You are on page 1of 19

Trucidando o “carinha bonzinho” que existe

dentro de você
(parte 1 – Definição e antídotos)


―Essa porra não é sobre pegar mulher. Essa porra é pra mudar tua vida.‖ (Mystery)


Bom eu sou o Wleon, Wladimir, nome real, Wladimir Kalashnikoff no Facebook.
Estou deixando de trabalhar para falar sobre isso. Mas escrevo porque gosto e estou adorando
escrever sobre o assunto. Como tudo que escrevo no PuaBase, escrevo com paixão.

Conceito

Vou tratar de um assunto delicado e controverso. Existe um termo em inglês que é ―nice
guy‖. Podemos traduzir palavra por palavra, ao pé da letra: ―cara legal‖. Ou podemos dar
uma tradução mais semântica, mais de acordo com o significado real do termo: ―carinha
bacana‖ ou ―carinha bonzinho‖ ou ―cara agradável‖.

Você conhece algum ―carinha bacana‖?

Se não conhece, se olha no espelho e diz: ―Prazer, Carinha Bacana!‖.
Todo mundo tem um pouco disso dentro de si.
Explicando o termo. Você já leu o Bad Boy? Já leu o DavidX? Já leu o Alan Roger (ModeOne)?
A galera do direct é quem mais dá alertas sobre o perigo do “carinha bacana”.
Na tradução brasileira do BadBoy usam o termo ―cara legal‖.
Cara legal é atencioso, bajulador, cara que dá elogios, se veste de forma comum, tá mais
preocupado com o conforto dos outros que com seu conforto, respeita regras, caras comuns,
entediantes, previsíveis, monótonos, inseguros, chatos, sérios, e sem coragem.
O Bad é incisivo ―garotas odeiam os caras legais‖. Muitos dizem que o Bad, é incongruente
com seu nick e perto do tio DavidX ou do Alan Roger é meio moça, mas não é assim.
Seu nick representa a essência de sua filosofia que visa destruir o carinha bonzinho e bacana
que existe, em maior ou menor escala, dentro de você.



Introdução

Agora eu vou introduzir...
Bom, como começou a se debater essa merda?
Sabemos que nos Estados Unidos, a discussão sobre bulling é mais antiga que aqui. A discussão
sobre o carinha legal também.
Enquanto no bulling todo mundo vê o sofrimento da cara, sofrimento geralmente provocado
por colegas, superiores, e aí vai. Já ―carinha bonzinho‖ ele provoca seu próprio sofrimento e
opressão ou permite que abusem dele.
Eu poderia afirmar que todo cara vítima de bulling é um ―carinha bonzinho‖, mas sabemos
que há bulling racial e outras formas de preconceito em forma de bulling. Mas são fatos muito
inter-relacionados.
A discussão sobre ―nice guy‖ nos EUA é algo de alto nível com direito a estudos científicos
sobre o tema.
Em resumo determinaram o nice guy como o cara agradável que busca recompensa por isso e,
por isso, se desilude, se recalcando, se tornando alguém com auto-estima frágil.
Taí porque o pessoal do direct dá umas ―diretas‖ sobre não ser um ―nice guy‖ (não me refiro
ao BadBoy, no caso dele isso é a base de sua filosofia).
Ser um cara bacana, bozinho destrói sua auto-estima, ou seja, te deixa sem inner game.
O cara bonzinho foi treinado a ser certinho, por uma educação escrota baseada em subornos
(―recompensas‖) e punições.
Como ele não pode ser ele mesmo ele tem um inner game (aqui neste texto esse termo é
intercambiável com o termo ―auto-estima‖) muito ruim, um autovalor muito baixo que ele
busca aumentar se comportando como a cara bonzinho. Assista o Clube da Luta e Magnólia.
Vou detalhar as características do ―nice guy‖ e seus antídotos.


Busca ser agradável


Isso não tem nada a ver com ser educado, isso tem a ver com se esforçar. Se amostrar, querer
se exibir, buscar aprovação.
Lembro de um merda que só porque me passou um material (ele não era do PU, apesar de
haver gente assim aqui) disse que aquilo era um material muito valioso que ele só me passou
porque isso e aquilo. Hoje em dia ele é casado e corno.
Logo não se equivoque você pode ajudar mas, se liga nas palavras do mestre, não dê pérolas
pra porcos e nunca espere receber nada em troca, senão melhor ficar na sua.

Apesar de ser um boiola esse cara nào se preocupa em agradar ninguém

O problema que tem caras que buscam tanta aprovação que preferem agradar a todo o custo
que fazer o óbvio, ou seja, ficar na dele.
Eu me lembro de uma vez que carreguei uma cadeira pra alguém que poderia carregar. Eu era
um ―nice guy‖.
Porém outra vez eu carreguei para uma senhora de 90 anos e quando uma garota viu deu um
elogio aí eu caguei pro elogio e disse ―abre espaço pra eu colocar essa cadeira, aí‖ e ela
obedeceu.

