You are on page 1of 5

“Um conceito fundamental que se associa à avaliação, na forma

como ela é entendida, é a noção de valor. O valor não é algo intrínseco às


coisas mas tem sobretudo a ver com a experiencia e benefícios que se retira
delas: se é importante a existência de uma BE agradável e bem apetrechada
a esse facto deve estar associada uma utilização consequente nos vários
Domínios que caracterizam a missão da BE, capaz de produzir resultados
que contribuam de forma efectiva para os objectivos da escola em que se
insere.” – Modelo Auto-Avaliação pag.2

É importante que o professor bibliotecário deixe de ter um papel


“passivo e invisível” na escola e tome as “rédeas” da biblioteca e lhe
confira visibilidade, dinâmicas, uma adaptação aos tempos actuais com as
novas tecnologias que lhes estão associadas. Esta visibilidade só poderá ser
traduzida por um coordenador que articule o conhecimento, planeamento
estratégico, a uma liderança eficaz e capaz de envolver todos os
intervenientes do processo ensino/aprendizagem.

Para a realização deste trabalho de auto-avaliação optei pelo


Domínio C. Projectos, parcerias e actividades livres e de abertura à
comunidade e pelo Subdomínio C.1 Apoio a actividades livres, extra-
curriculares e de enriquecimento curricular.
O Indicador seleccionado e que considero de Processo é o C.1.2
Dinamização de actividades Livres, e Carácter Lúdico e Cultural na
Escola/agrupamento e ao nível do Impacto o C.1.3 Apoio à utilização
autónoma e voluntária da BE como espaço de lazer e livre fruição dos
recursos.

Análise detalhada dos Indicadores

O Indicador que considero de Processo é o C.1.2 Dinamização de


actividades Livres, e Carácter Lúdico e Cultural na Escola/agrupamento,
pois engloba todo um conjunto de serviços e actividades (culturais, de
debate, musica, ensino, …) disponíveis aos alunos e docentes do 1.º ciclo.
É um indicador que evidencia qual o envolvimento e mobilização da parte
dos utilizadores que nos permite objectivar e delinear caso seja necessário
novas estratégias, meios que visem uma melhoria desses mesmos serviços
prestados aos potenciais utilizadores.
O Indicador C.1.3 Apoio à utilização autónoma e voluntária da BE
como espaço de lazer e livre fruição dos recursos é de Impacto pois
“mede” qual a motivação ou os impulsos (se é que se podem medir!) que
alunos e docentes têm na utilização da BE, e qual o seu contributo na
formação, e na mudança em relação ao conhecimento, competências,
atitudes, níveis de sucesso, bem-estar, inclusão, … etc.
C. Projectos, parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade
C.1 Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular
Indicador Diagnóstico recolhido Factores críticos de Instrumentos de recolha de Intervenientes no
Sucesso evidencias processo
Verificação de que as actividades - A BE pretende organizar e - Plano de actividades BE - Coordenadora de BE
organizadas e dinamizadas pela BE dinamizar um conjunto de - Planificações Docentes
fora do contexto lectivo, são actividades com a colaboração e - Registos de auto-avaliação das - Elementos conselho
participadas e existe uma cooperação cooperação de todos os docentes: actividades executivo
e interacção por todos os docentes e • Escritora convidada - Questionário: - Auxiliares acção
C.1.2 Dinamização seus alunos. • Musico convidado • Professores educativa
de actividades • Exposição de trabalhos • Alunos - Encarregados de
Livres, e Carácter • Encarregados de educação educação
• Celebração de dias festivos
Lúdico e Cultural na • Auxiliares acção educativa
e comemorativos
Escola/agrupamento -Análise de trabalhos de alunos
C. Projectos, parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade
C.1 Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular
Indicador Diagnóstico recolhido Factores críticos de Instrumentos de recolha de Intervenientes no
Sucesso evidencias processo
Verificação de que a BE é utilizada - Horário de funcionamento da BE - Grelhas de frequência da BE - Coordenadora de BE
com a frequência considerada - Utilização livre e orientada pela - Grelhas de observação de utilização Docentes
“óptima” de acordo com os padrões coordenadora ou pelo docente da BE - Docentes
culturais, sociais, económicos - Politica de desenvolvimento da - Estatísticas das requisições - Encarregados de
C.1.3 Apoio à demonstrados pelos alunos colecção domiciliarias educação
utilização autónoma - Actividade de empréstimo de livro - Avaliação da colecção
e voluntária da BE e obras aos alunos para a sala ou para - Questionário aos pais (“devil’s
como espaço de lazer o domicilio advocat” or “critical friend”)
e livre fruição dos
recursos
Comunicação de Resultados

Os resultados obtidos por este plano de avaliação serão dados a


conhecer ao Conselho de Docentes da escola, Conselho Executivo do
agrupamento, bem como `a Rede Concelhia de Bibliotecas (Benchmarking
externo – ver texto da sessão) “obrigando” a um compromisso de todos
para melhoria das dificuldades e falhas ocorridas durante este processo de
avaliação.

A Formanda

Anabela Pinto Lopes Rodrigues Duarte