You are on page 1of 14

Titulo original: A series of six workings from The Goetia of Solomon The King

Fonte: http://www.philhine.org.uk/writings/sp_goetiarep.html
Autoria: GosaA & Abbadon (Fr.)
Tradução: G.T.O.: Grupo de Traduções Ocultas.
Tradutor: LVX NOX (Leonardo M.)
Revisão: Eyes of Eagle (Paulo Santos).



































www.gtobr.org — Grupo de Traduções Ocultas

Uma série de seis trabalhos dA Goetia de
Salomão, O Rei

Fraters GosaA & Abbadon — 23 de Janeiro de 1989 à 08 de Maio de 1989, e.v.

Estes trabalhos formam a primeira parte de um longo período de estudo de diferentes
abordagens da Goëtia. O nosso eventual objetivo é projetar uma Goëtia para o século
21. O Lemegeton foi escolhido como o primeiro sistema a ser explorado, visto que
GosaA já trabalhara com ele anteriormente. Este documento considera os trabalhos em
ordem cronológica, delineia o cenário de acontecimentos que se desdobraram durante a
série, e condensa as idéias que os ritos provocaram.

LOCAL

Os trabalhos foram realizados em um sótão no terceiro andar, na residência de
Abbadon, em Headingley, Leeds.

ESBOÇO DO RITUAL

O procedimento do ritual consistiu de um ritual de banimento (A Nusphera), e a
estrutura do ritual conforme estabelecido no Lemegeton, com modificações
insignificantes. Em geral, as partes utilizadas foram:

1. A Primeira Conjuração
2. A Segunda Conjuração
3. A Imprecação
4. O Discurso ao Espírito
5. As Boas-Vindas ao Espírito
6. A Licença para Partir

PLANO DE FUNDO

Os ritos foram executados durante um contexto de acontecimentos que dificilmente
poderia ser denominados de plácidos. Em Bradford, uma ‘guerra mágica’ foi
desencadeado entre diversos grupos pagãos diferentes, centrados na conduta anti-social
de um ou dois indivíduos. Abbadon estava sendo insultado na ‘imprensa pagã’ como
um simpatizante Nazista/Satanista, por ter escrito um artigo sobre como a filosofia
satânica é mal recebida e interpretada, e seu envolvimento na rede PaganLink também
foi a vomitar inimizades e hostilidades entre ‘defensores’ de diferentes abordagens da
rede. A evolução desses acontecimentos afetou o trabalho e os seus resultados.

Convém notar que enquanto GosaA estava familiarizado com a aparência e disposição
destes Espíritos Goéticos, Abbadon não estava — e não familiarizado com as descrições
gerais dos espíritos das Chaves Menores.






Nº. 1
23/01/89, 10:30 (pm) – 12:00 (pm)
Espírito: VASSAGO, evocado por GosaA

ORGANIZAÇÃO

Triângulo construído em uma mesa baixa, com um pequeno cristal dentro. Foi usada a
música ‘Nurse with Wound’ como plano de fundo, pois imaginamos que fosse de
natureza apropriada. Na primeira estância, não havia círculo físico.

Vassago tomou forma no triângulo, visto por ambos oficiantes como um furacão
girando. Em seguida Abbadon o viu assumir a forma de um pequeno homúnculo,
enquanto GosaA viu um breve esboço da Virgem Maria. Abbadon então viu um rei
austero, usando uma coroa, seguido por um lagarto. Nota-se que uma das formas em
que Vassago aparece é como um duque velho e ríspido, montando em um crocodilo e
segurando um milhafre. Depois disso, tanto GosaA quanto Abbadon viram uma máscara
descrita como brilhante, metálica, e com uma boca virada para baixo, olhos fortemente
tampados, e um nariz acentuado. Nós começamos a questionar Vassago quanto à
importância de máscaras. GosaA então viu duas máscaras, enquanto Abbadon
visualizou uma mão enluvada em uma manopla possuindo dois dedos. Abbadon viu em
seguida um vaso de terra de cemitério; negro e úmido. Abbadon enxergou um pêndulo
anexado a uma retorta dentro do triângulo, ‘possivelmente um dispositivo de
comunicação?’. GosaA questionou em seguida a Vassago como nós poderíamos nos
comunicar melhor e ‘sentiu’ uma mão indo para dentro de seu cérebro — isto provocou
uma intensa sensação de vertigem e uma breve visão de moldes geométricos de linhas
retas que se tornavam espirais. Ele então viu Vassago como um velho desdentado,
enquanto no mesmo momento, Abbadon o descreveu como usando trajes maltrapilhos
do século dezesseis. Então Vassago ‘disse’ que a energia estava muito indefinida, que o
rito estava com deficiência de definição, e que o círculo físico era necessário, como um
ponto de referência. Abbadon, em seguida, teve a visão de um triângulo apontando para
baixo, no qual estavam as letras Yod (ponta esquerda), He (ponta direita) e Vau (no
ápice), traçado em um bloco de madeira. Abbadon perguntou em seguida se as mascarás
‘falavam’. Vassago retraiu suas feições, indicando que não. Sua face reapareceu,
sorrindo e babando. Abbadon então viu a imagem de um dos celebrantes mascarado e
segurando um pêndulo. GosaA perguntou, sobre porquê Vassago segurava diante de si
uma caneta de pena. Possivelmente uma referência à verdade (i.e. Ma’at) ou ao anjo
Yebem, o qual é representado segurando uma caneta de pena.

