ua!0< e K0
"em1ora!0 1or me!o da0 e"erna0< 0egundo o0 u0o0. As cousas naturais e temporais
n#o s#o unicamente as que s#o os prCprios da nature9a, mas s#o também as que s#o
os prCprios dos homens no mundo natural" o homem pela morte se despe de umas e
outras, e se reveste com as espirituais e eternas que lhes correspondem" que ele, se
reveste delas se&undo os usos, isso oi mostrado plenamente no que precede. /s
naturais que s#o os prCprios da nature9a se reerem em &eral aos tempos e aos
espa$os, e em particular )s cousas que se vê sobre a terra" o homem as abandona
pela morte, e em seu lu&ar recebe os espirituais, que s#o semelhantes quanto ) ace
e0terna ou quanto ) aparência, mas n#o quanto ) ace interna ou quanto ) essência
mesma" este assunto também oi tratado acima. /s temporais, que s#o os prCprios do
homem no mundo natural, se reerem em &eral )s di&nidades e )s rique9as, e em
particular )s necessidades de cada homem, que s#o a alimenta$#o, a vestimenta e a
habita$#o" o homem as despe e as abandona também pela morte, e se reveste e
recebe as que s#o semelhantes quanto ) ace e0terna ou quanto ) aparência, mas n#o
quanto ) ace interna e sua essência se&undo os usos das temporais no mundo" os
usos s#o os bens chamados bens da caridade. Por estas e0plica$%es pode-se ver que
o Senhor por Sua Divina Providência conjunta as cousas naturais e )s temporais as
espirituais e as eternas, se&undo os usos.
$er%e!ramen"e# O Sen+or 0e %on-un"a ao0 u0o0 1or me!o da0 %orre01ond@n%!a0< e
a00!m 1or me!o da0 a1ar@n%!a0 0egundo 0ua0 %on>!rma3Qe0 1elo +omem. 7omo
esta proposi$#o n#o pode dei0ar de parecer obscura aos que ainda n#o aprenderam
uma no$#o clara do que é a correspondência e do que é a aparência, é preciso por
conseqFência ilustrá-lo e assim e0plicá-lo por um e0emplo' !odas as cousas da
Palavra s#o puras correspondências dos espirituais e dos celestes, e porque s#o
correspondências, s#o também aparências" quer di9er que !odas as cousas da Palavra
s#o Divinos =ens do Divino Amor e Divinos Aeros da Divina Sabedoria, que s#o nus
em si mesmos, mas revestidos no sentido da letra da Palavra" é por isso que aparecem
como um homem em uma vestimenta que corresponde ao estado de seu amor e de
sua sabedoria" daD é evidente que se o homem conirma as aparências, é a mesma
cousa que se conirmasse que as roupas s#o homens" por isto as aparências se
tornariam ilus%es" é dierente se o homem procura as verdades e as vê nas aparências.
/ra, como todos os usos, ou os veros e os bens da caridade, que o homem a9 ao
prC0imo, ele os a9 ou se&undo as aparências ou se&undo as verdades mesmas da
Palavra, se&ue-se que se os a9 se&undo as aparências conirmadas nele, está nas
ilus%es, mas que se os a9 se&undo as verdades, os a9 como convém. Por isto
pode-se ver o que é entendido por esta proposi$#o' / Senhor se conjunta aos usos por
meio das correspondências, e assim por meio das aparências se&undo suas
conirma$%es pelo homem.
Em =uar"o lugar# (ma "al %on-un34o da0 %ou0a0 "em1ora!0 e da0 %ou0a0 e"erna0
, a D!.!na Pro.!d@n%!a. Para que esta proposi$#o se apresente em uma certa lu9
diante do entendimento, é preciso ilustrá-la por dois e0emplos" um, que concerne )s
di&nidades e )s honras" e o outro, que concerne )s rique9as e ) opulência" estas
cousas s#o, umas e outras, naturais e temporais na orma e0terna, mas na orma
interna s#o espirituais e eternas. As di&nidades com suas honras s#o naturais e
temporais, quando nelas o homem se vê quanto ) sua pessoa, e n#o vê nem a
>epGblica nem os usos, pois ent#o o homem n#o pode a9er outra cousa sen#o pensar
dentro de si mesmo que a >epGblica é eita para ele, e n#o para a >epGblica" e é como
um rei que pensa que o reino e todos os homens que contém s#o eitos para ele, e n#o
para o reino e os habitantes. Bas estas mesmas di&nidades com suas honras s#o
espirituais e eternas, quando o homem se encara quanto ) sua pessoa por causa da
>epGblica e dos usos, e n#o considera a >epGblica e os usos por causa dele" se o
homem a&e desta Gltima maneira, está ent#o na verdade e na essência de sua
di&nidade e de sua honra" mas se a&e da primeira maneira, está ent#o na
correspondência e na aparência, e se as conirma em si, está nas ilus%es, e n#o está
de outro modo em conjun$#o com o Senhor sen#o como os que est#o nos alsos e, por
conse&uinte nos males, pois as ilus%es s#o alsos com os quais os males se
conjuntam" esses têm, é verdade, eito usos e bens, mas por eles mesmos, e n#o pelo
Senhor, assim puseram-se a si mesmos no lu&ar do Senhor. @ a mesma cousa para as
rique9as e a opulência" elas s#o naturais e temporais e s#o espirituais e eternas" as
rique9as e a opulência s#o naturais e temporais naqueles que as vêm unicamente e se
vêem nelas, e que p%em todo seu divertimento e todo seu pra9er nestas duas cousas"
elas s#o, porém espirituais e eternas naqueles que vêem nelas os bons usos, e nos
usos a satisa$#o e o pra9er interiores, e mesmo nestes o divertimento e o pra9er
e0teriores se tomam espirituais, e o temporal se torna eterno" é mesmo por isso que
estes, depois da morte, est#o no 7éu, e que aD est#o em palácios, cujas ormas
prCprias ao uso resplandecem de ouro e pedras preciosas" eles n#o os encaram
entretanto sen#o como e0ternos que tiram seu resplendor e seu brilho dos internos que
s#o os usos, donde lhes vêm este contentamento e este pra9er, os quais em si
mesmos s#o a beatitude e a elicidade do 7éu. 3ma sorte contrária a&uarda aqueles
que consideraram as rique9as e a opulência unicamente por elas e por eles mesmos,
assim se&undo suas aparências e n#o se&undo suas essências" quando estes se
despojam dela, o que acontece quando morrem se revestem de seus internos, que,
n#o sendo espirituais, n#o podem ser sen#o inernais" pois há neles quer um, quer
outro Lo celeste ou o inernalM" um e outro n#o podem estar aD ao mesmo tempo" daD em
lu&ar de rique9as eles têm a pobre9a, e em lu&ar da opulência, a miséria. Pelos usos
entende-se n#o somente as necessidades, da vida, que se reerem ) alimenta$#o, ao
vestuário e ) habita$#o para si e para os seus, mas é entendido também o bem da
pátria, o bem da sociedade e o bem do concidad#o. 6 comércio é um bem semelhante,
quando é o amor inal, e o dinheiro o amor servindo de meio, desde que o comerciante
uja das raudes e dos artiDcios e os tenha, em avers#o como pecados" é dierente
quando o dinheiro é o amor inal, e o comércio o amor servindo de meio, pois isto é a
avare9a, que é a, rai9 dos males" ver, a respeito da avare9a, 8uc. 14*, 12, e a parábola
que lhe concerne, Aers. 15 a 41.
O HO&E& N;O É IN$ROD(8IDO IN$ERIOR&EN$E NOS VEROS DA 'É E NOS
BENS DA CARIDADE< SEN;O $AN$O 7(AN$O AI PODE SER &AN$IDO A$É AO
'I& DA VIDA.
441. (o Bundo 7rist#o, sabe-se que o Senhor quer a salva$#o de todos, e também
que <le é /nipotente" é por isso que muitas pessoas concluem daD que <le pode salvar
todo homem, e que salva os que imploram Sua misericCrdia, principalmente os que a
imploram pela Crmula da é recebida, que Deus Pai tenha piedade por causa do Kilho,
sobretudo se ao mesmo tempo imploram a im de receber esta é" mas que seja
inteiramente dierente, ver-se-á no Gltimo Arti&o deste !ratado, onde se e0plicará que o
Senhor n#o pode a&ir contra as leis de Sua Divina Providência, porque a&ir contra elas
seria a&ir contra Seu Divino Amor e contra Sua Divina Sabedoria, assim contra <le
Besmo" aD ver-se-á que uma tal BisericCrdia imediata, n#o é possDvel, porque a
salva$#o do homem se a9 por meios se&undo os quais nenhum outro pode condu9ir o
homem, sen#o Aquele que quer a salva$#o de todos e é ao mesmo tempo /nipotente,
assim o Senhor. S#o os meios pelos quais o homem é condu9ido pelo Senhor que s#o
chamados as leis da Divina Providência, entre as quais está também esta, que o
homem n#o é posto interiormente nos veros da sabedoria e nos bens do amor, sen#o
tanto quanto pode aD ser mantido até ao im da vida. Bas para que isto se apresente
claramente diante da ra9#o, será dada uma e0plica$#o nesta ordem' I. / homem pode
ser introdu9ido na sabedoria das cousas espirituais, e também no amor destas cousas,
e n#o obstante n#o ser reormado. II. Se o homem depois se retira, e vai em sentido
contrário, proana as cousas santas. III. Rá vários &êneros de proana$#o, mas este
&ênero é o pior de todos. IV. @ por isso que o Senhor n#o introdu9 interiormente o
homem nos veros da sabedoria e ao mesmo tempo nos bens do amor, sen#o tanto
quanto o homem pode aD ser mantido até ao im da vida.
44. I. . homem pode ser introdu"ido na sabedoria das cousas espirituais, e
também no amor destas cousas, e no obstante no ser reformado.
?sto resulta de que o homem tem a racionalidade e a liberdade" pela racionalidade pode
ser elevado a uma sabedoria quase an&élica" mas n#o obstante tal é o amor, tal é a
sabedoria" se o amor é celeste, e espiritual, a sabedoria também se torna celeste e
espiritual" mas se o amor é diabClico e inernal, a sabedoria também é diabClica e
inernal" esta, é verdade, pode ent#o aparecer na orma e0terna, e assim diante dos
outros, como celeste e espiritual, mas na orma interna, que é sua essência mesma,
ela é diabClica e inernal, n#o ora do homem, mas dentro dele" n#o parece aos
homens que ela seja tal, porque os homens s#o naturais, e vêem e ouvem
naturalmente, e a orma e0terna é natural" mas parece aos anjos que ela é tal porque
os anjos s#o espirituais, e vêem e ouvem espiritualmente, e a orma interna é espiritual.
Por isto, é evidente que o homem pode ser introdu9ido na sabedoria das cousas
espirituais, e também no amor destas cousas, e n#o obstante n#o ser reormado" mas
ent#o oi unicamente introdu9ido em seu amor natural, e n#o em seu amor espiritual"
isto vem de que o homem pode se introdu9ir a si mesmo no amor natural, mas o
Senhor sC pode introdu9i-lo no amor espiritual" e os que oram introdu9idos no amor
espiritual s#o reormados, mas os que oram introdu9idos unicamente no amor natural
n#o s#o reormados" pois estes pela maior parte s#o hipCcritas, e muitos dentre eles da
ordem dos jesuDtas" interiormente nada crêem de Divino, mas e0teriormente jo&am com
os Divinos como histri%es.
44+. Por numerosas e0periências, no Bundo espiritual, me oi dado saber que o
homem possui em si mesmo a aculdade de compreender como os anjos mesmos os
arcanos da sabedoria" pois vi diabos D&neos que, lo&o que ouviam pronunciar arcanos
da sabedoria, n#o somente os compreendiam, mas alavam mesmo deles por sua
racionalidade" lo&o, porém que voltavam para seu amor diabClico, n#o os
compreendiam mais, e em lu&ar destes arcanos compreendiam cousas opostas que
eram da loucura, e esta loucura chamavam sabedoria" me oi dado mesmo ouvir que
quando estavam no estado de sabedoria riam-se de sua loucura, e que, quando
estavam no estado de loucura, riam-se da sabedoria. / homem que no mundo oi tal,
quando depois da morte se torna espDrito, é ordinariamente posto alternativamente no
estado de sabedoria e no estado de loucura, a im de que veja esta por aquela" mas
ainda que pela sabedoria vejam que desarra9oam, n#o obstante desde que a escolha
lhes é dada, o que tem lu&ar para cada um, se lan$am no estado de loucura, e o
amam, e ent#o têm Cdio ao estado de sabedoria. A ra9#o disso é que seu interno tem
sido diabClico, e seu e0terno tem sido como Divino" s#o estes que s#o entendidos
pelos diabos que se a9em anjos de lu9, e por aquele que, na casa de nGpcias, n#o
estava vestido com roupa de nGpcia, e que oi lan$ado nas trevas e0teriores LBat. 44*,
11, 14, 1+M.
44,. Euem é que n#o pode ver que há um interno pelo qual o e0terno e0iste" que por
conseqFência o e0terno tem sua essência no internoH < quem é que n#o sabe por
e0periência que o e0terno pode se mostrar de outro modo que n#o seja se&undo a
essência que provém do internoH 7om eeito, isso se vê claramente nos hipCcritas, nos
bajuladores, nos velhacos" e sabe-se, pelos comediantes e pelos palha$os, que o
homem pode tomar nos e0ternos um caráter que n#o é o seu" pois estes sabem
representar reis, imperadores, e mesmo anjos, pelo som, a lin&ua&em, a ace, o &esto,
como se ossem estes persona&ens" e entretanto n#o s#o mais que histri%es. ?sto é dito
também porque o homem pode i&ualmente a9er o, sicoanta tanto nas cousas civis e
morais como nas cousas espirituais" e sabe-se ainda há muitos que a&em assim.
Euando, portanto o interno em sua essência é inernal e o e0terno em sua orma se
mostra espiritual, e, entretanto o e0terno, como oi dito, tira sua essência do interno,
per&unta-se onde esta essência é escondida no e0terno" ela n#o se mostra nem no
&esto, nem no som, nem na lin&ua&em, nem na ace" mas n#o obstante está escondida
interiormente nestas quatro cousas" que aD esteja interiormente escondida é o que é
bem evidente por estas mesmas pessoas no Bundo espiritual" pois quando o homem
vem do Bundo natural para o Bundo espiritual, o que acontece quando ele morre,
dei0a seus e0ternos no corpo, e retém seus ?nternos que encerrou em seu espDrito" e
ent#o se seu interno oi inernal, ele aparece como um diabo, tal como tinha sido
também quanto a seu espDrito quando vivia no mundo. Euem é que n#o reconhece que
todo homem dei0a os e0ternos com o corpo, e entra nos internos, quando se torna
espDritoH A isto acrescentarei que no Bundo espiritual há comunica$#o das aei$%es e
dos pensamentos vindo das aei$%es, donde resulta que nin&uém pode alar
dierentemente do que pensa" além disso, também que cada um aD muda a ace, e se
torna semelhante a sua aei$#o, ao ponto de que pela ace aparece tal qual é" por
ve9es é permitido aos hipCcritas alar dierentemente do que pensam, mas o som de
sua lin&ua&em é ouvido ?nteiramente em discordNncia com os interiores de seus
pensamentos, e por esta discordNncia eles s#o descobertos" por aD, pode-se ver que o
interno está interiormente escondido no som, na lin&ua&em, na ace e no &esto do
e0terno, e que isso n#o é percebido pelos homens no Bundo natural, mas é claramente
percebido pelos anjos no Bundo espiritual.
442. Por estas considera$%es, é a&ora evidente que o homem, enquanto vive no
Bundo natural, pode ser introdu9ido na sabedoria das cousas espirituais, e também no
amor destas cousas" e que isso, se a9 e pode se a9er tanto nos que s#o inteiramente
naturais como nos que s#o espirituais" mas com esta dieren$a por isto estes s#o
reormados, e aqueles n#o o s#o" naqueles que n#o o s#o pode parecer que amam a
sabedoria, mas n#o a amam sen#o da maneira pela qual um adGltero ama uma mulher
nobre como uma cortes# a quem diri&e palavras ternas e dá ricos vestidos" entretanto
nele di9 a si mesmo' J(#o é sen#o uma vil prostituta" lhe arei crer que a amo, porque é
avorável ) minha pai0#o" mas se n#o osse avorável, eu a rejeitariaJ. / homem
interno daquele que é inteiramente natural é este adGltero, e seu homem e0terno é esta
mulher.
445. II. Se o +omem de1o!0 0e re"!ra e .a! em 0en"!do %on"rEr!o< 1ro>ana a0 %ou0a0
0an"a0.
Rá vários &êneros de proana$#o das cousas santas" alar-se-á deles no Arti&o
se&uinte" mas este &ênero é o mais &rave de todos" pois os que s#o proanadores
deste &ênero tornam-se, depois da morte, seres que n#o s#o mais homens" vivem, é
verdade, mas continuamente em delDrios antásticos" parece-lhes que voam no alto, e
quando est#o em repouso divertem-se com suas antasias que vêem como cousas
reais" e como n#o s#o mais homens, s#o chamados n#o por este ou aquela, mas
aquilo" mais ainda quando se apresentam ) vista na lu9 do 7éu, aparecem como
esqueletos, uns como esqueletos cor de osso, outros como esqueletos abrasados, e
outros como esqueletos dessecados. Eue os proanadores deste &ênero se tornem tais
depois da morte, é o que se i&nora no mundo, e se i&nora porque a causa n#o é
conhecida" a causa, mesma é que quando o homem reconhece primeiro os Divinos e
os crê, e em se&uida se aasta deles e os ne&a, mistura as cousas santas com as
proanas" e, quando elas s#o misturadas, n#o podem mais ser separadas sen#o pela
destrui$#o do todo. Bas, para que este assunto seja percebido mais claramente, vai
ser e0posto na ordem se&uinte' )* !udo o que o homem pensa, di9 e a9 pela vontade
lhe é apropriado e permanece, tanto o bem como o mal. 2* Bas o Senhor por Sua
Divina Providência provê e disp%e continuamente, para que o mal seja por si mesmo, e
o bem por si mesmo, e que assim eles possam ser separados. L* Bas isso n#o pode
se a9er, se o homem primeiro reconhece os veros da é e vive se&undo esses veros, e
depois se aasta deles e os ne&a. M* <nt#o ele mistura o bem e o mal ao ponto de n#o
poderem ser separados. N* < como o bem e o mal em cada homem devem ser
separados, e como no que é tal eles n#o podem ser separados, este é destruDdo por
conseqFência quanto a tudo o que é verdadeiramente humano.
441. S#o estas as causas pelas quais uma cousa t#o enorme e0iste" mas estas causas
estando na obscuridade, porque se está na i&norNncia a seu respeito, elas v#o ser
e0plicadas, a im de que se apresentem com evidência diante do entendimento.
Pr!me!ramen"e# $udo o =ue o +omem 1en0a< d!/ e >a/ 1ela .on"ade l+e ,
a1ro1r!ado e 1ermane%e< "an"o o bem %omo o mal. ?sto oi mostrado acima, n* 1: a,
:1. 7om eeito, o homem tem uma memCria e0terna ou natural, e uma memCria interna
ou espiritual" em sua memCria interna oram inscritas todas e cada uma das cousas
que no mundo as pensou, disse e e9 pela vontade, e elas aD est#o todas de tal modo
que n#o alta uma sC delas, esta memCria é o livro de sua vida, que é aberto depois da
morte, e se&undo o qual ele é jul&ado" sobre esta memCria oram reeridas muitas
cousas se&undo a e0periência mesma no !ratado do 7éu e do ?nerno, n* ,51 a ,52.
Segundamen"e# &a0 o Sen+or 1or Sua D!.!na Pro.!d@n%!a 1ro.@ e d!01Qe
%on"!nuamen"e< 1ara =ue o mal 0e-a 1or 0! me0mo< e o bem 1or 0! me0mo< e =ue
a00!m 1o00am 0er 0e1arado0. 7ada homem está tanto no mal como no bem, pois
está no mal por si mesmo, e no bem pelo Senhor" e o homem n#o pode viver a n#o ser
que esteja em um e no outro, pois se estivesse em si sC e assim no mal sC, nada teria
da vida" e se estivesse no Senhor sC e assim no bem sC, nada teria tampouco da vida"
pois o homem neste &ênero de vida seria como que suocado, continuamente oe&ante,
como um moribundo na a&onia" e naquele &ênero de vida seria e0tinto" pois o mal sem
bem al&um em si é morto" é por isso que cada homem está em um e no outro" mas a
dieren$a é que um está interiormente no Senhor, e e0teriormente como em si e que o
outro está interiormente em si, mas e0teriormente como que no Senhor, e este está no
mal, e aquele no bem, todavia todos dois est#o em um e no outro" se o mal aD está
também é porque está no bem da vida civil e moral, e também, e0teriormente em
al&um bem da vida espiritual, e, além disso, porque é mantido pelo Senhor na
racionalidade e na liberdade, a im de que possa estar no bem" este bem é aquele pelo
qual todo homem, mesmo o mau, é condu9ido pelo Senhor. Por estas e0plica$%es,
pode-se ver que o Senhor separa o mal e o bem, a im de que um esteja no interior e o
outro no e0terior, e que assim ele provê para que n#o se misturem.
$er%e!ramen"e# &a0 !0"o n4o 1ode 0er >e!"o 0e o +omem 1r!me!ro re%on+e%e o0
.ero0 da >, e .!.e 0egundo e0"e0 .ero0< e de1o!0 0e a>a0"a dele0 e o0 nega. ?sto é
evidente pelo que acaba de ser dito" primeiramente, que tudo o que o homem pensa,
di9 e a9 pela vontade lhe é apropriado e permanece" e, se&undamente, porque o
Senhor por Sua Divina Providência, provê e disp%e continuamente, para que o bem
seja por si mesmo, e o mal por si mesmo, e que possam ser separados" também s#o
separados depois da morte pelo Senhor" naqueles que interiormente maus e
e0teriormente bons o bem é tirado, e assim eles s#o, abandonados a seu mal" é o
contrário naqueles que s#o interiormente bons, e que e0teriormente, como os outros
homens, se enriqueceram, procuraram as di&nidades, acharam pra9er em diversas
cousas mundanas e se entre&aram a al&umas cobi$as" nestes, entretanto, o bem e o
mal n#o oram misturados, mas oram separados como o interno e o e0terno" assim na
orma e0terna, em muitas cousas oram semelhantes aos maus, mas n#o na orma
interna. Do outro lado, acontece o mesmo com os maus que na orma, e0terna se
mostraram como os bons, na piedade, no culto, na lin&ua&em e nos atos, e que,
entretanto na orma, interna oram maus, nestes também o mal oi separado do bem.
Bas naqueles que primeiro receberam os veros da é e viveram se&undo estes veros, e
que depois andaram em sentido contrário e os rejeitaram, e principalmente se os
ne&aram, os bens e os males n#o oram mais separados, mas se misturaram juntos"
pois o homem que é tal se apropriou o bem, e se apropriou também o mal, e por
conseqFência os conjuntou e misturou.
Em =uar"o lugar# En"4o m!0"ura o bem e o mal ao 1on"o de n4o 1oderem ma!0 0er
0e1arado0. ?sto resulta do que acaba de ser dito" e se o mal n#o pode ser separado do
bem, nem o bem ser separado do mal, o homem n#o pode estar nem no 7éu nem no
inerno" todo homem deve estar ou em um ou e outro" n#o pode estar em um e outro,
estaria assim ora no 7éu, e ora no inerno" e quando estivesse no 7éu a&iria pelo
inerno, e quando estivesse no inerno a&iria pelo 7éu, assim destruiria a vida de todos
que estivessem em torno dele, a vida, celeste nos anjos, e a vida inernal nos diabos"
por isto a vida de cada um pereceria, pois a vida para cada um deve ser sua, nin&uém
vive a vida de outrem, nem com mais orte ra9#o em uma vida oposta. Aem dai que em
todo homem depois da morte, quando se torna espDrito ou homem espiritual o Senhor
separa o bem do mal e o mal do bem" o bem do mal naqueles que est#o interiormente
no mal e o mal do bem naqueles que est#o interiormente no bem" o que é conorme )s
Suas palavras' JA quem quer que tem será dado e terá em abundNncia e )quele que,
n#o, tem mesmo o que tem será tiradoJ LBat. 1+*, 14" 4,-6, 4-" Barc. ,*, 42" 8uc. :*,
1:" 1-*, 45M.
Em =u!n"o lugar. Como o bem e o mal em %ada +omem de.em 0er Se1arado0< e
%omo na=uele =ue , "al ele0 n4o 1odem 0er 0e1arado0< e0"e 1or %on0e=?@n%!a ,
de0"ruBdo =uan"o a "udo =ue , .erdade!ramen"e +umano. / que é verdadeiramente
humano em cada homem vem da racionalidade, nisto que, se ele o quer, pode ver e
saber o que é o vero e o que é o bem, e também nisto que ele pode pela 8iberdade
querer, pensar, di9er e a9er o bem e o vero, como já oi mostrado" mas esta liberdade
com sua racionalidade oi destruDda naqueles que misturaram neles o bem e o mal,
pois esses n#o podem pelo bem ver o mal, nem pelo mal conhecer o bem, pois o bem
e o mal a9em um" por isso eles n#o têm mais a racionalidade em aculdade ou em
potência, nem por conseqFência liberdade al&uma" é por isso mesmo que eles s#o
como puros delDrios antásticos, assim como já oi dito, e que aparecem n#o mais como
homens mas como ossos cobertos de al&uma pele, e que por conse&uinte, quando s#o
nomeados, se di9 n#o este ou aquela, mas isto" tal é a sorte daqueles que misturam
desta maneira as cousas santas com as cousas proanas" mas há vários &êneros de
proana$#o, que entretanto n#o s#o tais" tratar-se-á deles no Arti&o se&uinte.
44:. !odo homem que n#o conhece as cousas santas n#o as proana assim, pois
aquele que n#o as conhece n#o pode reconhecê-las e em se&uida ne&á-las" portanto,
os que est#o ora do Bundo 7rist#o, e nada sabem do Senhor, nem da >eden$#o, nem
da salva$#o por <le, n#o proanam esta santidade, quando n#o a recebem, nem
mesmo quando alam contra ela. /s judeus mesmos n#o proanam tampouco esta
santidade, porque desde a inNncia n#o querem nem recebê-la nem reconhecê-la" seria
dierente se recebessem e reconhecessem, e em se&uida ne&assem, o que entretanto
acontece raramente" com eeito, vários dentre eles a reconhecem e0teriormente, e a
ne&am interiormente, e s#o semelhantes aos hipCcritas. Bas proanam as cousas
santas por sua mistura com as cousas proanas, aqueles que a princDpio recebem e
reconhecem, e em se&uida se retiram e ne&am. Pouco importa que na inNncia e na
juventude se receba e se reconhe$a, todo crist#o a9 isso, pois ent#o as cousas que
pertencem ) é e ) caridade s#o recebidas e reconhecidas, n#o por al&uma
racionalidade e al&uma liberdade, isto é, n#o no entendimento pela vontade, mas
unicamente pela memCria e a conian$a no mestre" e se a isso se conorma a vida, é
por uma obediência ce&a" mas quando o homem entra no uso de sua racionalidade e
de sua liberdade, o que se a9 sucessivamente ) medida que cresce e se toma adulto,
se ent#o reconhece os veros da é e com eles conorma sua vida, e se depois os ne&a,
mistura as causas sentas com as proanas, e de homem que era se toma um monstro
tal como acaba de se di9er. Bas se o homem está no mal desde o tempo em que
entrou no &o9o da racionalidade e da liberdade, isto é, desde o tempo em que se
tomou seu mestre ?ui 1uri@( mesmo durante a idade adulta, e se em se&uida
reconhece os veros da é, e vive se&undo estes veros, desde que ent#o persista neles
até ao im de sua vida, ele n#o os mistura, pois ent#o o Senhor separa os males da
vida anterior dos bens da vida posterior" assim é com todos que a9em penitência. Bas
dir-se-á mais sobre este assunto no que se&ue.
44-. III. HE .Er!o0 g@nero0 de 1ro>ana34o do 0an"o< e e0"e g@nero , o 1!or de
"odo0. (o sentido mais comum pela proana$#o entende-se toda impiedade, assim por
proanadores entende-se todos os Dmpios, que de cora$#o ne&am Deus, a santidade da
Palavra e, por conse&uinte, os espirituais da ?&reja, que s#o as cousas santas mesmas
de que alam também de uma maneira Dmpia. Bas aqui se trata n#o daqueles, mas dos
que proessam a cren$a e em Deus, que sustentam a santidade da Palavra, e que
reconhecem os espirituais da ?&reja, a maior parte, entretanto de boca" se estes
proanam é porque o santo que procede da Palavra está neles e entre eles, e, porque o
que está neles e constitui uma parte de seu entendimento e de sua vontade, eles o
proanam" mas nos Dmpios, que ne&am o Divino e os Divinos, nada há de santo que
eles possam proanar" estes Gltimos, é verdade, s#o proanadores, mas, entretanto n#o
s#o proanos.
4+6. A proana$#o do santo é entendida no Se&undo Preceito do Decálo&o por )ED
PRD"A)ARFS D )D'E DE TEG DEGS" e que n#o se deve proaná-lo isso é entendido na /ra$#o
Dominical por SA)TI"ICADD SE%A TEG )D'E. / que é entendido pelo (ome de Deus, há
apenas al&uns, no Bundo 7rist#o, que o saibam" e isso porque n#o se sabe que no
Bundo espiritual n#o há nomes como no Bundo natural, mas que cada um é
denominado se&undo a qualidade de seu amor e de sua sabedoria" com eeito, desde
que al&uém entra em sociedade ou companhia com outras é imediatamente
denominado se&undo sua qualidade nessa sociedade" a denomina$#o é eita pela
lDn&ua espiritual, que é tal que pode dar um nome a cada cousa, porque lá cada letra do
alabeto si&niica uma cousa, e porque várias letras reunidas em uma palavra, que
constituem o nome de uma pessoa, envolvem o estado inteiro da cousa" isto é uma das
maravilhas do mundo espiritual. DaD é evidente que pelo (ome de Deus na Palavra é
si&niicado Deus com todo o Divino que está nO<le, e que procede dO<le" e como a
Palavra é o Divino procedente, ela é o (ome de Deus" e como todos os Divinos, que
s#o chamados espirituais da ?&reja, vem da Palavra, eles s#o também o nome de
Deus. Por estas e0plica$%es, pode-se ver o que é entendido no Se&undo Preceito do
Decálo&o por TG )ED PRD"A)ARFS D )D'E DE DEGS" e na /ra$#o Dominical por SA)TI"ICADD
SE%A TEG )D'E. 7ousas semelhantes s#o si&niicadas pelo (ome de Deus e do Senhor
em um &rande nGmero de passa&ens na Palavra de um e outro !estamento, como em
Bat. 1*, 44" 1/*, 44" 1:*, 2, 46" 1-*, 4-" 41*, -" 4,*, -, 16" ;o#o 1*, 14" 4*, 4+" +*, 11, 1:"
14*, 1+, 4:" 1,*, 1+" 12*, 15" 15*, 4+, 4,, 45, 41" 11*, 5" 46*, +1" e, além disso, em
outros, e em um &rande nGmero de passa&ens do Anti&o !estamento. Aquele que
conhece esta si&niica$#o do (ome pode saber o que é si&niicado por estas Palavras
do Senhor' JEuem recebe um proeta em nome de proeta, recompensa de proeta
obterá, e quem recebe um justo em nome de justo, recompensa de justo obterá" e
quem quer que tenha dado de beber a um destes pequenos um Gnico copo de á&ua
ria, n#o perderá a sua recompensaJ LBat. 16*, ,1, ,4M. Aquele que, pelo nome de
proeta, de justo e de discDpulo entende unicamente nesta passa&em um proeta, um
justo e um discDpulo, n#o sabe que há aD um outro sentido a n#o ser o Gnico sentido da
letra" e n#o sabe tampouco o que é a recompensa de proeta, a recompensa de justo, e
a recompensa por um copo de á&ua ria dado a um discDpulo, quando, entretanto pelo
nome e a recompensa de proeta é entendido o estado e a elicidade daqueles que
est#o nos Divinos veros, pelo nome e a recompensa de justo o estado e a elicidade
daqueles que est#o nos Divinos bens, e pelo discDpulo o estado daqueles que est#o em
al&uns espirituais da ?&reja" o copo de á&ua ria é al&uma cousa do vero. Eue a
qualidade do estado do amor e da sabedoria, ou do bem e do vero, seja si&niicada
pelo (ome, vê-se também por estas palavras do Senhor' JAquele que entra pela porta
é o pastor das ovelhas" o porteiro lhe abre, e as ovelhas ouvem a sua vo9, e as suas
prCprias ovelhas ele chama nome por nome, e as tira para oraJ L;o#o 16*, 4, +M"
chamar as ovelhas nome por nome é ensinar e condu9ir quem quer que está no bem
da caridade se&undo o estado de seu amor e de sua sabedoria" pela porta é entendido
o Senhor, como se vê ai pelo Aers. -' J<u sou a porta" por mim, se al&uém entra, será
salvoJ. Por isto, é evidente que para poder ser salvo é preciso se diri&ir ao Senhor
Besmo" e que aquele que se diri&e a <le é um pastor de ovelhas" e que aquele que
n#o se diri&e a <le é um ladr#o, como se di9 no Aers. 1 do mesmo 7apDtulo.
4+1. Pois que pela proana$#o do santo é entendida a proana$#o por aqueles que
conhecem os veros da é e os bens da caridade pela Palavra, e que também de
al&uma maneira os reconhecem, e n#o por aqueles que n#o conhecem, nem por
aqueles que por impiedade os rejeitam inteiramente, o que vai se&uir concerne por
conseqFência, n#o estes, mas os primeiros" há para eles vários &êneros de
proana$#o, uns mais leves, outros mais &raves, mas podem ser reeridos a estes sete.
O 1r!me!ro g@nero de 1ro>ana34o , %ome"!do 1or a=uele0 =ue >a/em "ro%a %om a
Pala.ra e 0obre a Pala.ra< ou %om o0 D!.!no0 da Igre-a e 0obre e0"e0 D!.!no0. ?sso
acontece a al&uns pelo mau hábito de tomar os nomes ou as locu$%es da Palavra, e
misturá-los a discursos pouco decentes, e por ve9es obscenos" o que n#o pode dei0ar
de estar aliado a um certo despre9o pela Palavra, quando entretanto a Palavra em
todas e em cada cousa é Divina e santa" pois cada vocábulo aD encerra em seu seio
al&um Divino, e tem por esse Divino comunica$#o com o 7éu" mas este &ênero de
proana$#o é mais leve ou mais &rave se&undo o reconhecimento da santidade da
Palavra, e a indecência do discurso no qual as e0press%es s#o introdu9idas pelos que
a9em a tro$a.
O 0egundo g@nero de 1ro>ana34o , %ome"!do 1or a=uele0 =ue %om1reendem e
re%on+e%em o0 D!.!no0 Vero0< e< en"re"an"o .!.em de uma mane!ra o1o0"a< a
e0"e0 .ero0. !odavia, os que somente os compreendem proanam mais levemente,
mas os que os reconhecem proanam mais &ravemente" pois o entendimento n#o a9
sen#o ensinar, pouco mais ou menos como um pre&ador, e n#o se conjunta por si
mesmo com a vontade" mas o reconhecimento se conjunta, pois cousa al&uma pode
ser reconhecida sen#o com o consentimento da vontade" entretanto esta conjun$#o é
diversa, e a proana$#o é se&undo a conjun$#o, quando se vive de uma maneira
oposta aos veros que s#o reconhecidos" por e0emplo, se al&uém reconhece que as
vin&an$as e os Cdios, os adultérios e as escorta$%es, as raudes e velhacarias, as
blasêmias e as mentiras s#o pecados contra Deus, e n#o obstante os comete, está
neste &ênero mais &rave, de proana$#o" pois o Senhor disse' J/ servidor que conhece
a vontade de seu senhor, e n#o a9 se&undo sua vontade, será batido muitas ve9esJ
L8uc. 14*, ,1M. < em outro lu&ar' JSe Isseis ce&os, n#o terDeis pecado" mas a&ora
di9eis' (Cs vemos" é por isso que o vosso pecado permaneceJ L;o#o -*, ,1M. Bas unia
cousa é reconhecer as aparências do vero, e outra cousa reconhecer os veros reais"
aqueles que reconhecem os veros reais, e n#o obstante n#o vivem se&undo esses
veros, aparecem no mundo espiritual sem lu9 nem calor da vida no som e na
lin&ua&em, como se ossem puras pre&ui$as.
O $er%e!ro g@nero de 1ro>ana34o , %ome"!do 1or a=uele0 =ue a1l!%am o 0en"!do
da le"ra da Pala.ra 1ara %on>!rmar mau0 amore0 e >al0o0 1r!n%B1!o0. A ra9#o disso
é que a conirma$#o do also é a ne&a$#o do vero, e a conirma$#o do mal, a rejei$#o
do bem" ora, a Palavra em seu seio n#o é sen#o o Divino Aero e o Divino =em" e no
Gltimo sentido, que é o sentido da letra, ela aparece n#o nos veros reais, e0ceto
quando dá a conhecer o Senhor e o caminho mesmo da salva$#o mas nos veros
revestidos, que s#o chamados aparências do vero" é por isso que este sentido pode
ser torcido para conirmar heresias de vários &êneros" ora aquele que conirma maus
amores a9 violência aos Divinos =ens, e aquele que conirma alsos princDpios a9
violência aos Divinos Aeros" esta violência é chamada alsiica$#o do vero, e aquela
adultera$#o do bem" uma e outra s#o entendidas na Palavra pelos san&ues" pois o
Santo espiritual, que é também o espDrito de verdade procedente do Senhor, está
interiormente em cada cousa do sentido da letra da Palavra" este santo é erido,
quando a Palavra é alsiicada ou adulterada" que esteja aD uma proana$#o, isto é
evidente.
O =uar"o g@nero de 1ro>ana34o , %ome"!do 1or a=uele0 =ue de bo%a 1ronun%!am
%ou0a0 1!edo0a0 e 0an"a0< e >!ngem 1elo "om da .o/ e 1elo ge0"o 0er a>e"ado0
1elo amor 1or ela0< ma0 =ue de %ora34o n4o a0 %r@em nem a0 amam. A maior
parte dentre eles s#o hipCcritas e ariseus" depois da morte todo vero e todo bem lhes
s#o tirados, e s#o depois enviados para as trevas e0teriores. /s deste &ênero, que se
conirmaram contra o, Divino e contra a Palavra, e, por conse&uinte também contra os
espirituais da Palavra, icam sentados nestas trevas, mudos, sem poder alar, querendo
balbuciar cousas piedosas e santas, como no Bundo, mas n#o o podem" pois no
Bundo espiritual cada um é or$ado a alar como pensa" mas o hipCcrita quer alar de
outro modo dierente do que pensa, daD e0istir em sua boca uma oposi$#o, em
conseqFência da qual ele pode apenas balbuciar. Bas as hipocrisias s#o mais leves ou
mais &raves, conorme as conirma$%es contra Deus, e os raciocDnios no e0terior em
avor de Deus.
O 7u!n"o g@nero de 1ro>ana34o , %ome"!do 1or a=uele0 =ue 0e a"r!buem o0
D!.!no0. S#o os que s#o entendidos por 8Gcier em ?saDas, 7ap. 1,*" aD, por 8Gcier é
entendido =abel, como pode-se ver pelos Aers. , e 44 desse 7apDtulo, onde sua sorte
é mesmo descrita" s#o também os que s#o entendidos e descritos pela prostituta
sentada sobre uma besta escarlate, no Apocalipse, 7ap. 11*. =abel e a 7aldéia s#o
mencionadas em um &rande nGmero de passa&ens da Palavra, e por =abel é aD
entendida a proana$#o do bem, e pela 7aldéia a proana$#o do vero, uma e outra
naqueles que se atribuem o Divino.
O Se6"o g@nero de 1ro>ana34o , %ome"!do 1or a=uele0 =ue re%on+e%em a
Pala.ra< e< en"re"an"o negam o D!.!no do Sen+or. <stes no Bundo s#o chamados
Socinianos e al&uns deles Arianos" a sorte de uns e de outros é invocar o Pai, e n#o o
Senhor, e orar 7ontinuamente ao Pai, al&uns também por causa do Kilho, a im de
serem admitidos no 7éu, mas em v#o, até que perdem toda esperan$a de serem
salvos" e ent#o s#o enviados para o inerno entre os que ne&am Deus" s#o estes que
s#o entendidos pelos que blasemam o <spDrito Santo, aos quais n#o será perdoado
nem neste século nem no século uturo LBat. 14*, +4M" e isto porque Deus é um em
Pessoa e em <ssência, em quem está a !rindade, e este Deus é o Senhor" e como o
Senhor é também o 7éu, e como por conse&uinte os que est#o no 7éu est#o no
Senhor, é por isso que os que ne&am o Divino do Senhor n#o podem ser admitidos no
7éu, nem estar no Senhor. Eue o Senhor seja o 7éu, e que por conse&uinte os que
est#o no 7éu estejam no Senhor, isso oi mostrado acima.
O S,"!mo g@nero de 1ro>ana34o , %ome"!do 1or a=uele0 =ue 1r!me!ro
re%on+e%em o0 D!.!no0 Vero0< e .!.em 0egundo e0"e0 .ero0< e de1o!0 0e re"!ram
e o0 negam. <ste &ênero de proana$#o é o pior, pela ra9#o de que misturam as
cousas santas com as proanas, ao ponto de n#o poderem ser separadas, e, entretanto
é preciso que sejam separadas, a im de que se esteja ou no 7éu, ou no ?nerno" e
como isto n#o pode ser eito neles, todo intelectual humano e todo voluntário humano é
destruDdo, e eles n#o s#o mais homens, como já oi dito. Acontece quase ) mesma
cousa aos que reconhecem de cora$#o os Divinos na Palavra e da ?&reja, e os
mer&ulham inteiramente em seu prCprio, que é o amor de dominar sobre todas as
cousas, amor de que muito já se alou" pois, depois da morte, quando se tornam
espDritos, querem absolutamente ser condu9idos n#o pelo Senhor, mas por eles
mesmos, e quando a rédea é arou0ada a seu amor eles querem n#o somente dominar
sobre o 7éu, mas também sobre o Senhor" e como n#o o podem, ne&am o Senhor, e
se tomam diabos. @ preciso que se saiba que o amor da vida, que é também o amor
reinante, permanece em cada um depois da morte, e n#o pode ser retirado. /s
proanos deste &ênero s#o entendidos pelos Bornos, de que se ala assim no
Apocalipse L+*, 1,, 12M' J7onhe$o as tuas obras, que nem rio és, nem quente" melhor
seria que rio tu osses, ou quente" mas porque morno tu és, e nem rio nem quente, te
vomitarei da minha bocaO\. <ste &ênero de proana$#o está descrito assim pelo Senhor
em Bateus L14*, ,+ a ,2M' JEuando o espDrito imundo saiu do homem, percorre lu&ares
áridos, procurando repouso, mas n#o o encontra. <nt#o di9' Aoltarei para minha casa,
de onde saD" e, tendo vindo, a encontra va9ia, varrida, e ornada para ele" vai, e toma
consi&o sete outros espDritos piores do que ele" e, tendo entrado, moram lá" e o Gltimo
estado deste homem se torna pior que o primeiroJ" a convers#o do homem está
descrita aD pela saDda do espDrito imundo para ora dele" e o retorno aos primeiros
males, depois da rejei$#o dos veros e dos bens, é descrito pela volta do espDrito
imundo com sete espDritos piores do que ele ) casa ornada para ele" além disso, a
proana$#o do santo pelo proano é descrita por isto que o Gltimo estado deste homem
se tornou pior que o primeiro. A mesma causa é entendida por estas palavras diri&idas
por ;esus ao homem que <le havia curado na piscina de =ethesda' J(#o peques mais,
para que n#o te aconte$a al&uma coisa piorJ L;o#o 2*, 1,M. Eue o Senhor provê a que o
homem n#o reconhe$a interiormente os veros, se deve depois se retirar e se tornar
proano, é o que é entendido por estas palavras' J7e&ou seus olhos, e endureceu seu
cora$#o, para que n#o vejam com os olhos, e n#o compreendam de cora$#o, e que
n#o se convertam e eu os cureJ L;o#o 14*, ,6M" para que n#o se convertessem, e eu os
curasse, si&niica para que n#o reconhecessem os veros, e depois se retirassem, e
assim se tornassem proanos" é pela mesma ra9#o que o Senhor alou por parábolas,
como <le mesmo disse em Bateus L1+*, 1+M. Se oi proibido aos judeus de comer a
&ordura e o san&ue L8evit. +*, 11" 1*, 4+, 42M, isso si&niica que n#o deviam proanar as
cousas santas" pois a &ordura si&niica o Divino =em, e o san&ue o Divino Aero. Eue
uma, ve9 que o homem oi convertido deve persistir no bem e no vero até ao im de sua
vida, o Senhor o ensina em Bateus L16*, 44M' J;esus disse' Euem perseverar até ao
im, será salvoJ" i&ualmente em Barcos L1+*, 1+M.
4+4. I). * por isso que o Senhor no introdu" interiormente o homem nos veros
da sabedoria e ao mesmo tempo nos bens do amor, sendo tanto quanto o homem
pode a0 ser mantido até ao fim de sua vida.
Para demonstrar isso, é preciso proceder distintamente, por duas ra9%es" a primeira,
porque isso é importante para a salva$#o dos homens" a se&unda, porque do
conhecimento desta lei depende o conhecimento das leis de permiss#o, de que se
tratará no Pará&rao se&uinte" isto, com eeito, é importante para a salva$#o dos
homens" pois, como já oi dito, aquele que primeiro reconhece os Divinos da Palavra e
por conseqFência da ?&reja, e que depois se retira deles, proana as cousas santas da
maneira mais &rave. Portanto, a im de que este Arcano da Divina Providência seja
desvendado, ao ponto de o homem racional poder vê-lo em sua lu9, ele será
desenvolvido nesta série' )* (os interiores do homem n#o pode haver o mal e ao
mesmo tempo o bem, nem por conseqFência o also do mal e ao mesmo tempo o vero
do bem. 2* / bem e o vero do bem n#o podem ser levados pelo Senhor aos interiores
do homem, a n#o ser tanto quanto o mal e o also do mal s#o daD aastados. L* Se o
bem com seu vero aD osse levado antes, ou em maior propor$#o do que o mal com
seu also tivessem sido aastados, o homem se retiraria do bem e retornaria a seu mal.
M* Euando o homem está no mal, muitos veros podem ser levados a seu entendimento,
e encerrados em sua memCria, e, entretanto n#o ser proanados. N* Bas o Senhor, por
Sua Divina Providência, provê com o maior cuidado, a que ele n#o seja recebido pela
vontade, antes que o homem aaste como por si mesmo o mal do homem e0terno, nem
em maior propor$#o o que o aasta. O* Se osse ante e em maior propor$#o, ent#o a
vontade adulteraria o bem, e o entendimento alsiicaria o vero, misturando-os com os
males e os alsos. S* @ por isso que o Senhor n#o introdu9 interiormente o homem nos
veres da sabedoria e nos bens do amor, sen#o tanto quanto o homem pode ser
mantido neles até ao im da vida.
4++. Portanto a im de que este Arcano da Divina Providência seja desvendado de
maneira que o homem racional possa vê-lo em sua lu9, as proposi$%es que acabam de
ser apresentadas ser#o e0plicadas uma apCs outra.
Pr!me!ramen"e# No0 !n"er!ore0 do +omem n4o 1ode +a.er o mal e ao me0mo
"em1o o bem< nem 1or %on0e=?@n%!a o >al0o do mal e ao me0mo "em1o o .ero do
bem. Pelos interiores do homem é entendido o interno do seu pensamento, do qual o
homem nada sabe antes de entrar no Bundo espiritual e em sua lu9, o que acontece
apCs a morte" no mundo natural isso pode ser conhecido somente pelo pra9er de seu
amor no e0terno de seu pensamento, e pelos males mesmos, quando os e0amina em
si" pois como oi mostrado acima, o interno do pensamento está li&ado em uma tal
coerência com o e0terno do pensamento no homem, que n#o podem ser separados"
mas já se alou muito disso. Di9-se o bem e o vero do bem, e também o mal e o also
do mal, porque n#o pode haver bem sem seu vero, nem mal sem seu also" s#o, com
eeito, companheiros de leito ou esposos, pois a vida do bem tem lu&ar por seu vero, e
a vida do vero por seu bem" dá-se o mesmo com o mal e seu also. Eue nos interiores
do homem n#o possa haver o mal com seu also e ao mesmo tempo o bem com seu
vero, isso pode ser visto sem e0plica$#o pelo homem racional" pois o mal é oposto ao
bem, e o bem é oposto ao mal, e dois opostos n#o podem estar juntos" há também
insitado em todo mal um Cdio contra o bem, e em todo bem há insitado um amor de se
deender contra o mal, e de aastá-lo de si" daD resulta que um n#o pode estar ao
mesmo tempo com o outro" e, se ossem juntos, se elevaria a princDpio um conlito e
um combate, e depois uma destrui$#o" é mesmo o que o Senhor ensina nestas
palavras' J!odo reino dividido contra si mesmo é devastado, e toda cidade ou casa
dividida contra si mesma n#o subsistirá. Aquele que n#o está comi&o é contra Bim, e
aquele que comi&o n#o ajunta, espalhaJ LBateus 14*, 42, +6M. < em outro lu&ar'
J(in&uém pode servir a dois senhores ao mesmo tempo" pois, ou odiará a um, ou
amará o outroJ LBat. 5* 4,M. Dois opostos n#o podem estar juntos em uma mesma
substNncia ou em uma mesma orma, sem que ela seja dissipada ou que pere$a" se
um avan$asse e se apro0imasse do outro, eles se separariam inteiramente como dois
inimi&os, dos quais um se retiraria para seu acampamento ou para dentro de suas
muralhas, e o outro se manteria de ora" dá-se o mesmo com os bens e os males no
hipCcrita" ele está em uns e nos outros, mas o mal está dentro e o bem está de ora, e
assim os dois oram separados, e n#o oram misturados. Por isso é evidente que o mal
com seu also e o bem com seu vero n#o podem estar juntos.
Segundamen"e# O bem e o .ero do bem n4o 1odem 0er le.ado0 1elo Sen+or ao0
!n"er!ore0 do +omem< a n4o 0er "an"o =uan"o o mal e o >al0o do mal >oram
a>a0"ado0 daB. ?sto é a conseqFência mesma do que precede" pois, visto que o mal e o
bem n#o podem estar juntos, o bem n#o pode ser tra9ido antes que o mal tenha sido
aastado. Di9-se nos interiores do homem, pelos quais é entendido o interno do
pensamento" trata-se destes interiores nos quais deve estar o Senhor ou o diabo" o
Senhor aD está apCs a reorma, e o diabo ai está antes da reorma" portanto, tanto
quanto o homem se dei0a reormar, tanto o diabo é repelido, mas tanto quanto n#o se
dei0a reormar, tanto o diabo permanece. Euem n#o pode ver que o Senhor n#o pode
entrar enquanto o diabo ai está, é que o diabo aD está tanto tempo quanto o homem
mantêm echada a porta pela qual o homem está em comunica$#o com o SenhorH Eue
o Senhor entra, quando por meio do homem esta porta é aberta, é o que ensina o
Senhor no Apocalipse L+*, 46M' J<u estou ) porta, e bato" se al&uém ouve a minha vo9
e abre a porta, eu entrarei nele, e cearei com ele, e ele comi&oJ" a porta é aberta pelo
ato de o homem aastar o mal u&indo dele e tendo em avers#o como inernal e
diabClico" pois quer se di&a o mal ou o diabo, é a mesma cousa" e vice-versa, quer se
di&a o bem ou o Senhor, é a mesma cousa" pois em todo bem há interiormente o
Senhor, e em todo 'mal há interiormente o diabo. Por isto, a verdade desta proposi$#o
e evidente.