Busca satisfazer necessidades alheias

Olha isso é delicado. Eu ajudei quem? Uma senhora de 90 anos com dificuldade em deslocar
uma cadeira pesada.
Qualifique bem sua ajuda. Quer dizer tenha feeling, ou inteligência social de sacar se alguém
precisa de ajuda.

Primeiro, leitura fria. É um situação de perigo? A pessoa precisa mesmo de ajuda? É uma
pessoa de muita idade, pouca saúde, uma criança, um animal vulnerável?
Ajudar adultos, colegas e mulheres bonitas é uma babaquice. Fora casos extremos, de perigo
ou risco de vida não provocado: NUNCA!
Se o risco for provocado pela própria pessoa também não ajude e não dê conselhos.


Dar conselhos ou consolar

Isso está no livro ―A arte do charme‖, se o conselho ou o consolo não for solicitado: NUNCA
ofereça.
Se o conselho for solicitado não permita abusos. Se você deu conselho e a pessoa não seguiu
desrespeitou, faça como um médico com a pessoa que não cumpre sua prescrição, pune-a.
Por exemplo
―Wlad, preciso de um conselho seu, uso direct ou indirect?‖
―Eu acho que você tem que usar direct.‖
Dias depois...
―Wlad eu tô sofrendo por causa daquela garota...‖
―Tu usou direct?‖
―Não, eu falei sobre o trabalho...‖
―Então tá certo, eu já disse o que eu achava o certo, agora é contigo. Mas mudando de
assunto eu vi ontem o vídeo do ZERA, muito bom,e tal .......‖

Entenderam a sistemática?
Não force ajuda dê essas punições calibradas bem à la Mystery. Vocês viram o que eu fiz? O
cara tá sofrendo e desmereceu minha ajuda, se eu ajudasse ele ia fazer o mesmo, me
diminuindo.
Um cara desse diminui teu inner game.
Doutromodo teve um player que eu dei uns toques sobre estilo e o cara meio que cumpriu o
troço. Um cara desse te respeita sacou? E o cara se respeita porque o cara testou e tal viu
que deu certo e tal, o cara não cumpriu ordens o cara apenas recebeu um conselho e
mereceu receber outros, sacam?

Sobre conselhos pra mulher....


Carinha bonzinho dando seu ombro amigo pra uma corna

Aproveite pra jogar com ela. Lembe-se que a melhor coisa que tens pra oferecer a ela é
aventura.
Olha só, história real, HB desconhecida no shopping, depois do opener e tal, já na
qualificação:
―Desculpa, estou fuçando muito meu celular porque estou nervosa. Liguei 7 vezes pro meu
rolo ele não me retorna. Estamos assim há oito meses e ele não me pede em namoro. O que
eu faço?‖
Sem nenhuma reação eu respondi:
―Pensei que fosse algo grave... fica tranquila, você é muito interessante, eu até namoraria
você, se você jogasse RPG.‖
Garanto que não foi uma resposta das melhores, mas ela gostou.
―O que você faz? Vem jogar bola comigo. Futebol é muito bom. Só não vale me violentar no
vestiário...‖
―Vestiário? Pra tomar banho?‖
―Ah, esqueci, vc não toma banho!‖
―Claro que sim‖
―Hum, só eu falar que estarei no vestiário vc muda de ideia.‖

Sacaram? Mulher nenhuma quer que você diga
―Ele não quer nada contigo? Ele não sabe o que é bom, ele deve ser cego, não vê como vc é
linda‖.
Nunca diga essas merdas.








Elogios

O cara bonzinho é um bajulador inveterado. Ele busca ser valorizado por elogiar.
O cara bonzinho não é o cara ético.
Eu quero deixar bem claro isso aqui. O ―nice guy‖ é um merda que busca aprovação, ele
costuma ser tão merda que cobra caro pelo que ele oferece.
Nunca elogie como um nice guy. Nunca elogie gratuitamente, quero dizer elogios
desmerecidos por quem recebe. Nunca elogie esperando recompensa. Isso é muito escroto.


Também esnobe os elogios. O ―nice guy‖ é facilmente comprado por elogios
Outra vez. É muito útil ter feeling, inteligência social, o elogio pode ser falso, principalmente
se a pessoa não demonstrar felicidade por sua qualidade (por exemplo, a pessoa te elogiar
sem sorrir com os olhos).
Os idiomas antigos tinham duas palavras uma para elogios genuínos ou homenagem (que
significa ―agir como homem‖) e outra palavra para elogios babaca ou bajulação.
―Aja como homem‖. Exalte apenas quem age como um, mas nunca querendo nada em troca.
Se você não tem caráter e não consegue fazer nada sem cobrar pagamento em troca, melhor
não fazer.
Quando eu estava na faculdade eu escrevia no jornal. Teve um bajulador que elogiou alguém
conhecido. No mês seguinte, no mesmo jornal, eu descrevi os feitos e as ações de uma mulher
ativista de direitos humanos desconhecida, descrevi como ela agia como um homem (mulher)
honrado (a). Entendem? Se alguém merece ser mencionado é por seus atos.

