You are on page 1of 17

Simões, M. R. (2008).

Bateria de Avaliação Neuropsicológica de Coimbra (BANC): Estudo de
validade com recurso à Escala de Inteligência de Wechsler para Crianças – Terceira Edição. In
Adelinda Candeias, Leandro Almeida, António Roazzi & Ricardo Primi (Eds.), Inteligência:
Definição e medida na confluência de múltiplas concepções (pp. 369-393). São Paulo: Casa do
Psicólogo.

Bateria de Avaliação Neuropsicológica de Coimbra (BANC):
Estudo de validade com recurso à Escala de Inteligência de Wechsler para Crianças –
Terceira Edição1
Mário R. Simões
Serviço de Avaliação Psicológica
Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
Universidade de Coimbra

Introdução

O presente estudo apresenta como objectivo estudar a relação entre os desempenhos de crianças,
com nível intelectual normal e sem problemas clínicos ou educativos, na Bateria de Avaliação
Neuropsicológica de Coimbra (BANC; Simões et al., 2008) e na Escala de Inteligência de
Wechsler para Crianças – Terceira Edição (WISC-III, Wechsler, 2003).
Mais especificamente, os resultados na WISC-III são usados como critério de validação externa
da BANC, no âmbito do projecto de adaptação e aferição deste último instrumento de avaliação.
BANC e WISC-III constituem medidas do funcionamento cognitivo, de alcance distinto,
indispensáveis no processo de avaliação neuropsicológica. Embora não tenha sido desenvolvida
como medida do funcionamento cerebral e seja até considerada um instrumento relativamente
insensível à disfunção cerebral (Baron, 2004), a WISC-III é sistematicamente usada como parte
integrante e ponto de partida da avaliação neuropsicológica (cf. Kaplan, Fein, Kramer, Delis,
1999; Kaufman, & Lichtenberger, 1999; Lezak, Howieson & Loring, 2004; Simões, 2002a,b;
Simões et al., 2006; Spreen & Strauss, 1998; Strauss, Sherman & Spreen, 2006). Mais
especificamente, a WISC-III é um instrumento de avaliação a considerar quando se pretende
saber mais sobre as sequelas funcionais de lesões cerebrais, acerca do impacto da lesão ou
doença do Sistema Nervoso Central ou predizer níveis de competência cognitiva (Ellison &

1

Trabalho realizado no âmbito do projecto de investigação “Adaptação e estandardização Portuguesa de
Testes Neuropsicológicos: Estudos Normativos e de Validade", financiado pela Fundação para a Ciência
e a Tecnologia (Projecto 35410/PSI/2000, SAPIENS/POCTI)] e pelo Centro de Psicopedagogia da
Universidade de Coimbra (Grupo de Investigação “Avaliação Psicológica”; FCT; FEDER/POCTI-SFA160-490).

1

tempo). 5. Howieson & Loring (2004) que as medidas compósitas de inteligência (QIs. tempo). devem ser examinadas sistematicamente. por isso. 2 . nº total de ensaios realizados. Memória de Faces (evocação imediata. Neste âmbito. 2. foram seleccionadas para responder igualmente à Escala de Inteligência de Wechsler para Crianças-Terceira Edição (WISC-III. Lista de Palavras (lista de interferência. Figura Complexa de Rey (cópia. somatório mão não dominante.º ano e o doutoramento: no pai é predominante o 12. 7. substituição).Clikeman. testes (e tarefas ou indicadores) que incluem a Memória Verbal [1. 8. frequentam o 2. reconhecimento. total de aprendizagem). a BANC surge como uma estratégia para aprofundar a compreensão do funcionamento cognitivo e. Compreensão de Instruções (total)]. total evocação (imediata + diferida)]. somatório ambas as mãos). proporcionar uma indicação errónea de dificuldades cognitivas e constituir indicadores pouco fiáveis de deterioração neuropática. Resultados reduzidos em instrumentos de avaliação da inteligência podem ser uma consequência de défices em funções cognitivas específicas que. Tabuleiro de Motricidade (somatório mão dominante. evocação diferida. evocação diferida). a BANC abarca um conjunto diversificado de domínios cognitivos. no âmbito do presente estudo de validade. (números. na mãe prevalece os estudos de licenciatura (44%). é constituída por crianças examinadas no contexto da aferição da Bateria de Avaliação Neuropsicológica de Coimbra (BANC) e que. No que diz respeito à escolaridade dos pais. Contudo. 4. descrita na Tabela 1. Memória de Histórias [evocação imediata. Atenção/Funções Executivas [6. Memória Visual [3. esta oscila entre o 4. reconhecimento. 10. Nomeação Rápida (cor-forma. Metodologia Amostra A amostra. 11. nesta perspectiva. Barragem 2 sinais (total). Neste contexto. Motricidade [11. 2007). Índices factoriais) podem não ser úteis para descrever os desempenhos cognitivos. tempo B). resultado total)]. Linguagem [9. evocação imediata.º ano (21%). Tabuleiro de Corsi (resultado total)]. 2003). A maior parte das crianças examinadas neste estudo. como qualquer bateria de testes de avaliação neuropsicológica que abrange o exame de funções cognitivas específicas.º e o 4. evocação diferida. Wechlser. teste com uma componente cognitiva mais reduzida]. evocação diferida). total de problemas correctos. convém reconhecer com Lezak. Trail Making Test A e B (tempo A. ultrapassar limites conhecidos da WISC-III. Torre (problemas correctos no 1º ensaio.º ano de escolaridade e são provenientes de áreas predominantemente urbanas do litoral do país. com idades compreendidas entre os 7 e 9 anos de idade. Consciência Fonológica (eliminação. evocação imediata.