$er%e!ramen"e# Se o bem %om 0eu .ero aB >o00e le.ado an"e0< ou em ma!or
1ro1or34o do =ue o mal %om 0eu >al0o >o00e a>a0"ado< o +omem 0e re"!rar!a do
bem< e re"ornar!a a 0eu mal. A ra9#o disso é que o mal prevaleceria" e o que
prevalece é vencedor, sen#o no momento, ao menos depois" enquanto o mal prevalece
ainda, o bem n#o pode ser levado aos apartamentos Dntimos, mas ica unicamente no
vestDbulo, pois que, como oi dito o mal e o bem n#o podem estar juntos, e o que está
unicamente no vestDbulo é repelido por seu inimi&o que está nos apartamentos" daD
vem que o homem se retira do bem e volta para o mal, o que é o pior &ênero de
proana$#o. Além disso, o pra9er mesmo da vida do homem é de amar-se a si mesmo
e amar o mundo acima de todas as cousas" este pra9er n#o pode ser aastado em um
momento, mas é aastado pouco a pouco" ora, tanto quanto resta deste, pra9er, tanto
nele prevalece o mal" e este mal n#o pode ser aastado sen#o tanto quanto o amor de
si se torna amor dos usos, ou tanto quanto o amor de dominar tem por im os usos e
n#o o homem mesmo" pois desta maneira os usos a9em a cabe$a, e o amor de si ou
amor de dominar a9 primeiro o corpo sob a cabe$a, e depois os pés sobre os quais
caminha. Euem é que n#o vê que o bem deve a9er a cabe$a, e que quando o bem a9
a cabe$a o Senhor está aD, e que o bem e os usos s#o umH Euem é que n#o vê que se
o mal a9 a cabe$a, o diabo está aD, e que, como n#o obstante se deve receber o bem
civil e o bem moral, e também na orma e0terna o bem espiritual, este a9 os pés e as
plantas, e é calcado aos pésH Portanto, pois que o estado da vida do homem deve ser
invertido, de sorte que o que está em cima esteja embai0o, e que esta invers#o n#o
pode ser eita em um momento, pois o supremo pra9er da vida, que vem do amor de si
e do amor da domina$#o, n#o pode ser diminuDdo e mudado em amor dos usos sen#o
pouco a pouco, é por isso que o bem n#o pode ser levado aD pelo Senhor antes, nem
em maior propor$#o do que a do aastamento do mal, e que se osse antes ou em
maior propor$#o, o homem se retiraria do bem e retornaria a seu mal.
Em =uar"o lugar# 7uando o +omem e0"E no mal< mu!"o0 .ero0 1odem 0er le.ado0
ao 0eu en"end!men"o< e errado0 na mem5r!a< e< en"re"an"o n4o 1odem 0er
1ro>anado0. A ra9#o disso é que a entendimento n#o inlui na, vontade, mas a vontade
inlui no entendimento" e como o entendimento n#o inlui na vontade, muitos veros
podem ser recebidos pelo entendimento, e ser encerrados na memCria, e entretanto
n#o ser misturados com o mal da vontade" por conseqFência as cousas santas n#o
podem ser proanadas" e, além disso, é do dever de cada um aprender os veros pela
Palavra ou com os pre&adores, depositá-los em sua memCria, e levar seus
pensamentos sobre eles" pois pelos veros que est#o na memCria, e que dai vêm ao
pensamento, o entendimento ensinará ) vontade, isto é, ao homem o que deve a9er"
está ai portanto o principal meio de reorma" quando os veros est#o unicamente no
entendimento e por conse&uinte na memCria, n#o est#o no homem, mas est#o ora
dele. A memCria do homem pode ser comparada ao ventrDculo ruminatCrio de certos
animais, no, qual depositam o alimento" enquanto está lá, n#o está em seu, corpo, mas
está ora do corpo" mas ) medida que o retiram de, lá e o devoram, ele se torna uma
cousa de sua vida, e o corpo é alimentado" na memCria do homem há n#o alimentos
materiais, mas alimentos espirituais, que s#o entendidos pelos veros, e s#o em si
mesmos conhecimentos" tanto o homem os retira da memCria pensando, como se
ruminasse tanto sua mente espiritual é alimentada" é o amor da vontade que os deseja
e por assim, di9er os apetece, e a9 com que sejam hauridos e alimentados" se este
amor é mau, deseja e por assim di9er apetece cousas impuras" mas se é bom, deseja
e por assim di9er apetece cousas puras, e as que n#o convêm, ele as separa, as
repele e as rejeita, o que se a9 de dierentes maneiras.
Em =u!n"o lugar# &a0 o Sen+or 1or Sua D!.!na Pro.!d@n%!a 1ro.@ %om o ma!or
%u!dado a =ue n4o 0e-am re%eb!do0 an"e0 =ue o +omem a>a0"e %omo 1or 0!
me0mo o mal de 0eu +omem e6"erno< nem em ma!or 1ro1or34o do =ue o a>a0"am.
7om eeito, o que procede da vontade vai ao homem e lhe é apropriado, e se torna
cousa de sua vida" e na vida mesma que no homem, vem da vontade, o mal e o bem
n#o podem estar juntos, pois assim ela pereceria" mas podem estar um e outro no
entendimento, onde s#o chamados alsos do mal e veros do bem, entretanto, n#o
juntos, de outro modo o homem n#o poderia pelo bem ver o mal, nem pelo mal
conhecer o bem" mas aD est#o distintos e separados como uma casa em interiores e
e0teriores. Euando o homem mau pensa e pronuncia bens, pensa e pronuncia
e0teriormente" mas quando s#o males, é interiormente" portanto, quando pronuncia
bens, sua lin&ua&em sai como que da parede da casa, e pode ser comparada a um
ruto cujo e0terior é belo, mas cujo interior está bichado e podre, e também ) casca de
um ovo de dra&#o.
Em 0e6"o lugar. Se >o00e an"e0 e em ma!or 1ro1or34o< en"4o a .on"ade
adul"erar!a o bem e o en"end!men"o >al0!>!%ar!a o .ero< m!0"urandoGo0 %om o0
male0 e %om o0 >al0o0. Euando a vontade está no mal, ent#o no entendimento ela
adultera o bem, e o bem adulterado no entendimento é na vontade o mal, pois conirma
que o mal é o bem, e vice-versa" o mal a&e assim com todo bem que lhe é oposto" o
mal também alsiica o vero, porque o vero do bem é oposto ao also do mal" a vontade
também a9 isso no entendimento, e o entendimento n#o o a9 por si mesmo. (a
Palavra, as adultera$%es do bem s#o descritas pelos adultérios, e as alsiica$%es do
vero pelas escorta$%es. <stas adultera$%es e estas alsiica$%es se a9em pelos
raciocDnios do homem natural que está no mal, e se a9em também pelas conirma$%es
se&undo as aparências do sentido da letra da Palavra. / amor de si, que é a cabe$a de
todos os males, sobressai mais do que todos os outros amores na arte de adulterar os
bens e de alsiicar os veros, e a9 isso pelo abuso da racionalidade que o Senhor deu a
cada homem, tanto mau como bom" mais ainda, pelas conirma$%es, pode a9er com
que o mal se apresente absolutamente como bem, e o also como vero" que n#o pode
ele, pois que pode por mil ar&umentos conirmar que a nature9a criou-se a si mesma, e
que depois criou os homens, as bestas e os ve&etais de todo &ênero" além disso
também, que pelo inlu0o de seu interior, ela a9 com que os homens vivam, pensem
analiticamente e compreendam sabiamenteH Se o amor de si sobressai na arte de
conirmar tudo que quer é porque sua Gltima superDcie é ormada por um certo
esplendor de lu9 mati9ada de diversas cores" este esplendor é para o amor de si a
&lCria de adquirir a sabedoria, e por ela também a eminência e a domina$#o. Bas
quando este amor conirmou estas proposi$%es, se toma de tal modo ce&o, que vê
somente que o homem é uma besta, e que um e outro podem pensar
semelhantemente, e que mesmo se a besta alasse também seria um homem sob uma
outra orma" se é levado por uma certa persuas#o a crer que al&uma cousa do homem
vive depois da morte, está ent#o de tal modo ce&o que crê que se dá o mesmo com a
besta, e que esta al&uma, cousa que vive depois da morte é unicamente uma e0ala$#o
sutil da vida, como um vapor, que recai sobre seu cadáver" ou que é al&um vital sem a
vista, nem o ouvido, nem a palavra, por conseqFência ce&o, surdo e mudo,
esvoa$ando e pensando" além de várias outras e0trava&Nncia, que a nature9a mesma,
que em si é morta, inspira ) sua antasia. <is o que a9 o amor de si que, considerado
em, si mesmo, é o amor do prCprio" e o prCprio do homem, quanto )s aei$%es que s#o
todas naturais, n#o é dierente da vida da besta" e, quanto )s percep$%es, porque
procedem das aei$%es, n#o é dierente do mocho" é por isso que aquele que mer&ulha
continuamente seus pensamentos em seu prCprio n#o pode ser elevado da lu9 natural
) lu9 espiritual, nem ver al&uma cousa concernente a Deus, ao 7éu e ) vida eterna.
Pois que tal é este amor, e que entretanto ele sobressai na arte de conirmar tudo o
que lhe a&rada, é por isso que ele pode também com uma arte semelhante adulterar os
bens da Palavra e alsiicar seus veros, quando por al&uma necessidade é obri&ado a
conessá-los.
Em 0,"!mo lugar. É 1or !00o =ue o Sen+or n4o !n"rodu/ !n"er!ormen"e o +omem
no0 .ero0 da 0abedor!a e no0 ben0 do amor< 0en4o "an"o =uan"o 1ode aB 0er
man"!do a", ao >!m da .!da. / Senhor a&e assim, a im de que o homem n#o caia
neste &ênero mais &rave da proana$#o do santo, de que se alou neste Arti&o" para
prevenir este peri&o, o Senhor permite também os males da vida, e várias heresias
relativamente ao culto" sobre esta permiss#o, ver os Pará&raos se&uintes.
AS 9EIS DE PER&ISS;O S;O $A&BÉ& 9EIS DA DIVINA PROVIDÊNCIA
4+,. (#o há leis de permiss#o por si mesmas ou separadas das leis da Divina
Providência, mas s#o as mesmas" é por isso que se di9 que Deus permite" por isso é
entendido n#o que <le quer, mas que n#o pode aastar, por causa do im, que é a
salva$#o. !udo o que é eito por causa do im, que é a salva$#o, é se&undo as leis da
Divina Providência" pois, como já oi dito, a Divina Providência vai sem cessar em um
sentido dierente da vontade do homem, e contrário a esta vontade, tendendo
continuamente ao im" é por isso que, a cada momento de sua opera$#o, ou a cada
passo de sua marcha, desde que se apercebe que o homem se aasta do im, ele o
diri&e, o dobra e o disp%e se&undo suas leis, aastando-o do mal, condu9indo-o ao
bem" que isso n#o possa ser eito sem que o mal seja permitido, ver-se-á no que
se&ue. Além disso, nada pode ser permitido sem uma causa, n#o causa em outra parte
que n#o seja em al&uma lei da. Divina Providência, lei que ensina por que é permitido.
4+2. Aquele que n#o reconhece absolutamente a Divina Providência n#o reconhece
Deus em seu cora$#o, mas em lu&ar de Deus reconhece a nature9a, e em lu&ar da
Divina Providência a prudência humana" n#o parece que seja assim, porque o homem
pode pensar de uma maneira e pensar de uma outra, e também alar de uma maneira
e alar de uma outra, pode pensar e alar de uma maneira se&undo seu interior, e de
uma outra maneira se&undo seu e0terior" é como um &on9o que pode &irar uma porta
rios dois sentidos, em um sentido quando se entra e em outro sentido quando se sai" e
como uma vela que pode voltar o navio para tal ou tal lado, conorme o piloto a
desdobra. /s que se conirmaram pela prudência humana até ao ponto de ter ne&ado a
Divina Providência, esses, seja o que or que vejam, ou$am ou leiam, quando est#o em
seu pensamento n#o notam e n#o podem mesmo notar outra cousa, porque nada
recebem do 7éu, mas recebem tudo deles mesmos" e com o concluem se&undo as
aparências sCs e as ilus%es sCs, e n#o vêm outra cousa, podem jurar que isso é assim"
e mesmo se reconhecem a nature9a sC, podem se irritar contra os deensores da
Divina Providência, desde que n#o sejam sacerdotes" a respeito destes, pensam que é
conorme ) sua doutrina ou ) sua un$#o tomar a sua deesa.
4+5. Aamos a&ora dar a enumera$#o de certas cousas que s#o permiss%es, e n#o
obstante conormes com as leis da Divina Providência, e pelas quais o homem
puramente natural se conirma pela nature9a contra Deus, e pela prudência humana
contra a Divina Providência. Assim, quando lê a Palavra, vê que o mais sábio dos
homens, Ad#o, e sua esposa se dei0aram sedu9ir pela serpente, e que Deus por Sua
Divina Providência n#o impediu isso" que seu primeiro ilho, 7aim, matou seu irm#o
Abel, e que Deus ent#o n#o o dissuadiu disso alando com ele, mas somente o
amaldi$oou depois do assassDnio" que a na$#o ?sraelita, no deserto adorou um be9erro
de ouro, e o reconheceu pelo Deus que os havia tirado da terra, do <&ito, e, entretanto
;eová via isso da montanha do Sinai, muito prC0ima, e n#o o impediu" além disso
também, que Davi e9 o recenseamento do povo, e que por causa disso oi enviada
uma peste que e9 perecer milhares de homens, e que Deus lhe enviou o proeta Gad
n#o antes do ato, mas depois, para anunciar a puni$#o" que oi permitido a Salom#o
instaurar cultos idolátricos" e a vários reis depois dele de proanar o !emplo e as
cousas santas da ?&reja" e que por im oi permitido a esta (a$#o cruciicar o Senhor.
(estas passa&ens da Palavra e em muitas outras, aquele que reconhece a nature9a e
a prudência humana n#o vê sen#o cousas contrárias ) Divina Providência, é por isso
que pode se servir delas como ar&umentos para a ne&ar, sen#o em seu pensamento
e0terior, que está mais perto da lin&ua&em, pelo menos em seu pensamento interior,
que oi aastado da lin&ua&em.
4+1. !odo adorador de si mesmo e da nature9a se conirma contra a Divina
Providência, quando no mundo vê tantos Dmpios, e tanta impiedade de sua parte, e ao
mesmo tempo a &lCria que al&uns deles tiram dai, sem que por isso Deus lhes inlija
puni$#o al&uma. < ainda mais se conirma contra a Divina Providência quando vê ser
bem sucedidas as maquina$%es, as astGcias e as velhacarias, mesmo contra os
homens piedosos, justos e sinceros" e que a injusti$a triuna sobre a justi$a nos
jul&amentos e nos ne&Ccios. 7onirma-se principalmente quando vê os Dmpios elevados
)s honras, e se tornarem &randes e prima9es" além disso, também abundarem em
rique9as, e viverem na suntuosidade e na ma&niicência" e vice-versa, os adoradores
de Deus serem despre9ados e estarem na pobre9a. 7onirma-se também contra a
Divina Providência, quando pensa que as &uerras s#o permitidas, e que ent#o tantos
homens s#o massacrados, e que tantas cidades, na$%es e amDlias s#o pilhadas" e
mesmo que as vitCrias est#o do lado da prudência, e nem sempre do lado da justi$a" e
que pouco importa que o &eneral seja um homem de bem ou um homem sem
probidade" além de várias outras cousas semelhantes, que s#o todas permiss%es
se&undo as leis da Divina Providência.
4+:. <ste mesmo homem natural se conirma contra a Divina Providência, quando
considera as reli&iosidades de diversas na$%es, por e0emplo, que há homens que n#o
têm absolutamente no$#o al&uma de Deus, e que os há que adoram o sol e a lua"
outros que adoram Ddolos e ima&ens talhadas, mesmo monstros" e outros homens
mortos. Além disso, quando considera que a >eli&iosidade Baometana oi recebida por
tantos impérios e reinos, e que a >eli&i#o 7rist# está unicamente na menor parte do
Globo habitado, chamada <uropa" que aD ela oi dividida" que nela se encontram
homens que se atribuem o poder Divino, e querem ser adorados como deuses, e que
nela se invocam homens mortos" além disso também, que nela há quem coloque a
salva$#o em certas palavras que se pensa e se pronuncia, e n#o nos bens que se a9"
além disso ainda, que nela há poucos que vivem se&undo sua >eli&i#o" além de
heresias, que têm e0istido em t#o &rande nGmero, e as que e0istem hoje, tais como as
dos Eua]ers, dos Baravios, dos Anabatistas e outras" e por im, que o judaDsmo
continua ainda. Aquele que ne&a a Divina Providência conclui dai que a reli&i#o em si
mesma nada é, mas que entretanto é necessária, porque serve de vDnculo.
4+-. A estes ar&umentos pode-se hoje acrescentar muitos outros, pelos quais podem
ainda se conirmar aqueles que interiormente pensam pela nature9a e pela prudência
humana sC" por e0emplo, que todo o mundo crist#o reconheceu três Deuses, n#o
sabendo que Deus é um em pessoa e em essência e que esse Deus é o Senhor" além
disso também, que até ao presente i&norou-se que em cada cousa da Palavra há um
sentido espiritual, e que dai vem a santidade da Palavra" além disso ainda, que n#o se
soube que u&ir dos males como pecados, é a >eli&i#o 7rist# mesma" e que mesmo
n#o se soube que o homem vive homem depois da morte" pois esse podem se di9er a
eles mesmos e di9er entre si' Por que a Divina Providência, se e0iste, revela a&ora
estas cousas pela primeira ve9H
4,6. !odas as cousas, cuja enumera$#o é dada nos nGmeros 4+1, 4+: e 4+-, oram
reeridas a im de que se veja que todas e cada uma das cousas que s#o eitas no
Bundo, tanto entre os maus como entre os bons, s#o da Divina Providência" que por
conseqFência a Divina Providência está nas menores particularidades do pensamento
e das a$%es dos homens, e que é por isso que ela é universal. Bas como isso n#o
pode ser visto, a n#o ser que cada uma das proposi$%es seja e0plicada ) parte, vai por
conseqFência ser dada uma e0plica$#o sucinta delas, se&uindo-se a ordem em que
oram apresentadas, come$ando pelo n* 4+5.
4,1. I. . mais s'bio dos homens, Ado, e sua esposa se dei!aram sedu"ir pela
serpente, e Deus por Sua Divina +rovid,ncia no impediu isso.
@ porque por Ad#o e sua esposa entende-se n#o os primeiros homens criados neste
Bundo, mas os homens da AntiqFDssima ?&reja, cuja nova cria$#o ou re&enera$#o oi
assim descrita" sua nova cria$#o mesma ou sua re&enera$#o no Primeiro 7apDtulo pela
cria$#o do 7éu e da !erra" sua sabedoria e sua inteli&ência pelo jardim do @den" e o
im desta ?&reja pela a$#o de comer da árvore da ciência" pois a Palavra em seu seio é
espiritual, contando os arcanos da Divina Sabedoria, e a im de que aD ossem contidos,
ela oi escrita por meio de puras correspondências e de puras representa$%es. Por
isso, é evidente que os homens desta ?&reja que no come$o tinham sido muito sábios,
e que por im, pelo asto da prCpria inteli&ência, eram muita maus, oram sedu9idos,
n#o por al&uma serpente, mas pelo amor de si, que aD é a cabe$a da serpente que a
semente da mulher, isto é, o Senhor devia esma&ar. Euem é que, pela ra9#o, n#o pode
ver que se entende outras cousas que n#o as que ai s#o mencionadas de uma maneira
histCrica na letraH 7om eeito, quem é que pode conceber que a cria$#o do mundo
tenha podido ser tal como é aD descritaH Por isso n#o têm tido os eruditos muito
trabalho para e0plicar o que contém o primeiro 7apDtulo, acabando por conessar que
n#o o compreendemH (#o compreendem tampouco que no jardim do @den ou paraDso
tenham sido colocadas duas árvores, uma da vida e a outra da ciência, e esta como
pedra de trope$o" nem que pela Gnica a$#o de ter comido desta árvore tenham eles de
tal modo prevaricado que n#o somente eles, mas ainda todo o &ênero humano, sua
posteridade, tenham sido votados ) dana$#o" nem, enim, que uma serpente tenha
podido sedu9i-los" além de vários outros atos, por e0emplo, que a esposa tenha sido
criada de uma costela do marido" que depois da queda tenham reconhecido sua nude9"
que a tenham velado com olhas de i&ueira" que lhes tenham sido dadas tGnicas de
peles para cobrirem o corpo" e que tenham sido postos querubins com uma espada
lamejante para &uardar o caminho da árvore da vida, !odas estas cousas s#o
representativas pelos quais é descrita a instaura$#o da AntiqFDssima ?&reja, o estado
dessa ?&reja, sua mudan$a de estado, e por im sua destrui$#o" todas as cousas
secretas contidas no sentido espiritual, que reside em cada particularidade da
narra$#o, oram e0plicada: nos Arcanos 7elestes sobre a Gênesis e o Z0odo,
publicados em 8ondres" aD pode-se ver também que pela Arvore da vida é entendido o
Senhor quanto ) Sua Divina Providência, e pela Arvore da ciência o homem quanto )
prCpria prudência.
4,4. II. Seu primeiro filho, 2aim, matou seu irmo Abel, e Deus ento no o
dissuadiu falando com ele, mas somente o amaldi1oou depois do assass0nio.
Pois que por Ad#o e sua esposa entende-se a ?&reja antiqFDssima, como acaba de ser
dito, se&ue-se que por 7aim e Abel, seus primeiros ilhos, entende-se os dois
essenciais, da ?&reja, que s#o o Amor e a Sabedoria, ou a 7aridade e a Ké, por Abel o
amor ou a caridade, e por 7aim a sabedoria ou a é, especialmente a sabedoria
separada do amor, ou a é separada da caridade" e esta sabedoria, como ta também a
é separada, é tal que n#o somente rejeita o amor e a caridade, mas mesmo os
aniquila, e assim 7aim mata seu irm#o" que a é separada da caridade a&e assim, isso
é muito conhecido no Bundo 7rist#o" ver a Doutrina da (ova ;erusalém sobre a Ké. A
maldi$#o de 7aim envolve o estado espiritual a que che&am, depois da morte, aqueles
que separam a é da caridade, ou a sabedoria do amor. Bas n#o obstante, a im de que
por esta separa$#o a sabedoria ou a é n#o perecesse, oi posto um sinal sobre 7aim,
para que n#o osse morto, pois o amor n#o e0iste sem a sabedoria, nem a caridade
sem a é. 7omo este ato representa quase a mesma cousa que a a$#o de comer da
árvore da ciência é por isso que oi posto em ordem apCs a descri$#o de Ad#o e de sua
esposa" aqueles também que est#o na é separada da caridade est#o na prCpria
inteli&ência, e os que est#o na caridade e em, conseqFência na é est#o na inteli&ência
pelo. Senhor, por conseqFência na Divina Providência.
4,+. III. A 9a1o Israelita no deserto adorou o be"erro de ouro, e o reconheceu
pelo Deus que os havia tirada do &(ito> e entretanto Ceov' via isso da montanha
da Sinai, muito pr6!ima e no o impediu.
?sto aconteceu no deserto do Sinal perto dá montanha" que ;eová n#o os tenha
dissuadido deste culto criminoso, isto é conorme com todas as leis da Divina
Providência, que oram reeridas até aqui, e também com as que se&uem. <ste mal
lhes oi permitido para que n#o perecessem todos" pois os ilhos de ?srael tinham sido
tirados do <&ito, a im de que representassem a ?&reja do Senhor, e eles n#o a teriam
podido representar se a idolatria e&Dpcia n#o osse primeiro desenrai9ada de seu
cora$#o" e isso n#o teria podido ser eito se n#o ossem livres para a&ir se&undo o que
estava em seu cora$#o, e assim arrancá-lo em conseqFência de uma ri&orosa puni$#o.
Euanto ao que, além disso, é si&niicado por este culto, e pela amea$a de que seriam
plenamente rejeitados, e que uma nova na$#o seria suscitada a Boisés, vê-se nos
Arcano Celete sobre o Z0odo, 7ap. +4*, onde estes assuntos s#o tratados.
4,,. I). Davi fe" o recenseamento do povo, e por causa disso foi enviada uma
peste que fe" perecer milhares de homens, e Deus lhe enviou o profeta 4ad no
antes do ato, mas depois, para lhe anunciar a puni1o.
Aquele que se conirma contra a Divina Providência pode também sobre este assunto
pensar e meditar em seu espDrito diversas cousas, principalmente por que Davi n#o oi
advertido antes, e por que o povo apCs a trans&ress#o do rei oi t#o ri&orosamente
punido. Eue Davi n#o tenha sido advertido antes, isto é conorme com as leis da Divina
Providência demonstradas até aqui, principalmente com as duas leis e0plicadas acima,
n*
s
14- a 12+ e 12, a 11,. Se o povo oi ri&orosamente punido pela trans&ress#o do
rei, e se setenta mil homens oram atacados pela peste, oi n#o por causa do rei, mas
por causa, do povo, pois lemos na Palavra' JA cClera de ;eová continuou a se inlamar
contra ?srael" é por isso que <le incitou Davi contra eles, di9endo' Aai, enumera ?srael e
;udáJ L?? Sam. 4,*, 1M.
4,2. ). Doi permitido a Salomo instaurar cultos idol'tricos.
Koi a im de que representasse o >eino do Senhor ou a ?&reja com todas as
reli&iosidades do Bundo inteiro, pois a ?&reja instituDda na (a$#o ?sraelita e ;udaica era
uma ?&reja representativa" é por isso que todos os jul&amentos e todos os estatutos
desta ?&reja representavam os espirituais da ?&reja, que s#o os seus internos, o povo
mesmo a ?&reja, o >ei o Senhor, Davi o Senhor que devia vir ao Bundo, e Salom#o o
Senhor depois do Seu advento" e como o Senhor apCs a &loriica$#o de seu Rumano
teve o poder no 7éu e sobre a terra, como ele Besmo o di9, Bateus 4:*, 1:, é por isso
que Seu representante Salom#o se mostrou na, &lCria e na ma&niicência, e esteve na
sabedoria mais do que todos os reis da terra, e, além disso, construiu o !emplo, e
depois permitiu e instalou os cultos de várias na$%es, pelos quais eram representadas
as diversas reli&iosidades do Bundo" suas esposas, em nGmero de setecentas, e suas
concubinas, em nGmero de tre9entas, si&niicavam cousas semelhantes, ? >eis 11*, +"
pois a esposa na Palavra si&niica a ?&reja, e a concubina a reli&iosidade. Por isso
pode-se ver por que oi dado a Salom#o construir o !emplo, pelo qual era si&niicado o
Divino Rumano do Senhor, ;o#o 4*, 1-, 41, e também a ?&reja" além disso, por que lhe
oi permitido instaurar cultos idolátricos e ter tantas esposas. Eue por Davi em um
&rande nGmero de passa&ens da Palavra seja entendido o Senhor que devia vir ao
mundo, vê-se na Doutrina da (ova ;erusalém sobre o Senhor, n* ,+, ,,.
4,5. )I. Doi permitido a v'rios reis, depois de Salomo, profanar o ?emplo e as
cousas santas da I(re-a.
<ra porque o povo representava a ?&reja, e os reis eram seus chees" e como a (a$#o
?sraelita e ;udaica era tal que eles n#o podiam representar por muito tempo a ?&reja,
pois eram idClatras de cora$#o, é por isso que se retiraram pouco a pouco do culto
representativo, pervertendo todas as cousas da ?&reja, ao ponto de por im a
devastarem" isso oi representado pelas proana$%es do !emplo por parte dos reis, e
por suas idolatrias" a devasta$#o mesma da ?&reja pela destrui$#o deste !emplo, pela
transporta$#o do povo ?sraelita, e pelo cativeiro do povo ;udeu na =abilInia. Koi esta a
causa" e tudo que se a9 por al&uma causa se a9 pela Divina Providência se&undo
uma de suas leis.
4,1. )II. Doi permitido a esta 9a1o crucificar o Senhor.
<ra porque a ?&reja nesta (a$#o tinha sido inteiramente devastada, e tinha se tornado
tal, n#o somente eles n#o conheciam nem reconheciam o Senhor, mas que tinham
mesmo Cdio contra <le" entretanto todas as cousas que lhe i9eram estavam conormes
com as leis da Divina Providência. Eue a Pai0#o da cru9 tenha sido a Gltima !enta$#o,
ou o Gltimo 7ombate, pelo qual o Senhor venceu plenamente os inernos, e
plenamente &loriicou Seu Rumano, vê-se na Doutrina da )ova %erualém obre o
Sen0or, n* 14 a 1," e na Doutrina da )ova %erualém obre a "é, n* +,, +2.
4,:. Até aqui os atos, cuja enumera$#o oi dada acima no n* 4+5, oram e0plicados"
s#o certos atos tirados da Palavra, pelos quais o homem natural que raciocina contra a
Divina Providência pode se conirmar" pois, como já oi dito, tudo o que um tal homem
vê, ouve e lê pode lhe servir de ar&umento contra ele" todavia, poucos homens se
conirmam contra a Divina Providência pelos atos que est#o na Palavra, mas um
&rande nGmero deles se conirmam pelas cousas que e0istem sob seus olhos, e que
est#o contidas no n* 4+1" estas v#o ser portanto i&ualmente e0plicadas.
4,-. I. ?odo adorador de si mesmo e da nature"a se confirma contra a Divina
+rovid,ncia, quando no mundo v, tantos 0mpios, e tantas impiedades de sua
parte, e ao mesmo tempo a (l6ria que al(uns deles tiram da0, sem que por isso
Deus lhes infli-a qualquer puni1o.
!odas as impiedades e também a &lCria que dai se tira s#o permiss%es cujas causas
s#o leis da Divina Providência. !odo homem pode livremente, e mesmo muito
livremente, pensar o que quer, tanto contra como a avor de Deus" e o que pensa
contra Deus é raramente punido no Bundo natural, porque ai está sempre no estado de
reorma" mas é punido no Bundo espiritual, o que acontece depois da morte, porque
ent#o n#o pode mais ser reormado. Eue as causas das permiss%es sejam leis da
Divina Providência, isso é evidente pelas leis acima reeridas, se s#o lembradas e se
s#o e0aminadas" s#o estas'
• / homem deve a&ir pelo livre, se&undo a ra9#o, n* 11 a -1"
• o homem n#o deve ser constran&ido por meios e0ternos a pensar e a querer,
assim a crer e a amar as cousas que pertencem ) reli&i#o, mas ele mesmo
deve se levar a isso, e por ve9es se constran&er, n* 14- a 12,"
• a prCpria prudência é nula, e somente parece e0istir, e também deve aparecer
como e0istindo" mas a Divina Providência pelos muito-sin&ulares é universal,
n* 1-1 a 41+"
• a Divina Providência considera as cousas eternas, e n#o considera as
temporais sen#o tanto quanto a9em um com as eternas, n* 41, a 446"
• o homem n#o é introdu9ido interiormente nos veros da é e nos bens da
caridade, sen#o tanto quanto pode ai ser mantido até ao im de sua vida, n*
44, a 4++.
Eue as causas das permiss%es sejam as leis da Divina Providência, ver-se-á ainda
claramente pelos Arti&os que se&uem, por e0emplo, por este'
• /s males s#o permitidos para um im, que é a salva$#o"
• além disso, por este' A Divina Providência é contDnua nos maus do mesmo
modo que nos bons"
• e enim por este' / Senhor n#o pode a&ir contra as leis de Sua Divina
Providência, porque a&ir contra elas seria a&ir contra Seu Divino Amor e
contra Sua Divina Sabedoria, assim contra Si Besmo.
<stas 8eis se s#o coneridas, podem maniestar as causas pelas quais as impiedades
s#o permitidas pelo Senhor, e n#o punidas quando est#o somente no pensamento, e o
s#o mesmo raramente quando est#o na inten$#o e por conseqFência também na
vontade, e n#o no ato. Bas a verdade é que todo mal é se&uido de sua pena" é como
se no mal estivesse inscrita sua pena, que o Dmpio sore depois da morte.
Pelas considera$%es que acabam de ser apresentadas se encontra também e0plicada
a proposi$#o se&uinte reerida acima, n* 4+1, a saber'
• Eue o adorador de si mesmo e da nature9a se conirma ainda mais contra a
Divina Providência, quando vê ser bem sucedidas as maquina$%es, as
astGcias e as velhacarias, mesmo contra os homens piedosos, justos e
sinceros"
• e que a injusti$a triuna contra a justi$a nos jul&amentos e nos ne&Ccios.
!odas as leis da Divina Providência s#o necessidades" e como s#o as causas pelas
quais tais cousas s#o permitidas, é evidente que para que o homem possa viver
homem, ser reormado e salvo, estas cousas n#o podem ser tiradas do homem pelo
Senhor, a n#o ser mediatamente pela Palavra, e especialmente pelos preceitos do
Decálo&o naqueles que reconhecem como pecados os homicDdios de todo &ênero, os
adultérios, os roubos e os alsos testemunhos" mas naqueles que n#o os reconhecem
como pecados, mediatamente pelas leis civis e pelo temor das penas que elas inli&em"
além disso, mediatamente também pelas leis morais e pelo temor de perder a
reputa$#o, a honra e o proveito" por estes meios o Senhor condu9 os maus, mas
unicamente dissuadindo-os de a9er estes males, e n#o de os pensar e de os querer"
mas pelos primeiros meios o Senhor condu9 os bons dissuadindo-os n#o somente de
a9er estes males, mas mesmo de os pensar e de os querer.
426. II. . adorador de si mesmo e da nature"a se confirma contra a Divina
+rovid,ncia, quando v, os Empios elevados %s honras, e se tornarem (randes e
prima"es> além disso, também abundar em rique"as, e viver na suntuosidade e
na ma(nific,ncia, enquanto que os adoradores de Deus esto no despre"o e na
pobre"a.
/ adorador de si mesmo e da nature9a crê que as di&nidades e as rique9as s#o as
maiores e as Gnicas elicidades que podem e0istir, assim as elicidades mesmas" e, se
pelo culto a que oi iniciado desde a inNncia, pensa al&uma cousa de Deus, ele as
chama de bên$#os Divinas" e enquanto n#o aspira a, cousas mais elevadas, pensa que
há um Deus, e mesmo o adora" mas no culto está escondido, o que ele mesmo i&nora
um desejo de ser elevado por Deus a di&nidades ainda superiores, e a rique9as ainda
mais abundantes" e se aD che&a, seu culto vai cada ve9 mais para os e0teriores, até ao
ponto de se tornar nulo, e dele mesmo por im ne&ar Deus" a&e da mesma maneira se
é privado das di&nidades e da opulência, nas quais tinha posto seu cora$#o. Eue s#o
ent#o as di&nidades e as rique9as sen#o pedras de trope$o para os maus, mas n#o
para os bons, porque estes p%em o cora$#o n#o nelas, mas nos usos ou nos bens,
para o cumprimento dos quais as di&nidades e as rique9as servem de meiosH @ por
isso que nenhum outro sen#o o adorador de si mesmo e da nature9a pode se conirmar
contra a Divina Providência, pelo ato de os Dmpios che&arem )s honras e )s rique9as,
e se tornarem &randes e prima9es. Aliás, o que é uma di&nidade maior ou menor, e
uma opulência maior ou menorH (#o é unicamente uma cousa que em si mesma é
ima&ináriaH Será que um é mais aortunado e mais eli9 do que o outroH A di&nidade
em um &rande, e mesmo em um rei e imperador, apCs o espa$o de um ano, n#o é ela
considerada apenas como al&uma cousa de comum que n#o e0alta mais a ale&ria de
seu cora$#o, e que pode mesmo se tornar vil a seus olhosH <star#o estes por suas
di&nidades em um maior &rau de elicidade que os que est#o em uma di&nidade
menor, ou mesmo na menor di&nidade, como est#o os rendeiros e seus servidoresH
<stes podem estar em um maior &rau de elicidade, quando prosperam e est#o
contentes com a sua sorte. Euem está mais inquieto de cora$#o, mais reqFentemente,
indi&nado, mais vivamente irritado, do que o amor de siH ?sto lhe acontece todas as
ve9es que n#o é honrado se&undo a e0alta$#o de seu cora$#o, e todas as ve9es que
al&uma cousa n#o acontece a seu a&rado e se&undo seus votos. / que é portanto a
di&nidade, se n#o é para a cousa ou o uso, sen#o uma idéiaH Pode uma tal idéia estar
em um outro pensamento que n#o seja um pensamento sobre si e sobre o mundoH
(#o é ela em si mesma que o mundo é tudo, e que o eterno nada éH
A&ora, a respeito da Divina Providência, dir-se-á em al&umas palavras por que ela
permite que os Dmpios de cora$#o sejam elevados )s di&nidades e adquiram rique9as'
• /s Dmpios ou maus podem a9er usos como os homens piedosos ou bons, e
mesmo com um maior ardor, pois consideram a si mesmos nos usos, e
consideram as honras como os usos" é por isso que quanto mais o amor de si
se eleva, mais se inlama nele o desejo de a9er usos para sua &lCria"
• um tal ardor n#o e0iste nos homens piedosos ou bons, a ser que tenha sido
omentada de bai0o pela honra"
• o Senhor condu9 portanto, pelo amor da reputa$#o, os Dmpios de cora$#o que
est#o nas di&nidades, e os e0cita a a9er usos para o 7omum ou a Pátria, para
a Sociedade ou a 7idade onde est#o, e também para o concidad#o ou o
prC0imo com quem est#o" tal é neles o &overno do Senhor, que é chamado
Divina Providência"
• com eeito, o >eino do Senhor é o >eino dos usos"
• e onde há apenas um pequeno nGmero de homens que desempenham usos,
<le a9 com que os adoradores de si mesmos sejam promovidos aos
empre&os mais elevados, nos quais cada um por seu amor é e0citado a a9er
o bem.
Sup%e no Bundo, ainda que n#o o e0ista, um reino inernal onde n#o reinam sen#o os
amores de si, o Amor de si é ele mesmo o diabo, cada um pelo o&o do amor de si, e
pelo brilho de sua &lCria, n#o aria mais usos do que em um outro reinoH <ntretanto
todos esses têm na boca o bem pGblico, mas no cora$#o seu prCprio bem" e como
cada um atende a seu prDncipe para se tornar maior, pois cada um aspira ser o maior,
pode aD se ver que há um DeusH A pessoa está cercada com uma uma$a como a de
um incêndio, através da qual nenhum vero espiritual em sua lu9 pode passar" vi esta
uma$a ) volta dos inernos daqueles que se adoravam a si mesmos. Acende uma
lanterna e procura quantos, nos >einos de hoje, entre os que aspiram )s di&nidades,
há que n#o sejam amores de si e do mundoH <m mil encontrarás cinqFenta que sejam
amores de Deus, e entre estes sC al&uns que aspiram )s di&nidadesH Portanto, pois
que há t#o poucos que sejam amores de Deus, e um t#o &rande nGmero que s#o
amores de si e do mundo, e pois que estes amores por seus o&os produ9em mais
usos que os amores de Deus pelos seus, como ent#o al&uém pode se conirmar contra
a Divina Providência, porque os maus est#o mais do que os bons na preeminência e
na opulênciaH ?sto é mesmo conirmado por estas palavras do Senhor' J/ Senhor
louvou o intendente injusto pelo ato de ter a&ido prudentemente" pois os ilhos deste
século s#o mais prudentes que os ilhos da lu9 em sua &era$#o. Assim, <u vos di&o'
Ka9ei ami&os do Bamom da injusti$a, a im de que, quando necessitardes, eles vos
recebam nas tendas eternasJ L8uc. 15*, :, -M" o que é entendido por estas palavras no
sentido natural é evidente" mas, no sentido espiritual, pelo Bamom da injusti$a s#o
entendidos os conhecimentos do vero e do bem, que os maus possuem, e de que se
servem unicamente para adquirir di&nidades e rique9as" é por estes conhecimentos
que os bons ou os ilhos da lu9 ar#o ami&os, e s#o eles que os receberam nas tendas
eternas. Eue os amores de si e do mundo sejam em &rande nGmero, e os amores de
Deus em pequeno nGmero, o Senhor o ensina também nestes termos' J8ar&a é a porta
e espa$oso o caminho que condu9 ) perdi$#o, e há muitos que entram por ele" mas
estreita é a porta e apertado o caminho que condu9 ) vida, e há poucos que o
encontramJ LBat. 1*, 1+, 1,M. Eue as di&nidades e as rique9as s#o ou maldi$%es ou
bên$#os, e em quem o s#o, vê-se acima, n* 411.
421. III. . adorador de si mesmo e da nature"a se confirma contra a Divina
+rovid,ncia, quando pensa que as (uerras so +ermitidas, e que ento tantos
homens so massacrados, e que suas rique"as so pilhadas.
(#o é pela Divina Providência que há &uerras, pois elas est#o li&adas aos homicDdios,
)s pilha&ens, )s violências, )s crueldades e a outros males enormes, que s#o
diametralmente opostos ) caridade crist#" mas n#o obstante elas n#o podem dei0ar de
ser permitidas, porque depois dos antiqFDssimos, que s#o entendidos por Ad#o e sua
esposa, e de que se alou acima, n* 4,1, o amor da vida dos homens se tornou tal que
ele quer dominar sobre os outros e por im sobre todos, e quer possuir as rique9as do
mundo, e por im todas as rique9as" estes dois amores n#o podem ser mantidos
acorrentados, pois que é se&undo a Divina Providência, que seja permitido a cada um
a&ir pelo livre se&undo a ra9#o, ver acima, n* 11 a -1" e que, sem as permiss%es, o
homem n#o pode ser dissuadido do mal pelo Senhor, nem por conseqFência ser
reormado e salvo" pois se n#o osse permitido que os males i9essem irrup$#o, o
homem n#o os veria, por conseqFência n#o os reconheceria, e assim n#o poderia ser
levado a resistir a eles" daD vem que os males n#o podem ser impedidos por meio
al&um da Providência" pois assim permaneceriam encerrados, e como estas moléstias,
chamadas cNncer e &an&rena, se estenderiam por todo lado e consumiriam todo o vital
humano. 7om eeito, o homem de nascen$a é um pequeno inerno, entre o qual e o
7éu há um perpétuo debate" nenhum homem pode ser tirado do seu inerno pelo
Senhor, a n#o ser que ele veja que aD está, e queira ser retirado, e isso n#o pode ser
eito sem as permiss%es cujas causas est#o nas leis da Divina Providência. @ por esta
ra9#o que há &uerras pequenas e &uerras &randes" pequenas entre os possuidores de
bens imobiliários e seus vi9inhos, e &randes entre os Bonarcas de reinos e seus
vi9inhos" as pequenas dierem das &randes, porque as pequenas s#o mantidas dentro
de limites pelas leis das na$%es" e porque, ainda que as pequenas tanto quanto as
&randes queiram trans&redir suas leis, as pequenas n#o o podem e as &randes o
podem, mas n#o obstante n#o além do possDvel. Se as &randes &uerras eitas pelos
reis e os &enerais, embora estejam li&adas aos homicDdios, )s pilha&ens, )s violências
e )s crueldades, n#o s#o impedidas pelo Senhor, nem em seu come$o, nem em seu
pro&resso, mas unicamente rio im, quando a or$a de um ou de outro se tornou t#o
raca que há para ele peri&o iminente de destrui$#o, isso é devido a várias causas que
est#o escondidas nos tesouros da Divina Sabedoria" al&umas destas causas me oram
reveladas" entre elas está esta, que todas as &uerras, mesmo quando s#o &uerras
civis, s#o representativas dos estados da ?&reja no 7éu, e s#o correspondências" tais
oram todas as &uerras descritas na Palavra, e tais s#o também todas as &uerras hoje"
as &uerras descritas na Palavra s#o as que os ilhos de ?srael tiveram com dierentes
na$%es, por e0emplo, com os <morreus, os Amonitas, os Boabitas, os Kilisteus, os
SDrios, os <&Dpcios, os 7aldeus, os AssDrios" e quando os ilhos de ?srael, que
representavam a ?&reja, se aastavam dos preceitos e dos estatutos, e caDam nos
males que eram si&niicados por estas na$%es pois cada na$#o com que os ilhos de
?srael tiveram &uerra si&niicava al&um &ênero de mal, ent#o eles eram punidos por
esta na$#o" por e0emplo, quando proanavam as cousas santas da ?&reja por inames
idolatrias eram punidos pelos AssDrios e pelos 7aldeus, porque a proana$#o do que é
santo é si&niicada pela AssDria e pela 7aldéia" o que era si&niicado pelas &uerras
contra os Kilisteus, vê-se na Doutrina da )ova %erualém obre a "é, n* 26 a 2,.
7ousas semelhantes s#o representadas pelas &uerras de hoje, em qualquer lu&ar que
se a$am" pois todas as cousas que s#o eitas no mundo natural correspondem a
cousas espirituais no Bundo espiritual, e todas as cousas espirituais concernem )
?&reja. (#o se sabe neste Bundo que reinos na 7ristandade têm uma rela$#o com os
Boabitas e os Amonitas, com os SDrios e os Kilisteus, com os 7aldeus e os AssDrios, e
com as outras na$%es contra as quais os ilhos de ?srael i9eram a &uerra" entretanto há
aD os que têm uma rela$#o com eles. Bas qual é a ?&reja nas terras, e quais s#o os
males em que ela cai, e pelos quais é punida pelas &uerras, n#o se pode de modo
al&um ver no Bundo natural, porque neste Bundo n#o há de maniesto sen#o os
e0ternos, que n#o a9em a ?&reja, mas se vê no Bundo espiritual onde se mostram os
internos nos quais está a ?&reja mesma" e lá todos s#o conjuntos se&undo seus
dierentes estados" os conlitos destes no Bundo espiritual correspondem )s &uerras,
que de uma parte e doutra s#o diri&idas de uma maneira correspondente pelo Senhor
se&undo Sua Divina Providência. Eue as &uerras no Bundo sejam diri&idas pela Divina
Providência do Senhor, isto é reconhecido pelo homem espiritual, mas n#o pelo
homem natural, e0ceto quando é celebrada uma esta por ocasi#o de uma vitCria, em
que ent#o ele pode dar de joelhos a$%es de &ra$as a Deus pela vitCria que lhe
concedeu" pode também antes de come$ar o combate invocar Deus em al&umas
palavras" mas quando entra em si mesmo, atribui a vitCria ou ) prudência de um
&eneral, ou a al&uma medida ou incidente no meio do combate, sem que se tenha,
pensado donde entretanto resultou a vitCria. Eue a Divina Providência, que é chamada
Kortuna, esteja nas menores particularidades das cousas mesmo as mais rDvolas,
vê-se acima, n* 414" se nelas reconheces a Divina Providência, tu a reconhecerás
completamente nos acontecimentos da &uerra" os sucessos e as vanta&ens obtidos em
uma &uerra s#o mesmo chamados comumente Kortuna da &uerra" e esta é a Divina
Providência, principalmente nos conselhos e nas medita$%es do &eneral, mesmo
quando ele, ent#o e depois, os atribuiria todos ) sua prudência. De resto, que o a$a se
quer, pois está na plena liberdade de pensar pela Divina Providência ou contra ela, e
mesmo por Deus e contra Deus" mas que saiba que cousa al&uma que concerne aos
conselhos e )s medita$%es vem dele" tudo inlui ou do 7éu ou do inerno pela
permiss#o, do 7éu pela Providência.
424. I). . adorador de si mesmo e da nature"a se confirma contra a Divina
+rovid,ncia, quando, se(undo sua percep1o, pensa que as vit6rias esto do
lado da prud,ncia, e nem sempre do lado da Custi1a> e que pouco importa que o
(eneral se-a um homem de bem ou um homem sem probidade.
Se parece que as vitCrias estejam do lado da prudência, e nem sempre do lado da
justi$a, é porque o homem jul&a pela aparência, e é avorável a um partido mais do que
a outro, e o que ele avorece pode conirmá-lo por meio de raciocDnios" e n#o sabe que
a justi$a da causa no 7éu é espiritual, e no mundo é natural, como oi dito no que
precede, e que uma e outra s#o conjuntas pelo encadeamento de cousas passadas e
ao mesmo tempo de cousas uturas que s#o conhecidas do Senhor sC. Se importa
pouco que o &eneral seja um homem de bem ou um homem sem probidade é por esta,
ra9#o, que oi conirmada acima, n* 426, que os maus, do mesmo modo que os bons,
a9em usos, e que os maus por seu o&o os a9em com mais ardor que os bens"
principalmente nas &uerras, porque o mau é mais hábil e mais esperto que o bom para
maquinar estrata&emas, e que pelo amor da &lCria sente volGpia em matar e pilhar os
que sabe e declara inimi&os" o bem tem somente a prudência e o 9elo para prote&er,
mas raramente para invadir. Dá-se com isto como com os espDritos do inerno e os
anjos" os espDritos do inerno atacam, e os anjos do 7éu se deendem. DaD se tira esta
conclus#o, que é permitido a cada um deender sua pátria e seus cidad#os contra os
inimi&os invasores, mesmo empre&ando &enerais mais" mas que n#o é permitido se
declarar inimi&o sem motivo" o motivo pela &lCria, sC é em si mesmo diabClico, pois
pertence ao amor de si.
42+. Até aqui oram e0plicadas as cousas reeridas acima, n* 4+1, pelas quais o
homem inteiramente natural se conirma contra a Divina Providência" a&ora v#o ser
e0plicadas as do n* 4+:, que concernem )s reli&iosidades de diversas na$%es, e que
podem também ser ar&umentos para o homem inteiramente natural contra a Divina
Providência" pois ele di9 em seu cora$#o' J7omo podem e0istir tantas reli&i%es
dierentes, e por que n#o e0iste uma sC, verdadeira, sobre todo o &lobo, se, como oi
mostrado acima, n* 41 a ,2, a Divina Providência tem por im um 7éu proveniente do
Gênero RumanoHJ Bas escuta, eu te pe$o' !odos os que nasceram homens, em
qualquer reli&i#o que estejam, podem ser salvos, desde que reconhe$am um Deus, e
que vivam se&undo os preceitos do Decálo&o, que s#o n#o matar, n#o cometer
adultério, n#o roubar, n#o dar also testemunho, por esta ra9#o que é contra a reli&i#o,
por conseqFência contra Deus, a9er essas a$%es" nesses há o temor de Deus, e o
amor do prC0imo" o temor de Deus, porque pensam que é contra Deus a9er essas
a$%es" e o amor do prC0imo, porque é contra o prC0imo, matar, cometer adultério,
roubar, dar also testemunho, e cobi$ar sua casa e sua esposa" como estes em sua
vida elevam os olhos para Deus, e n#o a9em o mal ao prC0imo, s#o condu9idos pelo
Senhor, e, os, que s#o condu9idos, s#o também instruDdos se&undo sua reli&i#o a
respeito de Deus e do prC0imo" pois os que vivem assim &ostam de ser instruDdos, mas
os que vivem de outro modo n#o &ostam de ser instruDdos" e como &ostam de ser
instruDdos, eles o s#o pelos anjos depois da morte, quando se tomam espDritos, e
recebem de boa vontade os veros tais como est#o na Palavra. Sobre este assunto, ver
al&umas e0plica$%es na Doutrina da )ova %erualém obre a Ecritura Santa, n* -1 a
-1 e 16, a 11+.
42,. I. . homem inteiramente natural se confirma contra a Divina +rovid,ncia,
quando considera as reli(iosidades de diversas na1@es, por e!emplo, que h'
homens que no t,m absolutamente no1o al(uma de Deus, e que, os h' que
adoram o sol e a lua, e outros que adoram 0dolos e ima(ens talhadas.