Respeito a regras

Não estou falando pra quebrar a barraca. Tem regras que são uma merda. Tem regras
escrotas.
O oficial da SS Oskar Schindler não teria feito a atitude de homem dele se fosse bitolado em
regras. Muitas regras são injustas. Muitas regras contrariam outras regras.

Não se trata de desrespeitar a ordem social, mas de não permitir que ela te desrespeite.
Trata-se de ser proativo com Schindler foi.

Ser cooperativo

Cuidado ao ser cooperativo. Você pode estar ajudando quem não merece ser ajudado.
Diferente do que parece o cara bonzinho não trata ninguém bem. Ele exagera, tenta carregar
no colo quem não precisa. Garotas hoje em dia são independentes quase nunca precisam de
ajuda, não existem donzelinhas indefesas.
Esta característica é mais delicada que ser agradável. Por quê? Porque ser cooperativo,
diferente das outras atividades, é naturalmente bom. Ser cooperativo inclui uma
característica alfa. A característica de ser proativo.
Mas a solução é a mesma. Caso sua vontade não seja respeitada, ignore a opinião alheia e use
resignação ativa.
Nunca seja agressivo. Se você fez algo e alguém ajudado pela sua ação não gostou. Nunca
refaça. Há exceções para casos onde você é remunerado pra isso. Mas não estou tratando
desses casos, sim de ser cooperativo ou de ajudar sem ser obrigado a fazê-lo.


Esse cara só coopera até quando ele quer.

Nunca refaça, permita que a pessoa que reclamou mostre a colaboração dela, caso contrário
você estará se rebaixando e quem se rebaixa demais....
Já enfrentei uma situação tensa em que a pessoa reclamou de uma colaboração que eu fiz. Eu
não levei pro lado pessoal, não revidei. Mas a pessoa, apesar de ser mulher, era especialista
em dar ordens e ser obedecida, e se destemperou com minha indiferença, levou pro lado
pessoal.
Não me lembro bem o que foi falado mas eu disse
―Eu já fiz minha parte‖, depois ela respondeu ―Se você se ofereceu pra fazer deveria fazer,
direito‖.
Ela falou de forma muito atrevida, muito cínica, como as próprias palavras demonstram. Eu
respondi que não ia refazer. Nesse então o instrutor, daqueles homossexuais com mais de 50
anos, tomou as dores dela e disse ―Assim você está agindo errado‖.
Não vou falar o resto porque eu agi como um carinha bonzinho, mas o melhor forma de agir
num caso desse era, o quanto antes, inventar uma desculpa e sair.
―Olha vocês resolvem aí, que eu vou sair mais cedo pro jogar botão. Só não me peçam pra
fazer mais nada porque o que eu tinha que fazer eu já fiz.‖

Ser conciliador

Eu errei porque preferi ser conciliador, resultado: eu estava com o jogo perfeito, cheio de
bucetinhas já em ponto de bala pra mim (eu tava jogando muito bem desde o início do curso)
e eu perdi.
Não estou falando pra ser sempre individualista, mas para não renunciar o que é seu sem a
expressa renúncia da outra parte pelo que é dela. Deixar claro que tratam-se de pessoas
iguais. Mas a forma como você desenrola o conflito, decidindo as regras dentro do conflito,
vai destoar sua superioridade.
Entendeu? Você não vai dar causa ganha a si mesmo, vai sim impor normas do julgamento,
normas do jogo.

Ter medo de ser agressivo


Se as pessoas são injustas com você, você tem que revidar imediatamente. Com exceção de
relações de trabalho, consumo ou com funcionários públicos - pessoas que têm poder real
sobre você, onde às vezes é melhor gaurdar e revidar depois ou mesmo processar a pessoa -
se defenda na hora, não permita que a pessoa seja injusta contigo. Revide, processe a
pessoa, aprenda artes marciais para se defender.


Não sabe ser saudavelmente individualista

Às vezes somos tão bonzinhos que nos sacrificamos pelos outros, beneficiamos os outros em
prejuízo de nosso conforto.
Mulher não vai te dar a boceta se tu for ao banco pagar conta pra ela no meio do temporal.
Eu conheço um cara que não a mulher faz nada em casa além de comida e ele paga conta pra
ela. O que aconteceu?. Mulher não respeito pequenos favores, ela sabe o verdadeiro valor
adas coisas, mulher não faz isso porque é escrota (pelo menos em muitos casos). Sabe o que
aconteceu? Ela passou a desvalorizar o trabalho dele. E sabe por que isso? Porque o capacho
automático não se ligou que se ele paga conta durante o horário de trabalho dele é porque o
trabalho dele não é merda nenhuma. Ele demonstrou pra ela – com atos – que o trabalho dele
não é tudo que ele diz ser. Ele caiu em contradição absurdamente!!!
Moral da história ao invés dela recompensá-lo por seu esforço babaca ela o pune porque
quanto mais ele paga conta pra ela mais ela fica indisposta para ―certas coisas‖.

