You are on page 1of 12

MADAME DE STAËL: CORINNE OU L’ ITALIE

Paulo R. M. Tostes
Membro do Núcleo de Estudos
Madame de Staël e o Romantismo Filosófico e Literário - UFJF.
Doutorando em Literaturas Comparadas de Língua Portuguesa UFF.
prmtostes!gmail.com
“[...] il y a dans le soleil d’ Italie un éclat qui donne à tout un air de fête;
mais la lune est l’ astre des ruines”
Corinne
Personalidade brilhante, escritora, ativista política, e feminista, Anne-Louise-
Germaine – Madame Baronesa de Staël-olstein, ! "eralmente reconhecida como a primeira
fil#sofa política$ %ilha &nica de um rico ban'ueiro e de uma escritora suí(a, Germaine recebeu
dos pais sua pai)*o pelas letras e pela filosofia política, e um "rande interesse pela coisa
p&blica$ +iveu em um período crítico da hist#ria da %ran(a – os anos de Luís ,+-, da
.evolu(*o %rancesa, da era napole/nica e da restaura(*o da monar'uia dos Bourbons com
Luís ,+---$
Sob a influ0ncia de um conte)to cultural 'ue desencadearia fatos marcantes na
ist#ria moderna, e fre'1entando os encontros liter2rios promovidos pela m*e Su3anne
4ec5er em seu sal*o, a filha Germaine – futura Madame de Staël, desde menina, habituou-se
6 conviv0ncia dos "randes intelectuais, bem como aos debates políticos de sua !poca$
7rian(a precoce, Germaine che"ava a interferir, ela pr#pria, nesses debates com apreci2vel
sa"acidade$ Por influ0ncia de seu pai, um admirador de Montes'uieu, tornou-se adepta da
monar'uia parlamentar se"undo o modelo in"l0s$ 8oda essa influ0ncia foi acrescida de uma
educa(*o muito esmerada e completa – aprendeu in"l0s, latim, dic(*o, m&sica e dan(a, al!m
de fre'1entar teatros e, ainda muito 9ovem, ler e escrever intensamente$
:m fins de setembro de ;<=>, a 9ovem Germaine aceita o pro9eto dos pais? o
casamento com o diplomata da Su!cia em Paris – o Bar*o :ric de Staël-olstein, de3essete
anos mais velho 'ue ela$ 4o dia @ de 9aneiro de ;<=@, o contrato de casamento foi
Revista Coitationes !! I""# $%&&'()*(
+ol. I, #- .%, /ui0 de 1ora, a2ril ' 3ul4o5$.%.
6*
referendado em +ersailles pela família real$ Assim, no dia A; de 9aneiro do mesmo ano, a nova
baronesa foi apresentada aos nobres$
Bma ve3 casada, Anne-Louise-Germaine, a"ora Madame Baronesa de Staël, abre seu
pr#prio sal*o em sua resid0ncia, na rua de Bac$ A forma(*o política liberal recebida do pai fe3
com 'ue ela se cercasse de uma "era(*o nova$ Muitos 'ue compareciam aos encontros em
sua casa haviam lutado na Am!rica pelas id!ias liberais, como La %aCette, 4oailles, 7lermont-
8onnerre$ Dutros eram escritores como 7ondorcet, Louis de 4arbonne E;<>>-;=;AF – sua
primeira "rande pai)*oG Mathieu de MontmorencC E;<@<-;=H@F e o bispo 7harles-Maurice de
8alleCrand-P!ri"ord Eun des si"nataires de la 7onstitution %ran(aise de ;<I;F$
4o ano do seu casamento ela inicia sua carreira liter2ria com Sophie ou Les
Sentiments secrets ESofia, ou os sentimentos secretosF e come(a, entre outros pro9etos, a
escrever uma crítica ao pensamento de Jean-Jac'ues .ousseau$ 8em início, assim, a tra9et#ria
de uma das mais brilhantes fi"uras intelectuais do período$
Kentre as muitas obras 'ue Madame de Staël escreveu, destaca-se a'ui Corinne ou
l’ltalie E;=L<F, como parte do ciclo de estudos or"ani3ados pelo Professor .icardo +!le3, do
Kepartamento de %ilosofia do -nstituto de 7i0ncias umanas, da Bniversidade %ederal de Jui3
de %ora, a partir de mar(o de HLL=$
Antes de se passar diretamente ao romance em 'uest*o, vale considerar al"uns