54 2.35 2.895 Composição de Objectos 10.6%) 7.55. OP: M=103.º ano 38 (47%) Área geográfica APU 67 (83%) AMU 11 (13%) APR 3 (4%) Região geográfica Litoral 81 (100%) Interior 0 (0%) Leg. AMU: Área Moderadamente Urbana.91 2.74 2.595 Velocidade de Processamento 104.01 7 anos 41 (50.99 3.89 2.94 (DP=2.75 2.78 2.34) no teste de Memória de Dígitos e 11.09 12.54.78 12. Caracterização da amostra (N=81) N (%) Idade Média Desviopadrão 1.286 Aritmética 11. DP=12.99 9 anos 40 (49. DP=11. DP=11.43 11.445 QI Realização 104. Na Tabela 2 são apresentados os resultados obtidos pelas 81 crianças nas medidas compósitas e nos 13 testes que constituem a WISC-III.73. oscilando entre 9.15.219 Semelhanças 11. Tabela 2.Tabela 1.93).040 Compreensão 11. QIR: M=104. QIEC: M=107.79 3.15 11.35 2.716 Informação 11.246 Cubos 10.594 Código 10.43.15) no teste de Semelhanças. WISC-III: Análise descritiva dos resultados WISC-III Média Desvio-Padrão Resultados Compósitos (QIs e Índices Factoriais) QI Verbal 109.10 2. VP: M=104.32).96 0. APR: Área Predominantemente Rural. Quando analisamos os resultados por testes.933 Compreensão Verbal 109.º ano 41 (51%) 2. DP=10.926 Pesquisa de Símbolos 10.74 2.94 2.68.º ano 2 (2%) 4.68 11.45.152 Disposição de Gravuras 10.4%) Género Masculino 39 (48%) Feminino 42 (52%) Escolaridade 2.084 Vocabulário 11.545 Organização Perceptiva 103.315 Resultados nos testes Completamento de Gravuras 10.393 Memória de Dígitos 9.91 (DP=2. DP=11. assim como nos Índices factoriais (CV: M=109. ou ligeiramente superiores média normativa.60.78. Os QIs são médios (QIV: M=109.336 Labirintos 11.: APU: Área Predominantemente Urbana.73 10.53 2. DP=12.700 3 .539 QI Escala Completa 107. os desempenhos são também médios.09.

Procedimentos A ordem de administração dos instrumentos de avaliação foi a seguinte: a BANC (numa 1. Test of Memory and Learning (TOMAL. não são apresentados em separado os ensaios de Evocação Imediata e Diferida para os vários testes de memória. habitualmente. pelas crianças do 2. os resultados são apresentados de forma agrupada para a totalidade da amostra. Children’s Memory Scale (CMS. assim como com os 13 testes que constituem esta escala de inteligência. Korkman. Sheslow & Adams. 1994. Wide Range Assessment of Memory and Learning (WRAML. Deve também assinalar-se que quando nestes estudos de validade são utilizados índices compósitos de memória – que derivam do agrupamento de pontuações de várias provas de memória (e não resultados em provas de memória isoladas) –. Da análise da Tabela 3. Compreensão Verbal. QI Escala Completa. salienta-se que apesar de algumas correlações se apresentarem estatisticamente significativas. por domínios avaliados (Memória Verbal. Para o tratamento estatístico dos dados foi utilizada a versão 15. Foram realizadas correlações paramétricas de Pearson entre as pontuações nas várias provas que constituem a BANC e os resultados nas medidas compósitas e testes da WISC-III. Cohen. separadamente. 1997). Atenção/Funções Executivas. A Developmental Neuropsychological Assessment (NEPSY. Normalmente apenas são indicadas as correlações com os resultados totais de pontuações agregadas.  Memória Verbal De salientar desde já que. São idênticos os desempenhos na WISC-III evidenciados. aumentam compreensivelmente os coeficientes de correlação com resultados na WISC-R/WISC-III [cf.ª sessão). Organização Perceptiva e Velocidade de Processamento). Por isso.º anos de escolaridade. 2001). Memória Visual.º e 4. e os resultados compósitos da WISCIII (QI Verbal. QI Realização. nos outros estudos de validade. a WISC-III (numa 2. 1990)].0 do Statistical Package for Social Sciences (SPSS). Kirk & Kemp. 1998). são apresentados elementos respeitantes à relação entre as pontuações nas várias provas da BANC. estas associações são de um modo geral baixas com todas as 4 .ª sessão) num intervalo não superior a 1 semana entre as sessões. Reynolds & Bigler. Apresentação e discussão dos resultados Seguidamente. Linguagem e Motricidade).

016 0.238* 0. CV: Compreensão Verbal. Tabela 4).199 VP 0. encontraram resultados um pouco discrepantes no que diz respeito às associações entre as provas de memória do Test of Memory and Learning (TOMAL) e os resultados agregados da WISC-R.164 0. 5 . MHABID: Memória de Histórias A e B – somatório das Evocações Imediatas e Evocações Diferidas.291** CV 0.266* QIR 0.30 com QIR.253* 0. Neste contexto.: QIV: Quociente Intelectual Verbal.265* 0. LPInt: Lista de Palavras – lista de Interferência.077 -0. Testes de Memória verbal da BANC: Correlações com os QI’s e Índices da WISC-III Lista de Palavras Memória de Histórias A e B WISC-III LPInt LPEI LPED LPR LPTA MHABI MHABD MHABR MHABID QIV 0.134 0.267* 0. na Lista de Palavras. Contudo. os resultados relativos à Lista de Palavras são semelhantes. os coeficientes de correlação mantêm-se no limite inferior (r=.128 0. LPED: Lista de Palavras – Evocação Diferida.168 0. MHABD: Memória de Histórias A e B – somatório das Evocações Diferidas. os coeficientes de correlação entre a Memória de Histórias e os QIs são inferiores (r=.131 0. LPR: Lista de Palavras – Reconhecimento. os testes de Memória verbal da BANC não estão fortemente associados com medidas compósitas de inteligência.302** 0.135 0.250* 0.055 0.244* 0.309** 0.172 0.24 com QIR.242* 0.189 0.002 0.217 0.67 vs r=. Nas provas de Memória verbal.27 com QIV. OP: Organização Perceptiva.163 0.250* 0. r=.350** 0. No mesmo sentido do reportado noutros estudos.242* 0. Aqui.05) (**p< . VP: Velocidade de Processamento. o valor das correlações com os QIs obtidas por Reynolds e Bigler são superiores às encontradas no nosso estudo (r=. r=. QIEC e CV) relativamente à Evocação Imediata.29 com QIEC). também com recurso à WISC-R. QIEC: Quociente Intelectual Escala Completa. é de salientar que os ensaios de Evocação Imediata e Diferida da Memória de Histórias apresentam correlações mais elevadas (com QIV. este estudo de validade foi realizado numa amostra de 20 crianças. 2001). o mesmo ocorrendo na Lista de Palavras (tarefa de Reconhecimento). Reynolds e Bigler (1994). Esta tendência é igualmente replicada nas análises com os testes da WISC-III. individualmente considerados.281** OP 0. MHABI: Memória de Histórias A e B – somatório das Evocações Imediatas.024 0. MHABR: Memória de Histórias A e B – somatório do Reconhecimento.125 0. r=.329** 0.033 0.183 0.004 0.110 0.175 0.65 vs r=.297** 0.311** 0.173 0.242* 0.29 com QIEC).155 0. LPEI: Lista de Palavras – Evocação Imediata. na Memória de Histórias.26 com QIV. r=.095 0. LPTA: Lista de Palavras – Total Aprendizagem. mas continuam a ser superiores aos encontrados na presente pesquisa.40 com QIR. dos 6 aos 12 anos de idade. Na amostra de aferição espanhola do TOMAL (Reynolds & Bigler. QIR: Quociente Intelectual de Realização.51 com QIEC) aos do estudo original norte-americano. visto que em ambos os estudos as correlações encontradas são baixas.01) Leg.255* 0.152 0.002 0.medidas compósitas de inteligência.169 0.230* 0. numa amostra de 60 crianças dos 6 aos 16 anos de idade. Tabela 3.216 0. enquanto que.077 -0.174 0.49 com QIV. r=.236* QIEC 0. Contudo.55 vs r=. r=. o mesmo acontecendo com os testes da WISC-III (cf.167 (*p< .