Não sabe ser saudavelmente hedonista

Aqui inclui ter bons hobbies, gastar seu dinheiro consigo, se vestir bem, se tratar bem,
malhar, ir à praia e coisas afins.
Isso varia muito. Vejam um exemplo meu: Eu deixei de ir ao bar para ir ao museu. Eu não
gosto muito de lugares com cervejada, eu fui ao museu. O museu meu inner game. É sério. Os
hobbies aumentam seu inner game, sua auto estima, seu auto valor.
Museu não é bem hobbie mas é um lugar onde me sinto bem. O mesmo vale para os players
que seguem alguma religião.
Fui taxado de ser antissocial, mas fazer o quê?
Eu não gosto de mulheres de bar. Fui ao museu ver a exposição e ainda, por acaso, abri umas
deusas com situacional (meus amigos sabem que sou bom situacional principalmente em
livrarias e lugares afins).

Raoul Bova, "cara relax", contraposto do cara bonzinho, pela cara dele ele só faz o que gosta,
é um hedonista

Para um cara com todos aquelas falhas anteriores, ele nem imagina o que é ser
saudavelmente hedonista.
Um cara com um inner game e autovalor tão baixos que o cara nunca se preocupou em olhar
se no espelho e se achar bonito.
Realmente é a última preocupação para um banana isso.

Trucidando o “carinha bonzinho” que existe
dentro de você (parte 2 – Porque as bocetas
se trancam pra eles)



"Trate uma dama como uma puta e uma puta como uma dama" (DavidX)


Olá,
Na primeira parte desmistifiquei algumas ideias e estabeleci alguns conceitos.
Mas agora a chapa vai esquentar. Por que, apesar de todo esforço, o cara bonzinho, não
consegue nada. Por que as bucetas se trancam para eles? Por que as mulheres fogem dele?
Por que elas preferem os caras maus? Por que a atração aos cafajestes é imediata?
Vamos com calma: Elas odeiam "nice guys".



Quando elas olham pra um cara bonzinho o que elas veem?

Elas veem um rosto sofrido.
―Ah, mas Wlad, eu conheço um cara que é pedreiro, sofrido na vida e come muita mulher‖.
Eu também.
Elas veem um rosto típico de ―carinha bonzinho‖, incapaz de relaxar, de se descontrair,
sempre sério, inofensivo e meio apático. Diferente dos ―sofridos sociais‖ ou mesmo de alguém
enfrentando dificuldades pessoais momentâneas, como doença e tal, o nice guy nunca se
descontrai. O mundo é sempre um peso pra ele.




Por que eu coloquei todas essas fotos? Se por acaso sua expressão facial lembra a de um
deles, trate de melhorar.

Além do ―rosto sofrido‖ elas veem outra coisa...
A composição dele, o estilo de se vestir dele trazem pouco ou nenhum valor social ou sexual.
Como eu falei no final do post anterior, esses caras têm tanto peso sobre si que nunca
pararam e se tocaram que se vestem muuuuuuuito mal.
Diferentemente, o cara cool [1], o cara relax, já resolveu todas outras questões anteriores. O
cara cool ele é tão livre para pensar em seu bem estar, em seu próprio cuidado, tem uma
autoestima tão calibrada que chegou a um nível de nunca descuidar de sua aparência
exterior.


Além da feiçào deplorável o cara ainda se veste mal.

O cara cool tem tanto apuro com sua harmonia que harmoniza seu eu interior com seu eu
exterior através da um excelente estilo de se vestir. [1] O oposto de carinha bonzinho não é o
bad boy, é o cara relax, geralmente elas chamam o cara relax de bad boy. Acredito que o bad
boy é outro lado da mesma moeda. Ambos lados dessa moeda, o nice guy e o bad boy, podem
se tornar um ―loser‖, ou seja cara antissocial, ressentido e violento. Vou falar sobre isso
algum dia.
Quando elas veem um nice guy, elas veem um sujeito vestido destrambelhadamente, com
roupas fora de tamanho, numa completa desarmonia, numa completa falta de respeito por
sua própria imagem, se assomando a um semblante tenso, sério e carente.


Quando elas olham pra um cara bonzinho o que elas sentem?

Tudo que você não pode permitir que uma mulher sinta se você quer seduzi-la.
Vou detalhar isso mais na frente quando eu falar sobre a memória coletiva delas a respeito
dos ―caras bonzinhos‖.

Quando elas falam com um cara bonzinho o que elas ouvem e sentem?

Nossa conversa reflete nossa personalidade.
Um adendo: porque falar sobre o quê elas ―sentem‖ e não apenas o que elas ―ouvem‖?
A comunicação das mulheres corre num espectro muito maior que o nosso elas conseguem
falar, ver e ouvir nas entrelinhas. Falar, ver e ouvir ―sentindo‖.
Mas num nível superficial elas ouvem uma conversa comum, com tópicos ruins, com uma
atitude ruim.
O nice guy força conversas com tópicos/pontos de vista escrotos: tem uma atitude absurda de
falar muito de si (se gabar) ou perguntar muito da pessoa (cuidar da vida dela) ou falar de
pessoas (fofoca).
Isso não é costume só dos nice guys. Isso é muito comum. As pessoas têm essa péssima mania.
Se alguém conversa assim contigo treine condução de conversa ou FUJA isso só vai lhe
arruinar.