pontos importantes acerca das bases hist#ricas no momento em 'ue foi publicada a obra de
Madame de Staël, Corinne ou l’ Italie, cu9a leitura permite apreender, entre outras 'uestMes,
os anseios políticos da autora em meio 6 "rande pai)*o vivida por sua persona"em principal
com um lorde escoc0s$
Se o .omantismo n*o sur"iu na %ran(a, foi, todavia, a .evolu(*o %rancesa 'ue fe3
e)plodir em toda a :uropa, e, i"ualmente, no continente americano, um estado de espírito
'ue come(ara a se estender desde a &ltima d!cada do s!culo ,+--- – No S!culo das Lu3esO, e
'ue se caracteri3ava, nas v2rias e)pressMes artísticas, por um desd!m 6s normas acad0micas
do neocl2ssico$ Ao inv!s da l#"ica e do m!todo marcantes na est!tica tradicional, os artistas
sob a !"ide do individualismo e da emo(*o, dese9avam a plena liberdade de a(*o, evocavam
uma intensa espiritualidade e privile"iavam o sentimento mais profundo$ Assim, ap#s o reino
http://www.cogitationes.org
Revista Coitationes !! I""# $%&&'()*(
+ol. I, #- .%, /ui0 de 1ora, a2ril ' 3ul4o5$.%.
67
da certe3a 'ue as normas cl2ssicas inspiravam, eri"ia-se o imp!rio da d&vida e do temor, em
cu9o caminho estavam as alusMes ao luar, 6 noite e 6 morte, bem como suas respectivas
for(as simb#licas$
Kiante deste 'uadro político e est!tico, seria NromPnticoO fa3er coincidir o
sur"imento do .omantismo com a 'ueda da Bastille, no entanto, o erudito pensador Dtto
Maria 7arpeau) mapeia n*o somente Nas ori"ens do romantismoO, como toda a hist#ria
desse movimento, com a hist#ria das revolu(Mes?
"oi produ#ido pela re$olu%&o de '()* e '(*+, "oi des$iado pelo acontecimento
contra-re$olucion-rio da .ueda de Napole&o/ em ')'0, reencontrou o élan inicial pela
re$olu%&o de ')+1, e acabou com a re$olu%&o de ')2). 3Carpeau45 '*)(/ ''1(-)6
%oi na Alemanha 'ue, a partir de ;=LL, o termo N.omantismoO recebeu sua primeira
acep(*o artística, com Schiller E;<>I-;=L>F e, principalmente, de modo decisivo, com Goethe
E;<QI-;=AHF, 'ue estabeleceu a oposi(*o essencial entre Ncl2ssicoO e NromPnticoO$ As
refer0ncias universalistas, por sua ve3, buscadas pelos neocl2ssicos 92 n*o e)pressavam as
diversas perspectivas inau"uradas pelo novo conte)to, tampouco a an"&stia e o isolamento
decorrentes das mudan(as ocorridas$ 8em-se, ent*o, como alternativa o apelo 6
sub9etividade, ou se9a, aos valores centrados no su9eito e em suas pr#prias emo(Mes$ Kaí o
.omantismo ter acontecido num período muito peculiar da ist#ria do Dcidente – de um
lado, o liberalismo derivado da filosofia iluminista do s!culo ,+--- le"ou uma mentalidade
política se"undo a 'ual os "overnos deveriam e)istir em benefício dos povosG de outro, esse
fato, associado ao es"otamento do absolutismo mon2r'uico e do sistema colonialista nas
Am!ricas, "erou uma s!rie de conse'10ncias importantes? na :uropa, as lutas da bur"uesia
contra o poder centrali3adoG no 4ovo Mundo, a revolta das col/nias contra o domínio
europeu$
Kada a inadapta(*o do su9eito diante dessa nova ordem de acontecimentos, tem-se
o afastamento da realidade 'ue leva esse su9eito a buscar no passado hist#rico valores
espirituais 'ue possam servir de base para a constru(*o de uma nova sociedade$ :ntre esses
valores, o escritor romPntico tamb!m recupera da -dade M!dia, mais especialmente do
8rovadorismo, a id!ia de amor$ 7onsoante a essa id!ia, a mulher por sua ve3 passa a ser a
http://www.cogitationes.org
Revista Coitationes !! I""# $%&&'()*(
+ol. I, #- .%, /ui0 de 1ora, a2ril ' 3ul4o5$.%.
