Não Tropece na Língua nº 112 - 2ª Edição Maria Tereza de Queiroz Piacentini EIS QUE, POSTO QUE --- Qual o real

significado da expressão ‘posto que’? é correto dizer ‘eis que’? Como exemplo: Ela não vai à escola eis que está doente. Alexandre Godoy, Campinas/SP A. POSTO QUE é uma locução conjuntiva de valor concessivo e também, modernamente, de valor explicativo ou causal.

Originalmente, posto que se enquadrava apenas nas conjunções concessivas, as quais dão a idéia de concessão [posto que = pondo-se (a concessão) que...]. Como tal, rege o subjuntivo e tem como “irmãs”: embora, ainda que, se bem que, conquanto, mesmo que.
Posto que seja

fácil, sempre tenho dúvidas. [Ainda que seja fácil]

O trabalho, posto que fosse árduo, acabou no prazo. [embora fosse árduo] Aceitamos o acordo, posto que não agrade a todos. [conquanto desagrade a todos] Entretanto, vejamos outro tipo de frase relativamente comum, em que as orações introduzidas por “posto que” não traduzem a mesma idéia das concessivas acima: Aceitamos o acordo posto que agrada a todos.< /span> A denúncia foi julgada improcedente, posto que não havia prova da contravenção. Observe que, diferentemente das concessivas, o verbo está no modo indicativo. Neste caso seu sentido é explicativo/causal: </

p>
Aceitamos o acordo, pois / já que / porque agrada a todos. A denúncia foi julgada improcedente, visto que não havia prova da contravenção. Se a conjunção não pudesse ser causal, como é que iríamos interpretar o Soneto de Fidelidade, de Vinicius de Moraes? Relembremos seus últimos versos: E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama Eu possa me dizer do amor (que tive): Que não seja imortal posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure.

Não se pode precisar quando e por qual razão o posto que concessivo foi desembocar no posto que causal. Mas pode ter sido por influência castelhana: puesto que é explicativa/causal. Aliás, o mesmo fenômeno evolutivo aconteceu no espanhol, em cuja literatura clássica se encontra “puesto que” com valor concessivo. B. EIS QUE é uma locução que originalmente tinha o sentido temporal, equival ente a quando e a eis senão quando: Seguia o monge pelo caminho, meditando com a natureza, eis que um asno lhe interrompe a concentração e o andar. Aconteceu com essa expressão um fenômeno semelhante a posto que: de temporal, eis que passou a causal, sobretudo nos meios forenses. O seu significado, neste caso, é igual a visto que, já que, uma vez que, porquanto: Foi-lhe dado o direito de aduzir suas razões, eis que a ampla defesa é essencial à legitimidade do processo. Mais uma vez ficou claro que há muitos palpiteiros no campo do Direito Desportivo, eis que o texto do art. 93 da LGSD, na redação que lhe foi dada pela Lei nº 9.981/00, é de clareza irretorquível.
* Maria Tereza de Queiroz Piacentini Diretora do Instituto Euclides da Cunha e autora dos livros 'Só Vírgula', 'Só Palavras Compostas' e 'Língua Brasil – Crase, pronomes & curiosidades' - www.linguabrasil.com.br