Ademais, como possui pouca autoestima, o cara bonzinho é incapaz de discordar dela. De ter
opinião própria, mostrando que seu mundo é um vazio que sua experiência emocional é pífia.
Essa parca experiência, essa apatia ou mesmo falta de tempero leva elas a encará-lo como
um robô sob controle remoto ou um bonequinho de marionete.
Observe:
Situação Metrô, HB com um livro de direito:

―Você estuda direito?‖ (ô retardado, que pergunta óbvia, ela é uma mula que carrega livros)
―Sim estudo.‖ (sorriso maravilhoso)
―Você vai fazer concurso?‖ (vai cuidar da sua vida seu merda)
―Pretendo, mas tá tão difícil... e vc?‖ (toda cheia de charme)
―Eu fiz aquele e ....‖ (cara se tu conversa essa merda comigo eu ia ficar de saco cheio)

Mesma situação:
―Eu tava lendo o código civil...‖ (fala com energia)
―aham‖ (ela pensa que merda é essa)
―logo no início diz que todos as pessoas têm direitos...‖
―aham‖ (coração dela se abre um pouco, ―esse cara deve ser uma pessoa carente de
direitos‖)
―mas não restringe isso a pessoas humanas‖
―como? interessante!‖ (caralho o cara já emocionou ela)
―logo os animais têm direitos, não é?‖ (puta que pariu mermão tu viaja!, quero dizer eu viajo)
―nunca pensei nisso! O que levou vc a pensar nisso?‖ (olha o interesse despertado na conversa
e na pessoa dele)

Repare os IDIs que ela dá pro cara.

O jogo pode não ter sido perfeito, mas é bom quando você faz a leitura fria e saca ―mulher
inteligente‖. Se fosse funkeira de faculdade poderia ser bem mais leve ―caramba, vc paga
promessa carregando esses livros pesadassos?‖

Bom isso é o “ouvir”, agora vamos pro “sentir”.
Com uma vida sem emoções e com uma personalidade cortada por um adestramento social
constante, o carinha bonzinho não possui opinião própria, mostrando que seu mundo é um
vazio que sua experiência emocional é pífia. Essa parca experiência, essa apatia ou mesmo
falta de tempero leva elas a encará-lo como um robô sob controle remoto.
Com uma personalidade incapaz de criar envolvimento, temperamento muito sério, sem
entusiasmo, com vergonha de falar de coisas picantes, ele não consegue levá-la a estados
emocionais positivos, como estados de conforto, de divertimento, de relaxamento, de desejo
ou de arrebatamento sexual. Ele não traz valor ao set.

Como o nice guy foi treinado numa educação falsa, ele não sabe reconhecer a verdade por
trás das aparências, não tem feeling, nem timing.
O tempo todo em que o nice guy conduz uma conversa escrota se gabando que bebe e não
fica bêbado, perguntando quanto que o emprego da HB paga ou falando mal de seu chefe, se
ele está se comunicando com uma mulher de alto valor social e sexual ela vai subcomunicar,
desde o primeiro erro dele, que a conversa está um saco.
Ora, em decorrência de sua educação, ele não vai saber reconhecer. Ou seja ―se mancar‖,
―tomar tendência‖. E como ele não toma tendência ele continua um loser nice guy.

Saber ler nas entrelinhas é muito importante. Tem um filósofo francês, Henri Bergson, que
diz que a forma mais pura de conhecimento é a intuição. Que a comunicação simbólica, por
palavras, números e ideias, mascara a verdade interior das coisas.
Elas sentem que os caras bonzinhos são uns retardados por não entenderem seus ―sinais‖ e o
de outras pessoas (teve uma que me chamou de autista quando eu não entendi o significado
de ―poderíamos continuar conversando sobre o que falávamos outro dia‖).
Como eles não sabem reconhecer sinais não verbais femininos e sinais não verbais da
comunicação humana, as mulheres os sentem como criancinhas indefesas num mundo de
lobos em pele de cordeiro.

Quando elas se relacionam com um cara bonzinho o que elas sentem?