/s que tiram daD ar&umentos contra a Divina Providência n#o conhecem os arcanos do
7éu, que s#o inGmeros, e dos quais quando muito um sC é conhecido do homem" no
nGmero desses arcanos está este que o homem n#o é instruDdo do 7éu imediatamente,
mas que o é mediatamente, ver acima sobre este assunto, n* 12, a 11," e, pois que é
instruDdo mediatamente, e que o <van&elho n#o pIde che&ar por emissários a todos
que habitam sobre o &lobo inteiro, mas que entretanto uma reli&i#o pIde passar, por
diversos meios, mesmo )s na$%es que est#o nos cantos do mundo, eis por que isto
teve lu&ar pela Divina Providência" com eeito, homem al&um tira dele mesmo a
reli&i#o, mas a tira de um outro que, ou ele mesmo, ou por um outro, por tradi$#o tinha
sabido pela Palavra que há um Deus, que há um 7éu e um inerno, que há uma vida
depois da morte, e que é preciso adorar Deus para se tornar eli9. Eue a >eli&i#o tenha
sido transportada para o Bundo inteiro pela anti&a Palavra, e depois pela Palavra
israelita, vê-se na Doutrina da )ova %erualém obre a Ecritura Santa, n* 161 a 16+" e
que se n#o tivesse havido a Palavra, nin&uém teria tido conhecimento de Deus, do
7éu, e do inerno, da vida depois da morte, nem com mais orte ra9#o do Senhor, vê-se
no mesmo !ratado, n* 11, a 11:. Euando uma ve9 uma >eli&i#o oi implantada em
uma na$#o, esta na$#o é condu9ida pelo Senhor se&undo os preceitos e os do&mas
dessa >eli&i#o" e o Senhor proveu a que em cada reli&i#o haja preceitos tais como os
que est#o no Decálo&o" assim, adorar Deus, n#o proanar seu (ome, observar um dia
de esta, honrar seu pai e sua m#e, n#o matar, n#o cometer adultério, n#o roubar, n#o
dar also testemunho" a n#o que a9 Divinos estes preceitos, e com eles conorma sua
vida pela reli&i#o, é salva como dito acima, n* 42+" e mesmo a maior parte das na$%es
aastadas do Bundo crist#o consideram estas leis n#o como civis, mas como Divinas, e
as têm por santas" que o homem seja salvo pela vida se&undo estes preceitos, vê-se
na Doutrina da (ova ;erusalém pelos preceitos do Decálo&o, desde o come$o até o
im. (o nGmero dos Arcanos do 7éu, há também este que o 7éu An&élico diante do
Senhor é como um sC Romem, cuja alma e vida é o Senhor, e que este Divino Romem
é em toda orma homem, n#o somente quanto aos membros e aos Cr&#os e0ternos,
mas meso quanto aos membros e aos Cr&#os internos, que s#o em &rande nGmero,
além disso também quanto )s peles, )s membranas, )s cartila&ens e aos ossos"
todavia, estas partes tanto e0ternas como internas, neste Romem, n#o s#o materiais,
mas s#o espirituais" e oi provido pelo Senhor a que aqueles aos quais o <van&elho
n#o pIde che&ar, mas que unicamente uma reli&i#o, possam também ter um lu&ar
neste Divino Romem, isto é, no 7éu, constituindo estas partes que s#o chamadas
peles, membranas, cartila&ens e ossos" e a que estivessem do mesmo modo que os
outros, na ale&ria celeste" pois pouco importa, se se está na ale&ria, que seja na ale&ria
tal qual é para os anjos do céu supremo, ou na ale&ria tal qual é para os anjos do
Gltimo céu" com eeito, quem quer que entra no 7éu entra na ale&ria suprema de seu
cora$#o, e n#o suportaria uma maior, pois seria suocado. Dá-se com isso, por
compara$#o, como com um lavrador e um >ei" o lavrador pode estar no cGmulo da
ale&ria quando anda vestido com uma roupa nova de pano &rosso, e sentasse a uma
mesa onde há carne de porco, um peda$o de carne de boi, queijo, cerveja e vinho
co9ido Lvin cuitM" teria o cora$#o apertado se, como um >ei, estivesse vestido de
pGrpura, de seda, de ouro e de prata, e que estivesse diante de uma mesa onde
houvesse alimentos delicados e suntuosos de vários &êneros com vinhos delicados"
daD, é evidente que há elicidade celeste para os Gltimos como para os primeiros, para
cada, um se&undo seu &r#o" por conseqFência também para os que est#o ora do
mundo crist#o, desde que ujam dos males como pecados contra Deus, porque s#o
contra a reli&i#o. Rá poucos que n#o tenham absolutamente conhecimento al&um de
Deus" que estes se levaram uma vida moral s#o instruDdos pelos anjos depois da
morte, e recebem o espiritual em sua vida moral, vê-se na Doutrina da )ova %erualém
obre a Ecritura Santa, n* 115. Semelhantemente, os que adoram o Sol e a 8ua, e
acreditam que aD está Deus" eles n#o sabem outra cousa, por conse&uinte ?sso n#o
lhes é imputado como pecado, pois o Senhor disse' JSe Isseis ce&osJ, quer di9er, se
n#o soubésseis, Jn#o terDeis pecadoJ L;o#o -*, ,1M. Bas há muitos que adoram Ddolos e
ima&ens talhadas, mesmo no Bundo 7rist#o" isto, é verdade, é idolatria, mas n#o em
todos" com eeito, há aqueles a quem as ima&ens talhadas servem como meios de
e0cita$#o para pensarem em Deus" pois pelo inlu0o que procede do 7éu, acontece
que os que reconhecem um Deus querem vê-lo" e como estes n#o podem como os que
s#o espirituais-interiores, elevar a mente acima dos sensuais, eles se e0citam para isso
por meio de uma ima&em talhada ou &ravada" os que a&em assim, e n#o adoram a
ima&em mesma como Deus, s#o salvos, se vivem também pela reli&i#o se&undo os
preceitos do Decálo&o. Por estas e0plica$%es é evidente que, pois que o Senhor quer a
salva$#o de, todos, <le proveu por isso a que cada um possa ter seu lu&ar no 7éu, se
vive bem. Eue o 7éu diante do Senhor seja como um Gnico Romem, e que, por
conse&uinte o 7éu corresponde a todas e a cada uma das cousas que est#o no
homem" e que as há por isso que est#o em rela$#o com as peles, as membranas, as
cartila&ens e os ossos, vê-se no Tratado do Céu e do Inferno, publicado em 8ondres
em 112:, n* 2- a 164" e também nos Arcanos 7elestes, n* 2224 a 2225" e acima, n*
461 a 46,.
422. II. . homem inteiramente natural se confirma contra a Divina +rovid,ncia,
quando considera que a :eli(iosidade =aometana foi recebida por tantos
impérios e reinos.
Eue esta >eli&iosidade tenha sido recebida por mais reinos que a >eli&i#o 7rist#, isso
pode ser um escNndalo para os que pensam na Divina Providência, e ao mesmo tempo
acreditam que n#o se pode ser salvo a n#o ser que se tenha nascido crist#o, assim em
um paDs onde há a Palavra, e onde por ela o Senhor é conhecido" mas a >eli&iosidade
Baometana n#o é um escNndalo para os que acreditam que todas as cousas vêm da
Divina Providência" estes procuram em que a Providência aD está, e por isso o acham"
é no ato de que a >eli&iosidade Baometana reconhece o Senhor como o Kilho de
Deus, como o mais sábio dos homens, e como o maior Proeta, o qual veio ao Bundo
para instruir os homens" a maior parte dos maometanos o a9em maior do que Baomé.
Para que se saiba plenamente que esta >eli&iosidade oi suscitada pela Divina
Providência do Senhor, a im de destruir a idolatria de um &rande nGmero de na$%es,
este assunto vai ser e0posto em uma certa ordem" em conseqFência, alar-se-á
primeiro da ori&em das idolatrias. Antes desta >eli&iosidade, o culto dos Ddolos era
comum sobre toda a terra" isto provinha de que as ?&rejas antes do advento do Senhor
tinham sido todas ?&rejas >epresentativas" tal tinha sido também a ?&reja ?sraelita" aD, o
tabernáculo, as vestimentas de Aar#o, os sacriDcios, todas as cousas do !emplo de
;erusalém, e também os estatutos, eram representativos" e, entre os anti&os, havia a
ciência das correspondências, que é também a ciência das representa$%es, a ciência
mesma dos sábios, cultivada principalmente no <&ito" dai seus hierC&lios" por esta
ciência eles sabiam o que si&niicavam os animais de todo &ênero, e as árvores de
todo &ênero, além disso as montanhas, as colinas, os rios, as ontes e também o sol, a
lua, as estrelas" e como todo seu culto era um culto representativo, consistindo em
puras correspondências, é por isso que o celebravam sobre as montanhas e as colinas,
e também em bosques e em jardins" e que consa&ravam as ontes, e voltavam as
aces para o sol nascente quando adoravam Deus" e que além disso a9iam ima&ens
talhadas de cavalas, de bois, de be9erros, de carneiros, e mesmo de pássaros, de
pei0es, de serpentes, e as colocavam em suas casas e em outros lu&ares em uma
certa ordem se&undo os espirituais da ?&reja aos quais correspondiam, ou que
representavam. 7olocavam também semelhantes objetos em seus !emplos, para
recordar ) sua lembran$a as cousas santas que si&niicavam. Depois deste tempo,
quando a ciência das correspondências oi obliterada, sua posteridade come$ou a
adorar estas ima&ens talhadas como santas em si mesmas, n#o sabendo que seus
antepassados nada tinham visto de santo nelas, mas que as consideravam unicamente
como representando e, por conse&uinte si&niicando cousas santas se&undo suas
correspondências. DaD nasceram as idolatrias que encheram toda a terra, tanto a Usia
com as ilhas adjacentes, como a Urica e a <uropa. A im de que todos os Ddolos
ossem e0tirpados, aconteceu que, pela Divina Providência do Senhor, se elevou uma
nova >eli&i#o acomodada aos &ênios dos orientais, na qual havia al&uma cousa de um
e outro !estamento da Palavra, e que ensinava que o Senhor veio ao Bundo, e que era
o maior Proeta, o mais sábio de todos, e o Kilho de Deus" isto oi eito por Baomé, pelo
que esta >eli&i#o oi denominada >eli&i#o Baometana. <sta >eli&i#o oi suscitada pela
Divina Providência do Senhor, e acomodada, como oi dito, aos &ênios dos orientais, a
im de destruir as idolatrias de tantas na$%es, e lhes dar al&um conhecimento do
Senhor, antes que viessem para o Bundo espiritual" ela n#o teria sido recebido por
tantos reinos, e n#o teria podido e0tirpar as idolatrias, se n#o tivesse sido eita de
maneira a ser conorme e adequada )s idéias dos pensamentos e da vida de todos
estes povos. Se ela n#o reconheceu o Senhor como o Deus do 7éu e da terra, é
porque os orientais reconhecem um Deus 7riador do 3niverso, e n#o podiam
compreender que este Deus viesse ao Bundo e tomasse o Rumano, do mesmo modo
que n#o compreendem tampouco os crist#os que, por isso mesmo, em seu
pensamento, separam seu Divino de seu Rumano, e colocam seu Divino perto do Pai
no 7éu, e seu Rumano n#o sabem onde. Por isto, pode-se ver que a >eli&i#o
Baometana deve também sua ori&em ) Divina, Providência do Senhor" e todos os
desta >eli&i#o que reconhecem o Senhor como Kilho de Deus, e ao mesmo tempo
vivem se&undo os preceitos do Decálo&o, que s#o também seus, u&indo dos males
como pecados, v#o para o 7éu, que é chamado 7éu maometano" este 7éu oi também
dividido em três 7éus, o supremo, o médio e o Dnimo no 7éu supremo est#o os que
reconhecem que o Senhor é um com o Pai, e que assim é <le Besmo o Deus Gnico" no
se&undo 7éu est#o os que renunciam a ter várias esposas e vivem com uma sC" e no
Gltimo os que s#o iniciados. Sobre esta >eli&i#o, ver maiores detalhes na Continuação
obre o %ul&amento "inal e obre o 'undo E!iritual, n* 5: a 14, onde se trata dos
Baometanos e de Baomé.
425. III. . homem inteiramente natural se confirma contra a Divina +rovid,ncia,
quando v, que a :eli(io 2rist est' somente na menor parte do (lobo habitado,
que é chamada &uropa, e que a0 est' dividida.
Se a >eli&i#o 7rist# está somente na menor parte do &lobo habitado, que é chamada
<uropa, é porque ela, n#o oi acomodada aos &ênios dos /rientais, como a >eli&i#o
Baometana, que é mista, assim como acaba de ser mostrado" e uma >eli&i#o n#o
acomodada ao &ênio de um homem n#o é recebida por ele" por e0emplo, uma reli&i#o
que declara que n#o é permitido ter várias esposas n#o é recebida por aqueles que
desde séculos oram polD&amos, mas é rejeitada" dá-se o mesmo também com
al&umas outras declara$%es da >eli&i#o 7rist#. Pouco importa que a menor ou a maior
parte do Bundo a tenha recebido, desde que haja povos entre os quais haja a Palavra"
pois daD resulta sempre a lu9 para os que est#o ora da ?&reja e n#o têm a Palavra,
como oi mostrado na Doutrina da )ova %erualém obre a Ecritura Santa, n* 16, a
11+. < o que é admirável, por toda parte onde a Palavra é lida santamente, e o Senhor
adorado se&undo a Palavra, aD está o Senhor com o 7éu" e isso, porque o Senhor é a
Palavra, e a Palavra é o Divino Aero, que a9 o 7éu, é por isso que o Senhor disse'
J/nde dois ou três est#o reunidos em meu (ome, aD eu estou no meio delesJ LBat. 1:*,
46M" é o que pode ser eito com a Palavra pelos <uropeus em um &rande nGmero de
lu&ares do Globo habitado, porque eles têm comunica$#o com o Globo inteiro, e por
toda parte por eles, ou a Palavra é lida, ou há ensinamentos se&undo a Palavra" isto
parece inventado, mas n#o obstante é verdade. Se a >eli&i#o 7rist# está dividida, é
porque está undada sobre a Palavra, e a Palavra oi escrita por puras
correspondências" ora, as correspondências, quanto ) maior parte, s#o aparências do
vero, nas quais, entretanto os veros reais est#o escondidos" e como a Doutrina da
?&reja deve ser tirada do sentido da letra da Palavra, que é tal, era impossDvel que na
?&reja n#o houvesse disputas, controvérsias e dissens%es, sobretudo quanto ao
entendimento da Palavra, mas n#o quanto ) Palavra mesma, nem quanto ao Divino
Besmo do Senhor" com eeito, por toda parte é reconhecido que a Palavra é santa, e
que o Divino está no Senhor, e estes dois pontos s#o os essenciais da ?&reja" é por
isso também que os que ne&am o Divino do Senhor, os quais s#o chamados
Socinianos, oram e0comun&ados da ?&reja" e os que ne&am a santidade da Palavra
n#o s#o reputados crist#os. A estas e0plica$%es acrescentarei sobre a Palavra al&uma
cousa memorável, donde se pode concluir que a Palavra é interiormente o Divino Aero
mesmo, e intimamente o Senhor' Euando um espDrito abre a Palavra, e ro$a nela a
ace ou a roupa, sC por isso a sua ace ou a sua roupa brilha com tanto esplendor como
a lua ou como uma estrela, e isto ) vista de todos que ele encontra" isto atesta que no,
Bundo nada há mais santo do que a Palavra. Eue a Palavra tenha sido escrita por
puras correspondências, vê-se na Doutrina da )ova %erualém obre a Ecritura Santa,
n* 2 a 45. Aê-se aD também que a Doutrina, da ?&reja deve ser tirada do sentido literal
da Palavra, e ser conirmada por este sentido, n* 26 a 51. Eue heresias podem ser
tiradas do sentido literal da Palavra, mas que é peri&oso conirmá-las, n* -1 a -1. Eue
a ?&reja e0iste pela Palavra, e que tal é na ?&reja o entendimento da Palavra, tal é a
?&reja mesma, n* 15 a 1-.
421. I). . homem inteiramente natural se confirma contra a Divina +rovid,ncia,
por isto que em v'rios :einos onde a :eli(io 2rist foi recebida, h' homens que
se atribuem o poder Divino, e querem ser adorados como Deuses, e porque, a0 se
invoca homens mortos.
<les di9em, é verdade, que n#o se arro&aram a podem Divino, e que n#o querem ser
adorados como deuses" mas entretanto di9em que podem abrir e echar o 7éu, redimir
e reter os pecados, por conseqFência salvar e condenar os homens, e isto é o Divino
Besmo" pois a Divina Providência n#o tem por Gnico, im sen#o a reorma e por
conse&uinte a salva$#o" é esta a sua opera$#o contDnua em cada um" e a salva$#o n#o
pode ser operada sen#o pelo reconhecimento do Divino do Senhor, e pela conian$a
em que o Senhor Besmo opera, quando o homem vive se&undo Seus preceitos. Euem
é que n#o pode ver que isto é a =abilInia descrita no Apocalipse, e a =abel, de que se
ala aqui e ali nos proetasH Eue seja também 8Gcier, em ?saDas 7ap. 1,*, isso é
evidente pelos Aers. , e44 deste 7apDtulo, onde est#o estas palavras' W!u pronunciarás
esta parábola sobre o >ei de =abelJ, Aers," em se&uida' J>esarrai&arei de =abel nome
e restoJ, Aers. 44" donde é claro que, nesta passa&em, =abel é 8Gcier de que se
di9'J7omo caDste do 7éu, 8Gcier, ilho da auroraH <ntretanto, tu tinhas dito em teu
cora$#o' Aos céus subirei" acima das estrelas de Deus elevarei meu trono, e me
assentarei na montanha da conven$#o, nos lados do setentri#o" subirei acima dos
lu&ares altos da nuvem" me tornarei semelhante ao AltDssimaJ, Aers. 14,1+,1,. Eue aD
se invoca homens mortos, e que se lhes pede para prestar socorro, isso é notCrio" se
di9 que se os invoca, porque sua invoca$#o oi estabelecida por uma bula papal
conirmando o decreto do 7oncDlio de !rento, pelo qual é dito abertamente que se deve
invocá-los. Euem é que n#o sabe, entretanto que é Deus sC que se deve invocar e n#o
homem al&um mortoH Bas vai se di9er a&ora porque Deus permitiu estas cousas" que
oram permitidas para um im que é a salva$#o isso n#o pode ser ne&ado" sabe-se,
com eeito, que sem o Senhor n#o há salva$#o" e, pois que assim é, oi necessário que
i9esse pre&ar se&undo a Palavra, e por isso a ?&reja 7rist# osse instaurada" mas isso
n#o pIde ser eito sen#o por promotores que o i9eram por 9elo" e n#o houve outros
sen#o aqueles que, pelo o&o do amor de si, estavam em um ardor semelhante ao 9elo"
este o&o os e0citou primeiro a pre&ar o Senhor e a ensinar a Palavra" é por este
primitivo estado dos promotores que 8Gcier é chamado ilho da aurora, Aers. 14. Bas )
medida que viram que pelas cousas santas da Palavra e da ?&reja podiam dominar, o
amor de si, pelo qual haviam primeiro sido e0citados a pre&ar o Senhor, se lan$ou de
seu interior, e se elevou por im a essa altura, que transeriram para eles toda a
potência, Divina do Senhor, sem lhe dei0ar cousa al&uma. ?sso n#o pIde ser impedido
pela Divina Providência do Senhor, pois se isso osse impedido, eles teriam publicado
em altas vo9es que o Senhor n#o era Deus e que a Palavra n#o era santa, e se teriam
eito Socinianos ou Arianos, e assim teriam destruDdo inteiramente a ?&reja, a qual,
quaisquer que sejam seus chees se mantém, entretanto entre as pessoas que est#o
sob sua domina$#o" pois todos os desta reli&i#o que se diri&em também ao Senhor, e
o&em dos males como pecados, s#o salvos" é por isso que há mesmo no Bundo
espiritual várias sociedades celestes que s#o compostas deles" e oi provido também a
que houvesse entre eles uma na$#o que n#o soresse o ju&o de uma tal domina$#o, e
que considerasse a Palavra como santa" esta nobre (a$#o é a (a$#o Krancesa. Bas o
que aconteceuH Euando o Amor de si levou a domina$#o até ao trono do Senhor, ele 6
e0pulsou dai, e aD se colocou a si mesmo" este Amor, que é 8Gcier, n#o podia sen#o
proanar todas as cousas da Palavra e da ?&reja" para que isso n#o osse eito, o
Senhor por Sua Divina Providência proveu a que eles se retirassem de Seu culto, que
invocassem homens mortos, que diri&issem preces a suas estátuas, que beijassem
seus ossos, que prosternasem a seus tGmulos, que proibissem ler a Palavra, que
pusessem a santidade do culto nas missas que o vul&o n#o compreende, e que
vendessem a salva$#o por dinheiro" porque se n#o tivessem eito estas cousas, teriam
proanado as cousas santas da Palavra e da ?&reja" com eeito, como oi mostrado no
Pará&rao precedente, n#o há sen#o os que conhecem as cousas santas, que podem
proaná-las. @ por isso que, a im de que n#o proanassem a santDssima 7eia, oi
provido pela Divina Providência a que a dividissem, que dessem ao povo o p#o, e que
eles mesmos tomassem o vinho" pois na santa 7eia o vinho si&niica o santo vero, e o
p#o o santo bem" mas quando s#o divididos, o vinho si&niica o vero proanado, e o p#o
o bem adulterado" e além disso oi provido a que a i9essem corporal e material, e que
tomassem isso pela cousa principal da reli&i#o. Euem quer que preste aten$#o a estas
particularidades, e as e0amine em uma certa ilustra$#o da mente, pode ver as
maravilhosas opera$%es da Divina Providência para preservar as cousas santas da
?&reja, e para salvar todos os que podem ser salvos, e arrancar como de um incêndio
os que dele querem ser retirados.
42:. ). . homem inteiramente natural se confirma contra a Divina +rovid,ncia,
por isto que, entre os que professam a :eli(io 2rist, h' os que p@em a
salva1o em certas palavras que se pensa e pronuncia, e no nos bens que se
fa".
Eue tal sejam os que a9em salviica a é sC, e n#o a vida da caridade, por
conseqFência os que separam a é da caridade, vê-se o provado na Doutrina da )ova
%erualém obre a "é" e aD se vê também que esses s#o entendidos na Palavra pelos
Kilisteus, pelo dra&#o e pelos bodes. Eue uma tal Doutrina, também tenha sido
permitida, o é pela Divina Providência, a im de que o Divino do Senhor e o Santo da
Palavra n#o sejam proanados" o Divino do Senhor n#o é proanado, quando a
salva$#o é posta nesta rase' JEue Deus Pai tenha compai0#o por causa do Kilho, que
soreu sobre a cru9 e satise9 por nCsJ" pois assim eles se diri&em n#o ao Divino do
Senhor, mas a seu Rumano, que n#o reconhecem por Divino" e a Palavra n#o é
proanada, porque n#o d#o aten$#o a estas passa&ens onde est#o as e0press%es
amor, caridade, a9er, obras" di9em que todas estas cousas est#o na é que consiste na
rase acima" e os que o conirmam di9em em si mesmos' JA lei n#o me condena, nem
por conseqFência o mal, e o bem n#o salva, pois que o bem vindo de mim n#o é o
bemJ" eles s#o pois como aqueles que n#o conhecem vero al&um da Palavra, e por
isso mesmo n#o podem proaná-la. Bas a é que consiste nesta rase n#o é conirmada
sen#o pelos que est#o pelo amor de si no asto da prCpria inteli&ência" estes tampouco
n#o s#o crist#os de cora$#o, mas apenas querem parecê-lo. Eue entretanto a Divina
Providência do Senhor opera continuamente para salvar aqueles em quem a é,
separada da caridade, se tornou cousa de reli&i#o, é o que a&ora vai ser dito' @ pela
Divina Providência do Senhor que, ainda que esta é tenha se tornado cousa de
reli&i#o, cada um sabe entretanto que o que salva, é n#o esta é, mas a vida da
caridade com a qual a é a9 um" com eeito, em todas as ?&rejas, em que esta >eli&i#o
oi recebida, se ensina que n#o há salva$#o, a n#o ser que o homem se e0amine, veja
seus pecados, os reconhe$a, a$a penitência deles, renuncie a eles, e comece uma
nova vida" isto é lido com muito 9elo diante de todos que se apro0imam da Santa 7eia"
a isso se acrescenta que se n#o o a9em, misturam as cousas santas com as proanas,
e se lan$am na dana$#o eterna" e além disso, na ?n&laterra, que se n#o o a9em, o
diabo entrará neles como em ;udas, e os destruirá quanto ) alma e ao corpo" por isto,
é evidente que, nas ?&rejas onde a é sC oi recebida, cada um entretanto é instruDdo
que é preciso u&ir dos males como pecados. Além disso, o que nasceu crist#o sabe
também que é preciso u&ir dos males como pecados, pois que o Decálo&o é posto nas
m#os de todo rapa9 e de toda rapari&a, e é ensinado pelos pais e pelos proessores" e
que todos os cidad#os de um >eino, especialmente o vul&o, s#o e0aminados pelo
sacerdote, sC pelo Decálo&o recitado de memCria, sobre o que sabem da >eli&i#o
7rist#, e s#o também advertidos para a9erem o que ele contém" jamais lhes é dito por
eclesiástico al&um, que n#o est#o sob o ju&o desta 8ei, nem que n#o podem a9er o
que é mandado porque bem al&um vem deles mesmos. / sDmbolo da Atanásio
também oi recebido em todo o Bundo 7rist#o, e o que ele contém no im é também
reconhecido, a saber, que o Senhor virá para jul&ar os vivos e os mortos, e que ent#o
os que >!/eram boa0 obra0 en"rar4o na .!da e"erna< e o0 =ue >!/eram mE0 !r4o 1ara
o >ogo e"erno. (a Suécia, onde a >eli&i#o da é sC oi recebida, é claramente
ensinado também que n#o há é separada da caridade ou sem as boas obras, e isso,
em um Apêndice Bemorável ane0ado a todos os livros de salmos, tendo por tDtulo
V?m!edimento ou Caua de queda do im!enitenteH, /=/!K<>D?GAS
K/<>(?(D<>, onde est#o estas palavras' J/s que s#o ricos em boas obras mostram
por isso que s#o ricos em é, porque quando a é é salviica opera pela caridade" pois a
é justiicante jamais e0iste sC e separadas das boas obras, do mesmo modo que uma
boa árvore n#o é sem ruto, nem o sol sem lu9 e sem calor, nem a, á&ua sem o humoJ.
<stes poucos detalhes oram dados, a im de que se saiba que, ainda que a
>eli&iosidade da é sC tenha sido recebida, entretanto os bens da caridade, que s#o as
boas obras, s#o ensinados por toda parte, e que isto vem da Divina Providência do
Senhor, a im de que o vul&o n#o seja sedu9ido por esta é. /uvi 8utero, com quem
conversei al&umas ve9es no Bundo espiritual, maldi9er a é sC, e di9er que, quando a
estabeleceu, oi advertido por um Anjo do Senhor a n#o a9er isso" mas que havia
pensado em si mesmo que, se n#o rejeitasse as obras, a separa$#o do 7atolicismo
>omano n#o se eetuaria" é por isso que conirmou esta é n#o obstante a advertência.
42-. )I. . homem inteiramente natural se confirma contra a Divina +rovid,ncia,
por isto que no =undo cristo h' tantas heresias, e que as h' ainda, tais como as
dos 3uaFers, dos =oravios, dos Anabatistas, e v'rias outras.
7om eeito ele pode pensar em si mesmo' JSe a Divina Providência nos
muito-sin&ulares osse universal, e tivesse por im a salva$#o de todos, ela teria eito
que n#o houvesse sobre todo o &lobo sen#o a verdadeira >eli&i#o, e que ela n#o osse
dividida, nem, com mais orte ra9#o, dilacerada por heresiasJ. Bas a9 uso da tua
ra9#o, e pensa, mais proundamente, se podes' Pode o homem ser salvo, se n#o or
antes reormadoH 7om eeito, ele nasce no amor de si e no amor do mundo" e como
estes amores n#o têm em si mesmos cousa al&uma do amor para com Deus" nem
cousa al&uma do amor em rela$#o ao prC0imo, a n#o ser em vista de si, nasce por isso
nos males de todo &ênero" pode e0istir nestes amores al&uma cousa do amor ou da
misericCrdiaH (#o considera ele como uma insi&niicNncia en&anar a outrem, blasemar
contra ele, odiá-lo até ) morte, cometer adultério com sua esposa, usar de violência
contra ele quando é impulsionado pela vin&an$a, pois que quer estar acima de todos e
possuir os bens de todos os outros, por conseqFência pois que considera os outros,
comparando-os a si mesmo como vis e de nenhuma importNnciaH Para que um tal
homem seja salvo, n#o é necessário que primeiro seja dissuadido destes males, e seja
assim reormadoH Eue isto n#o possa ser eito sen#o se&undo várias leis, que s#o leis
da Divina Providência, é o que oi mostrado acima" estas leis, quanto ) maior parte,
n#o s#o conhecidas, e, entretanto s#o leis da Divina Sabedoria e ao mesmo tempo do
Divino Amor, contra as quais o Senhor n#o pode a&ir" pois a&ir contra elas seria perder
o homem e n#o salvá-lo" percorre as 8eis que oram e0postas, conere-as e verás.
Portanto, pois que é também se&undo estas 8eis que n#o haja inlu0o al&um imediato
do 7éu, mas que o inlu0o seja mediato pela Palavra, as doutrinas e as pre&a$%es, e
que a Palavra, para que osse Divina, n#o pIde ser escrita sen#o por puras
correspondências, se&ue-se que as dissens%es e as heresias s#o inevitáveis, e que
sua permiss#o é também se&undo as leis da Divina Providência" e ainda mais, porque
a ?&reja mesma tinha tomado por seus essenciais cousas que pertencem ao
entendimento sC, assim ) Doutrina, e n#o cousas que pertencem ) vontade, assim )
vida" e quando as cousas que pertencem ) vida n#o s#o os essenciais da ?&reja, o
homem está ent#o pelo entendimento em puras trevas, e erra como um ce&o que
esbarra por toda parte e cai nos ossos" com eeito, a vontade deve ver no
entendimento, e n#o o entendimento na vontade, ou, o que é a mesma cousa" a vida e
seu amor devem condu9ir o entendimento a pensar, a alar e a a&ir, e n#o o contrário"
se o contrário acontecesse, o entendimento poderia, por um amor mau, e mesmo
diabClico, apreender tudo o cai sob os sentidos, e or$ar a vontade a a9ê-lo. Por estas
e0plica$%es, pode-se ver de onde vêm as dissens%es e as heresias. Bas a verdade é
que oi provido a que cada um em qualquer heresia que esteja quanto ao
entendimento, possa n#o obstante ser reormado e salvo, desde que uja dos males
como pecados, e n#o conirme em si os alsos heréticos" pois por u&ir dos males como
pecados a vontade é reormada, e pela vontade o entendimento, que ent#o pela
primeira ve9 passa das trevas para a lu9. Rá três essenciais da ?&reja, o
reconhecimento do Divino do Senhor, o reconhecimento da santidade da Palavra, e a
vida que é chamada 7aridade" se&undo a vida, que é a caridade, cada homem tem a
é" pela Palavra ele sabe qual deve ser a vida" e pelo Senhor há para ele reorma e
salva$#o. Se a ?&reja tivesse tido estas três cousas como seus essenciais, as
dissens%es intelectuais n#o a teriam dividido" mas a teriam unicamente variado, como
a lu9 varia as cores nos objetos belos, e como uma variedade de diamantes a9 a
bele9a de uma coroa de >ei.
456. )II. . homem inteiramente natural se confirma contra a Divina +rovid,ncia,
por isto que o -uda0smo continua ainda.
?sto é, porque os ;udeus, apCs tantos séculos, n#o se converteram, embora vivam
entre os crist#os, e porque n#o conessam o Senhor se&undo as predi$%es da Palavra,
e n#o o reconhecem pelo Bessias que deve, como ima&inam, levá-los para a terra de
7ana#, mas persistem constantemente a rene&á-lo, e contudo as cousas continuam a
correr bem para eles. Bas os que pensam assim, e que por isso p%em em dGvida a
Divina Providência, n#o sabem que pelos judeus, na Palavra, entende-se todos os que
s#o da ?&reja e reconhecem o Senhor, e que pela terra de 7ana#, na qual se di9 que
eles ser#o introdu9idos, é entendida a ?&reja do Senhor" que se eles persistem a
rene&ar o Senhor, é porque s#o tais, que se recebessem e reconhecessem o Divino do
Senhor e as cousas santas da ?&reja, eles os proanariam" é por isso que o Senhor
disse alando deles' J7e&ou seus olhos, e endureceu seu cora$#o, para que n#o vejam
com seus olhos, e n#o compreendam com seu cora$#o, e se convertam, e eu os cureJ
L;o#o 14*, ,6" Bat. 1+, 1," Barc. ,-, 14" 8uc. :*, 16" ?saDas 5*, -, 16M" se di9 Jpara que
n#o se convertam e eu os cureJ, porque se tivessem sido convertidos e curados, teriam
proanado" e se&undo uma lei da Divina Providência, de que se tratou acima Ln* 441 a
4++M, nin&uém é introdu9ido interiormente pelo Senhor nos veros da é e nos bens da
caridade, sen#o tanto quanto pode aD ser mantido até ao im da vida, e que se osse de
outro modo, ele proanaria as cousas santas. Se esta (a$#o oi conservada, e
espalhada sobre uma &rande parte do Globo, é por causa da Palavra em sua 8Dn&ua
/ri&inal que ela considera como santa mais do que o a9em os crist#os" e em cada
cousa da Palavra há o Divino do Senhor, pois o Divino Aero aD está unido ao Divino
=em que procede do Senhor, e por isso a Palavra é a conjun$#o do Senhor com a
?&reja, e a presen$a do 7éu, como oi mostrado na Doutrina da )ova %erualém obre
a Ecritura Santa Ln* 54 a 5-M" e a presen$a do Senhor e do 7éu está por toda parte
onde a Palavra é lida santamente. @ este o im que a Divina Providência teve em vista,
conservando os judeus e os dispersando sobre uma &rande parte do Globo. Eual é a
sua sorte depois da morte, vê-se na 7ontinua$#o sobre o ;ul&amento Kinal e sobre o
Bundo espiritual Ln* 1- a :4M.
451. <st#o aD )s cousas reeridas acima Ln* 4+:M, pelas quais o homem natural se
conirma, ou pode se conirmar contra a Divina Providência" há ainda al&umas outras,
mencionadas acima Ln* 4+-M, que podem da mesma maneira servir de ar&umento ao
homem natural contra a Divina Providência, e também cair nas mentes LanimusM dos
outros, e e0citar al&umas dGvidas, s#o estas'
454. I. +odeAse elevar uma dBvida, contra a Divina +rovid,ncia, disto que todo o
=undo 2risto adora um Deus sob tr,s +essoas, o que é adorar tr,s Deuses, e
disto que até ao presente no se soube que Deus é um em pessoa e em ess,ncia,
no qual h' % ?rindade, e que este Deus é o Senhor.
Aquele que raciocina sobre a Divina Providência pode di9er' JAs três Pessoas n#o s#o
três Deuses, pois que cada Pessoa por si mesma é DeusHJ Euem é que pode pensar
de outro modo, e por isso quem é que pensa de outro modoH Atanásio mesmo n#o o
pIde" é por isso que, na Ké simbClica que tem seu nome, ele di9' TA!nda =ue 1ela
.erdade %r!0"4 de.emo0 re%on+e%er =ue %ada Pe00oa , Deu0 e Sen+or< n4o
ob0"an"e n4o no0 , 1erm!"!do< 1ela >, %r!0"4< d!/er ou men%!onar "r@0 Deu0e0 ou
"r@0 Sen+ore0T" por isto n#o é entendida outra cousa, sen#o que devemos reconhecer
três Deuses e três Senhores, mas que n#o é permitido di9er ou mencionar três Deuses
e três Senhores. Euem é que pode jamais perceber um Gnico Deus, a n#o ser que este
Deus seja um também em PessoaH Se se di9 que se pode perceber, desde que se
pense que as três pessoas s#o uma sC <ssência, quem é que por isso percebe ou
pode perceber outra cousa, sen#o que desta maneira os três s#o unNnimes e est#o de
acordo, mas que n#o obstante s#o três DeusesH < se se pensa mais proundamente,
ter-se-á que di9er a si mesmo' 7omo a Divina <ssência, que é ininita, pode ser
divididaH < como pode elas de toda eternidade en&endrar um outro e ainda produ9ir
um outro que procede de um e do outroH Di9-se que é preciso crer isso, e n#o pensar
nisso" mas quem é que n#o pensa naquilo que se lhe di9 que é preciso crerH De outro
modo, de onde viria o reconhecimento que é a é em sua essênciaH (#o é do
pensamento a respeito de Deus como a respeito de três pessoas que nasceram o
Socinianismo e o Arianismo, que reinam no cora$#o de mais pessoas do que se
acreditaH A é de um Gnico Deus, e em que este Deus Gnico é o Senhor, a9 a ?&reja,
pois nO<le está a Divina !rindade" que assim seja vê-se na Doutrina da )ova %erualém
obre o Sen0or, desde o come$o até ao im. Bas o que é que se pensa hoje a respeito
do SenhorH Pensa-se que é Deus e Romem, Deus por ;eová seu Pai, de quem oi
concebido, e Romem pela Air&em Baria, de quem nasceuH Euem é que pensa que
nO<le Deus e o Romem, ou seu Divino e seu Rumano s#o uma sC Pessoa, e que s#o
um como a alma e o corpo s#o umH Al&uém sabe issoH ?nterro&a os Doutores da
?&reja, e eles dir#o que n#o o sabem, quando entretanto isto é conorme ) Doutrina da
?&reja recebida em todo Bundo crist#o, na qual est#o estas palavras' TNo00o Sen+or
:e0u0 Cr!0"o< '!l+o de Deu0< , Deu0 e HomemA e< a!nda =ue 0e-a Deu0 e Homem<
%on"udo n4o 04o do!0< ma0 , um 05 Cr!0"oA , um< 1or=ue o D!.!no "omou 0obre 0!
o HumanoA e me0mo Ele , ab0olu"amen"e um< 1o!0 , uma Cn!%a 1e00oa< 1o!0 =ue
%omo a alma e o %or1o >a/em um 05 +omem< do me0mo modo Deu0 e o Homem
>a/em um 05 Cr!0"oT" isto é tirado da Ké ou SDmbolo de Atanásio" se eles n#o o
souberam, é porque, quando leram esta passa&em, pensaram no Senhor, n#o como
sendo Deus mas unicamente como sendo Romem. Eue se per&unte a estes Doutores,
se sabem de quem <le oi concebido, se oi de Deus Pai, ou se oi de seu prCprio
Divino, eles responder#o que oi de Deus Pai, pois isto é conorme ) <scritura" será
ent#o que o Pai e <le n#o s#o um, como a alma e o corpo s#o umH Euem é que pode
pensar que <le oi concebido de dois Divinos, e, se oi do Seu, que este Divino oi seu
PaiH Se tu lhes per&untares ainda' JEual é vossa idéia sobre o Divino do Senhor, e
qual é ela sobre seu RumanoHJ <les dir#o que seu Divino é da <ssência do Pai, e seu
Rumano da <ssência da m#e, e que seu Divino está no Pai. < se ent#o lhes
per&untares' J/nde está seu RumanoHJ (ada responder#o" pois em sua idéia separam
seu Divino e seu Rumano, a9em seu Divino i&ual ao Divino do Pai, e seu Rumano
semelhante ao humano de um outro homem, e n#o sabem que assim separam a alma
do corpo" n#o vêem tampouco a contradi$#o, que neste caso <le teria nascido homem
racional pela m#e sC. Da impress#o desta idéia sobre o Rumano do Senhor, que era
semelhante ao humano de um outro homem, aconteceu que o 7rist#o diicilmente pode
ser levado a pensar no Divino Rumano quando mesmo se lhe disser que a alma ou a
vida do Senhor oi e é, por concep$#o, ;eová Besmo. >eGne a&ora estas ra9%es, e
e0amina se há um outro Deus do 3niverso sen#o o Senhor sC, no qual está o Divino
Besmo a quo que é chamado o Pai, o Divino Rumano que é chamado o Kilho, e o
Divino Procedente que é chamado <spDrito Santo, e que assim Deus é um em Pessoa
e em <ssência, e que este Deus é o Senhor. Se insistes, di9endo que o Senhor Besmo
nomeou três em Bateus L4:*, 1-M' J?de e a9ei discDpulos todas as na$%es, bati9ando-os
em (ome do Pai, e do Kilho, e do <spDrito Santo,J " responderei que <le disse isso, a
im de que se soubesse que nO<le, ent#o &loriicado, havia a Divina !rindade, como é
evidente pelo AersDculo que precede imediatamente, e pelo que se&ue" no AersDculo
que precede <le di9 que todo poder lhe tinha sido dado no 7éu e sobre a terra" e, no
AersDculo que se&ue, que <le Besmo estaria com eles até ) consuma$#o do século"
assim ala dO<le SC e n#o de !rês. A&ora, quanto ao que concerne a Divina
Providência, e porque ela permitiu que os crist#os adorassem um sC Deus sob três
pessoas, o que é adorar três Deuses, e como se dá que até aqui eles tenham ?&norado
que Deus é um em Pessoa e em <ssência, no qual há a !rindade, e que este Deus é o
Senhor, n#o é o Senhor, mas é o homem mesmo que é a causa disso" o Senhor o
ensinou claramente em Sua Palavra, como pode-se ver por todas as passa&ens que
oram reeridas na Doutrina da )ova %erualém obre o Sen0or" também o ensinou na
Doutrina de todas as ?&rejas, na qual se di9 que seu Divino e seu Rumano s#o, n#o
dois, mas uma Gnica Pessoa, unidos como a alma e o corpo. Bas se se dividiu o Divino
e o Rumano, e se se e9 o Divino i&ual ao Divino de ;eová o Pai, e o Rumano i&ual ao
humano de um outro homem, a causa primeira oi que a ?&reja, apCs o seu levantar,
caiu em uma =abilInia que transeriu para ela o poder Divino do Senhor" todavia, para
que n#o se dissesse que era o poder Divino, mas unicamente o humano, os chees
i9eram o Rumano do Senhor semelhante ao humano de um outro homem" e mais
tarde, quando a ?&reja oi reormada, e a é sC, que é que Deus Pai tem piedade por
causa do Kilho, oi recebida como Gnico meio de salva$#o, o Rumano do Senhor n#o
pIde mais tampouco ser considerado de outro modo" se n#o o pIde, é porque nin&uém
pode se diri&ir ao Senhor, nem reconhecê-lo de cora$#o pelo Deus do 7éu e da terra, a
n#o ser aquele que vive se&undo Seus preceitos" no Bundo espiritual, onde cada um é
obri&ado a alar como pensa, nin&uém pode mesmo mencionar ;esus, sen#o aquele
que no mundo viveu como crist#o" e isto, pela Divina Providência, a im de que seu
(ome n#o seja proanado.
45+. Bas, a im de que o que acaba de ser dito se torne mais evidente, acrescentarei o
que oi reerido na Doutrina da )ova %erualém obre o Sen0or, n*
s
56 e 51" ei-lo' JEue
Deus e o Romem no Senhor, se&undo a Doutrina, sejam n#o duas Pessoas, mas uma
sC, e absolutamente uma, como a alma e o corpo s#o um, vê-se claramente por um
&rande nGmero de declara$%es do Senhor Besmo. Por e0emplo' que o Pai e ele s#o
um" que tudo que é do Pai é dO<le, e que tudo que é dO<le é do Pai" que <le está no
Pai, e que o Pai está nO<le" que todas as cousas lhe oram dadas em m#o" que todo
poder lhe pertence" que <le é o Deus do 7éu e da terra" que o que crê nO<le tem a vida
eterna" e que a cClera de Deus permanece sobre aquele que n#o crê nO<le" e, além
disso, que n#o somente o Divino, mas também o Rumano oram elevados ao 7éu, e
que quanto a um e a outro <le está sentado ) direita de Deus, isto é, que <le é
/nipotente" e muitas outras passa&ens da Palavra sobre seu Divino Rumano, reeridas
acima em &rande quantidade, que atestam todas, =ue Deu0 , um "an"o em Pe00oa
%omo em E00@n%!a< =ue nPEle e0"E a $r!ndade< e =ue e0"e Deu0 , o Sen+or. Se
estas cousas concernentes ao Senhor s#o divul&adas a&ora pela, primeira ve9, é
porque oi predito no Apocalipse, 7aps. 41* e 44*, que uma (ova ?&reja, na qual esta
Doutrina teria o primeiro lu&ar, seria instituDda pelo Senhor no im da precedente" é esta
?&reja que é entendida aD pela (ova ;erusalém, na qual nin&uém pode entrar a n#o ser
que reconhe$a o Senhor sC pelo Deus do 7éu e da terra" é por isso que esta ?&reja aD é
chamada a <sposa do 7ordeiro" e posso anunciar aqui, que todo o 7éu reconhece o
Senhor sC, e que aquele que n#o o reconhece n#o é admitido no 7éu" pois é pelo
Senhor que o 7éu é o 7éu" este reconhecimento mesmo, procedente do amor e da é,
a9 com que todos aD estejam no Senhor e que o Senhor esteja neles, como <le Besmo
o ensina em ;o#o L1,*, 46M' J(aquele dia conhecereis que eu estou em meu Pai, e vCs
em Bim, e eu em vCs " além disso, no mesmo L12, ,, 2, 5M' JPermanecei em Bim, e <u
em vCs" <u sou a cepa" vCs, os sarmentos" aquele que permanece em Bim, e <u nele,
esse dá muito ruto" pois sem Bim nada podeis a9er. Se al&uém n#o habita em Bim, é
lan$ado ora" e também 11*, 44, 4+. Se este doutrinal, tirado da Palavra, n#o oi visto
antes, é porque se tivesse sido visto mais cedo n#o teria. sido entretanto recebido, pois
o ;ul&amento Kinal n#o havia ainda sido eito, e antes deste ;ul&amento o poder do
inerno prevalecia sobre o poder do 7éu, e o homem está no meio entre o 7éu e o
inerno" se portanto este doutrinal tivesse sido visto antes, o diabo, isto é, o inerno, o
teria arrancado do cora$#o dos homens, e mesmo o teria proanado. <ste estado de
poder do inerno oi inteiramente destruDdo pelo ;ul&amento Kinal, que está a&ora
terminado" depois deste ;ul&amento, assim a&ora, todo homem que quer ser ilustrado
e se tornar sábio o pode.
45,. II. +ode se elevar uma dBvida contra a Divina +rovid,ncia, disto que até ao
presente i(norouAse que em cada cousa da +alavra h' um sentido espiritual, e
que da0 vem % santidade da +alavra.
7om eeito, pode-se a9er nascer uma dGvida contra a Divina Providência, di9endo' Por
que oi isto revelado a&ora pela primeira ve9H Além disso' Por que isto o oi por este ou
por aquele, e n#o por um Prima9 da ?&rejaH Bas que seja por um Prima9, ou o servidor
de um Prima9, é ao bel-pra9er do Senhor. <le sabe qual é um e qual é o outro. !odavia
se este' sentido da Palavra n#o oi revelado mais cedo, eis as ra9oes' I. @ que, se
tivesse sido revelado mais cedo, a ?&reja o teria proanado, e por isso teria proanado a
santidade mesma da Palavra. II. /s veros reais também, nos quais consiste o sentido
espiritual da Palavra, n#o oram revelados pelo Senhor sen#o depois que o ;ul&amento
inal oi cumprido, e quando uma (ova ?&reja, que é entendida pela Santa ;erusalém, ia
ser instaurada pelo Senhor. Bas estes dois pontos v#o ser e0aminados
separadamente'
Pr!me!ramen"e# O 0en"!do e01!r!"ual da Pala.ra n4o >o! re.elado ma!0 %edo<
1or=ue 0e o "!.e00e 0!do ma!0 %edo< a Igre-a o "er!a 1ro>anado< e 1or !00o "er!a<
1ro>anado a San"!dade me0ma da Pala.ra. A ?&reja, pouco tempo depois de sua
instaura$#o, oi mudada em =abilInia, e depois em Kilistia" a =abilInia, é verdade,
reconhece a Palavra, mas n#o obstante a despre9a, di9endo que o <spDrito Santo os
inspira em seu supremo jul&amento do mesmo modo que inspirou os Proetas" se
reconhecem a Palavra, é por causa do vicariato estabelecido se&undo as palavras do
Senhor a Pedro" mas a, verdade é que a despre9am, porque ela n#o se acorda com
suas vistas" é mesmo por isso que oi tirada do povo, e encerrada nos mosteiros onde
poucas pessoas a lêem" se portanto o sentido espiritual da Palavra, no qual está o
Senhor e ao mesmo tempo toda a sabedoria an&élica, tivesse sido descoberto, a
Palavra teria sido proanada, n#o somente como, isto acontece, em seus Gltimos que
s#o o que ela contém no sentido da letra, mas também nos seus Dntimos. A Kilistia,
pela qual é, entendida a é separada da caridade, teria proanado o sentido espiritual da
Palavra, porque p%e a salva$#o em al&umas palavras que se pensa e se pronuncia, e
n#o nos bens que se a9 como oi mostrado acima, e assim a9 salviico o que n#o é
salviico, e, além disso, aasta o entendimento das cousas que se deve crer" que
podem eles ter de comum com a lu9, em que está o sentido espiritual da PalavraH (#o
estará ela mudada em trevasH Euando o sentido natural é mudado em trevas, o que
n#o aconteceria ao sentido espiritualH <ntre os que se conirmaram na é separada da
caridade, e na justiica$#o por ela sC, quem é que quer saber o que é o bem, o que é o
amor para com o Senhor e em rela$#o ao prC0imo, o que é a caridade e os bens da
caridade, o que s#o as boas obras, e o que é a9er, e mesmo o que é a é em sua
essência, e conhecer al&um vero real que a constituiH <screvem volumes, e conirmam
unicamente o que chamam a é" e, todas as cousas que acabam de ser mencionadas,
eles di9em que est#o nesta é. Por isso, é evidente que se o sentido espiritual da
Palavra tivesse sido descoberto antes, aconteceria o que o Senhor disse em Bateus
L5*, 4+M' JSe teu olho é mau, todo teu corpo será tenebroso" se portanto a lu9 que em ti
está se torna trevas, qu#o &randes as trevasXJ" pelo olho, no sentido espiritual da
Palavra, é entendido o entendimento.
