Religião e política no alvorecer da

República: os movimentos de
Juazeiro, Canudos e Contestado
Jacqueline Hermann

FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucilia de
Almeida
Neves
(org). O
Brasil
Republicano. Vol. 1. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2003.

JACQUELINE HERMANN

FONTE: companhiadasletras.com.br

Nasceu no Rio de Janeiro,
em 1960. Formou-se em
história pela Universidade
Federal Fluminense, onde
obteve o mestrado e o
doutorado. É professora de
história
moderna
na
Universidade Federal do Rio
de Janeiro, autora de
diversos artigos sobre o
movimento de Canudos e
estudiosa dos messianismos
luso-brasileiros.

A nossa proposta é:
Discutir sobre os movimentos religiosos
populares da Primeira República tendo como
pano de fundo as transformações no cenário
político-institucional no contexto em questão.

Prelúdio...
A Igreja Católica no início da República: o fim
do padroado e do regalismo¹.
 Esforços de manutenção do poder e da
autonomia da Igreja.
 Fortalecimento
institucional
versus
incapacidade de controlar as reações
populares.

1- Poder de intervenção direta do imperador em assuntos eclesiásticos. (HERMANN, p.156, 2003)

Os Movimentos Messiânicos
Brasileiros
Primeiras análises...
 Ideia dos movimentos rústicos

Três exemplos a serem pensados:
A ausência de leis (anomia) nas sociedades
rústicas gera uma instabilidade habitual que
resulta na formação de solidariedades de
parentesco e compadrio (coronelismo).
 Os “males do monopólio da terra” resultaram na
formação de uma massa de marginalizados que
encontraram no crime e/ou religião sua forma de
expressão e luta social.
 A religião é parte essencial das sociedades
rústicas. Foi através do “catolicismo popular” que
os marginalizados construíram uma identidade
ao mesmo tempo marginal e autônoma.

Pré-conceito

Os Movimentos Messiânicos foram uma
forma de resistência encontrada pela
sociedade marginalizada de resistência à
modernidade.

Padre Cícero e o milagre do
Juazeiro
1889 – 1934;
 Região do Cariri – CE;
 Milagre de Maria de Araújo em 1889;
 Origem social do movimento: região pobre,
assolada por secas e que mantinha pouca
proximidade com catolicismo ortodoxo;
 Importância política de Padre Cícero;
-Primeiro prefeito de Juazeiro (1911);

Pacto dos coronéis;
 Fama de curandeiro, conselheiro, juiz e
médico;
 Excomunhão (1916);
 Crescimento das irmandades leigas que
respondem diretamente ao Padre Cícero;
 Dificuldade de análise do movimento do
ponto de vista religioso;
 Embora criticado pelo catolicismo oficial, o
movimento não formou um corpo doutrinário
autônomo;
 Morre em 1934;

“Desde os primeiros momentos que se seguiram ao
milagre, devotos e sobretudo beatas, tal como Maria
de Araújo, protagonista do acontecimento,
desempenharam papel fundamental ao lado de
padre
Cícero. Nove
delas
declararam-se
testemunhas do milagre e passaram a ter sonhos,
êxtases e revelações, entre as quais se incluía uma
visão apocalíptica da iminente destruição do mundo,
anunciada pela transformação da hóstia, decorrente
da derrubada da Monarquia, da perda de poder da
Igreja e da decretação do casamento civil. Os sinais
do Juízo Final pareciam claros”(HERMANN, p.136,
2003).

Antônio Conselheiro e
Canudos

Antônio Conselheiro e
Canudos

Antônio Vicente Mendes Maciel

O momento político dos conflitos

Combates
1º Combate:
3 oficiais
113 praças
2 guias

Combates
2º Combate:
10 oficiais
609 praças
2 canhões
3 metralhadoras

Combates
3º Combate e o Coronel Moreira César
1300 homens
1 brigada de infantaria
1 esquadrão de cavalaria
6 canhões
2 engenheiros militares
157 praças da polícia militar da Bahia

Combates
4º Combate:
Mais de 10000 homens

Os motivos da força usada

A Igreja e a figura de Antônio
Conselheiro
A dualidade de posições
 O papel de Frei Evangelista

Euclides da Cunha e a História
de Canudos
O choque de realidades constatado por
Euclides
 As teorias raciais em sua análise

Novas visões sobre Canudos

Luta pela terra

Conselheiro como missionário instruído

O problema com o conceito de “Messias”

Contestado: “desencantamento do mundo
tradicional do sertão” e resistência a “República
dos coronéis”

Os monges do Contestado, João Maria e José
Maria;
 João Maria, o pregador errante que anunciava
o fim do mundo;
 Morto entre 1904 e 1908, João condenava a
República e criticava a Igreja por falsear a
verdadeira religião.
 O sucessor e enviado de João Maria, José
Maria.

Contestado: “desencantamento do mundo
tradicional do sertão” e resistência a “República
dos coronéis”
 José Maria agregava fiéis e seguidores,
recebendo, deles, donativos;
 Estabelecimento de uma comunidade militar e
religiosa, com um Imperador próprio, em
Taquaraçu, em 1911;
 A reação dos líderes locais e o redespertar da
disputa fronteiriça entre Paraná e Santa
Catarina.

Contestado: “desencantamento do mundo
tradicional do sertão” e resistência a
“República dos coronéis”
 Agravando ainda mais os ânimos, há a presença
e ação da Brazil Railwail e Southern Brazil
Lumber & Colonization;
 Em 1912 o primeiro conflito armado do
Contestado resulta na morte de José Maria;
 Em fins de 1913, novo conflito, com o grupo
sob nova liderança.
 Poucos meses depois do último conflito, já em
1914, sucessivos combates entre as tropas
legalistas e os insurretos.

Contestado: “desencantamento do mundo
tradicional do sertão” e resistência a
“República dos coronéis”
 Composição e organização social
 Cerca de 12 mil componentes;
 Compostos por descendentes de poloneses,
italianos e negros;
 Eram majoritariamente pequenos agricultores
e criadores de gado, embora ricos fazendeiros
tenham aderido;
 Trabalho e ritos religiosos com divisão sexual;
papel de destaque às “virgens inspiradoras”.

Mapa: Mario Guilherme Leite.
Disponível em:
http://www.revistadehistoria.com.br/secao/capa/tragedia-anunciada

Conclusões




Todos esses movimentos foram produtos de um
quadro de crise que incluiu: mudanças estruturais
econômicas, transformações políticas e
desestabilização dos sistemas de referência cultural
e religioso.
Não é totalmente preciso tratar os três como
movimentos messiânicos ou milenaristas.
O contestado é o único que possuiu um Messias.
Canudos e Contestado tentaram construir cidades
santas, o primeiro logrou mais sucesso.
Padre Cícero, quem desafiou mais longamente os
princípios disciplinadores da Igreja

Conclusões
“Para melhor compreender e comparar essas e
tantas outras manifestações similares que o
Brasil já abrigou, é preciso percebê-las como
respostas locais e particulares a um conjunto
de transformações impostas pela mudança na
natureza do regime político brasileiro.”
(HERMANN, 2003,p.156)