Muitos não entendem o nojo que as mulheres sentem por caras bonzinhos e o desejo
irrefreável pelo tipo oposto.
Qualquer garota de 19 anos já teve farta experiência em relacionamentos. Outras tiveram até
farta experiência sexual.
O cara bonzinho tem experiência nula aos 19 anos.
Logo o know how no assunto é absurdamente diferente.
Qualquer garota com 19 anos já se relacionou com carinhas bonzinhos, seja como amigo,
colega, irmão, parente, professor.
Conheço uma garota com o nome de Natália.
Já com 12 anos seus coleguinhas a viam de uma forma ―mais emocionada‖ do que eles viam
as outras garotas.
Não preciso dizer que ela saiu dessa supervalidada. E quanto mais se achava bonita mais
ficava (elas também têm inner game, oras!).
Mais então vou contar a história de todos carinhas bonzinhos que ela conheceu (todos nomes
foram trocados):

- Marcelo
Havia um grupinho de meninos bonzinhos. Se fechavam no grupinho já que não eram aceitos
nos outros grupos.
Aos 14 anos um desses carinhas se apaixonou por ela. Uma série de erros:
1 – viu ela e não interagiu decentemente (baixa sociabilidade)
2 – não procurou ajuda qualificada, trocando em miúdos, não falou com os caras do puabase
(pouco acesso à recursos)
3 – recalcou aquilo, se transformando num sentimento contigo, paixonite mórbida (falta de
auto-respeito)
4 – se declarou (hiper-valorou ela)
5 – como ela, em seu legítimo direito, não quis nada com ele, ele ficou com raivinha dela,
meio que perseguiu ela tentando se vingar.

- Daniel
Primo dela, a partir dos 16 anos ela passou a receber presentes desse cara, que tinha uns 19
anos. Ela respondia amistosamente, como uma garotinha agradeceria. O merda nunca soube
desenvolver um flerte, uma paquera na moral. Caladasso, era incapaz de levá-la a estados de
tensão ou desejo com brincadeiras típicas daquelas que ocorrem entre casais de primos. Teve
um dia que esse merda, do nada, forçou a barra, deu até polícia.

- Anderson
Professor de matemática no segundo ano do segundo grau. Pegava leve com ela. Ela era uma
burrinha gostosa. Esse merda ao invés de demonstrar hombridade, ele ―subornava‖ ela
esperando receber ―favores‖ em troca. Ela se sentia muito mal por isso, ela tentou
demonstrar várias vezes que preferia aprender de verdade que ser "protegida".

Eu poderia terminar por aqui, vocês já entenderiam o porquê delas odiarem carinhas
bonzinhos. Mas para terminar ela ainda namorou um cara bonzinho

- Bruno
Esse era colega de estágio dela, 6 anos mais velho e empregado efetivo. Deu flores, pagou o
cartão de crédito dela, ia buscá-la de carro, agiu como um carinha bonzinho e romântico.
Depois que ela foi morar na casa dele a vida dela virou um inferno. Por quê? Ela não soube
dizer. Achou estranho como que um cara tão legal virou um perseguidor psicótico.

Enquanto ela se decepcionava como os caras legais, que ela tolerava, ela conhecia e
admirava muitos caras de personalidade forte, dominadores e muuuuito mais estáveis
psicológicamente. Enquanto ela obtinha referenciais negativos inconscientes que lhe criaram
uma verdadeira fobia por carinhas legais, ela também adquiriu lembranças positivas de caras
cool, de caras bad boys ou cafas que apesar de não se preocuparem em agradá-la levavam ela
automáticamente a estados de prazer e satisfação. Hoje ela tá há mais de 15 meses num rolo
com um cara que chegou nela na night, que nunca bajulou ela, nem endeusou, chegou e disse
sorrindo que iria ficar com ela.


Isso criou âncoras tão negativas a respeito desse perfil de homem que ela tem um nojo tão
grande que se um cara desses chega perto dela na rua e pergunta as horas, ela foge. Quando
vê um cara vestido como eles (camisa social bem ensacada) ela fica com cara de nojo.
Isso não aconteceu só com ela isso aconteceu com muuuuuuitas outras mulheres gostosas ou
nem tanto, criando uma memória coletiva muito ruim a respeito desse tipo de cara.

Quando elas fodem com um cara bonzinho o que elas sentem?

Isso varia muito, mas geralmente toda a visão ruim que elas têm deles faz com que raramente
um nice guy transe.
Às vezes, em RARÍSSIMOS CASOS, o cara é considerado por elas ―aprovado‖ ou mesmo
―superior à média‖, mas a falta de habilidade leva ao fim do relacionamento e do contato
sexual entre a mulher o carinha bacana.
No geral o carinha legal, por ter pouco valor no mercado afetivo-sexual, tem pouquíssima
experiência sexual, sendo incapaz, por falta de referenciais comunicativos ou interativos, de
dar prazer a uma mulher.
Geralmente mulheres de sua mesma idade, por terem muito mais experiência, consideram
sua experiência intoleravelmente paupérrima.

Elas se sentem muito mal, mal mesmo

Como cuidam pouco de sua saúde e estão acima do peso costumam ter disfunção erétil, e
como são ansiosos, assustados e incapazes de relaxar costumam apresentar quadros de
ejaculação precoce.


Qual a memória coletiva delas (sentimentos comuns a muitas mulheres) sobre os caras
bonzinhos?