6(
fi"ura mais e)pressiva de 'ue se vale o poeta para demonstrar 'ue s# ela seria dotada de
virtudes físicas e morais capa3es de elevar o homem$ Basta ler as obras de Goethe, por
e)emplo, e ! f2cil reconhecer como as mulheres ocupam importante espa(o na obra desse
escritor, onde o feminino se torna o elemento fundamental da reden(*o humana$ Assim,
numa perspectiva 'ue valori3a, sobretudo, a for(a da sub9etividade, o amor torna-se tamb!m
um re"enerador de caracteres$
4esta perspectiva, ! 'ue a persona"em 7orinne sur"e e aponta para um ideal de
mulher 'ue n*o apenas procura viver intensamente o 'ue sente, mas tamb!m reflete
"randes ideais políticos e profundos anseios afetivos e e)istenciais$ : tendo-se em conta 'ue
o romance foi escrito por uma mulher, mais si"nificativa se torna a obra frente ao conte)to
em 'ue ! produ3ida$ 4*o ! apenas uma persona"em feminina no centro da narrativa, mas ! a
sensibilidade de Madame de Staël 'ue constr#i essa persona"em buscando, no vi"or de um
novo movimento cultural, particularmente o .omantismo alem*o, a virtude de 'ue carecia o
pensamento franc0s, at! ent*o fortemente calcado na ra3*o$
Kando prima3ia ao nacionalismo, o .omantismo foi ad'uirindo em cada cultura, de
acordo com as circunstPncias hist#ricas, cores pr#prias$ Kaí falar Dtto Maria 7arpeau) de
NromantismosO, pois a forma plural daria conta de tr0s pontos de partida diferentes nos
países-chave dessa nova est!tica$ Pode-se considerar, portanto, o ponto de partida como o
pr!-romPntico na Alemanha, o pr!-revolucion2rio na %ran(a e o contra-revolucion2rio na
-n"laterra$
Seria did2tico confi"urar a est!tica romPntica atrav!s de temas 'ue abordam? o
amor, a nature3a, a p2tria, a reli"i*o, o povo, o passado, 'ue, embora tamb!m visitados por
outras est!ticas, "anharam com os romPnticos um novo olhar?
o 7omantismo e4pressa os sentimentos dos descontentes com as no$as estruturas5 a
nobre#a/ .ue 8- caiu/ e a pe.uena burguesia .ue ainda n&o subiu5 de onde as atitudes
saudosistas ou rei$indicat9rias .ue pontuam todo o mo$imento. 3Man:eim apud ;osi5
'*)0/ '116
4este sentido, Corinne ou l’ Italie haveria de refletir a -t2lia como uma obra de arte,
um poema 'ue o artista l0, tradu3 e manifesta, postulando a prioridade do sub9etivismo? o
http://www.cogitationes.org
Revista Coitationes !! I""# $%&&'()*(
+ol. I, #- .%, /ui0 de 1ora, a2ril ' 3ul4o5$.%.
