You are on page 1of 1

Comentário ao trabalho efectuado pela colega Florinda Almeida

Neste terceiro trabalho escolhi a tarefa número dois e por tal facto não
elaborei uma carta ao Director. Não porque não achasse a tarefa
importante, mas sim porque fiquei com sérias dúvidas se convenceria a
Direcção da importância do modelo de auto-avaliação das BE. Preferi
trabalhar mais sobre o modelo. Contudo, ao enviar o meu trabalho para o
fórum reparei que existia já uma carta ao Director e não resisti (ousadia da
minha parte) a comentá-la.

Na carta apresentada existem ideias-chave que considero importantes para


a Direcção e para a Escola e que são:

- “… a BE deverá desenvolver um plano integrado de acção, que promova a


articulação entre o Projecto Educativo e os Planos Anuais e Plurianuais da
Escola”. É esta análise que tem de ser feita pela Direcção e por nós. Que
papel tem a Biblioteca na escola? Como é que a Biblioteca “serve” a escola?
Como é que a missão da BE se adequa à missão da escola?

- A BE pode ou deve tornar-se a estrutura central da escola? Esta ideia


levou-me a reflectir sobre o papel da BE. Será que tem de ser uma estrutura
central? Intermédia ou só estrutura? Talvez a resposta esteja no “processo
reflexivo/avaliativo, chave que conduzirá à reformulação e orientação das
estratégias a aplicar na BE nos próximos anos lectivos”. Estas estratégias
terão de sair de uma reflexão conjunta, não só da Direcção ou do Professor-
Bibliotecário, mas também do Consel ho Pedagógico, dos Conselhos Turma
e também e principalmente dos Alunos.

- O envolvimento da Comunidade Educativa, descrita no documento, é de


facto uma forma para a implementação do modelo de auto-avaliação. É
dado um peso excessivo à recolha de evidências e aos resultados da
avaliação, parece-me que teremos de começar pela explicação do modelo e
pelos factores de sucesso/insucesso e pelas acções de melhoria, de acordo
com o preconizado pela escola e pela BE.

- Em relação à avaliação penso que se a missão da escola e da BE estiverem


no mesmo caminho, concerteza que a “avaliação externa da escola pela
Inspecção, poderá, assim, avaliar o impacto da BE na escola, mencionando-
a no relatório final de avaliação da escola”.

Amália Amaro Ribeiro