Concluído com a Licença para Partir, etc.

COMENTÁRIOS

Ambos declaramos que este foi um trabalho muito difícil. Vassago pareceu indisposto a
se manifestar, e foi taciturno. Ele parecia estar tentando determinar as condições para
sua complacência; se era uma tentativa genuína de abrir efetivamente canais de
comunicação, ou estabelecer um controle sobre os celebrantes, é uma incerteza. Um
tradicionalista poderia muito bem argumentar que isso é moderno. Demônios são
“inteligentes”, na forma em que nós pensamos geralmente sobre este conceito?

Após este rito, tanto GosaA quanto Abbadon sofreram o que pode ser definido como
‘ressaca’ pós-contato. Ambos sofreram de sentimentos de vaga depressão, letargia
intensa, membros doloridos e dor de cabeça. Estes sintomas persistiram por dois dias,
antes de desaparecerem.














































Nº. 2
30/01/89, 10:00 (pm) – 11:30 (pm)
Espírito: VASSAGO (II), evocado por Abbadon

ORGANIZAÇÃO

Desta vez, um círculo físico foi colocado no chão da sala, e escrito com os nomes de
poder apropriadamente. Um triângulo foi construído como descrito no trabalho anterior.
Novamente, o fundo musical foi usado.

Ambos viram Vassago no triângulo ao final da primeira Evocação como um tornado
cintilante, a partir do qual, Abbadon enxergou primeiramente patas de cavalo, em
seguida, patas de aranha. GosaA visualizou primeiro um globo, o qual converteu-se em
vagas formas nas costas de um réptil. Abbadon procedeu com a repreensão, sobre o qual
Vassago apareceu para ambos com um largo sorriso, andando como um vagabundo.
GosaA questionou Vassago quanto ao processo cerimonial correto para conseguir os
melhores resultados. Em resposta, Vassago expôs uma ampulheta, em seguida um ovo
de galinha, os quais ele esmagou em suas mãos. Abbadon viu uma escrita dele na areia,
mas era incapaz de fazer e ver as formas claramente. Nós dois começamos a notar que a
música já atrapalhava, neste momento (talvez Voix Bulgares ou Cantos Gregorianos
fosse mais apropriado?) e então desligamos. GosaA então pediu à Vassago para que
desse a Abbadon uma visão de onde GosaA estaria às 2:30 da tarde do dia seguinte (isto
foi feito como um teste para Vassago, quanto à sua reputação e habilidade de dar claras
visões). Abbadon revelou a visão como a seguir:

Movendo-se de um vôo de uma ampla escadaria, com outras pessoas, dentro de um
edifício. Então andam por um longo corredor com armários de um lado e janelas do
outro. Passam por algumas portas e entram em uma sala. Há uma carteira, e alguns
objetos quadriculados, os quais eram vagos e imprecisos. Neste momento, a cena
desvanece.

Isso, de acordo com GosaA, é um cálculo de distância, para a instalação de um
computador, no (Instituto) Politécnico de Leeds. Nós então pedimos a Vassago uma
visão da sala mais apropriada para executar as Evocações. A visão fomentada foi a
seguinte:

Uma sala quadrada ou retangular sem janelas. As paredes são brancas e o chão
tingido de preto. Inscrito no chão há um círculo com um aro interno branco e central.
Os nomes de poder são escritos em prata e dourado. O triângulo está como descrito no
último trabalho, porém com um incensário em cada ponta. O ar com incenso é denso. A
sala está muito escura, iluminada por tochas um pouco distantes da parede. Há um
sentimento de agitação, frenesi e delírio retidos na mistura de ambas as formalidades e
agitação, frenesi e delírio são importantes, assim como a acústica — nós precisamos de
espaço para urrar (berrar, uivar, etc).

