You are on page 1of 1

Me d a sua mo

Me d o seu amor
Eu quero te dar
Um aperto de mo (2x)

Oxal nos guiou
Oxal nos uniu
Semeou o amor
E a tristeza sumiu (2x)

Sarav os Pretos Velhos!!
Adorei as almas!!

Adorei as almas
e as almas me atenderam
Adorei as almas
e as almas me atenderam
Eram santas almas
l do cruzeiro
Eram santas almas
l do cruzeiro

Filho,
se voc precisar
s pensar na vov
Que ela vem lhe ajudar (2x)

Pensa numa estrada longa, menino
l no seu Jacut
E numa casinha branca, meu filho
que a vov ta l
Sentada num banquinho tosco, o menino
com seu rosrio na mo

Tava a vov Maria Redonda
fazendo orao (2x)


Ai Vov eu tenho medo
Ai Vov eu tenho medo (2x)
Da fumaa do cachimbo
Descobrir o meu segredo (2x)


Dorme preso como animal,
acorda cedo pra trabalhar
Era na foice e no machado,
com o faco nos canaviais
Quatorze horas por dia,
e sem poder reclamar
O negro caa cansado,
logo era chicoteado
E gritava

No bata n'eu mais no
No bata n'eu mais no
No bata n'eu mais no, seu feitor
Que eu j vou me levantar (2x)

1888
a lei urea, Isabel assinou
O negro foi jogado na rua,
essa lei no adiantou

Com saudades da terra natal,
com aperto no corao
O negro j no apanha mais,
mas continua na escravido

Libertao,
libertao,
libertao, olha o negro
libertao (2x)

No bata n'eu mais no
No bata n'eu mais no
No bata n'eu mais no, seu feitor
Que eu j vou me levantar (2x)

MEU SENHOR DA SENZALA,
MEU SINHORZINHO
ELE VEM CANSADO
MEU PAI JOAQUIM (2x)

UM GRITO DE LIBERDADE, NEGRO ECOOU
QUANDO OXAL CHAMOU,
RECEBEU TODA A PAZ, PELA HUMILDADE,
HOJE ELE NOS TRAZ A CARIDADE.

LUANDA, O LUANDA
COMO TO LINDO PAI JOAQUIM, NA NOSSA
UMBANDA (2x)

Cambinda estava dormindo, na porteira do curral
Cambinda estava dormindo, na porteira do curral
Quem tem inimigo no dorme, Oh Cambinda,
acorda e vem trabalhar
Quem tem inimigo no dorme, Oh Cambinda,
acorda e vem trabalhar
Cambinda mame nhe,
Cambinda mame nh,
Cambinda mame nhe,
Cambinda mame nh

Oh segura Cambinda que eu quero ver
Filhos de pemba no tem querer
Oh segura Cambinda que eu quero ver
Filhos de pemba no tem querer