O quê todas elas pensam



Sobre ser agradável:

Mulheres acham um absurdo querer trocar a buceta delas por favorezinhos imbecis como
carregar a bolsa ou pagar uma cerveja pra elas.
Meu caro presta atenção, ela não perde todo dia:
20 minutos se depilando
30 minutos cuidando do cabelo
40 minutos espalhando creminho no corpo
2 horas se vestindo
Pra se preparar pra um merda que só sabe ser agradável, fazer favores e pagar coisas.
Ela faz isso porque ela quer um vencedor seja no sentido evolutivo, seja no sentido social,
seja no sentido cerebral.
OFF
Apesar dos gurus defenderem a importância crucial de características animais como ser alto
ou forte. Eu tenho certeza que os verdadeiros vencedores são os vencedores cerebrais e que
conseguem, por causa de sua inteligência, vencer socialmente.

Além dela querer dar a bocetinha dela só pra vencedores. Ela odeia qualquer atitude que
desperta a âncora coletiva negativa delas. Ademais ao forçar ser agradável, o cara bonzinho
demonstra ter pouco valor social.
Logo mesmo se você tiver certeza que é um cara foda, como eu sempre tive, nunca aja como
um derrotado bonzinho, seja calibrado como eu prescrevi no post que antecedeu este. As
pessoas costumam, redondamente erradas, confundir bondade com fraqueza.

Respeito:

Mulheres odeiam caras que não sabem se defender em qualquer instância. Elas os consideram
nulidades reprodutivas (dão prole fraca) ou mesmo afetivas (incapacidade de protegê-las).
Se o cara não impõe respeito, a boceta dela vai permanecer trancada.
O cara tem que impor respeito em todas as instâncias seja ao defender um ponto de vista,
seja com seu chefe, seja ao se vestir, seja em face de agressões físicas, psicológicas ou
verbais.
Ela não quer um garotinho indefeso, ela quer um macho capaz de protegê-la, se proteger e
proteger a prole. Se o cara não impõe respeito ele é incapaz de se proteger.

Manipulável:

Elas odeiam o fato do cara ser como um robô que entrega o controle remoto na mão delas ou
como um bonequinho de marionete.

"Sim minha ama, às ordens!"

O cara pode ter uma Ferrari, ser bonitão ou diretor de cinema hiperinteligente, se o cara
fizer tudo que ela pede ele vai ativar a âncora negativa delas, ele também vai demonstrar
baixo valor social e evolutivo e, decorrente disso, baixo valor sexual. Ela pode até se casar
com ele, mas ela vai procurar um pé-rapado que ousa dar não pra ela e se entregar
sexualmente pra ele.

Previsível:

Ensinaram ele a ser automático, essa educação esteriliza as pessoas, não pode inovar e
quando a pessoa inova em nossa sociedade ou tá imitando alguém de uma forma errada ou tá
fazendo merda.
―Wlad, pega pra mim um pedaço de bolo.‖ (ela já tinha pedido a um babaca e ele tinha
obedecido)
―Pô vai lá cara, seja gentil.‖ (o mesmo babaca, havia outras 3 mulheres na roda, eu puta que
pariu esse cara tá se metendo na história)
―Quê isso meu amor, vc sabe que eu faço tudo que você manda...‖
―Então vai lá...‖ (ela pensou esse Wladimir é mais um desses caras)
―Eu vou, mas só vou depois que vc me fizer um boquete.‖
―O quê?!‖ (sabe aquela expressão meio achando graça e fingindo susto, sabe? Isso significa
que ela gostou)

Homem perfeito:

Quanto mais você se esforça pra ser o cara perfeito mais o efeito inverso pode ocorrer. Ela
não quer um príncipe encantado, ela quer um cara cool. O cara bonzinho além de ser
geralmente feio, pouco masculino, ter poucas relações sociais, é emotivo, guarda
ressentimentos que quando estouram demonstram como que o nice guy pode facilmente se
comportar como um loser.
Elas querem segurança emocional e masculinidade, não o princípe encantado.




Emotividade:

É uma certeza nos estudos científicos, entre os psicólogos e entre as mulheres que os caras
bonzinhos são verdadeiros barris de ressentimento. E, como bem sabem as mulheres e os
estudiosos das ciências da mente, o ressentimento é mais explosivo que TNT.

Os caras bonzinhos costumam contar suas fragilidades emocionias e abrir seu coração para as
mulheres, fechando definitivamente as bocetas delas.

A emotividade que repele as mulheres não é o cara chorar quando alguém morre. Aliás, cena
típica de filmes de mafiosos e gangsteres, em que estes aparecem chorando a morte de
alguém querido.
É o cara ser reativo. Reativo a seus shit tests, reativo à sua rejeição, reativo à chacotas,
reativo ao engarrafamento. Como diz James Matador em Revelations, decifrando a
personalidade de Mystery, Mystery, para que sua chama brilhe, age como um fantasma às
influências externas.

Fertilidade:

Com baixíssimo valor sexual, o carinha legal é tido como infértil. Em processos de
infidelidade e desconstituição de paternidade predomina a figura deles.


