You are on page 1of 83

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Direito Penal Terezinha Rêgo Lançado em: 04/05/2008 Revisado em: 17/01/2010 (3ª. Versão) .

.......................................................................................................................... 5 Aplicação da Lei Penal-01 .................................................................................................................. 32 contato@mapasequestoes............................................................................................... 26 Concurso de Pessoas – 03 – Participação................................ 16 Teoria do Crime-03– Teorias – 02 ....................................................... 11 Teoria do Crime-02-Fato Típico – 01......................... 23 Crimes Hediondos ...................................................................................... Co-autoria e Autoria ......................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 6 Aplicação da Lei Penal-01-Princípios.................................................................................................................................. 19 Teoria do Crime – Classificação ................................................................................................................................................................ 21 Tentativa – Detalhes ......................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................com......................................................................................................... 20 Tentativa x Consumação ...................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 24 Concurso de Pessoas – 01 .......................................................................... 31 Crimes contra Fé Pública........................................................................................................................................................................................... 18 Teoria do Crime – Dolo – Espécies ............................................................................................................................................................................................................. 27 Pena de Multa ...................................... 25 Concurso de Pessoas – 02 – Teorias ......................................................................................................................................... 8 Aplicação da Lei Penal-04-Tempo-01 ............................................. 28 Efeitos da Condenação........................................................................................Clássica e Social da ação .......................... 4 Direitos Fundamentais-03-Art 5º-02.......................................................................................................................................................Direito Penal www..............................................................................................................................................................................................................................................................br 2 ...................................................................................................................................................................................................................................................................... 17 Teoria do Crime – Dolo e Culpa ..................... 12 Teoria do Crime-02-Fato Típico – 02 – Conduta ....................................................... 3 Direitos Fundamentais-03-Art 5º-01.................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 14 Teoria do Crime-02-Fato Típico – 04 – Resultado ............................................................................ 22 Arrependimento e Crime Impossível ....................................................................br Conteúdo Contravenção Penal – Parte Geral ...................................................................................................................................................... 9 Aplicação da Lei Penal-04-Tempo-02 ................................................................................................................................................................................. 10 Teoria do Crime-01-Conceitos – 01 .... 7 Aplicação da Lei Penal-03-Espaço ................................................................................................................................................................................................................................................................ 13 Teoria do Crime-02-Fato Típico – 03 – Nexo Causal .......................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................com..................................................................................................................... Prevaricação e Concussão........................................... 30 Crimes contra Administração Pública – Peculato.......Finalística ............................................................................................................................................ 15 Teoria do Crime-03– Teorias – 01 ................................................................................................................. 9 Aplicação da Lei Penal-04-Tempo-01 ....................................................................................................................................................................................................................................................................................mapasequestoes........................................................................................................ 29 Efeitos da Reabilitação ...............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................

mapasequestoes.com.com.br Contravenção Penal – Parte Geral contato@mapasequestoes.br 3 .Direito Penal www.

Direito Penal www.com.br Direitos Fundamentais-03-Art 5º-01 contato@mapasequestoes.com.mapasequestoes.br 4 .

br 5 .Direito Penal www.com.mapasequestoes.com.br Direitos Fundamentais-03-Art 5º-02 contato@mapasequestoes.

Direito Penal

www.mapasequestoes.com.br

Aplicação da Lei Penal-01

contato@mapasequestoes.com.br

6

Direito Penal

www.mapasequestoes.com.br

Aplicação da Lei Penal-01-Princípios

Legenda CP:Código Penal

contato@mapasequestoes.com.br

7

Direito Penal

www.mapasequestoes.com.br

Aplicação da Lei Penal-03-Espaço

contato@mapasequestoes.com.br

8

Direito Penal

www.mapasequestoes.com.br

Aplicação da Lei Penal-04-Tempo-01

contato@mapasequestoes.com.br

9

Direito Penal www.mapasequestoes.com.com.br Aplicação da Lei Penal-04-Tempo-02 contato@mapasequestoes.br 10 .

mapasequestoes.Direito Penal www.br Teoria do Crime-01-Conceitos – 01 contato@mapasequestoes.br 11 .com.com.

br Teoria do Crime-02-Fato Típico – 01 contato@mapasequestoes.mapasequestoes.br 12 .com.com.Direito Penal www.

Direito Penal www.com.mapasequestoes.com.br 13 .br Teoria do Crime-02-Fato Típico – 02 – Conduta contato@mapasequestoes.

com.br 14 .Direito Penal www.mapasequestoes.com.br Teoria do Crime-02-Fato Típico – 03 – Nexo Causal contato@mapasequestoes.

br 15 .com.com.Direito Penal www.mapasequestoes.br Teoria do Crime-02-Fato Típico – 04 – Resultado contato@mapasequestoes.