Segundamen"e# O0 .ero0 rea!0 "amb,m< no0 =ua!0 %on0!0"e o 0en"!do e01!r!"ual
da Pala.ra< n4o >oram re.elado0 1elo Sen+or 0endo de1o!0 =ue o :ulgamen"o
>!nal "!n+a 0!do %um1r!do< e =uando un!a No.a Igre-a< =ue , en"end!da 1ela San"a
:eru0al,m< !a 0er !n0"aurada 1elo Sen+or. Koi predito pelo Senhor, no Apocalipse,
que depois que o ;ul&amento inal osse cumprido, os veros reais seriam descobertos,
uma nova ?&reja seria instaurada, e o sentido espiritual desvendado" que o ;ul&amento
inal tenha sido cumprido, istoO oi mostrado no D!$culo obre o %ul&amento "inal, e
em se&uida na Continuação dete D!$culo" é isto que é entendido pelo céu e a terra
que deviam passar, Apoc. 7ap. 41*, 1. Eue os veros reais deviam ent#o ser
descobertos, isto está predito por estas palavras no Apocalipse Aers. 2' OOAquele que
estava assentado sobre o !rono disse' <is, novas todas as cousas a$oJ" e também
7ap. 1-*, 11, 1:" 41*, 1: a 41" 44*, 1, 4. Eue ent#o o sentido espiritual da Palavra
deviaO ser desvendado, vê-se, 7ap. 1-*, 11 a 15" isto é entendido pelo 7avalo branco
sobre o qual estava assentado. Aquele que era chamado a Palavra de Deus, e que era
o Senhor dos senhores e o >ei dos reis" ver a esse respeito o /pGsculo sobre o 7avalo
=ranco. Eue pela Santa ;erusalém seja entendida, uma (ova ?&reja, que deve ent#o
ser instaurada pelo Senhor, vê-se na Doutrina da (ova ;erusalém sobre o Senhor, n*
54 a 52, onde isto oi mostrado. Dai portanto é evidente que o sentido espiritual da
Palavra devia ser revelado para a nova ?&reja, que reconhecerá e adorará o Senhor sC,
considerará sua Palavra como santa, amará os Divinos Aeros, e rejeitará a é separada
da caridade" mas sobre este sentido da Palavra, ver maiores detalhes na Doutrina da
)ova %erualém obre a Ecritura Santa, n* 2 a 45, e se&uintes" por e0emplo' o que é o
sentido espiritual, n* 2 a 45" que há um sentido espiritual em todas e cada uma das
cousas da Palavra, n* - a 11" que é por este sentido espiritual que a Palavra é
Divinamente inspirada, e santa em cada palavra, n*
s
1: e 1-" que o sentido espiritual
da Palavra n#o oi conhecido até ao presente, e porque n#o oi revelado antes, n* 46 a
42" que o sentido espiritual n#o será dado depois sen#o ao que está pelo Senhor nos
veros reais, n* 45. Por estas e0plica$%es, pode-se a&ora ver que é pela Divina
Providência do Senhor que o sentido espiritual oi escondido ao mundo até este século,
e que durante esse tempo oi reservado no 7éu entre os Anjos, que dele haurem sua
sabedoria. <ste sentido oi conhecido e também cultivado entre os anti&os que viveram
antes de Boisés" mas como seus descendentes haviam convertido as
correspondências, das quais unicamente era composta a sua Palavra e por
conse&uinte sua reli&i#o, em diversas idolatrias, e no <&ito em ma&ia, este sentido oi
echado pela Divina Providência do Senhor, primeiro entre os ilhos de ?srael, e depois
entre os crist#os, pelas ra9%es mencionadas acima, e a&ora pela primeira ve9 oi
aberto para a (ova ?&reja do Senhor.
452. III. +odeAse elevar uma dBvida contra a Divina +rovid,ncia, disto que até ao
presente no se soube que fu(ir dos males como pecados é a :eli(io 2rist
mesma.
Eue seja isso a >eli&i#o 7rist# mesma, oi isso mostrado na Doutrina de +ida !ara a
)ova %erualém, desde o come$o até ao im" e como a é separada da caridade é o
Gnico obstáculo a que isso seja recebido, tratou-se também desta é. Di9-se que n#o se
soube que u&ir dos males como pecados é a >eli&i#o 7rist# mesma, porque quase
todos n#o o sabem, e entretanto cada um o sabe, ver acima, n* 42:" se n#o obstante
quase todos n#o o sabem, é porque a é separada o obliterou, pois ensina que é a é sC
que salva, e n#o al&uma, boa obra ou al&um bem da caridade" além disso também,
que n#o se está sob o ju&o da lei, mas na liberdade" os que al&uma ve9 ouviram uma,
tal doutrina n#o pensam mais em mal al&um da vida" cada homem é mesmo inclinado
por sua nature9a a abra$ar essa doutrina, e quando uma ve9 a abra$ou, n#o pensa
mais no estado de sua vida" eis o que a9 com que n#o se o conhe$a. Eue se n#o o
conhe$a, é o que me oi descoberto no mundo espiritual" per&untei a mais de mil
recém-vindos do mundo, se sabiam que u&ir dos males como pecado é a >eli&i#o
mesma, disseram-me que n#o o sabiam, e que isso era al&uma cousa nova de que n#o
tinham ouvido alar até ent#o, mas que tinham ouvido di9er que n#o se pode a9er o
bem por si mesmo, e que n#o se está mais sob o ju&o da lei" quando lhes per&untei se
n#o sabiam que o homem deve se e0aminar, ver seus pecados, a9er penitência, e
depois come$ar uma vida nova, e que de outro modo os pecados n#o s#o remidos, e
que se os pecados n#o s#o remidos, n#o se é salvo, e que isto era lido em vo9 alta
diante deles todas as ve9es que se apresentavam ) Santa 7ela, respondiam que
tinham prestado aten$#o n#o a isso, mas unicamente a que pelo Sacramento da 7eia
havia para eles remiss#o dos pecados, e que a é operava o resto ) sua revelia. <u
lhes di9ia ainda' JPor que ensinastes o Decálo&o a vossos ilhosH (#o oi a im de que
soubessem quais s#o os males que s#o pecados de que é preciso u&irH Koi somente a
im de que soubessem e cressem, e n#o a im de que os i9essemH Por que di9eis
ent#o que isto é novoHJ A estas per&untas eles nada podiam responder, sen#o que o
sabiam, e contudo n#o o sabiam" que n#o pensavam absolutamente no se0to preceito
quando cometiam adultério, quando cometiam clandestinamente al&um roubo ou
al&uma raude, e assim com os outros preceitos" que pensavam ainda menos que tais
a$%es ossem contra a 8ei Divina, por conseqFência contra Deus. Euando lhes
relembrei várias cousas tiradas das Doutrinas das ?&rejas e da Palavra, que
conirmavam que u&ir dos males e tê-los em avers#o como pecados é a >eli&i#o
7rist# mesma, e que cada um tem a é conorme o&e deles e os tem em avers#o, eles
&uardaram silêncio" mas oram conirmados que isto é verdade, quando viram que
todos eram e0aminados quanto ) vida, e jul&ados se&undo os atos, e nin&uém o era
se&undo a é separada da vida, pois que cada um tem a é se&undo a vida. Se o
Bundo crist#o, quanto ) maior parte, n#o soube esta verdade, é por esta 8ei da Divina
Providência, que seja dei0ado a cada um a&ir pelo livre se&undo a ra9#o, n* 11 a --, e
n* 166 a 14:" além disso, por esta 8ei, que nin&uém seja instruDdo imediatamente do
7éu, mas o seja mediatamente pela Palavra, pela Doutrina e pelas Pre&a$%es se&undo
a Palavra, n* 12, a 11," e, além disso, se&undo todas as 8eis de permiss#o, que s#o
também 8eis da Divina Providência. Aer sobre estas 8eis vários detalhes, acima, n*
42:.
41,. I). +odeAse elevar uma dBvida contra a Divina +rovid,ncia, disto que até ao
presente no se soube que o homem vive homem depois da morte, e de que isso
no foi descoberto antes.
Se n#o se soube isso, é porque naqueles que n#o o&em dos males como pecados há
interiormente escondida ) cren$a, de que o homem n#o vive depois da morte, e é por
isso que consideram como de nenhuma importNncia, seja que se di&a que o homem
vive depois da morte, seja que se di&a que ele ressuscitará no dia do jul&amento inal"
e se por acaso al&um tem é na ressurrei$#o, di9 em si mesmo' J(#o me acontecerá
pior do que aos outros" se vou para o inerno, estarei em numerosa companhia" e do
mesmo modo se vou para o 7éuJ. Bas, entretanto em todos que têm al&uma reli&i#o,
há Dnsito o conhecimento de que vivem homens depois da morte" a idéia de que vivem
almas e n#o homens está unicamente nos que a prCpria inteli&ência enatuou, e n#o
nos outros. Eue nos que têm al&uma reli&i#o há Dnsito o conhecimento de que vive
homem depois da morte, isso é evidente pelas considera$%es se&uintes' )* Euem é
que pensa de outro modo no momento da morteH 2* Rá um pane&irista que, em suas
lamenta$%es sobre os mortos, n#o os eleve ao 7éu, n#o os coloque entre os anjos, em
conversa$#o com eles e partilhando sua ale&riaH Sem alar da apoteose de al&uns. L*
Euem é, entre o vul&o, que n#o crê que, quando morrer, se viveu bem, irá para o
paraDso celeste, será revestido de uma vestimenta branca, e &o9ará da vida eternaH M*
Eual é o sacerdote que n#o di9 tais ou semelhantes cousas a um moribundoH <
quando di9 isso, ele mesmo também o crê, desde que ao mesmo tempo n#o pense no
jul&amento inal. N* Euem é que n#o crê que seus ilhos est#o no 7éu, e que depois da
morte ai verá sua esposa que amouH Euem é que pensa que s#o espectros, ou, o que
é mais, que s#o almas ou mentes adejando no 3niversoH O* Eue me que contradi9,
quando al&uém ala da sorte e do estado dos que passaram do tempo para a vida
eternaH Kalei a muitos do estado e da sorte de tais e tais pessoas, e ainda n#o ouvi
al&um deles me responder que n#o havia a&ora para eles sorte al&uma, mas que
haverá no tempo do jul&amento. S* Euem é que vendo anjos quer em pintura quer em
escultura, n#o reconhece que s#o taisH Euem é que ent#o pensa que s#o espDritos
sem corpo, sopros ou nuvens, como ima&inam al&uns eruditosH U* /s 7atClicos
romanos acreditam que seus santos s#o homens no 7éu, e os outros al&ures" os
Baometanos o crêem também de seus deuntos" os Aricanos mais do que os outros"
semelhantemente um &rande nGmero de na$%es" porque os crist#os reormados n#o o
creriam, eles que o sabem pela PalavraH V* Deste conhecimento Dnsito em cada um,
resulta também que al&uns aspiram ) imortalidade do renome, pois este conhecimento
se muda em amor do renome em al&uns, e em a$anhas de herCis e de valentes
homens de &uerra. )0* Procurou-se, no mundo espiritual, se este conhecimento era
Dnsito em todos, e descobriu-se que era em todos em sua idéia espiritual, que pertence
ao pensamento interno, mas n#o do mesmo modo em sua idéia natural que pertence
ao pensamento e0terno. Por estas considera$%es pode-se ver que nenhuma dGvida
deve se elevar contra a Divina Providência do Senhor, de que se creia que a&ora, pela
primeira ve9, oi descoberto que o homem vive homem depois da morte. @ somente o
sensual do homem, que quer ver e tocar o que deve crer" aquele que n#o pensa acima
do sensual está nas trevas da noite sobre o estado de sua vida.
OS &A9ES S;O PER&I$IDOS PARA (& 'I&< 7(E É A SA9VAH;O.
412. Se o homem nascesse no amor em que oi criado n#o estaria em mal al&um, e
mesmo n#o saberia o que é o mal, pois aquele que n#o esteve no mal, e que, por
conse&uinte n#o está no mal, n#o pode saber o que é o mal" se lhe dissessem que tal
ou tal cousa é um mal, n#o creria isso possDvel" este estado é o estado de inocência,
em que estiveram Ad#o e <va sua esposa" a nude9 de que n#o coravam si&niicava
este estado. / conhecimento do mal, depois da queda, é entendido pela a$#o de
comer da árvore da ciência do bem e do mal. / amor, no qual o homem oi criado, é o
amor do prC0imo, a im de que lhe queira tanto bem quanto quer para si mesmo, e mais
ainda, e que esteja no pra9er de seu amor, quando lhe a9 bem, quase como um pai
que o a9 a seus ilhos. <ste amor é verdadeiramente humano, pois nele há o espiritual
pelo qual é distin&uido do amor natural, em que est#o os animais brutos" se o homem
nascesse neste amor nasceria n#o na obscuridade da i&norNncia, como todo homem
a&ora, mas em uma certa lu9 da ciência e também da inteli&ência, nas quais entraria
em pouco tempo" e a princDpio, é verdade, andaria como um quadrGpede, mas com um
esor$o Dnsito de se levantar sobre seus pés" pois, ainda, que quadrGpede, o ato é que
n#o abai0aria a ace para a terra, mas a er&ueria para o 7éu, e se endireitaria, como
poderia também a9ê-lo.
415. Bas quando o amor do prC0imo oi mudado em amor de si, e que este amor
aumentou, o amor humano oi mudado em amor animal, e de homem que era o
homem se tornou besta, com esta dieren$a, que podia pensar o que pelo corpo sentia,
e distin&uir racionalmente uma, cousa de outra, e que podia ser instruDdo, e se tornar
homem civil e moral, e por im homem espiritual" pois, como oi dito, há no homem o
espiritual, pelo qual é distin&uido do animal bruto" pelo espiritual, com eeito, pode
saber o que é o mal civil e o bem civil" depois, o que é o mal moral e o bem moral" e
também, se o quer, o que é o mal espiritual e o bem espiritual. Euando o amor do
prC0imo oi mudado em amor de si, n#o oi mais possDvel que o homem nascesse na
lu9 da ciência e da inteli&ência, mas n#o podia mais sen#o nascer na obscuridade da
i&norNncia, porque nascia inteiramente no Gltimo da vida, que é chamado
sensual-corporal, e ser introdu9ido por ele nos interiores da mente natural por meio de
instru$%es, o espiritual acompanhando-o sempre. Aeremos no que se&ue por que ele
nasce no Gltimo da vida, que é chamado sensual corporal, e por conseqFência na
obscuridade da i&norNncia. Eue o amor do prC0imo e o amor de si sejam amores
opostos, cada um pode vê-lo" com eeito, o amor do prC0imo quer por si mesmo o bem
a todos, mas o amor de si quer que todos lhe a$am o bem" o amor do prC0imo quer
servir a todos os outros, e o amor de si quer que todos o sirvam" o amor do prC0imo
considera, todos outros como seus irm#os e como seus ami&os, mas o amor de si
considera todos os outros como seus domésticos, e, se n#o se p%em a seu servi$o,
como seus inimi&os" em uma palavra, o amor de si considera a si sC, e mal considera
os outros como homens, que em seu cora$#o estima menos que a seus cavalos e a
seus c#es" e como s#o t#o vis a seus olhos, considera como pouca cousa a9er-lhes
mal" daD os Cdios e as vin&an$as, os adultérios e as escorta$%es, os roubos e as
raudes, as mentiras e as blasêmias, as violências e as crueldades, e outros e0cessos
semelhantes. <st#o aD os males em que está o homem de nascen$a. Eue estes males
sejam permitidos para um im, que é a salva$#o, é o que vai ser demonstrado nesta
ordem' I. !odo homem está no mal, e deve ser retirado do mal para que seja
reormado. II. /s males n#o podem ser aastados a n#o ser que se mostrem. III. !anto
quanto os males s#o aastados, tanto s#o remidos. IV. Assim a permiss#o do mal é
para este im que haja salva$#o.
411. I. ?odo homem est' no mal, e deve ser retirado do mal para que se-a
reformado.
Eue em cada homem haja o mal hereditário, e que por este mal o homem esteja na
cobi$a de vários males, é o que é conhecido na ?&reja" e daD vem que o homem por si
mesmo n#o pode a9er o bem, pois o mal n#o a9 o bem, a n#o ser que seja um bem
no qual interiormente está o mal" o mal que está interiormente consiste em que ele a9
o bem para ele mesmo, e assim a im de que ique em evidência. Eue este mal
hereditário vem dos pais, isso é sabido" se di9 que vem de Ad#o e de sua esposa, mas
é um erro" pois cada um nasce nesse mal por seu pai, e seu pai ai estava pelo seu, e
este também pelo seu, e é assim transerido sucessivamente de um para, o outro, por
conseqFência aumenta e cresce como em um mont#o, e é transmitido ) posteridade"
vem daD que nos homens nada há de Dnte&ro, mas que é todo inteiro o mal. Euem é
que sente que se amar mais que aos outros é um malH Euem é que, por conse&uinte,
sabe que isso é um malH <, entretanto é a cabe$a dos males. Eue o mal hereditário
vem dos pais, dos avCs e dos antepassados, isto é evidente por muitas cousas
conhecidas noO mundo" assim, pela distin$#o das casas, das amDlias, e mesmo das
na$%es sC pela inspe$#o das aces" ora as aces s#o os tipos das mentes LanimiM, e as
mentes s#o conorme as aei$%es que pertencem ao amor" por ve9es também a ace
do avI retorna no neto ou no bisneto" conhe$o pela simples inspe$#o da ace se um
homem é judeu ou n#o é" conhe$o do mesmo modo de que estirpe saem al&umas
pessoas" e n#o duvida de que outros também o conhe$am i&ualmente. Se as aei$%es
que pertencem ao amor s#o assim derivadas dos pais e transmitidas, se&ue-se que se
dá o mesmo com os males, pois que estes pertencem )s aei$%es. Bas vai ser dito
a&ora donde vem esta semelhan$a' A alma de cada um vem do pai, e é unicamente
revestida de um corpo pela m#e" que a alma vem do pai, isto, resulta n#o somente do
que acaba de ser reerido acima, mas também de vários outros Dndices, e mesmo
deste, que o ilho de um ne&ro ou mouro, por uma mulher branca ou européia, nasce
ne&ro, e vice-versa" e principalmente porque a alma está na semente, pois é pela
semente que se a9 a impre&na$#o, e é a semente que é revestida de um corpo pela
m#e" a semente é a primeira orma do amor no qual está o pai, é a orma do seu amor
dominante com as mais prC0imas deriva$%es, que s#o as aei$%es Dntimas deste amor.
<stas aei$%es em cada um s#o veladas de todo lado por cousas decentes que
pertencem ) vida moral, e por bens que pertencem em parte ) vida civil e em parte )
vida espiritual" é isto o que a9 o e0terno da vida, mesmo nos maus" neste e0terno da
vida, nasce toda crian$a" daD vem que ela é amável" mas ) medida que cresce ou se
torna adolescente, vai deste e0terno para os interiores, e por im para o amor
dominante de seu pai" se este amor oi mau, e se n#o oi temperado e sujeitado nele
pelos meios da educa$#o, seu amor se torna tal qual era o de seu pai. !odavia, o mal
n#o é jamais e0tirpado, mas unicamente aastado" alar-se-á disso no que se&ue. Por
isto pode-se ver que todo homem está no mal.
2SS Wb!0X. Eue o homem deve ser retirado do mal para que seja reormado, isso é
evidente sem e0plica$#o" com eeito, aquele que está no mal do mundo está no mal
depois de sua saDda do mundo" se, portanto no mundo o mal n#o oi aastado, n#o o
pode ser mais tarde" onde a árvore cai permanece estendida" do mesmo modo também
a vida do homem permanece tal qual era quando morre, cada um por isso é jul&ado por
seus eitos, n#o que sejam enumerados, mas porque ele volta a eles e a&e
semelhantemente" pois a morte é a continua$#o da vida, com esta dieren$a, que ent#o
o homem n#o pode mais ser reormado. !oda reorma se a9 no pleno, quer di9er, nos
primeiros e ao mesmo tempo nos Gltimos" e os Gltimos s#o reormados no mundo de
uma maneira conorme aos primeiros, e n#o o podem ser mais tarde porque os Gltimos
da vida, que o homem leva consi&o depois da morte, se repousam e conspiram, quer
di9er, a9em um com os interiores.
41:. II. O0 male0 n4o 1odem 0er a>a0"ado0< a n4o 0er =ue 0e mo0"rem.
@ entendido por isso n#o que o homem deve a9er os males para o im de que se
mostrem, mas que deve se e0aminar e pesquisar n#o somente suas a$%es, mas
também seus pensamentos, e o que aria se n#o temesse as leis e a desonra,
principalmente quais s#o os males que em seu espDrito considera como lDcitos, e que
n#o considera como pecados, pois estes todavia ele os comete. @ para que o homem
se e0amine que o entendimento lhe oi dado, e este entendimento oi separado da
vontade, a im de que saiba, compreenda e reconhe$a o que é o bem e o que é o mal,
além disso, também a im de que veja qual é a sua vontade, ou o que ama e o que
deseja" para que o homem veja isso, oi dado a seu entendimento um pensamento
superior e um pensamento inerior, ou um pensamento interior e um pensamento
e0terior, a im de que pelo pensamento superior ou interior veja aquilo de que a vontade
se ocupa no pensamento inerior ou e0terior" ele o vê como um homem vê sua ace em
um espelho" e quando o vê e conhece que é um pecado, pode, se implora o socorro do
Senhor, n#o querer este pecado, u&ir dele, e depois a&ir contra ele, sen#o livremente,
pelo menos redu9i-lo por um comObate, e por im tê-lo em avers#o e em abomina$#o" e
ent#o pela primeira ve9 percebe e sente também que o mal é o mal, e que o bem é o
bem, mas n#o antes. @ isto, pois e0aminar-se, ver seus males e os reconhecer,
conessá-los e depois renunciar a eles. Bas como há poucos que saibam que é isto a
>eli&i#o 7rist# mesma, porque sC aquêles que a&em assim têm a caridade e a é, e
que sC eles s#o condu9idos pelo Senhor, e a9em o bem por <le, dir-se-á al&uma
cousa daqueles que n#o a&em assim e que n#o obstante ima&inam ter reli&i#o" estes
s#o' )*X /s que se conessam culpados de todos os pecados, e n#o procuram nenhum
deles em si. 2*X /s que, pela reli&i#o, omitem a pesquisa. L*X /s que por causa de
cousas mundanas, n#o pensam absolutamente nos pecados, e, por conse&uinte n#o
os conhecem. M*X /s que d#o seu avor aos pecados e que, por conse&uinte n#o
podem conhecê-los. N*X <m todos esses os pecados n#o se mostram, e por
conseqFência n#o podem ser aastados. O*X <m Gltimo lu&ar, será desvendada qual é a
causa, até ao presente desconhecida, pela qual os males n#o podem ser aastados, a
n#o ser que sejam procurados, ,que n#o se mostrem, que n#o sejam reconhecidos,
n#o sejam conessados, e que n#o se resista a eles.
2SU Wb!0X. Bas é preciso e0aminar separadamente cada um destes pontos, porque
est#o aD as principais cousas da >eli&i#o 7rist#, da parte do homem.
Pr!me!ramen"e# Do0 =ue 0e %on>e00am %ul1ado0 de "odo0 o0 1e%ado0< e n4o
1ro%uram nen+um dele0 em 0!. Di9em' JSou um pecador" nasci nos pecados" nada
há de s#o em mim da cabe$a aos pés" n#o sou sen#o mal" Deus bomX Sê propDcio,
perdoa-me, puriica-me, salva-me" a9 com que ande na pure9a, e no caminho do
justoJ, além de várias outras cousas semelhantes" e entretanto nenhum dentre eles se
e0amina, e por conseqFência n#o conhece mal al&um em si" ora, nin&uém pode u&ir
daquilo que n#o conhece, e ainda menos combatê-lo" um tal homem por isso se crê
puro e lavado apCs suas coniss%es, quando entretanto da cabe$a ) planta dos pés ele
é impuro e n#o lavado" pois uma coniss#o de todos os pecados é um adormecimento,
e por im uma ce&ueira" é como um universal sem sin&ular al&um, o que nada é.
Segundamen"e# Do0 =ue 1ela rel!g!4o< om!"em a 1e0=u!0a. S#o principalmente os
que separam a caridade da é, pois di9em consi&o mesmo' JPor que pesquisaria eu se
é um mal ou um bemH Por que, se é um mal, pois que isso n#o me danaH Por que, se
é um bem, pois que isso n#o me salvaH @ a é sC, pensada e enunciada com
se&uran$a e conian$a, que justiica e puriica de todo pecado" e quando uma ve9 ui
justiicado, sou puro diante de Deus" estou, é verdade, no mal" mas Deus o lava lo&o
que ele se a9, e assim n#o aparece maisJ, além de várias outras cousas semelhantes.
Bas quem é que n#o vê, por pouco que abra os olhos, que est#o aD palavras v#s, nas
quais nada há de eetivo, porque nada há do bemH Euem é que n#o pode pensar
assim. e alar assim, mesmo com se&uran$a e conian$a, quando ao mesmo tempo
pensa no inerno e na dana$#o eternaH Euer um tal homem saber al&uma coisa mais,
seja vero, seja bemH A respeito do vero, di9' J/ que é o vero sen#o o que conirma
esta éHJ A respeito do bem, di9' J/ que é o bem, sen#o o que está em mim por esta
éH Bas para que esteja em mim eu n#o o arei como por mim mesmo, pois que isso é
meritCrio, e o bem meritCrio n#o é o bemJ. Assim omite todas as cousas até n#o saber
mais o que é o mal" ent#o o que e0aminaria, ele, e o que veria ele em siH / seu estado
n#o se torna ent#o este, a saber, que o o&o encerrado das cobi$as do mal consome os
interiores de sua mente, e os devasta até ) portaH <le &uarda unicamente esta porta, a
im de que o incêndio n#o se manieste" mas ela é aberta depois da morte, e ent#o este
incêndio se maniesta diante de todos.
$er%e!ramen"e# Da=uele0 =ue 1or %au0a da0 %ou0a0 mundana0 n4o 1en0am
ab0olu"amen"e no0 1e%ado0< e =ue 1or %on0e=?@n%!a n4o 1odem %on+e%@Glo0.
S#o os que amam o mundo acima de todas as cousas, e n#o admitem vero al&um que
os aaste de al&um also de sua reli&i#o, di9endo a si, mesmos' J/ que é isto para
mimH ?sso n#o pertence ao meu pensamentoJ. Assim rejeitam o vero lo&o que o
ouvem" e se o ouvem o abaam. A&em quase da mesma maneira quando ouvem
pre&a$%es" n#o retêm delas sen#o al&umas palavras, sem reter al&uma cousa
substancial. 7omo a&em assim em rela$#o aos veros, n#o sabem por conseqFência o
que é o bem, pois o vero e o bem a9em um, e pelo bem que n#o vem do vero n#o se
conhece o mal, sen#o para di9er também que é um bem, o que se a9 por meio de
raciocDnios undados sobre alsos. S#o estes que s#o entendidos pelas sementes que
caDram entre espinhos, e de que o Senhor ala assim' J/utras sementes caDram entre
os espinhos, e os espinhos cresceram, e as abaaram. <stes s#o os que ouvem a
Palavra, mas os cuidados deste século, e a ilus#o das rique9as abaam a Palavra, de
sorte que se torna inrutDeraJ LBat. 1+*, 1, 44" Barc. ,*, 1, 1:, 1-" 8uc. 1*, 1, 1,M.
Em =uar"o lugar# Do0 =ue d4o 0eu >a.or ao0 1e%ado0< e =ue 1or %on0e=?@n%!a
n4o 1odem %on+e%@Glo0. S#o os que reconhecem Deus, e 8he prestam culto se&undo
as ormas ordinárias, e que se conirmam na idéia de que um certo mal, que é um
pecado, n#o é um pecado" pois o disar$am por meio de ilus%es e de aparências, e
escondem assim a sua enormidade" quando i9eram isso, lhe d#o seu avor, e o tornam
ami&o e amiliar. Di9-se que s#o os que reconhecem Deus que a9em isso, porque os
outros n#o reconhecem mal al&um como pecado, pois todo pecado é contra Deus. Bas
isto vai ser ilustrado por e0emplos. / homem ávido de &anho, que por meio de ra9%es
que inventa considera como permissDveis al&umas espécies de raudes, n#o considera
este mal como pecado" do mesmo modo a&e aquele que conirma em si ) vin&an$a
contra os inimi&os" e aquele que se conirma a respeito da pilha&em daqueles que n#o
s#o inimi&os de &uerra.
Em =u!n"o lugar# Em "odo0 e00e0 o0 1e%ado0 n4o 0e mo0"ram< e 1or
%on0e=?@n%!a n4o 1odem 0er a>a0"ado0. !odo mal que n#o se mostra permanece
em omenta$#o" é como o o&o na madeira sob as cin9as" é também como a sNnie em
uma cha&a que n#o é aberta" pois todo mal encerrado aumenta, e n#o cessa antes que
tudo tenha sido consumido" é por isso que, a im de que nenhum mal seja, encerrado, é
permitido a cada um pensar a avor de Deus ou contra Deus, em avor das cousas
santas da ?&reja ou contra elas, sem por isso ser punido no mundo. / Senhor se
e0prime assim sobre este assunto em ?saDas L1*, 5, 15, 11, 1:, 46M' JDesde a planta do
pé até ) cabe$a nada de ?nte&ridade, eridas e cicatri9es, e cha&a recente, as quais
n#o oram nem espremidas, nem bandadas, nem amolecidas com Cleo. 8avai-vos,
puriicai-vos, aastai a malDcia de vossas obras de diante dos meus olhos" cessai de
a9er o mal, aprendei a a9er o bem" ent#o quando ossem vossos pecados como a
escarlata, como a neve se tornariam brancos" quando vermelhos ossem como a
pGrpura, como a l# ser#o. Se vos recusardes, e vos rebelardes, pela espada sereis
devoradosJ" ser devorado pela espada si&niica perecer pelo also do mal.
Em 0e6"o lugar# Cau0a< a", ao 1re0en"e de0%on+e%!da< 1ela =ual o0 male0 n4o
1odem 0er a>a0"ado0< a n4o 0er =ue 0e-am 1e0=u!0ado0< =ue 0e mo0"rem =ue
0e-am re%on+e%!do0< 0e-am %on>e00ado0< e =ue 0e re0!0"a a ele0. (o que precede,
oi relatado que o 7éu inteiro oi disposto em sociedades se&undo as aei$%es do bem
opostas )s cobi$as do mal, e que o inerno inteiro oi disposto em sociedades se&undo
as cobi$as do mal opostas )s aei$%es do bem" cada homem, quanto a seu espDrito,
está em al&uma sociedade, em uma sociedade celeste se está na aei$#o do bem, e
em uma sociedade inernal se está na cobi$a do mal" o homem o i&nora quando vive
no mundo" mas n#o obstante, quanto a seu espDrito, está em al&uma sociedade" sem
isso ele n#o pode viver, e por isso é &overnado pelo Senhor" se está em uma
sociedade inernal, n#o pode ser tirado daD pelo Senhor sen#o se&undo as leis de Sua
Divina Providência, entre as quais está esta, que o homem veja o que ele é, que queira
sair dai, e que a$a para isso esor$os por si mesmo" o homem o pode quando está no
mundo, mas n#o depois da morte" pois ent#o ele permanece pela eternidade na
sociedade onde se introdu9iu quando estava no mundo" é por esta causa que o homem
deve se e0aminar, ver e reconhecer seus pecados, e a9er penitência, e depois
perseverar até ao im de sua vida. Eue isto seja assim, eu poderia conirmá-lo até )
plena cren$a por numerosas e0periências, mas n#o é aqui o lu&ar de produ9ir provas
tiradas da e0periência.
41-. III. ?anto quanto os males so afastados, tanto so remidos.
/ erro do século é crer que os males s#o separados do homem, e mesmo lan$ados
ora, quando s#o remidos" e que o estado da vida, do homem pode ser mudado em um
momento, mesmo em um estado oposto, que assim de mau o homem possa se tornar
bom, por conseqFência ser tirado do inerno, e transerido imediatamente para o 7éu, e
isso pela BisericCrdia imediata dC Senhor" mas os que têm esta cren$a e esta opini#o
n#o sabem absolutamente o que é o mal, nem o que é o bem, e n#o têm conhecimento
al&um do estado da vida do homem" e n#o sabem absolutamente que as aei$%es, que
pertencem ) vontade, s#o simples mudan$as e varia$%es de estado das substNncias
puramente or&Nnicas da mente" que os pensamentos, que pertencem ao entendimento,
s#o simples mudan$as e varia$%es de orma destas substNncias" e que a memCria é o
estado permanente destas mudan$as. Pelo conhecimento de todas estas cousas
pode-se ver claramente que um mal n#o pode-ser aastado sen#o sucessivamente, e
que a remiss#o do mal n#o é o seu aastamento. Bas estas cousas oram ditas
sumariamente" e se n#o s#o demonstradas, podem, é verdade, ser reconhecidas, mas
n#o ser apreendidas" e o que n#o é apreendido é como uma roda que se a9 &irar com
a m#o" portanto as cousas que acabam de ser ditas v#o ser demonstradas uma apCs a
outra se&undo a ordem em que oram apresentadas.
Pr!me!ramen"e# O erro do 0,%ulo , %rer =ue o0 male0 >oram 0e1arado0< e me0mo
lan3ado0 >ora< =uando 04o rem!do0. Eue todo mal, em que nasce o homem, e de
que ele mesmo se imbuiu na realidade, n#o seja separado do homem, mas seja
aastado, ao ponto de n#o se mostrar, é o que me oi dado saber do 7éu" antes disso,
eu estava na cren$a, em que est#o pela maior parte do Bundo, que os males, quando
s#o remidos, s#o rejeitados, e que s#o lavados e limpos, como as sujeiras da ace pela
á&ua" mas assim n#o é com os males em pecados" todos permanecem, e, quando
apCs a penitência s#o remidos, s#o repelidos do meio para os lados" e ent#o o que
está no meio, se achando diretamente sob a. intui$#o, se mostra como na lu9 do dia, e
o que está sobre os lados se apresenta na sombra, e por ve9es como nas trevas da
noite" e, pois que os males n#o s#o separados, mas s#o somente aastados, isto é,
rele&ados sobre os lados, e que o homem pode ser transerido do meio para as
perierias, pode também acontecer que retorne a seus males que acreditava terem sido
rejeitados" com eeito, o homem é tal que pode ir de uma aei$#o a outra, e por ve9es )
aei$#o oposta, e assim de um meio a um outro" a aei$#o do homem a9 o meio
enquanto ele está nela, pois ent#o está no pra9er e na lu9 desta aei$#o. Rá al&uns
homens que, depois da morte, s#o elevados pelo Senhor ao 7éu, porque viveram bem,
mas que, entretanto levaram consi&o a cren$a de que s#o limpos e puros de pecado, e
que por conseqFência n#o est#o em alta al&uma. <stes, a PrincDpio s#o vestidos com
vestimentas brancas se&undo sua cren$a" pois as vestimentas brancas si&niicam o
estado puriicado dos males" mas depois come$am a pensar, do mesmo modo que no
Bundo, que est#o como lavados de todo mal, e, por conse&uinte a se &loriicar de n#o
serem mais pecadores como os outros, o que diicilmente pode ser separado de uma
sorte de or&ulho, e de uma sorte de despre9o pelos outros comparando-os a si" ent#o
por conse&uinte, a im de que sejam aastados de sua, cren$a ima&inária, s#o
despedidos do 7éu e repostos em seus males, que tinham contraDdo no Bundo" e ao
mesmo tempo lhes é mostrado que est#o também nos males hereditários, de que, n#o
tinham tido conhecimento antes" e depois de terem sido assim condu9idos a
reconhecer que seus males n#o est#o separados deles, mas est#o somente aastados,
e que assim por eles mesmos s#o impuros, que n#o s#o mesmo sen#o, mal, que é
pelo Senhor que est#o aastados dos males e mantidos nos bens, e que lhes parece
que é como por eles mesmos, s#o elevados de novo pelo Senhor ao 7éu.
Segundamen"e# O erro do 0,%ulo , %rer =ue o e0"ado da .!da do +omem 1ode 0er
mudado em um momen"o< =ue a00!m de mau o +omem 1ode 0e "ornar bom< 1or
%on0e=?@n%!a 0er "!rado do !n>erno< e "ran0>er!do !med!a"amen"e 1ara o C,u< e
!00o 1ela &!0er!%5rd!a !med!a"a do Sen+or. (este erro est#o aqueles que separam a
caridade da é e p%em a salva$#o na é sC" pois ima&inam que sC o pensamento e a
enuncia$#o de palavras que pertencem a esta é, se é com se&uran$a e conian$a,
justiica e salva" muitos sup%em mesmo que isso se opera em um momento, sen#o
antes, pelo menos na Gltima, hora da vida do homem" estes n#o podem a9er outra
cousa sen#o crer que o estado da vida do homem pode ser mudado em um momento,
e que o homem é salvo por BisericCrdia imediata" mas que a BisericCrdia do Senhor
n#o seja imediata, e que o homem n#o possa de mau se tomar bom em um momento,
nem ser tirado do inerno e transerido para o 7éu, sen#o por contDnuas opera$%es da
Divina Providência desde a inNncia até ao im da vida do homem, ver-se-á no Gltimo
Pará&rao deste !ratado" aqui, será somente observado que as leis da Divina
Providência têm por im a reorma e assim a salva$#o do homem, por conseqFência a
invers#o de seu estado, que de nascen$a é inernal, no oposto, que é celeste" isso n#o
pode ser eito sen#o pro&ressivamente, ) medida que o homem se retira do mal e do
pra9er do mal, e entra no bem e no pra9er do bem.
$er%e!ramen"e# A=uele0 =ue "@m e0"a %ren3a n4o 0abem ab0olu"amen"e o =ue , o
mal< nem o =ue , o bem. 7om eeito, n#o sabem que o mal é o pra9er da cobi$a de
a&ir e de pensar contra a ordem Divina e que o bem é o pra9er de aei$#o de a&ir e de
pensar se&undo a ordem Divina, que há mirDades de cobi$as que entram em cada mal
e o comp%em, e que há mirDades de aei$%es que semelhantemente entram em cada
bem e o comp%em" e que estas mirDades de cobi$as nos interiores do homem est#o em
uma tal ordem e um tal encadeamento que um sC mal n#o pode ser mudado, a n#o ser
que todas o sejam ao mesmo tempo. Aqueles que n#o sabem isso podem ter a cren$a
ou a opini#o de que o mal, que se apresenta diante deles, como Gnico, pode acilmente
ser repelido e que o bem, que se apresenta também como Gnico, pode ser posto no
lu&ar do mal. 7omo estes n#o sabem o que é o mal, nem o que é o bem, n#o podem
crer sen#o que a salva$#o se a$a em um momento e que a misericCrdia é imediata"
mas que n#o seja assim, ver-se-á no Gltimo Pará&rao deste !ratado.
Em =uar"o lugar# O0 =ue %r@em =ue a 0al.a34o 0e >a3a em um momen"o e =ue a
m!0er!%5rd!a , !med!a"a n4o 0abem =ue a0 a>e!3Qe0< =ue 1er"en%em K .on"ade<
04o 0!m1le0 mudan3a0 de e0"ado da0 0ub0"Jn%!a0 1uramen"e orgJn!%a0 da<
men"eA =ue o0 1en0amen"o0< =ue 1er"en%em ao en"end!men"o< 04o 0!m1le0
mudan3a0 e .ar!a3Qe0 de >orma de0"a0 0ub0"Jn%!a0A e =ue a mem5r!a , o e0"ado
1ermanen"e de0"a0 mudan3a0 e de0"a0 .ar!a3Qe0. Euem é que, ouvindo-o di9er,
n#o reconhece que as aei$%es e os pensamentos n#o e0istem sen#o nas substNncias
e nas ormas destas substNncias, que s#o os sujeitosH < como e0istem nos cérebros,
que s#o cheios de substNncias e de ormas, s#o chamadas ormas puramente
or&Nnicas. Romem al&um, que pense racionalmente, pode se impedir de rir das
antasias dos que sup%em que as aei$%es e os pensamentos n#o est#o em sujeitos
substanciados, mas que s#o vapores modiicados pelo calor e pela lu9, como ima&ens
que aparecem no ar e no éter, quando, entretanto o pensamento n#o pode e0istir
separado de uma orma substancial, mais do que a vista o pode sem sua orma que é o
olho" o ouvido sem a sua que é orelha, e o paladar sem a sua que é a lDn&ua.
7onsidera o cérebro, e verás inumeráveis substNncias e inumeráveis ibras, e que nada
há ai que n#o tenha sido or&ani9ado" que necessidade há de uma outra conirma$#o
que a que é dada pelo olhoH Bas per&unta-se o que é uma aei$#o e o que é um
pensamento nos sujeitos substanciados" ?sso pode ser dedu9ido de todas e de cada
uma das cousas que est#o no corpo" há aD um &rande nGmero de vDsceras, cada uma
em seu lu&ar i0o, e elas desempenham suas un$%es por mudan$as e varia$%es de
estado e de orma" que cada uma esteja em suas opera$%es, isso é notCrio, o
estIma&o nas suas, os intestinos nas deles, os rins nas deles, o D&ado, o pNncreas, o
ba$o, cada um nas suas, o 7ora$#o e o pulm#o nas deles e todas estas opera$%es s#o
movidas sC intrinsecamente" ora, ser movido intrinsecamente é o ser por mudan$as e
varia$%es de estado e de orma. Por isso pode-se ver que as opera$%es das
substNncias puramente or&Nnicas da mente s#o de uma nature9a semelhante, com
esta dieren$a que as opera$%es das substNncias or&Nnicas do corpo s#o naturais, e
que as da mente s#o espirituais, e que umas e outras a9em um pelas
correspondências. (#o se pode mostrar ao olho quais s#o as mudan$as e as varia$%es
de estado e de orma das substNncias or&Nnicas da mente, que s#o as aei$%es e os
pensamentos" mas entretanto pode-se vê-las, como em um espelho, pelas mudan$as e
as varia$%es de estado do pulm#o na lin&ua&em e no canto" e há mesmo
correspondência, pois o som da lin&ua&em e do canto, e também as articula$%es do
som, que s#o as palavras da lin&ua&em e as modula$%es do canto, se a9em pelo
pulm#o" ora, o som corresponde ) aei$#o, e a lin&ua&em ao pensamento" s#o por isso
produ9idos pela aei$#o e o pensamento, e isso se a9 pelas mudan$as e varia$%es de
estado e de orma das substNncias or&Nnicas do pulm#o, e se&undo o pulm#o pela
traquéia artéria na larin&e e na &lote, depois na lDn&ua, e por im nos lábios" as
primeiras mudan$as e varia$%es de estado e de orma do som se a9em no pulm#o, as
se&undas na traquéia e no larin&e, as terceiras na &lote pelas dierentes aberturas de
seu oriDcio, as quartas na lDn&ua por suas dierentes aplica$%es ao palato e aos dentes,
as quintas nos lábios por dierentes ormas" por isto, pode-se ver que as simples
mudan$as e varia$%es de estado das ormas or&Nnicas, sucessivamente continuadas,
produ9em os sons e suas articula$%es que pertencem ) lin&ua&em e ao canto. /ra,
como o som e a lin&ua&em n#o s#o produ9idos de outra parte sen#o pelas aei$%es e
os pensamentos da mente, pois é por eles que e0istem, e sem eles n#o e0istiriam, é
evidente que as aei$%es da vontade s#o as mudan$as e varia$%es de estado das
substNncias puramente or&Nnicas da mente, e que os pensamentos do entendimento
s#o mudan$as e varia$%es de orma destas substNncias" semelhantemente como nas
substNncias pulmonares. Pois que as aei$%es e os pensamentos s#o puras mudan$as
de estado das ormas da mente, se&ue-se que a BemCria n#o é outra cousa sen#o o
estado permanente destas mudan$as" pois todas as mudan$as e varia$%es de estado
nas substNncias or&Nnicas s#o tais que, uma ve9 tornadas habituais, persistem" assim
o pulm#o está habituado a produ9ir diversos sons na traquéia, a variá-los na &lote, e a
articulá-los na lDn&ua, e a modelá-los na boca" e quando estas partes or&Nnicas a isso
oram uma ve9 habituadas, estes sons est#o nelas e podem ser reprodu9idos. Eue
estas mudan$as e varia$%es sejam ininitamente mais pereitas nas partes or&Nnicas
da mente do que nas partes or&Nnicas do corpo, vê-se pelo que oi dito no Tratado do
Divino Amor e da Divina Sabedoria, n* 11- a 46,, onde oi mostrado que todas as
perei$%es crescem e sobem com os &raus e se&undo os &raus" sobre este assunto,
ver maiores detalhes abai0o, n* +1-.
4:6. Eue os pecados, quando oram remidos, tenham sido também aastados, está aD
ainda um erro do século" neste erro est#o os que crêem que pelo sacramento da 7eia
os pecados lhes oram remidos, embora n#o os tenham aastado deles pela penitência"
neste erro est#o também os que crêem ser salvos pela é sC" além disso ainda os que
crêem, na BisericCrdia imediata e na salva$#o em um momento. Bas quando a
proposi$#o é invertida, se torna uma verdade" a saber, que quando os pecados oram
aastados, s#o também remidos" pois a penitência deve preceder a remiss#o, e sem a
penitência n#o há remiss#o al&uma" é por isso que o Senhor ordenou aos discDpulos
que pre&assem a penitência para a remiss#o dos pecados L8uc. 4,*, ,1M" e ;o#o
pre&ou um batismo de penitência para remiss#o dos pecados L8ucas +*, +M. A todos o
Senhor redime de seus pecados, <le n#o acusa e n#o imputa, mas contudo n#o pode
retirá-los sen#o se&undo as leis de Sua Divina Providência" pois uma ve9 que disse a
Pedro que lhe per&untava quantas ve9es devia perdoar a seu irm#o que pecasse
contra ele, se seria até sete ve9es que devia perdoar-lhe até setenta ve9es sete LBat.
1:* 41, 44M" o que n#o deve a9er o Senhor, que é a BisericCrdia mesmaH
4:1. I). Assim a permisso do mal é para este fim que ha-a salva1o.
Sabe-se que o homem está na plena liberdade de pensar e de querer, mas n#o na
plena liberdade de di9er e de a9er o que pensa e quer" pois pode pensar como um
ateu, ne&ar Deus, e blasemar as cousas santas da Palavra e da ?&reja" pode mesmo
querer por palavras e a$%es destruD-las inteiramente, mas as leis civis, morais e
eclesiásticas a isso se op%em" é por isso que alimenta em seu interior estas
impiedades e estas perversidades pensando nelas e as querendo, e por isso tendendo
para elas, sem contudo as a9er. / homem que n#o é ateu está também na plena
liberdade de pensar várias cousas que pertencem ao mal, por e0emplo, raudes,
lascDvias, vin&an$as e outras loucuras, o que a9 )s ve9es. Euem que pode crer que se
o homem n#o tivesse uma plena liberdade n#o somente n#o poderia ser salvo, mas
mesmo pereceria por inteiroH Eue se saiba pois a causa' !odo homem de nascen$a
está nos males de vários &êneros" estes males est#o na vontade, e as cousas que
est#o na vontade s#o amadas, pois o que o homem quer pelo interior ele o ama, e o
que ama ele o quer" e o amor da vontade inlui no entendimento, e a9 com que seu
pra9er ai seja sentido" dai vem aos seus pensamentos, e também )s suas inten$%es"
se portanto n#o osse permitido ao homem pensar se&undo o amor de sua vontade,
amor que oi insitado nele pelo hereditário, este amor permaneceria echado e n#o viria
jamais ) vista do homem" ora, o amor do mal que n#o se mostra é como um inimi&o
em emboscada, como a sNnie em uma Glcera, como veneno no san&ue, e como uma
podrid#o no peito" se estas cousas s#o conservadas echadas levam ) morte. Bas
quando é permitido ao homem pensar os males do amor de sua vida até os ter em
inten$#o, estes males s#o curados pelos meios espirituais como as moléstias pelos
meios naturais. / que se tomaria o homem, se n#o lhe osse permitido pensar se&undo
os pra9eres do amor de sua vida, é o que vai, ser dito a&ora. <le n#o seria mais
homem, perderia suas duas aculdades, que s#o chamadas liberdade e racionalidade,
nas quais consiste a humanidade mesma" os pra9eres destes males ocupariam os
interiores de sua mente, até ao ponto de echar a porta" e ent#o ele n#o poderia sen#o
di9er e a9er cousas em conormidade com estes males, e por conseqFência seria
louco n#o somente a seus prCprios olhos, mas ainda aos olhos do mundo, e por im
n#o saberia velar sua nude9" mas para que n#o se torne tal, lhe é permitido, é verdade,
pensar e querer os males de sua heran$a, mas n#o di9ê-los e a9ê-los" e durante esse
tempo ele se instrui nas cousas civis, morais e espirituais, que entram mesmo em seus
pensamentos, e aastam estas loucuras, e desta maneira ele é curado pelo Senhor,
mas entretanto n#o além de saber &uardar a porta, a n#o ser que reconhe$a também
Deus, e implore seu socorro para poder resistir a estes males" e ent#o tanto quanto
resiste a eles, tanto n#o admite estas loucuras em suas inten$%es, nem por im em
seus pensamentos. Portanto, pois que está na liberdade do homem pensar como lhe
a&rada, para este im que o amor de sua vida saia de seu esconderijo para vir ) lu9 de
seu entendimento, e pois que de outro modo nada saberia de seu mal, e por
conseqFência n#o poderia tampouco u&ir dele, se&ue-se que este mal cresceria nele
ao ponto de n#o lhe restarem meios de reinte&ra$#o, e que diicilmente o haveria em
seus ilhos, se os en&endrasse" pois o mal do pai passa para sua ra$a" mas o Senhor
provê a que isto n#o aconte$a.
4:4. / Senhor poderia curar o entendimento em todo homem, e assim a9er com que
cada homem pensasse n#o os males, mas os bens, o poderia por meio de diversos
temores, de mila&res, de conversa$%es com os deuntos, de vis%es e de sonhos" mas
curar unicamente o entendimento é curar unicamente o homem no e0terior" pois o
entendimento com seu pensamento é o e0terno da vida do homem, e a vontade com
sua aei$#o é o interno de sua vida" a cura do entendimento sC seria, portanto como
uma cura paliativa, pela qual a mali&nidade interior, encerrada sem poder sair,
consumiria a princDpio as partes vi9inhas, e depois as partes mais aastadas, até que o
todo caDsse em um estado de morte. @ a vontade mesma que deve ser curada, n#o
pelo inlu0o do entendimento nela, porque este inlu0o n#o tem lu&ar, mas pela
instru$#o e a e0orta$#o se&undo o entendimento. Se sC o entendimento osse curado,
o homem se tornaria como um cadáver embalsamado, ou envolvido de odorantes
aromáticos e de rosas, que em breve tirariam do cadáver um tal mau cheiro que
nin&uém poderia se apro0imar dele" aconteceria o mesmo com os veros celestes no
entendimento se o amor mau da vontade osse mantido encerrado.
4:+. Se é permitido ao homem pensar os males até os ter em inten$#o é como oi dito
a im de que sejam aastados por meio de cousas civis, de cousas morais e de cousas
espirituais, o que tem lu&ar quando pensa que isso é contra o justo e o eqFitativo,
contra o honesto e o decente, e contra o bem e o vero, assim contra a tranqFilidade, a
ale&ria e a elicidade da vida" o Senhor por meio destas três espécies de cousas cura o
amor da vontade do homem, e primeiramente, é verdade, pelos temores, mas depois
pelos amores. <ntretanto, os males n#o s#o nem separados nem rejeitados do homem,
s#o unicamente repelidos e rele&ados sobre os lados" e quando est#o lá, e o bem no
meio, os males ent#o n#o se mostram" pois tudo o que está no meio está diretamente
sob a intui$#o, e é visto e percebido. Bas é preciso saber que, embora o bem esteja no
meio, o homem, entretanto n#o está por isso no bem, se os males que est#o sobre os
lados n#o pendam para bai0o ou para ora" se olham para cima ou para dentro, n#o
oram aastados, pois se esor$am sempre para voltar para o meio" pendem e olham
para bai0o ou para ora, quando o homem o&e de seus males como pecados, e mais
ainda quando os tem em avers#o, pois ent#o os condena e os devota ao inerno, e a9
com que olhem para esse lado.