6&
indivíduo$ %ace ao conhecimento ob9etivo e 6s verdades ob9etivas 'ue o empirismo filos#fico
tinha sustentado com todo vi"or, do 'ual ! bom e)emplo a influente obra de Kavid ume
E;<;;-;<<@F, o percurso empreendido por Madame de Staël fa3 um apelo ao élan da
ima"ina(*o, 6s for(as do sonho e da pai)*o$
Kesta forma, a persona"em 7orinne, meio italiana, meio in"lesa, retrata a mulher
'ue problemati3a esse percurso e invade um campo na'uela !poca essencialmente
masculino? o da cultura$ Seu companheiro de via"em pela -t2lia – um nobre escoc0s –
conhece, pela sua m*o, os esplendores do .enascimento italiano, e ! obri"ado, ao admitir a
superioridade intelectual de 7orinne, a anular sua vontade diante dela, n*o por superar seu
preconceito contra a mulher inteli"ente, mas obri"ado a fa30-lo por'ue a amava, o 'ue o
torna aparentemente fraco e irresoluto$ DsRald, o 9ovem lorde 4elvil, se v0 intensamente
perturbado pela bele3a e sensibilidade de 7orinne. Ao mesmo tempo dividido entre esse
amor e a sombria influ0ncia do pai 92 falecido, tra3 consi"o o dese9o paterno de v0-lo casado
com Lucile 'ue, aos olhos do conservadorismo in"l0s, encarnaria todas as virtudes
dom!sticas 'ue um lorde deve encontrar numa esposa$
7omo se percebe, a obra, al!m de tra3er 6 tona uma motiva(*o de forte teor
emotivo, de modo mais amplo, ocupa-se de 'uestMes ousadas tanto da filosofia, como da
reli"i*o, da hist#ria e da política, e tamb!m da poesia e das artes, tendo como características
marcantes um cen2rio de "randes transforma(Mes sociais, políticas e econ/micas$ 7onstitui-
se, assim, a necessidade de adapta(*o a uma nova ordem e)istencial e cultural$ S nesse novo
universo 'ue desponta o .omantismo ante o desmoronamento de valores at! ent*o
vi"entes durante s!culos$
Kiante de tal conte)to, a narrativa tem início a partir da via"em do "rande amor de
7orinne, DsRald, em dire(*o 6 -t2lia$ Ke car2ter sensível, o 9ovem ! aconselhado pelos
m!dicos a buscar, no ares do MediterrPneo, o refa3imento de um profundo sentimento de
pesar decorrente da morte do pai$ 4ota-se a'ui 'ue o mal-estar do lorde escoc0s 92 su"ere
in"redientes importantes dentro da perspectiva romPntica? e)ilado em seu pr#prio tempo,
abatido pela morte do pai, o persona"em romPntico apresenta uma sensibilidade 6 flor da
pele$ :vadindo-se febrilmente da realidade, o destino de DsRald ! mer"ulhar nos bra(os de
http://www.cogitationes.org
Revista Coitationes !! I""# $%&&'()*(
+ol. I, #- .%, /ui0 de 1ora, a2ril ' 3ul4o5$.%.
66
um "rande amor, e 'ue ele s# encontrar2 lon"e de sua terra natal, sem, contudo, sepultar o
seu passado 'ue continua sendo um "rande fantasma durante sua perman0ncia na -t2lia$ Aí
che"ando, DsRald encontra uma -t2lia 'ue tamb!m se apresenta a Madame de Staël como
um ref&"io para seu e)ílio em vida$ 7orinne, por sua ve3, nada mais ! do 'ue esse forte apelo
6 sub9etividade e 6 busca de um passado "randioso – a -t2lia, como se pode ver no momento
em 'ue ela declama no 7apit#lio? N-t2lia, imp!rio do solG -t2lia, amante do mundoG -t2lia,
ber(o das letras, eu te sa&do$ Tuantas ve3es a ra(a humana te foi submissaU 8ribut2ria de
tuas armas, de tuas belas artes e de teu c!uUO EStaël? ;I=>, >IF$
Percebe-se, portanto, 'u*o intensa foi a rela(*o da mulher e escritora Madame de
Staël com a -t2lia, a partir de sua via"em empreendida a esse país em ;=LQ, o 'ue reflete em
meio a essa via"em um outro interesse muito caro ao .omantismo? a busca de uma
identidade nacional, como 92 aponta o pr#prio título do romance$ 4este, pode-se ver
claramente como o nome da persona"em central e o do territ#rio se mesclam, podendo
mesmo se confundir – 7orinne ou lV -talie$ A e)acerba(*o da sub9etividade e a e)uberPncia da
nature3a e das artes italianas se 9untam, apresentando-se assim como fatores determinantes
para o alicerce do romance Corinne ou l’ Italie$ : ! 9unto ao tributo de 7orinne no 7apit#lio,
coroada como a mulher mais bela e talentosa de toda -t2lia, 'ue DsRald procura acompanh2-
la 6 distPncia com "rande interesse$
D tom confessional entre os dois amantes, somado 6 "randilo'10ncia ima"!tica
causada pelo encontro com as ruínas e com toda a arte da 7idade :terna, ser2 o cen2rio
fecundo de "rande parte dos dese9os e in'uietudes do 9ovem casal$ :m sua tentativa de opor
um esfor(o titPnico 6 an"ustiante incerte3a 'uanto ao futuro da humanidade, o .omantismo
buscava con9u"ar, na obra de arte, as dimensMes totali3adoras 'ue faltava 6 e)ist0ncia$
Ao ser convidado pelo conde dV :rfeuil para ir a uma festa na casa de 7orinne,
DsRald, cu9o nome produ3 um efeito sin"ular 6 anfitri*, tem a oportunidade de estar pela
primeira ve3 com a'uela 'ue n*o s# conhecer2 e ficar2 comovida com a sua dor, como
tamb!m o convidar2 para o primeiro passeio por .oma, numa mescla de enlevo e "rande
apelo 6 ima"ina(*o, como se l0, por e)emplo, no livro -+ dedicado 6 7idade :terna?