CUB: Cubos.247* 0. são também baixas.126 0.107 0.247* 0.068 0.279* 0. de acordo com os grupos etários. Reynolds & Bigler.196 0. 1998) apresenta associações positivas moderadas com a Compreensão (r=. INF: Informação.52) e Cubos (r=.178 0.062 0.057 0.049 (*p< .314) e da Memória de Histórias (r=.134 0.178 0. LAB: Labirintos. VOC: Vocabulário.118 0.081 0.041 0.317) e Vocabulário (r=.072 0.059 0.049 0. Vocabulário (r=.154 0.140 0.50). 1994. entre o 6 .303).048 0. No TOMAL (Reynolds & Bigler.151 0.392** 0.079 M_Díg -0. ARIT: Aritmética. Reynolds & Bigler.007 0.191 0.198 0.199 0.134 0.124 0.095 -0. os resultados encontrados na NEPSY (correlações que oscilam entre r=.017 0. r=. Contudo.071 0. Prieto & Muñiz.029 0. Kirk & Kemp.088 CUB 0.192 ARIT -0. Memória de Dígitos (r=.44. apesar de algumas serem estatisticamente significativas.008 0.01) Leg.04 na Disposição de Gravuras a r=. 2001). Tabela 4. observam-se correlações relevantes com Aritmética (r=.026 0.089 0. No que diz respeito à Lista de Palavras.008 0.À semelhança do verificado com as medidas compósitas de inteligência.094 0.022 0.037 0.126 INF 0.204 0.074 -0. Testes de Memória verbal da BANC: Correlações com os desempenhos nos testes da WISC-III Lista de Palavras Memória de Histórias A e B WISC-III LPInt LPEI LPED LPR LPTA MHABI MHABD MHABR MHABID C_Gr 0. P_Sim: Pesquisa de Simbolos.105 0. Contudo.074 P_Sim 0.57).245* 0. D_Gr: Disposição de Gravuras.246* 0. Reynolds & Bigler.199 0.: C_Gr: Completamento de Gravuras.050 -0.29 na Aritmética) são idênticos aos do presente estudo.392) com o teste de Informação.236* 0.017 -0. referem diferentes coeficientes de correlação. Delis.078 0.040 0. esta prova de Memória de Histórias está correlacionada com Informação (r=.055 0.059 VOC 0.141 0.094 0.105 0. 2002): (i) entre os ensaios de Reconhecimento da Lista de Palavras (r=.137 0.033 -0. C_Obj: Composição de Objectos.211 0.162 COMP -0. as correlações entre os resultados em provas de Memória verbal e os desempenhos nos testes da WISC-III.129 0. devem salientar-se as associações que podem ser consideradas “adequadas com limitações” (cf.47. 1994). na amostra espanhola. Kaplan e Ober (1994).40).109 0. 2001) e Código (r=.05) (**p< .026 0.50) mas.047 -0.031 0.317** 0.186 0.215 0. numa amostra de 920 crianças dos 5 aos 16 anos. M_Díg: Memória de Dígitos.050 -0. Korkman.150 0.024 0.50). SEM: Semelhanças.241* 0. no TOMAL são reportadas correlações moderadas desta tarefa com a Memória de Dígitos (r=.59).065 -0.183 -0.54) e Compreensão (r=.063 0.017 0.081 0. Semelhanças (r=.011 LAB 0.43. Kramer.085 -0.134 0.042 0.141 -0.103 -0.176 0.095 0.035 0. COMP: Compreensão.162 0.182 0. COD: Código. resultados que não estão de acordo com parte da literatura publicada neste domínio.263* D_Gr 0.133 0.013 -0.136 -0.132 0.005 0.198 0.224* C_Obj 0.303** 0.297** COD 0.314** 0.041 -0.163 0.195 SEM 0.181 0.263* 0.200 0. A Memória de Histórias da NEPSY (A Developmental Neuropsychological Assessment.041 0.249* 0.119 0.202 0.198 0.306** 0. (ii) entre Evocação Diferida da Memória de Histórias e Semelhanças (r=.

(iii) contudo. revelam-se baixas as correlações com todas as medidas agregadas de inteligência. medidas de inteligência não verbal. 5-8 anos. Quanto às restantes provas de Memória visual (Memória de Faces e Tabuleiro de Corsi). r=-. é de salientar.resultado nos ensaios de Evocação do CVLT-C (California Verbal Learning Test-Children’s Version) e o teste Vocabulário (r=.432 com EI. e r=. os resultados obtidos com a Memória Visual Abstracta no estudo de 7 .56 com QIEC. que respondeu ao Children’s Auditory Verbal Learning Test – 2 (Taley.17 com QIV e QIEC (amostra norte-americana).45 com QIV.16 (Reconhecimento)]. r=.562 com EI.11 (Total Aprendizagem).02 com QIEC. nas provas de Memória visual. (ii) na Memória Visual Abstracta (TOMAL).33 com QIV. r=.16 com QIR. excepto com o Índice VP. em analogia ao verificado nas provas de Memória verbal.524 com EI. r=.528 com EI. onde foram encontradas correlações de .54 com QIR. No entanto. De assinalar as correlações “adequadas mas com limitações” entre tarefas da Memória de Faces e do Tabuleiro de Corsi com o QIR (r=. r=. nomeadamente QIV (r=. são encontradas correlações positivas “adequadas” ou “boas” entre os ensaios de Evocação Imediata e Diferida da Figura Complexa de Rey e todos os resultados agregados da WISC-III.454 com ED) e CV (r=. 1993) e ao teste de Semelhanças da WISC-R [r= . Tendência inversa acontece relativamente à pesquisa com um grupo de 149 crianças. r=. que reflecte capacidade intelectual global.32 13-16 anos). r=. r=.  Memória Visual Como podemos verificar a partir da análise da Tabela 5. r=. ainda que algumas sejam estatisticamente significativas. e no que diz respeito às provas de Memória não-verbal.545 com ED). r=. que não é propriamente uma medida da memória). e com QIEC (r=.24 com QIR (amostra espanhola)]. r=. na Figura Complexa de Rey as associações são mais elevadas com QIR (r=. r=. associações ligeiramente superiores às observadas nesta investigação.53 com QIR.583 com ED).40. r=.52 com QIR e .331) e com o índice Organização Perceptiva (r=. que as associações são mais elevadas na Evocação Diferida comparativamente com a Evocação Imediata (e com a cópia. . Mais especificamente.313 a .33.403 com EI. 2001) reportam resultados próximos aos da presente pesquisa (onde as correlações são ligeiramente mais elevadas): (i) na Memória de Faces do TOMAL [r=. r=.44 com QIEC. Noutros estudos.32).08 (Evocação Diferida). r=.445 com ED). Reynolds e Bigler (1994.29 a . r=. Evocação Diferida: r=. são ainda de salientar as associações “moderadas” também com medidas de inteligência verbal.13 com QIV.536 com ED) e OP (r=. com idades compreendidas entre os 6 e os 11. 9-12 anos. r=.43 com QIV. os resultados obtidos com a Figura Complexa de Rey (BANC) são superiores (Evocação Imediata: r=.11 (Evocação Imediata).58 com QIEC).