4:,. / entendimento do homem é um recipiente tanto do bem como do mal, e tanto do
vero como do also, mas n#o é assim com a vontade mesma do homem" esta deve
estar ou no mal ou no bem, n#o pode estar em um e no outro, pois a vontade é o
homem mesmo, e aD está o amor de sua vida" mas o bem e o mal no entendimento
oram separados como o interno e o e0terno" daD o homem pode estar interiormente no
mal e e0teriormente no bem. !odavia, apesar disso, quando o homem é reormado, o
bem e o mal s#o postos juntos, e ent#o há conlito e combate" se o combate é violento,
é chamado tenta$#o" mas se n#o é violento, é como quando o vinho ou a cerveja
ermenta" se ent#o o bem é vencedor, o mal com seu also é repelido sobre os lados do
mesmo modo que a borra cai para o undo do tonel, e o bem se torna como um vinho
&eneroso e uma cerveja clara apCs a ermenta$#o" mas se o mal é vencedor, o bem
ent#o com seu vero é repelido sobre os lados, e se toma turvo e corrompido como o
vinho e a cerveja que n#o ermentaram. A compara$#o é eita com o ermento porque
na Palavra o ermento Lou levedoM si&niica o also do mal, como em Roséias 1*, ," 8uc.
14*, 1" e em outros lu&ares.

A DIVINA PROVIDÊNCIA ES$A IG(A9&EN$E NOS &A(S E NOS BONS.
4:2. <m cada homem, tanto o bom como o mau, há duas aculdades, das quais uma
a9 o entendimento e a outra a vontade" a aculdade que a9 o entendimento, é que ele
pode compreender e pensar, esta por isso é chamada >acionalidade" e a aculdade
que a9 a vontade, é que ele o pode livremente, a saber, pensar, e por conse&uinte
também alar e a9er, desde que n#o seja contra a ra9#o ou a racionalidade" pois a&ir
livremente é a&ir todas as ve9es que se quer, e como se quer Lesta aculdade é
chamada 8iberdadeM. 7omo estas duas aculdades s#o perpétuas e contDnuas desde
os primeiros até aos Gltimos em todas e cada uma das cousas que o homem pensa e
a9, e n#o est#o no homem por ele mesmo, mas est#o no homem pelo Senhor,
se&ue-se que a presen$a do Senhor estando nelas está também nos sin&ulares e
mesmo nos muito sin&ulares Las menores cousasM do entendimento e do pensamento
do homem, e também da vontade e da aei$#o, e, por conse&uinte nos muito sin&ulares
da lin&ua&em e da a$#o" aasta estas aculdades de um deste muito sin&ulares, e n#o
poderás nem pensar nem o pronunciar como homem. Eue por estas duas aculdades o
homem seja homem, possa pensar e alar, perceber os bens e compreender os veros,
n#o somente civis e morais, mas mesmo espirituais, e ser reormado e re&enerado, em
uma palavra, possa ser conjunto ao Senhor, e por isso viver pela eternidade, é o que
oi mostrado abundantemente acima" também oi mostrado que estas duas aculdades
est#o n#o somente nos homens bons, mas ainda nos maus. /ra, como estas duas
aculdades est#o no homem pelo Senhor, e n#o oram apropriadas ao homem como
suas, pois o Divino n#o pode ser apropriado ao homem como seu, mas pode lhe ser
adjunto e por isso aparecer como seu" e, pois que este Divino no homem está nos
muito sin&ulares do homem, se&ue-se que o Senhor &overna os muito sin&ulares, tanto
do homem mau como do homem bom" ora, o &overno do Senhor é o que é chamado a
Divina Providência.
4:5. /ra, pois que é uma 8ei da Divina Providência que o homem possa a&ir pelo livre
se&undo sua ra9#o, quer di9er, por estas duas aculdades, e 8iberdade e a
>acionalidade" e pois que é também uma 8ei da Divina Providência que o que o
homem a9 lhe parece eito por ele mesmo, e por conse&uinte como sendo dele, e que
é ainda uma 8ei que os males sejam permitidos, a im de que ele possa ser retirado
deles, se&ue-se que o homem pode abusar destas aculdades, e pelo livre se&undo a
ra9#o conirmar tudo que lhe a&rada, pois pode tornar conorme a ra9#o tudo o que
quer, seja ou n#o seja conorme a ela em si mesmo" é por isso que al&uns homens
di9em' J/ que é o AeroH (#o posso eu tornar vero tudo o que queroH (#o a&e o
mundo também assim desta maneiraHJ < aquele que o pode o a9 por meio de
raciocDnios. !oma a proposi$#o mais alsa e di9 a um homem esperto' J7onirma-aJ, e
ele a conirmará" di9-lhe, por e0emplo, para conirmar que o homem é uma besta" ou
que a alma, é como uma aranha9inha em sua teia, e &overna o corpo assim como a9 a
aranha por seus ios" ou que a reli&i#o n#o é outra cousa sen#o um vDnculo" e ele
conirmará cada uma destas proposi$%es ao ponto de se apresentar como vero. / que
há de mais ácil, pois que n#o sabe o que é a aparência, nem o que é o also tomado
pelo vero por uma é ce&aH DaD vem que o homem n#o pode ver este vero, que a
Divina Providência está nos muito sin&ulares do entendimento e da vontade, ou, o que
dá no mesmo, nos muito sin&ulares dos pensamentos e das aei$%es em cada homem,
no mau como no bom" o que sobretudo o conunde é que neste caso os males viriam
também do Senhor" mas que, entretanto, do Senhor n#o vem o menor mal, e que todo
mal vem do homem, porque o homem conirmou em si a aparência que pensa, quer,
ala e a&e por si mesmo, é o que se verá no que vai se&uir" este assunto, para que seja
claramente visto, vai ser demonstrado nesta ordem' I. A Divina Providência é universal
nos muito sin&ulares, n#o somente nos bons, mas também nos maus, e n#o obstante
n#o está em seus males. II. /s maus se lan$am continuamente nos males, mas o
Senhor os retira continuamente dos males. III. /s maus n#o podem ser inteiramente
retirados do mal e condu9idos para o bem pelo Senhor, enquanto crêem que a prCpria
inteli&ência é tudo, e que a Divina Providência nada é. IV. / Senhor &overna o inerno
pelos opostos" e os maus, que est#o no mundo, os &overna no inerno quanto aos
interiores, mas n#o quanto aos e0teriores.
4:1. I. A Divina +rovid,ncia é universal nos muito sin(ulares no unicamente nos
bons, mas também nos maus, e, entretanto no est' em seus males.
Koi mostrado acima que a Divina Providência está nos muito sin&ulares dos
pensamentos e das aei$%es do homem, e por isso é entendido que o homem nada
pode pensar nem querer por si mesmo, mas tudo o que pensa e quer, e que por
conse&uinte di9 e a9, vem do inlu0o" se é o bem, é o inlu0o do 7éu" e se é o mal, é o
inlu0o do inerno" ou, o que é a mesma cousa, que o bem vem do inlu0o que procede
do Senhor, e que o mal vem do prCprio do homem. Bas eu sei que isso diicilmente
pode ser compreendido, porque é eita uma distin$#o entre o que inlui do 7éu ou do
Senhor, e o que inlui do inerno ou do prCprio do homem, e entretanto se di9 que a
Divina Providência está nos muito sin&ulares dos pensamentos e das aei$%es do
homem, a um tal ponto que o homem nada pode pensar nem querer por si mesmo"
mas como se di9 também que ele pode pensar e querer pelo inerno, e por seu prCprio,
isso parece como contraditCrio, mas a verdade é que isso n#o o é" que isso n#o o seja,
verse-á no que se&ue, apCs al&uns preliminares que ilustram este assunto.
4::. !odos os anjos do 7éu conessam que nin&uém pode pensar por si mesmo, mas
que cada um pensa, pelo Senhor" ao contrário, todos os espDritos do inerno di9em que
nin&uém pode pensar por um outro sen#o por si" todavia, oi mostrado muitas ve9es a
estes que nenhum deles pensa e pode pensar por si mesmo, mas que o pensamento
inlui" entretanto isso oi mostrado em v#o, eles n#o o quiseram admitir. A e0periência
ensina entretanto, primeiro, que o todo do pensamento e da aei$#o inlui também nos
espDritos do inerno, mas que o bem que aD inlui é mudado em mal, e o vero em also,
assim cada um em seu oposto" isto oi mostrado desta maneira' 3m vero tirado da
Palavra oi enviado do 7éu, e oi recebido pelos que estavam nos inernos superiores,
e enviado por estes aos inernos ineriores até ao inerno mais proundo" e este vero, no
trajeto, oi sucessivamente mudado em also, e por im em um also absolutamente
oposto ao vero" ora, aqueles em quem ele oi mudado pensavam o also como por eles
mesmos, sem duvidar de outra cousa, quando entretanto o que eles pensavam era
este vero descido do 7éu, e assim alsiicado e pervertido em seu trajeto até ao inerno
mais proundo. Kui inormado três ou quatro ve9es que isto havia sido eito assim.
Aconteceu o mesmo para o bem" o bem que decorre do 7éu é pro&ressivamente
mudado em um mal oposto a esse bem. Por isto, se tomou evidente que o vero e o
bem procedendo do Senhor, quando s#o recebidos pelos que est#o no also e no mal,
s#o mudados e passam para uma outra orma, ao ponto que a primeira orma n#o se
mostra. A mesma cousa se a9 em todo homem mau" pois o mau está, quanto a seu
espDrito, no inerno.
4:-. !ambém me oi mostrado muito reqFentemente que, no inerno, nin&uém pensa
por si mesmo, mas que cada um pensa por outros em redor dele, e que estes outros
pensam n#o por eles mesmos, mas também por outros, e que os pensamentos e as
aei$%es v#o em ordem de uma sociedade para outra, sem que nin&uém saiba outra
cousa, sen#o que vêm dele. Al&uns que acreditavam pensar e querer por eles
mesmos, oram enviados a uma sociedade, a comunica$#o com as sociedades
vi9inhas para as quais seus pensamentos tinham o costume de se estender, tendo sido
interceptada, e oram retidos nesta sociedade" ent#o lhes oi dito para pensar
dierentemente do que pensavam os espDritos desta sociedade, e,para se esor$arem
de pensar o contrário" mas conessaram que isso lhes era impossDvel. ?sto oi eito com
vários, e também com 8eibnit9, que icou mesmo convencido de que nin&uém pensa
por si mesmo, mas que se pensa por outros, e que estes outros n#o pensam tampouco
por eles mesmos, e que todos pensam pelo inlu0o que vem do 7éu, e o 7éu pelo
inlu0o que vem do Senhor. Al&uns, tendo meditado sobre este assunto, disseram que
isto era admirável, e que haveria poucos que pudessem ser levados a crê-lo, porque
isto é absolutamente contrário ) aparência, mas que entretanto n#o podiam ne&á-lo,
pois que isso lhes tinha sido plenamente demonstrado" entretanto, enquanto estavam
admirados, disseram que assim n#o se está em alta quando se pensa o mal" depois
também, que assim parece que o mal vem do Senhor" e, além disso, que n#o
compreendiam como o Senhor sC pode a9er com que todos pensem de tantas
maneiras dierentes. Bas estes três pontos v#o ser desenvolvidos no que se&ue.
4-6. As e0periências que acabam de ser relatadas, será ainda, acrescentada esta'
Euando me oi dado pelo Senhor alar com os espDritos e os anjos, este arcano me oi
imediatamente descoberto" pois me oi dito do 7éu, que eu acreditava, como os outros,
pensar e querer por mim mesmo, quando entretanto n#o era absolutamente por mim
mesmo, mas pelo Senhor se era o bem, e pelo inerno se era o mal" me oi mesmo
demonstrado ao vivo Lad vivumM por diversos pensamentos e diversas aei$%es
introdu9idas em mim que isso era assim, e me oi dado sucessivamente percebê-lo e
senti-lo" é por isso que, em se&uida, desde que se insinuava al&um mal em minha
vontade ou al&um also em meu pensamento, eu me inormava de onde vinha esse mal
ou esse also, e isso me era desvendado" e me era dado também alar com os que o
insinuavam, repreendê-los, e or$á-los a aastar-se, e por conseqFência a retirar seu
mal e seu also, a retê-los neles, e a n#o mais insinuar nada disso em meu
pensamento" isso me aconteceu milhares de ve9es" e permaneci nesse estado durante
vários anos, e nele permane$o ainda" e entretanto me parece, como aos outros, sem
nenhuma dieren$a, pensar e querer por mim mesmo" pois e pela Divina Providência
do Senhor que parece assim a cada um, como oi mostrado acima em um Arti&o
especial. /s espDritos novi$os se admiram deste estado que me é particular,
ima&inando que n#o penso e n#o quero cousa al&uma por mim mesmo, e que por
conseqFência sou como al&uma cousa va9ia" mas eu lhes descobri o arcano" e, além
disso, lhes disse que penso mesmo interiormente, e percebo o que inlui em meu
pensamento e0terior, se o inlu0o é do 7éu ou se é do inerno" que rejeito este e recebo
aquele" e que sempre me parece, como a eles, pensar e querer por mim mesmo.
4-1. Eue todo bem vem do 7éu, e que todo mal vem do inerno, isso n#o é
desconhecido no mundo" cada um na ?&reja o sabe" quem é que, iniciado do
sacerdCcio, n#o ensina que todo bem vem de Deus, e que o homem n#o pode por si
mesmo nada pode tomar que n#o lhe tenha sido dado do 7éu" além disso, também
que o diabo introdu9 os males no pensamento, e sedu9 e e0cita para a9ê-losH @ por
isso que o sacerdote, que crê pre&ar por um santo 9elo, ora ao <spDrito Santo para
instruD-lo, diri&ir seus pensamentos e sua lin&ua&em" e al&uns di9em ter sensivelmente
percebido que tinham sido impelidos, e, quando se louva seus serm%es, respondem
piedosamente que alaram n#o por eles mesmos, mas por Deus. @ por isso ainda que,
quando vêem al&uém alar bem a a&ir bem, di9em que oi condu9ido a isso por Deus"
e, vice-versa, quando vêem al&uém alar mal e a&ir mal, di9em que oi condu9ido a isso
pelo Diabo" sabe-se que tal é a lin&ua&em que se usa na ?&reja" mas quem é que crê
que isso é assimH
4-4. Eue tudo o que o homem pensa e quer, e por conse&uinte tudo o que di9 e a9,
inlui da Gnica onte da vida, e que n#o obstante a Gnica onte da vida que é o Senhor
n#o seja a causa de o homem pensar o mal e o also, é o que pode ser ilustrado pelas
observa$%es se&uintes no Bundo natural' Do Sol deste mundo procedem o calor e a
lu9, e estas duas cousas inluem em todos os sujeitos e em todos os objetos que se
apresentam diante dos olhos, n#o somente nos sujeitos bons e nos objetos belos, mas
também nos sujeitos maus e nos objetos eios, e produ9em neles eeitos diversos" pois
inluem n#o somente nas árvores que d#o bons rutos, mas também nas árvores que
d#o maus rutos, e muito mais nos rutos mesmos, e os a9em crescer" inluem
i&ualmente na boa semente e também no joio" além disso ainda nos arbustos Gteis ou
salubres, e também nos arbustos nocivos ou venenosos" e entretanto é o mesmo calor
e a mesma lu9, nos quais n#o há cousa al&uma do mal, mas esta causa está nos
sujeitos e nos objetos recipientes. / calor que a9 com que se abram os ovos em que
há uma coruja, um mocho, ou uma áspide, a&e da mesma maneira quando a9 que se
abram ovos onde uma pomba, ou belo pássaro ou um cisne" p%e ovos de uma e outra
espécie embai0o de uma &alinha, e por seu calor que em si mesmo é inoensivo, eles
abrir#o" que tem portanto este calor de comum com esses seres maus e nocivosH /
calor, inluindo nas substNncias pantanosas, estercorárias, pGtridas e cadaverosas, a&e
da mesma maneira que inluindo nas substNncias venosas, odorDeras, vi&orosas e
vivas" quem é que n#o vê que a causa está no sujeito recipiente e n#o no calorH A
mesma lu9 produ9 em um objeto cores a&radáveis, e em um outro cores
desa&radáveis" mais ainda, ela se ilustra a si mesma nos objetos brancos e brilha com
vivo esplendor, e nos objetos pu0ando ao preto ela se obscurece e se sombreia. Dá-se
o mesmo no Bundo espiritual" lá também há um calor e uma lu9 procedendo de seu
Sol, que é o Senhor" eles inluem deste Sol nos seus sujeitos e nos seus objetos" os
sujeitos e os objetos lá s#o anjos e espDritos, especialmente seus voluntários e seus
intelectuais" o 7alor lá é o Divino amor procedente, e a 8u9 lá é a Divina Sabedoria
procedente" eles n#o s#o a causa de que sejam recebidos por um de outra maneira
que por outro" com eeito, o Senhor disse Jque a9 levantar seu Sol sobre os maus e
bons, e envia a chuva sobre justos e injustosJ LBat. 2*, ,2M" no sentido interno supremo,
pelo Sol é entendido o Divino Amor, e pela chuva a Divina Sabedoria.
4-+. A estas e0plica$%es acrescentarei a opini#o dos anjos sobre a vontade e o
entendimento do homem" esta opini#o é que no homem n#o há um &r#o de vontade e
de prudência que lhe perten$a como prCprio" di9em que se houvesse um &r#o em cada
homem, nem o 7éu nem o inerno subsistiriam, e que todo o &ênero humano pereceria"
d#o como ra9#o, que s#o mirDades e mirDades de homens, tantos quantos nasceram
desde a cria$#o do mundo, que constituem o 7éu e o inerno dos quais um está sob o
outro em uma tal ordem, que de uma parte e de outra, a9em um, o 7éu um sC Romem
belo, e o inerno um sC Romem monstruoso" se em cada homem houvesse um &r#o de
vontade prCpria e de inteli&ência prCpria, este um n#o poderia e0istir, mas se
dissolveria, e com ele pereceria esta Korma Divina, que n#o pode ser estável e
permanente, sen#o tanto quanto o Senhor é tudo em todos, e eles nada no todo. D#o
ainda como ra9#o que pensar e querer por si mesmo é o Divino mesmo, e pensar e
querer por Deus, o Rumano mesmo" e que o Divino mesmo n#o pode ser apropriado a
homem al&um, pois assim o homem seria Deus. >etém isto, e tu saberás se quiseres
conirmado pelos anjos, depois da morte, quando entrarás no Bundo espiritual.
4-,. Koi dito acima, n* 4:-, que quando al&uns oram convencidos de que nin&uém
pensa por si mesmo, mas por outros, e que estes outros n#o pensam tampouco por
eles mesmos, mas que todos pensam pelo inlu0o procedente do Senhor pelo 7éu,
eles disseram em sua admira$#o, que assim n#o se está em alta quando se a9 o mal"
além disso que assim parece que o mal vem do Senhor" e, além disso, que n#o
compreendiam como o Senhor sC pode a9er que todos pensem de tantas maneiras
dierentes. /ra, como estes três sentimentos n#o podem dei0ar de inluir nos
pensamentos daqueles que pensam unicamente nos eeitos pelos eeitos, e n#o nos
eeitos pelas causas, é necessário tomá-los e desenvolvê-los pelas causas.
Pr!me!ramen"e# 7ue a00!m< n4o 0e e0"ar!a em< >al"a =uando 0e >!/e00e o mal. 7om
eeito, se tudo que o homem pensa vem dos outros por inlu0o, parece que a alta está
naqueles de quem vem o inlu0o" mas contudo a alta mesma está com aquele que o
recebe, pois o recebe como seu" n#o sabe tampouco outra cousa, e n#o quer saber
outra cousa" com eeito, cada um quer ser ele, e ser condu9ido por ele mesmo,
sobretudo pensar e querer por ele mesmo" pois é isto o livre mesmo, que aparece
como o prCprio em que está cada homem" é por isso que, se soubesse que o que
pensa e quer vem de outro por inlu0o, se consideraria como acorrentado e cativo, n#o
sendo mais senhor dele mesmo, e assim pereceria todo pra9er de sua vida, e por im o
humano mesmo. Eue isso seja assim, eu o vi conirmado muitas ve9es" oi dado a
al&uns espDritos perceber e sentir que eram condu9idos por outros, ent#o se
encoleri9aram de tal modo, que icaram como ora de si, e disseram que preeriam ser
mantidos acorrentados no inerno, antes do que n#o ter a aculdade de pensar como
quiserem e de querer como pensam" n#o ter esta aculdade chamavam isso ser
acorrentados quanto ) vida mesma, o que é mais duro e mais intolerável do que ser
acorrentado quanto ao corpo" n#o ter a aculdade de alar e de a9er como se pensa e
como se quer, n#o chamavam a isso estar acorrentado, porque o pra9er da vida civil e
da vida moral, que consiste em alar e em a9er, p%e um reio a isso, e ao mesmo
tempo o ado$a por assim di9er. /ra, pois que o homem n#o quer saber que é
condu9ido por outros a pensar, mas quer pensar por ele mesmo, e crê mesmo pensar
assim, se&ue-se que ele mesmo está em alta, e que n#o pode rejeitar de si a alta,
tanto quanto ama pensar o que pensa" mas se n#o o ama, rompe sua, li&a$#o com
aquêles de quem lhe vêm seus pensamentos" isso acontece quando sabe que é um
mal, e que em conseqFência quer u&ir-lhe e renunciar a isso" ent#o por isso, é retirado
pelo Senhor da sociedade que está nesse mal, e transerido para uma sociedade onde
esse mal n#o está" mas se sabe que é um mal, e n#o o&e dele, a alta ent#o lhe é
imputada, e ele se torna culpado desse mal. !udo, portanto, que o homem acredita
a9er por si mesmo, se di9 que é eito pelo homem, e n#o pelo Senhor.
Segundamen"e# 7ue a00!m 1are%e =ue o mal .em do Sen+or. <ste ponto pode ser
considerado como resolvido pelo que oi mostrado acima, n* 4::, a saber, que o bem
que inlui do Senhor é mudado em mal, e o vero em also no inerno" mas quem é que
n#o pode ver que o mal e o also n#o vêm do bem e do vero, por conseqFência do
Senhor, mas que vêm do sujeito recipiente, que está no mal e no also, e que perverte
e muda o bem e o vero, como oi plenamente mostrado acima, n* 4-4. Euanto )
ori&em do mal e do also no homem, tratou-se disso várias ve9es no que precede. Koi
eita também uma e0periência no Bundo espiritual, com os que acreditavam que o
Senhor podia nos maus aastar os males, e pIr os bens em lu&ar dos males, e assim
transerir todo o inerno para o 7éu, e os salvar a todos" mas que isso seja impassDvel,
ver-se-á no im deste tratado quando se tratará da salva$#o em um momento, e da
BisericCrdia imediata.
$er%e!ramen"e# 7ue n4o %om1reend!am %omo o Sen+or 05 1ode >a/er %om =ue
"odo0 1en0em de "an"a0 mane!ra0 d!>eren"e0. / Divino Amor do Senhor é ?ninito, e
sua Divina Sabedoria é ?ninita" ora, os ?ninitos do amor e os ?ninitos da sabedoria
procedem do Senhor, e inluem em todos no 7éu, e por conseqFência em todos no
inerno, e de um e do outro em todos no Bundo" nin&uém, portanto pode dei0ar de
pensar e de querer, pois os ininitos s#o ininitamente todas as cousas. <stes ininitos
que procedem do Senhor, inluem n#o sC universalmente, mas também muito
sin&ularmente, pois o Divino é universal pelo muito sin&ulares, e s#o os Divinos muito
sin&ulares que s#o chamados o 3niversal, como oi mostrado acima" e um Divino muito
sin&ular é ininito também. Por estas e0plica$%es, pode-se ver que o Senhor SC a9
com que cada um pense e queira se&undo sua qualidade e se&undo as leis da Divina
Providência. Eue todas as cousas que est#o no Senhor, e que procedem do Senhor,
sejam ininitas, isso oi demonstrado acima, n* ,5 a 5-" e também no !ratado sobre o
Divino Amor e a Divina Sabedoria, n* 11 a 44.
4-2. II. O0 mau0 0e lan3am %on"!nuamen"e no0 male0< ma0 o Sen+or o0 re"!ra
%on"!nuamen"e do0 male0.
@ mais ácil compreender qual é a Divina Providência nos bons, do que compreender
qual ela é nos maus" e pois que a&ora se trata da Divina Providência nos maus,
tratar-se-á disso nesta série' )* Rá cousas inumeráveis em cada mal. 2* / mal se
aunda por si mesmo sem cessar cada ve9 mais proundamente nos males. L* A Divina
Providência em rela$#o aos maus é uma contDnua permiss#o do mal, com a inten$#o
de que eles sejam continuamente retirados daD. M* / desprendimento do mal é
eetuado pelo Senhor por mil meias, mesmo por meios muito secretos.
4-5. Portanto, a im de que a Divina Providência, em rela$#o aos maus, seja
distintamente percebida, e por conseqFência compreendida, as proposi$%es acima v#o
ser e0plicadas na série se&undo a qual oram apresentadas'
• Pr!me!ramen"e# HE %ou0a0 !numerE.e!0 em %ada mal. 7ada mal se
apresenta diante do homem como uma cousa simples" assim se apresentam o Cdio e a
vin&an$a, assim o roubo e a raude, assim o adultério e a escorta$#o, assim o or&ulho
e a altive9, assim todos os outros males" e n#o se sabe que em cada mal há cousas
inumeráveis, e em maior quantidade do que há ibras e vasos no corpo do homem" pois
o homem mau é o inerno da menor orma" ora, o inerno consiste em mirDades de
mirDades de espDritos, e cada um ai é na orma como homem, mas homem-monstro, e
nele todas as ibras e todos os vasos est#o revirados" o espDrito mesmo é um mal, que
lhe parece ser um, mas tanto quanto s#o inumeráveis as cousas que est#o nele, tanto
s#o inumeráveis as cobi$as desse mal" pois cada homem é seu mal ou seu bem da
cabe$a ) planta dos pás" portanto pois que tal é o mau, é evidente que ele é um Gnico
mal, composto de inumeráveis cousas dierentes, que s#o distintamente males, e s#o
chamadas cobi$as do mal. Se&ue-se daD que todas estas cousas, na ordem em que
est#o, devem ser reparadas e reviradas pelo Senhor, a im de que o homem possa ser
reormado, e que isso n#o pode ser eito sen#o pela Divina Providência do Senhor
sucessivamente desde a primeira idade do homem até ) Gltima. 7ada cobi$a do mal
aparece no inerno, quando aD é representada, como um animal nocivo, por e0emplo,
ou como um dra&#o, ou como um basilisco, ou como uma vDbora, ou como um mocho,
ou como uma coruja, e assim por diante" do mesmo modo aparecem as cobi$as do mal
no homem mau, quando é visto pelos anjos" todas essas ormas de cobi$as devem ser
reviradas uma apCs outra" o homem mesmo que aparece quanto ao espDrito como um
homem-monstro ou como um diabo, deve ser revirado para que seja como um anjo
belo, e cada uma das cobi$as do mal deve ser revirada, para que apare$a como um
cordeiro ou uma ovelha, ou como uma pomba ou uma rolinha, do mesmo modo que
aparecem as aei$%es do bem dos anjos no 7éu, quando s#o representadas" ora,
transormar um dra&#o em cordeiro, um basilisco em ovelha, e um mocho em pomba,
n#o pode se a9er sen#o sucessivamente, desenrai9ando, o mal de sua semente, e
implantando, no lu&ar uma boa semente. Bas isso n#o se pode a9er sen#o, como se
a9 o en0erto das árvores, cujas raD9es icam com o tronco" mas n#o obstante o ramo
en0ertado muda ) seiva, tirada por meio da anti&a rai9, em uma seiva que produ9 bons
rutos" este ramo en0ertado n#o pode ser tomado sen#o do Senhor, que é a árvore da
vida" isto está também conorme as palavras do Senhor em ;o#o 12*, 1 a 1.
• Segundamen"e# O mau 0e a>unda 1or 0! me0mo 0em %e00ar %ada .e/
ma!0 1ro>undamen"e no0 male0. Di9-se por si mesmo, porque todo mal vem do
Senhor, pois o homem muda em mal o bem que vem do Senhor, como oi dito acima.
Se o mau se aunda cada ve9 mais proundamente no mal, é por isso mesmo que ele
se introdu9 cada ve9 mais interiormente, e também cada ve9 mais proundamente, nas
sociedades inernais, ) medida que quer e a9 o mal" por conseqFência o pra9er do mal
também aumenta, e se apodera de tal modo de seus pensamentos que nada sente de
mais doce" e aquele que se introdu9iu interiormente e proundamente nas sociedades
inernais se toma como se estivesse li&ado com correntes" mas enquanto vive no
mundo, n#o sente estas correntes" s#o como l# suave, ou como leves ias de seda, que
ele ama, porque produ9em uma impress#o a&radável" mas depois da morte estas
cadelas, de doces que eram, se tornam duras, e em lu&ar de uma impress#o a&radável
produ9em contus%es. Eue o pra9er do mal aumente, isso é notCrio pelos roubos, os
banditismos, as depreda$%es, as vin&an$as, o espDrito de domina$#o, a avide9 do
&anho, e outras más pai0%es" quem é que n#o sente aumentar o pra9er conorme os
sucessos, e conorme o seu e0ercDcio n#o é impedidoH Sabe-se que o ladr#o acha um
tal pra9er nos roubos que n#o pode renunciar a eles" e, o que é espantoso, ama mais
um escudo roubado do que de9 escudos dados &ratuitamente" aconteceria o mesmo
com os adultérios, se n#o tivesse sido provido a que este mal decrescesse em potência
conorme o abuso" mas a verdade é que em um &rande nGmero de adGlteros resta o
pra9er de pensar nisso e alar disso, e sen#o mais, ao menos a lubricidade do tato. Bas
i&nora-se que isto vem de que o homem se aunda cada ve9 mais interiormente, e
também cada ve9 mais proundamente, nas sociedades inernais, conorme comete os
males pela vontade e ao mesmo tempo pelo pensamento" se os males est#o somente
no pensamento e n#o na vontade, ele n#o está ainda com o mal em uma sociedade
inernal, mas aD entra desde que est#o na vontade" se mesmo ent#o pensa que este
mal é contra os preceitos do decálo&o, e considera estes preceitos como Divinos, ele o
comete de propCsito deliberado, e por isso mer&ulha proundamente no inerno, donde
n#o pode ser retirado sen#o por uma penitência eetiva. @ preciso que se saiba que
todo homem, quanto a seu espDrito, está no Bundo espiritual, e aD em al&uma
sociedade, o homem mau em uma sociedade inernal, e o homem bom em uma
sociedade celeste" ele ai aparece por ve9es, quando está em uma prounda medita$#o.
@ preciso também que se saiba que, do mesmo modo que no mundo natural, o som
com a lin&ua&em se espalha de todo lado no ar, do mesmo modo no mundo espiritual a
aei$#o com o pensamento se espalha de todo lado nas sociedades" há por isso
correspondência, pois a aei$#o corresponde ao som, e o pensamento ) lin&ua&em.
• $er%e!ramen"e# A D!.!na Pro.!d@n%!a< a re01e!"o do0 mau0< , uma
%on"Bnua 1erm!004o do mal< %om a !n"en34o de =ue ele0 0e-am %on"!nuamen"e
re"!rado0 daB. Se a Divina Providência nos homens maus é uma continua permiss#o, é
porque de sua vida n#o pode sair sen#o mal" pois o homem está ou no bem ou no mal,
n#o pode estar em um e outro ao mesmo tempo, nem alternadamente, a n#o ser que
seja morno, e o mal da vida n#o é introdu9ido pelo Senhor na vontade e por ela no
pensamento, mas é introdu9ido pelo homem, e isso é chamado permiss#o. /ra, pois
que todas as cousas que o homem meu quer e pensa s#o permiss%es, per&unta-se o
que a9 ent#o aD a Divina Providência, que se di9 estar nos muito sin&ulares em cada
homem, tanto no mau como no bom" respondo que ela consiste nisto, que ela permite
continuamente para um im, e que permite as cousas que concernem a este im, e n#o
outras, e que continuamente e0amina, separa, e puriica os males que saem por
permiss#o, e rele&a os que n#o convêm, e os e0pulsa por vias desconhecidas" estas
opera$%es se a9em principalmente na vontade interior do homem, e por ela em seu
pensamento interior" a Divina Providência é contDnua também nisso, que ela vela para
que as cousas que devem ser rele&adas e e0pulsas n#o sejam de novo recebidas pela
vontade, porque tudo que é recebido pela vontade é apropriado ao homem" mas as
cousas que s#o recebidas pelo pensamento, e n#o pela vontade, s#o separadas e
aastadas. @ isso a contDnua Providência do Senhor nos maus, a qual, como oi dito, é
uma contDnua permiss#o do mal, com a inten$#o de que sejam continuamente retirados
dele. / homem sabe apenas al&uma cousa destas opera$%es, porque n#o as percebe"
se n#o as percebe, a ra9#o principal é porque há nele os males das cobi$as do amor
de sua vida, e esses males s#o sentidos n#o como males mas como pra9eres, aos
quais nin&uém presta aten$#o" quem é que presta aten$#o aos pra9eres de seu amorH
/ pensamento do homem aD nada como uma barca que é arrastada pela corrente de
um rio" e é percebido como uma atmosera embalsamada que é sorvida a plena
aspira$#o" pode somente sentir al&uma cousa em seu pensamento e0terno, contudo,
tampouco lhe presta aten$#o, a n#o ser que saiba bem que s#o males. Bas se alará
mais sobre este assunto no que vai se&uir-se.
• Em =uar"o lugar. O de01rend!men"o do mal , e>e"uado 1elo Sen+or 1or
m!l me!o0< me0mo 1or me!o0 mu!"o 0e%re"o0. Somente al&uns deles me oram
descobertos, mas n#o s#o sen#o os mais comuns" s#o estes'
• Eue os pra9eres das cobi$as, a respeito das quais o homem nada sabe, s#o
lan$ados em chusma e em ei0es nos pensamentos interiores, que pertencem ao
espDrito do homem, e em conseqFência em seus pensamentos e0teriores, nos quais se
apresentam sob um certo sentimento de a&rado, de encanto ou de desejo, e aD se
misturam com seus pra9eres naturais e sensuais"
• est#o aD os meios de separa$#o e de puriica$#o e também as vias de
desprendimento e de e0puls#o"
• os meios s#o principalmente os pra9eres da medita$#o, do pensamento, da
rele0#o para certos ins, que pertencem ao uso" e os ins que pertencem ao uso s#o
em t#o &rande nGmero como os particulares e os sin&ulares da ocupa$#o e da un$#o
do homem" depois, em t#o &rande nGmero como há pra9eres da rele0#o no objetivo de
se apresentar como homem civil e moral, e também como homem espiritual, além dos
despra9eres que se interp%em" estes pra9eres, porque pertencem a seu amor no
homem e0terno, s#o meios de separa$#o, de puriica$#o, de e0puls#o e de
desprendimento dos pra9eres das cobi$as do mal do homem interno. Seja, por
e0emplo, um jui9 injusto, que visa aos presentes ou )s ami9ades como ins ou como
usos de sua un$#o" este jui9 interiormente está sem cessar nestes ins, mas
e0teriormente seu objetivo é a&ir como jurisconsulto e como homem justo" está
continuamente em um pra9er de medita$#o, de pensamento, de rele0#o e de inten$#o,
para a9er dobrar o direito, torcê-lo, adaptá-lo e acomodá-lo, até que pare$a conorme
as leis e análo&o ) justi$a" e ele n#o sabe que seu pra9er interno consiste nas astGcias,
nas raudes, nas velhacarias, nos roubos clandestinos, e em várias outras cousas, e
que este pra9er, composto de tantos pra9eres das cobi$as do mal, domina em todas e
cada uma das cousas de seu pensamento e0terno, no qual est#o os pra9eres de
parecer justo e sincero" nestes pra9eres e0ternos se abatem os pra9eres internos, e
s#o misturados como os alimentos no estIma&o" e aD s#o separados, puriicados e
aastados" mas, todavia estes pra9eres das cobi$as do mal s#o unicamente os que s#o
mais peri&osos" pois no homem mau n#o há separa$#o, puriica$#o e desprendimento
sen#o dos males mais &raves dos que o s#o menos, enquanto que no homem bom há
separa$#o, puriica$#o e desprendimento dos meles n#o somente os mais &raves, mas
também os menos &raves, e isto se a9 pelos pra9eres das aei$%es do bem e do vero,
do justo e do sincero, nas quais ele entra enquanto considera os males como pecados,
e por esta ra9#o o&e deles e os tem em avers#o, e mais ainda se combate contra eles"
est#o aD os meios pelos quais o Senhor puriica todos os que s#o salvos" puriica-os
também por meios e0ternos, que concernem ) reputa$#o e ) honra, e por ve9es o
lucro" mas nestes meios o Senhor insere os pra9eres das aei$%es do bem e do vero,
pelos quais s#o diri&idos e dispostos para que se tomem pra9eres do amor do prC0imo.
Se al&uém visse os pra9eres das cobi$as do mal juntos em uma orma, ou se os
percebesse distintamente por al&um sentido, os veria e os perceberia em um tal
nGmero que n#o poderiam ser determinados" pois o inerno inteiro n#o é sen#o a orma
de todas, as cobi$as do mal" e lá n#o há cobi$a, al&uma do mal que seja
absolutamente semelhante a uma outra, e n#o pode em toda a eternidade aD haver
uma sC que seja absolutamente semelhante a uma outra, ou a mesma que unia outra"
ora, a respeito destas inumeráveis cobi$as o homem sabe apenas al&uma cousa, sabe
ainda menos como s#o elas li&adas entre si" e entretanto o Senhor por sua Divina
Providência permite continuamente que elas saiam, a im de que sejam aastadas, o
que tem lu&ar em cada ordem e, em cada série" o homem mau é o inerno na menor
orma, como o homem bom é o 7éu na menor orma.
Eue o desprendimento dos males seja eetuado pelo Senhor por mil meios, mesmo por
meios muito secretos, n#o se pode vê-lo melhor, e assim concluD-lo, do que pelas
opera$%es secretas da alma, no corpo" as opera$%es de que o homem tem
conhecimento s#o estas' /lha para o alimento que deve comer, percebe-o pelo cheiro,
apetece-o, saboreia-o, tritura-o com os dentes, e por meio da lDn&ua, o en&ole, e assim
o a9 descer ao estIma&o" mas as opera$%es secretas da alma de que o homem nada
sabe, porque n#o as sente, s#o estas' / estIma&o rola os alimentos recebidos" por
mênstruos os abre e separa, quer di9er, os di&ere" apresenta as partes convenientes a,
pequenas bocas, aD, entreabertas, e a veias que se embebem delas" envia al&umas
destas partes ao san&ue, a vasos lináticos, outras a vasos lácteos do mesentério, e
precipita outras nos intestinos" depois o quilo, retirado de sua cisterna no mesentério
pelo canal torácico, é levado ) veia cava, e assim ao cora$#o, e do cora$#o ao pulm#o,
e do pulm#o pelo ventrDculo esquerdo do cora$#o ) aorta, e da aorta pelas ramiica$%es
)s vDsceras de todo o corpo, e assim aos rins, em cada um dos quais se a9 a
separa$#o do san&ue, a sua puriica$#o, e o desprendimento das partes hetero&êneas"
sem mencionar como o cora$#o envia ao cérebro seu san&ue que oi puriicado no
pulm#o, o que se a9 por artérias chamadas carCtidas, nem como o cérebro reenvia o
san&ue viviicado, ) veia cava acima mencionada onde o canal torácico leva o quilo, e
assim de novo ao cora$#o. <stas opera$%es, e outras em quantidade inumerável, s#o
opera$%es secretas da alma no corpo" o homem n#o sente cousa al&uma de tudo isso,
e aquele que n#o possui a anatomia nada sabe disso" e entretanto semelhantes
opera$%es se a9em nos interiores da mente do homem, pois cousa al&uma se pode
a9er no corpo sen#o pela mente, pois que a mente do homem é seu espDrito, e seu
espDrito é i&ualmente homem, com a Gnica dieren$a de que as cousas que se a9em
no corpo se a9em naturalmente, e as que se a9em na mente se a9em
espiritualmente" a semelhan$a é pereita. Por estas e0plica$%es, é evidente que a
Divina Providência opera por mil meios, mesmo por meios muito secretos, em cada
homem, e que ela é contDnua no im de puriicá-lo, porque ela está no im de salvá-lo, e
que o homem n#o tem que se embara$ar com outra cousa a n#o ser aastar os males
no homem e0terno" o Senhor se é implorado, provê a tudo mais.
4-1. III. O0 mau0 n4o 1odem 0er !n"e!ramen"e re"!rado0 do0 male0 e %ondu/!do0
ao0 ben0 1elo Sen+or< en=uan"o a%red!"am =ue a 1r51r!a !n"el!g@n%!a , "udo< e
=ue a D!.!na Pro.!d@n%!a nada ,.
Parece que o homem pode por si mesmo se retirar do mal, desde que pense que tal
ou tal cousa é contra o bem comum, contra o que é Gtil, contra as leis de seu paDs e
contra o direito das &entes" o mau, tanto quanto o bom, pode pensar assim, desde que
de nascen$a ou por e0ercDcio seja tal que possa dentro de si mesmo pensar
analiticamente e racionalmente de uma maneira distinta" mas a verdade é que
entretanto ele n#o pode por si mesmo se retirar do mal" a ra9#o disso é que, embora a
aculdade de compreender e de perceber as cousas, mesmo abstratamente, tenha sido
dada pelo Senhor a cada um, tanto ao mau como ao bom, como oi mostrado acima,
aqui e ali, entretanto o homem n#o pode por esta aculdade se retirar do mal" com
eeito, o mal pertence ) vontade, e o entendimento n#o inlui na vontade, a n#o ser
unicamente com a lu9" ele ilustra e ensina, e se o calor da vontade, quer di9er, o amor
da vida do homem está ervendo pela cobi$a do mal, ent#o está rio quanto ) aei$#o
do bem" ele n#o o recebe portanto, mas ou o rejeita, ou o e0tin&ue, ou por al&um also
que inventou o muda em mal. Dá-se o mesmo, com isto, que com a lu9 do inverno, que
é t#o clara como a do ver#o, e que inluindo nas árvores rias produ9 um semelhante
eeito. Bas isto poderá ser visto mais plenamente na ordem que se&ue' )* A prCpria
inteli&ência, quando a vontade está no mal, n#o vê sen#o o also, e n#o quer ver e n#o
pode ver outra cousa. 2* Se a prCpria inteli&ência vê ent#o o vero, se aasta dele ou o
alsiica. L* A Divina Providência a9 continuamente com que o homem veja o vero, e
mesmo lhe dá a aei$#o de percebê-lo, e também de o receber. M* / homem é por isto
retirado do mal, n#o por ele mesmo, mas pelo Senhor.
4-:. <stas proposi$%es v#o ser e0plicadas em sua ordem diante do homem racional,
quer ele seja mau ou bom, por conseqFência, quer esteja na lu9 do inverno, ou na lu9
do ver#o, pois em uma ou na outra as cores aparecem i&ualmente.
Pr!me!ramen"e# A 1r51r!a !n"el!g@n%!a< =uando a .on"ade e0"E no mal< n4o .@
0endo o >al0o< e n4o =uer .er e n4o 1ode .er ou"ra %ou0a. ?sto oi mostrado muito
reqFentemente no Bundo espiritual. 7ada homem, quando se torna espDrito, o que
acontece apCs a morte, pois ent#o se despoja do corpo material e se reveste do corpo
espiritual, é posto alternativamente nos dois estados de sua vida, o e0terno e o interno,
quando está no estado e0terno, ala e mesmo a&e racionalmente e sabiamente,
e0atamente como um homem racional e sábio no mundo, e pode assim ensinar aos
outros várias cousas que concernem ) vida moral e ) vida civil" e se oi pre&ador pode
mesmo ensinar as cousas que concernem ) vida espiritual" mas quando deste estado
e0terno é posto em seu estado interno, e o homem e0terno é adormecido e o homem
interno despertado, ent#o, se é mau, a cena muda, de racional se torna sensual, e de
sábio insensato" pois ent#o pensa pelo mal de sua vontade e pelo pra9er deste mal,
assim pela prCpria inteli&ência, e n#o vê sen#o os alsos, e n#o a9 sen#o o mal,
acreditando que a malDcia é a sabedoria e que a astGcia é a prudência" e pela prCpria
inteli&ência se crê uma deidade, e haure de toda sua mente artiDcios abomináveis" vi
tais loucuras um &rande nGmero de ve9es" vi também espDritos postos nestes estados
alternativos duas ou três ve9es em uma hora, e ent#o lhes oi dado ver suas loucuras,
e também de as reconhecer" entretanto n#o quiseram permanecer neste estado
racional e moral, mas se voltavam eles mesmos de pleno &osto para o estado interno,
sensual e insensato, pois o amavam mais do que o outro, pois havia nele o pra9er do
amor de sua vida. Euem é que pode supor que o homem mau por dentro de sua ace
seja tal, e que sora uma tal metamorose, quando vem para dentro de si mesmoH SC
por esta e0periência pode-se ver qual é a prCpria inteli&ência quando o homem pensa e
a&e pelo mal de sua vontade. @ inteiramente dierente com os bons" quando do estado
e0terno estes s#o postos no estado interno, tornam-se ainda mais sábios e mais
morais.
Segundamen"e# Se a 1r51r!a !n"el!g@n%!a .@ en"4o o .ero< ou 0e a>a0"a dele< ou o
>al0!>!%a. Rá no homem um prCprio voluntário, e há um prCprio intelectual" o prCprio
voluntário é o mal, e o prCprio intelectual é o also do mal" este é entendido pela
vontade do homem, e aquele pela vontade da carne, ;o#o 1*, 1+. / prCprio voluntário é
em sua essência o amor de si, e o prCprio intelectual é o asto que provém deste amor"
estes dois s#o como dois esposos, e seu casamento é chamado casamento do mal e
do also" cada espDrito mau é posto neste casamento antes de ser enviado para o
inerno, e quando está neste estado n#o sabe o que é o bem, pois chama seu mal bem,
porque o sente como um pra9er, e ent#o também se aasta do vero e n#o o quer ver,
porque vê o also que concorda com seu amor do mesmo modo que o olho vê um
objeto belo, e o ouve do mesmo modo que o ouvido ouve um som harmonioso.
$er%e!ramen"e# A D!.!na Pro.!d@n%!a >a/ %on"!nuamen"e %om =ue o +omem .e-a o
.ero< e me0mo l+e dE a a>e!34o de 1er%eb@Glo e de o re%eber. ?sto acontece porque
a Divina Providência a&e pelo ?nterior, e inlui por ele nos e0teriores, ou pelo homem
espiritual nas cousas que est#o no homem natural, e pela lu9 do 7éu viviica a vontade"
a lu9 do 7éu em sua essência é a Divina Sabedoria, e o calor do 7éu em sua essência
é o Divino Amor, e da Divina Sabedoria n#o pode inluir sen#o o vero, e do Divino Amor
n#o pode inluir sen#o o bem, e pelo bem do Senhor dá no entendimento a aei$#o de
ver o vero, e também de o perceber e de o receber" assim o homem se torna homem
n#o somente quanto ) ace e0terna, mas também quanto ) ace interna. Euem é que
n#o quer parecer como um homem racional e espiritualH < quem é que n#o sabe que o
homem quer parecer assim a im de que os outros creiam que ele é um homem
verdadeiroH Se, portanto ele é racional e espiritual somente na orma e0terna, e n#o ao
mesmo tempo na orma interna, será que ele é homemH Será ele outra cousa mais que
um histri#o em um teatro, ou que um macaco cuja ace é quase semelhante ) do
homemH (#o se pode conhecer por isso que sC é homem aquele que o é
interiormente, como quer parecer aos outrosH Euem reconhece um reconhece o outro.
A prCpria inteli&ência pode introdu9ir somente nos e0ternos a orma humana, mas a
Divina Providência a introdu9 nos internos, e pelos internos nos e0ternos" e quanto esta
orma oi introdu9ida, o homem n#o somente aparece como homem, mas é homem.
Em =uar"o lugar# O +omem , 1or !00o re"!rado do mal< n4o 1or ele me0mo< ma0
1elo Sen+or. Se, quando a Divina Providência concede ver o vero, e ao mesmo tempo
) aei$#o do vero, o homem pode ser retirado do mal é porque o vero mostra e dita, e
porque, quando a vontade a9 o que oi mostrado e ditado, ela se conjunta com o vero,
e muda nela o vero em bem, pois o vero se toma uma cousa do amor do homem, e o
que pertence ao amor é o bem" toda reorma se a9 pelo vero, e n#o sem ele, pois sem
o vero a vontade está continuamente em seu mal, e se consulta o entendimento, ela
n#o é instruDda, mas o mal é conirmado pelos alsos. Euanto ao que concerne )
inteli&ência, ela se apresenta, tanto no homem bom como no homem mau, como sua e
prCpria, e o bom, do mesmo modo que o mau é também tido em conta de a&ir pela
inteli&ência como prCpria" mas o que crê na Divina Providência é retirado do mal,
enquanto que o que n#o crê nela n#o é retirado" e crê nela o que reconhece que o mal
é um pecado e quer se retirar dele, e n#o crê nela o que n#o reconhece nem quer" a
dieren$a entre estas duas inteli&ências é como a, dieren$a entre uma cousa que se
crê e0istir em si e uma cousa que se crê e0istir n#o em si mas como em si" é também
como a dieren$a entre o e0terno sem o seu semelhante interno e o e0terno com seu
semelhante interno, assim como a dieren$a entre os discursos e os &estos de momos
e de comediantes representando papéis de reis, de prDncipes e de &enerais, e os reis,
prDncipes e &enerais mesmos" estes o s#o interiormente e ao mesmo tempo
e0teriormente, mas aqueles sC o s#o e0teriormente, e quando o e0terior é despido, s#o
chamados comediantes, histri%es e palha$os.
4--. I). . Senhor (overna o inferno pelos opostos> e os maus que esto no
mundo, &le os (overna no inferno quanto aos interiores, mas no quanto aos
e!teriores.
Aquele que n#o sabe o que é o 7éu nem o que é o inerno, n#o pode de modo al&um
saber o que é a mente do homem" a mente do homem é o seu espDrito que vive depois
da morte" e isso porque a mente ou o espDrito de homem está em toda orma na qual
está o 7éu ou o inerno" n#o há dieren$a al&uma, e0ceto que o 7éu ou o inerno é
muito &rande e a mente muito pequena, ou que um é a eD&ie e o outro o tipo" é por isso
que o homem quanto ) mente ou ao espDrito é em uma orma muito pequena ou o 7éu
ou o inerno" aquele que é condu9ido pelo Senhor é o 7éu, e aquele que é condu9ido
por seu prCprio é o inerno. /ra, como me oi dado saber o que é o 7éu e o que é o
inerno, e como é importante saber o que é o homem quanto ) sua mente ou ao seu
espDrito, vou descrever em poucas palavras um e outro.
+66. !odos os que est#o no 7éu n#o s#o sen#o aei$%es da bem, e por isso
pensamentos do vero, e todos os que est#o no inerno n#o s#o sen#o cobi$as do mal,
e por isto ima&ina$%es do also, as quais de uma parte e de outra oram de tal modo
dispostas, que as cobi$as do mal e as ima&ina$%es do also s#o absolutamente
opostas )s aei$%es do bem e aos pensamentos do vero no 7éu" é por isto que o
inerno está sob o 7éu, e é diametralmente oposto ao 7éu" assim o 7éu e o inerno s#o
como dois homens estendidos ao oposto um do outro, ou de pé como dois antDpodas,
por conseqFência voltados em sentidos contrários, e conjuntos quanto )s plantas dos
pés e se repelindo com os calcanhares" por ve9es mesmo o inerno aparece em uma
semelhante situa$#o, ou uma semelhante invers#o, em rela$#o ao 7éu" isto provém de
que os que est#o no inerno a9em das cobi$as do mal a cabe$a, e das aei$%es do
bem os pés, e os que est#o no 7éu a9em das aei$%es do bem a cabe$a, e das
cobi$as do mal as plantas dos pés" daD a oposi$#o mGtua. Di9-se que no 7éu há as
aei$%es do bem e, por conse&uinte os pensamentos do vero, e que no inerno há as
cobi$as do mal e, por conse&uinte as ima&ina$%es do also, e é entendimento que s#oO
os espDritos e os anjos que s#o tais, pois cada um é sua aei$#o ou sua cobi$a, o anjo
do 7éu é sua aei$#o e o espDrito do inerno sua cobi$a.
