You are on page 1of 14

TRATAMENTO

SUB-ZERO
RENATO SOBRAL AFONSO FERREIRA
LUCAS BORBA
Problemática
 Não-endurecimento completo do
aço (pontos moles);
 Austenita retida indesejada;
 Conversão subseqüente desta
causa aumento de volume,
criando tensões internas;
 Conseqüência: falha prematura,
trincas;




Pós-Têmpera
 Após a têmpera, ainda há austenita
retida, que traz problemas em certas
aplicações.
Tratamento Sub-Zero
 Transforma Austenita retida em
martensita;
 Homogeneizar a peça;
 Maior estabilidade dimensional;
 Aumento de dureza.


Processo

 De 24 min a 24 h (1 h ideal);
 Principalmente em aços inoxidáveis
e aços altamente ligados;
 Pelo menos 50º negativos;
 Realizado entre a têmpera e o
revenimento;
 Utiliza-se Nitrogênio (até -196ºC);


Processo

Aumento de Dureza
Aumento de Resistência

Unidade de Resfriamento
Sub-Zero

Unidade de Resfriamento
Sub-Zero
Cutelaria
 Canivete de 5 5/8" fechado. Aço AUS-8
com tratamento sub-zero.

Valor:
R$470,00 + frete (1 unid)
Cutelaria

Estabilidade Dimensional

Bibliografia
 http://www.heattech.com.br/tratamento-
sub-zero.html
 http://www.silveiraknives.net/coldsteel/i
ndex.html
 http://www.camachoknives.com/modelo
s/madeira.html
 http://www.cutelariavirtual.com/renno/inf
ormacoes/tratamento.htm
 http://www.linde-
gas.com/international/web/lg/com/likelg
com30.nsf/DocByAlias/ind_subzero