224* 0.529** 0.093 0.118 0.141 -0.127 0.413).22).57). podem ser consideradas “boas” as correlações entre os ensaios de Evocação Imediata e Diferida e os Cubos (respectivamente r=.331** 0.47) e Código (r=-. Na Figura Complexa de Rey. as correlações da Memória Visual Abstracta com o QIV e QIEC são superiores ao estudo original (respectivamente r=.137 0. e de Reynolds e Bigler (1994).87 anos). coeficientes de correlação muito baixos entre a Memória de Faces da NEPSY (oscilando entre r=.40) e positiva com a Composição de Objectos (r=. Testes de Memória visual da BANC: Correlações com os QI’s e Índices da WISC-III Figura Complexa de Rey Memória Tabuleiro de Corsi de Faces WISC-III MFI MFD CORSI [REY-C] REY-EI REY-ED QIV 0.153 0. MFD: Memória de Faces – Evocação Diferida. foram encontradas correlações muito variáveis: correlações negativas com Informação (r=-. De facto. respectivamente.545** VP 0. Estes resultados vão de encontro aos obtidos por Korkman e colaboradores (1998). também. numa amostra de 127 crianças (média de idades: 9.313** 0. mas. Contudo. Não é linear a associação entre as provas neuropsicológicas de memória verbal e nãoverbal e o QIV e QIR.316** 0. no nosso estudo. com medidas de capacidade intelectual verbal (QIV e CV).014 0.01 com Aritmética.58 e r=.454** QIR 0. REY-EI: Figura Complexa de Rey – Evocação Imediata.583** CV 0.01) Leg.348** 0. respectivamente.04 no Completamento de Gravuras e r=. A mesma tendência é observada relativamente a testes verbais e de realização da WISC-III.51).019 0. Através da análise da Tabela 6 verificamos que os resultados no Tabuleiro de Corsi estão moderadamente associados com o desempenho na Disposição de Gravuras (r=.267* 0. ao contrário do que seria de esperar.445** OP 0.432** 0. Na amostra espanhola.357** 0.201 0.242* 0. os ensaios de evocação da Figura Complexa de Rey (prova de memória não-verbal) aparecem relacionados de forma moderada com a inteligência global (QIEC).475).264* 0. Disposição de Gravuras e Pesquisa de Símbolos e r=. Tabela 5.524** 0.320** 0. [REY-C: Figura Complexa de Rey – Cópia]. na amostra de aferição espanhola do TOMAL. inteligência não-verbal (QIR e OP) mas. a associação desta prova com o QIR é inferior (r=. visto tratar-se de uma tarefa de natureza não-verbal.080 0.536** QIEC 0.290** 0.05) (**p< . 8 .354** 0.403** 0.122 (*p< .14 com Memória de Dígitos e Código da WISC-III) e TOMAL (correlações que variam entre r=.500 e r=.: MFI: Memória de Faces – Evocação Imediata. Compreensão.302** 0.180 0.562** 0.validação espanhol do TOMAL são um pouco distintos. CORSI: Tabuleiro de Corsi – Total. relativamente ao estudo original e à nossa própria investigação com a Figura Complexa de Rey (BANC).263* 0. que obtiveram. REY-ED: Figura Complexa de Rey – Evocação Diferida.32 na Disposição de Gravuras da WISC-R).

035 -0.184 0. Tabela 7.307** 0.360** 0.278* 0.239* 0.º ensaio. TT: Torre – resultado total.170 0.383** (*p< .380** COMP 0.388** 0.317** 0. mas baixas.475** VOC 0.360).323** 0.215 0.337** CUB 0.361** C_Obj 0.154 -0.195 0.006 0.339** 0.187 0.323** CV 0.111 -0.368** COD 0.01)  Atenção/Funções Executivas De entre as várias provas da BANC que examinam estes domínios.280* 0.01) Leg.357** 0.188 0.074 0. 9 .327** 0.021 -0.339** INF 0.º total de ensaios realizados.292** 0.074 0.105 -0.154 -0.096 0. é no teste de Barragem que se observam as associações mais fortes.169 0.134 0.046 0.334** P_Sim 0.247* 0.277* QIR 0.147 0.098 0.196 0.232* 0.287** 0.410) e QIEC (r=.141 0.091 0.044 0. A Fluência Verbal Semântica aparece mais fortemente associada ao QIEC (r=.274* QIEC 0.189 0.: TAT: Trail Making Test A – Tempo.158 0.329** ARIT 0. noutras provas (cf. FVF: Fluência Verbal Fonémica.Tabela 6.339) e CV (r=.011 0.354) comparativamente ao Trail Making Test B (r=.002 0.084 0.027 0.046 0.158 0.231* 0. apesar de se reportaram algumas correlações significativas.378** 0.226* 0.305** -0.038 0. Testes de Atenção/Funções Executivas da BANC: Correlações com os QI’s e Índices da WISC-III Trail Making Torre Barragem Fluência Verbal Test WISC-III TAT TBT TA TB TC TT B2ST FVF FVS QIV 0.180 0.197 LAB -0.069 0.323** D_Gr 0.262* 0.337** 0.322** (*p< .223* 0.187 VP 0.234* 0.206 0.081 -0.134 0.323) e VP (r=.234 com OP).023 0.314** 0.111 0.05) (**p< .038 0.045 0.354** 0. TBT: Trail Making Test B – Tempo.163 SEM 0.055 -0.126 0.104 0. TA: Torre – problemas correctos no 1.195 0.129 -0.015 0.019 0.413** 0.357** 0. Testes de Memória visual da BANC: Correlações com os desempenhos nos testes da WISC-III Memória Tabuleiro Figura Complexa de Rey de Faces de Corsi WISC-III MFI MFD CORSI [REY-C] REY-EI REY-ED C_Gr 0.278 com QIR e r=.219* 0.115 0.190 0.056 -0.221* 0.221* 0.018 0.394** 0. O desempenho no Trail Making Test A aparece mais fortemente associado ao QIR (r=.243* 0.149 -0. TB: Torre – total de problemas correctos.165 0.410** 0.357) e OP (r=.079 0. A Fluência Verbal Fonémica apresenta correlações mais elevadas com o QIV (r=.169 0.322).265* 0.05) (**p< .083 0.265* 0.237* 0.133 0. TC: Torre – n. especialmente com o QIR (r=.360** 0.349** 0.070 0.003 -0. Tabela 7).026 0.043 M_Díg 0.162 0.116 0.116 0.158 0.094 0.121 0.457).457** 0.015 0.275* OP 0. FVS: Fluência Verbal Semântica.062 0. B2ST: Barragem 2 Sinais – total.160 0.027 0.500** 0.