http://www.cogitationes.org
Revista Coitationes !! I""# $%&&'()*(
+ol. I, #- .%, /ui0 de 1ora, a2ril ' 3ul4o5$.%.
6)
<em dú$ida = preciso es.uecer a.ui todos os interesses políticos do mundo, .uando
esses interesses n&o s&o unidos aos de$eres ou sentimentos sagrados/ eles
desalentam o cora%&o. > preciso tamb=m renunciar ?.uilo .ue se c:amaria em outro
lugar os pra#eres da sociedade, pois esses pra#eres/ .uase sempre limitam a
imagina%&o. 3<ta@l5 '*)0/ *'-*A6
Pode-se observar na fala de 7orinne a DsRald 'ue o percurso turístico empreendido
em .oma – os Montes Palatino, Aventino e :s'uilino, mais a passa"em pelas i"re9as,
t&mulos, termas e circos romanos, su"ere 'ue, mais do 'ue o conte)to "eo-cultural da
7idade dos 7!sares, est2 tamb!m o imperativo da sub9etividade dos dois amantes nesse
conte)to$ A ida, em se"uida, a 42poles, a vis*o do +es&vio e o contato com as ruínas de
Pomp!ia reflete, sobretudo, o mer"ulho nos labirintos da alma, cu9a constitui(*o poderia ser
comparada, 9untamente com as cin3as e a solid*o da'uele lu"ar, como a recorda(*o dos
infernos descrita pelos poetas$ A'ui, percebe-se 'ue o passado de uma "rande civili3a(*o
torna-se aos olhos de 7orinne, a artista por e)cel0ncia, uma for(a de inspira(*o 'ue a impele
a encontrar, em si, o mundo anímico, a fonte primeira da 'ual flui a mat!ria de seu ato
est!tico? as sensa(Mes, as id!ias e, finalmente, a forma artística, neste caso, concebida por
Madame de Staël na forma do romance Corinne ou l’ Italie$
%undamentalmente, os romPnticos conceberam a arte como a e)press*o das
emo(Mes do artista, e o enfo'ue co"nitivo dessa arte prevaleceu no conceito da ima"ina(*o
como faculdade imediatamente capa3 de captar a verdade, faculdade distinta e superior 6
ra3*o$ 4o re"istro do .omantismo, a ima"ina(*o ! tanto criadora 'uanto reveladora dos
sentimentos e da nature3a, bem como do 'ue se oculta por detr2s desta? NAhU Sem d&vida,
nos mist!rios de nossa nature3a, amar, ainda amar, ! isso 'ue n#s tra3emos de nossa
heran(a celesteO EStaël? ;I=>, H<;-H<HF$
:m meio a esse encanto pela -t2lia e sob os arroubos da inebriante pai)*o, 7orinne
confessa a DsRald 'ue, embora tivesse nascido na -t2lia, seu pai – lorde :d"ermond –
retornara 6 -n"laterra e se casara novamente ap#s a morte da m*e$ 7onsoante a esse fato, a
obra tra3 6 tona uma "rande revela(*o? motivado pelas cartas de LadC :d"ermond, a
se"unda esposa de lorde :d"ermond e m*e de Lucile, DsRald decide retornar 6 terra natal$
-nformando ao 9ovem lorde acerca do compromisso 'ue lhe cabe de esposar a filha, LadC
http://www.cogitationes.org
Revista Coitationes !! I""# $%&&'()*(
+ol. I, #- .%, /ui0 de 1ora, a2ril ' 3ul4o5$.%.
).