Direito Penal www.br Teoria do Crime-03– Teorias – 01 .mapasequestoes.br 16 .com.com.Finalística contato@mapasequestoes.

br Teoria do Crime-03– Teorias – 02 .Direito Penal www.mapasequestoes.com.com.br 17 .Clássica e Social da ação contato@mapasequestoes.

mapasequestoes.com.com.br Teoria do Crime – Dolo e Culpa contato@mapasequestoes.br 18 .Direito Penal www.

br 19 .com.br Teoria do Crime – Dolo – Espécies contato@mapasequestoes.Direito Penal www.com.mapasequestoes.

mapasequestoes.br Teoria do Crime – Classificação contato@mapasequestoes.Direito Penal www.br 20 .com.com.

com.br 21 .com.Direito Penal www.br Tentativa x Consumação contato@mapasequestoes.mapasequestoes.

br Tentativa – Detalhes contato@mapasequestoes.com.Direito Penal www.com.mapasequestoes.br 22 .

br 23 .Direito Penal www.mapasequestoes.com.br Arrependimento e Crime Impossível contato@mapasequestoes.com.

com.Direito Penal www.br 24 .mapasequestoes.com.br Crimes Hediondos contato@mapasequestoes.

br 25 .br Concurso de Pessoas – 01 contato@mapasequestoes.com.com.Direito Penal www.mapasequestoes.

com.mapasequestoes.com.br 26 .br Concurso de Pessoas – 02 – Teorias contato@mapasequestoes.Direito Penal www.

com.br 27 .br Concurso de Pessoas – 03 – Participação. Co-autoria e Autoria contato@mapasequestoes.com.Direito Penal www.mapasequestoes.

br Pena de Multa contato@mapasequestoes.com.br 28 .Direito Penal www.mapasequestoes.com.

mapasequestoes.com.br 29 .com.Direito Penal www.br Efeitos da Condenação contato@mapasequestoes.

com.br 30 .br Efeitos da Reabilitação contato@mapasequestoes.mapasequestoes.com.Direito Penal www.

br Crimes contra Administração Pública – Peculato.com.com.br 31 .Direito Penal www. Prevaricação e Concussão contato@mapasequestoes.mapasequestoes.

br Crimes contra Fé Pública contato@mapasequestoes.mapasequestoes.com.Direito Penal www.com.br 32 .