185 COMP 0.075 D_Gr 0.040 -0. considerada igualmente como um teste “marcador” da avaliação das Funções Executivas [a Fluência Verbal Semântica está igualmente correlacionada com as Semelhanças (r=.029 0.475). constatamos uma associação moderada ou adequada entre os resultados totais da Fluência Verbal com o QIV (r=.395** VOC 0. os coeficientes de correlação com os testes da WISC-III são mais baixos.017 0. Wisconsin Card Sorting Test).042 -0.286** ARIT 0.269** SEM 0.418).117 0. entre a Fluência Verbal Semântica e o Código (r=. Testes de Atenção/Funções Executivas da BANC: Correlações com os testes da WISC-III Trail Making Test Torre Barragem WISC-III TAT TBT TA TB TC TD B2ST C_Gr 0.255* 0.168 -0. Mesmo assim. Berent e Boll (1983).059 0. especificamente.362** 0.258* 0. Giordani.132 0. Relativamente às outras provas.067 -0.206 0.154 0.229* -0.332** C_Obj 0.048 0. Ardila.299** 0. Seidenberg. Se atendermos ao estudo de Anderson e colegas (2001).101 0.230* INF 0.395) – este último considerado como teste de exame das Funções Executivas.215 -0.198 0.370** COD 0. A partir de uma amostra de 121 crianças com epilepsia.172 0. e com base numa amostra de 50 adolescentes. e no mesmo sentido.195 0.068 0.002 0.181 0.386).184 0.015 0.323** 0.029 0.101 0.312** 0.015 -0.377** Em convergência com alguns dos nossos resultados. os observados entre o Trail Making Test B e a Disposição de Gravuras (r=. e os Labirintos (r=-.246* (*p< .027 -0. mas baixas. Tabela 8. embora sejam de assinalar.083 0.232* 0.026 0.045 -0.147 0.051 0.197 0.44).51) e Semelhanças (r=.0.058 0.092 0.011 0.365** 0.055 0.65 0.088 0.069 0. de idades compreendidas entre os 13 e 16 anos.158 0.475** 0.032 0.171 -0. Fluência Verbal Semântica e Fonémica. 10 .070 -0.047 -0.090 -0.157 0.268* 0. Pineda e Rosselli (2000) concluíram pela existência de correlações significativas.062 -0.218 M_Díg 0.033 -0.015 0.184 0.154 0.209 0.324** 0.227* P_Sim 0.39).270* 0.104 0.048 -0. de idades compreendidas entre 9 e 14 anos.044 0.014 -0.195 0.62 0. apenas a Fluência Verbal Fonémica apresenta uma correlação positiva “adequada” com as Semelhanças (r=.099 0.115 -0.004 0.182 0.151 0.029 -0. reportam associações significativas.111 0.074 0.070 -0.019 0.152 0.095 -0.043 0.089 -0.148 0.273* CUB 0.048 -0.144 0.175 0.01) desempenhos nos Fluência Verbal FVF FVS 0.05) (**p< . verificamos que das provas atinentes aos domínios Atenção/Funções Executivas.036 0.015 -0.377).370) e os Cubos (r=.033 0. entre a Barragem (teste de Atenção) e a Informação (r=.017 0.365).Quanto aos testes da WISC-III (Tabela 8).142 0.015 0. aquele trabalho reporta associações boas ou adequadas entre FVS e Informação (r=.036 0. entre os resultados na WISC-R e os desempenhos em provas de Funções Executivas (Trail Making Test A e B.158 0.010 0. embora a correlação entre a tarefa de Fluência e o QIV seja mais limitada (r=.202 -0.200 LAB -0.111 -0.362)].097 0.049 0.386** 0.

TOMAL.45).º de ensaios correctos).52) e QIEC (r=. as associações com resultados em testes de inteligência são.  Linguagem No que diz respeito às provas de Linguagem. QIR (r=.352) e QIEC (r=. QIEC (r=. por isso. Moosbrugger e Goldhammer (2005). numa amostra (numerosa) de 413 crianças dos 6 aos 16 anos de idade. Korkman e colaboradores (1998). encontram correlações igualmente baixas entre os domínios Atenção/Funções Executivas da NEPSY (índice conjunto que compreende 6 provas) e todas as medidas compósitas da WISC-III (correlações de r=. Neste contexto. de idades compreendidas entre 19 e 40 anos.54).136) e QIR (r=. referem uma associação reduzida (r=. embora o coeficiente de correlação com a OP seja mais limitada (r=. as associações com as medidas compósitas de inteligência são baixas apesar de algumas serem significativas (cf. Schweizer. Os coeficientes de correlação com QIV (r=. Anderson e colaboradores (2001) referem também baixas associações. por vezes. e r=-. Reynolds e Bigler (1994) reportaram também correlações moderadas deste mesmo índice Atenção/Concentração (índice agregado constituído 5 tarefas) do TOMAL com QIV (r=. constata associações “adequadas” ou “boas” entre o índice Atenção/Concentração da CMS (índice agregado constituído por 2 tarefas) e o QIV (r=. entre o desempenho na Torre de Londres e o QIV (r=. CV (r=. No entanto. QIR (r=.31 (Trail B com QIEC).39).378).55). Tabela 9). Cohen (1997). oscilando entre r=-.47) da WISC-III. CMS). entre o Trail Making Test A e B e os QIs da WISC-R.54) e VP (r=.56). recorrem a um índice agregado (global) das provas de Atenção/Funções Executivas e. Relativamente à prova de Barragem. mais elevadas do que as observadas na presente pesquisa. não foram encontrados estudos correlacionais com a WISC-III.27).22) entre resultados no d2 Test e nas Matrizes Progressivas Estandardizadas.50) e QIEC (r=. na amostra de estandardização espanhola do TOMAL (Reynolds & Bigler.37 com QIEC).342. Apenas as correlações do teste de Compreensão de Instruções aparecem no limiar do considerado moderado com o QIV (r=.48) são idênticos mas a associação deste índice com o QIR é baixa (r=.mas negativas e baixas. Contudo. para o n.25 (Trail B com QIR).25 com a OP e r=. Outras Baterias (NEPSY. 2001).58).391). 11 . com base numa amostra de 109 estudantes de ensino superior. Ainda que superiores às do nosso estudo. os resultados foram um pouco diferentes. CV (r=.