GosaA então solicita a Vassago sobre a escolha do tempo para realizar o trabalho. Ele
mostra uma ampulheta, uma relógio solar, e indica o número ‘II’, em seguida, girou o
relógio solar.

Nota: o Lemegeton diz que o melhor momento para evocar é 2 dias após o escurecer da
lua. Vassago então mostra suas mãos, como se estivessem algemadas.

Encerrado neste momento.

COMENTÁRIOS

O trabalho foi muito fácil desta vez, ainda que nós tivéssemos feito somente as mínimas
tentativas de cumprir as exigências de Vassago. A primeira visão apresentada para
Abbadon foi substancialmente precisa, embora ele não tenha conseguido mostrar os
computadores em detalhe, todas as imagens utilizadas por ele como o relógio solar, a
ampulheta, etc, eram obsoletas. Talvez ele não pode ‘entender’ alta tecnologia. Não
houve nenhuma ‘ressaca’ desta vez.





































Nº. 03
14/02/89, 10:00 (pm) – 11: 20 (pm)
Espírito: GLASYA LABOLAS, evocado por GosaA

Especificação do Intento

Abbadon: “influenciar os argumentos de amigos para aliar-se a mim e confundir os
argumentos de inimigos que aparecerão neste Sábado, em um local específico.”

ORGANIZAÇÃO

Desta vez, nós experimentamos com o ritual ‘Abertura dos Vórtices’, como uma
evocação preliminar, e Abbadon auxiliou nas evocações utilizando um cântico baseado
no nome do demônio, GLAZ IAL LABOLAS.

A razão lógica por trás dessa intenção era a de que Abbadon compareceria a uma
conferência pagã no final de semana, e por conta dos atuais insultos satânicos e os
resultados dos argumentos anteriores, estava esperando uma grande quantidade
hostilidades dirigidos a ele. Este intento foi visto como um teste das habilidades de
Glasya Labolas de agitar situações.

Ao deslacrar os vórtices, tivemos a impressão de a sensação de poder e tensão
aumentava dentro da sala. Tanto GosaA quanto Abbadon experimentaram a sensação de
‘ondas de energia agitadas se expandido e distorcendo a esfera do ritual’, o qual é um
efeito colateral notoriamente experimentado neste rito. Tão logo os vórtices foram
desselados, um vendaval subitamente soprou ao redor da casa. Abbadon começou a
entoar o mantra, e ambos sentiram uma espécie de tremular ao redor do círculo.
Abbadon viu Glasya Labolas como uns tornados dentro do triângulo, em seguida,
ambos o viram vagamente como um cão comandado por uma criatura. Os dois tiveram a
forte impressão que a energia introduzida dentro da sala pelos vórtices estava de algum
modo impedindo a manifestação de Glasya Labolas dentro do triângulo. Abbadon teve
uma breve visão de uma caveira no deserto. Abbadon selou os vórtices em seguida. O
efeito imediato foi que o vendaval cessou e os dois viram Glasya Labolas como um
humanóide com cabeça de cão com orelhas arredondadas. Abbadon o descreveu como
tendo pele de cor preto-azeviche, sem genitais, com uma cabeça com aspectos quase
metálicos. GosaA saudou o espírito e apresentou-lhe a intenção no momento em que os
dois viram-no ajoelhar-se levemente e curvar sua cabeça. Ambos tiveram a sensação de
que Glasya Labolas não tinha expressividade emocional, ele mostrou-se neutro e
indiferente (isto foi uma diferença direta com relação à Vassago, o qual se apresentou
como o ‘velho Steptoe’ demoníaco).

Abbadon pediu para que Glasya Labolas mostrasse para GosaA uma visão de onde
Abbadon estaria no tal dia, (e viu) um prédio repleto de grama em torno dele, em
seguida, uma construção mais antiga, com uma luz colorida no interior desta, com um
quadro com diversas injúrias ao seu redor. De qualquer forma, foi algo impreciso. Logo
após, Abbadon repetiu o intento, adicionando que Glasya Labolas poderia tomar para si,
se realizasse sua incumbência satisfatoriamente, “os corações de meus inimigos” e neste
momento ambos notaram que Glasya Labolas indicara emoção e interesse. GosaA viu
um close (imagem aproximada) do rosto dele & experimentou um sentimento exultante
de fineza e cuidado, enquanto Abbadon viu em close a imagem de um maxilar canino,
agitado para mostrar os dentes, e um vermelho cintilante na imagem de seus olhos.
Após a primeira Licença para Partir, Glasya Labolas desapareceu, porém sua presença
ainda foi sentida na sala, então a Licença para Partir foi repetida uma segunda vez.