+61. Se os anjos do 7éu s#o aei$%es do bem e por estas pensamentos do vero, é
porque eles s#o recipientes do Divino Amor e da Divina Sabedoria procedentes do
Senhor, e porque todas as aei$%es do bem vêm do Divino Amor, e todos os
pensamentos do vero vêm da Divina Sabedoria" e se os espDritos do inerno s#o
cobi$as do mal e por estas ima&ina$%es do also, é porque est#o no amor de si e na
prCpria inteli&ência, e porque todas as cobi$as do mal vêm do amor de si, e todas as
ima&ina$%es do also vêm da prCpria inteli&ência.
+64. A ordena$#o das aei$%es no 7éu e das cobi$as no ?nerno é admirável e
conhecida do Senhor sC" as aei$%es e as cobi$as s#o de uma parte e de outra
distin&uidas, em &êneros e em espécies, e assim conjuntas para a9er um" e como
oram distin&uidas em &êneros e espécies, oram distin&uidas em sociedades maiores
ou menores" e como oram conjuntas para a9er um, oram conjuntas como todas as
cousas que est#o no homem" em conseqFência o 7éu em sua orma é como um
homem belo, cuja alma é o Divino Amor e a Divina Sabedoria, assim o Senhor" e o
inerno em sua orma é como um homem monstruoso, cuja alma é o amor de si e a
prCpria inteli&ência, assim o diabo" eetivamente, n#o há diabo al&um que so9inho seja
o chee no inerno" é o amor de si que é chamado o diabo.
+6+. Bas para que saiba melhor o que é o 7éu e o que é o ?nerno, em lu&ar das
aei$%es do bem, que se tomem os pra9eres do bem, e em lu&ar das cobi$as do mal
que se tomem os pra9eres do mal" com eeito, s#o os pra9eres que a9em a vida de
cada um" estes pra9eres oram assim distin&uidos e conjuntos, como oi dito mais
acima das aei$%es do bem e das cobi$as do mal" o pra9er de sua aei$#o enche e
cerca cada anjo do 7éu, e também o pra9er comum enche e cerca cada sociedade do
7éu, e o pra9er de todas juntas ou o pra9er o mais comum enche e cerca o 7éu inteiro"
do mesmo modo o pra9er de sua cobi$a enche e cerca cada espDrito do inerno, e o
pra9er comum de cada sociedade do inerno, e o pra9er de todas ou o mais comum, o
inerno inteiro. Pois que as aei$%es do 7éu e as cobi$as do inerno s#o, como acaba
de ser dito, diametralmente opostas umas )s outras, é evidente que o pra9er do 7éu é
para o inerno um tal despra9er que é impossDvel suportá-lo, e que vice-versa o pra9er
do inerno é para o 7éu um tal despra9er que é impossDvel também suportá-lo" daD a
antipatia, a avers#o e a separa$#o.
+6,. <stes pra9eres, porque a9em a vida de cada um no sin&ular, e de todos no
comum, n#o s#o sentidos pelos que est#o neles, mas os opostos s#o sentidos quando
se apro0imam, principalmente quando s#o mudados em odores, pois cada pra9er
corresponde a um odor, e pode no mundo espiritual ser transormado nesse odor, e
ent#o o pra9er comum é sentido no 7éu como o perume de um jardim, com variedade
se&undo as e0ala$%es odorDeras das lores e dos rutos" e o pra9er comum do inerno é
sentido como uma á&ua esta&nada na qual oram lan$adas diversas imundDcies, com
variedade se&undo os edores que se e0alam das matérias podres e inectas. Bas
como é sentido o pra9er de cada aei$#o do bem no 7éu, e o pra9er de cada cobi$a do
mal no inerno, também me oi dado sabê-lo" mas seria demasiado lon&o e0pI-?o aqui.
+62. /uvi vários recém-vindos do mundo se quei0arem de n#o ter sabido que a sorte
de sua vida seria se&undo as aei$%es de seu amor" di9iam que no mundo n#o tinham
pensado nestas aei$%es, nem com mais orte ra9#o nos pra9eres destas aei$%es,
porque tinham amado o que era um pra9er para eles" e que somente tinham acreditado
que a sorte de cada um seria se&undo os pensamentos provenientes da inteli&ência,
principalmente se&undo os pensamentos provenientes da piedade, e também da é"
mas lhes oi respondido que se tivessem querido teriam podido saber que o mal da via
é desa&radável ao 7éu e des&osta a Deus, e é a&radável ao inerno e contenta ao
diabo" e que vice-versa o bem da vida é a&radável ao 7éu e apra9 a Deus, e é
desa&radável ao inerno e des&osta ao diabo, e que, por conse&uinte também o mal
em si tem um odor étido, e o bem em si um odor bom" que, pois que teriam podido, se
o tivessem querido, saber isso porque n#o tinham u&ido dos males como inernais e
diabClicos, e porque os tinham avorecido pelo Gnico motivo de que eram pra9eres" e
a&ora, pois que sabiam que os pra 9eres do mal, têm um t#o mau odor, podiam
também saber que aquêles que e0alam um tal odor n#o podem entrar no 7éu. ApCs
esta resposta eles se retiraram para junto dos que estavam em semelhantes pra9eres,
porque aD podiam respirar e n#o em outra parte.
+65. Pela idéia que acaba de ser dada do 7éu e do inerno, pode-se ver qual é a mente
do homem, pois como oi dito a mente ou o espDrito do homem está em uma muito
pequena orma ou do 7éu ou do inerno, a saber, que seus interiores s#o puras
aei$%es e puros pensamentos, distin&uidos em &êneros e em espécies, como em
sociedades maiores ou menores, e conjuntas para a9er um" e que o Senhor os
&overna do mesmo modo que o 7éu ou o inerno. Eue o homem esteja em uma muito
pequena orma, ou do 7éu ou do inerno, vê-se no !ratado do 7éu e do ?nerno,
publicado em 8ondres em 11,:, n* 21 a :1.
+61. A&ora, volto a esta proposi$#o, que o Senhor &overna o inerno pelos opostos" e
que os maus, que est#o no mundo, <le os &overna no inerno quanto aos interiores e
n#o quanto aos e0teriores.
Pr!me!ramen"e# O Sen+or go.erna o !n>erno 1elo0 o1o0"o0. Koi mostrado acima, n*
s
4:: e 4:-, que os anjos do 7éu est#o no amor e na sabedoria, ou na aei$#o do bem e
em conseqFência no pensamento do vero, n#o por eles mesmos, mas pelo Senhor" e
que o bem e o vero inluem do 7éu no inerno, e aD s#o mudados, o bem em mal e o
vero em also, pela ra9#o de que os interiores da mente dos inernais s#o virados em
sentido contrário" ora como todas as cousas do inerno s#o opostas a todas as cousas
do 7éu, se&ue-se que o Senhor &overna o inerno pelos opostos.
Segundamen"e# O0 mau0 =ue e0"4o no mundo< o Sen+or o0 go.ernam no !n>erno*
@ porque o homem quanto a seu espDrito está no mundo espiritual, e lá em al&uma
sociedade, em uma sociedade inernal se é mau, e em uma sociedade celeste se é
bom" pois a mente do homem, que em si é espiritual, n#o pode estar sen#o entre os
espirituais, em cuja sociedade entra por isso depois da morte" que isto assim seja, é
também o que oi dito e mostrado acima. Bas o homem n#o está lá do mesmo modo
que um espDrito que oi re&istrado na sociedade, pois o homem está continuamente no
estado de reorma" por isso conorme sua vida e suas mudan$as, é transerido pelo
Senhor de uma sociedade do inerno para uma outra, se é mau" mas se dei0a reormar,
é retirado do inerno e condu9ido para o 7éu, e lá também é transerido de uma
sociedade para uma outra, e isso até ) morte, depois do que n#o é mais levado de
sociedade em sociedade, porque ent#o n#o está em estado al&um de reorma, mas
permanece no estado em que está se&undo a vida" é por isso que, quando o homem
morre, está inscrito em seu lu&ar.
$er%e!ramen"e# O0 mau0 no mundo< o Sen+or o0 go.erna a00!m =uan"o ao0
!n"er!ore0< ma0 de modo d!>eren"e =uan"o ao0 e6"er!ore0. / Senhor &overna os
interiores da mente do homem como acaba de ser dito" mas &overna os e0teriores no
mundo dos espDritos, que está no meio entre o 7éu e o inerno" a ra9#o disso é que o
homem ordinariamente é dierente nos e0ternos do que é nos internos" pois pode nos
e0ternos simular o, anjo de lu9, e, entretanto nos internos ser um espDrito das trevas" é
por isso que de um modo é &overnado seu e0terno, e de outro seu interno" o e0terno é
&overnado no Bundo dos espDritos, mas o interno é &overnado no 7éu ou no ?nerno,
enquanto ele está no mundo" por isso também, quando morre, vai primeiro para o
Bundo dos espDritos, e aD está em seu e0terno, que ele aD despe" e, quando o despiu, é
levado ao seu lu&ar, em que oi inscrito. / que é o Bundo dos espDritos, e qual ele é,
vê-se no Tratado do Céu e do Inferno, publicado em 8ondres em 112:, n* ,41 a 2+2.
DIVINA PROVIDÊNCIA N;O APROPRIA A 7(E& 7(ER 7(E SE:A 0 &A9 NE& A
7(E& 7(ER 7(E SE:A 0 BE&< &AS A PRRPRIA PR(DÊNCIA APROPRIA (& E
0 O($RO.
+6:. Euase todo mundo crê que o homem pensa e quer por ele mesmo, e, por
conse&uinte ala e a&e por ele mesmo" quem pode crer de outro modo, quando é por
ele mesmo que o crê, pois que a aparência que é assim é t#o orte, que n#o há
dieren$a entre ela e pensar, querer, alar e a&ir realmente por si mesmo, o que
entretanto n#o é possDvelH (a Sabedoria An&élica obre o Divino Amor e a Divina
Sabedoria( foi demonstrado que há uma Gnica, e que os homens s#o recipientes da
vida" além disso também, que a vontade do homem é o receptáculo do amor, e o
entendimento do homem o receptáculo da sabedoria, amor e sabedoria que constituem
os dois esta vida Gnica. Koi também demonstrado que é por cria$#o, e por conse&uinte
pela a$#o contDnua da Divina Providência, que esta vida aparece no homem com a
mesma semelhan$a como se lhe pertencesse, e por conseqFência lhe osse prCpria,
mas que é uma aparência para este im que o homem possa ser um receptáculo. Koi
também demonstrado acima, n* 4:: a 4-,, que nenhum homem pensa por si mesmo,
mas que se pensa por outros, e que estes outros n#o pensam tampouco por eles
mesmos, mas que todos pensam pelo Senhor, assim o mau tanto quanto o bom" além
disso, também, que isto é conhecido no mundo crist#o, sobretudo por aquêles que n#o
somente di9em, mas mesmo crêem que todo bem e todo vero vêm do Senhor, e
também toda sabedoria, por conseqFência a é e a caridade" e que todo mal e todo
also vêm do diabo ou do inerno. De todas estas proposi$%es n#o se pode concluir
outra cousa, sen#o que tudo o que o homem pensa e quer vem pelo inlu0o, e que, pois
que toda lin&ua&em decorre do pensamento como o eeito decorre de sua causa, e
como se dá o mesmo com toda a$#o em rela$#o ) vontade, tudo o que o homem di9 e
a9 vem também pelo inlu0o, embora de uma maneira derivativa e mediata. Eue tudo o
que o homem vê, ouve, cheira, saboreia e sente vem pelo inlu0o, n#o se pode ne&á-lo,
porque n#o seria o mesmo do que o homem pensa e querH Pode haver uma outra
dieren$a, sen#o que nos Cr&#os dos sentidos e0ternos ou do corpo inluem cousas que
est#o no mundo natural, e que nas substNncias or&Nnicas dos sentidos internos ou da
mente inluem cousas que est#o no mundo espiritual" que por conseqFência, do
mesmo modo que os Cr&#os dos sentidos e0ternos ou do corpo s#o os receptáculos
dos objetos naturais, desse mesmo modo )s substNncias or&Nnicas dos sentidos
internos ou da mente s#o os receptáculos dos objetivos espirituaisH Pois que tal é o
estado do homem, o que é ent#o o seu prCprioH / seu prCprio n#o consiste em ser ele
tal ou tal receptáculo, porque este prCprio n#o é outra cousa sen#o sua qualidade
quanto ) recep$#o, mas n#o é o prCprio da vida" pois pelo prCprio nin&uém entende
outra cousa sen#o viver por si, e por conseqFência pensar e querer por si" mas que
este prCprio n#o esteja no homem, e que n#o possa mesmo e0istir em homem al&um,
é a conseqFência do que oi dito mais acima.
+6-. Bas vou relatar o que ouvi di9er por al&uns no mundo espiritual. <sses eram do
nGmero dos que tinham acreditado que a prCpria prudência é tudo, e que a Divina
Providência nada é. <u lhes di9ia que o homem n#o tem prCprio al&um, a n#o ser que
se queira chamar prCprio do homem )quilo que a9 com que ele seja tal ou tal sujeito,
tal ou tal Cr&#o, tal ou tal orma, mas n#o é isso que é entendido pelo prCprio, pois é
unicamente sua qualidade" e que nenhum homem tem prCprio al&uma, tal como é
comumente entendido o prCprio. <stes, portanto, que tinham atribuDdo todas as causas
) prCpria prudência, e que por isso podem ser chamados !ro!riet4rio em sua ima&em,
inlamaram-se de tal modo que uma chama parecia sair de suas narinas, e me
disseram' J!u proeres parado0os e loucuras" nesse caso o homem nada seria, e seria
va9io, ou seria uma idéia e uma antasia, ou seria uma ima&em talhada ou uma
estátuaJ. (#o pude responder sen#o que é um parado0o e uma loucura crer que o
homem é a vida por si, e que a sabedoria e a prudência n#o inluem de Deus, mas
est#o no homem, e que se dá o mesmo com o bem que pertence ) caridade e com o
vero que pertence ) é" que se atribuir estas cousas é chamado loucura pelo sábio, e,
por conse&uinte é também um parado0o" que, além disso, eles eram como aqueles que
habitam na casa e na propriedade de um outro, e que ent#o se persuadem que estas
cousas lhes pertencem" ou como ecInomos e intendentes que acreditam que as
possess%es de seus senhores s#o suas" e como teriam sido os servidores aos quais o
Senhor deu talentos e minas para a9er render, se n#o tivessem prestado contas, mas
os tivessem retido como sendo deles, e tivessem por conse&uinte a&ido como ladr%es"
que se pode di9er de uns e outros que s#o loucos, e mesmo que n#o s#o cousa
al&uma, que s#o va9ios, e que s#o idealistas LdevaneadoresM, porque n#o têm em si
pelo Senhor o bem que é o ser mesmo da vida, nem por conseqFência o vero, por isso
esses s#o chamados mortos, homens de nada e va9ios, ?saDas ,6*, 11, 4+" e em outros
lu&ares a9edores de ima&em, além de ima&ens talhadas e estátuas. Bas, no que
se&ue, este assunto vai ser tratado mais amplamente nesta ordem' I. / que é a prCpria
Prudência, e o que é a Prudência n#o prCpria. II. / homem pela prCpria prudência se
persuade, e conirma em si que todo bem e todo vero vêm dele e est#o nele, e que se
dá o mesmo com todo mal e com todo also. III. !udo aquilo de que o homem se
persuade, e em que se conirmou, permanece como prCprio nele. IV. Se o homem
cresse, como é a verdade, que todo bem e todo vero vêm do Senhor, e que todo mal e
todo also vêm do inerno, n#o se apropriaria o bem e n#o o aria meritCrio, e n#o se
apropriaria o mal e se aria responsável por ele.
+16. I. . que é a pr6pria +rud,ncia e o que é a +rud,ncia no pr6pria.
(a prCpria Prudência est#o os que conirmam em si )s aparências e a9em delas
verdades, sobretudo esta aparência de que a prCpria prudência é tudo, e que a Divina
Providência nada é sen#o al&um universal o qual, entretanto n#o pode e0istir sem os
sin&ulares que o comp%em como oi dito acima" estes est#o também nas ilus%es, pois
toda aparência conirmada como verdade se torna uma ilus#o" e tanto quanto se
conirmam pelas ilus%es, tanto se tornam naturalistas, e n#o crêem sen#o naquilo que
podem ao mesmo tempo perceber por al&um sentido do corpo, sobretudo pelo sentido
da vista, porque este, principalmente, a9 um com o pensamento" por im eles se
tornam sensuais" e, se se conirmam pela nature9a contra Deus, echam os interiores
de sua mente, e interp%em por assim di9er um véu, e depois pensam abai0o do véu, e
n#o pensam em nenhuma das cousas que est#o acima. <stes sensuais s#o chamados
serpentes da árvore da ciência pelos anti&os" se di9 deles, no mundo espiritual, que )
medida que se conirmam, echam os interiores de sua mente, e por im até o nari9,
pois o nari9 si&niica a percep$#o do vero" e quando é echado, isso si&niica que n#o
há percep$#o al&uma. A&ora, se dirá o que eles s#o' Bais que todos os outros, s#o
espertos e astutos" s#o raciocinadores en&enhosos, e chamam inteli&ência e sabedoria
a esperte9a e a astGcia e n#o as consideram de outro modo" os que n#o s#o como
eles, os considerar, como simples e estGpidos, sobretudo os que adoram Deus e os
que reconhecem a Divina Providência" quanto aos princDpios interiores de sua mente,
de que eles mesmos pouco sabem, s#o como os que se chamam Baquiavelistas, que
consideram como nada os homicDdios, os adultérios, os roubos e os alsos
testemunhos, considerados em si mesmosH < que, se raciocinam contra estas a$%es,
n#o o a9em sen#o por prudência, a im de n#o aparecerem tais quais s#o. Da vida do
homem no mundo, pensam que é semelhante ) vida da besta" e da vida do homem
depois da morte, que é como um vapor vital que, se elevando do cadáver ou do
sepulcro, recai e assim morre" desta loucura vem ) idéia de que os espDritos e os anjos
s#o sopros aéreos, e naqueles aos quais é imposto crer na vida eterna, a idéia de que
se dá o mesmo com as almas dos homens, e que assim n#o vêem, n#o ouvem nem
alam, que por conseqFência s#o ce&os, surdos e mudos, e que sC pensam na
partDcula de seu ar" Jcomo a alma, di9em eles, pode ser outra cousaH /s sentidos
e0ternos n#o morreram ao mesmo tempo que o corpoH < como pode-se recebê-los de
novo antes que a alma tenha sido reunida ao corpoHJ < como n#o puderam
compreender sen#o sensualmente e n#o espiritualmente o estado da alma depois da
morte, estabeleceram este estado sensual, de outro modo a cren$a na vida eterna teria
perecido. 7onirmam principalmente neles o amor de si, o chamam o&o da vida e o
estDmulo para diversos usos na sociedade" e como s#o tais, s#o também Ddolos deles
mesmos, e seus pensamentos sendo ilus%es, e provindo de ilus%es, s#o ima&ens do
also" e porque avorecem os pra9eres das cobi$as, s#o eles, satanases e diabos" s#o
chamados satanases os que conirmam em si )s cobi$as do mal, e diabos os que
vivem se&undo estas cobi$as. !ambém me oi dado saber o que s#o os homens
sensuais mais astuciosas' Seu ?nerno é por trás no undo, o eles desejam ser
invisDveis" é por isso que aparecem voando como espectros, que s#o suas antasias, e
s#o chamados Gênios. 3m dia, al&uns oram enviados dê seu inerno, a im de que eu
conhecesse o que eles s#o lá" imediatamente se aplicaram ) minha nuca sob o
occipDcio, e daD entraram em minhas aei$%es, sem querer entrar em meus
pensamentos, que evitavam h)bilmente" e variaram uma apCs outra as minhas
aei$%es, na inten$#o de as transormar insensivelmente em aei$%es opostas, que s#o
as cobi$as do mal" e como n#o tocavam em cousa al&uma dos meus pensamentos,
teriam, ) minha revelia, virado e revirado as minhas aei$%es, se o Senhor n#o o
tivesse impedido. !ais se tornam aqueles que no mundo n#o crêem que e0iste al&uma
cousa da Divina Providência, e que n#o e0aminam nos outros sen#o suas cobi$as e
seus desejos, e os diri&em assim até ao ponto de dominar sobre eles" como a9em isso
de uma maneira t#o clandestina e t#o astuciosa, que os outros n#o se apercebem
disso, e como depois da morte se tornam semelhantes a eles mesmos, s#o lan$ados
neste inerno imediatamente apCs sua che&ada no mundo espiritual. Aistos na lu9 do
7éu, aparecem sem nari9" e o que é surpreendente, embora sejam t#o sutis, s#o, n#o
obstante sensuais mais do que todos os outros. 7omo os Anti&os chamaram serpente
o homem sensual, e como um tal homem é esperto, astuto e raciocinador en&enhoso
mais que os outros, é por isso que se di9, Jque a serpente mais astuciosa que todas as
bestas do campoJ LGênesis +*, 1M" e que o Senhor disse' JSede prudentes como as
serpentes e simples como as pombasJ LBat. 16*, 15M" e que o Dra&#o, que é também
chamado serpente anti&a, diabo e satanás, é descrito como Jtendo sete cabe$as e de9
cornos, e sobre suas cabe$as sete diademasJ LApoc. 14*, +, -M" pelas sete cabe$as é
si&niicada a astGcia, pelos de9 cornos o poder de persuadir por meio de ilus%es, e
pelos sete diademas as cousas santas da Palavra e da ?&reja proanadas.
+11. Pela descri$#o da prCpria prudência e dos que est#o nesta prudência, pode-se ver
qual é a prudência n#o prCpria e quais s#o os que est#o nesta, a saber, que a
prudência n#o prCpria é a prudência daqueles que n#o conirmam neles que a
inteli&ência e a sabedoria vêm do homem" estes di9em' J7omo al&uém pode ser sábio
por si mesmo" e como al&uém pode a9er o bem por si mesmoHJ < di9endo isso, vêem
em si mesmos que isto assim é" pois pensam interiormente, e crêem também, que os
outros pensam da mesma orma, principalmente os eruditos, porque n#o sabem que
al&uém possa pensar sC e0ternamente. (#o est#o nas ilus%es por quaisquer
conirma$%es das aparências" é por isso que sabem e percebem que os homicDdios, os
adultérios, os roubos e os alsos testemunhos s#o pecados, e por isso mesmo o&em
deles" além disso também, que a malDcia n#o é a sabedoria, e que a astGcia n#o é a
inteli&ência" quando ouvem raciocDnios en&enhosos, undados sobre ilus%es, se
admiram disso, e em si mesmos os ne&am" e isso porque neles n#o há o véu entre os
interiores e os e0teriores, ou entre os espirituais e os naturais da mente, como o há
entre os sensuais" por isso recebem do 7éu um inlu0o, pelo qual vêem interiormente
tais cousas. Kalam com mais simplicidade e sinceridade que os outros, e p%em a
sabedoria na vida e n#o no discurso" s#o realmente como cordeiros e ovelhas,
enquanto que os que est#o na prCpria prudência s#o como lobos e raposas" s#o como
os que habitam uma casa e vêem pelas janelas o 7éu, enquanto que os que est#o na
prCpria prudência s#o como os que habitam as caves da casa e n#o vêem por suas
janelas sen#o o que está sob a terra" s#o também como os que se conservam sobre
uma montanha, e vêem os que est#o na prCpria prudência, errando nos vales e nas
lorestas. Por isto, pode-se ver que a prudência n#o prCpria é uma prudência se&undo o
Senhor, semelhante em aparência nos e0ternos ) prCpria prudência, mas
absolutamente dierente nos internos" nos internos a prudência n#o prCpria, aparece no
Bundo espiritual como um homem, e a prudência prCpria aparece como um simulacro
que n#o parece ter a vida sen#o por isto sC, que os que est#o nesta prudência têm
entretanto a racionalidade e a liberdade, ou a aculdade de compreender e a de querer,
e por conseqFência, de alar e de a&ir, e que por estas aculdades podem in&ir que s#o
também homens" se n#o tais simulacros é porque os males e os alsos n#o vivem, mas
que n#o há sen#o os bens e os veros que vivem" e como por sua racionalidade sabem
isso, pois se n#o o soubessem n#o in&iriam pelos bens e os veros, possuem o vital
humano em seus simulacros. Euem é que n#o pode saber que tal é o homem
interiormente, tal ele é" que por conseqFência )quele que é interiormente tal como quer
ser visto e0teriormente é um homem" e que aquele que é homem sC e0teriormente e
n#o interiormente, é um simulacro" pensa a respeito de Deus, da reli&i#o, da justi$a e
da sinceridade, do mesmo modo que alas, e tu serás um homem, e ent#o a Divina
Providência será a tua prudência, e verás nos outros que a prCpria prudência é uma
loucura.
<;B* II. . homem pela pr6pria prud,ncia se persuade, e confirma em si que todo
bem e todo vero v,m dele esto nele, e que se d' o mesmo com todo mal e todo
falso.
A ar&umenta$#o terá lu&ar pela analo&ia entre o bem e o vero naturais e o bem e o
vero espirituais. Per&unta-se o que é o vero e o bem ) vista do olho' AD n#o é o vero o
que é chamado belo, e o bem o que é chamado pra9erH 7om eeito, sente-se pra9er
vendo belos objetos. Per&unta-se o que é o vero e o bem para o ouvido' AD n#o é o
vero o que é chamado harmonioso, e o bem o que é chamado encantoH 7om eeito,
sente-se encanto ouvindo sons harmoniosos. Dá-se o mesmo com os outros sentidos.
Por isto vê-se claramente o que é o vero e o bem naturais. Eue se e0amine a&ora o
que é o vero e o bem espirituais' @ o vero espiritual outra cousa sen#o o belo e o
harmonioso das cousas e dos objetos espirituaisH < o bem espiritual é outra cousa
sen#o o pra9er e o encanto se&undo a percep$#o de sua bele9a e de sua harmoniaH
Aejamos a&ora se se pode di9er de uma outra cousa que do outro, ou do espiritual
outra cousa que do natural' Di9-se do natural que o belo e o pra9er no olho inluem dos
objetos, e que o harmonioso e o encanto no ouvido inluem dos instrumentos. Será isso
de outro modo nas substNncias or&Nnicas da menteH Di9-se delas, que estas cousas La
saber, o belo e o pra9er, o harmonioso e o encantoM, est#o nelas" e se di9 do olho e do
ouvido, que estas mesmas cousas inluem neles. Bas se se per&unta por que se di9
que elas inluem, n#o se pode responder outra cousa, sen#o que é porque aparece
uma distNncia Lentre o Cr&#o do sentido e o objetoM. < se per&unta por que no outro
caso se di9 que est#o nelas, n#o se pode responder outra cousa sen#o que é porque
n#o aparece distNncia. Por conseqFência é a aparência de distNncia que a9 com que a
respeito das cousas que o homem pensa e percebe se creia de outro modo que a
respeito das que ele vê e ouve. Bas isto cai, quando se sabe que o espiritual n#o está
na distNncia como o está o natural" pensa no sol e na lua, ou em >oma e em
7onstantinopla, n#o est#o no pensamento sem distNncia, desde que este pensamento
n#o esteja conjunto com a e0periência adquirida pela vista e pelo ouvidoH Por que
ent#o te persuades de que, porque n#o aparece distNncia no pensamento, o bem e o
vero e também o mal e o also aD est#o, e n#o inluemH Acrescentarei a isso uma
e0periência que no Bundo espiritual, é comum' 3m espDrito pode inundir seus
pensamentos e suas aei$%es em um outro espDrito, e este n#o sabe outra cousa sen#o
que estes pensamentos e estas aei$%es s#o seus prCprios pensamentos e suas
prCprias aei$%es" isso aD é chamado pensar por um outro e pensar em um outro" vi
esta e0periência milhares de ve9es, e eu mesmo a i9 centenas de ve9es" e entretanto
a aparência de distNncia era considerável" mas lo&o que os espDritos sabiam que era
um outro que inundia estes pensamentos e estas aei$%es, icavam indi&nados com
isso e se desviavam, reconhecendo entretanto que a distNncia n#o aparecia ) vista
interna ou ao pensamento, a n#o ser que isso osse desvendado, como aparece ) vista
e0terna ou ao olho, donde resulta que se creia que há um inlu0o. A esta e0periência
acrescentarei uma que me é quotidiana' /s maus espDritos muitas ve9es lan$aram em
meu pensamento males e alsos, que me pareciam estar em mim e vir de mim, ou
como se eu mesmo os pensasse" mas, como eu sabia que eram males e alsos, eu
procurava quem eram os que os haviam lan$ado, e eles eram descobertos e postos em
u&a" estavam a uma distNncia considerável de mim. Por isto pode-se ver que todo mal
com seu also inlui do inerno, e que todo bem com seu vero inlui do Senhor, e que
um e outro aparecem como no homem.
+1+. Euais s#o os que est#o na, prCpria prudência, e quais s#o os que est#o na
prudência n#o-prCpria e, por conse&uinte na Divina Providência, isto está descrito na
Palavra por Ad#o e por <va, sua esposa, no ;ardim do @den, onde havia duas árvores
uma da vida, e a outra da ciência do bem e do mal, e por sua a$#o de ter comido desta.
Eue por Ad#o e por <va, sua esposa, no sentido interno ou espiritual, seja entendida e
descrita a AntiqFDssima ?&reja do Senhor sobre esta terra,, ?&reja que oi nobre e celeste
mais do que as que a se&uiram, vê-se acima, n* 4,1" as outras cousas têm a
si&niica$#o se&uinte' Pelo ;ardim do @den é si&niicada a sabedoria dos homens desta
?&reja" pela árvore da vida, o Senhor quanto ) Divina Providência, e pela árvore da
ciência, o homem quanto ) prCpria prudência" pela serpente, o sensual e o prCprio do
homem, que em si mesmo é o amor de si e o asto da prCpria inteli&ência, assim o
diabo e satanás" pela a$#o de comer da árvore da ciência, a apropria$#o do bem e do
vero, como se o bem e o vero viessem do homem e n#o do Senhor, e por conse&uinte
como se pertencessem ao homem e n#o ao Senhor" ora, como o bem e o vero s#o os
Divinos mesmos no homem, pois pelo bem é entendido o todo do amor, e pelo vero o
todo da sabedoria, se portanto o homem os reivindica como seus, n#o pode a9er outra
cousa sen#o crer que é como Deus" é por isso que a serpente disse' J(o dia em que
comerdes dela, abertos ser#o os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e
o malJ LGên. +*, 2M" o mesmo a9em os que est#o no amor de si e por conse&uinte no
asto da prCpria inteli&ência no inerno" pela condena$#o da serpente é si&niicada a
condena$#o do amor-prCprio e da prCpria inteli&ência" e pela condena$#o de Ad#o e do
intelectual prCprio" pelo espinho e o cardo que a terra lhe produ9iria é si&niicado
absolutamente o also e o mal" pelo seu banimento do jardim, a priva$#o total da
sabedoria" pela &uarda do caminho condu9indo ) árvore da vida, a vi&ilNncia do Senhor
a im de que as cousas santas da Palavra e da ?&reja n#o sejam violadas" pelas olhas
de i&ueira, com as quais cobriam sua nude9, s#o si&niicados os veros morais pelos
quais s#o veladas as cousas que pertencem a seu amor e a seu asto" e pelas tGnicas
de pele, com que depois se vestiram, s#o si&niicadas as aparências do vero sC nas
quais eles est#o. @ esta a si&niica$#o espiritual destas cousas. Bas aquele que quer
permanecer no sentido da letra aD permane$a" que saiba somente que este sentido é
entendido assim no 7éu.
+1,. Euais s#o os que se enatuaram pela prCpria inteli&ência, pode-se ver pelo
produto de sua ima&ina$#o concernente )s cousas de um jul&amento interior, por
e0emplo, concernentes ao Influ.o, ao Penamento e ) +ida. Con%ernen"e ao In>lu6o,
pensam o contrário do que acontece, que a vista do olho inlui na vista interna da
mente, que é o entendimento, e que o ouvido da orelha inlui no ouvido interno, que é
também o entendimento" e n#o percebem que o entendimento se&undo a vontade inlui
no olho e na orelha, e n#o somente a9 estes sentidos, mas se serve deles mesmos
como seus instrumentos no mundo natural" mas como, isto n#o é conorme a
aparência, eles n#o o percebem" somente se se di9 que o naturalOn#o inlui no
espiritual, mas que o espiritual inlui no natural, ent#o eles pensam sempre' / que é o
espiritual sen#o um natural mais puroH Além disso' Será que n#o aparece que se o
olho vê al&um objeto belo, e o ouvido ouve al&um som harmonioso, a mente, que é o
entendimento e a vontade, é deleitadaH <les n#o sabem que o olho n#o vê por si
mesmo, que a lDn&ua n#o saboreia por si mesma, que as narinas n#o cheiram por elas
mesmas, que a pele n#o sente por ela mesma, mas que é a mente ou o espDrito do
homem que aD percebe estas cousas pelos sentidos, e é aetado por elas se&undo a
qualidade dos sentidos" e que n#o obstante a mente ou o espDrito do homem as sente
n#o por si mesmo, mas pelo Senhor" e que pensar de outro modo é pensar se&undo as
aparências" e, se isto é conirmado, é se&undo as ilus%es. Con%ernen"e ao
Pen0amen"o( di9em que é al&uma cousa modiicada no ar, que varia se&undo os
objetos, e aumenta conorme é isso cultivado" que assim as idéias do pensamento s#o
ima&ens, como de meteoros aparecendo no ar" e que a memCria é uma tábua sobre a
qual eles s#o impressos" n#o sabem que os pensamentos est#o i&ualmente em
substNncias puramente or&Nnicas como a vista e o ouvido nas suas" que considerem
somente o cérebro, e o ver#o cheio de tais substNncias" ere estas substNncias, e
estarás no delDrio" destrCi-as, e morrerás" mas o que é o pensamento, e o que é a
memCria, vê-se acima, n* 41-, no im. Con%ernen"e K V!da, n#o sabem outra cousa
sen#o que é uma certa atividade da nature9a, que se a9 sentir de diversas maneiras,
conorme o corpo que vive se move or&anicamente" se se di9 que por conseqFência a
nature9a vive, eles o ne&am, mas ale&am que a nature9a a9 viver" se se di9, é a vida
dissipada quando o corpo morreH >espondem que a vida permanece na partDcula de
ar, que é chamada alma" se se di9' J/ que é ent#o DeusH (#o é <le a vida mesmaHJ A
esta per&unta eles se calam, e n#o querem declarar o que pensam" se se di9' J(#o
quereis que o Divino Amor e a Divina Sabedoria sejam a Aida mesmaHJ >espondem'
J/ que é o amor, e o que é a sabedoriaHJ Pois em suas ilus%es n#o vêem nem o que é
o amor e a sabedoria, nem o que é Deus. <stes raciocDnios oram relatados, a im de
que se veja como o homem é enatuado pela prCpria prudência, por isto que em todas
as cousas conclui se&undo as aparências e, por conse&uinte se&undo as ilus%es.
+15. Se a prCpria prudência persuade e conirma que todo bem e todo vero vêm do
homem, e est#o no homem, é porque a prCpria prudência é o prCprio intelectual do
homem, inluindo do amor de si que é o prCprio voluntário do homem, e o prCprio n#o
pode dei0ar de a9er suas todas as cousas, pois n#o pode ser elevado pelo homem.
!odos os que s#o condu9idos pela Divina Providência do Senhor s#o elevados acima
do prCprio, e ent#o querem que todo bem e todo vero venham do Senhor" e vêem
mesmo também que o que vem do Senhor no homem pertence perpetuamente ao
Senhor, e jamais ao homem. Aquele que crê de outro modo é como aquele que tem
com ele em depCsito os bens de seu senhor, e que os reivindica ou se apropria deles
como seus, o qual n#o é um intendente, mas é um ladr#o" e como o prCprio do homem
n#o é sen#o mal, é por isso que aquele mer&ulha também estes bens em seu mal, pelo
qual s#o destruDdos como pérolas lan$adas no monturo ou dissolvidas no vina&re.
+11. III. ?udo de que o homem se persuade, e em que se confirmou, permanece
como pr6prio nele.
Buitos crêem que nenhum vero pode ser visto pelo homem, a n#o ser que o seja por
cousas conirmadas, mas isso é also. (as cousas civis e econImicas de um >eino ou
de uma >epGblica n#o se pode ver o Gtil e o bom, a n#o ser que se conhe$a vários
estatutos e ordenan$as" nas cousas judiciais, a n#o ser que conhe$a as leis" nas
cousas naturais, como s#o as da Dsica, da quDmica, da anatomia, da mecNnica e
outras, a n#o ser que o homem seja instruDdo nas ciências" mas nas cousas puramente
racionais, morais e espirituais, os veros aparecem em sua lu9 mesma, desde que o
homem por uma educa$#o conveniente tenha se tornado al&um tanto racional, moral e
espiritual. A ra9#o disto é que, quanto a seu espDrito que é o que pensa, cada homem
está no Bundo espiritual, e é um entre os que aD est#o por conseqFência está na lu9
espiritual que ilustra os interiores de seu entendimento, e, por assim di9er, dita" pois a
lu9 espiritual em sua essência é o Divino Aero da Divina Sabedoria do Senhor" daD vem
que o homem pode pensar analiticamente, concluir sobre o justo e o eqFitativo nos
jul&amentos, e ver o honesto na vida moral, e o bem na vida espiritual" e também
muitos veros que n#o caem nas trevas sen#o depois dos alsos conirmados. / homem
os vê pouco mais ou menos da mesma maneira que vê a inten$#o de um outro pela
sua ace, e que lhe percebe as aei$%es pelo som de sua vo9, sem outra ciência que a
que oi insitada em cada um" por que o homem n#o veria de al&um modo pelo inlu0o
os interiores de sua vida, que s#o as cousas espirituais e morais, quando n#o há um
animal que n#o saiba pelo inlu0o as cousas que lhe s#o necessárias, as quais s#o
naturaisH / pássaro sabe a9er seu ninho, aD depositar seus ovos, a9er sair seus
ilhotes, e conhece sua alimenta$#o" além de outras maravilhas, que s#o chamadas
instinto.
+1:. Bas como é mudado o estado do homem pelas conirma$%es e por conse&uinte
pelas persuas%es, é o que vai ser dito a&ora, mas nesta ordem' )*X (#o há cousa
al&uma que n#o possa ser conirmada" e o also pode ser conirmado mais do que o
vero. 2*X / also sendo conirmado, o vero n#o se mostra" mas pelo vero conirmado o
also se mostra. L*X Poder conirmar tudo que se quer, n#o é da inteli&ência, é
unicamente uma sutile9a que pode e0istir mesmo nos mais maus. M*X Rá uma
conirma$#o intelectual e n#o ao mesmo tempo voluntária, mas toda conirma$#o
voluntária é intelectual também. N*X A conirma$#o do mal, voluntária e ao mesmo
tempo intelectual, a9 com que o homem creia que a prCpria prudência é tudo, e que a
Divina Providência nada é" mas n#o é assim com a simples conirma$#o intelectual. O*X
!odas as cousas conirmadas pela vontade e ao mesmo tempo pelo entendimento
permanecem eternamente, mas n#o o que oi unicamente conirmado pelo
entendimento.
Pr!me!ramen"e# N4o +E %ou0a alguma =ue n4o 1o00a 0er %on>!rmadaA e o >al0o
1ode 0er %on>!rmado ma!0 do =ue o .ero. Eual é a cousa que n#o possa ser
conirmada, quando é conirmado pelos ateus que Deus n#o é o 7riador do universo,
mas que a nature9a é a criadora de si mesma" que a >eli&i#o é apenas um vDnculo,
para os simples e o vul&o" que o homem é como uma besta, e que morre i&ualmente"
quando é conirmado que os adultérios s#o permitidos, e i&ualmente os roubos
clandestinos, as raudes, as maquina$%es insidiosas" que a astGcia é a inteli&ência, e
que a malDcia é a sabedoriaH Euem é que n#o conirma sua heresiaH (#o há volumes
cheios de conirma$%es em avor das duas heresias que reinam no mundo crist#oH
7omp%e de9 heresias mesmo abstrusas, e di9 a um homem en&enhoso que as
conirme, e ele conirmará todas" se em se&uida tu as e0aminas somente se&undo os
conirmativos, n#o verás os alsos como verosH Pois que also brilha no homem natural
pelas aparências e pelas ilus%es deste homem, e que o vero n#o brilha sen#o no
homem espiritual, é evidente que o also pode ser conirmado mais que o vero. A im
de que se saiba que todo also e todo mal podem ser conirmados, ao ponto de o also
aparecer como vero, e do mal aparecer como bem, seja por e0emplo' 7onirmar que a
lu9 s#o as trevas, e que as trevas s#o a lu9. (#o se pode di9er' J/ que é a lu9 em si
mesmaH @ outra cousa sen#o uma certa aparência no olho se&undo seu estadoH /
que é a lu9 quando o olho está echadoH /s morce&os e os mochos n#o têm olhos tais,
que vêem a lu9 como trevas, e as trevas como lu9H Soube a respeito de certos homens
que eles vêem desta maneira" e, a respeito dos inernais, que embora estejam nas
trevas, entretanto se vêem mutuamente. (#o há lu9 para o homem nos sonhos no
meio da noiteH Assim as trevas n#o s#o lu9, e a lu9, trevasHJ Bas pode-se responder'
J/ que é que isto provaH A lu9 é a lu9 como o vero é o vero, e as trevas s#o as trevas
como o also é o alsoJ. Seja ainda um e0emplo' 7onirmar que o corvo é branco. (#o
se pode di9er' JA sua ne&rura é unicamente uma sombra que n#o é a sua cor real"
suas penas s#o brancas por dentro, seu corpo i&ualmente" est#o aD as substNncias de
que ele é composto" como sua ne&rura é uma sombra, é por isso que o corvo
embranquece quando se torna velho, viu-se destes. / que é o ne&ro em si mesmo
sen#o o brancoH >edu9 a pC o vidro ne&ro, e verás que o pC é branco" quando portanto
chamas ne&ro o corvo, alas da sombra, e n#o da realidadeJ. Bas pode-se responder'
J6 que prova issoH Desta maneira poder-se-ia di9er que todos os pássaros s#o
brancosJ. <mbora estes raciocDnios sejam contra a s# ra9#o, oram relatados a im de
que se possa ver que um also diametralmente oposto a um vero, e que um mal
diametralmente oposto a um bem podem ser conirmados.
Segundamen"e# O >al0o 0endo %on>!rmado< o .ero n4o 0e mo0"raA ma0 1elo .ero
%on>!rmado o >al0o 0e mo0"ra. !odo also está nas trevas, e todo vero está na lu9" e
nas trevas cousa al&uma se mostra" mais ainda, n#o se sabe que cousa há, a n#o ser
que se apalpe" é dierente na lu9" é mesmo por isso que na Palavra os alsos s#o
chamados trevas, e que em conseqFência os que est#o nos alsos se di9 que andam
nas trevas, e em uma sombra de morte" e que, vice-versa, os veros aD s#o chamados
lu9, e que em conseqFência os que est#o nos veros se di9 que andam na lu9, e s#o
chamados ilhos da lu9. Eue, o also sendo conirmado, o vero n#o se mostra, e que
pelo vero conirmado o also se mostra, isto é evidente por várias considera$%es" por
e0emplo, quem é que veria al&um vero espiritual, se a Palavra n#o o ensinasseH (#o
haveria aD uma espessa obscuridade que n#o poderia ser dissipada sen#o pela lu9 em
que está a Palavra, e somente naqueles que querem ser ilustradosH Eue herético pode
ver seus alsos se n#o admite o vero real da ?&rejaH <le n#o os vê antes. !ive
conversas com os que se tinham conirmado na é separada da caridade" e quando
lhes per&untei se na Palavra n#o tinham visto t#o numerosas passa&ens sobre o amor
e a caridade, sobre as obras e os atos, sobre os preceitos a observar, e que se di9 que
o homem eli9 e sábio é aquele que a9, e o insensato é o que n#o a9, eles me
responderam que quando tinham lido estas passa&ens n#o tinham visto aD outra cousa
sen#o a é, e que assim haviam passado adiante, como se tivessem os olhos echados.
/s que se conirmaram nos alsos s#o como os que vêem ranhuras sobre uma parede,
e que, quando est#o na sombra da tarde, vêem em sua antasia o conjunto dessas
ranhuras como um cavaleiro ou um homem, ima&em visionária que se dissipa quando
vem a lu9 do dia. Euem é que pode sentir a impure9a espiritual do adultério, sen#o
aquele que está na pure9a espiritual da castidadeH Euem é que pode sentir qual é a
crueldade da vin&an$a, sen#o aquele que está no bem pelo amor do prC0imoH Eual é o
adGltero, e qual é o homem ávido de vin&an$a, que n#o 9omba dos que chamam
inernais os seus pra9eres, e celestes os pra9eres do amor conju&al e do amor ao
prC0imoH < assim por diante.
$er%e!ramen"e# Poder %on>!rmar "udo =ue 0e =uer n4o , !n"el!g@n%!a< ,
un!%amen"e un!a 0u"!le/a< =ue 1ode e6!0"!r me0mo no0 ma!0 mau0. Rá
conirmadores muito hábeis, que n#o conhecem vero al&um, e contudo podem
conirmar o vero e o also, e al&uns deles di9em' J/ que é o veroH <le e0isteH / que eu
a$o vero n#o é o veroH < esses no mundo sempre se acreditaram inteli&entes" e
entretanto n#o s#o sen#o rebocadores de paredes" sC s#o inteli&entes os que
percebem que o vero é o vero, e que o conirmam por verdades continuamente
percebidas" uns e outros diicilmente podem ser distin&uidos, porque n#o se pode
distin&uir entre a lu9 da conirma$#o e a lu9 da percep$#o do vero, e porque parece
absolutamente que os que est#o na lu9 da conirma$#o est#o também na lu9 da
percep$#o do vero, quando entretanto há uma dieren$a como entre uma lu9 quimérica
e a lu9 real, e a lu9 quimérica no mundo espiritual é tal, que se muda em trevas quando
a lu9 real inlui" no inerno há uma semelhante lu9 quimérica em muitos, que n#o vêem
absolutamente cousa al&uma, quando s#o introdu9idos na lu9 real. Por isto, é evidente
que poder conirmar tudo que se quer é unicamente uma sutile9a, que pode e0istir
mesmo nos mais maus.
Em =uar"o lugar# HE uma %on>!rma34o !n"ele%"ual e n4o ao me0mo "em1o
.olun"Er!a< ma0 "oda %on>!rma34o .olun"Er!a , !n"ele%"ual "amb,m. Sejam
e0emplos para ilustra$#o' /s que conirmam a é separada da caridade, e entretanto
vivem a vida da caridade, e em &eral os que conirmam os alsos da doutrina, e
entretanto n#o vivem se&undo esses alsos, s#o os que est#o na conirma$#o
intelectual e n#o ao mesmo tempo na conirma$#o voluntária" mas os que conirmam o
also da doutrina, e vivem se&undo este also, s#o os que est#o na conirma$#o
voluntária e ao mesmo tempo na conirma$#o intelectual" isto vem de que o
entendimento n#o inlui na vontade, mas que a vontade inlui no entendimento. Por ai,
vê-se também o que é o also do mal, e o also que n#o é o also do mal" que este pode
ser conjunto ao bem, mas n#o aquele" e isso porque o also que n#o é o also do mal é
o also no entendimento e n#o na vontade, e porque o also do mal é o also no
entendimento pelo mal na vontade.
Em =u!n"o lugar# A %on>!rma34o do mal< .olun"Er!a e ao me0mo "em1o !n"ele%"ual<
>a/ %om =ue o +omem %re!a =ue a 1r51r!a 1rud@n%!a , "udo< e =ue a D!.!na
Pro.!d@n%!a nada ,< ma0 n4o , a00!m %om a 0!m1le0 %on>!rma34o !n"ele%"ual. Rá
muitos que conirmam em si a prCpria prudência se&undo as aparências no mundo,
mas n#o obstante n#o ne&am a Divina Providência" nestes há somente conirma$#o
intelectual" mas naqueles que ao mesmo tempo ne&am a Divina Providência há
também conirma$#o voluntária" e esta conirma$#o junta ) persuas#o está
principalmente naqueles que s#o adoradores da nature9a e ao mesmo tempo
adoradores deles mesmos.
Em 0e6"o lugar# $oda %ou0a %on>!rmada 1ela .on"ade e ao me0mo "em1o 1elo
en"end!men"o 1ermane%e e"ernamen"e< ma0 n4o o =ue >o! %on>!rmado 0omen"e
1elo en"end!men"o. 7om eeito, o que pertence ao entendimento sC n#o está no
homem, mas está ora dele" isto está somente no pensamento" e nada entra no
homem, nem lhe é apropriado, sen#o o que é recebido pela vontade, pois isto se torna
cousa do amor de sua vida" que isso permane$a eternamente, é o que vai ser dito no
nGmero se&uinte.
+1-. Se todas as cousas conirmadas pela vontade e ao mesmo tempo pelo
entendimento permanecem eternamente, é porque cada um é seu amor, e seu amor
pertence ) sua vontade" além disso também, porque cada homem é seu bem ou seu
mal, pois é chamado bem tudo que pertence ao amor, e mal tudo que é oposto. Pois
que o homem é seu amor, é também a orma de seu amor, e pode ser chamado o
Cr&#o do amor de sua vida. Acima, n* 41-, oi dito que as aei$%es do amor e por
conse&uinte os pensamentos do homem s#o mudan$as e varia$%es do estado e da
orma das substNncias or&Nnicas de sua mente, a&ora se dirá o que s#o estas
mudan$as e estas varia$%es, e quais s#o" pode-se ter uma idéia disso pelo 7ora$#o e
o Pulm#o, em que há e0pans%es e compress%es, ou dilata$%es e contra$%es
alternativas, que no cora$#o s#o chamadas sDstole e diástole, e no pulm#o respira$%es,
as quais s#o e0tens%es e reten$%es, ou alar&amentos e encolhimentos recDprocos de
seus lCbulos" est#o ai as mudan$as e varia$%es de estado do cora$#o e do pulm#o" há
semelhantes a estas nas outras vDsceras do corpo, e também semelhantes em suas
partes, pelas quais o san&ue e o suco animal s#o recebidos e impelidos. Rá também
semelhantes nas ormas or&Nnicas da mente, que s#o os sujeitos das aei$%es e dos
pensamentos do homem, como oi mostrado acima" com esta dieren$a, que suas
e0pans%es e compress%es, ou reciproca$%es, est#o respectivamente em uma perei$#o
de tal modo superior que n#o podem ser e0pressas pelas palavras da lDn&ua natural,
mas somente pelas palavras da lDn&ua espiritual, que n#o podem ser tradu9idas sen#o
di9endo que s#o in&ira$%es e e&ira$%es vorticiliares, se&undo a maneira das hélices
perpétuas e inle0as, admiravelmente li&adas em conjunto nas ormas receptivas da
vida. A&ora se dirá quais s#o estas substNncias e estas ormas or&Nnicas nos maus, e
quais elas s#o nos bons" nos bons s#o em espirais para diante, mas nos maus para
trás" as que s#o em espirais para diante s#o voltadas para o Senhor e recebem dO<le o
inlu0o" mas as que s#o em espirais para trás s#o voltadas para o inerno, e recebem
dele o inlu0o" é preciso que se saiba que tanto quanto s#o voltadas para trás, tanto s#o
abertas por trás e echadas por diante, e que, vice-versa, tanto quanto s#o voltadas
para diante, tanto s#o abertas pela rente e echadas por trás. Por isso, pode-se ver
que orma, e que Cr&#o é o homem mau, e que orma ou que Cr&#o é o homem bom, e
que eles s#o voltados em sentido contrário" e como um sentido, uma ve9 contraDdo,
n#o pode ser virado, é evidente que tal é o sentido quando o homem morre, tal
permanece pela eternidade" é o amor da vontade do homem que a9 este sentido, ou
que vira e revira" pois, como oi dito acima, cada homem é seu amor" daD vem que cada
um depois da morte se&ue o caminho do seu amor, para o 7éu, aquele que está em
um amor bom, e para o inerno, aquele que está em um amor mau, e n#o repousa
sen#o na sociedade onde está seu amor reinante" e, o que é admirável, cada um
conhece o caminho" é como se o arejasse pelas narinas.