172 0. mas baixas. Korkman e colaboradores (1998) encontraram associações mais elevadas do domínio Linguagem (índice agregado constituído por 7 provas) da NEPSY com QIV (r=. noutras provas.275* VP 0.206 QIR 0.143 0.06 com Composição de Objectos e r=.238* 0.249* 0. note-se que é apenas na prova de Compreensão de Instruções que se observa uma associação “adequada” com o teste de Informação (r=. Vocabulário (r=.352) e Consciência Fonológica – Eliminação e Aritmética (r=.378** 0.171 0.05) (**p< .52). sendo as correlações baixas.62). em comparação com os nossos resultados.58). apresentados na Tabela 10. QIEC (r=.121 0. vão de encontro aos do nosso estudo. superiores às encontradas por nós.59) e CV (r=.253* 0.114 0.41) e Completamento de Gravuras (r=.252* 0.139 0. relativos à NEPSY. (ii) associações “adequadas” da prova Compreensão de Instruções com Informação (r=. Estes autores encontram: (i) correlações positivas “adequadas” ou “boas” entre a prova de Processamento Fonológico dessa bateria com Informação (r=. NRNT: Nomeação Rápida Números .345)] 12 .41). Quanto aos resultados por testes.Tabela 9. CFS1: Consciência Fonológica – Substituição 6-9 anos.43).: NRCFT: Nomeação Rápida Cor-Forma – Tempo.272* 0. Compreensão (r=.199 0.39 com Vocabulário). Semelhanças (r=.47).261* 0.143 0.42).264* 0. Vocabulário (r=. ainda que seja de notar a existência de correlações positivas significativas. mas mais uma vez na nossa análise foram considerados resultados em provas isoladas e não pontuações de testes agrupados num único índice.332** (*p< .41) e Memória de Dígitos (r=.298** CV 0.285** QIEC 0.01) Leg.259* 0.460).352** 0. apesar de algumas estatisticamente significativas e “adequadas mas com limitações” [nomeadamente. Testes de Linguagem da BANC: Correlações com os QI’s e Índices da WISC-III Consciência Nomeação Rápida Compreensão de Instruções Fonológica WISC-III NRCFT NRNT CI CFE CFS1 QIV 0. Os resultados daquele trabalho relativos à prova Nomeação Rápida (correlações que oscilam entre r=. Kirk e Kemp (1998). CFE: Consciência Fonológica – Eliminação.202 0. Compreensão de Instruções e Memória de Dígitos (r=.391** 0. Semelhanças (r=.270* 0. Aritmética (r=. CI: Compreensão de Instruções – Total.44).203 0.45).Tempo. constatam-se algumas diferenças. Atendendo aos dados reportados por Korkman.255* 0.158 OP 0.40).215 0.

180 0.170 0. MA: Tabuleiro de Motricidade – somatório Ambas as mãos.194 COD 0. de acordo com o esperado.120 0.Tabela 10.: MD: Tabuleiro de Motricidade – somatório Mão Dominante.134 0.093 0.084 0.024 0.099 0.053 QIR 0.157 0.048 0.091 OP 0.041 0.233* VP 0. Tarefas do Tabuleiro de Motricidade da BANC: Correlações com os QI’s e Índices da WISC-III Tabuleiro de Motricidade WISC-III MD MND MA QIV -0.207 0. MND: Tabuleiro de Motricidade – somatório Mão Não Dominante.258* 0.115 0. Stanford e Barrant (1996).162 0.157 0.264* 0. as associações com os resultados agregados da WISC-III são bastante baixas (cf.091 C_Obj 0.260* 0. prova com uma componente cognitiva mais reduzida. Todavia.216 0.135 0.325** 0.006 0.231* 0.188 (*p< .289** 0.253* 0.140 0.01) Leg. Tabela 11.210 0.17 na CV e r=.040 -0.149 P_Sim 0.224* 0.141 0.016 0.022 -0.021 0.249* QIEC -0.113 0.121 0.047 D_Gr 0.161 0.110 CV -0. Tabela 11).312** ARIT 0.065 0.151 0. as associações obtidas por Korkman e colaboradores (1998) entre o índice Sensório-Motor da NEPSY (constituído por 5 provas) e medidas globais de inteligência foram também baixas (oscilando entre r=.249* 0.167 -0.329** 0.253** 0.289** LAB 0.32 na VP).098 0.037 0. VP e OP).234* VOC 0. numa amostra de 155 rapazes 13 .29 -0.139 0.060 0.148 (*p< .038 0.291** CUB 0.044 0.273* 0.460** 0. e mais uma vez com recurso a um índice agregado.060 0.303** 0.345** 0.01)  Motricidade No que concerne ao Tabuleiro de Motricidade.05) (**p< .113 0.339** M_Díg 0.352** 0.144 0.160 0.075 INF 0. deve notar-se.009 0.078 0. Testes de Linguagem da BANC: Correlações com os desempenhos nos testes da WISCIII Nomeação Compreensão de Consciência Rápida Instruções Fonológica WISC-III NRCFT NRNT CI CFE CFS1 C_Gr -0.156 SEM 0.172 COMP 0.008 0. a tendência para correlações positivas com os índices agregados relativos a tarefas manipulativas e não verbais (QIR.137 -0.05) (**p< .102 -0. No mesmo sentido.218 0.