Medo da intimidade:

Aventureiro o cafajeste ou bad boy transa como elas sem conhecê-las previamente. Isso é um
afrodisíaco poderoso pra qualquer santinha vegetariana, comunista, defensora dos oprimidos,
que leva pro veterinário animais feridos na rua (eu adoro esse tipo de mulher, tá?, leia o
artigo do <<TYPE>> sobre santinhas:FC em HBs santinhashttp://www.puabase.com/forum/fc-
em-hb-s-santinhas-manual-completo-t42842.html).

Nerd gostosa não quer um "nice guy"

Cara, você sabe quem mete mais medo nos outros no mundo de hoje? Não é o país mais bem
equipado belicamente, é o país com o melhor sistema de espionagem e de contra-
espionagem.
Das mulheres gostosas que você conhece e não estão namorando, 90% está assim porque quer
e 80% está bem satisfeita sexualmente. Quer dizer tem caras que não querem compromisso
batendo ponto nelas, sacou?
Elas não querem um babaca que sabe da vida dela, mas o nice guy espalha pra todo mundo
que ela é piranha se ela der pra ele sem eles serem publicamente namorados.


Sem autoestima:



Como não acredita que uma mulher possa desejá-lo sexualmente, o nice guy não sabe ser
sexual quando poderia ser.
De longe elas vem e sentem que o cara não tem autoestima. Como eu abordei, elas têm um
feeling muito poderoso. Essa falta de autoestima incrementa o barril de emoções ruins que é
o nice guy. E elas querem distância disso elas preferem o cara que vai maltratá-la
afetivamente que o cara que dá piti perto dela.

Sexo:

“Cara bonzinho pede licença pra meter e isso é brochante” (HB11).

O nice guy não leva ela ao estado emocional guardado em seus genes

No momento do intercurso toda a personalidade vai se transparecer. O cara confortável e
dominador representa prazer. O cara tenso e agradável não consegue provar nela o prazer
primevo de se sentir como uma fêmea dominada.

Frio:

Mulher quer um homem que exale sexualidade, daí a hipervalorização dos arquétipos de bad
boy, cafajeste ou amante latino.


Não sabe o que falar:



Conversas com nice guy são um saco!

Elogios e bajulações não são nada perto da capacidade de falar o que sente e o que quer do
cara cool. O cara cool e o bada boy têm capacidade deprovocá-la sexualmente com suas
palavras.

Não saber tocar:

O carinha legal pede permissão pra tocar ou quando não exagera em seu toque. Por ter
pouquíssima experiência não tem feeling, timing, nem calibragem nisso. Para isso procure
material do Richard Gambler La Ruina (PUATRAINING).

Proteção:

Incapaz de se proteger ele nunca vai conseguir protegê-la e à prole.


Então meu caro, depois desse dois artigos você está convencido que 1) ser um "carinha legal"
te destrói como pessoa e2) sendo um carinha legal você é reprodutiva e afetivamente inapto?
Está convencido que nào tem como lutar contra as certezas que todas as mulheres têm em
relação a esse tipo de cara, certeza afirmada, comprovada e reafirmada por sucessivas
experiências com carinhas legais desde tenra idade?


Não se deslumbre com uma mulher porque ela é bonita, trate ela como uma coleguinha de
brincadeiras, trate o sexo com ela como uma brincadeira. Você estará se comportando como
elas se comportam, sem esforço, sendo você mesmo.



BIBLIOGRAFIA


Nice Guy, Wikipédia, http://en.wikipedia.org/wiki/Nice_guy
Nice Guy sindrome, Geek Feminism
wikia, http://geekfeminism.wikia.com/wiki/Nice_guy_syndrome
Judge, Timothy A.; Livingston, Beth A.; Hurst, Charlice, "Do nice guys—and gals—really finish
last? The joint effects of sex and agreeableness on income", Journal of Personality and Social
Psychology, Nov 28, 2011,http://nd.edu/~cba/Nice--JPSPInPress.pdf
Veja 11 razões pelas quais mulheres não querem bons
moços, http://forum.jogos.uol.com.br/aprenda-a ... _t_1754976


Off topic:

Controvérsias

[1] O oposto de carinha bonzinho não é o bad boy, é o "cara relax", geralmente elas chamam
o cara relax de bad boy. Acredito que o bad boy é outro lado da mesma moeda. Ambos lados
dessa moeda, o nice guy e o bad boy, podem se tornar um “loser”, ou seja cara antissocial,
ressentido e violento. Vou falar sobre isso algum dia. Como o "cara cool" é uma raridade,
elas baixam seu padrão com bad boys ou cafajestes. Imagine se a Matrix tivesse criado Zion,
seria uma Matrix dentro de outra Matrix. Esse ideal de masculinidade é isso. Eu acho a
ideologia bad boy/cafa uma Matrix criada em cima de outra Matrix, para iludir as mulheres,
e é, de fato uma virtualidade muito eficiente. Adianto desde logo que a maioria dos caras da
comunidade PUA em geral que se definem como bad boys ou cafas, são na verdade caras cool.
Daniel Nezek, o Bad Boy, é um, Alan Roger, DavidX e Sasha são outros.



Postado por ―ABU‖ no fórum Puabase e convertido por
MARILION