COMENTÁRIOS

Glasya Labolas mostrou uma qualidade predatória fortemente selvagem & estranha.
Algo próximo de ser um atavismo africano. Um princípio muito mais ativo, em vez de
um passivo mostrador de visões, como Vassago. A conferência da PL (PaganLink),
acabou sendo uma sátira desanimada. Abbadon tornou-se inebriante, não houve nenhum
argumento importante, e também nada de construtivo foi produzido na reunião.

Se alguma coisa serviu para semear as sementes de um novo aborrecimento para
Abbadon, foi ele ter de resistir às atenções amorosas de uma amante do passado, e
apoiar sua atual parceira, que estava magoada por ver seu ex-marido com o atual
companheiro (o seu ex-melhor amigo) que mais tarde teve uma confusa influência neste
trabalho.

































Nº. 04
28/02/89, 10:50 (pm) – 11:45 (pm)
Espírito: HAURES, evocado por Abbadon

Especificação do Intento

Atormentar um malfeitor, B.H (um homem).

ORGANIZAÇÃO

Ritual inalterado.

O pano de fundo para este trabalho de ‘Maldição’, foram os eventos progressivos em
Bradford, os quais chegaram ao ponto onde alguns amigos dos celebrantes estavam sob
stress extremo, tendo sido ameaçados verbalmente, atacados fisicamente, e tendo suas
casas atacadas e ameaças feitas sobre a vida de suas filhas. O prólogo imediato foi que
Abbadon teria ido para Bradford e tentado, com outros, confrontar os perpetradores
destes ataques. Esta tentativa foi fracassada, e diversas estratégias foram examinadas
como opções para resolver a situação. Uma pessoa (B.H) presente neste debate estava,
sem o conhecimento das outras pessoas, atuando como um intermediário entre
diferentes grupos de pessoa envolvidas nestes eventos. Logo após o debate da noite, ele
relatou sua ocorrência à polícia local, que visitou vários dos envolvidos, com um aviso
de que a pessoa que era a fonte de toda a agitação (‘RF’) se encontraria com alguns
acidentes, e em seguida eles estariam com sérios problemas. Isso foi descoberto no
momento em que B.H estava informando à polícia, ele negou tudo, mas ele estava
mentido.

Os temperamentos já estavam andando alto, ‘RF’ já havia sido atacado de diferentes
ângulos, e Abbadon & GosaA decidiram ‘retirar’ B.H da situação, e testar a Goetia ao
mesmo tempo.

Desde o início do rito, houve uma grande dose de tensão & poder no círculo. A primeira
evocação produziu, para ambos celebrantes, uma nuvem sufocante que lançou
relâmpagos. GosaA teve uma visão fugaz de uma entidade semelhante a um gato
passando pelo círculo, e sentiu um forte impulso de se manter em movimento dentro do
círculo. Abbadon sentiu um calor inconfortável durante a primeira evocação, e ambos
experimentaram uma sensação de poder espiralado (Kundalini?). GosaA teve uma
visão espontânea do selo de Haures e traçou o selo após Abbadon, como se ele também
estivesse evocando. Ambos sentiram a sensação de uma fita apertada ao redor de suas
testas e uma dor de ouvido continuou até que o trabalho foi encerrado. Mais uma vez
GosaA teve uma forte impressão de um gato (uma das formas de Haures) que em
seguida tomou a forma humana, indistinto exceto pelos olhos oblíquos (os quais
incandesciam na direção de GosaA) ele era inteiramente visível. Abbadon viu uma
labareda humanóide que estava constantemente chamejando e mudando. Como Glasya
Labolas, Haures não tinha muita personalidade, porém possuía uma força monstruosa.

Abbadon então apresentou o intento, determinando que Haures fosse adiante e
maltratasse o alvo, que fizesse a imprecação e que usasse suas trinta e seis legiões, em
conseqüência disso, GosaA viu de súbito uma horda de pequenos seres negros com
membros magros adejando ao redor do círculo, enquanto Abbadon contou
posteriormente ter visto uma multidão de demônios negros dançando alegremente ao
redor do círculo. GosaA ficou espantado pela rápida intensificação da atmosfera, e
considerou que a manifestação de Haures foi reforçada pela presença das legiões.
Abbadon então pediu que eles partissem — ambos viram Haures & as legiões como
espirais ascendentes e esguichando dentro da noite, como uma massa escura se
retorcendo, movendo constantemente.

