You are on page 1of 2

FRANÇA

Economia
A frança apresenta uma economia muito desenvolvida e é um dos países mais ricos do
planeta. Até meados do século XIX, a economia francesa era essencialmente agrícola, com
importantes atividades artesanais. O desenvolvimento dos transportes, na segunda metade
do século XIX, acelerou a concentração, em certas áreas, de atividades industriais.
Métodos modernos de fabricação em série foram implantados após a primeira guerra
mundial.

Depois da segunda guerra mundial,mais exatamente a partir de 1950, o governo francês


estabeleceu algumas medidas protecionistas de seus produtos frente aos estrangeiros, que
foram paulamente abandonadas á medida que a indústria francesa se modernizou,
tornando muito mais competitiva. Na década de 1970 a produção industrial francêsa
cresceu mais de 33% mas,a partir de 1980, estabilizou-se.

Indústria.

No fim do século XX, a frança era a quarta nação industrial do mundo, depois dos EUA ,
Japão e Alemanha. O processo de forte industrialização tomou iniciativa, depois da
segunda guerra mundial, com o apoio decisivo do governo , que também incentivou a
fusão de pequenos grupos empresariais, o que resultou em maior concentração industrial
do país.

Destacam-se no parque industrial francês as grandes montadoras de automóveis e aviões,


as indústrias mecânicas, elétricas, químicas-com grande concentração financeira- e
alimentícias, geralmente situadas perto dos centros urbanos. A frança também desenvolveu
uma extraordinária tecnologia de ponta: informática, eletrônica e aeronáutica. Por ser o
país uma potência militar, destaca-se também a indústria de armamentos.

Hoje em dia a economia da França é a quinta nação mais rica do planeta em termos de
PIB-nominal, atrás dos Estados Unidos, do Japão, da Alemanha, e do Reino Unido.

São de capital francês empresas como: Accor, Air France, Air Liquide, Alcatel, Alstom,
Areva, Aventis, Axa, BNP Paribas, Bouygues, Carrefour, Champion, Citroen, Danone,
EDF, Elf, FNAC, France Telecom, Leroy Merlin, Michelin, Peugeot, Renault, Saint-
Gobain, Suez, Thales, Thomson, Total e Vivendi, Michigan, (entre outros).

Por esse motivo, da enorme riqueza que faz da França uma das nações da "elite" mundial,
podemos dizer sem dúvida alguma que a França é um dos países mais industrializados do
mundo, seus produtos se espalham por lojas e casas de todo o planeta. Um dos setores que
movimentam a economia da França em grande escala, sem dúvida nenhuma, é o turismo,
fazendo da França o país que mais recebe turistas por ano (70 milhões de visitantes), que
depositam no país dezenas de bilhões de dólares. Alguns dos principais produtos
exportados pela França são seus vinhos, perfumes e culinária.

Produtos Importantes da França:

Agricultura: Trigo, batata-doce, milho, cevada, uva, batata, frutas, aveia, girassol,
hortaliças, beterraba, tabacos, e vinhos.
Pecuária e Pesca: Bovinos, súinos, ovinos, caprinos; bacalhau, badejo, sardinha.

Mineração: Carvão, ferro , sais de potássio, bauxita, zinco, chumbo, ouro , petróleo, gás
natural, gipsita e aço.

Indústria: Cimento, produtos siderúrgicos, produtos químicos, alumínio, automóveis,


aviões, máquinas, metalúrgica, e produtos de alta tecnologia de ponta.

PORTUGAL

Cultura popular

A culinária portuguesa é reconhecida como uma das mais variadas do mundo, ainda que
esteja restrita a um espaço geográfico diminuto, mostrando influências mediterrânicas
(incluindo-se na chamada “dieta mediterrânica”) mas, também, atlânticas, como é visível
na quantidade de peixe consumida tradicionalmente. Muito mudou desde que Estrabão se
referiu aos Lusitanos como um povo que se alimentava de bolotas. A base da gastronomia
mediterrânica, assente na trilogia do pão, vinho e azeite, repete-se em todo o território
nacional, acrescentando-se-lhe os produtos hortícolas, como em variadas sopas, e frutos
frescos. A carne e as vísceras, principalmente de porco, compõem também um conjunto de
pratos e petiscos regionais, onde sobressaem os enchidos. Com o advento das descobertas
marítimas, a culinária portuguesa rapidamente integrou o uso, por vezes quase excessivo,
de especiarias e do açúcar, além de outros produtos, como o feijão e a batata, que foram
adoptados como produtos essenciais. Note-se que a variedade de pratos regionais se
verifica mesmo em áreas restritas. Duas cidades vizinhas podem apresentar, sob o mesmo
nome, pratos que podem diferir bastante na forma de confecção, ainda que partilhem a
mesma receita de base. As generalizações nem sempre estão correctas: as diversas
culinárias regionais variam muito na mesma região.