087 (*p< . Fromm.092 M_Díg -0.038 0. Wechsler.115 -0. reportam correlações muito reduzidas de duas provas de motricidade com o QIV (avaliado pela WISC-R).359 em ambas as mãos).064 0.(Idade: M=14.116 0. Yeudall.088 0.135 -0.8.223* -0.106 -0.171 SEM -0.121 -0.002 C_Obj 0.13 para mão direita. r=-. Na análise por testes.074 P_Sim 0.077 -0.23).092 -0. mas baixas.07 para mão esquerda).05) (**p< . Conclusões 1.112 CUB 0.040 -0. r=.126 0. DP=1.062 COD 0.138 -0.150 D_Gr 0. da tarefa Ambas as Mãos com o QIV (r=.082 -0. Finalmente.023 0.01) O único estudo relativo ao Purdue Pegboard (Stanford & Barrant.14) e com o QIR (r=. encontraram correlações significativas.123 0.204 VOC -0.130 ARIT 0.056 0.099 0.313 na mão dominante e r=. 14 .143 0. com idades compreendidas entre os 7 e os 9 anos.068 INF -0.01 para mão direita.071 0.075 0.359** COMP -0. numa amostra de 225 adultos entre os 15 e 40 anos.030 0.055 0.09 para mão esquerda) e o Purdue Pegboard (r=. Reddon e Stefanyk (1986). Tabela 12. na Escala de Inteligência de Wechsler para Crianças (WISC-III.313** 0.169 -0. 1996) considera apenas o QIV e não os restantes indicadores. especificamente o Finger Tapping (r=. as associações mais elevadas ocorrem entre os resultados no Tabuleiro de Motricidade com o teste Composição de Objectos que envolve igualmente manipulação motora de materiais (r=.174 LAB 0.3). 2003). Tarefas do Tabuleiro de Motricidade da BANC: Correlações com os desempenhos nos testes da WISC-III Tabuleiro de Motricidade WISC-III MD MND MA C_Gr -0. O presente estudo de validação da Bateria de Avaliação Neuropsicológica de Coimbra (BANC) toma como referência ou critério externo os resultados obtidos por um grupo de 81 crianças. para o género feminino (n=98).

QIR. os desempenhos nos testes. por vezes. Nos casos em que no nosso estudo é observada uma magnitude mais reduzida das correlações isso deve-se. pode concluir-se que embora positivas. uma vez que não mais de 34% da variância é partilhada entre diferentes testes e tarefas (caso da associação entre Evocação Diferida da Figura Complexa de Rey e QIEC). com os testes de realização (e verbais) da WISC-III. Índice OP e. Memória de Histórias da BANC e o QIV. de modo menos evidente.2. entre os resultados nos testes da BANC e as medidas compósitas ou individuais da WISC-III. CV. Também de apontar são as correlações entre desempenhos no teste de Memória Verbal. VP) e testes individuais da WISC-III. Mais especificamente. a WISC-III e a BANC podem introduzir contributos distintos no 15 . muitas das correlações entre desempenhos na BANC e na WISC-III são frequentemente reduzidas e não significativas. de modo articulado. e de acordo com o esperado. entre pontuações em tarefas e testes de Memória Visual da BANC (a magnitude de algumas correlações do teste da Figura Complexa de Rey merece aqui uma referência particular) e QIR. os testes da BANC avaliam em larga medida um domínio da cognição algo distinto (ou pelo menos não justaposto) aos índices compósitos (QIV. estatisticamente significativas. São igualmente de referir as relações mais substantivas entre desempenhos no teste de Atenção (Barragem) e QIR (e QIEC) ou entre FVF e QIV e Semelhanças (um teste igualmente considerado no exame de Funções Executivas). Ou seja. os resultados são idênticos (ou mais próximos) quando se analisam comparativamente. evidência de validade discriminante dos testes que constituem a BANC e prova da sua complementaridade com a WISC-III. Índice Memória Verbal) e não com testes isolados (por exemplo. Constata-se alguma convergência de informação sempre que é possível proceder à comparação com elementos provenientes de outros estudos relativamente a associações entre tarefas e testes neuropsicológicos e medidas da WISC-III. ao facto de nessas pesquisas se trabalhar frequentemente com índices agregados provenientes do agrupamento de testes (por exemplo. OP. 4. 5. mas relativamente reduzida. cumulativamente. Por outras palavras. CV e alguns testes verbais da WISC-III (Informação e Semelhanças). 3. Lista de Palavras). embora o mesmo não suceda com o outro teste de Memória Verbal (Lista de Palavras). De um modo geral. é de assinalar a tendência para correlações positivas. as correlações obtidas sugerem a existência de uma ligação positiva significativa. constituindo prova do envolvimento de diferentes processos e. Na Linguagem merece realce a associação entre o teste Compreensão de Instruções e a Informação. QIEC. de modo individualizado. De um modo geral. Considerando o que acaba de ser enunciado.

Archives of Clinical Neuropsychology. Correlation between intelligence test scores and executive function measures. V. & Waber.. hiperactividade. Ardila. de modo diferenciado.. (2001). Finalmente.processo de avaliação cognitiva no contexto de um exame (neuro)psicológico da criança e do adolescente. A. Pineda.. no futuro será igualmente importante examinar os desempenhos na BANC por parte de um grupo de crianças e adolescentes com dificuldades cognitivas evidentes identificadas pela WISCIII (por exemplo. A.. Semelhanças (Funções Executivas). Disposição de Gravuras (Funções Executivas)] os presentes resultados obtidos com uma amostra de crianças sem problemas clínicos e com um nível de desenvolvimento intelectual e escolar normais. sofisticado e rigoroso. Por isso. 8. 16 . é desejável prolongar este estudo deslocando a pesquisa das associações entre testes da BANC e a WISC-III. New York: Oxford University Press. & Rosselli. A. 2003. C. Odessa. Jacobs. Northam. 6. Anderson. Mazeau. por exemplo) ou educativa (dificuldades de aprendizagem). os estudos de análise factorial confirmatória da BANC poderão contribuir para clarificar o sentido das relações entre funções cognitivas mais específicas (atenção. E.. Bernstein.. M. Cohen. tornando-o mais diversificado. como é o caso da WISC-III. de um grupo normativo. Contudo.. os testes deste instrumento de avaliação (neuro)psicológica e. é desejável alargar a investigação a outras faixas etárias. M. Neuropsychology Review. ultrapassando assim alguns dos seus limites. contrariando de algum modo os dados sugeridos nalgumas revisões da literatura (cf. funções executivas. Informação (Memória Semântica). Developmental Neuropsychology. Developmental scoring system for the Rey-Osterrieth Complex Figure: Professional manual. (1996). Toward a model of neuropsychological activity. I. Por outro lado. por exemplo. crianças com QIs entre 75-85). (1997). Development of executive functions through late childhood and adolescence in an Australian sample. epilepsia. R. relativizam o uso isolado de testes da WISC-III como medida de funções cognitivas específicas. neste contexto. memória. para grupos relevantes de natureza clínica (traumatismo craniano. (2000). considerando agora grupos etários de 11 e 15 anos. FL: Psychological Assessment Resources. (2004). um mesmo constructo em grupos distintos (de idades distintas ou com e sem problemas clínicos ou educativos). linguagem) e o seu contributo ou relevância nos desempenhos numa medida clássica da inteligência. 15(1). 385-406. Baron. San Antonio: The Psychological Corporation. 20(1). D. M. é necessário pensar na possibilidade dos testes da WISC-III examinarem. (1998). entender melhor os resultados nesta investigação com a WISC-III. P. por exemplo. Ardila. Galeano. Children’s Memory Scale. L.S. M. D. Simões. Por um lado. Com algumas excepções [por exemplo. a este título. o presente estudo necessita de ser retomado noutros contextos. J. & Catroppa. 2002a). & Rosselli. Uma vez que a amostra desta pesquisa é constituída por crianças com QIs médios. 171–190. Neuropsychological evaluation of child. 7. Bibliografia Anderson.. 31-36. Relembre-se que a BANC está justamente adaptada e aferida para grupos que vão dos 5 aos 15 anos (n=1104).