Os dois sentiram uma mudança instantânea na atmosfera da sala, como se a massa
tivesse levado consigo todo o poder & carga. A Licença para Partir foi dada neste
momento.

COMENTÁRIOS

Este foi o primeiro trabalho no qual nós ficamos ‘envolvidos’, ao invés de ser um teste
separado do sistema, como foi. Estávamos ambos muito empenhados na operação e
experimentamos momentos de Gnose. Os demônios negros são como ilustrações. Eles
só poderiam ser vistos de relance do campo periférico da visão, e davam a impressão de
agilidade intensa, movimentos rápidos. As emoções incitadas por este trabalho são
interessantes, não a fúria ou o ódio particular. Talvez uma emoção indescritível a qual
não se ajusta à nossa ira normal? Durante o rito, houve um aumento repentino de
adrenalina e um murmúrio definitivo, porém toda atenção estava focada na chamada do
espírito dentro do triângulo, mantendo-o lá, e incumbi-lo com um intento.

Esta focalização na entidade liberta a mente da tendência de identificá-la com o alvo e
produz a avidez de resultados. Abbadon observou que após o rito se sentiu ‘vazio’ de
todos os sentimentos. Aproximadamente às 12:45 (pm), Abbadon sentiu uma sensação
peculiar em sua cabeça, difícil de descrever, porém muito estranha. GosaA afirmou ter
tido uma experiência similar antes com as entidades do Lemegeton & alguns espíritos
familiares, e que isso é devido ao fato de que eles estão tocando o cérebro para mais
informações a respeito do intento.

Concernente ao alvo, alguns dias depois, um amigo que estava na travessa central de
Bradford, relatou que BH apareceu em sua casa, alucinado e balbuciando inanidades
mágicas. Seu doutor submeteu-o a um psiquiatra, mas ele recusou a ajuda. Ele, no
entanto, deixou cessar seu comportamento destrutivo para todos aqueles que estiveram
envolvidos na situação.














Nº. 05
07/03/89, 18:00 (pm) – 19:20 (pm) | *eclipse lunar parcial às 18:18 (pm)

Espíritos (dificuldade em dobro): Haures & Andromaleus

Especificação do Intento

Haures: ‘Maldição’ para inibir ações de RF.
Andromaleus: ‘Maldição’ para reter uma corrente mágica maligna emanada da SS.

Esta foi uma situação um tanto emergencial. Inicialmente, nós estamos preparando-nos
para realizar uma maldição para refrear RF, o ‘vilão’ dos exaustivos eventos em
Bradford. No meio disso, a atual namorada de Abbadon assustou-se-com-um-
aterrozirante-história-de-que-seu-ex-marido tivesse mandado para ela uma faixa de
runas através dos correios e que uma de suas correspondências fora aberta, & que ela se
sentiu sob um ataque mágico. Abbadon aconselhou para que ela realizasse banimentos
regularmente, e então, ele e GosaA ‘advogariam no caso’, como foi o caso.

A primeira evocação foi estabelecida imediatamente. Ambos viram Haures como sendo
um ser dentro do qual estava um grande poder condensado. GosaA viu um globo de
chamas com garras & então uma única garra projetou-se deste globo, enquanto
Abbadon viu apenas uma chama tremulante que depois tornou-se um humanóide com
cabeça e ombros feitos de chamas. Abbadon convocou as legiões e GosaAos viu como
ratos negros cercando o círculo, dirigindo-se para a chama conforme o rito continuava,
com uma forte sensação de que o calor aumentava. Abbadon viu um ‘buraco’ no ar,
através do qual a força vazava para dentro do quarto. GosaA começou a desenhar o
sigilo de Haures atrás de Abbadon, e entoar o nome de Haures. GosaA percebeu
repentinamente uma forte presença física movendo-se no sentido do círculo, o qual, em
seguida, desapareceu. Seguiu-se uma visão das chamas dançando ao redor do círculo.
Ao mesmo tempo Abbadon viu faíscas de cor azul acima do triângulo, e quando
determinou seu intento, os demônios aglutinaram-se e rodopiaram para fora do espaço.
A saída deles não foi tão intensa como na ocasião anterior. Abbadon então proferiu a
Licença para Partir, e viu uma nuvem negra agitada emitindo raios, cascos e garras
negras, projetando-se no horizonte da cidade.