:d"ermond tenta persuadi-lo em definitivo ao di3er-lhe 'ue o casamento era o &ltimo e
irrevo"2vel dese9o do pai – o senhor lorde 4elvil$ Assim, de volta 6 p2tria, en'uanto 7orinne
padece a an"&stia de pressentir o desfecho de sua pai)*o, DsRald se v0 e)tremamente
an"ustiado$ Ainda sob a forte impress*o da fi"ura paterna, e a"ora conhecendo a 9ovem
Lucile na flor de seus de3esseis anos, o 9ovem escoc0s n*o conse"ue entender a emo(*o 'ue
lhe divide o cora(*o$ Al!m de estar diante do amor de duas mulheres 'ue s*o filhas do
mesmo pai, DsRald se v0 dilacerado entre um dever a ser cumprido e a promessa de eterna
alian(a com 7orinne$
8odavia, o frescor 9uvenil e os tra(os an"elicais de Lucile causam uma "rande
impress*o no 9ovem$ Ke um lado, a bele3a e a submiss*o encarnando um perfil t*o dese9ado
pela tradi(*o in"lesaG por outro lado, a pu9an(a intelectual e a pai)*o sedutora de 7orinne
n*o s*o menos arrebatadoras para DsRald$ 4ota-se neste dilema um aspecto si"nificativo
sobre como as mulheres eram vistas, e bem destacado por Madame de Staël? as mulheres,
ora dotadas de virtudes físicas e morais, podiam elevar o homem Efi"uras an"elicaisFG ora
envoltas pela perdi(*o Efi"uras demoníacasF, despertavam o dese9o e arrastavam o homem
para a destrui(*o, devendo, portanto, ser condenadas 6 infelicidade$ Ke certa forma, ! o 'ue
deve acontecer com 7orinne no final do romance$
:m Corinne ou l’ Italie, devem-se considerar tamb!m os anseios políticos acalentados
por Madame de Staël 'ue via na -n"laterra o modelo ideal de política constitucionalista, daí
um outro aspecto de "rande relevPncia na obra$ :m suas considera(Mes sobre a .evolu(*o
%rancesa, e 'ue de al"uma forma marcam toda a obra de Staël, a escritora procura destacar
os resultados nefastos decorrentes de ;<=I e o retrocesso daí imposto 6 %ran(a$ Apontando
em sua obra uma crítica implícita 6 política de 4apole*o 'ue, por sua ve3, representava a
ne"a(*o de todas as liberdades 'ue ela defendia, v0-se 'ue a refle)*o sobre essas liberdades
! not#ria na troca de cartas entre DsRald e 7orinne, 'uando os dois amantes e)pMem suas
respectivas compara(Mes entre a -n"laterra e a -t2lia$
A sobriedade in"lesa e a liberalidade italiana eram, assim, avaliadas por 7orinne e
DsRald$ :n'uanto o 9ovem lorde evoca os valores de sua p2tria – a ri'ue3a, a ind&stria e os
finos "ostos, 7orinne n*o apenas destaca o le"ado das artes e ci0ncias italianas para a
http://www.cogitationes.org
Revista Coitationes !! I""# $%&&'()*(
+ol. I, #- .%, /ui0 de 1ora, a2ril ' 3ul4o5$.%.
)%
:uropa, como tamb!m e)alta o entusiasmo da cultura italiana em contraponto ao
conservadorismo de DsRald$ 4esta vis*o, verifica-se claramente como a arte romPntica ! a
e)press*o da Ntotalidade do espíritoO, das in'uieta(Mes e "randes aspira(Mes do su9eito,
pois, 6 medida 'ue os escritores dese9avam escrever um romance, acabavam fornecendo um
retrato de si mesmos$ :m sua for(a criadora, o artista romPntico dese9a uma liberdade
absoluta, sem 'ue nada o detenha na busca incessante de seu ideal$ A arte se torna,
portanto, n*o apenas uma vis*o mais sensível do mundo, como tamb!m o retrato de uma
realidade interior$ +ale lembrar, assim, 'ue essa realidade, na persona"em 7orinne, reflete
bem a e)peri0ncia vivida por Madame de Staël 'uando esteve na -t2lia$
7onsiderando-se, portanto, al"uns dados bio"r2ficos dessa escritora, percebe-se
como a persona"em e a autora se fundem, pois em fevereiro de ;=L>, Madame de Staël
visitou .oma e esteve em 42poles, onde foi recebida com "rande defer0ncia pela rainha
7arolina$ .etornou a .oma onde permaneceu de mar(o a maioG fre'1entou a sociedade
romana e encontrou o seu ami"o, o cientista e diplomata Wilhelm von umboldt, al!m de ter
flertado com o 9ovem diplomata portu"u0s, dom Pedro de Sou3a, futuro du'ue de Palmella$