Delis. Sheslow. D. Pereira. W. Yeudall. In R. and cognitive tempo define a second-order factor of temporal information processing. Prieto. L. & Lichtenberger. & Oliveira. R. M. M. Primi (Org. (2005). M. R. Stanford. Wechsler. Temas em Avaliação Psicológica (pp. Giordani. 2. Journal of Consulting and Clinical Psychology. New York: Wiley. K. (1993). Avaliação Psicológica: Instrumentos validados para a população portuguesa (Vol.pt/fpce/cientificas/projectos/projecto3] Simões. J. Évora: Universidade de Évora. NEPSY: A Developmental Neuropsychological Assessment. & Semrand-Clikeman. Albuquerque. (2002a). Kramer. D. 31. FL: Psychological Assessment Resources.. S. (1994).). E. 589-611. & Anderson. 299-327. Kirk.. R. C. Brain mechanisms and intelligence. U. Test of Memory and Learning: Examiner’s manual. (2008). Intelligence. E. & Ober. Ivani-Chalian.D. B. IQ level and performance on the HalsteadReitan Neuropsychological Test Battery for older children. Verbal skills. M. Simões. A compendium of neuropsychological tests: Administration. M. Utilizações da WISC-III na avaliação neuropsicológica de crianças e adolescentes. M. C. Comunicação apresentada no I Simpósio Internacional de Inteligência Humana. J. (1999). In K. 27(4). Avaliação neuropsicológica em crianças e adolescentes. R. J. Xavier. & Meyers.B... and commentary (3rd ed. New York: Oxford University Press. Almeida e C.. 918-946.. (2007). R. Psychometric g and executive functions. The Rivermead Behavioral Memory Test for children aged 5 to 10 years. H. M. D. Machado (Coords. S. E. Lezak. & Stefanyk. P. M.). B. Essentials of WISC-III and WPPSI-R assessment. Normative data stratified by age and sex for 12 neuropsychological tests. S. S. O. D. 12(23)..ª ed. (1999). B. & Spreen. Ellison. Test de Memoria y Aprendizaje: Manual de aplicación. M. D. J...Crinella. Kramer. Sherman. Valenstein (Eds. Seabra-Santos. D. J. Simões.. M. In M. Gomes. R.. L. Rey Complex Figure Test and Recognition Trial: Professional Manual. E. TX: Psychological Corporation. A. R. 406-413. Un modelo para evaluar la calidad de los tests utilizados en España. S. (2002). A. San Juan. San Antonio. Gonçalves. Delis. L. Clinical neuropsychology (3rd ed.uc. F. 26-34).. Colegios Oficiales d Psicólogos. F. A. A.. Odessa. (1990). Simões. (2001). norms. & Loring. E.). T. (2003). Seidenberg. & Bigler. Menezes Rocha e Carla Ferreira). J. M. Austin.. Simões. 113-132. DE: Jastak Associates. Campinas: Instituto Brasileiro de Avaliação Psicológica. O. (2005). Journal of Clinical Psychology. C. (1994). F.. B. Korkman. O. 17 .). pp. Reynolds. R. Child neuropsychology: Assessment and intervention for neurodevelopmental disorders. Damasio. The structure of the relationship between attention and intelligence. Strauss. E. Intelligence. California Verbal Learning Test – Children’s Version: Manual. Talley. Bateria de Avaliação Neuropsicológica de Coimbra (BANC). (1983).. R. K. Schweizer. Almeida.. (1996). A. (1995). Escala de Inteligência de Wechsler para Crianças-III (adaptação e aferição portuguesa: Mário R. 42(6). R. et al.. Wilson. J. C.. E. F.). M. revista e aumentada). S. (1986). & Muñiz. M. & Barrant. TX: Pro-Ed. Berent. J. E. 199-232. [site: http://www. New York: Springer Science. Relações entre desempenhos na WISC-III e na Bateria de Testes Neuropsicológicos de Coimbra: Estudo exploratório. T. Coimbra: Quarteto Editora. & Goldhammer.. (1993). Children’s Auditory Verbal Learning Test – 2: Professional manual.. M. E. R. (2006).T. D. E.. Kaplan. 409–460).. The frontal lobes. D. & Bigler. S.. 51 (3). & Boll. Lopes. M. (2004). A.. pp. J. New York: Oxford University Press. M. Neuropsychological assessment (4th ed. (2006). D. W. E. R. D. Simões. & Aldrich. TX: The Psychological Corporation. Rodrigues. 35-45. Wide Range Assessment of Memory and Learning: Administration manual. F. & Yu. Ferreira. WISC-III PI: Manual. I. Wilmington. Suffolk: Thames Valley Test Company. (1991). P. Kaplan. New York: Oxford University Press. Lisboa: CEGOC-TEA. Reddon.. (2000).. Heilman & E. 33.. M. Meyers. R. (1998). finger tapping. Odessa. Simões. Reynolds. Madrid: Tea Ediciones. Moosbrugger. (2002b). San Antonio. & Kemp. TX: The Psychological Corporation. Fein. Barros. C. J. Paidéia.W. Howieson.A. G. Brain and Cognition. San Antonio. FL: Psychological Assessment Resources. Fromm. Kaufman. L. W. TOMAL. Lança. & Adams.. Escala de Inteligência de Wechsler para Crianças – Terceira Edição (WISC-III). L..