Em seguida houve um breve intervalo.

Abbadon, em seguida, evocou Andromaleus (“andro = homem, maleus = mal” ?).
Ambos sentiram sua presença muito antecipada na evocação. GosaA viu ele como uma
figura semelhante a David de Michelangelo com uma grande serpente aos seus pés, que
permaneceu razoavelmente ao longo do rito, enquanto Abbadon viu uma grande
serpente verde presa por um braço vindo de cima, com a figura da serpente dominando.
Este então mudou para um humanóide andrógino pálido segurando uma grande
serpente. Tanto Abbadon quanto GosaA acharam a figura humana atrativa. Durante a
‘Saudação’, Abbadon viu tanto o humanóide quanto a serpente levantando a cabeça
como se a entidade estivesse prestando atenção, porém sem uma atenção particular. Nós
tivemos a impressão de que o humano & a serpente eram na verdade uma única
entidade. As legiões mostraram-se para Abbadon como serpentes verdes serpenteando
ao redor do círculo. Com a carga intensificada, GosaA viu uma imensa serpente verde
enrolada próxima do círculo.

A partida da entidade foi vista por Abbadon como as serpentes repentinamente
ascedendo ‘em movimentos chicoteadores’, enquanto GosaA viu a serpente caindo
rapidamente e sua cabeça ser atirada na direção Norte.

A Licença para Partir foi dada.

COMENTÁRIOS

Dois dias mais tarde, em uma reunião pagã em York, um bruxo comentou hesitante que
ele podia ‘ver’ uma serpente verde invadindo a Aura de Abbadon, e Abbadon estava
ciente desta presença?






































Nº. 06
08/05/89, 21:30 (pm) – 22:45 (pm)
Espírito: Haures, evocado por Abbadon.

Especificação do Intento

Retornar uma maldição sobre um objeto para quem a fez.

Montagem

Rito modificação pela invocação preliminar de Ra-Hoor-Khuit & leitura inspirativa do
Liber Al. O incenso de Ra-Hoor-Khuit foi usado.

Outra medida de urgência. Amigos em Hull receberam uma série de telefonemas
ameaçadores, seguidos por um horrível objeto particularmente amaldiçoado. Foi
decidido empregar Haures para retornar a maldição para seus criadores, e também para
restabelecer a confiança dos destinatários.

A invocação de Ra-Hoor-Khuit como “um deus da guerra e vingança” trouxe uma
grande quantidade de energia, porém também um sentimento de calma afastada. GosaA
viu Ra-Hoor-Khuit manifestado como uma cabeça de falcão, então o falcão bateu suas
asas, em seguida, prensa as garras & move violentamente o bico. Abbadon neste
momento estava demasiadamente inflamado para observar. Haures veio
satisfatoriamente rápido, aparecendo primeiramente como um tornado ou vórtex, em
seguida, como um humanóide com cabeça de cão. Ambos os celebrantes tiveram a
impressão de um enorme tamanho, e nenhuma outra emoção diferente da interessada
neutralidade, como oferecido antes. As legiões chegaram como uma forte turbulência
em volta do círculo, tomando formas angulares, ao ser visto de perto eram formas
delgadas. Nós dois percebemos que eles pareciam mais frenéticos e agitados que o
usual. GosaA igualou Haures com um caçador, e as legiões sendo seus ‘cães de caça’.
Abbadon observou que o inseto corria da horda, por assim dizer. Eles partiram com um
ar definitivo de estarem “na caça”. Neste momento toda tensão cessou na sala.

A Licença para Partir foi concedida.

COMENTÁRIOS

Abbadon estava em uma gnose continua durante todo este trabalho, e GosaA relatou
uma experiência similar. Ambos sentiram uma sensação de serem serrados
separadamente, mas no mesmo momento, estarem no fogo — sentimento associado com
Ra-Hoor-Khuit. O objeto amaldiçoado, até o fim do rito, aparentou ser ‘limpo’ da
energia maléfica e a energia na sua natureza foi comentada posteriormente por um que
viu o objeto antes da realização do rito, e problemas da ‘referida maldição’
experimentadas pelos destinatários iniciais imediatamente cessou. Dos criadores deste
objeto, no entanto, nada sabemos de sua sorte até o momento.

Este é o fim dos trabalhos com o Lemegeton, por GosaA e Abbadon.

Tradução do Grupo de Traduções Ocultas, por LVX NOX e revisado por Eyes of Eagle.