%oi aplaudida no 7apit#lio pela Academia das Arc2dias e em maio, fa3endo seu percurso de
volta, passou por %loren(a e +ene3a, che"ando de volta a Mil*o, ap#s a coroa(*o de
4apole*o como .ei da -t2lia$ 8udo isso, mais a sensibilidade da escritora, foi tamb!m a
tra9et#ria de 7orinne pela -t2lia$ Seus afetos mais caros, tais como DsRald e o príncipe 7astel-
%orte, bem poderiam representar, no caso do 9ovem escoc0s, a rela(*o com Ben9amin
7onstant, ou se9a, a rela(*o da :uropa do 4orte com a :uropa do Sul, e no caso do príncipe e
ami"o, estaria Schle"el, preceptor dos filhos de Madame de Staël$
:nfim, ap#s uma infinidade de epis#dios ao lon"o do romance, apro)ima-se o
doloroso momento 'ue se confi"uraria na "rande pen&ria e)istencial de 7orinne, embora a
essa persona"em este9a destinado um desfecho mais sublime, e 'ue se poderia di3er
apote#tico para uma obra romPntica$ Kepois de 7orinne ter tomado a resolu(*o de ir 6
:sc#cia para reencontrar DsRald e de ver arruinado o sonho de casar-se com ele, muito
abatida, ela retorna 6 -t2lia na companhia do conde dV :rfeuil$ Ke volta a .oma, o ref&"io de
7orinne ser2 na Basílica de S*o Pedro onde recorda o passado e 'uestiona a Keus acerca da
http://www.cogitationes.org
Revista Coitationes !! I""# $%&&'()*(
+ol. I, #- .%, /ui0 de 1ora, a2ril ' 3ul4o5$.%.
)$
desdita 'ue lhe dilacera o cora(*o$ :m se"uida, ela decide buscar as artes de %loren(a para se
entre"ar em definitivo 6 pr#pria sub9etividade$
7om efeito, o .omantismo foi visto como manière de sentir EBaudelaireF, No
perp!tuo esfor(o para apreender a'uilo 'ue se esvaneceO, se"undo Xier5e"aard E;=;A-;=>>F,
'ue definiu o romPntico como No homem do dese9oO$ D artista romPntico criou, com sua
arte, um mundo de possível utopia, constituindo, assim, uma outra sensibilidade oposta 6 sua
!poca Eo racionalismo e o pensamento ilustradoF, bem como uma nova concep(*o de vida
em busca da plenitude$ Por!m, como esta se apresenta ao mesmo tempo inalcan(2vel,
inclusive para 7orinne, resta-lhe apenas reavivar o passado entremeado por um penoso
abatimento diante da profunda melancolia 'ue o romPntico n*o conse"ue suplantar$ 4uma
vis*o psicanalítica, a dor do melanc#lico – diferentemente do trabalho de luto em 'ue o
su9eito conse"ue, no decorrer do tempo, substituir o ob9eto abandonado por outro – aponta
a'ui uma "rande identifica(*o do eu com o ob9eto perdido, de tal forma 'ue a melancolia se
transforma assim na perda do pr#prio e"o$
4o caso de 7orinne, a dor de perder o ob9eto de sua "rande afei(*o acaba por lev2-la
tamb!m a uma profunda m2"oa pelo amante 'ue a trocou por Lucile$ Assim, ap#s escrever
ao príncipe 7astel-%orte, DsRald recebe deste as suas duras palavras de 7orinne, bem como
sua profunda decep(*o com o lorde$ 8odavia, como 92 havia sido afirmado antes, o final da
romance aponta para um estado de resi"na(*o e sublima(*o em 'ue a persona"em principal
torna-se ela pr#pria um símbolo do sublime? NSe cada indivíduo infinito ! Keus, ent*o h2
tantos deuses 'uantos ideais Y$$$ZO ELobo? ;I=<, @IF$ : ! no reencontro com DsRald, a"ora
acompanhado de Lucile e da filha Juliane, 'ue 7orinne, em seus derradeiros instantes, dese9a
conversar com a irm* e ver o lorde escoc0s pela &ltima ve3, para lo"o, em se"uida, atender
aos desí"nios divinos e alcan(ar a sublima(*o 'ue n*o alcan(ara na terra$ Kissipa-se, assim, a
raiva por Lucile e, em se"uida, ela concede o perd*o a DsRald$
4o final da obra, e apresentando-se como palco uma esp!cie de anfiteatro 'ue tinha
sido preparado, entra uma 9ovem vestida de branco e coroada de flores 'ue recebe 7orinne
para seu &ltimo ato$ :mbora bastante fr2"il, a "rande estrela, canta pela &ltima ve3?
http://www.cogitationes.org
Revista Coitationes !! I""# $%&&'()*(
+ol. I, #- .%, /ui0 de 1ora, a2ril ' 3ul4o5$.%.
