Pedro Vitória

A memória
Os processos cognitivos mnésicos
A persistência da memória, Salvador Dali

A MEMÓRIA
• Depois de teres estudado a aprendizagem, vamos abordar a memória, que é a condição fundamental para aprender:
– sem memória não há aprendizagem. – Se não tivéssemos memória, estaríamos sempre a iniciar as aprendizagens porque estas não se consolidariam. – São as aprendizagens mantidas na memória que suportam as novas aprendizagens.

2 Pedro Vitória

A MEMÓRIA
• Eis um quadro com quatro colunas de nove letras:

Tentem memorizar o maior número de letras que consigam!
3 Pedro Vitória

A MEMÓRIA
• Tentem lembrar-se das letras que compõem o quadro
• Consegui-lo seria uma proeza digna de um mnemonista • Contudo as letras não foram escolhidas ao acaso: por colunas constituem palavras que, juntas, formam uma frase bem conhecida, utilizada em monumentos, medalhas comemorativas, etc:

• “Para perpetuar a memória do acontecimento”

4 Pedro Vitória

A MEMÓRIA • Neste tema abordaremos:
– 1. Conceito de memória; – 2. Tipos de memória;
5 Pedro Vitória

1. Conceito de memória
• Podemos definir memória como o processo cognitivo que permite integrar, reter e recuperar informação e recordar o que aprendemos. • A memória é:
– a função mental que permite reter informações, isto é, aprender; – o sistema de armazenamento que permite manter informações; – a capacidade de evocar, de recordar as informações retidas.

6 Pedro Vitória

1. Conceito de memória
• Sem memória, a aprendizagem não seria possível. Compreenderás melhor esta relação ao analisares o processo mnésico. A memorização, o processo mnésico, envolve três fases ou etapas:

Aquisição

Retenção

Recordação

7 Pedro Vitória

1. Conceito de memória
• Esclareçamos em que consiste cada uma destas etapas; – Aquisição - Fase que corresponde à entrada dos conteúdos na memória. – Retenção - Fase de armazenamento ou conservação dos conteúdos que podem ser mantidos por diferentes períodos de tempo. – Recordação - Fase de recuperação, de evocação dos conteúdos que adquirimos e retivemos.

8 Pedro Vitória

2. Tipos de memória
• Distinguem-se três tipos de memória: – memória sensorial; – memória a curto prazo; – e memória a longo prazo.

9 Pedro Vitória

2. Tipos de memória
• Memória sensorial • A memória sensorial é um tipo de memória que tem origem nos órgãos dos sentidos.
– Por isso, podemos falar de memória sensorial auditiva (ou ecóica), visual (ou icónica), olfactiva, etc. • As informações obtidas pelos sentidos são retidas por um curto espaço de tempo - entre 0,2 e 2 segundos. • Se a informação não for processada perde-se, se for processada passa para a memória a curto prazo.
10 Pedro Vitória

2. Tipos de memória
• Memória sensorial • Se não se lhes prestar atenção, as informações perdem-se. • Prestando-lhes atenção, os dados codificamse, e são transferidos para um outro depósito: • a memória a curto prazo.
11 Pedro Vitória

2. Tipos de memória
• Memória sensorial • Os dados sensoriais adquiridos serão codificados. • No exemplo, a palavra "rainha" pode ser codificada de diferentes maneiras, funcionarão como indícios para posterior recuperação.
Pedro Vitória

12

2. Tipos de memória
• Memória a curto prazo
• A memória a curto prazo é um tipo de memória que armazena a informação recebida pela memória sensorial • Os materiais são retidos durante cerca de 30 a 60 segundos. • De acordo com as investigações levadas a cabo sobre a memória, podemos conservar na memória a curto prazo cerca de 7 elementos (+/- 2).

A memória a curto prazo é como uma mão cheia de ovos; só consegue agarrar ao mesmo tempo um número limitado de elementos.
13

Pedro Vitória

2. Tipos de memória
• Memória a curto prazo • Esta capacidade pode ser aumentada se os itens forem associados em grupos. • Assim, é difícil reter a curto prazo o número de telefone: 0012122306083. • Contudo, é possível retê-lo se for lido por agrupamentos, como se indica ao lado:
14 Pedro Vitória

2. Tipos de memória
• Memória a curto prazo
• O tempo de retenção aumentará se repetirmos mentalmente a informação como, por exemplo, um número de telefone. • Este tipo de memória é também designada por memória de trabalho, operacional ou activa. • Os dados da memória a curto prazo, se forem processados, passam para a memória a longo prazo. • Para que a informação fique armazenada nesta memória é preciso que seja repetida e codificada.