� Força maior: independe do controle do sujeito. TEORIA PSICOLÓGICA Como Predicado do Crime CONCEITO: dolo e culpa deixam de ser espécies de culpabilidade e passam a ser elementos. EXEMPLO: � Erro de Proibição é a má interpretação da lei. onde somente uma ação ou omissão pode ser típica. INIMPUTABILIDADE (art. Difere da coação física que exclui a própria ação. deve estar presente a impossibilidade do agente alcançar o entendimento da ilicitude de sua conduta. como proibição. significa a possibilidade do agente saber que as circunstâncias do fato que pratica o caracterizam como POTENCIAL CONSCIÊNCIA DE ILICITUDE típico e ilícito é a condição de exigir do agente que atue conforme o direito. � Apenas amenizam a pena.: manter conjunção carnal consentida com mulher alienada mental. 22 do CP) Como FUNDAMENTO da PENA Como elemento da DETERMINAÇÃO EMOÇÃO E PAIXÃO é a medida da culpabilidade Triplo sentido co conceito OPOSTO da RESPONSABILIDADE Objetiva CONCEITO: Visava apenas a relação subjetiva entre autor e fato. os aspectos psicológicos do dolo bem como a culpa passam a integrar o tipo subjetivo do injusto. se não tiver agido com DOLO ou CULPA os diferentes elementos do crime estão ligados por uma relação lógica. afastando-se um dos requisitos. pois o sujeito não delibera para a causa). essa era apenas pressuposto da culpabilidade. como ação. AVALIAÇÕES: Não é o desconhecimento da lei. � Não são causas de exclusão da culpabilidade. � Caracteriza-se pelo cumprimento de ordem de superior. (adotado pelo CPB) é a capacidade de ser culpável. seria (resultou nas atrocidades considerado inculpável. mas o sujeito desconheça essa ilegalidade. eram eles a própria culpabilidade. � Três considerações: a LEI. a culpabilidade não será excluída. . penalista alemão: “o criminoso habitual que vive em uma comunidade onde dolo pela conduta de vida e sua conduta é normal. � Caracteriza a inexigibilidade de conduta diversa. é a má interpretação do direito de exercer UMA JUSTIFICANTE ou dos limites dessa justificante. somente essa por sua vez pode ser antijurídica e somente uma ação ou omissão típica e antijurídica pode ser culpável. A essência da culpabilidade se radica no “poder fazer algo em lugar de fazer a sua conduta antijurídica”. � Obediência hierárquica: requer relação de direito público. � Teoria adotada: actio libera in causa – ação deliberada para a causa. como no caso da coação. nem o fato. � o objeto do erro de proibição não é a lei. O erro de proibição é normativo. como atenuantes ou causas de diminuição. OBEDIÊNCIA HIERARQUICA ou seja. � Afasta a potência consciência da ilicitude. ou seja. o fato torna-se atípico. passa a ser a reprovabilidade da vontade externada no fato. ( deve ser completa) � Caso fortuito: o sujeito ignora a natureza tóxica do que está ingerindo. eliminando o poder de escolha do sujeito. a contrariedade do fato em relação a lei. � Ex.: imputa falso crime a alguém. CRITICAS: se o dolo é também normativo então um Mezger. se evitável diminui a pena. � Coação moral irresistível: advém da ameaça. CRITICAS: Crítica a teoria: inconcebível tratar a culpabilidade meramente como psicológica pois dolo é psicológico (vontade). tornando a conduta atípica. diante as circunstâncias. psicológicos) e consciência da ilicitude (elem. mas crê que o plantio da maconha como remédio é permitido – age em erro de proibição. EMBRIAGUEZ ACIDENTAL EMBRIAGUEZ E SITUAÇÕES ANÁLOGAS Ele sabe que é tóxico mas não pode impedir. � O temor reverencial não é considerado irresistível. que não seja manifestamente ilegal. Excluído o dolo. previsão (elem. � Espécies de embriaguez: � Não acidental: voluntária ou culposa � Preordenada: embriaga-se p/ praticar o crime � Patológica: torna o sujeito inimputável (doença mental) � Acidental: caso fortuito ou força maior ( a única que exclui a culpabilidade. o FATO. normativo). É acrescida a culpabilidade a teoria dos valores ( juízo de valoração a respeito do agente). � A contrariedade da norma deve estar disseminada na comunidade a que pertence o agente. O sujeito crê ser permitido agir de determinada forma. a sujeito age em legítima defesa e crê poder matar seu agressor mesmo que isso não seja necessário. Ex. acreditando que tenha ocorrido. ignorando que a violência é presumida. age em erro sobre a antijuridicidade. Ex. CARACTERISTICAS:possui somente elementos normativos. � Ex. mas a contrariedade a ela.COAÇÃO MORAL IRRESISTIVEL � Caracteriza a inexigibilidade de conduta diversa. que EXIGIBILIDADE DE CONDUTA DIVERSA pratique uma conduta que não a ilícita ERRO DE PROIBIÇÃO TEORIA PISICOLÓGICO-NORMATIVA: Culpabilidade ninguém responderá a um resultado absolutamente imprevisível. é moral e abstrata. a culpa não possui caráter psicológico. � SUPÕE PERMITIDA UMA CONDUTA PROIBIDA. prático da diferença: � O agente planta em sua residência uma erva que acredita ser medicinal e não sabe que trata-se de maconha – age em erro de tipo. a ILICITUDE é a relação de contradição entre a lei e o fato. Erra quanto ao requisitos da justificante. � Para que se caracterize o erro de proibição justificável. e tão somente de direito público. � O erro de proibição se inevitável: exclui a culpabilidade. dependendo do juízo de valoração da conduta. É composta de dois requisitos: um cognitivo (capacidade de compreensão do injusto) e outro volitivo ( capacidade de determinação da IMPUTABILIDADE vontade livre e consciente acerca dessa compreensão). Essa é composta de dois elementos: consciência da ilicitude e dever de informar-se. tem que ser apenas ILEGAL.: quem acredita ter o direito de subtrair coisa alheia. MODALIDADES: ERRO INDIRETO: ou erro de permissão. logo não podem ser partes de um denominador comum. é material e concreto. mas a ilicitude. não possuiria a consciência da não pelo fato praticado” ilicitude. 26. � Exceto se caracterizarem estado patológico. � Erro de proibição: o agente supõe lícita sua conduta. A culpabilidade caracterizava-se pelo simples fato de ter o agente agido com DOLO ou CULPA. ELEMENTOS: imputabilidade – dolo e culpa – exigibilidade de conduta diversa O DOLO passa a ser considerado por três elementos: vontade. do CP) CAUSAS DA EXCLUSAO: ERRO DE PROIBIÇÃO (art. ou seja. pressiona a sua vontade que deixa ser livre. logo aquele que tem sua Nazistas) conduta como a mais censurável. � Ex. Teorias TEORIA NORMATIVA PURA: ERRO E TIPO ELEMENTOS possibilidade de aplicação da pena ao autor de um fato típico e antijurídico � Erro de tipo é a falsa compreensão sobre um dos elementos do tipo. por não saber que era falsa a imputação. � Se a embriaguez não é acidental ou patológica. 21 do CP) INEXIGIBILIDADE DE CONDUTA DIVERSA (art. Admitia somente a imputabilidade como capacidade de ser culpável. � O agente planta em sua residência uma erva que sabe que é maconha. ERRO DIRETO:é a má interpretação da norma incriminadora. � O erro de proibição afasta a potencial consciência da ilicitude.