)8
Buando as inten%Ces da Pro$idDncia se "a#em sobre n9s/ uma música interior nos
prepara para a c:egada do an8o da morte. Ele n&o tem nada .ue amedronta/ nada de
terrí$el, ele tra# as asas brancas/ embora camin:e en$olto pela noite, mas diante de
sua c:egada/ mil press-gios o anunciam. 3<ta@l5 '*)0/ 0)+6
D canto final, ap#s ocupar tr0s p2"inas, tem a se"uir o momento em 'ue 7orinne !
transportada numa poltrona at! a 9anela para ver o c!u, en'uanto DsRald cai de 9oelhos aos
seus p!s$ :la dese9a lhe di3er al"o, mas n*o tem mais for(as$ Apenas v0 a lua 'ue aponta a
DsRald e 'ue outrora eles contemplaram sobre o mar de 42poles$ :m se"uida, lhe estende a
m*o e d2 o derradeiro suspiro$
4ota-se 'ue o desfecho n*o poderia ser mais arrebatador para o .omantismo$ D
alter deus, a reli"i*o da arte? eis a est!tica romPntica, definindo-se transcendental, lutando
por um ideal, buscando o divino na terra e alme9ando a harmonia e a Npoesia cu9a ess0ncia
est2 na rela(*o entre o ideal e o real Y$$$ZO ELobo? ;I=<, >@F$ A lua, símbolo t*o caro aos
romPnticos sur"e, no instante final, com si"nificados ines"ot2veis – o mist!rio, o astro das
ruínas e a'uela Nan"&stia feita coisaO, de 'ue fala Sartre ao contemplar uma tela de
8intoretto E;>;=-;>IQF? N:ste ras"o amarelo do c!u sobre o G#l"ota, 8intoretto n*o tem
escolha para si"nificar a an"&stia Y$$$ZO ESartre? ;IQ=, @;F$
Assim sendo, v0-se 'ue diante do pro9eto ut#pico produ3ido pelo entusiasmo
cultural do .enascimento, a arte encontrou na est!tica romPntica seu lu"ar ideal$
:nfrentando um 'uadro social pessimista em rela(*o ao futuro, o romPntico e)erceu um
voluntarismo est!tico desmesurado em 'ue a obra de arte, sonhada, entre muitos, por
Goethe e Beethoven E;<<L-;=H<F, e ficticiamente reali3ada por Wa"ner E;=;A-;==AF,
apresentou-se como um si"no ut#pico$ Corinne ou l’ Italie ! a manifesta(*o desse c#di"o,
se"undo o 'ual, a cria(*o est!tica n*o dependia, ao menos primordialmente, da ra3*o, mas
ori"inava-se na sub9etividade? a emo(*o, o sentimento, a ima"ina(*o$
http://www.cogitationes.org
Revista Coitationes !! I""# $%&&'()*(
+ol. I, #- .%, /ui0 de 1ora, a2ril ' 3ul4o5$.%.
)*
Referências bibliográficas
BDS-, Alfredo$ História concisa da literatura$ S*o Paulo? 7ultri), ;I=Q$
7A.P:AB,, Dtto Maria$ istória da literatura universal$ .$ Janeiro? Alhambra,
;I=<$
LDBD, Luí3a$ Teorias poéticas do Romantismo$ Porto Ale"re? Mercado Aberto,
;I=<$
SA.8.:, Paul$ Qu’estce !ue la littérature" Paris? Gallimard, ;IQ=$
S8A[L, Madame$ Corinne ou l’ Italie$ Paris? Sditions Gallimard, ;I=>$
8DKD.D+, 83vetan$ Teorias do s#m$olo$ Lisboa? :d$ <L, ;I<I$
http://www.cogitationes.org