15 Pedro Vitória

2. Tipos de memória
• Memória a longo prazo
• A memória a longo prazo é um tipo de memória alimentada pelos materiais da memória a curto prazo que são codificados em símbolos. • A informação enviada da memória a curto prazo é transformada à medida que vai sendo integrada. • A memória a longo prazo retém os materiais durante horas, meses ou durante toda a vida. • Codifica e retém material verbal em função da sua pertinência e do seu significado.
16 Pedro Vitória

2. Tipos de memória

17 Pedro Vitória

No quadro que se segue apresentamos, em síntese, as principais características dos três tipos de memória
Memória sensorial Tempo de Escassos armazenamen segundos to (0,2 a 2 seg.) Atenção Capacidade Nenhuma / muito pouca Limitada: a todos os dados registados pelos órgãos dos sentidos vê Quando se alguma coisa por instantes e nos pedem para recordar um pormenor. Memória a curto prazo 30 a 60 segundos Alguma 7 elementos (+ / - 2) Memória a longo prazo Horas, dias, meses, anos, toda a vida. Moderada Ilimitada

Exemplos

Consultamos um número na lista telefónica e recordamo-lo enquanto o discamos

Recordamos a casa onde passávamos as férias na nossa infância

18

Pedro Vitória

No quadro que se segue apresentamos, em síntese, as principais características dos três tipos de memória
Memória sensorial Material armazenado pelo sistema Formas de codificação do material para armazenament o Características do processo de recuperação Causas do esquecimento Padrões sensoriais não analisados no seu conteúdo O material é codificado de forma paralela à experiência sensorial Pela a atenção neles, antes que se esvaiam; vai automaticament e para a memória a curto Deterioração prazo Memória a curto prazo Material significativo interpretado O material verbal é codificado muitas vezes pelo som e poucas pela aparências ou Os dados são significado fácil e rapidamente recuperados durante cerca de 1 minuto Deterioração, interferência Memória a longo prazo Material significativo interpretado O material verbal é codificado muitas vezes pelo significado e poucas pela aparências ou Dificuldade som variável no processo. Depende da organização mental deda sua Falhas e acuidade codificação, de recuperação
Pedro Vitória 19

Tipos de memória de longo prazo
• Segundo os especialistas, a memória a longo prazo é constituída por dois subsistemas: • A memória declarativa (dividida em episódica e semântica); • E a memória nãodeclarativa ou procedimental.
20 Pedro Vitória

2. Tipos de memória a longo prazo
• A memória procedimental • É um tipo de memória a longo prazo constituída por capacidades motoras, habilidades, hábitos e respostas simples (fixadas por condicionamento clássico). • Estas aptidões são adquiridas mediante a prática e incluem actos como comer com faca e garfo, guiar um automóvel, andar de bicicleta, a cavalo, tocar piano, escovar os dentes, etc. • De aquisição relativamente lenta, uma vez adquiridas tornam-se comportamentos quase automáticos, executando-se com pouco esforço consciente e durando, em princípio, toda a vida.
21 Pedro Vitória

2. Tipos de memória a longo prazo
• A memória declarativa • É um tipo de memória a longo prazo que armazena factos, informações gerais e episódios ou acontecimentos pessoais. • Os conteúdos mnésicos da memória declarativa podem ser reactualizados de forma verbal ou recorrendo a imagens, embora, dada a tendência à reconstrução do material armazenado não seja muitas vezes fiável. • A memória declarativa subdivide-se em memória episódica e memória semântica.

22 Pedro Vitória

2. Tipos de memória a longo prazo
• A memória episódica • É a subdivisão da memória declarativa que contém a memória dos eventos ou episódios que vivemos pessoalmente. • É uma memória autobiográfica que armazena ou grava como se fosse um diário mental os episódios mais ou menos significativos da nossa vida. • O termo «episódica» não significa passageira ou temporária porque, com maior ou menor fidelidade grava os lugares onde estivemos, as pessoas que conhecemos e as nossas experiências pessoais em geral.
23 Pedro Vitória

2. Tipos de memória a longo prazo
• A memória episódica • Com base na memória episódica podemos declarar que estivemos em Barcelona por altura dos Jogos Olímpicos; • que começámos a estudar Inglês no 2.° Ciclo; • que aprendemos a conduzir um automóvel aos 18 anos; • que já contraímos sarampo e varicela quando frequentávamos o último ano do 1.° Ciclo; • E muitos outros exemplos que poderá acrescentar, inclusive que esteve nesta aula de Psicologia.

24 Pedro Vitória

2. Tipos de memória a longo prazo
• A memória semântica • É a subdivisão da memória declarativa especializada no armazenamento de conhecimentos gerais. • Enquanto a memória episódica é uma espécie de diário mental autobiográfico, a memória semântica é a nossa enciclopédia e dicionário mental. • Os factos e informações semânticos abstraem da ligação ao espaço e ao tempo, não são referidos enquanto vivências pessoais • Isto é, não nos lembramos exactamente onde e quando aprendemos a pronunciar certas palavras e onde e quando adquirimos dados, factos, conceitos e informações gerais.
25 Pedro Vitória

2. Tipos de memória a longo prazo
• A memória semântica • A memória semântica inclui conhecimentos gerais referentes a: • nomes, definições, conceitos, ideias e factos. • Com base na memória semântica podemos declarar:
– «D. Afonso Henriques foi o primeiro rei de Portugal e D. Manuel II o último»; – «O cão é um animal que ladra»; – «"Ir ao encontro de" é diferente de "ir de encontro a"»; – «Lisboa é a capital de um país chamado Portugal»; – «As regras básicas do ténis são estas...»; – «10x100 = 1000»
26 Pedro Vitória

27 Pedro Vitória

28 Pedro Vitória

A memória

FIM
• • • • Baseado e adaptado: Maria Antónia Abrunhosa e Miguel Leitão, Psicologia B, Edições Asa Luís Rodrigues, Psicologia 12.º ano, Plátano Editora, Lx, 2005 Manuela Matos Monteiro e Noémia Pereira, Psicologia, Acesso ao Ensino Superior 2005, Porto Editora

29 Pedro Vitória