<B#* I). Se o homem cresse, como é a verdade, que todo bem e todo vero v,m do
Senhor, e que todo mal e todo falso v,m do inferno, no se apropriaria o bem e
no o faria merit6rio, e no se apropriaria o mal e no se faria respons'vel por
ele.
Bas coma estas proposi$%es s#o contra a cren$a dos que conirmaram em si a
aparência de que a sabedoria e a prudência vêm do homem, e n#o inluem se&undo o
estado da or&ani9a$#o de sua mente, ver acima, n* <;I( elas v#o ser demonstradas" e
para que isso seja eito distintamente, será nesta ordem' )* Aquele que conirma em si
a aparência de que a sabedoria e a prudência vêm do homem, e por conse&uinte est#o
nele como lhe pertencendo, n#o, pode ver sen#o que, se osse de outro modo, ele n#o
seria um homem, mas seria ou uma besta ou uma estátua" e entretanto é o contrário.
2* 7rer e pensar, como é a verdade, que toda bem e todo, vero vêm do Senhor, e que
todo mal e todo also vêm do inerno, Parece como impossDvel" e entretanto isso é
verdadeiramente humano e por conse&uinte an&élico. L* 7rer e penam assim' é
impossDvel para aquêles que n#o reconhecem o Divino do Senhor, e que n#o
reconhecem que os males s#o pecados" mas isso é possDvel para aquêles que
reconhecem esses dois pontos' M* /s que reconhecem esses dois pontos reletem
somente sobre os males que est#o neles, e os e0pulsam deles para o inerno donde
vêm, quando o&em deles e os têm em avers#o como pecados. N* Assim a Divina
Providência n#o apropria a nin&uém o mal, nem a pessoa al&uma o bem" mas a prCpria
prudência apropria um e outro.
+41. Bas estas proposi$%es v#o ser e0plicadas na ordem proposta.
Pr!me!ramen"e# A=uele =ue %on>!rma em 0! a a1ar@n%!a de =ue a 0abedor!a e a
1rud@n%!a .@m do +omem< e 1or %on0egu!n"e e0"4o nele %omo l+e 1er"en%endo<
n4o 1ode .er 0en4o =ue< 0e >o00e de ou"ro modo< ele n4o 0er!a um +omem< ma0
0er!a ou uma be0"a ou uma e0"E"uaA e en"re"an"o , o %on"rEr!o. @ uma lei da Divina
Providência que o homem pense como por ele mesmo e aja, prudentemente como por
ele mesmo, mas que entretanto reconhe$a que é pelo Senhor" se&ue-se daD que aquele
que pensa e a&e prudentemente como por si mesmo, e que reconhece ao mesmo
tempo que é pelo Senhor, é homem, mas n#o aquele que conirma em si que tudo o
que pensa e o que a9 é por ele mesmo" nem aquele que, porque sabe que a sabedoria
e a prudência vêm de Deus, espera sempre o inlu0o" pois este se torna como uma
estátua, e aquele como uma besta" que o que espera o inlu0o se torna, como uma
estátua, isso é evidente" pois é preciso que se mantenha de pé ou sentado, imCvel,
com as m#os pendentes, com os olhos ou echados ou abertos sem o menor
movimento, n#o pensando e n#o respirando" o que é que há ent#o da vida neleH Eue o
que crê que todas as cousas que pensa e a9 s#o dele, n#o seja dierente da besta, isto
ainda é evidente" pois pensa unicamente se&undo a mente natural, que é comum ao
homem e )s bestas, e n#o se&undo a mente racional-espiritual, que é a mente
verdadeiramente humana" pois esta mente reconhece que Deus sC pensa por si
mesmo, e que o homem, pensa por Deus" é mesmo por isso que um tal homem n#o
conhece outra dieren$a entre o homem e a besta, sen#o que o homem ala e a besta
proere sons, e acredita que um e outro morrem i&ualmente. Ainda se dirá al&uma
cousa sobre os que esperam o inlu0o' <les n#o recebem inlu0o al&um, e0ceto al&uns
que o desejam de todo cora$#o" estes por ve9es recebem al&uma resposta por uma
viva percep$#o no pensamento, ou por uma lin&ua&em tácita nele, e raramente por
uma lin&ua&em maniesta, e isso ent#o, a im de que pensem e ajam como querem e
como podem e que o que a&e sabiamente seja sábio, e o que a&e loucamente seja
louco, e jamais s#o instruDdos sobre o que devem crer nem sobre o que devem a9er" e
isso, a im de que o racional e o livre humano, que consiste em que cada um aja pelo
livre se&undo a ra9#o, em toda aparência como por si mesmo, n#o pere$a. Aqueles
que pelo inlu0o s#o instruDdos sobre o que devem crer, ou sobre o que devem a9er,
s#o instruDdos n#o pelo Senhor, nem por al&um anjo do 7éu, mas por al&um espDrito
entusiasta, Eua]er ou Boravio, e s#o sedu9idos. !odo inlu0o vindo do Senhor se a9
pela ilustra$#o do entendimento e pela aei$#o do vero, e por esta naquela.
Segundamen"e# Crer e 1en0ar< %omo , a .erdade< =ue "odo bem< e "odo .ero .@m
do Sen+or< e =ue "odo mal e "odo >al0o .@m do !n>erno< 1are%e %omo !m1o00B.elA
e en"re"an"o , .erdade!ramen"e +umano e 1or %on0egu!n"e ang,l!%o. 7rer e pensar
que todo bem e todo vero vêm do Senhor parece possDvel, desde que n#o se di&a nada
além" e isso porque é conorme ) lei teolC&ica, contra a qual n#o é permitido pensar"
mas crer que todo mal e todo also vêm do inerno parece impossDvel, porque neste
caso seria também crer que o homem nada pode pensar" mas a verdade é que o
homem pensa como por si mesmo, embora o seja, pelo inerno, porque é dado pelo
Senhor a cada um, que o pensamento, de qualquer parte que venha, pare$a nele como
seu" de outro modo o homem n#o viveria como homem, e n#o poderia ser tirado do
inerno e introdu9ido no 7éu, isto é, ser reormado como oi abundantemente mostrado
acima. @ mesmo por isso que o Senhor dá ao homem saber e por conse&uinte pensar
que está no ?nerno se está no mal, e que pensa pelo inerno se pensa pelo mal, e lhe
dá também pensar nos meios pelos quais pode sair do inerno e n#o pensar pelo
inerno, mas vir para o 7éu, e aD pensar pelo Senhor" e por im dá ao homem a
liberdade de escolha. Por isto, pode-se ver que o homem pode pensar o mal e o also
como por si mesmo, e também pensar que tal e tal cousa é um mal e um also, que por
conse&uinte há unicamente aparência que ele pensa por si mesmo, aparência sem a
qual o homem n#o seria homem. / humano mesmo, e por conse&uinte o an&élico, é
pensar se&undo a verdade, e esta é a verdade, que o homem n#o pensa por si mesmo,
mas que lhe é dado pelo Senhor pensar em toda aparência como por si mesmo.
$er%e!ramen"e# Crer e 1en0ar a00!m , !m1o00B.el 1ara o0 =ue n4o re%on+e%em o
D!.!no do Sen+or< e =ue n4o re%on+e%em =ue o0 male0 04o 1e%ado0A ma0 !00o ,
1o00B.el 1ara o0 =ue re%on+e%em e0"e0 do!0 1on"o0. Se isto é impossDvel para os
que n#o reconhecem o Divino do Senhor, é porque o Senhor sC dá ao homem o pensar
e o querer, e porque os que n#o reconhecem o Divino do Senhor, estando separados
dO<le, crêem que pensam por eles mesmos" se isso é impossDvel também para os que
n#o reconhecem que os males s#o pecados, é porque estes pensam pelo inerno, e lá
cada um ima&ina pensar por si mesmo. Bas que isso seja possDvel para o que
reconhecem estes dois pontos, é o que se pode ver pelo que oi reerido com lon&os
detalhes acima, n* 4:: a 4-,.
Em =uar"o lugar# O0 =ue re%on+e%em e0"e do!0 1on"o0 re>le"em un!%amen"e
0obre o0 male0 =ue e0"4o nele0< e o0 e61ul0am dele0 1ara o !n>erno donde .@m<
"an"o =uan"o >ogem dele0 e o0 "@m em a.er04o %omo 1e%ado0. Euem é que n#o
sabe ou n#o pode saber que o mal vem do inerno, e que o bem vem do 7éuH < quem
é que por conse&uinte n#o pode saber que, tanto quanto o homem o&e do mal e tem
avers#o a ele, tanto o&e do inerno e tem avers#o a eleH < quem é que n#o pode por
conse&uinte saber que, tanto quanto al&uém o&e do mal e o tem em avers#o, tanto
quer e ama o bem, e é por conseqFência tirado do inerno pelo Senhor e condu9ido ao
7éuH !odas estas cousas o homem racional pode ver, desde que saiba que há um
inerno e um 7éu, e que o mal vem de sua ori&em e o bem da sua" se portanto o
homem relete sobre os males que est#o nele, o que é a mesma cousa que se
e0aminar, e se o&e deles, ele se desprende do inerno e o rejeita para trás de si, e se
introdu9 no 7éu, e aD vê o Senhor em ace" se di9 que o homem a9 isso, mas o a9
como por si mesmo, ent#o pelo Senhor. Euando o homem reconhece este, vero com
um cora$#o bom e uma é piedosa, este vero é ent#o interiormente escondido em tudo
o que ele depois pensa e a9 como por si mesmo, do mesmo modo que em uma
semente o prolDico que a acompanha interiormente até ) uma nova semente, e do
mesmo modo que o a&rado no apetite de um alimento que o homem uma ve9
reconheceu ser salutar" em uma palavra, é como o cora$#o e a alma em tudo que
pensa e a9.
Em =u!n"o lugar. A00!m a D!.!na Pro.!d@n%!a n4o a1ro1r!a a n!ngu,m o mal< nem
a 1e00oa alguma o bemA ma0 a 1r51r!a 1rud@n%!a a1ro1r!a um e ou"ro. @ a
conseqFência de tudo que acaba de ser dito' / im da Divina Providência é o bem" ele
tende portanto ao bem em toda opera$#o" é por isso que ela n#o apropria a pessoa
al&uma o bem, pois assim o bem se tomaria meritCrio" e n#o apropria a nin&uém o mal,
pois assim seria tornar o homem culpado do mal" entretanto o homem a9 uma cousa e
outra pelo prCprio, porque o prCprio n#o é sen#o o mal" o prCprio de sua vontade é o
amor de si, e o prCprio de seu entendimento é o asto da prCpria inteli&ência, e daD
vem a prCpria prudência.
$ODO HO&E& PODE SER RE'OR&ADO E N;O HY PREDES$INAH;O.
+44. A s# ra9#o dita que todos oram predestinados para o 7éu, e que nin&uém o oi
para o inerno" pois todos nasceram homens, e por conse&uinte a ima&em de Deus
está neles" a ima&em de Deus neles é que pode compreender o vero e que pode a9er
o bem" poder compreender o vero vem da Divina Sabedoria, e poder a9er o bem vem
do Divino Amor" este poder é a ima&em de Deus, a qual permanece no homem de uma
mente s# e n#o é desarrai&ada dele" daD resulta que o homem pode se tornar civil e
moral, e aquele que é civil e moral pode também se tornar espiritual, pois o que é civil e
moral é o receptáculo do que é espiritual" é chamado civil o homem que conhece as
leis do reino de que é cidad#o, e que vive se&undo estas leis" e é chamado moral o
homem que a9 destas leis seus costumes e suas virtudes, e com isso conorma pela
ra9#o a sua vida. A&ora, direi como a vida civil e moral é o receptáculo da vida
espiritual' Aive se&undo estas leis, n#o somente como leis civis e morais, mas também
como 8eis Divinas, e tu serás homem espiritual. < diDcil que haja uma na$#o, por mais
bárbara que seja, que n#o tenha sancionado por leis, que n#o se deve matar, nem
cometer escorta$#o com a mulher de outrem, nem roubar, nem dar also testemunho,
nem violar os direitos de um outro" o homem civil e moral observa estas leis, a im de
ser ou de parecer bom cidad#o" mas se n#o considera ao mesmo tempo estas leis
como Divinas, é somente homem civil e moral, enquanto que se as considera também
como Divinas, se torna homem civil e moral espiritual" a dieren$a é que este n#o é
somente bom cidad#o de um reino terrestre, mas é bom cidad#o também do >eino
celeste, enquanto que aquele é bom cidad#o de um reino terrestre, mas n#o do >eino
celeste" os bens que eles a9em os distin&uem" os bens que a9em os homens civis e
morais naturais n#o s#o bens em si, pois o homem e o mundo est#o nesses bens" os
bens que a9em os homens civis e morais espirituais s#o bens em si, porque o Senhor
e o 7éu est#o nesses bens. Por estas e0plica$%es, pode-se ver que cada homem,
porque nasceu para que possa se tornar civil e moral natural, nasceu também para que
possa se tornar civil e moral espiritual" é bastante que reconhe$a Deus, e n#o a$a os
males porque s#o contra Deus, mas a$a os bens porque est#o com Deus" por isto o
espDrito entra nas cousas civis e morais do homem, e elas vivem, mas sem isso n#o há
espDrito al&um nelas, e por conse&uinte elas n#o vivem" é por isso que o homem
natural, de qualquer maneira que aja civil e moralmente, é chamado morto, enquanto
que o homem espiritual é chamado vivo. @ pela Divina Providência do Senhor que cada
na$#o tem al&uma reli&i#o, e que o principal de toda reli&i#o é reconhecer que há um
Deus, pois de outro modo n#o seria chamada, reli&i#o" e toda na$#o que vive se&undo
sua reli&i#o, quer di9er, que n#o a9 o mal porque o mal é contra seu Deus, recebe
al&um espiritual em seu natural. Euem é que, quando ouve al&um &entio di9er que n#o
quer a9er tal ou tal mal porque o mal. é contra seu Deus, n#o di9 em si mesmo' J(#o
será salvo este homemH Parece-me que n#o pode ser de outro modoJ" a s# ra9#o lhe
dita isso. <, de outro lado, quem é que, quando ouve um crist#o di9er' J7onsidero
como nada tal ou tal mal, que me importa que se pretenda que isso é contra DeusJ,
n#o di9 em si mesmo' J<ste homem será salvoH Parece-me que n#o é possDvelJ" a s#
ra9#o dita também isso. Se este homem di9' V(asci crist#o, sou bati9ado, conhe$o o
Senhor, tenho lido a Palavra, tenho participado do sacramento da ceiaJ" vale tudo isso
al&uma cousa, quando ele n#o considera como pecados os homicDdios ou as vin&an$as
tendendo ao assassinato, os adultérios, os roubos clandestinos, os alsos testemunhos
ou as mentiras, e diversas violênciasH Pensa um tal homem em Deus ou em al&uma
vida eternaH Pensa mesmo ele que haja um Deus e uma vida eternaH (#o dita a s#
ra9#o que um tal homem n#o pode ser salvoH ?sto oi dito do crist#o, porque o &entio,
mais do que o crist#o, pensa em Deus se&undo a reli&i#o de sua vida. Bas no que vai
se&uir-se será dito mais sobre este assunto nesta ordem' I. / im da cria$#o é o 7éu
proveniente do Gênero Rumano. II. Por conse&uinte é da Divina Providência, que todo
homem possa ser salvo, e que sejam salvos os que reconhecem um Deus e vivem
bem. III. @ culpa do homem mesmo, se n#o é salvo. IV. Assim todos oram
predestinados para o 7éu, e nin&uém o é para o inerno.
+4+* I. . fim da cria1o é o 2éu proveniente do 4,nero 5umano.
Eue o 7éu n#o seja composto sen#o daqueles que nasceram homens, isso oi
mostrado no Tratado do Céu e do Inferno( publicado em 8ondres, em 112:, e também
acima" e pois que o 7éu n#o é composto por outros, se&ue-se que o im da cria$#o é o
7éu proveniente do Gênero Rumano. Eue tal tenha sido o im da cria$#o, isso, é
verdade, oi demonstrado acima, n* 41 a ,2" mas se verá isso mais claramente pela
e0plica$#o das proposi$%es se&uintes' )*. !odo homem oi criado para viver
eternamente. 2* !odo homem oi criado para viver eternamente em um estado eli9. L*
Assim todo homem oi criado para viver no 7éu. M* / Divino Amor n#o pode a9er outra
cousa sen#o querer isso, nem a Divina Sabedoria a9er outra cousa sen#o prover a
isso.
+4,. 7omo, por estas e0plica$%es, pode-se ver também que a Divina Providência n#o é
uma predestina$#o sen#o para o 7éu, e que ela n#o pode tampouco ser mudada em
uma outra predestina$#o, será demonstrado aqui, que o im da cria$#o é o 7éu
proveniente do Gênero humano, e isso na ordem proposta.
Pr!me!ramen"e# $odo +omem >o! %r!ado 1ara .!.er e"ernamen"e. (o Tratado do
Divino Amor e da Divina Sabedoria( Partes ??? e A, oi mostrado que no homem há três
&raus da vida, que s#o chamados natural, espiritual e celeste, e que estes &raus est#o
eetivamente em cada homem" e que nas bestas n#o há sen#o um sC &rau da vida, o
qual é semelhante ao Gltimo &rau que, no homem, é chamado natural" daD se&ue-se
que o homem, pela eleva$#o de sua vida para o Senhor, está, e mais do que as bestas,
neste estado em que pode compreender cousas que pertencem ) Divina Sabedoria, e
querer cousas que pertencem ao Divino Amor, assim receber o Divino" e aquele que
pode receber o Divino, ao ponto de vê-lo e de percebê-lo em si, n#o pode sen#o ser
conjunto ao Senhor, e por esta conjun$#o viver eternamente. Para que serviria ao
Senhor toda a cria$#o do 3niverso, se n#o tivesse criado também ima&ens e
semelhan$as de Si Besmo, )s quais pudesse comunicar Seu DivinoH De outro modo,
que teria sido isso, sen#o a9er que al&uma cousa seja e n#o seja, ou que al&uma
cousa e0ista e n#o e0ista, e isso sem outro im sen#o poder contemplar de lon&e puras
vicissitudes e continuas varia$%es como sobre al&um teatro" Eue seria o Divino nestas
ima&ens e semelhan$as, se elas n#o ossem para este im, que servissem de sujeitos
para que recebessem o Divino de mais perto, e que o vissem e o sentissemH < como o
Divino é de uma &lCria ines&otável, reteria ele isso em si sC, e o poderiaH Pois o amor
quer comunicar o que é seu a um outro, e mesmo dar do seu tanto quanto pode" com
quanto mais ortes ra9%es o Divino Amor, que é ?ninitoH Pode ele dar e retomarH Dar o
que deve perecer, n#o seria dar o que interiormente em si n#o é al&uma cousa, pois
que perecendo isso se tornaria em nada, e que nisto n#o há o que @H Bas ele dá o que
@, ou o que n#o cessa de Ser, e isso é eterno. Para que o homem viva eternamente, o
que há nele de mortal lhe é tirado" o mortal nele é o corpo material, que é tirado por sua
morte" assim é posto a nu seu imortal, que é sua mente, e ele se torna ent#o um
espDrito em uma orma humana" sua mente é este espDrito. Eue a Bente do homem n#o
possa morrer, é os que viram os Sophi ou sábios anti&os" pois di9iam' J7omo o animu
ou a mente pode morrer, pois que pode ser sábioHJ Poucos homens hoje conhecem a
idéia interior destes ilCsoos sobre este ponto" esta idéia que cala do 7éu em sua
percep$#o comum, era que Deus é a Sabedoria mesma, de que o homem é
participante, e que Deus é imortal ou eterno. Pois que me oi dado conversar com os
Anjos, direi também al&uma cousa pela e0periência' !ive conversas com os que
viveram há um &rande nGmero de séculos, com os que viveram antes do dilGvio e com
al&uns que viveram apCs o dilGvio, com os que viveram no tempo do Senhor e com um
de seus apCstolos, com vários que viveram nos séculos se&uintes, e todos me
pareceram como homens de uma idade média, e me disseram que i&noravam o que é
a morte, que sabiam somente que é a dana$#o. !odos aqueles mesmos que viveram
bem, quando che&am no 7éu, retornam ) sua idade de jovens no mundo, e aD
permanecem eternamente, mesmo os que no mundo che&aram ) velhice e )
decrepitude" e as mulheres, ainda que tenham sido velhas e decrépitas, voltam ) lor
da idade e da bele9a. Eue o homem depois da morte vive eternamente, isso é bem
evidente pela Palavra, onde a vida no 7éu é chamada vida eterna, como em Bateus
1-*, 4-" 42*, ,5" Barcos 16*, 11" 8ucas 16*, 42" 1:*, +6" ;o#o +*, 12, 15, +5" 2*, 4,, 42,
4-" 5*, 41, ,6, 5:" 14*, 26" além disso também simplesmente Aida, Bateus 1:*, :, -"
;o#o 2*, ,6" 46*, +1. / Senhor disse também aos DiscDpulos' JPorque <u vivo" vCs
também vivereisJ L;o#o 1,*, 1-M" e a respeito da ressurrei$#o, que JDeus é um Deus de
vivos, e n#o um Deus de mortosJ" e também que eles n#o podem mais morrer L8ucas
46*, +5, +:M.
Segundamen"e# $odo +omem >o! %r!ado 1ara .!.er e"ernamen"e em um e0"ado
>el!/. @ a conseqFência disso" pois Aquele que quer que o homem viva eternamente,
quer também que ele viva em um estado eli9" o que é a vida eterna sen#o esse
estadoH !odo amor quer bem a um outro' o amor dos pais quer bem aos ilhos, o amor
do noivo e do marido quer bem ) noiva e ) esposa, e o amor da ami9ade quer bem aos
ami&os" o que n#o deve querer o Divino AmorH < o bem que outra cousa é sen#o o
pra9erH < o Divino =em que outra cousa é sen#o a beatitude eternaH !odo bem é
chamado bem pelo pra9er ou a beatitude desse bem" chama-se bem, é verdade, o que
é dado e o que é possuDdo, mas se nele n#o há o pra9er, é um bem estéril, que em si
mesmo n#o é um bem" por estas e0plica$%es é evidente que a vida eterna é também a
beatitude eterna. <ste estado do homem é o im da cria$#o" mas se sC os que v#o para
o 7éu est#o neste estado, n#o é culpa do Senhor, mas do homem" que seja culpa do
homem, ver-se-á no que se&ue.
$er%e!ramen"e# A00!m "odo +omem >o! %r!ado 1ara !r 1ara o C,u. <ste é o im da
cria$#o" mas se todos n#o v#o para o 7éu, é porque se embebem dos pra9eres do
inerno opostos ) beatitude do 7éu" e os que n#o est#o na beatitude do 7éu n#o
podem entrar no 7éu, pois n#o o podem suportar. (#o é recusado a quem quer que
seja que esteja no mundo espiritual subir ao 7éu" mas quando o que está no pra9er do
inerno entra no 7éu, seu cora$#o palpita, sua respira$#o ica penosa, a vida come$a a
perecer, ele suoca, e está na tortura, e se rola como uma serpente apro0imada do
o&o" e isso é assim, porque o oposto a&e contra o oposto. (#o obstante, como
nasceram homens, e por isso est#o na aculdade de pensar e de querer, e por
conse&uinte na aculdade de alar e de a&ir, eles n#o podem morrer" mas como n#o
podem viver com outros sen#o com aqueles que est#o em um pra9er semelhante da
vida, s#o reenviados para junto destes" por conseqFência os que est#o nos pra9eres do
mal, e os que est#o nos pra9eres do bem, s#o respectivamente enviados para seus
semelhantes" é mesmo concedido a cada um estar no pra9er de seu mal, desde que
n#o ineste os que est#o no pra9er do bem" mas como o mal n#o pode a9er outra
cousa sen#o inestar o bem, pois no mal há Cdio contra o bem, é por isso que, a im de
que n#o causem dano, eles s#o aastados e precipitados em seus lu&ares no inerno,
onde seu pra9er é mudado em despra9er. Bas isso n#o impede que por cria$#o e, por
conse&uinte despra9er conse&uinte de nascen$a o homem seja tal, que possa ir para o
7éu" pois quem quer que morra como crian$a vai para o 7éu, aD é educado e instruDdo
como o homem no mundo" e, pela aei$#o do bem e do vero, é imbuDdo de sabedoria e
se torna um anjo" poderá dar-se o mesmo com o homem que é educado e instruDdo no
mundo, pois a mesma capacidade que há na crian$a há nele" sobre as crian$as no
Bundo espiritual, ver no Tratado do Céu e do Inferno( publicado em 8ondres em 112:,
n* +4- a +,2. Se n#o é assim para um &rande nGmero no Bundo, é porque eles amam
o primeiro &rau de sua vida, que é chamado natural, e n#o querem se retirar dele e se
tornarem espirituais" ora, considerado em si mesmo, o primeiro &rau da vida n#o ama
sen#o a si mesmo e ao mundo" pois está em coerência com os sentidos do corpo, que
pertencem também ao mundo" mas considerado em si mesmo, o &rau espiritual da
vida ama o Senhor e o 7éu, e ama também a si mesmo e ao mundo, mas Deus e o
7éu como superior, principal e dominante, e a si mesmo e ao mundo como interior,
instrumental e servo.
Em =uar"o lugar# O D!.!no Amor n4o 1ode >a/er ou"ra %ou0a 0endo =uerer !00o<
nem a D!.!na Sabedor!a >a/er ou"ra %ou0a 0endo 1ro.er a !00o. Eue a Divina
<ssência seja o Divino Amor e a Divina Sabedoria, isso oi plenamente mostrado no
Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria3 também oi demonstrado, n* +2: a +16,
que em todo embri#o humano o Senhor orma dois receptáculos, um do Divino Amor e
outro da Divina Sabedoria, o receptáculo do Divino Amor para a utura Aontade do
homem, e o receptáculo da Divina Sabedoria para seu uturo entendimento" e que
assim pIs em cada homem a aculdade de querer o bem e a aculdade de
compreender o vero. /ra, como o homem tem de nascimento estas duas aculdades
que lhe s#o dadas pelo Senhor, e que o Senhor está nelas como no que 8he pertence
no homem, é evidente que Seu Divino Amor n#o pode a9er outra cousa sen#o querer
que o homem vá para o 7éu, e aD possa &o9ar a beatitude eterna, e que a Divina
Sabedoria n#o possa tampouco a9er outra cousa sen#o prover a isso. Bas como é do
Divino Amor que o homem sinta a elicidade celeste em si como sua, e que isso n#o
pode se a9er, a n#o ser que o homem seja mantido em toda a aparência de que
pensa, quer, ala e a&e por si mesmo, o Senhor por isso mesmo n#o pode condu9ir o
homem sen#o se&undo as leis de Sua Divina Providência.
+42. II. +or conse(uinte é da Divina +rovid,ncia que todo homem possa ser
salvo, e que se-am salvos os que reconhecem um Deus e vivem bem.
Eue todo homem possa ser salvo, isto é evidente pelo que oi demonstrado acima.
Al&uns s#o de opini#o que a ?&reja do Senhor está unicamente no Bundo crist#o,
porque aD somente é conhecido o Senhor, e que aD somente está a Palavra, mas
entretanto há muitos que crêem que a ?&reja é comum, ou estendida e espalhada sobre
todo o &lobo terrestre, assim mesmo entre os que n#o conhecem o Senhor, e n#o têm
a Sua Palavra" di9em que n#o é culpa destes, que haja para eles i&norNncia invencDvel,
e que é contra o Amor e a BisericCrdia de Deus que certos homens nas$am para o
inerno, quando entretanto s#o i&ualmente homens. /ra, pois que nos crist#os, sen#o
em todos, pelo menos em um &rande nGmero, há a cren$a de que a ?&reja é comum e
ela é mesmo chamada 7omunh#o se&ue-se que há cousas muito comuns da ?&reja,
que entram em todas as reli&i%es, e a9em esta 7omunh#o" que estas cousas muito
comum sejam o reconhecimento de Deus e o bem da vida, ser-se-á na ordem se&uinte'
)* / reconhecimento de Deus a9 a conjun$#o de Deus com o homem, e do homem
com Deus, e a ne&a$#o de Deus a9 a disjun$#o. 2* 7ada um reconhece Deus e é
conjunto a Deus se&undo o bem de sua vida. L* / bem da vida, ou viver bem, é u&ir
dos males porque s#o contra a reli&i#o, assim contra Deus. M* <st#o aD )s cousas
comuns de todas as reli&i%es, e pelas quais cada um pode ser salvo.
+4+. Bas estas proposi$%es v#o ser e0aminadas e demonstradas separadamente.
Pr!me!ramen"e# O re%on+e%!men"o de Deu0 >a/ a %on-un34o de Deu0 %om o
+omem e do +omem %om Deu0< e a nega34o de Deu0 >a/ a d!0-un34o. Al&uns
podem pensar que os que n#o reconhecem Deus podem ser salvos como os que o
reconhecem desde que levem uma vida moral" di9em" J/ que opera o
reconhecimentoH (#o é ele um pensamento somenteH (#o posso acilmente
reconhecer, quando sei com certe9a que há um DeusH /uvi alar dO<le, mas n#o / vi"
a9 com que eu / veja, e crereiJ. !al é a lin&ua&em que usam muitos dos que ne&am
Deus, quando lhes é permitido raciocinar livremente com um homem que reconhece
Deus. Bas que o reconhecimento de Deus conjunta, e que a ne&a$#o de
Deus disjunta, isto vai ser ilustrado por certas cousas de que tive conhecimento no
Bundo espiritual' 8á, quando al&uém pensa em um outro e quer conversar com ele,
imediatamente o outro se apresenta" isto aD é comum e n#o alha jamais" a ra9#o disso
é que, no Bundo espiritual, n#o há distNncia como no Bundo natural, mas há somente
aparência de distNncia. 3ma outra cousa é que, do mesmo modo que o pensamento
por al&um conhecimento de um outro a9 a presen$a, desse mesmo modo o amor por
al&uma aei$#o por um outro a9 a conjun$#o, pela qual acontece que os dois v#o
juntos e conversam ami&)velmente, moram na mesma casa ou na, mesma sociedade,
se reGnem reqFentemente, e se prestam servi$os mutuamente. / contrário também
acontece" assim, quando um n#o ama o outro, e mais ainda quando o odeia, ele n#o o
vê, e n#o vai para junto dele, e est#o tanto mais aastados um do outro, quanto n#o o
ama, ou quanto o odeia, e mesmo se ele está presente, e que ent#o se lembre de seu
Cdio, ele se torna invisDvel. Por estes poucos e0emplos, pode-se ver donde vem a
presen$a e donde vem a conjun$#o no Bundo espiritual, isto é, que a presen$a vem da
lembran$a de um outro com o desejo de vê-lo, e que a conjun$#o vem da aei$#o que
pertence ao amor. Dá-se o mesmo com todas as cousas que est#o na mente humana"
há inumeráveis, e elas aD est#o todas consociadas e conjuntas se&undo as aei$%es, ou
conorme uma ama, a outra. <sta conjun$#o é a conjun$#o espiritual, que é
semelhante a si mesma nos comuns e nos particulares" esta conjun$#o espiritual tem
sua ori&em na conjun$#o do Senhor com o Bundo espiritual, e com o Bundo natural,
no comum e no particular" pois isto é evidente que, tanto quanto al&uém conhece o
Senhor, e pensa nO<le se&undo os conhecimentos, tanto o Senhor está presente, e
tanto,quanto al&uém / reconhece se&undo a aei$#o do amor, tanto, o Senhor 8he é
conjunto" e que, vice-versa, tanto quanto al&uém n#o conhece o Senhor, tanto o
Senhor está ausente, e que tanto quanto al&uém / ne&a, tanto está disjunto dO<le. A
conjun$#o a9 com que o Senhor volte ) ace do homem para <le, e ent#o o condu9a" e
a disjun$#o a9 com que o inerno volte ) ace do homem para ele, e o condu9a" é por
isso que todos os anjos do 7éu voltam suas aces para o Senhor como Sol, e todos os
espDritos do inerno desviam suas aces do Senhor. Por estas e0plica$%es, vê-se
claramente o que opera o reconhecimento de Deus, e o que opera a ne&a$#o de Deus.
Aquêles também que ne&am Deus no Bundo, o ne&am depois da morte" e se tomam
or&ani9ados se&undo a descri$#o acima, n* +1-, e a or&ani9a$#o contraDda no mundo
permanece eternamente.
Segundamen"e# Cada um re%on+e%e Deu0 e , %on-un"o a Deu0 0egundo o bem de
0ua .!da. !odos os que sabem al&uma cousa da reli&i#o podem reconhecer Deus"
podem também alar de Deus se&undo a ciência ou a memCria, e mesmo al&uns
pensar de Deus pelo entendimento" mas isso, se o homem n#o vive bem, n#o a9
sen#o a presen$a, pois pode n#o obstante se desviar de Deus, e se voltar para o
inerno, o que acontece se ele vive mal. Bas reconhecer de cora$#o Deus, nenhum
outro o pode a9er sen#o o que vive bem" estes, o Senhor se&undo o bem de sua vida
os aasta do inerno, e os volta para <le" isto vem de que sCs eles amam Deus, pois
amam os Divinos que procedem dO<le, a9endo-os" os Divinos que procedem de Deus
s#o os preceitos de Sua lei" estes Divinos s#o Deus, porque <le Besmo é seu Divino
procedente, e é isto amar Deus" é por isso que o Senhor disse' VAquele que a9 os
meus mandamentos, é esse que me ama" mas aquele que n#o a9 os meus
mandamentos, esse n#o me amaJ L;o#o 1,*, 41 a 4,M. @ por esta ra9#o que há duas
!ábuas do Decálo&o, uma para Deus, e a outra para o homem" Deus opera
continuamente para que o homem receba as cousas que est#o na !ábua de Deus,
mas se o homem n#o a9 as cousas que est#o na sua !ábua, n#o recebe pelo
reconhecimento do cora$#o as que est#o na !ábua de Deus, e se n#o as recebe, n#o é
con1unto3 é por isso que estas duas !ábuas oram conjuntas para ser um, e oram
chamadas !ábuas da alian$a" e alian$a si&niica conjun$#o. / que a9 com que cada
um reconhe$a Deus e seja conjunto a Deus se&undo o bem de sua vida, é, que o bem
da vida é semelhante ao bem que está no Senhor, e por conseqFência que vem do
Senhor" quando portanto o homem está no bem da vida, a conjun$#o se a9. /
contrário acontece com o mal da vida" este mal rejeita o Senhor.
$er%e!ramen"e. O bem da .!da< ou .!.er bem< , >ug!r do0 male0 1or=ue 04o %on"ra
a rel!g!4o< a00!m %on"ra Deu0. Eue esteja aD o bem da vida, ou viver bem, é o que oi
plenamente demonstrado na Doutrina de +ida !ara a )ova %erualém( desde o come$o
até ao im. <is unicamente o que acrescentarei' Se a9es bens com toda abundNncia,
por e0emplo, se constrCis templos, e os embele9as e os enches de dádivas, se provês
)s despesas de hospitais e de hospDcios, se dás cada dia esmolas, se socorres as
viGvas e os Cr#os, se assistes re&ularmente )s cerimInias do culto, se mesmo a
respeito das cousas santas, pensas, alas e pre&as como de cora$#o, e se entretanto
n#o o&es dos males como pecados contra Deus todos esses bens n#o s#o bens, s#o
cousas ou hipCcritas ou meritCrias" pois n#o obstante há interiormente nelas o mal, pois
que a vida de cada um está em todas e cada uma das cousas que ele a9. Por isto é
evidente que u&ir dos males porque s#o pecados contra a reli&i#o, assim contra Deus,
é !iver bem.
Em =uar"o lugar. E0"4o aB K0 %ou0a0 %omun0 de "oda0 a0 rel!g!Qe0< e 1ela0 =ua!0
%ada um 1ode 0er 0al.o. >econhecer um Deus, e n#o a9er o mal porque é contra
Deus, s#o as duas cousas que a9em com que uma reli&i#o seja uma reli&i#o" se uma
alta, n#o se pode di9er que haja reli&i#o" pois reconhecer um Deus e a9er o mal, isso
é contraditCrio" o mesmo é a9er o bem e n#o reconhecer um Deus" pois um n#o pode
ter lu&ar sem o outro. Koi provido pelo Senhor a que quase por toda parte haja uma
reli&i#o, e a que em cada reli&i#o haja estas duas cousas" e oi também provido pelo
Senhor a que quem quer que, e n#o a$a o mal porque é contra Deus, tenha um lu&ar
no 7éu" pois o 7éu mo comple0o apresenta a semelhan$a de um Romem, cuja vida ou
alma é o Senhor" neste Romem celeste est#o todas as cousas que est#o no homem
natural, com uma dieren$a tal como a que e0iste entre os celestes e os naturais.
Sabe-se que no homem há n#o somente ormas or&ani9adas, consistindo em vasos
san&uDneos e em ibras nervosas, que s#o chamadas vDsceras, mas que há também
peles, membranas, tend%es, cartila&ens, ossos, unhas e dentes" estas Gltimas partes
s#o vivas em um menor &rau do que as ormas or&ani9adas )s quais servem de
li&amentos, de te&umentos e de sustentáculos" este Romem celeste, que é o 7éu, para
que nele haja todas estas cousas, n#o pode ser composto de homens de uma Gnica
reli&i#o, mas é preciso que o seja de homens de várias reli&i%es" daD todos os que
aplicam ) sua vida estes dois universais da ?&reja têm um lu&ar neste Romem celeste,
quer di9er, no 7éu, e &o9am da elicidade em seu &rau" mas sobre este assunto vê-se
maiores detalhes acima, n* 42,. Eue estas duas cousas sejam as principais em toda
reli&i#o, pode-se vê-lo no ato de serem as duas cousas que ensina o Decálo&o" e o
Decálo&o, oi o come$o da Palavra" oi promul&ado de viva vo9 por ;eová do alto da
montanha do Sinai, e escrito pelo dedo de Deus sobre duas !ábuas de pedra" e, tendo
sido depois colocado na Arca, era chamado ;eová e constituDa o santo dos santos no
!abernáculo e o santuário no !emplo de ;erusalém, e por ele sC tudo o que estava na
Arca era santo" sem alar de várias outras cousas concernentes ao Decálo&o na Arca,
as quais oram reeridas, se&undo a Palavra, na Doutrina de vida !ara a )ova
%erualém( n* 2+ a 51" acrescentarei a isso estas' Sabe-se, pela Palavra, que a Arca,
onde estavam as duas !ábuas sobre as quais o Decálo&o tinha sido &ravado, oi
tomada pelos Kilisteus e colocada no templo de Da&on em Aschdod" que Da&on caiu
por terra diante dela, e que em se&uida sua cabe$a e suas duas m#os separadas do
corpo oram encontradas estendidas no limiar do templo" que os Aschdodianos e os
<]ronitas, em nGmero de vários milhares, oram atacados de hemorrCides por causa da
Arca, e suas terras oram devastadas pelos ratos" depois, também, os Kilisteus pelo
conselho dos principais de sua na$#o i9eram cinco hemorrCides e cinco ratos de ouro,
e um carro novo, e sobre o carro colocaram a Arca, e perto dela as hemorrCides e os
ratos de ouro" e por duas vacas que berravam no caminho diante do carro, eles
restituDram a Arca aos ilhos de ?srael, que sacriicaram as vacas e o carro" ver ?
Samuel 2* e 5*. Será dito a&ora o que todas estas cousas si&niicavam' /s ilisteus
si&niicavam os que est#o na é separada da caridade" Da&on representava esta
reli&iosidade" as hemorrCides de que oram atacados si&niicavam os amores naturais
que, sendo separados do amor espiritual, s#o impuros, e os ratos si&niicavam a
devasta$#o da ?&reja pelas alsiica$%es do vero" o carro novo, sobre o qual haviam
devolvido a Arca, si&niicava a doutrina nova, mas natural, pois o carro na Palavra
si&niica a doutrina se&undo os veros espirituais" as vacas si&niicavam as aei$%es
naturais boas" as hemorrCides de ouro si&niicavam os amores naturais puriicados e
tomados bons" os ratos de ouro si&niicavam que a vasta$#o da ?&reja é retirada pelo
bem, pois o ouro na Palavra si&niica o bem" o mu&ido das vacas no caminho
si&niicava a diDcil convers#o das cobi$as de mal do homem natural em aei$%es boas"
os sacriDcios em holocausto das vacas com o carro si&niicava que assim o Senhor se
tornou propDcio. S#o estas as cousas que s#o entendidas espiritualmente por estes
histCricos" reGne-os em um sC sentido, e a9 a aplica$#o deles. Eue os que est#o na, é
separada da caridade tenham sido representados pelos Kilisteus, vê-se na Doutrina da
)ova %erualém obre a "é( n* ,- a 2,. < que a Arca por causa do Decálo&o que aD
estava, encerrado tenha sido a cousa mais santa da ?&reja, vê-se na Doutrina de vida
!ara a )ova %erualém( n* 2+ a 51.
+41. III. * culpa do homem, mesmo, se no é salvo.
@ um vero reconhecido por todo homem racional lo&o que o ouve enunciar, que do
bem n#o pode decorrer o mal, nem do mal o bem, porque s#o opostos" que por
conseqFência do bem n#o decorre sen#o o bem, e do mal sen#o o mal" quando este
vero é reconhecido, é reconhecido também que o bem pode ser virado em mal, n#o por
um bom recipiente, mas por um mau, pois toda orma em, sua prCpria qualidade o que
inlui nela" ver acima, n* 4-4. /ra, como o Senhor é o Divino =em em sua essência
mesma, ou o =em Besmo, é evidente que o mal n#o pode decorrer do Senhor nem ter
produ9ido por <le, mas que o bem pode ser virado em mal por um sujeito recipiente,
cuja orma é a orma do mal" um tal sujeito é o homem quanto a seu prCprio" este
sujeito recebe continuamente do Senhor o bem, e continuamente o torce na qualidade
de sua orma, que é a orma do mal" se&ue-se dai que é culpa do homem se ele n#o é
salvo. / mal, é verdade, vem do inerno, mas pelo ato de o homem o receber de lá
como seu, e por isso se apropriá-lo, se&ue-se que é a mesma cousa, quer se di&a que
o mal vem do homem, quer se di&a que o mal vem do inerno. Bas de onde vem )
apropria$#o do mal até ao ponto de que por im a reli&i#o Perece, é o que vai ser dito
nesta ordem' )* !oda reli&i#o pela sucess#o do tempo decresce e é consumida. 2*
!oda reli&i#o decresce e é consumida pela destrui$#o da ima&em de Deus no homem.
L* ?sso tem lu&ar pelo acréscimo constante do mal hereditário nas &era$%es. M* (#o
obstante é provido pelo Senhor a que cada um possa ser salvo. N* @ também provido a
que uma (ova ?&reja suceda ) ?&reja precedente devastada.
+4:. <stas proposi$%es v#o ser demonstradas em série.
Pr!me!ramen"e# $oda rel!g!4o 1ela 0u%e004o do "em1o de%re0%e e , %on0um!da.
Sobre esta terra houve várias ?&rejas, uma apCs outra" pois onde há &ênero humano, aD
há ?&reja, pois que o 7éu, que é o im da cria$#o, se comp%e do &ênero humano, como
oi demonstrado, acima, e homem al&um pode ir para o 7éu, se n#o está nos dois
universais da ?&reja, que s#o reconhecer um Deus e viver bem, como acaba de ser
mostrado acima, n* +45" se&ue-se daD que sobre esta terra houve ?&rejas desde os
tempos mais anti&os até ao tempo atual. <stas ?&rejas s#o descritas na Palavra, mas
n#o historicamente, e0ceto a ?&reja ?sraelita e ;udaica, antes da qual entretanto houve
várias, e estas oram descritas somente por nomes de na$%es e de pessoas, e por
certas particularidades que as concernem. A AntiqFDssima ?&reja, que oi a Primeira, oi
descrita por Ad#o e <va sua esposa. A ?&reja se&uinte, que deve ser chamada ?&reja
Anti&a, oi descrita por (oé e seus três ilhos, e por seus descendentes" esta oi vasta e
espalhou-se em vários reinos da Usia, principalmente na !erra de 7ana#, aquém e
além do ;ord#o, na SDria, na AssDria e na 7aldéia, na BesopotNmia, no <&ito, na
Arábia, em !iro e Sidon" entre eles estava a anti&a Palavra, de que se alou na
Doutrina da )ova %erualém obre a Ecritura Santa( n*
s
161, 164 e 16+. Eue esta
?&reja tenha e0istido nestes reinos, isso é evidente por diversas particularidades que os
concernem, reeridas nos Proéticos da Palavra. <sta ?&reja, entretanto, oi
not)velmente mudada por <ber, de quem a ?&reja Rebraica se ori&ina" oi nesta que o
culto pelos sacriDcios oi primeiramente instituDdo. Da ?&reja Rebraica nasceu a ?&reja
?sraelita e ;udaica, instituDda entretanto com solenidade por causa da Palavra que aD
devia ser escrita. <stas quatro ?&rejas s#o entendidas pela estátua que (abucodonosor
viu em sonho, da qual a cabe$a era de ouro puro, o peito e os bra$os de prata, o ventre
e as co0as de bron9e, as pernas e os pés de erro e ar&ila LDaniel 4*, +4, ++M. (#o é
tampouco entendida outra cousa pelos Séculos de ouro, de prata, de bron9e e de erro,
de que alam os escritores da anti&uidade. Eue ) ?&reja ;udaica tenha sucedido a ?&reja
7rist#, isso é sabido. Eue todas estas ?&rejas, pela sucess#o do tempo, tenham
decrescido até seu im, que é chamado 7onsuma$#o, pode-se vê-lo também pela
Palavra. A 7onsuma$#o da AntiqFDssima ?&reja, que teve lu&ar pela a$#o de comer da
árvore da ciência, a$#o que si&niica o asto da prCpria inteli&ência, é descrita pelo
DilGvio. A 7onsuma$#o da Anti&a ?&reja é descrita por diversas devasta$%es de
na$%es, de que se ala na Palavra tanto RistCrica como Proética, principalmente pela
e0puls#o das na$%es para ora da !erra de 7ana# pelos ilhos de ?srael. A
7onsuma$#o da ?&reja ?sraelita e ;udaica é entendida pela destrui$#o do !emplo de
;erusalém, e pela transporta$#o do povo ?sraelita em cativeiro perpétuo, e a da na$#o
;udaica para a =abilInia" e enim pela se&unda destrui$#o do !emplo e ao mesmo
tempo de ;erusalém, e pela dispers#o desta na$#o" esta 7onsuma$#o está predita em
um &rande nGmero de passa&ens nos Proetas, e em Daniel -*, 4, a 41. Euanto )
?&reja 7rist#, a sua vasta$#o sucessiva até ao im é descrita pelo Senhor em Bateus,
7ap. 4,*" em Barcos, 7ap. 1+*" e em 8ucas, 7ap. 41*" e sua 7onsuma$#o mesma é
descrita no Apocalipse. Por isto, pode-se ver que pela sucess#o do tempo a ?&reja
decresce e é consumada" por conseqFência também a reli&ião*
Segundamen"e# $oda rel!g!4o de%re0%e e , %on0umada 1ela de0"ru!34o da
!magem de Deu0 no +omem. Sabe-se que o homem oi criado ) ima&em de Deus,
se&undo a semelhan$a de Deus LGên. 1*, 45M" mas vai ser dito o que é a ima&em e o
que é a semelhan$a de Deus" Deus sC é o Amor e a Sabedoria" o homem oi criado
para ser um receptáculo de um e de outro, sua vontade para ser um receptáculo do
Divino, Amor, e seu entendimento para ser um receptáculo da Divina Sabedoria. Eue
estes dois estejam por cria$#o no homem, e constituam o homem, e que mesmo em
cada um eles sejam ormados no Gtero, é o que oi mostrado acima" o homem, portanto
é a ima&em de Deus, pelo ato de ser um recipiente da Divina Sabedoria, e é uma
semelhan$a de Deus pelo ato de ser um recipiente do Divino Amor" é por isso que o
receptáculo que é chamado entendimento é a ima&em de Deus, e o receptáculo que é
chamado vontade é a semelhan$a de Deus" portanto pois que o homem oi criado e
ormado para ser receptáculo, se&ue-se que ele oi criado e ormado para que sua
vontade receba de Deus o amor, e que seu entendimento receba de Deus a sabedoria"
o homem portanto os recebe, quando reconhece Deus e vive se&undo seus preceitos,
mas em menor ou em maior &rau, conorme pela reli&i#o conhece Deus e os preceitos"
por conseqFência conorme conhece os veros, pois os veros ensinam o que é Deus e
como deve ser reconhecido, e também o que s#o os preceitos e como se deve
conormar a vida ia, eles. A ima&em e a semelhan$a de Deus n#o s#o destruDdas no
homem, mas s#o como se ossem destruDdas" com eeito, elas permanecem Dnsitas em
suas duas aculdades, que s#o chamadas 8iberdade e >acionalidade, de que se alou
em muitos lu&ares acima" elas se tornam como se ossem destruDdas, quando o
homem e9 do receptáculo do Divino Amor, que é sua vontade, o receptáculo do amor
de si, e do receptáculo da Divina Sabedoria, que é seu entendimento, o receptáculo da
prCpria inteli&ência" por isto invertem a ima&em e a semelhan$a de Deus, pois aastam
de Deus estes receptáculos, o os voltam para si mesmos" daD vem que icam echados
por cima, e abertos por bai0o, quando entretanto por cria$#o devem ser abertos por
diante e echados por trás, e quando oram assim abertos e echados ao contrário, o
receptáculo do amor, ou a vontade, recebe o inlu0o do inerno ou de seu prCprio"
semelhantemente, o receptáculo da sabedoria ou o entendimento. <m conseqFência,
nas ?&rejas se estabeleceu o culto dos homens em lu&ar do culto de Deus, e o culto
proveniente das doutrinas do also em lu&ar do culto proveniente das doutrinas do vero,
este pela prCpria inteli&ência, aquele pelo amor de si. Por estas e0plica$%es, é evidente
que a reli&i#o, pela sucess#o do tempo, decresce e é consumada pela destrui$#o da
ima&em de Deus no homem.
$er%e!ramen"e# I0"o "em lugar 1elo0 a%r,0%!mo0 %on"Bnuo0 do mal +ered!"Er!o na0
gera3Qe0. Eue o mal hereditário n#o vem de Ad#o e <va sua esposa pelo ato de eles
terem comido da árvore da ciência, mas que decorre e se transmite sucessivamente
dos pais aos ilhos, e aumenta assim por contDnuos acréscimos nas &era$%es isso oi
dito e mostrado acima. Euando por conse&uinte o mal aumentou em um &rande
nGmero, ele se espalhou por si mesmo em um nGmero maior" pois em todo mal há o
desejo de sedu9ir, em al&uns ardendo de cClera contra o bem, daD o contá&io do mal"
quando esta invadiu os di&nitários, os chees e os doutores da ?&reja, a reli&i#o oi
pervertida, e os meios de cura, que s#o os veros, oram corrompidos pelas
alsiica$%es" daD vem portanto a sucessiva vasta$#o do bem e a sucessiva desola$#o
do vero na ?&reja até sua, consuma$#o.
Em =uar"o lugar. N4o ob0"an"e , 1ro.!do 1elo Sen+or a =ue %ada um 1o00a 0er
0al.o. 2 provido pelo Senhor a que por toda parte haja uma reli&i#o, e a que em cada
reli&i#o haja os dois essenciais da salva$#o, que s#o reconhecer um Deus e n#o a9er
o mal porque é contra Deus" é provido, para cada um se&undo sua vida, todas as
cousas que pertencem ao entendimento e por conse&uinte ao pensamento, e que s#o
chamadas cousas da é, pois s#o os acessCrios da vida" e se elas precedem, a
verdade é que n#o recebem ia, vida antes. @ também provido a que todos os que
viveram bem, e reconheceram um Deus, sejam instruDdos depois da morte pelos anjos"
e ent#o, os que, no mundo, estiveram nestes dois essenciais de uma reli&i#o, aceitem
os veros da ?&reja tal qual est#o na Palavra, e reconhe$am o Senhor pelo Deus do 7éu
e da ?&reja" e recebem isso mais acilmente do que os crist#os, que levaram com eles
do mundo a idéia do humano do Senhor separado de seu Divino. Koi ainda provido
pelo Senhor a que todos os que morrem como crian$as, em qualquer lu&ar que tenham
nascido, sejam salvos. @ dada também a cada homem depois da morte, a aculdade de
emendar sua vida, se é possDvel" todos s#o instruDdos e diri&idos pelo Senhor por meio
dos anjos" e como ent#o sabem que vivem depois da morte, e que há um 7éu e um
inerno, a princDpio recebem os veros" mas os que n#o reconheceram um Deus, e n#o
u&iram dos males como pecados no mundo, sentem pouco depois des&osto pelos
veros e se retira retiram" e aqueles que os reconheceram de boca, e n#o de cora$#o,
s#o como as vir&ens insensatas que tinham as lNmpadas sem Cleo, e pediram Cleo )s
outras vir&ens, depois oram comprá-lo, e entretanto n#o oram introdu9idas na, sala
das nGpcias" as lNmpadas si&niicam os veros da é, o Cleo si&niica o bem da caridade.
Por aD pode-se ver que é da Divina Providência que cada um possa ser salvo, e que
se o homem n#o é salvo, é a ele que cabe ia culpa.
Em quinto lu&ar* 2 também !rovido a que uma )ova I&re1a uceda J I&re1a !recedente
devatada* ?sto tem lu&ar desde os tempos antiquDssimos, quer di9er que a uma ?&reja
precedente devastada sucedia uma nova" ) AntiquDssima ?&reja sucedeu a Anti&a
?&reja" ) Anti&a ?&reja sucedeu a ?&reja ?sraelita ou ;udaica" a esta sucedeu a ?&reja
7rist#" que uma nova ?&reja deve suceder ) ?&reja 7rist#, isso está predito no
Apocalipse" ela é entendida pela (ova ;erusalém descendo do 7éu. A ra9#o, pela qual
é provido pelo Senhor a que uma nova ?&reja suceda ) ?&reja precedente devastada, oi
dada na Doutrina da )ova %erualém obre a Ecritura Santa3 ver n* )0M a ))L.
<BI* I). Assim todos foram predestinados para o 2éu, e nin(uém o foi para o
inferno.
Eue o Senhor n#o precipita pessoa al&uma no inerno, mas que o espDrito aD se
precipita por si mesmo, isso oi mostrado no !ratado do 7éu e do ?nerno, publicado em
8ondres em 112:, n* 2,2 a 226" é o que acontece a todo mau e a todo Dmpio depois da
morte" é ?&ualmente o que acontece a todo mau e a todo Dmpio no mundo, com a
dieren$a que no mundo ele pode ser reormado, e aproveitar os meios de salva$#o e
se compenetrar deles, mas n#o depois da saDda do mundo. /s meios de salva$#o se
reerem a estes dois' Ku&ir dos males porque s#o pecados contra as leis Divinas do
Decálo&o, e reconhecer que há um Deus" cada um o pode, desde que n#o ame os
males" pois o Senhor inlui continuamente com or$a na vontade do homem, a im de
que ele possa u&ir dos males, e com or$a no entendimento a im de que possa pensar
que há um Deus" mas n#o obstante nin&uém pode um sem o outro" estes dois s#o
conjuntos como oram conjuntas as duas !ábuas do Decálo&o, das quais uma é para o
Senhor e a outra para o homem" o Senhor por sua !ábua ilustra a cada um e lhe dá a
or$a, mas tanto quanto o homem a9 as cousas que est#o na sua !ábua, tanto recebe
a or$a e a ilustra$#o" antes disso, estas duas tábuas parecem como deitadas uma
sobre a outra e echadas com um selo" mas, ) realidade que o homem a9 as cousas
que est#o em sua !ábua, elas s#o desseladas e abertas. / que é hoje o Decálo&o,
sen#o um livrinho ou codicilo echado, e aberto somente nas m#os das crian$asH Di9 a
al&uém de idade adulta' J(#o a9 isso porque é contra o Decálo&oJ" dará ele aten$#o
)s tuas palavrasH Bas se lhe di9es' J(#o a9 isso porque é contra as leis DivinasJ, ele
pode dar aten$#o a isso" e entretanto os preceitos do Decálo&o s#o as prCprias leis
Divinas" a e0periência oi eita no mundo espiritual em rela$#o a muitos, que, quando
se lhes alava do Decálo&o ou 7atecismo, o rejeitavam com despre9o" isto provém de
que o Decálo&o na se&unda !ábua, que é a tábua do homem, ensina que é preciso
u&ir dos males" e aquele que n#o o&e dele, seja por impiedade, seja pela cren$a
reli&iosa de que as obras nada a9em e que a é sC a9 tudo, ouvem com uma sorte de
despre9o mencionar o Decálo&o ou 7atecismo, como se ouvissem mencionar al&um
livro de crian$a que n#o lhe é de utilidade al&uma. <stas cousas oram ditas, a im de
que se saiba que a homem al&um alta o conhecimento dos meios pelos quais pode ser
salvo, nem a or$a se quer ser salvo, donde se&ue-se que todos oram predestinados
para o 7éu, e que nin&uém o oi para o inerno. Bas como em al&uns prevaleceu a
cren$a em uma Predestina$#o para o n#o-salva$#o, que é a dana$#o, e como esta
cren$a é peri&osa, e n#o pode ser dissipada, a n#o ser que a ra9#o também veja o que
há de insensato e cruel nela, em conseqFência vai se tratar disso nesta série' )* 3ma
outra Predestina$#o que n#o seja, para o 7éu é contra o Divino Amor e contra sua
ininidade. 2* 3ma Predestina$#o que n#o seja para o 7éu é contra a Divina Sabedoria
e contra sua ininidade. L* Supor que n#o s#o salvos sen#o os que nasceram dentro da
?&reja é uma heresia insensata. M* Supor que al&uns do &ênero humano oram danados
por predestina$#o é uma heresia cruel.
++6. Bas para mostrar quanto é unesta a cren$a na Predestina$#o comumente
entendida, é preciso retomar e conirmar estas quatro proposi$%es.
Pr!me!ramen"e# (ma Prede0"!na34o =ue n4o 0e-a 1ara o C,u , %on"ra o D!.!no
Amor e %on"ra 0ua !n>!n!dade. Eue ;eová ou o Senhor seja o Divino Amor, e que este
Amor seja ininito e o Ser de toda vida" além disso, também que o homem tenha sido
criado ) ima&em de Deus se&undo a semelhan$a, de Deus, é o que oi mostrado no
Tratado do Divino Amor e da Divina Sabedoria3 e como todo homem é ormado, no
Gtero, a resta ima&em se&undo esta semelhan$a pelo Senhor, como também oi
demonstrado, se&ue-se que o Senhor é o Pai celeste de todos os homens, e que os
homens s#o seus ilhos espirituais" e mesmo, assim é chamado ;eová ou o Senhor na
Palavra, e assim ai s#o chamados os homens" é por isso que se di9' JPai n#o
chamareis o vosso pai sobre a terra , pois um sC é vosso Pai, aquele que está nos
7éusJ LBat. 4+*, -M" por isto se entende que sC <le é o Pai quanto ) vida, e que o pai
sobre a terra é somente o pai quanto ao invClucro da vida, que é o corpo, é por isso
que no 7éu nenhum outro sen#o o Senhor é chamado Pai" que os homens que n#o
?nverteram esta vida sejam chamados ilhos e nascidos de Deus, é também o que se
vê claramente por muitas passa&ens da Palavra. Por isto, pode-se ver que o Divino
Amor está em todo homem, seja mau, seja bom" que por conseqFência o Senhor, que
é o Divino Amor, n#o pode a&ir com os homens de outro modo que n#o seja como um
pai sobre a, terra com seus ilhos, e ininitamente melhor, porque o Divino Amor é
ininito" além disso também, que n#o pode se retirar de homem al&um, porque a vida
de cada um vem dO<le" parece que <le se retira dos maus, mas s#o os maus que se
retiram, e a verdade é que por "amor os condu9" é por isso que o Senhor di9' JPedi, e
vos será dado" procurai, e achareis" batei, e vos será aberto" quem é dentre vCs o
homem que, se seu ilho lhe pede p#o, lhe dará uma pedraH Se portanto vCs, que sais
maus, sabeis dar boas cousas a vossos ilhos, quanto mais vosso Pai, que está nos
7éus, as dará boas aos que lhe pediremJ LBat. 1*, 1 a 11M" e em outro lu&ar' J<le a9
levantar seu sol sobre maus e bons, e a9 chover sobre justos e injustosJ LBat. 2*, ,2M.
Sabe-se também na ?&reja
que o Senhor quer a salva$#o de todos, e n#o a morte de quem quer que seja. Por isto,
pode-se ver que uma Predestina$#o que n#o seja para o 7éu é contra o Divino Amor.
Segundamen"e# (ma Prede0"!na34o =ue n4o 0e-a 1ara o C,u , %on"ra a D!.!na
Sabedor!a< =ue , !n>!n!"a. / Divino Amor por sua Divina Sabedoria provê os meios
pelos quais cada homem pode ser salvo" é por isso que, di9er que, há uma
Predestina$#o que n#o seja para o 7éu, é di9er que <le n#o pode prover os meios
pelos quais há salva$#o, quando, entretanto estes meios s#o para todos, como oi
mostrado acima, e estes meios vêm da Divina Providência, que é ininita. Se há
homens que n#o se salvaram é porque o Divino Amor quer que o homem sinta em si
mesmo a elicidade e a beatitude do 7éu, pois de outro modo ele n#o teria o 7éu" e
isso n#o pode se a9er, a n#o ser que pare$a ao homem que pensa e quer por si
mesmo, pois sem esta aparência nada lhe seria apropriado, e ele n#o seria homem" é
por isso que há uma, Divina Providência, que pertence ) Divina Sabedoria, pelo Divino
Amor. Bas isto n#o destrCi a verdade que todos oram predestinados para o 7éu, e que
nin&uém o pode ser para o inerno" se, ao contrário, os meios de salva$#o altassem,
isso a destruiria" ora, oi demonstrado acima que <le proveu os meios de salva$#o para
cada um, e que o 7éu é tal que todos os que vivem bem, de qualquer reli&i#o que
sejam ai s#o colocados. / homem é como a terra que produ9 rutos de toda espécie
aculdade pela qual a terra é terra" que se ela produ9 também rutos maus, isso n#o lhe
tira a aculdade de poder também produ9ir bons, mas esta aculdade seria tirada se
n#o pudesse produ9ir sen#o maus. / homem é ainda como um objeto que mati9a os
raios da lu9" se este objeto n#o apresenta sen#o cores desa&radáveis, n#o é a lu9 a
causa disso" os raios da lu9 podem também ser mati9ados em cores a&radáveis.
$er%e!ramen"e# Su1or =ue n4o +E 0al.a34o 0endo 1ara o0 =ue na0%eram den"ro
da Igre-a , uma +ere0!a !n0en0a"a. /s que nasceram ora da ?&reja s#o homens do
mesmo modo que os que nasceram dentro da ?&reja" s#o de uma semelhante ori&em
celeste" s#o i&ualmente almas vivas e imortais" têm também uma reli&i#o, pela qual
reconhecem que há um Deus, e que é preciso viver bem" e o que reconhece um Deus
e vive bem se torna espiritual em seu &rau e é salvo, como oi mostrado acima. Di9-se
que eles n#o s#o bati9ados" mas o batismo n#o salva sen#o aqueles que s#o lavados
espiritualmente, quer di9er, que s#o re&enerados. Di9-se que o Senhor n#o os
conheceu, e que sem o Senhor n#o há salva$#o" mas nenhum homem tem a salva$#o
porque o Senhor lhe é conhecido, mas o homem é salvo porque vive se&undo os
preceitos do Senhor" e o Senhor é conhecido de quem quer que reconhece um Deus,
pois o Senhor é o Deus do 7éu e da terra, como <le mesmo o ensina em Bateus 4:*,
1:, e em outros lu&ares" e além disso, os que est#o ora da ?&reja têm mais do que os
7rist#os a idéia de Deus como Romem, e os que têm a idéia de Deus como Romem, e
que vivem bem, s#o aceitos pelo Senhor" reconhecem mesmo Deus um em pessoa e
em essência, o que n#o a9em os crist#os, pensam também em Deus em sua vida,
pois consideram os males como pecados contra Deus, e os que os consideram assim
pensam em Deus em suas vidas. /s crist#os têm os preceitos de sua reli&i#o pela
Palavra, mas há poucos que dai tirem seus preceitos de vida" os 7atClico->omanos
n#o a lêem" e os >eormados, que est#o na é separada da caridade, prestam aten$#o
n#o )s cousas que nela concernem ) vida, mas unicamente )s que concernem ) é, e
entretanto toda a Palavra n#o é absolutamente sen#o a doutrina da vida. /
7ristianismo está somente na <uropa, o Baometismo e o Gentilismo est#o na Usia,
nas ^ndias, na Urica e na América, e o &ênero humano nestas partes do &lobo
ultrapassa de9 ve9es em multid#o este &ênero humano que está na parte do mundo
crist#o, e nesta parte há poucos que p%em a reli&i#o na vida" que pode, pois haver de
mais insensato do que crer que estes somente s#o salvos e que aqueles s#o danados,
e que o 7éu é para o homem por nascimento e n#o pela vidaH Por isso o Senhor disse'
J<u vos di&o que muitos vir#o do /riente e do /cidente, e se assentar#o ) mesa com
Abra#o, ?saac e ;acC no >eino dos 7éus" mas os ilhos do >eino ser#o rejeitadosJ
LBat. :*, 11, 14M.
Em =uar"o lugar# Su1or =ue algun0 do g@nero +umano >oram danado0 1or
1rede0"!na34o , uma +ere0!a %ruel. @ cruel crer que o Senhor, que é o Amor mesmo
e a BisericCrdia mesma, suporte que uma t#o &rande multid#o de homens nas$a para
o inerno, ou que tantas mirDades de mirDades nas$am danados e devotados, quer di9er,
nas$am diabos e satanases, e que pela sua Divina Sabedoria <le n#o provê a que os
que vivem bem, e reconhecem um Deus, n#o sejam lan$ados em um o&o e um
tormento eterno" o Senhor entretanto é o 7riador e o Salvador de todos, e n#o quer a
morte de pessoa al&uma" é portanto cruel crer e pensar que uma t#o &rande multid#o
de na$%es e de povos sob seu auspDcio e sob sua inspe$#o sejam entre&ues como
presa ao diabo por predestina$#o.
O SENHOR NAO PODE AGIR CON$RA AS 9EIS DA DIVINA PROVIDÊNCIA<
POR7(E AGIR CON$RA ES$AS 9EIS SERIA AGIR CON$RA SE( DIVINO A&OR E
CON$RA S(A DIVINA< SABEDORIA< ASSI& CON$RA E9E &ES&O.
++1. (a Sabedoria An&élica obre o Divino Amor e a Divina Sabedoria, oi mostrado
que o Senhor é o Divino Amor e a Divina Sabedoria, e que estes dois s#o o Ser mesmo
e a Aida mesma pelos quais tudo @ e Aive" e também oi mostrado que o semelhante
procede dO<le, e que o Divino Procedente é <le Besmo" entre as cousas que procedem
está em primeiro lu&ar a Divina Providência" pois esta está continuamente no im para
o qual oi criado o universo" a opera$#o e a pro&ress#o do im pelos meios é o que é
chamado a Divina Providência. /ra, pois que o Divino Procedente é o Senhor Besmo,
e que a Divina Providência é, em primeiro lu&ar, o que procede, se&ue-se que a&ir
contra as leia de sua Divina Providência seria a&ir contra <le Besmo. Pode-se mesmo
di9er que o Senhor é a Providência, como se di9 que Deus é a /rdem" pois a Divina
Providência é a /rdem Divina principalmente em rela$#o ) salva$#o dos homens" e
como n#o há ordem sem leis, pois as leis a constituem, e cada lei sustenta a ordem,
pois que é também a ordem, se&ue-se que como Deus é a /rdem, é também a 8ei de
Sua ordem" o mesmo se deve di9er da Divina Providência, que como o Senhor é Sua
Providência, é também a 8ei de Sua Providência" daD é evidente que o Senhor, n#o
pode a&ir contra as 8eis de Sua Divina Providência, porque, a&ir contra essas leis seria
a&ir contra <le Besmo. Além disso, n#o há opera$#o al&uma, a n#o ser em um sujeito
e por meios sobre este sujeito" a opera$#o, a n#o ser que seja em um sujeito e por
meios sobre esse sujeito, n#o é possDvel" o sujeito da Divina Providência é o homem,
os meios s#o os Divinos Aeros pelos quais há a sabedoria, e os Divinos =ens pelos
quais há o amor" a Divina Providência por estes meios opera seu im, que é a salva$#o
do homem" pois quem quer o im quer também os meios,J quando, portanto aquele que
quer opera o im, ele o opera pelos meios. Bas estas proposi$%es se tornar#o
evidentes quando tiverem sido e0aminadas na ordem se&uinte' I. A opera$#o da Divina
Providência para, salvar o homem come$a desde seu nascimento, e continua até ao
im de sua vida, e depois na eternidade. II. A opera$#o da Divina Providência se a9
continuamente por meios de pura misericCrdia. III. A salva$#o operada em um
momento por misericCrdia imediata n#o é possDvel. IV. A salva$#o operada em um
momento por misericCrdia imediata é uma serpente de o&o voando na ?&reja.
<<B* I. A opera1o da Divina +rovid,ncia para salvar o homem come1a desde seu
nascimento, e continua até ao fim de sua vida, e depois na eternidade.
Koi mostrado acima, que o 7éu proveniente do Gênero Rumano é o im mesmo da
cria$#o do universo, e que este im, em sua opera$#o e em sua pro&ress#o, é a Divina
Providência para salvar os homens, e que todas as cousas que est#o ora do homem, e
que lhe servem para o uso, s#o os ins secundários da cria$#o que em suma se
reerem a tudo que e0iste nos três >einos, o Animal, o Ae&etal e o Bineral" quando as
cousas que est#o nestes reinos procedem constantemente se&undo as leis da /rdem
Divina estabelecidas na primeira cria$#o, como ent#o o im primeiro, que é a salva$#o
do &ênero humano, pode n#o proceder constantemente se&undo as leis de sua ordem,
que s#o as leis da Divina ProvidênciaH 7onsidera unicamente uma árvore rutDera"
primeiro n#o nasce ela de uma pequena semente como um rebento tenro" depois n#o
cresce como um caule, n#o estende ramos, e estes n#o se &uarnecem de olhas" e
depois n#o a9 sair lores, n#o dá nascimento a rutos, e n#o coloca neles novas
sementes, pelas quais provê ) sua perpetuidadeH Dá-se o mesmo com todo arbusto, e
com toda erva dos campos. (estes sujeitos, todas e cada uma das cousas n#o,
procedem de uma maneira constante e admirável se&undo as leis, de sua ordem, de
um im a um imH Por que n#o se, daria o mesmo com o im principal, que é o 7éu
proveniente do &ênero humanoH Pode haver em sua pro&ress#o al&uma cousa que
n#o proceda muito constantemente se&undo as leis da Divina ProvidênciaH Pois que
há correspondência da vida do homem com a ve&eta$#o da árvore, tiremos daD um
paralelo ou uma compara$#o' A inNncia do homem pode ser comparada ao tenro
rebento da árvore saindo da terra pela semente" a se&unda idade da inNncia e a
adolescência do homem s#o como o rebento crescendo como um caule e seus
pequenos ramos" os veros naturais, de que a princDpio todo homem é imbuDdo, s#o
como as olhas de que os ramos se &uarnecem, as olhas n#o si&niicam outra cousa
na Palavra" as inicia$%es do homem no casamento do bem e do vero, ou casamento
espiritual, s#o como as lores que esta árvore produ9 na esta$#o da primavera, os
veros espirituais s#o os olDolos destas lores" as cousas primitivas do casamento
espiritual s#o como os come$os do ruto" os bens espirituais, que s#o os bens da
caridade, s#o como os rutos, s#o também si&niicados pelos rutos na Palavra" as
procria$%es da sabedoria pelo amor s#o como as sementes" por estas procria$%es o
homem se toma como um jardim e um paraDso" o homem também na Palavra é
descrito pela árvore, e sua sabedoria se&undo o amor pelo jardim" e n#o é si&niicada
outra cousa pelo jardim do @den. / homem, é verdade, é uma má árvore pela
semente, mas n#o obstante lhe é dado um en0erto ou inocula$#o de pequenos ramos
tomados da Arvore de vida, pelos quais o suco saindo da velha rai9 é mudado em um
suco que produ9 bons rutos. <sta compara$#o oi eita a im de que se saiba que, pois
que há na ve&eta$#o e na reprodu$#o das árvores uma t#o constante pro&ress#o da
Divina Providência, deve haver uma inteiramente constante na reorma e na
re&enera$#o dos homens, que s#o muito preerDveis )s árvores, se&undo estas
palavras do Senhor' J7inco passarinhos n#o s#o vendidos por dois ceitisH <ntretanto
nem um sC dentre eles é esquecido diante de Deus. Bas mesmo os cabelos de vossa
cabe$a est#o todos contados" n#o temais, pois mais do que muitos passarinhos vCs
valeis. Além disso, quem de vCs, por seus cuidados, pode acrescentar um cIvado )
sua estaturaH Se portanto n#o podeis mesmo a menor cousa por que estais em
cuidado pelo restoH 7onsiderai os lDrios, como crescem. /ra, se a erva que está no
campo hoje, e que amanh# no orno é lan$ada, Deus a reveste assim, quanto mais
vCs, homens de pouca éXJ L8uc. 14*, 5, 1, 42, 45, 41, 4:M.
+++. Di9-se que a opera$#o da Divina Providência para salvar o homem come$a desde
seu nascimento, e continua até ao im de sua vida" para compreender isso, é preciso
saber que o Senhor vê qual é o homem, e prevê qual ele quer ser assim qual ele será"
e a im de que seja homem e por conse&uinte imortal, o livre de sua vontade n#o pode
ser tirado, como oi abundantemente mostrado acima" é por isso que o Senhor prevê
seu estado depois da morte, e a isso provê desde seu nascimento até ao im de sua
vida" nos maus provê a isso permitindo os males, e os desviando sem cessar, e nos
bons provê a isso condu9indo ao bem" assim a Divina Providência está continuamente
em opera$#o para salvar o homem" mas n#o podem ser salvos sen#o aqueles que
querem ser salvos" e querem ser salvos os que reconhecem Deus, e s#o condu9idos
por <le" e n#o o querem aqueles que n#o reconhecem Deus, e se condu9em a si
mesmos" pois estes n#o pensam nem na vida eterna, nem na salva$#o, mas aquêles
pensam" o Senhor o vê, e sempre os condu9, e os condu9 se&undo as leis de Sua
Divina Providência, contra as quais n#o pode a&ir, pois que a&ir contra elas seria a&ir
contra seu Divino Amor e contra Sua Divina Sabedoria, quer di9er contra <le Besmo.
/ra, como <le prevê os estados de todos depois da morte, e prevê também os lu&ares
dos que n#o querem ser salvos, no inerno, e os lu&ares dos que querem ser salvos, no
7éu, se&ue-se que, como oi dito, <le provê para os maus os seus lu&ares permitindo e
desviando, e para os bons os seus lu&ares condu9indo-os" se n#o i9esse isso
continuamente desde o nascimento de cada um até ao im de sua vida, o 7éu n#o
subsistiria, nem o inerno tampouco" pois sem esta Previdência, e sem ao mesmo
tempo esta Providência, o 7éu e o inerno n#o seriam sen#o uma espécie de conus#o"
que cada um tenha seu lu&ar, o qual oi provido pelo Senhor se&undo a previs#o, vê-se
acima, n* 464, 46+. ?sto pode ser ilustrado por esta compara$#o' Se um arqueiro ou um
arcabu9eiro visasse um alvo, e que para além do alvo se prolon&asse a linha reta até )
distNncia de uma milha" se, visando, ele se en&anasse somente na lar&ura de uma
unha, o dardo ou a bala no im da milha se aastaria imensamente da linha prolon&ada
além do alvo" seria o mesmo se o Senhor, a cada momento, e mesmo a, cada pequeno
momento, n#o considerasse o eterno prevendo o lu&ar de cada um depois da morte e a
isso provendo" mas isto é eito pelo Senhor, porque todo uturo é presente para <le e
todo presente é para <le eterno. Eue a Divina Providência em tudo que a9 considera o
ininito e o eterno, vê-se acima, n*
s
,5 a 5-, 41, e se&uintes.
++,. Di9-se também que a opera$#o da Divina Providência continua na eternidade,
porque todo anjo é aperei$oado em sabedoria na eternidade, mas cada um se&undo o
&rau de aei$#o do bem e do vero, em que estava quando saiu do mundo" é este &rau
que é aperei$oado na eternidade" o que está além desse &rau está ora do anjo, e n#o
está dentro dele, e o que está ora dele n#o pode ser aperei$oado dentro dele ?sto é
entendido pela Jmedida boa, calcada, sacudida e se espalhando por cima, que será
dada no re&a$o dos que perdoam e d#o aos outrosJ L8uc. 5*, +1, +:M, quer di9er que
est#o no bem da caridade.
++2. II. A opera1o da Divina +rovid,ncia se fa" continuamente por meios de pura
miseric6rdia.
Rá os meios e os modos da Divina Providência" os meios s#o as cousas pelas quais o
homem se torna homem, e é aperei$oado quanto ao entendimento e quanto )
vontade" os modos s#o as cousas pelas quais os meios s#o eetuados, /s meios pelos
quais o homem se torna homem e é aperei$oado quanto ao entendimento s#o por
uma palavra comum, chamados veros, os quais se tornam idéias no pensamento e s#o
chamados cousas na memCria, e em si mesmos s#o conhecimentos, donde resultam
as ciências. !odos esses meios considerados em si mesmos s#o espirituais" mas
como est#o nos naturais, pela sua cobertura ou sua vestimenta aparecem como
naturais, e al&uns, como materiais. <stes meios s#o ininitos em nGmero e ininitos, em
variedade" s#o simples e compostos mais ou menos, e s#o impereitos e pereitos mais
ou menos. Rá meios para ormar e aperei$oar a vida civil natural" depois para ormar e
aperei$oar a, vida moral racional" como também para ormar e aperei$oar a vida
espiritual celeste. <stes meios se sucedem, um &ênero apCs um outro, desde a
inNncia, até ) Gltima idade do homem, e depois disso na eternidade" e, como se
sucedem crescendo, os anteriores se tornam os meios dos posteriores" com eeito,
entram como causas médias em toda cousa ormada, pois por eles todo eeito ou toda
cousa concluDda é eiciente, e por conse&uinte se torna causa" assim os posteriores -se
tornam sucessivamente os meios" e como isso se a9 eternamente, n#o há o
!otremum ou Gltimo que echa" pois assim como a eternidade é sem im, assim
também a sabedoria que cresce na eternidade é sem im" se houvesse um im para a
sabedoria no anjo, o pra9er de sua sabedoria, que consiste em sua perpétua
multiplica$#o e rutiica$#o, pereceria e por conseqFência o pra9er de sua vida, e seria
substituDdo pelo pra9er da &lCria, o qual, sendo sC, n#o tem em si a vida celeste" ent#o
este homem sábio n#o se tornaria mais como um homem jovem, mas se tornaria como
um velho, e por im como, um homem decrépito. Ainda que a sabedoria do sábio no
7éu cres$a eternamente, entretanto a sabedoria an&élica jamais se apro0ima da
Sabedoria Divina a um tal ponto que possa atin&i-la" é por compara$#o como o que se
di9 da linha reta LassDntotaM tra$ada perto da hipérbole, reta que se apro0imando dela
continuamente n#o a toca jamais" e também pelo que se di9 da quadratura do cDrculo.
Por isto, pode-se ver o que é entendido pelos meios, pelos quais a Divina Providência
opera para que o homem seja homem, e para que seja aperei$oado quanto ao
entendimento, e que estes meios s#o, por uma palavra comum, chamados veros. Rá
também outros tantos meios, pelos quais o homem é ormado e aperei$oado quanto )
vontade, mas estes s#o, por uma palavra comum, chamados bens" por estes o homem
tem o amor, e por aqueles o homem tem a sabedoria" sua conjun$#o a9 o homem,
pois tal é esta conjun$#o, tal é o homem" é esta conjun$#o que é chamada o
casamento do bem e do vero.
++5. Euanto aos modos pelos quais a Divina Providência opera sobre os meios e pelos
meios para ormar o homem, e para aperei$oá-lo, s#o i&ualmente ininitos em nGmero,
e ininitos em variedade" há tantos deles como há opera$%es da Divina Sabedoria pelo
Divino Amor para salvar o homem, assim tantos como há opera$%es da Divina
Providência se&undo suas leis, de que se acaba de tratar. Eue estes modos sejam
muito secretos, isso oi ilustrado acima pelas opera$%es da alma, no corpo, opera$%es
de que o homem tem t#o pouco conhecimento, que apenas sabe disso al&uma cousa,
por e0emplo, como o olho, o ouvido, as narinas, a lDn&ua, e a, pele sentem, e como o
estIma&o di&ere, o mesentério prepara o quilo, o D&ado elabora o san&ue, o pNncreas
e o ba$o o puriicam, os rins o separam dos humores impuros, o cora$#o o junta e o
distribui, o pulm#o o decanta, e como o cérebro o sublima, e de novo, o viviica, além
de inumeráveis outras cousas, que s#o todas secretas, nas quais apenas al&uma
ciência pode entrar. Por isto, S evidente que se pode ainda menos entrar nas
opera$%es secretas da Divina Providência" é suiciente que se conhe$a as suas leis.
++1. Se a Divina Providência eetua toda as cousas por pura BisericCrdia, é porque a
<ssência Divina mesma é o puro Amor" é este Amor que opera pela Divina Sabedoria e
é esta opera$#o que é chamada Divina Providência.
Se és puro Amor e a pura BisericCrdia, é'
). Porque opera em todos os que est#o sobre o &lobo terrestre, os quais s#o tais,
que nada podem por eles mesmos"
2. porque opera nos maus e nos injustos tanto como nos bons e nos justos"
L. porque os diri&e no inerno e os arranca dela"
M. porque lá continuamente luta com eles e combate por eles contra o diabo, quer
di9er, contra, os males do inerno"
N. porque oi por isso que <le veio ao mundo, e soreu as tenta$%es até ) Gltima,
que oi a pai0#o da cru9"
O. porque continuamente a&e com os impuros para os tornar puros, e com os
insensatos para os curar de sua loucura, e assim continuamente trabalha por
pura BisericCrdia.
++:. III. A salva1o operada em um momento por pura =iseric6rdia no é
poss0vel.
(os arti&os que precedem oi mostrado que a opera$#o da Divina Providência para
salvar o homem come$a desde seu nascimento, e continua até ao im de sua vida, e
depois na eternidade" e também, que esta opera$#o se a9 continuamente por meios
de pura BisericCrdia" daD resulta que n#o há nem salva$#o operada em um momento,
nem misericCrdia imediata. Bas como muitas pessoas, que nada pensam pelo
entendimento a respeito das cousas da ?&reja ou da reli&i#o, crêem que se é salvo por
uma misericCrdia imediata, e que assim a salva$#o é operada em um momento,
quando entretanto isso é contra a. verdade, e como além disso esta cren$a é peri&osa,
é importante e0aminar a cousa em sua ordem' )* A cren$a em uma salva$#o operada
em um momento por misericCrdia imediata oi tomada do estado natural do homem. 2*
<sta cren$a vem da i&norNncia do estado espiritual, que é totalmente dierente do
estado natural. L* 7onsiderado interiormente as doutrinas de todas as ?&rejas no Bundo
crist#o s#o contra a salva$#o operada em um momento pela misericCrdia imediata,
mas n#o obstante os homens e0ternos da ?&reja a sustentam.
Pr!me!ramen"e# A %ren3a em uma 0al.a34o o1erada em um momen"o 1or
m!0er!%5rd!a !med!a"a >o! "omada do e0"ado na"ural do +omem. / homem natural,
por seu estado, n#o sabe outra cousa, sen#o que a ale&ria, celeste é como a ale&ria
mundana, e que inlui e é recebida da mesma maneira" que é, por e0emplo, como
quando aquêle que é pobre se torna rico, e passa assim do triste estado de indi&ência
para o estado eli9 da opulência" ou como aquele que é despre9ado se torna honrado, e
passa assim do despre9o para a &lCria" ou como quando se passa de uma casa de luto
para uma sala de nGpcias. 7omo estes estados podem ser mudados em um dia, e
como n#o se tem outra idéia do estado do homem depois da morte, vê-se donde vem a
cren$a em uma salva$#o operada em um momento por misericCrdia imediata. (o
mundo também muitas pessoas podem estar em uma mesma companhia e em uma
mesma sociedade civil, e se divertirem juntas, e entretanto serem todas de uma mente
LanimusM dierente" isto acontece no mundo natural, pela ra9#o de que o e0terno de um
homem pode se acomodar ao e0terno de um outro, ainda que os internos sejam
dessemelhantes" deste estado natural conclui-se também que a salva$#o é somente a
admiss#o entre os anjos no 7éu, e que esta admiss#o é um eeito da misericCrdia
imediata" é mesmo por isso que se crê que o 7éu pode ser dado aos maus do mesmo
modo que aos bons, e que há ent#o uma consorcia$#o semelhante ) que e0iste no
Bundo, com a dieren$a de que aquela é cheia de ale&ria.
Segundamen"e# E0"a %ren3a .em da !gnorJn%!a do e0"ado e01!r!"ual< =ue ,
"o"almen"e d!>eren"e do e0"ado na"ural. <m muitos lu&ares acima, alou-se do estado
espiritual, que é o estado do homem depois da morte, oi mostrado que cada um é seu
amor, e que nin&uém pode viver com outros que n#o sejam os que est#o em um amor
semelhante ao seu, e que se vêm para perto de outros, n#o podem respirar sua vida"
daD resulta que cada um depois da morte vai para a sociedade dos seus, quer di9er,
daqueles que est#o em um amor semelhante, e os conhece como parentes e como
ami&os" e, o que é admirável, quando vem para eles e os vê, é como se os tivesse
conhecido desde a inNncia" isso é o resultado da ainidade e da ami9ade espirituais"
mais ainda, em uma sociedade nin&uém pode habitar em uma outra casa que n#o seja
a sua" cada um em sua sociedade tem uma casa, que encontra preparada para ele,
desde que entra na sociedade" pode estar na companhia com outros ora de sua casa,
mas entretanto, n#o pode morar em outra que n#o seja a sua" e, o que é mais ainda,
no apartamento de um outro, nin&uém pode sentar-se sen#o em seu lu&ar, se sentar
em um outro, se torna como insensato e mudo" e, o que é maravilhoso, cada um,
entrando em um apartamento, conhece seu lu&ar" o mesmo acontece nos !emplos, e
também nos lu&ares de assembléias, quando aD se reGnem. Por isto, é evidente que o
estado espiritual é totalmente dierente do estado natural, e que é tal, que nin&uém
pode estar em outra parte sen#o onde está o seu amor dominante, pois aD está o pra9er
de sua vida, e cada um quer estar no pra9er de sua vida" e o espDrito do homem n#o
pode estar em outra parte, pois isso a9 sua vida, mais ainda a sua respira$#o mesma,
como também a pulsa$#o de seu cora$#o" é dierente no Bundo natural, neste mundo
o e0terno do homem oi instruDdo desde a inNncia a in&ir pela ace, pela lin&ua&em e
pelo &esto, pra9eres dierentes dos que pertencem a seu interno" n#o se pode, portanto
do estado do homem no mundo natural, concluir quanto a seu estado depois da morte"
pois o estado de cada um depois da morte é espiritual, e este estado consiste em que
n#o se pode estar em outra parte sen#o no pra9er de seu amor, que oi adquirido no
Bundo natural por sua vida. Por estas e0plica$%es, pode-se ver claramente que quem
quer que esteja no pra9er do inerno n#o pode ser pasto no pra9er do 7éu, que se
chama comumente ale&ria celeste, ou, o que é a mesma cousa, que quem quer que
esteja no pra9er do mal n#o pode ser posto no pra9er do bem" é ainda o que pode ser
concluDdo mais claramente de que, depois da morte, n#o é recusado a quem quer que
seja subir ao 7éu, o caminho lhe é mostrado, a aculdade lhe é dada, e ele é
introdu9ido" mas lo&o que entra no 7éu, e pela aspira$#o atrai o seu pra9er, o seu peito
come$a a ser oprimido, o seu cora$#o a ser torturado, e sore um desalecimento no
qual se torce como uma serpente apro0imada do o&o" e, com a ace desviada do 7éu
e voltada para o inerno, ele o&e precipitando-se, e n#o tem repouso sen#o na
sociedade de seu amor" por aD pode-se ver que nin&uém pode entrar no 7éu por
misericCrdia imediata, que por conseqFência n#o basta ser aD admitido, como
ima&inam muitas pessoas no mundo" além disso também, que n#o há salva$#o
operada em um momento, pois isso sup%e uma misericCrdia imediata. Ravia al&uns
que, no mundo, tinham crido na salva$#o operada em um momento por misericCrdia
imediata, e que, quando se tornaram espDritos quiseram que seu pra9er inernal ou seu
pra9er do mal osse pela /nipotência Divina, e ao mesmo tempo pela Divina
BisericCrdia, mudado em pra9er celeste ou em pra9er do bem" e como o desejassem
ardentemente, oi mesmo permitido que isso osse eito pelos anjos, que ent#o lhes
tiraram o pra9er inernal" mas imediatamente esses, porque este pra9er era o pra9er do
amor de sua vida, por conseqFência sua vida, caDram como mortos, sem nenhum
sentimento e sem nenhum movimento, e n#o oi possDvel lhes insular uma outra vida
sen#o a sua, porque todas as cousas de sua mente e de seu corpo, que haviam sido
voltadas para trás, n#o puderam ser reviradas em sentido contrário" por isso oram
chamados ) vida pela imiss#o do pra9er do amor de sua vida" depois eles disseram
que nesse estado tinham sentido interiormente al&uma cousa cruel e horrDvel, que n#o
quiseram dar a conhecer. @ por isso que no 7éu se di9 que é mais ácil mudar um
mocho em rolinha, e uma serpente em cordeiro, do que mudar um espDrito inernal em
um anjo do 7éu.
$er%e!ramen"e# Con0!derada0 !n"er!ormen"e< a0 dou"r!na0 de "oda0 a0 Igre-a0 no
mundo %r!0"4o 04o %on"ra a 0al.a34o o1erada em um momen"o 1or m!0er!%5rd!a
!med!a"a< ma0 en"re"an"o o0 +omen0 e6"erno0 da Igre-a a 0u0"en"am. 7onsideradas
interiormente, as doutrinas de todas as ?&rejas ensinam a vida" há uma ?&reja, cuja
doutrina n#o ensine que o homem deve se e0aminar, ver e reconhecer seus pecados,
conessá-los, a9er penitência, e por im viver uma nova vidaH Euem é que é admitido )
Santa 7omunh#o, sem esta advertência e sem este mandamentoH ?norma-te, e terás
a conirma$#o. Rá uma ?&reja cuja doutrina n#o seja undada sobre os preceitos do
Decálo&o, e os preceitos do Decálo&o n#o s#o os preceitos da vidaH Eual é o homem
da ?&reja, em quem há al&uma causa da ?&reja, que n#o reconhece, desde que o ouve
di9er, que aquêle que vive bem é salvo, e o que vive mal é condenadoH @ por isso que
na Ké simbClica Atanasiana, que é também a Doutrina recebida em todo Bundo crist#o,
se di9 Jque o Senhor virá para jul&ar os vivos e os mortos, e quê os que i9eram boas
obras entrar#o na vida eterna, e que os que i9eram más obras ir#o para o o&o eternoJ.
Por isto é evidente que, consideradas interiormente, as doutrinas de todas as ?&rejas
ensinam a vida" e pois que ensinam a vida, ensinam que a salva$#o é se&undo a vida"
ora, a vida do homem n#o é inspirada em um momento, mas é ormada
sucessivamente, e reormada ) medida que o homem o&e dos males como pecados,
por conseqFência ) medida que sabe o que é o pecado e que o conhece e reconhece e
) medida que n#o os quer e que por conse&uinte renuncia a eles, e ) medida que
conhece também os meios que se reerem ao conhecimento de Deus" a vida do
homem é ormada e reormada por todas estas cousas, que n#o podem ser inundidas
em um momento" pois é preciso que o mal hereditário, que em si mesmo é inernal,
seja aastado, e que o bem, que em si mesmo é celeste, seja implantado em lu&ar
deste mal" o homem por seu mal hereditário pode ser comparado a um mocho quanto
ao entendimento, e a uma serpente quanto ) vontade" e o homem reormado pode ser
comparado a uma pomba quanto ao entendimento, e a uma ovelha quanto ) vontade" é
por isso que a reorma e por conse&uinte a salva$#o, operadas em um momento,
seriam como a mudan$a sGbita de um mocho em uma pomba, e de uma serpente em
uma ovelha" quem é que n#o vê desde que saiba al&uma cousa da vida do homem,
que isso n#o pode acontecer, a n#o ser que a nature9a do mocho e da serpente seja
tirada, e que a nature9a da pomba, e da ovelha seja implantadaH Sabe-se também que
todo inteli&ente pode se tornar mais inteli&ente, e todo sábio mais sábio, e que a
inteli&ência e a sabedoria no homem podem crescer, e crescem em al&uns, desde a
inNncia até ao im da vida, e que o homem é assim continuamente aperei$oado" por
que n#o seria isso melhor ainda com a inteli&ência e com a sabedoria espirituais, que
sobem dois &raus acima da inteli&ência e da sabedoria naturais, e que subindo
tornam-se an&élicas, quer di9er, ineáveisH Eue estas nos anjos crescem eternamente,
é o que oi dito acima" quem é que n#o pode compreender, se o quiser, que é
impossDvel que o que é aperei$oado eternamente seja pereito em um instanteH
++-. Por isto, é portanto evidente que todos os que pensam pela vida na salva$#o, n#o
pensam absolutamente na salva$#o operada em um momento por misericCrdia
imediata, mas pensam nos meios de salva$#o sobre os quais e pelos quais o Senhor
opera se&undo as leis de Sua Divina Providência, assim pelos quais o homem é
condu9ido pelo Senhor por pura BisericCrdia. Bas os que n#o pensam pela vida na
salva$#o, sup%em a instantaneidade na salva$#o, e o imediato na BisericCrdia" assim
a9em os que separam a é da caridade" a caridade é a vida" sup%em que a é é dada
em um momento, e mesmo na hora derradeira da morte, sen#o antes, e é também o
que a9em os que crêem que a remiss#o dos pecados sem a penitência, é a absolvi$#o
dos pecados, e assim a salva$#o, e que se apresentam ) Santa 7eia" além disso
também os que têm conian$a nas indul&ências dos mon&es, nas preces destes pelos
deuntos, e nas dispensas provenientes do poder que se atribuDram sobre as almas dos
homens.
+,6. I). A salva1o operada em um momento, por miseric6rdia imediata é uma
serpente de fo(o voando na I(re-a.
Por uma serpente de o&o voando é entendido um mal que brilha por um o&o inernal"
a mesma cousa é si&niicada pela serpente de o&o voando em ?saDas L1,*, 4-M' J(#o
te re&o9ijes, Kilistia inteira, porque oi quebrada a vara que te batia, pois da rai9 da
serpente sairá um basilisco, cujo ruto será uma, serpente de o&o voandoJ. 3m tal mal
voa na ?&reja, quando nela se crê na salva$#o operada, em um momento por
misericCrdia imediata. Pois por isso' )* a reli&i#o é abolida" 2* a se&uran$a é
introdu9ida" L* e a dana$#o é imputada ao Senhor.
Euanto ao que concerne ao Pr!me!ro 1on"o< =ue 1!or !00o a! rel!g!4o , abol!da# Rá
dois essenciais e ao mesmo tempo dois universais da reli&i#o, o >econhecimento de
Deus e a Penitência" est#o aD duas cousas v#s para aqueles que crêem ser salvos pela
BisericCrdia sC, de qualquer maneira que vivam" pois que necessidade há de outra
cousa sen#o di9er' JBeu Deus, tem piedade de mimXJ Sobre todo o resto concernente
) reli&i#o est#o na obscuridade" Sobre o primeiro essencial da ?&reja, isto é, o
>econhecimento de Deus, nada, pensam, a n#o ser' / que é DeusH Euem é que o
viuH Se se di9 que ele e0iste, e que é um, eles di9em que ele é um, se se di9 que s#o
três, eles di9em também que s#o três, mas que os três devem ser chamados 3m" tal é
o reconhecimento de Deus neles. Sobre o outro essencial da ?&reja, isto é, a
Penitência, nada pensam, por conseqFência nada tampouco Sobre pecado al&um" e
por im i&noram que haja qualquer pecado, e ent#o é com volGpia que ouvem di9er e
recebem, que a 8ei n#o dana absolutamente porque o 7rist#o n#o está sob seu ju&o" e
que, desde que se di&a' JBeu Deus, tem piedade de mim por causa de teu KilhoJ,
ser-se-á salvo" tal é a penitência da vida neles. Bas tira a penitência, ou, o que é a
mesma cousa, separa a vida da reli&i#o, que resta sen#o estas palavras' J!em piedade
de mimJH DaD vem que n#o possam di9er outra cousa, sen#o que por estas palavras )
salva$#o é operada em um momento, e mesmo na hora da morte, se n#o o é antes. /
que é ent#o a Palavra, para eles, sen#o uma vo9 obscura e eni&mática proerida de
cima de um tripé no antro, ou como uma resposta ininteli&Dvel do oráculo de um DdoloH
<m uma palavra, se tiras a penitência, isto, é, se separas a vida da reli&i#o, o que é
ent#o o homem sen#o um mal que brilha com um o&o inernal, ou uma serpente de
o&o voando na ?&rejaH Pois sem a penitência o homem está no mal, e o mal é o
inerno.
Segundamen"e# Pela %ren3a na 0al.a34o o1erada em um momen"o 1or 1ura e
Cn!%a m!0er!%5rd!a a 0eguran3a da .!da , !n"rodu/!da. A se&uran$a da vida tem sua
ori&em ou na cren$a do Dmpio de que n#o há vida depois da morte, ou na cren$a
daquele que separa a vida da salva$#o" quando mesmo este cresse na vida eterna,
sempre pensaria' JEuer eu viva bem ou viva mal, posso ser salvo, pois que a salva$#o
é uma pura BisericCrdia, e a BisericCrdia de Deus é universal, porque <le n#o quer a
morte de pessoa al&umaJ. < se por acaso lhe vem ao pensamento que a. BisericCrdia
deve ser implorada pelas palavras da cren$a recebida, ele pode pensar' J?sso pode ser
eito, sen#o com antecedência, pelo menos no instante da morteJ. !odo homem que
está nesta se&uran$a considera como sem importNncia os adultérios,, as raudes, as
injusti$as, as violências, as blasêmias, as vin&an$as" mas abandona sem reio sua
carne e seu espDrito a todos os males" n#o sabe tampouco o que é o mal espiritual e a
cobi$a desse mal" se aprende al&uma cousa dele pela Palavra, isto é como o que cai
sobre o ébano e ricocheteia, ou como o que cai em um osso e é tra&ado.
$er%e!ramen"e. Por e0"a %ren3a a dana34o , !m1u"ada ao Sen+or. Euem é que n#o
pode concluir que n#o é culpa do homem, mas do Senhor, se o homem n#o é salvo,
quando, o Senhor pode salvar a cada um por pura BisericCrdiaH Se se di9 que o meio
de salva$#o é a é" mas qual é o homem a quem esta é n#o possa ser dada, pois está
é é somente um pensamento, o, qual pode ser inundido em todo estado do espDrito
abstraDdo das cousas mundanas, mesmo com a conian$aH < esse também pode di9er'
(#o posso por mim mesmo tomá-la" se portanto ela n#o é dada, e o homem é danado,
o que é que pode pensar o danado, sen#o que a culpa é do Senhor, que pIde e n#o
quisH (#o será isso chamar o Senhor de misericordiosoH < além disso, no ardor, de
sua é, n#o pode ele di9er' 7omo o Senhor pode ver tantos danados no inerno, quando
entretanto pode em um momento sC salvá-los por pura misericCrdiaH Sem alar de
muitos, outros raciocDnios semelhantes, que podem ser considerados como inames
acusa$%es contra o Divino. A&ora, por estas e0plica$%es pode-se ver que a é em uma
salva$#o operada em um momento por pura, BisericCrdia é uma serpente de o&o
voando na ?&reja.
Desculpem-me se, para encher este resto de papel, acrescento esta narra$#o' Al&uns
espDritos por permiss#o subiram do inerno, e me disseram' J!u escreveste muitas
cousas pelo Senhor, escreve também al&uma cousa por nCs.J >espondi' J/ que
escrevereiHJ <les disseram' J<screve que cada espDrito, quer seja bom ou quer seja
mau, está em seu pra9er" o bom no pra9er de seu bem, e o mau no pra9er de seu mal.J
Ki9 esta per&unta' JEual é o vosso. pra9erHJ Disseram que era o pra9er de cometer
adultério, de roubar, de raudar, de mentir. < de novo per&untei' J/ que s#o esses
pra9eresHJ <les disseram' JS#o sentidos pelos outros como edores de e0crementos,
como inec$%es cadaverosas, e como odores de urinas inectas.J <u disse' J<st#o aD
cousas a&radáveis para vCsHJ Disseram' JBuito a&radáveis.J <u disse' J<nt#o sois
como bestas imundas, que vivem em semelhantes porcarias.J >esponderam' JSe o
somos, o somos, mas estes odores s#o as delDcias de nossas narinas.J Per&untei'
JEue escreverei mais de vCsHJ Disseram' J?sto, que é permitido a cada um estar em
seu pra9er, mesmo o mais imundo, assim como o chamam, desde que n#o ineste nem
os bons espDritos, nem os anjos" mas como n#o podemos dei0ar de inestá-los, omos
e0pulsos e precipitados no inerno, onde soremos cruelmente.J <u disse' JPor que
inestastes os bonsHJ >esponderam que n#o puderam dei0ar de a9ê-lo" é como um
uror que se apodera deles, quando vêem al&um anjo, e sentem a esera divina que o
cerca. <nt#o eu disse' JPor conseqFência sois também como bestas ero9es.J /uvindo
estas palavras, sobreveio-lhes um uror, que apareceu como o o&o do Cdio, e para que
n#o causassem dano, oram remer&ulhados no inerno. Sobre os pra9eres sentidos
como odores e como edores no Bundo espiritual, ver acima, n*
s
+6+, +6,, +62, +4,.
'I&

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful